Você está na página 1de 10

FACULDADES INTEGRADAS APARÍCIO CARVALHO – FIMCA

CURSO DE MEDICINA

EDILSON MOREIRA BORGES


HANNA PRISCYLLA LOURENÇO DA SILVA
LARISSA BEATRIZ PIRES E SILVA
MARINA TERRA PEIXOTO
PATRÍCIA APARECIDA ANTONELLI
SARAH CARVALHO NOGUEIRA

RELATÓRIO DE BIOQUÍMICA
EXTRAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE CARBOIDRATOS

PORTO VELHO/RO
2017
EDILSON MOREIRA BORGES
HANNA PRISCYLLA LOURENÇO DA SILVA
LARISSA BEATRIZ PIRES E SILVA
MARINA TERRA PEIXOTO
PATRÍCIA APARECIDA ANTONELLI
SARAH CARVALHO NOGUEIRA

RELATÓRIO DE BIOQUÍMICA
EXTRAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE CARBOIDRATOS

Trabalho apresentado como requisito parcial


para composição da nota bimestral da disciplina
de Bioquímica apresentado às Faculdades
Integradas Aparício Carvalho – FIMCA.

Professora: Drª Leda Fabielen Teixeira

PORTO VELHO/RO
2017
SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO
O açúcar e o amido são um dos elementos mais importantes constituintes das dietas em várias
partes do mundo, sendo que a oxidação de tais carboidratos citados é a principal via metabólica
fornecedora de energia da maioria das células não fotossintéticas (LEHNINGER, 2006).

É notável a importância dessas biomoléculas para os seres vivos, uma vez que os carboidratos
exercem funções importantes tais quais como: armazenamento e fornecimento de energia, além
de papel estrutural, fornecendo rigidez às cascas e polpas de algumas frutas (pectinas) e
contribuindo para a formação da parede celular vegetal (NEVES. V et al, 2016).

Os carboidratos são poli-hidroxialdeídos ou poli-hidroxicetonas, ou substâncias que geram


esses compostos quando hidrolisadas, podemos ainda dividir os carboidratos em três principais
classes: monossacarídeos, dissacarídeos e polissacarídeos.

O amido é um polissacarídeo por ser formado pela união sucessiva de várias moléculas de α-
glicose. Ele é formado por dois polissacarídeos, amilose e amilopectina, que são constituídos
de moléculas de α-glicose, mas são ligeiramente diferentes. A amilose corresponde a um
polímero de cadeia normal com mais de 1000 moléculas de α-glicose unidas por meio de uma
ligação α-1,4’-glicosídica e está presente na proporção de 20 a 30%. A amilopectina
corresponde aos demais 70 a 80% do amido e é constituída por cadeias longas e ramificadas de
unidades de α-glicose unidas entre a ligação α -1,4’- glicosídica.. (FOGAÇA, 2012).

O amido está presente em raízes, frutos, tubérculos e sementes, tendo como função armazenar
a energia coletada pela fotossíntese. Entre as principais fontes de amido na alimentação estão
batatas, ervilhas, feijões, arroz, milho e farinha.
2 OBJETIVOS
Extrair, purificar e secar o amido da batata para a reação de identificação com o iodo e reação
qualitativa de identificação de açúcares redutores no amido utilizando o reagente Benedict.
3 MATERIAL E MÉTODOS
Vidrarias:
• 02 béqueres de 100 mL;
• 01 béquer de 150 Ml;
• 01 funil para filtração;
• Bastão de vidro;
• 05 tubos de ensaio
• 1 pipeta de vidro de 5mL;
• 1 pipeta automática de 1mL;
• 3 Tubos de ensaio.

Reagentes:
• Solução de amido (extraída da batata);
• Lugol;
• Reagente de Molisch;
• Ácido sulfúrico;
• Sulfato de amônio;
• Álcool etílico;
• Reagente de Benedict;
• Solução de Glicose 1%;
• Solução de Sacarose 1%.

Acessórios:
• Bico de Bunsen;
• Banho-maria;
• Estante para tubos de ensaio;
• Gaze;
• Colheres descartáveis;
• Filtros de papel;
• Estante para tubos de ensaio;
• Pinça;
• Papel Toalha;
• 1 pipeta descartável de 1mL;
• Ponteira para pipeta de mL;
• Descarte para pipetas;
• Frasco com água destilada.

Extração do amido: com uso da colher descartável realizou-se a raspagem da batata. Com a
raspa obtida, a mesma foi transferida para um béquer de 100 mL. Foram adicionados 50 mL de
água destilada. Com o uso do bastão passou-se a agitar vigorosamente a mistura. O material foi
filtrado com o auxílio de uma gaze (essa gaze ao final foi delicadamente espremida para retirada
total do liquido) e transferido para um béquer de 150 mL. A mistura manteve repouso por 10
minutos, para que o amido fosse precipitado, e logo em seguida foi removido cuidadosamente
o líquido encontrado superiormente ao mesmo. O amido obtido, depois, foi utilizado para o
preparo de uma solução.

Preparo da solução de amido: foi submetido a fervura aproximadamente 50 mL de água em


um béquer. Foi acrescentado aproximadamente 50 mL de água fria ao depósito de amido obtido
anteriormente. A água fervente foi sendo acrescentada a essa mistura lentamente e com
constante agitação. O aquecimento foi continuado até que fosse obtido uma solução
opalescente. Esta solução foi utilizada para as reações de caracterização e precipitação.

Reações de caracterização do amido:


Reação com o iodo: em um tubo de ensaio foi colocado com ajuda da pipeta 2 mL da solução
de amido. Após, adicionado 3 gotas de lugol, foi possível notar o aparecimento de cor azul
intensa. Foi submetido ao aquecimento diretamente na chama. Logo após o resultado do
aquecimento, foi submetido a agua ambiente corrente para observação.

Precipitações com solução salina saturada: em um tubo de ensaio foi colocado com ajuda da
pipeta 5ml da solução de amido. Depois foi adicionado 5ml de solução saturada de sulfato
amônio, que foi agitado fortemente. Foi colocado em repouso por 10 minutos, e depois filtrado.
Foi verificado o que pôde ser notado em relação à presença de amido no filtrado e no precipitado

Precipitações com álcool etílico: em um tubo de ensaio foi colocado com ajuda da pipeta 5mL
de solução de amido. Depois foi adicionado 5mL de álcool etílico, que foi agitado e depois
filtrado. Foi verificado o amido como no experimento anterior.
Procedimento dos carboidratos redutores: foram identificados os tubos de ensaio como
Glicose (Tubo 1), Sacarose (Tubo 2) e Água (Tubo 3). Depois com auxílio da pipeta de 5mL
foi pipetado para os três tubos de ensaio 5mL do reativo de Benedict. Acrescentado ao primeiro
tubo 5mL de glicose. Acrescentado ao segundo tubo 5mL de sacarose e ao terceiro 5mL de
água destilada, que vai serviu como um controle negativo, com pipetas de 1mL. Foram agitados
até serem homogeneizados. Foi posto em banho-maria fervente por cinco minutos e observado.
4 RESULTADOS E DISCUSSÃO
No tubo em que foi adicionado lugol na solução de amido, observou-se o aparecimento
da coloração azul intensa, porém quando é aquecido se torna uma solução translucida, devido
ao fato de que o lugol se dissocia. Quando o tubo foi resfriado em água corrente, a coloração
azul intensa retornou, pois, as cadeias helicoidais da amilose prenderam o iodo, o que
caracteriza a coloração observada.
No tubo em que foi adicionada a solução de sulfato de amônio e aguardado 10 minutos,
para que houvesse a precipitação do amido. Isso ocorreu, pois, o sal é muito solúvel aumenta a
força iônica desidratando o amido, fazendo com que ele se precipite. Então, no teste de filtração,
a solução filtrada continha pouco amido (verificado pelo lugol) e a maior parte ficou retida no
filtro, como o esperado, dessa forma, a precipitação foi boa para a retirada do amido.
No tubo que continha álcool etílico, após a filtração, observou-se mais uma vez pela
utilização de lugol que restou pouco ou nenhum amido na solução filtrada, o qual ficou retido
no filtro. Isso ocorreu pelo fato de o álcool ser um composto orgânico extremamente solúvel
em água, o que contribui para romper as interações de amido-água, dessa forma, favorecendo a
precipitação do amido.
Para o experimento de carboidratos redutores, observa-se que os açúcares que apresentam
a hidroxila livre no C-1 são bons agentes redutores. Por esse motivo a extremidade que contém
o -OH passa a ser chamada extremidade redutora e o carboidrato, de carboidrato redutor. A
capacidade que esses compostos apresentam de reduzir íons metálicos em soluções alcalinas é
um bom método de identificação desses compostos.
Foi realizado então o reste de Benedict, em que cada um dos três tubos apresentou um
resultado após os 5 minutos de banho maria:
Tubo 1: (Glicose) observou-se a mudança de cor de azul para laranja, pois nessa reação
o Cu2+ do reagente de Benedict foram reduzidos a Cu+, indicando a presença de um
carboidrato redutor.
Tubo 2: (Sacarose) como esperado não ocorre mudança de coloração, permanecendo o
azul, o que indicaria resultado negativo para a presença de carboidrato redutor. No entanto, ao
realizar o experimento, devido ao material utilizado, a solução estava contaminada e, portanto,
houve uma leve mudança na coloração, o que não deveria ter ocorrido.
Tubo 3: (Água) como era de se esperar, o resultado foi negativo, não ocorrendo mudança
na coloração, uma vez que não continha carboidrato redutor na solução.
5 CONCLUSÃO
Nesta experiência abordamos o assunto de carboidratos através da extração de amido de
uma batata. Foi possível perceber no presente trabalho que os experimentos realizados são de
fácil preparação e que podem ser utilizados para introduzir e/ou revisar conceitos químicos e
bioquímicos, sobretudo no que diz respeito à compreensão de conceitos relacionados à esse
grupo orgânico de substâncias, os carboidratos, como mencionados anteriormente.
Foi alcançados todos os objetos de estudos que foram propostos, uma vez que foi previsto
a extração do amido da batata e as técnicas aplicadas para formação da solução final que, foram
atingidos.
Ao final do experimento concluiu-se que o amido possui uma característica anfipática, ou
seja, são moléculas que apresentam por natureza, uma região hidrofílica e outra hidrofóbica,
isso se dar pelo fato de terem como composição a amilose e a amilopectina. É cabível ressaltar-
se também, a importância da utilização da água destilada, por funcionar como o grupo de
controle dessa experiência.
Por fim, os resultados encontrados foram condizentes com o que foi encontrado nas
literaturas, o que indica que foi obtido sucesso na realização do experimento, sem qualquer tipo
de intercorrência que pudesse atrapalhar a obtenção dos mesmos.