Você está na página 1de 4

EXMO. SR. DR.

JUIZ DA 38ª ZONA ELEITORAL DO MUNICÍPIO


TERESÓPOLIS/RJ.

A Coligação “A FORÇA DO BEM”,


composta, para a eleição majoritária, pelos partidos PMDB, PCdoB, PTdoB,
PV, PRB e PSC, vem, por seus procuradores que a esta subscrevem, cujo
competente instrumento de mandato, nos moldes do parágrafo único do
art. 24 da Resolução nº 22.624 do TSE, se encontra devidamente
arquivado neste Cartório Eleitoral, com fulcro no art. 22 da Lei
Complementar nº 64 de 1990 requerer a presente

INVESTIGAÇÃO ELEITORAL

em face de GILBERTO P. editor do Jornal A VERDADE DE TERESÓPLIS,


cujo endereço para notificação é: Avenida Lúcio Meira nº 100 sala 701 –
Várzea – Teresópolis/RJ, telefone 21-2743-6462; MÁRIO DE OLIVEIRA
TRICANO, brasileiro, casado, advogado, candidato a prefeito pela
Coligação Nossa Nova Teresópolis, podendo ser encontrado nesta Cidade
na Rua Coronel Antonio Santiago nº 250, Agriões; e, COLIGAÇÃO NOSSA
NOVA TERESÓPOLIS, cujo endereço do comitê é: Rua Coronel Antonio
Santiago nº 250, Agriões – Teresópolis/RJ, este na pessoa de seu
representante legal, pelas razões de direito a seguir aduzidas:

DOS FATOS

O Jornal A VERDADE, na edição de nº 245,


que circulou no dia 30 de agosto de 2008, traz em sua 1ª página a
seguinte manchete: FALÊNCIA - Certef é interditada e Faria Cai,
destacando fotografia do candidato a Prefeito, José Carlos Faria.

A matéria em apreço é eivada de


indiscutível maledicência, porquanto tenta induzir o eleitorado a uma
afirmação falsa, eis que anuncia uma FALÊNCIA inexistente, vez que a
demanda que envolve a Certef e a Ampla, além de não ser uma Ação
Falimentar, pois se refere a uma ação de cobrança, a mesma ainda está
sub-judice, em grau de recurso, aliado ao fato de que seu presidente, o
atual candidato a Prefeito José Carlos Faria, é o gestor de fato e de direito
daquela cooperativa.

Frise-se também, que a ação em comento


desenrola-se desde o ano 2000, e somente agora foi prolatada a sentença
de 1º grau, não havendo qualquer menção ao valor atualizado do suposto
débito da cooperativa para com a Ampla, conforme noticiado de maneira
espetaculosa e inverídica. A parte dispositiva da sentença, conforme se
constata na página 5 do semanário, não faz qualquer menção ao valor
devido, sendo uma ilação da parte do articulista, tentando, repita-se,
denegrir a imagem do prefeitável José Carlos Faria.

Saliente-se Excelência, que o editor do


Jornal A VERDADE exerce o cargo de assessor parlamentar da candidata
a Vice-Prefeita Srª LUCIA ELENA DA SILVA RODRIGUES, conhecida por TIA
LÚ, conforme documento acostado.
DO DIREITO

Como é cediço, a Lei Complementar nº 64


de 1990, em seu art. 22 caput, norma cogente, de direito público, assim
determina:

Art. 22. Qualquer partido político, coligação, candidato ou Ministério Público


Eleitoral poderá representar à Justiça Eleitoral, diretamente ao Corregedor-
Geral ou Regional, relatando fatos e indicando provas, indícios e
circunstâncias e pedindo abertura de investigação judicial para apurar uso
indevido, desvio ou abuso do poder econômico ou do poder de autoridade, ou
utilização indevida de veículos ou meios de comunicação social, em benefício
de candidato ou de partido político, obedecendo o seguinte rito:
........

Denota-se o caráter intencional dos


Representados em denegrir a figura do candidato a prefeito da
Representante, utilizando-se, para tanto, do meio de comunicação social,
ou seja, em um jornal cujo editor e diretor é funcionário direto da
candidata a vice-prefeita da coligação Representada, consoante
documento em anexo, em flagrante desrespeito à legislação em vigor.

DO PEDIDO

Pelo exposto, requer a Vossa Excelência:

a) A abertura da competente Investigação Eleitoral, com vista


à apuração dos fatos articulados;
b) A notificação dos Representados, para, querendo,
responderem aos termos da presente, no prazo de lei;
c) Seja suspensa a publicação de notícias que similares às que
deram causa à presente Investigação, envolvendo o nome do
candidato José Carlos Faria e de seu vice-prefeito Nilton
Salomão;
d) Seja ao final julgada procedente esta Representação, com a
conseqüente declaração de inelegibilidade do candidato
Representado, tudo nos termos do art. 22 e incisos da LC
64/90.

Termos em que,
P. Deferimento.

Teresópolis, 1º de setembro de 2008.

JORGE SPINELLI
OAB/RJ-75.362

IENSUNY MOUZINHO MORAIS


OAB/RJ-69256

MAURO CEZAR ESTEVES DA CUNHA


OAB RJ 56.268

YARA DE OLIVEIRA ALMEIDA


OAB/RJ 163.234E