Você está na página 1de 2

Centro de Investigação em Saúde de Manhiça (CISM) foi criado em 1996 com o objectivo de impulsionar

e conduzir investigação biomédica em áreas prioritárias de saúde. Desde a sua criação, o Centro
desenvolveu-se seguindo a orientação de um Programa de Cooperação Bilateral entre os Governos de
Moçambique e de Espanha e com o apoio do Hospital Clínic da Universitat de Barcelona (por via da
Fundação Clínic per la Recerca Biomédica).

Este modelo permitiu o crescimento e desenvolvimento do CISM durante 12 anos. Nos últimos anos
identificou-se a necessidade de dotar o CISM de uma estrutura legal moçambicana, que permitisse a sua
sustentabilidade e autonomia a longo prazo, mantendo ao mesmo tempo, o envolvimento e compromisso
dos parceiros que o formam. Como resposta à esta necessidade foi criada em Fevereiro de 2008 a
Fundação Manhiça (FM).

Esta Fundação é uma instituição sem fins lucrativos, criada pelos Governos Moçambicano e Espanhol, o
Instituto Nacional de Saúde de Moçambique (INS), a Fundação Clínic per la Recerca Biomédica e o Dr.
Pascoal Mocumbi como membro fundador honorário. A FM é dirigida pelo Conselho de Patronos
(presidido pelo Dr. Leonardo Simão) e pelo Conselho de Administração. Estes conselhos são assessorados
pelo Conselho Científico Externo. A criação da Fundação foi um dos marcos mais importantes no
desenvolvimento do Centro.

O Centro tem contribuído para a melhoria do conhecimento das doenças prioritárias em Moçambique e
de outros países da áfrica Subsariana. Além das actividades mais conhecidas no âmbito do
desenvolvimento de ferramentas de tratamento e prevenção da malária, o Centro tem vindo a fazer nos
últimos anos, um trabalho de pesquisa crescente em outras doenças prioritárias como as infecções
respiratórias, as diarreias e o HIV/SIDA.

O CISM tem dado grandes contribuições para a determinação da eficácia de intervenções e


produtos de controlo de doenças com impacto a nível internacional e global. No entanto, no
âmbito da implementação de tais intervenções e produtos, o que conta é a efectividade, a qual é
determinada de forma mais precisa quando se pode definir:

 Aceitabilidade
 Acesso
 Utilização
 Custos para o utente
 Equidade
 Adesão
 Satisfação

Por estes motivos, o estudo das características sócio-económicas da população representa um


passo fundamental.
Utilizando abordagens de recolha e análise de dados do campo da antropologia médica,
sociologia da saúde, e economia da saúde, o Centro tem sido capaz de contribuir gradualmente
para uma compreensão profunda da interacção entre a evolução das doenças e o contexto social,
económico e cultural da comunidade.

A Unidade de Pesquisa Social do CISM responde aos seguintes objectivos específicos:

 Entender as percepções sobre saúde e doença (causas, prevenção e tratamento)


 Descrever comportamentos de prevenção e de busca de tratamento
 Avaliar a viabilidade, aceitabilidade e adesão às novas intervenções de saúde pública
 Entender os determinantes sociais de saúde, doença e cuidados de saúde

BRUM, Argemiro Luís; BEDIN, Gilmar Antonio. Globalização e Desenvolvimento. Algumas reflexões sobre
as transformações do mundo atual