Você está na página 1de 286

Manual do Empreendedor

Volume II
Guia de Orientação e Formulários para
Inspeções de Segurança de Barragem
Versão Preliminar – abril de 2015
República Federativa do Brasil
Dilma Vana Rousseff
Presidenta

Ministério do Meio Ambiente


Izabella Mônica Vieira Teixeira
Ministra

Agência Nacional de Águas

Diretoria Colegiada
Vicente Andreu Guillo (Diretor-Presidente)
Paulo Lopes Varella Neto
João Gilberto Lotufo Conejo
Gisela Damm Forattini

Superintendência de Regulação (SRE)


Rodrigo Flecha Ferreira Alves

Superintendência de Fiscalização (SFI)


Flávia Gomes de Barros
Agência Nacional de Águas
Ministério do Meio Ambiente

MANUAL DO EMPREENDEDOR
VOLUME II
GUIA DE ORIENTAÇÃO E
FORMULÁRIOS PARA INSPEÇÃO
DE SEGURANÇA DE BARRAGEM

Brasília, abril de 2015.


© Agência Nacional de Águas - ANA, 2015.
Setor Policial Sul, Área 5, Quadra 3, Blocos B, L, M e T.
CEP 70610-200, Brasília, DF
PABX: (61) 2109 5400 / (61) 2109-5252
www.ana.gov.br

Equipe Editorial

Supervisão editorial:
Ligia Maria Nascimento de Araújo - coordenadora
Carlos Motta Nunes

Elaboração:
Ricardo Oliveira – COBA, S.A
Lúcia Almeida – COBA, S.A
José Oliveira Pedro – COBA, S.A
António Pereira da Silva – COBA, S.A
António Alves – COBA, S.A
José Rocha Afonso – COBA, S.A
Flávio Miguez – COBA, S.A
Maria Teresa Viseu – LNEC, Portugal

Revisão dos originais:


Alexandre Anderáos
André César Moura Onzi
André Torres Petry
Erwin De Nys - Banco Mundial
Paula Freitas - Banco Mundial
Maria Inês Muanis Persechini – Banco Mundial
José Hernandez – Banco Mundial
Orlando Vignoli Filho – Banco Mundial

Todos os direitos reservados.


É permitida a reprodução de dados e de informações contidos nesta publicação, desde que citada a
fonte.

Catalogação na fonte: CEDOC / BIBLIOTECA

XXXX Agência Nacional de Águas (Brasil).

Manual do Empreendedor – Volume II - Guia de Orientação e


Formulários para Inspeções de Segurança de Barragem / Agência Nacional de
Águas. -- Brasília: ANA, 2015.

XX p.:il.
ISBN: Aguardando

1. Recursos hídricos, Brasil 2. Barragens e açudes, Brasil 3. Política


Nacional de Segurança de Barragens, Brasil

I. Agência Nacional de Águas (Brasil) II. Título


CDU
MANUAL DO EMPREENDEDOR

INTRODUÇÃO GERAL
As barragens, compreendendo o barramento, as estruturas associadas e o reservatório, são obras
necessárias para uma adequada gestão dos recursos hídricos, contenção de rejeitos de mineração
ou de resíduos industriais. A construção e a operação das barragens podem, no entanto, envolver
danos potenciais para as populações e para os bens materiais e ambientais existentes no entorno.

A segurança de barragens é um aspecto fundamental para todas as entidades envolvidas, tais


como as autoridades legais e os empreendedores, bem como os agentes que lhes dão apoio
técnico nas atividades, relativas à concepção, ao projeto, à construção, à operação e, por fim,
ao descomissionamento (desativação), as quais devem ser proporcionais ao tipo, dimensão e
risco envolvido.

Para garantir as necessárias condições de segurança das barragens ao longo da sua vida útil
devem ser adotadas medidas de prevenção e controle dessas condições. Essas medidas, se
devidamente implementadas, asseguram uma probabilidade de ocorrência de acidente reduzida
ou praticamente nula, mas devem, apesar disso, ser complementadas com medidas de defesa
civil para minorar as consequências de uma possível ocorrência de acidente, especialmente em
casos onde se associam danos potenciais mais altos.

As condições de segurança das barragens devem ser periodicamente revisadas levando-se em


consideração eventuais alterações resultantes do envelhecimento e deterioração das estruturas,
ou de outros fatores, tais como, o aumento da ocupação nos vales a jusante.

A Lei nº 12.334 de 20 de setembro de 2010, conhecida por Lei de Segurança de Barragens,


estabeleceu a Política Nacional de Segurança de Barragens (PNSB), considerando os aspectos
referidos, além de outros, e definiu atribuições e formas de controle necessárias para assegurar
as condições de segurança das barragens.

A Lei de Segurança de Barragens atribui aos empreendedores e aos responsáveis técnicos por
eles escolhidos a responsabilidade de desenvolver e implementar o Plano de Segurança da
Barragem, de acordo com metodologias e procedimentos adequados para garantir as condições
de segurança necessárias. No Brasil, os empreendedores são de diversas naturezas: públicos
(federais, estaduais ou municipais) e privados, sendo a sua capacidade técnica e financeira,
também, muito diferenciada.

No presente Manual do Empreendedor pretende-se estabelecer orientações gerais quanto às


metodologias e procedimentos a adotar pelos empreendedores, visando assegurar adequadas
condições de segurança para as barragens de que são responsáveis, ao longo das diversas fases
da vida das obras, designadamente, as fases de planejamento e projeto, de construção e primeiro
enchimento, de operação e de descomissionamento (desativação).

O Manual aplica-se às barragens destinadas à acumulação de água para quaisquer usos.


Os procedimentos, os estudos e as medidas com vista à obtenção ou concessão de licenças
ambientais, necessárias para a implantação dos empreendimentos não são considerados no
presente Manual, bem como os procedimentos para a gerência das obras ou das empreitadas
que regem a construção.

O presente Manual compreende oito Guias constituintes dos seguintes Volumes:

- Volume I - Instruções para apresentação do Plano de Segurança da Barragem, no


qual se apresenta um modelo padrão e respectivas instruções para elaboração do Plano
de Segurança da Barragem.

- Volume II - Guia de Orientação e Formulários para Inspeções de Segurança de


Barragem, no qual se estabelecem procedimentos, conteúdo e nível de
detalhamento e análise dos produtos finais das inspeções de segurança.

- Volume III - Guia de Revisão Periódica de Segurança de Barragem, no qual se


estabelecem procedimentos gerais que devem orientar as revisões do Plano de
Segurança da Barragem, com o objetivo de verificar o estado de sua segurança.

- Volume IV - Guia de Orientação e Formulários dos Planos de Ação de Emergência


– PAE, no qual se apresenta o conteúdo e organização tipo de um Plano de Ação de
Emergência (PAE).

- Volume V - Guia para a Elaboração de Projetos de Barragens, no qual se


estabelecem procedimentos gerais que devem ser contemplados nos projetos do ponto
de vista da segurança.

- Volume VI - Guia para a Construção de Barragens, no qual se estabelecem


procedimentos gerais que devem ser respeitados, de forma a garantir a segurança das
obras durante e após a construção.

- Volume VII - Guia para a Elaboração do Plano de Operação, Manutenção e


Instrumentação de Barragens, no qual se estabelecem procedimentos gerais para a
elaboração do Plano de operação, manutenção e instrumentação, que devem orientar a
execução dessas atividades, de modo a assegurar um adequado aproveitamento das
estruturas construídas, respeitando as necessárias condições de segurança.

- Volume VIII - Guia Prático de Pequenas Barragens, no qual se descrevem


procedimentos práticos de operação e manutenção inspeção e de emergência para
barragens de terra de até 15 metros de altura e volume de até 3 hm³.

Observa-se que o Volume destacado acima se refere ao assunto desenvolvido no presente


documento.

Os Guias devem ser entendidos como documentos evolutivos, devendo ser revisados,
complementados, adaptados ou pormenorizados, de acordo com a experiência adquirida com
sua aplicação, bem como com a evolução da tecnologia disponível e a legislação vigente.
Manual do Empreendedor
Volume II
Guia de Orientação e Formulários para Inspeções de Segurança de Barragem

Revisão Nº Data Registro das Revisões

Primeira edição publicada e disponibilizada na página


0 --/--/--
eletrônica da ANA (introduzir o link)
MANUAL PARA EMPREENDEDORES

INTRODUÇÃO GERAL
As barragens, compreendendo o barramento, as estruturas associadas e o reservatório, são obras
necessárias para uma adequada gestão dos recursos hídricos, contenção de rejeitos de mineração
ou de resíduos industriais. A construção e a operação das barragens podem, no entanto, envolver
danos potenciais para as populações e para os bens materiais e ambientais existentes no entorno.

A segurança de barragens é um aspecto fundamental para todas as entidades envolvidas, tais


como as autoridades legais e os empreendedores, bem como os agentes que lhes dão apoio
técnico nas atividades, relativas à concepção, ao projeto, à construção, à operação e, por fim,
ao descomissionamento (desativação), as quais devem ser proporcionais ao tipo, dimensão e
risco envolvido.

Para garantir as necessárias condições de segurança das barragens ao longo da sua vida útil
devem ser adotadas medidas de prevenção e controle dessas condições. Essas medidas, se
devidamente implementadas, asseguram uma probabilidade de ocorrência de acidente reduzida
ou praticamente nula, mas devem, apesar disso, ser complementadas com medidas de defesa
civil para minorar as consequências de uma possível ocorrência de acidente, especialmente em
casos onde se associam danos potenciais mais altos.

As condições de segurança das barragens devem ser periodicamente revisadas levando-se em


consideração eventuais alterações resultantes do envelhecimento e deterioração das estruturas,
ou de outros fatores, tais como, o aumento da ocupação nos vales a jusante.

A Lei nº 12.334 de 20 de setembro de 2010, conhecida por Lei de Segurança de Barragens,


estabeleceu a Política Nacional de Segurança de Barragens (PNSB), considerando os aspectos
referidos, além de outros, e definiu atribuições e formas de controle necessárias para assegurar
as condições de segurança das barragens.

A Lei de Segurança de Barragens atribui aos empreendedores e aos responsáveis técnicos por
eles escolhidos a responsabilidade de desenvolver e implementar o Plano de Segurança da
Barragem, de acordo com metodologias e procedimentos adequados para garantir as condições
de segurança necessárias. No Brasil, os empreendedores são de diversas naturezas: públicos
(federais, estaduais ou municipais) e privados, sendo a sua capacidade técnica e financeira,
também, muito diferenciada.

No presente Manual do Empreendedor pretende-se estabelecer orientações gerais quanto às


metodologias e procedimentos a adotar pelos empreendedores, visando assegurar adequadas
condições de segurança para as barragens de que são responsáveis, ao longo das diversas fases
da vida das obras, designadamente, as fases de planejamento e projeto, de construção e primeiro
enchimento, de operação e de descomissionamento (desativação).

O Manual aplica-se às barragens destinadas à acumulação de água para quaisquer usos.


Os procedimentos, os estudos e as medidas com vista à obtenção ou concessão de licenças
ambientais, necessárias para a implantação dos empreendimentos não são considerados no
presente Manual, bem como os procedimentos para a gerência das obras ou das empreitadas
que regem a construção.

O presente Manual compreende oito Guias constituintes dos seguintes Volumes:

- Volume I - Instruções para apresentação do Plano de Segurança da Barragem, no


qual se apresenta um modelo padrão e respectivas instruções para elaboração do Plano
de Segurança da Barragem.

- Volume II - Guia de Orientação e Formulários para Inspeções de Segurança de


Barragem, no qual se estabelecem procedimentos, conteúdo e nível de
detalhamento e análise dos produtos finais das inspeções de segurança.

- Volume III - Guia de Revisão Periódica de Segurança de Barragem, no qual se


estabelecem procedimentos gerais que devem orientar as revisões do Plano de
Segurança da Barragem, com o objetivo de verificar o estado de sua segurança.

- Volume IV - Guia de Orientação e Formulários dos Planos de Ação de Emergência


– PAE, no qual se apresenta o conteúdo e organização tipo de um Plano de Ação de
Emergência (PAE).

- Volume V - Guia para a Elaboração de Projetos de Barragens, no qual se


estabelecem procedimentos gerais que devem ser contemplados nos projetos do ponto
de vista da segurança.
-
- Volume VI - Guia para a Construção de Barragens, no qual se estabelecem
procedimentos gerais que devem ser respeitados, de forma a garantir a segurança das
obras durante e após a construção.

- Volume VII - Guia para a Elaboração do Plano de Operação, Manutenção e


Instrumentação de Barragens, no qual se estabelecem procedimentos gerais para a
elaboração do Plano de operação, manutenção e instrumentação, que devem orientar a
execução dessas atividades, de modo a assegurar um adequado aproveitamento das
estruturas construídas, respeitando as necessárias condições de segurança.

- Volume VIII - Guia Prático de Pequenas Barragens, no qual se descrevem


procedimentos práticos de operação e manutenção inspeção e de emergência para
barragens de terra de até 15 metros de altura e volume de até 3 hm³.

Observa-se que o Volume destacado acima se refere ao assunto desenvolvido no presente


documento.

Os Guias devem ser entendidos como documentos evolutivos, devendo ser revisados,
complementados, adaptados ou pormenorizados, de acordo com a experiência adquirida com
sua aplicação, bem como com a evolução da tecnologia disponível e a legislação vigente.
Manual de Políticas e Práticas de Segurança de Barragens
Manual para Empreendedores

VOLUME II
Guia de Orientação e Formulários para Inspeção de Segurança de Barragem

Revisões

Revisão Nº Data Registro das Revisões

Primeira edição publicada e disponibilizada na


0 --/--/--
página eletrônica da ANA (introduzir o link)
MANUAL PARA EMPREENDEDORES
VOLUME II
GUIA DE ORIENTAÇÃO E FORMULÁRIOS PARA
INSPEÇÃO DE SEGURANÇA DE BARRAGEM

SUMÁRIO

ESCLARECIMENTOS AO LEITOR 1

1 INTRODUÇÃO 3

PARTE I- INSPEÇÕES DE SEGURANÇA REGULAR 5

1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 5

2 PLANEJAMENTO DA INSPEÇÃO DE SEGURANÇA REGULAR 7


2.1 Periodicidade 7
2.2 Estudos e relatórios a serem consultados 7
2.3 Recursos necessários 8
2.4 Roteiro da inspeção 8
2.5 Modelos de fichas de inspeção, do relatório e do extrato 10
2.6 Qualificação dos Inspetores 10

3 EXECUÇÃO DA INSPEÇÃO DE SEGURANÇA REGULAR 13


3.1 Aspectos a observar no campo 13
3.2 Fichas de inspeção 16
3.3 Tipos mais frequentes de anomalias e suas consequências 16
3.3.1 Barragens de aterro 16
3.3.2 Barragens de concreto 22
3.4 Classificação da magnitude e do nível de perigo das anomalias 23
3.4.1 Considerações iniciais 23
3.4.2 Identificação das anomalias graves 24
3.5 Nível de Perigo da barragem 28
3.6 Inspeção de segurança regular de estruturas de hidrelétricas 29
3.6.1 Objetivos 29
3.6.2 Ficha de inspeção das estruturas 29
3.6.3 Equipamento hidromecânico 29
3.6.4 Equipamento eletromecânico 30
3.6.5 Equipamentos mecânicos 32
3.6.6 Equipamentos elétricos 32
3.6.7 Qualificação dos Inspetores 33

4 ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE INSPEÇÃO E EXTRATO 35


4.1 Relatório de Inspeção 35
4.2 Extrato da Inspeção 36

ii
PARTE II- INSPEÇÃO DE SEGURANÇA ESPECIAL 39

1 CONSIDERAÇOES INICIAIS 39

2 PLANEJAMENTO DA INSPEÇÃO ESPECIAL 41


2.1 Quando fazer uma inspeção de segurança especial 41
2.2 Qualificação dos Inspetores 44
2.3. Estudos e relatórios a consultar 46
2.4. Recursos logísticos e materiais necessários 47
2.5. Roteiro da inspeção 47

3 EXECUÇÃO DA INSPEÇÃO DE SEGURANÇA ESPECIAL 49


3.1 Aspectos a observar em campo 49
3.2 Barragens de Terra - Aspetos Específicos 49
3.2.1 Considerações iniciais 49
3.2.1. Fatores na gênese das fissuras 50
3.3. Barragens de Enrocamento. Aspetos Específicos 56
3.3.1. Ocorrência de anomalias 56
3.3.2. Fatores na gênese das anomalias 57
3.3.3. Progressão e consequências das anomalias 57
3.4. Barragens de Concreto-Aspetos Específicos 57
3.4.1. Ocorrência das anomalias 57
3.4.2. Fatores na gênese das anomalias 58
3.4.3. Consequências das anomalias 58

4. AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS E ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO 61

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO.

ANEXOS:

ANEXO 1. FICHAS DE INSPEÇÃO DE SEGURANÇA REGULAR E EXTRATO


ANEXO 2. AVALIAÇÃO DAS ANOMALIAS MAIS GRAVES
ANEXO 3. MODELO PARA RELATÓRIO DE INSPEÇÃO REGULAR
ANEXO 4. ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE TERMO DE
REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DA INSPEÇÃO REGULAR
ANEXO 5. ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE TERMO DE
REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DA INSPEÇÃO ESPECIAL

LISTA DE FIGURAS

Figura 1. Representação esquemática das anomalias. 6


Figura 2. Vista geral de uma barragem. 9
Figura 3. Componentes de uma barragem. 9
Figura 4. Interface do corpo da barragem com as ombreiras. 15
Figura 5. Problemas de percolação. 18
Figura 6. Vista de casa de máquinas. 31

iii
Figura 7. Fissuras longitudinais na crista de barragem de terra no Brasil, causada pelos
recalques de camada de solo coluvionar de basalto, na fundação. 41
Figura 8. Descargas na barragem devido a cheias. 42
Figura 9. Perfil tipo da barragem de enrocamento de Zipingpu (China). 43
Figura 10. Danos causados na laje de concreto da barragem de enrocamento de Zipingpu
(China). 43
Figura 11. Inspeção subaquática. 47
Figura 12. Esquema ilustrativo de formação de fissuras. 50
Figura 13. Recalques diferenciais da fundação. 51
Figura 14. Singularidades da fundação (vala corta-águas). 52
Figura 15. Ligação do aterro às ombreiras. (Fonte: modificado de Mattsson et al., 2008) 53
Figura 16. Perfil tipo da barragem de El Infiernillo (México). 54
Figura 17. Fissuras longitudinais na barragem de El Infiernillo (México) 54
Figura 18. Ligação de aterros de idades diferentes. 55
Figura 19. Aparecimento de fissuras. 55
Figura 20. Interface aterro-vertedouro. 56
Figura 21. Barragem de enrocamento de Zipingpu (China). 57
Figura 22. Componentes de uma barragem de concreto. 58
Figura 23. Anomalia causada pela cavitação numa bacia de dissipação. 59

LISTA DE QUADROS

Quadro 1. Periodicidade de inspeções de segurança regular. 7


Quadro 2. Equipe Chave (exemplificativo) 11
Quadro 3. Classificação das fissuras em barragens de aterro. 17
Quadro 4. Classificação das fissuras em barragens de concreto. 23
Quadro 5. Barragens de Terra (BT) – Listagem das anomalias mais importantes. 25
Quadro 6. Barragens de Concreto (BC)-Listagem das anomalias mais importantes 26
Quadro 7. Estruturas Auxiliares-Listagem das anomalias mais importantes. 27
Quadro 8. Situações da realização de uma inspeção de segurança especial. 40
Quadro 9. Requisitos mínimos do profissional em função da anomalia/evento 45
Quadro 10. Equipe chave (exemplificativo). 45
Quadro 11. Equipe complementar. 46

iv
SIGLAS E ABREVIATURAS

ANA - Agência Nacional de Águas


BEFC - Barragens de Enrocamento com Face de Concreto
CAP - Cheia afluente de projeto
CEMIG - Companhia Energética de Minas Gerais
CONFEA - Conselho Federal de Engenharia e Agronomia
CMP - Cheia máxima de projeto
CNRH - Conselho Nacional de Recursos Hídricos
CREA - Conselho Regional de Engenharia e Agronomia
EPRI - Electric Power Research Institute
FEMA - Federal Emergency Management Agency
ICOLD - International Commission on Large Dams
NICDS - National Interagency Committee on Dam Safety
PAE - Plano de Ação de Emergência
RAA - Reação álcali-agregado
SMP - Sismo máximo de projeto
SNISB - Sistema Nacional de Informações sobre Segurança de Barragens

v
MANUAL DO EMPREENDEDOR

VOLUME II

GUIA DE ORIENTAÇÃO E FORMULÁRIOS PARA INSPEÇÃO DE SEGURANÇA


DE BARRAGEM

ESCLARECIMENTOS AO LEITOR

O presente Guia leva em consideração as instruções do Manual de Segurança e Inspeção de


Barragens do Ministério da Integração Nacional (2002, 2005, 2010) adaptando-as à legislação
em vigor, inclusive quanto à nomenclatura, e detalhando a parte da identificação das anomalias
com a finalidade de reduzir a subjetividade do técnico na avaliação do nível de perigo das
anomalias, quando da realização das inspeções regulares de segurança de barragens.

O que é o Guia de Orientação e Formulários para Inspeção de Segurança de Barragem?

Este Guia aborda as inspeções de segurança regular e especial das barragens estabelecidas na
Lei nº 12.334 de 20 de Setembro de 2010, que instituiu a Política Nacional de Segurança de
Barragens (PNSB), em seu art. 9º e estabelece que as inspeções de segurança regular e especial
terão a sua periodicidade, a qualificação da equipe responsável, o conteúdo mínimo e o nível
de detalhamento definidos pelo órgão fiscalizador, em função da categoria do risco e do dano
potencial associado à barragem.

Para que serve?

Para avaliar as condições físicas das partes integrantes da barragem visando identificar e
monitorar anomalias que afetem potencialmente a sua segurança.

A quem se destina?

Destina-se a Empreendedores, a quem compete a realização de inspeções de segurança regular,


de acordo com uma periodicidade em função da categoria de risco e dano potencial e de
inspeções de segurança especial que, dada a sua natureza, não têm periodicidade definida.

Quais as consequências de não fazer inspeções?

As consequências de não fazer as inspeções resultam na impossibilidade de apontar, com a


devida antecedência ou urgência, a necessidade de reabilitar as barragens que representem
ameaças, pois o rompimento de uma barragem compromete a segurança e a vida da população
e traz elevados prejuízos econômicos e ambientais às localidades afetadas.

Quais os conteúdos deste guia?

A Parte I aborda a inspeção de segurança regular, designadamente os procedimentos, o


conteúdo e o nível de detalhamento e faz uma análise dos produtos finais de inspeção. Refere a
qualificação dos inspetores e a periodicidade das inspeções. Apresenta a listagem das

1
anomalias, a magnitude das anomalias, os fatores que estão na sua gênese, os meios de detecção,
a progressão e as consequências das anomalias.

Apresenta as ações de inspeção destinadas a avaliar o estado de funcionamento e de


conservação dos equipamentos hidromecânicos, eletromecânicos e elétricos nos casos das
barragens de usos múltiplos.

Analisa o resultado de inspeção, a revisão dos registros de instrumentação, a classificação do


nível de perigo e os níveis de intervenção-ações corretivas.

A Parte II analisa os requisitos das inspeções de segurança especial, seus procedimentos, o


conteúdo e o nível de detalhamento, a estrutura do relatório de inspeção e a qualificação dos
inspetores. Define em que situações as inspeções de segurança especial devem ser realizadas -
na sequência de ocorrências excepcionais, tais como cheias ou sismos com período de
recorrência superior ao previsto, bem como de circunstâncias anômalas que possam influenciar
a segurança ou a funcionalidade da obra, designadamente ruptura de barragens situadas a
montante, queda de taludes para o interior do reservatório envolvendo grandes massas,
subsidência de terrenos e ainda situação de secas e atos de sabotagem.

Descreve os cenários correntes e de ruptura de barragens de terra e de concreto, apresenta os


aspetos específicos destas barragens e das estruturas auxiliares e as medidas que devem ser
implementadas com o objetivo de se evitar a ocorrência de incidentes e acidentes.

Ademais, o Guia contém dois anexos (4 e 5) com orientações ao empreendedor para a


elaboração dos termos de referência para a contratação da Inspeção Regular e Inspeção
Especial, respectivamente.

O que é um termo de referência?

Conforme o Decreto Federal nº 3.555/00 (art. 8º, inciso II).

O termo de referência é o documento que deverá conter elementos capazes de


propiciar a avaliação do custo pela Administração, diante de orçamento
detalhado, considerando os preços praticados no mercado, a definição dos
métodos, a estratégia de suprimento e o prazo de execução do contrato

Apesar de ser um documento utilizado comumente pela administração pública, as orientações


contidas nesse guia, referentes ao termo de referência, servirão para auxiliar os empreendedores
privados na contratação do respectivo serviço

2
1 INTRODUÇÃO

As inspeções de segurança de barragens são regulamentadas pelo art. 9º da Lei nº 12.334/2010


que estabelece que as condições para as inspeções de segurança regular e especial. Em nível
federal, a Resolução da ANA nº 742, de 17 de outubro de 2011, também dá diretrizes para essas
inspeções e, em seu art. 5º estabelece que “As Inspeções de Segurança Regulares de Barragem
terão como produtos finais a Ficha de Inspeção preenchida, o Relatório de Inspeção Regular e
o extrato da Inspeção de Segurança Regular de Barragem, visando as condições de segurança e
prevenção de acidentes de barragem.

As inspeções de segurança das barragens servem para avaliar as condições físicas das suas
partes integrantes, visando identificar e monitorar anomalias que afetem potencialmente a sua
segurança.

As inspeções de segurança são de elevada importância, pois possibilitam apontar, com a devida
antecedência ou urgência, a necessidade de reabilitar as barragens que estejam em perigo, pois
o rompimento de uma barragem compromete a segurança e a vida da população e traz elevados
prejuízos econômicos e ambientais às localidades afetadas.

Esse guia considera também a prática internacional, designadamente as publicações elaboradas


pelos seguintes Países e instituições: África do Sul, Austrália, Canada, Espanha, Estados
Unidos (Bureau of Reclamation, Corps of Engineers, FEMA), Finlândia, França, Japão,
Noruega, Portugal e Suécia, bem como pela ICOLD.

Repisa-se que no anexos 4 e 5 deste guia há uma série orientações ao empreendedor para a
elaboração de termos de referência para a contratação da Inspeção Regular e Inspeção Especial,
respectivamente.

O que é uma Inspeção de Segurança Regular?

A inspeção de segurança regular é uma obrigação do empreendedor, visa detectar a existência


de anomalias e identificar perigos em potencial e iminentes da barragem, e deve ser feita
regularmente com a periodicidade estabelecida em função da categoria do risco e do dano
potencial associado à barragem. Pode ser executada pela própria equipe de segurança da
barragem, devendo o relatório resultante estar disponível ao órgão fiscalizador e à sociedade
civil.

A inspeção de segurança regular, tal qual se depreende dos termos da Lei, foi objeto de
regulamentação pela ANA, para as barragens sob sua jurisdição, por meio da Resolução nº 742,
de 17 de outubro de 2011, em que foram estabelecidas a periodicidade, a qualificação da equipe
responsável, o conteúdo mínimo e o seu nível de detalhamento.

O que é uma Inspeção de Segurança Especial?

A inspeção de segurança especial é também da responsabilidade do Empreendedor e deve ser


realizada, conforme orientação da entidade fiscalizadora, por equipe multidisciplinar de
especialistas, em função da categoria de risco e do dano potencial associado à barragem, nas
fases de construção, operação e desativação, devendo considerar as alterações das condições a
montante e a jusante da barragem. Devem ser realizadas na sequência de ocorrências
excepcionais, tais como cheias ou sismos com período de recorrência superior ao previsto, bem

3
como de circunstâncias anômalas que possam influenciar a segurança ou a funcionalidade da
obra, tais como, ruptura de barragens situadas a montante, queda de taludes para o interior do
reservatório envolvendo grandes massas, subsidência de terrenos, situação de secas, atos de
sabotagem. Deve ser realizada também na ocasião de uma revisão periódica de segurança da
barragem.

Para além da sua realização após eventos extremos, as inspeções de segurança especial devem
ser conduzidas em certas fases delicadas dos empreendimentos, tais como antes do início do
primeiro enchimento, após a conclusão do seu enchimento ou em situações de deplecionamento
rápido do reservatório.

Os relatórios resultantes das inspeções de segurança especial devem indicar as ações a serem
adotadas pelo empreendedor para a manutenção da segurança. Os registros dessas inspeções
são parte integrante do Plano de Segurança da Barragem, o qual é um dos instrumentos da
Política Nacional de Segurança de Barragens, nos termos da Lei n⁰12.334/2010.

4
PARTE I- INSPEÇÕES DE SEGURANÇA REGULAR

Apresenta-se o enquadramento legal das inspeções de segurança regular, as suas etapas e


planejamento, a execução da inspeção no campo, a avaliação dos resultados e elaboração do
relatório e o atendimento às recomendações do relatório.

1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Este tipo de inspeção, a ser realizada regularmente nas barragens, com periodicidade conforme
o seu risco e o dano potencial, tem por objetivo monitorar os seus problemas e detectar a
existência de anomalias. Este tipo de inspeção é de alta relevância para identificar perigos em
potencial e iminentes e definir as medidas preventivas ou corretivas a serem tomadas pelos
empreendedores.

A inspeção de segurança regular integra as seguintes etapas:

a) Planejamento da inspeção;
b) Execução da inspeção no campo;
c) Avaliação dos resultados e elaboração do relatório;
d) Atendimento às recomendações do relatório.

Os produtos da inspeção são a ficha de inspeção preenchida, o relatório de inspeção regular, e


o extrato de inspeção de segurança regular, obrigatório para os empreendedores fiscalizados
pela ANA.

A inspeção procura analisar as condições físicas das partes integrantes da barragem e identificar
e monitorar anomalias que afetem potencialmente a sua segurança.

O primeiro passo da inspeção de segurança regular consiste na análise de todos os documentos


e relatórios anteriores, onde são apresentados o enquadramento legal das inspeções de
segurança regular, as suas etapas e planejamento, a execução da inspeção no campo, a avaliação
dos resultados e elaboração do relatório e o atendimento às recomendações do relatório.

Na detecção de situações perigosas interessa identificar o tipo das anomalias encontradas, seu
impacto na segurança da barragem e as ações que devem ser implementadas. É importante a
identificação dos fatores que estão na gênese de anomalias.

Os tipos de anomalias mais frequentes nas barragens estão representados esquematicamente na


Figura 1 e listados abaixo:

- Fissuras;
- Surgências;
- Instabilidade de taludes;
- Depressões:
- Recalques localizados;
- Afundamentos (tipo sinkhole);
- Proteção deficiente dos taludes;
- Erosão superficial;
- Ocorrência de árvores e arbustos;
- Tocas de animais.

5
As quatro últimas listadas são decorrentes de falta de manutenção adequada.

Figura 1. Representação esquemática das anomalias.


(Fonte: modificado de Roque e Comission, 2001)

6
2 PLANEJAMENTO DA INSPEÇÃO DE SEGURANÇA REGULAR

Descreve-se neste capítulo a periodicidade das inspeções de segurança regular, os estudos e


relatórios a serem consultados antes da sua realização, os recursos necessários para a sua
efetivação, os modelos de fichas e de relatório a serem adotados, o roteiro a seguir durante uma
inspeção de segurança e a qualificação do inspetor e do responsável do relatório.

Identificados os objetivos e caracterizados os potenciais problemas das inspeções, o


planejamento irá possibilitar: definir a logística; selecionar os acessos; definir os meios
humanos; definir os meios materiais; otimizar os itinerários; e selecionar a ficha de inspeção.

2.1 Periodicidade

A periodicidade das inspeções deve ser definida de acordo com o dano potencial associado
e respectivo risco da barragem.

Apresenta-se no Quadro 1 uma proposta, baseada no art. 4º da Resolução da ANA nº 742 de


17 de Outubro de 2011, cuja periodicidade pode ser ajustada pelo empreendedor face às
exigências da entidade fiscalizadora e aos recursos disponíveis.

Quadro 1. Periodicidade de inspeções de segurança regular.

Risco
Dano Potencial
Alto Médio Baixo

Alto Semestral Semestral Semestral

Médio Semestral Semestral Anual

Baixo Anual Anual Bianual

2.2 Estudos e relatórios a serem consultados

No sentido de recolher a maior quantidade e qualidade de informação, antes da realização das


inspeções, recomenda-se, se possível, a consulta de estudos e relatórios que abordem:

a) Projeto da barragem;
b) Métodos construtivos e controle de qualidade;
c) Relatórios das inspeções de segurança anteriores;
d) Análise dos registros dos instrumentos instalados, quando existam (Corps of Engineers,
1995a, 1995c; Seco e Pinto, 1982);
e) Operação e manutenção;
f) Plano de Ação e de Emergência, quando exista;
g) Eventuais reparações.

7
2.3 Recursos necessários

Na inspeção de segurança regular a equipe deve ser portadora do seguinte equipamento:

- nível
- martelo de geólogo
- canivete
- corda
- binóculo
- lanterna
- trado para colher amostras
- sacos para amostras
- medidor do nível de água nos piezómetros
- câmara de vídeo
- trena (2,0 a 5,0 m)
- máquina fotográfica
- caderno de apontamentos e caneta
- GPS
- caixa de primeiros socorros.

2.4 Roteiro da inspeção

A inspeção no campo tem por objetivo identificar as situações que possam afetar a segurança
da barragem. Assim é importante observar todas as zonas da barragem, designadamente o talude
de montante, o talude de jusante, a crista, as ombreiras e a zona do reservatório que estão
apresentadas na Figura 2.

A técnica geral é caminhar sobre os taludes e a crista em diferentes direções, de forma a


observar todas as zonas da barragem (NICDS, 1983).

De um determinado ponto sobre a barragem, pequenos detalhes podem usualmente ser vistos a
uma distância de 3 a 10 metros em qualquer direção, dependendo da rugosidade da superfície,
vegetação ou outras condições. Para que toda a superfície da barragem seja coberta com a
inspeção, será necessário cumprir alguns passos. Na verdade, não importa o tipo de trajetória
(em ziguezague ou paralela ao eixo longitudinal), o importante é que, tanto quanto possível,
toda a superfície seja coberta visualmente.

8
Figura 2. Vista geral de uma barragem. (Fonte: COBA, S.A.)

A intervalos regulares, enquanto se caminha pelos componentes da barragem: taludes e crista


que estão representadas na Figura 3, deve-se parar e olhar em todas as direções:

- observar a superfície a partir de diferentes perspectivas, o que pode revelar deficiências


que de outra forma não poderiam ter sido observadas;
- verificar o alinhamento da superfície.

Figura 3. Componentes de uma barragem. (Fonte: modificado de NICDS)

Observando o talude à distância, pode-se detectar desde logo algumas anomalias, tais como:
distorções nas superfícies do maciço, ausência de revestimento e ravinamentos.

9
As áreas de contato do aterro com as ombreiras deverão ser inspecionadas com muito cuidado,
em virtude:

- Destas áreas serem mais suscetíveis à erosão superficial;


- De exibirem com mais frequência percolações nos contatos entre a barragem e a
ombreira.

Na análise das situações perigosas interessa identificar o tipo das anomalias encontradas, seu
impacto na segurança da barragem e as ações que devem ser implementadas. É importante a
identificação dos fatores que estão na gênese de anomalias.

Durante as inspeções visuais devem ser fotografadas todas as perspectivas das obras e,
nomeadamente, situações que possam vir a necessitar de correção.

2.5 Modelos de fichas de inspeção, do relatório e do extrato

As inspeções devem ser realizadas com auxílio de uma ficha de inspeção que contempla todas
as partes da barragem como estruturas, equipamentos e seus aspectos funcionais. Visam ainda
avaliar os aspectos de segurança e operação da barragem, analisando as características
hidráulicas e hidrológicas, a estabilidade estrutural e a adequabilidade operacional. Modelos de
fichas de inspeção figuram no Anexo 1. Para auxiliar o preenchimento da ficha de inspeção, o
Anexo 2 apresenta uma listagem das anomalias mais graves e faz uma análise da sua causa
provável, possíveis consequências e ações corretivas.

No caso de barragens fiscalizadas pela ANA, deverá ser preenchido o extrato da inspeção de
segurança regular que se apresenta no Anexo 1.2

O relatório deve ser elaborado pelo responsável técnico e apresentar o conteúdo mínimo
indicado no item 4.2 deste Guia. Um modelo de relatório é apresentado no Anexo 3.

Os empreendedores, em face da sua experiência acumulada, têm a liberdade de adotar os seus


próprios modelos de fichas de inspeção e de relatório, devendo no entanto levar em
consideração os normativos emitidos pelas suas entidades fiscalizadores.

2.6 Qualificação dos Inspetores

A lei nº 12.334/2010 determina que as inspeções de segurança regular devem ser efetuadas por
equipe de segurança de barragem integrada por profissionais treinados e capacitados
responsáveis pelas ações de segurança da barragem, sendo preferencialmente composta por
profissional (is) do próprio empreendedor. Na falta de profissional do próprio quadro deve-se
contratar consultores ou uma empresa especializada.

No caso de profissional do próprio quadro, o preenchimento das fichas de inspeção deve ser
realizado por engenheiro, podendo ser aceito (a critério da entidade fiscalizadora) que seja
realizado por técnico de nível médio com capacitação e treinamento adequados. No entanto, o
relatório deve sempre ser assinado por um engenheiro com qualificação em barragens, de
acordo com as normas do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia – CREA.

Já no caso de uma contratação, é necessário que o profissional que realize as inspeções e elabore
o relatório seja engenheiro.

10
Nas barragens de pequeno porte destinadas à irrigação, por exemplo, é muito comum que um
engenheiro agrônomo assessore o empreendedor (agricultor) nas questões relacionadas ao
plantio. Esse profissional poderia realizar a inspeção, inclusive o relatório final.

Em todos os casos, o engenheiro deve obter junto ao CREA a Anotação de Responsabilidade


Técnica – ART para execução dos serviços ou, caso seja funcionário do empreendedor, obter a
ART de cargo ou função relativa à barragem.

No caso de barragens de grande porte, ou nos casos de empreendedores que possuem várias
barragens e optem por ter uma equipe de segurança centralizada, pode ser necessária a
mobilização de um grupo maior de profissionais. O Quadro 2 apresenta a composição típica de
uma “Equipe Chave” a ser alocada nesse caso.

Quadro 2. Equipe Chave (exemplificativo).


Especialidade Experiência
Engº Geotécnico/Geólogo de Profissional com experiência, superior a 10
Engenharia anos, em projetos geotécnicos de barragens
e/ou projetos geotécnicos de recuperação de
barragens, sendo desejável ter experiência em
inspeções de barragens.
Engº Estrutural Profissional com experiência, superior a 10
anos, em projetos estruturais de barragens
e/ou projetos estruturais de recuperação de
barragens, sendo desejável ter experiência em
inspeções de barragens.
Engº Hidráulico Profissional com experiência, superior a 10
anos, em projetos hidráulicos de barragens
e/ou projetos hidráulicos de recuperação de
barragens, sendo desejável ter experiência em
inspeções de barragens.

A capacitação técnica e o treinamento do profissional e/ou da equipe encarregada da realização


das inspeções de segurança de barragem constituem matérias muito relevantes e devem merecer
uma atenção especial do empreendedor. Compete assim ao empreendedor promover:

a) Uma adequada formação e treinamento de todos os novos elementos da equipe, no início


das suas atividades;
b) Uma adequada atualização de conhecimentos e treinamento de todos os elementos da
equipe que desenvolve a sua atividade no local da barragem.

Essas ações de formação e atualização de conhecimentos e treinamento devem envolver


aspectos básicos, a um nível adequado às qualificações de cada técnico, relativos,
nomeadamente:

a) À realização da inspeção de segurança e preenchimento da ficha de inspeção;

11
b) Às medidas a implementar no caso da ocorrência de anomalias graves.

12
3 EXECUÇÃO DA INSPEÇÃO DE SEGURANÇA REGULAR

Este capítulo apresenta o roteiro da inspeção de segurança regular e a ficha de inspeção. Faz-se
uma análise da magnitude das anomalias e da definição do seu nível de perigo e aborda-se a
avaliação do nível de perigo da barragem. Refere-se também à inspeção de segurança regular
de barragens com estruturas associadas à geração hidrelétrica, naqueles casos em que o uso
preponderante não é a geração de energia.

3.1 Aspectos a observar no campo

De posse dos recursos materiais e logísticos, o inspetor deve percorrer a barragem de acordo
com o roteiro descrito anteriormente, identificando e registrando as anomalias na ficha de
inspeção e por fotografias. Deve também proceder a uma classificação inicial da magnitude e
do nível de perigo da anomalia, em função dos critérios que serão descritos a seguir.

A inspeção de campo deve contemplar todas as zonas da barragem, designadamente o talude


de montante, a crista, o talude de jusante, as ombreiras e a zona do reservatório. Deve também
incluir as estruturas extravasoras, nomeadamente o vertedouro, a tomada de água e a descarga
de fundo.

A inspeção de campo integra a inspeção visual da barragem e a leitura da instrumentação


instalada, visando a detecção de anomalias para o preenchimento da ficha de inspeção.

A listagem que se segue considera os aspetos específicos essenciais para observar na execução
das inspeções de segurança regular.

a) Talude de Montante

- Proteção do talude - aspeto geral do material de proteção, embricamento, deposição de


material, desagregação de blocos de rocha, etc.;
- Erosão - sinais de erosão provocada pelo movimento da água no paramento, observar
em especial a transição entre as zonas que normalmente se encontram submersas e as
que se encontram acima do nível de água;
- Ocorrência de fissuras no concreto, ferragem do concreto exposta;
- Plinto (barragens de enrocamento com face de concreto - BEFC) – fissuração, juntas de
construção;
- Vegetação - analisar a existência ou ausência de arbustos ou árvores, sua dimensão e
frequência (entendida como tendência em determinada zona), indagar a possibilidade
de crescimento anormal em épocas secas, mapear a localização;
- Fraturamento - analisar a fragmentação anormal do material de proteção (blocos) que
altere a sua granulometria e portanto o seu poder protetor;
- Buracos causados por animais - sua dimensão, localização e frequência.

b) Talude de Jusante

- Sinais de movimentos - procurar indicadores de deslizamentos planares ou circulares, e


de enrugamentos no talude;

13
- Percolação aparente ou zonas úmidas particularmente na parte inferior do talude -
observar o aparecimento de zonas escuras (coloração caraterística de material
umedecido), vegetação viçosa sem motivo aparente, surgências de água, etc.);
- Deslocamentos planares do material de enrocamento;
- Crescimento de vegetação - analisar o tipo de vegetação existente especialmente devido
à profundidade de raízes, considerar em conjunto com o ponto anterior;
- Estado de proteção do talude - verificar o estado da vegetação necessária para garantir
a resistência à erosão;
- Buracos causados por animais.

c) Ombreiras

As interfaces do corpo da barragem com as ombreiras, representadas esquematicamente na


Figura 4, devem ser inspecionadas visando a detecção de:

- Percolação – detectar sinais aparentes de surgências a jusante;


- Fissuras e juntas - distinguir fissuras longitudinais e transversais, sua abertura,
afastamento e profundidade (quando possível);
- Deslizamentos - detectar sinais aparentes de deslizamentos recentes, causas possíveis;
- Vegetação;
- Sinais de movimento - considerar movimentos globais não inseridos nos deslizamentos.

d) Crista

- Fendilhamento na superfície - analisar as fissuras longitudinais e transversais, abertura,


profundidade e espaçamento;
- Recalques - verificar visualmente o nivelamento dos guarda-corpos, passeios e
pavimento na crista;
- Movimento laterais - os melhores indicadores de movimentos são os postes de
iluminação, se existirem, os guarda-corpos laterais e os meio-fios;
- Estado de conservação de guarda-corpos - os guarda-corpos registram frequentemente
os movimentos sofridos quer por deslizamento de peças simplesmente apoiadas quer
por ruptura de peças rígidas;
- Sobreelevação da crista – apreciação do alteamento da crista definida no projeto para
compensar recalques pós construção;
- Alinhamento do meio-fio, quando existir.

14
Figura 4. Interface do corpo da barragem com as ombreiras.
(Fonte: modificado de NICDS)

e) Galerias

- Detecção de situações anômalas, designadamente fissuras no concreto, infiltrações,


movimentos de juntas e depósito de materiais, em barragens de concreto.

f) Estruturas auxiliares

- Vertedouro (ou sangradouro): ferragem exposta, fissuras no concreto, erosão,


depressões.
- Tomada de água: corrosão, fissuras;
- Comportas: corrosão, água estagnada nos braços, crescimento de vegetação, defeitos de
vedação, deficiências dos equipamentos de manobra;
- Canal de aproximação e de restituição: erosão, fissuras.

g) Instrumentação

- Estado dos instrumentos de medida instalados na obra.

h) Reservatório

- Erosões, assoreamentos, escorregamento dos taludes marginais, vegetação flutuante em


excesso, troncos de árvores, etc.

Em síntese, interessa sublinhar que durante as inspeções visuais devem ser implementadas as
seguintes ações:

- Fotografar todas as situações anômalas encontradas e que poderão necessitar de


correção e determinar a sua causa;
- Fotografar e registrar a localização, direção, comprimento e espessura de cada fissura
observada;
- Monitorar as mudanças observadas nas fissuras.

15
3.2 Fichas de inspeção

As fichas de inspeção deverão cobrir todos componentes da barragem tendo listadas as


anomalias encontradas, sua localização e sua situação.

No Anexo 1 deste Guia são apresentados modelos de fichas para inspeção de segurança regular,
comuns a todos os tipos de barragens (Anexo 1.1.1): de terra (BT) (Anexo 1.1.2), de
enrocamento com face de concreto (BEFC) (Anexo 1.1.3), de concreto (BC) (Anexo 1.1.4) e
para as especificidades de barragens que contêm aproveitamentos hidrelétricos (Anexo 1.1.5)
÷ todas com as respetivas instruções para o seu preenchimento. Essas fichas são exemplos
baseados em MI (2002, 2005, 2010) e foram adotadas na Resolução nº 742 da ANA.

Os empreendedores podem utilizar fichas próprias de inspeção, desde que atendam ao


regulamentado pelas respectivas entidades fiscalizadoras.

A Resolução nº 742 da ANA estabelece, no art. 2º: “As Inspeções de Segurança Regulares de
Barragem devem ser realizadas regularmente, para avaliar as condições físicas das partes
integrantes da barragem visando identificar e monitorar anomalias que afetem potencialmente
a sua segurança”.

Em seu art. 3º define:

- Anomalia: qualquer deficiência, irregularidade, anormalidade ou deformação que possa


afetar a segurança, tanto a curto como a longo prazo.
- Magnitude: como tamanho ou amplitude da anomalia.
- Nível de perigo: gradação do perigo à barragem decorrente da identificação de
determinada (as) anomalia (as).

Ao preencher a ficha de inspeção deve-se definir a situação da barragem para as diferentes


anomalias, classificar a magnitude das anomalias e o seu nível de perigo, de acordo com a
abordagem no item 3.4.

3.3 Tipos mais frequentes de anomalias e suas consequências

3.3.1 Barragens de aterro

Fissuras

Em barragens de aterro, as fissuras podem ser classificadas em termos de dimensão, de acordo


com o indicado no Quadro 3:

16
Quadro 3. Classificação das fissuras em barragens de aterro.
Dimensão Abertura Designação
(mm)
pequena 0,2 < e ≤ 1 pequena
significativa
média 1<e≤5
(trinca)
pronunciada
grande e>5
(rachadura)

As fissuras que se desenvolvem nas barragens de terra podem ser classificadas de acordo com
a sua localização em fissuras interiores e exteriores, e relativamente à sua posição em fissuras
longitudinais e fissuras transversais.

A realidade é, no entanto, mais complexa, podendo ocorrer, simultaneamente, todas as


combinações dessas situações.

As fissuras longitudinais têm um andamento paralelo ao desenvolvimento linear da barragem,


enquanto as transversais situam-se em planos que interceptam horizontal ou verticalmente o
aterro.

Quando são detectadas fissuras transversais e longitudinais na inspeção recomenda-se:

a) Fotografar e registrar a locação, comprimento e espessura;


b) Monitorar as mudanças ao longo do tempo;
c) Buscar entender a causa de sua origem.

Fissuras transversais são perigosas, porque podem contribuir para uma ligação no sentido
montante-jusante, com risco para a segurança, em especial se prosseguem até ao nível abaixo
da cota de retenção. Nestes casos podem criar um caminho de percolação preferencial de água,
podendo resultar em uma diminuição de resistência do material do aterro. Podem ainda indicar
recalques diferenciais no aterro ou na fundação.

Ocorrem frequentemente quando há: i) material compactado do maciço sobre ombreiras


íngremes e irregulares; ii) zonas de materiais compressíveis na fundação.

Fissuras longitudinais podem indicar:

- Recalques desiguais entre materiais de diferentes compressibilidades no maciço;


- Recalques excessivos e expansão lateral do maciço;
- Início de instabilidade do talude.

A maior parte das fissuras referidas na literatura especializada são exteriores e,


consequentemente, visíveis. Constata-se, no entanto, a existência de fissuras interiores no corpo
da barragem, resultantes de variações do estado de tensão do maciço.

17
Surgências

A surgência é a ocorrência de água na face exterior da barragem, nas ombreiras e no pé de


jusante, da barragem por percolação.

A percolação dessa água pode ter as seguintes consequências:

i) Originar um processo de erosão interna (piping) (Figura 5), o qual é influenciado


pelos seguintes fatores:
1) Tipo de solo (areia fina e silte de origem eólica, por exemplo, são altamente
suscetíveis a erosão);
2) Gradiente hidráulico: quanto maior o gradiente, maior a possibilidade de erosão
interna;
3) Tensão confinante: quanto maior é o valor da tensão confinante, menor é a
possibilidade da ocorrência da erosão.

ii) Aumento das poro-pressões e saturação do maciço e da fundação, com a


consequente perda de resistência.

O contato do aterro com uma ombreira rochosa é especialmente favorável à ocorrência de


erosões, pelo que o aterro nessa interface deve exibir adequadas características de plasticidade,
de teor em água e compactação.

Figura 5. Problemas de percolação. (Fonte: modificado de Foster, 1999)

A percolação no corpo da barragem e na sua fundação pode ser controlada pelos seguintes
dispositivos: filtros e drenos internos (verticais ou inclinados), que interceptam e descarregam
o fluxo com segurança, o tapete horizontal e o dreno de pé.

Os poços de alívio, instalados junto ao pé de jusante, objetivam aliviar as subpressões dos


materiais mais permeáveis, subjacentes à camada menos permeável (argilosa). Ajudam também
a controlar a direção e a quantidade de fluxo sob a barragem. Essas subpressões podem provocar
erosão interna do material de fundação e instabilidade do maciço.

Na inspeção recomenda-se:

a) Localizar os pontos de surgência;


b) Medir as vazões e a turbidez da água;

18
c) Registrar a ocorrência de precipitação recente, que possa afetar a medição e a turbidez
da água;
d) Anotar o nível de água do reservatório no momento da medição da vazão;
e) Esclarecer se o reservatório é a fonte da percolação, pois o aumento da vazão com o
nível do reservatório estabilizado é preocupante.

No caso de haver saída do material recomenda-se:

a) Verificar a granulometria do material carreado;


b) Medir a vazão.

Na inspeção dos poços de alívio, observar:

a) A locação de cada poço em relação ao indicado no projeto;


b) Se há fluxo de água: medir a sua vazão e turbidez;
c) Se não há fluxo: procurar explicação com base na estimativa de prévias leituras em
relação ao nível do reservatório.

Se houver perigo iminente para a barragem, deve-se comunicar às autoridades competentes,


defesa civil, prefeitura e à entidade fiscalizadora,

Instabilidade de taludes

A instabilidade dos taludes está relacionada com a ocorrência de deslizamentos e de


deslocamentos, e pode ser agrupada em duas categorias:

a) Ruptura superficial;
b) Ruptura profunda.

A ruptura superficial pode ocorrer no talude de montante ou no talude de jusante nas seguintes
situações:

a) Talude de montante: rebaixamento rápido com deslizamentos superficiais. Não causam


ameaça à integridade da barragem, mas podem causar obstrução da tomada de água e
deslizamentos progressivos mais profundos;
b) Talude de jusante: deslizamentos rasos provocam aumento na declividade do talude e
podem indicar perda de resistência do maciço, por saturação do talude, por percolação
ou pelo fluxo superficial.

Na inspeção deve-se:

a) Medir e registrar a extensão e deslocamento do material movimentado;


b) Procurar por fissuras (trincas ou rachaduras) nas proximidades, especialmente acima do
deslizamento;
c) Verificar percolações nas proximidades;
d) Observar a área para determinar se as condições de instabilidade estão a progredir.

A ruptura profunda é uma séria ameaça à integridade da barragem. É caracterizada por:

a) Talude de deslizamento íngreme bem definido;

19
b) Movimento rotacional e horizontal bem definido;
c) Fissuras (trincas ou rachaduras) em formato de arco.

Ações a serem implementadas para aprofundar as investigações:

a) As rupturas profundas, tanto no talude de montante como de jusante, podem ser


indicações de sérios problemas estruturais. Na maioria dos casos, irão requerer o
rebaixamento ou drenagem do reservatório;
b) Se há suspeita de deslizamento, deve-se:
1) Inspecionar com muito cuidado a área trincada ou escorregada que indique a causa
do deslizamento;
2) Recomendar uma investigação para determinar a magnitude e a causa do evento;
3) Recomendar o rebaixamento do reservatório, nas situações mais críticas.

Depressões

As depressões podem ser localizadas ou abrangentes. Podem ser causadas por recalque no
maciço ou fundação. Tais recalques podem resultar na redução da borda livre e representar uma
potencial situação para o transbordamento da barragem durante o período das cheias.

A ação das ondas no talude de montante pode remover em especial o material da camada de
apoio (transição) do rip-rap, ou ainda o próprio, se mal colocado ou de granulometria
deficiente, descalçando-o e formando uma depressão quando o material recalca sobre o espaço
vazio.

Podem, ainda, ser causadas por erosão regressiva ou piping com o subsequente colapso do
material sobrejacente.

Algumas áreas da superfície do maciço que parecem depressões ou afundamentos podem ter
sido resultado de finalização inadequada da construção, pelo que a causa deve ser determinada.

As depressões podem ser de dois tipos:

a) Os recalques localizados, que apresentam inclinações suaves em formato de bacia;


b) Os afundamentos (sinkholes), que apresentam lados íngremes por colapso devido a um
vazio no solo subjacente.

Recomendações para a inspeção:

a) Embora os recalques, na maioria dos casos, não representem perigo imediato para a
barragem, eles podem ser indicadores iniciais de outros sérios problemas. A inspeção
deverá fotografar e registrar a locação, tamanho e profundidade de cada recalque
observado.
b) Em relação aos afundamentos recomenda-se:
1) Fotografar e registrar a locação, tamanho e profundidade;
2) Examinar cuidadosamente o fundo da depressão localizada para determinar se existe
um grande vazio subjacente ou fluxo de água;
3) Investigar a causa do afundamento e determinar se existe ameaça à barragem.

20
Anomalias decorrentes de má execução ou falta de manutenção na barragem

Se a proteção do talude for considerada inadequada determinar a quantidade de material


removido.
- Registrar e fotografar a área;
- Reparar a proteção inadequada.

A erosão superficial é um dos problemas de manutenção mais comuns nos taludes de aterro. Se
não for corrigida a tempo, pode trazer sérios danos à estrutura, tais como ravinamentos.

As erosões profundas causam fissuras na crista e encurtam o caminho de percolação devido à


redução da seção transversal da barragem.

O crescimento de árvores e arbustos, nos taludes de montante e jusante, e na área imediatamente


a jusante da barragem, deve ser evitado pelas seguintes razões:

a) Para permitir o levantamento e inspeção das estruturas e áreas adjacentes visando


observar percolação, fissuras, afundamentos, deflexões, mau funcionamento do sistema
de drenagem e outros sinais de perigo;
b) Para permitir o acesso adequado às atividades de operação normal e de emergência e
manutenção da barragem;
c) Para evitar danos nas estruturas devido ao crescimento de raízes, que podem provocar
encurtamento do caminho de percolação, vazios no maciço pela decomposição de raízes
ou arrancamento de árvores, expansão de juntas nos muros de concreto, canais ou
tubulações, entupimento de tubos de drenagem;
d) Para evitar obstrução de descarregadores de cheias, tomadas de água, drenos, entrada e
saída de canais.

A tocas de animais podem levar à ruptura da barragem por erosão interna (piping) quando
passagens ou ninhos de animais:

a) Fazem a conexão do reservatório com o talude de jusante ou o encurtamento dos


caminhos de percolação;
b) Penetram no núcleo central impermeável da barragem, quando existe.

Deve-se desencorajar as atividades (pela eliminação da fonte de alimentação e hábitat) de


animais visando prevenir tocas dentro do maciço e possíveis caminhos de percolação;

Na inspeção devem-se:

a) Procurar por evidências de percolação provenientes de tocas no talude de jusante ou na


fundação;
b) Localizar e registrar a profundidade estimada das tocas para comparar com as futuras
inspeções a fim de verificar se o problema está evoluindo.

21
3.3.2 Barragens de concreto

Movimentos diferenciais entre blocos

As deformações permanentes das barragens de concreto manifestam-se em geral por


movimentos nas juntas. A detecção desses movimentos é particularmente importante na
vizinhança de equipamentos hidromecânicos, como as comportas, cujo funcionamento pode ser
posto em causa.

O controle do funcionamento das comportas requer especial cuidado no caso de barragens


afetadas por reações álcali-agregado (RAA), dado que as expansões que se desenvolvem no
concreto podem afetar o funcionamento destes equipamentos.

A evolução destes movimentos diferenciais entre blocos pode ser controlada por intermédio de
testemunhos colocados nas juntas.

Surgências

Em algumas barragens são instalados dispositivos de drenagem que permitem conduzir a água
infiltrada no corpo das obras para galerias ou para áreas a jusante, limitando assim a instalação
de subpressões. No entanto, podem por vezes ocorrer percolações através do corpo da barragem,
em regra através de juntas deficientemente tratadas, tais como as juntas de contração, de
concretagem ou de contato entre materiais diferentes (nomeadamente entre o concreto e o
maciço de fundação ou entre o concreto e maciços de aterro) ou ainda através de áreas de
concreto deficientemente vibrado.

As infiltrações a que correspondam fluxos e velocidades elevadas contribuem para a


deterioração do concreto, por lavagem dos materiais mais finos e contribuem para o
desenvolvimento de reações químicas que estão na origem de diversas anomalias.

Nas fundações das barragens de concreto são em regra realizados tratamentos com vista à sua
consolidação, impermeabilização e drenagem. A coleta das águas de percolação do sistema de
drenagem e a análise do seu volume e características constitui um aspecto importante do
controle de segurança das obras.

Fissuras

No caso das barragens de concreto, observam-se frequentemente fissuras de diversos tipos. As


variações diárias da temperatura originam em regra uma fissuração superficial, que não é
relevante para as condições de segurança das estruturas. No entanto, podem também
desenvolver-se fissuras associadas a deficiências do projeto, ou de construção, ou mesmo do
envelhecimento das estruturas que, em regra, afetam essencialmente as condições de
funcionamento (nomeadamente o funcionamento de comportas e outros equipamentos). Podem,
também, dar origem ao aparecimento de surgências e, ao longo do tempo, afetar as condições
de segurança das barragens. Assim, é importante identificar estas fissuras e controlar o seu
desenvolvimento.

As fissuras que se desenvolvem nas barragens de concreto podem ser classificadas de forma
semelhante às que se desenvolvem nas barragens de aterro, sendo frequente classifica-las em
quatro tipos, sendo neste caso definida também fissuras capilares, como se indica no Quadro 4.

22
Quadro 4. Classificação das fissuras em barragens de concreto.
Dimensão Abertura Designação
(mm)
micro e ≤ 0,2 Fissura capilar
pequena 0,2 < e ≤ 1,0 Fissura pequena
Fissura significativa
média 1,0 < e ≤ 5,0
(trinca)
Fissura pronunciada
grande e > 5,0
(rachadura)

Deterioração devida a expansões associadas a reações químicas – Reatividade álcali-


agregado (RAA)

Os processos expansivos associados a algumas reações químicas, entre os elementos que


constituem o concreto, originam deformações e fissuras no concreto que podem afetar as
condições de funcionalidade e mesmo de segurança das estruturas. Esses processos são em geral
agravados pela presença da água que, por sua vez, é facilitada pela abertura das fissuras. Nesses
casos torna-se necessária uma avaliação da importância da situação por especialistas, através
de inspeções e/ou de eventual realização de ensaios.

3.4 Classificação da magnitude e do nível de perigo das anomalias

3.4.1 Considerações iniciais

Nas fichas de inspeção do Anexo 1.1, a magnitude das anomalias foi classificada em quatro
categorias:

I- Insignificante: anomalia de pequenas dimensões, sem aparente evolução;


P- Pequena: anomalia de pequena dimensão, com evolução ao longo do tempo;
M- Média: anomalia de média dimensão, sem aparente evolução;
G- Grande: anomalia de média dimensão com evidente evolução, ou anomalia de grande
dimensão.

O nível de perigo da anomalia procura quantificar o grau da vulnerabilidade da barragem que


pode ser imposta pela anomalia e indicar a presteza com que ela deva ser corrigida e considera
quatro categorias:

0 - Nenhum: Anomalia que não compromete a segurança da barragem, mas pode ser
entendida como descaso e má conservação;
1 – Atenção: Anomalia que não compromete a segurança da barragem a curto prazo, mas
deve ser controlada e monitorada ao longo do tempo;
2 – Alerta: Anomalia com risco para a segurança da barragem, devendo ser tomadas
providências para a eliminação do problema;
3 – Emergência: Anomalia com risco de ruptura a curto prazo, exigindo ativação do PAE.

As categorias de magnitude da anomalia e do seu nível de perigo apresentadas neste Guia são
as adotadas em MI (2002, 2005 e 2010).

23
As fichas do Anexo 1.1 trazem uma lista não exaustiva das possíveis anomalias encontráveis
em barragens. No Anexo 2 figura uma listagem das anomalias mais graves que ocorrem nas
barragens de terra e de enrocamento, nas barragens de concreto e nas suas estruturas auxiliares,
com a finalidade de auxiliar os inspetores no preenchimento das fichas.

Esses inspetores poderão ter dúvidas na classificação da anomalia, no caso da sua magnitude
ser média ou grande, com reflexos na classificação do nível de perigo da anomalia, quando se
trata das situações de alerta e emergência. O Anexo 2 visa, assim, a contribuir para uma melhor
identificação da causa provável, da possível consequência, e das ações corretivas a serem
implementadas, e ainda orientar sobre a necessidade da presença de um engenheiro qualificado
para inspecionar a barragem e tomada de ações.

O treinamento dos inspetores e a sua capacitação irão certamente contribuir para um melhor
desempenho nas ações de inspeção.

É importante sublinhar que a classificação do nível de perigo da anomalia, principalmente nas


situações de alerta e de emergência, não dispensa o julgamento de engenharia.

3.4.2 Identificação das anomalias graves

Definem-se anomalias graves como sendo as anomalias capazes de comprometer a segurança


de uma barragem e levá-la ao rompimento, no caso de não terem sido empreendidas em tempo
ações corretivas.

Apresenta-se nos Quadros 5, 6 e 7 uma listagem das anomalias mais importantes que podem
ocorrer nas barragens de terra e enrocamento, barragens de concreto e nas estruturas auxiliares
e que, por essa razão, carecem de maior atenção na inspeção. Nos quadros figuram também os
indicadores que possibilitam a classificação destas anomalias em insignificante, pequena,
média ou grande e que, no caso de serem médias ou grandes, podem ser graves.

Esta listagem, resultado da ponderação das publicações do Bureau of Reclamation, Corps of


Engineers, ICOLD, EPRI e da prática internacional, é apresentada a título informativo, e não
tem a pretensão de contemplar todas as possíveis situações.

Procura-se, assim, da listagem das anomalias que constam no Anexo 2, apresentar a seleção nos
Quadros 5, 6 e 7 das mais importantes, que irão possibilitar a definição do nível de perigo da
barragem, e consequentemente definir as situações que necessitam de ações não imediatas
(anomalias insignificantes ou pequenas) ou de ações imediatas (anomalias médias ou grandes).

Apresenta-se na última coluna dos Quadros 5, 6 e 7 códigos para se relacionar às anomalias


extraídas dos Anexos 1.1 e 2.

A interpretação desses códigos faz-se da seguinte forma:

1) Códigos apresentados na parte de cima da linha foram retirados do Anexo 1 (A.1 a A.6),
exemplo BT (B.2.1) – significa que trata-se de uma Barragem de Terra (BT), anomalia
localizada na crista (B2), primeiro item – Erosões (1);

24
2) Códigos apresentados na parte de baixo da linha foram retirados do Anexo 2: exemplo
BT3(1) – significa que trata-se de uma Barragem de Terra (BT), da crista (3) e que a
anomalia é uma fissura longitudinal (1).

Quadro 5. Barragens de Terra (BT) – Listagem das anomalias mais importantes.

Anomalias Insignificante / Média / Código


Pequena Grande
Fissuras longitudinais na crista l<5 l>5 BT(B.2.2)
(comprimento l em m, abertura a a<5 a>5 BT3(1)
em mm e profundidade p em m) p<0,2 p>0,2
Fissuras transversais na crista l<5 l>5 BT(B.2.2)
(comprimento l em m, abertura a a<5 a>5 BT3(4)
em mm) p<0,2 p>0,2
Afundamentos afd<0,3 afd> 0,3 BT(B.2.5)
(afd em m) BT3(6)
Recalques/Deslocamentos dv<0,2 dv>0,2 BT(B.2.5)
verticais (dv em m) BT3(2)
Fugas de água/Vazões na Vf<4 Vf>4 BT(B.4.2)
fundação (Vf em l/min/. m) BT4(5)
Desabamentos/Colapsos Muito pequenos Perda BT(B.2.5)
significativa de BT3(3)
material
Surgências no talude de jusante e Só vestígios Aparecimento BT(B.3.13)
áreas molhadas de água barrenta BT4(6)
Água barrenta
Deslizamentos Muito Muito sérios BT(B.12;B.3.2)
(Escorregamentos) de taludes localizados associados com BT2(1)
a existência de
zonas húmidas
Vazamento (Fuga de água) na Vi <10 Vi >10 BT(B.4.2;
interface aterro/ombreira B.4.3)
(Vi em l/min) BT4(8)
BEFC - Fissuras na laje do a<1 a>1 BT(B.1.3)
concreto (a em mm) BT1(7)
BEFC - barragens de enrocamento com face de concreto

25
Quadro 6. Barragens de Concreto (BC)-Listagem das anomalias mais importantes

Anomalias Insignificante / Média / Código


Pequena Grande
Abertura de juntas a<3 a>3 BC(B.1.6)
(a em mm) BC2(4)
Deslocamentos d<2 d>2 BC(B.2.1)
diferenciais de juntas BC1(4)
(d em mm)
Fissuras verticais em l<3 l>3 BC(B.1.3)
diagonal (comprimento l a<1 a>1 BC2(1.2)
em m, abertura a em sem passagem de com passagem de
mm) água água
Infiltrações através do Q<2 Q>2 BC(B.3.6)
concreto e fissuras (Q BC4(1)
em l/min)
Infiltrações através das Q<20 Q>20 BC(.3.5)
juntas de blocos (Q em BC3(1))
l/min/junta)
Vazões nos drenos de Q<10 Q>10 BC(B.3.8)
fundação BC4(2)
(Q em l/min/m)
Drenos de fundação drenos com aumento excessivo BC(B.5.8)
(colmatação/obstrução colmatações ou de supressões em BC4(2)
ou aumento das vazões aumentos relação aos valores
insignificantes em habituais na mesma
relação aos valores época, redução do
habituais na mesma fator de segurança
época
Movimentos nos taludes movimentos movimentos com BC(F1)
em rochas desprezáveis velocidade BC5(1)
crescente
Vazamento na interface Q<10 Q>10 BC(F5)
concreto/ ombreiras BC5(2)
(Q em l/min)

26
Quadro 7. Estruturas Auxiliares-Listagem das anomalias mais importantes.

Anomalias Insignificante / Média / Código


Pequena Grande
Fissuras l<5 l>5 BC(B.4.10)
(comprimento l em a<5 a>5 BT5(5)
m, abertura a em
mm)
Paredes e muros afd<0,3 afd>0,3 BC(C1.3)
deslocados BT5(4)
(afundamentos)
(afd em m)
Deterioração do Só vestígios ou Com significado ou BC(B.4.3)
concreto muito localizadas Muito extensas BT5(8)
Abertura de juntas a<3 a>3 BT(C.2.5)
(abertura a em mm, BT5(6)
Infiltrações nas Q<10 Q>10 BC(B.4.5)
juntas danificadas (Q BT5(10)
em l/min/junta)
Erosões no canal de p<0,2 p>0,2 BC(C.1.6)
restituição BT5(3)
(profundidade p em
m)
Descalçamento da d<0,1 d>0,1 BC(C.2.4)
estrutura (d em m) BT5(3)
Vazamento dentro e Q<10 Q>10 BC(B.4.9)
ao redor da estrutura BT5(9)
(Q em l/min)
Carreamento de Só vestígios ou Com significado ou BC(B.5.15)
sedimentos muito localizado muito extenso BT5(1)
Erosão no pé da Situação desprezável Com velocidade BT(C.1.6)
barragem (erosão ou estabilizada constante ou BT5(7)
regressiva) crescente
Falha no rip-rap

Nas estruturas auxiliares o comportamento estrutural é semelhante aos das estruturas de


concreto e o comportamento hidráulico está relacionado com as erosões das estruturas
(cavitação e abrasão), arranque de blocos (bacias de dissipação), erosão do maciço rochoso e
deficiências dos equipamentos.

27
3.5 Nível de Perigo da barragem

O nível de perigo da barragem, segundo o art. 7 da Resolução ANA nº 742/2011, deve ser
classificado em 4 categorias, em função do tipo de anomalias, sua evolução e da urgência de
medidas corretivas, designadamente:

a) Normal: quando não foram encontradas anomalias ou as anomalias encontradas não


comprometem a segurança da barragem, mas devem ser controladas e monitoradas ao
longo do tempo;

b) Atenção: quando as anomalias encontradas não comprometem a segurança da


barragem a curto prazo, mas devem ser controladas, monitoradas ou reparadas ao
longo do tempo;

c) Alerta: quando as anomalias encontradas representam risco à segurança da barragem,


devendo ser tomadas providências para a eliminação do problema;

d) Emergência: quando as anomalias encontradas representam risco de ruptura iminente,


devendo ser tomadas medidas para prevenção e redução dos danos materiais e
humanos decorrentes de uma eventual ruptura da barragem.

No Manual do MI e na Resolução nº 742 da ANA não existem orientações sobre como, a partir
da definição do nível de perigo das anomalias (situação micro), fazer a classificação do nível
de perigo da barragem (situação macro). Trata-se de um tema delicado que necessita ser
abordado com ponderação.

Nos Quadros 5 a 7 foram apresentadas listagens para as barragens de terra e enrocamento,


barragens de concreto e estruturas auxiliares, das anomalias graves, cujas magnitudes estão
classificadas como insignificante, pequena, média e grande. As anomalias classificadas como
média e grande exibindo uma taxa de progressão elevada e de difícil quantificação estão
conotadas com uma classificação de nível de perigo da barragem de alerta e emergência. Pode,
então, uma única anomalia grave comprometer a segurança da barragem e levá-la à ruptura. É
necessária a presença de um engenheiro qualificado e experiente para inspecionar a barragem,
validar o nível de perigo da barragem e orientar as ações a serem tomadas, com a antecedência
ou urgência requerida.

Há diversas características do nível de perigo das anomalias que afetam a percepção do nível
de perigo da barragem, por exemplo:

- efeito imediato - efeito retardado;


- não existir alternativa possível - existir alternativa possível;
- perigo não conhecido - perigo conhecido ;
- consequências irreversíveis - consequências reversíveis;

Consoante o tipo e a progressão das anomalias graves devem ser programadas ações que podem
ser classificadas como:

i) Medidas imediatas
- Baixar o nível de água no reservatório;
- Reforçar o monitoramento e a inspeção;

28
- Reforços simples, tais como aumento de peso a jusante, reforço de drenagem, etc.).

ii) Reabilitação

O nível de perigo da barragem e as ações corretivas necessárias devem constar do relatório de


inspeção.

3.6 Inspeção de segurança regular de estruturas de hidrelétricas

Descreve-se um conjunto de ações a serem implementadas na inspeção de segurança regular de


estruturas de hidrelétricas, nos casos das barragens em que o uso preponderante não é a geração
de energia.

Neste caso a ficha de inspeção de segurança regular deve ser complementada contemplando
não só as estruturas associadas às usinas, mas também avaliar o estado de funcionamento e de
conservação dos equipamentos hidromecânicos, eletromecânicos e elétricos associados.

A listagem apresentada, de caráter geral e indicativo, deverá ser adaptada a cada instalação em
particular, tendo em conta as suas características específicas e o seu tempo de serviço.

3.6.1 Objetivos

Devem ser efetuadas as seguintes verificações gerais:

- Instalação dos equipamentos, estado de manutenção e limpeza;


- Conformidade com projeto, desenhos, instruções de montagem ou outras
especificações;
- Conformidade com Normas e Regulamentos aplicáveis;
- Verificação da existência de manuais de operação e manutenção das instalações e
equipamentos;
- Verificação da existência de peças de reserva;
- Estado funcional geral da instalação.

3.6.2 Ficha de inspeção das estruturas

O Anexo 1.1.5 apresenta uma ficha com os aspectos mais relevantes aplicados às usinas
hidrelétricas nos casos das barragens em que o uso preponderante não é a geração de energia.

Na geração hidrelétrica existe uma série de estruturas associadas a usinas e a barragens


existentes somente em alguns empreendimentos, pelo que as Fichas de Inspeção apresentadas
no Anexo 1.1.5 devem ser adaptadas pelos empreendedores tendo em conta as diversas
situações.

3.6.3 Equipamento hidromecânico

Em relação ao equipamento hidromecânico devem ser verificados os seguintes componentes:

Comportas

Verificação do funcionamento até abertura máxima:

29
- Por comando elétrico local;
- Por comando elétrico à distância;
- Automático;
- Manual.

Outros aspectos a considerar na inspeção:


- Fonte alternativa de energia;
- Pessoal de exploração adestrado;
- Instruções escritas de manobra;
- Instruções escritas de manutenção;
- Estado de conservação da pintura;
- Guinchos e cabos de aço;
- Servomotores;
- Grades.

Condutos e Blindagens

Verificação do estado de conservação da pintura das superfícies;


Verificação das juntas, vedantes e pontos de infiltração.

3.6.4 Equipamento eletromecânico

Quanto ao equipamento eletromecânico devem ser objeto de verificação os seguintes


componentes:

Turbinas

Antes da desmontagem efetuar a verificação de todas as situações de funcionamento e


automatismos do grupo, para avaliação das condições de segurança e estabilidade.

Após a desmontagem efetuar o exame visual e controlo dimensional de todos os componentes.

Os principais órgãos a inspecionar são:

Mancal de impulso:
Junta de vedação do veio
Mancal guia
Veio
Roda
Anel de acionamento do distribuidor
Diretrizes
Aros do distribuidor
Servomotores do distribuidor
Antedistribuidor
Caixa Espiral
Tubo de aspiração
Válvula de proteção do grupo.
Casa de máquinas (Figura 6).

30
Sistema de regulação de velocidade

Verificação do estado de funcionamento e de conservação de todos os componentes do sistema


e regulação de velocidade.

Instalação de refrigeração

Verificação do estado de funcionamento e de conservação de todos os componentes da


instalação de água de refrigeração.

Figura 6. Vista de casa de máquinas. (Fonte: COBA, S.A.)

Alternadores

Sistema de excitação e regulação de tensão

Aparelhos de elevação

Verificação do estado de operação, desgastes, corrosão, integridade, folgas e apertos da


parafusaria de todos os órgãos.

Equipamentos de AVAC (Aquecimento, Ventilação e Ar Condicionado)

Verificação do estado de funcionamento e de conservação de todos os componentes da


instalação de ventilação.

Instalação de bombeamento

Verificação do estado de funcionamento e de conservação de todos os componentes da


instalação de bombeamento.

31
3.6.5 Equipamentos mecânicos

Em comportas e válvulas, identificar superfícies danificadas, incluindo:


- Fissuras;
- Soldas quebradas;
- Peças faltando, com folgas ou quebradas;
- Perda de revestimento de proteção;
- Corrosão e ferrugem de metais;
- Cavitação.

Nos berços e guias identificar:


- Estragos;
- Partes empenadas;
- Desalinhamentos;
- Sinais de deterioração dos selos;
- Sinais de emperramento nas placas dos selos (arranhões e sulcos).

Verificar nos sistemas operacionais:


- Partes faltando, com folgas ou quebradas;
- Corrosão nas conecções do sistema de elevação;
- Danos nas hastes e nas guias;
- Vazamentos de óleo em volta das hastes;
- Níveis inadequados de fluidos ou vazamento dos fluidos de operação.

Ao se operar comportas e válvulas verificar:


- Grelha de Proteção;
- Comporta da Tomada de Água;
- Câmara da comporta;
- Temperatura do motor para saber se está quente – um sinal de sobrecarga.

O inspetor deve observar eventuais movimentos intermitentes e bruscos, vibrações excessivas


ou emperramentos, e ruídos estranhos.

Sistemas de força auxiliares, que são usados quando o sistema principal está inoperante, devem
ser testados frequentemente de acordo com os procedimentos operacionais. Os testes deverão
ser feitos considerando-se condições normais de operação, bem como simulando condições
adversas.

Ao se testar o sistema de força auxiliar, verificar:


- se o sistema auxiliar está em condições operacionais, testando válvulas e comportas
representativas do conjunto;
- Se sistemas manuais são usados quando o sistema principal está inoperante, verificar
suas capacidades de operar comportas e válvulas críticas em tempo adequado.

3.6.6 Equipamentos elétricos

Os seguintes equipamentos da Subestação devem ser objeto de verificação:

- Estruturas metálicas, barramentos e acessórios


- Equipamentos de alta tensão

32
- Transformador de potência
- Quadros de média tensão
- Transformadores de serviços auxiliares
- Grupo diesel de emergência
- Quadros de baixa tensão
- Carregador retificador
- Baterias
- Instalação de iluminação e tomadas
- Instalações de segurança
- Cabos elétricos e caminhos de cabos
- Quadros de comando e controlo
- Proteção contra descargas atmosféricas
- Rede de terras.

3.6.7 Qualificação dos Inspetores

Adicionalmente ao(s) inspetor(es) responsáveis pela inspeção regular, deverá ser incluída, no
caso de existirem equipamentos hidrelétricos para geração de energia, engenheiro especializado
com conhecimento específico em estruturas hidrelétricas ou inspetor qualificado de nível
médio.

No caso dos grupos turbina-alternador, essas atividades devem ser realizadas, de preferência,
pelos respectivos fabricantes.

Na realização de uma inspeção de usinas hidrelétricas o inspetor deve ter noções sobre os
componentes eletromecânicos do empreendimento que possuem interface com as estruturas
civis (como as comportas de um vertedouro, por exemplo) ou que em caso de anomalia possam
afetar a operação e eventualmente a própria segurança da barragem (como bombas existentes
em poços de drenagem, por exemplo).

O quadro atual de inspetores de barragens brasileiras é muito diversificado integrando


profissionais de nível escolar superior e ainda técnicos de nível médio, pelo que é desejável que
a Ficha de Inspeção padronizada seja objetiva, simples, e permita avaliações rápidas por parte
do responsável técnico pela segurança da barragem e ainda verificações da entidade
fiscalizadora.

33
4 ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE INSPEÇÃO E EXTRATO

4.1 Relatório de Inspeção

O relatório de inspeção, a ser elaborado pelo responsável técnico com a formação de engenheiro
e experiência em segurança de barragens, deve conter, como mínimo, as seguintes informações:

1. Sumário Executivo

a) Nome da barragem;
b) Código da barragem no cadastro do órgão fiscalizador;
c) Identificação do empreendedor ou do seu representante legal;
d) Identificação do responsável técnico e anotação da sua responsabilidade;
e) Localização, data de inspeção;
f) `Outorga;
g) Data da construção;
h) Responsável pela construção.

2. Principais características

a) Bacia Hidrográfica
b) Curso d água barrado
c) Coordenadas
d) Finalidade
e) Capacidade do reservatório
f) Área inundada
g) Tipo de barragem
h) Cota da crista
i) Altura da barragem
j) Comprimento da barragem

3. Histórico - incidentes/acidentes anteriormente ocorridos, se aplicável.

4. Fichas de Inspeções preenchidas, a serem revisadas pelo responsável técnico, que deve
pronunciar-se sobre:

a) Avaliação de anomalias: situação, classificação da sua magnitude e nível de perigo (ver


item 3.4);
b) Fotografias das anomalias consideradas médias ou graves e sua descrição.
c) Análise dos registros dos seguintes instrumentos quando existam: piezômetros,
medidores de tensões, registradores de fluxo, medidores de recalques, inclinômetros,
extensômetros, marcos de referência, medidores de nível de água, medidores de vazão,
acelerôgrafos, sismoscópios (Corps of Engineers, 1995a, 1995c; Seco e Pinto, 1982).

5. Comentários e observações sobre as componentes da barragem, designadamente: talude de


montante, crista, talude de jusante, ombreiras, instrumentação, estruturas extravasoras
(vertedouro, reservatório, torre de tomada de água, galeria de fundo) e estrada de acesso.

6. Avaliação do nível de perigo da barragem (ver item 3.5).

35
7. Conclusões, recomendações e ações a implementar pelo empreendedor

a) Proposta de reclassificação da categoria de risco da barragem para a entidade


fiscalizadora em função do resultado da inspeção (se for o caso);
b) Implementação do Plano de Ação de Emergência: comunicações, sistemas de aviso,
evacuações (se aplicável).
c) Recomendação de eventuais trabalhos de reabilitação e manutenção ou inspeções de
segurança regular e especial, como por exemplo: o deplecionamento do reservatório,
disposição de materiais susceptíveis de reforçar a estabilidade da barragem ou retardar
a sua ruptura. Para os diferentes tipos de anomalias, que ocorrem com mais frequência
nas barragens de terra, de enrocamento e de concreto, apresenta-se no Anexo 2 uma
listagem das ações corretivas a serem implementadas para reabilitar a barragem, visando
minimizar as suas consequências e evitar que o seu eventual rompimento possa pôr em
perigo a segurança e a vida da população e provocar danos econômicos e ambientais.

Um modelo para realização do relatório relativo à Inspeção regular de barragem é sugerido no


Anexo 3.

No caso da ANA ser a entidade fiscalizadora, a Resolução nº 742/2011 estabelece que o


relatório deverá estar disponível na barragem para consulta em posteriores vistorias. Esse
relatório, assinado pelo responsável técnico, deverá ser anexado ao Plano de Segurança da
Barragem (Art. 13 ), em até 60 dias após a inspeção (Art.8).

No caso de barragens reguladas por outras entidades fiscalizadoras, o empreendedor deverá


proceder conforme normativos específicos.

Cabe, ainda, ao empreendedor:

a) Cumprir as recomendações contidas nos relatórios de inspeção de segurança;


b) Providenciar o cadastramento e a atualização das informações relativas à barragem junto
à entidade fiscalizadora;
c) Ser informado de qualquer alteração que possa acarretar redução da capacidade de
descarga da barragem ou que possa comprometer a sua segurança;
d) Prover os recursos necessários à garantia da segurança da barragem;
e) Providenciar a elaboração e a atualização do Plano de Segurança da Barragem.

4.2 Extrato da Inspeção

No caso de barragens fiscalizadas pela ANA, o extrato da inspeção de segurança regular (que
se apresenta no Anexo 1.6), deve ser enviado pelo empreendedor à ANA, por meio de internet
no sítio www.ana.gov.br, até 31 de maio de cada ano para as inspeções realizadas durante o
Primeiro Ciclo de inspeção (compreendido entre 01 de outubro e 31 de março do ano
subsequente) e até 30 novembro de cada ano para as inspeções realizadas durante o Segundo
Ciclo de Inspeção (compreendido entre 01 de abril e 30 setembro do mesmo ano).

Nas situações em que as barragens apresentarem nível de perigo de alerta os extratos deverão
ser encaminhados à ANA em 15 dias e nos casos em que o nível de perigo for de emergência
os extratos deverão se encaminhados em 1 dia após a realização da inspeção, para que possam
ser tomadas em tempo medidas corretivas, ou mitigar o dano potencial.

36
O extrato da inspeção deverá conter uma lista das anomalias encontradas categorizando a sua
magnitude e nível de perigo.

37
PARTE II- INSPEÇÃO DE SEGURANÇA ESPECIAL

Apresenta-se o enquadramento legal das inspeções de segurança especial, as suas etapas e


planejamento, a execução da inspeção no campo, a avaliação dos resultados e elaboração do
relatório e o atendimento às recomendações do relatório.

1 CONSIDERAÇOES INICIAIS

De acordo com o art. 9 da Lei nº 12.334 de 20 de setembro de 2010 “As inspeções de segurança
regular e especial terão a sua periodicidade, a qualificação da equipe responsável, o conteúdo
mínimo e o nível de detalhamento definidos pelo órgão fiscalizador em função da categoria de
risco e do dano potencial associado à barragem”. O seu parágrafo 2º estabelece “a inspeção de
segurança especial será elaborada, conforme orientação do órgão fiscalizador, por equipe
multidisciplinar de especialistas, em função da categoria de risco e do dano potencial associado
à barragem, nas fases de construção, operação e desativação, devendo considerar as alterações
das condições a montante e jusante da barragem”.

Assim, pode-se defini-la como uma inspeção realizada por especialistas em condições
específicas, tais como: após a ocorrência de uma anomalia ou de um evento adverso que possa
colocar em risco a segurança da barragem, em situações críticas da vida da barragem e durante
a Revisão Periódica de Segurança de Barragem.

Eventualmente normativos futuros de entidades fiscalizadoras de barragens poderão trazer


aspectos específicos relativos à inspeção especial, que devam ser levados em consideração.

Para as barragens com dano potencial alto, independente do risco, apresentam-se exemplos de
situações em que se considera importante realizar uma inspeção de segurança especial:

a) Quando verificada anomalia considerada grave durante uma inspeção regular ou equipe
de operação e manutenção da barragem durante suas atividades de rotina;
b) Sempre que se preveja um deplecionamento rápido do reservatório de barragens:
c) Após a ocorrência de eventos extremos, tais como cheias superiores à cheia de projeto,
sismos e secas prolongadas;
d) Em situações de descomissionamento ou abandono da barragem;
e) Em situações de sabotagem.

Para as barragens com altura de maciço superior a 15 m e capacidade total do reservatório


superior a 3 milhões de metros cúbicos, independente do dano potencial associado, considera-
se também importante realizar uma inspeção especial nas seguintes situações:

a) Antes do final da construção da barragem, quando, sem afetar a segurança e


funcionalidade da obra, seja possível promover um enchimento parcial do reservatório;
b) Após o primeiro enchimento do reservatório, ou durante esse enchimento, no caso de
haver patamares de enchimento, quando eles são atingidos.

Para todas as barragens enquadradas na Lei deve-se realizar uma inspeção especial detalhada
por ocasião da Revisão Periódicas de Segurança.

Apresenta-se no Quadro 8 uma síntese das situações em que deve ser efetuada uma inspeção de
segurança especial, anteriormente referidas.

39
Quadro 8. Situações da realização de uma inspeção de segurança especial.
Classificação do dano potencial
Situação
associado
Dano potencial alto, Anomalia grave
independente do risco Deplecionamento rápido
Eventos extremos (cheias, sismos e secas)
Descomissionamento e abandono
Sabotagem
Revisão Periódica de Segurança
Independente do dano Para todas as barragens com altura de maciço superior
potencial associado a 15 m e capacidade total do reservatório superior a 3
milhões metros cúbicos:
● Antes do final de construção;
● Durante e após o primeiro enchimento;
● Revisão Periódica de Segurança.

A inspeção de segurança especial integra as seguintes etapas:

a) Planejamento da inspeção;
b) Execução da inspeção no campo;
c) Avaliação dos resultados e elaboração do relatório;
d) Atendimento às recomendações do relatório

O produto da inspeção especial é um relatório com parecer conclusivo sobre a condição da


barragem contendo recomendações e medidas detalhadas para mitigação e solução dos
problemas encontrados e/ou prevenção de novas ocorrências.

A inspeção de segurança especial serve para verificar se as condições de segurança da barragem


estão garantidas, sendo assim possível continuar a operação do reservatório, procurando
minimizar a ocorrência de acidentes.

Procura-se nas inspeções de segurança especial analisar situações indutoras de anomalias


graves tais como obstruções aos escoamentos provocados por materiais transportados pela
água, erosões a jusante, deteriorações dos órgãos extravasores; deteriorações de equipamentos
do sistema de monitoramento poderão interferir na correta avaliação de eventuais anomalias.

As inspeções de segurança especial devem ser realizadas às expensas do empreendedor.

40
2 PLANEJAMENTO DA INSPEÇÃO ESPECIAL

Abordam-se as situações em que devem ser efetuadas as inspeções de segurança especial, a


qualificação dos inspetores, estudos e relatórios a consultar, recursos logísticos e materiais
necessários e roteiro da inspeção.

Identificados os objetivos e caracterizados os potenciais problemas das inspeções, o


planejamento, irá possibilitar: definir a logística; selecionar os acessos; definir os meios
humanos; definir os meios materiais; otimizar os itinerários; e selecionar a ficha de inspeção,
se necessária.

2.1 Quando fazer uma inspeção de segurança especial

Para as barragens com dano potencial alto, independente do risco, recomenda-se que a inspeção
de segurança especial seja feita nas seguintes situações:

a) Quando for detectada uma anomalia grave (Figura 7), sintomas de envelhecimento e ainda
deficiências do sistema de monitoramento, numa inspeção de segurança regular ou pela
equipe de operação e manutenção da barragem durante suas atividades de rotina. As
anomalias mais frequentes estão apresentadas nos Quadros 5 a 7 da Parte 1.

Figura 7. Fissuras longitudinais na crista de barragem de terra no Brasil, causada pelos


recalques de camada de solo coluvionar de basalto, na fundação.
(Fonte: Arquivo SBB Engenharia)

41
b) Por ocasião de deplecionamentos rápidos do reservatório e quando o risco envolvido
o justifique, com o objetivo de evitar a ocorrência de acidentes e incidentes ou
minimizar a sua importância e efeitos, além de permitir verificar as hipóteses de
projeto;

c) Após a ocorrência de grandes cheias que podem originar acidentes por galgamento
da barragem, por vezes associados a obstruções aos escoamentos provocadas por
materiais transportados pela água, assim como importantes erosões a jusante das
barragens (Figura 8) e deterioração dos órgãos de segurança e operação,
nomeadamente por subpressões, abrasão e cavitação;

Figura 8. Descargas na barragem devido a cheias.


(Fonte: COBA, S.A.)

d) Na sequência de eventos extremos (cheias ou sismos com período de recorrência


superior ao de projeto), bem como de circunstâncias anômalas que possam
influenciar a segurança ou a funcionalidade da obra, designadamente ruptura de
barragens a montante, queda de taludes para o interior do reservatório envolvendo
grandes massas e provocando ondas que podem provocar na barragem subsidência
de terrenos.

Embora o Brasil seja um País de baixa sismicidade, sismos naturais ou induzidos


pelo enchimento de grandes reservatórios, podem também originar deteriorações nas
barragens.

Não obstante a ocorrência de tremores naturais e sismos induzidos por enchimento


de reservatório, não há registros de danos nas barragens brasileiras, dada a reduzida
magnitude desses sismos.

Refere-se, a título de exemplo, que a inspeção de segurança especial conduzida na


barragem de Zipingpu, após a ocorrência do sismo de Wenchian de 12 de maio 2008,
revelou danos na laje de concreto (Figuras 9 e 10), que exigiram reparação imediata.

42
Figura 9. Perfil tipo da barragem de enrocamento de Zipingpu (China).
(Fonte: COBA, S.A.)

Figura 10. Danos causados na laje de concreto da barragem de enrocamento


de Zipingpu (China). (Fonte: COBA, S.A)

e) Nas barragens que enfrentam seca prolongada da qual resulta um esvaziamento


significativo do reservatório ou até situação de completa ausência de água no
reservatório, devem ser objeto de inspeção de segurança especial, antecedendo o
possível período de chuvas subsequente. Considera-se neste caso uma situação de
seca total prolongada para um período de dois anos;

f) Para situações de descomissionamento ou abandono da barragem;

g) Para situações de sabotagem.

43
Para as barragens com altura de maciço superior a 15m e capacidade total do reservatório
superior a 3 milhões de metros cúbicos, independente do dano potencial associado, considera-
se também importante realizar uma inspeção especial nas seguintes situações:

a) Antes da conclusão da construção da barragem, quando, sem afetar a segurança e


funcionalidade da obra, seja possível promover um enchimento parcial do
reservatório;
Com o objetivo verificar se o estado da obra e a funcionalidade, tanto dos dispositivos
de fechamento do rio e dos equipamentos dos órgãos de segurança e operação como
do sistema de observação e do Plano Ação de Emergência (PAE) permitem dar início
ao enchimento do reservatório;

b) Após o primeiro enchimento do reservatório, para as barragens de categoria de dano


potencial alto, com o objetivo de verificar o estado da barragem e dos equipamentos
e contribuir para as decisões que serão tomadas relativamente à operação.

Para todas as barragens enquadradas na Lei deve-se realizar uma inspeção especial por ocasião
da Revisão Periódicas de Segurança.

2.2 Qualificação dos Inspetores

A inspeção de segurança especial deve ser conduzida por equipe de especialistas, na presença
do responsável técnico pela segurança da barragem, e ainda, eventualmente, de outros
intervenientes no controle de segurança.

A equipe multidisciplinar de especialistas, função do tipo de barragem (aterro ou concreto), de


seu porte (pequena, média ou grande) e da existência ou não de instrumentação na barragem,
pode ter uma composição variável de um a vários especialistas, tendo em conta o evento
causador da inspeção de segurança especial.

As equipes irão variar, dependendo da anomalia encontrada ou evento ocorrido. O Quadro 9


apresenta as especialidades mínimas dependendo da situação verificada.

44
Quadro 9. Equipe-Chave mínima em função da anomalia ou do evento causador da
inspeção especial.
Anomalia / Evento Equipe mínima a ser alocada
Barragem de Terra Barragem de Concreto
Fissuras, erosão interna, deslizamentos Eng. Geotécnico
de taludes
Aberturas de juntas, fissuras no Eng. Estrutural
concreto, deteriorações do concreto
associadas a reações químicas,
movimentos nos taludes
Deplecionamento rápido do Eng. Geotécnico Eng. Estrutural
reservatório
Galgamento Eng. Geotécnico Eng. Estrutural
Eng. Hidráulico Eng. Hidráulico
Cheias, sismos e secas Eng. Geotécnico Eng. Estrutural
Eng. Hidráulico Eng. Hidráulico
Descomissionamento Eng. Geotécnico Eng. Estrutural
Eng. Hidráulico Eng. Hidráulico
Revisão Periódica Eng. Geotécnico Eng. Estrutural
Eng. Estrutural Eng. Geotécnico
Eng. Hidráulico Eng. Hidráulico

O perfil esperado dos profissionais listados na “Equipe Chave”, com suas respectivas funções,
é apresentado no Quadro 10:

Quadro 10. Equipe chave (exemplificativo).


Especialidade Experiência
Engº Coordenador Geral Profissional com experiência, superior a 15 anos, em projetos
de recuperação de barragens, envolvendo análise da
documentação existente, vistorias técnicas, diagnóstico e
projetos de recuperação de obras civis e equipamentos
hidromecânicos e elaboração de manuais de segurança,
operação e manutenção
Engº Geotécnico/Geólogo de Profissional com experiência, superior a 10 anos, em projetos
Engenharia geotécnicos de barragens, incluindo tratamento de fundações.
Engº Estrutural Profissional com experiência, superior a 10 anos, em projetos
estruturais de barragens e/ou projetos estruturais de
recuperação de barragens
Engº Hidráulico Profissional com experiência, superior a 10 anos, em projetos
hidráulicos de barragens e/ou projetos hidráulicos de
recuperação de barragem
Engº Hidrólogo Profissional com experiência, superior a 10 anos, em estudos
hidrológicos para projetos de barragens

45
Em situações especiais, em função da natureza do evento ou da configuração da barragem, pode
ser necessário acionar outros profissionais além daqueles listados no Quadro 10. O Quadro 11
a seguir apresenta o perfil desses profissionais complementares.

Quadro 11. Equipe complementar.


Especialidade Experiência
Engº Mecânico Profissional com experiência, superior a 10 anos, em projetos
de equipamentos hidromecânicos e/ou de recuperação de
estruturas auxiliares de barragens
Engº Eletricista Profissional com experiência, superior a 10 anos, em projetos
elétricos de barragens e/ou projetos elétricos de recuperação
de barragens
Geólogo Profissional com experiência, superior a 10 anos, em estudos
geológicos de fundações de barragens

Os profissionais da equipe responsável pela inspeção de segurança especial deverão ter registro
no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia-CREA, com atribuições profissionais para
o projeto ou construção ou operação ou manutenção de barragens, compatíveis com as definidas
pelo Conselho Federal de Engenharia e Agronomia-CONFEA.

Para apoio às atividades de campo, a equipe-chave poderá necessitar de uma equipe de apoio
para avaliar anomalias específicas. Essa equipe de apoio pode contar com os seguintes
profissionais:

- Mergulhador
- Topógrafo
- Laboratorista
- Cadista
- Inspetor de campo.

2.3. Estudos e relatórios a consultar

Com vista a dispor de uma adequada informação, antes da realização das inspeções, devem ser
consultados os estudos e relatórios referentes:

a) Plano de Segurança de Barragem (composto por 5 volumes, respectivamente:


Volume I - Informações Gerais, Volume II - Planos e Procedimentos, Volume III-
Registros e Controles, Volume IV - Plano de Ação e Emergência, Volume V-Revisão
Periódica de Segurança de Barragem);
b) Relatórios de inspeções de segurança regular anteriores;
c) Plano do 1º enchimento (se for o caso);
d) Programa de deplecionamento da barragem (se for o caso);
e) Plano de descomissionamento da barragem (se for o caso);
f) A ocorrência de eventos extremos, designadamente cheias, sismos e secas (se for o
caso);
g) Análise dos registros dos instrumentos;
h) Reparações anteriores (se for o caso).

46
2.4. Recursos logísticos e materiais necessários

Na inspeção de segurança especial a equipe deve ser portadora do equipamento referido no item
2.3 da Parte I.

As inspeções devem ser documentadas com registros fotográficos. Sempre que tais registros
visem quantificar uma grandeza, devem ser utilizadas referências de escala (uma pequena
régua, por exemplo) e referências de localização relativamente a pontos fixos.

As inspeções subaquáticas, quando for necessário, devem contemplar as estruturas submersas


de concreto, com planejamento prévio, para verificar a existência de erosão, vazios no concreto
e armadura exposta (Figura 11).

As inspeções com mergulhadores só são normalmente efetuadas até uma profundidade máxima
de 50m, Para maiores profundidades deve-se recorrer à utilização de trajes especiais ou de robô
operado à distância.

Figura 11. Inspeção subaquática. (Fonte: COBA, S.A.)

2.5.Roteiro da inspeção

O roteiro da inspeção depende da situação a ser investigada e da metodologia de trabalho da


equipe de especialistas. Caso seja necessário o apoio de uma ficha de inspeção, há modelos no
Anexo 1, que podem ser utilizados em parte ou integralmente. Esta ficha de inspeção procura
analisar as situações das eventuais anomalias que podem ocorrer no talude de montante, crista,
talude de jusante, ombreiras e órgãos extravasores da barragem.

As situações em que deve ser efetuada uma inspeção de segurança especial foram definidas no
item 2.1 (Parte II).

47
3 EXECUÇÃO DA INSPEÇÃO DE SEGURANÇA ESPECIAL

3.1 Aspectos a observar em campo

Nos casos de primeiro enchimento, deplecionamento, ocorrência de eventos extremos,


desativação da barragem, de sabotagem e da revisão periódica de segurança de barragem, a
inspeção de campo deve contemplar todas as zonas da barragem, designadamente o talude de
montante, a crista, o talude de jusante, as ombreiras e zona do reservatório. Deve também incluir
as estruturas auxiliares, tais como o vertedouro, a tomada de água e a descarga de fundo. Os
aspectos a serem inspecionados estão descritos nas fichas de inspeção constantes do Anexo 1,
a qual pode ser utilizada pela equipe de especialistas, se julgar necessário.

No caso de se tratar de uma anomalia grave, a inspeção de campo deve concentrar-se no local
da sua ocorrência e na sua vizinhança e se necessário estender-se a outros locais, pelo que as
fichas de inspeção apresentadas no Anexo 1 devem ser adaptadas de acordo com a situação
específica.

No sentido de ajudar o engenheiro a conduzir uma inspeção de segurança especial e possibilitar


a identificação das anomalias graves, suas causas e a avaliação das situações problemáticas,
contextualiza-se, nos itens subsequentes, os aspetos específicos que dizem respeito às barragens
de terra, de enrocamento e de concreto e estruturas auxiliares.

3.2 Barragens de Terra - Aspetos Específicos

3.2.1 Considerações iniciais

Com base nos cenários correntes (situação hipotética que pode originar um incidente) e de
cenários de ruptura (situação hipotética que pode originar um acidente) de barragens de terra,
procura-se avaliar, de uma forma sintética, os fatores na génese das fissuras e as diferentes
medidas que devem ser implementadas com o objetivo de se evitar a ocorrência de incidentes
ou acidentes.

A análise das anomalias (deteriorações) exibidas pelas barragens de aterro revela o seguinte
panorama (ICOLD, 1997):

a) Deteriorações devidas aos órgãos de segurança e de operação - cerca de 35%;


b) Deteriorações devido a fissuras e fraturamento hidráulico - cerca de 30%;
c) Deslizamentos de taludes de aterro e dos reservatórios - cerca de 10%;
d) Percolação excessiva ao longo da fundação - cerca de 12%;
e) Inadequada proteção dos taludes - 7%;
f) Diversas causas - 6%.

A distribuição das deteriorações ao longo das fases da vida da barragem é a seguinte:

a) 20 % durante a construção;
b) 20 % durante o primeiro enchimento;
c) 22 % após o primeiro enchimento
d) 16 % durante os cinco primeiros anos após a construção;
e) 22% dos casos não identificados.

49
Exibindo as anomalias devido a fissuras um papel importante afigura-se com interesse tecer
algumas considerações sobre a ocorrência de fissuras. Uma melhor compreensão dos fatores na
gênese das fissuras implica uma análise mais cuidadosa durante a inspeção de campo e
estabelecer uma interligação com as medidas que foram eventualmente tomadas ou não no
projeto e na construção.

Procura-se, assim, sensibilizar os técnicos envolvidos nas inspeções de segurança e ajudar na


identificação destas situações, na classificação das magnitudes e nível de perigo das anomalias
e na definição dos níveis de intervenção-ações corretivas a serem implementadas na barragem.

3.2.1. Fatores na gênese das fissuras

Diversos fatores podem contribuir para a formação de fissuras em barragens de terra como está
ilustrado esquematicamente na Figura 12. Faz-se em seguida uma descrição sumária dos fatores
mais determinantes e com base na análise de casos de obra apresentam-se as medidas que se
procuram implementar durante a elaboração do projeto e na construção, visando uma
minimização da ocorrência de fissuras (Sêco e Pinto,1983).

Figura 12. Esquema ilustrativo de formação de fissuras.


(Fonte: modificado de Sherard et al., 1963)

Recalques diferenciais da fundação

As fundações aluvionares exibindo espessura variável são susceptíveis de originar recalques


diferenciais do aterro, com o aparecimento de zonas em tração e fissuras, como está
representado na Figura 13.

A prática neste tipo de situações consiste na remoção do material mais deformável, no caso da
sua espessura ser reduzida.

50
Figura 13. Recalques diferenciais da fundação.
(Fonte: modificado de Sherard et al., 1963)

Singularidades da fundação

As descontinuidades (diaclases e falhas) que por vezes ocorrem nas fundações devem ser
identificadas e convenientemente tratadas durante a construção.

As valas corta-águas podem propiciar a ocorrência de fissuras longitudinais, como está ilustrado
na Figura 14.

Recomenda-se proceder à remoção do material mais alterado da fundação rochosa, a uma


limpeza da superfície da rocha, ao fechamento das fissuras da zona superficial do maciço
rochoso e compactação das primeiras camadas do aterro de encontro à fundação.

51
Figura 14. Singularidades da fundação (vala corta-águas).
(Fonte: modificado de Sherard et al., 1963)

Dimensões e forma do vale

Vales estreitos e com taludes inclinados são favoráveis à ocorrência de fissuras transversais ao
eixo da barragem por recalques diferenciais, tornando-se necessária a adoção de medidas
especiais no projeto e cuidados especiais na construção.

As ligações do aterro às ombreiras exigem cuidados especiais, pelo fato da inclinação dos
taludes da ombreira ser por vezes propícia ao aparecimento de fissuras transversais, como está
representado na Figura 15, devido a recalques diferenciais, e das descontinuidades que
normalmente existem nos materiais rochosos serem favoráveis à ocorrência de zonas de tração.

Recomenda-se proceder à suavização dos taludes das ombreiras, à compactação do aterro


ligeiramente mais úmido do que a umidade ótima e ao tratamento das fissuras dos materiais das
ombreiras com argamassa, concreto projetado e, se necessário a injeções de calda de cimento.

52
Figura 15. Ligação do aterro às ombreiras. (Fonte: modificado de Mattsson et al., 2008)

Diferença de compressibilidade entre o núcleo e os espaldares

A diferença de compressibilidade existente entre os materiais do núcleo e os espaldares é


propícia à ocorrência de uma transferência de tensões. Essa distribuição de tensões é favorável
ao aparecimento de fissuras longitudinais.

Devem ser calibrados os parâmetros de deformabilidade admitidos no projeto, visando validar


as hipóteses assumidas.

A título de exemplo referem-se à ocorrência de fissuras longitudinais na barragem de El


Infiernillo (Figuras 16 e 17).

Ligação de aterros de idade diferente

O planejamento da construção obriga por vezes a uma subida descontínua da barragem, com a
existência de aterros de idade diferente (Figura 18). As superfícies expostas ficam assim muito
vulneráveis ao aparecimento de fissuras.

Também por condicionante construtiva, o aterro da barragem pode vir a ser executado em cotas
diferentes, sendo criada uma junta de construção. Essa junta deve ser pouco íngreme, taludes
de 1:4 ou mais brandos, e o tratamento no contato entre aterros de épocas diferentes deve ser
efetuado com cuidado.

53
Figura 16. Perfil tipo da barragem de El Infiernillo (México). (Fonte: COBA, S.A.)

Figura 17. Fissuras longitudinais na barragem de El Infiernillo (México)


(Fonte: COBA, S.A.)

54
Figura 18. Ligação de aterros de idades diferentes. (Fonte: COBA, S.A.)

Secagem do material

Longos períodos de tempo seco podem provocar o aparecimento de fissuras em solos finos
compactados, como está ilustrado na Figura 19. Se as superfícies dos aterros tiverem de ser
expostas a temperaturas excessivas durante grandes intervalos de tempo, essas superfícies
devem ser cobertas com uma camada de material granular .

Figura 19. Aparecimento de fissuras. (Fonte: COBA, S.A.)

Órgãos de concreto incorporados no aterro

Torna-se particularmente difícil compactar o solo na vizinhança de dutos incorporados no


aterro. A falta de espaço obriga à utilização de compactação manual. Os dutos constituindo
elementos rígidos, e quando situados no interior do aterro, favorecem a transferência de tensões
e a formação de fissuras resultantes de recalques diferenciais.

55
Recomenda-se a colocação de solo mais plástico do empréstimo, compactado pouco acima da
umidade ótima na vizinhança destes dutos ou nas interfaces aterro-concreto que está ilustrada
na Figura 20.

Figura 20. Interface aterro-vertedouro. (Fonte: modificado de NICDS)

3.3.Barragens de Enrocamento. Aspetos Específicos

Apresentam-se a ocorrência, o tipo e a magnitude das anomalias nas barragens de enrocamento,


bem como os fatores que estão na sua gênese, o que irá possibilitar uma maior sensibilização
dos técnicos envolvidos nas inspeções de segurança na identificação destas situações.

3.3.1. Ocorrência de anomalias

As anomalias que podem ocorrer no concreto e nas armaduras da laje de montante (nas
barragens com face de concreto), na crista e no material de enrocamento que integra o corpo da
barragem podem resultar de: falhas no projeto ou no material do enrocamento, cuja
deformabilidade e resistência estão diretamente associadas ao tipo de rocha, granulometria, sua
sanidade, método construtivo, etc.

O aspecto mais importante a salientar, com relação às (Barragens de Enrocamento com Face de
Concreto (BEFC), relaciona-se à compressão entre lajes de concreto na parte central da
barragem e abertura das juntas na região das ombreiras. Na parte central poderá ocorrer o
esmagamento do concreto, enquanto que nas ombreiras a abertura excessiva das juntas poderá
romper os veda-juntas, implicando em altas infiltrações.

A Figura 21 ilustra as anomalias que ocorreram na crista da barragem de Zipingpu na China,


na sequência de um sismo de magnitude 8,1.

56
Figura 21. Barragem de enrocamento de Zipingpu (China). (Fonte: COBA, S.A.)

3.3.2. Fatores na gênese das anomalias

As anomalias na face de concreto podem ser devidas a: lixiviação, ação de gelo, abrasão, reação
agregado-álcalis, perda de resistência e concentração de tensões.

As anomalias nas armaduras da face de concreto podem ser devidas a: eletrólise, corrosão,
fadiga, corte, ruptura e esfoliamento.

As anomalias no material de enrocamento podem ser devidas a: desagregação, amolecimento e


colapso.

3.3.3. Progressão e consequências das anomalias

As consequências das anomalias na face de concreto podem originar: fissuras, esmagamentos,


deslocamentos, desvios, cisalhamento e fluência.

A progressão das anomalias no maciço de enrocamento pode traduzir-se em deslocamentos,


deslizamentos planares ou circulares e enrugamentos.

Também podem ocorrer percolações aparentes ou zonas úmidas e fraturamento do enrocamento


de grandes dimensões.

3.4. Barragens de Concreto-Aspetos Específicos

Passa-se em revista a ocorrência das anomalias nas barragens de concreto, bem como os fatores
que estão na sua gênese, o que irá possibilitar uma maior sensibilização dos técnicos envolvidos
nas inspeções de segurança para a identificação destas situações.

3.4.1. Ocorrência das anomalias

As anomalias numa barragem de concreto (Figura 22) podem ocorrer no concreto, no maciço
rochoso da fundação, nas armaduras e originar materiais defeituosos, inferiores, inadequados
ou deteriorados.

57
3.4.2. Fatores na gênese das anomalias

As anomalias no concreto podem ser devidas a: lixiviação, subpressões elevadas, erosão por
abrasão, erosão por cavitação ilustrada na Figura 23, reação álcali-agregado, designado por
RAA, perda de resistência e recalques. Interessa esclarecer que a RAA é causada pela reação
dos álcalis do cimento com os minerais reativos de algumas rochas utilizadas como agregado,
que causam a lenta expansão do concreto ao longo do tempo.

Admite-se, como aceitável, uma abertura de fissuras de 0,3 mm para as estruturas em geral e
de 0,2 mm para as zonas em contato com a água.

As juntas verticais entre blocos são do tipo junta seca e deverão ser construídas de modo a
permitir absoluta liberdade entre blocos; essas juntas de dilatação deverão ser vedadas para
minimizar as perdas de água. Em geral o espaçamento das juntas é de 15m.

As anomalias nas armaduras podem ser devidas a: eletrólise, corrosão, fadiga, corte e ruptura.

As anomalias no maciço rochoso podem ser devidas a desintegração, ao amolecimento e a


dissolução da rocha ou movimentação nas descontinuidades (ICOLD, 1979).

Figura 22. Componentes de uma barragem de concreto. (Fonte: COBA, S.A.)

3.4.3. Consequências das anomalias

As anomalias no concreto podem originar: fissuras, esmagamentos, deslocamentos, desvios,


cisalhamento e fluência.

As anomalias no aço podem originar: fissuras, estiramentos, contrações, dobramentos, e


flambagens.

58
Figura 23. Anomalia causada pela cavitação numa bacia de dissipação.
(Fonte: SBB Engenharia).

59
4. AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS E ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO

Nos casos de situação de emergência, deve ser encaminhado, com a máxima urgência, à
entidade fiscalizadora um parecer preliminar contendo as recomendações e medidas imediatas,
assinado pelo especialista responsável de acordo com a área de especialidade requerida.

O relatório deve ser elaborado pela equipe especialista, contendo parecer conclusivo sobre a
condição da barragem e o seu nível de perigo, recomendações e medidas detalhadas para
mitigação e solução dos problemas encontrados e/ou prevenção de novas ocorrências, incluindo
cronograma para implementação.

Neste contexto o capítulo do relatório com “Conclusões, recomendações e ações a


implementar”, pode indicar diversas ações a serem implementadas pelo Empreendedor,
designadamente:

a) Realização de inspeções de campo, em colaboração com os agentes encarregados do


sistema de observação, de modo a recolher informações que contribuam para avaliar
as condições de segurança e o prosseguimento da operação, para dar um maior
suporte às medidas corretivas;
b) Aumento da frequência da leitura dos dispositivos de instrumentação, por exemplo,
no caso de sismo, se deve manter pelo menos nos 15 dias imediatos (ICOLD, 1988);
c) Revisão das regras de operação da barragem;
d) Comunicação à entidade fiscalizadora e aos serviços de defesa civil eventuais
ocorrências excepcionais ou circunstâncias anômalas, nomeadamente nos casos de
cheias, sismos, secas, ou erosões provocadas por descargas, ruptura de barragens
situadas a montante, queda de taludes para o interior do reservatório envolvendo
grandes massas e ocorrência previsível de galgamento, deslocamentos do vale em
secções vizinhas à barragem e subsidência de terrenos, e tomar as medidas que se
revelem necessárias e estar particularmente atento ao perigo de uma potencial ruptura
da sua barragem. Nesses casos devem ser acionados os procedimentos de aviso à
população.

O empreendedor deverá enviar o relatório de inspeção à entidade fiscalizadora, dentro dos


prazos estipulados, para sua informação e eventual implementação de ações.

61
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANA . Resolução nº 91 de 2 de Abril 2012, Brasília: Agência Nacional de Águas, 2012.

ANA. Resolução Nº 742, de 17 de Outubro de 2011, Brasília: Agência Nacional de Águas,


2011.

ANEEL. Manual de Fiscalização das Empresas de Geração de Energia Elétrica.


Diagnóstico dos Procedimentos de Operação e Manutenção. Módulo 1 . Planejamento e
procedimentos.

ANEEL. Manual de Fiscalização das Empresas de Geração de Energia Elétrica.


Diagnóstico dos Procedimentos de Operação e Manutenção. Módulo 2 . Metodologia de
Avaliação.

CNRH. Resolução nº 144 de 10 de Julho, 2012. Brasília.

CNRH. Resolução nº 143 de 10 de Julho, 2012.

COBA/LNEC. Relatório De Início de Atividade 2013. Brasília.

Corps of Engineers.EM-1110-2- 1908 Instrumentation of Earth and Rockfill Dams, 1995.

Corps of Engineers.EM-1110-2-4300- Instrumentation for Measurement of Structures


Behavior of Concrete Gravity Structures, 1995.

Eletrobrás. Critérios de Projeto Civil de Usinas Hidroelétricas, 2003.

Foster, M.A. The Probability of Failure of Embankment Dams by Internal Erosion and
Piping, PhD Thesis, School of Civil and Environmental Engineering, the University of New
South Wales, 1999.

ICOLD (International Committee on Large Dams) Deterioration Cases Collected and Their
Preliminary Assessment. Committee on Deterioration of Dams and Reservoirs, 1979.

ICOLD Observation Automatique pour le Controle de la Securité des Barrages. Comité


de Détérioration des Barrages e Reservoirs. Group de Travail pour L'Observation Automatique,
1981.

ICOLD. Bulletin 60, Dam Monitoring-General Considerations, 1988.

ICOLD. Bulletin 61. Dam Design Criteria- Philosophy of Choice, 1988.

ICOLD. Bulletin 62, Inspection of Dams After Earthquakes-Guidelines, 1988.

ICOLD. Bulletin 68, Monitoring of Dams and Their Foundations-State of the Art, 1988.

ICOLD Bulletin 72. Selecting Seismic Parameters for Large Dams. Guidelines, 1989.

63
ICOLD. Bulletin 87, Improvement of Existing Dam Monitoring-Recommendations and
Case Histories, 1992.

ICOLD. Bulletin 99. Dam Failures. Statiscal Analyses, 1997.

ICOLD. Bulletin 118, Automated Dam Monitoring Systems-Guidelines and Case Histories,
2000.

ICOLD. Bulletin 129, Dam Foundations. Geologic Considerations. Investigation Methods.


Treatment. Monitoring, 2005.

ICOLD. Bulletin 154, Dam Safety Management. Operational Phase of the Dam Life Cycle,
Design, Operation and Closure, 2012.

ICOLD. Bulletin 158, Dam Surveillance Guide, 2012.

Kuperman, S. Relatório de Avaliação e Proposição de Modelo de Ficha de Inspeção


Regular de Segurança de Barragem, 2011.

Lei 12334 de 20 de Setembro de -2010 –Lei de Segurança de Barragens

Ministére de Ècologie du Developpement et de l`Amenagement Durables. Nouvelles


Dispositions Législatives et Réglementaires Relatives à la Sécurité et à la Sûreté des
barrages hydroélectriques concédés, 2007.

Ministério Interior Nacional –Secretaria Infra-Estruturas Hídrica.Manual de Segurança e


Inspeção Barragens, Brasília, 2002.

MOPTC (Conselho Superior de Obras Públicas e Transportes) Normas de Observação e


Inspeção de Barragens, 1991.

National Interagency Committee on Dam Safety. TADS-Preparing to Conduct a Dam Safety


Inspection. Training Aids for Dam Safety, 1983.

National Interagency Committee on Dam Safety. TADS (Training Adds for Dam Safety).
Module:Inspection of the Foundation, Abutments, and Reservoir Rim, 1983.

Norma Técnica de Seguridad Para la Explotacion, Revisiones de Seguridad y Puesta


Fuera de Servicio de presas y Embalses, 2011.

Sêco e Pinto, P. S. Observação de Barragens de Aterro. Seminário 281, Laboratório


Nacional de Engenharia Civil, Lisboa., 1982, 201 pp.

Sêco e Pinto, P. S. Fracturação Hidráulica em Barragens de Aterro Zonadas. Tese para


Especialista do Laboratório Nacional de Engenharia Civil, Lisboa, 1983 .

Sêco e Pinto, P.S. Algumas Reflexões sobre a Instrumentação de Estruturas Geotécnicas.


8º Congresso Nacional de Geotecnia, Lisboa, 2002.

64
SILVEIRA, J.F.A. Instrumentação e Comportamento de Fundações de Barragens de
Concreto, Livro publicado pela Editora Oficina de Texto, São Paulo, Brasil, 2003.

SILVEIRA, J.F.A. Instrumentação e Segurança de Barragens de Terra e Enrocamento,


Livro publicado pela Editora Oficina de Texto, São Paulo, Brasil,2006.

Swedish Guidelines for Design Flood Determination for Dams. New edition 2007.

TEIXEIRA, Wilson [et. al] (org.) Decifrando a Terra. São Paulo: Companhia Editora
Nacional, p. 60-61, 2008.

65
BIBLIOGRAFIA SELECIONADA

ANSCOLD (Australia). Guidelines for Dams Instrumentation in Australia, 2012.

Bureau of Reclamation. Concrete Dam Instrumentation Manual, 1987.

Bureau of Reclamation. Embankment Dam Instrumentation Manual, 1987.

Canadian Dam Safety Regulations. British Columbia, 2010.

CSOPT - (Conselho Superior de Obras Públicas e Transportes, Subcomissão dos Regulamentos


de Barragens). Regulamento de Segurança de Barragens, 1987.

Décret nº 2007-1735 du 11 décembre 2007 relatif à la sécurité des ouvrages hydrauliques et au


comité technique des barrages hydrauliques et modifiant le code de l` environnement, 2007.

EPRI . Inspection and Performance Evaluation of Dams, A Guide for Managers, Engineers
and Operators, Prepared by Morison-Knundsen Inc. San Francisco, California, 1986.

FEMA. Federal Guide Lines for Dam Safety, 2004.

Mizuno, M. e Hirode, T. Instrumentation and Monitoring of Dams and Reservoirs in


Japan. Encyclopedia of Life Supported Systems. Water Storage Transport and Distribution.

MOPTC (Conselho Superior de Obras Públicas e Transportes) Normas de Projecto de


Barragens, 1991.

MOPTC (Conselho Superior de Obras Públicas e Transportes) Normas de Construção de


Barragens, 1993a.

MOPTC (Conselho Superior de Obras Públicas e Transportes) Normas de Exploração de


Barragens.1993b.

Republique of South Africa – Department of Water Affairs, Regulation regarding the safety
of dams in terms of section 1.2.3 (1. National Water Act, 1998).

Rocque, A. J. e Commissioner, Jr. ,Guidelines for Inspection and Maintenance of Dams,


Connecticut Department of Environmental Protection, 2001.

Royal Decree December. New Norwegian Dam Safety Regulations, 2009.

Sêco e Pinto, P. S. Grandezas a observar e equipamentos de medida em barragens de


aterro. Relatório 249/87 - NF, Laboratório Nacional de Engenharia Civil, Lisboa, 56 pp.1987,

Sêco e Pinto, P.S. Instrumentation of Embankment Dams. Portuguese Experience. Invited


Lecture. International Conference on Dams . México, pp. 159 - 169.1998,

USASE, ER 1110 – 2 – 1156, Engineering and Design Safety of Dams – Policy and
Procedures, 2011.

66
USBR Concrete Dams Instrumentation -United States Department of Interior, 1987.

USBR Manual Safety of Existing Dams-United States Department of Interior, 1983.

US Department of Homeland Security Federal Emergency Management Agency.

US Department of the Interior Water and Power Resources Service, Denver Colorado.
WRPT - (Water Technical Publication) Safety Evaluation of Existing Dams, A Manual for
the Safety Evaluation of Embankment and Concrete Dams, 1980.

United States Emergency Management Agency. Federal Guidelines for Dam Safety
Emergency Action Planning for Dam Owners,2004.

67
ANEXO 1 FICHAS DE INSPEÇÃO DE SEGURANÇA
REGULAR E EXTRATO

69
ANEXO 1. FICHAS DE INSPEÇÃO DE SEGURANÇA REGULAR E
EXTRATO

SUMÁRIO

1.1 FICHA DE INSPEÇÃO DE SEGURANÇA REGULAR DE BARRAGEM –


INSTRUÇOES GERAIS 73
1.1.1 FICHAS COMUNS A TODOS OS TIPOS DE BARRAGENS 75
1.1.2 FICHA DE INSPEÇÃO DE BARRAGEM DE TERRA (BT) 78
1.1.3 FICHA DE INSPEÇÃO DE BARRAGEM DE ENROCAMENTO
COM FACE DE CONCRETO (BEFC) 111
1.1.4 FICHA DE INSPEÇÃO DE BARRAGEM DE CONCRETO (BC) 123
1.1.5. FICHA DE INSPEÇÃO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS 151
1.2 EXTRATO DE INSPEÇÃO DE SEGURANÇA REGULAR 169

LISTA DE FIGURAS

Figura 1.1. Barragem de Direito (Paraíba) - Talude de montante com vegetação. 80


Figura 1.2. Barragem de San Mamede (Paraíba) – tocas de animais na crista. 82
Figura 1.3. Barragem de Baião (Paraíba) – Erosão do talude de jusante. 84
Figura 1.4. Barragem de Direito (Paraíba) – Vista da crista com arbustos de grande
porte a jusante. 85
Figura 1.5. Canaletas de drenagem necessitando de limpeza de solo no fundo. 86
Figura 1.6. Surgências de água a jusante de uma barragem. 87
Figura 1.7. Barragem de San Mamede (Paraíba) – ocupação a jusante. 88
Figura 1.8. Barragem de Baião (Paraíba) – Escalas para registro do nível de água
do reservatório. 89
Figura 1.9. Piezómetro de tubo na barragem de Canoas II (Brasil) bem identificado
e com boa proteção. 90
Figura 1.10. Barragem de Direito (Paraíba) – Soleira descarregadora da barragem. 91
Figura 1.11. Queda de blocos de rocha do talude lateral na calha do vertedouro da
barragem do Jaguari (São Paulo). 92
Figura 1.12. Barragem de Direito (Paraíba) – Reservatório com vegetação
abundante. 97
Figura 1.13. Barragem de Santa Luzia (Paraíba) - Passadiço e tomada de água. 99
Figura 1.14. Galeria de drenagem da barragem em CCR da UHE 14 de Julho (Rio
Grande do Sul). 105
Figura 1.15. Medidor de vazão na barragem de Meimoa (Portugal). 109
Figura 1.16. Descarga de fundo da barragem de Meimoa (Portugal). 110
Figura 1.17. Aspecto da junta perimetral. 113
Figura 1.18. Talude de jusante da barragem de Foz do Areia (Paraná). 114
Figura 1.19. Ombreiras da Barragem Campos Novos (Santa Catarina). 115
Figura 1.20. Panorâmica das componentes de uma barragem de concreto. Soleira
vertente. 123
Figura 1.21. Vista geral do paramento de jusante da barragem de Aguieira
(Portugal). 127
Figura 1.22. Galeria de drenagem e de injeção. 131
Figura 1.23. Vista geral da barragem de Three Gorges (Três Gargantas) China. 135

71
Figura 1.24. Vertedouro da Barragem de Itaipu (Brasil). 138
Figura 1.25. Fissura subvertical de origem térmica (e = 2,0 mm), no paramento de
jusante de uma barragem gravidade. 146
Figura 1.26. Vista geral da barragem de Alqueva - Região de jusante (Portugal). 149

72
1.1 FICHA DE INSPEÇÃO DE SEGURANÇA REGULAR DE BARRAGEM –
INSTRUÇOES GERAIS

As fichas de inspeção das barragens de terra e de concreto foram adaptadas do Manual de


Segurança e Inspeção de Barragens do Ministério da Integração Nacional, 2002. Estas fichas
foram complementadas com a ficha de inspeção de barragens de enrocamento com face de
concreto (tipo BEFC) e com a ficha de inspeção para usinas hidrelétricas .

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO

No preenchimento das fichas de inspeção é adotado o sistema de legendas, indicado a seguir.

SITUAÇÃO: A primeira parte da tabela se refere à situação da barragem em relação ao


item que esteja sendo examinado, ou seja:

NA – Este item Não é Aplicável: O item examinado não é pertinente à barragem que esteja
sendo inspecionada, por exemplo: os itens da tabela MUROS LATERAIS em uma
barragem cujo vertedouro seja escavado em rocha sã e que por isto seja delimitado
lateralmente por taludes cortados na rocha.
NE – Anomalia Não Existente: Quando não existe nenhuma anomalia em relação ao item
que esteja sendo examinado, ou seja, sob o aspecto em questão, a barragem não apresenta
falha ou defeito e não foge às normas.
PV – Anomalia constatada pela Primeira Vez: Quando da visita à barragem, aquela
anomalia for constatada pela primeira vez, não havendo indicação de sua ocorrência nas
inspeções anteriores.
DS – Anomalia Desapareceu: Quando em uma inspeção, uma determinada anomalia
verificada na inspeção anterior, não mais esteja ocorrendo.
DI – Anomalia Diminuiu: Quando em uma inspeção, uma determinada anomalia
apresente-se com menor intensidade ou dimensão, em relação ao constatado na inspeção
anterior, conforme pode ser verificado pela inspeção ou informado pela pessoa responsável
pela barragem.
PC – Anomalia Permaneceu Constante: Quando em uma inspeção, uma determinada
anomalia apresente-se com igual intensidade ou a mesma dimensão, em relação ao
constatado na inspeção anterior, conforme pode ser verificado pela inspeção ou informado
pela pessoa responsável pela barragem.
AU – Anomalia Aumentou: Quando em uma inspeção, uma determinada anomalia
apresente-se com maior intensidade, ou dimensão, em relação ao constatado na inspeção
anterior, capaz de ser percebida pela inspeção ou informada pela pessoa responsável pela
barragem.
NI – Este item Não foi Inspecionado: Quando um determinado aspecto da barragem
deveria ser examinado e por motivos alheios à pessoa que esteja inspecionando a barragem,
a inspeção não foi realizada, deverá haver uma justificativa para a não realização da
inspeção.

MAGNITUDE: A definição da magnitude da anomalia procura tornar menos subjetiva a


avaliação da dimensão do problema ou da falha encontrada:

A magnitude das anomalias foi classificada em 4 categorias, designadamente:

73
I- Insignificante: anomalia de pequenas dimensões, sem aparente evolução;
P- Pequena: anomalia de pequena dimensão, com evolução ao longo do tempo;
M- Média: anomalia de média dimensão, sem aparente evolução;
G- Grande: anomalia de média dimensão com evidente evolução, ou anomalia de
grande dimensão.

NÍVEL DE PERIGO: Com esta informação procura-se quantificar o nível de perigo


causado pela anomalia e indicar a presteza com que esta anomalia deve ser corrigida.

0 - Nenhum: Anomalia que não compromete a segurança da barragem, mas pode ser
entendida como descaso e má conservação.
1 - Atenção: Anomalia que não compromete a segurança da barragem a curto prazo,
mas deve ser controlada e monitorada ao longo do tempo.
2 - Alerta: Anomalia com risco a segurança da barragem, devendo ser tomadas
providências para a eliminação do problema.
3 - Emergência: Anomalia com risco de ruptura a curto prazo, exigindo ativação do
PAE.

ATENÇÃO:

1) A Magnitude e o Nível de Perigo somente serão preenchidos quando a situação do


item for PV, DI, PC, e AU. Nas situações NA, NE, DS e NI não faz sentido o
preenchimento da Magnitude e do Nível de Perigo;
2) Tratando-se da primeira inspeção de uma barragem, as situações escolhidas devem
ser NA, NE, PV e NI. Quando o técnico basear-se em conhecimento próprio ou de
terceiros para informar as situações DI, DS, PC ou AU, deve ser esclarecido por
meio do preenchimento do espaço reservado para comentários.

74
1.1.1 FICHAS COMUNS A TODOS OS TIPOS DE BARRAGENS

A.PREENCHIMENTO DOS DADOS GERAIS E DAS INFORMAÇÕES SOBRE A


INFRAESTRUTURA OPERACIONAL

A ficha de inspeção contém tabelas de DADOS GERAIS – CONDIÇÃO ATUAL (A.1) e


INFRAESTRUTURA OPERACIONAL (A.2) cujas informações são comuns para ambas
as fichas de inspeção, tanto para as barragens de terra como para as de concreto e barragens
de enrocamento (tipo CFRD). Estes itens devem ser preenchidos conforme é indicado a
seguir:

A.1 DADOS GERAIS - CONDIÇÃO ATUAL

1 – Barragem
............................................................................................................................. ...............................................
2 – Coordenadas
........................................................................................................................................................................
3 – Município/Estado:
............................................................................................................................. ..................................
4 – Vistoriado por: .................................................... Assinatura:
.............................................................................................
5 – Cargo: ..................................................................
Instituição:.............................................................................................
6 – Data da Vistoria: .................................................. Número da vistoria:
.............................................................................
7 - Cota atual do nível d’água: ...........................m
8 – Bacia:
............................................................................................................................. ......................................................
9 – Proprietário / Administração Regional:
............................................................................................................................. .

1 – Barragem: Devem ser informados o nome da barragem e o nome do açude, pelos quais
são conhecidos e registrados nos órgãos por eles responsáveis. É comum o açude possuir
um nome (geralmente o do curso d’água barrado, da localidade onde ele se situa ou de um
acidente geográfico próximo) e a barragem receber outra denominação, sendo mais comum
um nome homenageando uma personalidade. Para evitar dúvidas quanto ao nome da
barragem é recomendável apresentar as duas designações (a do açude e a da barragem).

2 – Coordenadas: As coordenadas a serem apresentadas serão as do ponto onde o maciço


cruza com o rio principal barrado e podem ser na forma sexagesimal (Sistema de
Coordenadas Geográficas) ou métricas (UTM - Universal Transversa de Mercator).

3 – Município/Estado: Diz respeito ao Estado, ao Município e, se possível, ao Distrito onde


se situa o empreendimento.

4 – Vistoriado por: Identificar a pessoa que realizou a inspeção, que deve assinar a ficha.

5 – Cargo/Instituição: Indicar o cargo e a instituição da pessoa que realizou a inspeção.

75
6 – Data da Vistoria / Número da vistoria: Informar a data da inspeção, dia – mês – ano
nesta ordem:
O dia do mês com dois algarismos, por exemplo, 01, 02, ......., 25.
O mês escrito com dois algarismos, por exemplo, 01, 02, ......., 12.
O ano com quatro algarismos, por exemplo, 2004, 2005, .......
O número da vistoria deve estar previamente preenchido pelo órgão responsável pela
barragem.

7 – Cota atual do nível d’água: Registrar a cota do nível d’água, em metros, no reservatório
no dia da vistoria, com duas casas decimais, assim: 125,34 ou 100,00 ou 218,89 m.

8 – Bacia: Registrar o nome da bacia hidrográfica em que esteja situada a barragem, de


acordo com a divisão oficial de bacias do estado. No caso de esta divisão oficial não existir,
registrar o nome do principal rio da bacia e explicar no espaço para comentários.

9 – Proprietário / Administração Regional: Informar o nome da instituição ou do agente


privado responsável pela barragem e informar também o setor administrativo regional do
proprietário, se existir, ao qual estiver subordinada a barragem. Por exemplo: DNOCS /
CEST-AL.

A.2 FICHA PARA INFRAESTRUTURA OPERACIONAL

FICHA DE INSPEÇÃO COMUM A TODOS OS TIPOS DE BARRAGEM


LOCALIZAÇÃO / SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
A.2 INFRAESTRUTURA
OPERACIONAL
1 Falta de documentação sobre a NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
barragem
2 Falta de material para NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
manutenção
3 Falta de treinamento do pessoal NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Precariedade no acesso de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
veículos
5 Falta de energia elétrica NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G

6 Falta de sistema de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
comunicação eficiente
7 Falta ou deficiência de cercas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
de proteção
8 Falta ou deficiência nas placas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
de aviso
9 Falta de acompanhamento da NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Administração Regional
10 Falta de instrução dos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
equipamentos hidromecânicos
Comentários:

1 – Falta de documentação sobre a barragem: Quando no escritório local não houver


informações sobre a barragem, quer sejam textos ou plantas disponíveis capazes de fornecer
dados que a descrevam.

76
2 – Falta de material para manutenção: Quando da ausência de material ou equipamento
para a manutenção da barragem.

3 – Falta de treinamento do pessoal: Quando o responsável local não passou por


treinamento, ou o treinamento foi insuficiente. Estas informações deverão ser prestadas pelo
próprio Responsável Local.

4 – Precariedade no acesso de veículos: Quando o acesso de veículos for difícil, fazer uso
do espaço destinado aos comentários para informar o estado da estrada, carroçável etc. e
qual o período do ano apresenta dificuldade de tráfego.

5 – Falta de energia elétrica: Quando não houver rede de distribuição de energia elétrica
ou quando o fornecimento de energia elétrica for interrompido com frequência ou quando
apresentar longos períodos de interrupção.

6 – Falta de sistema de comunicação eficiente: Quando da ausência de sistema de


comunicação capaz de fornecer informações ao órgão responsável pela barragem em tempo
real.

7 – Falta ou deficiência de cercas de proteção: Quando da ausência ou deficiência de


cercas de proteção de estruturas que precisem ser protegidas por este tipo de equipamento.

8 – Falta ou deficiência nas placas de aviso: Quando da ausência ou deficiência de


indicação do local, de tal modo que dificulte ou impossibilite que se chegue até a barragem,
ou outras estruturas que venham a compor o conjunto, tais como sangradouro (ou
vertedouro), tomada d’água, equipamentos e estruturas de medição, barragens auxiliares
(quando for o caso) etc.

9 – Falta de acompanhamento da Administração Regional: Quando o acompanhamento


dos cuidados de manutenção e operação não se fizerem por parte da gerência ou da
Administração Regional. Estas informações devem ser fornecidas pelo Responsável Local
da barragem.

10 – Falta de instrução dos equipamentos hidromecânicos: Falta ou deficiência das


instruções de operação dos equipamentos hidromecânicos, tais como acionamento das
comportas de vertedouro ou tomada d’água e do dispositivo de controle de saída da tomada
d’água. Verificar também se o nível de conhecimento do operador sobre essas instruções é
satisfatório. Comentar.

77
1.1.2 FICHA DE INSPEÇÃO DE BARRAGEM DE TERRA (BT)

As fichas apresentadas a seguir baseiam-se na fichas apresentadas no Manual de Segurança


e Inspeção de Barragens, publicado pelo Ministério da Integração Nacional em 2002.

No preenchimento da Ficha de Inspeção de Barragem de Terra deve-se colocar um X nas


colunas correspondentes à SITUAÇÃO e à MAGNITUDE da anomalia que possa estar
ocorrendo em relação ao item examinado. Na coluna NP deve-se preencher um número de
0 a 3 que correspondente à graduação do NÍVEL DE PERIGO.

A ficha de inspeção contém nas tabelas os seguintes códigos em sua primeria coluna:

- tabelas B1 a B5 correspondentes à inspeção da barragem, designadamente B.1-


Talude de Montante, B.2- Crista, B.3 - Talude de Jusante, B.4 – Ombreiras e Calha
do Rio, B.5 - Instrumentação;
- tabelas C1 a C5 correspondentes à inspeção do vertedouro, designadamente C.1-
Canais de Aproximação e Restituição, C.2 - Estrutura Fixação da Cota da Soleira,
C.3 – Bacia de dissipação, C.4 - Muros Laterais, C.5 - Comportas do Vertedouro;
- tabela D - Reservatório;
- tabelas E1 a E5 correspondentes à inspeção da torre de tomada d`água,
designadamente E.1 – Entrada, E.2. - Acionamento de comportas, E.3. - Comportas,
E.4. - Estrutura da Torre da T.A.;
- tabela F- Boca de Montante (entrada e stop-log);
- tabela G – Galeria de Fundo;
- tabela H – Estrutura de Saída da Galeria;
- tabela I - Medidor de Vazão;
- tabela J – Estrada de Acesso;
- tabela K – Ponte.

Comentários: Este espaço, constante em todas as fichas, é reservado para que o


responsável pelo preenchimento da Ficha de Inspeção faça comentários e observações que
venham a esclarecer possíveis dúvidas quando de seu preenchimento. Além das sugestões
e comentários já inseridos no corpo deste manual, outras informações são importantes no
sentido de que se tenha um quadro real da situação da barragem objeto da inspeção.

78
FICHA DE INSPEÇÃO DE BARRAGEM DE TERRA (BT)
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
B. BARRAGEM
B.1 Talude de Montante
1 Erosões NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Escorregamentos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Fissura/afundamento (face de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto)
4 Rip-rap incompleto, destruído NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
ou deslocado
5 Afundamentos e buracos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Árvores e arbustos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Erosão nos encontros das NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
ombreiras
8 Formigueiros, cupinzeiros ou NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
tocas de animais
9 Deslocamento de blocos de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
rocha sob efeito de ondas
Comentários:

1 – Erosões: Desgaste sofrido pelo talude, em geral de forma localizada, pela ação do
escoamento da água de chuva, pela ação das ondas do reservatório, pela ação de animais
que elegem caminhos preferenciais para descer o talude de montante, pela ação do vento
(menos comum), ou outro agente externo à barragem.

2 – Escorregamentos: Os escorregamentos podem ser superficiais ou profundos. No


escorregamento superficial, partes mais superficiais do maciço, inclusive as pedras do Rip-
Rap, deslizam pelo talude de montante. É possível observar-se na parte superior do talude,
a barragem desnuda de enrocamento. Observa-se, também, um acúmulo de material na parte
inferior do talude de montante onde verificou-se o escorregamento. Os escorregamentos
profundos envolvem um volume maior do maciço, passando o círculo de escorregamento
mais internamente na barragem. Os sinais iniciais de seu desenvolvimento são fissuras e
abatimentos no topo do maciço e posteriormente deslocamento (embarrigamento) no pé do
maciço.

3 – Fissura/afundamento (face de concreto): Quando uma porção do maciço se mover


devido à perda de suporte, escorregamento ou erosões, aparecem fissuras e afundamentos
na face de concreto das barragens BEFC ou na proteção superficial do talude de montante.
Este item é aplicado somente quando o talude de montante for protegido da ação das ondas
por placas de concreto.

79
Figura 1.1. Barragem de Direito (Paraíba) - Talude de montante com vegetação.
(Fonte: COBA, S.A.)

4 – Rip-Rap incompleto, destruído ou deslocado: Rip-Rap de baixa qualidade ou mal


dimensionado pode sofrer a ação das ondas do reservatório que deslocam o enrocamento,
fazendo com que as pedras rolem talude abaixo. O carreamento da camada de transição pela
água, através das pedras do enrocamento, leva também à destruição do Rip-Rap e abre
caminho para que as ondas ataquem diretamente o solo do maciço.

5 – Afundamentos e buracos: Quando aparecem depressões localizadas no talude de


montante. É possível que uma outra anomalia tenha precedido o afundamento, como erosão,
por exemplo.

6 – Árvores e arbustos: Verificar a existência de vegetação no talude, bem como informar


a natureza, a densidade e o tamanho da vegetação (ver Figura 1.1). Utilizar o espaço para
comentários.

7 – Erosão nos encontros das ombreiras: Quando do escoamento da água de chuva,


principalmente, é possível o aparecimento de erosão no encontro da estrutura da barragem
com as ombreiras. Se for conveniente, usar o espaço reservado para comentários para que
fique bem definida a intensidade ou o grau de erosão.

8 – Formigueiros, cupinzeiros ou tocas de animais: Quando formigueiros e cupinzeiros


aparecem no talude, são características as formas que estas infestações apresentam. As tocas
de animais (menos comuns) devem ser identificadas. Se for conveniente, fazer uso do
espaço reservado para comentários.

9 – Deslocamento de blocos de rocha sob efeito de ondas: Qualquer indicação de


movimento nos taludes deve ser reportada na ficha de inspeção, tentando-se identificar suas
causas. Fazer uso do espaço para comentários.

80
FICHA DE INSPEÇÃO DE BARRAGEM DE TERRA (BT)
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
B.2 Crista
1 Erosões NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Fissuras longitudinais e NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
transversais
3 Falta de revestimento NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Falha no revestimento NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Desabamentos /Afundamentos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
(recalques)
6 Árvores e arbustos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Defeitos na drenagem NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
8 Defeitos no meio-fio NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
9 Formigueiro, cupinzeiros ou NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
tocas de animais
10 Desalinhamento do meio-fio NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
11 Depressões devido à falta de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
sobre-elevação
Comentários:

1 – Erosões: Quando do escoamento das águas de chuva que se precipitam sobre a área de
crista da barragem, tráfego de veículos e animais, ação do vento, podem aparecer sinais de
erosão.

2 – Fissuras longitudinais e transversais: podem aparecer na crista. É importante que se


caracterize com alguma precisão a dimensão e localização destas anomalias, pois elas
eventualmente podem sinalizar problemas mais importantes, tais como: escorregamentos,
erosões internas ou acomodações da fundação. Fazer uso do espaço reservado para
comentários.

3 – Falta de revestimento: Algumas barragens funcionam também como trechos de


rodovias, estradas secundárias etc. A existência ou não do revestimento e o seu estado de
conservação, verificado na inspeção, são de muita importância para a conservação da
barragem.

4 – Falha no revestimento: Erosões provocadas por falhas na drenagem, tráfego de


veículos e animais, ação do vento, ou mesmo o desgaste pelo uso podem ocasionar falhas
no revestimento da crista, que devem ser reportadas e detalhadas no espaço reservado para
comentários.

5 – Desabamentos/Afundamentos: Podem ser resultantes de deslocamentos e trilhos,


acomodações no maciço ou de crescimento de falhas no revestimento.

6 – Árvores e arbustos: Verificar a existência de vegetação na crista e informar a natureza,


a densidade e o tamanho da vegetação. Em barragens que não funcionam como rodovias
este fato é mais comum. Utilizar o espaço para comentários.

81
7 – Defeitos na drenagem: Com as chuvas, aparecem na crista da barragem, poças d’água
que não conseguem escoar pelo sistema de drenagem. Durante o verão, estas poças secas
são bem visíveis. Pode ocorrer, também, escoamento de água da crista diretamente para os
taludes, não passando pelas canaletas, sendo de fácil identificação pela presença de
caminhos preferenciais da água da crista para os taludes.

8 – Defeitos no meio fio: Deslocamentos no meio fio podem ser resultantes do mau
funcionamento do sistema de drenagem, pelo carreamento do solo de apoio, ou podem
indicar acomodações e escorregamentos no maciço. Se for conveniente, usar o espaço
destinado a comentários.

9 – Formigueiros, cupinzeiros ou tocas de animais: Quando formigueiros e cupinzeiros


aparecem na crista, são características as formas que estas infestações apresentam. As tocas
de animais (menos comuns) devem ser identificadas (Figura 1.2). Se for conveniente, fazer
uso do espaço reservado para comentários.

10 – Desalinhamento do meio-fio: Quando do mau funcionamento do sistema de drenagem


é possível o aparecimento de defeitos no meio fio que vão desde o simples desalinhamento
até o seu deslocamento. Pela ação da água, material é retirado do local onde o meio fio esteja
assentado. Também é possível alguma ação do tráfego de veículos, pedestres sobre o meio-
fio. No entanto, podem também indicar acomodações e escorregamentos no maciço. Se
conveniente, usar o espaço destinado a comentários.

11 – Depressões devido à falta de sobre-elevação: Reduções na cota da crista por


abatimento do maciço ou por erosão reduzem a capacidade da barragem de suportar estes
eventos extremos e eventualmente resultar em transbordamento. Assim, é importante
verificar a manutenção da cota de projeto da crista da barragem. O espaço destinado aos
comentários deve ser usado.

Figura 1.2. Barragem de San Mamede (Paraíba) – Tocas de animais na crista.


(Fonte: COBA, S.A.)

82
FICHA DE INSPEÇÃO DE BARRAGEM DE TERRA (BT)
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
B.3 Talude de Jusante
1 Erosões ou ravinamentos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Escorregamentos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Fissuras/afundamentos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G

4 Falha de proteção granular NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G


5 Falha na proteção vegetal NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Afundamentos e buracos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Árvores e arbustos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
8 Erosão nos encontros das NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
ombreiras
9 Cavernas e buracos nas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
ombreiras
10 Canaletas quebradas ou NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
obstruídas
11 Formigueiros, cupinzeiros ou NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
tocas de animais

12 Sinais de movimento NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
13 Sinais de fuga d'água ou áreas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
úmidas (surgências)
14 Carreamento de material na água NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
dos drenos
Comentários:

1 – Erosões ou ravinamentos: Desgaste sofrido pelo talude, em geral de forma localizada


pela ação do escoamento da água de chuva (ver Figura 1.3), pela ação de animais que elegem
caminhos preferenciais para descer o talude de jusante, pela ação do vento (menos comum),
ou outro agente externo à barragem.

83
Figura 1.3. Barragem de Baião (Paraíba) – Erosão do talude de jusante.
(Fonte: COBA, S.A.)

2 – Escorregamentos: Os escorregamentos podem ser superficiais ou profundos. No


escorregamento superficial, partes mais superficiais do maciço, inclusive o revestimento
superficial, deslizam pelo talude. É possível observar-se na parte superior do talude a
barragem desnuda de proteção. Observa-se também um acúmulo de material na parte
inferior do talude de jusante onde verificou-se o escorregamento. Os escorregamentos
profundos envolvem um volume maior do maciço, passando o círculo de escorregamento
mais internamente na barragem. Os sinais iniciais de seu desenvolvimento são fissuras e
abatimentos no topo do maciço e, posteriormente, deslocamento (embarrigamento) no pé
do maciço.

3 – Fissuras/afundamentos: Quando uma porção do maciço mover-se devido à perda de


suporte, escorregamento ou erosões, aparecem fissuras e afundamentos na proteção
superficial do talude de jusante .

4 – Falha na proteção granular: Por falta de cuidados na execução ou erro de projeto, ou


ainda, mais comumente, por deficiência do sistema de drenagem superficial ou trânsito de
pessoas e animais, às vezes, podem surgir falhas na camada de brita ou pedregulho da
camada de proteção granular do talude de jusante.

5 – Falha na proteção vegetal: Por falta de umidade na estação seca, ou ainda por
deficiência do sistema de drenagem superficial ou trânsito de pessoas e animais podem
surgir falhas na proteção vegetal do talude de jusante.

6 – Afundamentos e buracos: Quando aparecem depressões localizadas no talude de


jusante, é possível que uma outra anomalia tenha precedido o afundamento, como erosão
por exemplo.

84
7 - Árvores e arbustos: Verificar a existência de vegetação no talude e informar a natureza,
a densidade e o tamanho da vegetação (Figura 1.4). Utilizar o espaço para comentários.

Figura 1.4. Barragem de Direito (Paraíba) – Vista da crista com arbustos de grande
porte a jusante. (Fonte: COBA, S.A.)

8 – Erosão nos encontros das ombreiras: Quando do escoamento da água de chuva,


principalmente, é possível o aparecimento de erosão no encontro da estrutura da barragem
com as ombreiras. Se for conveniente, usar o espaço reservado aos comentários para que
fique bem definida a intensidade ou o grau de erosão.

9 – Cavernas e buracos nas ombreiras: Verificar a existência de cavernas e buracos nas


ombreiras, registrando a dimensão destas anomalias, a presença e intensidade de fluxos
d’água; bem como a possibilidade do seu crescimento resultar em comunicação com o lago
à montante.

10 – Canaletas quebradas ou obstruídas: Quando da ação do escoamento superficial


sobre o talude ou quando houver excesso de água para ser transportada pela canaleta podem
ocorrer erosões, causando o descalçamento ou deslocamento da canaleta. Ainda, quando a
proteção superficial do maciço não funcionar satisfatoriamente, é possível o carreamento de
solo e o consequente acúmulo de material e obstrução das canaletas (Figura 1.5).

85
Figura 1.5. Canaletas de drenagem necessitando de limpeza de solo no fundo.
(Fonte: COBA, S.A.)

11 – Formigueiros, cupinzeiros ou tocas de animais: Quando formigueiros e cupinzeiros


aparecem no talude, são características as formas que estas infestações apresentam. As tocas
de animais (menos comuns) devem ser identificadas. Se for conveniente, fazer uso do
espaço reservado para comentários.

12 – Sinais de movimento: Qualquer indicação de movimento nos taludes deve ser


reportada na ficha de inspeção, tentando-se identificar suas causas. Usar o espaço para
comentários.

13 – Sinais de fuga d’água ou áreas úmidas (surgências): É possível o aparecimento de


umidade excessiva ou mesmo de fluxo de água no talude de jusante decorrente do mau
funcionamento do sistema interno de drenagem da barragem, da presença de camadas de
solos mais permeáveis no maciço ou mesmo de fuga d’água através de fissuras. Este último
é o que mais preocupa porque pode ser sinal de início de um processo de erosão interna
(Piping) (Figura 1.6). Deve-se tentar identificar o mecanismo que esteja ocasionando o
fluxo de água e registrar no espaço destinado a comentários.

14 – Carreamento de material na água dos drenos: A presença de solo ou mineral sendo


carreado na água dos drenos pode sinalizar a ocorrência de mau funcionamento do sistema
de drenagem ou o início de um processo de erosão interna (Piping). Não se deve minimizar
a importância desta anomalia.

86
Figura 1.6. Surgências de água a jusante de uma barragem.
(Fonte: COBA, S.A.)

FICHA DE INSPEÇÃO DE BARRAGEM DE TERRA (BT)


LOCALIZAÇÃO / SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
B.4 Ombreiras e Calha do Rio
1 Construções irregulares NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
próximas ao rio
2 Fuga d'água NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Erosão nas ombreiras NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Cavernas e buracos nas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
ombreiras
5 Árvores/arbustos na faixa de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
10m do pé da barragem
Comentários:

1 – Construções irregulares próximas ao rio: Algumas construções podem ser


identificadas nesta situação. São edificações que certamente apresentam problemas quando
o açude está sangrando, ou mesmo não podem permanecer ali por motivos legais (ver Figura
1.7). Fazer uso do espaço para comentários e, se possível, especificar para cada construção:
o tipo, a área construída, a proximidade do leito do rio e da barragem, de tal forma que fique
caracterizada a posição do imóvel.

87
Figura 1.7. Barragem de San Mamede (Paraíba) – ocupação a jusante.
(Fonte: COBA, S.A.)

2 – Fuga d’água: É possível o aparecimento de umidade excessiva ou mesmo de fluxo de


água à jusante da barragem decorrente do mau funcionamento do sistema interno de
drenagem da barragem ou da presença de camadas de solos mais permeáveis no terreno de
fundação ou das ombreiras. Deve-se tentar quantificar o fluxo de água e registrar no espaço
destinado a comentários. No entanto, é importante observar-se que em algumas situações, a
presença da água não constitui uma anomalia e já havia sido prevista no projeto da
barragem. Por exemplo: no caso da fundação ser em tapete impermeabilizante à montante.

3 – Erosão nas ombreiras: Quando do escoamento da água de chuva, principalmente, é


possível o aparecimento de erosão nas ombreiras. Se for conveniente, usar o espaço
reservado a comentários, para que fique bem definida a intensidade ou o grau de erosão.

4 – Cavernas e buracos nas ombreiras: Verificar a existência de cavernas e buracos nas


ombreiras, registrando a dimensão dessas anomalias, a presença e intensidade de fluxos
d’água, bem como a possibilidade do seu crescimento resultar em comunicação com o lago
à montante.

5 - Árvores / arbustos na faixa de 10 m do pé da barragem: É importante verificar a


existência de árvores e arbustos na faixa indicada, pois elas dificultam a inspeção e
identificação de problemas à jusante da barragem.

88
FICHA DE INSPEÇÃO DE BARRAGEM DE TERRA (BT)
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
B.5 Instrumentação
1 Acesso crecário aos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
instrumentos
2 Piezômetros entupidos ou NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
defeituosos
3 Marcos de recalque defeituosos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Medidores de vazão defeituosos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Falta de instrumentação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Falta de registro de leituras da NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
instrumentação
Comentários:

1 – Acesso precário aos instrumentos: Algumas barragens, dada a sua importância do


ponto de vista de segurança, precisam ser monitoradas constantemente. Instrumentos são
instalados na estrutura da barragem e no seu entorno, quer seja nos taludes, crista, fundação,
ombreiras etc., de tal modo que se possa acompanhar o comportamento da barragem (ver
Figura 1.8) e do terreno no seu entorno (Bureau of Reclamation, 1987, Corps of Engineers,
1995).

Figura 1.8. Barragem de Baião (Paraíba) – Escalas para registro do nível de água do
reservatório. (Fonte: COBA, S.A.)

2 – Piezômetros entupidos ou defeituosos: Piezômetros são os instrumentos mais comuns


e mais simples instalados numa barragem. Servem para medir a pressão d’água. Devem
estar limpos, com o topo em perfeitas condições e sem trincaduras aparentes (ver Figura
1.9).

89
Figura 1.9. Piezómetro de tubo na barragem de Canoas II (Brasil) bem identificado e
com boa proteção. (Fonte: Arquivo SBB Engenharia)

3 – Marcos de recalque defeituosos: São instrumentos extremamente importantes, apesar


de simples, que servem para medir algum movimento na barragem. Fazer uso do espaço
para comentários.

4 – Medidores de vazão defeituosos: A percolação em uma barragem pode trazer


consequências graves para a sua estabilidade. Estes equipamentos servem para medir quanto
de água está passando através da barragem ou de sua fundação, ou de ambas.

5 – Falta de instrumentação: Verificar se algum dos instrumentos previstos no projeto ou


existentes anteriormente está faltando, no caso de ser possível obter informação sobre o
projeto de instrumentação.

6 – Falta de registro de leituras da instrumentação: Verificar a existência dos registros


de leitura dos instrumentos que devem estar completos e disponíveis para consultas.

90
FICHA DE INSPEÇÃO DE BARRAGEM DE TERRA (BT)
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
C. VERTEDOURO
C.1 Canais de Aproximação e
Restituição
1 Árvores e arbustos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Obstrução ou entulhos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Desalinhamento dos taludes e NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
muros laterais

4 Erosões ou escorregamentos nos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G


taludes
5 Erosão na base dos canais NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
escavados
6 Erosão na área a jusante (erosão NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
regressiva)

7 Instabilidade/Queda de blocos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
de rocha de talude lateral

8 Construções irregulares NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
(aterro/estrada, casa, cerca)

Comentários:

1 – Árvores e arbustos: É comum o aparecimento de árvores e arbustos na parte não


revestida do sangradouro, nos canais de aproximação e de restituição (ver Figura 1.10).
Fazer uso do espaço para comentários.

Figura 1.10. Barragem de Direito (Paraíba) – Soleira descarregadora da


barragem. (Fonte: COBA, S.A.)

91
2 – Obstrução ou entulhos: Pode ocorrer a existência de entulhos ou queda de barreiras
laterais nos canais de aproximação e de restituição, obstruindo o sangradouro. Fazer uso do
espaço destinado aos comentários para informar o grau de obstrução.

3 – Desalinhamento dos taludes e muros laterais: Com sangradouro em corte elevado,


podem aparecer problemas nos taludes do corte (Figura 1.11). Os muros laterais, por sua
vez, podem apresentar desalinhamento, quer seja por problemas na fundação, ou por esforço
excessivo sobre os muros pelo solo arrimado.

Figura 1.11. Queda de blocos de rocha do talude lateral na calha do vertedouro da


barragem do Jaguari (São Paulo). (Fonte: SBB Engenharia)

4 – Erosões ou escorregamentos nos taludes: Taludes podem apresentar erosões devidas


principalmente ao escoamento superficial da água de chuva. Podem, também, apresentar
escorregamentos por falta de resistência. Descrever com clareza no espaço reservado a
comentários.

5 – Erosão na base dos canais escavados: Canais escavados, dependendo do tipo de


terreno, podem apresentar erosão.

6 – Erosão na área a jusante (erosão regressiva): Na saída do canal de restituição, pode


aparecer erosão regressiva, que se desenvolve de jusante para montante, principalmente na
base do canal.

7- Instabilidade/Queda de blocos de rocha de talude lateral: Nos taludes laterais do


vertedouro pode ocorrer queda de blocos de rocha

8 – Construções irregulares (aterro, casa, cerca): Algumas construções podem ser


identificadas nesta situação. São edificações, cercas, estradas e aterros que, certamente,
apresentam problemas quando o açude está sangrando, ou mesmo não podem permanecer
ali por motivos legais. Fazer uso do espaço para comentários e, se possível, especificar para
cada construção o tipo, a área construída, proximidade do leito do rio e da barragem, de tal
forma que fique caracterizada a posição do imóvel.

92
FICHA DE INSPEÇÃO DE BARRAGEM DE TERRA (BT
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
C.2 Estrutura Fixação da Cota da
Soleira
1 Fissuras no concreto (trincas ou NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
rachaduras)
2 Ferragem do concreto exposta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Deterioração da superfície do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
4 Descalçamento da estrutura NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Juntas danificadas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Sinais de deslocamentos das NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
estruturas
Comentários:

1 – Fissuras no concreto (trincas ou rachaduras): A soleira pode apresentar fissuras no


concreto. Especificar de forma detalhada a localização precisa da anomalia, bem como
dimensões e orientação.

2 – Ferragem do concreto exposta: Por meio de algum processo físico, principalmente, a


ferragem do concreto pode ficar exposta. Especificar de forma detalhada tal exposição.

3 – Deterioração da superfície do concreto: Verificar qualquer alteração na superfície do


concreto na estrutura vertente. Identificar local e grau de deterioração. Registrar.

4– Descalçamento da estrutura: Por algum processo erosivo ou de fuga de material, pode


haver descalçamento da estrutura de fixação da soleira. Indicar com precisão o local e a
dimensão.

5– Juntas danificadas: Por movimentos da estrutura ou por ação externa, é possível que as
juntas sejam danificadas. Especificar o grau dos danos, sua localização etc.

6– Sinais de deslocamentos das estruturas: Qualquer sinal de movimento da estrutura


deverá ser reportado na ficha de inspeção.

93
FICHA DE INSPEÇÃO DE BARRAGEM DE TERRA (BT)
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
C.3 Bacia de Dissipação
1 Fissuras no concreto (trincas ou NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
rachaduras)
2 Ferragem do concreto exposta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Deterioração da superfície do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
4 Ocorrência de buracos na bacia NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Erosões NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Presença de entulho na bacia NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Presença e vegetação na bacia NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
8 Falha no enrocamento de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
proteção
Comentários:

1 – Fissuras no concreto (trincas ou rachaduras): Verificar fissuras no concreto.


Especificar de forma detalhada a localização precisa da anomalia, bem como dimensões e
orientação.

2 – Ferragem do concreto exposta: Por meio de algum processo físico, principalmente, a


ferragem do concreto pode ficar exposta. Especificar de forma detalhada tal exposição.

3 – Deterioração da superfície do concreto: Verificar qualquer alteração na superfície do


concreto. Identificar local e grau de deterioração. Registrar.

4 – Ocorrência de buracos na soleira: O desgaste na soleira pode atingir tal intensidade


que chegue a formar buracos na estrutura.

5 – Erosões: Erosões podem ocorrer imediatamente abaixo da soleira da bacia de dissipação


ameaçando sua estabilidade. Especificar de forma detalhada a localização precisa da
anomalia, dimensões e risco de desmoronamento na estrutura.

6 – Presença de entulho na bacia: Material externo pode obstruir o curso da água na bacia
amortecedora. Indicar a extensão da obstrução.

7 – Presença de vegetação na bacia: Verificar a existência de árvores e arbustos nas juntas


das estruturas de concreto. Fazer uso do espaço para comentários.

8 – Falha no enrocamento de proteção: Caso exista enrocamento de proteção à jusante da


bacia de dissipação, verificar sua integridade e se está ameaçado pela ocorrência de erosões.

94
FICHA DE INSPEÇÃO DE BARRAGEM DE TERRA (BT)
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
C.4 Muros Laterais
1 Erosão na fundação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Erosão nos contatos dos muros NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Fissuras no concreto (trincas ou NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
rachaduras)
4 Ferragem do concreto exposta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Deterioração da superfície do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
Comentários:

1 – Erosão na fundação: Erosão na fundação dos muros laterais atenta contra a sua
estabilidade. Especificar e detalhar quanto à sua intensidade. Em geral, por problemas na
fundação dos muros, é possível aparecerem fissuras no concreto. Estes problemas são
importantes para a estabilidade dos muros. Fazer uso do espaço destinado a comentários,
para deixar a questão bem esclarecida.

2 – Erosão nos contatos dos muros: Erosão pode aparecer principalmente devido ao
escoamento da água de chuva. Especificar.

3 – Fissuras no concreto (trincas ou rachaduras): Os muros podem apresentar fissuras


no concreto. Especificar de forma detalhada a localização precisa da anomalia, dimensões
e orientação.

4 – Ferragem do concreto exposta: Por meio de algum processo físico, principalmente, a


ferragem do concreto pode ficar exposta. Especificar de forma detalhada tal exposição.

5 – Deterioração da superfície do concreto: O concreto pode apresentar sinais de fissuras,


desgastes etc. Reportar na ficha de inspeção qualquer situação de anormalidade.

95
FICHA DE INSPEÇÃO DE BARRAGEM DE TERRA (BT)
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
C.5 Comportas do Vertedouro
1 Peças fixas (corrosão, NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
amassamento da guia e falha na
pintura)
2 Estrutura (corrosão, NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
amassamento e falha na pintura)
3 Defeito das vedações NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
(vazamento)
4 Defeito das rodas (comporta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
vagão) ou haste de içamento
5 Defeitos nos rolamentos ou NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
buchas e retentores
6 Defeito no ponto de içamento NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Agua estagnada sobre os braços NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
da comporta
8 Crescimento de vegetação na NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
estrutura
Comentários:

1 – Peças fixas (corrosão, amassamento da guia e falha na pintura): Verificar quanto ao


estado de conservação das peças fixas, à corrosão, amassamento de guias, estado geral da
pintura (se for o caso). Especificar.

2 – Estrutura (corrosão, amassamento e falha na pintura): Verificar na estrutura,


propriamente dita, da comporta quanto à corrosão, amassamentos, furos, defeitos na pintura
(ou ausência). Especificar local e detalhar.

3 – Defeito das vedações (vazamento): Verificar vedações quanto a vazamentos.


Especificar locais e intensidade do vazamento.

4 – Defeito das rodas (comporta vagão) ou haste de içamento: Verificar o sistema de


deslizamento das comportas. Se for de rodas, verificar o seu estado quando estiver girando,
se possível. Especificar.

5 – Defeitos nos rolamentos ou buchas e retentores: Verificar defeitos nos rolamentos


quanto ao seu funcionamento, ferrugem, corrosão etc. Se houver buchas, verificar a sua
integridade, circularidade, espessura não uniforme que indica desgaste etc. Especificar.

6 – Defeito no ponto de içamento: O ponto de içamento da comporta é de vital importância


para o seu acionamento. Verificar, cuidadosamente, quanto à sua integridade, se há
corrosão, se apresenta algum desgaste, se a sua fixação na comporta não está comprometida
etc. Especificar.

7 - Água estagnada sobre os braços da comporta: Verificar cuidadosamente esta situação.

8 - Crescimento de vegetação na estrutura: Verificar essa situação que pode prejudicar a


integridade da estrutura.

96
FICHA DE INSPEÇÃO DE BARRAGEM DE TERRA (BT)
LOCALIZAÇÃO / ANOMALIA SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
D. RESERVATÓRIO
1 Réguas danificadas ou faltando NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Construções em áreas de proteção NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Poluição por esgoto, lixo, pesticidas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
etc.
4 Indícios de má qualidade d'água NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Erosões NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Assoreamento NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Desmoronamento das margens NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
8 Existência de vegetação aquática NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
excessiva
9 Desmatamento na área de proteção NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
10 Presença de animais e peixes mortos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

Figura 1.12. Barragem de Direito (Paraíba) – Reservatório com vegetação


abundante. (Fonte: COBA, S.A.)

1 – Réguas danificadas ou faltando: As réguas que indicam o nível d’água no reservatório


são importantes para o acompanhamento das variações do volume de água. A gestão do
reservatório tem por base as leituras dessas réguas. Em geral são mais de um lance de réguas
em posições que acompanham o abaixamento do nível d’água. Fazer uso do espaço
reservado a comentários.

97
2 – Construções em áreas de proteção: Às vezes são construídas, na área de proteção,
algumas estruturas para lazer, criação de animais ou mesmo para moradia. Essas
construções devem ser reportadas e especificadas.

3 – Poluição por esgoto, lixo, pesticidas etc.: Verificar a existência de algum tipo de
lançamento poluidor no reservatório. Especificar e quantificar.

4 – Indícios de má qualidade d’água: Registrar a existência de indícios de má qualidade


da água do reservatório, como a coloração ou mesmo odor desagradável.

5 – Erosões: Verificar se há algum tipo de erosão que transporte material para dentro do
reservatório. Especificar e localizar.

6 – Assoreamento: O transporte de material para dentro do reservatório causa o seu


assoreamento que, em geral, é verificado com precisão por meio de batimetria do lago. Na
inspeção informar se há algum vestígio ou informação a respeito.

7 – Desmoronamento das margens: Se as margens são muito íngremes, pode ocorrer


algum tipo de desmoronamento. Verificar a existência real ou potencial de
desmoronamento.

8 – Existência de vegetação aquática excessiva: Vegetação aquática excessiva é sinônimo


de desequilíbrio biológico no reservatório (ver Figura 1.12). Especificar o grau de cobertura
vegetal da superfície d’água e o tipo de planta.

9 – Desmatamentos na área de proteção: Verificar se há algum tipo de desmatamento na


área de proteção do reservatório. Especificar local e dimensão

10 – Presença de animais e peixes mortos: Peixes mortos no reservatório indicam algum


desequilíbrio biológico. Informar o tipo e, se possível, a quantidade aproximada. Outros
animais podem aparecer mortos também por afogamento. Especificar e quantificar.

FICHA DE INSPEÇÃO DE BARRAGEM DE TERRA (BT

LOCALIZAÇÃO / ANOMALIA SITUAÇÃO MAGNITUDE NP


E. E. TORRE DA TOMADA D'ÁGUA
E.1 E.1 Entrada
1 Assoreamento NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Obstrução e entulhos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Tubulação danificada NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Registos defeituosos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Falta de grade de proteção NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Defeitos na grade NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Assoreamento: Indicar se há algum tipo de transporte ou acúmulo de material na entrada


da tomada d’água. Especificar.

98
2 – Obstrução e entulhos: Verificar se há algum tipo de entulho ou obstrução na entrada
da tomada d’água. Especificar.

3 – Tubulação danificada: Verificar a integridade da tubulação. Especificar e detalhar


qualquer dano.

4 – Registros defeituosos: Verificar o estado de conservação dos registros, quanto à


estanqueidade, funcionamento etc. Especificar.

5 – Falta de grade de proteção: Verificar a existência da grade de proteção.

6 – Defeitos na grade: Verificar defeitos na grade de proteção, tais como fixação, ferrugem,
ausência de pintura (se for o caso), elementos quebrados. Especificar.

Figura 1.13. Barragem de Santa Luzia (Paraíba) - Passadiço e tomada de água.


(Fonte: COBA, S.A.)

99
FICHA DE INSPEÇÃO DE BARRAGEM DE TERRA (BT)
LOCALIZAÇÃO / ANOMALIA SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
E.2 Acionamento de comportas
1 Hastes (travada no mancal, corrosão NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
e empenamento)
2 Base dos mancais (corrosão, falta de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
chumbadores)
3 Falta de mancais NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Corrosão nos mancais NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Falha nos chumbadores, lubrificação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
e pintura do pedestal
6 Falta de indicador de abertura NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Falta de volante NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Hastes (travada no mancal, corrosão e empenamento): Verificar o acionamento das


hastes. Verificar se há algum tipo de retenção que impeça o movimento da haste, se há
presença de corrosão ou algum desgaste. O alinhamento da haste deve ser verificado, pois
o seu empenamento pode causar a sua retenção e a sua ruptura quando se tentar movimentá-
la. Especificar.

2 – Base dos mancais (corrosão, falta de chumbadores): Os mancais devem ser


verificados quanto a sua fixação (bases), se estão corroídas etc. Especificar.

3 – Falta de mancais: Verificar a ausência de mancais. Especificar e quantificar.

4 – Corrosão nos mancais: Os mancais devem apresentar-se livres de corrosão. Verificar


o seu estado de conservação. Especificar.

5 – Falha nos chumbadores, lubrificação e pintura do pedestal: Verificar o pedestal


quanto a sua fixação (chumbadores), lubrificação, pintura e seu estado geral de conservação.
Especificar.

6 – Falta de indicador de abertura: Verificar quanto à existência de mecanismo de


indicação do grau de abertura da comporta. Especificar o estado de conservação do conjunto
indicador da abertura. Especificar.

7 – Falta de volante: Verificar a existência de volante. Tecer comentários sobre o tempo


de ausência do volante se for o caso. Especificar.

100
FICHA DE INSPEÇÃO DE BARRAGEM DE TERRA (BT)
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
E.3 Comportas
1 Peças fixas (corrosão, NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
amassamento da guia e falha
na pintura)
2 Estrutura (corrosão, NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
amassamento e falha na
pintura)
3 Defeito das vedações NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
(vazamento)
4 Defeito das rodas (comporta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
vagão)
5 Defeito nos rolamentos ou NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
buchas e retentores
6 Defeito no ponto de içamento NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Agua estagnada sobre os NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
braços da comporta
8 Crescimento de vegetação na NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
estrutura
Comentários:

1 – Peças fixas (corrosão, amassamento da guia e falha na pintura): Verificar quanto ao


estado de conservação das peças fixas, quanto à corrosão, amassamento de guias, estado
geral da pintura (se for o caso). Especificar.

2 – Estrutura (corrosão, amassamento e falha na pintura): Verificar, na estrutura


propriamente da comporta, a existência de corrosão, amassamentos, furos e defeitos na
pintura (ou ausência). Especificar local e detalhar.

3 – Defeito das vedações (vazamento): Verificar vedações quanto a vazamentos.


Especificar locais e intensidade do vazamento.

4 – Defeito das rodas (comporta vagão): Verificar sistema de deslizamento das comportas.
Se for de rodas, verificar o seu estado quando estiver girando, se possível. Especificar.

5 – Defeitos nos rolamentos ou buchas e retentores: Verificar defeitos nos rolamentos


quanto ao seu funcionamento, ferrugem, corrosão etc. Se houver buchas, verificar a sua
integridade, circularidade e espessura não uniforme que indica desgaste etc. Especificar.

6 – Defeito no ponto de içamento: O ponto de içamento da comporta é de vital importância


para o seu acionamento. Verificar cuidadosamente quanto à sua integridade, se há corrosão,
se apresenta algum desgaste, se a sua fixação na comporta não está comprometida etc.
Especificar.

7 - Água estagnada sobre os braços da comporta: Verificar cuidadosamente esta situação.

8 - Crescimento de vegetação na estrutura: Verificar essa situação que pode prejudicar a


integridade da estrutura.

101
FICHA DE INSPEÇÃO DE BARRAGEM DE TERRA (BT)
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
E.4 Estrutura da Torre da T.A.
1 Ferragem exposta na estrutura da NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
torre
2 Falta de guarda corpo na escada NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
de acesso
3 Deterioração do guarda corpo na NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
escada de acesso
4 Ferragem exposta na plataforma NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
(passadiço)
5 Falta de guarda corpo no NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
passadiço
6 Deterioração do guarda corpo no NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
passadiço
7 Deterioração do portão do abrigo NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
de manobra
8 Deterioração da tubulação da NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
aeração e by-pass
9 Deterioração da instalação de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
controle
Comentários:

1 – Ferragem exposta na estrutura da torre: Verificar a integridade da estrutura da torre


externa e internamente. Verificar a presença de ferragem exposta, especificar local e o grau
de exposição. Usar espaço destinado a comentários.

2 – Falta de guarda corpo na escada de acesso: Verificar se há guarda corpo na escada


de acesso (se existir). Se não há guarda corpo informar se já houve. Explicar.

3 – Deterioração do guarda corpo na escada de acesso: Verificar estado de conservação


do guarda-corpo na escada de acesso. Se possível informar grau de deterioração, falta de
pintura etc.

4 – Ferragem exposta na plataforma (passadiço): Algumas barragens, principalmente as


mais antigas, possuem passadiço entre a barragem e a torre de tomada d’água. Verificar
condições de manutenção, quanto à exposição de ferragem. Detalhar.

5 – Falta de guarda corpo no passadiço: Verificar a ausência de guarda corpo no


passadiço.

6 – Deterioração do guarda corpo no passadiço: Verificar o estado de conservação do


guarda corpo do passadiço, pintura (se for o caso) e grau de deterioração. Detalhar.

7 – Deterioração do portão do abrigo de manobra: Verificar o estado de conservação do


portão do abrigo de manobras, pintura e grau de deterioração. Detalhar.

102
8 – Deterioração do tubo de aeração e By-Pass: Verificar estado de conservação da
tubulação de aeração e By-Pass, pinturas, registros e acoplamentos. Definir grau de
deterioração. Usar espaço destinado a comentários.

9 – Deterioração da instalação de controle: Verificar estado de conservação da instalação


de controle. Se possível fazer alguma manobra ou teste desde que não comprometa a
operação do sistema. Usar espaço destinado a comentários.

Observação: se a caixa de montante estiver acoplada a uma torre, desconsiderar os itens, 1


a 6 da tabela F, que já estejam contemplados na inspeção da torre.

FICHA DE INSPEÇÃO DE BARRAGEM DE TERRA (BT)


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
F. BOCA DE MONTANTE
(ENTRADA E "STOP-LOG")

1 Assoreamento NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Obstrução e entulhos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Ferragem exposta na estrutura de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
4 Deterioração no concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Falta de grade de proteção NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Defeitos na grade NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Peças fixas (corrosão, NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
amassamento da guia e falha na
pintura)
8 Estrutura do stop-log (corrosão, NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
amassamento e falha na pintura)
9 Defeito no acionamento do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
"stop-log"
10 Defeito no ponto de içamento NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Assoreamento: Indicar se há algum tipo de transporte ou acúmulo de material na entrada


da caixa de montante. Usar espaço destinado a comentários.

2 – Obstrução e entulhos: Verificar se há algum tipo de entulho ou obstrução na entrada


da caixa de montante. Especificar.

3 – Ferragem exposta na estrutura de concreto: Verificar estado de conservação da


estrutura de concreto quanto à ferragem exposta. Indicar localização, extensão e grau de
exposição. Usar espaço destinado a comentários.

4 – Deterioração no concreto: Verificar deterioração na estrutura de concreto. Indicar


localização e extensão dos danos. Usar espaço destinado a comentários.

5 – Falta de grade de proteção: Verificar a existência da grade de proteção. Identificar se


já houve grade de proteção. Usar espaço para comentários.

103
6 – Defeitos na grade: Verificar estado de conservação da grade de proteção, referente à
pintura (se for o caso), à corrosão e às hastes quebradas. Explicar.

7 – Peças fixas (corrosão, amassamento da guia e falha na pintura): Verificar estado de


conservação das peças fixas, referentes à pintura, corrosão, amassamento de guias, ou
qualquer outra anomalia nas partes fixas. Explicar detalhadamente.

8 – Estrutura do Stop-Log (corrosão, amassamento e falha na pintura): Verificar


estrutura do Stop-Log quanto a pintura, corrosão, amassamento, ou qualquer outra anomalia
existente. Exemplificar.

9 – Defeito no acionamento do Stop-Log: Verificar estado de conservação e operação no


acionamento do Stop-Log. Detalhar.

10 – Defeito no ponto de içamento: O ponto de içamento do Stop-Log é de vital


importância para o seu acionamento. Verificar cuidadosamente quanto à sua integridade, se
há corrosão, se apresenta algum desgaste, se a sua fixação no Stop-Log não está
comprometida etc. Especificar.

FICHA DE INSPEÇÃO DE BARRAGEM DE TERRA (BT)


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
G. GALERIA DE FUNDO
1 Corrosão e vazamentos na NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
tubulação
2 Sinais de abrasão ou cavitação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Defeitos nas juntas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Deformação no conduto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Desalinhamento do conduto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Surgências de água no concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Precariedade de acesso NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
8 Vazamento nos dispositivos de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
controle
9 Surgência de água junto à galeria NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
10 Falta de manutenção NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
11 Presença de pedras e lixo dentro NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
da galeria
12 Defeitos no concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Corrosão e vazamentos na tubulação: Verificar com cuidado o estado de conservação


da tubulação que compõe a galeria. Identificar, com precisão, vazamentos, corrosão,
afundamentos, ou qualquer outra anomalia que venha a ser constatada. Fazer uso do espaço
destinado a comentários.

104
2 – Sinais de abrasão ou cavitação: Materiais arrastados pela corrente líquida podem
provocar algum tipo de abrasão na tubulação. Altas velocidades da água podem provocar
cavitação na tubulação. Verificar a existência destes dois efeitos do funcionamento incorreto
da galeria. Fazer uso do espaço para comentários.

3 – Defeitos nas juntas: Verificar o estado de conservação das juntas da tubulação. Se


forem soldadas, verificar quanto à espessura do cordão de solda, sua integridade, algum tipo
de corrosão etc. Detalhar.

4 – Deformação do conduto: verificar qualquer tipo de deformação na tubulação. Explicar.

5 – Desalinhamento do conduto: O desalinhamento do conduto pode comprometer


inclusive a estabilidade do maciço da barragem. Identificar possíveis desalinhamentos.
Localizar e de algum modo quantificar (ângulo, por exemplo). Detalhar.

6 – Surgência de água no concreto: Verificar a presença de surgências de água na parte


de concreto (se existir) (Figura 1.14). De alguma forma quantificar (por exemplo: somente
úmido. Com algum filete de escoamento) para que se possa ter uma ideia do grau de
surgência. Detalhar.

7 – Precariedade de acesso: Verificar a acessibilidade da galeria. Identificar se de fácil


acesso, se apresenta alguma dificuldade, ou se é de difícil acesso. Detalhar.

8 – Vazamento nos dispositivos de controle: Verificar os dispositivos de controle quanto


a vazamentos. De alguma forma, quantificar. Detalhar.

Figura 1.14. Galeria de drenagem da barragem em CCR da UHE 14 de Julho (Rio


Grande do Sul). (Fonte: SBB Engenharia)

9 – Surgência de água junto à galeria: Verificar a surgência de água junto à galeria. De


alguma forma quantificar (por exemplo: somente úmido ou com algum filete de
escoamento) para que se possa ter uma ideia do grau de surgência. Detalhar.

105
10 – Falta de manutenção: Verificar e informar na Ficha de Inspeção, o estado geral de
conservação da galeria. Se for necessário, use o espaço destinado a comentários.

11 – Presença de pedras e lixo dentro da galeria: Verificar o interior da galeria quanto à


presença de pedras, entulhos, lixo, ou qualquer outro material estranho. Se possível,
identificar a origem do material. Detalhar.

12 – Defeitos no concreto: Verificar a integridade do concreto da galeria (se houver) quanto


a fissuras ou qualquer outro tipo de dano identificável. Detalhar.

FICHA DE INSPEÇÃO DE BARRAGEM DE TERRA (BT)


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
ESTRUTURA DE SAÍDA DA
H.
GALERIA
1 Corrosão e vazamentos na NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
tubulação
2 Sinais de abrasão ou cavitação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Ruídos estranhos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Defeito nos dispositivos de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
controle
5 Surgências de água no concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Precariedade de acesso (árvores NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
e arbustos)
7 Vazamento nos dispositivos de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
controle
8 Falta de manutenção NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
9 Construções irregulares NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
10 Falta ou deficiência de drenagem NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
da caixa de válvulas
11 Presença de pedras e lixo dentro NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
da caixa de válvulas
12 Defeitos no concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
13 Defeitos na cerca de proteção NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Corrosão e vazamentos na tubulação: Verificar com cuidado o estado de conservação


da tubulação na saída que compõe a galeria. Identificar, com precisão, vazamentos,
corrosão, afundamentos, ou qualquer outra anomalia que venha a ser constatada. Fazer uso
do espaço destinado a comentários.

2 – Sinais de abrasão ou cavitação: Materiais arrastados pela corrente líquida podem


provocar algum tipo de abrasão na tubulação. Altas velocidades da água podem provocar
cavitação na tubulação. Verificar a existência destes dois efeitos do funcionamento
incorreto. Fazer uso do espaço para comentários.

3 – Ruídos estranhos: Quando do mau funcionamento dos equipamentos na estrutura de


saída, alguns ruídos podem ser ouvidos. Algum objeto preso na saída, gavetas de registros

106
danificadas, sede das gavetas gastas ou mesmo cavitação podem provocar ruídos estranhos.
Tentar identificar com precisão a causa dos ruídos. Detalhar.

4 – Defeito nos dispositivos de controle: Verificar o funcionamento dos dispositivos de


controle instalados na saída da galeria. Se possível, identificar o dispositivo e os possíveis
defeitos. Detalhar.

5 – Surgência de água no concreto: Verificar a presença de surgência de água na parte de


concreto (se existir). De alguma forma quantificar (por exemplo, somente úmido ou com
algum filete de escoamento) para que se possa ter uma ideia do grau de surgência. Detalhar.

6 – Precariedade de acesso (árvores e arbustos): Verificar a acessibilidade da estrutura


de saída. Identificar se é de fácil acesso, se apresenta alguma dificuldade, ou se é de difícil
acesso. Detalhar.

7 – Vazamento nos dispositivos de controle: Verificar os dispositivos de controle quanto


a vazamentos. De alguma forma, quantificar.

8 – Falta de manutenção: Verificar e informar na ficha de inspeção o estado geral de


conservação da estrutura de saída. Se necessário, use o espaço destinado a comentários.

9 – Construções irregulares: Verificar a existência de algum tipo de construção que possa


comprometer a integridade e o acesso da estrutura de saída. Detalhar.

10 – Falta ou deficiência de drenagem da caixa de válvulas: Verificar a caixa das válvulas


(se houver) quanto à drenagem, se há algum acúmulo de água. Detalhar.

11 – Presença de pedras e lixo dentro da caixa de válvulas: Verificar a caixa de válvulas


quanto à limpeza. Verificar a presença de lixo, de pedras, ou outro material qualquer,
estranho ao meio. Detalhar.

12 – Defeitos no concreto: Verificar a integridade do concreto da estrutura de saída.


Fissuras (trincas ou rachaduras), exposição de ferragens etc. devem ser identificadas.
Localizar e determinar de algum modo o grau de deterioração. Detalhar.

13 – Defeitos na cerca de proteção: Verificar a existência de cerca de proteção. Seu estado


de conservação deve ser reportado. A ausência de estacas, fios de arame deve ser reportada.
Detalhar.

107
FICHA DE INSPEÇÃO DE BARRAGEM DE TERRA (BT)
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
I. MEDIDOR DE VAZÃO
1 Ausência da placa medidora de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
vazão
2 Corrosão da placa NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Defeitos no concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Falta de escala de leitura de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
vazão
5 Assoreamento da câmara de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
medição
6 Erosão a jusante do medidor NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Ausência da placa medidora de vazão: Verificar a existência da placa medidora de


vazão. Esclarecer.

2 – Corrosão da placa: Verificar estado de conservação da placa (Figura 1.15). Verificar


detalhes na escala de medição. Se for o caso, descrever estado da pintura. Detalhar.

3 – Defeitos no concreto: Verificar a integridade do concreto. Registrar alguma exposição


de ferragem se for o caso. Fissuras, deslocamentos devem ser registrados. Detalhar.

4 – Falta de escala de leitura de vazão: Verificar a existência da escala de leitura.


Esclarecer.

5 – Assoreamento da câmara de medição: Verificar a presença de material (areia, barro,


pedregulho) dentro da câmara de medição.

6 – Erosão à jusante do medidor: O fluxo de água pode causar erosão à jusante do medidor
o que poderá, eventualmente, ameaçar a estabilidade da estrutura do medidor. Verificar a
ocorrência de erosões e registrar, indicando o nível de ameaça à estrutura.

108
Figura 1.15. Medidor de vazão na barragem de Meimoa (Portugal).
(Fonte: COBA, S.A.)

FICHA DE INSPEÇÃO DE BARRAGEM DE TERRA (BT)


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
J. ESTRADAS DE ACESSO
1 Estado do pavimento NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Condições de drenagem (com NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
água estagnada)
Comentários:

FICHA DE INSPEÇÃO DE BARRAGEM DE TERRA (BT)


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
K. PONTE
1 Estado dos pilares NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Estrutura das vigas e tabuleiro NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Apoios NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Estacas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Estado dos pilares – verificar o estado dos pilares. Especificar e detalhar.

2 – Estrutura das vigas e tabuleiro – verificar o estado das estruras das vigas e tabuleiro.
Especificar e detalhar.

3 – Apoios – verificar o estado de conservação dos apoios. Especificar e detalhar qualquer


dano.

4 – Estacas – verificar a situação das estacas se possível. Especificar e localizar.

109
Figura 1.16. Descarga de fundo da barragem de Meimoa (Portugal).
(Fonte: COBA, S.A.)

L. OUTROS PROBLEMAS EXISTENTES

Ao preencher a Ficha de Inspeção, é possível que algum elemento estrutural e alguma


anomalia não estejam contemplados nos diversos quadros detalhados. Como sugestão,
quando da identificação dessas situações, registrá-las no item OUTROS PROBLEMAS
EXISTENTES. A colaboração do responsável pelo preenchimento deste item da ficha é
extremamente importante no sentido de aprimorar a inspeção, reforçando sua credibilidade
e demonstrando a abrangência do trabalho realizado.

M. SUGESTÕES E RECOMENDAÇÕES

Ainda, no item SUGESTÕES E RECOMENDAÇÕES devem ser registradas todas as


sugestões e recomendações que possam melhorar a realização da inspeção e a própria ficha,
assim como tudo que possa ser útil à operação, à manutenção e à segurança da barragem.

110
1.1.3 FICHA DE INSPEÇÃO DE BARRAGEM DE ENROCAMENTO COM FACE
DE CONCRETO (BEFC)

Em complemento com o preenchimento da ficha de inspeção de barragens de terra devem


ser preenchidos os seguintes aspectos específicos de barragens de enrocamento com cortina
de concreto a montante.

No preenchimento da Ficha de Inspeção de Barragem tipo BEFC deve ser feito um X nas
colunas correspondentes à SITUAÇÃO e à MAGNITUDE da anomalia que possa estar
ocorrendo em relação ao item examinado. Na coluna NP deve-se preencher um número de
0 a 3 que correspondente à graduação do NÍVEL DE PERIGO .

A ficha de inspeção contém os seguintes códigos em sua primeira coluna :

- tabelas B1 e B2 correspondentes à inspeção da barragem, designadamente B.1-


Talude de Montante, B.2 - Talude de Jusante;
- tabela C- Ombreiras;
- tabela D - Crista;
- tabela E – Equipamentos;
- tabelas F1 a F3 correspondentes ao vertedouro, designadamente F1 – Vertedouro,
F2 – Equipamento Hidromecânico, F3 – Bacia de Amortecimento;
- tabela G – Tomada de Água;
- tabela H – Estrada de Acesso;
- tabela I – Ponte;
- tabela J – Reservatório.

Comentários: Este espaço, constante em todas as fichas, é reservado para que o


responsável pelo preenchimento da Ficha de Inspeção faça comentários e observações que
venham a esclarecer possíveis dúvidas quando de seu preenchimento. Além das sugestões
e comentários já inseridos no corpo deste manual, outras informações são importantes no
sentido de que se tenha um quadro real da situação da barragem objeto da inspeção.

111
FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS BEFC
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
B. BARRAGEM
B.1 Talude de Montante
1 Aspeto geral da laje de concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Erosão NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Vegetação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Fraturação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Deformações da laje NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Junta perimetral NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Junta vertical NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
8 Junta horizontal NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
9 Cortina e Injeção NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
10 Cut-off NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
11 Plinto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Aspeto geral da laje de concreto: Verificar o estado de conservação da laje.


Especificar.

2 – Erosão: Sinais de erosão provocada pelo movimento da água na laje de concreto,


transição entre as zonas que normalmente se encontram submersas e as que se encontram
secas;

3 – Vegetação: Analisar a existência ou ausência de arbustos

4 – Fraturação: Verificar a existência de fissuras na laje de concreto. Localizar e


determinar de algum modo o grau de deterioração. Detalhar.

5 – Deformações da laje: Verificar a existência de deformações na laje. Registra alguma


exposição de ferragem se for o caso. Detalhar.

6 – Junta perimetral (Figura 1.17): Verificar o aspeto da junta perimetral, eventuais danos
por movimentos do enrocamento ou por ação externa. Especificar o grau dos danos, sua
localização etc.

7 – Junta vertical: Verificar o aspeto das juntas verticais, eventuais danos por movimentos
do enrocamento ou por ação externa. Especificar o grau dos danos, sua localização etc.

8 – Junta horizontal: Verificar o aspeto das juntas horizontais, eventuais danos por
movimentos do enrocamento ou por ação externa. Especificar o grau dos danos, sua
localização etc.

9 – Cortina de injeção: Com base na interpretação dos registros dos piezómetros instalados
na fundação procurar inferir da eficiência da cortina de injeção.

112
10 – Cut-off: No caso de existir informação adequada procurar inferir da eficiência do cut-
off.

11 – Plinto : Verificar a situação e a eficiência dos veda-juntas e o aspeto geral das


ancoragens. Detalhar.

Figura 1.17. Aspecto da junta perimetral. (Fonte: COBA, S.A.)

FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS BEFC


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
B.2 Talude de Jusante
1 Sinais de movimentos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Percolação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Enrocamento NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Vegetação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Sinais de movimentos: - Procurar indicadores de deslizamentos planares ou circulares,


enrugamentos no paramento. Detalhar.

2 – Percolação: Sinais aparentes de percolação, ex.:surgências. Detalhar.

3 – Enrocamento: (Figura 1.18): Analisar o aspeto dos blocos de enrocamento. Detalhar.

4 – Vegetação: Analisar a existência ou ausência de arbustos.

113
Figura 1.18. Talude de jusante da barragem de Foz do Areia (Paraná).
(Fonte: COBA, S.A.)

FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS BEFC


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
C. OMBREIRAS
1 Percolação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Fissuras NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Escorregamentos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Vegetação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Sinais de movimentos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Percolação: Sinais aparentes de percolação, ex.:surgências;

2 – Fissuras : Distinguir fissuras (trincas ou rachaduras) longitudinais ou transversais, sua


abertura, e afastamento.

3 – Escorregamentos: Detetar sinais aparentes de escorregamentos recentes, causas


possíveis. Detalhar.

4 – Vegetação: Analisar a existência ou ausência de arbustos.

5 - Sinais de movimentos: Considerar aqui os movimentos globais não inseridos nos


escorregamentos. Detalhar.

A Figura 1.19 apresenta uma vista geral e as ombreiras da barragem de Campos Novos.

114
Figura 1.19. Ombreiras da Barragem Campos Novos (Santa Catarina).
(Fonte: COBA, S.A.)

FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS BEFC


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
D. CRISTA
1 Fendilhação na superfície NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Recalques NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Movimentos laterais NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Estado de conservação do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
guarad-corpos (parapeito)
5 Camber NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Fendilhação na superfície: Analisar as fissuras longitudinais e transversais, abertura,


profundidade e espaçamento;

2 – Recalques: Verificar visualmente o nivelamento dos guarda-corpos, passeios e


pavimento na crista;

3 – Movimento laterais: Os melhores indicadores de movimentos são os candeeiros e as


guardas laterais;

4 – Estado de conservação do guarda-corpos (parapeito): Os guarda-corpos registam


frequentemente os movimentos sofridos quer por deslize de peças simplesmente apoiadas
quer por rotura de peças rígidas;

5 – Camber: Apreciação da sobrelevação de projeto.

115
FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS BEFC
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
E. EQUIPAMENTOS
1 Piezômetros NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Marcos superficiais NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Inclinômetros NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Nível de água do reservatório NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Medidores de juntas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Sismógrafos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Medidores de vazão NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Piezômetros: Devem estar limpos, com o topo em perfeitas condições e sem trincaduras
aparentes.

2 –Marcos superficiais: Servem para medir movimentos da barragem. Especificar


situações encontradas.

3 – Inclinômetros: Servem para medir os deslocamentos horizontais que ocorrem no


interior da barragem. Especificar situações encontradas.

4 – Nível de água do reservatório: É medido através de réguas que possibilitam o


acompanhamento das variações do nível de água. Em geral são mais de um lance de réguas
em posições que acompanham o abaixamento do nível de água.

5 – Medidores de junta: Servem para medir as aberturas das juntas. Registrar.

6 – Sismógrafos: Servem para medir acelerações resultantes de abalos sísmicos. Registrar.

7 – Medidores de vazão: Servem para medir a água que está passando através da barragem
ou de sua fundação ou de ambas, quando possível.

116
FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS BEFC
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
F. VERTEDOURO
F.1 Vertedouro
1 Presença de entulhos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G

2 Fissuras (trincas ou rachaduras) NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G


3 Ferragem de concreto exposta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Sinais de movimento NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Erosões NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Presença de entulhos: Pode ocorrer a existência de entulhos ou queda de barreiras


laterais obstruindo o sangradouro. Fazer uso do espaço destinado aos comentários para
informar o grau de obstrução.

2 – Fissuras (trincas ou rachaduras): Ocorrência de trincas na superfície de concreto.


Especificar o grau de danos, sua localização.

3 – Ferragem de concreto exposta: Por meio de um processo físico, principalmente, a


ferragem do concreto pode ficar exposta. Especificar de forma detalhada tal exposição.

4 – Sinais de movimento: Os muros laterais, podem apresentar desalinhamento, quer seja


por problemas na fundação, ou por esforço excessivo sobre os muros pelo solo arrimado.

5 – Erosões: Canais escavados, dependendo do tipo de terreno, podem apresentar erosão.


Na saída do canal de restituição, pode aparecer erosão regressiva, que se desenvolve de
jusante para montante, principalmente na base do canal.

FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS BEFC


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
F.2 Equipamento Hidromecânico
1 Tipo de comportas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Estado geral NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Funcionamento NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Comando de comportas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Comandos mecânicos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Comandos elétricos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Alimentação principal NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
8 Alimentação de emergência
9 Instruções de operação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

117
1 – Tipo de comportas : Verificar o tipo de comportas e seu estado de conservação,
designadamente à corrosão, amassamento de guias, estado geral da pintura (se for o caso).
Especificar.

2 – Estado geral: Verificar o estado geral das peças quanto à corrosão, amassamentos,
furos e eventuais defeitos na pintura. Especificar local e detalhar.

3 – Funcionamento: Verificar vedações quanto a vazamentos que impeçam o adequado


funcionamento dos equipamentos. Especificar locais e intensidade do vazamento.

4 – Comando de comportas: Verificar o sistema do seu funcionamento. Especificar e


detalhar.

5 – Comandos mecânicos: Verificar defeitos mecânicos que impeçam o seu


funcionamento, designadamente a existência de ferrugem, corrosão etc. Especificar e
detalhar.

6 – Comandos eléctricos: Verificar cuidadosamente se existe algum impedimento elétrico


que comprometa o funcionamento da comporta. Especificar e detalhar.

7 – Alimentação principal: Verificar cuidadosamente se o sistema de alimentação


principal está em boas condições e permite assegurar a operação dos equipamentos.

8 – Alimentação de emergência: Verificar se o funcionamento do equipamento não está


comprometido em situações de emergência por falta de alimentação.

9 – Instruções de operação: Verificar as instruções de operação dos equipamentos


hidromecânicos, tais como acionamento das comportas de vertedouro ou tomada d’água e
do dispositivo de controle de saída da tomada d’água. Verificar também se o nível de
conhecimento dos operadores responsáveis sobre essas instruções é satisfatório. Comentar.

LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
F.3 Bacia de Amortecimento
1 Paredes NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Soleira NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Desvio NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Juntas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Erosão NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Itens especiais NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Paredes: Especificar de forma detalhada a situação das paredes e o aspecto que exibe.

118
2 – Soleira: O desgaste na soleira pode atingir tal intensidade que chegue a formar buracos
na estrutura. Especificar a situação.

3 – Desvio: Os muros laterais podem apresentar desvios que interessa especificar de forma
detalhada a sua localização.Registrar.

4 – Juntas: Verificar qualquer alteração que tenha ocorrido. Identificar local e grau de
deterioração. Registrar.

5 – Erosão: Erosão pode ocorrer imediatamente abaixo da soleira da bacia de dissipação


ameaçando sua estabilidade. Especificar de forma detalhada a localização precisa da
anomalia, dimensões e risco de desmoronamento na estrutura.

6 – Itens especiais: Presença de entulho na bacia. Verificar a existência de árvores e


arbustos. Indicar a extensão da obstrução.

FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS BEFC


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
G. TOMADA DE ÁGUA
1 Grelhas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Galeria NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Peças metálicas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Conduto forçado NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Obras de controle de débitos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Câmara de comandos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
8 Grua NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
9 Comportas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
10 Partes metálicas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
11 Ventilação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
12 Iluminação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
13 Ensecadeira NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
14 Estanqueidade NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
15 Comando à distância NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
16 Movimentos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Grelhas: Verificar com cuidado o estado de conservação das grelhas . Identificar, com
precisão, vazamentos, corrosão, afundamentos, ou qualquer outra anomalia que venha a ser
constatada. Fazer uso do espaço destinado a comentários.

2 – Concreto: Verificar a integridade do concreto. Fissuras (trincas ou rachaduras),


exposição de ferragens etc. devem ser identificadas. Localizar e determinar de algum modo
o grau de deterioração. Detalhar.

119
3 – Galeria: Verificar o funcionamento dos dispositivos de controle instalados na saída da
galeria. Se possível, identificar o dispositivo e os possíveis defeitos. Detalhar.

4 – Peças metálicas: Materiais arrastados pela corrente líquida podem provocar algum tipo
de abrasão na tubulação. Altas velocidades da água podem provocar cavitação na tubulação.
Verificar a existência destes dois efeitos do funcionamento incorreto.

5 – Conduto forçado: Verificar com cuidado o estado de conservação da tubulação.


Identificar vazamentos, corrosão, e outras anomalias.

6 – Obras de controle de débitos: Verificar se há erosão à jusante do medidor que possa


ameaçar a estabilidade da obra do medidor. Detalhar.

7 – Câmara de comandos: Verificar os dispositivos de controle quanto a vazamentos.


Procurar detalhar a situação.

8 – Grua: Verificar o estado geral de conservação da grua. Se necessário, use o espaço


destinado a comentários.

9 – Comportas: Verificar o estado de conservação das comportas quanto à corrosão,


amassamento, furos, defeitos na pintura(ou ausência). Especificar local e detalhar.

10 – Partes metálicas: Verificar o estado de conservação das partes metálicas, quanto à


corrosão, estado geral da pintura(se for o caso). Detalhar.

11 – Ventilação: Verificar o seu estado de conservação. Informar, se possível, do seu grau


de deterioração. Detalhar.

12 – Iluminação: Verificar o estado de conservação da instalação. Detalhar.

13 – Ensecadeira: Verificar seu estado de conservação e sua integridade. Detalhar.

14 – Estanqueidade: Verificar seu estado de conservação e se sua função está


comprometida. Detalhar.

15 – Comando à distância: Verificar seu estado de funcionamento e conservação. Detalhar.

16 – Movimentos: Movimentos que tenham ocorrido e que possam ter contribuído para o
aparecimento de fissuras (trincas, rachaduras) no concreto. Especificar de forma detalhada
as situações.

FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS BEFC


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
H. ESTRADA DE ACESSO
1 Revestimento NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Obstruções NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

120
1 – Revestimento: Verificar o estado de conservação do revestimento. Especificar;

2 – Obstruções: Verificar a exist|encia de obstruções. Especificar e detalhar.

FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS BEFC


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
I. PONTE
1 Estado dos pilares NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Estrutura das vigas e tabuleiro NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Apoios NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Estacas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Estado dos pilares: Verificar o estado dos pilares. Especificar e detalhar.

2 – Estruturs das vigas e tabuleiro: Verificar o estado das estruras das vigas e tabuleiro.
Especificar e detalhar.

3 –Apoios: Verificar o estado de conservação dos apoios. Especificar e detalhar qualquer


dano.

4 – Estacas: Verificar a situação das estacas Especificar e localizar.

FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS BEFC


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
J. RESERVATÓRIO
1 Nível de água NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Deslizamentos das margens NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Percolações NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Erosão NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Debris NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Construções em áreas de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
proteção
7 Excessiva sedimentação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
8 Vegetação subaquática excessiva NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Nível de água: O nível d’água no reservatório é definido por réguas que são importantes
para o acompanhamento das variações do volume de água. A gestão do reservatório tem por
base as leituras dessas réguas. Fazer uso do espaço reservado a comentários.

2 – Deslizamento das margens: Se as margens são muito íngremes, pode ocorrer algum
tipo de desmoronamento. Verificar a existência real ou potencial de desmoronamento.

121
3 – Percolações: Sinais aparentes de percolação, ex.:surgências. Especificar e quantificar.

4 – Erosões: Verificar se há algum tipo de erosão que transporte material para dentro do
reservatório. Especificar e localizar.

5 – Debris: Verificar a presença de entulho ou de qualquer outro material. Especificar e


localizar.

6 – Construções em áreas de proteção: Às vezes são construídas, na área de proteção,


algumas estruturas para lazer, criação de animais ou mesmo para moradia. Essas
construções devem ser reportadas e especificadas.

7 – Excessiva sedimentação: O transporte de material para dentro do reservatório causa o


seu assoreamento que, em geral, é verificado com precisão por meio de batimetria do lago.
Na inspeção informar se há informação a esse respeito.

8 – Vegetação subaquática excessiva: Vegetação aquática excessiva é sinônimo de


desequilíbrio biológico no reservatório. Especificar o grau de cobertura vegetal da superfície
d’água e o tipo de planta.

K. OUTROS PROBLEMAS EXISTENTES

Ao preencher a Ficha de Inspeção, é possível que algum elemento estrutural e alguma


anomalia não estejam contemplados nos diversos quadros detalhados. Como sugestão,
quando da identificação dessas situações, registrá-las no item OUTROS PROBLEMAS
EXISTENTES. A colaboração do responsável pelo preenchimento deste item da ficha é
extremamente importante no sentido de aprimorar a inspeção, reforçando sua credibilidade
e demonstrando a abrangência do trabalho realizado.

L. SUGESTÕES E RECOMENDAÇÕES

Ainda, no item SUGESTÕES E RECOMENDAÇÕES devem ser registradas todas as


sugestões e recomendações que possam melhorar a realização da inspeção e a própria ficha,
assim como tudo que possa ser útil à operação, à manutenção e à segurança da barragem.

122
1.1.4 FICHA DE INSPEÇÃO DE BARRAGEM DE CONCRETO (BC)

No preenchimento da Ficha de Inspeção de Barragem de Concreto deve ser feito um X nas


colunas correspondentes à SITUAÇÃO e à MAGNITUDE da anomalia que possa estar
ocorrendo em relação ao item examinado. Na coluna NP deve-se preencher um número de
0 a 3 que correspondente à graduação do NÍVEL DE PERIGO .

A Figura 1.20 ilustra uma panorâmica das componentes de uma barragem de concreto.

A ficha de inspeção contém nas tabelas os seguintes códigos em sua primeira coluna:

- tabelas B1 a B5 correspondentes à inspeção da barragem, designadamente B.1-


Paramento de Montante, B.2- Crista, B.3 – Paramento de Jusante, B.4 – Estrutura
Vertente, B.5 – Galeria de Drengem e injeção, B.6 - Instrumentação;
- tabelas C1 a C5 correspondentes à inspeção do vertedouro, designadamente C.1-
Canais de Aproximação e Restituição, C.2 - Estrutura Vertente, C.3 - Comportas do
Vertedouro, C.4 - Muros Laterais, C.5 – Rápido/Bacia Amortecedora;
- tabelas D1 a D5 correspondentes à inspeção da tomada d’água, designadamente,
D.1. - Acionamento, D.2. - Comportas, D.3 – Poço de Acionamento, D.4. – Boca de
entrada e Stop-Log , D.5 Galeria da Tomada de Água, D.6 – Estrutura de Saída;
- tabela E - Reservatório;
- tabela F- Região a Jusante da Barragem;
- tabela G – Medidor de Vazão.

Figura 1.20. Panorâmica das componentes de uma barragem de concreto. Soleira


vertente. (Fonte: COBA, S.A.)

Comentários: Este espaço, constante em todas as fichas, é reservado para que o


responsável pelo preenchimento da Ficha de Inspeção faça comentários e observações que
venham a esclarecer possíveis dúvidas quando de seu preenchimento. Além das sugestões
e comentários já inseridos no corpo deste manual, outras informações são importantes no
sentido de que se tenha um quadro real da situação da barragem objeto da inspeção.

123
FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS DE CONCRETO (BC)
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
B. BARRAGEM
B.1 Paramento de Montante
1 Presença de vegetação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Erosão nos encontros das NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
ombreiras
3 Ocorrência de fissuras no NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
4 Ferragem do concreto exposta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Deterioração da superfície do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
6 Abertura de juntas de dilatação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Presença de vegetação: Verificar a existência de vegetação no paramento de montante,


informar a natureza, a densidade e o tamanho da vegetação. Utilizar o espaço para
comentários.

2 – Erosão nos encontros das ombreiras: Quando do escoamento da água de chuva,


principalmente, é possível o aparecimento de erosão no encontro da estrutura da barragem
com as ombreiras. Se for conveniente, usar o espaço reservado a comentários para que fique
bem definida a intensidade ou o grau de erosão.

3 – Ocorrência de fissuras no concreto: Verificar a presença de fissuras no concreto.


Informar no espaço reservado a comentários, o local e densidades das fissuras. Informar se
possível, as dimensões, tais como abertura, comprimento, orientação etc., de tal modo que
se tenha um registro da anomalia.

4 – Ferragem do concreto exposta: Verificar a exposição da ferragem da estrutura de


concreto. Informar localização e grau de exposição.

5 – Deterioração da superfície do concreto: Verificar qualquer alteração na superfície do


concreto no paramento de montante. Identificar local e grau de deterioração. Registrar.

6 – Abertura de juntas de dilatação: Verificar a integridade das juntas de dilatação.


Identificar o local e a intensidade do dano.

124
FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS DE CONCRETO (BC)
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
B.2 Crista
1 Movimentos diferenciais entre NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
blocos (nas juntas)
2 Ocorrência de fissuras no NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
3 Ferragem do concreto exposta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Deterioração da superfície do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
5 Juntas de dilatação danificadas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Desalinhamento e corrosão no NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
parapeito (guarda-corpo)
7 Corrosão nos postes de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
iluminação
8 Corrosão no pórtico NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Movimentos diferenciais entre blocos (nas juntas): Verificar e identificar qualquer


movimento entre blocos de concretos, que caracterize movimentos diferentes, ou seja,
blocos se movimentam em direções diferentes. Registrar.

2 – Ocorrência de fissuras no concreto: Verificar a presença de fissuras no concreto.


Informar no espaço reservado a comentários o local e densidades das fissuras. Informar, se
possível, as dimensões, tais como: abertura, comprimento, orientação etc., de tal modo que
se tenha um registro da anomalia.

3 – Ferragem do concreto exposta: Verificar a exposição da ferragem da estrutura de


concreto. Informar localização e grau de exposição.

4 - Deterioração da superfície do concreto: Verificar qualquer alteração na superfície do


concreto na crista da barragem. Identificar local e grau de deterioração. Registrar.

5 – Juntas de dilatação danificadas: Verificar a integridade das juntas de dilatação.


Identificar local e a intensidade do dano.

6 – Desalinhamento e corrosão no parapeito (guarda corpo): Verificar a integridade do


guarda corpo, se há corrosão que venha a comprometer a segurança. Observar o alinhamento
do guarda corpo.

7 – Corrosão nos postes de iluminação: Verificar a integridade dos postes de iluminação


(se houver). Informar se nunca existiram postes de iluminação. Registrar postes danificados.

8 – Corrosão no pórtico: Verificar a integridade dos pórticos. Identificar locais de


corrosão. Usar espaço destinado a comentários para localizar as anomalias identificadas.

125
FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS DE CONCRETO (BC)
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
B.3 Paramento de Jusante
1 Sinais de movimentos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Ocorrência de fissuras no NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
3 Ferragem do concreto exposta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Deterioração da superfície do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
5 Juntas de dilatação danificadas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
(infiltrações)
6 Sinais de percolação ou áreas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
úmidas
7 Carreamento de material na água NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
dos drenos
8 Vazão nos drenos de controle NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Sinais de movimentos: Verificar e identificar qualquer sinal que identifique movimento


na barragem. Registrar.

2 – Ocorrência de fissuras no concreto: Verificar a presença de fissuras no concreto.


Informar no espaço reservado a comentários o local e densidades das fissuras. Informar se
possível, as dimensões, tais como: abertura, comprimento, orientação etc., de tal modo que
se tenha um registro da anomalia.

3 – Ferragem do concreto exposta: Verificar a exposição da ferragem da estrutura de


concreto. Informar localização e grau de exposição.

4 – Deterioração da superfície do concreto: Verificar qualquer alteração na superfície do


concreto no paramento de jusante. Identificar local e grau de deterioração. Registrar.

5 – Juntas de dilatação danificadas (infiltrações): Verificar a integridade das juntas de


dilatação. Identificar local e a intensidade do dano.

6 – Sinais de percolação ou áreas úmidas: Verificar a presença de áreas úmidas no


paramento de jusante. Verificar e identificar a presença de escoamento pelo paramento.
Registrar.

7 – Carreamento de material na água dos drenos: Verificar a presença de material


transportado pela água dos drenos. Indicar, se possível, aspectos granulométricos, se é
argiloso, se é arenoso etc., de tal modo que se possa ter uma ideia da origem de tal material.

8 – Vazão nos drenos de controle: Identificar vazão nos drenos de controle. Quantificar
de forma aproximada a vazão, quanto à seção de vazão, se está completamente cheia, pela
metade, abaixo da metade, apenas um filete d’água etc. Registrar.

126
A Figura 1.21 apresenta a vista geral do paramento de jusante da barragem de Agueira.

Figura 1.21. Vista geral do paramento de jusante da barragem de Aguieira


(Portugal). (Fonte: COBA, S.A.)

127
FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS DE CONCRETO (BC)
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
B.4 Estrutura Vertente
1 Fissuras no concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Ferragem do concreto exposta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Deterioração da superfície do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
4 Descalçamento da estrutura NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Juntas de dilatação danificadas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Sinais de deslocamentos da NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
estrutura
7 Sinais de percolação ou áreas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
úmidas
8 Carreamento de material na água NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
dos drenos
9 Vazão nos drenos de controle NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
10 Fissuras (trincas ou rachaduras) NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
nos muros laterais
11 Erosão nos muros laterais NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
12 Deterioração da superfície do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto dos muros
13 Ocorrência de buracos na soleira NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
14 Presença de entulho na bacia de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
dissipação
15 Presença de vegetação na bacia NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
de dissipação

16 Erosão na base dos canais (área NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G


de restituição)

Comentários:

1 – Fissuras no concreto: A estrutura vertente pode apresentar fissuras no concreto.


Especificar de forma detalhada a localização precisa da anomalia, dimensões e orientação.

2 – Ferragem do concreto exposta: Por meio de algum processo físico, principalmente, a


ferragem do concreto pode ficar exposta. Especificar de forma detalhada tal exposição.

3 – Deterioração da superfície do concreto: Verificar qualquer alteração na superfície do


concreto na estrutura vertente. Identificar local e grau de deterioração. Registrar

4 – Descalçamento da estrutura: Por algum processo erosivo ou de fuga de material, pode


haver descalçamento da estrutura. Indicar com precisão o local e a dimensão.

5 – Juntas de dilatação danificadas: Por movimentos da estrutura ou por ação externa, é


possível que as juntas sejam danificadas. Especificar o grau dos danos, sua localização etc.

6 – Sinais de deslocamentos da estrutura: Qualquer sinal de movimento da estrutura


deverá ser reportado na ficha de inspeção.

128
7 – Sinais de percolação ou áreas úmidas: Verificar sinais de percolação ou áreas úmidas
na estrutura vertente. Registrar no espaço destinado a comentários.

8 – Carreamento de material na água dos drenos: Verificar carreamento de material na


água dos drenos. Se possível, caracterizar de alguma forma o tipo de material transportado.

9 – Vazão nos drenos de controle: Verificar vazão nos drenos de controle. Se possível
quantificar de alguma forma. Registrar.

10 – Fissuras (trincas ou rachaduras) nos muros laterais: Em geral, por problemas de


arrimo nos muros, é possível aparecerem fissuras no concreto. Estes problemas são
importantes para a estabilidade dos muros. Fazer uso do espaço destinado a comentários,
para deixar a questão bem esclarecida.

11 – Erosão nos muros laterais: Erosão nos muros laterais pode aparecer, principalmente,
devido ao escoamento da água, com alta velocidade. Especificar.

12 – Deterioração da superfície do concreto dos muros: Verificar qualquer alteração na


superfície do concreto na estrutura dos muros laterais. Identificar local e grau de
deterioração. Registrar.

13 – Ocorrência de buracos na soleira: Podem aparecer ao final do período de


funcionamento buracos no concreto da estrutura vertente. Identificar posição, dimensões
tais como diâmetro aproximado, profundidade etc. Registrar.

14 – Presença de entulho na bacia de dissipação: Verificar manutenção e limpeza na


bacia de dissipação. Se possível, identificar origem do material. Registrar.

15 – Presença de vegetação na bacia de dissipação: Verificar a existência de vegetação


na bacia de dissipação. Identificar o porte da vegetação, se rasteira ou de caule. Registrar.

16 – Erosão na base dos canais (área de restituição): Verificar a presença de erosão na


base dos canais de restituição. Registrar local e intensidade.

129
FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS DE CONCRETO (BC)
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
B.5 Galeria de Drenagem e de
injeção
1 Deslocamento diferencial NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
pronunciado entre blocos
2 Desplacamento do concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Surgências de água no concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Ferragem do concreto exposta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Fissuras no concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Deterioração do portão de acesso NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Drenos obstruídos no concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
8 Drenos obstruídos na fundação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
9 Precariedade de acesso à galeria NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
10 Falta de manutenção NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
11 Falta de iluminação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
12 Falta de ventilação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
13 Presença de pedras, lixo dentro NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
da galeria
14 Sinais de percolação ou áreas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
úmidas
15 Carreamento de material na água NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
dos drenos
16 Vazão nos drenos de controle NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
17 Vazão elevada nos drenos de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
alívio
Comentários:

A Figura 1.22 apresenta a localização esquemática de uma galeria de drenagem e injeção.

130
Figura 1.22. Galeria de drenagem e de injeção. (Fonte: COBA, S.A.)

1 – Deslocamento diferencial pronunciado entre blocos: Verificar no interior da galeria


de inspeção qualquer vestígio de movimentação da estrutura. Indicar local, identificar com
precisão a posição da anomalia. Registrar.

2 - Desplacamento do concreto: Verificar qualquer alteração na superfície do concreto na


galeria de inspeção. Identificar local e grau de deterioração. Registrar.

3 – Surgência de água no concreto: Verificar a presença de surgência de água no concreto


no interior da galeria de inspeção. Registrar local, definir de algum modo o grau de
surgência.

4 - Ferragem do concreto exposta: Por meio de algum processo físico, principalmente, a


ferragem do concreto pode ficar exposta. Especificar de forma detalhada tal exposição.

5 – Fissuras no concreto: A estrutura na galeria de inspeção pode apresentar fissuras no


concreto. Especificar de forma detalhada a localização precisa da anomalia, dimensões e
orientação.

6 – Deterioração do portão de acesso: Verificar integridade do portão de acesso. Registrar


a presença de corrosão, a falta de pintura etc. Usar espaço reservado a comentários.

131
7 – Drenos obstruídos no concreto: Verificar os drenos relativamente à sua obstrução.
Definir local e o grau da obstrução. Registrar.

8 – Drenos obstruídos na fundação: Verificar os drenos relativamente à sua obstrução.


Definir local e o grau da obstrução. Registrar.

9 – Precariedade de acesso à galeria: Verificar se o acesso à galeria oferece alguma


dificuldade. Identificar dificuldade. Registrar.

10 – Falta de manutenção: Verificar, de um modo geral, a manutenção da galeria.


Limpeza, acesso, odores, manutenção de um modo geral. Registrar.

11 – Falta de iluminação: Verificar iluminação na galeria. A galeria deve permitir acesso


a qualquer hora para verificação. Registrar.

12 – Falta de ventilação: Verificar ventilação na galeria. Indicar se é inexistente ou


deficiente. Em caso de deficiência, indicar de algum modo. Registrar.

13 – Presença de pedras e lixo dentro da galeria: Verificar a presença de pedras, lixo,


entulho etc., dentro da galeria. Se possível, identificar origem. Registrar.

14 – Sinais de percolação ou áreas úmidas: Verificar a presença percolação ou áreas


úmidas. Identificar, localizar e, se possível, quantificar. Registrar.

15 – Carreamento de material na água dos drenos: Verificar carreamento de material na


água dos drenos. De alguma forma, definir a granulometria do material carreado, se argiloso,
arenoso etc. Registrar.

16 – Vazão nos drenos de controle: Verificar vazão nos drenos de controle. De algum
modo, indicar se os drenos estão plenos, pela metade, inferiores à metade ou se existe apenas
filete d’água. Registrar.

17 – Vazão elevada nos drenos de alívio: Verificar se há vazão elevada nos drenos de
alívio. De alguma forma quantificar. Registrar.

132
FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS DE CONCRETO (BC)
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
B.6 Instrumentação
1 Acesso precário aos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
instrumentos
2 Piezômetros entupidos ou NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
defeituosos
3 Marcos de referência danificados NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Medidores de vazão defeituosos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Outros instrumentos danificados NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Falta de instrumentação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Falta de registo de leituras da NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
instrumentação
Comentários:

1 – Acesso precário aos instrumentos: Algumas barragens, dada a sua importância do


ponto de vista de segurança, precisam ser monitoradas constantemente. Instrumentos são
instalados na estrutura da barragem e no seu entorno, quer seja nos paramentos, crista,
fundação, ombreiras etc., de tal modo que se possa acompanhar o comportamento da
barragem e do terreno no seu entorno.

2 – Piezômetros entupidos ou defeituosos: Piezômetros são os instrumentos mais comuns


e mais simples instalados numa barragem. Servem para medir a pressão d’água, e devem
estar limpos, com o topo em perfeitas condições, sem trincaduras aparentes.

3 – Marcos de referência danificados: São instrumentos extremamente importantes


(apesar de simples) que servem de apoio ao controle de movimento da estrutura.

4– Medidores de vazão defeituosos: A infiltração em uma barragem pode trazer


consequências graves para a sua estabilidade. Estes equipamentos servem para medir quanto
de água está passando através da barragem ou de sua fundação, ou de ambas.

5 – Outros instrumentos danificados: Verificar se algum outro instrumento existente está


danificado.

6 – Falta de instrumentação: Verificar se algum dos instrumentos previstos no projeto ou


existentes anteriormente está faltando.

7 – Falta de registro de leituras da instrumentação: Verificar a existência dos registros


de leitura dos instrumentos, inclusive dos existentes na galeria de inspeção, que devem estar
completos e disponíveis para consulta.

133
FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS DE CONCRETO (BC)
LOCALIZAÇÃO / ANOMALIA SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
C. VERTEDOURO
C.1 Canais de Aproximação e
Restituição
1 Presença de vegetação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Obstrução ou entulhos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Desalinhamento dos taludes e muros NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
laterais
4 Ferragem do concreto exposta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Erosões ou escorregamentos nos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
taludes laterais
6 Erosão na base dos canais escavados NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Erosão na área a jusante do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
vertedouro
8 Construções irregulares NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Presença de vegetação: É possível o aparecimento de árvores e arbustos nos canais de


aproximação e de restituição. Registrar a presença de vegetação, indicando densidade e
dimensões. Fazer uso do espaço para comentários.

2 – Obstrução ou entulhos: Pode ocorrer queda de barreiras laterais nos canais de


aproximação e de restituição, obstruindo o sangradouro. Fazer uso do espaço destinado aos
comentários para informar o grau de obstrução.

3 – Desalinhamento dos taludes e muros laterais: Com sangradouro em corte elevado,


podem aparecer problemas nos taludes do corte. Os muros laterais, por sua vez, podem
apresentar desalinhamento, quer seja por problemas na fundação, ou por esforço excessivo
sobre os muros pelo solo que tentam conter.

4 – Ferragem do concreto exposta: Por meio de algum processo físico, principalmente, a


ferragem do concreto pode ficar exposta. Especificar de forma detalhada tal exposição.

5 – Erosões ou escorregamentos nos taludes laterais: Verificar a presença de erosões ou


escorregamentos nos taludes laterais. Identificar posição da anomalia. Registrar.

6 – Erosão na base dos canais escavados: Canais escavados, dependendo do tipo de


material, podem apresentar erosão.

7 – Erosão na área à jusante do vertedouro: Na saída do canal de restituição, pode


aparecer erosão regressiva, que se desenvolve de jusante para montante, principalmente na
base do canal.

8 – Construções irregulares: Algumas construções podem ser identificadas nesta situação.


São edificações, cercas, estradas, aterros, que certamente apresentam problemas quando o
açude está sangrando, ou mesmo não podem permanecer ali por motivos legais. Fazer uso
do espaço para comentários, e se possível especificar para cada construção o tipo, a área

134
construída, proximidade do leito do rio e da barragem, de tal forma que fique caracterizada
a posição do imóvel.

A Figura 1.23 apresenta uma vista geral e as estruturas vertentes da barragem de Three
Gorges (Três Gargantas), na China.

Figura 1.23. Vista geral da barragem de Three Gorges (Três Gargantas) China.
(Fonte: COBA, S.A.)

135
FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS DE CONCRETO (BC)
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
C.2 Estrutura Vertente
1 Fissuras (trincas ou rachaduras) NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
no concreto
2 Ferragem do concreto exposta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Deterioração da superfície do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
4 Descalçamento da estrutura NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Juntas de dilatação danificadas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Sinais de deslocamentos das NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
estruturas
7 Fissuras (tricas ou rachaduras) NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
nos muros laterais
8 Erosão nos contatos dos muros NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
9 Sinais de percolação ou áreas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
úmidas
10 Carreamento de material na água NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
dos drenos
11 Vazão nos drenos de controle NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
12 Deterioração da superfície do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto dos muros
Comentários:

1 – Fissuras (trincas ou rachaduras) no concreto: A estrutura vertente pode apresentar


fissuras no concreto, principalmente na região das vigas munhão. Especificar de forma
detalhada a localização precisa da anomalia, dimensões e orientação. .

2 – Ferragem do concreto exposta: Por meio de algum processo físico, principalmente, a


ferragem do concreto pode ficar exposta. Especificar de forma detalhada tal exposição.
Registrar.

3 – Deterioração da superfície do concreto: Verificar qualquer alteração na superfície do


concreto na estrutura vertente. Identificar local e grau de deterioração. Registrar.

4 – Descalçamento da estrutura: Por algum processo erosivo ou de fuga de material, pode


haver descalçamento da estrutura vertente. Indicar com precisão o local e a dimensão.
Registrar.

5 – Juntas de dilatação danificadas: Por movimentos da estrutura ou por ação externa, é


possível que as juntas sejam danificadas. Especificar o grau dos danos, sua localização etc.

6 – Sinais de deslocamentos das estruturas: Qualquer sinal de movimento da estrutura


deverá ser reportado na Ficha de Inspeção.

7 – Fissuras (trincas ou rachaduras) nos muros laterais: Em geral, por problemas na


fundação dos muros, é possível aparecerem fissuras no concreto. Esses problemas são
importantes para a estabilidade dos muros. Fazer uso do espaço destinado a comentários,
para deixar a questão bem esclarecida.

136
8 – Erosão nos contatos dos muros: Erosão pode aparecer principalmente devido ao
escoamento da água de chuva. Especificar.

9 – Sinais de percolação ou áreas úmidas: Verificar sinais de percolação de água ou áreas


úmidas na estrutura vertente. Identificar local e intensidade da anomalia.

10 – Carreamento de material na água dos drenos: Verificar carreamento de material na


água dos drenos. De alguma forma, definir a granulometria do material carreado, se é
argiloso, arenoso etc. Registrar.

11 – Vazão nos drenos de controle: Verificar vazão nos drenos de controle. De algum
modo indicar se os drenos estão plenos, pela metade, inferiores à metade ou se existe apenas
filete d’água. Registrar.

12 – Deterioração da superfície do concreto dos muros: Verificar qualquer alteração na


superfície do concreto nos muros laterais. Identificar local e grau de deterioração. Registrar.

FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS DE CONCRETO (BC)


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
C. 3 Comportas do Vertedouro
1 Peças fixas (corrosão, NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
amassamento da guia e falha
na pintura)
2 Estrutura (corrosão, NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
amassamento e falha na
pintura)
3 Defeito das vedações NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
(vazamento)
4 Defeito das rodas (comporta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
vagão)
5 Defeitos nos rolamentos, NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
buchas e retentores
6 Defeito no ponto de içamento NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Água estagnada nos braços da NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
comporta
8 Vegetação sobre a estrutura NA NE PV DS DI PC AU Ni I P M G
metálica
Comentários:

1 – Peças fixas (corrosão, amassamento da guia e falha na pintura): Verificar quanto ao


estado de conservação das peças fixas, quanto à corrosão, amassamento de guias e estado
geral da pintura (se for o caso). Especificar.

2 – Estrutura (corrosão, amassamento e falha na pintura): Verificar a estrutura


propriamente dita da comporta quanto à corrosão, amassamentos, furos e defeitos na pintura
(ou ausência). Especificar local e detalhar.

3 – Defeito das vedações (vazamento): Verificar vedações quanto a vazamentos.


Especificar locais e intensidade do vazamento.

137
4 – Defeito das rodas (comporta vagão): Verificar sistema de deslizamento das comportas.
Se for de rodas, verificar o seu estado quando estiver girando, se possível. Especificar.

5 – Defeitos nos rolamentos, buchas e retentores: Verificar defeitos nos rolamentos


quanto ao seu funcionamento, ferrugem, corrosão etc. Se houver buchas, verificar a sua
integridade, circularidade e espessura não uniforme que indica desgaste etc.

6 – Defeito no ponto de içamento: O ponto de içamento da comporta é de vital importância


para o seu acionamento. Verificar cuidadosamente quanto a sua integridade, se há corrosão,
se apresenta algum desgaste, se a sua fixação na comporta não está comprometida etc.
Especificar.

7 – Água estagnada nos braços da comporta: Verificar a presença de áreas úmidas.


Identificar, localizar e, se possível, quantificar. Registrar.

8 – Vegetação sobre a estrutura metálica: Verificar a existência de vegetação.Identificar


o porte da vegetação, se rasteira ou de caule. Registrar.

A Figura 1.24 ilustra a descarga no vertedouro da barragem de Itaipu.

Figura 1.24. Vertedouro da Barragem de Itaipu (Brasil). (Fonte: COBA, S.A.)

FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS DE CONCRETO (BC)


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
C.4 Muros Laterais
1 Erosão na fundação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Erosão nos contatos dos muros NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Fissuras (trincas ou rachaduras) NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
no concreto
4 Ferragem do concreto exposta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Deterioração da superfície do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
Comentários:

138
1 – Erosão na fundação: Erosão na fundação dos muros laterais atenta contra a sua
estabilidade. Especificar, detalhar quanto à sua intensidade. Em geral, por problemas na
fundação dos muros, é possível aparecerem fissuras no concreto. Estes problemas são
importantes para a estabilidade dos muros. Fazer uso do espaço destinado a comentários,
para deixar a questão bem esclarecida.

2 – Erosão nos contatos dos muros: Erosão pode aparecer principalmente devido ao
escoamento da água de chuva. Especificar.

3 – Fissuras (tricas ou rachaduras) no concreto: Os muros podem apresentar fissuras no


concreto. Especificar de forma detalhada a localização precisa da anomalia, dimensões e
orientação.

4 – Ferragem do concreto exposta: Por meio de algum processo físico, principalmente, a


ferragem do concreto pode ficar exposta. Especificar de forma detalhada tal exposição.

5 – Deterioração da superfície do concreto: O concreto pode apresentar sinais de fissuras,


desgastes etc. Reportar na ficha de inspeção qualquer situação de anormalidade.

FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS DE CONCRETO (BC)


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
C.5 Rápido/Bacia Amortecedora
1 Fissuras (trincas ou rachaduras) NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
no concreto (muro)
2 Ferragem do concreto exposta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Deterioração da superfície do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
4 Ocorrência de buracos na soleira NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Erosão NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Presença de entulho na bacia NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Falha no enrocamento de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
proteção
8 Presença de vegetação na bacia NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Fissuras (trincas ou rachaduras) no concreto (muros): A bacia amortecedora e os


muros laterais podem apresentar fissuras no concreto. Especificar de forma detalhada a
localização precisa da anomalia, dimensões e orientação. Registrar.

2 – Ferragem do concreto exposta: Por meio de algum processo físico, principalmente, a


ferragem do concreto pode ficar exposta. Especificar de forma detalhada tal exposição.
Registrar.

3 – Deterioração da superfície do concreto: Verificar qualquer alteração na superfície do


concreto. Identificar local e grau de deterioração. Registrar.

139
4 – Ocorrência de buracos na soleira: Podem aparecer ao final do período de
funcionamento buracos no concreto da bacia amortecedora. Identificar posição, dimensões
tais como: diâmetro aproximado, profundidade etc. Registrar.

5 – Erosão: Verificar algum tipo de erosão na bacia de amortecimento. Registrar local e


intensidade.

6 – Presença de entulho na bacia: Verificar a presença de entulho ou qualquer outro


material estranho dentro da bacia de amortecimento. Se possível identificar origem.
Registrar.

7 – Falha no enrocamento de proteção: Verificar falhas no enrocamento de proteção.


Quantificar de alguma forma a anomalia. Registrar.

8 – Presença de vegetação na bacia: Verificar a presença de algum tipo de vegetação.


Identificar se é rasteira, arbustiva e o porte. Quantificar. Registrar.

FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS DE CONCRETO (BC)


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
D. TOMADA D'ÁGUA
D.1 Acionamento
1 Hastes (travada ou mancal, NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
corrosão e empenamento)
2 Base dos mancais (corrosão, NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
falta de chumbadores)
3 Corrosão nos mancais NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Falhas nos chumbadores, NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
lubrificação e pintura do pedestal
5 Falta de indicador de abertura NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Falha de volante NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Hastes (travada no mancal, corrosão e empenamento): Verificar o acionamento das


hastes. Verificar se há algum tipo de retenção que impeça o movimento da haste, se há
presença de corrosão ou algum desgaste. O alinhamento da haste deve ser verificado, pois
o seu empenamento pode causar a sua retenção e a sua ruptura quando se tentar movimentá-
la. Especificar.

2 – Base dos mancais (corrosão, falta de chumbadores): Os mancais devem ser


verificados quanto à sua fixação (bases), se estão corroídas etc. Especificar.

3 – Corrosão nos mancais: Os mancais devem apresentar-se livres de corrosão. Verificar


o seu estado de conservação. Especificar.

140
4 – Falhas nos chumbadores, lubrificação e pintura do pedestal: Verificar o pedestal
quanto á sua fixação (chumbadores), lubrificação, pintura e seu estado geral de conservação.
Especificar.

5 – Falta de indicador de abertura: Verificar a existência do indicador de abertura.


Registrar.

6 – Falta de volante: Verificar a existência de volante. Tecer comentários sobre o tempo


de ausência do volante se for o caso. Especificar.

FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS DE CONCRETO (BC)


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
D.2 Comportas
1 Peças fixas (corrosão, NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
amassamento, pintura)
2 Estrutura da comporta (corrosão, NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
amassamento, pintura)
3 Defeito das vedações NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
(vazamento)
4 Defeito das rodas (comporta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
vagão, se aplicável)
5 Defeito nos rolamentos ou NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
buchas e retentores
6 Defeito no ponto de içamento NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Peças fixas (corrosão, amassamento, pintura): Verificar o estado de conservação das


peças fixas, quanto à corrosão, amassamento de guias, estado geral da pintura (se for o caso).
Especificar.

2 – Estrutura da comporta (corrosão, amassamento, pintura): Verificar a estrutura


propriamente dita da comporta quanto à corrosão, amassamentos, furos, defeitos na pintura
(ou ausência). Especificar local e detalhar.

3 – Defeito das vedações (vazamento): Verificar vedações quanto a vazamentos.


Especificar locais e intensidade do vazamento.

4 – Defeito das rodas (comporta vagão, se aplicável): Verificar sistema de deslizamento


das comportas. Se for de rodas, verificar o seu estado quando estiver girando, se possível.
Especificar.

5 – Defeitos nos rolamentos ou buchas e retentores: Verificar defeitos nos rolamentos


quanto ao seu funcionamento, ferrugem, corrosão etc. Se houver buchas, verificar a sua
integridade, circularidade e espessura não uniforme que indica desgaste etc. Especificar.

6 – Defeito no ponto de içamento: O ponto de içamento da comporta é de vital importância


para o seu acionamento. Verificar cuidadosamente quanto à sua integridade, se há corrosão,

141
se apresenta algum desgaste e se a sua fixação na comporta não está comprometida etc.
Especificar.

FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS DE CONCRETO (BC)


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
D.3 Poço de Acionamento
1 Falta de guarda-corpo na escada NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
de acesso
2 Deterioração do guarda-corpo na NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
escada de acesso
3 Deterioração da tampa de acesso NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
ao abrigo
4 Deterioração da tubulação de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
aeração e By-Pass
5 Deterioração da instalação de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
controle (pedestal)
Comentários:

1 – Falta de guarda-corpo na escada de acesso: Verificar se há Guarda corpo na escada


de acesso (se existir). Se não há Guarda corpo informar se já houve. Explicar.

2 – Deterioração do guarda-corpo na escada de acesso: Verificar estado de conservação


do Guarda corpo na escada de acesso. Se possível informar grau de deterioração, falta de
pintura etc. Explicar.

3 – Deterioração da tampa de acesso ao abrigo: Verificar a existência da tampa de acesso


do poço de acionamento. Registrar a existência de corrosão e o estado de conservação da
pintura e dobradiças (se houver) etc.

4 – Deterioração da tubulação de aeração e By-Pass: Verificar estado de conservação da


tubulação de aeração e By-Pass, pinturas, registros, acoplamentos. Definir grau de
deterioração. Usar espaço destinado a comentários.

5 – Deterioração da instalação de controle (pedestal): Verificar estado de conservação


da instalação de controle. Se possível realizar alguma manobra ou teste desde que não
comprometa a operação do sistema. Usar espaço destinado a comentários.

142
FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS DE CONCRETO (BC)
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
D.4 Boca de entrada e Stop-Log
1 Assoreamento NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Obstrução e entulhos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Ferragem exposta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Deterioração na superfície do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
5 Falta de grade de proteção NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Defeitos na grade NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Peças fixas (corrosão, NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
amassamento, pintura)
8 Estrutura do stop-log (corrosão, NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
amassamento, pintura)
9 Defeito no acionamento do stop- NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
log
10 Defeito no ponto de içamento NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Assoreamento: Indicar se há algum tipo de transporte ou acúmulo de material na entrada


da caixa de montante. Usar espaço destinado a comentários.

2 – Obstrução e entulhos: Verificar se há algum tipo de entulho ou obstrução na entrada


da caixa de montante. Especificar.

3 – Ferragem exposta: Verificar estado de conservação da estrutura de concreto quanto à


existência de ferragem exposta. Indicar localização, extensão e grau de exposição. Usar
espaço destinado a comentários.

4 – Deterioração na superfície do concreto: Verificar deterioração na superfície da


estrutura de concreto. Indicar localização, extensão dos danos. Usar espaço destinado a
comentários.

5 – Falta de grade de proteção: Verificar a existência da grade de proteção. Identificar se


já houve grade de proteção. Usar espaço para comentários.

6 – Defeitos na grade: Verificar estado de conservação da grade de proteção, referente à


pintura (se for o caso), corrosão, hastes quebradas. Explicar.

7 – Peças fixas (corrosão, amassamento, pintura): Verificar estado de conservação das


peças fixas, referentes à pintura, corrosão, amassamento de guias, ou qualquer outra
anomalia nas partes fixas. Explicar detalhadamente.

8 – Estrutura do Stop-Log (corrosão, amassamento, pintura): Verificar estrutura do


Stop-Log quanto à pintura, corrosão, amassamento, ou qualquer outra anomalia existente.
Exemplificar.

143
9 – Defeito no acionamento do Stop-Log: Verificar estado de conservação e operação no
acionamento do Stop-Log. Detalhar.

10 – Defeito no ponto de içamento: O ponto de içamento o Stop-Log é de vital importância


para o seu acionamento. Verificar cuidadosamente quanto a sua integridade, se há corrosão,
se apresenta algum desgaste e se a sua fixação no Stop-Log não está comprometida etc.
Especificar.

FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS DE CONCRETO (BC)


LOCALIZAÇÃO / SITUAÇÃO MAGNITUDE
NP
ANOMALIA
D.5 Galeria da Tomada de Água
1 Corrosão e vazamentos na NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
tubulação
2 Sinais de abrasão ou cavitação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Defeitos nas juntas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Deformação do conduto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Desalinhamento do conduto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Vazamento nos dispositivos de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
controle
Comentários:

1 – Corrosão e vazamentos na tubulação: Verificar com extremo cuidado o estado de


conservação da tubulação que compõe a galeria. Identificar com precisão, vazamentos,
corrosão, afundamentos ou qualquer outra anomalia que venha a ser constatada. Fazer uso
do espaço destinado a comentários.

2 – Sinais de abrasão ou cavitação: Materiais arrastados pela corrente líquida podem


provocar algum tipo de abrasão na tubulação. Altas velocidades da água podem provocar
cavitação na tubulação. Verificar a existência desses dois efeitos do funcionamento
incorreto da galeria. Fazer uso do espaço para comentários.

3 – Defeitos nas juntas: Verificar o estado de conservação das juntas da tubulação. Se


forem soldadas, verificar a espessura do cordão de solda, sua integridade, algum tipo de
corrosão etc. Detalhar.

4 – Deformação do conduto: Verificar qualquer tipo de deformação na tubulação. Explicar.

5 – Desalinhamento do conduto: O desalinhamento do conduto pode comprometer a


estabilidade. Identificar possíveis desalinhamentos. Localizar e de algum modo quantificar
(ângulo, por exemplo). Detalhar.

6 – Vazamento nos dispositivos de controle: Verificar os dispositivos de controle quanto


a vazamentos. De alguma forma, quantificar. Detalhar.

144
FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS DE CONCRETO (BC)
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
D.6 Estrutura de Saída
1 Corrosão e vazamentos na NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
tubulação
2 Ruídos estranhos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Defeito nos dispositivos de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
controle
4 Fissuras (trincas ou rachaduras) NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
ou surgências de água no
concreto
5 Precariedade de acesso (árvores NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
e arbustos)
6 Vazamento nos dispositivos de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
controle
7 Construções irregulares a jusante NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
8 Falta de drenagem da caixa de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
válvulas
9 Presença de entulho dentro da NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
caixa de válvulas
10 Defeitos na cerca de proteção NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Corrosão e vazamentos na tubulação: Verificar com extremo cuidado o estado de


conservação da tubulação na saída. Identificar com precisão: vazamentos, corrosão,
afundamentos ou qualquer outra anomalia que venha a ser verificada. Fazer uso do espaço
destinado a comentários.

2 – Ruídos estranhos: Quando do mau funcionamento dos equipamentos na estrutura de


saída, alguns ruídos podem ser ouvidos. Algum objeto preso na saída, gavetas de registros
danificadas, sede das gavetas gastas, ou mesmo cavitação etc., podem provocar ruídos
estranhos. Tentar identificar com precisão a causa dos ruídos. Detalhar.

3 – Defeitos nos dispositivos de controle: Verificar o funcionamento dos dispositivos de


controle instalados na saída da galeria. Se possível, identificar o dispositivo e os possíveis
defeitos. Detalhar.

4 – Fissuras (trincas ou rachaduras) ou surgências de água no concreto: Verificar a


presença de fissuras (Figura 1.25) e surgências de água na parte de concreto (se existir). De
alguma forma quantificar (por exemplo, somente úmido, com algum filete de escoamento)
para que se possa ter uma ideia do grau de surgência. Detalhar.

5 – Precariedade de acesso (árvores e arbustos): Verificar a acessibilidade da estrutura


de saída. Identificar se é de fácil acesso, se apresenta alguma dificuldade, ou se é de difícil
acesso. Detalhar.

6 – Vazamento nos dispositivos de controle: Verificar os dispositivos de controle quanto


a vazamentos. De alguma forma, quantificar. Detalhar.

145
7 – Construções irregulares à jusante: Verificar a existência de algum tipo de construção
que possa comprometer a integridade e o acesso da estrutura de saída. Detalhar.

8 – Falta de drenagem da caixa de válvulas: Verificar a caixa das válvulas (se houver)
quanto à drenagem, se há algum acúmulo de água. Detalhar.

9 – Presença de entulho dentro da caixa de válvulas: Verificar a caixa de válvulas quanto


à limpeza. Verificar a presença de lixo, de pedras ou outro material qualquer, estranho ao
meio.

10 – Defeitos na cerca de proteção: Verificar a existência de cerca de proteção. Seu estado


de conservação deve ser reportado. A ausência de estacas e fios de arame devem ser
registrados. Detalhar.

Figura 1.25. Fissura subvertical de origem térmica (e = 2,0 mm), no paramento de


jusante de uma barragem gravidade. (Fonte: SBB Engenharia)

146
FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS DE CONCRETO (BC)
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
E. RESERVATÓRIO
1 Réguas danificadas ou faltando NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Construções em áreas de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
proteção
3 Poluição por esgoto, lixo, NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
pesticida, etc.
4 Indícios de má qualidade d’água NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Erosões NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Assoreamento NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Desmoronamento das margens NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
8 Existência de vegetação aquática NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
excessiva
9 Desmatamentos na área de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
proteção
10 Presença de animais e peixes NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
mortos
11 Animais pastando NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Réguas danificadas ou faltando: As réguas que indicam o nível d’água no reservatório


são importantes para o acompanhamento das variações do volume de água. A gestão do
reservatório tem por base as leituras dessas réguas. Em geral são mais de um lance de réguas
em posições que acompanham o abaixamento do nível d’água. Fazer uso do espaço
reservado a comentários.

2 – Construções em áreas de proteção: Às vezes são construídas, na área de proteção,


algumas estruturas para lazer, criação de animais ou mesmo para moradia. Estas construções
devem ser reportadas e especificadas.

3 – Poluição por esgoto, lixo, pesticidas etc.: Verificar a existência de algum tipo de
lançamento poluidor no reservatório. Especificar e quantificar.

4 – Indícios de má qualidade d’água: Registrar a existência de indícios de má qualidade


da água do reservatório, como a coloração ou mesmo odor desagradável.

5 – Erosões: Verificar se há algum tipo de erosão que transporte material para dentro do
reservatório. Especificar e localizar.

6 – Assoreamento: O transporte de material para dentro do reservatório causa o seu


assoreamento que, em geral, é verificado com precisão por meio de batimetria do lago. Na
inspeção informar se há algum vestígio ou informação a respeito.

7 – Desmoronamento das margens: Se as margens são muito íngremes, pode ocorrer


algum tipo de desmoronamento. Verificar a existência real ou potencial de
desmoronamento.

147
8 – Existência de vegetação aquática excessiva: Vegetação aquática excessiva é sinônimo
de desequilíbrio biológico no reservatório. Especificar o grau de cobertura vegetal da
superfície d’água e o tipo de planta.

9 – Desmatamentos na área de proteção: Verificar se há algum tipo de desmatamento na


área de proteção do reservatório. Especificar local e dimensão.

10 – Presença de animais e peixes mortos: Peixes mortos no reservatório indicam algum


desequilíbrio biológico. Informar tipo e, se possível, quantidade aproximada. Outros
animais podem aparecer mortos, também, por afogamento. Especificar e quantificar.

11 – Animais pastando: A presença de animal pastando na área do reservatório deve ser


identificada. Especificar o tipo de animal, quantidade, frequência etc.

FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS DE CONCRETO (BC)


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
F. REGIÃO A JUSANTE DA
BARRAGEM
1 Sinais de movimentos na rocha NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
de fundação
2 Desintegração / decomposição NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
da rocha
3 Piping nas juntas rochosas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Construções irregulares NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
próximas ao leito do rio
5 Vazamento (fuga de água) nas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
ombreiras
6 Árvores e arbustos na faixa de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
10 m do pé da barragem
7 Erosão nos encontros das NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
ombreiras
8 Cavernas e buracos nas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
ombreiras
Comentários:

1 – Sinais de movimentos na rocha de fundação: Verificar sinais de movimento na rocha


de fundação na parte de jusante da barragem. Qualquer anomalia que caracterize mudança
no terreno (rocha) natural, reportar detalhadamente. Registrar.

2 – Desintegração / decomposição da rocha: É possível, por meio de inspeção puramente


visual, identificar rocha em decomposição. Reportar de forma detalhada. Registrar.

3 – Piping nas juntas rochosas: verificar a presença de Piping nas juntas das rochas.
Identificar e localizar com precisão.

4 – Construções irregulares próximas ao leito do rio: Verificar a construção de qualquer


natureza próxima ao leito do rio. Localizar e quantificar, descrevendo o tipo da construção:
casa, cercas, currais, tanques etc. Registrar.

148
5 – Vazamento (Fuga d’água) nas ombreiras: É possível o aparecimento de fuga d’água
ou umidade excessiva na parte de jusante da barragem. Este fluxo pode ter origem na
fundação, nas interfaces concreto/ombreira ou mesmo através do maciço. Fazer uso do
espaço destinado a comentários.

6 – Árvores e arbustos na faixa de 10 m do pé da barragem: É importante verificar à


existência de árvores e arbustos na faixa indicada, pois elas dificultam a inspeção e
identificação de problemas à jusante da barragem.

7 – Erosão nos encontros das ombreiras: Verificar se há algum tipo de erosão nos
encontros das ombreiras à jusante da barragem. Identificar com precisão e quantificar
quanto à extensão, profundidade e localização (próxima à base, no meio ou no alto).
Registrar.

8 – Cavernas e buracos nas ombreiras: É possível o aparecimento de buracos e mesmo


cavernas nas ombreiras. Identifique-as. Registrar a dimensão destas anomalias, a presença
e intensidade de fluxo de água, bem como a possibilidade do seu crescimento resultar em
comunicação com o lago à montante.

A Figura 1.26 apresenta uma vista geral da região a jusante da barragem de Alqueva.

Figura 1.26. Vista geral da barragem de Alqueva - Região de jusante (Portugal).


(Fonte: COBA, S.A.)

149
FICHA DE INSPEÇAO DE BARRAGENS DE CONCRETO (BC)
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
G. MEDIDOR DE VAZÃO
1 Ausência da placa medidora de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
vazão
2 Corrosão da placa NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Defeitos no concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Falta de escala de leitura de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
vazão
5 Assoreamento da câmara de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
medição
6 Erosão a jusante do medidor NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

1 – Ausência da placa medidora de vazão: Verificar a existência da placa medidora de


vazão. Verificar também se nunca existiu. Esclarecer.

2 – Corrosão da placa: Verificar estado de conservação da placa. Verificar detalhes na


escala de medição. Se for o caso, descrever estado da pintura. Detalhar.

3 – Defeitos no concreto: Verificar a integridade do concreto. Registrar alguma exposição


de ferragem se for o caso. Fissuras (trincas ou fissuras), deslocamentos devem ser
registrados. Detalhar.

4 – Falta de escala de leitura de vazão: Verificar a existência da escala de leitura. Verificar


também se nunca existiu.

5 – Assoreamento da câmara de medição: Verificar a presença de material (areia, barro,


pedregulho) dentro da câmara de medição. Detalhar.

6 – Erosão a jusante do medidor: Verificar se há erosão à jusante do medidor que possa


ameaçar a estabilidade da estrutura do medidor. Registrar indicando o porte das erosões e o
nível de risco à estrutura.

H. OUTROS PROBLEMAS EXISTENTES

Ao preencher a Ficha de Inspeção, é possível que algum elemento estrutural e alguma


anomalia não estejam contemplados nos diversos quadros detalhados. Como sugestão,
quando da identificação dessas situações, registrá-las no item OUTROS PROBLEMAS
EXISTENTES. A colaboração do responsável pelo preenchimento deste item da ficha é
extremamente importante no sentido de aprimorar a inspeção, reforçando sua credibilidade
e demonstrando a abrangência do trabalho realizado.

I. SUGESTÕES E RECOMENDAÇÕES

Ainda, no item SUGESTÕES E RECOMENDAÇÕES devem ser registradas todas as


sugestões e recomendações que possam melhorar a realização da inspeção e a própria ficha,
assim como tudo que possa ser útil à operação, à manutenção e à segurança da barragem.

150
1.1.5. FICHA DE INSPEÇÃO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS

As fichas de inspeção apresentadas foram adaptadas do Relatório de Avaliação e Proposição


de Modelo de Ficha de Inspeção Regular de Segurança de Barragem de Selmo Kuperman,
Novembro de 2011, e contemplam a Casa de força e Área de montagem, o Descarregador
de Fundo, a Eclusa, as Edificações, a Escada de peixes, as Ombreiras, os Pátios, a
Plataforma dos transformadores, o Poço de drenagem, o Sistema anti-incêndio, as Paredes
corta-fogo, a Bacia de contenção de óleo, a Caixa separadora de óleo, a Subestação, os
Túneis, o Vertedouro tulipa.

Essas fichas se aplicam no caso de inspeções em barragem que possuem geração de energia
hidrelétrica.

A ficha de inspeção contém nas tabelas os seguintes códigos em sua primeira célula:

- tabelas A1 a A9 correspondentes à inspeção da Casa de Força-Área de Montagem,


designadamente A1 – Piso da Sala de Máquinas e Área de Montagem, A2 – Paredes
da Casa de Força e Área de Montagem, A.3 – Cobertura da Casa de Força e Área de
Montagem, A4 – Galerias – Elétrica, Mecânica, Acesso ao Tubo de Seção Anelar,
A5 - Galerias de Drenagem e Injeção, A6 – Instrumentação, A7 – Tubo de Sução,
A8 – Acabamento e Instalações , A9 – Canal de Fuga;
- tabela B – Descarregador de Fundo. Galeria;
- tabelas C1 a C6 correspondentes à Eclusa, designadamente C.1- Parte Montante da
Câmara, C.2 – Parte Jusante da Câmara, C.3 - Galerias, C.4 – Câmara de Eclusa-
Muros, C.5 – Instrumentação, C6 – Pontes sobre a Eclusa;
- tabela D – Edifícios de Comando, Salas, Estação de Tratamento d’Água, Estação de
Tratamento de Esgoto, Guarita;
- tabela E – Escada para Peixes;
- tabelas F1 e F2 correspondente às Ombreiras, designadamente F1 – Ombreiras a
Montante até 200 m e F2 – Ombreiras a Jusante até 200m;
- tabela G – Pátios;
- tabela H – Plataforma dos Traformadores;
- tabela I – Poço de Drenagem;
- as tabelas J1 a J3 correspondente aos Sistemas Anti-incêndio, designadamente J.1 –
Paredes Corta – Fogo, J.2 – Bacia de Contenção, J.3 – Caixa Separadora de Óleo;
- tabela K – Subestação –Acabamentos e Paisagismo;
- tabela L - Túneis;
- tabela M – Vertedouro Tulipa – Galeria de Descarga.

O conteúdo destas Fichas de Inspeção pode ser considerado como mínimo, devendo ser
adaptado para cada barragem e usina.

Inspeção efetuada
por:
Data:
Nível no
reservatório:
Estado do tempo:
FOTO

151
FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
A. CASA DE FORÇA-ÁREA DE
MONTAGEM
A.1 Piso da Sala de Máquinas e
Área de Montagem

1 Fissuras no concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Armadura exposta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Deterioração da superfície do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
4 Sinais de movimentação da NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
estrutura de concreto
5 Deformação de estruturas e NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
tampas metálicas
6 Movimentação de estruturas e NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
tampas metálicas
7 Desalinhamentos de corrimãos e NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
estruturas
8 Corrosão de estruturas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
9 Deterioração da superfície de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
revestimentos
10 Sinais de percolação ou áreas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
úmidas
Comentários:

FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
A.2 Paredes da Casa de Força e
Área de Montagem

1 Fissuras no concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Armadura exposta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Deterioração da superfície do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
4 Sinais de percolação ou áreas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
úmidas
5 Defeitos nas juntas de contração NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Sinais de deformação ou NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
deslocamento da estrutura
7 Deformações ou desalinhamento NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
das vigas do pórtico
Comentários:

152
FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
A.3 Cobertura da Casa de Força e
Área de Montagem

1 Fissuras no concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Armadura exposta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Deterioração da superfície do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
4 Infiltração de água pela cobertura NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Obstrução de calhas e condutores NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Impermeabilização danificada NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
A.4 Galerias - Elétrica, Mecânica,
Acesso ao Tubo de Seção,
Anelar
1 Deterioração da superfície do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
2 Surgências de água no concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Armadura exposta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Fissuras no concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Falta de manutenção NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Falta de iluminação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Defeito nas instalações elétricas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
8 Falta de ventilação / Exaustão NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
9 Sinais de corrosão em NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
equipamentos mecânicos
10 Incidência de carbonatação em NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
equipamentos eletromecânicos
11 Presença de lixo, entulho, pedras NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
12 Sinais de percolação ou áreas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
úmidas
Comentários:

153
FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
A.5 Galerias de Drenagem e
Injeção
1 Indicação de movimentos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Deterioração da superfície do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
3 Surgências de água no concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Armadura exposta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Fissuras no concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Deterioração do portão de acesso NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Drenos obstruídos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
8 Precariedade de acesso à galeria NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
9 Falta de manutenção NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
10 Falta de iluminação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
11 Defeito nas instalações elétricas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
12 Falta de ventilação / exaustão NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
13 Presença de lixo, entulho, pedras NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
14 Sinais de percolação ou áreas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
úmidas
15 Carreamento de material nas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
águas dos drenos
16 Vazão nos drenos de controle NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
17 Vazão elevada nos drenos de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
alívio
Comentários:

154
FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
A.6 Instrumentação
1 Acesso precário aos instrumentos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Falta de sinalização NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Piezômetros entupidos ou NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
defeituosos
4 Manómetros com sinais de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
corrosão
5 Marcos de referência danificados NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Tampas de proteção danificadas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
ou corroídas
7 Água incidindo sobre medidores NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
triortogonais
8 Extensômetros de hastes com NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
surgência de água
9 Medidores de vazão defeituosos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
10 Ausência de placa medidora de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
vazão
11 Corrosão da placa medidora de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
vazão
12 Falta de escala de leitura no NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
medidor de vazão
13 Assoreamento da câmara de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
medição
14 Outros instrumentos danificados NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
15 Falta de instrumentação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
16 Falta de registros de leituras dos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
instrumentos
17 Limpeza deficiente do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
instrumento
18 Painéis ou terminais defeituosos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

155
FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
A.7 Tubo de Sução
1 Fissuras na estrutura NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Armadura exposta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Deterioração da superfície do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
4 Desalinhamento das guias NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
comportas
5 Corrosão das guias NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Deformações das guias NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Defeitos nos concretos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
secundários das guias
8 Desalinhamento dos trilhos do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
guindaste
9 Corrosão de chumbadores e NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
trilhos do guindaste
Comentários:

FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
A.8 Acabamentos e Instalações
1 Defeitos nos revestimentos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Manchas de umidade nas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
paredes
3 Fissuras nas alvenarias e NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
revestimentos
4 Defeitos nos caixilhos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Defeitos nos pisos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Defeitos nas instalações elétricas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Defeitos nas instalações NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
hidráulicas
8 Defeitos nas instalações NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
sanitárias
Comentários:

156
FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
A.9 Canal de Fuga
1 Taludes íngremes NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Assoreamentos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Falta de proteção de margens NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Desmoronamentos de margens NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Erosões de margens NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Desalinhamento de taludes ou NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
muros
7 Construções irregulares NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
8 Existência de detritos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
9 Proteção de talude danificada NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
B. DESCARREGADOR DE
FUNDO. GALERIA

1 Obstrução / entulhos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Presença de vegetação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Assoreamentos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Sinais de movimento NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Ocorrência de fissuras no NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
6 Armadura exposta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Deterioração da superfície do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
8 Existência de habitação animal NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
9 Surgências de água em juntas de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
contração
Comentários:

157
FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
C. ECLUSA
C.1 Parte Montante da Câmara
1 Fissuras nas estruturas dos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
muros
2 Armadura exposta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Deterioração da superfície do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
4 Juntas de contração danificadas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Desalinhamento dos blocos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Desalinhamento das guias das NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
comportas
7 Defeitos nos concretos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
secundários das guias
8 Corrosão nas grades e guarda- NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
corpos
Comentários:

FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
C.2 Parte Jusante da Câmara
1 Fissuras nas estruturas dos muros NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Armadura exposta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Deterioração da superfície do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
4 Juntas de contração danificadas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Desalinhamento dos blocos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Desalinhamento das guias das NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
comportas
7 Defeitos nos concretos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
secundários das guias
8 Corrosão nas grades e guarda- NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
corpos
Comentários:

158
FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
C.3 Galerias
1 Indicação de movimentos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Deterioração da superfície do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
3 Surgências de água no concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Armadura exposta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Fissuras no concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Deterioração do portão de acesso NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Drenos obstruídos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
8 Precariedade de acesso à galeria NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
9 Falta de manutenção NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
10 Falta de iluminação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
11 Defeito nas instalações elétricas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
12 Falta de ventilação / exaustão NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
13 Presença de lixo, entulho, pedras NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
14 Sinais de percolação ou áreas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
úmidas
15 Carreamento de material nas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
águas dos drenos
16 Vazão nos drenos de controle NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
17 Vazão elevada nos drenos de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
alívio
Comentários:

FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
C.4 Câmara de Eclusa - Muros
1 Fissuras nas estruturas dos muros NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Armadura exposta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Deterioração da superfície do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
4 Juntas de contração danificadas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Desalinhamento dos blocos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Defeitos nos concretos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
secundários das guias
7 Corrosão nas grades e guarda- NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
corpos
8 Infiltração de água pelas paredes NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

159
FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
C.5 Instrumentação
1 Acesso precário aos instrumentos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Piezômetros entupidos ou NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
defeituosos
3 Manômetros com sinais de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
corrosão
4 Marcos de referência danificados NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Medidores de vazão defeituosos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Ausência de placa medidora de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
vazão
7 Corrosão da placa medidora de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
vazão
8 Falta de escala de leitura no NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
medidor de vazão
9 Assoreamento da câmara de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
medição
10 Água incidindo sobre medidores NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
triortogonais
11 Extensômetros de hastes com NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
surgência de água
12 Falta de sinalização NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
13 Tampas de proteção danificadas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
ou corroídas
14 Outros instrumentos danificados NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
15 Falta de instrumentação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
16 Falta de registros de leituras dos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
instrumentos
17 Limpeza deficiente do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
instrumento
18 Painéis ou terminais defeituosos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

160
FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
C.6 Pontes sobre a Eclusa
1 Fissuras na estrutura NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Armadura e/ou cabos expostos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Defeitos no concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Deterioração da superfície do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
5 Deformações da estrutura NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Sinais de movimento NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Drenagem ineficiente NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
8 Defeitos no guarda-corpo NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
9 Presença de vegetação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
D. EDIFÍCIO DE COMANDO,
SALAS, ESTAÇÃO DE
TRATAMENTO DE ÁGUA,
ESTAÇÃO DE
TRATAMENTO DE ESGOTO,
GUARITA
1 Armadura exposta ou sinais de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
corrosão
2 Deterioração da superfície de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
revestimentos
3 Sinais de percolação ou áreas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
úmidas
4 Fissuras na alvenaria NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Fissuras no concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Defeitos em instalações hidro NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
sanitárias
7 Defeitos nos caixilhos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
8 Defeitos nas esquadrias NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
9 Falhas na iluminação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
10 Defeitos nas instalações elétricas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
11 Existência de habitação animal NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
12 Existência de detritos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

161
FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
E. ESCADA PARA PEIXES
1 Fissuras nas estruturas dos muros NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Armadura exposta ou sinais de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
corrosão
3 Deterioração da superfície do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
4 Juntas de dilatação danificadas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Desalinhamento dos blocos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Desalinhamento das guias das NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
comportas
7 Defeitos nos concretos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
secundários das guias
8 Corrosão nas grades e guarda- NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
corpos
9 Surgências de água NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
F. OMBREIRAS
F.1 Ombreiras a Montante até 200
m
1 Desmatamento na área de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
proteção
2 Erosões NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Desmoronamentos das margens NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Assoreamentos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Cavernas e buracos nas ombreiras NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Erosões nos encontros barragem / NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
ombreiras
7 Sinais de movimento NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
8 Fissuras nas ombreiras NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

162
FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
F.2 Ombreiras a Jusante até 200 m
1 Desmatamento na área de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
proteção
2 Erosões NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Desmoronamentos das margens NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Cavernas e buracos nas ombreiras NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Sinais de movimento NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Fissuras nas ombreiras NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Surgências de água e manchas de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
umidade
8 Árvores e arbustos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
G. PATIOS
1 Sinais de desmoronamentos de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
taludes de cortes
2 Sinais de desmoronamentos de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
taludes de aterros
3 Falta de drenagem ou ineficiência NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
do sistema
4 Má conservação de canteiros e NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
jardins
5 Má conservação de vias internas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Má conservação do sistema de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
iluminação externa
7 Falta de manutenção de ETA e NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
ETE
8 Áreas úmidas / encharcadas ou NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
alagadas
9 Surgências de água NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

163
FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
H. PLATAFORMA DOS
TRANSFORMADORES
1 Existência de fissuras NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Existência de desalinhamentos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Existência de detritos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Existência de depressões NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Presença de vegetação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Drenagem inadequada NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Pavimento danificado NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
I. POÇO DE DRENAGEM
1 Armadura exposta ou sinais de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
corrosão
2 Fissuras no concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Sinais de percolação ou áreas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
úmidas
4 Escada de acesso danificada ou NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
precária
5 Existência de habitação animal NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Existência de detritos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
J. SISTEMAS ANTI-INCÊNDIO
J.1 Paredes Corta-Fogo
1 Existência de detritos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Fissuras na parede NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Sinais de deslocamento NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Existência de danos na parede NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

164
FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
J.2 Bacia de Contenção
1 Sistema de escoamento danificado NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
J.3 Caixa Separadora de Óleo
1 Existência de detritos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
K. SUBESTAÇÃO -
ACABAMENTOS E
PAISAGISMO

1 Árvores e arbustos - necessidade NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G


de podas
2 Gramado sem manutenção NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Defeitos nos alambrados NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Defeitos na pavimentação dos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
acessos
5 Defeitos na pavimentação interna NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Falta ou defeito de sinalização de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
advertência
7 Falta ou defeito na iluminação da NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
subestação
Comentários:

165
FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS
LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
L. TÚNEIS
1 Blocos de rocha aparentemente NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
soltos
2 Deformações visíveis NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Movimentação de tirantes e/ou NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
chumbadores
4 Corrosão de cabeças de tirantes NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
e/ou chumbadores
5 Defeitos no concreto projetado NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Fissuras no concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Armaduras expostas NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
8 Infiltração de água NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
9 Drenagem ineficiente NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
10 Obstrução / entulhos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
11 Iluminação deficiente NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
12 Ventilação ineficiente NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
13 Existência de habitação animal NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
Comentários:

FICHA DE INSPEÇAO PARA USINAS HIDRELÉTRICAS


LOCALIZAÇÃO /
SITUAÇÃO MAGNITUDE NP
ANOMALIA
M. VERTEDOURO TULIPA -
GALERIA DE DESCARGA

1 Obstrução / entulhos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
2 Presença de vegetação NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
3 Assoreamentos NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
4 Sinais de movimento NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
5 Ocorrência de fissuras no concreto NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
6 Armadura exposta NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
7 Deterioração da superfície do NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
concreto
8 Existência de habitação animal NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
9 Surgências de água em juntas de NA NE PV DS DI PC AU NI I P M G
contração
Comentários:

N. OUTROS PROBLEMAS EXISTENTES

Ao preencher a Ficha de Inspeção, é possível que algum elemento estrutural e alguma


anomalia não estejam contemplados nos diversos quadros detalhados. Como sugestão,
quando da identificação dessas situações, registrá-las no item OUTROS PROBLEMAS
EXISTENTES. A colaboração do responsável pelo preenchimento deste item da ficha é

166
extremamente importante no sentido de aprimorar a inspeção, reforçando sua credibilidade
e demonstrando a abrangência do trabalho realizado.

O. SUGESTÕES E RECOMENDAÇÕES

Ainda, no item SUGESTÕES E RECOMENDAÇÕES devem ser registradas todas as


sugestões e recomendações que possam melhorar a realização da inspeção e a própria ficha,
assim como tudo que possa ser útil à operação, à manutenção e à segurança da barragem.

167
1.2 EXTRATO DE INSPEÇÃO DE SEGURANÇA REGULAR

DADOS GERAIS
1- Nome da Barragem: ……………………………………………………………………………….

2 - Coordenadas: Latitude ……….. (S) (N) Longitude …....... (E) (O) Datum: .………….

3 - Município/Estado: …………………………………………………………………………………

4 - Data da Vistoria: ……………………………………………………... Vistoria Nº: …………

5 - Bacia hidrográfica: …………. Sub-bacia: ……….. Curso d’água barrado: …………..

6 - Cota do reservatório no dia de inspeção: …………………………………………………………..

7 – NA (Nível de água) de jusante: …………………………………………………………………..

8 - Altura da barragem: ……………………………………………………………………………….

9 - Volume de água no reservatório: ………………………………………………………………….

10 - Periodicidade da inspeção regular: ……………………………………………………………...

11 - Empreendedor: ………...……………………………………………………………………..

Tipo de Barragem: Terra Concreto .. Enrocamento

Com geração de energia eléctrica: Sim (potência instalada) Não

Nível de Perigo Atual: Normal Atenção .. Alerta .. Emergência

I-Anomalias Identificadas
Código: ................ Situação: Magnitude Nível de perigo Foto: ....................

Outras anomalias: ......................................................................................................................................

II-Necessidade de Reparos ou Inspeção Especial:


.. Sim .. Não

III-Observações: ........................................................................................................................
Informação relevante

Identificação do Avaliador
Nome: .........................................................................................................................................................

Cargo: .........................................................................................................................................................

CREA nº: ............................................................................................................. ART nº: ...................

Assinatura: ...............................................................................................................................................

169
Instrução de preenchimento (ficha exigida somente aos empreendedores fiscalizados
pela ANA):

I- O código corresponde à localização e tipo de anomalia. Exemplo.I1: Localização-medidor


de vazão e Anomalia-ausência de placa medidora.
-Preencher situação, magnitude e nível de perigo de acordo com o avaliado no relatório de
inspeção regular e na ficha de inspeção.

II-A definição do nível de perigo da barragem deve ser efetuada com base na proposta
apresentada no item 4.5 e que consta do relatório de inspeção.

III- A colocação da foto é obrigatória sempre que a situação da anomalia for PV-Anomalia
constatada pela Primeira Vez, DI-Anomalia Diminuiu, PC-Anomalia Permaneceu
Constante, e AU-Anomalia Aumentou

IV-Transcrever, quando houver, as necessidades de reparo ou de inspeção especial descrita


no relatório de inspeção regular.

170
ANEXO 2. AVALIAÇÃO DAS ANOMALIAS MAIS GRAVES

171
Apresenta-se em seguida uma listagem das anomalias mais graves que ocorrem no talude
de montante, no talude de jusante, na crista de barragens de terra, enrocamento e concreto,
e nas suas estruturas auxiliares, com a seguinte ordem e codificação:

- BARRAGENS DE TERRA (ATERRO) – TALUDE DE MONTANTE (BT1)


- BARRAGENS DE TERRA (ATERRO) – TALUDE DE JUSANTE (BT2)
- BARRAGENS DE TERRA (ATERRO) – CRISTA (BT3)
- BARRAGENS DE TERRA (ATERRO) – INFILTRAÇÕES E FUGAS
(SURGÊNCIAS) DE ÁGUA NA BARRAGEM (BT4)
- BARRAGENS DE TERRA (ATERRO) – VERTEDOURO (BT5)

- BARRAGENS DE CONCRETO – CRISTA (BC1)


- BARRAGENS DE CONCRETO – PARAMENTO DE MONTANTE (BC2)
- BARRAGENS DE CONCRETO – PARAMENTO DE JUSANTE (BC3)
- BARRAGENS DE CONCRETO – GALERIAS E POÇOS INTERNOS DAS
ESTRUTURAS DE CONCRETO (BC4)
- BARRAGENS DE CONCRETO – TALUDES DE ROCHAS E OMBREIRAS
(BC5)
- VAZAMENTO NA VÁLVULA (BC6)
- FALHAS DE COMPORTA (BC7)

Para cada anomalia, devidamente numerada, faz-se uma análise da sua causa provável,
possíveis consequências e das ações corretivas.

As fichas das anomalias são uma adaptação das constantes do Manual de Segurança e
Inspeção de Barragens do Ministério da Integração Nacional, 2002, com exceção das fichas
das anomalias das barragens de concreto que foram especificamente preparadas para
completar esta lista.

172
BARRAGENS DE TERRA (ATERRO) - TALUDE DE MONTANTE (BT1)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
EROSÕES (SUMIDOUROS) (1) 1. Erosão interna ou Piping do Perigo Extremo Inspecionar outras partes da barragem
maciço ou fundação da barragem dá O Piping pode esvaziar o procurando infiltrações ou mais
origem a um sumidouro. reservatório através de um pequeno sumidouros. Identificar a causa exata
2. O desabamento de uma caverna furo na parede da tubulação ou pode do sumidouro. Examinar a água que
criada pela erosão pode resultar num provocar a ruptura de uma barragem, sai à jusante, por fuga ou percolação,
sumidouro. quando os canais formados pela para verificar se ela está suja. Um
3. Um pequeno furo na parede da erosão regressiva atravessam o engenheiro qualificado deve
tubulação da tomada d’água pode maciço ou a fundação. imediatamente inspecionar a barragem
ocasionar um sumidouro. Água e orientar as ações a serem tomadas.
barrenta na saída à jusante indica o
desenvolvimento de erosão na EXIGIDA IMEDIATA PRESENÇA
barragem. DE ENGENHEIRO.
FISSURAS PRONUNCIADAS Uma porção do maciço moveu-se Perigo Extremo Dependendo do volume de maciço
(RACHADURAS ) (2) devido à perda de resistência, ou a Indica o início de um deslizamento envolvido, baixar o nível do
fundação pode ter-se movido ou recalque do maciço causado pela reservatório. Um engenheiro
causando um deslocamento no ruptura da fundação. qualificado deve imediatamente
maciço inspecionar a barragem e orientar as
ações a serem tomadas.

EXIGIDA IMEDIATA PRESENÇA


DE ENGENHEIRO.

DESLIZAMENTOS, AFUNDAMENTOS Terra ou pedras deslizaram pelo Perigo Extremo Avaliar a extensão do deslizamento.
OU ESCORREGAMENTOS (3) talude devido à sua inclinação Uma série de deslizamentos pode Monitorar o escorregamento e baixar o
exagerada ou ao movimento da provocar a obstrução da tomada nível do reservatório se a segurança da
fundação. Examinar a ocorrência de d’água ou ruptura da barragem. barragem estiver ameaçada. Um
movimentos de terra, na bacia do engenheiro qualificado deve
reservatório, produzidos por imediatamente inspecionar a barragem
deslizamentos. e orientar as ações a serem tomadas.

EXIGIDA IMEDIATA PRESENÇA


DE ENGENHEIRO.

173
BARRAGENS DE TERRA (ATERRO) - TALUDE DE MONTANTE (BT1)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
EROSÕES/ESCORREGAMENJTOS/TALUDES Ação das ondas e recalques locais A erosão diminui a largura e Determinar as causas exatas da
ÍNGREMES E BANCADAS DE ESCAVAÇÃO causam ao solo e às rochas erosão e possivelmente a altura do maciço, o formação das bancadas de escavação.
(4) escorregamentos para a parte que poderá conduzir ao aumento da Executar os trabalhos necessários para
inferior do talude, formando assim percolação ou ao transbordamento da restaurar o maciço, devolvendo as suas
uma bancada de escavação. barragem. inclinações originais e providenciar a
proteção adequada para o mesmo.

RIP RAP INCOMPLETO, DESTRUÍDO OU Deterioração de Rip-Rap de má Ação das ondas nestas áreas Restabelecer o talude normal. Refazer
DESLOCADO (5) qualidade. A ação das ondas desprotegidas diminui a largura do corretamente o Rip-Rap.
deslocou o Rip-Rap. Pedras maciço da barragem.
redondas ou de mesmo tamanho
rolaram talude abaixo.

EROSÃO POR TRÁS DO RIP-RAP MAL Pedras de tamanhos O solo do maciço é erodido por trás 1. Restabelecer uma proteção eficiente
GRADUADO (6) aproximadamente iguais permitem do Rip-Rap. Isto permite que o Rip- do talude.
que as ondas passem entre elas e Rap recalque, fornecendo uma menor 2. Um engenheiro deve especificar o
venham a erodir a camada proteção e diminuindo a largura da tamanho e a graduação das pedras do
intermediária de proteção, se esta barragem. Rip-Rap e da camada intermediária de
não for bem graduada, e o solo do proteção.
maciço subjacente.
EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

174
BARRAGENS DE TERRA (ATERRO) - TALUDE DE MONTANTE (BT1)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
FISSURA NA FACE DE CONCRETO OU Concreto deteriorado devido ao Solo subjacente ao revestimento de 1. Determinar a causa. Reparar com
DETERIORAÇÃO (7) intemperismo. Material de concreto pode ser erodido, argamassa ou contatar engenheiro para
preenchimento das juntas descalçando as placas e acelerando o métodos de reparos permanentes.
deteriorado ou removido. processo de deterioração. 2. Se o dano for extenso, um
engenheiro qualificado deve
inspecionar as condições e
recomendar outras ações que devam
ser tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.
FISSURAS (RACHADURAS) DEVIDO AO O solo perde a umidade e sofre Chuvas fortes podem encher as 1. Monitorar fissuras (rachaduras)
RESSECAMENTO (8) contração, causando as fissuras fissuras e causar o movimento de para o aumento no comprimento,
promunciadas (rachaduras), pequenas partes do maciço. largura e profundidade.
geralmente vistas na crista e talude 2. Um engenheiro qualificado deve
de jusante. inspecionar as condições e
recomendar outras ações que devam
ser tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

175
BARRAGENS DE TERRA (ATERRO) - TALUDE DE JUSANTE (BT2)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
ESCORREGAMENTO/DESLIZAMENTO/ 1. Falta ou perda de resistência do Perigo Extremo 1. Medir a extensão e o deslocamento do
ENCHARCAMENTO (1) material do maciço da barragem. Deslizamento do maciço atingindo a escorregamento.
2. A perda de resistência pode ser crista ou o talude de montante 2. Se o movimento continuar, começar a
atribuída à infiltração de água no reduzindo a folga. Pode resultar no baixar o nível d’água até parar o
maciço ou falta de suporte da colapso do maciço ou movimento.
fundação. transbordamento. 3. Um engenheiro qualificado deve
inspecionar imediatamente a barragem e
orientar as ações a serem tomadas.

EXIGIDA IMEDIATA PRESENÇA DE


ENGENHEIRO.
FISSURAS (RACHADURAS) Recalque diferenciado do maciço da Perigo 1. Se necessário, obstruir a fissura do
TRANSVERSAIS (2) barragem também provoca fissuras Fissuras pronunciadas devido a talude de montante para prevenir a
pronunciadas (rachaduras) recalques ou retração podem provocar passagem de água do reservatório.
transversais. Por exemplo: o centro infiltrações da água do reservatório 2. Um engenheiro qualificado deve
recalcando mais que as ombreiras. através da barragem. inspecionar a barragem e recomendar
outras ações a serem tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

AFUNDAMENTOS /COLAPSO (3) 1. Falta de uma compactação Perigo 1. Inspecionar e reparar os buracos
adequada. Indicação de possível erosão do internos criados por roedores.
2. Tocas de animais. maciço. 2. Um engenheiro qualificado deve
3. Piping através do maciço ou inspecionar a barragem e recomendar
fundação. outras ações a serem tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

176
BARRAGENS DE TERRA (ATERRO) - TALUDE DE JUSANTE (BT2)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
FISSURAS (RACHADURAS) 1. Ressecamento ou retração do 1. Pode ser aviso de um futuro 1. Se as fissuras (rachaduras) são de
LONGITUDINAIS (4) material de superfície. deslizamento. ressecamento, cubra a área com material
2. Deformação para jusante devido ao 2. Recalques ou deslizamentos bem compactado para manter a
recalque do maciço. mostrando a perda de resistência da superfície seca e a umidade natural.
barragem podem provocar a sua ruína. 2. Se as fissuras (rachaduras) são
extensas, um engenheiro qualificado
deve inspecionar o problema e
recomendar outras ações a serem
tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.
AFUNDAMENTOS (localizados) (5) Resultante de erosão que descalçou Pode expor zonas impermeáveis à 1. Inspecionar a área em busca de
uma parte do talude. Também pode erosão e levar a novos afundamentos. infiltração.
ser encontrado em taludes muito 2. Monitorar para verificar o
íngremes prosseguimento da ruptura.
3. Um engenheiro qualificado deve
inspecionar a barragem e recomendar
outras ações a serem tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.
EROSÃO (6) Águas de chuvas carregam material Pode ser perigosa se não for contida. 1. O método preferido de proteção de
da superfície do talude produzindo Erosões podem provocar deterioração áreas erodidas é a colocação de
valas de erosão. do talude de jusante e, posteriormente, enrocamento ou Rip-Rap.
a ruptura do maciço. 2. Refazer a grama de proteção se o
problema for detectado no início.

177
BARRAGENS DE TERRA (ATERRO) - TALUDE DE JUSANTE (BT2)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
ÁRVORES/ARBUSTOS (7) Vegetação natural da área. Raízes profundas podem criar 1. Remover as árvores de raízes
caminhos para passagem de água. profundas e arbustos do maciço e nas
Arbustos podem dificultar inspeções proximidades.
visuais e abrigar roedores. 2. Erradicar vegetação no maciço que
dificulte as inspeções visuais.

ATIVIDADES DE ANIMAIS E INSETOS Grande quantidade de animais e 1. Cria passagens da água superficial 1. Controlar a população de animais e
(8) insetos. Buracos, túneis e cavernas para dentro do maciço, permitindo a insetos para prevenir maiores danos.
são causados por tocas de animais, saturação das áreas adjacentes, o que 2. Aterrar buracos existentes, com
formigueiros e cupinzeiros. Certos poderá provocar rupturas localizadas. material adequado e bem compactado.
habitat, com alguns tipos de plantas e 2. Pode reduzir o caminho de 3. Eliminar habitat favoráveis ao
árvores, próximos ao reservatório percolação da água e provocar Piping. desenvolvimento de espécies nocivas.
encorajam estes animais e insetos. Se os túneis atravessam a maior parte
do maciço podem levar a ruptura da
barragem.
3. Especialmente perigoso se os furos
penetram abaixo da linha freática.
Durante os períodos de elevação do
nível do reservatório, o caminho de
percolação pode ficar muito reduzido,
o que facilitaria a ocorrência de
Piping.
TRÁFEGO DE ANIMAIS E GADO (9) Tráfego excessivo de animais Cria áreas sem proteção contra erosão. 1. Cercar a área da barragem.
especialmente danoso quando o talude Permite que a água se acumule em 2. Reparar a proteção contra erosão com
está molhado. determinados locais. Área suscetível a Rip-Rap ou grama.
fissuras por ressecamento

178
BARRAGENS DE TERRA (ATERRO) – CRISTA (BT3)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
FISSURA (RACHADURA) 1. Assentamentos diferentes entre seções Perigo 1. Inspecionar a fissura e cuidadosamente
LONGITUDINAL (1) adjacentes ou zonas do maciço da 1. Cria local de pouca resistência no anotar a localização, comprimento,
barragem. interior da barragem, que pode ser o profundidade, alinhamento e outros aspectos
2. Falha na fundação causando perda de ponto de início de um futuro movimento, físicos pertinentes. Imediatamente demarcar
estabilidade. deformação ou ruptura do maciço. os limites da fissura. Monitorar frequentemente.
3. Estágios iniciais de deslizamentos do 2. Cria uma passagem da água superficial 2. Um engenheiro deve determinar a causa
maciço. para dentro do maciço, permitindo a da fissura e supervisionar as medidas
saturação da área adjacente, o que poderá necessárias para reduzir o perigo para a
provocar uma ruptura localizada. barragem e corrigir o problema.
3. As fissuras da superfície da crista devem
ser seladas para prevenir infiltração da água
superficial.
4. Continuar monitorando rotineiramente a
crista para identificar indícios de fissuras.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

179
BARRAGENS DE TERRA (ATERRO) – CRISTA (BT3)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
DESLOCAMENTO VERTICAL 1. Movimento vertical entre seções Perigo Extremo 1. Cuidadosamente inspecionar o
(2) adjacentes do maciço da barragem. 1. Cria uma área local de pouca deslocamento e anotar a localização,
2. Deformação ou falha estrutural resistência no interior do maciço que comprimento, profundidade, alinhamento e
causados por instabilidade estrutural ou pode causar futuros movimentos. outros aspectos físicos pertinentes.
falha na fundação. 2. Ruptura do maciço. 2. Um engenheiro deve imediatamente
3. Cria um ponto de entrada para a água determinar a causa do deslocamento e
superficial que futuramente poderá supervisionar as medidas necessárias para
contribuir na ruptura do maciço. reduzir o perigo para a barragem e corrigir o
4. Reduz a seção transversal efetiva da problema.
barragem. 3. Escavar a área até o fundo do
deslocamento. Preencher a escavação
usando material adequado e técnicas de
construção corretas, sob a supervisão de um
engenheiro.
4. continuar a monitorar a área
rotineiramente para verificar indícios de
futuras fissuras ou movimento.
EXIGIDA IMEDIATA PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.
DESABAMENTOS NA CRISTA 1. Atividade de roedores. Perigo 1. Cuidadosamente inspecionar o desabamento
(3) 2. Furos na tubulação da tomada d’água 1. Vazios dentro da barragem podem e anotar a localização, comprimento,
estão causando erosão do material do causar desabamentos, deslizamentos, profundidade, alinhamento e outros aspectos
maciço da barragem. instabilidade, ou reduzir a seção físicos pertinentes.
3. Erosão interna ou Piping do material transversal do maciço da barragem. 2. Um engenheiro deve determinar a causa
do maciço devido à infiltração. 2. Ponto de entrada para água superficial. do desabamento e supervisionar as medidas
4. Carreamento de argila dispersiva no necessárias para reduzir o perigo para a
interior do maciço, pela água de barragem e corrigir o problema.
percolação. 3. Escavar a área que desabou, taludando os
lados, e preencher o buraco com material
adequado usando técnicas de construção
adequadas, sob a supervisão de um engenheiro.
EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

180
BARRAGENS DE TERRA (ATERRO) – CRISTA (BT3)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
FISSURAS TRANSVERSAIS E 1. Movimentos desiguais das partes Perigo 1. Inspecionar a fissura e cuidadosamente
LONGITUDINAIS (4) adjacentes do maciço. 1. Pode criar um caminho para anotar a localização, comprimento,
2. Deformação causada por tensões ou infiltração na direção transversal do profundidade, alinhamento e outros aspectos
instabilidade do maciço maciço. físicos pertinentes. Imediatamente demarcar os
2. Cria área de baixa resistência no limites da fissura. Monitorar frequentemente.
interior do maciço. Daí poderá se iniciar 2. Um engenheiro deve determinar a causa
futura deformação, movimento ou da fissura e supervisionar as medidas
ruptura. necessárias para reduzir o perigo para a
3. Permite um ponto de entrada para água barragem e corrigir o problema.
de escoamento superficial. 3. Escavar a crista ao longo da fissura até
ultrapassar o fundo da fissura. Preencher a
escavação usando material adequado e
técnicas de construção corretas, sob a
supervisão de um engenheiro. Isso irá selar
a fissura contra infiltração e escoamento
superficial.
4. Continuar monitorando rotineiramente a
crista para verificar indícios de fissuras.
EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.
CRISTA DESALINHADA (5) 1. Movimentos entre partes adjacentes 1. Desalinhamento é normalmente 1. Instalar marcos na crista para determinar
do maciço. acompanhado de depressões na crista a exata localização e extensão do
2. Deformação estrutural ou ruptura que reduzem a folga ao transbordamento. desalinhamento na crista.
próxima à área do desalinhamento. 2. Pode produzir áreas localizadas de 2. Um engenheiro deve determinar a causa
baixa resistência do maciço que pode do desalinhamento e supervisionar as
provocar ruptura do maciço. medidas necessárias para reduzir o perigo
para a barragem e corrigir o problema.
3. Após as medidas remediadoras,
monitorar periodicamente os marcos da
crista para detectar possíveis movimentos
futuros.
EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

181
BARRAGENS DE TERRA (ATERRO) – CRISTA (BT3)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
AFUNDAMENTOS / 1. Assentamento excessivo no maciço ou Reduz a folga da barragem, ou seja, 1. Estabelecer marcos ao longo da crista
DEPRESSÕES NA CRISTA DA fundação diretamente abaixo da área da reduz a diferença entre a cota da crista do para determinar a exata localização e
BARRAGEM (6) depressão. maciço e a cota da superfície da água no extensão do assentamento na crista.
2. Erosão interna do maciço da reservatório quando o vertedouro estiver 2. Um engenheiro deve determinar a causa
barragem. com vazão máxima. da depressão na crista e supervisionar as
3. Deformação do maciço de fundação medidas necessárias para reduzir o perigo
no sentido jusante ou montante. para a barragem e corrigir o problema.
4. Erosão pelo vento contínuo na área da 3. Restabelecer a cota da crista de maneira
crista. uniforme preenchendo as áreas com
5. Terraplanagem final inadequada na depressões utilizando técnicas construtivas
construção. adequadas, sob a supervisão de um
engenheiro.
4. Restabelecer e monitorar os marcos da
crista da barragem para detectar possível
recalque no futuro.

VEGETAÇÃO EXCESSIVA (7) Negligência com a barragem e falta de 1. Esconde partes da barragem, 1. Remover toda vegetação existente, com
procedimentos de manutenção dificultando uma adequada inspeção exceção da grama que deve ser preservada
adequados. visual de todo o maciço e possibilitando para ajudar a combater a erosão superficial.
o desenvolvimento de problemas que As raízes devem ser retiradas até a
somente serão detectados quando a profundidade que seja praticável as
segurança da barragem já estiver escavações. O reaterro deve ser feito com
ameaçada. material adequado e bem compactado.
2. As raízes que penetram no maciço se 2. Um programa de manutenção deve ser
decompõem quando a vegetação morre, estabelecido para evitar o surgimento de
criando caminhos preferenciais para a nova vegetação indesejável no futuro.
percolação. 3. O material cortado deve ser removido
3. Dificulta o acesso a todas as áreas da para fora da área da barragem.
barragem para operação, manutenção e
inspeção.
4. Serve de habitat para roedores.

182
BARRAGENS DE TERRA (ATERRO) – CRISTA (BT3)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
BURACOS DE ANIMAIS E Grande quantidade de animais e insetos. 1. Cria passagens da água superficial 1. Controlar a população de animais e
INSETOS (8) Buracos, túneis e cavernas são causados para dentro do maciço, permitindo a insetos para prevenir maiores danos.
por tocas de animais, formigueiros e saturação das áreas adjacentes, o que 2. Aterrar buracos existentes, com material
cupinzeiros. Certos habitat, com alguns poderá provocar rupturas localizadas. adequado e bem compactado.
tipos de plantas e árvores, próximos ao 2. Pode reduzir o caminho de percolação 3. Eliminar habitat favoráveis ao
reservatório encorajam estes animais e da água e provocar Piping. Se os túneis desenvolvimento de espécies nocivas.
insetos. atravessarem a maior parte do maciço,
podem levar a ruptura da barragem.
3. Especialmente perigoso se os furos
penetram abaixo da linha freática.
Durante os períodos de elevação do nível
do reservatório, o caminho de percolação
pode ficar muito reduzido, o que
facilitaria a ocorrência de Piping.

EROSÕES NA CRISTA (9) 1. Material mau graduado e drenagem 1. Pode reduzir a folga da barragem. 1. Restabelecer a folga de projeto da
inadequada da crista com concentração 2. Reduz a seção transversal efetiva do barragem aterrando a vala provocada pela
do fluxo de água superficial diretamente maciço. erosão, com material adequado e bem
sobre o maciço. 3. Dificulta o acesso a todas as partes da compactado.
2. Capacidade inadequada do barragem. 2. Restabelecer as inclinações previstas, no
sangradouro, provocando o 4. Se resultante de transbordamento, projeto, para a crista e recuperar ou
transbordamento da barragem. indica uma situação de risco da implantar um sistema de drenagem
barragem. superficial.
3. Se resultante de transbordamento, um
engenheiro deve rever o dimensionamento e
as condições atuais do vertedouro. Neste
caso é EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

183
BARRAGENS DE TERRA (ATERRO) – CRISTA (BT3)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
FISSURAS (RACHADURAS) O solo expande e contrai com a Cria passagens da água superficial para 1. Selar as fissuras com material
DEVIDO AO RESSECAMENTO alternância dos processos de dentro do maciço, permitindo a saturação impermeável.
(10) umedecimento e ressecamento que das áreas adjacentes. Esta saturação e o 2. Recobrir a crista com uma camada de
acompanham o clima. As fissuras devido ressecamento subsequente poderão material não plástico (cascalho ou laterita).
ao ressecamento são curtas, rasas, finas e ocasionar o aumento das fissuras.
numerosas.

TRILHAS AO LONGO DA Tráfego de veículos pesados sem a 1. Dificulta o acesso a todas as áreas da 1. Drenar a água acumulada e recompor a
CRISTA (11) manutenção adequada da superfície da barragem. crista com material adequado e bem
crista. 2. Ajuda o processo de deterioração da compactado.
superfície da crista. 2. Restabelecer as inclinações previstas no
3. Permite a acumulação de água sobre a projeto, para a crista e recuperar ou
barragem, causando saturação do maciço. implantar um sistema de drenagem
superficial.
3. Recuperar o pavimento ou, no mínimo,
aplicar uma camada de material que possa
funcionar como revestimento primário
(cascalho ou laterita).

184
BARRAGENS DE TERRA (ATERRO) - INFILTRAÇÕES E FUGAS (SURGÊNCIAS) DE ÁGUA NA BARRAGEM (BT4)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
MUDANÇA ACENTUADA NA O material do maciço na área está Pode indicar a existência de uma área 1. Por meio de escavação manual tentar
VEGETAÇÃO (1) permitindo fluxo de água. saturada. identificar se a área está mais úmida que o
restante do talude.
2. Se a área estiver mais úmida que o
restante do talude, um engenheiro
qualificado deve inspecionar a barragem e
recomendar outras medidas que devam ser
tomadas.

GRANDE ÁREA MOLHADA OU Um caminho preferencial de percolação Perigo 1. Inspecionar e demarcar a área. Acompanhar
PRODUZINDO FLUXO (2) desenvolveu-se através da ombreira ou 1. O aumento do fluxo pode levar à para averiguar sua expansão.
do maciço. erosão do maciço e à ruptura da 2. Medir com a precisão possível alguma
barragem. vazão que possa estar ocorrendo.
2. A saturação do maciço próximo à zona 3. Se a área ou o fluxo aumentarem, o nível
de infiltração pode criar instabilidade, do reservatório deve ser reduzido até o
levando à ruptura da barragem. fluxo se estabilizar ou cessar.
4. Um engenheiro qualificado deve inspecionar
a barragem e recomendar outras medidas
que devam ser tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

185
BARRAGENS DE TERRA (ATERRO) - INFILTRAÇÕES E FUGAS (SURGÊNCIAS) DE ÁGUA NA BARRAGEM (BT4)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
ÁREA MOLHADA E UMA Camada de material permeável usado na Perigo 1. Medir com a precisão possível a vazão
FAIXA HORIZONTAL (3) construção do maciço. 1. A saturação das áreas abaixo da zona que esteja ocorrendo.
de infiltração pode instabilizar o maciço. 2. Se o fluxo aumentar, o nível do reservatório
2. Fluxos excessivos podem provocar deve ser reduzido até o fluxo se estabilizar
erosão acelerada do maciço, levando à ou cessar.
ruptura da barragem. 3. Demarcar a área envolvida.
4. Por meio de escavação manual tentar
identificar o material que está permitindo o
fluxo.
5. Um engenheiro qualificado deve inspecionar
a barragem e recomendar outras ações a
serem tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

FUGA DE ÁGUA LOCALIZADA Construção incorreta; esforço Distúrbios no escoamento; erosão na 1. Medir a quantidade de fluxo e averiguar
NA PARTE ALTA DO TALUDE concentrado; deterioração do material; fundação e no aterro de recobrimento; o transporte de materiais.
(4) falhas na fundação; pressão externa eventual desmoronamento da estrutura 2. Se o fluxo aumentar, o nível do
excessiva. reservatório deve ser reduzido até o fluxo se
estabilizar ou cessar.
3. Procurar a entrada da água à montante e
obstruí-la, se possível. A colocação de uma
lona sobre o talude de montante e o seu
recobrimento com solo lançado a partir da
crista da barragem têm sido adotados com
êxito em alguns casos.
4. Um engenheiro qualificado deve
inspecionar a barragem e recomendar outras
medidas que devam ser tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

186
BARRAGENS DE TERRA (ATERRO) - INFILTRAÇÕES E FUGAS (SURGÊNCIAS) DE ÁGUA NA BARRAGEM (BT4)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
FUGA DE ÁGUA LOCALIZADA A água encontrou ou abriu uma Perigo 1. Inspecionar cuidadosamente a área,
(5) passagem através do maciço. A continuação do fluxo pode ampliar a medir a quantidade de fluxo e averiguar o
erosão do maciço e levar à ruptura da transporte de materiais.
barragem. 2. Se houver carreamento de material, um
dique com sacos de areia deve ser
construído em volta da surgência para
reduzir a velocidade da água e a capacidade
erosiva do fluxo.
3. Caso a erosão se acentue, o nível do
reservatório deve ser rebaixado.
4. Um engenheiro qualificado deve
inspecionar a barragem e recomendar outras
medidas que devem ser tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

FUGA LOCALIZADA DE ÁGUA A água encontrou ou abriu uma Perigo Extremo 1. Inspecionar cuidadosamente a área,
“BARRENTA”(SURGÊNCIA) (6) passagem através do maciço e está O prosseguimento do fluxo poderá causar medir a quantidade de fluxo e averiguar se o
erodindo e carreando o material do uma erosão rápida no material do maciço carreamento de solo está aumentando.
maciço. resultando na ruptura da barragem. 2. Um dique com sacos de areia deve ser
construído em volta da surgência para
reduzir a velocidade da água e a capacidade
erosiva do fluxo.
3. Caso a erosão se acentue, o nível do
reservatório deve ser rebaixado.
4. Um engenheiro qualificado deve
imediatamente inspecionar a barragem e
orientar as ações que devem ser tomadas.

EXIGIDA IMEDIATA PRESENÇA DE


ENGENHEIRO.

187
BARRAGENS DE TERRA (ATERRO) - INFILTRAÇÕES E FUGAS (SURGÊNCIAS) DE ÁGUA NA BARRAGEM (BT4)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
FUGA DE ÁGUA ATRAVÉS DE 1. Intenso ressecamento provocou o Perigo Extremo 1. Obstruir as fissuras pelo lado de
FISSURAS (RACHADURAS) surgimento de fissuras no topo do 1. A saturação abaixo da zona fraturada montante para estancar o fluxo.
PRÓXIMAS À CRISTA (7) maciço. pode instabilizar o maciço. 2. O nível do reservatório deve ser reduzido
2. Recalques no maciço ou na fundação 2. O fluxo através da fissura pode erodir até abaixo do nível das fissuras
estão causando fissuras pronunciadas o maciço, levando à ruptura da barragem. 3. Um engenheiro qualificado deve
(rachaduras) transversais imediatamente inspecionar a barragem e
orientar as ações a serem tomadas.

EXIGIDA IMEDIATA PRESENÇA DE


ENGENHEIRO.

VAZAMENTOS VINDO DAS Fluxo de água através de fissuras Perigo 1. Inspecionar cuidadosamente a área para
OMBREIRAS (8) (rachaduras) nas ombreiras. 1. Pode provocar uma erosão rápida na determinar a quantidade do fluxo e
ombreira e o esvaziamento do averiguar se existe carreamento de
reservatório. materiais.
2. Pode provocar deslizamentos 2. Um engenheiro ou geólogo qualificado
próximos ou à jusante da barragem. deve inspecionar a barragem e recomendar
outras ações a serem tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO OU GEÓLOGO.

188
BARRAGENS DE TERRA (ATERRO) - INFILTRAÇÕES E FUGAS (SURGÊNCIAS) DE ÁGUA NA BARRAGEM (BT4)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
FLUXO BORBULHANDO A Alguma parte do maciço de fundação Perigo 1. Inspecionar cuidadosamente a área e
JUSANTE DA BARRAGEM (9) está permitindo a passagem da água com O aumento do fluxo poderá causar uma averiguar a quantidade de fluxo e o
facilidade. Pode ser uma camada erosão rápida no material da fundação transporte de materiais.
permeável formada por areia ou resultando na ruptura da barragem. 2. Se houver carreamento de material, um
pedregulho existente na fundação ou dique com sacos de areia deve ser
mesmo fratura na rocha subjacente, que construído em volta da surgência para
não foi tratada convenientemente quando reduzir a velocidade da água e a capacidade
da execução da injeção de cimento da erosiva do fluxo.
rocha de fundação. 3. Caso a erosão se acentue, o nível do
reservatório deve ser rebaixado.
4. um engenheiro qualificado deve
inspecionar a barragem e recomendar outras
medidas que devam ser tomadas.
EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

189
BARRAGENS DE TERRA (ATERRO) – VERTEDOURO (BT5)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
VEGETAÇÃO EXCESSIVA OU Acúmulo de material escorregado, Perigo 1. Retirar os detritos periodicamente.
DETRITOS NO CANAL (1) árvores mortas, crescimento excessivo de 1. Redução da capacidade de descarga, 2. Controlar o crescimento da vegetação no
vegetação etc., no canal do vertedouro. causando transbordamento lateral do canal do vertedouro.
sangradouro ou transbordamento da 3. Instalar uma rede de proteção na entrada
barragem. do vertedouro para interceptar detritos.
2. O Transbordamento prolongado pode
causar a ruptura da barragem.

CANAIS ERODIDOS (2) 1. Tráfego de animais cria canais 1. Erosões não combatidas podem 1. Fotografar as erosões para acompanhar o
preferenciais onde o fluxo se concentra provocar deslizamentos ou seu desenvolvimento.
criando valas de erosão. desabamentos que resultem na redução 2. Reparar a área danificada substituindo o
2. Fluxo de água turbulento ou com da capacidade do vertedouro. material erodido por aterro compactado.
elevada velocidade. 2. A capacidade inadequada do 3. Proteger a área contra futuras erosões
3. O solo ou rocha onde foi cortado o sangradouro pode provocar o colocando enrocamento ou revestindo de
canal do vertedouro não é transbordamento da barragem e resultar forma apropriada.
suficientemente resistente à erosão. na ruptura desta. 4. Quando o avanço da erosão ameaçar a
4. A estrutura da laje de fundo do canal, 3. A erosão pode atingir o reservatório, segurança das estruturas, um engenheiro
no caso de canais revestidos de concreto, provocando o seu rápido esvaziamento. qualificado deve imediatamente inspecionar
não foi projetada ou construída 4. A erosão pode descalçar a estrutura de a barragem e orientar as medidas a serem
corretamente. fixação da cota da soleira do vertedouro tomadas.
(Creager, por exemplo), levando à sua
destruição e provocando uma cheia de EXIGIDA A PRESENÇA DE
graves consequências. ENGENHEIRO.

190
BARRAGENS DE TERRA (ATERRO) – VERTEDOURO (BT5)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
DESCALÇAMENTO POR 1. Configuração inadequada da bacia de Perigo 1. Fazer a limpeza da área e reaterrar com
EROSÃO NO FINAL DO dissipação. 1. Dano estrutural no vertedouro. bom material apropriado.
VERTEDOURO (3) 2. Materiais altamente erosivos. 2. Alto custo de reparo no caso de 2. Colocar um enrocamento com blocos de
3. Falta de uma cortina de contenção no desmoronamento da laje ou parede do tamanho adequado.
final da calha. vertedouro. 3.instalar uma cortina de contenção.
4. Um engenheiro qualificado deve
inspecionar o vertedouro e orientar as ações
a serem tomadas.
EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.
PAREDE DESLOCADA (4) 1. Falha na execução. 1. Pequenos deslocamentos irão criar 1. Reconstrução deve ser feita de acordo
2. Recalque diferencial da fundação. turbulência e redemoinho no fluxo, com as práticas da engenharia.
3. Pressão excessiva do aterro ou da causando erosão no solo atrás da parede. 2. A fundação deve ser cuidadosamente
água. 2. Grandes deslocamentos causarão preparada.
4. Armadura insuficiente do concreto. fissuras pronunciadas (rachaduras) e 3. Drenos devem ser usados para aliviar a
eventual ruptura da estrutura. pressão atrás da parede.
4. Armar suficientemente o concreto. Ancorar
as paredes para prevenir futuros deslocamentos.
5. Limpar os drenos para assegurar sua
operação adequada.
6. Consultar um engenheiro antes de as
ações serem tomadas.
EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.
FISSURAS PRONUNCIADAS 1. Falha de Construção. 1. Turbulência no fluxo d’água. 1. Grandes fissuras (rachaduras) sem
(RACHADURAS GRANDES) (5) 2. Concentração localizada de tensos. 2. Erosão na fundação e no aterro lateral. grandes deslocamentos devem ser reparadas
3. Deterioração localizada do material. 3. Colapso da estrutura. por meio de remendos.
4. Falha na fundação. 2. Áreas ao redor devem ser limpas e
5. Pressão excessiva do reaterro externo. cortadas antes que o material de remendo
seja aplicado.
3. Instalação de drenos e outras ações
podem ser necessárias.
EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

191
BARRAGENS DE TERRA (ATERRO) – VERTEDOURO (BT5)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
JUNTAS ABERTAS OU 1. Recalque excessivo da fundação. 1. Erosão do material da fundação pode 1. As juntas não devem ter mais de 1 cm e
DESLOCADAS (6) 2. Fuga de material da junta. enfraquecer o suporte da estrutura e devem ser seladas com asfalto ou outro
3. Junta construída muito larga e não causar futuras fissuras pronunciadas. material flexível.
selada. Material selante deteriorado e 2. Pressão induzida pelo fluxo das águas 2. Limpar as juntas, substituir os materiais
carreado. através das juntas deslocadas pode erodidos e selar as juntas.
carregar laje ou parede e causar um 3. A fundação deve ser propriamente
extenso descalçamento. drenada e preparada. A face inferior da laje
deve ter ressaltos com profundidade
suficiente para evitar deslizamento.
4. Evitar inclinação exagerada do canal.
EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

PERDA OU FALHA DO RIP- 1. Canal muito inclinado. Perigo 1. Projetar um talude estável para o fundo
RAP (7) 2. Enrocamento mal dimensionado para 1. Erosão no fundo e laterais do canal. do canal.
o fluxo. 2. Ruptura do vertedouro 2. O material Rip-Rap deve ser bem
3. Falha na fundação. graduado e conter partículas pequenas,
4. Velocidade de escoamento muito alta. médias e grandes.
5. Colocação inadequada do material. 3. O sub-leito bem preparado, se necessário
6. Camada de transição ou material da instalar filtro drenante.
fundação carreado pela água. 4. Controlar a velocidade do fluxo do
vertedouro.
5. Rip-Rap deve ser colocado de acordo
com a especialidade.

192
BARRAGENS DE TERRA (ATERRO) – VERTEDOURO (BT5)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
DETERIORAÇÃO DA Uso de materiais impróprios ou A vida útil da estrutura será diminuída. 1.Recuperar a estrutura do vertedouro.
ESTRUTURA DE CONCRETO manutenção inadequada 2.Usar apenas agregados limpos e de boa
(8) qualidade no concreto.
3.Respeitar o recobrimento da armadura do
concreto.
4. O concreto deve ser mantido molhado e
protegido durante a cura.
5.Um engenheiro qualificado deve
inspecionar o vertedouro e orientar as ações
a serem tomadas.
EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

VAZAMENTO DENTRO E AO 1. Fissuras e juntas na fundação do 1. Pode induzir uma perda excessiva de 1. Examinar a área de saída do fluxo para
REDOR DO VERTEDOURO (9) vertedouro estão permitindo infiltração. água armazenada. ver se o tipo de material pode explicar o
2. Camadas de areia ou pedregulhos no 2. Pode induzir a uma ruptura se a vazamento.
vertedouro estão permitindo infiltração. velocidade for alta o bastante para causar 2. Medir a quantidade do fluxo e checar se
erosão dos materiais da fundação. existe erosão dos materiais da fundação.
3. Se a velocidade do fluxo ou quantidade
de materiais erodidos aumentar
rapidamente, o nível do reservatório deve
ser abaixado até o fluxo estabilizar ou
cessar.
4. Um engenheiro qualificado deve
inspecionar as condições e recomendar
outras ações que devem ser tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

193
BARRAGENS DE TERRA (ATERRO) – VERTEDOURO (BT5)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
INFILTRAÇÃO ATRAVÉS DE Água se acumulando atrás da estrutura 1. Pode causar a inclinação ou queda das 1. Checar a área atrás da parede para
UMA JUNTA DE devido à drenagem insuficiente ou paredes. identificar zonas saturadas.
CONSTRUÇÃO OU FISSURAS drenos entupidos 2. Fluxo através do concreto pode 2. Checar e limpar, se necessário, as saídas
(RACHADURSA) NA conduzir a uma rápida deterioração por d’água e drenos internos.
ESTRUTURA DE CONCRETO intemperismo. 3. Se a condição persistir, um engenheiro
(10) 3. Se o vertedouro está localizado no qualificado deve inspecionar o problema e
maciço, uma erosão rápida pode levar à recomendar outras ações que devam ser
ruptura da barragem. tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

AUMENTO NO FLUXO E Funcionamento impróprio do dreno por Perigo 1. Monitorar a quantidade de fluxo e o
CARREAMENTO DE má execução ou deterioração da camada 1. Um aumento da velocidade do fluxo carreamento de material.
SEDIMENTOS NA SAÍDA DO filtrante. pode acelerar a erosão do solo atrás ou 2. Coletar amostras da água para comparar a
DRENO (11) abaixo da estrutura. turbidez.
2. Pode levar a ruptura das estruturas por 3. Se a vazão ou a turbidez aumentar, um
descalçamento. engenheiro qualificado deve inspecionar o
vertedouro e recomendar as ações que
devam ser tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

194
BARRAGENS DE CONCRETO – CRISTA (BC1)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
FISSURAS SUPERFÍCIE (1) Fissuras transversais ligando montante Infiltração, deterioração do concreto, Injeção de epoxi.
com jusante podem ser resultantes de extensão da fissura. Se a profundidade da fissura > 3 metros, um
recalque da fundação, sismo ou engenheiro qualificado deve inspecionar as
sobrecarga. condições e recomendar outras ações que
devem ser tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

FISSURAS PROFUNDAS (2) Fissuras abertas, tipo aleatório com Devido a progressão gradativa pode Restrição operacional, baixar o nível do
presença de sílica gel devido à reduzir a vida útil da barragem. reservatório. Um engenheiro qualificado
reatividade álcali-agregado. deve imediatamente inspecionar a barragem
e orientar as ações a serem tomadas.

EXIGIDA IMEDIATA PRESENÇA DE


ENGENHEIRO.

195
BARRAGENS DE CONCRETO – CRISTA (BC1)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
FISSURAS E ABRASÃO NO Fissuras rasa, tipo aleatório, concreto Custo de manutenção excessivo. Controle do tráfego e manutenção
CONCRETO DA PISTA DE danificado devido ao tráfego excessivo, permanente.
ROLAMENTO (3) concreto do pavimento isolado do
concreto da barragem.

DESLOCAMENTOS Deslocamentos devido a No caso de haver progressão pode causar Se o deslocamento for > 2,5mm, baixar o
DIFERENCIAIS NAS JUNTAS (4) deformabilidade diferencial da instabilidade nas barragens de gravidade nível do reservatório, tratamento da
fundação, sismo. ou contraforte. fundação. Um engenheiro qualificado deve
inspecionar as condições e recomendar
outras ações que devem ser tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

196
BARRAGENS DE CONCRETO – PARAMENTO DE MONTANTE (BC2)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
FISSURAS SUPERFÍCIE (1) Fissuras verticais em diagonal podem Progressão das fissuras no corpo da Injeção de epoxi para vedar as fissuras e
ser resultantes da tensão excessiva ou barragem e galerias de infiltração. restaurar a resistência do concreto.
queda de temperatura em áreas de Se a fissura apresentar L> 6,0 m e Prof >
restrição. 1,5m, um engenheiro qualificado deve
inspecionar as condições e recomendar
outras ações que devem ser tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO

FISSURAS TIPO MAPA (2) Fissuras abertas, tipo aleatório com Devido a deterioração e progressão Restrição operacional, baixar o nível do
presença de sílica gel devido à pode reduzir a vida útil da barragem. reservatório, reconstrução da barragem.
reatividade álcali-agregado. Um engenheiro qualificado deve
imediatamente inspecionar a barragem e
orientar as ações a serem tomadas.

EXIGIDA IMEDIATA PRESENÇA DE


ENGENHEIRO.

197
BARRAGENS DE CONCRETO – PARAMENTO DE MONTANTE (BC2)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
DESPLACAMENTO DO CONCRETO Desplacamento de pequenos blocos ou Consequência séria para barragens tipo Limpeza superficial e aplicação de uma
(3) lascas da superfície do concreto devido contraforte, onde a ferragem pode -se nova camada de concreto ou gunitagem,
a movimentação diferencial ao longo deteriorar. se a danificação é excessiva.
de juntas, concentração de tensões. Se o desplacamento >60 cm e ferragem
exposta um engenheiro qualificado deve
inspecionar as condições e recomendar
outras ações que devem ser tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

ABERTURA DAS JUNTAS (4) Variações de temperatura ambiente, No caso de haver progressão pode Se o deslocamento for > 5mm, baixar o
rebaixamento do reservatório. causar instabilidade nas barragens de nível do reservatório, tratamento da
gravidade ou contraforte. fundação. Um engenheiro qualificado
deve inspecionar as condições e
recomendar outras ações que devem ser
tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

198
BARRAGENS DE CONCRETO – PARAMENTO DE JUSANTE (BC3)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
INFILTRAÇÕES ATRAVÉS DAS Veda junta danificado, fissuras ou juntas Perda de água e lixiviação do concreto. Preenchimento do dreno de junta com
JUNTAS E FISSURAS (1) de construção. bentonita, injeção das juntas de contração
com calda de cimento. Se o fluxo for
crescente e Q> 500l/min por junta um
engenheiro qualificado deve inspecionar as
condições e recomendar outras ações que
devem ser tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

FISSURAS TIPO MAPA (2) Fissuras abertas, tipo aleatório, abertas e Deterioração progressiva pode reduzir a Restrição operacional, abaixamento do
extensíveis com presença de sílica gel vida útil da barragem. nível do reservatório, reconstrução da
devido à reatividade álcali-agregado. barragem. Um engenheiro qualificado deve
imediatamente inspecionar a barragem e
orientar as ações a serem tomadas.

EXIGIDA IMEDIATA PRESENÇA DE


ENGENHEIRO.

199
BARRAGENS DE CONCRETO – PARAMENTO DE JUSANTE (BC3)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
ABERTURA E INFILTRAÇÃO Áreas molhadas, infiltração, lixiviação e Perdas de água e lixiviação do concreto. Abertura de drenos para o controle da
DAS JUNTAS (3) carbonatação devidas à ligação percolação e injeção de calda de cimento.
inadequada entre as camadas, concreto Se o fluxo for crescente e > 500l/min por
poroso nas juntas. bloco um engenheiro qualificado deve
inspecionar as condições e recomendar
outras ações que devem ser tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

200
BARRAGENS DE CONCRETO –GALERIAS E POÇOS INTERNOS DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO (BC4)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
DRENOS DE JUNTA ENTRE BLOCOS Aumento de vazão com reservatório Perda de água e lixiviação do concreto Preenchimento dos drenos com bentonita
(1) estabilizado devido a fissuração e propagação das fissuras internas. e abertura de novos drenos. Se a
interna ou falhas de concretagem. infiltração for Q>200l/min e incremento
>10l/min/dias, um engenheiro qualificado
deve inspecionar as condições e
recomendar outras ações que devem ser
tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

DRENOS DE FUNDAÇÃO (2) Aumento das vazões de drenagem com Enfraquecimento da fundação, aumento Reforço da cortina de injeção e abertura
reservatório estável devido a cortina de das subpressões. posterior de novos drenos. Se a
injeção inadequada, carreamento de infiltração for Q> 200l/min e
finos de fundação. incremento >10l/min/dias um
engenheiro qualificado deve
inspecionar as condições e recomendar
outras ações que devem ser tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

201
BARRAGENS DE CONCRETO –GALERIAS E POÇOS INTERNOS DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO (BC4)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
DRENOS DE FUNDAÇÃO Infiltração obstruída por depósitos Aumento excessivo de subpressão, Limpeza dos drenos obstruídos e
OBSTRUIDOS (3) minerais carreados da rocha ou da redução do fator de segurança ao perfuração de novos drenos. Se houver
cortina de injeção. escorregamento. aumento de subpressão na base da
estrutura um engenheiro qualificado deve
inspecionar as condições e recomendar
outras ações que devem ser tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

202
BARRAGENS DE CONCRETO – TALUDES DE ROCHA E OMBREIRAS (BC5)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
MOVIMENTOS EM TALUDES EM Fissuras abertas e sem preenchimento Comprometer a estabilidade do talude. Atirantamento, drenagem da rocha. Um
ROCHA (1) devido a deformação lenta engenheiro qualificado deve inspecionar
(movimento) do maciço rochoso. as condições e recomendar outras ações
que devem ser tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

OMBREIRAS (2) Instabilidade dos taludes, Comprometer a estabilidade da Rebaixamento do reservatório e


escorregamentos, devido a ombreira, risco à estrada de acesso a reforço da ombreira, injeção e
movimentação diferencial nas jusante. drenagem. Um engenheiro qualificado
ombreiras, aumento das pressões de deve inspecionar as condições e
poro e eventuais fugas de água. recomendar outras ações que devem
ser tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

203
VAZAMENTO NA VÁLVULA (BC6)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
DANOS NA TUBULAÇÃO DA SAÍDA
D’ÁGUA (1)
FISSURA (RACHADURA) Recalque ou impacto. Perigo 1. Verificar evidências de água saindo ou
A Infiltração pode levar à erosão interna entrando na tubulação pela fissura
do maciço. (rachadura), orifício ou pelas juntas da
tubulação.
2. Bater de leve na tubulação, na vizinhança
da área danificada, tentando ouvir um
BURACO Ferrugem, corrosão ou desgaste por Perigo barulho oco que mostra que se formou um
cavitação. A Infiltração pode levar à erosão interna vazio ao longo da parte de fora do conduto.
do maciço. 3. Se há suspeita de ruptura progressiva, um
engenheiro qualificado deve inspecionar o
problema e recomendar as ações que devam
ser tomadas.
JUNTAS DESIGUAIS Recalques ou falha de construção Perigo
EXIGIDA A PRESENÇA DE
Permite a passagem da água para dentro
ENGENHEIRO.
ou fora da tubulação, resultando na
erosão do material interno da barragem.

RUPTURA DA ESTRUTURA DE 1. Esforço excessivo devido ao empuxo Perigo 1. Monitorar o desenvolvimento da ruptura
CONCRETO DA SAÍDA do aterro sobre a estrutura. Perda da estrutura de saída d’água expõe progressiva medindo uma dimensão típica,
D’ÁGUA (2) 2. Deficiência na armadura da estrutura o maciço à erosão pelo fluxo liberado como a largura “D” mostrada na figura.
de concreto. 2. Reparar, remendando as fissuras e
3. Má qualidade do concreto instalando um sistema de drenos no maciço
de solo junto à estrutura de concreto.
3. Uma substituição total da estrutura de
saída d’água pode ser necessária.
EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

204
VAZAMENTO NA VÁLVULA (BC6)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
SAÍDA DA ÁGUA LIBERADA 1. Tubulação de saída d’água muito 1. Tubulação de saída d’água muito 1. Estender a tubulação além do pé do
ERODINDO O PÉ DA curta. curta. talude.
BARRAGEM (3) 2. Falta de bacia de dissipação na saída 2. Falta de bacia de dissipação na saída 2. Proteger o maciço com Rip-Rap assente
do conduto. do conduto. sobre uma camada de solo bem
compactado.
3. Construir uma estrutura de concreto na
saída da tubulação para orientar o fluxo e
dissipar energia.
4. Um engenheiro qualificado deve
inspecionar a barragem e orientar as ações
que devam ser tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

ÁGUA DE INFILTRAÇÃO 1. Tubulação da tomada d’água Perigo 1. Examinar cuidadosamente a área para
SAINDO POR UM PONTO quebrada. Um fluxo contínuo pode induzir uma tentar determinar a causa.
ADJACENTE À SAÍDA 2. Um caminho preferencial para erosão do material do maciço e provocar 2. Verificar se água está carreando
D’ÁGUA (4) percolação se desenvolveu ao longo da a ruptura da barragem. partículas de solo.
tubulação de saída. 3. Determinar a quantidade do fluxo.
4. Se o fluxo aumentar, ou se está
carregando material do maciço, o nível do
reservatório deve ser rebaixado até que a
infiltração pare.
5. Um engenheiro qualificado deve
inspecionar a barragem e recomendar outras
ações que devam ser tomadas.

EXIGIDA A PRESENÇA DE
ENGENHEIRO.

205
FALHAS NO SISTEMA DE COMPORTA (BC7)
ANOMALIA CAUSA PROVÁVEL POSSÍVEL CONSEQUÊNCIA AÇÕES CORRETIVAS
DETRITOS PRESOS EMBAIXO Grade de proteção quebrada ou faltando. 1. A comporta não poderá ser fechada. 1. Elevar e baixar a comporta
DA COMPORTA (1) 2. A válvula ou haste poderá sofrer danos vagarosamente até os detritos serem soltos e
no esforço de fechar a comporta. levados pela água.
2. Usar equipe de mergulhadores para
remover os detritos.
3. Reparar ou substituir a grade de proteção.
COMPORTA RACHADA (2) Ferrugem, efeitos de vibração, ou tensão A comporta pode romper, 1. Manter a comporta somente nas posições
resultante do esforço empregado para completamente, esvaziando o completamente fechada ou completamente
fechar a comporta que estava emperrada. reservatório. aberta.
2. Evitar a operação da comporta até que
esta seja reparada ou substituída.
3. Reparar ou substituir a comporta.
DANOS NO BERÇO OU GUIAS Ferrugem, erosão, cavitação, vibração 1. Vazamento ou perda de suporte da 1. Evitar a operação da comporta até que o
DA COMPORTA (3) ou desgaste. comporta. berço e as guias sejam reparados ou
2. A comporta pode emperrar e se tornar substituídos.
inoperante. 2. Se a causa for cavitação, checar se existe
tubo de ventilação e se ele está desobstruído.

DISPOSITIVOS DE CONTROLE 1. BLOCO DE SUPORTE 1. Bloco de suporte pode inclinar 1. O uso do sistema de operação da
(4) QUEBRADO. Deterioração do concreto. levando a haste de controle a emperrar. comporta deve ser minimizado ou suspenso.
Força excessiva na tentativa de abrir a A comporta pode não abrir 2. Se a tomada d’água possui uma segunda
comporta. completamente. O bloco de suporte pode válvula, considerar o seu uso para regular as
2. HASTE DE CONTROLE romper, deixando a tomada d’água liberações até que os reparos possam ser
QUEBRADA OU DOBRADA. inoperante. feitos.
Ferrugem. Força excessiva na abertura 2. A tomada d’água fica inoperante. 3. Um engenheiro qualificado deve
ou fechamento da comporta. Guias das 3. Perda de suporte da haste de controle. inspecionar a tomada d’água e orientar
hastes inadequadas. A haste pode quebrar ou entortar mesmo outras ações que devem ser tomadas.
3. GUIAS DAS HASTES FALTANDO no seu uso normal. EXIGIDA A PRESENÇA DE
OU QUEBRADAS. Ferrugem. ENGENHEIRO.
Lubrificação inadequada. Excesso de
força na abertura ou fechamento da
comporta.

206
ANEXO 3. MODELO PARA RELATÓRIO DE INSPEÇÃO DE
SEGURANÇA REGULAR

207
RELATÓRIO DE INSPEÇÃO DE SEGURANÇA
REGULAR

(inserir fotografia ilustrativa da Barragem)

BARRAGEM __________(inserir nome da barragem)

RELATÓRIO DA_____ª(inserir número da inspeção) DE SEGURANÇA


REGULAR DA BARRAGEM

_________________________________
LOCAL/ESTADO
_______________________
DATA DO RELATÓRIO

1
SUMÁRIO

1. APRESENTAÇÃO
1.1. OBJETIVO
1.2. DADOS DA BARRAGEM
1.3. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS
1.4. HISTÓRICO
2. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DAS ANOMALIAS
3. COMENTÁRIOS COMPLEMENTARES E AÇÕES NECESSÁRIAS
4. DECLARAÇÃO DO NÍVEL DE PERIGO DA BARRAGEM
5. CONCLUSÕES, RECOMENDAÇÕES E AÇÕES A IMPLEMENTAR PELO
EMPREENDEDOR
6. ANEXOS
6.1.ANEXO I - RELATÓRIO FOTOGRÁFICO
6.2.ANEXO II - ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA

Página 2
1. APRESENTAÇÃO

1.1. Objetivo

Esse relatório tem por objetivo apresentar os resultados da última inspeção de segurança
regular da barragem ____________(citar o nome da barragem) sob a responsabilidade do
empreendedor

Lei nº 12.334 de 20 de Setembro de 2010, que instituiu a Política Nacional de Segurança de


Barragens (PNSB), em seu art. 9º estabelece que as inspeções de segurança regular e
especial terão a sua periodicidade, a qualificação da equipe responsável, o conteúdo mínimo
e o nível de detalhamento definidos pelo órgão fiscalizador, em função da categoria do risco
e do dano potencial associado à barragem, (no caso da entidade fiscalizadora ser a ANA)....
conforme preconizado pela Resolução nº 742, de 17 de outubro de 2011 da Agência
Nacional de Águas-ANA ou conforme....(citar o normativo correspondente da entidade
fiscalizadora).

Os empreendedores, em face da sua experiência acumulada, têm a liberdade de adotarem


os seus próprios modelos de fichas de inspeção e de relatório, devendo no entanto levar em
consideração os normativos emitidos pelas suas entidades fiscalizadores.

● Realização da presente inspeção _________(DD/MM/AAAA),


● Realização da última inspeção _________(DD/MM/AAAA),
● Reponsável pela presente inspeção: o Sr. _____________________ (indicar o nome do
responsavel técnico), CREA Nº _____ (indicar o número do CREA), (no caso da entidade
fiscalizadora ser a ANA).... e foi cadastrada no sitio da ANA em ________
(DD/MM/AAAA).

1.2. Dados da Barragem

(neste item devem-se ser colocados os dados da barragem que possibilitem a sua
identificação e a definição das suas características principais).

Nome: ___________________(inserir nome da barragem)


Código:___________________(inserir código da barragem no cadastro do órgão
fiscalizador)
Empreendedor ou responsável legal:_________________________(inserir nome)
Responsável técnico: :___________________________________(inserir nome)
Identificaçao: CREA no______________________________________________
Localização: Localidade de_______________ no estado de ____________ (UF)
_____________________________________________________________

Página 3
(inserir informações complementares da localização, como estrada de acesso,
nome da fazenda, numero de lote ou módulo)
Outorga: _______________________________________________________
(inserir dados da outorga, exemplo: Res. nº___ANA de 30/05/2011, publicado no
DOU, seção 1 de 03/06/2011)
Data da construção:_____________________(DD/MM/AAAA ou ANO)
Responsável pela construção:______________________________________
(inserir nome do construtor)

1.3. Principais características

Bacia: _____________________(inserir o nome do rio principal)


Curso d água barrado:_____________ (inserir o nome do rio ou ribeirão onde a
barragem foi construída)
Coordenadas:__________S e ________W (inserir coodenadas geográficas)
Finalidade:________________________________ (Exemplo:
Irrigação/Abastecimento/geração de energia/ Piscicultura/Lazer/Industrial)
Capacidade do reservatório: ________ hm3
Área inundada: _________ha
Tipo de barragem: ______________________________
(Exemplo: terra/enrocamento/concreto)
Cota da crista: _____ m (cota arbitrária de projeto)
Altura da barragem: _____ m (dado do projeto)
Comprimento da barragem: _____ m (dado do projeto)
Classificação da barragem: _____ (conforme reslução no 143/2012 do CNRH)

1.5. Histórico

(Neste item deve ser apresentado um breve resumo do histórico da barragem, procurando-
se abordar os eventos passados - incidentes e acidentes - e ações corretivas implementadas
(se for o caso. Deve-se também relatar as datas das ocorrências)
Incidentes e Acidentes: _______________________________________________

Cheias ocorridas:__________________________________________________

Ações corretivas: __________________________________________________

Página 4
2. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DAS ANOMALIAS

(Neste item o responsável pela elaboração do relatório, após inspeção visual, deverá
apresentar a ficha de inspeção preenchida conforme o tipo de sua barragem (de terra, ou
enrocamento ou barragens de concreto e para as estruturas auxiliares) de acordo com o
modelo apresentado no Anexo I, indicando a situaçao de cada anomalia, sua magnitude e o
nível de perigo de cada uma.)

(deve-se apresentar somente os comentários mais pertinentes no sentido de ajudar a definição


do quadro real da situação da barragem).

(Deverá também se pronunciar sobre:


(i) Avaliação de anomalias: situação, classificação da sua magnitude e nível de perigo (ver
item 3.4 deste Guia);

FICHA PARA INSPEÇÃO REGULAR DE BARRAGEM (inserir ficha da inspeção regular,


conforme Anexo I, preenchida.)

REGISTRO FOTOGRÁFICO
(ii) Fotografias das anomalias consideradas médias ou graves e sua descrição (ver Anexo 1
deste modelo).
ANÁLISE DOS REGISTROS
(iii) Análise dos registros dos seguintes instrumentos (quando existam): piezômetros,
medidores de tensões, medidores de recalques, inclinômetros, extensômetros, marcos de
referência, medidores de nível de água no reservatório, medidores de vazão).

Página 5
3. COMENTÁRIOS COMPLEMENTARES E AÇÕES NECESSÁRIAS

(Neste item deverão ser descritos comentários e observações complementares sobre os


componentes da barragem, assim como ações a serem tomadas, designadamente nas seguintes
estruturas: talude de montante, crista, talude de jusante, ombreiras, instrumentação, estruturas
extravasoras (vertedouro, reservatório, torre de tomada de água, galeria de fundo) e estrada
de acesso).

Página 6
4. DECLARAÇÃO DO NÍVEL DE PERIGO DA BARRAGEM

(Neste item o responsável pela elaboração do relatório deverá classificar o nível de perigo da
barragem em normal, atenção, alerta ou emergência, com base no item 3.5. da Parte I deste
Guia e descrever os critérios que o levaram a realizar essa classificação.)

(Neste item devem ser apresentadas as conclusões sobre as anomalias identificadas, sobre os
riscos envolvidos para a barragem e sobre a urgência da sua correção).

Com base nas conclusões sobre as anomalias encontradas, declaro para os devidos fins que o
nível de perigo da barragem __________________________ (inserir nome da barragem) deve
ser classificado como ______________________________ (NENHUM
(0)/ATENÇÃO(1)/ALERTA(2) ou EMERGÊNCIA(3).

(no caso da ANA ser a entidade fiscalizadora) Com o intuito de acompanhar as anomalias e as
providências e recomendações apontadas, recomenda-se que a próxima inspeção seja realizada
no ________Ciclo (1º ou 2º Ciclo do ano) de _________, de acordo com o estabelece a
Resolução ANA nº 742/2011.
.

Página 7
5. CONCLUSÕES, RECOMENDAÇÕES E AÇÕES A IMPLEMENTAR PELO
EMPREENDEDOR

(Fazer uma análise sobre as recomendações e ações realizadas oriundas da inspeção anterior,
em realizada em ____________(DD/MM/AAAA)

(inserir comentário geral sobre as anomalias encontradas na presente inspeção).

(Apresentar as conclusões sobre a segurança da barragem, após a presente inspeção)

(Relacionar as recomendações que necessitam acompanhamento pela equipe de segurança da


barragem:.....)

(Identificar as ações a implementar pelo Empreendedor para garantir a segurança da


barragem e sugerir prazos para a conclusão dessas intervenções, bem como as possíveis
consequências da inação).

____________________________
(inserir local, e data)

______________________________
RESPONSÁVEL TÉCNICO
FORMAÇÃO CREA nº ___________________/(UF)

Ciente,
________________________________
RESPONSÁVEL LEGAL

Página 8
6. ANEXOS

6.1. ANEXO I –RELATÓRIO FOTOGRÁFICO

No decorrer da inspeção visual foram tiradas fotos da barragem de várias posições, mostrando
os taludes de montante e de jusante, a crista, as ombreiras, o reservatório, o posicionamento de
marcos topográficos e de instrumentos instalados na obra, o vale a jusante e eventuais fissuras
ou recalques.

Este anexo inclui fotos que ilustram os aspectos mais relevantes resultantes da inspeção.

Figura _________. Barragem de _____________________. (inserir número da figura, nome


da barragem e descrever detalhe da foto)

(O relatório fotográfico deve possibilitar a identificação das anomalias mais importantes e


uma análise preliminar da situação).

6.2 ANEXO II-ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA

(inserir cópia da ART em nome do engenheiro responsável pela presente inspeção.)

Página 9
ANEXO IV- ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE TERMO
DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DA INSPEÇÃO
REGULAR
ORIENTAÇÕES GERAIS

A quem se destina

Destinam-se a orientar empreendedores públicos ou privados, a quem compete a realização


da inspeção de segurança regular de barragem, na contratação desses serviços, em função
da categoria de risco e dano potencial da barragem.

A inspeção regular pode também ser realizada por profissional (is) da própria equipe do
empreendedor, neste caso uma contratação de equipe externa se tornaria desnecessária,
tornando o presente TDR uma orientação para as atividades que a equipe/profissional do
empreendedor terá que seguir para realização da inspeção regular.

Explicação ao Empreendedor

A Inspeção de Segurança Regular de Barragem enquadra-se na Política Nacional de


Segurança de Barragens (PNSB).

Levando-se em consideração a abrangência deste modelo de termo de referência, destinado


a diferentes portes de barragens, ressalta-se que o texto do modelo é um texto sugerido e
que o mesmo deve ser adaptado ao porte de cada barragem, ao tipo de empreendedor
(público ou privado) e as especificidades locais. Acresce que empreendedores públicos
responsáveis por grande número de barragens têm seus próprios procedimentos e
formulários de termo de referência para contratação de diversos tipos de serviço tornando-
se opcional a utilização desse modelo.

As áreas em azul, no modelo proposto, contêm orientações para o empreeendedor ou


campos a serem preenchidos. Ao final há um modelo sugerido de proposta, para auxiliar
os empreendedores na consulta e coleta de propostas no mercado.

Definições

Para efeito deste documento, são estabelecidas as seguintes definições:

Empreendedor: Agente privado ou governamental com direito real sobre as terras onde se
localizam a barragem e o reservatório ou que explore a barragem para benefício próprio
ou da coletividade.

Proponente: Empresa ou equipe técnica multidisciplinar, com competência nas diversas


disciplinas que envolvam a segurança da barragem, interessada em prestar os serviços aqui
descritos.

Contratada: Proponente selecionado pelo Empreendedor para executar os serviços.

O Empreendedor deve assegurar que a Proponente conhece e consultou o Guia de


Orientação e Formulários para Inspeção de Segurança de Barragem publicado pela ANA
(2014) e que esta seguirá as metodologias nele descritas, devendo ela também apresentar
um atestado comprobatório da visita ao empreendimento prévia à apresentação da
proposta

Porte da barragem:

O nível de esforço a ser empregado na Inspeção de Segurança Regular é função do porte


da barragem. Esse conhecimento é importante e necessário para o dimensionamento da
equipe técnica da inspeção e para elaboração deste TDR.

Para tanto, recomenda-se utilizar o Fator X proposto pelas Normas Francesas e pelo
Boletim da ICOLD nº 157:

𝑋 = 𝐻 2 √𝑉

em que H é a altura da barragem em metros e V a capacidade do reservatório em hm3, de


acordo com o quadro seguinte.

Porte da barragem em função do Fator X.

Porte da barragem Fator X


Pequeno X <400
Médio 400<X<1000
Grande X>1000

Cronograma estimado

Como orientação, no caso de contratação de um pacote de X barragens, apresenta-se no


quadro seguinte um cronograma simplificado que inclui as atividades necessárias, desde o
preparo do termo de referência (TDR) até a finalização dos serviços da inspeção de
segurança regular, destinado principalmente a um empreendedor privado que não deverá
passar por um processo licitatório.

Nos casos de empreendedores públicos, o cronograma deverá ser dilatado em obediência


ao exigido pela Lei ou Diretriz que rege a respectiva licitação.

MESES
ATIVIDADES
1 2 3
1.1 Preparação dos TDR e solicitação de propostas
1.2 Elaboração de propostas
1.3 Análise das propostas e julgamento
1.4 Contratação
1.5 Inspeção
1.6 Relatório
CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA TÉCNICA ESPECIALIZADA EM
INSPEÇÕES DE SEGURANÇA REGULAR

TERMO DE REFERÊNCIA (MODELO)

1 INTRODUÇÃO

A Lei nº 12.334/2010, que estabelece a Política Nacional de Segurança de Barragens


(PNSB), estipula, como um dos instrumentos desta política, a elaboração do Plano de
Segurança da Barragem, que deve conter relatórios das inspeções de segurança, como sejam
as inspeções de segurança regulares.

Orientação ao Empreendedor: Neste item o Empreendedor deve fornecer a descrição da


barragem a ser estudada (nome, localização, porte, acessos, principais características,
especificidades, a periodicidade da respectiva inspeção, etc.).

2 DO OBJETO

O presente termo de referência têm como objeto a contratação de serviços para Inspeção de
Segurança Regular da Barragem [nome da barragem], de acordo com as instruções,
exigências e condições estabelecidas na Lei nº 12.334/2010 e em resoluções ou
regulamentos emitidos pelos órgãos ou entidades fiscalizadoras de segurança de barragens.

3 JUSTIFICATIVA

A inspeção de segurança regular é um instrumento do Plano Nacional de Segurança da


Barragem, que permite evidenciar a necessidade de recuperação ou desativação da barragem
e indicar as medidas preventivas para reabilitar as barragens, no sentido de evitar que o seu
rompimento possa pôr em perigo a segurança e a vida da população e provocar danos
econômicos e ambientais.

As inspeções de segurança são de elevada importância, pois possibilitam apontar, com a


devida antecedência ou urgência, a necessidade de reabilitar as barragens que representem
ameaças, pois o rompimento de uma barragem compromete a segurança e a vida da
população e traz elevados prejuízos econômicos e ambientais às localidades afetadas.

A Lei 12.334/10 aborda no Art. 9º as Inspeções de Segurança Regular, sua periodicidade, a


qualificação de equipe responsável, o conteúdo mínimo e o nível de detalhamento.

A barragem [nome da barragem], de propriedade de [nome do empreendedor], foi


construída em [ano, ou época aproximada da construção]. Até a presente data, não foi
realizada nenhuma inspeção de segurança regular [ou, “A última inspeção de segurança
regular ocorreu em xx/xx/xxxx].
A barragem foi classificada por [indicar a entidade fiscalizadora] de Dano Potencial
associado [alto, médio ou baixo] e Risco [alto, médio ou baixo], sendo a periodicidade das
inspeções de segurança regular a realizar [semestral, anual ou bianual].

Orientação ao Empreendedor: A periodicidade das inspeções de segurança regular deverá


ser definida de acordo com o dano potencial associado e respectivo risco da barragem,
respeitando a seguinte frequência, resultantes de sua classificação conforme o art. 4º da
Resolução da ANA nº 742 de 17 de Outubro de 2011
.

Risco
Dano Potencial
Alto Médio Baixo

Alto Semestral Semestral Semestral

Médio Semestral Semestral Anual

Baixo Anual Anual Bianual

4 ÁREA DE ABRANGÊNCIA

A inspeção regular de segurança da barragem abrange a área que contém a barragem, suas
estruturas associadas e o reservatório.

5 ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS

A inspeção de segurança regular da barragem deve incluir, no mínimo, as seguintes


atividades:

1) Análise de todos os documentos disponíveis para consulta referidos no capítulo 9;

2) Realização da inspeção de campo:


- contemplando todas as zonas da barragem, como seja, o talude de montante, a
crista, o talude de jusante, as ombreiras, a zona do reservatório e ainda os órgãos
extravasores e de operação,
- acompanhada do preenchimento de uma Ficha de Inspeção; e
- com a leitura dos instrumentos existentes.

3) Avaliação e apresentação dos resultados

6 PRODUTOS ESPERADOS

A inspeção de segurança regular da barragem tem como produtos finais a Ficha de


Inspeção e o Relatório de Inspeção.
A Ficha de Inspeção deve ser preenchida durante a inspeção de campo, com a identificação,
classificação da magnitude e nível de perigo das anomalias encontradas.

O Relatório da Inspeção deverá conter:

- Toda a informação recolhida, devidamente documentada com fotografias;


- Análise cuidadosa das anomalias identificadas na ficha de inspeção, suas
magnitudes e níveis de perigo e sua eventual reclassificação;
- Comparação com os resultados da inspeção de segurança regular anterior;
- Revisão dos registros de instrumentação disponíveis;
- Validação e interpretação dos dados das leituras dos instrumentos;
- Análise do comportamento da barragem;
- Classificação do nível de perigo da barragem;
- Indicação da necessidade de manutenção, pequenos reparos, ou da necessidade
de realização de uma inspeção de segurança especial;
- No caso de se concluir pela necessidade de melhorias, deverá ser apresentada a
respetiva estimativa de custo e, se possível, o prazo de execução.

Sendo a entidade fiscalizadora a Agência Nacional de Águas (ANA), deverão ser seguidos
os modelos de Ficha de Inspeção e de Relatório de Inspeção, constantes do Guia de
Orientação e Formulários para Inspeção de Segurança de Barragem (link do Guia).

Orientação ao Empreendedor: o empreendedor poderá indicar para serem seguidos os


modelos de ficha e relatório constantes do Guia de Orientação e Formulários para
Inspeção de Segurança de Barragem, ou fornecer fichas e modelos de relatório próprios,
desde que atendam ao regulamentado pelas respectivas entidades fiscalizadoras.

Sendo a entidade fiscalizadora a Agência Nacional de Águas (ANA) e de acordo com sua
Resolução nº 742/2011, deverá ainda ser preenchido o Extrato da Inspeção, contendo:

- A classificação do nível de perigo da barragem;


- A identificação das anomalias, sua magnitude e nível de perigo;
- A necessidade de reparos ou de inspeção especial.

No Guia de Orientação e Formulários para Inspeção de Segurança de Barragens (indicar


o link) encontra-se o modelo de extrato adotado pela ANA.

O extrato da inspeção regular deve ser enviado através do sítio www.ana.gov.br, até 60 dias
após o final de cada Ciclo, sendo o Primeiro Ciclo de Inspeção compreendido entre 01 de
outubro e 31 de março do ano subsequente e o Segundo Ciclo de Inspeções, compreendido
entre 01 de abril e 30 setembro do mesmo ano.

Nas situações em que as barragens apresentarem nível de perigo de alerta e emergência, os


extratos deverão ser rapidamente encaminhados à ANA para que possam ser tomadas em
tempo medidas corretivas para evitar a ocorrência de acidentes.
Orientação ao Empreendedor: Nos casos em que a entidade fiscalizadora não seja a ANA,
o empreendedor deverá seguir idêntico procedimento para a sua entidade fiscalizadora.

7 PRAZO DE EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS

O prazo total sugerido para o desenvolvimento das atividades previstas para execução dos
serviços descritos neste termo de referência, é de [........] dias úteis.

Orientação ao Empreendedor: O número indicativo de dias uteis para a realização das


atividades objeto do contrato, incluindo o relatório da inspeção, por porte de barragem e
em função da existência ou não de instrumentação, figura no quadro seguinte:

Número estimado de dias para a realização das atividades objeto do contrato, incluindo
o Relatório da Inspeção.
Sem Com
Barragem
instrumentação instrumentação
Pequeno porte 3-4 dias 4-6 dias
Médio porte 4-6 dias 6-8 dias
Grande porte 6-8 dias 8-10 dias

No Anexo 1 figura um quadro com o Cronograma do Trabalho e o Planejamento para os


Produtos, a preencher pelos proponentes, que será parte integrante da proposta.

8 DA EQUIPE TÉCNICA

A inspeção de segurança regular da barragem deve ser conduzida por equipe com
competência nas diversas disciplinas que envolvem a segurança da barragem,
designadamente hidráulica, geotecnia e estruturas¸ No caso de uma barragem de pequeno
ou médio porte essa equipe pode ser mais reduzida.

Deve ser apresentada uma relação de todos os profissionais de nível superior que irão
compor a Equipe Técnica dimensionada pela Proponente.

Nas barragens de pequeno porte destinadas à irrigação, por exemplo, é muito comum que
um engenheiro agrônomo assessore o empreendedor (agricultor) nas questões relacionadas
ao plantio. Esse profissional poderia realizar a inspeção, inclusive o relatório final.

No caso de barragens de grande porte, ou nos casos de empreendedores que possuem várias
barragens e optem por ter uma equipe de segurança centralizada, pode ser necessária a
mobilização de um grupo maior de profissionais. O quadro 1 apresenta a composição típica
de uma “Equipe Chave” a ser alocada nesse caso.

Orientação ao Empreendedor: para determinação da Equipe adequada à inspeção regular


da barragem em pauta, recorrer ao Guia de Inspeção Regular de Segurança de Barragem
publicado pela ANA (indicar link).
Quadro 1. Equipe Chave para barragens de grande porte (exemplificativo)
Especialidade Experiência
Engº Geotécnico/Geólogo de Profissional com experiência, superior a 10
Engenharia anos, em projetos geotécnicos de barragens
e/ou projetos geotécnicos de recuperação de
barragens, sendo desejável ter experiência em
inspeções de barragens.
Engº Estrutural Profissional com experiência, superior a 10
anos, em projetos estruturais de barragens
e/ou projetos estruturais de recuperação de
barragens, sendo desejável ter experiência em
inspeções de barragens.
Engº Hidráulico Profissional com experiência, superior a 10
anos, em projetos hidráulicos de barragens
e/ou projetos hidráulicos de recuperação de
barragens, sendo desejável ter experiência em
inspeções de barragens.

Orientação ao Empreendedor: abaixo são apresentadas sugestões de documentação a ser


exigida dos Proponentes, bem como proposta de política de substituição de profissionais.
Cabe à Contratante definir aquilo que considera mais adequado.

Em todos os casos, o engenheiro deve obter junto ao CREA a Anotação de Responsabilidade


Técnica – ART para execução dos serviços ou, caso seja funcionário do empreendedor,
obter a ART de cargo ou função relativa à barragem.

Os currículos dos profissionais deverão estar acompanhados de declaração autorizando


sua inclusão na Equipe Chave.

A substituição de qualquer dos profissionais integrantes da Equipe Chave antes ou no


decorrer da execução dos serviços somente será admitida mediante fatos supervenientes,
furtuitos ou de força maior, devendo ser substituído por profissional de perfil técnico
equivalente ou superior, mediante prévia autorização do Empreendedor.

Para efeito de Avaliação da Equipe Chave serão consideradas as fichas curriculares dos
profissionais que, entre outros, poderão compor a equipe (Quadros 1).

Os membros da Equipe Chave deverão obrigatoriamente apresentar os respectivos


“Curriculum Vitae” e o Registro Nacional de Entidade de Classe, no caso de Engenheiros,
do CREA (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia).

9 DOCUMENTOS DISPONÍVEIS PARA CONSULTA

Os documentos existentes, relativos a barragem [nome da barragem], estão listados a seguir


e encontram-se disponíveis para consulta no escritório do empreendedor:
Orientações ao empreendedor: Da listagem abaixo, incluir apenas os documentos
disponíveis em seu acervo relativos à barragem objeto do TDR.

1) Elementos do projeto: mapa de localização da barragem, objetivo da barragem,


condições gerais, condições geológicas, geologia regional, características da
barragem, tratamento da fundação, sismicidade, descrição do vertedouro e outros;
2) Dimensionamento estrutural da barragem e órgãos extravasores e de operação;
3) Informação sobre os métodos construtivos e controle de qualidade;
4) Relatórios das inspeções de segurança anterior;
5) Análise do Plano de Monitoramento e Instrumentação;
6) Análise dos registros da instrumentação;
7) Planos de operação e de manutenção. Procedimentos de operação dos equipamentos;
8) Plano de Ação e de Emergência: comunicações, sistemas de aviso, evacuações;
9) Arquivo com dados dos ficheiros e outras fontes;
10) Eventuais reparações

Após julgamento das propostas e seleção da Contratada, o Empreendedor disponibilizará


toda essa documentação para a realização da Inspeção de Segurança Regular de Barragem.

10 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS

Para execução dos serviços objeto deste termo de referência, os seguintes documentos /
manuais estão disponíveis para consulta:

Documento Autor Ano Onde encontrar


Guia de Revisão Periódica de ANA 2014 www.ana.gov.br/segurancadebarragens
segurança de Barragem
Lei nº 12.334, de 20 de setembro Presidência da 2010 http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_
de 2010 República. Casa Civil Ato2007-2010/2010/Lei/L12334.htm
Resolução ANA nº 91/2012 ANA 2012 www.ana.gov.br/segurancadebarragens
Resolução ANA nº 742/2011 ANA 2011 www.ana.gov.br/segurancadebarragens
Guia de Orientação e formulários ANA 2014 www.ana.gov.br/segurancadebarragens
para Inspeção de Segurança de
Barragem
Guia para a Elaboração de Projetos ANA 2014 www.ana.gov.br/segurancadebarragens
de Barragens
Guia para a Elaboração do Plano ANA 2014 www.ana.gov.br/segurancadebarragens
de Operação/Manutenção e
Instrumentação de Barragens
Engineering and Design. Safety of USACE 2011 www.usace.army.mil
Dams-Policy and Procedures
Critérios de Projeto Civil de ELETROBRAS 2003 http://www.eletrobras.com
Usinas Hidrelétricas
NOIB. Normas de Observação e Ministério do 1993 Portaria nº 847/93 de 10 de Setembro.
Inspeção de Barragens Ambiente e Recursos Lisboa
Naturais
11 LOCAL DE EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS E ENTREGA DOS PRODUTOS

Os serviços de campo serão executados no local do empreendimento, sendo os restantes


serviços desenvolvidos em escritório da Contratada.

A entrega do Relatório da Inspeção de Segurança Regular, incluindo a respectiva ficha de


inspeção, será feita no endereço a indicar pelo Empreendedor.

12 ACOMPANHAMENTO E EXECUÇÃO DOS TRABALHOS

As inspeções e os estudos, visando à definição do estado geral da barragem, a serem


desenvolvidos pela Equipe Técnica, poderão ser acompanhados pelo Empreendedor e/ou
por Especialistas por ele contratados, para assegurar a necessária qualidade dos serviços
prestados.

A Contratada deverá comunicar ao Empreendedor e eventualmente solicitar sua presença


sempre que detectar alguma anomalia que assim justifique, mesmo antes da conclusão da
inspeção.

13 DOS CRITÉRIOS DE JULGAMENTO DAS PROPOSTAS

Orientação ao Empreendedor: Sugestão de critérios para julgamento das propostas. Estas


sugestões só são aplicáveis no caso de contratação de um pacote de X barragens, cabendo
ao empreendedor selecionar os critérios que julgar mais adequados.

No caso de uma barragem de pequeno ou médio porte será suficiente a análise do


curriculum do engenheiro contratado para a inspeção.

O julgamento da Proposta, no caso da contratação dos serviços de inspeção para um pacote


de X barragens, deverá levar em consideração tanto a Proposta Técnica como a Proposta
de Preço, cada uma com seu respectivo peso (T) e (P). Para tanto serão atribuídas notas para
cada proposta.

Proposta Técnica:

No julgamento da Proposta Técnica deverão ser contemplados os seguintes critérios e


aspectos:
Critério Pontos
Experiência da Experiência geral em estudos e projetos para 10
empresa ou da equipe implantação de empreendimentos hidráulicos e
técnica experiência específica em estudos e projetos de
recuperação de barragens e experiência na realização
de inspeções de segurança de barragens.
Conhecimento do Conhecimento do problema, conhecimento geral do 30
problema escopo dos serviços e atividades a serem
desenvolvidas
Estrutura Organograma, dimensionamento da equipe, 10
organizacional da atribuições e responsabilidades dos técnicos;
empresa ou da equipe cronograma de atividades para execução dos serviços
técnica
Currículo da Equipe Currículo e experiência da Equipe Chave e 50
Técnica apresentação da Equipe de Apoio
TOTAL 100

A Proposta Técnica terá uma nota (Nt) máxima de 100 (cem) pontos
A nota mínima para considerar a Proposta Técnica elegível é de 70 (setenta) pontos.

Proposta de Preço:
Para avaliação das Propostas de Preços, serão atribuídas notas financeiras (Nf), por
Proposta, conforme descrição que se segue:

A Nota financeira (Nf) será calculada multiplicando-se por 100 a divisão do valor da
proposta financeira mais baixa (Fmin) pelo valor da proposta financeira em avaliação (F),
mediante a fórmula abaixo, utilizando-se duas casas decimais e desprezando-se a fração
remanescente:

Nf = 100 x Fmin/F, onde:

Nf = Nota financeira;
Fmin = valor da proposta financeira mais baixa; e
F = valor da proposta em avaliação.

Proposta Vencedora:
Com base nas notas técnicas (Nt) e financeiras (Nf) apuradas, será atribuída a Nota Final
(N) de cada licitante, com base na fórmula a seguir:

N= (Nt x T) + (Nf x P), onde:

N= Nota final;
Nt = Nota técnica;
T= Peso atribuído à Proposta Técnica; e
P= Peso atribuído à Proposta de Preço.

sendo: T=0,8 e P=0,2


Será considerada vencedora aquela proponente que obtiver a maior Nota Final.

14 DAS OBRIGAÇÕES DAS PARTES

Orientação ao Empreendedor: Cabe ao Empreendedor definir as obrigações que


considerar mais adequadas.

Caso o Empreendedor não elabore um contrato, este termo de referência (TDR) passa a ter
valor de contrato, se assinado por ambas as partes, assim nas obrigações das partes citadas
abaixo, pode-se usar tanto o TDR como Contrato.

São obrigações do Empreendedor:


a) colocar à disposição da Contratada os elementos e informações necessárias à
execução destes TDR;
b) aprovar as etapas de execução dos serviços pertinentes, desde o planejamento até a
sua efetiva concretização;
c) acompanhar e fiscalizar o andamento dos serviços, promovendo o acompanhamento
e a fiscalização sob os aspectos quantitativo e qualitativo;
d) impedir que terceiros executem os serviços objeto destes TDR;
e) rejeitar qualquer serviço executado equivocadamente ou em desacordo com as
especificações constantes destes TDR;
f) atestar a execução dos serviços e receber a Nota Fiscal/Fatura correspondente, na
forma estabelecida nestes TDR;
g) efetuar os pagamentos devidos à Contratada, nos termo definidos neste TDR;
h) deduzir e recolher os tributos na fonte sobre os pagamentos efetuados à Contratada;
e
i) aplicar à Contratada as penalidades regulamentares, caso sejam explicitadas em
Contrato.

São obrigações da Contratada:


a) executar os serviços descritos em sua proposta, em conformidade com as
especificações e nas condições exigidas nestes TDR;
b) discutir previamente com o Empreendedor a sequência dos trabalhos a serem
desenvolvidos, bem como qualquer alteração que se torne necessária;
c) comunicar ao Empreendedor qualquer anormalidade de caráter urgente e prestar os
esclarecimentos solicitados;
d) assumir inteira responsabilidade pela execução, bem como, por quaisquer eventuais
danos ou prejuízos que possam causar ao Empreendedor ou a terceiros, no
cumprimento destes TDR;
e) apresentar Anotação de Responsabilidade Técnica – ART obtida junto ao respectivo
Conselho Regional de Engenharia e Agronomia – CREA referente à execução dos
serviços objeto desta contratação.
f) mandar desfazer ou refazer qualquer serviço que, a juízo do Empreendedor não
esteja de acordo com o ajustado nos TDR;
g) responder pelas obrigações de natureza tributária, trabalhista, previdenciária ou
resultante de acidente de trabalho, bem como as relacionadas à alimentação, saúde,
transporte, uniformes ou outros benefícios, de qualquer natureza, decorrentes da
relação de emprego no âmbito da contratação;
h) não transferir a terceiros, por qualquer forma, nem mesmo parcialmente, a execução
dos serviços objeto destes TDR;
i) manter, durante a execução dos serviços, as condições de habilitação e qualificação
exigidas nestes TDR;
j) não divulgar informações a terceiros ou realizar publicidade acerca dos serviços,
salvo expressa autorização do Empreendedor; e
k) atuar dentro dos prazos estabelecidos.

15 DO PAGAMENTO

O pagamento será efetuado pelo Empreendedor ao final da execução de cada etapa do


contrato, conforme tabela abaixo, em parcelas calculadas a partir do valor do contrato [ou
estipulado nestes TDR], mediante apresentação de Nota Fiscal / Fatura, no prazo de até X
[prazo a ser estipulado pelo Empreendedor] dias úteis, contados a partir da data do atesto
dos serviços efetivamente prestados.

ETAPA DESCRIÇÃO DA ETAPA PERCENTUAL DO


VALOR TOTAL DO
CONTRATO
1ª Entrega do relatório Final 60% a 80 %
2ª Aprovação do Relatório Final 20 % a 40%

O pagamento deverá ser efetuado por transferência bancária para o banco ......... (banco a
ser indicada pela Contratada]

O Empreendedor disporá do prazo de cinco dias úteis para proceder ao atesto da nota
fiscal/fatura apresentada.

16 DO PRAZO DE ENTREGA

O prazo total das atividades contratadas será de [........] semana /meses.

17 DA VIGÊNCIA DO CONTRATO (OU DURAÇÃO DOS SERVIÇOS)

O Contrato terá vigência de X [prazo a ser estipulado pelo Empreendedor] meses a contar
da data de sua assinatura.
18 DO LOCAL DE ENTREGA

A entrega dos produtos deverá ser realizada no endereço abaixo: [endereço a ser indicado
pelo Empreendedor].

19 DA APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA

A proponente deve apresentar proposta técnica e financeira conforme descrito no Anexo 1.

Orientação ao Empreendedor: sugestões de obrigações das partes. Cabe ao Empreendedor


definir aquelas que considerar.
MODELOS DA PROPOSTA

Orientação ao empreendedor: Apresenta-se a seguir sugestão de modelo de proposta a ser


exigida dos proponentes, compatibilizado com as sugestões de critérios para julgamento
da proposta apresentado no item 13, só aplicável no caso de contratação da inspeção de
um pacote de X barragens. Cabe ao empreendedor julgar a conveniência e oportunidade
de adotar o modelo aqui sugerido.

Na elaboração de suas propostas, dando resposta ao presente termo de referência, a


Proponente deverá apresentar um memorial que, entre outros, contenha considerações sobre
os itens seguintes:

1) Conteúdo da proposta técnica

- Apresentação: carta endereçada ao Empreendedor e assinada pelo Proponente


oferecendo prestar os serviços de consultoria para realizar a Inspeção Regular de
Segurança da Barragem [Inserir nome da Barragem] em conformidade com o
termo de referência.
- Experiência da empresa em trabalhos similares: uma apresentação da sua
experiência recente que seja de maior relevância para o serviço. Para cada
serviço, a apresentação deve indicar os nomes dos Especialistas Principais que
tenham participado, a duração do serviço, o montante do serviço e o
papel/participação do Proponente. (o quadro abaixo pode ser utilizado a título
de sugestão)

Duração Nome do serviço/e Nome do Valor Função no


breve descrição dos Cliente e aproximado serviço
principais país do do Contrato
produtos/resultados serviço

{exemplo: {exemplo: "Melhoria da {exemplo: {exemplo: {exemplo:


janeiro qualidade de ..............": Ministério de R$ 1 milhão} Membro
2009 - plano mestre elaborado ......., país} principal de
abril para a racionalização de um consórcio
2010} ..........; } A&B&C}

{exemplo: {exemplo: "Suporte ao {exemplo: {exemplo: {exemplo:


janeiro- governo subnacional de município de R$ 1 milhão} único
maio de ......." : minuta da ......., país} Consultor}
2008} regulamentação de nível
secundário sobre
...............}

- Conhecimento do Problema: descrição do conhecimento do problema e


descrição das atividades a desenvolver no âmbito da Inspeção Regular de
Segurança de Barragem, visando à elaboração do Relatório de Inspeção.
- Estrutura Organizacional: Uma breve descrição da organização do Proponente,
Composição da Equipe Técnica acompanhados dos respectivos atestados,
declarações e CREA, no caso de Engenheiros e cronograma de atividades para
execução dos serviços.

Neste item deverão obrigatoriamente ser apresentados os seguintes documentos:

- uma declaração que o Proponente conhece e consultou o Guia de Inspeção


Regular de Segurança de Barragem e que seguirá as metodologias nele descritas
e,
- um atestado comprobatório de visita ao local da barragem e área de abrangência
da Inspeção Regular de Segurança da Barragem, assinado pelo Empreendedor.

Para composição da Equipe Técnica utilizar o quadro abaixo “Relação da Equipe


Técnica”.

RELAÇÃO DA EQUIPE TÉCNICA


Nome da Proponente: Folha:

NOME DOS ÁREA DE ATIVIDADE FORMACÃO


TÉCNICOS

A proposta deverá incluir um cronograma de execução de todos os serviços,


identificando as principais atividades. Para elaboração do cronograma, utilizar o
Quadro seguinte “Cronograma do Trabalho e Planejamento para os produtos”.
CRONOGRAMA DO TRABALHO E PLANEJAMENTO PARA OS PRODUTOS

Dias
N° Produtos
1 2 3 4 5 6 7 8 9 ..... n TOTAL
Relatório Final
Descrição sumária do
1
empreendimento
2 Inspeção de segurança
3 Resumo dos aspetos tratados
4 Conclusões
5 Recomendações
Estimativa de custo das medidas
6
corretivas

1 A duração das atividades deverá ser indicada em formato de gráfico de barras.


2 Incluir uma legenda, se necessário, para ajudar na leitura do gráfico.
Currículo da Equipe Chave:

Sugere-se que o Curriculum Vitae (CV) de cada membro da Equipe Chave siga o
modelo apresentado no quadro abaixo e contenha no mínimo as informações ali
solicitadas. Caso o modelo não seja seguido, os CV’s apresentados deverão ter as
mesmas informações solicitadas no modelo.

CURRICULUM VITAE (CV)


Título
Nome do Especialista:
Data de nascimento:
País de origem/residência

Educação: {Listar faculdade/universidade ou outra educação especializada, mencionando


os nomes das instituições de ensino, datas em que frequentou, graduação(ões)/diploma(s)
obtido(s)}
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________

Registro histórico de empregos relevante para o serviço: {Começando pelo cargo atual,
listar em ordem inversa.}. Fornecer datas, nome do empregador, nomes dos cargos
ocupados, tipos de atividades realizadas e locais do serviço, além de informações de contato
de clientes anteriores e organização(ões) empregadoras que possam ser contatadas para
referências. Emprego anterior que não seja relevante para o serviço não precisa ser
incluído.}

Adequação para o serviço: listar Informação sobre trabalho/serviço anterior que melhor
ilustre a competência para lidar com as tarefas designadas

Informações de contato do Especialista: (e-mail …………………., telefone……………)

Certificado:
Eu, abaixo assinado, certifico que, sob o meu conhecimento e convicção, este CV descreve-
me corretamente, descreve minhas qualificações e minha experiência e que estou disponível
para executar o serviço no caso de outorga. Estou ciente de que qualquer informação ou
declaração falsa apresentada aqui pode resultar na minha desqualificação ou dispensa pelo
Cliente.

{dia/mês/ano}
Nome do Especialista Assinatura Data

{dia/mês/ano}

Nome do autorizado Assinatura Data


Representante do Consultor
(o mesmo que assinar a Proposta)
2) Conteúdo da proposta financeira

- Apresentação: carta endereçada ao Empreendedor e assinada pelo Proponente


oferecendo prestar os serviços de consultoria para realizar a Inspeção Regular
[Inserir nome da Barragem] em conformidade com o termo de referência. A
carta deverá conter o valor total da proposta
- Formulários: A proposta financeira deverá indicar o custo total dos serviços,
descriminando os custos com pessoal, deslocações, serviços de campo, etc., com
base em preços unitários praticados no mercado. Os quadros abaixo contêm os
formulários que a proponente terá de preencher, incluindo a informação
necessária ao julgamento das propostas.

Orientação ao empreendedor: os quadros são genéricos e deverão ser adaptados à equipe


indicada para a realização da inspeção regular. A utilização dos quadros apresentados só
se justifica no caso de contratação da inspeção de um pacote de X barragens.

QUANTITATIVOS E CUSTOS DE PESSOAL


Nome da Proponente: Folha:
Barragem:
Categorias Quantidade Homens. Dia Custo Custo total
unitário
PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR
Consultor C
Coordenador P0
Nível Superior Sénior P1
Nível Superior Médio P2
Nível Superior Júnior P3
PESSOAL TÉCNICO DE APOIO
Técnico Sênior T1
Técnico Médio T2
PESSOAL ADMINISTRATIVO
Técnico Administrativo A1
Sénior
Auxiliar Administrativo A3
VALOR TOTAL EM REAIS:
1) A categoria “P” enquadra não só engenheiros, mas todo profissional de nível superior.
2) A categoria “T” inclui técnicos de nível médio especialmente topógrafos, laboratoristas; supervisores e inspetores de
campo, cadista, calculista, projetista e copistas e auxiliares.
3) A categoria “A” inclui administrativos propriamente ditos, secretárias e auxiliares.
4) Categoria “P” tempo de formado (anos):
- Júnior P3 - mais de 2 anos de formado com o mínimo de 2 anos de experiência em projetos ou obras;
- Médio P2 - de 5 a 8 anos de formado com o mínimo de 5 anos de experiência em projetos ou obras;
- Sênior P1 – de 8 a 10 anos de formado com o mínimo de 8 anos de experiência em projetos ou obras;
- Sênior P0 – acima de 10 anos de formado com o mínimo de 10 anos de experiência em projetos ou obras;
- Consultor C – experiência mínima de 15 anos em projetos ou obras, com nível de pós-graduação.
5) Categoria “T” experiência
- Especializado T2 – mais de 5 anos de formação;
- Especializado T1 – mais de 8 anos de formação com o mínimo de 8 anos de experiência em projetos ou obras;
6) Categoria “A” experiência:
- Auxiliar A3 – nível médio/profissional com mais de 2 anos de formação;
- Auxiliar administrativo sênior A1 – nível médio com mais de 8 anos de formação.
VIAGENS, DIÁRIAS E OUTRAS DESPESAS
Nome da Proponente: Folha:

Barragem:

MEMBRO DA PASSAGENS AÉREAS DIÁRIAS


EQUIPE/FUNÇÃO
QUANT. VALOR TOTAL QUANT. VALOR TOTAL

SUBTOTAL EM REAIS
VALOR TOTAL EM REAIS

OUTRAS DESPESAS: [Aluguel de veículos, aluguel de equipamentos ….]


Orientação ao Empreendedor: Estimativa de custo da contratação

Para fazer a estimativa de custo da contratação dos serviços, o Empreendedor deve


considerar os custos de mão-de obra especializada e de apoio, com respectivos encargos
sociais, as despesas que a contratada terá para a realização dos serviços, nomeadamente
custos de passagens, diárias, transportes locais e aluguel de equipamentos, bem como
despesas administrativas, impostos e a parcela de lucro da contratada

Essa estimativa do custo dos serviços não deverá variar muito em termos médios com o tipo
de barragem (Aterro ou Concreto), mas varia significativamente com o porte de cada
barragem.

No Guia de Inspeção de Segurança de Barragem e nos TdR figura a designação dos


técnicos que constituirão as equipes para a realização da Inspeção de Segurança Regular
de barragens de pequeno porte, médio porte e grande porte, bem como uma estimativa do
tempo total (intervalo de dias) necessário à realização do serviço.

Para auxiliar nessa estimativa de custo, apresenta-se a seguir metodologia que pode vir a
ser adotada pelo empreendedor. Essa metodologia deve ser considerada indicativa e não
substitui procedimentos próprios já adotados pelo empreendedor, em decorrência de sua
experiência prévia ou de exigência de órgãos de controle.

Custos de Mão de Obra

Quadro A1. Estimativa de Custos de Mão-de-obra.


Profissional Nível de Esforço Valor do Custo diário Custo Total
(número de dias) hh (R$) (R$) (R$)
(A) (B) (C) (D) = (C) x 8 (E) = (B) x (D)
Engº. Geotécnico
Engº Hidráulico
etc.
Total A1

(A) Profissionais

O Quadro A2 sugere a composição da equipe em função do porte e tipo da barragem para


execução das referidas atividades.
Quadro A2. Equipe Técnica sugerida em função do porte e tipo de barragem.
Porte Barragens de terra e de Barragens de concreto
enrocamento
Pequeno Geólogo de Engenharia, Engº Engº. Estrutural, Engº
Hidráulico, Inspetor de campo Hidráulico, Inspetor de
campo
Médio Geólogo de Engenharia, Engº Engº. Estrutural, Engº
Hidráulico, Topógrafo, Hidráulico, Topógrafo,
Inspetor de campo Inspetor de campo
Grande Engº. Geotécnico, Engº Engº. Estrutural, Geólogo de
Hidráulico, Topógrafo, Engenharia, Engº Hidráulico,
Inspetor de campo Topógrafo, Inspetor de campo

(B) Nível de esforço

O Quadro A3 sugere os intervalos de números de homens.dia1 indicativos, para a


realização das atividades objeto do contrato, em função do porte e tipo da barragem e
ainda da existência ou não de instrumentação. O número de homens.dia indicado, em cada
caso, refere-se ao número total de dias de Técnicos superiores e de Técnicos médios.

O empreendedor poderá utilizar esses números como primeira estimativa para elaboração
do orçamento.

Quadro A3. Número de homens.dia para a realização de atividades objeto do contrato.


Sem instrumentação Com instrumentação
Barragem Técnico Técnico Técnico Técnico
superior médio superior médio
Pequeno porte 3-4 1-2 4-6 2-3
Médio porte 4-6 2-3 6-8 3-4
Grande porte 6-8 3-4 8 - 10 4-5

(C) Valor de Homem-Hora (HH)

Para se ter uma indicação do nível de esforço, indicam-se algumas fontes referenciais de
custos divulgados por entidades privadas e públicas, com o objetivo de orientar o
empreendedor no julgamento da melhor proposta:

1- Entidade privada associativa: ABCE (Associação Brasileira de Consultoria de


Engenharia). (http://www.abceconsultoria.org.br/tarifas_de_consultoria.htm)

2- Entidades públicas :
- SINAPI (Caixa Econômica Federal)
(http://www1.caixa.gov.br/gov/gov_social/municipal/programa_des_urbano/SINA
PI/encargos_sociais.asp)

1
1 homem-dia corresponde a 8 horas de trabalho. Por exemplo, um determinado serviço com esforço estimado
de 4 homens-dia significa que um profissional vai trabalhar durante 4 dias naquele serviço, ou que 4
profissionais trabalharão um dia, ou qualquer combinação intermediária.
- SICRO( DNIT)
(http://www.dnit.gov.br/servicos/sicro/sudeste/sudeste-1/rio-de-janeiro-marco-
2014)
Data de referência: Mar/2014
- SCO( Prefeitura do Rio de Janeiro)
(http://www2.rio.rj.gov.br/sco/)
Data de referência: Abr/2014
- DER-SP(Estado de São Paulo)
(http://www.der.sp.gov.br/website/Documentos/tabela_preco.aspx)
Data de referência: 31/03/2014

Quadro A4. Diárias passagens e outras despesas.


Item Unidade Quantidade Custo Unitário Custo Total
(R$) (R$)
(F) (G) (H) (I) (J) = (H) x (I)
Passagens
Diárias
Aluguel de veículo
Aluguel de Equipamento
Total A2

Aos custos referentes à mão-de –obra (Quadro A1) e custo das despesas gerais (Quadro
A4), deverá ser adicionado o custo dos serviços de campo (se for o caso).

Custo total

O custo total estimativo da contratação corresponde à soma dos custos de mão-de-obra,


despesas gerais, serviços de campo (se for o caso) e deve incorporar também encargos
sociais (caso a tabela utilizada para consulta de valores de homem-hora apresente os
valores sem encargos), impostos, despesas administrativas e percentual de lucro da
contratada.

Uma referência relevante para a estimativa das despesas administrativas, encargos,


impostos e percentual de lucro é o Acordão TCU nº 1787/2011. Essas orientações, no
entanto, devem ser utilizadas com cautela, pois mudanças de legislação podem afetar
significativamente os percentuais envolvidos.
ANEXO V- ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE TERMO DE
REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DA INSPEÇÃO ESPECIAL
ORIENTAÇÕES GERAIS

A quem se destina

Destinam-se a orientar empreendedores públicos ou privados, a quem compete a realização


da inspeção de segurança especial de barragem, na contratação desses serviços, em função
da categoria de risco e dano potencial da barragem.

Explicação ao Empreendedor

A Inspeção de Segurança Especial de Barragem enquadra-se na Política Nacional de


Segurança de Barragens (PNSB).

Levando-se em consideração a abrangência deste modelo de termo de referência, destinado


a diferentes portes de barragens, ressalta-se que o texto do modelo é um texto sugerido e
que o mesmo deve ser adaptado ao porte de cada barragem, ao tipo de empreendedor
(público ou privado) e as especificidades locais. Acresce que empreendedores públicos
responsáveis por grande número de barragens têm seus próprios procedimentos e
formulários de termos de referência para contratação de diversos tipos de serviços,
tornando-se opcional a utilização desse modelo.

As áreas em azul, no modelo proposto, contêm orientações para o empreeendedor ou


campos a serem preenchidos. Ao final há um modelo sugerido de proposta, para auxiliar
os empreendedores na consulta e coleta de propostas no mercado.

Definições

Para efeito deste documento, são estabelecidas as seguintes definições:

Empreendedor: Agente privado ou governamental com direito real sobre as terras onde se
localizam a barragem e o reservatório ou que explore a barragem para benefício próprio
ou da coletividade.
Proponente: Empresa ou equipe técnica multidisciplinar, com competência nas diversas
disciplinas que envolvam a segurança da barragem, interessada em prestar os serviços aqui
descritos.

Contratada: Proponente selecionado pelo Empreendedor para executar os serviços.

O Empreendedor deve assegurar que a Proponente conhece e consultou o Guia de


Orientação e Formulários para Inspeção de Segurança de Barragem publicado pela ANA
(2014) e que esta seguirá as metodologias nele descritas, devendo ela também apresentar
um atestado comprobatório da visita ao empreendimento prévia à apresentação da
proposta.

Porte da barragem:

O nível de esforço a ser empregado na Inspeção de Segurança Especial é função do porte


da barragem. Esse conhecimento é importante e necessário para o dimensionamento da
equipe técnica da inspeção e para elaboração deste TDR.

Para tanto, recomenda-se utilizar o Fator X proposto pelas Normas Francesas e pelo
Boletim da ICOLD nº 157:

𝑋 = 𝐻 2 √𝑉

em que H é a altura da barragem em metros e V a capacidade do reservatório em hm3, de


acordo com o quadro seguinte.

Porte da barragem em função do Fator X.

Porte da barragem Fator X


Pequeno X <400
Médio 400<X<1000
Grande X>1000

Cronograma estimado

Como orientação, apresenta-se no quadro seguinte um cronograma simplificado que inclui


as atividades necessárias, desde o preparo do termo de referência (TDR) até a finalização
dos serviços da inspeção de segurança, correspondente a uma barragem de porte médio,
destinado principalmente a um empreendedor privado que não deverá passar por um
processo licitatório.

Nos casos de empreendedores públicos, o cronograma deverá ser dilatado em obediência


ao exigido pela Lei ou Diretriz que rege a respectiva licitação.
MESES
ATIVIDADES
1 2 3
1.1 Preparação dos TDR e solicitação de propostas
1.2 Elaboração de propostas
1.3 Análise das propostas e julgamento
1.4 Contratação
1.5 Inspeção
1.6 Relatório
CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA TÉCNICA ESPECIALIZADA EM
INSPEÇÕES DE SEGURANÇA ESPECIAL

TERMO DE REFERÊNCIA (MODELO)

1 INTRODUÇÃO

A Lei nº 12.334/2010, que estabelece a Política Nacional de Segurança de Barragens


(PNSB), estipula, como um dos instrumentos desta política, a elaboração do Plano de
Segurança da Barragem, que deve conter relatórios das inspeções de segurança, como sejam
as inspeções de segurança especiais.

De acordo com o art. 9 da Lei, e deve ser elaborada uma inspeção de segurança especial,
conforme orientação da entidade fiscalizadora, por equipe multidisciplinar de especialistas,
e nível de detalhamento, em função da categoria de risco e do dano potencial associado à
barragem, nas fases de construção, operação e desativação, devendo considerar as alterações
das condições a montante e a jusante da barragem.

Orientação ao Empreendedor: Neste item o Empreendedor deve fornecer a descrição da


barragem a ser estudada (nome, localização, porte, acessos, principais características,
especificidades, etc.).

2 DO OBJETO

O presente termo de referência tem como objeto a contratação de serviços para Inspeção de
Segurança Especial da Barragem [nome da barragem], de acordo com as instruções,
exigências e condições estabelecidas na Lei nº 12.334/2010 e em resoluções ou
regulamentos emitidos pelos órgãos ou entidades fiscalizadoras de segurança de barragens.

3 JUSTIFICATIVA

A barragem [nome da barragem], de propriedade de (nome do empreendedor), foi


construída em [ano, ou época aproximada da construção]. Até a presenta data, não foi
realizada nenhuma inspeção de segurança regular [ou, “A última inspeção de segurança
regular ocorreu em xx/xx/xxxx] e nenhuma inspeção de segurança especial [ou, “A última
inspeção de segurança especial ocorreu em xx/xx/xxxx].

A barragem foi classificada por [indicar a entidade fiscalizadora] de Dano Potencial


associado [alto, médio ou baixo] e Risco [alto, médio ou baixo].

A inspeção de segurança especial objeto do presente concurso decorre de [indicar o motivo


que levou ao lançamento da concorrência para a inspeção de segurança especial].
Orientação ao Empreendedor: Para as barragens com dano potencial alto, independente
do risco, recomenda-se que a inspeção de segurança especial seja feita nas seguintes
situações:

1) Quando for detectada uma anomalia grave, sintomas de envelhecimento e ainda


deficiências do sistema de monitoramento, numa inspeção de segurança regular.
2) Por ocasião de deplecionamentos rápidos do reservatório e quando o risco envolvido o
justifique, com o objetivo de evitar a ocorrência de acidentes e incidentes ou minimizar
a sua importância e efeitos, além de permitir verificar as hipóteses de projeto;
3) Após a ocorrência de grandes cheias que podem originar acidentes por galgamento da
barragem, por vezes associados a obstruções aos escoamentos provocadas por
materiais transportados pela água, assim como importantes erosões a jusante das
barragens e deterioração dos órgãos de segurança e operação, nomeadamente por
subpressões, abrasão e cavitação;
4) Na sequência de eventos extremos (cheias ou sismos com período de recorrência
superior ao de projeto), bem como de circunstâncias anômalas que possam influenciar
a segurança ou a funcionalidade da obra, designadamente ruptura de barragens a
montante, queda de taludes para o interior do reservatório envolvendo grandes massas
e provocando ondas que podem provocar na barragem subsidência de terrenos.
5) Nas barragens que enfrentam seca prolongada da qual resulta um esvaziamento
significativo do reservatório ou até situação de completa ausência de água no
reservatório, devem ser objeto de inspeção de segurança especial, antecedendo o
possível período de chuvas subsequente. Considera-se neste caso uma situação de seca
total prolongada para um período de dois anos;
6) Para situações de descomissionamento ou abandono da barragem;
7) Para situações de sabotagem.

Para as barragens com altura de maciço superior a 15m e capacidade total do reservatório
superior a 3 milhões de metros cúbicos, independente do dano potencial associado,
considera-se também importante realizar uma inspeção especial nas seguintes situações:

1) Antes da conclusão da construção da barragem, quando, sem afetar a segurança e


funcionalidade da obra, seja possível promover um enchimento parcial do reservatório;
Com o objetivo verificar se o estado da obra e a funcionalidade, tanto dos dispositivos
de fechamento do rio e dos equipamentos dos órgãos de segurança e operação como do
sistema de observação e do Plano Ação de Emergência (PAE) permitem dar início ao
enchimento do reservatório;
2) Após o primeiro enchimento do reservatório, para as barragens de categoria de dano
potencial alto, com o objetivo de verificar o estado da barragem e dos equipamentos e
contribuir para as decisões que serão tomadas relativamente à operação.

4 ÁREA DE ABRANGÊNCIA

A inspeção de segurança especial da barragem abrange a área que contém a barragem, suas
estruturas associadas e o reservatório.
5 ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS

A inspeção de segurança especial da barragem deve incluir, no mínimo, as seguintes


atividades:

1) Análise de todos os documentos disponíveis para consulta referidos no capítulo 9;


2) Realização da inspeção de campo;
3) Avaliação e apresentação dos resultados.

Na inspeção de campo pode ser adoptada a ficha de inspeção e os procedimentos referidos


no Guia de Orientação e Formulários para Inspeção de Segurança de Barragem, ou
qualquer outro procedimento que a equipe de especialistas considere adequado.

6 PRODUTOS ESPERADOS

A inspeção de segurança especial da barragem tem como produtos finais um Parecer


Preliminar [só no caso de uma situação de emergência] e o Relatório Final de Inspeção
Especial.

Tratando-se de uma situação de emergência, deve ser encaminhado, com a máxima


urgência, à entidade fiscalizadora um Parecer Preliminar contendo as recomendações e
medidas imediatas, assinado pelo especialista responsável de acordo com a área de
especialidade requerida.

O Relatório Final da Inspeção Especial, a ser elaborado pela equipe especialista, deve
conter parecer conclusivo sobre a condição da barragem e o seu nível de perigo,
recomendações e medidas detalhadas para mitigação e solução dos problemas encontrados
e/ou prevenção de novas ocorrências, incluindo cronograma para implementação.

Neste contexto o capítulo do relatório com “Conclusões, recomendações e ações a


implementar”, pode indicar diversas ações a serem implementadas pelo Empreendedor,
designadamente:

1) Realização de inspeções de campo, em colaboração com os agentes encarregados do


sistema de observação, de modo a recolher informações que contribuam para avaliar
as condições de segurança e o prosseguimento da operação, para dar um maior
suporte às medidas corretivas;
2) Aumento da frequência da leitura dos dispositivos de instrumentação, por exemplo,
no caso de sismo, se deve manter pelo menos nos 15 dias imediatos;
3) Revisão das regras de operação da barragem;
4) Comunicação à entidade fiscalizadora e aos serviços de defesa civil eventuais
ocorrências excepcionais ou circunstâncias anômalas, nomeadamente nos casos de
cheias, sismos, secas, ou erosões provocadas por descargas, ruptura de barragens
situadas a montante, queda de taludes para o interior do reservatório envolvendo
grandes massas e ocorrência previsível de galgamento, deslocamentos do vale em
secções vizinhas à barragem e subsidência de terrenos, e tomar as medidas que se
revelem necessárias e estar particularmente atento ao perigo de uma potencial
ruptura da sua barragem. Nesses casos devem ser acionados os procedimentos de
aviso à população.
5) Estimativa de custo para as medidas necessárias.

7 PRAZO DE EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS

O prazo total sugerido para o desenvolvimento das atividades previstas para execução dos
serviços descritos neste termo de referência, é de ..... dias úteis [prazo a ser indicado para
cada caso].

Orientação ao Empreendedor: O número indicativo de dias uteis para a realização das


atividades objeto do contrato, incluindo o relatório final da inspeção especial, por porte de
barragem e em função da existência ou não de instrumentação, figura no quadro seguinte:

Número estimado de dias para a realização das atividades objeto do contrato,


incluindo o Relatório Final da Inspeção Especial.
Sem Com
Barragem
instrumentação instrumentação
Pequeno porte 5-6 dias 6-8 dias
Médio porte 10-12 dias 12-15 dias
Grande porte 15-20 dias 20-25 dias

O prazo sugerido para a execução dos serviços de inspeção especial se aplica para os caoso
em que ela é justificada por situações taos como: antes do final da construção, durante e
após o primeiro enchimento, deplecionamento, eventos extremos e Revisão Periódica de
Segurança de Barragem; esse prazo não se aplica a situações específicas de identificação de
anomalia considerada grave.

No Anexo 1 figura um quadro com o Cronograma do Trabalho e o Planejamento para os


Produtos, a preencher pelos proponentes, que será parte integrante da proposta.

8 DA EQUIPE TÉCNICA

A inspeção de segurança especial da barragem deve ser conduzida por equipe


multidisciplinar, com competência nas diversas disciplinas que envolvem a segurança da
barragem, designadamente hidrologia, hidráulica, geotecnia, estruturas, tecnologia de
concreto, etc., na presença do responsável técnico pela segurança da barragem, e ainda,
eventualmente, de outros intervenientes no controle de segurança.
.
A equipe multidisciplinar de especialistas, função do tipo de barragem (aterro ou concreto)
de seu porte (pequena, média ou grande) e da existência ou não de instrumentação na
barragem, pode ter uma composição variável, tendo em conta o tipo de evento causador da
inspeção de segurança especial.

A inspeção especial poderá exigir a participação de mais de um especialista, para cobrir


áreas distintas do conhecimento – como estruturas de concreto, geotecnia, hidráulica e
hidrologia, e hidroeletromecânica.
Orientação ao Empreendedor: para determinação da Equipe adequada à inspeção
especial da barragem em pauta, recorrer ao Guia de Inspeção Especial de Segurança de
Barragem publicado pela ANA (indicar link).

Deve ser apresentada uma relação de todos os profissionais de nível superior que irão
compor a Equipe Chave e a Equipe Complementar dimensionadas pela proponente.

Apresenta-se, a título de sugestão, lista dos profissionais que que devem ser calibrados em
função do tipo do evento causador da inspeção de segurança especial.

Quadro 1. Equipe Chave (exemplificativo).


Especialidade Experiência
Engº Coordenador Geral Profissional com experiência, superior a 15 anos, em
projetos de recuperação de barragens, envolvendo análise
da documentação existente, vistorias técnicas,
diagnóstico e projetos de recuperação de obras civis e
equipamentos hidromecânicos e elaboração de manuais
de segurança, operação e manutenção
Engº Geotécnico/Geólogo de Profissional com experiência, superior a 10 anos, em
Engenharia projetos geotécnicos de barragens, incluindo tratamento
de fundações.
Engº Estrutural Profissional com experiência, superior a 10 anos, em
projetos estruturais de barragens e/ou projetos estruturais
de recuperação de barragens
Engº Hidráulico Profissional com experiência, superior a 10 anos, em
projetos hidráulicos de barragens e/ou projetos
hidráulicos de recuperação de barragem
Engº Hidrólogo Profissional com experiência, superior a 10 anos, em
estudos hidrológicos para projetos de barragens

Quadro 2. Equipe complementar.


Especialidade Experiência
Engº Mecânico Profissional com experiência, superior a 10 anos, em
projetos de equipamentos hidromecânicos e/ou de
recuperação de estruturas auxiliares de barragens
Engº Eletricista Profissional com experiência, superior a 10 anos, em
projetos elétricos de barragens e/ou projetos elétricos de
recuperação de barragens
Geólogo Profissional com experiência, superior a 10 anos, em
estudos geológicos de fundações de barragens
Para apoio às atividades de campo, a equipe-chave poderá necessitar de uma equipe de apoio
para avaliar anomalias específicas. Essa equipe de apoio pode contar com os seguintes
profissionais:

- Mergulhador
- Topógrafo
- Laboratorista
- Cadista
- Inspetor de campo.

Os profissionais da equipe-chave e da equipe complementar deverão ter registro no


Conselho Regional de Engenharia e Agronomia-CREA, com atribuições profissionais para
o projeto ou construção ou operação ou manutenção de barragens, compatíveis com as
definidas pelo Conselho Federal de Engenharia e Agronomia-CONFEA.

Orientação ao Empreendedor: abaixo são apresentadas sugestões de documentação a ser


exigida dos Proponentes, bem como proposta de política de substituição de profissionais.
Cabe à Contratante definir aquilo que considera mais adequado.

O “Curriculum Vitae” do Coordenador Geral deverá estar acompanhado de atestado e da


Certidão de Acervo Técnico (CAT), expedida pelo CREA, indicando que o profissional
tenha participado na condição de Responsável Técnico e/ou Coordenador em projetos de
barragens do mesmo tipo, com altura superior a 15 m ou volume maior ou igual a 3 hm3.

Os currículos dos profissionais da Equipe Chave deverão estar acompanhados das


Certidões de Acervo Técnico (CAT), expedidas pelos respectivos órgãos de classe, com a
indicação de ter o profissional participado em contratos, cujos serviços realizados
contemplem a área de atuação para qual o profissional tenha sido indicado.

Os currículos dos profissionais das Equipes Chave e Complementar deverão estar


acompanhados de declaração autorizando sua inclusão na Equipe Técnica.

O Coordenador Geral, o Engenheiro Geotécnico e o Engenheiro Estrutural deverão


apresentar declaração, indicando que têm disponibilidade de tempo para executar os
respetivos serviços.

A substituição de qualquer dos profissionais integrantes da Equipe Técnica Chave antes ou


no decorrer da execução dos serviços somente será admitida mediante fatos supervenientes,
fortuitos ou de força maior, devendo ser substituído por profissional de perfil técnico
equivalente ou superior, mediante prévia autorização da Entidade Fiscalizadora.

Para efeito de Avaliação das Equipes Técnica Chave e Complementar serão consideradas
as fichas curriculares dos profissionais que, entre outros, poderão compor a equipe
(Quadros 1 e 2).

9 DOCUMENTOS DISPONÍVEIS PARA CONSULTA

Os documentos existentes, relativos a barragem [nome da barragem], estão listados a seguir


e encontram-se disponíveis para consulta no escritório do empreendedor.
Orientações ao empreendedor: Da listagem abaixo, manter apenas os documentos
disponíveis em seu acervo relativos à barragem objeto do TDR.

1. Plano de Segurança de Barragem (composto por 5 volumes, respectivamente:


Volume I - Informações Gerais, Volume II - Planos e Procedimentos, Volume III-
Registros e Controles, Volume IV - Plano de Ação e Emergência, Volume V-
Revisão Periódica de Segurança de Barragem);
2. Relatórios de inspeções de segurança regular anteriores;
3. Plano do 1º enchimento (se for o caso);
4. Programa de deplecionamento da barragem (se for o caso);
5. Plano de descomissionamento da barragem (se for o caso);
6. A ocorrência de eventos extremos, designadamente cheias, sismos e secas (se for o
caso);
7. Análise dos registros dos instrumentos;
8. Reparações anteriores (se for o caso).

Após julgamento das propostas e seleção da Contratada, o Empreendedor disponibilizará


toda essa documentação para a realização da Inspeção de Segurança Especial de Barragem.

10 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS

Para execução dos serviços objeto deste termo de referência, os seguintes documentos /
manuais estão disponíveis para consulta:
Documento Autor Ano Onde encontrar
Guia de Revisão Periódica de ANA 2014 www.ana.gov.br/segurancadebarragens
segurança de Barragem
Lei nº 12.334, de 20 de setembro Presidência da 2010 http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_
de 2010 República. Casa Civil Ato2007-2010/2010/Lei/L12334.htm
Resolução ANA nº 91/2012 ANA 2012 www.ana.gov.br/segurancadebarragens
Resolução ANA nº 742/2011 ANA 2011 www.ana.gov.br/segurancadebarragens
Guia de Orientação e formulários ANA 2014 www.ana.gov.br/segurancadebarragens
para Inspeção de Segurança de
Barragem
Guia para a Elaboração de Projetos ANA 2014 www.ana.gov.br/segurancadebarragens
de Barragens
Guia para a Elaboração do Plano ANA 2014 www.ana.gov.br/segurancadebarragens
de Operação/Manutenção e
Instrumentação de Barragens
Engineering and Design. Safety of USACE 2011 www.usace.army.mil
Dams-Policy and Procedures
Critérios de Projeto Civil de ELETROBRAS 2003 http://www.eletrobras.com
Usinas Hidrelétricas
NOIB. Normas de Observação e Ministério do 1993 Portaria nº 847/93 de 10 de Setembro.
Inspeção de Barragens Ambiente e Recursos Lisboa
Naturais
11 LOCAL DE EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS E ENTREGA DOS PRODUTOS

Os serviços de campo serão executados no local do empreendimento, sendo os restantes


serviços desenvolvidos em escritório da Contratada.

A entrega do Relatório da Inspeção de Segurança Especial, incluindo a respectiva ficha de


inspeção, será feita no endereço a indicar pelo Empreendedor.

12 ACOMPANHAMENTO E EXECUÇÃO DOS TRABALHOS

As inspeções e os estudos, visando à definição do estado geral da barragem, a serem


desenvolvidos pela Equipe Técnica, poderão ser acompanhados pelo Empreendedor e/ou
por Especialistas por ele contratados, para assegurar a necessária qualidade dos serviços
prestados.

A Contratada deverá comunicar ao Empreendedor e eventualmente solicitar sua presença


sempre que detectar alguma anomalia que assim justifique, mesmo antes da conclusão da
inspeção.

13 DOS CRITÉRIOS DE JULGAMENTO DAS PROPOSTAS

Orientação ao Empreendedor: Sugestão de critérios para julgamento das propostas. Cabe


ao empreendedor selecionar aqueles que julgar mais adequados.

O julgamento da Proposta deverá levar em consideração tanto a Proposta Técnica como a


Proposta de Preço, cada uma com seu respectivo peso (T) e (P). Para tanto serão atribuídas
notas para cada proposta.

Proposta Técnica:
Para o julgamento da Proposta Técnica apresenta-se, como sugestão, alguns critérios que
devem ter em conta o porte da barragem.

No caso de uma barragem de pequeno porte será suficiente a análise do curriculum do


engenheiro contratado para a inspeção.
Critério Pontos
Experiência da Experiência geral em estudos e projetos para 10
empresa ou da equipe implantação de empreendimentos hidráulicos e
técnica experiência específica em estudos e projetos de
recuperação de barragens
Conhecimento do Conhecimento do problema, conhecimento geral do 30
problema escopo dos serviços e atividades a serem
desenvolvidas
Estrutura Organograma, dimensionamento da equipe, 10
organizacional da atribuições e responsabilidades dos técnicos;
empresa ou da equipe cronograma de atividades para execução dos serviços
técnica
Currículo da Equipe Currículo e experiência da Equipe Chave e da Equipe 50
Técnica Complementar, apresentação da Equipe de Apoio
TOTAL 100

A Proposta Técnica terá uma nota (Nt) máxima de 100 (cem) pontos
A nota mínima para considerar a Proposta Técnica elegível é de 70 (setenta) pontos.

Proposta de Preço:
Para avaliação das Propostas de Preços, serão atribuídas notas financeiras (Nf), por
Proposta, conforme descrição que se segue:

A Nota financeira (Nf) será calculada multiplicando-se por 100 a divisão do valor da
proposta financeira mais baixa (Fmin) pelo valor da proposta financeira em avaliação (F),
mediante a fórmula abaixo, utilizando-se duas casas decimais e desprezando-se a fração
remanescente:

Nf = 100 x Fmin/F, onde:

Nf = Nota financeira;
Fmin = valor da proposta financeira mais baixa; e
F = valor da proposta em avaliação.

Proposta Vencedora:
Com base nas notas técnicas (Nt) e financeiras (Nf) apuradas, será atribuída a Nota Final
(N) de cada licitante, com base na fórmula a seguir:

N= (Nt x T) + (Nf x P), onde:

N= Nota Final;
Nt = nota técnica;
T= Peso atribuído à Proposta Técnica; e
P= Peso atribuído à Proposta de Preço.

sendo: T=0,8 e P=0,2


Será considerada vencedora aquela proponente que obtiver a maior Nota Final.

14 DAS OBRIGAÇÕES DAS PARTES

Orientação ao Empreendedor: Cabe ao Empreendedor definir as obrigações que


considerar mais adequadas].

Caso o Empreendedor não elabore um contrato, este termo de Referência (TDR) passa a
ter valor de contrato, se assinado por ambas as partes, assim nas obrigações das partes
citadas abaixo, pode-se usar tanto o termo TDR como Contrato.

São obrigações do Empreendedor:


a) colocar à disposição da Contratada os elementos e informações necessárias à
execução destes TDR;
b) aprovar as etapas de execução dos serviços pertinentes, desde o planejamento até a
sua efetiva concretização;
c) acompanhar e fiscalizar o andamento dos serviços, promovendo o acompanhamento
e a fiscalização sob os aspectos quantitativo e qualitativo;
d) impedir que terceiros executem os serviços objeto destes TDR;
e) rejeitar qualquer serviço executado equivocadamente ou em desacordo com as
especificações constantes destes TDR;
f) atestar a execução dos serviços e receber a Nota Fiscal/Fatura correspondente, na
forma estabelecida nestes TDR;
g) efetuar os pagamentos devidos à Contratada, nos termos definidos nestes TDR;
h) deduzir e recolher os tributos na fonte sobre os pagamentos efetuados à Contratada;
e
i) aplicar à Contratada as penalidades regulamentares, caso sejam explicitadas em
Contrato.

São obrigações da Contratada:


a) executar os serviços descritos em sua proposta, em conformidade com as
especificações e nas condições exigidas nestes TDR;
b) discutir previamente com o Empreendedor a sequência dos trabalhos a serem
desenvolvidos, bem como qualquer alteração que se torne necessária;
c) comunicar ao Empreendedor qualquer anormalidade de caráter urgente e prestar os
esclarecimentos solicitados;
d) assumir inteira responsabilidade pela execução, bem como, por quaisquer eventuais
danos ou prejuízos que possam causar ao Empreendedor ou a terceiros, no
cumprimento destes TDR;
e) apresentar Anotação de Responsabilidade Técnica – ART obtida junto ao respectivo
Conselho Regional de Engenharia e Agronomia – CREA referente à execução dos
serviços objeto desta contratação.
f) mandar desfazer ou refazer qualquer serviço que, a juízo do Empreendedor não
esteja de acordo com o ajustado nos TDR;
g) responder pelas obrigações de natureza tributária, trabalhista, previdenciária ou
resultante de acidente de trabalho, bem como as relacionadas à alimentação, saúde,
transporte, uniformes ou outros benefícios, de qualquer natureza, decorrentes da
relação de emprego no âmbito da contratação;
h) não transferir a terceiros, por qualquer forma, nem mesmo parcialmente, a execução
dos serviços objeto destes TDR;
i) manter, durante a execução dos serviços, as condições de habilitação e qualificação
exigidas nestes TDR;
j) não divulgar informações a terceiros ou realizar publicidade acerca dos serviços,
salvo expressa autorização do Empreendedor; e
k) atuar dentro dos prazos estabelecidos.

15 DO PAGAMENTO

O pagamento será efetuado pelo Empreendedor ao final da execução de cada etapa do


contrato, conforme tabela abaixo, em parcelas calculadas a partir do valor do contrato [ou
estipulado nestes TDR], mediante apresentação de Nota Fiscal / Fatura, no prazo de até X
([prazo a ser estipulado pelo Empreendedor] dias úteis, contados a partir da data do atesto
dos serviços efetivamente prestados.

ETAPA DESCRIÇÃO DA ETAPA PERCENTUAL DO


VALOR TOTAL DO
CONTRATO
1ª Entrega do relatório Final 60% a 80 %
2ª Aprovação do Relatório Final 20 % a 40%

O pagamento deverá ser efetuado por transferência bancária para o banco .......... [banco a
ser indicada pela Contratada].

O Empreendedor disporá do prazo de cinco dias úteis para proceder ao atesto da nota
fiscal/fatura apresentada.

16 DO PRAZO DE ENTREGA

O prazo total das atividades contratadas será de (XXX) semanas/meses.

17 DA VIGÊNCIA DO CONTRATO (OU DURAÇÃO DOS SERVIÇOS)

O Contrato terá vigência de X [prazo a ser estipulado pelo Empreendedor] meses/semanas


a contar da data de sua assinatura.
18 DO LOCAL DE ENTREGA

A entrega dos produtos deverá ser realizada no endereço abaixo: [endereço a ser indicado
pelo Empreendedor].

19 DA APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA

A proponente deve apresentar proposta técnica e financeira conforme descrito no Anexo 1.

Orientação ao Empreendedor: sugestões de obrigações das partes. Cabe ao Empreendedor


definir aquelas que considerar.
MODELOS DA PROPOSTA

Orientação ao empreendedor: Apresenta-se a seguir sugestão de modelo de proposta a ser


exigido dos proponentes, compatibilizado com as sugestões de critérios para julgamento
da proposta apresentado no item 13. Cabe ao empreendedor julgar a conveniência e
oportunidade de adotar o modelo aqui sugerido.

Na elaboração de suas propostas, dando resposta aos presentes termos de referência, a


Proponente deverá apresentar um memorial que, entre outros, contenha considerações sobre
os itens seguintes:

1) Conteúdo da proposta técnica

- Apresentação: carta endereçada ao Empreendedor e assinada pelo Proponente


oferecendo prestar os serviços de consultoria para realizar a Inspeção Especial
de Segurança da Barragem [Inserir nome da Barragem] em conformidade com
o termo de referência.
- Experiência da empresa em trabalhos similares: uma apresentação da sua
experiência recente que seja de maior relevância para o serviço. Para cada
serviço, a apresentação deve indicar os nomes dos Especialistas Principais que
tenham participado, a duração do serviço, o montante do serviço e o
papel/participação do Proponente. ( o quadro abaixo pode ser utilizado a título
de sugestão)

Duração Nome do serviço/e Nome do Valor Função no


breve descrição dos Cliente e aproximado serviço
principais país do do Contrato
produtos/resultados serviço

{exemplo: {exemplo: "Melhoria da {exemplo: {exemplo: {exemplo:


janeiro qualidade de ..............": Ministério de R$ 1 milhão} Membro
2009 - plano mestre elaborado ......., país} principal de
abril para a racionalização de um consórcio
2010} ..........; } A&B&C}

{exemplo: {exemplo: "Suporte ao {exemplo: {exemplo: {exemplo:


janeiro- governo subnacional de município de R$ 1 milhão} único
maio de ......." : minuta da ......., país} Consultor}
2008} regulamentação de nível
secundário sobre
...............}

- Conhecimento do Problema: descrição do conhecimento do problema e


descrição das atividades a desenvolver no âmbito da Revisão Periódica de
Barragem (estudo de documentação, inspeções da barragem e das estruturas
auxiliares, trabalhos de campo, etc.), visando à elaboração do Relatório da
Revisão.
- Estrutura Organizacional: Uma breve descrição da organização do Proponente,
Composição da Equipe Técnica acompanhados dos respectivos atestados,
declarações e CREA, no caso de Engenheiros e Arquitetos e cronograma de
atividades para execução dos serviços.

Neste item deverão obrigatoriamente ser apresentados os seguintes documentos:

- uma declaração que o Proponente conhece e consultou o Guia de Inspeção


Especial de Segurança de Barragem e que seguirá as metodologias nele descritas
e,
- um atestado comprobatório de visita ao local da barragem e área de abrangência
da Inspeção Especial de Segurança, assinado pelo Empreendedor.

Para composição da Equipe Técnica utilizar o quadro abaixo “Relação da Equipe


Técnica”.

RELAÇÃO DA EQUIPE TÉCNICA


Nome da Proponente: Folha:

NOME DOS ÁREA DE ATIVIDADE FORMACÃO


TÉCNICOS

A proposta deverá incluir um cronograma de execução de todos os serviços,


identificando as principais atividades. Para elaboração do cronograma, utilizar o
Quadro seguinte “Cronograma do Trabalho e Planejamento para os produtos”.
CRONOGRAMA DO TRABALHO E PLANEJAMENTO PARA OS PRODUTOS

Produtos 1 Semanas

1 2 3 4 5 6 7 8 9 ..... n TOTAL
Relatório Final
1 Descrição sumária do empreendimento
2 Inspeção de segurança
3 Resumo dos aspetos tratados
4 Conclusões
5 Recomendações
Estimativa de custo das medidas
6
corretivas

1 A duração das atividades deverá ser indicada em formato de gráfico de barras.


2 Incluir uma legenda, se necessário, para ajudar na leitura do gráfico.
Currículo da Equipe Técnica:

Sugere-se que o Curriculum Vitae (CV) de cada membro da Equipe Chave e


Complementar sigam o modelo apresentado no quadro abaixo e contenham no mínimo
as informações ali solicitadas. Caso o modelo não seja seguido, os CV’s apresentados
deverão ter as mesmas informações solicitadas no modelo.

CURRICULUM VITAE (CV)


Título
Nome do Especialista:
Data de nascimento:
País de origem/residência

Educação: {Listar faculdade/universidade ou outra educação especializada, mencionando os


nomes das instituições de ensino, datas em que frequentou, graduação(ões)/diploma(s)
obtido(s)}
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________

Registro histórico de empregos relevante para o serviço: {Começando pelo cargo atual, listar
em ordem inversa.}. Fornecer datas, nome do empregador, nomes dos cargos ocupados, tipos
de atividades realizadas e locais do serviço, além de informações de contato de clientes
anteriores e organização(ões) empregadoras que possam ser contatadas para referências.
Emprego anterior que não seja relevante para o serviço não precisa ser incluído.}

Adequação para o serviço: listar Informação sobre trabalho/serviço anterior que melhor ilustre
a competência para lidar com as tarefas designadas

Informações de contato do Especialista: (e-mail …………………., telefone……………)

Certificado:
Eu, abaixo assinado, certifico que, sob o meu conhecimento e convicção, este CV descreve-me
corretamente, descreve minhas qualificações e minha experiência e que estou disponível para
executar o serviço no caso de outorga. Estou ciente de que qualquer informação ou declaração
falsa apresentada aqui pode resultar na minha desqualificação ou dispensa pelo Cliente.

{dia/mês/ano}
Nome do Especialista Assinatura Data

{dia/mês/ano}

Nome do autorizado Assinatura Data


Representante do Consultor
(o mesmo que assinar a Proposta)

2) Conteúdo da proposta financeira


- Apresentação: carta endereçada ao Empreendedor e assinada pelo Proponente
oferecendo prestar os serviços de consultoria para realizar a Inspeção de Segurança
Especial [Inserir nome da Barragem] em conformidade com o termo de referência.
A carta deverá conter o valor total da proposta
- Formulários: A proposta financeira deverá indicar o custo total dos serviços,
descriminando os custos com pessoal, deslocações, serviços de campo, etc., com
base em preços unitários praticados no mercado. Os quadros abaixo contêm os
formulários que a proponente terá de preencher, incluindo a informação necessária
ao julgamento das propostas.

Orientação ao empreendedor: os quadros seguintes são genéricos e deverão ser adaptados à


equipe indicada para a realização da inspeção especial. A utilização desses quadros
apresentados só se justifica no caso de contratação da inspeção de segurança especial de uma
barragem de grande porte ou de um pacote de X barragens de pequeno ou médio porte.

QUANTITATIVOS E CUSTOS DE PESSOAL


Nome da Proponente: Folha:
Barragem:
Categorias Quantidade Homens. Dia Custo Custo total
unitário
PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR
Consultor C
Coordenador P0
Nível Superior Sénior P1
Nível Superior Médio P2
Nível Superior Júnior P3
PESSOAL TÉCNICO DE APOIO
Técnico Sênior T1
Técnico Médio T2
PESSOAL ADMINISTRATIVO
Técnico Administrativo A1
Sénior
Auxiliar Administrativo A3
VALOR TOTAL EM REAIS:
1) A categoria “P” enquadra não só engenheiros, mas todo profissional de nível superior.
2) A categoria “T” inclui técnicos de nível médio especialmente topógrafos, laboratoristas; supervisores e inspetores de
campo, cadista, calculista, projetista e copistas e auxiliares.
3) A categoria “A” inclui administrativos propriamente ditos, secretárias e auxiliares.
4) Categoria “P” tempo de formado (anos):
- Júnior P3 - mais de 2 anos de formado com o mínimo de 2 anos de experiência em projetos ou obras;
- Médio P2 - de 5 a 8 anos de formado com o mínimo de 5 anos de experiência em projetos ou obras;
- Sênior P1 – de 8 a 10 anos de formado com o mínimo de 8 anos de experiência em projetos ou obras;
- Sênior P0 – acima de 10 anos de formado com o mínimo de 10 anos de experiência em projetos ou obras;
- Consultor C – experiência mínima de 15 anos em projetos ou obras, com nível de pós-graduação.
5) Categoria “T” experiência
- Especializado T2 – mais de 5 anos de formação;
- Especializado T1 – mais de 8 anos de formação com o mínimo de 8 anos de experiência em projetos ou obras;
6) Categoria “A” experiência:
- Auxiliar A3 – nível médio/profissional com mais de 2 anos de formação;
- Auxiliar administrativo sênior A1 – nível médio com mais de 8 anos de formação.
VIAGENS, DIÁRIAS E OUTRAS DESPESAS
Nome da Proponente: Folha:

Barragem:

MEMBRO DA PASSAGENS AÉREAS DIÁRIAS


EQUIPE/FUNÇÃO
QUANT. VALOR TOTAL QUANT. VALOR TOTAL

SUBTOTAL EM REAIS
VALOR TOTAL EM REAIS

OUTRAS DESPESAS: [Aluguel de veículos, aluguel de equipamentos … ]


SERVIÇOS A PREÇO UNITÁRIO
SERVIÇOS DE CAMPO – LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS, E
INVESTIGAÇÕES GEOLÓGICO-GEOTÉCNICAS2
Nome da Proponente: Folha:
Barragem:
DISCRIMINAÇÃO UNID. QUANT. PREÇO (R$)
UNITÁRIO TOTAL
1 – Levantamentos Topográficos ha
2 – Investigações Geológico-Geotécnicas
2.1 – Sondagem Rotativa
2.1.1 – Mobilização e desmobilização de equipes unid.
e equipamentos
2.1.2 – Instalação de Furo de Sondagem Rotativa unid.
ØN
2.1.3 – Sondagem rotativa em rocha Ø N – coroa m
de diamante, barrilete duplo livre
2.1.4 – Deslocamento de Equipamento entre furos unid.
de sondagem afastados de 200 a 500 m
2.1.5 – Ensaio de perda d’água (Lugeon) unid.
2.2 – Sondagem à Percussão
2.2.1 – Mobilização e desmobilização de equipes unid.
e equipamentos
2.2.2 – Instalação do equipamento por furo unid.
2.2.3 – Sondagem à percussão com ensaio de SPT m
a cada metro
2.2.4 – Deslocamento de equipamento entre furos unid.
de sondagem
2.2.5 – Ensaio de infiltração em água unid.
2.3 – Poços de Inspeção
2.3.1 – Poços de inspeção unid.
2.3.2 – Coleta de blocos indeformados unid.
2.4 – Ensaios de Campo
2.4.1 – Umidade Natural unid.
2.4.2 – Densidade Natural unid.
2.5 – Ensaios de Laboratório
2.5.1 – Umidade Natural unid.
2.5.2 – Densidade Natural unid.
2.5.3 – Limite de Liquidez unid.
2.5.4 – Limite de Plasticidade unid.
2.5.5 – Granulometria por Peneiramento unid.
2.5.6 – Granulometria por Sedimentação unid.
2.5.7 – Ensaio de Compactação Proctor Normal unid.
2.5.8 – Massa Específica Real dos Grãos unid.
2.5.9 – Adensamento Oedométrico unid.
2.5.10 – Ensaio triaxial (CU) adensado, não unid.
drenado e saturado
VALOR TOTAL EM REAIS

Orientação ao Empreendedor: Estimativa de custo da contratação

2
Nos casos em que seja reconhecida necessidade de execução de serviços de campo e de laboratório no âmbito da
Inspeção Especial, a proponente deverá utilizar este quadro para indicar os serviços, quantidades e preços unitários.
Para fazer a estimativa de custo da contratação dos serviços, o Empreendedor deve considerar
os custos de mão-de obra especializada e de apoio, com respectivos encargos sociais, as
despesas que a contratada terá para a realização dos serviços, nomeadamente custos de
passagens, diárias, transportes locais e aluguel de equipamentos, bem como despesas
administrativas, impostos e a parcela de lucro da contratada.

Essa estimativa do custo dos serviços não deverá variar muito em termos médios com o tipo de
barragem (Aterro ou Concreto), mas varia significativamente com o porte de cada barragem.

No Guia de Orientação e Formulários para Inspeção de Segurança de Barragem, e nos TDR´s


figura a designação dos técnicos que constituirão as equipes para a realização da Inspeção de
Segurança especial de barragens de pequeno porte, médio porte e grande porte, bem como
uma estimativa do tempo total (intervalo de dias) necessário à realização do serviço,

Para auxiliar nessa estimativa de custo, apresenta-se a seguir metodologia que pode vir a ser
adotada pelo empreendedor. Essa metodologia não substitui procedimentos próprios já
adotados pelo empreendedor, em decorrência de sua experiência prévia ou de exigência de
órgãos de controle.

Custos de Mão-de Obra:

Quadro A1. Estimativa de Custos de Mão-de-obra.


Profissional Nível de Esforço Valor do hh Custo diário Custo Total
(número de dias) (R$) (R$) (R$)
(A) (B) (C) (D) = (C) x 8 (E) = (B) x (D)
Engº. Geotécnico
Engº Hidráulico
etc.
Total A1

(A) Profissionais

O Quadro A2 sugere a composição da equipe em função do porte e tipo da barragem para


execução das referidas atividades.
Quadro A2 - Equipe Técnica sugerida em função do porte e tipo de barragem.
Porte Barragens de terra e de Barragens de concreto
enrocamento
Pequeno Engº. Geotécnico, Engº Engº. Estrutural, Engº
Hidráulico, Topógrafo, Hidráulico, Topógrafo,
Inspetor de campo Inspetor de campo
Médio Engº. Geotécnico, Engº Engº. Estrutural, Engº
Hidráulico, Geólogo de Hidráulico, Geólogo de
Engenharia, Engº. Mecânico, engenharia, Engº Mecânico,
Topógrafo, Inspetor de campo Topógrafo, Inspetor de campo
Grande Devem integrar os Devem integrar os
profissionais definidos na profissionais definidos na
Equipe Chave, Equipe Equipe Chave, Equipe
Complementar e Equipe de Complementar e Equipe de
Apoio Apoio

(B)Nível de esforço

O Quadro A3 sugere os intervalos de números de homens.dia indicativos, para a realização


das atividades objeto do contrato, em função do porte e tipo da barragem e ainda da existência
ou não de instrumentação. O número de homens.dia indicado, em cada caso, refere-se ao
número total de dias de Técnicos superiores e de Técnicos médios.

O empreendedor poderá utilizar esses números como primeira estimativa para elaboração do
orçamento.

Quadro A3. Número de homens.dia para a realização atividades objeto do contrato.


Sem instrumentação Com instrumentação
Barragem Técnico Técnico Técnico Técnico
superior médio superior médio
Pequeno porte 5-6 3-4 6-8 4-6
Médio porte 10 - 12 5-6 12 - 15 6-8
Grande porte 15 - 20 6-8 20 - 25 10-12

(C) Valor de Homem-Hora (HH)

Indicam-se algumas fontes referenciais de custos divulgados por entidades privadas e públicas,
com o objetivo de orientar o empreendedor no julgamento da melhor proposta:

1 - Entidade privada associativa: ABCE (Associação Brasileira de Consultoria de


Engenharia. (http://www.abceconsultoria.org.br/tarifas_de_consultoria.htm)

2 - Entidades públicas:
- SINAPI (Caixa Económica Federal)
(http://www1.caixa.gov.br/gov/gov_social/municipal/programa_des_urbano/SINAPI/e
ncargos_sociais.asp)
- SICRO( DNIT)
(http://www.dnit.gov.br/servicos/sicro/sudeste/sudeste-1/rio-de-janeiro-marco-2014)
Data de referência: Mar/2014
- SCO( Prefeitura do Rio de Janeiro)
(http://www2.rio.rj.gov.br/sco/)
Data de referência: Abr/2014
- DER-SP(Estado de São Paulo)
(http://www.der.sp.gov.br/website/Documentos/tabela_preco.aspx)
Data de referência: 31/03/2014

Despesas Gerais

Quadro A4. Diárias, passagens e outras despesas.


Item Unidade Quantidade Custo Unitário Custo Total
(R$) (R$)
(F) (G) (H) (I) (J) = (H) x (I)
Passagens
Diárias
Aluguel de veículo
Aluguel de Equipamento
Total A2

Aos custos referentes à mão-de –obra (Quadro A1) e custo das despesas gerais (Quadro A4),
deverá ser adicionado o custo dos serviços de campo (se for o caso).

Custo total

O custo total estimativo da contratação corresponde à soma dos custos de mão-de-obra,


despesas gerais, serviços de campo (se for o caso) e deve incorporar também encargos sociais
(caso a tabela utilizada para consulta de valores de homem-hora apresente os valores sem
encargos), impostos, despesas administrativas e percentual de lucro da contratada.

Uma referência relevante para a estimativa das despesas administrativas, encargos, impostos
e percentual de lucro é o Acordão TCU nº 1787/2011. Essas orientações, no entanto, devem
ser utilizadas com cautela, pois mudanças de legislação podem afetar significativamente os
percentuais envolvidos.