Você está na página 1de 2

Diferenças entre texto escrito em 3ª e 1ª pessoa

Narrativas
Texto escrito em terceira pessoa
É um texto que você escreve como uma testemunha.
Exemplo:
Ele é jovem e vive com a sua mãe em uma terra distante, é pobre e trabalha
muito para ter o que comer [...]
Texto escrito em primeira pessoa é assim:
Exemplo:
Eu sou jovem e vivo com a minha mãe em uma terra distante, sou pobre e
trabalho muito para ter o que comer [...].

OBS: Um texto escrito na 3ª pessoa é quando o narrador presencia,


relata, critica, sem se envolver na história.

Argumentação/Dissertação
O texto argumentativo, por definição, deve ser escrito em 3ª pessoa. Porém, há
muitos gêneros próprios da dissertação que aceitam o encontro da 1ª e 3ª
pessoas, como é o caso dos textos de caráter científico. A Resenha e o Artigo
científico, por exemplo, devem ser escritos em 3ª pessoa podendo ter traços da
1ª pessoa do plural, ou seja, verbos conjugados nessa pessoa (lembrando que
estamos falando da 1ª pessoa do plural).

A redação de vestibular, assim como o Resumo, cobram o uso exclusivo da 3ª


pessoa, muito embora o vestibular da FUVEST e outros mais já estejam
aceitando redações com o uso da 1ª pessoa do plural (normalmente o aluno
perde ponto se usar a 1ª pessoa; antigamente, a redação era zerada se tivesse
alguma marca de 1ª pessoa).

Vejamos alguns exemplos:

No techo “Os jovens, que estão entre os maiores usuários das redes sociais na
internet, moldaram a linguagem usada no quotidiano para este meio, com
intenção de facilitar a comunicação”, “os jovens”, o sujeito, está na terceira
pessoa (do plural) e todos os verbos estão conjugados da mesma maneira.

Observem que se um jovem que porventura estivesse escrevendo o texto


dissesse “Nós jovens, que estamos entre os maiores usuários das redes
sociais na internet, moldamos a linguagem usada no quotidiano para este meio,
com intenção de facilitar a comunicação”, ele estaria obrigado a conjugar os
verbos na 1ª pessoa do plural.
Em uma redação isso configura uso desnecessário e é considerado pelos
corretores como falta de cuidado com o gênero textual pedido. Manter a 3ª
pessoa significa mostrar, além do conhecimento do gênero trabalhado, também
uma demonstração de que quem fala está falando com certa isenção, ou seja,
mostrando que mais do que pensar e ser “jovem”, ele procura demonstrar
conhecimento do assunto e conhecimento do que os jovens andam fazendo. É
isso que a 3ª pessoa (singular ou plural) revela: uma tentativa de discutir um
assunto sem estar formando opinião em causa própria. E é isto que um bom
texto acaba revelando, o que a consciência ética do jornalista e do escritor
precisa apresentar. Além de conhecimento, precisa ter e revelar uma certa
isonomia em favor de uma discussão que procure ter, principalmente, a
intenção de clarificar o leitor a respeito do assunto.

Lembrem-se: todo mundo tem uma opinião sobre qualquer assunto. Mas
quando vamos nos pronunciar publicamente (escrever um texto sempre será
pronunciar-se publicamente – talvez só o diário não respeite exatamente essa
regra), devemos trabalhar sempre no sentido de que a opinião que temos seja
argumentada na ótica de um formador de opinião, e evitar que ela seja parte de
algum projeto ideológico que esteja tentando convencer seu leitor a qualquer
custo.

Este princípio também deve ser respeitado no universo acadêmico-científico.


Quando o estudante (de graduação ou de pós-graduação, o pesquisador ou o
profissional que se mantém sempre em processo de pesquisa) escreve teoria,
ciência ou esboços de ideias científicas, ele está procurando mostrar que
aprendeu os conceitos pesquisados, mas que só irá realmente conseguir
prová-los, por meio do texto argumentativo, se o texto estiver bem organizado e
bem escrito.

O Ensino Superior é o momento em que, além de nos formarmos profissional,


temos de aprender a organizar nossos estudos e apresentá-los de forma que
expliquem bem a nossa formação. Levem sempre em consideração aquele
recado da nossa aula: tão importante quanto o conteúdo aprendido é a forma
como o apresentamos, seja ele por meio de um trabalho escrito, seja por meio
das apresentações orais.

PS: Observem que neste texto, argumentativo, eu me utilizei da 3ª pessoa na


maior parte do texto; porém, quando quis criar um ar de aproximação com o
leitor (vocês) utilizei a 1ª pessoa do plural. No caso, o interesse não é
ideológico, mas simplesmente de mostrar o quanto o problema da escrita que
vocês têm, também é um problema meu e de todo mundo que faz um curso
superior.

Leandro Siqueira Lima