Você está na página 1de 13
O importante não é o que se faz, mas como se faz! ÁLGEBRA Professor Edilson
O importante não é o que se faz, mas como se faz! ÁLGEBRA Professor Edilson
O importante não é o que se faz, mas como se faz! ÁLGEBRA Professor Edilson
O importante não é o que se faz, mas como se faz! ÁLGEBRA Professor Edilson
O importante não é o que se faz, mas como se faz! ÁLGEBRA Professor Edilson
O importante não é o que se faz, mas como se faz! ÁLGEBRA Professor Edilson
O importante não é o que se faz, mas como se faz! ÁLGEBRA Professor Edilson
O importante não é o que se faz, mas como se faz! ÁLGEBRA Professor Edilson
O importante não é o que se faz, mas como se faz! ÁLGEBRA Professor Edilson

O importante não é o que se faz, mas como se faz!

O importante não é o que se faz, mas como se faz! ÁLGEBRA Professor Edilson de
O importante não é o que se faz, mas como se faz! ÁLGEBRA Professor Edilson de
O importante não é o que se faz, mas como se faz! ÁLGEBRA Professor Edilson de
O importante não é o que se faz, mas como se faz! ÁLGEBRA Professor Edilson de
O importante não é o que se faz, mas como se faz! ÁLGEBRA Professor Edilson de
O importante não é o que se faz, mas como se faz! ÁLGEBRA Professor Edilson de

ÁLGEBRA

Professor Edilson de Moura Rua Lima, n° 2123 Vila da Base Aérea Campo Grande – MS http://cmalbatahan.blogspot.com (67) 3027-3052 (67) 8405-8056

e i π

Curso

Malba Tahan

Professor Edilson de Moura

3027-3052 / 8405-8056

ÍNDICE ÁLGEBRA

CONJUNTO DOS NÚMEROS RELATIVOS (Z):

1

Operações

1

Expressões

3

CONJUNTO DOS NÚMEROS IRRACIONAIS:

7

Operações com Radicais

11

EXPRESSÕES ALGÉBRICAS:

16

Monômios

17

Operações com Monômios

18

Polinômios

19

Operações com Polinômios

19

M.D.C. e M.M.C. de Polinômios

23

FRAÇÕES ALGÉBRICAS:

23

Operações e Expressões

24

PRODUTOS NOTÁVEIS:

27

Principais casos de Fatoração

27

EQUAÇÃO E INEQUAÇÃO DO 1.° GRAU:

38

PROBLEMAS DO 1.° GRAU:

42

SISTEMAS DE EQUAÇÃO DO 1.° GRAU:

45

PROBLEMAS DO 1.° GRAU COM DUAS VARIÁVEIS:

46

EQUAÇÃO DO 2.° GRAU:

49

Estudo do Discriminante

52

Relação entre Coeficientes e Raízes

54

EQUAÇÃO BIQUADRADA:

57

EQUAÇÕES IRRACIONAIS:

59

SISTEMA DE EQUAÇÕES DO 2.° GRAU:

60

GABARITO DOS EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO:

64

e i π

Curso

Malba Tahan

1

Professor Edilson de Moura

3027-3052 / 8405-8056

ÁLGEBRA

CONJUNTO DOS NÚMEROS RELATIVOS (Z)

1. SUBCONJUNTOS DE Z

Vejamos alguns subconjuntos de Z de grande importância:

a) conjunto Z + dos números inteiros não negativos.

ou

Z + = {0, +1, +2, +3,

Z + = {0, 1, 2, 3,

}

}

b) Z dos números inteiros não positivos.

Z = {0, -1, -2, -3, -4,

}

c) Z* dos números inteiros positivos ou negativos.

Observe que:

X* = {

-3, -2, -1, 1, 2, 3,

Z + = N

Z

Z +

+

Z = Z Z = {0}

}

Observação: convenciona-se que zero é um número neutro, isto é, nem positivo, nem negativo.

2. NÚMEROS OPOSTOS OU SIMÉTRICOS

Considere a reta numerada

-3

-2

-1

0

1

2

3

OU SIMÉTRICOS Considere a reta numerada -3 -2 -1 0 1 2 3 Veja que os
OU SIMÉTRICOS Considere a reta numerada -3 -2 -1 0 1 2 3 Veja que os
OU SIMÉTRICOS Considere a reta numerada -3 -2 -1 0 1 2 3 Veja que os
OU SIMÉTRICOS Considere a reta numerada -3 -2 -1 0 1 2 3 Veja que os
OU SIMÉTRICOS Considere a reta numerada -3 -2 -1 0 1 2 3 Veja que os
OU SIMÉTRICOS Considere a reta numerada -3 -2 -1 0 1 2 3 Veja que os

Veja que os números –3 e 3 estão situados a igual distância do ponto 0 (origem), mas em semi-retas opostas. Dizemos que:

O oposto ou simétrico de 3 é –3

ou

O oposto ou simétrico de –3 é 3.

ou

3 e –3 são opostos ou simétricos.

Então:

Dois números inteiros são opostos ou simétricos quando na reta numerada estão situados em semi-retas opostas e a igual distância da origem 0.

Exemplos:

O oposto de 5 é –5 O simétrico de –38 é 38 Zero é o oposto ou simétrico de si mesmo

OPERAÇÕES COM NÚMEROS INTEIROS

1. INTRODUÇÃO

Admitindo-se que o Rio São Francisco esteja no seu nível normal (0 m) considere as seguintes situações, que se sucedem de a até f.

SITUAÇÃO
SITUAÇÃO

O Rio São Francisco:

OPERAÇÃO
OPERAÇÃO
NÍVEL ATUAL
NÍVEL ATUAL

a) subiu 5 m

0 + 5

=

5 m

b) desceu 1 m

5 – 1

=

4 m

c) desceu 6 m

4 – 6

=

- 2 m

d) desceu 3 m

- 2 – 3

=

- 5 m

e) subiu 4 m

- 5 + 4

=

- 1 m

f) subiu 2 m

- 1 + 2

=

1 m

e i π

Curso

Malba Tahan

2

Professor Edilson de Moura

3027-3052 / 8405-8056

2. OPERAÇÃO ADIÇÃO

Assim como em N, a todo par ordenado (a, b) de números inteiros associamos pela operação adição um outro inteiro c.

OPERAÇÃO +
OPERAÇÃO
+

(0, 5)

0 + (+ 5) = 5 ou + 5

INDICAÇÃO + (0, 5) → 0 + 5 = 5
INDICAÇÃO
+
(0, 5)
→ 0 + 5 = 5
 

+

+

(5, - 1)

5 + (- 1) = 4 ou + 4

(5, - 1)

5 - 1 = 4

+

+

(4, - 6)

4 + (- 6) = - 2

(4, - 6)

4 - 6 = 2

 

+

+

(- 2, - 3)

- 2 + (- 3) = - 5

(- 2, - 3)

- 2 - 3 = - 5

 

+

+

(- 5, 4)

- 5 + (+ 4) = - 1

(- 5, 4)

- 5 + 4 = - 1

+

+

(- 1, 2)

- 1 + (+ 2) = 1 ou + 1

(- 1, 2)

- 1 + 2 = 1.

- 1 + (+ 2) = 1 ou + 1 (- 1, 2) → - 1
- 1 + (+ 2) = 1 ou + 1 (- 1, 2) → - 1

Efetuamos adições de números

Efetuamos

as

mesmas

inteiros, realizando a indicação

adições de números inteiros,

de cada operação.

mesmo sem

todas

as

indicações.

3. PROPRIEDADES DA ADIÇÃO

3.1. Comutativa

Veja:

5 – 6 = - 1

- 6 + 5 = - 1

- 2 – 3 = - 5

- 3 – 2 = - 5

5 – 6 = - 6 + 5

5 – 6 = - 6 + 5

– 2 – 3 = - 3 – 2

– 2 – 3 = - 3 – 2

Como isso ocorre para quaisquer que

A adição é comutativa em Z.

3.2. Associativa

sejam os números inteiros a e b, temos:

a + b = b + a

Observe:

4 + (6 – 5) = 4 + 1 = 5

(4 + 6) – 5 = 10 - 5 = 5

- 2 + (3 – 4) = - 2 + (- 1) =

4 + (6 – 5) = (4 + 6) - 5

– 2 + (3 – 4) = (- 2 + 3) - 4

= - 2

– 1 = -

3

(- 2 + 3) – 4 = 1 – 4 = - 3 Quaisquer que sejam a, b e c números inteiros, temos sempre:

(a + b) + c = a + (b + c)

A adição é associativa em Z.

3.3. Elemento Neutro

Veja:

4

0

+ 0 = - 4

– 4 = - 4

Z. 3.3. Elemento Neutro Veja: – 4 0 + 0 = - 4 – 4 =

- 4 + 0 = 0 – 4 = - 4

Qualquer que seja a Z, temos:

a + 0 = 0 + a = a

Zero é o elemento neutro da adição.

3.4. Elemento oposto ou simétrico

Observe que:

 

2

+ 2 = 0

2

é o oposto ou simétrico de 2

ou

2 é o oposto ou simétrico de – 2.

 

5

– 5 = 0

5

é o oposto ou simétrico de – 5

ou

- 5 é o oposto ou simétrico de 5. Assim, qualquer que seja a Z, existe um elemento b em Z que adicionado a a resulta zero.

a + b = 0

a é o oposto ou simétrico de b. b é o oposto ou simétrico de a.

e i π

Curso

Malba Tahan

3

Professor Edilson de Moura

3027-3052 / 8405-8056

3.5. Fechamento Você já sabe que a operação

adição

é

uma aplicação de

Z x Z em

números inteiros a e b quaisquer é um número inteiro.

a Z e b Z

a + b Z

Então:

Z,

ou

seja, a soma de dois

Z é fechamento para a adição.

4. OPERAÇÃO SUBTRAÇÃO

Veja uma nova maneira de indicar o oposto ou simétrico de um número inteiro; isso lhe facilitará a operação subtração que vem a seguir:

(5) indica o oposto ou simétrico de 5 que é igual a – 5.

(3) indica o oposto ou simétrico de 3 que é igual a – 3.

(- 4) indica o oposto ou simétrico de – 4 que é igual a 4.

(- 10) indica o oposto ou simétrico de – 10 que é igual a 10.

(a) indica o oposto ou simétrico de a que é igual a – a.

(- b) indica o oposto ou simétrico de – b que é igual a b.

Para se eliminar um parênteses precedido de um sinal negativo, basta trocar o sinal do número que está no parênteses.

Veja:

- (+ 5) = - 5

- (- 4) = + 4 ou 4

- (+ 8) = - 8

Dados a e b Z deseja-se obter c tal que c = a b. Isto equivale a dizer que dado o par (a, b)

Z x Z, deseja-se obter um elemento c Z tal que c = a b. Observe:

Z x Z Z
Z x Z
Z
 

(5, 2)

5 – (+ 2) = 3 ou 5 – 2 = 3

(4, 5)

4 – (+ 5) = - 1 ou 4 – 5 = - 1

(4, 4)

4 – (+ 4) = 0 ou 4 – 4 = 0

 

(4, - 5)

4 – (- 5) = 4 + 5 = 9

(- 4, - 5)

- 4 – (- 5) = - 4 + 5 = 1

Observação: A subtração no conjunto Z é sempre possível. Portanto, Z é fechado em relação à subtração. É fácil verificar que as propriedades comutativa, associativa e elemento neutro não são válidas para a subtração em Z.

5. EXPRESSÕES COM NÚMEROS INTEIROS (ADIÇÃO – SUBTRAÇÃO)

Da mesma maneira que você resolveu expressões em N, pode agora resolver em Z.

1)

6 – (- 4) + (5 – 6) =

6

+ 4 + (- 1) =

2)

+ 4 – 1 = 9 12 – (2 + 6)

6

12

– (8) =

12

– 8 = 4

3)

– 5 + [- 3 + (- 5 + 9 – 1)] =

– 5 + [- 3 + (3)] =

– 5 + [- 3 + 3] =

– 5 + [0] =

– 5 + 0 = – 5

4)

(– 2 + 6) – {– 4 + [– 2 + (– 5 – 3) + 2] – (– 3)} =

(4) – {– 4 +[– 2 + (– 8) + 2] + 3} =

4

– {– 4 + [– 2 – 8 + 2] + 3} =

4

– {– 4 + [– 8] + 3} =

4

– {– 4 – 8 + 3} =

4

– {– 9} =

e i π

Curso

Malba Tahan

4

Professor Edilson de Moura

3027-3052 / 8405-8056

6. DETERMINAÇÃO DE UM TERMO DESCONHECIDO NUMA SENTENÇA MATEMÁTICA

Do mesmo modo que fizemos com os números naturais, podemos determinar o termo desconhecido numa sentença matemática com números inteiros aplicando a equivalência entre a adição e a subtração. Recorde:

1)

2)

3)

4)

5)

6)

7)

 

c

b

=

a

 

a

+ b = c

ou

 
 

c

a

=

b

x

= 1

 

x

= 9

 

x = - 8

 
x = 10
x = 10

x + 6 = 7 x – 4 = 5

x + 6 = - 2

7 + x = 3 – 2 = - 3 6 – x = 1

x

7 – 6 = x ou 5 + 4 = x ou - 2 - 6 = x ou

3 – (- 7) = x ou 3 + 7 = x ou

- 3 + 2 = x ou 1 + x = 6

x = - 1
x
= - 1

6 – 1 = x ou

x = 5
x = 5

– 5 – x = - 2

- 2 + x = - 5

- 5 – (- 2) = x ou – 5 + 2 = x ou

x = - 3
x = - 3

Observação: nestes dois últimos exemplos aplicamos duas equivalências.

7. OPERAÇÃO MULTIPLICAÇÃO

A operação multiplicação em Z envolve três casos:

1.° caso: os fatores são positivos

3 . 2 = 2 + 2 + 2 = 6

2.° caso: um fator é positivo e o outro é negativo

3 . (- 2) = - 2 – 2 – 2 = - 6

(- 3) . 2 = - 3 – 3 = - 6 3.° caso: os fatores são negativos (- 3) . (- 2) = !!! Sabemos que:

- 3 é o oposto de 3 ou – 3 = - (3) então, (- 3) . (- 2) = - (3) . (- 2) = - (- 2 – 2 – 2) = - (- 6) = 6

. (- 2) = - (3) . (- 2) = - (- 2 – 2 –

oposto de – 6 Logo: (- 3) . (- 2) = 6

Observe que:

O

produto de dois números inteiros de mesmo sinal é um número positivo.

O

produto de dois números inteiros de sinais diferentes é um número negativo.

Resumindo:

fator

fator

produto

+

+

+

-

-

+

+

-

-

-

+

-

Observação: A todo par ordenado (a, b) de números inteiros associamos pela operação multiplicação um outro inteiro c.

Exemplos: Z x Z
Exemplos:
Z x Z

Z
Z
 
Exemplos: Z x Z ● Z   • (2, 3) → 2 . 3 = 6

(2, 3)

2 .

3

= 6

(- 2, 4)

(- 2) . 4 = - 8

(5, - 3)

5 . (- 3) = - 15

(- 5, - 2)

(- 5) . (- 2) = 10

e i π

Curso

Malba Tahan

5

Professor Edilson de Moura

3027-3052 / 8405-8056

***

e i π

Curso

Malba Tahan

16

Professor Edilson de Moura

1. EXPRESSÕES ALGÉBRICAS

3027-3052 / 8405-8056

POLINÔMIOS

Chamaremos de termo a todo produto indicado. Assim, são termos os produtos: 3 . 4; 2 . x; - 3ab Um termo é também chamado termo algébrico. Ao número que aparece no termo algébrico chamaremos de coeficiente do termo e às letras de parte literal ou variáveis do termo.

termo algébrico
termo algébrico
coeficiente
coeficiente
parte literal
parte literal

5x

5

x

- 9ab

- 9

ab

x 2 y

1

x 2 y

Chamaremos de expressão algébrica à indicação de uma ou mais operações entre termos algébricos.

Exemplos:

1. 2x é uma expressão algébrica de um só termo.

2. 2x + b é uma expressão algébrica de dois termos.

2. 2x + b é uma expressão algébrica de dois termos. 3. x − x é

3. x x é uma expressão algébrica de dois termos.

4. x 2 + 2xy - y 2 é uma expressão algébrica de três termos.

x

5. é uma expressão algébrica indicando divisão.

x

1

As expressões algébricas são:

1. Racionais: quando não apresentam parte literal sujeita a operação de radiciação.

Exemplos:

2x + 4y;

a 2 - 5b 2 ;

3x +

radiciação. Exemplos: 2x + 4y; a 2 - 5b 2 ; 3x + 2 y 2.

2 y

2. Irracionais: quando apresentam parte literal sujeita a operação de radiciação.

Exemplos:

x ; x ;

5x +

sujeita a operação de radiciação. Exemplos: x ; 5x + 2 y ; 7a As expressões

2y ;

7a
7a

As expressões algébricas racionais são:

1.1. Inteiras: quando não apresentam parte literal no denominador.

Exemplos:

x

2

+

y ;

4

x

8y ;

2

3

a

5

3

4

b

1.2. Fracionárias: quando apresentam parte literal no denominador.

Exemplos:

 

1

3x

1 1

x +

;

1;

a

 

x

y

2 b

2. VALOR NUMÉRICO DE UMA EXPRESSÃO ALGÉBRICA

Quando atribuímos valores reais às variáveis de uma expressão algébrica e efetuamos as operações indicadas obtemos o valor numérico dessa expressão. Assim, nos exemplos:

1. a – b, para a = 5 e b = – 2

a – b = 5 – ( – 2) = 5 + 2 = 7

V. N. (valor numérico) = 7

2. 3x 2 y, para x = 2 e y =

3x 2 y = 3 . 2 2 .

V. N. = 4

1 = 4

3

1

3

3. a

+ 2b

, para a = 3 e b = – 1

 
 

a

2

b

2

a

+ 2b

 

3

+

2 . ( 1)

 

3

2

1

a

2

b

2

=

3

2

( 1)

− −

2

=

9

1

=

8

 

1

 

V. N. =

 

8

Observação: No caso da expressão ser fracionária os valores atribuídos às variáveis não podem anular o denominador, uma vez que não existe divisão por zero; vale dizer: uma expressão algébrica fracionária só tem sentido para os valores das variáveis que não anulam o seu denominador.

e i π

Curso

Malba Tahan

17

Professor Edilson de Moura

3. MONÔMIOS

3027-3052 / 8405-8056

A toda expressão algébrica racional inteira de um só termo chamamos monômio.

Portanto:

são monômios

2xa

4

3x 2

1

2

2

a b

4. GRAU DE UM MONÔMIO

não são monômios

2x + b

1 (por quê ?) 3x 2x 4 – 3ª 4 x (por quê ?)
1
(por quê ?)
3x
2x 4 – 3ª
4
x
(por quê ?)

O grau de um monômio é dado pela soma dos expoentes da parte literal. Assim, o monômio

3a 2 x tem grau 3

1

2

2

x

tem grau 2

– 5a 2 b 3 , tem grau 5

Observação: 7 é um monômio, e, como podemos escrever 7 = 7x 0 dizemos que: 7 é um monômio de grau zero.

O

grau de um monômio também pode ser dado em relação a uma de suas variáveis:

O

monômio:

2

3a x

1

2

3

x y



tem grau 2 em relação a a

tem grau 1em relação a x

tem grau 3 em relação a x

tem grau 1em relação a y

5. REDUÇÃO DE TERMOS SEMELHANTES

Dois termos são semelhantes quando têm a mesma parte literal. Exemplos:

2ax

3a 2 xy

e

e

1

2

ax

– 2a 2 xy

2

5a b

c

32

e

e

2

2a b

c

– 19

Podemos reduzir vários termos semelhantes a um só, observando a propriedade distributiva da multiplicação em relação à adição, ou seja.:

a) (2 + 3)a = 2a + 3a

ou

2a + 3a = (2 + 3)a isto é 2a + 3a = 5a

b) 2x + 3x + 4x - 2x = (2 + 3 + 4 - 2)x = 7x logo: 2x + 3x + 4x - 2x = 7x

c) 5a + 3b - 2a +

1 b - 8a

2

Neste caso devemos reduzir os termos semelhantes em a e os semelhantes em b:

Portanto:

5a - 2a - 8a + 3b +

1 b = (5 - 2 - 8) a +

2

logo:

5a - 3b - 2a +

1

2

b - 8a = - 5a +

7 b

2

3

1

+ 2

b = - 5a +

7 b

2

Para reduzir termos semelhantes basta somar os coeficientes desses termos e conservar a parte literal.

e i π

Curso

Malba Tahan

18

Professor Edilson de Moura

3027-3052 / 8405-8056

6. OPERAÇÕES COM MONÔMIOS

6.1. Adição e subtração de monômios

Vamos adicionar os monômios 5x 2 y e 3x 2 y:

(basta somar os coeficientes e conservar a parte literal)

5x 2 y + 3x 2 y = (5 + 3)x 2 y = 8x 2 y

Outros exemplos:

1)

7x 3 + (- 3x 3 ) = 7x 3 - 3x 3 = 4x 3

2)

1 ab - 5ab = -

9 ab

2

2

3)

10ax 2 - (- 4ax 2 ) + ax 2 = 10ax 2 + 4ax 2 + ax 2 = 15ax 2

Observação: A soma algébrica de monômios pode não ser um monômio.

Exemplo:

4ab + 6x 2 - 2ab = 2ab + 6x 2

6.2. Multiplicação de monômios

Vamos multiplicar os monômios 7a 2 b e 2abx 2 . Para isso devemos recordar a propriedade da multiplicação de potências de mesma base:

Assim:

a m . a n = a m+n

7a 2 b . 2abx 2 = 7 . 2 . a 2 . a . b . b . x 2 = 14a 3 b 2 x 2

Outros exemplos:

1)

1

3 x 2 . 9x 2 = 3x 4

x 2 Outros exemplos: 1) 1 3 x 2 . 9x 2 = 3x 4 usando

usando a propriedade comutativa

x 2 . 9x 2 = 3x 4 usando a propriedade comutativa 2) 3) 4) 4x

2)

3)

4)

4x 3 .

3

5

x

2

=

12

5

x

5

- 8xy 3 . (- 2) = 16xy 3

2x 2 yz .

 −

1

2

3

xy z

2

. xy = - x 4 y 5 z 3

6.3. Divisão de monômios

Vamos dividir o monômio 8a 3 b 2 x pelo monômio 4ab. Como em uma divisão o divisor não pode ser nulo, devemos ter:

Devemos recordar, ainda, a propriedade da divisão de potências de mesma base:

4ab ≠ 0

ou seja

a ≠ 0

e

b ≠ 0

a m : a n = a m-n

Assim, (8a 3 b 2 x) : (4ab) = dividindo os coeficientes numéricos 8 : 4 = 2, aplicando as propriedades da divisão de potências de mesma base: a 3 : a = a 2 b 2 : b = b temos:

(8a 3 b 2 x) : (4ab) = 2a 2 bx Outros exemplos:

1)

2)

(35x 6 y 9 ) : (7x 2 y 3 ) = 5x 4 y 6

(5ab 4 ) : (- 2ab) =

5b 3

2

3)

1

5

x

5

Observação:

:

1

2

x  

=

2

5

x

4

O quociente de monômios pode não ser um monômio, por exemplo:

(4x 2 y) : (- 2x 3 y) = - 2x -1 =

2

x

(não é monômio)

6.4. Potenciação de monômios

Vamos efetuar a seguinte potência de monômio:

Devemos recordar as seguintes propriedades de potência já estudadas:

(2a 2 bx 3 ) 3

(a . b) p = a p . b p (a m ) n = a m.n

e i π

Curso

Malba Tahan

19

Professor Edilson de Moura

3027-3052 / 8405-8056

***

e i π

Curso

Malba Tahan

64

Professor Edilson de Moura

3027-3052 / 8405-8056

GABARITO DOS EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

NÚMEROS RELATIVOS

3.

a)

certo

 

c) 10

 

f)

-30

1.

a) +

e)

-202

b)

certo

 

b) -

f)

-143

c)

errado

 

6.

a) 10

 

d)

-18

c) -70

g)

0

b) 3

e)

-4

d) -10

h)

1

4.

a)

-2

d)

-5

c) 4

 
 

b)

22

e)

-36

2.

a) certo

 

c)

0

f)

+72

 

3° lugar

 

b) errado

 

c) errado

5.

a)

8

d)

-2

 

b)

60

e)

1

NÚMEROS IRRACIONAIS

 

d)

28

i)

238

e)

10 2 29 11
10
2
29
11

+ 4

5
5

1.

a)

1

d)

8

9

 

b)

1

e)

-3

 

45

 

f)

 

e)

j)

5

6

 

2

4

 

c)

1

9.

a)

3

d)

2

2.

c; d

5.

a)

2 3 2 2 3 2 10
2
3
2
2
3
2
10
 

b)

1 2

10
10
 

e)

2
2

a)

2

c)

16

b)

c)

 

b)

2

d)

-4

c)

3.

a)

6

g)

9

6.

a)

15

d)

-54

10.

a)

2 4 3 2 6 2 2 4 2 3 5
2 4 3
2 6 2
2 4 2
3 5

e)

4 6 2 4 5 4 45 2 2
4 6
2 4 5
4 45
2
2

b)

c)

d)

8

0,5

243

h)

i)

j)

1

9

4

b)

c)

8

70

e)

f)

24

180

b)

c)

f)

g)

e)

f)

8

8

k)

l)

0,6

100 000

7.

a)

V

d)

F

d)

h)

b)

V

e)

V

 

f)

3 + 2 2
3 + 2
2

c)

V

11.

6,0 pontos

 

4.

a)

0,3

 

a)

F

d)

V

 

2

8.

a)

2 2 - 9 3 6 - 6 6 - 7
2
2
- 9
3
6 - 6
6 - 7

-11

22

10

-3

 

b)

F

e)

V

 

b)

32

g)

1000

b)

c)

V

c)

-1

h)

5

 
 

3

c)

 

d)

RADICAIS

 

c)

2

o)

2

b)

2

6
6
 

1.

a)

a

2 3 b 4 a 3 2 2
2
3 b
4 a
3
2
2

b

 

d)

3

10
10

p)

m

c)

0

b)

a

e)

6

q)

a

d)

3x

11a

xy a
xy
a
 

c)

a

f)

g)

12

2x

r)

s)

3 4
3 4

8

e)

d)

abc c

h)

3 3 2 2 2 6 108 4 3 x
3
3 2
2
2
6 108
4
3
x

t)

18

 
     

7.

a)

3 3 2; 3 10; 2 2 5 3 3 3 x ; 4; 9
3
3
2;
3
10;
2
2
5
3
3
3
x ;
4;
9
5
2
x
5
4
3
2
;
x
;
x
 

e)

5

i)

u)

20

b)

 
2 3 12
2
3
12

j)

v)

12

2.

a)

   

c)

b)

 

k)

w)

8 m

 
   
5 3 3 a
5
3
3
a
 

x

c)

 

l)

x)

9a

 

d)

6 5 4 108; x 7 − 5 12 3 +15
6
5
4 108;
x
7 −
5
12
3 +15

23

 

3.

a)

0

9 2 3
9
2
3

5.

a)

6 x 8 2 x 3 y x 2 2 5 2 2 ab bc
6 x
8 2
x
3
y x
2
2
5
2
2
ab
bc
 

e)

b)

c)

b)

c)

f)

d)

− x

x

d)

g)

4+ 2
4+
2
 

e)

9

2
2
   

7

 

e)

 

h)

7 + 2

7 + 2

 

4.

a)

 
10 3 6
10
3 6

m)

n)

6 y 6 2 2
6 y
6
2
2

6.

a)

3

3 +

3 +

7
7

b)

 

POLINÔMIOS

2.

a)

A + B = 5x – 5y – 2

 

d)

errado

 

1.

a) 5x – 7y + 6z

b)

A + B +C = 4x 2 + 6x – 4

 

b) 5x 2 + 1

 

4.

a)

4x 2 + 4x + 1

 

c) 5x - 1

3.

a)

certo

 

b)

-3x + 4y + 5z

 

d) -6y – 12x

b)

errado

 
 

c)

certo

 

5.

a)

5a 3

e i π

Curso

Malba Tahan

65

Professor Edilson de Moura

3027-3052 / 8405-8056

***