Você está na página 1de 64

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL

INSTITUTO DE MATEMÁTICA
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO
MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL
MESTRADO PROFISSIONAL

MARCOS PINHEIRO MATOS

FUNÇÕES EXPONENCIAIS E LOGARÍTMICAS

CAMPO GRANDE - MS
DEZEMBRO DE 2014
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL
INSTITUTO DE MATEMÁTICA
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO
MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL
MESTRADO PROFISSIONAL

MARCOS PINHEIRO MATOS

FUNÇÕES EXPONENCIAIS E LOGARÍTMICAS

ORIENTADOR: Prof. Dr. CLAUDEMIR ANIZ

Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em


Matemática em Rede Nacional do Instituto de Matemática –
INMA/UFMS, como parte dos requisitos para obtenção do Título de
Mestre.

CAMPO GRANDE – MS
DEZEMBRO DE 2014
FUNÇÕES EXPONENCIAIS E LOGARÍTMICAS

MARCOS PINHEIRO MATOS

Dissertação submetida ao Programa de Pós-Graduação em Matemática em Rede Nacional, do


Instituto de Matemática, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, como parte dos
requisitos para obtenção do título de Mestre.

Aprovado pela Banca Examinadora:

Prof. Dr. Claudemir Aniz – UFMS

Profa. Dra. Janete de Paula Ferrareze Silva – UFMS

Profa. Dr. Vando Narciso – UEMS

CAMPO GRANDE – MS
DEZEMBRO DE 2014
RESUMO

O trabalho apresenta um estudo sobre funções exponenciais e logarítmicas,


iniciamos com um breve histórico sobre a origem dos logaritmos e, logo em seguida,
foi realizado um estudo sobre o desenvolvimento de potências com expoentes reais.
Sobre a função exponencial, apresentamos suas propriedades e caracterização,
registrando também a definição de função inversa. Depois, segue o estudo sobre a
função logarítmica, das propriedades e caracterização. Em seguida, realizamos um
estudo sobre a origem e utilização da tábua de logaritmos. Como aprofundamento
do assunto, dedicamos uma parte ao cálculo das funções exponenciais e
logarítmicas, usando como ferramenta a fórmula de Taylor, a qual fez o uso das
derivadas. Para finalizar este estudo, foram destacadas algumas aplicações sobre
as funções exponenciais e logarítmicas.

Palavras-chave: Exponencial. Logaritmo.


ABSTRACT

The paper presents a study of exponential and logarithmic functions. We begin


with a brief history of the origin of logarithms. Soon after, a study was conducted on
the development of powers with real exponents. About the exponential function, we
present their properties and characterization, also recording the definition of inverse
function. Then follows a study on the logarithmic function of the properties and
characteristics. Then we conducted a study of the origin and use of the board of
logarithms. As a matter of deepening, we dedicate a part the calculation of
exponential and logarithmic functions, using as a tool Taylor's formula, which made
the use of derivatives. Finally this study were highlighted some applications of
exponential and logarithmic functions.

Keywords: Exponential. Logarithm.


“Deus fez os números inteiros, tudo o resto é obra do homem”.

Leopold Kronecker
AGRADECIMENTOS

Agradeço a Deus por tornar possível a realização deste sonho e por permitir mais
uma importante etapa da minha vida profissional.
A minha Família, em especial a minha esposa Kawita Melo Kmniecik Matos pelo
apoio, dedicação e palavras de incentivo, aos meus filhos João Victor e Gabrielly por
estarem presentes nessa caminhada.
Ao meu orientador, Prof. Dr. Claudemir Aniz, pela paciência, disponibilidade e que
sempre não mediu esforços à pesquisa a material bibliográfico. Obrigado pela
sinceridade na orientação, pela qualidade das discussões e pelo empenho quanto
ao alcance dos objetivos traçados.
A CAPES pelo apoio financeiro.
Aos professores da UFMS – Campo Grande, pela dedicação nas aulas e pelas
palavras de incentivo, aos colegas do Mestrado, em especial ao Eder Regiolli e a
Viviam Amorim.
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO................................................................................................................ 1

CAPÍTULO I: A ORIGEM DOS LOGARITMOS....................................................... 3

CAPÍTULO II: FUNÇÃO EXPONENCIAL................................................................. 8


2.1 Potência de Expoente Inteiro............................................................... 8
2.2 Potência de Expoente Racional........................................................... 9
2.3 Potência de Expoente Real................................................................. 11
2.4 Função Exponencial............................................................................ 12
2.5 Caracterização de uma Função Exponencial...................................... 15
2.6 Função Inversa.................................................................................... 17

CAPÍTULO III: LOGARITMOS.............................................................................. 19


3.1 Função Logarítmica............................................................................. 19
3.2 Caracterização da Função Logarítmica............................................... 21
3.3 Tábua de Logaritmos........................................................................... 27
3.4 O Número “ ”...................................................................................... 30

CAPÍTULO IV:CÁLCULO DA FUNÇÃO EXPONENCIAL E LOGARÍTMICA........ 33

4.1 Derivada da Função Exponencial e Logarítmica................................. 33


4.2 Fórmula de Taylor................................................................................ 36
4.3 A Irracionalidade e a Transcendência do ........................................ 44

CAPÍTULO V: APLICAÇÕES...................................................................................... 47
5.1 Lei do Resfriamento de Newton.......................................................... 47

5.2 Juros Contínuos .................................................................................. 48


5.3 Datação por Carbono Radioativo........................................................ 50
5.4 Terremotos........................................................................................... 52

CONCLUSÃO................................................................................................................ 54

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS....................................................................... 55
INTRODUÇÃO

A proposta deste trabalho é fazer um estudo sobre funções exponenciais e


logarítmicas, sendo que, uma parte dele foi dedicado ao estudo de cálculo dessas
funções. Para desenvolvê-lo, duas ideias básicas foram necessárias: a primeira diz
respeito ao tratamento da Matemática e das Ciências Exatas, isto é, como a
utilização de teorias; e, a segunda, refere-se à ênfase na origem e aplicabilidade do
conteúdo. Para concretizá-lo, assim está organizado.
No primeiro capítulo, faremos um breve histórico sobre a origem dos
logaritmos que contribuíram para o desenvolvimento da matemática, citando alguns
dos iniciadores desse processo como: Jost Burgi, John Napier e outros responsáveis
pelos importantes avanços, os quais buscam o fortalecimento, análise das técnicas
de cálculos e aprofundamento sobre o estudo dos crescimentos exponenciais e
logaritmos.
Já no segundo, definimos potências com expoente inteiro e suas
propriedades, potências com expoente racional e real. Logo em seguida, realizamos
um estudo sobre a função exponencial, sua definição, propriedades, representação
gráfica e a caracterização de uma função exponencial. E, explicitamos, ainda, a
definição de função inversa.
No próximo capítulo, apresentamos o estudo sobre função logarítmica,
destacando as propriedades dos logaritmos, a caracterização dessa função e sua
representação gráfica. Logo em seguida, explicitamos a representação dos
logaritmos decimais em sua representação em “tábuas”, a partir de sua origem,
passando por seu uso efetivo quanto ao como eram feitos os cálculos com esse
instrumento. E, apresentamos ainda, uma base especial do sistema de numeração
logarítmica, o número .
O penúltimo foi dedicado ao cálculo das funções exponenciais e logarítmicas,
usando como ferramenta a fórmula de Taylor, para uma aproximação local de
função por um polinômio de ordem n, a qual fez o uso das derivadas. Depois,
realizamos um estudo sobre o número , demonstrando sua irracionalidade e
comentando sobre sua transcendência.

1
Para finalizar, neste quinto e último capítulo, serão abordadas as aplicações
clássicas que envolvem funções exponenciais e logarítmicas, associando a teoria
com a prática.

2
CAPÍTULO I

A ORIGEM DOS LOGARÍTMOS

Neste capítulo, sobre a origem dos logarítmos, fundamentamos o trabalho nas


contribuições de autores que já escreveram acerca do assunto. Dentre eles,
destacamos os estudos de Geraldo Ávila e Elon Lima.

Há tempos era algo muito dispendioso realizar operações de multiplicação,


divisão, potenciação e radiciação, porque não podíamos contar com o auxilio de
calculadoras. No tempo do desenvolvimento da Astronomia e da Navegação, final do
século XVI, era um problema essencial, já que não se podia determinar um método
que permitisse fazer as operacionalizações aritméticas com maior agilidade.
Diante dessas dificuldades, muitos estudiosos da época foram em busca de
caminhos onde se pudessem achar soluções, destacando-se o teólogo e
matemático escocês John Napier (1550-1617) e o matemático e inventor suíço Jost
Bürgi (1552 – 1632) que publicaram as tabelas logarítmicas, que posteriormente
receberam a denominação “Tábuas de Logarítmos” – consideradas como uma das
grandes descobertas científicas daquele século.

A influência de John Napier no desenvolvimento dos Logarítmos1 foi mais


difundida que a de Jost Bürgi, tornando-se mais conhecido. Dos nomes que fizeram
história vale evidenciar esses dois estudiosos, entretanto, queremos destacar o
nome de John Napier.
Esse matemático nasceu na Escócia, pertencente a uma família abastada e
com certo prestígio. Foi educado na Escócia e teve um grande interesse por estudar
1
Logos – Grego(=razão) e ARITHMOS (=número)
3
Teologia e Aritmética. Com o tempo viu-se voltado para os estudos de literatura
clássica e matemática. Abandona seus estudos na Escócia e vai em busca do novo,
na Europa, tendo realizado as primeiras tentativas com referência ao
desenvolvimento da base dois para a contagem. Estudou com profundidade os
princípios que fundamentam a notação dos números e a história da notação arábica
descobrindo suas raízes na Índia.
Ao voltar à Escócia engaja-se na polêmica da reforma protestante e, por volta
de 1590, já havia conseguido um sólido e completo conhecimento da
correspondência entre as progressões aritméticas e geométricas, o que lhe serviu
como base, a fim de que desenvolvesse o conceito de logarítmo.
John Napier tinha no estudo da Matemática um passatempo, o que lhe auferiu
a fama de inventor, pois era autor de inúmeros inventos, verdadeiros engenhos,
alguns de natureza bélica, com o destino de conter a invasão de Filipe II, mas não
foram construídos. De suas invenções, ainda hoje, existem artifícios para o ensino
do Matemático e um deles é conhecido por “Napier’s bonés” ou “Ossos de Napier”
que são utilizados para a divisão e a multiplicação de maneira mecânica.
Várias outras contribuições são legados de John Napier, tais como as
expressões exponenciais para funções trigonométricas e a introdução da notação
decimal para frações, além de outras como a trigonometria esférica. No entanto, a
sua contribuição mais importante foi a criação dos Logaritmos, publicada em um
tratado no ano de 1614, tendo abrangido a descrição do referido método juntamente
com um conjunto de tabelas e regras. A intenção do cientista Napier era oferecer
uma grande ajuda aos astrônomos, livrando – os assim de erros de cálculos com
grandes números.
Uma particularidade que, embora estivesse inserido no trabalho de Napier em
suas aplicações de logaritmos o número “ ”, do logaritmo natural, só foi estudado
com maior profundidade cerca de um século depois, quando Leonhard Euler utilizou
a letra “ ” para representá-lo e deu o nome ao logaritmo que tem
este número como base, de neperiano em homenagem a seu
descobridor.
John Napier dedicou-se a estudar os Logarítmos durante
vinte anos e só seus resultados em seu livro “Mirifici Logarithmorum
Canonis Descriptio”, em 1614, que significa “Uma Descrição da

4
Maravilhosa Regra dos Logaritmos.”
Napier juntou-se ao inglês Henry Briggs (1561-1631), após
a aplicação da primeira tábua de Logaritmos e apresentou uma
nova tábua, possibilitando uma melhor interpretação, contendo os
denominados Logaritmos Decimais.
Segundo Carl Boyer (1996), essa tábua foi publicada por
Briggs em “Logarithmorum Chilias”, no ano de 1617.
Os trabalhos de Napier e Bürgi foram produzidos independentemente um do
outro, uma vez que o primeiro publicou as suas tábuas, em 1614, em Edimburgo, e o
segundo foi em 1620, em Praga.
Interessante ressaltar que os Logaritmos foram ficando cada vez melhor,
auxiliando nos problemas matemáticos.
Sabe-se que o objetivo dos cientistas era descobrir uma maneira de “facilitar
os laboriosos cálculos trigonométricos da Astronomia e da Navegação”, como
assinala Geraldo Ávila (RPM 26). A ideia fundamental era a substituição da
operação mais complicada – multiplicação e divisão por operações de adição e
subtração, consideradas mais simples.
Lembra-nos, ainda, Geraldo Ávila, em seu artigo (RPM 26) que:

Os primeiros logarítmos neperianos tinham sérios


inconvenientes e foram logo modificados por ele mesmo e por
Henry Briggs (1561-1631), um dos primeiros e mais ardentes
entusiastas, do trabalho de Napier. O resultado foi o
aparecimento dos Logaritmos de Briggs, ou Logaritmos
Decimais. Briggs públicou sua primeira tábua em 1617; e
depois, em versão bem mais ampliada, em 1624.

Cabe mencionar que a invenção dos Logarítmos causou um impacto


determinante no desenvolvimento científico e tecnológico, tanto que o astrônomo
Kepler (1571-1630) saudou a invenção como um alívio e uma benção ao astrônomo,
pois aumentaria consideravelmente sua capacidade de computação. Com o uso
incessante dessa nova invenção, Kepler descobriu sua 3ª lei planetária.
Depois da invenção da Tábua de Logarítmos e com o estudo e o empenho
dos estudiosos vimos que houve uma melhora considerável na construção de
caminhos para busca de soluções mais rápidas e eficientes dos problemas.

5
Após a invenção de John Napier (ou Neper) e Joost Bürgi, o novo instrumento
de cálculos foi sendo aperfeiçoado, tendo acréscimos inseridos por outros
estudiosos como Henry Brigs que construiu uma extensa tábua de logaritmos
decimais e em 1624, publicou sua Arithmética Logarithmica, uma tábua dos
logaritmos dos primeiros 20000 números inteiros e dos números de 90.000 a
100.000, cada logaritmo calculado com quatorze casas decimais. O espaço entre
20000 e 90000 deixado por Briggs foi preenchido por Adrian Vlacq, matemático
Holandês que, em 1628, publicou uma tábua dos logaritmos dos primeiros 100 000
números inteiros, servindo de modelo para todas as tábuas que foram publicadas
desde a época até meados do século XX.
Martha Salermo Monteiro – IME – USP, faz-nos uma colocação de que
acredita-se que Napier e Burgi tiveram utilização seria extremamente importante
para que a ciência se desenvolvesse, facilitando cálculos utilizados nas grandes
navegações, nos estudos desenvolvidos pelos astrônomos e na engenharia e em
outros segmentos e profissões. As tábuas de Logarítmos foram utilizadas por vários
séculos, sendo finalmente substituídas, já em época mais recente, por calculadoras
e computadores, por volta dos anos 60.
Interessante evidenciar que a invenção de Napier e Burgi se espalhou
rapidamente pelo mundo, por meio de seu uso por matemáticos italianos, franceses,
alemães e até mesmo chineses, no século XVII.
É importante notar que, mesmo que os logaritmos venham do resultado da
relação inversa da potencialização, nessa época de seu surgimento ainda não se
usava expoentes em Matemática. Há, porém, uma afirmação de que existem dois
pais para a invenção: Napier que construiu sua tábua a partir de noções geométricas
e Burgi que criou a sua a partir das noções algébricas. Existem também os
precursores, dos quais evidenciamos Stifel, que a história referencia como o pai do
embrião da do logaritmo. Ao publicar o mais importante tratado de álgebra da
Alemanha, no século XVI, faz aparecer pela primeira vez o triângulo dos coeficientes
do binômio, até os de ordem 17, incluindo a fórmula recorrente entre eles hoje
conhecida como Relação de Stifel.
De acordo com o que vimos, os Logaritmos foram inventados como
instrumento auxiliar dos cálculos aritméticos, transformando produtos em soma,

6
quocientes em diferenças e sua utilidade até bem recentemente foi incontestável,
tendo prestado serviços reconhecidos e elogiados por muitos.
Para Elon Lages Lima (IMPA – RJ – RPM 18):

Além de seu emprego generalizado para tornar possíveis


operações aritméticas complicadas, as funções logarítmicas,
juntamente com suas inversas, as exponenciais, revelaram-se
possuidoras de notáveis propriedades que os qualificavam
como modelos ideais para certos fenômenos de variação, nos
quais a grandeza estudada aumenta (ou diminui) com taxa de
variação proporcional à quantidade daquela grandeza existente
no momento dado.

Ainda há um enorme interesse das funções exponenciais e logarítmicas na


Matemática, nas Ciências e na Tecnologia, por conseguinte, mesmo com o advento
e uso universal das calculadoras e a consequente perda de interesse nos logaritmos
como instrumento de cálculo aritmético, lembramos Elon Lages Lima de que a
importância científica dos mesmos não diminuiu na atualidade, podendo afirmar sem
perigo de erro que, enquanto houver Ciência, haverá aplicações das funções
logarítmicas e exponenciais. O estudante moderno, pós-moderno deve levar em
consideração, sem preconceito nenhum os logaritmos em qualquer base,
evidenciando com grande destaque os logaritmos naturais, aqueles que têm por
base o número . Esse número tem uma importância fundamental que decorre sua
particularidade de aparecer em vários lugares ao mesmo tempo, por isso deve ser
apresentado ao aluno de Matemática ainda cedo, assim que lhe for apresentados os
logaritmos, a fim de que ele os utilize sem qualquer estranheza e sem dificuldades.
Cabe acentuar que a notação que usamos hoje para os Logarítmos foi
estabelecida por Leonhard Euler, responsável também por notar a relação dos
logarítmos com a função exponencial, já no século XVIII.

7
CAPÍTULO II

FUNÇÃO EXPONENCIAL

Neste capítulo do trabalho, referimo-nos à função exponencial. Destacamos


como referência: Geraldo Ávila, Elon Lima, Roberto Luiz Dante e Gelson Iezzi.

2.1 POTÊNCIA DE EXPOENTE INTEIRO


Seja um número real e um número inteiro. Potência de base e
expoente é o número tal que

Propriedades das potências


Sejam , , sendo e . Então
valem as seguintes propriedades:
(1)

(2)

(3)

(4) ( )

(5) =

Lema 2.1: Se então , .

Demonstração: Se então, multiplicando ambos os membros desta


desigualdade por , obteremos .

Como consequência do lema 2.1, temos


.
8
Em particular , para e para com De
fato e

Lema 2.2: Se então , .

Demonstração: Se , então multiplicando ambos os membros desta


desigualdade por teremos .

Como consequência do lema 2.2,
.

Em particular , para e para e

Lema 2.3: Se , a sequência formada pelas potências , , é ilimitada


superiormente, isto é, fixado um número real existe tal que .

Demonstração: Escrevendo a expressão com . Pela desigualdade


de Bernoulli, temos Logo, dado se tomarmos ,
teremos e, com maior razão, .

Lema 2.4: Se então as potência de decrescem abaixo de qualquer cota


positiva. Ou seja, fixado existe tal que

Demonstração: Escrevendo , teremos . Do Lema 2.3 existe tal


que , ou seja, , donde .


2.2 POTÊNCIA DE UM EXPOENTE RACIONAL.

Dado um número real e um número inteiro o símbolo √ é a


solução positiva da equação

9
Seja onde e com defini-se

potência de base e expoente por:


√ .

Propriedade 2.5: sendo .

Demonstração: Sejam e números racionais com e . Por

definição:

(√ ) e .
Logo
.
Vemos que é o número cuja –ésima potência vale . Isto que dizer
que:

Como
,

temos
.

Propriedade 2.6: Se e com então .

Demonstração: Sejam e números racionais com e . Temos

que, se e somente se . Por definição e .


Como e temos que , ou seja, .
Portanto .

Propriedade 2.7: Se e com então .

Demonstração: Sejam e números racionais com e . Temos

que, se e somente se Por definição e

10
Como e temos que , ou seja, .
Portanto

Lema 2.8: Fixado o número real positivo , em todo intervalo não degenerado
de existe alguma potência , com .

Demonstração: Dados , devemos achar tal que a potência


pertença ao intervalo , isto é, . Por simplicidade, suporemos e
maiores do que 1. Os demais casos podem ser tratados de modo análogo. Como
as potências de expoente natural de números maiores do que 1 crescem acima de
qualquer cota pré-fixada, podemos obter números naturais e tais que

e ( )

Na última relação decorrem sucessivamente


⁄ ⁄
e consequentemente ( ) .

Logo, se é tal que então


( ) .

Assim, as potências
⁄ ⁄

são extremos de intervalos consecutivos, todos de comprimento menor do que o


comprimento do intervalo . Como , pelo menos um

desses extremos, digamos , está contido no intervalo .


2.3 POTÊNCIA DE EXPOENTE REAL


Seja um número real positivo. A função exponencial de base ,
indicada por , deve ser definida de modo a ter as seguintes
propriedades, para quaisquer :
1) .
2)
3) quando e quando .

11
A propriedade 3 impõe que a função exponencial deve ser crescente se e
decrescente se . Portanto existe uma única maneira de definir ,
quando for irracional.
De fato, para fixar raciocínio consideremos o caso .
Neste caso tem as seguintes propriedades, se , com
então .
Seja um número real cujas aproximações for falta são , com ,
, e cujas aproximações por excesso são , com , .
O número é o único número que satisfaz tal propriedade. De fato, se
existissem dois números reais diferentes satisfazendo a mesmo propriedade
de então para teríamos .
Mas isto implicaria que o intervalo e não conteria nenhuma potência de com
expoente racional contrariando o Lema 2.8.

2.4 FUNÇÃO EXPONENCIAL

Dado um número real , com e , chamamos de função


exponencial de base a função dada por . Como
consequência das considerações da seção anterior:

é crescente se , ou seja, .
é decrescente se , ou seja, .

Uma função exponencial tem as seguintes propriedades.


Propriedade 2.9: A função definida por , é ilimitada
superiormente.

Demonstração: Com efeito, todo intervalo em contém valores , com


.

12
Propriedade 2.10: A função exponencial é contínua.

Demonstração: Isto significa que, dado , é possível tornar a diferença


tão pequena quanto se deseja, desde que seja tomado suficientemente
próximode . Dito de outro modo: o limite de quando tende a é igual a .
Em símbolos:
Esta afirmação pode ser provada assim: escrevemos , logo e
então . Ora, pode-se mostrar que pode ser tornado tão
próximo de quanto desejemos, desde que tomemos suficientemente pequeno.
Como é constante, podemos fazer o produto tão pequeno quanto o
queiramos. Isto implica que , ou seja,

Propriedade 2.11: A função exponencial é
sobrejetiva.

Demonstração: Esta afirmação quer dizer que para todo número real existe
algum tal que . Para prová-la, escolhemos, para cada , uma

potência , com no intervalo ( ), de modo que .

Portanto . Para fixar as ideias, supomos . Escolhemos as


potências sucessivamente, tais que

Certamente, podemos fixar tal que . Então a monotonicidade da


função nos assegura que
Assim, é uma sequência monótona, limitada superiormente por . A
completude de garante então que os elementos da sequência são valores
aproximados por falta de um número real , ou seja, tal que .A
função exponencial sendo contínua garante que como queríamos

demonstrar.

13
Gráficos
Com relação ao gráfico da função , podemos dizer que:
a curva está toda acima do eixo dos , pois para todo .
corta o eixo no ponto de ordenada 1.
se é uma função crescente e se é uma função decrescente.

Crescente

Decrescente

14
2.5 CARACTERIZAÇÃO DE UMA FUNÇÃO EXPONENCIAL

Teorema 2.12: Seja uma função crescente ou decrescente. São


equivalentes as afirmações:
para todo e todo
para todo onde ;
para quaisquer .

Demonstração: Provaremos as implicações .


a)
Observa-se que a hipótese acarreta que, para todo número racional com

e tem-se . Com efeito , assim pode-se escrever


, logo

Assim, se pusermos , tem-se para todo .


Para completar a demonstração de que suponhamos, a fim de fixar as
ideias que seja crescente, logo . Vamos admitir, por absurdo,
que exista um tal que . Digamos, por exemplo, que seja ,
então em todo intervalo existe uma potência com racional tal que
, ou seja, . Como é crescente, tendo ,
concluímos que . Por outro lado, temos também , logo . Esta
contradição completa prova que .

b)
Tem-se .

c)

⏞ ⏞

15
Assim se caracteriza a função exponencial, segundo LIMA;
As funções exponenciais são, juntamente com as funções afins e
as quadráticas, os modelos matemáticos mais utilizados para
resolver problemas elementares. As funções afins ocorrem em
praticamente todos os problemas durante os oitos anos da
escola e, com menos exclusividade, porém ainda com grande
destaque, nos três anos finais. Por sua vez, as funções
quadráticas e exponenciais aparecem nesses três últimos anos,
embora tenham, principalmente as últimas, importância
considerável na universidade, bem como nas aplicações de
Matemática em atividades científicas ou profissionais. (LIMA,
2001, V. 1. p, 183).

Uma função é do tipo exponencial quando se tem para


todo , onde e são constantes positivas. Se então é crescente e
, então é decrescente.
Se a função é de tipo exponencial de base a, então para quaisquer
, os quocientes

e .

Dependente apenas de , mas não de .


O próximo teorema caracteriza uma função do tipo exponencial.

Teorema 2.13: Seja uma função crescente ou decrescente, tal que, para
quaisquer, o acréscimo relativo dependa apenas de
, mas não de . Então se e , tem-se para
todo .

Demonstração: Como vimos acima, a hipótese feita equivale a supor que


independente de . Substituindo, se necessário, por
, onde , continua crescente ou decrescente, com
independente de e, agora, com . Então, pondo na
relação obteremos para todo . Observa-se
que a função crescente ou decrescente cumpre , ou seja que
a para quaisquer . Pelo teorema anterior, ,
logo

16
2.6 Função Inversa

Diz-se que a função é a inversa da função quando se tem


e para quaisquer e . Evidentemente, é
inversa de se, e somente se, é inversa de .
Quando é a inversa de , tem-se se, e somente se, .

Lema 2.14: Se a função possui uma inversa então é injetiva e


sobrejetiva, ou seja, é uma correspondência biunívoca entre e .

Demonstração: Existe uma função tal que e para


quaisquer e . A função é injetiva, pois
( ) ( )
Por sua vez, a igualdade de , valendo para todo , implica
que é sobrejetiva pois, dado arbitrário, tomamos e temos
.

Lema 2.15: Se é uma correspondência biunívoca entre e então
possui uma inversa .

Demonstração: Para definir , notamos que, sendo sobrejetiva, para todo


existe algum tal que . Além disso, como é injetiva, este é único.
Pomos então . Assim é a função que associa a cada o
único tal que . É imediato que e para
quaisquer e .

Quando é a função inversa de , escreve-se .
Prova-se que uma função contínua , definida num intervalo , só
pode ser injetiva se for monótona (crescente ou decrescente).
Portanto, afim de que uma função contínua ( intervalos de )
possua uma inversa, é necessário que seja crescente, ou decrescente, além de
sobrejetiva.

17
Lema 2.16: A inversa de uma função crescente é crescente.

Demonstração: Seja , a inversa de , isto é, ( ) e ( )


para todo e . Provemos que é crescente. De fato, se então
( ) . Como é crescente, logo . Ou seja, é
crescente.

Lema 2.17: A inversa de uma função decrescente é decrescente.

Demonstração: Seja , a inversa de , isto é, e


para todo e . Provemos que é decrescente. De fato, se , então
( ) . Como é decrescente, então . Ou seja, é
decrescente.

Antes de falar sobre o gráfico da função inversa, relembramos a noção de
simetria em relação a uma reta.
Dois pontos , no plano dizem-se simétricos em relação a uma reta nesse
plano quando é a mediatriz do segmento . Duas figuras dizem-se simétricas em
relação à reta quando cada ponto de umas delas é o simétrico de um ponto da
outra em relação a essa reta.
Chama-se diagonal do plano ² a reta formada pelos pontos que tem
abscissa e ordenada iguais.
O simétrico do ponto em relação à diagonal é o ponto
. Com efeito, o segmento é uma diagonal do quadrado cujos os
vértices e , quando é o prolongamento da outra diagonal.
Se são conjuntos de números reais e
é a inversa da função então
o gráfico da função é o simétrico do gráfico
da função em relação à diagonal
Com efeito, temos
.

18
CAPÍTULO III

LOGARITMOS

Neste capítulo do trabalho, referimo-nos à função Logarítmica. Destacamos


como referência os estudos: Geraldo Ávila, Elon Lima, Roberto Luiz Dante, Renato
Fraenkel e Gelson Iezzi.

3.1 FUNÇÃO LOGARÍTMICA


Teorema 3.1: Sejam , e dois reais quaisquer. Então existe um
único real tal que .

Demonstração: Pela propriedade 2.11 a função exponencial , é


sobrejetora, portanto dado existe tal que . Como a função é
injetora este é único.

Definição 3.2: O único real tal que chama-se logaritmo de na base e
indica-se por .

Em outras palavras, se, e somente se, .


Propriedades imediatas
, , .

Seja e , a função dada por chama-se


função logarítmica de base . A função logarítmica é a inversa da função
exponencial.

Propriedade 3.3: O logaritmo do produto de dois números é igual à soma dos


logaritmos desses números,
.

Demonstração: Considerando , e , temos:


e .

19
.
Como a função exponencial é injetora, então , isto é,
.

Propriedade 3.4: O logaritmo do quociente de dois números é igual à diferença dos
logaritmos desses números,

( ) .

Demonstração: Considerando ( ) , temos:

; ;

Como a função exponencial é injetora, então , isto é,

( ) .


Propriedade 3.5: O logaritmo de potência de base e é igual ao produto
do expoente da potência pelo logaritmo da base da potência,
.
Sendo é um número real.

Demonstração: Considerando e temos:


;
.
Como a função exponencial é injetora, então , isto é,
.

Propriedade 3.6: A mudança de base, , em que c é real, positivo e

diferente de 1.
Demonstração: Considerando ; ; , temos:
; ; .

20
Daí:

.
Como a função exponencial é injetora, logo

e (com ) .

Propriedade 3.7: A função logarítmica é crescente se e


decrescente se .

Demonstração: A função logarítmica é a inversa da função


exponencial . Como a função exponencial é crescente de e
decrescente se , o resultado segue como consequências dos lemas 2.16 e
2.17.

3.2 CARACTERIZAÇÃO DA FUNÇÃO LOGARÍTMICA

Uma função real , cujo domínio é o conjunto ,


chama-se função logarítmica ou um sistema de logaritmos quando se tem as
seguintes propriedades:
é uma função crescente, isto é,
, para quaisquer .

Para todo , o número chama-se o logaritmo de .


Segue agora uma lista de propriedades das funções logarítmicas, isto é,
propriedades que são consequências de A) e B) acima enunciados.

Propriedade 3.8: Uma função logarítmica é sempre injetiva, isto é,


números positivos diferentes tem logaritmos diferentes.

Demonstração: Com efeito, se são diferentes, então ou ou .


No primeiro caso, resulta de A) que . No segundo caso tem-se
. Em qualquer caso, de conclui-se que .

21
Propriedade 3.9: .

Demonstração: então .

Propriedade 3.10: Os números maiores do que 1 têm logaritmos positivos e os


números positivos menores do que 1 têm logaritmos negativos.

Demonstração: Com efeito, sendo crescente, de resulta em


, isto é, .

Propriedade 3.11: Para todo , tem-se

Demonstração: Com efeito, de resulta em


donde

Propriedade 3.12: Para quaisquer , vale .

Demonstração:

Propriedade 3.13: Para todo e todo número racional ⁄ tem-se
.

Demonstração: Façamos em duas etapas:


Em primeiro lugar, observar-se que a propriedade B) se estende
para todo o produto de um número qualquer fatores. Por exemplo,
( ) ,
e assim por diante:
.
Em particular, se então

.
Portanto, a propriedade 3.13 vale quando é um número natural.

22
Ela também vale quando , pois, para todo número tem-se que ,
logo .
Consideremos agora o caso em que isto é, onde é um inteiro
negativo. Então, para todo temos . = 1. Logo
.
E daí

Finalmente, o caso geral, em que ⁄ , onde e .


Para todo temos

.
Logo , em virtude do que já foi provado. Da igualdade
que , resulta que ( ⁄ ) ou seja .

Propriedade 3.14: Uma função logarítmica é ilimitada superior e


inferiormente.

Demonstração: A afirmação acima significa que, dados arbitrariamente números


reais e , é sempre possível achar números positivos e tais que e
. Suponhamos que nos seja dado um número real e que se propõe a
achar um número tal que . Procederemos da seguinte maneira:
tomamos um número natural tão grande que Como é positivo
(Propriedade 3.10), temos . Usando a Propriedade 3.13, vemos que
. Portanto . Agora é só escolher . Temos .
Isso mostra que é ilimitada superiormente.
Para provar que também é ilimitada inferiormente, basta lembrar que
Dado qualquer número real , como vimos acima, podemos achar
tal que . Então, pondo , teremos .

Teorema 3.15: Se é uma função logarítmica e é uma constante
positiva arbitrária, então a função definida por também é
uma função logarítmica.

23
Demonstração: Vamos provar que a função satisfaz as propriedades A) e B).

A) , logo
.
B) , logo
.

Teorema 3.16: Dadas as funções logarítmicas , existe uma constante


tal que para todo

Demonstração: Suponhamos inicialmente que exista um número tal que


Provaremos, neste caso, que para todo . Em
primeiro lugar, de concluímos que para todo racional.
Com efeito, . Suponhamos, por absurdo, que
existisse algum tal que . Para fixar ideias, digamos que fosse
. Escolhamos um número natural tão grande que

Então


( )


Por simplicidade, escrevamos ( ). Os números dividem em

intervalos justapostos, de mesmo comprimento . Como , pelo


menos um desses números, digamos , pertence ao interior do intervalo
( ), ou seja , . Ora,
⁄ ⁄ ⁄
( ) ( ) ( ).

Então
⁄ ⁄
( ) ( ) .

Como é crescente, a primeira das desigualdades acima implica . Por outro

lado, como também é crescente, a segunda desigualdade implica . Esta
contradição mostra que não existe. Logo deve-se ter para todo .
O caso geral reduz-se ao caso particular acima. Dadas e , funções logarítmicas
arbitrárias, temos e , pois . Seja
24
. Consideremos a função logarítmica definida por
. Como , segue-se do que
se provou acima que para todo , assim, como
queríamos demonstrar.

Teorema 3.17: Toda função logarítmica é sobrejetiva, isto é, dado qualquer


número real , existe sempre um (único) número real positivo x tal que

Dada uma função logarítmica , existe um único número tal


que . Este número é chamado de base do sistema de logaritmos . Para
explicitar a base muitas vezes se escreve em vez de .
Se e , são funções logarítmicas, com (ou seja, de bases e
respectivamente), então temos a existência de uma constante tal que
para todo . Assim, para , temos . Portanto
temos para todo . Esta é a fórmula de mudança de base
de logaritmos.

Resultados análogos podem ser obtidos supondo decrescente ao invés de


crescente.

Teorema 3.18: Seja uma função monótona e injetiva, tal que


para quaisquer . Então existe tal que
para todo .

Demonstração: Para fixar as ideias, vamos supor que é crescente. O caso


decrescente é análogo. Como é crescente e satisfaz , temos
que é uma função logarítmica. A função dada por com
satisfaz as condições A) e B) da definição de função logarítmica. Pelo teorema
3.16, existe tal que para todo . Pelo teorema 3.17, a função
é sobrejetiva, assim, dado existe com (propriedade 3.10) tal
que . Portanto,


25
Gráficos da Função Logarítmica.

26
3.3 TÁBUA DE LOGARITMOS
As primeiras tábuas de logaritmos foram festejadas como um enorme avanço
da ciência, pois possibilitavam uma rapidez no cálculo, a qual, até pouco tempo,
seria considerada inacreditável.
A tábua de logaritmos é uma tabela de duas colunas de números com a
seguinte propriedade: multiplicar dois números na coluna da esquerda é o mesmo
que somar os números correspondentes na coluna da direita. Dessa forma, é
possível substituir uma multiplicação por uma soma (que é uma operação muito mais
rápida) e uma divisão por uma subtração.
Veja pequena parte de uma tabela de logaritmos:
NÚMEROS LOGARITMOS
... ...
36 1,5563
37 1,5682
38 1,5798
... ...
64 1,8062
65 1,8129
66 1,8195
... ...
2404 3,3809
2405 3,3811
2406 3,3813

Para exemplificar, consideremos a multiplicação de 37 por 65. Para não fazer a


conta diretamente, podemos procurar os logaritmos desses números na coluna da
direita e somá-los: 1,5682 + 1,8129 = 3,3811. Em seguida, basta procurar o número
correspondente a esse resultado na coluna da esquerda.
Assim, concluímos que:
37 · 65 = 2405.
Se consideramos ainda que, com os logaritmos, foi possível calcular potências e
extrair raízes de qualquer índice fazendo apenas multiplicações e divisões, podemos
entender por que essa invenção foi, de fato, revolucionária.

As tabelas e as máquinas científicas


Antigamente, publicavam-se imensas tabelas de logaritmos. Nas mais
simples, os logaritmos eram dados com 4 casas decimais e nas maiores, com até 14
casas decimais. Com o aparecimento das calculadoras eletrônicas, as tabelas
27
perderam sua função. As calculadoras científicas fornecem os logaritmos dos
números instantaneamente, basta apertar a tecla LOG que elas possuem.
Conhecendo um logaritmo, as calculadoras científicas também nos dizem a que
número ele corresponde.
No entanto, são poucas as pessoas que possuem essas máquinas. Em geral,
usamos no nosso dia-a-dia a calculadora simples, que possui apenas as quatro
operações, a raiz quadrada e uma memória. Por isso, para as nossas aplicações
precisaremos consultar uma tabela.
A consulta à tabela que vamos fornecer é fácil. Mas antes de lidar com ela, devemos
aprender mais algumas coisas.

Característica e mantissa
O logaritmo de um número é constituído de duas partes: uma antes da vírgula
e outra depois da vírgula. A primeira chama-se característica e a segunda chama-se
mantissa. Veja isso no exemplo:

característica mantissa

A característica situa o número dado entre duas potências consecutivas de


10. Logaritmos de números entre 1 e 10 possuem característica 0; logaritmos de
números entre 10 e 100 possuem característica 1; logaritmos de números entre 100
e 1000 possuem característica 2, e assim por diante.

NÚMEROS CARACTERÍSTICA DO LOGARITMO


entre 1 e 10 0
entre 10 e 100 1
entre 100 e 1000 2
entre 1000 e 10000 3

Veja agora a propriedade da mantissa nos exemplos a seguir:

28
Observe como encontramos os logaritmos dos números consultando a tabela.
a) Para números de 1 a 99, a mantissa está na primeira coluna, e a característica
será 0, se o número estiver entre 1 e 9, e será 1 se o número estiver entre 10 e 100.

0 0
5 6990 40 6021
6 7782 41 6128
7 8451 → 42 6232 →
8 9031 43 6335
9 9542 44 6435

b) Para números entre 100 e 1000 procure a mantissa da seguinte forma: localize os
dois primeiros algarismos na coluna da esquerda e o último algarismo na linha que
está acima da tabela. Na interseção está a mantissa; assim, a característica será 2.
Veja como localizamos o logaritmo de 267.

29
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9

25 3979 3997 4014 4031 4048 4065 4082 4099 4116 4133

26 4150 4166 4183 4200 4216 4232 4249 4265 4281 4298

27 4314 4330 4346 4362 4378 4393 4409 4425 4440 4456

28 4472 4487 4502 4518 4533 4548 4564 4579 4594 4609

29 4624 4639 4654 4669 4683 4698 4713 4728 4742 4757

Com a tabela também podemos descobrir um número quando o seu logaritmo


é conhecido. Suponha, por exemplo, que em certo problema encontramos o
logaritmo de um certo número igual a 1,4669. Que número será esse?
A mantissa 4669 está inclusive na parte da tabela que acabamos de mostrar.
À esquerda dessa mantissa, vemos na primeira coluna o número 29 e acima dela o
número 3. Formamos então o número 293. Como a característica do logaritmo é 1,
esse número está entre 10 e 99. Logo, o número procurado é 29,3.

3.4 O NÚMERO “ ”
Os números mais frequentemente usados como base de um sistema de
logaritmos são 10, que é a base do nosso sistema de numeração, e o número

Teorema 3.19: A sequência de termo geral ( ) é convergente.

Demonstração: Vamos provar que ( ) para todo

( ) ( ) ( ) ( ) ( )

( )

Daí

( )

Como para Para todo , resulta que para todo

( )
30
e como

resulta

( ) para todo .

Agora vamos provar que a sequência ( ) é crescente.

Sejam tais que

( ) (1)

( ) (2)

de resulta

Temos que

Observe que: ( )( )

Assim

Utilizando essas desigualdades em (1) e (2) obteremos

( ) ( ) , se .

Logo a sequência é crescente.

31
Como toda sequência monótona e limitada é convergente, a sequência converge.
Seu limite será chamado de .
Atribuindo valores para , obteremos

( ) = 2,59374246

( ) = 2,704813829

( ) = 2,716923932

( ) = 2,718145927

Agora vamos provar que:

( )

Sejam tal que . Então

Como , temos

( ) ( ) ( ) .

Ou seja

( ) ( ) ( )

Como ( ) ( ) , temos que

( )

Mostra-se também que ( ) e que ( ) para

um número real.

32
CAPÍTULO IV

CÁLCULO DA FUNÇÃO EXPONENCIAL E LOGARÍTMICA.

Neste capítulo, dedicamos um estudo ao cálculo das funções Exponenciais e


Logarítmica. Destacamos como referencia os estudos: Hamilton Luiz Guidorizzi, Elon
Lima e Djairo Guedes de Figueiredo.

4.1 DERIVADA DE UMA FUNÇÃO EXPONENCIAL E LOGARÍTMICA

Definição 4.1: Sejam uma função e um ponto de seu domínio. O limite

quando existe e é finito, denomina-se derivada de em e indica-se por .


Assim

Se admite derivada em , então diremos que é derivável ou diferenciável em .

33
Assim

ou .

A reta da equação

é, por definição, a reta tangente ao gráfico de no ponto . Assim, a


derivada de , em , é o coeficiente angular da reta tangente ao gráfico de no
ponto de abscissa .

Lema 4.2: .

Demonstração: provemos que .

Fazendo vem

( ) .

provemos que

Fazendo vem

( ) .

Lema 4.3:

Fazendo ou vem

assim

34
Lema 4.4: Seja , então .

Demonstração: Dada a função , calculemos a sua derivada.


Temos:

Como , temos que

.

Para o caso de uma função , com e , temos .

Lema 4.5: Se então .

Demonstração: Dada a função , temos que:

( )

( )

Fazendo ( ) teremos


Para o caso de uma função , com e , temos .

35
4.2 FÓRMULA DE TAYLOR

Aproximação local de uma função diferenciável por uma função afim.


Seja uma função derivável em e seja T dada por
.
O gráfico de T é reta tangente ao gráfico de em ).

Para , seja o erro que se comete na aproximação de por :



.

Observe que, para .

Daí

ou seja quando: , o erro tende a zero mais rapidamente que .

A função

é a única função afim que goza da propriedade de que o erro de tende a zero
mais rapidamente que . De fato, se for uma função
afim passando por ) tal que
,

onde , então necessariamente .

36
Segue que, se for derivável em .

é a função afim que melhor aproxima localmente a em volta de .


A função T acima é uma função polinomial de grau no máximo 1; será do grau
1 se Assim, é o polinômio de grau no máximo 1 que melhor aproxima
localmente a em volta de .
Observe que os valores de e em são iguais, bem como os de suas derivadas:
e .
O polinômio

denomina-se polinômio de Taylor de ordem 1 de em volta de .

O próximo teorema fornece-nos uma expressão para o erro que aparece


em termos da derivada 2ª de .Para a demonstração do próximo teorema será
usado o teorema de Cauchy, enunciado a seguir.

Teorema de Cauchy: Se e forem contínuas em e derivável em ,


então existirá pelo menos um em tal que
,
ou

, se e .

Teorema 4.6: Seja derivável até a 2ª ordem no intervalo e sejam . Então,


existe pelo menos um ̅ no intervalo aberto de extremos e tal que
̅
⏟ .

Demonstração:

Assim,
e .
Observe que pois e são constantes.
37
Seja ; segue que
e .
Temos

Pelo teorema de Cauchy, existe ̅̅̅ no intervalo de extremos e tal que


̅̅̅̅
̅̅̅̅
.

Tendo em vista
̅̅̅̅
̅̅̅̅
.

Novamente, pelo teorema de Cauchy, existe ̅ no intervalo aberto de extremos e


̅̅̅ tal que
̅
̅
Como e , temos
̅
.

Portanto
̅
,

para algum ̅ no intervalo aberto de extremos e .



Polinômio de Taylor de ordem 2

O polinômio de Taylor de ordem 1, de em volta de , tem em comum com


o valor em e o valor da derivada em .
Suponhamos que tenha derivadas até a 2ª ordem no intervalo e seja
. Vamos procurar o polinômio P, de grau no máximo 2, que tenha em comum
com o valor em , o valor da derivada 1ª em e o valor da derivada 2ª em .
Queremos, então, determinar P, de grau no máximo 2 tal que
e .
Podemos procurar da forma

Como , devemos ter .


38
.
e
.

Daí, e . Segue que devemos ter


e ou

O polinômio de Taylor, de ordem 2, de em volta de é

O próximo teorema fornece-nos uma expressão para o erro


em termos da derivada de 3ª ordem de .

Teorema 4.7: Seja derivável até a 3ª ordem no intervalo e sejam em .


Então, existe pelo menos um ̅ entre e tal que:
̅
⏟ .

Exemplo 4.8: Vamos calcular um valor aproximado para avaliando o erro.

Solução: Seja . Vamos utilizar o polinômio de Taylor de ordem 2 em


volta de .

De e , segue que e . Assim

ou
.

Teremos
,
mas
.
Logo
39
Avaliação do erro
, assim para De acordo com o Teorema anterior.

Como para

segue que

ou

Assim, o módulo do erro cometido na aproximação

É inferior a (observe: ).
̅
Como, para , segue que 0,04875 é uma aproximação

por falta de .

Polinômio de Taylor de ordem n


Seja derivável até a ordem no intervalo e seja . O polinômio

Chama-se polinômio de Taylor de ordem de em volta de .

Fórmula de Taylor com resto de Lagrange: Seja derivável até a ordem no


intervalo e sejam . Então existe pelo menos um ̅ no intervalo aberto de
extremos e tal que
̅
,

onde

40
Exemplo 4.9: Vamos calcular o polinômio de Taylor de ordem de em
volta de .

Solução: .

.
Portanto
.

Exemplo 4.10: Vamos calcular o polinômio de Taylor de ordem de em


volta de .

Solução: .

O polinômio de Taylor para no ponto é

Lema 4.11: Seja derivavel até a ordem no intervalo e seja . Suponha


que existe tal que, para todo em .
| |
Então, para todo em .

41
onde é o polinômio de Taylor, de ordem , de em volta de .

Demonstração: Segue o teorema de Taylor com resto de Lagrange que, para todo
em existe ̅ entre e tal que
̅
| | .

Como para todo x em . | | resulta

Lema 4.12: Para todo x em [0,1] tem-se

| ( )|

Demonstração: Pelo exemplo 4.9

Para x em [0,1],
De acordo com a formula de Taylor com resto de Lagrange, para todo em ,
existe ̅ entre 0 e tal que
̅
( ) .

Assim, para todo em [0,1] (tendo em vista a desigualdade acima)

| ( )| .

Exemplo 4.13: Calculemos com erro, em módulo, inferior a .

Solução: Para

| ( )|

precisamos determinar de modo que


.

42
Por tentativas, chega-se a ( ).

Assim,
,

com erro inferior a

Observação: Como , segue do teorema do confronto, que

( ) .

Lema 4.14: O onde é um real fixo.

Lema 4.15: Para todo

[ ]

Demonstração: Para todo , existe ̅ entre 0 e tal que


̅

̅
Se , pois ̅ . Logo

| ( )| .

Como , temos

[ ] .
̅
Se pois ̅ , logo

| ( )|

De , segue

( ) .

Fica provado, assim, que, para todo x,

( ).

43
Esta igualdade é usualmente escrita na forma
.

Teorema 4.16: O polinômio de Taylor de em volta de converge


para para todo , ou seja,

4.3 A Irracionalidade e a Transcendência do


A série de Taylor para a função , pelo capítulo anterior, converge para todo
valor real de ,

Portanto, sendo
. (1)

Outro resultado conhecido é o valor da série geométrica. Sabemos que se


então
∑ .

(2)
A seguir a prova de que número é irracional é então feita por contradição.

Teorema 4.17: O número é irracional.


Demonstração: Suponha que fosse racional, ou seja, onde e

. Pela equação (2) vemos que, como

∑( )

( ) ∏

Sempre que , assim,

∑( ) ∑

44
Multiplicando por , teremos:

∑ ∑

e portanto:

Por outro lado,

∑ ∑

Então obteremos,

ou ainda,

Que é o mesmo que:

∑( ∏ )

A essa equação é obviamente um absurdo pois esse número que se encontraria no


intervalo (0, 1) é claramente um inteiro. Já que a nossa única hipótese foi que seria
um número racional, fica provado que isso não pode ser verdade, isto é, é
irracional.

A solução da equação polinomial da forma


, onde os coeficientes com i = 1, 2, ..., n são racionais. Essas soluções são
chamadas de números algébricos.
Os Números Transcendentes são aqueles que não podem ser raízes de
polinômios de coeficientes racionais, ou seja, os números que não são algébricos
são chamados de transcendental, um termo cunhado por Euler para descrever

45
números como o , que pareciam transcender (ir além) os métodos algébricos. Em
contraste com os Números Irracionais, cuja descoberta surgiu de um problema na
geometria, os primeiros números transcendentais, foram criados com o objetivo de
mostrar que tais números existiam. Quando este objetivo foi alcançado, a atenção se
voltou para o , que já era conhecido e já tinham demonstrado sua irracionalidade.
Johann Heinrich Lambert (1728 – 1777) provou que não pode ser solução de uma
equação quadrática com coeficientes inteiros, o que não foi suficiente para mostrar
que era transcendente, ou seja, provar que não é solução de nenhuma equação
polinomial com coeficientes racionais.

“A Transcendência de foi um desafio aos matemáticos até o século XIX.


Em 1873, o matemático francês C. Hermite marcou época ao demonstrar
a transcendência de , em uma série de notas publicadas no Comptes
Rendus de 1’Académie des Sciences de Paris. A demonstração original de
Hermite sofreu simplificações sucessivas por matemáticos famosos como
Jordan (1882), Markhoff (1883), Rouché (1883), Weierstrass (1885),
Hilbert (1893). Hurwitz (1893) e Veblen (1904), entre outros.” (Figueiredo,
2002).

46
CAPÍTULO V

APLICAÇÕES
Neste capítulo, dedicamos um estudo de algumas aplicações clássicas que
envolvem funções exponenciais e logarítmicas. Destacamos como referência dos
estudos: Elon Lima, e Boyce e Diprima, e Gelson Iezzi.

5.1 Lei do Resfriamento de Newton


Um corpo está contido num ambiente de temperatura constante. Decorrido o
tempo (em minutos), seja a diferença entre a temperatura do corpo e do
ambiente. Segundo a Lei do Resfriamento de Newton, é uma função
decrescente de , com a propriedade de que um decréscimo relativo

no intervalo de tempo depende apenas da duração desse intervalo (mas


não do momento em que essa observação se iniciou). Isto posto, responda à
seguinte pergunta: Num certo dia, a temperatura ambiente era de 30o. A água, que
fervia a 100o numa panela, cinco minutos depois de apagado o fogo ficou com a
temperatura de 60o. Qual era a temperatura da água 15 minutos após apagado o
fogo?

SOLUÇÃO: Pela Lei do Resfriamento de Newton, a função , em que é o


momento em que o fogo foi apagado, cumpre as hipóteses do Teorema de
Caracterização das funções de tipo exponencial. Logo existe uma constante ,
com , tal que , onde . Temos .
Logo . O problema nos diz que . Portanto

e daí vem . Segue-se que ( ) e que

( ) . Portanto, 15 minutos após o fogo ser apagado, a temperatura da água é

de aproximadamente graus.
Alternativamente, pode-se usar a informação sobre o decréscimo relativo constante
de diretamente. Temos e . Portanto

47
,

e, assim, Pela propriedade mencionada,

o que nos conduz a ( ) . Em seguida usamos novamente a

mesma informação, obtendo

o que nos conduz a ( ) , o resultado segue.

Esse exemplo foi uma questão retirada do PROFMAT – Exame de Qualificação


2012-1.

5.2 Juros Contínuos

Os logaritmos naturais e a função surgem espontaneamente em certas


questões onde o aumento ou a diminuição de uma grandeza se faz
proporcionalmente ao valor da grandeza num dado instante.
Um capital c, empregado a uma taxa de por cento ao ano, apresentara
no fim de um ano o montante:
, onde . Então

.
Para um novo montante após dois anos aplicando a uma mesma taxa
teremos:

Aplicando para 3 anos teremos:

48
.

Portanto para anos teremos .

Admitindo uma fração de ano, o capital , empregado à mesma taxa


de juros, deverá render de juros, de modo que, decorrida a fração de anos,
o capital transforma-se em:
.

Submetendo este novo capital e esperando mais de ano, temos:


.

Prosseguindo assim, vemos que, se dividimos o ano em parte iguais e,


depois de decorrido cada um desses períodos de de ano, capitalizarmos os
juros rendidos, reinvestindo sucessivamente à mesma taxa, quando chegar o fim do
ano, em vez de , obteremos um capital maior, ou seja, possuiremos
.

Uma pessoa atenciosa desejará que seus juros sejam capitalizados a


cada instante.
Fazendo uma previsão aplicaremos o limite tendendo ao infinito:

( ) ( ) [( ) ] = .

Criando uma situação hipotética de um capital de R$ 1,00 empregado a


juros contínuos de 100% ao ano, no final de um ano será transformado em reais.

Se a taxa de juros é referida a anos (k% ao ano, ), então um

capital empregado a essa taxa será transformado, depois de anos, em

( ) .

49
5.3 Datação Por Carbono Radioativo

Uma ferramenta importante em pesquisa arqueológica é a datação por


carbono radioativo. Essa é uma ferramenta para determinar a idade de
determinados restos de madeiras e plantas, e, portanto, de ossos de animais ou
homens, ou de artefatos encontrados enterrados nos mesmos níveis.
O procedimento foi desenvolvido pelo químico americano Willard Libby (1908-
1980) no início da década de 1950, pelo qual recebeu o premio Nobel de química
em 1960. A datação por carbono radioativo é baseada no fato de que algumas
madeiras ou plantas contém quantidades residuais de carbono-14, um isótopo
radioativo de carbono. Esse isótopo é acumulado durante a vida da planta e começa
a decair na sua morte. Como a meia vida do carbono é longa (aproximadamente
5730 anos), podem ser medidas quantidades remanescentes de carbono-14 após
muitos milhares de anos. Libby mostrou que, mesmo que a fração da quantidade
original de carbono-14 ainda presente seja muito pequena, então através de
medidas adequadas feitas em laboratório, a proporção da quantidade original de
carbono-14 que permanece pode ser determinada precisamente. Em outras palavras
se é a quantidade de carbono-14 no instante e se é a quantidade original,
então pode ser determinada, pelo menos se essa quantidade não for
pequena demais. Técnicas atuais de medida permitem a utilização desse método
para períodos de tempo até em torno de 50.000 anos, após o qual a quantidade de
carbono-14 remanescente é aproximadamente 0,00236 da quantidade local.

50
Exemplo 5.1: Suponha que são descobertos certos restos de plantas nos quais a
quantidade residual atual de carbono 14 é 20% da quantidade original. Determine a
idade desses restos.
Solução: Seja a equação , primeiramente calcula-se a constante de
decaimento r para o carbono-14.
Como certo elemento radioativo tem meia-vida igual a to unidades de tempo, chega-
se a uma definição que uma unidade de massa desse elemento se reduz metade no
tempo to. Assim

Utilizando o logaritmo em ambos os membros:

( )

Como e , teremos:

Como

51
5.4 Terremotos

Uma onda sísmica é uma onda que se propaga através da terra, geralmente
como consequência de um sismo, ou devido a uma explosão. Estas ondas são
estudadas pelos sismólogos e medidas por sismógrafos.

Figura 1: Como se forma um Tsunami. Fonte:http://www.cientic.com/tema_geologicos.htmlAcesso em: 18/11/2006.

1. A ruptura causada pelo tremor no leito do mar empurra a água para cima, dando
início à onda.
2. A onda gigante se move nas profundezas do oceano em velocidade altíssima.
3. Ao se aproximar da terra, a onda perde velocidade, mais fica mais alta.
4. Ela então avança por terra, destruindo tudo em seu caminho.
Os sismógrafos têm como principio básico um pêndulo cuja oscilação é
diretamente proporcional à do abalo que ocorreu. O registro dessas oscilações
fornece dados que caracterizam a intensidade do fenômeno ocorrido.
Fig. 2: Sismógrafo

Fonte: http://www.if.ufrgs.br

Trata-se de uma escala construída a partir de logaritmos decimais e as variações se


dão através de potências de base dez. Terremotos que atingem até a magnitude 2
são considerados microterremotos e praticamente não são sentidos. A partir das
magnitudes entre 4 e 5 na escala Richter, um tremor já é suficientemente forte e
libera tanta energia mecânica que pode ser detectado por instrumentos instalados
em vários locais do planeta.
52
Uma das formas de medição dos abalos é calculada através da fórmula:
.
Nessa fórmula, temos que:
= amplitude máxima das ondas sísmicas P (pressão máxima) e S
(superficial),medidas a 100 km do epicentro do sismo.
= uma amplitude de onda usada como referência.

Figura 4: No gráfico à distância do foco do sismo, em termos de tempo entre as chegadas de onda P e S, é de 24s. A máxima
amplitude é de 23mm.Fonte: http://pt.Wikipedia.org/wiki/Escala_de_Richter Acesso em : 18/11/2006.

A tabela abaixo mostra a magnitude de um terremoto de acordo com a


energia liberada.
A escala Richter e seus efeitos
0 a 1,9 2 a 2,9 3 a 3,9 4 a 4,9 5 a 5,9 6 a 6,9 7 a 7,9 8 a 8,9 9 ou mais
Tremor Oscilações Vibração Vidros Móveis são Danos nas Danos Pontes Destruição
detectado de objetos parecida quebrados, deslocados, construções, maiores, destruídas, quase total
apenas por suspensos. com a queda de fendas nas destruição fissuras maioria das das
um passagem pequenos paredes. das casas no construções construções,
sismógrafo. de um objetos. frágeis. subsolo, desaba. tremor de
caminhão. canos terra visível
se a olho nu.
rompem.

Veja um exemplo:
Em 1986, um terremoto em João Câmara (RN) atingiu 5 graus na escala
Richter. Já o terremoto causado por um tsunami na Ásia atingiu 9 graus.

( ) ( ) .

Ou seja, as ondas do terremoto da devastação na Ásia foram 10 000 vezes mais


amplas do que as ondas do terremoto em João Câmara.
53
CONCLUSÃO

Neste presente trabalho, foi realizado um estudo das funções exponenciais e


logarítmicas, devido à necessidade de se ter um material de apoio para enriquecer e
dinamizar as aulas com os conceitos, definições e caracterizações, considerando a
abordagem desse tema as suas aplicações em diferentes contextos e do uso da
tábua de logaritmos.
Ao realizar esse estudo sobre as funções exponenciais e logarítmicas, foi
percebido o quanto esse assunto contribuiu para a formação intelectual, uma vez
que possibilita ter mais acesso a novos conhecimentos nas diversas situações, em
que podemos aplicá-las. Exemplos como nos juros contínuos, na datação por
carbono radioativo, para o registro de cálculos de índice de terremotos por um
sismógrafo.
Durante o quarto capítulo, foi realizado um estudo de cálculo das funções
exponencial e logarítmica utilizando como ferramenta a fórmula de Taylor, logo em
seguida, foi abordado um estudo sobre o número , momento de grande importância
na construção de argumentos para enriquecimento dos estudos, o qual soou como
algo inusitado.
Portanto, é fato que a invenção dos logaritmos teve um impacto no
desenvolvimento cientifico e tecnológico. Sua aprendizagem faz com que se abram
novos horizontes, possibilitando uma visão de que ainda podemos aplicar sempre os
conceitos e definições tanto em situações elementares como complexas, garantindo
a compreensão da Matemática como Ciência, presente e necessária na sociedade.

54
REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

[1] AVILA, Geraldo. Como se Constrói uma Tábua de Logaritmos. Revista do


Professor de Matemática - RPM, número 26. São Paulo.

[2] AVILA, Geraldo. Números Muito Grande. Revista do Professor de Matemática -


RPM, número 25. São Paulo.

[3] BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Parâmetros Curriculares Nacionais.


Matemática. Brasília: MEC/SEF, 2001.

[4] DANTE, Luiz Roberto. Formulação e resolução de problemas de matemática.


São Paulo, Ática, 2009.

[5] DIPRIMA, Boyce e. Equações Diferenciais Elementares e problemas de


Valores de Contorno. Rio de Janeiro. LTC, 2002.

[6] FIGUEIREDO, Djairo G. Números Irracionais e Transcedentes.Rio de Janeiro:


SBM, Coleção Iniciação Científica.

[7] FIGUEIREDO, Djairo Guedes de. Números Irracionais e Transcendentes. Rio


de Janeiro: Sociedade Brasileira de Matemática – SBM, 3ª edição, 2002.

[8] FRAENKEL, Renato. Logaritmos - Um Curso Alternativo. Revista do Professor


de Matemática - RPM, número 04. São Paulo.

[9] GUIDORIZZI, Hamilton Luiz. Um Curso de Cálculo. Vol. 1 . Rio de Janeiro. LTC,
2001.

[10] IEZZI, Gelson; DOLCE, Osvaldo. MURAKAMI, Carlos – Fundamentos de


matemática elementar – logaritmos. 8. ed. São Paulo: Atual, 1993.

[11] IEZZI, Gelson; DOLCE, Osvaldo. MURAKAMI, Carlos – Matemática: ciência e


aplicação. 4. ed. São Paulo: Atual, 2006.

55
[12] LIMA, Elon Lages. Logaritmos. Sociedade Brasileira de Matemática, Rio de
Janeiro, 2009.

[13] LIMA, Elon Lages. Sobre a evolução de algumas ideias matemáticas. Revista
do Professor de Matemática - RPM, número 06. Rio de Janeiro.

[14] LIMA, Elon Lages. Sistemas de Logaritmos. Revista do Professor de


Matemática - RPM, número 18. Rio de Janeiro.

[15] LIMA, Elon Lages. Crescimento Linear e Crescimento Exponencial. Revista


do Professor de Matemática - RPM, número 33. Rio de Janeiro.

[16] LIMA, Elon Lages. Como Reconhecer uma função de Tipo Exponencial.
Revista do Professor de Matemática - RPM, número 58. Rio de Janeiro.

[17] LIMA, Elon Lages. Crescimento Exponencial? O que é isto? Revista do


Professor de Matemática - RPM, número 62. Rio de Janeiro.

[18] LIMA, Elon Lages. Números e Funções Reais. Coleção PROFMAT. SBM. Rio
de Janeiro, 2013.

[19] LIMA, Elon Lages. A Matemática do ensino Médio, Vol 01, 9 ed. Rio de
Janeiro, SBM, 2006.

56