Você está na página 1de 5

ENGENHEIRO CIVIL E A SEGURANÇA NO TRABALHO

Ana Paula Kamphorst, Leni Luis Gnoatto, Tamires Suani Calgaro, Vanessa Busanello
URI - Universidade Regional Integrada, Disciplina Engenharia de Segurança, Curso de Engenharia Civil – E.C.
Câmpus I , n° 709 – Bairro Itapagé, CEP 98400-000, Frederico Westphalen, RS.
E-mail para correspondência: kamphorst.ana@hotmail.com; leniluisgnoatto@hotmail.com; tamirescalgaro@hotmail.com;
vanessa.bus.anello@hotmail.com;

Resumo: Na construção civil todos os dias sofremos ricos de acidentes de serviço, segundo o Anuário Estatístico de
Acidentes do Trabalho ocorreram em 2015 aproximadamente 700 mil acidentes de trabalho do Brasil, sendo de
responsabilidade do engenheiro ou técnico em segurança do trabalho verificar esses riscos de acidentes e providenciar
métodos para minimizar ou sumir com os mesmos, seguindo as Normas Regulamentadoras. Nessas normas podemos
verificar todos os métodos de prevenções contra diferente os tipos de acidentes de trabalho desde os mais leves aos mais
pesados, coletivas ou individuais. Podemos prevenir esses acidente com a utilização de equipamento adequados para
determinado estilo de serviço.

Palavras chave: Equipamentos, Engenheiro, Normas, Segurança, Trabalho.

Abstract: In civil construction every day we suffer from a wealth of service accidents, Statistical Yearbook of Labor Accidents
occurred, in 2015, approximately 700 thousand accidents at work in Brasil and it is the responsibility of the engineer or
technician in work safety, to verify these risks of accidents and to provide methods to minimize or disappear with them,
following the regulatory standards. In these standards we can check all methods of prevention against different types of work
accidents from the lightest to the heaviest, collective or individual. We can prevent these accidents by using the appropriate
equipment for a certain style of service.

Keywords: Equipment, Engineer, Standards, Safety, Work

1. Introdução
A construção civil é uma indústria que cresce em ritmo acelerado, e vem se tornando um dos setores
com maior utilização de mão de obra e matéria prima. Segundo Takahashi et. al. (2012) a construção
civil é um dos maiores poderes econômicos, e possui alta geração de oportunidades de emprego.
Além disso, há sempre grandes desafios no que diz respeito a qualidade de serviço prestado, e a
integridade física dos empregados que executam a obra. A Engenharia de Segurança no Trabalho tem a
função de garantir a integridade física e mental, além de evitar riscos aos trabalhadores. Para isso, faz-
se uso de programas, equipamentos, especificações e normativas que facilitam o entendimento dos riscos
e sua prevenção.
Nota-se que a Engenharia de Segurança no Trabalho é de suma importância para o setor, já que,
segundo Silva (1993), os acidentes na construção civil podem estar ligados à falta de formação técnica
e profissional dos trabalhadores. Sendo assim, os acidentes poderiam ser evitados com uma série de
decisões que criariam um ambiente de trabalho com condições adequadas. O artigo a seguir vai tratar
da relação direta que a Engenharia Civil possui com a segurança do trabalho.

2. Desenvolvimento

A era tecnológica em que nos encontramos, fez com que o mercado de trabalho necessite
de um maior número de funcionários e maior velocidade na realização de serviços a serem prestados, o
que é um ponto positivo de vista econômica e social, pois gera mais empregos, entretanto este aumento
pode ocasionar diversos acidentes de trabalho se o ambiente não estiver em boas condições de vivência,
não houver equipamentos em bom estado de uso e a mão de obra não for especializada e capacitada para
a realização do serviço, para uma produção eficaz é necessário criar um ambiente de trabalho seguro e
saudável para os funcionários.

Conforme dispõe o art. 19 da Lei nº 8.213/91, "acidente de trabalho é o que ocorre pelo
exercício do trabalho a serviço da empresa ou pelo exercício do trabalho dos segurados referidos no
inciso VII do art. 11 desta lei, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte
ou a perda ou redução, permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho".

Com o crescimento elevado de acidentes e doenças provocadas pelo ambiente de trabalho ser
um local insalubre e sem equipamentos de segurança necessários, como os EPI’s e EPC faz com que as
empresas percebam a importância de se investir em segurança do trabalho.

Entende-se como Equipamento Conjugado de Proteção Individual (EPI), todo aquele composto
por vários dispositivos, que o fabricante tenha associado contra um ou mais riscos que possam ocorrer
simultaneamente e que sejam suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho. (NR 6, 2006)

É importante saber que a escolha certa do EPI está diretamente associada ao conhecimento dos
tipos de riscos aos quais o trabalhador estará exposto. Assim, a compra deverá estar relacionada com a
proteção que se quer dar ao trabalhador, ou seja, o que se quer proteger , a vida útil do equipamento,
quais os limites de sua utilização e principalmente como realizar a sua limpeza e conservação.
(TAVARES, 2009)

Na Engenharia Civil, os EPI’s mais utilizados são, o capacete, calçados ( botas ou sapatos, de
materiais específicos para sua utilização), luvas (nove tipos básicos de luvas, de matériais como,
amianto, de raspa de couro, de PVC sem forro, de borracha e de pelica), óculos, respiradores, escudos
e máscaras e protetores auriculares. As empresas devem fornecer EPIs gratuitamente aos trabalhadores,
a lei estabelece que é obrigação dos mesmos usar os equipamentos de proteção individual onde houver
risco.

Já os Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC) são todos os equipamentos utilizados para


atender a vários trabalhadores ao mesmo tempo, destinados à proteção do trabalhador a riscos suscetíveis
de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho. (TAVARES, 2009)

Devem ser construídos com materiais de qualidade e instalados nos locais necessários quando
o risco é detectado. Na construção civil, podemos citar como exemplo de equipamentos de proteção
coletiva, os guarda-corpos, as plataformas, as telas, os tapumes/ galerias, os equipamentos de proteção
contra incêndio e a sinalização de segurança.
Deve-se considerar que ao investir em segurança do trabalho pode-se evitar gastos futuros com
reabilitação de funcionários devido a acidentes, indenização, contratação de mão de obra temporária,
substituição de equipamentos novos, desgaste da imagem da empresa perante a sociedade, entre outros
fatores, portanto deve-se realizar uma conscientização de que prevenir acidentes gera uma maior
produção com maior qualidade e uma redução de gastos futuros.

Os equipamentos de proteção, porém, não são a única proteção dentro da Engenharia de


Trabalho. As Normas Regulamentadoras (NR), que resguardam os funcionários de eventuais acidentes
de trabalho, garantem a segurança jurídica da empresa contratante, desde que essa cumpra estritamente
o disposto nas normas.

Tais normas são determinadas pelo Ministério do Trabalho, estando presentes os procedimentos
técnicos, medidas de segurança e detalhes relacionados ao ambiente de trabalho e condições de
segurança.

As principais Normas Regulamentadoras são:

 Norma Regulamentadora nº 4 – Norma de Serviços Especializados em Engenharia de


Segurança e em Medicina do Trabalho que visa garantir a saúde, segurança e integridade do
contratado, prevenindo doenças ocupacionais.
 Norma Regulamentadora nº 5 – Norma sobre a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
que estabelece a obrigatoriedade da constituição de uma comissão representada pelo
empregador e empregados. A CIPA deverá criar medidas que melhorem as condições de
trabalho, e evitem acidentes ocupacionais, além de fiscalizar o uso de equipamentos de
proteção.
 Norma Regulamentadora nº 7 – Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional
(PCMSO) – Visa a implantação obrigatório de um programa de saúde ocupacional nas
empresas, preservando a saúde dos trabalhadores, através de exames preventivos periódicos.
 Norma Regulamentadora nº 9 – Programas de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) –
Visa a proteção dos trabalhadores e o controle dos ricos causados por agentes ambientais
presentes na empresa, sendo eles físicos, químicos ou biológicos.
 Norma Regulamentadora nº 10 - Esta norma estabelece requisitos e condições para se garantir
de forma eficiente a segurança em instalações e serviços em eletricidade.
 Norma Regulamentadora nº 17 – A NR17 estabelece as condições de trabalho referentes à
ergonomia dos trabalhadores. Visa fornecer melhor conforto e condições de trabalho,
independente das funções exercidas.
 Norma Regulamentadora nº 18 - Estabelece as diretrizes para serviços administrativos, de
planejamento e de organização na indústria da construção. Ou seja, essa norma visa conceder
condições de trabalho e de ambiente de trabalho na construção.

Caso ocorra o descumprimento das Normas Regulamentadores por parte do empregado, gera
notificações e punições administrativas à empresa. Porém, não é dever somente do empregador o
cumprimento das NR’s, sendo a inadimplência constitui ato faltoso por parte de empregado.

Segundo a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Industria da Construção e do


Mobiliário, os acidentes fatais na construção civil de 10% em 2007 passaram a representar 16% em
2013. No canteiro de obras o responsável pelo riscos de acidentes de trabalho é do engenheiro
responsável, portanto o mesmo para sua segurança deve contratar um técnico ou engenheiro de
segurança do trabalho, para prevenir os principais riscos de acidentes da construção civil, tais prevenções
estão detalhadas na NRs 18 e 35.

O engenheiro de segurança do trabalho é o responsável por zelar pela segurança e integridade


física dos trabalhadores, reduzindo ou eliminando os riscos dos acidentes dos ambientes de serviço. O
engenheiro também elabora planos de prevenção contra acidentes. Auxilia empresas em assuntos
relacionados à segurança, observando os processos de produção, as instalações e as ferramentas
utilizadas. O mesmo ainda orienta a CIPA da empresa sobre os métodos de prevenção e ministra
palestras e treinamentos, relacionados à segurança, dentro da empresa.
3. Considerações Finais

Independente da área de atuação de um funcionário seja em uma indústria ou em uma obra de


um edifício por exemplo, é de suma importância que se respeite todas as normas de segurança do
trabalho, pois cada norma aborda diferentes temas a serem analisados. Cabe a empresa estar a par de
cada critério de segurança citado pelas NR’s e estar equipada com materiais necessários, é de sua
responsabilidade contratar funcionários capacitados, supervisionar se estes funcionários estão
respeitando as normas de segurança e fornecer materiais adequados para utilização a fim de maximizar
a produção e a qualidade dos serviços prestados.
Podemos concluir que quanto maior o investimento em equipamentos de segurança e na
conferência do comprimento de normas com um auxílio de profissionais capacitados na área de
engenharia de segurança, o elevado número de acidentes de trabalho e doenças causadas por um local
insalubre irão diminuir, sendo assim um benefício tanto para as empresas que não terão gastos
desnecessários e aos funcionários que possuirão um local de trabalho agradável, seguro e saudável.

4. Referências Bibliográficas
BQE. A Importância da Segurança do trabalho. Disponível em:
<http://betaeq.com.br/index.php/2015/09/09/a-importancia-da-seguranca-do-trabalho/>. Acesso em 22
de maio de 2017.
DP UNION. Importância da segurança no trabalho nas empresas. Disponível em:
<http://www.dpunion.com.br/blog/importancia-da-seguranca-no-trabalho-nas-empresas/>. Acesso em
22 de maio de 2017.
GUIA TRABALHISTA. Legislação: NR. Disponível em:
<http://www.guiatrabalhista.com.br/legislacao/nrs.htm>. Acesso em 22 de maio de 2017.
NORMA REGULAMENTADORA Nº 6 – Equipamentos de Proteção Individual. Redação
dada pela portaria SIT-MTE n. 25, de 15.10.2001, atualizada pela portaria SIT – MTE n. 194, de
22.12.2006)
PREVIDÊNCIA SOCIAL. Dados abertos – Saúde e segurança do trabalhador. Disponível
em :<http://www.previdencia.gov.br/dados-abertos/dados-abertos-sst/>. Acesso em 22 de maio de
2017.
SANTOS, Z. Segurança no Trabalho e Meio Ambiente- Nr-6 Equipamentos de Proteção
Individual (EPI) e Coletiva (EPC). UFRGS, 2012.
SEGURANÇA DO TRABALHO NWN. A importância da segurança do trabalho.
Disponível em: <http://segurancadotrabalhonwn.com/a-importancia-da-seguranca-do-trabalho/>.
Acesso em 22 de maio de 2017.
SILVA, A. A. R. da. Segurança no trabalho na construção civil: Uma revisão bibliográfica.
Revista Pensar Engenharia, v.1, n.1, 2015.
SILVA, J. B. et all. Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e de Proteção Coletiva
(EPC). Gestão da Produção na Construção Civil, PCC, 2004.
SILVA, M. A. D. da. Saúde e qualidade de vida no trabalho. São Paulo: Best Seller, 1993.
SST. Entenda mais sobre sobre as normas de segurança do trabalho. Disponível em:
<http://blog.sst.com.br/entenda-mais-sobre-as-normas-de-seguranca-do-trabalho/>. Acesso em 22 de
maio de 2017.
TAKAHASHI, Mara Alice Batista Conti; et al. Precarização do Trabalho e Risco de
Acidentes na construção civil: um estudo com base na Análise Coletiva do Trabalho (ACT), Saúde
Soc. São Paulo, v.21, n.4, p.976-988, 2012.
TAVARES, C. R. G. Segurança Do Trabalho I- Equipamento de Proteção Coletiva (EPC)
e Equipamento de Proteção Individual (EPI). UFRN, 2009.
TST. Trabalho seguro: o que é acidente de trabalho. Disponível em:
<http://www.tst.jus.br/web/trabalhoseguro/o-que-e-acidente-de-trabalho>. Acesso em 22 de maio de
2017.
ZOCCHIO, A. Prática da prevenção de acidentes- Abc da segurança do trabalho. 7º edição,
Editora Atlas.

Você também pode gostar