Você está na página 1de 4

Edição º , Sete ro - ISSN -

O papel impulsionador do Pibid e PET nos cursos de licenciatura da Ufac


Simone de Souza Lima (1)
REITOR
D . Mi o u Ma i s Ki pa a
VICE-REITORA Segundo dados disponibilizados pela Na Ufac, existem nove Programas de
D a. Ma ga ida de A ui o Cu ha Ufac, o Pibid está em execução na Institui- Educação Tutorial em andamento. Seis gru-
PRÓ-REITORA DE GRADUAÇÃO
ção desde 2010, tendo iniciado com as licen- pos de cursos específicos: PET Agronomia
D a. Ali e A d ia Ni olli
COORDENADOR INSTITUCIONAL ciaturas em Química, Física, Matemática e (Cruzeiro do Sul), PET Agronomia (Rio
PIBID UFAC Ciências Biológicas. A partir de 2012, o Pi- Branco), PET Educação Física, PET Geogra-
Ms. Elde Go es da Sil a
bid Ufac teve sua atuação ampliada para as fia, PET Economia e PET Letras; e três de
licenciaturas em Inglês, Português, Espa- Conexões de Saberes: Matemática, Comuni-
nhol, Filosofia, Educação Física, Música, dades quilombolas e comunidades do campo
História, Pedagogia, Geografia no Campus e Comunidades Indígenas. Ao todo, 96 alu-
Sede e no Campus Floresta, em Cruzeiro do nos da instituição são beneficiados pelo pro-
Sul: Pedagogia, Português, Espanhol, Ciên- grama mantido pelo Ministério da Educação
cias Biológicas, desempenhando um papel (MEC).
impulsionador extremamente relevante na Objetivos do Programa de
formação reflexiva de futuros professores, Educação Tutorial
Expedie te
oriundos de diferentes licenciaturas no espa- i. Desenvolver atividades acadêmicas em
Editores ço das escolas nas comunidades em que es- padrões de qualidade de excelência, me-
Alexa d e Melo de Sousa
Rosa e Ga ia Sil a tão inseridas. diante grupos de aprendizagem tutorial
Taia e Cast o dos Sa tos Dentre os inúmeros aspectos positivos de de natureza coletiva e interdisciplinar.
Redação um Programa como o Pibid destaca-se, por ii. Contribuir para a elevação da qualidade
Alexa d e Melo de Sousa exemplo, o fácil manejo de habilidades ad- da formação acadêmica dos alunos de
Rosa e Ga ia Sil a
Taia e Cast o dos Sa tos quiridas no exercício da profissão docente: graduação.
com muita tranquilidade, os pibidianos assu- iii. Estimular a formação de profissionais e
Revisão
Alexa d e Melo de Sousa mem suas atividades nas disciplinas de Está- docentes de elevada qualificação técnica,
gio Supervisionado, articulando com muita científica, tecnológica e acadêmica.
Diagra ação
Rosa e Ga ia Sil a propriedade teoria e prática, fator decisivo iv. Formular novas estratégias de desenvol-
para o sucesso de sua prática docente. vimento e modernização do ensino supe-
Supervisão
Taia e Cast o dos Sa tos Numa perspectiva semelhante, o Progra- rior no país.
ma de Educação Tutorial (PET) é desenvol- v. Estimular o espírito crítico, bem como a
Edição o li e: .ufa .
htps://issuu. o /geped.pi id vido por grupos de estudantes, com tutoria atuação profis-
de um docente, organizados a partir de for- sional pautada
Apoio
mações em nível de graduação nas Institui- pela cidadania e
Assesso ia de E e tos ções de Ensino Superior do País orientados pela função so-
e Ce i o ial pelo princípio da indissociabilidade entre cial da educação
As o - Assesso ia de
Co u i ação ensino, pesquisa e extensão. superior.
vi. Introduzir novas práticas
pedagógicas na graduação.
vii. Contribuir para a consolida-
ção e difusão da educação tutori-
al como prática de formação na
graduação.
viii. Contribuir com a política de
PET Let as o Vi e Ci ia 7 - Oi i a de edação pa a o ENEM
diversidade na instituição de en-
sino superior - IES, por meio de ta atividade é proporcionar à comunidade estudan-
ações afirmativas em defesa da til novas fontes de saber e conhecimentos que pro-
equidade socioeconômica, étnico voquem reflexão crítica dos desafios sociais con-
Si o e de Souza Li a
Progra a de Edu ação Tutorial Letras -racial e de gênero. temporâneos.
Encerrando essa breve síntese sobre a relevân-
Os grupos PET desenvolvem ações importantes cia dos Programas Pibid e PET na Ufac, concita-
no entorno de Rio Branco e Cruzeiro do Sul, con- mos a todos a unir esforços no sentido de fortale-
tribuindo de maneira singular na vida acadêmica cer as ações dos respectivos Programas, relevando
dos graduandos, integrando ações nos campos do seu papel impulsionador no fortalecimento da for-
ensino, da pesquisa e da extensão. mação acadêmica de nossos discentes.
Dentre as atividades planejadas pelo PET Le-
tras para 2017, por exemplo, estão previstas ações
no âmbito do Cine Club PET, que preveem apre-
sentação de filmes sobre várias temáticas, como; a
inclusão de deficientes em ambientes escolares
regulares; a diversidade sexual, étnica, racial e cul-
tural; a socialização de opiniões e reflexões com
vistas a uma formação cidadã integral. Vale desta-
(1) Professora Titular do Centro de Educação, Letras e Artes/Ufac,
car que o cinema constitui-se numa ferramenta de Doutora em Teoria da Literatura e Literatura Comparada; Tutora do
Programa de Educação Tutorial - PET/Letras/UFAC
ensino-aprendizagem privilegiado. O objetivo des-

Violência contra educadores: Antônio Igo Barreto Pereira (2)

para além da superficialidade das informações e fatos


Casos de agressão física contra funcionários de esco- Por conta da grande
las como o que aconteceu em Indaial-SC no mês de agos- repercussão que causam,
to desse ano, em que uma professora levou um soco de episódios graves de vio-
um aluno, assim como o caso da coordenadora pedagógi- lência escolar (os que co-
ca de uma escola estadual de Rio Branco-AC, que foi locam em risco a integri-
atingida por soco e pontapés desferidos pela mãe de uma dade física e a vida das
aluna no dia 26 de setembro, reacendem o debate sobre a pessoas), apesar de pouco
violência escolar e dão a impressão de que a escola per- frequentes, são explorados
deu seu status de lugar seguro. exaustivamente pela mídia
De maneira geral, a violência escolar sensibiliza e co- e amplamente comparti-
move as pessoas, seja por representar um golpe ao imagi- lhados nas redes sociais, ao ponto de passarem a impres-
nário social da educação como base da cultura e da civili- são de que a escola está sitiada e de que todos se torna-
zação humana, ou por atestar a falência dos poucos repre- ram potenciais vítimas. Uma das consequências dessa
sentantes das autoridades constituídas, suportes da tradi- exacerbação da violência é o aumento da sensação de
ção e do futuro, como anunciou Arendt (2012). insegurança e medo em pais, alunos, professores e demais
funcionários, muito maior do que os perigos reais que cor- resolução de conflitos na escola.
rem na escola, o que tem alterado drasticamente seus hábi- Nessa perspectiva ampla, é oportuno destacar, também,
tos, práticas e relações. que a violência física, embora grave, não é a única nem
Outro problema que se apresenta com a midiatização da talvez a que acarrete maiores danos aos professores e de-
violência é que boa parte dos casos são tratados de maneira mais funcionários da escola. Na maioria das vezes, repre-
superficial, com base em fragmentos de informações e ver- senta muito mais o esgarçamento das relações escolares e o
sões parciais dos fatos. Ignoram-se as circunstâncias, os ápice das múltiplas violências diariamente suportadas, do
fatores determinantes e a perspectiva dos sujeitos envolvi- que outra coisa. Para ilustrar essa situação, basta observar a
dos, indispensáveis à análise e compreensão de fenômenos violência causada ao professor pela precarização da profis-
complexos, multifacetados e polissêmicos como esse. O são docente e pelo descaso dos governos com a educação
pior de tudo é que quando essas notícias superficiais de vio- escolar (baixos salários, semiformação, responsabilização
lência escolar caem nas redes sociais, ganham força de ver- pelo fracasso escolar, pouco prestígio social, exaustiva jor-
dade e desencadeiam avalanches de manifestações inflama- nada de trabalho, rotina estressante, escassez de materiais e
das, carregadas de opiniões acríticas e genéricas, discursos equipamentos escolares, ineficiência do apoio pedagógico,
de intolerância e ódio e soluções simplistas. grande pressão para o cumprimento de metas impostas pelo
Família e escola aparecem nas notícias e comentários da sistema educacional) que, embora grave, com consequên-
violência como grandes oponentes. Sobram acusações e cias trágicas e de conhecimento comum, gera pouca como-
julgamentos de ambos os lados. A família é constantemente ção social (PEREIRA, 2016).
culpabilizada pelos mal-estares vividos na escola, por ser Diante dessas circunstâncias, como, então, garantir inte-
negligente e não cumprir seu papel na educação dos filhos. gridade moral, psicológica e física aos educadores e contar
Já os professores são denunciados por não exercerem satis- com a colaboração e o respeito de alunos e pais (inseridos
fatoriamente seu trabalho, usarem práticas tradicionais, se- numa sociedade violenta), se a educação não é tratada como
rem descomprometidos. A insistência nessa polarização não prioridade em nosso país e a profissão docente é considera-
só aumenta a separação e a hostilidade entre família e esco- da de segunda categoria? A violência contra professores e
la, mas desvia o olhar de outras questões importantes para a demais funcionários não estaria carregada do sentimento de
compreensão da violência e sua conjuntura, como por baixa expectativa em relação à educação e, até mesmo, de
exemplo, os aspectos macroestruturais. um certo desprezo em relação ao professor e à escola? Estas
Numa análise contextual não podemos deixar de consi- e outras questões podem servir de orientação para uma
derar, por exemplo, os indícios de que a violência ocorrida compreensão da violência escolar que vá além da superfici-
na escola guarda forte relação com a violência presente na alidade de suas aparências.
sociedade (ABRAMOVAY, 2005). Isto porque as institui-
REFERÊNCIAS
ções educacionais não são ilhas isoladas e impermeáveis ABRAMOVAY, Mirian (Coord.). Cotidiano das escolas: entre violências. Brasí-
aos acontecimentos externos, muito ao contrário, os proble- lia: UNESCO, 2005.
ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. Tradução Mauro W Barbosa. São
mas que acontecem fora dos muros também se manifestam Paulo: Perspectiva, 2013.
PEREIRA, Antônio Igo Barreto. Autoridade enfraquecida, violência escolar e
em seu interior. Essa correlação se explicita, por exemplo, trabalho pedagógico: a per cepção de professores sobre a r uptura dos víncu-
los de afeto e os mal-estares no magistério. Tese (Doutorado em Educação) –
quando alunos inseridos em ambientes sociais altamente Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2016.
violentos, que aprenderam a utilizar a força ao serem con-
(2) Doutor em Educação - Professor de Psicologia da Educação da Ufac
trariados, ameaçados ou para conseguirem o que querem, vinculado ao Centro de Educação, Letras e Artes.
dificilmente utilizam o diálogo como principal forma de

HOMENAGEM PÓSTUMA

A Coordenação de Gestão do Pibid Ufac presta homenagem


póstuma como reconhecimento pelo trabalho do Professor Su-
pervisor Elioney Linhares de Araújo que, desde 2014, acompa-
nhou as atividades do Pibid Educação Física. Além da excelên-
cia profissional, sua trajetória foi marcada pela dedicação e
amor ao ensino.
DESTAQUE DO MÊS
Inglês
Os bolsistas Pibid de Língua Inglesa que atuam sob a School no Colégio de Ensino Integral Sebastião Pedrosa, em
coordenação da Profa. Raquel Ishii no Colégio de Aplica- Rio Branco, Acre (Eldyne de Oliveira Félix, Raquel de Sou-
ção e na Escola Sebastião Pedrosa participaram com apre- za Furtado);
sentações de comunicações orais no Grupo Temático (GT)  Behind The Brands: Questões de Ética e Consumismo de
Marcas Famosas (Arlison Silva de Moura, Fábio Victor
intitulado “Investigações e práticas pedagógicas: o vir a
Arantes da Silva);
ser professor de língua(gem) na Educação Básica”, no I
 Lost In Translation: Nonsenses em traduções de filmes de
Encontro do Grupo de Estudos Linguísticos e Literários da
Língua Inglesa (Ariany Rebecca Thomé Montenegro, Cami-
Região Norte (GELLNORTE). la Silva Ramos);
O referido GT, sob a coordenação da Profa. Raquel  Reflexões sobre o ensino médio de tempo integral: experiên-
Ishii e da Profa. Francemilda Lopes, tem se reunido há cia de bolsistas de iniciação à docência no Colégio Professor
quatro anos com o objetivo de refletir sobre a prática do- Sebastião Pedrosa, em Rio Branco, Acre (Ádria Monick da
cente de professores da Educação Básica pautadas por Silva Gomes, Jayson Barbosa de Oliveira);
 Visões sobre justificativa de aprendizagem de Língua Ingle-
sa (Marcelo Felipe Silva Pinheiro, Estefany France Cunha da
Silva);
 Who Are You? O papel do diagnóstico no levantamento dos
interesses de aprendizagem (Isadora Vitoriano de Lima, Ma-
ria Semiremes Crispim Santana);
 Gênero textual relatório de estágio supervisionado: limites e
potencialidades na escrita de si (Raquel Alves Ishii, Fran-
cemilda Lopes do Nascimento).

uma visão sociointeracional de língua(gem). No evento, o


grupo de trabalho contou com a presença da Presidente da
Associação Brasileira de Linguística Aplicada – ALAB,
Profa. Paula Tatianne Carréra Szundy.
Os trabalhos apresentados pelos bolsistas Pibid foram
os seguintes:
 “Escola Jovem” e disciplinas eletivas: Hollywood High

“O programa promove o contato direto na escola,


proporcionando um planejamento com estratégias
Com a palavra, os adequadas para cada turma, além de permitir a per-
que fazem ID... cepção das facilidades e das dificuldades na prática
docente. Tem sido ótima a experiência no processo de
ensino-aprendizagem: poder ter esse contato com os
Danielle Freitas Cavalcante
Bolsista Pibid Libras alunos e com a escola é excelente.”

Baixe o aplicativo do Pidid Ufac e Divulgue as ações do Pibid de sua escola.


saiba todas as novidades. Entre em contato com a nossa equipe de Gestão por
meio do endereço eletrônico geped.pibid@gmail.com.
http://app.vc/pibid-ufac