Você está na página 1de 3

CURSO: Mestrado Profissional em Ensino de Humanidades

UNIDADE CURRICULAR: Tópicos especiais em ensino de humanidades


PROFESSOR (ES): Leonardo Bis dos Santos e Antonio Donizetti Sgarbi
PERÍODO LETIVO: 2018/1 CARGA HORÁRIA: 30h
OBJETIVOS
Objetivo Geral: Debater o conceito de emancipação humana, a partir da perspectiva do ensino
Objetivos Específicos:
Discutir os fundamentos do conceito de emancipação, a partir do debate teórico entre o marxismo (Karl
Marx, Antonio Gramsci e István Mézáros), a teoria do reconhecimento social (Axel Honneth) e a pedagogia
do oprimido (Paulo Freire).
Elaborar um “paper” que discuta os aspectos teóricos e/ou empíricos do objeto de pesquisa que
mestrando(a) trabalhará na elaboração do seu projeto.
EMENTA
Análise do conceito de alienação e emancipação aplicados ao ensino no contexto capitalista. Debate de au -
tores contemporâneos dedicados à crítica da hegemonia capitalista. Emancipação política e emancipação
humana. Formação de intelectuais. Alienação e educação. Reconhecimento social e a pedagogia do oprimi-
do.
PRÉ-REQUISITO (SE HOUVER)
Não tem pré-requisito.
Data C/H
CONTEÚDOS
Recepção dos calouros – aula suspensa 19/02 2:00
Introdução à concepção marxiana de educação
RODRIGUES. Alberto Tosi. Sociedade, educação e emancipação. In: ___. Sociologia da 26/02 2:00
educação. 6ª ed. 1ª reimpressão. Rio de Janeiro: Lamparina, 2011, pp. 31-49.
Emancipação política e emancipação humana
MARX, Karl. Sobre a questão judaica. In: ___. Sobre a questão judaica. [1843]. São Paulo: 05/03 2:00
Boitempo, 2010, pp. 33-60.
Emancipação política e emancipação humana
MARX, Karl. Sobre a questão judaica. In: ___. Sobre a questão judaica. [1843]. São Paulo: 12/03 2:00
Boitempo, 2010, pp. 33-60.
Papel dos intelectuais na crítica contra-hegemônica
19/03
GRAMSCI, Antonio. A formação dos intelectuais. In: ___. Os intelectuais e a organização da 2:00
cultura. 2ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978, pp. 3-23.
Papel dos intelectuais na crítica contra-hegemônica
GRAMSCI, Antonio. A organização da escola e da cultura. In: ___. Os intelectuais e a 26/03 2:00
organização da cultura. 2ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978, pp. 117-127.
Alienação
MÉZÁROS, István. Origens da concepção de alienação. In:___. Teoria da alienação em
02/04 2:00
Marx. [1970]. São Paulo: Boitempo, 2016, pp, 31-50 (I.1 A abordagem judaico-cristã; I.2
Alienação como “venalidade universal”; I.3 Historicidade e o despontar da antropologia)
Alienação
MÉZÁROS, István. Origens da concepção de alienação. In:___. Teoria da alienação em
09/04 2:00
Marx. [1970]. São Paulo: Boitempo, 2016, pp, 31-50 (I.1 A abordagem judaico-cristã; I.2
Alienação como “venalidade universal”; I.3 Historicidade e o despontar da antropologia)
Alienação
MÉZÁROS, István. Alienação e a crise da educação. In:___. Teoria da alienação em Marx. 16/04 2:00
[1970]. São Paulo: Boitempo, 2016, pp, 265-284.
Ensaios
23/04 2:00
Apresentação do esboço (estrutura) dos ensaios finais dos mestrandos
Aula suspensa – calendário acadêmico 30/04 2:00
Reconhecimento social
HONNETH, Axel. Vestígios de uma tradição da filosofia social: Marx, Sorel e Sartre. In:___. 07/05
2:00
Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Ed. 34, 2003,
pp. 229-251.
Reconhecimento social
HONNETH, Axel. Desrespeito e resistência: a lógica moral dos conflitos sociais. In:___. Luta 14/05
2:00
por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Ed. 34, 2003, pp.
253-268..
2:00
Reconhecimento social na pedagogia do oprimido: um diálogo possível
FREIRE, Paulo. Primeiras palavras. In: ___. Pedagogia do oprimido. 62ª ed. [1967]. Rio de 21/05
Janeiro: Paz e Terra, 2016, pp. 39-78.

Reconhecimento social na pedagogia do oprimido: um diálogo possível


FREIRE, Paulo. A concepção “bancária” da educação como instrumento da opressão. Seus 28/05 2:00
pressupostos, sua crítica. In: ___. Pedagogia do oprimido. 62ª ed. [1967]. Rio de Janeiro:
Paz e Terra, 2016, pp. 79-106.
Reconhecimento social na pedagogia do oprimido: um diálogo possível
FREIRE, Paulo. A dialogicidade: essência da educação como prática da liberdade. In: ___. 04/06 2:00
Pedagogia do oprimido. 62ª ed. [1967]. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016, pp. 107-166.
Reconhecimento social na pedagogia do oprimido: um diálogo possível
FREIRE, Paulo. A teoria da ação antidialógica. In: ___. Pedagogia do oprimido. 62ª ed. 11/06 2:00
[1967]. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016, pp. 167-226.
Apresentação dos trabalhos finais 18/06 2:00
Apresentação dos trabalhos finais 25/06 2:00
Avaliação da disciplina por parte dos mestrandos 02/07 2:00
ESTRATÉGIA DE APRENDIZAGEM
Aulas expositivas dialogadas; debates de textos trabalhados por todos os alunos; leituras adicionais;
pesquisas em fontes primárias.
RECURSOS METODOLÓGICOS
Textos acadêmicos, dinâmicas de grupo, data show para expor e discutir ideias básicas de um período;
atenção aos textos complementares.

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM
CRITÉRIOS INSTRUMENTOS

Participação nos debates. Avaliação 1 (20% do valor da nota final) - Seminários dos
textos da disciplina – cada mestrando vai se
Clareza, objetividade, escrita acadêmica responsabilizar por liderar o debate de pelo menos um
conforme a bibliografia utilizada na disciplina e texto. Preparação das aulas com as leituras dos textos
segundo as normas da ABNT. Apresentação para discussão. Trabalhos em sala de aula e participação
escrita e oral de trabalhos conforme as nos debates.
orientações.
Avaliação 2 (20% do valor da nota final) – Apresentação
oral do esboço do paper – estado da arte do trabalho final
em meados do semestre.
Avaliação 3 (60% do valor da nota final) – Paper sobre a
discussão teórica e/ou empírica acerca do conceito de
emancipação (5 a 10 laudas, conforme bibliografia
utilizada na disciplina e segundo as normas da ABNT).

Bibliografia Básica (títulos, periódicos, etc.)

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 62ª ed. [1967]. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.
GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. 2ª ed. Rio de Janeiro: Civilização
Brasileira, 1978.
HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Ed. 34,
2003.
MARX, Karl. Sobre a questão judaica. [1843]. São Paulo: Boitempo, 2010.
MÉZÁROS, István. Teoria da alienação em Marx. [1970]. São Paulo: Boitempo, 2016.
RODRIGUES. Alberto Tosi. Sociologia da educação. 6ª ed. 1ª reimpressão. Rio de Janeiro: Lamparina,
2011.
Bibliografia Complementar (títulos, periódicos, etc.)
BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido se desmancha no ar: a aventura da modernidade. 7ª reimpressão.
São Paulo: Companhia das Letras, 1989.
FERNANDES, Florestan (org). Marx/Engels. São Paulo: Ática, 1989. (Coleção Grandes Cientistas Sociais,
nº 36).
GOHN, Maria da Glória. Movimentos sociais e educação. 8ª ed. São Paulo: Cortez, 2012.
GRAMSCI, Antonio. Concepção dialética da história. 3ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.
LÖWY, Michael. Ideologias e ciência social: elementos para uma análise marxista. 19ª ed. São Paulo:
Cortez, 2010.
MEKSENAS, Paulo. Cidadania, poder e comunicação. São Paulo: Cortez, 2002.
MÉSZÁROS, István. A educação para além do capital. 2ª ed. 3ª reimpressão. São Paulo: Boitempo, 2008.
ROUSSEAU, Jean-Jacques. Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens.
In: ___. Jean-Jacques Rousseau. 3ª ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983 (Coleção Os Pensadores), pp.
201-320.
SANTOS, Leonardo Bis dos. O conflito social como ferramenta teórica para interpretação histórica e
sociológica. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências humanas, Belém , v. 9, n. 2, p. 541-553,
Agosto 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-
81222014000200015&lng=en&nrm=iso>. Acesso em fev. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/1981-
81222014000200015.