Você está na página 1de 86

rso​ ​Técnico 

 
 
ELETRICIDADE​ ​II

escolatecnicasandrasilva.com.br
ÍNDICE

CAPÍTULO​ ​1 4
MAGNETISMO 4
1.1 –​ ​FUNDAMENTOS 4
1.2 –​ ​CLASSIFICAÇÃO​ ​DAS​ ​SUBSTÂNCIAS​ ​MAGNÉTICAS 4
1.3 –​ ​ÍMÃS 6
1.4 –​ ​PROCESSOS​ ​DE​ ​IMANTAÇÃO 8
1.5 –​ ​FORMATO​ ​DOS​ ​ÍMÃS 9
1.6 –​ ​CUIDADOS​ ​COM​ ​OS​ ​ÍMÃS 10
1.7 –​ ​EXERCÍCIOS 11
1.8 –​ ​TEORIAS​ ​SOBRE​ ​MAGNETISMO 13
1.9 –​ ​CAMPO​ ​MAGNÉTICO 14
1.10 –​ ​PÓLOS​ ​MAGNÉTICOS​ ​(SALIENTES) 14
1.11 –​ ​P​Ó​LOS​ ​CONSEQUENTES 14
1.12 –​ ​ZONA​ ​NEUTRA 15
1.13 –​ ​ESPECTRO​ ​MAGNÉTICO 15
1.14 –​ ​MAGNETISMO​ ​TERRESTRE 15
1.15 –​ ​DECLINAÇÃO​ ​MAGNÉTICA 16
1.16 –​ ​BLINDAGEM​ ​MAGNÉTICA 16
1.17 –​ ​LINHAS​ ​DE​ ​FORÇA 17
1.18 –​ ​CIRCUITO​ ​MAGNÉTICO 17
1.19 –​ ​LEI​ ​DAS​ ​FORÇAS​ ​MAGNÉTICAS 18
1.20 –​ ​EXERCÍCIOS 19
1.21 –​ ​GRANDEZAS​ ​MAGNÉTICAS​ ​FUNDAMENTAIS 21
1.22 –​ ​CÁLCULO​ ​DE​ ​GRANDEZAS​ ​MAGNÉTICAS​ ​FUNDAMENTAIS 24
1.23 –​ ​EXERCÍCIOS 26
CAPÍTULO​ ​2 29
ELETROMAGNETISMO 29
2.1 –​ ​FUNDAMENTOS 29
2.2 –​ ​RELAÇÃO​ ​ENTRE​ ​CAMPO​ ​MAGNÉTICO​ ​E​ ​CORRENTE​ ​ELÉTRICA 30
2.3 –​ ​SENTIDO​ ​DO​ ​CAMPO​ ​MAGNÉTICO​ ​EM​ ​UM​ ​CONDUTOR 30
2.4 –​ ​EFEITO​ ​DA​ ​FORÇA​ ​RESULTANTE​ ​ENTRE​ ​CONDUTORES​ ​PARALELOS​ ​ENERGIZADOS
30
2.5 –​ ​FUNCIONAMENTO​ ​E​ ​APLICAÇÃO​ ​DE​ ​SOLENOIDES​ ​E​ ​ELETROÍMÃS 31
2.6 –​ ​CURVAS​ ​DE​ ​MAGNETIZAÇÃO​ ​OU​ ​CURVAS​ ​ ​/H 34
2.7 –​ ​HISTERESE 34
2.8 –​ ​EXERCÍCIOS 36
CAPÍTULO​ ​3 38

INDUÇÃO​ ​ELETROMAGNÉTICA,​ ​AUTO-INDUÇÃO​ ​E​ ​INDUÇÃO​ ​MÚTUA 38


3.1 –​ ​LEI​ ​DE​ ​FARADAY 38
3.2 –​ ​INDUÇÃO 38
3.3 –​ ​COMPROVAÇÃO​ ​DA​ ​LEI​ ​DE​ ​FARADAY 39
3.4 –​ ​LEI​ ​DE​ ​LENZ 40
3.5 –​ ​SENTIDO​ ​DA​ ​FEM​ ​INDUZIDA 40
3.6 –​ ​COMPROVAÇÃO​ ​DA​ ​LEI​ ​DE​ ​LENZ 40
3.7 –​ ​INDUTÂNCIA 41
3.8 –​ ​INDUTOR 41
3.9 –​ ​INDUTÂNCIA​ ​EQUIVALENTE 41
3.10 –​ ​AUTO-INDUÇÃO 43
3.11 –​ ​AUTO-INDUTÂNCIA 44
3.12 –​ ​ENERGIA​ ​ARMAZENADA​ ​EM​ ​UM​ ​INDUTOR 45
3.13 –​ ​INDUÇÃO​ ​MÚTUA 45
3.14 –​ ​FUNCIONAMENTO​ ​DE​ ​UMA​ ​BOBINA​ ​DE​ ​INDUÇÃO 46
3.15 –​ ​EXERCÍCIOS 47
CAPÍTULO​ ​4 49
CORRENTE​ ​ALTERNADA 49
4.1 –​ ​CORRENTE​ ​E​ ​TENSÃO​ ​ALTERNADA​ ​MONOFÁSICAS 49
4.2 –​ ​GERAÇÃO​ ​DE​ ​CORRENTE​ ​ALTERNADA 49
4.3 –​ ​PARTES​ ​COMPONENTES​ ​DO​ ​GERADOR 49
4.4 –​ ​PRODUÇÃO​ ​DA​ ​TENSÃO​ ​ALTERNADA​ ​SENOIDAL 50
4.5 –​ ​FUNCIONAMENTO​ ​DO​ ​GERADOR 50
4.6 –​ ​FREQUÊNCIA​ ​E​ ​PERÍODO​ ​DA​ ​TENSÃO​ ​ALTERNADA 53
4.6.1 –​ ​FREQUÊNCIA​ ​DA​ ​ONDA​ ​SENOIDAL 53
4.6.2 –​ ​PERÍODO​ ​DA​ ​ONDA​ ​SENOIDAL 53
4.7 –​ ​VELOCIDADE​ ​ANGULAR 53
4.8 –​ ​VALOR​ ​INSTANTÂNEO​ ​DA​ ​ONDA​ ​SENOIDAL 54
4.9 –​ ​VALOR​ ​DE​ ​PICO​ ​E​ ​VALOR​ ​DE​ ​PICO​ ​A​ ​PICO​ ​DA​ ​TENSÃO​ ​ALTERNADA​ ​SENOIDAL 54
4.10 –​ ​TENSÃO​ ​E​ ​CORRENTES​ ​EFICAZES 55
4.11 –​ ​CÁLCULO​ ​DA​ ​TENSÃO/CORRENTE​ ​EFICAZES 56
4.12 –​ ​VALOR​ ​MÉDIO​ ​DA​ ​CORRENTE​ ​E​ ​DA​ ​TENSÃO​ ​ALTERNADA​ ​SENOIDAL 57
4.13 –​ ​EXERCÍCIOS 59
BIBLIOGRAFIA 61
CAPÍTULO​ ​1

MAGNETISMO

1.1 –​ ​FUNDAMENTOS

O ​magnetismo ​é uma propriedade que determinadas substâncias possuem


de ​atraírem ​ou ​repelem ​outras substâncias chamadas de materiais magnéticos
ou​ ​substâncias​ ​magnéticas.

Substâncias magnéticas - ​São substâncias que apresentam a propriedade


de​ ​se​ ​deixar​ ​influenciar​ ​pelo​ ​magnetismo.

1.2 –​ ​CLASSIFICAÇÃO​ ​DAS​ ​SUBSTÂNCIAS​ ​MAGNÉTICAS

a) Substâncias​ ​ ​ferromagnéticas:​ ​São​ ​substâncias​ ​ ​que​ ​são


relativamente
fáceis​ ​de​ ​serem​ ​imantadas

Ex.: aço, ferro, níquel, cobalto e certas ligas metálicas como o alnico e o
permalloy.

Substâncias​ ​ferromagnéticas

Observação: ​o alnico é composto de alumínio, níquel e cobalto, e quando


imantado​ ​pode​ ​levantar​ ​um​ ​peso​ ​quinhentas​ ​vezes​ ​superior​ ​ao​ ​seu.
b) Substâncias paramagnéticas: ​São substâncias que se magnetizam
pouco, mesmo quando sujeitas a um forte campo magnético. Essa ligeira
magnetização,​ ​é​ ​feita​ ​no​ ​mesmo​ ​sentido​ ​da​ ​força​ ​magnetizante.
Ex.:​ ​alumínio,​ ​cromo,​ ​platina,​ ​ar​ ​e​ ​manganês.

Substâncias​ ​paramagnéticas

c) Substâncias diamagnéticas: ​São substâncias que também se


magnetizam pouco, só que quando ligeiramente imantadas, ficam magnetizadas
em​ ​sentido​ ​oposto​ ​ao​ ​da​ ​força​ ​magnetizante.

Ex.:​ ​prata,​ ​cobre,​ ​ouro,​ ​mercúrio,​ ​zinco,​ ​antimônio,​ ​bismuto​ ​e​ ​chumbo.

Substâncias​ ​diamagnéticas

Nota: ​substâncias transparentes ou não magnéticas, são aquelas que se


deixam​ ​atravessar​ ​pelo​ ​magnetismo​ ​sem​ ​sofrer​ ​sua​ ​influência.

Ex.:​ ​vidro,​ ​plástico,​ ​madeira,​ ​papel,​ ​borracha,​ ​mica​ ​etc.

Substâncias​ ​transparentes
1.3 –​ ​ÍMÃS

Um imã é um corpo que possui propriedades magnéticas e pode ser


classificado​ ​como​ ​natural​ ​ou​ ​artificial​ ​a​ ​depender​ ​de​ ​sua​ ​constituição.

Ímãs naturais ​são encontrados na natureza sob a forma de minério. Ex.:


magnetita​ ​(Fe3o4).

Ímã​ ​natural

Nota: ​A história do magnetismo começou com um mineral chamado


magnetita, a primeira substância com propriedades magnéticas conhecidas pelo
homem. Sua história anterior é obscura, mas seu poder de atrair ferro já era
conhecido séculos antes de Cristo. A magnetita está amplamente distribuída. No
mundo antigo, os depósitos mais abundantes ocorrem na região chamada
Magnésia, localizada no que é hoje a Turquia, e a palavra magneto é derivada de
uma​ ​similar​ ​grega,​ ​que​ ​se​ ​diz​ ​ter​ ​vindo​ ​do​ ​nome​ ​dessa​ ​região.
No século VI d.C. , os chineses descobriram que pequenas agulhas de ferro
podiam ser magnetizadas caso forem esfregadas com um pedaço de magnetita. A
utilização da agulha magnética trouxe maior precisão na observação das direções
magnéticas; os chineses também descobriram que o norte eo sul magnéticos não
coincidem​ ​com​ ​o​ ​norte​ ​eo​ ​sul​ ​geográficos.
No século XII, a bússola magnética era comum nos navios chineses. No
Ocidente,​ ​o​ ​seu​ ​uso​ ​se​ ​iniciou​ ​pelo​ ​menos​ ​cem​ ​anos​ ​depois.

Ímãs​ ​artificiais​ ​são​ ​os​ ​ímãs​ ​normalmente​ ​produzidos​ ​pela​ ​ação​ ​do​ ​ ​homem.
São​ ​classificados​ ​como​ ​temporários​ ​ou​ ​permanentes​.
Ímãs​ ​artificiais

● Ímãs Temporários​: são imãs que retêm somente uma ​pequena p


​ arte
do magnetismo após a remoção da força magnetizante. Possuem alta
permeabilidade.
Ex​.:​ ​ferro​ ​doce​ ​e​ ​aço​ ​silício.

Ímã​ ​Temporário

Aplicação​:​ ​transformadores,​ ​geradores,​ ​motores​ ​elétricos​ ​e​ ​controladores.

● Ímãs Permanentes​: são imãs que retêm ​grande ​parte do seu


magnetismo após a remoção da força magnetizante. Possuem baixa
permeabilidade.
Ex.:​ ​aço​ ​duro​ ​e​ ​aço​ ​temperado.

Ímã​ ​Permanente
Aplicação​: instrumentos elétricos, medidores, alto-falantes, magnetos,
etc...

Magnetismo​ ​residual​ ​ou​ ​remanente​ ​-​ ​É​ ​a​ ​pequena​ ​parte​ ​do​ ​magnetismo
retida​ ​pelos​ ​ímãs​ ​artificial​ ​temporários,​ ​muito​ ​importante​ ​no​ ​funcionamento​ ​de
geradores​ ​elétricos​ ​de​ ​CC​ ​auto​ ​excitados.

Magnetismo​ ​residual​ ​ou​ ​remanent

1.4 –​ ​PROCESSOS​ ​DE​ ​IMANTAÇÃO

O processo de imantação pode ser: por ​atrito​, ​eletromagneticamente​, ou


por​ ​indução​.

a)​ ​Por​ ​atrito:​ ​ ​atritando-se​ ​ ​a


substância​ ​magnética​ ​a​ ​ser​ ​montada
com​ ​ ​ ​ ​o​ ​imã.

a) Eletromagneticamente:​ ​com​ ​o
auxílio​ ​da​ ​corrente​ ​elétrica.
Imantação​ ​por​ ​eletromagnetismo.

b) Por​ ​indução:​ ​colocando​ ​a​ ​substância​ ​a​ ​ser​ ​imantada​ ​próxima​ ​do​ ​ímã.

Imantação​ ​por​ ​indução

1.5 –​ ​FORMATO​ ​DOS​ ​ÍMÃS

● Barra​ ​-​ ​Usado​ ​em​ ​experiências​ ​de​ ​laboratório.


● Anel​ ​-​ ​Usado​ ​em​ ​alguns​ ​instrumentos​ ​de​ ​medidas,​ ​alto​ ​falantes,
memória​ ​de​ ​computadores​ ​etc.
● Ferradura​ ​-​ ​Usado​ ​em​ ​motores​ ​elétricos​ ​e​ ​em​ ​alguns​ ​instrumentos​ ​de
medidas​ ​(amperímetros,​ ​voltímetros​ ​etc)

Formato​ ​dos​ ​ímãs


1.6 –​ ​CUIDADOS​ ​COM​ ​OS​ ​ÍMÃS

a) Evitar​ ​choques​ ​mecânicos


b) Evitar​ a​ quecimento​ ​excessivo
1.7 –​ ​EXERCÍCIOS

1 – ​Como denominamos a propriedade que determinadas substâncias possuem


de atraírem ou repelem outras substâncias chamadas de materiais magnéticos ou
substâncias​ ​magnéticas?

a) (​ ​ ​ ​)​ ​indução
b) (​ ​ ​ ​)​ ​campo​ ​magnético
c) (​ ​ ​ ​)​ ​magnetismo
d) (​ ​ ​ ​)​ ​eletromagnetismo

2 –​ ​Substâncias​ ​_______________________​ ​são​ ​substâncias​ ​que​ ​apresentam


a​ ​propriedade​ ​de​ ​se​ ​deixar​ ​influenciar​ ​pelo​ ​magnetismo.

a) (​ ​ ​ ​)​ ​elétricas
b) (​ ​ ​ ​)​ ​indutivas
c) (​ ​ ​ ​)​ ​espectral
d) (​ ​ ​ ​)​ ​magnéticas

3 –​ ​Como​ ​denominamos​ ​as​ ​substâncias​ ​que​ ​são​ ​relativamente​ ​fáceis​ ​de​ ​serem
imantadas?

a) (​ ​ ​ )​ ​ f​ erromagnéticas
b) (​ ​ ​ )​ ​ p ​ aramagnéticas
c) (​ ​ ​ ​)​ ​magnéticas
d) (​ ​ ​ ​)​ ​diamagnéticas

4 - ​Como denominamos as substâncias que se magnetizam pouco, mesmo


quando sujeitas a um forte campo magnético. Essa ligeira magnetização, é feita
no​ ​mesmo​ ​sentido​ ​da​ ​força​ ​magnetizante?

a) (​ ​ ​ ​)​ ​diamagnéticas
b) (​ ​ ​ ​)​ ​paramagnéticas
c) (​ ​ ​ ​)​ ​ferromagnéticas
d) (​ ​ ​ ​)​ ​magnéticas

5 – ​Como denominamos as substâncias que também se magnetizam pouco, só


que quando ligeiramente imantadas, ficam magnetizadas em sentido oposto ao da
força​ ​magnetizante.?

a) (​ ​ ​ )​ ​ m ​ agnéticas
b) (​ ​ ​ )​ ​ f​ erromagnéticas
c) (​ ​ ​ ​)​ ​diamagnéticas
d) (​ ​ ​ ​)​ ​paramagnéticas
6 –​ ​Como​ ​denominamos​ q ​ ualquer​ ​substância​ ​que​ ​possua​ ​a​ ​capacidade​ ​de
atrair​ ​ou​ ​repelir​ ​substâncias​ ​magnéticas?

a) (​ ​ ​ ​)​ ​ferromagnética
b) (​ ​ ​ ​)​ ​paramagnética
c) (​ ​ ​ ​)​ ​ímã
d) (​ ​ ​ ​)​ ​diamagnética

7 –​ ​Quais​ ​os​ ​tipos​ ​de​ ​ímãs​ ​existentes?

a) (​ ​ ​ ​)​ ​naturais​ ​e​ ​temporários


b) (​ ​ ​ ​)​ ​naturais​ ​e​ ​artificiais
c) (​ ​ ​ ​)​ ​permanentes​ ​e​ ​artificiais
d) (​ ​ ​ ​)​ ​temporários​ ​e​ ​permanentes

8 –​ ​Os​ ​Ímãs​ ​artificiais​ ​são​ ​os​ ​ímãs​ ​normalmente​ ​produzidos​ ​pela​ ​ação​ ​do
homem.​ ​Eles​ ​podem​ ​ser:​​ ​_ e​ ​permanentes.

a) (​ ​ ​ ​)​ ​temporários
b) (​ ​ ​ ​)​ ​moleculares
c) (​ ​ ​ ​)​ ​naturais
d) (​ ​ ​ ​)​ ​remanentes

9 – ​Como é denominada a pequena parte do magnetismo retida pelos ímãs


artificiais temporários, muito importante no funcionamento de geradores elétricos
de​ ​CC​ ​auto​ ​excitados.

a) (​ ​ ​ )​ ​ n
​ atural
b) (​ ​ ​ )​ ​ m​ olecular
c) (​ ​ ​ ​)​ ​permanente
d) (​ ​ ​ ​)​ ​residual

10 –​ ​Cite​ ​os​ ​processos​ ​de​ ​imantação.

a) (​ ​ ​ ​)​ ​por​ ​atração;​ ​eletromagneticamente​ ​e​ ​por​ ​indução


b) (​ ​ ​ ​)​ ​por​ ​atrito;​ ​eletricamente​ ​e​ ​por​ ​indução
c) (​ ​ ​ ​)​ ​por​ ​atrito;​ ​eletromagneticamente​ ​e​ ​por​ ​indução
d) (​ ​ ​ ​)​ ​por​ ​atrito;​ ​eletromagneticamente​ ​e​ ​por​ ​condução
1.8 –​ ​TEORIAS​ ​SOBRE​ ​MAGNETISMO

Existem algumas teorias para explicar a existência de magnetismo em


algumas​ ​substâncias,​ ​entre​ ​elas​ ​estão:

I) Teoria​ ​dos​ ​ímãs​ ​moleculares​ ​(teoria​ ​de​ ​Weber)

Afirma que todas as substâncias são constituídas de pequenos ímãs


moleculares. Quando esses estão alinhados no mesmo sentido a substância estará
imantada, e quando estiverem desalinhados, seus efeitos magnéticos se
anularam.

Nota: ​Quando se corta um imã em duas metades, verifica-se que as partes


resultantes,​ ​isoladamente,​ ​apresentam​ ​pólos​ ​Norte​ ​e​ ​Sul.

Teoria​ ​de​ ​Weber

II) Teoria​ ​dos​ ​domínios​ ​magnéticos


A presença de um campo magnético em um átomo é determinada pelo
número de elétrons que se deslocam em um determinado sentido. Se o átomo
tem iguais elétrons se deslocando em direções opostas, os campos magnéticos
que envolvem os elétrons se cancelam e o átomo estará desmagnetizado.
Entretanto se houver mais elétrons girando em um sentido que no outro, o átomo
ficará​ ​imantado.
A força magnética do ímã depende do número de elétrons sem oposição no
átomo.
A intensidade de imantação de um material é determinada pelo número de
domínios​ ​alinhados​ ​pela​ ​força​ ​magnetizante.

Teoria​ ​dos​ ​domínios​ ​magnéticos​ ​(átomo​ ​de​ ​ferro)


1.9 –​ ​CAMPO​ ​MAGNÉTICO

É​ ​todo​ ​espaço​ ​que​ ​circunda​ ​o​ ​imã​ ​onde​ ​a​ ​força​ ​magnética​ ​age.

Campo​ ​magnético

1.10 –​ ​PÓLOS​ ​MAGNÉTICOS​ ​(SALIENTES)

São​ ​ ​as​ ​ ​extremidades​ ​ ​do​ ​ ​ímã​ ​ ​onde​ ​ ​a​ ​ ​força​ ​ ​atrativa​ ​ ​é​ ​ ​ ​ ​maior.​ ​ ​Os
pólos​ ​magnéticos​ ​se​ ​dividem​ ​em​ ​dois:​ ​Norte​ ​e​ ​Sul.

Pólo​ ​norte​ ​e​ ​pólo​ ​sul

a) Pólo​ ​Norte:​ ​é​ ​o​ ​pólo​ ​onde​ ​se​ ​supõe​ ​saírem​ ​as​ ​linhas​ ​de​ ​força​ ​de​ ​um​ ​imã
(externamente).

Pólo​ ​norte​ ​e​ ​pólo​ ​sul

b) Pólo​ ​Sul:​ ​é​ ​o​ ​pólo​ ​onde​ ​se​ ​supõe​ ​entrarem​ ​as​ ​linhas​ ​de​ ​força​ ​de
um​ ​imã​ ​(externamente).​ ​Internamente​ ​acontece​ ​o​ ​contrário.

1.11 –​ ​PÓLOS​ ​CONSEQUENTES

São​ ​pólos​ ​que​ ​se​ ​formam​ ​nas​ ​faces​ ​laterais​ ​de​ ​uma​ ​barra​ ​imantada​ ​ou
magnetizada.

Pólos​ ​consequentes
1.12 –​ ​ZONA​ ​NEUTRA

É a linha imaginária que divide os pólos de um ímã onde a força magnética é


nula.​ ​Também​ ​é​ ​chamada​ ​de​ ​linha​ ​do​ ​equador.

1.13 –​ ​ESPECTRO​ ​MAGNÉTICO

É a figura formada pela limalha de ferro ao ser submetida a ação do campo


magnético.

Espectro​ ​magnético

Nota: ​Linha do Eixo Magnético - É a linha imaginária que une internamente


os​ ​pólos​ ​magnéticos​ ​de​ ​um​ ​ímã.

1.14 –​ ​MAGNETISMO​ ​TERRESTRE

A terra apresenta propriedades magnéticas, O Polo Sul magnético localiza-se


próximo ao Polo Norte geográfico e o Polo Norte magnético localizam-se próximo
ao​ ​Polo​ ​Sul​ ​geográfico.

Pólos​ ​magnéticos​ ​da​ ​terra


1.15 –​ ​DECLINAÇÃO​ ​MAGNÉTICA

O eixo magnético não coincide com o geográfico, portanto declinação


magnética​ ​é​ ​a​ ​diferença​ a
​ ngular​ ​entre​ ​os​ ​pólos​ ​magnéticos​ ​e​ ​geográficos​ ​da​ ​terra.

Declinação​ ​magnética

1.16 –​ ​BLINDAGEM​ ​MAGNÉTICA

Também​ ​chamada​ ​de​ ​Reorientação​ ​do​ ​fluxo​ ​magnético​.


Não existe ​isolante ​conhecido para o fluxo magnético. Se um material não
magnético for colocado em um campo magnético, não haverá mudança apreciável
no fluxo, isto é, o fluxo penetra no material não magnético. Por exemplo, uma
placa de vidro colocada entre os pólos de um ímã em forma de ferradura não
exercerá nenhum efeito sobre o campo, embora em si o vidro seja um bom
isolante nos circuitos elétricos. Se um material ferromagnético (ex: ferro doce) for
colocado​ ​em​ ​um​ ​campo​ ​magnético,​ ​o​ ​fluxo​ ​poderá​ ​ser​ ​reorientado.
Nota:​ ​a​ ​blindagem​ ​magnética​ ​serve​ ​para​ ​desviar​ ​o​ ​campo​ ​magnético.

Reorientação​ ​de​ ​fluxo

Blindagem​ ​magnética
1.17 –​ ​LINHAS​ ​DE​ ​FORÇA

São​ ​linhas​ ​imaginárias​ ​usadas​ ​para​ ​representar​ ​graficamente​ ​um​ ​campo


magnético.

Linhas​ ​de​ ​força

Características:
● são​ ​contínuas​ ​e​ ​sempre​ ​formam​ ​circuitos​ ​fechados
● nunca​ ​se​ ​cruzam;
● circulam​ ​do​ ​norte​ ​para​ ​o​ ​sul​ ​externamente;
● circulam​ ​do​ ​sul​ ​para​ ​o​ ​norte​ ​internamente;
● são​ ​elásticas;
● atravessam​ ​todos​ ​os​ ​materiais​ ​magnéticos​ ​ou​ ​não;
● as​ ​linhas​ d​ e​ ​força​ ​magnéticas​ ​paralelas​ ​no​ ​mesmo​ ​sentido​ ​se​ ​repelem;
● as​ l​ inhas​ e​ m​ ​oposição​ ​tendem​ ​a​ ​se​ ​unirem​ ​e​ ​formarem​ ​linhas​ ​únicas;​ ​e
● as​ l​ inhas​ d ​ e​ ​força​ ​magnéticas​ ​tendem​ ​a​ ​se​ ​encontrar.

Nota: ​não existe ​isolante ​para o magnetismo; linhas de indução são as


linhas de força internas do ímã; e linhas de dispersão magnética são as linhas de
força​ ​que​ ​não​ ​formam​ ​circuitos​ ​fechados.

1.18 –​ ​CIRCUITO​ ​MAGNÉTICO

É​ ​o​ ​caminho​ ​percorrido​ ​pelas​ ​linhas​ ​de​ ​força.​ ​É​ ​o​ ​circuito​ ​fechado,​ ​formado
pelas​ ​linhas​ ​de​ ​força​ ​do​ ​campo​ ​magnético.

Circuito​ ​magnético
1.19 –​ ​LEI​ ​DAS​ ​FORÇAS​ ​MAGNÉTICAS

a) Força magnética de atração e repulsão: ​É a força que existe entre


dois​ ​ímãs​ ​que​ ​faz​ c
​ om​ ​que​ ​eles​ ​se​ ​atraem​ ​ou​ ​se​ ​afastem.

b) Lei de Coulomb: ​A força exercida entre dois pólos magnéticos é


diretamente proporcional ao produto de suas intensidades e inversamente ao
quadrado​ ​da​ ​distância​ ​que​ ​os​ ​separa,​ ​e​ ​pode​ ​ser​ ​de​ ​atração​ ​ou​ r​ epulsão.

Onde:
F​ ​-​ ​Força​ ​de​ ​atração​ ​ou​ ​repulsão​ ​em​ ​NEWTON
M​ ​-​ ​Intensidade​ ​magnética
d​ ​-​ ​Distância​ ​entre​ ​os​ ​mesmos​ ​em​ ​metros
1.20 –​ ​EXERCÍCIOS

1 –​ ​ ​Conforme​ ​a​ ​teoria​ ​dos​ ​ímãs​ ​moleculares,​ ​ ​teoria​ ​de​​ ​_ , todas


as substâncias são constituídas de pequenos ímãs moleculares. Quando esses
estão alinhados no mesmo sentido a substância estará imantada, e quando
estiverem​ ​desalinhados,​ ​seus​ ​efeitos​ ​magnéticos​ ​se​ ​anularam.

a) (​ ​ ​ )​ ​ F
​ araday
b) (​ ​ ​ )​ ​ W​ eber
c) (​ ​ ​ ​)​ ​Coulomb
d) (​ ​ ​ ​)​ ​Newton

2 –​ ​Como​ ​denominamos​ ​o​ ​espaço​ ​que​ ​circunda​ ​o​ ​imã​ ​onde​ ​a​ ​força​ ​magnética​ ​age?

a) (​ ​ ​ ​)​ ​campo​ ​elétrico


b) (​ ​ ​ ​)​ ​campo​ ​molecular
c) (​ ​ ​ ​)​ ​campo​ ​magnético
d) (​ ​ ​ ​)​ ​campo​ ​eletrostático

3 –​ ​Como​ ​é​ ​denominado​ ​o​ ​pólo​ ​de​ ​onde​ ​se​ ​supõe​ ​saírem​ ​as​ ​linhas​ ​de​ ​força​ ​de
um​ ​imã​ ​(externamente)?

a)​ ​( )​ ​norte b)​ (​ )​ l​ este


c)​ ​( )​ ​sul d)​ (​ )​ o ​ este

4 -​ ​Espectro​​ ​_ ,​ ​é​ ​a​ ​figura​ ​formada​ ​pela​ ​limalha​ ​de​ ​ferro​ ​ ​ ​ ​ao​ ​ser
submetida​ ​a​ ​ação​ ​do​ ​campo​ ​magnético.

a)​ ​( )​ ​elétrico b)​ (​ )​ m


​ ecânico
c)​ ​( )​ ​eletrônico d)​ (​ )​ m​ agnético

5 –​ ​A​ ​blindagem​ ​magnética​ ​serve​ ​para​​ ​_ o​ ​campo​ ​magnético.

a)​ ​( )​ ​concentrar b)​ (​ )​ d


​ esviar
c)​ ​( )​ ​intensificar d)​ (​ )​ a​ nular

6 –​ ​Como​ ​denominamos​ ​o​ ​caminho​ ​percorrido​ ​pelas​ ​linhas​ ​de​ ​força​ ​do​ ​campo
magnético.

a)​ ​( )​ ​circuito​ ​elétrico b)​ (​ )​ c


​ ircuito​ a​ berto
c)​ ​( )​ ​circuito​ ​fechado d)​ (​ )​ c​ ircuito​ m​ agnético

7 –​ ​Força​​ ​_ de​ ​atração​ ​e​ ​repulsão​ ​é​ ​a​ ​força​ ​que​ ​existe​ ​entre​ ​dois
ímãs​ ​que​ ​faz​ ​com​ ​que​ ​eles​ ​se​ ​atraem​ ​ou​ ​se​ ​afastem.

a)​ ​( )​ ​magnética b)​ (​ )​ m


​ otriz
c)​ ​( )​ ​eletromotriz d)​ (​ )​ m​ otora
8 –​ ​ ​ ​Segundo​ ​ ​a​ ​lei​ ​ ​de​​ ​_ , a força exercida entre dois pólos
magnéticos é diretamente proporcional ao produto de suas intensidades e
inversamente ao quadrado da distância que os separa, e pode ser de atração ou
repulsão.

a) (​ ​ ​ ​)​ ​Faraday
b) (​ ​ ​ ​)​ ​Weber
c) (​ ​ ​ ​)​ ​Coulomb
d) (​ ​ ​ ​)​ ​Newton

11 –​ ​Qual​ ​a​ ​força​ ​exercida​ ​entre​ ​dois​ ​pólos​ ​magnéticos​ ​com​ ​intensidades
M1=22​ ​e​ ​M2=8,​ ​considere​ ​a​ ​distância​ ​igual​ ​a​ ​0,4m?

a) ( ) F=1000N
b) ( ) F=1100N
c) ( ) F=1200N
d)​ ​(​ ​ ​ ​)​ ​F=1300N

12 –​ ​Qual​ ​a​ ​força​ ​exercida​ ​entre​ ​dois​ ​pólos​ ​magnéticos​ ​com​ ​intensidades​ ​M1=12
e​ ​M2=33,​ ​considere​ ​a​ ​distância​ ​igual​ ​a​ ​0,5m?

a) ( ) F=1584N
b) ( ) F=1684 N
c) ( ) F=1784N
d) ( ) F=1884
N

13 –​ ​Qual​ ​a​ ​força​ ​exercida​ ​entre​ ​dois​ ​pólos​ ​magnéticos​ ​com​ ​intensidades​ ​M1=10
e​ ​M2=6,​ ​considere​ ​a​ ​distância​ ​igual​ ​a​ ​0,33m?

a)​ ​(​ ​ ​ ​)​ ​F=210,96N


b)​ ​(​ ​ ​ ​)​ ​F=310,96N
c)​ ​(​ ​ ​ ​)​ ​F=410,96N
d)​ ​(​ ​ ​ ​)​ ​F=510,96N

9 –​ ​Como​ ​é​ ​também​ ​chamada​ ​a​ ​blindagem


magnética?​ ​R:

10 –​ ​Conceitue​ ​linhas​ ​de


força.​ ​R:
1.21 –​ ​GRANDEZAS​ ​MAGNÉTICAS​ ​FUNDAMENTAIS

Observação: ​para conhecimento das grandezas magnéticas fundamentais,


utilizaremos o sistema internacional (SI) ou MKS, pois o sistema CGS antigo, está
atualmente​ ​em​ ​desuso.

Força​ ​magnetomotriz​ ​-​ ​É​ a ​ ​ ​força​ ​que​ ​causa​ ​o​ ​aparecimento​ ​do​ ​campo
magnético.​ ​É​ ​similar​ ​à​ ​voltagem​ e​ létrica.

Unidade​ ​-​ ​ampere​ ​ou​ ​ampere-espira


Símbolo​ ​-​ ​F

Em​ ​um​ ​condutor​ ​reto​ ​F​ ​=​ ​I​ ​(corrente);

Em​ ​uma​ ​bobina​ ​F​ ​=​ ​N​ ​x​ ​I​,​ ​onde​ ​“​N​”​ ​é​ ​o​ ​número​ ​de​ ​espiras.

Fluxo magnético -​ ​ ​É o​ ​ ​número total de linhas de força​ ​ ​usadas na


representação​ ​do​ ​campo​ ​magnético.​ ​É​ ​similar​ ​à​ ​corrente​ ​elétrica.

Unidade​ ​-​ ​Weber​ ​ ​(Wb)


Símbolo​ ​-​ ​(Fi)

Observação:

"Quando um condutor é submetido a um campo magnético, e este campo


variar do máximo a zero, no tempo de 1 segundo, provocando o aparecimento de
1​ ​volt​ ​nos​ ​seus​ ​terminais,​ ​dizemos​ ​que​ ​o​ ​fluxo​ ​magnético​ ​é​ ​de​ ​1​ ​weber".

Relutância - ​É o ​inverso ​da permeância. É a oposição que um circuito


oferece ao estabelecimento do campo magnético; varia diretamente com o
comprimento do circuito e inversamente com a área da seção reta e a
permeabilidade.​ ​ ​É​ ​similar​ ​à​ ​resistência​ ​elétrica.

Unidade​ ​-​ ​ampér​ ​/​ ​weber (A/Wb)


Símbolo​ ​-​ ​ ​R​ ​(Rells)

ou

onde​: R​ ​=​ ​relutância;


P​ ​=​ ​ ​permeância​ ​em​ ​weber/ampére;
µ​ ​=​ ​permeabilidade;
S​ ​=​ ​área​ ​da​ ​seção​ ​reta​ ​em​ ​m2​​ ;
l​ ​ ​=​ ​comprimento​ ​em​ ​metro.
Lei de Rowland (Para circuito magnético) – ​“O fluxo magnético é
diretamente proporcional à força magnetomotriz e inversamente proporcional à
relutância.”​ ​Esta​ ​lei​ ​é​ ​similar​ ​a​ ​lei​ ​de​ ​OHM​ ​dos​ ​circuitos​ ​elétricos.

onde​: =​ ​fluxo​ ​magnético​ ​em​ ​Weber


F​ ​=​ ​força​ ​magnetomotriz​ ​em​ ​ampére​ ​ou
ampere-espira​ ​R​ ​=​ ​relutância​ ​em​ ​A/Wb

Um circuito magnético pode ser comparado a um circuito elétrico. Os


Ampères Espiras (NI) da força magnetomotriz produzem o fluxo magnético.
Portanto, a FMM se compara à FEM e o fluxo ( ) é comparado à corrente. A
oposição que o material oferece à produção do fluxo é chamada de "Relutância"
(R),​ ​que​ ​corresponde​ ​à​ ​resistência.

Intensidade magnética (ou Força Magnetizante) - ​É a capacidade de um


campo magnético em concentrar linhas de forças. É diretamente proporcional a
força magnetomotriz e inversamente proporcional ao comprimento do circuito
magnético.

Unidade​ ​-​ ​amper/metro​ ​(A/m)


Símbolo​ ​–​ ​H

Conductor

reto:

Bobina​:

Onde: H​ ​=​ ​intensidade​ ​do​ ​campo​ ​magnético​ ​em​ ​amper/metro.


F​ ​=​ ​força​ ​magnetomotriz​ ​em​ ​ampére​ ​ou
ampere/espira.​ ​l​ ​=​ ​comprimento​ ​em​ ​metro.
N​ ​=​ ​número​ ​de​ ​espiras​ ​da​ ​bobina

Se uma bobina com certo número de AE for esticada até atingir o dobro do
seu comprimento original, a intensidade do campo magnético, isto é, a
concentração​ ​das​ ​linhas​ ​de​ ​força,​ ​terá​ ​metade​ ​do​ ​seu​ ​valor​ ​original.
A​ ​intensidade​ ​do​ ​campo​ ​depende​ ​do​ ​comprimento​ ​da​ ​bobina.
Densidade​ ​magnética​ ​-​ ​É​ ​o​ ​número​ ​de​ ​linhas​ ​de​ ​força​ ​que​ ​atravessam​ ​uma
seção​ ​do​ ​campo​ ​de​ ​área​ ​unitária.
Unidade​ ​-​ ​Tesla​ ​ ​(T)​ ​ou​ ​Wb/m​2
Símbolo​ ​-​ ​β​ ​(Beta)

Onde: β​ ​=​ ​densidade​ ​magnética​ ​em​ ​Tesla​ ​ou​ ​weber/metro​ ​quadrado


​​​=
​ ​ ​fluxo​ ​magnético​ ​em​ ​Weber​ ​S
=​ ​área​ ​em​ ​m2​

Permeabilidade - ​É a facilidade que um material oferece ao estabelecimento


do campo magnético em comparação com o ar, ou é a permeância específica de
uma​ ​determinada​ ​substância.

Unidade​ ​-​ ​weber/metro​ ​ampere


Símbolo​ ​-​ ​µ​ ​(Mu)

Observação: A ​ permeabilidade do ar é considerada como igual a um (1), e a


permeabilidade de uma determinada substância é tida em comparação com a do
ar.

Onde: µ​ ​=​ ​permeabilidade​ ​em​ ​weber/​ ​metro


ampere;​ ​β​ ​=​ ​densidade​ ​magnética​ ​em​ ​Tesla;
H​ ​=​ ​força​ ​magnetizante​ ​em​ ​amper/metro.

Permeância - ​É a facilidade que um circuito oferece ao estabelecimento do


campo magnético. Esta grandeza depende, diretamente da permeabilidade do
circuito, diretamente da área da seção transversal do circuito e inversamente do
comprimento​ ​do​ ​circuito.​ ​Pode​ ​ser​ ​definida​ ​também​ ​como​ ​o​ ​inverso​ ​da​ ​relutância.

Unidade​ ​-​ ​Weber/Ampér


Símbolo​ ​ ​-​ ​P

ou

Onde: P​ ​=​ ​ ​permeância​ ​em​ ​weber/ampére;


µ​ ​=​ ​permeabilidade;
S​ ​=​ ​ ​área​ ​da​ ​seção​ ​reta​ ​em​ ​m2​​ ;
l​ ​ ​=​ ​ ​comprimento​ ​em​ ​metro
Relutividade​ ​ ​-​ ​ ​É​ ​a​ ​relutância​ ​específica​ ​de​ ​um​ ​ ​ ​ ​determinado​ ​material. A
relutividade​ ​é​ ​o​ ​inverso​ ​da​ ​permeabilidade,​ ​portanto​ ​teremos:

Unidade​ ​-​ ​Ampér.​ ​metro/Weber


Símbolo​ ​–​ ​Y

Onde: Y​ ​=​ ​ ​relatividad​ ​en​ ​metro.​ ​Ampére/Weber


β​ ​=​ ​densidade​ ​magnética​ ​em​ ​Tesla
H​ ​=​ ​força​ ​magnetizante​ ​em​ ​Amper/metro
1.22 –​ ​CÁLCULO​ ​DE​ ​GRANDEZAS​ ​MAGNÉTICAS​ ​FUNDAMENTAIS
Exemplos:
a) Calcule​ ​a​ ​força​ ​magnetomotriz​ ​de​ ​uma​ ​bobina​ ​com​ ​1500​ ​espiras​ ​e​ ​uma
corrente​ ​de​ ​0,004A.
R:

b) Calcule​ ​a​ ​intensidade​ ​magnética​ ​de​ ​uma​ ​bobina​ ​40​ ​espiras,​ ​0,1m​ ​de
comprimento​ ​e​ ​passando​ ​por​ ​ela​ ​uma​ ​corrente​ ​de​ ​3A.
R:

c) Uma​ ​bobina​ ​tem​ ​0,05m​ ​de​ ​comprimento​ ​e​ ​possui​ ​8​ ​espiras.​ ​Ao​ ​se
fechar​ ​a​ ​chave,​ ​passa​ ​pela​ ​bobina​ ​uma​ ​corrente​ ​de​ ​5A.​ ​Calcule​ ​a​ ​fmm​ ​e​ ​H.
R:

d) Um anel de ferro tem um comprimento médio de circunferência de 40


cm e uma área da secção reta de 0,01m​2​. Enrola-se uniformemente em torno dele
um fio formando 500 espiras. As medições feitas com uma bobina de prova em
torno do anel indicam que a corrente no enrolamento é de 0,06A e o fluxo no anel
é de 6 x 10​-6​Wb. Calcule a densidade de fluxo β, a intensidade magnética H e a
permeabilidade.

e) Qual a relutância de um circuito, que


ao ser aplicada​ ​ ​uma força​ ​magnetomotriz​ ​de​ ​100A,​ ​desenvolve​ ​um​ ​fluxo
magnético​ ​de​ ​0,5Wb?
R:
1.23 –​ ​EXERCÍCIOS

1 –​ ​Defina​ ​Força
magnetometric.​ ​R:

2 –​ ​Defina​ ​fluxo
magnético?​ ​R:

3 –​ ​Defina
relutância.​ ​R:

4 –​ ​ ​ ​Conforme​ ​ ​a​ ​lei​ ​ ​de (Para circuito magnético), “o fluxo


magnético é diretamente proporcional à força magnetomotriz e inversamente
proporcional​ ​à​ ​relutância.”​ ​Esta​ ​lei​ ​é​ ​similar​ ​a​ ​lei​ ​de​ ​OHM​ ​dos​ ​circuitos​ ​elétricos.

a) (​ ​ ​ ​)​ ​Faraday
b) (​ ​ ​ ​)​ ​Weber
c) (​ ​ ​ ​)​ ​Newton
d) (​ ​ ​ ​)​ ​Rowland

5 –​ ​Defina​ ​Intensidade​ ​magnética​ ​ou​ ​Força


Magnetizante.​ ​R:

6 –​ ​Defina​ ​Densidade
magnética​ ​R:

7 –​ ​Defina
Permeabilidade.​ ​R:
8 –​ ​Defina
Permeância.​ ​R:

9 –​ ​Defina
Relatividade.​ ​R:

10 -​ ​Calcule​ ​a​ ​força​ ​magnetomotriz​ ​de​ ​uma​ ​bobina​ ​com​ ​2200​ ​espiras​ ​e​ ​uma
corrente​ ​de​ ​6mA.

a) (​ ​ ​ ​)​ ​fmm​ ​=​ ​13,2Ae


b) (​ ​ ​ ​)​ ​fmm​ ​=​ ​14,2Ae
c) (​ ​ ​ ​)​ ​fmm​ ​=​ ​15,2Ae
d) (​ ​ ​ ​)​ ​fmm​ ​=​ ​16,2Ae

11 –​ ​Calcule​ ​a​ ​intensidade​ ​magnética​ ​de​ ​uma​ ​bobina​ ​80​ ​espiras,​ ​40cm​ ​de
comprimento​ ​e​ ​passando​ ​por​ ​ela​ ​uma​ ​corrente​ ​de​ ​4A.

a) ( ) H = 650 Ae/m
b) ( ) H = 700Ae/m
c) ( ) H = 750Ae/m
d)​ ​(​ ​ ​ ​)​ ​H​ ​=​ ​800Ae/m

12 –​ ​Uma​ ​bobina​ ​tem​ ​10cm​ ​de​ ​comprimento​ e ​ ​ ​possui​ ​16​ ​espiras.​ ​Ao​ ​se​ ​fechar​ ​a
chave,​ ​passa​ ​pela​ ​bobina​ ​uma​ ​corrente​ ​de​ ​10A.​ C​ alcule​ ​a​ ​fmm​ ​e​ ​H.

a) (​ ​ ​ )​ ​ f​ mm​ =
​ ​1​ 40Ae​ ​e​ ​H​ ​=​ ​1600​ ​Ae/m
b) (​ ​ ​ )​ ​ f​ mm​ =​ ​1​ 50​ ​Ae​ ​e​ ​H​ ​=​ ​1600​ ​Ae/m
c) (​ ​ ​ ​)​ ​fmm​ ​=​ ​160Ae​ ​e​ ​H​ ​=​ ​1600​ ​Ae/m
d) (​ ​ ​ ​)​ ​fmm​ ​=​ ​170​ ​Ae​ ​e​ ​H​ ​=​ ​1600​ ​Ae/m

2
13 –​ ​Qual​ ​a​ ​densidade​ ​magnética​ ​de​ ​um​ ​campo​ ​magnético​ ​de​ ​área​ ​igual​ ​a​ ​40m​
e​ ​com​ ​um​ ​fluxo​ ​magnético​ ​de​ ​2,000​ ​de​ ​linhas​ ​de​ ​força?

a) ( ) β = 35wb/m​2
b) ( ) β = 40 wb/m​2
c) ( ) β = 45wb/m​2
d)​ ​(​ ​ ​ ​)​ ​β​ ​=​ ​50wb/m​2
14 – ​Calcule a intensidade de campo magnético de uma bobina com 80 espiras,
20cm​ ​de​ ​comprimento​ ​e​ ​que​ ​esteja​ ​passando​ ​por​ ​ela​ ​uma​ ​corrente​ ​de​ ​6A.

a) ( ) H = 2300 Ae/m
b) ( ) H = 2350Ae/m
c) ( ) H = 2400 Ae/m
d)​ ​(​ ​ ​ ​)​ ​H​ ​=​ ​2450Ae/m

15 – ​A densidade (β) de fluxo produzida por um circuito magnético vale 8


teslas, e Sabendo-se que a permeabilidade (µ) vale 0,005Wb/mA. Qual a força
magnetizante​ ​(H)​ ​produzida​ ​pelo​ ​mesmo?

a) ( ) H = 1450A/m
b) ( ) H = 1500A/m
c) ( ) H = 1550A/m
d)​ ​(​ ​ ​ ​)​ ​H​ ​=​ ​1600A/m

16 - Sabendo-se que densidade (β) de fluxo produzida por um circuito


magnético vale 4 teslas, e que a força magnetizante (H) produzida é de 800W/mA.
Calcule​ ​a​ ​permeabilidade​ ​(µ).

a) ( ) µ = 0,003Wb/mA
b) ( ) µ = 0,004Wb/mA
c) ( ) µ = 0,005Wb/mA
d)​ ​(​ ​ ​ ​)​ ​µ​ ​=​ ​0,006Wb/mA

17 – ​Qual a permeância de um determinado material que tem um área de seção


transversal (S) de 0,5 e 0,04 de comprimento (L), com sua permeabilidade (µ)
igual​ ​a​ ​0,1wb/mA?​ ​Dados:​ ​S=0,5​ ​ ​ ​ ​ ​L​ ​=​ ​0,04m​ ​e​ ​µ​ ​=​ ​0,1wb/mA.

a) ( ) P = 1,25wb/A
b) ( ) P = 1,30wb/A
c) ( ) P = 1,35wb/A
d)​ ​(​ ​ ​ ​)​ ​P​ ​=​ ​1,40wb/A

18 - Qual a relutância de um circuito, que ao ser aplicada uma força


magnetomotriz​ ​de​ ​200A,​ ​desenvolve​ ​um​ ​fluxo​ m
​ agnético​ ​de​ ​0,8​ ​Wb?

a) ( ) R = 150A/Wb
b) ( ) R = 250A/Wb
c) ( ) R = 350A/Wb
d)​ ​(​ ​ ​ ​)​ ​R​ ​=​ ​450A/Wb

19 - Qual a relutividade (Y) de um material com a densidade magnética (β)


igual​ ​a​ 4
​ 0wb/​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​e​ ​força​ ​magnetization​ ​igual​ ​a​ ​800Am?

a) (​ ​ ​ )​ ​ Y
​ ​=​ ​1​ 4A/Wb
b) (​ ​ ​ )​ ​ Y​ ​=​ ​1​ 6A/Wb
c) (​ ​ ​ ​)​ ​Y​ ​=​ ​18A/Wb
d) (​ ​ ​ ​)​ ​Y​ ​=​ ​20A/Wb
CAPÍTULO​ ​2

ELETROMAGNETISM

2.1 –​ ​FUNDAMENTOS

É o estudo do magnetismo quando produzido pelo fluxo de corrente elétrica


ou​ ​da​ ​eletricidade​ ​quando​ ​produzida​ ​pelo​ ​magnetismo.

Nota: ​o fluxo de corrente elétrica ​SEMPRE ​produzirá alguma forma de


magnetismo.

O magnetismo é o meio mais usado para a produção e utilização de


eletricidade.
O comportamento da eletricidade sob certas condições é causado por
influências​ ​magnéticas.

Observação: ​em 1819, Hans Christian Oersted, físico dinamarquês,


descobriu que existe uma relação definida entre magnetismo e eletricidade. Ele
descobriu que uma corrente elétrica é acompanhada de certos efeitos magnéticos
que obedecem a leis definidas. Se uma bússola for colocada próxima de um
condutor conduzindo corrente, a agulha da bússola se alinha em ângulo reto ao
condutor, indicando, dessa forma, a presença de uma força magnética. A presença
dessa força pode ser demonstrada pela passagem de uma corrente elétrica por um
condutor​ ​vertical​ ​que​ ​atravessa​ ​um​ ​pedaço​ ​de​ ​cartolina​ ​horizontal

Aplicações: ​os fundamentos de eletromagnetismo, são largamente utilizados


na​ ​construção​ ​de​ ​campainhas,​ ​geradores,​ ​transformadores,​ ​guindastes​ ​etc.
2.2 –​ ​RELAÇÃO​ ​ENTRE​ ​CAMPO​ ​MAGNÉTICO​ ​E​ ​CORRENTE​ ​ELÉTRICA

a) Campo​ ​magnético​ ​em​ ​um​ ​condutor​ ​-​ ​A​ ​corrente​ ​elétrica​ ​fluindo​ ​em​ ​um
condutor,​ ​produz​ ​um​ ​campo​ ​magnético​ ​com​ ​as​ ​seguintes​ ​características
b) O​ ​campo​ ​magnético​ ​é​ ​formado​ ​por​ ​anéis​ ​concêntricos.
c) Os​ ​anéis​ ​são​ ​perpendiculares​ ​ao​ ​seu​ ​eixo.

Observação:​ ​a​ ​intensidade​ ​do​ ​campo​ ​magnético​ ​depende​ ​do​ ​valor​ ​da
corrente​ ​elétrica.

Campo​ ​magnético​ ​em​ ​torno​ ​de​ ​um​ ​condutor

2.3 –​ ​SENTIDO​ ​DO​ ​CAMPO​ ​MAGNÉTICO​ ​EM​ ​UM​ ​CONDUTOR

Também​ ​chamado​ ​de​ ​Regra​ ​de​ ​Fleming​.


“Usando-se a mão direita (sentido convencional), ou a mão esquerda
(sentido eletrônico), o polegar indica o sentido da corrente e os demais dedos
indicam​ ​o​ ​sentido​ ​do​ ​campo​ ​magnético​ ​formado.”

Observação:​ ​geralmente​ ​são​ ​usadas​ ​setas​ ​nos​ ​diagramas​ ​elétricos​ ​para


indicarem​ ​o​ ​sentido​ ​do​ ​fluxo​ ​de​ ​corrente​ ​ao​ ​longo​ ​de​ ​um​ ​condutor.
● O​ ​sentido​ ​da​ ​corrente​ ​saindo​ ​é​ ​indicado​ ​por​ ​um​ ​ponto.
● O​ ​sentido​ ​da​ ​corrente​ ​entrando​ ​é​ ​indicado​ ​por​ ​uma​ ​cruz.

2.4 –​ ​EFEITO​ ​DA​ ​FORÇA​ ​RESULTANTE​ ​ENTRE​ ​CONDUTORES​ ​PARALELOS


ENERGIZADOS

Também​ ​chamado​ ​de​ ​Leis​ ​de​ ​Maxwell​.

● Corrente​ ​no​ ​mesmo​ ​sentido​ ​-​ ​Dois​ ​condutores​ ​conduzindo​ ​corrente​ ​no
mesmo​ ​sentido​ ​se​ ​atraem.

Correntes​ ​no​ ​mesmo​ ​sentido


● Corrente​ ​no​ ​sentido​ ​oposto​ ​-​ ​Dois​ ​condutores​ ​paralelos​ ​conduzindo
corrente​ ​em​ ​sentido​ ​contrário​ ​se​ ​repelem.

Correntes​ ​em​ ​sentido​ ​oposto

2.5 –​ ​FUNCIONAMENTO​ ​E​ ​APLICAÇÃO​ ​DE​ ​SOLENOIDES​ ​E​ ​ELETROÍMÃS

● Funcionamento​ ​dos​ ​solenoides

a) Constituição física - ​É um dispositivo elétrico constituído por um


condutor em forma de espiral em torno de um núcleo de ar, ou seja, sem núcleo,
é​ ​apenas​ ​a​ ​bobina​ ​energizada.

Solenoide

c) Princípio de funcionamento - ​Ao circular uma corrente elétrica pelo


solenóide, ocorrerá a interação do campo magnético de cada espira formando um
campo​ ​magnético​ ​similar​ ​ao​ ​de​ ​uma​ ​barra.

Corrente​ ​elétrica​ ​pelo​ ​solenoid

Se conhecermos o sentido do fluxo de elétrons através de uma bobina, sua


polaridade​ ​ ​pode​ ​ ​ser​ ​ ​determinada​ ​ ​pelo​ ​ ​uso​ ​ ​da​ ​ ​regra​ ​ ​da​ ​ ​mão​ ​ ​esquerda​ ​ ​ ​para
bobinas.​ ​“Segurando-se​ ​a​ ​bobina​ ​com​ ​a​ ​mão​ ​esquerda,​ ​e​ ​envolvendo-a​ ​com​ ​os
dedos​ ​no​ ​sentido​ ​do​ ​fluxo​ ​de​ ​elétrons,​ ​o​ ​polegar​ ​apontará​ ​para​ ​o​ ​polo​ ​norte.”

Regra​ ​da​ ​mão​ ​esquerda​ ​para​ ​bobinas.

Nota:​ ​o​ ​solenoid,​ ​quando​ ​energizado,​ ​acquire​ ​as​ ​propriedades​ ​de​ ​um​ ​ímã.

c) Determinação dos ampères-espiras de um solenoide - ​os ampères


espiras que atuam em um solenóide são determinados pelo produto do número de
espiras do solenóide e a intensidade da corrente em ampères que o percorre. Por
exemplo: uma corrente de 10 ampères ao percorrer um solenóide com 150
espiras,​ ​dá​ ​1500​ ​ampères/espiras.
O valor em ampères espiras do solenóide não exprime nada mais que o valor
da​ ​força​ ​magnetomotriz​ ​existente​ ​no​ ​solenóide.

onde:​ ​F​ ​=​ ​força​ ​magnetomotriz.


N​ ​=​ ​número​ ​de​ ​espiras.
I​ ​=​ ​ ​corrente​ ​elétrica.

A ​intensidade do campo eletromagnético na bobina ​depende dos


seguintes​ ​fatores:
● número​ ​de​ ​espiras​ ​da​ ​bobina;
● intensidade​ ​da​ ​corrente;​ ​e
● razão​ ​comprimento-largura​ ​(diâmetro)​ ​da​ ​bobina;​ ​e
● tipo​ ​de​ ​material​ ​do​ ​núcleo.

Nota:​ ​aumentando-se​ ​o​ ​número​ ​de​ ​espiras,​ ​aumenta-se​ ​o​ ​campo​ ​magnético.

● Funcionamento​ ​dos​ ​eletroímãs

a) Constituição física - ​É um dispositivo elétrico constituído de um


condutor em forma de espiral em torno de um núcleo de material ferromagnético,
cuja finalidade é intensificar o campo magnético. Núcleo de alta permeabilidade
(ferro​ ​doce,​ ​aço​ ​silício​ ​etc.)

Eletroímã
b) Princípio de funcionamento - ​Ao se fazer circular uma corrente pela
bobina o núcleo de material ferromagnético se magnetiza com a mesma
polaridade da bobina, aumentando sua força em relação a um solenóide, devido à
maior​ ​permeabilidade​ ​do​ ​material​ ​do​ ​núcleo.

Solenoide​ ​com​ ​núcleo​ ​de​ ​ferro.

d) Aplicações (Ímãs temporários) - ​Controladores, campainhas,


interruptores de circuito, elevadores, freios magnéticos, relés, receptores de
telefone​ ​etc.

NOTA:​ ​Funcionamento​ ​de​ ​uma​ ​campainha​ ​elétrica.

1. Quando a chave é fechada, a corrente passa pelo terminal negativo da


bateria, através dos contatos, molas, as duas bobinas, e retorna ao terminal
positivo​ ​da​ ​bateria.
2. Os núcleos são imantados, e a armadura de ferro doce (magnetizada
por indução), é atraída para baixo, causando, no movimento, a batida do martelo
na​ ​campainha.
3. No instante que a armadura é atraída para baixo, o circuito é aberto no
contato de parafuso, e o eletroímã perde seu magnetismo. A lâmina-mola puxa a
armadura para cima de forma que o contato é restabelecido. A operação é
repetida​ ​enquanto​ ​a​ ​chave​ ​permanecer​ ​fechada.

Observação:​ ​Armadura​ ​-​ ​Parte​ ​móvel​ ​do​ ​eletroímã.

Campainha​ ​elétrica
2.6 –​ ​CURVAS​ ​DE​ ​MAGNETIZAÇÃO​ ​OU​ ​CURVAS​ ​ ​ ​/H

● Relação​ ​entre​ ​densidade​ ​magnética​ ​(​ ​ ​)​ ​e​ ​força​ ​magnetizante​ ​(H)

A capacidade de imantação de um material magnético nos é mostrada


através do traçado das chamadas curvas de magnetização. As curvas mostram a
quantidade de densidade magnética β decorrente de um aumento de força
magnetizante H, e nelas poderemos observar imantação de um determinado
material magnético desde o fluxo magnético “0” (zero), até o ponto de saturação
magnética. No gráfico veremos a variação da densidade de fluxo, em função da
força magnetizante. A imantação do material magnético é o resultado da
orientação​ ​dos​ ​seus​ ​domínios.

● Descrição​ ​das​ ​curvas​ ​de​ ​magnetização

São​ ​recursos​ ​gráficos​ ​usados​ ​para​ ​exprimir​ ​a​ ​relação​ ​entre​ ​o​ ​densidade
magnética​ ​e​ ​a​ ​ ​força​ ​magnetizante.

Curvas​ ​de​ ​magnetização

2.7 –​ ​HISTERESE

​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​Conceito​ ​de​ ​istereseisterese


​ ​ ​ ​É​ ​uma​ ​propriedade​ ​apresentada​ ​pela​ ​substância​ ​magnética​ ​que​ ​provoca​ ​ ​o
atraso​ ​da​ ​magnetização​ ​em​ ​relação​ ​à​ ​força​ ​que​ ​a​ ​produz.

Retentividade
É​ ​a​ ​capacidade​ ​de​ ​uma​ ​substância​ ​manter​ ​seu​ ​magnetismo​ ​depois​ ​de
removida​ ​a​ ​força​ ​magnetizante.

Saturação​ ​magnética
É​ ​o​ ​ponto​ ​atingido​ ​pelo​ ​material​ ​a​ ​ser​ ​magnetizado​ ​onde,​ ​apesar​ ​do​ ​aumento
da​ ​força​ ​magnetomotriz,​ ​não​ ​há​ ​aumento​ ​considerável​ ​do​ ​fluxo​ ​magnético.

Força​ ​coercitiva
É​ ​a​ ​força​ ​magnetizante​ ​necessária​ ​para​ ​reduzir​ ​o​ ​magnetismo​ ​residual​ ​a​ ​zero.
Curva de histerese - ​É a curva que exprime um ciclo completo de
magnetização​ ​e​ ​fornece​ ​a​ ​medida​ ​da​ p
​ erda​ ​de​ ​energia​ ​por​ ​histerese.

Curva​ ​de​ ​histerese

Onde:
abcdefa​ ​-​ ​ciclo​ ​de​ ​histerese;
0a​ ​-​ ​curva​ ​de​ ​magnetização;
0b​ ​e​ ​0e​ ​-​ ​ ​magnetismo​ ​residual;
0c​ ​e​ ​0f​ ​-​ ​ ​força​ ​coercitiva.

Consequência​ ​da​ ​histerese


A principal consequência do fenômeno da histerese, é o ​aquecimento ​(efeito
Joule) dos diversos equipamentos que utilizam o fenômeno do magnetismo como
princípio de funcionamento. Este aquecimento é devido à fricção molecular que
ocorre no momento da aplicação da força coercitiva, principalmente em
equipamentos de corrente alternada, como transformadores. Então, os seus
núcleos deverão possuir um material de alta permeabilidade para atenuar essas
perdas.
2.8 –​ ​EXERCÍCIOS
1 –​ ​Como​ ​denominamos​ ​o​ ​estudo​ ​do​ ​magnetismo​ ​quando​ p ​ roduzido​ ​pelo​ ​fluxo
de​ ​corrente​ ​elétrica​ ​ou​ ​da​ ​eletricidade​ ​quando​ ​produzida​ ​pelo​ ​magnetismo?

a) (​ ​ ​ ​)​ ​magnetismo
b) (​ ​ ​ ​)​ ​eletromagnetismo
c) (​ ​ ​ ​)​ ​eletrodinâmica
d) (​ ​ ​ ​)​ ​eletrostática

2 – ​Qual o nome do físico dinamarquês, que descobriu a existência de uma


relação definida entre magnetismo e eletricidade. Ele descobriu que uma corrente
elétrica é acompanhada de certos efeitos magnéticos que obedecem a leis
definidas?

a) (​ ​ ​ ​)​ ​Faraday
b) (​ ​ ​ ​)​ ​Weber
c) (​ ​ ​ ​)​ ​Rowland
d) (​ ​ ​ ​)​ ​Hans

3 –​ ​ ​Os​ f​ undamentos​ ​de________________​​ ​_​,são​ ​largamente​ ​utilizados​ ​na


construção​ d ​ e​ ​campainhas,​ ​geradores,​ ​transformadores,​ ​guindastes​ ​etc.

a) (​ ​ ​ )​ ​ e
​ letromagnetismo
b) (​ ​ ​ )​ ​ e​ letrostática
c) (​ ​ ​ ​)​ ​eletrodinâmica
d) (​ ​ ​ ​)​ ​magnetismo

4– ​A intensidade do campo magnético depende do valor da


______________​elétrica.

a) (​ ​ ​ )​ ​ t​ ensão
b) (​ ​ ​ )​ ​ c ​ orrente
c) (​ ​ ​ ​)​ ​resistência
d) (​ ​ ​ ​)​ ​potência

5 – ​“Usando-se a mão direita (sentido convencional), ou a mão esquerda


(sentido eletrônico), o polegar indica o sentido da corrente e os demais dedos
indicam o sentido do campo magnético formado.” O referido enunciado refere-se a
regra​ ​ ​de___________________​​ ​_​?

a) (​ ​ ​ ​)​ ​Weber
b) (​ ​ ​ ​)​ ​Rowland
c) (​ ​ ​ ​)​ ​Fleming
d) (​ ​ ​ ​)​ ​Hans

6 – O​ ​estudo​ ​dos​ ​feitos​ ​da​ ​força​ ​resultante​ ​entre​ ​condutores​ ​paralelos


energizados,​ ​é​ ​também​ ​chamado​ ​de​ ​leis​ ​de​​ ​_ .
a)​ ​( )​ ​Rowland b)​ (​ )​ ​Fleming
c)​ ​( )​ ​Hans d)​ (​ )​ ​maxwell
7 – ​Como é denominado o dispositivo elétrico constituído por um condutor em
forma de espiral em torno de um núcleo de ar, ou seja, sem núcleo, é apenas a
bobina​ ​energizada?

a)​ ​( )​ ​transformador b)​ (​ )​ s ​ olenoides


c)​ ​( )​ ​eletroímãs d)​ (​ )​ i​ ndutor

8 –​ ​Um​ ​solenóide​ ​com​ ​60​ ​espiras​ ​e​ ​com​ ​uma​ ​corrente​ ​de​ ​0,5A,​ ​terá​ ​uma​ ​força
magnetomotriz​ ​de:

a)​ ​( )​ ​F​ ​=​ ​30AE b)​ (​ )​ F


​ ​=​ ​3​ 2AE
c)​ ​( )​ ​F​ ​=​ ​34AE d)​ (​ )​ F​ ​=​ ​3​ 6AE

9 – Qual a​ ​ ​corrente de um​ ​ ​solenoide de 120​ ​Esp.


Que possuiuma​ ​ ​força​ ​magnetization​ ​de​ ​600AE?

a)​ ​( )​ ​I​ ​=​ ​3A b)​ (​ )​ I​ ​ =


​ ​4​ A
c)​ ​( )​ ​I​ ​=​ ​5A d)​ (​ )​ I​ ​ =​ ​6​ A

10 –​ ​Com​ ​quantas​ ​espiras​ ​de​ ​fio​ ​será​ ​constituído​ ​um​ ​solenóide,​ ​se​ ​a​ ​corrente​ ​(I)
de​ ​2A​ ​e​ ​uma​ ​força​ ​magnetomotriz​ ​de​ ​400A/Esp?

a)​ ​( )​ ​N​ ​=​ ​100​ ​Esp. b)​ (​ )​ ​N​ =


​ ​1​ 50​ E​ sp.
c)​ ​( )​ ​N​ ​=​ ​200​ ​Esp. d)​ (​ )​ N​ ​=​ ​2​ 50​ E​ sp.

11 – ​Como é denominado o dispositivo elétrico constituído de um condutor em


forma de espiral em torno de um núcleo de material ferromagnético, cuja
finalidade​ ​é​ ​intensificar​ ​o​ ​campo​ ​magnético?

a)​ ​( )​ ​indutor b)​ (​ )​ t​ ransformador


c)​ ​( )​ ​solenoides d)​ (​ )​ e ​ letroímãs

12 – Como é denominada a capacidade de uma substância manter seu


magnetismo​ ​depois​ ​de​ ​removida​ ​a​ ​força​ ​magnetizante?

a)​ ​( )​ ​força​ ​magnetization b)​ (​ )​ r​ etentividade


c)​ ​( )​ ​força​ ​coercitiva d)​ (​ )​ h ​ isterese

13 –​ ​Como​ ​é​ ​denominada​ ​a​ ​força​ ​magnetizante​ ​necessária​ ​para​ ​reduzir​ ​o


magnetismo​ ​residual​ ​a​ ​zero?

a)​ ​( )​ ​força​ ​magnetization b)​ (​ )​ f​ orça​ ​coercitiva


c)​ ​( )​ ​retentividade d)​ (​ )​ h ​ isterese

13​ ​ ​–​ ​_ , é uma propriedade apresentada pela substância


magnética que provoca o atraso da magnetização em relação à força que a
produz.
a)​ ​( )​ ​histerese b)​ (​ )​ ​retentividade
c)​ ​( )​ ​força​ ​coercitiva d)​ (​ )​ ​força
magnetization
CAPÍTULO​ ​3

INDUÇÃO​ ​ELETROMAGNÉTICA,​ ​AUTO-INDUÇÃO​ ​E​ ​INDUÇÃO​ ​MÚTUA

3.1 –​ ​LEI​ ​DE​ ​FARADAY

“Sempre​ ​que​ ​houver​ ​um​ ​movimento​ ​relativo​ ​entre​ ​um​ ​condutor​ ​e​ ​um​ ​campo
magnético,​ ​será​ ​induzida​ ​no​ ​condutor​ ​uma​ ​FEM.”

3.2 –​ ​INDUÇÃO

Essa​ ​tensão​ ​gerada​ ​pelo​ ​movimento​ ​do​ ​condutor​ ​no​ ​interior​ ​de​ ​um​ ​campo
magnético​ ​é​ ​denominada​ ​de​ ​tensão​ ​induzida​.

Tensão​ ​induzida

Explicação​: - Um condutor ao ser submetido a um campo magnético


variável, ou seja, móvel, terá entre seus extremos uma FEM, que é conhecida
como induzida. Esta mesma FEM poderá ser induzida aproximando-se e
afastando-se​ ​o​ ​condutor​ ​de​ ​um​ ​campo​ ​fixo.

Nota:​ ​Para​ ​o​ ​condutor​ ​estará​ ​sempre​ ​havendo​ ​uma​ ​variação​ ​de​ ​fluxo,
condição​ ​para​ ​que​ ​se​ ​produza​ ​FEM​ ​induzida​ ​(movimento​ ​relativo).

Força​ ​eletromotriz​ ​induzida


É​ ​ ​a​ ​ ​força​ ​ ​resultante​ ​ ​da​ ​ ​variação​ ​ ​do​ ​ ​campo​ ​ ​ ​ ​magnético​ ​ ​que corta​ ​ ​um
condutor.
A​ ​FEM​ ​depende:
● de​ ​um​ ​condutor;
● de​ ​um​ ​campo​ ​magnético;​ ​e
● do​ ​movimento​ ​relativo​ ​entre​ ​eles.
Para que haja produção da força eletromotriz induzida é necessário que o
condutor seja submetido a um campo magnético variável, ou seja, existe um
movimento​ ​relativo​ ​entre​ ​eles.

Observação: ​Ao fenômeno mencionado, dá-se o nome de "Indução


Eletromagnética".

Expressão​ ​matemática
O valor da tensão induzida em um condutor submetido a um campo
magnético​ ​variável​ ​é​ ​proporcional​ ​à​ ​rapidez​ ​com​ ​que​ ​o​ ​fluxo​ ​ ​varia.

​ ​E=​ ​Δ​ ​I​ ​/​ ​Δ​ ​t​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​E=​ ​Δ​ ​Φ​ ​/​ ​Δ​ ​t

Onde: E​ ​=​ ​FEM​ ​induzida,​ ​em​ ​volt


Δ​ ​I​ ​=​ ​variação​ ​de​ ​corrente,​ ​em​ ​ampèr
Δ​ ​t​ ​=​ ​variação​ ​de​ ​tempo,​ ​em​ ​segundos
Δ​ ​Φ​ ​ ​=​ ​variação​ ​do​ ​fluxo​ ​magnético,​ ​em​ ​Weber

Tensão​ ​induzida​ ​na​ ​bobina​ ​-​ ​A​ ​tensão​ ​induzida​ ​na​ ​bobina​ ​é​ ​determinada
por​ ​3​ ​(três)​ ​fatores:
● intensidade​ ​de​ ​fluxo;
● número​ ​de​ ​espiras;​ ​e
● velocidade​ ​de​ ​interseção

E=N.​ ​Δ​ ​Φ​​ ​/​ ​Δ​ ​t​ ​ ​=​ ​ ​ ​Wb/s​​ =V


Expressão​ ​matemática​ ​para​ ​geradores

​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​e​ ​=​ ​β.l.v.senθ

onde​:​ ​ ​ ​ ​e​ ​=​ ​força​ ​eletromotriz,​ ​em​ ​volt


​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​β​ ​=​ ​densidade​ ​do​ ​campo​ ​magnético,​ e
​ m​ T
​ esla

​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​l​ ​=​ ​comprimento​ ​ativo​ ​do​ ​condutor,​ ​em​ ​metros


​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​v​ ​=​ ​velocidade​ ​do​ ​condutor​ ​dentro​ ​do​ ​campo,​ ​em​ ​ ​metros/segundo
senθ​ ​=​ ​seno​ ​do​ ​ângulo​ ​formado​ ​entre​ ​o​ ​movimento​ ​do​ ​condutor​ ​e​ ​o
campo​ ​magnético

3.3 –​ ​COMPROVAÇÃO​ ​DA​ ​LEI​ ​DE​ ​FARADAY

A Lei de Faraday pode ser facilmente comprovada em laboratório; para isto


basta que utilizemos um material condutor, como um fio de cobre por exemplo,
com um miliamperímetro de zero central conectado aos seus terminais e um ímã
qualquer. Ao movimentarmos o ímã próximo ao condutor ou movimentarmos o
condutor próximo ao ímã, veremos o deslocamento do ponteiro do amperímetro
provocado​ ​pelo​ ​aparecimento​ ​de​ ​uma​ ​FEM​ ​induzida​ ​no​ ​condutor.

3.4 –​ ​LEI​ ​DE​ ​LENZ

“A​ ​FEM​ ​induzida​ ​em​ ​qualquer​ ​circuito,​ ​é​ ​de​ ​polaridade​ ​tal​ ​que​ ​se​ ​opõe​ ​ao
efeito​ ​que​ ​a​ ​produziu.”.

FEM​ ​induzida
Sequência​ ​de​ ​formação:
1. Corrente​ ​na​ ​bobina.
2. Campo​ ​Magnético​ ​com​ ​sentido​ ​ascendente​ ​e​ ​de​ ​grandeza​ ​rapidamente
crescente.
3. Corrente​ ​Induzida
4. Campo​ ​Magnético​ ​criado​ ​pela​ ​corrente​ ​induzida.

3.5 –​ ​SENTIDO​ ​DA​ ​FEM​ ​INDUZIDA

Dispondo os dedos polegar, indicador e médio da mão esquerda


perpendiculares entre si, o dedo polegar indicando o sentido do movimento do
condutor; o dedo indicador indicando o sentido do campo magnético, o dedo
médio,​ ​indicará​ ​o​ ​sentido​ ​da​ ​FEM​ ​induzida.

3.6 –​ ​COMPROVAÇÃO​ ​DA​ ​LEI​ ​DE​ ​LENZ


Segundo a lei proposta pelo físico russo Heinrich Lenz, a partir de resultados
experimentais, a corrente induzida tem sentido oposto ao sentido da variação do
campo​ ​magnético​ ​que​ ​a​ ​gera.
● Se​ ​houver​ ​diminuição​ ​do​ ​fluxo​ ​magnético,​ ​a​ ​corrente​ ​induzida​ ​irá​ ​criar​ ​um
campo​ ​magnético​ ​com​ ​o​ ​mesmo​ ​sentido​ ​do​ ​fluxo;
● Se​ ​houver​ ​aumento​ ​do​ ​fluxo​ ​magnético,​ ​a​ ​corrente​ ​induzida​ ​irá​ ​criar​ ​um
campo​ ​magnético​ ​com​ ​sentido​ ​oposto​ ​ao​ ​sentido​ ​do​ ​fluxo.

Se usarmos como exemplo, uma espira posta no plano de uma página e a


submetermos a um fluxo magnético que tem direção perpendicular à página e com
sentido​ ​de​ ​entrada​ ​na​ ​folha.

● Se​ ​for​ ​positivo,​ ​ou​ ​seja,​ ​se​ ​a​ ​fluxo​ ​ ​magnético​ ​ ​aumentar,​ ​ ​a​ ​corrente
induzida​ ​terá​ ​sentido​ ​anti-horário;
● Se​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​for​ ​ ​negativo,​ ​ ​ou​ ​ ​seja,​ ​ ​se​ ​ ​a​ ​ ​fluxo​ ​ ​magnético​ ​ ​diminuir,​ ​ ​a​ ​corrente
induzida​ ​terá​ ​sentido​ ​horário.

3.7 –​ ​INDUTÂNCIA

É a característica de um circuito ou de um condutor de se opor à variação do


fluxo de corrente. A indutância exerce sobre a corrente a mesma influência que a
inércia exerce sobre uma determinada massa. A inércia é a característica da
massa​ ​de​ ​se​ ​opor​ ​à​ ​variação​ ​de​ ​movimento.
A unidade de medida da indutância é o ​henry​, representada pela letra ​H​.
Essa unidade de medida tem submúltiplos muito usados em eletrônica. Veja tabela
a​ ​seguir.

A​ ​indutância​ ​de​ ​uma​ ​bobina​ ​depende​ ​de​ ​diversos​ ​fatores:

● material,​ ​seção​ ​transversal,​ ​formato​ ​e​ ​tipo​ ​do​ ​núcleo;


● número​ ​de​ ​espiras;
● espaçamento​ ​entre​ ​as​ ​espiras;
● tipo​ ​e​ ​seção​ ​transversal​ ​do​ ​condutor.

3.8 –​ ​INDUTOR

São corpos que apresentam as propriedades da indutância de maneira


bastante​ ​acentuada.
Observação:​ ​Um​ ​indutor​ ​apresenta​ ​a​ ​indutância​ ​de​ ​1​ ​henry​ ​se​ ​uma​ ​FEM​ ​ ​ ​de
1​ ​volt​ ​é​ ​induzida​ ​quando​ ​circula,​ ​pelo​ ​mesmo,​ ​uma​ ​corrente​ ​de​ ​1​ ​amper​ ​por
segundo.

3.9 –​ ​INDUTÂNCIA​ ​EQUIVALENTE

Se os indutores forem dispostos suficientemente afastados uns dos outros, de


modo​ ​que​ ​ ​não​ ​interajam​ ​eletromagneticamente​ ​ ​entre​ ​ ​si,​ ​ ​ou​ ​ ​seja,​ ​ ​não​ ​ ​tenham
acoplamento​ ​magnético,​ ​os​ ​seus​ ​valores​ ​podem​ ​ser​ ​associados​ ​exatamente​ ​como
se​ ​associam​ ​resistores.
Como as ​bobinas ​apresentam indutância, elas também são chamadas de
indutores​. Estes podem ter as mais diversas formas e podem inclusive ser
parecidos​ ​com​ ​um​ ​transformador.​ ​Veja​ ​figura​ ​a​ ​seguir.

Associação de Indutores – ​Os indutores podem ser associados ​em série​,


em paralelo ​e até mesmo de forma ​mista​, embora esta última não seja muito
utilizada.

● Associação​ ​em​ ​Série​ ​–​ ​As​ ​ilustrações​ ​a​ ​seguir​ ​mostram​ ​uma​ ​associação
série​ ​de​ ​indutores​ ​e​ ​sua​ ​representação​ ​esquemática.

A​ ​representação​ ​matemática​ ​desse​ ​tipo​ ​de​ ​associação​ ​é:

● Associação em Paralelo – ​A associação paralela pode ser usada como


forma de obter indutâncias menores ou como forma de dividir uma corrente
entre​ ​diversos​ ​indutores.

A indutância total de uma associação paralela é representada


matematicamente​ ​por:

​ ​​ ​ ​ ​​ ​ ​
Lt=​ ​1/​ ​ ​1/L1+1/L2​ ​+​ ​1/L3

Nessa​ ​expressão,​ ​LT​ ​é​ ​a​ ​indutância​ ​total​ ​e​ ​L1,​ ​L2,​ ​...​ ​L​n​ ​são​ ​as​ ​indutâncias
associadas.
Essa​ ​expressão​ ​pode​ ​ser​ ​desenvolvida​ ​para​ ​duas​ ​situações​ ​particulares:

a) Associação​ ​paralela​ ​de​ ​dois​ ​indutores:

Lt=L1xL2/L1+L2

b) Associação​ ​paralela​ ​de​ ​“n”​ ​indutores​ ​de​ ​mesmo​ ​valor​ ​(L):

​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​Lt​ ​=L/n

Para​ ​utilização​ ​das​ ​equações,​ ​todos​ ​os​ ​valores​ ​de​ ​indutâncias​ ​devem​ ​ser
convertidos​ ​para​ ​a​ ​mesma​ ​unidade​.

● Associação​ ​mista​ ​-​ ​É​ ​a​ ​combinação​ ​das​ ​associações​ ​série​ ​e​ ​paralela.

3.10 –​ ​AUTO-INDUÇÃO

● É o fenômeno por meio do qual uma variação de intensidade de


corrente que circula em um condutor, induz no mesmo uma FEM de sentido tal
que​ ​se​ ​opõe​ ​à​ ​variação.
● É o nome pelo qual denominamos a força eletromotriz induzida,
produzida pela variação do campo magnético criado pela corrente que circula em
um​ ​condutor.

NOTAS: ​Este tipo de força eletromotriz induzida cria uma oposição ao


estabelecimento​ ​da​ ​corrente​ ​elétrica​ ​no​ ​circuito.

O fenômeno da auto indução se faz presente nos circuitos de CC no momento


de fechamento e abertura do mesmo. Ele é mais observado nos circuitos de CA
por​ ​causa​ ​da​ ​variação​ ​provocada​ ​pela​ ​frequência.
3.11 –​ ​AUTO-INDUTÂNCIA

É a capacidade de um circuito de produzir uma FEM por auto indução, quando


por​ ​ele​ ​circula​ ​uma​ ​corrente​ ​elétrica.

Auto-indutância

A ​tensão gerada ​na bobina por auto indução tem ​polaridade oposta ​à da
tensão que é aplicada aos seus terminais, por isso é denominada de ​força contra
eletromotriz​ ​ou​ ​fcem.
Resumindo, quando a chave do circuito é ligada, uma tensão com uma
determinada​ ​polaridade​ ​é​ ​aplicada​ ​à​ ​bobina.

A auto indução gera na bobina uma tensão induzida (fcem) de polaridade


oposta​ ​à​ ​da​ ​tensão​ ​aplicada.
Se representarmos a fcem como uma "bateria" existente no interior da
própria​ ​bobina,​ ​o​ ​circuito​ ​se​ ​apresenta​ ​conforme​ ​mostra​ ​a​ ​figura​ ​a​ ​seguir.
Como​ ​a​ ​fcem​ ​atua​ ​contra​ ​a​ ​tensão​ ​da​ ​fonte,​ ​a​ ​tensão​ ​aplicada​ ​à​ ​bobina​ ​é,​ ​na
realidade:

V​ ​RESULTANTE​​ ​ ​=​ ​V​ ​FONTE​​ ​ ​-​ ​F​CEM​.

A​ ​corrente​ ​no​ ​circuito​ ​é​ ​causada​ ​por​ ​essa​ ​tensão​ ​resultante,​ ​ou​ ​seja:

3.12 –​ ​ENERGIA​ ​ARMAZENADA​ ​EM​ ​UM​ ​INDUTOR

A energia armazenada, é uma energia que se dispõe para utilização em


momento oportuno. Nos circuitos elétricos esta energia pode ser armazenada no
campo​ ​dos​ ​indutores.

Onde: W​ ​=​ ​energia​ ​armazenada,​ ​em​ ​Joule


L​ ​=​ ​indutância​ ​equivalente,​ ​em​ ​Henry
I​ ​=​ ​Corrente,​ ​em​ ​ampére

3.13 –​ ​INDUÇÃO​ ​MÚTUA

Indução mútua - ​É a capacidade de um circuito produz uma FEM por


indução em um circuito vizinho, quando a corrente que circula pelo primeiro varia
de​ ​intensidade.

Indução​ ​mútua

Indutância mútua - ​Sempre que dois condutores estiverem próximos e


isolados um do outro, haverá o aparecimento de uma tensão induzida em um
deles, sempre que a corrente que passa pelo outro variar; neste princípio é
baseado​ ​o​ ​funcionamento​ ​dos​ ​transformadores.
Onde:​ M
​ ​ ​=​ i​ ndução​ ​mútua​ ​em​ ​henry
K ​= coeficiente de acoplamento, ou seja, se todas as linhas de força
de uma bobina envolvem a outra, teremos coeficiente 1 (um) de
acoplamento,​ ​que​ ​é​ ​o​ ​máximo​ ​que​ ​se​ ​pode​ ​conseguir.
L1​ ​e​ ​L2​ ​=​ ​indutâncias​ ​equivalentes​ ​de​ ​cada​ ​um.

Fatores​ ​que​ ​influenciam​ ​a​ ​indutância​ ​mútua:

● dimensões​ ​físicas​ ​das​ ​bobinas;


● número​ ​de​ e
​ spiras​ ​das​ ​bobinas;
● distância​ ​entre​ ​as​ ​bobinas;
● posição​ ​relativa​ ​do​ ​eixo​ ​das​ ​bobinas;​ ​e
● permeabilidade​ ​do​ ​material​ ​do​ ​núcleo.

Indutância​ ​mútua

Aplicação:​ ​O​ ​fenômeno​ ​da​ ​indutância​ ​mútua​ ​é​ ​largamente​ ​empregado,


principalmente,​ ​no​ ​funcionamento​ ​de​ ​transformadores​ ​e​ ​bobinas​ ​de​ ​indução.

Observação: ​O fenômeno da indução mútua observado nas linhas telefônicas


é chamado de "linha cruzada”; o receptor telefônico é sensível à correntes de
0,003A​ ​a​ ​0,005A.
3.14 –​ ​FUNCIONAMENTO​ ​DE​ ​UMA​ ​BOBINA​ ​DE
INDUÇÃO​ ​Partes​ ​componentes:
● enrolamento​ ​primário​ ​(poucas​ ​espiras​ ​de​ ​fio​ ​grosso);
● enrolamento​ ​secundário​ ​(muitas​ ​espiras​ ​de​ ​fio​ ​fino);
● núcleo​ ​de​ ​ferro;
● dispositivo​ ​eletromecânico.

Princípio​ ​de​ ​funcionamento:​ ​é​ ​baseado​ ​no​ ​princípio​ ​de​ ​indução​ ​mútua.

Descrição de funcionamento: ​ao ser variada a corrente no enrolamento


primário, haverá indução de uma alta voltagem no enrolamento secundário,
devido ao seu elevado número de espiras. Já que a mesma opera com corrente
contínua, o responsável pela variação de corrente é o dispositivo eletromecânico
chamado de platinado, que irá funcionar como se fosse uma chave abrindo e
fechando​ ​o​ ​circuito​ ​continuamente,​ ​durante​ ​o​ ​funcionamento​ ​do​ ​motor.

Aplicação:​ ​era​ ​largamente​ ​utilizada​ ​no​ ​sistema​ ​convencional​ ​de​ ​ignição​ ​de
automóveis,​ ​que​ ​está​ ​sendo​ ​substituído​ ​pelo​ ​sistema​ ​de​ ​ignição​ ​eletrônica.
3.15 –​ ​EXERCÍCIOS

1 –​ ​ ​Sempre​ ​que​ ​houver​ u


​ m​ ​movimento​ ​relativo​ ​entre​ ​um​ ​condutor​ ​e​ ​ ​ ​ ​um
campo
​ ​___________________ ,​ s
​ erá​ ​induzida​ ​no​ ​condutor​ ​uma​ ​FEM.

a) ( )​ ​elétrico
b) ( )​ ​eletrostático
c) ( )​ ​magnético
d) ( )​ e​ letromagnético

2 –​ ​A__________________gerada​ ​pelo​ ​movimento​ ​do​ ​condutor​ ​no​ ​interior


de​ ​um​ ​campo​ ​magnético​ ​é​ ​denominada​ ​de​​ ​________________​induzida?

a) ( )​ ​tensão
b) ( )​ ​corrente
c) ( )​ ​resistência
d) ( )​ ​potência

3 –​ ​ ​Força​ ​eletromotriz​​ ​___________________ ,​ ​ ​é​ ​ ​a​ ​ ​força​ ​ ​resultante​ ​ ​da


variação​ ​do​ ​campo​ ​magnético​ ​que​ ​corta​ ​um​ ​condutor.
a) ( )​ ​convertida
b) ( )​ ​transferida
c) ( )​ ​capacitiva
d) ( )​ ​induzida

4 –​ ​Qual​ ​o​ ​valor​ ​da​ ​FEM​ ​induzida​ ​num​ ​condutor​ ​com​ ​um​ ​fluxo​ ​de​ ​corrente​ ​de
2A,​ ​considerando-se​ ​o​ ​tempo​ ​de​ ​4​ ​segundos?
a)​ ​( )​ ​E​ ​=​ ​0,4V b)​ (​ )​ E
​ ​=​ ​0​ ,5V
c)​ ​( )​ ​E​ ​=​ ​0,6V d)​ (​ )​ E​ ​=​ ​0​ ,7V

5 –​ ​Qual​ ​o​ ​valor​ ​da​ ​FEM​ ​induzida​ ​num​ ​condutor​ ​que​ ​corta​ ​um​ ​fluxo​ ​de​ ​6wb​ ​em
8​ ​segundos?

a)​ ​( )​ ​E​ ​=​ ​0,75V b)​ (​ )​ E


​ ​=​ ​0​ ,76V
c)​ ​( )​ ​E​ ​=​ ​0,77V d)​ (​ )​ E​ ​=​ ​0​ ,78V

6 –​ ​ ​De​ ​ ​acordo​ ​ ​com​ ​ ​a​ ​lei​ ​de​​ ​___________________​,​ ​ ​A​ ​ ​FEM​ ​ ​induzida​ ​em
qualquer​ ​circuito,​ ​é​ ​de​ ​polaridade​ ​tal​ ​que​ ​se​ ​opõe​ ​ao​ ​efeito​ ​que​ ​a​ ​produziu

a)​ ​( )​ ​Maxwell b)​ (​ )​ i​ ndutância


c)​ ​( )​ ​Lenz d)​ (​ )​ F ​ leming

7 –​ ​Como​ ​é​ ​denominada​ ​a​ ​característica​ ​de​ ​um​ ​circuito​ ​ou​ ​de​ ​um​ ​condutor​ ​de
se​ ​opor​ ​à​ ​variação​ ​do​ ​fluxo​ ​de​ ​corrente?

a)​ ​( )​ ​indutância b)​ ​( )​ ​capacitância


c)​ ​( )​ ​impedância d)​ ​( )​ ​reatância

8 –​ ​A​ ​unidade​ ​de​ ​medida​ ​da​ ​indutância​ ​ ​é​ ​o​ ​_ ,​ ​representada​ ​pela
letra​ ​H.​ E
​ ssa​ ​unidade​ ​de​ ​medida​ ​tem​ ​submúltiplos​ ​muito​ ​usados​ ​em​ ​eletrônica.

a)​ ​( )​ ​volt​ ​(V) b)​ (​ )​ o


​ hm​ ​(Ω)
c)​ ​( )​ ​henry​ ​(H) d)​ (​ )​ v​ olt​ ​(V)

9 –​ ​Como​ s​ ão​ ​denominados​ ​os​ ​corpos​ ​que​ ​apresentam​ ​as​ ​propriedades​ ​da
indutância​ ​de​ m​ aneira​ ​bastante​ ​acentuada?

a)​ ​( )​ ​resistores b)​ (​ )​ c ​ apacitores


c)​ ​( )​ ​transformadores d)​ (​ )​ i​ ndutores

10 – ​Auto indução, é o fenômeno por meio do qual uma variação de intensidade


de​​ ​_ que circula em um condutor, induz no mesmo uma
FEM​ ​de​ ​sentido​ ​tal​ ​que​ ​se​ ​opõe​ ​à​ ​variação.

a)​ ​( )​ ​tensão b)​ (​ )​ ​corrente


c)​ ​( )​ ​impedância d)​ (​ )​ ​potência

11 –​ ​A​ ​_ gerada na bobina por auto indução tem polaridade


oposta​ ​à​ ​da​​ ​_ que é aplicada aos seus terminais, por isso é denominada
de​ ​força​ ​contra​ ​eletromotriz​ ​ou​ ​fcem.

a)​ ​( )​ ​tensão b)​ (​ )​ ​corrente


c)​ ​( )​ ​impedância d)​ (​ )​ ​potência

12 –​ ​Qual​ ​a​ ​energia​ ​armazenada​ ​em​ ​um​ ​indutor​ ​de​ ​60H​ ​e​ ​que​ ​circula​ ​por​ ​ele
uma​ ​corrente​ ​de​ ​0,5​ ​AMP,​ ​é​ ​de​ ​quantos​ ​Joules?

a)​ ​( )​ ​W​ ​=​ ​4,5J b)​ (​ )​ W


​ ​=​ ​5​ ,5J
c)​ ​( )​ ​W​ ​=​ ​6,5J d)​ (​ )​ W​ ​=​ ​7​ ,5J

13 –​ ​Um​ ​condutor​ ​de​ ​15H​ ​é​ ​alimentado​ ​com​ ​110v,​ ​circulando​ ​pelo​ ​mesmo​ ​uma
corrente​ ​de​ ​500mA.​ ​Qual​ ​a​ ​energia​ ​que​ ​será​ ​armazenada​ ​no​ ​indutor?

a)​ ​( )​ ​W​ ​=​ ​1,675J b)​ (​ )​ W


​ ​=​ ​1​ ,775J
c)​ ​( )​ ​W​ ​=​ ​1,875J d)​ (​ )​ W​ ​=​ ​1​ ,975J

14 – Como denominamos a capacidade de um circuito produz uma FEM por


indução em um circuito vizinho, quando a corrente que circula pelo primeiro varia
de​ ​intensidade?
R:

15 –​ ​A​ ​que​ ​fenômeno​ ​refere-se​ ​o​ ​texto​ ​a​ ​seguir:​ ​“Sempre​ ​que​ ​dois​ ​condutores
estiverem​ ​próximos​ ​e​ ​isolados​ ​um​ ​do​ ​outro,​ ​haverá​ ​o​ ​aparecimento​ ​de​ ​ ​uma
tensão​ ​induzida​ ​em​ ​um​ ​deles,​ ​sempre​ ​que​ ​a​ ​corrente​ ​que​ ​passa​ ​pelo​ ​outro​ ​variar?
R:
CAPÍTULO​ ​4

CORRENTE​ ​ALTERNADA

4.1 –​ ​CORRENTE​ ​E​ ​TENSÃO​ ​ALTERNADA​ ​MONOFÁSICAS

A tensão alternada ​muda ​constantemente de ​polaridade​. Isso provoca nos


circuitos​ ​um​ ​fluxo​ ​de​ ​corrente​ ​ora​ ​em​ ​um​ ​sentido,​ ​ora​ ​em​ ​outro.

4.2 –​ ​GERAÇÃO​ ​DE​ ​CORRENTE​ ​ALTERNADA

Para se entender como se processa a geração de corrente alternada, é


necessário saber como funciona um gerador elementar que consiste de uma espira
disposta​ ​de​ ​tal​ ​forma​ ​que​ ​pode​ ​ser​ ​girada​ ​em​ ​um​ ​campo​ ​magnético​ ​estacionário.
Desta forma, o condutor da espira corta as linhas do campo eletromagnético,
produzindo​ ​a​ ​força​ ​eletromotriz​ ​(ou​ ​fem).

4.3 –​ ​PARTES​ ​COMPONENTES​ ​DO​ ​GERADOR

a) Peças polares: ​é a parte do gerador na qual é estabelecido o campo


magnético​ ​fixo.

b) Armadura: é ​ constituída de bobinas de material condutor nas quais


será​ ​induzida​ ​a​ ​FEM​ ​ao​ s​ erem​ ​submetidas​ ​a​ ​um​ ​fluxo​ ​magnético​ ​variável.

c) Anéis coletores: ​são anéis de material condutor que tem como


finalidade​ ​coletar​ a
​ ​ ​FEM​ ​induzida​ ​na​ ​armadura.
d) Escovas: ​são pedaços de material condutor que ficam em contato com
os anéis coletores e tem como finalidade enviar a FEM coletada para o circuito
externo.

e) Carcaça: ​é a parte que estrutura toda a máquina e tem também como


finalidade​ ​completar​ o
​ ​ ​circuito​ ​magnético.

4.4 –​ ​PRODUÇÃO​ ​DA​ ​TENSÃO​ ​ALTERNADA​ ​SENOIDAL

No capítulo anterior verificamos que a tensão induzida é máxima quando a


direção do movimento do condutor é perpendicular ao sentido do campo
magnético. Quando a direção do movimento do condutor é paralela a direção do
campo,​ ​não​ ​há​ ​força​ ​eletromotriz​ ​induzida.

A sequência de figuras abaixo mostra o gerador básico de tensão alternada,


com as suas partes componentes em aberto, e dentro do mesmo, realizando uma
revolução completa dentro do campo magnético formado pelas peças polares, uma
espira​ ​de​ ​material​ ​condutor.

Veja, na figura a seguir, a representação esquemática de um ​gerador


elementar​.

Gerador​ ​elementar

4.5 –​ ​FUNCIONAMENTO​ ​DO​ ​GERADOR

Para mostrar o funcionamento do gerador, vamos imaginar um gerador cujas


pontas​ ​das​ ​espiras​ ​estejam​ ​ligadas​ ​a​ ​um​ ​galvanômetro.

Na posição inicial, o plano da espira está perpendicular ao campo magnético e


seus condutores se deslocam paralelamente ao campo. Nesse caso, os condutores
não cortam as linhas de força e, portanto, a força eletromotriz (FEM) não é
gerada.
No instante em que a bobina é movimentada, o condutor corta as linhas de
força​ ​do​ ​campo​ ​magnético​ ​e​ ​a​ ​geração​ ​de​ ​FEM​ ​é​ ​iniciada.
Observe na ilustração a seguir, a indicação do galvanômetro e a
representação​ ​dessa​ ​indicação​ ​no​ ​gráfico​ ​correspondente.

À medida que a espira se desloca, aumentar seu ângulo em relação às linhas


de força do campo. Ao atingir o ângulo de 90​0​, o gerador atingirá a geração
máxima da força eletromotriz, pois os condutores estarão cortando as linhas de
força​ ​perpendicularmente.

Acompanhe,​ ​na​ ​ilustração​ ​a​ ​seguir,​ ​a​ ​mudança​ ​no​ ​galvanômetro​ ​e​ ​no​ ​gráfico.

Girando-se a espira até a posição de 135​0​, nota-se que a FEM gerada começa
a​ d
​ iminuir.

Quando a espira atinge os 180​0 ​do ponto inicial, seus condutores não mais
cortam as linhas de força e, portanto, não há indução de fem e o galvanômetro
marca​ ​zero.​ ​Formou-se​ ​assim​ ​o​ ​primeiro​ ​semiciclo​ ​(positivo).

Quando a espira ultrapassa a posição de 180​0​, o sentido de movimento dos


condutores em relação ao campo se inverte. Agora, o condutor preto se move
para cima e o condutor branco para baixo. Como resultado, a polaridade da FEM e
o​ ​sentido​ ​da​ ​corrente​ ​também​ ​são​ ​invertidos.
A 225​0​, observe que o ponteiro do galvanômetro e, consequentemente, o
gráfico, mostram o semiciclo negativo. Isso corresponde a uma inversão no
sentido​ ​da​ ​corrente,​ ​porque​ ​o​ ​condutor​ ​corta​ ​o​ ​fluxo​ ​em​ ​sentido​ ​contrário.

A posição de 270° corresponde à geração máxima da FEM como se pode


observar​ ​na​ ​ilustração​ ​a​ ​seguir.

No deslocamento para 315°, os valores medidos pelo galvanômetro e


mostrados​ ​no​ ​gráfico​ ​começam​ ​a​ ​diminuir.

Finalmente, quando o segundo semiciclo (negativo) se forma, e obtém-se a


volta completa ou ciclo (360°), observa-se a total ausência de força eletromotriz
porque​ ​os​ ​condutores​ ​não​ ​cortam​ ​mais​ ​as​ ​linhas​ ​de​ ​força​ ​do​ ​campo​ ​magnético.

Observe que o gráfico resultou em uma curva senoidal (ou senóide) que
representa a forma de onda da corrente de saída do gerador e que corresponde à
rotação​ ​completa​ ​da​ ​espira.
Nesse gráfico, o eixo horizontal representa o movimento circular da espira,
daí suas subdivisões em graus. O eixo vertical representa a corrente elétrica
gerada,​ ​medida​ ​pelo​ ​galvanômetro.
4.6 –​ ​FREQUÊNCIA​ ​E​ ​PERÍODO​ ​DA​ ​TENSÃO​ ​ALTERNADA

À sequência de valores descritos pela tensão alternada em uma revolução


completa do condutor dentro do campo magnético, nós damos o nome de ​ciclo​.
Esse ciclo é representado pela senóide, pois, como sabemos, o valor da tensão
gerada varia de acordo com o seno do ângulo formado entre movimento do
condutor​ ​e​ ​o​ ​campo​ ​magnético.

4.6.1 –​ ​FREQUÊNCIA​ ​DA​ ​ONDA​ ​SENOIDAL

Se o condutor ficar girando dentro do campo magnético com velocidade


uniforme, outros ciclos serão produzidos. O número de ciclos produzidos na
unidade de tempo nós damos o nome de ​frequência da tensão alternada
senoidal​.

Símbolo:​ ​f
Unidade​ ​de​ ​medida:​ ​Hertz​ ​(Hz)

4.6.2 –​ ​PERÍODO​ ​DA​ ​ONDA​ ​SENOIDAL

O​ ​período​ ​de​ ​uma​ ​onda​ ​senoidal​ ​é​ ​o​ ​tempo​ ​necessário​ ​para​ ​se​ ​completar​ ​um
ciclo.​ ​É​ ​simples​ ​concluir​ ​que​ ​esta​ ​grandeza​ ​é​ ​o​ ​inverso​ ​da​ ​frequência.

Símbolo:​ ​T
Unidade​ ​de​ ​medida:​ ​segundo(s)

4.7 –​ ​VELOCIDADE​ ​ANGULAR

A velocidade angular elétrica de um condutor sendo movimentado dentro de


um campo magnético durante a geração de uma ​FEM ​é descrita como sendo o
arco​ ​que​ ​o​ ​mesmo​ ​percorre​ ​na​ ​unidade​ ​de​ ​tempo.

Símbolo:​ ​ω​ ​(ômega)


Unidade​ ​de​ ​medida:​ ​radiano/segundo(​ ​rd/s​ ​)

Em​ ​consequência,​ ​as​ ​equações​ ​para​ ​determinação​ ​dos​ ​valores​ ​instantâneos


de​ ​uma​ ​tensão​ ​ou​ ​corrente​ ​alternada​ ​tomam​ ​as​ ​formas​ ​abaixo:

e​ ​=​ ​Emax.sen e i​ ​=​ ​Imax.​ ​sen


4.8 –​ ​VALOR​ ​INSTANTÂNEO​ ​DA​ ​ONDA​ ​SENOIDAL

É o valor desenvolvido pela onda senoidal de tensão ou corrente durante o


ciclo.​ ​Matematicamente​ ​é​ ​determinado​ ​da​ ​seguinte​ ​forma:

e​ ​=​ ​Emax.sen e i​ ​=​ ​Imax.sen

4.9 –​ ​VALOR​ ​DE​ ​PICO​ ​E​ ​VALOR​ ​DE​ ​PICO​ ​A​ ​PICO​ ​DA​ ​TENSÃO​ ​ALTERNADA
SENOIDAL

Tensão de pico é o ​valor máximo ​que a tensão atinge em cada semiciclo. A


tensão​ ​de​ ​pico​ ​é​ ​representada​ ​pela​ ​notação​ ​V​p​.

Observe que no gráfico aparecem tensão de pico positivo e tensão de pico


negativo. O valor de pico negativo é numericamente igual ao valor de pico
positivo. Assim, a determinação do valor de tensão de pico pode ser feita em
qualquer​ ​um​ ​dos​ ​semiciclos.

A tensão de ​pico a pico ​da CA senoidal é o valor medido entre os picos


positivo e negativo de um ciclo. A tensão de pico a pico é representada pela
notação​ ​VPP.
Considerando-se que os dois semiciclos da CA são iguais, pode-se afirmar
que:​ ​VPP​ ​=​ ​2V​P​.

Observação: ​Essas medições e consequente visualização da forma de onda


da tensão CA, são feitas com um instrumento de medição denominado de
osciloscópio​.
Da mesma forma que as medidas de pico e de pico a pico se aplicam à tensão
alternada​ ​senoidal,​ ​aplicam-se​ ​também​ ​à​ ​corrente​ ​alternada​ ​senoidal.
4.10 –​ ​TENSÃO​ ​E​ ​CORRENTES​ ​EFICAZES

Quando se aplica uma tensão contínua sobre um resistor, a corrente que


circula​ ​por​ ​ele​ ​possui​ ​um​ ​valor​ ​constante.

Como resultado disso, estabelece-se uma dissipação de potência no resistor


(P=E.I). Essa potência é dissipada em regime contínuo, fazendo com que haja um
desprendimento​ ​constante​ ​de​ ​calor​ ​no​ ​resistor.

Por outro lado, aplicando-se uma tensão alternada senoidal a um resistor,


estabelece-se​ ​a​ ​circulação​ ​de​ ​uma​ ​corrente​ ​alternada​ ​senoidal.

Como a tensão ea corrente são variáveis, a quantidade de calor produzido no


resistor​ ​varia​ ​a​ ​cada​ ​instante.

Nos momentos em que a tensão é zero, não há corrente e também não há


produção​ ​de​ ​calor​ ​(P=0).
Nos momentos em que a tensão atinge o valor máximo (V​P​), a corrente
também atinge o valor máximo (I​P​) e a potência dissipada é o produto da tensão
máxima​ ​pela​ ​corrente​ ​máxima​ ​(​P​P​=V​P​.I​P​).
Em consequência dessa produção variável de "trabalho" (calor) em CA,
verifica-se que um resistor de valor R ligado a uma tensão contínua de 10V produz
a mesma quantidade de "trabalho" que o mesmo resistor ​R ​ligado a uma tensão
alternada​ ​de​ ​valor​ ​de​ ​pico​ ​de​ ​14,1V,​ ​ou​ ​seja,​ ​10​ ​Vef.
Assim, pode-se ​concluir ​que a tensão eficaz de uma CA senoidal é um valor
que indica a tensão, ou corrente, contínua correspondente a essa CA em termos
de​ ​produção​ ​de​ ​trabalho.

4.11 –​ ​CÁLCULO​ ​DA​ ​TENSÃO/CORRENTE​ ​EFICAZES

O valor eficaz de uma onda senoidal é o valor que ela ​deveria ​ter se fosse
constante, para produzir uma determinada quantidade de calor em um
determinado tempo. Quando dizemos que uma corrente alternada tem, por
exemplo, um valor eficaz de 1 Ampere, isto quer dizer que ela é capaz de produzir
tanto calor quanto uma corrente contínua constante de 1 Ampére. Esse valor
eficaz​ ​equivale​ ​a​ ​aproximadamente​ ​70%​ ​da​ ​tensão​ ​máxima.

Eef​ ​=​ ​0,707.Emax e Ief​ ​=​ ​0,707.Imax

Onde:​ ​Eef​ ​e​ ​Ief=​ ​valores​ ​eficazes​ ​de​ ​onda​ ​senoidal

Existe uma relação constante entre o valor eficaz (ou valor RMS) de uma CA
senoidal e seu valor de pico. Essa relação auxilia no cálculo da tensão/corrente
eficazes​ ​e​ ​é​ ​expressa​ ​como​ ​é​ ​mostrado​ ​a​ ​seguir.

Tensão​ ​eficaz:​ ​Vef​ ​=​ ​Vp/0,707

Corrente​ ​eficaz:​ ​Ief​ ​=​ ​Ip/0,707

Exemplo​ ​de​ ​cálculo:


Para​ ​um​ ​valor​ ​de​ ​pico​ ​de​ ​14,14​ ​V,​ ​a​ ​tensão​ ​eficaz​ ​será:

Assim,​ ​para​ ​um​ ​valor​ ​de​ ​pico​ ​de​ ​14,14​ ​V,​ ​teremos​ ​uma​ ​tensão​ ​eficaz​ ​de​ ​10V.
A tensão/corrente eficaz é o dado obtido ao se utilizar, por exemplo, um
multímetro.

Nota: ​Quando se mede sinais alternados (senoidais) com um multímetro,


este deve ser aferido em 60Hz que é a frequência da rede da concessionária de
energia elétrica. Assim, os valores eficazes medidos com multímetro são válidos
apenas​ ​para​ ​essa​ ​frequência.
4.12 –​ ​VALOR​ ​MÉDIO​ ​DA​ ​CORRENTE​ ​E​ ​DA​ ​TENSÃO​ ​ALTERNADA​ ​SENOIDAL

O valor médio de uma grandeza senoidal, quando se refere a um ciclo


completo é ​nulo​. Isso acontece porque a soma dos valores instantâneos relativa
ao semiciclo positivo é igual à soma do semiciclo negativo e sua resultante é
constantemente ​nula​. O valor médio de uma onda senoidal será sempre
aproximadamente​ ​63%​ ​do​ ​valor​ ​máximo.

Emed​ ​=​ ​0,636.Emax


Imed​ ​=​ ​0,636.Imax

Emed​ ​e​ ​Imed​ ​=​ ​valores​ ​médios​ ​da​ ​onda​ ​senoidal

Veja​ ​gráfico​ ​a​ ​seguir:

Observe que a área S1 da senoide (semiciclo) é igual a S2 (semiciclo), mas


S1​ ​está​ ​do​ ​lado​ ​positivo​ ​e​ ​S2​ ​tem​ ​valor​ ​negativo.​ ​Portanto​ ​S​ ​total​ ​=​ ​S1​ ​-​ ​S2​ ​=​ ​0.
O valor médio de uma grandeza alternada senoidal deve ser considerado
como sendo a média aritmética dos valores instantâneos no intervalo de meio
período​ ​(ou​ ​meio​ ​ciclo).
Esse valor médio é representado pela altura do retângulo que tem como área
a mesma superfície coberta pelo semiciclo considerado e como base a mesma
base​ ​do​ ​semiciclo.

A​ ​fórmula​ ​para​ ​o​ ​cálculo​ ​do​ ​valor​ ​médio​ ​da​ ​corrente​ ​alternada​ ​senoidal​ ​é:

Idc​ ​=​ ​Imed​ ​=​ ​2xIp/Pi​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​Ip​ ​=​ ​Imed​ ​x​ ​Pi​ ​/2

Nessa​ ​fórmula,​ ​I​med​ ​ ​é​ ​a​ ​corrente​ ​média;​ ​I​P​ ​é​ ​a​ ​corrente​ ​de​ ​pico,​ ​e​ ​π​ ​é​ ​3,14.
A​ ​fórmula​ ​para​ ​calcular​ ​o​ ​valor​ ​médio​ ​da​ ​tensão​ ​alternada​ ​senoidal​ ​é:

Vdc​ ​=​ ​Vmed​ ​=​ ​2xVp/Pi​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​Vp=VmedxPi​ ​/2

Nela,​ ​V​med​ ​é​ ​a​ ​tensão​ ​média,​ ​V​P​ ​é​ ​a​ ​tensão​ ​máxima,​ ​e​ ​π​ ​é​ ​igual​ ​a​ ​3,14.
Exemplo​ ​de​ ​Cálculo:

Em​ ​uma​ ​grandeza​ ​senoidal,​ ​a​ ​tensão​ ​máxima​ ​é​ ​de​ ​100V.​ ​Qual​ ​a​ ​tensão
média?
4.13 –​ ​EXERCÍCIOS

1​ ​–​ ​Como​ ​denominamos​ ​a​ ​tensão​ ​que​ ​muda​ ​constantemente​ ​de​ ​polaridade.​ ​Isso
provoca​ ​nos​ ​circuitos​ ​um​ ​fluxo​ ​de​ ​corrente​ ​ora​ ​em​ ​um​ ​sentido,​ ​ora​ ​em​ ​outro?

a)​ ​( )​ ​continua​ ​ ​b)​ ​( )​ ​pulsante​ ​ ​c)​ ​( )​ ​alternada​ ​d)​ ​( )​ ​constante

2​ ​–​ ​Cite​ ​as​ ​partes​ ​componentes​ ​de​ ​um​ ​gerador​ ​de​ ​corrente​ ​alternada.

a) (​ ​ ​ ​)​ ​peças​ ​polares,​ ​armadura,​ ​anéis​ ​coletores,​ ​escovas​ ​e​ ​tampa


b) (​ ​ ​ ​)​ ​peças​ ​polares,​ ​armadura,​ ​anéis​ ​coletores,​ ​escovas​ ​e​ ​carcaça
c) (​ ​ ​ ​)​ ​peças​ ​polares,​ ​armadura,​ ​anéis​ ​retentores,​ ​escovas​ ​e​ ​carcaça
d) (​ ​ ​ ​)​ ​peças​ ​planares,​ ​armadura,​ ​anéis​ ​coletores,​ ​escovas​ ​e​ ​carcaça

3 – ​Considerando o funcionamento de um gerador elementar, figura abaixo,


podemos afirmar que na posição inicial, o plano da espira está perpendicular ao
campo magnético e seus condutores se deslocam paralelamente ao campo. Nesse
caso,​ ​ ​os​ ​ ​condutores​ ​ ​não​ ​ ​cortam​ ​ ​as​ ​ ​linhas​ ​ ​de​ ​ ​força​ ​ ​e,​ ​ ​portanto,​ ​ ​a​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​força
​ ​_ não​ ​é​ ​gerada.

a) (​ ​ ​ ​)​ ​eletrostática
b) (​ ​ ​ ​)​ ​eletromotriz
c) (​ ​ ​ ​)​ ​eletrodinâmica
d) (​ ​ ​ ​)​ ​motriz

4 –​ ​Analisando​ o
​ ​g ​ ráfico​ s​ enoidal​ ​da​ t​ ensão​ ​alternada,​ ​em​ ​quais​ ​posições​ ​em
graus​ ​geométricos​ a ​ ​ t​ ensão​ ​atinge​ ​seus​ v ​ alores​ ​máximos?

a)​ ​( )​ ​em​ ​90​0​ ​e​ ​em​ ​135​0 b)​ (​ )​ e


​ m​ 9​ 0​0​ ​e​ e​ m​ 1​ 80​0
c)​ ​( )​ ​em​ ​90​0​ ​e​ ​em​ ​270​0 d)​ (​ )​ e​ m​ 9​ 0​0​ ​e​ e​ m​ 3​ 60​0

5 –​ ​ ​Tensão​ ​de​ ​ ​pico​ ​é​ ​ ​o​ ​valor que a tensão atinge em cada
semiciclo.​ ​A​ ​tensão​ ​de​ ​pico​ ​é​ ​representada​ ​pela​ ​notação​ ​V​p​.

a)​ ​(​ ​ ​ ​)​ ​mínimo​ ​ ​ ​ ​b)​ ​(​ ​ ​ ​)​ ​máximo​ ​ ​ ​c)​ ​(​ ​ ​ ​)​ ​médio​ ​ ​ ​ ​ ​ ​d)​ ​(​ ​ ​ ​)​ ​eficaz

6 –​ ​ ​A​ ​tensão​ ​de​ ​pico​ ​a​ ​pico​ ​da​ ​CA​ ​senoidal​ ​ ​ ​ ​é​ ​o​ ​valor entre os
picos positivo e negativo de um ciclo. A tensão de pico a pico é representada pela
notação​ ​V​pp​.

a)​ ​(​ ​ ​ ​)​ ​mínimo​ ​ ​ ​ ​b)​ ​(​ ​ ​ ​)​ ​máximo​ ​ ​ ​c)​ ​(​ ​ ​ ​)​ ​médio​ ​ ​ ​ ​ ​ ​d)​ ​(​ ​ ​ ​)​ ​medido
7 –​ ​Considerando-se​ ​que​ ​os​ ​dois​ ​semiciclos​ ​da​ ​CA​ ​são​ ​iguais,
matematicamente​ ​pode-se​ ​afirmar​ ​que:

a)​ ​( )​ ​VPP=2​ ​xVP b)​ (​ )​ V


​ PP=2/VP
c)​ ​( )​ ​VPP=2+VP d)​ (​ )​ V​ PP=2-VP

8 –​ ​Como​ ​é​ ​denominado​ ​o​ ​instrumento​ ​utilizado​ ​para​ ​medições​ ​e​ ​consequente
visualização​ ​da​ ​forma​ ​de​ ​onda​ ​da​ ​tensão​ ​CA?

a) ( )​ ​multímetro
b) ( )​ ​osciloscópio
c) ( )​ ​frequencímetro
d) ( )​ w​ attímetro

9 –​ ​Para​ ​um​ ​valor​ ​de​ ​pico​ ​de​ ​18,12V,​ ​a​ ​tensão​ ​eficaz​ ​será:

a)​ ​( )​ ​V​ef =​ ​12,61V b)​ (​ )​ V


​ ​ef =​ ​12,71V
c)​ ​( )​ ​V​ef =​ 1
​ 2,81V d)​ (​ )​ V​ ​ef =​ 1
​ 2,91V

10 –​ ​Para​ ​um​ ​valor​ ​de​ ​pico​ ​de​ ​2,04A,​ ​a​ ​corrente​ ​eficaz​ ​será:

a)​ ​( )​ ​I​ef​ ​ ​=​ ​1,14A b)​ (​ )​ I​ ​ef​ ​ ​=​ 1


​ ,24A
c)​ ​( )​ ​I​ef​ ​ ​=​ ​1,34A d)​ (​ )​ I​ ​ef​ ​ ​=​ 1​ ,44A

11 –​ ​Qual​ ​tensão​ ​alternada​ ​é​ ​indicada​ ​no​ ​multímetro?

a)​ ​( )​ ​VP b)​ ​( )​ ​VPP c)​ ​( )​ ​Vef d)​ ​( )​ ​Vmed

12 –​ ​Em​ ​um​ ​sinal​ ​senoidal,​ ​a​ ​tensão​ ​máxima​ ​é​ ​de​ ​200V.​ ​Qual​ ​a​ ​tensão​ ​ ​média?

a)​ ​( )​ ​V​med =​ ​126,38V b)​ (​ )​ V


​ ​med =​ ​127,38V
c)​ ​( )​ ​V​med =​ 1
​ 28,38V d)​ (​ )​ V​ ​med =​ 1
​ 29,38V

13 –​ ​Em​ ​um​ ​sinal​ ​senoidal,​ ​a​ ​corrente​ ​máxima​ ​é​ ​de​ ​6,2A.​ ​Qual​ ​a​ ​corrente​ ​ ​media?

a)​ ​( )​ ​I​med =​ ​3,94A b)​ (​ )​ I​ ​med =​ ​4,94A


c)​ ​( )​ ​I​med =​ 5
​ ,94A d)​ (​ )​ I​ ​med =​ 6​ ,94A

14 –​ ​Calcule​ ​os​ ​valores​ ​das​ ​tensões​ ​de​ ​pico​ ​a​ ​pico,​ ​eficaz​ ​e​ ​média​ ​para​ ​uma
senoide​ ​com​ ​312V​ ​de​ ​pico.

a) ( ) V​pp ​= 614V; V​ef ​= 220V e V​med ​= 198,7V


b) ( ) V​pp ​= 624V; V​ef ​= 240V e V​med ​= 198,7V
c) ( ) V​pp ​= 624V; V​ef ​= 220V e V​med ​= 188,7V
d)​ ​(​ ​ ​ ​)​ ​V​pp​ ​=​ ​624V;​ ​V​ef​ ​=​ ​220V​ ​e​ ​Vm
​ ed​ ​ ​=​ ​198,7V

15 –​ ​Quais​ ​os​ ​valores​ ​das​ ​correntes​ ​máxima​ ​(I​P​)​ ​e​ ​eficaz​ ​(​I​ef)​ ​para​ ​uma​ ​corrente
média​ ​(I​med​)​ ​de​ ​20A?
a)​ ​( )​ I​ ​p​ ​ ​=​ 1
​ 1,4A​ e​ ​ I​ ​ef​ ​=​ 2​ 2,0A b)​ (​ )​ I​ ​p​ ​ ​=​ 2
​ 1,4A​ e​ ​ I​ ​ef​ ​=​ 2​ 2,1A
c)​ ​( )​ I​ ​p​ ​ ​=​ 3​ 1,4A​ e​ ​ I​ ​ef​ ​=​ 2​ 2,2A d)​ (​ )​ I​ ​p​ ​ ​=​ 4​ 1,4A​ e​ ​ I​ ​ef​ ​=​ 2​ 2,3A
BIBLIOGRAFIA

● CARLOS,​ ​Antonio.​ ​CESAR,​ ​Eduardo.​ ​e​ ​CHOUERI,​ ​Salomão.​ ​Circuitos​ ​em


corrente​ ​contínua.​ ​São​ ​Paulo,​ ​Editora​ ​Érica.​ ​1996.
● SENAI-SP. Eletricista de Manutenção I – Eletricidade básica. São
Paulo,1993. SENAI-SP. Eletricista de Manutenção Il – Eletrotécnica.
São​ ​Paulo,1993.
● SENAI-SP.​ ​Educação​ ​Continuada​ ​–​ ​Circuitos​ ​em​ ​Corrente​ ​Alternada.
São​ ​Paulo,1999.
● GUSSOW,​ ​Milton.​ ​Eletricidade​ ​básica.​ ​São​ ​Paulo,​ ​Makron​ ​Books.​ ​1985.
● NISKIER,​ ​Júlio.​ ​e​ ​MACINTYRE,​ ​Joseph.​ ​Instalações​ ​elétricas.​ ​Rio​ ​de​ ​Janeiro,
Editora​ ​Guanabara​ ​Koogan​ ​S.​ ​A.,​ ​1992.
EUA,​ ​US​ ​Navy,​ ​Curso​ ​Completo​ ​de​ ​Eletrônica​ ​Básica/Basic​ ​Eletronics.​ ​São
Paulo:​ ​HEMUS,​ ​1980;
MALVINO,​ ​Albert​ ​Paul.​ ​Eletrônica​ ​Vol.​ ​I​ ​e​ ​II.​ ​4ª​ ​Ed.​ ​São​ ​Paulo:​ ​Makron
Books​ ​do​ ​Brasil,​ ​1997
GUSSOW,​ ​Milton.​ ​Eletricidade​ ​básica.​ ​São​ ​Paulo,​ ​Makron​ ​Books.​ ​1985.
O’MALLEY,​ ​John.​ ​Análise​ ​de​ ​circuitos.​ ​São​ ​Paulo,​ ​McGraw-Hill​ ​do​ ​Brasil.
1983.
MARKUS,​ ​Otávio.​ ​Circuitos​ ​elétricos,​ ​corrente​ ​contínua​ ​e​ ​alternada.
São​ ​Paulo,​ ​Editora​ ​ ​Érica.​ ​2001..
ALBUQUERQUE,​ ​Rômulo​ ​Oliveira.​ ​Corrente​ ​alternada.​ ​São​ ​Paulo,​ ​Editora
Érica.​ ​2002.
NILSSON,​ ​James​ ​W.​ ​;​ ​RIEDEL​,​ ​Susan​ ​A.​ ​Circuitos​ ​elétricos​.​ ​8.​ ​Rio​ ​de​ ​Janeiro:​ ​LTC,​ ​ ​2009.

Você também pode gostar