Você está na página 1de 32

Usando análise temática em psicologia

Virginia Braun1 e Victoria Clarke2 1 Universidade de Auckland e 2 Universidade do Oeste da


Inglaterra

A análise temática é um método analítico qualitativo mal enquadrado, raramente reconhecido,


ainda amplamente utilizado na psicologia. Neste artigo, argumentamos que oferece uma
abordagem acessível e teoricamente flexível para a análise de dados qualitativos. Descrevemos
o que é a análise temática, localizando-a em relação a outros métodos analíticos qualitativos
que buscam temas ou padrões e em relação a diferentes posições epistemológicas e
ontológicas. Nós fornecemos diretrizes claras para aqueles que desejam iniciar a análise
temática, ou realizá-lo de forma mais deliberada e rigorosa, e considerar possíveis armadilhas
na realização de análises temáticas. Finalmente, descrevemos as desvantagens e as vantagens
da análise temática. Concluímos defendendo a análise temática como um método útil e
flexível para a pesquisa qualitativa dentro e além da psicologia. Pesquisa qualitativa em
psicologia 2006; 3: 77/101

Palavras-chave: epistemologia; flexibilidade; padrões; psicologia qualitativa; análise temática

A análise temática é um pouco demarcada

e raramente reconhecido, ainda que amplamente utilizado

método analítico qualitativo (Boyatzis,

1998; Roulston, 2001) dentro e além

psicologia. Neste artigo, pretendemos preencher

O que nós, como pesquisadores e professores em

psicologia qualitativa, experimentou

como uma lacuna atual / a ausência de um papel

que descreve adequadamente a teoria, a adição e a avaliação da análise temática,

e um que faz isso de certa forma

acessível aos alunos e aqueles que não são particularmente

familiarizado com a pesquisa qualitativa.1

Ou seja, pretendemos escrever um documento que

ser útil tanto como ensino e pesquisa

ferramenta de psicologia qualitativa. Assim sendo,

Neste artigo, discutimos teoria e

método para análise temática, e esclarecer as semelhanças e diferenças entre


diferentes abordagens que compartilham recursos em

comum com uma abordagem temática.

As abordagens qualitativas são incrivelmente

Diversas, complexas e matizadas (Holloway

e Todres, 2003) e análise temática

deve ser visto como um método fundamental

para análise qualitativa. É o primeiro

método qualitativo de análise que os pesquisadores

deve aprender, pois fornece núcleo

habilidades que serão úteis para a realização

muitas outras formas de análise qualitativa.

Na verdade, Holloway e Todres (2003: 347)

identificar "significados tetizadores" como um dos

poucas habilidades genéricas compartilhadas em todos os aspectos qualitativos

análise.2 Por esse motivo, Boyatzis (1998)

caracteriza-o, não como um método específico,

mas como uma ferramenta para usar em diferentes métodos.

Da mesma forma, Ryan e Bernard (2000)

localize a codificação temática como um processo realizado

dentro de "principais" tradições analíticas

(como a teoria fundamentada), em vez de uma

abordagem específica por direito próprio. Nós

argumentar que a análise temática deve ser considerada

um método por direito próprio.

Um dos benefícios da análise temática é

é a sua flexibilidade. Métodos analíticos qualitativos

pode ser dividido em dois campos.

Dentro do primeiro, há aqueles ligados a, ou

decorrente de um determinado teor ou

posição epistemológica. Para alguns desses

/ como análise de conversação (CA, por exemplo,


Hutchby e Wooffitt, 1998) e interpretativa análise fenomenológica (IPA, por exemplo,

Smith e Osborn, 2003) / existe (até agora) variabilidade relativamente limitada em como

O método é aplicado, dentro dessa estrutura.Em essência, uma receita guia a análise. Para

outros destes / como a teoria fundamentada(Glaser, 1992; Strauss e Corbin, 1998),

análise do discurso (DA, por exemplo, Burman eParker, 1993; Potter e Wetherell, 1987;

Willig, 2003) ou análise narrativa (Murray,2003; Riessman, 1993) / são diferentes

manifestações do método, de dentroo amplo quadro teórico. Segundo,

existem métodos que são essencialmente independentesde teoria e epistemologia, e

pode ser aplicado em uma série de teóricos e abordagens epistemológicas. Apesar

muitas vezes (implicitamente) enquadrado como um realista / experiencial

método (Aronson, 1994; Roulston,2001), a análise temática é efetivamente firmada

no segundo acampamento, e é compatível com paradigmas tanto essencialistas quanto


construcionários

dentro da psicologia (discutimos isso mais tarde). Através da sua liberdade teórica, temática

A análise fornece uma flexibilidade e uma utilidade. ferramenta de pesquisa, que pode
potencialmente

fornecer um rico e detalhado, mas complexo, conta de dados.

Dadas as vantagens da flexibilidade de análise temática, é importante que possamos

claro que não estamos tentando limitar isso flexibilidade. No entanto, a ausência de

diretrizes concisas em torno de análise temática significa que a crítica "tudo valeu"

pesquisa qualitativa (Antaki et al., 2002) pode bem, em alguns casos. Com isso

papel, esperamos encontrar um equilíbrio entre demarcando análise temática claramente / ou


seja,

explicando o que é, e como fazê-lo / e garantindo flexibilidade em relação a como é

usado, de modo que não se torne limitado e constrangido e perde uma das principais
vantagens.

De fato, uma clara demarcação disso método será útil para garantir que aqueles

quem usa análises temáticas pode tornar-se ativo escolhas sobre a forma particular de análise

Eles estão envolvidos. Portanto, este artigo procura celebrar a flexibilidade da

método e fornecer um vocabulário e "Receita" para as pessoas realizarem temáticas

análise de uma maneira que é teoricamente e metodologicamente som.3 Como mostraremos,

O importante é que, além de aplicar um método para dados, os pesquisadores fazem seus
(epistemológicos e outros) como
explicações explícitas (Holloway e Todres, 2003).

Os psicólogos qualitativos precisam ser claros

sobre o que estão fazendo e por que, e para

incluem o omissão freqüente de "como" eles fizeram

sua análise em seus relatórios (AttrideStirling,

2001).

Neste artigo, descrevemos: o que temático

a análise é; um guia de 6 fases para realizar

análise temática; possíveis armadilhas para

evitar quando faz análises temáticas; o que

faz boa análise temática; e vantagens

e desvantagens da análise temática.

Ao longo, fornecemos exemplos

da literatura de pesquisa e nossa

pesquisa própria. Ao fornecer exemplos, nós

mostre os tipos de questões de pesquisa e

tópicos que a análise temática pode ser usada para

estude.

Antes de começarmos, precisamos definir alguns

dos termos usados em todo o papel.

Corpo de dados refere-se a todos os dados coletados para

um projeto de pesquisa específico, enquanto o conjunto de dados

refere-se a todos os dados do corpus que

estão sendo usados para uma análise particular.

Existem duas maneiras principais de escolher o

conjunto de dados (a abordagem que você toma depende

se você está vindo para os dados

com uma pergunta específica ou não / veja 'A

número de decisões "abaixo). Primeiro, os dados

conjunto pode ser composto por muitos, ou todos, individuais

itens de dados no seu corpus de dados. Então, para


exemplo, em um projeto sobre genitais femininos

cirurgia estética, corpus de dados de Virginia

consiste em entrevistas com cirurgiões,

itens de mídia sobre o assunto e cirurgião

sites. Para qualquer análise específica, ela

O conjunto de dados pode ser apenas as entrevistas do cirurgião,

apenas os sites (Braun, 2005b), ou

pode combinar dados de cirurgiões com alguns

dados de mídia (por exemplo, Braun, 2005a). Em segundo lugar, o

O conjunto de dados pode ser identificado por um determinado

interesse analítico em algum tópico nos dados,

e o conjunto de dados torna-se todas as instâncias

no corpus onde esse tópico é referido.

Então, no exemplo da Virgínia, se ela estava interessada

em como o "prazer sexual" foi falado

sobre, o seu conjunto de dados consistiria em todos

instâncias em todo o corpus de dados que

teve alguma relevância para o prazer sexual.

Essas duas abordagens podem às vezes

ser combinado para produzir o conjunto de dados. Dados

item é usado para se referir a cada indivíduo

pedaço de dados coletados, que juntos

compõem o conjunto de dados ou o corpus. Um dado

O item nesta instância seria um indivíduo

entrevista de cirurgião, documentário de televisão,

ou um site específico. Finalmente,

extrato de dados refere-se a um indivíduo codificado

pedaço de dados, que foi identificado

dentro e extraído de, um item de dados.

Haverá muitos desses, tirados de

em todo o conjunto de dados, e apenas um


A seleção desses extratos será exibida em

a análise final.

O que é análise temática?

A análise temática é um método para identificar,

padrões de análise e relatórios

(temas) dentro dos dados. Ele organiza minimamente

e descreve seu conjunto de dados em (rico)

detalhe. No entanto, com frequência, se vai mais longe

do que isso, e interpreta vários aspectos da

o tópico da pesquisa (Boyatzis, 1998). o

variedade de diferentes análises temáticas possíveis

será ainda destacado em relação

a uma série de decisões a respeito de

método (veja abaixo).

A análise temática é amplamente utilizada, mas

não existe um consenso claro sobre o que

O analise temático é e como você passa

fazendo isso (ver Attride-Stirling, 2001; Boyatzis,

1998; Tuckett, 2005, para outros exemplos).

Pode ser visto como muito mal

Método de "marca", na medida em que não aparece

para existir como uma análise 'nomeada' no mesmo

maneira que outros métodos fazem (por exemplo, análise narrativa, teoria fundamentada).
Nesse sentido,

muitas vezes não é explicitamente reivindicado como o

método de análise, quando, na realidade, nós

argumentam que muita análise é essencialmente

Temática / mas é reivindicado como algo


de outra forma (como DA ou mesmo conteúdo análise (por exemplo, Meehan et al., 2000)) ou
não

identificado como qualquer método particular em tudo / por exemplo, os dados foram
"submetidos a Análise comumente recorrente temas "(Braun e Wilkinson, 2003: 30).

Se não sabemos como as pessoas passaram analisando seus dados ou quais pressupostos

informou a análise, é difícil avaliar suas pesquisas e comparar

e / ou sintetizar com outros estudos sobre esse tópico, e isso pode impedir outros
pesquisadores realizando projetos relacionados no

futuro (Attride-Stirling, 2001). Para estes Apenas razões, clareza no processo e na prática

do método é vital. Esperamos que isso O documento levará a mais clareza em torno de

análise temática. Além disso, os detalhes insuficientes são freqüentemente

relatar o processo e detalhes de análise (Attride-Stirling, 2001). Não é

incomum para ler temas "emergentes" dos dados (embora esta questão não seja

limitado à análise temática). Por exemplo, Tema do cantor e do caçador (1999: 67)

análise do discurso das experiências das mulheres da menopausa precoce identificou que
"vários surgiram temas durante a análise. Esfregar

e Rubin (1995: 226) afirmam que a análise é emocionante porque "você descobre temas e

conceitos embutidos ao longo de suas entrevistas ".

Um relato de temas "emergentes" ou

ser "descoberto" é uma conta passiva de

o processo de análise, e nega o

papel ativo que o pesquisador sempre desempenha

identificando padrões / temas, selecionando

que são de interesse e relatórios

aos leitores (Taylor e Ussher, 2001) .4

A linguagem dos "temas emergentes": pode ser mal interpretada para significar que os temas
"residem"

nos dados, e se acabamos de olhar o suficiente

eles "emergirão" como Venus na meia concha.

Se os temas "residem" em qualquer lugar, eles residem em

nossas cabeças do nosso pensamento sobre nossos dados e

criando links à medida que os entendemos. (Ely et al.,

1997: 205/6)
Neste ponto, é importante reconhecer

nossas próprias posições teóricas e valores em

relação com a pesquisa qualitativa. Nós não

inscreva-se para uma visão realista naïve de qualitativa

pesquisa, onde o pesquisador pode

simplesmente "dê voz" (veja Fine, 2002) para seus

participantes. Como Fine (2002): 218) argumenta,

mesmo uma abordagem de 'dar voz' envolve

esculpindo peças não reconhecidas de

evidência narrativa de que selecionamos, editamos,

e implantar para limitar nossos argumentos ". Contudo,

nem pensamos que existe um ideal

quadro teórico para a realização de

pesquisa, ou mesmo um método ideal.

O importante é que o teórico

quadro e métodos combinam o que

O pesquisador quer saber, e que eles

reconhecer essas decisões e reconhecer

como decisões.

A análise temática difere de outras análises

métodos que buscam descrever padrões

em todos os dados qualitativos, como "temáticos"

DA, análise de decomposição temática, IPA

e teoria fundamentada.5 Tanto IPA quanto

A teoria fundamentada busca padrões nos dados,

mas teoricamente limitadas. O IPA está anexado

a uma epistemologia fenomenológica

(Smith et al., 1999; Smith e Osborn,

2003), que dá primazia à experiência

(Holloway e Todres, 2003), e é sobre

compreender a experiência diária das pessoas


da realidade, em grande detalhe, a fim de

Compreender o fenômeno

em questão (McLeod, 2001). Para complicar

matéria, a teoria fundamentada vem em diferentes

versões (Charmaz, 2002). De qualquer forma, o

O objetivo de uma análise de teoria fundamentada é

gerar uma plausível / e útil / teoria

dos fenômenos que são fundamentados no

dados (McLeod, 2001). No entanto, em nossa experiência,

A teoria fundamentada parece cada vez mais

para ser usado de uma maneira que é essencialmente

Teoria fundamentada 'lite' / como um conjunto de procedimentos

para codificar dados muito parecidos com

análise temática. Essas análises não

Parecem assinar completamente o teórico

compromissos de uma teoria fundamentada "cheia-gorda"

que exige que a análise seja direcionada para

desenvolvimento teórico (Holloway e

Todres, 2003). Nós argumentamos, portanto, que uma

"Nomeado e reivindicado" análise temática

significa que os pesquisadores não precisam se inscrever

os compromissos teóricos implícitos de

teoria fundamentada se eles não desejam

produzir uma teoria fundamentada totalmente trabalhada

análise.

O termo 'DA temático' é usado para se referir a

uma ampla gama de análises de padrões de

dados, que vão desde a análise temática dentro

uma epistemologia construtiva social (ou seja,

onde os padrões são identificados como socialmente

produzido, mas nenhuma análise discursiva é


conduzido), a formas de análise muito

muito parecido com o repertório interpretativo

forma de DA (Clarke, 2005). Decomposição temática

análise (por exemplo, Stenner, 1993; Ussher

e Mooney-Somers, 2000) é especificamente

denominada forma de DA "temática", que identifica

padrões (temas, histórias) dentro dos dados,

e teoriza a linguagem como constitutiva de

sentido e significado como social.

Esses métodos diferentes compartilham uma pesquisa

para determinados temas ou padrões em um

(inteiro) conjunto de dados, em vez de dentro de um dado

item, como uma entrevista individual ou

entrevistas de uma pessoa, como no caso de

formas biográficas ou de estudo de caso de análise,

como a análise narrativa (por exemplo, Murray,

2003; Riessman, 1993). Nesse sentido, eles

mais ou menos sobreposição com análise temática.

Como a análise temática não exige a

detalhado teórico e tecnológico conhecimento de abordagens, tais como

teoria e DA, pode oferecer um acesso mais acessível

forma de análise, particularmente para os primeiros

em uma carreira de pesquisa qualitativa.

Em contraste com o IPA ou a teoria fundamentada (e

outros métodos como análise narrativa DA ou

CA), a análise temática não está vinculada a nenhum

quadro teórico pré-existente e

portanto, pode ser usado dentro de diferentes

quadros teóricos (embora não todos),

e pode ser usado para fazer coisas diferentes

entre eles. A análise temática pode ser uma


método essencialista ou realista, que relata

experiências, significados e a realidade de

participantes, ou pode ser um construtor

método, que examina as maneiras pelas quais

eventos, realidades, significados, experiências e

Assim, são os efeitos de uma série de discursos

operando dentro da sociedade. Também pode ser um

Método "contextualista", sentado entre o

dois pólos de essencialismo e construcionismo,

e caracterizadas por teorias, como

realismo crítico (por exemplo, Willig, 1999), que

reconheça as formas como os indivíduos fazem

significado de sua experiência e, por sua vez,

as formas em que o contexto social mais amplo invade

com esses significados, mantendo

foco no material e outros limites de

'realidade'. Portanto, a análise temática pode ser

um método que funciona tanto para refletir a realidade

e para desfazer ou desvendar a superfície de

'realidade'. No entanto, é importante que a

A posição teórica de uma análise temática é

deixado claro, já que muitas vezes é muitas vezes deixado

não falado (e, então, é tipicamente realista

conta). Qualquer quadro teórico

com uma série de pressupostos sobre o

natureza dos dados, o que eles representam

termos do "mundo", "realidade", e assim

adiante. Uma boa análise temática fará

isso é transparente.

(ou certamente não são discutidos em

seção do método dos artigos), mas que


precisa ser explicitamente considerado e discutido.

Na prática, essas questões deveriam

ser considerado antes da análise (e às vezes

mesmo coleção) dos dados começam,

e precisa ser um reflexivo contínuo

diálogo por parte do pesquisador ou

pesquisadores com respeito a essas questões,

ao longo do processo analítico. o

seção de método de Taylor e Ussher's

(2001) temática DA de S & M fornece uma

bom exemplo de pesquisa que apresenta

este processo explicitamente; a seção do método

de Braun e Wilkinson (2003) não.

O que conta como tema?

Um tema capta algo importante

sobre os dados em relação à pesquisa

pergunta, e representa algum nível de

resposta ou significado padronizado dentro do

conjunto de dados. Uma questão importante a ser abordada

em termos de codificação é: o que conta como um

padrão / tema, ou o que 'tamanho' faz um tema

precisa ser? Esta é uma questão de prevalência,

em termos de espaço dentro de cada item de dados

e de prevalência em todo o conjunto de dados.

Idealmente, haverá uma série de instâncias

do tema no conjunto de dados, mas mais

as instâncias não significam necessariamente

O tema em si é mais crucial. Como isso é

análise qualitativa, não há dificuldades

responda à questão de qual proporção

do seu conjunto de dados precisa exibir


evidência do tema para que ele seja considerado

um tema. Não é o caso que se fosse

presente em 50% dos itens de dados, seria

seja um tema, mas se ele estivesse presente apenas em

47%, então não seria um tema. Nem é isso

O caso de um tema é apenas algo que

muitos itens de dados dão atenção considerável

para, ao invés de uma frase ou duas. Um tema

pode ter um espaço considerável em alguns

itens de dados, e pouco ou nenhum em outros, ou pode aparecer em relativamente pouco dos
dados

conjunto. Então, o julgamento do pesquisador é necessário

determine o que é um tema. Nossa inicial

A orientação em torno disso é que você precisa

mantenha alguma flexibilidade, e regras rígidas realmente

não funciona. (A questão da prevalência é

revisitado em relação a temas e subtemas,

como o refinamento da análise (ver

mais tarde) muitas vezes resultará em temas gerais,

e sub-temas dentro desses.)

Além disso, a "chavez" de um tema é

não necessariamente dependente de quantificáveis

medidas / mas sim sobre se ele captura

algo importante em relação a

a questão geral de pesquisa. Por exemplo,

na pesquisa de Victoria sobre representações

de lésbicas e pais homossexuais em 26

talk shows (Clarke e Kitzinger, 2004),

ela identificou seis temas "chave". Estes seis

Os temas não eram necessariamente os mais prevalentes

temas em todo o conjunto de dados / eles


apareceu entre dois e 22 dos 26

talk shows / mas juntos eles capturaram um

elemento importante do modo como

lésbicas e gays "normalizam" suas

famílias em debates de talk show. Neste caso,

sua análise temática foi conduzida por

Esta questão analítica particular. Como ela

A prevalência "medida" é relevante, como prevalência

pode ser determinado em uma série de

jeitos diferentes. A prevalência foi contada em

o nível do item de dados (ou seja, fez um tema

aparecer em qualquer lugar em cada conversa individual

exposição?). Alternativamente, poderia ter sido

contado em termos de número de diferentes

palestrantes que articularam o tema em

todo o conjunto de dados ou cada indivíduo

ocorrência do tema em toda a

conjunto de dados (o que levanta questões complexas

sobre onde uma 'instância' começa e termina

dentro de uma seqüência prolongada de conversa / veja

Riessman, 1993). Porque a prevalência era

não é crucial para a análise apresentada, Victoria

escolheu a forma mais direta,

mas é importante notar que não há direito ou

Método incorreto para determinar a prevalência.

Parte da flexibilidade da análise temática

é que ele permite que você determine temas

(e prevalência) de várias maneiras. o que

é importante que você seja consistente em

como você faz isso dentro de qualquer particular

análise.
Existem várias "convenções" para representar

prevalência em temas (e outros

qualitativa) que não fornece uma

Medida quantificada (ao contrário de muito conteúdo

análise, Wilkinson, 2000) / por exemplo:

'A maioria dos participantes' (Meehan et al.,

2000: 372), "muitos participantes" (Taylor e

Ussher, 2001: 298), ou "um número de

participantes "(Braun et al., 2003: 249).

Esses descritores trabalham retoricamente para

sugerir que um tema realmente existisse nos dados,

e para nos convencer de que estão relatando

verdadeiramente sobre os dados. Mas eles contam

nós muito? Esta é talvez uma área onde

é necessário mais debate sobre como e por que

podemos representar a prevalência de

temas nos dados e, de fato, se,

se e por que a prevalência é particularmente importante.

Uma descrição rica do conjunto de dados, ou um

conta detalhada de um aspecto particular

É importante determinar o tipo de

análise que deseja fazer e as reivindicações

Você quer fazer, em relação aos seus dados

conjunto. Por exemplo, você pode querer fornecer

uma descrição temática rica de sua totalidade

conjunto de dados, para que o leitor tenha uma sensação de

temas predominantes ou importantes. Nisso

caso, os temas que você identifica, codifica e

análise precisaria ser uma reflexão precisa

do conteúdo de todo o conjunto de dados. Dentro

Tal análise, alguma profundidade e complexidade


está necessariamente perdido (especialmente se você é

escrevendo uma pequena dissertação ou artigo com

limites de palavras estritas), mas um rico des pode aparecer em relativamente pouco dos
dados

conjunto. Então, o julgamento do pesquisador é necessário

determine o que é um tema. Nossa inicial

A orientação em torno disso é que você precisa

mantenha alguma flexibilidade, e regras rígidas realmente

não funciona. (A questão da prevalência é

revisitado em relação a temas e subtemas,

como o refinamento da análise (ver

mais tarde) muitas vezes resultará em temas gerais,

e sub-temas dentro desses.)

Além disso, a "chavez" de um tema é

não necessariamente dependente de quantificáveis

medidas / mas sim sobre se ele captura

algo importante em relação a

a questão geral de pesquisa. Por exemplo,

na pesquisa de Victoria sobre representações

de lésbicas e pais homossexuais em 26

talk shows (Clarke e Kitzinger, 2004),

ela identificou seis temas "chave". Estes seis

Os temas não eram necessariamente os mais prevalentes

temas em todo o conjunto de dados / eles

apareceu entre dois e 22 dos 26

talk shows / mas juntos eles capturaram um

elemento importante do modo como

lésbicas e gays "normalizam" suas

famílias em debates de talk show. Neste caso,

sua análise temática foi conduzida por

Esta questão analítica particular. Como ela


A prevalência "medida" é relevante, como prevalência

pode ser determinado em uma série de

jeitos diferentes. A prevalência foi contada em

o nível do item de dados (ou seja, fez um tema

aparecer em qualquer lugar em cada conversa individual

exposição?). Alternativamente, poderia ter sido

contado em termos de número de diferentes

palestrantes que articularam o tema em

todo o conjunto de dados ou cada indivíduo

ocorrência do tema em toda a

conjunto de dados (o que levanta questões complexas

sobre onde uma 'instância' começa e termina

dentro de uma seqüência prolongada de conversa / veja

Riessman, 1993). Porque a prevalência era

não é crucial para a análise apresentada, Victoria

escolheu a forma mais direta,

mas é importante notar que não há direito ou

Método incorreto para determinar a prevalência.

Parte da flexibilidade da análise temática

é que ele permite que você determine temas

(e prevalência) de várias maneiras. o que

é importante que você seja consistente em

como você faz isso dentro de qualquer particular

análise.

Existem várias "convenções" para representar

prevalência em temas (e outros

qualitativa) que não fornece uma

Medida quantificada (ao contrário de muito conteúdo

análise, Wilkinson, 2000) / por exemplo:

'A maioria dos participantes' (Meehan et al.,

2000: 372), "muitos participantes" (Taylor e


Ussher, 2001: 298), ou "um número de

participantes "(Braun et al., 2003: 249).

Esses descritores trabalham retoricamente para

sugerir que um tema realmente existisse nos dados,

e para nos convencer de que estão relatando

verdadeiramente sobre os dados. Mas eles contam

nós muito? Esta é talvez uma área onde

é necessário mais debate sobre como e por que

podemos representar a prevalência de

temas nos dados e, de fato, se,

se e por que a prevalência é particularmente importante.

Uma descrição rica do conjunto de dados, ou um

conta detalhada de um aspecto particular

É importante determinar o tipo de

análise que deseja fazer e as reivindicações

Você quer fazer, em relação aos seus dados

conjunto. Por exemplo, você pode querer fornecer

uma descrição temática rica de sua totalidade

conjunto de dados, para que o leitor tenha uma sensação de

temas predominantes ou importantes. Nisso

caso, os temas que você identifica, codifica e

análise precisaria ser uma reflexão precisa

do conteúdo de todo o conjunto de dados. Dentro

Tal análise, alguma profundidade e complexidade

está necessariamente perdido (especialmente se você é

escrevendo uma pequena dissertação ou artigo com

limites de palavras estritas), mas uma completa desscrição global é mantida. Isso pode ser um

método particularmente útil quando você é

investigando uma área pouco pesquisada, ou

você está trabalhando com participantes cujos

As visualizações sobre o tópico não são conhecidas.


Um uso alternativo da análise temática é

para fornecer uma mais detalhada e matizada

conta de um tema específico, ou grupo de

temas, dentro dos dados. Isso pode estar relacionado com

uma questão específica ou área de interesse dentro

os dados (uma abordagem semântica / veja abaixo),

ou a um tema particular "latente" (veja abaixo)

em toda a maioria ou no conjunto de dados.

Um exemplo disso seria a conversa de Victoria

mostrar papel, discutido anteriormente (Clarke

e Kitzinger, 2004), que examinou a normalização

nas contas de lésbicas e homossexuais

de parentalidade.

Temática indutiva versus teórica

análise

Temas ou padrões dentro dos dados podem ser

identificados em uma das duas principais formas em

Análise temática: em indução ou

up 'way (por exemplo, Frith e Gleeson, 2004),

ou em um plano teórico ou dedutivo ou

Down 'way (por exemplo, Boyatzis, 1998; Hayes,

1997). Uma abordagem indutiva significa a

Os temas identificados estão fortemente ligados à

próprios dados (Patton, 1990) (como tal, isso

A forma de análise temática tem alguma semelhança

a teoria fundamentada). Nesta abordagem,

se os dados foram coletados especificamente

para a pesquisa (por exemplo, via entrevista ou foco

grupo), os temas identificados podem ter pouco

relação com as questões específicas.

No entanto, é importante notar, como nós


discutido anteriormente, que os pesquisadores não podem

libertar-se de suas teorias e

compromissos epistemológicos e dados

não são codificados em um vácuo epistemológico.

Em contraste, uma análise temática "teórica"

tenderia a ser conduzido pelo pesquisador

interesse teórico ou analítico no

área, e, portanto, é explicitamente explicado.

Esta forma de análise temática tende

para fornecer menos uma rica descrição dos dados

em geral, e mais uma análise detalhada de

algum aspecto dos dados. Além disso, o

escolha entre indutiva e teórica

mapas sobre como e por que você está codificando o

dados. Você pode codificar para um bastante específico

pergunta de pesquisa (que mapeia

mais abordagem teórica) ou o específico

A questão da pesquisa pode evoluir através da

processo de codificação (que mapeia a indução

abordagem).

Por exemplo, se um pesquisador estava interessado

em falar sobre heterosex, e teve

dados de entrevista coletados, com indução

abordagem que eles leriam e reencontravam a

dados para quaisquer temas relacionados à heterosex,

e codifique diversamente, sem prestar atenção

para os temas que a pesquisa anterior sobre

o tópico pode ter sido identificado. Por exemplo,

o pesquisador não olhava para o

pesquisa influente de Hollway (1989),

identificando discursos de heterosex, e


codifique apenas para a unidade sexual masculina, tenha / segure

ou temas do discurso permissivo. Em contraste,

com abordagem teórica, o pesquisador

pode estar interessado no modo permissiveness

funciona nos dados, e

Concentre-se na característica particular da codificação

os dados. Isso resultaria em uma

número de temas em torno da permissividade,

que podem incluir, falar ou expandir

algo que se aproxima do original de Hollway

tema.

Temas semânticos ou latentes

Outra decisão gira em torno do "nível"

em que temas devem ser identificados: em

um nível semântico ou explícito, ou em um estado latente ou

nível interpretativo (Boyatzis, 1998) .6 A

O análise temática geralmente se concentra exclusivamente

ou principalmente em um nível. Com um

abordagem semântica, os temas são identificados

dentro dos significados explícitos ou de superfície

dos dados, e o analista não está procurando

algo além do que um participante tem

disse ou o que foi escrito. Idealmente, o

processo analítico envolve uma progressão de

descrição, onde os dados simplesmente

foi organizado para mostrar padrões em semântica

conteúdo e resumido, para interpretação,

onde há uma tentativa de teorizar

o significado dos padrões e seus

significados e implicações mais amplas (Patton,

1990), muitas vezes em relação à literatura anterior


(para um excelente exemplo disso, veja Frith

e Gleeson, 2004).

Em contraste, uma análise temática no

nível latente vai além do conteúdo semântico

dos dados, e começa a identificar ou

examine as ideias subjacentes, os pressupostos,

e conceituações / e ideologias /

que são teorizados como moldando ou informando

o conteúdo semântico dos dados. Se nós

imagine nossos dados de forma tridimensional como

uma gota de geléia desigual, a semântica

abordagem procuraria descrever a superfície

da geléia, sua forma e significado, enquanto a

abordagem latente procuraria identificar a

características que lhe deram essa forma específica e

significado. Assim, para análise temática latente,

o desenvolvimento dos próprios temas

envolve trabalho interpretativo e a análise

que é produzido não é apenas descrição,

mas já está teorizado.

A análise nesta última tradição tende

para vir de um paradigma construtorista

(por exemplo, Burr, 1995), e nesta forma, temática

A análise se sobrepõe com algumas formas de 'DA' (que às vezes são especificamente referidos

como "DA temática" (por exemplo, Singer e Hunter,

1999; Taylor e Ussher, 2001)), onde

suposições, estruturas e / ou

os significados são teorizados como subjacentes

O que realmente é articulado nos dados.

Cada vez mais, uma série de analistas do discurso

também estão revisitando os modos psicanalíticos de


interpretação (por exemplo, Hollway e Jefferson,

2000), e a análise temática latente seria

também seja compatível com esse quadro.

Epistemologia: essencialista / realista versus

análise temática construcionista

Como argumentamos, a análise temática pode ser

conduzido dentro de realista / essencialista

e paradigmas construcionários, embora

o resultado e o foco serão diferentes para

cada. A questão da epistemologia é

geralmente determinado quando um projeto de pesquisa

está sendo conceituada, embora a epistemologia

também pode aumentar a cabeça novamente durante

análise, quando o foco da pesquisa pode mudar

para um interesse em diferentes aspectos dos dados.

A epistemologia da pesquisa orienta o que você

pode dizer sobre seus dados e informa como

você teoriza o significado. Por exemplo, com um

abordagem essencialista / realista, você pode teorizar

motivações, experiência e significado

de uma maneira direta, porque um simples,

Um relacionamento unidirecional é assumido

entre significado e experiência

e idioma (o idioma reflete e habilita

para articular significado e experiência)

(Potter e Wetherell, 1987; Widdicombe

e Wooffitt, 1995).

Em contraste, de uma perspectiva construcionista,

significado e experiência são socialmente

produziu e reproduziu, antes

do que inerente dentro dos indivíduos (Burr,


1995). Portanto, análise temática conduzida

dentro de uma estrutura construcionista

não pode e não procura se concentrar em

motivação ou psicologias individuais, mas, em vez disso, procura teorizar o caráter


sociocultural

contextos e condições estruturais, que

permitir as contas individuais que são

forneceu. Análise temática que se concentra

em temas "latentes" tende a ser mais construcionista,

e também tende a começar a

se sobrepõem com a DA temática neste momento.

No entanto, nem todas as análises temáticas "latentes"

é construtorista.

As muitas questões de pesquisa qualitativa

Vale ressaltar brevemente que qualitativo

A pesquisa envolve uma série de perguntas, e

há uma necessidade de ser claro sobre o relacionamento

entre essas diferentes questões.

Primeiro, há a questão de pesquisa geral

ou perguntas que dirigem o projeto. Uma pesquisa

A questão pode ser muito ampla (e

exploratório), como "como é lésbica e

Criação de pais gay? "ou" o que são os

significados da vagina? '. Pesquisa mais estreita

as perguntas podem ser 'como e por que as lésbicas

e os pais homossexuais são normalizados? '(Clarke e

Kitzinger, 2004), ou "quais são os discursos

em torno do tamanho vaginal? '(ver Braun e Kitzinger,

2001). Essas questões restritas podem

faça parte de uma pesquisa mais ampla e abrangente

pergunta, e, em caso afirmativo, as análises que informam


também forneceria respostas para o

questão de pesquisa. Embora todos os projetos sejam

guiado por questões de pesquisa, estas podem

também será refinado à medida que um projeto progride.

Em segundo lugar, se dados de entrevistas ou foco

grupos foram coletados, há o

perguntas que os participantes responderam

para. Finalmente, há as perguntas que

guia a codificação e análise dos dados.

Não existe uma relação necessária entre

Esses três e, de fato, muitas vezes é desejável

que há uma discordância entre eles.

Alguns dos piores exemplos de "temática"

A análise que lemos simplesmente usou

as questões colocadas aos participantes como

'Temas' identificados na 'análise' embora em tais casos, nenhuma análise tenha

realmente foi feito em tudo!

Para resumir, a análise temática envolve a

pesquisar em um conjunto de dados / ser um

número de entrevistas ou grupos focais, ou um

variedade de textos / para encontrar padrões repetidos de

significado. A forma e o produto exatos de

O análise temática varia, como indicado acima,

e é importante que as perguntas

descritos acima são considerados antes e

durante análises temáticas. Essas abordagens

que consideram aspectos específicos, latentes

temas e são construcionistas tendem a

muitas vezes agrupam-se, enquanto aqueles que

considere significados em todos os dados

temas semânticos, e são realistas, muitas vezes


agrupe-se. No entanto, não há dificuldades

regras em relação a isso e diferentes

combinações são possíveis. O que é

importante é que o produto acabado contenha

uma conta / não necessariamente essa

detalhado / do que foi feito, e por quê. assim

o que realmente faz? Agora fornecemos

O que é, espero, um passo direto direto

guia para realizar análises temáticas.

Fazendo análises temáticas: um passo a passo

Guia

Algumas das fases da análise temática são

semelhante às fases de outras características qualitativas

pesquisa, então essas etapas não são necessariamente

todos únicos a análise temática. O processo

começa quando o analista começa a notar,

e procure, padrões de significado e

questões de interesse potencial nos dados /

Isso pode ser durante a coleta de dados. o

ponto final é o relatório do conteúdo

e significado de padrões (temas) no

dados, onde 'temas são abstratos (e muitas vezes

fuzzy) constrói os investigadores identificando

[sic] antes, durante e depois da análise '

(Ryan e Bernard, 2000: 780). Análise

envolve uma constante mudança para trás e para frente

entre todo o conjunto de dados, o codificado

extratos de dados que você está analisando, e

a análise dos dados que você está produzindo.

A escrita é parte integrante da análise,


não é algo que ocorre no final, como

faz com análises estatísticas. Assim sendo,

A escrita deve começar na primeira fase, com a

anotando idéias e potencial codificação

esquemas, e continue

processo completo de codificação / análise.

Existem diferentes posições em relação a

quando você deve se envolver com a literatura

relevante para sua análise / com alguns

argumentando que a leitura precoce pode diminuir sua

campo de visão analítico, levando você a se concentrar

em alguns aspectos dos dados às custas

de outros aspectos potencialmente cruciais. Outras

argumentam que o engajamento com a literatura

pode melhorar a sua análise através da sensibilização

você possui recursos mais sutis dos dados

(Tuckett, 2005). Portanto, não há ninguém

caminho certo para prosseguir com a leitura por temática

análise, embora mais indutiva

A abordagem seria reforçada por não se envolver

com literatura nos estágios iniciais de

análise, enquanto uma abordagem teórica

requer envolvimento com a literatura

antes da análise.

Nós fornecemos um guia detalhado através do

seis fases de análise e oferecem exemplos para

demonstre o processo.7 O diferente

as fases estão resumidas na Tabela 1. É

importante reconhecer essa análise qualitativa

As diretrizes são exatamente essas / são

não regras e, seguindo os preceitos básicos,


precisará ser aplicado com flexibilidade para

questões de pesquisa e dados (Patton, 1990).

Além disso, a análise não é um processo linear de

simplesmente passando de uma fase para outra.

Em vez disso, é um processo mais recursivo, onde

o movimento é para frente e para trás, conforme necessário,

ao longo das fases. É também um processo

Tabela 1 Fases de análise temática

Fase Descrição do processo

1. Familiarizando-se

com seus dados:

Transcrevendo dados (se necessário), lendo e re-lendo os dados, anotando

idéias iniciais.

2. Gerando códigos iniciais: codificando características interessantes dos dados de forma


sistemática em toda a

conjunto de dados, agrupando dados relevantes para cada código.

3. Procurando por temas: intercalando códigos em temas potenciais, reunindo todos os dados
relevantes para cada um

tema potencial.

4. Revisando temas: Verificar se os temas funcionam em relação aos extratos codificados


(Nível 1) e ao

Conjunto de dados inteiro (Nível 2), gerando um "mapa" temático da análise.

5. Definição e nomeação

temas:

Análise contínua para refinar as especificidades de cada tema, e a história geral

analisa, gera definições claras e nomes para cada tema.

6. Produzir o relatório: A última oportunidade para a análise. Seleção de extrato vívido e


convincente

exemplos, análise final de extratos selecionados, relatando a parte posterior da análise ao

questões de pesquisa e literatura, produzindo um relatório acadêmico da análise.


Fase 1: familiarizar-se com o seu

dados

Quando você se envolve em análise, você pode ter

coletou os dados, ou eles podem ter

foi dado a você. Se você os coletou

através de meios interativos, você virá para

a análise com algum conhecimento prévio de

os dados, e possivelmente alguns analíticos iniciais

interesses ou pensamentos. De qualquer forma, é vital

que você mergulhe nos dados para o

na medida em que você conhece a profundidade

e amplitude do conteúdo. Imersão

geralmente envolve "leitura repetida" da

dados e leitura dos dados de forma ativa /

procurando significados, padrões e assim por diante.

É ideal para ler todo o conjunto de dados

pelo menos uma vez antes de começar a codificação,

como idéias e identificação de possíveis padrões

terá a forma de ler.

Se você está ou não apontando para um

análise geral ou detalhada, estão procurando

para temas latentes ou semânticos, ou são dados ou

teoricamente orientado informará como a

A leitura prossegue. De qualquer forma, é importante

estar familiarizado com todos os aspectos do seu

dados. Nesta fase, uma das razões pelas quais

pesquisa qualitativa tende a usar muito mais

amostras do que, por exemplo, questionário

A pesquisa se tornará aparente / a leitura

e re-leitura de dados é demorado.

É, portanto, tentador ignorar


esta fase, ou ser seletivo. Nós gostaríamos

aconselhar fortemente contra isso, pois esta fase

fornece o suporte para o resto do

análise.

Durante esta fase, é uma boa idéia começar

tomando notas ou marcando idéias para codificação

que você voltará em seguida

fases. Depois de ter feito isso, você é

Pronto para começar, a codificação mais formal

processo. Em essência, a codificação continua sendo

desenvolvido e definido ao longo de todo o

análise.

Transcrição de dados verbais

Se você estiver trabalhando com dados verbais, como

entrevistas, programas de televisão ou políticos

discursos, os dados precisarão ser

transcritos em forma escrita para

realizar uma análise temática. O processo de

transcrição, embora possa parecer demorado,

frustrante e às vezes chato pode

seja uma excelente maneira de começar a se familiarizar

você mesmo com os dados (Riessman, 1993).

Além disso, alguns pesquisadores ainda argumentam

deve ser visto como "uma fase chave de

análise de dados em interpretação qualitativa

metodologia '(Bird, 2005: 227), e

reconhecido como um ato interpretativo, quando são criados, em vez de simplesmente um

Ato mecânico de colocar sons falados sobre

papel (Lapadat e Lindsay, 1999).

Várias convenções existem para transformar

textos falados em textos escritos (ver Edwards


e Lampert, 1993; Lapadat e Lindsay,

1999). Alguns sistemas de transcrição têm

foi desenvolvido para formas específicas de análise

/ como o sistema 'Jefferson' para CA (veja

Atkinson and Heritage, 1984; Hutchby e

Wooffitt, 1998). No entanto, a análise temática,

mesmo análise temática construcionista, faz

não exige o mesmo nível de detalhe no

transcrição como conversa, discurso ou mesmo

análise narrativa. Como não existe uma única maneira de

realizar análise temática, não existe um conjunto

de diretrizes a seguir ao produzir um

transcrição. No entanto, no mínimo, requer

um "ortográfico" rigoroso e completo

transcrição / uma conta "textualmente" de

todos verbais (e às vezes não verbais / por exemplo,

tosse) enunciados.8 O que é importante é

que a transcrição conserva a informação

você precisa, da conta verbal e de uma

maneira que é "verdadeira" para sua natureza original (por exemplo,

A pontuação adicionada pode alterar o significado de

Dados / por exemplo 'Odeio isso, você sabe. Eu faço'

contra 'eu odeio isso. Você sabe que eu faço ', Polônia,

2002: 632), e que a convenção de transcrição

é praticamente adequado para o propósito de

análise (Edwards, 1993).

Como observamos, o tempo gasto em

A transcrição não é desperdiçada, pois informa

os primeiros estágios de análise, e você irá

desenvolver um entendimento muito mais completo

dos seus dados por transcrevê-lo.


Além disso, a atenção necessária para

a transcrição de dados pode facilitar a leitura próxima

e habilidades interpretativas necessárias para analisar

os dados (Lapadat e Lindsay, 1999). E se

seus dados já foram, ou serão,

transcrevido para você, é importante que você

passar mais tempo familiarizando-se com

os dados, e também verifique as transcrições de volta

contra as gravações de áudio originais para

'Precisão' (como sempre deve ser feito).