Você está na página 1de 28

.

Propriedades
dos Materiais
.

Sumário
Tensão e Deformação 1

Deformação Elástica e Plástica 6

Elasticidade 7

Ductilidade 8

Resiliência 10

Fluência 11

Tenacidade 13

Dureza 14

Resistência à Flexão 14

Resistência à Compressão 14

2
. Propriedades
dos Materiais

Tensão e engenharia pode ser compreendida


Deformação como a pressão (tração ou compressão)

Materiais utilizados em engenharia, exercida em certa área do material:

quando estão em serviço, sofrem algum


F
tipo de solicitação mecânica, como for- σ= [P a]
A
ças ou cargas. O comportamento me-
A deformação ε é um valor proporcional
cânico do material é a relação entre as
à alteração geométrica do material:
solicitações aplicadas e a sua resposta

de acordo com suas propriedades. Tais


l − l0 ∆l
ε= =
propriedades mecânicas são verifica- l0 l0
das com experimentos laboratoriais. Um
O grau de deformação de uma estru-
dos fatores para se avaliar o material
tura depende da magnitude da carga
é a natureza de sua solicitação, sendo
aplicada. Quando a carga aplicada é
as principais cargas de tração, de com-
uma tensão de tração relativamente pe-
pressão ou de cisalhamento. Há tam-
quena, a tensão e deformação são dire-
bém as cargas torcionais que não são
tamente proporcionais.
puramente cisalhantes.

O tempo de aplicação das cargas pode


σ = E.ε
ser constante ou alternado e é um fator
importante para o estudo de fadiga do Conhecida por Lei de Hooke, onde E é o

material (tempo de vida útil). modulo de elasticidade (ou modulo de


Toda tensão exercida em um material Young) e tem a ordem de grandeza de
provoca uma deformação. Tensão em Gigapascal (GPa).

1
. Propriedades
dos Materiais

Figura 1: Gráfica Tensão vs. Deformação.

Os materiais também podem sofrer ten- Sendo F a carga imposta paralelamente

sões de cisalhamento. às faces superior e inferior de um mate-

rial.
F
τ=
A0

Figura 2: Tensão de cisalhamento.

2
. Propriedades
dos Materiais

Assim como as tensões de compressão de Cisalhamento (G).


e tração tem o módulo de elasticidade,
a tensão de cisalhamento tem o módulo τ = G.γ

Exemplo
Petrobras - 2012 - Engenheiro de Inspeção - 42
Um cabo de estanho, com diâmetro de 5 cm e comprimento de 10 m, está

sob ação de uma força de 5.000 N. A maior deformação elástica que esse

cabo pode sofrer sob a ação dessa força é de 1 mm. Qual o menor módulo

de elasticidade que um material deve apresentar para atender essas con-

dições de projeto?

(A) 1, 3 GP a

(B) 6, 4 GP a

(C) 12, 8 GP a

(D) 25, 5 GP a
(E) 80, 0 GP a.

Solução:

O módulo de elasticidade relaciona tensão e deformação na lei de Hooke


generalizada:
σ = E.ε
σ
E=
ε

3
. Propriedades
dos Materiais

A tensão em uma situação de tração pura é a força de tração dividida pela

área. A deformação para a condição limite imposta no enunciado é a elon-


gação máxima dividida pelo comprimento original. Assim:

F /(π.(D/2)2 )
E=
(∆L/L)

5000/(π.(5.10−2 /2)2 )
E= = 25, 5 GP a
(0, 001/10)

Resposta: D

Exemplo
Petrobras - 2012 - Engenheiro de Inspeção - 47 Dois materiais estão sendo

considerados para a produção de uma mola. Esses materiais apresentam as

seguintes propriedades: material X, o limite de elasticidade ocorre para uma

deformação de 0, 05, e o módulo de elasticidade é 100 M P a; material Y, o

limite de elasticidade ocorre para uma deformação de 0, 01, e o módulo de

elasticidade é 1000 M P a. Os dois materiais apresentam um comportamento


linear-elástico até o limite da elasticidade. A mola com a maior capacidade
de armazenar energia é a produzida com o material

(A) X, que é capaz de armazenar uma energia de 125.000 J/m3 .


(B) X, que é capaz de armazenar uma energia de 5.000.000 J/m3 .
(C) Y, que é capaz de armazenar uma energia de 10.000.000 J/m3 .

4
. Propriedades
dos Materiais

(D) Y, que é capaz de armazenar uma energia de 50.000 J/m3 .

(E) Y, que é capaz de armazenar uma energia de 1.250.000 J/m3 .


Solução:

A energia de deformação específica:

σ2 (E.ε)2
u= =
2.E 2.E

Considerando o módulo de elasticidade de cada material:

EX = 100 M P a

EY = 10 M P a

As deformações máximas:

εX = 0, 05

εY = 0, 01

As energias de deformação avaliadas com esses valores:

uX = 125 kJ/m3

5
. Propriedades
dos Materiais

uY = 50 kJ/m3

Resposta: A

Deformação Se aumentarmos a tensão gradativa-

Elástica e Plástica mente, irá formar uma curva no gráfico


σxε a partir do ponto de limite de pro-
Na região onde a tensão e deformação
porcionalidade, e o material atingirá a
são proporcionais, ocorre a deformação
deformação plástica, que é permanente
elástica do material. A deformação cau-
e não recuperável.
sada por certa tensão nessa área volta
A tensão no ponto de curvatura é defi-
ao seu estado inicial depois de retirada
nida como tensão limite de escoamento
a carga (idealmente, os materiais apre-
(σe ), que representa uma medida de re-
sentam uma inelasticidade dependente
sistência à deformação plástica.
do tempo que, na maioria das vezes, são

desprezados).

Figura 3: Gráfica Tensão – Deformação.

6
. Propriedades
dos Materiais

O ponto P do gráfico é conhecido como a altas tensões. Quando um corpo é de-


o limite de resistência a tração, sendo a formado em uma direção, ocorre defor-
tensão no ponto máximo da curva. Essa mação em todo seu volume. O Coefici-
tensão corresponde à tensão máxima ente de Poisson (ν) dá a razão entre as
que pode ser sustentada por uma estru- deformações laterais e axiais.
tura que se encontra sobre tração. Após
esse limite irá causar uma fratura no ma- εx −εy
ν=− =
εz εz
terial.
Para materiais isotrópicos é possível re-
Elasticidade lacionar os coeficientes de elasticidade

Um material apresenta uma elasticidade e de cisalhamento.

elevada quando sua relação tensão-

deformação permanece proporcional E = 2G(1 + ν)

Figura 4: Poisson.

7
. Propriedades
dos Materiais

Ductilidade rado dúctil; caso essa deformação seja


pequena ou nula, é considerado frágil.
Representa o grau de deformação plás- Numericamente pode ser representado
tica que o material suporta até que como um alongamento ou redução de
ocorra a fratura. área percentual

Se o material apresentar uma deforma-


Lf − L0
ção plástica muito grande, ele é conside- AL% = .100
L0

Figura 5: Material Frágil (Wikipédia).

8
. Propriedades
dos Materiais

Figura 6: Material Ductil (Wikipédia).

Exemplo
Petrobras Biocombustível - 2011 - Engenheiro(a) de Equipamentos Júnior

- Inspeção - 50

A classificação entre fratura frágil e dúctil baseia-se na habilidade do ma-

terial em apresentar deformação plástica substancial, com grande absor-

ção de energia, antes da fratura. Sobre a fratura frágil, analise as afirmati-

vas a seguir:
I. Está relacionada à propagação de trincas e apresenta superfície sem gran-
des deformaçoes plásticas aparentes, ao contrário da fratura dúctil, que apre-
senta superfície característica em forma de taça e cone.

9
. Propriedades
dos Materiais

II. Pode ser analisada por exame microscópico (MEV), denominado fracto-

grafica para observar as microcavidades esféricas remanescentes.


III. É possível avaliar a fratura nos contornos dos grãos quando apresentam

forma transgranular.
Está correto APENAS o que se afirma em
(A) I.
(B) II.

(C) III.

(D) I e II.
(E) II e III.

Solução:

A fratura frágil ocorre com a formação e propagação de uma trinca, não ocor-

rendo deformação plástica. Fraturas dúcteis, por sua vez, ocorrem apenas

após extensa deformação plástica e se caracteriza pela propagação lenta

de trincas resultantes da nucleação e crescimento de microcavidades.

Resposta: C

Resiliência sária para tencionar o material até seu


limite de escoamento.
Resiliência é a capacidade de absorção
de energia do material quando a tensão Matematicamente, Ur é a área sob a
aplicada é retirada após uma deforma- curva de tensão-deformação até o limite
ção elástica. O módulo de resiliência Ur de escoamento. Supondo uma região
representa a energia por volume neces- plástica linear:

10
. Propriedades
dos Materiais

Fluência
1
Ur = σe εe A fluência é uma deformação ao longo
2
do tempo de um material quando sub-
Materiais resilientes são materiais que
metido a uma carga ou tensão cons-
possuem elevado limite de escoamento
tante.
e pequenos módulos de elasticidade.
A velocidade de fluência é proporcional
às tensões e temperaturas.

11
. Propriedades
dos Materiais

Exemplo
Petrobras Biocombustível - 2008 - Profissional Júnior - Formação: Enge-
nharia Mecânica - 31
O gráfico esquemático abaixo é típico do ensaio de fluência nos materiais
metálicos. Nele, pode-se observar os estágios da curva de fluênciae a influên-

cia da temperatura no comportamento dos materiais.

Assinale a afirmação INCORRETA para explicar estes fenômenos.


(A) A curva de fluência para a temperatura intermediária (TB) apresenta os
3 estágios, sendo II o estágio estacionário e III o estágio de fluência acele-
rada.

12
. Propriedades
dos Materiais

(B) Para o ensaio realizado na temperatura intermediária no estágio II, o CP

alonga a uma taxa constante e a ruptura apenas ocorre no estágio III.


(C) Para o ensaio realizado na temperatura TC maior que TB, a taxa do es-

tágio estacionário aumenta, este se torna muito curto e a ruptura ocorre ra-
pidamente.
(D) Para o ensaio realizado na temperatura TA menor que TB, a taxa de de-
formação do estágio estacionário diminui e este se torna muito longo.

(E) Para o ensaio realizado na temperatura TA menor que TB, a taxa de de-

formação do estágio estacionário aumenta e acelera o processo de ruptura.

Solução:

• Estágio I: taxa de fluência sofre um decréscimo contínuo.

• Estágio II: taxa de fluência praticamente constante.

• Estágio III: aceleração da taxa de fluência seguida da ruptura.

Resposta: E

Tenacidade nacidade do material. A tenacidade ao

entalhe ou a fratura pode ser determi-

Representa a capacidade do material nada por um ensaio de impacto, sendo a

em absorver energia até sua fratura. A tenacidade à fratura uma indicativa de

geometria do corpo e o tipo de carga in- resistência do material quando este já

terferem muito na determinação da te- possui uma trinca.

13
. Propriedades
dos Materiais

A tenacidade pode ser calculada pelo Existem diversos tipos de ensaios para
gráfico, sendo a área abaixo da linha de se determinar a dureza dos materiais
tensão-deformação até o ponto de rup- como o Rockwell, Brinell e Vickers.
tura.
Resistência à
Flexão
Dureza A resistência à flexão representa a ten-
são máxima desenvolvida na superfície
É a medida de resistência local a uma de uma barra quando sujeita a dobra-

deformação plástica. A dureza pode ser mento, e aplica-se aos materiais rígidos,

entendida como a facilidade ou não de ou seja, aqueles que não vergam exces-

se riscar um material. O material pode sivamente sob ação de uma carga. No

ser extremamente duro, como um dia- teste de flexão, uma barra sofre tanto

mante, ou macio, como algumas madei- tensões de compressão quanto de tra-

ras. ção.

Figura 7: Flexão de barra – (Amauri).

14
. Propriedades
dos Materiais

Resistência à relacionada com sua geometria (índice


Compressão de esbelteza). Após ultrapassar a ten-

A resistência à compressão geralmente são critica de compressão(P), uma barra

é superior à resistência a tração em ma- pode sofrer o processo de flambagem.

teriais compósitos, como o concreto. Já Nesse caso, o limite de compressão é o

nos materiais metálicos, a compressão é próprio índice de flambagem.

Figura 8: Sistema em compressão (flambagem).

15
. Propriedades
dos Materiais

Exemplo
Petrobras Biocombustível - 2008 - Engenheiro(a) de Equipamentos Júnior

- Terminais e Dutos - 55
Um material a ser selecionado para produzir uma peça por estampagem atra-
vés de uma prensa deve apresentar um valor relativamente elevado para
a(o)

(A) Tenacidade.

(B) Resistência térmica.

(C) Resistência à fratura.

(D) Módulo de elasticidade.

(E) Módulo de resiliência.

Solução:

Materiais para serem utilizados em estampagem devem apresentar uma alta

capacidade de sofrer deformação plástica sem sofrer fratura. Ou seja, alta

tenacidade para evitar falhas por trincas ou desgaste por microlascamento.

Resposta: A

Exemplo

16
. Propriedades
dos Materiais

Petrobras Biocombustível - 2010 - Engenheiro(a) de Equipamentos Júnior

- Inspeção - 43
Processos de deformação plástica em metais dúcteis costumam provocar

aumentos de dureza e resistência, em um efeito conhecido como encrua-


mento ou endurecimento por trabalho a frio. Nessa perspectiva, afirma-se
que o encruamento
(A) É irreversível em qualquer material.

(B) Não provoca modificações na ductilidade do material.

(C) Não provoca modificações na condutividade elétrica do material.


(D) Não provoca modificações na resistência à corrosão do material.

(E) Provoca um maior efeito no limite de escoamento do que na resistên-

cia mecânica do mateiral.

Solução:

O processo de encruamento torna o material mais duro e resistente. A mo-

vimentação das discordâncias internas causadas pelo trabalho a frio con-

fere ao material uma modificação interna de suas estruturas. Com o aumento

do encruamento, o limite de escoamento também aumenta.

Resposta: E

Exemplo
Polícia Federal - 2004 - Engenheiro Mecânico - 56

17
. Propriedades
dos Materiais

A resistência à tração aplicada na peça é corretamente expressa por FAmax


f
,

em que Fmax é a força máxima aplicada ao corpo de prova e Af é a área da


seção transversal do corpo após a ruptura do mesmo.

(A) Certo.
(B) Errado.
Solução:

A resistência à tração aplicada na peça deve ser expressa por FA


max
0
, onde A0

é a área inicial da seção transversal do corpo de prova.

Resposta: B

Caiu no concurso!
TRANSPETRO - 2008 - Engenheiro Junior - Mecânica - 38

18
. Propriedades
dos Materiais

Na seleção de materiais para as mais diversas aplicações estruturais, algu-

mas das propriedades que devem ser observadas são: limite de escoamento;

tensão de resistência; módulo de elasticidade e ductibilidade. Assim, com

base no gráfico, os materiais que possuem o maior limite de escoamento,

a maior tensão de resistência, o maior módulo de elasticidade e a melhor duc-

tibilidade, respectivamente, são:


(A) P; P; Q e R

(B) P; Q; P e R
(C) P; Q; Q e R

(D) Q; P; P e R
(E) R; Q; P e Q

19
. Propriedades
dos Materiais

Resposta: B

Caiu no concurso!
CEAGESP - 2010 - Engenheiro Nível I - Mecânica - 8
O módulo de elasticidade de um material metálico é obtido por meio do en-

saio de tração de um corpo de prova, que fornece uma indicação da rigidez

do material e depende das forças de ligação interatômicas.

Ele é determinado pelo quociente ou alongamento específico na região li-


near do diagrama tensão-deformação.

O módulo de elasticidade é

(A) diretamente proporcional à deformação.

(B) transversal e corresponde à metade do módulo de elasticidade volumé-

trico.

(C) menor para metais com temperaturas de fusão elevadas.

(D) independente da direção de aplicação da tensão nos eixos cristalográ-

ficos.

(E) inversamente proporcional à temperatura do material.

Resposta: E

Caiu no concurso!
Eletrobras - 2002 - Engenheiro Mecânico - 66

20
. Propriedades
dos Materiais

A parte hachurada do diagrama tensão x deformação de uma aço representa

a seguinte propriedade mecânica:

(A) ductilidade.

(B) resiliência.

(C) tenacidade.

(D) fragilidade

(E) plasticidade.

Resposta: B

Caiu no concurso!
Eletrobras - 2005 - Engenheiro Mecânico - 65
A energia total por unidade de volume que um material absorve durante o
ensaio de tração é denominada módulo de:
(A) elasticidade.

21
. Propriedades
dos Materiais

(B) rigidez.

(C) plasticidade.
(D) resiliência.

(E) tenacidade.
Resposta: E

Caiu no concurso!
Eletrobras - 2005 - Engenheiro Mecânico - 66

Dentre os fatores abaixo, aquele que NÃO influencia o limite de resitência

à fadiga de um aço é:

(A) concetração de tensões.

(B) razão de tensões.

(C) temperabilidade.

(D) temperatura de trabalho.

(E) acabamento supercicial.

Resposta: C

Caiu no concurso!
Eletrobras - 2007 - Engenheiro Mecânico - 63
Observe as afirmativas a seguir sobre o diagrama tensão x deformação de
um aço mostrado abaixo.

22
. Propriedades
dos Materiais

I - O nº 6 indica a região de estricção.

II - Os nºs 3 e 4 indicam, respectivamente, os limites de ruptura e escoamento.

III - O nº 5 indica a região correspondente à propriedade resiliência.

IV = O nº 1 indica a tensão máxima ou última.

As afirmativas FALSAS são somente:

(A) I e II.

(B) I e III.
(C) II e III.

(D) II e IV.

(E) III e IV.


Resposta: D

Considere o enunciado a seguir para as questões 55 à 58

23
. Propriedades
dos Materiais

Figura 9: Figura I

Figura 10: Figura II

Parâmetros obtidos por meio de ensaios mecânicos são importantes para o estudo
do comportamento mecânico dos materiais. A figura I acima ilustra um corpo de
prova padrão submetido a um esforço longitudinal, em um ensaio de tração.

24
. Propriedades
dos Materiais

A figura II mostra o deslocamento δ medido em função da força F aplicada no corpo.


Com relação a esse ensaio, julgue os itens a seguir.

Caiu no concurso!
Polícia Federal - 2004 - Engenheiro Mecânico - 55
Para cada valor de F , o alongamento percentual é corretamente expresso
por 100. ∆L
L0

(A) Certo.
(B) Errado.

Resposta: A

Caiu no concurso!
Polícia Federal - 2004 - Engenheiro Mecânico - 57

O limite de proporcionalidade é a máxima tensão para a qual, ao ser remo-

vida a força F , permanece uma deformação residual no corpo de prova de,

no máximo, 0, 2 %.
(A) Certo.

(B) Errado.
Resposta: B

25
. Propriedades
dos Materiais

Caiu no concurso!
Polícia Federal - 2004 - Engenheiro Mecânico - 58
No caso de materiais dúcteis, quando a força atingir o valor Fmax começa
a ocorrer redução da seção (estricção) em certo local do corpo de prova e
o valor da tensão real nesse torna-se decrescente.

(A) Certo.
(B) Errado.
Resposta: B

26