Você está na página 1de 1

Amostragem analítica em laboratório

A amostragem analítica é o método no qual se realiza a coleta de uma alíquota que


possa ser considerada como representativa de uma matriz maior e heterogênea que se deseja
analisar e devido a esta característica heterogenia do universo amostral obter uma amostra
representativa de todo este universo se torna extremamente difícil.

Alem da preocupação em se obter uma amostra representativa do que se deseja


analisar outros fatores devem ser considerados na amostragem para que seja possível realizar
uma analise, pois, dependendo do que se deseja analisar é necessario diferentes cuidados ao
coletar a amostra para evitar a perda do analito que será estudado naquela amostra; obter a
quantidade necessario de amostra para torna a analise possível; determinar o método de analise
e necessidade de tratamento da amostra; determinar o melhor método de coletar esta amostra.

Determinar A quantidade de amostra que se deve coletar é uma questão difícil pois
não é possível padronizar a quantidade de amostras necessárias para se obter uma porção
pequena e representatividade do universo amostral. Esta questão pode ser resolvida com auxilio
da intuição e experiencia do amostrador ao determinar o melhor método de amostra fazendo uso
da amostragem probabilística (casual simples, sistemática, conglomerados, múltipla e seqüencial ) ou não-
probabilistica (a esmo, material contínuo e intencional). Outro fator a ser estabelecido antes da coleta é
o volume de amostra a ser coletado que dependerá do tipo de procedimentos que a amostra será
analisada.

Após coletada, a amostra deve ser preservada e armazenada apropriadamente


dependendo do ensaio ao qual será submetido para evitar contaminação ou degradação do
analito que se deseja verificar. Esta etapa consiste em fazer que amostra esteja estável física,
quimica e biologicamente, através de uma técnica de armazenamento que já tenha sido testada
anteriormente e determinada por quanto tempo ela mantém a integridade da amostra.

Ter um conhecimento prévio sobre a área a ser amostrada, o material a ser coletado e
o que se deseja analisar auxilia no momento de determinar a melhor forma de coleta e melhor
ponto de coleta. Por exemplo, se o objetivo é determinar a presença de óleo (hidrocarbonetos)
em um lago ou rio, a amostragem deve ser feita da camada superficial da agua.

Em alguns casos, tambem é necessario que a amostra seja tratada antes de realizar a
analise, o que ocorre principalmente no caso de solos, onde é preciso diminuir o volume das
partículas para realizar os procedimentos. Essa redução de volume de solos pode ser feita com
auxilio de moinhos, britadores e outras ferramentas.

Todo processo de amostragem deve ser acompanhado de um tratamento estatístico


para avaliar a representatividade destas amostras quanto a população amostral completa. Para
isso deve sempre ser determinado o desvio padrão, repetitividade e reprodutibilidade dos
resultados amostrais em diferentes processos de validação certificados por organizações
internacionais de qualidade que possuem métodos confiáveis de analise (procedimentos
operacionais padrão) e que atestam a eficiencia da analise de outros laboratórios.

Dentre estas instituições temos a United Kingdom Accreditation Service que produz o
sistema ISO utilizado para determinar a confiança e credibilidade da analise de um laboratório.
No Brasil alem da ISO, a normas de qualidade laboratorial tambem são viscalizadas pela
Associação Brasileira de Normas Tecninas (ABNT).