Você está na página 1de 12

DOCUMENTAÇÃO, LOGS E SUA INTERPRETAÇÃO

Cosse, R. (1993). Basics of reservoir engineering: oil and gas field development
techniques. Éditions Technip

Well log é a gravação (geralmente continua) das características de formação atravessada por
um furo em função da profundidade.

Electrical well logs são gravados quando a perfuração é interrompida enquanto que o mud
logging é gravado durante a perfuração.
Well logs são essenciais para avaliação do reservatório.

O propósito do electrical well logs é/ são:

 Identificação dos reservatórios: a litologia, porosidade, saturação (da água, óleo e gás)
e a permeabilidade em função da profundidade.
 A profundidade das camadas.
 Levantamento dos dados do furo: diâmetro, inclinação, cimentação do casing,
formação/ conexão do furo (perfuração).
 Comparação entre vários furos por meio de correlações elétricas que destacam a
variação em profundidade, espessura, fácies, etc.
Meios empregados:

Camião de gravação (ou cabine em operações offshore), interpretação computarizada, guincho


a motor, cabo elétrico e sonde.

Sonde: unidade eletrónica com transmissor (elétrico, nuclear e de som), receptores e


amplificador. geralmente o raio de investigação é de 1 m. Os instrumentos são frequentemente
combinados (gravação acontece de forma simultânea).

Gravação: o sinal do receptor é monitorado, calibrado e gravado no filme e fita magnética (sinal
digitalizado). Escala de profundidade: 1/200 e 1/500. A gravação é chamada de log.
Principais características registradas:

1. Resistivity and spontaneous potential.


2. Natural radioactivity (Gamma rays) and induced radioactivity (neutron/ gamma-
gamma).
3. Speed of sound, attenuation of acoustic waves.
4. Bore hole diameter and deviation. Dip of beds.
Electric logs
Spontaneous Potential SP

Este log não é baseado no transmissor, apenas envolve correntes naturais. As variações no
potencial electrico são medidos directamente entre o elétrodo da superfície e o sonde (segundo
elétrodo). Uma deflexão é observada em frente a rocha do reservatório em comparação com
uma linha de base de shale (ou marls). Causas: diferença de salinidade entre a água do
reservatório e o fluido de perfuração. As características obtidas são o limite do reservatório e a
resistividade da água do reservatório Rw.
Resistivity Log

Um sistema de elétrodos envia uma corrente elétrica para a formação. A resistência aparente
do reservatório é medida em Ohms por metros.

O instrumento mais amplamente usado é o laterolog LL (focalizando) e Induction log IL


(solenoide). As características obtidas são a porosidade e a saturação (água e HC’s). as matrizes
das rochas são isolantes e os HC’s apresentam elevada resistividade, enquanto que a
resistividade da água reduz com o aumento da salinidade. Sendo assim, a resistividade pode
diferenciar a água dos HC’s.
Equação empírica:
𝑅𝑜 𝑎
𝐹= ≈ 𝑚
𝑅𝑤 ∅
Onde:

𝑎 ≈ 1 e 𝑚 ≈ 2, geralmente;
F ou Fr = factor de formação (constante para um determinado exemplo ou amostra)
Ro = resistividade da rocha 100% saturada com água de Rw, desde poro.
Equação de Archie:

1 𝑛 𝑅𝑤 𝑅𝑜 1
𝑆𝑤 ≈ √ ; = 2
∅ 𝑅𝑡 𝑅𝑤 ∅

Onde:
N = 2 para formações sem fractura ou vazios (vugs).
Rt = resistividade da rocha calculada cuja saturação da água é Sw.
Esta equação é empregada em reservatórios limpos (com muito pouco shale).

Microresistivity Logs

Conceito de zona invadida: os filtrados de lama invadem a zona próxima do furo expelindo
parcialmente o liquido do lugar. A resistividade desta zona fornece dados sobre a porosidade e
Sw do reservatório. Instrumentos empregados: Micrologs ML e Microlaterolog MLLou MSFL
(elétrodos próximos uns dos outros).
Radioactivity Log

A radioctividade da formação é medida (nenhum transmissor). Shales e marls são geralmente


mais radioativos que o sandstone e limestone levando a identificação das camadas do
reservatório.
Neutron Log N

O som emite neutrões rápidos que bombardeiam a formação dando origem a neutrões lentos,
que são detectados e do qual o numero N depende da quantidade de hidrogénio de acordo com
a porosidade.
Equação empírica:

𝑁 = 𝑎 − 𝑙𝑜𝑔∅

Density Log (Gamma-gamma) D

A formação é irradiada pelos raios gama que são recebidos como função da densidade da
formação. E é descrito da seguinte forma:

𝐷 = ∅. 𝐷𝑓 + (1 − ∅)𝐷𝑚

Onde:
D = densidade total lido no log (também denotado por ρ),
Df = densidade do fluido (filtrado),
Dm = densidade da matriz da rocha

Valores de Dm: sands/ sandstone 2,65; shales 2,65 até 2,70, limestone 2,71 e dolomites 2,85;
que leva ao calculo da porosidade.

Neutron Relaxation TDT

Baseado na emissão de neutrões, o parâmetro gravado está relacionado com a quantidade de


cloro, consequentemente, a salinidade aparente dá-nos a saturação da água Sw. Este log permite
localizar HC’s atras do casing e monitorar mudanças nas interfaces durante a produção.

Sonic (or Acustic) Log


Estes logs consistem na transmissão e recepçao das ondas sonoras.
Equação empírica do sonic log:
1 ∅ 1−∅
= −
𝑉 𝑉𝑓 𝑉𝑚

Ou

∆𝑡 = ∅. ∆𝑡𝑓 + (1 − ∅). ∆𝑡𝑚


Onde:

∆𝑡 = intervalo de tempo de viagem do transmitor ao receptor.

Velocidade: ar ≈ (1100ft/s) 335 m/s, oil (4250ft/s) 1300 m/s, água (5000 to 6000 ft) 1500 à
1800 m/s, shales (5200 to 15700 ft/s) 1600 a 48000 m/s, sandstones (18000ft/s) 5500 m/s, e
limestones (< 23000 ft/s) < 7000 m/s.

Determinação da Litologia, Porosidade e Saturação

Litology

 Gamma ray e SP +cuttings (and core).


 Neutron + Density + Sonic, Combinado.

Porosidade (Porosity)

 Resistivity, Neutron, Density and Sonic.


No caso de shale sands/ sandstones: resistivity e gamma ray (SP). O diagrama terá dois logs de
porosidade (N-D, N-S e S-D).

Saturação (Saturations)

1 𝑅
a. Resistividade (resistivity) (+SP): 𝑆𝑤 ≈ ∅ √ 𝑅𝑤 → água e HC’s.
𝑡

b. Combinação de “Neutron + Density” → gás: baixa densidade e elevado neutrão a partir


do qual D muito indica porosidade aparente e N muito fraca indica porosidade aparente.
Consequentemente: Resistivity (+SP) + N + D → água, óleo e gás.
Para formações contendo Shale (shale sandstone e carbonates) a interpretação é complexa
e menos precisa.

Composit Log
A combinação essencial dos registros na interpretação da origem a um composto em que
diferentes fluidos são identificados.
Interpretação Geral (Overall Interpretation)
Olhada rápida

A interpretação rápida chamada de olhada rápida” com base em um simples exame visual dos
registros, ajuda a derivar uma ideia preliminar sobre a formação e os fluidos. O método consiste
no seguinte:

1. Identificação dos reservatórios eliminando camadas de shale e camadas compactas.


2. Comparação dos logs de resistividade e de porosidade no reservatório:
a. Comparação dos logs de resistividade identifica o contacto água/hidrocarboneto
e dá um valor aproximado da saturação de água Sw.
b. Comparação dos neutrons logs e densit logs ajuda a determinar a litologia na
zona de água, destinguir o gás do óleo e estimar a porosidade da formação.
A interpretação pode também ser feita a partir de computador com base em programas.

Schlumberger (2016). Basic Well Log Interpretation. The Defining Series

Well logs apresenta um gráfico conciso e detalhado de parâmetros de formações versus


profundidade. A partir desses gráficos, os intérpretes podem identificar litologias, diferenciar
entre rochas porosas e não porosas e reconhecer rapidamente zonas de pagamento nas
formações subterrâneas. A capacidade de interpretar um log é reconhecer o significado de cada
medida.

As ferramentas de registro registram a magnitude de propriedades de formação específicas,


como a resistividade, medida como as ferramentas atravesse um intervalo definido pela
profundidade; um log de poço é um gráfico que mostra o valor dessa medida plotada versus
profundidade.
Em 1942, a relação entre resistividade, porosidade e saturação de água (e, portanto, sua inversa:
saturação de hidrocarbonetos) foi estabelecido por G.E Archie, abrindo o caminho para uma
avaliação quantitativa das propriedades de formação usando o logs dos furos.

registros elétricos precoce, ou e-logs, traçaram apenas medições de resistividade de formação.


O resistity de uma rocha é uma medida do grau em que pode impedir o fluxo da corrente
eletrica. É medido em ohm.m2 / m, que normalmente é referenciado como ohm.m. o recíproco
de resistividade é a condutividade, que normalmente é expressa em termos de milimhos ou
m.mhos. A capacidade de conduzir a corrente elétrica é função da condutividade da água
contida no espaço dos poros da rocha. A água doce não conduz a eletricidade, no entanto, os
íons de sal encontrados na maioria das águas da formação. Assim, a menos que a água seja
fresca, as rochas saturadas de água têm alta condutividade e baixa resistividade. Os
hidrocarbonetos, que são não-condutores, causam aumento dos valores de resistividade à
medida que o espaço dos poros dentro de uma rocha é mais saturado com óleo ou água.
é uma medida da diferença de tensão entre um eletrodo móvel no poço e um eletrodo fixo na
superfície. Este potenciador elétrico é gerado primordialmente como resultado de trocas de
fluidos de salinidades diferentes - as do sistema de lama e aquelas na formação. Durante o
percurso da perfuração, a rocha permeável com o poço do poço torna-se invada pelo filtrado
da lama de broca. Se o filtrado é menos salino do que os fluidos de formação, os íons de cloro
do carregador negativo da água de formação fazem com que a curva sp se desvie para a
esquerda de uma linha de base arbitrária estabelecida a partir de formações de xisto
impermeáveis. A magnitude da deflexão é influenciada por uma série de fatores, incluindo
permeabilidade, porosidade, formação de salinidade da água e propriedades do filtrado de lama.
As formações permeáveis preenchidas com água que é mais fresca do que os filtrados fazem
com que a curva desvie para a direita. Assim, simplesmente pela natureza de suas deflexões, a
curva SP pode indicar a um geólogo quais formações são permeáveis. É mais provável que
uma formação permeável com alta resistividade contenha hidrocarbonetos.

Em adição à curva SP, hoje o conjunto básico de medição de registro inclui uma curva de raios
gama (GR), curvas de resistividade múltiplas, bem como leituras de porosidade obtidas a partir
de ferramentas de densidade, nêutrons e sônica.
O dispositivo GR mede a radioatividade de ocorrência natural da formação, e um GR logs ajuda
os geólogos a diferenciar as rochas não conservadoras - pedreiras e barragens - da rocha do
reservatório, como o arenito e os carbonatos. Os xales e as argilas derivam de rochas que
tendem a conter elementos radioativos de ocorrência natural, principalmente potássio, urânio e
tório. Como consequência, os xales e a argila são mais radioativos do que os arenitos limpos e
os carbonatos. O quartzo e o carbonato de cálcio produzem quase nenhuma radiação. Os
análogos de registro procuram formações com baixa radiação de fundo porque eles têm o
potencial de conter hidrocarbonetos móveis.
As ferramentas de resistividade medem a formação em diferentes profundidades de
investigação. O registro resultante apresenta curvas de leitura superficial, média e profunda.
As curvas pouco profundas que traçam o menor raio de investigação mostram a resistividade
da zona corada que circunda o poço. A curva média indica a resistividade da zona invada. As
curvas mais profundas mostram a resistividade da zona não contaminada, que se presume ser
a verdadeira resistividade, embora as curvas de leitura mais profundas possam ser afetadas pela
presença de filtrado de lama. Ao avaliar a separação entre essas curvas, um geólogo pode
estimar o diâmetro da invasão pelo filtrado de lama e ser capaz de determinar quais zonas são
mais permeáveis do que outras
A densidade aparente da formação fornece uma medida chave da porosidade. A densidade
aparente (rhob) de uma formação baseia-se na proporção de massa de intervalo medida em
relação ao seu volume. Em geral, a porosidade está inversamente relacionada à densidade da
formação rochosa. Esta medida é obtida por um dispositivo de registro que emite raios gama
na formação. Os raios gama colidem com os elétrons na formação, liberando energia e
dispersão em um processo conhecido como Compton Scattering. O número dessas colisões está
diretamente relacionado ao número de elétrons na formação. Em formações de baixa
densidade, mais desses raios gama dispersos são capazes de atingir o detector do que nas
formações de maior densidade.
Como o hidrogênio é um dos principais constituintes da água e do hidrocarboneto, e porque a
água e os hidrocarbonetos se concentram em poros de rocha, a concentração de átomos de
hidrogênio pode ser usada para determinar a porosidade saturada de fluido de uma formação.
Os átomos de hidrogênio têm quase a mesma massa que o nêutron. As ferramentas de Neutron
Logs emitem nêutrons usando uma fonte quimica ou um gerador eletrônico de neutrons.
Quando estes neutros colidem com átomos de hidrogênio em uma formação, eles perdem a
energia máxima, diminuem a velocidade e, eventualmente, alcançam uma energia ou estado
térmico muito baixo. A taxa a que os nêutrons atingem o estado térmico é proporcional à
concentração ou índice de hidrogênio (HI). As ferramentas de porosidade de neutrons medem
o HI, que é então convertido em porosidade neutronica.

O registro sônico pode ser usado para determinar a porosidade ao traçar a velocidade de uma
onda de som compressional à medida que viaja através da formação. O tempo de transição de
intervalo, medido em microssegundos por metro (pé) e muitas vezes chamado de lentidão, é o
recíproco da velocidade. Litologia e porosidade afetam o tempo de trânsito em intervalos. As
formações densas e consolidadas caracterizadas pela compactação em profundidade
geralmente resultam em um Dt mais rápido (mais curto), enquanto a porosidade cheia de fluido
resulta em um Dt lento (mais longo).

A medição também é afetada pela formação e as condições do furo. Os analistas de log


executam o controle de qualidade nos dados e determinam quais são os correntions necessários
antes de analisar quantitativamente os dados. Por exemplo, o gás, a fratura e a falta de
compactação requerem correção para serem aplicadas no tronco sonic. Lithologies afeta a
densidade, os nêutrons e os registros sônicos. A invasão do filtrado de lama em formações
porosas afeta as leituras de resistividade e as temperaturas afetam a resistividade do filtrado e
da água de formação de solução salina. Algumas ferramentas de resistividade funcionam em
fluidos de furo não condutores, outros apenas funcionam em sistemas de lama saturada de sal.
As ferramentas de log de contato de contato podem ser afetadas por lavagem de furos. Se os
dados são comprometidos por condicionamentos de furos, a análise pode não ser possível.
Descobrindo tudo

Uma revisão inicial do log deve identificar desvios das tendências iniciais que poderiam indicar
mudanças na litologia, teor de fluido, porosidade ou diâmetro do furo. Reconhecer o
significado de tal desvio é a chave para determinar qual intervalo no registro do poço merece
mais análise. Por exemplo, uma deflexão da curva GR para a esquerda da linha de base
estabelecida para verrugas pode indicar um arenito que garanta uma avaliação adicional.
Quando acompanhado de aumentos de resistividade e porosidade, este intervalo deve ser
examinado minuciosamente. Um indicador particularmente útil para o gás é a diminuição
reveladora da porosidade de neutrons, que pode fazer com que a curva de nêutrons atravesse a
curva de densidade. Este efeito de gás é criticado porque o gás contém menos átomos de
hidrogênio do que o petróleo e a água.
Após identificar uma zona de pagamento potencial, deve ser analisada para determinar a
porosidade e a saturação de hidrocarbonetos. a porosidade de neutrons é transformada a partir
da medida HI. Para avaliar a porosidade a partir de medições de densidade, o analista de registro
deve influenciar as respectivas densidades ou o tempo de trânsito em intervalos da matriz de
rocha e o fluido de perfuração.
𝜌𝑚𝑎𝑡𝑟𝑖𝑥 − 𝜌𝑏
∅𝑑𝑒𝑛𝑠𝑖𝑡𝑦 =
𝜌𝑚𝑎𝑡𝑟𝑖𝑥 − 𝜌𝑓𝑙𝑢𝑖𝑑

A equação para converter a medição sónica para porosidade é similar:


∆𝑡𝑙𝑜𝑔 − ∆𝑡𝑚𝑎𝑡𝑟𝑖𝑥
∅𝑠𝑜𝑛𝑖𝑐 =
∆𝑡𝑓𝑙𝑢𝑖𝑑 − ∆𝑡𝑚𝑎𝑡𝑟𝑖𝑥

Havendo estabelecido a porosidade da zona de interesse, o passo subsequente é a determinação


verdadeira resistividade (true resistivity) e a resistividade de uma proximidade contendo água.
A verdadeira resistividade é baseada na medição de resistividade de leitura profunda, corrigida
para invasão de filtrado. Um intervalo próximo de produção de água pode ser usado para
calcular a resistividade da água. Essas leituras podem ser combinadas na fórmula desenvolvida
pela Archie para calcular a saturação de água nos espaços de poros de uma rocha.
1⁄
𝑎 𝑅𝑜 𝑛
𝑆𝑤 = ( 𝑚 × )
∅ 𝑅𝑡
Os valores para (a), m e n são frequentemente baseados nas propriedades de formação. Após a
saturação da água, o analista de log pode chegar a uma saturação de hidrocarbonetos subtraindo
esse valor de 1.

Inicialmente, todos os logs foram obtidos a partir de ferramentas de registro abaixadas no poço,
usando um cabo de log. Atualmente, os sensores incorporados nas coleiras de perfuração das
cordas de ferramentas MWD e LWD oferecem alternativas às ferramentas fixas. Embora os
dados do registro de interpretação manual sejam muito comuns, a avaliação do registro também
evoluiu além dos cálculos usando a equação de saturação de água de Archie. A análise de log
moderna é mais frequentemente realizada usando computadores. Com a proliferação da
produção a partir de reservatórios não convencionais, são necessárias mais informações para
avaliar e completar adequadamente essas formações. Como tal, o processamento de
computadores tornou-se um elemento essencial na interpretação de log.

Bjorlykke, K. (2010). Petroleum Geocience: from sedimentary environment to rock physics.


Springer

Logging é uma maneira de registrar as propriedades físicas das rochas penetradas por um furo.
O log começou com registros elétricos simples que medem a condutividade elétrica das rochas,
mas agora é um método tecnicamente avançado e sofisticado. Aqui, apenas os princípios
básicos serão introduzidos, mas existem vários livros didáticos especializados sobre logs bem.

Uma lama de perfuração é usada para equilibrar a pressão da água na formação e também
qualquer gás ou óleo que seja encontrado. Também é usado para transportar os fragmentos de
rocha (estacas) da broca. A lama de perfuração que está alinhando o buraco (o pedaço de barro)
ou penetrou na formação pode influenciar fortemente as leituras. Uma das vantagens é que um
registro de poço contínuo seja adquirido, proporcionando uma imagem detalhada de mudanças
graduais e abruptas em propriedades físicas de uma cama para outra. Normalmente, apenas as
partes selecionadas das rochas do reservatório são coradas, e amostras de estacas do resto do
poço não dão mais do que uma idéia geral da litologia. Somente os registros de poços são
capazes de revelar adequadamente toda a sequência perfurada.

O registro tem a vantagem adicional de medir, in situ, propriedades de rocha que não podem
ser medidas em um laboratório a partir de amostras de núcleo ou estacas.
Um buraco é registrado enviando uma sonda com instrumentos de medição para baixo um poço
após a ferramenta de perfuração ser puxada para cima. As medidas dos instrumentos
na ferramenta de registro são gravados digitalmente em intervalos entre 3 e 15 cm e os dados
são processados perto do poço em terra ou na plataforma no caso de poços offshore. O bom
corte é realizado por empresas especializadas que trabalham sob contrato para as companhias
de petróleo. Alguns tipos de exploração madeireira e análises sísmicas também podem ocorrer
durante a perfuração.

A maioria dos logs (exceto os registros de radioatividade) dependem do contato direto com a
rocha através das paredes do poço, e deve ser executado após intervalos sucessivos da
perfuração, antes de cada estágio da caixa de aço ser instalado no poço.
As ferramentas modernas de registro fazem vários tipos de registros ao mesmo tempo, e os
instrumentos são incorporados em um tubo de aço longo que tem apenas cerca de 10 cm de
diâmetro.

Ellis D. V. & Singer, J. M. (2008). Well Logging for Earth Scientist (2a ed.). Springer

Well logging é um registro das características das formações rochosas percorridas por um
dispositivo de medição no furo.

Antes de discutir as medidas de registro que são usadas para extrair informações
quanto às formações rochosas encontradas no furo, consideremos brevemente
algumas das propriedades das rochas do reservatório, a fim de identificar parâmetros de
interesse
e para obter uma visão detalhada sobre as razões para as medidas indiretas de registro que serão
descritas posteriormente.

Na aplicação mais direta, o objetivo do well logging é fornecer medidas que podem estar
relacionadas à fração volumétrica e ao tipo de hidrocarboneto presente em formações porosas.
As técnicas de medição são usadas em três disciplinas: elétricas, nucleares e acústicas.
Normalmente, uma medida é sensível ou para as propriedades da rocha ou para o fluido de
enchimento dos poros.
Os objetivos da avaliação de formação podem ser resumidos por uma declaração de quatro
questões de interesse primário na produção de hidrocarbonetos:
• Existem hidrocarbonetos, e, se for o caso, são petróleo ou gás?

Primeiro, é necessário identificar ou inferir a presença de hidrocarbonetos nas formações


Atravessado pelo poço de extermínio.
• Onde estão os hidrocarbonetos?

A profundidade das formações que contém acumulações de hidrocarbonetos deve ser


identificado.
• Quanta hidrocarboneto está contido na formação?

Uma abordagem inicial é quantificar o volume fracionário disponível para hidrocarbonetos


na formação. Essa quantidade, porosidade, é de extrema importância. UMA
O segundo aspecto é quantificar a fração de hidrocarbonetos dos fluidos dentro do
matriz de rocha. O terceiro diz respeito à extensão do leito, ou ao corpo geológico,
que contém o hidrocarboneto. Este último item cai muito além do alcance
do tradicional registo de poços.
• Quão produtivos são os hidrocarbonetos?

Na verdade, todas as perguntas realmente se reduzem a essa única preocupação prática.


Infelizmente, é o mais difícil de responder a partir de propriedades de formação inferidas.
A entrada mais importante é a determinação da permeabilidade. Muitos empíricos
os métodos são usados para extrair esse parâmetro das medições de log com variação
graus de sucesso. Outro fator chave é a viscosidade do óleo, muitas vezes frouxamente referido
pelo seu peso, como no óleo pesado ou leve.

A interpretação do registro ou avaliação de formação requer a síntese da ferramenta de registro


física de resposta, conhecimento geológico e medidas ou informações auxiliares
para extrair a máxima informação petrofísica sobre as formações subterrâneas.
Nesta seção, um subconjunto deste procedimento é considerado: interpretação do local do
poço. Este o subconjunto refere-se à abordagem rápida e um pouco superficial para escanear
um conjunto disponível de medidas de registro e a capacidade de identificar e desencadear
alguma conclusão sobre zonas de possível interesse. Estas zonas, provavelmente
hidrocarbonadas, garantirão uma análise mais próxima e mais quantitativa, o que é possível
apenas pela inclusão de conhecimento e medidas adicionais.

As três questões mais importantes a serem respondidas pela interpretação do local são:
1. A formação contém hidrocarbonetos e, em caso afirmativo, em que profundidade e eles são?
óleo ou gás?
2. Em caso afirmativo, qual é a quantidade presente?
3. Os hidrocarbonetos são recuperáveis?
Para ver como as medições de registro podem fornecer respostas a essas questões, um
Algumas definições devem primeiro ser estabelecidas. Porosidade é essa fração do volume de
uma rocha que não é material de matriz e pode ser preenchido com fluidos.

A Figura 2.1 ilustra uma unidade volume de rock. O espaço dos poros tem um volume
fracionado denotado por φ, e a matriz. O material ocupa a fração restante do volume, 1 - φ.

Além desses volumes fracionários, é útil usar frações ao descrever Os fluidos de poros
contidos. A saturação de água, Sw, é a fração da porosidade φ que contém água. Este volume
fracionado também é indicado na figura 2.1. Em um óleo / água mistura, a saturação de óleo,
portanto, é dada por 1 - Sw. Observe que o volume fracionário ocupado pela água é dado pelo
produto φ × Sw, e a fração total de formação ocupada pelo óleo por φ × So. A saturação de
água irredutível, Swirr, corresponde a água que não pode ser removida de uma rocha sem se
aplicar indevida pressão ou temperatura. A saturação de óleo residual, Sor, corresponde ao óleo
que não pode ser movido sem recorrer a técnicas especiais de recuperação.

Uma vez que uma das principais medidas de exploração utilizada para a quantificação de
A saturação de hidrocarbonetos é de natureza elétrica, é necessário mencionar alguns dos
a terminologia utilizada para descrever essas medidas. As medições elétricas são
natural para essa determinação, uma vez que a corrente pode ser induzida a fluir em uma rocha
porosa
que contém um eletrólito condutor. A resistividade de uma formação é uma fração de medida
de xisto (Vshale), também conhecida como zonas limpas. Esta tarefa tem sido tradicionalmente
realizado através de duas medidas: o raio-gama e o potencial espontâneo (SP). O
comportamento qualitativo do SP (uma medida de tensão relatada em mV) é tornar-se menos
negativo com aumentos no conteúdo de xisto de formação. O sinal de raio gama geralmente
aumentará em magnitude de acordo com o aumento do conteúdo de xisto.
Outras técnicas foram utilizadas recentemente, por exemplo, a separação entre as medições de
neutrons e densidade, a distribuição de ressonância magnética nuclear (RMN) e a análise de
espectroscopia elementar.

O segundo passo é responder a pergunta: "A formação pode conter hidrocarbonetos?"


Esta condição só será possível se a formação for porosa. Quatro log Os dispositivos produzem
estimativas de porosidade. No caso da ferramenta de densidade, o parâmetro medido é a
densidade aparente de formação ρb. À medida que a porosidade aumenta, a densidade aparente
ρb diminui. A ferramenta de neutrons é sensível à presença de hidrogênio. É relatado A medida
é a porosidade de neutrões φn, que reflete o valor da formação teor de hidrogênio. A ferramenta
acústica mede a lentidão da onda compressional ou, tempo de trânsito de intervalo? t (relatado
em μs / ft). Aumentará com a porosidade. O total NMR signal depende da quantidade de
hidrogênio e, portanto, aumenta com a porosidade.

Uma vez que uma formação porosa e limpa é identificada, o analista enfrenta a decisão
quer contenha hidrocarbonetos ou não. Essa análise é feita de forma bastante indireta.
maneira, usando a resistividade Rt da formação. Basicamente, se a formação porosa
contém salmoura condutora, sua resistividade será baixa. Se, em vez disso, ele contém uma
fração de hidrocarboneto não condutor, então a resistividade de formação será bastante
ampla. No entanto, há também um efeito de porosidade na resistividade. Como porosidade
aumenta, o valor de Rt diminuirá se a saturação de água permanecer constante. o
os hidrocarbonetos podem ser petróleo ou gás. A distinção é mais facilmente feita comparando
a densidade de formação e a medida da porosidade de neutrons, conforme discutido na Seção
2.6.
Para responder a questão 2 e determinar a quantidade de hidrocarbonetos presente na formação,
o produto de porosidade e saturação (φ × Sw) deve ser obtido.

Por enquanto, tudo o que precisa ser conhecido é que a saturação de água Sw é uma função
de ambos, a resistividade de formação Rt e porosidade φ. Outra medida comum de
resistividade, Rxo, corresponde à resistividade de a zona de descarga, uma região de formação
próxima ao poço, onde os fluidos de perfuração pode ter invadido e deslocado os fluídos de
formação originais. A medição de Rxo é usado para ter uma idéia da capacidade de recuperação
de hidrocarbonetos no seguinte caminho. Se o valor de Rxo for o mesmo que o valor de Rt, é
mais provável que os fluídos de formação originais estejam presentes na zona corada,
indicando que não ocorreu o deslocamento do fluido de formação. No entanto, se Rxo for
diferente do que Rt, então houve alguma invasão, e os fluidos são móveis. Isso pode ser levado
um passo adiante. Se a proporção de Rxo para Rt for igual à proporção da Resistividades de
água nas duas zonas (Rmf e Rw), depois a corada e não lavada As zonas têm a mesma
quantidade de hidrocarbonetos ou nenhuma. Qualquer hidrocarboneto é improvável que seja
produzível neste caso. Se a proporção de Rxo para Rt for menor que a de Rxo Rmf para Rw,
então alguns hidrocarbonetos foram movidos pelo fluido de perfuração e provavelmente pode
ser produzido.

Geralmente as informações fornecidas pelos logs são indirectas e necessitam de ser


transformadas em propriedades ddo reservatório (interpretação, analise de formação).