Você está na página 1de 5

Universidade Federal do Espírito Santo

Centro de Ciências Humanas e Naturais

Departamento de Psicologia Social e do Desenvolvimento

Disciplina: PSO11839– Estudos Contemporâneos em Processos Psicossociais e do Desenvolvimento.

Professora: Ana Maria Justo Semestre: 2016.2

Estudante: Anallu Guimarães Firme Lorenzon Data: 15/02/2017

Avaliação II – 7 pontos
INSTRUÇÕES
A avaliação deve ser enviada para o e-mail justoanamaria@gmail.comaté as 24h de hoje, dia 15/02/2017,
neste documento de texto, o qual deve ter o nome do estudante como nome do arquivo.
A proposta da avaliação é de proporcionar aos estudantes um momento de reflexão teórico-prática. Desse
modo, todas as questões devem ser respondidas a partir de suas leituras e interpretações teóricas, assim
como da compreensão do filme “O Exótico Hotel Marigold” (2011).
Serão avaliados nas respostas: originalidade, clareza, domínio do conteúdo, uso de referencial teórico e
capacidade de argumentação.
Bom trabalho!

Para responder à avaliaçãoescolha 4, dentre as 5 questões propostas. Cada uma das 4 questões
respondidas valerá 1,75 pontos.

1- Na história do filme, os idosos mudam radicalmente suas vidas em uma viagem à Índia, embora o
enredo relate apenas uma pequena parte das vivências dos personagens nessa transição.
Discuta, à luz da Teoria do Desenvolvimento ao Longo do Ciclo Vital de Paul Baltes,os possíveis
impactos (positivos e/ou negativos) das mudanças ocorridas no cotidiano dos personagens para o
processo de envelhecimento.

Na Teoria do Desenvolvimento ao Longo do Ciclo Vital de Paul Baltes o desenvolvimento passa a


ser abordado de maneira multifatorial, envolvendo os âmbitos biológicos, psicológicos, sociais e
ambientais do indivíduo. Além de todos estes aspectos que interferem no desenvolvimento, o
paradigma LifeSpan salienta o caráter multidirecional do processo, que compreende o crescimento
na infância, a manutenção na fase adulta e regulação das perdas na velhice. Esta abordagem nos
permite uma compreensão mais complexa do processo do envelhecimento, pois o considera
através de uma série de influências e também salienta a importância de uma tomada de posição,
que pode oportunizar outra maneira de vivenciar as perdas decorrentes da velhice melhorando a
qualidade de vida nesta fase, proporcionando uma velhice bem sucedida. De acordo com esta
teoria, as transformações da vida dos indivíduos podem ser natureza normativa, seguindo o seu
curso natural, ou de natureza não-normativa, que são mudanças imprevisíveis. Todas as
transformações são marcadas por perdas e ganhos concorrentes, e por um processo de
equilibração.

O Filme O Exótico Hotel Marigold nos mostra as transformações na vida de um grupo de idosos
acarretadas pela opção de viver o período da velhice em um Hotel, na Índia. Cada personagem
tem sua motivação pessoal para apostar nesta inusitada transformação de vida, mas o sentimento
de descontentamento com os acontecimentos típicos desta fase une todos eles, como a viuvez, os
problemas de saúde, a falta de recurso para manutenção da qualidade de vida, a aposentadoria,
etc. A chegada ao Hotel acarreta uma série de grandes mudanças no cotidiano dos personagens.
O que parecia um palácio indiano nos anúncios publicitários vendido aos idosos, aparece como
uma construção antiga, cheia de problemas, necessitando de manutenção e uma série de
benfeitorias. Além desta frustração de expectativas com relação ao espaço, a cultura indiana
aparece como um grande desafio. O excesso de cores, sons, o modo caótico da cidade funcionar,
as relações humanas marcadas por outros valores, como o acolhimento e a solidariedade, causam
muitas turbulências ao grupo. No entanto, é curioso observar como quase todos conseguem, no
desenrolar do filme, administrar os impactos e alcançar muitos ganhos qualitativos em seus
processos de envelhecimento.

Evelyn é uma viúva que precisa vender sua casa para pagar as dívidas herdadas do marido. Ela foi
uma mulher que viveu sem muita autonomia, o marido era o responsável por administrar sua vida.
Ela confiava em seu companheiro, que fazia as escolhas por ela. No entanto, descobriu com a
morte dele que deixara uma série de dívidas a pagar. A aposta na viagem e nas mudanças
decorrente desta escolha foi a maneira que encontrou de, na velhice, começar a cuidar de sua
própria vida. Uma mudança importante na vida da personagem durante a estadia no Hotel foi o
trabalho. Ela nunca havia trabalhado, e por necessidade, procura um emprego na Índia. O que
poderia ser fonte de muito descontentamento é vivenciado de forma otimista e determinada. As
suas experiências no trabalho trouxeram grandes ganhos ao seu processo de envelhecimento.
Além da valorização pessoal, o trabalho lhe proporcionou estabelecer relações sociais
intergeracionais, que foram importantes para se reconstruir.

Muriel Donnelly é uma ex-governanta, que vai para a Índia em busca de uma cirurgia diferenciada
para o seu problema no quadril. A personagem é muito racista e o principal impacto que sofre em
sua estadia é a necessidade de se relacionar com os empregados indianos, agravados por um
estado de recuperação. A sua relação complexa com a empregada de uma casta inferior, lhe
proporcionou ganhos sociais e uma mudança em sua visão hostil a respeito da cultura.
2- O enredo do filme se desenrola em torno de uma lacuna existente na atenção ao idoso, que é
limítrofe entre o sistema de saúde, o sistema de assistência social e a família. Aponte qual é esta
lacuna e descreva possíveis ações da psicologia no sentido de reduzir ou abrandá-la, a curto,
médio ou longo prazo.

3- O tema da sexualidade na velhice se expressa de maneiras diversas nas histórias dos


personagens do filme. Escolha um dos personagens que possa auxiliá-lo a discorrer sobre a
vivência da sexualidade na velhice e suas implicações sociais.

Todos os personagens, exceto Muriel, vivenciam a sexualidade no espaço de tempo do filme.


Apesar de ser uma questão que faz parte da rotina dos idosos, a sexualidade não é um assunto
recorrente em filmes que abordam a velhice. Este fato reflete uma compreensão do senso comum
de que o sexo é coisa de jovens; a vivência da sexualidade na velhice é pouco falada e estudada
em nossa sociedade. A velhice é tomada como uma época asexual do ciclo de vida. A sexualidade
quando manifestada por idosos também é fruto de muito preconceito, tende-se a repreender
desejos e vontades do âmbito sexual. Isso se dá por uma série de fatores. Sexo de modo geral é
um tema embaraço, além disso, o idoso está preso a estereótipos como o de vovô e sábio,
sentidos que se desvinculam a atividade sexual. De maneira geral, podemos afirmar que
desconsideramos o fato da maioria dos idosos manterem uma vida sexual ativa na velhice.

De acordo com o artigo de revisão bibliográfica estudada, os fatores que mais influenciam a
sexualidade dos idosos são os aspectos socioculturais, as mudanças fisiológicas e condição de
saúde. Em relação aos aspectos socioculturais, salienta-se que a tendência é reduzir a sexualidade
ao órgão sexual e ao coito. Esta redução causa grandes perdas para a vivência e expressão da
sexualidade, uma vez que a busca pelo prazer não precisa necessariamente passar pelo coito, a
exploração de outras zonas erógenas podem ganhar preponderância nesta etapa da vida. Além
disso, há a possibilidade de encontrá-lo sozinho, em experiências de autoerotização. A falta de um
parceiro fixo aparece como um grande empecilho sociocultural para as relações sexuais. No filme,
é possível identificar o preconceito em relação à sexualidade do idoso nas cenas em que Normam
busca, nos encontros as cegas, uma parceira. Depois disso, no encontro do clube com a idosa que
o encanta, inicialmente também é possível perceber a dificuldade em encarar a sua condição e
entrar de maneira sincera no jogo da conquista. É só depois que ele assume a solidão para a
candidata, mostrando assim a realidade de sua condição social, que ela admite uma aproximação.
As mudanças fisiológicas acarretadas pelo envelhecimento podem influenciar na resposta sexual
do idoso, tanto do sexo masculino quanto feminino. O mesmo personagem Normam mostra suas
vivências ao buscar ajuda médica para a disfunção sexual. Em outro momento, sua parceira
comenta que não foi necessário o uso das pílulas para alcançarem uma experiência satisfatória. A
sua relação amorosa aponta para como as perdas fisiológicas decorrentes da velhice não
inviabilizam a prática sexual com um novo parceiro. O outro fator que interfere na sexualidade do
idoso é a condição de saúde. A presença de enfermidades tanto no idoso, quanto em seu parceiro
produzem uma diminuição da freqüência sexual, que pode chegar a sua inviabilidade.

Quando partimos para os relatos dos próprios indivíduos, como nos mostram as pesquisas
estudadas na disciplina, percebemos que há uma diferença na forma de compreensão da
sexualidade pelos homens e pelas mulheres. As mulheres tendem a valorizar a sexualidade em
seus aspectos mais amplos, valorizando mais o carinho, o companheirismo e o amor do que o
sexo. Os homens já tendem a atribuir mais importância ao sexo.

4- Em certa passagem do filme Muriel fala a seu médico: “Nem bananas verdes eu compro”.
Explique, com apoio nos textos trabalhados em aula, qual pode ser o significado dessa metáfora
na vida da personagem e qual sua função no processo de envelhecimento.

A metáfora “nem bananas verdes eu compro” enunciada pela personagem Muriel sinaliza a sua
proximidade ao evento imprevisível da morte. Apesar da morte ser um evento imprevisível no curso
da vida, a velhice é a etapa do ciclo vital onde esta questão se faz mais presente devido à
proximidade com o fim da vida e também com perdas irreparáveis. A morte é um grande mistério
para o homem. Ela impõe uma série de questionamentos e medos, que são mais facilmente
vivenciados com suporte da espiritualidade. De maneiras diversas, a espiritualidade reveste o
evento da morte de sentido e retiram a sua crueza avassaladora.
Os momentos que antecedem a morte podem ser vividos ativamente pelos sujeitos. Tanto quem
vivencia o processo, quanto seus familiares devem utilizar o tempo final da vida para promover um
enfrentamento digno. Eles representam a oportunidade para se construir sentidos, se dedicar a
relações sociais importantes, para reparar erros e perdoar. Neste sentido, a psicologia preconiza
que se realize um ritual de despedida, que permite o compartilhamento de sentimentos e a
resolução de questões familiares pendentes, e a aproximação da família.

5- O filme relata a vivência do personagem Graham após sua aposentadoria no sistema judiciário.
Explique, com suporte nos textos (Costa & Soares, 2009; Tavares, Neri& Cupertino, 2004),quais
são os impactos psicossociais da aposentadoria e como esta pode ter afetado o
personagem do filme.

A aposentadoria é uma etapa que implica grandes mudanças na vida dos sujeitos. Ela geralmente
se localiza no início do processo de envelhecimento, e pode durar muitos anos. Está associada no
senso comum à inatividade, inutilidade, perda de função social, reclusão. O processo de aposentar-
se, deste modo, é compreendido como estar passivo diante da vida e dos acontecimentos sociais.
A maneira como o idoso passa por esta etapa importante de sua vida pode influenciar diretamente
na qualidade de vida de sua velhice, pois o sofrimento e as dificuldades emocionais derivadas
deste processo influenciam a sua saúde física e emocional.
Esta compreensão de aposentadoria, que valoriza as perdas vividas nesta etapa, se justifica devido
ao lugar que o trabalho ocupa em nossa cultura capitalista. O trabalho é vivenciado como uma
questão central na identidade dos sujeitos, atrelada a fatores como produtividade e recurso
financeiro. Através do trabalho ganha-se reconhecimento social, condição importante para a
constituição da subjetividade. Deste modo, a condição de aposentado rompe com esta identidade
de trabalhador, produtivo, gerador de riqueza que acompanha o sujeito em boa parte da sua vida.
Conjuntamente com estas mudanças, a aposentadoria também demanda outra organização de
rotina, com afazeres e espaços diferentes. Além disso, o tempo dispensado ao ócio ganha um
lugar importante. Costa & Soares, citando Santos, aponta que a saída do mundo do trabalho via
aposentadoria implica diversas mudanças: perda do lugar no sistema de produção, necessidade de
reorganização espacial e temporal e reestruturação da identidade.
Como todas as etapas da vida que implicam em grandes mudanças, é necessário um exercício
preparatório para vivenciar a aposentadoria de maneira satisfatória, com qualidade de vida. A
aposentadoria pode ganhar um sentido mais prazeroso se conseguirmos valorizar alguns dos
ganhos que estão implicados no processo.
O personagem Graham, após se aposentar do sistema judiciário, viaja para Ìndia em busca de seu
grande amor da juventude, silenciado durante toda a vida produtiva. A aposentadoria parece ter
sido uma etapa importante de resignificação de sua existência. O ambiente do trabalho já não lhe
causa satisfação, a aposentadoria aparece em seu discurso, inicialmente, com algo negativo, vide
seu comentário acerca da não necessidade de festas de comemorações para aposentadorias. No
entanto, ele afirma para seu companheiro de trabalho que a deseja, e está perto de conseguir
assumir este desejo. Estas opiniões ambíguas nos parece revelar a insegurança do personagem
em relação a esta etapa de transição. Seus últimos momentos no trabalho demonstram muita
hostilidade e irritação com o ambiente e colegas. Neste momento, decide aposentar-se e parte em
busca do amor responsável por sua sensação de felicidade, plenitude.

Você também pode gostar