Você está na página 1de 2

7 Dores da virgem Maria

Primeira Dor de Nossa Senhora: A Apresentação de Jesus no Templo e a


profecia de Simeão
Ao apresentar o Menino Jesus no Templo, Maria encontrou Simeão que
proferiu a seguinte profecia: "Eis que este menino está destinado a ser uma
causa de queda e de soerguimento para muitos homens em Israel, e a ser um
sinal que provocará contradições, a fim de serem revelados os pensamentos de
muitos corações. E uma espada transpassará a tua alma (Lc 2, 34-35)

1 Pai Nosso, 7 Ave-Marias e 1 Glória ao Pai.


Segunda Dor de Nossa Senhora: A fuga para o Egito
Após o nascimento de Jesus, o Rei Herodes quis matá-lo e, por causa
disso, um anjo do Senhor apareceu a São José e disse: "Levanta-te, toma o
menino e sua mãe e foge para o Egito; fica lá até que eu te avise". Obediente,
"José levantou-se durante a noite, tomou o menino e sua mãe e partiu para o
Egito." (Mt 2, 13-14).

1 Pai Nosso, 7 Ave-Marias e 1 Glória ao Pai.


Terceira Dor de Nossa Senhora: A perda do Menino Jesus no Templo
Terminada a festa da Páscoa, o Menino Jesus ficou em Jerusalém sem
que seus pais o percebessem. Três dias depois o acharam no templo, sentado
no meio dos doutores, ouvindo-os e interrogando-os. (Lc 2, 43-50)

1 Pai Nosso, 7 Ave-Marias e 1 Glória ao Pai


Quarta Dor de Nossa Senhora: O encontro com Jesus no Caminho do
Calvário
Um dos momentos mais pungentes da Paixão é o encontro de Jesus com
Sua Mãe no caminho do Calvário. As lágrimas que Maria deramou na ocasião, a
troca de olhar com o Filho, a constatação das crueldades que Ele estava
sofrendo, tudo causava imensa dor no Seu Coração de Mãe.

1 Pai Nosso, 7 Ave-Marias e 1 Glória ao Pai


Quinta dor de Nossa Senhora: Maria fica de pé junto à Cruz de Jesus
Maria acompanhou de perto todo o sofrimento de Jesus na Cruz e assistiu
de pé à sua morte: "junto à cruz de Jesus estavam de pé sua mãe, a irmã de
sua mãe, Maria, mulher de Cleofás, e Maria Madalena" (Jo 19, 25)

1 Pai Nosso, 7 Ave-Marias e 1 Glória ao Pai.


Sexta Dor de Nossa Senhora: Maria recebe o corpo de Jesus morto em seus
braços
Nossa Senhora da Piedade, é assim que o povo católico invoca Maria
nesse momento da Paixão. Depois "tomaram o corpo de Jesus e envolveram-no
em panos com os aromas, como os judeus costumam sepultar." (Jo 19, 40)

1 Pai Nosso, 7 Ave-Marias e 1 Glória ao Pai


Sétima Dor de Nossa Senhora: Maria deposita Jesus no Sepulcro
O sepultamento de Seu Divino Filho foi a última dor que Maria sentiu
durante a Paixão. "No lugar em que ele foi crucificado havia um jardim, e no
jardim um sepulcro novo, em que ninguém ainda fora depositado. Foi ali que
depositaram Jesus." (Jo 19, 41-42)

1 Pai Nosso, 7 Ave-Marias e 1 Glória ao Pai.

Maria a nova arca da aliança


A arca viajou para a casa de Obede, em Edom, na região montanhosa da
Judéia (2 Sam. 6:1-11). Maria viajou para a casa de Isabel e Zacarias, na
região montanhosa da Judéia (Lucas 1:39).

Vestido como um sacerdote, Davi dançou e pulou na frente da arca (2


Sam. 6:14). João Batista - da linhagem sacerdotal - pulou no ventre de sua
mãe com a aproximação de Maria (Lucas 1:41).

Davi pergunta: "Como pode que a arca do Senhor venha me visitar?" (2


Sam 06:09).. Elizabeth pergunta: "Por que me é dado, que a mãe do meu
Senhor venha me visitar?" (Lucas 1:43).

David dá gritos na presença da arca (2 Sam. 6:15). Isabel "exclamou com um


grito alto" na presença de Maria (Lucas 1:42).

A arca permaneceu na casa de Obede, em Edom, durante três meses (2


Sam 06:11).. Maria permaneceu na casa de Isabel por três meses (Lucas 1:56).

A casa de Obede, em Edom, foi abençoada pela presença da arca (2


Sm 06:11).. A palavra abençoada é usada três vezes, certamente a casa foi
abençoado por Deus (Lucas 1:39-45).

A arca retorna à sua casa e termina em Jerusalém, onde a presença e a glória


de Deus é revelada no templo (2 Sm 06:12; 1. Reis 8:9-11).. Maria volta para
casa e eventualmente acaba em Jerusalém, onde ela apresenta Deus
encarnado no templo (Lucas 1:56; 2:21-22).

Maria a Mulher de Genesis a Apocalipse


Basta comparar esse texto com Jo 2, 4; 19, 26; Gl 4, 4 e Ap 12, 1ss
Maria cheia da Graça