Você está na página 1de 14

“Cada indivíduo tem um mundo interno diferente, e o estímulo tem um significado

para cada um” (Irvin D. Yalom).

I - UM BREVE HISTÓRICO
A entrevista psicológica sofreu algumas modificações no início do século XIX,
quando predominava o modelo médico. Naquela época, Kraepelin usava a
entrevista com o objetivo de detalhar o comportamento do paciente, e, assim,
poder identificar as síndromes e as doenças específicas que as classificavam
segundo a nosografia vigente. Enquanto isso, Meyer, psiquiatra americano, se
interessava pelo enfoque psicobiológico (aspectos biológicos, históricos,
psicológicos e sociais) do entrevistado. A partir de Hartman e Anna Freud o
interesse da entrevista se deslocou para as defesas do paciente. Isto é, a
psicanálise teve sua influência na investigação dos processos psicológicos, sem
enfatizar o aspecto diagnóstico, antes valorizado.
Nos anos cinquenta, Deutsch e Murphy apresentaram sua técnica denominada
Análise Associativa que considerava importante registrar não somente o que o
paciente dizia, mas, também, em fornecer informações sobre o mesmo. Desse
modo, desviou-se o foco sobre o comportamento psicopatológico para o
comportamento dinâmico. Ainda nesta década, Sullivan concebeu a entrevista
como um fenômeno sociológico, uma díade de interferência mútua.
Após este período, a entrevista e o Aconselhamento Psicológicos se deixaram
influenciar, entre outros, por Carl Rogers, cuja abordagem consiste em centrar
no paciente. Ou seja, em procurar compreender, de acordo com o seu
referencial, significados e componentes emocionais, tendo como base a sua
aceitação incondicional por parte do entrevistador.

II - DEFINIÇÃO DE ENTREVISTA
PSICOLÓGICA
A entrevista psicológica é um processo bidirecional de interação, entre duas ou
mais pessoas com o propósito previamente fixado no qual uma delas, o
entrevistador, procura saber o que acontece com a outra, o entrevistado,
procurando agir conforme esse conhecimento (WIENS apud NUNES, In:
CUNHA, 1993). Enquanto técnica, a entrevista tem seus próprios procedimentos
empíricos através dos quais não somente se amplia e se verifica, mas, também,
simultaneamente, absorve os conhecimentos científicos disponíveis. Nesse
sentido, Bleger (1960) define a entrevista psicológica como sendo “um campo de
trabalho no qual se investiga a conduta e a personalidade de seres humanos”
(p.21). Uma outra definição caracteriza a entrevista psicológica como sendo
“uma forma especial de conversão, um método sistemático para entrar na vida
do outro, na sua intimidade” (RIBEIRO, 1988, p.154). Enfim, Gil (1999)
compreende a entrevista como uma forma de diálogo assimétrico, em que uma
das partes busca coletar dados e a outra se apresenta como fonte de informação
(p.117).
A entrevista psicológica pode ser também um processo grupal, isto é, com um
ou mais entrevistadores e/ou entrevistados. No entanto, esse instrumento é
sempre em função da sua dinâmica, um fenômeno de grupo, mesmo que seja
com a participação de um entrevistado e de um entrevistador.

III - OS OBJETIVOS DA ENTREVISTA


Com base nos critérios que objetivaram a entrevista em saúde mental, pode-se
classificar a entrevista quanto aos seguintes objetivos:
a) Diagnóstica – Visa estabelecer o diagnóstico e o prognóstico do paciente,
bem como as indicações terapêuticas adequadas. Assim, faz-se necessário uma
coleta de dados sobre a história do paciente e sua motivação para o tratamento.
Quase sempre, a entrevista diagnóstica é parte de um processo mais amplo de
avaliação clínica que inclui testagem psicológica;
b) Psicoterápica – Procura colocar em prática estratégia de intervenção
psicológica nas diversas abordagens - rogeriana (C. Rogers), jungiana (C. Jung),
gestalt (F. Perls), bioenergética (A. Lowen), logoterapia (V. Frankl) e outras -,
para acompanhar o paciente, esclarecer suas dificuldades, tentando ajudá-lo à
solucionar seus problemas;
c) De Encaminhamento – Logo no início da entrevista, deve ficar claro para o
entrevistado, que a mesma tem como objetivo indicar seu tratamento, e que este
não será conduzido pelo entrevistador. Devem-se obter informações suficientes
para se fazer uma indicação e, ao mesmo tempo evitar que o entrevistado
desenvolva um vínculo forte, uma vez que pode dificultar o processo de
encaminhar;
d) De Seleção – O entrevistador deve ter um conhecimento prévio do currículo
do entrevistado, do perfil do cargo, deve fazer uma sondagem sobre as
informações que o candidato tem a respeito da empresa, e destacar os aspectos
mais significativos do examinando em relação à vaga pleiteada, etc.;
e) De Desligamento – Identifica os benefícios do tratamento por ocasião da alta
do paciente, examina junto com ele os planos da pós-alta ou a necessidade de
trabalhar algum problema ainda pendente. Essa entrevista também é utilizada
com o funcionário que está deixando a empresa, e tem como o objetivo obter
um feedback sobre o ambiente de trabalho, para providenciais intervenções do
psicólogo em caso, por exemplo, de alta rotatividade de demissão num
determinado setor;
f) De Pesquisa – Investiga temas em áreas das mais diversas ciências, somente
se realiza a partir da assinatura do entrevistado ou paciente, do documento:
Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (Resolução CNS no 196/96), no
qual estará explícita a garantia ao sigilo das suas informações e identificação, e
liberdade de continuar ou não no processo.

IV - A SEQUÊNCIA TEMPORAL DAS


ENTREVISTAS DIAGNÓSTICAS
Essa sequência pode ser subdividida em: entrevista inicial; entrevistas
subsequentes e entrevista de devolução, caracterizadas de forma diferente, e
mostrando objetivos distintos conforme o momento em que elas ocorram
(GOLDER, 2000).
a) Entrevista Inicial
É a primeira entrevista de um processo de psicodiagnóstico. Semidirigida,
durante a qual o sujeito fica livre para expor seus problemas. Segundo Fiorini
(1987), o empenho do terapeuta nessa primeira entrevista pode ter uma
influência decisiva na continuidade ou no abandono do tratamento (p.63).
Pinheiro (2004) salienta que a mesma ocorre num certo contexto de relação
constantemente negociada. O termo negociação se refere ao posicionamento
definido como “um processo discursivo, através do qual [...] são situados numa
conversação como participantes observáveis, subjetivamente coerentes em
linhas de histórias conjuntamente produzidas”(DAVIES &
HARRÉ apud PINHEIRO, 2004, p.186).
Essa entrevista, geralmente, inicia-se com a chamada telefônica de um outro
técnico, encaminhando o entrevistado para a avaliação psicodiagnóstica, ou com
a chamada do próprio entrevistado. Tem como objetivos discutir expectativas,
clarear as metas do trabalho, e colher informações sobre o entrevistado, que não
poderiam ser obtidas de outras fontes. As primeiras impressões sobre o
entrevistado, sua aparência, comportamento durante a espera, são dados que
serão analisados pelo entrevistador, e que podem facilitar o processo de análise
do caso. Para Gilliéron (1996), a primeira entrevista deve permitir conhecer:
- O modo de chagada do paciente à consulta (por si mesmo, enviado por
alguém ou a conselho de alguém, etc.);
- O tipo de relação que o paciente procura estabelecer com o seu
terapeuta;
- As queixas iniciais verbalizadas pelo paciente, em particular a maneira
pela qual ele formula seu pedido de ajuda (ou sua ausência de pedido).
A partir dessas impressões e expectativas, entrevistador e entrevistado
constroem mutuamente suas transferências, contratransferências, e resistências
que foram ativadas bem antes de ocorrer o encontro propriamente dito. Um clima
de confiança proporcionado pelo entrevistador facilita que o entrevistando revele
seus pensamentos e sentimentos sem tanta defesa, portanto, com menos
distorções. No final dessa entrevista devem ficar esclarecidos os seguintes
pontos: horários, duração das sessões, honorários, formas de pagamento
(quando particular), condições para administrar instrumentos de testagem e para
as condições de consulta a terceiros.
b) Entrevistas Subsequentes
Após a entrevista inicial, em que é obtida uma primeira impressão sobre a
pessoa do paciente, esclarecimentos sobre os motivos da procura, e realização
do contrato de trabalho de psicodiagnóstico, via de regra são necessários mais
alguns encontros. O objetivo das entrevistas subsequentes é a obtenção de mais
dados com riqueza de detalhes sobre a história do entrevistado, tais como: fases
do seu desenvolvimento, escolaridade, relações familiares, profissionais, sociais
e outros.
c) Entrevista de Devolução ou Devolutiva
No término do psicodiagnóstico, o técnico tem algo a dizer ao entrevistado em
relação ao que fundamenta a indicação. Em 1991, Cunha, Freitas e Raymundo
(apud NUNES, In: CUNHA, 1993), elaboraram algumas recomendações sobre a
entrevista de devolução:
- Após a interpretação dos dados, o entrevistador vai comunicar-lhe em
que consiste o psicodiagnóstico, e indicar a terapêutica que julga mais
adequada;
- O entrevistador retoma os motivos da consulta, e a maneira como o
processo de avaliação foi conduzido;
- A devolução inicia com os aspectos menos comprometidos do paciente,
ou seja, menos mobilizadores de ansiedade;
- Deve-se evitar o uso de jargão técnico (expressões própria da ciência
circulante entre os profissionais da área, em outras palavras “gíria
profissional”), e iniciar por sintoma ligado diretamente à queixa principal;
- A entrevista de devolução deve encerrar com a indicação terapêutica.
V - DIFERENÇA ENTRE ENTREVISTA, CONSULTA E ANAMNESE
A técnica da entrevista procede do campo da medicina, e inclui procedimentos
semelhantes que não devem ser confundidos e nem superpostos à entrevista
psicológica. Consulta não é sinônimo de entrevista. A consulta consiste numa
assistência técnica ou profissional que pode ser realizada ou satisfeita, entre as
mais diversas modalidades, através da entrevista. A entrevista não é uma
anamnese. Esta implica numa compilação de dados preestabelecidos, que
permitem fazer uma síntese, seja da situação presente, ou da história de doença
e de saúde do indivíduo. Embora, se faça a anamnese com base na utilização
correta dos princípios que regem a entrevista, porém, são bem diferenciadas nas
suas funções.
Na anamnese, o paciente é o mediador entre sua vida, sua enfermidade, e o
médico. Quando por razões estatísticas ou para cumprir obrigações
regulamentares de uma instituição, muitas vezes, ela é feita pelo pessoal de
apoio ou auxiliar. A anamnese trabalha com a suposição de que o paciente
conhece sua vida e está, portanto, capacitado para fornecer dados sobre a
mesma. Enquanto que, a hipótese da entrevista é de que cada ser humano tem
organizado a história de sua vida, e um esquema de seu presente, e destes
temos que deduzir o que ele não sabe. Ou seja, “o que nos guia numa entrevista,
do mesmo modo que em um tratamento, não é a fenomenologia reconhecível,
mas o ignorado, a surpresa”(GOLDER, 2000, p.45). Nessa perspectiva, Bleger
(1980) compreende que, diferentemente da consulta e da anamnese, a
entrevista psicológica tenta o estudo e a utilização do comportamento total do
indivíduo em todo o curso da relação estabelecida com o técnico, durante o
tempo que essa relação durar (p.12).
A entrevista psicológica funciona como uma situação onde se observa parte da
vida do paciente. Mas, nesse contexto não consegue emergir a totalidade do
repertório de sua personalidade, uma vez que não pode substituir, e nem excluir
outros procedimentos de investigação mais extensos e profundos, a exemplo de
um tratamento psicoterápico ou psicanalítico, o qual demanda tempo, e favorece
para que possa emergir determinados núcleos da personalidade. Este tipo de
assistência, também não pode prescindir da entrevista. Esta que apresenta
lacunas, dissociações e contradições que levam alguns pesquisadores a
considerá-la um instrumento pouco confiável. Mas, com diz Bleger (1980), essas
dissociações e contradições, são inerentes à condição humana, e a entrevista
oferece condições para que as mesmas sejam refletidas e trabalhadas.
VI - TIPOS DE ENTREVISTA
Segundo Gil (1999), as entrevistas podem ser classificadas em: informal,
focalizada, por pautas e estruturada.
a) Entrevista Informal (livre ou não-estruturada) – É o tipo menos estruturado, e
só se distingue da simples conversação porque tem como objetivo básico a
coleta de dados. O que se pretende é a obtenção de uma visão geral do
problema pesquisado, bem como a identificação de alguns aspectos da
personalidade do entrevistado;
b) Entrevista Focalizada (semi-estruturada ou semidirigida) – É tão livre quanto
a informal, todavia, enfoca um tema bem específico. Permite ao entrevistado
falar livremente sobre o assunto, mas quando este se desvia do tema original o
entrevistador deve se esforçar para sua retomada;
c) Entrevista por Pautas (semi-estruturada ou semidirigida) – Apresenta certo
grau de estruturação, já que se guia por uma relação de pontos de interesses
que o entrevistador vai explorando ao longo do seu curso. As pautas devem ser
ordenadas e guardar certa relação entre si. O entrevistador faz poucas perguntas
diretas e deixa o entrevistado falar livremente à medida que se refere às pautas
assimiladas. Quando este, por ventura, se afasta, o entrevistador intervém de
maneira sutil, para preservar a espontaneidade da entrevista;
d) Entrevista Estruturada (fechada) – Desenvolve-se a partir de uma relação fixa
de perguntas, cuja ordem e redação permanecem invariável para todos os
entrevistados, que geralmente são em grande número. Por possibilitar o
tratamento quantitativo dos dados, este tipo de entrevista torna-se o mais
adequado para o desenvolvimento de levantamentos sociais.
VII – A ENTREVISTA QUANTO AO SEU REFERENCIAL TEÓRICO
O processo de entrevista é orientado por seu referencial teórico. Aqui serão
vistas, em síntese, algumas das perspectivas:
a) Perspectiva Psicanalítica – Tem como base os pressupostos dos conteúdos
inconscientes. O entrevistador busca avaliar a motivação inconsciente, o
funcionamento psíquico e a organização da personalidade do entrevistado. A
entrevista é orientada para a psicodinâmica da estrutura intrapsíquica ou das
relações objetais1 e funcionamento interpessoal;
b) Perspectiva Existencial-humanista – Não procura formular um diagnóstico, e
sim, verificar se o interesse do indivíduo está auto-realizado ou não. Aqui não
existe uma técnica específica de entrevista, estas são consideradas pelos
existencialistas como manipulação. O entrevistador reflete o que ouve, pergunta
com cuidado, e tenta reconhecer os sentimentos do entrevistado;
c) Perspectiva Fenomenológica – Estuda a influência dos pressupostos e dos
preconceitos sobre a mente, e que os acionam ao estruturar a experiência e
atribuir-lhe um significado. Além de uma atitude aberta e receptiva, é necessário
que o entrevistador atue como observador participante, e que, assim, seja capaz
de avaliar criticamente, através de sua experiência clínica e conhecimento
teórico, o que está ocorrendo na entrevista.
VII – A ENTREVISTA QUANTO AO SEU MÉTODO
Segundo Ribeiro (1988), a realização da entrevista psicológica segue diferentes
enfoques:
a) Psicométrico – O entrevistador faz uso constante de uma série de
instrumentos: testes, pesquisas, controle estatístico, etc., predeterminados,
enquanto dispositivos para a aquisição de conhecimentos sobre o entrevistado.
Nessa situação, dificilmente o entrevistador conseguirá aprofundar a relação, o
encontro permanece mais em nível formal e informativo do que espontâneo,
criativo e transformador. Isto não quer dizer que seja menos válida ou mais
superficial;
b) Psicodinâmico – A relação poderá ser mais aprofundada devido ao fato do
entrevistador contar com maior disponibilidade de tempo para questionar o
entrevistado, e conduzir a situação de maneira “menos estruturada”. Sua
atenção não está no aqui e no agora, ela atende a uma dinâmica de causa-efeito
na qual submensagens poderão dificultar a comunicação;
c) Antropológico – Abrange a relação ambiente-organismo na compreensão da
comunicação. Qualquer dado será considerado, mas, nem sempre, é possível
dizer em que momento ele está e onde será utilizado. Esse tipo de entrevista
parece mais complexo, assim sendo, exige mais prática do entrevistador para
analisar as informações.
VIII - TÉCNICAS DE ENTREVISTA
Um dos aspectos essenciais da entrevista está na investigação que se realiza
durante o seu transcurso. As observações são registradas em função das
hipóteses que o entrevistado emite. O entrevistador ordena na seguinte
disposição: observação, hipótese e verificação. Uma boa observação consiste,
de algum modo, em formular hipóteses que vão sendo reformuladas durante a
entrevista em função das observações subsequentes. No entender de Bleger
(1980), o trabalho do psicólogo somente adquire real envergadura e
transcendência quando coincidem a investigação e a tarefa profissional, porque
estas são as unidades de uma práxis que resguarda a tarefa mais humana:
compreender e ajudar os outros. Assim, indagação e atuação, teoria e prática,
devem ser manejadas como momentos e aspectos inseparáveis do mesmo
processo.
8.1) Segundo Bleger (1980), a entrevista se diferencia de acordo com o
beneficiário do resultado:
- A entrevista que se realiza em benefício do entrevistado, a exemplo da
consulta psicológica ou psiquiátrica;
- A entrevista cujo objetivo é a pesquisa, valorizando, apenas, o resultado
científico da mesma;
- A entrevista que se realiza para terceiro, neste caso, a serviço de uma
instituição.
Com exceção do primeiro tipo de entrevista, os demais exigem do
entrevistador que desperte interesse ou motive a participação do
entrevistado.
8.2) Segundo Gil (1999), as entrevistas podem se dá em duas
modalidades: Face a face e por Telefone. A entrevista tradicional tem sido
realizada face a face. No entanto, nas últimas décadas vem sendo
desenvolvida a entrevista por telefone.
- Principais vantagens da entrevista por telefone, em relação à entrevista
pessoal: custos mais baixos; facilidade na seleção da amostra; rapidez;
maior aceitação dos moradores das grandes cidades, que temem abrir
suas portas para estranhos; facilidade de agendar o momento mais
apropriado para a realização da entrevista;
- Limitações da entrevista por telefone: interrupção da entrevista pelo
entrevistado; menor quantidade de informações; impossibilidade de
descrever as características do entrevistado ou as circunstâncias em que
se realizou a entrevista; parcela significativa da população que não dispõe
de telefone ou não tem seu nome na lista.
8.3) Segundo Erickson (apud SCHEEFFER, 1977), algumas
recomendações devem ser aplicáveis ao processo de entrevista
psicológica:
- O entrevistador deve ter o cuidado para não transformar a entrevista
numa conversa social. “Como posso ajudá-lo?”, é uma boa maneira de se
iniciar uma entrevista;
- O entrevistador não deve completar as frases do entrevistado. Devem-
se evitar perguntas que induzam respostas do tipo “sim” ou “não”. Não
interromper o fluxo do pensamento do entrevistado, a não ser que ele se
perca em ideias que fogem dos tópicos da entrevista;
- A atitude do entrevistador deve ser de aceitação completa das vivências
do entrevistado. Não deve haver discussão de pontos de vista;
- As pausas e silêncios são, quase sempre, embaraçosos para o
entrevistador. Nesses momentos, possivelmente, o entrevistado está
revivendo experiências que não consegue expressar verbalmente.
Quando as pausas forem longas, o entrevistador poderá retomar um tópico
anterior que estava sendo discutido;
- O tempo de entrevista deve ser marcado, e o entrevistado será
comunicado de quanto tempo dispõe. Se necessário, marca-se outra (s)
entrevista (s). Deve-se limitar o número de assuntos em cada sessão para
não confundir o entrevistado;
- É necessário trocar o pronome pessoal “eu”, pelo uso de expressões2
mais vagas, tais como: “parece que ...”; “parece melhor ...”; etc.;
- Recomenda-se fazer o resumo do que fora discutido em cada final de
entrevista. E que o entrevistador faça uma síntese para o entrevistado do
que foi abordado na sessão;
- O término da entrevista não deve transformar-se numa conversa social,
sem nenhuma relação com os problemas discutidos. Isto pode prejudicar
o resultado da entrevista.
8.4) Segundo Foddy (2002), é aconselhável o investigador ou
entrevistador:
- Adotar uma atitude comum e casual. Ex. “Por acaso você ...”;
- Empregar a técnica “Kinsey” de olhar os inquiridos bem nos olhos, e
colocar a pergunta sem rodeios de modo a que eles tenham dificuldade
em mentir;
- Adotar uma aproximação indireta de modo a que os inquiridos forneçam
a informação desejada sem terem consciência disso, a exemplo das
técnicas projetivas;
- Colocar as perguntas perturbadoras na parte final do questionário ou da
entrevista de modo a que as respostas não sofram qualquer consequência
desse efeito.
8.5) Segundo Gilliéron (1996), pode-se estudar os comportamentos do
paciente praticamente em relação a dois eixos:
- A anamnese do sujeito que permite a observação dos comportamentos
repetitivos que dão uma ideia exata da sua personalidade: trata-se do
ponto de vista histórico;
- A observação do comportamento do paciente quando da primeira
entrevista também fornece indicações muito precisas sobre a organização
da sua personalidade.
IX – DINÂMICA DA ENTREVISTA
O entrevistador, no seu papel de técnico, não deve expor suas reações e nem
sua história de vida. Não deve permitir em ser considerado como um amigo pelo
entrevistado e, nem entrar em relação comercial, de amizade ou de qualquer
outro benefício que não seja o pagamento dos seus honorários. Para Gilliéron
(1996), a investigação repousará:
- Na análise do comportamento do paciente com relação ao enquadre;
- Num modelo preciso suscetível de evidenciar a dinâmica relacional que se
estabelece entre o paciente e o terapeuta; modelo de apoio objetal.

O entrevistado deve ser recebido com cordialidade, e não de forma efusiva.


Diante de informações prévias fornecidas por outra pessoa, se deixa claro que
essas não serão mantidas em reserva. Em função de não abalar a confiança do
entrevistado, estas lhe serão comunicadas. A reação contratransferencial deve
ser encarada com um dado de análise da entrevista, não se deve atuar diante
da rejeição, inveja ou qualquer outro sentimento do entrevistado. As atitudes
deste não devem ser “domadas” ou subjugadas, não se trata de querer triunfar
e nem se impor perante o mesmo. Compete ao entrevistador averiguar como
essas atitudes funcionam e como o afetam. O grau de repressão do entrevistado,
de um certo modo, tem uma relação direta com o nível de repressão do
entrevistador.
Necessariamente, o entrevistado que fala muito não traz à tona aspectos
relevantes das suas dificuldades. A linguagem que é um meio de transmitir
informação, mas poderá ser também uma maneira poderosa de se evitar uma
verdadeira comunicação (BLEGER, 1980). Nem sempre, uma carga emocional
intensa significa uma evolução no processo. O silêncio é uma expressão não-
verbal que muitas vezes comunica bem mais que as palavras. O silêncio é,
geralmente, o fantasma do entrevistador iniciante. Ele pode ser também uma
tentativa de encobrir a faceta de um momento o qual o sujeito não consegue
enfrentar. Castilho (1995) cita uma série de tipos de silêncio que são comuns
nas dinâmicas de grupo, mas que também ocorrem, com bastante frequência,
no processo de entrevista, etc. Para ilustrar foram destacados alguns tipos de
silêncio:
- Silêncio de Tensão – É a expressão da ansiedade. Facilmente
observado através da postura corporal tensa ou inquieta do entrevistado,
da sua respiração ofegante, do tamborilar dos dedos, etc.;
- Silêncio de Medo – Deixa o entrevistado petrificado, na sua tentativa de
fugir de uma situação psicologicamente ameaçadora. Esse silêncio suscita
muita tensão e, como consequência, forte descarga psicossomática;
- Silêncio de Reflexão – Surge normalmente após a intervenção do
entrevistador, ou logo após um feedback, ou mesmo depois do
entrevistador ter passado por algum tipo de vivência. Nele, observa-se a
ausência de tensão, há um recolhimento introspectivo de elaboração
mental;
- Silêncio de Desinteresse – O indivíduo perde o foco da atenção,
camufla resistência, se desinteressa pela situação externa porque
interiormente ela o atinge.
9.1) A Ansiedade na Entrevista
A ansiedade é parte da existência humana, todas as pessoas a sentem
em grau variado, por vezes consiste em uma resposta adaptativa do
organismo (SIERRA, 2003). Para Bion (apud ALMEIDA & WETZEL, 2001),
se duas pessoas estão numa sala de análise sem angústia, não está
havendo análise (p.272). Calligaris (apud GOLDER, 2000), percebe que
em todo encontro, o outro está imediatamente implicado enquanto
“semelhante imaginário”, o que se busca primeiro é uma tela, uma espécie
de cumplicidade que supõe um sentido comum ao que estamos
dizendo(p.151). Desse modo, a ansiedade é um indicativo do
desenvolvimento de uma entrevista, e deve ser controlada pelo
entrevistador, a sua própria, e a que aparece no entrevistado.
Durante a situação de entrevista, tanto à ansiedade quando os
mecanismos de defesa do entrevistado podem aumentar, não somente
devido a esse novo contexto externo que ele enfrenta, mas também devido
ao perigo, em potencial, daquilo que desconhece em sua personalidade.
O contato direto com seres humanos, coloca o técnico diante da sua
própria vida, saúde ou doença, conflitos e frustrações. Considerando que
o entrevistador é um agente ativo na investigação, sua ansiedadetorna-se
um dos fatores mais difíceis de lidar. Em sua tarefa, o psicólogo pode
oscilar facilmente entre a ansiedade e o bloqueio, sem que isto o perturbe,
desde que possa resolver na medida em que surja.
Toda investigação implica a presença de ansiedade frente ao
desconhecido, e o investigador deve ter a capacidade para tolerá-la,
assim, poderá manter o controle da situação. Há casos em que o
investigador, devido aos seus bloqueios e limitações, se vê oprimido pela
ansiedade, e recorre a mecanismos de defesa para se sentir seguro, e
assim, elimina a possibilidade de uma investigação eficaz, uma vez que
conduz a entrevista de maneira estereotipada. Um outro problema
frequente diz respeito a uma certa compulsão do entrevistador focalizar
seu interesse ou encontrar perturbações exatamente na esfera que ele
nega os seus próprios conflitos.
A manipulação técnica, de toda ansiedade, deve ser realizada com
referência a personalidade do entrevistado, e o nível
de timing (sincronização e ajustamento) que se tenha estabelecido na
relação. Toda interpretação fora desse contexto implica em agressão ao
paciente ou entrevistado. Cabe ao psicólogo saber calar, na proporção
inversa da sua vontade compulsiva de interferir. Nessa ótica, Almeida &
Wetzel (2001, p.271) dizem que a interpretação algumas vezes vem de um
desejo de intervenção com a finalidade de eliminar angústias (perda de
continência), instados pela situação e autorizados pelo setting (grifo dos
autores).
Segundo Piaget (apud GIL, 1999), o bom entrevistador deve reunir duas
qualidades: saber observar (não desviar nada, não esgotar nada); saber
buscar (algo de preciso, ter a cada instante uma hipótese de trabalho, uma
teoria, verdadeira ou falsa, para controlar) (grifo do autor). Douglas
(apud FODDY, 2002) corrobora com essa ideia quando afirma que
entrevistar criativamente é ter determinação atendendo ao contexto, em
vez de negar, ou não conseguir compreender. O que se passa numa
situação de entrevista é determinado pelo processo de perguntas e
respostas, a entrevista criativa agarra o imediato, a situação concreta,
tenta perceber de que modo esta afetação vai sendo comunicada e, ao
compreender esses efeitos, modifica a recepção do entrevistador,
aumentando, assim, a descoberta das verdades3.
9.2) Transferência e Contratransferência
a) Transferência
Freud (1914-1969) entende que a transferência é (...) apenas um
fragmento da repetição e que a repetição é uma transferência do passado
esquecido (...) para todos os aspectos da situação atual (p.166). A
transferência é designada pela psicanálise como um processo através do
qual os desejos inconscientes se atualizam sobre determinados objetos,
num certo tipo de relação estabelecida, eminentemente, no quadro da
relação analítica. A repetição de protótipos infantis vividos com um
sentimento de atualidade acentuada. Classicamente a transferência é
reconhecida como o terreno em que se dá a problemática de um
tratamento psicanalítico, pois são a sua instalação, as suas modalidades,
a sua interpretação e a sua resolução que as caracteriza (LAPLANCHE &
PONTALIS, 2004).
A transferência e a contratransferência são fenômenos que estão
presentes em toda relação interpessoal, inclusive na entrevista. Na
transferência o entrevistado atribui papéis ao entrevistador, e se comporta
em função dos mesmos, transfere situações e modelos para a realidade
presente e desconhecida, e tende à configurar esta última como situação
já conhecida, repetitiva. No entender de Gori (2002), repetindo
transferencialmente, evoca-se a lembrança e é somente por meio da
lembrança que temos acesso á história [...] Por meio da transferência é
forjado num lugar intermediário entre a vida real e um ensaio de vida, para
que o drama humano possa ter um desfecho (p.78).
A articulação do conceito de “momento sensível”(grifo da autora) passa
pelo posicionamento do terapeuta. Esse instante preciso determina os
mecanismos que instalam a transferência. Com efeito, é o momento em
que uma relação de trabalho se torna possível. A abertura ao outro, a
espera de ajuda vinda do exterior é forte e expõe o paciente tanto ao
melhor quanto ao pior dessa interação (GOLDER, 2000).
Nessa perspectiva, Gilliéron (1996) diz que todo paciente procura obter
alguma coisa do terapeuta. Ele não busca apenas a cura de um sintoma,
mas também certa qualidade de relação (p.14). O entrevistado revela
aspectos irracionais ou imaturos de sua personalidade, seu grau de
dependência, sua onipotência e seu pensamento mágico. As
transferências negativas e positivas podem coexistir num mesmo
processo, embora, quase sempre com predomínio relativo, estável ou
alterado, de uma delas. Segundo Sang (2001), é a situação analítica e não
a sua pessoa o que levou a paciente a se apaixonar por ele, isto é, que o
amor de transferência é essencialmente impessoal. [...] o analista não
deve nem reprimir nem satisfazer as pretensões amorosas da paciente.
Deve sim, tratá-las como algo irreal (pp.319-20). No que é confirmado por
Yalom (2006), quando diz que os sentimentos que surgem na situação
terapêutica geralmente pertencem mais ao papel que à pessoa, é um
equívoco tomar a adoração transferencial como um sinal de sua
atratividade ou charme pessoal irresistível (p.175).
b) Contratransferência
Na contratransferência emerge do entrevistador reações que se originam
do campo psicológico em que se estrutura a entrevista. Porém, se
constitui, quando bem conduzida, num indício de grande significação e
valor para orientar o entrevistador no estudo que realiza. Seu manejo
requer preparação, experiência e um alto grau de equilíbrio mental, para
que possa ser utilizada com validade e eficiência. Na contratransferência,
salienta Gilliéron (1996), as emoções vividas pelo analista são
consideradas reativas às do paciente, vinculando-se, portanto, ao passado
deste último, e não dizendo respeito diretamente à pessoa do analista.
Manfredi (apud ZASLAVSKY & SANTOS, 2005, p.296), distingue cinco
tendências de abordagens desta questão:
1 - A contratransferência não é mais considerada como uma criação
unicamente do paciente, por ignorar a transferência do analista;
2 - É problemático diferenciar a contratransferência normal da patológica
(os dados á disposição do analista não permitem, quase sempre, uma
diferenciação);
3 - A tolerância à contratransferência já seria suficiente, dada, aqui, a
dificuldade da diferenciação dos sentimentos envolvidos na dupla;
4 - Devia-se, mais sábia e humildemente, fazer também a rota inversa:
procurar no paciente, e não só procurar no analista;
5 - A questão do confessar ou não, ou confessar/revelar até
quando/quanto, os sentimentos contratransferenciais despertados.
X – CONSIDERAÇÕES FINAIS
Para que o instrumento Entrevista Psicológica, de fato, se efetive como auxiliar
no trabalho do psicólogo, não é o bastante a sua compreensão ou domínio
teórico e técnico que fundamenta e norteia sua prática, mas também de
experiências que são adquiridas em rollyplays através de estágio, supervisão;
laboratório ou oficinas de sensibilidade. É preciso desenvolver a sensibilidade
para entrevistar, aprender ser empático, saber lidar com a própria subjetividade
e com a subjetividade do outro (entrevistando), facilitando assim que seu
universo, um tanto livre das “ameaças”, se descortine. O entrevistador precisa
adquirir à habilidade da “dissociação instrumental”, e ser capaz de adentrar esse
universo, sem juízo de valor, sem preconceito, para que assim possa estar com
o Outro, conhecer, não temer, se perder e se achar e, finalmente, voltar à
realidade do contexto. E agora, de posse de sua bagagem técnica tecer suas
observações, ponderações e considerações, de modo axiomático, considerado
que a utópica da neutralidade sempre deverá ser perseguida. Os princípios
éticos serão avivados em cada encontro, e nenhum instrumento poderá adquirir
uma aura de prevalência sobre a pessoa do entrevistado, que é mais importante
e assim deve ser respeitado. O que não significa ser “meloso”, por demais
solicito, muito menos autoritário. O entrevistador deve habilitar-se em se
inscrever na virtualidade da distância e proximidades ótimas que o trabalho
possa fluir. Ser a pessoa na figura do profissional imbuído da intenção singular
de realizar uma atividade sem perder sua essência humana. Nesse investida, é
fundamental que o profissional se “conheça”, e que faça de rotineiras as
reflexões sobre suas atitudes, postura e comportamento, bem como de que
tenha também flexibilidade em reformulá-los, quando a necessidade aponte.
Muito do trabalho do psicólogo certamente vem em consequência do auto
“mergulho” que lhe dará a base na qual se apóiam à sua atuação e intervenção
com toda transparência.
NOTAS
1 - Expressão usada na psicanálise para designar o modo de relação do sujeito
com seu mundo, relação que é resultado complexo e total de uma determinada
organização da personalidade, de uma apreensão mais ou menos fantasística
dos objetos e de certos tipos de defesa (LAPLANCHE & PONTALIS, 2004).
2 - Yalom (2006), diz que os terapeutas têm jeitinhos ardilosos, e se pergunta o
que os terapeutas fariam sem recorrer ao recurso do “eu me pergunto”? “Eu me
pergunto o que o impede de agir em relação a uma decisão que parece que você
já tomou”.
3 - Para Nietzsche, “Não existe verdade, só existe interpretação” (apud YALOM,
2006).

XI - REFERÊNCIAS
ALMEIDA, R. M. F & WETZEL, S. G. Quando o esperar é um à-toa muito ativo:
apreensão dos fenômenos emocionais na relação mãe-bebê, no observador e
no pequeno grupo de discussão. Revista ALTER (SPB). Origens: mente e
psicanálise. v. XX, Brasília-DF, n. 2, dez de 2001.
BLEGER, José. Temas de psicologia: entrevista e grupos. Trad. Rita M. de
Moraes. São Paulo: Martins Fontes, 1980.
CASTILHO, Áurea. A dinâmica do trabalho de grupo. 2 ed. Rio de Janeiro:
Qualitymark ed, 1995.
CUNHA, Jurema Alcides e cols. Psicodiagnóstico-R. Porto Alegre: Artes
Médicas, 1993.
FIORINI, Hector J. Teoria e técnica de psicoterapias. Trad. Carlos Sussekind. 7
ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1987.
FODDY, William. Como Perguntar: Teoria e prática da construção de perguntas
em entrevistas e questionários. 2 ed. Trad. Luís Campos. Oeiras-PT: Celta, 2002.
FREUD, Sigmund (1914). Repetir, recordar e elaborar. Trad. J.O.A. Abreu. v.
XII. Rio de Janeiro: Imago, 1969.
GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas,
1999.
GILLIÉRON, Edmond. A primeira entrevista em psicoterapia. Trad. M. S.
Gonçalves & A. U. Sobral. São Paulo: Loyola, 1996.
GORI, C. Andréa. Forças Indômitas: considerações teóricas sobre a
transferência em um fragmento de ópera. Revista Psicanálise e Universidade, n.
16, São Paulo, abr de 2002.
GOLDER, E. M. Clínica da primeira entrevista. Trad. P. Abreu. Rio de Janeiro:
Zahar, 2000.
LAPLANCHE & PONTALIS. Vocabulário da psicanálise. 4 ed. Trad. P. Tamen.
São Paulo: Martins Fontes, 2004.
PINHEIRO, O. G. Entrevista: uma prática discursiva. In: Práticas discursivas e
produção no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. SPINK, M. J. P.
(Org.). 3 ed. São Paulo: Cortez, 2004.
RIBEIRO, J. Ponciano. Teorias e técnicas psicoterápicas. 2 ed. Petrópolis:
Vozes, 1988.
SANG, E. René. Sobre o amor de transferência: um caso clínico. Revista ALTER
(SPB). Origens: mente e psicanálise. v. XX, Brasília-DF, n. 2, dez de 2001.
SCHEEFFER, Ruth. Aconselhamento psicológico. 6 ed. São Paulo: Atlas, 1977.
SIERRA, Juan Carlos. Ansiedad, angustia y estrés: três conceptos a diferenciar.
Revista Mal-Estar e Subjetividade. v. II, n. 1, Universidade de Fortaleza, mar de
2003.
YALOM. Irvin D. Os desafios da terapia: reflexões para pacientes e terapeutas.
Trad. Vera de Paula Assis. Rio de Janeiro: Ediouro, 2006.
ZASLAVSKY, Jacó & SANTOS, M. J. P. Contratransferência em psicoterapia e
psiquiatria hoje. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul. v. 27, n. 3, set/dez
de 2005.