Você está na página 1de 32

Equipe técnica que contribuiu para

a elaboração deste documento:


Cassia Liberato Muniz Ribeiro
Fernando Haddad
Cecília Seiko Takano Kunitake
PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO
FICHA TÉCNICA Clovis Silveira Junior

Edmir Peralta Rollemberg Albuquerque


Diagramação e Revisão
Nadia Campeão
CESCOM/SMS Luiz Cláudio Sartori
VICE-PREFEITA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO
Maria Teresa Souza
Edição: Marta Maria Pereira Nunes
José de Filippi Jr. 1ª Edição
SECRETÁRIO MUNICIPAL DA SAÚDE
Míriam Rodrigues de Medeiros
Janeiro 2015
Rejane Calixto Gonçalves

Tiragem:
Paulo de Tarso Puccini
SECRETÁRIO ADJUNTO DA SAÚDE 1000 exemplares Os temas aqui abordados foram discutidos
em conjunto com as Coordenadorias Re-
gionais de Saúde
Secretaria Municipal da Saúde
Cormarie Guimarães Perez Rua General Jardim, nº 36 Coordenadores Regionais de Saúde
CHEFE DE GABINETE
CEP 01223-906 - São Paulo - SP Alberto Alves Oliveira – NORTE
Tel.: PABX (11) 3397-2000 Alexandre Nemes Filho – OESTE
E-mail: atencaobasica@prefeitura.sp.gov.br
Rejane Calixto Gonçalves Claudia Maria Afonso de Castro- LESTE
COORDENADORA DA ATENÇÃO BÁSICA
Karina Barros Calife Batista – SUDESTE

Sonia Maria Trassi – CENTRO

Tania Zogbi Sahyoun – SUL


1. Apresentação 07
2. Introdução 09
3. UBS Integral 10
Organização do Serviço 11
4. Atividades Administrativas 12
Coordenação de Unidade - Algumas das atribuições do Coordenador da UBS 13
Recepção 14
Jovem SUS 15
Regulação Local 16
Agendamento 17

SUMÁRIO
Como deve ser estruturada a agenda da UBS 18
Gestão da Informação – Cartão SUS - Prontuário Eletrônico 20
Cartão SUS 22
Prontuário Eletrônico 24
5 Atividades Assistenciais 27
Acolhimento 27
Consulta Médica 29
Consulta de Enfermagem 30
Consulta Odontológica 32
Visitas domiciliares 33
Atividades Coletivas 33
Procedimentos Médicos e de Enfermagem Realizados na UBS 34
Dispensação de Medicamentos 37
6. Comunicação 38
7. Controle Social 40
Conselho Gestor 40
Totem de pesquisa 40
Ouvidoria 41
Apresentação A rede básica do município de São Paulo está
constituída por mais de quinhentos equipamen-
tos de saúde, sendo 450 UBS de diferentes tipos
(UBS Tradicional, UBS com ESF, UBS Mista, com
a presença dos dois tipos anteriores e a UBS
Integral) e 117 AMA, unidades de pronto atendi-
mento. Cabe à Secretaria Municipal de Saúde or-
ganizar, executar e gerenciar os serviços e ações
de atenção básica, de forma universal, dentro do
seu território. Para o cumprimento se sua mis-
são apresenta neste documento instrumentos
que norteiam o trabalho nas unidades de saúde
do município com o objetivo de padronizar as
ações na rede básica, respeitando as especifici-
dades e peculiaridades de cada território.

UBS Unidade Básica de Saúde 7


2.
INTRODUÇÃO
A Atenção Básica à Saúde (ABS) é entendida
como o conjunto de ações de saúde no âmbito
individual e coletivo que abrangem a promoção
e proteção da saúde, prevenção de agravos,
diagnóstico, tratamento e reabilitação. É de-
senvolvida sob a forma de trabalho em equipe
e orienta-se pelos princípios da universalidade,
acessibilidade e coordenação do cuidado, vín-
culo e continuidade, integralidade, responsabi-
lização, humanização, equidade, e participação
social. É desenvolvida com o mais alto grau de
descentralização e capilaridade, próxima da vida
das pessoas. Ela deve ser o contato preferen-
cial dos usuários, a principal porta de entrada
e centro de comunicação com toda a Rede de
Atenção à Saúde.

Este documento traz diretrizes que buscam


padronizar os processos de trabalho nas UBS
do Município de São Paulo. Assim, a Secretaria
quer qualificar a relação e a convivência entre
usuários e trabalhadores, garantir acesso mais
humanizado e fortalecer o SUS.

UBS Unidade Básica de Saúde 9


UBS
Integral
A UBS Integral traz nas suas premissas e objeti-
vos a ampliação do acesso com qualidade e a
oferta de um atendimento integral ao cidadão
respondendo às atividades programáticas.

Mais do que um novo modelo, é o resgate do


papel essencial das Unidades Básicas de Saúde
dentro do SUS como organizadoras do cuidado.

Queremos acabar com o “hoje não tem” para


dar lugar a uma UBS mais resolutiva, integrada e
que acolhe a demanda do não agendado, com
escuta qualificada e humanizada.

Organização
do Serviço
10 UBS Unidade Básica de Saúde Diretrizes Operacionais
4. COORDENAÇÃO Informação
Atividades • Analisar e avaliar adequadamente os da-

Administrativas DE UNIDADE dos obtidos.

• Divulgar as informações para o Conselho


Algumas das atribuições do Gestor e comunidade.
Coordenador da UBS
Avaliação
Responsabilidade pelo território
• Todas as realizações e informações geradas
• Realizar o diagnóstico epidemiológico e terão como finalidade a avaliação para o
FUNCIONAMENTO DA UBS
social do território com os profissionais de planejamento das ações ou a readequação
A UBS funciona de segunda à sexta-feira saúde e a comunidade; do processo de trabalho para a consecução
das 7 às 19h. As integrais abrem também, das metas propostas.
• Identificar os equipamentos sociais existen-
aos sábados das 7 às 14h.
tes no território, bem como ONG, empresas
e outros serviços, potenciais parceiros da Equipe de Saúde
O agendamento de consultas é diário,
permanente, sem data de aberturas e Unidade de Saúde. • Capacitar e sensibilizar todos os membros
fechamento. Educação Permanente das equipes e da Unidade para o cumpri-
Planejamento mento das diretrizes da atenção à saúde;
Deve garantir atendimento de todas Todos os profissionais devem ser capacitados
as atividades (consultas médicas e de nas Escolas Técnicas do SUS e pelos parceiros, • Elaborar o planejamento local a partir do • Administrar o cumprimento de horário
enfermagem, vacinação, etc) durante quando for o caso, nos seguinte temas: diagnóstico epidemiológico, com estabe- de funcionamento da Unidade e de seus
todo o período de funcionamento da • Princípios e diretrizes do SUS; lecimento de metas e definição de priori- profissionais;
unidade, inclusive estabelecendo es- • Aspectos da organização de SMS e da região dades de acordo com as necessidades dos
cala dos trabalhadores nos horários de na qual a UBS está situada; diferentes grupos sociais (moradores de • Assegurar o cumprimento dos fluxos e roti-
almoço, reuniões gerais e treinamento • Modelo de atenção; áreas de risco, menores de 01 ano, gestan- nas estabelecidas pela Secretaria.
de profissionais e férias. • Ações de Vigilância à Saúde em parceria tes, idosos, diabetes, fármaco-dependentes,
com COVISA e SUVIS das CRS; vítimas de violência, etc); Comunidade
Deve ter responsável técnico médico
e de enfermagem, conforme as reso- • Atualização em atendimento de urgências; • Estimular a participação dos profissionais na • Estimular a participação da comunidade
luções dos respectivos conselhos; • Protocolos e documentos oficiais de SMS. elaboração dos planos de ação. nas reuniões dos Conselhos de Saúde e nas
atividades do bairro.

12 UBS Unidade Básica de Saúde Diretrizes Operacionais UBS Unidade Básica de Saúde 13
JOVEM SUS
Programa desenvolvido por jovens universitários, 1. Serviços ofertados;
tem como objetivo contribuir com a qualifica-
2. Horário das atividades;
ção da recepção da população. proporcionando
acolhimento humanizado e adequada orientação 3. Documentações necessárias para o acesso
e encaminhamento. a determinadas demandas;

A equipe deve permanecer na entrada da uni- 4. Tirar dúvidas.


dade e atuar em parceria com a recepção para
informar o usuário sobre:

RECEPÇÃO
Deve orientar e direcionar os usuários de acordo com as suas necessidades.
São atribuições do setor:

1. Receber o usuário respeitan- 3. Emitir o Cartão SUS e forne- 6. Manter os arquivos atualiza- 11. Digitar o cadastro inicial, in-
do seus direitos e necessida- cê-lo ao usuário; dos e organizados; dividual e das famílias e suas
des, asseguranado a acessi- atualizações;
4. Efetuar a matrícula dos usuá- 7. Controlar, carimbar e distribuir
bilidade para pessoas com
rios pertencentes às áreas de impressos; 12. Os usuários apenas deverão
deficiência, em consonância
abrangência e influência da ser dispensados após receber
com a legislação vigente; 8. Agendar consultas e exames
UBS, que moram, trabalham orientação adequada à sua
ou estudam na região; via SIGA SAÚDE;
2. Elaborar e atualizar o cadastro; solicitação;

5. Orientar e encaminhar o usu- 9. Orientar quanto ao funciona-


13. Obrigatório registrar no SIGA
ário diretamente para a área mento da rede de serviços;
SAÚDE a presença do usuário,
de atendimento ou procedi- 10. Levantar e arquivar prontuá- na aba “Recepção ao Usuário”.
mento conforme a Agenda e/ rios, exames e outros;
ou necessidade apresentada;

14 UBS Unidade Básica de Saúde Diretrizes Operacionais UBS Unidade Básica de Saúde 15
• Toda Unidade Básica de Saúde deve constituir
uma equipe de regulação responsável pela
regulação local das vagas de Especialidades,
destinadas à população usuária da Unidade.

• A equipe de regulação deve contar com um


médico Regulador, responsável pela análise,
direcionamento e discussão dos encami-
nhamentos junto à equipe técnica.

• Os usuários que após consulta médica ne-


cessitarem de avaliação com especialistas,
deverão ser encaminhados à equipe de regu-
Agendamento
lação da unidade. Neste momento, a consulta
é agendada ou, não havendo disponibilidade,
A agenda da UBS deverá ser organizada na Estruturação da agenda:
é feito um cadastro de Pacientes/ Especiali-
perspectiva da atenção integral, adequando-se
dade segundo a prioridade classificada pelo • Consulta agendada: são consultas que

Regulação •
médico solicitante.

Assim que as vagas de Especialidades são


às necessidades de saúde identificadas no perfil
epidemiológico local (demografia, raça/cor,
doenças mais prevalentes no território).
constituem ações programáticas individu-
ais, direcionadas para as diferentes fases do
ciclo de vida, ou para determinadas doen-

Local disponibilizadas pela Regulação das Coor-


denadorias de Saúde, fica a Unidade com a
responsabilidade da marcação da consulta,
As mudanças apresentadas na gestão das
agendas deverão ser incorporadas ao Sistema
ças e agravos, as quais necessitam de um
acompanhamento contínuo.

Unidade
Integrado de Gestão Ambulatorial - SIGA, com o • Consulta de Reserva técnica: fazem parte das
contato com o paciente e confirmação da
objetivo de unificar paulatinamente o processo ações de cuidado continuado. Serão utilizadas
consulta junto ao mesmo.
de trabalho das UBS Integrais e o registro dos pelos hospitais para agendamento das puér-

Básica de • Durante todo o período de funcionamen- dados, considerando os diferentes sistemas de peras e recém-nascidos (RN), assim como pela
to, as remoções para os Prontos Socorros informações, incluindo a plena utilização do AMA ou PS para cuidado continuado.
ou Hospitais devem ser encaminhadas em prontuário eletrônico.

Saúde
• Consulta não agendada: atendimento ime-
ambulância de uso específico. As remoções
diato após o atendimento realizado no Acolhi-
são garantidas como vaga zero. O médico
mento e segundo as definições das condições
ou enfermeira deve contatar o serviço de
e situações analisadas e encaminhadas para a
referencia antes deencaminhar o usuário.
retaguarda imediata.

16 UBS Unidade Básica de Saúde Diretrizes Operacionais UBS Unidade Básica de Saúde 17
Proposta de Organização
Como
deve ser
estruturada
a agenda
da UBS
• Utilizar o SIGA para todos os atendimentos • Disponibilizar vagas para a reserva técnica,
realizados na UBS e atualizar de forma per- com o objetivo de incluir e dar continuidade
manente os dados relacionados aos pro- ao cuidado aos usuários egressos de outros
fissionais (horas ambulatorial, outras) e aos pontos de atenção (Hospitais, Prontos-So-
serviços ofertados. corros e Ambulatórios de Especialidades).

• Definir o quantitativo de consulta de 1ª vez • O agendamento de consultas deverá ser


e retornos, que assegure o cuidado, de acor- diário, permanente, sem data de aberturas e
do com os protocolos vigentes e a realidade fechamentos de agendas, não ultrapassan-
do território. do 90 dias até o efetivo atendimento.

• Disponibilizar vagas para o pronto-aten- • Os retornos agendados deverão ser a critério


dimento nas UBS. Os casos emergenciais dos profissionais e das equipes, respeitando os
identificados pelo Acolhimento devem protocolos preconizados para cada prioridade.
ter os atendimentos realizados em tem-
po oportuno, de acordo com a avaliação • Deverá ser definido um médico para dar
do caso. retaguarda aos atendimentos da deman-
da espontânea.

18 UBS Unidade Básica de Saúde Diretrizes Operacionais UBS Unidade Básica de Saúde 19
IMPORTANTE:
Sempre que possível, agendar exames de apoio
diagnóstico no mesmo dia e local, para facilitar
o acesso do cidadão e reduzir o absentismo.

Casos que necessitem de regulação do acesso


(justificativas técnicas para priorização),
seguirão os fluxos pré-estabelecidos

GESTÃO DA
O Sistema Integrado de Gestão da Assistência O sistema está em permanente desenvolvimento Quanto ao absenteísmo, trata-se de um impor-
à Saúde – SIGA,tem promovido grande mo- para atender as demandas prioritárias da gestão. tante indicador no sentido de monitorar a produ-
dernização na gestão dos serviços municipais. tividade e evitar possíveis ociosidades do serviço.

INFORMAÇÃO
Trata-se de um sistema online, modular e livre Para o desafio de ampliação do acesso, com- Para o cálculo deste indicador, devem-se utili-
de licenças. Para sua operacionalização criou-se preendendo a UBS como estabelecimento com zar os status de agendamentos do SIGA, onde
infraestrutura de hospedam na PRODAM e links característica de “porta aberta”, é estratégico que as opções finais devem ser “atendido” ou “não
de comunicação em todas as unidades de saúde. todas as vagas de consultas médicas disponi- atendido”. Todas as estratégias para a melhora da
bilizadas no SIGA (caso novo, retorno e reserva performance dos serviços devem ser estimula-
É o sistema oficial da Secretaria Municipal da técnica) sejam utilizadas em sua totalidade. A das, de modo a atingir a meta de absenteísmo
Saúde e seu é OBRIGATÓRIO. perda primária (vagas livres entre as disponi- entre 10% a 15%.
bilizadas) deve ser monitorada, visando atingir
resultados próximos a “zero”.

20 UBS Unidade Básica de Saúde Diretrizes Operacionais UBS Unidade Básica de Saúde 21
Como emitir o Cartão SUS
CARTÃO O Cartão Nacional de Saúde – CARTÃO SUS

SUS
é um instrumento essencial para melhoria da
gestão e do cuidado. Ele é a base do Prontuário
Eletrônico do Paciente (PEP) em implantação na
Rede Municipal. Solicitar um documento ao Realizar a busca do usuário Imprimir a etiqueta com os
usuário (carteira de identida- na base cadastral, inserindo o dados do usuário e fixá-la no
O Cartão Nacional de Saúde tem como princí- de, certidão de nascimento, nome completo do usuário e verso do cartão.
pio: a privacidade, a garantia de acesso, ser ins- carteira de trabalho, carteira a data de nascimento.
trumento de implementação do SUS e é valido nacional de Habilitação) e
em todo o país. Se já tiver cadastro faça a atu-
comprovante de residência.
alização dos dados cadastrais.
Pelo Módulo Cadastro de Usuários do SIGA,
Se for novo usuário proce-
a recepção deve efetuar o Cadastramento do
der com o cadastramento é
usuário da seguinte forma:
obrigatório preencher dados
de endereço, fones de con-
tato, especialmente celular e
documentos.

22 UBS Unidade Básica de Saúde Diretrizes Operacionais UBS Unidade Básica de Saúde 23
Outros sistemas Visando estimular o uso da informação pe-
los profissionais da ABS, de modo a orientar o

de informação planejamento da UBS e o conhecimento do seu


território, encontram-se tabuladores como o
TABNET e o TabWin , ferramentas desenvolvi-
das pelo DATASUS para tabulação das bases de
Outros sistemas de informação do SUS que
dados SUS. Também se encontram acessíveis na
devem ser obrigatoriamente preenchidos e
rede SMS os aplicativos Painel de Monitoramen-
atualizados de acordo com as normas e prazos
to da Situação de Saúde e da Atuação dos Ser-
estabelecidos:
viços da Secretaria Municipal da Saúde de São
Paulo e o Perfil Dinâmico da Saúde no MSP .

1. CNES, incluindo Cadastro dos profissionais Tabnet: http://www.prefeitura.sp.gov.br/tabnet.


que compõem a equipe de Atenção Básica
de acordo com as normas vigentes e com
as cargas horárias de trabalho informadas
e exigidas para cada modalidade;

2. Sistema de Informação Ambulatorial – SIA-SUS, Aplicativo em rede interna e interface WEB desenvolvido

PRONTUÁRIO
em software livre e com atualização periódica de bases de
dados e indicadores. Permite a elaboração de diagnósticos
segundo demanda do usuário analisando indicadores no

ELETRÔNICO
tempo e no espaço com destaque em valores que ressal-
tam diferenças significativas.

3. Sistema de Informação da Atenção Básica – SIAB; Ferramenta de gestão que permite o acompanhamento
contínuo e oportuno da atuação da SMS-São Paulo sobre
O Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP) permi- O PEP permite melhor assistência aos usuários e as prioridades da política de saúde municipal operado
por meio de um pequeno número de indicadores dispo-
tirá o registro do atendimento pelos profissionais maior racionalidade das atividades e dos recur-
níveis que informam sobre os problemas e as ações para
de saúde no momento em que ocorrem. sos ofertados. enfrentá-los em cada nível do sistema onde o gestor tem
governabilidade para fazer mudar as situações captadas
Para seu desenvolvimento foram articulados É obrigatório o uso do módulo Registro de Aten-
diversos sistemas já em funcionamento, que se dimento Completo do SIGA pelas unidades: UBSI, 4. SIGA-Saúde – Mãe Paulistana – SISPRENATAL; Aplicativo em rede interna e interface WEB desenvolvido
em software livre e com atualização periódica de bases de
integram no SIGA. HD Rede Hora Certa e UPA, que são inauguradas • Manter atualizados outros sistemas de dados e indicadores. Permite a elaboração de diagnósticos
completamente informatizadas, inclusive nos informação implantados no âmbito da segundo demanda do usuário analisando indicadores no
consultórios e salas de procedimento.(Portaria tempo e no espaço com destaque em valores que ressal-
SMS-SP, como por exemplo, o Índice Diário tam diferenças significativas.
2566/2011;Portaria 372/2014 SMS.G) de Médicos (IDM).

24 UBS Unidade Básica de Saúde Diretrizes Operacionais UBS Unidade Básica de Saúde 25
5
Atividades
Assistênciais
Acolhimento
A UBS deve receber e ouvir todas as pessoas que a Condições importantes
procuram, de modo universal e sem exclusões. para um bom acolhimento:

Deve organizar-se para assumir sua função cen- • Adequada estrutura física para o atendimento;
tral de acolher, escutar e oferecer uma resposta
adequada, sendo capaz de resolver a grande • Equipamentos;
maioria dos problemas de saúde da população, • Equipe de profissionais capacitada e que
minorar danos e sofrimentos e responsabilizar- compreenda a necessidade de reestruturar
-se pela resposta, ainda que esta seja ofertada em o processo de trabalho no serviço;
outros pontos de atenção da rede.
• Sistematização das ações, de modo a
Portanto, o acolhimento não deve ser apenas um reduzir ao mínimo as etapas burocráticas
lugar de escuta, triagem de risco e encaminha- e necessidades de deslocamentos para o
mento, mas um espaço onde usuário e trabalhador consumo de serviços;
estabelecem vínculos de seguimento e referência.

ORGANIZAÇÃO • Redução das dificuldades e obstáculos para o


atendimento do cidadão no próprio serviço;

DO SERVIÇO
• Presença de elementos necessários ao diag-
nóstico e tratamento no local.

UBS Unidade Básica de Saúde 27


Fluxo de atendimento

CONSULTAS
Consulta Médica
Compreende a anamnese, o exame físico e a
elaboração de hipóteses ou conclusões diag-
nósticas, solicitação de exames complementa-
res, quando necessários, e prescrição terapêu-
tica como ato médico completo e que pode
ser concluído ou não em um único momento.
(Resolução CFM Nº1958/2010).

O agendamento do profissional médico en-


contra-se detalhado no capítulo agendamento
deste documento.

28 UBS Unidade Básica de Saúde Diretrizes Operacionais UBS Unidade Básica de Saúde 29
Agendamento da consulta de enfermagem
• Para os enfermeiros da ESF orienta-se o
atendimento de 3 consultas por hora num
CONSULTA DE total de 8 horas semanais de consulta, con-
forme agenda em anexo.
ENFERMAGEM
• Para os enfermeiros das UBS Integral/Tradi-
A sistematização da assistência de enfermagem cional orienta-se o atendimento de 03 con-
(SAE) na saúde coletiva deve ser construída a partir sultas por hora, num total de 10h semanais
da concepção das necessidades humanas, além do de consultas, conforme agenda em anexo.
conceito das necessidades básicas, considerando-
-as como necessidades de saúde articuladas às • A agenda dos enfermeiros das UBS deve
necessidades sociais. Esse processo pressupõe, contemplar o agendamento do pré-natal,
além do método como sequência de passos defini- puericultura, hipertensão, diabetes e tuber-
dos para o alcance de um fim específico, o cuidado culose, segundo protocolos estabelecidos,
centrado na pessoa a partir de uma ação em que tomando em consideração os dados epide-
o entendimento é fundamental, caracterizando-se miológico do território.
como uma ação comunicativa.

30 UBS Unidade Básica de Saúde Diretrizes Operacionais UBS Unidade Básica de Saúde 31
Visita Domiciliar
• As visitas domiciliares na UBS devem ser
sistematizadas e regulares para os usuários
que dela necessitem e devem estar previs-
tas nas ações programáticas da unidade;

• Nas UBS com ESF, agendar as visitas conforme


a programação semanal, priorizando as situa-
ções de risco e outras demandas da equipe;
Atividades Coletivas
Consulta Odontológica Ações intersetoriais / Procedimentos coletivos:
• Recomenda-se que sejam agendadas para
Deve ser garantido o atendimento universal, As ações intersetoriais, no âmbito da saú- o médico e o enfermeiro 8 a 16 visitas por • Devem ser realizadas ações coletivas como
incluindo consultas programáticas e/ou de ur- de bucal, consubstanciam os Procedimentos semana, e para os auxiliares de enferma- grupos educativos, oficinas, vídeos e outros
gências/emergências a todas as faixas etárias. Coletivos realizados em pré-escolas, escolas de gem 18 a 24 visitas por semana, conforme que são fundamentais para abordagem das
ensino fundamental e outros espaços sociais. agenda em anexo; questões de saúde coletiva, a fim de promo-
Assegurar, para as consultas programáticas, as se-
guintes proporções: 30% das vagas para usuários ver saúde ou de reduzir riscos à saúde.
Parâmetro: • Os Agentes Comunitários de Saúde (ACS)
menores de 15 anos de idade e 70% para usuários • Recomenda-se que os grupos educativos se-
de 15 e mais anos de idade, observando-se os devem visitar 100% de suas famílias cadastra-
• 1 CD + 1 ASB: 600 participantes/mês incluí- jam realizados conforme a proposta de agenda
critérios de risco para as doenças bucais. das no mês, estabelecendo uma meta diária de
dos em ações educativas; 600 participantes/ em anexo podendo contar com a participação
acordo com os períodos disponíveis, variando
Todas as urgências/emergências odontológi- mês realizarão a escovação supervisionada; de outros profissionais (assistentes sociais,
de 10 a 13 VD/dia, conforme agenda em anexo;
cas devem ser acolhidas e atendidas. 222 participantes/mês, em média, serão psicólogos, educadores, cirurgiões-dentistas e
A urgência/emergência odontológica deve ser submetidos à fluorterapia intensiva, segun- • O resultado de cada visita deve ser com- equipe de saúde bucal).
avaliada pelo cirurgião-dentista da Unidade e ser do avaliação de risco para a cárie dentária. partilhado com a equipe para o conheci-
atendida da forma mais resolutiva possível, incluindo mento e desdobramento de ações de cada • O médico deve realizar um grupo quinze-
a realização de exodontias, pulpotomias, pulpecto- caso conforme a sua realidade. nalmente, o auxiliar de enfermagem deve
mias, dentre outros procedimentos resolutivos. realizar 1 grupo semanal, o enfermeiro da
• Na saúde bucal, as visitas domiciliares serão ESF 2 grupos semanais, enfermeiro da UBS 1
O usuário, em hipótese alguma, deverá ser encami- agendadas a partir da identificação da ne- grupo semanal e o ACS deve participar de 1
nhado para outros serviços. Depois do atendimento
cessidade pelo ACS e/ou demais membros grupo por semana, conforme o planejamen-
da urgência/emergência deve-se orientar o usuário
da equipe da UBS. to da equipe.
sobre a data mais próxima da realização, na Unida-
de, da triagem para o tratamento programático.

32 UBS Unidade Básica de Saúde Diretrizes Operacionais UBS Unidade Básica de Saúde 33
Coleta de material para análises clínicas
Inalação, Medicação e Curativo
Realizar procedimentos segundo normas estabe-
Os setores devem funcionar durante todo horário
lecidas (coleta, preparo físico do paciente, condi-
de funcionamento da Unidade, com garantia de
ções de armazenamento e transporte do mate-
atendimento às prescrições internas e externas.
rial), em dias e horários estabelecidos, à exceção,

Procedimentos Vacinação
A sala de vacina deve ser mantida em funciona-
Nas UBS com AMA acoplada as salas de inalação,
medicação e curativo deverão ser compartilhadas
dos casos de maior gravidade e com necessida-
des especiais. Nas UBS com AMA acoplada as
para otimização dos espaços e recursos humanos.
Médicos e de
salas de coleta deverão ser compartilhadas para
mento durante todo o expediente, aproveitando
Teste Imunológico de Gravidez otimização dos espaços e recursos humanos.
todas as oportunidades para o incentivo e atuali-

Enfermagem
zação vacinal. Garantir o acesso universal ao teste, durante Coleta de material para detecção dos erros
O arquivamento das fichas de registro de vacinas todo horário de funcionamento da Unidade. inatos do metabolismo (Triagem neonatal)
seguirá orientação da SUVIS e COVISA. Nas UBS
Realizados na UBS com ESF, o arquivamento deve ser realizado
por micro-área, sempre que possível, facilitan-
Coleta de Papanicolau
Garantir o acesso universal com aproveitamento
Realizar procedimentos segundo normas
estabelecidas(coleta, preparo físico do paciente,
condições de armazenamento e transporte do
do o controle, segundo a SUVIS. de todas as oportunidades de realizar o exame.
material), em dias e horários estabelecidos.

34 UBS Unidade Básica de Saúde Diretrizes Operacionais UBS Unidade Básica de Saúde 35
Aferição de Pressão Arterial DISPENSAÇÃO DE
Deve estar disponível durante o horário de
funcionamento da Unidade e ser realizada,
preferencialmente, seguindo indicação dos
MEDICAMENTOS
profissionais técnicos .
• A farmácia deve ser mantida aberta durante
Verificação de Temperatura todo horário de funcionamento da Unidade.
Deve ser realizada seguindo indicação dos pro- • Garantir a dispensação de medicamentos
fissionais técnicos e estar disponível durante o aos usuários da rede.
horário de funcionamento da Unidade
• Dispensar medicamentos para os usuários,
Glicemia Capilar segundo a Relação Municipal de Medica-
Deve ser realizada seguindo indicação dos pro- mentos da Rede Básica e Especialidades,
fissionais técnicos, priorizando as situações de mediante a apresentação da receita e con-
monitoramento e busca ativa. forme a norma de dispensação (Portaria nº
338-SMS.G – 06/02/14).
Retirada de Pontos
• A relação de medicamentos encontra-se no
Deve ser realizada seguindo indicação dos pro- aplicativo GSS (Gestão de Serviços em Saú-
fissionais técnicos e estar disponível durante o de). Toda e qualquer necessidade de ade-
horário de funcionamento da Unidade. quação de consumo para atender a deman-
da de medicamentos, deverá ser pactuada
Suturas (procedimento médico)
entre Supervisão Técnica de Saúde.
As suturas simples, sem acometimento de planos
profundos, devem ser realizadas na própria Unidade. • Sempre lançar a dispensação de medica-
mentos de forma correta no GSS para garan-
Lavagem de ouvido (procedimento médico) tir controle de estoque e permitir o abasteci-
As lavagens de ouvido serão realizadas confor- mento pelo almoxarifado.
me avaliação médica.
• Orientar o usuário quanto ao uso correto
do medicamento dispensado fornecendo
informações sobre: posologia, efeitos cola-
terais e reações adversas.

36 UBS Unidade Básica de Saúde Diretrizes Operacionais UBS Unidade Básica de Saúde 37
COMUNICAÇÃO
Todos os funcionários devem trajar
uniforme completo de acordo com a
estação, incluindo boton do SUS forneci-
do pela SMS;
O uso do crachá padronizado da Rede e
em local visível é obrigatório para todos
Visando a padronização do serviço, Placa de identificação externa sempre os funcionários;
sistematização e uniformidade na Rede atualizada, em bom estado e em local
de Atenção Básica, é obrigatório seguir visível; Utilizar sempre papelaria padrão da SMS,
as normativas descritas ao lado. A partir não personalizá-la ou adulterá-la; Contatos das Assessorias de
de fevereiro, os manuais de padroniza- Manter o totem de pesquisa em local Comunicação da Secretaria
ção visual estarão disponíveis no site visível e ligado durante todo o funcio-
Zelar pela manutenção e adequação da
da Secretaria para consulta. namento da unidade;
unidade implementada pela SMS; Tatiana Ferreira (CRS Sul)
CONSULTÓRIO 9 Todos os setores internos da UBS devem tatianafdasilva@prefeitura.sp.gov.br
ser identificados de acordo com sua
Manter a TV da Rede São Paulo Saudável Cristiane Guterres (CRS Oeste)
atividade (sala de vacina, consultórios e
sempre ligada, transmitindo a progra- cguterres@prefeitura.sp.gov.br
outros) com o padrão definido pela SMS, mação corporativa da SMS com som em
não utilizar papeis colados na parede; altura adequada ao ambiente; Sonia Trassi (CRS Centro)
Toda unidade deve disponibilizar as strassi@prefeitura.sp.gov.br
Quando houver necessidade de pintura Presença de veículos de mídia e impren-
seguintes informações, em local visível
do prédio e manutenções que modi- sa devem ser reportadas o mais pronta- Rosangela Rosendo (CRS Sudeste)
e de fácil acesso aos usuários, dentro
fiquem o visual da unidade, deve ser mente possível para a assessoria de co- rrsferreira@prefeitura.sp.gov.br
de padrão estabelecido pela SMS.
seguido o padrão estabelecido pela SMS. municação da respectiva Coordenadoria
1. Horário de atendimento; de Saúde. Não fornecer qualquer tipo de Maria Cecília (CRS Leste)
Manter o quadro de materiais gráficos informação ou atendimento sem autori- mariacfigueiredo@prefeitura.sp.gov.br
2. Relação nominal dos trabalha- sempre completo, zelar para que não zação da assessoria de comunicação;
dores com respectivo horário e sejam inseridos conteúdos não encami- Lígia Souza (CRS Norte)
Qualquer necessidade ou apontamento ligiaasouza@prefeitura.sp.gov.br
escala de plantão; nhados pela SMS;
de casos específicos devem ser encami-
3. Relação de serviços oferecidos; Sempre atualizar o quadro de respon- nhados para as respectivas Coordenado-
Coordenação Especial de Comunicação - Cescom
sável técnico médico e de enfermagem, rias de Saúde, as mesmas irão repassar
saudeimprensa@prefeitura.sp.gov.br
conforme padrão estabelecido pela SMS; para a CESCOM/SMS.

38 UBS Unidade Básica de Saúde Diretrizes Operacionais UBS Unidade Básica de Saúde 39
7 Ouvidoria

CONTROLE
• Toda UBS deve implantar o serviço de Ou- O gerente da UBS ou substituto, deverão estar
vidoria para atender as demandas e recla- disponíveis para o primeiro contacto dos usuá-
mações, devendo toda equipe estar prepa- rios nos casos de sugestões e ou reclamações.

SOCIAL rada para ouvir e orientar os usuários que


necessitem fazer uso da mesma.

Estes dois canais se configuram como ins-


Nos casos que extrapolem sua competência
administrativa encaminhar para Supervisão
Técnica de Saúde ou pedir para ligar na Ou-
trumentos importantes para melhor avaliar o vidoria Central pelo telefone 156 (a partir de
desempenho das atividades das Unidades. 09/02/2015).

Conselho Gestor Totem de


da UBS pesquisa
• Espaço privilegiado para o exercício do con- • Toda UBS deve implantar o Totem Eletrô-
trole social tem o papel de formular, acom- nico que disponibiliza senha de acesso aos
panhar e avaliar a política de saúde. serviços prestados pela unidade, permite o
registro de satisfação em relação ao atendi-
• Todos os equipamentos de saúde devem mento e possibilita aos gerentes das unida-
constituir o Conselho Gestor, conforme de- des avaliar e fazer as alterações necessárias
termina a legislação específica (Lei federal para qualificar e aperfeiçoar os serviços
8.142/90, Lei municipal 13.325/02 e Decreto oferecidos
42.005/02).

• O processo de eleição, composição do conse-


lho, divulgação dos resultados, organização,
frequência e registro das reuniões estão
definidos na legislação acima citada e nos re-
gimentos e estatutos dos Conselhos Gestores.

40 UBS Unidade Básica de Saúde Diretrizes Operacionais UBS Unidade Básica de Saúde 41
ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO SEMANAL

Agentes Comunitários de Saúde

Anexo 1
* Quando programado a educação continuada
interna ou externa redistribuir a agenda para
contemplar esta atividade.

TOTAL - 40 HORAS

42 UBS Unidade Básica de Saúde UBS Unidade Básica de Saúde 43


ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO SEMANAL ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO SEMANAL

Equipe de saúde bucal 1 Equipe de saúde bucal 2

* Quando programado a educação continuada * Quando programado a educação continuada


NOTA: o número de atendimentos e a média de interna ou externa redistribuir a agenda para NOTA: o número de atendimentos e a média de interna ou externa redistribuir a agenda para
procedimentos consideram os seguintes pressu- procedimentos consideram os seguintes pressu-
contemplar esta atividade. contemplar esta atividade.
postos: respeito aos princípios da biossegurança, postos: respeito aos princípios da biossegurança,
execução de procedimentos por quadrantes e execução de procedimentos por quadrantes e
TOTAL - 40 HORAS TOTAL - 20 HORAS
conclusão de tratamentos em um menor número conclusão de tratamentos em um menor número
de consultas. de consultas.

44 UBS Unidade Básica de Saúde Diretrizes Operacionais UBS Unidade Básica de Saúde 45
ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO SEMANAL –

ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO SEMANAL Enfermeiro - UBS Tradicional

Enfermeiros Enfermeiros

* Educação Permanente de acordo com o pla-


nejamento da unidade.

TOTAL - 40 HORAS TOTAL - 30 horas

46 UBS Unidade Básica de Saúde Diretrizes Operacionais UBS Unidade Básica de Saúde 47
ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE

ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO SEMANAL ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO SEMANAL

Auxiliares de Enfermagem Auxiliares de Enfermagem

* Quando programado a educação continuada * Rodiziar quinzenalmente a carga horária de 02


interna ou externa redistribuir a agenda para horas na semana com a atividade de educação
contemplar esta atividade. continuada, reunião de enfermagem ou da UBS

TOTAL - 40 HORAS TOTAL - 30 HORAS

48 UBS Unidade Básica de Saúde Diretrizes Operacionais UBS Unidade Básica de Saúde 49
UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO SEMANAL DAS EQUIPES ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO SEMANAL

MÉDICO Médicos

* Rodiziar a carga horária de 02 horas semanal


com as respectivas atividades * Educação Permanente conforme planejamento da unidade.

TOTAL - 20 HORAS TOTAL - 30/32 HORAS


A carga horária de 32 horas refere-se aos médicos participantes dos
Programas Federais - Mais Médicos para o Brasil e PROVAB

50 UBS Unidade Básica de Saúde Diretrizes Operacionais UBS Unidade Básica de Saúde 51
ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO SEMANAL

Médicos

*Educação Permanente conforme planejamento da


Anexo 2
unidade.

TOTAL - 40 HORAS

52 UBS Unidade Básica de Saúde Diretrizes Operacionais UBS Unidade Básica de Saúde 53
01 - RECEPÇÃO/SAME 2.3. Sala de Medicação: 3 - CONSULTÓRIOS MÉDICOS E OUTROS • Manter mecanismo de controle de freqüên-
cia de todos os profissionais, conforme
• Adequar apresentação pessoal dos funcio- • Escala de limpeza terminal conforme • Manter juntamente com os receituários legislação vigente;
nários (evitar utilização de bonés, fones de protocolo de desinfecção. a Relação de Medicamentos Essenciais
ouvido, bermudas); (REMUME) para a Rede Básica dirigida aos • Receitas deverão ser arquivadas, conforme
2.4. Inalação: profissionais por classificação terapêutica; legislação vigente.
• Usar avental com logotipo do parceiro / SMS;
• Escala de limpeza terminal conforme • Manter o necessário e pertinente ao consultório;
• Manter o balcão de atendimento organiza- protocolo de desinfecção; 6. ALMOXARIFADOS
do limpo e livre de objetos pessoais; • Manter os armários limpos e organizados.
• Executar a desinfecção dos inaladores e • Medicamentos: da REMUME;
• Agrupar cadeiras/bancos/longarinas por extensores. • Médico-hospitalar, odontológico e outros,
tipo e ou cor;
4. BANHEIROS DE USUÁRIOS, FUN- organizados em pallets e bins identificados
• Manter limpo e sempre funcional o bebedouro; 2.5. Expurgo e Esterilização: com data de validade em local visível.
CIONÁRIOS E PORTADORES DE NE-
• Organizar as fichas de atendimento diaria- • Identificar solução detergente enzimá- CESSIDADES ESPECIAIS
mente para o arquivamento. tico com data e hora de diluição na sala 7. FARMÁCIA
de expurgo e esterilização; • Não trancar com chave o banheiro para
portadores de necessidades especiais; • Afixar próximo à dispensação a Relação
• Esterilizar instrumentais contendo indi- de Medicamentos Essenciais (REMUME)
02 - SALAS DE PROCEDIMENTOS cador químico, bem como identificação • Não utilizar como depósito de qualquer para a Rede Básica - Itens para Dispensa-
de data e validade; outro material; ção ao Usuário.
Em todas as salas de procedimentos e consul-
tórios manter exclusivamente o necessário e • Executar teste biológico conforme proto- • Utensílios de Higiene com reposição cons- • Geladeira - manter limpa e organizada se-
pertinente à sua finalidade, mantendo limpas e colo mantendo os dados registrados em tante de material.; guindo recomendações técnicas de conser-
organizadas inclusive os armários. instrumento próprio. vação. Controlar a temperatura duas vezes
• Manter condições adequadas de higiene.
ao dia com termômetro interno e anotar
2.1. Sala de RX: 2.6. Vacina: controle em ficha afixada.
• Monitorar o perfeito funcionamento dos • Manter o manual de imunização na sala 5. COPA, DML, EXPEDIENTE ADMINIS- • Livro de controle de psicofármacos mantido em
equipamentos, inclusive ar condicionado. de vacina. TRATIVO E GERÊNCIA armário fechado com chave e registrado em
COVISA, atualizado diariamente além do GSS.
2.2. Sala de Emergência: • Exclusivamente o necessário e pertinente à
2.7. Curativo:
sua finalidade- dispensar objetos de decora- • Organizar prateleiras com bins em ordem
• Testar diariamente todos os equipamen- • Obedecer ao manual de feridas; ção ou móveis doados; alfabética de princípio ativo.
tos que compõem a sala;
• Identificação adequada das almotolias • Manter armários e arquivos limpos e orga- • Dispensar a medicação para o paciente
• Reposição dos medicamentos e insumos observando troca periódica da data. nizados; mesmo sem portar o cartão SUS, orientar
do carrinho de emergência diariamente. para não recorrência.

54 UBS Unidade Básica de Saúde Diretrizes Operacionais UBS Unidade Básica de Saúde 55
8. MONITORAR A UTILIZAÇÃO DOS • Solicitar por escrito, rotina de escala para BIBLIOGRAFIA Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da
SERVIÇOS INFORMATIZADOS: limpeza concorrente e terminal; Família. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/ape_esf.php,
CONSULTADA visitado em dezembro de 2014.
• Utilizar a ficha de atendimento padronizada • Monitorar a periodicidade da supervisão
pelo SIGA; local, ou do enfermeiro da limpadora; Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº. 4.279. Diretrizes para Organização
das Redes de Atenção à Saúde do SUS Diário Oficial da União, em de 30
• Acompanhar a utilização da Reserva Técnica; • Agendar mutirão de limpeza de vidros e
de dezembro de 2010. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/
jardins, caixa d’água, dedetização, desratiza-
• Emissão de Cartão SUS; saudelegis/gm/2010/anexos/anexos_prt4279_30_12_2010.pdf, visitado em
ção, se contemplados no contrato.
dezembro de 2014.
• GSS e Consumo Médio Mensal(CMM).
Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº. 648/GM de 28 de março de 2006. Política
Nacional de Atenção Básica. Diário Oficial da União, em 29 de março de 2006.
Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/sas/PORTARIAS/Port2006/GM/GM-648.
9. MANUTENÇÃO CORRETIVA
htm, visitado em dezembro de 2014.
• Predial;
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Implantação das
• Equipamentos. Redes de Atenção à Saúde e outras estratégias da SAS / Ministério da Saúde.
Secretaria de Atenção à Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 160 p.: il.
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento
10. MANUTENÇÃO DE LIMPEZA de Atenção Básica.
• Divulgar cópia do Contrato de Limpeza na
Acolhimento à demanda espontânea : queixas mais comuns na Atenção
unidade para todos os profissionais infor-
Básica / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à
mando as obrigações e a relação de todos
os produtos disponíveis; Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Ministério da Saúde, 2012.
290 p. : il. – (Cadernos de Atenção Básica n. 28, Volume II)
• Verificar e acompanhar a necessidade da
reposição dos utensílios de higiene como Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento
saboneteira, porta papel toalha, higiênico, de Atenção Básica. Acolhimento à demanda espontânea / Ministério da
em todas as salas com lavatório/ pia e todos Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. –
os sanitários; 1. ed.; 1. reimpr. – Brasília: Ministério da Saúde, 2013. 56 p. : il. – (Cadernos
de Atenção Básica; n. 28, V. 1) ISBN 978-85-334-1843-1 - 1. Atenção básica.
• Solicitar a limpeza da área externa com
2. Promoção da saúde. I. Título. II. Série.
uso de máquina tipo wap, obedecendo a
freqüência que o contrato permite.

56 UBS Unidade Básica de Saúde Diretrizes Operacionais UBS Unidade Básica de Saúde 57