Você está na página 1de 494

LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS ÍNDICE = 1

5 LÍNGUA PORTUGUESA:
L Nossa língua. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
L Língua, fala e linguagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
L Gramática.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3

5 FONOLOGIA:
L Fonética. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
$ Fonema e letra. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
" Classificação dos fonemas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
" Classificação das vogais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
" Classificação das consoantes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
$ Encontros vocálicos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
$ Encontros consonantais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
$ Dígrafos.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
L Sílaba. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
$ Divisão silábica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
$ Partição das palavras em fim de linha. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
$ Classificação das palavras quanto ao número de sílabas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
$ Tonicidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
L Ortofonia:
$ Ortoépia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
$ Prosódia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
2 = ÍNDICE LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
L Ortografia:
$ O alfabeto português. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
$ Emprego da letra k, w e Y. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
$ Emprego da letra h. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
$ Emprego das letras e, i, o e u . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
$ Emprego das letras g e j . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
$ Representação do fonema /s/. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
$ Emprego de s com valor de z. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
$ Emprego da letra z. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
$ Emprego do s ou do z. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
$ Emprego do x. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
$ Emprego do dígrafo ch. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
$ Consoantes dobradas.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
$ Emprego das terminações -iano e -iense. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
$ O uso dos porquês. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
$ O uso de onde e aonde. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
$ O uso de mas e mais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
$ O uso de mal e mau.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
$ O uso de a e há. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
$ O uso de senão e se não. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
$ O uso de demais e de mais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
$ O uso de acerca e há cerca de. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
$ Emprego dos nomes próprios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
$ Emprego das iniciais maiúsculas e minúsculas.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
$ Abreviaturas, siglas e símbolos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
$ Representação gráfica das unidades de medidas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
L Acentuação gráfica:
$ Regras básicas e especiais de acentuação.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
" Acentuação dos vocábulos proparoxítonos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
" Acentuação dos vocábulos paroxítonos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
" Acentuação dos vocábulos oxítonos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
" Acentuação dos monossílabos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
" Acentuação dos ditongos abertos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
" Acentuação dos hiatos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
" Acento diferencial. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
L Notações léxicas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
$ Emprego da cedilha.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
$ Emprego do apóstrofo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
$ Emprego do hífen. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS ÍNDICE = 3

5 MORFOLOGIA:
L Estrutura das palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
$ Classificação dos elementos mórficos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
" Radical. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
" Desinência. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
" Vogal temática e tema. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
" Vogais e consoantes de ligação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
" Afixos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
$ Lista de radicais e prefixos.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
$ Correspondência entre prefixos gregos e latinos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
$ Sufixos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
L Formação de palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
$ Derivação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
$ Composição.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
$ Hibridismo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
$ Abreviação ou redução. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
$ Onomatopeia.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
L Classes de palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
$ Palavras variáveis e invariáveis. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
L Substantivo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
$ Classificação dos substantivos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
$ Flexão dos substantivos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
" Gênero. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
" Número. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
" Grau. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
L Adjetivo.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
$ Classificação dos adjetivos.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
$ Formação dos adjetivos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
$ Gênero dos adjetivos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
$ Número dos adjetivos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
$ Grau dos adjetivos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
$ Locução adjetiva. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
$ Adjetivos pátrios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
L Artigo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116
$ Classificação dos artigos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
$ Contração e combinação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
$ Emprego dos artigos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
4 = ÍNDICE LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
L Numeral. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
$ Classificação dos numerais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
$ Flexão dos numerais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
" Gênero. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
" Número. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
" Grau. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
$ Emprego dos numerais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
$ Formas duplas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
$ Diferença de um numeral e um artigo indefinido.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
L Pronome. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
$ Pronome substantivo e pronome adjetivo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
$ Classificação dos pronomes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
" Pronomes pessoais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
" Pronomes possessivos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
" Pronomes demonstrativos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
" Pronomes indefinidos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
" Pronomes interrogativos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
" Pronomes relativos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
L Verbo:
$ Estrutura do verbo.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
$ Formas rizotônicas e arrizotônicas.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
$ Flexão do verbo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
" Flexão de pessoa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
" Flexão de número. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146
" Flexão de modo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146
" Flexão de tempo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146
" Flexão de voz. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
$ Formas nominais do verbo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
$ Locução verbal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
$ Emprego dos tempos e modos verbais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
" Emprego dos tempos do modo indicativo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
" Emprego dos tempos do modo subjuntivo.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
" Formas do modo imperativo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
" Correlação entre os tempos verbais.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
" Formação dos tempos compostos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
$ Conjugação dos verbos auxiliares. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
$ Classificação dos verbos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
" Verbos regulares. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
" Verbos irregulares. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160
" Verbos anômalos.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169
" Verbos abundantes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169
" defectivos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171
$ Verbos pronominais.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS ÍNDICE = 5

L Advérbio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
$ Locução adverbial. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
$ Classificação dos advérbios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
$ Advérbios interrogativos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
$ Grau dos advérbios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
$ Emprego dos advérbios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
$ Palavras e expressões denotativas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183
L Preposição. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185
$ Classificação das preposições.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185
$ Locução prepositiva.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186
$ Combinação e contração da preposição. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186
$ Relações estabelecidas pelas preposições. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188
$ Distinção entre preposição, pronome pessoal e artigo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190
L Conjunção. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191
$ Classificação das conjunções. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 192
$ Locução conjuntiva. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194
L Interjeição. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196
$ Locução interjetiva. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197
$ Classificação das interjeições. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198

5 SINTAXE:
L Sintaxe. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200
$ Frase. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201
$ Oração.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201
$ Período. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
L Sintaxe do período simples. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
$ Termos essenciais da oração. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
" Sujeito. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
" Predicado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
" Predicativo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
" Classificação do predicado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 210
$ Termos integrantes da oração. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214
" Complementos verbais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214
" Objeto direto.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 215
" Objeto indireto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 215
" Núcleo do objeto.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 215
6 = ÍNDICE LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
" Objetos formados de pronomes oblíquos.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 216
" Objeto direto preposicionado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 216
" Objeto direto e objeto indireto pleonástico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 217
" Complemento nominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 217
" Agente da passiva. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 218
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 218
$ Termos acessórios da oração. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222
" Adjunto adnominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222
" A diferença entre complemento nominal e adjunto adnominal. . . . . . . . . . . . 223
" Adjunto adverbial. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 223
" Aposto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 225
" Vocativo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 226
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 226
L Sintaxe do período composto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 230
$ Orações coordenadas.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 231
" Orações intercaladas ou interferentes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 232
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 232
$ Orações subordinadas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 236
" Oração subordinada substantiva. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 236
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 239
" Oração subordinada adjetiva.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 241
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 242
" Função sintática do pronome relativo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 243
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 245
" Oração subordinada adverbial. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 246
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 248
$ Orações reduzidas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 252
$ Período misto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 253
$ Orações intercaladas ou interferentes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 253
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 253
L Sintaxe de concordância.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 254
$ Concordância nominal.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256
$ Concordância verbal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 262
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 273
L Sintaxe de regência. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279
$ Regência verbal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279
$ Regência nominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 290
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 291
L Colocação pronominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 297
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 300
L Ocorrência de crase. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 302
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 309
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS ÍNDICE = 7

L Pontuação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 314
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 320
L As palavras que e se. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 324
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 328

5 SEMÂNTICA:
L Significação das palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 332
$ Significado e significante. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 332
$ Sinônimo ou sinonímia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 333
$ Antônimos ou antonímia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 333
$ Homônimo ou homonímia.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 333
$ Parônimo ou paronímia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 335
$ Polissemia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 336
$ Sentido próprio e sentido figurado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 336
$ Denotação e conotação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 337
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 337

5 ESTILÍSTICA:
L Figuras de linguagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 340
$ Figuras de som ou harmonia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 340
$ Figuras de palavras ou tropos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 341
$ Figuras de construção. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 342
$ Figuras de pensamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 344
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 345
L Vícios de linguagem.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 351
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 353
L Tipos de discurso. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 356
$ Discurso direto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 357
$ Discurso indireto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 357
$ Discurso indireto livre. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 357
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 358

5 LEITURA, INTERPRETAÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTO:


L Texto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 361
$ Contexto situacional e contexto histórico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 362
$ O texto literário e o texto não-literário. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 363
$ O texto verbal e o texto não-verbal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 364
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 365
L Gêneros textuais.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 367
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 370
8 = ÍNDICE LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
L Tipologia textual.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 373
$ O texto narrativo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 373
$ O texto descritivo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 375
$ O texto expositivo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 377
$ O texto instrucional. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 378
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 379
L Funções da linguagem.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 384
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 388
L Procedimentos de leitura. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 391
$ Pressupostos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 393
$ Implícitos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 394
$ Ambiguidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 394
$ Inferência. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 395
$ Intertextualidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 395
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 398
L Coesão e coerência textuais.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 402
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 405
L Argumentação e persuasão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 409
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 411
L Produção de texto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 414
$ O parágrafo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 415
$ Adequação das palavras no texto.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 417
$ Resumo e paráfrase. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 418
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 419
L Variações linguísticas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 422
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 424
L Redação Oficial. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 425
ú Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 441

5 EXERCÍCIOS FINAIS:

L 50 exercícios da Vunesp. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 444


L 50 exercícios da Fundação Carlos Chagas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 457
L 50 exercícios da UnB. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 471

5 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 480

5 ERROS COMUNS DA LÍNGUA PORTUGUESA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 482


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 1

"Última flor do Lácio, inculta e bela,


És, a um tempo, esplendor e sepultura:
Ouro nativo, que na ganga impura
A bruta mina entre os cascalhos vela...

Amo-te assim, desconhecida e obscura,


Tuba de alto clangor, lira singela,
Que tens o trom e o silvo da procela
E o arrolo da saudade e da ternura!

Amo o teu viço agreste e o teu aroma


De virgens selvas e de oceano largo!
Amo-te, ó rude e doloroso idioma,

Em que da voz materna ouvi: "meu filho!"


E em que Camões chorou, no exílio amargo,
O gênio sem ventura e o amor sem brilho!"
BILAC, Olavo. Língua Portuguesa. Olavo Bilac - obra reunida. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1996.

Nossa Língua

O português, língua que falamos, é uma língua neolatina, novilatina ou românica, pois foi formado a partir das transformações
existentes no latim levado pelos dominadores romanos à região da Península Ibérica. O latim que chegava aos territórios conquistados
era o latim vulgar, falado pelos soldados e pelo povo.

A partir do século XV, os navegantes portugueses iniciaram um longo processo de expansão linguística, e assim, a língua
portuguesa foi levada a várias regiões do mundo.

Das línguas neolatinas, o português foi a primeira língua a se expandir fora do continente europeu.

Até chegar aos dias de hoje, nossa língua percorreu um longo caminho. Para essa mudança contribuíram a herança indígena
(tupinismo) e a africana (africanismo), esta deixada pelos negros escravizados.

A língua portuguesa é falada em todos os continentes. Atualmente é a língua oficial de 8 países, ditos lusófonos: Portugal
(incluídos os Açores e a Ilha da Madeira), Brasil, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Timor Leste.

Língua, Fala e Linguagem

C LÍNGUA

A língua é um tipo de linguagem que utiliza palavras para um grupo de indivíduos se comunicar.

A língua é um sistema que sofre modificações, pois está sujeita à ação do tempo e do espaço geográfico.
2 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
C FALA

A fala é o uso individual que cada membro da comunidade linguística faz da mesma língua.

Ao selecionar as palavras, o indivíduo é influenciado pela sua personalidade, seu gosto, sua cultura etc. Surgem, então, seus
estilos próprios e níveis de fala, que são os modos variados que o indivíduo usa a língua, de acordo com o meio sociocultural em que
vive.

C LINGUAGEM

A linguagem é a capacidade que o homem tem de se comunicar por meio da fala.

Existem outras formas de linguagem como os desenhos, os gestos, os sons, as cores, os cheiros, as onomatopeias, as palavras etc.

Segundo o gramático Evanildo Bechara, "a linguagem , entendida como atividade humana de falar, apresenta cinco dimensões
universais: criatividade, materialidade, semanticidade, alteridade e historicidade.

Criatividade, porque a linguagem, forma de cultura que é, se manifesta como atividade livre e criadora, ou "do espírito", isto é,
como algo que vai mais além do apreendido, que não simplesmente repete o que já foi produzido.

Materialidade, porque a linguagem é, primeiramente, uma atividade condicionada fisiológica e psiquicamente, pois implica, em
relação ao falante, a capacidade de utilizar os órgãos de fonação, produzindo signos fonéticos articulados (fonemas, grafemas, quando
representados na escrita, etc.) com que estabelece diferenças de significado (por exemplo, Pala, Vala, Mala, Tala, Rala, etc.) enquanto
em relação ao ouvinte, implica a capacidade de perceber tais fonemas e interpretar o percebido como referência ao conteúdo
configurado pelo falante mediante os signos fonéticos articulados. É o nível biológico da linguagem.

Semanticidade, porque a cada forma corresponde um conteúdo significativo, já que na linguagem tudo significa, tudo é semântico.

Alteridade, porque o significar é originariamente e sempre um 'ser com outros', próprio da natureza político-social do homem,
de indivíduo que são homens juntos a outros e, por exemplo, como falantes e ouvintes, são sempre cofalantes e coouvintes.

Historicidade, porque a linguagem se apresenta sempre sob a forma de língua, isto é, de tradição linguística de uma comunidade
histórica. Não existe língua desacompanhada de sua referência histórica: só há língua portuguesa, língua francesa, língua inglesa, língua
espanhola, língua latina, etc.

Geralmente se ouve que a língua é imposta ao homem, porque este é obrigado a dizer que determinado objeto conhecido por
sua comunidade como livro é livro, e não lápis ou mesa. Tal fato não constitui uma limitação em negação da liberdade do falante;
é sim a dimensão histórica da linguagem, que coincide com a própria historicidade do homem. A língua não é 'imposta' ao homem;
este 'dispõe' dela para manifestar sua liberdade expressiva. As atividades livres implicam um próprio "dever ser", isto é, uma série de
normas intrínsecas."

Gramática

A palavra gramática é de origem grega formada a partir de grámma, que significa "letra".

Há dois tipos de gramática:

! Gramática descritiva: descrição científica do funcionamento de uma língua.

! Gramática normativa: estabelece padrões de certo e errado para as formas do idioma.

A gramática é dividida em cinco partes:

1- Fonologia: estuda os fonemas, isto é, os sons da língua. A fonologia trata dos fonemas, da pronúncia correta das palavras
(ortoépia), da acentuação tônica das palavras (prosódia) e da forma escrita das palavras (ortografia). A parte da gramática que
trata da produção da fala é a fonética.

2- Morfologia: estuda as diversas classes de palavras, analisando a estrutura, a formação e os mecanismos de flexão de palavras.

3- Semântica: estuda a significação das palavras.


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 3
4- Sintaxe: estuda o relacionamento entre palavras ou orações. Divide-se em sintaxe de funções (estrutura da oração e do período)
e sintaxe das relações (regência, colocação e concordância).

5- Estilística: trata do lado estético e emocional da linguística. Esses processos são as figuras de linguagem.

EXERCÍCIOS

1) Observe as afirmações:

I - O português é uma língua neolatina, pois foi formada a partir das transformações no latim.

II - A língua falada pelos soldados e pelo povo era o latim erudito (linguagem culta).
III - O português foi a primeira língua a se expandir fora do continente europeu.

Está(ão) correta(s):
a) apenas a I.
b) apenas a II.
c) I e II.
d) II e III.
e) I e III.

2) Nossa língua sofreu grandes mudanças ao longo do caminho e contribuíram para isso as heranças:
a) espanhola e holandesa
b) francesa e espanhola
c) africana e indígena
d) indígena e espanhola
e) africana e francesa

3) Observe um trecho da letra da música "No tabuleiro da baiana" de Ary Barroso:

No tabuleiro da baiana tem


Vatapá, oi
Caruru
Mungunzá, oi
Tem umbu
Pra ioiô...

As palavras sublinhadas são de origem:


a) espanhola
b) africana
c) árabe
d) indígena
e) francesa

4) Sistema que sofre modificações, por estar sujeito à ação do tempo e do espaço:
a) língua
b) linguagem
c) fala
d) cultura
e) latim

5) A palavra gramática significa:


a) povo
b) estrutura
c) fala
d) letra
e) língua

RESPOSTAS

1-E 2-C 3-B 4-A 5-D


4 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS

FONOLOGIA

uma v e z
uma fala
uma f o z
uma v e z uma bala
uma fala uma v o z
uma f o z uma vala
uma bala uma v e z
uma v o z
uma vala
uma v e z

(Augusto de Campos - 1957)

Fonética

Toda leitura em voz alta de qualquer escrito produz sons, gerados pela corrente de ar que sai dos pulmões.

Numa língua, primeiro aparecem os sons, depois a representação gráfica desses sons, isto é, a escrita.

Observe algumas palavras extraídas do poema de Augusto de Campos:

• fala bala vala • vez voz

No primeiro caso, as palavras diferenciam-se entre si pela presença dos sons f, b e v.

No segundo caso, pela substituição do som e por o.

Todo som capaz de estabelecer diferenças no significado das palavras recebe o nome de fonema.

A representação gráfica dos sons da fala recebe o nome de letra.


Segundo Evanildo Bechara em seu livro Moderna Gramática Portuguesa: "desde logo uma distinção se impõe: não se há de
confundir fonema com letra. Fonema é uma realidade acústica, realidade que nosso ouvido registra: enquanto letra é o sinal
empregado para representar na escrita o sistema sonoro de uma língua. Não há uma identidade perfeita, muitas vezes, entre os
fonemas e a maneira de representá-los na escrita, o que nos leva facilmente a perceber a impossibilidade de uma ortografia ideal.
Temos sete vogais orais tônicas, mas apenas cinco símbolos gráficos (letras). Quando queremos distinguir um e tônico aberto de um
e tônico fechado - pois são dois fonemas distintos - geralmente utilizamos sinais subsidiários: o acento agudo (fé) ou o circunflexo
(vê). Há letras que se escrevem por várias razões, mas que não se pronunciam, e portanto não representam a vestimenta gráfica do
fonema; é o caso do h , em homem ou oh! Por outro lado, há fonemas que se ouvem e que não se acham registrados na escrita; assim
no final de cantavam, ouvimos um ditongo em -am cuja semivogal não vem assinalada /amávãw/. A escrita, graças ao seu
convencionalismo tradicional, nem sempre espelha a evolução fonética."

O ser humano emite sons produzidos pelos órgãos da fala, denominados em seu conjunto de aparelho fonador.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 5
Aparelho Fonador

O ar, que vem dos pulmões, é modulado pelas pregas vocais e, ao sair pelo nariz e pela boca, produz os sons da voz humana.

Fonema e Letra

Nem sempre fonema e letra são a mesma coisa. Para que não haja confusão, veja algumas observações importantes:

a) Um mesmo fonema pode ser representado por mais de uma letra. Exemplos:

letra s - asa, roseira, esquisito

Fonema /z/ letra z - cozinha, zero, zebra

letra x - exato, exemplo, êxito

letra s - saudade, selo, sino

Fonema /s/ letra c - cerimônia, cedo, doce

letra x - próximo, extra, expor

b) Uma mesma letra pode representar mais de um fonema.

fonema /s/ - explicar, máximo

Letra x fonema /x/ - caixa, ameixa

fonema /z/ - exame, exílio

grupo de sons /ks/ - sexo, fixo

c) O número de fonemas pode coincidir com o número de letras.

feira ÷ 5 letras (f-e-i-r-a) e 5 fonemas (pronunciamos 5 sons)

pato ÷ 4 letras (p-a-t-o) e 4 fonemas (pronunciamos 4 sons)

d) O número de fonemas pode ser diferente do número de letras.

pássaro ÷ 7 letras (p-á-s-s-a-r-o) e 6 fonemas (ss representa um só fonema /s/)


6 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
chinelo ÷ 7 letras (c-h-i-n-e-l-o) e 6 fonemas (ch representa um só fonema /x/)

tóxico ÷ 6 letras (t-ó-x-i-c-o) e 7 fonemas (x representa duas unidades mínimas de som /ks/)

humilde ÷ 7 letras (h-u-m-i-l-d-e) e 6 fonemas (h não representa som algum)

Classificação dos Fonemas

Os fonemas da língua portuguesa são classificados em vogais, semivogais e consoantes.

I - VOGAIS

São os fonemas que se formam quando o ar passa livremente pela boca sem nenhum tipo de interrupção.

A vogal é o elemento básico e indispensável para a formação da sílaba. Não existe sílaba sem vogal. Exemplos:

pi - tan - ga quei - jo trou - xa

Basicamente temos cinco letras vogais que são representadas das seguintes maneiras:

VOGAIS

Fonema Transcrição Representações


Fonética e Exemplos
A [a] mala, pasta

 [â] cama, cana


à [ã] ã - Tupã, amanhã
am - samba, ambos
an - anjo, anterior

Ê [e] e - exemplo, cedo


É [e] e - colher, terra
é - ética, cafuné

ì [ì] en - quente, vento


I [i] i - mina, livro
í - íris, caído
e - pele, leite

« [«] in - tinta, interior


im - fim, assim
ó []] o - torta, foto
ó - retrós, avós

ô [ô] o - bolo, sopro


ô - metrô, ônus
õ [o] õ - emoções, põe
on - conta, ontem

u [u] u -uma, chuva


ú - único, saúva
o - ovo, solo
é [é] un - fundo, untar
um- umbigo, cumprimento
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 7
CLASSIFICAÇÃO DAS VOGAIS

As vogais são classificadas de acordo com quatro critérios:

1 - Quanto à intensidade

Considera-se a força na emissão da vogal. A palavra sala, por exemplo, apresenta a vogal a duas vezes. Apesar de terem a mesma
representação gráfica, possuem diferença de intensidade na pronúncia. Quando separamos a palavra sala em sílabas, notamos que
a sílaba /sa/ é pronunciada com maior intensidade: trata-se da sílaba tônica. A vogal dessa sílaba (/sa/) é a vogal tônica. A vogal da
sílaba /la/, pronunciada com intensidade fraca é a vogal átona.

vogal tônica - é aquela pronunciada com maior intensidade:


máximo, século, livro, mocotó, cura.

vogal átona - é aquela pronunciada com menor intensidade:


máximo, século, livro,mocotó, cura.

• Ocorrências de vogal tônica em português:

Transcrição Exemplos
fonética
a [a] ala, maracujá
é [e] tela, tripé

ê [e] seco, pavê


i [i] sino, ícone

ó []] escola, xodó


ô [o] bolo, metrô

u [u] muro, açúcar

• Ocorrências de vogal átona em português:

Transcrição Exemplos
fonética
a [a] sela
e [e] secar

i [i] táxi
ô [o] sonhar

u [u] fubá

2 - Quanto à zona de articulação

De acordo com a região da boca em que se dá a maior elevação da língua, as vogais se classificam em:

• anteriores ou palatais
8 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Quando elevamos a língua em direção ao palato duro, próximo aos dentes.

[ e ] - prego, mulher
[ e ] - vejo, cedo
[ ì ] - lente, sempre
[ i ] - vidro, riso
[ « ] - símbolo, tinta

• médias ou centrais

Quando a língua se conserva abaixada, quase em repouso, a boca aberta sem passagem da corrente de ar para as fossas nasais.

[ a ] - casa, maleta
[ ã ] - jantar, câmara, chão

• posteriores ou velares

Quando elevamos a língua em direção ao palato mole, perto da garganta.

[ ] ] - cota, óculos
[ o ] - condor, sonho
[ õ ] - ponte, ombro
[ u ] - fuga, tatu
[ é ] - untar, cumprir

3 - Quanto ao papel das cavidades bucal e nasal

a)Quando a corrente de ar escapa apenas pela boca, produzem-se vogais orais.

VOGAIS ORAIS

Transcrição Exemplos
Fonética
a [a] casa

é [e] vela
ê [e] medo

i [i] fita
ó []] bota

ô [o] soro
u [u] suco

b) Quando a corrente de ar ressoa em parte na cavidade nasal, produzem-se as vogais nasais.

VOGAIS NASAIS

Transcrição Exemplos
Fonética
ã [ã] santa

ì [ì] pente
« [«] zinco

õ [õ] lontra
é [é] tundra
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 9
4 - Quanto ao timbre

Refere-se ao efeito acústico decorrente do grau de abertura bucal. Assim, as vogais são classificadas em:

• abertas

Quando a boca está mais aberta e existe distância entre a língua e o céu da boca.

VOGAIS ABERTAS

Transcrição Exemplos
Fonética
a [a] vala

é [e] cela
ó []] moda

• fechadas

Quando existe um estreitamento da abertura bucal e a distância entre a língua e o céu da boca é pequena.

VOGAIS FECHADAS
Transcrição Exemplos
Fonética

â [â] cama
ê [e] gema

ô [o] bolo
i [i] time

u [u] duro
ã [ã] canto

ì [ì] lenda
« [«] fim

õ [õ] ponto
é [é] fundo

• reduzidas

Sons intermediários entre as vogais abertas e as fechadas. São os sons das vogais átonas: mala, pele, novo etc.

II - SEMIVOGAIS

São os fonemas /i/, e /u/ (a representação fonética é [ y ] e [ w ] respectivamente) quando estes aparecem apoiados em uma
vogal, formando com ela uma só sílaba (uma emissão de voz).

Exemplo: c h o r o u
9 ` semivogal
vogal

A semivogal i (fonema [y]) pode aparecer representada pela letra e, por exemplo, mãe; pronuncia-se mãy. A semivogal u (fonema
[w]) pode ser representada pela letra o, por exemplo, pão; pronuncia-se pãw.
10 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Exemplos:

semivogal representações gráficas

i-[y] i - história [histórya]


e - mãe [mãy]; põe [põy]
em - bem; [bìy]

u-[w] u - inócuo [inokwu]


o - pão [pãw]
am - falaram - [falarãw]

III - CONSOANTES

São os fonemas que encontram obstáculos na passagem do ar pela boca.

CONSOANTES

Transcrição Representações
Fonética e Exemplos

b [b] b - bota

d [d] d - dado

f [f] f - foca

g [g] g - garfo / gu - gueixa

j [¥] j - jaqueta / g - gesso

k [k] c - concha / qu - queijo

R [R] R - palito

lh [] lh - galho

m [n] m - melão

n [n] n - pano

nh [†] nh - sonho

p [p] p - pato

rr [R] r - rua / rr - carro

r [r] r - coreto

s [s] s - som / ss - passo / ç - poço /


c - cebola / sc - piscina /
x - próximo / xc - exceção

t [t] t - tema

v [v] v - verbo

ch [•] x - xale / ch - chinelo

z [z] z - azia / s - Ásia / x - êxodo

CLASSIFICAÇÃO DAS CONSOANTES

As consoantes são classificadas de acordo com quatro critérios:

1 - Quanto ao modo de articulação

Ao pronunciarmos as consoantes em português, há um fechamento ou estreitamento do aparelho vocal interrompendo de forma


total ou parcial a passagem do ar. Dessa forma, quanto ao modo de articulação, as consoantes dividem-se em:
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 11
a) Oclusivas:

Quando a corrente de ar encontra na boca obstáculo total. São consoantes oclusivas: p, b, t, d, c (=k), q, g (=guê).

b) Constritivas

Quando a corrente de ar encontra na boca obstáculo parcial. São consoantes constritivas: f, v, s, z, x, j, l, lh, r, rr. As constritivas
subdividem-se em:

• fricativas

Quando a corrente de ar produz um atrito ruidoso, semelhante a uma fricção, numa fenda estreita na cavidade bucal: f (foto),
v (velho), s, (sapato), z (zebra), x (xale), j (jeito).

• laterais

Quando a língua toca o palato ou os alvéolos dentais e o ar escapa pelos dois lados da cavidade bucal: / R / ( mole), /  /
(palha).

• vibrantes

Quando a ponta da língua vibra ao contato com os alvéolos: / r / (barato), /R/ (carro).

2 - Quanto ao ponto de articulação

As consoantes podem, também, se distinguir pelo ponto onde são articuladas. Assim, temos a seguinte classificação:

a) Bilabiais

Formadas pelo contato dos lábios: [ p ] (pato), [ b ] (bola), [ m ] (mala).

b) Labiodentais

Formadas pelo contato entre o lábio inferior e os dentes superiores: [ f ] (fato), [ v ] (vaso).

c) Linguodentais

Formadas pelo contato entre a língua e os dentes superiores: [ t ] (tema), [ d ] (dado), [ n ] (nosso).

d) Alveolares

Formadas pelo contato ou aproximação entre a língua e os alvéolos dos dentes: [ s ] (seta, poço, explicar), [ z ] (zero, coisa,
êxito), [ R ] (lápis).

e) Palatais

Formadas pelo contato do dorso da língua com o céu da boca (palato duro): [ • ] (chuva, xarope), [f] (monge, jeito), [] (folha,
molho), [†] (ninho, sonho).

f) Velares

Formadas pelo contato da parte superior da língua com o palato mole (véu palatino): [ k ] (querer, cabo), [ R ] (roda, ferro),
[ g ] (gato, guerra).
12 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
3 - Quanto ao papel das cavidades bucal e nasal

a) Orais

Quando a corrente de ar escapa apenas pela cavidade bucal: todas as consoantes, menos m, n, nh.

b) Nasais

Quando a corrente de ar escapa também pelas fossas nasais: m, n, nh.

4 - Quanto ao papel das cordas vocais

As cordas vocais, na produção dos fonemas, podem ou não vibrar. Classificam-se em:

a) Surdas

Quando não há vibração das cordas vocais: [ f ] (fome), [k] (cabra), [p] (pé), [s] (sol), [t] (torre), [?] (xale, cheiro).

b) Sonoras

Quando há vibração das cordas vocais: [b] (boca), [d] (dedo), [g] (gato), [f] (jarro, gema), [R] (luta), [] (galho), [n] (cana),
[†] (lenha), [r] (couro), [R] (rede, serra), z (zero).

Veja, agora, o quadro completo das consoantes em português:


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 13

Quadro das consoantes


Papel das cavidades bucal e nasal Orais Nasais

Oclusivas Constritivas Oclusivas


Modo de articulação
Fricativas Laterais Vibrantes

Papel das cordas vocais Surdas Sonoras Surdas Sonoras Sonoras Sonoras Sonoras

Bilabiais [p] [b] [m]


(pote) (banco) (medo)

Labiodentais [f] [v]


(fruta) (voz)

Linguodentais [t] [d]


(tato) (dado)

Alveolares [s] [z] [R] [r] [n]


Ponto (sola, osso), (zebra) (coReta) (tiro) (novo)
ou
zona [ç] [s] [R]
de (caça), (casa) (gorro, rua)
articulação
[c]
(céu, cinto)

Palatais [•] [f] [] [†]


(encher, xodó) (malha) (senha)
[j]
(janela),

[g]
(gelo)

Velares [c]=k [ g ] = guê


(saco), (gola)

[q] = k
(quina)

Encontros Vocálicos

Quando, em uma palavra, sons vocálicos (vogais e semivogais) aparecem um logo após outro, ocorre um encontro vocálico.

Há três tipos de encontros vocálicos na língua portuguesa:

1. Ditongo
É a junção de uma vogal e uma semivogal, ou vice-versa, na mesma sílaba. Exemplos:

Ciência ÷ i é semivogal e a, vogal.


Chapéu ÷ e é vogal e u, semivogal.
Mágoa ÷ o é semivogal e a, vogal.
Herói ÷ o é vogal e i, semivogal.

Os ditongos classificam-se em:

• oral: Quando a vogal que o forma é oral: mau, quatro, espécie, Mongaguá, coice.

• nasal: Quando a vogal que o forma é nasal: chão, quanto, quantidade, união.

• crescente: Quando a semivogal vem antes da vogal: égua, série, farmácia, vácuo.

• decrescente: Quando a vogal vem antes da semivogal: mingau, beijo, ouro, herói.
14 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Quadro dos ditongos

Crescentes

Orais Nasais

eo, io - térreo, lírio

ea, ia - área, infância

ie, - série, espécie

ao, ua - páscoa, água uan - quanto, minguante

ue - tênue, equestre uen - cinquenta, aguento

uo - indivíduo, vácuo uim - ruim, pinguim

Quadro dos ditongos

Decrescentes

Orais Nasais

ai - pai, baile ãi - cãibra, pães

au - degrau, pau am, ão - gritam, órgão

éi - fiéis, anéis

ei - reino, leite em, ìi - cem, hein

éu - céu, réu

eu - meu, pneu

iu - partiu, rio

oi - foi, oito õe - põe, ações

ói - destrói, caracóis

ou - louco, ouro

ui - ruivo, gratuito éi - muito, muitas

2. Tritongo

É o encontro vocálico constituído por uma vogal precedida e seguida de semivogal na mesma sílaba. Exemplos:

Paraguai ÷ semivogal + vogal + semivogal


Enxaguou ÷ semivogal + vogal + semivogal

Quadro dos tritongos

Orais Nasais

uei - enxaguei uem - enxáguem

uai - Uruguai uão, uam - quão, águam

uou - averiguou uõe - saguões

uiu - redarguiu

3. Hiato

É o encontro vocálico pronunciado em dois impulsos distintos, formando sílabas diferentes. Pode ocorrer hiato:

a)entre duas vogais átonas:

a-e-ro-por-to, pre-en-cher, re-a-ção

b) entre uma vogal átona e uma tônica:

fa-ís-ca, sa-ú-de, do-er, ci-ú-me,


bo-a-to, pa-ra-en-se
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 15
c)entre uma vogal tônica e uma átona:

vo-o, la-go-a, a-ben-ço-o, cre-em

Observação: Os encontros vocálicos -ia, -ie, -io, -ao, -ua, -uo, finais átonos podem ser classificados
como ditongos ou hiatos. Todavia, é preferível considerar estes grupos como ditongos crescentes. Na escrita, em final de linha, esses
encontros vocálicos não devem ser separados.

vi-tó-ria e vi-tó-ri-a
co-lé-gio e co-lé-gi-o
caos e ca-os

Encontros Consonantais

Encontro consonantal é a junção de dois ou mais fonemas consonânticos numa mesma palavra:

apto, advogado, bloco, flauta, grão, psicólogo

O encontro consonantal pode ocorrer:

a)na mesma sílaba, chamados de inseparáveis:

clo-ro, dro-ga, flo-res, li-vro,


mne-mô-ni-co, re-pre-sa

b) em sílabas diferentes, chamados de separáveis:

ad-ven-to, ab-so-lu-to, dig-no,


ét-ni-co, pac-to, rit-mo

Observações:

1) Em palavras como rampa, lenda, cinco, ombro, mundo, não há encontro consonantal porque m e n, em final de sílaba, não
representam fonemas, são letras nasalizadoras, têm a função do til: rãpa, lìda, c«co, õbro, médo.

2) Pronunciam-se separadamente o b e o l das seguintes palavras formadas com o prefixo sub: sublegenda, sublingual, sublinhar,
sublocar.

3) Não se deve confundir encontro consonantal com dígrafo, assunto que estudaremos a seguir.

Dígrafos

Dígrafo é o conjunto de duas letras que representam um só fonema. Os dígrafos representam:

Consoantes Vogais nasais

ch - achar, cheio am - campo


lh - pilha, telha em - tempo
nh - banho, ninho im - limpeza
rr - carro, terra om - ombro
ss - passeio, tosse um - álbum
gu (antes de e ou i) - guerra, guincho an - manta
qu (antes de e ou i) - leque, quilo en - sentar
sc (antes de e ou i) - crescer, piscina in - lindo
sç (antes de a ou o) - cresço, desça on - onda
xc (antes de e ou i) - exceção, excelente un - fundo

Observação: Em palavras em que as duas letras se pronunciam, os grupos gu (guaraná), qu (qualidade), sc (escudo) e xc (exclamação)
não são dígrafos.
16 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
EXERCÍCIOS

1) Assinale a alternativa em que todas as palavras apresentam o fonema / z /:


a) examinador, atraso, extenso
b) coesão, tóxico, dureza
c) riqueza, execrar, fusível
d) gasoso, subsídio, exímio
e) extravasar, lasanha, sinopse

2) Em qual das alternativas uma palavra possui mais letras do que fonemas?
a) surpresa
b) lapiseira
c) mestiço
d) urbano
e) humano

3) Assinale o vocábulo que contém um número maior de fonemas do que de letras.


a) representar
b) hospitalizar
c) caatinga
d) asfixia
e) caminho

4) Assinale a informação incorreta.


a) Numa língua, primeiro aparece a escrita, depois os sons.
b) Letra é a representação gráfica dos sons.
c) Nem sempre fonema e letra são a mesma coisa.
d) Não existe sílaba sem vogal.
e) A vogal pronunciada com menor intensidade é chamada de átona.

5) O vocábulo "areia" possui:


a) uma vogal, duas semivogais e uma consoante.
b) duas vogais, uma semivogal e uma consoante.
c) três vogais, nenhuma semivogal e duas consoantes.
d) três vogais, uma semivogal, e uma consoante.
e) uma vogal, três semivogais e uma consoante.

6) As palavras imundície, quando e vaidade possuem, respectivamente, ditongos:


a) nasal decrescente, oral crescente e nasal crescente.
b) oral crescente, nasal crescente e oral decrescente.
c) oral crescente, nasal crescente e oral crescente.
d) nasal crescente, nasal decrescente e oral crescente.
e) oral decrescente, nasal decrescente e oral decrescente.

7) Assinale a alternativa em que há, respectivamente, um tritongo oral e um tritongo nasal.


a) extinguiu, quão
b) quais, Paraguai
c) águam, saguões
d) enxáguem, Uruguai
e) saguão, averiguei

8) Em qual alternativa todas as palavras apresentam um dígrafo?


a) chuveiro, olhos, muito, esperança
b) nascesse, excêntrico, ficaram, consagrou
c) venda, ambos, sossego, aritmética
d) seguir, aqui, rainha, vassoura
e) mausoléu, cooperação, carreata, chama
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 17
9) Marque a opção em que há encontro consonantal inseparável em todas as palavras.
a) príncipe, pacto, gnomo, aftosa
b) através, floco, atleta, advogado
c) absolver, oblíquo, grupo, convulsão
b) ritmo, inflamar, aspecto, digno
e) flanco, escrever, aproximação, aclamado

10) Assinale a alternativa em que há apenas hiatos.


a) ambíguo, violões, tábua, quase
b) juiz, biscoito, elogio, moído
c) dia, poema, caatinga, compreender
d) coelho, vaidade, iguais, enjoo
e) veem, pia, gratuito, mágoa

11) (UnB-DF) Marque a opção em que todas as palavras apresentam um dígrafo.


a) fixo, auxílio, tóxico, exame
b) enxergar, luxo, bucho, olho
c) bicho, passo, carro, banho
d) choque, sintaxe, unha, coxa
e) êxito, sexo, cassar, enxame

12) (UNIMEP-SP) Assinale o vocábulo que contém cinco letras e quatro fonemas.
a) estou
b) adeus
c) livro
d) volto
e) daqui

13) (Cefet-MG) Os vocábulos também, saguão, joia, pia e água possuem, respectivamente:
a) ditongo crescente, tritongo, ditongo crescente, hiato, ditongo decrescente.
b) ditongo crescente, hiato, tritongo, hiato, ditongo crescente.
c) hiato, tritongo, tritongo, ditongo crescente, ditongo crescente.
d) ditongo crescente, ditongo crescente, ditongo decrescente, ditongo crescente.
e) ditongo decrescente, tritongo, ditongo decrescente, hiato, ditongo crescente.

14) (PUC-SP) Nas palavras anjinho, carrocinhas, nossa e recolhendo, podemos detectar oralmente a seguinte
quantidade de fonemas:
a) três, quatro, dois, quatro
b) cinco, nove, quatro, oito
c) seis, dez, cinco, nove
d) três, seis, dois, cinco
e) sete, onze, cinco, dez

15) (FASP-SP) Assinale a alternativa que apresenta os elementos que compõem o tritongo.
a) vogal + semivogal + vogal
b) vogal + vogal + vogal
c) semivogal + vogal + vogal
d) semivogal + vogal + semivogal
e) vogal + vogal + semivogal

16) No vocábulo regência há ocorrência de:


(Fac. Oswaldo Cruz-SP)
a) ditongo decrescente
b) tritongo oral
c) hiato
d) ditongo crescente
e) tritongo nasal

17) (Unificado-RJ) No
trecho "Quanto ao morro do Curvelo, o meu apartamento, o andar mais alto de um velho casarão em ruína..."
temos:
a) 4 ditongos decrescentes, 2 ditongos crescentes,1 hiato.
b) 6 ditongos decrescentes, 2 ditongos crescentes,2 hiatos.
c) 4 ditongos decrescentes, 1 ditongo crescente, 1 hiato.
d) 6 ditongos decrescentes, 2 ditongos crescentes, 1 hiato.
e) 5 ditongos decrescentes, 2 ditongos crescentes, 1 hiato.
18 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
18) (Cefet-PR) Ambivalência possui:
a) 11 fonemas e 12 letras.
b) 12 fonemas e 12 letras.
c) 9 fonemas e 11 letras.
d) 10 fonemas e 12 letras.
e) 10 fonemas e 10 letras.

19) (PUC-PR) Assinale a alternativa em que o x nunca é pronunciado como /ks/:


a) tóxico, máximo, prolixo
b) êxtase, exímio, léxico
c) exportar, nexo, tóxico
d) máximo, êxodo, exportar
e) exímio, prolixo, êxodo

20) (PUC-SP) Indique a alternativa em que constatamos, em todas as palavras, a semivogal i:


a) cativos, minada, livros, tirarem
b) oiro, queimar, capoeiras, cheiroso
c) virgens, decidir, brilharem, servir
d) esmeril, fértil, cinza, inda
e) livros, brilharem, oiro, capoeiras

RESPOSTAS

1-C 2-E 3-D 4-A 5-D

6-B 7-A 8-D 9-E 10-C

11-C 12-E 13-E 14-B 15-D

16-D 17-C 18-D 19-D 20-B

Sílaba

um
movi
mento
compondo
além
da
nuvem
um
campo
de
combate

mira
gem
ira
de
um
horizonte
puro
num
mo
mento
vivo (1956)
PIGNATARI, Décio. In: Poesia concreta. São Paulo,
Abril Educação, 1982. (literatura comentada).

Observe que, ao lermos o poema de Décio Pignatari, as palavras "movimento", "miragem" e "momento" foram divididas para
destacar o concretismo do poema, recurso utilizado pelos poetas da poesia concreta. Ao grupo de fonemas pronunciados
separadamente, como em "mo-vi-men-to", por exemplo, damos o nome de sílaba.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 19
Na língua portuguesa, o núcleo de cada sílaba é sempre uma vogal. Não existe uma sílaba sem vogal, como também não existem
duas vogais ou mais em uma sílaba. As semivogais i e u podem representar semivogais, que não são núcleos de sílabas.

Exemplos: a-do-rei ÷ semivogal


9
vogal

re-ló-gio÷ vogal
9
semivogal

Divisão Silábica

A divisão silábica é marcada pela divisão com um hífen:

propaganda ÷ pro-pa-gan-da
matemática ÷ ma-te-má-ti-ca

Regras da divisão silábica:

a) Os dígrafos ch, lh, nh, gu, qu não se separam: chu-va, pa-lha, en-ge-nho, gui-zo, a-que-la.

b) Os encontros consonantais que têm em sua formação: consoante + l ou consoante + r não se separam: aplicação, a-tle-ta, glo-bo,
re-tra-to, dra-ma, a-brir.

c) Os dígrafos rr, ss, sc, sç, xc, sx devem ser separados: bar-ro, as-sun-to, des-cer, nas-ço, ex-ce-to, es-xu-dar.

d) Os ditongos e tritongos não se separam:

• ditongos: ou-to-no, di-nhei-ro, sau-da-de


• tritongos: sa-guão, U-ru-guai, i-guais

e) Os hiatos devem ser separados em duas sílabas: du-e-to, sa-ú-de, la-go-a.

f) A consoante que não for seguida de vogal:

• se estiver no interior da palavra, fica na sílaba que a antecede: núp-cias, ig-no-rân-cia, cáp-su-la.

• se estiver no início da palavra, junta-se à sílaba que a segue: psi-qui-a-tri-a, gno-mo, psi-co-lo-gi-a.

Partição das Palavras em Fim de Linha

A partição das palavras no fim da linha obedece às regras de separação silábica e indica-se com o hífen.

Além dessas regras, há outros critérios:

Os dissílabos como aí, saí, ato, nua, ódio, boia, unha, etc. não devem ser partidos, para que uma letra não fique isolada no fim ou
no início da linha.

Quando a sílaba é formada por apenas uma vogal, não deve ficar isolada na linha: ama-nhã (e não a-manhã)

Quando o hífen coincidir com o final da linha, pode-se repeti-lo no início da seguinte:

pé-de- ave- tragam-


-moleque -maria -no

Observação: Todavia, há autores como Domingos Paschoal Cegalla que consideram que o hífen não deve ser colocado na linha
seguinte:
20 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
pé-de- ave- tragam-
moleque maria no

Classificação das Palavras


quanto ao
Número de Sílabas

Quanto ao número de sílabas, os vocábulos classificam-se em:

monossílabos ÷ aqueles que têm uma só sílaba: lar, pão, luz.

dissílabos ÷ aqueles que têm duas sílabas: ga-lo, lei-te, ca-fé.

trissílabos ÷ aqueles que têm três sílabas: es-co-la, por-tu-guês, sa-ú-de.

polissílabos÷ aqueles que têm quatro ou mais sílabas: ca-sa-men-to, es-con-de-ri-jo, a-me-ri-ca-no.

Tonicidade

• Acento tônico

A sílaba tônica é aquela que mais se destaca por ser pronunciada com mais intensidade que as outras, apesar de nem sempre ser
acentuada graficamente.

mé-di-co bár-ba-ro flo-res


ca-ne-la pi-tan-ga

• Acento átono

A sílaba átona é aquela pronunciada com menor intensidade que a tônica.

mé-di-co bár-ba-ro flo-res


ca-ne-la pi-tan-ga

• Sílaba subtônica

A sílaba que possui intensidade intermediária entre a tônica e a átona é chamada de sílaba subtônica. Essa sílaba só aparece em
palavras derivadas e corresponde à tônica da palavra primitiva.

só (palavra primitiva) sozinho (palavra derivada)


 
tônica subtônica

A sílaba subtônica pode ser:

a) sílaba pretônica: aquela que antecede a tônica.


b) sílaba postônica: aquela que pospõe a tônica.

he - roi - zi - nho
9 9 9 9
pretônica subtônica tônica postônica

Classificação das palavras quanto à posição da sílaba tônica

a) Oxítonas: aquelas que têm a última sílaba tônica: ra-paz, ca-fé, so-fá.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 21
b) Paroxítonas: aquelas que têm a penúltima sílaba tônica: mon-ta-nha, fa-zen-da, la-go.

c) Proparoxítonas: aquelas que têm a antepenúltima sílaba tônica: ár-vo-re, ró-tu-lo, vo-cá-bu-lo.

Classificação das palavras monossílabas

a) átonas: são pronunciadas fracamente e não têm autonomia fonética: o, a, os, as, e, um, uns, de, em, me, te, se, lhe, nos etc.

b) tônicas: são pronunciadas fortemente e têm autonomia fonética: é, má, si, nó, flor, sol, vez, eu, tu, nós, ré, pôr, dó, ré, mi etc.

EXERCÍCIOS

1) Na língua portuguesa, o núcleo de cada sílaba é sempre:


a) semivogal
b) consoante
c) dígrafo
d) vogal
e) hiato

2) Assinale a alternativa que possui a separação silábica correta:


a) me-lan-ci-a
b) a-bs-ces-so
c) abun-dân-ci-a
d) saí-ram
e) De-us

3) Observe o poema "A tempestade" de Gonçalves Dias:

Um raio
Fulgura
No espaço
Esparso
De luz;
E trêmulo
E puro
Se aviva
S'esquiva
Rutila,
Seduz!

Assinale a alternativa correta quanto aos monossílabos:


a) raio (monossílabo tônico)
b) e (monossílabo tônico)
c) luz (monossílabo átono)
d) no (monossílabo tônico)
e) se (monossílabo átono)

4) Assinale a alternativa em que a sílaba tônica de todas as palavras esteja na mesma posição:
a) timidez - precioso - esperávamos
b) epidemia - horizontal - fenômenos
c) obstáculo - madrepérola - atlético
d) enlouqueceu - rapidamente - árvore
e) vice-diretor - lavrador - matemática

5) São dissílabos paroxítonos os vocábulos:


a) livre - quase - caixa
b) horror - mangue - manhã
c) saguão - série - iguais
d) palha - fossa - oitão
e) ida - hostil - hoje
22 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
6) Dadas as palavras:
a) or-di-ná-rio
b) mi-no-ri-a
c) li-tur-gia
Constatamos que a separação silábica está correta em:
a) apenas na 1ª.
b) apenas na 2ª.
c) apenas na 3ª.
d) na 1ª e na 2ª.
e) na 2ª e na 3ª.

7) Está correta a separação silábica em todas as palavras, exceto na alternativa:


a) ab-ne-ga-ção
b) ra-te-io
c) brai-le
d) pseu-dô-ni-mo
e) se-mi-deus

8) A classificação das palavras quanto ao número de sílabas está incorreta na alternativa:


a) faringe (trissílaba)
b) dia (dissílaba)
c) manteiga (polissílaba)
d) bem (monossílaba)
e) parlamentar (polissílaba)

9) A sílaba subtônica está sublinhada incorretamente na alternativa:


a) otimamente
b) tunelzinho
c) mãozinhas
d) instantaneamente
e) papeizinhos

10) Os vocábulos fotossíntese, frasqueira, lacraia estão corretamente separados na alternativa:


a) fo-to-ssín-te-se, fras-quei-ra, la-crai-a
b) fo-tos-sín-te-se, fras-quei-ra, la-crai-a
c) fo-tos-sín-te-se, fras-que-i-ra, la-cra-ia
d) fo-to-ssín-te-se, fras-que-ira, la-cra-i-a
e) fo-tos-sín-te-se, fras-quei-ra, la-cra-ia

11) (ITA-SP) Dadas as palavras:

1. tung-stê-nio
2. bis-a-vô
3. du-e-lo

Constatamos que a separação de sílabas está correta:


a) apenas na palavra número 1.
b) apenas na palavra número 2.
c) apenas na palavra número 3.
d) em todas as palavras.
e) n.d.a.

12) (UFV-MG) As sílabas das palavras psicossocial e traído estão corretamente separadas em:
a) psi-cos-so-ci-al / tra-í-do
b) p-si-cos-so-cial / tra-í-do
c) psi-co-sso-ci-al / traí-do
d) p-si-co-sso-ci-al / tra-í-do
e) psi-co-sso-cial / traí-do
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 23
13) (UEPG-PR) Nesta relação, as sílabas tônicas estão sublinhadas. Uma delas, porém, está sublinhada
incorretamente. Assinale-a.
a) interim
b) pudico
c) rubrica
d) gratuito
e) inaudito

14) (PUC-SP) Indique a alternativa em que todas as palavras têm a mesma classificação no que diz respeito ao
número de sílabas:
a) enchiam, saíam, dormiu, noite
b) feita, primeiro, crescia, rasteiras
c) ruído, saudade, ainda, saúde
d) eram, roupa, sua, surgiam
e) dia, sentia, ouviam, loura

15) (PUC-SP) Identifique a alternativa em que pelo menos um elemento não se classifica quanto à tonicidade, como
os demais:
a) daí, ancião, ninguém, sofá, perceber
b) página, fotógrafo, lágrimas, pálida
c) avoenga, tetraneta, história, cavanhaque
d) luto, escuta, juramento, soalho, neve
e) por, da, que, um, fez

16) (UNIP) Têm a mesma classificação quanto ao acento tônico as palavras:


a) acaricia, próximo, insônia, mamão
b) fiquei, Bósforo, jiló, por
c) pescaria, burburinho, companhia
d) trôpego, panela, tamborete
e) janela, histérica, senão

17) (ACAFE-SC) Assinale a alternativa em que há erro na partição de sílabas:


a) en-trar, es-con-der, bis-a-vô, bis-ne-to
b) i-da-de, co-o-pe-rar, es-tô-ma-go, ré-gua
c) des-cen-der, car-ra-da, pos-so, a-tra-vés
d) des-to-ar, tran-sa-ma-zô-ni-ca, ra-pé, on-tem
e) pré-des-ti-nar, ex-tra, e-xer-cí-cio, dan-çar

18) (Ibero - SP) Assinale a alternativa em que as sílabas de todas as palavras aparecem corretamente separadas:
a) mia-va, a-blu-ção, pa-re-cesse
b) embar-ca-va, ter-ce-i-ro, as-sé-dio
c) ir-re-sis-tí-vel, per-mi-ti-a, do-en-tes
d) en-di-nhei-ra-do, con-fe-i-to, so-fri-a
e) ima-gi-ná-rios, cla-rea-va, pa-í-ses

19) (UF-SE)Os vocábulos gnomo, muito e consciente estão corretamente separados em:
a) g-no-mo, mui-to, con-sci-en-te
b) gno-mo, mu-i-to, cons-ci-en-te
c) gno-mo, mui-to, cons-ci-en-te
d) g-no-mo, mu-i-to, cons-ci-en-te
e) gno-mo, mui-to, con-sci-en-te

20) (Fafeod-MG) Indique a alternativa que apresenta as duas sequências que contêm divisão silábica incorreta:

A -pres-cin-dir , pneu-má-ti-co, nu-pci-al, sub-ju-gar


B -ac-ne, cir-cui-to, sub-scre-ver, ab-di-car
C -oc-ci-pi-tal, pa-ra-í-so, e-gíp-cio, gló-ria
D - subs-ta-be-le-cer, fu-giu, op-ção, doi-do
E -lam-bis-gói-a, in-sig-ni-fi-can-te, hip-no-se

a) A e B
b) A e C
c) B e D
d) B e C
e) A e E
24 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
RESPOSTAS

1-D 2-A 3-E 4-C 5-A

6-D 7-B 8-C 9-E 10-B

11-C 12-A 13-A 14-C 15-E

16-C 17-A 18-C 19-C 20-A

Ortofonia

Vício na fala

Pra dizerem milho dizem mio


Para melhor dizem mió
Para pior pió
Para telha dizem teia
Para telhado dizem teiado
E vão fazendo telhados
(Oswald de Andrade)

Observe que há algumas palavras que sofreram alterações fonéticas. Essas alterações decorrem da pronúncia que dependem de
fatores regionais e sociais.

A parte da fonologia que estuda a pronúncia correta das palavras chama-se ortofonia.

A ortofonia divide-se em duas partes: ortoépia e prosódia.

Ortoépia

Ortoépia ou ortoepia (do grego orthós, correto + hípos, fala) estuda a correta pronúncia dos fonemas, tomando como modelo
o padrão culto da língua.

Os erros mais frequentes dizem respeito a:

1. Vogais tônicas e e o

a) vogal tônica e: O timbre desta vogal é fechado (ê) nas palavras que seguem:

acervo cerebelo
ambidestro escaravelho
aparelhas espelha
aparelho (verbo e substantivo) espelho (verbo e substantivo)
apedreja festejo
badejo festejas
boceja omeleta ou omelete
caminhoneta vexa
cerda vexo (verbo)
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 25
Em quase todos os verbos com terminações -ejar: festejo, bocejo, almejo, etc., com exceção do verbo invejar cujo timbre é aberto.

O timbre de e é aberto (é) nas palavras que seguem:

acerbo grelha
cetro groselha
coeso ileso
coleta obeso
fecho (verbo) obsoleto

b) vogal tônica o: Tem o timbre fechado (ô) nas seguintes palavras:

alcova misantropo
algoz poça
bodas retorna
crosta retorno
controle torna
corso tomo (verbo e substantivo)
desporto torpe
filantropo virtuose

O timbre do o é aberto (ó) nas seguintes palavras:

coldre molho (feixe, conjunto)


colo probo
inodoro suor

Observação: Em muitas palavras, há divergência quanto ao timbre das vogais e e o. Nem sempre a pronúncia que a norma culta
determina é a mais adequada. Por exemplo, a palavra coeso; de acordo com a ortofonia, a vogal e deve ser
pronunciada com timbre aberto, porém, a maioria dos falantes pronuncia com timbre fechado.

2. Alteração e supressão de fonemas

a) na palavra:

Forma correta Forma incorreta


absoluto abissoluto
advogado adevogado
abóbora abobra
adivinhar advinhar
afear afeiar
afrouxa afróxa
aleija aléja
algoz (ô) algoz (ó)
almejo (ê) almejo (é)
apropriado apropiado
26 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
bebedouro bebedor
cabeleireiro cabelereiro
caramanchão carramanchão
cavoucar cavocar
colmeia (êi) colmeia (éi)
digladiar degladiar
doze (ô) douze
dignitário dignatário
designar desiguinar
empecilho impecilho
entretenimento entretimento
estoura estóra
etimologia etmologia
freada freiada
frustrado frustado
mendigo mendingo
mesmo memo
nascer (nacer) nascer (naiscer)
óbolo óbulo
optar opitar
paralelepípedo paralepípedo
pousa pósa
prazerosamente prazeirosamente
privilégio previlégio
problema poblema
próprio própio
prostrar prostar
psicologia pissicologia
raios x raio x
roubo róbo
salsicha salchicha
suar soar
superstição supertição
tóxico (ks) tóxico (chi)

b) na frase - O erro mais comum é a omissão do fonema que indica plural:

Exemplo: Os menino estuda.

3. Acréscimo ou troca de fonema

O acréscimo de fonema dá-se devido à variante regional.


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 27
Exemplos:
absurdo abissurdo
assim ansim
balde barde
bandeja bandeija
beneficência beneficiência
bueiro boeiro
cabeçaho cabeçário
digno díguino
má-criação malcriação
meritíssimo meretíssimo

4. Nasalização inadequada de vogais orais

Forma correta Forma incorreta


bugiganga buginganga
mortadela mortandela
sobrancelha sombrancelha

5. Plural metafônico

Algumas palavras no singular masculino apresentam timbre fechado (ô). No plural, o timbre passa a ser aberto (ó).

Singular (ô) Plural (ó)


aeroporto aeroportos
corpo corpos
fogo fogos
forno fornos
imposto impostos
jogo jogos
olho olhos
ovo ovos
poço poços
povo povos
tijolo tijolos

6. Leitura inadequada da letra s

Após o prefixo sub-, a letra s corresponde ao fonema [s].

Forma correta Forma incorreta


subsidiar (s) subsidiar (z)
subsídio (s) subsídio (z)
subsistir (s) subsistir (z)
28 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
7. Leitura inadequada do à

O a craseado é a fusão do artigo a com a preposição a. É incorreto desdobrar o à na leitura.

Forma correta Forma incorreta


Vou à escola. (a) Vou à escola. (aa)

Prosódia

Prosódia é a parte da fonética que estuda a acentuação tônica dos vocábulos. Cometer um erro de prosódia, por exemplo, é
transformar uma palavra oxítona (como sutil) em paroxítona (como sútil). Tais erros de prosódia são chamados silabadas.

Os principais erros prosódicos são estes:

1. Palavras oxítonas: aloés, condor, Gibraltar, harém, masseter, mister, Nobel, novel, novéis, obus, recém, refém, ruim, sutil,
ureter, etc.

2. Palavras paroxítonas: alcácer, âmbar, ambrosia, assecla, austero, avaro, aziago, batavo, boêmia, Bolívar, cânon, caracteres,
celtiberos, ciclope, cupido, circuito, clímax, cromossomo, decano, díspar, edito (decreto, lei), efebo, erudito, esquilo, estalito,
estratégia, exegese, filantropo, fortuito (úi), fluido (úi), gratuito (túi), ibero, látex, libido, luzidio, maquinaria, misantropo, néctar,
nenúfar, ônix, poliglota, primata, pudico, recorde, rubrica, sinonímia, têxtil, tulipa, etc.

3. Palavras proparoxítonas: aeródromo, aerólito, álacre, alcoólatra, álibi, alvíssaras, âmago, amálgama, antídoto, aríete, arquétipo,
azáfama, bígamo, cáfila, crisântemo, década, édito (ordem judicial), égide, elétrodo, êmbolo, espécime, êxodo, fac-símile,
fagócito, férula, hipódromo, hieróglifo, horóscopo, idólatra, ímprobo, íngreme, ínterim, leucócito, lêvedo, munícipe, notívago,
ômega, plêiade, pólipo, protótipo, quadrúmano, revérbero, trânsfuga, vândalo, vermífugo, zênite, etc.

Alguns vocábulos possuem dupla prosódia, todavia, não são usados frequentemente. Abaixo, a primeira forma é a que se im-põe
na língua atual:
acrobata acróbata
alopata alópata
homilia homília
Oceania Oceânia
ortoépia ortoepia
projétil projetil
réptil reptil
sóror soror
xérox xerox
zangão zângão

EXERCÍCIOS

1) Pronunciar mendingo em vez de mendigo é erro de:


a) ortografia
b) ortoépia
c) prosódia
d) timbre
e) supressão de fonema

2) Assinale a alternativa que possui timbre fechado em todas as palavras:


a) caminhoneta, cetro, coleta
b) fecho (verbo), cerebelo, cerda
c) apedreja, boceja, espelho
d) obeso, acerbo, omelete
e) obsoleto
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 29
3) Assinale a alternativa em que há uma palavra incorreta:
a) optar - privilégio - psicologia
b) freada - empecilho - dignitário
c) óbolo - raios x - próprio
d) frustrado - prazerosamente - salsicha
e) estoura - doze - degladiar

4) Assinale a alternativa que possui uma palavra paroxítona:


a) Nobel
b) ruim
c) avaro
d) ureter
e) condor

5) Assinale a alternativa incorreta quanto à classificação:


a) gratuita (paroxítona)
b) mister (paroxítona)
c) reféns (oxítona)
d) invólucro (proparoxítona)
e) obus (oxítona)

6) Assinale a alternativa que se colocada no plural não ocorrerá o plural metafônico.


a) bolo
b) jogo
c) tijolo
d) imposto
e) corpo

7) Assinale a alternativa em que ocorre dupla prosódia.


a) antídoto
b) protótipo
c) pegada
d) acrobata
e) ureter

8) Baseando-se na pronúncia correta, identifique o par que possui o mesmo timbre.


a) gosta - crosta
b) caminhoneta - correta
c) suor - amor
d) desporto - corto
e) poça - moça

9) Assinale a alternativa em que todas as palavras são oxítonas:


a) fluido - sutil - efebo
b) ruim - condor - ureter
c) ibero - aloés - avaro
d) alcácer - novel - exegese
e) harém - masseter - ciclope

10) Assinale a alternativa em que todas os vocábulos estão acentuadas corretamente:


a) misântropo - estratégia - circuíto
b) gratuíto - boemía - fluído
c) látex - ônix - têxtil
d) alcacér - púdico - austéro
e) crisantêmo - municípe - êxodo

11) (ITA-SP) Dadas as palavras:

1. taboada
2. abcissa
3. meretíssimo

Constatamos que está/estão devidamente grafada(s):


a) apenas a palavra número 1.
b) apenas a palavra número 2.
c) apenas a palavra número 3.
d) todas as palavras.
e) n.d.a.
30 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
12) (PUCC-SP) Assinale a(s) alternativa(s) em que todas as palavras são oxítonas:

A - sutil, ureter, Nobel, condor


B - ruim, refem, recem, item
C - hífens, polens, itens, item
D - novel, mister, Gibraltar, condor
E - sutil, ruim, mister, polens

a) AeC
b) BeC
c) AeD
d) DeE
e) CeE

13) (FCMCSC-SP) Os erros de prosódia são frequentes no uso da língua. Assinale a alternativa onde não ocorre nenhum erro:
a) Eis aí um prototipo de rúbrica de um homem vaidoso.
b) Para mim a humanidade está dividida em duas metades: a dos filântropos e a dos misântropos.
c) Os arquétipos de iberos são mais pudicos do que se pensa.
d) Nesse interim chegou o médico com a contagem dos leucocitos e o resultado da cultura de lêvedos.
e) Ávaro de informações, segui todas as pegadas do éfebo.

14) (UEMaringá-PR) Assinale a alternativa em que a sílaba tônica está sublinhada corretamente:
a) mister - decano - avaro - circuito
b) rubrica - aziago - ibero - mister
c) Nobel - látex - avaro - recém - nascido
d) rubrica - látex - ibero - filantropo
e) decano - êxodo - edito - ureter

RESPOSTAS

1-B 2-C 3-E 4-C 5-B

6-A 7-D 8-E 9-B 10-C

11-B 12-C 13-C 14-A


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 31

"Criado na orthographia de meus Paes, custava-me a ouvir taes blasphemias, mas não ousava refuta-o. Com tudo, um dia, proferi
algumas palavras de defesa, ao que elle respondeu que era um preconceito, e accrescentou que as ideias arithmeticas podiam ir ao
infinito, com a vantagem que eram mais fáceis de menear. Assim que, eu não era capaz de resolver de momento um problema
philosophico ou linguistico, ao passo que elle podia sommar, em tres minutos, quaesquer quantias."

ASSIS, Machado de. Dom Casmurro, 1899. cap. XCIV

Observe como algumas palavras possuem grafia diferente da atual. Isso porque o trecho acima foi extraído do romance Dom
Casmurro, de Machado de Assis, escrito em 1899 e de acordo com a ortografia da época. De lá para cá, houve muitas mudanças
ortográficas.

A palavra ortografia (do grego orthographia, escrita correta) é o sistema correto de representar, através das letras, os fonemas
e as formas da língua.

O Alfabeto Português

o bicho alfabeto
tem vinte e três patas
ou quase

por onde ele passa


nascem palavras
e frases

com frases
se fazem asas
palavras
o vento leve

o bicho alfabeto
passa
fica o que não se escreve.

LEMINSKI, Paulo. Melhores poemas de


Paulo Leminski. São Paulo, Global, 2001.

Ao conjunto de letras com as quais se escrevem as palavras e que representam os fonemas chamamos alfabeto. De acordo com
as novas regras de ortografia, nosso alfabeto tem 26 letras: a (á), b (bê), c (cê), d (dê), e (é), f (efê), g (gê), h (agá), i (i), j (jota),
k (ká), l (ele), m (eme), n (ene), o (o), p (pê), q (quê), r (erre), s (esse), t (tê), u (u), v (vê), w (dáblio), x (xis), y (ípsilon), z (zê).

Além dessas letras, empregamos o ç (cê cedilhado), que representa o fonema /s/ diante de a, o ou u em determinadas palavras.
Empregamos também, os seguintes dígrafos: rr (erre duplo), ss (esse duplo), ch (cê-agá), gu (guê-u), qu (quê-u).
32 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
O plural dessas letras pode ser feito de duas formas:

1. ás, bês, cês...

Exemplo: "A palavra cooperação escreve-se com ós".

2. aa, bb, cc...

Exemplo: "A palavra cooperação escreve-se com oo".

As vogais apresentam pronúncia aberta (é, ó) quando são citadas isoladamente.

Exemplo: sangue tipo O (ó)

Emprego das Letras K, W, Y

1. Na grafia de nomes próprios estrangeiros e seus derivados:

A hostilidade dos ingleses não impediu que estes escritores obtivessem enorme sucesso fora da Inglaterra. São eles: Lorde Byron,
Oscar Wilde, Conan Doyle (o criador do imortal detetive Sherlock Homes) e Rudyard Kipling. (Gentil de Faria, Folha de S. Paulo,
adaptado)

2. Nos derivados de nomes próprios estrangeiros escritos com essas letras, elas permanecem:

Byron (poeta inglês) - Byronismo


Kant (filósofo alemão) - kantiano
Shakespeare - shakespeariano
Disney - Disneylândia

3. Em abreviaturas e símbolos de uso internacional:

Amplificador tem potência inicial de 240 W. (Folha de S. Paulo)

No contexto acima, a letra W significa watt (no Sistema Internacional, unidade de medida de potência relacionada ao campo
da energia elétrica).

Alguns símbolos internacionais comuns:

K - potássio WC - sanitário
kg - quilograma yd - jarda
km - quilômetro Y - ítrio
Kr - criptônio y - uma das incógnitas em matemática
W - tungstênio

4. Na grafia de palavras estrangeiras ainda não aportuguesadas:

smoking show playground software


playboy feedback marketing know-how
hobby hardware kart royalty
Quando as palavras estrangeiras são aportuguesadas:

a) o k é substituído pelo c ou pelo qu:

folk-lore - folclore Basketball - Basquetebol


whisky - uísque

b) o w é substituído pelo v ou pelo u:

wermut - vermute sweater - suéter


whisky - uísque
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 33
c) o y é substituído pelo i:

yacht - iate yen - iene


volleyball - voleibol

Emprego da Letra H

Esta letra, em início ou fim de palavras, não tem valor fonético; conservou-se apenas como símbolo, por força da etimologia e
da tradição escrita. Grafa-se, por exemplo, hoje, porque esta palavra vem do latim hodie.

Emprega-se o H:
1. Inicial, quando etimológico:

Hábito, haver, haurir, haxixe, hélice, herói, hérnia, hesitar, hidrogênio, hilaridade, homem, homologar, Horácio, horizonte,
hortênsia, hulha, etc.

2. Medial, como integrante dos dígrafos ch, lh, nh:

Chave, boliche, broche, cachimbo, capucho, fachada, flecha, machucar, calha, malha, ilha, molho, ramalhete, telha, companhia,
ninho, campanha, nenhuma, etc.

3. Final e inicial, em certas interjeições:

Ah!, ih!, eh!, oh!, hem?, hum!, etc.

4. Em compostos unidos por hífen, no início do segundo elemento, se etimológico:

Sobre-humano, anti-higiênico, pré-histórico, super-homem, mal-humorado, etc.

5. No substantivo próprio Bahia (estado do Brasil), por secular tradição.

Observação: Sem h, porém, os derivados baiano, baianinha, baião, baianada, baianismo, baianidade, laranja-da-baía.

6. Não se usa H:

• No início ou no fim de certos vocábulos, no passado, escritos com essa letra, embora sem fundamento etimológico. Exemplos:
ontem, úmido, ume, iate, ombro, rajá, Jeová, Iná, etc.

• No início de alguns vocábulos em que o h, embora etimológico, foi eliminado por se tratar de palavras que entraram na língua
por via popular, como é o caso de erva, inverno e Espanha, respectivamente do latim herba, hibernus e Hispania.

• Em palavras derivadas e em compostos sem hífen: Reaver (re + haver), reabilitar, inábil, desonesto, desonra, desumano, exaurir,
lobisomem, turboélice, etc.

Emprego das Letras E, I, OeU

Na língua falada, a distinção entre as vogais átonas /e/ e /i/, /o/ e /u/ nem sempre é nítida. É principalmente desse fato que
nascem as dúvidas quando se escrevem palavras como quase, intitular, mágoa, bulir, etc., em que ocorrem aquelas vogais.

Escrevem-se com a letra E:

1. A sílaba final de formas dos verbos terminados em -uar: continue, continues, habitue, habitues, pontue, pontues, etc.

2. A sílaba final de formas de verbos terminados em -oar: abençoe, abençoes, magoe, magoes, perdoe, perdoes, etc.

3. As palavras terminadas com o prefixo ante- (antes, anterior): antebraço, antecipar, antedatar, antediluviano, antevéspera, etc.
34 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
4. Os seguintes vocábulos:

arrepiar creolina empecilho


cadeado cumeeira encarnar
candeeiro desperdiçar encarnação
cemitério desperdício indígena
Cireneu destilar irrequieto
confete disenteria lacrimogêneo
mexerico mimeógrafo orquídea
peru quase quepe
senão sequer seriema
seringa umedecer Zeferino

Emprega-se a letra I:

5. Na sílaba final de formas dos verbos terminados em -uir: diminui, diminuis, influi, influis, possui, possuis, etc.

6. Em palavras formadas com o prefixo anti- (contra): antiaéreo, Anticristo, antitetânico, antiestético, etc.

7. Nos seguintes vocábulos:

aborígine crânio erisipela


incinerar privilégio açoriano
criar escárnio inigualável
requisito artifício criador
feminino intoxicar Sicília (ilha)
artimanha criação Filipe
invólucro silvícola camoniano
crioulo frontispício lampião
siri Casimiro digladiar
Ifigênia pátio terebintina
chefiar displicência inclinar
penicilina Tibiriçá cimento
displicente inclinação pontiagudo
Virgílio

Grafam-se com a letra O:


abolir chover mágoa
nódoa banto cobiça
magoar óbolo boate
cobiçar mocambo ocorrência
bolacha concorrência moela
rebotalho boletim costume
moleque Romênia botequim
engolir mosquito romeno
bússola goela névoa
tribo

Grafam-se com a letra U:


bulício chuvisco íngua
rebuliço buliçoso cumbuca
jabuti tábua bulir
cúpula jabuticaba tabuada
burburinho curtume lóbulo
tonitruante camundongo cutucar
Manuel trégua chuviscar
entupir mutuca urtiga
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 35
Ditongos e hiatos

8. A semivogal dos ditongos decrescentes orais representa-se com as letras i e u: cai, sobressai, dói, herói(s), chapéu(s), Montevidéu,
Eliseu, atribui, constitui, possui, possuis, retribuis, conclui, inclui, etc.

Exceções: ao, aos, Caetano, Caetanópolis, Baependi.

9. Escreve-se e pronuncia-se ou e não o aberto nos verbos afrouxar, cavoucar, estourar, pousar (descer), repousar, roubar e suas
flexões: afrouxo, cavouca, estoura, pousa, pousas, pousam, roubo, rouba, roubam, etc.

10. Em alguns vocábulos, o ditongo ou alterna com oi: balouçar e baloiçar - dourar e doirar - louro e loiro - mourão e moirão - touça
e toiça - toucinho e toicinho, etc.

11. Os verbos terminados em -oar, no presente do subjuntivo e no imperativo, escrevem-se com -oe e não com -oi: abençoe, abençoes,
perdoe, perdoes, amaldiçoe, caçoe, caçoes, abotoe, etc.
12. No presente do subjuntivo e no imperativo, conforme dissemos, os verbos terminados em -uar grafam-se com -eu e não com -ui:
cultue, cultues, continue, continues, flutue, preceitue, sue, etc.

Emprego das Letras G e J

Para representar o fonema / j / existem duas letras: g e j. Grafa-se este ou aquele signo não de modo arbitrário, mas de acordo
com a origem da palavra. Exemplos: gesso (do grego gypsos) - jeito (do latim jactu) - jipe (do inglês jeep)

Escrevem-se com G:

1. Os substantivos terminados em -agem, -igem, - ugem: garagem, massagem, viagem, origem, vertigem, ferrugem, lanugem

Exceção: pajem.

2. As palavras terminadas em -ágio, -égio, -ígio,-ógio, -úgio: contágio, estágio, egrégio, prodígio, relógio, refúgio

3. Palavras derivadas de outras que se grafam com g: massagista (de massagem) - vertiginoso (de vertigem) - ferruginoso (de
ferrugem) - engessar (de gesso) - faringite (de faringe) - selvageria (de selvagem), etc.

4. Os seguintes vocábulos: algema, angico, apogeu, auge, estrangeiro, gengiva, gesto, gibi, gilete, ginete, gíria, giz, hegemonia,
herege, megera, monge, rabugento, rabugice, sugestão, tangerina, tigela

Escrevem-se com J:

5. Palavras derivadas de outras terminadas em -ja:

laranja: laranjeira, laranjinha


loja: lojinha, lojeca, lojista
granja: granjeiro, granjense, granjear (e suas flexões)
gorja (garganta): gorjeta, gorjeio, gorjear (e flexões)
lisonja: lisonjeiro, lisonjeador, lisonjear (e flexões)
sarja: sarjeta, sarjar (e flexões)
cereja: cerejeira

6. Todas as formas de conjugação dos verbos terminados em -jar ou -jear:

arranjar: arranje, arranjemos, arranjem, arranjei, etc.


viajar: viajei, viajemos, viajem (viagem é substantivo)
despejar: despejei, despeje, despejem, despejemos, etc.
gorjear: gorjeia, gorjeiam, gorjeavam, gorjeie, gorjeando, etc.
36 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
7. Vocábulos cognatos ou derivados de outros que têm j:

laje: lajedo, Lajes, lajiano, lajense


nojo: nojeira, nojento
jeito: jeitoso, ajeitar, desajeitado, enjeitar, conjetura, conjeturar, dejetar, dejeção, dejeto(s), ejetar, ejeção, ejetor, injetar, injeção,
interjeição, objetar, objeção, objeto, objetivo, projetar, projeção, projeto, projétil, rejeitar, rejeição, sujeitar, sujeição, sujeito,
subjetivo, trajeto, trajetória, trejeitar, trejeito

8. Palavras de origem ameríndia (principalmente tupi-guarani) ou africana: Canjerê, canjica, jenipapo, jequitibá, jerimum, jia, jiboia,
jiló, jirau, Moji, mojiano, pajé, pajeú, tijipió, etc.

9. As seguintes palavras: Alfanje, alforje, berinjela, cafajeste, cerejeira, intrujice, jeca, jegue, Jeremias, jerico, Jerônimo, jérsei,
jiu-jítsu, majestade, majestoso, manjedoura, manjericão, ojeriza, pegajento, rijeza, sabujice, sujeira, traje, ultraje, varejista

Representação do Fonema / s/

O fonema / s /, conforme o caso, representa-se por:

1. C, Ç: acetinado, açafrão, almaço, anoitecer, censura, cimento, dança, dançar, contorção, exceção, endereço, Iguaçu, maçarico,
maçaroca, maço, maciço, miçanga, muçulmano, muçurana, paçoca, pança, pinça, Suíça, suíço, vicissitude, etc.

2. S: ânsia, ansiar, ansioso, ansiedade, cansar, descansar, descanso, diversão, excursão, farsa, ganso, hortênsia, pretensão,
pretensioso, propensão, remorso, sebo, tenso, utensílio, etc.

3. SS: acesso, acessório, acessível, assar, asseio, assinar, carrossel, cassino, concessão, discussão, escassez, escasso, essencial,
expressão, fracasso, impressão, massa, massagista, missão, necessário, obsessão, opressão, pêssego, procissão, profissão,
profissional, ressurreição, sessenta, sossegar, sossego, submissão, sucessivo, etc.

4. SC, SÇ: acréscimo, adolescente, ascensão, consciência, consciente, crescer, cresço, cresça, descer, desço, desça, disciplina,
discípulo, discernir, fascinar, fascinante, florescer, imprescindível, néscio, oscilar, piscina, ressuscitar, seiscentos, suscetível,
suscetibilidade, suscitar, víscera, etc.

5. X: aproximar, auxiliar, auxílio, máximo, próximo, proximidade, trouxe, trouxer, trouxeram, etc.

6. XC: exceção, excedente, exceder, excelência, excelente, excelso, excêntrico, excepcional, excesso, excessivo, exceto, excitar, etc.

Emprego de S com valor de Z

Escrevem-se com S, mas com som de Z:

1. Adjetivos com os sufixos -oso, -osa: gostoso, gostosa - gracioso, graciosa - teimoso, teimosa, etc.

2. Adjetivos pátrios com os sufixos -ês, -esa: português, portuguesa - inglês, inglesa - milanês, milanesa, etc.

3. Substantivos e adjetivos terminados em -ês, feminino -esa: burguês, burguesa, burgueses - camponês, camponesa, camponeses
- freguês, freguesa, fregueses - marquês, marquesa, marqueses, etc.

4. Substantivos com os sufixos gregos -esse, -isa, -ose: catequese, diocese, diurese - pitonisa, poetisa, sacerdotisa - glicose,
metamorfose, virose, etc.

5. Verbos derivados de palavras cujo radical termina em -s: analisar (de análise) - apresar (de presa) - atrasar (de atrás) - abrasar
(de brasa) - extasiar (de êxtase) - enviesar (de viés) - afrancesar (de francês) - extravasar (de vaso) - alisar (de liso), etc.

6. Formas dos verbos pôr e querer e de seus derivados:

pus, pôs, pusemos, puseram, puser, compôs, compusesse, impuser, etc.

quis, quisemos, quiseram, quiser, quisera, quiséssemos, etc.


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 37
7. Os seguintes nomes próprios de pessoas: Avis, Baltasar, Brás, Eliseu, Garcês, Heloísa, Inês, Isabel, Isaura, Luís, Luísa, Queirós,
Resende, Sousa, Teresa, Teresinha, Tomás, Valdês

8. Os seguintes vocábulos e seus cognatos:

aliás descortesia hesitar


raposa análise despesa
manganês represa anis
empresa mês requisito
arnês esplêndido mesada
rês, reses ás, ases esplendor
obséquio retrós atrás
espontâneo obus revés, reveses
através evasiva paisagem
surpresa avisar fase
país tesoura aviso
frase paraíso tesouro
besouro freguesia pêsames
três colisão fusível
pesquisa usina convés
gás presa vasilha
cortês Goiás presépio
vaselina cortesia groselha
presídio vigésimo defesa
heresia querosene visita

Emprego da Letra Z

Grafam-se com Z:

1. Os derivados em -zal, -zeiro, -zinho, -zito, -zita: cafezal, cafezeiro, cafezinho, avezinha, cãozito, avezita, etc.

2. Os derivados de palavras cujo radical termina em -z: cruzeiro (de cruz), enraizar (de raiz), esvaziar, vazar, vazão (de vazio),
etc.

3. Os verbos formados com o sufixo -izar e palavras cognatas: fertilizar, fertilizante, civilizar, civilização, etc.

4. Substantivos abstratos em -eza, derivados de adjetivos e denotando qualidade física ou moral: pobreza (de pobre), limpeza (de
limpo), frieza (de frio), etc.

5. As seguintes palavras: azar, azeite, azáfama, azedo, amizade, aprazível, baliza, buzina, buzinar, bazar, chafariz, cicatriz, ojeriza,
prezar, prezado, proeza, vazar, vazamento, vazão, vazante, vaza-barris, vizinho, xadrez

S ou Z ?

I. Sufixos -ÊS e -EZ

1. O sufixo -ês (latim -ense) forma adjetivos (às vezes substantivos) derivados de substantivos concretos:

montês (de monte) montanhês (de montanha)


cortês (de corte) francês (de França)
burguês (de burgo) chinês (de China)

2. O sufixo -ez forma substantivos abstratos femininos derivados de adjetivos:

aridez (se árido) cupidez (de cúpido)


avidez (de ávido) acidez (de ácido)
estupidez (de estúpido) palidez (de pálido)
rapidez (de rápido) mudez (de mudo)
lucidez (de lúcido)
38 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
II. Sufixos -ESA e -EZA

Usa-se -esa:

1. Nos seguintes substantivos cognatos de verbos terminados em -ender: defesa (defender) - presa (prender) - despesa (depender)
- represa (prender) - empresa (empreender) - surpresa (surpreender)

2. Nos substantivos femininos designativos de títulos nobiliárquicos: baronesa, dogesa, duquesa, marquesa, princesa, consulesa,
prioresa

3. Nas formas femininas dos adjetivos terminados em -ês: burguesa (de burguês) - francesa ( de francês) - camponesa (de
camponês) - milanesa (de milanês) - holandesa (de holandês), etc.

4. Nas seguintes palavras femininas: framboesa, indefesa, lesa, mesa, sobremesa, obesa, Teresa, tesa, toesa e turquesa

Usa-se -eza:

5. Nos substantivos femininos abstratos derivados de adjetivos e denotando qualidades, estado, condição: beleza (de belo) -
franqueza (de franco) - pobreza (de pobre) - leveza (de leve)

III. Verbos terminados em -ISAR e -IZAR

Escreve-se -isar quando o radical dos nomes correspondentes terminar em -s. Se o radical não terminar em -s, grafa-se -izar:

avisar (aviso + ar) anarquizar (anarquia+ izar)


análise (análise + ar) civilizar (civil + izar)
alisar ( a + liso + ar) canalizar (canal + izar)
bisar (bis + ar) amenizar (ameno + izar)
catalisar (catálise + ar) colonizar (colono + izar)
improvisar (improviso + ar) vulgarizar (vulgar + izar)
paralisar (paralisia + ar) motorizar (motor + izar)
pesquisar (pesquisa + ar) escravizar (escravo + izar)
pisar, repisar (piso + ar) cicatrizar (cicatriz + ar)
frisar (friso + ar) deslizar (deslize + ar)
grisar (gris + ar) matizar (matiz + ar)

Emprego da Letra X

1. Esta letra representa os seguintes fonemas:

/ch/ xarope, enxofre, vexame, etc.


/ks/ sexo, léxico, tóxico, etc.
/z/ exame, exílio, êxodo, etc.
/ss/ auxílio, máximo, próximo, etc.
/s/ sexto, texto, expectativa, extensão, etc.

2. Não soa nos grupos internos -xce- e -xci-: exceção, exceder, excelente, excelso, excêntrico, excessivo, excitar, inexcedível, etc.

3. Grafam-se com x e não com s: expectativa, experiente, expiar (remir, pagar), expirar (morrer), expoente, êxtase, extasiado,
extrair, fênix, têxtil, texto, etc.

4. Escreve-se x e não ch:

- em geral, depois de ditongo: caixa, baixo, faixa, feixe, frouxo, ameixa, rouxinol, seixo, etc.

- excetuam-se caucho e os derivados de cauchal, recauchutar e recauchutagem.

5. Geralmente, depois da sílaba inicial en-: enxada, enxame, enxamear, enxaguar, enxaqueca, enxárcia, enxerga, enxergar, enxerido,
enxerto, enxertar, enxó, enxofre, enxotar, enxoval, enxovalhar, enxovia, enxugar, enxúndia, enxurrada, enxuto, etc.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 39
Excepcionalmente, grafam-se com ch: encharcar (de charco), encher e seus derivados (enchente, enchimento, preencher, etc.),
enchova, enchumaçar (de chumaço), enfim, toda vez que se trata do prefixo en- + palavra iniciada por ch.

6. Em vocábulos de origem indígena ou africana: abacaxi, xavante, caxambu (dança negra), caxinguelê, mixira, orixá, xará, maxixe,
etc.

7. Nas seguintes palavras: anexim, bexiga, bruxa, coaxar, faxina, graxa, lagartixa, lixa, lixo, mexer, mexerico, puxar, rixa, Oxalá,
praxe, vexame, xadrez, xarope, xaxim, xícara, xale, xingar, xampu

Emprego do dígrafo CH

Escrevem-se com ch, entre outros, os seguintes vocábulos: bucha, charque, charrua, chávena, chimarrão, chuchu, cochilo, cochilar,
fachada, ficha, flecha, mecha, mochila, pechincha, tocha

Consoantes Dobradas

Nas palavras portuguesas só se duplicam as consoantes c, r, s.

1. Escreve-se cc ou cç quando as duas consoantes soam distintamente: convicção, occipital, cocção, fricção, friccionar, facção, sucção,
etc.

2. Duplicam-se o r e o s em dois casos:

a) Quando, intervocálicos, representam os fonemas /r/ forte e /s/ sibilante, respectivamente: carro, ferro, pêssego, missão, etc.

b) Quando a um elemento de composição terminado em vogal seguir sem interposição do hífen, palavra começada por r ou s:
arroxeado, correlação, pressupor, bissemanal, girassol, minissaia, etc.

Emprego das terminações -iano e -iense

Conforme o Acordo Ortográfico, algumas terminações -EANO e -ENSE mudam para -IANO e -IENSE: acriano (do Acre), torriense
(de Torres).

Se a palavra original for oxítona e terminar em e tônico, prevalecerão as terminações -EANO e -EENSE: guineense (de
Guiné-Bissau).

O uso dos PORQUÊS

1. Por que - emprega-se:

a) no início ou no meio da frase, interrogação direta ou indireta:

Por que você não foi à aula? (interrogação direta)

Não entendo por que você não foi à aula. (interrogação indireta)
b) como pronome relativo preposicionado (pode ser substituído por pelo qual, pela qual, pelos quais, pelas quais):

Esta é a razão por que (pela qual) não vim.


Este é o caminho por que (pelo qual) passa todos os dias.

2. Por quê - emprega-se:

- ao final da frase: Você não compareceu por quê?


Não sei por quê!
40 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
3. Porque - trata-se de uma conjunção (coordenativa explicativa ou causal; pode ser substituída por pois, já que, visto que, como).
Emprega-se:

- nas respostas:

Tirou boa nota porque estudou bastante.


Sei que há algo errado porque ninguém me telefonou.

4. Porquê - emprega-se como substantivo e, nesse caso, vem precedido de artigo ou de outro determinante:

Não entendo o porquê dessa confusão.


Nem o professor sabe o porquê de tantas notas baixas.

O uso de ONDE e AONDE

• Onde - Exprime estabilidade, permanência, lugar em que:

Onde você está?


Não sei onde encontrá-lo.

• Aonde - Exprime movimento; equivale sempre a para onde:

Aonde você vai?


Não sei aonde você quer chegar...

O uso de MAIS e MAS

• Mais - É advérbio de intensidade; pode dar também ideia de adição. É o contrário de menos.

Ela é a garota mais inteligente da sala.


Quero mais sorvete.

• Mas - É conjunção adversativa, indica uma contrariedade. Pode ser substituída por outra conjunção adversativa como porém,
todavia, contudo, entretanto, etc.

Ele leu, mas não entendeu.


Eu sabia de tudo, mas não podia falar.

O uso de MAL e MAU

• Mal - pode ser:

a) advérbio de modo (antônimo de bem)

Ele dormiu mal.


Ela se comportou mal.

b) conjunção temporal (equivale a assim que)

Mal começou a andar, caiu.


Mal chegou em casa, o telefone tocou.

c) substantivo (quando precedido de artigo ou de outro determinante)

Um mal terrível abateu em sua casa.


O mal não compensa.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 41
• Mau - É sempre adjetivo (antônimo de bom), refere-se a um substantivo.

Ele era um mau aluno.


Teve um mau pressentimento.

O uso de A e HÁ

• A - É usado para indicar tempo futuro:

De hoje a uma semana viajarei para Londres.


Ele voltará daqui a três semanas.

• HÁ - O verbo haver indica tempo já transcorrido:

Não o vejo há anos.


Há dois anos ela não aparece.

O uso de SENÃO e SE NÃO

• Senão - Equivale a caso contrário:

Venha logo senão vai chegar atrasado.


Faça o depósito até amanhã, senão o pedido será cancelado.

• Se não - Equivale a se por acaso não; é conjunção condicional se seguida do advérbio de negação não.

O que acontecerá se não chover?


A viagem será no fim de semana se não houver nenhum imprevisto.

O uso de DEMAIS e DE MAIS

• Demais - pode ser:

a) advérbio de intensidade, com sentido de muito; aparece intensificando verbos, adjetivos ou advérbios.

Estou bem demais!


Ela está triste demais.

b) pronome indefinido; equivale a os outros, os restantes.

Parti deixando os demais resolvendo a questão.

Os demais membros do júri negaram-se a comparecer.

• De mais - Opõe-se a menos, refere-se a um substantivo ou a um pronome.

Não vejo nada de mais em viajar sozinha.

A reunião foi suspensa porque apareceram convidados de mais.

O uso de ACERCA DE e HÁ CERCA DE

• A cerca de - Significa sobre, a respeito de:


42 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Falarei com ele acerca dos problemas da escola.
Precisamos conversar acerca dos nossos filhos.

• Há cerca de - Indica um período aproximado de tempo já transcorrido.

Há cerca de dois anos que ele não viaja.


Ele chegou em Portugal há cerca de um ano e meio.

Emprego dos NOMES PRÓPRIOS

1. Os nomes próprios, portugueses ou aportuguesados, estão sujeitos às mesmas regras estabelecidas para os nomes comuns.

Cleusa (s depois do ditongo)


Juçara (ç em nomes de origem tupi)
Moji (j em nomes de origem tupi)
Joões (plural de João)

2. Para resguardar direitos individuais, pode ser usado o nome que aparece no registro civil.

Rachel - Raquel Luiz - Luís


Erika - Érica Michael - Maicon

Emprego das INICIAIS MAIÚSCULAS e MINÚSCULAS

• MAIÚSCULAS

a) Regras gerais - A inicial maiúscula emprega-se, geralmente, nos seguintes casos:

- Em palavra inicial de parágrafo, período, verso, ou citação:

Parágrafo

Vestir uma camiseta ou calçar um par de meias com estampas tiradas de um quadro não é nenhuma extravagância. Mas o
que faria uma pessoa comprar um aparelho de jantar com pratos que reproduzem personagens de Os retirantes? Talvez a
crença de estar levando um Portinari para casa. (Veja)

Verso (não obrigatoriamente)

De repente do riso fez-se o pranto


Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.
(Vinícius de Moraes)

Período

Como fazem as abelhas, pássaros e borboletas durante o dia, os morcegos transportam sementes e pólen à noite, ajudando
assim a perpetuar espécies vegetais. (Globo Ciência)

Citação

Escreveu Machado de Assis: "Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado da nossa miséria".

- Em nomes próprios: Melissa, Samantha, Edson.

- Em tratamento mais formal ou respeitoso:

Lembra-te Deus que és pó para humilhar-te. (G. de Matos)


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 43
Não digo melhor porque o Santo padre vale sempre mais que tudo. (M. de Assis)

- Em abreviaturas e siglas:

Uma pesquisa da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), de São Paulo, mostra que 39,5% das batidas que acontecem
na capital envolvem adolescentes. (Quatro Rodas)

b) Casos particulares - Emprega-se a inicial maiúscula para:

- Nomes de pessoas, incluindo os apelidos:

André Luís Guimarães Fonseca, o Rato - apelido que ganhou por causa de seu 1,81 m (um baixinho para o basquete), mas
principalmente pela agilidade que exibe na armação -, não esconde que vive um dos melhores momentos de sua carreira. (O
Estado de S. Paulo)

- Nomes sagrados, religiosos, mitológicos ou referentes à astronomia:

O Corpus Christi relembra a instituição da Eucaristia, ocorrida durante a primeira missa celebrada por Jesus Cristo na Última
Ceia (...). (O Estado de S. Paulo)

Na mitologia grega, Hércules simboliza a força.

Incluem-se nesta regra: Padre Eterno, Maria Santíssima, Júpiter, Mercúrio, Alá, Minerva, etc.

- Nomes de dinastias, castas, clãs e tribos:

O reinado de D. Fernando, o último rei da Dinastia de Borgonha, foi bem representativo da crise do século XIV.

- Nomes de vilas, cidades, estados, países, regiões geográficas, mares, etc.:

As seleções de São Paulo e Paraná jogam amistoso hoje à tarde.

O Negro e o Solimões encontram-se para formar o Amazonas.

- Títulos de livros, jornais ou de qualquer criação do intelecto humano:

Sua biblioteca constava de três volumes: Os Sertões, de Euclides da Cunha; Martín Fierro, de José Hernandez, e Antonio
Chimango, de Amaro Juvenal. (E. Veríssimo)

- Nomes de épocas históricas, datas significativas, movimentos filosóficos, políticos, etc.:

O Brasil não teve Renascimento. (A. Coutinho)

Meu estado comemorou o 1º centenário da Guerra dos Farrapos. (E. Veríssimo)

Podem ser incluídos nesta regra: Descobrimento do Brasil, Dia das Mães, Idade Média, Questão Religiosa, Socialismo,
Cristianismo, Dia do Trabalho, etc.

- Nomes de altos conceitos religiosos, sociológicos e políticos:

O Senado Federal compõem-se de representantes dos Estados e do Distrito Federal eleitos pelo voto direto e secreto...

Outros nomes que podem ser incluídos nesta regra: a República, a Igreja, a Nação, a Democracia, a Marinha, a Aeronáutica,
o Parlamento, a Câmara, etc.

- Nomes de artes, ciências, disciplinas e escolas (literárias, artísticas, arquitetônicas, etc.):

A Matemática é o pensamento sem dor. (M. Quintana)

Outros nomes: Arquitetura, Geografia, Letras, Música, Pintura, História do Brasil, etc.

- Nomes de altos cargos:


44 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Onde se hospeda o Imperador? (J. C. de Melo Neto)

Outros cargos: Papa, Cardeal, Arcebispo, Presidente, Governador, Secretário, General, etc.

- Leis, decretos ou qualquer ato oficial:

A Lei de Transplantes foi sancionada no dia 4 de fevereiro de 1997.

- Festas religiosas:

Roberto Carlos fará este ano mais um álbum com canções de Natal.

Outras festas: Páscoa, Quaresma, Sexta-Feira Santa, Ascensão, etc.

- Nomes de pontos cardeais quando designam regiões:

Sem-terra planejam "sacudir o Nordeste".

- Nomes de partidos políticos, associações e similares:

Na 1ª Grande Guerra, foi soldado da Legião Estrangeira e teve seu braço direito projetado nos céus.

Outros nomes podem ser incluídos nesta regra: Comissão Internacional dos Direitos Humanos, Partido Republicano, Partido
dos Trabalhadores, Partido Socialista, Partido Democrático, etc.

- Nome de instituições públicas e particulares:

O Instituto Nacional de Meteorologia prevê geadas para o mês de julho.

Outros nomes: Academia Brasileira de Letras, Ministério da Educação e Cultura, Organização das Nações Unidas, Instituto
Histórico e Geográfico Brasileiro, etc.

- Expressões de tratamento e fórmulas respeitosas:

Sua Santidade o Papa fará uma visita ao Brasil.

- Nomes comuns quando personificados ou individuados:

Porque Amor nunca cumpre o que promete. (Camões)

• MINÚSCULAS

Deve-se empregar a inicial minúscula nos casos que seguem:

- Nome de meses, estações de ano e dias da semana:

Uma das mais terríveis noites de minha vida foi a de dois de dezembro daquele ano de 1922. (É. Veríssimo)

- Monossílabos átonos no interior dos vocábulos e das locuções, como no título dessas obras:

Venha ver o Pôr-do-Sol


O Coronel e o Lobisomem

- Nome dos povos:

(...) hoje Guga enfrenta o francês Fabrice Santoro.

- Nomes de fenômenos meteorológicos regionais:

De repente, uma variante trágica. Aproxima-se a seca. (E. Cunha)


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 45
- Nomes próprios tornados comuns:

Durante essas ruas paris


de Barcelona, tão avenida,
entre uma gente meio londres
urbanizada em mansas filas... (J. C. Melo Neto)

- Nomes de festas populares e pagãs:

No próximo carnaval, irei desfilar na Unidos do Tatuapé.

- Substantivos próprios que passaram a fazer parte de substantivos compostos, comuns:

O apreço não tem preço


Eu vivo aos deus-dará. (A. Blanc)

Outros exemplos: ave-maria, joão-ninguém, castanha-do-pará, laranja-da-baía, lágrima-de-santa-maria, maria-mole, pau-brasil,


chá-da-índia, etc.

- Depois de dois-pontos, se eles não estiverem imediatamente antes de citação direta ou de nome próprio:

E amor é isto: se está triste, amo a sua tristeza; se está alegre, amo a sua alegria. (M. Rebelo)

- Depois de pontos de interrogação e exclamação, quando têm valor de vírgula ou travessão:

— Não acha? ninguém deve meter-se com a nossa vida. (M. de Assis)
— Ê, seu Manoel! esta cadeira é minha - protestava Ardogênio. (Marques Rebelo)

Abreviaturas, Siglas e Símbolos

• Abreviatura

Abreviatura é a representação escrita abreviada de uma palavra ou expressão. A abreviatura consiste em:

- limitar-se à letra inicial da palavra: S. (substantivo), V. (verbo).

- utilizar as letras iniciais da palavra: loc. adv. (locução adverbial), ed. (edição).

- utilizar a letra inicial e a final da palavra: Sr. (senhor), Dr. (doutor).

Regras

a) Geralmente as abreviaturas terminam em consoante, seguidas de ponto: m. (masculino), av. (avenida).

b) Algumas abreviaturas podem aparecer com vogal final: ago (agosto).


c) Símbolos científicos escrevem-se sem o ponto: Ag (prata), Hg (mercúrio).

d) Há abreviaturas que possuem variações: Antes de Cristo: a.C. ou A.C.; grau: g ou gr.; página: p. ou pág.

e) Mantêm-se os acentos nas abreviaturas: gên. (gênero), séc. (século).

f) Acrescenta-se s ou dobra-se a letra se a abreviatura for constituída de letra maiúscula no plural: autor: A., autores: As. Ou AA.

g) Em textos literários ou jornalísticos, evitam-se as abreviaturas de medidas: Andou 5 quilômetros sem parar.

h) Os nomes geográficos devem ser escritos por extenso: São Paulo (e não S. Paulo).
46 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Algumas abreviaturas de uso frequente

A. - autor; AA. - autores geol. - geologia

abr. - abril Gov. - governo

a.C. - ou A.C. - antes de Cristo gram. - gramática

adj. - adjetivo h - hora

Aeron. - aeronáutica hab. - habitante (s)

ago - agosto hist. - história

a.m. - ante meridium (antes do ib. ou ibid. - "ibidem" (no mesmo lu-
meio-dia) gar)

anat. - anatomia id. - idem

ap. ou apart. - apartamento i.é - isto é

art. - artigo Ilma(s) - Ilustríssima

ass. - assinado Ilmo(s) - Ilustríssimo

Av. - avenida Ir. -Irmão, Irmã (em religião)

bibl. - biblioteca jan. - janeiro

biol. - biologia Jr. - Júnior

bot. - botânica jul. - julho

c/ - com, conta (comercialmente) jun. - junho

cal. caloria km/h - quilômetro(s) por hora

cap. - capital l. - litro(s)

cap. - capitão L. - Largo

c/c - conta corrente lab. - laboratório

c.el - coronel ling. - linguística

cent - centavo lit. - literatura

cf., cfr. - confira ou confronte loc. - locução

Cia - companhia Ltda - limitada

créd. - crédito m - metro

ciênc. - ciência m ou min - minuto(s)

clín. - clínica m² - metro(s) quadrado(s)

com. ou comérc. - comércio Ma - Madre

cor. - correio maio - maio (não se abrevia)

c.v. - cavalo-vapor Mme - Madame

cx. - Cx. Caixa(s) (comercialmente) mar. - março

d/ - dia(s) (comercialmente) mat. - matemática

D. - dom, dona, digno mec. - mecânica

d.C. ou D.C. - depois de Cristo mit. - mitologia

DD. - digníssimo Mons. - Monsenhor

déb. - débito Mr. - "Mister" (Senhor)

dep. - departamento Mrs. - "Mistresse" (Senhora)

dez. - dezembro mús. - música

doc., docs. - documento, documentos N - Nitrogênio

Dr., Drs. - Doutor, Doutores N. - Norte

Dra., Dras ou Dras. - Doutora, Douto- no - número


ras

dz. - dúzia nac. - nacional

E. - Leste N.E. - Nordeste

E.C. - Era Cristã N.O. - Noroeste

econ. - economia nov. - novembro


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 47

ed. - edição O. - Oeste

E.D. - Espera Deferimento obs. ou Obs. - observação

educ. - educação out. - outubro

e.g. - "exempli gratia" (por exemplo) p. ou pág. - página

eletr. - eletricidade pp. ou págs. - páginas

Ema(s) - Eminência P. - Praça

Emmo - Eminentíssimo P.D. - pede deferimento

estat. - estatística Pe(s). - Padre(s)

estét. - estética p. ex. - por exemplo

etc. - et cetera (e outras coisas) pg. - pago

ex. - exemplo(s) pl. - plural

f. - feminino p.m. - "post meridium" (depois do


meio-dia)

f., fl. ou fol. - folha pop. - popular(es); população

fed. - federação prof. - professor

fev. - fevereiro prof.ª - professora

fís. - física quím. - química

fisiol. - fisiologia s - segundo(s)

fr. - francês, franco (moeda) S. - São, Sul, sábado

Fr. - Frei S.E. - Sudeste

g. ou gr. - grau(s) set. - setembro

g. grs. - grosa, grosas t - tonelada

geogr. - Geografia x, y, z - incógnitas em Matemática

• Sigla

Sigla é o nome que se dá ao conjunto de letras iniciais de nomes de entidades, associações, organismos administrativos, etc. As
siglas podem se formar com a representação das letras iniciais maiúsculas dos elementos que formam o nome: IBGE (Instituto
Brasileiro de Geografia e Estatística) ou com a representação das sílabas iniciais de cada um dos elementos que formam o nome:
Embraer (Empresa Brasileira de Aeronáutica).

Algumas siglas de uso frequente

AACD - Associação de Assistência à Criança Defeituosa


ABI - Associação Brasileira de Imprensa
AC - Acre
Aids - Síndrome da Imunodeficiência Adquirida
AL - Alagoas
AM - Amazonas
AP - Amapá
Apae - Associação de Pais e amigos dos Excepcionais
BA - Bahia
BCG - Bacilo de Calmette e Guérin (vacina contra tuberculose)
BR - Brasil PR - Paraná
CE - Ceará RJ - Rio de Janeiro
CEP - Código de Endereçamento Postal
CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico
CPF - Cadastro de Pessoa Física
DF - Distrito Federal
Denarc - Departamento Estadual de Investigações sobre Narcóticos
DNER - Departamento Nacional de Estradas de Rodagem
ECT - Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos
ES - Espírito Santo
FAB - Força Aérea Brasileira
FIFA - Federação Internacional das Associações de Futebol
FGTS - Fundo de Garantia por Tempo de Serviço
FMI - Fundo Monetário Internacional
FUNAI - Fundação Nacional do Índio
GO - Goiás
IHS - Jesus Salvador dos Homens
INL - Instituto Nacional do Livro
INSS - Instituto Nacional do Seguro Social
IPTU - Imposto Predial e Territorial Urbano
48 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
IR - Imposto de Renda
MA - Maranhão
Masp - Museu de Arte de São Paulo
MG - Minas Gerais
MS - Mato Grosso do Sul
MT - Mato Grosso
NGB - Nomenclatura Gramatical Brasileira
ONU - Organização das Nações Unidas
PA - Pará
PB - Paraíba
PE - Pernambuco
PI - Piauí
PIS - Programa de Integração Social
RN - Rio Grande do Norte
RO - Rondônia
RR - Roraima
RS - Rio Grande do Sul
Sabesp - Companhia de Saneamento Básico de São Paulo
SC - Santa Catarina
SE - Sergipe
Sebrae - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas
Senac - Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial
Senai - Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial
Sesc - Serviço Social do Comércio
Sesi - Serviço Social da Indústria
SOS - pedido de socorro enviado por navios (save our souls - salve nossas almas)
SP - São Paulo
TN - Tesouro Nacional
TO - Tocantins
UnB - Universidade de Brasília
UNESCO - Organização Educacional, Científica e Cultural das Nações Unidas
USA - United States of America (EUA)
USP - Universidade de São Paulo
VOLP - Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa

• Símbolos

Símbolo é um elemento gráfico que representa de forma padrão um elemento importante para a compreensão de algo.

Alguns símbolos de uso frequente

Ar - argônio km - quilômetro(s)

Ba - bário KWh - quilowatt-hora internacional

Br - bromo l - litro(s)

C - carbono m - metro(s)

ºC - grau centesimal, centígrado ou Celsius m² - metro(s) quadrado(s)

Ca - cálcio m³ - metro(s) cúbico(s)

Cl - cloro mm - milímetro(s)

db - decibel N - nitrogênio

dm - decímetro(s) NE - Nordeste

Fe - ferro Ni - níquel

g - grama O - oxigênio

h - hora P - fósforo

H - hidrogênio Pb - chumbo

He - hélio rpm - rotação por minuto

Hg - mercúrio R$ - real

hz - hertz S - enxofre

I - iodo SW - sudoeste

j - joule U - urânio

k² - quilômetro(s) quadrado(s) V - volt(s)

K - potássio W - oeste

Kcal - quilocaloria yd - jarda(s)

kg - quilograma(s) Zn - zinco
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 49

Representação Gráfica das Unidades de Medida

Os símbolos das unidades de medidas devem ser escritos com letra minúscula, sem ponto, no singular e sempre após o número
a que se refere. Exemplos: 10h 20min; 50km/h.

Quando estes símbolos são escritos por extenso, devem começar com letra minúscula. Exemplos: 10 horas e 20 minutos; 50
quilômetros por hora.

Observação: não se pode misturar escrita por extenso com símbolo. Exemplos: 10h 20 minutos; 50km / hora.

EXERCÍCIOS

1) Grafam-se com h todas as lacunas do grupo, exceto em uma palavra. Assinale a alternativa em que se
encontra esse vocábulo.
a) ....onra, ....onesto, ....omem
b) ....esitar, ....omologar, ....umilde
c) ....erói, ....úmido, ....élice
d) ....umo, ....ulha, ....óstia
e) ....óspede, ....olofote, ....omeopatia

2) Aponte a única alternativa grafada corretamente.


a) crâneo - impecilho - polia - bolir
b) tossir - jaboticaba - previlégio - pátio
c) meretíssimo - irriquieto - tabuada - mágoa
d) digladiar - empecilho - jabuti - bulir
e) taboada - privilégio - degladiar - jabuticaba

3) Dadas as palavras:

I) berinjela
II) herege
III) cafajeste
IV) tigela

verificamos que estão corretamente grafadas:


a) 1 e 3
b) 2 e 4
c) 1, 2 e 4
d) 2, 3 e 4
e) todas as palavras

4) Indique a alternativa com erro ortográfico.


a) A escassez de água provoca o êxodo rural.
b) O jovem e pretencioso executivo não teve acesso à sala do diretor.
c) Todos naquela sala estavam suscetíveis à discussão.
d) Ao anoitecer, os netos deixaram a avó descansar.
e) Ele tinha obsessão pelo trabalho.

5) Terá ........................... negativa na empresa a ........................... do gerente, e causará grande .......................


entre os funcionários.
a) repercussão, demissão, tensão
b) repercução, demissão, tenção
c) repercução, demisão, tensão
d) repercussão, demição, tenção
e) repercusão, demisão, tensão
50 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
6) A palavra paralisia grafa-se com s. Assinale a alternativa em que invariavelmente acontece o mesmo.
a) análi....e - requi....ito - proe....a - bali....a
b) cateque....e - poeti....a - u....ura - coli....ão
c) fu....ível - mai....ena - go....o - coali....ão
d) he....itar - catequi....ar - bati....ar - deci....ão
e) a....ilo - bu....ina - vi....inho - extrava....ar

7) Assinale a alternativa em que se deve empregar apenas o dígrafo ch.


a) apetre....o, pe....in....a, gra....a, ri....a
b) ....ale, debo....ar, ca....imbo, capi....aba
c) fle....a, pi....ar, bro....e, lin....ar
d) pi....e, ca....umba, ....alé, pra....e
e) bo....e....a, mu....o....o, ....a....im, bre....a

8) Assinale a alternativa que contém uma palavra incorreta.


a) sucessivo, farsa, pinça
b) Suíça, pança, néscio
c) excursão, acessível, discernir
d) exceção, ressuscitar, descanso
e) maciço, vissicitude, submissão

9) Assinale a alternativa em que todos os verbos estão grafados corretamente.


a) catalisar - divisar - avizar - paralizar
b) dramatizar - pesquizar - agonisar - catequisar
c) legalizar - estilizar - matisar - colonisar
d) improvisar - alisar - amenizar - anarquizar
e) sinalizar - pizar - vulgarizar - motorisar

10) A ............................. do mágico ............................... a platéia.


a) proeza - extaziou
b) proesa - extasiou
c) proesa - estaziou
d) proeza - extasiou
e) proeza - estasiou

11) Assinale a informação incorreta a respeito das regras ortográficas.


a) Nas palavras portuguesas só se duplicam as consoantes c, r, s.
b) Emprega-se inicial minúscula em nomes de meses.
c) A letra h tem valor fonético apenas no fim das palavras.
d) Emprega-se inicial maiúscula em nomes de festas religiosas.
e) Emprega-se a letra i na sílaba final de formas verbais terminadas em -uir.

12) Qual é a alternativa que completa adequadamente as seguintes frases?


I) Eis a razão ....................... cheguei atrasado.
II) Todos sabem o ....................... de sua alegria.
III) Não viajou .................. não encontrou passagem.
IV) Você saiu cedo ......................?
a) porque - porquê - por que - por quê
b) por que - porquê - porque - por quê
c) porque - por que - porquê - por quê
d) por que - por quê - porque - porquê
e) por quê - porque - porquê - por que

13) Assinale a alternativa que completa corretamente as lacunas nas seguintes frases.
I) Queríamos vê-la, mas não sabíamos .................... estava.
II Eu sei muito bem ......................... te encontrar.
III) Você quer chegar ...........................?
IV) Não quero saber ............................ você vai.
a) onde - onde - aonde - aonde
b) aonde - aonde - onde - onde
c) onde - aonde - onde - aonde
d) aonde - onde - aonde - onde
e) aonde - aonde - onde - aonde
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 51
14) Escolha a alternativa que preenche corretamente os espaços.
I) Preciso emagrecer, ................ não consigo.
II Todos pediram ...................... refrigerante.
III) Tentou subir a montanha, ................. desistiu.
IV) Ele só chegará .............. tarde.
a) mas, mais, mas, mais
b) mais, mas, mais, mas
c) mais, mais, mas, mas
d) mas, mas, mais, mais
e) mais, mais, mas, mais

15) Assinale a alternativa com um erro ortográfico.


a) O mau aluno foi mal na prova.
b) Este indivíduo foi mal recomendado.
c) Ela está sempre de mau humor.
d) Que mal cheiro!
e) Trata-se de um mau cliente.

16) Assinale a única alternativa correta graficamente.


a) Ele chegou do México a uma semana.
b) Venha logo, se não vai apanhar.
c) Daqui há pouco os convidados chegarão.
d) Esperarei mais um pouco; senão vier, irei embora.
e) Não o vejo há quinze dias.

17) Assinale a alternativa com erro ortográfico.


a) Isso nos deixou indignados demais.
b) Decidiu-se suspender o concurso público porque surgiram candidatos de mais.
c) Os primeiros imigrantes chegaram acerca de cem anos.
d) Haverá uma reunião acerca das faltas coletivas.
e) Ele está bem demais.

18) Para garantir os direitos individuais, deve ser resguardada a grafia dos nomes próprios. Todavia, de acordo
com as regras ortográficas estaria incorreto:
a) Raquel
b) Neuza
c) Juçara
d) Luís
e) Édson

19) Emprega-se inicial minúscula em:


a) palavra inicial de citação.
b) nomes de partidos políticos.
c) nomes de festas pagãs.
d) nomes de países.
e) nomes de épocas históricas.

20) As expressões abaixo devem ser escritas com inicial maiúscula, exceto:
a) "Idade Média"
b) "Corpus Christi"
c) "Segunda-feira"
d) "Guerra do Paraguai"
e) "Distrito Federal"

21) Assinale a informação incorreta.


a) Em textos literários, evitam-se as abreviaturas de medida.
b) Algumas abreviaturas podem aparecer com vogal final.
c) Nomes geográficos devem ser escritos por extenso.
d) Símbolos científicos escrevem-se sem o ponto.
e) O acento deve ser retirado nas abreviaturas.
52 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
22) Assinale a abreviatura incorreta.
a) a.C. - antes de Cristo
b) pop. - população
c) pp. - páginas
d) prof. - professor
e) lit. - literatura

23) Assinale a sigla incorreta.


a) RJ - Rio de Janeiro
b) RO - Roraima
c) RN - Rio Grande do Norte
d) RS - Rio Grande do Sul
e) PR - Paraná

24) "Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas". Sua sigla é:


a) Sesi
b) Sebrae
c) Senac
d) Senai
e) SE

25) A representação correta de "duas horas e trinta minutos" é:


a) 2:30
b) 2H30M
c) 2hs30min.
d) 2HRS30MIN
e) 2h30min

26) (ITA-SP) Dadas as palavras: 1) disenteria


2) diferimento
3) esplendor
verificamos que está/estão corretamente grafada(s):
a) apenas a palavra nº 1.
b) apenas a palavra nº 2.
c) apenas a palavra nº 3.
d) apenas as palavras nº 1 e nº 3.
e) todas as palavras.

27) (FGV-SP)................... sentiu-se o ................... único da ................... de uma tradicional família.


a) Derrepente - remanescente - cisão
b) Derrepente - remanecente - sisão
c) De repente - remanescente - cisão
d) De repente - remanecente - sisão
e) De repente - remanescente - sisão

28) (UM-SP) Aponte a alternativa que apresenta todas as palavras grafadas corretamente.
a) enxada, bondoso, bexiga, revezamento
b) faxina, tóxico, canalisar, nobreza
c) eresia, canzarrão, caxumba, hesitar
d) hêsito, gorjeio, algema, pesquisa
e) hegemonia, cangica, xadrez, vazio

29) (UFPR) Complete as lacunas, usando adequadamente mas/mais/mal/mau.

Pedro e João ............. entraram em casa, perceberam que as coisas não estavam bem, pois sua irmã caçula escolhera um ..............
momento para comunicar aos pais que iria viajar nas férias; ............. seus dois irmãos deixaram os pais .............. sossegados
quando disseram que a jovem iria com as primas e a tia.

a) mau, mal, mais, mas


b) mal, mal, mais, mais
c) mal, mau, mas, mais
d) mal, mau, mas, mas
e) mau, mau, mas, mais
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 53
30) (EFOA-MG) Assinale a alternativa em que todas as palavras devem iniciar-se pela letra h.
a) .....alo; .....ediondo; .....umeral.
b) .....exagonal; .....úmido; .....epático.
c) .....álito; .....ábil; .....ombrear.
d) .....angar; .....aurir; .....ombridade.
e) .....aste; .....arém; .....úmero.

31) (Fuvest-SP) Assinale a alternativa em que todas as palavras estejam corretamente grafadas.
a) tecer, vazar, aborígene, tecitura, maisena
b) rigidez, garage, dissenção, rigeza, cafuzo
c) minissaia, paralisar, extravasar, abscissa, cosseno
d) abscesso,rechaçar, indu, soçobrar, coalizão
e) jambujem, advinhar, atarraxar, bússola, usofruto

32) (FMU-SP) Assinale a alternativa em que todos os vocábulos estão grafados corretamente.
a) extensão, exceção, expansão, extinsão
b) expectativa, expontâneo, expressão, esplosão
c) macisso, maçarico, maçacre, massagista
d) azeite, aseitona, maizena, atrazado
e) obcecado, obsessão, absorção, obsceno

33) (Cefet-PR) Marque a alternativa em que todas as palavras estão corretamente grafadas.
a) previlégio - aterrizar - malcriado
b) obsessão - excessão - desinteria
c) beneficente - berinjela - sarjeta
d) cachumba - rixa - misto
e) explendor - assessor - explêndido

34) (UM-SP) Assinale a alternativa que apresenta erro quanto ao emprego do porquê.
a) Não sei por que as coisas ocultam tanto mistério.
b) Os poetas traduzem o sentido das coisas sem dizer por quê.
c) Eis o motivo porque os meus sentidos aprenderam sozinhos: as coisas têm existência.
d) Por que os filósofos pensam que as coisas sejam o que parecem ser?
e) Os homens indagam o porquê das estranhezas das coisas.

35) (UNIMEP-SP) Assinale a alternativa que contém o período cujas palavras estão grafadas corretamente.
a) Ele quiz analisar a pesquisa que eu realizei.
b) Ele quis analizar a pesquisa que eu realizei.
c) Ele quis analisar a pesquisa que eu realizei.
d) Ele quis analizar a pesquiza que eu realisei.
e) Ele quis analisar a pesquisa que eu realisei.

RESPOSTAS

1-C 2-D 3-E 4-B 5-A

6-B 7-C 8-E 9-D 10-D

11-C 12-B 13-A 14-A 15-D

16-E 17-C 18-B 19-C 20-C

21-E 22-D 23-B 24-B 25-E

26-E 27-C 28-A 29-C 30-D

31-C 32-E 33-C 34-C 35-C


54 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS

O sábio sabiá
Sabia assobiar
Sabia assobiar
Sabia...
Caetano Veloso

Observe que no poema acima as palavras sabiá (substantivo) e sabia (verbo) aparecem acentuada e não-acentuada,
respectivamente.

A acentuação gráfica consiste na aplicação de certos sinais escritos sobre algumas letras para representar o que foi estipulado
pelas regras de acentuação. Esses sinais são:

a) O acento agudo (´) - colocado sobre as letras a, i, u e sobre o e do grupo -em, indica que essas letras representam as vogais
tônicas das palavras: sofá, maracujá, caí, saída, açúcar, súdito, armazém, alguém. Sobre as letras e e o, indica, além de tonicidade,
timbre aberto: café, lépido, anéis, céu, léxico, México, mocotó, constrói.

b) O acento circunflexo (^) - colocado sobre as letras a, e e o, indica, além de tonicidade, timbre fechado: câmara, lâmpada,
pêssego, tênue, metrô, supôs.

c) O trema (¨), sinal usado para indicar que o u dos grupos gu e qu devem ser pronunciados, foi abolido em palavras portuguesas
ou aportuguesadas. O trema permanece em nomes próprios estrangeiros e seus derivados. Exemplos: Müller - mülleriano / Hübner
- hübneriano.

d) O til (~) - indica que as letras a e o representam vogais nasais: alemã, ímã, órfã, órgão, sótão, portão, aviões, corações, compõe,
repõe.

e) O acento grave (`) - indica a ocorrência da fusão da preposição a com os artigos a e as, com os pronomes demonstrativos a
e as e com a letra a inicial dos pronomes aquele, aquela, aqueles, aquelas, aquilo: à, às, àquele, àquilo. É também chamado de
acento indicativo de crase.

Regras Básicas e Especiais de Acentuação

I - Acentuação dos vocábulos proparoxítonos

Todos os vocábulos proparoxítonos são acentuados na vogal tônica:

1) com acento agudo se a vogal tônica for i, u ou a, e, o abertos: xícara, úmido, queríamos, lágrima, término, déssemos, lógico,
binóculo, colocássemos, inúmeros, polígono, etc.

2) com acento circunflexo se a vogal tônica for fechada ou nasal: lâmpada, pêssego, esplêndido, pêndulo, lêssemos, estômago,
sôfrego, fôssemos, quilômetro, sonâmbulo, etc.

Observações: acentuam-se também os vocábulos que terminam por encontro vocálico e que
podem ser pronunciados como proparoxítonos: área, conterrâneo, errôneo, enxáguam, etc.

II - Acentuação dos vocábulos paroxítonos

Acentuam-se com o acento adequado os vocábulos paroxítonos terminados em:

1) ditongo crescente, seguido, ou não, de s: sábio, róseo, Gávea, planície, nódoa, régua, árdua, espontâneo, ânsia, decência,
cerimônia, tênues, ingênuo, etc.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 55
2) -i, -is, -us, -um, -uns: táxi, júri, biquíni, lápis, bônus, vírus, Vênus, álbum, álbuns, médium, médiuns, fórum, etc.

3) -l, -n, -r, -x, -nos, -os: fácil, móvel, cônsul, hífen, pólen, cânon, elétron, dólar, revólver, vômer, mártir, látex, fênix, Félix, elétrons,
bíceps, fórceps, etc.

4) -ei, -eis: jóquei, vôlei, fósseis, úteis, fizésseis, lêsseis, fáceis, túneis, etc.

5) -ã, ãs, -ão, -ãos, -guam, -guem: ímã, ímãs, órgão, órgãos, bênção, bênçãos, enxáguam, enxáguem, etc.

Observações:

1ª) Não se acentuam os vocábulos paroxítonos terminados em -ens: imagens, edens, itens, jovens, nuvens, etc.

2ª) Não se acentuam os prefixos anti, semi e super, por serem considerados elementos átonos: semi-interno, super-homem,
anti-horário.

3ª) Não se acentua um paroxítono só porque sua vogal tônica é aberta ou fechada. Descabido seria o acento gráfico, por
exemplo, em cedo, este, espelho, aparelho, cela, janela, socorro, pessoa, dores, flores, solo, esforç os.

4ª) As terminações dos itens 2, 3, 4 e 5 são, por natureza, tônicas. Daí a necessidade do acento gráfico nas palavras com estas
terminações.

III - Acentuação dos vocábulos oxítonos

1) Acentuam-se com o acento adequado os vocábulos oxítonos terminados em:

a) -a, -e, -o, seguidos, ou não de s: xará, xarás, gambá, será, pajé, pajés, Tietê, você, freguês, vovô, avós, vovó, etc.

Seguem esta regra os infinitivos seguidos de pronome: cortá-los, vendê-lo, conhecê-la, compô-lo, etc.
b) -em, -ens (em palavra de duas ou mais sílabas): ninguém, armazém, armazéns, ele contém, tu conténs, ele convém, ele
mantém, eles mantêm, ele intervém, etc.

Observação: a 3ª pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos derivados


de ter e vir leva acento circunflexo: Eles contêm, detêm, obtêm, retêm, etc. Eles convêm, intervêm, provêm, sobrevêm, etc.

c) -éis, -éu(s) - oi(s): fiéis, chapéu, chapéus, herói, heróis, etc.

2) Não devem ser acentuados os oxítonos terminados em -i(s), -u(s): aqui, juriti, juritis, saci, bambu, bambus, zebu, puni-los,
reduzi-los

Exceção: o i e o u são acentuados quando precedidos de vogal átona com a qual formem hiato: saí, Piraí, Jacareí, Jaú,
Camboriú, sucuriú, baú, baús, saís, Luís, instruí-los

IV - Acentuação dos monossílabos

1) Acentuam-se os monossílabos tônicos:

a) terminados em -a, -e, -o seguidos ou não de s: há, pá, pás, má, más, pé, pés, dê, dês, mês, nó, nós, pôs, etc.

b) que encerram os ditongos abertos éi, éu, ói: véu, véus, réis, dói, sóis, etc.

2) Não se acentuam os monossílabos tônicos com outras terminações: ri, bis, ver, vez, sol, pus, mau, maus, Zeus, dor, flor, etc.

Exceções: acentuam-se os verbos pôr, têm (plural) e vêm (plural) porque existem os homógrafos por (preposição átona), tem
(singular) e vem (singular): Eles têm autoridade: vêm pôr ordem na cidade.

V - Acentuação dos ditongos abertos


56 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
1) Acentuam-se os ditongos -éi e -ói das palavras oxítonas e monossílabos tônicos de som aberto: herói, constrói, dói, anéis, papéis,
anzóis.

Permanece também o acento no ditongo aberto -éu: chapéu, véu, céu, ilhéu.

2) Não se acentuam os ditongos abertos -ei e -oi nas palavras paroxítonas: assembleia, ideia, colmeia, Coreia, paranoia, jiboia,
heroico, etc.

VI - Acentuação dos hiatos

1) Acentuam-se as oxítonas terminadas em i e u, seguidas ou não de s: Piauí, piraiú, tuiuiús.

2) Não se acentuam:

a) o hiato -oo: voo, enjoo, perdoo, abençoo.

b) o hiato -ee dos verbos crer, dar, ler, ver e seus derivados na terceira pessoa do plural: creem, deem, leem, veem, descreem,
releem.

c) o -i e -u tônicos das palavras paroxítonas quando precedidas de ditongo: feiura, saiinha, baiuca.

d) o -i e -u quando seguidos de nh: rainha, fuinha, moinho.

e) Quando formam sílaba com letra que não seja s: sairmos, juiz, ainda, ruim, amendoim.

VII - Acento diferencial

1) O acento diferencial é usado nos homógrafos:

a) pode (3ª pessoa do singular do presente do indicativo do verbo poder) e pôde (3ª pessoa do pretérito perfeito do indicativo).

b) pôr (verbo) em oposição a por (preposição).

c) fôrma (substantivo) e forma (verbo formar). Poderá ser usado fôrma para distinguir de forma, mas não é obrigatório.

2) Não se acentuam as palavras paroxítonas que são homógrafas: para (verbo), pela (substantivo e verbo), pelo (substantivo), pera
(substantivo), polo (substantivo).

EXERCÍCIOS

1) Assinale a alternativa corretamente acentuada.


a) Ela mantêm no sótão os três gatinhos de pelo cinzento.
b) Ela mantém no sotão os três gatinhos de pelo cinzento.
c) Ela mantêm no sotão os tres gatinhos de pêlo cinzento.
d) Ela mantem no sotão os três gatinhos de pelo cinzento.
e) Ela mantém no sótão os três gatinhos de pêlo cinzento.

2) Assinale a série em que todas as palavras estão acentuadas corretamente.


a) juíza - urubú - ítem - tórax
b) ímã - virús - interím - raínha
c) polén - íons - paúl - bônus
d) clímax - sací - almôço - caráter
e) amém - tríceps - jóquei - pôr (verbo)

3) As palavras cédula, fiéis e baú são acentuadas por serem, respectivamente:


a) paroxítona terminada em a, proparoxítona, oxítona terminada em u.
b) paroxítona terminada em a, ditongo tônico aberto, hiato.
c) proparoxítona, ditongo tônico aberto, hiato.
d) proparoxítona, paroxítona terminada em i seguida de s, oxítona terminada em u.
e) paroxítona terminada em a, hiato, hiato.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 57
4) Os pais ........... na tv que os desenhos animados .......... grande influência sobre seus filhos, mas ............,
também, que faz parte da infância.
a) vêm, tem, crêm
b) veem, tem, creem
c) vem, tem, creem
d) veem, têm, creem
e) vêm, têm, crêem

5) Assinale a sequência em que todas as palavras não precisam ser acentuadas.


a) campaínha - Pacaembú - juíz - ítem
b) bíceps - ruím - ínterim - fluído
c) chapéuzinho - bilíngue - raíz - sanguíneo
d) biquíni - médium - néctar - paúl
e) bambú - flôres - lambarí - carnaúba

6) São acentuadas por razões diferentes:


a) violência, cárie, laboratório
b) hambúrguer, açúcar, repórter
c) órgão, chapéu, éter
d) parabéns, alguém, ninguém
e) óculos, lâmpada, índice

7) Assinale a opção em que as palavras obedecem à mesma regra de acentuação.


a) espírito - saí
b) moído - hífen
c) êxodo - você
d) herói - constrói
e) ananás - câmara

8) Assinale o uso correto quanto ao acento diferencial:


a) O menino nervoso pára de repente.
b) Toda manhã, ela côa o café.
c) Gosto de pêra madura.
d) Preciso pôr as coisas em ordem.
e) n.d.a.

9) Assinale a alternativa em que a forma verbal está acentuada incorretamente.


a) Vamos substituí-lo quando ele faltar.
b) O diretor não quis ouví-los.
c) Tenho um apartamento no litoral, mas preciso vendê-lo.
d) Minhas dúvidas? Vou tirá-las com a professora Alice.
e) Precisamos distraí-la para não estragar a surpresa.

10) Assinale a forma incorreta quanto à acentuação:


a) Eles leem o jornal todos os dias.
b) As meninas têm muitos brinquedos.
c) Os jovens crêem no futuro.
d) Sempre que ando de ônibus, eu enjoo.
e) n.d.a.

11) Uma das palavras abaixo deve ser acentuada por se tratar de hiato. Assinale-a.
a) moinho
b) caiste
c) ruim
d) juiz
e) cairmos
58 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
12) Assinale a alternativa que completa corretamente as frases.

I - Ele ................. sempre a calma.

II - Os turistas ................. informações pela Internet.

III - As polícias civil e militar ................... nos motins do resídio.

a) mantêm, obtém, intervém


b) mantém, obtêm, intervêm
c) mantêm, obtêm, intervêm
d) mantém, obtêm, intervém
e) mantém, obtém, intervém

13) Assinale a alternativa incorreta.


a) vôlei (paroxítona terminada em i)
b) repórter (paroxítona terminada em r)
c) ótimo (proparoxítona)
d) jiló (oxítona terminada em o)
e) Brás (monossílabo tônico)

14) (FUVEST-SP) Assinale a alternativa em que o texto está acentuado corretamente.


a) A princípio, metia-me grandes sustos. Achava que Virgilia era a perfeição mesma, um conjunto de qualidades sólidas e finas,
amorável, elegante, austera, um modêlo.
b) A princípio, metia-me grandes sustos. Achava que Virgília era a perfeição mesma, um conjunto de qualidades sólidas e finas,
amorável, elegante, austera, um modelo.
c) A princípio, metia-me grandes sustos. Achava que Virgília era a perfeição mesma, um conjunto de qualidades solidas, e finas,
amoravel, elegante, austera, um modêlo.
d) A principio, metia-me grandes sustos. Achava que Virgilia era a perfeição mesma, um conjunto de qualidades sólidas e finas,
amorável, elegante, austera, um modelo.
e) A princípio, metia-me grandes sustos. Achava que Virgília era a perfeição mesma, um conjunto de qualidades sólidas e finas,
amoravel, elegante, austera, um modelo.

15) Assinale a alternativa incorreta quanto à acentuação:


a) herói
b) heroico
c) jóia
d) centopeia
e) n.d.a.

16) (Med. Barbacena-MG) Assinalea opção em que todas as palavras são acentuadas pela mesma regra de "alguém",
"inverossímil", "caráter", respectivamente:
a) hífen, também, impossível
b) armazém, útil, açúcar
c) têm, anéis, éter
d) há, impossível, crítico
e) pólen, magnólias, nós

17) (Mackenzie) Assinale a única alternativa em que nenhuma palavra é acentuada graficamente:
a) bonus, tenis, aquele, virus
b) repolho, cavalo, onix, grau
c) juiz, saudade, assim, flores
d) levedo, carater, condor, ontem
e) caju, virus, niquel, ecloga

18) (ITA-SP) Dadas as palavras:

1) bênção
2) Inglêsa
3) equilatéro,

verificamos que está/estão devidamente acentuada(s):


a) apenas a palavra 1.
b) apenas a palavra 2.
c) apenas a palavra 3.
d) apenas as palavras 1 e 3.
e) todas as palavras.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 59
19) (PUC-RS) Afrase em que ocorre erro de acentuação é:
a) É inegável que a mulher pôde, nas últimas décadas, afirmar sua competência profissional.
b) Homens e mulheres têm, hipoteticamente, a mesma inteligência.
c) De um harmonioso relacionamento homem-mulher, advém vantagens para toda a sociedade.
d) Após inúmeras dificuldades, o homem finalmente para e redefine alguns conceitos ultrapassados.
e) Todos concluíram que as conversações tinham fluído satisfatoriamente.

20) (FESP-SP)Em que alternativa as palavras devem ser acentuadas pelo mesmo motivo?
a) tambem - refem
b) velocidade - rubrica
c) aniversario - fortuito
d) fortuito - gratuito
e) ceu - tambem

21) (UFSCar-SP) Assinale a série em que todas as palavras estão acentuadas corretamente.
a) idéia, urubú, suíno, ênclise
b) bíceps, heróico, ítem, fóssil
c) tênis, fôsseis, caiste, japonesa
d) fútil, hífen, ânsia, decaído
e) apóia, tapête, órfã, ruína

22) (UM-SP) Assinale a alternativa em que pelo menos um vocábulo não seja acentuado.
a) ceu, orfão, taxi, balaustre
b) itens, parabens, alguem, tambem
c) tactil, amago, cortex, roi
d) papeis, onix, bau, ambar
e) hifen, cipos, incredulo, pe

23) (Fuvest-SP) Assinale a alternativa em que todas as palavras estão corretamente acentuadas.
a) Tietê, órgão, chapéuzinho, estrêla, advérbio
b) fluido, anzóis, Tatuí, armazém, caráter
c) saúde, melância, gratuíto, amendoim
d) inglês, cipó, cafézinho, útil, Itú
e) canôa, heroismo, crêem, Sergípe, bambú

24) Assinale a oração correta:


a) Eles têm grande criatividade.
b) Espero que eles dêem atenção aos filhos.
c) Eu môo café todos os dias.
d) Agüei todas as plantas do jardim.
e) n.d.a.

25) (ITA-SP) Dadas as afirmações:

1) O acento grave ( ` ), atualmente, só é usado para indicar a crase do a. Por exemplo: Dei uma pulseira de ouro àquela moça.

2) O u no grupo gua - guo - qua - quo recebe trema quando for pronunciado atonamente. Ex.: longínqüo.

3) O u do grupo gue - gui - que - qui recebe trema quando for pronunciado tonicamente. Ex.: freqüente.

Deduzimos que:
a) apenas a afirmação 1 está correta.
b) apenas a afirmação 2 está correta.
c) apenas a afirmação 3 está correta.
d) todas estão corretas.
e) n.d.a.

RESPOSTAS

1-E 2-E 3-C 4-D 5-A

6-C 7-D 8-D 9-B 10-C

11-B 12-B 13-A 14-B 15-C

16-A 17-C 18-A 19-C 20-A

21-D 22-B 23-B 24-C 25-A


60 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS

Notações Léxicas

O funil da ampulheta
apressa, retardando-a,
a queda
da areia.

Nisso imita o jogo


manhoso
de certos momentos
que se vão embora
quando mais queríamos
que ficassem.
Paes, José Paulo.Socráticas. São Paulo, Companhia das Letras, 2001. p. 49.

Observe que no segundo verso foi usado o hífen para separar a forma verbal retardando do pronome oblíquo a. Neste caso, foi
utilizada a notação léxica.

Notações léxicas são sinais gráficos que auxiliam na escrita, podendo dar um valor fonético especial a diversas letras e possibilita
a pronúncia correta. São, também, conhecidas como sinais diacríticos.

Além dos acentos agudo, circunflexo e grave, o trema e o til, que vimos anteriormente em acentuação, há, também, a cedilha,
o apóstrofo e o hífen.

Emprego da CEDILHA

A cedilha colocada sob a letra c, antes de a, o e u confere a ela o som de ss: louça, maço, açúcar.

Emprego do APÓSTROFO

O apóstrofo é um sinal gráfico usado para indicar a supressão de um fonema em versos, em pronúncias populares e em palavras
compostas ligadas pela preposição de: minh'alma, mãe-d'água, estrela d'alva.

O apóstrofo não pode ser usado:

1) na palavra pra (para): Vim assim que pude pra deixá-la feliz.

2) em contrações de preposições com artigos, pronomes e advérbios: Retirei a receita dum livro qualquer.

3) em combinações com pronomes pessoais: Os presentes, deram-mos pessoas generosas.

4) em títulos de livros, jornais, revistas, etc.: A leitura dos Lusíadas é fascinante.

Emprego do HÍFEN

O hífen (-) é empregado em palavras compostas (guarda-chuva), na união do pronome ao verbo (amo-te), na separação de sílabas
(pi - tan- ga) e na separação de sílaba no final de linha.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 61
Uso do hífen

1) Prefixos e falsos prefixos terminados em vogais:

Emprega-se o hífen nos compostos em que o prefixo ou falso prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por vogal
igual ou por h: anti-inflamatório, arqui-inimigo, micro-ondas, micro-ônibus, anti-higiênico.

2) Prefixos e falsos prefixos terminados em vogal e o segundo elemento começa por vogal diferente:

Não se emprega o hífen: autoajuda, extraescolar, infraestrutura, semiaberto, ultraelevado.

3) Prefixos e falsos prefixos terminados em vogal e o segundo elemento começa por s ou r :

Não se emprega o hífen, devendo duplicar as consoantes r ou s: autorretrato, antissocial, contrarregra, ultrassom, antirrugas.

4) Prefixos terminados em b :

Emprega-se o hífen quando o segundo elemento é iniciado por b, h ou r: sub-bloco, sub-humano, ab-reação.

O hífen não deve ser usado nos outros casos: obstar, subescrever, subalterno.

5) Prefixo co (m):

Emprega-se o hífen quando o segundo elemento é iniciado por h: co-herdar, co-herdeiro.

Nos outros casos, o uso do hífen desaparece: coedição, coautor, cooperar.

6) Prefixos terminados em r :

O uso do hífen permanece nos compostos em que os prefixos super, hiper, inter aparecem combinados com elementos também
iniciados por r ou pela letra h: super-resistente, hiper-realista, inter-racial, super-homem, super-herói.

Nos outros casos, o hífen não deve ser usado: internacional, hipersensível, supercílio.

7) Prefixo ad :

Emprega-se o hífen quando o segundo elemento é iniciado por d, h ou r: ad-digital, ad-renal, ad-rogar.

Nos outros casos, o hífen não deve ser usado: adjacente, adjunto, adjudicação.

8) Prefixo circum e pan :

Emprega-se o hífen quando o segundo elemento começa por vogal, m ou n: circum-ambiente, circum-murado, cir-
cum-navegação, pan-americano.

Nos outros casos, o hífen não deve ser empregado: circunvizinhança, circunferência, circunscrever.

9) Prefixo mal :

Emprega-se o hífen quando o segundo elemento começa com vogal, l ou h: mal-estar, mal-limpo, mal-humorado.

Nos outros casos, o hífen não deve ser empregado: malcriado, maldizer, malparado.

10) Prefixo bem :

O hífen desaparece nas palavras citadas no Acordo Ortográfico e nas suas correlatas: benfazer, benfeito, benquerer, benquerido.
62 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
11) Prefixo re- :

Permanece a aglutinação com o segundo elemento, mesmo quando este começar por o ou e: reabastecer, reescrever, recarregar,
reorganizar.

12) Compostos que perderam a noção de composição

Não se emprega o hífen: mandachuva, paraquedas, paraquedista.

O uso do hífen permanece nas palavras compostas que não contêm um elemento de ligação, mantendo um acento próprio, bem
como aquelas que designam espécies botânicas e zoológicas: ano-luz, azul-escuro, médico-cirurgião, guarda-chuva, segunda-feira,
couve-flor, formiga-branca, etc.

13) O uso do hífen permanece

C nos compostos com os prefixos ex-, vice-, soto-: ex-marido, vice-presidente, soto-pôr.

C nos compostos com os prefixos tônicos acentuados pré-, pró- e pós- quando o segundo elemento tem vida própria na língua:
pré-molar, pró-labore, pós-eleitoral.

C nos compostos terminados por sufixos de origem tupi-guarani que representam formas adjetivas, como -açu, -guaçu e
-mirim, quando o primeiro elemento acaba em vogal acentuada graficamente ou quando a pronúncia exige a distinção gráfica
entre ambos: jacaré-açu, amoré-guaçu, paraná-mirim.

C nos topônimos iniciados pelos adjetivos grão e grã ou por forma verbal ou por elementos que incluam artigo: grão-de-bico,
Santa Rita do Passa-Quatro, Baía de Todos-os-Santos.

C nos compostos com os elementos além, aquém, recém e sem: além-túmulo, aquém-oceano, recém-nascido, sem-teto.

14) Não se emprega o hífen nas locuções de qualquer tipo (substantivas, adjetivas, pronominais, verbais, adverbiais, prepositivas ou
conjuntivas): cão de guarda, fim de semana, café com leite, pão de mel, à vontade, a fim de que.

Com exceção de algumas locuções já consagradas pelo uso: água-de-colônia, cor-de-rosa, pé-de-meia, à queima-roupa, etc.

EXERCÍCIOS

1) Assinale a alternativa em que o emprego do hífen está correto em todas as palavras.


a) mal-educado - sub-estimar - ex-presidente
b) autorretrato - bel-prazer - vice-governador
c) infraestrutura - bem-quisto - contraataque
d) extra-conjugal - interregional - antisocial
e) anti-herói - sobre-capa - ab-jurar

2) Assinale a alternativa que possui o uso correto do apóstrofo.


a) No mês passado, fui pr'praia.
b) Perdi o livro n'algum lugar.
c) Titia tem uma galinha d'angola.
d) Gosto das notícias d'Globo.
e) Chamam-lh's de interesseiros.

3) Assinale a alternativa que contém a correta formação da palavra composta.


a) passa-tempo
b) vai-vém
c) ponta-pé
d) sempre-viva
e) mal-me-quer
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Fonologia = 63
4) Dadas as palavras:

I) doce de leite
II) sem sal
III) estrada de ferro

constamos que o hífen é obrigatório:


a) apenas em I.
b) apenas em II.
c) apenas em III.
d) em todas as palavras.
e) n.d.a.

5) Assinale a alternativa incorreta quanto ao emprego do hífen:


a) Emprega-se o hífen nos compostos em que o prefixo ou falso prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por vogal
igual ou por h.
b) Não se emprega o hífen nos prefixos e falsos prefixos terminados em vogal e o segundo elemento começado por vogal
diferente.
c) O uso do hífen permanece nos compostos em que os prefixos super, hiper, inter aparecem combinados com elementos também
iniciados por r ou pela letra h.
d) Emprega-se o hífen com o prefixo re-.
e) n.d.a.

6) (Santa Casa-SP)Assinale a alternativa correta.


a) extraordinário; sobre-mesa; anti-higiênico.
b) maleducado; mal-humorado; subreino.
c) arco-íris; tenente-coronel; luso-brasileiro.
d) paraquedista; panamericano; bel-prazer.
e) auto-sugestão; extraregimental; pró-consul.

7) (ESAN) Assinale a alternativa em que o emprego do hífen nas palavras está correto.
a) sempre-viva; mato-grossense; verde-amarelo.
b) auto ônibus; semi-selvagem; ultra-sensível.
c) bem vindo; estrada-de-ferro; sobremesa.
d) infra-vermelho; anjo-da-guarda; bem-querer.
e) nenhuma das alternativas.

8) (UFSãoCarlos-SP) Fez um espaço ........................ para vencer o campeonato ............................... .


a) sobre-humano - inter-regional
b) sobrehumano - interregional
c) sobreumano - interregional
d) sobrehumano - inter-regional
e) sobre-humano - interegional

9) (FAAP-SP)Verifique, nas alternativas abaixo, qual a que contém a correta formação da palavra composta.
a) Uma pessoa contrária aos americanos é anti-americana.
b) O objeto que se situa além da órbita é extra-orbital.
c) Uma pessoa contrária à república é antirrepublicana.
d) Alguém liberal demasiadamente é ultra-liberal.
e) A ação de sugestionar-se a si mesmo é autosugestão.

10) (Fecap-SP) Assinale a alternativa que substitua corretamente a parte grifada nas frases.

I) Ele era um conservador ao extremo.

II) Insistia em ensinar o período anterior a Sócrates.

III) Ninguém conseguia demovê-la daquela ideia contrária ao liberalismo.

a) ultra-conservador, ante-socrático, antiliberal


b) ultraconservador, ante-socrático, anti-liberal
c) ultra-conservador, antesocrático, anti-liberal
d) ultraconservador, antessocrático, anti-liberal
e) n.d.a.
64 = Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
11) Assinale a alternativa incorreta:
a) micro-ondas
b) contra-regra
c) anti-inflamatório
d) circum-navegação
e) n.d.a.

12) Assinale a alternativa em que deve se deve usar o hífen:


a) contrarregra
b) antirrugas
c) interrelação
d) autorretrato
e) n.d.a.

RESPOSTAS

1-B 2-C 3-D 4-B 5-D 6-C

7-A 8-A 9-C 10-E 11-B 12-C


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 65
7) (ESAN) Assinale a alternativa em que o emprego do hífen nas palavras está correto.
a) sempre-viva; mato-grossense; verde-amarelo.
b) auto ônibus; semi-selvagem; ultra-sensível.
c) bem vindo; estrada-de-ferro; sobremesa.
d) infra-vermelho; anjo-da-guarda; bem-querer.
e) nenhuma das alternativas.

8) Fez um espaço ........................ para vencer o campeonato ............................... .


(UFSãoCarlos-SP)
a) sobre-humano - inter-regional
b) sobrehumano - interregional
c) sobreumano - interregional
d) sobrehumano - inter-regional
e) sobre-humano - interegional

9) (FAAP-SP) Verifique, nas alternativas abaixo, qual a que contém a correta formação da palavra composta.
a) Uma pessoa contrária aos americanos é anti-americana.
b) O objeto que se situa além da órbita é extra-orbital.
c) Uma pessoa contrária à república é antirrepublicana.
d) Alguém liberal demasiadamente é ultra-liberal.
e) A ação de sugestionar-se a si mesmo é autosugestão.

10) (Fecap-SP) Assinale a alternativa que substitua corretamente a parte grifada nas frases.

I) Ele era um conservador ao extremo.

II) Insistia em ensinar o período anterior a Sócrates.

III) Ninguém conseguia demovê-la daquela ideia contrária ao liberalismo.

a) ultra-conservador, ante-socrático, antiliberal


b) ultraconservador, ante-socrático, anti-liberal
c) ultra-conservador, antesocrático, anti-liberal
d) ultraconservador, antessocrático, anti-liberal
e) n.d.a.

11) Assinale a alternativa incorreta:


a) micro-ondas
b) contra-regra
c) anti-inflamatório
d) circum-navegação
e) n.d.a.

12) Assinale a alternativa em que deve se deve usar o hífen:


a) contrarregra
b) antirrugas
c) interrelação
d) autorretrato
e) n.d.a.

RESPOSTAS

1-B 2-C 3-D 4-B 5-D 6-C

7-A 8-A 9-C 10-E 11-B 12-C


66 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
MORFOLOGIA

forma
reforma
disforma
transforma
conforma
informa
forma

GRÜNEWALD, José Lino. Sem título. In: MENEZES, Philadelpho. Poesia concreta e visual. São Paulo: Ática, 1998

A Morfologia é a parte da Gramática que estuda as palavras e sua classificação, procurando determinar, também,
a estrutura, a formação e suas flexões.

Estrutura das Palavras

A palavra não é uma unidade indivisível. Ela é formada pela combinação de partes menores. Do ponto de vista
fonológico, pode ser dividida em sílabas - for-ma - e fonemas - /f/o/r/m/a/.

As palavras podem ser divididas em unidades menores, dotadas de significação. Veja, por exemplo, as palavras que
formam o poema de José Lino Grünewald: reforma, disforma, transforma, conforma e informa. Essas unidades são
chamadas de morfemas (ou elementos mórficos).

Observe, agora, as palavras menininhos e belíssimas. Podemos dividi-las em quatro partes.

menin inh o s
9 9 9 9
segmento segmento segmento segmento
que é a base que indica que indica que indica
do significado grau diminutivo gênero masculino plural

bel íssim a s
9 9 9 9
segmento segmento segmento segmento
que é a base que indica que indica que indica
do significado grau superlativogênero femininoplural

Portanto, essas partes que se combinam para formar a palavra, como já foi mencionado anteriormente, chamam-se
elementos mórficos.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 67

Classificação dos Elementos Mórficos

Os elementos mórficos são classificados de acordo com sua função na palavra.

1. Radical
É o elemento originário e irredutível em que se concentra a significação das palavras. É o elemento comum a várias
palavras da mesma família. O radical, como base da palavra, admite agregação de elementos mórficos tanto à esquerda
quanto à direita. Exemplos:

in - feliz i - moral
feliz - mente moral - ista

2. Desinências
São elementos que têm a função de indicar flexões gramaticais da mesma palavra. Em português, as desinências
marcam o gênero e o número nos nomes, são as desinências nominais. Exemplo:

alun + a + s
9 9 9
radical desinência desinência
de gênero de número

Nos verbos, as desinências marcam ainda pessoa e número (são as número-pessoais) e tempo e modo (são as
modo-temporais). Exemplos:

cant - o canta - mos


9 9
desinência desinência
de 1ª pessoa de 1ª pessoa
do singular do plural

canta - sse cantá - va - mos


9 9 9
desinência desinência desinência
do tempo imperfeito do tempo de 1ª pessoa
do modo subjuntivo imperfeito do plural
do modo indicativo

3. Vogal temática e tema


Vogal temática é aquela que prepara o radical para receber as desinências.

am a va
vend e ra
part i sse
9 9 9
radical vogal temática desinência

a: caracteriza os verbos da 1ª conjugação (ex.: amar)


e: caracteriza os verbos da 2ª conjugação (ex.: vender)
i: caracteriza os verbos da 3ª conjugação (ex.: partir)
68 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Tema é a reunião do radical mais a vogal temática.

am + a + r
9 9 9
radical vogal temática desinência de infinitivo
9
tema

vend + e + ra
9 9 9
radical vogal temática desinência
9
tema

part + i + ste
9 9 9
radical vogal temática desinência
9
tema

4. Vogais e consoantes de ligação


Em certas palavras podem aparecer vogais e consoantes de ligação. Tais vogais e consoantes não possuem função
significativa na estrutura da palavra e intercalam-se no vocábulo tão-somente para facilitar a pronúncia.
gas - ô - metro cha - l - eira
paris - i - ense cafe - t - eira

5. Afixos
São elementos que se colocam antes ou depois do radical ou de uma palavra para formar palavras novas. Os afixos
dividem-se em:

a) prefixos - quando vêm antes do radical: in-fiel; re-ler.

b) sufixos - quando vêm depois do radical: real-mente; leal-dade.

Termos cognatos ou palavras cognatas são aqueles que pertencem a uma mesma família ou que descendem
de uma mesma raiz. Estas palavras constituem uma família etimológica. Por exemplo, do latim stella derivam estrela,
estelar, estrelar, estrelado, estrelante, estrelário.

Lista de Radicais e Prefixos

Nas palavras portuguesas, tanto os radicais quanto os prefixos são oriundos de vários idiomas. As listas que seguem
contêm elementos gregos e latinos, o sentido de cada um e alguns exemplos.

Radicais latinos ( 1º elemento )


radical sentido exemplos
agri- campo agricultura, agrícola
ali- asa alípede
alvi- branco alviverde, alvorecer
api- abelha apiário, apicultor
arbori- árvore arborizar, arborícola
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 69

armi- arma armífero


avi- ave avicultura, avícola
beli- guerra belicoso, beligerância
bene- bem benefício
calori- calor calorimetria, caloria
carni- carne carnívoro
centri- centro centrífugo
cruci- cruz crucifixo, crucificar
cunei- cunha cuneiforme
curvi- curvo curvilíneo, curvicórneo
denti- dente dentiforme
digiti- dedo dígito, digitação
equi- igual equivalente, equidistante
fili- filho filicídio
fili- fio filiforme
frater- irmão fraterno, fratricídio
igni- fogo ignívomo
infanti- criança infanticídio
loco- lugar localidade
ludo- jogo ludoterapia, lúdico
magni- grande magnificência
mater- mãe materno, matriz
morti- morte mortífero, mortificar
multi- muito multiforme
nocti- noite noctívago
olei-, oleo- óleo oleígeno, oleoduto
oni- todo onipresença
pisci- peixe piscicultura, piscoso
pluri- mais pluricelular, pluriforme
puer- criança pueril
quadri-, quadru- quatro quadrilátero, quadrúpede
reti- direito retilíneo, retiforme
sapo- sabão saponáceo, saponificar
silva- floresta silvícola, silvicultor
sui- a si mesmo suicídio
tauro- touro taurino
tri- três tricampeonato
uni- um uníssono
uxor- esposa uxoricida
vermi- verme vermífugo, verminose
vini- vinho vinicultura
70 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Radicais latinos ( 2º elemento )
radical sentido exemplos
-cida que mata homicida, uxoricida
-cola cultiva ou habita agrícola, arborícola
-cultura ato de cultivar apicultura, piscicultura
-fero que contém ou produz aurífero, mamífero
-fico que faz ou produz benéfico, frigorífico
-forme em forma de uniforme, formato
-fugo que foge ou faz fugir vermífugo
-gena nascido em alienígena
-gero que contém ou produz belígero
-loquo falante com ventríloquo
-paro que produz ovíparo
-pede pé velocípede
-sono que soa uníssono
-vago que vaga noctívago
-vomo que expele fumívomo
-voro que come carnívoro

Radicais grego ( 1º elemento )


radical sentido exemplos
acro- alto acrobata, acrofobia
aero- ar aeronauta, aeronave
agro- campo agronomia
andro- homem andróide, androfobia
anemo- vento anemômetro, anemofilia
antropo- homem antropologia, antropofagia
aristo- melhor aristocracia
arqueo- antigo arqueologia, arqueozóico
astro- astro astronomia
atmo- ar atmosfera
auto- próprio autobiografia
baro- peso, pressão barômetro, barógrafo
biblio- livro antigo biblioteca, bibliografia
bio- vida biografia, biologia
caco- mau cacofonia, cacografia
cali- belo caligrafia
cardio- coração cardiologia, cardiovascular
cefalo- cabeça cefalgia, acéfalo
cino- cão cinofilia, cinografia
cito- celula citologia
cloro- verde clorofila, cloroplasto
cosmo- mundo cosmopolita, cosmonauta
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 71

crono- tempo cronometrar


datilo- dedo datiloscopia
demo- povo democracia, demagogia
dermato- pele dermatologia, dermite
dinamo- força dinamômetro, dinâmico
esteto- peito estetoscópio
etimo- origem étimo, etimológico
etno- raça etnologia, etnografia
filo- amigo, amante filosofia
fisio- natureza fisiologia
fito- planta fitologia
fono- som, voz fonologia
foto- luz fotofobia, fotografia
gastro- estômago gastrite, gastronomia
geo- terra geologia
geneo- origem genética
gineco- mulher ginecologia
glico- doce glicose
helio- sol heliocêntrico, heliolatria
hemo- sangue hemograma, hemorragia
hetero- outro, diferente heterônimo, heterogêneo
hidro- água hidrografia, hidrômetro
hipno- sono hipnotismo
hipo- cavalo hipismo, hipódromo
homo- mesmo, igual homófono, homossexual
icono- figura, imagem iconoclasta, iconografia
idolo- imagem idolatria
léxico- palavra lexicógrafo
lito- pedra litografia
macro- grande macrobiótica, macrocéfalo
micro- pequeno micróbio
mito- fábula, mentira mitologia
mono- um monarca, monólogo
necro- morto necrofobia, necrotério
neo- novo neologia
noso- doença nosologia, nosomania
odonto- dente odontologia
oftalmo- olho oftalmologia
orto- correto ortografia
paleo- antigo paleontologia
pan- tudo, todos pan-americano, panteísmo
pato- doença patologia
pedi- criança pediatria, pedagogo
piro- fogo piromania, pirotécnico
72 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
poli- muitos poligamia, poliglota
proto- primeiro, principal protótipo, protagonista
pseudo- falso pseudônimo, pseudopatriota
psico- alma psicologia
rino- nariz rinoceronte, rinite
semio- sinal semiologia
sismo- abalo sismógrafo
tecno- arte, ciência tecnologia, tecnocrata
tele- longe telefone, telescópio
teo- deus teologia, teocracia
termo- calor termômetro
tetra- quatro tetracampeão
topo- lugar topografia, topologia
traumato- ferimento traumatologia
uro- urina urologia
xeno- estrangeiro xenofobia
xilo- madeira xilogravura
zoo- animal zoologia

Radicais gregos ( 2º elemento )


radical sentido exemplos
-agogo condutor pedagogo, demagogo
-algia dor nevralgia
-cracia poder democracia, teocracia
-dromo lugar para correr autódromo, hipódromo
-fago que come antropófago, hematófago
-filia amizade bibliofilia
-fobia medo ou aversão acrofobia, hidrofobia
-gamia casamento poligamia
-grafia escrita ortografia
-iatra médico pediatra
-logia estudo biologia, teologia
-metro que mede termômetro
-morfo com a forma de polimorfo
-polis (-pole) cidade metrópole
-ptero asa helicóptero
-sofia sabedoria filosofia
-teca lugar para guardar discoteca
-tono tom monótono
-trofia desenvolvimento hipertrofia
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 73

Prefixos Latinos
prefixo sentido exemplos
a-, ab-, abs- afastamento aversão, abdicar, abster
ad-, a- aproximação, dire- adjunto, advogar, abeirar
ção
ambi- duplicidade, ao ambidestro, ambiente
redor
ante- anterioridade antebraço, antepor
bem-, ben- , bem bem-vindo, benfeitor, be-
bene- nemérito
bi-, bis- duas vezes bípede, bisavô
circum-, cir ao redor circum-adjacente, circun-
cun-ao redor vagar
cis- posição aquém cisalpino, cisplatino
com-, con-, co- companhia compor, consoante, coo-
perar
contra- oposição contra-ataque, contradizer
de- movimento para decrescer
baixo
des- afastamento desviar, desgraça
dis-, di- separação dissidente, dilacerar
ex-, es-, e- movimento para exportar, escorrer, emi-
fora grar
extra- posição exterior extraoficial
em-, en- movimento para embarcar, enterrar
dentro
i-, im-, in- movimento para imigrar, importar, ingerir
dentro
i-, im-, in- negação inerme, imperfeito, ilegal
inter-, entre- posição interme- internacional, entreabrir
diária
intra- dentro de intravenoso
intro- movimento para introduzir, introvertido
dentro
justa- ao lado de justaposição, justalinear
mal-, male- mal malcriado, maledicente
o-, ob- oposição obstar, oponente
per- movimento através percorrer
post-, pos- posterioridade posterior, póstumo, pos-
por
pre- anterioridade prefácio, pré-colombiana
preter- além de preterir
pro- movimento para a projetar, prosseguir
frente
re- movimento para regredir, refazer
trás, repetição
retro- para trás retrocesso, retrospecto
semi- metade semicírculo, seminu
sesqui- um e meio sesquicentenário
74 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
sob-, so-, sub- inferioridade, posi- sobpor, soterrar, subsolo
ção abaixo
soto-, sota- posição inferior soto-pôr, sota-vento
super-, supra-, posição superior super-homem, supracita-
sobre do, sobreloja
trans-,tras-, posição além de transpor, traslado, tradu-
tra-,tres- além de zir, trespassar
ultra substituição em ultrapassar
vice-, vis lugar de vice-rei, visconde

Prefixos Gregos
prefixo sentido exemplos
a-, an- negação, privação ateísmo, anarquia
ana- inversão, repetição anástrofe, anáfora
anfi- duplicidade, ao redor de anfíbio, anfiteatro
anti- contra, oposição antiaéreo, antipatia
apo- afastamento apogeu, aposentar
arce- superioridade arcebispo, arquétipo,
arquiduque
cata- movimento para baixo catacumba, catarata
dia- através de diagonal, diafragma
di- duplicidade ditongo
dis- dificuldade dispneia, disenteria
e-, en-, endo posição interna elipse, encéfalo, endo-
derma
epi- posição superior, final epiderme, epílogo
eu- bem, perfeição eufonia, eucaristia
ex-, exo-, ec- movimento para fora exosmose, exorcismo,
eclipse
hemi- metade hemisfério
hiper- excesso, sobre hipertensão, hipertro-
fia
hipo- sob, deficiência hipoteca, hipotensão
meta- além de, transformação metafísica, metamor-
fose
para- ao lado de, proximidade parapsicologia, para-
lelo
peri- em torno de perímetro, periscópio
pro- diante de, anteriormente prólogo, prognóstico

sin- reunião, combinação sinfonia, sincrônico


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 75

Correspondência entre Prefixos Gregos e


Latinos
prefixo exemplo prefixo exemplo sentido
grego latino
a-, an- amoral, des-, in- desnecessá- privação,
anarquia rio, inválido negação
anfi- anfíbio ambi- ambidestro duplicida-
de, duali-
dade
anti- antídoto contra- contradizer ação con-
trária
apo- apogeu ab-, abs- abdicar, abs- afasta-
ter mento
cata- cataclismo de- decair movimen-
to de cima
para bai-
xo
di- dípode bi- bípede duas ve-
zes
dia- diálogo, trans- transparen- através,
meta- metamorfose te, transfor- além
mação
ec-, ex- ectoplasma, ex- exportar, movimen-
êxodo exonerar to para
fora
e-, en- elipse, encé- in- injeção, in- interiori-
falo gerir dade
endo- endovenoso intra-, intravenoso, dentro de
intro- introduzir
epi- epiderme super-, supercílio, acima,
supra- supracitado superior
eu- eugenia, bem-, bendito, be- bem, bom
eufonia bene- neficente
hemi- hemisfério semi- semicírculo metade
hiper- hipertensão super- supersônico sobre,
excesso
hipo- hipodérmico sub- subterrâneo posição
abaixo
para- paráfrase ad- adjunto ao lado de
peri- perímetro circum- circunferên- em torno
cia de
poli- polissílabo multi-, multinacio- multiplici-
pluri- nal, plurice- dade
lular
pro- prólogo pre- prefácio, pre- anteriori-
visão dade
sin- sintonia, com-, combater, simulta-
sintaxe con- contemporâ- neidade
neo
76 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Sufixos

Os sufixos, que ocorrem nas palavras portuguesas, são de origem variada. Predominam, no entanto, os de origem
grega ou latina. Quanto ao sentido, costumam assumir inúmeros significados. Dividem-se em nominais, verbais e
adverbial.

• nominais - são aqueles que formam substantivos e adjetivos.

• verbais - são aqueles que formam verbos.

• adverbial - é aquele que forma o advérbio.

Sufixos Nominais

1. Com valor aumentativo

-aça: barcaça, barbaça -alha: muralha


-aço: amigaço, ricaço -alhão: grandalhão, vagalhão
-ão: paredão, salão -anzil: corpanzil
-arão: caldeirão, casarão -ázio: copázio
-aréu: fogaréu, mundaréu -uça: dentuça
-arra: bocarra, naviarra -az: fatacaz
-arrão: gatarrão, santarrão -ola: beiçola
-orra: beiçorra, cabeçorra -eirão: boqueirão, asneirão
-zarrão: canzarrão, homenzarrão

2. Com valor diminutivo

-inho, inha: carrinho, folhinha -ejo: lugarejo


-ota, -ote: meninota, caixote -ito,-ita: copito, casita
-acho: riacho -zito: jardinzito
-ebre: casebre -ico: namorico, veranico
-ula, -ulo: glóbulo, nótula -isco: chuvisco
-im: flautim -eca, -eco: soneca, livreco
-ela: ruela, magricela -ucho: pequerrucho
-zinho, -zinha: rapazinho, florzinha
-eta, -ete, -eto: saleta, lembrete, livreto

3. Que formam substantivos coletivos ou com sentido de agrupamento

-ada: boiada, papelada -edo: arvoredo, passaredo


-agem: folhagem, plumagem -eiro: formigueiro
-al: cafezal, milharal -ia: cavalaria, livraria
-alha: gentalha -io: mulherio
-ama: dinheirama -ume: cardume
-ame: vasilhame

4. Que formam substantivos que indicam ação, estado ou qualidade

-ada: cartada, paulada -ança: cobrança


-agem: aprendizagem -ência: influência
-aria: pirataria -ção: admiração
-dade: humildade, bondade -são: ascensão
-dão: escuridão -mento: ferimento
-ez: altivez, sensatez -ude: quietude
-ia: cortesia -ume: negrume
-ice: burrice,velhice -ura: doçura
-ície: calvície, imundície
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 77

5. Que formam substantivos que indicam, lugar, território

-ado: condado -ário: vestiário


-douro: bebedouro -eiro: viveiro
-tório: lavatório

6. Que formam substantivos que indicam instituição, titulatura

-ado: doutorado -ia: advocacia

7. Que formam substantivos que indicam profissão, estabelecimento

-aria: sapataria -ário: escriturário


-eiro: verdureiro -eria: leiteria
-(t)or: escultor -(s)or: professor

8. Que formam substantivos que indicam ciência, doutrina, sistema político ou religioso

-ano: anglicano -ia: astronomia


-ismo: cristianismo -ista: socialista

9. Que formam substantivos que indicam abundância

-oso: bondoso -udo: cabeludo

10.Que formam substantivos empregados nas ciências

-ato: clorato -ita: pirita


-ema: fonema -ite: amonite
-ênio: hidrogênio -ito: granito
-eto: cloreto -ol: fenol
-ico: mercúrico -oma: epitelioma
-ílio: metílio -oso: mercuroso
-ína: cafeína

11.Que formam adjetivos pátrios

-ano: sergipano, cubano -esa: irlandesa, portuguesa


-ão: alemão, bretão -ino: bragantino, latino
-eiro: brasileiro -ista: paulista, santista
-ense: cearense, fluminense -ol: espanhol
-ês: francês, norueguês -oto: minhoto

12.Que formam adjetivos em geral

-al: anual -este: celeste


-ar: escolar -estre: silvestre
-ário: diário -ico: público
-ático: problemático -ivo: negativo
-az: capaz -onho: risonho
-eiro: verdadeiro -oso: gostoso
-ento: cruento -udo: barrigudo

Sufixos Verbais

A terminação -ar (vogal temática a + desinência r do infinitivo impessoal) é uma das mais empregadas na formação
dos verbos em português. Tal terminação tem funcionado, na prática, como sufixo. Exemplos: amar, brincar, lutar,
pesquisar, etc.
78 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Veja outros sufixos verbais:

-ear: passear -iscar: chuviscar


-entar: frequentar -itar: salitar
-ejar: velejar -ilhar: dedilhar
-ficar: glorificar -inhar: engatinhar
-icar: bebericar -izar: utilizar

Sufixo Adverbial

O único sufixo que forma advérbios em português é -mente. Exemplos: felizmente, simplesmente, frequentemente,
etc.

O sufixo -mente junta-se ao adjetivo na forma feminina, quando for o caso: claro, clara, claramente; educado,
educada, educadamente, etc.

EXERCÍCIOS

1) Nos vocábulos antepor, epílogo e perímetro, temos, respectivamente, prefixos:


a) latino, grego, latino.
b) grego, latino, grego.
c) latino, grego, grego.
d) grego, latino, latino.
e) latino, latino, grego.

2) Assinale a única alternativa que possui um radical grego no 2º elemento.


a) pedagogo
b) agricultura
c) ventríloquo
d) suicida
e) aurífero

3) Assinale a alternativa em que o sentido do prefixo destacado na palavra está incorreto.


a) metamorfose - mudança
b) imperfeito - negação
c) ultrapassar - além de
d) apogeu - perfeição
e) endoderma - posição interior

4) Aponte a alternativa em que não ocorre correspondência entre os prefixos gregos e latinos.
a) hemi- / semi-
b) sin- / con-
c) hiper- / super-
d) dia- / per-
e) para- / intra-

5) Quando duas ou mais palavras apresentam um mesmo radical, essas palavras são chamadas de:
a) morfemas
b) cognatas
c) desinências
d) afixos
e) temas
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 79
6) Assinale a alternativa em que uma palavra possui uma vogal de ligação.
a) cantava
b) pontudo
c) gostoso
d) falador
e) agilidade

7) Aponte a alternativa em que há erro quanto à análise da forma verbal "partíssemos".


a) part- = radical
b) -i- = vogal temática
c) parti- = tema
d) -sse- = desinência de pretérito imperfeito do indicativo
e) -mos = desinência de 1ª pessoa do plural

8) Assinale a alternativa em que o elemento mórfico em destaque está corretamente analisado.


a) aluno (-o) = desinência nominal de gênero
b) cantaste (-a) = vogal de ligação
c) frutífero (-i) = vogal temática de 3ª conjugação
d) falassem (-sse) = desinência de 2ª pessoa do plural
e) amaríeis (-is) = desinência do imperfeito do subjuntivo

9) Assinale o par de vocábulos cujos sufixos possuem valor semântico idêntico ao dos sufixos de espanhol e
galinheiro, respectivamente.
a) laranjal / socialista
b) brasileiro / vestiário
c) cafeína / condado
d) cearense / cortesia
e) mulherio / folhagem

10) "Deu uma paulada no rato".


Assinale a alternativa em que ocorre uma palavra com sufixo do mesmo valor que o da palavra destacada
acima.
a) feijoada
b) marmelada
c) boiada
d) meninada
e) pedalada

11) Recheio, fruta-do-conde e cruzamento passaram, respectivamente, pelos seguintes processos de


(PUC-SP)
formação:
a) hibridismo, derivação sufixal e composição
b) derivação prefixal, composição e derivação sufixal
c) derivação prefixal, hibridismo e derivação sufixal
d) hibridismo, derivação sufixal e derivação prefixal
e) derivação sufixal, hibridismo e composição

12) (FUVEST-SP) As palavras: adivinhar, adivinho, adivinhação têm a mesma raiz, por isso são cognatas. Assinalar
a alternativa em que não ocorrem três cognatos.
a) alguém, algo, algum
b) ler, leitura, lição
c) ensinar, ensino, ensinamento
d) candura, cândido, incandescência
e) viver, vida, vidente

13) (FUVEST-SP) Assinalar a alternativa em que a primeira palavra apresenta sufixo formador de advérbio e, a
segunda, sufixo formador de substantivo.
a) perfeitamente, varrendo
b) provavelmente, erro
c) lentamente, explicação
d) atrevimento, ignorância
e) proveniente, furtado
80 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
14) Assinale a palavra cujos elementos mórficos estão erradamente separados.
(Cesgranrio-RJ)
a) fogueiras = fogu-eira-s
b) errantes = err-a-nte-s
c) profundamente = profund-a-mente
d) dormindo = dorm-ind-o
e) deitados = deit-a-do-s

15) (FUVEST-SP) Assinalar a alternativa que registra a palavra que tem o sufixo formador de advérbio.
a) desesperança
b) pessimismo
c) empobrecimento
d) extremamente
e) sociedade

16) (PUC-RJ) Relacione os sinônimos nas duas colunas abaixo e assinale a resposta correta.

1. translúcido ( ) contraveneno
2. antídoto ( ) metamorfose
3. transformação ( ) diáfano
4. adversário ( ) antítese
5. oposição ( ) antagonista

a) 1, 3, 4, 2, 5
b) 2, 3, 4, 5, 1
c) 2, 3, 1, 5, 4
d) 1, 4, 5, 2, 3
e) 4, 3, 1, 5, 2

17) (Mackenzie-SP) Aponte a alternativa em que não ocorre correspondência entre o emprego do prefixo grego e
o sentido expresso entre parênteses:
a) anônimo (sem nome)
b) sincrônico (ao mesmo tempo)
c) parágrafo (escrito ao lado)
d) anticristo (contrário a Cristo)
e) apogeu (no alto da terra)

18) (Unirio-RJ)Assinale o vocábulo cujo prefixo não tem valor negativo.


a) incertezas
b) impregnado
c) inculto
d) indiferente
e) independência

19) (AMAN-RJ) O único verbo que não apresenta vogal temática está na opção:
a) dizer
b) valha
c) chega
d) circulam
e) aparecendo

20) (Cesgranrio-RJ)Assinale a opção em que nem todas as palavras provêm de um mesmo radical.
a) noite, anoitecer, noitada
b) luz, luzeiro, alumiar
c) incrível, crente,crer
d) festa, festeiro, festejar
e) riqueza, ricaço, enriquecer

RESPOSTAS

1-C 2-A 3-D 4-E 5-B

6-E 7-D 8-A 9-B 10-E

11-B 12-E 13-C 14-D 15-D

16-C 17-E 18-B 19-B 20-B


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 81

Formação de Palavras

Relampa?
Relampadeja?
Relampeja
Relampagueia?
Relampeia?
Relampadeia?
E, enquanto a luz
Não esclarece as
letras,
O raio que me parta
chega.
(Ilka B. Laurito, "Poeminha fulminante")

Uma língua evolui com os falantes, há palavras que caem em desuso, outras sofrem mudança de significado e outras, ainda, são
criadas.

Observe que no poema aparecem seis palavras com o mesmo significado. Isso ocorre porque a autora utilizou morfemas lexicais
de acordo com os processos já existentes em nossa língua.

A existência desses mecanismos formadores de palavras permite que o conjunto de palavras de um idioma torne-se enriquecido.

Segundo Evanildo Bechara, "as múltiplas atividades dos falantes no comércio da vida em sociedade favorecem a criação de
palavras para atender às necessidades culturais, científicas e da comunicação de um modo geral. As palavras que vêm ao encontro
dessas necessidades renovadoras chamam-se neologismos, que têm, do lado oposto ao movimento criador, os arcaísmos, representados
por palavras e expressões que, por diversas razões, saem de uso e acabam esquecidas por uma comunidade linguística, embora
permaneçam em comunidades mais conservadoras, ou lembrados em formações deles originados. Os neologismos ou criações novas
penetram na língua por diversos caminhos. O primeiro deles é mediante utilização da prata da casa, isto é, dos elementos (palavras,
prefixos, sufixos), já existentes no idioma, quer no significado usual, quer por mudança do significado, o que já é um modo de
revitalizar a língua. Entre os procedimentos formais temos, assim a derivação e a composição."

Derivação

Derivação é o processo pelo qual palavras novas (derivadas) são criadas a partir daquelas já existentes (primitivas) por meio dos
afixos (prefixos e sufixos). Exemplo:
folhinha
folha (primitiva) folheto(derivadas)
folhetim

A derivação pode ser:

1- Prefixal
Quando se acrescenta um prefixo ao radical.

in + feliz ÷ infeliz
9 9
prefixo radical

re + ver ÷ rever
9 9
prefixo radical
82 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
2- Sufixal
Quando se acrescenta um sufixo ao radical.

feliz+ mente ÷ felizmente


9 9
radical sufixol

leit + eiro ÷ leiteiro


9 9
radical sufixol

3- Parassintética
Ocorre quando se acrescenta um prefixo e um sufixo simultaneamente ao radical.

es + clar + ecer ÷ esclarecer


9 9 9
prefixo radical sufixo

en + triste + cer ÷ entristecer


9 9 9
prefixo radical sufixo

4- Prefixal e sufixal
Ocorre quando se acrescenta um prefixo e um sufixo não-simultâneo ao radical.

desgraçado (não ocorre parassíntese porque existe a forma desgraça em português)

Observação: De acordo com a Gramática da Língua Portuguesa de Pasquale Cipro Neto e Ulisses Infante, "não se
deve confundir a derivação parassintética, em que o acréscimo de sufixo e prefixo é obrigatoriamente simultâneo, com casos como os das
palavras desvalorização e desigualdade. Nessas palavras, os afixos são acoplados em sequência; assim, desvalorização provém de
desvalorizar, que provém de valorizar, que por sua vez provém de valor. É impossível fazer o mesmo com palavras formadas por
parassíntese: não se pode, por exemplo, dizer que expropriar provém diretamente de próprio, pelo acréscimo concomitante de prefixo e
sufixo".

5- Regressiva

Ocorre pela redução de elementos já existentes na palavra primitiva. É comum na criação de substantivos derivados de verbos:
o debate (de debater); a ajuda (de ajudar).

6- Imprópria

Ocorre quando há mudança de classe gramatical.

É um homem criança. (substantivo adjetivado)


Ele falou claro. (adjetivo adverbalizado)
Todos buscam o saber. (verbo substantivado)

Composição

É o processo através do qual a formação de palavras se dá pela união de dois ou mais radicais.

ponta + pé ÷ pontapé
amor + perfeito ÷ amor-perfeito
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 83
A composição pode se dar por:

1- Justaposição
Quando não há alteração fonética nos radicais, ou seja, cada palavra mantém sua independência e sua acentuação.

navio-escola pé-de-moleque passatempo

2- Aglutinação

Quando há alteração fonética nos radicais, ou seja, os radicais se fundem de tal maneira que a composição fica irreconhecível.

planalto vinagre petróleo


(plano + alto) (vino + acre) (petra + óleo)

Hibridismo

É a formação de palavras com elementos de línguas diferentes. São palavras híbridas:

1- grego e latim
tele + visão ÷ televisão
auto + móvel ÷ automóvel

2- latim e grego
bi + gamo ÷ bígamo
socio + logia ÷ sociologia

3- outras línguas
buro (francês) + cracia (grego) ÷ burocracia
álcool (árabe) + metro (grego) ÷ alcoômetro

Abreviação ou Redução

Abreviação ou redução é a forma reduzida que algumas palavras apresentam.

Palavra Abreviação
automóvel auto
apartamento apê
botequim boteco
cinema cine
extraordinário extra
fotografia foto
gelatina gel
motocicleta moto
pneumático pneu
quilograma quilo

Observação: não confunda o processo de abreviação vocabular com abreviatura ou sigla.

auto - abreviação de automóvel

pág. - abreviatura da palavra "página"

ONU - sigla que significa "Organização das Nações Unidas"


84 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Onomatopeia

Onomatopeia é a palavra que consiste na reprodução de certos sons ou ruídos.

buá plaft! cocoricó


catapimba! cricri tique-taque
fonfom reco-reco

EXERCÍCIOS

1) Considere o processo de formação das palavras principal e pernoitar e assinale a alternativa correta.
a) Ambas foram formadas por derivação sufixal.
b) Ambas foram formadas por derivação prefixal.
c) Ambas foram formadas por parassíntese
d) A primeira formou-se por derivação sufixal e a segunda por parassíntese.
e) A primeira formou-se por derivação sufixal e a segunda por derivação prefixal.

2) Os verbos foram formados por derivação parassintética, exceto um verbo de uma das alternativas.
Assinale-a.
a) anoitecer, enegrecer
b) aterrar, engrandecer
c) encadernar, envelhecer
d) envernizar, reconsiderar
e) expatriar, embelezar

3) Na frase "O seu andar é trôpego", a palavra destacada foi formada por derivação:
a) regressiva
b) imprópria
c) parassintética
d) sufixal
e) prefixal

4) Nas alternativas abaixo, são citados nomes e sobrenomes de escritores brasileiros. Assinale o sobrenome
que não resulta de derivação imprópria.
a) Paulo Coelho
b) Guimarães Rosa
c) Mário de Andrade
d) Gonçalves Dias
e) Alcântara Machado

5) Assinale a alternativa em que todas as palavras foram formadas pelo mesmo processo de composição.
a) pombo-correio; vaivém; malmequer.
b) clarabóia; lobisomem; girassol.
c) passatempo; vinagre; quinta-feira.
d) beija-flor; verde-claro; aguardente.
e) pontapé; sempre-viva; embora.

6) "pneu, pingue-pongue, televisão" são palavras formadas, respectivamente, por:


a) hibridismo, redução, onomatopeia
b) redução, onomatopeia, hibridismo
c) onomatopeia, hibridismo, redução
d) hibridismo, onomatopeia, redução
e) redução, hibridismo, onomatopeia

7) Assinale a alternativa incorreta quanto ao processo de formação de palavras.


a) foto - redução
b) ataque - derivação regressiva
c) planalto - composição por aglutinação
d) reco-reco - onomatopeia
e) incapacidade - derivação parassintética
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 85
8) Aponte a alternativa em que não ocorre hibridismo.
a) monóculo
b) aristocracia
c) automóvel
d) sambódromo
e) burocracia

9) Aponte a alternativa em que não ocorre redução.


a) MOL
b) GEL
c) EXTRA
d) CINE
e) ONU

10) Processo idêntico ao que deu origem à palavra deslealdade, encontramos na alternativa:
a) entristecer
b) combate
c) astronauta
d) infelizmente
e) girassol

11) (FUVEST-SP) Assinale a alternativa em que uma das palavras não é formada por derivação prefixal.
a) readquirir, predestinado, propor
b) irregular, amoral, demover
c) remeter, conter, antegozar
d) irrestrito, antípoda, prever
e) dever, deter, antever

12) Em qual dos exemplos abaixo está presente um caso de derivação parassintética?
(Santa Casa-SP)
a) Lá vem ele, vitorioso do combate.
b) Ora, vá plantar batatas!
c) Começou o ataque.
d) Assustado, começou a se distanciar do animal.
e) Não vou mais me entristecer, vou é cantar.

13) (Vunesp-SP) Em: "...gordos irlandeses de rosto vermelho..." e "...deixa entrever o princípio de uma tatuagem",
os termos destacados são formados, respectivamente, a partir de processos de:
a) derivação prefixal e derivação sufixal.
b) composição por aglutinação e derivação prefixal.
c) derivação sufixal e composição por justaposição.
d) derivação sufixal e derivação prefixal.
e) derivação parassintética e derivação sufixal.

14) (UF Uberlândia-MG) A palavra ensolarada tem o mesmo processo de formação da palavra:
a) injustiçada
b) inspirada
c) esperada
d) sonhada
e) amada

15) (FUVEST-SP) Nas palavras: atenuado, televisão, percurso temos, respectivamente, os seguintes processos de
formação de palavras:
a) parassíntese, hibridismo, derivação prefixal
b) aglutinação, justaposição, derivação sufixal
c) derivação sufixal, aglutinação, justaposição
d) justaposição, derivação prefixal, parassíntese
e) hibridismo, parassíntese, hibridismo

16) (UFMG) Em todas as frases, o termo grifado exemplifica corretamente o processo de formação de palavras
indicado, exceto em:
a) "Onde se viu perversidade semelhante?" / derivação parassintética
b) "Não senhor, não procedi nem percorri." / derivação prefixal
c) "Preciso falar-lhe amanhã, sem falta." / derivação regressiva
d) "As moças me achavam maçador, evidentemente." / derivação sufixal
e) "Minava um apetite surdo pelo jantar." / derivação imprópria
86 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
17) (UFGO) Na frase "Ela tem um quê misterioso", o processo de formação de palavra destacada chama-se:
a) composição
b) aglutinação
c) justaposição
d) derivação imprópria
e) parassíntese

18) (PUC-SP) As
palavras azuladas, esbranquiçadas, bons-dias e lavagem foram formadas, respectivamente, pelos
processos de:
a) derivação parassintética,derivação prefixal e sufixal, composição por aglutinação, derivação prefixal e sufixal.
b) derivação sufixal, derivação parassintética, composição por justaposição, derivação sufixal.
c) derivação parassintética, derivação parassintética, composição por aglutinação, derivação sufixal.
d) derivação prefixal e sufixal, derivação prefixal, composição por justaposição, derivação parassintética.
e) derivação sufixal, derivação imprópria, composição por justaposição, derivação sufixal.

19) (FUVEST-SP) Foram formadas pelo mesmo processo as seguintes palavras:


a) vendavais, naufrágios, polêmicas
b) descompõem, desempregados, desejava
c) estendendo, escritório, espírito
d) quitação, sabonete, nadador
e) religião, irmão, solidão

20) (UFF-RJ) O vocábulo catedral, do ponto de vista de sua formação é:


a) primitivo.
b) composto por aglutinação.
c) derivado sufixal.
d) parassintético.
e) derivado regressivo de catedrático.

RESPOSTAS

1-D 2-D 3-B 4-C 5-A

6-B 7-E 8-B 9-E 10-D

11-E 12-E 13-D 14-B 15-E

16-A 17-D 18-B 19-D 20-C

Classes de Palavras

Resolvi me seguir
Seguindo-te.
A dois passos de mim
Me vi:
Molhada cara, matando-se.

Cravado de flechas claras


Ramo de luzes, de punhaladas
Te vi. Sangrando de morte rara:
A minha. Morrendo de ti.
(Hilda Hilst)

O poema acima constituiu-se de palavras dispostas de determinada maneira e articuladas entre si e com o todo.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 87
O código utilizado no poema foi a Língua Portuguesa que através de palavras designam seres e fatos do mundo real ou imaginário
como por exemplo as palavras flechas, ramo e morte.

Além de designar seres, há outras palavras que estabelecem ligações entre dois ou mais termos de uma frase, por exemplo, a
preposição de em ramo de luzes, ou o pronome minha que indica posse.

De acordo com a forma, a função e o sentido que exercem em um enunciado, os vocábulos dividem-se em classes.

São dez as classes de palavras. Observe o quadro abaixo:

1. Simples 2. Composto
3. Primitivo 4. Derivado
SUBSTANTIVO
5. Comum 6. Próprio
7. Concreto 8. Abstrato
9. Coletivo

ADJETIVO 1. Restritivo 2. Explicativo

PRONOME 1. Pessoal 2. Possessivo


3. Demonstrativo 4. Indefinido
5. Interrogativo 6. Relativo

VERBO 1. Regular 2. Irregular


3. Defectivo 4. Na voz ativa
5. Na voz reflexiva

ARTIGO 1. Definido 2. Indefinido

NUMERAL 1. Cardinal 2. Ordinal


3. Multiplicativo 4. Fracionário

ADVÉRBIO 1. De lugar 2. De tempo


3. De modo 4. De intensidade
5. De afirmação 6. De negação
7. De dúvida

PREPOSIÇÃO 1. Essencial 2. Acidental

CONJUNÇÃO Coordenativa Subordinativa


1. Aditiva 1. Integrante
2. Adversativa 2. Adverbial:
3. Alternativa a. Final
4. Conclusiva b. Conformativa
5. Explicativa c. Proporcional
d. Temporal
e. Comparativa
f. Condicional
g. Concessiva
h. Causal
i. Consecutiva

INTERJEIÇÃO

Palavras Variáveis e Invariáveis

As palavras variáveis são aquelas que sofrem flexões.

Essas flexões podem ser de gênero, número, grau, tempo, modo e pessoa.

• Gênero: menino (masculino) menina (feminino)

• Número: carro (singular) carros (plural)

• Grau: casa (normal) casarão (aumentativo)

• Tempo: compra (presente) comprou (passado)

• Modo: eu aceito (certeza) talvez eu aceite (dúvida)


88 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
• Pessoa: eu quero (1ª pessoa) / ele quer (3ª pessoa)

São variáveis: substantivo, adjetivo, artigo, numeral, pronome e verbo.

As palavras invariáveis são aquelas que não sofrem flexões. São elas: advérbio, preposição, conjunção e interjeição.

EXERCÍCIOS

1) Aponte a alternativa em que a palavra exprime qualidade ou característica e flexiona-se em gênero e


número.
a) surra
b) fechar
c) quando
d) até
e) bonito

2) Assinale a alternativa em que o verbo denota dúvida.


a) Por que você não estuda?
b) Para com essa briga, meu filho!
c) Talvez eu compre um carro.
d) Escreva rápido.
e) Eu saí do trabalho às 20h.

3) Assinale a alternativa em que todas as palavras são invariáveis:


a) fechar, tudo, dois
b) nunca, o, eu
c) seu, quando, barulho
d) como, aqui, menos
e) próximo, talvez, foges

4) Assinale a alternativa em que a palavra em destaque designa ser do mundo imaginário.


a) Você acredita em fantasmas?
b) Tinha mãos grandes.
c) O nascimento do bebê foi difícil.
d) O cão é o maior amigo do homem.
e) Sofri um arranhão.

5) Assinale a alternativa incorreta.


a) Os verbos podem sofrer flexões de tempo.
b) Os substantivos e os adjetivos são palavras invariáveis.
c) As interjeições não sofrem flexões.
d) As classes de palavras se dividem em dez.
e) O grupo das palavras invariáveis é formado por 4 elementos.

RESPOSTAS

1-E 2-C 3-D 4-A 5-B


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 89

O rei burro

Esta é de um rei que ficou famoso por suas burrices. Um dia, ele chamou o primeiro-ministro.

- Manda comprar um submarino.

O ministro não entendeu bem a ordem, mas como ordens são ordens...

- Agora, prepara uma sala para mim, dentro do submarino - disse o rei.

E o ministro fez conforme o pedido.

- Pronto, majestade. E agora?

- Manda colocar o submarino dentro do lago do palácio.

Aí o ministro não aguentou de curiosidade e perguntou:

- Por que o senhor pediu tudo isso?

- Agora, só vou despachar de lá.

- E por quê?

- É porque eu li que, no fundo, no fundo, eu sou inteligente!

ZIRALDO. As anedotinhas do bichinho da maçã. São Paulo


Melhoramentos, 1988, p. 25.

Observe as palavras destacadas do texto acima. Elas nomeiam seres em geral. Perceba, agora, quanta coisa, ao seu redor, você
pode nomear; quantos lugares, sentimentos, emoções, sensações físicas, ações, etc. Todos esses nomes são chamados substantivos.

Substantivo é a palavra variável em gênero, número e grau que nomeia os seres em geral.

São, portanto, substantivos os nomes de:

• pessoas: Ana, Princesa, professor


• coisas: borracha, martelo, estrela
• lugares: Brasília, Costa Rica, África
• animais: alce, búfalo, cobra
• vegetais: abacate, figo, flor
• ações: governo, pescaria, trabalho
• qualidades: beleza, bondade, burrice
• estados: doença, sonolência, timidez
• sentimentos: amor, ódio, saudade
• sensações: frio, frieza, indiferença

Qualquer palavra pode ser substantivada, desde que seja antecedida por um artigo, pronome demonstrativo, pronome indefinido
ou pronome possessivo.

nosso falar (verbo substantivado)


um não (advérbio substantivado)
aquele verde-claro (adjetivo substantivado)
um quê (conjunção substantivada)
90 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS

Classificação dos Substantivos

Quanto à estrutura e formação, os substantivos podem ser simples e compostos, primitivos e derivados. Quanto ao significado,
podem ser comuns e próprios, concretos e abstratos.
Há ainda o substantivo coletivo que nomeia conjuntos de seres da mesma espécie. Exemplo: cardume (conjunto de peixes)

1. Substantivos simples e compostos

Aquele que apresenta um único radical em sua estrutura é chamado de substantivo simples. Exemplos: amor, flor, pedra, perna,
sol.

Aquele que é formado por dois ou mais radicais em sua estrutura é chamado de substantivo composto. Exemplos: amor-perfeito,
flor-de-lis, pedra-sabão, pernilongo, girassol.

2. Substantivos primitivos e derivados


Aquele que não provém de nenhuma outra palavra da própria língua é chamado de substantivo primitivo. Exemplos: carta, dente,
folha, terra.

Aquele que provém de outra palavra da língua por um dos processos de derivação é chamado de substantivo derivado. Exemplos:
carteiro, dentista, folhagem, terreno.

3. Substantivos comuns e próprios


Aquele que nomeia genericamente qualquer indivíduo de uma mesma espécie é chamado de substantivo comum. Exemplos:
animal, homem, montanha, país.

Aquele que nomeia especificamente um indivíduo particular de uma determinada espécie é chamado de substantivo próprio.
Exemplos: João, Canadá, Tietê, Júpiter.

4. Substantivos concretos e abstratos


Aqueles que dão nome aos seres de existência real ou imaginária são chamados de substantivos concretos. Exemplos: chocolate,
caderno, laranja, bruxa, fada, saci.

Aqueles que dão nome a seres que têm existência dependente de outros seres; que só existem em nossa consciência, sendo
impossível tê-los como forma são chamados de substantivos abstratos. Estes designam ações, estados, qualidades ou sentimentos.
Exemplos: amor, beleza, choro, morte, solidão, ternura, vida, vingança.

5. Substantivos coletivos
São todos aqueles que, mesmo no singular, nomeiam conjuntos de seres de uma mesma espécie.

Veja os principais coletivos da língua portuguesa divididos em:

Grupos de pessoas

assembleia: de pessoas reunidas, de parlamentares


associação: de sócios
auditório: de ouvintes
banca: de examinadores
banda: de músicos
bando: de desordeiros, malfeitores
batalhão: de soldados
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 91
cabido: de cônegos
câmara: de vereadores, parlamentares (oficialmente reunidos)
cambada: de desordeiros
caravana: de viajantes, peregrinos
caterva: de desordeiros, malfeitores
choldra: assassinos, malfeitores
chusma: de pessoas em geral, de criados
claque: de pessoas pagas para aplaudir
clero: de religiosos
colônia: de imigrantes, migrantes
comitiva: de acompanhantes
corja: de ladrões, malfeitores
corpo: de eleitores, alunos, jurados
corpo docente: de professores
coro: de cantores
elenco: de atores de uma peça, filme etc.
exército: de soldados
falange: tropas, anjos, heróis
filarmônica: de músicos (sociedade musical)
grêmio: de estudantes
guarnição: de soldados (que guarnecem um lugar)
horda: bandidos, invasores
hoste: de soldados (inimigos)
irmandade: de membros de associação religiosa
junta: de médicos, examinadores
júri: de jurados
legião: de soldados, anjos, demônios
leva: de presos, recrutas
malta: de malfeitores, desordeiros
multidão: de pessoas em geral
orquestra: de músicos
pelotão: de soldados
piquete: de grevistas
plantel: de atletas
plateia: de espectadores
plêiade: de poetas, artistas
população: de habitantes
prole: de filhos
quadrilha: ladrões, malfeitores
roda: de pessoas em geral
romaria: de peregrinos
ronda: de policiais em patrulha
súcia: de desordeiros, marinheiros
tertúlia: de amigos, intelectuais
tribo (nação): de índios
tripulação: de marinheiros, aeroviários
tropa: de soldados, pessoas
turma: de estudantes, trabalhadores, pessoas em geral

Grupos de animais ou vegetais

alcateia: de lobos
atilho: de espigas
bando: de aves
boiada: de bois
cacho: de uvas, bananas
cáfila: de camelos
cardume: de peixes
colmeia: de abelhas
92 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
colônia: de bactérias, formigas, cupins
enxame: de abelhas, insetos
fato: de cabras
fauna: de animais próprios de uma região
feixe: de lenha, capim
flora: de vegetais próprios de uma região
junta: de bois
manada: de animais de grande porte
matilha: de cães
ninhada: de filhotes de animais
nuvem: de insetos (gafanhotos, mosquitos, etc)
panapaná: de borboletas
ramalhete: de flores
rebanho: de gado
récua: animais de carga
réstia: de alho ou cebola
revoada: de pássaros
tropilha: de cavalos
vara: de porcos

Outros grupos

acervo: de obras de arte


alameda: de árvores (em linha)
alfabeto: de letras
antologia: de textos literários ou científicos
armada: de navios de guerra
arquipélago: de ilhas
arsenal: de armas, munições
atlas: de mapas
baixela: de objetos de mesa
bateria: peças de guerra ou de cozinha; instrumentos de percussão
biblioteca: de livros catalogados
cinemateca: de filmes
constelação: de estrelas
cordilheira: de montanhas
enxoval: de roupas
esquadra: de navios de guerra
esquadrilha: de aviões
federação: de estados
frota: de navios, aviões, veículos
galeria: de estátuas, quadros
girândola: de fogos de artifício
hemeroteca: de jornais e revistas arquivados
molho: de chaves
pinacoteca: de quadros
trouxa: de roupas
vocabulário: de palavras
xiloteca: de amostras de espécie de madeira para estudo e pesquisa

Flexão dos Substantivos

Como palavra variável, o substantivo apresenta três possibilidades de flexão:

1. Gênero: masculino e feminino


2. Número: singular e plural
3. Grau: aumentativo e diminutivo
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 93

Gênero

Na língua portuguesa, há dois gêneros de substantivo: masculino e feminino.

Os nomes que podem ser antecedidos pelos artigos o, os são do gênero masculino. Exemplos: o anel, o problema, os livros, os
carros.

Os nomes que podem ser antecedidos pelos artigos a, as são do gênero feminino. Exemplos: a borracha, a praia, as folhas, as
qualidades.

Quanto ao gênero, os substantivos podem ser classificados em biformes e uniformes.

Substantivos Biformes

São aqueles que apresentam duas formas, uma para o masculino, outra para o feminino.

Formação do feminino

A - A maioria dos substantivos terminados em -o muda para -a.

aluno - aluna menino - menina


ministro - ministra

B - Substantivos terminados em -ão muda para -ã, outros para -oa e ainda para -ona.

campeão - campeã patrão - patroa


folião - foliona cidadão - cidadã
leão - leoa solteirão - solteirona
irmão - irmã ermitão - ermitoa
valentão - valentona

C - Substantivos terminados em -or, acrescenta-se a.

cantor - cantora autor - autora


trabalhador - trabalhadora

Observações:

1. Alguns substantivos terminados em -or podem fazer o feminino mudando essa terminação para -eira ou -triz.
arrumador - arrumadeira
ator - atriz
lavador - lavadeira
imperador - imperatriz

2. O substantivo embaixador tem dois femininos: embaixadora (funcionária da embaixada) e embaixatriz (esposa de
embaixador).

D - Alguns substantivos flexionam-se, no feminino, por meio de -esa, -essa, -isa.

cônsul - consulesa abade - abadessa


poeta - poetisa príncipe - princesa
conde - condessa profeta - profetisa
duque - duquesa visconde - viscondessa
sacerdote - sacerdotisa

E - Substantivos terminados em -ês, acrescenta-se apenas a.

freguês - freguesa camponês - camponesa


português - portuguesa
94 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
F - Alguns substantivos terminados em -e fazem o feminino mudando a terminação para -a.

elefante - elefanta mestre - mestra


monge - monja

G - Alguns substantivos têm formações irregulares de feminino.

ateu - ateia judeu - judia


avô - avó maestro - maestrina
czar - czarina mandarim - mandarina
dom - dona marajá - marani
europeu - europeia pardal - pardoca ou pardaloca
galo - galinha perdigão - perdiz
garçom - garçonete rei - rainha
guri - guria réu - ré
herói - heroína sandeu - sandia

H - Alguns substantivos têm a formação do feminino com palavras diferentes.

bode - cabra genro - nora


boi - vaca homem - mulher
burro - besta padrasto - madrasta
cão - cadela padrinho - madrinha
carneiro - ovelha pai - mãe
cavalheiro - dama patriarca - matriarca
cavalo - égua veado - cerva
cavaleiro - amazona touro - vaca
compadre - comadre zangão - abelha
frade - freira frei - sóror

Substantivos Uniformes

São aqueles que não se flexionam para indicar feminino/masculino, apresentam uma só forma para os dois gêneros.
Classificam-se em:

A - Comuns de dois gêneros

Possuem uma só forma e a distinção de gênero é feita por meio de um determinante (artigos, adjetivos, pronomes).

o jornalista a jornalista
dentista recém-formado dentista recém-formada
aquele turista aquela turista

B - Sobrecomuns

Também possuem uma só forma, só que nesse caso, a distinção não é especificada por um determinante, que se mantém
invariável, mas pelo contexto.

a criatura
o cônjuge (homem ou mulher)
aquela vítima 9
essa testemunha

C - Epicenos

São os nomes de certos animais em que a distinção de gênero é feita pelo emprego das palavras macho e fêmea.

o jacaré macho a onça macho o tatu macho


o jacaré fêmea a onça fêmea o tatu fêmea
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 95
Substantivos que apresentam dúvidas quanto ao gênero

São masculinos São femininos


o apêndice a aguardente
o bólido a alface
o champanha a apendicite
o clã a aluvião
o dó a bólide
o eclipse a cal
o eczema a cataplasma
o estratagema a cólera
o formicida a comichão
o gengibre a derme
o guaraná a dinamite
o lança-perfume a elipse
o magma a entorse
o milhar a gênese
o proclama a libido
o saca-rolhas a matinê
o sósia a omelete
o teorema a omoplata
o trema a sentinela

Substantivos que admitem os dois gêneros

o ágape ou a ágape
o caudal ou a caudal
o diabete(s) ou a diabete(s)
o laringe ou a laringe
o personagem ou a personagem
o usucapião ou a usucapião

Substantivos com mudança de sentido na mudança de gênero

o águia: pessoa de grande inteligência ou sutileza


a águia: ave de rapina

o cabeça: chefe, líder


a cabeça: parte do corpo

o capital: dinheiro
a capital: cidade principal

o caixa: pessoa que trabalha em tal seção.


a caixa: objeto

o cisma: separação
a cisma: ideia fixa, desconfiança

o cura: padre
a cura: restabelecimento

o estepe: pneu reserva


a estepe: planície de vegetação herbácea

o grama: unidade de massa


a grama: relva

o guarda: vigilante
a guarda: vigilância
96 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
o guia: pessoa que orienta
a guia: documento

o lente: professor
a lente: o disco de vidro

o lotação: veículo
a lotação: capacidade

o moral: ânimo
a moral:ética

o rádio: aparelho
a rádio: estação

Número

Quanto ao número, o substantivo pode estar no singular ou no plural.

Regras Gerais dos Substantivos Simples

• Substantivos terminados em vogal ou ditongo oral

Formam o plural pelo acréscimo de -s.

casa - casas mãe - mães


paletó - paletós pai - pais
urubu - urubus série - séries

• Substantivos terminados em -m

Formam o plural trocando -m por -ns.

homem - homens
álbum - álbuns
item - itens

• Substantivos terminados em -ão

Formam o plural de três maneiras:

- terminação em -ões:

aldeão - aldeões
balão - balões
canção - canções

- terminação em -ães:

alemão - alemães
capitão - capitães
pão - pães

- terminação em -ãos:

irmão - irmãos
cidadão - cidadãos
cristão - cristãos
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 97
• Substantivos terminados em -ã, -ãe

Formam o plural pelo acréscimo de -s.

irmã - irmãs
anã - anãs
mãe - mães

• Substantivos terminados em -r ou -z

Formam o plural pelo acréscimo de -es.

talher - talheres aprendiz - aprendizes


açúcar - açúcares paz - pazes
mar - mares raiz - raízes

• Substantivos terminados em -s (oxítonos ou monossílabos tônicos)

Formam o plural pelo acréscimo de -es.

ás - ases camponês - camponeses

• Substantivos terminados em -s (paroxítonos)

Ficam invariáveis.

atlas - atlas lápis - lápis ônibus - ônibus

• Substantivos terminados em -x

Ficam invariáveis.

clímax - clímax látex - látex tórax - tórax

• Substantivos terminados em -al, -el, -ol, ul

Formam o plural trocando -l por -is.

animal - animais anel - anéis


álcool - álcoois azul - azuis
canal - canais papel - papéis
anzol - anzóis paul - pauis
varal - varais túnel - túneis
caracol - caracóis

Exceções: mal - males / cônsul - cônsules


• Substantivos terminados em -il (oxítonos)

Formam o plural trocando -l por -is.

barril - barris canil - canis funil - funis

• Substantivos terminados em -il (paroxítonos)

Formam o plural trocando -l por -eis.

fóssil - fósseis projétil - projéteis réptil - répteis


98 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Particularidades da Flexão de Número
dos
Substantivos Simples

• Muitos substantivos terminados em -ão apresentam dois e até três plurais.

aldeão - aldeãos, aldeões, aldeães


anão - anãos - anões
ancião - anciãos, anciões, anciães
charlatão - charlatões, charlatães
cirurgião - cirurgiões, cirurgiães
cortesão - cortesãos, cortesões
ermitão - ermitãos, ermitões, ermitães
guardião - guardiões, guardiães
refrão - refrãos, refrães
sacristão - sacristãos, sacristães
vilão - vilãos, vilões, vilães
vulcão - vulcãos, vulcões

• Certos substantivos com o fechado tônico, no singular, quando se pluralizam, mudam essa vogal para o aberto.

Veja alguns exemplos:

singular (ô) plural (ó)


aposto apostos
caroço caroços
corpo corpos
corvo corvos
esforço esforços
fogo fogos
forno fornos
imposto impostos
miolo miolos
olho olhos
osso ossos
ovo ovos
poço poços
porco porcos
porto portos
posto postos
povo povos
pronto-socorro pronto-socorros
reforço reforços
rogo rogos
socorro socorros
tijolo tijolos
torto tortos
troço troços

• Outros substantivos com o fechado tônico, no singular, mantêm-se da mesma forma no plural.

Veja alguns exemplos:

singular (ô) plural (ô)


acordo acordos
adorno adornos
almoço almoços
bolo bolos
bolso bolsos
caolho caolhos
coco cocos
contorno contornos
esboço esboços
esposo esposos
forro forros
gafanhoto gafanhotos
gorro gorros
gozo gozos
morro morros
repolho repolhos
rolo rolos
sogro sogros
sopro sopros
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 99
toco tocos
toldo toldos
topo topos
torno tornos
transtorno transtornos

• O plural dos substantivos no grau diminutivo -zinho é feito da seguinte maneira:

- Coloca-se a palavra primitiva no plural, em seguida retira-se o -s de plural, acrescenta-se o sufixo -zinho + -s.

balão ÷ balões ÷ balõe + zinho + s ÷ balõezinhos


bar ÷ bares ÷ bare + zinho + s ÷ barezinhos
cão ÷ cães ÷ cãe + zinho +s ÷ cãezinhos
coração ÷ corações ÷ coraçõe + zinho +s ÷ coraçõezinhos
mulher ÷ mulheres ÷ mulhere + zinha + s ÷ mulherezinhas
pastel ÷ pastéis ÷ pastéi + zinho + s ÷ pasteizinhos

• Alguns substantivos sofrem alteração de significado entre singular e plural.

singular plural

bem (benefício) bens (patrimônio)


copa (um dos cômodos da casa) copas (um dos naipes do baralho)
costa (litoral) costas (dorso)
féria (renda, salário) férias ( dias de descanso)
honra (dignidade) honras (honraria)
humanidade (gênero humano) humanidades (ciências humanas)

Plural dos Substantivos Compostos

1. Quando os elementos que formam os substantivos são ligados sem hífen, o substantivo composto segue as mesmas regras dos
substantivos simples.

aguardente - aguardentes
malmequer - malmequeres
pontapé - pontapés
vaivém - vaivéns

2. Quando o substantivo composto é separado por hífen, temos os seguintes casos.

a) Variam todos os elementos se eles forem substantivos, adjetivos ou numerais.

amor-perfeito / amores-perfeitos (substantivo - adjetivo)


couve-flor / couves-flores (substantivo - substantivo)
má-lingua / más-línguas (adjetivo - substantivo)
segunda-feira / segundas-feiras (numeral - substantivo)

Observação: Quando o 2º elemento indica característica ou qualidade do 1º, geralmente só este vai para o plural.

banana-maçã / bananas-maçã
cavalo-vapor /cavalos-vapor
pombo-correio / pombos-correio
salário-família / salários-família

b) Apenas o 2º elemento (ou o último) vai para o plural se:

• o 1º elemento for verbo ou palavra invariável.

beija-flor / beija-flores
alto-falante / alto-falantes
guarda-roupa / guarda-roupas
contra-ataque / contra-ataques

• os elementos forem palavras repetidas ou onomatopaicas.

tico-tico / tico-ticos bem-te-vi / bem-te-vis


reco-reco / reco-recos tique-taque / tique-taques
100 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Observação: Se os elementos repetidos forem verbos, os dois podem ir para o plural.

corre-corre / corres-corres
pisca-pisca / piscas-piscas

• o primeiro elemento é grão, grã ou bel.

grão-mestre / grão-mestres
grã-cruz / grã-cruzes
bel-prazer / bel-prazeres

c) Apenas o 1º elemento vai para o plural se os elementos forem ligados por preposição.

pão-de-ló / pães-de-ló
pé-de-moleque / pés-de-moleque
mula-sem-cabeça / mulas-sem-cabeça

d) Os dois elementos ficam invariáveis se:

• os elementos forem verbos de sentidos opostos.

o leva-e-traz / os leva-e-traz
o ganha-perde / os ganha-perde

• os elementos forem formados por verbo mais palavra invariável.

o bota-fora / os bota-fora
o ganha-pouco / os ganha-pouco

Grau

O substantivo pode apresentar-se no grau:

a) Normal : casa livro menino


b) Aumentativo: casarão livrão meninão
c) Diminutivo: casinha livrinho menininho

Formação do Grau

Os graus aumentativo e diminutivo podem apresentar-se de duas formas: analítica (mais de uma palavra) e sintética (uma única
palavra).

• Forma analítica

normal - pé
aumentativo analítico - pé grande / pé enorme
diminutivo analítico - pé pequeno / pé minúsculo

• Forma sintética

normal - pé
aumentativo analítico - pezão
diminutivo analítico - pezinho

Veja abaixo alguns aumentativos e diminutivos sintéticos que merecem registro.


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 101
AUMENTATIVO

forma normal aumentativo


amigo amigaço, amigalhaço, amigão
drama dramalhão
animal animalaço, animalão
faca facão, facalhão, facalhaz
bala balaço, balázio
fogo fogacho, fogaréu
barca barcaça
forno fornalha
bobo bobalhão
homem homenzarrão
boca bocarra, bocaça, boqueirão
luz luzerna
cabeça cabeção, cabeçorra
magro magricela, magriço
cão canzarrão, canaz
muro muralha
cara caraça, carantonha
nariz narigão
carta cartapácio, cartaz
pedra pedregulho
chapéu chapelão, chapeirão
rapaz rapagão
copo coparrão, copázio
rato ratazana
corpo corpanzil
rocha rochedo
cruz cruzeiro
sábio sabichão
dente dentão, dentilhão
voz vozeirão

DIMINUTIVO

forma normal diminutivo


astro asteroide
homem homúnculo
animal animalejo
ilha ilhota

árvore arbusto, arvoreta


jogo joguete
barba barbicha
laje lajota
bastão bastonete
língua lingueta
burro burrico
lugar lugarejo
caixa caixeta, caixola, caixote
mala malote, maleta
câmara camarim
manto mantilha, mantéu
capa capote, capuz
namoro namorico, namorilho
casa casebre
nó nódulo
chuva chuvisco
obra opúsculo
cidade cidadela
palácio palacete
corda cordel
papel papelejo, papelete, papelucho
corpo corpete, corpúsculo
pedra pedrisco
cruz cruzeta
poema poemeto
engenho engenhoca
ponte pontilhão
espada espadim
povo populacho, poviléu
estátua estatueta
raiz radicela, radícula
farol farolete
rapaz rapazote, rapazelho
febre febrícula
102 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
rio riacho, ribeiro
fio filete
rua ruela
frango frangote
saia saiote
festa festim
sala saleta
fita fitilho
sino sineta
flor florica, florículo, florzita
vagão vagonete
globo glóbulo
verão veranico
gota gotícula
verso verseto, versículo
guerra guerrilha
via viela
história historieta
vila vilarejo

EXERCÍCIOS

1) Relacione as duas colunas, de acordo com a classificação dos substantivos e assinale a alternativa correta.

1. Machado ( ) coletivo
2. júri ( ) próprio
3. noite ( ) derivado
4. marujo ( ) primitivo

a) 3, 4, 2, 1
b) 2, 4, 1, 3
c) 2, 1, 4, 3
d) 1, 2, 4, 3
e) 1, 3, 4, 2

2) Classificam-se como substantivos as palavras destacadas, exceto em:


a) A professora pediu para eu fazer um resumo do livro.
b) Não conheço ninguém nesta cidade.
c) Rezou três padres-nossos naquele dia.
d) Necessita-se de mais verbas para a educação.
e) Não confie em pessoas estranhas.

3) Assinale a informação incorreta a respeito do substantivo.


a) É uma palavra variável que nomeia seres.
b) Artigo e pronome podem ser substantivados.
c) O coletivo apresenta-se no singular.
d) Apresenta flexões de gênero, número e grau.
e) Quanto à formação e estrutura pode ser concreto e abstrato.

4) Indique a alternativa em que só aparecem substantivos abstratos.


a) abraço, beijo, brancura, honestidade
b) cidade, formiga, paixão, tristeza
c) amor, bondade, sereia, vento
d) beleza, Deus, sal, homem
e) ciúme, Brasil, abacateiro, clareza

5) Assinale o coletivo incorreto.


a) choldra - de assassinos
b) fato - de cabras
c) prole - de filhos
d) plêiade - de insetos
e) girândola - de fogos de artifício
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 103
6) Assinale a alternativa em que a relação masculino/feminino está incorreta.
a) pavão - pavoa
b) monge - monja
c) perdigão - perdiz
d) bode - cabra
e) frei - freia

7) Assinale a alternativa incorreta.


a) paciente é comum de dois gêneros
b) defunto é sobrecomum
c) membro é comum de dois gêneros
d) monstro é sobrecomum
e) tubarão é epiceno

8) Aponte a frase incorreta quanto ao gênero dos substantivos destacados.


a) Ele fraturou a omoplata.
b) Sentiu um comichão nas pernas.
c) Preparou o ágape com muito carinho.
d) Fiquei acordado para ver o eclipse.
e) Este remédio estimula a libido.

9) Assinale a alternativa em que há erro semântico nos vocábulos destacados.


a) Apesar da vitória, os jogadores estavam com o moral baixo.
b) Álvaro sempre foi o cabeça da família.
c) O capital para este empreendimento é insuficiente.
d) Quanto custam duzentas gramas de mortadela?
e) Peguei o lotação para ir ao trabalho.

10) Assinale a alternativa em que há erro na flexão do plural em uma das palavras.
a) atuns - anãos
b) degraus - troféus
c) gizes - capitães
d) açúcares - cidadões
e) órgãos - fósseis

11) Em uma das opções, o plural não é metafônico, ou seja, o o tônico é fechado. Assinale-a:
a) forro
b) aposto
c) posto
d) poço
e) forno

12) Assinale a opção em que a flexão do substantivo composto está errada.


a) peixes-bois
b) guarda-sóis
c) gentis-homens
d) bate-bolas
e) bem-te-vis

13) Assinale a alternativa em que o substantivo composto deve permanecer invariável no plural.
a) bem-me-quer
b) bel-prazer
c) manga-rosa
d) mula-sem-cabeça
e) leva-e-traz

14) Aponte a alternativa em que a flexão de grau para o aumentativo está incorreta.
a) corpo - corpanzil
b) sábio - sabichão
c) rato - ratazana
d) muro - muralha
e) cruz - cruzarrão
104 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
15) Aponte a alternativa em que a flexão de grau para o diminutivo está incorreta.
a) ilha - ilhota
b) barba - barbicha
c) ponte - pontilhota
d) cruz - cruzeta
e) fio - filete

16) (UM-SP) Em qual das alternativas todas a palavras pertencem ao gênero masculino?
a) dinamite, agiota, trema, cal
b) dilema, perdiz, tribo, axioma
c) eclipse, telefonema, dó, aroma
d) estratagema, bílis, omoplata, gengibre
e) sistema, guaraná, rês, anátema

17) (Unimep-SP) Classificam-se como substantivos as palavras destacadas, exceto em:


a) "... o idiota com que os moleques mexem..."
b) "...visava a me acostumar à morna tirania..."
c) "Adeus, volto para meus caminhos..."
d) "...conheço até alguns automóveis..."
e) "... todas essas coisas se apagarão em lembranças..."

18) (UF-PR)

1) O cônjuge se aproximou.
2) O servente veio atender-nos.
3) O gerente chegou cedo.

Não está claro se é homem ou mulher:


a) no primeiro período.
b) no segundo período.
c) no terceiro período.
d) no primeiro e no segundo períodos.
e) no segundo e no terceiro períodos.

19) (UFJF-MG) Assinale a alternativa em que aparecem substantivos simples, respectivamente, concreto e abstrato.
a) água, vinho
b) Pedro, Jesus
c) Pilatos, verdade
d) Jesus, abaixo-assinado
e) Nova Iorque, Deus

20) (ITA-SP) Dadas as sentenças:

1) Ele não chegou a falar com a Presidenta.


2) Ele sofreu um entorse grave.
3) A tracoma é uma doença contagiosa.

deduzimos que:
a) apenas a sentença 1 está correta.
b) apenas a sentença 2 está correta.
c) apenas a sentença 3 está correta.
d) todas estão corretas.
e) n.d.a.

21) (UM-SP) Relacione as duas colunas, de acordo com a classificação dos substantivos, e assinale a alternativa
correta.

1) padre ( ) próprio
2) seminário ( ) coletivo
3) Dias ( ) derivado
4) Ano ( ) comum

a) 3, 4, 2, 1
b) 1, 2, 4, 3
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 105
c) 1, 3, 4, 2
d) 3, 2, 1, 4
e) 2, 4, 3, 1

22) (UM-SP) Aponte a alternativa em que haja erro quanto à flexão do nome composto:
a) vice-presidentes, amores-perfeitos, os bota-fora
b) tico-ticos, salários-família, obras-primas
c) reco-recos, sextas-feiras, sempre-vivas
d) pseudo-esferas, chefes-de-seção, pães-de-ló
e) pisca-piscas, cartões-postais, mulas-sem-cabeças

23) (VUNESP-SP) Identifique a alternativa na qual os dois substantivos estão corretamente flexionados no plural:
a) o cidadão - os cidadãos / o cartão-postal - os cartões-postal
b) o tico-tico - os tico-tico / o melão - os melãos
c) o cônsul - os cônsuls / o navio-escola - os navios-escolas
d) o acórdão - os acordões / o decreto-lei - os decretos-lei
e) o alto-relevo - os altos-relevos / o capelão - os capelães

24) (FMU-SP) Os plurais álcoois, caracteres e anãos, respectivamente de álcool, caráter e anão são:
a) todos corretos.
b) todos incorretos.
c) corretos os dois últimos.
d) incorretos os dois últimos.
e) corretos o primeiro e o último.

25) (PUC-SP) Assinale a alternativa incorreta.


a) Borboleta é substantivo epiceno.
b) Rival é comum de dois gêneros.
c) Omoplata é substantivo masculino.
d) Vítima é substantivo sobrecomum.
e) n.d.a.

26) (Unirio-RJ)Palavras como irmão, exortação têm um só plural; outras, porém, admitem dois. Assinale o item
em que só há uma forma para o plural.
a) guardião
b) refrão
c) vulcão
d) escrivão
e) corrimão

27) (PUC-PR) Assinale a alternativa em que os sentidos foram trocados:


a) a coma: juba; o coma: estado mórbido.
b) a gênese: geração; o gênese: 1º livro do Pentateuco.
c) a grama: erva rasteira; o grama: unidade de peso.
d) a guia: documento; o guia: aquele que conduz.
e) a crisma: óleo usado em alguns sacramentos; o crisma: o sacramento da confirmação.

28) (UEPG-PR) A série de palavras que, no plural, mudam o timbre do o tônico é:


a) acordo, transtorno, sogro, morro, repolho.
b) imposto, povo, corpo, esforço, tijolo.
c) logro, toco, soldo, gorro, fofo.
d) gafanhoto, globo, bolso, coco, bolo.
e) forro, esposo, rolo, sopro, topo.

29) (UM-SP) Assinale o período que não contenha um substantivo sobrecomum:


a) Ele foi a testemunha ocular do crime ocorrido naquela polêmica reunião.
b) Aquela jovem ainda conserva a ingenuidade meiga e dócil da criança.
c) A intérprete morreu mantendo-se como ídolo indestrutível na memória de seus admiradores.
d) As famílias desestruturam-se quando os cônjuges agem sem consciência.
e) O pianista executou com melancolia e suavidade a sinfonia preferida pela plateia.
106 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
30) (UFU-MG) Dentre os plurais de nomes compostos aqui relacionados, há um que está errado. Qual?
a) escolas-modelo
b) quebra-nozes
c) chefes-de-sessões
d) guardas-noturnos
e) redatores-chefes

RESPOSTAS

1-C 2-B 3-E 4-A 5-D

6-E 7-C 8-B 9-D 10-D

11-A 12-A 13-E 14-E 15-C

16-C 17-C 18-A 19-C 20-A

21-A 22-E 23-E 24-A 25-C

26-D 27-E 28-B 29-E 30-C

A bailarina

A bailarina,
como frágil lamparina,
como pequeno colar,
faz do ar sua casa,
sua estrada pontilhada
de água.
Entre uma estrela e outra
a bailarina descansa.
Ali onde os humanos
não podem ir,
só os loucos, os loucos
e os que sabem
que com um desejo
se constrói um planeta.

Roseana K. Murray. Artes e ofícios. São Paulo, FTD, 1990

Observe no poema acima que as palavras frágil e pequeno serviram para a autora caracterizar os substantivos lamparina e colar,
respectivamente. As palavras que indicam qualidade, estado e lugar de origem são chamadas de adjetivos.

• qualidade: A paciente professora explicou a lição novamente.

• estado: Ela estava irritada.

• lugar de origem: O cidadão estrangeiro é sempre bem-vindo ao Brasil.


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 107
“O adjetivo pertence a um inventário aberto, sempre suscetível de ser aumentado. A estrutura interna ou constitucional do
adjetivo consiste nas línguas flexíveis, na combinação de um signo lexical expresso pelo radical com signos morfológicos expressos
por desinências e alternâncias, ambas destituídas de existência própria fora dessas combinações. No português, entre as desinências
está a marca da gradação, isto é, o grau absoluto ou relativo da parte, ou aspecto ("qualidade") significada no radical.
(belo-belíssimo), bem como afixos de gênero e de número. A relação gramatical instaurada entre o signo delimitador e o signo
delimitado é geralmente expressa pela ‘concordância’.” Evanildo Bechara

Classificação dos Adjetivos

O adjetivo pode ser:

• Restritivo: Quando particulariza um subconjunto dentro de um conjunto de seres. Exemplo: gelo útil.

• Explicativo: Quando retrata a qualidade essencial do ser. Exemplo: gelo frio.

Formação dos Adjetivos

O adjetivo é formado por palavras:

• Primitivas: Aquelas que não derivam de outras palavras. Exemplos: cheiro, feliz, verde.

• Derivadas: Aquelas que derivam de outras palavras. Exemplos: cheiroso, infeliz, esverdeado.

• Simples: Aquelas formadas por apenas um radical. Exemplos: problema político, indústria brasileira.

• Compostas: Aquelas formadas por mais de um radical. Exemplos: problema político-institucional, indústria ítalo-brasileira.

Gênero dos Adjetivos

A formação do gênero do adjetivo pode ser:

• Uniforme: Apresenta apenas uma forma para indicar o masculino e o feminino.

garoto inteligente garota inteligente


aluno difícil aluna difícil

• Biforme: Apresenta duas formas, uma para o masculino e outra para o feminino.

o poeta calmo a poetisa calma


o abacate maduro a banana madura

Número dos Adjetivos

• Plural dos adjetivos simples

O adjetivo simples varia em número para concordar com o substantivo a que se refere, geralmente seguindo as mesmas regras
que os substantivos.

menina bonita meninas bonitas


mulher amável mulheres amáveis
homem responsável homens responsáveis
108 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
• Plural dos adjetivos compostos

Regra geral:

Apenas o segundo elemento vai para o plural:

tratado luso-brasileiro tratados luso-brasileiros


pesquisa político-social pesquisas político-sociais

São exceções:

- Os adjetivos compostos azul-marinho e azul-celeste são invariáveis:

blusa azul-marinho blusas azul-marinho


vestido azul-celeste vestidos azul-celeste

- O adjetivo composto surdo-mudo sofre flexão de número nos dois elementos:

rapaz surdo-mudo rapazes surdos-mudos


moça surda-muda moças surdas-mudas

- São invariáveis os adjetivos compostos referentes a cores, quando o 2º elemento da composição é um substantivo:

blusão verde-mar blusões verde-mar


olho azul-céu olhos azul-céu

Grau dos Adjetivos

Os adjetivos variam em dois graus: comparativo e superlativo.

! Grau Comparativo

O grau comparativo estabelece a comparação entre dois seres ou de duas qualidades do mesmo ser:

Samantha é tão esperta quanto Melissa.


ù ù ù
1º ser qualidade 2º ser

O professor era tão crítico quanto exigente.


ù ù ù
um ser 1ª qualidade 2ª qualidade

O grau comparativo pode ser de:

• Igualdade: O garoto está tão triste quanto sua irmã.


ù
(tão + adjetivo + quanto)

• Superioridade: O garoto está mais triste que sua irmã.


ù
(mais + adjetivo + que)

• Inferioridade: O garoto está menos triste que sua irmã.


ù
(menos + adjetivo + que)

Os adjetivos bom, mau, grande, e pequeno têm formas sintéticas para o grau comparativo de superioridade: melhor, pior, maior
e menor, respectivamente.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 109
Este filme é melhor que o outro.
Suas palavras são piores que suas atitudes.
A corrupção no Brasil é maior que a vergonha.
O número de políticos honestos é menor que o número de políticos desonestos.

As formas mais bom, mais mau, mais grande e mais pequeno só devem ser usadas quando forem características do mesmo ser:

Este trabalhador é mais bom que eficiente.


Ele é mais mau que forte.
O lutador é mais grande que alto.
Meu país é mais pequeno que pobre.

! Grau superlativo

O grau superlativo estabelece que uma qualidade é atribuída a um substantivo em grau intenso. O grau superlativo pode ser
absoluto ou relativo.

1) absoluto: quando a qualidade do ser é intensificada sem comparação com outros seres:

O livro é antiquíssimo.
O livro é muito antigo.

O grau superlativo absoluto pode ser:

• analítico: através de palavras que dão ideia de intensidade:

Foi um homem muito áspero.

• sintético: através dos sufixos (-íssimo,-imo, -érrimo):

Foi um homem aspérrimo.

O superlativo absoluto sintético dos adjetivos abaixo é formado por palavras de outro radical:

bom - ótimo

mau - péssimo

grande - máximo

pequeno - mínimo

2) relativo: quando a qualidade do ser é intensificada em relação a um ou vários elementos de um conjunto:

Sofia era a mais alta de todos.


ù ù ù
um ser qualidade conjunto de seres

O grau superlativo relativo pode ser:

• de superioridade:

A Miss Brasil era a mais bonita de todas as misses presentes.


ù
(o(a) mais + adjetivo + de)

• de inferioridade:

Maria era a menos exibida das irmãs.


ù
(o(a) menos + adjetivo + de)
110 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Relação de alguns superlativos absolutos sintéti-
cos
acre: acérrimo fácil: facílimo pessoal: personalíssimo

alto: supremo feliz: felicíssimo pio: piíssimo

ágil: agílimo feroz: ferocíssimo pobre: paupérrimo

agradável: agradabilíssimo fiel: fidelíssimo pródigo: prodigalíssimo

amargo: amaríssimo frágil: fragílimo possível: possibilíssimo

amável: amabilíssimo frio: frigidíssimo provável: probabilíssimo

amigo: amicíssimo geral: generalíssimo pudico: pudicíssimo

antigo: antiquíssimo grácil: gracílimo respeitável: respeitabilíssimo

áspero: aspérrimo grande: máximo sábio: sapientíssimo

atroz: atrocíssimo humilde: humílimo sagrado: sacratíssimo

audaz: audacíssimo incrível: incredibilíssimo salubre: salubérrimo

baixo: ínfimo inimigo: inimicíssimo são: saníssimo

benéfico: beneficentíssimo íntegro: integérrimo semelhante: simílimo

bom: ótimo livre: libérrimo sensível: sensibilíssimo

célebre: celebérrimo magnífico: magnificentíssimo sério: seriíssimo

célere: celérrimo magro: macérrimo simpático: simpaticíssimo

comum: comuníssimo maléfico: maleficentíssimo simples: simplicíssimo

cristão: cristianíssimo mau: péssimo soberbo: superbíssimo

cru: cruíssimo miserável: miserabilíssimo tenaz: tenacíssimo

cruel: crudelíssimo mísero: misérrimo terrível: terribilíssimo

difícil: dificílimo negro: nigérrimo útil: utilíssimo

doce: dulcíssimo notável: notabilíssimo veloz: velocíssimo

dócil: docílimo parco: parcíssimo visível: visibilíssimo

eficaz: eficacíssimo pequeno: mínimo voraz: voracíssimo

Locução Adjetiva

Locução adjetiva é uma expressão formada com mais de uma palavra, mas com valor de adjetivo.

amor materno = amor de mãe


9 9 9 9
subst. adjetivo subst. locução adjetiva

Relação de algumas locuções adjetivas


de açúcar: sacarino de éter: etéreo de óleo: oleaginoso

de água: hídrico de fábrica: fabril de olhos: ocular

de águia: aquilino de face: facial de Olimpo: olimpíadas, olím-


pico

de aluno: discente de faraó: faraônico de orelha: auricular

de anel: anular de fêmur: femoral de osso: ósseo

de ano: anual de fera: beluíno, feroz, ferino de outono: outonal

de aranha: aracnídeo de ferro: férreo de ouvido: auricular,ótico

de arcebispo: arquiepiscopal de fígado: hepático de ovelha: ovino

de asno: asinino de filho: filial de pai: paternal, paterno

de astro: sideral de fogo: ígneo de paixão: passional

de audição: auditivo de formiga: formicular de pâncreas: pancreático

de baço: esplênico de frente: frontal de paraíso: paradisíaco

de bálsamo: balsâmico de gado: pecuário de pedra: pétreo

de bexiga: vesical de gafanhoto: acrídio de peixe: ictíico, písceo

de bílis: biliar de garganta: gutural de pele: cutâneo, epidérmico

de bispo: episcopal de gato: felino, felídeo de pelve: pélvico


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 111
de boca: bucal, oral de gelo: glacial de pesca: pesqueiro, piscató-
rio

de bode: hircino de gesso: gípseo de pescoço: cervical

de boi: bovino de glúten: glutinoso de Platão: platônico

de braço: braquial de guerra: bélico de plebe: plebeu

de brejo: palustre de homem: viril de pombo: columbino

de cabeça: cefálico de idade: etário de porco: suíno, porcino

de cabelo: capilar de Igreja: eclesiástico de prata: argênteo, argentino

de cabra: caprino de ilha: insular de primavera: primaveril

de caça: venatório, cinegéti- de intestino: celíaco de professor: docente


co

de campo: rural, campestre de inverno: hibernal de prosa: prosaico

de cão: canino de irmão: fraterno de proteína: proteico

de caos: caótico de jovem: juvenil de pulmão: pulmonar

de cavalo: equídeo, equino, de junho: junino de pus: purulento


hípico

de cela, célula: celular de lago: lacustre de quadris: ciático

de chumbo: plúmbeo de lágrima: lacrimal de raposa: vulpino

de chuva: pluvial de leão: leonino de rato: murino

de cidade: citadino, urbano de lebre: leporino de rim: renal

de cinza:cinéreo de leite: lácteo de rio: fluvial

de circo: circense de laranja: cítrico de rocha: rupestre

de cobra: colubrino, ofídico de limão: cítrico de romance: romanesco

de cobre: cúprico de linha: linear de sabão: saponáceo

de coelho: cunicular de lobo: lupino de selos: filatélico

de coração: cardíaco de Lua: lunar de selva: silvestre

de correio: postal de macaco: símio, simiesco de sintaxe: sintático

de costas: dorsal de madeira, lenho: lígneo de sonho: onírico

de crânio: craniano de maçãs do rosto: malar de sul: meridional, austral

de criança: pueril, infantil de mar: marinho, marítimo de tarde: vespertino

de dança: coreográfico de manhã: matutino, matinal de tecido: têxtil

de daltonismo: daltônico de marfim: ebúrneo, ebóreo de Terra: terrestre, terreno,


telúrico

de dano: daninho de açúcar: sacarino de terremoto: sísmico

de dedo: digital de água: hídrico de tórax: torácico

de diamante: adamantino de águia: aquilino de touro: taurino

de dieta: dietético de aluno: discente de túmulo: tumular

de dinheiro: pecuniário de anel: anelar de umbigo: umbilical

de direito: jurídico de ano: anual de universo habitado: ecumê-


nico

de domingo: dominical de monge: monástico de útero: uterino

de éden: edênico de morte: letal, mortífero de vasos sanguíneos: vascu-


lar

de eixo: axial de nádegas: glúteo de veia: venoso

de embriaguez: ébrio de nariz: nasal de vento: eólico

de enxofre: sulfúrico, sulfu- de navio, navegação: naval de verão, estio: estival


roso

de erva: herbáceo de neve: níveo de víbora: viperino

de espelho: especular de noite: noturno de virilha: inguinal

de estômago: gástrico de norte: setentrional, boreal de voz: fônico, vocal

de estrela: estelar de nuca: occipital de vulcão: vulcânico

Observação:

Há locuções adjetivas que não possuem adjetivos correspondentes. Exemplos: caixa de papelão, meninos de rua, lata de lixo etc.
112 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Adjetivos Pátrios

Adjetivos pátrios são aqueles que indicam nacionalidade ou local de origem. Quando designam raça chamam-se gentílicos ou
étnicos.

Relação de adjetivos pátrios referentes ao Brasil


Estados e Capitais Adjetivo Pátrio Estados e Capitais Adjetivos Pátrios

Acre acriano Natal natalense ou pa-


pa-jerimum

Alagoas alagoano Palmas (TO) palmense

Amazonas amazonense ou Pará paraense


baré

Aracaju aracajuano ou ara- Paraíba paraibano


cajuense

Bahia baiano Paraná paranaense

Belém (PA) belenense Pernambuco pernambucano

Belo Horizonte belo-horizontino Piauí piauiense

Boa Vista boa-vistense Porto Alegre porto-alegrense

Brasília brasiliense Porto Velho porto-velhense

Campo Grande campo-grandense Recife recifense

Ceará cearense Rio Branco rio-branquense

Cuiabá cuiabano Rio de Janeiro carioca


(capital)

Espírito Santo espírito-santense ou Rio de Janeiro fluminense


capixaba (estado)

Florianópolis florianopolitano Rio Grande do rio-grandense-do-nort


Norte eou norte-rio-granden-
se ou potiguar

Fortaleza fortalezense Rio Grande do Sul rio-grandense-do-sul,


sul-rio-grandense ou
gaúcho

Goiânia goianiense Rondônia rondoniense ou rondo-


niano

Goiás goiano Roraima roraimense

João Pessoa pessoense Salvador (BA) salvadorense ou sote-


ropolitano

Macapá macapaense Santa Catarina catarinense ou barri-


ga-verde

Maceió maceioense São Paulo (capi- paulistano


tal)

Manaus manauense / ma- São Paulo (esta- paulista


nauara do)

Maranhão maranhense Sergipe sergipano

Mato Grosso mato-grossense Teresina teresinense

Mato Grosso do mato-grossense do Tocantins tocantinense


Sul sul ou
sul-mato-grossense

Minas Gerais mineiro Vitória (ES) vitoriense

Relação de alguns adjetivos pátrios referentes


a outros lugares que podem gerar dúvida
Adisabeba - adisabebenho Espanha - espanhol, hispânico

Afeganistão - afegane, afegã, afegão Estados Unidos - norte-americano

Alasca - alasquense, alasquiano Etiópia - etíope

Alemanha - germânico, tedesco, alemão Florença - florentim, florentino

Angola - angolano Galiza - galego

Arábia Saudita - árabe saudita, saudi-arábico, Geórgia - georgiano


saudita

Argélia - argelino Grécia - grego, helênico

Argentina - argentino Guatemala - quatemalteco


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 113
Assunção - assuncionenho Guiné - guineense, guinéu

Atenas - ateniense Havaí - havaiano

Austrália - australiano Hungria - húngaro

Áustria - austríaco Índia - indiano

Azerbaijão -azerbaijano Israel - israelense, israeliano, israelita

Babilônia - babilônico, babilônio Japão - japonês, nipônico

Bagdá - bagdali Jamaica - jamaicano, jamaicense, jamaiquino

Bangladesh - bangladeshense Java - javanês

Barcelona - barcelonês ou barcelonense Jerusalém - sionita, hierosolimita, hierosoli-


mitano

Baviera - bávaro Lácio - latino

Belém (Jordânia) - belemita Lapônia - lapão

Bélgica - belga Letônia - letão

Bengala - bengali, bengalês Lima - limenho

Berlim - berlinense, berlinês Lisboa - lisboeta, lisbonense, ulissiponense

Berna - bernês Lituânia - lituano

Bilbau - bilbaíno Londres - londrino

Bizâncio - bizantino Madagascar - malgaxe

Bogotá - bogotano Madri - madrilenho, madrilense

Boston - bostoniano Málaga - malaguenho, malaguês

Buenos Aires - buenairense ou portenho Malta - maltês

Bulgária - búlgaro Manchúria - manchu

Cabo Verde - cabo-verdiano Marrocos - marroquino

Cairo - cairota Meca - mecano

Calábria - calabrês Minho (região de Portugal) - minhoto

Camarões - camaronês Moçambique - moçambicano

Camboja - cambojano Mônaco - monegasco

Canadá - canadense, canadiano Mongólia - mongol, mongólico

Caracas - caraquenho Moscou - moscovita

Cartago - cartaginês Nápoles - napolitano

Catalunha - catalão Nova Zelândia - neozelandês

Chipre - cipriota País de Gales - galês

Constantinopla - constantipolitano Panamá -panamenho

Córsega - corso Parma - parmesão, parmense

Costa do Marfim - marfinense Pequim - pequinês

Creta - cretense Porto (cidade de Portugal) - portuense

Croácia - croata Somália - somali

Damasco - damasceno , damasquino Tibete - tibetano

Egito - egípcio Túnis - tunisiano

El Salvador - salvadorenho Varsóvia - varsoviano

Equador - equatoriano Veneza - veneziano

Relação de alguns adjetivos pátrios reduzidos


afro - africano greco - grego

américo - americano hispano - espanhol

anglo - inglês ibero - ibérico

australo - australiano ítalo - italiano

austro - austríaco luso - português

euro - europeu nipo - nipônico

franco - francês sino - chinês

germano - alemão teuto - alemão


114 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
EXERCÍCIOS

1) Observe o poema de Cecília Meireles:

Retrato

Eu não tinha este rosto de hoje,


assim calmo, assim triste, assim magro
nem estes olhos tão vazios,
nem o lábio amargo.

Eu não tinha estas mãos sem força,


tão paradas e frias e mortas;
eu não tinha este coração
que nem se mostra.

Eu não dei por esta mudança,


tão simples, tão certa, tão fácil:
- Em que espelho ficou perdida
a minha face?

(Cecília Meireles. Obra poética. Rio de Janeiro, Nova Aguilar, 1987)

Assinale a alternativa incorreta:


a) Calmo, triste e magro são adjetivos.
b) O adjetivo vazios sofreu flexão de número.
c) Paradas, frias e mortas são adjetivos biformes.
d) Simples é adjetivo uniforme.
e) Mudança é adjetivo primitivo.

2) Assinale a alternativa que possui corretamente o plural do adjetivo composto.


a) meninas surdas-mudas
b) calças verde-bandeiras
c) saias azuis celestes
d) blusões marrom-montanhas
e) vestidos azuis marinhos
3) Aponte a alternativa incorreta em relação aos superlativos absolutos sintéticos.
a) cru - cruíssimo
b) baixo - ínfimo
c) doce - docílimo
d) são - saníssimo
e) sério - seriíssimo

4) Indique a alternativa incorreta em relação às locuções adjetivas.


a) de anel - anular
b) de bexiga - vesical
c) de guerra - bélico
d) de rio - pluvial
e) de prata - argentino

5) Assinale a alternativa incorreta quanto aos adjetivos pátrios reduzidos.


a) sino-brasileiro (China e Brasil)
b) nipo-britânico (Japão e Inglaterra)
c) teuto-argentino (Grécia e Argentina)
d) franco-italiana (França e Itália)
e) luso-brasileira (Portugal e Brasil)

6) Assinale a alternativa que possui adjetivo explicativo.


a) açúcar preto
b) fogo quente
c) pedra preciosa
d) ave aquática
e) pássaro azul

7) Há superlativo absoluto analítico na alternativa:


a) José é o menos interessado na aula.
b) Mário é o menos ambicioso que João.
c) Sua vida é tão importante quanto a minha.
d) As meninas são muito lindas.
e) As meninas são lindíssimas.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 115
8) Observe o poema a seguir:

Minha espingarda pica-pau


é de caçar passarinho
E tem o cano fininho
e tem o aço levinho
e dá um tiro pertinho
faz um barulho baixinho. (Cacaso)

Assinale a alternativa correta.


a) Fininho sofreu flexão de gênero.
b) Passarinho é adjetivo primitivo.
c) Minha é adjetivo do substantivo pica-pau.
d) Levinho é adjetivo primitivo.
e) Pica-pau é adjetivo do substantivo espingarda.

9) Assinale os itens em que ambos os adjetivos são uniformes.


a) cantor célebre - menina arrogante
b) reunião fraterna - lápis amarelo
c) flor cheirosa - mulher bondosa
d) refeição gostosa - professor sábio
e) cadeira quebrada - copo partido

10) Em qual das alternativas abaixo há um grau comparativo de superioridade?


a) Todos o consideram o mais inteligente de todos.
b) Sua saúde está ótima.
c) Este carro é mais novo que o meu.
d) Ele é tão forte quanto o irmão.
e) Não há dúvida de que ele é o mais sábio da turma.

11) O termo destacado é um nome desempenhando a função de adjetivo em:


(Univ. Cat.-MG)
a) Às vezes, iam com ele alguns companheiros; às vezes, ele ia só.
b) Dentro em pouco uma fumacinha apontava longe.
c) Ele apanhou a estrada bastante mais movimentada.
d) Ele ganhava rápido a superfície, sabendo que um segundo mais e morreria.
e) Olhava para o próprio pé que mal tocava a superfície.

12) Assinale a alternativa que apresenta apenas adjetivos explicativos:


(CTA/Computação)
a) homem mau, água limpa, fogo brando
b) homem feliz, água suja, fogo fraco
c) homem bom, água quente, fogo forte
d) homem alto, água fria, fogo frio
e) homem mortal, água mole, fogo quente

13) Assinale a opção em que ambos os termos não admitem flexão de gênero.
(Cesgranrio-RJ)
a) inglesa pálida
b) jovem leitor
c) alguns mestres
d) semelhante criatura
e) moça ideal

14) Em "A torre é muito alta", a expressão destacada é:


(Fac. de Agronomia "Luiz Meneghel")
a) superlativo relativo de superioridade
b) superlativo absoluto sintético
c) comparativo de superioridade
d) superlativo absoluto analítico
e) comparativo relativo

15) Assinale a frase incorreta quanto à flexão do grau do adjetivo.


(Fac. São Marcos-SP)
a) Que tristezas são mais ruins que as nossas?
b) A proposta era mais boa do que má.
c) A proposta era mais má do que boa.
d) Minha casa é mais grande do que pequena.
e) João é mais inteligente do que sensível.

16) (UEPG-SP)Assinale a frase em que o adjetivo está no grau superlativo relativo de superioridade.
a) Estes operários são capacíssimos.
b) O quarto estava escuro como a noite.
c) Não sou menos digno de meus pais.
d) Aquela mulher é podre de rica.
e) Você foi o amigo mais sincero que eu tive.
116 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
17) Assinalar a alternativa que contém a única frase na qual a flexão de número está correta.
(FEI-SP)
a) Todos eram obrigados a usar uniformes verdes-oliva.
b) São graves os problemas sociais-econômicos do país.
c) As meninas tinham cabelos castanhos-escuros.
d) Bandeirolas azul-marinho eram agitadas pelo vento.
e) As festas cívica-religiosas são prestigiadas pelo povo.

18) (FEI-SP) Nos versos:

"A cujo fluxo mágico respira-se


Um quebranto de amor, melhor que a vida!"

o adjetivo destacado está no grau:


a) superlativo absoluto analítico
b) superlativo absoluto sintético
c) superlativo relativo de superioridade
d) comparativo de igualdade
e) comparativo de superioridade

19) "... onde predomina o corte de cabelo afro-oxigenado."


(Efoa-MG)
A concordância do adjetivo destacado acima com o substantivo a que se refere manteve-se correta em:
a) cabelos afros-oxigenado
b) cabeleiras afras-oxigenadas
c) cabelos afros-oxigenados
d) cabeleiras afra-oxigenadas
e) cabelos afro-oxigenados
20) (FESP-SP) Numa das alternativas abaixo uma das locuções está incorretamente relacionada com o adjetivo. Assinale-a.
a) digital (de dedo)
b) hepático (de estômago)
c) cefálico (de cabeça)
d) plúmbeo (de chumbo)
e) pétreo (de pedra)

RESPOSTAS

1-E 2-A 3-C 4-D 5-C

6-B 7-D 8-E 9-A 10-C

11-A 12-E 13-D 14-D 15-A

16-E 17-D 18-E 19-E 20-B

O último poema

Assim eu quereria o meu último poema


Que fosse terno dizendo as coisas mais simples e menos intencionais
Que fosse ardente como um soluço sem lágrimas
Que tivesse a beleza das flores quase sem perfume
A pureza das chamas em que se consomem os diamantes mais límpidos
A paixão dos suicidas que se matam sem explicação.

(Manuel Bandeira, Libertinagem)


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 117
As palavras a, o, as, os que precedem, respectivamente os substantivos beleza, poema, coisas, diamantes são chamadas de
artigo.

Classificação dos Artigos

O artigo classifica-se em:

! definido: o, a, os, as. Determinam um substantivo entre outros da mesma espécie.

O leão é o rei da selva.


As meninas estudaram a matéria que caiu na prova.

! indefinido: um, uma, uns, umas. Transmitem um aspecto vago ao substantivo.

É necessário chamar um médico.


O gerente não gostou do que uma funcionária falou.

Contração e Combinação

A contração resulta da junção da preposição a com o artigo definido a. Essa junção é marcada pelo acento grave ( ` ).

Vou a a escola. = Vou à escola


9 9
preposição artigo

A combinação resulta da junção dos artigos com as preposições a, de, em, por. Na palavra que resulta da combinação, apenas
a preposição sofre mudança.

artigo preposições
definido
a de em por
o ao do no pelo
a à da na pela
os aos dos nos pelos
as às das nas pelas

artigo preposições
indefinido
em de
um num dum
uma numa duma
uns nuns duns
umas numas dumas

Emprego dos Artigos

1. O artigo muda as palavras de qualquer classe gramatical substantivada:

azul (adjetivo) o azul (adjetivo substantivado)


não (advérbio de negação) o não (advérbio substantivado)
118 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
2. O artigo caracteriza o gênero e o número do substantivo a que se refere:

a árvore (feminino singular) as árvores (feminino plural)


o pote (masculino singular) os potes (masculino plural)

3. Na palavra outro, quando tem sentido determinado, usa-se artigo definido:

Diego Hypólito e Mosiah Rodrigues ganharam medalha de ouro; os outros atletas não.

Quando o sentido é indeterminado, não se usa o artigo definido. Exemplo:


Uns ganharam, outros não.

4. Entre o numeral ambos e o substantivo é obrigatório o uso do artigo definido.

Ele pegou os doces com ambas as mãos.


Ela pisca com ambos os olhos.

5. Quando não existir determinação ou qualificação no uso das palavras casa (lar), terra (chão firme) e palácio (sede do governo) não se
usa o artigo definido.

À noite, ficarei em casa.


Depois de uma longa viagem, voltamos a terra.
A manifestação contra a violência irá a palácio.

O uso do artigo é obrigatório quando aparecer uma palavra modificadora para casa, terra e palácio.

Vou para a casa da titia.


Visitarei a terra de meus avós.
Visitarei o Palácio de Versalhes.

6. Quando se quer indicar totalidade, inteireza, usa-se todo o, toda a:

Todo o público se encantou com sua música.


Toda a plateia se encantou com sua música.

Quando se quer indicar qualquer, cada, usa-se todo, toda:

Todo cidadão pode prestar o concurso.


Toda pessoa pode prestar o concurso.

7. Antes de pronomes de tratamento não se usa artigo:

Fiz um bolo para você.


Sua Santidade, o Papa Bento 16, visitou o Brasil em 2007.

Exceção: senhor, senhora, senhores, senhoras

O senhor é bem-vindo.

8. Antes de alguns nomes de lugar não se usa artigo, a não ser que estes apareçam modificados.

São Paulo é um estado grandioso.


A violenta São Paulo precisa de paz.

9. Com exceção do planeta Terra, os outros não admitem o uso do artigo:

Plutão foi rebaixado à planeta-anão.

10. Antes de nomes de pessoas não se usa artigo:

Luiz Inácio Lula da Silva foi vaiado na abertura dos Jogos Pan-americanos de 2007.

O emprego do artigo definido antes de nome de pessoa confere um certo tom de familiaridade:

O Pedrinho é muito prestativo.


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 119
11. O artigo indefinido colocado antes de um numeral indica proximidade:

Faz uns três anos que não o vejo.

12. O artigo indefinido colocado antes de um substantivo no singular, faz com que represente toda a espécie:

Ele era tão grosso que parecia um cavalo.

13. O artigo indefinido colocado antes de um nome próprio acentua a semelhança com alguém célebre.

Quando crescer, quero ser uma Gisele Bündchen.


14. Antes de palavras como multidão, coisa, gente, número, parte, pessoa, porção, quantia, quantidade, soma, etc., não se usa artigo
indefinido:

Grande número de pessoas compareceu à festa.

15. Entre as palavras cujo, cujos, cuja, cujas e o substantivo não se usa artigo:

Este é o livro cuja história todos querem conhecer.

Casos facultativos:

- Diante dos pronomes possessivos:

Não conheço sua história.


Não conheço a sua história.

- Diante das palavras quão e quanto:

Você não sabe quão importante você é!


Você não sabe o quão importante você é!
Você nem imagina quanto me deixou chateada.
Você nem imagina o quanto me deixou chateada.

EXERCÍCIOS

1) Assinale a alternativa que preencha as lacunas.

I. Meu amigo, você tem .......................... pergunta?

II. De .......................... tempos para cá, ele tem estado estranho.

III. Estou com ........................... ouvidos doendo de tanto barulho.

a) a, um, os
b) uma, os, uns
c) umas, o, uns
d) uma, uns, os
e) a, um, os

2) Assinale a alternativa incorreta:


a) Ambos os meninos são surdos-mudos.
b) Toda a mão de João foi queimada.
c) A Vossa Excelência tem alguma informação sobre o acidente?
d) Todos os três conhecem a história.
e) Visitarei o museu do Ipiranga no próximo domingo.
120 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
3) Observe o poema abaixo de Antônio Carlos Jobim e Vinícius de Moraes.

O grande amor

Haja o que houver


Há sempre um homem para uma mulher
E há de sempre haver
Para esquecer um falso amor
E uma vontade de morrer
Seja como for
Há de vencer o grande amor
Que há de ser no coração
Como um perdão para quem chorou.

No poema há:

a) 2 artigos definidos e 4 artigos indefinidos.


b) 3 artigos definidos e 3 artigos indefinidos.
c) 5 artigos definidos e 1 artigo indefinido.
d) 2 artigos definidos e 4 artigos indefinidos.
e) 1 artigo definido e 5 artigos indefinidos.

4) Em qual dos casos o artigo definido denota familiaridade?


a) A Marcinha é uma boa menina.
b) O professor Saldanha é um homem calmo.
c) Os Lusíadas foram escritos por Camões.
d) Vieira, o síndico do prédio, virá à reunião.
e) O Amazonas é um rio imenso.

5) Assinale a alternativa em que o artigo é facultativo.


a) Você viu a Melissa? Mamãe quer falar com ela.
b) Os Estados Unidos são sempre alvos de atentados.
c) Conheço a grandiosa São Paulo.
d) O meu destino a Deus pertence.
e) Ele viaja por todo o Brasil.

6) (FUVEST-SP) Em qual dos versos abaixo, extraídos do "Soneto da perdida esperança", de Carlos Drummond de
Andrade, o autor utiliza-se da substantivação como recurso estilístico?
a) "Perdi o bonde e a esperança."
b) "Volto pálido para casa."
c) "com um insolúvel flautim"
d) "Vou subir a ladeira lenta."
e) "nós gritamos: sim! ao eterno."

7) (UM-SP) Em qual das alternativas o artigo definido feminino corresponde a todos os substantivos?
a) sósia, doente, lança-perfume
b) dó, telefonema, diabete
c) clã, eclipse, pijama
d) cal, elipse, dinamite
e) champanha, criança, estudante

8) (UFUb-MG) Em uma das frases, o artigo definido está empregado erradamente. Em qual?
a) A velha Roma está sendo modernizada.
b) A "Paraíba" é uma bela fragata.
c) Não reconheço agora a Lisboa do meu tempo.
d) O gato escaldado tem medo de água fria.
e) O Havre é um porto de muito movimento.

9) (ITA-SP)Determine o caso em que o artigo tem valor qualificativo.


a) Estes são os candidatos de que lhe falei.
b) Procure-o, ele é o médico! Ninguém o supera.
c) Certeza e exatidão, estas qualidades não as tenho.
d) Os problemas que o afligem não me deixam descuidado.
e) Muita é a procura; pouca a oferta.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 121
10) (FMU-SP) Procure e assinale a única alternativa em que há erro, quanto ao problema do emprego do artigo:
a) Nem todas opiniões são valiosas.
b) Disse-me que conhece todo o Brasil.
c) Leu todos os dez romances do escritor.
d) Andou por todo Portugal.
e) Todas cinco, menos uma, estão corretas.

RESPOSTAS

1-D 2-C 3-E 4-A 5-D

6-E 7-D 8-D 9-B 10-A

Ponteio

Era um, era dois, era cem


Era o mundo chegando
E ninguém que soubesse que eu sou violeiro
Que me desse amor ou dinheiro
Era um, era dois, era cem
Vieram pra me perguntar
E você: - de onde vai, de onde vem?
Diga logo o que tem pra contar
Parado no meio do mundo
Senti chegar meu momento
Olhei pro mundo e nem via
Nem sombra, nem sol, nem vento
Quem me dera agora eu tivesse a viola pra cantar

Era um dia, era claro, quase meio


Era um canto calado, sem ponteio
Violência, viola, violeiro
Era a morte ao redor, mundo inteiro
Era um dia, era claro, quase meio
Tinha um que jurou me quebrar
Mas não lembro de dor nem receio
Só sabia das ondas do mar
Jogaram a viola no mundo
Mas fui lá no fundo buscar
Se tomo a viola, ponteio
Meu canto não posso parar, não
Quem me dera agora eu tivesse a viola pra cantar

(Edu Lobo)
122 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
As palavras destacadas um, dois e cem são numerais cardinais e expressam noção determinada de número.

O numeral pode indicar:

• quantidade: Samantha comprou os sete livros da coleção Harry Potter.

• ordem: A Miss Brasil ficou em segundo lugar no concurso Miss Universo 2007.

• multiplicação: Preciso do dobro do dinheiro que tenho para comprar uma casa.

• fração: Melissa comeu meia pizza sozinha.

Classificação dos Numerais

O numeral classifica-se em:

1. Cardinal: designa uma quantidade determinada dos seres: um, dois, três, quatro, cinco ...

2. Ordinal: designa a ordem em que o ser ocupa numa determinada série: primeiro, segundo, terceiro, quarto, quinto...

3. Multiplicativo: expressa uma ideia de multiplicação: dobro, triplo, quádruplo, quíntuplo ...

4. Fracionário: expressa uma ideia de divisão: meio, terço, quarto, quinto ...

Veja, abaixo, o quadro dos numerais: primeiro você encontrará os algarismos romanos; no segundo, os numerais cardinais; no
terceiro, os ordinais; no quarto os multiplicativos e finalmente no quinto, os fracionários:
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 123

A LGA RISM OS NUM ERA IS

Multiplicativos

Fracionários
Romanos

Arábicos

Ordinais
Cardinais

I 1 um primeiro simples —

II 2 dois segundo duplo, dobro meio

III 3 três terceiro triplo, tríplice terço

IV 4 quatro quarto quádruplo quarto

V 5 cinco quinto quíntuplo quinto

VI 6 seis sexto sêxtuplo sexto

VII 7 sete sétimo sétuplo sétimo

VIII 8 oito oitavo óctuplo oitavo

IX 9 nove nono nônuplo nono

X 10 dez décimo décuplo décimo

XI 11 onze décimo primeiro undécuplo onze avos

XII 12 doze décimo segundo duodécuplo doze avos

XIII 13 treze décimo terceiro treze avos

XIV 14 quatorze ou catorze décimo quarto quatorze avos

XV 15 quinze décimo quinto quinze avos

XVI 16 dezesseis décimo sexto dezesseis avos

XVII 17 dezessete décimo sétimo dezessete avos

XVIII 18 dezoito décimo oitavo dezoito avos

XIX 19 dezenove décimo nono dezenove avos

XX 20 vinte vigésimo vinte avos

XXX 30 trinta trigésimo trinta avos

XL 40 quarenta quadragésimo quarenta avos

L 50 cinquenta quinquagésimo cinquenta avos

LX 60 sessenta sexagésimo sessenta avos

LXX 70 setenta septuagésimo setenta avos

LXXX 80 oitenta octogésimo oitenta avos

XC 90 noventa nonagésimo noventa avos

C 100 cem centésimo cêntuplo centésimo

CC 200 duzentos ducentésimo ducentésimo

CCC 300 trezentos trecentésimo trecentésimo

CD 400 quatrocentos quadringentésimo quadringentésimo

D 500 quinhentos quingentésimo quingentésimo

DC 600 seiscentos sexcentésimo sexcentésimo

DCC 700 setecentos septingentésimo septingentésimo

DCCC 800 oitocentos octingentésimo octingentésimo

CM 900 novecentos nongentésimo nongentésimo

M 1000 mil milésimo milésimo


124 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Observação:

Como vimos no quadro acima, em algarismos romanos, o número 1000 é representado pela letra M. Assim, MM corresponde a
2000 e MMM a 3000. E os números maiores que 3000? Para escrever 4000 ou números maiores que ele, os romanos usavam um traço
horizontal sobre as letras que representavam esses números.

Um traço multiplica o número representado abaixo dele por 1000. Dois traços multiplicam o número abaixo deles por 1 milhão.

Flexão dos Numerais

O numeral flexiona-se em: gênero, número e grau.

1 - Gênero

• Os cardinais um, dois e as centenas a partir de duzentos variam em gênero:

um - uma
dois - duas
duzentos - duzentas

• Todos os ordinais variam em gênero:

primeiro - primeira
décimo - décima
trigésimo - trigésima

• Os multiplicativos apresentam flexão de gênero quando são usados como adjetivos. São invariáveis quando usados como
substantivos:

Serviram doses triplas de licor.


÷ Triplas com valor de adjetivo.

A idade dele é o dobro de sua namorada.


÷ Dobro com valor de substantivo.

• Os fracionários concordam com o cardinal que os antecede:

Um terço dos alunos está na quadra.


Dois terços dos alunos estão na quadra.

Observação: O fracionário meio concorda em gênero com o substantivo a que se refere.

É meio dia.
Você tem meia hora para acabar a lição.

2 - Número

• Os cardinais terminados em -ão variam em número:

milhão - milhões
bilhão - bilhões
trilhão - trilhões

• Todos os ordinais variam em número:

primeiro - primeiros
segundo - segundos
terceiro - terceiros
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 125
• Os multiplicativos variam em número quando têm função de adjetivo:

Ele pediu um copo duplo de uísque.


Ele pediu dois copos duplos de uísque.

Observação: Se os multiplicativos têm função de substantivo ficam invariáveis.

Nossas idades são o triplo da sua.

• Os fracionários variam em número concordando com os cardinais que os antecedem:

Um quarto do dinheiro foi gasto em bobagens.


Dois quartos foram gastos em bobagens.

3 - Grau

• É comum o uso do grau dos numerais em algumas construções habituais como:

Ela foi a primeirona a descer do ônibus.


Ele nem parece um cinquentão.

• É comum o uso do diminutivo e do aumentativo em linguagem afetiva:

O brinquedo que quero está valendo cenzão.


Papai, me empresta cenzinho?!

Emprego dos Numerais

! Para designar séculos, reis, papas, capítulos, volumes, príncipes, anos e cantos (poesias épicas) empregam-se os ordinais até
décimo e os cardinais a partir de onze:

Século XVIII (dezoito) Luís IX (nono)


Papa Bento XVI (dezesseis) Capítulo X (décimo)
Volume XI (onze) Ano VI (sexto)
Príncipe Henrique VIII (oitavo) Canto I (primeiro)

Observação: Se o numeral vier preposto ao substantivo, usa-se o ordinal:


Século XXI (vinte um)
XXI século (vigésimo primeiro século)

! Para designar artigos, leis, decretos, portarias e outros textos legais empregam-se os ordinais até nono e os cardinais a partir de
dez:

Artigo 9º Lei 10
Decreto 5º Portaria 15

! Na numeração de casas, páginas, folhas de um livro ou revista, apartamentos empregam-se os cardinais que concordam com a
palavra "número":

Casa 50 (cinquenta)
Página 101 (cento e um)
Apartamento 18 (dezoito)

! Na indicação do primeiro dia do mês emprega-se o ordinal:

Ela aniversaria no dia primeiro de junho.

! Para indicar "12 horas e 30 minutos", diz-se "meio-dia e meia" (hora).


126 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
! Leitura e escrita por extenso dos numerais compostos:

537= quinhentos e trinta e sete


3 412= três mil quatrocentos e doze

! Os numerais coletivos são aqueles que designam o conjunto numericamente exato. Veja o quadro abaixo:

biduo: período de dois dias quarteto: agrupamento de quatro


coisas

bimestre: período de dois meses quina: série de cinco números

centena, cento, centúria: agrupa- quinquênio: período de cinco


mento de cem coisas anos

centenário: período de cem anos resma: quinhentas folhas de papel

década, decúria: período de dez semestre: período de seis meses


anos

dezena: agrupamento de dez coisas septênio: período de sete anos

dístico: estrofe de dois versos sesquicentenário: período de 150


anos

dúzia: agrupamento de doze coisas sexênio: período de seis anos

grosa: agrupamento de doze dúzias sextilha: estrofe de seis versos

lustro: período de cinco anos terceto: estrofe de três versos

milênio: período de mil anos terno: agrupamento de três coisas

milhar, milheiro: agrupamento de trezena: período de treze dias


mil coisas

novena: período de nove dias triênio: período de três anos

par: agrupamento de duas coisas trinca: agrupamento de três coisas

! Embora não conste na lista dos numerais, o zero é cardinal.

Formas Duplas

Os seguintes numerais apresentam mais de uma forma:

undécimo ou décimo primeiro


duodécimo ou décimo segundo
catorze ou quatorze
setuagésimo ou septuagésimo
sexcentésimo ou seiscentésimo
septingentésimo ou setingentésimo
nongentésimo ou noningentésimo

Diferença
de
UM numeral e UM artigo

O numeral um admite a anteposição das palavras somente ou apenas.

Trouxe um lápis no estojo.


(Trouxe somente um lápis no estojo = numeral)

O artigo indefinido um admite a posposição das palavras certo ou qualquer.

Encontrei um lápis na rua.


(Encontrei um lápis qualquer na rua = artigo indefinido)
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 127

EXERCÍCIOS

1) Observe a tira de Mauricio de Sousa:

O numeral utilizado na tira é:


a) cardinal
b) ordinal
c) multiplicativo
d) fracionário
e) não há numeral na tira

2) Há um numeral fracionário na alternativa:


a) A violência no Rio de Janeiro aumentou nas últimas décadas.
b Álvaro foi o segundo colocado na prova de matemática.
c) Duas mulheres disputarão a vaga na fábrica.
d) Metade da renda obtida no show será revertida a uma instituição de caridade.
e) O atleta brasileiro competiu no salto triplo.

3) Ele obteve o 254º lugar:


a) ducentésimo cinquenta e quarto
b) duzentos e cinquenta e quatro
c) ducentésimo cinquenta e quatro
d) duzentos quinquagésimo quarto
e) ducentésimo quinquagésimo quarto

4) Relacione as colunas:

1- par A - agrupamento de três coisas


2- trinca B - conjunto de cem
3- centúria C - conjunto de doze dúzias
4- lustro D - conjunto de dois
5- grosa E - período de cinco anos

a) 1A; 2B; 3C; 4D; 5E


b) 1D; 2A; 3B; 4E; 5C
c) 1B; 2C; 3A; 4D; 5E
d) 1C; 2D; 3B; 4A; 5E
e) 1E; 2D; 3C; 4B; 5A

5) Assinale a alternativa em que o numeral não apresenta forma dupla.


a) 11º
b) 14
c) 70º
d) 80
e) 900º

6) Duplo e dúplice são numerais:


a) coletivos
b) cardinais
c) ordinais
d) fracionários
e) multiplicativos
128 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
7) Sétimo, sétuplo e duodécimo, duocécuplo são respectivamente os ordinais e multiplicativos de:
a) 7 e 11
b) 7 e 12
c) 70 e 100
d) 70 e 200
e) 7 e 200

8) Assinale a alternativa em que o numeral está incorretamente empregado.


a) Li o livro até o capítulo terceiro.
b) Estamos no século vinte e um.
c) No dia primeiro de maio é comemorado o Dia do Trabalho.
d) Ele mora no apartamento décimo quinto.
e) Você conhece o canto primeiro de Os Lusíadas?

9) Assinale a alternativa em que a palavra um é numeral e não artigo indefinido.


a) Estou procurando um carro para comprar.
b) Conheci um rapaz muito educado.
c) A casa que aluguei tem um banheiro.
d) Preciso de um empregado com urgência.
e) João comprou um livro para entender melhor o aquecimento global.

10) (Vunesp-SP) Assinale o caso em que não há expressão numérica de sentido indefinido.
a) Ele é o duodécimo colocado.
b) Quer que eu veja este filme pela milésima vez.
c) "Na guerra meus dedos disparam mil mortes."
d) "A vida tem uma só entrada; a saída é por cem portas."
e) n.r.a.

11) Indique o item em que os numerais estão corretamente empregados:


(Fund.Valeparaibana-SP)
a) Ao Papa Paulo Seis sucedeu João Paulo Primeiro.
b) Após o parágrafo nono virá o parágrafo décimo.
c) Depois do capítulo sexto, li o capítulo décimo primeiro.
d) Antes do artigo dez vem o artigo nono.
e) O artigo vigésimo segundo foi revogado.

12) (USJT-SP) Numeral correto:


a) 653 = seiscentos e cinquenta e três
b) Tomo XII = décimo segundo
c) 56º = quingentésimo sexto
d) 600º = seiscentésimo
e) n.d.a.

13) (CTA/Computação) O ordinal quadringentésimo septuagésimo corresponde ao cardinal:


a) quarenta e sete
b) quarenta mil e sete
c) quatrocentos e setenta
d) quatro mil e setenta
e) nenhuma das alternativas acima

14) (FASP-SP) Ele obteve o 123º lugar:


a) centésimo vigésimo terceiro
b) centésimo trigésimo terceiro
c) cento e vinte trigésimo
d) cento e vigésimo terceiro
e) n.d.a.

15) (Cefet-MG) A alternativa em que o numeral está impropriamente empregado é:


a) O conteúdo do artigo onze não está claro.
b) Já lhe disseram, pela noningentésima vez, o que fazer.
c) Esses animais viveram, aproximadamente, na Era Terciária.
d) Consulte a Encíclica de Pio Décimo.
e) Essas afirmações encontram-se na página décima quinta.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 129
16) (UF-PR) Se a cinco vem corresponder quinto, a onze, quarenta, cinquenta, sessenta e setenta, respectivamente,
corresponde:
a) undécimo, quadragésimo, cinquentésimo, sexagésimo, septuagésimo.
b) décimo primeiro, quaresma, quinquagésimo, sexagésimo, septuagésimo.
c) undécimo,quadragésimo, quinquagésimo, sexagenário, septuagésimo.
d) décimo primeiro, quadragésimo, quinquagésimo, sexagésimo, septuagenário.
e) undécimo, quadragésimo, quinquagésimo, sexagésimo, septuagésimo.

17) (FMU-SP) Substitua os espaços em branco pelos numerais propostos nas alternativas.
"Comemora-se a entrada do século .......... e, ao mesmo tempo, o ............ do aniversário da cidade. As datas, ............., eram
importantes. Doze dúzias de fogos, ou seja, uma ..............,foram espocadas ao meio-dia."
a) vigésimo, tricentésimo quadragésimo sexto, ambas, resma.
b) vinte, tricentésimo quadragésimo sexto, ambas as duas, grosa.
c) vigésimo, tricentésimo quadragésimo sexto, ambas, trezena.
d) vinte, tricentésimo quadragésimo sexto, ambas as duas, decúria.
e) vinte, tricentésimo quadragésimo seis, ambas, resma.

18) (FAAP-SP) Verifique em qual alternativa há um uso impróprio de numerais.


a) No artigo sétimo lia-se que era proibido reclamar; já no artigo dezenove, falava-se em direito de reclamação.
b) No tomo treze da coleção há uma referência importante ao canto oitavo da Odisseia.
c) Uma resma equivale a quatrocentas folhas de papel.
d) Prepare-se para gerir a escola por um período de cinco anos. Não se preocupe: o lustro passa depressa.
e) n.d.a.

19) (UFU-MG) "Ana tomava remédio todos os dias em doses quíntuplas." Marque a alternativa apropriada entre
as seguintes:
a) "Quíntuplos" é um numeral cardinal.
b) "Quíntuplos" é um numeral coletivo.
c) "Quíntuplos" é um numeral multiplicativo.
d) "Quíntuplos" é um numeral fracionário.
e) "Quíntuplos" é um numeral ordinal.

20) (FACCLÍBERO-SP) O numeral ordinal de 80 é:


a) octagésimo
b) octogésimo
c) octingésimo
d) octogentésimo
e) oitagésimo

RESPOSTAS

1-B 2-D 3-E 4-B 5-D

6-E 7-B 8-D 9-C 10-A

11-B 12-A 13-C 14-A 15-E

16-E 17-B 18-C 19-C 20-B


130 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS

Ninguém abra a sua porta


para ver que aconteceu:
saímos de braço dado,
a noite escura mais eu.
Ela não sabe o meu rumo
eu não lhe pergunto o seu.
(Cecília Meireles)

As palavras grifadas no poema de Cecília Meireles são pronomes.

Ninguém refere-se a nenhuma pessoa (pronome indefinido); sua, meu e seu indicam posse (pronome possessivo); eu e ela
indicam a pessoa do discurso (pronome pessoal do caso reto) e lhe funciona como complemento do verbo (pronome pessoal do caso
oblíquo).

Pronome é a palavra que substitui ou acompanha o substantivo.

No poema acima, o pronome pessoal do caso reto ela e o pronome pessoal do caso oblíquo lhe substituem o substantivo noite.

Pronome Substantivo e Pronome Adjetivo

O pronome substantivo é aquele que substitui o substantivo e geralmente se relaciona com o verbo.

Alguém bateu à porta.


ù
pronome substantivo

Nada poderá detê-lo.


ù
pronome substantivo

O pronome adjetivo é aquele empregado ao lado de um substantivo para determiná-lo.

Algumas alunas vieram à aula.


ù ù
pronome substantivo
adjetivo

Minhas férias acabaram!


ù ù
pronome substantivo
adjetivo
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 131

Classificação dos Pronomes

Há seis tipos de pronomes: pessoais, possessivos, demonstrativos, indefinidos, interrogativos e relativos.

Pronomes Pessoais

Os pronomes pessoais substituem os substantivos e designam as pessoas gramaticais ou as pessoas do discurso. São eles: retos,
oblíquos e de tratamento.

Quadro dos pronomes pessoais - singular e plural

pessoas do discurso retos oblíquos

1ª pessoa eu me, mim, comigo


2ª pessoa tu te, ti, contigo
3ª pessoa ele/ela o, a, lhe, se, si, consigo

1ª pessoa nós nos, conosco


2ª pessoa vós vos, convosco
3ª pessoa eles/elas os, as, lhes, se, si, consigo

Os pronomes pessoais oblíquos podem ser tônicos ou átonos.

• São tônicos quando usados com preposição:

Mamãe comprou uma linda boneca para mim.


ù
preposição

Estamos há horas esperando por elas.


ù
preposição

• São átonos quando usados juntamente com as formas verbais:

Preciso encontrá-lo com urgência.


ù
verbo

Peguem-no! Gritou o policial.


ù
verbo

Emprego dos Pronomes Pessoais

• Os pronomes pessoais retos funcionam quase sempre como sujeito.

Ele entrou na sala apressadamente.

• Os pronomes pessoais oblíquos funcionam como complemento verbal.

Nós temos os certificados. Os certificados nos pertence.

• Após a preposição é obrigatório o uso dos pronomes oblíquos.

Não há briga entre mim e ti.

• Usam-se eu e tu antes de verbos no infinitivo.


132 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Comprei um livro para eu ler.
ù
verbo no infinitivo

• As formas oblíquas mim, ti e si vêm sempre precedidas de preposição.

Você não pode assinar o documento sem mim.


ù
preposição

Formas Pronominais

Os pronomes oblíquos o, a, os, as adquirem as seguintes formas:

• quando associados a verbos terminados em r, s ou z, adquirem as formas -lo, -la, -los, -las.

Vou comprar um carro. (Vou comprá-lo.)


Vou comprar uma casa. (Vou comprá-la.)
Encontramos o menino. (Encontramo-lo.)
Encontramos a menina. (Encontramo-la.)
Ele refez o exercícios. (Ele refê-lo.)
Ele refez a redação. (Ele refê-la.)

• quando associados a verbos terminados em som nasal, adquirem as formas no, na, nos, nas.

Chamaram Ana no portão. (Chamaram-na no portão.)


Chamaram Pedro no portão. (Chamaram-no no portão.)

• Os pronomes oblíquos podem ser combinados da seguinte forma:

me + o, a, os, as = mo, ma, mos, mas


te + o, a, os, as = to, ta, tos, tas
lhe + o, a, os, as = lho, lha, lhos, lhas
nos + o, a, os, as = no-lo, no-la, no-los, no-las

Os presentes, no-los deu a titia.


A benção, no-la deu o padre.

Pronomes Pessoais de Tratamento

Os pronomes pessoais de tratamento são usados na forma de se tratar as pessoas.

Você é meu amigo. (trato informal)

Vossa Senhoria está com algum problema? (trato formal)

Pronomes abreviatura
de Tratamento
singular plural
Você v. vv.
Usado para pessoas familiares, íntimas.

Senhor, Senhora Sr., Sr.ª Srs., Sr.as


Usados para manter uma distância respeitosa.

Vossa Senhoria V.S.ª V.S.as


Usado para correspondências comerciais.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 133

Vossa Excelência V.Ex.ª V.Ex.as


Usado para altas autoridades: presidente, etc.

Vossa Eminência V.Em.ª V.Em.as


Usado para cardeais.

Vossa Alteza V.A. V V.A A.


Usado para príncipes e duques.

Vossa Santidade V.S. —


Usado para o Papa.

Vossa Reverendíssima V.Rev.ma V.Rev.mas


Usado para sacerdotes e religiosos em geral.

Vossa Magnificência V.Mag.ª V.Mag.as


Usado para reitores de universidades.

Vossa Majestade V.M. V V.M M.


Usado para reis e rainhas.

Observações:

- Quando nos referimos à 3ª pessoa, o pronome de tratamento é precedido de sua.

Sua Majestade, a rainha da Inglaterra, completou 80 anos. (falamos sobre a pessoa)

- Quando falamos diretamente com a pessoa, usamos o pronome de tratamento vossa.

Vossa Majestade fará 80 anos? (falamos com a pessoa)

- O pronome você

O pronome você já não tem mais seu caráter cerimonioso e atualmente substitui o pronome pessoal do caso reto tu.
Apesar de se referir à 2ª pessoa, o verbo é exigido na 3ª pessoa.

Você é muito sábio.


9
verbo na 3ª pessoa

- A expressão "a gente"

A expressão "a gente" geralmente substitui o pronome nós.

A concordância entre o verbo e a expressão é feita na 3ª pessoa.

A gente precisa de dinheiro. Nós precisamos de dinheiro.

Pronomes Possessivos

Os pronomes possessivos são aqueles que indicam a posse de alguma coisa a uma das pessoas gramaticais. Os pronomes
possessivos flexionam-se em gênero e número.

Meu cachorro é preto. Minha aula terminou

Meus cachorros são pretos. Minhas aulas terminaram.


134 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
pronomes possessivos

1ª pessoa meu, minha, meus, minhas


singular 2ª pessoa teu, tua, teus, tuas
3ª pessoa seu, sua, seus, suas

1ª pessoa nosso, nossa, nossos, nossas


plural 2ª pessoa vosso, vossa, vossos, vossas
3ª pessoa seu, sua, seus, suas

Emprego dos Pronomes Possessivos

• Além de indicar posse, o pronome possessivo pode indicar afeto, respeito ou cálculo aproximado.

Meu caro amigo, como você está? (afeto)

Bom dia, meu senhor! (respeito)

Ele deve ter seus quarenta anos. (cálculo aproximado)

• Nomes que indicam partes do corpo, peças de vestuário e faculdades do espírito, não se usa o possessivo.

Queimei a mão. (e não Queimei a minha mão.)

Ela sujou o vestidinho. ( e não Ela sujou o seu vestidinho.)

Perdi os sentidos. (e não Perdi os meus sentidos.)

• Geralmente, coloca-se o pronome possessivo antes do substantivo, mas o contrário também pode ocorrer.

Recebi suas cartas ou Recebi cartas suas.

• O emprego do pronome possessivo da 3ª pessoa (seu, sua, seus, suas) pode caracterizar uma dúvida quanto ao possuidor e gerar
uma ambiguidade.

Joana disse que seus filhos são fortes. (Os filhos de Joana ou os seus?)

Para evitar essa ambiguidade é necessário usar o possessivo através da forma dele, dela, deles, delas.

Joana disse que os filhos dela são fortes.

• O pronome seu antes de nomes de pessoas não é possessivo e sim uma corruptela de senhor.

Seu Antônio, quanto tempo não o vejo!

Pronomes Demonstrativos

Os pronomes demonstrativos são aqueles que indicam a posição dos seres em relação às pessoas do discurso.

Esta minha roupa não está apropriada.


(1ª pessoa - ideia de proximidade de quem fala)

Essa sua roupa não está apropriada.


(2ª pessoa - ideia de proximidade com quem se fala)

Aquela roupa não é apropriada.


(3ª pessoa - ideia de distanciamento entre ouvinte e falante)
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 135

pronomes demonstrativos

1ª pessoa este, esta, estes, estas, isto


2ª pessoa esse, essa, esses, essas, isso
3ª pessoa aquele, aquelas, aqueles, aquelas, aquilo

Emprego dos Pronomes Demonstrativos

• Os pronomes demonstrativos combinam-se com as preposições de ou em que resultam nas formas: deste, desse, naquele e suas
variações.

• Empregam-se este, esta, isto para mencionar o que ainda não foi dito.

O fato é este: acabou nosso dinheiro.

• Empregam-se esse, essa, isso para fazer referência a algo que já foi dito.

Não gosto que fale de mim. Isso não é da sua conta.

• Empregam-se este (e suas flexões) em oposição a aquele (e suas flexões) quando nos referimos a elementos já mencionados.
Aquele é usado para o termo mencionado em primeiro lugar e este para o termo mencionado em último lugar.

A palestra será realizada pelos professores Sampaio e Bastos, este falará sobre economia, aquele sobre aquecimento global.

• Os pronomes pessoais o, a, os, as podem funcionar como pronomes demonstrativos quando equivalem a aquele, aquela, aqueles,
aquelas, aquilo, isso.

Os que têm persistência vencem (os = aqueles).

Das matérias da escola, eu prefiro a de Matemática. (a = aquela)

• As palavras mesmo, mesma, mesmos, mesmas, também são pronomes demonstrativos e indicam ênfase:

Nós mesmos fizemos o conserto do carro.


Ela mesma costurou seu vestido.

• As palavras próprio, própria, próprios, próprias também são pronomes demonstrativos e indicam ênfase:

Ele próprio não sabe sobre o acidente.


Elas próprias fizeram o bolo.

• As palavras semelhante e tal são pronomes demonstrativos quando forem substituídos por este, esta, aquele, aquela, aquilo:

Nunca vi semelhante coisa.


Não vou a tal lugar.

Pronomes Indefinidos

Os pronomes indefinidos são aqueles que indicam a 3ª pessoa e têm sentido vago, impreciso:

Todos cumprimentaram o diretor.

O livro deve estar em algum lugar.


136 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
pronomes indefinidos

variáveis invariáveis

algum, alguma, alguns, algumas algo


nenhum, nenhuma, nenhuns, nenhumas alguém
todo, toda, todos, todas nada
muito, muita, muitos, muitas ninguém
pouco, pouca, poucos, poucas tudo
certo, certa, certos, certas cada
outro, outra, outros, outras outrem
quanto, quanta, quantos, quantas quem
tanto, tanta, tantos, tantas mais
vário, vária, vários, várias menos
diverso, diversa, diversos, diversas demais
qualquer, quaisquer

Locuções pronominais indefinidas

cada um / cada uma cada qual


quem quer que / quantos quer que toda aquela que / todo aquele que
seja quem for qualquer um / qualquer uma
seja qual for um ou outro / uma ou outra
tal e tal / tal qual / tal e qual / tal ou qual

Emprego dos Pronomes Indefinidos

• São pronomes substantivos: quem, ninguém, nada, alguém, outrem, algo.

Não tenho nada com isso.


Alguém precisa chamar a atenção de Pedrinho.

• A palavra certo é sempre pronome adjetivo.

Elas tinham uma certa rivalidade entre si.

• O pronome indefinido algum, quando posposto ao nome, assume um valor negativo, equivalendo a nenhum:

Problema algum me entristecerá. (algum = nenhum)

• O pronome indefinido qualquer posposto ao substantivo, assume um valor pejorativo:

Era uma cidadezinha qualquer.

• O pronome indefinido cada deve sempre acompanhar um substantivo ou numeral:

Cada pessoa sabe de seus problemas.


Cada um recebeu 30 mil.

• O pronome indefinido certo passa a ser adjetivo quando posposto a um substantivo:

Na hora certa contarei a história a você.

• Os pronomes indefinidos todo e toda, sem o artigo, significam qualquer; com o artigo, dão ideia de inteiro:

Toda pessoa pode recorrer de seus direitos. (qualquer)


Todo o país luta pela paz. (o país inteiro)

• O pronome indefinido nada equivale a alguma coisa quando empregado em frases interrogativas:

Você não vai fazer nada?


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 137
• O pronome indefinido qualquer é o único que faz seu plural no meio da palavra: qualquer - quaisquer.

• O pronome indefinido demais significa os outros, os restantes:

Alguns repórteres aceitaram o convite, os demais se retiraram.

• O pronome indefinido tudo fica indiferente se usado tudo que ou tudo o que:

Peça tudo que quiser.


Peça tudo o que quiser.

• O pronome menos é invariável:

Na sala, há menos alunas do que alunos.

• O pronome mais pode significar muitos, uma infinidade:

Para o arranjo, preciso de rosas e mais rosas.

Pronomes Interrogativos

Os pronomes interrogativos são os indefinidos quem, que, qual e quanto usados em perguntas diretas e indiretas.

• Perguntas diretas:

Quem é você?
Que ônibus você tomou?
Qual caminho devo tomar?
Quanto custa este livro?

• Perguntas indiretas:

Ele quis saber quem era você.


Perguntei que ônibus você tomou.
Gostaria de saber qual caminho devo tomar.
Indaguei quanto custava aquele livro.

• Interrogativos invariáveis: quem, que.

• Interrogativos variáveis: quanto, quantos, quanta, quantas.

Emprego dos Pronomes Interrogativos

• O pronome interrogativo que é pronome substantivo quando equivale a "que coisa", admitindo também a forma "o que".

Que faria bem a ele?


O que faria bem a ele?

• O pronome interrogativo que é pronome adjetivo quando se refere a pessoas ou coisas.

Não entendo que mal há em ir à festa desacompanhada.

• O pronome interrogativo quem é pronome substantivo e refere-se a pessoas.

Quem é aquela moça parada diante da porta?


Gostaria de saber quem é aquela moça parada diante da porta.

• O pronome interrogativo qual pode ser pronome substantivo ou adjetivo.


138 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Quais são os filmes que você mais gosta? (pronome adjetivo)

- Gosto muitos desses livros.


- Quais? (pronome substantivo)

• O pronome interrogativo qual pode ter caráter enfático, quando escritos como qual dos, qual das, qual de.

Qual dos três é o mais alto?

Qual das meninas tirou a melhor nota?


Qual de nós irá na frente?

• O pronome interrogativo quanto pode ser pronome substantivo ou adjetivo.

Você pega quanto quiser. (pronome substantivo)

Quanto dinheiro você emprestou? (pronome adjetivo)

• A expressão que é feito de? passou por várias modificações resultando na palavra cadê.

Cadê o chocolate que estava aqui?

Outras palavras que resultaram da expressão são quedê e quede.


• Geralmente os pronomes interrogativos aparecem em orações exclamativas, perdendo seu caráter de interrogação.

Que lindo!
Quanta alegria!

Pronomes Relativos

Os pronomes relativos substituem um termo da oração anterior e estabelecem relação entre duas orações:

Os pássaros que estão presos foram vendidos ilegalmente. (Os pássaros estão presos. / Os pássaros foram vendidos.)

Este é o anel que você me deu. (Este é o anel. / Você me deu o anel.)

pronomes relativos

variáveis invariáveis

o qual, os quais, a qual, as quais que


cujo, cujos, cuja, cujas quem
quanto, quantos, quanta, quantas onde

Emprego dos Pronomes Relativos

• Dependendo da regência de alguns verbos, o pronome relativo pode vir ou não acompanhado de preposição.

Este é o livro a cuja obra fiz alusão.


9
preposição

• O pronome que, além de ser o mais usado, refere-se a pessoas ou coisas:

Este é o homem que me seguiu. (pessoa)


Esta casa que você vê já foi minha. (coisa)
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 139
• O pronome relativo quem refere-se à pessoa e vem sempre precedido de preposição.

• Esta é Sofia de quem nunca esqueço.

Quem usado sem antecedente é classificado como pronome relativo indefinido: Quem se atrasou, perdeu o filme.

• Depois das preposições monossilábicas a, com, de, em, por emprega-se que:

A praça a que foram era calma.


A massa com que você fez o bolo estava estragada.
Futebol é o esporte de que o povo brasileiro mais gosta.
A cidade em que moro é muito violenta.
Esta é a causa com que me desespero.

• O pronome relativo que pode ter por antecedente o pronome demonstrativo o (e suas flexões).

Sei o que estou dizendo. (Sei aquilo que estou dizendo.)

• A palavra quanto será pronome relativo quando estiver precedida do pronome indefinido tudo:

Falou tudo quanto queria.

• Os pronomes relativos cujo, cuja, cujos e cujas sempre exprimem a ideia de posse e fazem referência a um nome que aparece
anteriormente (possuidor) e a um nome consequente (o possuído):

Estas são as crianças de cujos rostos nunca esquecemos.

• O pronome relativo que pode ser substituído por o qual, a qual, os quais, as quais usado quando a palavra antecedente é um
substantivo.

Os alunos estavam falando com o professor, o qual era muito severo.

• O pronome relativo onde refere-se a um antecedente que indica lugar.

A rua onde moro está inundada.

Os pronomes relativos aonde e donde são empregados conforme a regência do verbo a que se referem:

A rua aonde vou é perto da cidade.


A rua donde venho é perto da cidade.

EXERCÍCIOS

1) Assinale a alternativa que possui no termo destacado um pronome substantivo.


a) Qual é a sua vocação?
b) O meu maior problema é não ter dinheiro.
c) Alguns diretores estavam presentes.
d) O que é que você será quando crescer?
e) Ela está falando a mesma frase há horas.

2) Indique a alternativa que completa corretamente as lacunas das frases abaixo:

I. Vou embora, pois não há mais nada para ... fazer.


II. Ela deu o presente para ..............
III. Para ................., isso já está resolvido.
IV. Traga esses documentos para ................ guardar.

a) mim - mim - eu - eu
b) eu - eu - mim - mim
140 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
c) eu - mim - eu - mim
d) mim - eu - mim - eu
e) eu - mim - mim - eu

3) Assinale a alternativa incorreta:


a) Vou comprar estas bonecas. Vou comprá-las.
b) Viram as crianças por aí? Viram-as por aí?
c) Ele foi guardar o carro. Ele foi guardá-lo.
d) Conheço essa mulher não sei de onde. Conheço-a não sei de onde.
e) O lojista vai distribuir os brindes agora. O lojista vai distribuí-los agora.

4) Assinale o pronome de tratamento utilizado inadequadamente:


a) A princesa viajará a Londres. (Sua Alteza)
b) O Papa abençoou a nação. (Sua Santidade)
c) O prefeito participou da manifestação. (Sua Senhoria)
d) O rei está muito doente. (Sua Majestade)
e) Paulinho virá ao jantar. (Você)

5) Assinale a alternativa em que o pronome possessivo exprime cálculo aproximado.


a) Mamãe protegia todos os seus.
b) Seu gato é tão manso!
c) Coma vai, seu Agostinho?
d) Não contrarie suas vontades.
e) Naquela época, ela devia ter seus 20 anos.

6) Por favor, passe ............... cadeira que está perto de você; ................. aqui está quebrada e ................. no
fundo da sala estão empoeiradas.
a) essa, esta, aquelas
b) esta, essa, aquelas
c) essa, esta, aquela
d) aquela, essa, estas
e) aquelas, estas, essas

7) Observe a tira de Mafalda:

Quino

I. Tudo, no 2º quadrinho, é pronome substantivo.

II. Nada e tudo, no 4º quadrinho, são pronomes indefinidos.

III. Alguma, no 2º quadrinho, é pronome indefinido invariável.

Está(ao) correta(s):
a) apenas a I.
b) apenas a II.
c) I e II.
d) II e III.
e) I, II e III.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 141
8) Assinale a alternativa que não apresenta um pronome interrogativo.
a) Gostaria de saber onde está minha caneta.
b) Com qual material vou desenhar?
c) Você pode me dizer a qual desses filmes você assistiu?
d) Me conte quem é você.
e) Eu trouxe as fantasias que você pediu.

9) Assinale a alternativa incorreta quanto ao pronome relativo e seu antecedente.


a) O computador que comprei é o mais atual.
b) Esse presidente de quem os repórteres falam é um grande político.
c) Esta foi a única razão que me trouxe aqui.
d) Já viu o garoto a quem me refiro?
e) Conheço a história que me contou.

10) Observe o texto de Millôr Fernandes:

"Uns tentam salvar a humanidade


Com alguma utopia
Outros, de maneira mais chã,
Pedem algo no bar.
E têm hoje a euforia de amanhã."

I. Uns, alguma, outros e algo são pronomes indefinidos.


II. Uns é pronome indefinido invariável.
III. Uns é artigo indefinido e outros pronome relativo.

Está(ao) correta(s):

a) apenas a I.
b) apenas a II.
c) apenas a III.
d) I e II.
e) I, II e III.

11) Assinale a alternativa em que o é pronome demonstrativo.


a) Fiz o projeto sozinha.
b) Encontrei o homem caído.
c) Recuso o que eles propõem.
d) Comprei um livro, mas não o li.
e) Pediram-me o impossível.

12) Na frase: "Comprei as revistas que você pediu, mas não comprei as de artesanato porque não as encontrei", as palavras
sublinhadas são, respectivamente:
a) pronome demonstrativo - artigo - pronome oblíquo
b) artigo - pronome oblíquo - pronome demonstrativo
c) pronome oblíquo - artigo - pronome demonstrativo
d) pronome oblíquo - pronome demonstrativo - artigo
e) artigo - pronome demonstrativo - pronome oblíquo

13) (ITA-SP)Dadas as sentenças:


1. Ela comprou um livro para mim ler.
2. Nada há entre mim e ti.
3. Alvimar, gostaria de falar consigo.

Verificamos que está(ão) correta(s):

a) apenas a sentença nº 1.
b) apenas a sentença nº 2.
c) apenas a sentença nº 3.
d) apenas as sentenças nº 1 e nº 2.
e) todas as sentenças.
142 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
14) (Cesgranrio-RJ) Assinalea opção em que o pronome lhe apresenta o mesmo valor significativo que possui em:
"Uma espécie de riso sardônico e feroz contraía-lhe as negras mandíbulas."
a) A mãe apalpava-lhe o coração.
b) Aconteceu-lhe uma desgraça.
c) Tudo lhe era diferente.
d) Ao inimigo não lhe nego perdão.
e) Não lhe contei o susto por que passei.

15) (Unisinos-RS)O período em que o pronome possessivo destacado está mal empregado é:
a) Dirijo-me a ele, a fim de solicitar o seu apoio.
b) Dirijo-me a ti, a fim de solicitar o teu apoio.
c) Dirijo-me a vós, a fim de solicitar o vosso apoio.
d) Dirijo-me a Vossa Senhoria, a fim de solicitar o seu apoio.
e) Dirijo-me a Vossa Senhoria, a fim de solicitar o vosso apoio.

16) (UF-MA) Identifique a oração em que a palavra certo é pronome indefinido.


a) Certo perdeste o juízo.
b) Certo rapaz te procurou.
c) Escolheste o rapaz certo.
d) Respondi certo o exercício.
e) Não deixe o certo pelo errado.

17) (PUC-PR) Assinale a alternativa em que aparece um pronome relativo:


a) Ele finalmente encontrou a camisa.
b) Digam ao aluno daquela turma que o professor aplicará um teste na próxima aula.
c) Gastou nas compras todo o dinheiro que era pouco.
d) Não lhe agradava que os amigos rissem do seu jeito de dançar.
e) Deveria ser proibido que se fumasse nos recintos públicos.

18) (FCMSCSP) A carta vinha endereçada para ................ e para ...............; .................. é que abri.
a) mim, tu, por isso
b) mim, ti, porisso
c) mim, ti, por isso
d) eu, ti, porisso
e) eu, tu, por isso

19) (UF-PR) Assinale a alternativa que substitui corretamente as palavras destacadas.


1. Assistimos à inauguração da piscina.
2. O governo assiste os flagelados.
3. Ele aspirava a uma posição de maior destaque.
4. Ele aspira o aroma das flores.
5. O aluno obedece aos mestres.
a) lhe, os, a ela, a ele, lhes
b) a ela, os, a ela, o, lhes
c) a ela, os, a, a ele, os
d) a ela, a eles, lhe, lhe, lhes
e) lhe, a eles, a ela, o, lhes

20) (Cesgranrio-RJ) Assinale a opção que completa corretamente as lacunas da frase abaixo.
"As crianças, ...................... enorme capacidade de criar deve ser continuamente exercitada, encontram variados meios de escapar
do mundo ...................... imperam as leis dos objetos industrializados.
a) cuja, em que
b) cujas, que
c) a cuja, para que
d) cuja, que
e) cujas, em que

21) (F.C.Chagas - BA)Como não ....... vi, chamei o contínuo e mandei ......... então .....................
a) lhe - ele - procurar você
b) o - o - procurá-lo
c) lhe - o - procurar-lo
d) o - ele - procurar-lhe
e) lhe - lhe - procurar-lhe
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 143
22) Assinale a alternativa em que a palavra onde funciona como pronome relativo.
(U.E. Ponta Grossa - PR)
a) Não sei onde eles estão.
b) Onde estás que não me respondes?
c) A instituição onde estudo é a UEPG.
d) Ele me deixou onde está a catedral.
e) Pergunte onde ele conheceu esta teoria.

23) (PUC-SP) "Os depoimentos .................... teve acesso comprovaram que a República não cumpriu, nesses cem
anos, as promessas ................... foi portadora."
a) a que - de que
b) aos quais - de cujas
c) pelos quais - às quais
d) os quais - das quais
e) que - que

24) (MACK-SP) Indique a alternativa onde um dos pronomes destacados tem valor de adjetivo:
a) Não sei que diz aquele anúncio.
b) Já pensei em tudo o que ele disse.
c) De que se queixa a cliente?
d) Este livro é o que comprei ontem.
e) Acreditei que fosse outra pessoa.

25) (FUVEST-SP) Assinale a alternativa onde o pronome pessoal está empregado corretamente.
a) Este é um problema para mim resolver.
b) Entre eu e tu não há mais nada.
c) A questão deve ser resolvida por eu e você.
d) Para mim, viajar de avião é um suplício.
e) Quando voltei a si, não sabia onde me encontrava.

RESPOSTAS

1-D 2-E 3-B 4-C 5-E

6-A 7-C 8-E 9-C 10-A

11-C 12-E 13-B 14-A 15-E

16-B 17-C 18-C 19-B 20-A

21-B 22-C 23-A 24-E 25-D


144 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS

VERBO
" A vida aqui só é ruim
quando não chove no chão
mas se chover dá de tudo
comida tem de porção
tomara que chova logo
tomara meu Deus tomara
só deixo meu Cariri
no último pau-de-arara..."

(Venâncio, Corumbá & J.Guimarães, "O último pau-de-arara")

As palavras em destaque, no texto acima, são verbos, pois indicam processos, fatos que se situam no tempo.

Verbo é a palavra variável em pessoa, número, modo, tempo e voz que exprime um processo, isto é, um fato que se passa no
tempo (ação, estado, mudança de estado, fenômeno da natureza, existência, desejo, conveniência).

"... deixo o meu Cariri..." (ação)


A vida aqui é ruim... (estado)
A vida aqui se tornou ruim. (mudança de estado)
Não chove muito no Sertão. (fenômeno da natureza)
Havia fartura na mesa do sertanejo. (existência)
Quero dias melhores para meu povo. (desejo)
Estas promessas não me convêm. (conveniência)

Estrutura do Verbo

As formas verbais apresentam três elementos em sua estrutura: radical, vogal temática e desinências.

1 - Radical: é a parte do verbo que serve como base do significado. É obtido retirando-se as terminações -ar, -er, -ir do infinitivo.

cant - é radical do verbo cantar.

vend - é radical do verbo vender.

part - é radical do verbo partir.


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 145
2 - Vogal temática: é a vogal que liga o radical à terminação. A vogal temática indica a que conjugação pertence o verbo:

-a: verbos da primeira conjugação (amar, brincar, olhar, etc.)

-e: verbos da segunda conjugação (beber, comer, receber, etc.)

-i: verbos da terceira conjugação (dormir, partir, sentir, etc.)

O radical acrescido da vogal temática recebe o nome de tema.

cant + a vend + e part + i


9 9 9 9 9 9
rad. v.t. rad. v.t. rad. v.t.
9 9 9
tema tema tema

Observação: Como não há quarta conjugação em língua portuguesa, o verbo pôr e seus derivados (compor, dispor, repor, etc.)
pertencem à segunda conjugação. Sua forma primitiva latina era poer (portanto, vogal temática -e).

3 - Desinências: são elementos mórficos que designam tempo e modo (desinência modo-temporal) e pessoa e número (desinência
número-pessoal).

falávamos

fal 6 radical
à 6 vogal temática
va 6 desinência de tempo e modo (indica pretérito imperfeito do indicativo)
mos 6 desinência de pessoa e número (indica 1ª pessoa do plural)

cantassem

cant 6 radical
a 6 vogal temática
sse 6 desinência de tempo e modo (indica pretérito imperfeito do subjuntivo)
m 6 desinência de pessoa e número (indica 3ª pessoa do plural)

Formas Rizotônicas e Arrizotônicas

1- Dá-se o nome de rizotônica à forma verbal em que o acento tônico recai no radical:

falo ÷ o acento tônico recai sobre a vogal a da sílaba fa, portanto está localizado dentro do radical fal.

pensem ÷ o acento tônico recai sobre a vogal e da sílaba pen, portanto está localizado dentro do radical pens.

2 - Dá-se o nome de arrizotônica à forma verbal em que o acento tônico está localizado fora do radical:

falais, pensamos ÷ nestas formas, o acento tônico está localizado fora do radical.

Flexão do Verbo

O verbo pode sofrer cinco tipos de flexão:

1 - flexão de pessoa: São três as pessoas do discurso:


146 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
- primeira pessoa - é a que fala (eu e nós):

Eu trabalho à noite.
Nós trabalhamos à noite.

- segunda pessoa - é com quem se fala; é o interlocutor (tu e vós):

Tu trabalhas muito.
Vós trabalhais muito.

- terceira pessoa - é de quem ou a respeito de que se fala (ele/ela e eles/elas)

Ele trabalha no centro da cidade.


Elas trabalham no centro da cidade.
A igreja (ela) é pequena.
Os pés (eles) estão congelados.

2 - flexão de número: O verbo pode ser usado no singular ou no plural, concordando com o sujeito da oração.

Eu aprecio uma boa música.


2 sujeito na 1ª pessoa do singular

Os jogadores comemoram a vitória.


2 sujeito na 3ª pessoa do singular

Veja o quadro abaixo:

singular plural
1ª pessoa eu trabalho nós trabalhamos
2ª pessoa tu trabalhas vós trabalhais
3ª pessoa ele trabalha eles trabalham

3 - flexão de modo: É a propriedade que o verbo tem de indicar atitudes da pessoa que fala (certeza, dúvida, ordem, etc.). São três
os modos verbais:

• indicativo: exprime um fato certo, positivo ou negativo, considerando que eles ocorrem, ocorreram ou ocorrerão.

Não irei à festa.


Durmo cedo todos os dias.
O fazendeiro vendeu toda a safra de soja.

• subjuntivo: exprime um fato duvidoso, hipotético.

Espero que ele se recupere.


Se respeitássemos a natureza, viveríamos melhor.
Se ela quiser, dançaremos a noite toda.

• imperativo: expressa uma ordem, um convite, um pedido, uma súplica.

Não faça barulho!


Venha a minha festa no sábado.
Deixe-me em paz!

4 - flexão de tempo: O tempo situa o momento em que se passa a ação ou o fato que o verbo indica. Podemos distinguir três
situações básicas: presente, pretérito, futuro.

• presente: indica a ocorrência de um fato no momento da fala:

A Lua reflete a luz solar.


Fecho os olhos e imagino seus passos.

• pretérito (passado): indica a ocorrência de um fato num momento anterior àquele em que se fala:
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 147
Poliana viveu um conto de fadas.
Fechava os olhos e imaginava seus passos.

• futuro: indica uma ocorrência futura que ainda não aconteceu no momento da fala:

Poliana viverá um conto de fadas.


Fecharei os olhos e imaginarei seus passos.

5 - flexão de voz: A flexão de voz indica a relação do sujeito com o verbo. Conforme o tipo de relação, o verbo pode apresentar-se
na voz ativa, na voz passiva ou na voz reflexiva.

• voz ativa: apresenta o sujeito praticando a ação do verbo:

O candidato assinalou a alternativa correta.


[O sujeito (candidato) pratica a ação expressa pelo verbo assinalar.]

O garoto chutou a bola na vidraça da vizinha.


[O sujeito (garoto) pratica a ação expressa pelo verbo chutar.]

• voz passiva: apresenta o sujeito sofrendo a ação do verbo:

A alternativa correta foi assinalada pelo candidato. [O sujeito (alternativa) sofreu a ação expressa pelo verbo assinalar.]

A bola foi chutada pelo garoto no carro do vizinho. [O sujeito (bola) sofreu a ação expressa pelo verbo chutar.]
Há dois tipos de voz passiva:

- analítica: formada por verbo auxiliar (ser, estar, ficar) seguido de particípio.

O bolo foi feito por vovó.


9 9 9
sujeito verbo verbo principal
auxiliar no particípio

Os cheques estavam bloqueados


9 9 9
sujeito verbo verbo principal
auxiliar no particípio

- sintética (ou pronominal): formada com verbo na terceira pessoa acompanhado do pronome se (chamado de partícula
apassivadora).

Vende - se um apartamento na praia.


(Um apartamento é vendido)
9 9 9
3ª pessoa pronome singular
do singular

Doam - se filhotes de São Bernardo.


(Filhotes são doados)
9 9 9
3ª pessoa pronome plural
do plural

• Voz reflexiva: quando o sujeito é ao mesmo tempo agente e paciente, ou seja, quando pratica e recebe simultaneamente a
ação verbal. Na voz reflexiva, o verbo vem acompanhado de um pronome oblíquo reflexivo:

O menino machucou - se
9 9 9
sujeito verbo na voz pronome
ativa reflexivo

Nós nos encontramos nos elevador.


9 9 9
sujeito pronome verbo na voz
reflexivo ativa
148 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Passagem da Voz Ativa
para a
Voz Passiva Analítica

A passagem da voz ativa para a voz passiva analítica não muda a semântica da frase, apenas altera sua estrutura. Veja:

voz ativa
8
O corretor vendeu um apartamento.
^
Um apartamento foi vendido pelo corretor.
9
voz passiva analítica

Observe que quem pratica a ação na voz ativa continua praticando na voz passiva (o corretor 6 agente na ativa e na passiva).
Quem recebe a ação na ativa continua recebendo na passiva (um apartamento 6 paciente na ativa e na passiva). O verbo da ativa
(vendeu) assume, na passiva, a forma de particípio (vendido) juntamente com o verbo auxiliar no mesmo tempo em que estava o verbo
da ativa (vendeu: pretérito perfeito; foi: pretérito perfeito).

A voz passiva analítica sempre apresenta uma forma verbal a mais que a voz ativa. Observe outro exemplo:

O vento ia levando as folhas.


^
As folhas iam sendo levadas pelo vento.

Formas Nominais do Verbo

As formas nominais expressam o fato de modo vago e desempenham função de nomes - substantivos, adjetivos e advérbios. São
três as formas nominais do verbo:

a) infinitivo - desempenha função semelhante à do substantivo. Caracteriza-se pela terminação - r.

É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã ... (Renato Russo)
Sonhar é viver intensamente.

b) particípio - desempenha função semelhante à do adjetivo. Caracteriza-se pelas terminações - ado(a) e - ido(a).

Aprecio mulheres vividas.


Terminado o jogo, iremos para casa.

c) gerúndio - desempenha função semelhante à do adjetivo e advérbio. Caracteriza-se pela terminação - ndo.

A moça está costurando a calça.


Amanhecendo, partirei.

O infinitivo, em português, pode ser pessoal (quan-


do tem sujeito) ou impessoal (quando não tem
sujeito). Veja:
impessoal pessoal
cantar cantar eu
cantares tu
cantar ele
cantarmos nós
cantardes vós
cantarem eles
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 149

Locução Verbal

Locução verbal é a combinação de verbos auxiliares (ter, haver, ser e estar, ou outro qualquer que funcione como auxiliar)
com verbos nas formas nominais.

Tenho escrito muitas cartas.


Hei de vencer em São Paulo.
Joana está esperando um bebê.
O jornal voltou a circular.
(voltou é verbo auxiliar e circular, verbo principal.)

Emprego de Tempos e Modos Verbais

Os tempos indicam a época ou o momento em que acontece o fato.

Os modos indicam as diferentes maneiras de um fato realizar-se.

A seguir, apresentamos o esquema dos modos e tempos verbais da língua portuguesa:

presente (falo)
perfeito (falei)
pretérito imperfeito (falava)
Modo indicativo
mais-que-perfeito (falara)
futuro do presente (falarei)
do pretérito (falaria)

presente (fale)
Modo subjuntivo pretérito imperfeito (falasse)
futuro (falar)

Modo imperativo presente afirmativo (fala)


negativo (não fales)

O esquema anterior apresenta apenas os chamados tempos simples; além deles, há os tempos compostos.

Emprego dos Tempos do Modo Indicativo

1) O presente do indicativo expressa um fato atual ou habitual do sujeito.

Leio jornal todos os dias.


Ela sempre fala a verdade.

Conjugação dos verbos falar, vender e partir no presente.

fal-o vend-o part-o


fal-as vend-es part-es
fal-a vend-e part-e
fal-amos vend-emos part-imos
fal-ais vend-eis part-is
fal-am vend-em part-em

2) O pretérito perfeito expressa um fato já concluído em época passada.

Perdi meus documentos na semana passada.


Eles assistiram ao espetáculo.
150 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
fal-ei vend-i part-i
fal-aste vend-este part-iste
fal-ou vend-eu part-iu
fal-amos vend-emos part-imos
fal-astes vend-estes part-istes
fal-aram vend-eram part-iram

3) O pretérito imperfeito expressa um fato passado, porém ainda não concluído.

Vovô apreciava um bom vinho.


Fazíamos boas amizades na Europa.

fal-ava vend-ia part-ia


fal-avas vend-ias part-ias
fal-ava vend-ia part-ia
fal-ávamos vend-íamos part-íamos
fal-áveis vend-íeis part-íeis
fal-avam vend-iam part-iam

4) O pretérito mais-que-perfeito expressa um fato anterior a outro fato que também é passado.

Quando cheguei à estação; o trem já partira.


A palestra ficara monótona, por isso fomos embora.

fal-ara vend-era part-ira


fal-aras vend-eras part-iras
fal-ara vend-era part-ira
fal-áramos vend-êramos part-íramos
fal-áreis vend-êreis part-íreis
fal-aram vend-eram part-iram

5) O futuro do presente expressa um fato que deve realizar-se num tempo próximo em relação ao momento presente.

Chegaremos amanhã.
Ela comprará um apartamento.

fal-arei vend-erei part-irei


fal-arás vend-erás part-irás
fal-ará vend-erá part-irá
fal-aremos vend-eremos part-iremos
fal-areis vend-ereis part-ireis
fal-arão vend-erão part-irão

6) O futuro do pretérito expressa um fato futuro, mas de forma hipotética em relação a um momento passado. É também
conhecido como tempo condicional.

Compraria um terno novo, se tivesse dinheiro.


Ele disse que encontraríamos dificuldade...

fal-aria vend-eria part-iria


fal-arias vend-erias part-irias
fal-aria vend-eria part-iria
fal-aríamos vend-eríamos part-iríamos
fal-aríeis vend-eríeis part-iríeis
fal-ariam vend-eriam part-iriam

Emprego dos Tempos do Modo Subjuntivo

1) O presente do subjuntivo expressa um fato atual, exprimindo suposição, dúvida, possibilidade.

Espero que cumpras o teu dever.


Deus te abençoe.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 151

fal-e vend-a part-a


fal-es vend-as part-as
fal-e vend-a part-a
fal-emos vend-amos part-amos
fal-eis vend-ais part-ais
fal-em vend-am part-am

2) O pretérito imperfeito expressa uma ação passada dependente de outra ação passada.

O guarda pediu que eu parasse.


Se ele estudasse mais, passaria no vestibular.

fal-asse vend-esse part-isse


fal-asses vend-esses part-isses
fal-asse vend-esse part-isse
fal-ássemos vend-êssemos part-íssemos
fal-ásseis vend-êsseis part-ísseis
fal-assem vend-essem part-issem

3) O futuro do subjuntivo expressa um fato que vai acontecer relacionado a outro fato futuro.

Farei como julgar melhor.


Quando voltarmos da viagem, decidirei isso.

fal-ar vend-er part-ir


fal-ares vend-eres part-ires
fal-ar vend-er part-ir
fal-armos vend-ermos part-irmos
fal-ardes vend-erdes part-irdes
fal-arem vend-erem part-irem

Formas do Modo Imperativo

O imperativo expressa ordem, conselho, pedido e possui duas formas: afirmativa e negativa.

O imperativo não possui a 1ª pessoa do singular, pois não se prevê ordem, conselho ou pedido a si mesmo.

1) O imperativo afirmativo é formado do presente do subjuntivo, com exceção da 2ª pessoa do singular e da 2ª pessoa do plural,
que são retiradas do presente do indicativo sem o s.

Diga a verdade.
Saiam daqui.

— — —
fal-a vend-e part-e
fal-e vend-a part-a
fal-emos vend-amos part-amos
fal-ai vend-ei part-i
fal-em vend-am part-am

2) O imperativo negativo é formado do presente do subjuntivo.

Se bebeu, não dirija.


Não fumem aqui, senhores!

— — —
Não fal-es Não vend-as Não part-as
Não fal-e Não vend-a Não part-a
Não fal-emos Não vend-amos Não part-amos
Não fal-eis Não vend-ais Não part-ais
Não fal-em Não vend-am Não part-am
152 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Correlação entre os Tempos Verbais

Quando construímos uma frase, os verbos podem estabelecer entre si certas correlações, com o objetivo de se ajustar
convenientemente no que se refere às variadas possibilidades de uso dos tempos e modos verbais.

Observe, por exemplo, a frase:

Se ele trabalhasse, não precisaria pedir dinheiro emprestado.


O uso da forma trabalhasse, que é uma hipótese, uma condição, implica o emprego da forma precisaria, que, no contexto da frase,
expressa uma possibilidade dependente da realização - ou não - do fato contido em trabalhasse. Temos, portanto, neste caso,
correlação verbal entre um verbo no imperfeito do subjuntivo e outro no futuro do pretérito. Veja agora:

Se ele trabalhar, não precisará pedir dinheiro emprestado.

Na frase acima, a correlação existente é entre um verbo no futuro do subjuntivo e outro no futuro do presente do indicativo.

Formação dos Tempos Compostos

O tempo composto é formado por verbo auxiliar (ter ou haver) mais particípio do verbo principal.

Tenho sonhado com você.


9 9
verbo auxiliar verbo principal

Havíamos pedido informações.


9 9
verbo auxiliar verbo principal

No modo indicativo, os tempos compostos são:


1) pretérito perfeito composto - formado pelo presente do verbo auxiliar mais o particípio do verbo principal.

Ela tem trabalhado dia e noite.


Tenho assistido ao telejornal.

2) pretérito mais-que-perfeito composto - formado pelo pretérito imperfeito do indicativo do verbo auxiliar mais o particípio
do verbo principal.

Tinhas partido sem falar comigo.


Nós tínhamos perdido o contato com ele.

3) futuro do presente composto - formado pelo futuro do presente do verbo auxiliar mais o particípio do verbo principal.

Tereis encontrado o mapa do tesouro?


Ela terá recebido minha carta?

4) futuro do pretérito composto - formado pelo futuro do pretérito do verbo auxiliar mais o particípio do verbo principal.

O réu teria dito a verdade.


Teríamos errado o caminho?

No modo subjuntivo, os tempos compostos são:

1) pretérito perfeito - formado pelo presente do subjuntivo do verbo auxiliar mais o particípio do verbo principal.

Talvez Inês tenha mudado de ideia.


Espero que tenhamos conseguido o prêmio.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 153
6) pretérito mais-que-perfeito - formado pelo imperfeito do subjuntivo do verbo auxiliar mais o particípio do verbo principal.

Esperava que você tivesse ajudado seu melhor amigo.


Talvez eles tivessem entendido de outra forma.

7) futuro composto - formado pelo futuro do subjuntivo do verbo auxiliar mais o particípio do verbo principal.

Quando eu tiver encontrado a solução . . .


Se tu tiveres mentido para mim . . .

Os tempos compostos da voz passiva se formam com o recurso simultâneo dos verbos auxiliares ter (ou haver) e ser, seguidos
do particípio do verbo principal:

Tenho sido criticado por ele.


Os amantes tinham (ou haviam) sido vistos no teatro.

Conjugação de Verbos Auxiliares

Conforme vimos anteriormente, o processo verbal pode ser representado por uma locução verbal (verbo auxiliar + verbo principal
em uma de suas formas nominais). Nas locuções verbais, o verbo auxiliar aparece desprovido de sua significação; no entanto, é o
responsável pela indicação das flexões de tempo, pessoa, modo e número.

A seguir, apresentamos a conjugação dos verbos auxiliares: ser, estar, ter e haver.

MODO INDICATIVO

PRESENTE

TER HAVER SER ESTAR

tenho hei sou estou


tens hás és estás
tem há é está
temos havemos somos estamos
tendes haveis sois estais
têm hão são estão

PRETÉRITO PERFEITO SIMPLES

TER HAVER SER ESTAR

tive houve fui estive


tiveste houveste foste estiveste
teve houve foi esteve
tivemos houvemos fomos estivemos
tivestes houvestes fostes estivestes
tiveram houveram foram estiveram

PRETÉRITO PERFEITO COMPOSTO

TER HAVER SER ESTAR

tenho tido tenho havido tenho sido tenho estado


tens tido tens havido tens sido tens estado
tem tido tem havido tem sido tem estado
temos tido temos havido temos sido temos estado
tendes tido tendes havido tendes sido tendes estado
têm tido têm havido têm sido têm estado
154 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
PRETÉRITO IMPERFEITO

TER HAVER SER ESTAR

tinha havia era estava


tinhas havias eras estavas
tinha havia era estava
tínhamos havíamos éramos estávamos
tínheis havíeis éreis estáveis
tinham haviam eram estavam

PRETÉRITO MAIS-QUE-PERFEITO SIMPLES

TER HAVER SER ESTAR

tivera houvera fora estivera


tiveras houveras foras estiveras
tivera houvera fora estivera
tivéramos houvéramos fôramos estivéramos
tivéreis houvéreis fôreis estivéreis
tiveram houveram foram estiveram

PRETÉRITO MAIS-QUE-PERFEITO COMPOSTO

TER HAVER SER ESTAR

tinha tido tinha havido tinha sido tinha estado


tinhas tido tinhas havido tinhas sido tinhas estado
tinha tido tinha havido tinha sido tinha estado
tínhamos tido tínhamos havido tínhamos sido tínhamos estado
tínheis tido tínheis havido tínheis sido tínheis estado
tinham tido tinham havido tinham sido tinham estado

FUTURO DO PRESENTE SIMPLES

TER HAVER SER ESTAR

terei haverei serei estarei


terás haverás serás estarás
terá haverá será estará
teremos haveremos seremos estaremos
tereis havereis sereis estareis
terão haverão serão estarão

FUTURO DO PRESENTE COMPOSTO

TER HAVER SER ESTAR

terei tido terei havido terei sido terei estado


terás tido terás havido terás sido terás estado
terá tido terá havido terá sido terá estado
teremos tido teremos havido teremos sido teremos estado
tereis tido tereis havido tereis sido tereis estado
terão tido terão havido terão sido terão estado

FUTURO DO PRETÉRITO SIMPLES

TER HAVER SER ESTAR

teria haveria seria estaria


terias haverias serias estarias
teria haveria seria estaria
teríamos haveríamos seríamos estaríamos
teríeis haveríeis seríeis estaríeis
teriam haveriam seriam estariam
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 155

FUTURO DO PRETÉRITO COMPOSTO

TER HAVER SER ESTAR

teria tido teria havido teria sido teria estado


terias tido terias havido terias sido terias estado
teria tido teria havido teria sido teria estado
teríamos tido teríamos havido teríamos sido teríamos estado
teríeis tido teríeis havido teríeis sido teríeis estado
teriam tido teriam havido teriam sido teriam estado

MODO SUBJUNTIVO

PRESENTE

TER HAVER SER ESTAR

tenha haja seja esteja


tenhas hajas sejas estejas
tenha haja seja esteja
tenhamos hajamos sejamos estejamos
tenhais hajais sejais estejais
tenham hajam sejam estejam

PRETÉRITO IMPERFEITO

TER HAVER SER ESTAR

tivesse houvesse fosse estivesse


tivesses houvesses fosses estivesses
tivesse houvesse fosse estivesse
tivéssemos houvéssemos fôssemos estivéssemos
tivésseis houvésseis fôsseis estivésseis
tivessem houvessem fossem estivessem

PRETÉRITO MAIS-QUE-PERFEITO COMPOSTO

TER HAVER SER ESTAR

tivesse tido tivesse havido tivesse sido tivesse estado


tivesses tido tivesses havido tivesses sido tivesses estado
tivesse tido tivesse havido tivesse sido tivesse estado
tivéssemos tivéssemos tivéssemos tivéssemos
tido havido sido estado
tivésseis tido tivésseis havido tivésseis sido tivésseis estado
tivessem tido tivessem havido tivessem sido tivessem estado

FUTURO SIMPLES

TER HAVER SER ESTAR

tiver houver for estiver


tiveres houveres fores estiveres
tiver houver for estiver
tivermos houvermos formos estivermos
tiverdes houverdes fordes estiverdes
tiverem houverem forem estiverem

FUTURO COMPOSTO

TER HAVER SER ESTAR

tiver tido tiver havido tiver sido tiver estado


tiveres tido tiveres havido tiveres sido tiveres estado
tiver tido tiver havido tiver sido tiver estado
tivermos tido tivermos havido tivermos sido tivermos estado
tiverdes tido tiverdes havido tiverdes sido tiverdes estado
tiverem tido tiverem havido tiverem sido tiverem estado
156 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
MODO IMPERATIVO

AFIRMATIVO

TER HAVER SER ESTAR

— — — —
tem tu há tu sê tu está tu
tenha você haja você seja você esteja você
tenhamos nós hajamos nós sejamos nós estejamos nós
tende vós havei vós sede vós estai vós
tenham vocês hajam vocês sejam vocês estejam vocês

NEGATIVO

TER HAVER SER ESTAR

— — — — — —
não tenhas hajas sejas estejas tu
não tenha haja seja esteja você
não tenhamos hajamos sejamos estejamos nós
não tenhais hajais sejais estejais vós
não tenham hajam sejam estejam vocês

FORMAS NOMINAIS

INFINITIVO IMPESSOAL

ter haver ser estar

INFINITIVO IMPESSOAL COMPOSTO

ter tido ter havido ter sido ter estado

INFINITIVO PESSOAL

TER HAVER SER ESTAR

ter haver ser estar eu


teres haveres seres estares tu
ter haver ser estar ele
termos havermos sermos estarmos nós
terdes haverdes serdes estardes vós
terem haverem serem estarem eles

GERÚNDIO

tendo havendo sendo estando

GERÚNDIO COMPOSTO

tendo sido tendo havido tendo sido tendo estado

PARTICÍPIO

tido havido sido estado


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 157

Classificação dos Verbos

Quanto à conjugação, os verbos classificam-se em: regulares, irregulares, anômalos, abundantes e defectivos.

1) VERBOS REGULARES

Verbos regulares são os que não sofrem alteração em seu radical, obedecem a um paradigma ou modelo de sua conjugação. A
seguir, apresentamos paradigmas dos verbos regulares das três conjugações (1ª - ar, 2ª - er, 3ª - ir).

PARADIGMAS DAS CONJUGAÇÕES REGULARES

Modelos
1ª conjugação 2ª conjugação 3ª conjugação
sonhar receber decidir

MODO INDICATIVO

Presente
sonho recebo decido
sonhas recebes decides
sonha recebe decide
sonhamos recebemos decidimos
sonhais recebeis decidis
sonham recebem decidem

Pretérito perfeito simples


sonhei recebi decidi
sonhaste recebeste decidiste
sonhou recebeu decidiu
sonhamos recebemos decidimos
sonhastes recebestes decidistes
sonharam receberam decidiram

Pretérito perfeito composto


tenho sonhado tenho recebido tenho decidido
tens sonhado tens recebido tens decidido
tem sonhado tem recebido tem decidido
temos sonhado temos recebido temos decidido
tendes sonhado tendes recebido tendes decidido
têm sonhado têm recebido têm decidido

Pretérito imperfeito
sonhava recebia decidia
sonhavas recebias decidias
sonhava recebia decidia
sonhávamos recebíamos decidíamos
sonháveis recebíeis decidíeis
sonhavam recebiam decidiam

Pretérito mais-que-perfeito simples


sonhara recebera decidira
sonharas receberas decidiras
sonhara recebera decidira
sonháramos recebêramos decidíramos
sonháreis recebêreis decidíreis
sonharam receberam decidiram
158 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Pretérito mai-que-perfeito composto
tinha sonhado tinha recebido tinha decidido
tinhas sonhado tinhas recebido tinhas decidido
tinha sonhado tinha recebido tinha decidido
tínhamos sonhado tínhamos recebido tínhamos decidido
tínheis sonhado tínheis recebido tínheis decidido
tinham sonhado tinham recebido tinham decidido

Futuro do presente simples


sonharei receberei decidirei
sonharás receberás decidirás
sonhará receberá decidirá
sonharemos receberemos decidiremos
sonhareis recebereis decidireis
sonharão receberão decidirão

Futuro do presente composto


terei sonhado terei recebido terei decidido
terás sonhado terás recebido terás decidido
terá sonhado terá recebido terá decidido
teremos sonhado teremos recebido teremos decidido
tereis sonhado tereis recebido tereis decidido
terão sonhado terão recebido terão decidido

Futuro do pretérito simples


sonharia receberia decidiria
sonharias receberias decidirias
sonharia receberia decidiria
sonharíamos receberíamos decidiríamos
sonharíeis receberíeis decidiríeis
sonhariam receberiam decidiriam

Futuro do Pretérito composto


teria sonhado teria recebido teria decidido
terias sonhado terias recebido terias decidido
teria sonhado teria recebido teria decidido
teríamos sonhado teríamos recebido teríamos decidido
teríeis sonhado teríeis recebido teríeis decidido
teriam sonhado teriam recebido teriam decidido

MODO SUBJUNTIVO

Presente
sonhe receba decida
sonhes recebas decidas
sonhe receba decida
sonhemos recebamos decidamos
sonheis recebais decidais
sonhem recebam decidam

Pretérito imperfeito
sonhasse recebesse decidisse
sonhasses recebesses decidisses
sonhasse recebesse decidisse
sonhássemos recebêssemos decidíssemos
sonhásseis recebêsseis decidísseis
sonhassem recebessem decidissem
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 159

Pretérito perfeito composto


tenha sonhado tenha recebido tenha decidido
tenhas sonhado tenhas recebido tenhas decidido
tenha sonhado tenha recebido tenha decidido
tenhamos sonhado tenhamos recebido tenhamos decidido
tenhais sonhado tenhais recebido tenhais decidido
tenham sonhado tenham recebido tenham decidido

Pretérito mais-que-perfeito composto


tivesse sonhado tivesse recebido tivesse decidido
tivesses sonhado tivesses recebido tivesses decidido
tivesse sonhado tivesse recebido tivesse decidido
tivéssemos sonhado tivéssemos recebido tivéssemos decidido
tivésseis sonhado tivésseis recebido tivésseis decidido
tivessem sonhado tivessem recebido tivessem decidido

Futuro simples
sonhares receber decidir
sonhar receberes decidires
sonharmos receber decidir
sonhardes recebermos decidirmos
sonharem receberdes decidirdes
receberem decidirem

Futuro composto
tiver sonhado tiver recebido tiver decidido
tiveres sonhado tiveres recebido tiveres decidido
tiver sonhado tiver recebido tiver decidido
tivermos sonhado tivermos recebido tivermos decidido
tiverdes sonhado tiverdes recebido tiverdes decidido
tiverem sonhado tiverem recebido tiverem decidido

MODO IMPERATIVO

Afirmativo
sonha (tu) recebe (tu) decide (tu)
sonhe (você) receba (você) decida (você)
sonhemos (nós) recebamos (nós) decidamos (nós)
sonhai (vós) recebei (vós) decidi (vós)
sonhem (vocês) recebam (vocês) decidam (vocês)

Negativo
não sonhes (tu) não recebas (tu) não decidas (tu)
não sonhe (você) não receba (você) não decida (você)
não sonhemos (nós) não recebamos (nós) não decidamos (nós)
não sonheis (vós) não recebais (vós) não decidais (vós)
não sonhem (vocês) não recebam (vocês) não decidam (vocês)

FORMAS NOMINAIS

Infinitivo impessoal
sonhar receber decidir

Infinitivo impessoal composto


ter sonhado ter recebido ter decidido
160 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Infinitivo pessoal
sonhar (eu) receber (eu) decidir (eu)
sonhares (tu) receberes (tu) decidires (tu)
sonhar (ele) receber (ele) decidir (ele)
sonharmos (nós) recebermos (nós) decidirmos (nós)
sonhardes (vós) receberdes (vós) decidirdes (vós)
sonharem (eles) receberem (eles) decidirem (eles)

Infinitivo pessoal composto


ter sonhado ter recebido ter decidido
teres sonhado teres recebido teres decidido
ter sonhado ter recebido ter decidido
termos sonhado termos recebido termos decidido
terdes sonhado terdes recebido terdes decidido
terem sonhado terem recebido terem decidido

Gerúndio
sonhando recebendo decidindo

Gerúndio composto
tendo sonhado tendo recebido tendo decidido

Particípio
sonhado recebido decidido

2) VERBOS IRREGULARES
Verbos irregulares são os que sofrem alterações em seu radical, ou seja, não seguem os paradigmas das conjugações.

A seguir, apresentamos algumas conjugações dos principais verbos irregulares:

< 1ª Conjugação - ar
Aguar 1ª conjugação

• Presente do indicativo: águo, águas, água, aguamos, aguais, águam.


• Pretérito perfeito: aguei, aguaste, aguou, aguamos, aguastes, aguaram.
• Presente do subjuntivo: águe, águes, águe, aguemos, agueis, águem.

Verbo regular nos demais tempos. Assim se conjugam desaguar, enxaguar e minguar.

Dar 1ª conjugação

• Presente do indicativo: dou, dás, dá, damos, dais, dão.


• Pretérito perfeito: dei, deste, deu, demos, destes, deram.
• Pretérito imperfeito: dava, davas, dava, dávamos, dáveis, davam.
• Pretérito mais-que-perfeito: dera, deras, dera, déramos, déreis, deram.
• Futuro do presente: darei, darás, dará, daremos, dareis, darão.
• Futuro do pretérito: daria, darias, daria, daríamos, daríeis, dariam.
• Presente do subjuntivo: dê, dês, dê, demos, deis, deem.
• Pretérito imperfeito do subjuntivo: desse, desses, desse, déssemos, désseis, dessem.
• Futuro do subjuntivo: der, deres, der, dermos, derdes, derem.
• Imperativo afirmativo: dá, dê, demos, dai, deem.
• Infinitivo impessoal: dar.
• Infinitivo pessoal: dar, dares, dar, darmos, dardes, darem.
• Gerúndio: dando.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 161
• Particípio: dado.

Moscar (desaparecer) 1ª conjugação

• Presente do indicativo: musco, muscas, musca, moscamos, moscais, muscam.


• Presente do subjuntivo: musque, musques, musque, mosquemos, mosqueis, musquem.

Nomear 1ª conjugação

• Presente do indicativo: nomeio, nomeias, nomeia, nomeamos, nomeais, nomeiam.


• Pretérito imperfeito: nomeava, nomeavas, nomeava, nomeávamos, nomeáveis, nomeavam.
• Pretérito perfeito: nomeei, nomeaste, nomeou, nomeamos, nomeastes, nomearam.
• Presente do subjuntivo: nomeie, nomeies, nomeie, nomeemos, nomeeis, nomeiem.
• Imperativo afirmativo: nomeia, nomeie, nomeemos, nomeai, nomeiem.

É regular o resto da conjugação.

Assim se conjugam: apear, atear, cear, folhear, frear, passear, gear, bloquear, granjear, hastear, lisonjear, semear, arrear, recrear,
estrear, etc.

Odiar 1ª conjugação

• Presente do indicativo: odeio, odeias, odeia, odiamos, odiais, odeiam.


• Pretérito imperfeito: odiava, odiavas, odiava, odiávamos, odiáveis, odiavam.
• Pretérito perfeito: odiei, odiaste, odiou, odiamos, odiastes, odiaram.
• Pretérito mais-que-perfeito: odiara, odiaras, odiara, odiáramos, odiáreis, odiaram.
• Presente do subjuntivo: odeie, odeies, odeie, odiemos, odieis, odeiem.
• Imperativo afirmativo: odeia, odeie, odiemos, odiai, odeiem.

Assim se conjugam: mediar, remediar, incendiar, ansiar, etc.

Optar 1ª conjugação

• Presente do indicativo: opto, optas, opta, optamos, optais, optam.


• Presente do subjuntivo: opte, optes, opte, optemos, opteis, optem.

Obs.: No caso do verbo optar a irregularidade está na pronúncia. Nas três pessoas do singular e na terceira do plural do
presente do indicativo e do presente do subjuntivo, a vogal o do radical é pronunciada aberta e fortemente.

< 2ª Conjugação - er / -or

Abster-se 2ª conjugação

• Presente do indicativo: abstenho-me, absténs-te, abstém-se, abstemo-nos, abstendes-vos, abstêm-se.


• Pretérito imperfeito: abstinha-me, abstinhas-te, etc.
• Pretérito perfeito: abstive-me, etc.
• Pretérito mais-que-perfeito: abstivera-me, etc.
• Futuro do presente: abster-me-ei, etc.
• Futuro do pretérito: abster-me-ia, etc.
• Imperativo afirmativo: abstém-te, abstenha-se, abstenhamo-nos, abstende-vos, abstenham-se.
• Presente do subjuntivo: que me abstenha, que te abstenhas, etc.
• Pretérito imperfeito do subjuntivo: se me abstivesse, se te abstivesses, etc.
162 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
• Futuro do subjuntivo: se me abstiver, etc.
• Gerúndio: abstendo-se.
• Particípio: abstido.

Caber 2ª conjugação

• Presente do indicativo: caibo, cabes, cabe, cabemos, cabeis, cabem.


• Pretérito perfeito: coube, coubeste, coube, coubemos, coubestes, couberam.
• Pretérito imperfeito: cabia, cabias, cabia, cabíamos, cabíeis, cabiam.
• Pretérito mais-que-perfeito: coubera, couberas, coubera, coubéramos, coubéreis, couberam.
• Futuro do presente: caberei, caberás, caberá, caberemos, cabereis, caberão.
• Futuro do pretérito: caberia, caberias, caberia, caberíamos, caberíeis, caberiam.
• Presente do subjuntivo: caiba, caibas, caiba, caibamos, caibais, caibam.
• Pretérito imperfeito do subjuntivo: coubesse, coubesses, coubesse, coubéssemos, coubésseis, coubessem.
• Futuro do subjuntivo: couber, couberes, couber, coubermos, couberdes, couberem.

Observação: O verbo caber não se apresenta conjugado nem no imperativo afirmativo nem no imperativo negativo.

Crer 2ª conjugação

• Presente do indicativo: creio, crês, crê, cremos, credes, creem.


• Pretérito perfeito: cri, creste, creu, cremos, crestes, creram.
• Pretérito imperfeito: cria, crias, cria, criamos, crieis, criam.
• Pretérito mais-que-perfeito: crera, creras, crera, crêramos, crêreis, creram.
• Presente do subjuntivo: creia, creias, creia, creiamos, creiais, creiam.
• Pretérito imperfeito do subjuntivo: cresse, cresses, cresse, crêssemos, crêsseis, cressem
• Futuro do subjuntivo: crer, creres, crer, crermos, crerdes, crerem.
• Imperativo afirmativo: crê, creia, creiamos, crede, creiam.
• Imperativo negativo: não creias (tu), não creia (você), não creiamos (nós), não crede (vós), não creiam (vocês)

Assim se conjugam: ler e descrer.

Dizer 2ª conjugação

• Presente do indicativo: digo, dizes, diz, dizemos, dizeis, dizem.


• Pretérito perfeito: disse, disseste, disse, dissemos, dissestes, disseram.
• Pretérito mais-que-perfeito: dissera, disseras, dissera, disséramos, disséreis, disseram.
• Futuro do presente: direi, dirás, dirá, diremos, direis, dirão.
• Futuro do pretérito: diria, dirias, diria, diríamos, diríeis, diriam.
• Presente do subjuntivo: diga, digas, diga, digamos, digais, digam.
• Pretérito imperfeito do subjuntivo: dissesse, dissesses, dissesse, disséssemos, dissésseis, dissessem.
• Futuro: disser, disseres, disser, dissermos, disserdes, disserem.
• Particípio: dito.

Assim se conjugam: bendizer, condizer, contradizer, desdizer, predizer, maldizer ...

Escrever 2ª conjugação

• Escrever e seus derivados descrever, inscrever, prescrever, proscrever, reescrever, sobrescrever, subscrever são irregulares apenas no
Particípio: escrito, descrito, inscrito, prescrito, proscrito, reescrito, sobrescrito, subscrito.

Fazer 2ª conjugação

• Presente do indicativo: faço, fazes, faz, fazemos, fazeis, fazem.


• Pretérito perfeito: fiz, fizeste, fez, fizemos, fizestes, fizeram.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 163
• Pretérito mais-que-perfeito: fizera, fizeras, fizera, fizéramos, fizéreis, fizeram.
• Futuro do presente: farei, farás, fará, faremos, fareis, farão.
• Futuro do pretérito: faria, farias, faria, faríamos, faríeis, fariam.
• Presente do subjuntivo: faça, faças, faça, façamos, façais, façam.
• Pretérito imperfeito do subjuntivo: fizesse, fizesses, fizesse, fizéssemos, fizésseis, fizessem.
• Futuro do subjuntivo: fizer, fizeres, fizer, fizermos, fizerdes, fizerem.
• Imperativo afirmativo: faze, faça, façamos, fazei, façam.

Assim se conjugam: desfazer, refazer, satisfazer.

Jazer 2ª conjugação

• Presente do indicativo: jazo, jazes, jaz, jazemos, jazeis, jazem.


• Pretérito perfeito: jazi, jazeste, jazeu, jazemos, jazestes, jazeram.
• Futuro do presente: jazerei, jazerás, jazerá, jazeremos, jazereis, jazerão.
• Futuro do pretérito: jazeria, jazerias, jazeria, jazeríamos, jazeríeis, jazeriam.
• Presente do subjuntivo: jaza, jazas, jaza, jazamos, jazais, jazam.
• Pretérito imperfeito do subjuntivo: jazesse, jazesses, jazesse, jazêssemos, jazêsseis, jazessem.
• Futuro do subjuntivo: jazer, jazeres, jazer, jazermos, jazerdes, jazerem.
• Imperativo afirmativo: jaze, jaza, jazamos, jazei, jazam.
• Gerúndio: jazendo.
• Particípio: jazido.

Assim se conjuga: comprazer-se.

Ler 2ª conjugação

• Presente do indicativo: leio, lês, lê, lemos, ledes, leem.


• Pretérito imperfeito: lia, lias, lia, líamos, líeis, liam.
• Pretérito perfeito: li, leste, leu, lemos, lestes, leram.
• Pretérito mais-que-perfeito: lera, leras, lera, lêramos, lêreis, leram.
• Presente do subjuntivo: leia, leias, leia, leiamos, leiais, leiam.
• Pretérito imperfeito do subjuntivo: lesse, lesses, lesse, lêssemos, lêsseis, lessem.
• Imperativo afirmativo: lê, leia, leiamos, lede, leiam.

Assim se conjugam: reler, tresler.

Moer 2ª conjugação

• Presente do indicativo: moo, móis, mói, moemos, moeis, moem.


• Pretérito imperfeito: moía, moías, moía, moíamos, moíeis, moíam.
• Pretérito perfeito: moí, moeste, moeu, moemos, moestes, moeram.
• Pretérito mais-que-perfeito: moera, moeras, moera, moêramos, moêreis, moeram.
• Presente do subjuntivo: moa, moas, moa, moamos, moais, moam.
• Pretérito imperfeito do subjuntivo: moesse, moesses, moesse, moêssemos, moêsseis, moessem.
• Imperativo afirmativo: mói, moa, moamos, moei, moam.
• Gerúndio: moendo.
• Particípio: moído.

Assim se conjugam: doer, roer, corroer, remoer.

Na terminação -oem de moem (presente do indicativo) a vogal o é aberta.


164 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Perder 2ª conjugação

• Presente do indicativo: perco (com e fechado), perdes, perde, perdemos, perdeis, perdem.
• Presente do subjuntivo: perca, percas, perca, percamos, percais, percam.
• Imperativo afirmativo: perde, perca, percamos, perdei, percam.

Regular nos demais tempos e modos.

Poder 2ª conjugação

• Presente do indicativo: posso, podes, pode, podemos, podeis, podem.


• Pretérito imperfeito: podia, podias, podia, podíamos, podíeis, podiam.
• Pretérito perfeito: pude, pudeste, pôde, pudemos, pudestes, puderam.
• Pretérito mais-que-perfeito: pudera, puderas, pudera, pudéramos, pudéreis, puderam.
• Presente do subjuntivo: possa, possas, possa, possamos, possais, possam.
• Pretérito imperfeito do subjuntivo: pudesse, pudesses, pudesse, pudéssemos, pudésseis, pudessem.
• Futuro: puder, puderes, puder, pudermos, puderdes, puderem.
• Infinitivo pessoal: poder, poderes, poder, podermos, poderdes, poderem.
• Gerúndio: podendo.
• Particípio: podido.

Observação: O verbo poder não se apresenta conjugado nem no imperativo afirmativo nem no imperativo negativo.

Pôr (antigo poer) 2ª conjugação

• Presente do indicativo: ponho, pões, põe, pomos, pondes, põem.


• Pretérito imperfeito: punha, punhas, punha, púnhamos, púnheis, punham.
• Pretérito perfeito: pus, puseste, pôs, pusemos, pusestes, puseram.
• Pretérito mais-que-perfeito: pusera, puseras, pusera, puséramos, puséreis, puseram.
• Futuro do presente: porei, porás, porá, poremos, poreis, porão.
• Futuro do pretérito: poria, porias, poria, poríamos, poríeis, poriam.
• Presente do subjuntivo: ponha, ponhas, ponha, ponhamos, ponhais, ponham.
• Pretérito imperfeito do subjuntivo: pusesse, pusesses, pusesse, puséssemos, pusésseis, pusessem.
• Futuro: puser, puseres, puser, pusermos, puserdes, puserem.
• Imperativo afirmativo: põe, ponha, ponhamos, ponde, ponham.
• Infinitivo pessoal: pôr, pores, pôr, pormos, pordes, porem.
• Infinitivo impessoal: pôr.
• Gerúndio: pondo.
• Particípio: posto.

Assim se conjugam os verbos derivados de pôr, como por exemplo: antepor, compor, depor, dispor, impor, propor, pressupor,
repor, etc.

Prover 2ª conjugação

• Presente do indicativo: provejo, provês, provê, provemos, provedes, proveem.


• Pretérito imperfeito: provia, provias, provia, províamos, províeis, proviam.
• Pretérito perfeito: provi, proveste, proveu, provemos, provestes, proveram.
• Pretérito mais-que-perfeito: provera, proveras, provera, provêramos, provêreis, proveram.
• Futuro do presente: proverei, proverás, proverá, proveremos, provereis, proverão.

• Futuro do pretérito: proveria, proverias, proveria, proveríamos, proveríeis, proveriam.


• Presente do subjuntivo: proveja, provejas, proveja, provejamos, provejais, provejam.
• Pretérito imperfeito do subjuntivo: provesse, provesses, provesse, provêssemos, provêsseis, provessem.
• Futuro do subjuntivo: prover, proveres, prover, provermos, proverdes, proverem.
• Imperativo afirmativo: provê, proveja, provejamos, provede, provejam.
• Gerúndio: provendo.
• Particípio: provido.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 165

Querer 2ª conjugação

• Presente do indicativo: quero, queres, quer, queremos, quereis, querem.


• Pretérito imperfeito: queria, querias, queria, queríamos, queríeis, queriam.
• Pretérito perfeito: quis, quiseste, quis, quisemos, quisestes, quiseram.
• Pretérito mais-que-perfeito: quisera, quiseras, quisera, quiséramos, quiséreis, quiseram.
• Futuro do presente: quererei, quererás, quererá, quereremos, querereis, quererão.
• Futuro do pretérito: quereria, quererias, quereria, quereríamos, quereríeis, quereriam.
• Presente do subjuntivo: queira, queiras, queira, queiramos, queirais, queiram.
• Pretérito imperfeito do subjuntivo: quisesse, quisesses, quisesse, quiséssemos, quisésseis, quisessem.
• Futuro do subjuntivo: quiser, quiseres, quiser, quisermos, quiserdes, quiserem.
• Imperativo afirmativo: quer tu, queira você, queiramos nós, querei vós, queiram vocês.
• Imperativo negativo: não queiras tu, não queira você, não queiramos nós, não queirais vós, não queiram vocês.
• Gerúndio: querendo.
• Particípio: querido.

Requerer 2ª conjugação

• Presente do indicativo: requeiro, requeres, requer, requeremos, requereis, requerem.


• Pretérito perfeito: requeri, requereste, requereu, requeremo s, requerestes, requereram.
• Pretérito mais-que-perfeito: requerera, requereras, requerera, requerêramo s, requerêreis, requereram.
• Futuro do presente: requererei, requererás, requererá, requereremo s, requerereis, requererão.
• Futuro do pretérito: requereria, requererias, requereria, requereríamo s, requereríeis, requereriam.
• Presente do subjuntivo: requeira, requeiras, requeira, requeiramos, requeirais, requeiram.
• Pretérito imperfeito do subjuntivo: requeresse, requeresses, requeresse, requerêssemo s, requerêsseis, requeressem.
• Futuro do subjuntivo: requerer, requereres, requerer, requerermo s, requererdes, requererem.
• Imperativo afirmativo: requere, requeira, requeiramos, requerei, requeiram.
• Gerúndio: requerendo.
• Particípio: requerido.

O verbo requerer não se conjuga como querer.

Saber 2ª conjugação

• Presente do indicativo: sei, sabes, sabe, sabemos, sabeis, sabem.


• Pretérito imperfeito: sabia, sabias, sabia, sabíamos, sabíeis, sabiam.
• Pretérito perfeito: soube, soubeste, soube, soubemos, soubestes, souberam.
• Pretérito mais-que-perfeito: soubera, souberas, soubera, soubéramos, soubéreis, souberam.
• Presente do subjuntivo: saiba, saibas, saiba, saibamos, saibais, saibam.
• Pretérito imperfeito do subjuntivo: soubesse, soubesses, soubesse, soubéssemos, soubésseis, soubessem.
• Futuro do subjuntivo: souber, souberes, souber, soubermos, souberdes, souberem.
• Imperativo afirmativo: sabe, saiba, saibamos, sabei, saibam.

Trazer 2ª conjugação

• Presente do indicativo: trago, trazes, traz, trazemos, trazeis, trazem.


• Pretérito imperfeito: trazia, trazias, trazia, trazíamos, trazíeis, traziam.
• Pretérito mais-que-perfeito: trouxera, trouxeras, trouxera, trouxéramos, trouxéreis, trouxeram.
• Futuro do presente: trarei, trarás, trará, traremos, trareis, trarão.
• Futuro do pretérito: traria, trarias, traria, traríamos, traríeis, trariam.
• Presente do subjuntivo: traga, tragas, traga, tragamos, tragais, tragam.
• Pretérito imperfeito do subjuntivo: trouxesse, trouxesses, trouxesse, trouxéssemos, trouxésseis, trouxessem.
• Futuro do subjuntivo: trouxer, trouxeres, trouxer, trouxermos, trouxerdes, trouxerem.
• Imperativo afirmativo: traze, traga, tragamos, trazei, tragam.
• Infinitivo pessoal: trazer, trazeres, trazer, trazermos, trazerdes, trazerem.
• Gerúndio: trazendo.
• Particípio: trazido.
166 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Valer 2ª conjugação

• Presente do indicativo: valho, vales, vale, valemos, valeis, valem.


• Pretérito imperfeito: valia, valias, valia, valíamos, valíeis, valiam.
• Pretérito perfeito: vali, valeste, valeu, valemos, valestes, valeram.
• Presente do subjuntivo: valha, valhas, valha, valhamos, valhais, valham.
• Pretérito imperfeito do subjuntivo: valesse, valesses, valesse, valêssemos, valêsseis, valessem.
• Futuro do subjuntivo: valer, valeres, valer, valermos, valerdes, valerem.
• Imperativo afirmativo: vale, valha, valhamos, valei, valham.
• Imperativo negativo: não valhas, não valha, não valhamos, não valhais, não valham.
• Gerúndio: valendo.
• Particípio: valido.

Assim são conjugados: equivaler e desvaler.

Ver 2ª conjugação

• Presente do indicativo: vejo, vês, vê, vemos, vedes, veem.


• Pretérito perfeito: vi, viste, viu, vimos, vistes, viram.
• Pretérito mais-que-perfeito: vira, viras, vira, víramos, víreis, viram.
• Imperativo afirmativo: vê, veja, vejamos, vede, vejam.
• Presente do subjuntivo: veja, vejas, veja, vejamos, vejais, vejam.
• Pretérito imperfeito do subjuntivo: visse, visses, visse, víssemos, vísseis, vissem.
• Futuro do subjuntivo: vir, vires, vir, virmos, virdes, virem.
• Gerúndio: vendo.
• Particípio: visto.

Assim se conjugam: antever, prever e rever.

< 3ª Conjugação - ir

Agredir 3ª conjugação

• Presente do indicativo: agrido, agrides, agride, agredimos, agredis, agridem.


• Presente do subjuntivo: agrida, agridas, agrida, agridamos, agridais, agridam.
• Imperativo afirmativo: agride, agrida, agridamos, agredi, agridam.

Cair 3ª conjugação

• Presente do indicativo: caio, cais, cai, caímos, caís, caem.


• Pretérito imperfeito: caía, caías, caía, caíamos, caíeis, caíam.
• Pretérito perfeito: caí, caíste, caiu, caímos, caístes, caíram.
• Pretérito mais-que-perfeito: caíra, caíras, caíra, caíramos, caíreis, caíram.
• Imperativo afirmativo: cai, caia, caiamos, caí, caiam.
• Presente do subjuntivo: caia, caias, caia, caiamos, caiais, caiam.
• Pretérito imperfeito do subjuntivo: caísse, caísses, caísse, caíssemos, caísseis, caíssem.
• Futuro do subjuntivo: cair, caíres, cair, cairmos, cairdes, caírem.

Assim são conjugados: atrair, recair, sair, trair, subtrair etc.

Cobrir 3ª conjugação

• Presente do indicativo: cubro, cobres, cobre, cobrimos, cobris, cobrem.


• Presente do subjuntivo: cubra, cubras, cubra, cubramos, cubrais, cubram.
• Imperativo afirmativo: cobre, cubra, cubramos, cobri, cubram.
• Particípio: coberto.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 167
O verbo cobrir tem o o substituído por u na primeira pessoa do presente do indicativo, nas pessoas do presente do subjuntivo
e nas formas derivadas do imperativo.

Assim se conjugam: dormir, tossir, descobrir, engolir, etc.

Construir 3ª conjugação

• Presente do indicativo: construo, constróis, constrói, construímos, construís, constroem.


• Pretérito imperfeito: construía, construías, construía, construíamos, construíeis, construíam.
• Pretérito perfeito: construí, construíste, construiu, construímos, construístes, construíram.
• Pretérito mais-que-perfeito: construíra, construíras, construíra, construíramos, construíreis, construíram.
• Imperativo afirmativo: constrói, construa, construamos, construí, construam.

Assim se conjugam: destruir e reconstruir.

Ferir 3ª conjugação

• Presente do indicativo: firo, feres, fere, ferimos, feris, ferem.


• Presente do subjuntivo: fira, firas, fira, firamos, firais, firam.

O verbo ferir tem o e do radical substituído por i na primeira pessoa do singular do presente do indicativo, nas pessoas do
presente do subjuntivo e nas formas derivadas do imperativo.

Assim se conjugam: competir, divertir, expelir, vestir, inserir e os derivados de ferir.

Frigir 3ª conjugação

• Presente do indicativo: frijo, freges, frege, frigimos, frigis, fregem.


• Presente do subjuntivo: frija, frijas, frija, frijamos, frijais, frijam.
• Imperativo afirmativo: frege, frija, frijamos, frigi, frijam.
• Particípio: frito.

O verbo frigir é regular no resto da conjugação.

Fugir 3ª conjugação

• Presente do indicativo: fujo, foges, foge, fugimos, fugis, fogem.


• Imperativo afirmativo: foge, fuja, fujamos, fugi, fujam.
• Presente do subjuntivo: fuja, fujas, fuja, fujamos, fujais, fujam.

O verbo fugir apresenta o g substituído por j antes de a e de o.

Ir 3ª conjugação

• Presente do indicativo: vou, vais, vai, vamos, ides, vão.


• Pretérito imperfeito: ia, ias, ia, íamos, íeis, iam.
• Pretérito perfeito: fui, foste, foi, fomos, fostes, foram.
• Pretérito mais-que-perfeito: fora, foras, fora, fôramos, fôreis, foram.
• Futuro do presente: irei, irás, irá, iremos, ireis, irão.
• Futuro do pretérito: iria, irias, iria, iríamos, iríeis, iriam.
• Presente do subjuntivo: vá, vás, vá, vamos, vades, vão.
• Pretérito imperfeito do subjuntivo: fosse, fosses, fosse, fôssemos, fôsseis, fossem.
• Futuro do subjuntivo: for, fores, for, formos, fordes, forem.
• Imperativo afirmativo: vai, vá, vamos, ide, vão.
• Imperativo negativo: não vás, não vá, não vamos, não vades, não vão.
168 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
• Infinitivo pessoal: ir, ires, ir, irmos, irdes, irem.
• Gerúndio: indo.
• Particípio: ido.

Mentir 3ª conjugação

• Presente do indicativo: minto, mentes, mente, mentimos, mentis, mentem.


• Presente do subjuntivo: minta, mintas, minta, mintamos, mintais, mintam.
• Imperativo afirmativo: mente, minta, mintamos, menti, mintam.

Assim se conjugam: sentir, cerzir, competir, consentir, pressentir, etc.

Ouvir 3ª conjugação

• Presente do indicativo: ouço, ouves, ouve, ouvimos, ouvis, ouvem.


• Presente do subjuntivo: ouça, ouças, ouça, ouçamos, ouçais, ouçam.
• Imperativo afirmativo: ouve, ouça, ouçamos, ouvi, ouçam.
• Particípio: ouvido.

Pedir 3ª conjugação

• Presente do indicativo: peço, pedes, pede, pedimos, pedis, pedem.


• Presente do subjuntivo: peça, peças, peça, peçamos, peçais, peçam.
• Imperativo afirmativo: pede, peça, peçamos, pedi, peçam.

O verbo pedir é regular nas demais formas.

Assim se conjugam: medir, despedir, impedir, expedir.

Remir 3ª conjugação

• Presente do indicativo: redimo, redimes, redime, remimos, remis, redimem.


• Presente do subjuntivo: redima, redimas, redima, redimamos, redimais, redimam.

Rir 3ª conjugação

• Presente do indicativo: rio, ris, ri, rimos, rides, riem.


• Pretérito imperfeito: ria, rias, ria, ríamos, ríeis, riam.
• Pretérito perfeito: ri, riste, riu, rimos, ristes, riram.
• Pretérito mais-que-perfeito: rira, riras, rira, ríramos, ríreis, riram.
• Futuro do presente: rirei, rirás, rirá, riremos, rireis, rirão.
• Futuro do pretérito: riria, ririas, riria, riríamos, riríeis, ririam.
• Presente do subjuntivo: ria, rias, ria, riamos, riais, riam.
• Pretérito imperfeito do subjuntivo: risse, risses, risse, ríssemos, rísseis, rissem.
• Futuro do subjuntivo: rir, rires, rir, rirmos, rirdes, rirem.
• Imperativo afirmativo: ri, ria, riamos, ride, riam.
• Infinitivo pessoal: rir, rires, rir, rirmos, rirdes, rirem.
• Gerúndio: rindo.
• Particípio: rido.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 169
Assim se conjuga: sorrir.

Sortir 3ª conjugação

• Presente do indicativo: surto, surtes, surte, sortimos, sortis, surtem.


• Presente do subjuntivo: surta, surtas, surta, surtamos, surtais, surtam.
• Imperativo afirmativo: surte, surta, surtamos, sorti, surtam.
• Imperativo negativo: não surtas, não surta, não surtamos, não surtais, não surtam.

Sumir 3ª conjugação

• Presente do indicativo: sumo, somes, some, sumimos, sumis, somem.


• Presente do subjuntivo: suma, sumas, suma, sumamos, sumais, sumam.
• Imperativo afirmativo: some, suma, sumamos, sumi, sumam.

Assim se conjugam: subir, acudir, bulir, escapulir, fugir, consumir, cuspir etc.

Vir 3ª conjugação

• Presente do indicativo: venho, vens, vem, vimos, vindes, vêm.


• Pretérito imperfeito: vinha, vinhas, vinha, vínhamos, vínheis, vinham.
• Pretérito perfeito: vim, vieste, veio, viemos, viestes, vieram.
• Pretérito mais-que-perfeito: viera, vieras, viera, viéramos, viéreis, vieram.
• Futuro do presente: virei, virás, virá, viremos, vireis, virão.
• Futuro do pretérito: viria, virias, viria, viríamos, viríeis, viriam.
• Presente do subjuntivo: venha, venhas, venha, venhamos, venhais, venham.
• Pretérito imperfeito do subjuntivo: viesse, viesses, viesse, viéssemos, viésseis, viessem.
• Futuro do subjuntivo: vier, vieres, vier, viermos, vierdes, vierem.
• Infinitivo pessoal: vir, vires, vir, virmos, virdes, virem.
• Imperativo afirmativo: vem, venha, venhamos, vinde, venham.
• Gerúndio: vindo.
• Particípio: vindo.

Assim se conjugam: intervir, advir, convir, provir, sobrevir.

3) VERBOS ANÔMALOS

Verbos anômalos são aqueles cujos radicais sofrem várias irregularidades e não se enquadram em nenhuma classificação.

São considerados anômalos os verbos ser, ir, pôr e vir, cujas conjugações já vimos anteriormente.

4) VERBOS ABUNDANTES

Verbos abundantes são aqueles que possuem duas formas, geralmente no particípio.

Veja, a seguir, uma lista de alguns verbos abundantes:

PARTICÍPIO PARTICÍPIO
INFINITIVO REGULAR IRREGULAR
emergir emergido emerso
encher enchido cheio
entregar entregado entregue
envolver envolvido envolto
170 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
enxugar enxugado enxuto
erigir erigido ereto
expelir expelido expulso
expressar expressado expresso
exprimir exprimido expresso
expulsar expulsado expulso
extinguir extinguido extinto
findar findado findo
fixar fixado fixo
frigir frigido frito
fritar fritado frito
ganhar ganhado ganho
gastar gastado gasto
imergir imergido imerso
imprimir imprimido impresso
incluir incluído incluso
incorrer incorrido incurso
isentar isentado isento
inserir inserido inserto
juntar juntado junto
limpar limpado limpo
matar matado morto
misturar misturado misto
morrer morrido morto
nascer nascido nato
ocultar ocultado oculto
pagar pagado pago
pegar pegado pego
prender prendido preso
romper rompido roto
salvar salvado salvo
secar secado seco
segurar segurado seguro
soltar soltado solto
submergir submergido submerso
sujeitar sujeitado sujeito
suprimir suprimido supresso
suspender suspendido suspenso
tingir tingido tinto
vagar vagado vago

Geralmente, usam-se os particípios regulares com os auxiliares ter e haver, na voz ativa, e os irregulares com o verbo ser, na
voz passiva.

Josefa havia limpado o tapete. (voz ativa)


O tapete foi limpo por Josefa. (voz passiva)
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 171
Essa regra, no entanto, não é seguida rigorosamente.

Havia aceitado ou aceito o convite.

Observações:

a) Os verbos abrir, cobrir, dizer, escrever, fazer, pôr, ver, vir e seus derivados possuem apenas o particípio irregular: aberto, coberto,
dito, escrito, feito, posto, visto, vindo.
b) As formas ganhado, gastado, pagado e pegado, nos últimos anos, estão caindo em desuso, sendo substituídas pelo particípio
irregular.

5) VERBOS DEFECTIVOS

Verbos defectivos são os que não possuem todas as formas, ou seja, não têm a conjugação completa.

Conjugação de alguns verbos defectivos

PRECAVER
Presente do indicativo precavemos, precaveis.

Pretérito imperfeito precavia, precavias,


precavia, precavíamos,
precavíeis, precaviam.

Pretérito perfeito precavi, precaveste,


precaveu, precavemos,
precavestes, precaveram.

Pretérito mais-que-perfeito precavera, precaveras,


precavera, precavêramos,
precavêreis, precaveram.

Futuro do presente precaverei, precaverás,


precaverá, precaveremos,
precavereis, precaverão.

Futuro do pretérito precaveria, precaverias


precaveria, precaveríamos
precaveríeis, precaveriam.

Presente do subjuntivo não há.

Pretérito imperfeito precavesse, precavesses,


do subjuntivo precavesse, precavêssemos,
precavêsseis, precavessem.

Imperativo afirmativo precavei.

Imperativo negativo não há.

Infinitivo oessoal precaver, precaveres, precaver


precavermos, precaverdes
precaverem.

Infinitivo impessoal precaver.

Gerúndio precavendo.

Particípio precavido.
172 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
REAVER
Presente do indicativo reavemos, reaveis.

Pretérito Perfeito reouve, reouveste, reouve, reouve-


mos, reouvestes,
reouveram.

Pretérito mais-que-perfeito reouvera, reouveras, reouvera,


reouvéramos, reouvéreis,
reouveram.

Pretérito imperfeito reouvesse, reouvesses,


reouvesse, reouvéssemos,
reouvésseis, reouvessem.

Futuro do presente reaverei, reaverás, reaverá,


reaveremos, reavereis, reaverão.

Futuro do pretérito reaveria, reaverias, reaveria


reaveríamos, reaveríeis, reaveriam.

Pretérito imperfeito reouvesse, reouvesses, reouvesse,


do subjuntivo reouvéssemos, reouvésseis,
reouvessem.

Futuro do Subjuntivo reouver, reouveres, reouver,


reouvermos, reouverdes,
reouverem.

Imperativo afirmativo reavei.

Gerúndio reavendo.

Particípio reavido.

Obs.: Este verbo só é conjugado nas formas onde aparece a letra v, seguindo a conjugação do verbo haver. As formas inexistentes
são substituídas pelos sinônimos recuperar, readquirir e recobrar.

1 - Os verbos abolir, banir, colorir, demolir, exaurir, explodir, extorquir, fremir, haurir, retorquir não são conjugados
na 1º pessoa do singular do presente do indicativo, do presente do subjuntivo e as formas do imperativo negativo. No imperativo
afirmativo, só são conjugadas as 2as pessoas: colore (tu), colori (vós).

2 - Os verbos acontecer, ocorrer, suceder, prazer, doer, constar, urgir, fluir conjugam-se apenas na 3ª pessoa do singular
e na 3ª pessoa do plural, em todos os tempos e modos.

3 - Os verbos chover, nevar, ventar, trovejar, gear e haver (no sentido de existir) só são conjugados na 3ª pessoa do singular.

4 - Os verbos falir, aguerrir, embair, empedernir, lenir, polir, remir, ressarcir, ressequir apresentam defectividade no
Presente do Indicativo, Presente do Subjuntivo e no Imperativo.

Veja o exemplo do verbo ressarcir:

Presente do Indicativo Presente do Subjuntivo


— —
— —
— —
ressarcimos —
ressarcis —
— —

Imperativo
Afirmativo Negativo
— —
— —
— —
ressarci (vós) —
— —
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 173

Verbos Pronominais

São verbos pronominais aqueles que só se conjugam com os pronomes oblíquos átonos (me, te, se, nos, vos, se) na mesma pessoa
gramatical do sujeito, expressando reflexibilidade. Exemplos:

Ele se arrependeu do que fez.


Eu me queixei do professor.

Tu te atreves a dizer isso?

Há verbos essencialmente pronominais, que só se usam com os pronomes átonos (queixar-se, arrepender-se, dignar-se, etc.) e os
acidentalmente pronominais (pentear-se, matar-se, atribuir-se, etc.)

São, também, verbos pronominais: abster-se, apiedar-se, ater-se, atrever-se, lembrar-se, etc.

Veja o modelo do verbo lembrar-se nos modos indicativo, subjuntivo, imperativo e formas nominais:

Modo Indicativo
Presente Pretérito Perfeito Pretérito imperfeito
Eu me lembro Eu me lembrei Eu me lembrava
Tu te lembras Tu te lembraste Tu te lembravas
Ele se lembra Ele se lembrou Ele se lembrava
Nós nos lembramos Nós nos lembramos Nós nos lembrávamos
Vós vos lembrais Vós vos lembrastes Vós vos lembráveis
Eles se lembram Eles se lembraram Eles se lembravam
Pretérito Futuro do presente Futuro do pretérito
mais-que-perfeito
Eu me lembrara Eu me lembrarei Eu me lembraria
Tu te lembraras Tu te lembrarás Tu te lembrarias
Ele se lembrara Ele se lembrará Ele se lembraria
Nós nos lembráramos Nós nos lembraremos Nós nos lembraríamos
Vós vos lembráreis Vós vos lembrareis Vós vos lembraríeis
Eles se lembraram Eles se lembrarão Eles se lembrariam

Modo Subjuntivo
Presente Pretérito imperfeito Futuro
eu me lembre eu me lembrasse eu me lembrar
tu te lembres tu te lembrasses tu te lembrares
ele se lembre ele se lembrasse ele se lembrar
nós nos lembremos nós nos lembrássemos nós nos lembrarmos
vós vos lembreis vós vos lembrásseis vós vos lembrardes
eles se lembrem eles se lembrassem eles se lembrarem

Modo Imperativo
Afirmativo Negativo
lembra-te não te lembres
lembre-se não se lembre
lembremo-nos não nos lembremos
lembrai-vos não vos lembreis
lembrem-se não se lembrem

Observação: O imperativo afirmativo é apresentado com o pronome enclítico, isto é, depois do verbo. Já o imperativo negativo
apresenta-se obrigatoriamente com o pronome proclítico.

Formas Nominais
Infinitivo impessoal Infinitivo pessoal
lembrar-se lembrar-me, lembrares-te, lem-
brar-se, lembrarmo-nos, lembrar-
des-vos, lembrarem-se.
Infinitivo impessoal composto Infinitivo pessoal composto
174 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
ter-se lembrado ter-me lembrado, teres-te lembra-
do, ter-se lembrado, termo-nos
lembrado, terdes-vos lembrado,
terem-se lembrado.
Gerúndio Gerúndio composto
lembrando-se tendo-se lembrado
Particípio Não admite a forma pronominal.

EXERCÍCIOS

1) Aponte a alternativa em que a segunda forma está incorreta como plural da primeira.
a) tu sorris - vós sorrides
b) ele crê - eles creem
c) ele mantém - eles mantêm
d) ele vê - eles vêm
e) eu receio - nós receamos

2) Quando você o ........... diga-lhe que seria bom se ele ............... na discussão entre mãe e filha.
a) ver - intervisse
b) vir - intervisse
c) ver - interviesse
d) vir - intervesse
e) vir - interviesse

3) Assinale a alternativa incorreta em que o nome do elemento mórfico destacado está incorreto.
a) cantarias = vogal temática
b) vendêsseis = desinência número-pessoal
c) amávamos = radical
d) falavam = desinência modo-temporal
e) recebe = tema

4) Assinale a alternativa em que apenas uma forma verbal é rizotônica.


a) cantamos, partirás
b) partis, descansarei
c) estudas, cansais
d) fizesses, falavam
e) agiremos, devêramos

5) Assinale a forma incorreta do particípio nas frases abaixo.


a) Ele foi visto por mim.
b) As crianças não têm mais soltado balões.
c) A polícia havia prendido o mau elemento.
d) O fogo foi aceso por Pedro.
e) Todas as frases estão corretas.

6) Assinale a flexão incorreta do verbo.


a) ver: 1ª pessoa do futuro do subjuntivo = virmos;
b) dizer: 2ª pessoa do plural do imperfeito do subjuntivo = dissésseis;
c) fazer: 1ª pessoa do plural do futuro do subjuntivo = fazermos;
d) crer: 1ª pessoa do singular do pretérito perfeito do indicativo = cri;
e) caber: 1ª pessoa do singular do presente do indicativo = caibo.

7) Assinale a alternativa em que há um verbo defectivo.


a) Coube ao coordenador conversar com o pai do aluno.
b) Vendemos muitos produtos importados.
c) Cuidaram bem do animalzinho.
d) Ouvi muito mal a mensagem de Camilo.
e) Demoliram o prédio da esquina.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 175
8) Assinale a alternativa correta.
a) Ama a teu próximo como a ti mesmo.
b) Não odeie teu semelhante.
c) Não esqueças os seus valores morais.
d) Creia em ti mesmo.
e) Não duvide de quem te ama.

9) O bebê se .............. com os brinquedos até que a mãe ................... o jantar.


a) entreteve - posse
b) entreteu - puzesse
c) entreteu - pusesse
d) entreteve - pusesse
e) entreteu - posse

10) Assinale o tempo e o modo correto da frase: "O réu tinha falado a verdade no tribunal."
a) mais-que-perfeito composto do indicativo
b) perfeito composto do indicativo
c) perfeito composto do subjuntivo
d) infinitivo impessoal perfeito
e) mais-que-perfeito composto do subjuntivo

11) O tempo verbal que expressa um fato anterior a outro acontecimento também no passado é o:
a) pretérito imperfeito do indicativo
b) pretérito mais-que-perfeito do indicativo
c) pretérito imperfeito do subjuntivo
d) pretérito perfeito do indicativo
e) futuro do pretérito do indicativo

12) Observe:

I - Analisaram-se todos os problemas


II - A velha casa foi reformada.
III - O menino feriu-se com a faca.

As frases acima estão, respectivamente, nas vozes:


a) ativa, passiva analítica, passiva sintética
b) reflexiva, ativa, passiva sintética
c) passiva sintética, passiva analítica, reflexiva
d) passiva analítica, passiva sintética, reflexiva
e) ativa, reflexiva, passiva sintética

13) Os verbos destacados nas frases abaixo estão corretamente classificados, exceto na alternativa:
a) O pedido foi entregue. Verbo abundante
b) Ela deverá partir amanhã. Verbo auxiliar
c) Vou à Espanha no próximo mês. Verbo anômalo
d) Nós falimos. Verbo defectivo
e) Eu sempre peço explicações ao professor. Verbo regular

14) Assinale a alternativa em que todas as formas estejam na segunda pessoa do singular do modo imperativo
afirmativo.
a) ouça, vá, traga
b) ouve, vá, trazei
c) ouça, vai, traz
d) ouve, vai, traze
e) ouvi, ide, tragais

15) Transpondo para a voz passiva a frase: "Os navegantes europeus traziam especiarias da Índia", obtém-se
a forma verbal:
a) são trazidas
b) eram trazidas
c) foram trazidas
d) seriam trazidas
e) serão trazidas
176 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
16) (FUVEST-SP) Assinale a alternativa em que uma forma verbal foi empregada incorretamente.
a) O superior interveio na discussão, evitando a briga.
b) Se a testemunha depor favoravelmente, o réu será absolvido.
c) Quando eu reouver o dinheiro, pagarei a dívida.
d) Quando você vir Campinas, ficará extasiado.
e) Ele trará o filho, se vier a São Paulo.

17) (UCDB-MT) Assinale a alternativa em que a oração não está na voz passiva.
a) Supervisionaram a obra com cuidado.
b) Supervisionou-se a obra com cuidado.
c) A obra foi supervisionada com cuidado.
d) Supervisionara-se a obra com cuidado.
e) A obra tinha sido supervisionada com cuidado.

18) (Puccamp-SP) Técnicos


da Funai suspeitaram de uma tentativa de contaminação dos índios e, antes que ocorresse uma epidemia,
não se demoraram em questões burocráticas: anteciparam a vacinação.
Substituindo os verbos grifados por, respectivamente, supor, advir e deter e mantendo o mesmo tempo e
modo verbais, obtêm-se corretamente:
a) suporam - adviesse - detiveram
b) suporam - advisse - deteram
c) supuseram - advisse - deteram
d) supuseram - adviesse - detiveram
e) supuseram - advisse - detiveram

19) (FUVEST-SP) Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas.


Não ................... cerimônia, ...................... que a casa é ..................., e .................... à vontade.
a) faças - entre - tua - fique
b) faça - entre - sua - fique
c) faças - entra - sua - fica
d) faz - entra - tua - fica
e) faça - entra - tua - fique

20) (UF-MG) Em todas as alternativas, a lacuna pode ser preenchida com o verbo indicado entre parênteses, no
subjuntivo, exceto em:
a) Olhou para o cão, enquanto esperava que lhe ............... a porta. (abrir)
b) Por que foi que aquela criatura não ................... com franqueza? (proceder)
c) É preciso que uma pessoa se .................... para encurtar a despesa. (trancar)
d) Deixa de luxo, minha filha, será o que Deus .................. (querer)
e) Se isso me ............... possível, procuraria a roupa. (ser)

21) (UF-PA) O uso do futuro do pretérito, no trecho: "O único resultado que a ideia certamente produziria é o que já se conhece
o bastante para se repetir", justifica-se pelo fato de esse tempo verbal servir para expressar, no texto:
a) um desejo sob condição.
b) a realização de um fato sob condição.
c) uma ação vagamente realizada no presente.
d) um fato anterior em relação a outro passado.
e) um fato a se realizar no futuro de modo repetido.

22) (UF São Carlos-SP) Indique a alternativa que completa corretamente as lacunas das frases:

I. Se nos ............... a fazer um esforço conjunto, teremos um país sério.


II. .................... o televisor ligado, para te informares dos últimos acontecimentos.
III. Não havia programa que ................... o povo, após o último noticiário.

a) propormos - Mantenha - entretesse


b) propusermos - Mantém - entretesse
c) propormos - Mantém - entretivesse
d) propormos - Mantém - entretesse
e) propusermos - Mantém - entretivesse
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 177
23) que aprendera aquilo de ouvido." Transpondo a oração em destaque para a voz passiva, temos a
(UNESP) "Explicou
seguinte forma verbal:
a) tinha sido aprendido
b) era aprendido
c) fora aprendido
d) tinha aprendido
e) aprenderia

24) (UF-AM) Assinale o item em que os vocábulos verbais não apresentam vogal temática:
a) punires, punísseis
b) escrevendo, vindo
c) premiou, premiaram
d) nomeio, nomeie
e) venceria, venceremos

25) (FUVEST-SP) Entre as mensagens abaixo, a única que está de acordo com a norma escrita culta é:
a) Confira as receitas incríveis preparadas para você. Clica aqui!
b) Mostra que você tem bom coração. Contribua para a campanha do agasalho!
c) Cura-te a ti mesmo e seja feliz!
d) Não subestime o consumidor. Venda produtos de boa procedência.
e) Em caso de acidente, não siga viagem. Pede o apoio de um policial.

26) (ESALq-SP) (Adaptado) Considerando os verbos destacados nas frases a seguir, relacione-as com as alternativas
numeradas. Depois marque a sequência numérica que corresponde à resposta certa.

( ) Ser livre - como diria o famoso conselheiro - é não ser escravo.

( ) Somos, pois, criaturas nutridas de liberdade.

( ) Diz-se que o homem nasceu livre.

( ) Diz-se que renunciar à liberdade é renunciar à própria condição humana.

( ) Os papagaios vão pelos ares até onde os meninos de outrora não acreditavam que se pudesse chegar com um fio de linha.

( ) Os loucos que sonharam sair de seus pavilhões usando a fórmula do incêndio para chegarem à liberdade, morreram.

(1) infinitivo impessoal


(2) presente do indicativo
(3) infinitivo pessoal
(4) futuro do pretérito do indicativo
(5) imperfeito do subjuntivo
(6) perfeito do indicativo

a) 4-2-6-1-5-3
b) 5-6-2-4-1-3
c) 3-5-2-6-4-1
d) 6-2-4-1-3-5
e) 3-6-5-2-1-4

27) (Unimep-SP) "Assim eu quereria a minha última crônica: que fosse pura como esse sorriso." (Fernando Sabino). Assinale a série
em que estão devidamente classificadas as formas verbais em destaque.
a) futuro do pretérito, presente do subjuntivo
b) pretérito mais-que-perfeito, pretérito imperfeito do subjuntivo
c) pretérito mais-que-perfeito, presente do subjuntivo
d) futuro do pretérito, imperfeito do subjuntivo
e) pretérito perfeito, futuro do pretérito

28) Assinale a alternativa em que é incorreto o uso do particípio regular ou irregular.


(FGV-SP)
a) Não haveria mais o que discutir, pois o mancebo havia entregado o livro para Íris.
b) Aquiles sentiu um puxão nas fraldas da camisa, que estavam soltas. O ajudante do delegado aproximou-se e cochichou que
ele seria solto em poucos minutos.
c) Era verdade que a fruta parecia passada, que recendia a podre. Lozardo provocou o pároco, mas percebeu que logo todas
as luzes seriam acesas. Afastou-se da fruteira.
178 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
d) A lei tinha já extinto qualquer penalidade para aquele ato, que não mais era considerado ilícito.
e) José Américo tinha soltado o freio da motocicleta, para evitar acidente maior. Mesmo assim, as consequências da queda
foram bastante sérias.

29) (Unifenas-MG) Eles não ............. em bancos e nós sabemos que vocês não .............. dinheiro para que eles lhes
.............. o aval exigido.
a) creem, têm, deem
b) crêem, têem, dêem
c) creem, tem, deem
d) crêm, teêm, deêm
e) creêm, teêm, deêm

30) (FSA-SP) Dentre as frases abaixo, assinale a que apresentar erro na flexão dos verbos.
a) Ele não creu em nenhuma das histórias contadas por nós.
b) Quando eu vir seu pai, avisá-lo-ei sobre a dívida.
c) Será muito melhor para todos, se você manter a calma.
d) Eles intervieram em nossa disputa, depois de um tempo.
e) Assim que puserdes a roupa no armário, poderemos sair.

31) (FCMSCS-SP) Assinale a alternativa correta quanto ao uso de verbos abundantes.


a) Por haver aceitado as normas, o candidato foi aceito na Faculdade.
b) Por haver morto o passarinho, o menino chorou. Realmente, o bicho estava bem morto.
c) Foi elegido pelas mulheres apesar de haver eleito a maioria dos homens.
d) O pastor tinha emergido os crentes depois de ter emergido ele mesmo pelo bispo. Era emersão que não acabava mais.
e) Todos os casos serão omitidos da pauta tal como você já tivera omisso os seus casos ontem.

32) (Enem)
"Narizinho correu os olhos pela assistência. Não podia haver nada mais curioso. Besourinhos de fraque e flores na lapela
conversavam com baratinhas de mantilha e miosótis nos cabelos. Abelhas douradas, verdes e azuis, falavam mal das vespas de
cintura fina - achando que era exagero usarem coletes tão apertados. Sardinhas aos centos criticavam os cuidados excessivos que
as borboletas de toucados de gaze tinham com o pó das suas asas. Mamangavas de ferrões amarrados para não morderem. E
canários cantando, e beija-flores beijando flores, e camarões camaronando, e caranguejos caranguejando, tudo que é pequenino
e não morde, pequeninando e não mordendo."
(LOBATO, Monteiro. Reinações de Narizinho. São Paulo: Brasiliense, 1947.)
No último período do trecho, há uma série de verbos no gerúndio que contribuem para caracterizar o
ambiente fantástico descrito. Expressões como camaronando, caranguejando, pequeninando e não
mordendo criam, principalmente, efeitos de:
a) esvaziamento de sentido.
b) monotonia do ambiente.
c) estaticidade dos animais.
d) interrupção dos movimentos.
e) dinamicidade do cenário.

33) (FUVEST-SP) Considerando a necessidade de correlação entre os tempos e modos verbais, assinale a alternativa
em que ela foge às normas da língua escrita padrão.
a) A redação de um documento exige que a pessoa conheça uma fraseologia complexa e arcaizante.
b) Para alguns professores, o ensino de língua portuguesa será sempre melhor, se houver domínio das regras de sintaxe.
c) O ensino de Português tornou-se mais dinâmico depois que textos de autores modernos foram introduzidos no currículo.
d) O ensino de Português já sofrera profundas modificações, quando se organizou um Simpósio Nacional para discutir o
assunto.
e) Não fora a coerção exercida pelos defensores do purismo linguístico, todos teremos liberdade de expressão.

34) (Unimep-SP) Assinale a alternativa em que a oração destacada indica que um fato é anterior a outro em relação
ao momento em que o emissor fala.
a) Assim que tomar banho, vou-me deitar.
b) Caso você o encontre, dê-lhe minhas lembranças.
c) Quando cheguei, todos já haviam saído.
d) Se você quiser, irei ao seu escritório.
e) Enquanto trabalhava, cantava.

35) (Vunesp) Alternativa cuja forma verbal destacada exprime futuridade com relação ao tempo passado em que
se situam as ações narradas:
a) "(...) contemplou o lugar onde tantas vezes se aprestara para os seus breves triunfos no trapézio."
b) "(...) a despedida iminente, só ele sentia."
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 179
c) "Em algum ponto do corpo ou da alma, doía-lhe ver o lugar do qual se despedia (...)"
d) "No dia seguinte, desarmariam o Circo..."
e) "(...) os que lá se encontravam tinham respondido friamente à saudação dele, como se fizessem um favor."

RESPOSTAS

1-D 2-E 3-B 4-C 5-E

6-C 7-E 8-A 9-D 10-A

11-B 12-C 13-E 14-D 15-B

16-B 17-A 18-D 19-B 20-B

21-B 22-E 23-C 24-D 25-D

26-A 27-D 28-D 29-A 30-C

31-A 32-E 33-E 34-C 35-D

(...) É preciso reformar a cidade.


É preciso, antes e sempre,
Reformar o homem.

É preciso despi-lo,
É preciso mostrar
Que todos somos irmãos (...).
Afonso Romano de Sant'Anna. Poesia viva I. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1968.

As palavras antes e sempre estão acrescentando ao verbo circunstâncias de tempo.

Às palavras invariáveis que modificam os verbos, os adjetivos e outros advérbios, dando-lhes circunstâncias de modo, tempo,
dúvida, etc., damos o nome de advérbio. Veja os exemplos abaixo:

Ela fala demais.


9 9
verbo advérbio

Pedro é muito alto.


9 9
advérbio adjetivo

Maria canta muito bem.


9 9
advérbio advérbio

Locução Adverbial

A locução adverbial é formada por duas ou mais palavras que equivalem a um advérbio. Geralmente são formadas de preposição
mais um substantivo ou advérbio.
180 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Ficamos frente a frente sem dizer uma palavra.
9
locução adverbial de modo

De repente, ela gritou.


9
locução adverbial de tempo

Classificação dos Advérbios

A classificação dos advérbios ou das locuções adverbiais é feita conforme as circunstâncias que expressam. Veja o quadro abaixo:

Circunstância Advérbio Locução adverbial


Afirmação sim, certamente, deveras, positivamen- com certeza, por certo, sem dúvi-
te, efetivamente, perfeitamente, real- da, de fato, etc.
mente, incontestavelmente, etc.

Dúvida talvez, acaso, porventura, quiçá, possi-


velmente, provavelmente, decerto, etc.

Intensidade bastante, bem, demais, mais, mal, de muito, de pouco, de todo, em


menos, muito, pouco, assaz, quase, demasia, em excesso, por com-
quanto, quão, tanto, tão, demasiado, pleto, etc.
meio, todo, apenas, completamente,
demasiadamente, excessivamente, etc.

Lugar abaixo, acima, adiante, aí, aqui, além, à direita, à esquerda, ao lado, de
ali, alhures (em outro lugar), algures longe, de perto, para dentro, por
(em algum lugar), aquém, acolá, cá, aqui, em cima, por fora, para on-
atrás, através, dentro, fora, lá, perto, de, por ali, por dentro, etc.
longe, junto, onde, defronte, detrás,
etc.

Modo assim, bem, mal, depressa, certo, deva- às cegas, às claras, à toa, à vonta-
gar, pior, melhor, como, alerta, suave- de, às pressas, a pé, ao léu, às
mente, também, lentamente, e quase escondidas, em geral, em vão,
todos os advérbios terminados em passo a passo, de cor, frente a
-mente. frente, lado a lado, de mansinho,
de cócoras, em silêncio, sem me-
do, etc.

Negação não, tampouco (também não), nada, de forma alguma, de jeito


absolutamente. nenhum, de modo algum, de jeito
nenhum, etc.

Tempo hoje, ontem, amanhã, agora, depois, à noite, à tarde, de dia, de noite,
antes, cedo, já, anteontem, sempre, às vezes, de repente, de manhã,
breve, nunca, tarde, então, jamais, de vez em quando, de súbito, de
logo, quando, ora, outrora, raramente, quando em quando, em breve, de
sucessivamente, presentemente, atual- tempos em tempos, vez por outra,
mente, etc. hoje em dia, etc.

Observação:

Além da classificação vista no quadro acima, há outras circunstâncias que os advérbios e as locuções adverbiais podem expressar.
Veja outras possibilidades:

- assunto: Não falaremos mais sobre futebol.

- causa: Ainda hoje muitas crianças morrem de fome.

- companhia: O pai amigo sempre brinca com os filhos.

- instrumento: Bateu com o martelo no próprio dedo.

- condição: Nesta escola, aluno não entra sem uniforme.


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 181

Advérbios Interrogativos

Os advérbios que indicam circunstâncias de lugar, tempo, modo e causa podem ser empregados nas interrogativas diretas e
indiretas.

1 - lugar: onde, aonde, de onde

2 - tempo: quando

3 - modo: como

4 - causa: por que, por quê

Interrogativa Interrogativa
direta indireta
lugar Onde você está? Quero saber onde você está.

tempo Quando termina o filme? Gostaria de saber quando termina o filme.

modo Como vai? Estou curiosa para saber como você vai.

causa Por que você desistiu? Ninguém sabia por que você desistiu.

Grau dos Advérbios

Embora os advérbios pertençam à classe invariável das palavras, alguns apresentam variações de grau, semelhantes às dos
adjetivos.

1 - Grau comparativo:

- de igualdade: Ele chegou tão cedo quanto seu irmão.


- de superioridade: Ele chegou mais cedo do que seu irmão.
- de inferioridade: Ele chegou menos cedo do que seu irmão.

2 - Grau superlativo:

- analítico: Ele chegou muito cedo.


- sintético: Ele chegou cedíssimo.

Observação: O uso dos advérbios no diminutivo pode indicar afetividade ou intensidade:

Fica pertinho de mim?


Encontrei-a agorinha mesmo.

Emprego dos Advérbios

1 - Para formar advérbios de adjetivos masculinos, passa-se o adjetivo para o feminino e acrescenta-se o sufixo -mente.

calmo 6 calma 6 calmamente


lento 6 lenta 6 lentamente
sossegado 6 sossegada 6 sossegadamente

2 - Geralmente os adjetivos terminados em -ês e -or ficam no masculino quando se acrescenta o sufixo -mente.

cortês 6 cortês + -mente = cortesmente


posterior 6 posterior + -mente = posteriormente
182 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
3 - Quando há uso de dois ou mais advérbios terminados em -mente numa mesma oração, deve-se usar o sufixo apenas no último
elemento.

Ele falava calma e vagarosamente sobre o acidente.

Observação: A repetição do sufixo -mente em todos os advérbios de uma oração evidencia a frase.

Calmamente, lentamente e apaixonadamente ela falava sobre sua vida.

4 - O adjetivo na forma masculina pode ser empregado com valor de adjetivo.

"Skol, a cerveja que desce redondo." (redondamente)

5 - A palavra meio com valor de advérbio é invariável.

O professor está meio zangado.


A professora está meio zangada.

6 - Antes dos particípios, usam-se as formas analíticas mais bem e mais mal.

Aquele vereador foi o mais bem votado na última eleição.


A atriz ganhou o concurso de a mais mal vestida do evento.

7 - Depois dos particípios, usam-se as formas melhor ou pior.

Já vi poemas escritos melhores que este.


Não conheço trabalho feito pior que o seu.

8 - O acréscimo dos sufixos -inho e -zinho a alguns advérbios assume valor de superlativo (e não de diminutivo).

Ela mora pertinho do trabalho. (muito perto)


A criança falava baixinho. (muito baixo)

9 - A repetição dos advérbios também tem valor de superlativo.

Já, já estarei lá. Ele virá logo, logo.

10 - Muitas palavras têm valor adverbial em uma frase e podem assumir o valor de pronome adjetivo em outra.

Clarice gasta muito. (advérbio)


Clarice gasta muita luz. (pronome adjetivo)

11 - As palavras otimamente e pessimamente são o grau superlativo de bem e de mal, respectivamente.

A professora explicou a matéria otimamente.


Ela lê pessimamente.

12 - A palavra primeiro pode funcionar como advérbio desde que modifique o verbo.

Mamãe, eu pedi primeiro.

13 - Os advérbios aqui e aí podem significar neste momento.

Aqui, termina a lição.


Aí, eu o vi entrando no hotel.

Palavras e Expressões Denotativas

Há algumas palavras que eram consideradas advérbios, mas na verdade não se enquadram em nenhuma das dez classes
gramaticais; e outras fogem do seu emprego normal. Essas palavras e expressões são conhecidas como palavras denotativas e
denotam:
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 183
a) inclusão: inclusive, até, outrossim, mesmo, também, ademais, etc.

b) exclusão: exclusive, salvo, exceto, menos, fora, apenas, só, somente, sequer, senão, etc.

c) explicação: isto é, por exemplo, a saber, ou seja, etc.

d) retificação: aliás, ou melhor, ou seja, isto é, ou antes, etc.

e) realce: cá, lá, é que, ora, só, aí, ainda, mas, etc.

f ) situação: afinal, agora, então, etc.

g) designação: eis

h) efetividade: ainda bem, felizmente, etc.

EXERCÍCIOS

1) Assinale a alternativa que possui advérbio de modo.


a) Possivelmente irei ao cinema.
b) Certamente ele virá à reunião.
c) Ela andava calmamente.
d) Realmente ela é a mais bonita da escola.
e) Ele trará o trabalho provavelmente.

2) Assinale a alternativa que possui dois advérbios.


a) Amanhã, não irei à escola.
b) O menino cantou bem.
c) Finalmente, você chegou!
d) Choveu muito.
e) Mamãe dormia profundamente.

3) Assinale a alternativa em que a palavra sublinhada tem valor de advérbio.


a) Ele só come em prato fundo.
b) Um grito súbito nos assustou.
c) Moro em andar baixo.
d) A criança parecia aflita.
e) O diretor falava alto.

4) Todas as alternativas possuem um advérbio de intensidade, exceto a alternativa:


a) Todos saíram bem depressa.
b) Clara anda meio confusa.
c) Aquelas mulheres comem bastante.
d) João saiu cedinho.
e) Ficamos profundamente magoados.

5) Assinale a alternativa que não apresenta uma locução adverbial.


a) Ele agiu às cegas.
b) Coma à vontade.
c) O golpe foi planejado às escondidas.
d) À noite, irei à sua casa.
e) Ontem, todos vieram à reunião.

6) Observe a tira de Mafalda:

Quino
As palavras já, nunca e agora são advérbios que indicam circunstância de:
a) modo b) dúvida
c) intensidade d) lugar
e) tempo
184 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
7) Indique a alternativa que possui uma locução adverbial de tempo:
a) Vamos conversar às claras.
b) Hoje em dia há muita violência.
c) Vire à direita.
d) Sem dúvida irei ao trabalho.
e) Não gosto do seu jeito de forma alguma.

8) Todas as alternativas possuem uma palavra denotativa, exceto a alternativa:


a) Só Maria comprou o bilhete.
b) Ele foi à escola só hoje.
c) Sandra faltou só à aula de Geografia.
d) Pedro saiu só.
e) Só mamãe sabe o caminho.

9) "...ela por muitos séculos tão rica e poderosa que (...) muitos acreditavam que Ubar, na verdade, não passava de uma lenda...
(PUCC-SP)
Só tivemos certeza de que estávamos na pista certa..."
As palavras destacadas acima exprimem, respectivamente, as circunstâncias de:
a) intensidade, afirmação e exclusão
b) designação, intensidade e modo
c) tempo, dúvida e inclusão
d) modo, afirmação e tempo
e) realce, dúvida e intensidade

10) (Unimep-SP) Em "... um aborrecimento quando os vejo e gostaria de não vê-los mais", as palavras destacadas são, respectivamente:
a) adjetivo, artigo, advérbio
b) adjetivo, pronome, pronome
c) substantivo, pronome, advérbio
d) substantivo, artigo, pronome
e) verbo, pronome, preposição

11) (UF-MG) Assinale a alternativa que apresenta um advérbio usado com valor afetivo.
a) Moravam longíssimo daqui.
b) Todos somos meio ingênuos.
c) Espantosamente, ninguém comentou o caso.
d) Estavam chegando pertinho.
e) n.d.a.

12) (FCC-SP)Assinale a alternativa em que o termo destacado tem valor de advérbio.


a) Achei-o meio triste, com o ar abatido.
b) Não há meio mais fácil de estudar.
c) Só preciso de meio metro dessa renda.
d) Encarou-nos, esboçando um meio riso.
e) Ela caiu bem no meio do jardim.

13) (UF-MA) Assinale a opção que contém advérbio:


a) Nada impedirá a nossa viagem.
b) Você nada como um peixe.
c) Fizemos uma prova nada fácil.
d) Poucos têm tudo, muitos têm nada.
e) A certas pessoas nada lhes tira a calma.

14) A frase em que o advérbio expressa simultaneamente ideias de tempo e negação é:


(U. E. Ponta Grossa-PR)
a) Falei ontem com os embaixadores.
b) Não me pergunte as razões da minha atitude.
c) Eles sempre chegam atrasados.
d) Jamais acreditei que você viesse.
e) Agora seremos felizes.

15) (Fameca-SP)O adjetivo está empregado na função de advérbio em:


a) Acesa a luz, viu claro os gestos furtivos do animal.
b) A lamparina tornou claros os degraus da escada.
c) Reservou para o céu um azul bem claro.
d) Subitamente, um claro ofuscou-lhe a vista.
e) Não gostava das cores muito claras.

RESPOSTAS

1-C 2-A 3-E 4-D 5-E

6-E 7-B 8-D 9-A 10-C

11-D 12-A 13-C 14-D 15-A


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 185

Seiscentos e sessenta e seis

A vida é uns deveres que nós trouxemos para fazer em casa.


Quando se vê, já são 6 horas: há tempo...
Quando se vê, já é 6ª feira...
Quando se vê, passaram 60 anos!
Agora, é tarde demais para ser reprovado...
E se me dessem - um dia - uma outra oportunidade,
eu nem olhava o relógio
seguia sempre em frente...
e iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas.

QUINTANA, Mário. A cor invisível. Porto Alegre, Globo, 1994

Observe a frase:

"... nós trouxemos para fazer em casa."

As duas palavras em destaque atuam como conectivos entre dois termos: para liga trouxemos (termo subordinante ou regente)
a fazer (termo subordinado ou regido) e em liga fazer (aqui como termo subordinante ou regente) a casa (termo subordinado ou
regido).

Nessa relação, portanto, um termo completa o sentido do outro.

A palavra invariável que relaciona dois termos entre si, estabelecendo entre eles uma relação de dependência (subordinação)
é chamada de preposição.

Classificação das Preposições

As preposições classificam-se em:

• essenciais: palavras que só funcionam como preposição.

a ante após trás


com contra de desde
em entre para perante
por sem sob sobre

• acidentais: palavras de diferentes classes gramaticais que desempenham a função de preposição.

afora durante menos como


exceto salvo conforme fora
segundo consoante mediante visto
186 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Locuções Prepositivas

São duas ou mais palavras com função de uma preposição.

Veja abaixo as mais usadas:

abaixo de junto a antes de


por cima de a respeito de a fim de
defronte de a par de em vez de
debaixo de por baixo de diante de
acima de por detrás de ao lado de
para com depois de além de
apesar de por diante de em torno de
por causa de

Para distinguir uma locução prepositiva de uma locução adverbial basta observar a terminação:

• locuções adverbiais nunca terminam por preposição:

Encontrei-o no final da tarde.

• locuções prepositivas sempre terminam por uma preposição:

Não estou a fim de sair.

Combinação e Contração da Preposição

• Combinação: quando a preposição não sofre perda de fonemas. Dá-se a combinação com:

- preposição a + artigos definidos o, os:

Fomos ao cinema.

- preposição a + advérbio onde:

Aonde estamos indo?

• Contração: quando a preposição sofre perda de fonemas. Dá-se a contração com as preposições:

- de + artigos

de + o(s) = do(s)
de + a(s) = da(s)
de + um = dum
de + uma = duma
de + uns = duns
de + umas = dumas
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 187
- de + pronome pessoal

de + ele(s) = dele(s)
de + ela(s) = dela(s)

- de + pronomes demonstrativos

de + este(s) = deste(s)
de + esta(s) = desta(s)
de + esse(s) = desse(s)
de + essa(s) = dessa(s)
de + aquele(s) = daquele(s)
de + aquela(s) = daquela(s)
de + isto = disto
de + isso = disso
de + aquilo = daquilo
de + o(s) = do(s)
de + a(s) = da(s)

- de + advérbios

de + aqui = daqui
de + aí = daí
de + ali = dali

- em + artigos

em + o(s) = no(s)
em + a(s) = na(s)
em + um = num
em + uma = numa
em + uns = nuns
em + umas = numas

- a + artigo feminino

a + a(s) = à(s)

- per + artigos

per + o(s) = pelo(s)


per + a(s) = pela(s)

- de + pronome indefinido

de + outro(s) = doutro(s)
de + outra(s) = doutra(s)

- em + pronomes demonstrativos

em + este(s) = neste(s)
em + esta(s) = nesta(s)
em + esse(s) = nesse(s)
em + essa(s) = nessa(s)
em + aquele(s) = naquele(s)
em + aquela(s) = naquela(s)
em + isto = nisto
em + isso = nisso
em + aquilo = naquilo
em + o(s) = no(s)
em + a(s) = na(s)
188 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
- a + pronomes demonstrativos

a + aquele(s) = àquele(s)
a + aquela(s) = àquela(s)
a + aquilo = àquilo

Relações Estabelecidas pelas Preposições

A relação que as preposições estabelecem entre dois termos é chamada de regência. Portanto, quando ocorre uma preposição,
temos a seguinte sequência:

termo regente + preposição + termo regido


(subordinante) (subordinado)

"... sempre seguia em frente..."

"... é tarde demais para ser reprovado..."

Termo regente é aquele que pede um outro que depende dele.

Termo regido é aquele dependente, subordinado ao termo regente.

Veja, agora, algumas relações estabelecidas pelas preposições entre o termo regente e o termo regido.

• assunto: Eles não entendem muito bem de economia.

• ausência: Não vivo sem meu violão.

• autoria: Estes versos são de Eddie Pine.

• causa: Aquele sujeito foi preso por roubo.

• companhia:Vou sair com meus amigos hoje.

• concessão: Com apenas 12 anos já sabia dirigir.

• conformidade: Virei à esquerda conforme orientação do guarda.

• conteúdo: A criança bebeu um copo de leite.

• direção:Apontou o dedo para a estrela cadente.

• distância: O carro parou a um palmo do poste.

• especialidade: Ele é perito em ilusionismo.

• estado ou qualidade: Aquele edifício estava em ruínas.

• finalidade: Este exercício é muito bom para emagrecer.

• instrumento: Respondi o gabarito a lápis.

• limite: Vou caminhar até a padaria.

• lugar: O balão caiu sobre o telhado do vizinho.

• matéria: Comprou um anel de ouro para a namorada.

• meio: Soube do resultado da partida pelo rádio.


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 189
• modo: Vamos escolher os grupos de trabalho por sorteio.

• oposição: O Palmeiras jogou contra o Atlético Mineiro no Parque Antártica.

• origem: O diretor da empresa veio de uma família humilde.

• posse: A casa de Pedro é enorme.

• preço: Comprei o livro por apenas dez reais.

• tempo: Preciso sair após o jantar.

Observação: Uma mesma preposição pode estabelecer relações diferentes:

• com:

Com o mau tempo o jogo foi adiado. (relação de causa)


Falou com segurança. (relação de modo)
Feriu-se com a faca. (relação de instrumento)
Ela passeou com o cachorro. (relação de companhia)
Com nove jogadores a Portuguesa venceu o Grêmio. (relação de concessão)

• de:

Veio de muito longe. (relação de origem)


Estava tremendo de frio. (relação de causa)
O carro de Luís é importado. (relação de posse)
Saia de seu quarto para podermos conversar, filha! (relação de lugar)

• em:

Nasceu em 5 de agosto. (relação de tempo)


A amiga estava em prantos. (relação de modo)
Ficarei em casa hoje à noite. (relação de lugar)

Distinção entre preposição,


pronome pessoal oblíquo e artigo

A palavra a pode ser:

• preposição: Quando liga dois termos, estabelecendo entre eles relação de dependência. Como preposição, o a é invariável.

Vou a Lisboa no próximo ano.

• pronome pessoal oblíquo: Quando substitui o substantivo.

Encontrei Mariana no Shopping. / Encontrei-a no Shopping.

• artigo: Quando antecede o substantivo, determinando-o.

A viagem foi ótima.


190 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
EXERCÍCIOS

1) Observe a relação que as preposições destacadas nas frases abaixo estabelecem e assinale a alternativa correta.

1. O garoto ficou mais forte com as aulas de judô.


2. As flores foram dadas com muito carinho.
3. O Santos jogou com o Botafogo ontem.

a) causa - modo - oposição


b) modo - instrumento - companhia
c) causa - modo - modo
d) causa - causa - oposição
e) modo - modo - companhia

2) Indique a oração que apresenta locução prepositiva:


a) De repente, o céu escureceu.
b) Agiu de caso pensado quando pediu demissão.
c) À medida que o tempo passa, ela fica mais bonita.
d) Desviou de seu caminho devido à confusão dos grevistas.
e) Havia uma faca sobre a mesa.

3) Classifique nas frases a seguir, as preposições acidentais e essenciais, respectivamente:


a) No telhado, os gatos miavam para chamar atenção.
b) Durante a aula, o professor falou sobre a indisciplina da sala.
c) Após a reunião, fui até o corredor.
d) Agiu com segurança perante os convidados.
e) Não há nada de novo no mural da Faculdade.

4) Assinale a alternativa em que ocorre combinação de preposição com advérbio.


a) Neste ambiente, não fico mais.
b) Respirava apenas pela boca.
c) O ônibus parte exatamente daqui.
d) Acordei num lugar estranho.
e) O consultório fica no oitavo andar.

5) Assinale a alternativa que indica corretamente o tipo de relação estabelecida pela preposição destacada na frase abaixo.
"O suor corria por seu rosto."
a) matéria
b) direção
c) causa
d) modo
e) lugar

6) Assinale a opção em que a preposição com traduz uma relação de instrumento.


(Cesgranrio-RJ)
a) "Teria sorte nos outros lugares, com gente estranha."
b) "Com o meu avô cada vez mais perto do fim, o Santa Rosa seria um inferno."
c) "Não fumava, e nenhum livro com força de me prender."
d) "Trancava-me no quarto fugindo do aperreio, matando-as com jornais."
e) "Andavam por cima do papel estendido com outras já pregadas no breu."

7) (Unimep-SP)"Depois a mãe recolhe as velas, torna a guardá-las na bolsa." Os vocábulos destacados são, respectivamente:
a) pronome pessoal oblíquo, preposição, artigo.
b) artigo, preposição, pronome pessoal oblíquo.
c) artigo, pronome demonstrativo, pronome pessoal oblÍquo.
d) artigo, preposição, pronome demonstrativo.
e) preposição, pronome demonstrativo, pronome pessoal oblíquo.

8) Assinale a alternativa em que a preposição esteja estabelecendo a mesma relação.


(Cesgranrio-RJ)
a) De outra extremidade, ele sorriu de satisfação.
b) "Nada mais havia sobre o banco, onde os padres sentados falavam sobre a criação." (JLR)
c) "Os dois jagunços com Vitorino, dirigiram-se ao Sítio Santa Rosa, cuja casa iam cobrir com cal." (JLR)
d) "Nada mais sabia sobre o tal regulamento sobre que discutiam com veemência." (Jorge Amado)
e) n.d.a.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 191
9) "O que desejava... Ah! Esquecia-se. Agora se recordava da viagem que tinha feito pelo sertão, a cair de fome." (Graciliano Ramos)
(UF-AC)
A alternativa em que a preposição de expressa a mesma ideia que possui em "... a cair de fome" é:
a) De tanto gritar, sua voz ficou rouca.
b) De grão em grão, a galinha enche o papo.
c) De noite todos os gatos são pardos.
d) Chegaram cedo de Cruzeiro do Sul.
e) Trazia no bolso uma caneta de prata.

10) (UM-SP)Indique a oração que apresenta locução prepositiva:


a) Havia objetos valiosos sobre a pequena mesa de mármore.
b) À medida que os inimigos se aproximavam, as tropas inglesas recuavam.
c) Seguiu a carreira militar devido à influência do pai.
d) Agiu de caso pensado, quando se afastou de você.
e) De repente, riscou e reescreveu o texto.

RESPOSTAS

1-C 2-D 3-B 4-C 5-E

6-D 7-B 8-D 9-A 10-B

Poema de sete faces

Quando nasci, um anjo torto


desses que vivem na sombra
disse: Vai, Carlos! Ser gauche na vida.
[...]
Mundo mundo vasto mundo,
se eu me chamasse Raimundo
seria uma rima,não seria uma solução.
Mundo mundo vasto mundo,
mais vasto é o meu coração.
Eu não devia te dizer
mas essa lua
mas esse conhaque
botam a gente comovido como o diabo.
Carlos Drummond de Andrade

Quando, se, como ligam as orações, estabelecendo entre elas relação de tempo, condição e comparação respectivamente. São
conjunções subordinativas. Que e mas também ligam orações e estabelecem entre elas relação de explicação e adversidade,
respectivamente. São conjunções coordenativas.

Conjunção é a palavra invariável que liga orações ou termos da mesma oração, estabelecendo relações entre elas.

Meu irmão trabalha e estuda. (e: conjunção que liga orações)


9 9
1ª oração 2ª oração

Perdi o caderno e a caneta. (e: conjunção que liga termos)


9 9
1º termo 2º termo
192 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Classificação das Conjunções

As conjunções dividem-se em coordenativas e subordinativas.

< Conjunções coordenativas

São aquelas que estabelecem uma coordenação entre dois termos da oração ou duas orações independentes. São elas:

• Aditivas: estabelecem uma relação de soma entre dois termos ou duas orações. As principais conjunções são: e, nem, não só
... mas também, etc.

Ele entrou e se sentou.


Ele não só trabalha como também estuda.

• Adversativas: estabelecem uma relação de oposição, contraste entre dois termos ou duas orações. As principais conjunções
são: mas, porém, contudo, entretanto, não obstante, todavia, no entanto, etc.

Tentei estudar, mas não consegui.


Ele tomou o remédio, porém não melhorou.

• Alternativas: estabelecem uma relação de alternância ou exclusão entre dois termos ou duas orações. As principais conjunções
são: ou, ora ... ora, ou ... ou, quer ... quer, já ... já, seja ... seja, umas vezes ... outras vezes, etc.

Ou o Brasil vence, ou está desclassificado.


Ora está calmo, ora está nervoso.

• Conclusivas: estabelecem uma relação de conclusão, consequência entre dois termos ou duas orações. As principais conjunções
são: logo, pois (posposto ao verbo), portanto, assim, por isso, por conseguinte, então, por isto, etc.

Ele estava bem preparado, por isso ganhou a corrida.


Ela se esforçou muito, portanto merece o prêmio.

• Explicativas: estabelecem uma relação de explicação, esclarecimento que justifica a ideia contida na oração anterior. As
principais conjunções são: pois (anteposto ao verbo), porque, porquanto, que, etc.

Entre logo pois já está escuro.


Leve agasalho porque vai esfriar.

< Conjunções subordinativas

São aquelas que iniciam orações que mantêm dependência umas com as outras. Uma é oração principal e a outra é subordinada.
São elas:

• Temporais: expressam circunstância de tempo. As principais conjunções são: quando, enquanto, depois que, logo que, sempre
que, senão, quando, assim que, desde que, até que, mal, apenas, sem que (+ antes que), etc.

Vou visitá-la quando voltar de viagem.


A briga começou assim que a aula acabou.

• Condicionais: expressam condição. As principais conjunções são: se, salvo se, caso, contanto que, uma vez que, dado que, a
menos que, sem que, se não, a não ser que, exceto se, etc.

Se precisar de mim, telefone-me.


Não irei a reunião, a não ser que haja um imprevisto.

• Causais: expressam causa. As principais conjunções são: porque, porquanto, visto que, visto como, que, como, uma vez que,
já que, etc.

Ele não fez o trabalho porque não teve tempo.


Vamos indo para casa, já que escureceu.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 193
• Finais: expressam finalidade. As principais conjunções são: para que, a fim de que, porque (=para que), que, para, de modo
que, de forma que, de sorte que, etc.

Poupe dinheiro agora para que mais tarde não lhe falte.
Aproxime-se a fim de poder vê-lo melhor.

• Comparativas: expressam comparação. As principais conjunções são: que, do que (depois de mais, menos, maior, menor,
melhor, pior), qual (depois de tal), como, assim como, bem como, que nem, etc.

A filha é tal qual a mãe.


Ele é forte como um touro.

• Concessivas: expressam concessão. As principais conjunções são: embora, ainda que, posto que, por muito que, mesmo que,
se bem que, conquanto, apesar de que, etc.

Ainda que tivesse dinheiro não compraria aquela casa.


Apesar de ser analfabeto, ele é muito inteligente.

• Conformativas: expressam conformidade. As principais conjunções são: como, conforme, consoante, segundo, que (=
conforme), etc.

A aluna fez o trabalho conforme a professora pediu.


Segundo o presidente, a inflação baixou.

• Consecutivas: expressam consequência. As principais conjunções são: que (precedido de tão, tal, tanto, tamanho), de sorte
que, de modo que, sem que, senão tão (tanto, tamanho, tal), etc.

Pedro levou tamanho susto que desmaiou.


A dor era tanta que ele preferiu ir ao hospital.

• Proporcionais: expressam proporção. As principais conjunções são: quanto mais ... tanto mais, quanto menos, tanto menos,
à medida que, à proporção que, quanto mais ... mais, quanto mais ... menos, quanto menos ... mais, etc.

Quanto mais reclamava menos atenção recebia.


À medida que se aproximava da casa, ficava mais nervoso.

• Integrantes: completam o sentido da primeira oração. As conjunções são: que, se, como.

Convém que você esteja no escritório hoje.


Não sei se irei ao teatro.

Locução Conjuntiva

São duas ou mais palavras que têm valor de conjunção. Geralmente é constituída de que precedido de advérbio, preposição ou
particípio.

visto que já que se bem que


ainda que desde que por mais que
a menos que de modo que por menos que
à medida que uma vez que à proporção que
no entanto por conseqüência posto que
194 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
EXERCÍCIOS

1) Leia o poema abaixo:

O lutador

Lutar com palavras


é a luta mais vã.
Entanto lutamos
mal rompe o amanhã. Carlos Drummond de Andrade.Obra Completa.
São muitas, eu pouco. Rio de janeiro, Aguilar, 1967.

No poema de Carlos Drummond de Andrade há:


a) duas conjunções coordenativas.
b) uma conjunção coordenativa adversativa e uma conjunção subordinativa temporal.
c) duas conjunções subordinativas.
d) uma conjunção coordenativa aditiva e uma conjunção subordinativa consecutiva.
e) uma conjunção subordinativa temporal e uma conjunção subordinativa concessiva.

2) Na oração: "Já que você prefere ficar em casa, vou ao cinema sozinho", a locução conjuntiva destacada é:
a) subordinativa final
b) subordinativa condicional
c) subordinativa causal
d) subordinativa consecutiva
e) subordinativa comparativa

3) Observe a tira de Mauricio de Sousa:

Na oração: "Quando você olha para o céu...", há uma conjunção:


a) coordenativa adversativa
b) subordinativa concessiva
c) coordenativa alternativa
d) subordinativa temporal
e) subordinativa causal

4) Há conjunção integrante na oração:


a) Quanto mais estudo menos entendo.
b) Veja se tudo está arrumado.
c) O preço dos alimentos estava tão alto que não comprei nada.
d) Não há nada demais se você falar.
e) Esqueci o dinheiro, logo, não pude pagar as contas.

5) Assinale a alternativa que possui valor expressivo de concessão.


a) Venceremos o concurso ainda que haja pessoas que lutem contra isso.
b) Ele nunca pensou como o patrão.
c) Ela não reclamou embora tivesse razão.
d) Mal entrei em casa, o telefone tocou.
e) Todos queriam saber como ele havia chegado ao aeroporto.

6) Há uma conjunção coordenativa explicativa na alternativa:


a) A verdade é que nós não sabíamos o que havia acontecido.
b) Assim que a professora começou a aula, todos ficaram quietos.
c) Saia daí, que é perigoso.
d) Estava tão escuro que não pude ver o carro.
e) Gritou para que todos olhassem.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 195
7) Na oração: "À medida que o tempo passava, ficávamos mais nervosos", há uma locução conjuntiva indicativa de:
a) concessão
b) proporção
c) comparação
d) finalidade
e) consequência

8) (FUVEST-SP) Nas frases abaixo, cada espaço pontilhado corresponde a uma conjunção retirada.

1. "Porém já cinco sóis eram passados ........ dali nos partíramos.


2. ....... estivesse doente faltei à escola.
3. ....... haja maus nem por isso devemos descrer dos bons.
4. Pedro será aprovado........ estude.
5. ......... chova sairei de casa.

As conjunções retiradas são, respectivamente:


a) quando, ainda que, sempre que, desde que, como.
b) que, como, embora, desde que, ainda que.
c) como, que, porque, ainda que, desde que.
d) que, ainda que, embora, como, logo que.
e) que, quando, embora, desde que, já que.

9) Assinale o período em que ocorre a mesma relação significativa indicada pelos termos destacados em "A
(Cesgranrio-RJ)
atividade científica é tão natural quanto qualquer outra atividade econômica".

a) Ele era tão aplicado, que em pouco tempo foi promovido.


b) Quanto mais estuda, menos aprende.
c) Tenho tudo quanto quero.
d) Sabia a lição tão bem como eu.
e) Todos estavam exaustos, tanto que se recolheram logo.

10) "Podem acusar-me: estou com a consciência tranqüila."


(FUVEST-SP)
Os dois-pontos ( : ) do período acima poderiam ser substituídos por vírgula, explicitando-se o nexo entre as duas
orações pela conjunção:
a) portanto
b) e
c) como
d) pois
e) embora

11) (PUCC-SP) Assinale a alternativa correspondente à frase em que ocorre uso incorreto de conjunção.
a) O homem criou a máquina para facilitar sua vida, e contudo ela correspondeu a essa expectativa.
b) Diga-lhe que abra logo a porta, que eu estou com pressa.
c) Ele tinha todas as condições para representar bem os colegas; nem todos lhe reconheciam os méritos, porém.
d) O problema é que ainda não se sabe se ele agiu conforme as normas da empresa.
e) Ao perceber o que tinham feito com seus livros, gritou que parecia um louco.

12) (PUC-SP) Nos trechos: "Vejo três meninas caindo rápidas, enfunadas, como se dançassem inda" e "... e a prima-dona com a longa cauda de
lantejoulas riscando o céu como um cometa", as palavras sublinhadas expressam, respectivamente, ideias de:
a) comparação, objeto
b) modo, origem
c) modo, comparação
d) comparação, instrumento
e) consequência, consequência

13) (VUNESP-SP)..... a esposa estar, há muito tempo, longe de casa, o marido não sente sua falta, ..... se rodeia de amigos, ..... comemorar sua
liberdade.
Observando a coerência na indicação das circunstâncias, assinalar a alternativa que preenche adequadamente as
colunas.
a) em razão de; à proporção que; para
b) apesar de; já que; a fim de
c) na hipótese de; desde que; por
d) não obstante; quando; sem
e) no caso de; conforme; de modo a

14) Assinale a alternativa onde existe uma conjunção condicional:


(Fac. Brás Cubas-SP)
a) Não sei se vou conseguir chegar lá.
b) Perguntou-me se eu poderia terminar o trabalho.
c) Se houvesse tempo eu terminaria o trabalho.
d) Ele se desculpou pela falta cometida.
e) Queria saber se eu o ajudaria.
196 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
15) Assinale a alternativa onde o como é conjunção causal:
(Fac. Brás Cubas-SP)
a) Fiz como você pediu.
b) Como chovesse, não pudemos sair de casa.
c) Ele agiu como se fosse o chefe.
d) Como vai você? - perguntou-me ele.
e) Como fosse mentiroso, ninguém creu nele.

RESPOSTAS

1-B 2-C 3-D 4-B 5-A

6-C 7-B 8-B 9-D 10-D

11-A 12-C 13-B 14-C 15-B

Palavras

Olhe!
Credo!
Nossa!
Indo para a roça?
Isso não importa, há coisas mais importantes
Cores
Cores, o que são cores?
Adjetivo ou substantivo?
Isso muda de acordo com o conhecimento
Ou com o texto
Um, dois, três
Música toque outra vez
Pois o numeral entrou na vida de vocês.
Nossa!
Credo!
Puxa!
Olhe a interjeição
Passeando junto com a bruxa
A bruxa dos sonhos de fada
Que dança embalada
Embalada, embalada, o que é?
Adjetivo, Zé
Zé, Zé o que é?
Substantivo, Rita
E Rita?
Zé, não irrita, você não sabe
Que Rita é nome próprio como

Mané
Maria José?

Projeto Ipê.Isso se aprende com o Ciclo Básico. Secretaria da Educação da Estado de São Paulo.

Nos versos acima, as palavras Olhe! Credo! Nossa! Puxa! que expressam emoções, indicando advertência, desaprovação e
espanto ou admiração, respectivamente, são chamadas de interjeição.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 197
Para Evanildo Bechara, interjeição “é a expressão com que traduzimos os nossos estados emotivos. Têm elas existência autônoma
e, a rigor, constituem por si verdadeiras orações. Em certas situações, algumas podem estabelecer relações com outra unidade e com
elas constituir unidades complexas. Acompanham-se de um contorno melódico. Pode, entretanto, assumir papel de unidades
interrogativo-exclamativas e de certas unidades próprias do chamamento, chamadas vocativos, e ainda por unidades verbais, como
é o caso do imperativo.”

Bechara ainda assinala que as interjeições se repartem em quatro tipos:

a) Certos sons vocálicos que na escrita se representam de maneira convencional: ah!, oh!, hum!; o h no final pode marcar uma
aspiração, alheia ao sistema do português;

b) Palavras já correntes na língua como: olá!, puxa!, bolas!, bravo! (com contorno melódico exclamativo);

c) Palavras que procuram reproduzir ruídos de animais ou de objetos, ou de outra origem, como: clic (clique), tic-tac
(tique-taque), pum!;

d) Locuções interjetivas: ai de mim!, cruz credo!, valha-me Deus!.

Locução Interjetiva

São duas ou mais palavras com valor de interjeição.

Ai de mim! Como sofro nesta vida.

Graças a Deus! Ele voltou.

Classificação das Interjeições

• Advertência: alerta!, cuidado!, calma!, sentido!, atenção!, devagar!, olha lá!, etc.

• Afugentamento: fora!, passa!, rua!, xô!, arreda!, sai!, cai fora!, etc.

• Alegria ou satisfação: oh!, ah!, oba!, viva!, etc.

• Alívio: arre!, ufa! uf!, ah!, etc.

• Animação ou estímulo: vamos!, força!, coragem!,eia!, ânimo!, adiante!,firme!, toca!, avante!, etc.

• Aplauso ou aprovação: bravo!, bis!, apoiado!, viva!, boa!, etc.

• Repulsa ou desaprovação: credo!, irra!,ih!,livra!, safa!, fora!, abaixo!, francamente!, chega!, basta!, ora!, etc.

• Desejo ou intenção: tomara!, oxalá!, quem me dera!, etc.

• Desculpa: perdão!, mil desculpas!, etc.

• Dor ou tristeza: ai!, ui!, eh!, etc.

• Espanto ou admiração: oh!, ah!, puxa!, quê!, caramba!, nossa!, hem?!, hein?!, céus!, opa!, uai!, etc.

• Pedido de auxílio: socorro!, aqui!, piedade!, valha-me Deus!, etc.

• Saudação, chamamento ou invocação: salve!, viva!, adeus!, olá!, ei!,tchau!, ô, ó, psiu!, alô!, etc.

• Silêncio: psiu!, silêncio!, bico calado!, etc.

• Terror ou medo: credo!, cruzes!, uh!,oh!, ui!, Jesus!, etc.

• Agradecimento: grato!, obrigado!, muito obrigado!, etc.


198 = Morfologia LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
• Pena: coitado!, que peninha!,pobre dele!, etc.

Observações:

a - Algumas palavras de outras classes podem funcionar como interjeição: Abaixo!, Ande!, etc.

b - Na escrita, as interjeições ô e ó devem ser distintas da interjeição de alegria ou tristeza oh!:

Ô João, venha cá! Oh, coitado!

c - As interjeições onomatopeicas servem para imitar sons: Blaf!, Bam!, Atchin!, etc.

d - As interjeições advindas de outras classes de palavras podem flexionar no diminutivo ou no superlativo: Adeusinho!,
Calminha!, Obrigadinho!

e - Geralmente, a interjeição termina com o ponto-de-exclamação e raramente por vírgula.

EXERCÍCIOS

1) Observe o poema-síntese abaixo:

Canção do exílio facilitada

Lá?
Ah!
Sabiá...
Papá...
Mamá...
Sofá...
Sinhá...
Cá?
Bah! Paes, José Paulo. Um por todos - Poesia reunida. São Paulo, Brasiliense, 1986. p. 67.

As interjeições Ah! e Bah! expressam:


a) felicidade e terror
b) espanto e saudação
c) terror e pena
d) felicidade e infelicidade
e) dor e gratidão

2) Observe a tira de Ziraldo:

A interjeição usada pelo menino maluquinho expressa:


a) silêncio
b) chamamento
c) animação
d) alegria
e) alívio
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Morfologia = 199
3) Assinale a alternativa que possui uma interjeição que expressa admiração:
a) Ora! Não quero que vá ao encontro.
b) Psiu! Mamãe está dormindo.
c) Calma! Você está muito nervoso.
d) Nossa! Como você está bonita.
e) Credo! Que coisa feia.

4) Assinale a alternativa que possui uma locução interjetiva:


a) Meu Deus! Como vamos sair daqui.
b) Oba! Começaram as férias.
c) Oi! Tudo bem?
d) Cuidado! O cão é bravo.
e) Caramba! Quanto dinheiro.

5) Na oração: "Parabéns! Você merece nota dez", a interjeição expressa:


a) desejo b) dúvida c) aplauso d) invocação e) contrariedade

6) (FMU-SP)"Viva o povo brasileiro!". O termo grifado, além de verbo, pode ser:


a) uma conjunção
b) um advérbio
c) uma interjeição
d) um aposto
e) uma preposição

7) (Unimep-SP) Examine as frases abaixo arroladas e, a seguir, analise as situações expressas pelas interjeições.
I - "Oh, a mulher amada é como a onda sozinha..." (Vinícius de Moraes)
II - "Ih, como é difícil entender essa gente!" (Lygia Fagundes Telles)
III - "Viva eu, viva tudo, viva o Chico barrigudo!" (popular)
a) espanto - espanto - admiração
b) admiração - aborrecimento - alegria
c) advertência - zelo - alívio
d) admiração - zelo -alegria
e) n.d.a.

8) (ESPM-SP) Substituindo as expressões em destaque nas frases abaixo, o que se pode obter?
I - Levei um grande susto! Quase fui atropelado!
II - Que desagradável, lá vem ele de novo...
III - Preste atenção, o guarda pode multar.
a) Opa - Puxa - Oh
b) Opa - Xi - Céus
c) Caramba - Xi - Alerta
d) Quê - Xi - Cuidado
e) n.d.a.

9) (FAAP-SP) Identifique em qual alternativa há erro quanto ao significado das locuções interjetivas:
a) Ai, meu São Benedito! = apelo
b) Vixe, que quarto sujo! = lástima
c) Tomara que você viaje! = desejo
d) Puxa, que fiteira! = espanto
e) n.d.a.

10) (UFScar-SP) Em qual das alternativas a palavra em destaque indica um estado emotivo e é interjeição?
a) Mundo louco, dias vãos...
b) Arre! Como foi acontecer isso!
c) Nossa Senhora das Graças, agradeço-vos.
d) Meu pai, meu irmão, os meus eram fracos, fracos...
e) n.d.a.
RESPOSTAS

1-D 2-B 3-D 4-A 5-C

6-C 7-B 8-C 9-B 10-C


200 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
9) (FAAP-SP) Identifique em qual alternativa há erro quanto ao significado das locuções interjetivas:
a) Ai, meu São Benedito! = apelo
b) Vixe, que quarto sujo! = lástima
c) Tomara que você viaje! = desejo
d) Puxa, que fiteira! = espanto
e) n.d.a.

10) (UFScar-SP) Em qual das alternativas a palavra em destaque indica um estado emotivo e é interjeição?
a) Mundo louco, dias vãos...
b) Arre! Como foi acontecer isso!
c) Nossa Senhora das Graças, agradeço-vos.
d) Meu pai, meu irmão, os meus eram fracos, fracos...
e) n.d.a.

RESPOSTAS

1-D 2-B 3-D 4-A 5-C

6-C 7-B 8-C 9-B 10-C

Sintaxe

A sintaxe trata das relações que as palavras estabelecem entre si nas orações e das relações que se estabelecem entre as orações
nos períodos.

Sabemos que, para transmitir ideias não basta jogar as palavras simplesmente. Elas se organizam e se relacionam de acordo com
algumas regras. Para compreender melhor como as palavras se estruturam utilizamos a análise sintática. Portanto, a análise
sintática estuda as funções da palavra na oração e também as funções da oração no período. São três as noções básicas para o estudo
da análise sintática: frase, oração e período.

Veja os quadrinhos:
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 201

Frase

Observe na primeira fala do Cebolinha que para expressar o que estava querendo ou sentindo, ele combinou as palavras de uma
forma que estabelecesse uma comunicação com a Mônica: "Espere aí, Mônica! Vamos resolver nossas diferenças dum jeito inteligente".
Esse conjunto de palavras organizadas e com sentido completo constitui uma frase. Quando a Mônica diz: "Tudo bem! Como?",
também está produzindo frases. A frase pode ser curta ou longa; pode ou não conter verbo.

Frase é uma palavra ou um conjunto de palavras que tem sentido completo.

Tipos de Frase

Há vários tipos de frases, dependendo do sentido que transmitem. Observe:

a - declarativas: são aquelas que informam ou declaram alguma coisa. Podem ser afirmativas ou negativas.

Ele viu alguém parado no portão.


Ele não viu ninguém parado no portão.

b - interrogativas: são aquelas que apresentam uma pergunta para se obter alguma informação. A interrogação pode ser direta ou
indireta.

Ele viu alguém parado no portão?


Quero saber se ele viu alguém parado no portão.

c - imperativas: são aquelas que apresentam ordens, pedidos ou conselhos. Podem ser afirmativas ou negativas.

Veja se há alguém parado no portão.


Não esqueça a chave de casa.

d - exclamativas: são aquelas que expressam admiração, surpresa, espanto ou emoção.

"Espere aí, Mônica!"


Há alguém parado no portão!

e - optativas: são aquelas que exprimem desejo. Geralmente, têm o verbo no subjuntivo.

Deus te abençoe!
Tomara que vocês sejam felizes.

Oração

Oração é a frase que se estrutura em torno de um verbo ou de uma locução verbal.

Nossos jogadores têm muita habilidade.


9
verbo

"Vamos resolver nossas diferenças..."


9
locução verbal

Quando um conjunto de palavras, com sentido, não possui verbo, não é oração, e sim frase.

"Tudo bem! Como? (desde que esteja dentro de um contexto, como por exemplo, os quadrinhos da Mônica)

Na oração as palavras se inter-relacionam, formando um conjunto. Elas são os termos da oração, sendo que cada uma
desempenha uma função sintática. A oração é constituída, geralmente, de dois elementos: sujeito e predicado.

Dependendo da importância que os termos têm na oração, eles se classificam em essenciais, integrantes e acessórios.
202 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Núcleo de um termo

Núcleo de um termo é a palavra mais importante, que traz a essência da significação desse termo.

Minha bicicleta nova custou muito.


9 9
núcleo núcleo
do sujeito do predicado

Período

Período é a frase constituída de uma ou mais orações.

Dependendo da quantidade de orações que apresenta, o período é classificado em:

• Simples - constituído por uma única oração, chamada absoluta.

"Com as lágrimas do tempo


E a cal do meu dia
Eu fiz o cimento
Da minha poesia [...]"
(Vinicius de Moraes)

• Composto - constituído por duas ou mais orações.

"Invejo o ourives quando escrevo [...]"


(Olavo Bilac)

EXERCÍCIOS

1) Assinale a alternativa incorreta quanto ao tipo de frase:


a) Venha aqui, por favor! - frase imperativa
b) Como tenho trabalhado ultimamente! - frase exclamativa
c) O que faremos agora? - frase interrogativa
d) Ele não se comportou bem na aula. - frase optativa
e) Quero descansar um pouco. - frase declarativa

2) Assinale a alternativa em que a palavra ou expressão destacada constitui uma frase.


a) Este dia está muito frio.
b) O frio prejudica as plantações.
c) "Fogo destrói galpão em Guarulhos-SP".
d) Fogo! - gritavam os moradores daquele prédio.
e) Hoje de manhã coloquei água para o passarinho.

3) Assinale o único período simples.


a) Desculpe-me por não ter ido a sua festa de aniversário.
b) Não me interrompa mais com assuntos tão fúteis!
c) Você viu quem fez isto?
d) Sonhei que estava voando sobre a cidade.
e) João bebeu, cantou, dançou e caiu.

4) Assinale o único período composto.


a) Meu telefone está quebrado desde ontem.
b) No próximo ano elegeremos o prefeito de nossa cidade.
c) Olhei tudo, mas não comprei nada.
d) Aconteceram coisas estranhas naquele dia.
e) Preciso estudar matemática.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 203
5) Nas frases abaixo há em uma alternativa uma palavra que não constitui núcleo. Aponte-a:
a) Meu amigo irlandês chega hoje ao Brasil.
b) O passarinho fugiu da gaiola.
c) Os alunos foram dispensados.
d) Perdi seu endereço.
e) Aquela casa antiga é muito estranha.

RESPOSTAS

1-D 2-D 3-B 4-C 5-E

Sintaxe do Período Simples

O estudo da sintaxe do período simples baseia-se na investigação das várias funções que as palavras desempenham quando se
organizam em orações. Observe o poema:

Nos quartos da casa


moram os fantasmas
dos avós
inquilinos. Mais
que a gente, têm medo
de ficar sós.

MOTA, Mauro. Itinerário. Rio de Janeiro: José Olympio, 1975.

No poema acima, podemos distinguir duas estruturas: "os fantasmas dos avós inquilinos" e "moram nos quartos da casa". A primeira
é representada por um substantivo (fantasmas) exercendo uma função substantiva: a de sujeito; a segunda é representada por um
verbo exercendo a função de predicado, é formado por um núcleo (moram).

A palavra ou grupo de palavras que desempenha uma função na oração é chamado de termo da oração.

Os termos que estruturam uma oração podem ser essenciais, integrantes e acessórios. Veja o quadro abaixo:

Sujeito
Essenciais Predicado / Predicativo
Complementos verbais
Integrantes Complemento nominal
Agente da passiva
Adjunto adnominal
Acessórios Adjunto adverbial
Aposto
Vocativo

Termos essenciais da oração

A NGB (Nomenclatura Gramatical Brasileira) considera como termos indispensáveis para a formação das orações o sujeito e o
predicado.

Mário de Andrade escreveu Macunaíma.


9 9
sujeito predicado
204 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Entretanto, podemos ter orações constituídas apenas de predicado.
Chove muito no Amazonas.
9
predicado

Sujeito e Predicado

O ser de quem se informa algo denomina-se sujeito. A informação a respeito de alguém ou de alguma coisa recebe o nome de
predicado.

Observe a primeira fala na tira de Hagar:

Na oração "Os construtores de telhado estão aqui!", temos o ser de quem se informa algo (Os construtores de telhado), que é o
sujeito; e a informação propriamente dita (estão aqui!), que é o predicado.

Sujeito

O sujeito é o termo que estabelece concordância com o verbo em número e pessoa.

Tu trabalhas muito.
9 9
sujeito verbo
(2ª pessoa (2ª pessoa
do singular) do singular)

Maria trabalha muito


9 9
sujeito verbo
(3ª pessoa (3ª pessoa
do singular) do singular)

Maria e Alice trabalham muito.


9 9
sujeito verbo
(3ª pessoa (3ª pessoa
do plural) do plural)

A relação entre as classes de palavras e suas possíveis funções sintáticas recebe o nome de morfossintaxe. Sob a ótica da
morfossintaxe, o sujeito é função sintática exercida pelas seguintes categorias gramaticais:

! Substantivo: O trem partiu às duas horas.

! Pronome substantivo: Todos assistiram àquela cena.

! Numeral substantivo: Ambos falaram a verdade.

! Palavras substantivadas: Os bons serão recompensados.


9
adjetivo substantivado
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 205
Amar é perigoso.
9
verbo substantivado

! Oração substantiva: É indispensável que você vá à festa.


(A sua ida à festa é indispensável)
9
sujeito

Núcleo do Sujeito

Quando o sujeito é expresso por mais de uma palavra, existirá sempre uma de maior importância semântica, em torno da qual
giram as demais que com ela se relacionam. A essa palavra mais importante dá-se o nome de núcleo do sujeito.

Cinco caças americanos cruzaram o céu do Iraque.


9
núcleo do sujeito

Meus velhos amigos sempre se lembram de mim.


9
núcleo do sujeito

Observação: O sujeito pode aparecer no início, no meio ou no final da oração.

• Quando aparece no início, seguido do predicado, os termos da oração então em ordem direta.

O presidente e sua comitiva embarcam para a Europa no próximo domingo.


9
sujeito no início

• Quando aparece no meio ou no final, os termos da oração estão em ordem inversa.

Embarcam para a Europa o presidente e sua comitiva no próximo domingo.


9
sujeito no início

Embarcam para a Europa no próximo domingo o presidente e sua comitiva.


9
sujeito no final

Tipos de Sujeito

O sujeito das orações da língua portuguesa pode ser: determinado ou indeterminado. Há ainda orações formadas sem sujeito.

O sujeito é determinado quando se pode identificar com precisão a partir da concordância verbal. Classifica-se em:

• determinado simples - aquele que apresenta um único núcleo.

A direção do colégio suspendeu o aluno.


9
núcleo

Corta as ondas o velho batel.


9
núcleo

• determinado composto - aquele que apresenta mais de um núcleo.

"Trem e metrô não funcionam amanhã."


9 9
núcleo núcleo
206 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
"Vasco, Palmeiras e Grêmio estão classificados para a próxima fase."
9 9 9
núcleo núcleo núcleo

• determinado oculto ou elíptico - aquele que não está expresso na oração, mas pode ser facilmente identificado na forma verbal ou
no contexto.

(eu) Encontrei meu amigo no bar.


9 9
(sujeito oculto) predicado

(nós) Faltamos à reunião ontem.


9 9
(sujeito oculto) predicado

O sujeito é indeterminado quando não se pode ou não se quer identificar a quem o predicado da oração se refere. O sujeito
indeterminado ocorre em dois casos:

• com o verbo na 3ª pessoa do plural.

Roubaram a minha carteira.


Estão me chamando na recepção.

• com o verbo na 3ª pessoa do singular, acompanhado do pronome se que atua como índice de indeterminação do sujeito.

Precisa-se de professores de Matemática.


Come-se bem neste restaurante.

Oração sem sujeito

Formada apenas por predicado, expressa um fato que não é atribuído a nenhum ser. Os verbos são chamados de impessoais.
A oração sem sujeito ocorre nas seguintes circunstâncias:

• verbos que exprimem fenômenos da natureza como anoitecer, chover, nevar, ventar, amanhecer, etc.

Choveu muito ontem à noite.


Já está amanhecendo.

Quando usados de forma figurada (comparativa), esses verbos podem ter sujeito determinado.

Chovem oportunidades para aquele jovem executivo.


9
sujeito determinado simples

• os verbos fazer, haver, ser e estar indicando ideia de tempo cronológico ou fenômeno natural.

Faz três dias que ela partiu.


Faz muito calor em Cuiabá.
Deve fazer uns dois meses que esta rua está bloqueada.
Há anos não passava por aqui.
Era uma noite maravilhosa.
Eram duas e quarenta e cinco.
Está frio hoje.

• O verbo haver no sentido de existir.

Há poucos carros no estacionamento.


Deve haver algumas ferramentas na garagem.

O verbo haver, neste caso, é muitas vezes substituído pelo verbo ter, mas mesmo assim, a oração continua sem sujeito.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 207
Tem muitas pessoas naquela festa.

O verbo existir não é impessoal, ele possui sujeito expresso na oração, concordando com ele.

Havia vinte e duas pessoas aprovadas no concurso.


9
oração sem sujeito

Existiam vinte e duas pessoas aprovadas no concurso.


9
sujeito

Predicado

Já vimos anteriormente que o predicado é tudo aquilo que se informa a respeito do sujeito. O núcleo informativo de um
predicado pode ser um verbo ou um nome. Há, também, predicados que têm ao mesmo tempo como núcleos um verbo e um nome.

Predicação verbal

A predicação verbal trata do modo pelo qual os verbos formam o predicado, isto é, se exigem ou não complementos.

Quanto à predicação, os verbos classificam-se em intransitivos, transitivos e de ligação.

1 - verbos intransitivos

São aqueles que trazem em si a ideia completa da ação, sem necessitar de outro termo para completar o seu sentido, ou seja, sua
ação não transita.

O bebê chorou.
9 9
sujeito verbo
intransitivo

O inverno chegou.
9 9
sujeito verbo
intransitivo

As folhas caem.
9 9
sujeito verbo
intransitivo

O verbo intransitivo pode aparecer acompanhado de palavras ou expressões indicativas de lugar, tempo, modo, intensidade, etc.

O bebê chorou muito.


9 9
verbo ideia de intensidade
intransitivo

As folhas caem no outono.


9 9
verbo ideia de tempo
intransitivo

2 - verbos transitivos

São aqueles que não trazem em si a ideia completa da ação, necessitando de um outro termo para completar o seu sentido, ou seja,
sua ação transita. Por completar o sentido de um verbo, esse outro termo é um complemento verbal ou objeto.
208 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Meu irmão comprou um carro novo.
9 9 9
sujeito verbo complemento
transitivo verbal

Nós cremos em Deus.


9 9 9
sujeito verbo complemento
transitivo verbal

O verbo transitivo pode ser:

• transitivo direto: É aquele que necessita de um complemento sem preposição. A esse complemento dá-se o nome de objeto direto.

Ele leu a revista.


9 9
verbo objeto direto
transitivo
direto

• transitivo indireto: É aquele que necessita de um complemento ligado por uma preposição. A esse complemento dá-se o nome de
objeto indireto.

Acreditamos em Deus.
9 (prep.) 9
verbo objeto indireto
transitivo
indireto

• transitivo direto e indireto: É aquele que necessita de dois complementos: um regido de preposição (objeto indireto) e outro sem
preposição (objeto direto) ou vice-versa.

O aluno ofereceu flores à professora.


9 9 9
verbo objeto objeto
transitivo direto indireto
direto e indireto

3 - verbos de ligação
São aqueles que não expressam ideia de ação, servindo apenas como elemento de ligação entre o sujeito e um termo que expressa
qualidade ou estado desse mesmo sujeito. Os principais verbos de ligação são: ser, estar, parecer, permanecer, ficar, andar, continuar.

O termo que se refere ao sujeito é chamado de predicativo do sujeito.

As flores estão lindas.


9 9 9
sujeito verbo predicativo do sujeito
de ligação

O professor anda preocupado.


9 9 9
sujeito verbo predicativo do sujeito
de ligação

Predicativo

É o termo da oração que indica uma característica atribuída ao sujeito ou ao objeto por meio de um verbo qualquer, principalmente
por um verbo de ligação.

O réu é culpado.
O juiz considera o réu culpado.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 209
O predicativo classifica-se em:

• predicativo do sujeito
É o termo da oração que indica qualidade ou estado do sujeito. A ele se liga por meio de um verbo de ligação e, algumas vezes,
através de outro tipo de verbo.

Tudo parece calmo.


9 9 9
sujeito verbo predicativo do sujeito
de ligação

O professor acordou preocupado.


9 9 9
sujeito verbo predicativo do sujeito
intransitivo

• predicativo do objeto

É o termo da oração que indica qualidade ou estado do objeto.

Achamos o ambiente saudável.


9 9 9
verbo objeto direto predicativo do objeto
transitivo direto

Chamei- lhe de egoísta.


9 9 9
verbo objeto predicativo do objeto
transitivo indireto
indireto

Classificação do Predicado

O predicado classifica-se em verbal, nominal e verbo-nominal.

• predicado verbal: É aquele cujo núcleo é um verbo ou locução verbal que indica ação. É formado por um verbo intransitivo ou
por um verbo transitivo e seus objetos.

O pai chegou cedo.


9
verbo intransitivo

Comprei uma casa na praia.


9 9
verbo objeto direto
transitivo direto

Assistimos ao filme.
9 9
verbo objeto indireto
transitivo
indireto

Informamos o endereço ao turista.


9 9 9
verbo objeto direto objeto indireto
transitivo
direto e indireto

• Predicado nominal: É aquele cujo núcleo é um nome (substantivo, adjetivo ou pronome), ligado ao sujeito por um verbo de
ligação.
210 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
A rua é estreita. O céu continua escuro.
9 9
predicado nominal predicado nominal

O núcleo do predicado nominal é o predicativo do sujeito. Nos exemplos acima, estreita e escuro são predicativos do sujeito.

• Predicado verbo-nominal: É aquele constituído de dois núcleos ao mesmo tempo: um verbo (intransitivo ou transitivo) e um
nome (predicativo do sujeito ou do objeto)

O rapaz chegou cansado do trabalho.


9 9
VI PS = predicado verbo-nominal

Encontrei a professora abatida.


9 9 9
VTD OD PO = predicado verbo-nominal

EXERCÍCIOS

1) Assinale a informação incorreta sobre o sujeito:


a) Sujeito e predicado são indispensáveis para a formação de orações.
b) O sujeito estabelece concordância com o verbo em número e pessoa.
c) A palavra mais importante do sujeito é chamada de núcleo.
d) O sujeito pode aparecer no início, no meio ou no final da oração.
e) Quando o sujeito aparece no final da oração, diz-se que a oração está em ordem direta.

2) Assinale a oração em que está expresso apenas o predicado:


a) Aconteceu um fato estranho ali.
b) Passou-me uma ideia maravilhosa pelo pensamento.
c) O dia amanheceu ensolarado.
d) Chove muito nesta época do ano.
e) Existem quinze macacos neste zoológico.

3) O tipo de sujeito dos verbos destacados está incorreto na alternativa:


a) Tem dias que a gente se sente desanimado. Oração sem sujeito
b) Vamos sair hoje à noite? Indeterminado
c) Reuniram-se com o diretor o gerente e os funcionários. Determinado composto
c) Ganhei cem reais no bingo. Determinado oculto
e) Isto faz mal para a saúde. Determinado simples

4) Encontramos verbo transitivo direto na alternativa:


a) O vento parece forte lá fora.
b) O navio afundou com uma tonelada de soja.
c) Não me oponho ao seu casamento.
d) A chegada do atleta foi emocionante.
e) O monge acendeu as velas do corredor.

5) O tipo de predicado está correto na alternativa:


a) Contaram a verdade ao iludido pai. Predicado nominal
b) Todos ansiavam por aquele momento. Predicado verbo-nominal
c) O trem está atrasado. Predicado verbal
d) O velho prédio foi demolido. Predicado verbal
e) Os homens julgam as mulheres inconstantes. Predicado nominal
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 211
6) Assinale o item em que o substantivo destacado não exerce a função de sujeito:
a) Havia uma solução para o caso.
b) Não se pode derrubar esta árvore.
c) A chuva alagou meu bairro.
d) Existem alguns problemas neste departamento.
e) Na discussão, o pai revelou toda a verdade.

7) I. O professor anda triste.


II. O professor anda vagarosamente.

a) O predicado é verbal em I e II.


b) O predicado é nominal em I e verbal em II.
c) O predicado é verbal em I e nominal em II.
d) O predicado é verbo-nominal em I e II.
e) O predicado é nominal em I e II.

8) Observe as seguintes orações:

I.Vive-se bem naquele país.


II.Nesta escola ensinam informática aos alunos.
III.Colaram na prova de Matemática.

O sujeito está indeterminado:


a) somente na I.
b) somente na II.
c) na I e na III.
d) na II e na III.
e) nas três orações.

9) Em "O vaso caiu na calçada.", o verbo caiu é:


a) de ligação
b) intransitivo
c) transitivo direto
d) transitivo indireto
e) transitivo direto e indireto

10) "Encontraram intacta a caixa-preta do avião." Sintaticamente o termo destacado é:


a) objeto direto
b) predicativo do sujeito
c) predicativo do objeto
d) objeto indireto
e) sujeito determinado simples

11) Há ordem inversa na alternativa:


a) Devagar vinha o ônibus.
b) Quem fala de ti?
c) Meu amigo Gabriel toca bateria.
d) Perdi o endereço.
e) Verde e vermelho são minhas cores favoritas.

12) Assinale a única alternativa em que o verbo não é de ligação:


a) A situação permanece estável.
b) A rua continua escura.
c) A carteira estava no balcão.
d) O torcedor colorado ficou contente com seu time.
e) Aquele filme é polêmico.

13) Assinale a alternativa em que o termo destacado não é predicativo do objeto:


a) Chamaram o jogador de violento.
b) Consideram neutra a posição do juiz.
c) A nota deixou triste o aluno.
d) Sua atitude deixou o pobre homem feliz.
e) O trem chegou atrasado à estação da Luz.
212 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
14) Assinale a alternativa em que o termo destacado não é predicativo do sujeito:
a) Wagner estava furioso.
b) Cheguei ofegante à porta da escola.
c) Acho sua atitude imperdoável.
d) Mário morreu pobre.
e) É inevitável esse acontecimento.

15) Há predicado verbo-nominal na alternativa:


a) Os alunos estavam cansados.
b) Os garotos saíram do cinema assustados.
c) Pedro ficou satisfeito.
d) A chuva continua forte.
e) Tu és linda!

16) (PUC-PR) Assinale a alternativa que contém uma oração sem sujeito:
a) No momento, doem-me muito os dentes.
b) Para alguns, ainda havia esperança.
c) Lentamente chegava a noite.
d) Na repartição, existiam muitos documentos secretos.
e) Nada se fazia de proveitoso.

17) (PUC-SP) Indique a alternativa correta no que se refere ao sujeito da oração "Da chaminé da usina subiam para o céu nuvens de
fumaça".
a) Simples, tendo por núcleo chaminé.
b) Simples, tendo por núcleo nuvens.
c) Composto, tendo por núcleo nuvens de fumaça.
d) Simples, tendo por núcleo fumaça.
e) Simples, tendo por núcleo usina.

18) (UM-SP) O sujeito é simples e determinado em:


a) Há somente um candidato ao novo cargo, doutor?
b) Vive-se bem ao ar livre.
c) Na reunião de alunos, só havia pais.
d) Que calor, filho!
e) Viam-se eleitores indecisos durante a pesquisa.

19) (PUC-PR) Sobre o exemplo: "A lua brilhou alegre no céu", afirmamos:

I. O verbo brilhar é intransitivo.


II. O verbo brilhar é transitivo direto.
III. O verbo brilhar é transitivo indireto.
IV. O predicado é nominal.
V. O predicado é verbal.
VI. O predicado é verbo-nominal.

a) Estão corretas I e VI.


b) Estão corretas I e V.
c) Estão corretas II e V.
d) Está correta apenas IV.
e) Estão corretas III e VI.

20) (FEI-SP) Assinale a alternativa que apresenta predicado verbal:


a) "A pombinha (...) arrulhava, humilhada e ofendida com o atraso..."
b) "... gritavam esganadas as gaivotas do mar pardo do mercado."
c) "Irônica, perguntou a pomba."
d) "... disse o pombo gravemente."
e) "... que era um crime voar..."

21) (FEI-SP) Assinale a alternativa em que o termo destacado tenha a função de predicativo do sujeito:
a) "Eu sob a copa da mangueira altiva"
b) "Não sentiram meus lábios outros lábios"
c) "Do tamarindo a flor jaz entreaberta"
d) "Já solta o bogari mais doce aroma"
e) "Melhor perfume ao pé da noite exala"
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 213
22) (PUC-SP) No período

"As águias e os astros amam esta região azul, vivem nesta região azul, palpitam nesta região azul."

temos:
a) um predicado verbal e dois verbo-nominais, havendo, nos dois últimos, o complemento predicativo do objeto.
b) três predicados verbais, sendo que, no primeiro, o complemento é o objeto direto, e, nos dois últimos, o objeto indireto.
c) três predicados verbo-nominais, havendo, no último, o complemento predicativo do objeto.
d) três predicados verbais, havendo, em apenas um deles, o complemento objeto direto.
e) três predicados verbais formados por verbos intransitivos.

23) (FMU-FIAM-FAAM-SP)

"Ouviram do Ipiranga as margens plácidas


De um povo heróico o brado retumbante..."

O sujeito da afirmação com que se inicia o Hino Nacional é:


a) indeterminado
b) um povo heróico
c) as margens plácidas do Ipiranga
d) do Ipiranga
e) o brado retumbante

24) (MES-Marília) Nas orações a seguir:

I. As chuvas abundantes, pródigas, violentas, fortes, anunciaram o verão.

II. Eu e você vamos juntos.

III. Vendeu-se a pá.

o sujeito é respectivamente:
a) composto, simples, indeterminado.
b) composto, composto, indeterminado.
c) simples, simples, oculto.
d) simples, composto, "a pá".
e) composto, simples, " a pá".

25) (PUC-/Campinas-SP) A frase em que estão destacados, respectivamente, um predicativo do sujeito e um sujeito é:
a) Basta lembrar o antigo nome do Zaire, Congo Belga, para tomar consciência do passado colonialista.
b Segundo a comissária da União Europeia, 1 milhão de pessoas podem morrer.
c) Seria patético, se não fosse absolutamente trágico.
d) O continente africano [...] infelizmente continua sujeito a um processo que, no limite, resume-se a uma implosão civilizatória.
e) A situação tornou-se agora extremamente grave, e entre Zaire e Ruanda parece inevitável uma guerra aberta.

26) (Fund. Lusíada - Méd.) Assinale a sequência que corresponde à respectiva classificação dos predicativos destacados.

1. Julguei-o louco.
2. As pedras resplandeciam ofuscantes.
3. Os alunos voltaram da sala do diretor cabisbaixos.
4. O gerente nomeou João secretário.

a) predicativo do objeto, predicativo do objeto, predicativo do sujeito, predicativo do sujeito.


b) predicativo do objeto, predicativo do sujeito, predicativo do objeto, predicativo do sujeito.
c) predicativo do objeto, predicativo do sujeito, predicativo do sujeito, predicativo do objeto.
d) predicativo do sujeito, predicativo do objeto, predicativo do objeto, predicativo do sujeito.
e) n.d.a.

27) (PUC-SP) "Em 1949 reuniram-se em Perúgia, Itália, a convite da quase totalidade dos cineastas italianos, seus colegas de diversas partes do
mundo." O núcleo do sujeito de "reuniram-se" é:
a) cineastas
b) convite
c) colegas
d) totalidade
e) se

28) (UE-BA) Assinale a alternativa correspondente ao período onde há predicativo do sujeito:


a) Como o povo anda tristonho!
b) Agradou ao chefe o novo funcionário.
c) Ele nos garantiu que viria.
d) No Rio não faltam diversões.
e) O aluno ficou sabendo hoje cedo de sua aprovação.
214 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
29) Assinale a alternativa em que o verbo destacado não é de ligação:
(Fac. Med. Pouso Alegre-MG)
a) A criança estava com fome.
b) Pedro parece adoentado.
c) Ele tem andado confuso.
d) Ficou em casa o dia todo.
e) A jovem continua sonhadora.

30) (PUCC-SP) "Nesse momento começaram a feri-lo nas mãos, a pau." Nessa frase o sujeito é:
a) nas mãos.
b) indeterminado.
c) eles (determinado).
d) inexistente ou eles: dependendo do contexto.
e) n.d.a.

RESPOSTAS

1-E 2-D 3-B 4-E 5-D

6-A 7-B 8-E 9-B 10-C

11-A 12-C 13-E 14-C 15-B

16-B 17-B 18-E 19-A 20-D

21-C 22-D 23-C 24-D 25-E

26-C 27-C 28-A 29-D 30-B

Termos integrantes da oração

Termos integrantes da oração são aqueles que completam o sentido dos verbos e nomes. Por isso, são indispensáveis na oração.
São quatro: objeto direto e objeto indireto (complementos verbais), complemento nominal e agente da passiva.

Complementos verbais

Observe a tira abaixo:

Quino

No trecho "Dê a ele quinze gotas...", do último quadrinho, notamos que, além do verbo, há outros dois termos ("a ele" e "quinze
gotas"). Esses termos ligam-se ao verbo "dê", integrando o seu sentido, ou seja, formando com ele grupos significativos.

Para perceber a ligação existente entre o verbo e esses termos que integram seu sentido, basta observar o seguinte esquema:

Dar o quê? A quem?


O quê? = quinze gotas
A quem? = a ele

Como vimos anteriormente, o verbo dar é transitivo, pois seu sentido transita para os complementos que o integram. A presença
de dois complementos verbais não é obrigatória; em outras orações o verbo transitivo pode ser seguido de um só complemento:
"A gente esquece o mundo."

Os complementos verbais recebem o nome de objetos, que podem ser diretos ou indiretos.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 215

Objeto Direto (OD)

É o termo que completa o sentido do verbo transitivo direto, ligando-se a ele sem o auxílio da preposição:

Ele terminou o trabalho.


9 9
verbo objeto direto
transitivo direto

Comprei balas de caramelo.


9 9
verbo objeto direto
transitivo direto

Objeto Indireto (OI)

É o termo que completa o sentido do verbo transitivo indireto, ligando-se a ele por meio de preposição:

preposição
8
Gosto muito de frutas.
9 9
verbo objeto indireto
transitivo indireto

preposição
8
Aspiro a uma vida calma.
9 9
verbo objeto indireto
transitivo indireto

Núcleo do objeto

O núcleo do objeto é a palavra principal desse termo. Ele pode ser constituído:

• de um substantivo

núcleo do OI núcleo do OD
8 8
Precisamos de ar puro. Comprei uma bicicleta amarela.
9 9
OI OD

• de uma palavra substantivada

núcleo do OD núcleo do OI
8 8
Ele elogiou o andar da moça. Ela confia em seu amado.
9 9
OD OI

• de um pronome substantivo

núcleo do OD núcleo do OI
8 8
Não vi ninguém conhecido na festa. Você precisa mesmo daquilo?
9 9
OD OI
216 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
• de uma oração substantiva

Espero que você colabore. Necessito de que você nos ajude.


9 9
oração substantiva oração substantiva
com função de objeto direto com função de objeto indireto

• de um pronome pessoal oblíquo

núcleo do OD núcleo do OI
8 8
Eu a encontrei ontem. Entreguei-lhe os documentos.
9 9
OD OI

Objetos formados de pronomes oblíquos

Os pronomes pessoais oblíquos o, a, os, as (lo, la, los, las, no, na, nos, nas) funcionam como objeto direto.

O motorista deixou-os em casa.


9
OD

Chamaram-na para a apresentação.


9
OD

O pronome pessoal oblíquo lhe (lhes) funciona como objeto indireto.

A oferta interessava-lhe.
9
OI

Ofereci-lhes a minha hospitalidade.


9
OI

Os demais pronomes pessoais variam de função conforme a transitividade do verbo.

Não me convidaram. Isto nos convém.


9 9 9 9
OD VTD OI VTI

Objeto direto preposicionado

Há casos em que o objeto direto aparece precedido de preposição, por razões estilísticas. Na verdade, a preposição não é necessária.

O objeto direto preposicionado é empregado principalmente quando:

• é formado de um pronome pessoal oblíquo tônico:

Desprezam a ti e a mim.
9 9 9
VTD OD OD
prep. prep.

• é formado de nomes referentes a pessoas:


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 217
Não prejudiques a José.
9 9
VTD OD
prep.

• é formado de pronome indefinido:

A cena sensibilizou a todos.


9 9
VTD OD
prep.

• é formado do pronome quem:

A quem você preferiu?


9 9
OD VTD
prep.

• se deseja evitar a ambiguidade:

Venceu, ao Flamengo o Vasco.


9 9 9
VTD OD Suj.
prep.

• se quer dar ideia de parte, porção:

Comi do churrasco e bebi da cerveja.


9 9 9 9
VTD OD VTD OD
prep. prep.

Objeto direto e objeto indireto pleonásticos

São os objetos que, por motivo de ênfase, aparecem repetidos. Geralmente são representados por pronome átono.

Esse livro, ainda não o li.


9 9
OD OD pleonástico

Esta novela, não quero mais vê-la.


9 9
OD OD pleonástico

A mim ninguém me deu nada.


9 9
OI OI pleonástico

Ao cães dei-lhes ração.


9 9
OI OI pleonástico

Complemento nominal

É o termo da oração que completa o sentido de um nome (substantivo, adjetivo ou advérbio) com o auxílio de preposição.

Votou favoravelmente à reeleição do prefeito.


9 9
advérbio complemento nominal

A casa estava cheia de convidados.


9 9
adjetivo complemento nominal
218 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Devemos cultivar o amor ao próximo.
9 9
substantivo complemento nominal

Observação: Não se deve confundir complemento nominal com objeto indireto. O objeto indireto completa o sen-tido do verbo
transitivo indireto.

Necessitamos de dinheiro.

Agente da Passiva

Numa oração com verbo na voz passiva, em que o sujeito é paciente, pode aparecer o termo que indica quem ou o que pratica a
ação verbal sofrida pelo sujeito. Esse termo é chamado de agente da passiva.

Os turistas serão conduzidos pelo guia.


9 9
sujeito paciente agente da passiva

A casa foi invadida pelo mendigo.


9 9
sujeito paciente agente da passiva

O agente da passiva corresponde ao sujeito da oração na voz ativa.

O dinheiro é depositado por mim. (voz passiva)


9
agente da passiva

Eu deposito o dinheiro. (voz ativa)


9
sujeito

Observações:

• O agente da passiva pode ou não aparecer expresso na voz passiva analítica:

A grama foi cortada ontem pelo vizinho.

• Na voz passiva sintética, o agente não é mencionado.

Cortou-se a grama ontem.

EXERCÍCIOS

1) Preencha as lacunas com os pronomes oblíquos devidos:


Ele não ......... ajudou, nem ........ pediu nada, apenas mostrou- ........ sua indiferença.
a) lhe, a, lhe
b) a, a, lhe
c) a, lhe, lhe
d) lhe, lhe, a
e) a, lhe, a

2) Assinale a opção em que houve erro, ao se substituir a expressão destacada pelo pronome oblíquo.
a) "ofenderam o deputado" / ofenderam-no
b) "pedi desculpas ao professor" / pedi-lhe desculpas
c) "quebrou o copo em vários pedaços" / quebrou-lhe em vários pedaços
d) "já comentei a notícia" / já comentei-a
e) "Eu visitei aquela senhora" / Eu a visitei.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 219
3) "Quando percebeu que o rato roía sua cama, deu um grito, mas ninguém a ouviu." Sintaticamente a função das palavras
destacadas é, respectivamente:
a) sujeito, objeto direto, sujeito, objeto direto
b) sujeito, objeto direto, objeto direto, objeto indireto
c) objeto direto, sujeito, objeto direto, sujeito
d) sujeito, objeto indireto, sujeito, objeto direto
e) objeto indireto, objeto direto, sujeito, objeto direto

4) Assinale a frase em que o objeto direto é pleonástico.


a) Vi dali um vulto inquieto.
b) O bolo de cenoura, assei-o por 30 minutos.
c) O garoto perdeu o medo de fantasmas.
d) Entregou a pizza com atraso.
e) O mágico nos oferecia um espetáculo inédito.

5) Assinale a frase em que a palavra destacada indica o agente:


a) Contra mim estavam meus melhores amigos.
b) Falou-se de mim, por aqui?
c) De mim ninguém precisa.
d) Por mim foram redigidas estas cartas.
e) n.d.a

6) Em que alternativa há objeto direto preposicionado?


a) Em dias chuvosos, gosto de ver um bom filme na TV.
b) Naquela época era muito difícil telefonar para o exterior.
c) Passei-lhe o recado.
d) Pediu ao pai as chaves do carro.
e) Amou a seu irmão com a mais plena grandeza da alma.

7) Marque a opção que apresenta complemento nominal.


a) Os torcedores saíram alegres do estádio.
b) O jornalista fez muitas críticas ao técnico.
c) Votou no antigo vereador.
d) Todos discordaram de mim.
e) A floresta foi destruída por um incêndio.

8) Assinale a alternativa que possui dois objetos:


a) Ele não dá importância às críticas.
b) A mão trêmula tocou o caixão.
c) Talvez ela se lembre do primeiro beijo.
d) O prisioneiro esculpia algumas imagens de santo.
e) Do barco, avistávamos uma pequena ilha.

9) Assinale a única alternativa em que não há complemento nominal.


a) A escultura era semelhante a uma árvore.
b) Tenho grande admiração por seu pai.
c) Os objetos encontrados pertencem ao museu.
d) A decisão do tribunal foi favorável a ele.
e) Esses documentos são indispensáveis para nós.

10) Assinale o item em que a função sintática do termo destacado está incorreta.
a) Já me esqueci daquele rosto. Objeto indireto
b) Amei a ela com todo vigor. Objeto direto preposicionado
c) Ao líder político, ninguém lhe deu atenção. Objeto indireto pleonástico
d) Aquelas lembranças, eu as guardava com carinho. Objeto direto pleonástico
e) Era devotado aos livros. Objeto direto preposicionado

11) "Beberam do suco de abacaxi." O termo destacado é, sintaticamente:


a) objeto indireto
b) objeto direto pleonástico
c) objeto direto preposicionado
d) complemento nominal
e) objeto direto
220 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
12) Assinale a alternativa em que o termo destacado não é núcleo do objeto.
a) Como resposta ele recebeu um não bem grande.
b) Laura gosta de flores brancas.
c) Eles não confiam no enigmático gerente.
d) A polícia libertou vinte suspeitos.
e) A notícia o entristeceu.

13) Assinale a alternativa correspondente ao período onde há agente da passiva:


a) O projeto será elaborado pelo coordenador.
b) Nós a vimos pela manhã.
c) O rato entrou pelo ralo.
d) O suor corria pelo rosto
e) Ansiávamos pela absolvição do réu.

14) (UF-PB) Os pronomes pessoais oblíquos sublinhados nas frases


"... e vejo-a, ainda tomando conta de mim."
"Ela me enchia de carícias."
"... não me dão nunca a verdadeira fisionomia..."
desempenham, respectivamente, a função sintática de:
a) objeto direto - objeto direto - objeto indireto
b) objeto indireto - objeto direto - objeto indireto
c) objeto direto - objeto indireto - objeto direto
d) objeto direto - objeto indireto - objeto indireto
e) objeto indireto - objeto indireto - objeto direto

15) (UF-MG) Assinale o item em que a função não corresponde ao termo em destaque:
a) Comer demais é prejudicial à saúde. Complemento nominal
b) Jamais me esquecerei de ti. Objeto indireto
c) Ele foi cercado de amigos sinceros. Agente da passiva
d) Não tens interesse pelos estudos. Complemento nominal
e) Tinha grande amor à humanidade. Objeto indireto

16) (FMU-SP) Em:

Tinha grande amor à humanidade.


As ruas foram lavadas pela chuva.
Ele é rico em virtudes.

Os termos destacados são, respectivamente:


a) complemento nominal, agente da passiva, complemento nominal
b) objeto indireto, agente da passiva, objeto indireto
c) complemento nominal, objeto indireto, complemento nominal
d) objeto indireto, complemento nominal, agente da passiva
e) n.d.a.

17) (FCE-SP)"A recordação da cena persegue-me até hoje." Os termos em destaque são, respectivamente:
a) objeto indireto - objeto indireto
b) complemento nominal - objeto direto
c) complemento nominal - objeto indireto
d) objeto indireto - objeto direto
e) n.d.a.

18) (UE Ponta Grossa-PR) A oração que apresenta complemento nominal é:


a) Os pobres necessitam de ajuda.
b) Sejamos úteis à sociedade.
c) Os homens aspiram à paz.
d) Os pedidos foram feitos por nós.
e) A leitura amplia nossos conhecimentos.

19) (Cesgranrio-RJ) Assinalea opção em que o termo destacado desempenhe função sintática distinta das demais:
a) uma séria ameaça aos empregos
b) a diminuição de custos
c) a falta de colaboração com os analistas
d) a introdução de sistemas computadorizados
e) e o que passa com o sistema
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 221
20) (FMU/Fiam-SP) Assinale a alternativa que contenha, respectivamente: um pronome pessoal do caso reto
funcionando como sujeito e um pronome pessoal do caso oblíquo funcionando como objeto direto.
a) Eu comecei a reforma da Natureza por este passarinho.
b) E mais uma vez me convenci da "tortura" destas coisas.
c) Todos a ensinavam a respeitar a Natureza.
d) Ela os ensina a fazer os ninhos nas árvores.
e) Ela não convencia ninguém disso.

21) (Unimep-SP)

I. Coloquem os móveis no lugar.


II. Enviamos cartas a vocês.
III. Refez a lição que estava errada?

Substituindo as palavras destacadas por pronomes, teremos:


a) I. Coloquem-nos; II. Enviamos-lhes; III. Refê-la.
b) I. Coloquem-nos; II. Enviamo-lhes; III. Refê-la.
c) I. Coloquem-os; II. Enviamo-las; III. Refez-lhe.
d) I. Coloquem-os; II. Enviamos-lhes; III. Refi-la.
e) I. Coloque-os; II. Enviamo-los; III. Refez-lhe.

22) (FCMSC-SP) Examinar as três frases abaixo e indicar onde ocorre tanto objeto direto como objeto indireto.

I. Miriam pediu dinheiro ao pai.


II. A cozinheira ofereceu torta de maçã à doutora.
III. O geneticista confessou tudo à psiquiatra.

a) Em I e II apenas.
b) Em I e III apenas.
c) Em II e III apenas.
d) Em todas.
e) Em II apenas.

23) (UFSCar-SP) A
oração "Vasculhou os bolsos o loiro sueco", extraída de Gabriela, cravo e canela, obra de Jorge Amado,
com a substituição do complemento verbal por um pronome oblíquo, equivale a:
a) Vasculhou-o os bolsos.
b) Vasculhou-se o loiro sueco.
c) Vasculhou-lhe os bolsos.
d) Vasculhou-lhes o loiro sueco.
e) Vasculhou-os o loiro sueco.

24) (PUC-PR) Observe a frase que segue: "Não posso lhe garantir que todos estarão presentes à sua festa de formatura".
Do enunciado acima, pode-se afirmar que a parte destacada desempenha a função de:
a) sujeito de posso.
b) objeto direto de posso.
c) objeto indireto de posso.
d) objeto direto de garantir.
e) objeto indireto de garantir.

25) (UFU-MG) No período "Quando enxotada por mim foi pousar na vidraça", qual a função sintática de por mim?
a) objeto direto
b) sujeito
c) objeto indireto
d) complemento nominal
e) agente da passiva

RESPOSTAS

1-C 2-C 3-A 4-B 5-D

6-E 7-B 8-A 9-C 10-E

11-C 12-B 13-A 14-A 15-E

16-A 17-B 18-B 19-E 20-D

21-A 22-D 23-E 24-D 25-E


222 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS

Termos acessórios da oração

Os termos acessórios da oração são aqueles que apresentam um dado novo a outros termos da oração, dando maior clareza e
precisão à informação contida no enunciado. Podem ser retirados da oração sem afetar seu significado básico. Esses termos acessórios,
geralmente, qualificam ou determinam outros termos. São considerados acessórios: adjunto adnominal, adjunto adverbial e aposto.

Adjunto Adnominal

Adjunto adnominal é o termo da oração que determina e caracteriza o substantivo.

Observe o último quadrinho da tira abaixo:

Na expressão "o meu pedaço de pizza", o substantivo "pedaço" está caracterizado pelos adjuntos adnominais o, meu e de pizza
(respectivamente, um artigo, um pronome adjetivo possessivo e uma locução adjetiva).

A função de adjunto adnominal pode ser exercida por:

• um artigo: Os meninos estão contentes.


Uma casa foi construída naquele terreno.

• um adjetivo: Admiro pessoas inteligentes.


Frutas exóticas compõem a decoração da mesa.

• uma locução adjetiva: Amor de mãe é eterno.


Comprei um sorvete de coco.

• um pronome adjetivo: Aqueles livros são raros.


Ele esqueceu sua maleta.

• um numeral: Três alunos saíram mais cedo.


Ele comeu meia pizza.

Um mesmo substantivo pode estar acompanhado por mais de um adjunto adnominal:

As minhas duas melhores amigas da escola são loiras.


9 9 9 9 9
artigo pronome numeral adjetivo locução adjetiva

O adjunto adnominal pode também ser representado por uma oração, que receberá o nome de oração adjetiva:

(próxima)
8
Na semana que vem anunciarei meu casamento.
9
oração adjetiva
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 223

Diferença entre
Complemento nominal e Adjunto Adnominal

Às vezes, encontramos dificuldades para distinguir o adjunto adnominal (na forma de locução adjetiva) do complemento nominal.
Para eliminar tal dificuldade, vamos observar algumas diferenças entre essas funções:
a) Se o termo introduzido por preposição estiver ligado a adjetivo ou advérbio será sempre complemento nominal:

Seu trabalho é útil a toda comunidade.


9 9
adjetivo complemento nominal

Votou contrariamente à aprovação da lei.


9 9
advérbio complemento nominal

b) Se o termo introduzido por preposição estiver ligado a um substantivo, poderá exercer a função de complemento nominal ou de
adjunto adnominal. Para que não haja erros considere o seguinte:

• Será adjunto adnominal quando tiver sentido ativo:

A explicação do professor foi insatisfatória.


9
(o professor explicou: sentido ativo)

• Será complemento nominal quando tiver sentido passivo:

A explicação ao professor foi insatisfatória.


9
(o professor recebeu a explicação: sentido passivo)

• Será adjunto adnominal se o substantivo a que se refere for concreto ou se essa locução puder ser transformada em adjetivo:

copo de cristal
9 9
substantivo adjunto
concreto adnominal

amor de mãe
9 9
substantivo adjunto
abstrato adnominal

Adjunto Adverbial

Adjunto adverbial é o termo da oração que indica uma circunstância ao processo verbal (de tempo, modo, lugar, causa, finalidade,
dúvida, meio, etc.) ou intensifica um verbo, um adjetivo ou um advérbio.

Observe o primeiro quadrinho da tira abaixo:


224 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Na oração "Agora não posso responder, Cebolinha!", as palavras destacadas indicam circunstâncias, respectivamente, de tempo
e negação à locução verbal "posso responder".

A função de adjunto adverbial pode ser exercida por:

• um advérbio: Amanhã compraremos o material escolar.


Os flocos de neve caíam lentamente.

• uma locução adverbial: Terminei o trabalho ontem à noite.


No andar de cima, ouviam-se passos.

O adjunto adverbial também pode ser expresso por uma oração, que receberá o nome de oração subordinada adverbial:

Ele estava assistindo ao jogo quando o pai chegou.


9
oração subordinada adverbial temporal

Os adjuntos adverbiais quase sempre indicam circunstâncias para o verbo. Alguns, no entanto, podem intensificar um verbo, um
adjetivo ou o próprio advérbio:

Falei muito.
9 9
(verbo) adjunto adverbial de intensidade

Os alunos ficaram muito felizes.


9 9
adjunto (adjetivo)
adverbial
de intensidade

Ele escreve muito bem.


9 9
adjunto (advérbio)
adverbial
de intensidade

É quase impossível enumerar todos os tipos de adjunto adverbial. Por isso, devem ser aceitas todas as classificações que
demonstrarem compreensão clara da circunstância indicada pelo adjunto adverbial. As mais comuns são de:

• afirmação: Dizia, sim, que não tinha medo de nada.


Certamente, irei à festa.

• assunto: Falaram de tudo na reunião.


Conversaremos sobre futebol.

• causa: O bebê chorava de fome.


Dormimos de cansaço.

• companhia: Sempre saio com meus amigos.


Quero estar contigo!

• concessão: Apesar da chuva, fomos à praia.


Mesmo indisposto, continuou a caminhada.

• condição: Sem dinheiro, você não irá a lugar nenhum.


A efetivação do funcionário só será concretizada com minha aprovação.

• dúvida: Talvez eu mude para outro país.


Possivelmente ela vá à reunião.

• finalidade: Estudamos para o concurso.


Deixei espaço no quintal para a churrasqueira.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 225
• instrumento: Cortou-se com a faca.
Batia com o lápis sobre a mesa.

• intensidade: As crianças se divertiam muito com o palhaço.


Ele é tão inteligente.

• lugar: Nasci em Lisboa.


Aqui se come muito bem.

• meio: Vim à escola de ônibus.


Conduziu o barco apenas pelo leme.

• modo: Tratou-me com frieza.


Ensinaram-nos pacientemente.

• negação: Não me diga adeus.


De modo algum, sairei hoje.

• tempo: Farei uma dieta no verão.


Chegou tarde.

Aposto

Aposto é o termo da oração que explica, esclarece, desenvolve ou resume o conteúdo de outro termo. Pode aparecer entre vírgulas
ou antes dela, entre travessões ou precedido de dois-pontos.

Carlos, bombeiro experiente, salvou uma criança do incêndio.

Cantor e compositor famoso, Caetano Veloso lança novo cd.

São Paulo - a maior cidade do país - receberá muitos turistas neste mês.

A torcida só pedia uma coisa: raça.

Classificação do Aposto

• enumerativo: Os estados do Sul do Brasil, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, têm a temperatura mais baixa que os
outros. (enumera os estados do Sul do Brasil)

• explicativo: Camões, poeta português, é o autor de "Os Lusíadas". (explica "Camões")

• especificativo: O rio Amazonas nasce no Peru. (especifica e dá nome ao termo genérico "rio", sem vir separado por sinal de
pontuação)

• recapitulativo: Fama, dinheiro, poder, nada seduzia o jovem executivo. (resume termos que o antecedem)

• oracional: Só te peço uma coisa: sejas feliz! (trata-se de uma oração apositiva)
Observações:

1 - Não se deve confundir aposto com adjunto adnominal:

A cidade de São Bernardo do Campo é um grande centro industrial do estado de São Paulo.

Fez aniversário no mês de novembro.

Os termos destacados constituem-se com apostos, pois estabelecem igualdade. Veja: cidade = São Bernardo do Campo; mês =
setembro.
226 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
O mesmo não acontece em frases como:

As indústrias de móveis de São Bernardo do Campo são famosas em todo o Brasil.

Os feriados de novembro caem em dias úteis este ano.

Nestes casos, os termos destacados são adjuntos adnominais, pois não é possível estabelecer igualdade com o termo anterior. Veja:
indústrias de móveis … São Bernardo do Campo; feriados … novembro.

2 - Não se deve confundir aposto com predicativo:

Satisfeito, saiu o paciente do consultório dentário com seu novo sorriso.

O termo destacado não pode ser aposto, pois sendo um adjetivo assume a função de predicativo. O aposto é um termo de natureza
substantiva. Seria aposto, se considerássemos redução de uma expressão substantiva.

Homem satisfeito, saiu o paciente do consultório dentário com seu novo sorriso.

Vocativo

É o termo da oração que serve para invocar, chamar o ser ao qual nos dirigimos. O vocativo não se enquadra nos termos essenciais,
integrantes e acessórios, pois é independente do sujeito e do predicado. Está sempre separado dos outros termos da oração por vírgula
e pode estar no começo, no meio ou no fim da frase. Muitas vezes vem acompanhado de interjeições como ah, ó, oh, eh, ei, olá.

Senhor Presidente, poderia falar mais alto?

Leia em voz alta, Joãozinho, a sua redação!

Não sei o que te dizer, meu amigo!

EXERCÍCIOS

1) Olá, professora, que bom encontrá-la!


Naquele momento, tudo ficou calmo.
Vitória não saberá nunca o meu segredo.

Os termos destacados são, respectivamente:


a) sujeito, adjunto adverbial de tempo, adjunto adverbial de negação.
b) vocativo, adjunto adnominal, adjunto adverbial de negação.
c) vocativo, adjunto adverbial de tempo, adjunto adverbial de tempo.
d) sujeito, adjunto adnominal, adjunto adverbial de tempo.
e) vocativo, adjunto adverbial de lugar, adjunto adverbial de negação.

2) As mulheres modernas sempre reivindicam seus direitos.


Na frase acima há:
a) dois adjuntos adnominais e dois adjuntos adverbiais
b) um adjunto adnominal e três adjuntos adverbiais
c) três adjuntos adnominais e um adjunto adverbial
d) quatro adjuntos adverbiais
e) quatro adjuntos adnominais

3) Há aposto na alternativa:
a) Manuel é dono do posto.
b) Manuel, o dono do posto é você?
c) Manuel, o dono do posto, é meu amigo.
d) Manuel é meu amigo e dono do posto.
e) Manuel é amigo do dono do posto.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 227
4) Nos enunciados abaixo, há adjuntos adnominais e apenas um complemento nominal. Assinale a alternativa
que contém o complemento nominal.
a) invasão da fazenda
b) preparo dos atletas
c) embarque das tropas
d) redação do aluno
e) livro de História

5) Analise o termo destacado:


A morte de Elvis Presley, o rei do Rock, abalou o mundo.
a) aposto
b) vocativo
c) adjunto adnominal
d) adjunto adverbial
e) complemento nominal

6) Observe as frases:

I - Com o mau tempo, adiou-se o jogo.


II - Prepararam-se para o exame.
III - O gol foi marcado de pênalti.
IV - Sem minha autorização você não irá à festa.

Os termos destacados exercem, respectivamente, a função de adjunto adverbial de:


a) tempo - finalidade - causa - meio
b) modo - causa - concessão - condição
c) companhia - modo - assunto - finalidade
d) causa - causa -modo - meio
e) causa - finalidade - modo - condição

7) Nas alternativas abaixo, os termos destacados são vocativos, exceto em:


a) Adeus, ano velho.
b) Jorge, o cabeleireiro, mudou-se para os Estados Unidos.
c) "Pai, afasta de mim este cálice ..." (Chico Buarque)
d) A vida, meu amigo, é uma constante oscilação.
e) Crianças, já para o banho.

8) O adjunto adnominal é representado por:


a) numerais, substantivos, locuções adjetivas, pronomes adjetivos e adjetivos
b) artigos, locuções adjetivas, conjunções, numerais e pronomes adjetivos
c) advérbios, adjetivos, pronomes adjetivos, interjeições e numerais
d) adjetivos, locuções adjetivas, pronomes adjetivos, artigos e numerais
e) substantivos, preposições, artigos, pronomes adjetivos e advérbios

9) "Uma cabeça má arruína o corpo inteiro".


Quantos adjuntos adnominais há na frase acima?
a) nenhum
b) um
c) dois
d) três
e) quatro

10) Assinale a frase em que há um adjunto adverbial de conformidade:


a) Os ramos vergam com o vento.
b) Em que pese o mau tempo, viajaram.
c) As crianças ficarão com os avós.
d) Segundo o professor Pinheiro há necessidade de reforma ortográfica.
e) Não obstante sua má vontade, vencemos.

11) (UFCE) Leia o trecho abaixo do conto "Os moradores do casarão", de Moreira Campos:

Consultando o relógio da parede, que bate as horas num gemer de ferros, ela chama uma das pretas, para que lhe traga a
chaleira com água quente.
228 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Numere a 2ª coluna, identificando a função sintática do termo, de acordo com a 1ª coluna.

(1) adjunto adnominal


(2) adjunto adverbial

( * ) num gemer de ferros


( * ) da parede
( * ) com água quente

A sequência correta, de cima para baixo, é:


a) 2 - 2 - 1
b) 2 - 1 - 1
c) 2 - 1 - 2
d) 1 - 2 - 2
e) 1 - 2 - 1

12) (PUCC-SP) "Só pessoas sem visão não admitem que, neste setor, existe oferta considerada condizente com a procura."
Assinale a alternativa em que se apresenta corretamente a função sintática dos termos destacados,
respeitando-se a ordem em que eles ocorrem no período.
a) adjunto adnominal, objeto direto, complemento nominal
b) adjunto adverbial, objeto direto, adjunto adnominal
c) adjunto adnominal, sujeito, complemento nominal
d) adjunto adverbial, sujeito, complemento nominal
e) adjunto adnominal, objeto direto, adjunto adnominal

13) (Vunesp)"Não foi ausência por uma semana: o batom ainda no lenço, o prato na mesa por engano, a imagem de relance no
espelho."
Os termos destacados analisam-se, respectivamente, como:
a) agente da passiva e objeto indireto
b) adjunto adverbial de tempo e adjunto adnominal
c) adjunto adverbial de tempo e adjunto adverbial de causa
d) predicativo do sujeito e predicativo do objeto
e) complemento nominal e agente da passiva

14) (Unimep-SP) "Três seres esquivos que compõem em torno à mesa a constituição tradicional da família, célula da sociedade." O
termo destacado é:
a) complemento nominal
b) vocativo
c) agente da passiva
d) objeto direto
e) aposto

15) (FAAP-SP)
"Sete anos de pastor Jacó servia
Labão, pai de Raquel, serrana bela."
Identifique a análise errada:
a) sete anos - adjunto adverbial
b) de pastor - adjunto adnominal
c) Jacó - sujeito
d) Pai de Raquel - aposto de Labão
e) Serrana bela - aposto de Raquel

16) (Unimep-SP)

I. Ele é muito simpático.


II. Ela trabalhou muito pouco.
III. Há muito livro interessante.

Muito é:
a) adjunto adverbial em I e II e adjunto adnominal em III.
b) adjunto adverbial em I e adjunto adnominal em II e III.
c) adjunto adverbial em II e adjunto adnominal em I e III.
d) adjunto adverbial em I, II e III.
e) adjunto adnominal em I, II e III.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 229
17) Identifique a alternativa incorreta:
a) O advérbio exerce função de adjunto adverbial.
b) O adjunto adverbial indica uma circunstância do verbo.
c) A locução adverbial também exerce função de adjunto adverbial.
d) Os adjuntos adnominais têm a mesma função dos adjuntos adverbiais.
e) Artigos, numerais, pronomes e adjetivos exercem função de adjunto adnominal.

18) (UNIRIO - RJ) Em "Passamos então nós dois, privilegiadas criaturas, a regalar-nos com a mesa...", a função sintática do termo
sublinhado é:
a) sujeito
b) objeto direto
c) aposto
d) adjunto adverbial
e) vocativo

19) (FCMSCSP) Observe as duas frases seguintes:

I. O proprietário da farmácia saiu.


II. O proprietário saiu da farmácia.

Sobre elas são feitas as seguintes considerações:

- Na I, "da farmácia" é adjunto adnominal.

- Na II, "da farmácia" é adjunto adverbial.

- Ambas as frases têm exatamente o mesmo significado.

- Tanto em I como em II, "da farmácia" tem a mesma função sintática.

Dessas quatro considerações:


a) apenas uma é verdadeira.
b) apenas duas são verdadeiras.
c) apenas três são verdadeiras.
d) as quatro são verdadeiras.
e) nenhuma é verdadeira.

20) Dê a função sintática do termo destacado em: "Amanhã, sábado, não sairei de casa".
(F. Carlos Chagas-SP)
a) objeto direto
b) objeto indireto
c) agente da passiva
d) complemento nominal
e) aposto

RESPOSTAS

1-C 2-C 3-C 4-A 5-A

6-E 7-B 8-D 9-E 10-D

11-B 12-C 13-C 14-E 15-B

16-A 17-D 18-C 19-B 20-E


230 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS

Sintaxe
do

Período Composto
Motivo

Eu canto porque o instante existe


e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.

Irmão das coisas fugidias,


não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.

Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
- não sei, não sei. Não sei se faço
ou passo.

Sei que canto. E a canção é tudo.


Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
- mais nada.
(MEIRELES, Cecília. Obra poética. 2ª ed. Rio de Janeiro, José Aguilar, 1967. p. 103.)

Observe os trechos destacados no texto acima. São alguns exemplos de período composto, pois neles há dois ou mais verbos, ou
seja, duas ou mais declarações num mesmo período. O final de um período, geralmente, é marcado por ponto final ( . ), outras vezes
por ponto de exclamação ( ! ), ponto de interrogação ( ? ) ou reticências ( ... ).

O período composto estrutura-se basicamente por dois processos: por coordenação e por subordinação.

O período composto por coordenação apresenta orações independentes, ou seja, nenhuma delas exerce função sintática
em relação à(s) outra(s). Estas orações vêm ligadas por conjunções coordenativas ou separadas por vírgula ou ponto-e-vírgula.

Desci do carro; caminhei até a porta, toquei a campainha.


9 9 9
oração coordenada oração coordenada oração coordenada

O período composto por subordinação apresenta orações dependentes. Ele é formado por oração principal e oração
subordinada. A oração subordinada desempenha uma função sintática em relação a uma outra, a que chamamos de principal.

Quero somente as fotos que ficaram boas.


9 9
oração principal oração subordinada

João espera que todos colaborem.


9 9
oração principal oração subordinada

Há, ainda, o período composto por coordenação e subordinação, constituído tanto de orações coordenadas como de
subordinadas. É também chamado de período misto.

Estudo e trabalho bastante, porque quero vencer na vida.


9 9
orações coordenadas oração subordinada
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 231

Orações Coordenadas

Orações coordenadas, como já vimos, são aquelas que não mantêm relação de dependência umas com as outras no período. São
independentes. Veja o exemplo:

Acordei, tomei café e fui trabalhar.

Cada uma destas orações apresenta sentido completo, sendo, portanto, orações independentes.

Tipos de Coordenadas

1 - assindética

Quando uma oração está simplesmente justaposta a outra, sem a presença de nenhum conectivo, separada por vírgula ou
ponto-e-vírgula.

Fique calmo, estou aqui com você, não tenha medo.


9 9 9
o. c. assindética o. c. assindética o. c. assindética

2 - sindética

Quando uma oração é ligada a outra por conectivos chamados de conjunções coordenativas. Estas orações iniciadas por
conjunções coordenativas recebem o nome de orações coordenadas sindéticas.

Fui à feira, vi os preços e voltei para casa.


9 9 9
o. c. a. o. c. a. o. c. sindética

As orações coordenadas sindéticas podem ser:

• aditivas - expressam a ideia de soma, adição.

Ela canta e encanta o público.


9
o. c. sindética aditiva

Ele não estuda nem trabalha.


9
o. c. sindética aditiva

As principais conjunções aditivas são e, nem, mas também, mas ainda.


• adversativas - expressam oposição, adversidade em relação à ideia anterior.

Estudou, mas não foi aprovado.


9
o. c. sindética adversativa

Ele recebeu um telefonema, entretanto não quis atender. 9


o. c. sindética adversativa

As principais conjunções adversativas são mas, porém, todavia, contudo, entretanto, no entanto.

• alternativas - expressam a ideia de alternância, de escolha ou de exclusão.

O Brasil vence ou é desclassificado.


9
o. c. sindética alternativa

Ora chora, ora ri.


9 9
o. c. s. alternativa o. c. s. alternativa
232 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
As principais conjunções alternativas são ou, ou ... ou, ora ... ora, quer ... quer, já ... já, seja ... seja.

• conclusivas - expressam a ideia de conclusão em relação ao que é afirmado anteriormente.

Penso, logo existo.


9
o. c. s. conclusiva

Os convidados já chegaram; portanto, podemos cortar o bolo. 9


o. c. s. conclusiva

As principais conjunções conclusivas são logo, portanto, assim, então, pois (no meio ou no final da coordenada).

Consegui o empréstimo; devo, pois, pagar as dívidas.


9
o. c. s. conclusiva

• explicativas - expressam ideia de confirmação, de explicação em relação à oração anterior.

Coloque um agasalho porque está frio lá fora.


9
o. c. s. explicativa

Fale rapidamente que estou com pressa.


9
o. c. s. explicativa

As principais conjunções explicativas são que, porque, já que, uma vez que, visto que, pois (só no início da oração).

Entre logo, pois está chovendo.


9
o. c. s. explicativa

Orações intercaladas ou interferentes

São orações independentes que vêm entre os termos de uma outra oração. São utilizadas para um esclarecimento, uma citação.
Aparecem separadas por vírgulas ou travessões.

O suspeito, disse o delegado, já tem antecedentes criminais.

Nós - exclamou o técnico - viemos aqui para vencer.

EXERCÍCIOS

1) Observe:

"O trabalho nobilita o homem, mas, depois que o homem se sente nobre, não quer mais o trabalho." (Barão de Itararé)

O período acima é classificado como:


a) período simples - oração absoluta
b) período composto por coordenação
c) período composto por subordinação
d) período composto por coordenação e subordinação
e) período composto por coordenação - oração intercalada
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 233
2) Assinale a alternativa em que a oração destacada é coordenada assindética:
a) Já é tarde, por isso vou embora.
b) Entrou no cinema, sentou-se na primeira fila e comeu o primeiro punhado de pipoca.
c) Ou você se esforça, ou será demitido.
d) Participou do concurso, mas não foi classificado.
e) Não desista, pois haverá nova oportunidade.

3) As orações destacadas abaixo são coordenadas sindéticas explicativas, exceto na alternativa:


a) Não leia no escuro, que faz mal à vista.
b) Ande depressa porque estamos atrasados.
c) Fomos a pé, pois não tínhamos dinheiro para o ônibus.
d) Volte para casa, uma vez que não há nada para se fazer aqui.
e) Ela é tua mãe, respeita-lhe a vontade, pois.

4) No período "Não foram à reunião, nem justificaram a ausência", a oração em destaque é:


a) coordenada assindética
b) coordenada sindética aditiva
c) coordenada sindética adversativa
d) coordenada sindética alternativa
e) coordenada sindética conclusiva

5) No período "O vento balançava as árvores, cachorros uivavam e o clima de suspense apavorava o turista", temos:
a) três orações coordenadas.
b) duas orações coordenadas e uma oração subordinada.
c) quatro orações.
d) uma oração principal e duas orações subordinadas.
e) três orações subordinadas.

6) "Dona Gertrudes ficou com ódio e insultou a vizinha, porém esta não fez caso não, deu as costas e mostrou indiferença."
No período acima temos, respectivamente, orações coordenadas:
a) assindética, sindética alternativa, sindética conclusiva, sindética adversativa e assindética.
b) assindética, assindética, sindética adversativa, assindética e sindética aditiva.
c) assindética, sindética aditiva, sindética adversativa, assindética e sindética aditiva.
d) sindética aditiva, sindética aditiva, sindética adversativa, assindética e sindética aditiva.
e) sindética aditiva, assindética, sindética adversativa, sindética conclusiva e sindética adversativa.

7) Observe a tira abaixo:

No último quadrinho, como se classifica a oração "...e você foi embora"?


a) oração coordenada sindética aditiva
b) oração coordenada sindética adversativa
c) oração coordenada sindética alternativa
d) oração coordenada sindética explicativa
e) oração coordenada assindética

8) No trecho "Entre, não tenha medo; aqui não tem fantasmas", o que se enuncia após o ponto-e-vírgula tem valor:
a) conclusivo
b) explicativo
c) aditivo
d) adversativo
e) alternativo
234 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
9) Leia atentamente as frases:

I. Asdrúbal estudou muito e foi aprovado.


II. Asdrúbal estudou muito e foi reprovado.

Em I e II, a conjunção e tem, respectivamente, valor:


a) aditivo e explicativo
b) conclusivo e aditivo
c) aditivo e conclusivo
d) aditivo e aditivo
e) conclusivo e adversativo

10) "Podem me xingar, ........... não ligo."


A conjunção que preenche corretamente a lacuna é:
a) portanto
b) e
c) como
d) pois
e) por isso

11) Por definição, oração coordenada que seja desprovida de conectivo é denominada assindética.
(FCMSCSP)
Observando os períodos seguintes:

I. Não caía um galho, não balançava uma folha.


II. O filho chegou, a filha saiu, mas a mãe nem notou.
III. O fiscal deu o sinal, os candidatos entregaram a prova. Acabara o exame.

nota-se que existe coordenação assindética em:


a) I apenas.
b) II apenas.
c) III apenas.
d) I, II e III.
e) nenhum deles.

12) "E contou que estava escrevendo umas coisas."


(Unifor-CE)
A frase acima se encontra unida por coordenação se der sequência ao que foi dito em:
a) E esperava a confidência.
b) Uma tarde, o rapaz se atreveu.
c) Papai, eu estava querendo falar com o senhor.
d) Decerto ia pedir licença para casar-se.
e) Mas o menino hesitava.

13) (PUC-SP) Observe o emprego da partícula e, em:

I. "Tenta chorar e os olhos sente enxutos!...


II. Puxa e repuxa a língua,
III. E não lhe vem à boca uma palavra!"

Analisando a relação que a partícula e estabelece nas três construções, pode-se dizer que:
a) nos três casos, seu valor é o mesmo, ou seja, de conjunção aditiva.
b) em cada caso, seu valor é diferente, ou seja: em I,é de conjunção adversativa; em II, é de conjunção aditiva; em III, é de
conjunção temporal.
c) em I e em II, seu valor é de conjunção aditiva; em III é de, simplesmente, introdutora de verso.
d) nos três casos, seu valor é o mesmo, ou seja, de conjunção adversativa.
e) em I e III, seu valor é de conjunção adversativa; em II, seu valor é de conjunção aditiva.

14) direito aquilo? Trabalhar como negro e nunca arranjar carta de alforria!" Neste trecho temos:
(Fuvest-SP) "Estava
a) uma oração coordenada sindética aditiva.
b) uma oração coordenada sindética adversativa.
c) uma oração coordenada assindética e uma coordenada aditiva.
d) uma oração subordinada e uma coordenada.
e) n.d.a.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 235
15) (Cesgranrio-RJ) Na
frase: "Avançamos muito na tecnologia, mas a perplexidade fundamental é a mesma", o termo destacado
pode ser substituído, sem alteração de sentido, por:
a) por conseguinte
b) ainda assim
c) portanto
d) logo
e) pois

16) (UE-MA) A oração coordenada sindética explicativa está no item:


a) Vem depressa, que o tempo urge.
b) Vi o menino que adoeceu.
c) Morreu a floresta porque não choveu.
d) Anda que anda, menino.
e) Pedro, que é pequeno, depende dos pais.

17) (Fuvest-SP) Considerando-se a relação lógica existente entre os dois segmentos dos provérbios adiante citados,
o espaço pontilhado NÃO poderá ser corretamente preenchido pela conjunção mas, apenas em:
a) Morre o homem, (...) fica a fama.
b) Reino com novo rei, (...) povo com nova lei.
c) Por fora bela viola, (...) por dentro pão bolorento.
d) Amigos, amigos! (...) negócios à parte.
e) A palavra é de prata, (...) o silêncio é de ouro.

18) (Fuvest-SP) Assinalar a alternativa que apresenta orações de mesma classificação que as deste período: Não se
descobriu o erro, e Fabiano perdeu os estribos.
a) Pouco a pouco o ferro do proprietário queimava os bichos de Fabiano.
b) Foi até a esquina, parou, tomou fôlego.
c) Depois que aconteceu aquela miséria, temia passar ali.
d) Tomavam-lhe o gado quase de graça e ainda inventavam juro.
e) Não podia dizer em voz alta que aquilo era um furto, mas era.

19) Assinale a alternativa que expressa a ideia correta da segunda oração, considerando a
(UF/Santa Maria-RS)
conjunção que a introduz.
A torcida incentivou os jogadores; esses, contudo, não conseguiram vencer.
a) proporção
b) conclusão
c) explicação
d) oposição
e) concessão

20) (UM/Piracicaba-SP) Noperíodo: "No dia em que partir, eu me sentirei mais livre do que todos, e gozarei de um infantil sentimento
de superioridade...", a oração destacada é:
a) coordenada assindética aditiva
b) coordenada sindética adversativa
c) coordenada sindética aditiva
d) coordenada assindética
e) coordenada sindética explicativa

RESPOSTAS

1-D 2-B 3-E 4-B 5-A

6-C 7-A 8-B 9-E 10-D

11-D 12-B 13-E 14-B 15-B

16-A 17-B 18-D 19-D 20-C


236 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Orações Subordinadas

Como já vimos, o período composto é formado por uma oração principal e uma ou mais orações subordinadas.

A oração subordinada pode ter valor de:

• substantivo: quando o núcleo da oração subordinada pode ser transformado em substantivo.

Desejo que você seja feliz. 6 Desejo a sua felicidade.


9 9
oração subordinada substantiva substantivo

• adjetivo: quando o núcleo da oração subordinada pode ser transformado em adjetivo.

Li uma notícia que me interessou. 6 Li uma notícia interessante.


9 9
oração subordinada adjetiva adjetivo

• advérbio: quando o núcleo da oração subordinada pode ser transformado em advérbio.

Irei à escola quando entardecer. 6 Irei à escola à tarde.


9 9
oração subordinada adverbial advérbio

Oração Subordinada Substantiva

A oração subordinada substantiva exerce a função sintática de substantivo e é introduzida pelas conjunções integrantes que e
se.

Classificação:

1- Oração Subordinada Substantiva Subjetiva


Exerce a função sintática de sujeito em relação ao verbo da oração principal.

É fundamental que você estude.


9 9
oração principal oração subordinada substantiva subjetiva

Quando ocorre a oração subordinada substantiva subjetiva, a oração principal apresenta:

• verbo na terceira pessoa do singular:

Consta que ninguém compareceu à reunião.

• Verbo de ligação+ predicativo:

É preciso que você venha.

• Verbo na voz passiva sintética ou analítica:

Soube-se que ela fugiu.


Foi comentado que ele viajou.
2- Oração Subordinada Substantiva Objetiva Direta
Exerce a função sintática de objeto direto em relação ao verbo da oração principal. O verbo da oração principal sempre será
transitivo direto ou transitivo direto e indireto.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 237
verbo transitivo direto
8
Dizem que a noiva desistiu do casamento.
9 9
oração principal oração subordinada substantiva objetiva direta

verbo transitivo direto


8
O segurança verificou se todos já haviam saído.
9 9
oração principal oração subordinada substantiva objetiva direta

verbo transitivo direto e indireto


8
A médica informou aos pacientes que a clínica havia fechado.
9 9
oração principal oração subordinada substantiva objetiva direta

verbo transitivo direto e indireto


8
O policial anunciou ao bando que todos estavam presos.
9 9
oração principal oração subordinada substantiva objetiva direta

3- Oração Subordinada Objetiva Indireta


Exerce a função sintática de objeto indireto em relação ao verbo da oração principal. O verbo da oração principal sempre será
transitivo indireto ou transitivo direto e indireto, e a oração subordinada vem, geralmente, precedida de preposição.

verbo transitivo
indireto preposição
8 8
Lembre-se de que jamais o esquecerei.
9 9
oração principal oração subordinada substantiva objetiva indireta

verbo transitivo
indireto preposição
8 8
Não me convenci de que precisa estudar no exterior.
9 9
oração principal oração subordinada substantiva objetiva indireta

verbo transitivo
direto e indireto preposição
8 8
O padre avisou os fiéis de que a missa seria adiada.
9 9
oração principal oração subordinada substantiva objetiva indireta

verbo transitivo
direto e indireto preposição
8 8
O filho convenceu o pai de que precisa um carro novo.
9 9
oração principal oração subordinada substantiva objetiva indireta

4- Oração Subordinada Substantiva Completiva Nominal


Exerce a função sintática de complemento nominal em relação a um nome (substantivo ou adjetivo) da oração principal. A oração
subordinada substantiva completiva nominal vem sempre precedida de preposição.
238 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
substantivo preposição
8 8
Tenho certeza de que você não faltará à reunião.
9 9
oração principal oração subordinada substantiva completiva nominal

substantivo preposição
8 8
Todos tomaram conhecimento de que você se ausentou.
9 9
oração principal oração subordinada substantiva completiva nominal

adjetivo preposição
8 8
A criança ficou feliz de que a levassem ao zoológico.
9 9
oração principal oração subordinada substantiva completiva nominal

adjetivo preposição
8 8
Ele estava certo de que receberia aumento salarial.
9 9
oração principal oração subordinada substantiva completiva nominal

5- Oração Subordinada Substantiva Predicativa

Exerce a função sintática de predicativo do sujeito da oração principal. O verbo que aparece na oração principal é de ligação.

verbo de ligação
8
Meu desejo é que todos fossem felizes.
9 9
oração principal oração subordinada substantiva predicativa

verbo de ligação
8
A verdade era que ele não sabia o que havia acontecido.
9 9
oração principal oração subordinada substantiva completiva nominal

6- Oração Subordinada Substantiva Apositiva

Exerce a função sintática de aposto de um termo que aparece na oração principal. A oração subordinada substantiva apositiva
vem sempre precedida de dois-pontos e raramente entre vírgulas.

Só lhe digo uma coisa: não acredito mais em você.


9 9
oração principal oração subordinada substantiva apositiva

Tenho um plano: que você vá para a faculdade.


9 9
oração principal oração subordinada substantiva apositiva
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 239

EXERCÍCIOS

1) Observe o poema e as afirmações abaixo:

Chega de saudade

Vai, minha tristeza


E diz a ela
Que sem ela não pode ser
Diz-lhe numa prece
Que ela regresse
Porque eu não posso mais sofrer

Chega de saudade
A realidade é que sem ela
Não há paz, não há beleza
É só tristeza e a melancolia
Que não sai de mim, não sai de mim
Não sai. (...)
Antônio Carlos Jobim e Vinícius de Moraes

I - "Que sem ela não pode ser" é oração subordinada substantiva objetiva direta.

II - "Que ela regresse" é oração subordinada substantiva objetiva direta.

III - "Que sem ela não há paz" é oração subordinada substantiva predicativa.

Está(ão) correta(s):
a) apenas a I
b) apenas a II
c) apenas a III
d) nenhuma das três afirmações
e) todas as três afirmações

2) Há oração subordinada substantiva objetiva indireta na alternativa:


a) É bom que você volte logo.
b) Tenho certeza de que tudo se resolverá.
c) Eu não me esqueci de que você me traiu.
d) Tínhamos medo de que ele não voltasse.
e) A maior preocupação da mamãe é que ele se atrase.

3) Observe a tira de Mafalda:

Quino

a) Há duas orações subordinadas substantivas diretas e duas indiretas


b) Há quatro orações subordinadas substantivas diretas
c) Há três orações subordinadas substantivas diretas e duas completivas nominais
d) Há duas orações subordinadas substantivas subjetivas e duas apositivas
e) Há cinco orações subordinadas substantivas predicativas
240 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
4) Em "É compreensível que todos tinham descordado de seu plano", temos uma oração subordinada substantiva:
a) apositiva
b) predicativa
c) completiva nominal
d) objetiva direta
e) subjetiva

5) Em "Nosso receio era que ele não chegasse a tempo", temos uma oração subordinada substantiva:
a) completiva nominal
b) predicativa
c) objetiva direta
d) objetiva indireta
e) apositiva

6) Entre as orações abaixo apenas uma é oração subordinada substantiva completiva nominal. Assinale-a:
a) Ofereceram o prêmio a quem teve a melhor colocação.
b) O médico insistia em que o paciente fosse internado.
c) Lembrava-se de que aquela mulher o fez sofrer.
d) Estava convicto de que não passaria no concurso.
e) O sucesso depende de que tenha bons resultados.

7) Em "Pedi que ele trouxesse minha encomenda", temos uma oração subordinada substantiva:
a) objetiva direta
b) completiva nominal
c) apositiva
d) predicativa
e) subjetiva

8) (PUCC-SP) A alternativa em que se encontra uma oração subordinada substantiva subjetiva iniciada em
conjunção é:
a) Os repórteres que o procuraram já saíram.
b) Reafirmo meu desejo: que todos fiquem à vontade.
c) Vai ser difícil que ele atenda nosso pedido.
d) Foi tão incisivo em suas declarações que convenceu a todos.
e) Pretendemos que todos tenham acesso às facilidades propostas.

9) As orações subordinadas substantivas que aparecem nos períodos abaixo são todas subjetivas,
(UFV - MG)
exceto:
a) Decidiu-se que o petróleo subiria de preço.
b) É muito bom que o homem, vez por outra, reflita sobre sua vida.
c) Ignoras quanto custou meu relógio?
d) Perguntou-se ao diretor quando seríamos recebidos.
e) Convinha-nos que você estivesse presente à reunião.

10) (FCMSCSP) Apalavra se é conjunção subordinativa integrante (introduzindo oração subordinada substantiva
objetiva direta) em qual das frases seguintes?
a) Ele se morria de ciúmes do patrão.
b) A Federação arroga-se o direito de cancelar o jogo.
c) O aluno fez-se passar por doutor.
d) Precisa-se de pedreiros.
e) Não sei se o vinho está bom.

11) (PUCC-SP) Assinale a alternativa cuja oração subordinada é substantiva predicativa:


a) Espero que venhas hoje.
b) O aluno que trabalha é bom.
c) Meu desejo é que te formes logo.
d) És tão inteligente como teu pai.
e) n.d.a

12) nos encontrou nesta contemplação de Zé Brás, com o doce aviso de que estava na mesa a ceiazinha". A oração
(FAAP-SP) "Assim
destacada é:
a) objetiva direta b) objetiva indireta c) completiva nominal
d) subjetiva e) predicativa
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 241
13) (ACAFE-SC) No período: "Não me parece bonito que o nosso Bentinho ande metido nos cantos com a filha do Tartaruga...", a
oração destacada é:
a) subordinada substantiva objetiva indireta
b) subordinada substantiva objetiva direta
c) subordinada substantiva subjetiva
d) subordinada substantiva completiva nominal
e) subordinada substantiva predicativa

14) (PUCC-SP) Assinale o período em que a oração destacada é substantiva apositiva:


a) Não me disseram onde moravas.
b) A rua onde moras é muito movimentada.
c) Só me interessa saber uma coisa: onde moras.
d) Morarei onde moras.
e) n.d.a.

15) (PUCC-SP) Assinale o nome das orações destacadas: "Digo que tens receio de que ele morra".
a) subjetiva e objetiva direta
b) objetiva indireta e objetiva direta
c) objetiva direta e completiva nominal
d) subjetiva e apositiva
e) n.d.a.

RESPOSTAS

1-E 2-C 3-B 4-E 5-B

6-D 7-A 8-C 9-C 10-E

11-C 12-C 13-C 14-C 15-C

Oração Subordinada Adjetiva

A oração subordinada adjetiva exerce a função sintática de adjetivo e é introduzida por pronomes relativos.

Classificação:

1- Oração Subordinada Adjetiva Explicativa


É aquela que enfatiza ou explica o termo antecedente. É introduzida pelos pronomes relativos e marcada por vírgula ou travessão.

D. Pedro I, que foi o imperador do Brasil, era português.


9 9 9
oração principal oração subordinada adjetiva explicativa oração principal

oração principal oração subordinada adjetiva explicativa


8 8
O Brasil - que é o maior país da América do Sul - tem muitos políticos corruptos.
9
oração principal

2- Oração Subordinada Adjetiva Restritiva

É aquela que restringe e individualiza o termo antecedente. É introduzida pelos pronomes relativos e geralmente não aparece
entre vírgulas.

O esportista que se esforça vence.


9 9 9
oração principal oração subordinada oração principal
adjetiva restritiva
242 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Não havia ninguém que pudesse nos ajudar.
9 9
oração principal oração subordinada adjetiva restritiva

EXERCÍCIOS

1) Há oração subordinada adjetiva restritiva na alternativa:


a) É necessário que se viva bem.
b) A farmácia que funcionava à noite fechou.
c) O filho, que era um rapaz admirável, viajou para a Inglaterra.
d) A água, que é incolor, está acabando.
e) O mar, que é imenso, também é perigoso.

2) Assinale a alternativa que possui uma oração subordinada introduzida por um pronome relativo:
a) Consta-se que eles foram grandes amigos.
b) Acho que a Melissa é uma garota muito bonita.
c) Samantha possui um lindo rosto que eu não canso de olhar.
d) Meu sonho é que você se forme.
e) Lembrei-me de que há dez anos eu não o via.

3) Em "Essas pequenas alegrias, que a vida nos traz, devem ser valorizadas por todos nós", temos uma oração subordinada:
a) adjetiva restritiva
b) substantiva objetiva direta
c) substantiva subjetiva
d) substantiva completiva nominal
e) adjetiva explicativa

4) Há oração subordinada adjetiva na alternativa:


a) Diga-lhe que não poderei comparecer à reunião.
b) Ele compreendeu que a história era falsa.
c) Ela confirmou que irá se casar.
d) Você conhece os homens que chegaram?
e) Não convém que todos saibam a verdade.

5) Assinale a alternativa incorreta quanto à classificação da oração destacada:


a) Ele trouxe os livros que nós emprestamos. (oração subordinada adjetiva restritiva)
b) Fui visitar uma tia, cujo filho a havia abandonado. (oração subordinada adjetiva explicativa)
c) As pessoas que contam essas histórias não são confiáveis. (oração subordinada adjetiva restritiva)
d) O técnico Dunga prefere jogadores que moram no Brasil. (oração principal)
e) "Quando o enterro passou, os homens que se achavam no café, tiraram o chapéu maquinalmente." [Manuel Bandeira]
(oração subordinada adjetiva explicativa)

6) A oração é adjetiva na opção:


(Univ. Fed. Maranhão)
a) Cão que late não morde.
b) Espere que já estou cansado.
c) O pescador disse que voltaria logo.
d) É bom que saibas essas coisas.
e) Aquele político aspira a que o elejam presidente do Brasil.

7) O período que apresenta uma oração subordinada adjetiva restritiva é:


(Univ. Est. Ponta Grossa - PR)
a) "O conde agarrou minha mão e num italianíssimo estropiado de napolitano sussurrou que morria de paixão." (Rubem
Fonseca)
b) "O velho não ouvia ninguém quando ficava inspirado." (Autran Dourado)
c) "Calou-se, mas continuou a dedilhar o violão." (Érico Veríssimo)
d) "Fadul ouviu com atenção, prosseguiu na caminhada de ofertas e cobranças." (Jorge Amado)
e) "Maria conheceu o moço que começou a frequentar a casa no domingo." (Dalton Trevissan)
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 243
8) (Unirio - RJ) Assinale o item em que há uma oração, quanto à classificação, idêntica à segunda do período:
"Pernoitamos depois junto a um açude lamacento, onde patos nadavam."
a) "As virilhas suadas ardiam-me, o chouto do animal sacolejava-me."
b) "De onde vinham as figuras desconhecidas para encontrar-nos?"
c) "Fiz o resto da viagem com um moço alegre, que tentou explicar-me as chaminés dos banguês..."
d) "Os mais graúdos percebiam que a viagem era alegre."
e) Surgiram regatos, cresceram tanto que se transformaram em rios..."

9) (Vunesp) Observar as orações destacadas nas transcrições abaixo:

I - "Ergueu a cabeça e contemplou o lugar onde tantas vezes se prestara para os seus breves triunfos no trapézio."
II - "Em algum ponto do corpo ou da alma, doía-lhe ver o lugar do qual se despedira (...)"
III - "(...) semelhança esta que seria maior, não fosse a indiferença quase rancorosa que o rodeava."
IV - "(...) esforçando-se para dar a entender que sua ausência não seria sentida."
V - "Teriam inveja, talvez. Ou desprezo. Que lhe importava, porém?"

A respeito delas, é correto dizer:


a) Todas são subordinadas adjetivas.
b) Com exceção de V, que é uma oração absoluta, todas as outras são adjetivas.
c) Com exceção de I, que é subordinada adverbial de lugar, todas as restantes são adjetivas.
d) Somente II e III são adjetivas.
e) Com exceção de IV e V, as demais são adjetivas.

10) (PUCC-SP) Assinale o período em que há uma oração adjetiva restritiva:


a) A casa onde estou é ótima.
b) Brasília, que é a capital do Brasil, é linda.
c) Penso que você é de bom coração.
d) Vê-se que você é de bom coração.
e) Nada obsta a que você se empregue.

RESPOSTAS

1-B 2-C 3-E 4-D 5-E

6-A 7-E 8-C 9-E 10-A

Função Sintática do Pronome Relativo

Uma janela aberta


e um simples rosto hirto,
e que provavelmente
nela se debruçou;
e nesse gesto puro
do rosto na janela
estava todo o poema
que ninguém escutou;
só a janela aberta
e o espaço dentro dela
que o tempo atravessou. Lima, Jorge de. Invenção de Orfeu. Rio de Janeiro, Ediouro, s. d. p. 76.

A palavra destacada no poema acima é um pronome relativo e exerce a função de objeto direto.

O pronome relativo sempre indica sua classe gramatical.

Os pronomes relativos (que, quem, o qual, quanto, onde, cujo) sempre se referem a um termo anterior (antecedente) e sempre
inicia uma nova oração.

Os pronomes relativos também exercem uma função sintática na oração em que estão.

Para determinar a função sintática dos pronomes relativos, substituímos o pronome que pelo seu antecedente (a palavra a que
ele se refere).
244 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Terminei o trabalho que estava incompleto.
9
antecedente

O trabalho estava incompleto.


9
sujeito

O pronome relativo terá a mesma função sintática que o termo colocado em seu lugar.

Terminei o trabalho que estava incompleto.


9
sujeito

Os pronomes relativos podem exercer a função sintática de:

1 - Sujeito:

Já colei o caderno que estava rasgado.


(O caderno estava rasgado.)
9
sujeito

2 - Predicativo do sujeito:

O intolerante que fui fez-me ficar sozinho.


(Eu fui intolerante.)
9
predicativo do sujeito

3 - Objeto direto:

O aluno trouxe a prova que você pediu.


(Você pediu a prova.)
9
objeto direto

4 - Objeto Indireto:

Todos assistiram ao filme do qual você gostou.


(Você gostou do filme.)
9
objeto indireto

5 - Predicativo do objeto:

Ela não é a bondosa que todos consideram.


(Consideram-na bondosa.)
9
predicativo do objeto

6 - Complemento nominal:

Os atores a que fizemos referência são talentosos.


(Fizemos referência aos atores.)
9
complemento nominal

7 - Adjunto adverbial:

Esta é a praia onde vivi.


(Vivi na praia.)
9
adjunto adverbial
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 245
8 - Adjunto adnominal:

Gosto muito deste cantor cuja voz é belíssima.


(A voz do cantor é belíssima.)
9
adjunto adnominal

9 - Agente da passiva:

Esteve aqui o policial por quem ele era procurado.


(Ele era procurado pelo policial.)
9
agente da passiva

EXERCÍCIOS

1) Em "O problema a que aludimos é impossível de ser resolvido", o pronome relativo destacado exerce a função sintática
de:
a) objeto direto
b) objeto indireto
c) adjunto adnominal
d) sujeito
e) predicativo do objeto

2) Em "A cidade em que moro foi inundada", o pronome relativo destacado exerce a função sintática de:
a) agente da passiva
b) complemento nominal
c) predicativo do sujeito
d) adjunto adnominal
e) adjunto adverbial

3) Em "O livro de que necessito é muito caro", o pronome relativo destacado exerce a função sintática de:
a) objeto direto
b) objeto indireto
c) complemento nominal
d) adjunto adnominal
e) adjunto adverbial

4) Em "Não serás mais o que és" e "abismo que cavaste a teus pés", as funções sintáticas dos termos
(Univ. Fed. RJ)
destacados são, respectivamente:
a) objeto direto e predicativo do objeto
b) adjunto adnominal e complemento nominal
c) predicativo do sujeito e objeto indireto
d) predicativo do sujeito o objeto direto
e) agente da passiva e adjunto adverbial

5) Nos trechos: "...Bebi o café que eu mesmo preparei..." e "...pensando na vida e nas mulheres que amei", a palavra
(Fuvest-SP)
que tem a função sintática de:
a) objeto direto e objeto indireto
b) adjunto adnominal e adjunto adverbial
c) agente da passiva e complemento nominal
d) ambas de objeto direto
e) ambas de objeto indireto

RESPOSTAS

1-B 2-E 3-C 4-D 5-D


246 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Oração Subordinada Adverbial

A oração subordinada adverbial é aquela que desempenha a função de advérbio do verbo que aparece na oração principal.

Classificação:

1- Oração subordinada adverbial causal

Exprime uma causa. São introduzidas pelas conjunções como, porque, já que, visto que, pois que, porquanto, uma vez que, etc.

Ela não veio, porque estava doente.


9 9
oração principal oração subordinada adverbial causal

Por estarem atrasados, perderam o filme.


9 9
oração subordinada adverbial causal oração principal

2- Oração subordinada adverbial consecutiva

Exprime uma consequência. São introduzidas pelas conjunções que (precedido de tão, tal, tanto, tamanho), de maneira que, de
sorte que, etc.

A caminhada foi tão longa que me cansou.


9 9
oração principal oração subordinada adverbial consecutiva

Ela estava com tanta fome que comeu todas as frutas.


9 9
oração principal oração subordinada adverbial consecutiva

3- Oração subordinada adverbial condicional

Exprime uma condição. São introduzidas pelas conjunções se, contanto que, sem que (= se não), caso, desde que, a menos que,
etc.

Somente iremos à praia se o tempo estiver bom.


9 9
oração principal oração subordinada adverbial condicional

Ouvirei você desde que você diga a verdade.


9 9
oração principal oração subordinada adverbial condicional

4- Oração subordinada adverbial concessiva

Exprime uma contrariedade, mas não impede a realização do que foi enunciado na oração principal. São introduzidas pelas
conjunções embora, posto que, conquanto, mesmo que, ainda que, se bem que, por mais que, por menos que, etc.

Apesar de não gostar de baile, aceitou o convite.


9 9
oração subordinada adverbial concessiva oração principal

Nós iremos à praia, ainda que chova.


9 9
oração principal oração subordinada adverbial concessiva
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 247

5- Oração subordinada adverbial conformativa


Exprime uma relação de conformidade em relação a um fato da oração principal. São introduzidas pelas conjunções conforme,
como, segundo, consoante, etc.

Fiz o trabalho conforme a professora pediu.


9 9
oração principal oração subordinada adverbial conformativa

Choveu como era previsto.


9 9
oração principal oração subordinada adverbial conformativa

6- Oração subordinada adverbial comparativa


Estabelece uma relação de comparação (igualdade, superioridade, inferioridade) em relação a um fato da oração principal. São
introduzidas pelas conjunções como, que, do que, assim como, que nem, feito, etc.

A mãe furiosa gritava como uma louca. (grita)


9 9
oração principal oração subordinada adverbial comparativa

Ela falava como seu pai. (fala)


9 9
oração principal oração subordinada adverbial comparativa

7- Oração subordinada adverbial final


Exprime uma finalidade em relação a um fato da oração principal. São introduzidas pelas conjunções para que, a fim de que, que,
porque (= para que), etc.

Suspendeu-se o jogo para que os jogadores descansassem.


9 9
oração principal oração subordinada adverbial final

Vim aqui a fim de que você me explique o que aconteceu.


9 9
oração principal oração subordinada adverbial final

8- Oração subordinada adverbial proporcional


Indica uma circunstância de proporcionalidade em relação a um fato da oração principal. São introduzidas pelas conjunções à
proporção que, à medida que, quanto mais ... tanto mais, quanto menos ... tanto menos, etc.

À medida que se aproximavam as férias, mais contente ficava.


9 9
oração subordinada adverbial proporcional oração principal

Quanto mais estudo, mais entendo a matéria.


9 9
oração subordinada oração principal
adverbial proporcional

9- Oração subordinada adverbial temporal

Indica o tempo em que ocorre o fato indicado pela oração principal. São introduzidas pelas conjunções quando, enquanto, logo
que, depois que, antes que, desde que, assim que, até que, mal, etc.

Mal entrou em casa, o telefone tocou.


9 9
oração subordinada oração principal
adverbial temporal
248 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Choveu quando saíamos de casa.
9 9
oração principal oração subordinada adverbial temporal

EXERCÍCIOS

1) Em "Ele ficou tão nervoso, que passou mal", temos uma oração subordinada adverbial:
a) proporcional b) causal
c) final d) consecutiva
e) temporal

2) Em "Ele sabia de toda a história assim como eu", temos uma oração adverbial:
a) conformativa b) comparativa
c) concessiva d) consecutiva
e) causal

3) Assinale a alternativa incorreta quanto à classificação da oração destacada:


a) Quando estou folgada, gosto de caminhar pela praia. (Oração subordinada adverbial temporal)
b) Irei à escola, desde que eu melhore. (Oração principal)
c) À medida que o tempo passa, novas tecnologias são criadas. (Oração subordinada adverbial proporcional)
d) Embora estivesse bem, Seu José resolveu ir ao hospital. (Oração subordinada adverbial concessiva)
e) Nós voltamos antes de viagem, porque choveu muito. (Oração subordinada adverbial final)

4) Observe a tira de Hagar:

Na oração "Se não conseguir da primeira vez, tente outra vez", temos uma oração subordinada adverbial:
a) conformativa
b) condicional
c) consecutiva
d) concessiva
e) causal

5) Observe o trecho da música de Chico César "À primeira vista":

"Quando não tinha nada, eu quis


Quando tudo era ausência, esperei
Quando tive frio, tremi
Quando tive coragem, liguei."

Todos os versos são formados por:


a) orações principais e orações subordinadas adverbiais causais
b) orações subordinadas adverbiais temporais e finais
c) orações principais e orações subordinadas adverbiais temporais
d) orações subordinadas adverbiais concessivas e causais
e) orações principais e orações subordinadas adverbiais proporcionais

6) Na frase de Olavo Bilac: "Envelheçamos como as árvores fortes envelhecem", a oração destacada é:
a) conformativa
b) concessiva
c) consecutiva
d) comparativa
e) causal
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 249
7) Entre as orações subordinadas adverbiais, indique aquela que estabelece a relação de finalidade:
a) O dia estava tão quente, que passamos mal.
b) As crianças chegaram cedo porque estavam com fome.
c) Se tudo der certo, viajarei para a Espanha.
d) Ele foi ao cinema, embora já estivesse assistido ao filme.
e) Ele ficou aqui para que não perdesse sua chegada.

8) (Cesgranrio-RJ) Classifique a oração iniciada pela conjunção que no período abaixo:

"Era uma fada tão suave e pura


Que ao vê-la o coração me estremecia."
Francisco Otaviano

a) oração subordinada adverbial temporal


b) oração subordinada adverbial consecutiva
c) oração coordenada sindética explicativa
d) oração independente
e) n.d.a.

9) (Unifor-CE) Escolha nas alternativas a análise correta de certas orações grifadas no período abaixo:

"Enquanto vogas assim à disposição do vento, airoso barco, volta às brancas areias a saudade que te acompanha."

José de Alencar

a) oração principal e oração subordinada adjetiva


b) oração subordinada adverbial temporal e oração subordinada substantiva objetiva direta
c) oração subordinada adverbial proporcional e oração subordinada substantiva adjetiva
d) oração subordinada adverbial temporal e oração subordinada adjetiva
e) n.d.a.

10) (EFOA-MG)Assinale a alternativa cujo período tem uma oração subordinada adverbial consecutiva.
a) "À medida que subimos, a ilha esplende, verde, aos nossos olhos."
b) "Comer pombas é, como diria Saint-Exupery, a verdade do gavião, mas matar um gavião no ar com um belo tiro pode ser
a verdade do caçador."
c) "Minha medíocre história anda escrita em tuas ruas e nenhuma entre as cidades é mais formosa do que tu, nem sabe mais
coisas de mim."
d) "O amor é como a Lua, resiste a todos os sonetos e abençoa todos os pântanos."
e) "Parece tão lenta a descida desses gaviões, tão suaves as nuvens brancas espalhadas no céu de um azul estranhamente
delicado que dá vontade de viajar para qualquer cidade."

11) Logo que chegou ao acampamento, Paulo percebeu que esquecera o equipamento de pescar.
(Fund. Lusíada)
As orações destacadas são classificadas, respectivamente, como:
a) subordinada adverbial temporal e subordinada adverbial condicional
b) subordinada substantiva objetiva direta e subordinada adverbial concessiva
c) subordinada adverbial final e subordinada adverbial causal
d) subordinada substantiva objetiva indireta e subordinada adjetiva
e) subordinada adverbial temporal e subordinada objetiva direta.

12) (Univ. Fed. Santa Maria-RS) Leia, com atenção, os períodos abaixo:

I. Caso haja justiça social, haverá paz.


II. Embora a televisão ofereça imagens concretas, ela não fornece uma reprodução fiel da realidade.
III. Como todas as pessoas estavam concentradas, não se escutou um único ruído.

Assinale a alternativa que apresenta, respectivamente, as circunstâncias indicadas pelas orações


destacadas:
a) tempo, concessão, comparação
b) tempo, causa, concessão
c) condição, consequência, comparação
d) condição, concessão, causa
e) concessão, causa, conformidade
250 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
13) A circunstância indicada pelo trecho destacado não está adequada em:
(Univ. Fed. Espírito Santo)
a) Como se vê, a pesquisa do Dr. Zisman é muito importante. (conformação)
b) Os bebês são considerados pigmeus, desde que não apresentem três quilos de peso. (condição)
c) Os bebês são tão pequenos, que são considerados pigmeus. (consequência)
d) Caso eu saiba a causa do seu choro, eu lhe darei atenção.(causa)
e) Ainda que sejamos um país subdesenvolvido, não podemos aceitar que nasçam tantas crianças subnutridas. (concessão)

14) (Univ. Fed. Pelotas-RS) "Estava tão quente, que ligamos o ventilador."
Comece com: Ligamos o ventilador...
a) conforme
b) dado que
c) à medida que
d) não obstante
e) ao passo que

15) (Univ. Est. Sud. Bahia) "Não tendo confirmado sua chegada, não fui esperá-lo."

Comece com: Não fui esperá-lo, ...


a) a menos que
b) por que
c) visto que
d) se bem que
e) contudo
RESPOSTAS

1-D 2-B 3-E 4-B 5-C

6-D 7-E 8-B 9-D 10-E

11-E 12-D 13-D 14-B 15-C

Orações Reduzidas

As orações coordenadas e subordinadas (substantivas, adjetivas e adverbiais) podem se apresentar de forma reduzida.

A oração reduzida não é iniciada por conjunção ou pronome relativo e o verbo aparece numa das formas nominais (gerúndio,
infinitivo e particípio).

Para facilitar a identificação e classificar as orações reduzidas é necessário desdobrá-las em orações desenvolvidas.

1 - Orações reduzidas de gerúndio:

• orações adverbiais

Se você quiser, podemos ir ao cinema.


9 9
oração subordinada oração principal
adverbial condicional

Você querendo, podemos ir ao cinema.


9 9
oração subordinada oração principal
adverbial condicional
reduzida de gerúndio

• orações adjetivas

Encontrei algumas crianças, que pediam esmola.


9 9
oração principal oração subordinada adjetiva restritiva
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 251
Encontrei algumas crianças, pedindo esmola.
9 9
oração principal oração subordinada adjetiva restritiva
reduzida de gerúndio

• orações coordenadas

Pedro foi à igreja, e levou a sua irmã.


9 9
oração coordenada oração coordenada sindética aditiva
assindética

Pedro foi à igreja, levando a sua irmã.


9 9
oração coordenada oração coordenada sindética aditiva
assindética reduzida de gerúndio

2 - Orações reduzidas de infinitivo

• orações substantivas

Convém que conheça a história.


9 9
oração principal oração subordinada substantiva subjetiva

Convém conhecer a história.


9 9
oração principal oração subordinada substantiva subjetiva
reduzida de infinitivo

• orações adverbiais

Porque estava cansado, não foi à reunião.


9 9
oração subordinada adverbial oração principal

Por estar cansado, não foi à reunião.


9 9
oração subordinada oração principal
adverbial causal
reduzida de infinitivo

• orações adjetivas

Este não é o momento, de que se traga boas recordações.


9 9
oração principal oração subordinada adjetiva restritiva

Este não é o momento, de trazer boas recordações.


9 9
oração principal oração subordinada adjetiva restritiva
reduzida de infinitivo

3 - orações reduzidas de particípio

• orações adverbiais

Quando a aula terminou, os alunos se despediram.


9 9
oração subordinada adverbial temporal oração principal
252 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Terminada a aula, os alunos se despediram.
9 9
oração subordinada oração principal
adverbial temporal
reduzida de particípio

EXERCÍCIOS

1) Em "Precisando de mim, estarei à disposição", a oração destacada é subordinada adverbial:


a) condicional reduzida de infinitivo
b) final reduzida de gerúndio
c) causal reduzida de particípio
d) condicional reduzida de gerúndio
e) concessiva reduzida de infinitivo

2) Em "Feita a prova, você está dispensado", a oração destacada é subordinada adverbial:


a) final reduzida de gerúndio
b) temporal reduzida de particípio
c) temporal reduzida de infinitivo
d) condicional reduzida de particípio
e) causal reduzida de gerúndio

3) Temos uma oração subordinada adjetiva restritiva reduzida de particípio na alternativa:


a) Chegando à escola, venha falar comigo.
b) Mesmo sofrendo, ele continuará com o medicamento.
c) Não posso aceitar os presentes dados por você.
d) Ficaram doentes, por não se alimentarem bem.
e) Vi várias pessoas passando por este caminho.

4) Na oração "Morreu de tanto sofrer", temos uma oração subordinada adverbial:


a) causal reduzida de gerúndio
b) concessiva reduzida de infinitivo
c) final reduzida de particípio
d) final reduzida de infinitivo
e) causal reduzida de infinitivo

5) (UFCE) Sempre que chovia à tarde, vinha-nos a todos uma vontade irresistível de tomar café com sonhos fritos.
É correto afirmar que no período anterior há:
a) três orações subordinadas, além da principal
b) apenas duas orações, incluída a principal
c) uma oração subordinada adverbial causal
d) uma oração subordinada reduzida de infinitivo, completiva nominal
e) uma só oração, tratando-se, portanto, de um período simples.

6) (FMU-SP) No texto "Um se encarrega de comprar camarões", a oração destacada é:


a) subordinada substantiva completiva nominal, reduzida de gerúndio
b) subordinada substantiva objetiva direta, reduzida de infinitivo
c) subordinada substantiva subjetiva, reduzida de gerúndio
d) subordinada substantiva objetiva indireta, reduzida de infinitivo
e) subordinada substantiva apositiva, reduzida de infinitivo

7) (MACK-SP) Folclore

O mal dos que estudam as superstições é não acreditarem nelas. Isso os torna tão suspeitos para tratar do assunto como um
biologista que não acreditasse em micróbios.
(Mário Quintana)

"O mal dos que estudam as superstições é não acreditarem nelas." Em relação à oração principal, a oração
"não acreditarem nelas", é:
a) subordinada substantiva subjetiva - reduzida de infinitivo
b) subordinada substantiva predicativa - reduzida de infinitivo
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 253
c) subordinada adjetiva restritiva - reduzida de particípio
d) subordinada adjetiva explicativa - reduzida de particípio
e) subordinada substantiva completiva nominal - reduzida de infinitivo

8) No período "É possível discernir no seu percurso momentos de rebeldia contra a estandardização e o consumo", a
(Fuvest-SP)
oração destacada é:
a) subordinada adverbial causal, reduzida de particípio
b) subordinada objetiva direta, reduzida de infinitivo
c) subordinada objetiva direta, reduzida de particípio
d) subordinada substantiva subjetiva, reduzida de infinitivo
e) subordinada substantiva predicativa, reduzida de infinitivo

RESPOSTAS

1-D 2-B 3-C 4-E 5-D

6-D 7-B 8-E

Período Misto

O período misto é formado por orações coordenadas e orações subordinadas.

Fui ao cinema e assisti ao filme que ganhou o Oscar.


9 9 9
oração coordenada oração coordenada oração subordinada
assindética sindética aditiva substantiva objetiva direta
e oração principal

Voltarei amanhã, mas diga que estou ansiosa em vê-lo.


9 9 9
oração coordenada oração coordenada oração subordinada
assindética sindética adversativa substantiva objetiva direta
e oração principal

Orações Intercaladas ou Interferentes

As orações intercaladas não têm conjunção ou pronome relativo, são sintaticamente independentes, funcionam como uma
observação, uma ressalva, uma opinião, uma advertência, etc.
Dona Juliana (fofoqueira da rua) saiu de casa logo que ouviu a discussão.

As crianças sentadas no canto - a mãe não entendeu - estavam desoladas.

EXERCÍCIOS

1) De acordo com a oração "Os ladrões perceberam que a polícia vinha atrás e se esconderam no galpão", assinale a
alternativa incorreta:
a) "Os ladrões perceberam" é oração principal.
b) "que a polícia vinha atrás" é oração coordenada assindética.
c) "que a polícia vinha atrás" é oração subordinada substantiva objetiva direta.
d) "e se esconderam no galpão" é oração subordinada substantiva completiva nominal.
e) "e se esconderam no galpão" é oração coordenada sindética aditiva.

2) De acordo com a oração "Esta câmera é americana; comprei-a ontem e fotografei a igreja, onde a missa foi rezada", assinale
a alternativa incorreta:
a) "Esta câmera é americana" é oração coordenada assindética.
b) "comprei-a ontem" é oração coordenada assindética.
254 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
c) "e fotografei a igreja" é oração coordenada sindética aditiva.
d) "e fotografei a igreja" é oração principal.
e) "onde a missa foi rezada" é oração subordinada adjetiva explicativa.

3) Na oração "Quando ele era jovem, não era bonito, mas era simpático", as orações principal e subordinada adverbial
temporal são, respectivamente:
a) "quando ele era jovem" e "não era bonito"
b) "não era bonito" e "quando ele era jovem"
c) "mas era simpático" e "não era bonito"
d) "quando ele era jovem" e "mas era simpático"
e) "mas era simpático" e "quando ele era jovem"

4) Observe o texto de Rubem Braga:

"Eu sou um desses estranhos animais que têm por hábitat o Rio de Janeiro; ouvi-me, pois, com o devido respeito.
Sou um monstro de resistência e um técnico em sobrevivência - pois o carioca é, antes de tudo, um forte. Se às vezes saio do Rio
por algum tempo para descansar de seus perigos e desconfortos (certa vez inventei até ser correspondente de guerra, para ter
um pouco de paz), a verdade é que sempre volto. Acostumei-me, assim, a viver perigosamente."

As orações intercaladas do texto acima são:


a) "ouvi-me" e "a verdade é que sempre volto"
b) "Eu sou um desses estranhos animais que têm por hábitat o Rio de Janeiro" e "ouvi-me"
c) "pois o carioca é, antes de tudo, um forte" e "certa vez inventei até ser correspondente de guerra, para ter um pouco de paz"
d) "Se às vezes saio do Rio por algum tempo para descansar de seus perigos e desconfortos" e "Sou um monstro de resistência
e um técnico em sobrevivência"
e) "Acostumei-me, assim, a viver perigosamente." e "a verdade é que sempre volto"

RESPOSTAS

1-D 2-E 3-B 4-C

SINTAXE
DE

CONCORDÂNCIA

Não há vagas

O preço do feijão
não cabe no poema. O preço
do arroz
não cabe no poema.
Não cabem no poema o gás
a luz o telefone
a sonegação
do leite
da carne
do açúcar
do pão

O funcionário público
não cabe no poema
com seu salário de fome
sua vida fechada
em arquivos.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 255
Como não cabe no poema
o operário
que esmerila seu dia de aço
e carvão
nas oficinas escuras

- porque o poema, senhores,


está fechado:
"não há vagas"

Só cabe no poema
o homem sem estômago
a mulher de nuvens
a fruta sem preço

O poema, senhores,
não fede
nem cheira
(GULLAR, Ferreira. Toda poesia (1950-1980). 3ª. ed. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1983. p.224.)

Podemos observar que o verbo "caber" aparece nas formas do singular e do plural. Isso se deve à relação entre o sujeito e o verbo
a qual chamamos de concordância. É interessante observar também que no poema de Ferreira Gullar, há dois procedimentos
diferentes para o estabelecimento da concordância entre o verbo "caber" e o sujeito composto a ele posposto.

Na primeira estrofe, o verbo está no plural, pois concorda com os núcleos do sujeito "gás", "luz", "telefone" e "sonegação".
Reforça-se, neste caso, a unidade dos elementos que formam o sujeito.

Na quarta estrofe, o sujeito composto também posposto ao verbo, tem como núcleos os substantivos "homem", "mulher" e "fruta".
O verbo, no singular, concorda com o mais próximo desses núcleos. Essa forma de estabelecer concordância enfatiza não a unidade
do conjunto, mas sim a individualidade de cada um dos elementos que formam o sujeito.

Essas possibilidades nos mostram que os mecanismos de concordância são uma constante fonte de recursos expressivos e merecem
ser estudados detalhadamente.

“A concordância pode ser estabelecida de palavra para palavra ou de palavra para sentido. A concordância de palavra para palavra
será total ou parcial (também chamada atrativa), conforme se leve em conta a totalidade ou o mais próximo das palavras
determinadas numa série de coordenação. É preciso estar atento a que a liberdade de concordância que a língua portuguesa muitas
vezes oferece deve ser cuidadosamente aproveitada para não prejudicar a clareza da mensagem e a harmonia do estilo. Na língua
oral, em que o fluxo de pensamento corre mais rápido que a formulação e estruturação da oração, é muito comum enunciar primeiro
o verbo - elemento fulcral da atividade comunicativa - para depois se seguirem os outros termos oracionais. Nestas circunstâncias,
o falante costuma enunciar o verbo no singular, porque ainda não pensou no sujeito a quem atribuirá a função predicativa, contida
no verbo, se o sujeito, neste momento, for pensado como pluralidade, os casos de discordância serão aí frequentes. O mesmo ocorre
com o concordância nominal, do particípio. A língua escrita, formalmente mais elaborada, tem meios de evitar estas discordâncias.”
Evanildo Bechara

Introdução

Concordância é o mecanismo pelo qual as palavras alteram sua terminação para se adequarem harmonicamente na frase.

A concordância pode ser feita de três formas:

1 - Lógica ou gramatical - é a mais comum no português e consiste em adequar o determinante (acompanhante) à forma
gramatical do determinado (acompanhado) a que se refere.

A maioria dos alunos faltou.

O verbo (faltou) concordou com o núcleo do sujeito (maioria).

Paguei a conta de luz atrasada.

O adjetivo (atrasada) e o artigo (a) concordaram com o substantivo (conta).


256 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
2 - Atrativa - é a adequação do determinante:

a) a apenas um dos vários elementos determinados, escolhendo-se aquele que está mais próximo:

Paguei a conta de luz e o aluguel atrasado.

O adjetivo (atrasado) está concordando com o substantivo mais próximo (aluguel).

b) a uma parte do termo determinado que não constitui gramaticalmente seu núcleo:

A maioria dos alunos faltaram.

O verbo (faltaram) concordou com o substantivo (alunos) que não é o núcleo do sujeito.

c) a outro termo da oração que não é o determinado:

Tudo são flores.

O verbo (são) concorda com o predicativo do sujeito (flores).

3 - Ideológica ou silepse - consiste em adequar o vocábulo determinante ao sentido do vocábulo determinado e não à forma como
se apresenta:

A plateia, encantada com a atuação do ator, aplaudiram.

O verbo (aplaudiram) concorda com a ideia da palavra plateia (plural) e não com sua forma (singular).

Concordância Nominal e Verbal

Os adjetivos, pronomes, artigos e numerais concordam em gênero e número com os substantivos a que se referem (concordância
nominal);

O verbo concordará com o sujeito da oração em número e pessoa (concordância verbal).

Concordância Nominal

< Concordância do adjetivo (função de adjunto adnominal) com o substantivo

A concordância do adjetivo, com a função de adjunto adnominal, efetua-se de acordo com as seguintes regras gerais:

1) O adjetivo concorda em gênero e número com o substantivo que se refere:

O alto ipê cobre-se de flores amarelas.

2) O adjetivo que se refere a mais de um substantivo de gênero ou número diferentes, quando posposto, poderá concordar no
masculino plural (concordância mais aconselhada), ou com o substantivo mais próximo.

a) no masculino plural:

"Tinha as espáduas e o colo feitos de encomenda para os vestidos decotados." (Machado de Assis)

"Ainda assim, apareci com o rosto e as mãos muito marcados." (Carlos Povina Cavalcanti)

b) com o substantivo mais próximo:

A Marinha e o Exército brasileiro estavam alerta.


Músicos e bailarinas ciganas animavam a festa.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 257
3) Anteposto aos substantivos, o adjetivo concorda, em geral, com o mais próximo:

"Escolhestes mau lugar e hora..." (Alexandre Herculano)


Velhas revistas e livros enchiam as prateleiras.

Observação: Seguem esta regra os pronomes adjetivos:

A sua idade, sexo e profissão.


Seus planos e tentativas.
Aqueles vícios e ambições.
Por que tanto ódio e perversidade?

• Muitas vezes é facultativa a escolha desta ou daquela concordância, mas em todos os casos deve subordinar-se às exigências
da eufonia, da clareza e do bom gosto.

• Quando dois ou mais adjetivos se referem ao mesmo substantivo determinado pelo artigo, ocorrem dois tipos de construção,
um e outro legítimos:

Estudo as línguas inglesa e francesa.


Estudo a língua inglesa e a francesa.

Os dedos indicador e médio estavam feridos.


O dedo indicador e o médio estavam feridos.

• Os adjetivos regidos da preposição de, que se referem a pronomes neutros indefinidos (nada, muito, algo, tanto, que, etc.),
normalmente ficam no masculino singular:

Sua vida nada tem de misterioso.


Seus olhos têm algo de sedutor.

Todavia, por atração, podem esses adjetivos concordar com o substantivo (ou pronome) sujeito:

"Elas nada tinham de ingênuas." (José Gualda Dantas)


"Júlia tinha tanto de magra e sardenta, quanto de feia." (Ribeiro Couto)

< Concordância do adjetivo predicativo com o sujeito

A concordância do adjetivo predicativo com o sujeito realiza-se consoante as seguintes normas:

1) O predicativo concorda em gênero e número com o sujeito simples:

A ciência sem consciência é desastrosa.


É proibida a caça nesta reserva.

2) Quando o sujeito é composto e constituído por substantivos do mesmo gênero, o predicativo deve concordar no plural e no gênero
deles:

O mar e o céu estavam serenos.


A ciência e a virtude são necessárias.

3) Sendo o sujeito composto e constituído por substantivos de gêneros diversos, o predicativo concordará no masculino plural:

O vale e a montanha são frescos.


O garoto e as meninas avançaram cautelosos.

Menos comum é a concordância com o substantivo mais próximo, o que só é possível quando o predicativo se antecipa ao sujeito:

"Era deserta a vila, a casa, o templo." (Gonçalves Dias)


Onde andará metido Antônio e suas irmãs?
258 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
4) Se o sujeito for representado por um pronome de tratamento, a concordância se efetua com o sexo da pessoa a quem nos
referimos:

"Vossa Excelência está enganado, Doutor Juiz." (Ariano Suassuna)

Vossa Alteza foi muito severa. (com referência a uma princesa)

Observação: A essa concordância do adjetivo com a ideia implícita na expressão de tratamento dá-se o nome de silepse.

• O predicativo aparece às vezes na forma do masculino singular nas estereotipadas locuções é bom, é necessário, é preciso,
etc., embora o sujeito seja substantivo feminino ou plural:

Bebida alcoólica não é bom para o fígado.


"É necessário muita fé." (Mário Barreto)

• Observe que em tais casos o sujeito não vem determinado pelo artigo e a concordância se faz não com a forma gramatical
da palavra, mas com o fato que se tem em mente:

Tomar hormônios às refeições não é mau.


É necessário ter muita fé.

• Havendo determinação do sujeito, ou sendo preciso realçar o predicativo, efetua-se a concordância normalmente:

É necessária a tua presença aqui. [= indispensável]


"Se eram necessárias obras, que se fizessem e largamente." (Eça de Queirós)

< Concordância do predicativo com o objeto

A concordância do adjetivo predicativo com o objeto direto ou indireto subordina-se às seguintes regras gerais:

1) O adjetivo concorda em gênero e número com o objeto quando este é simples:

Vi ancorados na baía os navios petrolíferos.


O tribunal qualificou de ilegais as nomeações do ex-prefeito.

2) Quando o objeto é composto e constituído por elementos do mesmo gênero, o adjetivo se flexiona no plural e no gênero dos
elementos:

A justiça declarou criminosos o empresário e seus auxiliares.


Deixe bem fechadas a porta e as janelas.

3) Sendo o objeto composto e formado de elementos de gêneros diversos, o adjetivo predicativo concordará no masculino plural:

Tomei emprestados a régua e o compasso.


Achei muito simpáticos o príncipe e sua filha.

Se anteposto ao objeto, poderá o predicativo, neste caso, concordar com o núcleo mais próximo:

É preciso que se mantenham limpas as ruas e os jardins.

Segue as mesmas regras o predicativo expresso pelos substantivos variáveis em gênero e número:

Temiam que as tomassem por malfeitoras.


Considero autores do crime o comerciante e sua empregada.

< Concordância do numeral com o substantivo

1) Os numerais cardinais que sofrem flexões de gênero concordam com o substantivo a que se referem.

Havia, na sala de aula, apenas duas alunas.


Na reunião pedagógica, apenas uma professora se manifestou.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 259
Observação: Com o numeral um (uma) o substantivo fica no singular e, com os demais, vai para o plural.

É uma hora.
São cinco horas.

2) Quando mais de um numeral ordinal se referir a um mesmo substantivo:

• o substantivo fica no singular ou vai para o plural se os numerais forem precedidos de artigo:

O primeiro e o quarto batalhão da Polícia Militar serão homenageados pelo Governador.


O primeiro e o quarto batalhões da Polícia Militar serão homenageados pelo Governador.

• o substantivo irá para o plural se não houver repetição do artigo:

O primeiro e quarto batalhões da Polícia Militar serão homenageados pelo Governador.


A primeira e segunda séries do Ensino Médio irão ao teatro.

• o substantivo irá para o plural se aparecer antes dos numerais.

Os batalhões primeiro e quarto da Polícia Militar serão homenageados pelo Governador.


As séries primeira e segunda do Ensino Médio irão ao teatro.

< Concordância do particípio com o substantivo

Na voz passiva, o particípio concorda em gênero e número com o sujeito, como os adjetivos:

Foi escolhida a rainha da festa.


Os jogadores tinham sido convocados.

Quando o núcleo do sujeito é, como no último exemplo, um coletivo numérico, pode-se, em geral, efetuar a concordância com
o substantivo que o acompanha:

Centenas de rapazes foram vistos pedalando nas ruas.


Dezenas de soldados foram feridos em combate.

Referindo-se a dois ou mais substantivos de gêneros diferentes, o particípio concordará no masculino plural:

Atingidos por mísseis, a corveta e o navio foram a pique.


Mas achei natural que o clube e suas ilusões fossem leiloados.

< Concordância do pronome com o substantivo

O pronome, quando se flexiona, concorda em gênero e número com o substantivo a que se refere:

Martim quebrou um ramo de murta, a folha da tristeza, e deitou-o no jazigo de sua esposa.
O velho abriu as pálpebras e cerrou-as logo.

O pronome a que se refere a dois ou mais substantivos de gêneros diferentes flexiona-se no masculino plural:

Salas e corações habita-os a saudade!


Conheci naquela escola ótimos rapazes e moças, com os quais fiz boas amizades.

Os pronomes um ... outro, quando se referem a substantivos de gêneros diferentes, concordam no masculino:

Marido e mulher viviam em boa harmonia e ajudavam-se um ao outro.


Nilo e Sônia casaram cedo: um por amor, o outro, por interesse.

A locução um e outro, referida a indivíduos de sexos diferentes permanece também no masculino:


260 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
"A mulher do colchoeiro escovou-lhe o chapéu; e, quando ele [Rubião] saiu, um e outro agradeceram-lhe muito o benefício
da salvação do filho." (Machado de Assis)

O substantivo que se segue às locuções um e outro e nem um nem outro fica no singular. Exemplos:

Um e outro livro me agradaram.


Nem um nem outro livro me agradaram.

< Outros casos de concordância nominal

Registramos aqui alguns casos especiais de concordância nominal:

1) Anexo, incluso, leso. Como adjetivos, concordam com o substantivo em gênero e número:

Anexa à presente, vai a relação das mercadorias.


Vão anexos os pareceres das comissões técnicas.
Remeto-lhe, inclusa, uma fotocópia do recibo.
Ajudar esses espiões seria crime de lesa-pátria.

Observação: evite a locução em anexo.

2) A olhos vistos. Locução adverbial invariável. Significa visivelmente.

Helena emagrecia a olhos vistos.


Jair envelhecia a olhos vistos.

3) Só, a sós. Como adjetivo, só [= sozinho, único] concorda em número com o substantivo. Como palavra denotativa de limitação,
equivalente de apenas, somente, é invariável.

Eles estavam sós, na sala iluminada.


Esses dois livros, por si sós, bastariam para torná-lo célebre.
Elas só passeiam de carro.
Só eles estavam na sala.

A expressão a sós é invariável.

Fiquei a sós por muito tempo.


Ficaram a sós por muito tempo

4) Possível. Usado em expressões superlativas, este adjetivo ora aparece invariável, ora flexionado:

Essas frutas são as mais saborosas possível.


A mania de Alice era colecionar os enfeites de louça mais grotescos possíveis.

Há uma nítida tendência, no português de hoje, para usar, neste caso, o adjetivo possível no plural.

O singular é de rigor quando a expressão superlativa inicia com a partícula o (o mais, o menos, o maior, o menor, etc.):

Os prédios devem ficar o mais afastados possível.


Ele trazia sempre as unhas o mais bem aparadas possível.

5) Adjetivos adverbializados. Certos adjetivos, como sério, claro, caro, barato, alto, raro, etc., quando usados com a função de
advérbios terminados em -mente, ficam invariáveis:

Vamos falar sério. [sério = seriamente]


Estas aves voam alto. [ou baixo]
Junto e direto ora funcionam com adjetivos, ora como advérbios:

Jorge e Dante saltaram juntos do carro.


Foram direto ao galpão do engenheiro-chefe.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 261
6) Todo. No sentido de inteiramente, completamente, costuma-se flexionar, embora seja advérbio:

Esses índios andam todos nus.


As meninas iam todas de branco.

Mas admite-se também a forma invariável:

Fiquei com os cabelos todo sujos de terra.


Suas mãos estavam todo ensanguentadas.

7) Alerta. Pela sua origem, alerta [= atentamente, de prontidão, em estado de vigilância] é advérbio e, portanto, invariável:

Estamos alerta.
Os soldados ficaram alerta.

Contudo, para alguns gramáticos como Mauro Ferreira, em sua obra Aprender e praticar gramática, esta palavra é, atualmente,
sentida antes como adjetivo sendo, por isso flexionada no plural:

Nossos chefes estão alertas. [= vigilantes]


Papa diz aos cristãos que se mantenham alertas.

8) Meio. Usada como advérbio, no sentido de um pouco, esta palavra é invariável:

A porta estava meio aberta.


As meninas ficaram meio nervosas.

Usada como adjetivo ou numeral fracionário, esta palavra é variável:

Fizemos bastantes perguntas para o professor.


Afonso comeu meia pizza.

9) Bastante, caro, longe. Variam quando adjetivos:

Não havia provas bastantes para condenar o réu.


Duas malas não eram bastantes para as roupas da atriz.
Eles compram sempre em lojas caras.
Meus caros amigos, quanto tempo!
Andei longes terras.
"Levai-me a esses longes verdes, cavalos do vento!" (Cecília Meireles)

Ficam invariáveis quando advérbios:

As cordas eram bastante fortes para sustentar o peso.


Os emissários voltaram bastante otimistas.
Estas roupas custam muito caro.
Não pensei que este carro custasse tão caro.
Estamos longe de casa há mais de uma semana.
Ela mora muito longe daqui.

10) Menos, pseudo. São palavras invariáveis:

Gaste menos água.


À noite, há menos pessoas na praça.
Trata-se de pseudo-especialistas.
Nunca confiei nesses pseudo-advogados.

11) É preciso, é necessário, é bom, é proibido. Podem ocorrer duas construções com expressões desse tipo:

• com sujeito sem elemento determinante (artigo ou pronome), essas expressões ficam invariáveis:

É preciso coragem para andar neste ônibus.


É necessário experiência para ocupar este cargo.
262 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Laranja é bom para a saúde.
É proibido entrada de pessoas estranhas neste recinto.

• com sujeito acompanhado de elemento determinante (artigo ou pronome), essas expressões concordam com ele em gênero e
número:

São precisos vários homens fortes para empurrar este caminhão.


É necessária a sua presença na reunião.
É boa minha sopa de legumes?
É proibida a entrada de pessoas estranhas neste recinto.

12) Próprio, obrigado, quite. Essas palavras concordam, geralmente, com o nome a que se referem:

Elas próprias fizeram o acordo.


Eles próprios fizeram o acordo.
Muito obrigado - disse o freguês.
Muito obrigada - disse a vendedora.
Estou quite com as minhas obrigações fiscais.
Estamos quites com nossas dívidas.

13) Mesmo. Essa palavra pode ser pronome ou advérbio.

• Se for pronome, concorda com a palavra a que se refere:

Os moradores mesmos fecharam a rua no domingo.


As alunas mesmas organizaram a Feira Cultural da escola.

• Se for advérbio (mesmo=realmente), é invariável:

Os moradores fecharam mesmo a rua no domingo.


As alunas organizaram mesmo a Feira Cultural da escola.

14) Substantivos ligados por ou. Com substantivos de gêneros diferentes ligados por ou, o adjetivo pode:

• ficar na forma masculina plural:

Para trabalhar naquela empresa, era preciso o uso de roupa ou avental brancos.

• concordar com o substantivo mais próximo:

Para trabalhar naquela empresa, era preciso o uso de roupa ou avental branco.
Para trabalhar naquela empresa, era preciso o uso de avental ou roupa branca.

Concordância Verbal

O verbo concorda com o sujeito, em harmonia com as seguintes regras gerais:

< Com sujeito simples

O sujeito sendo simples, com ele concordará o verbo em número e pessoa:

a) verbo depois do sujeito:

As saúvas eram uma praga.


O vento forte quebra os telhados e as vidraças.
b) verbo antes do sujeito:

Acontecem tantas desgraças neste planeta!


Não faltarão pessoas que nos queiram ajudar.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 263

< Com sujeito composto

O sujeito, sendo composto e anteposto ao verbo, leva geralmente este para o plural. Exemplos:

A esposa e o amigo seguem sua marcha.


Poti e seus guerreiros o acompanharam.

É lícito (mas não obrigatório) deixar o verbo no singular:

a) quando os núcleos do sujeito são sinônimos:

A decência e honestidade ainda reinava.


A coragem e a afoiteza com que lhe respondi, pertubou-o.

b) quando os núcleos do sujeito formam sequência gradativa:

Uma ânsia, uma aflição, uma angústia repentina começou a me apertar a alma.

Sendo o sujeito composto e posposto ao verbo, este poderá concordar no plural ou com o substantivo mais próximo:

Ali estavam o rio e suas lavadeiras.


Aqui é que reina a paz e a alegria na boas consciências.

< Com sujeito composto e de pessoas diferentes

Se o sujeito composto for de pessoas diversas, o verbo se flexiona no plural e na pessoa que tiver prevalência. [A 1ª pessoa
prevalece sobre a 2ª e a 3ª; a 2ª prevalece sobre a 3ª]:

Foi o que fizemos Capitu e eu. [ela e eu = nós]


Tu e ele partireis juntos. [tu e ele = vós]
Você e meu irmão não me compreendem. [você e ele = vocês]

Muitas vezes os escritores quebram a rigidez dessa regra:

a) ora fazendo concordar o verbo com o sujeito mais próximo, quando este se opõe ao verbo:

O que me resta da felicidade passada és tu e eles.


Faze uma arca de madeira; entra nela tu, tua mulher e teus filhos.

b) ora preferindo a 3ª pessoa na concorrência tu + ele [tu + ele = vocês em vez de tu + ele = vós]:

Deus e tu são testemunhas.


Juro que tu e tua mulher me pagam.

Casos Especiais de Concordância Verbal

< Núcleos do sujeito unidos por ou

Há duas situações a considerar:

1) Se a conjunção ou indicar exclusão ou retificação, o verbo concordará com o núcleo do sujeito mais próximo:

Paulo ou Antônio será o presidente.


O ladrão ou os ladrões não deixaram nenhum vestígio.
264 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
2) O verbo irá para a plural se a ideia por ele expressa se referir ou puder ser atribuída a todo os núcleos do sujeito:

Era tão pequena a cidade, que um grito ou gargalhada forte a atravessavam de ponta a ponta.
Naquela crise, só Deus ou Nossa Senhora podiam acudir-lhe.

Há, no entanto, em bons autores, ocorrência de verbo no singular:

A glória ou a vergonha da estirpe provinha de atos individuais.

< Núcleos do sujeito unidos pela preposição com

Usa-se mais frequentemente o verbo no plural quando se atribui a mesma importância, no processo verbal, aos elementos do
sujeito unidos pela preposição com:

Manuel com seu compadre construíram o barracão.


Eu com outros romeiros vínhamos de Vigo...

Pode-se usar o verbo no singular quando se deseja dar relevância ao primeiro elemento do sujeito e também quando o verbo vier
antes deste.

O bispo, com dois sacerdotes, iniciou solenemente a missa.

O presidente, com sua comitiva, chegou a Paris às 5 h da tarde.

< Núcleos do sujeito unidos por nem

Quando o sujeito é formado por núcleos no singular unidos pela conjunção nem, usa-se, comumente, o verbo no plural:

Nem a riqueza nem o poder o livraram de seus inimigos.


Nem eu nem ele o convidamos.

É preferível a concordância no singular:

a) quando o verbo precede o sujeito:

Não o convidei eu nem minha esposa.

"Na fazenda, atualmente, não se recusa trabalho, nem dinheiro, nem nada a ninguém." (Guimarães Rosa)

b) quando há exclusão, isto é, quando o fato só pode ser atribuído a um dos elementos do sujeito:

Nem Berlim nem Moscou sediará a próxima Olimpíada. [Só uma cidade pode sediar a Olimpíada.]

Nem Paulo nem João será eleito governador do Acre. [Só um candidato pode ser eleito governador.]

< Núcleos do sujeito correlacionados

O verbo vai para o plural quando os elementos do sujeito composto estão ligados por uma das expressões correlativas não só...
mas também, não só como também, tanto... como, etc.:

"Não só a nação mas também o príncipe estariam pobres." (Alexandre Herculano)

"Tanto a igreja com o Estado eram até certo ponto inocentes." (Alexandre Herculano)

< Sujeitos resumidos por tudo, nada, ninguém

Quando o sujeito composto vem resumido por um dos pronomes tudo, nada, ninguém, etc., o verbo concorda, no singular, com
o pronome resumidor:

Jogos, espetáculos, viagens, diversões, nada pôde satisfazê-lo.

Jogadores, árbitro, assistentes, ninguém saiu do campo.


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 265

< Núcleos do sujeito designando a mesma pessoa ou coisa

O verbo concorda no singular quando os núcleos do sujeito designam a mesma pessoa ou o mesmo ser:

"Embora sabendo que tudo vai continuar como está, fica o registro, o protesto, em nome dos telespectadores." (Valério Andrade)

Advogado e membro da instituição afirma que ela é corrupta.


< Núcleos do sujeito são infinitivos

O verbo concordará no plural se os infinitivos forem determinados pelo artigo ou exprimirem ideias opostas; caso contrário, tanto
é lícito usar o verbo no singular como no plural:

O comer e o beber são necessários.


Rir e chorar fazem parte da vida.
Cantar, dançar e representar faz [ou fazem] a alegria do artista.

< Sujeito coletivo

O verbo concorda no singular com o sujeito coletivo no singular:

A multidão vociferava ameaças.


O exército dos aliados desembarcou no sul da Itália.

Observação: Se o coletivo vier seguido de substantivo plural que o especifique e anteceder ao verbo, este poderá ir para o plural,
quando se quer salientar não a ação do conjunto, mas a dos indivíduos, efetuando-se uma concordância não gramatical,
mas ideológica:

"Uma grande multidão de crianças, de velhos, de mulheres penetraram na caverna..." (Alexandre Herculano)
"Havia na União um grupo de meninos que praticavam esse divertimento com uma pertinácia admirável." (Carlos Povina
Cavalcanti)

< A maior parte de, grande número de, etc.

Sendo o sujeito uma das expressões quantitativas a maior parte de, parte de, a maioria de, grande número de, etc., seguida de
substantivo ou pronome no plural, o verbo, quando posposto ao sujeito, pode ir para o singular ou para o plural, conforme se queira
efetuar uma concordância estritamente gramatical (com o coletivo singular) ou uma concordância enfática, expressiva, com a idéia
de pluralidade sugerida pelo sujeito:

"A maior parte dos indígenas respeitavam os pajés." (Gilberto Freire)


"Grande parte dos atuais advérbios nasceram de substantivos."(Mário Barreto)
"A maioria das pessoas são sinuosas, coleantes..." (Ondina Ferreira)
"A maioria das palavras continua visível." (Carlos D. de Andrade)
"Meia dúzia de garimpeiros doentes esperava a consulta matutina." (Herman Lima)
"Visitei os presos. Boa parte deles dormia [ou dormiam] no chão".

< Um e outro, nem um nem outro

O sujeito sendo uma dessas expressões, o verbo concorda, de preferência, no plural:

"Um e outro se destinavam ao conhecimento..." (Hernani Cidade)


"Uma e outra família tinham [ou tinha] parentes no Rio."
"Depois nem um nem outro acharam novo motivo para diálogo." (Fernando Namora)
Nem uma nem outra foto prestavam [ou prestava].

< Um ou outro

O verbo concorda no singular com o sujeito um ou outro:


266 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
"Respondi-lhe que um ou outro colar lhe ficava bem." (Machado de Assis)
"Uma ou outra pode dar lugar a dissentimentos." (Machado de Assis)

< Um dos que, uma das que

Quando, em orações adjetivas restritivas, o pronome que vem antecedido de um dos ou expressão análoga, o verbo da oração
adjetiva flexiona-se, em regra, no plural:

"O príncipe foi um dos que despertaram mais cedo." (Alexandre Herculano)

" A baronesa era uma das pessoas que mais desconfiavam de nós." (Machado de Assis)

Essa é a concordância lógica, geralmente preferida pelos escritores modernos. Todavia, não é prática condenável fugir ao rigor
da lógica gramatical e usar o verbo da oração adjetiva no singular (fazendo-o concordar com a palavra um), quando se deseja destacar
o indivíduo do grupo, dando-se a entender que ele sobressaiu ou sobressai aos demais:

Ele é um desses parasitas que vive à custa dos outros.


"Foi um dos poucos do seu tempo que reconheceu a originalidade e importância da literatura brasileira." (João Ribeiro)

Observação: Há gramáticos que condenam tal concordância. Por coerência, deveriam condenar também a comumente aceita em
construções anormais do tipo: Quais de vós sois isentos de culpa? Quantos de nós somos completamente felizes?

O verbo fica obrigatoriamente no singular quando se aplica apenas ao indivíduo de que se fala, como no exemplo:

Jairo é um dos meus empregados que não sabe ler. [Jairo é o único empregado que não sabe ler.]

Ressalte-se, porém, que nesse caso é preferível construir a frase de outro modo:

Jairo é um empregado meu que não sabe ler.


Dos meus empregados, só Jairo não sabe ler.

Na linguagem culta formal, ao empregar as expressões em foco, o mais acertado é usar no plural o verbo da oração
adjetiva:

O Japão é um dos países que mais investem em tecnologia.


Heráclito foi um dos empresários que conseguiram superar a crise.

Embora o caso seja diferente, é oportuno lembrar que, nas orações adjetivas explicativas, nas quais o pronome que é
separado de seu antecedente por pausa e vírgula, a concordância é determinada pelo sentido da frase:

Um dos meninos, que estava sentado à porta da casa, foi chamar o pai. [Só um menino estava sentado.]
Um dos cinco homens, que assistiam àquela cena estupefatos, soltou um grito de protesto. [Todos os cinco homens
assistiam à cena.]

< Mais de um

O verbo concorda, em regra, no singular. O plural será de rigor se o verbo exprimir reciprocidade, ou se o numeral for superior
a um:

Mais de um excursionista já perdeu a vida nesta montanha.


Mais de um dos circunstantes se entreolharam com espanto.
Devem ter fugido mais de vinte presos.

< Quais de vós? Alguns de nós

Sendo o sujeito um dos pronomes interrogativos quais? quantos?, ou um dos indefinidos alguns, muitos, poucos, etc., seguidos
dos pronomes nós ou vós, o verbo concordará, por atração, com estes últimos, ou, o que é mais lógico, na 3ª pessoa do plural:

"Quantos dentre nós a conhecemos?" (Rogério César Cerqueira)


"Quais de vós sois, como eu, desterrados...?" (Alexandre Herculano)
"...quantos dentre vós estudam conscienciosamente o passado?" (José de Alencar)
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 267
"Alguns de nós vieram [ou viemos] de longe."
Poucos dentre nós conhecem [ou conhecemos] as leis.

Observação: Estando o pronome no singular, no singular (3ªpessoa) ficará o verbo:

Qual de vós testemunhou o fato?


Nenhum de vós a viu?
Nenhuma de nós a conhece.
Qual de nós falará primeiro?

< Pronomes relativos quem, que, como sujeitos

O verbo concordará, em regra, na 3ª pessoa, com os pronomes quem e que, em frases como estas:

Sou eu quem responde pelos meus atos.


Somos nós quem leva o prejuízo.
Eram elas quem fazia a limpeza da casa.
Eu sou o que presenciou o fato.
"Sou um homem que ainda não renegou nem da cruz, nem da Espanha." (Alexandre Herculano)
"Éramos dois sócios que entravam no comércio da vida com diferente capital." (Machado de Assis)

Todavia, a linguagem enfática justifica a concordância com o sujeito da oração principal:

"Sou eu quem prendo aos céus a terra." (Gonçalves Dias)


"És tu quem dás frescor à mansa brisa." (Gonçalves Dias)
"Nós somos os galegos que levamos a barrica." (Camilo Castelo Branco)
"Somos nós quem a fazemos." (Ricardo Ramos)

A concordância do verbo precedido do pronome relativo que far-se-á obrigatoriamente com o sujeito do verbo (ser) da oração
principal, em frases do tipo:

Sou eu que pago.


És tu que vens conosco?
Somos nós que cozinhamos.
Eram eles que mais reclamavam.

< Concordância com os pronomes de tratamento

Os pronomes de tratamento exigem o verbo na 3ª pessoa, embora se refiram à 2ª pessoa do discurso:

Vossa Excelência agiu com moderação.


Vossas Excelências não ficarão surdos à voz do povo.
"Vossa Majestade não pode consentir que os touros lhe matem o tempo e os vassalos." (Rebelo da Silva)

< Concordância com certos substantivos próprios no plural

Certos substantivos próprios de forma plural, como Estados Unidos, Andes, Campinas, Lusíadas, etc., levam o verbo para o plural
quando se usam com o artigo; caso contrário, o verbo concorda no singular.

"Os Estados Unidos são o país mais rico do mundo." (Eduardo Prado)
Os Andes se estendem da Venezuela à Terra do fogo.
"Os Lusíadas" imortalizaram Luís de Camões.
Campinas orgulha-se de ter sido o berço de Carlos Gomes.
Minas Gerais possui grandes jazidas de ferro.

Tratando-se de títulos de obras, é comum deixar o verbo no singular, sobretudo com o verbo ser seguido de predicativo no
singular:

"As Valkírias mostra claramente o homem que existe por detrás do mago."
"Os Sertões é um ensaio sociológico e histórico..." (Celso Luft)
268 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
< Concordância do verbo passivo

Quando apassivado pelo pronome apassivador se, o verbo concordará normalmente com o sujeito:

Vende-se a casa e compram-se dois apartamentos.


Gastaram-se milhões, sem que se vissem resultados concretos.

Nas locuções verbais formadas com os verbos auxiliares poder e dever, na voz passiva sintética, o verbo auxiliar concordará com
o sujeito:

Não se podem cortar essas árvores.


[sujeito: árvores; locução verbal: podem cortar]

Devem-se ler bons livros.


[= Devem ser lidos bons livros]

Entretanto, pode-se considerar sujeito do verbo principal a oração iniciada pelo infinitivo e, nesse caso, não há locução verbal
e o verbo auxiliar concordará no singular. Assim:

Não se pode cortar essas árvores.


[sujeito: cortar essas árvores; predicado: não se pode]

Deve-se ler bons livros.


[sujeito: ler bons livros; predicado: deve-se]

Em síntese: de acordo com a interpretação que se escolher, tanto é lícito usar o verbo auxiliar no singular como no plural.
Portanto:

Não se podem [ou pode] cortar essas árvores.


Devem-se [ou deve-se] ler bons livros.

< Verbos impessoais

Os verbos haver, fazer (na indicação de tempo), passar de (na indicação de horas), chover e outros que exprimem fenômenos
meteorológicos, quando usados como impessoais, ficam na 3ª pessoa do singular:

Não havia ali vizinhos naquele deserto.


Havia já dois anos que nos não víamos.
Aqui faz verões terríveis.
Faz cinco anos que ele morreu.

Observações:

1) Também fica invariável na 3ª pessoa do singular o verbo que forma locução com os verbos impessoais haver ou fazer:

Deverá haver cinco anos que ocorreu o incêndio.


Vai fazer cem anos que nasceu o genial artista.

2) O verbo chover, no sentido figurado [=cair ou sobrevir em grande quantidade], deixa de ser impessoal e, portanto concordará
com o sujeito:

Choviam pétalas de flores.


Choveram comentários e palpites.

3) Na língua popular brasileira é generalizado o uso de ter, impessoal, por haver, existir. Nem faltam exemplos em escritores
modernos:

"No centro do pátio tem uma figueira velhíssima, com um banco embaixo." (José Geraldo Vieira)

4) Existir não é verbo impessoal. Portanto:

Nesta cidade existem [e não existe] bons médicos.


Não deviam [e não devia] existir crianças abandonadas.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 269

< Concordância do verbo ser

A concordância verbal ocorre sempre entre o verbo e o sujeito da oração. No caso do verbo ser, porém, essa concordância pode
se dar também entre o verbo e o predicativo do sujeito.

Destacam-se os seguintes casos em que o verbo ser concorda com o predicativo do sujeito:

1) Quando o sujeito estiver representado pelos pronomes tudo, o, isto, isso, ou aquilo:

Na mocidade tudo são esperanças.


O que me deixa irritado são seus modos.
Isso são lembranças do passado.
Aquilo eram tolices.

A concordância com o sujeito, embora menos comum, é também lícita:

Tudo é flores no presente.

O verbo ser fica no singular quando o predicativo é formado de dois núcleos no singular:

Tudo o mais é soledade e silêncio.

2) Quando o sujeito é um nome de coisa no singular e o predicativo, um substantivo plural:

A cama são umas palhas.


A causa eram os seus projetos.

Observação: O sujeito sendo nome de pessoa, com ele concordará o verbo ser:

Emília é os encantos de sua avó.


Joana era as preocupações do pai.

3) Quando o sujeito é uma palavra ou expressão de sentido coletivo ou partitivo, e o predicativo um substantivo no plural:

A maioria eram rapazes.


O resto são trastes velhos.

4) Quando o predicativo é um pronome pessoal ou um substantivo, e o sujeito não é pronome pessoal reto:

O Brasil, senhores, sois vós.


O dono da fazenda serás tu.

5) Quando o predicativo é o pronome demonstrativo o ou a palavra coisa:

Divertimentos é o que não lhe falta.


Mentiras, era o que me pediam, sempre mentiras.
6) Nas locuções é muito, é pouco, é suficiente, é demais, é mais (ou do que), é menos que (ou do que), etc., cujo sujeito exprime
quantidade, preço, medida, etc.:

Seis anos era muito.


Dois mil dólares é pouco.

Na indicação das horas, datas e distâncias, o verbo ser é impessoal (não tem sujeito) e concordará com a expressão designativa
de hora, data ou distância:

Era uma hora da tarde.


Eram duas horas da tarde.
Já é meio-dia e meia
Já são três horas.
Eram 18 de junho quando deixamos Porto Alegre.
São três quarteirões de casa até o shopping.

Observação:

Na indicação de dia, o verbo ser admite as seguintes concordâncias:


270 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
• no singular, concordando com a palavra dia explícita:

Hoje é dia 12 de outubro.

• no plural, concordando com o numeral, sem a palavra dia explícita:

Hoje são 12 de outubro.

• no singular, concordando com a ideia implícita de dia:

Hoje é 12 de outubro.

< Locução de realce é que

Com a locução é que o verbo concorda com o sujeito:

Eu é que tenho a ordem aqui.


[= Sou eu que mantenho a ordem aqui.]
Nós é que trabalhávamos.
[= Éramos nós que trabalhávamos.]

Da mesma forma se diz, com ênfase:

Vocês são muito é atrevidos.

< Era uma vez

Por tradição, mantém-se invariável a expressão inicial de histórias era uma vez, ainda quando seguida de substantivo plural:

Era uma vez dois cavaleiros andantes.

< A não ser

É geralmente considerada locução invariável, equivalente a exceto, salvo, senão:

Nada restou do edifício, a não ser escombros.


A não ser alguns pescadores, ninguém conhecia aquela praia.

Mas não constitui erro usar o verbo ser no plural, fazendo-o concordar com o substantivo seguinte, convertido em sujeito da
oração infinitiva:

A não serem os antigos companheiros de mocidade, ninguém o tratava pelo nome próprio.

< Haja vista

A expressão correta é haja vista, e não haja visto. Pode ser construída de três modos:

Hajam vista os livros desse autor. [= tenham vista, vejam-se]


Haja vista os livros desse autor. [= por exemplo, veja]
Haja vista aos livros desse autor. [= olhe-se para, atente-se para os livros]

< Bem haja. Mal haja

Bem haja e mal haja usam-se em frases optativas e imprecativas, respectivamente. O verbo concordará normalmente com o
sujeito, que vem posposto:

Bem haja Sua Majestade!


Mal hajam as desgraças da minha vida...

< Concordância dos verbos bater, dar e soar

Referindo-se às horas, os três verbos acima concordam regularmente com o número de horas, que normalmente é o sujeito. A
não ser que sejam usadas outras palavras como sujeito, casos de hora, horas (claro ou oculto), badaladas ou relógio:
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 271
Deu uma hora no relógio da matriz.
9
sujeito

Deram quatro horas no relógio da matriz.


9
sujeito

Naquele momento soavam dez horas da noite.


9
sujeito

Bateu uma hora da manhã em três torres a um tempo...


9
sujeito

Observação: Esses verbos podem ter outra palavra como sujeito, com a qual devem concordar:

Deu oito horas o relógio da matriz.


9
sujeito

< Concordância dos verbos faltar, sobrar e bastar

Esses verbos concordam com o sujeito:

Falta um dia para o horário de verão.


9
sujeito

Faltam vinte minutos para as três horas.


9
sujeito

Sobrou-me, apenas, um real para o sorvete.


9
sujeito

Sobraram-me, apenas, três reais de troco.


9
sujeito
Basta um telefonema para que consiga o empréstimo.
9
sujeito

Bastam três dias de folga no trabalho para recuperar a energia.


9
sujeito

< Concordância do verbo parecer

Em construções com o verbo parecer seguido de infinitivo, pode-se flexionar o verbo parecer ou o infinitivo que o acompanha:

As paredes pareciam estremecer. (construção corrente)


As paredes parecia estremecerem. (construção literária)

Observação: O verbo parecer fica no singular com oração desenvolvida:

As paredes parece que estremecem. (Parece que as paredes estremecem.)

< Concordância com o sujeito oracional

O verbo cujo sujeito é uma oração concorda obrigatoriamente na 3ª pessoa do singular:


272 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Parecia que os dois homens estavam bêbados.
9 9
verbo sujeito (oração subjetiva)

Faltava dar os últimos retoques.


9 9
verbo sujeito (oração subjetiva)

< Concordância com sujeito indeterminado

O pronome se pode funcionar como índice de indeterminação do sujeito. Nesse caso, o verbo concorda obrigatoriamente na 3ª
pessoa do singular:

Em casa, fica-se mais à vontade.


Detesta-se [e não detestam-se] aos indivíduos falsos.

< Concordância com os numerais milhão, bilhão e trilhão

Estes substantivos numéricos, quando seguidos de substantivo no plural, levam, de preferência, o verbo ao plural. Exemplos
colhidos nos melhores jornais do Rio de Janeiro e de São Paulo:

"Um milhão de fiéis agruparam-se em procissão."


"São gastos ainda um milhão de dólares por ano para a manutenção de cada Ciep."

< Concordância com numerais fracionários

De regra, a concordância do verbo efetua-se com o numerador.

Um quinto dos bens cabe ao menino.


Dois terços da população vivem da agricultura.

Não nos parece, entretanto, incorreto usar o verbo no plural, quando o número fracionário, seguido de substantivo no plural,
tem o numerador 1, como no exemplo:

Um quinto dos homens eram de cor escura.

< Concordância com percentuais

O verbo deve concordar com o número expresso na porcentagem:

Só 1% dos eleitores se absteve de votar.


Só 2% dos eleitores se abstiveram de votar.

< Concordância com o pronome nós subentendido

O verbo concorda com o pronome subentendido nós em frases do tipo:

Todos estávamos preocupados. [= Todos nós estamos preocupados.]

Os dois vivíamos felizes. [= Nós dois vivíamos felizes.]

< Senão

Em frases negativas em que senão equivale a mais que, a não ser, e vem seguido de substantivo plural, costuma-se usar o verbo
no plural, fazendo-o concordar com o sujeito oculto outras coisas:
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 273
Do antigo templo grego não restam senão ruínas.
Da velha casa não sobraram senão escombros.

< Concordância com formas gramaticais

Palavras no plural com sentido gramatical e função de sujeito exigem o verbo no singular:

"Elas" é um pronome pessoal. [= A palavra elas é um pronome pessoal.]

Na placa estava "veículos", sem acento.

< Mais de, menos de

O verbo concorda com o substantivo que se segue a essas expressões:

Mais de cem pessoas perderam suas casas, na enchente.


Gastaram-se menos de dois galões de tinta

EXERCÍCIOS

1) Assinale a alternativa correta:


a) É proibida entrada de animais.
b) É proibido a entrada de animais.
c) É proibido entrada de animais.
d) Todas estão corretas.
e) Todas estão erradas.

2) Indique a alternativa incorreta:


a) Os jogadores entraram em campo bastante otimistas.
b) Os vigilantes ficaram alerta.
c) A porta estava meia fechada.
d) Estes alunos falam alto.
e) Nem eu nem ele sabíamos a resposta.

3) Assinale a alternativa, abaixo; cuja sequência enumera corretamente as frases:

(1) concordância nominal correta


(2) concordância nominal incorreta

( ) Vão anexos as procurações dos clientes.


( ) Neste festival de cinema, um e outro filme me agradaram.
( ) Sonegar impostos seria crime de lesa-pátria.
( ) Foi escolhido a rainha de bateria.

a) 1, 2, 1, 2
b) 1, 1, 2, 2
c) 2, 2, 1, 1
d) 2, 1, 2, 1
e) 2, 1, 1, 2

4) Em todas as alternativas, exceto em uma, o verbo pode ir para o plural ou ficar no singular.
a) A maior parte dos aviões (pousar) na pista auxiliar deste aeroporto.
b) Um grande número de intelectuais (reunir-se) no teatro.
c) Meia dúzia de candidatos (comparecer) ao teste físico.
d) Mais de um apostador (ganhar) o prêmio.
e) A maioria dos alunos (faltar) ontem.
274 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
5) Assinale a alternativa em que meio funciona como advérbio:
a) Comi só meio sanduíche.
b) Faltam dez minutos para chegar no meio da viagem.
c) Pedi meio quilo de mortadela.
d) Os fins justificam os meios.
e) O professor está meio triste.

6) Em todas as frases a concordância se fez corretamente, exceto em:


a) Era uma vez duas meninas muito pobres...
b) Olga recebeu as flores e disse: "Muito obrigado".
c) Eram exatamente quatro horas da manhã.
d) Haja vista as esculturas desse artista.
e) Faltava dar os últimos retoques.

7) Assinale a única alternativa correta:


a) Fazem dez anos que morreu.
b) Não devia existir pessoas sem moradia.
c) Vossa Excelência perdestes a razão.
d) Choveram elogios ao diretor.
e) Minas Gerais possuem bons queijos.

8) A concordância com o numeral fracionário está incorreta na alternativa:


a) Dois terços da população não acredita na Justiça.
b) Três quintos da platéia aplaudiram a atriz.
c) Três quartos do bolo estavam embolorados.
d) Um sexto dos alunos estão com catapora.
e) Um quarto das doações já foi enviada.

9) Assinale a regra incorreta de concordância:


a) Quando os núcleos do sujeito são infinitivos determinados pelo artigo, o verbo fica no singular.
b) Quando o sujeito é oracional, o verbo fica no singular.
c) O verbo haver, quando usado como impessoal, fica na 3ª pessoa do singular.
d) Os pronomes de tratamento exigem o verbo na 3ª pessoa.
e) O verbo concorda no singular com o sujeito coletivo no singular.

10)
I - Havia .......... pessoas interessadas naquele concurso em relação ao último ano.
II -As modelos estavam .......... apreensivas antes do desfile.
III - As alunas ficaram ........... otimistas depois da prova.

a) menos, meio, bastante


b) menas, meias, bastante
c) menos, meias, bastantes
d) menas, meio, bastantes
e) menos, meias, bastantes

11) Assinale a alternativa em que a concordância está correta:


a) Qual de vós sabeis o destino do retirante?
b) Esperava-se dias mais propícios.
c) Só 3% dos deputados cumpriram suas promessas eleitorais.
d) Tudo o mais são tristeza e dor.
e) Três mil reais são pouco.

12) Assinale a alternativa em que há erro de concordância.


a) Aqui, existem bons médicos.
b) Fazem três dias que ele partiu.
c) Vai fazer dez anos que mudei para esta cidade.
d) Vendem-se duas casas na praia.
e) Deve haver muitos animais nesta floresta.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 275
13) I. Os sapatos eram ...............
II. Andei ..................... caminhos.
III. Aqueles produtos custaram .....................
a) caro - longe - baratos
b) caros - longes - baratos
c) caro - longe - barato
d) caros - longes - barato
e) caro - longes - barato

14) Já ...................... dias que ................... os resultados do concurso público. .................. três questões anuladas.
a) fazem - saíram - Houve
b) fazem - saiu - Houveram
c) faz - saiu - Houveram
d) fazem - saíram - Houveram
e) faz - saíram - Houve

15) Indique a alternativa correta:


a) Era necessário a presença do advogado.
b) Seguem anexo as autorizações.
c) Obedeceu-se aos rígidos regulamentos.
d) As paredes pareciam estremecerem.
e) Nada restaram do edifício, a não ser escombros.

16) Nas alternativas abaixo, aceitam-se verbos no singular ou no plural, exceto em:
a) A maioria dos brasileiros (tem/têm) bom coração.
b) Lá (estive/estivemos) eu e Durval.
c) Representar, cantar e dançar (faz/fazem) a alegria do artista.
d) Visitei os presos. Boa parte deles (dormia/dormiam) no chão.
e) Ainda (falta/faltam) fazer os exercícios de matemática.

17) Assinale a alternativa incorreta quanto à concordância verbal:


a) Memórias de um sargento de milícias é uma ótima crônica.
b) Consertam-se aparelhos eletrônicos.
c) É importante que todos sejam avisados.
d) Hoje são nove de outubro.
e) Bateu onze horas no relógio da matriz.

18) Assinale a alternativa incorreta quanto à concordância nominal:


a) Este livro apresenta modismos e gíria ingleses.
b) Este livro apresenta gíria e modismos ingleses.
c) Este livro apresenta modismos e gíria inglesa.
d) Estudo as línguas inglesa e francesa.
e) Todas estão corretas.

19) Indique a alternativa correta:


a) Aluga-se chalés.
b) Precisam-se de operadores de telemarketing.
c) Reformam-se sofás.
d) Comprou-se terrenos na periferia.
e) Tratavam-se de questões fundamentais.

20) Assinale a alternativa cuja sequência enumera corretamente as frases:

(1) concordância verbal correta


(2) concordância verbal incorreta.

( ) Todos estávamos curiosos.


( ) Um milhão de eleitores anularam o voto.
( ) Eram seis horas da manhã quando ...
( ) Faltavam dar três telefonemas.

a) 1, 1, 2, 2.
b) 2, 2, 1, 1.
c) 1, 1, 1, 2.
d) 2, 1, 2, 2.
e) 1, 2, 1, 2.
276 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
21) No corpo do anúncio, a expressão "Vende-se 3 lojas bem montadas":
(Unifesp-SP)
a) apresenta problema de concordância verbal. Deveria ocorrer na forma Vendem-se porque se é índice de indeterminação do
sujeito, e lojas é o sujeito paciente.
b) não apresenta problema de concordância verbal porque se é índice de indeterminação do sujeito, e lojas é o objeto direto.
c) apresenta problema de concordância verbal. Deveria ocorrer na forma Vendem-se porque se é partícula apassivadora, e lojas
é o sujeito paciente.
d) não apresenta problema de concordância verbal, porque se é partícula apassivadora, e lojas é o sujeito paciente.
e) apresenta problema de concordância verbal. Deveria ocorrer na forma Vendem-se porque se é pronome reflexivo com função
sintática de objeto indireto, e lojas é o objeto direto.

22) O trecho "... os dois permanecemos trancados durante toda a viagem que realizamos juntos, ...", extraído do
(PUCC-SP)
capítulo 23 de Lavoura arcaica, apresenta, quanto à concordância verbal:
a) respectivamente, silepse ou concordância ideológica e indicação do sujeito pela flexão verbal.
b) em ambos os casos, indicação do sujeito apenas pela flexão verbal.
c) em ambos os casos, concordância ideológica ou silepse.
d) respectivamente, concordância ideológica e silepse.
e) respectivamente, indicação do sujeito pela flexão verbal e silepse ou concordância ideológica.

23) (FGV-SP) Assinale a alternativa em que ocorra erro de concordância:


a) Entre um copo de cerveja e outro, foi considerado, por algum tempo, a possibilidade de eclodir uma revolução.
b) A maioria dos alunos chegou às 13 horas.
c) Não se sabem os motivos que levaram Chico Leitão a essas diatribes.
d) A entrada dos bois nos currais atrapalhou a contagem.
e) Chegaram de Brasília os ajudantes para fazer a faxina no consultório.

24) (Acafe-SC) Assinale a alternativa que preenche corretamente os espaços na frase:

Hoje, quem .........., porque, ontem ............ tu que ............


a) paga sou eu - foste - pagaste
b) paga sou eu - foi - pagou
c) paga sou eu - foste - pagou
d) paga é eu - foi - pagaste
e) paga sou eu - fostes - pagastes

25) A ocorrência de interferências ................-nos a concluir que ............... uma relação profunda
(F.C. Chagas-RJ)
entre homem e sociedade que os ................... mutuamente dependentes.
a) leva - existe - torna
b) levam - existe - tornam
c) levam - existem - tornam
d) levam - existem - torna
e) leva - existem - tornam

26) (FUVEST-SP) Indique a alternativa correta:


a) Filmes, novelas, boas conversas, nada o tiravam da apatia.
b) A pátria não é ninguém: são todos.
c) Se não vier as chuvas, como faremos?
d) É precaríssima as condições do prédio.
e) Vossa Senhoria vos preocupais demasiadamente com a vossa imagem.

27) (UM-SP) Não ...................... razões para acreditarmos nele, pois ....................... provas suficientes e
........................ anotações memoráveis a seu favor.
a) faltava - haviam - existiam
b) faltavam - havia - existiam
c) faltavam - haviam - existiam
d) faltava - havia - existia
e) faltavam - havia - existia

28) (FUVEST-SP) Num dos provérbios abaixo não se observa a concordância prescrita pela gramática. Indique-a:
a) Não se apanham moscas com vinagre.
b) Casamento e mortalha no céu se talha.
c) Quem ama o feio, bonito lhe parece.
d) De boas ceias, as sepulturas estão cheias.
e) Quem cabras não tem e cabritos vende, de algum lugar lhe vêm.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 277
29) (FUVEST-SP) Aponte a alternativa correta:
a) Considerou perigosos o argumento e a decisão.
b) É um relógio que torna inesquecível todas as horas.
c) Já faziam meses que não a via.
d) Os atentados que houveram deixaram perplexa a população.
e) A quem pertence essas canetas?

30) (Fatec-SP) Assinale a alternativa que completa corretamente as lacunas da frase abaixo:
"É .................... discussão entre homens e mulheres ......................... ao mesmo ideal, pois já se disse ...................... vezes que
da discussão, ainda que ................... acalorada, nasce a luz."
a) bom - voltados - bastantes - meio
b) bom - voltadas - bastante - meia
c) boa - voltadas - bastantes - meio
d) boa - voltados - bastante - meia
e) bom - voltadas - bastantes - meia

31) (U.F. Santa Maria-RS) Considere a concordância nas seguintes frases:

I. Qual de nós viajaremos à Itália?

II. O falso e o verdadeiro, a verdade e a mentira, tudo passa.

III. Renato ou Fernanda preencherão a vaga existente.

Assinale a alternativa adequada:


a) Apenas I está correta.
b) Apenas II está correta.
c) Apenas I e II estão corretas.
d) Apenas II e III estão corretas.
e) I, II e III estão corretas.

32) (FUVEST-SP) Disse o sabiá à flauta: "Eu, tu e o artista ................ de modo diferente; mas o artista e tu ...................... de modo igual.
Portanto, entre .......... e .......... há uma grande diferença".
Assinale a alternativa que completa corretamente as lacunas do hipotético texto acima:
a) cantam, cantais, mim, tu.
b) cantemos, cantam, eu, ti.
c) cantamos, cantas, eu, ti.
d) cantamos, cantais, mim, ti.
e) cantais, cantam, eu, você.

33) Já ................. ser sete horas quando, ..................... a fumaça e o fogo, os bombeiros
(F.C. Chagas-BA)
abandonaram o local do incêndio.
a) deveria, extinto.
b) deveria, extinta.
c) deveria, extintos.
d) deveriam, extinta.
e) deveriam, extintas.

34) (FUVEST-SP) Assinale a frase gramaticalmente correta:


a) Há menas pessoas hoje.
b) Ele comportou-se muito mau durante a entrevista.
c) Esperava-se menos perguntas na prova.
d) Os atletas apresentavam-se afim de iniciarem a corrida.
e) Cristina viajou há três semanas.

35) (FUVEST-SP) Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas: Quantas semanas ................ para eles
..................... o trabalho?
a) é necessário, terminassem.
b) é necessário, terminar.
c) são necessários, terminarem.
d) são necessários, terminem.
e) são necessárias, terminarem.
278 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
36) (UFF-RJ) Quanto à concordância verbal é inaceitável, segundo a norma culta contemporânea, a seguinte frase:
a) Não só o encontro de duas expansões, mas também a expansão de duas formas podem resultar na supressão de uma delas.
b) A guerra é um dos eventos que mais caracterizam a história das civilizações.
c) Havia apenas um campo de batatas para as duas tribos, mas outros poderiam haver na vertente posterior da montanha.
d) A vida ou a morte restará após a batalha.
e) Cabe às tribos, pela força, definir quem tem direito às batatas.

37) (ESPM-SP) Assinale a alternativa que contenha erro de concordância:


a) Os resultados pareciam depender da vontade do diretor.
b) A medicina tem avançado pouco, hajam vistas as pesquisas sobre a Aids.
c) Os diagnósticos parecia dependerem do resultado dos exames de laboratório.
d) O poder da propaganda é discutível, haja vista a acentuada queda de consumo durante o plano Collor.
e) Se houvesse melhores condições de ensino, existiriam melhores resultados.

38) (Vunesp-SP) Assinale a alternativa que apresenta concordância verbal inaceitável de acordo com a norma culta:
a) "Napoleão com os franceses venceu a Europa."
b) "Em uma dessas noites, o chefe, com uma dúzia de escolhidos, entrou pela encosta."
c) "Ele como mais dois acercaram-se da porta."
d) "Era perto de nove horas quando isso aconteceu."
e) "São perto de uma hora agora."

39) (FEI-SP)Assinalar a alternativa em que a concordância verbal está incorreta:


a) Crianças, jovens, adultos, ninguém ficou imune aos seus encantos.
b) Mais de mil pessoas compareceram ao comício.
c) Não só a educação mas também a saúde precisa de muita atenção do governo.
d) Bastam dois toques para sabermos que você chegou.
e) Boa parte das pessoas está preocupada com o futuro.

40) (Puccamp-SP) A frase em que a concordância nominal está correta é:


a) A vasta plantação e a casa grande caiados há pouco tempo eram o melhor sinal da prosperidade familiar.
b) Eles, com ar entristecidos, dirigiram-se ao salão onde se encontravam as vítimas do acidente.
c) Não lhe pareciam útil aquelas plantas esquisitas que ele cultivava na sua pacata e linda chácara do interior.
d) Quando foi encontrado, ele apresentava feridos a perna e o braço direitos, mas estava totalmente lúcido.
e) Esses livro e caderno não são meus, mas poderão ser importante para a pesquisa que estou fazendo.

RESPOSTAS

1-C 2-C 3-E 4-D 5-E

6-B 7-D 8-A 9-A 10-A

11-C 12-B 13-D 14-E 15-C

16-E 17-E 18-E 19-C 20-C

21-C 22-A 23-A 24-A 25-A

26-B 27-B 28-B 29-A 30-A

31-B 32-D 33-D 34-E 35-E

36-C 37-B 38-E 39-C 40-D


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 279

SINTAXE
DE

REGÊNCIA
Descobrimento

Abancado à escrivaninha em São Paulo


Na minha casa da rua Lopes Chaves
De supetão senti um friúme por dentro.
Fiquei trêmulo, muito comovido
Com o livro palerma olhando para mim.

Não vê que me lembrei que lá no Norte, meu deus!


Muito longe de mim
Na escuridão ativa da noite que caiu,
Um homem pálido, magro de cabelo escorrendo nos olhos,
Depois de fazer uma pele com a borracha do dia,
Faz pouco se deitou, está dormindo.

Esse homem é brasileiro que nem eu.


Mário de Andrade

Para se organizarem nas frases, algumas palavras exigem preposição. Observe:

O verbo olhando exige a preposição para, temos, aqui, a regência verbal. O adjetivo comovido exige a preposição com,
temos, aqui, a regência nominal.

A sintaxe de regência ocupa-se das relações de dependências que as palavras mantêm na frase.

Regência é o modo pelo qual um termo rege outro que o complementa.

A regência pode ser verbal ou nominal, conforme trate do regime dos verbos ou dos nomes (substantivos e adjetivos). Exemplos:

É homem propenso à cólera. 6 O termo regente é um nome (propenso): temos um caso de regência nominal.

Assistimos ao desfile. 6 O termo regente é um verbo: Temos um caso de regência verbal

Regência Verbal

Quando o termo regente é um verbo.

Precisamos de alimento.
9 9
termo regente termo regido
(verbo) (objeto indireto)

Há verbos que admitem mais de uma regência sem que o sentido seja alterado.

Nunca esquecerei os favores que me fez.


9 9
verbo transitivo direto objeto direto

Nunca esquecerei dos favores que me fez.


9 9
verbo transitivo indireto objeto indireto
280 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Há outros verbos que mudando a regência, mudam de significado.

O policial visou o alvo e atirou.


9
verbo transitivo direto (visar = apontar, mirar)

Ele visava a uma boa colocação na firma.


9
verbo transitivo indireto (visar = pretender)

Regência de alguns verbos

Abdicar

• É intransitivo.

O presidente abdicou no início de 2007.


9
verbo intransitivo

• É transitivo direto.

O gerente abdicou o cargo.


9
verbo transitivo direto

• É transitivo indireto.

O proprietário abdicou de seus direitos.


9
verbo transitivo indireto

Agradar e desagradar

• No sentido de fazer carinho, é transitivo direto.

O pai agradava a filha.


9 9
verbo transitivo direto objeto direto

• No sentido de contentar, é transitivo indireto (preposição a).

O filme agradou ao público.


9 9
verbo transitivo indireto objeto indireto

Agradecer

• Referindo-se à coisa, é transitivo direto.


Agradeci o presente.
9 9
verbo transitivo objeto direto
direto

• Referindo-se à pessoa, é transitivo indireto (preposição a).

Agradeci à mamãe. Agradeci-lhe.


9 9
verbo transitivo objeto indireto
intransitivo
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 281
• Referindo-se aos dois objetos, é transitivo direto e indireto.

Agradeci o presente à mamãe. Agradeci-lhe o presente.


9 9 9
verbo transitivo objeto objeto
direto e indireto direto indireto

Ajudar

• É transitivo direto.

O garoto ajudou o pai.


9 9
verbo transitivo direto objeto direto

• É transitivo direto e indireto (preposição a).

O garoto ajudou o pai a consertar o portão.


9 9 9
verbo transitivo objeto objeto
direto e indireto direto indireto

Amar

• É transitivo direto.

A mãe ama os filhos.


9 9
verbo transitivo objeto direto
direto

• É intransitivo.

João amou demais.


9
verbo intransitivo

Anexar

• É transitivo direto e indireto (preposição a).

É melhor anexar ao documento as novas informações.


9 9 9
verbo transitivo objeto indireto objeto direto
direto e indireto

Ansiar

• No sentido de angustiar, causar mal-estar, é transitivo direto.

O parecer do juiz ansiava-o.


9 9
verbo transitivo direto objeto direto

• No sentido de desejar, almejar, é transitivo indireto (preposição por).

O cidadão ansiava por dias melhores.


9 9
verbo transitivo indireto objeto indireto
282 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Apelar

• É transitivo indireto (preposições para e de).

Constrangido, ele apelou para todos os amigos.


9 9
verbo transitivo indireto objeto indireto

Aspirar

• No sentido de respirar, sorver, é transitivo direto.

Aspirei o ar da manhã.
9 9
verbo objeto direto
transitivo direto

• No sentido de pretender, desejar, é transitivo indireto (preposição a).

Ele aspirava ao cargo de diretor.


9 9
verbo transitivo objeto indireto
indireto

Assistir

• No sentido de ver, é transitivo indireto (preposição a).

Assistimos ao jogo de basquete.


9 9
verbo transitivo objeto indireto
indireto

• No sentido de prestar assistência, ajudar, é transitivo direto.

A enfermeira assistiu o paciente com muito cuidado.


9 9
verbo transitivo direto objeto direto

• No sentido de pertencer, caber, é transitivo indireto (preposição a).

Assiste ao diretor comunicar as novas regras.


9 9
verbo objeto indireto
transitivo indireto

• No sentido de morar, residir é intransitivo.

Há dois anos ele assiste em São Paulo.


9
verbo intransitivo
Atender

• No sentido de levar em consideração, é transitivo indireto (preposição a).

Teobaldo não atendia aos pais.


9 9
verbo transitivo indireto objeto indireto

• No sentido de satisfazer, atentar, observar, é transitivo indireto (preposição a).

Mamãe atendia a todas as vontades de João.


9 9
verbo transitivo indireto objeto indireto
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 283
• No sentido de acolher ou receber, é transitivo direto.

O diretor da escola atendeu os pais.


9 9
verbo transitivo direto objeto direto

• No sentido de conceder ou deferir um pedido, é transitivo direto.

O chefe não atendeu as exigências dos empregados.


9 9
verbo transitivo direto objeto direto

Atingir

• É transitivo direto.

O policial não atingiu o alvo.


9 9
verbo transitivo direto objeto direto

Chamar

• No sentido de convidar, convocar, é transitivo direto.

Nós chamamos os acionistas para uma reunião de emergência.


9 9
verbo transitivo direto objeto direto

• No sentido de denominar, cognominar, é transitivo direto ou transitivo indireto.

Chamaram-no empregadinho.
9
verbo transitivo direto

preposição
8
Chamaram-no de empregadinho
9
verbo transitivo direto

Chamaram-lhe empregadinho.
9
verbo transitivo indireto

Chamaram-lhe de caloteiro.
9 9 9
verbo preposição predicativo do objeto
transitivo
direto e indireto

Chegar

• É intransitivo (preposição a).

Cheguei à escola.
9 9
verbo adjunto adverbial
intransitivo
284 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Consistir

• É transitivo indireto (preposição em).

O futuro da nossa empresa consiste em nossa honestidade.


9 9
verbo transitivo indireto objeto indireto

Contentar-se

• É transitivo indireto (preposição com, em, de).

Ela contenta-se com tão pouco.


9 9
verbo transitivo indireto objeto indireto

Crer

• No sentido de acreditar, ter por certo, é transitivo direto.

Ele só se manifestará aos que o creem.


9 9
objeto direto verbo transitivo direto

• No sentido de ter fé, confiança, é transitivo indireto (preposição em).

Creio em Jesus Cristo.


9 9
verbo objeto indireto
transitivo indireto

Custar

• No sentido de ser custoso, ser difícil, é transitivo indireto.

Custou à mamãe acreditar naquele terrível acidente.


9 9
verbo objeto indireto
transitivo indireto

• No sentido de acarretar, é transitivo direto e indireto.

O trabalho custou - nos muita atenção.


9 9 9
verbo transitivo objeto objeto direto
direto e indireto indireto

Demandar

• No sentido de ir à procura, exigir ou ter necessidade de, reclamar, requerer, é transitivo direto.

A perfeição demanda tempo.


9 9
verbo transitivo direto objeto direto

• No sentido de propor demanda, é intransitivo.

Ela não faz outra coisa, senão demandar.


9
verbo intransitivo
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 285
Despachar

• No sentido de pôr despacho em um documento, atender, resolver, expedir, incumbir de serviço ou missão, é
transitivo direto.

O juiz despachou meu documento.


9 9
verbo transitivo direto objeto direto

• No sentido de enviar, expedir, é transitivo direto e indireto (preposição a).

Despachei os documentos ao juiz.


9 9 9
verbo transitivo objeto direto objeto indireto
direto e indireto

• No sentido de lavrar despachos em processos, requerimentos, é intransitivo.

O juiz despachará hoje.


9
verbo intransitivo

Ensinar

• É transitivo direto e indireto.

Helena ensina inglês aos alunos.


9 9 9
verbo transitivo objeto objeto indireto
direto e indireto direto

Esquecer e lembrar

• É transitivo direto quando não for pronominal.

Esqueci o seu nome.


Lembrei o seu aniversário.

• É transitivo indireto quando for pronominal (preposição de).

Esqueci-me do seu nome.


Lembrei-me do seu aniversário.

Gostar

• No sentido de experimentar, provar, é transitivo direto.

Gostei o champanha, e recusei-o.


9 9
verbo transitivo objeto direto
direto

• No sentido de achar bom gosto, ter afeição, aprovar, é transitivo indireto (preposição de).

Gosto de você.
9 9
verbo objeto indireto
transitivo indireto
286 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Implicar

• No sentido de fazer supor, encerrar, tornar indispensável, demandar, requerer, é transitivo direto.

Uma boa casa implica muito dinheiro.


9 9
verbo transitivo direto objeto direto

• No sentido de enredar-se, meter-se, é pronominal.

Depois que se implicou no tráfico de drogas, foi preso.


9
verbo pronominal

Informar

• É transitivo direto e indireto.

Informou os colegas de seus problemas.


9 9 9
verbo transitivo objeto direto objeto indireto
direto e indireto

Informou aos colegas os seus problemas.


9 9 9
verbo transitivo objeto indireto objeto direto
direto e indireto

Ir

• É intransitivo (com preposição).

Fui à escola.
9
verbo intransitivo

Fui para Salvador.


9
verbo intransitivo

Namorar

• É transitivo direto.

João namorou Clara durante cinco anos.


9 9
verbo transitivo direto objeto direto
Obedecer e desobedecer

• É transitivo indireto (preposição a).

Os filhos obedecem aos pais.


9 9
verbo transitivo indireto objeto indireto

Aquele motorista desobedeceu aos sinais.


9 9
verbo transitivo indireto objeto indireto

Oferecer

• No sentido de proporcionar, dar, é transitivo direto.


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 287
A escola proporciona cursos gratuitos.
9 9
verbo transitivo direto objeto direto

• No sentido de dar como oferta, propor, expor, consagrar, apresentar, é transitivo direto e indireto (preposição a).

Nós ofereceremos um valor maior ao proprietário.


9 9 9
verbo transitivo objeto direto objeto indireto
direto e indireto

Pagar e perdoar

• É transitivo direto quando o objeto refere-se à coisa.

Vou pagar o livro.


9 9
verbo transitivo objeto direto
direto

Papai perdoou suas falhas.


9 9
verbo transitivo direto objeto direto

• É transitivo indireto quando o objeto refere-se à pessoa (preposição a).

Vou pagar ao dentista.


9 9
verbo transitivo objeto indireto
indireto

Papai perdoou aos meninos.


9 9
verbo transitivo objeto indireto
indireto

• É transitivo direto e indireto quando possui os dois objetos.

Papai perdoou as falhas aos meninos.


9 9 9
verbo transitivo objeto direto objeto indireto
direto e indireto

Precisar

• No sentido de marcar com precisão, é transitivo direto.

O repórter não precisou o local do acidente.


9 9
verbo transitivo direto objeto direto

• No sentido de necessitar, é transitivo indireto (preposição de).

Eu preciso de silêncio para pensar.


9 9
verbo transitivo objeto indireto
indireto

Preferir

• É transitivo direto e indireto (preposição a).


288 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Prefiro vinho a cerveja.
9 9 9
verbo objeto objeto
transitivo direto indireto
direto e indireto

Prefiro o vinho à cerveja.

Prescrever

• No sentido de determinar, preceituar, regular de antemão, é transitivo direto.

A lei prescreve o imposto.


9 9
verbo transitivo objeto direto
direto

• No sentido de marcar, fixar, receitar, é transitivo direto e indireto.

O médico lhe prescreveu a receita.


9 9 9
objeto indireto verbo transitivo objeto indireto
direto e indireto

• No sentido de ficar sem efeito por ter decorrido certo prazo legal, é intransitivo:

A decisão judicial prescreveu.


9
verbo intransitivo

Presidir

• É transitivo direto ou transitivo indireto.

Ele presidiu a Câmara dos Deputados.


VTD OD

Ele presidiu à Câmara dos Deputados.


VTI OI

Proceder

• No sentido de ter fundamento, ter procedência, é intransitivo.

Sua explicação não procede.


9
verbo intransitivo

• No sentido de originar-se, provir de, é transitivo indireto. (preposição de)

Estes brinquedos procedem do Paraguai.


9 9
verbo transitivo indireto objeto indireto

• No sentido de dar andamento, é transitivo indireto. (preposição a)

O professor procedeu aos trabalhos dos alunos.


9 9
verbo transitivo objeto indireto
indireto
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 289
Querer

• No sentido de desejar, é transitivo direto.

Quero uma boa casa para morar.


9 9
verbo transitivo objeto direto
direto

• No sentido de estimar, gostar, é transitivo indireto (preposição a).

Quero bem ao Bruno.


9 9
verbo transitivo objeto indireto
indireto

Simpatizar e antipatizar

• É transitivo indireto (preposição com)

Simpatizo com Luísa.


9 9
verbo transitivo objeto indireto
indireto

Suceder

• No sentido de substituir, vir depois, é transitivo indireto. (preposição a)

A atual governanta sucedeu ao antigo mordomo.


9 9
verbo transitivo indireto objeto indireto

Visar

• No sentido de apontar, mirar, é transitivo direto.

O atirador visou o alvo.


9 9
verbo transitivo direto objeto direto

• No sentido de passar visto, é transitivo direto.

O gerente visou o cheque.


9 9
verbo transitivo direto objeto direto

• No sentido de pretender, ter em vista, é transitivo indireto (preposição a).

Sempre visei ao seu bem.


9 9
verbo transitivo indireto objeto indireto
290 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Regência Nominal

Quando o termo regente é um nome (substantivo, adjetivo ou advérbio).

Marcinha tem horror à barata.


9 9
termo regente termo regido
(substantivo) (complemento nominal)

Estou ansioso para ouvi-lo.


9 9
termo regente termo regido
(adjetivo) (complemento nominal)

Agiram favoravelmente à sua decisão.


9 9
termo regente termo regido
(advérbio) (complemento nominal)

• Há nomes que admitem mais de uma preposição sem que o sentido seja alterado.

Estou apto a este tipo de trabalho.


Estou apto para este tipo de trabalho.

• Há outros nomes, que dependendo do sentido, pedem outras preposições.

Tenho muita consideração por pessoas que trabalham.


Tenho muita consideração sobre o trabalho filantrópico.

Veja, abaixo, alguns nomes com as respectivas regências:


LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 291
acessível a grato a
acostumado a, com hábil em
adaptado a habituado a
afável a, com, para com horror a
aflito com, por hostil a
agradável a idêntico a
alheio a, de imbuído em, de
alienado de impossível de
alusão a impróprio para
amante de imune a, de
ambicioso de incompatível com
analogia com, entre indeciso em
análogo a independente de, em
ansioso de, para, por indiferente a
apto a, para indigno de
atento a, em inepto para
aversão a, para, por inerente a
ávido de, por inexorável a
benéfico a insensível a
capaz de, para leal a
certo de lento em
compatível com liberal com
compreensível a medo a, de
comum a, de misericordioso com, para com
constante de, em natural de
constituído de, por, com necessário a
contemporâneo a, de negligente em
contíguo a nocivo a
contrário a ojeriza a, por, contra
cuidadoso com paralelo a
curioso de, a ,por parco em, de
desatento a passível de
descontente com perito em
desejoso de possível de
desfavorável a posterior a
devoto a, de preferível a
diferente de prejudicial a
difícil de prestes a
digno de propício a
entendido em próximo a, de
equivalente a relacionado com
erudito em relativo a
escasso de satisfeito com, de, em, por
essencial para seguro de, em
estranho a semelhante a
fácil de sensível a
falha de, em sito em
falta de suspeito de, a
fanático por útil a, para
favorável a vazio
fiel a versado em
firme em vizinho a, de, com
generoso com

EXERCÍCIOS

1) Assinale a regência verbal incorreta:


a) Fabiana aspirava ao cargo de diretora.
b) Agradeci ao professor pela maravilhosa aula que ele nos deu.
c) A maioria das crianças amam o Cebolinha.
d) Sempre ajudo às pessoas necessitadas.
e) O governador não atendeu as exigências dos grevistas.
292 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
2) A regência verbal está correta em:
a) Melissa namora Flávio há dois anos.
b) Preciso pagar à conta ainda hoje.
c) Samantha prefere chocolate do que fruta.
d) A firma precisa um funcionário urgentemente.
e) Todos os dias, Lúcia chega na escola atrasada.

3) Assinale a regência verbal incorreta:


a) assistir à novela (= ver)
b) assistir em São Paulo (= morar)
c) visar o alvo (= mirar)
d) visar o cheque (= passar visto)
e) visar o cargo (= pretender)

4) As palavras alusão, idêntico e ansioso regem, respectivamente, as preposições:


a) de, de, em
b) a, de, por
c) de, a, com
d) a, a, por
e) em, em,em

5) Assinale a alternativa incorreta quanto à regência nominal:


a) Fui favorável a sua contratação.
b) Era uma pessoa curiosa de religião.
c) Tenho terror de insetos.
d) Permaneceu atento aos problemas da empresa.
e) O chá é preferível ao café.

6) Assinale a alternativa que não admite ambas as regências:


a) É difícil de/em acreditar nisso.
b) Ninguém está imune ao/do vírus da gripe.
c) Este filme é contemporâneo ao/de outro.
d) A casa do seu primo fica próxima a/da minha.
e) Sou devoto ao/de Santo Expedito.

7) Assinale a regência verbal incorreta:


a) Prefiro salgado a doce.
b) Aroldo nunca obedece as leis de trânsito.
c) Visei o passaporte e fui viajar.
d) Esqueci-me do endereço.
e) O piloto não precisou o local do pouso.

8) Escolha a regência verbal correta do verbo chamar:


a) Chamaram-me de arrogante.
b) Chamamo-la de arrogante.
c) Chamamos-lhe arrogante.
d) A alternativa C está incorreta e as demais corretas.
e) Todas as alternativas estão corretas.

9) A regência está correta em:


a) Olavo namora com Isabela.
b) Vou pagar ao dono da padaria.
c) Cheguei na escola às 8h.
d) Assistimos o jogo de vôlei pelo canal aberto.
e) O filme agradou o público.

10) José estava habituado.......... trabalhar à noite, mas isto não era benéfico .......... sua saúde, descontente .......... a
situação, pediu demissão.
a) em, à, pela
b) por, a, com
c) à, à, com
d) à, a, pela
e) a, à, com

11) Observe as ocorrências:

I - Assiste ao coordenador organizar o planejamento.


II - Há dois meses ela assiste em novo endereço.
III - O fisioterapeuta assistiu o jogador até a sua recuperação.
IV - Assisti ao desenho animado com meu filho.
LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS Sintaxe = 293
Quanto à regência verbal, podemos dizer que:
a) São corretas as quatro construções.
b) São corretas a III e a IV apenas.
c) São corretas a I e a IV apenas.
d) É correta apenas a IV
e) Todas são incorretas.

12) As palavras fácil, incompatível e erudito regem, respectivamente, as preposições:


a) com, a, sobre
b) em, de, a
c) de, com, em
d) a, em, com
e) por, de, por

13) Angelita é muito cuidadosa .......... os filhos, já seu marido é desatento .......... tudo.
a) a, com
b) com, por
c) a, por
d) com, a
e) com, de

14) Indique a alternativa incorreta quanto à regência nominal.


a) Sempre fui leal aos meus princípios.
b) Gilberto é natural de Juazeiro no Ceará.
c) Minha decisão será benéfica a todos.
d) O pai é liberal com as filhas.
e) Ele tem ojeriza do patrão.

15) Assinale o item em que a regência do verbo atender contraria a norma culta.
a) O professor atendeu o meu pedido.
b) Danilo, atenda o telefone, por favor.
c) O último candidato ao emprego atendia às expectativas do gerente.
d) Hector não atendia aos pais.
e) A diretora do colégio atendeu aos pais em sua sala.

16) A alternativa incorreta de acordo com a gramática da norma culta é:


a) Fui à Argentina.
b) O atleta não conseguiu atingir o recorde mundial.
c) Lembrei o seu aniversário.
d) Prefiro caminhar à correr.
e) Amamos o nosso país.

17) Assinale a alternativa incorreta quanto a sua classificação:


a) Prefiro café a chá. (VTDI)
b) O espetáculo circense agradou a plateia. (VTD)
c) Aspiro a uma vida melhor. (VTI)
d) A enfermeira assistiu a paciente. (VTD)
e) Fomos à Bahia. (VI)

18) Indique a regência que está de acordo com a norma culta:


a) Ele perdoou a suas falhas.
b) Ele perdoou as falhas ao funcionário.
c) Vou pagar ao livro.
d) Vou pagar o jornaleiro.
e) Ela perdoou os ingratos.

19) As palavras imbuído, impróprio e essencial regem, respectivamente, as preposições:


a) em, para, para
b) de, para, em
c) com, de, de
d) de, de, para
e) em, para, com
294 = Sintaxe LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS PÚBLICOS
20) Onde há erro de regência verbal?
a) Ele já presidiu o Senado.
b) O gerente visou o cheque.
c) Quero bem a todos.
d) O gerente do banco atendeu o cliente.
e) Aspirei ao pó dos móveis.

21) Assinale o item em que a regência do verbo proceder contraria a norma culta da língua:
(Cesgranrio-RJ)
a) O juiz procedeu ao julgamento.
b) Não procede este argumento.
c) Procedo um inquérito.
d) Procedia de uma boa família.
e) Procede-se cautelosamente em tais situações.

22) (FUVEST-SP) Assinale a alternativa que preencha corretamente os espaços:


Posso informar ............... senhores .................. ninguém, na reunião, ousou aludir ............... tão delicado assunto.
a) aos / de que / o.
b) aos / de que / ao.
c) aos / que / à.
d) os / que / à.
e) os / de que / a.

23) (UF-SE)Apesar de muito sensível ......... censuras, ela não fez objeção ........... minha crítica.
a) de - contra.
b) por - para com.
c) com - para.
d) a - a.
e) às - de.

24) Apontar, entre as alternativas abaixo, a que relaciona os elementos que preenchem corretamente as lacunas
(Mackenzie-SP)
do seguinte texto:

&