Você está na página 1de 6

SOBRE OS ÍMÃS PERMANENTES E SUAS APLICAÇÕES NA

ELETROELETRÔNICA

Benedito Antonio Luciano, Doutor


Sissi Alves da Silva, bolsista PET
Departamento de Engenharia Elétrica
Centro de Ciências e Tecnologia
Universidade Federal da Paraíba
Caixa Postal 10105
58109 970 - Campina Grande - Pb
e-mail: benedito@dee.ufpb.br

Resumo sobretudo em aplicações especiais tais como:


motores de posicionamento das cabeças de
Partindo de uma breve revisão leitura e gravação de discos rígidos
histórica sobre o desenvolvimento dos ímãs (winchesters), motores de corrente contínua
permanentes, ao longo dos tempos, são sem comutador e escovas (brushless),
apresentados os principais parâmetros motores de passo para aplicações em braços
característicos destes tipos de materiais, de robôs, tacômetros, excitatrizes auxiliares,
ditos magneticamente duros. Classificados além de outras aplicações eletromecânicas
em três famílias de ímãs: os Alnicos, os que serão apresentadas neste trabalho.
Ferrites, os Terras-raras, estes materiais
magnéticos são comparados entre si no que 2. Um Breve Histórico
diz respeito às suas aplicações, em geral, e
na eletroeletrônica, em particular. Uma A história registra que as primeiras
bibliografia básica sobre o assunto também evidências do despertar da humanidade para
é apresentada. os materiais imantados ocorreu na China
quando os chineses relataram a utilização de
1. Introdução peças imantadas para serem utilizadas na
confecção de um artefato útil para a
No Brasil, o mercado de materiais orientação da navegação das caravanas,
magnéticos movimenta algo em torno de relato este que aponta para o surgimento da
US$ 100 milhões/ano, sendo 70% bússola.
representados pelos aços elétricos e 30% Contam que as caravanas mais bem
pelos ímãs permanentes, onde os ferrites preparadas que cruzaram o deserto de Gobi
ocupam a maioria das aplicações, sobretudo levavam sempre um camelo branco, que
naquelas onde o fator determinante é o preço carregava uma tigela cheia de água nas
baixo [1]. costas. Dentro dessa tigela flutuava um
Entretanto, quando o fator pedaço de ferro magnetizado. As laterais da
determinante não é o preço baixo e sim o jarra eram pintadas de várias cores: vermelho
produto energético (BHmáx), os ímãs para o sul, preto para o norte, verde para o
terras-raras: samário-cobalto e leste e branco para o oeste; era essa a bússola
neodímio-ferro-boro, apresentam-se como primitiva que guiava as caravanas pelas
alternativas aos ímãs ferrites, principalmente areias do deserto [2].
quando as figuras de mérito em questão são o Não se pode dizer, com precisão,
volume e o peso. quando se deu a primeira produção de ímãs
Nos dias atuais, estes materiais são artificiais.
largamente utilizados na eletroeletrônica,
Entretanto, no século XIII, surgiram sem nenhum tipo de enrolamento de
vários estudos e ensaios que mostravam a excitação e sem nenhuma dissipação de
possibilidade de produzir ímãs energia elétrica.
artificialmente. Como qualquer um outro material
Contudo, o primeiro trabalho de ferromagnético, os ímãs permanentes podem
importância reconhecida sobre os ímãs ser caracterizados pelo seu laço de histerese
permanentes só foi publicado em 1600. Tido B-H.
como um dos grandes clássicos da Física Os ímãs permanentes também são
Experimental, este trabalho, intitulado de conhecidos como materiais magneticamente
“De Magnete Magneticisque Corporibus Et duros, o que significa materiais
De Magno Magnete Tellure Physiologia ferromagnéticos com largo ciclo de histerese.
Noya” escrito por William Gilbert, descrevia Para efeito de estudos analíticos e de
fenômenos físicos inerentes aos materiais projetos, a região de interesse é o segundo
magnetizados e sua aplicação em quadrante da característica B-H destes
instrumentos de navegação. William Gilbert materiais (Fig. 1).
descobriu a razão de uma agulha de uma
bússola orientar-se em direções definidas: a
própria TERRA era um ímã permanente.
Da época de William Gilbert até os
dias atuais, tivemos a colaboração de
cientistas do mundo inteiro para a
acumulação de todo o conhecimento que
temos sobre os ímãs permanentes.
Numa rápida cronologia,
extremamente resumida, poderíamos partir
do primeiro livro publicado sobre o tema, a FIGURA 1: Curva de desmagnetização, laço
partir dos trabalhos de “Canton e Michell”, menor de recuo, energia e permeabilidade
até a introdução dos conceitos de materiais magnética de recuo [4].
magneticamente moles e duros, no século
XIX, passando pelos trabalhos de Madame De acordo com a Fig. 1, se uma
Curie que em 1857, conseguiu um material intensidade de campo magnético reversa for
com coercitividade de 7 kA/m, e o processo imposta a uma amostra de material
inovador dos japoneses Honda e Takagi que magnético previamente magnetizada, um
em 1917, conseguiram, mediante a aplicação toróide, por exemplo, a densidade de fluxo
de cobalto, materiais magnéticos com magnético cai para uma intensidade
coercitividade de 20kA/m e produto de determinada pelo ponto K. Quando o campo
energia de 8kJ/m3 [3]. reverso é removido, a densidade de fluxo
magnético retornará ao ponto L. Portanto, a
3. Ímãs Permanentes aplicação do campo reverso tem como
resultado uma diminuição da remanência, ou
Os ímãs permanentes são materiais magnetismo residual (B r). Reaplicando uma
magnéticos que possuem a característica de intensidade de campo magnético reverso, a
apresentarem uma indução magnética densidade de fluxo magnético será
residual mesmo após a retirada da força novamente reduzida, descrevendo um laço
magnetizante. menor de histerese ao retornar
Assim como os indutores, os ímãs aproximadamente ao mesmo valor da
permanentes produzem fluxo magnético. A densidade de campo magnético do ponto K.
diferença é que estes últimos conseguem isto
Este laço menor de histerese pode, com uma ∆B
µ = µ 0µ =
pequena margem de erro, ser representado rec rrec
∆H
por um segmento de reta denominada reta de
recuo. Este segmento de reta tem uma onde a permeabilidade relativa de recuo
inclinação conhecida como permeabilidade µ rrec = 1...3.5.
magnética de recuo µ rec.
De uma forma geral, os ímãs * Produto de energia máximo (BHmáx ) : é a
permanentes são caracterizados pelos densidade máxima de energia (em Joules
seguintes parâmetros: por metro cúbico) armazenada num ímã.
Como o produto BH tem a dimensão de
• Saturação da densidade de fluxo densidade de energia, é algumas vezes
magnético (B sat): correspondente à chamado de produto de energia, e seu
intensidade de campo magnético de valor máximo, o produto máximo de
saturação ( Hs ). Neste ponto, o energia, o qual corresponde ao ponto de
alinhamento de todos os momentos coordenadas Bmax e Hmax na curva de
magnéticos dos domínios estão na mesma desmagnetização. Um alto valor de
direção do campo magnético externo produto de energia resulta em
aplicado. compactação eletromagnética.

• Densidade de fluxo magnético residual 3.1 Classificação dos Ímãs Permanentes


ou remanência (Br ): é o valor da
densidade de fluxo magnético Para efeito de classificação, os ímãs
correspondente à intensidade de campo permanentes podem ser agrupados em três
magnético igual a zero. Um alto valor de grandes famílias:
fluxo magnético residual resulta em
densidades de fluxos magnéticos mais * Alnicos (Al, Ni, Co, Fe);
elevadas nos entreferros dos circuitos * Cerâmicos (Ferrites): ferrites de bário e
magnéticos, podendo proporcionar ferrites de estrôncio; e
elevados torques ou forças.
* Terras-raras (SmCo e NdFeB).
• Força coerciva, coercitividade ou 3.1.1 Alnicos
intensidade de campo coercivo (Hc ): é o
valor da intensidade de campo magnético
As maiores vantagens dos alnicos são:
desmagnetizante necessário para trazer a
alta densidade de fluxo magnético remanente
densidade de fluxo magnético a zero num
(cerca de 1,2 T) e baixos coeficientes de
material previamente magnetizado. Em
temperatura. Tais características permitem o
termos práticos, quanto maior o valor da
uso destes ímãs em altas temperaturas
força coerciva maior será a resistência do
material a campos desmagnetizantes, (520°C, por exemplo).
podendo ser empregados ímãs de menor Os alnicos apresentam curvas de
espessura. desmagnetização fortemente não-linear e da
mesma forma como são facilmente
magnetizados, podem ser também
* Permeabilidade magnética de recuo
desmagnetizados. Por este motivo, estes
(µ rec): é a razão entre o incremento da tipos de ímãs se destinam às aplicações onde
densidade de fluxo magnético e o os entreferros são relativamente grandes,
incremento da intensidade de campo sendo às vezes necessário o emprego de
magnético, em qualquer ponto da curva sapatas polares adicionais para protegê-los
de desmagnetização:
contra o efeito desmagnetizante do fluxo da SmCo são praticamente lineares (inclinação
armadura. de 1,06µ0), o que denota alta resistência a
Da metade dos anos 40 até 1970, o campos desmagnetizantes. Além disso, eles
mercado dos ímãs permanentes era possuem altos valores de produto energético
dominado pelos alnicos quando, a partir de (cerca de 160 kJ/m3), densidade de fluxo
então, os ferrites tornaram-se os materiais magnético remanente (aproximadamente 1
magneticamente duros mais largamente Tesla) e força coerciva (720 kA/m),
utilizados. respectivamente.
Atualmente, encontram-se aplicações Entretanto, devido aos elevados
dos alnicos (isotrópicos e anisotrópicos) em preços do Sm e do Co, a utilização deste tipo
pequenos motores, nas faixas de pequenas de imã fica reservada às aplicações especiais,
potências nominais, até cerca de 150 kW. onde o fator custo não seja a figura de mérito
determinante, como em motores de baixo
3.1.2 Ferrites momento de inércia e alto torque, por
unidade de volume.
Os ferrites de estrôncio e de bário A segunda geração dos ímãs
foram desenvolvidos a partir do final da terras-raras, baseada em
década dos anos quarentas. Apesar de neodímio-ferro-boro, foi anunciada em 1983,
possuírem uma densidade de fluxo durante a vigésima nona Conferência Anual
magnético mais baixa que os alnicos, os ímãs de Magnetismo e Materiais Magnéticos,
ferrites são mais imunes a campos ocorrida em Pittsburg. O neodímio é um
desmagnetizantes, em função de sua força elemento terra-rara muito mais abundante
coerciva mais elevada. Porém, as maiores que o samário.
vantagens dos ímãs ferrites são o baixo custo Os ímãs NdFeB possuem maior
e a alta resistência elétrica às correntes produto energético (210 kJ/ m3), maior força
parasitas, mesmo a altas freqüências. coerciva (900 kA/m) e maior indução
Em termos comparativos, os ímãs remanente (1,2 Tesla) que os ímãs SmCo.
ferrites são mais econômicos que os alnicos Entretanto, ao lado destes parâmetros
para o uso em motores elétricos a ímã altamente positivos, os ímãs NdFeB
permanente a partir de 7,5 kW. Os ferrites de apresentam as desvantagens de alta
bário são largamente utilizados em pequenos suscetibilidade à corrosão e grande limitação
motores de corrente contínua encontrados em no que diz respeito à temperatura de
automóveis ( ventiladores, limpadores de utilização em serviço (150°C) e temperatura
pára-brisa, bombas, etc.), e sobretudo em de Curie ( 310°C).
brinquedos de crianças. Os ferrites de Atualmente, o preço de produção em
estrôncio possuem força coerciva superior larga escala dos ímãs NdFeB (US$300/kg) é
aos ferrites de bário. cerca de 70 a 90% do custo dos ímãs SmCo.
Por último, vale a pena salientar que A queda dos preços dos ímãs terras-raras tem
produção dos ímãs ferrites causam impacto propiciado um uso crescente destes materiais
do ponto de vista ambiental. magnéticos nos mais variados campos de
aplicações: equipamentos acústicos,
3.1.3 Terras-raras equipamentos de informática, equipamentos
aeroespaciais, transportes, equipamentos de
A primeira geração destes novos som e imagem, equipamentos biomédicos,
materiais, baseada na composição SmCo5, brinquedos para crianças, etc [2], [4] e [8] .
foi descoberta no início da década dos anos Além das aplicações já citadas, os
sessentas e tornada disponível imãs terras-raras, quando empregados em
comercialmente no início dos anos setentas. máquinas elétricas, cobrem uma larga faixa
As curvas de desmagnetização dos ímãs de potência (dos mW aos MW), passando
pelos motores de passo empregados em 5. Referências Bibliográficas
robótica (Fig. 2), máquinas para ferramentas
industriais (acima de 15 kW) e grandes [1] ELETRICIDADE MODERNA. O Brasil
motores síncronos com potências superiores na corrida dos ímãs de terras
a 1 MW. raras. São Paulo: Aranda Editora, n.
212, nov. 1991.
[2] OVERSHOTT, K. J. Magnetism: it is
permanent. IEEE Proceedings-A,
Vol.138, No. 1, pp. 22-30, 1991.
[3] COEY, J. M. D. Permanent Magnetism -
a milenar perspective. Proceedings of
the Fourteeth International
Workshop on Rare-Earth
Magnetics and Their Applications.
São Paulo: World Scientific
Publishing Co. Pte. Ltda., pp. 1-7,
Sep. 1996.
[4] GIERAS, J. F. and WING, M.
Permanent magnet motor
technology: design and aplications.
FIGURA 2: Aplicação de ímãs terras-raras
New-York: Marcel Dekker, Inc.,
em motores de passo num robô industrial [4].
1997, 444p.
[5] McCAIG, M. Permanent magnets in
Sobre as aplicações gerais dos ímãs
theory and practice. Plymouth:
permanentes, e em particular dos ímãs
Pentech Press, 1977.
terras-raras, existe uma vasta bibliografia,
[6] LUCIANO, B. A. and KIMINAMI, C. S.
distribuída em livros textos [4] e [5], anais de
A new electric machine with
congressos e workshops [6], seminários [7],
rare-earth magnets in the rotor and
além de excelentes artigos publicados em
amorphous alloy in the stator.
proceedings do IEEE [2] e [8].
Proceedings of the Fourteeth
International Workshop on
4. Conclusões
Rare-Earth Magnets and their
Applications. São Paulo: World
Foram apresentadas neste trabalho
Scientific Publishing Co. Pte. Ltd, pp.
algumas das principais aplicações dos ímãs
397-406, Sept. 1996.
permanentes na eletroeletrônica. Nesta
[7] LUCIANO, B. A. e KIMINAMI, C. S. Os
apresentação, além de alguns registros
Novos Materiais e a Eficiência
cronológicos a cerca do desenvolvimento
Energética. Anais do XIX Seminário
tecnológico destes materiais, um destaque
de Balanços Energéticos Globais e
especial foi dado às aplicações específicas
Utilidades - ABM, Belo Horizonte,
dos ímãs terras-raras, acrescido de
pp155-165, 04 a 06 de Junho de 1997.
informações bibliográficas básicas para
[8] STRNAT, K. J. Modern Permanent
quem desejar maiores informações sobre o
Magnets for Applications in
assunto.
Electro-Technology. Proceedings of
the IEEE, vol78, Nº. 6, pp. 923-946,
Agradecimentos
June 1990.
À CAPES pela concessão da bolsa PET
à aluna Sissi Alves da Silva.
Foto dos autores