Você está na página 1de 4

OS TEMPOS DOS GENTIOS

(Daniel, caps. 1 a 4)

Daniel ainda muito jovem começou servindo fielmente a Deus, em terra


estranha. Levou uma vida imaculada em meio ao paganismo, idolatria e
ocultismo da corte oriental babilônica. Foi semelhante a José em piedade e
pureza.

Ele foi levado para Babilônia como cativo, na primeira leva de exilados de
Judá, em 606 a.C., quando tinha entre 14 a 16 anos de idade. Viveu no palácio
de Nabucodonosor, como estudante, estadista e profeta de Deus, atravessando
o reinado de todos os reis babilônicos, exceto o primeiro deles - Nabopolassar,
pai de Nabucodonosor, fundador do neo-império Babilônico. Chegou até o
Império Persa sob Ciro em 536 a.C (Dn 6.28; 10.1). Prestou cerca de setenta e
dois anos de abnegados serviços a Deus e ao próximo!

1. Época e Local do Livro. O livro de Daniel foi escrito em 606-534 a.C.,


durante o exílio do povo de Deus em Babilônia. (O exílio mesmo foi de
606 a 536 a.C.). O livro foi escrito em Babilônia, capital do império. Susã,
a capital de Ciro, no Elão, é mencionada no livro (8.2), mas numa visão
de Daniel.

2. Divisão do Livro.

Parte Histórica: Capítulos 1 a 6. Uma espécie de biografia de Daniel,


havendo também o elemento profético, especialmente o capítulo 2.

Parte Profética: Capítulos 7 a 12. Visão geral e pormenorizada dos


últimos impérios mundiais dos tempos dos gentios, sucedidos pelo reino dos
santos do Altíssimo (Dn 7.22).

Em suma, o livro revela o domínio de Deus sobre os reinos do mundo,


bem como o estabelecimento final e eterno do seu próprio reino.

3. Tema do Livro. Deus revela o profundo e o escondido, e governa os


reinos dos homens. "Ele revela o profundo e o escondido; conhece o que
está em trevas, e com ele mora a luz" (Dn 2 .2 2 ). "Até que conheças que
o Altíssimo tem domínio sobre o reino dos homens, e o dá a quem quer"
(Dn 4 .2 5 ).
4. Objetivos do Livro

a) Revelar o futuro do mundo gentílico.


b) Revelar o futuro da nação israelita.

Para uma melhor compreensão do livro de Daniel, o aluno deverá


estudar a historia bíblica do povo israelita anterior ao profeta Daniel, para ter
uma visão panorâmica da situação reinante no tempo do profeta, tanto em
Israel, como nas nações com ele relacionadas.

O início da história de Daniel situa-se a partir de 2 Cr 36.6,7 e 2 Rs 24.1,


no reinado de Jeoaquim, penúltimo rei de Judá, antes do cativeiro total da
nação.

Após os fatos do livro de Daniel, vem o relato de Esdras, Neemias e


Ester, sabendo-se que o livro de Ester ocorre entre os capítulos 6 e 7 de
Esdras.

ESBOÇO DA LIÇÃO

Daniel e Seus Companheiros Numa Corte Pagã


Os Quatro Últimos Impérios Mundiais
O Orgulho Religioso Abatido
O Orgulho Político Castigado

OBJETIVOS DA LIÇÃO

Ao concluir o estudo desta lição, você deverá estar apto à:

a) Dizer quando o cativeiro babilônico começou e por quanto tempo se


estendeu;
b) Explicar o simbolismo da estátua da visão de Nabucodonosor relatada em
Daniel 2;
c) Relatar a resposta do rei Nabucodonosor ao milagre preservaç ão dos três
hebreus, na fornalha;
d) Explicar o símbolo da árvore do sonho de Nabucodonosor conforme Daniel 4.
TEXTO 1

DANIEL E SEUS COMPANHEIROS NUMA CORTE PAGÃ


(Dn 1)

No estudo deste capítulo do livro de Daniel, vemos como o Diabo ataca a


mocidade cristã, direta e indiretamente, buscando destruir a sua fé em Deus.
Caso ele consiga isso, conseguirá tudo mais na vida da pessoa.
“No terceiro ano de Jeoaquim" (Dn 1.1). Jeoaquim foi antes chamado Eliaquim
( 2 Rs 2 3 . 3 4 ) . Retrocedamos um pouco no tempo, para vermos a situação
anterior do trono de Judá e a sequência de seus últimos reis.
O rei Josias (639-609 a.C.) Foi um bom rei. Reinava em Judá quando foi
morto em Megido, por Faraó-Neco, rei do Egito (2 Cr 35.22; 2 Rs 23.29,30).
Faraó-Neco subiu para guerrear contra Carquêmis, no alto Eufrates, margem
oeste, que acabara de ser conquistada por Nabucodonosor, rei da Babilônia.
Carquêmis, desde a queda de Nínive, capital da Assíria, em 612 a.C., tornou-se
base avançada do Egito, para fins de controle de países subordinados, como
a Síria, a Fenícia e outros. Agora, Babilônia, na sua escalada pela supremacia
mundial, apossou-se de Carquêmis (2 Cr 35.20; Jr 46.2) .
Assim, nesse tempo em que o jovem Daniel entra em cena, Babilônia já tinha
se firmado como potência dominadora mundial.
Rei Joacaz, filho de Josias (609 a.C.). Também chamado Salum (Jr
22.11). Reinou apenas três meses, sendo a seguir deposto por Faraó-Neco e
levado cativo para o Egito, onde morreu. Faraó-Neco pôs em seu lugar a seu
irmão Eliaquim, mudando-lhe o nome para Jeoaquim (2Rs 2 3 . 3 1 - 3 5 ; 2 Cr
36.1-4).
Rei Jeoaquim, filho de Josias (609-597
a.C.). Esse, após três anos de servidão ao
Egito, rebelou-se contra Faraó-Neco. No seu
terceiro ano de reinado veio contra ele
Nabucodonosor (2 Rs 14.1; 2 Cr 36.36). No
seu reinado começa a história de Daniel (Dn
1.1). Reinou 11 anos (2 Rs 24.1-6; 2 Cr 36.5-
8). Esse mau rei era inimigo do profeta
Jeremias, a quem perseguiu (Jr 26.21; 36 .26).
Portanto, nesse tempo o reino de Judá saiu do
jugo do Egito para o de Babilônia.