Você está na página 1de 33

MANUAL DE PROTEÇÕES SOLARES

Yuri Viana - Flora Mendes Lima


Universidade de Fortaleza - Unifor Material didático desenvolvido durante a
Curso: Arquitetura e Urbanismo monitoria da disciplina Ateliê II: Projeto
Aluno: Yuri Viana Arquitetônico e Conforto Ambiental no
Profa. Dra. Flora Mendes Lima ano de 2016.
Sumário
Introdução - 01
Relembrando os movimentos terrestres - 02 e 03
A Carta Solar - 04
Lendo a Carta Solar - 05
Iniciando a análise - 06 e 07
Analisando a insolação- 08
Transferidor de ângulos de sombra - 09
Utilizando o transferidor de ângulos de sombra - 10
O uso de proteções solares - 11
Insolação no ambiente interior - 12
Marquise ou brise horizontal infinito - 13 e 14
Marquise ou brise horizontal Finito - 15 á 17
Brise horizontal múltiplo - 18 e 19
Brise horizontal múltiplo eficiência - 20
Brise vertical - 21
Brise vertical Múltiplo - 22 e 23
Brise vertical Eficiência - 24
Desenho da Sombra do elemento na fachada - 25
Momento de Sombra Parcial - 26
Momento de Sombra Total - 27
Referências - 28

1
MANUAL DE PROTEÇÕES SOLARES
Yuri Viana - Flora Mendes Lima
Introdução

Compreender como funciona a geometria solar


fornece ao arquiteto suporte para ''domar'' o sol e
utiliza-lo na maneira mais eficiente no projeto
arquitetônico.
O objetivo deste material é auxiliar, alunos de
arquitetura e urbanismo a projetarem elementos de
proteção solar em edificações, para isso será feita
uma breve explicação a respeito da geometria solar
e em seguida a explicação da carta solar e o passo a
passo do dimensionamento dos diferentes elementos
de proteção solar

1
01
Relebrando os movimentos terrestres

Imagem 01: Trajetória Solar


Fonte: Q.I - Educação

1
02
Relebrando os movimentos terrestres

Em 24 horas a terra completa o movimento de rotação em torno do próprio eixo, que fica inclinado ao plano da
elipse, formando em qualquer dia do ano um ângulo de 23° 50'com uma direção perpendicular ao plano. Por conta
dessa inclinação, a terra no seu percurso ao redor do sol – movimento de translação - recebe a radiação solar de
formas diferentes nos dois hemisférios ocasionando os solstícios e os equinócios.
Durante os solstícios ocorre a maior desigualdade na distribuição da insolação. No solstício de inverno, ocorre a
menor incidência de insolação na superfície terrestre, tendo as noites mais longas que os dias. E no solstício de
verão ocorre a situação inversa, com dias mais longos que as noites.
Os equinócios são marcados pela igualdade na distribuição da insolação, portanto teremos dias e noites com duração
iguais, a eles são associadas as estações: outono e primavera. Ocorre quando o sol nasce e se põe encima da linha
do equador – Latitude 0°
A inclinação da terra em relação ao plano da elipse combinado com o movimento da terra em volta do sol, fazem
com que em cada localidade do globo terrestre a incidência dos raios solares varie no decorrer do ano, é isso que
faz que enquanto no hemisfério sul é verão, no hemisfério norte seja inverno.
Por exemplo no dia 21 de dezembro o hemisfério sul recebe a maior quantidade de luz solar, pois o sol nasce e se
põe no tropico de capricórnio – latitude 23°27' S, marcando o início do verão, em contrapartida o hemisfério norte
tem a menor quantidade de incidência de luz solar, marcando o início do inverno.
Qualquer localidade abaixo dessa localidade 23° 27' S, nunca recebera sol nas fachadas sul.

1
03
A Carta Solar
As cartas solares são representações gráficas do movimento aparente do sol ao longo do
ano, projetadas no plano do horizonte do observador, para cada latitude especifica, ou seja, a
latitude da região influencia diretamente. A medida que uma determinada região se aproxima
do equador, sua latitude é menor, e quanto mais afastada for do equador sua latitude
aumenta, assim as maiores latitudes estarão sempre próximas aos polos e as menores
próximas ao equador..
Quanto mais próximo do equador, mais simétricas serão as cartas solares das regiões e
quanto mais afastadas, mais assimétricas ela serão, como se pode observar nas figuras 03 e
04, a primeira representa a latitude de 4° Sul e a segunda a latitude de 30°.

Imagem 03: Carta solar 30° Sul


Imagem 02: Carta solar 4° Sul Fonte: Labeee – UFSC
Fonte: Labeee – UFSC

1
04
Lendo a carta solar

Horários
Os horários estão representados Datas
pelas linhas verticais O percurso em datas específicas
no diagrama estão representadas
pelas linhas horizontais no
diagrama.

Os horários estão representadas de 30min em


30min, a linha em vermelho destacada acima
entre 8 e 7 horas, representa 7:30.

Imagem 05: Carta Solar 4º Sul


Fonte: Labeee - UFSC

1
05
1
Iniciando a análise
N

F2 Para dar inicio a análise da insolação nas


fachadas de uma edificação, precisamos da
implantação com norte verdadeiro indicado
em planta.
F4 ÃO
1. Selecione a fachada que se deseja analisar

(no exemplo ao lado analisaremos a F1)


C
IFI

2. Faça uma linha auxiliar na fachada e

F1
ED

outra no norte ate que as duas se


encontrem.

3. Faça a leitura do ângulo para leva-lo para


a carta solar.
F3

Imagem 04: Implantação


Fonte: Acervo do autor

1
06
Iniciando a análise
Já descobrimos a inclinação da fachada com
relação ao norte, então para prosseguir com a
Linha que representa a fachada
análise vamos marcar a orientação na carta
solar.

1. Marque na carta solar o ângulo encontrado no


passo anterior (30°), a partir do norte para a
direita. Ligue esse ponto ao centro da carta
solar (Que é o encontro dos eixos norte-sul,
leste-oeste), continuando ate a extremidade
oposta da carta solar. Essa linha que representa
a fachada.

2. A partir do centro da carta solar trace uma


Az
im linha
ute
=1
20
perpendicular a linha da fachada, essa será a
º
linha do azimute da fachada, que será 120º (os
30º + os 90º da linha perpendicular). O azimute
da fachada a orientação da fachada. Nesse
caso a fachada é SE 120° de Azimute.

Imagem 9: Carta solar com fachada destacada


Fonte: Editado pelo o autor O azimute solar é o ângulo medido a partir
do norte (sempre em sentido horário) e um
ponto de referência.

07
Analisando a insolação

A leitura da insolação na fachada é feita a partir


Região sem insolação
Linha que representa a fachada
de cada linha que representa o percurso do sol,
até o momento que essa linha encontra a linha
da fachada.

Insolação na fachada SE 120° Azimute


DATA INICIO DA INSOLAÇÃO FIM DA INSOLAÇÃO
22.6 - 22.6 06:25 10:50
21.5 - 24.7 06:20 11:05
1.5 - 13.8 06:15 11:15
16.4 - 28.8 06:10 11:25
3.4 - 11.9 06:05 11:40
21.3 - 24.9 06:00 11:50
8.3 - 6.10 05:55 12:05
23.2 - 20.10 05:50 12:15
9.2 - 4.11 05:45 12:25
21.1 - 22.11 05:40 12:35
Az 22.12 - 22.12 05:35 12:40
im
ute
=1
20
ºS
E

Imagem 10: Carta solar com fachada destacada


Fonte: Editado pelo o autor

08
Transferidor de ângulos de sombra
Para o dimensionamento das proteções solares,
Leitura do ângulo alfa utiliza-se o método gráfico chamada de traçado
de mascaras ou transferidor de ângulos de
sombra, onde são utilizados os ângulos de
sombra (alfa, beta e gama) de um dispositivo
externo em relação a um determinado ângulo de
incidência solar. Com esses ângulos torna-se
possível verificar a eficiência do elemento de
proteção e total, parcial ou nula.
Cada ângulo de sombra possui uma função e um
Imagem 7: Transferidor para ângulo gama
Imagem 6: Transferidor para ângulo alfa
Fonte: Labeee - UFSC
Fonte: Labeee - UFSC
uso especifico durante o dimensionamento. Leitura do ângulo gama

α +
o ângulo alfa ou ASV (Ângulo de Sombra Vertical) é
utilizado no corte ou secção durante a concepção do
-
projeto:
Dica: Para se guiar perceba que a letra grega que O ângulo gama ou ASVL (Ângulo de Sombra Vertical
representa alfa lembra uma tesoura, que corta, Lateral) é utilizado na elevação.
então usa-se no corte. Dica: A letra grega que representa gama lembra
vagamente uma letra ‘’&’’ invertida, portanto é usada
na elevação. (Usa-se para descobrir o comprimento
da marquise ou a altura brise horizontal finito).

Leitura do ângulo beta Imagem 06: Transferidor de ângulos de sombra


Fonte: Labeee - UFSC

β o ângulo beta ou ASH (Ângulo de Sombra Horizontal), e utilizado em planta


durante a concepção do projeto.
Dica: A letra grega que representa o ângulo beta, lembra vagamente uma
letra P, então usa-se na Planta.
Imagem 8: Transferidor para ângulo beta
Fonte: Labeee - UFSC

09
Utilizando o transferidor de ângulos
Sobrepor a linha da fachada com a carta solar sobre o transferidor de ângulos de sombra,
coincidindo a linha que representa o azimute, com a linha perpendicular do transferidor (0°),
a linha que representa a fachada, com a linha de base do transferidor.

Linha central do transferidor deve


estar alinhada com a linha do azimute

FACHADA
Imagem 11: Carta solar com trajetórias
solares da fachada F1
Fonte: Acervo Pessoal

Linha de base do transferidos deve estar


alinhada com a linha da fachada

10
O uso de proteções solares em edifícios
O brise ou brise-soleil (que em francês significa quebra sol) é
um elemento arquitetônico utilizado para controlar a incidência
de radiação solar nos interiores de uma edificação, sem impedir
a circulação da ventilação natural.
O brise foi um elemento arquitetônico amplamente utilizado na
arquitetura moderna, por arquitetos como: Le Corbusier e
Oscar Niemeyer, e foi empregado em várias obras, como no
palácio Gustavo Capanema, fig. 12 e no prédio da Associação
Brasileira de Imprensa – ABI, fig. 14, ambos no Rio de janeiro e o
edifício Copan em São Paulo – Fig. 13
Esse elemento de proteção possui muitas variações que podem
ser usadas para o controle da luz solar, como o brise horizontal
infinito, brise horizontal finito, brise vertical, brise mesclado e
Imagem 12: Palácio Gustavo Capanema - Lucio Costa, Oscar Niemeyer brise cortina.
e Afonso Eduardo Reidy
Fonte: Acervo Pessoal

Imagem 14: Prédio ABI - Irmãos Roberto


Fonte: abi.org.br
Imagem 13: Ed. Copan - Oscar Niemeyer
Fonte: decoresc.com.br/

11
Insolação no ambiente interior
Alfa= 54°
:Vamos verificar a mancha de sol que um
ambiente com a fachada voltada para o Norte
(Azimute 0° ou 360°) numa localidade com a latitude Beta=56°

4°S, recebe as 9:00hrs durante o solstício de inverno


(22.6). Para isso verifique quais os ângulos alfa e beta
do horário desejado (9:00-22.06). É necessário
desenhar a fachada na carta solar 4° e sobrepor no
transferidor de ângulos de sombra, como mostra na
figura xx.
Imagem 15 : Carta Solar FACHADA
1. Com o corte e a planta baixa Fonte: Acervo do autor
alinhados trace os ângulos alfa
(A.V.S) e beta (A.S.H) encontrados na
figura 15.

2. Prolongue a linha dos ângulos ate o


piso.

3. No corte trace uma linha auxiliar


levando os pontos que encontram o
CORTE
fim do ambiente ate a planta CORTE

4. Em planta hachure a área que


ÁREA INSOLARADA
forma um polígono na interseção das EM PLANTA
linhas dos ângulos de sombra

5. A área hachurada representa a


região que recebe sol nesse período

Imagem 16: Corte e Planta Imagem 17: Corte e Planta


Fonte: Acervo do autor Fonte: Acervo do autor
PLANTA PLANTA

12
PROJETO DE ELEMENTOS DE SOMBREAMENTO
Marquise ou brise único Infinito
Para os exemplos de brise horizontal Marque os horários em

infinito e finito a seguir vamos supor que a fachada deverá ser


protegida na carta solar
que temos que proteger uma
abertura em uma fachada Leste das
9:00 as 15:00, durante todo o ano, em
Fortalea - CE, para isso será utilizado
a carta solar 4º Sul.
Imagem 18: Carta solar com os horários de proteção destacados
Fonte: Adaptado pelo autor

Fachada
Obs: A linha que representa a fachada é adimensional

Alfa = 54°

Já que estamos projetando um elemento horizontal infinito o


único ângulo a ser analisado é o ângulo alfa (A.S.V).
1. Aplique o transferidor na carta solar e verifique qual o
ângulo alfa que consegue cobrir ao mesmo tempo os
dois horários que serão sombreados
2. Faça a leitura do ângulo
3. Marque a área sombreada

Imagem 19: Carta solar com A.S.H aplicado


Fonte: Adaptado pelo autor
Mascara de sombra: É a zona protegida da insolação, toda a zona
hachurada corresponde as horas de proteção proporcionada pelo
elemento, ou seja em sombra total.

13
Marquise ou brise único Infinito

Linha do Horizonte

Imagem 20: Corte Imagem 21: Corte


Fonte: Acervo Pessoal Fonte: Acervo Pessoal

1. Trace a linha auxiliar 1.Trace uma linha na parte


perpendicular a fachada na superior da abertura
base da abertura a ser
até tangenciar a linha do
protegida, essa será a linha do
ângulo alfa, depois disso será
horizonte
possível verificar qual o
2. A partir da linha do comprimento do brise ou da
horizonte que representará 0° marquise
aplique o ângulo alfa (A.S.V)
para cima.

Foto A - Representa a marquise infinita


Foto B - Representa a marquise finita a janela

Foto: A e B Fonte: Acervo Pessoal A B

14
Marquise ou brise horizontal finito
Alfa = 54°
Durante o dimensionamento do brise horizontal
infinito é possível perceber na figurao lado que após
a aplicação do ângulo alfa, ele cobre muito mais horários
que o necessário ao longo do ano, por exemplo no dia
21 de Março, ele protege desde o momento que o
sol nasce, as 6:00, portanto está fora do horário de
proteção desejado. Para solucionar esse problema
podemos utilizar os dois outros ângulos de sombra
o Beta (A.S.H) e Gama (A.S.V.L). Proteção fora do horário estimado
Imagem 22: Mascara de sombra Brise H. Infinito
Fonte: Adaptado pelo autor

Exemplo com ângulo gama (A.S.V.L)

Alfa = 54°
Já que estamos projetando um brise horizontal finito
utilizamos os ângulos: Alfa e Gama, já verificamos o
Alfa, vamos então agora analisar o Gama (A.S.V.L).
1. Aplique o transferidor na carta solar e verifique
qual o ângulo Gama tanto para direito como para
a esquerda, consegue mascarar os horários de
proteção
2. Faça a leitura dos ângulos
3. Marque a área mascarada

Gama Direita = 43° Obs: Observe que o ângulo Gama ‘’corta’’ o ângulo Alfa e reduz a zona de eficiência total
Gama Esquerda= -43°
do elemento projetado.
Imagem 23: Carta solar com alfa e gama aplicados
Fonte: Adaptado pelo autor

15
Dimensionamento com Gama
Comprimento da esquadria

Gama Direita = 43° Gama Esquerda = -43°

0° 0°
Linha do Auxiliar Linha do Auxiliar

Imagem 24: Elevação


Fonte: Acervo do autor

1. Na elevação trace uma linha auxiliar na base


da abertura que será protegida
2. Aplique os ângulos Gama a partir dessa linha (0°) para cima.
3. Trace uma linha que representara a marquise na parte superior
da abertura até tangenciar a linha do ângulo Gama, faça isso
para ambos os lados.

Imagem 25: Marquise Finita


Fonte: Acervo do autor

16
Marquise ou brise horizontal finito - Eficiência

Alfa = 54°

Imagem 23: Carta solar com alfa e gama aplicados


Fonte: Adaptado pelo autor
Gama Direita = 43°
Gama Esquerda= -43°

Tabela de Eficiência do Elemento


DATA INICIO DA PROTEÇÃO FIM DA PROTEÇÃO
22.6 - 22.6 09:00 15:00
21.5 - 24.7 08:58 15:02
1.5 - 13.8 08:55 15:05
16.4 - 28.8 08:53 15:08
3.4 - 11.9 08:51 15:10
21.3 - 24.9 08:48 15:12
8.3 - 6.10 SEM INSOLAÇÃO SEM INSOLAÇÃO
23.2 - 20.10 SEM INSOLAÇÃO SEM INSOLAÇÃO
Imagem: Elementos de sombreamento finitos
9.2 - 4.11 SEM INSOLAÇÃO SEM INSOLAÇÃO
Fonte: Acervo do autor 21.1 - 22.11 SEM INSOLAÇÃO SEM INSOLAÇÃO

17
Brise Horizontal Múltiplo
Alfa=54°

1. Marque o ângulo alfa (A.S.V) que consegue


Beta’= -56° sombrear os horários escolhidos durante o
Beta’=56°
ano inteiro.
2. Marque os ângulos beta (A.S.H) que
consegue cobrir os horários de proteção ao
longo de todo o ano, a linha do ângulo Beta
Beta’=88°
Beta’= -88°
inferior não deve estar nunca com 90°.
3. Destaque a máscara de sombra

Linha Auxiliar
Fachada em estudo

1. Na abertura a ser protegida, trace duas linhas 1. Com paralelas do ângulo Alfa (A.S.V),
auxiliares perpendiculares a fachada, uma em cada 1. Defina a espessura e profundidade da aleta do brise
coloque novas aletas na intersecção
extremidade da abertura, essas são as linhas do (a espessura varia de acordo com o material utilizado).
da linha auxiliar com a paralela do
horizonte ângulo de sombra.
2. Na intersecção do ângulo alfa com a linha auxiliar
2. Em cada uma das linhas do horizonte aplique o ângulo paralela a fachada coloque a primeira aleta do brise.
2. O espaçamento das aletas ficou
Alfa (A.S.V), encontrado na carta solar. definido pelo ângulo alfa
Obs: A profundidade e o ângulo das aletas podem variar
3. Trace uma linha auxiliar paralela a fachada com um de acordo com o projeto.
afastamento

entre 0,10cm e 0,30cm (isso para evitar a transmissão

de calor por condução).

18
Brise horizontal múltiplo

1. Desenhar a planta baixa em escala da abertura a ser


protegida (já com o brise)
Obs 1: Observe que se o ângulo Beta (A.S.H) coletado na carta solar
2. aplique os ângulos beta direita e esquerda coletados na fosse 90°, não seria possível verificar o fim do brise.
carta solar, a partir de linha auxiliar perpendicular (0°) ,
colocada nos limites da abertura.

2. Quando a linha do ângulo se cruzar com a linha do brise a Obs 2: O brise ficou excessivamente grande, uma alternativa para
intersecção será o comprimento final do brise, no desenho esse problema e extender o comprimento do brise para ambos os
acima a cor cinza claro representa o quanto o elemento lados com um valor referente ao maior espaçamento das aletas em
cresceu com o Beta 29° e a cor cinza escuro o quanto o corte, no nosso caso o maior espaçamento é de 31,33cm, usaremos
elemento cresceu com o Beta 88°. 35cm como margem de segurança, essa alternativa só é valida por
conta da sobreposição de elementos.

19
Brise horizontal múltiplo - Eficiência

Alfa=54°

Beta’= -56°
Beta’=56°

Beta’=88°
Beta’= -88°

Fachada em estudo
DATA INICIO DA PROTEÇÃO FIM DA PROTEÇÃO
22.6 - 22.6 09:00 15:00
21.5 - 24.7 08:58 15:02
1.5 - 13.8 08:50 16:10
16.4 - 28.8 07:15 16:45
3.4 - 11.9 06:35 17:25
21.3 - 24.9 06:15 17:40
8.3 - 6.10 SEM INSOLAÇÃO SEM INSOLAÇÃO
23.2 - 20.10 SEM INSOLAÇÃO SEM INSOLAÇÃO
9.2 - 4.11 SEM INSOLAÇÃO SEM INSOLAÇÃO
21.1 - 22.11 SEM INSOLAÇÃO SEM INSOLAÇÃO
22.12 - 22.12 SEM INSOLAÇÃO SEM INSOLAÇÃO
Imagem: Brise Horizontal Múltiplo
Fonte: Acervo do autor

20
Brise Vertical

Beta’ = -56° Beta’ = 56°

Fachada
Gama = -43° Gama = 43°

Imagem: Exemplo brise vertical Pl. Baixa


Elemento de proteção 1. Na elevação, trace duas linhas Fonte: Acervo do autor
auxiliares, uma em cada extremidade
da abertura que está sendo protegida
Para o dimensionamento do brise vertical infinito serão utilizados os
ângulos, Beta (A.S.H.) e Gama (A.S.V.L).
2. Aplique os ângulos gama (A.S.V.L) 1. Desenha a planta baixa em escala da abertura a ser protegida.
encontrados na carta solar, atenção
pois se trata de uma representação 1. Nas extremidades da janela trace duas linhas auxiliares
frontal perpendiculares a fachada (0°), elas representam a vista para o
observador.
Elevação
2. Aplique os ângulos beta encontrados na carta solar, na esquerda e
na direita.

1. Extenda os elementos já 3. Trace uma linha que representa o elemento de proteção até
dimensionados tangenciar as linhas de beta.
em planta, até encontrar
a linha dos ângulos
gama (A.S.V.L).

Elevação

21
Brise Vertical Múltiplo
1. Na abertura a ser protegida, trace duas linhas auxiliares perpendiculares a
fachada, uma em cada extremidade da abertura, essas são as linhas do
horizonte
Beta= -56° - Beta= 56°
2. Em cada uma das linhas do horizonte aplique o ângulo Beta (A.S.H),
encontrado na carta solar.
Linha Auxiliar

3. Trace uma segunda linha auxiliar paralela a fachada com um afastamento


Pl. Baixa entre 0,10cm e 0,30cm (isso para evitar a transmissão de calor por condução).

1. Defina a espessura e profundidade da aleta do brise (a espessura varia de


acordo com o material utilizado).
Beta= -56° - Beta= 56°

2. Na intersecção do ângulo alfa com a linha auxiliar paralela a fachada


Linha Auxiliar coloque a primeira aleta do brise.

Obs: A profundidade e o ângulo das aletas podem variar de acordo com o


projeto, no exemplo as dimensões são de 0,03x0,20

1. Com paralelas do ângulo Beta (A.S.H), coloque novas aletas na


intersecção da linha auxiliar com a paralela do ângulo de sombra.

2. Coloque até que a linha do ângulo de sombra do lado oposto


Beta= -56° - Beta= 56°

Linha Auxiliar

22
Brise Vertical Múltiplo


1. Na elevação, trace uma linha
auxiliar na base superior da
abertura a ser protegida.

2. Aplique o ângulo Gama (A.S.V.L),


encontrado na carta solar na
penultima aleta de baixo para cima

3. Extenda a aleta até encontrar


Elevação
com a linha do ângulo gama.

Linha Auxiliar

1. Trace paralelas do ângulo gama



até encontrar com a linha auxiliar.

2. Cada encontro da linha auxiliar


com a linha do ângulo, extenda a
aleta.

Elevação

Imagem: Edifício do Banco do Nordeste do Brasil


Fonte: guiaarquiteturamodernafortaleza.arquitetura.ufc.br

23
Brise Vertical - Eficiência
Já que estamos projetando um brise vertical, utilizamos
os ângulos, Beta (A.S.V) e Gama (A.S.V.L).

1.Aplique o transferidor na carta solar e verifique qual


o ângulo Beta tanto para direita como para a esquerda,
Beta’ = -56° Beta’ = 56°
que consegue proteger os horários escolhidos
2. Aplique o Transferidor na carta solar e verifique
quais os ângulos Gama tanto para direita como para a
esquerda que consegue proteger os horários
escolhidos
2.Faça a leitura dos ângulos
3.Marque a área mascarada

Fachada
Gama = -43° Gama = 43°
Imagem XX: Carta solar com beta e gama combinados
Fonte: Acervo do autor
Obs: Os protetores verticais a medida que
a insolação vai se tornando perpendicular a
fachada vão perdendo sua eficiência total.
Leitura da Eficiência
DATA SOMBRA TOTAL SOMBRA PARCIAL
22.6 SEM SOMBRA TOTAL 9:00 até 15:00
21.5 e 24.7 8:58 até 9:30 e 14:30 até as 15:00 8:58 até 14:30
1.5 e 13.8 8:55 até 10:10 e 13:50 até 15:02 10:10 até 13:50
16.4 e 28.8 8:53 até 10:45 e 13:20 até 15:08 10:45 até 13:20
3.4 e 11.9 8:51 até 11:15 e 12:50 até 15:10 11:15 até 12:50
21.3 e 24.9 8:48 até 11:45 e 12:15 até 15:12 11:45 até 12:15
8.3 e 6.10 SEM INSOLAÇÃO SEM INSOLAÇÃO
23.2 e 20.10 SEM INSOLAÇÃO SEM INSOLAÇÃO
9.2 e 4.11 SEM INSOLAÇÃO SEM INSOLAÇÃO
Imagem 12: Biblioteca Pública- Exemplo que usa protetores verticais 21.1 e 22.11 SEM INSOLAÇÃO SEM INSOLAÇÃO
Fonte: guiaarquiteturamodernafortaleza.arquitetura.ufc.br 22.12 e 22.12 SEM INSOLAÇÃO SEM INSOLAÇÃO

24
Desenho da Sombra do Elemento na Fachada
Para se verificar a sombra produzida pelo elemento de proteção num
determinado período e horário, escolhemos a data e o horário e fazemos
uma nova verificação dos ângulos de sombra, nas tabelas abaixo estão os
ângulos encontrados nos horários escolhidos.

Sombra Parcial

1. Escolha um horário dentro


da mascara de sombra de Beta’= -56° Beta = 56°

sombra total e de sombra Alfa= 45°


Alfa= 54°

parcial Beta’= -67° Beta = 65°

2. Faça a leitura dos ângulos


Alfa (A.S.V) e Beta (A.S.H)
para os dois horários. Beta’= -88° Beta = 88°

Alfa= 73°

Sombra Total

Sombra Parcial Sombra Total


21.5 - 24.7 16:30 16.4 - 28.8 10:00
ALFA 45° ALFA 73°
BETA -67 BETA 65°

25
Desenho da sombra no elemento na fachada - Momento de Sombra Parcial

1 3
1 - Na elevação, ligue as
bodas do último brise
1. Coloque os ângulos de com as intersecções
sombra parcial encontrados da linha auxiliar com a
na carta solar em cada linha de sombra
uma das representações

2. Faça paralelas das


linhas da última aleta

Elevação Corte Elevação


Corte

Pl. Baixa
Pl. Baixa

0° 0°
0° 0°

2 1. No corte, leve uma paralela do


4
ângulo de sombra parcial Alfa (A.S.V)
Imagem: Elemento em
em todas as aletas do brise. Sombra Parcial
Fonte: Acervo Pessoal
2. Aonde a linha do ângulo encontrar
a parede ou a esquadria marque um
ponto e leve uma linha ate a elevação, 1. O polígono formado
essa será a linha de sombra é a área sombreada,
destaque com uma
3. Em planta leve uma paralela do
hachura.
ângulo Beta (A.S.H) até as bordas do
Corte Elevação
Corte Elevação brise, aonde a linha do ângulo
encontrar a parede ou a esquadria
marque um ponto e leve com uma
linha auxiliar até a ultima linha de Pl. Baixa
Pl. Baixa sombra na elevação

0° 0°
0° 0°

26
Desenho da sombra no elemento na fachada - Momento de Sombra Total

1 3 1 - Na elevação, ligue as bodas do


1. Coloque os ângulos
último brise com as intersecções
de sombra total Alfa
da linha auxiliar com a linha de
e Beta (A.S.V e A.S.H) sombra
encontrados na carta

A.S
A.S

V.
V.

solar em cada uma 2. Faça paralelas das linhas da


das representações última aleta para as demais

Corte Elevação Corte Elevação

Pl. Baixa
Pl. Baixa

A.S.H A.S.H
A.S.H A.S.H
0° 0° 0° 0°

2 4
1. No corte, leve uma paralela do ângulo Imagem: Elemento em
de sombra Alfa (A.S.V) até tangenciar a Sombra Total
Fonte: Acervo Pessoal
ultima aleta do brise.

A.S
A.S

2. Aonde a linha de sombra encontrar a

.V
.V

parede marque um ponto e partir dele,


trace uma linha em direção a elevação
essa será a linha de sombra

Elevação 3. Em planta leve uma paralela do ângulo Elevação


Corte Corte
Beta (A.S.H) até as bordas do brise,
aonde a linha do ângulo encontrar a
parede ou a esquadria marque um ponto
Pl. Baixa e leve com uma linha auxiliar até a ultima Pl. Baixa
linha de sombra na elevação.
A.S.H A.S.H
A.S.H A.S.H
0° 0° 0° 0°

1 - Faça uma hachura no poligono que


representa a sombra na fachada.

27
Referências
1. BITTENCOURT, Leonardo. USO DAS CARTAS SOLARES: DIRETRIZES PARA ARQUITETOS. 4 Edição. Maceió: EDUFAL, 2003

2. CORBELLA, Óscar & YANNAS, Simos. EM BUSCA DE UMA ARQUITETURA SUSTENTÁVEL PARA OS TRÓPICOS - CONFORTO
AMBIENTAL. 2 Edição. Rio de Janeiro: Editora Revan, 2016.

3. FROTA, Anésia Barros & Schiffer, Sueli Ramos. MANUAL DE CONFORTO TÉRMICO. 8 Edição. São Paulo: Editora Nobel, 2003.

4. FROTA, Anésia Barros. GEOMETRIA DA INSOLAÇÃO. São Paulo: Editora Geros, 2003.

5. SZOKOLAY, Steve V. INTRODUCION TO ARCHITETURAL SCIENCE. 1 Edição. Estados Unidos: Taylor & Francis USA, 2014

6. OLGYAY, Victor & OLGYAY, Aladar. SOLAR CONTROL AND SHADING DEVICES.New Jersey: Princeton University, 1957

28