Você está na página 1de 49

Apresentações

Otacisio Gomes Teixeira

Técnico agropecuário - IFBAIANO 2007

Engenheiro civil - UFBA 2013

Esp. Engenharia de Produção Uninter 2015

Esp. Engenharia de Segurança - Ucam 2016

Mestrando em Engenharia civil UFBA(PPEC) 2018

Irmãos A.R Ltda OGQ Engenharia Ltda

PLANO DE ENSINO

CRONOGRAMA

2
2

Apresentação da disciplina

- É permitido ao aluno parar a aula a qualquer momento a fim de prestar esclarecimento;

- Não entendeu? Pergunte

- Proibido o uso de máquinas programáveis, celulares e smartphones durante as avaliações;

- Slides serão enviados;

- Livros e apostilas serão compartilhados

- Consulta na norma

Ponte Estaiada São Paulo

• Ponte Estaiada – São Paulo
• Ponte Estaiada – São Paulo

Viaduto de Millau - França

• Viaduto de Millau - França
• Viaduto de Millau - França

Estruturas de concreto - pórtico

• Estruturas de concreto - pórtico
• Estruturas de concreto - pórtico
7
7

Desmoronamento Metro SP Janeiro 2007 7 Pessoas mortas

– Metro SP – Janeiro 2007 – 7 Pessoas mortas Laudo aponta que houve falhas na

Laudo aponta que houve falhas na execução da obra e resistência dos materiais empregados.

2007 – 7 Pessoas mortas Laudo aponta que houve falhas na execução da obra e resistência

Desmoronamento Palace II fevereiro de 1998 8 pessoas mortas.

Palace II – fevereiro de 1998 – 8 pessoas mortas . Laudo criminal detectou pedaços de

Laudo criminal detectou pedaços de madeira, sacos de cimento, jornal e plástico junto ao concreto de pilares

9
9

Desmoronamento - arquibancada Fonte Nova Novembro 2007- 7 pessoas mortas.

Fonte Nova – Novembro 2007- 7 pessoas mortas . Ataque do concreto e aço por cloreto

Ataque do concreto e aço por cloreto e nitrato. Fadiga.

10
10

Desmoronamento - Prédio residencial (Bahia) Julho 2010 -

3 pessoas mortas.

- Prédio residencial (Bahia) – Julho 2010 - 3 pessoas mortas . Projeto estrutural e qualidade

Projeto estrutural e qualidade dos materiais.

11
11

Desmoronamento Condomínio Belém (PA)Fevereiro 2011 -

3 pessoas mortas.

Condomínio – Belém (PA) – Fevereiro 2011 - 3 pessoas mortas . Projeto estrutural e qualidade

Projeto estrutural e qualidade dos materiais.

12
12

Desmoronamento Condomínio Rio De Janeiro Janeiro de 2012 -

5 pessoas mortas.

– Rio De Janeiro – Janeiro de 2012 - 5 pessoas mortas . Laudo encontrou conchas

Laudo encontrou conchas de mariscos no concreto.

13
13
Estruturas de concreto II Laje nervurada Aula 1 e Aula 2 Professor: Otacisio Gomes Teixeira
Estruturas de concreto II
Estruturas de concreto II

Laje nervurada

Aula 1 e Aula 2

Professor: Otacisio Gomes Teixeira otacisiogteixeira@hotmail.com

Guanambi

2018

Laje nervurada

Laje nervurada • Segundo a NBR 6118:2003, lajes nervuradas são "lajes moldadas no local ou com

Segundo a NBR 6118:2003, lajes nervuradas são "lajes moldadas no local ou com nervuras pré-moldadas, cuja zona de tração é constituída por nervuras entre as quais pode ser colocado material inerte."

entre as quais pode ser colocado material inerte." • Os vazios entre as nervuras são obtidos

Os vazios entre as nervuras são obtidos pela colocação de moldes de gesso, cerâmica ou polímero sendo uma fina capa de concreto executada como plano de piso.

15
15

Resultantes da eliminação do concreto abaixo da linha neutra.

VANTAGENS

a) Utilizam menos material que as lajes maciça, consumindo até 30% menos materiais e mão de obra;

b) Mais leves;

c) Elas são mais resistentes aos momentos positivos dos vãos e à compressão que se dá pela capa de concreto maciço;

d) São fáceis de montar e desmontar, oferecem maior velocidade de execução.

DESVANTAGENS

a) Baixa resistência à flexão para os momentos negativos nos apoios;

b) Aumentam a altura total de uma edificação;

c) Aumentam também as dificuldades de compatibilização com outros

subsistemas, como instalações e vedações;

d) Exigem maiores cuidados durante a concretagem para evitar os vazios nas nervuras, entre outros gargalos.

16
16

Tipos de Lajes Nervuradas

a) Laje moldada no local - Todas as etapas de execução são realizadas "in loco". Portanto, é necessário o uso de fôrmas e de escoramentos, além do material de enchimento

fôrmas e de escoramentos, além do material de enchimento b) Laje com nervuras pré-moldadas - As
fôrmas e de escoramentos, além do material de enchimento b) Laje com nervuras pré-moldadas - As

b) Laje com nervuras pré-moldadas - As nervuras são compostas de vigotas pré-moldadas, que dispensam o uso do tabuleiro da fôrma tradicional.

17
17

Materiais de enchimento

a) Blocos cerâmicos ou de concreto

Materiais de enchimento a) Blocos cerâmicos ou de concreto b) Blocos de EPS - isopor c)

b) Blocos de EPS - isopor

Materiais de enchimento a) Blocos cerâmicos ou de concreto b) Blocos de EPS - isopor c)

c) Caixotes reaproveitáveis

18
18

Tipos de lajes

a) Laje com nervura dupla

Tipos de lajes a) Laje com nervura dupla b) Laje com nervura Invertida 19

b) Laje com nervura Invertida

19
19

c) Laje com nervura normal

c) Laje com nervura normal Posição da armadura a) Armada em uma direção 20

Posição da armadura

a) Armada em uma direção

20
20

b) Armada em duas direções

b) Armada em duas direções c) Armada em duas direções enviesadas 21

c) Armada em duas direções enviesadas

21
21

Vinculação das lajes a) Bordas simplesmente apoiada

22
22

b) Mesa de compressão inferior - engaste

23
23

c) Trecho maciço

24
24

Ações solicitantes

Ações solicitantes Segundo a NBR 8681 (2004), ações são as causas que provocam aparecimento de esforços

Segundo a NBR 8681 (2004), ações são as causas que provocam aparecimento de esforços ou deformações nas estruturas, devendo ser consideradas no dimensionamento das mesmas.

, devendo ser consideradas no dimensionamento das mesmas. Surgem nas estruturas, os esforços solicitantes, que são

Surgem nas estruturas, os esforços solicitantes, que são os esforços causados pelas ações, como os esforços normais e cortantes, e os momentos fletores e torsores.

Ação gera solicitação.

25
25

Para resistir aos esforços solicitantes (S), são utilizados os esforços resistentes (R), que dependem do dimensionamento da estrutura, que é função das características dos elementos e dos materiais empregados;

Segurança R>S;

AÇÕES A CONSIDERAR EM UMA ESTRUTURA

a) Ações permanentes (g) : valores constantes durante praticamente toda a vida

da Construção; peso próprio dos elementos da construção, do peso dos equipamentos fixos e dos empuxos devidos ao peso próprio de terras não

removíveis.

b) Ações variáveis (q): são as ações de uso da construção; forças de frenagem, de impacto e centrífugas, os efeitos do vento, do atrito nos aparelhos de apoio e, em geral, as pressões hidrostáticas e hidrodinâmicas.

c) Ações excepcionais: São aquelas que têm duração muito curta e probabilidade

de ocorrência muito baixa durante a

vida da construção,

Na NBR 6120 (1980) encontram-se os valores mínimos estipulados para as ações variáveis normais

26
26

Considerações de projeto

Considerações de projeto

Economia x tempo x SEGURANÇA

Considerações de projeto Economia x tempo x SEGURANÇA 27
27
27

A maior ou menor segurança de uma estrutura está ligada à distância entre as

médias dos dois gráficos;

Aumento dos custos para este afastamento;

O estudo da segurança consiste em se determinar o ponto ótimo em que possa se conseguir uma estrutura segura, com o menor custo possível.

28
28

CONSIDERAÇÕES DE PROJETO

Apresentam-se a seguir as dimensões limites, segundo a NBR 6118: 2014, item

13.2.4.2.

Dimensões mínimas

a) Espessura da mesa (hf)

Quando não houver tubulações horizontais embutidas, a espessura da mesa deve ser maior ou igual a 1/15 da distância entre nervuras e não menor que 3 cm;

A espessura da mesa deve ser maior ou igual a 4cm, quando existirem tubulações

embutidas de diâmetro máximo 12,5mm.

b) Largura das nervuras (bw)

A espessura das nervuras não deve ser inferior a 5 cm.

Se houver armaduras de compressão, a largura das nervuras não deve ser inferior a 8cm.

29
29

Critérios de projeto

Para distância entre eixo (e), e 65cm, pode ser dispensada a verificação da flexão da mesa e, para a verificação do cisalhamento da região das nervuras, permite-se a consideração dos critérios de laje;

Para (e) entre 65 e 110cm, exige-se a verificação da flexão da mesa e as nervuras devem ser verificadas ao cisalhamento como vigas; permite-se essa verificação como laje se o espaçamento entre eixos de nervuras for até

90cm e a largura média das nervuras for maior que 12cm;

Para lajes nervuradas com espaçamento entre eixos maior que 110cm, a mesa deve ser projetada como laje maciça, apoiada na grelha de vigas, respeitando-se os seus limites mínimos de espessura.

30
30
31
31

VERIFICAÇÕES

a) Flexão nas nervuras

b) Cisalhamento nas nervuras

1 - Distância entre eixos das nervuras menor ou igual a 65cm (cisalhamento igual laje)

2- Distância entre eixos das nervuras de 65cm até 90cm A verificação de cisalhamento pode ser como lajes, da maneira indicada no item anterior, se a largura média das nervuras for maior que 12cm (NBR 6118:2014, item 13.2.4.2-b).

3- Distância entre eixos das nervuras entre 65cm e 110cm As nervuras devem ser verificadas ao cisalhamento como vigas. Deve ser colocada armadura perpendicular à nervura, na mesa, por toda a sua largura útil, com área mínima de 1,5cm2/m.

c) Flexão na mesa

Para lajes com espaçamento entre eixos de nervuras entre 65 e 110cm, exige-se a verificação da flexão da mesa (NBR 6118:2003, item 13.2.4.2-b)

d) Cisalhamento na mesa

32
32

O cisalhamento nos painéis é verificado utilizando-se os critérios de lajes maciças.

EXEMPLO 01

EXEMPLO 01 • Revestimento = 0,69KN/m² 33

Revestimento = 0,69KN/m²

33
33
Lx>LY 34

Lx>LY

34
34

1° Etapa pré-dimensionamento

1° Etapa – pré-dimensionamento bw – largura da nervura a – Distância livre entre nervura hf

bw largura da nervura

a Distância livre entre nervura

hf Espessura da mesa

35
35
O pré-dimensiomento da altura da laje será feito considerando as recomendações da NBR 6118:2014. 36

O pré-dimensiomento da altura da laje será feito considerando as recomendações da NBR 6118:2014.

36
36
37
37
37

2° Etapa Determinação das ações atuantes

3° Etapa Cálculo dos esforços solicitantes

38
38

4° Etapa Cálculo da armadura necessária

4° Etapa – Cálculo da armadura necessária 39
39
39
40
40
41
41
42
42
43
43
44
44
45
45
46
46

EXEMPLO 02

Pré-dimensionar uma laje nervurada bidirecional para o trecho de

pavimento, usando tijolos cerâmicos furados 19x24x39 cm, concreto fck

20 MPa, aço CA50 e cobrimento de 2 cm. Considerar carga acidental de 3 KN/m² e carga de revestimento e piso mais contra piso de igual a 1kN/m². Viga de apoio de 20 cm, e considerada não deslocável na

direção vertical.

Ly

= 8,6 m

Lx

= 7,20 m

47
47
48
48
49
49