Você está na página 1de 5

ITIL e Cobit: entenda as principais diferenças

e suas aplicações
Na governança de Tecnologia da Informação (TI), o uso de boas práticas por parte
das empresas é bastante recomendável. Isso porque são elas que garantem o suporte
de infraestrutura da companhia e facilitam a realização das estratégias e dos objetivos
corporativos.

Para garantir melhor eficiência nesse sentido, duas ideias muito importantes — cujas
métricas ajudam a definir níveis de maturidade, certificação e reconhecimento
internacional — estão na pauta do dia dos gestores. Isso porque o mercado exige alta
eficiência, qualidade nas operações e visão ativa em todo o ciclo de vida da TI.

Os conceitos que ajudam nessa caminhada são o Information Technology


Infrastructure Library (ITIL, Biblioteca de Infraestrutura de TI) e o Control
Objectives for Information and related Technology (Cobit, Objetivos de Controle
para Tecnologias da Informação e relacionadas).

Venha conhecê-los melhor!

Humanização da tecnologia
Esses conceitos fazem parte da vertente humana da tecnologia, que vem crescendo
muito nos últimos anos. Profissionais com conhecimentos — e,
preferencialmente, certificações — em ITIL e/ou Cobit são cada vez mais
requisitados pelo mercado. Saiba quais são as peculiaridades de cada um deles!
ITIL
ITIL existe desde a década de 1980, quando foi criado como um guia de
recomendações para empresas de informática e telecomunicações no Reino Unido,
mas é usado até hoje como referência por empresas e profissionais de TI de todo o
mundo.

Trata-se de um conjunto de melhores práticas para operações de gestão de serviços


em TI (como gerenciamento de service desk, incidente, mudança, capacidade, nível
de serviço e segurança) e para alinhamento do departamento com os negócios da
empresa. O enfoque mira o cliente e a qualidade.
É um material extenso, que está dividido em sete volumes - por isso, é chamado de
biblioteca. Ele descreve em detalhes as partes da TI relacionadas à gestão de serviços
(atividades dos processos, estruturas organizacionais e outros).

Se implantado corretamente, após um estudo de viabilidade, o ITIL beneficia


diretamente a governança de TI e a forma como a área se relaciona com o restante da
organização. E ainda proporciona, entre outras coisas:
 redução do tempo de execução de tarefas e de solução de problemas;
 aumento da satisfação de usuários e clientes;
 maior controle da gestão;
 diminuição de custos operacionais.

Outra grande vantagem desse conceito é que ITIL não é uma ferramenta ou solução:
é uma estrutura flexível que pode ser adaptada às necessidades de gestão de projetos
da empresa, mas sem perder de vista a qualidade dos serviços oferecidos.

É bom ressaltar que ITIL não é um produto palpável que pode ser instalado: é apenas
usada para orientação.
Cobit
Cobit é uma ferramenta que auxilia na auditoria de processos, práticas e controles de
TI na companhia. Ou seja, é como um guia para a gestão dessa área. Assim, se
concentra na definição, implementação, fiscalização, medição e melhoria dos
controles de processos do ciclo de vida de TI.

Essas características fazem dele um conceito voltado para a redução de risco, que
enfoca integridade, confiabilidade e segurança. Dividido em quatro domínios —
Planejamento e Organização, Aquisição e Implementação, Entrega e Suporte e
Monitoração —, tem ainda seis níveis de maturidade.

Tem como ponto central o gerenciamento da informação e descreve os princípios de


suporte de uma organização orientada a necessidades corporativas, principalmente
em relação ao uso dos ativos e dos recursos de TI pela organização.

Em outras palavras, o Cobit ajuda na priorização e organização das atividades do


setor de TI para atender aos requisitos da corporação. O framework permite
identificar quais processos têm pontos de fragilidade e podem influenciar o
departamento negativamente. Em seguida, o gerenciamento desses processos é
priorizado.
A ideia é garantir o negócio da empresa com base em:
 controle de objetivos;
 mapas de auditoria;
 ferramentas de implementação;
 um framework;
 um guia de técnicas de gerenciamento.

Por isso, o Cobit é recomendado como meio para otimizar os investimentos de TI.
Essa metodologia tem métricas para mensuração de desempenho e avaliação de
resultados que ajudam a direcionar melhor o gerenciamento de processos e fazem
com que riscos do projeto sejam devidamente apontados e tratados. Em outras
palavras, fornece uma política clara para o controle de TI e o alcance das metas da
organização.
Diferenças entre ITIL e Cobit
ITIL e Cobit são bastante diferentes entre si. O Cobit tem mais afinidade com a
auditoria de processos e controles, e o ITIL se aproxima mais do gerenciamento de
serviços de TI.

Enquanto Cobit se preocupa principalmente em orientar as organizações na


implementação, operação e melhoria dos processos de governança e gestão de TI,
ITIL oferece orientações de boas práticas para gestão e execução de serviços de TI,
sob a perspectiva da geração de valor ao negócio.

De forma mais simples, o Cobit diz ‘o que’ e o ITIL explica ‘como’.

Ambos servem como guias hoje no mercado, pois são complementares, não
concorrentes. Eles devem servir como referência, e não é obrigatório usar todos os
seus aspectos, pois pode ser que algumas práticas não se apliquem à sua empresa ou
que seja preciso fazer ajustes.

Essa abordagem conjunta ajuda a resolver problemas e maximizar o alcance das


metas corporativas, intensificando suas forças e adaptando seu uso à necessidade.
Afinal, não basta implementar, é preciso ter uma melhoria contínua em todos os
processos e operações.

Utilização de cada um
Não existe uma resposta para quando usar cada um, pois, como já demonstrado, eles
não são excludentes. Esses guias de referência — que não precisam ser seguidos à
risca — funcionam muito bem se usados e aplicados em conjunto.

Juntos, eles formam uma base bastante forte para a governança e a gestão de serviços
em TI, independentemente de serem atividades internas, terceirizadas ou parceiros de
negócios. Os profissionais terão mais opções se considerarem o uso dos dois modelos
em conjunto.

Na hora da implantação, qualquer um deles pode ser adaptado — de formas


diferentes — ao contexto da organização. No Brasil, o conceito ITIL é mais comum,
pois o Cobit é, em geral, escolhido por empresas de grandes mercados e que não
necessariamente utilizam-se das suas normas no dia a dia.