Você está na página 1de 117

Contabilidade Financeira_- Overview

Objetivo

O componente de aplicação Contabilidade Financeira (FI) atende todas as exigências internacionais que devem
ser seguidas para o departamento de contabilidade financeira de uma organização. Ele oferece os seguintes
recursos:

 Administração e representação de todos os dados de contabilidade

Todas as transações comerciais são registradas de acordo com o princípio de documento, o qual fornece
uma pista de auditoria desde as demonstrações financeiras até os documentos individuais.

 Fluxo de dados aberto e integrado

O fluxo de dados entre a Contabilidade financeira e os outros componentes do Sistema SAP é


assegurado por atualizações automáticas.

Os dados estão disponíveis em tempo real dentro da Contabilidade financeira. Os lançamentos


efetuados nos subledgers sempre geram um lançamento correspondente no livro Razão.

 Preparação de informações operacionais para fornecer suporte à tomada de decisão estratégica dentro
da organização.

Integração da Contabilidade financeira com outros componentes

Todas as transações relevantes para contabilidade feitas nos componentes Logística (LO) ou Recursos Humanos
(HR) são lançadas em tempo real na Contabilidade financeira por meio da determinação automática da conta.
Esses dados também podem ser transferidos para Controlling (CO).

Isso assegura que movimentos logísticos de mercadorias (tais como recepção e remessa de mercadorias) estão
refletidos exatamente nas atualizações com base no valor na contabilidade.

Integração dentro da Contabilidade financeira

Cada lançamento efetuado nos subledgers (razão auxiliar) gera um lançamento correspondente às contas
atribuídas no Razão. Isto assegura que os subledgers estão sempre reconciliados com o Razão.

Conjunto de funções

O componente de aplicação Contabilidade financeira abrange os seguintes sub-componentes:

 Razão (FI-GL)
 Contabilidade de fornecedores (FI-AP)
 Contabilidade de mandantes (FI-AR)
 Contabilidade bancária (FI-BL)
 Contabilidade de imobilizado (FI-AA)
 Administração de fundos (FI-FM)
 Administração de viagens (FI-TV)
 Ledgers especiais (FI-SL)

Unidades organizacionais e configurações básicas

Definição

Elementos da estrutura lógica do Sistema SAP, importantes para Contabilidade Financeira.

As unidades organizacionais são usadas para estruturar funções comerciais e para sistema de relatórios. As
unidades organizacionais da Contabilidade Financeira são usadas para fins de relatórios externos, isto é, elas
atendem as exigências externas às que o negócio está sujeito, por exemplo, regulamentos legais. As
demonstrações financeiras, por exemplo, são criadas com base nas unidades organizacionais da Contabilidade
financeira.

Utilização

O usuário cria a estrutura organizacional específica para a sociedade no Sistema SAP por meio da definição de
unidades organizacionais e fazendo as configurações básicas. É obrigatório definir unidades organizacionais
para Contabilidade financeira; ou seja, o usuário deve definir essas unidades para poder implementar o
componente Contabilidade financeira.

Unidade organizacional Definição

Mandante Obrigatória

Sociedade Opcional

Empresa Obrigatória

Divisão Opcional

Configuração básica

Plano de contas Obrigatória

Exercício fiscal Obrigatória

Moedas Obrigatória

Mandante

Definição

Unidade comercial, organizacional e tecnicamente auto-contida em um Sistema SAP. Os mandantes têm os


seus próprios registros mestre e conjuntos de tabelas.

A definição de unidade organizacional mandante é obrigatória;

Utilização

O mandante é o nível máximo da hierarquia no Sistema SAP As especificações feitas, ou os dados entrados
neste nível são válidos para todas as empresas e para todas as outras estruturas organizacionais. Portanto, é
necessário fazer essas especificações, ou entrar esses dados somente uma vez. Isto assegura a consistência
dos dados.

O Sistema SAP é entregue com os mandantes 000 e 001 - esses mandantes já contêm as configurações
propostas.
Sociedade

Definição

A menor unidade organizacional para qual as demonstrações financeiras individuais são criadas de acordo com
as exigências legais relevantes. Uma sociedade pode incluir uma ou mais empresas.

A definição de unidade organizacional sociedade é opcional;

Utilização

As demonstrações financeiras de uma sociedade também formam a base das demonstrações financeiras
consolidadas.

Todas as empresas dentro da sociedade devem usar o mesmo plano de contas e exercício fiscal. Entretanto,
cada empresa pode ter uma moeda interna diferente.

Empresa

Definição

A menor unidade organizacional de contabilidade externa para a qual pode ser criado um conjunto completo e
auto-contido de contas. Isto inclui a entrada de todas as transações que devem ser lançadas e a criação de
todos os itens para demonstrações financeiras individuais, tais como o balanço patrimonial e demonstração de
lucros e perdas.

A definição de unidade organizacional empresa é obrigatória;

Utilização

A empresa é a unidade organizacional central de contabilidade externa dentro do Sistema SAP. É necessário
definir pelo menos uma empresa antes de implementar o componente Contabilidade financeira. As transações
comerciais relevantes para Contabilidade financeira são entradas, salvas e avaliadas em nível de empresa.

Em geral, o usuário cria uma sociedade legalmente independente no Sistema SAP com uma só empresa.
Entretanto, é possível também definir uma empresa de acordo com outros critérios. Uma empresa pode ser
também um estabelecimento comercial separado, mas não independente. Isso é necessário, por exemplo, se o
local de trabalho for realmente situado em um país diferente e, portanto as avaliações devem ser executadas
na moeda nacional apropriada e de acordo com outras especificações legais e tributárias.

Para administrar a contabilidade de várias sociedades independentes simultaneamente, é possível estabelecer


várias empresas em um mandante. É necessário estabelecer pelo menos uma empresa em cada mandante.

Integração

Se forem utilizados outros componentes do Sistema SAP, será necessário fazer atribuições entre a empresa
como a unidade organizacional central da Contabilidade financeira, e as unidades organizacionais de outros
componentes. Isso é necessário para assegurar que dados possam ser transferidos entre os componentes.

Divisão

Definição

Unidade organizacional de contabilidade externa que corresponde a um segmento específico de negócios ou


área de responsabilidade em uma sociedade. Os movimentos em valor entrados na Contabilidade financeira são
atribuídos às divisões.

As demonstrações financeiras podem ser criadas para divisões para fins internos.

A definição de unidade organizacional divisão é opcional;


Utilização

Divisões são usadas no sistema de relatórios do segmento externo (sobre e acima das empresas), com base
nas áreas de operação significativas de uma sociedade (por exemplo, linhas de produtos, filiais).

Se divisões foram definidas, a movimentação no período para as contas do Razão é administrada


separadamente para fins de avaliação interna. Portanto, é possível criar demonstrações financeiras internas
para divisões.

Integração

Para lançar itens em uma divisão, entrar a divisão ao entrar a transação comercial. No entanto, a divisão
também pode ser derivada de outras classificações contábeis, como o centro de custo. Para isso, é preciso
definir a divisão no registro mestre do centro de custo.

Para implantar FI é preciso estar definido o Plano de Contas da Empresa.

Plano de contas

Definição

Esta é uma lista de todas as contas do Razão usadas por uma ou por várias empresas.

Para cada conta do Razão, o plano de contas contém o numero de conta, o nome da conta e as informações
que controlam o funcionamento de uma conta e como uma conta do Razão é criada em uma empresa.

Utilização

É necessário atribuir um plano de contas a cada empresa. Este é o plano de contas operacional e é usado para
os lançamentos diários nesta empresa.

Existem as seguintes opções ao usar várias empresas:

 É possível usar o mesmo plano de contas para todas as empresas

Se todas as empresas tiverem as mesmas necessidades com relação à preparação do plano de contas,
atribuir todas as empresas específicas ao mesmo plano de contas. Isto se aplicaria se todas as
empresas estivessem no mesmo país.

 Além do plano de contas operacional, é possível usar dois planos de contas adicionais

Se empresas específicas necessitarem de planos de contas diferentes, será possível atribuir até dois
planos além do plano de contas operacional. Isto se aplicaria se as empresas estivessem em vários
países.

O uso de diferentes planos de contas não afeta o balanço e o cálculo lucros e perdas. Ao criar o balanço ou o
cálculo lucros e perdas, pode-se optar por saldar as empresas que usam diferentes planos de contas juntos ou
separadamente.

Estrutura

Os planos de contas podem ter três funções diferentes no sistema:

 Plano de contas operacional

O plano de contas operacional contém as contas do Razão usadas para lançamento na empresa durante
atividades diárias. Tanto a Contabilidade financeira quanto o Controlling usam este plano.

É necessário atribuir um plano de contas operacional a uma empresa.


 Plano de contas do grupo de empresas

Esse plano contém as contas do Razão usadas por todo o grupo de empresas. Permite-se que a
sociedade forneça relatórios a todo o grupo de empresas.

A atribuição de um plano de contas do grupo de empresas a uma empresa é opcional.

 Plano de contas específico do país

O plano de contas específico do país contém as contas necessárias do Razão necessárias para atender
às necessidades legais do país. Permite-se fornecer comprovantes para as necessidades legais do país.

A atribuição de um plano de contas específico do país a uma empresa é opcional.

Integração

O plano de contas operacional é compartilhado pela Contabilidade financeira e pelo Controlling. As contas de
um plano de contas podem ser contas de despesas ou de receita na Contabilidade financeira e classes de custo
ou de receita na contabilidade de custos/receita.

Exercício

Definição

Geralmente, é o período de doze meses durante o qual a empresa cria balanços/demonstração do resultado do
exercício e verifica estoques.

O exercício pode corresponder exatamente ao ano civil, mas não obrigatoriamente.

Sob certas circunstâncias, um exercício pode ser inferior a doze meses (exercício reduzido).

Estrutura

Um exercício divide-se em períodos contábeis. Cada período contábil é definido por uma data de início e
término. Antes de lançar documentos, é necessário definir períodos contábeis, que por sua vez definem o
exercício.

Além dos períodos contábeis, pode-se também definir períodos extraordinários para o encerramento do
exercício.

Na Contabilidade geral, um exercício pode ter no máximo doze períodos contábeis e quatro períodos
extraordinários.

Estão disponíveis as seguintes opções para a definição das variantes do exercício:

 Exercício igual ao ano civil


 Exercício difere do ano civil (exercício divergente). Os períodos contábeis também podem ser diferentes
dos meses do ano civil.

Integração

Ao entrar um lançamento, o sistema automaticamente determina o período contábil.

No Razão, o sistema grava separadamente a movimentação no período de todas as contas para cada período
contábil e cada período extraordinário, de acordo com os débitos e créditos.

Moedas

Definição
Meios de pagamento legais em um país.

Utilização

Para cada montante monetário entrado no Sistema SAP, é necessário especificar uma moeda.

Na Contabilidade financeira, é necessário especificar, para cada empresa, em que moeda os ledgers devem ser
administrados. Essa moeda é a moeda nacional da empresa, isto é, a moeda interna (ou moeda da empresa).
Do ponto de vista da empresa, todas as outras moedas são então moedas estrangeiras.

É possível administrar ledgers em duas moedas paralelas além da moeda interna, por exemplo, moeda do
grupo ou moeda forte.

Moedas paralelas na Contabilidade financeira


Utilização

Na Contabilidade financeira, é possível definir até duas moedas paralelas além da moeda interna. Assim, os
ledgers são administrados nessas moedas paralelas além da moeda interna.

É possível usar vários tipos diferentes de moeda como moedas paralelas. Deve-se definir a moeda para um
tipo de moeda ao especificar as unidades organizacionais.

 Moeda de grupo
Deve-se definir a moeda de grupo ao especificar o mandante.
 Moeda da empresa
Definir a moeda da empresa ao especificar a sociedade atribuída à sua empresa.
 Moeda forte
Definir a moeda forte ao especificar o país a que a sua empresa está atribuído.
 Moeda índice
Definir a moeda índice ao especificar o país a que a empresa está atribuído.

É possível usar no máximo duas moedas paralelas (segunda e terceira moedas internas).
Se foi definida a moeda de grupo como a segunda moeda interna, não haverá efeitos adicionais. Em todos os
outros casos, no componente de aplicação Ledgers Especiais, deve-se definir um ledger adicional no qual sejam
administradas as movimentações do período.

Características

Se os ledgers forem administrados em moedas paralelas, isso produzirá os seguintes efeitos:

 Durante o lançamento, os montantes são também gravados em moedas paralelas.


Os montantes são convertidos automaticamente, mas é possível entrá-los manualmente.
 Os valores de transação da conta Razão são também atualizados em moedas paralelas.
 As diferenças de taxas de câmbio também são geradas em moedas paralelas.
 É possível também executar uma avaliação de moeda estrangeira em moedas paralelas.

Tipos de taxa de câmbio

Definição

Chave usada para definir taxas de câmbio no sistema.

Utilização
É possível definir diferentes taxas de câmbio para cada par de moedas. Diferenciar entre essas taxas usando o
tipo de taxa de câmbio.

Serão necessárias diferentes taxas de câmbio para as seguintes finalidades, por exemplo:

 Avaliação
 Conversão
 Conversão
 Planejamento

As taxas de câmbio são definidas em Customizing em Configurações gerais => Moedas => Verificar tipos de
taxas de câmbio.

Estrutura

Existem os seguintes tipos de taxas de câmbio:

 Taxa de compra (G)


 Taxa de venda pelo banco (B)
 Taxa média (M)
Contabilidade Geral (FI-GL)

Objetivo

A principal tarefa da contabilidade geral é disponibilizar uma visão abrangente de contabilidade e de contas
externas. O registro de todas as transações contábeis (registros principais e liquidações de contabilidade
interna) de um sistema de software, totalmente integrado a todas as outras áreas operacionais de uma
sociedade, assegura que os dados contábeis estejam sempre completos e precisos.

Conjunto de funções

O SAP FI Razão tem as seguintes funções:

 Escolha livre de nível: grupo de empresas ou sociedade


 Lançamento automático e simultâneo de todos os itens do livro auxiliar em contas do Razão
apropriadas (contas de conciliação)
 Atualização simultânea de áreas do Razão e de cálculo de custos
 Análise em tempo real e sistema de informações sobre dados contábeis atuais, na forma de exibições
de contas, demonstrações contábeis com diferentes versões e análises adicionais.

Essencialmente, o Razão funciona como um registro completo de todas as transações contábeis. É o modelo
centralizado e atualizado para a prestação de contas. As operações individuais reais podem ser verificadas a
qualquer momento no processamento, em tempo real, por intermédio da exibição dos documentos originais,
partidas individuais e da movimentação no período em vários níveis, tais como:

 Informações sobre conta

 Diários

 Totais/movimentação no período

 Análises de balanço/lucros e perdas

Registros mestre da conta do Razão

Definição

Os registros mestre da conta do Razão contêm os dados que são sempre necessários para que a função da
conta seja determinada pelo Razão. Estes registros controlam o lançamento de transações contábeis de contas
do Razão e o processamento dos dados de lançamento.

Utilização

Antes de efetuar os lançamentos em uma conta do Razão, é necessário criar um registro mestre no sistema da
conta.

Estrutura

Os registros mestre da conta do Razão estão divididos em duas áreas, de modo que as empresas com os
mesmos planos de conta possam usar as mesmas contas do Razão.

 Área do plano de contas


A área do plano de contas contém os dados válidos para todas as empresas, como o nº. de conta.

 Área específica da empresa

A área específica da empresa contém dados que podem variar de uma empresa para outra, tal como a
moeda na qual a conta pode ser lançada.

Os objetos a seguir desempenham uma função fundamental na criação e administração de registros mestre:

 Lista de planos de contas

 Plano de contas

 Grupo de contas

A conta-modelo e as regras de transferência de dados são facultativas e fornecem funções especiais.

 A lista de planos de contas contém todos os planos de contas suportados em um mandante.

 No sistema R/3, o plano de contas é uma lista de todos os registros mestre da conta do Razão usados
em uma ou várias empresas. Em cada registro mestre da conta do Razão, o plano de contas contém o n
º de conta, o nome da conta e as informações de Controlling.

 A conta-modelo e as regras de transferência de dados determinam quais os valores do campo que


são predefinidos durante a criação de um registro mestre da conta do Razão e se estes valores podem
ser sobregravados.

 O grupo de contas é um sumário das características que controlam a criação de registros mestre. É
possível usá-lo para determinar quais os campos que devem ou podem ser preenchidos na criação do
registro mestre. Além disso, pode-se ser usado para predefinir um intervalo de nºs, do qual os números
dos registros mestre devem ser selecionados. As contas que exigem os mesmos campos de registros
mestre e usam o mesmo intervalo de nºs são criadas com o mesmo grupo de contas.

 O registro mestre da conta do Razão na empresa contém informações específicas da empresa, que
controlam a entrada de dados nessa conta e a administração da conta.

Integração

No sistema Standard, todas as transações contábeis lançadas em contas do Razão são atualizadas no Razão.
Além disso, é possível definir mais Razões em que os dados também possam ser lançados.

Registro mestre do Razão no plano de contas

Definição

O dado mestre da conta do Razão presente na área do plano de contas contém as informações sobre a conta do
Razão que são válidas para todas as empresas. Esta área também contém os dados que controlam como uma
conta do Razão é criada na área específica da empresa.

Utilização

Para certificar-se de que as empresas que usam o mesmo plano de contas também possam usar as mesmas
contas do Razão, um registro mestre é criado para contas do Razão no plano de contas e nas áreas específicas
da empresa.

Estrutura

As informações que seguem estão presentes na área do plano de contas de um registro mestre de contas do
Razão.
 O plano de contas
 O número e o nome da conta (texto breve e descritivo)
 O código que especifica se a conta é uma conta do balanço ou uma conta de cálculo de lucros e
perdas.

No início de um novo exercício, o saldo de uma conta do balanço é transportado para a mesma conta.
Com as contas de cálculo de lucros e perdas, deve-se especificar a conta para a qual o lucro ou a perda
é transportado no final do exercício.

 O grupo de contas

Com o grupo de contas, agrupam-se contas similares e controla-se a criação e modificação de registros
mestre. São eles:

o O intervalo de nºs conta no qual deve estar o nº de conta.


o A estrutura da tela para criação de contas do Razão na área específica da empresa. Isto
significa que é possível definir se os campos necessitam de uma entrada, se pode ter uma
entrada ou se são ocultos durante a criação ou modificação de um registro mestre na área
específica da empresa.

Os grupos de contas foram definidos antes da criação de contas do Razão. As entradas necessárias para
consolidação são a sociedade parceira de negócios e o nº conta do grupo.

Grupo de contas

Definição

O grupo de contas é um sumário de contas baseado em critérios que operam a maneira pela qual são criados
os registros mestre.

O grupo de contas determina:

 O intervalo de nºs no qual o nº de conta é marcado durante a criação de uma conta do Razão.

 A estrutura da tela para criação de contas do Razão na área específica da empresa.

Utilização

Ao criar uma conta do Razão na área do plano de contas, é necessário especificar um grupo de contas.

Por intermédio do grupo de contas, é possível agrupar as contas do Razão de acordo com a área funcional.

O grupo de contas também define a configuração durante a criação de uma conta do Razão na empresa e o
plano de contas. Ao definir o intervalo de números e a estrutura de tela, simplifica-se a criação da conta do
Razão reduzindo o número de campos de entrada.

Os grupos de contas são inseridos no Customizing por plano de contas. Isto é executado no Customizing de
Contabilidade financeira em Contabilidade do Razão => Contas do Razão => Dados mestre => Preparações =>
Definir grupo de contas.

Estrutura

O grupo de contas contém as definições que seguem:

 Intervalo de números

Os planos de contas Standard são recomendados na maioria dos países. Geralmente são criados para
que os números das contas pertencentes à mesma área funcional comecem com os mesmos dígitos.
Usa-se o grupo de contas do plano de contas para indicar o princípio de agrupamento.
 Estrutura de tela

As contas de uma área funcional necessitam dos mesmos campos para gravar informações durante a
entrada e processamento de transações contábeis. Ao usar o grupo de contas, definem-se os campos
necessários para cada área funcional e o formulário necessário.

Certificar-se de definir o status do campo durante a definição de um grupo de contas. Caso contrário, todos os
campos ficam ocultos.

Funções da conta de conciliação

Quando é lançados itens num livro auxiliar, o sistema lança os mesmos dados automaticamente no Razão.
Cada livro auxiliar possui uma ou mais contas de reconciliação no Razão. Estas contas de reconciliação
garantem que o saldo das contas do Razão seja sempre zero. Isto significa que é possível criar balanços
patrimoniais a qualquer momento sem precisar transferir totais dos livros auxiliares para o Razão.

É necessário especificar uma conta de reconciliação em cada registro mestre de fornecedor. As opções feitas
numa conta de reconciliação afetam também as contas do fornecedor:

 A conta de reconciliação pode ser usada para configurar as telas para lançamento de itens nas contas
de fornecedores. Por exemplo, a conta de reconciliação pode ser usada para ocultar os campos para
cobertura de taxas cambiais, se não existir este tipo de operação.
 A conta de reconciliação pode ser usada também para especificar as moedas que podem ser usadas nos
lançamentos para as contas de fornecedores correspondentes.

Definir Conta de conciliação para tipo de conta

Utilização

Usar este campo para indicar contas do Razão como contas de conciliação. Para cada conta do livro auxiliar,
é necessário manter pelo menos uma conta de conciliação na área de conta do Razão. Ao lançar em uma conta
do livro auxiliar, o sistema realiza o lançamento automaticamente na conta de conciliação correspondente.

A conta "Contas a receber de mercadorias e serviços" é um exemplo de conta de conciliação para clientes.
Entre com Cliente no campo Conta de conciliação para tipo de conta. Insira um Fornecedor neste campo para
uma conta de conciliação do fornecedor.

Com base no procedimento de conta de conciliação, é possível criar um balanço patrimonial e um cálculo de
lucros e perdas a qualquer momento, pois os montantes lançados nas contas do livro auxiliar também são
lançados automaticamente no Razão.

Durante a reconciliação regular, verificar se o saldo da conciliação corresponde ao saldo das contas do livro
auxiliar correspondentes.

Para definir contas de conciliação, especificar, no registro mestre da Conta do Razão, o tipo de conta (tal como
ativo fixo, fornecedor ou cliente) para o qual a conta deve ser usada. Desse modo, a conta pode ser atribuída
apenas a contas no livro auxiliar correspondente. Definir a atribuição da conta do livro auxiliar a uma conta de
conciliação no registro mestre da conta do livro auxiliar. Não é possível efetuar manualmente lançamentos em
contas de reconciliação.

O ledger de reconciliação

Definição

O ledger de reconciliação é uma ferramenta usada para ilustrar a movimentação no período no Controlling de
forma resumida.

Utilização

O ledger de reconciliação possui as seguintes tarefas:


 Ele reconcilia o Controlling com a Contabilidade financeira.

o Fornece relatórios com os quais se pode monitorizar a reconciliação CO/FI para cada conta.
o Pode determinar e exibir o fluxo de valores que aparecem no Controlling em empresas, áreas
funcionais ou divisões.
o É possível usar este fluxo de valores na Contabilidade financeira como base para lançamentos
de compensação compactados. Os lançamentos de compensação representam fluxos de valores
no Controlling que têm efeito sobre o encerramento legal de um empreendimento (balanço,
conta de lucros e perdas). É possível entrar os lançamentos de compensação usando os valores
determinados ou permitir que o sistema R/3 os lance automaticamente.

 Ele fornecerá uma síntese de todos os custos incorridos.

o Os relatórios do ledger de reconciliação fornecem uma síntese dos custos e são, portanto um
ponto de partida adequado para a análise. Por exemplo, nos relatórios do ledger de
reconciliação é possível analisar um item da Conta de lucros e perdas, que é exibido no Sistema
de informação financeira (FIS), para exibir os custos atribuídos. Para obter uma análise mais
detalhada, usar os relatórios do ledger de reconciliação para chamar relatórios de outros
componentes CO.
Contabilidade de clientes e fornecedores (FI_AR/AP)

Síntese

O componente de aplicação Fornecedores registra e administra dados contábeis de todos os fornecedores. É


também uma parte integrante da administração de vendas: os fornecimentos e as faturas são administrados de
acordo com os fornecedores. O sistema faz lançamentos automáticos em resposta aos movimentos
operacionais. Da mesma maneira, o sistema fornece ao componente de aplicação Administração de caixa os
índices das faturas para otimizar o planejamento de liquidez.

As contas a pagar são liquidadas com o programa de pagamento. O programa de pagamento suporta todas as
formas de pagamento Standard (como cheques e transferências) em formato impresso e também em formato
eletrônico (intercâmbio de suporte de dados em disco e telecomunicação). Esse programa também engloba
formas de pagamento específicas de países.

Se for necessário, as cobranças podem ser criadas para contas a receber em aberto (por exemplo, para receber
o pagamento de um crédito). O programa de cobrança suporta essa função.

Os lançamentos feitos em Fornecedores são registrados simultaneamente no Razão, onde diferentes contas do
Razão são atualizadas com base no movimento envolvido (contas a pagar e adiantamentos, por exemplo). O
sistema contém previsões de vencimentos e outros relatórios Standard que podem ser usados para ajudar a
monitorar partidas em aberto.

É possível projetar confirmações de saldos, extratos de conta e outros formulários de relatórios para atender a
necessidades na correspondência comercial com fornecedores. Há listas de saldos, diários, escriturações de
contas e outras análises internas disponíveis para documentação de movimentos em Fornecedores.

O componente de aplicação Clientes registra e administra dados contábeis de todos os clientes. Também é
uma parte integrante da administração de vendas.

Todos os lançamentos em Clientes também são registrados diretamente no Razão. Diferentes contas do Razão
são atualizadas dependendo do movimento envolvido (por exemplo, contas a receber, adiantamentos e letras
de câmbio). O sistema contém um conjunto de ferramentas que podem ser usadas para monitorar partidas em
aberto; por exemplo análises de contas, relatórios de alarme, quadros de vencimentos e um programa flexível
do sistema de cobrança. A correspondência ligada a estas ferramentas pode ser individualmente formulada
para atender a necessidades próprias. Esse também é o caso para avisos de pagamento, confirmações de
saldos, extratos de contas e cálculos de juros. Entradas de pagamentos podem ser atribuídas às contas a
receber vencidas por meio de funções de tela fáceis de usar ou por meios eletrônicos como EDI.

O programa de pagamento pode executar automaticamente débitos diretos e adiantamentos.

Existe um conjunto de ferramentas disponíveis para a documentação de movimentos na conta Clientes,


inclusive listas de saldos, diários, escriturações de contas e outros relatórios Standard. Quando são preparados
os balanços financeiros, os itens em moeda estrangeira são reavaliados, os clientes que também são
fornecedores são listados e os saldos das contas são ordenados pelo restante de vida útil.

Clientes não é apenas uma das ramificações da contabilidade que forma a base da contabilidade correta e
organizada. Ela também fornece os dados necessários para a administração efetiva de créditos (como resultado
da grande integração com o componente Vendas e distribuição) e informações importantes para a otimização
do planejamento de liquidez (por meio da ligação com a Administração de caixa).

Objetivo

No sistema SAP, todas as operações contábeis são lançadas e administradas em contas. É preciso criar um
registro mestre para cada conta requerida. O registro mestre contém dados que controlam a maneira como as
transações contábeis são registradas e processadas pelo sistema. Ele inclui também todas as informações sobre
um cliente com o qual é necessário poder manter relações de negócios.
Integração

Os departamentos de contabilidade (FI-AR) e de vendas (SD) do empreendimento usam registros mestre de


clientes. Com a gravação centralizada de dados mestre de clientes, permite-se que eles sejam acessados em
todo o empreendimento e evita a necessidade de entrar a mesma informação duas vezes. É possível também
evitar inconsistências nos dados mestre atualizando-os centralmente. Se o endereço de um dos clientes for
modificado, por exemplo, será necessário entrar essa modificação apenas uma vez e os departamentos de
contabilidade e de vendas sempre terão informações atualizadas.

É necessário implementar o componente de aplicação Vendas e Distribuição (SD) para entrar e processar os
registros mestre de clientes para processamento, entrega e faturamento de pedidos.

Conjunto de funções

As especificações feitas nos registros mestre são usadas:

 Como valores propostos quando os itens são lançados na conta

Por exemplo, as condições de pagamento especificadas no registro mestre são predefinidas para a
entrada de documentos.

 Para processar transações contábeis

Dados de controle de conta, como o número da conta de conciliação do Razão

Por exemplo, o procedimento de cobrança, a data do último aviso de cobrança e o endereço são
necessários para o processo automático de cobrança.

 Para trabalhar com registros mestre

É possível impedir que determinados usuários acessem uma conta preparando grupos de autorização.

 Para comunicação com o cliente

Por exemplo, o endereço e os números de telefone e de fax.

 Para o departamento de vendas

Dados de processamento, envio e faturamento de pedidos.

Dados mestre de cliente

O registro mestre contém dados que controlam a maneira como as transações contábeis são registradas e
processadas pelo sistema. Isso inclui também todas as informações sobre clientes com os quais se mantém
relações de negócios.

Utilização

É preciso criar um registro mestre no sistema para cada conta requerida.

Estrutura

Os registros mestre são divididos nas áreas a seguir para que cada empresa e cada empreendimento de vendas
possa gravar as informações próprias sobre a realização de negócios com clientes:
1. Dados gerais

São dados que se aplicam a todos os empreendimentos de vendas da sociedade. A área geral inclui, por
exemplo, nome, endereço, idioma e telefone do cliente.

2. Dados da empresa

Dados específicos de uma determinada empresa. Os dados da empresa incluem, por exemplo, o
número da conta de conciliação, as condições de pagamento e o procedimento de cobrança.

3. Dados da área de vendas

Dados relevantes aos empreendimentos de vendas e canais de distribuição da sociedade. Os dados


gravados nessa área incluem, por exemplo, dados de processamento, envio e faturamento de pedidos.

Em uma sociedade existem duas empresas que negociam com o mesmo cliente. Os dados gerais, como o
endereço, são gravados na área geral. As duas empresas usam esses dados para comunicação com o cliente.
Cada empresa atualiza os dados específicos da contabilidade financeira (como a conta de conciliação) e da sua
relação comercial com o cliente (como as condições de pagamento) na área da própria empresa.

O sistema fornece funções separadas para atualizar registros mestre, dependendo como são organizados. É
possível atualizar registros mestre centralmente para todas as áreas ou separadamente para Contabilidade
financeira e Vendas e distribuição.

Integração

O componente de aplicação Vendas e distribuição (SD) é necessário para entrar os dados de vendas e para
imprimir faturas.

Definir um grupo de contas

Utilização

É necessário atribuir cada conta a um grupo de contas. O grupo de contas garante que apenas as telas e os
campos relevantes sejam exibidos e estejam prontos para entrada para cada uma das diferentes funções de
parceiro do cliente. Por exemplo, os campos de endereço, comunicação e dados bancários são omitidos para o
grupo de contas para contas de diversos.

Pré-requisitos

Os grupos de contas são atualizados no Customizing (IMG) ou os grupos predefinidos são copiados.

Conjunto de funções

O grupo de contas controla:

 O tipo de atribuição de números usado para o número de conta

 Um intervalo numérico no qual o número de conta é selecionado. O sistema usa o número de conta
para identificar o cliente.

 Quais campos são exibidos quando os dados mestre de clientes são entrados ou modificados e se uma
entrada deve ou não ser feita nesses campos (status do campo)

 Se a conta é uma conta de diversos

Dados mestre de fornecedores


As transações contábeis são lançadas nas contas e administradas por meio dessas contas. É preciso criar um
registro mestre para cada conta requerida. O registro mestre controla a forma como as transações contábeis
são registradas e processadas pelo sistema.

As especificações feitas nos registros mestre são usadas:

 Como opções preliminares quando são lançados itens na conta. Por exemplo, as condições de
pagamento especificadas no registro mestre são predefinidas para a entrada de documentos.

 Para o processamento de transações contábeis.


Por exemplo, os dados bancários e as formas de pagamento (como cheque ou transferência bancária)
são necessários para pagamentos automáticos.

 Para trabalhar com registros mestre. É possível impedir que determinados usuários acessem uma conta
preparando grupos de autorização.

Além disso, a exibição de partidas individuais e a administração de partidas em aberto são definidas
automaticamente para cada conta de fornecedor.

Esta seção explica o conceito de dados mestre de fornecedores e descreve como criar, exibir, modificar,
bloquear e eliminar dados mestre.

Como são organizados os dados

Os registros mestre são divididos nas áreas a seguir, para que cada empresa e cada organização de compras
possa gravar suas próprias informações para a realização de negócios com fornecedores.

1. Dados gerais

Estes são dados que se aplicam a todas as empresas e organizações de compras da sociedade. A área
geral inclui, por exemplo, denominação, endereço, idioma e número de telefone do fornecedor.

2. Dados da empresa

Dados específicos de uma determinada empresa. Os dados da empresa incluem, por exemplo, o
número de conta de conciliação e as condições de pagamento.

3. Dados da organização de compras

Estes são dados relevantes para a organização de compras da sociedade. Por exemplo, solicitações de
cotação, pedidos, e revisão de faturas são gravados nesta seção. O componente de aplicação
Administração de materiais é necessário para entrar esses dados e imprimir pedidos.

Duas empresas dentro de uma organização fazem negócios com o mesmo fornecedor. Os dados gerais, como o
endereço, são gravados na área geral. As duas empresas usam esses dados para comunicação com o
fornecedor. Cada empresa atualiza informação específica para contabilidade financeira (por exemplo, a conta de
conciliação) e para suas transações contábeis com o fornecedor (tais como condições de pagamento) na área
da própria empresa.

Função do grupo de contas

Os grupos de contas determinam:

 O tipo de atribuição de números,

 Um intervalo de numeração para a atribuição de números de conta,

 Quais campos são exibidos e se a entrada dos mesmos é facultativa ou obrigatória (status do campo)
quando os dados mestre do fornecedor são entrados ou modificados.
 Se a conta é para fornecedores ocasionais

Estrutura da tela p/ registros mestre de fornecedores

De acordo com o tipo dos dados mantidos sobre os fornecedores, é possível adaptar as telas para entrada e
atualização dos registros mestre de fornecedores para atender às necessidades da sociedade.

Há quatro tipos de status do campo:

 O campo está pronto para entrada (campo facultativo)


 O campo deve ser preenchido (campo obrigatório)
 O campo é somente de exibição (campo de exibição)
 O campo é oculto

O grupo de contas determina o status dos campos no registro mestre de fornecedor. É necessário especificar
um grupo de contas ao criar um registro mestre.

Ao entrar um registro mestre de fornecedor, é necessário preencher alguns campos. Só é possível avançar para
a próxima tela de entrada após o preenchimento desses campos.

Funções da conta de conciliação: registros mestre de fornecedores

Quando são lançados itens num livro auxiliar, o sistema lança os mesmos dados automaticamente no Razão.
Cada livro auxiliar possui uma ou mais contas de reconciliação no Razão. Estas contas de reconciliação
garantem que o saldo das contas do Razão seja sempre zero. Isto significa que é possível criar balanços
patrimoniais a qualquer momento sem precisar transferir totais dos livros auxiliares para o Razão.

É necessário especificar uma conta de reconciliação em cada registro mestre de fornecedor. As opções feitas
numa conta de reconciliação afetam também as contas do fornecedor:

 A conta de reconciliação pode ser usada para configurar as telas para lançamento de itens nas contas
de fornecedores. Por exemplo, a conta de reconciliação pode ser usada para ocultar os campos para
cobertura de taxas cambiais, se não existir este tipo de operação.
 A conta de reconciliação pode ser usada também para especificar as moedas que podem ser usadas nos
lançamentos para as contas de fornecedores correspondentes.

Como definir variantes de tela

Utilização

O componente de aplicação Clientes (FI-AR) é fornecido com telas predefinidas nas quais devem ser entrados
os dados mestre. Essas telas podem ser configuradas por meio da especificação dos campos que devem
aparecer nas telas e como eles devem ser processados. Isto é feito por meio da especificação do status dos
campos. Existem os status a seguir:

Campo oculto (não visível)

Campo de entrada obrigatório (o campo contém um ponto de interrogação e deve ser feita uma entrada)

Campo de entrada opcional (é possível fazer uma entrada)

Campo de exibição (não pode ser modificado)

As telas para os registros mestre das contas-CD devem ter uma estrutura diferente das telas dos outros
registros mestre. Os campos para os dados de endereçamento, comunicação e bancários não são obrigatórios
no registro mestre de contas ocasionais visto que essa informação é entrada diretamente no documento. Estes
campos devem, portanto, ser ocultados para as contas ocasionais.
Alguns campos são agrupados para que não seja necessário configurar cada um deles separadamente.

Os campos para o cálculo de juros são agrupados. Se for ocultado este grupo de campos, os campos para a
periodicidade do cálculo de juros e para a última data fixada não serão exibidos na tela do registro mestre

Ao definir ou modificar um grupo de contas, especifica-se simplesmente o status do grupo de campos marcando
o status requerido para os campos ou grupos de campos, como mostra a ilustração abaixo:

A estrutura das telas pode ser afetada por várias barras de status do campo. Geralmente, o status de um
campo é definido com base no grupo de contas. Entretanto, é também possível definir o status de um campo
com base na atividade ou na empresa.

Conjunto de funções

A estrutura das telas de dados mestre pode ser afetada por várias definições de status de campo:

 Controle dependente do grupo de contas

Exemplo: a estrutura para as contas de diversos é diferente da estrutura para as contas normais.

 Controle dependente da atividade

Exemplo: a estrutura para criação é diferente da estrutura para exibição.

 Controle dependente da empresa

Exemplo: os campos de imposto retido na fonte são exibidos para a Itália, mas não para a Alemanha.

Controle de status de campo dependente do grupo de contas

O status dos campos das telas é definido quando da definição e atualização dos grupos de contas. Na tabela de
grupos de contas, é possível definir o status do campo separadamente para as várias áreas do registro mestre.
É possível definir o status de campo para:

Área de dados gerais

Área de empresa. Esta opção afeta todas as empresas.

Área de vendas. Estas opções afetam todos os empreendimentos de vendas.


Deseja-se ocultar os campos para os dados de endereçamento, comunicação e bancários nos registros mestre
de contas ocasionais. O status desses campos é definido na área de dados gerais, onde aparecem os campos. O
campo Conta de conciliação desses registros mestre deve ser definido como campo de entrada obrigatória uma
vez que uma conta de conciliação também deve ser especificada para contas-CD. Esse campo depende da
empresa, e o seu status é definido na área de dados da empresa.

Controle de status de campo dependente da atividade

O status de um grupo de campos também pode ser determinado com base na atividade. Isto é possível para as
seguintes atividades:

Exibição

Criar

Modificar

Para cada atividade é possível definir o status de campos separadamente nas áreas individuais de um registro
mestre da mesma maneira que grupos de contas:

Área de dados gerais

Área de empresa. Esta opção afeta todas as empresas.

Área de vendas. Estas opções afetam todos os empreendimentos de vendas.

É possível definir o status de exibição bem como as outras opções de status de campo.

Deve ser feita uma entrada no campo Conta de conciliação ao criar um registro mestre. Portanto, esse campo é
definido como uma entrada obrigatória no grupo de contas. A entrada de conta de conciliação não deve ser
modificada após a criação do registro mestre. Portanto, esse campo é definido como um campo de exibição
para a atividade de modificação. O campo não pode ser modificado na função de modificação.

As definições de status de campo para as atividades já estão feitas no sistema Standard. Para modificar as
opções Standard, a SAP recomenda:

Para a atividade Criação, definir o status opcional para todos os grupos de campos.

Para a atividade Exibição, definir o status de exibição para todos os grupos de campos a não ser que se deseje
ocultar um grupo de campos particular para todos os grupos de contas.

Para a atividade Modificação, definir o status opcional para todos os grupos de campos a não ser que um dos
valores de campo entrados na criação do registro mestre não deva ser modificado em registro mestre algum.
Definir o status desses campos para exibir ou ocultar.

Controle de status de campo dependente da empresa

O status de campo também pode ser definido com base na empresa e também no grupo de contas e na
atividade. Isto será útil para atribuir um status a grupos de campos em uma empresa que seja diferente do
status do grupo de campos em outras empresas. Ao definir o status destes campos, é necessário entrar o
número da empresa em questão.

Em uma empresa, não são necessário os campos de seguro de crédito à exportação nos registros mestre para
as contas de clientes. Neste caso, esses campos seriam ocultos por meio da definição de seu status para uma
empresa particular.

No sistema Standard, o status de campo é predefinido para todas as empresas. Todos os grupos de campos na
área da empresa dos registros mestre têm o status de entrada "facultativos", se esta definição não for
modificada.
Ligação de barras de status de campo

Ao criar, exibir ou modificar um registro mestre, as opções feitas para as diversa definições de status de
campos são ligadas umas às outras. Isto significa que os campos num grupo de campos adotam o status que
tem a mais alta prioridade.

O status oculto tem a mais alta prioridade, seguido por exibir, obrigatório e facultativo. A tabela abaixo contém
vários conjuntos de definições de status de campo e mostra, para cada um, qual seria o status real se fossem
combinadas.

Como definir contas de conciliação

Utilização

É necessário especificar uma conta de conciliação no registro mestre para que todos os lançamentos feitos em
um livro auxiliar também sejam feitos no Razão.

Pré-requisitos

As contas de conciliação devem ter sido criadas no Razão (FI-GL), e deve estar indicado que elas são contas de
conciliação.

Conjunto de funções

Quando se lança itens em um livro auxiliar, o sistema SAP automaticamente lança os mesmos dados no Razão
ao mesmo tempo. Cada livro auxiliar possui uma ou mais contas de conciliação no Razão. Estas contas de
conciliação garantem que o saldo das contas do Razão seja sempre zero. Isso significa que é possível criar
balanços patrimoniais a qualquer momento sem precisar transferir totais dos livros auxiliares para o Razão.

É possível usar as contas de conciliação para fazer a seguintes opções:

 Usar a conta de conciliação para configurar as telas para o lançamento de itens nas contas de clientes
ou de fornecedores. Usar a conta de conciliação para, por exemplo, suprimir os campos para cobertura
de taxas de câmbio caso esse tipo de operação não seja efetuado.
 Usar, também, a conta de conciliação para especificar quais moedas podem ser usadas nos
lançamentos nas contas correspondentes de clientes ou de fornecedores.
Geralmente, entra-se a moeda interna no registro mestre. Os lançamentos podem, então, ser feitos em
todas as moedas nas contas de clientes e de fornecedores para as quais a conta de conciliação esteja
atribuída. Pode-se, porém, entrar um código de moeda estrangeira no registro mestre da conta de
conciliação. Se isso for feito, será possível fazer lançamentos nas contas de clientes e de fornecedores
somente na moeda estrangeira especificada.

Como compensar clientes e fornecedores

Utilização

Se um fornecedor também for cliente, será possível compensar as partidas em aberto. Com esse procedimento,
as contas a receber e as contas a pagar são compensadas entre si. Se houver um saldo de crédito, um
pagamento será devido. Se houver um saldo devedor, será necessário emitir uma nota de débito, desde que
todas as outras condições tenham sido preenchidas.
Pré-requisitos

 Deve-se entrar o número da conta do parceiro de negócios no registro mestre.

O campo Cliente/Fornecedor está contido na área de dados gerais da tela Controle.

 Em ambos os registros, a opção para compensação entre cliente e fornecedor deve ser marcada.

O campo Compens. c/ fornec./Compens.c/ cliente está na área específica da empresa.


Contabilidade bancária (FI-BL)

Objetivo

Este componente é usado para processar as transações contábeis realizadas com o banco.

Conjunto de funções

Inclui a administração dos dados mestre do banco, a administração da posição de saldo (administração de
cheques e letras de câmbio) e a criação e processamento de entrada e saída de pagamentos. Todas as
características específicas do país, como as especificações dos procedimentos de pagamento manual e
eletrônico, formulários de pagamento ou mídia de armazenamento de dados, podem ser livremente definidas.

Bancos da empresa

Os bancos com os quais a empresa mantém uma conta bancária são chamados "bancos da empresa".

A definição desses bancos é feita no sistema sob uma chave de bancos da empresa (identificação do banco).
Será necessário gravar as contas que forem atualizadas nesses bancos sob um ID conta. Para cada conta
bancária, deve-se criar uma conta do Razão no sistema SAP.

Os dados mestre do banco são gravados de forma centralizada no sistema SAP. Incluem-se os dados de
endereço e outros dados de controle, como o código SWIFT. São necessários os dados mestre dos bancos da
empresa e dos bancos de clientes e fornecedores. Ao especificar o país e uma chave específica do país, tal
como o código bancário ou o código SWIFT, fica estabelecida a conexão entre os bancos da empresa e os dados
mestre do banco. Os dados bancários são necessários para imprimir os formulários de pagamento.
Administração de Viagens – FI/TV

Objetivo

Com o Administrador de Viagens de negócios R/3 constituído pelos dois componentes o Planejamento de
Viagens de Negócios e o Cálculo de Viagens de Negócios, é possível efetuar todas as transações contábeis no
ambiente de uma viagem de negócios. Para se poder aproveitar toda a funcionalidade do administrador de
viagens de negócios, é necessário, além do customizing, configurar a integração do planejamento no cálculo de
viagens de negócios.

Se deseja transferir os resultados do cálculo de viagens de negócios no processamento da folha de pagamento,


é necessário um customizing especial para a integração no processamento da folha de pagamento.

Planejamento de viagens

Este capítulo contem todas as informações que o usuário precisa para adaptar o sistema Standard da
componente planejamento viagem às necessidades da empresa. A característica TRVCP que determina os perfis
tem grande importância para o planejamento de viagem. Segundo o grau de estruturação da empresa é
possível atribuir perfis diferentes a agrupamentos de empregados.

No caso de que as diretrizes de viagem contenham normas divergentes para os diferentes agrupamentos de
empregados, é recomendável planejar a estrutura da característica antes da implementação.

Cálculo das despesas de viagem

Este capítulo contém todas as informações que permitem a adaptação com sucesso da versão Standard do
componente cálculo de viagens de negócios às necessidades da sua empresa.

A característica TRVCT, que determina as regras de viagem tem uma importância vital para o cálculo das
despesas de viagem. Visto que das opções da característica TRVCT dependem outras entradas de tabela
(especialmente na área de montantes de reembolso da viagem) a serem efetuadas no Guia de implementação
administração de viagens de negócios, deverá primeiro planejar a estrutura da característica TRVCT.

Integração Planejamento de Viagens e Cálculo das Despesas de Viagens

A integração do planejamento de viagens com o cálculo de despesas de viagem estende-se a todas as


transações de entrada do planejamento de viagens e do cálculo das despesas de viagem.

Através da integração entre o planejamento de viagem e o cálculo das despesas de viagem efetua-se a
transmissão de dados do roteiro de viagem de uma viagem para o cálculo dos custos de viagem dessa viagem
e a geração dos documentos das despesas com base nas prestações de serviços de viagem lançados no roteiro
de viagem.

Para cada caso individualmente são com isto transferidos os dados seguintes, desde que tenham sido indicados
no roteiro de viagem:

 Dados básicos da viagem (tempo, destino, razão, etc.)

 Destinos intermédios

 Distribuição de custos

 Documentos
A atribuição, quais documentos de despesas são gerados a partir de quais prestações de serviços de viagem, é
executada na seguinte atividade.
Atribuição de documentos de despesas de viagem - definir categorias de prestações de serviços.

Nota

A atribuição de dados efetua-se uma vez só e apenas num sentido. Isto quer dizer, que modificações no roteiro
de viagem, que se efetuam só depois do cálculo de custos de viagem, não são atualizadas
automaticamente. As modificações têm de ser entradas manualmente no cálculo dos custos de viagem.
Atribuição de documentos de Despesas de Viagem - Definir Categorias

Através da atribuição dos tipos de despesas de viagem às categorias de prestação de serviços de viagem e ao
cálculo dos custos de viagem nesta atividade é garantida a integração entre o planejamento de viagem e o
cálculo dos custos de viagem na transação de entrada gerenciador de viagens (transação TRIP).

Controlam-se assim, quais comprovativos de despesas de viagem para as categorias das prestações de serviços
de viagem (por ex. vôo, hotel, veículo de aluguel) lançadas no plano de viagem são criados
automaticamente no cálculo dos custos de viagem pertencente. Esta atribuição é executada por variante de
regra de viagem.

Pré-requisitos

O usuário ativou na atividade customizing definir planejamento de viagem para variantes de regra de viagem
para a respectiva variante de regra de viagem, para a qual se querem executar configurações, a integração do
planejamento de viagem.

Configurações Standard

No sistema Standard a atribuição dos tipos de despesas de viagem e categorias de prestação de serviços de
viagem disponíveis está predefinida para todas as variantes de regra de viagem.
Controle de Documentos e Lançamentos

Princípio de documento

Mesmo em um sistema de administração de estoques orientado por computador, o princípio contábil aceito de
que não há registro sem um documento é aplicável. Segundo o princípio de documento, um documento
deve ser gerado e gravado no sistema para toda operação /evento que cause uma alteração no estoque.

Ao lançar um movimento de mercadoria s no sistema SAP, os seguintes documentos são criados:

 Documento de material

No sistema de Administração de estoques, quando um movimento de mercadorias é lançado é gerado


um documento de material que serve como prova do movimento e como uma fonte de informações
para quaisquer aplicações subseqüentes.

Um documento de material consiste em um cabeçalho e pelo menos um item. O cabeçalho contém


dados genéricos sobre o movimento (por exemplo, sua data). Cada item descreve um movimento.

 Documento contábil

Se o movimento for relevante para a Contabilidade financeira (ou seja, se resultar em uma atualização
das contas do Razão), é criado um documento contábil paralelamente ao documento de material.

Em alguns casos, são criados vários documentos contábeis para um único documento de material. Isso
ocorre, por exemplo, quando existem dois itens do documento de material com centros diferentes
pertencentes a diferentes empresas.

As contas do Razão envolvidas em um movimento de mercadorias são atualizadas por meio de


classificação contábil automática.

Para entrada mercadoria para pedidos, movimentos mercadoria para ordens de transferência de estoque e
retirada de artigos em consignação, os parceiros de negócios podem ter moedas internas diferentes. Portanto,
assim como a moeda interna, o documento de contabilidade precisa também conter outra moeda para
processamento e registros. Para isto, os documentos de contabilidade criados como resultado desses
movimentos mercadoria são automaticamente administrados na moeda interna e na moeda do documento.

Modificações em um documento

Uma vez registrado um movimento de mercadoria s , não é mais possível modificar o documento. Só é possível
entrar informações adicionais no documento, como a referência ao documento original ou um comentário sobre
o evento. Para estornar o movimento ou modificar a quantidade de material deslocado , é necessário entrar um
novo documento.

Números de documentos

Um documento de material é identificado por um número do documento e pelo ano do documento de material.
Um documento contábil é identificado pela empresa, pelo exercício.

Geralmente, os números do documento de material e do documento contábil são diferentes.


A empresa em que o documento contábil é lançado é derivada da área de avaliação definida para o centro.

Tipos de operação e de documentos

Para permitir a atribuição detalhada de números de documento e o armazenamento sistemático de documentos


no file de documentos, os documentos de material são divididos em tipos de operação e os documentos
contábeis são divididos em tipos de documento.

Para cada tipo de operação é definido um intervalo de numeração para os números que serão atribuídos aos
documentos de material. Para cada tipo de documento é definido um intervalo de numeração para os números
que serão atribuídos aos documentos contábeis.

Documento
Definição

O resultado de um lançamento na Contabilidade financeira. Existem dois tipos de documentos: documentos


originais e documentos de processamento.

Exemplos de documentos originais:

 Recibos
 Faturas
 Cheques
 Extratos de conta bancária

Exemplos de documentos de processamento:

 Documentos contábeis
 Documentos modelo
 Documentos de lançamento periódico

O documento contábil representa o documento original no sistema. Os outros documentos de processamento


podem ser usados para simplificar a entrada de documento. O documento permanece como uma unidade de
conexão no sistema até ser arquivado.

Utilização

Só é possível verificar se os lançamentos estão corretos no registro de imóveis e no Razão por meio de
documentos. Portanto, cada lançamento deve ter um documento.

Os documentos são a ligação entre as operações e o lançamento na contabilidade.

Apenas documentos completos podem ser lançados. Um documento está completo quando o saldo de seus
itens de débito e de crédito é zero. Deve-se entrar classificações contábeis mínimas designadas pelo sistema:
por exemplo, data do documento, data de lançamento, tipo de documento, chave de lançamento, n.º da conta
e montante. Os dados também devem ser entrados em todos os campos definidos como campos obrigatórios
ao configurar o sistema.

Estrutura

Um documento consiste em um cabeçalho de documento e, pelo menos, dois itens do documento.

Cabeçalho do documento

A parte de um documento que contém as informações válidas para todo o documento; por exemplo, n.º e data
do documento. Também contém informações de controlling, como o tipo de documento.
Itens do documento

A parte de um documento que contém informações sobre um item. Isso inclui um montante, um n.º de conta, a
classificação do crédito ou do débito e detalhes adicionais específicos para a operação que está sendo lançada.

É possível entrar condições de pagamento, um centro de custo ou um texto explicativo em um item do


documento, por exemplo.

Integração

Assim como o documento contábil descrito anteriormente, existem também documentos especiais, como
documentos modelo e documentos de lançamento periódico. Esses são documentos que simplificam a
operação de entrada de documento.

É possível transferir grandes volumes de dados do documento de um sistema externo para o Sistema SAP.
Existem vários métodos para fazer isso.

Tipos de documento

Definição

Uma chave usada para classificar documentos contábeis e distinguir entre operações a serem lançadas. O tipo
de documento é entrado no cabeçalho do documento e é aplicável a todo o documento.

Utilização

O tipo de documento tem as seguintes funções:

 Diferenciar as operações. O tipo de documento informa instantaneamente o tipo de operação em


questão. Isso é útil, por exemplo, ao exibir itens do documento para uma conta.
 Controlar os lançamentos em tipos de conta (conta do fornecedor, do cliente ou do Razão). O tipo de
documento determina em quais tipos de conta um determinado documento pode ser lançado.
 Atribuir n.º do documento. Um intervalo de numeração é atribuído a cada tipo de documento. Os
números para os documentos criados são extraídos desse intervalo de numeração. Os documentos
originais de um intervalo de numeração devem ser gravados em conjunto. Dessa forma, o tipo de
documento controla o arquivamento de documentos.
 Aplicar o procedimento de contabilização líquida de fornecedores. Isso significa que todos os
descontos e o montante líquido são calculados (e lançados) quando a fatura de fornecedor é lançada.

A figura a seguir ilustra a importância do tipo de documento:


Os tipos de documento são definidos em nível de mandante. O sistema Standard já contém tipos de documento
que podem ser usados ou modificados. Antes de eliminar tipos de documento, verifique se estão sendo usados
no sistema.

Em geral, o sistema define como valor proposto o tipo de documento apropriado quando uma operação é
entrada. Com algumas operações (tais como operações de compensação), é possível definir os tipos de
documento obrigatórios para os lançamentos automáticos.

Síntese do documento

Utilização

Ao modificar ou exibir um documento, a primeira tela exibida é uma tela de síntese que contém as informações
mais importantes do cabeçalho do documento e os itens do documento. Existe uma linha de exibição para cada
item do documento. Para decidir os dados que devem ser exibidos nessa linha, deve-se especificar a estrutura
de linhas.

Pré-requisitos

Entrar o cabeçalho do documento e os itens do documento.

Características

Para exibir a síntese do documento, na tela Entrar documentos contábeis: adicionar itens do documento,
selecionar Saltar ® Síntese de documento.

No final da síntese, é possível ver os campos D, com os montantes devedores totais, e C, com os montantes de
crédito totais. As operações de crédito possuem um sinal de menos à direita do montante. As entradas de
débito não possuem sinal de mais/menos.

Na parte inferior da coluna Montante, o sistema exibe a diferença entre os débitos e os créditos. Para lançar um
documento, o saldo entre débitos e créditos deve ser zero.

É possível utilizar qualquer uma das seguintes opções de processamento:

 Modificação da estrutura de linhas da síntese do documento


Usando Opções ® Estrutura de linhas, é possível chamar uma lista das variantes definidas da estrutura
de linhas e selecionar uma para exibir a síntese do documento.
Para processar as variantes da estrutura de linhas, selecionar Razão ® Ambiente ® Parâmetros de
usuário ® Opções de processamento.
 Modificação da moeda de exibição na síntese do documento
Se trabalhar com diversas moedas, é possível alternar entre itens em moeda interna e itens em moeda
do documento dentro da síntese do documento usando Opções => Moeda de exibição.
 Entrada da divisão do parceiro
Pode-se entrar uma divisão do parceiro da síntese do documento antes de lançar o documento. Essa
divisão é proposta em todos os itens da conta do Razão não gerados automaticamente e aos quais não
foi atribuída uma divisão do parceiro até então.

Variantes de estrutura de linhas

É possível definir várias variantes para a estrutura de linhas. Ao exibir um documento, pode-se comutar entre
as variantes. Selecionar Opções => Estrutura de linhas na síntese do documento.

Com uma variante, é possível exibir o item do documento, o número e nome da conta e o montante de
lançamento. Com uma variante diferente, é possível exibir informações adicionais tais como informações
tributárias ou centro de custo.

O sistema Standard oferece, em seguida, as seguintes variantes de estrutura de linhas:

 Conta/Nome
 Chave de lançamento/Conta/Divisão/Nome/Imposto
 Conta/Classificação
 Empresa/Documento

Se definir variantes próprias, é necessário executar os seguintes procedimentos para cada variante:

 Definir os campos na ordem em que são exibidos e a forma de apresentação. Se um campo não deve
ser exibido por inteiro, é possível determinar a área a ser exibida usando a forma de apresentação.
 Especificar as denominações das variantes próprias e os títulos de coluna para a exibição de campo.
 Converter os nomes e os títulos da coluna se usar as funções nas quais a variante é usada em
idiomas estrangeiros.

Cada documento está unicamente identificado nos seguimentos:

- Numero de documento

- Empresa

- Ano fiscal

Chave de lançamento
Definição

Chave numérica com dois caracteres que controla a entrada dos itens do documento. A chave de lançamento
determina:

 Tipo de Conta
 Lançamento de crédito/débito
 Estrutura das telas de entrada

Utilização

Quando um lançamento for entrado, entrar uma chave de lançamento para cada item. Essa chave determina
como o item será lançado. As chaves de lançamento são definidas em nível de mandante e, portanto, se
aplicam a todas as empresas. A chave de lançamento determina:
 Os dados que podem ser entrados no item do documento
 Como são processados os dados que foram lançados
 Como o sistema atualiza os dados entrados
As chaves de lançamento são diferenciadas por contas de cliente, de fornecedor e do Razão. Além dos
componentes Contabilidade do Razão (FI-GL) e Contas a receber e Contas a pagar (FI-AR/AP), existem
também chaves de lançamento para contas do imobilizado e de material.

A figura a seguir ilustra a chave de lançamento:

A SAP fornece chaves de lançamento predefinidas com o sistema Standard. A tabela a seguir traz uma lista de
chaves de lançamento no sistema Standard.

Chaves de lançamento do sistema Standard

Chave de Descrição
lançamento
40 Lançamento de débito de conta do Razão
50 Lançamento de crédito de conta do Razão
01 Fatura de cliente
11 Nota de crédito de cliente
21 Nota de crédito de fornecedor
25 Pagamento de fornecedor
31 Fatura de fornecedor

Integração

O tipo de documento determina em quais tipos de conta pode-se fazer lançamentos. A chave de lançamento
determina em quais tipos de conta pode-se fazer lançamentos. Só é possível entrar uma chave de lançamento
para um tipo de conta permitido para esse tipo de documento.

Assim como as chaves de lançamento predefinidas no sistema Standard, também é possível definir as próprias
chaves no Customizing. Para isso, proceder da seguinte forma no Customizing: Contabilidade financeira ®
Configuração global da contabilidade financeira ® Documento ® Item do documento ® Controles ® Definição
de chaves de lançamento.

Para eliminar chaves de lançamento, deve-se assegurar de que elas ainda não tenham sido usadas no sistema.

Exercício e ano civil


Existem as seguintes opções para definir as variantes do exercício com relação ao ano civil.

 Exercício igual ao ano civil


 Exercício difere do ano civil (exercício divergente). Os períodos contábeis também podem ser diferentes
dos meses do ano civil.

 O exercício é dependente do ano. Isso significa que o exercício somente se aplica a um ano civil
específico.

Exercício igual ao ano civil

Se o exercício for igual ao ano civil, as seguintes especificações serão aplicadas:

 O exercício começa em 1 de janeiro.

 Estarão disponíveis doze períodos contábeis.


 Os períodos correspondem aos meses do ano civil. Não é necessário definir os períodos individuais. O
sistema usa automaticamente os meses do ano civil.

Exercício divergente

Se o exercício for diferente do ano civil, é preciso especificar:

 Quantos períodos contábeis são necessários


 Como o sistema deve determinar o período contábil e o exercício a partir da data de lançamento
durante o lançamento

Períodos contábeis

Para permitir que o sistema determine o período contábil, especificar limites de dia e mês para o encerramento
de cada período.

Entrar 29 como o limite de dia para Fevereiro. Isso assegura que o sistema determine também o período
contábil corretamente em um ano bissexto. Se for entrado 28 como o limite de dia para fevereiro, a
movimentação no período lançada em 29 de fevereiro será atualizada no próximo período. Se o próximo
período não estiver aberto, o sistema emitirá uma mensagem de erro.

Variantes do exercício dependentes do ano

É possível definir uma variante do exercício dependente do ano. É uma variante do exercício que somente se
aplica a um ano civil específico.
Para fazer isso, selecionar o campo Dependente do exercício ao definir as variantes do exercício. Em seguida, é
necessário entrar os términos de períodos, definidos pelo dia e mês de cada ano civil.

Nesse caso, as especificações de deslocamento de exercício referem-se ao ano civil para o qual foram definidos
os períodos contábeis. O ano é exibido quando os términos de ano são atualizados.

Períodos extraordinários

Definição

Períodos contábeis extraordinários que subdividem o último período contábil comum referente aos preparativos
para o encerramento.

Utilização

O uso de períodos extraordinários é independente da definição do exercício. Os períodos extraordinários


subdividem o período de encerramento do exercício. Eles, portanto, apenas dividem o último período contábil
em vários períodos de encerramento. Isso permite criar diversos balanços patrimoniais suplementares.

Geralmente, um exercício possui 12 períodos contábeis. Na Contabilidade geral, pode-se definir até quatro
períodos extraordinários.

Caso não sejam necessários 12 períodos contábeis, é possível utilizar os períodos contábeis que não são
necessários como períodos extraordinários. Deve-se especificar o número necessário no campo Número de
períodos extraordinários se esses períodos de encerramento adicionais forem usados na definição das variantes
do exercício. Não é possível exceder o máximo de dezesseis períodos.

Integração

Ao fazer lançamentos de períodos extraordinários, deve-se considerar o seguinte:

 A data de lançamento deve estar no último período contábil comum.


 É necessário entrar os períodos extraordinários no cabeçalho do documento no campo Período, já que
os períodos extraordinários não podem ser determinados automaticamente pelo sistema.

Abertura e encerramento de períodos contábeis

Utilização

Definir períodos contábeis nas variantes do exercício. É possível abrir e fechar esses períodos contábeis para o
lançamento. Podem ser abertos simultaneamente quantos períodos contábeis forem necessários para o
lançamento.

Geralmente, somente o período contábil atual é aberto para o lançamento; todos os outros períodos contábeis
são fechados. No final desse período contábil, ele é fechado e o próximo é aberto.

Períodos extraordinários podem ser abertos para os lançamentos de encerramento durante o encerramento do
período.

Conjunto de funções
Existem as seguintes opções para a abertura e o encerramento de períodos contábeis.

 Variantes do período contábil

É possível especificar quais empresas estão abertas para o lançamento em uma variante do período
contábil. As variantes do período contábil são interempresariais e devem ser atribuídas à empresa. Os
períodos contábeis são, então, abertos e fechados simultaneamente para todas as empresas por
intermédio das variantes do período contábil.

Recomenda-se o trabalho com as variantes do período contábil se o usuário for responsável por um
grande número de empresas. Já que só é necessário abrir e fechar os períodos contábeis uma vez para
a variante, o trabalho é bastante reduzido.

 Tipo de conta

É possível diferenciar a abertura e o encerramento dos períodos contábeis por tipo de conta. Isso
significa que para um período contábil específico, os lançamento podem ser permitidos nas contas de
cliente, mas não nas de fornecedores.

Para cada período contábil que deve ser aberto, é necessário sempre especificar, pelo menos, o tipo de
conta + (válida para todos os tipos de contas). É possível exercitar um controle mais detalhado
especificando mais tipos de contas.

Usando a entrada mínima, ao entrar a data de lançamento no cabeçalho do documento, o sistema


verifica se o período contábil determinado na variante de período contábil pode ser lançado. Assim que
for entrado um número de conta, em uma segunda etapa, os sistema verifica se o período contábil é
permitido para a conta especificada.

 Intervalo entre contas

É possível diferenciar a abertura e o encerramento dos períodos contábeis por intervalos entre contas.
Isso significa que será aberto somente um período contábil para o lançamento em uma conta
específica.

Os intervalos entre contas sempre se aplicam às contas do Razão. Caso queira abrir contas do livro
auxiliar, será necessário informar a conta de conciliação correspondente e o tipo de conta.

Durante os preparativos para o encerramento, pode-se, por exemplo, usar as contas de conciliação
para fechar as contas de cliente e fornecedor antes das contas do Razão. Isso evita lançamentos
posteriores nessas contas após confirmar os saldos com os clientes e fornecedores. A confirmação de
saldo é um dos pré-requisitos para os preparativos adicionais para o encerramento.

 Usuário

É possível abrir e fechar períodos contábeis somente para usuários específicos. Para isso, insira um
grupo de autorização no nível de cabeçalho do documento.

Esse grupo de autorização é eficiente somente no quadro temporal 1 e evita que os usuários que não
possuem a autorização adequada para o objeto de autorização F_BKPF_BUP (documento contábil:
autorização para períodos contábeis) façam lançamentos em períodos que somente estão abertos para
o quadro temporal 1.

Autorização de Lançamentos e Tolerâncias

O sistema também verifica autorizações e tolerâncias. Um funcionário pode estar autorizado apenas a fazer
lançamentos em determinadas contas de uma empresa. É possível definir tolerâncias para cada funcionário ou
para um grupo de funcionários. As tolerâncias incluem uma porcentagem máxima de desconto, um montante
máximo por item do documento do cliente ou do fornecedor e um montante máximo por documento.
Cross-company

Um Cross-Company Code Transaction envolve duas ou mais empresas numa única transação de negócio.

Por exemplo:

- Uma empresa compra

- Uma empresa vende

- Uma empresa paga

As partidas são lançadas numa conta de compensação de pagamentos e recebimentos.

Os documentos que pertencem a essas empresas são linkados numa empresa em comum por um único CNPJ.
Os impostos só são calculados para a empresa que recebe as Notas Fiscais.

As contas Razão / Cliente e Fornecedores podem ser compensadas.

Na configuração das contas de compensação deve ser designado para cada empresa duas combinações para
que permita o lançamento Cross-company entre essas combinações. Por exemplo: para compensar 3 empresas
é preciso 6 contas.

Para reduzir o numero de contas de compensação pode-se usar somente uma empresa como a empresa
compensadora.

Quando um documento Cross-company é lançado, o sistema gera um numero de Documento Cross-company


para linkar os novos documentos. Esse numero de documento é uma combinação do primeiro numero de
documento na empresa, a primeira empresa e o ano fiscal.

Um documento Cross-company pode ser estornado usando a função de estorno para essa transação.

As empresas envolvidas numa transação Cross-company podem ter diferentes moedas local.

Estorno

Objetivo

Ao entrar um documento incorreto, é possível estorná-lo, operação que compensa também as partidas em
aberto.

Um documento só pode ser estornado se:

 Não contiver itens compensados


 Contiver somente itens do cliente, do fornecedor ou do Razão
 Tiver sido lançado com Contabilidade financeira
 Todos os valores entrados (como divisão, centro de custo e código de imposto) ainda forem válidos.

Se um item de um documento de origem tiver sido compensado, só será possível executar um estorno após a
anulação da compensação.
Integração

Os documentos de SD podem ser estornados com uma nota de crédito. Os documentos de MM devem ser
estornados com as funções daquele componente, pois a função de estorno do FI não estorna todos os valores
necessários.

Características

Há duas maneiras de atualizar a movimentação no período ao estornar um documento:

 O documento e o documento de estorno aumentam o débito e o crédito da operação contábil no


mesmo montante.
 Após o estorno do documento, o saldo da conta afetada é exibido como se o documento nunca
tivesse sido lançado.

Restrições

Normalmente, lança-se o documento de estorno no mesmo período contábil que o documento original
correspondente.Caso o período contábil do documento de origem já tenha sido encerrado, deve-se entrar no
campo Data de lançamento uma data que esteja dentro de um período contábil aberto (como, por exemplo, o
período atual).

Lançamentos negativos

Utilização

Estornos e lançamentos de ajuste também podem ser marcados como lançamentos negativos. Os lançamentos
negativos são usados para reduzir a movimentação no período nas contas do Razão, do fornecedor e do cliente.
Isso permite dar à movimentação no período (depois do estorno) o status que ela deveria ter sem o
lançamento do documento estornado e do seu documento de estorno. Esse tipo de estorno é chamado de
lançamento negativo.

Integração

Outras aplicações precisam marcar em um campo de seleção as operações de estorno que afetam a
Contabilidade.Esta obrigação de informar independe da marcação de lançamentos negativos em FI e aplica-se a
estornos de:

 Documentos de faturamento de clientes e notas de crédito (SD)


 Apropriação de custos da ordem (CO)
 Revisão de faturas (LO)
 Movimento de mercadorias (MM)

Lançamentos negativos geram modificações na conciliação entre documentos e movimentações no período. Um


item de débito marcado como lançamento negativo reduz as movimentações de crédito no período, um item de
crédito reduz de maneira correspondente as movimentações de débito no período. Estas modificações são
consideradas nos programas Standard de conciliação e em diversos relatórios Standard (por exemplo, SAPF070
e RFBELJ00).

Características:

 Estorno
É preciso especificar os motivos da transação de estorno. Para cada motivo, especificar se os
lançamentos negativos devem ser gerados. O motivo do estorno deve constar no cabeçalho do
documento estornado. Essas informações adicionais não podem ser acessadas em estornos, que ocorrem
via revisão de faturas (MM) ou faturamento (SD).
Se o documento estornado já tiver sido reavaliado, itens adicionais do documento são gerados durante o
estorno para anular a avaliação em moeda estrangeira. O sistema automaticamente marca esses itens
como lançamentos negativos.
Se o documento estornado já contiver lançamentos negativos, os itens do documento correspondentes no
documento de estorno não são lançamentos negativos.
 Documentos de provisão para lançamentos de estorno
Deve-se entrar um motivo para um lançamento de estorno durante a entrada de um documento de
provisão. O motivo do lançamento de estorno consta no documento de provisão e é usado como motivo
do estorno durante a anulação. Pode-se entrar qualquer motivo de estorno para que um estorno com
uma data de lançamento alternativa possa ser executado.
 Itens residuais
O sistema marca automaticamente as partidas residuais como lançamentos negativos. Isso impede o
aumento da movimentação de débito e crédito no período simplesmente devido à criação de itens
residuais.
As contas a pagar e a receber residuais que o sistema gera de acordo com o montante entrado no campo
Lançamentos de diferença também são marcadas automaticamente como lançamentos negativos.
 Documentos de ajuste
Para eliminar os efeitos de lançamentos incorretos na movimentação no período, é possível entrar
documentos de ajustes nos quais os itens do documento individuais são marcados como lançamentos
negativos.
Se, por exemplo, um item do documento for lançado em uma conta errada, é possível usar um
documento de ajuste para corrigir a conta errada por meio de um lançamento negativo e fazer o
lançamento na conta certa.
Esse tipo de lançamento de ajuste só é possível para tipos de documento definidos especificamente para
isso.
Para marcar itens do documento individuais como lançamentos negativos ao entrar um documento,
marcar o campo Lançamento negativo em Outros dados.
 Lançamentos automáticos
Marcar manualmente itens de documento entrados como lançamentos negativos não tem nenhum efeito
na geração de lançamentos automáticos; por exemplo, os lançamentos de impostos.Estes não são
marcados imediatamente como lançamentos negativos. É possível marcar os itens relevantes como
lançamentos negativos em uma classificação contábil posterior. Entretanto, a conta não deve ser
marcada para classificação contábil posterior no registro mestre.
Durante a determinação automática de contas, é preciso marcar os itens individuais do documento como
lançamentos negativos para as operações nas quais os lançamentos em crédito e no débito afetam
contas diferentes.
 Exibição de item do documento
O código de lançamento negativo está disponível como um campo de exibição de item do documento.

Processo de descontos e ajustes de valor individual

Objetivo

Executar o programa para avaliar as partidas em aberto do cliente como parte da elaboração do balanço
financeiro.

Para as partidas em aberto que vencerão mais tarde (como em um ano), calcular um desconto.

Para as partidas em aberto que estão em atraso, calcular uma retificação global com valor fixo (por exemplo,
as contas a receber de todos os clientes em um determinado país são reduzidas em dez por cento).

Pré-requisitos

As opções do Customizing já foram feitas em Contas da receber e Contas a pagar no Guia de implementação
para descontos e ajustes de valor individual.

Fluxo de processo
O processo de ajuste de valor individual ou desconto é definido em um programa principal. A seguir, o processo
de avaliação é descrito como predefinido no sistema Standard SAP. É possível modificar o tipo e o algoritmo
para avaliação com os módulos de função (eventos de transação comercial) desenvolvidos.

O processo de um desconto e uma retificação global com valor fixo no sistema Standard SAP é da seguinte
forma:

1. Entrar os parâmetros de seleção para o processo de avaliação.

2. Iniciar o ajuste de avaliação.

Cálculo do desconto

O sistema executa um desconto, ou seja, é calculado o valor das contas a receber a longo prazo na data fixada
para o encerramento do balanço. O valor descontado é exibido como um valor em caixa.

O valor da avaliação em moeda estrangeira é a base para o cálculo de desconto no processo Standard SAP. Se
não estiver usando uma avaliação em moeda estrangeira, o montante em moeda interna é usado para o
cálculo.

Todas as contas a receber que não rendem juros ou aquelas com cálculo de juros muito baixo são descontadas
se não vencerem antes da data fixada para o encerramento do balanço. Os valores de percentuais para a
moeda entrada no Customizing são usados para apresentação para desconto. Para entrar esses valores, marcar
a atividade Determinar taxas de juros no Guia de implementação (IMG) em Contas a pagar e a receber.

Taxas de juros

Deve-se estipular as taxas de juros obrigatórias antes de executar o cálculo de juros.

As taxas de juros podem ser gravadas de diferentes formas:

· É possível especificar uma taxa de juros fixa para uma data de validação e para cada código de juros e
moeda.
· É possível especificar uma taxa de juros dependente de montante para uma data de validação e para
cada código de juros e moeda.
· É possível utilizar taxas de juros de referência. Para isso, entrar uma chave para o código de juros no
qual as taxas válidas são gravadas. É possível também especificar a taxa de juros de referência de
acordo com a data de validação.

As taxas de juros e os métodos diferentes para calcular juros estão definidos no menu de configuração da
Administração de caixa.

1. Para ajustar taxas de juros de referência, saltar para a tela Administração de caixa e selecionar
Ambiente => Opções atuais
É exibida a tela Opções atuais:
2. Selecionar Atualizar taxas de juros de referência.
Na tela seguinte, o sistema exibe as taxas de juros de referência, bem como a data de início da validade
do valor especificado. Para atualizar os valores, fazer novas entradas se necessário.

Compensação

Compensação manual

Utilização

Nesse procedimento de compensação, marcam-se manualmente as partidas em aberto de uma conta cujo saldo
seja zero.

Pré-requisitos
Normalmente, usa-se o programa de pagamento para compensar faturas. Isso permite o uso da compensação
automática, em vez da compensação manual de partidas. Os exemplos a seguir referem-se a situações nas
quais a compensação manual deve ser executada:

 Nas contas de compensação bancária e nas subcontas bancárias


 Quando houve um acordo sobre um procedimento de nota de débito
 Nos reembolsos feitos pelo fornecedor

Conjunto de funções

O sistema, a seguir, marca as partidas selecionadas como compensadas. O sistema entra a data de
compensação e o número do documento de compensação nas partidas dos documentos. A data de
compensação pode ser a data atual ou uma data entrada manualmente. O número de documento de
compensação é o número do documento mais recente envolvido na operação de compensação.

Se não for necessário nenhum outro lançamento para compensar uma conta, o sistema irá gerar um
documento de compensação. No entanto, é possível que o sistema faça lançamentos de compensação se, por
exemplo, as partidas individuais de diferentes divisões fizerem parte da operação de compensação. Nesse caso,
o sistema cria um documento. O número desse documento é entrado em todas as partidas compensadas.

Compensação automática

Utilização

O programa de compensação também usa as operações de compensação fornecidas para a atualização manual
de contas. Por exemplo, o lançamento automático de diferenças de taxas de câmbio ou a geração automática
de transferências, se as partidas de diferentes divisões ou parceiros de negócios estiverem envolvidas na
compensação. Além disso, o programa pode compensar documentos que foram lançados por meio do método
de valor contábil líquido e documentos que contêm moedas paralelas.

Quando se criam grupos de compensação, a divisão e o parceiro de negócios deixam de ser usados como um
critério de agrupamento fixo. Isso permite, por exemplo, executar compensação automática válida para várias
divisões.

Também deve ser especificada uma data de compensação.

Pré-requisitos

Para que o sistema continue a reunir partidas em aberto por divisão ou sociedade de sociedade parceira de
negócios para compensação automática, é necessário manter estes critérios (critérios do usuário). Há cinco
critérios do usuário e uma variedade de campos que podem ser selecionados. O sistema permite que se
especifique nomes dos campos mais extensos do que cinco caracteres e campos que tenham um comprimento
interno de até 20 posições.

Documento de compensação

Definição

É um documento gerado automaticamente para cada empresa envolvida na compensação. Gera-se um


documento de compensação nas situações a seguir:

 Compensação para zerar saldo


 Após a execução do programa de compensação

Estrutura
O cabeçalho do documento é gerado automaticamente; o sistema exibe um código de que há um documento de
compensação no lugar da partida individual.

Integração

Um tipo de documento predefinido é usado como cabeçalho de documento, se a compensação for executada
por meio de uma operação para a qual nenhum tipo de documento foi definido, por exemplo, uma
compensação do cliente. Este é o mesmo tipo de documento usado quando são necessárias transferências para
compensação, por exemplo, por causa de divisões diferentes nas partidas.

Diferenças de pagamento

Definição

As diferenças de pagamento surgem durante a compensação, quando um cliente faz um pagamento a menor
ou efetua uma dedução não autorizada, correspondente a um desconto e a diferença está dentro dos limites de
tolerância ou excede-os.

Utilização

Dependendo do montante dos créditos, define-se como as diferenças de pagamento devem ser processadas.

Estrutura

Se a diferença for irrelevante, compensa-se geralmente o crédito e lança-se a diferença. É possível definir como
as diferenças de pagamento devem ser lançadas. Existem as seguintes opções:

· Se as diferenças estiverem dentro dos limites de tolerância o sistema ajustará automaticamente o desconto
ou lançará a diferença em uma conta separada de ganho ou perda. Os montantes nos quais as diferenças
devem ser lançadas são definidos dessa maneira. Especificar os montantes de tolerância e os limites
percentuais.

· Se a diferença exceder os limites de tolerância será possível processar o pagamento como um pagamento
parcial ou entrar uma partida residual para a diferença. Ao entrar um pagamento parcial, o sistema não
compensa o crédito original, mas lança o pagamento com uma fatura relacionada. Quando se cria uma partida
residual, o sistema compensa o crédito original e lança a diferença em aberto como uma partida residual na
conta de cliente.
Lançamento de documentos em moeda estrangeira (contas a receber)

Utilização

Ao lançar um documento de cliente (fatura) em moeda estrangeira, o sistema grava o montante na moeda
interna e na moeda estrangeira em cada item do documento.

Atividades

Para especificar a moeda estrangeira no documento, entrar o código da moeda no campo Moeda, no cabeçalho
do documento. Em seguida, o sistema transfere a taxa de câmbio válida na data do lançamento a partir das
opções do sistema. Se for entrada uma data no campo Data de conversão, o sistema transfere a taxa de
câmbio válida nessa data.

A taxa de câmbio válida é aquela entrada na data de lançamento ou na data de conversão, ou a taxa entrada
anteriormente.

Há várias maneiras de entrar uma taxa de câmbio:

· Entrar uma data de lançamento e um código de moeda no cabeçalho do documento. O sistema


transfere automaticamente a taxa de câmbio válida na data do lançamento.
· Como alternativa, pode-se entrar uma data de conversão no cabeçalho do documento. O sistema
extrai automaticamente a taxa de câmbio válida nessa data de conversão.
· Entrar a taxa de câmbio diretamente (manualmente) no cabeçalho do documento.
· Pode-se entrar o montante em cada item do documento na moeda interna e na moeda estrangeira.

Pode-se entrar documentos em qualquer moeda estrangeira para a qual existe uma chave de moeda definida
no sistema. Se administrar uma conta do Razão, como por exemplo uma conta bancária em moeda estrangeira,
é possível lançar documentos nessa conta do Razão somente na moeda da conta, isto é, a moeda estrangeira.

Livro caixa

Utilização
O livro caixa é um livro auxiliar da Contabilidade de Bancos. É usado para administrar os movimentos de caixa
da empresa. O sistema automaticamente calcula e exibe os saldos inicial e final e os recibos e totais de
pagamento. É possível manter diversos livros caixa para cada empresa. Também é possível realizar
lançamentos nas contas do razão, bem como nas contas de fornecedor e cliente.

É necessário manter um livro caixa para cada moeda.

Integração

É possível usar o livro caixa independentemente de outras operações de lançamento. Pode-se entrar montantes
em diferentes moedas. Em um procedimento em duas etapas, as entradas são gravadas no livro caixa antes de
serem transferidas para a Contabilidade financeira. Depois dessa transferência os lançamentos no livro caixa
corresponderão aos documentos FI.

Pode-se atribuir autorizações para as diversas atividades envolvidas na manutenção do livro caixa usando o
objeto de autorização F_FBCJ.

Conjunto de funções

O livro caixa é uma transação em tela única. Isto significa que é possível entrar, exibir e alterar os documentos
do livro caixa em uma tela.

Estão disponíveis as seguintes opções:

 Entrar, gravar e fazer lançamentos no livro caixa

É possível gravar entradas localmente no livro caixa. O sistema também calcula os saldos. As entradas
do livro caixa são a seguir lançadas no Razão.

Para um documento caixa, é possível realizar atribuições de conta de CO, e que os impostos incluindo
os impostos retidos na fonte sejam calculados pelo sistema com referência a transações contábeis,
levando em consideração os códigos de domicílio fiscal, por exemplo.

 Exibir documentos subseqüentes

É possível também exibir documentos subseqüentes decorrentes dos lançamentos feitos no livro caixa.

 Definir transações contábeis do livro caixa

Além de definir as transações contábeis do livro caixa em Customizing, é possível também, se


necessário, definir uma nova transação contábil enquanto são feitos lançamentos no livro caixa.
 Imprimir o livro caixa

É possível imprimir todas as entradas do livro caixa lançadas no período exibido. Marcar a forma de
impressão em Customizing.

 Imprimir recibos

É possível imprimir as entradas gravadas do livro caixa Marcar a forma de impressão em Customizing.

 Eliminar as entradas gravadas do livro caixa

Com a autorização adequada, é possível eliminar as entradas do livro caixa que foram gravadas.

 Exibir todos os documentos de caixa que foram eliminados

É possível exibir todos os documentos de caixa que foram eliminados dentro de um período específico.

 Alterar o livro caixa

É possível alterar o livro caixa e a empresa enquanto são processadas as entradas.

Lançamento de documentos no livro caixa

Pré-requisitos

Definir um livro caixa no Customizing, em Contabilidade de bancos ® Transações contábeis ® Livro caixa.
Se a empresa usa o imposto retido na fonte ampliado, é necessário fazer as configurações adequadas para o
lançamento de pagamentos no Customizing de Configurações globais de contabilidade financeira em Imposto
retido na fonte ® Imposto retido na fonte ampliado.

Procedimento

1. Para acessar a tela de entrada de documentos do livro caixa, proceder conforme descrito a
seguir, na tela SAP R/3: Contabilidade ® Contabilidade financeira® Razão ® Entrada de documentos ®
Lançamento de caixa ou bancos ® Entrada ou saída ® Livro caixa.
2. Entrar uma empresa e um número de livro caixa.
É possível manter diversos livros caixa em uma empresa, porém não é possível atribuir um livro
caixa a diversas empresas.
3. Selecionar Avançar.
O sistema registra suas entradas e configurações de usuário.
4. Dependendo das entradas que se deseja fazer, marcar o registro Recibos ou Pagamentos.
5. Entrar uma transação contábil, um montante e, dependendo da transação contábil, um cliente
ou fornecedor. Essas são entradas obrigatórias. Os outros campos são opcionais.
6. Selecionar Entrar para fazer a entrada no livro caixa ( ).
Selecionar Gravar para gravar a entrada do livro caixa ( ).
Selecionar Lançar para lançar a entrada do livro caixa ( ).

Resultado

O documento foi lançado no livro caixa.


Razão Especial

Síntese

Operações do Razão Especial

As operações do Razão Especial são operações especiais nas contas a receber e nas contas a pagar que são
exibidas separadamente no Razão e no livro auxiliar. Isso pode ser necessário para o sistema de relatórios ou
por razões internas. Por exemplo, os adiantamentos não devem ser saldados com as contas a receber e contas
a pagar de produtos e serviços. Conseqüentemente, os adiantamentos são tratados como operações do Razão
Especial nos componentes de aplicação Razão (FI-GL), Contabilidade de fornecedores (FI-AR) e Contabilidade
de clientes (FI-AP).

As operações do Razão Especial já estão disponíveis no sistema Standard. No entanto, é possível modificar as
especificações ou definir as próprias operações do Razão Especial.

Esta seção descreve:


 Como o sistema administra as operações do Razão Especial e as vantagens desse procedimento

 O que é necessário saber para as operações "adiantamento" e "garantia" do Razão Especial e como se
adapta essas operações às necessidades específicas da empresa

 Como criar as próprias operações do Razão Especial, adaptadas às necessidades da empresa

Princípios básicos das operações do Razão Especial

As operações do Razão Especial são operações especiais nas contas a receber e nas contas a pagar que são
exibidas separadamente no Razão e no livro auxiliar. Isso é obtido por meio de lançamentos feitos em contas
de conciliação alternativas, em vez de lançamentos nas contas de conciliação de contas a receber e a pagar.

As seguintes operações do Razão Especial estão disponíveis:

 Adiantamentos e solicitações de adiantamento

 Letras de câmbio a receber, letras de câmbio a pagar e cheques/letras de câmbio

 Letras de banco

 Pedidos de pagamento

 Fianças

 Reservas para dívidas incobráveis

 Cauções

Esses procedimentos especiais são exibidos separadamente das outras contas a receber e a pagar no balanço,
ou por razões legais como no caso dos adiantamentos, ou por razões de controle como no caso das garantias
recebidas. Uma conta separada do Razão Especial é criada para cada operação do Razão Especial. Como
resultado, é possível exibir cada operação no balanço sem a necessidade de executar qualquer transferência e é
possível receber uma síntese pela conta, limitada apenas a esse procedimento.
Tipos de operações do Razão especial

No sistema R/3 são feitas distinções entre os diversos tipos de operações do Razão especial . Essas distinções
são feitas de acordo com fatores comerciais e técnicos.

No lado comercial, é feita uma distinção entre:

 Letras de câmbio

 Adiantamentos

 Operações diversas do Razão especial, tais como garantias

No lado técnico, é feita uma distinção entre :

 Lançamentos com um lançamento de contrapartida de livre definição. Estes incluem os lançamentos de


adiantamento e de letra de câmbio.

 Lançamentos com um lançamento de contrapartida predefinido. Estas operações são denominadas


lançamentos estatísticos.

 Lançamentos sem um lançamento de contrapartida. Estes procedimentos são denominados partidas-


memo.

Lançamentos estatísticos

Os lançamentos estatísticos são operações onde os lançamentos são feitos sempre na mesma conta de
contrapartida. Por exemplo, quando são lançados juros a vencer, o lançamento é feito sempre na conta de
contrapartida "rendimentos de juros". Para simplificar a operação de lançamento, pode ser definido o número
da conta requerida para o lançamento de contrapartida no sistema. Em seguida, o sistema faz o lançamento de
contrapartida automaticamente. Além disso, quando são compensadas partidas em aberto n uma conta de
partidas em aberto, o sistema compensa automaticamente as partidas em aberto relevantes na conta de
contrapartida.
Partidas-memo

As operações do Razão Especial são também usadas para administrar as partidas-memo. Esses lançamentos
não são exibidos nas contas, mas servem apenas para lembrá-lo dos pagamentos em aberto vencidos ou a
serem feitos. Pode-se processá-los com o programa de pagamento ou o programa de cobrança. O usuário pode
processá-los com o programa de pagamento ou o programa de reclamação de pagamento. Como resultado, é
possível cobrar adiantamentos pendentes ou fazer adiantamentos com o programa de pagamento. Para fazer
isso, entrar e gravar uma solicitação de adiantamento. Esse documento especial não atualiza o saldo da conta:
é tratado simplesmente como uma partida individual na conta corrente e na conta do Razão Especial. Portanto,
a opção Exibição de partida individual deve sempre ser marcada para essas contas.

O mesmo procedimento é usado na Espanha, Itália e França para emitir letras de câmbio automaticamente com
o programa de pagamento. A partida-memo requerida para isso é denominada uma solicitação de letra de
câmbio. Encontram-se mais informações em Operações do Razão Especial: letras de câmbio.

Definir a operação de lançamento

O sistema define a operação de lançamento com a combinação dos aspectos técnicos e comerciais. As
seguintes combinações estão disponíveis no sistema para os procedimentos de Contas a receber e a pagar:

Se forem definidas as próprias operações do Razão Especial, será importante diferenciar as operações de
acordo com os aspectos comerciais e técnicos. As novas operações devem ser classificadas de acordo com estes
aspectos.

Solicitações de adiantamento

Quando o programa de pagamento ou o programa de reclamação de pagamento é usado para lançar ou cobrar
adiantamentos, devem-se preparar solicitações de adiantamento. Esses são documentos especiais que servem
como uma referência para lançar um adiantamento ou como um documento para programa de cobrança. Eles
não atualizam o saldo da conta.

Ao entrar uma solicitação de adiantamento, entra-se as informações requeridas pelo programa de pagamento
ou de cobrança. Por exemplo, deve-se entrar um código de Razão Especial de destino. Esse código de Razão
Especial é usado posteriormente para lançar o adiantamento. O sistema requer esse código para determinar a
conta do Razão Especial correta para os adiantamentos. Por meio do registro mestre dessa conta de
adiantamento, o sistema determina quais campos são relevantes para entrar uma solicitação de adiantamento
e como as entradas são tratadas.

Programas de solicitações de adiantamentos, pagamento e cobrança

Os programas de pagamento e de cobrança processam solicitações de adiantamento somente se isso for


especificado explicitamente. Para o programa de pagamento, as operações do Razão Especial a serem
processadas são especificadas quando são feitas as especificações da empresa para o programa de pagamento.
Para o programa de cobrança, é preciso especificar por procedimento de cobrança quais operações do Razão
Especial devem ser cobradas. Informações adicionais sobre os programas de pagamento e de cobrança podem
ser encontradas nesta documentação.

Quando se entra uma solicitação de adiantamento, os campos Código de Bloqueio e Vencimento estão sempre
prontos para a entrada. Esses campos são usados para liberar e programar o adiantamento para seu
lançamento pelo programa de pagamento.

Contas do Razão Especial para solicitações de adiantamento

É requerida uma conta do Razão especial para as solicitações de adiantamento tanto de saída quanto de
entrada. Essas contas devem ser administradas com a exibição de partidas individuais, visto que nem a
movimentação no período nem o saldo da conta é administrado nessas contas. Somente com a exibição de
partidas individuais tem-se uma síntese dos adiantamentos pendentes ou a serem prestados.

A entrada de um grupo de status de campo ou natureza de imposto no registro mestre da conta não afeta a
entrada de uma solicitação de adiantamento, visto que o sistema transfere essas informações com base nas
contas de adiantamento que são determinadas por meio do código de Razão Especial de destino.

Funções especiais das solicitações de adiantamento

Quando é lançada uma solicitação de pagamento, o sistema registra um documento que não tem fins
contábeis. Esse documento é uma partida-memo. Sua função é servir de lembrete para efetuar um
adiantamento . Não atualiza um débito ou crédito.

Para entrar uma solicitação de adiantamento, entra-se uma ou mais partidas individuais na conta de cliente ou
de fornecedor sem um lançamento de contrapartida. Conseqüentemente, o sistema não verifica se os débitos
correspondem aos créditos.

Além das partidas individuais para a solicitação de adiantamento, o documento contém também os montantes
de imposto , caso o adiantamento esteja sujeito a impostos. O imposto é lançado quando é lançado o
adiantamento.

As solicitações de adiantamento não atualizam os débitos e créditos mensais nas contas de cliente ou
fornecedor.

Quando é lançada uma solicitação de adiantamento, o sistema registra a partida individual n uma conta do
Razão especial . Essa conta é usada para obter uma síntese de todos os adiantamentos que precisam ser
prestados .

O sistema registra as contas que contém solicitações de adiantamento. Atribui o número do documento da
solicitação de adiantamento a essas contas n uma tabela de índices. O diagrama a seguir ilustra esse processo
em Contas a pagar :
Entrar e lançar uma solicitação de adiantamento

Selecionar Lançamentos => Adiantamento => Solicitar no menu Clientes ou Fornecedores. Entrar o número de
uma conta de cliente ou fornecedor.

A entrada de solicitações de adiantamento de cliente é usada para:

 Poder incluir o adiantamento automaticamente. Para fazer isso, é necessária uma ordem de cobrança
bancária do cliente.

 Lembrar a um cliente um adiantamento ou cobrar um adiantamento.

A entrada de solicitações de adiantamento de fornecedor é usada para prestar um adiantamento


automaticamente por meio do programa de pagamento.

Para fazer um adiantamento em várias prestações, deve ser lançada uma partida individual de
solicitação de adiantamento para cada prestação.

Dependendo da configuração do sistema, alguns dos campos mencionados neste procedimento podem não ser
exibidos na tela de entrada. Isso depende da configuração do sistema para essa empresa. Os campos para
imposto sobre vendas, por exemplo, podem ser suprimidos se não existir esse imposto no país.

Para entrar e lançar uma solicitação de adiantamento, proceder da seguinte forma:

1. Selecionar Lançamentos => Adiantamento => Solicitar.


2. Entrar os dados do cabeçalho do documento e o número da conta. Também é necessário entrar um
código de Razão Especial de destino no campo Código de Razão Especial de destino.

O código de Razão Especial de destino é o código do Razão Especial para o adiantamento. É requerido
quando da criação de um adiantamento a partir da solicitação de adiantamento. O sistema usa esse
código para determinar a conta do Razão Especial na qual os adiantamentos são lançados.

3. Selecionar ENTER .

Aparece uma tela para entrada de partidas individuais.

4. Entrar uma ou mais partidas individuais entrando os seguintes dados:

- Montante

Entrar o montante do adiantamento. Se há lançamentos de imposto sobre vendas no país, observar o


seguinte: entrar o montante bruto ou líquido, de acordo com o procedimento usado na empresa, para
exibir adiantamentos na conta corrente e na conta do Razão Especial.

- Montante de imposto
É possível entrar o montante de imposto manualmente ou fazer que o sistema o calcule. Entrar * neste
último caso. Para exibir o montante de imposto. Selecionar entrar.

- Código de imposto

O sistema requer o código de imposto para calcular ou verificar o montante de imposto. Para
solicitações de adiantamento de fornecedores, entrar um código de IVA suportado e para solicitações de
adiantamento de clientes, entrar um código de IVA liquidado.

- Vencimento

O programa de pagamento usa a data de vencimento para determinar quando o adiantamento deve ser
pago. O programa de cobrança precisa dessa informação para poder cobrar o adiantamento.

- Bloqueio de pagamento

Para impedir que o programa de pagamento pague um adiantamento da solicitação de adiantamento,


entra-se um código de bloqueio. Em seguida, o programa de pagamento só pode efetuar o
adiantamento após a remoção do bloqueio de pagamento.

- Ordem do cliente

Ao fazer uma solicitação de adiantamento, é possível especificar que o adiantamento seja feito para
uma ordem de cliente específica.

- Classificações contábeis adicionais

Dependendo da configuração do sistema, é possível especificar na solicitação de adiantamento que o


adiantamento seja feito para um determinado projeto, ordem, pedido ou imobilizado.

5. Lançar a solicitação de adiantamento, selecionando Documento => Lançar.

Estornar uma solicitação de adiantamento

Uma solicitação de adiantamento é cancelada automaticamente quando um adiantamento se referindo a essa


solicitação é pago, não importando se o programa de pagamento executa o adiantamento ou se adiantamento
for entra do e lança d o manualmente. Mais informações sobre o programa de pagamento estão disponíveis
nesta documentação.

Para entender como incluir solicitações de adiantamento quando da entrada de adiantamento.

É possível também estornar manualmente solicitações de adiantamento, a qualquer momento , sem lançar um
adiantamento. Para isso, proceder da seguinte maneira:

1. No menu Clientes ou Fornecedores, selecionar Documento => Estorno

2. Entrar o número do documento da solicitação de adiantamento, a empresa e o exercício.

3. Na mesma tela, entrar a data e o período de lançamento do documento de estorno.

4. Para lançar o documento de estorno, marcar Documento => Lançar.

O sistema exibe uma mensagem de que as partidas individuais foram estornadas e registra a data de
compensação nas partidas individuais.

Exibir uma solicitação de adiantamento

Existem diversas maneiras de exibir solicitações de adiantamento:

 Pelo documento
É possível exibir o documento que contém a solicitação de adiantamento. Essa função é igual à função
de exibição Standard de documentos.

No entanto, ao contrário de outros documentos, esse não contém um lançamento de contrapartida.

 Por meio da conta do cliente ou do fornecedor

Para exibir as partidas individuais de uma contabilidade de clientes ou de fornecedores, selecionar


Conta => Exibir partidas individuais a partir do menu Contabilidade de clientes ou do menu
Contabilidade de fornecedores.

Na primeira tela, são determinadas as partidas individuais que se deseja exibir. Para operações do
Razão Especial, marcar Com operações do Razão Especial.

Querendo exibir apenas as solicitações de adiantamento, é possível marcar essas por meio da função de
seleção usando-se o código Q do Razão Especial. As solicitações de adiantamento são exibidas num
conjunto separado. É possível reconhecer as solicitações de adiantamento pela chave de lançamento,
pelo código do Razão Especial e pela categoria de operação do Razão Especial.

 Por meio da conta do Razão Especial para solicitações de adiantamento

É possível chamar a conta do Razão Especial para solicitações de adiantamento, onde as solicitações de
adiantamento são administradas como partidas individuais. Para fazer isso, selecionar Conta => Exibir
partidas individuais no menu Fornecedores ou Clientes.

É possível exibir as solicitações de adiantamento também com base na conta de conciliação alternativa
(conta do Razão Especial) em vez da conta de cliente ou de fornecedor. O sistema exibe neste caso as
solicitações de adiantamento para todos os clientes ou fornecedores que pertençam àquela conta de
conciliação.

Letra de Câmbio: síntese

Os seguintes tipos de letra de câmbio podem ser administrados e lançados nos componentes de aplicação
Contabilidade de clientes (FI-AR) e Contabilidade de fornecedores (FI-AP):

 Letras de câmbio a receber


 Solicitações de pagamento de letras de banco e de letras de câmbio

 Letras de câmbio a pagar

 Cheques/letras de câmbio em Clientes (letra de câmbio estornada)

 Cheques/letras de câmbio em Fornecedores (letra de câmbio estornada)

No sistema SAP R/3, as letras de câmbio são tratadas como operações do Razão especiais. Essas operações são
em seguida atualizadas independentemente de outra operação no livro auxiliar e são lançadas, no Razão, por
meio de uma conta do razão especial. Isso permite que se tenha uma síntese de letras de câmbio a receber e a
pagar em qualquer etapa. Geralmente, não são necessários lançamentos de transferências para exibir estes
itens na conta de balanço.

Os seguintes tópicos explicam a preparação que é necessária para lançar e processar as diversas letras de
câmbio. Também é explicado o lançamento e o processamento de letras de câmbio individuais.

Letras de câmbio a receber

As letras de câmbio a receber são administradas usando o método especial do Razão no sistema SAP. Ao lançar
uma letra de câmbio a receber, normalmente compensa se as partidas em aberto ou lança-se o pagamento
como um pagamento em conta. O sistema lança uma letra de câmbio a receber na conta de cliente e reduz as
contas a receber de fornecimentos e serviços na conta de reconciliação. A letra de câmbio a receber também é
automaticamente lançada na conta do Razão especial para letras de câmbio a receber.
Pode-se monitorar a letra de câmbio a receber existente a qualquer momento, por meio da conta do cliente. A
conta do Razão especial para letras de câmbio a receber mostra o montante total dessas letras existentes para
os clientes representados nessa conta. As letras de câmbio a receber não são canceladas até que tenham sido
compensadas.

Após ter atribuído a letra de câmbio a um banco para financiamento, lança-se a utilização da letra de câmbio.
Agora possui-se uma obrigação por letra de câmbio uma vez que, como sacador, o banco possui o compromisso
de apresentar um recurso caso o cliente não cumpra o pagamento da letra. Esta responsabilidade potencial é
lançada em uma subconta bancária e eliminada na data de expiração.

Para desejar transmitir letras de câmbio para um banco, a lista de apresentação necessária pode ser criada
automaticamente. Se desejar, pode-se definir que a letra de câmbio deve ser lançada automaticamente ou
deve ser listada como lançamento a ser preparado. Isso se aplica somente para letras de câmbio lançadas
antes do vencimento da fatura, como é o caso na Itália.

Após ter sido atingido o vencimento da letra de câmbio e decorrido o prazo para protesto, pode-se cancelar a
letra de câmbio a receber e o obrigação por letra de câmbio. É possível definir no Customizing um período
específico por país para o protesto da letra de câmbio.

As despesas de letras de câmbio geralmente são repassadas para o cliente. O sistema lança esses montantes
na conta do cliente e nas contas de receita correspondentes.

Para letras de banco e solicitações de letra de câmbio, há determinadas características especiais que devem ser
lembradas quando da emissão e lançamento dessas partidas.

Chaves de lançamento e códigos do Razão especial

Para lançar operações do Razão especial, é necessário o uso de chaves de lançamento especiais, que são
completadas por um código do Razão especial .

A chave de lançamento define se é um lançamento a débito ou a crédito e qual tipo de conta (cliente ou
fornecedor) é lançado. As chaves de lançamento para operações do Razão especial devem ser indicadas como
tal por meio de um código. No sistema Standard, as seguintes chaves de lançamento são usadas para
operações do Razão especial :

Chaves de lançamento para operações do Razão especial

Chave de lançamento Descrição Uso (exemplo)

09 Lançamento no débito de saída Pagamento de fatura a receber

19 Lançamento em crédito de saída Adiantamentos recebidos

29 Lançamento no débito de entrada Adiantamentos prestados

39 Lançamento em crédito de entrada Pagamento de fatura a pagar

As operações do Razão especial são identificadas por um código de Razão especial .

No sistema Standard, os adiantamentos prestados são lançados com a chave de lançamento 29. Essa chave de
lançamento determina que o lançamento seja feito na coluna de débito de uma conta de fornecedor. O código
de Razão especial determina o tipo de adiantamento. No sistema Standard, o código de Razão especial A é
usado para adiantamentos gerais e o código I para adiantamentos em bens intangíveis.
O sistema us a as especificações (chave de lançamento e código do Razão especial) para determinar a conta de
conciliação alternativa.

Se for lançado um adiantamento recebido, o sistema usará a conta de conciliação para contas a receber de
produtos e serviços juntamente com o código de Razão especial a fim de determinar a conta do Razão especial
correspondente.

Exibir operações do Razão especial

As operações do Razão especial são exibidas nas contas de uma forma diferente das operações normais:

Com exceção das partidas-memo, as operações do Razão especial são atualizadas em contas de partidas em
aberto , mas são listadas separadamente das operações normais na exibição do saldo da conta. As operações
do Razão especial são também exibidas separadamente das operações normais durante a exibição das partidas
individuais.

Por meio das contas de partidas em aberto, é possível examinar as operações do Razão especial referentes a
um cliente ou fornecedor. Como em todos os lançamentos em contas de cliente ou de fornecedor, os montantes
são lançados automaticamente nas contas de conciliação no Razão. Existem contas de conciliação separadas
para operações do Razão especial , que são contas do Razão especial . Por meio das contas do Razão especial,
é possível examinar as operações do Razão especial por operação.

Exibindo o saldo da conta de um cliente, pode-se ver quantos adiantamentos foram prestados pelo cliente. Por
meio da conta do Razão especial para adiantamentos recebidos é possível examinar o total de adiantamentos
de todos os clientes atribuídos à conta do Razão especial.

Partidas-memo não atualizam o saldo da conta. O sistema estabelece simplesmente uma ligação entre a partida
individual e a conta para que se possa examinar as partidas-memo apenas por meio da exibição de partida
individual na conta de par tidas em aberto e na conta de conciliação.

Ajustar operações do Razão Especial

As operações do Razão Especial já estão atualizadas no sistema Standard. Conseqüentemente, as etapas


descritas nas seções a seguir devem ser executadas apenas se forem requeridas as seguintes modificações com
relação às operações normais:

 números de contas diferentes para as contas de conciliação ou as contas do Razão Especial

 outras chaves de lançamento ou códigos de Razão Especial para as operações individuais

 outras especificações para os lançamentos automáticos. Aí se incluem as contas a serem lançadas, as


chaves de lançamento e as regras para classificação contábil com lançamentos automáticos.
Além disso, existem especificações adicionais para determinados procedimentos, que são mencionadas na
descrição das operações.

Lançamentos automáticos

Quando são lançadas operações do Razão especial , o sistema gera lançamentos automáticos. Por exemplo, o
sistema pode lançar impostos sobre adiantamentos ou imposto s sobre letras de câmbio em letras de câmbio a
receber.

Para fazer lançamentos automáticos, o sistema requer especificações sobre as contas a lançar e sobre as
chaves de lançamento a serem usadas.

Essa informação também já está definida no sistema Standard. É preciso fazer modificações apenas se não for
usar o plano de contas Standard ou se forem desejados outros números de conta, chaves de lançamento ou
regras de determinação de conta. Devem ser definidos também quais lançamentos automáticos se deseja
executar.

Os lançamentos automáticos são explicados mais adiante para cada operação do Razão especial .

Documentos Pré-editados

Utilização

É possível usar a pré-edição de documento para entrar e gravar (pré-editar) documentos incompletos no
sistema SAP sem executar verificações de entradas completas.

Os documentos pré-editados podem ser concluídos, verificados e lançados posteriormente, se necessário, por
outro funcionário da contabilidade.

Quando os documentos são pré-editados, os dados (por exemplo, a movimentação no período) não são
atualizados. A única exceção é a Administração de caixa.

As datas dos documentos pré-editados pode, porém, ser usadas em análises feitas pelo sistema. Por exemplo,
é possível usar montantes de faturas pré-editadas para a declaração prévia do IVA. Com pedidos de
pagamento, as faturas pré-editadas podem ser pagas pontualmente e sem perder o desconto.

É possível usar os montantes de imposto determinados com base nos dados de documentos pré-editados para
requerer antecipadamente às autoridades tributárias quaisquer impostos a receber que sejam devidos ao
contribuinte. Na tela Acesso fácil ao SAP, selecionar Contabilidade => Contabilidade financeira => Razão =>
Sistema de relatórios => Declarações de impostos => Informações gerais => IVA suportado de documentos
pré-editados.

Integração

Em comparação com a pré-edição de documento, a função reter documentos é projetada apenas para permitir
a interrupção do processamento de entrada de dados em um documento e gravar, temporariamente, os dados
entrados até ao momento em que seja possível retomar o lançamento. Nenhum número de documento é
atribuído. Os dados entrados dessa forma não podem ser usados em análises.

A substituição não é suportada na pré-edição de documento. A substituição é efetuada pela operação de


lançamento depois de se gerar um documento contábil com o documento pré-editado.

Como pré-editar documentos

1. Para usar as funções Standard, na tela Acesso fácil ao SAP selecionar Contabilidade => Contabilidade
financeira => Razão/Clientes/Fornecedores => Entrada de documento => Outros => Pré-edição geral
de documento/Pré-edição de fatura - geral/Pré-edição de nota de crédito - geral

É exibida a tela Pré-edição de documento: cabeçalho de documento.

2. Entrar os dados do cabeçalho do documento e da partida individual.


3. Para gravar os dados pré-editados, selecionar Documento => Pré-editar.

É exibida a mensagem O documento xxx (número do documento) foi pré-editado . Os números de


documentos são atribuídos da mesma maneira que na função de entrada de documento Standard.

Exibir documentos pré-editados

Utilização

É possível exibir documentos pré-editados. Na tela Acesso fácil ao SAP, selecionar Contabilidade =>
Contabilidade financeira => Razão/Clientes/Fornecedores => Documento => Documentos pré-editados =>
Exibir.

Pré-requisitos

Deve-se estar autorizado a exibir documentos lançados.

Conjunto de funções

É possível exibir documentos pré-editados individualmente, usando uma lista ou uma função de exibição de
partidas individuais. Para exibi-los na exibição de partidas individuais, é necessário marcar o parâmetro
Documentos pré-editados.

É possível exibir as modificações efetuadas nos documentos pré-editados antes e depois do lançamento dos
mesmos. Também é possível exibir o documento pré-editado original após modificar o número do documento.

Modificar documentos pré-editados

Utilização

É possível modificar um documento pré-editado e concluí-lo etapa por etapa. Um grande número de campos de
cabeçalhos e de itens, inclusive os montantes, pode ser modificado durante esse processo.

É possível fazer modificações em:

Documentos individuais

Itens individuais

Vários documentos simultaneamente, usando uma lista

Outros valores por meio das partidas individuais

Porém, não é possível modificar a moeda e a empresa.

As regras internas de modificação do sistema que controlam a entrada de documentos não são usadas na pré-
edição de documentos.

Eliminar documentos pré-editados

1. Na tela Acesso fácil ao SAP, selecionar Contabilidade => Contabilidade financeira =>
Razão/Clientes/Fornecedores => Documento => Documentos pré-editados => Lançar/Eliminar.

2. Se o número de documento for conhecido, entrar a empresa, o número do documento e o exercício e,


em seguida, selecionar ENTER .

Se o número de documento não for conhecido ou se for necessário desejar eliminar mais de um
documento, selecionar Documento => Lista. Entrar os critérios de seleção apropriados na tela de
seleção a seguir e selecionar Executar. Em seguida, o sistema gera uma lista com os documentos que
atendem a esses critérios.
3. Marcar o(s) documento(s) requerido(s) e, em seguida, selecionar Documento => Eliminar.

Não é possível usar novamente o número de um documento que foi eliminado.

Lançar documentos pré-editados

Utilização

É possível lançar documentos pré-editados individualmente, usando-se a operação Standard ou uma seleção na
lista. Se vários documentos pré-editados forem lançados com o uso de uma lista, o sistema emitirá uma lista
no final da operação. Essa lista detalha os documentos que foram lançados com êxito.

Com base na lista, é possível executar quaisquer pós-processamentos necessários aos documentos pré-
editados, cujo lançamento não foi possível devido à falta de informações como, por exemplo, uma classificação
contábil de custos. Também é possível criar uma pasta batch input para lançar os documentos pré-editados.

Conjunto de funções

Os dados em documentos pré-editados são eliminados quando são lançados, um documento é gravado no
banco de dados de documentos e os dados adequados (movimentações no período etc.) são atualizados. O
número do documento pré-editado é transferido para o documento lançado.

Os documentos pré-editados são sempre lançados por meio de batch input ou com a Transação de chamada.

Liberação de pagamento

Objetivo

É possível definir um bloqueio de pagamento para quaisquer partidas individuais da contabilidade. Em seguida
pode-se executar uma liberação de pagamento. O bloqueio de pagamento será cancelado e as partidas
individuais poderão ser pagas se esse procedimento for concluído com êxito.

Conjunto de funções

Isso permite executar uma revisão de cada partida individual e, em seguida, liberá-las para pagamento.

O procedimento de liberação de pagamento usa o componente Workflow.

Processo de liberação de pagamento

Objetivo

Em cada variante de workflow, é possível especificar o montante a partir do qual uma liberação de pagamento
deve ser acionada.

É possível diferenciar entre a liberação de um, dois e três níveis. Isto possibilita que até três pessoas sejam
envolvidas no procedimento de liberação, suportando, assim, o controle duplo e triplo.

Pré-requisitos

As seguinte opções devem ter sido feitas no Customizing.

 Procedimento de liberação

(tipo e montante de documento para cada variante de workflow)

 Atribuição de autorizados à liberação


Para isso, é necessário primeiramente criar grupos de liberação que possam ser entrados nos registros
mestre de cliente e de fornecedor.

Dependendo desses critérios e do nível de liberação, é possível atribuir autorizações de liberação na forma de
objetos organizacionais (cargo, posição, unidade organizacional) no Customizing. O sistema usa o valor inicial
desses critérios quando o programa de pagamento for executado, se nenhum critério for definido (como grupos
de liberação). Por exemplo, se o sistema não for capaz de determinar o grupo de liberação, o procedimento de
liberação e os funcionários com autorização de liberação são determinados com base no grupo de liberação
zero.

Fluxo do processo

Requisitos mínimos:

 A função de liberação de pagamento deve ser ativada.


 O tipo de documento relevante deve ser definido.
 Um item contendo as especificações a seguir deve ser criado para funcionários com autorização de
liberação:
o Variante de workflow
o Seqüência de liberação inicial
o Nível inicial
o Montante máximo

Funcionários com autorização de liberação também podem ser determinados e atribuídos por user exits em
cada etapa do procedimento de liberação.

Resultado

a. Se, na execução do programa de pagamento, o sistema não for capaz de identificar um funcionário com
autorização de liberação, ele enviará uma mensagem para a caixa de entrada de cada pessoa a quem
tenha sido atribuída a tarefa "liberação de pagamento". O bloqueio de pagamento será removido
apenas depois que todas essas pessoas tiverem liberado o pagamento.
b. Se a liberação de uma determinada partida individual for recusada, essa partida será transmitida para o
responsável que a entrou para correção. Após a modificação do documento, o procedimento de
liberação de pagamento é reiniciado. Se a modificação do documento necessitar de ações adicionais,
elas deverão ser definidas no componente de workflow. O evento CHANGED foi pré-configurado para
esse objetivo no modelo de workflow Standard. O sistema assume que a partida individual foi rejeitada
para pagamento se este evento tiver sido executado. Entretanto, o item NÃO é encaminhado para
correção ao responsável que o entrou.
c. O procedimento de liberação de pagamento é cancelado (evento CLEARED) se um item for compensado
antes de ser liberado.

Validação

Utilização

Com validações, é possível verificar valores e combinações de valores à medida que são entrados no sistema
SAP R/3. Conforme os dados vão sendo entrados, eles são verificados de acordo com as regras de validação
gravadas no Administrador de regras. Como a validação ocorre antes do lançamento dos dados, apenas as
informações válidas entram no componente de aplicação FI-SL.

É possível usar uma validação simultaneamente em diferentes pontos de evento e também criar diferentes
dependências para a validação de dados. Além disso, é possível criar validações no sistema, mesmo se elas não
forem usadas em nenhum lugar (por exemplo, para utilização futura).

Para localizar erros em validações, substituições ou regras, as funções Simular e Ativar rastreamento devem
ser usadas.

Pontos de evento de validação/substituição


Os pontos de evento são locais específicos em uma aplicação que especificam o local exato em que ocorre
uma validação/substituição. Para validar ou substituir um valor, deve-se ativar a validação ou substituição para
o ponto de evento em que se deseja que a validação ou substituição ocorra.

Para que os números de conta entrados diretamente no componente de aplicação FI-SL sejam validados, deve-
se criar uma validação para o ponto de evento 0002 (item de documento) com a área de aplicação GL (Ledgers
especiais). (O ponto de evento 0001 validaria o cabeçalho do documento e não os itens do documento
individuais.) É necessário ativar a validação depois de a criar.

Em cada ponto de evento, o sistema pode usar as informações já entradas (como nome do usuário,
informações de cabeçalho e as informações entradas em pontos de evento anteriores) para validar ou substituir
os valores entrados em um ponto de evento.

Áreas de aplicação diferentes podem usar o mesmo código de ponto de evento, mas o código de ponto de
evento tem um ponto de evento diferente, dependendo da área de aplicação.

Substituição

Utilização

As regras de substituição são gravadas no Administrador de regras. Conforme os dados são entrados, eles vão
sendo substituídos pelo Administrador de regras. A substituição ocorre antes dos dados serem compactados em
um banco de dados de totais.

É possível usar uma substituição simultaneamente em diferentes pontos de evento e criar diferentes
dependências para substituição de dados. É possível também criar uma substituição no sistema, mesmo se ela
não for usada em nenhum lugar (por exemplo, para utilização futura).

Como rastrear uma validação/substituição/regra

Por meio da função Suplementos => Ativar rastreamento, ativa-se uma função de rastreamento que permite
testar uma validação/substituição/regra durante o processo de lançamento. Ao lançar um documento, o
sistema chama a validação/substituição/regra e exibe o conteúdo da regra, bem como a forma como os dados
são usados para validação ou substituição. Essa função permite diagnosticar possíveis erros na definição de
validação/substituição/regra.

Só se pode rastrear uma validação de cada vez, mas uma substituição e uma regra também podem estar ativas
simultaneamente. Isso também vale quando se rastreia uma substituição ou uma regra. A função de
rastreamento só é ativada para o usuário que ativou a função de rastreamento.

A função de rastreamento pode ser usada para uma validação/substituição/regra, para todas as
validações/substituições/regras ou não para quaisquer validações/substituições/regras.

Procedimento

1. Exibir a validação/substituição/regra a rastrear.


2. Selecionar Suplementos Ativar rastreamento.

Para usar a função de rastreamento para todas as validações/substituições/regras, deve-se selecionar


Suplementos => Ativar rastreamento total.

3. Em uma sessão separada, chamar a operação de lançamento a rastrear.

Quando a validação/substituição/regra é chamada, o sistema exibe o resultado da


validação/substituição/regra usada na operação de lançamento.
4. Para desativar a função de rastreamento, deve-se selecionar Suplementos => Desativar rastreamento
total.

Se for usada a desativação de rastreamento individual, a função de rastreamento será desativada


automaticamente para todas as outras validações/substituições/regras.

Simular uma validação/substituição/regra

1. Exibir a validação/substituição/regra a verificar.


2. Posicionar o cursor na etapa de validação/substituição ou regra a verificar.
3. Selecionar <Validação/Substituição/Regra> Simular.

Aparece a tela Entrada de dados para validação/substituição/regra, relacionando os campos definidos na


validação/substituição/regra que se deseja simular.

Não se pode usar a função Simular para validações e substituições de matrizes.

4. Entrar os valores a verificar de acordo com a validação/substituição/regra e selecionar Executar.

A tela Resultados da Validação/Substituição/Regra: <Validação/Substituição/Regra> aparece relacionando os


resultados da verificação dos dados inseridos de acordo com a validação/substituição/regra.

5. Para sair da tela, selecionar Dados => Sair.

Pagamentos

Objetivo

É possível usar o programa de pagamento para processar as operações de pagamentos internacionais com
clientes e fornecedores.

Informações sobre implementação

A configuração do programa de pagamento é descrita no Como adaptar o programa de pagamento.

Integração

O programa de pagamento é usado pelos seguintes componentes: Contas de cliente (FI-AR), Contas de
fornecedor (FI-AP), Tesouraria (TR), e Contabilidade de bancos (FI-BL).

Conjunto de funções
O programa de pagamento permite processar tanto a entrada quanto a saída de pagamento. O programa é
flexível o suficiente para permitir a definição das características de pagamento, que variam de país a país, tal
como a forma de pagamento, o formulário de pagamento ou as especificações de suporte de dados.

O sistema Standard contém as formas de pagamento comuns e os formulários correspondentes, que foram
definidos separadamente para cada país.

Os meios de pagamento Standard incluem cheque, transferência e letra de câmbio. Os meios de pagamento
específicos do país, como o procedimento POR, na Suíça, o pedido de pagamento de letras de câmbio e o
procedimento PBC também foram definidos.

Outros conjuntos de funções especiais incluem:

 A compensação de partidas em aberto entre clientes e fornecedores


 Pagamentos entre empresas, isso é, uma empresa centraliza o pagamento para as outras
 O pagamento ou a compensação de qualquer tipo de partida em aberto, por exemplo, a compensação
de adiantamentos
 A restrição de acesso ao programa de pagamento pela atribuição de autorizações

Como adaptar o programa de pagamento

Esta seção descreve como fazer as especificações necessárias para o programa de pagamento.

Antes de usar o programa de pagamento, é necessário definir:

 Os bancos da empresa e as contas nos institutos bancários

 As formas de pagamento requeridas

 Os formulários de pagamento necessários

O sistema Standard predefiniu as formas de pagamento e os formulários de pagamento. É possível


copiá-los e adaptá-los para atenderem às exigências do usuário.

A configuração do programa de pagamento envolve determinar:

 O que deve ser pago. Para isso, especificar as regras pelas quais as partidas em aberto a serem
pagas são marcadas e agrupadas para pagamento.

 Quando o pagamento é executado. A data de vencimento das partidas em aberto determina quando
o pagamento é executado. No entanto, é possível especificar a data de pagamento com mais detalhes,
por meio da configuração.

 A quem o pagamento é feito. Especifica o recebedor.

 Como o pagamento é feito. Determinar as regras usadas para marcar uma forma de pagamento.

 De onde o pagamento é feito. Determinar as regras usadas para marcar um instituto bancário e uma
conta bancária para o pagamento.

As regras e condições acima precisarão estar definidas se o programa de pagamento determinar


automaticamente as informações mencionadas acima. No entanto, também será possível especificar essas
informações manualmente.

A maioria das especificações anteriormente mencionadas são específicas da empresa e permitem configurar o
programa de pagamento para atender aos diferentes requisitos de cada empresa.

 As opções para o programa de pagamento são feitas em Programa de Pagamento, na seção de Contas
de clientes e Contas de fornecedores do Guia de implementação.
 Os formulários de pagamento são definidos através do caminho de menu Ferramentas =>
Processamento de texto => Ctrl.form. a partir da primeira tela do sistema R/3.

 Para definir impressoras e fontes, seguir o caminho de menu Ferramentas => Administração => Spool
=> Administração de spool ou Spool

Como funciona o programa de pagamento

Objetivo

Com o programa de pagamento é possível processar as operações do programa de pagamento internacionais


com clientes e fornecedores.

Pré-requisitos

As Formas de pagamento, os Bancos da empresa, e os Formulários usados devem ser definidos ou atualizados
antes que a execução do programa seja realizada.

Se as etapas acima forem executadas automaticamente, o programa de pagamento necessitará das


informações a seguir:

 Regras que permitam que o programa determine as partidas em aberto a ser pagas e, caso seja
oportuno, agrupe-as para pagamento. Por exemplo, é possível especificar períodos de carência para
itens de entradas, que são levados em consideração ao calcular a data de vencimento.

 Especificações para marcar o recebedor do pagamento. É possível entrar um recebedor alternativo no


mestre do cliente/fornecedor ou no próprio documento.

 As regras usadas pelo programa de pagamento para marcar as formas de pagamento. É possível
especificar as formas de pagamento por meio do mestre do cliente ou fornecedor ou das partidas em
aberto, ou fazer que o programa de pagamento os marque usando as regras especificadas.

 Regras usadas pelo programa de pagamento para marcar o banco da empresa no qual é feito o
pagamento. Os bancos da empresa são bancos onde a empresa mantém suas contas. É possível
especificar um banco da empresa no mestre do cliente/fornecedor ou nas partidas individuais ou fazer
que o programa de pagamento o marque usando regras especificadas.

 Especificações de lançamentos automáticos. O programa de pagamento necessita de informações como


os tipos de documento, chaves de lançamento e contas para executar os lançamentos automáticos.

As regras para o controle do programa de pagamento são definidas:

 No mestre de cliente/fornecedor

 Nas partidas individuais

 Por meio da configuração do programa de pagamento

 Com especificações individuais para cada execução de programa de pagamento

Fluxo do processo

O programa processa partidas em aberto em três etapas:

1. O programa determina as partidas em aberto a serem pagas e cria uma lista de propostas. É possível
processar essa lista on-line. Entre outras coisas, é possível modificar formas de pagamento ou institutos
bancários, itens bloqueados ou cancelar bloqueios de pagamento.
2. O programa de pagamento executa o pagamento por meio da lista de propostas. A execução do
programa de pagamento inclui somente as partidas em aberto contidas na lista de propostas. O
programa de pagamento lança documentos e oferece os dados para a impressão de formulários e para
a criação de suportes de dados, avisos e listas de pagamentos.
3. Esse programa usa o programa de impressão para imprimir os formulários e criar os suportes de dados.

Opções de programa de pagamento

Primeiramente, cada empresa usada pelo programa de pagamento toma várias decisões fundamentais. A opção
dos dias de tolerância para pagamento das contas a pagar é uma das decisões. Uma vez que o programa de
pagamento pode ser usado por mais de uma empresa, também é necessário especificar a empresa que efetua o
pagamento.

É possível ter controle adicional sobre o programa de pagamento, especificando:

 Como as partidas em aberto são marcadas e, se necessário, agrupadas para um pagamento

 O recebedor do pagamento

 Como a forma de pagamento é marcada

 Como o instituto bancário é marcado

 Quais formulários e outros suportes de dados são usados

É possível fazer essas especificações nos seguintes eventos:

 Ao configurar o programa de pagamento

 Ao entrar dados no mestre de cliente/fornecedor

 Ao entrar dados nas partidas em aberto

 Ao entrar dados para a execução do programa de pagamento em questão

Como executar o programa de pagamento

Esta seção descreve como executar o programa de pagamento automático. O programa de pagamento é capaz
de processar tanto entradas como saídas de pagamentos. Pode-se processar tanto em Clientes quanto em
Fornecedores.

O programa de pagamento processa pagamentos nacionais e internacionais de fornecedores e clientes. Cria-se


documentos de pagamento e fornece dados para os programas de meio de pagamento. Estes programas de
meio de pagamento podem imprimir uma lista de pagamentos, formulários de pagamento (cheques, por
exemplo), como também podem criar suportes de dados tais como bandas magnéticas ou disquetes.

O sistema Standard contém programas de meio de pagamento e formulários para as formas de pagamento
mais comuns. Também pode-se criar pagamentos em disquete. É necessário observa r que formulários de
pagamento e formatos de file variam de país para país e, às vezes, também de instituto bancário para instituto
bancário. Detalhes sobre formulários de pagamento e formatos de file vigentes no país podem ser encontrados
na documentação de programa específica de país. É possível efetuar o design de novos formulários de
pagamento e modificar os já existentes, com ferramentas oferecidas pelo SAPScript. Essas ferramentas estão
descritas na documentação Base.

O programa de meio de pagamento grava dados na administração de impressão do SAP (onde o DME é usado)
e na administração do DME. De lá, os dados são retirados separadamente por formulário/suporte de dados e
saem para a impressora ou suporte de dados.

Como criar uma proposta de pagamento


Workbench de meio de pagamento

Objetivo

O Workbench de meio de pagamento (PMW) é uma ferramenta usada para configurar e criar meios de
pagamento enviados pelas empresas aos seus bancos. Essa ferramenta genérica substituirá gradualmente os
programas clássicos de meio de pagamento (RFFO*), devido a uma série de vantagens que oferece.

Superioridade no controle e verificação do processo de pagamento

Desempenho melhorado, com pagamentos em massa (> 50.000)

Funções de ordenação melhores, com avisos de pagamento

Mais fácil de trabalhar que a grande quantidade de programas de meio de pagamento anteriores

Atualização e extensão mais fáceis

Informações sobre implementação

É necessário fazer diversas opções no Customizing para usar o Workbench de meio de pagamento. As
atividades pertinentes podem ser encontradas no Customizing da Contabilidade financeira em Clientes e
fornecedores => Operações contábeis => Saídas de pagamento => Saídas de pagamento automáticas =>
Meio de pagamento => Configurar formatos do meio de pagamento no Workbench de meio de pagamento.

Integração

O Workbench de meio de pagamento pode ser usado por diversos componentes, por exemplo FI-AP/AR, FI-TV,
HR-PY, TR-CM e TR-TM.

Conjunto de funções

O Workbench de meio de pagamento está incorporado em um ambiente de desenvolvimento. Basta clicar duas
vezes para acessar todos os objetos de workbench (objetos de programa, objetos de dicionário e objetos de
ferramenta de mapeamento). O Workbench de meio de pagamento abrange as seguintes áreas:

Customizing de meio de pagamento

Definição de Formatos de meios de pagamentos

Ajuste de formatos de meios de pagamento


Ajuste de Motivo da operação

Atribuição de formato do meio de pagamento e motivo da operação

Criação, atribuição e transporte de Variantes de seleção

Criação de meio de pagamento

Criação de meio de pagamento sem documentos na forma de file

Saída do meio de pagamento criado para a administração de intercâmbio de suporte de dados

A administração de intercâmbio de suporte de dados suporta tanto os files armazenados no TemSe ou


no sistema de files quanto as mensagens de pagamento como os pagamentos pela Internet (OFX) ou
IDoc.

Criação de avisos de pagamento

Saída dos avisos de pagamento criados como cartas, fax ou IDoc.

Criação de um log de saída (um log de erros também, se necessário) para cada execução do programa
de meio de pagamento

Restrições

Atualmente, nem todos os formatos que podem ser criados com os programas clássicos de meio de pagamento
(RFFO*) são suportados. Uma lista completa dos formatos de meios de pagamento disponíveis pode ser exibida
na definição de formatos ou usando-se as Entradas possíveis (na configuração das formas de pagamento no
país, por exemplo).

Procedimento: Programa de pagamento para ordens de pagamento

Utilização

O programa de pagamento abrange todo o processo de manipulação de pagamentos desde o controle da


seleção de ordens de pagamento até a criação de meios de pagamento.

Pré-requisitos

Opções para o programa de pagamento (Customizing)

São usadas, em grande parte, as mesmas funções de Customizing do programa de pagamento Standard. Este é
especialmente o caso com o controle de criação de meio de pagamento, empresas, formas de pagamento e
bancos da empresa.

São oferecidas algumas funções adicionais para controlar o programa de pagamento para ordens de
pagamento, por ex., ao definir contas de bancos da empresa e a determinação de conta do razão. O usuário
pode definir o número de contas por banco, a moeda e a forma de pagamento para a liquidação de pagamentos
de conta do razão (por ex., transferências de conta bancária).

O programa de pagamento pode ser usado ao mesmo tempo que o programa de pagamento Standard.

Procedimento

Para garantir a clareza e minimizar a quantidade de trabalho, há um forte vínculo com o programa de
pagamento Standard.

Conectividade e procedimento:

Programa de pagamento Standard e programa de pagamento para ordens de pagamento


Os parâmetros de execução de programa de pagamento são os parâmetros de entrada. Aqui, o usuário insere
as condições para a seleção das ordens de pagamento e dos parâmetros de controle. No caso de operações de
pagamento com fornecedores e clientes, é possível também acessar os dados de controle a partir de registros
mestre.

É possível criar primeiro uma proposta de pagamento na execução de programa de pagamento. Para processar
as propostas de pagamento, usa-se a parte correspondente do programa de pagamento. Ao processar as
propostas, os procedimentos de pagamento e bancos propostas pelo programa de pagamento podem ser
alterados. Os itens para pagamento também podem ser bloqueados e/ou os bloqueios de pagamentos podem
ser retirados.

Na execução efetiva, os dados de pagamento são criados diretamente ou com base em uma execução de
proposta e os lançamentos e compensações correspondentes ocorrem no Sistema SAP R/3.

As funções do programa de pagamento Standard são usadas para a criação e gerenciamento do meio de
pagamento. Isto inclui a criação dos formulários de meio de pagamento e mídias de armazenamento de dados
bem como o intercâmbio de mídias de armazenamento de dados e administração de cheques. Juntamente com
o processamento da proposta e criação do meio de pagamento são usadas grandes partes do Customizing
Standard. Isto assegura que os parâmetros de controle estejam claros.
Cobrança

Objetivo

Como criar uma proposta de Cobrança

Durante a emissão de cobrança, o programa de cobrança determina as contas e as partidas de clientes (e


fornecedores) para as quais é possível emitir cobranças. Essa é a base da proposta de cobrança.

A proposta de cobrança é produzida na forma de uma lista que contém todas as partidas e contas para as quais
é possível emitir cobranças (ou seja, estão em atraso). A lista é ordenada de acordo com a conta e o nível de
cobrança.

É possível processar as propostas de cobrança posteriormente.

Pré-requisitos

Garantir que tenham sido feitas as opções para os seguintes recursos:

Procedimento de cobrança

Dados da empresa
Dados de cobrança no registro mestre do cliente (ou do fornecedor)

Bloqueio de partidas em aberto (se necessário)

Parâmetros de cobrança

Definir parâmetros de cobrança

Utilização

Antes de poder iniciar a emissão de cobrança, é necessário entrar os parâmetros de cobrança. Esses
parâmetros são usados para definir quando, por que período, qual empresa, quais parceiros de negócios etc.,
devem ser considerados pelo programa de cobrança.

Procedimento

Na tela Acesso fácil ao SAP, escolher Contabilidade => Contabilidade financeira => Clientes/Fornecedores =>
Processamento periódico => Reclamação.

A tela Reclamação é exibida.

Entrar os dados seguintes:

Data de execução
Entrar a data em que a emissão de cobrança deve ser executada.

Identificação
Entrar uma chave alfanumérica que identifique a emissão de cobrança de modo exclusivo.
Isso é particularmente útil quando se programam diversas emissões de cobranças para o mesmo dia.

Selecionar a ficha de registro Parâmetros .

Aqui é possível entrar os parâmetros de cobrança ou copiá-los de uma execução anterior da emissão de
cobrança (selecionar ). Caso contrário, entrar os dados seguintes:

Data de cobrança
Entrar a data a ser impressa nas cobranças.

Essa data torna-se a base para o cálculo dos dias de atraso. Por exemplo, se o programa de cobrança
for executado em uma sexta-feira mas for necessário calcular os dias de atraso até segunda-feira,
entrar a data de segunda-feira neste campo.

Documentos lançados até


Entrar a data até a qual os documentos devem ser incluídos na emissão de cobrança. O fato de decisão
é a data de lançamento do documento. As faturas lançadas após essa data não são consideradas.

Empresa
Entrar as empresas a serem cobradas.

Restrições de contas (opcional)


Para restringir a cobrança a clientes ou fornecedores específicos, entrar os dados necessários. Dessa
forma se restringe o número de contas a serem cobradas.

Para compensar as partidas de um parceiro de negócios que é tanto cliente quanto fornecedor, entrar
os dois números de conta. O programa de cobrança determina um saldo.

Aqui, o sistema exibe o status atual das emissões de cobrança.

Existem as seguintes opções de exibição e análise:


Protocolo
Uma vez que o sistema tenha executado a seleção de cobrança, pode-se verificar no protocolo se houve
ocorrência de erros. Escolher Protocolo.

Lista de cobrança
Também é possível observar a lista de contas e de partidas em aberto a serem cobradas ao selecionar Lista
de cobrança.

Estatística de cobrança
Para chamar a estatística de cobrança ou as listas de contas ou partidas bloqueadas, selecionar Saltar e, em
seguida, Estatística de cobrança, Contas bloqueadas ou Partidas individuais bloqueadas.

Dias de tolerância para partidas individuais e mínimo de dias em atraso para contas

O programa de cobrança determina quais partidas devem ser cobradas, de acordo com os períodos de
pagamento definidos na partida individual e a data de emissão da cobrança (especificadas durante a emissão
de cobrança). A data base para o pagamento e a última data de pagamento possível (segundo as condições de
pagamento) são somadas e subtraídas da data de emissão. Se o resultado for um determinado número de dias
em atraso, a partida deve ser cobrada.

Pode-se aumentar o prazo de pagamento pela concessão de dias de tolerância, por exemplo, para levar em
conta os dias de processamento bancário ou o tempo de processamento para a entrada na empresa dos
pagamentos de partidas em cobrança. É possível determinar os dias de tolerância para partidas (Dias de
tolerância para partidas individuais) ou mínimo de dias de atraso para contas (Mínimo de dias em atraso
(conta).

Para determinar se uma conta deve ser cobrada, o sistema acrescenta os dias de tolerância para as partidas
individuais ao vencimento e assim fornece o vencimento ao programa de cobrança.

Como alternativa à entrada de dias de tolerância por partida individual, é possível entrar um número mínimo de
dias em atraso para as contas. O programa de cobrança cobrará as partidas em aberto de uma conta somente
se o número máximo de dias de atraso de uma partida for maior ou igual ao número de dias em atraso definido
para a conta. Se não for este o caso, nenhuma partida na conta será cobrada.

(I) Dias em atraso

Definiram-se três dias de tolerância para as contas. O programa de cobrança calcula o número
máximo de dias em atraso como três; portanto, será criada uma cobrança para a conta.

(II) Dias em atraso

Foram definidos três dias de tolerância para as partidas individuais e seis dias como o número
mínimo de dias em atraso para as contas. O programa de cobrança calcula que as partidas em
aberto vencidas há mais tempo estão apenas cinco dias atrasadas e, portanto, a conta não é
cobrada.

(III) Dias em atraso


Foram definidos três dias de tolerância para as partidas individuais e seis dias como o número
mínimo de dias em atraso para as contas. O programa de cobrança identifica as partidas que
não estão em atraso (devido aos dias de tolerância). Essas partidas não são cobradas. As
partidas em aberto vencidas há mais tempo estão atrasada há seis dias. A conta é cobrada
porque o mínimo de dias de atraso das contas foi alcançado. Porém, o programa de cobrança
cobra apenas as partidas que estiverem em atraso apesar dos dias de tolerância.

Determinar a data de pagamento de acordo com os dias úteis

Para garantir que a data de pagamento na carta de cobrança não ocorra em um fim-de-semana ou num
feriado, pode-se definir isso no procedimento de cobrança. No campo Calendário de feriados do procedimento
de cobrança, entrar uma chave de calendário de feriados.

A data de pagamento é determinada compensação base na data de emissão da cobrança e nas condições de
pagamento especificadas nos parâmetros e impressão para o procedimento de cobrança. Porém, se essa data
ocorrer num fim-de-semana ou num feriado, o sistema imprimirá automaticamente a data do dia útil seguinte
na cobrança.

Níveis de cobrança

Os níveis de cobrança determinam o texto a ser marcado para a cobrança. A gravidade da carta de cobrança
varia de acordo com o nível de cobrança. Para o primeiro nível de cobrança, por exemplo, pode-se definir um
texto que apenas lembre um cliente de suas dívidas em aberto. No segundo nível de cobrança, define-se um
texto com um tom mais insistente.

Para cada procedimento de cobrança, deve-se definir pelo menos um nível de cobrança. O número máximo de
níveis de cobrança permitidos é nove. Para cada nível, especificar o número de dias em atraso que uma partida
deve ter para ser atribuída a esse nível de cobrança.

Os procedimentos de cobrança que possuem apenas um nível de cobrança são chamados no sistema de
lembretes de pagamento. Atribui-se um procedimento de cobrança de nível único a clientes muito importantes
e a empresas públicas. Para esses clientes, portanto, só se enviam lembretes de pagamento.

Ao configurar um procedimento de cobrança, o sistema atribui por predefinição o número de dias em atraso
que consta na tela de níveis de cobrança. Para o primeiro nível de cobrança, o sistema sugere os dias de
tolerância das partidas individuais; para os demais níveis de cobrança, o sistema adiciona intervalos em dias
para os dias em atraso do nível de cobrança anterior (figura a seguir). É possível sobregravar esses valores
propostos.

Notas sobre dias de tolerância e dias de atraso

Normalmente, o número de dias de tolerância (partida individual) e o número de dias de atraso (primeiro nível
de cobrança) lançados são idênticos. Isso garante que todas as partidas que podem ser atribuídas a um
determinado nível de cobrança também sejam impressas na cobrança. Portanto, o sistema define os dias de
tolerância por predefinição quando define-se os níveis de cobrança.

Se o número de dias de tolerância não for igual ao número de dias em atraso, deve-se observar o seguinte:
 Período de tolerância maior que os dias em atraso
Nesse caso, pode haver partidas que alcançaram um determinado nível de cobrança mas, devido ao
número de dias de tolerância, não estão vencidas. Essas partidas serão impressas na cobrança somente
se a opção de imprimir todas as partidas em aberto for selecionada. O nível de cobrança é zero.

 Período de tolerância menor que os dias de atraso


Nesse caso, pode haver partidas vencidas que ainda não chegaram a um determinado nível de cobrança
devido ao número de dias em atraso. Embora sejam impressas, essas partidas recebem um nível de
cobrança zero. Por si só, essas partidas não podem acionar uma cobrança.

Fluxo do processo

O controle do programa de cobrança é obtido por meio das opções feitas para o procedimento de cobrança.
Outros controles podem ser exercidos por meio das opções feitas no registro mestre do cliente ou do
fornecedor, por meio das partidas em aberto e dos parâmetros de emissão de cobrança.

A cobrança é controlada por:

 Especificações próprias da empresa

Um dos fatores que essas especificações determinam é quais dessas empresas são cobradas.

 Procedimento de cobrança

Contém as especificações mais importantes para o controle de cobrança. Estas incluem a freqüência de
cobrança, os níveis de cobrança e os dias de tolerância para a determinação do vencimento.

 Registro mestre do cliente/fornecedor

No registro mestre, especifica-se o procedimento de cobrança a ser usado para a conta. O programa de
cobrança grava a data em que foi executado pela última vez e o nível de cobrança no registro mestre. Entrar
um bloqueio de cobrança, se não for necessário cobrar uma conta.

 Partidas em aberto

É possível bloquear a cobrança de partidas ou especificar que uma partida deve ser cobrada apenas até um
determinado nível de cobrança. O programa de cobrança registra a data em que foi executado pela última vez
para a partida e o nível de cobrança.

 Os parâmetros da emissão de cobrança.

Entre eles estão as empresas e contas que devem ser verificadas durante a emissão de cobrança e a data de
lançamento até a qual os documentos devem ser considerados.

O programa de cobrança automática usa esses critérios para verificar o seguinte nas partidas e contas:

 Se estão vencidas
 Taxas e juros

 Níveis de cobrança

Para obter mais informações sobre o fluxo de processo técnico do programa de cobrança e das funções
especiais do programa, consular Como controlar a emissão de cobrança e Funções especiais no sistema de
cobrança.

Resultado

O programa produz uma proposta de cobrança. É possível processá-la posteriormente e, em seguida, imprimir
as cobranças.
Entrar um procedimento de cobrança

É possível entrar um procedimento de cobrança para um fornecedor na tela para correspondência. Este
procedimento de cobrança é usado para a área de cobrança Standard. Caso sejam usadas outras áreas de
cobrança na sociedade, deve-se entrá-las em uma outra tela de entrada. Para isso, proceder da seguinte
maneira:

1. Entrar a chave do procedimento Standard nos dados da empresa no campo Procedimento de cobrança
na tela Criar Fornecedor: Correspondência Contabilidade. Se não existirem áreas de cobrança, omitir as
etapas 2 e 3.
2. Para definir procedimentos de cobrança para outras áreas de cobrança, selecionar Detalhes => Áreas
de cobrança

Aparece a tela para atualização de áreas de cobrança.

3. Entrar os dados para as áreas de cobrança.

Estes dados incluem a área de cobrança e o procedimento de cobrança. Também é possível entrar um
bloqueio de cobrança para a área de cobrança ou para um destinatário da cobrança alternativo, caso a
carta de cobrança não deva ser enviada ao fornecedor a quem o crédito é devido.

4. Selecionar Saltar => Voltar.

Retornar à tela Criar Fornecedor: Correspondência Contábil. O sistema grava as entradas quando são
gravados os dados mestre do fornecedor.

Como determinar as contas e as partidas a serem cobradas

Utilização

Essa função determina as contas e os parceiros de negócios a serem cobrados e as partidas que estão
vencidas.

Conjunto de funções

O sistema determina as contas e as partidas a serem cobradas em duas etapas. Primeiro, o programa de
cobrança verifica as contas e as partidas.

Como processar contas

O programa de cobrança verifica se uma conta necessita ser cobrada da seguinte forma:

 Verificam-se os campos Procedimento de cobrança e Última cobrança (data da última emissão) no


registro mestre do cliente para determinar se a data do vencimento ou da última emissão de cobrança
está muito atrasada.

 O programa verifica se a conta está bloqueada para cobrança, de acordo compensação o campo
Bloqueio de cobrança no registro mestre do cliente.

Depois dessas verificações, a conta em questão é liberada ou rejeitada para cobrança. Se a conta for liberada
para cobrança, o programa de cobrança processará todas as partidas em aberto lançadas na data ou antes da
data entrada no campo Documentos lançados até.

1. Verifica-se cada partida em aberto de uma conta para determinar se:


a. Está bloqueada para cobrança
b. Está atrasada segundo a data de emissão, a data base, as condições de pagamento e o número de dias
de tolerância concedidos

Depois dessas verificações, as partidas em aberto em questão são liberadas ou rejeitadas para
cobrança. Se for liberada para cobrança, o programa de cobrança calcula o seguinte:
2. Há quantos dias a partida em aberto está atrasada
3. Qual é o nível de cobrança da partida em aberto, de acordo com os níveis de cobrança especificados no
procedimento de cobrança.

Com base nesses cálculos, as partidas em aberto com níveis de cobrança específicos são determinadas para
uma conta, pelo qual o nível de cobrança da conta é igual ao maior nível de cobrança de uma partida em
aberto.

Como processar contas

Após determinar quais partidas em aberto devem ser cobradas e o nível de cobrança da conta, o programa de
cobrança processa cada conta por meio das seguintes verificações:

 O cliente (ou fornecedor) está em débito com relação às partidas em atraso e a todas as partidas em
aberto? Se não, a conta não é cobrada.

 O total a ser cobrado e a porcentagem de todas as partidas em aberto é maior que o montante mínimo
e a porcentagem definida no procedimento de cobrança? Esses montantes mínimos são definidos para
cada procedimento de cobrança, moeda e nível de cobrança e podem ser zero (nenhum montante
mínimo requerido).

 O nível de cobrança da conta ou as partidas em atraso são maiores do que na última emissão de
cobrança? Se não forem, existem novas partidas em aberto a serem cobradas (com um nível de
cobrança anterior de 0)? Se não, o procedimento de cobrança para esse nível especificará que a
cobrança deverá ser repetida? Se a resposta a essas três perguntas for negativa (ou seja, o nível de
cobrança da conta e das partidas em atraso não foi modificado, não existem novas partidas em aberto
a serem cobradas e a cobrança não deve ser repetida), a conta não será cobrada.

Após a conta ser aceita para cobrança, a conta seguinte é testada da mesma maneira.

Após essas etapas de processamento, o programa cria uma lista de todas as contas e partidas em aberto cuja
cobrança foi proposta (Lista de propostas de cobrança). O programa atribui um nível de cobrança para a conta
de acordo com o nível de cobrança mais alto de uma partida em aberto em uma conta.

Bloqueios e chaves de cobranças

Os bloqueios de cobrança permitem impedir que uma conta ou uma partida seja cobrada. Entrar uma chave
de bloqueio no campo Bloqueio de cobrança do registro mestre ou na partida. Existem textos gravados para as
chaves de bloqueio; eles explicam o motivo do bloqueio (consultar a figura abaixo (1). Contas ou partidas
bloqueadas não são incluídas na emissão de cobranças e são impressas em uma lista de excluídos, com o
motivo do bloqueio.

As chaves de reclamação de pagamento dão ao usuário a possibilidade de limitar o nível de reclamação de


pagamento para uma partida. Elas também permitem controlar se as partidas com chaves de cobrança devem
ser exibidas separadamente na cobrança (consultar a figura abaixo (2). Também é possível imprimir o texto da
chave de cobrança na cobrança. As chaves de cobrança independem da empresa.
Quando foi feita uma entrada de pagamento, lançou-se um transporte de partida residual, uma vez que se
notaram diferenças no pagamento. Para exibir essa partida residual em uma seção em separado na cobrança,
definir uma chave de cobrança apropriada para a partida.

Como processar propostas de cobrança

O programa de seleção de cobranças cria uma proposta de cobrança. Essa proposta contém as partidas em
aberto que o programa de cobrança marcou para cobrar. É necessário aceitar ou modificar a proposta de
cobrança. As modificações são registradas em um protocolo adicional, se for modificada a proposta de
cobrança.

As propostas de cobrança podem ser vistas ou processadas. É possível:

 Aumentar ou diminuir o nível de cobrança de uma partida.

 Bloquear uma partida contra cobrança

 Bloquear uma conta para a emissão de cobranças atuais ou remover o bloqueio

 Bloquear uma conta de cobrança no registro mestre ou remover o bloqueio

 Bloquear um documento contra cobrança ou remover o bloqueio

Para processar uma proposta de cobrança, proceder da seguinte forma:

1. Quando a exibição de status A seleção de cobrança foi concluída aparecer na tela Reclamação,
selecionar Cobranças => Modificar cobranças.
2. Selecionar Enter para exibir todas as contas a serem reclamadas.

De maneira alternativa, marcar as contas a serem cobradas com a entrada dos seguintes critérios:

a. Um único cliente ou um intervalo de clientes


b. Um único fornecedor ou um intervalo de fornecedores
c. Empresa
d. Responsável
e. Áreas de cobrança
f. Um nível de cobrança ou intervalo de níveis de cobrança
g. Bloqueio de cobrança

Selecionar Avançar.

A proposta de cobrança é exibida com a síntese da conta.


3. Marcar uma entrada da lista e processá-la. É possível:

 Bloquear uma conta para a emissão de cobranças atual ou remover o bloqueio de cobranças

Na síntese de conta, é possível evitar que uma conta seja cobrada ou remover o bloqueio de cobranças
com a modificação da entrada no campo Bloq. cobrança. Não será mais possível processar os itens
relevantes da cobrança, se for definido um bloqueio de cobrança em uma conta. No entanto, esse
bloqueio de cobrança só será válido para a emissão de cobranças atuais. Para modificar o bloqueio de
cobrança da conta permanentemente, fazer o seguinte no registro mestre de cliente.

 Bloquear a cobrança de uma conta ou remover o bloqueio no registro mestre.

Na síntese de conta, é possível fazer uma ramificação direta para o registro mestre a fim de efetuar
uma modificação permanente no bloqueio de cobrança de uma conta. Para isso, posicionar o cursor na
conta relevante e, em seguida, selecionar a função Registro mestre. Isto levará diretamente aos dados
de cobrança no registro mestre, onde o bloqueio de cobrança pode ser modificado. No entanto, essa
modificação não é válida para a emissão da cobrança atual. Deve-se fazer a modificação na síntese da
conta, para aplicá-la também nesta execução.

 Modificar o nível de cobrança de um item.

Da síntese de contas da proposta de cobrança, pode-se ramificar para a síntese de itens, selecionando
Partidas p/ reclamação. Em seguida, essa síntese exibe os documentos individuais da conta marcada.

Aqui é possível modificar o nível de cobrança por meio de uma entrada no campo Nív. (nível de
cobrança).

 Bloquear um documento contra cobrança ou remover o bloqueio

É possível também ramificar da síntese de itens para o documento. Para tanto, marcar o documento –
clicando duas vezes ou pressionando F2. É possível modificar o bloqueio de cobrança no documento. No
entanto, essa modificação não é válida para a emissão de cobrança atual. Para aplicar o bloqueio de
cobrança também nessa emissão, deve-se defini-lo na síntese de itens da lista da proposta de
cobranças.

4. Gravar as modificações.

Emitir cobranças

Objetivo

Para enviar lembretes de pagamento aos parceiros de negócios que têm itens vencidos, é possível emitir
cobranças.

O texto das cobranças e o formulário requerido podem ser entrados com o programa de processamento de
texto SAPscript ou com os Smart Forms SAP.

Pré-requisitos

Os formulários de cobrança e os textos usados devem ser definidos ou adaptados antes da execução da
emissão de cobranças. Para garantir que o programa de cobrança determine as partidas e as contas que devem
ser cobradas e os textos de cobrança, é preciso especificar algumas regras. As regras são definidas no
Customizing, quando o programa de cobrança é configurado.

Como imprimir cobranças

Procedimento

Para programar, separadamente, cada cobrança para a impressão, proceder da seguinte forma:
1. Na tela Reclamação, selecionar Cobranças => Programar impressão de reclamação.
2. Entrar a data e a hora em que o sistema deve imprimir as cobranças ou, alternativamente, selecionar a
opção para imprimir imediatamente.
3. Entrar o código de quatro caracteres para a impressora e selecionar Enter.

Se a impressão da cobrança for interrompida será possível reiniciá-la. Selecionar Cobranças => Reiniciar
impressão.

O sistema pode arquivar opticamente as cobranças à medida que elas são impressas.

O texto da cobrança depende de como o programa de cobrança é preparado e do código de idioma no registro
mestre de cliente. O sistema sugere uma impressora com base na impressora predefinida no registro. O
sistema inicialmente grava as cobranças no spool e, em seguida, imprime-as desse spool.

Resultado

As cobranças são impressas.

Para exibir uma síntese de todas as emissões de cobranças e dos respectivos status de processamento,
selecionar Histórico de cobrança.

Correspondência

Objetivo

Correspondência e análises internas

Todas as análises e reports enviados para parceiros de negócios por correio são considerados correspondência.

A correspondência para clientes e vendedores inclui:

 Extratos de conta e listas de partidas em aberto em forma de carta

 Cartas individuais e cartas Standard

 Confirmações de saldo

 Extrato s de documento

A correspondência apenas para clientes inclui:


 Avisos de pagamento

 Liquidações de despesas de letra de câmbio

Análises internas são listas de contas, relação de saldos, listas de partidas em aberto e listas ordenadas de
partidas em aberto. Elas são criadas no componente de aplicação Contabilidade financeira SAP, onde
permanecem.

Esta seção explica os tipos de correspondência acima mencionados e algumas das análises internas. As
informações sobre confirmações de saldo e outras análises podem ser encontradas na documentação FI
Encerramento e sistema de informações.

Tipos de correspondência

Os tipos de correspondência diferem quanto ao conteúdo e quanto à estrutura das cartas que podem ser
enviadas aos parceiros de negócios.

Um extrato de conta e uma lista de partidas em aberto são dois tipos de correspondência. Eles diferem quanto
às informações que contêm e quanto ao modo de exibição dessas informações. Ao contrário da lista de partidas
em aberto, um extrato de conta exibe todas as partidas dentro de um período especificado juntamente com o
saldo transportado. As listas de partidas em aberto se limitam a exibir as partidas em aberto referentes a uma
determinada data fixada.

Este tópico descreve os tipos diferentes de correspondência que são fornecidos com o sistema Standard.

É possível definir os próprios tipos de correspondência e permitir que outros usuários selecionem os tipos que
necessitarem. Para obter mais informações sobre isto, contatar o administrador do sistema.

Extrato de conta e lista de partidas em aberto

O extrato de conta pode ser criado para clientes ou fornecedores. Ele é um extrato da conta do cliente que
permite ao cliente verificar as partidas existentes ou serve para fins meramente informativos. O extrato de
conta exibe o saldo transportado, todas as partidas dentro de um período selecionado e o saldo final da conta.

A lista de partidas em aberto é uma forma especial de extrato de conta. É igualmente enviado ao cliente
para fins de verificação ou de informação. A lista pode, ocasionalmente, ser usada como carta de advertência.
Esta lista exibe as partidas em aberto até a data fixada selecionada.

Ambas as cartas contêm o número do documento ou o número de referência do documento, a data do


documento, o tipo de documento, a moeda e o montante de cada partida, bem como o saldo das partidas em
aberto na data fixada. O extrato de conta também pode conter o número do documento de compensação. Se
forem incluídas filiais na carta de uma sede, seus endereços são relacionados no final da carta.

A estrutura da carta é determinada por meio de um formulário. De acordo com o formulário usado, a carta
poderá conter também, por exemplo, os dias de atraso por partida na data fixada ou outras informações. O
formulário deve ser definido e gravado no sistema.

Extratos de Documentos

É possível usar extratos de documentos para dar informações ao cliente sobre partidas individuais
específicas (por exemplo, notas de crédito). As partidas individuais que podem ser marcados para este fim são
definidas no sistema.

Cartas individuais e Standard

A carta individual pode ser usada para a entrada de texto individual quando da solicitação de
correspondência. Esse texto é gravado separadamente. As informações sobre o cliente, por exemplo, endereço,
são entradas automaticamente pelo sistema. A carta individual é entrada da mesma maneira que o texto
individual.
Existe um texto fixo definido no sistema para a carta Standard. Basta solicitar a carta Standard para a conta
do cliente em processo no momento. As informações sobre o cliente, por exemplo, endereço, são entradas
automaticamente pelo sistema. A carta Standard é enviada ao cliente se, por exemplo, é possível contratar um
novo responsável.

Liquidação de despesas de letra de câmbio

O sistema cria automaticamente uma solicitação de correspondência para comprovante de despesas de


letra de câmbio sempre que são lançadas despesas de letra de câmbio. As liquidações de despesas de letra de
câmbio são sempre relacionadas a documentos. Quais empresas podem ser especificadas como devendo ser
oneradas com despesas de letra de câmbio por entrar um pagamento feito com letra de câmbio depende da
configuração do sistema. Mais informações sobre entrada de pagamentos por letra de câmbio podem ser
encontradas em Letras de câmbio a receber.

Avisos de pagamento

Os avisos de pagamento são usados para informar aos parceiros de negócios quais partidas em aberto foram
compensadas com os pagamentos recebidos. No caso de haver pagamentos que não podem ser atribuídos a
partidas em aberto, solicitar ao parceiro de negócios que especifique para qual partida foi feito o pagamento.

No sistema Standard, é possível marcar entre dois tipos de correspondência para avisos de pagamento:

 Avisos sem partidas individuais

É criado um aviso de pagamento para o montante total sem partidas individuais. Se forem lançadas
partidas residuais ou pagamentos em conta durante a operação de compensação, estes são exibidos
separadamente.

 Avisos com partidas individuais

As partidas compensadas em função de pagamentos recebidos e/ou pagamentos parciais são listadas
individualmente.

Para atribuir às partidas em aberto pagamentos por conta ou outras notas de crédito não atribuídas que
deveriam ser lançados durante a operação de compensação, também é possível criar uma carta de resposta.
Ela lista as partidas em aberto do cliente. O cliente indica a partida em aberto a ser liquidada e faz outras
observações.

Restrições para avisos de pagamento

As restrições a seguir se aplicam aos avisos de pagamento:

 Somente lançamentos de entrada de pagamento feito com as funções "Transferência interna com
compensação", "Entrada de pagamento" e "Entrada de pagamento de entrada rápida" são suportados.

 Um montante total negativo a ser pago é interpretado como se uma compensação fosse executada em
outra conta para contabilizar a entrada de pagamento. Os avisos de pagamento Standard não fazem
exceção para casos em que foi pago dinheiro ao cliente. Assim, neste caso, o cliente receberia um aviso
de pagamento.

 Operações internas não são suportadas.

 Mesmo no caso de sedes com processamento local, os avisos de pagamento são enviados para as sedes
e não para as filiais.

 Somente as transações contábeis para um cliente podem ser lançadas em um documento para avisos
de pagamento para clientes de conta-CD.
 No caso de compensações entre clientes e fornecedores, se os campos adequados estiverem marcados
no registro mestre, apenas um aviso de pagamento é criado para cada par de clientes/fornecedores e
enviado ao cliente.

Documentos internos

Documentos internos são os documentos impressos para o departamento de contabilidade ou outro


departamento. É possível imprimir tanto os documentos internos individuais, por exemplo, ao modificar e exibir
um documento, quanto uma série completa de documentos internos (por exemplo, documentos gerados de
documentos originais de lançamento periódico).

Como criar correspondência

Há duas etapas envolvidas na criação de correspondência:

1. Primeiramente, solicita-se o tipo de correspondência desejada. Ao ser feita uma solicitação, inicialmente
o sistema apenas anota internamente os tipos de correspondência que devem ser criados. Em seguida
os tipos de correspondência são propostos, enquanto se processa os documentos e as contas on-line.
Os tipos de correspondência oferecidos nas funções dependem de como o sistema está configurado.
2. Numa segunda etapa, serão impressos os tipos de correspondência solicitados. A impressão é
executada, geralmente de forma automática, dentro de uma certa freqüência. São impressos todos os
tipos de correspondência solicitados. Em casos excepcionais, contudo, também é possível imprimir
imediatamente certos tipos de correspondência.
3. Um pedido de impressão é colocado no sistema SPOOL para cada empresa e tipo de correspondência.
Do spool, é possível enviar as cartas para qualquer impressora. Para obter mais informações sobre esse
tópico, ler os tópicos sobre impressão de correspondência.

Como solicitar extratos de contas e listas de partidas em aberto durante o processamento de


documentos ou de contas

Os tipos de correspondência oferecidos nas funções dependem de como o sistema está configurado. No sistema
Standard, pode -se solicitar um extrato de conta e uma lista de partidas em aberto nas seguintes funções:

 Entrada do documento

 Processamento do documento (exibição e modificação)

 Processamento de conta (partidas individuais e saldos)

 Compensação de partidas em aberto

Para solicitar um extrato de conta ou uma lista de partidas em aberto dentro de uma função ( por exemplo, ao
entrar um documento), proceder da seguinte maneira:

1. Selecionar Ambiente => Correspondência.

O sistema exibe uma caixa de diálogo na qual marca-se o tipo de correspondência.

2. Selecionar o tipo de correspondência desejado.

O sistema exibe uma caixa de diálogo na qual especifica-se o tipo de correspondência.

No caso do extrato de conta, especificar para quais períodos de lançamento contábil devem ser
considerados os lançamentos. No caso da lista de partidas em aberto, especificar até qual data fixada
as partidas em aberto devem ser consideradas. A configuração do sistema determina quais dados são
necessários para a respectiva correspondência.

Criar sempre uma solicitação feita dentro da função para a conta que está sendo processada no
momento. O número desta conta e a empresa serão transferidos automaticamente.
3. Entrar os dados requeridos e selecionar ENTER .

O sistema confirma a solicitação com uma mensagem.

Como solicitar correspondência por meio da função geral

Para solicitar a correspondência sem estar processando os itens e as contas, executar as etapas a seguir
começando pelo menu Clientes ou Fornecedores:

1. Selecionar Conta => Correspondência => Solicitar .

O sistema exibe a tela para a solicitação de correspondência.

2. Especificar a empresa desejada e selecionar ENTER .

O sistema exibe uma caixa de diálogo na qual especifica-se o tipo de correspondência.

3. Entrar o tipo de correspondência apropriado.

O sistema exibe uma janela para que se façam as especificações para o tipo de correspondência.

4. Entrar os dados necessários.

No sistema Standard é necessário, por exemplo, especificar, no caso de aviso de pagamento, o número
do documento e, se necessário, um exercício. Os dados a serem especificados dependem de como o
sistema está configurado.

5. Selecionar ENTER .

O sistema confirma a solicitação da correspondência com uma mensagem.

Solicitar avisos de pagamento usando o registro mestre de cliente

Fazer que avisos de pagamento sejam criados automaticamente para um cliente, marcar Cliente (com CI) ou
Cliente (sem Cl) na área da empresa do registro mestre do cliente. O sistema solicita um aviso de pagamento
para cada operação de pagamento lançada na conta desse cliente

Se marcar Cliente (com CI), o sistema cria uma aviso de pagamento que lista as partidas individuais liquidadas.

Se marcar Cliente (sem CI), o sistema cria um aviso de pagamento sem partidas individuais.

Processar solicitações de correspondência

Após solicitar a correspondência, é possível processar as solicitações antes da impressão da correspondência.


Isto é feito por meio de uma função especial que permite

 Imprimir uma solicitação imediatamente (da tela de exibição prévia da impressão)

 Reimprimir uma solicitação (desde que não tenha sido eliminada)

 Exibir a solicitação no menu de exibição prévia da impressão

 Repetir a solicitação

 Atualizar o texto da solicitação

 Eliminar a solicitação
Todas estas funções são acessadas dos menus Clientes ou Fornecedores ao selecionar Conta =>
Correspondência => Atualizar

As solicitações de correspondência podem ser eliminadas de diferentes maneiras:

 O programa de solicitação SAPF140 elimina do sistema as solicitações concluídas, de acordo com o


quadro temporal especificado (dias) nos parâmetros de programa. Para que as solicitações não sejam
eliminadas, entrar um zero no campo apropriado.

 É possível eliminar as solicitações de correspondência ao mesmo tempo em que são atualizadas.

 É possível eliminar uma série de tipos de correspondências diferentes (desde que se tenha autorização
para isto). Isto pode ser necessário onde determinados tipos de correspondência foram solicitados por
engano. Para eliminar tipos de correspondências, dos menus Fornecedores ou Clientes, selecionar
Tarefas periódicas => Imprimir correspond. => Eliminar solicitação.

Imprimir correspondência

A correspondência normalmente é impressa automaticamente. Para tanto, o programa de solicitação SAPF140 é


executado em background (sem necessidade de se entrar parâmetros), por exemplo, uma vez por dia, para
imprimir a correspondência. O report imprime todos os tipos de correspondência solicitados mas ainda não
impressos. O administrador do sistema pode fornecer mais informações sobre esse assunto.

Em certos casos, pode ser necessário imprimir a correspondência manualmente. Nesse caso, é possível ter as
seguintes opções:

 Imprimir diretamente as solicitações de correspondência.


 É possível executar o programa de solicitação SAPF140 diretamente para imprimir tipos de
correspondência solicitada. É necessário fazer isso se, por exemplo, for necessário gerar um extrato de
conta imediatamente. Esse report inicia a impressão da correspondência chamando os relatórios de
impressão que pertencem aos tipos individuais de correspondência. Os programas de impressão geram
as cartas e as enviam para a administração de impressão.
 Na fase de teste e em alguns outros casos excepcionais, é aconselhável iniciar diretamente o report de
impressão a fim de testar a configuração do sistema para correspondência. É possível imprimir ou exibir
a correspondência na tela. Os tópicos a seguir descrevem essa função, usando avisos de pagamento
como exemplo.
 Os documentos internos solicitados são impressos como qualquer outra forma de correspondência. É
possível também imprimir documentos internos sem antes solicitá-los.
 O sistema pode arquivar opticamente os seguintes tipos de correspondência de saída.
o Avisos de pagamento
o Extratos de conta
o Contas Correntes de despesas de letra de câmbio
o Carta individual
o Extratos de documento
o Liquidação em 10 dias

Imprimir correspondência com o programa de solicitação

Ao imprimir correspondência com o programa de solicitação SAPF140, pode-se selecionar se todas as


solicitações de impressão devem ser marcadas ou se apenas as de determinados tipos de correspondência.

O programa de solicitação SAPF140 é usado para imprimir a correspondência usando as seguintes etapas dos
menus Clientes ou Fornecedores:

1. Selecionar Tarefas periódicas => Imprimir correspondência => Conforme solicitação.

Acessa-se a tela de seleção para imprimir a correspondência.

2. De acordo com o que se deseja imprimir, entrar o seguinte:


Para imprimir extratos de conta, listas de partidas em aberto, cartas Standard e individuais, entrar o
seguinte:

o tipo de correspondência
o empresa
o tipo de conta para clientes (D) ou

tipo de conta para fornecedores (K)

o números de conta do cliente ou do fornecedor, conforme requerido

Para imprimir aviso de pagamento ou comprovante de despesas de letras de câmbio ou documentos


internos e extratos de documento, entrar o seguinte:

o tipo de correspondência
o empresa
o número do documento
o ano fiscal

Se nenhum parâmetro for entrado, o sistema imprimirá toda a correspondência solicitada e


ainda não impressa. Esta operação só deve ser executada por meio de processamento em
background.

3. Selecionar Programa => Executar ou Executar e imprimir .

O sistema informa que tipos de correspondência solicitados foram encontrados. Se nenhum parâmetro
for entrado ou houver algum erro, é possível sair do processamento.

As cartas são enviadas para o spool de impressão. Depois disso pode-se enviá-las à impressora. É possível
exibir as entradas no spool de impressão ao selecionar Sistema => Serviços => Fila .

Juros

Objetivo

Cálculo de juros

Os juros sobre contas de cliente e de fornecedor podem ser calculados de duas maneiras: sobre o saldo da
conta ou sobre os dias de atraso.

Os tópicos seguintes descrevem o cálculo de juros de mora. Em primeiro lugar, é apresentado o processo de
cálculo de juros e as opções possíveis para o código e o método de cálculo de juros. Em seguida, há uma
explicação dos campos relevantes no registro mestre e nas partidas individuais. Finalmente, é mostrado como
executar o cálculo de juros em si.

O cálculo de juros sobre o saldo é descrito no manual FI Contabilidade geral.


Dois tipos de juros:

- conta de saldo de juros

- juros sobre vencidos e não pagos

Contas:

- Razão, Contas a receber e contas a pagar (atualização automática)

Cálculo de juros sobre o saldo

É possível calcular juros sobre o saldo das contas do Razão que são administradas com exibição de partidas em
aberto, usando a função do sistema FI de cálculo de juros sobre o saldo. Esta função pode ser usada pelo
instituto bancário, por exemplo, para verificar os juros calculados sobre contas.

É possível aplicar também o cálculo de juros sobre os saldos das contas a receber e das contas a pagar. Nestas
áreas, a função é usada, por exemplo, para calcular juros sobre as contas de empréstimos ao pessoal
administradas nas contas a receber e a pagar.

Os tópicos a seguir descrevem quais opções devem ser consideradas antes de executar um cálculo de juros
sobre o saldo e o modo como esse tipo de cálculo é executado.

Determinar o período de cálculo de juros

O período de cálculo de juros é delimitado por um limite superior e inferior (por exemplo: datas). Os dias entre
as duas datas são aqueles para os quais os juros são calculados.

Há dois métodos para determinar o período de cálculo de juros no sistema SAP:

 O período de cálculo de juros é sempre determinado manualmente . Neste caso, é necessário entrar o
período em todas as execuções do cálculo de juros. Não é necessário entrar dados adicionais ao
determinar o período de cálculo de juros.
 O sistema determina o período de cálculo de juros automaticamente . Neste caso, o sistema
determina o período de acordo com as regras especificadas. Essas regras são definidas por conta ou por
código de juros.

Definir o período de cálculo de juros manualmente

Se o período de cálculo de juros for definido manualmente é necessário entrar esse período em todas as
execuções de cálculo de juros sobre o saldo. Não é necessário preencher campos adicionais ao definir o período
de cálculo de juros. Particularmente, não se deve efetuar entradas no campo Data fixada do último cálculo de
juros.

O sistema não reconhece sobreposições com execuções anteriores do cálculo de juros sobre saldo. É necessário
garantir que não seja entrado um período para o qual os juros já tenham sido calculados.

Esse método pode ser usado quando se calcula sempre os juros das contas para períodos de mesma duração,
por exemplo, uma vez por mês.

Determinação automática do período de cálculo de juros

Para assegurar que os períodos de cálculo de juros não se sobreponham, é possível determinar se o período de
cálculo de juros automaticamente. Esse recurso é particularmente útil quando se deseja cobrar juros em contas
em intervalos irregulares. O programa de cálculo de juros determina quais contas devem ser incluídas na
respectiva execução de cálculo.

Para que o período de cálculo de juros seja determinado automaticamente, as seguintes etapas devem ser
realizadas no sistema:
 Entrar o período de cálculo de juros. O programa necessita desta informação para determinar se uma
conta deve ser incluída nesta execução do cálculo de juros, ou somente na próxima execução.
 O campo Data fixada do último cálculo de juros, contido no registro mestre da conta, deve ter uma
entrada. Esse campo pode ser preenchido automaticamente pelo batch input, usando o limite superior
da última execução do cálculo de juros, ou pode ser preenchido manualmente.
 Também deve ser especificada uma periodicidade de cálculo de juros no registro mestre, se este tiver
que ser determinado para cada conta. Como alternativa, é possível definir esta periodicidade no código
de juros. No entanto, a entrada no registro mestre tem prioridade mais alta.
 É necessário entrar um dia de cálculo de juros no código de juros. Por exemplo, se for desejado
executar o programa de cálculo de juros sempre no 15º dia do mês, deverá entrar esta data; se no
entanto for desejado uma execução no último dia do mês, é necessário entrar o número 31.

O limite superior é determinado da seguinte maneira:

 O programa determina o mês somando o intervalo de cálculo de juros (periodicidade), que foi definido
no sistema, ao mês da data fixada acima mencionada.
 O programa especifica o dia da data de cálculo de juros definida no sistema.

Executar o programa de cálculo de juros

Iniciar o programa de cálculo de juros no menu Razão, como segue:

1. Marcar Tarefas periódicas => Cálculo de juros => Cálculo de juros sobre o saldo.

É exibida a 1ª tela para entrada dos critérios de seleção.

As entradas nesta tela definem os itens a seguir.

 Seleção

É possível limitar o número de contas incluídas no cálculo de juros, entrando um intervalo para o plano
de contas, o número da conta do Razão, a empresa, o código de juros e a divisão ou entrando um valor
individual. Observar que em termos gerais, somente as contas que possuem um código de juros para o
cálculo de juros sobre o saldo no registro mestre e que são administradas com a exibição de partidas
individuais são incluídas no cálculo.

 Período de cálculo de juros

O período entrado aqui determina o período de cálculo para a execução do cálculo de juros. Se o campo
Data fixada do último cálculo de juros no registro mestre for preenchido, o sistema determina
automaticamente o período de cálculo de juros.

 Dia do último cálculo de juros

Essa entrada é importante caso não se tenha inserido esta data no registro mestre. A data é usada para
determinar se os itens devem ser considerados como datas efetivas no passado. Estes são itens que
são lançados num período para o qual os juros já foram calculados.

 Data de referência

Este campo permite que se determine se o programa usará a data efetiva, a data de lançamento ou a
data do documento como data de referência para o cálculo de juros. Para o cálculo de juros sobre o
saldo das contas Clientes e Fornecedores, o relatório usa a data-base de pagamento como data de
referência.

 Cálculo

Se os juros forem calculados usando o calendário gregoriano ou japonês, é possível marcar se o


sistema deverá calcular para 366 dias (ano bissexto). Se for selecionado com um X o campo Cálculo de
juros Standard, o período de cálculo de juros sofrerá redução de um dia. Isto significa que o sistema
também calcula os juros sobre o saldo transportado. Os itens para os quais os juros seriam
normalmente calculados até o limite superior do período não são incluídos no programa.

 Saída

O sistema exibe uma escala de juros para cada conta. O formulário usado para fazer isto está
arquivado no código de juros no sistema. Além disso, é possível solicitar uma síntese de taxa de juros.
Essa síntese é impressa depois da execução do cálculo de juros, com os juros separados em juros a
pagar e juros a receber. Marcando um determinado nível de compactação, é possível determinar o nível
de detalhes da escala de juros. Se for desejado monitorar a execução do cálculo de juros, é possível
que o sistema registre a execução no log. No entanto, se for solicitado um log, deverá fazê-lo somente
para algumas contas do Razão. Para esse propósito, é necessário sempre entrar os nomes das contas
apropriadas no campo Contas para log adicional.

 Como atualizar informações no registro mestre

Os dados de cálculo de juros existentes nos registros mestre de contas do Razão serão atualizados
somente se for entrado um X no campo de registro Atualizar mestre e especificar um nome de pasta
para o processamento em background no campo Nome de pasta batch-input. É necessário sempre
selecionar a atualização, se for desejado que o período de liquidação seja calculado automaticamente.

Contabilidade do imobilizado – FI/AA

Objetivo

O componente contabilidade do imobilizado (FI-AA) é usado para administrar e supervisionar o ativo


imobilizado por meio do sistema SAP R/3. Na contabilidade financeira do SAP R/3 o componente atua como um
livro auxiliar do Razão FI, fornecendo informações detalhadas sobre as operações que envolvem o ativo
imobilizado.

Informações sobre implementação


O componente contabilidade do imobilizado do sistema R/3, destina-se ao uso internacional em diversos países,
não importando o setor industrial. Isto significa, por exemplo, que nenhuma regra de valorização específica de
país se acha predefinida no sistema. Deve-se fornece r ao componente as características específicas de país e
de empresa, de acordo com as opções feitas no Customizing. Para minimizar o tempo e a energia despendidos
no Customizing, são fornecidas predefinições específica s de país no sistema Standard , sempre que possível.

O Guia de implementação (IMG) fornece as funções necessárias para isto em Contabilidade do imobilizado.

Integração

Como conseqüência da integração n o sistema R/3, a Contabilidade do imobilizado ( FI-AA ) transfere dados
diretamente de e para outros componentes do R/3 . Por exemplo, é possível lançar do componente
Administração de materiais (MM) diretamente para FI-AA. Quando se adquire ou produz um bem patrimonial
internamente, é possível lançar diretamente a entrada de fatura , a entrada de mercadorias ou a saída de
mercadoria do depósito, para o ativo n o componente Contabilidade do imobilizado . Ao mesmo tempo, é
possível repassar a depreciação e os juros diretamente para os componentes de Contabilidade financeira (FI) e
de Controlling (CO). Do componente Manutenção (PM) , é possível estabelecer atividades de manutenção que
requeiram incorporação a imobilizados .

Integração da contabilidade do imobilizado

Conjunto de funções

O componente Contabilidade do imobilizado consiste nas seguintes partes:

 Contabilidade do imobilizado tradicional

 Processamento de imobilizados de leasing

 Preparação para a consolidação


 Sistema de informação

A contabilidade do imobilizado tradicional engloba toda a vida útil do bem, do pedido ou aquisição inicial
(possivelmente administrado como imobilizado em andamento) até a sua baixa. O sistema calcula, em grande
parte automaticamente, os valores de depreciação, juros, seguros e outras finalidades entre esses dois
momentos, e disponibiliza essas informações de diferentes maneiras, usando o Sistema de informação . Há um
relatório para previsão da depreciação e simulação d o desenvolvimento do patrimônio.

O sistema também oferece funções especiais para imobilizados de leasing e para imobilizados em andamento.
O sistema permite a administração de valores em moedas paralelas, valendo-se de diversos tipos de avaliação.
Essas funções simplificam o processo de preparação para a consolidação de interesses de grupos internacionais
.

O componente Manutenção (PM) oferece funções para a administração técnica de imobilizados , na forma de
locais de instalação e como equipamento. O componente Tesouraria (TR) oferece funções especiais para a
administração d o imobilizado financeiro

Elementos e estruturas organizacionais

Objetivo

Além de possibilitar a administração de imobilizados e seus valores, a contabilidade do imobilizado deve


oferecer uma estrutura organizacional para os imobilizados que reflita a estrutura organizacional do
empreendimento. Por esse motivo, o componente Contabilidade do imobilizado (FI-AA) usa as várias unidades
organizacionais da SAP. Um bem é claramente atribuído a essas unidades organizacionais, a qualquer momento
em que isto for determinado.

Além disso, é necessário classificar os imobilizados de acordo com os diferentes critérios de contabilidade (tais
como os métodos de depreciação). Esta classificação auxilia em tarefas voltadas à contabilidade e
administração e na compactação do patrimônio no Razão.

Plano de avaliação

Definição

Os planos de avaliação são usados para administrar as várias exigências legais para a depreciação e valorização
de imobilizados. Esses planos de avaliação geralmente são específicos de cada país, e são definidos
independentemente d as outras unidades organizacionais. Um plano de avaliação pode ser usado, por exemplo,
para todas as empresas de um determinado país.

Planos de avaliação específicos de um país

Num cenário mais simples, todas as empresas se encontram no mesmo país e estão sujeitas às mesmas
exigências legais para fins de valorização do imobilizado, o que significa ser necessário apenas um plano de
avaliação.
Estrutura

O plano de avaliação consiste nas seguintes partes:

 Em geral, é necessário que se calcule os valores de imobilizados em função de diferentes necessidades,


tanto internas quanto externas (como depreciação contábil e depreciação de custos). Portanto, o
componente Contabilidade do imobilizado permite administrar valores de imobilizados, em paralelo, em
até 99 áreas de avaliação. O plano de avaliação é, por conseguinte, um diretório de áreas de avaliação
organizado de acordo com as necessidades da administração de negócios . Define-se as características
e, desse modo, a importância das áreas individuais de avaliação contidas em cada plano de avaliação.
Uma área de avaliação é sempre atribuída a somente um plano de avaliação.

 As chaves usadas para a depreciação automática de imobilizados em cada plano de avaliação são
definidas com flexibilidade. Elas são baseadas nos elementos usados para o cálculo (métodos de
cálculo, controles de período e assim por diante), os quais se encontram disponíveis em todos os
mandantes .

É possível incluir e modificar a s chaves de cálculo Standard fornecidas com o sistema.

 Há objetos específicos no plano de avaliação para cálculos especiais do patrimônio (por exemplo,
códigos de subvenção ao investimento para a subvenção ao investimento).

Utilização

O SAP fornece planos de avaliação de referência típicos para cada país. Eles possuem áreas de avaliação e
chaves de depreciação distintas, dependendo das exigências específicas do país escolhido. Não é possível usar
esses planos de avaliação diretamente. Deve-se criar seu próprio plano de avaliação, copiando o plano de
avaliação de referência. Quaisquer áreas de avaliação que não sejam necessárias devem ser apagadas .

É possível documentar o significado de qualquer plano de avaliação que seja preparado no sistema, gravando
uma descrição para o mesmo.

Empresa/Plano de avaliação

É preciso atribuir cada uma das empresas definidas na Contabilidade do i mobilizado a exatamente um plano de
avaliação. Deve-se restringir ao mínimo possível o número de planos de avaliação usados , com o propósito de
manter uniforme o patrimônio na empresa. As empresas de países que tenham as mesmas regras de
valorização , ou as empresas pertencentes a um determinado setor industrial, geralmente fazem uso do mesmo
plano de avaliação.

Plano de contas/Plano de avaliação

A atribuição d e um a empresa a um plano de contas é feita de maneira independente de sua atribuição a um


plano de avaliação. Isto significa que várias empresas podem usar o mesmo plano de contas, embora possuam
planos de avaliação diferentes (e vice-versa).

Depreciação

Objetivo

O componente Depreciação permite administrar os seguinte tipos de depreciação no sistema:

 Tipos de depreciação calculados automaticamente (também podem ser planejados manualmente):

 Depreciação normal
 Depreciação especial

 Tipos de depreciação que normalmente são planejados manualmente:


 Depreciação extraordinária
 Transferência de reservas/redução de APC

Chaves de depreciação controlam o cálculo automático da depreciação no sistema. Essas chaves de depreciação
podem ser modificadas. Dessa maneira, pode -se definir seus próprios métodos para calcular valores de
imobilizado.

O Cálculo de juros para juro calculado na contabilidade de custos é tratado como um tipo de depreciação pelo
sistema e, portanto, também é controlado por chaves de depreciação e por métodos de cálculo de forma
semelhante ao cálculo de depreciação.

Os seguintes objetos descrevem a depreciação calculada automaticamente. O processamento de depreciação


manual (depreciação extraordinária) é explicado detalhadamente em Planejamento manual de depreciação.

Tipos de depreciação

Utilização

Especifica-se os tipos de depreciação e de avaliação permitidos para cada área de avaliação no Customizing FI-
AA (Depreciação). O sistema emite uma mensagem de erro e rejeita o lançamento quando tenta -se usar um
tipo de depreciação que não é explicitamente permitido.

Conjunto de funções

Os seguintes tipos de depreciação ou de avaliação são suportados:

Depreciação normal

A depreciação normal é a dedução planejada para o desgaste durante o uso normal de um imobilizado.

Depreciação especial

A depreciação especial representa a dedução para o desgaste de um imobilizado de um ponto de vista


puramente fiscal. Esta forma de depreciação permite uma depreciação percentual, possivelmente escalonada,
dentro de um período permitido pela autoridade fiscal, sem levar em conta o desgaste real no imobilizado.

Depreciação extraordinária

A depreciação normal reflete a dedução pelo desgaste durante o uso normal do imobilizado. Influências
incomuns, tais como danos que levam a uma permanente depreciação do imobilizado, são cobertas pela
depreciação extraordinária.

Registro mestre do Imobilizado

Utilização

As diversas demandas de administração de dados mestre na Contabilidade do imobilizado são atendidas no


componente FI-AA do R/3 por:

 Registros mestre do imobilizado estruturados de acordo com requisitos funcionais e orientados por
objetivos
 Atualização de dados mestre organizada de acordo com essa estrutura e que permite adaptação
individual

Conjunto de funções
Para facilitar a tarefa de criar, atualizar e avaliar dados mestre, as diversas informações individuais são
estruturadas de acordo com sua área de uso e com as funções relevantes do sistema. O registro mestre do
imobilizado consiste em duas partes principais:

Dados mestre gerais

Essa parte do registro mestre contém informações concretas sobre o imobilizado. Existem os seguintes grupos
de campos:

 Informações gerais (descrição, quantidade etc.)


 Classificação contábil
 Informações de lançamento (por exemplo, data de capitalização)
 Atribuições dependentes de tempo (por exemplo, centro de custos)
 Informações para manutenção
 Entradas para imposto sobre o patrimônio
 Informações sobre terreno
 Condições de leasing
 Medidas de subvenção ao investimento
 Informações sobre as origens do imobilizado
 Dados de inventário físico
 Dados de seguro
 Campos do usuário/critérios de classificação

Além disso, é possível criar textos descritivos para os grupos de campos individuais pertencentes à divisão de
dados gerais do registro mestre do imobilizado. É possível simplificar a criação de textos descritivos por meio
de modelos de textos descritivos livremente definíveis. Esses modelos são definidos no Customizing FI-AA em
Definir modelos de textos descritivos.

Atualização de dados mestre

Objetivo

O componente "atualização de dados mestre" é usado para registrar os dados mestre dos ativos imobilizados
em uma base de imobilizado individual. Um imobilizado é definido como uma mercadoria econômica individual
que é reconhecida no balanço no período de fechamento e está no serviço a longo prazo da empresa.

A lista abaixo mostra algumas das funções fornecidas para ajudar na atualização dos dados mestre:

 Controle do layout da tela


 Validação ou substituição de entradas
 Modificações em massa nos campos de registro mestre

Dados para calcular valores do imobilizado

É possível especificar os parâmetros de depreciação no registro mestre do imobilizado para cada área de
avaliação no plano de avaliação. Para que essas especificações possam ser estabelecidas, o registro mestre
contém uma síntese das áreas de avaliação. Além disso, há uma exibição detalhada disponível para cada área
de avaliação. Se existirem áreas de avaliação não necessárias para um imobilizado específico, é possível
desativar essas áreas de avaliação no nível do imobilizado.

O gráfico a seguir mostra os parâmetros de depreciação mais importantes em uma área de avaliação:
Informações para avaliação

Layout da tela, nível de atualização, layout do registro para dados mestre

Utilização

O registro mestre do imobilizado no componente FI-AA possui um grande número de campos para atender às
necessidades de suas muitas funções. Apesar disso, para tornar a atualização dos dados mestre o mais simples
e eficiente possível, as seguintes funções do Customizing permitem planejar o registro de dados mestre para
melhor adequar-se às necessidades.

 Especificação de características de campo (entrada obrigatória, entrada opcional, suprimido) e o nível


de atualização (classe do imobilizado/número principal/subnúmero) para campos de dados mestre
 Especificação do layout de fichas do registro no registro mestre

Conjunto de funções

Controle de layout da tela

Especifica-se os atributos do campo no registro mestre do imobilizado e o nível de atualização dos campos, por
meio do controle do layout da tela. É possível definir tantos tipos de controle do layout da tela quantos forem
necessários e entrá-los nas classes do imobilizado. (Customizing Dados mestre). Existe controle de layout da
tela para

 Dados mestre gerais

 Parâmetros de depreciação no registro mestre (áreas de avaliação)

Em cada controle de layout da tela é possível fazer especificações para os grupos de campos individuais. Os
campos de atualização correspondentes são atribuídos a cada grupo de campos.

Controle da estruturação da tela => Grupos de campos => Campos individuais


Os grupos de campos e seus respectivos campos são definidos em tabelas do sistema. Quando define -se o
layout da tela, o sistema mostra todos os grupos de campos existentes para que sejam atualizados
individualmente. Define-se especificações para o layout da tela e para o nível de atualização dos grupos de
campos, e também especifica se o conteúdo dos campos pode ser copiado como referência.

O SAP fornece diversos controles de layout da tela predefinidos. Com relação aos parâmetros de depreciação
(áreas), o sistema oferece os seguintes procedimentos de depreciação:

 Os parâmetros de depreciação podem ser atualizadas no nível do subnúmero

 A depreciação é uniforme para imobilizados principais e seus subnúmeros

 A depreciação é uniforme para a classe do imobilizado

Usando o layout da tela, determina -se se os campos que formam o grupo de campos são campos obrigatórios,
campos opcionais, campos de exibição ou se eles devem ser completamente suprimidos (isto é, não devem
aparecer na tela). No caso de campos obrigatórios, uma entrada é sempre obrigatória na atualização de dados
mestre. É possível selecionar se devem ser feitas entradas em campos opcionais. Só é possível definir grupos
de campos como campos de exibição se o sistema determinar os valores nesses campos (por exemplo, valor do
seguro). Se suprimir -se todos os grupos de campos de uma tela, a tela não é exibida durante a atualização de
dados mestre.

Usando o layout da tela para controlar os campos, assegura-se o processamento dos campos necessários para
cada classe do imobilizado. Cada grupo de campos pode ter apenas um valor no layout da tela.

Apenas os campos em branco ou com valor 0 podem ser suprimidos por meio do controle do layout da tela. Os
campos que não estão em branco ou com valor 0 são sempre exibidos, independentemente da definição do
controle do layout da tela. Esses campos não-iniciais podem aparecer se:

 O controle do layout da tela foi modificado.

 Os campos suprimidos continham valores fornecidos pela transferência de dados preexistentes

Para suprimir esses campos, primeiro é necessário defini-los como campos modificáveis e a seguir eliminar seu
conteúdo.

Nível de atualização

Para cada grupo de campos do registro mestre do imobilizado, é possível especificar um nível de atualização. O
nível de atualização determina o nível de classificação do imobilizado no qual um grupo de campos pode ser
atualizado.

Os níveis de atualização no sistema são:

 Classe do imobilizado

 Número principal

 Subnúmero

Atribui-se um desses níveis de atualização a um grupo de campos, com os seguintes resultados:

 Somente classe do imobilizado

Se a classe do imobilizado for especificada como o único nível de atualização para um grupo de campos,
não é possível atualizar os campos no nível do número principal ou do subnúmero. Em vez disso, esses
campos são para exibição apenas nesses níveis. Os valores para esses campos são copiados da classe
do imobilizado para o número principal e subnúmero. Modificações posteriores nesses valores de
campos na classe do imobilizado não se refletem em registros mestre existentes (número principal e
subnúmero), mas se aplicam somente a imobilizados recém-criados.
 Somente número principal

Se o número principal for especificado como o nível de atualização para um grupo de campos, só é
possível atualizar esses campos quando o número principal for criado ou modificado. Os valores desses
campos são copiados automaticamente para subnúmeros criados mais tarde e não podem mais ser
modificados ali.

 Somente subnúmero

Se o subnúmero for especificado como o nível de atualização, é possível atualizar o grupo de campos no
nível do número principal e do subnúmero.

 Número principal e subnúmero

Se o nível de atualização for especificado como número principal e subnúmero, o grupo de campos do
número principal é apresentado como um valor proposto durante a atualização dos subnúmeros, mas
ainda pode ser modificado.

Criar registros mestre como Cópia

É possível criar um imobilizado usando um outro imobilizado como referência. O layout da tela é usado para
controlar se determinados grupos de campos no imobilizado de destino podem ser completados com valores do
imobilizado de referência de origem. Não deve -se preencher todos os campos copiando do imobilizado de
referência. Faz sentido atualizar alguns desses campos separadamente para cada imobilizado, pois eles se
aplicam apenas a um imobilizado (por exemplo, o valor base do seguro e outros campos de valor que contêm
dados de seguro).

Não é possível definir um nível de atualização para campos suprimidos por meio do layout da tela.

Layout do registro

Devido ao grande número de campos, o registro mestre do imobilizado é dividido em telas e fichas de registros
diferentes usando funções de layout do registro. No Customizing ( Dados mestre), é possível especificar
quantos registros deseja ter (máximo de 8) e quais grupos de campos serão exibidos nas determinadas fichas
de registros. É possível realizar essas especificações de acordo com a classe do imobilizado. Se necessário, é
possível definir exceções dentro de uma classe do imobilizado que sejam dependentes do plano de depreciação.

Tipos de transação

Utilização

Dentro da Contabilidade do imobilizado, os tipos de movimento do imobilizado identificam transações contábeis


individuais. Deve ser entrado um tipo de transação para cada transação que afete o imobilizado. Essa entrada é
feita pelo próprio usuário na transação de lançamento ou é automática, com base em especificações feitas no
Customizing FI-AA (Transações).

Conjunto de funções

Cada tipo de transação é atribuído a um grupo de tipos de transação . As transações contábeis se subdividem
conforme o grupo de tipos de transação em:

 Transações que influenciam os custos de aquisição e produção de imobilizados. Estes incluem:


Aquisições, baixas, lançamentos de transferência, incorporação posterior.

 Adiantamentos

 Medidas de subvenção ao investimento

 Depreciação manual
 Reintegrações

Especificações (grupo de tipos de transação)

O grupo de tipos de transação ao qual pertence um tipo de transação determina o seguinte:

 Os campos de valores que são atualizados nos segmentos do ano

 Se a transação se refere ao passado (por exemplo, reintegrações) ou ao exercício atual

 Se o total das transações de um grupo é positivo ou negativo com referência a um exercício

 Qual é a regra que determina o período de início do cálculo da depreciação

 Em quais contas do Razão o lançamento é efetuado

 Se a data de entrada do imobilizado é estabelecida na data da primeira transação de um grupo

 Se a depreciação acumulada proporcional pode ser entrada para uma transação (por exemplo, durante
a incorporação posterior) ou se ela deve ser determinada pelo sistema (por exemplo, com baixas de
imobilizados).

O número de grupos de tipos de transações possíveis, bem como as características dos grupos individuais, é
especificado no sistema e não pode ser modificado.

O sistema executa uma verificação da classe do imobilizado correspondente ao imobilizado envolvido, quando
efetua -se o lançamento com um tipo de transação do grupo adiantamento. Isso significa que só podem ser
feitos lançamentos nos imobilizados com o uso desses tipos de transação se isso for definido na classe do
imobilizado.

Especificações (tipo de transação)

Os tipos de transações individuais determinam o seguinte:

Aquisições

Objetivo

O processo empresarial primário em contabilidade do imobilizado é a compra de imobilizados e/ou a


incorporação das mercadorias ou serviços produzidas internamente. O componente Contabilidade do
imobilizado dá suporte a vários métodos de tratamento deste processo empresarial.

Imobilizado em andamento
Imobilizados em andamento são aquisições para ativos imobilizados que não podem ser capitalizados e
depreciados imediatamente. As opções a seguir se aplicam à capitalização direta:

 Coletar os custos por meio de uma medida de investimento (uma ordem ou um plano da estrutura do
projeto do elemento com um imobilizado em andamento ligado a ele).

 Coletar os custos de um imobilizado em andamento independente no componente Contabilidade do


imobilizado (FI-AA).

Capitalização direta

A capitalização direta refere-se à aquisições dos imobilizados que não possuem uma fase de imobilizado em
andamento. Pelo contrário, são capitalizadas e iniciam depreciação imediatamente. As opções a seguir se
aplicam à capitalização direta:

 Classificação contábil direta para o imobilizado final e possível atualização estatística para uma ordem
ou para o plano da estrutura do projeto (PEP) do elemento.

o Aquisições dos imobilizados externo


o Processamento de aquisições dos imobilizados em Compras (FI-AA/MM)
o Entrada de mercadoria e entrada de fatura com referência para imobilizado

 Classificação contábil para uma ordem ou elemento PEP (com classe de custo de alocação) e liquidação
de custos para o ativo final.

 Classificação contábil para uma conta transitória, e transferência desta conta para o ativo final. (Ao
usar este método, atualização estatística para uma ordem ou elemento PEP é possível somente após a
transferência para o ativo concluído).

Controle de orçamento por meio de ordens estatísticas ou elementos PEP

È quase sempre necessário monitorar gastos em imobilizados para o orçamento. Portanto, o sistema oferece a
opção de atualização estatística automática para uma ordem ou elemento PEP.

Transferência de imobilizado

Na Contabilidade do imobilizado, a SAP faz a distinção entre dois tipos de transferência, a transferência de
imobilizado e a transferência interna de imobilizado:

 Transferência de imobilizado: um imobilizado baixado (ou componente de um imobilizado) que é


transferido para um imobilizado adquirido em uma empresa individual, por exemplo, se o imobilizado
foi criado na classe de imobilizado errada.
 Transferência interna de imobilizado: um imobilizado baixado (ou componente de um imobilizado) que é
transferido para um imobilizado adquirido que é atribuído a uma empresa diferente.

Pode-se lançar esses dois tipos de transferência automaticamente (baixa e aquisição lançados em uma etapa)
ou manualmente (baixa e aquisição lançados em duas etapas separadas).

Baixa
Finalidade

A baixa de imobilizado é a remoção de um imobilizado ou parte dele de um ativo imobilizado. A remoção de um


imobilizado (ou parte dele) é lançada de uma perspectiva contábil como uma baixa do imobilizado. Dependendo
das considerações organizacionais ou da transação contábil que leva à baixa, é possível distinguir os seguintes
tipos de baixa:

 Um imobilizado é vendido, resultando no ganho de rendimento. A venda é lançada com um cliente.


 Um imobilizado é vendido, resultando no ganho de rendimento. A venda é lançada contra uma conta de
compensação.
 Um imobilizado deve ser sucateado, sem ganho de rendimento.
 Um imobilizado é vendido para uma empresa filiada.

Processo

Existem movimentos e tipos de movimentos no sistema para esses diferentes tipos de baixas.

Baixa

Venda de imobilizado com cliente

O sistema permite que a entrada seja lançada em Clientes, o lançamento do rendimento e a baixa do
imobilizado em uma etapa. Nesta operação de lançamento, deve-se primeiro lançar o rendimento (débito em
A/R, rendimento do crédito da venda do imobilizado) e depois lançar a baixa do imobilizado. Um código na
operação de lançamento determina que o sistema lance a baixa do imobilizado depois do lançamento do
rendimento.

O pré-requisito para isto é que a conta de rendimento na Contabilidade financeira, para a qual o rendimento
deve ser lançado, tenha uma variante de status de campo em seus dados mestre, no qual o campo Baixa
(categoria Contabilidade de imobilizado) é definido como um campo de entrada requerido ou opcional.

Lançamento de lucro ou perda

Ao usar os tipos de movimento Standard, o sistema cria automaticamente um lançamento de lucro ou um


lançamento de perda, assim como uma entrada de compensação de rendimento, além dos lançamentos de
correção do imobilizado e da depreciação acumulada. Os lançamentos de lucro/perda, como também o
lançamento do rendimento, não dependem do tipo de movimento. A criação automática desses lançamentos é
controlada pelo código Lucro/perda de baixa na definição do tipo de movimento. Também é possível optar pela
não definição desse código. Nesse caso, será necessário entrar os lançamentos manualmente.

Em uma situação excepcional, uma baixa integrada com rendimento também pode ser lançada embora o
imobilizado não tenha CAP na área principal.
Baixa sem rendimento

Uma baixa sem rendimento é a remoção de um imobilizado do ativo imobilizado sem rendimento algum, por
exemplo, ao sucatear. Quando esta opção de lançamento é usada, o sistema não cria lançamentos de
rendimento e de lucros/perdas. Em vez disso, ele cria o lançamento de uma Perda de uma baixa de imobilizado
sem rendimento no montante do valor contábil residual sendo baixado.

Baixa completa/parcial

Uma baixa de imobilizado pode referir-se a um imobilizado inteiro (baixa completa) ou parte de um imobilizado
(baixa parcial). Em ambos os casos, por meio das datas da baixa entradas, o sistema determina
automaticamente os montantes a serem baixados para cada área de avaliação. É possível iniciar a baixa parcial
de um imobilizado entrando uma das seguintes opções:

 O montante dos custos de aquisição e de produção a serem baixados


 Uma porcentagem
 Uma quantidade

Quando o montante de CAP que está sendo baixado é entrado, o sistema determina a porcentagem do
imobilizado a ser baixada usando a primeira área de avaliação em que os lançamentos ocorrem. Isso determina
o montante da porcentagem de CAP que está sendo baixado nessa área e usa a mesma porcentagem para
outras áreas. É possível entrar uma quantidade, desde que um montante da baixa ou um percentual não
tenham sido determinados. O sistema interpreta a quantidade como um índice da quantidade total do
imobilizado e, portanto, determina o percentual de baixa do imobilizado. Se necessário, também é possível
fazer a correção manual dos montantes de baixa que foram calculados pelo sistema em áreas de avaliação
individuais. Em seguida, o sistema recalcula os montantes de baixa para aquela área e para quaisquer áreas
que são dependentes daquela área.

A data de referência da baixa é registrada no registro mestre do imobilizado. Não é possível lançar quaisquer
movimentos com uma data efetiva anterior à data efetiva da última baixa. Caso, mesmo assim, seja necessário
lançar tal movimento, deve-se reverter primeiro todas as baixas que caiam depois da data efetiva do
lançamento atrasado. Depois de lançar o movimento atrasado, é possível relançar as baixas.

Tipo de movimento (Imobilizados de exercício anterior/aquisições novas)

Assegurar-se de que foi marcado o tipo de movimento correto para a baixa parcial e para a baixa completa.
Para a baixa completa de um imobilizado adquirido em anos anteriores, é necessário sempre marcar um tipo de
movimento que se refira aos imobilizados de exercício anterior. Uma baixa parcial sempre pode estar
relacionada aos imobilizados de exercício anterior ou a aquisições novas

A baixa completa de um imobilizado somente é possível se todos os movimentos para o imobilizado foram
lançados com uma data efetiva anterior à data de referência da baixa do imobilizado. É necessário compensar
ou estornar os adiantamentos e as medidas de subvenção de investimento, que estão no mesmo ano de
lançamento da baixa, antes de lançar a baixa completa.

Os imobilizados do exercício anterior e as aquisições novas são mostradas separadamente no documento.

Baixa de bens de baixo valor

Existem considerações especiais para a baixa de bens de baixo valor (BBVs). Normalmente, é necessário
simplificar as transações contábeis envolvidas devido ao grande número de imobilizados que estão sendo
baixados. Não é necessário o lançamento de fato da baixa de bens de baixo valor para que os movimentos do
imobilizado sejam exibidos corretamente no quadro do imobilizado. É possível simular a baixa de bens de baixo
valor a qualquer momento especificado. As classes de imobilizado LVA e o período de tempo de simulação são
entradas na primeira tela do quadro do imobilizado.

Caso se queira lançar de fato a baixa dos bens de baixo valor, procedimento usual deve ser usado para baixas
de imobilizado.
Baixa de vários subnúmeros do imobilizado simultaneamente

O sistema permite o lançamento da baixa completa de vários subnúmeros do imobilizado em uma etapa
(entrada genérica usando um asterisco (*) no campo subnúmero). O sistema executa lançamentos de
imobilizado e lançamentos de ajustes de valor para cada subnúmero.

A receita de vendas é alocada proporcionalmente para os subnúmeros do imobilizado individuais de acordo com
seu valor de aquisição (inclusive a reavaliação).

Baixa de imobilizados com subvenção ao investimento

Para informações detalhadas sobre as relações especiais envolvidas ao baixar imobilizados com subvenção ao
investimento.

Custos de baixa

É possível entrar os custos da baixa (por exemplo, custos de remoção) para fins estatísticos durante o
lançamento de baixa. Em seguida, o relatório Standard para baixas de imobilizado ( Sistema de informação)
exibe esses custos em um campo especial. Observar que o lucro/perda e os custos de baixa são mostrados
separadamente no relatório. Além disso, os custos de baixa não são automaticamente transferidos para a
contabilidade de custo.

Baixa em massa

Quando uma empresa vende uma grande parte do imobilizado (tais como um centro ou um edifício), é
necessário lançar a baixa de todos os imobilizados individuais que o compõem. Uma vez que o número de
imobilizados afetados pode ser muito grande, o componente Contabilidade do imobilizado (FI-AA) torna possível
os lançamentos necessários usando o processamento em massa.

Como processar para encerramento

Objetivo

Os objetos a seguir descrevem tarefas executadas durante o encerramento do período ou o encerramento do


exercício na Contabilidade do imobilizado, em vez de individualmente. Além disso, há descrições de
determinadas tarefas necessárias para a avaliação especial do ativo (como valores de reposição).

Schedule Manager

Pode-se administrar e monitorar o processamento periódico na Contabilidade do imobilizado usando o Schedule


Manager. O Schedule Manager é uma ferramenta para o planejamento e supervisão das tarefas contábeis. Esta
ferramenta facilita a execução dos processamentos periódicos e, quando possível, pode auxiliar n a automação
desses processos. Com o uso do Schedule Manager pode -se exibir o status atual do encerramento período.

Pode-se usar o Schedule Manager para administrar os seguintes trabalhos periódicos na Contabilidade do
imobilizado.

 Lançamento da depreciação
 Lançamento automático de valores do imobilizado de uma área de depreciação para o Razão

Mudança de exercício

Objetivo

Do ponto de vista do sistema, uma mudança de exercício é a abertura de um novo exercício para uma
empresa. Na mudança do exercício, os valores do imobilizado do exercício anterior são transportados
cumulativamente para o novo exercício. Depois que a mudança de exercício ocorre, pode -se fazer lançamentos
no ativo com datas valor no novo exercício. Ao mesmo tempo, pode -se continuar a lançar no exercício
anterior. Encontra-se o programa de mudança de exercício em Tarefas periódicas.

Fluxo do processo
A mudança de exercício só pode ser realizada (mesmo no modo de teste) para o novo exercício. O mais cedo
que uma mudança de exercício pode ser executada é no último mês do antigo exercício. Pode-se selecionar
qualquer ponto do novo exercício para realizar a mudança. Antes de mudar para o exercício XXX2, é necessário
já ter encerrado o exercício XXX1. É possível ter no máximo dois exercícios abertos para lançar por vez.

Nenhuma transação contábil pode ser lançada em um novo exercício antes da mudança de exercício. É possível
continuar a lançar no exercício antigo, mesmo depois da mudança de exercício. O sistema corrige
automaticamente quaisquer valores afetados por lançamentos anteriores.

Processamento em background

A mudança de exercício deve ser realizada como processamento em background por motivos de performance.
Portanto, iniciar o relatório como job em background (na tela de seleção do relatório: Programa=> Executar
em background). É possível executar simulações com menos de 1.000 itens do ativo no primeiro plano.

Log de erros

O sistema realiza a mudança de exercício para todos os ativos, mesmo com erros. O sistema fornece
estatísticas por empresa para o ativo modificado.

O sistema grava os ativos com erros em um protocolo de erros e em uma lista de trabalho. Pode-se acessar um
texto descritivo para as mensagens de erro que aparecem (Texto descritivo).

Se o programa for cancelado, é possível repetir a mudança de exercício tantas vezes quanto necessário.

Encerra-se o exercício para a escrituração contábil por meio do programa de encerramento do exercício. Após
executar o programa de encerramento do exercício, não é mais possível fazer lançamentos no exercício
encerrado.

Encerramento do exercício

Objetivo

O encerramento do exercício é um balanço patrimonial anual, um cálculo de lucros e perdas anual e um anexo
com informações adicionais (relatório anual) que deve ser criado para atender determinadas obrigações legais
de cada país. Antes de encerrar um exercício na Contabilidade financeira em uma perspectiva de escrituração
contábil, deve -se executar medidas preparatórias na Contabilidade do imobilizado.

Fluxo do processo

Usa-se esse programa para encerrar o exercício de uma ou mais empresas em uma perspectiva de
contabilidade. Depois do encerramento do exercício, não se pode mais lançar ou modificar valores dentro d a
Contabilidade do imobilizado (por exemplo, pelo recalculo da depreciação). O exercício encerrado sempre é
aquele que segue o último exercício encerrado. Não se pode encerrar o exercício em curso.

Processamento em background

Deve-se executar o encerramento do exercício como processamento em background por motivos de


performance.

Como estornar o encerramento de exercício

Se um exercício foi encerrado muito cedo e ainda precisa fazer certas correções, pode-se restaurar o último
exercício encerrado no Customizing da Contabilidade do imobilizado (Trabalhos periódicos => Encerramento
de exercício => Estornar). Com essa função, pode-se reabrir o último exercício encerrado, para as áreas de
avaliação marcadas de uma empresa ou para todas as áreas de avaliação de uma empresa. Isso é feito pela
mudança do campo do último exercício encerrado.

Cuidado se for reabrir um exercício somente para algumas áreas de avaliação e for necessário fazer
lançamentos de ajuste somente nessas áreas. Não é possível usar os tipos de transações Standard para esses
lançamentos, pois os tipos de transações Standard são lançados em todas as áreas de avaliação. Em vez disso,
deve-se definir os próprios tipos de transações no Customizing da Contabilidade do imobilizado (Transações),
limitando-os às áreas de avaliação obrigatórias.

Simulação

Objetivo

A simulação é a modificação experimental dos parâmetros de depreciação para todos os imobilizados ou


determinados imobilizados. Ao simular o desenvolvimento do valor dos imobilizados, é possível variar todos os
parâmetros de depreciação importantes (chave de depreciação, vida útil, série s de índices). É possível usar
diferentes abordagens:

 A simulação dos valores de um único imobilizado, ao modificar os parâmetros de depreciação com a


operação de exibição do valor do imobilizado. Existem dois parâmetros principais que podem ser
modificados:

o Parâmetros de depreciação (chave de depreciação, vida útil, etc.)


o Transações

 A simulação de depreciação para exercícios futuros de grupos de imobilizados com o auxílio de um


relatório de simulação especial e uma variante de simulação.
 A simulação da depreciação acumulada no passado usando uma nova área de avaliação.

Encerramento

Objetivo

Encerramento e Sistema de Relatórios (FI)

Os preparativos para o encerramento ocorrem periodicamente e podem ser subdivididos da seguinte forma na
Contabilidade financeira:
 Encerramento do dia
 Encerramento do mês
 Encerramento do exercício

É possível utilizar o componente de preparativos para o encerramento para suportar a preparação e a execução
das atividades necessárias para o encerramento. Por esse motivo, o sistema fornece várias análises que podem
ser utilizadas para gerar avaliações diretamente do saldo da conta lançado. O sistema suporta os seguintes
preparativos para o encerramento:

 Acréscimos e diferimentos periódicos de despesas e receitas


 Criação do balanço patrimonial
 Documentação dos dados de lançamento

Integração

Para executar os preparativos para o encerramento na Contabilidade geral, é necessário, primeiramente,


executar os preparativos para o encerramento na contabilidade auxiliar utilizada. Isso inclui, por exemplo:

 Contabilidade de clientes e de fornecedores


 Administração de materiais
 Contabilidade do imobilizado
 Folha de pagamento

Conjunto de funções

Sob certas circunstâncias, é possível produzir demonstrações contábeis simplificadas do grupo de empresas na
Contabilidade financeira. Contudo, para criar demonstrações contábeis abrangentes do grupo de empresas é
necessário implementar os componentes Consolidação (SEM-BCS ou EC-CS).

Encerramento do mês

Definição

O encerramento do mês abrange todas as atividades envolvidas no encerramento de um período contábil.

Utilização

Como parte do encerramento do mês pode-se realizar as atividades a seguir :

 Abrir e encerrar períodos contábeis

É possível encerrar um ou mais períodos contábeis passados para lançamento e permitir que seja feito
o lançamento em um ou mais períodos contábeis atuais ou futuros.

 Criar relatórios externos

É possível usar programas para criar os seguintes relatórios, por exemplo:

o Balanço/demonstração do resultado do exercício


o Declaração prévia do IVA
o Relatório exigido pelas disposições do comércio exterior

 Documentar os dados de lançamento

Isso inclui os seguintes relatórios:

o Registro de imóveis
o Escrituração de contas
o Conciliação contábil
o Relação de saldos
o Lista de partidas em aberto

 Executar análises internas como extratos para aplicações subseqüentes


 Reorganizar e arquivar documentos

Periodicamente, deve-se arquivar no sistema on-line os documentos que não são mais necessários. A
freqüência com que isso é feito (por exemplo, mensalmente ou com menor freqüência) depende do
volume de dados no sistema.

Encerramento do exercício

O encerramento do exercício é dividido em duas fases:

 No início do novo exercício, deve-se abrir novos períodos contábeis e transportar o saldo do exercício
anterior.

 Em seguida, deve-se preparar e criar os balanços/demonstração do resultado do exercício, documentar


as transações contábeis por meio da pista de auditoria e arquivar on-line os documentos que não são
mais necessários.

O primeiro lançamento do novo exercício abre automaticamente esse exercício. No entanto, primeiro é
necessário abrir o período contábil relevante.

O sistema SAP oferece vários relatórios com os quais é possível transportar o saldo para o novo exercício.
Durante esse processo, as contas de lucros e perdas são transportadas para uma ou mais contas de lucros
líquidos acumulados. Os saldos nas contas de balanço são simplesmente transportados para o novo exercício.
Não é preciso criar balanços/demonstração do resultado do exercício especiais de abertura.

Os lançamentos feitos no exercício anterior ajustam automaticamente o saldo relevante transportado. Não é
necessário encerrar o exercício anterior e fazer os lançamentos de encerramento antes de abrir o novo
exercício.
Da mesma forma como acontece com o encerramento do mês, pode-se criar todos os relatórios externos
necessários, bem como documentar os dados de lançamento e realizar as análises internas.

Análise do balanço financeiro

Definição

Um relatório que compara as demonstrações financeiras de dois períodos e determina as diferenças nos itens
individuais do balanço/cálculo de lucros e perdas. Tecnicamente, o sistema se baseia na estrutura do balanço
L/P.

Utilização

É possível executar as análises do balanço financeiro para os seguintes períodos.

 comparações anuais
 comparações semestrais
 Comparações trimestrais
 Comparações mensais

Ambos os dados, reais e planejados, podem ser usados como base para esses relatórios; ou seja, é possível
executar comparações real/real e comparações real/planejado.

O sistema SAP inclui modelos de relatórios para análise do balanço financeiro. Esses relatórios podem ser
usados como modelos para relatórios próprios.

Integração

Além do tipo de relatório análise do balanço financeiro, o sistema SAP inclui os seguintes tipos de relatório:

 Análise de balanço financeiro para o Razão de análise de custos de vendas

A SAP fornece esse tipo de relatório para a análise de custos de vendas. Esse tipo de relatório é
comparável ao tipo de relatório análise de balanço financeiro. Entretanto, ele é baseado nos dados do
Razão da análise de custos de vendas.

 Exibição de saldos (balancete)

Com a exibição de saldos por tipo de relatório, é possível analisar as movimentações do período. Como
base para relatórios de balanço financeiro, é possível usar formulários de um eixo com índices, bem
como formulários de dois eixos com índices.

Preparar balanços

Antes da preparação do balanço na Contabilidade financeira, é necessário fazer um trabalho preparatório nas
outras aplicações, como por exemplo Contabilidade do imobilizado e Administração de materiais.

Em Contabilidade do imobilizado, é necessário lançar os valores de depreciação relevantes ao exercício em


questão. O quadro do imobilizado também é criado nesta aplicação. Pode ser legalmente necessário incluir isso
em seus balanços financeiros.

Em Administração de materiais, é necessário preencher o inventário físico e avaliação de material.

Em Vendas e distribuição, é necessário lançar as saídas de mercadoria e as faturas de todas as notas de


remessa apropriadas. Também é preciso criar a liquidação do bônus necessária e as notas de crédito
correspondentes. Todas as faturas preliminares devem ser excluídas.

Em Recursos humanos, todos os ordenados e salários do último período contábil precisam ser lançados. Em
seguida, transferir esses dados para a Contabilidade financeira.
O programa para criação dos balanços financeiros determina os valores para a perda e lucro líquido do exercício
bem como a perda ou lucro líquido transportado. Portanto, nenhum lançamento de encerramento é necessário
para esses itens. Informações adicionais podem ser encontradas em Notas sobre lançamentos de
encerramento.

Clientes / Fornecedores

Confirmação de saldos

Pode-se verificar a precisão da contabilidade de fornecedores e da contabilidade de clientes com as


confirmações de saldos. Essas opções possibilitam a detecção e a correção das discrepâncias que podem existir
entre os registros dos parceiros de negócios para efetuar qualquer retificação de valor individual necessária.

No sistema R/3, há diversos métodos de confirmação de balanços, dependendo do objetivo da confirmação. São
eles:

 Confirmação de saldos

Neste ponto avisa-se ao parceiro de negócios sobre os montantes individuais a serem confirmados.
Solicitar uma resposta, independentemente de haver correspondência ou não entre os montantes.

 Comunicação de saldos

Neste ponto como acima, avisa-se ao parceiro de negócios sobre os montantes individuais a serem
confirmados. No entanto, o parceiro envia uma resposta apenas no caso de não concordar com o
saldo declarado.

 Solicitação de saldos

Neste ponto, solicita-se ao cliente ou ao fornecedor que avise sobre o montante na conta de acordo
com os registros que possui.

Carta e carta de resposta

Para cada um destes procedimentos, o sistema imprime uma carta e uma carta de resposta. De acordo com o
procedimento usado, a carta de resposta contém uma lista com as partidas em aberto ou com uma série de
campos para que o parceiro de negócios os preencha (pedido de informações sobre saldos).

É conveniente que o parceiro de negócios envie a carta de resposta para diferentes endereços, de acordo com o
objetivo da confirmação de saldos: Se o departamento de revisão interna reconcilia os saldos, a resposta pode
ser enviada diretamente a sua empresa. Se um auditor tiver solicitado a confirmação de saldos, deve-se
solicitar ao parceiro comercial que envie a carta de resposta para o auditor. É possível especificar o endereço de
cada relatório individualmente. Deve-se definir um endereço para resposta, mesmo que seja apenas o endereço
da empresa e que nenhum outro seja usado.

Marcar clientes/fornecedores

Geralmente, não é necessário enviar uma confirmação de saldos para cada um dos clientes ou fornecedores. O
sistema permite marcar os parceiros comerciais para os quais se deseja escrever antes de executar o relatório.
Para isto, especificar os seguintes critérios:

 Especificar as contas da sede e de filiais, conta-CD e/ ou todas as outras contas a serem incluídas.

 É possível marcar com base no saldo global da conta ou nas vendas feitas relacionadas a essa conta.

 É possível especificar se apenas o enésimo cliente ou fornecedor, além dos marcados, deve ser incluído.

 Usando outros campos de seleção, como Denominação 1, podem ser criados critérios de seleção
adicionais. Caso já tenha sido criada uma variante de seleção para o programa, deve-se ajustá-la às
necessidades.
Com a combinação desses critérios de seleção, pode-se limitar ainda mais os clientes e fornecedores a serem
incluídos na confirmação de saldos.

No final de cada relatório, o sistema produz uma lista de reconciliação. Outra opção é criar uma tabela de
resultados e uma lista de erros. Essas listas permanecem no departamento de contabilidade (ou com o
auditor), onde são usadas na avaliação de respostas. Essas listas são descritas de modo resumido nas seções a
seguir:

 Lista de verificação

A lista de verificação contém dados sobre o relatório, como a data em que a carta foi enviada e a data
de resposta. Para cada cliente/fornecedor, a lista contém os dados dos endereços individuais do registro
mestre, bem como o montante a ser a confirmado. A lista fornece uma síntese útil de todos os
clientes/fornecedores para os quais foram escritos, o que permite manter um registro de quem
respondeu às confirmações e solicitações de saldo. Caso contrário, pode ser necessário enviar-lhes uma
carta de advertência.

 Tabela de resultados

A tabela de resultados contém especificações gerais sobre o relatório, como por exemplo a data de
reconciliação. Também permite resumir as respostas em três categorias diferentes: Nenhuma resposta
recebida, resposta com saldo não confirmado e resposta com confirmação. Essas duas últimas
categorias podem ser submetidas a novas classificações.

Essa tabela é usada para ajudar na análise das respostas e para identificar as deficiências na
escrituração contábil. Por exemplo, se retornarem diversas cartas sem ter alcançado o seu destino
devido à modificação no endereço do cliente/fornecedor, verificar se os registros mestre estão sendo
atualizados de modo adequado.

 Lista de erros

Se o programa detectar erros durante a execução do relatório, cria uma lista de erros. Portanto, esta
lista nem sempre é emitida.

 Marcar folha de rosto

Selecionar para emitir uma folha de rosto, se desejar.

Conta do balanço em moeda estrangeira

Definição

Uma conta do Razão mantida em moeda estrangeira.

Utilização

É necessária uma conta em moeda estrangeira para, por exemplo, processar pagamentos em uma moeda
estrangeira. Se houver uma conta em divisas em um instituto bancário, será aconselhável administrar essa
conta de FI nessa mesma moeda. Com isso, é possível comparar a movimentação no período com o saldo da
conta no extrato de conta bancária.
Estrutura

Marcar uma conta como conta em moeda estrangeira, entrando a moeda estrangeira desejada como moeda da
conta no registro mestre:

 A conta só poderá ser lançada nessa moeda estrangeira.


 A movimentação no período e o saldo da conta são mantidos na moeda estrangeira inserida e na moeda
interna.

Avaliação em moeda estrangeira

Utilização

Para criar os balanços, é necessário realizar uma avaliação em moeda estrangeira. Essa avaliação abrange as
seguintes contas e itens:

 Contas patrimoniais de moeda estrangeira, ou seja, as contas do Razão executadas em uma moeda
estrangeira.

Os saldos das contas do Razão em moeda estrangeira são avaliados.

 Partidas em aberto em moeda estrangeira.

As partidas individuais em moeda estrangeira são avaliadas.

Existem as seguintes opções para a avaliação em moeda estrangeira:

 É possível executar a avaliação em moeda interna (moeda da empresa) ou em moeda paralela (por
exemplo, moeda do grupo de empresas).

 Também é possível usar diferentes métodos de avaliação (por exemplo, princípio do valor mais baixo).

 Além da avaliação em moeda estrangeira, é possível executar uma conversão de moeda de acordo com
a FASB 52 (US GAAP). Portanto, é possível converter os saldos das contas da moeda interna para a
moeda do grupo de empresas, por exemplo.

Pré-requisitos

Para executar uma avaliação em moeda estrangeira, é necessário primeiramente fazer certas configurações no
Customizing: Efetuar as configurações no Customizing em Contabilidade financeira=> Contabilidade
geral/Contas a receber e contas a pagar => Transações contábeis => Encerramento => Avaliação =>
Avaliação em moeda estrangeira.

 É necessário definir as taxas de câmbio.

 Também é necessário especificar um método de avaliação. Selecionar Definir métodos de avaliação.


 Também é necessário definir as contas de despesas e de rendimentos para as diferenças na taxa de
câmbio das avaliações. Para as contas a pagar e a receber também é necessário definir as contas de
ajustes do balanço patrimonial. Para isso, selecionar Lançamentos automáticos para avaliação em
moeda estrangeira.

 É necessário definir uma área de avaliação para executar uma avaliação paralela. Selecionar Definir
áreas de avaliação.

As diferenças na taxa de câmbio da avaliação paralela serão lançadas nessa área de avaliação. Se for
executada uma avaliação paralela com um método de avaliação diferente da primeira avaliação, não
será necessário estornar os lançamentos da primeira avaliação. Essas informações estarão disponíveis
nos preparativos subseqüentes para o encerramento, por exemplo, Como transferir e ordenar contas a
pagar e contas a receber.

Conjunto de funções

É possível usar o relatório SAPF100 para a avaliação em moeda estrangeira. Esse relatório executa as seguintes
funções:

 Avaliação de contas patrimoniais em moeda estrangeira


 Avaliação de partidas em aberto em moeda estrangeira
 Gravação das diferenças em taxa de câmbio determinadas a partir da avaliação por documento.
 Execução dos lançamentos de ajustes necessários

Avaliar contas patrimoniais em moeda estrangeira

Utilização

As contas patrimoniais em moeda estrangeira são avaliadas como parte da avaliação em moeda estrangeira:

 O saldo da conta patrimonial em moeda estrangeira, ou seja, o saldo da conta do Razão em moeda
estrangeira, é a base desta avaliação.
 O resultado da avaliação é lançado na conta avaliada.
 Os lucros ou as perdas da taxa de câmbio a partir da avaliação são lançados em uma conta separada de
despesas ou de rendimentos para as diferenças na taxa de câmbio como uma compensação.

Pré-requisitos

Para avaliar as contas patrimoniais em moeda estrangeira, é necessário definir as contas de despesas e de
rendimentos para as diferenças da taxa de câmbio. É possível efetuar a configuração no Customizing em
Contabilidade financeira => Contabilidade geral => Transações contábeis => Encerramento => Avaliação =>
Avaliação em moeda estrangeira => Preparar lançamentos automáticos para avaliação em moeda estrangeira.

Conjunto de funções

Há as seguintes opções na definição das contas de despesas e de rendimentos para as diferenças na taxa de
câmbio:

 Se forem efetuadas avaliações paralelas com diferentes métodos de avaliação, também é possível usar
a determinação de contas da avaliação de partidas em aberto em moeda estrangeira para uma conta
específica do Razão. Para isso, entrar a conta do Razão na determinação de contas para a avaliação de
partidas em aberto em moeda estrangeira.

Avaliação de partidas em aberto em moedas estrangeiras.

Utilização

Todas as partidas em aberto em moeda estrangeira são avaliadas como parte da avaliação em moeda
estrangeira:
 As partidas em aberto individuais de uma conta em moeda estrangeira formam a base da avaliação, ou
seja, cada partida em aberto de uma conta em moeda estrangeira é avaliada individualmente.
 A diferença total de todas as partidas em aberto em uma conta é lançada em uma conta de ajuste do
balanço financeiro. Portanto, a conta mantém seu saldo original.
 Os lucros ou as perdas da taxa de câmbio a partir da avaliação são lançados em uma conta separada de
despesas ou de rendimentos para as diferenças na taxa de câmbio como uma compensação.

Pré-requisitos

Para avaliar as contas do balanço em moeda estrangeira, é necessário definir certas contas: Definir essas
contas por conta de conciliação:

 Contas de despesas e de rendimentos para as diferenças da taxa de câmbio a partir da avaliação

 Uma Conta de ajuste do balanço financeiro, declarada em um item do balanço com a conta
avaliada. A avaliação não é, portanto, efetuada na conta em si; em vez disso, é lançada em uma conta
separada. Isso é necessário, por exemplo, já que as contas a receber e as contas a pagar são somente
atualizadas por lançamentos nas contas de cliente e de fornecedor. Entretanto, a avaliação deve ser
efetuada na área de conta do Razão para as contas de conciliação pertinentes.

Definir os métodos de avaliação no Customizing em Contabilidade financeira => Contabilidade do Razão/Contas


a receber e Contas a pagar => Transações contábeis => Encerramento => Avaliação => Avaliação em moeda
estrangeira => Preparar lançamentos automáticos para avaliação em moeda estrangeira.

Conjunto de funções

Há as seguintes opções para avaliar partidas em aberto em moeda estrangeira:

 Como gravar a diferença da taxa de câmbio por documento

É possível definir que além de lançar; as diferenças da taxa de câmbio são gravadas por documento.

Para isso, selecionar o código Avaliação dos preparativos para o encerramento no registro
Lançamentos.

As diferenças da taxa de câmbio gravadas no documento são levadas em consideração na compensação


do pagamento:

o Diferenças de câmbio não realizadas

No momento da avaliação das partidas em aberto em moeda estrangeira, a diferença de taxa


de câmbio determinada é lançada como uma diferença da taxa de câmbio não realizada.

o Diferenças de câmbio realizadas

Para um pagamento a receber, ou seja, no momento da compensação das partidas em aberto,


é determinada a taxa de câmbio atual. A diferença de câmbio não realizada determinada a
partir da partida individual é levada em consideração.

Se a primeira avaliação resultar em uma diferença de taxa de câmbio de DEM 30 e a avaliação


atual resultar em uma diferença de taxa de câmbio de DEM 10, uma diferença de taxa de
câmbio de DEM 20 será lançada e DEM 10 será gravado na partida individual como a diferença
da avaliação final.

 Estorno de lançamentos de diferença da taxa de câmbio

É possível definir se as diferenças de câmbio lançadas são estornadas automaticamente um dia após a
execução da avaliação por um lançamento inverso.
Há a opção, portanto, de determinar as diferenças da taxa de câmbio a qualquer momento, sem se
levar em conta esta avaliação, para a criação de balanços financeiros ou para a compensação do
pagamento.

Métodos de Avaliação

Definição

Especificação válida para vários planos de contas que contenham a base de avaliação a ser usada para executar
uma avaliação em moeda estrangeira como parte dos preparativos para o encerramento, por exemplo, de
acordo com o princípio do valor mais baixo.

Utilização

No momento da execução de uma avaliação em moeda estrangeira, é necessário especificar o método de


avaliação a ser usado.

Definir os métodos de avaliação no Customizing em Contabilidade financeira => Contabilidade geral/Contas a


receber e Contas a pagar => Transações contábeis => Encerramento => Avaliação => Avaliação em moeda
estrangeira => Definir métodos de avaliação

Estrutura

Em um método de avaliação, fazer as seguintes especificações para a avaliação em moeda estrangeira:

 O procedimento de avaliação a ser usado, por exemplo, o princípio do valor mais baixo.
 Como as diferenças na taxa de câmbio devem ser lançadas, por exemplo, qual tipo de documento deve
ser usado
 A base na qual a taxa de câmbio deve ser determinada, por exemplo, qual categoria de taxa de câmbio
deve ser usada.

USGAAP

Definir áreas de avaliação

O encerramento pode ser executado para vários livros, por exemplo HGB (Código comercial alemão e USA-
GAAP), aos quais as diferentes avaliações servem como base. Para que se possa considerar estas diferentes
avaliações para o cálculo e lançamento, devem ser criadas, nesta etapa, áreas de avaliação.

Essas são utilizadas principalmente para:

 Avaliação de moeda estrangeira (SAPF100, RFSBEW00) e

 Lista ordenada por contas a receber e contas a pagar (SAPF101)

Definir estruturas de balanço/L&P

Nesta atividade:

 são definidas as estruturas necessárias para um balanço L/P (balanço / cálculo de lucros e perdas).
As estruturas podem ser definidas para um plano de contas especial, para um plano de contas do grupo de
empresas, ou sem qualquer atribuição específica.

 são determinados, em seguida, os itens do balanço L/P para a estrutura definida.

Os grupos de contas são sempre atribuídos aos itens dos níveis mais baixos da estrutura. Pode igualmente
determinar-se em que itens devem ser exibidas as contas, de acordo com determinados critérios.
Assim, é possível atribuir contas ou um grupo de contas a um determinado item, em função do respectivo
saldo.
Em alternativa, podem também ser atribuídos, aos níveis mais inferiores da estrutura, intervalos de áreas
funcionais em vez de intervalos de contas. A um item do balanço podem, por conseguinte, atribuir-se intervalos
de contas ou intervalos de áreas funcionais.
As estruturas do balanço L/P, às quais são atribuídas áreas funcionais, têm de ser marcadas explicitamente
como tal. Para isso, deverá definir-se o código "Área funcional autorizada". Essa estrutura do balanço / L/P
poderá então ser também utilizada pelos relatórios do balanço do sistema de informação das contas do Razão.

Definir determinação de contas

Utilização:

Nesta etapa é definida a determinação de contas para o report Lançamentos de encerramento/iniciais


(RFSUMB00). Com o report é possível efetuar os seguintes lançamentos para o encerramento do exercício:

 Lançamentos para faturas de ganhos e perdas para o encerramento do exercício;

 Lançamentos para o encerramento e para a abertura das contas do balanço.

Atenção

Essa etapa e o report pertencente só necessitam de ser efetuados se, devido a determinações legais em alguns
países, tiverem de ser criados documentos sobre os lançamentos de encerramento/transporte de saldo
inicial para uma empresa. Nos seguintes países estão, por exemplo, prescritos legalmente alguns documentos
sobre lançamentos de encerramento/transporte de saldo inicial.

Para a determinação de contas tem de ser atribuída uma conta de clientes ou de fornecedores dummy a cada
uma das contas de conciliação. Os lançamentos de encerramento/iniciais são lançados nessa conta.

Tem de ser entrado o código do livro do Razão especial para as contas de conciliação para operações do livro do
razão especial.

Pré-requisitos

Antes de ser possível atribuir uma conta de clientes ou de fornecedores dummy a uma conta de conciliação,
tem de estar criada a conta dummy com os seus dados mestre na empresa pretendida. Nesse caso, a conta
tem de ser diretamente lançável.

Provisões

Na Contabilidade financeira, as opções existentes para o lançamento de provisões são:

 As provisões são criadas para materiais ou serviços já recebidos se a fatura for lançada em um período
diferente da entrada de mercadorias ou do serviço. Normalmente, é necessário efetuar o lançamento
dessas provisões manualmente.
 Pode-se lançar provisões de contas a receber incertas automaticamente, utilizando um ajuste com taxa fixa
de valor individual.
 Pode-se utilizar a determinação do resultado em Controlling para calcular e lançar provisões para riscos de
perda e custos em falta referentes a processos de projetos e ordens a longo prazo.

Diferimentos

Despesas e receitas que afetam o período contábil seguinte (por exemplo, o próximo exercício) e cujos
recebimentos e pagamentos já foram efetuados, podem não aparecer no cálculo de lucros e perdas do período
recém-encerrado. São mostradas como despesas pagas antecipadamente ou receitas recebidas
antecipadamente sob a forma de contas diferidas, e são transportadas para o período contábil seguinte.
New G/L

Possibilidades e benefícios com a Nova Contabilidade Geral

- É legal e gerencia relatórios


- Integração em tempo real – CO / FI
- Relatórios Segmentados
- Transparência e Uniformidade
- Redução da TCO
- Mapeamento simples e avaliação paralela
- Conta de balanço com qualquer característica
- Extensabilidade

Não é obrigatório ativar o G/L. Mas com a ativação dele a tabela GLT0 para de atualizar e a nova tabela
GLFAFLEXT começa a gravar os registros.

Ativar contabilidade geral nova

Utilização:

Nesta atividade IMG é ativada a nova contabilidade geral. Isto pode causar o seguinte:

 As funções da nova contabilidade geral encontram-se disponíveis.

 No IMG de referência SAP, será visualizado o menu Contabilidade financeira (nova), ao invés do menu
de contabilidade financeira exibido até agora. As configurações para a nova contabilidade geral podem
ser efetuadas em Configurações globais da Contabilidade Financeira (nova) e em Contabilidade geral
(nova).

 As tabelas da nova contabilidade geral são ativadas e com isso, os dados do lançamento são gravados
nestas tabelas.

Configurações Standard

Ao ativar a nova contabilidade geral, os saldos nas tabelas da Contabilidade Geral clássica (tabela GLT0)
também serão atualizados no sistema Standard, além das tabelas da contabilidade geral nova. Esta
configuração Standard está prevista, para que, na fase de implementação da contabilidade geral nova, seja
possível garantir, com a ajuda de reports de comparação, que a nova contabilidade geral forneça os
resultados corretos.

 Para comparar os dados, utilizar a atividade IMG Comparar ledger.

 Depois de se verificar que a nova contabilidade geral foi definida corretamente e funciona
corretamente, será possível desativar a atualização da contabilidade geral clássica. Para isso, selecionar
no customizing Contabilidade geral (nova) -> Ferramentas -> Desativar atualização da contabilidade
geral clássica (GLT0).

Comparar ledger

Utilização

Nesta atividade IMG é possível comparar os registros de totais de dois ledgers diferentes. A comparação é
efetuada aos níveis da empresa e da conta. É possível incluir também outros campos na comparação (por
exemplo, empresa, centro de custo).
Utilizar este report, se na fase de implementação da nova contabilidade geral ainda forem atualizadas
adicionalmente tabelas da contabilidade geral clássica (GLT0). Com a ajuda deste report é possível comparar os
registros de totais nas tabelas da contabilidade geral nova com os registros de totais nas tabelas da
contabilidade geral clássica (GLT0).
Desativar atualização da contabilidade geral clássica (GLT0)

Utilização

Nesta atividade IMG é possível desativar a atualização das tabelas da Contabilidade geral clássica. Se for
ativada a nova contabilidade geral, são atualizadas no sistema Standard, para além das tabelas da
contabilidade geral nova, também os saldos nas tabelas da contabilidade geral clássica. (tabela GLT0).
Esta configuração Standard está prevista para que, na fase de implementação da contabilidade geral nova, seja
possível garantir, com a ajuda do report de comparação, que a nova contabilidade geral fornece os
resultados corretos. Para comparar os dados, utilizar a atividade IMG Comparar ledgers. Se for determinado
que a nova contabilidade geral foi corretamente instalada e funciona corretamente, então é possível
desativar a atualização da contabilidade geral clássica. Para isso, eliminar o código escrever contabilidade geral
clássica (GLT0).

Configurações Standard

No sistema Standard a leitura dos dados nas tabelas da contabilidade geral clássica está desativada. Assim,
juntamente com os reports da contabilidade geral clássica (por exemplo, balanço/demonstração do
resultado do exercício clássico), são também lidos os saldos das tabelas da contabilidade geral nova. Se o
usuário pretender ler os dados das tabelas da contabilidade geral nova com os reports da contabilidade
geral clássica, definir o código Ler contabilidade geral clássica (GLT0). A definição deste código só é
conveniente se o código escrever contabilidade geral clássica (GLT0) também estiver definido.
Overview SAP Atualidades
Plataforma: Melhorar a Flexibilidade e a Eficiência

As organizações que pretendem responder com rapidez às mudanças dos requisitos de negócio necessitam de
uma estrutura de TI que lhes dê maior flexibilidade. A SAP disponibiliza esta flexibilidade através de:

 Enterprise Service-Oriented Architecture (Enterprise SOA) - A arquitetura orientada aos serviços


empresariais revoluciona o desenho de aplicações de negócio, permitindo a rápida composição de
soluções. Com o Enterprise SOA pode utilizar lógica de negócio e expô-la como um serviço empresarial,
pequenos componentes funcionais que podem ser reutilizados rapidamente para compor novas soluções
para satisfazer novos requisitos de negócio.
 SAP NetWeaver - A plataforma SAP NetWeaver permite a mudança rápida, mas controlada, de
processos de negócio. A plataforma incorpora funcionalidades de negócio, tratadas como componentes
de serviços e de processos empresariais prontos a utilizar, através do seu repositório de serviços
empresariais. Disponibiliza também uma plataforma integrada de tecnologias de composição para o
desenvolvimento de processos de negócio, aplicações e soluções inovadoras.
 Ecossistema – Os membros do interativo ecossistema de clientes e parceiros da SAP colaboram através
de uma variedade de comunidades e programas, incluindo a SAP Developer Network (SDN), a
Enterprise Services Community, as Industry Value NetWorks (IVN) e as soluções de parceiros.

Enterprise SOA, SAP NetWeaver e o Ecossistema SAP: Cumprindo a Promessa das TI

Alimentada pelas atividades do ecossistema, a SAP, os nossos parceiros e clientes estão a desenvolver serviços
empresariais para mais de 25 segmentos de indústria, incluindo banca, químico, bens de consumo, tecnologia
de ponta, administração pública e retalho. Estes serviços estão disponíveis para utilizar através da plataforma
SAP NetWeaver, permitindo-lhe responder com sucesso a dois desafios de TI fundamentais:

 Acelerar a inovação e responder às necessidades de negócio com uma plataforma flexível e


baseada em serviços empresariais
 Reduzir drasticamente os custos de desenvolvimento de novos processos de negócio através da
reutilização de funcionalidades existentes

Com a SAP pode alcançar a infra-estrutura de TI eficiente e flexível que o seu negócio exige.

SAP NetWeaver

Plataforma Aplicacional e de Integração

É possível rentabilizar ainda mais os seus investimentos em TI. Com SAP NetWeaver, pode fazê-lo. Enquanto
vasta plataforma de integração, o SAP NetWeaver foi concebido para trabalhar com os sistemas e o software
que já possui. Pelo fato de reduzir a necessidade de integração à medida, ajuda-o a diminuir o custo de posse
total dos seus sistemas de TI.

O SAP NetWeaver baseia-se nos mais recentes modelos e tecnologias da Internet como HTTP, XML e Web
Services. Por outro lado, assegura a abertura e a interoperabilidade com Microsoft.NET e ambientes J2EE como
o IBM WebSphere, e permite-lhe tirar partido das soluções de negócio adequadas ao seu caso particular.

É óbvio que uma tecnologia realmente eficaz deverá ser colocada à disposição da sua empresa e deverá
disponibilizar uma arquitetura escalável que suporte soluções empresariais de vários sistemas e empresas. É aí
que reside todo o poder do SAP NetWeaver, ao ser capaz de reunir informação estruturada e não estruturada e
de harmonizar dados formalmente retidos em vários sistemas, através de conteúdos de negócio pré-definidos
que permitem acelerar o seu retorno do investimento.
Preparar o Futuro

O SAP NetWeaver tira partido dos atuais investimentos em TI, ao mesmo tempo que prepara o futuro em
termos de novos e inovadores processos empresariais. O SAP NetWeaver é a plataforma aplicacional e de
integração que suporta as SAP x Apps e todas as soluções mySAP Business Suite. Para além disso, concretiza
uma nova arquitetura aplicacional, denominada Enterprise Services Architecture, que combina aplicações
empresariais com Web Services e tecnologias abertas, permitindo a implementação de processos de negócio
adaptáveis.

SAP Solution Manager

Implementar, Gerir, Monitorizar e Suportar as Soluções SAP.

A plataforma SAP Solution Manager é centralizada e possui um conjunto de ferramentas de gestão de soluções
robustas. Permite que as empresas implementem, operem, monitorizem e suportem as suas soluções SAP.

A plataforma SAP Solution Manager facilita o suporte técnico a sistemas distribuídos, com a funcionalidade de
abranger todos os aspectos-chave do desenvolvimento da solução, operação e melhoria constante. Esta
plataforma combina ferramentas, conteúdos e acesso direto ao sistema SAP, de forma a aumentar a viabilidade
das soluções e a reduzir o custo total de propriedade.

Através da plataforma SAP Solution Manager poderá estar certo de que todo o seu ambiente SAP está a
funcionar com a sua potência máxima. Este conjunto de ferramentas abrange todo o seu ambiente de TI,
suportando software SAP ou de outros fornecedores, e soluções atuais ou futuras da SAP. Como parte
integrante da plataforma SAP NetWeaver, SAP Solution Manager encontra-se incluída no custo anual de
manutenção para as soluções SAP.

A plataforma SAP Solution Manager abrange tanto os aspectos técnicos e de gestão das suas soluções,
concentrando-se essencialmente nos processos-chave de gestão. Suporta a ligação entre processos de gestão e
a infra-estrutura de TI onde está baseada. Como resultado, facilita a comunicação entre o seu departamento de
TI e as suas áreas de negócio. E assegura que possa tirar o maior proveito dos seus investimentos em TI.

Funcionalidades Chave

O SAP Solution Manager representa o canal preferencial de colaboração e comunicação com a estrutura de
suporte ativo da SAP. Pode ajudá-lo a gerir as soluções SAP de uma forma ideal, assegurando o retorno do
investimento e minimizando o custo total de propriedade (TCO). Apresenta as seguintes características e
funcionalidades:

 Implementação -- Fornece acesso às ferramentas, conteúdos e metodologias necessárias para


implementar e otimizar as suas soluções SAP, numa perspectiva técnica e funcional;
 Global Rollout -- Facilita a normalização e harmonização dos processos através das organizações,
fornecendo metodologias aprovadas com as funcionalidades necessárias. Permite uma implementação
com processos Standards a serem utilizados de uma forma global por toda a organização;
 Sincronização de customização -- Permite que a personalização dos seus sistemas seja feita de uma
forma centralizada, segura e com menos erros a quando da replicação para os vários sistemas locais;
 Testes -- Acelera a preparação e execução dos testes. Fornece um único ponto de acesso ao sistema,
permitindo o armazenamento centralizado dos casos de teste e resultados;
 Monitorização de Soluções -- Ajuda-lhe a alcançar as suas expectativas em termos de performance e
disponibilidade, com a monitorização centralizada da solução em todo o processo de negócio, em
múltiplos componentes;
 Operações -- Permite-lhe aceder aos serviços de suporte SAP, tais como SAP Safeguarding, SAP
Empowering, SAP Solution Management Optimization e SAP Best Practices;
 Suporte -- Oferece uma completa infra-estrutura para organizar e operar uma área de suporte na sua
empresa.
Benefícios para o seu Negócio

Como grandes benefícios técnicos e de negócio poderemos apresentar:

 Poupança de tempo e dinheiro através de uma instalação rápida e com objetivos definidos;
 Redução de riscos com a salvaguarda das operações técnicas das soluções SAP;
 Geração de alertas em tempo real;
 Relatórios de Early Watch Alert gerados automaticamente para todos os sistemas;
 Relatório de níveis de serviço gerados conforme métricas de KPI definidos;
 Facilidade e viabilidade na administração de sistemas;
 Repositório central para documentação dos projetos a implementar;
 Possibilidade de criar um Help-Desk.

SAP Business Suite — A família de aplicativos para negócios mais abrangente do mercado. Construído sobre a
plataforma SAP NetWeaver a solução SAP Business Suite inclui as seguintes soluções: SAP CRM, SAP PLM, SAP
ERP, SAP SCM e SAP SRM.

SAP Business Suite: Aplicativos Para Diferentes Tipos De Empresas E Diferentes Processos

Pequenas, médias e grandes empresas já descobriram que SAP Business Suite é a família mais abrangente e
flexível de aplicativos de negócios do mercado, com as melhores funcionalidades desenvolvidas para assegurar
a integração, os recursos específicos por setor vertical, a escalabilidade ilimitada e a colaboração muito simples
pela Internet. Os aplicativos SAP Business Suite permitem o gerenciamento dos processos de negócios mais
críticos. Juntos, eles formam um conjunto fortemente integrado, que agrega valor a cada aspecto de sua
organização, tanto internamente como junto à cadeia externa de valor.

Os aplicativos da família SAP Business Suite se baseiam na plataforma SAP NetWeaver, a mais completa
plataforma de integração e de aplicações. Isto reduz o custo total de propriedade (TCO) de todo o ambiente de
TI e suporta a evolução do SAP Business Suite para uma arquitetura baseada em serviços.

 SAP Customer Relationship Management (SAP CRM)


 SAP ERP
 SAP Product Lifecycle Management (SAP PLM)
 SAP Supply Chain Management (SAP SCM)
 SAP Supplier Relationship Management (SRM)

SAP Business Suite: Benefícios de Negócios

O SAP Business Suite é uma abrangente família de aplicativos de negócios através da qual as empresas podem
gerir sua completa cadeia de valor. Entre os benefícios destacam-se:

 Excelência operacional - O SAP Business Suite favorece a excelência operacional, oferecendo ao


mesmo tempo uma visibilidade completa sobre a empresa em toda sua extensão. As organizações
conseguem transformar tendências e sinais imediatamente em respostas operacionais, tanto
internamente como junto a seus principais parceiros de negócios.
 Respostas mais ágeis às mudanças – O SAP Business Suite permite que as empresas analisem as
informações inerentes às suas operações regulares, além das informações estruturadas e não-
estruturadas de todas as áreas da empresa, em um formato de painel executivo (dashboard). Isso
proporciona respostas mais rápidas às transformações internas e do mercado, aumentando
significativamente sua vantagem competitiva.
 Integração transparente – O SAP Business Suite soluciona os problemas de integração sob o enfoque
de cada empresa, oferecendo uma plataforma aberta – baseada no SAP NetWeaver – e todos os
recursos de integração de aplicativos. As empresas se beneficiam enormemente de suas
funcionalidades de gestão de processos, de âmbito corporativo, e de seu baixo custo total de
propriedade (TCO).
 Benefícios mais imediatos – O SAP Business Suite também soluciona os problemas de
implementação, oferecendo modelos das melhores práticas por setor vertical. O desenvolvimento de
soluções verticais está fundamentado nas necessidades dos clientes em cada um desses mercados, o
que resulta em uma implementação mais ágil e benefícios mais imediatos.
 Operações globais – Aproveitando toda a experiência da SAP em implementações globais, de grande
escala, o SAP Business Suite permite que as empresas integrem com facilidade suas operações de
âmbito global. De fato, o SAP Business Suite suporta mais idiomas e versões por país que qualquer
outro conjunto de aplicativos do mercado.
 Operações confiáveis – Baseado na plataforma SAP NetWeaver, o SAP Business Suite oferece um
enfoque pragmático da tecnologia, o que assegura operações ao mesmo tempo confiáveis e escaláveis.
 Adaptabilidade – o SAP Business Suite oferece ao mesmo tempo grande profundidade e amplitude em
termos de funcionalidades, assegurando aos clientes sua contínua inovação e adaptação mais fácil às
mudanças.

SAP CRM: Sua empresa centrada no cliente

Hoje, mais que nunca, a transformação de sua empresa em uma organização totalmente centrada no cliente é
um requisito essencial para assegurar seu faturamento e rentabilidade. Entretanto, para transformar essa visão
centrada em realidade, sua organização precisa de uma solução de CRM que seja capaz de orquestrar os
processos em todas as suas áreas, e além dos limites da própria empresa.

Este é o potencial oferecido pelo SAP Customer Relationship Management (SAP CRM). SAP CRM é a única
solução capaz de viabilizar processos de negócios totalmente confiáveis, abrangentes e centrados no cliente,
proporcionando um benefício real de cada cliente. A solução se aplica a processos dirigidos aos mercados
verticais para suportar departamentos que interagem diretamente com os clientes, especificamente nas áreas
de marketing, vendas e serviços. A adoção do SAP CRM assegura uma visibilidade de 360 graus de todos os
pontos de contato do cliente e dos canais de interação, incluindo o campo, a Internet, centros de interação e
parceiros do canal. A solução SAP CRM oferece ainda poderosos recursos analíticos.

Só o SAP CRM é capaz de:

 Suportar processos relacionados com clientes, de ponta a ponta – SAP CRM assegura a
orquestração de todas as tarefas relacionadas aos clientes, de um departamento para outro,
incorporando, de forma transparente, atividades tais como o fulfillment, a distribuição, o faturamento e
contas a receber.
 Suprir toda a organização com informações de clientes — A solução SAP CRM reúne todas as
fontes relevantes de informações dos clientes, distribuídas por toda a empresas, contribuindo para um
melhor processo de tomada de decisões.
 Oferecer benefícios imediatos – Só o SAP CRM permite que as empresas resolvam, em primeiro
lugar, as prioridades estratégicas e cumpram com os objetivos mais rapidamente. A solução pode ser
expandida de forma gradual e cada etapa trará, de uma maneira tangível, o correspondente retorno
sobre os investimentos.

SAP CRM 2005 traz agora este suporte exclusivo para sua empresa, com base na contínua parceria com
algumas das maiores empresas de mais de 25 setores do mercado.

SAP ERP: a base mais confiável para a inovação e a excelência empresarial

Estratégias e operações mais alinhadas. Maior produtividade e visibilidade sobre toda a organização. Estas e
outras vantagens representam o grande potencial do SAP ERP – a família de aplicativos que permite que sua
empresa se adapte rapidamente às exigências de um mercado em constante transformação.

Os aplicativos SAP ERP é um software integrado de planejamento de recursos corporativos (ERP – Enterprise
Resource Planning), de qualidade mundialmente reconhecida, destinado a atender aos principais requisitos de
software das mais exigentes empresas de médio e grande porte, de todos os setores e mercados verticais, em
qualquer país do mundo. O conjunto de aplicativos SAP ERP se constitui de quatro soluções individuais que
sustentam as principais áreas funcionais das organizações.

SAP ERP vem com quatro soluções individuais que atendem aos processos principais de empresas:

 SAP ERP Financials  SAP ERP Operations

 SAP ERP Human Capital Management  SAP ERP Corporate Services

Com o lançamento do SAP ERP 2005, a SAP anuncia com grande satisfação mais de 300 aperfeiçoamentos em
relação à versão tradicional do SAP ERP, que permite agregar ainda mais valor à sua empresa.
O software SAP ERP atende às principais necessidades de empresas de todo tipo, como resultado de três
décadas de experiência acumulada da SAP.

 Desenvolvido sobre a plataforma SAP NetWeaver: – Reduz a complexidade de TI, suportando, ao


mesmo tempo, a escalabilidade e o crescimento, através de uma abrangente plataforma de integração
e aplicativos.
 Software fortemente integrado, para otimizar a interação dos processos de forma
multifuncional – Possibilita uma estreita colaboração dentro e fora dos limites das organizações.
 Software otimizado por recursos específicos e melhores práticas de cada setor – Permite que
as empresas reduzam seu custo total de propriedade (TCO) e tenham um retorno mais rápido sobre
seus investimentos (ROI), beneficiando-se de uma infra-estrutura de TI mais flexível, própria para a
inovação.
 Concebida para suportar operações internacionais – Propiciando grande eficiência e resultados
bem sucedidos nas operações e concorrências globais.

SAP PLM: Ajudando Você a Desenvolver os Produtos Certos, nos Momentos Certos e pelo Custo
Certo

Para desenvolver com êxito novos produtos para os mercados de hoje, empresas devem facilitar criatividade e
inovação através da remoção de barreiras organizacionais. É por isso que empresas de sucesso em uma ampla
variedade de indústrias utilizam SAP Gerenciamento de Ciclo de Vida de Produtos (SAP Product Lifecycle
Management, SAP PLM).

SAP PLM oferece uma base sólida para o desenvolvimento e introdução de novos produtos (new product
development and introduction, NPDI) de sucesso, permitindo que você administre pessoas e informações em
um único e integrado processo. Com SAP PLM você pode conectar e envolver todos os departamentos, inclusive
marketing e vendas, planejamento e produção, aquisições e manutenção. Além disso, SAP PLM permite uma
fácil colaboração entre parceiros, fornecedores, produtores e provedores de serviços – e até mesmo
consumidores.

SAP PLM fornece a grupos contribuidores uma visão holística de processos empresariais relacionados a produtos
e informações através de todo o ciclo de vida de produtos e bens – desde a conceitualização, design e
engenharia até o agregamento do produto e gerenciamento de mudanças, serviço e manutenção.

Como a solução mais abrangente para gerenciamento de ciclo de vida de produtos no mercado hoje, SAP PLM
pode ajudar a sua organização das seguintes formas:

 Permitindo engenharia colaborativa, desenvolvimento de produtos e gerenciamento de projetos, bens e


qualidade.
 Permitindo a administração de requisitos de ambiente, saúde e segurança junto a diversos parceiros
 Trabalhando em harmonia com SAP Gerenciamento de Relacionamento com Consumidores, SAP
Gerenciamento de Relacionamento com Fornecedores, SAP Gerenciador de Cadeia de Produção, e SAP
ERP melhorando assim a comunicação entre departamentos de marketing, vendas, engenharia,
produção e serviços
 Trazendo uma solução completa para a administração de todo o ciclo de vida do produto, reduzindo
custos de integração e pondo o serviço à disposição de consumidores mais rapidamente.

SAP SCM: Uma Solução Rápida e Completa para Conectar e Capacitar sua Empresa

Em tempos de competição intensa, a eficiência da cadeia de fornecimento não é apenas um requisito para o
sucesso. É uma necessidade para a sobrevivência.

SAP Gerenciamento de Cadeia de Fornecedores, (Supply Chain Management, SAP SCM) pode ajudar a sua
empresa a transformar cadeias lineares de fornecimento em uma rede de cadeias fornecedoras adaptáveis,
permitindo que você acesse os conhecimentos e recursos de seus colegas, ajuste-se de forma inteligente a
mudanças em condições de mercado e manter-se focado no cliente. Trazendo uma vantagem competitiva à sua
empresa.

Muitas outras empresas já usaram SAP SCM para melhorar seus processos operacionais e empresariais. Aliás,
SAP SCM é a única solução de cadeia de fornecedores que possibilita que empresas adaptem seus processos de
cadeia de fornecimento a um ambiente de concorrência em constante mudança.
SAP SCM possibilita redes de fornecimento adaptáveis ao oferecer a empresas capacidades de planejamento e
execução para gerenciar operações empresariais, assim como tecnologias de coordenação e colaboração para
estender estas operações além das fronteiras corporativas. Como resultado, empresas atingem melhorias
medíveis e sustentáveis através da redução de custos, aumentos nos níveis de serviços e ganhos de
produtividade – levando a maiores margens de lucros.

SAP SRM: Gerenciando Gastos para uma Lucratividade Contínua

Em face à demanda empresarial por lucratividade sustentável, empresas de todos os tamanhos estão se
voltando à procura de fornecedores e aquisições – e as vantagens finais de gerenciar gastos com fornecedores.
Se você puder reduzir o custo de bens e serviços adquiridos, você poderá aumentar a lucratividade – sem
aumentar vendas ou sacrificar qualidade.

É aí que entra o SAP Supplier Relationship Management (Gerenciamento de Relacionamento com Fornecedores,
SAP SRM). SAP SRM automatiza processos entre a procura por fornecedores e aquisições, dentro da empresa e
ao longo de toda a base de oferta. Aumentando a visibilidade da cadeia de produção e lhe dando uma visão
completa de gastos globais.

Com SAP SRM, você pode controlar todo o ciclo de produção – desde a estratégia até a execução – para lhe
ajudar a otimizar a seleção de fornecedores, diminuir o tempo dos ciclos e então construir relacionamentos
funcionais e sustentáveis com fornecedores. E, com as vantagens exclusivas de conteúdo consolidado e dados
mestre, SAP SRM lhe ajuda a tomar e executar decisões que se alinham com a estratégia corporativa. Para ver
exatamente como SAP SRM agrega valor à sua empresa, veja os SAP Business Maps.

O APO é composto por ferramentas que modelam os centros de fornecimentos, centros consumidores e rotas.
Essa
modelagem, associada a um estudo de previsão da demanda (forecasting) de todo tipo de sobressalentes,
permite
distribuir, de forma organizada e sintonizada com a previsão, os materiais em centros de fornecimento,
estoques e
distribuidores. O consumo é registrado e controlado no R/3 (PS, PM e MM), podendo ser mapeado em tempo
real no APO.

OLTP é um acrônimo de Online Transaction Processing ou Processamento de transações em tempo-real. São


sistemas que se encarregam de registrar todas as transações contidas em uma determinada operação
organizacional. Por exemplo: sistema de transações bancárias registra todas as operações efetuadas em um
banco.

OLTP requer suporte para transações em rede que pode envolver mais de uma empresa. Por isso, os novos
software OLTP utilizam processamento cliente/servidor e softwares intermediários que permitem transações
rodarem em diferentes plataformas de computadores numa rede.

Em grandes aplicações, a eficiência do OLTP vai depender de um sofsticado software de gerenciamento de


transações (como o CICS) e/ou otimizações táticas de banco de dados de um grande número concorrente de
updates em um banco de dados orientado a OLTP.

Para uma demanda ainda maior de descentralização de sistemas de banco de dados, aplicações OLTP
intermediárias podem distribuir o processamento de transações por diversos computadores em uma rede de
computadores. OLTP é também geralmente integrado ao SOA e Web-services.

Benefícios

OLTP tem dois benefícios principais: simplicidade e eficiência.

Redução de documentos e uma forma mais rápida de calcular retornos e despesas são exemplos sobre como
OLTP simplifica as coisas nos negócios. Ele também serve como base para o estabelecimento de uma
organização estável, por causa da atualização constante. Outro fator de simplicidade é o que permite aos
consumidores a escolha de como eles querem pagar, tornando muito mais fácil concretizar uma transação.

OLTP é comprovadamente eficiente porque dinamiza enormemente as bases de uma organização, os


processamentos individuais são mais rápidos e está disponível.
Desvantagens

É uma ótima ferramenta para qualquer empresa, mas ao utilizar OLTP existem algumas coisas para se
preocupar: as questões de segurança e os custos.

Um dos benefícios do OLTP é também uma grande ameaça de segurança: a disponibilidade plena das
informações que esses sistemas propiciam, também deixa os dados à mercê de crackers e intrusos.

Para transações B2B, os negócios devem estar offline para completar algum tipo de processo individual,
causando compradores e fornecedores perderem um pouco do benefício da eficência que o sistema propicia.
Tão simples quanto o OLTP é, a menor falha no sistema tem o potencial para causar uma série de problemas,
causando perda de tempo e dinheiro. Outro custo a ser observado é o para a falha potencial de servidores. Isto
pode causar demora na recuperação ou até mesmo perda de uma quantidade incomensurável de dados.