Você está na página 1de 19

Lab. Eng.

Bioprocessos

José Manuel Salgado

Departamento de Engenharia Biológica


Universidade do Minho

1
Laboratórios de Engenharia de Bioprocessos

Agitação e arejamento
2
Agitação e arejamento

Função dos agitadores:


Bioprocessos

• promover a mistura de constituintes do meio de cultura reduzindo ou


eliminando gradientes de concentração e de temperatura, assim tornando o meio
deAlimentos

mais homogéneo;
• manter os sólidos, em particular a biomassa, em suspensão;
dos

• promover uma melhor transferência de massa gás-líquido, desintegrando as


Engenharia
Engenharia

bolhas de ar e aumentando a área interfacial.


Ciência ede
Laboratórios

O conceito de mistura perfeita, ainda que fácil de concretizar em pequenos


fermentadores laboratoriais, não é realizável em equipamento de escala
industrial.

3
Agitação e arejamento
TIPOS DE AGITADORES
A intensidade de agitação depende grandemente do tipo de agitador usado que deverá
Bioprocessos

ser seleccionado em função da natureza do meio a agitar e da intensidade da mistura


deAlimentos

a impor.
Engenharia
Ciência ede
Laboratórios dos
Engenharia

Os agitadores podem dividir-se em duas classes: os de escoamento axial e os de


escoamento radial.
Os principais agitadores são do tipo hélice marinha (propellers), lâminas (“paddles”)
verticais ou inclinadas e, sobretudo em fermentadores, turbinas de pás, e cada um
deles ainda acomodam diversas variações e sub-tipos.
A maior parte dos agitadores para caldos de fermentação são do tipo turbina de
Rushton com 6 pás.

4
Agitação e arejamento

CHICANAS
Bioprocessos
deAlimentos

As chicanas são usadas para evitar a formação de vórtices na agitação de líquidos de


viscosidade reduzida, como o são os caldos de fermentação, quando o agitador está
dos

montado co-axialmente no fermentador. Em geral as chicanas, com uma largura igual a


Engenharia
Engenharia

1/10 do diâmetro do fermentador, são em número de quatro montadas verticalmente


duas a duas em posição oposta junto à parede do fermentador; em muitos casos há
um pequeno espaço entre a chicana e a parede.
Ciência ede
Laboratórios

5
Agitação e arejamento
CHICANAS a b
Ciência ede
Laboratórios Engenharia
Engenharia Bioprocessos
deAlimentos
dos

A importância das chicanas advém da introdução de turbulência no líquido: o


movimento do líquido sob a acção do agitador na ausência de chicanas mover-se-ia
segundo linhas de corrente circulares em torno do eixo de agitação (a) e o grau de
mistura entre diferentes camadas de líquido seria reduzido e formar-se-ia um
vórtice forçado que introduziria ar no líquido e reduziria a potência transmitida ao líquido.
Ao introduzir as chicanas as linhas de corrente são interrompidas, gera-se intensa
turbulência e os vórtices e remoinhos são destruídos (b).
6
Agitação e arejamento
Arejamento
Bioprocessos

Para o sucesso das fermentações aeróbias é essencial promover aos


deAlimentos

microorganismos oxigénio suficiente de modo a satisfazer as suas exigências em


qualquer fase do processo. O caso de falha no fornecimento de oxigénio necessário pode
conduzir a mudanças indesejáveis no processo, com a consequente diminuição do
dos

rendimento do produto desejado.


Engenharia
Engenharia

O fornecimento de oxigénio é normalmente efetuado por arejamento, ou seja injeção


de ar ou oxigénio puro, existindo em muitos casos a presença de agitação mecânica.
O arejamento tem assim como principais funções a transferência de oxigénio e a mistura
Ciência ede

do meio, sendo esta última a menos importante mas que por vezes controla a
Laboratórios

necessidade de arejamento.
Os equipamentos normalmente usados para o arejamento consistem em difusores de ar,
turbinas e unidades de arejamento superficial.

7
Agitação e arejamento
Transferência de Massa
Bioprocessos

Em fermentações aeróbias a transferência de massa gás-líquido para oxigenação dos


caldos processa-se vencendo várias resistências em série quando o oxigénio tem de se
deAlimentos

transferir das bolhas de ar até aos microrganismos. Contudo, o filme líquido em torno da
bolha tem sido considerado como principal e limitante resistência; por outro lado,
resistências como as de interfaces não são fáceis de determinar de tal modo que todas as
dos

resistências são englobadas numa única global e assim o fluxo de oxigénio (OTR) é
Ciência ede
Laboratórios Engenharia
Engenharia

onde C* é a concentração de oxigénio na interface ar-líquido (aproximadamente a


solubilidade do oxigénio), C é a concentração de oxigénio no todo do líquido, KL é o
coeficiente global de transferência de massa e “a” é a área interfacial específica.

Os valores de KL e de “a” poderão ser estimados através de correlações ou medidos


separada ou conjuntamente. 8
Agitação e arejamento
Determinação do coeficiente volumétrico de transferência de oxıgênio
Bioprocessos

Diferentes métodos são utilizados para medir o coeficiente volumétrico de transferência de


deAlimentos

oxigênio, kLa.
Métodos diretos:
dos

Desarejamento (gassing-out) dinâmico


Engenharia
Engenharia

Métodos indirectos:
Ciência ede

Desarejamento (gassing-out) estático


Laboratórios

Método sulfito

9
Agitação e arejamento
Desarejamento (Gassing-out) estático (estado não estacionário)
Bioprocessos

Na ausência de organismos respiratórios (sem consumo de oxigénio) extrai-se o


oxigénio dissolvido no líquido do fermentador injetando N2 acompanhando o evoluir da
deAlimentos

concentração do oxigénio com um sensor polagrográfico. Quando essa concentração é


suficientemente baixa, perto de 0% de saturação à temperatura do líquido, pára-se a
injeção de N2 e inicia-se o borbulhamento de ar monitorizando e registando
dos

continuamente a evolução temporal da concentração de oxigénio. O aumento da


Engenharia
Engenharia

concentração de oxigénio é devido apenas ao processo de dissolução no líquido. Estes


dados serão depois tratados de acordo com os modelos seguintes.
O balanço de massa ao oxigénio num elemento de fluido traduz-se pela equação
Ciência ede
Laboratórios

dCL
= kL a(CL* − CL )
dt
de onde, por integração, se tem
CO2 t
dCO2 CO* 2 − CO2
∫C *
− CO2
= kL a ∫ dt ln
C −C
* o
= −K L a(t − to )
CO* 2 O2 tO O2 O2

10
Agitação e arejamento
Desarejamento (Gassing-out) estático (estado não estacionário)
Bioprocessos

Introduzindo os valores experimentais de C ao longo do tempo nesta equação e


deAlimentos

representando-os graficamente obtém-se uma recta cujo declive é o simétrico de


KLa.
Engenharia
Ciência ede
Laboratórios dos
Engenharia

11
Agitação e arejamento
Correlações para estimativa de Kla
Bioprocessos

Um dos aspectos mais importantes a considerar nos processos de cultura de


microrganismos é a transferência de massa. Muitas correlações para estimar
deAlimentos

coeficientes de transferência de massa têm sido propostas, porém, com largas


margens de erro, até porque geralmente elas são dependentes da escala ou específicas de
processos.
dos
Engenharia
Engenharia

As expressões conhecidas da literatura científica indicam que KLa está directamente


dependente da potência transmitida ao fluido e do caudal de ar alimentado ao
fermentador, podendo, pois, escrever-se
Ciência ede
Laboratórios

onde us é a “velocidade superficial” do ar:

12
Laboratórios
Ciência ede
Engenharia
Engenharia
dos
deAlimentos
Bioprocessos

Agitação e arejamento
O2 (mg/L)

10
0

9
0
100
200
300
t (s)
400
500
600
700
13
Agitação e arejamento
CO* 2 − CO2
Representar graficamente ln = −K L a(t − to )
C −C
* o
Bioprocessos

O2 O2
deAlimentos

6
Ln((CO2* - CO2) /( CO2*- CO20))

y = -76.922x + 5.3411
kLa =76.9 h-1
dos

5 R² = 0.9807
Engenharia
Engenharia

3
Ciência ede
Laboratórios

0
0 0.01 0.02 0.03 0.04 0.05
t (h)

14
Agitação e arejamento
Para cada condição testada:
Bioprocessos

1) Determinação da Potência de Agitação sem Arejamento, P0


Engenharia
Engenharia deAlimentos
dos

1.1 ) Calculo do número de Reynolds, NRe


Ciência ede
Laboratórios

Com
N, velocidade do agitador em s-1
d, diâmetro do agitador, em m

15
Agitação e arejamento
Para cada condição testada:
Bioprocessos
deAlimentos

1.2 ) Calculo do número de potência, NP


Engenharia
Ciência ede
Laboratórios dos
Engenharia

16
Agitação e arejamento
Para cada condição testada:
Bioprocessos
deAlimentos

2) Determinação da Potência de Agitação com Arejamento, Pg


Engenharia
Ciência ede
Laboratórios dos
Engenharia

17
Agitação e arejamento
Para cada condição testada:
Bioprocessos

3) Determinação dos parâmetros α, β e k


Engenharia
Engenharia deAlimentos
dos

3.1) Determinação da velocidade superficial, Vs

Qa
Vs =
Ciência ede

As
Laboratórios

3.2 ) Determinação do volume de líquido, VL

VL = Ab * L

18
Agitação e arejamento
3) Determinação dos parâmetros α, β e k
Bioprocessos

Recorrendo ao Solver Excel


deAlimentos

Condição Kla experimental Pg VL vS Pg/VL kla estimado (Klaest-Kla)^2


1 0.011 0.052922755 0.001257904 0.0031004 42.07218 0.018 0.000043
2 0.0226 0.367479731 0.001257904 0.0031004 292.1366 0.026 0.000014
dos

3 0.0379 0.873200924 0.001257904 0.0031004 694.1714 0.032 0.000040


Engenharia

0.01
Engenharia

4 0.008282574 0.001257904 0.0031004 6.584425 0.012 0.000020


5 0.01 0.000123476 0.001257904 0.0046506 0.09816 0.007 0.000009
6 0.01 1.44924E-05 0.001257904 0.0077510 0.011521 0.007 0.000050
nº pontos 6
média = 0.02 Σ= 0.000175
Ciência ede
Laboratórios

alfa beta K
pelo solver 0.210044029 0.82330086 0.92973748
±

19