Você está na página 1de 44

http://www.forexpro.

pt/
http://www.forexpro.pt/o-que-e-forex-hedging
http://www.forexpro.pt/webinario-curso-introducao-forex

http://blog.bigmiketrading.com/2009/06/murrey-math-in-more-detail.html
http://financefeeds.com/what-the-fx-industrys-leaders-think-of-belgiums-unprecedented-fx-cfd-
and-binary-ban/
https://www.ig.com/pt/produtos

FOREX
https://www.ig.com/pt/forex-trading
https://www.fxcm.com/forex/what-is-forex/
http://www.investopedia.com/university/forexmarket/forex1.asp

Forex Broker Types


https://www.blackbullmarkets.com/best-regulated-forex-broker

PIPS
http://www.investopedia.com/terms/p/pip.asp?ad=dirN&qo=investopediaSiteSearch&qsrc=0&o=40
186

CFS

Curso Forex
http://www.marceloferreirafx.com/curso-2-0
https://www.facebook.com/groups/288666721309440/

Preço de compra: bid


Preço de venda: ask
A diferença é o spread

1 pip = 10 pontos
1 pip é a unidade de variação entre as moedas, com variação na 4ª casa decimal, exceto no JPY (yen)

Recomendação de perda por operação: de 1% a 5%


Lote padrão Eurodólar é de US$ 100.000. Por isso que existe a alavancagem
Eurodólar representa cerca de 85% do volume negociado mundialmente

Pullback = movimentos de correção quando o preço rompeu a resistência e vai testar o suporte
(azul).
AULA 2 Expansão em Linhas de tendências
Marcelo Ferreira FX

Procura-se entrada de compra, para continuação de tendência. O padrão para confirmar o pullback é
o martelo. Se o martelo estiver na região logo após o rompimento. Isso pode indicar que o próximo
candle pode romper na máxima, que a tendência vai continuar a partir daqui (seta azul subindo).

Aqui efetuaríamos um compra, rompendo na máxima e stop na mínima

Linhas de tendência com suporte a resistência

Linha de tendência de baixa


Uma tendência é formada por topos e fundos (círculos vermelhos). O mercado se move em
tendências.
Aqui se procura os pontos de entrada, para negociar numa tendência.

O certo é nos adaptarmos ao quadro de mercado, de acordo com o que o mercado mostra. Não
ficamos presos a uma situação de estratégia, mas sim aos sinais do mercado.
LTA – linha de tendência de alta, é traçada no fundo, no suporte. Rompendo a linha de tendência, as
pessoas fazem uma venda. Isso não é uma regra que sempre dá certo. O Marcelo faz a entrada no
rompimento de uma LTA. Ele espera romper o fundo anterior, se ele não entrou na máxima.

LTB – linha de tendência de baixa. Ao contrário da LTA, a LTB liga os principais topos. No
rompimento da linha perdendo o topo anterior, efetua-se a compra (círculo vermelho)

O que usar no dia-a-dia com essas informações. Existem tendências dentro de tendências.

Mercado consolidado. Os grandes bancos montam suas posições, com algoritmos, robôs, etc. O
rompimento do mercado consolidado é uma compra.

A partir do rompimento temos uma alta aparente (topo – fundo, topo – fundo). Só que essa
tendência chegará no final, quando o mercado está comprado.
Mercado comprado – bancos e pessoas que compraram na baixa, começam a vender, diminuir as
posições (exposição). A partir de então não se forma mais topos e fundos. Nisso entra-se num
momento de euforia, quando as pessoas acham que o mercado continuará subindo. Comprar aqui é
comprar mal, porque aqui haverá realização de lucros.

Acumulação – resultado das vendas do mercado comprado (papel acumulado)


Distribuição – no rompimento da distribuição se faz uma venda.
Quem comprou na acumulação vai realizar o lucro em cima de todos que ficaram na ordem aberta.
Para quem não saiu dessa posição, quem não zerou essa posição, provavelmente levará um stop
Na negociação, quando rompe o topo superior e se está comprado, não vale a pena ficar na
operação.

Nível de oscilação – dentro do canal, tanto na distribuição quanto na acumulação (entre 10,00 e
20,00). É o nível onde o mercado vem oscilando. É nesse ponto que se utiliza algumas estratégias.
80% dos traders do Marcelo são baseados em nível de oscilação e consolidação.

Consolidação – ocorre dentro de uma tendência. O mercado se movimento, é dominado,


especulativo e lucrativo.

O nível de oscilação nada mais é que os níveis em que os grandes bancos operam.

A partir do nível de oscilação, o mercado rompe, respeita o nível anterior e sobe. Acumula
novamente, corrige, forma um fundo e novamente volta a subir e assim sucessivamente.
Dentro da acumulação temos o rompimento, o mercado rompe, respeita o nível anterior, volta
numa correção (pullback). A partir desse pullback (correção) já temos o próximo nível.

Ele vai respeitar esse nível, rompendo na altura desse nível para formar o próximo topo. Quando
chegar na altura desse nível anterior, forma o próximo topo, e cai para formar o próximo fundo
(pullback).

Temos várias indicações de fundo e de topo. Isso caracteriza uma tendência de mercado (vermelho).
Dentro da tendência formam-se vários canais (azul). Ao final da tendência ocorre quando o mercado
perde o fundo anterior e começar a formar a partir daqui topos e fundos descendentes.

Não seguir uma tendência, mas sim um quadro gráfico


Vários topos ligados formam uma tendência. No exemplo, temos 2 tendências, longo e curto prazo.
A linha de resistência forma o mercado consolidado.
A região de suporte é um canal lateralizado.
No final da tendência temos uma acumulação, o mercado praticamente acumulando dentro do
canal.
Após a acumulação superior, o mercado começa a despencar.
Cabe a você preparado para agir em cada situação.
Quem entra no rompimento e dá stop no topo. Isso se chama stop técnico. A tendência é sua amiga,
neste caso o stop é técnico.

Após o stop técnico, o preço não vai voltar. Se você está vendido nessa região, sai da operação caso
perca o topo anterior. Neste caso não vale mais a pena continuar. Temos uma tendência de baixa e a
partir dela temos a acumulação.

O Marcelo sempre procura o mercado consolidado, não que entre somente no rompimento.
Temos 3 tipos de quadros de mercado para negociar:
1. Consolidado ou lateralizado

2. Mercado em tendência de baixa

3. Mercado em tendência de alta

Qual é o posicionamento quando o mercado está em linha de tendência de baixa. Ligamos os


principais fundos e fazemos a entrada. O rompimento aconteceu, temos uma figura gráfica, que é
uma figura de continuação de tendência. Temos um triangulo de baixa, que é de continuação de
tendência (vai romper e vai embora).

Temos uma resistência em 1,39568. Da linha de resistência até a linha de suporte, seguimos a
tendência. Ou entramos quando o preço está próximo ao canal e pede um fundo anterior, o preço
chega próximo à linha e entra no rompimento do fundo anterior, ou simplesmente aguarda romper
os pontos que marcamos no gráfico. Esse é o nível de oscilação (varinha mágica).

A partir do rompimento, a varinha mágica pode salvar, questão clássica, porque quando o preço
chegar na máxima da oscilação, pode acontecer do mercado voltar contra você (pullback) , o preço
teste o suporte que era resistência.

O preço chegou na máxima da oscilação e corrige no pullback


Temos aqui uma outra consolidação, os vendedores perderam força, deu uma repicada e volta a cair

Quando volta aqui nesse repique a cair, lá nos 80% novamente, o preço segura e é a posição de take

É muito importante começar a trabalhar vendo que o nível de oscilação veio lá de cima, respeitando
o mesmo nível até a onda (acumulação lá embaixo).

Na tendência de baixa procuramos setup de venda.


Na tendência de alta procuramos setup de compra.

Mesmo no mercado consolidado não se sabe se vai cair ou não. É um jogo entrar no meio.
Quando percebemos que dá uma consolidada, você só percebe 2 posições ou sobe a partir dali ou
vai cair e romper. Rompendo o nível, continuando a tendência, algum fundo deve ser perdido, para
fazer um pullback voltar e perder o fundo...
O próximo quadro de entrada, traçamos a linha de suporte, do canal de resistência (máxima do
canal), traçou o ponto e jogou abaixo. Deu um martelo e um sinal falso. Mas já bateu no take.

A próxima entrada será quando acumular novamente, de acordo com o que o canal rompe, perdeu,
faz a ordem

Operar utilizando linhas de tendência. Encontramos os principais pontos. Perdeu a linha, pega a
varinha mágica lá de cima e projeta em baixo. Colocando take profit abaixo da linha de tendência
não funciona.

Coloca entre 80% a 100% da linha, deixa bater no take e vai embora. O stop é sempre no topo
anterior
Porque se a operação voltar, não vale mais a pena ficar, porque o mercado consolidou. A tendência
é continua. O mercado deu uma mega consolidação.

Quando rompe a linha de curto prazo, o preço testa e rompe, temos alguns padrões acontecendo.

O W foi perdido na linha de tendência de curto prazo.

Perdeu a 1ª linha de curto prazo e automaticamente o topo anterior que é o W. Quando perde o
topo anterior, o alvo será o ponto onde o nível de oscilação formará a projeção um pouco acima.
Joga, suporte, resistência, nível de oscilação.

Quando o preço chegar na máxima é onde ocorre a retração e o mercado vem contra você
Nesse caso seria uma compra contra tendência.

Essa é uma posição dentro de uma tendência de baixa. É uma operação agressiva, porque é contra a
tendência e precisa ter muito mais critério.

O preço chega na máxima da oscilação e a partir desse ponto volta

Take profit

No triangulo simétrico, se romper para cima é compra ou se romper para baixo é venda.
A compra foi feita no rompimento do W buscando a máxima do triangulo simétrico, da linha de
tendencia. Foi uma operação contra a tendência e a partir daí, pelo nível de oscilação conseguimos
manter e zerar a posição na hora certa, bateu no take e voltou a cair.

Quando perdemos o triangulo, podemos fazer a venda, desde que se faça uma base de consolidação
do triangulo, ligando os principais topos próximos ao triangulo, traça a linha. O preço chegará na
máxima do triangulo, voltará contra você e não vale mais a pena ficar na operação.
Chegou no triangulo é o take profit, sempre na máxima ou de 80% a 100% deve colocar o take profit.
A varinha mágica, o nível de oscilação, serve muito para colocar o take profit. É assim que traçamos
a linha de tendência.

Divergência
Quando o preço formando topos mais baixos que os anteriores. Mostra que essa tendência está
chegando no final

Pode entrar vendido, sabendo que o preço chegará na máxima da oscilação. Tendo informação que
há divergência, o preço pode ir contra você. Essa é uma boa hora para zerar a posição com take
profit no lucro, para partir para outra posição.
Linha de tendência de alta

Ligamos os principais fundos para ter a linha de tendencia de alta.


Também temos a de curto prazo.
O canal é de alta. Enquanto o preço estiver variando nesse intervalo, chamamos dentro do canal de
alta.
Quando perde o canal, vende-se, busca a oscilação do canal e efetuamos o take profit

Rompendo o canal de curto prazo, vai buscar o canal de longo prazo.


Num canal de alta, procura-se não vender.
Num canal de baixa procura-se não comprar.
Sempre buscar seguir tendencia.
Procuramos setup de compra, dependendo do que o mercado mostra.
Quando o preço chega próximo ao canal, procura-se as consolidações dentro do canal.
O Marcelo não é a favor de operar os topos dentro do canal, para não ter pullback. Quando entra no
topo, entra-se atrasado e já perdeu a chance.
Quais são as chances do canal? Procurar as consolidações que conseguimos visualizar no canal.
Então executamos as ordens. Mercado é paciência. Nesse caso, temos uma consolidação no
retângulo (ponto de entrada). Entrando, medimos fazendo a varinha mágica, projeta-se para cima, e
faz take nessa realização.
A partir de então foi num triangulo de alta, rompeu, quando perde o triangulo, executa o nível de
oscilação e joga acima. Chegou na máxima da oscilação e voltou totalmente contra você.
AULA 3 – Regiões de negociação por Suportes e Resistências
Marcelo Ferreira FX

Essa é uma aula de análise gráfica e não de indicadores. O curso 1 tem aulas de indicadores.

Preço chegando na região do topo e volta para o canal é a resistência. Para identifica-la, ligamos os
principais topos.

Preço chegando na região de baixo e volta para o canal é o suporte. Para identifica-la, ligamos os
principais fundos.

Pode acontecer num canal de alta ou de baixa. Não acontecem apenas no mercado consolidado.
Acontecem o tempo todo.

Antes da abertura do mercado, o Marcelo faz um estudo do gráfico maior para o menor.
Quando vamos operar uma tendência, não ligar para o timing. Escolhe M5 ou M15. Ele começa de
D1, depois H4, H1, M30, M15, etc.

Suporte e Resistencia serve para encontrar as principais regiões negociáveis.

Padrões de agrupamento
Depois de uma tendência de alta, ter 5 candles pequenos agrupados, perdem a mínima, entramos
no rompimento da mínima com stop no topo.
O Marcelo gosta de fazer entradas nesse tipo de agrupamento
Temos uma região de agrupamento que começa a subir aos poucos.

A máxima de resistência forma um canal vago com um suporte que foi perdido e virou resistencia

1.4866 é a referencia. Há uma grande possibilidade de o mercado buscar esse valor.

Temo um outro nível de suporte em 1.40691. Com isso, temos os 3 principais níveis para se negociar
durante a semana. Esta é a região negociável, com os principais pontos da semana.
Com o preço chegando em alguma região favorável, temos alguma chance de buscar uma estratégia.
Devemos operar a região e não uma estratégia.

No caso abaixo temos um pullback. O preço está em queda formando topos mais baixos que os
topos anteriores. Quando perde o fundo, faz o movimento de correção que é o pullback.
Entrada mais agressiva. Esse pullback deve ser confirmado. Qualquer padrão de candle de baixa que
formar aqui, podemos efetuar uma venda, perdendo o agrupamento, antes mesmo do rompimento
da mínima, coloca o stop no topo e deixa a projeção rolar até o take profit

Se estiver altamente alavancado o stop pode ser pego e a perda pode ser grande

No gráfico diário, temos um suporte que se torna resistência, temos a resistência que é a máxima do
dia, e a mínima do padrão de agrupamento. Vemos que tem um martelo que volta a subir.
Quando surge o martelo, perdeu a máxima do martelo nessa região, está comprado, busca então o
canal.

Se vamos efetuar uma operação de compra, o stop deve estar na mínima do martelo. A região de
suporte está na mínima do martelo.

No gráfico de 4 horas, vemos que o preço voltou, no final da tendência aconteceu um padrão W, que
não foi respeitado, ainda não perdeu.

Esse é o padrão

Se perder o padrão, a expectativa é de subida, que vá buscar 1.47753. Esperamos o padrão romper.
O rompimento, se perder a 1ª região, provavelmente colocamos um take na 2ª região, stop no fundo
e deixa a operação rolar. Qualquer tipo de padrão, se percebermos que o preço vem agrupando
nessa região de resistência, saímos da operação

Gráfico de 1 hora.
O preço vem segurando há tempo no canal, cada candle é de 1 hora.

A dica é: como chegou no canal na resistência, vemos a formação de um padrão, de preço, com um
candle perfurante chamado nuvem negra, que tem que ser confirmado.
Tem que pelo menos perder o padrão da nuvem negra, da mínima ou se começar a agrupar saímos
da operação. Entra em operação vendido quando perde a mínima.

Dentro do canal já começa a aparecer tendências. Quando o preço descansa no canal, temos a
primeira entrada. Se perder a mínima do canal, coloca o canal, traça a resistência e o suporte,
projeta a varinha mágica, e quando chegar de 80% a 100% da oscilação, na maioria das vezes, o
preço vai se voltar contra você depois no pullback a favor. Isso ajuda muito quem não sabe lidar com
essa correção. Quem entra num rompimento desse, e simplesmente a partir daqui faz a venda
quando o mercado começa a corrigir um pouco, para fazer um pullback, quando vai realiza o lucro,
já está fora porque não soube fazer o gerenciamento.
Entre com um lote proporcional, perde $ se você zera a posição antes do stop técnico.

No gráfico de 15 min da uma agrupada e já temos uma mínima, que é a referência. Com essa mínima
começamos a operar o canal que é lateralizado.

Quando perdemos o primeiro canal, começamos a negociar o 2º canal. Se perde esse canal para
baixo, será criado um 3º canal. Quando o mercado vai consolidando, vamos operando os canais.
Um canal de 600 pontos deve ser operado em M1. Chegou próximo à região de suporte, tem uma
máxima perdida no padrão, um engolfo de alta, teve um rompimento do topo anterior, testou o
topo anterior, voltou para cima na máxima da oscilação, fez um pullback, deixou o engolfo de alta e
volta a subir.

A probabilidade agora é o mercado fazer um fundo, rompe o fundo, faz uma projeção, chega na
máxima da projeção, faz um pullback, temos um fundo, outro fundo, e perde o topo e vai busca a
oscilação acima, rompe, busca de novo a oscilação para novamente fazer pullback, perde o topo,
rompe, busca lá em cima na máxima da oscilação e volta para fazer um pullback.

No rompimento se busca lá em cima. Toda a consolidação, todas a regiões de suporte e resistência,


as principais regiões estão acontecendo dentro de uma consolidação, de uma tendência. É uma
consolidação dentro da tendência. O mercado vem triangulando simetricamente. O triangulo
simétrico rompeu para cima ou para baixo entra comprado. Se ele romper para cima vai busca
1.44133.
AULA 4 - Negociando exaustão
Marcelo Ferreira FX

Com o stop técnico e está no último fundo, não se deve zerar a posição no dedo.

O Marcelo recomenda um indicador que é um rastreador de tendências chamado RSI.


O oscilador de tendência ajuda a encontrar os possíveis topos e fundos.

O que é o RSI – Relative Strength Index


O RSI oscila dentro de um intervalo fixo, no caso de 30, 50 e 70.
Temos o nível de sobre compra (70) e o nível de sobre venda (30).

Quando os indicadores atingem os níveis mencionados, identificamos uma possível sobre compra
quando passa de 70, mas indica um possível ponto de exaustão.
Abaixo de 30 também indica um ponto de exaustão.
A partir de então, cabe a decisão de comprar ou vender ou se manter numa posição.

Aqui ajuda a identificar a trajetória do preço.


As regiões de sobre-compra e sobre-venda de cada indicar mostra a divergência. Quando vemos o
preço em alta e o indicador em queda.
Como identifica se um topo é um topo? O RSI indica que há sobre compra passando de 70.

Mas precisamos de mais confluências para identificar que é um topo. Temos uma resistência e uma
acumulação (suporte). Vemos que estamos numa movimentação de alta e deve acontecer uma
exaustão. Utilizamos o fechamento para calcularmos a varinha.

Com a projeção, identificamos que com o preço chegando a 80% ou mais, há uma grande chance do
mercado voltar contra você.
1ª confluência: no rompimento o preço chegou até a máxima.
2ª confluência: o preço retorna, ou seja, chega na exaustão da máxima e vemos que o mercado fará
um pullback para voltar a subir, cair, subir, respeitando sempre o canal pelo nível de exaustão
anterior. Essa seria uma teoria de continuação de tendência.
Nesse caso o stop é técnico. Se você segue a tendência e o mercado se volta contra você, perdendo
o fundo anterior.
Se no caso estivermos comprados, o stop deve ser técnico porque quando o fundo mais baixo que o
fundo anterior, não vale mais a pena ficar na operação. Vende e parte para outra.

1ª confluência, o preço chegou na máxima da exaustão


2ª confluência, o preço a partir da linha azul pode voltar num pullback
3ª confluência, não foi um pullback porque teve um rompimento (outra linha azul) e ficou testando

Ou seja, o preço chegou na máxima da exaustão, o RSI deu sobre compra e podemos vender mais
tranquilos, porque tivemos a informação que a partir dali já seria um possível ponto de compra.
Vamos ver a sobre-venda, o mercado voltou a cair novamente.

Tivemos um rompimento, com um padrão de agrupamento. Quando se perde o agrupamento, o


preço busca uma região de suporte, que nada mais é que o mesmo nível de oscilação que o
agrupamento.

Por esse agrupamento, o preço chega na máxima, da uma sobre venda e o mercado volta a subir.

No caso abaixo, temos o primeiro nível, que projetado acima, chega na máxima da exaustão e volta a
cair. Nesse caso não entramos comprados. Esperamos o preço corrigir e fazemos a venda. Quando o
candle perder a mínima do padrão, vendemos e projetamos a baixa.
Sobre-venda pelo RSI com ponto de exaustão – possíveis pontos de onde o mercado pode voltar
contra você ou ter um pullback
Com o RSI e o gráfico pode-se analisar os pontos corretos de take profit e stop
Com a varinha mágica, pode-se medir a perda para que bate com o suporte projetado. A partir daí o
mercado sobe buscando as resistências superiores
AULA 5 Pivot Points sob níveis de oscilação Parte 1
Marcelo Ferreira FX

Existem vários indicadores para encontrar pontos de pivô. A primeira regra para usar o ponto de
pivô é colocar o gráfico diário (1 dia).

O ponto de pivô ideal é encontrado com a soma da máxima do dia anterior + a mínima do dia
anterior + fechamento / 3

Fazemos esses cálculos em M15, todos os dias em fechamento e abertura.

Num candle alta. Pegamos a máxima + a mínima + o fechamento / 3

Com isso encontramos o PP ideal somamos

(A máxima 115.398 + a mínima 113.054 + o fechamento 113.305) / 3 = 113.919 será o primeiro nível
O PP está em 113.921 é

Agora procuramos o nível de suporte de resistência fora do PP.

Resistencia 1 = 2 x PP – mínima
113.919 x 2 = 227.838 – 113.054 = 114.784
O principal ponto de suporte é o S1 = 2 x PP – máxima do dia (ao contrário de R1 que é a resistência
mínima)

S1 = 2xPP – Máxima
(pp) 113.921 * 2 = 227.842 – (máxima) 115.253 = 112.589

Resistencia 2
O cálculo é um pouco diferente: PP + Máxima – Mínima
113.921 + 115.253 – 113.054 = 116.118
Suporte 2
O cálculo é um pouco diferente: PP – (Máxima – Mínima)
S2 = 113.919 – (115.253 – 113.053)
S2 = 113.919 – 2.199 = 111.720

Resistencia 3
R3 = máxima + 2(PP – mínima)

Suporte 3
S3 =. Mínima – 2(máxima – PP)

Como usar?
Filtrar tudo (traçar) no gráfico D1 e/ou W1 sempre no candle anterior
Acompanhar em M15
Teoria. O PP é um dos pontos mais importantes de negociação. O preço chegando próximo do PP
tem um grande suporte. A probabilidade se ele perder o PP, é que vá buscar a mínima do dia.
Temos o principal PP que dividirá todo o gráfico. Com o preço chegando no PP de baixo para cima,
efetuamos uma venda (sell) com stop no topo, deixando rolar o take até 113.054. Se chegar no
martelo e romper a máxima, pode-se buscar até o ponto de pivô PP novamente.
Se perder o PP pode comprar até R1 com stop no fundo.
Rompeu R1 podemos buscar a máxima do dia em 115.254
Se perder do R1, a máxima do dia que é 115.253, pelo R1 há uma possibilidade grande de buscar R2.
A varinha mágica (VM) do R1 até o PP é o mesmo nível da máxima do dia até R2

A VM simplifica muito para encontrar os verdadeiros níveis.


Do PP até a mínima do dia também dá o mesmo nível da VM

De R1 até a máxima do dia, tem outro nível de oscilação, que é do mesmo nível da mínima do dia até
S1, que é 113.054

Já o mesmo nível de oscilação da máxima do dia até R2 será o mesmo nível do S2 até S1. Frisando
isso sabemos onde o preço pode continuar
Se temos o mercado seguindo tendência, se o preço perde o fundo, vai buscar o meio do caminho
até S2.

Se perder 113.054, a possibilidade de perder o S1 e não chegue a S2 e pare por volta de 112.075 que
é a projeção. Topo, topo, fundo, fundo, o próximo fundo seria embaixo, seguindo o nível anterior de
oscilação.
AULA 5 Pivot Points sob níveis de oscilação Parte 2
Marcelo Ferreira FX

Essa estratégia de pivô serve apenas para EURUSD (Euro Dólar) e o tempo de negociação é de 3am –
5pm Brasil – para day trade. Tem que abrir e fechar a operação nesse horário no mesmo dia.
É uma estratégia simples e efetiva para novatos.

1ª regra – EURUSD 3am – 5pm Brasil


2ª regra – análise feita de D1 e entrada e execução de ordem somente em M15
Referências
 Máxima
 Mínima
 Fechamento candle
 Abertura candle
 Ponto de Pivô

Sempre aguardar o fechamento do candle


diário. O candle anterior serve como
informação para traçar o estudo para a
próxima sessão.

A máxima do dia anterior foi por volta de 1.14111


A mínima do dia anterior foi por volta de 1.13032
A oscilação foi aproximadamente 1,000 pontos
Buscamos fechamento do candle (no de alta é o ponto superior).

Depois traçamos uma linha na abertura.

Encontramos o ponto de pivô = (Máxima + Mínima + Fechamento) /3


(1.14111 + 1.13075 + 1.13774) / 3 = 1.13653

Regra básica
Quando perder a máxima, o take profit é do ponto de pivô ao fechamento.
Utilizamos o nível de oscilação do PP ao fechamento, projeta esse nível acima e esse será o TP

Se fosse um candle de baixa do dia anterior, o PP estaria acima do fechamento. Basta medir do PP
até o fechamento. Quando perde a mínima (não a máxima) projetos do PP até o fechamento e
projetamos um nível abaixo.
A regra mais importante da estratégia é quando perder a 1a máxima, colocar a projeção do PP até o
fechamento.
Expansão: PP até o fechamento

Se não perder a máxima, vale a análise técnica. Se o preço chegar próximo à máxima e houver um
agrupamento que perde a mínima, pode-se vender e colocar o stop no topo, até o 1º ponto de
fechamento (1.13774)
Se perder o fechamento, o preço está acima do fechamento do dia anterior, a possibilidade é que vá
buscar a máxima. Neste caso como referência, da mínima até a abertura como nível de oscilação.
Essa é a expansão.

A expansão é projetada um nível acima e de 80% a 100% desse nível de expansão é o take profit.
Essa é uma expansão muito maior. Isso pode variar diariamente.
O 2º nível de expansão da mínima até a abertura. Projetamos o nível e colocamos acima do ponto de
fechamento. Do PP ao fechamento é um canal.
Se perder a abertura, o alvo é da máxima ao fechamento.

Quando perder a máxima, utilizamos a expansão do PP até o fechamento.


Quando perder o PP, o nível de oscilação será da máxima até o fechamento.
Quando perder a abertura, a expansão será da máxima até o fechamento.
Uma coisa é certa, quando perder a máxima, o nível de expansão do PP até o fechamento é um alvo
certo, ou seja, por mais que tente a correção, ele vai bater no nível de expansão e buscar o seu nível
para depois voltar a cair. Ou não! Pode continuar a subir respeitando o nível.

Você também pode gostar