Você está na página 1de 2

Aluno: Kaio Bruno Pereira de Brito

Curso: Licenciatura Plena em Computação


N° de matrícula: 1449287
ATIVIDADE 1

No Brasil, a história da educação a distância (EaD) é cheia de entraves, tendo


suas primeiras experiências registradas com o uso de material impresso e transmissões a
rádio. Enquanto alguns países no mundo já estavam desenvolvendo políticas públicas
para estabelecer a EaD, somente em 1972 o Brasil caminha nesse sentido através da
implementação dos Planos Básicos de Desenvolvimento Científicos e Tecnológicos
(PBDCT), dentre algumas experiências o projeto Saci, João de Barro e Lobato tinha como
objetivo o ensino utilizando a televisão para atingir o público de 1º grau.

Em 1996, pela primeira vez, a EaD é incluída na legislação educacional, e neste


mesmo ano aparecem os primeiros cursos de mestrados oferecidos com o uso de
videoconferências. Após esse período a EaD no Brasil teve um grande desenvolvimento
com a introdução além dos recursos pedagógicos já disponíveis (material impresso,
vídeoaulas, tutoria e professor conteudista) a inclusão de tecnologias digitais capazes de
criar ambientes virtuais de aprendizagem com interação síncrona e assíncrona; o
desenvolvimento de metodologias próprias para formatar e imprimir material impresso;
a criação de estrutura técnica e de recursos humanos para apoio a atividades de multimídia
e a concepção de uma logística para oferta de curso EaD em escala nacional. São essas e
outras estratégias que até hoje estão inseridas nos cursos de EaD oferecidas tanto por
instituições públicas e privadas, sendo todas elas normalizadas pelo Ministério da
Educação.

Ao longo da história da EaD no Brasil algumas da tecnologias utilizadas pelas


instituições brasileiras de ensino foram: materiais impressos, o meio televisivo com a
transmissão de vídeoaulas e videoconferências, o uso da telefonia como ferramenta de
suporte para a tutoria e a internet que possibilitou a criação de ambientes virtuais de
aprendizagem.

O tutor no ensino a distância desempenha o papel de apoio para construção do


conhecimento do aluno, pois ele orienta e reorienta a aprendizagem dos alunos, ajuda no
esclarecimento de suas dúvidas, sugere leituras ou atividades, supervisiona atividades
pedagógicas. Já o professor de EaD é incumbido a função de apresentar os
conhecimentos, mobilizando sempre os alunos no sentido de dar significado aos
conhecimentos que lhe são apresentados.

Tanto o tutor como o professor atuam de modo a oferecer ao aluno de EaD as


ferramentas necessárias para que o mesmo seja capaz de construir o conhecimento de
forma autônoma e com o melhor aproveitamento possível, pois na EaD o aluno passa a
ser considerado mais como parceiro do que como um agente passivo na construção do
conhecimento. Assim, podemos resumir que o tutor e o professor de EaD exercem um
papel coletivo de orientador, colaborador, treinador, mediador e parceiro.

Você também pode gostar