Você está na página 1de 40

Atividade

de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN


Prof. Ricardo Vale- Aula 03

1- Lei de Acesso ˆ Informa•‹o (Lei n¼ 12.527/2011):

1.1- Introdu•‹o:

A Administra•‹o Pœblica Ž regida por certos princ’pios, alguns


dos quais est‹o expl’citos no texto constitucional, mais especificamente no
art. 37, caput, da CF/88. Segundo o referido dispositivo, a administra•‹o
pœblica direta e indireta de qualquer dos Poderes da Uni‹o, dos Estados,
do Distrito Federal e dos Munic’pios obedecer‡ aos princ’pios de
legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e efici•ncia.

O estudo pormenorizado de cada um desses princ’pios Ž objeto


da disciplina do Direito Administrativo. Entretanto, no estudo da Lei de
Acesso ˆ Informa•‹o (LAI), temos que, obrigatoriamente, fazer
men•‹o ao princ’pio da publicidade.

Pelo princ’pio da publicidade, a Administra•‹o Pœblica tem a


obriga•‹o de tornar pœblicos os seus atos. Com efeito, a publicidade
dos atos administrativos Ž requisito de efic‡cia dos atos
administrativos gerais e de efeitos externos ou, ainda, daqueles que
onerem o patrim™nio pœblico. Exemplo de ato geral e de efeito externo
Ž a publica•‹o de uma Portaria: esta somente produzir‡ seus efeitos (ser‡
eficaz) ap—s a publica•‹o no Di‡rio Oficial da Uni‹o.

Mas ainda h‡ outra acep•‹o do princ’pio da publicidade. Trata-


se da obriga•‹o de a Administra•‹o Pœblica dar conhecimento aos
administrados (cidad‹os) da conduta interna de seus agentes. Com efeito,
todos os cidad‹os t•m o direito de receber dos —rg‹os pœblicos
informa•›es de interesse particular, de interesse coletivo ou de
interesse geral. O princ’pio da publicidade evidencia-se, assim, na forma
de uma obriga•‹o de transpar•ncia.

Cabe destacar, tambŽm que, somente com a publicidade dos


atos administrativos Ž que torna-se vi‡vel o exerc’cio do controle da
Administra•‹o, seja este controle realizado pelos pr—prios cidad‹os
(controle social) ou pelos chamados —rg‹os de controle (CGU e TCU).

1.2- Objetivo e åmbito de Aplica•‹o:

A Lei de Acesso ˆ Informa•‹o Ž uma forte manifesta•‹o do


princ’pio da publicidade enquanto obriga•‹o de transpar•ncia,
visando regular o acesso a informa•›es previsto no texto
constitucional.

O art. 5¼, inciso XXXIII, da CF/88 ilustra muito bem o direito dos
cidad‹os em obter informa•›es:

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

Art. 5¼ ....................................................

XXXIII - todos t•m direito a receber dos —rg‹os pœblicos


informa•›es de seu interesse particular, ou de interesse coletivo
ou geral, que ser‹o prestadas no prazo da lei, sob pena de
responsabilidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo seja
imprescind’vel ˆ seguran•a da sociedade e do Estado.

A partir da leitura do dispositivo supra-transcrito, Ž poss’vel


concluir que os —rg‹os pœblicos n‹o precisam fornecer aos cidad‹os toda
e qualquer informa•‹o de que disponham. As informa•›es cujo sigilo
seja imprescind’vel ˆ seguran•a da sociedade e do Estado n‹o
precisam ser fornecidas. Mas exatamente quais seriam essas
informa•›es?

Essa Ž exatamente uma das perguntas que a Lei de Acesso ˆ


Informa•‹o busca responder...

A Lei de Acesso ˆ Informa•‹o tambŽm busca dar aplicabilidade


plena ao art. 37, ¤ 3¼, inciso II, da CF/88. Segundo esse dispositivo, a
lei disciplinar‡ as formas de participa•‹o do usu‡rio na administra•‹o
pœblica direta e indireta, regulando especialmente o acesso dos usu‡rios
a registros administrativos e a informa•›es sobre atos de governo.
A ÒleiÓ ˆ qual a Constitui•‹o Federal faz men•‹o Ž, atualmente, a Lei de
Acesso ˆ Informa•‹o.

N‹o podemos nos olvidar tambŽm do art. 216, ¤ 2¼, da CF/88,


segundo o qual, Òcabem ˆ administra•‹o pœblica, na forma da lei, a
gest‹o da documenta•‹o governamental e as provid•ncias para
franquear sua consulta a quantos dela necessitemÓ. Mais uma vez, a
mencionada ÒleiÓ Ž, atualmente, a Lei de Acesso ˆ Informa•‹o.

Os objetivos da Lei de Acesso ˆ Informa•‹o est‹o relacionados


em seu art. 3¼:

Art. 3o Os procedimentos previstos nesta Lei destinam-se a


assegurar o direito fundamental de acesso ˆ informa•‹o e devem
ser executados em conformidade com os princ’pios b‡sicos da
administra•‹o pœblica e com as seguintes diretrizes:
I - observ‰ncia da publicidade como preceito geral e do sigilo
como exce•‹o;
II-divulga•‹o de informa•›es de interesse pœblico,
independentemente de solicita•›es;
III-utiliza•‹o de meios de comunica•‹o viabilizados pela
tecnologia da informa•‹o;
IV - fomento ao desenvolvimento da cultura de transpar•ncia na
administra•‹o pœblica;
V -desenvolvimento do controle social da administra•‹o pœblica.

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

O inciso I nos evidencia que a publicidade Ž a regra; o sigilo Ž


a exce•‹o, sendo cab’vel apenas quando for imprescind’vel para a
seguran•a da sociedade e do Estado.

O inciso II nos revela uma obriga•‹o de transpar•ncia ativa.


A Administra•‹o Pœblica n‹o precisa ser provocada para divulgar
informa•›es de interesse pœblico; ela dever‡ faz•-lo de of’cio. O art. 8¼,
da Lei n¼ 12.527/2011 Ž enf‡tico nesse sentido:

Art. 8o ƒ dever dos —rg‹os e entidades pœblicas promover,


independentemente de requerimentos, a divulga•‹o em local de
f‡cil acesso, no ‰mbito de suas compet•ncias, de informa•›es de
interesse coletivo ou geral por eles produzidas ou custodiadas.
¤ 1o Na divulga•‹o das informa•›es a que se refere o caput,
dever‹o constar, no m’nimo:
I - registro das compet•ncias e estrutura organizacional,
endere•os e telefones das respectivas unidades e hor‡rios de
atendimento ao pœblico;
II - registros de quaisquer repasses ou transfer•ncias de recursos
financeiros;
III - registros das despesas;
IV - informa•›es concernentes a procedimentos licitat—rios,
inclusive os respectivos editais e resultados, bem como a todos os
contratos celebrados;
V - dados gerais para o acompanhamento de programas, a•›es,
projetos e obras de —rg‹os e entidades; e
VI - respostas a perguntas mais frequentes da sociedade.
¤ 2¼ Para cumprimento do disposto no caput, os —rg‹os e
entidades pœblicas dever‹o utilizar todos os meios e instrumentos
leg’timos de que dispuserem, sendo obrigat—ria a divulga•‹o em
s’tios oficiais da rede mundial de computadores (internet).

A divulga•‹o de informa•›es em s’tios oficiais da Internet


somente n‹o Ž obrigat—ria para Munic’pios com popula•‹o de atŽ
10.000 (dez mil) habitantes.

Em conson‰ncia com a obriga•‹o de transpar•ncia ativa, o art.


7¼, inciso VI, do Decreto n¼ 7.724/2012, determina que ser‹o
disponibilizados nos s’tios dos —rg‹os e entidades a Òremunera•‹o
e subs’dio recebidos por ocupante de cargo, posto, gradua•‹o,
fun•‹o e emprego pœblico, incluindo aux’lios, ajudas de custo, jetons e
quaisquer outras vantagens pecuni‡rias, bem como proventos de
aposentadoria e pens›es daqueles que estiverem na ativa, de maneira
individualizada, conforme ato do MinistŽrio do Planejamento, Or•amento e
Gest‹o.Ó Destaque-se que tal regra n‹o Ž aplic‡vel, entretanto, ˆs
empresas pœblicas, sociedades de economia mista e demais
entidades controladas pela Uni‹o que atuem em regime de
concorr•ncia.

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

O inciso III Ž compat’vel com a era da globaliza•‹o, em que


proliferam as redes sociais e os meios de comunica•‹o se tornam cada vez
mais ‡geis. A Administra•‹o Pœblica deve utilizar-se dos meios de
comunica•‹o viabilizados pela tecnologia da informa•‹o para dar
cada vez maior transpar•ncia aos seus atos.

O inciso IV fala em Òcultura de transpar•nciaÓ. A


Administra•‹o Pœblica existe para possibilitar o funcionamento do Estado
em benef’cios dos cidad‹os. Por isso, nada mais natural do que a
Administra•‹o Pœblica prestar contas ˆ sociedade, afinal, Ž dever do
administrador pœblico gerir com efici•ncia os recursos que a sociedade
coloca em suas m‹os. Um exemplo da Òcultura de transpar•nciaÓ Ž a
divulga•‹o na Internet dos sal‡rios dos servidores pœblicos federais.

O inciso V se refere ao Òdesenvolvimento do controle


socialÓ, assim considerado o controle da Administra•‹o Pœblica exercido
pelos pr—prios cidad‹os.

Destaque-se que a LAI deve ser observada por todos os


entes federativos do Estado brasileiro: Uni‹o, Estados, Distrito Federal e
Munic’pios. Subordinam-se ˆ LAI: i) os —rg‹os pœblicos integrantes da
administra•‹o direta dos Poderes Executivo, Legislativo (incluindo
as Cortes de Contas) e Judici‡rio e do MinistŽrio Pœblico; ii) as
autarquias, as funda•›es pœblicas, as empresas pœblicas, as sociedades de
economia mista e demais entidades controladas direta ou indiretamente
pela Uni‹o, Estados, Distrito Federal e Munic’pios (administra•‹o
indireta). Portanto, a LAI vincula tanto a administra•‹o direta quanto a
administra•‹o indireta.

Deve-se destacar, entretanto, que a Lei de Acesso ˆ Informa•‹o


Ž uma lei federal de normas gerais, podendo os outros entes federativos
criar normas espec’ficas. Nesse sentido, disp›e o art. 45, da Lei de Acesso
ˆ Informa•‹o, que cabe aos Estados, ao Distrito Federal e aos
Munic’pios, em legisla•‹o pr—pria, obedecidas as normas gerais
estabelecidas nesta Lei, definir regras espec’ficas.

TambŽm est‹o vinculadas ˆ Lei de Acesso ˆ Informa•‹o (LAI) as


entidades privadas sem fins lucrativos que recebam recursos
pœblicos para realiza•‹o de a•›es de interesse pœblico. ƒ o caso, por
exemplo, das Organiza•›es Sociais (OS) e das Organiza•›es da Sociedade
Civil de Interesse Pœblico (OSCIP), tambŽm chamadas de entidades
paraestatais.

Art. 2o Aplicam-se as disposi•›es desta Lei, no que couber, ˆs


entidades privadas sem fins lucrativos que recebam, para
realiza•‹o de a•›es de interesse pœblico, recursos pœblicos
diretamente do or•amento ou mediante subven•›es sociais,

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

contrato de gest‹o, termo de parceria, conv•nios, acordo, ajustes


ou outros instrumentos cong•neres.

Par‡grafo œnico. A publicidade a que est‹o submetidas as


entidades citadas no caput refere-se ˆ parcela dos recursos
pœblicos recebidos e ˆ sua destina•‹o, sem preju’zo das
presta•›es de contas a que estejam legalmente obrigadas.

Deve-se destacar, todavia, que a publicidade a que est‹o


submetidas as entidades paraestatais Ž distinta da publicidade que
alcan•a toda a administra•‹o direta e indireta. A publicidade a que est‹o
sujeitas as entidades paraestatais se refere unicamente ˆ parcela dos
recursos pœblicos recebidos e ˆ sua destina•‹o.

Vejamos como esse assunto pode ser cobrado em prova!

1. (Quest‹o InŽdita) A Lei de Acesso ˆ Informa•‹o tem


aplica•‹o apenas no ‰mbito do Poder Executivo federal. Os
Estados, Distrito Federal e Munic’pios podem, entretanto, em
legisla•‹o pr—pria, definir regras espec’ficas, obedecidas as
normas gerais definidas pela Lei n¼ 12.527/2011.

Coment‡rios:

De fato, os Estados, Distrito Federal e Munic’pios poder‹o definir


regras espec’ficas, obedecidas as normas gerais da Lei de Acesso ˆ
Informa•‹o (LAI). No entanto, n‹o se pode dizer que a LAI aplica-se
apenas ao Poder Executivo federal. Na verdade, ela se aplica aos Poderes
Executivo, Legislativo e Judici‡rio de todos os entes federativos. Quest‹o
errada.

2. (Quest‹o InŽdita) A Lei de Acesso ˆ Informa•‹o tambŽm se


aplica, no que couber, ˆs entidades privadas sem fins lucrativos
que recebam, para realiza•‹o de a•›es de interesse pœblico,
recursos pœblicos diretamente do or•amento ou mediante
subven•›es sociais, contrato de gest‹o, termo de parceria,
conv•nios, acordo, ajustes ou outros instrumentos cong•neres.

Coment‡rios:

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

As entidades privadas sem fins lucrativos que recebam recursos


pœblicos para realiza•‹o de a•›es de interesse pœblico tambŽm est‹o
vinculadas ˆ Lei de Acesso ˆ Informa•‹o. Quest‹o correta.

3. (Quest‹o InŽdita) Em raz‹o da imprescindibilidade de suas


atividades para a seguran•a e defesa nacional, a ABIN n‹o precisa
obedecer a Lei de Acesso ˆ Informa•‹o.

Coment‡rios:

Todos os —rg‹os pœblicos integrantes da administra•‹o direta dos


Poderes Executivo, Legislativo, incluindo as Cortes de Contas, Judici‡rio e
MinistŽrio Pœblico, devem obedecer a Lei de Acesso ˆ Informa•‹o. Em
outras palavras, a LAI tambŽm se aplica ˆ ABIN. Quest‹o errada.

4. (Quest‹o InŽdita) ƒ dever dos —rg‹os e entidades pœblicas


promover, independentemente de requerimentos, a divulga•‹o em
local de f‡cil acesso, no ‰mbito de suas compet•ncias, de
informa•›es de interesse coletivo ou geral por eles produzidas ou
custodiadas.

Coment‡rios:

ƒ exatamente o que disp›e o art. 8¼, caput, da Lei de Acesso ˆ


Informa•‹o. Quest‹o correta.

5. (Quest‹o InŽdita) A Lei de Acesso ˆ Informa•‹o, ao


estabelecer como diretriz, para os —rg‹os pœblicos, a divulga•‹o
de informa•›es de interesse pœblico, independentemente de
solicita•›es, criou uma obriga•‹o de transpar•ncia ativa.

Coment‡rios:

A transpar•ncia ativa (divulga•‹o de informa•›es de interesse


pœblico independentemente de qualquer pleito) Ž uma das diretrizes da Lei
de Acesso ˆ Informa•‹o. Quest‹o correta.

6. (Quest‹o InŽdita) Todos t•m direito a receber dos —rg‹os


pœblicos informa•›es de seu interesse particular, ou de interesse
coletivo ou geral, que ser‹o prestadas no prazo da lei, sob pena de
responsabilidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo seja
imprescind’vel ˆ seguran•a da sociedade e do Estado.

Coment‡rios:

ƒ o que disp›e o art. 5¼, inciso XXXIII, da CF/88, dispositivo que


Ž regulamentado pela Lei de Acesso ˆ Informa•‹o. Quest‹o correta.

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

7. (Quest‹o InŽdita) O fomento ao desenvolvimento da cultura


de transpar•ncia e o desenvolvimento do controle social s‹o
diretrizes da Lei de Acesso ˆ Informa•‹o.

Coment‡rios:

Exatamente o que disp›e o art. 3¼, incisos IV e V, da LAI.


Quest‹o correta.

8. (Quest‹o InŽdita) A Lei de Acesso ˆ Informa•‹o criou a


obriga•‹o, para os —rg‹os pœblicos, de divulgar em local de f‡cil
acesso informa•›es relativas ˆs remunera•›es dos servidores
pœblicos.

Coment‡rios:

A Lei de Acesso ˆ Informa•‹o n‹o criou tal obriga•‹o para os


—rg‹os pœblicos. Foi o Decreto n¼ 7.724/2012 que criou tal obriga•‹o no
‰mbito do Poder Executivo federal. Quest‹o errada.

9. (Quest‹o InŽdita) As entidades privadas sem fins lucrativos


que recebam recursos pœblicos para a realiza•‹o de a•›es de
interesse pœblico est‹o, para todos os efeitos, vinculadas ˆ LAI.

Coment‡rios:

A publicidade a que est‹o sujeitas as entidades paraestatais se


refere unicamente ˆ parcela dos recursos pœblicos recebidos e ˆ sua
destina•‹o. Quest‹o errada.

10. (Quest‹o InŽdita) Todos os Munic’pios est‹o obrigados a


divulgar informa•›es de interesse pœblico em s’tios oficiais da
rede mundial de computadores.

Coment‡rios:

Os Munic’pios com menos de 10.000 habitantes n‹o est‹o


obrigados a divulgar informa•›es de interesse pœblico em s’tios oficiais da
Internet. Quest‹o errada.

1.3 Ð Conceitos:

A Lei n¼ 12.527/2011 apresenta alguns conceitos importantes,


os quais est‹o dispostos em seu art. 4¼.

Vejamos quais esses conceitos!

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

a) Informa•›es s‹o dados, processados ou n‹o, que podem ser


utilizados para produ•‹o e transmiss‹o de conhecimento, contidos em
qualquer meio, suporte ou formato. Um exemplo de informa•‹o Ž o total
de importa•›es de sapatos realizada pelo Brasil em 2012.

b) Documento Ž uma unidade de registro de informa•›es,


qualquer que seja o suporte ou formato. Exemplos de documentos s‹o
relat—rios, estudos, pareceres, etc.

c) Informa•‹o sigilosa Ž aquela submetida temporariamente ˆ


restri•‹o de acesso pœblico em raz‹o de sua imprescindibilidade para a
seguran•a da sociedade e do Estado. Um exemplo de informa•‹o
sigilosa seria a respeito de quais bens foram importados pela ABIN em
2012. Ou, ent‹o, o nome das pessoas que foram aprovadas no œltimo
concurso da ABIN.

d) Informa•‹o pessoal Ž aquela relacionada ˆ pessoa


natural identificada ou identific‡vel. Um exemplo de informa•‹o pessoal Ž
o faturamento obtido pela empresa XYZ em 2012.

e) Tratamento da informa•‹o, por sua vez, Ž conjunto de


a•›es referentes ˆ produ•‹o, recep•‹o, classifica•‹o, utiliza•‹o, acesso,
reprodu•‹o, transporte, transmiss‹o, distribui•‹o, arquivamento,
armazenamento, elimina•‹o, avalia•‹o, destina•‹o ou controle da
informa•‹o.

f) Disponibilidade Ž qualidade da informa•‹o que pode ser


conhecida e utilizada por indiv’duos, equipamentos ou sistemas
autorizados. Como exemplo, podemos dizer que o valor da remunera•‹o
dos servidores pœblicos Ž informa•‹o dispon’vel, ou seja, pode ser
conhecida por qualquer um que acessar o site do Portal da Transpar•ncia.

g) Autenticidade Ž qualidade da informa•‹o que tenha sido


produzida, expedida, recebida ou modificada por determinado indiv’duo,
equipamento ou sistema. Trata-se de uma garantia da origem da
informa•‹o.

h) Integridade: qualidade da informa•‹o n‹o modificada,


inclusive quanto ˆ origem, tr‰nsito e destino. Trata-se de uma garantia
contra modifica•›es.

i) Primariedade: qualidade da informa•‹o coletada na fonte,


com o m‡ximo de detalhamento poss’vel, sem modifica•›es. Exemplo de
informa•‹o prim‡ria Ž quando a Receita Federal diz qual o montante de
tributos arrecadados em 2012.

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

1.4 Ð Acesso a Informa•›es e sua divulga•‹o:

O Estado tem o dever de garantir o direito de acesso ˆ


informa•‹o, que ser‡ franqueada mediante procedimentos objetivos e
‡geis, de forma transparente, clara e em linguagem de f‡cil
compreens‹o. Nesse sentido, os —rg‹os e entidades do Poder Pœblico
devem assegurar:

a) gest‹o transparente da informa•‹o, propiciando amplo


acesso a ela e sua divulga•‹o;

b) prote•‹o da informa•‹o, garantindo-se sua disponibilidade,


autenticidade e integridade; e

c) prote•‹o da informa•‹o sigilosa e da informa•‹o


pessoal, observada a sua disponibilidade, autenticidade, integridade e
eventual restri•‹o de acesso.

Como se v•, os —rg‹os e entidades do Poder Pœblico devem, em


homenagem ao princ’pio da transpar•ncia, garantir o amplo acesso ˆ
informa•‹o. No entanto, o direito de acesso ˆ informa•‹o n‹o
abrange as informa•›es cujo sigilo seja imprescind’vel ˆ seguran•a da
sociedade ou do Estado e as informa•›es de car‡ter pessoal.

Sobre esse ponto, vale destacar recente posi•‹o do STF, que,


nos autos da Reclama•‹o constitucional 14.733/RS, decidiu o seguinte:

ÒO direito de acesso a informa•›es pœblicas n‹o se


sobrep›e (ao menos aprioristicamente) ao direito ˆ
intimidade, ˆ privacidade e ˆ seguran•a dos agentes
pœblicos. Isso porque o direito de acesso ˆ informa•‹o,
assim como todos os demais direitos fundamentais, n‹o Ž
absoluto. Bem ao contr‡rio, Ž restring’vel e ponder‡vel
quando em conflito com direitos individuais personal’ssimos,
como aqueles constantes do artigo 5¼, X, da Constitui•‹o
Federal e, sobretudo, a seguran•a, que ora assume fei•‹o
de valor supremo (Pre‰mbulo da Carta da Republica), ora
de direito individual e coletivo (artigo 5¼ caput,
da Constitui•‹o Federal) e ora de direito social (artigo6¼,
caput, da Constitui•‹o Federal). A pr—pria Lei de Acesso ˆ
Informa•‹o assegura, em seu artigo 6¼, III, a prote•‹o da
informa•‹o pessoal (aquela relacionada ˆ pessoa natural
identificada ou identific‡vel, nos termos do artigo 4, IV, da
Lei n. ¼ 12.52712011.Ó

Quando n‹o for autorizado acesso integral ˆ informa•‹o por


ser ela parcialmente sigilosa, Ž assegurado o acesso ˆ parte n‹o
sigilosa por meio de certid‹o, extrato ou c—pia com oculta•‹o da parte

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

sob sigilo. Recordemo-nos de que Ž diretriz da Lei de Acesso ˆ Informa•‹o


que a publica•‹o seja a regra e o sigilo, a exce•‹o.

Mas como ser‡ assegurado o acesso ˆ informa•‹o?

S‹o basicamente duas maneiras de se garantir o acesso ˆ


informa•‹o:

a) Cria•‹o de Servi•o de Informa•›es ao Cidad‹o (SIC) nos


—rg‹os e entidades do Poder Pœblico.

b) Realiza•‹o de audi•ncias ou consultas pœblicas, incentivo ˆ


participa•‹o popular ou a outras formas de divulga•‹o.

Deve-se destacar que, diante de um pleito de acesso ˆ


informa•‹o formulado por um cidad‹o, ser‡ poss’vel a negativa do
Poder Pœblico. No entanto, a negativa de acesso ˆ informa•‹o dever‡ ser
fundamentada, sob pena de o respons‡vel sujeitar-se a medidas
disciplinares.

ƒ poss’vel, ainda, que tenha ocorrido extravio da informa•‹o


solicitada pelo cidad‹o. Nesse caso, ap—s ser informado da ocorr•ncia, o
interessado (cidad‹o) poder‡ requerer ˆ autoridade competente a
imediata abertura de sindic‰ncia para apurar o desaparecimento da
documenta•‹o. Diante dessa situa•‹o, o respons‡vel pela guarda da
informa•‹o extraviada dever‡, no prazo de 10 dias, justificar o fato e
indicar testemunhas que comprovem sua alega•‹o.

Vejamos como esse assunto pode ser cobrado em prova!

11. (Quest‹o InŽdita) Nos termos da Lei de Acesso ˆ Informa•‹o,


autenticidade Ž a qualidade da informa•‹o n‹o modificada,
inclusive quanto ˆ origem, tr‰nsito e destino.

Coment‡rios:

A assertiva descreve a integridade, que Ž a qualidade da


informa•‹o n‹o modificada, inclusive quanto ˆ origem, tr‰nsito e destino.
A autenticidade Ž uma garantia da origem da informa•‹o. Quest‹o errada.

12. (Quest‹o InŽdita) O Estado tem o dever de garantir o direito


de acesso ˆ informa•‹o, que ser‡ franqueada, mediante

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

procedimentos objetivos e ‡geis, de forma transparente, clara e


em linguagem de f‡cil compreens‹o.

Coment‡rios:

Isso Ž o que disp›e o art. 5¼, da Lei de Acesso ˆ Informa•‹o.


Quest‹o correta.

13. (Quest‹o InŽdita) Segundo a Lei de Acesso ˆ Informa•‹o,


cabe aos —rg‹os e entidades do poder pœblico, observadas as
normas e procedimentos espec’ficos aplic‡veis, assegurar a gest‹o
transparente e a prote•‹o da informa•‹o, garantindo-se sua
disponibilidade, gratuidade, primariedade e autenticidade.

Coment‡rios:

Os —rg‹os e entidades do poder pœblico devem assegurar a


prote•‹o da informa•‹o, garantindo-se a sua disponibilidade,
autenticidade e integridade. N‹o h‡ qualquer men•‹o na Lei ˆ gratuidade
e ˆ primariedade. Quest‹o errada.

14. (Quest‹o InŽdita) Os —rg‹os e entidades do poder pœblico


s‹o respons‡veis pela prote•‹o da informa•‹o sigilosa e da
informa•‹o pessoal, observada a sua disponibilidade,
autenticidade, integridade e eventual restri•‹o de acesso

Coment‡rios:

ƒ dever dos —rg‹os pœblicos proteger as informa•›es de natureza


sigilosa e pessoal. Quest‹o correta.

15. (Quest‹o InŽdita) O direito de acesso a informa•›es pœblicas


n‹o se sobrep›e ao direito ˆ intimidade, ˆ privacidade e ˆ
seguran•a dos agentes pœblicos.

Coment‡rios:

Esse Ž o entendimento do STF, que est‡ compat’vel com o art.


6¼, inciso III, da LAI, que atribui aos —rg‹os e entidades do poder pœblico
a tarefa de proteger as informa•›es de natureza sigilosa e pessoal.
Quest‹o correta.

16. (Quest‹o InŽdita) A integridade Ž a qualidade da informa•‹o


coletada na fonte, com o m‡ximo de detalhamento poss’vel, sem
modifica•›es.

Coment‡rios:

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

A assertiva descreve a primariedade, que Ž a qualidade da


informa•‹o coletada na fonte. Integridade Ž a qualidade da informa•‹o
n‹o modificada, inclusive quanto ˆ origem, tr‰nsito e destino. Quest‹o
errada.

17. (Quest‹o InŽdita) O direito de acesso a informa•›es pœblicas


ser‡ assegurado, exclusivamente, mediante a cria•‹o de servi•o
de informa•›es ao cidad‹o.

Coment‡rios:

A cria•‹o de servi•o de informa•›es ao cidad‹o Ž apenas uma


das informa•›es de se assegurar o direito de acesso a informa•›es
pœblicas. Os —rg‹os pœblicos tambŽm podem faz•-lo por meio da
realiza•‹o de audi•ncias e consultas pœblicas ou atŽ mesmo atravŽs das
suas obriga•›es de transpar•ncia ativa. Quest‹o errada.

18. (Quest‹o InŽdita) O pleito de acesso ˆ informa•‹o poder‡ ser


negado independentemente de motiva•‹o.

Coment‡rios:

A negativa de acesso ˆ informa•‹o dever‡ ser fundamentada


(deve haver motiva•‹o), sob pena de o respons‡vel se sujeitar a medidas
disciplinares. Quest‹o errada.

19. (Quest‹o InŽdita) Na hip—tese de a informa•‹o solicitada


pelo interessado ter sido extraviada, este poder‡ requerer ˆ
autoridade competente a imediata abertura de sindic‰ncia para
apurar o desaparecimento da respectiva documenta•‹o.

Coment‡rios:

No caso de extravio, o interessado pode solicitar a abertura de


investiga•‹o a fim de apurar a responsabilidade pelo desaparecimento da
documenta•‹o. Quest‹o correta.

1.5 Ð Procedimento de Acesso ˆ Informa•‹o:

1.5.1- Pedido de Acesso:

Com a cria•‹o da Lei n¼ 12.527/2011, todos os cidad‹os


passaram a poder exercer, com efetividade, o direito subjetivo de
acesso ˆ informa•‹o que a Constitui•‹o Federal j‡ lhes concedia. ƒ
fundamental, nesse contexto, entender os procedimentos pelos quais o
indiv’duo poder‡ exercer esse direito.

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

O acesso ˆ informa•‹o dar-se-‡, portanto, mediante pedido de


acesso, que poder‡ ser apresentado por qualquer interessado aos —rg‹os
e entidades abrangidos pela Lei. O pedido de acesso dever‡ conter a
identifica•‹o do requerente e a especifica•‹o da informa•‹o
requerida. S— para ilustrar, voc• poder‡, por exemplo, formular ao CESPE
um pedido de acesso ˆ informa•‹o que tenha por objetivo saber quais
foram os corretores da sua prova discursiva. Ou, ent‹o, qual a bibliografia
utilizada na elabora•‹o das provas. ƒ claro que as respostas ˆs vezes s‹o
genŽricas e obstaculizam, de fato, o acesso ˆ informa•‹o! J

O servi•o de busca e fornecimento de informa•‹o Ž gratuito,


exceto nas hip—teses de reprodu•‹o de documentos pelo —rg‹o ou
entidade pœblica consultada (art.12). Nesse caso, ser‡ cobrado
exclusivamente o valor necess‡rio ao ressarcimento do custo dos servi•os
e dos materiais utilizados. Estar‡ isento desses custos todo aquele cuja
situa•‹o econ™mica n‹o lhe permita faz•-lo sem preju’zo do sustento
pr—prio ou da fam’lia.

O Poder Pœblico tem a obriga•‹o de apresentar a informa•‹o


(desde que n‹o seja sigilosa ou pessoal) a qualquer interessado, n‹o
sendo cab’vel qualquer exig•ncia relativa aos motivos
determinantes da solicita•‹o de informa•›es de interesse pœblico. Em
outras palavras, n‹o cabe ao Poder Pœblico perguntar o porqu• de o
interessado desejar ter acesso ˆ informa•‹o. Se o ÒZŽ das CouvesÓ quer
saber quais contratos foram celebrados pelo —rg‹o X no bi•nio 2011-2012,
n‹o h‡ que se perguntar por qual raz‹o ele deseja obter essa informa•‹o.

A situa•‹o ideal, em homenagem ao princ’pio da transpar•ncia, Ž


que, diante de um pedido, o —rg‹o ou entidade pœblica autorize o acesso
imediato ˆ informa•‹o dispon’vel. Entretanto, nem sempre ser‡
poss’vel conceder o acesso imediato.

Nesse caso (inviabilidade de concess‹o de acesso imediato), o


—rg‹o ou entidade que receber o pedido dever‡, em prazo n‹o superior
a 20 (vinte) dias, prorrog‡veis por mais 10 (dez) dias:

a) comunicar a data, local e modo para se realizar a consulta,


efetuar a reprodu•‹o ou obter a certid‹o;

b) indicar as raz›es de fato ou de direito da recusa, total ou


parcial, do acesso pretendido; ou

c) comunicar que n‹o possui a informa•‹o, indicar, se for do seu


conhecimento, o —rg‹o ou a entidade que a detŽm, ou, ainda, remeter o
requerimento a esse —rg‹o ou entidade, cientificando o interessado da
remessa de seu pedido de informa•‹o.

H‡, portanto, tr•s alternativas para o —rg‹o ou entidade.

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

Se tiver a informa•‹o, dever‡ franquear o acesso ao


interessado, comunicando-lhe a data, local e modo para consulta.1
Sem preju’zo da seguran•a e da prote•‹o das informa•›es e do
cumprimento da legisla•‹o aplic‡vel, o —rg‹o ou entidade poder‡
oferecer meios para que o pr—prio requerente possa pesquisar a
informa•‹o de que necessitar. O —rg‹o/entidade poder‡ tambŽm informar
o local e a forma pela qual a informa•‹o pode ser obtida. Por exemplo,
quando um cidad‹o pede ˆ Secretaria de ComŽrcio Exterior (l‡ onde
trabalho!) as estat’sticas de importa•‹o de papel nos œltimos tr•s anos,
n—s informamos ao indiv’duo que ele dever‡ consultar um Sistema de
Informa•›es Estat’sticas que j‡ est‡ dispon’vel ao pœblico na Internet.

Caso n‹o tenha a informa•‹o, o —rg‹o/entidade dever‡


informar ao cidad‹o qual o —rg‹o que detŽm essa informa•‹o, ou
ainda, remeter o requerimento a esse —rg‹o, cientificando o interessado
desse requerimento. Por exemplo, quando um cidad‹o pede ˆ Secretaria
de ComŽrcio Exterior que informe quais os valores de renœncia tribut‡ria
em 2011-2012 em raz‹o da concess‹o de uma determinada isen•‹o fiscal,
n—s lhe informamos que essa informa•‹o dever‡ ser solicitada ao
MinistŽrio da Fazenda.

Por œltimo, pode ocorrer de a informa•‹o estar protegida por


sigilo ou, ainda, tratar-se de informa•‹o pessoal. Nesse caso, o
—rg‹o/entidade ir‡ recusar o acesso ˆ informa•‹o, devendo indicar as
raz›es de fato ou de direito da recusa, total ou parcial, do acesso
pretendido. Destaque-se que Ž direito do cidad‹o obter o inteiro teor
de decis‹o de negativa de acesso, por certid‹o ou c—pia.

Se um cidad‹o solicita ˆ ABIN que informe quais equipamentos


tecnol—gicos de seguran•a da informa•‹o foram adquiridos nos œltimos 5
anos, a ABIN ir‡ recusar o acesso e motivar‡ a decis‹o se apoiando no
fato de que trata-se de informa•‹o cujo sigilo Ž imprescind’vel ˆ
seguran•a da sociedade e do Estado. Quando o acesso n‹o for
autorizado, o requerente dever‡ ser informado sobre a
possibilidade de recurso, prazos e condi•›es para sua interposi•‹o,
indicando-se, ainda, a autoridade competente para apreci‡-lo.

1.5.2- Recursos contra a negativa de acesso:

Conforme vimos, h‡ casos em que o —rg‹o ou entidade ir‹o


negar o acesso ˆ informa•‹o pleiteada pelo interessado. Nessas situa•›es,

1
A informa•‹o armazenada em formato digital ser‡ fornecida nesse formato,
caso haja anu•ncia do requerente.

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

existe a possibilidade da apresenta•‹o de recurso administrativo. O art.


15, da Lei n¼ 12.527/2011, disp›e que Òno caso de indeferimento de
acesso a informa•›es ou ˆs raz›es da negativa do acesso, poder‡ o
interessado interpor recurso contra a decis‹o no prazo de 10 (dez) dias
a contar da sua ci•ncia.Ò

Do exame do art. 15, da Lei n¼ 12.527/2011, percebe-se que o


recurso pode ser apresentado em duas hip—teses diferentes. A primeira
hip—tese Ž quando for indeferido o pedido de acesso a informa•›es; a
segunda Ž quando n‹o forem explicitadas as raz›es da negativa de
acesso. Cabe destacar que o recurso dever‡ ser dirigido ˆ autoridade
hierarquicamente superior ˆ que exarou a decis‹o impugnada, que dever‡
se manifestar no prazo de 5 (cinco) dias.

Uma vez apresentado o recurso, a autoridade superior poder‡


indeferi-lo, negando o acesso ˆ informa•‹o. No entanto, o interessado
ainda poder‡ recorrer dessa decis‹o. Nesse ponto, cabe esclarecer que
os procedimentos desse novo recurso s‹o espec’ficos para cada um
dos Poderes (Legislativo, Executivo e Judici‡rio) do Estado brasileiro.

O art. 18, seguindo essa linha, estabelece o seguinte:

Art. 18. Os procedimentos de revis‹o de decis›es denegat—rias


proferidas no recurso previsto no art. 15 e de revis‹o de
classifica•‹o de documentos sigilosos ser‹o objeto de
regulamenta•‹o pr—pria dos Poderes Legislativo e Judici‡rio e do
MinistŽrio Pœblico, em seus respectivos ‰mbitos, assegurado ao
solicitante, em qualquer caso, o direito de ser informado sobre o
andamento de seu pedido.

O dispositivo supracitado n‹o menciona a exist•ncia de


regulamenta•‹o pr—pria no ‰mbito do Poder Executivo. N‹o Ž que n‹o
exista regulamenta•‹o espec’fica para o Poder Executivo. Ela existe,
e suas bases est‹o previstas no art. 16, da Lei n¼ 12.527/2011:

Art. 16. Negado o acesso a informa•‹o pelos —rg‹os ou


entidades do Poder Executivo Federal, o requerente poder‡
recorrer ˆ Controladoria-Geral da Uni‹o, que deliberar‡ no prazo
de 5 (cinco) dias se:
I - o acesso ˆ informa•‹o n‹o classificada como sigilosa for
negado;
II - a decis‹o de negativa de acesso ˆ informa•‹o total ou
parcialmente classificada como sigilosa n‹o indicar a autoridade
classificadora ou a hierarquicamente superior a quem possa ser
dirigido pedido de acesso ou desclassifica•‹o;
III - os procedimentos de classifica•‹o de informa•‹o sigilosa
estabelecidos nesta Lei n‹o tiverem sido observados; e
IV - estiverem sendo descumpridos prazos ou outros
procedimentos previstos nesta Lei.

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

¤ 1o O recurso previsto neste artigo somente poder‡ ser dirigido


ˆ Controladoria-Geral da Uni‹o depois de submetido ˆ aprecia•‹o
de pelo menos uma autoridade hierarquicamente superior ˆquela
que exarou a decis‹o impugnada, que deliberar‡ no prazo de 5
(cinco) dias.
¤ 2o Verificada a proced•ncia das raz›es do recurso, a
Controladoria-Geral da Uni‹o determinar‡ ao —rg‹o ou entidade
que adote as provid•ncias necess‡rias para dar cumprimento ao
disposto nesta Lei.
¤ 3o Negado o acesso ˆ informa•‹o pela Controladoria-Geral da
Uni‹o, poder‡ ser interposto recurso ˆ Comiss‹o Mista de
Reavalia•‹o de Informa•›es, a que se refere o art. 35.

Uma vez negado o acesso a informa•‹o pelos —rg‹os ou


entidades do Poder Executivo Federal, poder‡ ser apresentado recurso ˆ
Controladoria-Geral da Uni‹o (CGU), que dever‡ deliberar acerca
deste em 5 (cinco) dias caso tenha ocorrido alguma irregularidade nos
procedimentos. ƒ o caso, por exemplo, em que o —rg‹o nega o acesso a
informa•‹o n‹o classificada como sigilosa. Ou, ent‹o, quando n‹o tiverem
sido cumpridos os prazos previstos na Lei.

Cabe destacar que, uma vez negado o acesso ˆ informa•‹o pela


Controladoria-Geral da Uni‹o (CGU), ainda Ž poss’vel a interposi•‹o de
novo recurso, a ser direcionado para a Comiss‹o Mista de
Reavalia•‹o de Informa•›es.

Para regulamentar a Lei n¼ 12.527/2011, no ‰mbito


do Poder Executivo Federal, foi editado o Decreto n¼
7.724/2012.

Com base nesse normativo, verifica-se que, antes de


ser apresentado o recurso ˆ CGU, Ž necess‡rio
que o interessado tenha recorrido ao dirigente
m‡ximo do —rg‹o ou entidade.

Assim, temos as seguintes inst‰ncias recursais:

1» inst‰ncia recursal: autoridade hierarquicamente


superior ˆquela que exarou a decis‹o impugnada.

2» inst‰ncia recursal: autoridade m‡xima do —rg‹o


ou entidade. Ex: recurso ao Ministro de Estado.

3» inst‰ncia recursal: Controladoria-Geral da Uni‹o

4» inst‰ncia recursal: Comiss‹o Mista de


Reavalia•‹o de Informa•›es.

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

Por fim, cabe destacar que, aos recursos com amparo na Lei de
Acesso ˆ Informa•‹o, aplica-se subsidiariamente, no que couber, a Lei
n¼ 9784/99, que regula o processo administrativo na —rbita federal.

Vejamos como esse assunto pode ser cobrado em prova!

20. (Quest‹o InŽdita) A Lei n¼ 12.527/2011 permite, em casos


excepcionais, a formula•‹o de pleito de acesso ˆ informa•‹o sem a
identifica•‹o do requerente.

Coment‡rios:

O pleito de acesso ˆ informa•‹o dever‡ conter a identifica•‹o do


requerente e a especifica•‹o da informa•‹o requerida. Quest‹o errada.

21. (Quest‹o InŽdita) O —rg‹o ou entidade pœblica dever‡


autorizar ou conceder, sempre que poss’vel, o acesso imediato ˆ
informa•‹o dispon’vel.

Coment‡rios:

Sempre que poss’vel, o acesso ˆ informa•‹o pleiteada ser‡


concedido imediatamente. Quest‹o correta.

22. (Quest‹o InŽdita) A Lei de Acesso ˆ Informa•‹o veda que o


Poder Pœblico fa•a quaisquer exig•ncias relativas aos motivos
determinantes da solicita•‹o de informa•›es de interesse pœblico.

Coment‡rios:

De fato, o Poder Pœblico n‹o poder‡ exigir que o requerente


apresente os motivos que o levaram a pleitear o acesso ˆ determinada
informa•‹o de interesse pœblico. Quest‹o correta.

23. (Quest‹o InŽdita) O servi•o de busca e fornecimento da


informa•‹o ser‡ sempre gratuito, n‹o cabendo ao Poder Pœblico
exigir o pagamento de taxas como condi•‹o para acesso ˆ
informa•‹o.

Coment‡rios:

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

A regra geral Ž que o servi•o de busca e fornecimento da


informa•‹o ser‡ gratuito. No entanto, nas hip—teses de reprodu•‹o de
documentos pelo —rg‹o ou entidade pœblica consultada, situa•‹o em que
poder‡ ser cobrado exclusivamente o valor necess‡rio ao ressarcimento
do custo dos servi•os e dos materiais utilizados. Quest‹o errada.

24. (Quest‹o InŽdita) Diante da impossibilidade de conceder


acesso imediato ˆ informa•‹o pleiteada, o —rg‹o ou entidade
pœblica dever‡, em prazo n‹o superior a 20 dias, indicar as raz›es
de fato ou de direito da recusa, total ou parcial, do acesso
pretendido. Ele poder‡, ainda, dentro desse mesmo prazo,
comunicar que n‹o possui a informa•‹o, devendo,
obrigatoriamente, nesse caso, indicar o —rg‹o ou entidade que a
detŽm.

Coment‡rios:

Caso n‹o seja poss’vel conceder o acesso imediato a uma


informa•‹o, o —rg‹o ou entidade pœblica tem 20 dias para apresentar as
raz›es da recusa da informa•‹o. Caso ele n‹o tenha a informa•‹o, dever‡
indicar ao interessado, dentro desse prazo de 20 dias, que n‹o a possui.
No entanto, ele n‹o Ž obrigado a indicar o —rg‹o ou entidade que a
detŽm. Ele somente far‡ tal indica•‹o caso isso seja de seu conhecimento.
Quest‹o errada.

25. (Quest‹o InŽdita) Quando n‹o for autorizado o acesso por se


tratar de informa•‹o total ou parcialmente sigilosa, o requerente
dever‡ ser informado sobre a possibilidade de recurso, prazos e
condi•›es para sua interposi•‹o, devendo, ainda, ser-lhe indicada
a autoridade competente para sua aprecia•‹o.

Coment‡rios:

Exatamente o que disp›e o art. 11, ¤ 4o, da Lei de Acesso ˆ


Informa•‹o. Quest‹o correta.

26. (Quest‹o InŽdita) No caso de indeferimento de acesso a


informa•›es ou ˆs raz›es da negativa do acesso, poder‡ o
interessado interpor recurso contra a decis‹o no prazo de 15
(quinze) dias a contar da decis‹o denegat—ria.

Coment‡rios:

Dois erros no enunciado:

1) O prazo para recurso Ž de 10 dias.

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

2) O termo inicial para a contagem dos 10 dias Ž a data da


ci•ncia (e n‹o a data da decis‹o denegat—ria).

Quest‹o errada.

27. (Quest‹o InŽdita) No caso de indeferimento de pleito de


acesso ˆ informa•‹o, poder‡ ser dirigido recurso ˆ autoridade
hierarquicamente superior ˆ que exarou a decis‹o impugnada, que
dever‡ se manifestar no prazo de 5 (cinco) dias.

Coment‡rios:

A primeira inst‰ncia recursal Ž, de fato, a autoridade


hierarquicamente superior ˆquela que exarou a decis‹o impugnada.
Quest‹o correta.

28. (Quest‹o InŽdita) Tendo sido negado o acesso ˆ informa•‹o


pelos —rg‹os ou entidades do Poder Executivo Federal, caber‡
recurso ˆ Comiss‹o Mista de Reavalia•‹o de Informa•›es.

Coment‡rios:

Quando tiver sido negado o acesso ˆ informa•‹o pelos —rg‹os ou


entidades do Poder Executivo Federal, caber‡ recurso ˆ Controladoria-
Geral da Uni‹o. Negado o acesso ˆ informa•‹o pela CGU, poder‡ ser
interposto recurso perante a Comiss‹o Mista de Reavalia•‹o de
Informa•›es. Quest‹o errada.

29. (Quest‹o InŽdita) Somente poder‡ ser dirigido recurso ˆ


Controladoria-Geral da Uni‹o depois de submetido ˆ aprecia•‹o de
pelo menos uma autoridade hierarquicamente superior ˆquela que
exarou a decis‹o impugnada.

Coment‡rios:

Antes de recorrer ˆ CGU, Ž necess‡rio que o recurso tenha sido


submetido ˆ aprecia•‹o de pelo menos uma autoridade
hierarquicamente superior ˆquela que exarou a decis‹o impugnada.
Quest‹o correta.

30. (Quest‹o InŽdita) No ‰mbito do Poder Executivo Federal, h‡


previs‹o para que, antes de apresenta•‹o de recurso ˆ
Controladoria-Geral da Uni‹o, seja dirigido recurso ˆ autoridade
m‡xima do —rg‹o ou entidade, que dever‡ manifestar-se em cinco
dias contados do recebimento do recurso.

Coment‡rios:

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

As informa•›es que puderem colocar em risco a


seguran•a do Presidente e Vice-Presidente da
Repœblica e respectivos c™njuges e filhos (as)
ser‹o classificadas como reservadas e ficar‹o
sob sigilo atŽ o tŽrmino do mandato em exerc’cio
ou do œltimo mandato, em caso de reelei•‹o.

A classifica•‹o de informa•›es, no ‰mbito da administra•‹o


pœblica federal, Ž de compet•ncia:

a) no grau ultrassecreto: Presidente da Repœblica; Vice-


Presidente da Repœblica; Ministros de Estado e autoridades com as
mesmas prerrogativas; Comandantes da Marinha, do ExŽrcito e da
Aeron‡utica; e Chefes de Miss›es Diplom‡ticas e Consulares permanentes
no exterior.

Observa•‹o: A classifica•‹o da informa•‹o como ultrassecreta


pelos Comandantes da Marinha, do ExŽrcito e da Aeron‡utica e pelos
Chefes de Miss›es Diplom‡ticas e Consulares permanentes no exterior
dever‡ ser ratificada pelos respectivos Ministros de Estado, no prazo
previsto em regulamento.

Cabe destacar que a autoridade ou outro agente


pœblico que classificar informa•‹o como
ultrassecreta dever‡ encaminhar a decis‹o ˆ
Comiss‹o Mista de Reavalia•‹o de
Informa•›es.

b) no grau secreto: autoridades que t•m compet•ncia para


classificar informa•›es no grau ultrassecreto; e titulares de autarquias,
funda•›es ou empresas pœblicas e sociedades de economia mista.

Observa•‹o: A compet•ncia para classificar informa•›es no


grau ultrassecreto e secreto poder‡ ser delegada pela autoridade
respons‡vel a agente pœblico, inclusive em miss‹o no exterior, vedada a
subdelega•‹o.

c) no grau reservado: autoridades que t•m compet•ncia para


classificar informa•›es nos graus ultrassecreto e secreto; e autoridades
que exer•am fun•›es de dire•‹o, comando ou chefia, n’vel DAS 101.5, ou
superior, do Grupo-Dire•‹o e Assessoramento Superiores, ou de
hierarquia equivalente.

A classifica•‹o de informa•‹o em qualquer grau de sigilo dever‡


ser formalizada em decis‹o que conter‡, no m’nimo, os seguintes
elementos: i) assunto sobre o qual versa a informa•‹o; ii) fundamento da
classifica•‹o, observados os critŽrios definidos na Lei; iii) indica•‹o do

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

prazo de sigilo, contado em anos, meses ou dias, ou do evento que defina


o seu termo final; iv) identifica•‹o da autoridade que a classificou.

A classifica•‹o das informa•›es ser‡ reavaliada pela autoridade


classificadora ou por autoridade hierarquicamente superior, mediante
provoca•‹o ou de of’cio, com vistas ˆ sua desclassifica•‹o ou ˆ
redu•‹o do prazo de sigilo. Registre-se que desclassificar uma
informa•‹o significa deixar de trat‡-la como sigilosa.

Nesse ponto, nos remetemos ao art. 17, da Lei n¼ 12.527/2011,


que trata de pedido de desclassifica•‹o de informa•‹o feito por
interessado.

Art. 17. No caso de indeferimento de pedido de desclassifica•‹o de


informa•‹o protocolado em —rg‹o da administra•‹o pœblica federal,
poder‡ o requerente recorrer ao Ministro de Estado da ‡rea, sem
preju’zo das compet•ncias da Comiss‹o Mista de Reavalia•‹o de
Informa•›es, previstas no art. 35, e do disposto no art. 16.
¤ 1o O recurso previsto neste artigo somente poder‡ ser dirigido ˆs
autoridades mencionadas depois de submetido ˆ aprecia•‹o de pelo
menos uma autoridade hierarquicamente superior ˆ autoridade que
exarou a decis‹o impugnada e, no caso das For•as Armadas, ao
respectivo Comando.
¤ 2o Indeferido o recurso previsto no caput que tenha como objeto a
desclassifica•‹o de informa•‹o secreta ou ultrassecreta, caber‡ recurso
ˆ Comiss‹o Mista de Reavalia•‹o de Informa•›es prevista no art. 35.

Ao analisar o art.17, percebe-se que Ž poss’vel que algum


interessado proceda a pedido de desclassifica•‹o de informa•‹o ou
de reavalia•‹o de classifica•‹o. A autoridade classificadora ir‡,
ent‹o, examinar o referido pedido em primeira inst‰ncia. Negado o
pedido, o requerente poder‡ apresentar recurso ao Ministro de Estado
ou a autoridade com as mesmas prerrogativas. Ainda Ž poss’vel um outro
recurso, direcionado ˆ Comiss‹o Mista de Reavalia•‹o de
Informa•›es, cab’vel apenas se o pedido de desclassifica•‹o se referir a
informa•‹o secreta ou ultrassecreta.

Vejamos como esse assunto pode ser cobrado em prova!

31. (Quest‹o InŽdita) S‹o pass’veis de classifica•‹o as


informa•›es consideradas imprescind’veis ˆ seguran•a da
sociedade ou do Estado, cuja divulga•‹o ou acesso irrestrito
possam p™r em risco a defesa e a soberania nacionais ou a
integridade do territ—rio nacional.

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

Coment‡rios:

Exatamente o que prev• o art. 23, inciso I, da Lei n¼


12.527/2011. As informa•›es que ponham em risco a defesa e a
soberania nacionais ou a integridade do territ—rio s‹o pass’veis de
classifica•‹o. Quest‹o correta.

32. (Quest‹o InŽdita) A informa•‹o em poder dos —rg‹os e


entidades, observado o seu teor e em raz‹o de sua
imprescindibilidade ˆ seguran•a da sociedade ou do Estado,
poder‡ ser classificada no grau ultrassecreto, secreto, reservado
ou sigiloso.

Coment‡rios:

N‹o existe o grau de classifica•‹o sigiloso. S‹o tr•s os graus de


sigilo: ultrassecreto, secreto e reservado. Quest‹o errada.

33. (Quest‹o InŽdita) As informa•›es ou documentos que


versem sobre condutas que impliquem viola•‹o dos direitos
humanos praticada por agentes pœblicos ou a mando de
autoridades pœblicas ser‹o objeto de restri•‹o de acesso.

Coment‡rios:

As informa•›es relacionadas ˆ condutas que impliquem viola•‹o


dos direitos humanos n‹o poder‹o ser objeto de restri•‹o de acesso.
Quest‹o errada.

34. (Quest‹o InŽdita) N‹o poder‡ ser negado acesso ˆ


informa•‹o necess‡ria ˆ tutela judicial ou administrativa de
direitos fundamentais.

Coment‡rios:

ƒ o que prev• o art. 21, caput, da Lei n¼ 12.527/2011. Quest‹o


correta.

35. (Quest‹o InŽdita) O prazo m‡ximo de restri•‹o de acesso


para as informa•›es classificadas no grau de sigilo ultrassecreto Ž
de 30 anos.

Coment‡rios:

As informa•›es classificadas no grau de sigilo ultrassecreto


poder‹o ter seu acesso restrito por atŽ 25 anos. Quest‹o errada.

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

36. (Quest‹o InŽdita) O prazo m‡ximo de restri•‹o de acesso


para as informa•›es classificadas no grau de sigilo secreto Ž de 15
anos.

Coment‡rios:

Exatamente! Para as informa•›es classificadas no grau de sigilo


secreto, o prazo m‡ximo de restri•‹o de acesso Ž de 15 anos. Quest‹o
correta.

37. (Quest‹o InŽdita) As informa•›es que puderem colocar em


risco a seguran•a do Presidente e Vice-Presidente da Repœblica e
respectivos c™njuges e filhos (as) ser‹o classificadas como
ultrassecretas e ficar‹o sob sigilo atŽ o tŽrmino do mandato em
exerc’cio ou do œltimo mandato, em caso de reelei•‹o.

Coment‡rios:

De acordo com o art. 24, ¤ 2¼, da Lei n¼ 12.527/2011, as


informa•›es acima mencionadas devem ser classificadas como
reservadas. Quest‹o errada.

38. (Quest‹o InŽdita) Transcorrido o prazo de classifica•‹o ou


consumado o evento que defina o seu termo final, a informa•‹o
tornar-se-‡, automaticamente, de acesso pœblico.

Coment‡rios:

Quando chega ao fim o prazo de classifica•‹o (per’odo de


restri•‹o de acesso), a informa•‹o torna-se automaticamente de acesso
pœblico. Destaque-se que, alternativamente ˆ defini•‹o de prazos, poder‡
ser estabelecida como termo final de restri•‹o de acesso a ocorr•ncia de
determinado evento. Ocorrendo tal evento, a informa•‹o torna-se de
acesso pœblico. Quest‹o correta.

39. (Quest‹o InŽdita) O Estado tem o dever de controlar o


acesso e a divulga•‹o de informa•›es sigilosas produzidas por
seus —rg‹os e entidades, assegurando a sua prote•‹o. O acesso ˆ
informa•‹o classificada como sigilosa cria a obriga•‹o para aquele
que a obteve de resguardar o sigilo.

Coment‡rios:

De fato, a prote•‹o de informa•›es sigilosas Ž dever do Estado,


que dever‡ controlar o acesso a estas. Todo aquele que tiver acesso ˆ
informa•‹o sigilosa tem a obriga•‹o de resguardar-lhe o sigilo. Quest‹o
correta.

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

40. (Quest‹o InŽdita) O Diretor-Geral da ABIN tem compet•ncia


para classificar uma informa•‹o como ultrassecreta.

Coment‡rios:

O Diretor-Geral da ABIN n‹o detŽm compet•ncia para classificar


informa•‹o como ultrassecreta. As autoridades que possuem compet•ncia
para classificar informa•‹o como ultrassecreta est‹o relacionadas no art.
27, inciso I, da Lei n¼ 12.527/2011.

Art. 27. A classifica•‹o de informa•‹o Ž de compet•ncia:


I - no grau ultrassecreto, das seguintes autoridades:
a) Presidente da Repœblica;
b) Vice-Presidente da Repœblica;
c) Ministros de Estado e autoridades com as mesmas
prerrogativas;
d) Comandantes da Marinha, do ExŽrcito, da Aeron‡utica; e
e) Chefes de Miss›es Diplom‡ticas e Consulares permanentes
no exterior

Por tudo o que comentamos, a quest‹o est‡ errada.

41. (Quest‹o InŽdita) As informa•›es pessoais ter‹o seu acesso


restrito, independentemente de classifica•‹o de sigilo.

Coment‡rios:

As informa•›es pessoais ter‹o restri•‹o de acesso


independentemente de classifica•‹o de sigilo. Quest‹o correta.

42. (Quest‹o InŽdita) A classifica•‹o das informa•›es ser‡


reavaliada pela autoridade classificadora ou por autoridade
hierarquicamente superior, mediante provoca•‹o ou de of’cio, nos
termos e prazos previstos em regulamento, com vistas ˆ sua
desclassifica•‹o ou ˆ redu•‹o do prazo de sigilo.

Coment‡rios:

ƒ o que prev• o art. 29, caput, da Lei n¼ 12.527/2011. Quest‹o


correta.

43. (Quest‹o InŽdita) N‹o cabe recurso ˆ Comiss‹o Mista de


Reavalia•‹o de Informa•›es de decis‹o que indeferiu pedido de
desclassifica•‹o de informa•‹o classificada no grau de sigilo
reservado.

Coment‡rios:

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

Somente caber‡ recurso ˆ Comiss‹o Mista de Reavalia•‹o de


Informa•›es se a informa•‹o em rela•‹o ˆ qual se pleiteava a
desclassifica•‹o estivesse no grau de sigilo ultrassecreto ou secreto.
Assim, n‹o cabe recurso no caso de informa•‹o reservada. Quest‹o
correta.

1.7- Responsabilidades:

A pergunta que fazemos ao iniciar esse t—pico Ž a seguinte:


quem pode ser responsabilizado por condutas contr‡rias ˆ Lei de
Acesso ˆ Informa•‹o?

A responsabilidade por condutas contr‡rias ˆ Lei de Acesso ˆ


Informa•‹o (LAI) alcan•a os agentes pœblicos, os militares, os
particulares e atŽ mesmo o pr—prio Poder Pœblico.

O art. 32 da Lei n¼ 12.527/2011 relaciona algumas condutas


il’citas que ensejam responsabilidade do agente pœblico ou militar.
Segundo o referido dispositivo, constituem condutas il’citas as seguintes:

a) recusar-se a fornecer informa•‹o requerida nos termos desta


Lei, retardar deliberadamente o seu fornecimento ou fornec•-la
intencionalmente de forma incorreta, incompleta ou imprecisa;

b) utilizar indevidamente, bem como subtrair, destruir, inutilizar,


desfigurar, alterar ou ocultar, total ou parcialmente, informa•‹o que se
encontre sob sua guarda ou a que tenha acesso ou conhecimento em
raz‹o do exerc’cio das atribui•›es de cargo, emprego ou fun•‹o pœblica;

c) agir com dolo ou m‡-fŽ na an‡lise das solicita•›es de acesso


ˆ informa•‹o;

d) divulgar ou permitir a divulga•‹o ou acessar ou permitir


acesso indevido ˆ informa•‹o sigilosa ou informa•‹o pessoal;

e) impor sigilo ˆ informa•‹o para obter proveito pessoal ou de


terceiro, ou para fins de oculta•‹o de ato ilegal cometido por si ou por
outrem;

f) ocultar da revis‹o de autoridade superior competente


informa•‹o sigilosa para beneficiar a si ou a outrem, ou em preju’zo de
terceiros; e

g) destruir ou subtrair, por qualquer meio, documentos


concernentes a poss’veis viola•›es de direitos humanos por parte de
agentes do Estado.

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

Voc• n‹o precisa decorar as condutas il’citas acima relacionadas!

Entretanto, Ž importante que voc• fa•a uma leitura com aten•‹o,


percebendo que todas elas s‹o condutas de natureza dolosa
(intencional) do agente pœblico ou militar. O exemplo mais simples de
infra•‹o prevista no art. 32 Ž o de um servidor pœblico que se nega a
fornecer o acesso a informa•‹o que n‹o possui car‡ter sigiloso. Tal
conduta vai totalmente contra o esp’rito e o sentido da Lei de Acesso ˆ
Informa•‹o.

As condutas relacionadas no art. 32, atendidos o princ’pio do


contradit—rio, da ampla defesa e do devido processo legal, s‹o
consideradas:

a) para fins dos regulamentos disciplinares das For•as Armadas,


transgress›es militares mŽdias ou graves, segundo os critŽrios neles
estabelecidos, desde que n‹o tipificadas em lei como crime ou
contraven•‹o penal; ou

b) para fins do disposto na Lei no 8.112, de 11 de dezembro de


1990, e suas altera•›es, infra•›es administrativas, que dever‹o ser
apenadas, no m’nimo, com suspens‹o, segundo os critŽrios nela
estabelecidos.

AlŽm de responder por transgress‹o disciplinar


(no caso de militar) ou infra•‹o administrativa
(no caso de agente pœblico), o militar ou
agente pœblico tambŽm poder‡ responder
por improbidade administrativa.

O art. 33, da Lei n¼ 12.527/2011, por sua vez, trata das


penalidades aplic‡veis a pessoas f’sicas e entidades privadas que
detenham informa•›es em virtude de v’nculo de qualquer natureza
com o Poder Pœblico. Perceba que s‹o destinat‡rios diferentes daqueles
a que se refere o art. 32, da LAI.

Art. 33. A pessoa f’sica ou entidade privada que detiver


informa•›es em virtude de v’nculo de qualquer natureza com o
poder pœblico e deixar de observar o disposto nesta Lei estar‡
sujeita ˆs seguintes san•›es:
I - advert•ncia;
II - multa;
III - rescis‹o do v’nculo com o poder pœblico;
IV - suspens‹o tempor‡ria de participar em licita•‹o e
impedimento de contratar com a administra•‹o pœblica por prazo
n‹o superior a 2 (dois) anos; e

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

V - declara•‹o de inidoneidade para licitar ou contratar com a


administra•‹o pœblica, atŽ que seja promovida a reabilita•‹o
perante a pr—pria autoridade que aplicou a penalidade.

O art. 34, a seu turno, Ž direcionado diretamente ao Poder


Pœblico. Segundo esse dispositivo, Òos —rg‹os e entidades pœblicas
respondem diretamente pelos danos causados em decorr•ncia da
divulga•‹o n‹o autorizada ou utiliza•‹o indevida de informa•›es sigilosas
ou informa•›es pessoais, cabendo a apura•‹o de responsabilidade
funcional nos casos de dolo ou culpa, assegurado o respectivo direito
de regresso.Ò

Esse dispositivo est‡ em plena conson‰ncia com o previsto no


art. 37, da CF/88:

Art. 37.................................................................................
¤ 6¼ - As pessoas jur’dicas de direito pœblico e as de direito
privado prestadoras de servi•os pœblicos responder‹o pelos danos
que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros,
assegurado o direito de regresso contra o respons‡vel nos casos
de dolo ou culpa.

Com base nesse entendimento, verifica-se que existe


responsabilidade objetiva da Administra•‹o Pœblica quando um de
seus agentes causar dano em raz‹o de divulga•‹o n‹o autorizada ou
utiliza•‹o indevida de informa•›es sigilosas ou pessoais. No entanto,
quando o comportamento do agente tiver sido eivado de dolo ou culpa, a
Administra•‹o Pœblica poder‡ exercer seu direito de regresso contra ele.
Destaque-se que tal regra tambŽm se aplica ˆ pessoa f’sica ou entidade
privada que, em virtude de v’nculo de qualquer natureza com —rg‹os ou
entidades, tenha acesso a informa•‹o sigilosa ou pessoal e a submeta a
tratamento indevido.

1.8 Ð Outras Disposi•›es:

O cap’tulo final da Lei n¼ 12.527/2011, intitulado ÒDisposi•›es


Finais e Transit—riasÓ, traz algumas informa•›es importantes para o nosso
exame. Primeiro, trata da Comiss‹o Mista de Reavalia•‹o de Informa•›es;
segundo, institui o Nœcleo de Credenciamento de Seguran•a.

A Comiss‹o Mista de Reavalia•‹o de Informa•›es tem como


fun•‹o principal decidir, no ‰mbito da administra•‹o pœblica federal,
sobre o tratamento e a classifica•‹o de informa•›es sigilosas. AlŽm
disso, possui compet•ncia para:

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

a) requisitar da autoridade que classificar informa•‹o como


ultrassecreta e secreta esclarecimento ou conteœdo, parcial ou integral da
informa•‹o;

Coment‡rios: Recorda-se que quando uma autoridade ou


agente pœblico classificar uma informa•‹o como ultrassecreta, a
decis‹o dever‡ ser encaminhada ˆ Comiss‹o Mista de Reavalia•‹o de
Informa•›es.

b) rever a classifica•‹o de informa•›es ultrassecretas ou


secretas, de of’cio ou mediante provoca•‹o de pessoa interessada; e

Coment‡rios: A Comiss‹o Mista de Reavalia•‹o de Informa•›es


atua como œltima inst‰ncia recursal no caso de pedido de
desclassifica•‹o que tenha por objeto informa•›es ultrassecretas e
secretas.

A revis‹o de of’cio a que nos referimos dever‡ ocorrer, no


m‡ximo, a cada 4 (quatro) ap—s a reavalia•‹o prevista no art. 39,
quando se tratar de informa•›es ultrassecretas ou secretas. Dizemos que
a revis‹o dever‡ ser feito Òno m‡ximoÓ a cada 4 anos porque, na verdade,
a Comiss‹o Mista de Reavalia•‹o de Informa•›es poder‡ faz•-la a
qualquer tempo (art. 39, ¤ 2¼ )

Segundo o art. 39, os —rg‹os e entidades pœblicas dever‹o


reavaliar as informa•›es classificadas como ultrassecretas e secretas
no prazo m‡ximo de 2 anos contados a partir da vig•ncia da Lei n¼
12.527/2011.

Assim, temos: i) 2 anos ap—s publicada a lei, os —rg‹os fazem


uma reavalia•‹o das informa•›es classificadas como secretas e
ultrassecretas; ii) depois de, no m‡ximo, 4 anos, Ž feita revis‹o de of’cio
dessas informa•›es pela Comiss‹o Mista de Reavalia•‹o de Informa•›es;
iii) a cada per’odo de, no m‡ximo, 4 anos, essa revis‹o Ž feita novamente
pela Comiss‹o.

c) prorrogar o prazo de sigilo de informa•‹o classificada como


ultrassecreta, sempre por prazo determinado, enquanto o seu acesso ou
divulga•‹o puder ocasionar amea•a externa ˆ soberania nacional ou ˆ
integridade do territ—rio nacional ou grave risco ˆs rela•›es internacionais
do Pa’s, observado o prazo m‡ximo de 25 anos.

Coment‡rios: O prazo m‡ximo de uma informa•‹o


ultrassecreta Ž 25 anos. Destaque-se que cabe uma œnica prorroga•‹o
desse prazo, por igual per’odo. Ao todo, Ž poss’vel que se chegue ao
prazo de 50 anos de classifica•‹o.

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

O Nœcleo de Seguran•a e Credenciamento foi tambŽm


institu’do pela Lei n¼ 12.527/2011. Sobre esse —rg‹o, j‡ estudamos na
aula anterior. Ele foi institu’do no ‰mbito do GSI, na condi•‹o de —rg‹o
central de credenciamento.

Art. 37. ƒ institu’do, no ‰mbito do Gabinete de Seguran•a


Institucional da Presid•ncia da Repœblica, o Nœcleo de Seguran•a
e Credenciamento (NSC), que tem por objetivos:
I - promover e propor a regulamenta•‹o do credenciamento de
seguran•a de pessoas f’sicas, empresas, —rg‹os e entidades para
tratamento de informa•›es sigilosas; e
II - garantir a seguran•a de informa•›es sigilosas, inclusive
aquelas provenientes de pa’ses ou organiza•›es internacionais
com os quais a Repœblica Federativa do Brasil tenha firmado
tratado, acordo, contrato ou qualquer outro ato internacional,
sem preju’zo das atribui•›es do MinistŽrio das Rela•›es Exteriores
e dos demais —rg‹os competentes.

Por œltimo, cabe ressaltar que a Controladoria-Geral da Uni‹o


(CGU) Ž o —rg‹o do Poder Executivo Federal respons‡vel pela promo•‹o
da cultura da transpar•ncia e conscientiza•‹o do direito fundamental
de acesso ˆ informa•‹o. Sobre isso, destacamos o art. 68, do Decreto
7.724/2012:

Art. 68. Compete ˆ Controladoria-Geral da Uni‹o, observadas as


compet•ncias dos demais —rg‹os e entidades e as previs›es
espec’ficas neste Decreto:
I - definir o formul‡rio padr‹o, disponibilizado em meio f’sico e
eletr™nico, que estar‡ ˆ disposi•‹o no s’tio na Internet e no SIC
dos —rg‹os e entidades, de acordo com o ¤ 1o do art. 11;
II - promover campanha de abrang•ncia nacional de fomento ˆ
cultura da transpar•ncia na administra•‹o pœblica e
conscientiza•‹o sobre o direito fundamental de acesso ˆ
informa•‹o;
III - promover o treinamento dos agentes pœblicos e, no que
couber, a capacita•‹o das entidades privadas sem fins lucrativos,
no que se refere ao desenvolvimento de pr‡ticas relacionadas ˆ
transpar•ncia na administra•‹o pœblica;
IV - monitorar a implementa•‹o da Lei no 12.527, de 2011,
concentrando e consolidando a publica•‹o de informa•›es
estat’sticas relacionadas no art. 45;
V - preparar relat—rio anual com informa•›es referentes ˆ
implementa•‹o da Lei no 12.527, de 2011, a ser encaminhado ao
Congresso Nacional;
VI - monitorar a aplica•‹o deste Decreto, especialmente o
cumprimento dos prazos e procedimentos; e
VII - definir, em conjunto com a Casa Civil da Presid•ncia da
Repœblica, diretrizes e procedimentos complementares necess‡rios
ˆ implementa•‹o da Lei no 12.527, de 2011.

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

Vejamos como esse assunto pode ser cobrado em prova!

44. (Quest‹o InŽdita) Constitui conduta il’cita que enseja


responsabilidade do agente pœblico ou militar divulgar ou permitir
a divulga•‹o ou acessar ou permitir acesso indevido ˆ informa•‹o
sigilosa ou informa•‹o pessoal.

Coment‡rios:

Trata-se de conduta il’cita, prevista no art. 32, inciso IV, da Lei


n¼ 12.527/2011. Quest‹o correta.

45. (Quest‹o InŽdita) A responsabilidade pelos danos causados


em decorr•ncia da divulga•‹o n‹o autorizada ou utiliza•‹o
indevida de informa•›es sigilosas Ž pessoal, imput‡vel
diretamente ao agente pœblico.

Coment‡rios:

Os —rg‹os e entidades pœblicas Ž que respondem diretamente


pelos danos causados em decorr•ncia da divulga•‹o n‹o autorizada ou
utiliza•‹o indevida de informa•›es sigilosas ou informa•›es pessoais.
Trata-se da responsabilidade objetiva da Administra•‹o Pœblica pelos
danos causados por seus agentes. ƒ claro, caber‡ direito de regresso
contra o respons‡vel pelo dano, no caso de dolo ou culpa. Quest‹o errada.

46. (Quest‹o InŽdita) A Comiss‹o Mista de Reavalia•‹o de


Informa•›es tem compet•ncia para decidir, no ‰mbito da
administra•‹o pœblica federal, sobre o tratamento e a classifica•‹o
de informa•›es sigilosas. Nesse sentido, a ela compete requisitar
da autoridade que classificar informa•‹o em qualquer grau de
sigilo esclarecimento ou conteœdo, parcial ou integral da
informa•‹o.

Coment‡rios:

A Comiss‹o Mista de Reavalia•‹o de Informa•›es somente


poder‡ requisitar esclarecimento ou conteœdo (integral ou parcial) da
informa•‹o se esta tiver sido classificada como secreta ou ultrassecreta.
Quest‹o errada.

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

47. (Quest‹o InŽdita) A reavalia•‹o das informa•›es


classificadas como ultrassecretas e secretas somente pode ser
feita a cada 2 anos pela Comiss‹o Mista de Reavalia•‹o de
Informa•›es.

Coment‡rios:

A reavalia•‹o de informa•›es pode ser revista a qualquer tempo


pela Comiss‹o Mista de Reavalia•‹o de Informa•›es. Quest‹o errada.

48. (Quest‹o InŽdita) Compete ˆ Comiss‹o Mista de Reavalia•‹o


de Informa•›es prorrogar o prazo de sigilo de informa•‹o
classificada como ultrassecreta, sempre por prazo determinado,
enquanto o seu acesso ou divulga•‹o puder ocasionar amea•a
externa ˆ soberania nacional ou ˆ integridade do territ—rio
nacional ou grave risco ˆs rela•›es internacionais do Pa’s,
observado o prazo m‡ximo de 25 anos.

Coment‡rios:

ƒ o que disp›e o art. 35, ¤ 1¼, inciso III, da Lei n¼ 12.527/2011.


Quest‹o correta.

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

LISTA DE QUESTÍES

1. (Quest‹o InŽdita) A Lei de Acesso ˆ Informa•‹o tem


aplica•‹o apenas no ‰mbito do Poder Executivo federal. Os
Estados, Distrito Federal e Munic’pios podem, entretanto, em
legisla•‹o pr—pria, definir regras espec’ficas, obedecidas as
normas gerais definidas pela Lei n¼ 12.527/2011.

2. (Quest‹o InŽdita) A Lei de Acesso ˆ Informa•‹o tambŽm se


aplica, no que couber, ˆs entidades privadas sem fins lucrativos
que recebam, para realiza•‹o de a•›es de interesse pœblico,
recursos pœblicos diretamente do or•amento ou mediante
subven•›es sociais, contrato de gest‹o, termo de parceria,
conv•nios, acordo, ajustes ou outros instrumentos cong•neres.

3. (Quest‹o InŽdita) Em raz‹o da imprescindibilidade de suas


atividades para a seguran•a e defesa nacional, a ABIN n‹o precisa
obedecer a Lei de Acesso ˆ Informa•‹o.

4. (Quest‹o InŽdita) ƒ dever dos —rg‹os e entidades pœblicas


promover, independentemente de requerimentos, a divulga•‹o em
local de f‡cil acesso, no ‰mbito de suas compet•ncias, de
informa•›es de interesse coletivo ou geral por eles produzidas ou
custodiadas.

5. (Quest‹o InŽdita) A Lei de Acesso ˆ Informa•‹o, ao


estabelecer como diretriz, para os —rg‹os pœblicos, a divulga•‹o
de informa•›es de interesse pœblico, independentemente de
solicita•›es, criou uma obriga•‹o de transpar•ncia ativa.

6. (Quest‹o InŽdita) Todos t•m direito a receber dos —rg‹os


pœblicos informa•›es de seu interesse particular, ou de interesse
coletivo ou geral, que ser‹o prestadas no prazo da lei, sob pena de
responsabilidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo seja
imprescind’vel ˆ seguran•a da sociedade e do Estado.

7. (Quest‹o InŽdita) O fomento ao desenvolvimento da cultura


de transpar•ncia e o desenvolvimento do controle social s‹o
diretrizes da Lei de Acesso ˆ Informa•‹o.

8. (Quest‹o InŽdita) A Lei de Acesso ˆ Informa•‹o criou a


obriga•‹o, para os —rg‹os pœblicos, de divulgar em local de f‡cil
acesso informa•›es relativas ˆs remunera•›es dos servidores
pœblicos.

9. (Quest‹o InŽdita) As entidades privadas sem fins lucrativos


que recebam recursos pœblicos para a realiza•‹o de a•›es de
interesse pœblico est‹o, para todos os efeitos, vinculadas ˆ LAI.

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

10. (Quest‹o InŽdita) Todos os Munic’pios est‹o obrigados a


divulgar informa•›es de interesse pœblico em s’tios oficiais da
rede mundial de computadores.

11. (Quest‹o InŽdita) Nos termos da Lei de Acesso ˆ Informa•‹o,


autenticidade Ž a qualidade da informa•‹o n‹o modificada,
inclusive quanto ˆ origem, tr‰nsito e destino.

12. (Quest‹o InŽdita) O Estado tem o dever de garantir o direito


de acesso ˆ informa•‹o, que ser‡ franqueada, mediante
procedimentos objetivos e ‡geis, de forma transparente, clara e
em linguagem de f‡cil compreens‹o.

13. (Quest‹o InŽdita) Segundo a Lei de Acesso ˆ Informa•‹o,


cabe aos —rg‹os e entidades do poder pœblico, observadas as
normas e procedimentos espec’ficos aplic‡veis, assegurar a gest‹o
transparente e a prote•‹o da informa•‹o, garantindo-se sua
disponibilidade, gratuidade, primariedade e autenticidade.

14. (Quest‹o InŽdita) Os —rg‹os e entidades do poder pœblico


s‹o respons‡veis pela prote•‹o da informa•‹o sigilosa e da
informa•‹o pessoal, observada a sua disponibilidade,
autenticidade, integridade e eventual restri•‹o de acesso

15. (Quest‹o InŽdita) O direito de acesso a informa•›es pœblicas


n‹o se sobrep›e ao direito ˆ intimidade, ˆ privacidade e ˆ
seguran•a dos agentes pœblicos.

16. (Quest‹o InŽdita) A integridade Ž a qualidade da informa•‹o


coletada na fonte, com o m‡ximo de detalhamento poss’vel, sem
modifica•›es.

17. (Quest‹o InŽdita) O direito de acesso a informa•›es pœblicas


ser‡ assegurado, exclusivamente, mediante a cria•‹o de servi•o
de informa•›es ao cidad‹o.

18. (Quest‹o InŽdita) O pleito de acesso ˆ informa•‹o poder‡


ser negado independentemente de motiva•‹o.

19. (Quest‹o InŽdita) Na hip—tese de a informa•‹o solicitada


pelo interessado ter sido extraviada, este poder‡ requerer ˆ
autoridade competente a imediata abertura de sindic‰ncia para
apurar o desaparecimento da respectiva documenta•‹o.

20. (Quest‹o InŽdita) A Lei n¼ 12.527/2011 permite, em casos


excepcionais, a formula•‹o de pleito de acesso ˆ informa•‹o sem a
identifica•‹o do requerente.

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

21. (Quest‹o InŽdita) O —rg‹o ou entidade pœblica dever‡


autorizar ou conceder, sempre que poss’vel, o acesso imediato ˆ
informa•‹o dispon’vel.

22. (Quest‹o InŽdita) A Lei de Acesso ˆ Informa•‹o veda que o


Poder Pœblico fa•a quaisquer exig•ncias relativas aos motivos
determinantes da solicita•‹o de informa•›es de interesse pœblico.

23. (Quest‹o InŽdita) O servi•o de busca e fornecimento da


informa•‹o ser‡ sempre gratuito, n‹o cabendo ao Poder Pœblico
exigir o pagamento de taxas como condi•‹o para acesso ˆ
informa•‹o.

24. (Quest‹o InŽdita) Diante da impossibilidade de conceder


acesso imediato ˆ informa•‹o pleiteada, o —rg‹o ou entidade
pœblica dever‡, em prazo n‹o superior a 20 dias, indicar as raz›es
de fato ou de direito da recusa, total ou parcial, do acesso
pretendido. Ele poder‡, ainda, dentro desse mesmo prazo,
comunicar que n‹o possui a informa•‹o, devendo,
obrigatoriamente, nesse caso, indicar o —rg‹o ou entidade que a
detŽm.

25. (Quest‹o InŽdita) Quando n‹o for autorizado o acesso por se


tratar de informa•‹o total ou parcialmente sigilosa, o requerente
dever‡ ser informado sobre a possibilidade de recurso, prazos e
condi•›es para sua interposi•‹o, devendo, ainda, ser-lhe indicada
a autoridade competente para sua aprecia•‹o.

26. (Quest‹o InŽdita) No caso de indeferimento de acesso a


informa•›es ou ˆs raz›es da negativa do acesso, poder‡ o
interessado interpor recurso contra a decis‹o no prazo de 15
(quinze) dias a contar da decis‹o denegat—ria.

27. (Quest‹o InŽdita) No caso de indeferimento de pleito de


acesso ˆ informa•‹o, poder‡ ser dirigido recurso ˆ autoridade
hierarquicamente superior ˆ que exarou a decis‹o impugnada, que
dever‡ se manifestar no prazo de 5 (cinco) dias.

28. (Quest‹o InŽdita) Tendo sido negado o acesso ˆ informa•‹o


pelos —rg‹os ou entidades do Poder Executivo Federal, caber‡
recurso ˆ Comiss‹o Mista de Reavalia•‹o de Informa•›es.

29. (Quest‹o InŽdita) Somente poder‡ ser dirigido recurso ˆ


Controladoria-Geral da Uni‹o depois de submetido ˆ aprecia•‹o de
pelo menos uma autoridade hierarquicamente superior ˆquela que
exarou a decis‹o impugnada.

30. (Quest‹o InŽdita) No ‰mbito do Poder Executivo Federal, h‡


previs‹o para que, antes de apresenta•‹o de recurso ˆ

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

Controladoria-Geral da Uni‹o, seja dirigido recurso ˆ autoridade


m‡xima do —rg‹o ou entidade, que dever‡ manifestar-se em cinco
dias contados do recebimento do recurso.

31. (Quest‹o InŽdita) S‹o pass’veis de classifica•‹o as


informa•›es consideradas imprescind’veis ˆ seguran•a da
sociedade ou do Estado, cuja divulga•‹o ou acesso irrestrito
possam p™r em risco a defesa e a soberania nacionais ou a
integridade do territ—rio nacional.

32. (Quest‹o InŽdita) A informa•‹o em poder dos —rg‹os e


entidades, observado o seu teor e em raz‹o de sua
imprescindibilidade ˆ seguran•a da sociedade ou do Estado,
poder‡ ser classificada no grau ultrassecreto, secreto, reservado
ou sigiloso.

33. (Quest‹o InŽdita) As informa•›es ou documentos que


versem sobre condutas que impliquem viola•‹o dos direitos
humanos praticada por agentes pœblicos ou a mando de
autoridades pœblicas ser‹o objeto de restri•‹o de acesso.

34. (Quest‹o InŽdita) N‹o poder‡ ser negado acesso ˆ


informa•‹o necess‡ria ˆ tutela judicial ou administrativa de
direitos fundamentais.

35. (Quest‹o InŽdita) O prazo m‡ximo de restri•‹o de acesso


para as informa•›es classificadas no grau de sigilo ultrassecreto Ž
de 30 anos.

36. (Quest‹o InŽdita) O prazo m‡ximo de restri•‹o de acesso


para as informa•›es classificadas no grau de sigilo secreto Ž de 15
anos.

37. (Quest‹o InŽdita) As informa•›es que puderem colocar em


risco a seguran•a do Presidente e Vice-Presidente da Repœblica e
respectivos c™njuges e filhos (as) ser‹o classificadas como
ultrassecretas e ficar‹o sob sigilo atŽ o tŽrmino do mandato em
exerc’cio ou do œltimo mandato, em caso de reelei•‹o.

38. (Quest‹o InŽdita) Transcorrido o prazo de classifica•‹o ou


consumado o evento que defina o seu termo final, a informa•‹o
tornar-se-‡, automaticamente, de acesso pœblico.

39. (Quest‹o InŽdita) O Estado tem o dever de controlar o


acesso e a divulga•‹o de informa•›es sigilosas produzidas por
seus —rg‹os e entidades, assegurando a sua prote•‹o. O acesso ˆ
informa•‹o classificada como sigilosa cria a obriga•‹o para aquele
que a obteve de resguardar o sigilo.

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

40. (Quest‹o InŽdita) O Diretor-Geral da ABIN tem compet•ncia


para classificar uma informa•‹o como ultrassecreta.

41. (Quest‹o InŽdita) As informa•›es pessoais ter‹o seu acesso


restrito, independentemente de classifica•‹o de sigilo.

42. (Quest‹o InŽdita) A classifica•‹o das informa•›es ser‡


reavaliada pela autoridade classificadora ou por autoridade
hierarquicamente superior, mediante provoca•‹o ou de of’cio, nos
termos e prazos previstos em regulamento, com vistas ˆ sua
desclassifica•‹o ou ˆ redu•‹o do prazo de sigilo.

43. (Quest‹o InŽdita) N‹o cabe recurso ˆ Comiss‹o Mista de


Reavalia•‹o de Informa•›es de decis‹o que indeferiu pedido de
desclassifica•‹o de informa•‹o classificada no grau de sigilo
reservado.

44. (Quest‹o InŽdita) Constitui conduta il’cita que enseja


responsabilidade do agente pœblico ou militar divulgar ou permitir
a divulga•‹o ou acessar ou permitir acesso indevido ˆ informa•‹o
sigilosa ou informa•‹o pessoal.

45. (Quest‹o InŽdita) A responsabilidade pelos danos causados


em decorr•ncia da divulga•‹o n‹o autorizada ou utiliza•‹o
indevida de informa•›es sigilosas Ž pessoal, imput‡vel
diretamente ao agente pœblico.

46. (Quest‹o InŽdita) A Comiss‹o Mista de Reavalia•‹o de


Informa•›es tem compet•ncia para decidir, no ‰mbito da
administra•‹o pœblica federal, sobre o tratamento e a classifica•‹o
de informa•›es sigilosas. Nesse sentido, a ela compete requisitar
da autoridade que classificar informa•‹o em qualquer grau de
sigilo esclarecimento ou conteœdo, parcial ou integral da
informa•‹o.

47. (Quest‹o InŽdita) A reavalia•‹o das informa•›es


classificadas como ultrassecretas e secretas somente pode ser
feita a cada 2 anos pela Comiss‹o Mista de Reavalia•‹o de
Informa•›es.

48. (Quest‹o InŽdita) Compete ˆ Comiss‹o Mista de Reavalia•‹o


de Informa•›es prorrogar o prazo de sigilo de informa•‹o
classificada como ultrassecreta, sempre por prazo determinado,
enquanto o seu acesso ou divulga•‹o puder ocasionar amea•a
externa ˆ soberania nacional ou ˆ integridade do territ—rio
nacional ou grave risco ˆs rela•›es internacionais do Pa’s,
observado o prazo m‡ximo de 25 anos.

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros
Atividade de Inteligência e Legislação Correlata – ABIN
Prof. Ricardo Vale- Aula 03

GABARITO

1. E 11. E 21. C 31. C 41. C


2. C 12. C 22. C 32. E 42. C
3. E 13. E 23. E 33. E 43. C
4. C 14. C 24. E 34. C 44. C
5. C 15. C 25. C 35. E 45. E
6. C 16. E 26. E 36. C 46. E
7. C 17. E 27. C 37. E 47. E
8. E 18. E 28. E 38. C 48. C
9. E 19. C 29. C 39. C
10. E 20. E 30. C 40. E

concurseiros
concurseirosunidos.org
concurseiros