SÊ...

Agrupamento 1096 do CNE — Paróquia de Resende

Nº 168/ Ano XIV
Setembro de 2010

EDITORIAL
Passaram mais umas férias e o verão está a terminar, tudo regressa ao ritmo normal, à agitação, ao projectar de novos desafios e acalentar de novas esperanças. Agosto foi para muitos sinónimo de descanso, de retemperar forças e reforçar energias para novos embates. Que tenha valido a pena e nos sintamos mais preparados para o início de mais uma etapa. Agosto foi também, para a Comunidade Paroquial, o mês do Padroeiro e, portanto, da grande acção de graças Àquele que nos guia e conduz, Àquele que nos concede os dons para desenvolvermos e valorizarmos ao serviço da comunidade. Que Ele tenha sentido a nossa gratidão e o nosso louvor. Setembro é o mês do regresso à vida normal… retomámos as habituais tarefas quotidianas e preparamo-nos para mais um ano de lutas e esforços. Começar (ou recomeçar) é sinónimo de planificar, projectar, definir objectivos e metas. É assim nas escolas, nas empresas, nas paróquias… e deve ser assim na nossa vida pessoal. Só pode alcançar a meta quem sabe para onde vai… caso contrário, ruma à deriva. Mas só pode planificar quem avaliou primeiro… só pode saber onde pode chegar aquele que sabe de onde parte… Assim, é importante que a avaliação da etapa anterior tenha sido bem feita para que os novos projectos tenham uma dimensão realista e objectiva e nos ajudem a percorrer um caminho seguro de quem sabe para onde vai e onde quer chegar… Agosto foi para os Escuteiros do 1096 um mês cheio de actividade - percurso velocipédico, festa do padroeiro, acampamento de verão, acampamento de Exploradores e Pioneiros, organização da 24ª colheita de sangue… foi um mês de férias em aventura e em serviço que certamente deixaram marcas significativas para cada um em particular e para o Agrupamento em geral. Setembro é agora o mês dos novos planos para este novo ano Pastoral que queremos que seja marcante - é o ano do nosso 15º aniversário. Vamos envolvernos na definição de grandes metas para que seja um ano em cheio… Os párocos e o Agrupamento desejam para todos um excelente ano onde todos se sintam protagonistas.

» Impressão digital - Uma vida por uma vida… (pág. 2) » Aconteceu - A comunidade em notícia! » O trabalho » De faca e garfo (Mousse de Chocolate...) » Liturgia – Uma paróquia viva! » Movimento paroquial » Kim – III ExPio do 1096 » O Uivo do Lobito – Acampamento de Verão » Setembro em destaque… » A Chama – Colheita de Sangue em Resende » Rota Azul – ExPio 2010 » O Agrupamento em notícia » Momentos de Descontracção » 24ª Colheita de Sangue em Resende (pág. 2) (pág. 3) (pág. 3) (pág. 4) (pág. 4) (pág. 5) (pág. 5) (pág. 5) (pág. 6) (pág. 6) (pág. 6) (pág. 7) (pág. 8)

NESTE NÚMERO PODE LER:

Pe. José Augusto (Chefe de Agrupamento)

Agrupamento 1096 C.N.E. – Largo da Igreja – 4660-227 Resende
Telefone – 254877457 * Fax. – 254878216

Páginas da internet – http://www.gotasdorvalho.com/ - http://agrupamento1096.no.sapo.pt/ Email do Agrupamento - geral@agr1096.cne-escutismo.pt

Impressão digital
Uma vida por uma vida...
“No tempo que temos, é certamente nosso dever fazer todo o bem que pudermos, para todas as pessoas que pudermos, e de todos os modos que pudermos…”
A Comunidade em notícia

William Barclay
Finalmente chegara ao fim… sentia-me cansado, mas feliz! Foi mais um dia de luta pela vida acalentando a esperança daqueles que sentem a vida esfumar-se por entre os dedos… era assim todos os dias e era feliz por poder fazer algum bem por alguém… Esta paz interior fruto da missão cumprida dava-lhe ânimo para vencer os dramas que tocava diariamente e para fazer brotar alguns sorrisos no meio das lágrimas e do sofrimento… ―Bem, são horas de regressar e repousar um pouco‖, pensava enquanto guardava alguns objectos pessoais na pasta para deixar o escritório… mas, toca o telefone… - Sim… - Senhor doutor, está aqui a dona Alice Santos para lhe dar uma palavrinha… - Sim… mande entrar… Era uma jovem senhora de 33 anos, mãe de três filhos e grávida de um quarto, uma menina... tinha sido um caso raro de êxito numa cirurgia a um cancro do útero, detectado cinco meses após a gravidez… recusou-se a fazer um aborto para salvar a sua vida… dizia que não queria roubar à filha a oportunidade que ela já tinha tido - viver! Tentámos demovê-la dizendo que valia mais salvar uma vida do que perder as duas, mas ela estava irredutível… a partir de determinado momento, eu próprio me deixei comover pela nobreza dum amor tão profundo e deixei de pensar racionalmente como cirurgião e aceitei o desafio daquela coragem dum amor materno ímpar… 4 meses depois nasceu a Melissa, uma linda menina com o olhar terno da mãe estampado no rosto… 2 meses depois do parto Alice preparava-se para a operação adiada meio ano… era uma situação difícil, aquele retardamento deixou que a ferida evoluísse significativamente, mas Alice mantinha a mesma esperança e a mesma vontade de lutar pela vida… todos nós, equipa de cirurgiões, pensávamos que teria poucas hipóteses de sobrevivência, mas a operação foi um êxito, um verdadeiro milagre que ultrapassa as lógicas humanas… foi, sem dúvida, o caso mais marcante nesta minha curta experiência como cirurgião no IPO... Quatro meses passados, ela estava bem… Bateu à porta do gabinete e entreabriu… - Posso, senhor doutor?! - Claro, entre! Trazia nos braços a Melissa e, com ar sorridente e feliz, cumprimentou-me e entregou-me um ramo de rosas brancas. - Para mim?! Porquê?! - É a única forma que tenho para lhe agradecer por ter acreditado em mim, por ter acreditado no amor que eu sentia pela minha filha, por ter convencido os seus colegas a deixarem-me ter a minha bebé, por me ter salvo a vida na cirurgia, enfim, por acreditar que Deus podia fazer o milagre por meio das suas mãos… Fiquei sem resposta, sem capacidade para responder à grandeza do coração desta mulher… apenas fui capaz de dizer um ―obrigado‖ de raspão quando ela já virava as costas depois de se ter despedido… Caí na cadeira quase sem acção e fiquei alguns minutos a tentar digerir aquele choque que me deixou sem reacção. Depois levantei-me e fiquei a contemplar a beleza daquelas rosas só superadas pela beleza daquele coração de mãe. Interiormente pensei tens sorte, Melissa, porque Deus salvou o teu anjo da guarda. Peguei na pasta e no ramo das rosas e saí do gabinete. Enquanto me dirigia para o automóvel, rapidamente decidi onde iria colocar aquele belo ramo… só havia uma pessoa merecedora da nobreza daquele gesto - o meu anjo da guarda… Acondicionei o ramo no banco ao meu lado e comecei a minha curta viagem até ao cemitério… durante o percurso mil e uma coisas passaram pela minha cabeça… quase nem dei conta de chegar… recuei no tempo revivi aqueles três meses fatais que me levaram o meu anjo da guarda… foi há 15 anos atrás… vivia eu a rebeldia dos meus 16 anos cheios de instabilidade e irreflexão quando um raio me fulminou por completo com a notícia de que a minha mãe estava desenganada dos médicos com um cancro nos intestinos… eu era o mais novo de 5 irmãos, o que mais precisava da mãe...

(Cont. da pag. 2)
Página 2

No dia 6 de Agosto celebrámos a Solenidade da Transfiguração do Senhor e, associada a ela, a Festa do nosso padroeiro - o Santíssimo Salvador. A cerimónia teve apenas a dimensão religiosa com a celebração da Eucaristia solene pelas 19h a que se seguiu a procissão do Santíssimo Sacramento. Há já alguns anos que assim acontece e, embora não deixando de celebra a dimensão religiosa da Festa do Padroeiro, não tem tido os festejos lúdicos e recreativos que têm outras festas da região. Algumas pessoas manifestam a sua insatisfação pelo facto de a festa do padroeiro não ter uma dimensão mais vistosa, mas o que é certo é que não tem havido mobilização suficiente por parte das pessoas da comunidade para levar a efeito estas festividades nesse âmbito. Em parte compreende-se, porque as grandes festas profanas de Resende são as Festas da Labareda e, como tal, não é fácil mobilizar as pessoas para outra Festa com dimensões semelhantes. Por outro lado nem sempre tem havido a melhor colaboração entre as várias comissões de festas do padroeiro que se foram sucedendo, transformando as comissões em concorrentes e não em colaboradoras. Finalmente, mesmo entre os elementos que constituíram algumas comissões nem sempre houve a melhor colaboração, concorrendo para a perda de prestígio destas comissões. Não há motivos para desânimos… é preciso que surjam pessoas disponíveis e com vontade de retomar o prestígio que a Festa do Santíssimo Salvador merece. Estes anos de interregno devemnos ter feito reflectir a todos e fazernos tomar consciência das responsabilidades que todos temos na construção do ambiente da comunidade. Críticos há sempre muitos, porque é muito mais fácil desfazer do que construir. É preciso é que surjam pessoas que liderem uma comissão credível e que toda a comunidade colabore para que as Festas se realizem com brilho já no próximo ano.
Nº 168/ Ano

O trabalho
Com o suor do teu rosto, comerás o pão de cada dia, Disse Deus no paraíso, quando nossos pais punia. Por isto se vê, meu caro amigo, Que, depois do pecado, o trabalho tornou-se um castigo. Todavia, com a tua fé de homem cristão, Podes transformar o castigo em meio de libertação. Deus quer o homem feliz, em qualquer idade; O trabalho é o caminho para essa felicidade. De facto, é sempre feliz quem aceitou O lugar em que Deus o colocou. Como a peça que não está no seu lugar Bate, bate até se estragar, Também o trabalhador dirá sempre mal da vida, Quando se encontra numa situação não querida. Ânimo, coragem, não desanimes, sem razão, O trabalho é nobreza e não escravidão. Quando trabalhas, colaboras com Deus Que continua a criar o que é necessário aos filhos Seus. Trabalha, com dignidade e com amor, Pois, és instrumento nas mãos do Criador. Enche com o trabalho as horas do teu dia E as tentações não encontrarão a tua alma vazia. Trabalha, reza, canta, pois para isso vieste ao mundo; Louva o Senhor que te envolveu neste mistério profundo.

De faca e garfo
(A nossa rubrica de culinária)

Mousse de chocolate com uísque

Ingredientes:
6 folhas de gelatina incolor 150 gr de chocolate em tablete 2,5 dl de natas frias 2 dl de leite condensado 1 cálice de uísque 4 dl de natas frias 60 gr de açúcar

Decoração:
Pe. Martins Carambola Raspas de chocolate Groselhas

Uma vida por uma vida…

(Cont. da pag. 2)

Preparação:
Demolhe a gelatina em água fria por dois minutos. Escorra e derreta em banhomaria. Derreta o chocolate com as natas. Junte o leite condensado e o uísque. Acrescente a gelatina derretida. Bata as natas bem firmes com o açúcar e junte ao preparado. Verta para as taças e leve ao frio até ficar sólida. Sirva fresca decorada com fatias de carambola, raspas de chocolate e groselhas.

A princípio não quis acreditar que fosse possível… aproximava-se o fim do ano lectivo e iria ser um ano perdido, porque não me sentia preparado para assumir as exigências do 10º ano… reprovei! E o pior de todos os castigos foi ter de acompanhar o definhar progressivo de minha mãe ao longo daqueles três meses que ma roubaram definitivamente… e eu não podia fazer nada, senão estar ao lado dela e sentir a revolta de nada poder fazer… foime retirada demasiado cedo e tive de carregar no peito o peso de não lhe ter dado as alegrias que ela merecia… mas nunca esqueci as últimas palavras que lhe disse entre soluços e lágrimas, de mão bem presa à dela - ―mãe, eu prometo, vou ser um excelente aluno, hei-de ser médico para salvar vidas, já que não posso salvar a tua…‖ Foi esta promessa o farol que diariamente iluminou os meus caminhos… Sempre que me sentia fracassar, olhava para o alto e cruzava-me com o olhar da mãe a dar-me a força que eu não tinha… a dor da partida da minha mãe forjou em mim uma vontade forte e fez de mim um homem… cresci mais nos três meses de sofrimento ao lado dela, do que durante os 16 anos de vida que tinha até então… cumpri a minha promessa - fiz-me um bom aluno, tornei-me médico e, há três anos como cirurgião no IPO, procuro salvar vidas, ou melhor, empresto as minhas mãos e os meus conhecimentos a Deus para Ele fazer os milagres, como dizia a Alice… Cheguei… saí do carro e fui colocar o ramo de rosas na campa da minha mãe… - Mãe, sei que estás junto d’Aquele que faz os milagres pelas minhas mãos… sei que és tu que intercedes para que eu possa cumprir a minha promessa… por isso estas rosas não são para mim, mas para ti… partilha-as com Ele e agradece-Lhe por mim!

Pe. José Augusto
Sê...

in “Cozinhar é fácil”
Página 3

Ao Ritmo da Liturgia
Uma paróquia viva!
Embora tradicionalmente identifiquemos a paróquia com a freguesia, esta identificação não existe. Efectivamente, enquanto a paróquia é um aglomerado de pessoas que vivem comunitariamente a sua Fé, participando na mesma Eucaristia Dominical, recebendo os Sacramentos na mesma igreja, vivendo orientadas pelo pároco os problemas relativos à vivência religiosa, a freguesia é um espaço delimitado geralmente por um riacho, por um monte ou mesmo por um antigo caminho. Dentro desta perspectiva, pode acontecer que haja pessoas que pertencem a uma freguesia e a outra paróquia diferente. A paróquia é de carácter religioso e pastoral, a freguesia é de carácter civil. A paróquia é formada pelos baptizados a freguesia orienta e ajuda todos os que residem no referido espaço, qualquer que seja o seu credo religioso. Por um lado, era melhor que houvesse coincidência porque as duas organizações contribuiriam mais eficazmente para o bem das pessoas, quer a nível humano quer cristão. Como, porém, infelizmente há muitos que não vivem os problemas da paróquia e outros que nem sequer são cristãos, a identificação não é possível. Mas, afinal, o que é a Paróquia? Não é apenas uma comunidade em que os vínculos são a Missa e o contributo paroquial. Também não é um centro de serviços sacramentais. Do mesmo modo, também não é simplesmente um ponto de atracção para as crianças e jovens sem preocupação de os evangelizar. Tudo isto é óptimo se existir o cuidado de incendiar os seus corações com a luz da Fé e da Caridade. O Concílio Vaticano II afirmou que a paróquia deve ser: Comunhão de Comunidades. Cada comunidade é um grupo de jovens ou de adultos que se responsabilizam por trabalhar num determinado campo de acção, dentro da paróquia. Dentro deste plano devem existir em cada paróquia: 1. Um grupo de catequistas que preparem para o crescimento da Fé e que acompanhem aquelas crianças ao longo da vida. Semelhantemente um grupo de jovens aberto a todos que se inter-ajudem e atraiam os outros e um grupo de adultos que sejam capazes de manifestar a sua convicção religiosa, moral ou política sem qualquer respeito humano. 2. Deve haver uma comunidade litúrgica que participe mais activamente do que os outros fiéis, nas acções litúrgicas. Desta comunidade fazem parte os acólitos, os leitores, os cantores ou grupos corais e o sacristão, se o houver. 3. Não poderá faltar uma comunidade que chamaremos sacramental que tem por missão preparar para os sacramentos. Fariam parte desta comunidade os que ajudam os pais e padrinhos na preparação para o baptismo dos filhos ou os adultos que ainda não estejam baptizados. Do mesmo modo aqueles que, como fruto da experiência, seriam capazes de ajudar a consciencializar os noivos para assumirem as responsabilidades do casamento ou ainda os ministros extraordinários da Sagrada Comunhão que têm como missão principal levar Jesus àqueles que não podem deslocar-se à Eucaristia. 4. Deve estar sempre activo na paróquia um grupo de pessoas que exerçam a pastoral sóciocaritativa, oferecendo o seu contributo a todos aqueles que estão envolvidos em problemas quer de ordem humana quer de ordem religiosa. Trata-se de uma ajuda muito preciosa dentro da comunidade paroquial. A conferência vicentina é um desses grupos, a que poderão juntar-se outros, como as zeladoras ou os escuteiros. 5. Finalmente, tem de haver nas paróquias um grupo de cristãos que esteja atento aos problemas familiares que nos dias de hoje são tão comuns. Todos estes grupos têm de exercer a sua acção, não independentemente, mas sempre em harmonia com os outros e sob a orientação do pároco que, em nome do bispo, é responsável pela vida pastoral da paróquia. Depois de toda esta exposição, ousava fazer uma pergunta muito propositada: Estará a nossa paróquia de Resende a exercer esta actividade, de forma organizada? Não haverá ainda quem julgue que o pároco é quem tem de fazer tudo isto? Será suficiente que duas ou três pessoas mais generosas e disponíveis possam assumir todo este trabalho? No decorrer desta breve exposição, não me referi aos cursistas nem tão pouco aos jovens que participaram nos convívios fraternos. Tanto um movimento como outro são uma preparação, uma tomada de consciência, para participarem nos restantes movimentos. Por isso, como seria desejável que os jovens inseridos nos grupos ou a chefiar os escuteiros ou a ensinar a catequese fizessem esta experiência do convívio fraterno. O mesmo poderia dizer aos adultos que trabalham nos vários grupos. Seria óptimo que todos os que estão inseridos em qualquer dos grupos apontados acima participassem num curso de cristandade. Estes dois movimentos de pastoral constituem a base e a preparação para o trabalho que realizam nos outros. O curso de cristandade e o convívio fraterno são uma preparação intensa e consciente para que os participantes sejam forças vivas e actuantes na paróquia. Peço encarecidamente às pessoas mais responsáveis que leiam este pequeno trabalho, como preparação para o próximo ANO PASTORAL.

Movimento Paroquial Agosto/2010
Baptismos:
Tornaram-se novos membros da nossa Comunidade: Dia 01 - Jonathan Rodrigues Correia, filho de António José da Silva Correia e de Maria de Lurdes Rodrigues Correia, residentes em Genebra, Suiça; Dia 01 - Leonor Fernandes de Sousa, filha de Nuno Miguel Rebelo de Sousa e de Natércia Pinto Fernandes de Sousa, residentes em Vinhós; Dia 01 - Beatriz Isabel Almeida Pinto, filha de Manuel Pinto Almeida e de Manuela Patrícia Ferreira Almeida Pinto, residentes em Paredes; Dia 08 - Ana David Pereira Mendes de Moura, filha de Rui Manuel Pereira Mendes Moura e de Angelina Maria da Fonseca Pereira Moura, residentes na vila. Para eles e seus pais, desejamos as maiores felicidades.

Casamentos:
Celebraram o seu matrimónio durante o mês os seguintes noivos: Dia 14 - Aires de Jesus Pinto e Ana Maria Soares Loureiro Martinho. Para eles desejamos as maiores felicidades no novo estado de vida.

Funerais:
Faleceram na nossa Comunidade: Dia 01 Teresa de Jesus, residente em Vinhós; Dia 15 - Deolinda da Conceição Pinto Loureiro, residente na vila; Dia 17 - Cecília Pereira Cairrão, residente em Minhães. Aos seus familiares apresentamos as nossas sentidas condolências.
Nº 168/ Ano

Pe. Martins

Pensamento do Mês
“A busca de Deus é a busca da felicidade. O encontro com Deus é a própria felicidade”. Santo Agostinho
Página 4

III ExPio do 1096
No dia 26 de Agosto pelas 14:30h, nós, os Exploradores e Pioneiros saímos de Resende em direcção a Murça. Depois de 2 horas de viagem chegámos ao nosso destino, a localidade de Sobreira, junto ao rio Tua. Depois de descarregar a carrinha, começámos a montar o campo pois a noite já se aproximava. No dia seguinte, levantámo-nos bem cedo e iniciámos um Pedy-paper que nos levou a ver as paisagens naturais daquela bela região, nas quais se incluem duas maravilhas: o buraco dos mouros e a casa da floresta. Nessa tarde, depois de um belo almoço, nada melhor que um mergulho no rio Tua. No terceiro e último dia acordámos também cedo, mas desta vez para vermos alguns peixes acabados de pescar. Às 12:00h participámos na Eucaristia da comunidade local. Logo a seguir fomos preparar o almoço, desmontar o campo e ainda houve tempo para um último mergulho no rio. Por fim, arrumámos as coisas e saímos em direcção a Resende. Queremos deixar um agradecimento especial ao senhor Diamantino Oliveira, pai do pioneiro Tiago Oliveira, ao Tiago e também aos seus familiares de Murça que tudo fizeram para que tivéssemos uns dias de acampamento excepcionais.

Setembro em destaque
Dia 01: Memória de Santa Beatriz da Silva; Dia 03: Memória de S. Gregório Magno; 1ª Sexta Feira - confissões; Dia 04: Passeio da Câmara a Viana; Dia 05: 1º Domingo do mês - Missa dos Escuteiros (12h); Dia 08: Festa da Natividade de Nossa Senhora; Festa de Nossa Senhora dos Remédios; Início das aulas para os alunos do 3º Ciclo e Secundário; Inauguração do Centro Escolar de Resende; Dia 13: Memória de S. João Crisóstomo; Início das aulas para os alunos do 1º e 2º Ciclos; Dia 14: Festa da Exaltação da Santa Cruz; Dia 15: Memória de Nossa Senhora das Dores; Dia 16: Memória de S. Cornélio e de S. Cipriano; Dia 20: Memória de SS. André Kim, Paulo Chang e companheiros; Dia 21: Festa do Apóstolo e Evangelista S. Mateus; Dia 24: Início das Festas do Concelho; Dia 27: Memória de S. Vicente de Paulo; Dia 29: Festa dos Arcanjos S. Miguel, S. Gabriel e S. Rafael; Feriado Municipal e Feira Anual de S. Miguel; Encerramento das Festas do Concelho; Dia 30: Memória de S. Jerónimo.
Página 5

Rafael Ferreira (Explorador)

Acampamento de Verão
No dia 8 de Agosto começou mais um acampamento de verão do nosso agrupamento. Mais uma vez na Apúlia, Esposende. Saímos pelas 8h da manhã e fizemos uma óptima viagem em virtude do bom ambiente que reinava no autocarro. Quando chegámos ao destino, tivemos que pôr mãos à obra, pois havia muito trabalho pela frente. Montámos as tendas, organizámos o espaço, montámos a cozinha e, a seguir, juntámos os nossos farnéis para o almoço em família. Já retemperados das energias gastas, lavámos a loiça, distribuíram-se as equipas, as tendas, acabámos de arrumar as coisas, preparámos o lanche e fomos até à praia. Entre umas idas à água e umas brincadeiras na areia lá passámos a primeira tarde. À noite, depois do jantar, vinha um dos nossos momentos preferidos - os jogos nocturnos, dos quais destacamos o ―assalto ao castelo‖. No campo todos tínhamos as nossas tarefas. Cozinhar, limpar os balneários, a lavandaria, fazer a limpeza do campo, ir despejar o lixo, regar os pinheiros, organizar actividades, jogos e orações, etc. E foi assim que se passou uma semana muito agradável. Praia, jogos e brincadeiras na praia e no campo, convívio, entreajuda nas tarefas comunitárias, espírito escutista, oração e amizade. Foi uma óptima semana em que todos aproveitámos ao máximo. Ficamos a rezar para que, no próximo ano, possamos ter a mesma oportunidade e viver mais uma experiência tão rica como a deste ano.

João António (Lobito) São aniversariantes no mês de Setembro: Aspirante a Lobito Diogo Matos Pedro (15); Lobita Maria João (06); Exploradora Inês Pereira (28); Pioneira Rita Fonseca (08); Caminheiros Pedro Manuel (18) e Tiago Dias (21). P A R A B É N S!!!
Sê...

Colheita de Sangue em Resende
No passado dia 29 de Agosto decorreu mais uma Colheita de Sangue na Escola Secundária D. Egas Moniz, em Resende. Nesta colheita estiveram presentes 164 dadores, dos quais 124 puderam dar sangue. A dádiva de sangue é uma iniciativa altruísta que todos deveríamos considerar. O sangue é algo que não se fabrica, por isso, todas as transfusões necessárias contam com o gesto humano de doar sangue. Desse gesto, do “nosso” sangue, dependem inúmeras vidas. Tal como uma chama não perde intensidade ao dar vida a uma outra, também o ser humano não perde capacidades ao doar parte do seu sangue. Sempre que possível dê sangue! “Dar sangue é dar vida”.

O 1096 em Notícia
No dia 6 de Agosto participámos na Festa do nosso Padroeiro - O Santíssimo Salvador. A festa teve apenas a dimensão religiosa com a missa solene às 19h seguida da procissão do Santíssimo. Além de padroeiro da comunidade paroquial é também patrono do nosso Agrupamento, pelo que foi mais uma oportunidade para honrarmos Aquele que, sendo nosso patrono, é o nosso Guia e Modelo a seguir. Do dia 8 ao dia 14 de Agosto decorreu o nosso Acampamento de verão na Apúlia. Mais uma vez regressámos ao Parque de Campismo Escutísta da Região de Braga na Apúlia, lado a lado com a praia, para desfrutarmos de uns dias de descanso e lazer, de actividade e espírito escutísta, de partilha fraternal e oração. Foi mais uma semana de convívio e confraternização em verdadeiro espírito de família que somos. Agradecemos à organização do campo e à Região de Braga pela forma como, ano após ano, nos têm acolhido e pela confiança em nós depositada. Do dia 27 ao dia 29 Agosto decorreu em Murça o ExPio - Acampamento de Exploradores e Pioneiros. Mais uma actividade que juntou as duas secções e que se vem repetindo há alguns anos com frutos de relevo para ambas e com memórias de actividades que vão deixando marcas. Este anos não fugiu à regra e a região de Trás-os-Montes foi o berço de mais esta etapa de crescimento. Esta actividade só foi possível graças ao apoio da família do Tiago Oliveira que nos recebeu de braços abertos e nos disponibilizou todo o apoio que precisámos. Para eles e população em geral, o nosso muito obrigado.

ExPio 2010
No último fim-de-semana de Agosto, os pioneiros, exploradores, chefes das respectivas secções e comissão de serviço, reuniram-se na sede para dar início a mais um ―Expio‖. Na sexta-feira, por volta das 15h30m, com alguns percalços e certo atraso à mistura partimos em direcção a Sobreira, Trás -os-Montes. Chegados ao local de acampamento, colocámos mãos à obra e começámos a montar o campo, pois já se fazia tarde mas, ainda houve tempo para o ―Luz e apito‖. Na manhã de sábado, o chefe de campo, Tiago Oliveira, acordou-nos com uma alvorada personalizada, um forro brasileiro. Durante a manhã realizámos uma caminhada de orientação que nos deixou com muito calor, então, durante a tarde desfrutámos das águas refrescantes e convidativas do rio Tua. Pela noite fizemos uma caminhada até à aldeia. No domingo cumprimos o nosso dever cristão e participámos na eucaristia dominical. Durante a tarde demos mais uns mergulhos nas águas do Tua e comemos peixes do rio que tinham sido pescados enquanto dormíamos. Quando a temperatura baixou um pouco, arrumámos todo o material na carrinha e fizemo-nos à estrada, com alguma pena nossa. Fomos muito bem recebidos por toda a população. Um obrigado pela disponibilidade. Agradecemos especialmente ao senhor Diamantino Oliveira, pai do Tiago, e a toda a sua família, que nos acolheram nas suas terras, cedendo o espaço e tudo o que fomos precisando durante o acampamento. Muitíssimo obrigado. Foi uma actividade diferente daquelas que temos feito, fez relembrar outros tempos do nosso agrupamento. Obrigado Tiago pelo excelente trabalho desenvolvido, pelo esforço e empenho neste acampamento e no nosso agrupamento.

Próximas actividades:
Durante o mês de Setembro - Elaboração do Plano de Actividades 2010 -11; 24 a 29 de Set. - Participação nas Festas do Concelho (Quermesse).
Nº 168/ Ano

Cristiana Costa (Sub-Guia da Equipa Castor)
Página 6

A cultura é a única bagagem que não ocupa espaço… Curiosos do Saber!
Teste a sua cultura sobre os nossos antepassados notáveis. TESTE N° 1
1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. 11. 12. 13. 14. 15. Quem foi o fundador de Portugal? Em que se distinguiu Nuno Gonçalves? Quem foi o primeiro Presidente da República Portuguesa? Quem foi Joaquim Guilherme Gomes Coelho? Em que se notabilizou Almeida Garrett? Quem foi Adelina Abranches? Quem foi o criador do imortal Zé-Povinho? Quem foi o responsável pela construção da Torre de Belém? Quem foi o autor da letra do Hino Nacional? Quem foi Ricardo Reis? Em que se notabilizou Fernando Pessoa? Quem foi D. Afonso II? Em que se distinguiu Florbela Espanca? Quem foi o autor do livro de poesia "Só"? Em que se notabilizou Gago Coutinho?

Alivie o stress… … sorria!
Qual é o significado de SPORTING? S - Sempre P - Prometemos O - Os R - Resultados e T - Títulos que I - Infelizmente N - Nunca G - Ganhamos ———————————–P: Sabem qual é a diferença entre o Sporting e o salário mínimo? R: É que o salário mínimo você ganha e não compra nada e o Sporting compra e não ganha nada! —————————————————————— P: Sabem porque é que o Sporting entrou para a Bolsa de Valores? R: É a única maneira de ter títulos. —————————————————————— Um português na época de Jesus: Maria Madalena estava para ser apedrejada quando Jesus resolveu interceder em seu favor diante da multidão que ali estava. Jesus disse: - Quem nunca errou, que atire a primeira pedra. O português, naturalmente presente em todos os lugares e épocas, empolgou-se, pegou num tremendo tijolo e explodiu a testa de Maria Madalena, que caiu redonda. Jesus, muito entristecido, foi em direcção ao portuga, olhou-o bem nos olhos e perguntou: - Meu filho, diz-me a verdade, nunca erraste na tua vida ? O português respondeu: - Não, desta distância, nunca!!! —————————————————————— Moisés, Jesus e um velhote de barbas vão jogar golfe. Moisés bate a bola e ela cai num lago. Com toda a calma ergue o taco, as águas separam-se e ele pode prosseguir o jogo. Jesus joga e a bola, descrevendo um arco, cai no mesmo lago. Sem se preocupar, ele avança sobre a água e fica em posição de prosseguir. O velhote, desajeitadamente, bate na bola, ela vai cair numa árvore, depois desliza para o telhado de uma casa, desce pelo algeroz, e cai num rio, que a leva até ao lago. Aqui, bate numa pedra e pousa na margem, onde um sapo a engole, mas uma águia, vinda do alto, iça o sapo, voa com ele por cima do campo de golfe até que o sapo vomita a bola e esta cai exactamente dentro do buraco. Moisés vira-se para Jesus e diz: - É por estas e por outras que eu odeio jogar com o teu Pai.

(In “Portugueses notáveis… quem foram?”)

Provérbios de Setembro
Em Setembro ardem os montes e secam as fontes. Em Setembro, colhendo e comendo. Águas verdadeiras, por S. Mateus (21) as primeiras. Lua nova setembrina, sete vezes determina. Pelo S. Mateus, não peças chuva a Deus. Pelo S. Mateus, pega nos bois e lavra com Deus. Pelo S. Miguel, os figos são mel. Quem planta no Outono, leva um ano de abono. Quem planta no S. Miguel, vai à horta quando quer. Setembro que enche o celeiro, salva o rendeiro. Setembro, ou seca as fontes ou leva as pontes.

Adivinha...
Qual é coisa, qual é ela, que cai de muito alto mas nunca se aleija? O que será, que será que, mesmo sendo nosso, é mais usado pelos outros? Qual é coisa, qual é ela, que tem escamas mas não é peixe, e tem coroa mas não é rei? Qual é coisa, qual é ela, que enche uma casa mas não uma mão? Uma meia meia feita, outra meia por fazer, digam lá, se conseguirem, quantas meias vêm a ser?
Sê...

Soluções do número anterior...
- A toalha; - Os dias da semana; - A chuva; - O corrimão; - A escuridão; - O buraco; - O alho; - O telefone.
Página 7

24ª Colheita de Sangue em Resende
A árvore cresceu, ramificou e deu fruto, muito fruto e de boa qualidade… é este o sentimento que nos enche de alegria, o sentir que valeu a pena, que foi uma aposta ganha. Quando há 12 anos atrás um grupo de caminheiros do nosso Agrupamento, acompanhados pelo seu chefe, tomaram contacto com esta iniciativa numa actividade com outro agrupamento em Barcelos, nunca mais deixaram de lutar para a tornar realidade na nossa terra e assim valorizar um gesto altruísta de extrema importância para todos. Estávamos longe de imaginar que, em tão curto espaço de tempo, os resultados pudessem ser tão significativos. A Associação de Dadores de Sangue de Resende, surgida a partir do nosso Agrupamento de Escuteiros, rapidamente sentiu a importância da iniciativa pela enorme adesão das pessoas, logo a partir da 1ª colheita. Houve necessidade de ramificar os locais de colheita que logo encontraram acolhimento em S. Martinho de Mouros, em Oliveira do Douro, em Barrô, Anreade e S. Cipriano… em todos estes lugares com grandes resultados. 12 anos passados desde a primeira colheita em Resende e já vamos na 24ª (duas por ano, ininterruptamente). São mais de 3000 as colheitas já realizadas em Resende e mais de 6000 no conjunto das várias freguesias associadas à ADaR. São muitas as vidas salvas ou a beneficiar de melhor qualidade de vida… tudo isto em virtude de um gesto simples, que não custa nada, que não nos retira nada, mas nos engrandece muito… damos de nós, um pouco de nós, sem esperar nada em troca, sem saber para quem… isso é secundário… o que é importante é saber que é para o bem de alguém… é este o significado do gesto que trás como única recompensa a alegria de dar. Parabéns ADaR, parabéns a todos os dadores, por vós há mais vida, por vós há melhor vida!

Testemunho da primeira dádiva
Foi um objectivo daqueles que se fazem na noite da passagem de ano, depois de um ano terrível de doenças graves à minha volta e em que me convenci que era a pessoa mais saudável da família. Há certas coisas que devemos agradecer e dívidas que devemos pagar por aqueles que amamos.
Resende, 29 de Agosto de 2010

Ana P.
Idade: 39 Profissão: Empregada de Limpeza Nome: Luísa Maria da Rosa N.º de Dádivas: 1 Motivação: “Há falta de sangue e é necessário ajudar” Idade: 26 Profissão: Secretária Nome: Maria do Carmo Loureiro N.º de Dádivas: 5 Motivação: “Amor por dar, não custa nada e não nos faz diferença”

Fazer bem a alguém...
Eu dei sangue! Fico feliz por poder dar. Já tive família que precisou de sangue, por isso é importante também podermos dar a outros que precisam. Podemos fazer bem a alguém que necessite. Toda a gente podia dar. Todas as vezes que vêm fazer a colheita de sangue, eu estou a trabalhar, mas dou sempre. Tira-se sempre um bocadinho para dar, podem salvarse vidas.
Resende 29-08-2010

Idade: 21 Profissão: Estudante Nome: José Carlos Carvalho N.º de Dádivas: 5 Motivação: “Colaborar, ajudar quem precisa de transfusões”

Idade: 47 Profissão: Professor Nome: Graciano Magalhães N.º de Dádivas: 5 Motivação: “Há pessoas que precisam, sentimo-nos úteis por dar sangue”

Idade: 64 Profissão: Cantoneiro Municipal Nome: Manuel Pereira N.º de Dádivas: 18 Motivação: “Gosto de dar sangue e ajudar os outros”

Idade: 49 Profissão: Empregada de Café Nome: Maria Elisabete Pereira N.º de Dádivas: 12 Motivação: “Para fazer bem aos outros e porque faz bem”

Ana Santos

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful