Você está na página 1de 42

Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

Departamento de Economia, Sociologia e Gestão


Licenciatura em Gestão - 3ºAno, 2º semestre 2011/2012
Inovação e Gestão da Mudança
Docentes: José Portela e Carla Marques

Estudo de Caso elaborado pelas “Enólogas” (Grupo 1):

• Angelina Capelas Nº 34985


• Marina Vieira Nº 34058
• Sara Oliveira Nº34060
• Sónia Arantes Nº34063
• Stephanie Cardoso Nº 34076

Vila Real, 8 de Junho de 2012


Índice:

1. Introdução ......................................................................................................................... 4
2. História .............................................................................................................................. 4
3. Metodologia de recolha de informação ............................................................................. 7
4. As Marcas e Regiões de Vinha da Sogrape ....................................................................... 7
5. Definição de Inovação ....................................................................................................... 9
5.1. Ciclo de inovação ......................................................................................................... 10
6. Projetos de Inovação da Sogrape .................................................................................... 12
7. A Gestão Organizacional ................................................................................................ 15
7.1. Designação ................................................................................................................... 15
7.2. Estrutura Organizacional.............................................................................................. 15
8. Estratégia da empresa ...................................................................................................... 16
8.1. Objetivos estratégicos ................................................................................................. 18
8.2. Análise SWOT: Análise do meio envolvente e interna da organização ...................... 19
8.2.1. Oportunidades e Ameaças................................................................................... 19
8.2.2.Forças e Fraquezas ............................................................................................... 20
9. Gestão de Recursos Humanos ......................................................................................... 20
10. Desenvolvimento da Marca de Vinhos Gazela, Mateus Rosé, Offley Porto e Terra
Franca.......................................................................................................................................21
11. Sistemas de informação da Sogrape ............................................................................ 26
12. Sogrape na Comunidade.............................................................................................. 27
13. Perspetivas futuras para a Sogrape .............................................................................. 28
14. Conclusão .................................................................................................................... 29
15. Bibliografia ................................................................................................................. 30
Anexos......................................................................................................................................32

2 | Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA


Índice de Figuras

Figura 1 – Fundador da Sogrape Vinhos…………………………………………………………4


Figura 2 – Mapa de países do Mundo importadores da marca Mateus Rosé…………………….5
Figura 3 – Cronologia da Sogrape Vinhos de Portugal, SA……………………………………...6
Figura 4 – Características do vinho………………………………………………………………9
Figura 5 – Ciclo de Inovação……………………………………………………………………10
Figura 6 – Logótipo da Sogrape Vinhos e seus atributos……………………………………… 15
Figura 7 – Organigrama da Sogrape Vinhos……………………………………………………16
Figura 8 – Departamento de Investigação e Desenvolvimento da Sogrape…………………….18
Figura 9– Ilustrações de países com vinhas da Sogrape Vinhos………………………………..21
Figura 10 e 11 – Duas Campanhas Publicitárias da Gazela no ano 2010………………………22
Figura 12 – Nova Garrafa de vinho Gazela 2011……………………………………………….22
Figura 13 – MultiPack vinho Gazela – Verão de 2005………………………………………... 22
Figura 14 – Campanha publicitária Multipack da Mateus Rosé, em 2005……………………. 23
Figura 15 – Garrafa de vinho Mateus Rosé Aragonês 2011 . …………………………………..23
Figura 16 – Garrafa de vinho Mateus Rosé Sparkling Demi Sec 2011………………………....24
Figura 17 – Garrafa de vinho Offley Porto Tawny 30 anos …………………………………….25
Figura 18 – Garrafa de vinho Offley Porto Rosé 2010 …………………………………………25
Figura 19 – Garrafa de vinho Terra Franca Tinto 2011 .. ………………………………………26
Figura 20 – Garrafa de vinho Terra Franca Rosé 2011 …………………………………………26
Figura 21 – Garrafa de vinho Terra Franca Branco 2011 ………………………………………26

Índice de Quadros

Quadro 1 – Marcas da SograpeVinhos...........................................................................................8


Quadro 2 – Importância da Sogrape Vinhos ............................................................................... 17
Quadro 3 – Parceiros/Distribuidores da Sogrape ........................................................................ 17
Quadro 4 – Alguns factos relevantes da Sogrape 2011................................................................19
Quadro 5 – Oportunidades e Ameaças da Sogrape ..................................................................... 19
Quadro 6 – Forças e Fraquezas da Sogrape ................................................................................ 20

Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA | 3


1. Introdução
De acordo com os conteúdos da disciplina de Inovação e Gestão da Mudança do
curso de Gestão da UTAD, o grupo “As Enólogas”, realizou um trabalho no qual
procura explorar e desenvolver os conhecimentos adquiridos ao longo do semestre.
Para concretizarmos o nosso trabalho escolhemos a empresa Sogrape Vinhos de
Portugal, SA com representação em Vila Real, que tem como atividade a produção,
tratamento e comercialização de vários tipos de vinhos.
Obtivemos alguns conhecimentos acerca da sua fundação e os recursos que
dispunham, a sua trajetória até aos dias de hoje, incluindo o desenvolvimento na
Investigação e Inovação, assim como se enquadram atualmente no setor e na sociedade.
Iniciámos o nosso trabalho com a consulta no site da empresa, de onde retirámos
informação para a fase inicial do trabalho e para a preparação da entrevista que
pretendíamos realizar. Posteriormente estabelecemos contactos telefónicos com a
Engenheira Rosário Janeiro para encaminhar o processo para a realização da entrevista e
visita às instalações. Apesar desta estar dada como certa, não obtivemos mais nenhuma
resposta e por isso dirigimo-nos às instalações de Vila Real onde, em vão, tentámos
realizar a entrevista planeada e obter mais informações acerca da empresa e da Inovação
na Sogrape Vinhos. Após este episódio infrutífero não desistimos de alcançar os nossos
objetivos e contactamos a sede de Vila Nova de Gaia, onde fomos atendidas por
telefone e email com a Engenheira de Marketing que remeteu o assunto para hierarquia
superior. Porém depois de analisarem a entrevista que lhe enviámos, disseram - nos que
precisavam de bastante tempo para responder a todas as questões da entrevista, pois
tinham que recorrer aos vários departamentos da empresa, pelo que não teríamos a
entrevista em tempo útil para a realização deste trabalho.
Apesar deste contratempo, socorremo-nos da informação disponível
exclusivamente no site oficial e no Relatório de Contas de 2011 da Sogrape. Sabemos
que não é suficiente esta informação que recolhemos por estes dois meios pois não
possuímos muitos dados relacionados com I&D (Investigação e Desenvolvimento), que
é a base do nosso estudo de caso, mas apesar de todos os contratempos tentámos
realizar o melhor possível este trabalho.

2. História
A Sogrape Vinhos de Portugal, com sede em Vila Nova de Gaia, apresenta-se
como uma “empresa familiar” com fins lucrativos, embora com uma forte vocação
internacional. A qualidade dos vinhos produzidos, a inovação e o desenvolvimento das
marcas portuguesas estão fortemente visíveis nesta empresa, contando esta com mais de
830 ha de vinha detidos em Portugal.
A Sogrape Vinhos nasceu da vontade e ousadia de um grupo de amigos, que em
1942 e na crise económica e política em que estavam inseridos, decidiram apostar no
talento de um homem visionário para desenvolver e criar uma empresa de vinhos
diferente, inovadora e acima de tudo capaz
de divulgar e impor os vinhos portugueses
nos mercados internacionais. Foi a visão,
carácter e personalidade de Fernando Van
Zeller Guedes (ver figura 1) que permitiu
que o projeto, que à partida era tido por
alguns como um fracasso, se transformasse Figura 1 – Fundador da Sogrape Vinhos
num projeto com um rumo ganhador.

4 | Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA


Em 1950 o vinho era vendido a granel para as colónias portuguesas de África,
especialmente Angola e Moçambique, a um baixo preço e sem qualidade.
Posteriormente, a empresa apostou na qualidade e na apresentação dos seus vinhos e
marcas, garantindo assim, a sustentabilidade da empresa a longo prazo.
Da capacidade pró-ativa do fundador da Sogrape (isto é, de ver primeiro e mais
longe), resultou a criação da primeira marca portuguesa de vinhos global – Mateus Rosé
– cujo sucesso comercial ficou à vista com o escoamento da produção em 125 países.
Isto serviu de impulso decisivo para o crescimento e afirmação da liderança que a
empresa atualmente reivindica.

Figura 2 – Mapa de países do Mundo importadores da marca Mateus Rosé

Fonte: http://www.portugalglobal.pt/PT/geral/Documents/SOGRAPE_SG.pdf

Liderada hoje pela terceira geração da família fundadora, a Sogrape Vinhos


cumpre, fielmente, o objetivo assumido pelos criadores: dar a conhecer ao mundo os
vinhos portugueses de qualidade, com um principal foco em marcas capazes de
satisfazer as necessidades dos distintos segmentos de mercados. Da compra de pipas de
vinho aos pequenos produtores do Douro, para os seus vinhos serem tratados e
engarrafados numa adega arrendada em Vila Real, a Sogrape soube crescer, de forma
sustentada, com permanente valorização do seu património e capital humano, contando
atualmente com 1200 ha de área de vinha. Nas regiões vitivinícolas portuguesas situam-
se 830 dos 1200 ha correspondendo a 69% de área, estando os restantes 370 ha de vinha
correspondentes a 31% de área repartidos por: Argentina (Finca Flichman), Nova
Zelândia (Framingham) e Chile (Chateau Los Boldos).

Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA | 5


Figura 3 – Cronologia da Sogrape Vinhos de Portugal, SA

Relativamente à figura 3, é preciso referenciar os seguintes factos:

➢ A Sogrape Vinhos de Portugal, SA foi fundada no ano de 1942. No referido


ano, foi lançado o primeiro vinho da empresa - Mateus Rosé, inovador
devido à sua cor rosé e garrafa com formato distinto.
➢ Em 1960 esta empresa comprou a Quinta Cavernelho, sita na freguesia de
Mateus em Vila Real.
➢ Entraram para a administração da empresa o filho (Fernando Guedes) e o
neto (Salvador Guedes) de Fernando Van Zeller Guedes, em 1980.
➢ Em 1984, a empresa lançou a marca Gazela, a primeira marca de Vinho
Verde produzida e comercializada pela Sogrape e em 1997 incorporou a
Forester & Cª., detentora da Offley Porto para reforçar a sua liderança no
mercado interno dos Vinhos do Porto.
➢ Salvador Guedes assinou a carta de Responsabilidade Social, em 2008
intitulada "Por um consumo saudável de vinho", documento que estabelece
um conjunto de compromissos que serão referidos mais à frente no
trabalho.

6 | Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA


3. Metodologia de recolha de informação
O nosso estudo de caso passou por dois tipos de fases: a recolha de informação
documental e a observação direta. As informações foram recolhidas do site da Sogrape,
donde o grupo retirou as primeiras informações acerca dos estatutos e atividades da
empresa em estudo.
Na fase subsequente, já no terreno, observámos os locais, os objetos, os
símbolos, as pessoas, as suas atividades e comportamentos, interações verbais e
maneiras de fazer, de estar e de dizer. Tudo isto foi registado para uma análise de dados
futura. O local de observação foi na Quinta Cavernelho na freguesia de Mateus, Vila
Real.
Para a realização da entrevista, o primeiro contato foi por meio de correio
eletrónico da sede da empresa e também por contacto telefónico. A primeira dificuldade
encontrada foi a demora no fornecimento de “feedback”, uma vez que a empresa está
sedeada em Vila Nova de Gaia e pretendíamos realizar a entrevista em Vila Real.
Apesar de termos elaborado um guião para a entrevista, o grupo tentou obter respostas a
algumas das questões, retirando informação do site oficial da empresa, visto em cima da
hora previamente marcada, a entrevistada ter-se mostrado indisponível.
Como ponto forte do trabalho de campo, pode-se apontar a recolha de
informação muito rica, tornando-se mais fácil aprender e absorver a cultura da empresa
em estudo.

4. As Marcas e Regiões de Vinha da Sogrape


A verdadeira dimensão da Sogrape dos nossos dias exprime-se, de forma
convincente, na amplitude e no peso do seu portfólio, onde desde logo sobressaem as
duas grandes marcas de vinhos portugueses do mundo – Mateus Rosé e Sandeman –,
para além dos prestigiados Vinhos Porto (Ferreira e Offley), a que se juntam marcas
especialistas de renome representativas das principais denominações de origem – a
começar pelo mais celebrado vinho português, Barca Velha, orgulho da Casa
Ferreirinha (Douro), e a continuar nos elegantes néctares da Quinta dos Carvalhais
(Dão), nos vibrantes Herdade do Peso (Alentejo), nos frescos vinhos verdes Quinta de
Azevedo e Gazela, no multi-regional Grão Vasco, isto só para citar os mais renomeados.
De seguida apresentamos o quadro 1 onde são referenciadas todas as marcas da
Sogrape Vinhos.

Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA | 7


Quadro 1 – Marcas da SograpeVinhos
Atualmente a Sogrape Vinhos contém as seguintes marcas:
Casa Constantino Offley
Ferreirinha

Gazela Grão Vasco Terra Franca

Herdade do Mateus Rosé Sandeman


Peso

Morgadio Vila Regia Porto Ferreira


da Torre

Quinta de Quinta dos


Azevedo Carvalhais

Fonte: Google imagens adaptado pelo grupo “As Enólogas”

De acordo com informação retirada do site oficial da Sogrape Vinhos de


Portugal, SA, os vinhos da Sogrape são produzidos em várias regiões do país, como por
exemplo:
❖ Alentejo - A Região Demarcada do Alentejo coincide com a área geográfica do
Alentejo, estendendo-se por 26.158 Km2. A área total de vinha ronda os 23.500
ha, distribuídos por cerca de 4.000 proprietários, e divide-se em 8 sub-regiões:
Portalegre, Borba, Redondo, Évora, Reguengos, Granja-Amareleja, Vidigueira e
Moura.

❖ Bairrada – Esta região localiza-se na faixa litoral do centro norte de Portugal. É


limitada a Norte pelo rio Vouga, a sul pelo rio Mondego, a nascente pelo maciço
Caramulo-Bussaco e a poente pelo oceano Atlântico.

❖ Dão - A demarcação da Região do Dão celebrou 100 anos em 2008. Situa-se no


centro do extremo inferior do norte de Portugal e coincide com o Planalto
Beirão, que está rodeado por maciços montanhosos compostos a Norte pelas
serras da Nave, Montemuro e Lapa, a sul pelas serras do Buçaco, Açor e Lousã,
a este pela serra da Estrela (a mais alta de Portugal, com quase 2.000 m) e a
oeste pela serra do Caramulo.

❖ Douro - É uma das mais antigas regiões demarcadas da história do vinho,


contando com mais de 250 anos. Situa-se no nordeste do território português e
desenvolve-se pelo vale do rio Douro, tendo como limites norte, oeste e sul
sistemas de cadeia montanhosos e a fronteira com Espanha a este.
8 | Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA
❖ Madeira - O Arquipélago da Madeira, situado entre os 35º e os 45º de latitude
norte e os 17º de longitude oeste, é constituído por 2 ilhas habitadas - Madeira e
Porto Santo - e pelas ilhas Selvagens e Desertas. A área total de vinha aproxima-
se dos 400 ha e a área média da exploração vitícola é de 0,3 ha;

❖ Vinhos Verdes - A Região dos Vinhos Verdes é a maior região de vinhos


portuguesa. Localizada no noroeste de Portugal, tem como limite a Norte o
Minho, que separa Portugal da Galiza, a Oeste o Oceano Atlântico e a Sul a zona
montanhosa que a separa da Região do Douo.

❖ Jerez – Esta é a única região de Espanha, de produção dos vinhos protegidos


pelas Denominações de Origem "Jerez-Xérès-Sherry" e "Manzanilla-Sanlúcar de
Barrameda" que estão situadas no extremo sul da Península Ibérica. É limitada a
Norte pelo rio Guadalquivir, a Sul pelo rio Guadalete e a Oeste pelo Oceano
Atlântico.

As características de cada vinho dependem:

Planta Trato Clima

Solo Relevo

Região

Figura 4 – Características do Vinho

A Sogrape Vinhos, SA é uma empresa que aposta na inovação tecnológica. É


líder no setor de produção e de comercialização de vinhos comuns e licorosos.
Na área da Investigação e Desenvolvimento (I&D) a Sogrape utiliza meios
financeiros, técnicos e humanos para obter know how, tanto ao nível do produto,
processo, marketing e organizacional com o objetivo de manter a competitividade no
mercado interno e externo.
Atualmente, o processo produtivo da Sogrape é absolutamente valioso. A
empresa tem um total de 18 quintas, 15 centros de vinificação e 9 linhas de
engarrafamento.

5. Definição de Inovação
Segundo Schumpeter (1934:66) citado por Sarkar (2010:144), a inovação é “a
introdução de um novo produto (ou uma melhoria na qualidade de um produto já
existente); a introdução de um novo método de produção (inovação no processo); a

Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA | 9


abertura de um novo mercado (em particular um novo mercado para exportação); uma
nova fonte de fornecimento de matérias-primas ou de bens semi-facturados; uma nova
forma de organização industrial”.

5.1. Ciclo de inovação

Figura 5 – Ciclo de Inovação

É através da Inovação que as empresas constroem hoje, as bases do seu


desenvolvimento futuro. Como a Inovação é fundamental para o sucesso de qualquer
organização, a Sogrape Vinhos não é exceção, portanto também inova e marca a
diferença no seio do seu cluster.
Para relacionarmos o Ciclo de Inovação (ver figura 5), com a empresa em
estudo, tomamos como exemplo o vinho Mateus Rosé. Esta, foi talvez a maior das
inovações lançada pela Sogrape, pois consideramos que à época houve por parte dos
seus dirigentes e colaboradores grande criatividade em lançar no mercado um produto
diferente quanto à cor, forma e originalidade. Falamos concretamente do vinho com a
cor rosé, servido em garrafas de formato diferente “tipo balão” e ainda o rótulo, cuja
ilustração fala por si, já que prima pela sua originalidade ao retratar um dos ex-libris da
cidade de Vila Real, o famoso Palácio de Mateus, conhecido um pouco por todo o
mundo.
Pelos motivos evocados na introdução do nosso trabalho, desconhecemos em
pormenor todo o processo de construção da inovação apontada, mas pela notoriedade
alcançada, deduzimos que tudo foi planeado estrategicamente, já que tanto a Introdução
como a Difusão do produto foi alcançada com sucesso e em simultâneo em Portugal e
no estrangeiro. Neste caso, a gestão tem que ser integradora porque é necessário agregar
recursos tanto financeiros como técnicos e humanos que sendo escassos, há que os
rentabilizar utilizando um modelo que abranja todas as áreas da gestão.
As inovações agregadas ao vinho rosé são todas incrementais, pois tanto o
vinho, como as garrafas, assim como os rótulos já existiam, apenas sofreram melhorias
significativas que as diferenciou da concorrência.
Após a concretização de cada inovação é necessário que a empresa tenha novas
ideias, escolha de entre todas a melhor e recomece novo ciclo de inovação. Aconteceu
também assim com o vinho Mateus Rosé, que embora continue ainda hoje a ser
comercializado, já sofreu entretanto algumas alterações como por exemplo ao nível da
embalagem.

10 | Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA


Inovações Incrementais? Radicais?
Todas as inovações são incrementais, pois tanto o produto como o processo, a
tecnologia e o design já existem, foram alvo de melhorias, nada é completamente novo.

Inovação de Produto? Processo? Tecnologia? Marketing?


A Sogrape tem inovação a nível do produto nos últimos dois anos, isto a partir
da cor e aroma dos vinhos. Por exemplo, no vinho da marca Offley a cor rosé, vermelho
rubi e white. Quanto aos aromas, temos o Vinho Rosé e Gazela com aroma a frutos
vermelhos, tropicais e pêssego.
Quanto à Inovação de Marketing há a referir o formato da embalagem e
qualidade da embalagem, ou seja, a garrafa que tanto na marca Rosé como na Gazela
foram modificadas. No caso dos multi-packs é necessário considerar a embalagem
primária, que contém cada unidade de consumo do produto, ou seja a garrafa. A
embalagem secundária, agrupa várias unidades de consumo para fazer uma unidade de
venda, que é o caso da embalagem de cartão que envolve, no caso do multi-pack
Gazela, quatro garrafas da marca Gazela cada uma com 375 ml.
Os rótulos das marcas da Sogrape estão em constante inovação, no caso da
última garrafa da marca Gazela o rótulo tanto se lê de frente como no sentido inverso.
As rolhas desta empresa continuam a ser de cortiça apesar de utilizarem as novas rolhas
“Nanocork” que conjuga a base da cortiça (a tradição) com um revestimento em fibra (a
novidade). Esta nova rolha retarda a evolução do vinho porque não cede nenhum
oxigénio ao vinho, isola o ar para não deteriorar o vinho, e não possui aromas
reduzidos.
A Sogrape Vinhos faz apostas fortes na promoção dos seus produtos. Através de
fortes campanhas publicitárias nos media como por exemplo, a apresentação de
campanhas publicitárias do mesmo produto mas com diferentes slogans. Também
participam em feiras de vinhos para promover os seus produtos com stands de prova
como por exemplo, na feira de Essência do Vinho 2012 houve provas do Vinho do
Porto Ofley, entre muitos outros (ver anexo 3).

“Inovar é sobretudo conhecer e dar alento à tradição”. (José Portela)

Relativamente à inovação tecnológica e organizacional, com base em notícias


publicadas no site da empresa, as inovações acompanham a evolução tecnológica e
organizacional do setor, sendo que em relação à inovação tecnológica a Sogrape opta
pela sua aquisição quando a mesma se justifique.
Em relação à Inovação do Processo podemos referir as cubas que inicialmente
quando a Sogrape começou a produzir os seus vinhos eram de Madeira e agora são
cubas em Inox. Inicialmente o processo de engarrafamento era manual e era engarrafada
uma garrafa de cada vez, atualmente faz-se através de linhas de engarrafamento
automáticas e várias garrafas de cada vez (a Sogrape tem 9 linhas de engarramento
como foi dito anteriormente). Antigamente a prensagem era realizada através do
pisoteamento em lagares, o chamado “pisar as uvas”, nos dias de hoje utilizam-se
prensas automáticas. É de salientar que apesar destes processos serem cada vez mais
mecanizados a mão-de-obra humana continua a ser indispensável.

Diferenciação?
A Sogrape, sendo uma empresa de renome e sucesso, manteve sempre ao longo
dos anos o gosto pela diferenciação, pois foi através da forma da embalagem da marca
Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA | 11
Rosé (tipo balão) e da cor rosé que a empresa surpreendeu os seus clientes e
concorrentes.

Ciclo de vida da empresa?


A empresa nasceu no ano de 1942 no seio de um grupo familiar. Iniciou a sua
atividade com a produção e comercialização do vinho Mateus Rosé. Alguns anos mais
tarde diversificaram a oferta do produto, até porque a venda do vinho rosé diminuiu.
Manteve-se sempre no mercado e alargaram o seu portfólio de produtos e mercados
internos e externos. Hoje enquadrando a empresa no setor da atividade pode-se dizer
que em relação ao seu ciclo de vida encontra-se na fase de maturidade.

6. Projetos de Inovação da Sogrape

Os projetos desenvolvidos e concluídos em 2011 pela Sogrape são dois:


Validação de processos vitícolas à escala piloto para a produção de novos e originais
produtos e Aplicação da oxigenação controlada de mostos à produção de vinhos
brancos.

Validação de processos vitícolas à escala piloto para a produção de novos e


originais produtos

A Sogrape Vinhos produz marcas das mais prestigiadas do mundo. Por isso, são
um laboratório vivo de investigação que se traduz em permanente inovação de
processos e frequente inovação de produtos.
A gestão da viticultura da empresa com a enologia cria condições para gerar
inovação e melhorar eficiência e aumento da qualidade.
Nas vinhas da Sogrape foram estudadas castas portuguesas onde se destacam o
Encruzado, o Viosinho, a Touriga Nacional, o Alfrocheiro Preto, o Moscatel Galego e o
Cercealinho. Têm vinhas clonais, inseridos na Rede Nacional de Seleção da Videira,
que até hoje preservaram mais de 60 variedades de videiras autóctones. No entanto,
importa prosseguir na defesa do património dos vinhos portugueses em que a Sogrape
co-fundou a Associação Portuguesa para a Diversidade da Videira (PORVID), uma
entidade sem fins lucrativos que reúne empresas e o Estado Português num esforço
definitivo de conservação da totalidade das mais de 250 castas de videira até hoje
identificadas como originárias do nosso território. Foi também homologado pelo
Ministério da Agricultura, em Dezembro de 2010, o protocolo que permite à PORVID
realizar o seu trabalho de preservação da heterogeneidade e biodiversidade das castas
nacionais num Campo Experimental, de cerca de 100 ha, situado em Pegões.
Foi com espírito de abertura e partilha de conhecimentos que esta empresa se
associou à ADVID "Associação para o Desenvolvimento da Viticultura Duriense" desde
a primeira hora em que foi fundada, já que o seu propósito essencial é a inovação e
I&D, que testa nas vinhas dos associados onde a Sogrape se inclui, e que visa o Modo
de Produção Integrada, uma prática que integra preocupações de equilíbrio económico,
social e ambiental para se conseguir uma verdadeira viticultura sustentável.
De modo a obter Produção Biológica as vinhas da empresa encontram-se
certificadas e foi feito um levantamento da biodiversidade funcional de modo a
incentivar a prática vitícola no ecossistema circundante.
Foram introduzidas novas metodologias como as sondas TDR para a medição
da humidade no solo e montadas câmaras de Scholander para a verificação da «pressão

12 | Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA


arterial» que através de uma rede de 21 estações meteorológicas conseguem medir
evapotranspiração das plantas desde a Vidigueira até Barcelos e a Almendra criando
uma viticultura cada vez mais de precisão.

Aplicação da oxigenação controlada de mostos à produção de vinhos


brancos

Este segundo projeto foi desenvolvido sobretudo na Alemanha e na Áustria e


refere-se à híper oxigenação dos mostos. Neste caso, a Sogrape Vinhos, em parceria
com uma empresa francesa, desenvolveu um método notável que permite recuperar uma
parte substancial do potencial aromático das uvas de castas portuguesas, maximizando
ao mesmo tempo o rendimento operacional de extração de mosto. Enquanto a híper
oxigenação tradicional é feita submetendo o mosto de uvas brancas a uma grande
quantidade de oxigénio, permitindo a longevidade do vinho, mas ao mesmo tempo
retirando grande parte do aroma e da qualidade, o método novo funciona com a
quantidade exata de oxigénio aplicado em equipamentos portáteis dotados com a nova
tecnologia inovadora. Esta nova tecnologia é aplicada pela Sogrape, mas foi patenteada
pela sua parceira francesa e consiste num micro oxigenador que doseia com exatidão a
quantidade de oxigénio para a remoção do substrato oxidável posteriormente removido
pela trasfega. Os mostos por este processo mantêm as suas propriedades de longevidade
intactas dando origem a vinhos com o potencial aromático das castas.

Projetos em curso da Sogrape em I&D

Segundo o site da Sogrape destacam-se: A composição multi-elementar e razões


isotópicas como marcadores da origem geográfica dos vinhos, Integração coerente e
otimização de núcleos de excelências, Cluster dos Vinhos da Região Demarcada do
Douro e PORVID.

A composição multi-elementar e razões isotópicas como marcadores da


origem geográfica dos vinhos

O projeto em desenvolvimento pretende consolidar a aplicação da forma de


análise, dita multi-elementar, e da relação entre isótopos como ferramentas para o
estabelecimento de padrões regionais e identificação da proveniência geográfica de
vinhos Portugueses. Pretende desenvolver também técnicas avançadas no conhecimento
da análise química, assim como espectrometria de massa de plasma indutivamente
acoplado (ICP-MS), usando as competências existentes no INIA - Dois Portos que
possuem o único aparelho deste género no país dedicado à análise em vinhos.

Integração Coerente e Otimização de Núcleos de Excelências (ICONE)


A Sogrape Vinhos está presente em várias regiões vinícolas de Portugal, e em
cada uma delas produz uma gama de vinhos que abarca diferentes segmentos de
mercado, de forma a satisfazer a procura dos consumidores.
Por forma a segmentar as práticas vitícolas, enológicas e comerciais da empresa,
integrando-as verticalmente, com coerência, em função do segmento de mercado a que
se destinam os vinhos delas resultantes, a Sogrape, no final de 2008, inicia o Projeto
I.C.O.N.E, com um montante de Investimento na ordem dos 600 mil euros.

Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA | 13


O I.C.O.N.E. co-financiado em cerca de 25% pelo QREN (Quadro de
Referência Estratégico Nacional), no âmbito do Programa Operacional Fatores de
Competitividade, visa deste modo identificar núcleos de excelência, alinhando as
práticas referidas de forma a otimizar a competitividade comercial e a oferta ao
consumidor da Sogrape Vinhos e assim aumentar a rentabilidade do negócio.

Cluster dos Vinhos da Região Demarcada do Douro


Com uma aposta clara na Região do Douro e nos seus vinhos, a Sogrape Vinhos
foi uma apoiante incondicional desta Estratégia de Eficiência Coletiva.
Em termos de investigação e desenvolvimento, este espírito de colaboração é
bem evidente. Os formidáveis desafios colocados pela operação vitícola em região
montanhosa levaram à criação de uma associação, a ADVID, que em 1982 e durante 30
anos operou uma revolução tecnológica na região, desenvolvendo e fomentando, de
forma colaborativa ou concorrencial, o desenvolvimento de novas metodologias de
produção de vinhos que, sem abdicar da sua originalidade e qualidade, permitiram
ganhos extraordinários em termos de racionalização económica e oportunidades de
mercado.
Foi por isso natural que quando o Estado Português desafiou o tecido
empresarial a constituir-se em clusters de competitividade, a Sogrape Vinhos,
juntamente com outras empresas, tenha promovido ativamente o reconhecimento de
facto de um cluster pré-existente, com provas dadas e com ambições de aumentar a sua
contribuição para a atividade vitivinícola da região do Douro. Constituiu-se, assim, o
único cluster reconhecido em Portugal no setor dos vinhos.

PORVID
A PORVID é uma associação público-privada sem fins lucrativos, fundada em
2009 por empresas, associações técnicas, universidades, municípios e estruturas do
Ministério da Agricultura, com o objetivo de salvaguardar a variabilidade natural das
videiras nativas portuguesas, cultivadas e silvestres, gerindo a sua conservação num
pólo experimental dedicado e disseminando as suas características a todos os atores da
fileira. É uma associação única e inédita no panorama vitivinícola português, pela
combinação da multidisciplinaridade da sua composição e abrangência geográfica.
A Sogrape Vinhos, SA, através da sua aposta estratégica nas castas nacionais,
esteve sempre na primeira linha dos trabalhos de seleção clonal e melhoramento. Vários
campos clonais de castas nacionais encontram-se nas suas propriedades em todo o país,
incluindo um campo clonal histórico de Touriga Nacional na Quinta da Leda, que
possui a totalidade da variabilidade clonal desta nobre casta, a partir do qual se
iniciaram os trabalhos que a salvaram da extinção a que esteve quase condenada no final
da década de 1970.
A PORVID surgiu assim de um entendimento natural entre a Sogrape Vinhos
SA e o Instituto Superior de Agronomia da Universidade Técnica de Lisboa,
concretizado numa proposta apresentada ao Ministério da Agricultura e que facilmente
ganhou outros signatários que a seguir transcrevemos do site da Sogrape:

✓ ADVID - Associação para o Desenvolvimento da Viticultura Duriense;


✓ ATEVA - Associação Técnica dos Viticultores do Alentejo;
✓ AVIPE - Associação dos Viticultores do Concelho de Palmela;
✓ Câmara Municipal de Palmela;
✓ Instituto do Vinho do Douro e Porto, I.P. ;
14 | Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA
✓ Instituto Nacional dos Recursos Biológicos, I.P.;
✓ Instituto Superior de Agronomia;
✓ José Maria da Fonseca Vinhos, SA.;
✓ Real Companhia Velha;
✓ Sogrape Vinhos, S.A.;
✓ Symington Vinhos, S.A.;
✓ Universidade de Trás-Os-Montes e Alto Douro.

7. A Gestão Organizacional
7.1. Designação
De acordo com o Site oficial da Sogrape Vinhos a visão da Sogrape apresenta-se
da seguinte forma: “Ser uma empresa familiar de vinhos de qualidade, sustentada no
desenvolvimento de marcas Premium de volume, focada na conquista de posições de
liderança nos mercados prioritários das origens seleccionadas.”
O logótipo da empresa evidencia as iniciais do seu nome e possui um slogan
bastante apelativo. Este logótipo é rico porque possui informação escrita em Português,
por ser uma empresa portuguesa, mas também informação em inglês por ser uma língua
universal e os produtos desta empresa se destinarem à exportação.

Sogrape Vinhos

Figura 6 – Logótipo da Sogrape Vinhos e seus atributos

7.2. Estrutura Organizacional


A Sogrape Vinhos, SA é a herdeira direta da empresa fundadora do atual Grupo
Sogrape (Sogrape SGPS, SA) e gere as operações de produção e comercialização dos
seus produtos em Portugal e no estrangeiro. É presidida por Salvador Guedes, vice-
presidente da Holding liderada por seu pai, Fernando Guedes.

Empresas do Grupo Sogrape,SGPS S.A.:

Portugal Sogrape Vinhos, SA


Sogrape Distribuição, SA
A.A. Ferreira, SA
Sandeman & Cia, SA
Quinta do Sairrão Sociedade Agrícola, SA

Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA | 15


O grupo Sogrape, SGPS S.A. também possui empresas noutros países do
Mundo, são eles: Espanha, Reino Unido, Luxemburgo, Argentina, Chile, Estados
Unidados da América, Angola, Nova Zelândia e China e Hong Kong.

A estrutura organizacional da Sogrape é de natureza simples, sendo composta


por uma mesa de Assembleia Geral, Conselho de Administração, Conselho Fiscal e pela
Comissão Executiva (Ver figura 7).

Presidente:
Presidente: Fernando Guedes
Mesa da João Castro Conselho de Vice-Presidente:
Assembleia Geral Secretário: Administração Salvador Guedes
Fernando Magro Dois vogais:
Francisco Souto
Fernando da Cunha
Presidente: Guedes
Maria Cândida Morais
Dois vogais:
Conselho Fiscal Luís Bandeira Comissão
Fernando de Matos Várias Direções
Suplente: executiva
Luís Torres

Responsável por operações como o


planeamento, logística, engarrafamento,
controlo de gestão, sistema de informação,
produção, viticultura, vendas para mercados
externos, recursos humanos, enologia vinhos
do Porto e Douro, qualidade e enologia e
vinhos verdes.

Figura 7 – Organigrama da Sogrape Vinhos (Relatório de Contas da Sogrape 2011) – adaptado pelo grupo “As Enólogas”

Pelos contactos escritos e telefónicos que mantivemos com alguns responsáveis


da empresa, deduzimos que têm uma hierarquia forte/rígida, pois em nenhum
departamento davam informações sem a autorização de superiores hierárquicos.
A empresa em observação tem a sua sede social na Rua 5 de Outubro, 4527,
Avintes em Vila Nova de Gaia, com várias representações, cuja Gestão Organizacional
dependem da sede, sendo uma delas em Vila Real e os escritórios na cidade da Régua.

8. Estratégia da empresa
A Sogrape Vinhos tem como principal objetivo ser uma empresa dedicada à
produção de vinhos, com presença internacional e reconhecida pela sua excelência
focada no desenvolvimento de marcas portuguesas.

16 | Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA


Quadro 2 – Importância da Sogrape Vinhos
Os valores da Sogrape para com:
Accionistas • Rendibilidade e Consumidores • Identificação e satisfação das suas
crescimento sustentado necessidades, gostos e preferências
• Sentido de responsabilidade • Desenvolvimento de produtos
• Cultura de excelência inovadores
• Garantia de qualidade e segurança de
produtos
• Apoio às comunidades em que nos
inserimos
• Respeito pelo Património Cultural
• Defesa da Legalidade e da Ética
Empresarial
• Promoção da moderação e da
responsabilidade no consumo de
bebidas alcoólicas

Clientes • Identificação e satisfação Pessoas e • Desenvolvimento de pessoas


das suas necessidades Organização competentes, motivadas e
• Relação de parceria compreendidas
• Excelência do serviço • Respeito pela individualidade e
fomento do espírito de equipa
• Promoção da realização pessoal e
profissional
• Garantia das boas práticas de saúde,
higiene e segurança no trabalho

Fornecedores • Desenvolvimento de Ambiente • Prevenção da poluição e gestão


parcerias equilibrada dos recursos naturais
• Privilégio de relações • Identificação, medição e minimização
exigentes, equilibradas e dos impactes ambientais decorrentes
duradouras das actividades
• Exigência de melhoria • Promoção de formação ambiental
contínua da qualidade clarificando as responsabilidades
individuais e coletivas

Fonte: site oficial da Sogrape Vinhos de Portugal, SA adaptado pelo grupo “As Enólogas”

Quadro 3 – Parceiros/Distribuidores da Sogrape


Parceiros/Distribuidores
Pernord Ricard Stock Austria Suntory Limited
Bacardi Nederland Gawein Bruckner Weinhandel Berkmann Wine Cellars
Bouvigne Wijn Import Ws Karoulias S.A Galvin Wines e Spirits
Stevens Garnier LTD Evanton, INC The Drinks Group
First Drinks Brands LTD Broadbent Selections Atmosphere Hotels
Selected Wineries Portugal McWilliams Wines PTY.LTD For the Love of Port
Marie Brizard Charton Hobbs Blue Cooking
Haromex Development G.M.B.H

Fonte: site oficial da Sogrape Vinhos de Portugal, SA adaptado pelo grupo “As Enólogas”

Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA | 17


8.1. Objetivos estratégicos

A estratégia principal da organização centra-se na produção de vinhos de


qualidade reconhecida que satisfaça a população consumidora de vinhos. O pensamento
estratégico visa a materialização e concretização das metas estabelecidas, que no caso
concreto são a qualidade, inovação e desenvolvimento.
Segundo o site da Sogrape, esta empresa desenvolve um Sistema de Qualidade
transversal a toda a empresa cumprindo todos os requisitos especialmente no setor
agroalimentar, daí que esteja certificada não só pela norma ISSO 9001:2000 - Sistema
de Gestão de Qualidade, mas também pelos exigentes referenciais “BRC - British Retail
Consortium - referencial global para a segurança alimentar”, IFS - International Food
Standard - referencial para produtos alimentares de marca de retalhistas e grossistas e
pela norma ISO14001:2004 - Sistema de Gestão Ambiental. O Sistema de Qualidade da
Sogrape Vinhos constitui uma ferramenta estratégica para o desenvolvimento dos
processos de permanente melhoria e inovação, beneficiando do apoio de meios técnicos
adequados e de recursos humanos devidamente qualificados. As operações de controlo
de Qualidade são realizadas em todas as etapas do sistema produtivo, desde a receção
das uvas utlizadas na elaboração dos vinhos, até às fases de embalagem e expedição do
produto final.
O departamento de I&D da Sogrape Vinhos baseia a sua atividade em dois
pilares fundamentais: conhecimento e experiência. Que se baseiam nas seguintes ações
internas na empresa:

Departamento de I&D

Desenvolvimento

Conhecimento
e experiência
Informação Inovação

Figura 8 – Departamento de Investigação e Desenvolvimento da Sogrape

O pilar «Conhecimento» visa disponibilizar aos colaboradores da empresa toda a


informação sobre o estado da arte de qualquer tema aplicável aos vinhos (conferências,
publicações científicas, parcerias para o desenvolvimento, entre outros) que exista no
domínio público. Consiste na publicação de artigos científicos e relatórios de missões,
que são integrados numa base de dados informáticos. Esta base de dados é atualizada
permanentemente e deste modo permite a consulta a qualquer momento de notícias
mundiais em especial relacionadas com o tema e servem de referência para qualquer
questão técnica.

18 | Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA


O pilar «Experiência» consiste na definição, gestão e execução de projetos
sistemáticos de Investigação e Desenvolvimento (observações, estudos, ensaios, testes,
análises, comparações, protótipos, entre outros) com o objetivo de criar conhecimento
que não existe no domínio público e, assim, gerar vantagem competitiva para a empresa,
que lhe permitirá surpreender os concorrentes. O conhecimento obtido por estas duas
vias é organizado num Centro de Recursos em Conhecimento que está disponível
para toda a empresa por via eletrónica. A sinergia entre estas duas componentes
promove a reflexão interna e garante posteriores atividades de suporte à criação e
melhoria significativa de novos produtos, processos, organizações e marketing, em
sintonia com a missão e estratégia definidas. Com o departamento de I&D, a Sogrape
Vinhos potencia o seu investimento em investigação, sistematizando, coordenando e
reunindo em rede os esforços de diversas áreas-chave. Garante, assim, o acesso ao
estado-da-arte da sua atividade e lidera o conhecimento e a tecnologia relativos aos
temas que identifica como as suas principais oportunidades de negócio, numa perspetiva
sustentável e de acordo com os valores mais elevados da ética empresarial.
De seguida apresentamos um quadro relativo a alguns valores investidos pela
Sogrape no ano de 2011 em Inovação, Ativos Fixos Tangíveis, entre outros.

Quadro 4 – Alguns factos relevantes da Sogrape 2011

Alguns Factos relevantes da Sogrape 2011


Investimento na Sociedade Portuguesa de Inovação 7485€
Investimento em Ativos Fixos Tangíveis 6,4M€
Volume de negócios 179.458.690€
Resultado Líquido do Exercício 10.309.608€
Redução da Dívida Líquida 27%
Fonte: Relatório de Contas 2011 da Sogrape Vinhos de Portugal, SA

8.2. Análise SWOT: Análise do meio envolvente e interna da organização

8.2.1. Oportunidades e Ameaças

Quadro 5 – Oportunidades e Ameaças da Sogrape

Oportunidades Ameaças
✓ Crescer nos mercados estrangeiros, sobretudo ✓ Maior concorrência de novos países
na Ásia e América do Norte; produtores como o Chile, Austrália e África do Sul;
✓ Reforçar o marketing nos mercados externos; ✓ Aposta forte no marketing pelos principais
✓ Cooperação entre empresas produtoras; concorrentes;
✓ Maior sofisticação tecnológica para obter ✓ Alterações nos hábitos de consumo e
vinhos de alta qualidade; substituição por outras bebidas;
✓ Aumentar a produtividade das vinhas e do ✓ Legislação comunitária que penaliza o
trabalho; consumo do álcool;
✓ Explorar a imagem de castas nacionais com ✓ Destruição de muita vinha com a expansão
características únicas; da rede hidroelétrica (construção de barragens).
✓ Desenvolver o Enoturismo.

Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA | 19


8.2.2.Forças e Fraquezas

Quadro 6– Forças e Fraquezas da Sogrape

Forças Fraquezas
✓ I&D; ✓ Pequena dimensão das explorações
✓ Grande diversidade das castas agrícolas;
Portuguesas; ✓ Dificuldade dos transportes das uvas,
✓ Condições climáticas e de solos desde a vinha até ao lagar;
idiossincráticos que permitem produzir produtos ✓ Baixa produtividade da vinha
diferenciados; relativamente à média comunitária;
✓ Alta reputação dos vinhos portugueses ✓ Reduzido know-how em marketing das
nos mercados internacionais; empresas;
✓ Alta notoriedade de alguns vinhos ✓ Baixo investimento em campanhas
portugueses no mundo; publicitárias nos mercados de destino.
✓ Marcas regionais valorizadas pelos
consumidores.

9. Gestão de Recursos Humanos


Para a Sogrape, o sucesso é construído diariamente pelo talento e esforço do seu
capital humano.
É dada uma atenção particular à retenção dos quadros dirigentes da Sogrape,
bem como aos talentos com capacidades de Investigação e Desenvolvimento tendo sido
efetuados estudos de avaliação em conjunto com especialistas externos na matéria.
Neste âmbito, a Sogrape tem vindo a investir na formação executiva dos seus quadros
superiores em conceituadas universidades internacionais, muito por força da
necessidade (pois como empresa exportadora e com sucursais em países mundiais
podem e devem ter competências para tal), bem como formação e informação interna e
externa a todos os colaboradores, incluindo formação recebida das associações a que
pertencem, como por exemplo da ADVID.
Dos seus quadros, de acodo com dados de 2011, fazem parte em média 953
colaboradores. De entre eles, sete são Enólogos, sendo que quatro trabalham em
Portugal (apresentamos os no anexo 4), um na Argentina, um no Chile e outro na Nova
Zelândia. De seguida apresentamos umas ilustrações com as vinhas onde trabalham no
estrangeiro estes três enólogos.

20 | Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA


Figura 9– Ilustrações de países com vinhas da Sogrape Vinhos

Fonte: http://www.portugalglobal.pt/PT/geral/Documents/SOGRAPE_SG.pdf

10. Desenvolvimento da Marca de Vinhos Gazela, Mateus


Rosé, Offley Porto e Terra Franca

A Sogrape Vinhos possui várias marcas de vinhos. Pelo seu crescimento e


dinamismo escolhemos para analisar as marcas mais representativas da Sogrape Vinhos
entre elas a Gazela, Mateus Rosé, Offley Porto e Terra Franca.

Gazela:

A primeira marca de Vinho Verde a ser produzida e comercializada pela


Sogrape foi a Gazela em 1984 e apresentou-se ao mercado como “Gazela, Vinho Verde
bem-nascido”. No ano de 1995 foi desenvolvida a primeira evolução no rótulo da
garrafa, mantendo o vinho a sua qualidade, permanecendo a garrafa inalterada apenas
introduzindo-se um novo rótulo mais estilizado onde se destaca a simplificação
cromática, dando predominância à cor verde.
Desde 2004, que a Gazela investe e tornou-se o maior investidor publicitário no
setor dos vinhos portugueses, mais relevantes nos Vinhos Verdes. A alteração na sua
imagem levou, no referido ano, à recepção de 10 prémios organizado pela Comissão de
Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV), no Concurso Anual de
Publicidade. Em 2005, à Gazela foi atribuído o prémio “Eficácia na publicidade”
atribuído pela Associação Portuguesa de anunciantes (APAN), devido ao
reconhecimento da sua excelente comunicação e eficácia.
A Gazela está espalhada pelos cinco continentes, presentes em mais de 50
países. Esta marca, devido à sua liderança no mercado, mantém um crescimento
sustentado ao longo do tempo. A notoriedade da marca tem aumentado ao longo dos
anos.

Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA | 21


Figura 10 e 11 – Duas Campanhas Publicitárias da Gazela no ano 2010

Figura 12 – Nova Garrafa de vinho Gazela 2011 Figura 13 – MultiPack vinho Gazela – Verão de
2005

Pela análise das figuras, observamos que o vinho Gazela é autêntico, leve e
refrescante (vê-se pelos cubos de gelo nas figuras 10 e 11). No ano de 2010 lançaram
várias campanhas publicitárias do vinho Gazela, entre as quais se destacam as acima
indicadas. De campanha para campanha variou apenas o slogan associado ao vinho
Gazela.
Em 2011 surgiu uma nova garrafa da Gazela com aproximação a uma garrafa de
champanhe mais inovadora e atrativa que estimula a aproximação e promove a alegria, a
paixão e o convívio com os familiares, amigos, colegas, entre outros. Simboliza o que a
vida tem de melhor. Esta nova embalagem Gazela é cheia de cor e originalidade com o
objetivo de cativar essencialmente o segmento de mercado dos jovens. Apostam
principalmente numa estética inovadora, com design que não passa despercebido
apelando à criatividade. A garrafa apela para a natureza, uma vez que contém passáros,
flores, entre outros, remetendo para a liberdade.
O rótulo da Gazela é caracterizado por ter dupla impressão, sendo legível mesmo
quando visto do lado oposto.

22 | Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA


O multi-pack Gazela da Sogrape surgiu no Verão de 2005, contém quatro
garrafas de 375ml (meia garrafa das normais - 75cl). Devido ao seu reduzido tamanho é
mais fácil de transportar, não perde qualidade, nem frescura uma vez que é rapidamente
consumível. O vinho branco quente é mais duro e portanto menos apetecível deve ser
servido a uma temperatura entre os 6ºC e os 8ºC.

Mateus Rosé : “Ninguém faz Rosé como Mateus!”

A marca Mateus Rosé surgiu no ano de 1942, quando Fernando Van Zeller
Guedes criou e lançou um vinho novo com uma personalidade forte, diferenciador e
com um sabor único de cor rosada, fresco, um pouco gaseificado, apresentado numa
garrafa original e inovadora. Quanto à embalagem, a inovação recaiu sobre uma garrafa
com um fundo mais largo sendo mais baixa que as garrafas normais de 75cl inspirada
nos cantis utilizados pelos soldados durante a Primeira Guerra Mundial. Com estes
atributos, uma nova marca poderosa nasceu nesse momento no mercado. Esta é a marca
por excelência da Sogrape que rapidamente conquistou o mundo adaptando-se a
diferentes gostos e culturas. O rótulo que era inovador para a época retratava a ligação
entre o produto e a terra de origem como se pode verificar na figura 14.
O verdadeiro segredo do vinho Mateus Rosé está no cuidado enológico durante a
sua produção. É produzido a partir de uma seleção de castas de tintas nacionais – Baga,
Rufete, Tinta Barroca e Touriga Franca, entre outras - as técnicas utilizadas na sua
produção são iguais às utilizadas na produção de vinho branco no processo de
vinificação. É evitado um contacto prolongado entre o sumo da uva e a sua película
adquirindo assim o vinho a sua cor rosada tão distintiva, mantendo um estilo frutado e
suave.
A estratégia desta marca foi evoluindo ao longo dos tempos para dar resposta às
novas realidades e exigências dos mercados. Recorreram a campanhas de comunicação
surpreendentes para continuar a reafirmar o posicionamento único da marca (Inovação
de Marketing). Ocorreu então, a implementação de novos métodos de marketing onde
ocorreram melhorias significativas na forma de promover e distribuir o produto.
Até hoje, estimou-se que a Mateus Rosé vendeu mais de 1.010.000.000 garrafas.

Figura 14 – Campanha publicitária multi-pack da Mateus


Rosé, em 2005 Figura 15 – Garrafa de vinho Mateus Rosé Aragonês 2011

Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA | 23


Figura 16 – Garrafa de vinho Mateus Rosé Sparkling Demi Sec 2011

A marca Mateus Rosé assenta em valores de carácter e integridade,


representando alegria, bem-estar, prazer, jovialidade, sedução e autenticidade. Esta
marca é intemporal, marcando um estilo de vida e um desejo de viver.
Esta marca é um ícone, ligada durante vários longos anos a personalidades como a
Rainha Isabel II, Fidel Castro, Amália, Agostinho Neto, Amílcar Cabral, entre outras.
O multi-pack da Mateus Rosé surgiu no Verão de 2005 em garrafas de 25 cl,
ideal para estar sempre fresca e beber quando for apetecível. Tendo um tamanho
reduzido, é fácil de transportar para qualquer lado.
O Mateus Rosé Aragonês 2011, apresenta uma atrativa cor rosé salmão, com
notas de jasmim e morango caracterizando-se por um aroma fresco e floral. Deve ser
consumido jovem, ou seja, no ano seguinte à colheita e fresco, entre os 8º e 10ºC. Em
comparação com o Mateus Rosé, o Mateus Rosé Aragonês é produzido exclusivamente
a partir da casta Aragonês (Tinta Roriz), uma das nobres castas portuguesas, usando a
mais moderna tecnologia. A garrafa tem o mesmo formato sendo um pouco mais
achatada, expressiva, brilhante, emotiva e transparente, com vista para a cor rosada do
vinho.
O Mateus Rosé Sparkling Demi Sec 2011 tem um fomato de uma garrafa de
champanhe, tratando-se de um vinho espumante meio seco que se diferencia pelo seu
estilo jovem, fresco e contemporâneo sendo ideal para momentos de celebração.
Este vinho marca mais um desenvolvimento nas diferentes variedades do Mateus
Rosé dirigido a um consumidor de vinhos audicioso e extrovertido.

Offley Porto:

A Offley foi fundada por William Offley como casa de comércio de vinho, na
cidade de Londres em 1737. Porém, rapidamente começou a exportar os seus vinhos e
posteriormente a produzir o seu próprio Vinho do Porto. A partir desse momento, a
marca teve um reconhecimento mundial como criadora de vinhos de grande qualidade.
Ao longo dos anos, a Offley investiu na produção dos seus vinhos, instalou e replantou
vinhas de referência, como por exemplo a da Quinta da Boavista, construiu e manteve
as Caves em Vila Nova de Gaia e alargou a distribuição da marca.
A Sogrape Vinhos incorporou a Forester & Cª., detentora da Offley, em 1997
para reforçar a liderança no mercado interno de vinhos do Porto e posicionou-se como
uma das maiores empresas exportadoras do setor no mercado internacional
incorporando a Quinta da Boavista no seu património, sendo esta uma das quintas mais
emblemáticas da Região Demarcada do Douro. A Sogrape Vinhos tem conseguido
cativar diversos públicos diversificados, nomedamente os consumidores jovens.

24 | Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA


Figura 17 – Garrafa de vinho Offley Porto Tawny 30 anos

Figura 18 – Garrafa de vinho Offley Porto Rosé 2010

Offley Porto Tawny 30 Anos foi lançado quando esta marca fesejou o
30ºaniversário. A garrafa deste vinho é preta. Este vinho é caracterizado por cor âmbar
com nuances esverdeadas, com notas de moka, verniz, caramelo, noz e folha de tabaco.
É um vinho untoso e equilibrado.
O vinho Offley Porto Rosé, lançado em 2010, é a proposta mais recente da
Sogrape. Esta garrafa transparente deixa em evidência a cor rosé do vinho com nuances
de violeta possuindo um aroma a frutos tropicais e a madeira exótica, com o objetivo de
surpreender os seus consumidores com um vinho inovador e uma cor atrativa. Estamos
perante uma inovação do produto porque o produto em si, o vinho, já existia o que se
alterou foi a cor do vinho.
A Offley tem uma grande capacidade em se adaptar a novas circunstâncias,
aplicando a situações futuras as experiências do passado.
A Sogrape tem mais inovações no produto, cor do vinho, entre os quais se
destacam o Offley Porto Ruby de cor vermelho-rubi, com um aroma a frutos vermelhos.
O Offley Porto White, de cor amarela e com um aroma contendo notas de pêssego,
alperce e frutos secos.

Terra Franca:

O Vinho Terra Franca foi lançado no mercado em 1989 numa apresentação


moderna e diferenciadora, com o intuito de oferecer uma gama de vinhos jovens e
frutados, marcados pela identidade das castas nacionais que lhe dão origem. O Vinho
Terra Franca é vinificado na adega da Sogrape Vinhos da Anadia na região da Bairrada.
Este vinho apresenta uma relação qualidade/preço apelativa.

Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA | 25


Figura 19 – Garrafa de vinho Terra Franca Tinto 2011

Figura 20 – Garrafa de vinho Terra Franca Rosé 2011

Figura 21 – Garrafa de vinho Terra Franca Branco 2011

O Vinho Terra Franca Tinto, Rosé e Branco surgiu em 2011. O Vinho Terra
Franca Tinto é um vinho de cor vermelha-rubi, aromatizado com frutos vermelhos
maduros. O Vinho Terra Franca Rosé é um vinho de cor rosada, com um elevado aroma
em frutos vermelhos, framboesa, morangos e frutos tropicais como a banana. O Vinho
Terra Franca Branco é de cor citrina, aromatizado com frutas tropicais como a banana,
pêssego e maracujá. Observando as figuras concluímos que a forma e os designs das
garrafas são iguais, apenas se distinguem pela cor do vinho. Em relação aos rótulos, o
slogan e o logótipo não se alteram, porém, a designação do tipo de vinho aparece no
canto inferior do lado esquerdo. As letras da designação do tipo de vinho assemelham-
se à cor do próprio vinho.

11. Sistemas de informação da Sogrape


No que respeita a sistema de informação, a Sogrape, no seguimento dos novos
procedimentos e metodologias que foram implementados em 2012 para a atualização e
inserção de conteúdos na página Web da empresa, em 2013 irão continuar a incrementar
a comunicação com os acionistas, parceiros e o exterior, o que traduz num aumento do
número de visitas ao site institucional.
26 | Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA
Novo Modelo de Reporte Financeiro

Com o intuito de adequar a organização às normas contabilísticas internacionais


e estabelecer uma linguagem de gestão e reporte comum, durante 2010 foi
implementado o projeto interno designado de “Sogrape Financial Reporting Manual “.
A concretização deste novo Sistema de Reporte Financeiro, permitiu a apresentação em
2010 das demonstrações financeiras consolidadas expressas no normativo contabilístico
internacional (IFRS – International Financial Reporting Standards), uma maior solidez
da informação de gestão relevante para a análise da evolução do negócio da Sogrape e
sobretudo uma uniformidade de reporte das diferentes Unidades de Negócio, associado
a uma melhoria significativa da qualidade da informação.

Desenvolvimento das Estruturas Tecnológicas e dos Processos

Em 2010 a Sogrape deu continuidade ao processo de gestão consolidada dos


sistemas de informação do Grupo, com a implementação e conclusão de diversos
projetos a nível internacional. Com o “go live” ocorrido em Setembro, esteve em curso
a implementação do novo modelo de funcionamento e o ajustamento dos seus processos
de forma a adequar os mesmos às crescentes exigências dos mercados e à contínua
necessidade de maior eficiência e otimização de recursos. Perseguem-se assim, os
objetivos de uniformização de processos e de tecnologia estabelecidos transversalmente
para a Sogrape.
Na China, concretamente na subsidiária IW Hong Kong, foi também colocada
em marcha a implementação de um novo sistema de informação (atendendo à dimensão
da empresa, optou-se por um ERP local com provas dadas), tendo esse projeto sido
entretanto já concluído em 2011 com grande sucesso. A empresa encontra-se agora
dotada, em termos de sistemas de informação, para fazer face ao crescimento projetado.
Em Portugal, e na sequência da obrigação legal da adoção de um novo sistema
contabilístico a partir de 1 de Janeiro de 2010, a Sogrape Vinhos deu continuidade ao
complexo projeto iniciado em 2009 de adaptação dos seus sistemas de informação que,
atendendo aos curtos prazos legais impostos, constituiu um forte e bem-sucedido
desafio a toda a Organização.

12. Sogrape na Comunidade


Ao longo do seu percurso, a Sogrape tem obtido um desempenho positivo, não
só em termos do seu negócio, mas também no apoio às comunidades em que se insere,
no respeito pelo património cultural e pela legalidade e ética empresarial, bem como na
promoção da moderação e da responsabilidade no consumo de bebidas alcoólicas.
Tendo presente estes valores, a Sogrape desenvolve um programa de
responsabilidade social assente em quatro eixos principais: Cultura, Comunidade,
Ambiente e Aspetos Sociais do Álcool.
Merecem especial destaque os Aspetos Sociais relativamente ao Álcool. Num
processo liderado pela subsidiária Sogrape Vinhos, foi assumido o compromisso
público, em 2008, de apoiar o projeto Pan-Europeu que promove a Responsabilidade e a
Moderação no Consumo de Vinho. Em Novembro de 2010, a Sogrape Vinhos tornou-se
membro fundador do Fórum Nacional do Álcool e Saúde, uma estrutura estatal com o
objetivo de criar, a nível nacional, uma plataforma representativa de todas as partes
interessadas da sociedade civil que sem comprometem a reforçar as ações necessárias à
minimização dos danos provocados pelo consumo abusivo de álcool.

Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA | 27


➢ Estimular um estilo de vida que apela ao consumo moderado de vinho,
evitando a promoção ou publicidade que encoraje o abuso ou mau uso por parte dos
consumidores e desencorajando o consumo por jovens com menos de 18 anos, grávidas
ou pessoas com problemas de saúde;
➢ Defender e cumprir as normas europeias em vigor, divulgando-as aos
seus distribuidores, clientes e consumidores;
➢ Concretizar medidas internas de auto regulação no marketing e vendas
dos seus vinhos, incluindo formação das respetivas equipas e informação sobre
moderação e responsabilidade para os consumidores que visitam as suas instalações;
➢ Disponibilizar nos vários sítios da Internet informação específica sobre
vinho e saúde, bem como ligações a outros sítios da Internet relativos ao consumo de
vinho saudável;
➢ Utilizar em todo o material publicitário e promocional, de forma
facilmente legível, a frase "Seja responsável. Beba com moderação".
➢ Promover o consumo moderado de vinho, incentivando o serviço de
vinho a copo e disponibilizando garrafas que facilitem consumos individuais.
Em consequência, a Sogrape Vinhos tem cumprido, empenhadamente, os
compromissos assumidos perante o Sector de Vinhos da União Europeia, tanto mais que
o projeto “Vinho com Moderação” se enquadra perfeitamente na abordagem aos
Aspetos Sociais do Álcool.
A nível das ações externas, para além da inclusão de forma legível da mensagem
“Seja responsável. Beba com moderação”, bem como do logótipo do projeto “Vinho
com Moderação” em toda a comunicação com o consumidor, foi efetuada a edição e
distribuição alargada de uma pequena brochura intitulada “Por um consumo saudável do
vinho”, na qual se divulgam os principais objetivos do projeto “Vinho com Moderação”
e se difundem conselhos e orientações para um consumo responsável.
Quanto às ações internas, sublinhe-se o esforço na formação dos colaboradores
da Empresa sobre os riscos e benefícios do consumo moderado de álcool, mas
principalmente a criação e ativação de um código interno de “Álcool no meio laboral”,
cujo desrespeito pode representar sanções para os prevaricadores.

13. Perspetivas futuras para a Sogrape


O sucesso da estratégia da Sogrape reflete-se no crescimento do volume de
negócios. A empresa é o maior grupo português no setor dos vinhos, com uma carteira
de marcas e produtos bastante alargada e muito longe dos tempos em que dependia de
uma única marca – a Mateus Rosé - este nos anos 80 representava 90% das receitas e
atualmente é responsável por 25% das receitas do grupo.
Segundo Salvador Guedes a empresa vai iniciar uma nova fase, não sendo
expectáveis novas aquisições nos próximos anos. Ao invés a Sogrape pretende
consolidar as marcas que já possui, ou mesmo reduzir o número das marcas:
“Estamos a desenvolver o nosso projeto de uma forma ponderada e conservadora
e, nesta fase, estamos a consolidar aquilo que já temos. Estamos a aprimorar as
operações de distribuição. Os tempos são de mais consolidação e de procurar fazer
melhor, ser mais eficientes naquilo que fazemos. Ao mesmo tempo, estamos atentos,
porque se os tempos são difíceis, também são de alguma oportunidade. Se houver
situações que façam sentido, estamos dispostos a analisar, mas não estamos como no
passado a investir.”

Salvador da Cunha Guedes, in JN (2011)

28 | Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA


Segundo o relatório de contas de 2011 da Sogrape um dos pontos fulcrais da
estratégia futura da empresa passa pelos vinhos do Porto, através do aumento da quota
de mercado do Porto Sandeman para os mercados internacionais e do Porto Ferreira
para os mercados nacionais. Para além da aposta no vinho do Porto, a empresa pretende
manter a liderança do Mateus Rosé e entrar em novas regiões do Globo com a marca
Grão Vasco e outras.
Os mercados que a Sogrape considera estratégicos são a Inglaterra e EUA, para
além de algumas economias emergentes cujos mercados têm grande potencial de
crescimento, como a China e o Brasil. A Sogrape decidiu também abrir uma subsidiária
no Brasil, que assumirá a distribuição dos produtos Sogrape em toda a América do Sul.

14. Conclusão
A Sogrape iniciou a sua atividade como uma pequena empresa que concentrava
grande parte do seu volume de negócios na marca Mateus Rosé. Com o declínio da
quota de mercado da Mateus Rosé, quer a nível nacional quer a nível internacional, a
empresa diversificou o portfólio de marcas, adquirindo empresas em Portugal e no
estrangeiro. Passou a comercializar novos produtos (vinho do Porto, vinho verde,
vinhos alentejanos, entre outros), com produção em novos mercados como (Argentina,
Chile e Nova Zelândia) e exporta para todo o mundo. A empresa procurou, também,
assumir outras fases do negócio e adquiriu empresas de distribuição nos EUA e Reino
Unido.
Num cenário de diminuição das exportações mundiais de vinho, várias questões
se colocam à Sogrape. Deverá a Sogrape alargar a sua produção para novos países? Ou,
pelo contrário, deverá consolidar as posições atuais, procurando sinergias? Deverá
continuar o alargamento da rede de distribuição em países emergentes, eventualmente
com novas aquisições ou parcerias? Ou deverá focalizar-se mais na Europa e nos EUA,
que continuam a ser os grandes consumidores? A forma como a Sogrape respondeu a
estas questões vai, certamente, ter influência no seu sucesso futuro.
O nosso grupo de trabalho, apesar de ter evidenciado todos os esforços no
sentido de realizar uma entrevista com uma pessoa responsável que nos pudesse
fornecer informações úteis ao nosso trabalho, a mesma foi gorada. Enveredamos então
pela consulta do site da empresa da qual retirarmos informações em especial sobre o
produto principal ou seja o vinho, mas também a vinha. Exemplo disso são os recentes
vinhos - “vermelho – rubi” - e a investigação relacionada com a produção de castas
novas, bem como o processo de escolha e produção das mesmas.
Em relação às Inovações de certeza que a empresa Sogrape Vinhos apresenta
muitas mais, mas só com a informação do site não conseguimos obter mais informações
sobre este assunto. É de realçar ainda a Inovação do Produto salientando as novas cores
dos vinhos e os aromas, a Inovação de Processo a nível das cubas, das prensas
automáticas e linhas de engarrafamento e a Inovação de Marketing ao nível da
embalagem, rótulos e fortes campanhas publicitárias realizadas pela Sogrape para a
promoção dos seus produtos.
Concluímos no entanto que a empresa está bem classificada e inserida no setor
vitivinícola já que se mantém com notoriedade no mercado há 70 anos e é reconhecida
mundialmente com vários prémios em todas as suas categorias de vinhos.

Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA | 29


15. Bibliografia

Referências Bibliográficas:

 Freire, Adriano (2000), Inovação: Novos Produtos, Serviços e Negócios para


Portugal, Editorial Verbo ISBN;
 Portela, José, “Inovação: Rasgo Individual ou Engenho Colectivo?”;
 Sarkar, Soumodip (2010), Empreendedorismo e Inovação, Escolar Editora.

Webgrafia:

• Site visitado em 20/03/2012: http://www.sograpevinhos.eu/


• Site visitado em 20/03/2012: http://www.sograpevinhos.eu/blog/2011/12/02/o-
processo-de-vinificacao-do-vinho-tinto/
• Site visitado em 20/03/2012:
http://www.sograpevinhos.eu/blog/2012/02/10/sogrape-vinhos-volta-a-marcar-
presenca-na-essencia-do-vinho-2012/
• Site visitado em 20/03/2012: http://www.sograpevinhos.eu/sogrape/historia
• Site visitado em 20/03/2012: http://www.sograpevinhos.eu/sogrape/valores
• Site visitado em 20/03/2012: http://www.sograpevinhos.eu/sogrape/organizacao
• Site visitado em 20/03/2012: http://www.sograpevinhos.eu/sogrape/qualidade
• Site visitado em 20/03/2012: http://www.sograpevinhos.eu/sogrape/investigacao
• Site visitado em 20/03/2012: http://www.sograpevinhos.eu/regioes
• Site visitado em 20/03/2012: http://www.sograpevinhos.eu/marcas
• Site visitado em 17/04/2012:
http://ijup.up.pt/pluridisciplinares/2011/images/stories/documentos/Adenda%20
SOGRAPE_Regulamento%20IJUP_2011_FINAL.pdf
• Site visitado em 16/05/2012: http://www.google.images
• Site visitado em 18/05/2012:
http://ijup.up.pt/pluridisciplinares/2011/index.php?option=com_content&view=c
ategory&layout=blog&id=40&Itemid=402
• Site visitado em 22/05/2012:
http://ijup.up.pt/pluridisciplinares/2011/images/stories/documentos/Adenda%20
SOGRAPE_Regulamento%20IJUP_2011_FINAL.pdf
• Site visitado em 23/05/2012:
http://ijup.up.pt/pluridisciplinares/2011/images/stories/documentos/Adenda%20
SOGRAPE_Regulamento%20IJUP_2011_FINAL.pdf
• Site visitado em 23/05/2012:
http://ijup.up.pt/pluridisciplinares/2011/images/stories/documentos/Adenda%20
SOGRAPE_Regulamento%20IJUP_2011_FINAL.pdf
• Site visitado em 23/05/2012:
http://ijup.up.pt/pluridisciplinares/2011/images/stories/documentos/Adenda%20
SOGRAPE_Regulamento%20IJUP_2011_FINAL.pdf
• Site visitado em 23/05/2012:
http://ijup.up.pt/pluridisciplinares/2011/images/stories/documentos/Adenda%20
SOGRAPE_Regulamento%20IJUP_2011_FINAL.pdf
• Site visitado em 25/05/2012:
http://www.sograpevinhos.eu/sogrape/infofinanceira

30 | Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA


• Site visitado em 25/05/2012: http://www.globadvantage.ipleiria.pt/wp
content/uploads/2011/02/caso_de_estudo_6_sogrape.pdf
• Site visitado em 25/05/2012:
http://www.sograpevinhos.eu/sogrape/projectos_desenvolvidos_1
• Site visitado em 25/05/2012:
http://www.sograpevinhos.eu/sogrape/projectos_em_curso
• Site visitado em 25/05/2012: http://www.vinhos.online.pt/dar.asp?id=900
• Site visitado em 25/05/2012:
http://www.sograpevinhos.eu/blog/2012/05/29/mateus-rose-eleito-master-de-
negociacao-institucional-2012/
• Site visitado em 29/05/2012: http://www.mateusrose.eu/
• Site visitado em 29/05/2012: http://www.hipersuper.pt/2010/04/20/sogrape-
lanca-offley-rose/
• Site visitado em 29/05/2012:
http://www.sograpevinhos.eu/sogrape/vinho_moderacao_cumprimento_empenh
ado
• Site visitado em 29/05/2012:
http://www.portugalglobal.pt/PT/geral/Documents/SOGRAPE_SG.pdf
• Site visitado em 29/05/2012:
http://www.jn.pt/PaginaInicial/Economia/Interior.aspx?content_id=1764864&pa
ge=-1
• Site visitado em 29/05/2012:
http://jpn.icicom.up.pt/2009/05/06/industria_corticeira_a_nanocork_da_novo_sa
bor_ao_vinho.html
• Site visitado em 29/05/2012:
http://eng.sograpevinhos.eu/app/uploads/infofinanceira/rel_cons_2011.pdf

Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA | 31


Anexos
_____________________________________________________

Índice de anexos:

Anexo 1 – A entrevista--------------------------------------------------------------------------33
Anexo 2 – Os diferentes Logótipos da Sogrape--------------------------------------------34
Anexo 3 – Algumas notícias sobre a Sogrape Vinhos------------------------------------35
Anexo 4 – Enólogos Portugueses da Sogrape----------------------------------------------37
Anexo 5 – Prémios Nacionais e Internacionais da Sogrape-----------------------------39
Anexo 6 – Ficha de apresentação do Vinho Mateus Rosé-------------------------------42

32 | Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA


Anexo 1
A Entrevista

Produto
1- A Sogrape tem produção própria de uvas. Que percentagem representa na vossa
produção a nível nacional e internacional?
2- A seleção das uvas/castas é feita de que forma? E a colheita?
3- Têm em consideração o grau das uvas?
4- Qual o processo de fabrico? E a conservação do vinho? Qual a inovação de processo
nos últimos anos?
5- Que destino é dado aos resíduos/excedentes do vinho?
6- Sabemos que têm produção de vinhos em outros países. O processo é semelhante ao
português?

Fornecedores
1- Quem são os principais fornecedores?
a. De uvas?
b. De garrafas?
c. De embalagens de cartão/madeira?
d. De rolhas?
e. De rótulos?
f. De produtos químicos?
2- Têm parcerias com alguns deles?

Embalagem
1- Que tipos de embalagens utilizam (primária, secundária ou terciária)?
2- Quais os designs? Aderiram à embalagem tetrapak e à lata? Porquê?
3- Só utilizam rolhas de cortiça? Tiveram alguma inovação nos últimos anos?

Marketing
1- Que meios de comunicação utilizam? Atualizam frequentemente o vosso site?
2- Participam regularmente em feiras, campanhas e provas de vinhos. Porquê?
3- A publicidade colocada no rótulo e na embalagem primária e secundária contêm
código de barras com informação adicional?

Distribuição
1- Como iniciaram a internacionalização?
2- Para que países exportam? Qual a percentagem que representa no total das vossas
vendas?
3- Que canais utilizam na distribuição nacional e internacional?
4- Fazem vendas diretas ao consumidor final?

Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA | 33


Organizacional
1- Porque estão sediados em Vila Nova de Gaia?
2- Presentemente que tipos de hierarquia organizacional têm?
3- Ao longo dos anos houve inovação na organização?
4- Qual o grau de qualificação dos colaboradores? Costumam dar-lhes formação?
5- Nos últimos anos mantiveram o número de colaboradores? Quando admitem
colaboradores dão preferência às candidaturas on-line ou às outras?
6- Costumam ser reconhecidos pelo vosso trabalho a nível nacional e internacional?
Que tipo de reconhecimento?
7- Que tipo de projetos de inovação de responsabilidade social a vossa empresa
promove?

Inovação
1 - As inovações implementadas são desenvolvidas pela vossa empresa ou são patentes
adquiridas?
2 - A vossa empresa faz I&D. Têm laboratório próprio?
3 - Nas opções que fazem têm em conta o fator custo?
4 - Que mais-valias obtêm dessas inovações?
5 - Quais são os segmentos de mercado onde mais inovam?

Anexo 2
Os diferentes logótipos da Sogrape

Fonte: Google imagens adaptado pelo grupo “As Enólogas”

34 | Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA


Anexo 3
Algumas notícias sobre a Sogrape Vinhos

Mateus Rosé eleito Master de Negociação Institucional 2012


29 de Maio de 2012

Pela sua importância enquanto símbolo de Portugal no mundo, Mateus Rosé acaba de ser
distinguido pelo Instituto de Negociação e Vendas com um Master de Negociação Institucional
2012.
Salvador Guedes, Presidente da Sogrape Vinhos, recebe o galardão numa cerimónia em que
serão atribuídos ainda Masters de Negociação nas categorias Prestígio, Carreira e Profissional, e
na qual marcam presença um conjunto de agentes relevantes do tecido empresarial do país.
Os Masters da Negociação distinguem anualmente marcas, instituições, personalidades e
profissionais que se destacam por uma contribuição relevante para as dinâmicas negociais,
regendo-se por elevados padrões de profissionalismo e integridade, e assumindo-se desta forma
como um exemplo para toda a sociedade.

Fonte: Site Oficial da Sogrape Vinhos de Portugal, SA

Sogrape lança Offley Rosé


20 de Abril de 2010 por Victor Jorge

Offley Rosé é a mais recente proposta da marca detida pela Sogrape que pretende surpreender
os consumidores com um vinho inovador e versátil.
Com uma longa história na criação de Vinhos do Porto de grande qualidade, a Offley distingue-
se pela sua capacidade em adaptar o futuro à experiência do passado.
Fazendo parte da Sogrape Vinhos desde 1997, a Offley continua a reinventar-se e a promover
novas formas de consumo do tradicional Vinho do Porto, constituindo esta novidade “um sinal
de contemporaneidade, um passo para a angariação de novos e descomprometidos
consumidores”, salienta Francisco Ferreira, CEO da Sogape Vinhos.
“Com uma bonita cor rosé com nuances de violeta, Offley Rosé possui um aroma a frutos
tropicais e a madeira exótica. Na boca, apresenta-se equilibrado e fresco, destacando-se
novamente o sabor a frutos tropicais, com um final longo e elegante”.
O PVP desta novidade da Offley é de 5,49 euros.

Fonte: Site Oficial da Sogrape Vinhos de Portugal, SA

Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA | 35


Sogrape Vinhos volta a marcar presença na Essência do Vinho 2012
10 de Fevereiro de 2012

É já no próximo dia 16 de Fevereiro, até domingo dia 19, que arranca a edição 2012 da Essência
do Vinho. E a Sogrape Vinhos volta a marcar presença neste evento de referência no panorama
nacional e internacional, que reúne no emblemático Palácio da Bolsa, no Porto, curiosos e
apreciadores em torno do melhor da produção vitivinícola nacional. Para além dos habituais
stands de prova, e de uma zona de cocktails, com o Vinho do Porto Offley como protagonista, a
Sogrape Vinhos promoverá nesta edição do certame um conjunto de provas verdadeiramente
especiais a que não vai poder faltar! Esperamos por si!

Fonte: Site Oficial da Sogrape Vinhos de Portugal, SA

Sogrape Vinhos eleita Produtor Português de 2011 no International Wine and Spirit
Competition

29 de Novembro de 2011

Depois de ter visto eleito como melhor vinho do Porto o Sandeman Tawny 20 Years Old, a
Sogrape Vinhos conquista no International Wine and Spirits Competition – IWSC 2011 o troféu
de Produtor Português de 2011.
O galardão distingue a performance da empresa na última edição deste prestigiado concurso,
cuja qualidade dos vinhos se reflectiu em 28 prémios de 29 vinhos inscritos. Para além do já
referido Troféu para Melhor vinho do Porto, a Sogrape Vinhos alcançou no IWSC 2011
importantes medalhas de ouro e prata para os seus vinhos produzidos nas várias regiões
vitivinícolas nacionais.
Para a Sogrape Vinhos, este reconhecimento “constitui um estímulo para continuar a apostar na
excelência e na inovação como condições de um crescimento sustentado, que se traduz na oferta
de vinhos que se assumem como uma mais-valia para o consumidor”, afirma Francisco Ferreira,
CEO da Sogrape Vinhos.

Fonte: Site Oficial da Sogrape Vinhos de Portugal, SA

Sogrape está "ao nível das melhores do Mundo"


Revista dos EUA premeia a Sogrape como o melhor produtor de vinhos da Europa.
Troféu é hoje entregue
Publicado em 2011-01-24
Ana Paula Lima

A Sogrape recebe hoje o prémio de melhor Produtor Europeu do Ano 2010 nos EUA, atribuído
pela revista "Wine Enthusiast". Um prémio que, na categoria de vinhos de mesa, foi, pela
primeira vez, atribuído a uma empresa portuguesa.
36 | Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA
A escolha da empresa, segundo a revista norte--americana, deve-se ao percurso da Sogrape,
desde que se lançou no mercado com a marca Mateus e foi juntando ao seu portefólio marcas
poderosas como o Gazela, Grão Vasco, Sandeman, Ferreira, Offley, Callabriga, entre muitas
outras. As vendas nos EUA situavam-se nos 1,5 milhões de euros, em 2001, e hoje atingem os
16 milhões de euros, representando 10% da facturação do grupo.

Fonte: Jornal de Notícias 24/01/2011

Notícia sobre a ADVID e a Sogrape – Vinhos de Portugal, S.A

Projetos em curso: Noticia - A Sogrape Vinhos dedica importantes meios técnicos,


humanos e financeiros à área de Investigação & Desenvolvimento, tendo neste momento
em curso vários projectos que merecem destaque com vista à optimização da organização,
processo, produto e marketing.
Com uma aposta clara na Região do Douro e nos seus vinhos, a Sogrape Vinhos foi uma
apoiante incondicional desta Estratégia de Eficiência Colectiva.
Vocacionada para a exportação desde há vários séculos, esta região mostra uma clara orientação
sectorial com os seus atores a demonstrar uma consciência positiva sobre o papel da cooperação
pré-competitiva na construção de mercados e produtos de sucesso.
Em termos de investigação e desenvolvimento, este espírito de colaboração é bem evidente. Os
formidáveis desafios colocados pela operação vitícola em região montanhosa levaram à criação
de uma associação, em 1982, que durante mais de 25 anos operou uma revolução tecnológica na
região, desenvolvendo e fomentando, de forma colaborativa ou concorrencial, o
desenvolvimento de novas metodologias de produção de vinhos que, sem abdicar da sua
originalidade e qualidade, permitiram ganhos extraordinários em termos de racionalização
económica e oportunidades de mercado. A ADVID foi pioneira nos trabalhos de selecção clonal
que salvaram a Touriga Nacional da extinção, na adaptação de novos sistemas de sistematização
de vinhas de encosta às condições locais, na implementação de estratégias mais económicas e
eficazes no controlo de pragas da videira, na promoção de estratégias de viticultura sustentável
junto dos viticultores e empresas através de formação, assistência técnica e gestão de programas
de apoio. Foi por isso natural que quando o Estado Português desafiou o tecido empresarial a
constituir-se em pólos e clusters de competitividade, a Sogrape Vinhos, juntamente com outras
empresas, tenha promovido ativamente o reconhecimento de facto de um cluster pré-existente,
com provas dadas e com ambições de aumentar a sua contribuição para a actividade vitivinícola
da região do Douro. Constituiu-se, assim, o único cluster reconhecido em Portugal no setor dos
vinhos
Fonte: Site Oficial da Sogrape de Vinhos de Portugal, SA

Anexo 4
Enólogos Portugueses da Sogrape

Luís Sottomayor

Luís Sottomayor entrou em 1989, na equipa de Enologia liderada pelo mestre


Fernando Nicolau de Almeida. Estava na casa certa para poder participar na produção
dos melhores vinhos do Douro. Hoje, reconhecidas as suas capacidades e comprovada a
qualidade do seu trabalho, dirige a equipa de Enologia da Casa Ferreirinha e de todas as
marcas de Vinho do Porto da Sogrape Vinhos, responsabilidade que assumiu em Janeiro

Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA | 37


de 2003. Foi o autor do vinho Barca Velha e é com grande orgulho que mantém a
continuidade no mundo do vinho. Luís tem uma formação académica nos cursos de
Enologia pela Universidade de Dijon, na Borgonha, e pela Universidade Charles Sturt,
na Austrália, para além de uma pós-graduação em Enologia pela Escola Superior de
Biotecnologia do Porto.

Manuel Vieira

Manuel Vieira é filho de um Professor de Enologia do Instituto Superior de


Agronomia e assistente de importantes produtores nacionais. Cresceu, por isso, num
ambiente de vinhas e adegas que sempre o cativou. Em 1985 integrou a equipa de
Enologia da Ferreirinha.
Com a aquisição da Ferreira pela Sogrape, em 1987, abriram-se-lhe as portas da
região do Dão e da Quinta dos Carvalhais, onde assumiu a Direção de Enologia em
1997, e em 1989 acumulou também a responsabilidade Vinhos Verdes (Gazela, Quinta
de Azevedo e Morgadio da Torre), situação que ainda hoje se mantém.
Autor de vários vinhos novos de sucesso, como o Colheita Tardia, o Espumante
Rosé ou o Único, Manuel Vieira tem uma especial empatia pelo Quinta de Carvalhais
Encruzado.

António Graça

Integrou a formação em Engenharia Agrícola e mais tarde integrou o Curso


Superior de Enologia, na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Em 1985
António Graça respondeu a um impulso natural, pois o vinho e toda a sua envolvente
cultural e histórica sempre ocuparam um lugar de destaque numa família em que
diversas pessoas, incluindo o seu Pai, trabalharam no sector do Vinho do Porto.
Concluído o Curso Superior de Enologia com um estágio no laboratório
enológico de Michel Rolland, onde assumiu a gestão da então nova adega Chateau Le
Bon Pasteur, propriedade da família Roland em Pomerol, António Graça ingressou, em
1987, na Ferreira, na equipa de Enologia de Fernando Nicolau de Almeida, logo após a
aquisição da empresa pela Sogrape.
Desde então dirige a enologia na produção de algumas marcas de sucesso, caso
de Callabriga, exclusivamente para exportação e atividades vocacionadas para a
pesquisa científica, pelas quais revela uma especial apetência, sendo desde 2003 o
responsável máximo pelo Departamento de Investigação e Desenvolvimento da Sogrape
Vinhos - uma estrutura bem sucedida, tanto em produtos como processos
organizacionais ou de marketing.
Esta atividade de investigador de António Graça estende-se à participação, em
representação da Sogrape Vinhos, na Direção da Associação para o Desenvolvimento da
Viticultura Duriense (ADVID) sendo responsável pelo departamento de Investigação &
Desenvolvimento (I&D) da Sogrape Vinhos.

Miguel Pessanha

Miguel Pessanha sempre nutriu gosto pela Enologia, muito embora estivesse
indeciso entre Medicina e Enologia. Tendo escolhido a segunda, o futuro enólogo partiu
para Bordéus, em França, onde completou os estudos com duas licenciaturas e um
mestrado.

38 | Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA


A trabalhar para a Sogrape Vinhos desde 1988, Miguel Pessanha começou por
colaborar ativamente no processo de diversificação de toda a oferta de vinhos da
Empresa, tendo em 1999 assumido a Direção de Enologia da gama Mateus e dos vinhos
da Herdade do Peso, no Alentejo. Em 2007, assumiu a coordenação das equipas de
enologia da empresa, fruto da sua capacidade de organização e liderança.
Desafiante, tem também por objetivo elevar o prestígio e reconhecimento da
oferta da Sogrape Vinhos no Alentejo para patamares superiores atingidos noutras
regiões.

Anexo 5

Prémios Nacionais e Internacionais das marcas da Sogrape

As marcas de vinho da Sogrape têm recebido vários prémios ao longo dos anos. Apenas
destacamos o último ano do recebimento dos mesmos, pois tornaria-se muito extenso
referir todos os prémios das marcas da Sogrape.

Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA | 39


Prémios
• Medalha de Ouro – Offley Porto Late Bottled Vintage 2007 – International Wine Challenge –
Reino Unido
• Medalha de Prata – Offley Porto Late Bottled Vintage 2007 – International Wine and Spirits
Competition – Reino Unido
• Medalha de Ouro – Offley Porto Tawny 10 Anos – International Wine Challenge – Reino
Unido
• Medalha de Prata – Offley Porto Tawny 10 Anos – International Wine and Spirits
Competition – Reino Unido
• Medalha de Prata – Offley Porto Tawny 10 Anos – Decanter World Wine Awards – United
Offley Kingdom
2012 • Medalha de Prata de Excelência – Offley Porto Tawny 20 Anos – International Wine and
Spirits Competition – Reino Unido
• Medalha de Prata – Offley Porto Tawny 20 Anos – Decanter World Wine Awards – United
Kingdom
• Medalha de Prata – Offley Porto Tawny 30 Anos – Concours Mondial de Bruxelles – Portugal
• Medalha de Prata – Offley Porto Tawny 30 Anos – International Wine and Spirits
Competition – Reino Unido
• Medalha de Prata – Offley Porto Tawny 30 Anos – Decanter World Wine Awards – United
Kingdom
• Medalha de Prata – Herdade do Peso Vinha do Monte Branco 2011 – inalies Internationales –
França
• Medalha de Ouro – Herdade do Peso Vinha do Monte Branco 2011 – Challenge International
Herdade do du Vin – França
Peso • Medalha de Ouro – Herdade do Peso Reserva Tinto 2008 – Challenge International du Vin –
2012 França
• Medalha de Ouro – Herdade do Peso Reserva Tinto 2008 – Concours Mondial de Bruxelles –
Portugal
• Medalha de Prata – Herdade do Peso Colheita Tinto 2009 – Vinalies Internationales – França
• Medalha de Ouro – Herdade do Peso Colheita Tinto 2009 – Challenge International du Vin –
França
• Medalha de Prata – Herdade do Peso Colheita Tinto 2009 – International Wine and Spirits
Competition – Reino Unido
• Prémio Prestígio – Herdade do Peso Colheita Tinto 2009 – Concurso Nacional de Vinhos –
Portugal
Gazela • Medalha de Bronze – Decanter World Wine Awards – Reino Unido
2006
Mateus Rosé • Medalha de Ouro – Concours Mondial de Bruxelles – Portugal
2012
• Medalha de Prata – Casa Ferreirinha Quinta da Leda Tinto 2009 – Challenge International du
Vin – França
• Medalha de Prata – Casa Ferreirinha Quinta da Leda Tinto 2009 – International Wine
Challenge – Reino Unido
• Medalha de Prata – Casa Ferreirinha Quinta da Leda Tinto 2008 – International Wine and
Spirits Competition – Reino Unido
Casa • Medalha de Ouro – Casa Ferreirinha Quinta da Leda Tinto 2008 – Decanter World Wine
Ferreirinha Awards – Reino Unido
2012
• Medalha de Prata – Casa Ferreirinha Vinha Grande Tinto 2009 – Concours Mondial de
Bruxelles – Portugal
• Medalha de Prata – Casa Ferreirinha Vinha Grande Tinto 2009 – International Wine
Challenge – Reino Unido
• Medalha de Prata de Excelência – Casa Ferreirinha Vinha Grande Tinto 2009 – International
Wine and Spirits Competition – Reino Unido
• Medalha de Prata – Casa Ferreirinha Vinha Grande Tinto 2009 – Decanter World Wine
Awards – Reino Unido
Morgadio da • Medalha de Prata – Morgadio da Torre Alvarinho Branco 2007 – International Wine
Torre Challenge – Reino Unido
2009 • Medalha de Bronze – Morgadio da Torre Alvarinho Branco 2007 – International Wine and
Spirits Competition – Reino Unido
• Medalha de Ouro – Porto Ferreira Quinta do Porto Tawny 10 Anos – Vinalies Internationales
– França
Ferreira Porto • Medalha de Prata – Porto Ferreira Branco 10 Anos – Vinalies Internationales – França
2012 • Medalha de Ouro – Porto Ferreira Late Bottled Vintage 2007 – Challenge International du
Vin – França
• Medalha de Prata – Porto Ferreira Late Bottled Vintage 2007 – Vinalies Internationales –
França
• Medalha de Prata – Porto Ferreira Late Bottled Vintage 2007 – International Wine Challenge
– Reino Unido
• Medalha de Bronze – Quinta de Azevedo Vinho Verde Branco 2008 – International Wine

40 | Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA


Quinta de Challenge – Reino Unido
Azevedo • Medalha de Bronze – Quinta de Azevedo Vinho Verde Branco 2008 – Decanter World Wine
2009 Awards – Reino Unido
• Medalha de Prata – Quinta dos Carvalhais Touriga Nacional Tinto 2004 – Challenge
International du Vin – França
Quinta dos • Medalha de Prata – Quinta dos Carvalhais Duque de Viseu Branco 2011 – Concours Mondial
Carvalhais de Bruxelles – Portugal
2012
• Medalha de Ouro – Quinta dos Carvalhais Colheita Tinto 2009 – Concours Mondial de
Bruxelles – Portugal

• Medalha de Prata – Quinta dos Carvalhais Colheita Tinto 2009 – International Wine
Challenge – Reino Unido
• Medalha de Prata – Quinta dos Carvalhais Colheita Tinto 2009 – Decanter World Wine
Awards – Reino Unido
• Medalha de Prata – Sandeman Porto Late Bottled Vintage 2007 – Vinalies Internationales –
França
• Medalha de Prata – Sandeman Porto Late Bottled Vintage 2007 – Challenge International du
Vin – França
• Medalha de Ouro – Sandeman Porto Late Bottled Vintage 2007 – International Wine
Challenge – Reino Unido
• Medalha de Prata – Sandeman Sherry Royal Esmeralda Fine Dry – Amontillado 20 YO –
International Wine Challenge –Reino Unido
• Medalha de Prata – Sandeman Sherry Royal Corregidor Rich Old Oloroso 20 YO –
International Wine Challenge – Reino Unido
• Medalha de Prata – Sandeman Porto Tawny 10 Years Old – Vinalies Internationales – França
• Medalha de Prata de Excelência – Sandeman Porto Tawny 10 Years Old – International Wine
Sandeman and Spirits Competition – Reino Unido
2012 • Medalha de Prata – Sandeman Porto Tawny 10 Years Old – Decanter World Wine Awards –
Reino Unido
• Medalha de Prata – Sandeman Porto Tawny 20 Years Old – Challenge International du Vin –
França
• Medalha de Prata – Sandeman Porto Tawny 20 Years Old – International Wine Challenge –
Reino Unido
• Medalha de Ouro de Excelência – Sandeman Porto Tawny 20 Years Old – International Wine
and Spirits Competition – Reino Unido
• Medalha de Prata – Sandeman Porto Tawny 20 Years Old – Decanter World Wine Awards –
Reino Unido
• Medalha de Prata – Sandeman Porto Tawny 30 Years Old – Challenge International du Vin –
França
• Medalha de Ouro – Sandeman Porto Tawny 30 Years Old – Concours Mondial de Bruxelles –
Portugal
• Medalha de Prata – Sandeman Porto Tawny 30 Years Old – International Wine Challenge –
Reino Unido
• Medalha de Prata de Excelência – Sandeman Porto Tawny 30 Years Old – International Wine
and Spirits Competition – Reino Unido
• Medalha de Prata – Sandeman Porto Tawny 30 Years Old – Decanter World Wine Awards –
Reino Unido
• Medalha de Ouro – Sandeman Porto Tawny 40 Years Old – Vinalies Internationales – França
• Medalha de Ouro – Sandeman Porto Tawny 40 Years Old – Challenge International du Vin –
França
• Medalha de Ouro – Sandeman Porto Tawny 40 Years Old – Concours Mondial de Bruxelles –
Portugal
• Medalha de Ouro – Sandeman Porto Tawny 40 Years Old – International Wine Challenge –
Reino Unido
• Medalha de Prata – Sandeman Porto Tawny 40 Years Old – International Wine and Spirits
Competition – Reino Unido
• Medalha de Prata – Sandeman Porto Tawny 40 Years Old – Decanter World Wine Awards –
Reino Unido
Terra Franca • Medalha de Prata – Terra Franca Rosé 2005 – Mondial du Rosé – França
2006
Vila Regia • Medalha de Prata – Vila Regia Branco 2009 – Concurso Nacional de Vinhos Engarrafados –
2010 Portugal

Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA | 41


Anexo 6

Ficha de apresentação do vinho Mateus Rosé

42 | Estudo de Caso – Sogrape Vinhos de Portugal, SA