Você está na página 1de 29

1

MATERIAS DE
CONSTRUÇÃO MECÂNICA

Por: Camila Coelho Guimarães

2
INTRODUÇÃO
• Minério de ferro, que precisa ser processado para ser transformado em ferro
fundido ou aço.

• Os metais podem estar puros na natureza, como o ouro e a platina, ou sob a


forma de minerais, ou seja, combinações de metais com outros elementos
formando óxidos, sulfetos, hidratos, carbonatos.

• Óxidos são compostos constituídos por um elemento químico qualquer ligado ao


oxigênio. Por exemplo: Al2O3 (óxido de alumínio), Fe2O3 (hematita).

Óxido de alumínio ->


bauxita (principal
minério de alumínio)

3
INTRODUÇÃO
• Sulfetos são compostos constituídos por um elemento
químico qualquer ligado ao enxofre. Por exemplo: Cu2S.

• Hidratos são compostos que contêm água em sua


estrutura: CuSO4 - 5H2O.

4
INTRODUÇÃO

• Quando o mineral contém uma quantidade de metal e de


impurezas que compensa a exploração econômica, ele
recebe o nome de minério.

• O lugar onde esses minérios aparecem em maior


quantidade é chamado de jazida.

5
PODUÇÃO DE FERRO

• FERRO GUSA- É um material duro e quebradiço, formado


por uma liga de ferro e alto teor carbono e um pouco de
silício, manganês, fósforo e enxofre.
Punhais, espadas e
Povo chamado Hitita. armaduras
1700 a.C.
Cáucaso - Região que
divide a Ásia da Europa.

Obter o ferro-> buraco


no chão e aqueciam
mistura do minério e
carvão vegetal -> Massa
pastosa.
6
PODUÇÃO DE FERRO

• Forno semienterrado onde se colocavam camadas de


minério de ferro e carvão e no qual era soprado ar, por
um fole manual, que aumenta a combustão – maior
temperatura e eliminação do oxigênio.

• Aperfeiçoamento do processo -> insuflação de oxigênio -


> aumento da temperatura -> ferro absorvendo carbono
-> estado líquido

7
PODUÇÃO DE FERRO

• AUTOFORNO - sistema destinado a produzir ferro gusa em


estado líquido a uma temperatura em torno de 1500°C, com a
qualidade e em quantidade necessárias para o bom
andamento dos processos produtivos subsequentes.

• É um forno vertical destinado à redução (o agente redutor


(coque ou carvão vegetal) retirada de oxigênio) do minério de
ferro e sua transformação em gusa.

8
PODUÇÃO DE FERRO
O cadinho -> onde o gusa líquido é
depositado. A escória (conjunto de
impurezas que devem ser separadas do
gusa), que se forma durante o processo,

Tijolos refratários
flutua sobre o ferro que é mais pesado.
Na rampa -> a combustão e a fusão. Para
cuba
facilitar esses processos, entre o cadinho
e a rampa ficam as ventaneiras, que é por Carcaça de aço.
onde o ar pré-aquecido é soprado sob
pressão.
A cuba -> dois terços da altura total do
altoforno. rampa
cadinho
É nela que é colocada, alternadamente e
em camadas sucessivas, de minério de
ferro, carvão e os fundentes (cal, calcário)-
fluidificar as impurezas e formar uma
9
escória mais facilmente fusível..
PRODUÇÃO DE FERRO
• Quando o minério de ferro, o coque e os fundentes são
introduzidos na parte superior da rampa, algumas coisas
acontecem:

• Os óxidos de ferro sofrem redução = o oxigênio é eliminado do


minério de ferro;
• As impurezas do minério se derrete = ganga se funde;
• O gusa se funde = o ferro de primeira fusão se derrete;
• O ferro sofre carbonetação = o carbono é incorporado ao ferro
líquido;
• Certos elementos da ganga são parcialmente reduzidos =
algumas impurezas são incorporadas ao gusa.

10
PRODUÇÃO DE FERRO
À medida que o minério,
o agente redutor (coque ou carvão
vegetal) e os fundentes
(calcário ou dolomita) descem em
contra-corrente, em relação
aos gases -> redução.
Esses são o resultado da queima
do coque (basicamente, carbono) Zona de pré
com o oxigênio do ar quente (em aquecimento e
torno de 1.000°C) soprado pelas redução
ventaneiras, e que escapam da
zona de combustão,
principalmente para cima, e Zona de fusão
queimam os pedaços de coque Zona de combustão
que estão na abóbada (ou parte
superior) da zona de combustão. Gusa líquido

11
PRODUÇÃO DE FERRO
• As reações de redução, carbonetação e fusão geram: a escória
e o ferro-gusa, que são empurrados para os lados, pelos gases
que estão subindo e escorrem para o cadinho, de onde saem
pelo furo de corrida (gusa) e pelo furo da escória.

• A escória é uma espécie de massa vítrea formada pela reação


dos fundentes com algumas impurezas existentes no minério.

• Ela pode ser aproveitada para a fabricação de fertilizantes ou


de cimentos para isolantes térmicos.

12
PRODUÇÃO DE FERRO

• Os gases, que são ricos em CO, saem pela parte superior


e são recolhidos para sua utilização como combustível.

• Instalação purificadora que retira a poeira existente.

13
PODUÇÃO DE FERRO
Gera um
campo elétrico
que precipita O gás do auto
a poeira forno é
queimado
com o ar.

14
PODUÇÃO DE FERRO

• Ao sair do alto-forno, o gusa (com teor de carbono entre 3,0 e 4,5%) pode seguir
um, entre dois caminhos:
• Fundição -> peças de ferro fundido,
• Aciaria -> misturado com sucata de aço ou com outros metais, para se
transformar em aço -> ligas ferro e carbono ( - de 2,0%)

15
PODUÇÃO DE FERRO
Produção de ferro gusa
https://www.youtube.com/watch?v=Mp8nsPLXqOg

16
PODUÇÃO DE AÇO

Ferro gusa – liga de ferro-carbono + impureza (Si, Mn, P e


S)

Aço – liga de Ferro com baixos teores de C, Si, Mn, P e S.

17
PODUÇÃO DE AÇO

• Para transformar o gusa em aço -> processo de oxidação -


combinação do ferro e das impurezas com o oxigênio -
até que a concentração de carbono e das impurezas se
reduza a valores desejados.

18
PODUÇÃO DE AÇO

19
INTRODUÇÃO
• “conversores” :

• Conversor Bessemer

• Conversor Thomas

• Conversor LD (Linz Donawitz)

20
INTRODUÇÃO
Conversor Bessemer
Fundo é substituível e é cheio de
orifícios por onde entra o ar sob
pressão. Carcaça - aço.

O oxigênio do ar injetado entra em Refratário


contato com o carbono do gusa silicoso
líquido -> o óxido de ferro (FeO) (ácida)
que, por sua vez, se combina com o
silício (Si), o manganês (Mn) e o
carbono (C), eliminando as
impurezas sob a forma de escória e
gás carbônico.

21
INTRODUÇÃO
Conversor Bessemer

O aço :
• 0,10% (ou menos) de carbono,
• 0,005% de silício,
• 0,50% de manganês,
• 0,08% de fósforo e
• 0,25% de enxofre.

22
INTRODUÇÃO
Conversor Thomas

• Semelhante ao Bessemer

• Diferença -> refratário – dolomita (natureza básica), que resiste


ao ataque da escória à base de cal e, por isso, esse material
permite trabalhar com um gusa com alto teor de fósforo.

• Esse processo, porém, tem duas desvantagens: não elimina o


enxofre do gusa e o revestimento interno do forno é atacado
pelo silício. Assim, o gusa deve ter baixo teor de silício.

23
INTRODUÇÃO
Conversor LD – sopro pelo topo

• Usa também o princípio da injeção do


oxigênio.
• O oxigênio puro é soprado sob pressão na
superfície do gusa líquido -> parte de cima
do conversor.
• O jato de oxigênio é dirigido para a
superfície do gusa líquido e essa região de
contato é chamada de zona de impacto.

24
FABRICAÇÃO DO AÇO
• É nos fornos elétricos que se transforma sucata em aço

25
PODUÇÃO DE FERRO

26
27
INTRODUÇÃO
• ALOTROPIA
• Alotropia (ou polimorfismo) é o fenômeno que ocorre
quando dois cristais têm estruturas cristalinas diferentes,
mas apresentam a mesma composição.
• Dependendo de condições como pressão e temperatura,
diversos elementos e compostos químicos podem
apresentar mais de uma forma cristalina.

28
29

Você também pode gostar