Você está na página 1de 726

B iologia

Classificação dos Seres Vivos


Classificar e Nomear os Seres Vivos ............................................................................................................. 01
Espécie: a Unidade Taxonômica .................................................................................................................... 02
Reino Monera ................................................................................................................................................. 11

Í
Vírus ............................................................................................................................................................... 21
Reino Protista ................................................................................................................................................. 26
Reino Fungi .................................................................................................................................................... 40
Reino Animal .................................................................................................................................................. 45
Filo Porífero ............................................................................................................................................. 46
Filo Cnidários ou Celenterados ................................................................................................................ 49
Os Vermes ............................................................................................................................................... 56

N
Filo Platyhelminthes ........................................................................................................................... 56
Filo Nemathelminthes ........................................................................................................................ 63
Filo Annelida ............................................................................................................................................ 73
Filo Mollusca ............................................................................................................................................ 78
Filo Arthropoda ......................................................................................................................................... 84
Filo Equinodermata .................................................................................................................................. 101
Filo Chordata ........................................................................................................................................... 105

D
Nutrição e Digestão .............................................................................................................................................. 131
Sistema Cardiovascular e Linfático ...................................................................................................................... 149
Respiração ........................................................................................................................................................... 171
Regulação Osmótica e Excreção ......................................................................................................................... 183
Sistema Nervoso .................................................................................................................................................. 197
Sistema Nervoso Humano ............................................................................................................................. 202
Sistema Sensorial ................................................................................................................................................. 213

I
Movimento ............................................................................................................................................................ 229
Tipos de Músculos ......................................................................................................................................... 229
Sustentação ......................................................................................................................................................... 233
As Partes do Esqueleto .................................................................................................................................. 234
Revestimento ........................................................................................................................................................ 238
Sistema Endócrino ............................................................................................................................................... 243
Sistema Reprodutor Humano ............................................................................................................................... 255

C
Embriologia Animal ............................................................................................................................................... 263
Histologia Animal – Tipos de Tecidos ................................................................................................................... 285
Citologia .............................................................................................................................................................. 297
Composição Química das Células ....................................................................................................................... 301
Ácidos Nucleicos .................................................................................................................................................. 325
O Código Genético e a Síntese de Proteínas ...................................................................................................... 333
Estrutura Celular ................................................................................................................................................... 342
Envoltórios Celulares / A Membrana Plasmática .................................................................................................. 359

E
Metabolismo Energético ....................................................................................................................................... 367
O Núcleo Celular .................................................................................................................................................. 379
Divisão Celular ..................................................................................................................................................... 395
Gametogênese ..................................................................................................................................................... 416
Genética - Introdução .......................................................................................................................................... 421
A Primeira Lei de Mendel ..................................................................................................................................... 425
Sistemas Sanguíneos ........................................................................................................................................... 443
A Segunda Lei de Mendel .................................................................................................................................... 454
Ligação Gênica .................................................................................................................................................... 463
Pleiotropia e Interação Gênica ............................................................................................................................. 473
Herança Ligada ao Sexo ...................................................................................................................................... 485
Mutações .............................................................................................................................................................. 499
A Origem da Vida ................................................................................................................................................. 509
A Origem das Espécies ........................................................................................................................................ 521
Evolução ............................................................................................................................................................... 541
Ecologia ............................................................................................................................................................... 553
Cadeias e Teias Alimentares ................................................................................................................................ 560
Ciclos de Matéria .................................................................................................................................................. 572
Interações Ecológicas .......................................................................................................................................... 579
Dinâmica de Populações ...................................................................................................................................... 592
Sucessão Ecológica ............................................................................................................................................. 595
Aspectos da Poluição ........................................................................................................................................... 602
O Reino das Plantas ............................................................................................................................................. 617
Histologia Vegetal ................................................................................................................................................. 630
Reprodução Vegetal ............................................................................................................................................. 651
Nutrição Vegetal ................................................................................................................................................... 670
Transpiração e Transporte de Seiva .................................................................................................................... 689
Transpiração Vegetal ..................................................................................................................................... 689
Condução de Seivas ...................................................................................................................................... 693
Controle e Integração ........................................................................................................................................... 700
Os Hormônios Vegetais ................................................................................................................................. 700
Movimentos Vegetais ..................................................................................................................................... 704
Gabaritos .............................................................................................................................................................. 711

Todos os direitos reservados a CPV Editora Ltda.


Rua Domingos Lopes da Silva, 34
Telefone: (11) 3740-2115
CEP: 05641-030 - São Paulo - SP
COPYRIGHT
a a
© 2003 CPV Editora Ltda
3 edição / 3 reimpressão
BIologIa 1

ClassifiCação dos seres ViVos


Introdução Organismos de:
espécies semelhantes foram reunidos em gêneros;
A diversidade de seres vivos do planeta Terra é tão grande que
gêneros semelhantes foram reunidos em ordens;
ela precisa ser organizada. Para isso, temos que classificar,
ordens semelhantes foram reunidas em classes;
ou seja, organizar os seres vivos em grupos, de acordo com
classes semelhantes formavam um reino.
suas afinidades. Para que eles possam ser identificados, lhes
damos nomes. Esses grupos chamam-se categorias taxonômicas ou táxons.

Classificação artificial é a que fazemos quando adotamos Taxonomia é a atividade de classificar e nomear os seres vivos.
critérios sobre um conhecimento superficial dos objetos. Para Lineu, quanto maior o grau de abrangência do grupo,
mais genéricos são os critérios de comparação, ou seja, para
Classificação natural (mais coerente) é a que fazemos quando agrupar espécies em gêneros, é preciso conhecer detalhes
adotamos critérios mais apropriados à natureza e características mais minuciosos sobre seus componentes, o que exige um
dos objetos, porque temos um conhecimento mais detalhado conhecimento bastante detalhado dos organismos. Lineu chegou
sobre eles. a descrever aproximadamente 4200 tipos ou espécies de animais.

Não existem classificações certas ou erradas, mas sim mais Atualmente, os conhecimentos adquiridos sobre Anatomia,
ou menos adequadas e coerentes, de acordo com o nível de Fisiologia, Embriologia, Bioquímica e distribuição geográfica
conhecimento daquilo que se está classificando. Ao estudar os dos organismos são bem maiores do que na época de Lineu. Hoje
seres vivos, que são estruturalmente muito ricos e cheios de estão oficialmente descritas mais de 1.500.000 espécies. Por isso,
detalhes, é necessário observá-los com atenção e sua descrição os biólogos aperfeiçoaram o trabalho de Lineu e aumentaram
deve ser minuciosa. o número de categorias taxonômicas de 5 para 7, introduzindo
as categorias filo (como subdivisão de reino) e família (como
subdivisão de ordem). Observe as categorias taxonômicas,
ClassIfICar e nomear os seres vIvos enumeradas da mais para menos abrangente.
REINO
Vamos ver como Aristóteles classificou os seres vivos na FILO
Antiguidade e como Lineu fez o mesmo trabalho, cerca de CLASSE
1500 anos mais tarde, quando já possuía mais conhecimentos. ORDEM
FAMÍLIA
Aristóteles (384-322 a.C.) classificou os seres vivos usando GÊNERO
como critério o seu ambiente característico. Dividiu-os em ESPÉCIE
três grupos de animais: os que voam, os que nadam e os que
caminham ou rastejam. Para Aristóteles, provavelmente um Esse número de categorias ainda pode ser ampliado, de acordo
morcego era mais semelhante a um beija-flor do que a um lobo. com o nível de detalhamento requerido para determinado grupo.
Hoje, sabemos que morcegos têm mais características comuns Em geral, cada categoria pode ser dividida em subcategorias,
com lobos (ambos são mamíferos) do que com beija-flores como por exemplo subfilos, subclasses, subespécies. Além
(que são aves). Mas Aristóteles não dispunha de métodos de disso, as categorias podem ser agrupadas em supercategorias,
observação e estudo adequados, que só foram criados séculos como por exemplo reunindo algumas ordens numa superordem.
mais tarde.
Autores diferentes podem adotar diferentes classificações de
Carl von Linée (1707-1778), Lineu, naturalista do século um mesmo conjunto de organismos, de acordo com o grau
XVIII, já tinha à sua disposição mais informações sobre as de detalhamento que empregam em seus estudos. Existem,
características (principalmente anatômicas) dos organismos ainda, opiniões diferentes sobre questões relativas a certas
vivos do que Aristóteles. Para classificar os seres vivos, reuniu- características de grupos, que podem produzir diferenças nos
os em grupos e subgrupos, de acordo com seu grau de afinidade. critérios de classificação.

O professor fará, em classe, apenas os exercícios que considerar necessários e suficientes para o bom entendimento dos conceitos apresentados. Biogui10 CPV
Todos os demais exercícios deverão ser feitos em casa pelo aluno.
2 BIologIa

espéCIe: a unIdade taxonômICa Mas a evolução dos seres vivos não é um fenômeno que pode ser
observado diretamente, pois é um processo que ocorre lentamente, ao
A palavra espécie vem do latim species, que significa longo de bilhões de anos. Na maioria das vezes, as relações de origem
tipo. Pode ser considerada a categoria taxonômica entre os seres vivos se perdem no tempo, em meio a uma diversidade
unitária, a base do sistema de classificação. É o grupo de estonteante de espécies, cuja maioria desapareceu sem deixar
menor abrangência: organismos da mesma espécie são vestígios, e o trabalho dos biólogos fica semelhante a uma investigação
extremamente semelhantes. policial: a procura de evidências que possam confirmar hipóteses que,
Mas, qual é o grau de semelhança que os organismos devem por sua vez, são imaginadas a partir de observações preliminares.
apresentar para serem considerados de uma mesma espécie? A descoberta de novas evidências pode alterar, muitas vezes
Essa é uma questão complexa, que ainda divide opiniões. profundamente, hipóteses consideradas bem consolidadas.
Mas há uma definição aceita como geralmente aplicável. Por isso, a classificação dos organismos sofre constantes mudanças e
Organismos de uma mesma espécie se cruzam e não pode ser considerada definitiva. Comparando a classificação dos
produzem descendentes férteis em condições naturais. seres vivos de 1950 com uma mais atual, nota-se um considerável
nível de divergência.
A compatibilidade reprodutiva é um indicativo
razoavelmente seguro de que estamos diante de um grupo a nomenClatura BInomIal
de organismos que apresenta um nível alto de semelhanças.
Mas essa definição só pode ser aplicada para organismos de Para distinguir organismos de diferentes espécies, cada uma deve ter
reprodução sexuada. Entretanto, qualquer outra definição um nome exclusivo. Para assegurar a comunicação de informações e
existente para espécie trará algum inconveniente. evitar que organismos de mesma espécie tenham nomes diferentes,
foram consagradas algumas regras de nomenclatura.
Organismos de uma espécie podem apresentar uma
diversidade de características que justifique uma divisão No século XVII adotou-se a nomenclatura binomial. Lineu
em subespécies. generalizou essa prática para todos os seres vivos e, além disso,
propôs uma regra que indexa a nomenclatura e a classificação:
ClassIfICação e evolução
o primeiro nome refere-se ao gênero;
Lineu era fixista, ou seja, acreditava que as espécies não se o segundo nome chama-se epíteto específico e refere-se à espécie.
transformavam e que o número de espécies não se alterava
ao longo do tempo: achava que elas sempre existiram da Exemplo: a Drosophila melanogasther é uma espécie do gênero
mesma forma como as encontrou em sua época. Drosophila, que abrange várias outras espécies. Quando alguém
encontra uma espécie ainda não descrita, ganha o direito de nomeá-la,
Cerca de um século depois que Lineu propôs sua devendo classificar o organismo desde reino até o gênero. O nome da
classificação, Charles Darwin (1809-1882) elaborou espécie é informativo, pois trás em si a classificação do organismo.
a Teoria da Seleção Natural, cujo desenvolvimento
provocou mudanças na taxonomia. O nome do gênero deve ser escrito com letra inicial maiúscula e
deve, preferencialmente, ser um substantivo.
Do ponto de vista da atual teoria da evolução, semelhanças
consistentes entre organismos revelam uma origem evolutiva O nome da espécie deve ter inicial minúscula e ser um adjetivo.
comum. A classificação atual procura reproduzir a filogenia,
Organismos de espécies diferentes podem ser designados com
ou seja, as afinidades evolutivas em seus diferentes graus.
o mesmo epíteto específico, assim como substantivos diferentes
Assim, quando Lineu classificava um conjunto de espécies podem receber o mesmo adjetivo. Portanto, escrever o último nome
num mesmo gênero, estava apenas admitindo que estas isoladamente não tem sentido, pois seria como tentar descrever
espécies guardavam um certo nível de semelhanças entre si. algo apenas pelo adjetivo. Por exemplo, Musca domestica (mosca
Atualmente, a classificação filogenética atribui aos grupos comum) e Passer domesticus (uma espécie de pardal) são espécies
(gênero, família ou outra categoria qualquer) uma origem diferentes que usam o mesmo epíteto específico. Tentar se referir à
evolutiva comum e exclusiva. Por exemplo, se incluímos mosca como “doméstica” seria inútil.
um certo número de espécies num mesmo gênero, deve-se O idioma utilizado é o latim, por tradição e também por questão
ter evidências de que elas evoluíram de uma mesma espécie prática, pois facilita a comunicação internacional.
ancestral que, por sua vez, originou apenas aquelas espécies.
Da mesma forma, se colocamos um certo número de gêneros Ao se escrever o nome científico, deve-se destacá-lo com itálico.
numa mesma família, estamos admitindo que houve um A descrição de uma subespécie deve ser feita por meio de um
ancestral que lhes é comum e exclusivo e, por isso, devem trinômio, no qual os dois primeiros nomes correspondem à espécie
figurar numa mesma família. A classificação filogenética e o último designa a subespécie.
deve, portanto, reproduzir a evolução dos seres vivos. Exemplo: Homo sapiens sapiens (o homem moderno) e
Árvores filogenéticas são esquemas que representam as Homo sapiens neanderthalensis (homem de Neanderthal), subspécie
relações filogenéticas dos grupos de seres vivos. já extinta.

CPV BioGUI10
BIologIa 3

os reInos

Desde Lineu, a Biologia progrediu muito. Ampliou-se enormemente o número de espécies descritas e o conhecimento sobre todos
os aspectos anatômicos e funcionais. As relações filogenéticas são hoje melhor conhecidas do que à época de Darwin.

Tudo isso provocou mudanças significativas na classificação dos seres vivos. Atualmente, já não adotamos mais a divisão em apenas
2 reinos. Adotaremos em nosso estudo a divisão em 5 reinos, embora alguns biólogos cheguem a propor a utilização 10 reinos.

A divisão mais fundamental dos seres vivos é entre procariontes e eucariontes.

Os primeiros organismos vivos teriam originado as bactérias.

De um grupo de bactérias surgiram as primeiras células eucarióticas. Um grupo delas incorporou bactérias fotossintetizantes, que
originaram cloroplastos, formando as algas. De um grupo de algas (clorófitas) originaram-se as plantas terrestres.

Dos eucariontes unicelulares que não incorporaram clorofila originaram-se os grupos de heterótrofos, fungos e animais.

Esse resumo superficial do roteiro evolutivo


REINO REINO REINO REINO REINO REINO
permite entender melhor a classificação dos MONERA FUNGOS PROTISTA VEGETAL PROTISTA ANIMAL
organismos em 5 reinos.
Algas Protozoários

reino monera
Agrupa os organismos procariontes, ou seja as
bactérias.
ARCHAEbACTéRIA
EUbACTéRIA

reino protista
Agrupa os eucariontes mais primitivos, como os
protozoários e as algas.

reino fungo
Engloba organismos heterótrofos (uni ou
pluricelulares).

reino vegetal
Reúne organismos fotossintetizantes
(pluricelulares) com alto grau de diversidade celular
que resulta em tecidos bem definidos que, por sua
vez, formam órgãos vegetais.
Ancestral
reino animal eucarionte
Agrupa organismos heterótrofos (pluricelulares), (unicelulares)
com células bastante diferenciadas, que se agrupam
em tecidos e órgãos bem definidos.

Embora a classificação em 5 reinos seja bem mais


precisa do que em 2 reinos, os problemas não
terminaram, pois há grupos de organismos que
poderiam ser classificados de formas diferentes,
Ancestral
segundo os critérios adotados por um ou outro procarionte
biólogo.
Árvore filogenética que mostra as possíveis relações evolutivas entre os grandes
A seguir, faremos uma descrição mais completa de grupos de seres vivos. O reino Protista reúne algas e protozoários.
cada um dos reinos.

BioGUI10 CPV
4 BIologIa

reIno monera reIno protIsta


O reino Monera engloba todos os organismos procariontes. O reino Protista engloba organismos eucariontes mais
· Seu padrão celular é bastante simples, se comparado ao padrão primitivos. Na verdade, existe considerável discordância
estrutural e funcional das células eucarióticas. sobre a composição desse reino, porque não se tem certeza
· Não apresentam compartimento delimitado por membrana de haver, ou não, um ancestral exclusivo para todos os seus
envolvendo o cromossomo (núcleo), como as células eucarióticas. componentes. É possível que haja mais de uma linhagem
· Seu cromossomo é único e de organização bem mais simples que evolutiva dentro desse grupo, o que justificaria sua divisão
os cromossomos dos eucariontes (normalmente múltiplos). em dois ou mais reinos.
· O citoplasma não apresenta organoides membranosos nem
microtúbulos. Embora muitos autores considerem que o reino Protista
· Quanto à nutrição, a maioria é heterótrofa, embora existam deva agrupar, além dos eucariontes unicelulares, também
autótrofos foto e quimiossintetizantes. as algas pluricelulares e as esponjas-do-mar, em nosso
· São unicelulares individuais ou formam agrupamentos simples, estudo optamos por considerar nesse reino apenas os
chamados colônias bacterianas. eucariontes unicelulares. Sua diversidade é considerável.
· São dotados de parede celular sem a presença de celulose, como
é típico em células vegetais. Há os heterótrofos chamados de protozoários. Como
· A reprodução é predominantemente por divisão celular, embora muitas espécies apresentam capacidade de locomoção,
ocorram formas de reprodução sexuada em vários grupos. foram considerados animais unicelulares enquanto havia
apenas dois reinos. Por isso, criou-se uma tradição,
Apesar de sua simplicidade estrutural, sua diversidade é grande e até hoje respeitada, de serem estudados em Zoologia.
os critérios para classificação baseiam-se em sua heterogeneidade Suas células são especialmente dotadas, apresentando
bioquímica. As bactérias são muito importantes para a manutenção alguns componentes não encontrados em células de
do equilíbrio ambiental e para a saúde humana. organismos pluricelulares. São sésseis (sem locomoção)
Muitas espécies são parasitas do homem, causando doenças ou móveis (movimentam-se por meio de flagelos, cílios
epidêmicas e endêmicas, como cólera, tuberculose, hanseníase, e pseudópodes). São individuais ou coloniais, com
sífilis etc. reprodução assexuada (por divisão mitótica) ou sexuada,
Outras espécies trazem benefícios, como as que formam a nossa com várias estratégias de recombinação. Alguns são
flora intestinal; várias são utilizadas industrialmente na produção parasitas do homem, causando doenças como a malária,
de derivados do leite (lactobacilos) e produtos farmacêuticos. doença de Chagas, leishmaniose e outras.
Foram muito utilizadas nas pesquisas envolvendo DNA: há muitos
laboratórios produzindo importantes medicamentos com bactérias As algas são autótrofas fotossintetizantes, dotadas de
transgênicas, como insulina para diabéticos. cloroplastos, com clorofila e vários outros pigmentos
relacionados à fotossíntese.
As cianobactérias são fotossintetizantes, dotadas de clorofila, e
estão presentes em grandes densidades nos oceanos e águas doces As algas unicelulares são abundantes nos oceanos, rios e
por todo o planeta. São valiosas como base das cadeias alimentares lagos, importantes componentes das cadeias alimentares
dos ecossistemas aquáticos. Durante algum tempo, foram descritas aquáticas e produtoras de oxigênio, inclusive para o
como algas azuis, devido à presença de um pigmento azulado, a ambiente terrestre.
cianina, que auxilia a atividade fotossintética.

Cianobactérias vistas ao microscópio.


Nas últimas décadas, o avanço das pesquisas evidenciou uma divisão
fundamental em dois grupos: eubactérias e arqueobactérias.
Muitos biólogos consideram que o grau de diversidade entre esses
dois grupos é suficientemente grande para agrupá-las em dois reinos
diferentes: o reino Eubacteria e o reino Archaebactéria. Alga Unicelular vista ao microscópio.

CPV BioGUI10
BIologIa 5

As algas pluricelulares apresentam grau de diferenciação reIno vegetal ou plantae


celular modesto. Seus corpos são homogêneos, não apresentando
O reino Vegetal engloba as plantas terrestres. São os
órgãos especializados. Há diversas formas de reprodução
clorofilados com elevado grau de diferenciação celular, vários
assexuada e sexuada.
tipos de tecidos e órgãos especializados.
A trajetória evolutiva desse grupo se confunde com a conquista
do ambiente terrestre por parte dos seres fotossintetizantes.
Sua adaptação ao ambiente terrestre foi conquistada por meio
de aquisições anatômicas e fisiológicas, que permitiram sua
dispersão. Na verdade, a colonização do ambiente terrestre
modificou toda a superfície do planeta, produzindo as condições
necessárias para a explosão da vida fora da água.
As plantas são encontradas em locais úmidos, algumas são
aquáticas, outras sobrevivem em locais extremamente secos,
como desertos áridos.
Podem ser muito pequenas e delicadas, ou monstruosamente
grandes e resistentes.
Alga parda – sargaço.
Os estilos de reprodução são exemplos de adaptação, variando
entre a capacidade de regeneração e a alternância de gerações
reIno dos fungos sexuadas e assexuadas.
Inicialmente, os fungos foram colocados no reino vegetal. Alguns exemplos: musgos, samabaias, pinheiros e plantas com
Depois, passaram para o reino Protista e, finalmente, ganharam fruto, como coqueiro e cana-de-açúcar.
um reino específico. Essa trajetória está ligada a suas
Sua importância econômica é enorme como fonte de alimento
características intermediárias e à gradativa descoberta de grande
(quase todas as plantas cultivadas), como matéria-prima (como
diversidade de espécies relacionadas a um ancestral comum
a madeira e a borracha), como substâncias farmacêuticas
e exclusivo. São heterótrofos e tipicamente se alimentam
(como o boldo e o hortelã); na decoração, como componentes
de matéria orgânica morta. Juntamente com certas bactérias,
ornamentais (com suas flores).
atuam como decompositores nos ecossistemas aquáticos e
terrestres. Há fungos uni e pluricelulares, estes últimos com Nos ecossistemas terrestres, alimentam os animais e estabilizam
uma diferenciação celular reduzida, como a das algas. As formas o clima do planeta. Boa parte dos problemas ambientais estão
de reprodução diversificam-se entre estratégias sexuadas e relacionados à devastação irracional das coberturas vegetais
assexuadas. Normalmente são encontrados em locais úmidos originais e às formas não sustentadas de exploração destes
e sombrios, onde se alimentam, eliminando enzimas sobre o recursos.
alimento e absorvendo os produtos de digestão. Sua diversidade
é surpreendente: há espécies parasitas do homem, causando as
famosas micoses; outras são comestíveis, como os cogumelos;
outras produzem toxinas letais; outras, como os bolores, causam
prejuízos por estragarem alimentos.

Cogumelo Pão embolorado Samambaia

BioGUI10 CPV
6 BIologIa

reIno anImal os vírus


Os animais são os heterótrofos mais sofisticados. Com alto grau Diferenciados dos demais organismos, os vírus são seres
de diferenciação celular, apresentam tecidos especializados acelulares: não apresentam o padrão celular de organização
que formam grande diversidade de órgãos e sistemas de grande dos demais. São constituídos de uma cápsula proteica que
complexidade anatômica e fisiológica. Sua evolução começou envolve pequenas moléculas de ácidos nucleicos. Estão
em ambiente aquático e perseguiram os vegetais na ocupação ativos somente quando encontram células as quais invadem e
do ambiente terrestre. Alcançaram capacidade de sobreviver dominam, utilizando seus componentes para sua multiplicação.
em ambientes inóspitos (como os polos ou os desertos). Nos Fora das células vivas, são eliminados ou comportam-se como
locais onde as condições são favoráveis, diversificaram-se em partículas inertes. Esse estilo de vida os torna perigosos para
milhões de formas diferentes de vida. Quanto à reprodução, os organismos celulares, pois para sua reprodução alteram o
desenvolveram estratégias assexuadas e sexuadas. Como metabolismo das células hospedeiras e provocam doenças
exemplos, podemos citar qualquer bicho que você já tenha como gripe, poliomielite e outras devastadoras, como a AIDS.
avistado e muitos outros que você provavelmente nem imagina Não se classificam em nenhum reino e serão estudados como
que possam existir. As esponjas estão entre os mais primitivos, seres à parte dos demais.
águas-vivas, vermes, os bichos com várias pernas (insetos,
aracnídeos, crustáceos), entre os invertebrados. Quanto aos
vertebrados, temos os peixes, sapos, crocodilos, as aves e
nós: os mamíferos. São indispensáveis à sobrevivência da
espécie humana como fonte de alimento, de matérias-primas
(óleo de baleia, couros e outros tipos de peles), de substâncias
farmacêuticas etc. Há também os parasitas (mosquitos e pulgas),
os que tornam a vida mais bela (as aves) e os que nos ameaçam
(as lombrigas e as tênias).

Vírus da gripe.

Piranha

Vírus da AIDS.
Cavalo

Joaninha

Polvo Vírus da gripe aviária.

CPV BioGUI10
BIologIa 7

Árvore fIlogenétICa Com as relações evolutIvas entre os grandes grupos de seres vIvos

REinO AnimAl REinO VEGEtAl REinO FUnGi

artrópodes
anelídeos

equinodermos

briófitas
pteridófitas cogumelos

moluscos
cordados

algas
verdes
(clorófitas)
platelmintes levedura
algas pardas
(feófitas)
nematelmintes
bolor

algas
poríferos douradas
(crisófitas)
algas vermelhas
celenterados (rodófitas) ORGAniSmOS
EUCARiOntES
mU ltiCElUlARES

REinO PROtiStA

algas unicelulares
ORGAniSmOS
protozoários
EUCARiOntES
UniCElUlARES

REinO mOnERA

cianobactérias
bactérias
ORGAniSmOS
PROCARiOntES
Ancestral comum

BioGUI10 CPV
8 BIologIa

exerCíCIos 03. (FATEC-SP/2012) A figura representa uma árvore filogenética,


referente à classificação dos seres vivos em cinco reinos, bem
01. (UFG -GO/2012) Leia a tirinha a seguir. como alguns seres vivos pertencentes a cada um desses reinos.
Ei... Susie! me ajuda a inventar Psiu! A gente não tendo uma conversa
uns nomes científicos pros deve conversar agradável, senhorita
insetos enquanto a professora durante a aula. Faz Derkins?
não está olhando. isso sozinho.

Para nomear cientificamente seus insetos de acordo com o


sistema binominal de nomenclatura estabelecido por Lineu,
Calvin deverá utilizar primeiro um epíteto:

a) genérico para indicar o gênero, seguido do epíteto específico


para indicar a espécie.
b) genérico para indicar a família, seguido do epíteto específico
para indicar o gênero. Pensando nas características de alguns seres representados na
c) genérico para indicar a espécie, seguido do epíteto específico árvore filogenética, é correto afirmar que o reino:
para indicar o gênero.
a) Animalia agrupa os seres vivos unicelulares e
d) específico para indicar o gênero, seguido do epíteto genérico pluricelulares, organizados em vertebrados e invertebrados.
para indicar a família. b) Fungi é formado por seres vivos autótrofos, como os
e) específico para indicar a espécie, seguido do epíteto genérico cogumelos e os bolores.
para indicar o gênero. c) Protoctista reúne as algas e os protozoários exclusivamente
pluricelulares.
02. (ENEM/2011) Os Bichinhos e O Homem d) Monera inclui as bactérias que não têm núcleo e nem material
Nossa irmã, a mosca genético.
É feia e tosca e) Plantae agrupa seres vivos pluricelulares, clorofilados e
Enquanto que o mosquito eucariontes.
É mais bonito
Nosso irmão besouro 04. (UE-CE/2010) Ao longo da história, muitos sistemas para a
Que é feito de couro classificação dos seres vivos foram propostos, mas até hoje
Mal sabe voar essa questão continua controversa e muitos organismos ainda
Nossa irmã, a barata não se encontram colocados nos grupos mais adequados.
Bichinha mais chata O sistema atual de classificação utiliza o Sistema Binomial de
É prima da borboleta Nomenclatura, proposto por Lineu e, segundo essa proposta, o
Que é uma careta cão doméstico (Canis familiaris), o lobo (Canis lupus) e o coiote
Nosso irmão, o grilo (Canis latrans) pertencem a uma mesma categoria taxonômica.
Que vive dando estrilo
Esses animais fazem parte de um(a) mesmo(a):
Só pra chatear
Arca de Noé, Toquinho & Vinicius de Moraes
a) gênero.
b) espécie.
O poema acima sugere a existência de relações de afinidade c) raça.
entre os animais citados e nós, seres humanos. Respeitando a d) família.
liberdade poética dos autores, a unidade taxonômica que expressa 05. (PUC-PR) O palmito-juçara e o açaí têm como nomes científicos
a afinidade entre nós e estes animais é: Euterpe edulis e Euterpe oleracea, respectivamente.
a) o filo. Pode-se dizer que ambos apresentam os mesmos níveis
b) o reino. taxonômicos, exceto:
c) a classe. a) Gênero.
d) a família. b) Família.
e) a espécie. c) Ordem.
d) Divisão.
e) Espécie.

CPV BioGUI10
BIologIa 9

06. (UEPG-PR/2010) Em 1735, o botânico sueco Lineu publicou o 08. (UFSM-RS) A Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa
trabalho Systema naturae, no qual propôs a classificação dos seres Agropecuária) possui a tecnologia para manipulação de
vivos em grupos, hoje chamados táxons, que constituem uma espécies vegetais que, além de alimentos, garantem a saúde
hierarquia. dos consumidores. Veja alguns exemplos:
As categorias taxonômicas por ele propostas ainda são mantidas até — tomate com mais pigmento do tipo licopeno, que previne
os dias atuais, com algumas poucas modificações. o câncer de próstata, além de ser poderoso antioxidante;
Sobre seu trabalho e a taxonomia atual assinale o que for correto. — melancias de cores variadas, sem sementes e ricas
01. A sequência correta para as categorias taxonômicas atualmente em vitamina A e antioxidantes, que amenizam o
é: reino – classe – filo – ordem – gênero – família – espécie. envelhecimento da pele;
02. O critério básico da classificação de Lineu, quando ainda não — cenoura com 80% a mais de betacaroteno, pigmento
havia surgido a teoria da evolução biológica, era a semelhança que se converte em vitamina A no organismo humano.
anatômica entre os organismos, pois as espécies eram consideradas Revista Isto É.
tipos padrões e imutáveis, conceito este chamado de fixismo.
A palavra licopeno, citada na reportagem, é uma referência
04. Em vez de serem "tipo" imutáveis, caracterizados apenas pela
ao nome científico do tomateiro - Lycopersicum esculentum
anatomia, as espécies são hoje classificadas segundo critérios
da família das Solanaceae.
fisiológicos, embriológicos, bioquímicos, genéticos e ecológicos,
que podem revelar mais corretamente seus parentescos naturais Assinale a alternativa que apresenta as categorias
e evolutivos. taxonômicas referidas, organizadas em ordem de
08. Atualmente foram acrescentados mais dois táxons às categorias complexidade crescente.
taxonômicas propostas por Lineu: o filo e a família.
16. Nesse sistema de classificação havia dois grandes grupos: reino a) Lycopersicum esculentum Solanaceae Lycopersicum
vegetal e reino animal. Dentro de cada reino eram reunidas várias b) Lycopersicum esculentum Lycopersicum Solanaceae
classes; numa classe, várias ordens; numa ordem, vários gêneros c) Lycopersicum Lycopersicum esculentum Solanaceae
e num gênero, várias espécies. d) Solanaceae Lycopersicum esculentum Lycopersicum
Soma das afirmações corretas: e) Solanaceae Lycopersicum Lycopersicum esculentum

07. (UF-PR) O conhecimento da biodiversidade é fundamental para sua 09. (CEFET-MG) No sistema binomial de nomenclatura
conservação e para o uso sustentável. No entanto, a biodiversidade estabelecido por Lineu, o nome científico Felis catus aplica-se
sobre a Terra é tão grande que, para estudá-la, faz-se necessário a todos os gatos domésticos como angorás, siameses, persas.
inicialmente nomeá-la. Os seres vivos não podem ser discutidos ou O gato selvagem (Felis silvestris), o lince (Felis lynx)
tratados de maneira científica sem que sejam denominados e descritos e o puma ou suçuarana (Felis concolor) são espécies
previamente. Os nomes científicos dão um significado universal relacionadas ao gato.
de comunicação, uma linguagem essencial do conhecimento da A única categoria taxonômica que não inclui todos os
biodiversidade, servindo também como um banco de dados único de animais citados é a (o):
informação. É inerente ao ser humano a necessidade de organização
dos objetos em grupos, simplificando a informação a fim de facilitar a) filo.
seu entendimento. Nesse contexto se insere a classificação biológica. b) reino.
c) classe.
Considere as afirmativas a seguir, correlacionadas com o texto acima: d) espécie.
1. As categorias taxonômicas são, em ordem hierárquica: Reino,
Filo, Família, Ordem, Classe, Gênero e Espécie. 10. (UF-RS) Considere os quatro táxons a seguir relacionados.
2. Os seres vivos estão distribuídos nos seguintes reinos: Monera, 1. Bufo dorbignyi
Protista, Fungi, Metaphyta (Plantae) e Metazoa (Animalia). 2. Lystrophis dorbignyi
3. A partir do texto, deduz-se que as regras de nomenclatura garantem 3. Didelphis albiventris
uma única linguagem universal da informação biológica. 4. Didelphis marsupialis
4. O processo de identificação de um ser vivo consiste em estabelecer
uma correlação de identidade entre o exemplar objeto da Em relação a eles, é correto afirmar que:
identificação e aquele que já foi classificado, definindo assim a) todos pertencem à mesma espécie.
seu nome científico. b) há, entre os quatro táxons, apenas duas espécies
Assinale a alternativa correta. diferentes.
c) os táxons 1 e 2 são de gêneros diferentes, mas da mesma
a) Somente as afirmativas 2 e 3 são verdadeiras. espécie.
b) Somente as afirmativas 2, 3 e 4 são verdadeiras. d) os táxons 3 e 4 são de espécies diferentes, mas do
c) Somente as afirmativas 1, 3 e 4 são verdadeiras. mesmo gênero.
d) Somente as afirmativas 1 e 2 são verdadeiras. e) os táxons 1 e 2 são da mesma subespécie.
e) Somente as afirmativas 1 e 4 são verdadeiras.

BioGUI10 CPV
10 BIologIa

11. (UFPEL-RS) Carl von Linné (1707-1778), denominado Lineu, 14. (UNESP) No ano de 1500, os portugueses já se referiam ao Brasil
em Português, através de sua obra Systema Naturae, propôs uma como a “Terra dos Papagaios”, incluindo nessa designação os
forma de denominar os seres vivos por intermédio do que chamou papagaios, araras e periquitos. Estas aves pertencem a uma mesma
de “unidade básica de classificação” ou ESPÉCIE. família da ordem Psittaciformes. Dentre elas, pode-se citar:
Como exemplo, a ave Araras Papagaios Periquitos
conhecida popularmente como
quero-quero é classificada, segundo Arara-vermelha Papagaio-verdadeiro Periquito-de-cabeça-azul
o modelo de Lineu, como Vanellus Ara chioroptera Amazona aestiva Aratinga acuticaudata
chilensis. Arara-canga Papagaio-de-cara-roxa Periquito-rei
Ara macau Amazona brasiliensis Aratinga aurea
De acordo com esses conceitos, analise
as afirmativas a seguir. Arara-canindé Papagaio-chauá Periquito-da-caatinga
Ara ararauna Amazona rhodocorytha Aratinga cactorum
I. O nome específico de um organismo é sempre composto de duas
palavras: a primeira designa o gênero e a segunda, a espécie. O grupo de aves relacionadas compreende:
II. O nome específico do quero-quero é chilensis e o nome genérico a) 3 espécies e 3 gêneros.
é Vanellus. b) 9 espécies e 3 gêneros.
III. O nome específico do quero-quero é binominal e Vanellus é c) 3 espécies de uma única família.
seu epíteto específico. d) 9 espécies de um mesmo gênero.
IV. O nome específico do quero-quero é binominal e Chilensis, e) 3 espécies de uma única ordem.
assim escrito, é seu epíteto específico.
V. A espécie Vanellus chilensis inclui o gênero seguido de seu 15. (UNESP) Alunos de uma escola, em visita ao zoológico, deveriam
epíteto específico: chilensis. escolher uma das espécies em exposição e pesquisar sobre seus
Estão corretas apenas as afirmativas: hábitos, alimentação, distribuição etc.

a) II e III. b) IV e V. c) II e IV. No setor dos macacos, um dos alunos ficou impressionado com a
d) I e III. e) II e V. beleza e agilidade dos macacos-pregos. No recinto desses animais
havia uma placa com a identificação:
12. (PUCCamp-SP) As imagens de satélite analisadas no Instituto Nome vulgar: Macaco-prego
de Pesquisas Espaciais (INPE) mostram que o desmatamento no (em inglês Ring-tail Monkeys ou Weeping capuchins).
Estado do Acre está avançando no ritmo de dezesseis campos de Ordem Primates.
futebol por hora. Família Cebidae.
Uma das consequências biológicas dessa destruição é o aumento Espécie ‘Cebus apella’.
da incidência de malária na região. Para cada 1% de aumento Esta foi a espécie escolhida por esse aluno. Chegando em casa,
de área desflorestada, cresce em 8% a população dos mosquitos procurou informações sobre a espécie em um site de busca e pesquisa
transmissores da malária na Amazônia. na internet. O aluno deveria digitar até 2 palavras-chaves e iniciar
A grafia correta de um dos agentes etiológicos da malária é: a busca.
a) 'Plasmodium Vivax'. b) 'Plasmodium vivax'. a) Que palavras o aluno deve digitar para obter informações apenas
c) Plasmodium Vivax. d) Plasmodium vivax. sobre a espécie escolhida?
e) plasmodium vivax. b) Justifique sua sugestão.

13. (MACk-SP) 16. (MACk/Dez-2013) Florestas artificiais


ameaçam a biodiversidade do pampa.
Em estados como Mato Grosso e Pará, a Floresta Amazônica está
sendo transformada em pasto. No Rio Grande do Sul, ocorre o
problema inverso: a vegetação campestre dos pampas – que há
séculos convive em harmonia com a pecuária – está sendo dizimada
para dar lugar a florestas plantadas pelo homem.
Segundo levantamento da UFRGS, os campos sulinos concentram
uma diversidade 3 vezes maior que a da floresta, quando se leva
A respeito do esquema acima, assinale a alternativa correta. em conta a proporção da área ocupada por cada bioma. Segundo a
Profa. Boldrin, “a paisagem campestre pode parecer homogênea e
a) Cavalo e zebra pertencem a gêneros diferentes. pobre para quem não a conhece, mas nesse remanescente do bioma
b) As antas apresentam maior parentesco evolutivo com os cavalos mapeamos 2169 pertencentes a 502 e 89 ”.
do que com os rinocerontes.
c) O parentesco evolutivo entre cavalo e zebra é maior do que Os espaços devem ser preenchidos corretamente por:
entre rinocerontes de um chifre e rinocerontes de dois chifres. a) táxons, famílias e gêneros b) táxons, gêneros e famílias
d) As antas pertencem à mesma família dos rinocerontes. c) gêneros, táxons e famílias d) gêneros, famílias e táxons
e) Todos os animais citados pertencem à mesma família. e) famílias, gêneros e táxons

CPV BioGUI10
BIologIa 11

reino Monera
O reino Monera reúne os organismos unicelulares e procariontes, genericamente
chamados de bactérias (do grego, baktêrion = bastonete).
As bactérias são o tipo de vida mais antigo no planeta, existindo há pelo menos 3,5 bilhões
de anos. Hoje são encontradas em todos os tipos de ambientes terrestres e aquáticos. Foram
observadas pela primeira vez por Anton van Leeuwenhoek (1632-1723), negociante
holandês que elaborou microscópios mais eficientes que os existentes em sua época. Estes
micro-organismos medem entre 1 e 10 µm (micrômetros).
Muitas espécies sobrevivem individualmente, outras formam agrupamentos coloniais.
As bactérias coloniais compartilham sua anatomia e tarefas de sobrevivência, formando
grupos em que os indivíduos são dependentes uns dos outros. Embora algumas sejam
parasitas e causem doenças importantes no homem e em vários outros tipos de seres
vivos, as bactérias exercem grande influência na vida no planeta, apresentando atividades
que as tornam indispensáveis aos ciclos da matéria, como as envolvidas com o ciclo do
nitrogênio (estudado em Ecologia), as decompositoras e várias outras.

nova ClassIfICação
Recentemente, a aplicação de novas técnicas de análise química envolvendo DNA, RNA
ribossômico, composição química dos envoltórios das células bacterianas (parede celular
e membrana plasmática) indicaram que as bactérias apresentam uma diversidade maior do
que se poderia supor. Atualmente, a maioria dos cientistas classifica os seres procariontes
em dois grandes grupos: Amostra de bactérias encontradas nos mares.
· Bactéria ou Eubactéria e
· Arquea ou Arqueobactéria.
Alguns autores consideram esses dois grupos como sub-reinos do reino Monera, mas a
tendência predominante é considerá-los como dois reinos do super-reino Procaria (que
reúne os procariontes). Segundo essa classificação, os reinos de eucariontes são reunidos
no super-reino Eucaria e o reino Monera é eliminado.

Archaea

Fonte de água quente onde são encontradas bactéria outros tipos Termófilas Terrestres Marinhos Eucariontes
arqueobactérias termoacidófilas.
· Eubactérias — são bastante diversificadas e Protistas
Fungos
representam a maioria das espécies atualmente Plantas
conhecidas. Entre elas, encontramos grupos: Animais
— autotróficos, como as cianobactérias (antigamente
chamadas algas azuis) e
— heterotróficos, como vários tipos de bactérias
parasitas.
· Arqueobactérias — este grupo provavelmente sofreu ancestral comum
poucas modificações desde que surgiu, há cerca de
3 bilhões de anos. Formam um pequeno número de
espécies viventes, divididas em 3 principais grupos: Filogenia dos três super-reinos:
— Halófitas, encontradas em poças de água Bactéria (eubactéria), Archaea (arqueobactérias) e Eukarya (eucariontes).
extremamente salina;
— Metanogênicas, cuja atividade metabólica produz gás metano (CH4) como resíduo, encontradas em locais com pouco ou
nenhum oxigênio, como pântanos e associadas a organismos herbívoros, como cupins e ruminantes (bois, camelos etc.);
— Termoacidófilas, encontradas em fontes termais ácidas com temperaturas variando entre 60 e 80ºC; algumas espécies
foram encontradas em águas profundas habitando fendas vulcânicas.
Os tipos de locais em que esses organismos são encontrados evocam a paisagem do planeta primitivo na época do surgimento
dos primeiros seres vivos. Há indícios de que os ancestrais das arqueobactérias foram os mesmos que originaram os organismos
eucariontes há cerca de 2 bilhões de anos.
BioGUI10 CPV
12 BIologIa

estrutura Celular

Apesar de haver uma grande diversidade de formas, as bactérias apresentam uma estrutura celular fundamentalmente homogênea.

Os principais componentes das células bacterianas são: plasmídeo

· parede Celular: envoltório externo de consistência núcleo


rígida que confere uma forma definida (função esquelética) ribossomo
e proteção contra agressões físicas e químicas do ambiente. citoplasma
Composta de uma combinação de moléculas de proteínas e membrana plasmática
polissacarídeos chamadas peptidoglicanos. Analogamente cromossomo bacteriano
às células eucarióticas vegetais, a parede bacteriana protege parede celular
a célula quando esta é imersa em meios hipotônicos, como membrana externa
água destilada, impedindo que ela estoure por entrada mesossomo
excessiva de água. Entretanto, quando exposta a ambientes cílios
hipertônicos, não há o mesmo efeito protetor, podendo
ocorrer morte por desidratação. É bom lembrar que as células
flagelos
eucarióticas vegetais possuem uma parede celular composta
fundamentalmente de celulose, polissacarídeo que não aparece Principais componentes da célula bacteriana.
nas bactérias.

· CÁpsula: muitas bactérias secretam, ao redor da parede celular, um gel envolvente rico em proteínas e polissacarídeos, a
cápsula. Esse gel é particularmente importante em bactérias parasitas, por inibir a ação do sistema imunitário do hospedeiro.

· memBrana plasmÁtICa: de composição lipoproteica, é dotada de permeabilidade seletiva e está presente em todos os
tipos de células.

· mesossomo: invaginação da membrana plasmática que concentra enzimas e outros tipos de moléculas especializadas em
respiração aeróbica. Essa estrutura é análoga às mitocôndrias encontradas nas células eucarióticas em geral.

· CItoplasma: formado por um gel, citosol ou hialoplasma, composto por água, proteínas e as demais substâncias orgânicas
e inorgânicas típicas das células em geral. Não há organelas membranosas, como retículo endoplasmático, sistema golgiense,
cloroplastos etc. A única estrutura citoplasmática especializada é o ribossomo, organela ligada à síntese de proteínas. Bactérias
fotossintetizantes apresentam moléculas de clorofila espalhadas no citosol ou aderidas a invaginações da membrana plasmática.

· fímBrIas e flagelos: há bactérias que apresentam prolongamentos filamentosos que se projetam para fora de suas células,
chamados flagelos bacterianos. São diferentes dos flagelos das células eucarióticas, pois se inserem em anéis fixos existentes
nos envoltórios bacterianos e giram até 15.000 vezes por minuto, possibilitando a locomoção das bactérias. As fímbrias são
prolongamentos numerosos, mais curtos do que os flagelos e são provavelmente relacionados à conjugação bacteriana, um
processo de recombinação (reprodução sexuada) descrita mais adiante.

· materIal genétICo: as moléculas de DNA das células bacterianas são organizadas em um cromossomo bacteriano único,
geralmente em forma de anel e que contém alguns poucos milhares de genes. Esse cromossomo único geralmente permanece
ligado ao mesossomo bacteriano e funciona de acordo com os mesmos processos fundamentais já estudados em Citologia,
ou seja, através da transcrição de moléculas de RNA e posterior tradução de proteínas nos ribossomos. Não há um envoltório
membranoso, como nas células eucarióticas; assim, o cromossomo permanece disperso no citoplasma da célula bacteriana, não
havendo um núcleo organizado. A região da célula bacteriana ocupada por seu cromossomo é chamada nucleoide. Em muitas
bactérias há um segundo suprimento de moléculas de DNA organizadas em pequenos anéis, os plasmídeos. Geralmente, os
genes contidos nos plasmídeos controlam características acessórias, isto é, não essenciais à sobrevivência das bactérias. Às
vezes, os plasmídeos podem conter genes que as tornam resistentes a antibióticos, anulando seus efeitos tóxicos.

CPV BioGUI10
BIologIa 13

formas maIs Comuns de BaCtérIas

As bactérias podem ser classificadas de acordo com sua morfologia


quando observadas ao microscópio. As formas mais comuns são: Coco
Diplococo
Cocos: são esferoidais e podem ser:

· individuais
· coloniais:
— diplococo: apresentam-se como pares de cocos;
— estreptococo: são cadeias lineares de vários cocos; Estreptococo
— estafilococo: cocos múltiplos formando grupo cuja forma
lembra um cacho de uvas.
Estafilococo
Bacilos: têm a aparência de um bastão. Os lactobacilos são
exemplos bem conhecidos.

vibrião: muitos os descrevem como tendo a forma aproximada


de uma vírgula. Um exemplo é o vibrião colérico, o causador da bacilo
Estreptobacilo
cólera, doença caracterizada por intensa diarreia e que afeta as
populações de países subdesenvolvidos, como o Brasil.

nutrIção das BaCtérIas Vibirião


Espirilo
Há bactérias autotróficas e heterotróficas. Já estudamos que os
organismos autotróficos são aqueles capazes de produzir seu
próprio alimento orgânico, a partir de matéria inorgânica captada
do ambiente. Há duas formas de produção de matéria orgânica: a ilustração representando as principais formas de bactéria.
fotossíntese e a quimiossíntese.
As bactérias fotossintetizantes são dotadas de moléculas de clorofila, grandes moléculas de proteínas que assimilam energia
luminosa, transformando-a em energia aproveitável em reações químicas. Entre as bactérias fotossintetizantes destacam-se as
cianobactérias, antigamente chamadas algas azuis. Seu nome (do grego, kúanos = azul-escuro) é derivado da presença de um
pigmento azulado ou avermelhado chamado cianina, que auxilia a clorofila na fotossíntese. As cianobactérias são muito numerosas
nas águas dos mares, rios e lagos, representando cerca de 90% da quantidade de organismos clorofilados nesses ambientes. Além
disso, podem estar presentes em ambientes terrestres, principalmente associadas a outros organismos, como os líquens, aos quais
estão ligadas a fungos, formando um tipo de organismo muito
resistente e ecologicamente importante (veremos mais detalhes em
ecologia). As cianobactérias utilizam CO2 e H2O como as plantas
e algas, em sua fotossíntese.
As bactérias sulfurosas utilizam H2S (gás sulfídrico) em lugar da
água como fonte de hidrogênio e são encontradas em certas fontes
de água mineral e proximidades de vulcões.
As bactérias quimiossintetizantes produzem matéria orgânica
extraindo energia de reações químicas (oxidação) envolvendo
componentes inorgânicos encontrados no ambiente. Como exemplo,
podemos citar as bactérias envolvidas no ciclo do nitrogênio, as
quais transformam resíduos nitrogenados provenientes de dejetos
(como a urina e cadáveres em decomposição) em íons que podem
Algumas formas de cianobactérias coloniais ser assimilados por plantas (o ciclo do nitrogênio será estudado
que apresentam forma filamentosa. com mais detalhes em ecologia).
As bactérias heterotróficas, assim como os demais seres do mesmo tipo, não produzem moléculas orgânicas e alimentam-se de
outros seres vivos. Entre elas, podemos destacar as saprofágicas (do grego, sapros = podre e phagein = comer), que se alimentam
de cadáveres e resíduos orgânicos (como fezes e urina) e desempenham papel ecológico importante na reciclagem de matéria.
As bactérias parasitas instalam-se no corpo de seu hospedeiro, de onde extraem seu alimento, produzindo danos, ou seja, doenças,
algumas letais. Mais adiante veremos algumas das mais importantes doenças humanas produzidas por bactérias parasitas.

BioGUI10 CPV
14 BIologIa

produção de energIa

As bactérias podem liberar energia para suas funções metabólicas por meio da respiração aeróbica e da fermentação.

A respiração aeróbica das bactérias é realizada de maneira semelhante à das células eucarióticas; mas, como não possuem
mitocôndrias, mobilizam o mesossomo, onde se encontram os componentes químicos necessários. Há bactérias que realizam uma
forma de respiração que não consome oxigênio, chamada respiração anaeróbica (não confundir com fermentação, que também
não consome oxigênio) em que o oxigênio é substituído por outro elemento (como o enxofre) como aceptor final de hidrogênio.

A fermentação bacteriana pode ser de vários tipos como, por exemplo, a fermentação lática, em que as moléculas de glicose são
transformadas em ácido lático liberado para o ambiente como resíduo final; esse tipo de bactéria (conhecida como lactobacilo) é
usado na fabricação de coalhadas, iogurtes e outros derivados do leite.

Bactérias estritamente aeróbicas são aquelas que dependem completamente da presença de gás oxigênio para sobreviver.

Bactérias estritamente anaeróbicas são aquelas que são intoxicadas quando expostas a ambientes ricos em oxigênio.

Bactérias aeróbicas facultativas são aquelas que podem sobreviver tanto na presença como na ausência de oxigênio.

reprodução das BaCtérIas cromossomo


bacteriano
A forma mais frequente de reprodução bacteriana é assexuada. membrana
plasmática
Mas há formas de reprodução sexuada, caracterizada pela recombinação célula
gênica, isto é, pela combinação de genes (moléculas de DNA) de Duplicação do
indivíduos diferentes. cromossomo

Bipartição e esporulação

Bipartição ou divisão binária é a forma mais corriqueira de


início da divisão
multiplicação bacteriana. Uma bactéria processa a duplicação de seu bacteriana
cromossomo (duplicação semiconservativa das moléculas de DNA)
e, em seguida, divide-se ao meio em duas bactérias iguais. A única
fonte de variabilidade genética nesse caso é a ocorrência de mutações.
Como em ambientes saudáveis a taxa de mutação é reduzida, a taxa de divisão binária
variabilidade é igualmente reduzida. Em ambientes favoráveis, divisões finalizada
binárias sucessivas podem ocorrer até a cada 20 minutos, o que provoca
uma enorme capacidade de expansão das populações de bactérias.

Muitas bactérias são capazes de se reproduzir através de um processo


ilustração de uma bipartição bacteriana
semelhante à bipartição, chamado esporulação bacteriana, que se
inicia também com a duplicação do cromossomo bacteriano, mas uma
das cópias é incluída numa cápsula composta de uma parede celular reforçada, no interior da qual o citoplasma sofre uma intensa
desidratação e redução de volume. A estrutura resultante é chamada de esporo ou endósporo e pode conservar-se em ambientes
desfavoráveis por longos períodos, pois suas exigências alimentares são mínimas, dado o seu baixo metabolismo. Se o esporo vier
a encontrar um ambiente favorável, pode retornar à sua forma ativa e se multiplicar rapidamente por bipartição. Certas bactérias,
quando no estágio de esporos, podem resistir até mesmo à água fervente. É o caso da bactéria causadora do tétano, uma infecção
potencialmente letal descrita mais adiante. Em hospitais e outros estabelecimentos, instrumentos cirúrgicos, roupas de cama etc.
passam por esterilização em autoclaves (aparelhos que funcionam como panelas de pressão) nos quais a temperatura pode chegar
a mais de 120ºC e a pressão, a 2 atmosferas, garantindo a eliminação até mesmo dos esporos bacterianos mais resistentes.

CPV BioGUI10
BIologIa 15

recombinação Bacteriana

A reprodução sexuada em bactérias ocorre de três formas:

· Conjugação: é a transferência direta de fragmentos de DNA (do


cromossomo e plasmídeos) de uma bactéria para outra. Geralmente uma
das bactérias conjugantes transfere material genético para outra.

A bactéria doadora é comumente chamada macho.

A bactéria receptora de material genético é chamada fêmea.

A transferência é realizada através de fímbrias especializadas, que


introduzem os fragmentos de DNA na fêmea.

· transformação: uma bactéria pode absorver moléculas de DNA


eventualmente presentes em seu ambiente.

O DNA absorvido pode pertencer a outras bactérias mortas e parcialmente


decompostas.

Em condições adequadas, bactérias podem incorporar DNA de outras Eletromicrografia eletrônica mostrando
duas bactérias em processo de conjugação.
espécies.

Essa possibilidade é importante em laboratórios de manipulação genética em que bactérias transgênicas são produzidas dessa
forma, isto é, expondo as bactérias a moléculas de DNA (genes) provenientes de outras espécies.

· transdução: é a transferência de DNA entre bactérias por meio de vírus.

O estudo dos vírus (a seguir) mostrará que os bacteriófagos (vírus que parasitam bactérias) podem transferir genes de uma
bactéria para outras por meio de seus processos de reprodução. Muitas vezes, as bactérias não são molestadas pela infecção
viral e podem transferir os novos genes incorporados para novas gerações de bactérias.

as vantagens da recombinação Bacteriana

Muitos especialistas evitam usar o termo reprodução sexuada para os processos descritos, por entenderem que são bastante
diferentes da forma mais característica de reprodução sexuada (através de gametas) dos demais seres vivos. Entretanto, como
vimos, mesmo com as suas peculiaridades, as bactérias acabam recombinando seus genes e ganham a principal vantagem dessa
estratégia de reprodução: um aumento de variabilidade. Os genes trocados podem produzir novas combinações que resultem em
indivíduos mais resistentes, isto é, mais adaptados.

Mas é bom lembrar que as transferências de genes são feitas de maneira aleatória e, portanto, um grande número de bactérias
recombinantes deve acabar mostrando misturas gênicas cujos efeitos são deletérios (prejudiciais) ou inócuos. Como sempre ocorre
em processos sexuados, a recombinação aleatória dos genes produz novas combinações que serão submetidas ao crivo seletivo
do ambiente. A tendência é que as combinações favoráveis sejam transmitidas de maneira assexuada para gerações sucessivas de
bactérias e assim se propaguem, aumentando a diversidade desses organismos tão primitivos.

BioGUI10 CPV
16 BIologIa

prInCIpaIs doenças Causadas por BaCtérIas

menIngIte – causada por bactérias que atacam as meninges (tecidos gonorreIa – também conhecida como blenorragia,
que envolvem o sistema nervoso central) e transmitidas através das vias é causada pela espécie Neisseria gonorrhoeae, doença
aéreas. Há vacinas disponíveis. venérea transmitida por contato sexual, ou da mãe para
os filhos no momento do parto. É uma das doenças
sexualmente transmissíveis (DST) mais comuns em
todo o mundo.

Neisseria meningitidis

Neisseria gonorrhoeae

tétano – causada pelo Clostridium tetanii, comum no solo; produz


sífIlIs – causada pelo Treponema pallidum, é
toxinas que afetam as placas motoras, causando tetania, hipercontração transmitida principalmente por contato sexual, ou de
da musculatura. Pode ser letal se a pessoa afetada não for socorrida a mãe para filho, durante a gestação. Os sintomas variam
tempo. A contaminação se dá por ferimento com objetos sujos que entre feridas locais (geralmente nos órgãos genitais) até
provoquem entrada das bactérias no sangue. Há vacinas disponíveis. o afetamento de sistema nervoso.

Clostridium tetanu

Treponema pallidum

BotulIsmo – causado pelo Clostridium botulinum, que produz


gastroenterIte – causada pela Salmonella,
toxinas que afetam o organismo humano de várias formas, podendo
transmitida por meio de água ou alimentos com
causar até a morte. Especialmente encontradas em alimentos enlatados,
contaminação fecal ou por certos alimentos crus ou mal
principalmente em latas amassadas.
cozidos, como ovos de galinha.

Clostridium botulinum
Salmonella

CPV BioGUI10
BIologIa 17

tuBerCulose Hanseníase (lepra) feBre tIfoIde


Causada pela Mycobacterium Causada pela Mycobacterium leprae , Causada pela bactéria Salmonella
tuberculosis, também conhecida por também conhecida como bacilo de Hansen. thyphi, transmitida principalmente
bacilo de Koch, transmitida pelo ar Essa doença tem vários tipos de manifestações, através de água e alimentos com
ou leite de vaca contaminado. Ataca os que vão desde pequenas manchas espalhadas contaminação fecal. Essa doença é típica
pulmões e às vezes outros órgãos do corpo. pela pele, com redução de sensibilidade, até de países com problemas de saneamento
Pessoas debilitadas por má alimentação feridas e deformações, principalmente nas mãos, básico. Há vacinas disponíveis, mas
e outras doenças (como AIDS) são mais nariz e orelhas. com eficácia discutível.
suscetíveis. Há vacina disponível.

Mycobacterium leprae
Salmonella thyphi

CoqueluCHe
Causada pela Bordetella pertussis, doença que
irrita as vias aéreas, causando tosse intensa e antIBIótICos
Mycobacterium tuberculosis característica. É transmitida por vias aéreas. As doenças causadas por bactérias são
Há vacina disponível. tratáveis com o uso de antibióticos.
Cólera Esses remédios são conhecidos desde
Causada pela espécie Vibrio cholerae, que 1928, com a descoberta da penicilina
foi irradiada por todo o mundo a partir da por Alexander Fleming (1881-1955).
Ásia. Esta infecção intestinal produz uma
desidratação intensa e rápida, podendo
matar em menos de 24h. Seu tratamento
não é difícil se o atendimento for imediato.

Bordetella pertussis

leptospIrose
Causada pela bactéria Leptospira interrogans,
transmitida para o homem principalmente
através da urina de roedores, como os ratos Penicillium
Eletromicrografia eletrônica de urbanos. Em épocas de enchente nas cidades, o
Vibrio cholerae, bactéria que causa a cólera. risco de contágio aumenta, já que o contato das Desde então, muitas outras toxinas
pessoas com águas contaminadas se torna mais que atuam contra as bactérias
frequente. A bactéria geralmente penetra pela pele foram descobertas na natureza e,
pneumonIa principalmente se houver ferimentos. Para evitar o mais recentemente, produzidas
Doença pulmonar causada por contágio, é importante evitar o contato com águas sinteticamente.
Pneumococos, transmitida normalmente contaminadas com urina de rato e controlar as
pelo ar. populações de roedores nas cidades. São recursos terapêuticos importantes,
mas sua utilização deve ser sempre
controlada por médicos, uma vez que
o uso incorreto desse tipo de remédio
pode trazer sérias consequências para
as pessoas.

Pneumococos Leptospira interrogans

BioGUI10 CPV
18 BIologIa

exerCíCIos 05. (UF-CE) Analise o texto.


Nas bactérias, o material genético está organizado em uma fita
01. (FUVEST-SP) Um pesquisador estudou uma célula ao microscópio
contínua de que fica localizado em uma área chamada
eletrônico, verificando a ausência de núcleo e de compartimentos
de . A reprodução das bactérias se dá principalmente
membranosos.
por , que produz .
Com base nessas observações, ele concluiu que a célula
pertence a: Assinale a alternativa que completa corretamente o texto:

a) uma bactéria. a) cromossomos – nucleossomo – brotamento – duas células-filhas


b) uma planta. idênticas.
c) um animal. b) DNA – nucleossomo – reprodução sexuada – uma célula-filha
d) um fungo. idêntica à mãe.
e) um vírus. c) plasmídeo – nucleoide – conjugação – várias células-filhas
diferentes entre si.
02. (PUC-RS) Um biologista, estudando a estrutura de uma célula d) DNA – nucleoide – fissão binária – duas células-filhas idênticas.
bacteriana, encontrará como uma organela deste tipo celular, o: e) RNA – núcleo – reprodução sexuada – duas células-filhas
diferentes.
a) cloroplasto.
b) retículo endoplasmático liso. 06. (UFSCAR-SP) A Escherichia coli é um organismo procarionte.
c) centríolo. Isto significa que esta bactéria:
d) ribossomo.
e) retículo endoplasmático rugoso. a) é parasita obrigatório.
b) não apresenta ribossomos.
03. (UEL-PR) Considere os seguintes componentes celulares: c) não apresenta núcleo organizado.
d) não apresenta DNA como material genético.
I. parede celular e) nunca apresenta parede celular (esquelética).
II. ribossomos
III. núcleo 07. (UNIFESP) A presença de material genético constituído por uma
IV. membrana plasmática única molécula de DNA permite a rápida reprodução dos indivíduos.
V. mesossomo O desenvolvimento de formas de resistência garante a sobrevivência
VI. DNA desses organismos, mesmo em condições muito adversas.
Uma célula bacteriana é desprovida apenas de: As características citadas referem-se exclusivamente a:
a) I a) bactérias.
b) III b) fungos.
c) I e III c) protozoários.
d) II e V d) bactérias e fungos.
e) III, IV e VI e) fungos e protozoários.

08. (PUC-RJ) Um grupo de pessoas deu entrada em um Hospital, após


04. (UEL-PR) O esquema representa: ribossomos
ingerirem um bolo de aniversário comprado em estabelecimento
comercial. O diagnóstico foi intoxicação por uma bactéria do
a) uma bactéria.
gênero Salmonella.
b) um protozoário. cromatina
Marque a alternativa que indica a descrição correta de uma
c) um fungo. bactéria.
membrana
d) uma célula animal. esquelética a) Um organismo macroscópico, unicelular, eucarionte.
e) uma célula vegetal. b) Um organismo microscópico, unicelular, procarionte.
membrana
plasmática c) Um organismo microscópico, unicelular, eucarionte.
d) Um organismo macroscópico, pluricelular, procarionte.
hialoplasma
e) Um organismo microscópico, unicelular, heterotérmico.

09. (MACk-SP) As bactérias não apresentam organelas citoplasmáticas,


tais como complexo de Golgi, mitocôndrias etc., geralmente
encontradas em células de seres eucariontes.
Entretanto, possuem uma invaginação da membrana plasmática
chamada mesossomo, que apresenta função análoga à da organela:
a) lisossomo.
b) mitocôndria.
c) complexo de Golgi.
d) plasto.
e) centríolo.

CPV BioGUI10
BIologIa 19

10. (MACk-SP) Todos os indivíduos pertencentes ao reino Monera, em sua 16. (PUC-RS) Após os atentados terroristas de 11 de setembro de
célula, não apresentam: 2001 ao World Trade Center (Nova Iorque) e ao Pentágono
a) DNA. (Washington), os norte-americanos estão atentos aos ataques
b) ribossomo. com armas bacteriológicas. Casos de contaminação por
c) plasto. antraz em vários estados americanos foram investigados.
d) clorofila. Em 1984, os Estados Unidos também sofreram um ataque
e) membrana plasmática. de terrorismo biológico, quando os seguidores de uma seita
contaminaram um grande número de pessoas com salmonela
11. (PUC-RJ) Atualmente, a classificação dos seres vivos admite 3 domínios em uma cidade do Estado de Oregon.
— Archaea, Bacteria e Eucaria — que englobam, respectivamente, os O Estado de São Paulo
seguintes representantes: Os organismos utilizados como armas na guerra bacteriológica
a) metanogênicos, animais e protozoários. citados acima pertencem ao reino:
b) protozoários, microrganismos e vegetais. a) Fungi.
c) cianobactérias, protozoários e vegetais. b) Protista.
d) vegetais, fungos e animais. c) Monera.
e) hipertermofílicos, pneumococos e fungos. d) Plantae.
e) Animalia.
12. (UNIRIO-RJ) Bactérias do gênero Clostridium causam a gangrena gasosa,
uma doença que, até recentemente, era 100% fatal. Atualmente, para 17. (UF-RJ) Surto de Cólera Atinge Centenas
tratamento dessa patologia, utiliza-se a oxigenação hiperbárica, desde de Pessoas na Cidade Paranaense de Paranaguá
que essa providência seja tomada rapidamente. Num período de apenas 12 dias, entre 26 de março e 7 de
As bactérias sensíveis a esse tratamento são: abril, mais de 290 habitantes da cidade de Paranaguá, no
a) fermentadoras. estado do Paraná, foram parar em hospitais com forte diarreia
b) fotossintéticas. e uma perigosa desidratação. O cólera voltou a atacar — e
c) termófilas. com força.
Revista Época
d) aeróbicas facultativas.
e) anaeróbicas. a) Identifique o reino a que pertence o agente etiológico do
Cólera.
13. (MACk-SP) Nas bactérias, o mesossomo apresenta uma coleção b) Cite duas formas de prevenção contra essa doença.
enzimática responsável por um processo que também ocorre:
a) nas lamelas dos cloroplastos.
b) na membrana do retículo endoplasmático rugoso.
c) no nucléolo.
d) no complexo de Golgi.
e) nas cristas mitocondriais.

14. (UF-PE) Com relação às bactérias, é incorreto afirmar que:


18. (UNICAMP-SP) Estima-se que um quarto da população
a) algumas formam um envoltório protetor (cápsula ou capa). europeia dos meados do século XIX tenha morrido de
b) existem algumas que contribuem para a reciclagem de matéria tuberculose. A progressiva melhoria da qualidade de vida,
orgânica em nosso planeta. a descoberta de drogas eficazes contra a tuberculose e o
c) existem arqueobactérias halófilas e arqueobactérias termoacidófilas. desenvolvimento da vacina BCG fizeram com que a incidência
d) há algumas capazes de degradar componentes orgânicos do petróleo, da doença diminuísse na maioria dos países. Entretanto,
tóxicos para a maioria dos seres vivos. estatísticas recentes têm mostrado o aumento assustador
e) quando colocada em ambiente de salinidade alta, a parede bacteriana do número de casos de tuberculose no mundo, devido à
das eubactérias evita que as mesmas se desidratem devido à osmose. diminuição da eficiência das drogas usadas e à piora das
condições sanitárias em muitos países.
15. (FATEC-SP) Assinale a alternativa correta.
a) Qual é o principal agente causador da tuberculose humana?
a) As bactérias reproduzem-se, geralmente, por divisão binária, uma b) Como essa doença é comumente transmitida?
forma assexuada de reprodução pela qual uma única bactéria pode c) Explique por que a eficiência das drogas usadas contra a
originar um "clone", ou seja, uma população de bactérias idênticas. tuberculose está diminuindo.
b) As bactérias e as algas cianofíceas distinguem-se de todos os outros
seres vivos porque não possuem carioteca envolvendo o material
nuclear, isto é, são eucariontes.
c) As bactérias só vivem isoladas, embora próximas; nunca formam
colônias.
d) Em algumas espécies de bactérias observa-se o fenômeno da
conjugação, isto é, um tipo de reprodução assexuada.
e) As algas cianofíceas assemelham-se às bactérias, porém são
heterótrofas, isto é, produzem a matéria orgânica por fotossíntese.

BioGUI10 CPV
20 BIologIa

19. (FATEC-SP) De acordo com dados da Organização Mundial da 21. (PUC-MG) "O botulismo é uma intoxicação resultante da ingestão
Saúde (OMS), a salmonelose, doença de caráter epidemiológico, de alimentos que contenham uma toxina produzida durante o
aumentou em 24 dos 35 países que relataram a sua ocorrência. crescimento da bactéria esporulada Clostridium botulinum. Os
Considere as seguintes afirmações referentes à salmonelose. esporos resistem ao aquecimento a 100°C por 3-5 horas, mas a
I. A Salmonella sp é o agente infeccioso, e o veículo transmissor toxina, que é uma proteína, é destruída em apenas 20 minutos, nas
é o mosquito Aedes aegypti. mesmas condições. A toxina botulínica é um dos venenos mais
II. O agente infeccioso é uma bactéria, e um dos sintomas da letais conhecidos pelo homem, sendo que 1-2 g (microgramas)
doença é a diarreia. são suficientes para provocar a morte. Ela age nas sinapses dos
III. O controle da salmonelose se faz pela eliminação de poças nervos motores e nas junções neuromusculares (placa motora)
d'água, pratos de vasos, pneus descobertos, isto é, qualquer impedindo a liberação de acetilcolina. Os sintomas aparecem
local que armazene água de chuva. 18-24 horas após a ingestão do alimento tóxico, na forma de
IV. O consumo de ovo íntegro proveniente de aves infectadas foi visão dupla, dificuldades na deglutição e na fala, e progridem até
uma das causas para o aumento da salmonelose. levar o indivíduo à morte por asfixia. Atualmente, essa toxina, em
Sobre as afirmações acima, está(ão) correta(s) apenas: concentrações extremamente baixas, vem sendo comercializada
com o nome de botox e usada em terapias para a eliminação de
a) IV
rugas e outras marcas de expressão facial."
b) I e III
c) II e IV Com base no texto e em seus conhecimentos sobre o assunto,
d) I, II, III e IV assinale a alternativa errada.
e) nenhuma
a) O aquecimento do alimento a 100°C por tempo superior a 20
20. (UF-MG) A tuberculose é uma doença que pode ser controlada. minutos, imediatamente antes do seu consumo, elimina o perigo
Observe este gráfico, em que está representada a incidência de de intoxicação pela toxina botulínica.
tuberculose no Brasil: b) O uso de antibiótico eficiente contra o Clostridium botulinum
em pacientes que tenham ingerido alimentos contaminados
com esse microrganismo é estratégia eficiente para evitar o
botulismo em adultos.
incidência de tuberculose

c) A asfixia, referida no texto, ocorre por paralisia dos músculos


por 100.000 habitantes

responsáveis pela expansão da caixa toráxica.


d) Os esporos bacterianos são formas de resistência que, se não
destruídos, podem germinar após o aquecimento.
e) O uso de antitoxina botulínica e a manutenção de ventilação
pulmonar por respirador mecânico podem fazer parte do
tratamento para salvar indivíduos intoxicados.
0 50 60 70 80 90 2000

Considerando-se as informações do gráfico, todos os seguintes


fatores explicam a curva que caracteriza as décadas de 80 e 90,
exceto:
a) Alto custo do diagnóstico e uso de antibióticos ineficientes.
b) Aumento da desnutrição e da pobreza e queda na qualidade das
moradias como consequência da política social.
c) A ocorrência de AIDS, tornando os pacientes mais susceptíveis
ao bacilo.
d) Movimentos migratórios da população humana e consequente
dispersão do bacilo por várias regiões.

CPV BioGUI10
BIologIa 21

Vírus
Introdução

Os componentes fundamentais de que uma célula necessita para sobreviver são:


membrana plasmática, citoplasma e cromatina.
Os vírus são seres muito simples, formados apenas por uma cápsula predominantemente
proteica contendo moléculas de ácido nucleico (ADN ou ARN). Sua organização está, vírus do herpes
portanto, abaixo do padrão mínimo de uma célula; por isso, os vírus são chamados
seres acelulares.
Na ausência de ribossomos, hialoplasma e de outros componentes necessários à
execução de seu programa genético, os vírus invadem células de animais, vegetais,
bactérias, fungos etc e passam a utilizar os componentes da célula para realizar
este seu programa. Com isso, as células sofrem prejuízo e, não raro, acabam sendo
destruídas enquanto os vírus se multiplicam. Uma vez fora de uma célula hospedeira
adequada, os vírus permanecem inativos e não podem se reproduzir. Por isso, são adenovírus
chamados parasitas intracelulares obrigatórios.

estrutura vIral
Em média, são menores que as menores células.
Externamente, apresentam um revestimento de proteínas chamado capsídio.
O formato do capsídio é variável, de acordo com a espécie de vírus, mas, em vírus do mosaico do fumo
geral, é poliédrico regular, esferoidal, na forma de duodecaedro, hexaedro
etc. Protegido pelo capsídio, o ácido nucleico pode ser ADN ou ARN. Mais
recentemente foram descobertos vírus que apresentam tanto ADN como ARN.
Podem possuir um segundo revestimento, externo ao primeiro, de natureza lipídica,
proveniente da membrana plasmática da célula hospedeira.

reprodução dos vírus vírus da varíola

A reprodução ou replicação viral ocorre quando os vírus penetram na célula hospedeira. Em seu interior, o ácido nucleico viral
se duplica várias vezes e, em seguida, produz as proteínas de seu capsídio. As proteínas organizam-se ao redor das moléculas
de ácido nucleico e a replicação está completa. No final, de alguma forma os novos vírus serão liberados da célula hospedeira.
vírus dotados de adn

Reprodução dos bacteriófagos T4, vírus dotados de ADN, que parasitam bactérias da espécie Escherichia coli.
A cápsula desse vírus apresenta um prolongamento tubular normalmente chamado cauda, em cuja extremidade há pequenos
apêndices de proteínas, as fibras da cauda ou placa basal.
Inicialmente, o vírus se liga à parede bacteriana. Para que essa ligação capsídeo-membrana ocorra, é indispensável que certas
proteínas da cápsula viral sejam compatíveis com certas proteínas específicas do envoltório celular. Por isso, diferentes tipos de
vírus parasitam diferentes tipos de células.
Enzimas do capsídeo perfuram a parede bacteriana e eliminam para a célula o ADN cabeça
viral. No citoplasma, o ADN viral se duplica várias vezes e passa a comandar o
metabolismo da bactéria para a produção das proteínas componentes do capsídeo. colo
núcleo
Proteínas prontas passam a montar as cápsulas em torno de moléculas de ADN, revestimento helicoidal
completando a formação de novos vírus.
Certas proteínas produzidas no citoplasma lisam (quebram) a parede bacteriana. A
bactéria morre e novos vírus são liberados para o meio, cada um deles pronto para cauda
repetir o processo. Leva cerca de 30 minutos para que aproximadamente 200 novos placa basal

vírus sejam produzidos a partir da entrada do bacteriófago na bactéria.


Fago-t (bacteriófago).

BioGUI10 CPV
22 BIologIa

cabeça destituída
de seu conteúdo
de ácido nucleico

receptor para o fago


na parede celular
bacteriana

ADN do fago
infecção por fago

vírus dotados de arn envoltório

vírus da grIpe

São muitos os vírus que podem causar gripe. Todos têm especial
afinidade pelas células do trato respiratório.

A infecção tem início quando o vírus se associa à membrana


das células hospedeiras. Essa associação depende da liberação dos vírus
complementaridade entre certas proteínas do capsídeo viral e da
membrana celular. Uma vez ocorrida essa ligação, o vírus penetra
inteiramente no interior do citoplasma da célula, com cápsula e síntese dos
tudo. No interior do citoplasma, há a digestão do capsídeo, após constituintes
o que o ARN viral está liberado. Este se duplica várias vezes e virais
então tem início o processo de tradução das proteínas virais através
do uso dos ribossomos e demais recursos da célula hospedeira.
Segue-se, então, a fase final de montagem, em que as proteínas e
os ácidos nucleicos se unem para produzir novos vírus completos. no canto superior esquerdo, esquema da estrutura do vírus da gripe.
A liberação dos vírus nem sempre causa a morte da célula À direita, sequência da infecção de uma célula do epitélio respiratório pelo
vírus, síntese de novos vírus e liberação de partículas virais maduras.
hospedeira.

retrovírus

Vários grupos de ARN vírus, entre os quais o HIV (vírus da AIDS), são chamados retrovírus, porque possuem a enzima
transcriptase reversa, que ativa no citoplasma da célula hospedeira a chamada transcrição reversa ou retrotranscrição, pois
(ao contrário da maioria dos seres vivos, que produzem RNA a partir do DNA) produzem moléculas de ADN a partir de ARN.

O HIV (Human Immunodeficiency Vírus) tem especial afinidade por certo tipo de glóbulos brancos, os linfócitos T. Uma vez
dentro dessas células, o vírus é desencapsulado e o ARN, mediante a ação da transcriptase reversa, produz uma molécula de ADN.
Esta penetra no núcleo celular e se une ao ADN da própria célula hospedeira. A partir daí, a célula passa a transcrever normalmente
esse ADN viral incorporado (chamado provírus) que introduz na célula o ARN viral. Este, por sua vez, comanda a tradução das
proteínas virais e, finalmente, ocorre a montagem de novos vírus completos.

Como o ADN viral, o provírus está incorporado ao genoma original da célula hospedeira, que produzirá novos vírus enquanto estiver
viva e, ao se dividir, transmitirá o provírus a todas suas células descendentes. Muitos retrovírus apresentam sequências de ADN
que alteram as funções da célula hospedeira, além de acelerar os processos de divisão destas células. O resultado é a formação de
tumores cancerígenos. Os vírus dotados desses genes perniciosos que podem induzir à origem de câncer são chamados oncovírus.

CPV BioGUI10
BIologIa 23

doenças endêmICas no BrasIl e no mundo Causadas por vírus


Doença Modo de Transmissão Modo de Infecção Medidas de Controle
O vírus penetra pelas mucosas das vias res-
Vacinação com linhagem de vírus atenuada
Gotículas de saliva, contato direto, objetos piratórias, dissemina-se pela corrente circulatória
varíola (uma linhagem que ataca o gado bovino, isto
contaminados (copos, garfos etc). e instala-se na pele e mucosas, causando as
é, vacina de vírus vivos).
ulcerações características da doença.
O vírus é introduzido juntamente com a saliva Vacinação com linhagem de vírus atenuada
Através da picado do mosquito Aedes
do mosquito; dissemina-se pelo corpo através do (vacina de vírus vivos).
febre amarela Aegypti. O mosquito contamina-se ao picar
sangue e instala-se no fígado, baço, rins, medula Destruição do mosquito Aedes, vetor da
um homem ou outro mamífero contaminado.
óssea e gânglios linfáticos. doença.
O vírus penetra pela mucosa das vias
Vacinação com vírus vivo de linhagem
sarampo Gotículas de saliva. respiratórias, cai na corrente sanguínea e se
atenuada.
dissemina por diversas partes do corpo.
Pessoas contaminadas (sintomáticas ou não)
Acredita-se que o vírus penetra pela boca e
eliminam vírus contaminantes pelas fezes.
se multiplique primeiro na garganta e nos Saneamento básico, higiene pessoal e
A transmissão geralmente ocorre pela
intestinos. Daí dissemina-se pelo corpo vacinação.
poliomielite boca (pela ingestão de alimentos e água
através do sangue. Se atingir células nervosas No Brasil, há campanhas anuais de
contaminada ou pelo contato direto com
ele as destrói, o que causa paralisia e atrofia da vacinação com a utilização da vacina Sabin.
secreções da boca emitidos por fala, espirros
musculatura esquelética, geralmente nas pernas.
e tosse).
O vírus penetra pelo ferimento da mordedura Vacinação dos cães, eliminação dos cães
Pela mordedura de animal infectado, juntamente com a saliva do animal. Atinge o de rua, vacinação de pessoas mordidas por
raiva
geralmente o cão. sistema nervoso central, onde se multiplica, cães desconhecidos ou com suspeita de
causando danos irreparáveis ao sistema nervoso. portar a doença.
O vírus é introduzido na corrente sanguínea pela
encefalites Combate aos artrópodos vetores.
Picada de mosquitos e de carrapatos. picada do artrópodo portador.
virais Não existem vacinas.
Atinge as células do cérebro, onde se reproduz.
O vírus ataca normalmente as glândulas salivares
Gotículas de saliva, contato direto, objetos
Caxumba parótidas, podendo, entretanto, localizar-se nos Vacinação.
contaminados (copos, garfos etc).
testículos, ovários, pâncreas e cérebro.
O vírus ataca os tecidos das porções superiores
gripe Gotículas de saliva. do aparelho respiratório; raramente atinge os Vacinação.
pulmões.
Contaminação de água e objetos por fezes Medidas de saneamento; fiscalização dos
de indivíduos contaminados. Supõe-se O vírus multiplica-se no fígado, causando manipuladores de alimentos.
Hepatite
que moscas transportem o vírus de fezes destruição de células hepáticas. A injeção de gamaglobulina, extraída de soro
infecciosa
contaminadas para alimentos, água e objetos. sanguíneo humano, pode conferir proteção
O modo de transmissão não é bem conhecido. temporária.
Contaminação através de transfusão de Fiscalização rigorosa dos bancos de
O vírus ataca os linfócitos, que são as células
sangue de pessoas infectadas pelo HIV, do sangue, para evitar distribuição de sangue
síndrome da encarregadas da defesa imunitária do organismo,
uso de instrumentos cirúrgicos ou seringas contaminado. Esterilização rigorosa dos
imunodeficiência tornando-o incapaz de resistir às infecções
contaminadas e também através do ato sexual, instrumentos cirúrgicos e uso de agulhas
adquirida oportunistas.
quando o vírus penetra por microfissuras das e seringas descartáveis. Prevenção de
(aIds) O indivíduo afetado geralmente morre de
mucosas dos órgãos genitais. Ainda não se possível contágio no ato sexual pelo uso de
infecção generalizada.
sabe se há outras formas de contágio. preservativos (camisinhas).
Causada pelo vírus H5N1 que inicialmente Através de contato com secreções de aves
provocava gripe apenas nas aves. contaminadas, pelo ar, água, comida e roupas
gripe aviária Mutantes passaram para os mamíferos, contaminadas. Há vacinas disponíveis.
inclusive o Homem. Não se tem notícia de transmissão de pessoa
Pode provocar formas graves de gripe. a pessoa.
A gripe (Influenza) A é causada pelo vírus
Transmitida como a gripe comum, através Através de vacinas e higiene das mãos com
H1N1, que resultou da combinação de
do ar contaminado por secreções de pessoas água e sabão ou desinfetantes, como álcool.
gripe suína material genético da gripe humana, aviária
infectadas. Não há transmissão através de carne Há fármacos disponíveis para tratar pessoas
e suína. Oriunda provavelmente do México,
de porco que seja adequadamente cozida. afetadas, como o Tamiflu ou Relenza.
espalhou-se rapidamente pelo mundo.
Atualmente há quatro variações importantes
Não há vacina disponível. O controle
do vírus causador da dengue: DEN1, DEN2,
do inseto vetor através da eliminação de
DEN3 e DEN4. Uma infecção por qualquer
ambientes favoráveis à sua proliferação,
tipo desses vírus imuniza contra novas
águas paradas e limpas acumuladas em
infecções do mesmo tipo, mas não dos outros. O mosquito contamina-se com o vírus, picando
locais como pneus descartados no ambiente
dengue Se uma pessoa contrair dengue mais de uma pessoas infectadas.
ou qualquer recipiente que acumule água
vez, aumenta o risco de desenvolver a forma Não há transmissão direta.
de chuva, instalação de telas em portas e
hemorrágica da doença, que é mais grave.
janelas, aplicação de inseticidas em áreas
A transmissão é feita através das fêmeas dos
infestadas são as medidas mais eficientes,
mosquitos Aedes, principalmente da espécie
quando bem aplicadas.
A.aegypti.

BioGUI10 CPV
24 BIologIa

exerCíCIos exerCíCIos de Casa

01. (FUVEST-SP) O organismo A é um parasita intracelular 05. (MACk-SP) Características que todos os seres vivos têm, inclusive
constituído por uma cápsula proteica que envolve a molécula de os vírus:
ácido nucleico. O organismo B tem uma membrana lipoproteica a) metabolismo próprio e reprodução.
revestida por uma parede rica em polissacarídeos que envolvem um b) reprodução e mutação.
citoplasma, onde se encontra o seu material genético, constituído c) organização celular.
por uma molécula circular de DNA. d) núcleo com DNA.
Esses organismos são, respectivamente: e) citoplasma com ribossomos.
a) uma bactéria e um vírus
06. (VUNESP) A AIDS ou Síndrome da Imunodeficiência Adquirida,
b) um vírus e um fungo
é uma doença causada pelo vírus HIV ou vírus da Imunodeficiência
c) uma bactéria e um fungo
Humana. Pergunta-se:
d) um vírus e uma bactéria
e) um vírus e um protozoário a) O que significa cada uma das palavras: Síndrome,
Imunodeficiência, Adquirida?
b) Cite duas maneiras pelas quais se pode adquirir AIDS.
02. (UF-RN) Todos os vírus são constituídos por:
a) DNA e proteínas.
b) aminoácidos e água.
c) ácidos nucleicos e proteínas.
d) DNA e RNA.
e) RNA e proteínas.

03. (VUNESP) Os itens de I a VI apresentam, não necessariamente na


sequência, os passos pelos quais um vírus é replicado.
I. síntese de proteínas dos vírus
II. adesão da capa do vírus com a membrana celular 07. (FUVEST-SP/2015) Existem vírus que:
III. produção de proteínas a) se reproduzem independentemente de células.
b) têm genoma constituído de DNA e RNA.
IV. abandono da cápsula
c) sintetizam DNA a partir de RNA.
V. liberação do vírus da célula d) realizam respiração aeróbica no interior da cápsula proteica.
VI. replicação do RNA viral e) possuem citoplasma, que não contém organelas.
Assinale a alternativa que apresenta todos esses passos na sequência
correta. 08. (Cesgranrio-RJ) Existem organismos que, apesar de possuírem
propriedades como a autorreprodução, hereditariedade e mutação,
a) II – IV – I – VI – III – V são dependentes de células hospedeiras e, por isso, considerados
b) VI – IV – I – III – V – II parasitas obrigatórios. Tais organismos incluem:
c) II – VI – IV – III – I – V a) procariontes e vírus.
d) V – II – I – IV – VI – III b) bactérias e micoplasma.
e) II – IV – VI – I – III – V c) bactérias e vírus.
d) somente bactérias.
e) somente vírus.
04. (FUVEST-SP) Uma dificuldade enfrentada pelos pesquisadores que
buscam uma vacina contra o vírus da AIDS deve-se ao fato dele: 09. (UFSCAR) Nesta cidade, vacinação antirrábica.
Não deixe de levar seus cães e gatos.
a) não possuir a enzima transcriptase reserva.
A Vigilância Sanitária promove, ao longo do ano, campanha para a
b) alternar seu material genético entre DNA e RNA.
vacinação antirrábica de cães e gatos. Nessas campanhas, as pessoas
c) ser um vírus de RNAr, para os quais é impossível fazer vacina.
não são vacinadas porque:
d) ter seu material genético sofrendo constantes mutações.
a) com os animais vacinados, é menor a probabilidade dos humanos
e) ‰ possuir uma cápsula lipídica que impede a ação da vacina.
contraírem a doença.
b) a raiva só ocorre em humanos quando contraída através da
mordida de morcegos.
c) ainda não existe uma vacina específica para os humanos.
d) a raiva é uma doença exclusiva de cães e gatos.
e) já foram imunizadas com a vacina tríplice tomada quando
criança.

CPV BioGUI10
BIologIa 25

10. (MACk-SP) A dengue, que é uma virose transmitida pelo 12. (MACk-SP/Jun-2015) Levantamento do Ministério da Saúde
mosquito Aedes aegypti, pode se manifestar na forma clássica ou divulgou em 12/3/15 que 340 municípios brasileiros estão em
na hemorrágica. Esta é bem mais grave do que a primeira, causando situação de risco para epidemias de dengue e da febre chikungunya.
problemas circulatórios e alta incidência de mortes. Ainda, de acordo com os dados, 877 cidades estão em alerta para
Para o combate à dengue, são usadas medidas profiláticas que ambas as doenças.
consistem em: A respeito dessas duas doenças, são feitas as seguintes afirmações:
a) tratamento das pessoas infectadas e vacinação. I. Ambas são transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti.
b) combate ao mosquito transmissor e vacinação. II. Ambas são causadas por vírus.
c) combate ao mosquito transmissor, no estado adulto e larval.
III. Não há vacinação para ambas.
d) combate ao mosquito transmissor somente no estado larval.
IV. Ambas são consideradas endêmicas.
e) combate ao mosquito transmissor somente no estado adulto.
Estão corretas, apenas:
11. (PUC-SP/Jun-2013) Em certa população, um tipo de virose a) I e II
encontrava-se na forma endêmica e, em curto espaço de tempo, b) I e III
tornou-se epidêmica. c) II e II
Considere, nos gráficos a seguir, na ordenada, o número de indivíduos d) I, II e III
doentes dessa população e, na abscissa, o tempo (em meses). e) I, III e IV
Qual dos gráficos corresponde corretamente à situação descrita?
13. (UNICAMP-SP/2016) O sarampo é uma doença infectocontagiosa
a) provocada pelo Morbilivirus. Em 2015 apareceram vários casos
dessa doença em diversas cidades do Brasil e do mundo.
O que faz com que esta doença seja extremamente contagiosa e
muito comum na infância?
a) O fato de ser transmitida por um vírus para o qual não existe
vacina.
b) O fato de ser frequentemente transmitida por secreções das vias
respiratórias, como gotículas eliminadas pelo espirro ou pela
b) tosse.
c) O fato de ser transmitida apenas por meio de insetos vetores.
d) O fato de ser extremamente contagiosa apenas em crianças
desnutridas, recém-nascidos e crianças portadoras de
imunodeficiências.

c)

d)

e)

BioGUI10 CPV
26 BIologIa

reino Protista
protozoÁrIos
Como são heterótrofos e a maioria apresenta capacidade de locomoção, os protozoários foram considerados animais unicelulares
enquanto só havia os Reinos Animal e Vegetal. Por isso, os protozoários são, até hoje, tradicionalmente estudados pela Zoologia.
Dificilmente se pode estar em alguma parte desse planeta em que esses organismos não sejam encontrados em grande quantidade.
São aquáticos em sua maioria, encontrados em água doce ou salgada. Há também uma grande diversidade de protozoários que
vivem associados com outros organismos animais e vegetais, como parasitas, mutualistas ou comensais.
Alimentam-se da matéria orgânica presente no ambiente e podem predar micro-organismos, como bactérias e outros protozoários.
Multiplicam-se rapidamente por divisão celular, além de apresentarem formas elaboradas de reprodução sexuada.
Apresentam grande diversidade e, até pouco tempo atrás, eram classificados em um mesmo filo, que era dividido em classes, de
acordo com seu tipo de locomoção e reprodução. Atualmente, porém, a maioria dos biólogos trata essas classes como filos. E essa
é a classifcação que vamos adotar para o presente estudo.

ClassIfICação — São quatro os principais filos:


SARCODínEOS FlAGElADOS CiliADOS ESPOROzOÁRiOS

Amoeba proteus Trypanosoma cruzi Balantidium coli Plasmodium vivax

fIlo sarCodIna
Composto pelos protozoários que se locomovem por meio de pseudópodes. Os sarcodíneos (do grego, sarkos = carne) também
são chamados rhizopodes (do grego, rhiza = raiz) devido ao aspecto tipicamente ramificado de seus pseudópodes. Seus mais
conhecidos representantes são as amebas, encontradas em ambiente aquático de água doce ou salgada, ou em associações de vários
tipos, inclusive parasitária com outros organismos. Algumas espécies são encontradas em ambientes úmidos.

descrição da Amoeba proteus


As Amoebas proteus compõem-se de células de formato irregular e ramificado; vivem
em água doce e limpa, com vegetação verde. Com até 600 µm de tamanho, seus
pseudópodes são múltiplos. Internamente, apresentam vacúolo pulsátil, para regulação
osmótica, núcleo e as demais organelas
habituais nos eucariontes. Alimentam-se
fagocitando fragmentos de matéria orgânica
residual e micro-organismos, clorofilados
alimento
ou não. São capazes de detectar alimento
pseudópodes
nas proximidades por meio de receptores, Amoeba proteus fagocitando,
vista ao microscópio.
em sua superfície membranosa, sensíveis a
substâncias que se difundem pelo ambiente.
Deslocam-se emitindo prolongamentos finos, os pseudópodes, que envolvem o alimento
e o puxam para o seu interior, formando um vacúolo alimentar.
Esquema de ameba fagocitando.

CPV BioGUI10
BIologIa 27

A respiração ocorre por difusão do oxigênio da água para a célula, núcleo vacúolo de água
e de gás carbônico no sentido contrário.
A eliminação de resíduos metabólicos se dá também por difusão.
O vacúolo pulsátil expulsa, por meio de movimentos alternados de
contração e expansão, a água que entra por osmose, o que auxilia
a excreção através do fluxo forçado de saída de água, que acaba
carregando quantidades significativas de resíduos.
Reproduzem-se habitualmente por divisão mitótica (bipartição),
com duração de cerca de meia hora em condições ideais.

outros sarcodineos

pseudópode

1 2 3 Partes da ameba vistas ao microscópio.

Os radiolários (do grego,


4 5 6
radios = raio) apresentam
Reprodução por divisão mitótica (bipartição) em ameba. um esqueleto interno feito
de sílica e pseudópodes
Os foraminíferos (do latim,foramen = furo) são dotados de numerosos e finos, que
carapaça externa (teca) de material calcário ou grãos de sílica se expandem radialmente
(areia), combinados a componentes orgânicos com orifícios de suas células, daí seu
através dos quais são projetados finos e delicados pseudópodes. nome. São marinhos e,
O formato é diverso, mas sempre geométrico e regular. junto com os foraminíferos,
formam extensas camadas
de esqueletos vazios de
células mortas depositados
no fundo do mar, as vasas,
que são muito antigas.
Sabe-se que as pirâmides
do Egito foram feitas de
rochas calcárias formadas
por carapaças de um gênero
de foraminífero já extinto, o
Nummulites. Muitas vezes,
o encontro de depósitos
de foraminíferos indica a
Os heliozoários (do grego, hélios = sol) apresentam esqueleto proximidade de petróleo, ou
interno e pseudópodes em forma de raios finos. São típicos seja, são bioindicadores da
de água doce. presença de petróleo.

Há espécies de amebas
parasitas do homem, como
Entamoeba histolytica,
encontrada no intestino
e causadora de disenteria
amebiana, doença carac-
Radiolários
terizada por perda de sangue
e muco intestinal, além de diarreia, que pode agravar-se com
a infestação de outros órgãos, como o fígado, o baço ou até
mesmo o cérebro.
Heliozoários

BioGUI10 CPV
28 BIologIa

fIlo flagellata (Mastigophora)


O filo flagellata ou mastigophora (do grego, mastix = chicote, phoros = portador) compreende protozoários dotados de flagelos,
filamentos longos que servem tanto para a locomoção como para a captura de alimento, defesa e até como receptores sensitivos.
As espécies de vida livre são encontradas em água doce, no mar e ambientes úmidos.
Muitos usam o flagelo para nadar, outros são sésseis (fixos) e o usam para capturar alimentos.
Há muitas espécies parasitas inclusive do homem, causando doenças importantes, tais como:
· doença de Chagas, causada
pelo Trypanosoma cruzi;
· doença do sono (encefalite
frequente na África) causada
por Trypanosoma gambiense;
· infecções genitais, como a
causada pelo Trichomonas
vaginalis, parasita do
Trypanosoma cruzi Trichomonas vaginalis
aparelho genital feminino.
Em cupins e baratas, vivem espécies do gênero Trichonympha, mutualistas que digerem a celulose da madeira, permitindo a
sobrevivência desses insetos. Sua reprodução é normalmente por divisão binária.

fIlo CIlIata (Ciliophora) vacúolo


alimentar
São dotados de estruturas semelhantes aos flagelos, porém mais curtas
vacúolo contrátil
e numerosas, chamadas cílios.
Suas células apresentam padrão sofisticado, se comparadas às dos micronúcleo
demais protozoários e mesmo às dos eucariontes pluricelulares. macronúcleo
penículo
Sua diversidade abrange espécies marinhas e dulcícolas, mutualistas
e parasitas, estes em pequeno número. vacúolo
contrátil
É típico apresentarem mais de um núcleo por célula, geralmente:
cílios
· um núcleo grande, macronúcleo, que controla as funções
vegetativas, como a nutrição, a locomoção, o crescimento etc. e citóstoma
· um ou mais núcleos pequenos, micronúcleos, trocados entre
indivíduos diferentes num processo de reprodução sexuada
conhecida como conjugação.
Entre os ciliados mais conhecidos, destaca-se o gênero Paramecium, citoplasma
como o Paramecium aurelia e o Paramecium caudatum.
Esquema de Paramecium.
descrição de Paramecium caudatum
Com tamanho que varia de 150 a 300 µm, possuem formato de folha, com uma extremidade arredondada e outra afilada. São
aquáticos e sua superfície externa é recoberta por uma película elástica que mantém seu formato definido. Abaixo dela saem os
cílios, dispostos em fileiras longitudinais. Entre os cílios, há bolsas que guardam filamentos longos e enrolados — os tricocistos
— que podem ser descarregados em momentos de perigo, funcionando como forma de defesa.
Apresentam estruturas especializadas em captar alimento (partículas orgânicas e micro-organismos, como por exemplo outros
protozoários e bactérias) — o citóstoma (do grego, kitos = célula e stoma = boca) — um sulco aberto na superfície membranosa
anterior, que se prolonga diagonalmente para o interior da célula, formando um canal membranoso: a citofaringe. Esta é recoberta
por um denso tufo de cílios (penículo), que turbilhona a água, quando então entra o alimento, que fica acumulado no fundo da
citofaringe, onde se formam vacúolos alimentares. Após a digestão e absorção dos nutrientes, o vacúolo residual é eliminado
através de uma região da membrana plasmática chamada citopígeo ou citoprocto, equivalente ao ânus.
Há dois vacúolos contráteis situados em extremidades opostas da célula, cercados por delicados canais distribuídos radialmente,
que ajudam a captar água e excretas para expulsão.

CPV BioGUI10
BIologIa 29

Reproduzem-se assexuadamente, principalmente por bipartição. A reprodução sexuada se dá geralmente por conjugação.
Dois paramécios unem-se por meio de pontes citoplasmáticas que atravessam suas membranas. O macronúcleo desaparece, o
micronúcleo sofre meiose, e um deles é trocado com um do conjugante, produzindo recombinação gênica.

mitose de um
meiose do micronúcleo; o outro
micronúcleo se desintegra

troca de
micronúcleos

novos macronúcleos as células separam


se formam pela o macronúcleo
divisão dos desintegrado;
Reprodução do Paramecium, ao microscópio. micronúcleos os micronúcleos
se fundem

Esquema de conjugação do Paramecium.

outros CIlIados

Há poucas espécies parasitas, entre as quais destaca-se a Balantidium coli, encontrada no


intestino de porcos, raramente infestando pessoas. Algumas espécies são habitualmente
encontradas no intestino de ruminantes, como bois, carneiros, girafas etc., auxiliando-os
na digestão de celulose e eles mesmos servindo como alimento para seus hospedeiros.

Algumas espécies, como Stentor, são sésseis, fixando-se em objetos subaquáticos.


Sua forma é cônica, com uma extremidade (mais afilada) funcionando como fixador
e a extremidade oposta (em forma de funil) ficando livre, com cílios agrupados cujo
Stentor movimento causa a entrada de alimento.

fIlo sporozoa

Esse filo engloba os protozoários que não possuem estruturas de locomoção.

O nome vem do grego


(spora = semente; zoon = animal) e refere-se à sua forma de reprodução, que inclui:

· um estágio assexuado, com divisão celular múltipla, resultando em células chamadas esporos;
· um estágio sexuado, com produção de células gaméticas e fecundação.

São exclusivamente parasitas e largamente disseminados por todo o mundo dos seres vivos, desde outros protozoários até
mamíferos, causando doenças como a malária (uma das mais severas e disseminadas doenças humanas), a toxoplasmose (que
afeta as pessoas e várias espécies de mamíferos e aves), a coccidiose (em aves e coelhos) e a pebrina (que causa sérios prejuízos
para os criadores do bicho-da-seda).

BioGUI10 CPV
30 BIologIa

protozooses ameBíase
São as doenças causadas por protozoários parasitas. Agente causador: Entamoeba histolytica (filo Sarcodíneos)
Vamos estudar detalhes sobre as doenças mais
importantes, observando qual o protozoário causador, Transmissão: direta
os principais sintomas, a forma de transmissão e como Descrição e ciclo do parasita:
prevenir sua transmissão.
Essa ameba instala-se no intestino, encistando-se em suas paredes
Para esse estudo, vamos utilizar os seguintes conceitos e causando diarreia e disenteria, com presença de muco e sangue
descritivos, próprios dessa área de estudos: nas fezes.
· Doença transmissível — doença causada por Sua reprodução produz formas resistentes, os cistos, que são
organismos parasitas (bactérias, vírus, protozoários, eliminados com as fezes, contaminando o ambiente.
vermes, fungos), que se instalam no corpo do
Normalmente as pessoas se contaminam ingerindo água e alimentos
hospedeiro e podem passar para outros indivíduos,
contaminados por fezes.
causando o alastramento da doença nas populações.
· Agente causador ou agente etiológico — é o parasita
Profilaxia:
que causa a doença, conforme se instala no corpo do
hospedeiro. · saneamento básico, com implantação de sistemas de coleta e
· Agente transmissor: tratamento de esgotos;
há duas grandes formas de transmissão:
· tratamento da água para torná-la potável (pessoas que não
Transmissão direta: caracterizada pela infestação
contam com serviço de água encanada e utilizam água de poços,
de hospedeiros a partir de parasitas encontrados
por exemplo, devem ferver a água e/ou adicionar-lhe cloro, que
no ambiente (água, solo, ar), que por sua vez, foi
funciona como descontaminante);
contaminado por hospedeiros infestados. Por exemplo
a gripe, cujo vírus é eliminado pelas vias áereas de uma · higiene pessoal e no tratamento de alimentos, como lavagem
pessoa gripada através de gotículas de saliva liberadas de verduras e frutas ingeridas cruas (no tratamento de frutas e
para o ambiente. verduras, além da lavagem em água corrente é recomendável
Transmissão indireta: caracterizada quando o deixar o alimento imerso em água com cloro, vinagre ou limão,
parasita é transmitido através de um organismo que o pois o ácido acético é um eficiente descontaminante);
transporta de um hospedeiro infestado para outros. Esse
· tratamento das pessoas doentes, para que elas não contaminem
organismo é conhecido como agente transmissor.
outras pessoas.
Quando o parasita se altera no corpo do transmissor,
este pode ser chamado de vetor. Por exemplo, o
mosquito Aedes aegipty transmite o vírus causador da Ingestão de cisto
dengue, transportando-o de pessoas infectadas para presente em água ou
comida contaminada
pessoas sãs, causando o alastramento da doença. Cisto Maduro
· Epidemia e endemia: as análises dos sanitaristas infecção não invasiva:
preveem um número esperado de pessoas afetadas o cisto sai do hospedeiro
pelas fezes
por uma certa doença. Quando o número de casos
se mantém dentro do esperado, fala-se em endemia
(a doença faz parte do cotidiano da população). Excistação
Quando o número de casos ultrapassa o esperado, Um trofozoito com
Cisto infecção invasiva:
fala-se em epidemia. quadrinucleado através da corrente
4 núcleos emerge,
divide-se 3 vezes e
Exemplos de doenças endêmicas no Brasil: doença de sanguínea, infectando cada núcleo divide-se
fígado, cérebro,
Chagas, malária, ancilostomose e muitas outras. pulmões etc
1 vez, produzindo
8 trofozoitos em
Exemplos de doenças epidêmicas: sarampo, meningite cada cisto
meningogócica, entre outras.
É útil lembrar que as doenças não transmissíveis Trofozoitos Trofozoitos
invadem a migram para o
também podem constituir epidemias e endemias. mucosa intestinal intestino grosso
A hipertensão é um exemplo de doença endêmica
não transmissível na população brasileira. Trofozoitos
Cisto imaturo
· Profilaxia: é o conjunto de medidas que visa limitar multiplicam-se
o alastramento de uma doença, ou seja, impedir que por divisão binária

ocorra sua transmissão e, portanto, novos casos.


A palavra tem um sentido de prevenção, pois Encistação
recomenda medidas que permitem garantir que as
pessoas se vejam livres das doenças transmissíveis. Ciclo de vida de Entamoeba hystolitica

CPV BioGUI10
BIologIa 31

doença de CHagas (Trypanassomíase) Profilaxia:


Agente causador: Trypanosoma cruzi (filo Flagelados) · o combate ao barbeiro é o mais
Transmissão: indireta importante, com aplicação de inseticidas
nas casas onde são encontrados,
Agente transmissor: Barbeiro ou chupança (Triatoma infestans, instalação de telas em portas e janelas,
Panstrogilus megistus, Rhodnius prolixus, entre outros). para evitar que eles entrem em casa,
Descrição e ciclo do parasita: o Trypanosoma cruzi instala- utilização de mosqueteiros (telas de filó)
se em vários tecidos do corpo, mas prolifera rapidamente sobre a cama são medidas eficientes;
em tecidos musculares, principalmente no miocárdio, onde
· adoção de política habitacional que
protozoário perde seu flagelo e se multiplica rapidamente,
substitua casas com parede de barro,
produzindo ninhos nas fibras do miocárdio. Isso provoca barbeiro
frequentes no Brasil, por casas de
inflamação, com inchaço e perda de eficiência do coração
alvenaria.
(megacardite e insuficiência cardíaca), que levam normalmente
à incapacidade para esforços físicos mais intensos e redução Não há ainda forma de cura das pessoas doentes, nem vacina
da longevidade. Os ninhos passam a fornecer tripanossomos contra a doença, o que torna as medidas profiláticas ainda
para o sangue, onde ganham flagelos novamente. Ao sugar o mais importantes. O Brasil é um dos campeões mundiais
sangue de alguém contaminado, o barbeiro recebe os parasitas dessa doença.
em seu tubo digestivo, onde se instalam e se multiplicam.
Ao picarem novamente, eliminam os tripanossomos em suas
fezes. As pessoas se contaminam quando coçam as lesões leIsHmanIose ou úlCera de Bauru
deixadas pelas picadas. Há também o perigo do protozoário
instalar-se no sistema nervoso, provocando até a debilidade Agente causador: Leishmania brasiliensis (filo Flagelados)
mental. Sem tratamento, a doença é letal.
Transmissão: indireta.
Os barbeiros são insetos de hábitos noturnos. Durante o dia,
podem ser encontrados em locais frescos, como frestas de Agente transmissor: mosquito birigui ou mosquito palha
troncos de árvores ou mesmo nas paredes das casas de barro ou (Phlebotomus ou Lutzomyia)
pau-a- pique. Há muitas espécies de animais silvestres, dentre os Descrição e ciclo do parasita: o Leishmania pode ser
quais se destaca o tatu, que podem hospedar o tripanossomo e transmitido ao mosquito por pessoas previamente contaminadas
são consideradas reservatórios naturais da doença, já que muitas ou por roedores silvestres. Entra no organismo humano devido
vezes os barbeiros transportam os parasitas provenientes desses à picada, através da saliva do mosquito. Depois de algumas
animais para o homem. semanas da picada, o protozoário instala-se nas mucosas e
A doença de Chagas pode, na pele humana, causando feridas que podem evoluir para
ainda, ser transmitida por uma forma ulcerosa ou não. As feridas ulceradas podem se
meio de transfusão do sangue aprofundar bastante, normalmente atingindo a região da boca,
de pessoas doentes, o que se nariz e faringe, mas podem atingir também outras regiões do
previne com exame do sangue corpo, como a pele das mãos e dos pés. Existe a possibilidade
Representação artística sem escala.

coletado para transfusões, do protozoário invadir células de órgãos internos e causar a


principalmente nas áreas de chamada leishmamose visceral ou calazar, que pode ser fatal.
maior incidência da doença. Profilaxia:
Esta é uma das doenças que
· combate ao mosquito birigui ou palha com o uso de
mais preocupa, no Brasil, já
inseticidas, colocação de telas em portas e janelas,
que o número de casos ainda Ciclo da transmissão da Doença de Chagas mosqueteiros nas camas;
hoje é bastante elevado e
talvez crescente. · tratamento dos doentes.
Sintomas indicativos da doença: após a penetração do A leishmaniose é considerada pela OMS (Organização
tripanossoma, o local da picada fica avermelhado e inchado; Mundial de Saúde, da ONU) uma das cinco doenças tropicais
cerca de 10 dias após a picada, aparece um inchaço nas pálpebras
mais disseminadas do planeta. Entre as infecções causadas
chamado sinal de Romanã; segue-se a perda de apetite, um
por protozoários, ela só perde em importância para a malária.
mal-estar geral, dores de cabeça, aumento do baço e fígado
e miocardite; após essa fase inicial, se a pessoa sobreviver, Especialmente comum na região amazônica, a doença ainda
a doença evolui para o período crônico, caracterizado por não foi erradicada do Sul e Sudeste brasileiros: de acordo com
alterações no coração (que se dilata) e no sistema digestivo dados da Funasa, órgão do Ministério da Saúde, uma média de
(esofagite, um inchaço por inflamação do esôfago; inflamação 28 mil novos casos apareceram por ano no Brasil durante as
e inchaço do intestino). décadas de 1980 e 1990.

BioGUI10 CPV
32 BIologIa

malÁrIa (febre palustre, Impaludismo, treme-treme)


Agente causador: Plasmodium vivax (filo Esporozoa), mais frequente no Brasil;
Plasmodium malarie, causa a febre quartã benigna;
Plasmodium falciparum, causa a malária terçã maligna;
Plasmodium ovale, ausente no Brasil.
Transmissão: indireta
Agente transmissor: Mosquito prego (Anopheles) fêmea.
Descrição e ciclo do Plasmodium vivax: ao entrar no corpo humano através da picada do mosquito, o plasmódio está em sua
forma alongada e é chamado esporozoíto. Este vai para o fígado, onde penetra nas células e adquire forma arrendondada: o
trofozoíto. Este abandona o fígado e invade hemácias. Em seu interior, sofre divisão múltipla: cada trofozoíto pode produzir de
6 a 36 merozoítos. Cada um deles invade novas hemácias e, num período de aproximadamente 48 horas, uma nova geração de
merozoítos estará arrebentando essas células para alcançar o plasma e novas hemácias, nas quais o processo se repete. Isso quer
dizer que, a cada 48 horas, aproximadamente, a pessoa passará por uma crise, com destruição maciça de glóbulos vermelhos e
febre, causada pela liberação de toxinas para o sangue junto com cada nova geração de merozoítos, daí o nome de febre terçã.
Alguns merozoítos transformam-se em gametócitos masculinos e femininos, que passam para o interior do tubo digestivo do
mosquito. Em seu estômago, dá-se a fecundação e o zigoto resultante encista-se na parede do estômago na forma de um ovocisto.
Em cada ovocisto ocorre divisão múltipla e produção de esporozoítos, que migrarão para as glândulas salivares do mosquito até
que na próxima picada são levados juntamente com a saliva para um novo hospedeiro humano, fechando o ciclo.
Essa forma de malária é conhecida como benigna, por não ser habitualmente letal. Em sua forma maligna (febre terçã maligna)
tem um índice bem maior de letalidade e deixa sequelas importantes.
Há várias espécies transmissoras do gênero Anopheles, mas sempre a fêmea é a única transmissora, uma vez que o macho não
desenvolve o hábito hematófago (não se alimenta de sangue). Esse gênero tem como habitat as matas tropicais.
O mosquito prego é o hospedeiro definitivo, pois o estágio sexuado de reprodução ocorre nele.
O homem é o hospedeiro intermediário.
tubo digestivo Ciclo da malária
Existe o risco de se contrair a doença por meio de do mosquito
transfusões de sangue contaminado. Portanto, o exame
fecundação
do sangue coletado para transfusões é fundamental em mosquito
áreas em que a malária é endêmica. oocisto
zigoto
A malária foi trazida ao Brasil pelos colonizadores
esporozoito
europeus à época do descobrimento, matando muitos gametas
nativos. É uma das doenças de maior disseminação no glândulas
salivares
mundo, atingindo regiões da América do Sul, Central,
sul da América do Norte, África e Ásia. Há mais de
um bilhão e meio de pessoas ameaçadas pela malária
no mundo, pois habitam áreas onde ela é endêmica.
Há cerca de 500 milhões de pessoas infectadas, e cerca
de l a 2 milhões de mortes por ano.
O quinino, substância retirada da casca da árvore células
cichona, vem sendo utilizado há muito tempo com do fígado
sucesso no tratamento de sintomas de pessoas
afetadas, no Brasil e em outras partes do mundo.
Profilaxia: glóbulos
vermelhos
· a principal medida é o combate ao mosquito
anofelino, com aplicação de inseticidas; merozoíto
· utilização de telas em portas e janelas e de
mosquiteiros sobre as camas; homem
· tratamento dos doentes;
· em algumas comunidades, é hábito colocar-se óleo nas águas onde o mosquito se reproduz: a lâmina de óleo formada na
superfície da água impede a respiração da larva e causa sua morte, além de inibir a postura de ovos;
· utilização de peixes e outros animais predadores de larvas, que podem ser usados no controle biológico dos mosquitos.

CPV BioGUI10
BIologIa 33

gIardíase trIComonIase

Agente causador: Giardia lamblia Agente causador: Trichomonas vaginalis (filo Flagelados)
Transmissão: direta
Transmissão: direta
Descrição e ciclo: a tricomoníase pode ser considerada uma
Descrição e ciclo: a giardia é um DST (doença sexualmente transmissível).
parasita intestinal que provoca Na mulher, o protozoário instala-se na vagina, produzindo
dores abdominais e diarreia. Cistos irritações e ulcerações marcadas por corrimento e prurido
eliminados pelas fezes contaminam o (coceira) característicos.
ambiente e propagam a doença para as Giardia lamblia
pessoas que ingerem alimentos e água No homem, instala-se na uretra, mas sua reprodução é limitada
contaminada. pela passagem de urina. Portanto, o homem costuma funcionar
como transmissor sadio da doença. O Trichomonas pode
Profilaxia: ser transmitido por relações sexuais e também pelo contato
com aparelhos sanitários e toalhas úmidas ou roupas íntimas
· saneamento básico; infectadas.

· higiene pessoal e dos alimentos; Profilaxia:


· higiene dos órgãos genitais;
· tratamento da água para torná-la potável; · utilização de preservativos nas relações sexuais;
· tratamento dos doentes, para evitar a propagação. · não utilizar toalhas úmidas de outras pessoas;
· tomar cuidado ao usar banheiros coletivos.

doença do sono

Agente causador: Trypanosoma gambiensis


Transmissão: indireta
estágio Ciclo de
infectante infecção humana Agente transmissor: Glossina palpalis (a mosca tsé-tsé)
Descrição e ciclo: doença comum em países africanos. As
moscas podem se contaminar durante o contato com animais
silvestres. Ao se contaminarem, as pessoas apresentam febre
e anemia devido às toxinas liberadas no sangue pelo parasita.
contaminação da água
e alimentação por cistos
Em seguida, este pode chegar ao sistema nervoso central,
Trofozoítos não causando extrema sonolência, coma e morte.
sobrevivem no
meio ambiente toxoplasmose

Agente causador: Toxoplasma gondii (filo Esporozoários)


ambiente
externo Transmissão: direta
excistam-se e
formas Descrição e ciclo: doença bastante disseminada em pessoas e
desenvolvem-se
cisto no duodeno animais domésticos e silvestres. Os adultos são normalmente
resistentes e as crianças, mais sensíveis. Afeta áreas do sistema
nervoso, podendo ocasionar cegueira, paralisia nos músculos
da face e outras formas de paralisia muscular. A transmissão
se dá através das fezes de pessoas e animais (principalmente
divisão gatos domésticos) contaminados e pela ingestão de carne crua
cisto trofozoíto binária contaminada.
Ciclo da Giardíase Profilaxia:
· higiene pessoal;
· evitar contato com fezes de animais domésticos;
· evitar comer carne crua ou mal cozida.

BioGUI10 CPV
34 BIologIa

algas dIvIsão CrIsófIta


São organismos unicelulares ou pluricelulares eucariontes.
Algas douradas. Chamadas frequentemente
São seres aquáticos, na maioria, embora algumas espécies possam ser diatomáceas, são unicelulares, dotadas de vários
encontradas em ambientes terrestres úmidos. Há espécies que se associam pigmentos além da clorofila. Apresentam uma
habitualmente com outros organismos, como por exemplo certas algas parede celular reforçada por sílica. Quando
unicelulares que formam os líquens quando associadas a certos fungos morrem, suas paredes celulares mineralizadas não
pluricelulares. são decompostas e se acumulam no fundo dos
Sempre clorofiladas, apresentam também uma grande variedade de mares, formando uma areia fina chamada terra
pigmentos coloridos que lhe conferem cores variadas. Suas células de diatomáceas. O nome vem de sua consistência
apresentam parede celulósica e cloroplastos. mineral e seu brilho característico. Essa areia é muito
utilizada para a produção de abrasivos, polidores
São consideradas talófitas, pois seus corpos não apresentam maior
de lentes e metais, filtros de água, construção civil,
diferenciação celular, não chegando a possuir órgãos especializados, como
entre outras utilidades.
as plantas do Reino Metáfita.
Atualmente a maioria dos especialistas opta por colocá-las num único Chrysophycophyta, diatomáceas:
reino. Outros as deixam como parte do reino Protista. Entretanto, quando
se considera que no reino Protista devem figurar apenas os eucariontes
unicelulares, o grupo das algas é artificialmente dividido em dois reinos,
isto é, as unicelulares figuram no Protista, enquanto as pluricelulares
aparecem no reino das Plantas. Essa questão ilustra bem as vantagens e
desvantagens de se trabalhar com um número limitado de reinos. De um
lado se ganha em simplicidade e de outro, se perde em precisão.
É ainda importante lembrar que as algas, como seres clorofilados são
estudadas pela botânica. Os botânicos podem usar alguns termos específicos
em seu trabalho de classificação. Por exemplo, é ainda frequente que o termo
filo (subdivisão de reino) seja substituído pelo termo divisão.
As principais divisões do grupo das algas são:
Navícula sp
dIvIsão euglenófIta
São unicelulares, não possuindo parede celular. Muitas apresentam flagelos
para locomoção. Apresentam cloroplastos para a fotossíntese, mas podem
englobar alimento orgânico externo por fagocitose. Talvez por isso, alguns
acabam por considerá-las como protozoários.
Exemplo: Euglena viridis

flagelo
Coscinodiscus sp
estigma reservatório

nucléolo núcleo

cloroplasto
vacúolo contrátil
película

Estrutura de uma Euglena Triceratium sp

CPV BioGUI10
BIologIa 35

dIvIsão pIrrófIta dIvIsão rodófIta


Algas cor de fogo, conhecidas como dinoflagelados, são Algas vermelhas. A maioria é pluricelular, sendo que muitas
exclusivamente unicelulares e muitas apresentam flagelos apresentam um talo colorido e recortado que lembra flores.
para a locomoção. Algumas, como Noctiluca, apresentam Daí o apelido florídeas do mar. Delas se extrai o ágar, um
bioluminescência, podendo provocar fenômenos perigosos, gel utilizado para o cultivo de amostras de células e tecidos
como a maré vermelha, mostrada na imagem abaixo. em laboratórios.

Florídea do mar

Noctiluca dIvIsão feófIta

Algas pardas. São pluricelulares e algumas apresentam talos


que podem medir até 60 m. Delas pode-se extrair a algina,
um gel muito utilizado na indústria de alimento para dar
consistência a pudins, sorvetes etc. O Sargassum é um tipo
de alga que forma, em algumas regiões do mundo, verdadeiras
selvas marinhas, tal o seu adensamento.

receptáculos
imaturos
Fluorescência noturna da Noctiluca em uma praia de Hong Kong.

dIvIsão ClorófIta

Algas verdes, são uni ou pluricelulares. Algumas têm uma certa vesícula de ar
complexidade estrutural. Muitos consideram estas algas como
as ancestrais das plantas terrestres. Sargassum

As algas, principalmente as unicelulares, são muito abundantes


na superfície iluminada dos oceanos, formando o chamado
fitoplâncton, responsável por cerca de 90% do total de
fotossíntese do planeta. Assim, a maior parte do oxigênio
que respiramos provém do fitoplâncton. Além disso, as
algas são os principais produtores dos ecossistemas aquáticos
e, portanto, sustentam a vida aquática.
Algumas variedades de feófitas e rodófitas são usadas na
Ulva lactuta (alface-do-mar): uma alga verde membranosa.
culinária, principalmente a japonesa.

BioGUI10 CPV
36 BIologIa

reprodução Fla
As formas de reprodução das algas são bastante Sti
diversificadas, podendo ser assexuada ou sexuada.

reprodução assexuada

· Bipartição: consiste em mitoses típicas, em que uma


célula divide-se em duas, geneticamente iguais.
Essa forma é também conhecida como divisão binária.

· Fragmentação: algas pluricelulares fragmentam seus


talos, isto é, soltam pedaços de seus corpos. Esses
fragmentos espalham-se pelo ambiente e regeneram talos
completos. a b c

Euglena Mesnilli em bipartição


· Zoosporia: algumas algas pluricelulares podem produzir
células flageladas chamadas zoósporos, as quais nadam a) indivíduo vivo com flagelo curto, Fla, e estigma, Sti, visíveis.
b), c) estágios de reprodução por divisão celular, aqui fissão binária
fazendo uso de seus flagelos e se dispersam pelo
ambiente. Fixam-se em locais favoráveis e desenvolvem
novos indivíduos completos.

reprodução (mitose) assexuada reprodução sexuada


individuo indivíduo
haploide A haploide b · Fusão em algas unicelulares: algumas algas unicelulares, como as
Chlamydomonas, podem eventualmente se comportar como gametas,
isto é, fundem-se duas a duas, gerando células diploides chamadas
zigotos, os quais sofrem meiose, produzindo quatro células haploides,
reprodução que devem originar novos indivíduos unicelulares.
sexuada

· Metagênese: há muitos tipos de seres vivos que apresentam um ciclo


fusão de vida bem diferente do nosso (animais em geral). No ciclo animal,
um indivíduo adulto é formado de células diploides e se reproduz
citoplasma sexuadamente através de gametas haploides. Com a fecundação,
binucleado
origina-se a primeira
zigoto com fusão célula de um novo
dos núcleos indivíduo diploide, que
haploides cresce e se reproduz da
mesma forma que seus estágio
meiose pais, fechando o ciclo. assexuado
estruturas
Entretanto, muitas algas, produtoras
formação de esporos
dequatro
fungos e praticamente
indivíduos todas as plantas
haploides apresentam um ciclo
ilustração mostrando fusão sexuada em Chlamydomonas. de vida composto de zigoto
duas fases alternantes:
uma sexuada, em que indivíduos formados por células haploides produzem esporos
gametas também haploides, que se fundem gerando zigotos diploides que,
por meio de mitoses sucessivas, multiplicam-se, gerando as células de novos
indivíduos diploides, os quais são assexuados, isto é, reproduzem-se por meio
gametas
de células haploides chamadas esporos. Estas células são propagadas pelo
ambiente e, se encontrarem um local adequado, multiplicam-se e formam um
novo indivíduo haploide e sexuado, fechando o ciclo. estágio
sexuado
Assim, indivíduos sexuados têm filhos assexuados que, por sua vez, têm filhos
sexuados, como seus pais. Estudaremos essa forma curiosa de reprodução
com mais detalhes nos capítulos sobre a reprodução dos vegetais terrestres. Alternância de gerações em uma espécie
de alga do gênero Derbesia.

CPV BioGUI10
BIologIa 37

exerCíCIos 03. (MACk-SP/2013) Bactérias combatem causador da malária dentro


do mosquito
01. (UE-RJ/2013) Segundo Ricardo Gazzinelli, Bactérias que vivem naturalmente no intestino de mosquitos foram
pesquisador da FIOCRUZ, para o tipo de malária modificadas geneticamente para bloquear o desenvolvimento do parasita
causada pelo Plasmodium falciparum, predominante que causa malária.
no continente africano, já existe uma vacina sendo O parasita tem um complexo ciclo de vida, tanto no mosquito que
testada em humanos. No caso da malária causada transmite a doença quanto no organismo humano. Ele ataca o fígado e os
pelo P. vivax, mais frequente no Brasil, a previsão é glóbulos vermelhos do sangue humano, e parte do seu desenvolvimento
que se possa dispor de uma vacina comercial dentro se dá no intestino e nas glândulas salivares das fêmeas de mosquitos
de 3 a 5 anos. do gênero Anopheles.
Adaptado de redeglobo.globo.com O Plasmodium convive naturalmente com as bactérias da espécie
Aponte uma forma de transmissão da malária. Pantoea agglomerans. Os cientistas produziram mudanças em proteínas
Em seguida, indique outra medida profilática, além da delas que poderiam atacar o parasita. Uma das bactérias modificadas
utilização da vacina, que resultaria na diminuição ou produziu o melhor efeito, reduzindo em 98% a formação de oocistos,
na erradicação da malária de uma região geográfica. os gametas femininos do Plasmodium. Os experimentos envolveram a
mais letal espécie de parasita causador da malária em seres humanos,
o Plasmodium falciparum.
FSP-25/07/2012
Assinale a alternativa correta a respeito de malária.
a) Segundo o texto, o mosquito é o hospedeiro definitivo do Plasmodium.
02. (UNICAMP-SP/2013) A história da doença de b) A contaminação se dá quando o mosquito defeca próximo ao local da
Chagas se inicia com uma tripla descoberta, ocorrida picada e os parasitas alcançam a corrente sanguínea.
no interior de Minas Gerais. Em abril de 1909, c) O principal sintoma dessa doença é a ocorrência de hemorragias
Carlos Chagas (1878-1934) comunicou ao mundo frequentes devido à destruição de glóbulos vermelhos.
científico a descoberta de uma nova doença humana. d) O Plasmodium é uma bactéria.
O agente causal da doença e seu vetor também e) A única maneira do homem se contaminar pelo Plasmodium é através
haviam sido por ele identificados, ao final de 1908. da picada do mosquito.
A descoberta de Chagas, considerada única na
história da medicina, constitui um marco decisivo 04. (UNESP-SP/2013) Em determinada região do nosso país, o sistema de
na história da ciência e da saúde brasileiras, trazendo saúde verificou um crescente número de mortes por problemas cardíacos,
uma contribuição inovadora ao campo emergente da sobretudo em pessoas na faixa etária de 40 a 50 anos. Tais mortes não
medicina tropical e dos estudos sobre as doenças estavam relacionadas a históricos de sobrepeso ou hipertensão. Investigado
parasitárias transmitidas por insetos. o problema, verificou-se que há décadas a população não contava com
A doença de Chagas ainda preocupa, principalmente condições adequadas de moradia. Muitas das casas eram de pau a pique e
os moradores de Abaetetuba, no nordeste do Pará. estavam infestadas de insetos. Segundo os sanitaristas, as mortes deviam-
De acordo com a Secretaria de Saúde do Pará, só em se a uma parasitose endêmica na região.
agosto deste ano foram registrados 18 casos na região Pode-se afirmar que, mais provavelmente, a parasitose em questão é
associados ao consumo de açaí. No total, 365 casos causada por organismos da espécie:
foram contabilizados de janeiro a agosto de 2012. Nas a) Plasmodium vivax. b) Trypanosoma cruzi.
regiões Sul e Sudeste do Brasil, a transmissão dessa c) Triatoma infestans. d) Taenia solium.
doença já foi relacionada ao consumo de garapa. e) Schistosoma mansoni.
a) Indique o agente causal da doença de Chagas e seu
vetor descritos pelo pesquisador em 1908-1909. 05. (FGV-ECO-SP/2012) Inda tanto nos sobra, por este grandioso país, de
Explique a forma de transmissão dessa doença doenças e insectos por cuidar!... (M.Andrade. Macunaíma).
para humanos descrita por Chagas. A malária é uma das doenças que, ainda hoje no Brasil, acomete
b) Explique como o consumo de açaí ou de garapa intensamente a população, com mais de 300 mil casos por ano, concentrados
pode transmitir essa parasitose. Como seria principalmente na região amazônica.
possível impedir essa via de transmissão ao Nessa protozoose, a função realizada pelo mosquito prego,
consumir esses alimentos? Anopheles spp, com relação ao Plasmodium spp e ao ser humano é,
respectivamente, de:
a) hospedeiro intermediário e vetor.
b) hospedeiro definitivo e hospedeiro intermediário.
c) hospedeiro intermediário e hospedeiro definitivo.
d) hospedeiro definitivo e vetor.
e) vetor e hospedeiro intermediário.

BioGUI10 CPV
38 BIologIa

06. (PUC-RJ/2012) “A malária é reconhecida como grave 09. (PUC-SP/2012) Abaixo são apresentadas três informações a
problema de saúde pública no mundo, ocorrendo em quase respeito de um parasita humano:
50% da população, em mais de 109 países e territórios. Sua
I. tem como hospedeiro intermediário um inseto;
estimativa é de 300 milhões de novos casos e 1 milhão de
mortes por ano, principalmente em crianças menores de 5 anos II. a doença causada por esse parasita é adquirida por contato
e mulheres grávidas do continente africano. A região amazônica com as fezes do hospedeiro intermediário;
é considerada a área endêmica do país para malária. A maioria III. o parasita instala-se no músculo cardíaco, provocando
dos casos ocorre em áreas rurais, mas há registro da doença insuficiência no funcionamento do coração.
também em áreas urbanas (cerca de 15%)”.
http://portal.saude.gov.br Os itens I, II e III têm relação com o protozoário:
Entre as medidas propostas pelo Ministério da Saúde para a) Plasmodium falciparum e com o mal de Chagas.
prevenir a doença acima noticiada, estão: b) Trypanosoma cruzi e com o mal de Chagas.
a) usar mosquiteiros e repelentes, fazer obras de saneamento, c) Plamodium falciparum e com a malária.
controlar a vegetação de corpos d’água. d) Trypanosoma cruzi e com a malária.
b) usar inseticidas e substituir casas de pau a pique por casas e) Leishmania brasiliensis e com o mal de Chagas.
de alvenaria.
c) promover vacinação coletiva e usar inseticidas. 10. (UFF-RJ/2011) Hoje em dia, a África é quase toda atingida
d) evitar o contato com pessoas infectadas. pela malária, com exceção apenas da África do Sul, onde
e) evitar o consumo de alimentos crus e lavar as mãos sempre aconteceu a copa mundial de futebol, e dos países localizados
que entrar em contato com animais. no norte do continente africano junto ao Mediterrâneo. No
Brasil, além dos casos de malária notificados anualmente na
07. (UFTM-MG/2012) Cada ano avançava um punhado de léguas, Amazônia, doenças sazonais como a dengue ainda afetam
mais perto, mais perto, pertinho, fazendo medo no povo... da grande parte da população.
“tremedeira que não desamontava” — matando muita gente.
[...] O mosquito fêmea não ferroa de dia; está dormindo, com Quanto aos agentes transmissores e aos agentes etiológicos da
a tromba repleta de maldades; [...] E o anofelino é o animal malária e da dengue, pode-se afirmar que:
que canta mais bonito, na terra bonita onde mora a doença. a) essas doenças são transmitidas pelos mosquitos Anopheles
[...] Primo Ribeiro parece um defunto — sarro de amarelo na e Aedes, respectivamente; mas os causadores são de
cara chupada, olhos sujos, desbrilhados, e as mãos pendulando, origens diferentes. Enquanto a malária é causada pelo
compondo o equilíbrio, sempre a escorar dos lados a bambeza do protozoário do gênero Leishmania, a dengue tem o parasita
corpo. Mãos moles, sem firmeza, que deixam cair tudo quanto do gênero Plasmodium como agente causador.
ele queira pegar. Baba, baba, cospe, cospe... b) essas doenças são transmitidas pelos mosquitos Aedes
João Guimarães Rosa. Sagarana. Adaptado.
e Anopheles, respectivamente; mas os causadores são
a) A qual doença o excerto de Sagarana faz referência? de origens diferentes. Enquanto a malária é causada por
Transcreva o trecho que confirma sua resposta. protozoários do gênero Plasmodium, a dengue tem o vírus
b) Explique por que essa doença apresenta sintomas como do gênero Flavivirus como agente causador.
“tremedeira” e “cara amarela”, respectivamente.
c) essas doenças são transmitidas pelos mosquitos Anopheles
e Aedes, respectivamente; mas os causadores são de
origens diferentes. Enquanto a malária é causada por
08. (UFU-MG/2012) No início do Século XX, o médico sanitarista
Carlos Chagas e sua equipe descreveram, por completo, uma protozoários do gênero Plasmodium, a dengue tem o
doença infecciosa, produzindo conhecimento científico sobre vírus do gênero Flavivirus como agente causador.
o patógeno, o vetor, hospedeiros e manifestações clínicas d) essas doenças são transmitidas pelos mosquitos Aedes e
dessa doença. Anopheles, respectivamente; mas os causadores são de
origens diferentes. Enquanto a malária é causada pelo
Para compreender a epidemiologia da doença de Chagas, foi
vírus do gênero Flavivirus, a dengue tem o parasita do
importante a descoberta, por Carlos Chagas e sua equipe,
de que: gênero Plasmodium como agente causador.
e) essas doenças são transmitidas pelos mosquitos Aedes e
a) o vetor da doença é o protozoário conhecido popularmente Anopheles, mas os causadores são de origens diferentes.
como “barbeiro”. Enquanto a malária é causada pelo protozoário do gênero
b) o protozoário Trypanossoma cruzi é o parasita causador
Leishmania, a dengue tem o vírus da família Flavivirus
da doença.
como agente causador.
c) a doença se manifesta principalmente como uma disfunção
cardíaca pelo aumento do volume do coração devido a uma
reação inflamatória à picada do barbeiro.
d) o controle do vetor Trypanossoma cruzi é a maneira mais
eficaz para a redução dos casos dessa doença.

CPV BioGUI10
BIologIa 39

11. (PUC-SP/2010) Malária (I), febre amarela (II), mal de 14. (PUC-SP/Dez-2013) No início do século 20, o brasileiro Carlos
Chagas (III) e síndrome da imunodeficiência adquirida Chagas iniciou um estudo que o levou à descoberta de uma série de
(IV) são algumas das doenças que ocorrem em humanos. características do ciclo do parasita Trypanosoma cruzi.
I e III são causadas por __(A)__, enquanto II e IV são Daquela época até hoje, houve avanços significativos nas pesquisas
causadas por __(B)__. que envolvem esse parasita.
As letras A e B nas lacunas devem ser preenchidas Com relação à sua estrutura celular e ao seu modo de transmissão,
correta e, respectivamente, por: podemos afirmar que ele é um
a) bactérias e vírus. a) procarionte, transmitido por um inseto hematófago.
b) protozoários e vírus. b) procarionte, transmitido por água contaminada.
c) protozoários e bactérias. c) procarionte, transmitido por contato com secreções do trato
d) bactérias e protozoários. respiratório.
e) vírus e protozoários. d) eucarionte, transmitido por um inseto hematófago.
e) eucarionte, transmitido por água contaminada.
12. (PUC-SP/2010) “[...] Já ha evidencias de que mudanças
climáticas introduziram epidemias em regiões 15. (PUC-SP/Dez-2012)
anteriormente livres delas. É o caso da malária que níquel nÁusea – Fernando Gonsales
hoje se espalha pelas terras altas do leste africano
em razão de um clima mais quente e úmido do que o
habitual na área.”
Drauzio Varella. Tempestades, calor e epidemias.

No trecho acima é citada uma doença causada por:


a) um protozoário, e sua transmissão se dá pela picada
de um inseto.
b) um protozoário, e sua transmissão se dá por ingestão
de água contaminada.
c) uma bactéria, e sua transmissão se dá pela picada de
um inseto.
d) uma bactéria, e sua transmissão se dá pela ingestão
de água contaminada.
e) um vírus, e sua transmissão se dá pela picada de um
inseto.

13. (MACk-SP/Jun-2013) Doenças endêmicas são aquelas


que ocorrem com certa frequência em determinada região.
Para eliminá-las, é preciso que se acabe com os vetores.
Aqui no Brasil ocorrem várias delas, tais como a doença
de Chagas, a dengue e a malária.
A respeito dessas três doenças, são feitas as seguintes A terrível mosca do sono referida na tira é agente transmissor de um
afirmações: protozoário do gênero Trypanosoma.
I. Há insetos como vetores. Essa mosca tem papel análogo ao do
II. Podem ser prevenidas por vacinação.
a) barbeiro, transmissor de um protozoário pertencente ao mesmo
III. São causadas por protozoários. gênero acima citado, que é o agente etiológico da doença de Chagas.
IV. Podem ser adquiridas por transfusão sanguínea. b) barbeiro, transmissor de um protozoário pertencente a um gênero
diferente do acima citado, que é o agente etiológico da malária.
Estão corretas, apenas,
c) mosquito-prego, transmissor de um protozoário pertencente ao
a) I e II. mesmo gênero acima citado, que é o agente etiológico da malária.
b) I e III. d) mosquito-prego, transmissor de um protozoário pertencente a um
c) I e IV. gênero diferente do acima citado, que é o agente etiológico da
d) II e III. doença de Chagas.
e) II e IV. e) mosquito-palha, transmissor de um protozoário pertencente
ao mesmo gênero acima citado, que é o agente etiológico da
leishmaniose visceral.

BioGUI10 CPV
40 BIologIa

reino fungi
Fungos são organismos eucariontes unicelulares ou pluricelulares e
heterótrofos em sua totalidade. Até o século XIX, eram incluídos no Reino
Vegetal. Depois, passaram a figurar no Reino Protista. A partir de 1969,
ganharam um reino próprio: o Reino Fungi.

A diversidade de espécies é grande e são encontrados tanto em ambiente


aquático (água doce e salgada) como terrestre, principalmente em locais
úmidos. Como são heterótrofos, dependem da presença de fontes externas
de alimento orgânico. Grande parte das espécies conhecidas alimenta-se de
matéria orgânica morta, sendo responsáveis, juntamente com certas bactérias,
pela decomposição de cadáveres e dejetos nos ecossistemas.

Há também espécies que vivem associadas de diferentes maneiras, como os


fungos parasitas, conhecidos causadores de doenças no homem e em outras
espécies animais e vegetais. Os fungos simbiontes (também chamados
mutualistas) associam-se de maneira cooperativa com outras espécies de
seres vivos.
Vários tipos de fungos usualmente encontrados sobre
substrato orgânico e locais úmidos como solos de floresta,
CaraCterístICas Celulares e organIzação troncos de árvores, cadáveres etc.

Os fungos são geralmente dotados de parede celular quitinosa. A quitina é um polissacarídeo nitrogenado também presente em vários
grupos de animais, como os artrópodes, em que constituem um exoesqueleto. Algumas espécies de fungos também apresentam
celulose. Geralmente armazenam reservas nutritivas na forma de glicogênio, polissacarídeo também encontrado nos animais.
Os fungos pluricelulares apresentam suas células organizadas em cadeias lineares
chamadas hifas. Seu corpo é formado por um emaranhado de hifas chamado micélio
Há dois principais tipos de hifas: septadas e asseptadas.
As hifas septadas apresentam parede celular
entre suas células, que podem apresentar um ou
dois núcleos.
As hifas asseptadas não apresentam parede
celular, sendo compostas por um grande número
micélio crescendo em um tronco de núcleos celulares que compartilham uma
de árvore apodrecido. massa citoplasmática indivisa.
As hifas, em condições ambientais favoráveis,
micélio
podem crescer rapidamente por divisão celular
com citocinese (divisão do citoplasma através
da produção de novas paredes celulares) ou
hifa asseptada
multiplicação de seus núcleos e aumento da
massa citoplasmática (asseptadas).
Em qualquer dos casos, a partir das extremidades hifa septada
das hifas. Suas células não apresentam
ilustração mostrando micélio,
diferenciação (especialização) suficiente para e os dois tipos fundamentais de hifas:
formar tecidos ou órgãos verdadeiros. septadas e asseptadas.
Hifas observadas ao microscópio.
Muitos fungos podem produzir uma estrutura reprodutiva geralmente designada como corpos de frutificação ou carpos.
São agrupamentos de hifas em forma de feixes que geralmente crescem para fora do substrato alimentar (solo, cadáver, dejetos)
e produzem células chamadas esporos, que se espalham pelo ambiente e originam novos micélios. Um bom exemplo de fungos
dotados de carpos são os cogumelos comestíveis, como champignon e shitake. É muito comum que um fungo pluricelular tenha
seu corpo dividido em duas partes principais: o micélio vegetativo, composto por hifas que crescem no substrato responsável pela
aquisição de alimento, e o carpo, que cresce em direção ao ambiente e tem função reprodutiva.

CPV BioGUI10
BIologIa 41

nutrIção
Com a presença típica de parede celular, os fungos em geral não conseguem
seu alimento por meio da fagocitose.
Suas células produzem enzimas digestivas, que são liberadas para o substrato
orgânico, onde a digestão é processada. As moléculas orgânicas unitárias e
inorgânicas liberadas pelo efeito digestivo das enzimas são então assimiladas
pelas células.
Portanto, a digestão é extracelular e extracorpórea (fora das células e do corpo).
Esse processo é responsável pelo apodrecimento característico dos diversos
materiais que lhes servem de alimento como cadáveres, dejetos (fezes), ou
mesmo alimentos, como pães, frutas, legumes, ou ainda roupas e estoques
de sementes armazenadas para consumo posterior.
laranja embolorada.
reprodução
A diversidade das formas de reprodução é proporcional à grande variedade de tipos de fungos. Pode ser assexuada ou sexuada.

assexuada sexuada
fragmentação: os fungos pluricelulares podem se reproduzir pela Em muitos tipos de fungos, a reprodução sexuada se
fragmentação de seus micélios. Os fragmentos espalham-se devido processa por meio da união de hifas de indivíduos
à ação de fatores ambientais e originam novos micélios em ambientes diferentes, usualmente designados por estirpe (+) e
favoráveis (úmidos e com alimento orgânico). estirpe (–).
Brotamento ou gemulação: os fungos unicelulares, genericamente
chamados leveduras, dividem-se mitoticamente (mitose), com uma Da fusão dessas hifas surgem hifas binucleadas, que
divisão citoplasmática assimétrica. A célula menor é chamada broto normalmente se organizam em feixes, formando carpos
ou gêmula. Às vezes, os brotos não se separam completamente, “sexuados”.
originando cadeias de células filamentosas típicas de certas espécies,
como a conhecida levedura de cerveja. Na extremidade dessas hifas ocorre a fusão de pares
de núcleos, num processo equivalente à fecundação,
esporulação: consiste na produção de células com parede celular originando núcleos diploides, equivalentes a zigotos, que
espessa e reforçada (os esporos) que são espalhadas pelo vento, pela passam por meiose e produzem, cada qual, quatro esporos
chuva ou aderem ao corpo de animais. Esses esporos podem permanecer haploides, normalmente lançados ao ambiente.
viáveis por longo período de tempo, resistindo a ambientes inóspitos,
até que as condições melhorem, quando originam novos micélios por Em locais adequados, esses esporos originam novos
multiplicação celular. Geralmente, esses esporos são produzidos em micélios haploides.
carpos. Em fungos aquáticos, os esporos podem ser dotados de flagelos
(zoósporos) que facilitam sua dispersão.
esporos
esporângio
meiose

fusão de
brotação dois núcleos
(haploide) basídio
meiose

2n
n + n n

brotação
(diploide)
plasmogamia
união de hifas micélio

cariogamia
Ciclo de vida da levedura.
Reprodução sexuada em um tipo de fungo.

BioGUI10 CPV
42 BIologIa

ClassIfICação
A classificação dos fungos é ainda bastante discutida. Diferentes especialistas em micologia (especialidade que estuda os fungos)
aplicam diferentes critérios de classificação, até porque sua filogenia e relação com outros grupos de seres vivos é ainda obscura.
Para este estudo, vamos adotaremos uma classificação simples, para que se possa ter uma ideia genérica da diversidade desse grupo.
Assim, o Reino Fungi é dividido em quatro filos ou divisões: Ficomicetos, Ascomicetos, Basidiomicetos e Deuteromicetos.

fIComICetos

Grupo composto de maioria aquática, embora haja representantes terrestres, como o


bolor negro, comum como bolor de pão. O nome do grupo (do grego, phykos = fico e
myketos = fungo) lembra certa semelhança com as algas, principalmente em suas formas
de reprodução, já que algumas espécies reproduzem-se através de gametas flagelados e
esporos também flagelados (zoósporos). Alguns apresentam parede celular com celulose.
São saprófitos (decompositores de matéria orgânica), parasitas e simbiontes.

O ficomiceto claviceps purpurea que costuma


asComICetos ser encontrado em centeio e trigo.

É um grupo de grande importância econômica, pois inclui as leveduras, como as do


gênero Saccharomyces. Unicelulares, realizam fermentação alcoólica, importante
na produção de bebidas alcoólicas, massas e álcool combustível. Há também bolores
importantes, como os do gênero Penicillium, usados na produção de antibióticos
e de alguns tipos de queijos. Os pluricelulares muitas vezes produzem estruturas
reprodutivas chamadas ascos, em forma de saco, no interior dos quais se formam esporos
chamados ascósporos. Em certos tipos, os ascos ficam agrupados no interior de carpos
característicos chamados ascocarpos.
Asco típico de ascomicetos.

BasIdIomICetos
estrutura
específica
para a
Formam estruturas reprodutivas chamadas produção
de
basídios, em que há formação de quatro esporos, esporos

chamados basidiósporos. Os corpos de frutificação basídio


popularmente são conhecidos como cogumelos. hifas união
Nesse filo inclui-se o gênero Agaricus, cujas micélio
espécies são conhecidas como champignon.
ilustração mostrando estrutura típica de um
basídio com basidiocarpo (cogumelo).
deuteromICetos

O nome vem do grego (deuteros = inferior) e são também conhecidos como fungos
imperfeitos. Nesse filo, são reunidos os fungos sobre os quais não se conhece nenhum
tipo de reprodução sexuada. Vários são parasitas, como os do gênero Trichophyton,
causador frequente de micoses nos pés conhecidas como pé de atleta ou frieira. Há
também espécies que costumeiramente causam pequenas irritações na boca, no tubo
digestivo e na vagina, como a Candida albicans.
micose causada por deuteromiceto.

CPV BioGUI10
BIologIa 43

ImportânCIa

na eCologIa: Muitas espécies de fungos,


chamadas saprofágicas, alimentam-se de matéria b
orgânica morta. Esse hábito alimentar acaba por
torná-los importantes recicladores de matéria e, nos ramo de carvalho
ecossistemas, participam dos ciclos do carbono, do
nitrogênio e do fósforo, entre outros. Além disso,
existem fungos que se associam mutualisticamente
(simbioticamente) com outros tipos de organismos.
Os líquens, por exemplo, podem ser formados pela
associação de fungos pluricelulares, que recebem
em seu micélio tanto cianobactérias como espécies
Usnea
de algas unicelulares. Em Ecologia, os líquens
são descritos como seres adaptados a ocupar
ambientes inóspitos, onde causam alterações
que os transformam em locais mais propícios ao
desenvolvimento de outras formas de vida.
A
Há também fungos cujos micélios crescem em
associação com raízes de árvores de florestas células de algas
hifas do fungo
temperadas e tropicais; essas associações são
chamadas micorrizas e aumentam significativamente
a capacidade de absorção de água e sais minerais
do solo, sendo importantes em solo pobre. Há
indícios de que muitas florestas seriam simplesmente
inviáveis sem a existência das micorrizas.

na medICIna: Há vários fungos parasitas que


causam muitas doenças no homem e em espécies B
animais e vegetais. No Brasil, o fungo da espécie líquens sobre uma árvore.
Moniliophtera perniciosa produz uma doença A. diversas espécies num ramo de carvalho; a forma fibrosa pendente à direita é uma
nos pés de cacau, a chamada vassoura-de-bruxa, espécie de Usnea chamada barba-de-velho.
que afetou profundamente a produção brasileira B. células de algas (ficobionte) entre as hifas do fungo (micobionte) de um líquen.
quando atingiu a Bahia, em 1989. Até então, o
Brasil contribuía com cerca de 15% da produção mundial de cacau. Em 2000, produzimos apenas 5%. A ferrugem do café é outra
micopatia (doença causada por fungo) que afetou de maneia importante a economia agrícola do Brasil. As micopatias ou micoses
humanas variam desde micoses de pele, em geral incômodas, mas sem maior gravidade, até micoses graves em órgãos internos,
como o coração e o fígado, que podem ser de difícil tratamento e até letais. O tratamento da micose deve ser feito rigorosamente de
acordo com as orientações dos médicos, que geralmente recomendam o prolongamento do tratamento após o desaparecimento dos
sintomas, para que se possa eliminar possíveis esporos remanescentes, uma vez que essas células resistentes podem permanecer nos
locais contaminados se o tratamento for encerrado antes de sua completa eliminação. Por outro lado, os fungos são utilizados na
produção de diversos antibióticos, remédios fundamentais no tratamento de infecções bacterianas e eventualmente outras formas
de doenças. Há também espécies que produzem substâncias alcaloides que, devidamente processadas em laboratório, originam
recursos médicos para tratamentos psiquiátricos. Alguns desses alcaloides, se ingeridos em sua forma natural, podem trazer efeitos
sobre o sistema nervoso das pessoas e provocar alucinações e outros sintomas, eventualmente letais. Por exemplo, a ingestão de
um único cogumelo Amanita phalloides pode causar a morte de uma pessoa. A conhecida ergotina (Claviceps purpurea) produz
uma substância da qual se extrai o LSD, conhecida droga alucinógena que se tornou famosa nos anos 70.
na IndústrIa alImentíCIa: Muitos tipos de cogumelos são usados na culinária, sendo considerados alimentos de alta
qualidade como fornecedores de proteínas e lipídios. Entre eles, um dos mais conhecidos é o champignon (Agaricus campestris).
As leveduras são importantes fungos unicelulares usados para a produção de bebidas alcoólicas, como cervejas, vinhos e massas
em geral. Quando submetidos a ambientes pobres em oxigênio, realizam a fermentação alcoólica, transformando a glicose presente
no ambiente em etanol (álcool etílico) e gás carbônico. Atualmente, o etanol é considerado uma fonte de energia alternativa aos
derivados de petróleo (como a gasolina), importante no combate ao aquecimento global. Certos queijos são também produzidos com
o emprego de fungos como o Penicillium camembertii e o Penicillium roquefortii, usados na fabricação dos queijos camembert
e roquefort, respectivamente.

BioGUI10 CPV
44 BIologIa

exerCíCIos 09. (PUCCamp-SP) Todos os itens indicam alguma importância ligada


à atividade de fungos, exceto:
01. (UNICAMP-SP) Cite dois exemplos de fungos e discuta sua a) podem causar doenças chamadas micoses.
importância. b) produção autotrófica de substâncias orgânicas para o consumo
de outros seres.
02. (MACk-SP) Algumas espécies do gênero Penicillium c) desempenham papel fermentativo.
desempenham importante papel na obtenção de antibióticos. d) alguns produzem antibióticos.
O Penicillium é considerado: e) participação na formação de líquens.
a) bactéria.
10. (UNIFOR-CE) A característica comum a todos os fungos:
b) fungo.
c) protozoário. a) serem heterótrofos b) parasitismo
d) vírus. c) terem clorofila d) patogenicidade
e) alga. e) reprodução por ascóporos

03. (FUVEST-SP) Algas e fungos são semelhantes em muitos 11. (MACk-SP) Os fungos são seres vivos bastante diversificados
aspectos. quanto à sua organização e aos seus relacionamentos com outros
seres. A respeito deles, são feitas as seguintes afirmações:
Uma diferença marcante entre esses grupos, entretanto, é a
ocorrência, em apenas um deles, de: I. A maioria apresenta tanto reprodução sexuada como assexuada.
II. Suas hifas são constituídas basicamente de celulose.
a) parede celular.
III. Nas relações com outros seres vivos, nunca exercem o papel
b) núcleo delimitado por membrana.
de produtor.
c) clorofila.
IV. Numa cadeia alimentar, eles podem ocupar os níveis de
d) gametas haploides.
produtor, consumidor e decompositor.
e) mitocôndrias.
Das afirmações acima, estão corretas apenas:
04. (UNISA-SP) Um organismo formado por células nucleadas, a) I e II b) I e III c) II e III
sem pigmentos fotossintetizantes, e que cresce sobre matéria d) I e IV e) III e IV
orgânica em decomposição é, provavelmente:
a) fungo. b) musgo. c) alga. 12. (UNESP/2016) O cogumelo shimeji (Pleurotus ostreatus) aos
d) samambaia. e) angiosperma. poucos vai se incorporando à culinária das grandes cidades
brasileiras. Encontrado facilmente em supermercados, é usado
05. (FUVEST-SP) Os fungos são importantes para o homem em como principal ingrediente de molhos, refogados, risotos e outros
todos os processos abaixo, exceto: pratos.
a) fermentação, como na produção de bebidas alcoólicas. Sobre o cogumelo shimeji, foram
b) fabricação de antibióticos como a penicilina. feitas as assertivas:
c) alimentação como cogumelos comestíveis. 1. Trata-se de um fungo, um
d) decomposição de organismos mortos. organismo heterótrofo que não
e) purificação de ar através de fotossíntese. faz fotossíntese e não produz
seu próprio alimento.
exerCíCIos de Casa 2. Por ser um fungo, não sintetiza proteínas e carboidratos, tendo
baixo valor nutricional.
06. Por que os fungos são importantes sob os aspectos médico e
econômico? Sobre essas assertivas, é correto dizer que
a) ambas estão corretas, e a segunda assertiva não é consequência
07. (UNICAMP-SP) Não são representantes do reino Protista: da primeira, uma vez que a fotossíntese não é condição para
a) cianofíceas. b) diatomáceas. c) dinoflagelados. a síntese de proteínas.
d) euglenofíceas. e) protozoários. b) ambas estão erradas, pois os fungos são organismos autótrofos
que sintetizam seu próprio alimento, são ricos em carboidratos
08. (UNIFICADO-RJ) Os vegetais se caracterizam pela capacidade e proteínas e têm grande valor nutricional.
de utilizar a energia luminosa para produzir matéria orgânica c) a primeira está errada e a segunda está correta, pois, embora
a partir de substâncias minerais. Este processo também pode sejam fungos e não realizem fotossíntese, os cogumelos são
ser realizado por seres que pertencem aos reinos: autótrofos e sintetizam seu próprio alimento.
d) ambas estão corretas, e a segunda delas é consequência da
a) monera e animal primeira, uma vez que organismos que não fazem fotossíntese
b) protista e monera não sintetizam proteínas e carboidratos.
c) protista e fungi e) a primeira está correta e a segunda está errada, uma vez
d) protista, fungi e monera que, embora não realizem fotossíntese, os fungos sintetizam
e) protista, fungi e animal proteínas e carboidratos.
CPV BioGUI10
BIologIa 45

reino aniMal
dIversIdade
O Reino Animal inclui os organismos eucariontes, pluricelulares, heterótrofos, os quais obtêm seu alimento através da ingestão de
nutrientes do ambiente.
Provavelmente, estes organismos originaram-se de protozoários flagelados coloniais. A evolução dos animais se deu através da aquisição
de uma série de possibilidades funcionais que, gradativamente, os tornaram mais eficientes e adaptáveis.
É importante ressaltar que todos os organismos apresentam certos problemas de sobrevivência comuns, como por exemplo a procura
por alimentos, a troca de gases com o ambiente, a eliminação de excretas tóxicas, a reprodução, entre outros. A diferenciação entre os
organismos muitas vezes se dá pelas várias estratégias desenvolvidas por eles para a resolução destes problemas. A comparação das
funções dos animais fornece informações valiosas para a sua classificação, pois permite constatar um histórico de seu desenvolvimento,
em que grupos mais recentes apresentam versões mais complexas de estruturas funcionais do que as encontradas em grupos mais antigos.
No entanto, o surgimento e o constante aprimoramento de sistemas fisiológicos também apresenta custos, devido ao surgimento de
novos problemas. Como exemplo, pense no que acontece quando os organismos se tornam mais complexos, ou seja, com número mais
elevado de células, distribuídas por um maior número de tecidos e órgãos. Não só há maior demanda de integração e controle entre todas
essas partes como também é mais complicado o acesso das células ao ambiente, tanto para conseguir oxigênio e nutrientes como para
descarregar gás carbônico e resíduos. Surge, então, a demanda por um sistema de transporte que possa garantir que tanto as substâncias
necessárias possam chegar às células como seus resíduos possam ser jogados fora do corpo. Assim, certos sistemas surgiram para ajudar
a resolver os problemas gerados pela própria evolução. Isso justifica, por exemplo, que animais primitivos não apresentavam sistema
circulatório, ao contrário dos mais recentes, já que naqueles as células em geral ainda tinham acesso fácil ao ambiente.
O estudo comparativo dos
grupos animais quanto às suas Filo: Poríferos Filo: Celenterados Filo: Platelmintos Filo: Nematelmintos
características anatômicas,
fisiológicas e embrionárias
nos ajuda, assim, a entender
melhor como se processou
a evolução da vida e como
sua diversidade veio sendo
construída ao longo do tempo.
Portanto, meu caro estudante,
não confunda o estudo dos
grupos animais como um
desfile de informações estéreis
para serem decoradas. Pelo
Filo: Anelídeos Filo: Moluscos Filo: Equinodermos Filo: Artrópodes
contrário, as informações que a
partir de agora você vai adquir Classe: Crustáceos
são necessárias para que você
possa entender melhor como
são os diferentes grupos de
seres vivos, como funcionam
e como evoluíram ao longo do
tempo. Saiba que, ao estudar
o sistema excretor de uma
minhoca, podemos encontrar
o rascunho do nosso próprio
sistema urinário, ou seja, muito
Filo: Artrópodes Filo: Artrópodes Filo: Artrópodes Filo: Cordados
daquilo que hoje você é, foi
definido em grupos de animais Classe: Insetos Classe: Aracnídeos Classe: Diplópodes e
Quilópodes
que viveram num passado mais
ou menos distante, deixando
certos descendentes que
conservaram muitas de suas
características intactas.

ClassIfICação
Para nosso estudo, vamos
considerar os nove filos mais
representativos do Reino Animal. Os tamanhos das ilustrações não respeitam as proporções reais.

BioGUI10 CPV
46 BIologIa

Moluscos Artrópodes Cordados


Poríferos Platelmintes

Anelídeos
Equinodermos
Nematelmintes
Cnidários

Segmentados

Segmentados
Pseudocelomados

Celomados

Simetria Simetria
Radial bilateral

Ancestral
Protista

Árvore filogenética que mostra uma das hipóteses sobre as relações evolutivas entre os principais filos animais.

filo Porífero
O nome porífero vem do latim (porus = poro e ferre = portador). O filo é representado pelas esponjas, os animais pluricelulares
de maior simplicidade. Seu corpo irregular e poroso deu origem ao nome. São todos aquáticos, a maioria marinhos e uma minoria
de água doce. São encontrados normalmente em águas rasas, logo abaixo da linha das marés, e são mais frequentes em águas
tropicais, embora haja espécies de águas mais frias.

São animais fixos, encontrados no solo subaquático, geralmente fixados em rochas, corais e até mesmo em conchas e armaduras
de moluscos e crustáceos. Seu aspecto e a ausência de reações maiores a estímulos externos fizeram com que figurassem entre os
vegetais durante muito tempo.

Sua origem é muito antiga e, provavelmente, constituem uma ramificação do ancestral comum do restante dos animais pluricelulares,
formando uma linha evolutiva separada, que não originou nenhum outro grupo animal conhecido. É habitual a divisão dos animais
em Parazoários, que são as esponjas, e Eumetazoários ou Enterozoários (do latim, entero = intestino) que agrupa os demais.

CPV BioGUI10
BIologIa 47

desCrIção
Sua anatomia é bastante primitiva. Suas células têm uma ligação muito tênue, não chegando a formar tecidos e órgãos. Sua vida
consiste em filtrar água, de onde retiram alimento composto de micro-organismos e partículas orgânicas. Apresenta-se sob cores
diversificadas: negras, violetas, amarelas, algumas são esverdeadas devido à presença de algas verdes associadas com suas células.
O corpo tem forma de vaso, com uma parede geralmente fina e porosa revestindo uma cavidade interna, a espongiocela ou átrio, que
se abre num orifício superior, o ósculo. A parede é formada por duas camadas de células intercaladas por uma mesogleia gelatinosa.
A camada externa é formada por células achatadas chamadas pinacócitos. A camada interna apresenta células globosas chamadas
coanócitos, com um flagelo em cuja base há um prolongamento envolvente em forma de colarinho. Atravessando da parede externa
para a interna, há células em forma de tubo, os porócitos, que formam os poros. Na mesogleia encontram-se células ameboides,
que se movimentam livremente nesse espaço, os amebócitos. Dividindo espaço com os amebócitos, encontram-se numerosas
estruturas minerais, as espículas, compostas de carbonato de cálcio ou sílica, muito pequenas e apresentando prolongamentos
pontiagudos em número de dois, três ou quatro.

Protozoário Forma amebócitos


isolado do tipo colonial
coanoflagelado Esponja primitiva
coanócitos: células
Possível sequência evolutiva da origem das esponjas. encarregadas da nutrição

ósculo
D
A b
C
CéLULAS EPITELIAIS
epiderme
flagelo E
ósculo
canais
porócito
espongiocelo
poro colarinho
coanócitos
poros

F
espongiocelo G

amebócitos H

espículas COANÓCITO AMEbÓCITO


Scypha
Leucosolenia

Estrutura de esponja simples. A. Leucosolenia, uma colônia pequena;


B. Leucosolenia, secção ampliada da parte superior do corpo;
C. Scypha, indivíduo total com parte da parede do corpo retirada;
D-H. Células de esponjas.

A vida de uma esponja depende do fluxo de água produzido pelo incessante batimento dos flagelos dos coanócitos, sugando a água
através dos poros para o átrio, de onde volta para fora através do ósculo. Nessa passagem, a água deixa oxigênio, que se difunde
para as células, e nutrientes, que são captados pelos próprios coanócitos, carregando para fora os resíduos metabólicos, como
excretas e gás carbônico. Uma pequena esponja de 10 cm pode filtrar até 95 litros de água por dia.

BioGUI10 CPV
48 BIologIa

Os amebócitos distribuem alimento para as demais células.


Os pinacócitos formam o revestimento externo e sustentam os porócitos.
Os amebócitos podem se diferenciar em pinacócitos e porócitos, além de produzirem as espículas, que tanto dão sustentação ao
corpo das esponjas como também ajudam a evitar predadores, já que tornam seus corpos espinhosos.
A reprodução pode acontecer de forma assexuada ou sexuada.
A reprodução sexuada é feita através da eliminação de gametas e fecundação no ambiente externo.
A principal forma assexuada é o brotamento, que consiste na ramificação lateral do corpo da esponja, podendo o novo ramo
permanecer junto ao original, expandindo a colônia, ou separar-se e fixar-se em outro lugar.
Há ainda as formas de propagação de espécies de água doce, a gemulação. Normalmente, na mesogleia formam-se pequenos grupos
de amebócitos e coanócitos, que são envolvidos por uma capa protetora que inclui espículas, as gêmulas. Estas se espalham, levadas
pelas correntes, e, ao se fixarem, regeneram indivíduos completos. Estas gêmulas são estruturas de resistência, pois essas espécies
conseguem atravessar grandes períodos de seca e produzir novos indivíduos quando as condições melhoram. Essa estratégia está
ligada à enorme capacidade de regeneração das esponjas. Prova disso é que, quando se tritura uma esponja contra um pano de
algodão de tal forma que apenas pequenos grupos de células atravessem o pano e caiam em um aquário, após algum tempo os
pedaços se reúnem, regenerando completamente o indivíduo.

Classes
materIal
Os poríferos dividem-se em 3 classes: paraleItura
· Calcarea: formada pelas esponjas, que apresentam espículas calcáreas;
· Hexactinellida: formada pelas esponjas que apresentam espículas de sílica, conhecidas como esponjas de vidro;
· Desmospongiae: agrupa espécies com espículas silicosas e redes de uma proteína característica chamada espongina;
esponjas desse último grupo que não apresentam espículas são capturadas, mortas e tratadas para uso no banho.

tIpos estruturaIs
São 3 os tipos classificados, de acordo com a presença e complexidade de canais e câmaras nas suas paredes.
· Áscon: são as mais simples, com paredes finas e poros que terminam diretamente no átrio;
· Sícon: possuem paredes mais espessas, com canais forrados de coanócitos, que recebem água
pelos poros e a conduzem até o átrio;
· Lêucon: suas paredes espessas são atravessadas por labirintos de canais interligados a câmaras
forradas de coanócitos, que terminam em um pequeno átrio.

ósculo

ósculo poros
canais
aferentes
poros espongio
celo
radial
espongiocelo
espongiocelo

cavidade
ósculo subdérmica
Esqueleto de
uma esponja,
detalhadamente
elaborado
com material
ÁSCOn SíCOn lÊUCOn silicoso.
Sistemas de canais de esponjas; secções esquemáticas; epitélio, linhas finas; mesênquima, pontilhado;
áreas com células com colarinho, preto acentuado; as setas indicam as correntes de água.
À direita acima, porção de uma esponja incrustante; à direita embaixo, esponja de água doce.

As esponjas não têm relações importantes com outros organismos. Não são muito apreciadas como presas, provavelmente por
causa de suas espículas e de algumas substâncias de odor desagradável que são capazes de soltar.
Algumas espécies de moluscos e crustáceos se ocultam em indivíduos que acabam por lhes conferir alguma proteção.

CPV BioGUI10
BIologIa 49

filo Cnidários ou Celenterados


Os cnidários são representados pelas águas-vivas e anêmonas. São animais aquáticos, na maioria marinhos, que se apresentam sob
formas fixas — os pólipos, como as anêmonas-do-mar — ou sob formas livres — as medusas, como as águas-vivas.

O nome cnidário vem do grego (knide = urtiga) e lembra a presença de células características desses animais, os cnidoblastos,
produtoras de veneno que pode produzir lesões graves na pele das pessoas e outros animais, além de possuírem efeito paralisante
sobre o sistema nervoso.

Contrastando com os poríferos, a principal cavidade do corpo dos cnidários tem função digestiva, característica que se torna típica
dos animais. Por isso o grupo também recebe outro nome, Celenterados (do latim, coelos = cavidade e do grego, enteron = intestino).

desCrIção

a sImetrIa do Corpo

Os pólipos e as medusas apresentam estrutura corporal muito semelhante,


apesar das diferenças externas. Ambos apresentam organização do corpo
em plano cilíndrico, ou seja, o corpo pode ser dividido em duas partes
simétricas por qualquer plano que atravesse seu centro no sentido de
seu maior eixo, característica que os diferencia da maioria dos animais,
cujo corpo apresenta-se dividido em dois lados simétricos, pois possuem
apenas um plano de simetria. No caso dos celenterados, a simetria é radial,
uma forma de organização corporal que não lhes proporciona maior
p l a n o d e
eficiência na locomoção, por exemplo. No caso da maioria dos animais, simetria radial
a simetria é bilateral, forma de organização anatômica mais favorável ao
desenvolvimento de vários aspectos fisiológicos, como veremos à frente.

O corpo é formado por dois tecidos: um externo, com diversos tipos de células, e outro interno, forrando a cavidade digestiva.
Ambos são intercalados por uma mesogleia, como em poríferos. Os pólipos fixam-se ao substrato por meio de seu pedúnculo.
Do lado oposto do corpo, há uma boca rodeada de tentáculos moles, repletos de cnidoblastos.

os CnIdoBlastos

São células de predação e defesa, dotadas de elementos especializados em injetar toxinas, os nematocistos, que são formados por
um tubo filiforme enrolado e abrigado no interior da célula.

Um “gatilho” aciona o nematocisto quando há um estímulo físico (contato com o corpo da vítima) ou químico (presença de
certas substâncias químicas que poderiam ser liberadas pelo corpo de uma possível presa). Gatilho acionado, o tubo é ejetado da
célula e entra em ação, injetando veneno no corpo da vítima. Uma vez acionadas, essas células não podem ser reutilizadas, sendo
eliminadas e repostas em seguida.

Detalhe do cnidoblasto antes do disparo. Detalhe do cnidoblasto já disparado.

BioGUI10 CPV
50 BIologIa

a CavIdade dIgestIva

O corpo dos cnidários, geralmente flexível, pode ser


alongado ou retraído em busca de alimentos. Quando seus
tentáculos esbarram em uma presa, ocorre a eliminação
das toxinas paralisantes. A presa é, então, puxada para a
cavidade digestiva, que é forrada por uma gastroderme,
onde células especializadas liberam enzimas digestivas.

A digestão é parcialmente realizada na própria cavidade


e completada no interior de células fagocitárias. Ocorre,
então, digestão inicialmente extracelular como inovação
evolutiva em relação aos poríferos, mas ainda parcial, pois
a digestão precisa ser completada no interior das células do
corpo, ou seja, posteriormente é intracelular.

A cavidade digestiva pode ser ramificada, o que melhora


a distribuição do alimento pelo corpo e sugere o nome de
cavidade gastrovascular.

Uma anêmona digere lentamente um peixe capturado


após ter sido atingido por seu veneno.

um sIstema nervoso rudImentar

A parede externa do corpo dos celenterados apresenta tipos diferentes de células, entre as quais neurônios, que os dotam da
capacidade de reagirem adaptativamente a estímulos externos, capacidade essa típica dos animais. Embora esses neurônios
sejam pouco diferenciados, são capazes de formar redes difusas (não se organizam em tecidos ou órgãos) pela superfície do
corpo. Uma anêmona pode reagir a estímulos externos diferentemente, de acordo com certas condições internas. Pode abrir ou
fechar sua boca se a tocarmos, dependendo de estar ou não alimentada.

Não possuem sistema circulatório, respiratório ou excretor. Essas funções são realizadas por cada uma das células do
corpo por difusão.

As medusas apresentam a mesma organização dos tecidos internos e externos que os pólipos. Entretanto, seu formato e sua
capacidade de contração de células da superfície do corpo as capacitam a inalar água para as cavidades não digestivas da umbrela
e eliminá-la sob pressão, o que lhes proporciona uma fraca locomoção a hidrojato.

Sistema nervoso difuso em uma hidra jovem (Cnidário).

CPV BioGUI10
BIologIa 51

a reprodução

Geralmente é assexuada (brotamento) em pólipos e sexuada (gametas) em medusas.


Em várias espécies, há alternância de gerações sexuada e assexuada. Tomamos como
exemplo a alternância (também chamada metagênese) em Aurelia, uma espécie marinha.
As medusas são dioicas. A medusa macho produz espermatozoides que, liberados para
a água, nadam para o corpo da medusa fêmea, onde fecundam o óvulo originando o
zigoto. Este, por sua vez, origina a larva plânula que, após nadar algum tempo, se fixa
num susbstrato e desenvolve um pólipo assexuado. O corpo desse pólipo começa a se
dividir-se transversalmente em segmentos (estróbilos) que, após algum tempo, destacam-
se um a um (estrobilização) e lançam-se para o ambiente. Esses segmentos natantes
são considerados como larvas chamadas éfiras que após algum tempo amadurecem
originando novas medusas sexuadas, completando o ciclo.

Reprodução assexuada de uma hidra.

fêmea
adulta fecundação
interna

gônadas liberação da
larva plânula o pólipo fixa-se
ao substrato
macho
adulto espermatozoides
liberados na água divisão transversal

éfiras
liberação (medusas
das éfiras imaturas)

éfira

estróbilo

Esquema de reprodução da Aurelia. Adultos de sexos separados produzem óvulos e espermatozoides e os zigotos desenvolvem-se
nos braços orais da fêmea. A larva plânula ciliada nada e mais tarde fixa-se para se tornar um cifistoma pequeno; este, por divisão
transversal (estrobilação), produz várias éfiras que crescem até a fase adulta. medusas reduzidas, outros estágios ampliados.

CaraCterístICas emBrIonÁrIas

O estudo do desenvolvimento embrionário é mais uma fonte de informações para melhor comparar e classificar os grupos de seres
vivos. Os cnidários são animais bastante simples em sua embrionação. Apresentam apenas dois folhetos embrionários (diblásticos),
que originam as demais camadas de células que vão formar o corpo do animal adulto.

BioGUI10 CPV
52 BIologIa

as Classes
O filo é dividido em 3 classes: Hydrozoa, Scyphozoa e Anthozoa.
Classe Hydrozoa
Nessa classe predominam as espécies em forma de pólipos. Há representantes de água doce, como as hidras, com seus
pólipos de até 1cm de altura. Um exemplo surpreendente são as caravelas, pólipos coloniais como as do gênero Physalia, que
se organizam em colônias flutuantes com pólipos formando um indivíduo flutuador que secreta gases e permite que o vento
as movimente pelos oceanos. Há um conjunto de pólipos alongados que formam os tentáculos pendentes, muito ricos em
cnidoblastos utilizados para predação, e há pólipos reprodutores e nutritivos. Assim, apesar de sua aparência medusoide, as
caravelas são colônias de pólipos. Em Obélia, a colônia de pólipos é fixa, formada por indivíduos especializados em nutrição
(gastrozoides), por indivíduos especializados em reprodução (gonozoides), que produzem medusas por brotamento que,
sexualmente, produzem novos pólipos coloniais.
boca

Cavidade
digestiva

A caravela é composta de uma colônia


de celenterados, que se abrigam sob
um indivíduo flutuador.
Esquema de uma hidra em corte.

MEDUSAS
HIDRANTES
ovário testículos

gonozoide espermatozoides véu


ido
and

óvulo tentáculos
exp

boca
broto de
medusas
zigoto
boca
REP
hidroteca ROD
SEx UçãO
UAL
tentáculos

bROTAM blástula
ENTO AS
SExUAL

gastrozoide
cenossarco plânula
perissarco córneo parte de uma
colônia madura

colônia total, natante


tamanho em vida
inicia a nova colônia fixa-se para começar
a nova colônia
Estrutura e ciclo vital de um hidroide marinho colonial, Obelia. A colônia abrange pólipos de dois tipos: os gastrozoides nutritivos e os gonozoides
reprodutores, ambos formados por brotamento assexual em caules ramificados fixos ao substrato por uma hidrorriza em forma de raiz. medusas de natação
livre, de sexos separados, brotam de gonozoides e mais tarde produzem óvulos e espermatozoides. O zigoto desenvolve-se em uma larva plânula ciliada
natante; esta logo se fixa e forma uma nova colônia por brotamento. Os três tipos de indivíduos ilustram o polimorfismo e a alternância de gerações,
assexual e sexual, denominada “metagênese”.

CPV BioGUI10
BIologIa 53

Classe sCypHozoa Classe antHozoa

Entre os cifozoários (do grego, skyphos = taça e zoon = animal) Os antozoários (do grego, anthos = flor) são pólipos cuja forma
predominam as formas medusoides, com algumas espécies lembra flores. As anêmonas são pólipos encontrados sobre
chegando a mais de 2m de envergadura, com pólipos diminutos substratos firmes no litoral. São fixos, mas podem rastejar
ou ausentes. As medusas são dotadas de órgãos sensoriais, como lentamente. Predam vários invertebrados, como moluscos e
manchas ocelares, sensíveis à variação de luz, estatocisto, que crustáceos, e servem de alimento para vários peixes, estrelas-
fornece orientação direcional, além de células olfativas. Como do mar e outros animais. Podem se reproduzir sexuadamente,
exemplo típico, temos as espécies do gênero Aurélia. Algumas através de gametas, ou assexuadamente, através de eliminação
espécies de outros gêneros encontradas no litoral da Austrália de segmentos transversais de seus corpos, que se fixam em
são excepcionalmente venenosas, podendo matar uma pessoa novos pólipos.
adulta em poucos minutos após o contato com os cnidoblastos.

Aparência externa de uma água viva, Anêmona


conhecida como medusa.

Os corais são formados por colônias de pequenos pólipos antozoários, que produzem um esqueleto calcário em sua mesogleia,
que lhes confere sustentação. Conforme as gerações de pólipos vão se sucedendo, os esqueletos vão se sobrepondo e agregando
matéria de algas planctônicas e de outros animais, como moluscos. Geralmente, os corais são encontrados em águas quentes,
próximos ao litoral de continentes ou ilhas. O Brasil é rico em corais, mas o recife mais famoso é a Grande Barreira de Corais
(Great Barrier Reef), formação com mais de 2000 km de extensão localizada nas costas da Austrália.

O coral-brócolis é uma amostra das riquezas da Grande


Barreira de Corais, cuja faixa de recifes estende-se por mais
de 2 mil quilômetros ao longo da costa nordeste da Austrália. Coral de fogo, assim denominado Coral amarelo.
pois possui potentes cnidoblastos.

BioGUI10 CPV
54 BIologIa

exerCíCIos 04. (PUC-SP) Uma colônia de pólipos forma, por brotamento, pequenas medusas. Estas
liberam gametas no ambiente, onde ocorre a fecundação. Do zigoto, surge uma larva
01. (Cesgranrio-RJ) No processo evolutivo ciliada, que dá origem a uma nova colônia de pólipos. A descrição refere-se a um:
foram selecionados os seres de fecundação
a) cnidário, que apresenta alternância de gerações.
externa que liberam uma grande quantidade
b) cnidário, que apresenta exclusivamente reprodução sexuada.
de gametas para o meio ambiente.
c) espongiário, que apresenta exclusivamente reprodução sexuada.
As hidras, no entanto, reproduzem-se
d) espongiário, que apresenta alternância de gerações.
rapidamente, embora lancem um pequeno
e) platelminte, que apresenta reprodução sexuada e assexuada, sem alternância de
número de gametas na água.
gerações.
A explicação para esse fato é que as hidras
05. (UE-CE) As estruturas anatômicas cnidoblastos e coanócitos são encontradas,
apresentam um acelerado processo de
respectivamente, nos:
reprodução:
a) espongiários e equinodermas
a) assexuada por divisão binária. b) celenterados e espongiários
b) assexuada por esporulação. c) platelmintos e celenterados
c) assexuada por brotamento. d) crustáceos e celenterados
d) sexuada por autofecundação.
e) sexuada por partenogênese. 06. (UEL-PR) A figura a seguir mostra o ciclo de vida da hidra.
espermatozoides
02. (FATEC-SP) Diagnose de um grupo
animal: ovo
ovário
“Animal com forma de pólipo ou medusa,
testículos ovo
diblástico, isto é, com ectoderme e
endoderme e epiderme com células
urticantes, os cnidoblastos”. fêmea

macho
Após a análise da diagnose, assinale a hidra
broto
alternativa que contém o grupo animal
que diz respeito a ela.

a) Porífero.
b) Platelminto.
c) Celenterado. A análise da figura leva às seguintes considerações:
d) Asquelminto. I. A hidra reproduz-se tanto sexuada como assexuadamente.
e) Molusco. II. As larvas ciliadas têm vida livre.
III. No ciclo de vida da hidra só existe a fase de pólipo.
03. (PUCCamp-SP) Considere o texto a seguir.
Dessas considerações, apenas:
“Os corais pétreos, ou corais verdadeiros, a) I é correta.
são os principais organismos formadores b) III é correta.
dos recifes coralíneos, comuns na região c) I e II são corretas.
do Caribe e na Austrália. Possuem um d) I e III são corretas.
exoesqueleto de carbonato de cálcio e) II e III são corretas.
secretado pela epiderme do corpo,
produzindo uma taça esquelética dentro 07. (UFC-CE) “Recifes são ambientes resistentes à ação de ondas e correntes marinhas,
da qual o organismo se aloja”. estando entre os ecossistemas mais produtivos. Podem ter origem biogênica ou não.
Recifes biogênicos são formados por organismos marinhos (animais e vegetais)
O texto refere-se a: providos de esqueleto calcáreo”.
Ciência Hoje
a) poríferos com esqueleto calcáreo.
O filo animal mais representativo na formação de recifes e sua respectiva classe é:
b) cnidários hidrozoários.
c) moluscos gastrópodes. a) Arthropoda – Crustacea.
d) poríferos com esqueleto silicoso. b) Mollusca – Gastropoda.
e) cnidários antozoários. c) Cnidaria – Anthozoa.
d) Mollusca – Cephalopoda.
e) Cnidaria – Scyphozoa.

CPV BioGUI10
BIologIa 55

08. (UF-MG) As figuras adiante representam animais, numerados 13. (UFPel-RS) As esponjas constituem o filo Porifera do reino Animal,
de 1 a 4. sendo indivíduos de organização corporal simples, considerados
um ramo primitivo na evolução dos metazoários. Os poríferos são
usados pelos pintores para obter certos efeitos especiais na técnica
de aquarela; antigamente, eram usados também como esponjas de
banho. Quanto às esponjas, é correto afirmar que:
a) não possuem tecidos verdadeiros e apresentam apenas espículas
silicosas.
b) possuem tecidos verdadeiros e podem apresentar espículas
calcárias ou silicosas.
c) não possuem tecidos verdadeiros e podem apresentar espículas
calcárias ou silicosas.
d) não possuem tecidos verdadeiros e apresentam apenas espículas
calcárias.
Assinale a alternativa que contém o animal pertencente ao e) possuem tecidos verdadeiros e apresentam apenas espículas
mesmo grupo das águas vivas, frequentes causadoras de silicosas.
queimaduras em banhistas no litoral brasileiro.
a) 1 b) 2 c) 3 d) 4 14. (UFSM-RS)
09. (UFV-MG) Um organismo com as seguintes características:
cavidade digestiva, diblástico e com tecidos verdadeiros,
pertence ao Filo:
a) Cnidaria.
b) Platyhelminthes.
c) Porifera.
d) Mollusca.
e) Aschelminthes.
10. (UNITAU-SP) Inicialmente o pólipo reproduz-se
assexuadamente, por brotamento, originando as medusas.
Estas formarão gametas que depois se unirão para a formação
dos zigotos. Dos zigotos surgem larvas que nadam livremente J. L. Soares Biologia: Os Seres Vivos, Estrutura e Funções.
até se fixarem para dar início a novos pólipos.
Considere as afirmações sobre o desenho:
Esse tipo de reprodução, denominado metagênese, ocorre
nos: I. A seta 1 aponta para uma cavidade do tipo pseudoceloma.
II. O organismo se reproduz por alternância de gerações e de
a) celenterados. formas.
b) poríferos. III. As setas 2 e 3 apontam, respectivamente, para um coanócito
c) anelídeos. e um porócito.
d) moluscos.
e) artrópodes. Está(ão) correta(s):
a) apenas I.
11. (PUC-RS) Um exame dos diferentes tipos celulares que b) apenas II.
formam o corpo de uma esponja nos revela que o revestimento c) apenas I e III.
externo destes animais está formado por células genericamente d) apenas II e III.
denominadas: e) apenas III.
a) coanócitos.
b) amebócitos. 15. (UFSM-RS) Nos poríferos, o mesênquima é uma massa gelatinosa,
c) pinacócitos. onde estão imersos elementos de sustentação, e os são
d) arqueócitos. células de formato irregular que se movimentam por pseudópodos.
e) fibrócitos. Dentre outras funções, essas células participam na formação do
esqueleto através dos(das) e na distribuição dos
12. (UEL-PR) Invertebrados sésseis, sem órgãos e sem tecidos, nutrientes obtidos na digestão executada pelos .
com digestão exclusivamente intracelular, são classificados
como: Assinale a alternativa que preencha corretamente as lacunas.
a) esponjas. a) coanócitos – espículas – pinacócitos
b) anêmonas-do-mar. b) amebócitos – pinacócitos – coanócitos
c) lírios-do-mar. c) amebócitos – espículas – coanócitos
d) cracas. d) pinacócitos – amebócitos – porócitos
e) mexilhões. e) porócitos – pinacócitos – amebócitos

BioGUI10 CPV
56 BIologIa

os VerMes
Verme é o nome utilizado para denominar animais de corpo mole e alongado. Não possui nenhum valor taxonômico.
Os vermes distribuem-se em dois filos principais — Platyhelminthes e Nemathelminthes.

filo PlatyhelMinthes
O nome vem do grego (platys = plano, achatado e helminthes = vermes) e o filo compreende os vermes de corpo achatado
no sentido dorso-ventral. São muitas espécies de vida livre, como a planária, e de parasitas, como o esquistossomo e a
tênia. O filo é dividido em três classes: Turbellaria, que agrupa os de vida livre, como a planária, Trematoda e Cestoda,
que agrupam os parasitas desse filo.

ClassIfICação do fIlo dos platyHelmIntHes

Classe Características

turBellarIa · são vermes de vida livre;


· vivem em ambientes aquáticos ou terrestres úmidos;
Exemplo: · possuem corpo simples, com epiderme coberta
· há presença de manchas ocelares, estruturas com
Dugesia tigrina
capacidade de percepção da luz;
(planária)
· sistema digestivo incompleto, com boca central e Dugesia tigrina
ausência de ânus; (planária)
· possuem extrema capacidade de reprodução;
· são hermafroditas com fecundação cruzada.

· são vermes de vida parasitária;

· possuem corpo simples, com uma epiderme


com cúticula protetora;
trematoda
Exemplos: · sistema digestivo incompleto
Schistosoma mansoni · há presença de ventosas: a anterior, com função de
Fasciola hepatica boca, e a mediana, com função de fixação;
(parasita de carneiros)
· possuem desenvolvimento indireto;

· são dioicos com dimorfismo sexual acentuado. Casal de


Schistossoma mansoni

· são vermes de vida parasitária;

· seu corpo alongado lembra uma fita;

· têm possibilidade de atingir vários metros;


Cestoda
Exemplos: · epiderme com cutícula protetora;

Taenia solium · não apresentam aparelho digestivo;


Taenia saginata
· apresentam uma estrutura denominada rostro ou
rostelum, uma coroa composta por ganchos de quitina
com função de fixar o animal no intestino do parasitado;

· são hermafroditas e podem se autofecundar.


Taenia solium

CPV BioGUI10
BIologIa 57

os platelmIntes de vIda lIvre

Classe turBellarIa

desCrIção

Tomaremos como referência as planárias, da classe turbelária. Trata-se de seres aquáticos, dulcícolas ou marinhos, sendo que os
primeiros são encontrados em águas limpas e calmas, ao abrigo da luz, embaixo de folhas, pedras e outros sob a água.

organIzação do Corpo

Apresenta nítida divisão entre a extremidade anterior (a cabeça, de forma triangular) e o corpo, alongado e afilado na extremidade
posterior, medindo cerca de 5 a 25 mm de comprimento e 3 a 5 mm de espessura.

A simetria do corpo contrasta com a dos cnidários, já que é bilateral. Essa nova forma de dispor as estruturas corporais facilita
principalmente a locomoção do animal e torna-se padrão dos demais grupos animais, com exceção dos equinodermos.

Transversalmente, o corpo é formado por uma epiderme mucosa, um tubo digestivo e um tecido de preenchimento — mesênquima
— frouxo que envolve a cavidade digestiva e os poucos órgãos internos, além de uma musculatura dotada de feixes longitudinais
e transversais relativamente eficientes para a locomoção do animal.

região dorsal
poro genital
ocelo
região ventral

boca faringe

A cefalização (formação da cabeça) se dá por meio da concentração de órgãos sensoriais e de células nevosas na extremidade
anterior do corpo, o que facilita a exploração do ambiente para a locomoção e a centralização das funções de integração e controle.

nutrIção Sistema digestório

Na face ventral, na altura do meio do corpo, encontra-se a boca, na extremidade de uma


faringe protrátil, ou seja, um tubo musculoso que, projetado para fora do corpo, facilita
a captação do alimento. As planárias alimentam-se de outros animais ou de resíduos
orgânicos encontrados na água. Engolem o alimento, que vai para a cavidade digestiva,
onde há secreção de enzimas que realizam a primeira parte da digestão, que é concluída
intestino
nas células fagocitárias. Os resíduos não digeridos são eliminados pela boca, já que não
possuem ânus. A digestão é, portanto, extra e intracelular e o sistema digestório é faringe
incompleto, como em cnidários. A cavidade digestiva é bastante ramificada — sendo por
isso chamada de cavidade gastrovascular — o que facilita a distribuição dos alimentos boca

pelas células do corpo.

Planária

BioGUI10 CPV
58 BIologIa

sIstema nervoso e órgãos sensorIaIs células-flama nervos


gânglios
cerebrais
As planárias possuem órgãos sensoriais que permitem a percepção
de estímulos luminosos, mecânicos e químicos. Os ocelos são
agrupamentos de células fotossensíveis, localizadas na porção
poros
mediano-dorsal (no meio da parte de cima) da cabeça e que excretores
permitem que as planárias percebam variações de intensidade cordões
nervosos
luminosa e até a direção da fonte de luz, embora não formem longitudinais
imagens. Nas bordas laterais da cabeça, há células quimiossensíveis
que compõem o olfato e paladar. Comparado às células difusas
dos cnidários, o sistema nervoso das planárias tornou-se mais
organizado. Na cabeça, há um par de gânglios nervosos (pequenos
órgãos com predominância de neurônios) — os gânglios cefálicos
ou cerebroides — dos quais saem ramificações para os ocelos e
demais regiões da própria cabeça. Há ainda dois prolongamentos
neuronais — os cordões nervosos — que acompanham a linha
longitudinal do corpo (da cabeça para a cauda), logo abaixo do
tubo digestivo (posição ventral); estes cordões se ramificam e Sistema Sistema
Excretor nervoso
assim integram os órgãos sensoriais e músculos de todo o corpo.
É o chamado sistema nervoso ganglionar.

respIração, CIrCulação e exCreção

As planárias não possuem sistema circulatório nem respiratório. A distribuição das substâncias corporais, como os nutrientes, se
dá por difusão entre células vizinhas, da mesma forma como o oxigênio e o gás carbônico se espalham pelas células do corpo até
que, na superfície, as células trocam esses gases com o meio, por difusão.

O sistema excretor é formado por protonefrídeos, que são tubos longitudinais bilaterais que se ramificam, e vários tubos
menores, em cuja extremidade encontram-se as células-flama. Estas se dobram em forma de ferradura, formando uma cavidade
em que se encontram tufos de flagelos vibráteis que deslocam o líquido corporal para o canal que termina em poros na superfície
látero-dorsal do corpo. Assim, os resíduos celulares são eliminados para esse líquido extracelular que, por sua vez, é eliminado
para o ambiente pela ação das células-flama, também chamadas solenócitos.

células-flama
poros excretores canal células-flama
excretor
canal
excretor

células
do corpo
flagelos
citoplasma
cordões nervosos
longitudinais núcleo
nervos

Detalhe dos sistemas excretor e nervoso da planária.

CPV BioGUI10
BIologIa 59

reprodução

A reprodução das planárias pode ser assexuada, ocorrendo por meio da divisão transversal do corpo e regeneração da parte que falta.
Por sinal, as planárias são famosas por sua grande capacidade de regeneração, decorrente da presença de células indiferenciadas
no mesênquima, com grande capacidade de multiplicação e diferenciação, que podem ser consideradas como as valiosas células
tronco das planárias.

cortes

cabeças
regeneradas
Regeneração num turbelário, Dugesia.
Porções cortadas de um verme inteiro (indicadas por linhas
interrompidas) regeneram-se gradualmente (pontilhado escuro),
para formar pequenos vermes inteiros.

As planárias são monoicas e também se reproduzem sexuadamente, o que ocorre por meio da troca de gametas masculinos entre
dois indivíduos que sobrepõem seus poros genitais. Estes ficam localizados na face ventral, próximo à boca, e o pênis introduz
espermatozoides de um indivíduo no outro. Em
cada um há formação de vários ovos, que são
envolvidos, juntamente com células cheias de
vitelo, em cápsulas que são fixadas normalmente
em plantas subaquáticas. Jovens planárias eclodem
após algum tempo, não ocorrendo estágios larvais.
cópula
Dizemos, então, que a fecundação é interna casulo
(pois os espermatozoides são lançados no interior
jovens
do corpo do parceiro), cruzada (pois ambos os
planárias
indivíduos são fecundados) e o desenvolvimento é
Dois animais copulam e a fecundação ocorre internamente.
direto (sem ocorrência de larva).
Os ovos são colocados dentro de casulos e o desenvolvimento é direto.

CaraCterístICas emBrIonÁrIas

mesênquima epitélio
Foram os primeiros animais a formarem o epiderme (origem mesodérmica) intestinal
terceiro folheto germinativo — a mesoderme. (origem (origem
Apesar dessa novidade, não chegaram a formar ectodérmica) endodérmica)
uma cavidade geral entre a cavidade digestiva e
a superfície do corpo, o celoma. A mesoderme
produz o tecido que preenche o espaço interno do
corpo, formando um tecido frouxo, o mesênquima,
cujas células originam os feixes musculares ao
cavidade digestiva cílios
longo do corpo. De acordo com esse critério, são
chamados de acelomados. Corte transversal do corpo da planária, mostrando os diferentes tecidos.

BioGUI10 CPV
60 BIologIa

os platelmIntes parasItas
Classe trematoda
São endo ou ectoparasitas. Em geral, apresentam ventosas para fixação no hospedeiro. A epiderme apresenta típica cutícula
protetora contra os sucos digestivos do corpo do hospedeiro. Podem ser monoicos ou dioicos, geralmente com desenvolvimento
indireto. Muitos necessitam de mais de um hospedeiro para completar seu ciclo de vida. Como exemplo, estudaremos mais adiante
o ciclo do Schistosoma mansoni, o causador da esquistossomose.

Classe Cestoda
Seus principais representantes estão no gênero Taenia (do grego, tainia = fita), com seus corpos bem característicos. Na fase
adulta, apresentam uma extremidade anterior (cabeça) diminuta, com ventosas e ganchos para fixação na parede intestinal do
hospedeiro. Essa região é chamada escólex. O corpo é composto de uma sequência de unidades chamadas proglótides, que, por
sua vez, são constantemente produzidos por um processo de divisão transversal que ocorre na base do escólex, a estrobilização.
Os proglótides são dotados de um sistema excretor, de gânglios nervosos e de um sistema muscular. Não possuem, entretanto,
cavidade digestiva: o alimento, já digerido pelo hospedeiro, é absorvido pela epiderme, que produz um muco para proteção
contra sucos digestivos do hospedeiro.
A reprodução pode ocorrer através de fecundação cruzada, embora a autofecundação seja mais frequente, uma vez que tem o
hábito de liberar toxinas que inibem a fixação de outros vermes no hospedeiro.
Uma tênia madura possui cerca de 2000 proglótides e comprimento que varia entre 2 e 8 m. As proglótides terminais amadurecem
e ficam repletas de ovos, sendo chamadas proglótides grávidas. Elas vão se destacando do corpo do parasita e vão sendo eliminados
juntamente com as fezes do hospedeiro, contaminando o ambiente com ovos embrionados. Se esses ovos forem ingeridos por um
novo hospedeiro, da mesma espécie ou de espécie diferente do anterior, haverá a formação de uma larva que forma o cisticerco.
Este poderá se instalar em vários órgãos desse novo hospedeiro. Se outro hospedeiro ingerir os cisticercos, será infestado por
vermes adultos em seu intestino.

doenças Causadas por platyHelmIntHes


Estudaremos duas verminoses endêmicas no Brasil que são causadas por platelmintos: a esquistossomose e a teníase.

esquIstossomose
Agente causador: Schistosoma mansoni
Transmissão: ocorre por meio de águas contaminadas com larvas infestantes.
Descrição do ciclo de vida:
Os esquistossomos são dioicos. O macho geralmente mede entre 10 e 15 mm
de comprimento, apresenta uma abertura longitudinal — o canal ginecóforo —
em que a fêmea, mais longa e fina, se acomoda para fazer a cópula e produzir
ovos. Esse estágio ocorre no interior de vasos sanguíneos humanos, mais
frequentemente no sistema de vasos que liga o fígado ao intestino.
Os ovos passam para o intestino do hospedeiro, de onde são eliminados para o
ambiente junto com as fezes. Em ambiente aquático, idealmente lagoas de águas
calmas, os ovos eclodem em larvas ciliadas chamadas miracídeos, que têm
cerca de 24 horas para encontrar um hospedeiro e dar continuidade ao seu ciclo.
Esse hospedeiro deverá ser um molusco, na verdade um caramujo da família
planorbidea. Os gêneros mais importantes de caramujos hospedeiros foram
agrupados com o nome genérico de Biomphalaria. Em seu interior, ocorre uma
forma de multiplicação assexuada dos miracídeos e sua transformação para outro O casal de esquistossomos
vive acasalado no interior
estágio larval, com cauda bifurcada: a cercária. Cada miracídeo pode produzir até dos vasos sanguíneos.
dez mil cercárias. Estas têm poucas horas para encontrar um hospedeiro humano,
no qual poderão penetrar pela pele ou ser ingeridas junto com a água. Penetrando
na circulação humana, as cercárias chegam à fase adulta e instalam-se na região
abdominal. Quando a cercária penetra no corpo de uma pessoa através da pele,
provoca uma coceira típica. Por isso, as lagoas infestadas de larvas cercárias são
geralmente chamadas de lagoas da coceira.

CPV BioGUI10
BIologIa 61

CIClo da esquIstossomose

As cercárias penetram na pele humana, Seguindo a circulação, a


na água, em 30 segundos. cercária ataca vários órgãos.

fêmea

macho

No caramujo, o miracídio se trans forma


em milhares de outras formas larvais.

ovos

Os ovos se trans f ormam numa


larva chamada miracídio.

O miracídio nada ativamente até encontrar um caramujo


do gênero biomphalaria.

Sintomas:

Os vermes adultos instalam-se preferencialmente nos vasos sanguíneos que ligam o fígado ao intestino (sistema porta-hepático).
Copulam e a fêmea migra para os vasos da parede intestinal, onde deposita seus ovos. Estes perfuram as paredes dos vasos e
do intestino, passando para a cavidade intestinal, de onde são eliminados com as fezes do hospedeiro. Isso provoca sintomas
intestinais, comprometimento do fígado, que pode aumentar consideravelmente de tamanho, hemorragias e extravasamento de
líquido sanguíneo para a cavidade intestinal. O aumento do volume abdominal é a consequência mais característica desse quadro
e por isso a doença é conhecida como barriga d’água. Existem alguns medicamentos para o combate ao verme. Porém, além
de serem muito tóxicos, sua eficiência é limitada. Por isso, a prevenção é muito importante. No Brasil há mais de 15 milhões de
pessoas afetadas por essa verminose e milhares de novos casos são registrados todos os anos.

Profilaxia:

· Saneamento básico, para evitar que fezes de pessoas contaminadas cheguem ao ambiente.

· Combate ao caramujo que funciona como hospedeiro intermediário, usando-se venenos moluscocidas ou controle biológico
com auxílio do peixe tilápia, que é predador de caramujos.

· Evitar a formação de lagoas por acúmulo de águas pluviais em depressões e buracos em terrenos próximos a populações,
principalmente onde não há saneamento básico; se já formadas, é importante drená-las.

· As pessoas devem evitar contato com águas desconhecidas em que há perigo potencial de contaminação.

BioGUI10 CPV
62 BIologIa

teníase
cabeça ou ganchos
A teníase pode ser causada pela Taenia solium, cujo hospedeiro intermediário é o porco, escólex
ou pela Taenia saginata, cujo hospedeiro intermediário é o boi. Na verdade, o ciclo de vida ventosa
das duas é quase o mesmo. Para nosso estudo, tomaremos como referência a tênia do porco.
Agente causador: Taenia solium
Transmissão: por meio de carnes cruas ou mal cozidas e fezes contaminadas.
Descrição do ciclo de vida: tanto as pessoas como os porcos podem sofrer de duas doenças
causadas por estágios diferentes da vida das tênias. O verme adulto permanece no intestino,
causando a teníase intestinal. A larva (cisticerco) pode provocar uma doença mais grave
e até letal, chamada cisticercose, cujos detalhes analisamos a seguir.
A tênia adulta fixa-se no intestino por meio de ganchos e ventosas presentes em seu escólex.
Seus proglótides grávidos, eliminados com as fezes do hospedeiro, começam a infestar o
ambiente, permanecendo preservados quando em solo úmido. Os porcos expostos a solos
contaminados ingerem estes ovos embrionados, que eclodem em larvas, as quais perfuram
a parede intestinal, caem no sangue e migram para os músculos e o cérebro do hospedeiro. Taenia
Ali, as larvas transformam-se em bolsas, chamadas cisticercos, de cor clara e medindo
cerca de 1 cm de comprimento. Quando uma pessoa ingere carne de porco contaminada
com cisticercos, estes liberam um escólex que se fixa na parede intestinal e a produção
de proglótides se inicia. A pessoa terá a teníase intestinal. As pessoas que ingerem ovos anéis ou
de tênia podem desenvolver cisticercose tanto muscular como nervosa. Os porcos podem proglotes
desenvolver teníase, se ingerem alimentos contaminados com cisticercos.

CIClo de vIda da TAeniA solium Sintomas:

verme adulto no interior do As pessoas com teníase intestinal


intestino humano normalmente emagrecem, devido à
perda de alimento para o parasita. Podem
o homem ingere ao evacuar, o ho-
mem contaminado apresentar anemia, acompanhada por
carne mal-cozida,
contendo cisticercos elimina, junto com indisposição e cansaço, provocados pelas
as fezes, proglotes toxinas liberadas pelo parasita. Ocorrem
contendo ovos também sintomas intestinais como
diarreia, obstruções, acompanhadas de
homem insônia e irritabilidade, e há presença
(hospedeiro definitivo) de proglótides nas fezes. Atualmente,
há remédios eficazes que eliminam o
escólex do intestino. A cisticercose é
caracterizada por problemas e sintomas
advindos do alojamento de cisticercos
porco no encéfalo, o que costuma causar
(hospedeiro intermediário) convulsões, alterações psíquicas, dores
o p o r c o i n g e r e de cabeça e vômitos, dependendo
p r o g l o t e s q u e do número de cisticercos e de sua
contêm ovos de
Taenia
localização.
Profilaxia:
os ovos
chegam
ao · Construção de rede de esgotos e fossas
i n t e s t i n o d o p o r c o sépticas, para evitar a contaminação
liberando uma larva do ambiente por ovos de tênias.
chamada oncosfera
· Fiscalização das condições sanitárias
cisticercos na carne A oncosfera perfura a parede
do intestino do porco e se dos locais de criação de animais para
instala em outra parte do corpo, consumo humano.

originando o cisticerco. · Evitar o consumo de carne crua ou
mal cozida, principalmente quando
não se conhece sua procedência.

CPV BioGUI10
BIologIa 63

filo neMathelMinthes ânus


lábios
A palavra é de origem grega (nematos = fio e helminthes =
vermes) e sugere o formato do corpo desses animais, que é
cilíndrico e alongado, com extremidades afiladas, diferença
externa marcante em relação aos platelmintos.
Há um número muito grande de espécies do filo, tanto de
vida livre como parasitas de animais e plantas, de variados
tamanhos, algumas espécies minúsculas, com menos de 1mm
de comprimento, outras maiores, com vários centímetros.
linha lateral
desCrIção
Um fator que torna relevante o estudo desse grupo é a fêmea macho
aquisição de características marcantes para a evolução dos
animais, que este grupo “inaugura” e que vão se fixar e poro
genital
acompanhar a evolução dos demais grupos animais. feminino
Detalhe da extremidade próxima
Outro fator é a existência de grande número de espécies do ânus do macho, mostrando o
parasitárias. Na verdade, aqueles que lidam com o cultivo gancho com espículas que ajuda
poro no acasalamento.
de plantas e a criação de animais sempre convivem com os
excretor
chamados nematoides, que parasitam com grande eficiência
as mais diversas formas de vida animal e vegetal. Assim, os
médicos, veterinários e agrônomos, para não mencionar os boca
biólogos, têm trabalho garantido durante muito tempo no
desenvolvimento de tecnologia para tratamento e prevenção das inúmeras doenças causadas por estes vermes. A exploração dos
nichos parasitários com tanto sucesso se deve a características adaptativas, tais como cutícula de material resistente envolvendo
o corpo e protegendo contra defesas de seus hospedeiros (como os sucos ácidos presentes no tubo digestivo de muitos animais),
produção de grande número de ovos, compensando a dispersão dos mesmos em ambientes desfavoráveis, além de outras
características mais específicas.
tubo
sIstema dIgestórIo digestivo

Podemos destacar como grande inovação evolutiva a


transformação da cavidade digestiva em um tubo com
boca para a entrada dos alimentos e ânus para a eliminação cavidade corporal
dos resíduos: trata-se do sistema digestório completo. O boca (pseudoceloma)
alimento, parcialmente digerido no tubo, passa a seguir
para as células, que completam a digestão. Os resíduos
não aproveitados são eliminados pelo ânus.
parede
do corpo
CaraCterístICas emBrIonÁrIas
Esses animais são dotados de uma importante cavidade
ectoderme
no corpo, o pseudoceloma (do grego, pseudos = falso e
koiloma = cavidade), termo que justifica pelo fato de que a
cavidade é apenas parcialmente revestida pela mesoderme,
enquanto um celoma verdadeiro é completamente revestido mesoderme
por esse folheto embrionário. De qualquer forma, essa
cavidade localiza-se entre a epiderme e o tubo digestório e
é preenchida por um líquido que tanto auxilia no transporte pseudoceloma
de substâncias (gases respiratórios, excretas e alimentos)
endoderme
como também funciona como um hidroesqueleto ajudando
na sustentação do corpo e na sua locomoção, através da ânus
pressão variável, com a atuação da musculatura.
Organização geral do corpo de um nematelminto.

BioGUI10 CPV
64 BIologIa

CIrCulação, respIração e exCreção poro excretor

Os sistemas circulatório e respiratório são ausentes como nos


platelmintos.
canal anterior
núcleo
A excreção se dá através de dois tubos laterais que percorrem
longitudinalmente o corpo, ligando-se transversalmente na
região anterior, da qual sai o poro excretor. canal posterior

Esses tubos captam o líquido do pseudoceloma e o jogam


para fora.

É curioso salientar que esse tubo em H é, na realidade, uma


única célula gigante, com seu núcleo localizado no canal
transversal.

Sistema excretor de nemátoda: geralmente formado por uma única


cordão nervoso célula muito grande que lembra a letra H.
linha dorsal lateral
cordão nervoso dorsal
células musculares
longitudinais
sIstema nervoso e musCular
epiderme
O sistema nervoso é composto de um gânglio anterior, em
cutícula forma de anel, envolvendo a faringe. Dele saem quatro cordões
pseudoceloma nervosos (um dorsal, outro ventral e dois laterais) que se
alongam longitudinalmente até a parte posterior do corpo.
linha lateral
A musculatura é formada por fibras longitudinais que se ligam
faringe
ao sistema nervoso através de prolongamentos que alcançam
canal os cordões nervosos.
excretor
cordão nervoso
ventral Como não há fibras musculares transversais, a movimentação
linha prolongamento da célula é exclusivamente realizada através de flexões dorsoventrais.
ventral muscular em direção ao
nervo ventral

Corte transversal de um nemátoda.

reprodução

Há grande diversidade de formas de reprodução sexuada, mas esses animais geralmente são dioicos, com o corpo do macho diferente
do corpo da fêmea (dimorfismo sexual). Em muitas espécies, como em Ascaris lumbricoides, o macho apresenta prolongamentos
em forma de espinhos na região genital para fixar-se à fêmea durante a cópula.

espículas
peniais

cloaca

poro
boca
excretor

CPV BioGUI10
BIologIa 65

doenças Causadas por nematHelmIntHes

Há mais de cinquenta verminoses descritas causadas pelos nematoides. Estudaremos as mais importantes.

asCardíase CIClo da asCarIdíase

Também chamada ascaridiose.


ovo com
Agente causador: Ascaris lumbricoides larva
(lombriga). infestante

Transmissão: ocorre por meio de água e epligote


alimentos contaminados com ovos. esôfafo

Descrição do ciclo de vida:


As pessoas infestadas liberam ovos pulmão
traqueia formação
embrionados nas suas fezes. Estes da larva
conservam-se bem na água. A infestação
de novos hospedeiros (pessoas e porcos)
ocorre através da ingestão de água
contaminada ou alimentos, normalmente
verduras, frutas e legumes crus, tratados
com água contaminada. Uma vez
no tubo digestivo, a casca dos ovos
rompem-se devido à ação dos sucos
digestivos do hospedeiro. Há liberação
de pequenas larvas, com cerca de 0,2mm coração
de comprimento, que perfuram a parede
estômago
do tubo digestivo e passam para a
circulação sanguínea. Podem passar pelo fígado intestino
vermes
fígado, coração até atingir os pulmões, adultos grosso
(20 cm)
fase em que já possuem cerca de 3mm de larva
comprimento. Dos alvéolos pulmonares, rabditoide
atingem os brônquios, sobem ativamente
pela traqueia até a laringe, de onde são ovo em
as larvas perfuram o intestino divisão
engolidas. Assim, atingem novamente o
delgado e passam para a
intestino, onde macho e fêmea copulam. ovos eliminados com as
circulação sanguínea
As fêmeas podem produzir até 200 mil fezes contaminam água
ovos por dia. e alimentos

Sintomas:
Quando o número de vermes é pequeno, os sintomas são praticamente insignificantes. Entretanto, uma infestação mais intensa
provoca obstrução intestinal, manchas na pele, que constituem reações alérgicas a certas toxinas produzidas pelo parasita, tosse
ocasionada pela passagem do verme pela garganta, bronquite e outros problemas pulmonares de gravidade variável. Raramente
ocorre infestação nas veias hepáticas, que ocasionam lesões sérias, às vezes letais.

Profilaxia:
· Embora existam tratamentos químicos eficientes na eliminação dos vermes, é sempre muito mais interessante a prevenção.
· O saneamento básico evita a contaminação do ambiente com ovos.
· A higienização de frutas, verduras e legumes, que devem ser lavados em água corrente e submetidos à solução de cloro em
água ou mesmo vinagre em água.
· A água deve ser filtrada e, principalmente em residências onde se usa água de poço, fervida e adicionada de cloro nas doses
adequadas.

BioGUI10 CPV
66 BIologIa

anCIlostomose ganchos

Também chamada amarelão, necatoriose ou opilação.


Agente causador: essa doença pode ser causada por duas espécies de nematoides, o
Ancilostoma duodenale ou o Necator americanus.
Transmissão: ocorre pela penetração ativa de larvas através da pele, geralmente dos pés.
boca
Descrição do ciclo de vida:
O verme adulto mede cerca de 1,5 cm de comprimento e vive no intestino delgado onde, para
se alimentar, usa estruturas cortantes presentes em sua boca que causam lesões na parede
intestinal, provocando hemorragias. A fêmea põe ovos, que são eliminados com as fezes do
hospedeiro. Na ausência de saneamento adequado, os ovos atingem o solo. Deles eclodem
pequenas larvas, com cerca de 0,5 mm de comprimento, que permanecem no solo durante Extremidade anterior do Ancylostoma,
alguns dias. Essas larvas, bastante ativas, penetram através da pele de pessoas que mantenham o verme do amarelão, mostrando as
contato como solo contaminado, passam para a circulação sanguínea e, a partir daí, apresentam projeções pontiagudas com as quais
ferem o intestino para sugar o sangue.
um ciclo semelhante ao do Ascaris lumbricoides, passando pelo coração, pulmões, chegando
até as vias aéreas, de onde passam para o tubo digestivo. Profilaxia:
Sintomas: as pessoas com amarelão apresentam anemia, ocasionada pelas hemorragias · As medidas de saneamento
intestinais. Apresentam-se fracas, com a pele amarela, além de tipicamente irritada devido à básico são, mais uma vez, de
penetração da larva. Podem também apresentar problemas pulmonares devidos à passagem importância central para evitar
da larva pelos pulmões, além de dores intestinais e diarreia. Crianças infestadas podem ter a contaminação do ambiente
atrasos no crescimento. com ovos e larvas do parasita.
· As pessoas devem andar sem-
CIClo da anCIlostomose pre calçadas e tomar os devidos
no intestino,
faringe o ancylostoma se fixa cuidados com a higiene pessoal.
coração e se reproduz
a · Deve-se também tomar cuidado
(4 muda)
circulação com as crianças que costumam
sanguínea brincar com terra, principalmen-
te as que vivem em áreas rurais.
Através do personagem Jeca Tatu,
Monteiro Lobato enfocou as
verminoses como um dos maiores
flagelos a que a população pobre
(ainda hoje) é exposta aqui no
pulmões
(3a muda)
Brasil.

adultos

homem

solo
ovos com
larvas em
a larva seu interior
filarioide são eliminados
infestante penetra com as fezes,
na pele do (1 a muda) contaminando
homem e passa (2 a muda)
para o sistema o solo
circulatório

larva larva
filarioide rabditoide

CPV BioGUI10
BIologIa 67

BICHo-geogrÁfICo oxIurose
Agente causador: larva de Ancilostoma brasiliensis Também conhecida como enterobiose.
Transmissão: por meio do solo contaminado com fezes de animais
infestados. Agente causador: Enterobius vermicularis ou
Oxyurus vermicularis
Descrição do ciclo de vida: o verme adulto aloja-se no intestino de cães
e gatos, que contaminam o ambiente com os ovos eliminados juntamente Transmissão: ocorre por meio da ingestão de ovos
com suas fezes. Dos ovos eclodem larvas que penetram ativamente através eliminados nas fezes de pessoas infestadas.
da pele. Ao entrarem em cães e gatos, as larvas continuam normalmente
seu ciclo de vida. Por outro lado, se entrarem na pele de uma pessoa o Descrição do ciclo de vida:
ciclo não se completa. A larva permanece na pele, onde se movimenta,
causando forte irritação, coceiras e manchas avermelhadas, que marcam O macho mede cerca de 5mm e a fêmea, 12mm. Reproduzem-
a pele deixando-a como um mapa. se no intestino humano. A fêmea, repleta de ovos, pode migrar
através do reto para as bordas da região anal, onde deposita
Sintomas: as fortes coceiras e a irritação da pele com as marcas vermelhas seus ovos, causando intensa coceira no local. Ao se coçar, as
em forma de caminho costumam ser os únicos sintomas dessa verminose. pessoas contaminam as mãos e unhas com ovos do parasita e se
Após algum tempo, não havendo reinfestação e tratamento, o verme é reinfestam. Podem também contaminar outras pessoas através
espontaneamente eliminado. da manipulação de objetos e alimentos. Normalmente as fêmeas
Profilaxia: migram para o ânus durante a noite, por isso a contaminação
● Evitar que cães e gatos defequem em espaços públicos como parques, de roupas íntimas e de roupas de cama é frequente.
praias e calçadas.
● Evitar andar descalço.

fIlarIose
O agravamento dessa doença é conhecida como elefantíase.
desenvolvimento do ovo do oxiúro
Agente causador: Wuchereria bancrofti (filária).
Transmissão: indireta
Agente transmissor: mosquito do gênero Culex.
oxiúros adultos
Descrição do ciclo de vida: os vermes adultos têm a aparência de fios de Sintomas:
barbante, medindo entre 4 e 10cm de comprimento. Habitam o sistema
linfático das pessoas infestadas, onde macho e fêmea copulam. As fêmeas Se a infestação for pequena, os sintomas geralmente passam
retêm os ovos no interior de seus corpos até que eclodam larvas quase despercebidos. Em infestações maiores, pode haver sintomas
microscópicas, as microfilárias. Durante o dia, as larvas permanecem intestinais, como diarreias, dores, intenso prurido (coceira) anal,
nos vasos mais profundos do corpo. À noite, as larvas migram para os vômitos, náuseas e irritabilidade. Como o verme se torna mais
vasos linfáticos e sanguíneos da pele. Ao sugar uma pessoa infestada, o ativo durante a noite, pode haver insônia e suas consequências,
mosquito se contamina e transmite o verme para outras pessoas. Assim, como cansaço e sono durante o dia.
o mosquito comporta-se como hospedeiro intermediário, sendo o homem
o hospedeiro definitivo.
Sintomas: inicialmente, há obstrução e inflamação dos vasos linfáticos,
acompanhadas de dor e vermelhidão nos locais atingidos, além de febre
e náuseas. As crises são intermitentes e, em muitos casos, não deixam
marcas, regredindo completamente. Em outros casos, cada crise deixa
um inchaço residual que, acumulados com os resultantes de outras crises,
provocam inchaços deformantes: a
elefantíase. As áreas do corpo mais
afetadas são os membros posteriores
(pés e pernas), mas há casos de
afetamento de mamas e escroto.
A contaminação ocorre por via oral.
Profilaxia:
· Combate ao mosquito com Profilaxia:
inseticidas e controle biológico. · Defecar apenas em locais adequados.
· Evitar a formação de acúmulos · Lavar bem as mãos, em caso de convivência com pessoas
de água de chuva em vasos de infestadas.
plantas, pneus velhos etc., onde · Trocar a roupa de cama todas as noites e separar as roupas
o mosquito pode se reproduzir. da pessoa infectada das demais, para fervê-las, eliminando
assim os ovos.

BioGUI10 CPV
68 BIologIa

exerCíCIos 05. As convulsões apresentadas por um paciente foram


diagnosticadas pelo seu médico como sendo devidas à
01. (UF-PA) O Wuchereria bancrofti é um verme causador da cisticercose. Este paciente:
, cuja transmissão ao homem é feita através do a) foi picado por Triatoma.
Culex fatigans, que é um . b) ingeriu ovos de Taenia.
a) doença de Chagas, barbeiro c) bebeu água contendo colibacilos.
b) filariose, mosquito d) nadou em lagoa contaminada por Schistosoma.
c) esquistossomose, caramujo e) andou descalço em terreno contaminado por Ascaris.
d) doença de Chagas, caramujo
e) malária, mosquito 06. Uma medida eficaz no combate à esquistossomose é:
a) destruir os caramujos que são os hospedeiros intermediários.
02. (UF-RN) O professor Astrogildo combinou com seus alunos de b) evitar o consumo de carne suína que não seja bem cozida.
visitar uma região onde ocorria extração de minério a céu aberto, c) construir moradias de alvenaria sem fendas nas paredes.
com a intenção de mostrar os efeitos ambientais produzidos por d) aterrar locais de água parada onde vivem as larvas do
aquela atividade. Durante o trajeto, o professor Astrogildo ia mosquito.
propondo desafios a partir das situações do dia a dia vivenciadas e) evitar o consumo de carne bovina de procedência
ao longo do passeio. Ao parar para almoçar, o restaurante oferecia desconhecida.
um buffet em que havia diversos tipos de carnes, verduras e
legumes. Quando João foi se servir, disse: 07. O gráfico a seguir representa a eliminação de cercárias de
“Pessoal, cuidado com a carne de porco, para não pegar cisticercose!” Schistossoma mansoni, por caramujos do gênero Biomphalaria,
durante as 24 horas do dia.
O temor de João só teria fundamento se alguém ingerisse:
30
a) verduras contaminadas com fezes humanas contendo ovos % do total de cercárias dia noite
de tênia.
b) legumes ou verduras contaminados com fezes de porco
20
contendo cisticerco.
c) carne de porco mal cozida contendo cercárias.
d) legumes ou carnes mal cozidas contendo oncosferas.
10
03. (MACk-SP/Jun-2014) Os mosquitos de diversos gêneros, como
o Anopheles, o Culex e o Aedes, afetam quase todas as regiões
brasileiras. Além de causarem irritação e incômodo, eles podem 0
também transmitir algumas doenças. 2 9 11 13 15 17 19 21 23 1 3 5 7
horas do dia
Assinale, no quadro abaixo, a alternativa que relaciona
corretamente esses transmissores e causadores com as doenças. A análise do gráfico, associada aos seus conhecimentos sobre
o assunto, permite concluir que:
Anopheles Culex Aedes
a) o hospedeiro intermediário terá maior chance de
Doença Causador Doença Causador Doença Causador
contaminação nas horas mais quentes do dia.
Febre b) o risco de infecção é praticamente nulo à noite e nas
a) Malária Protozoário Filaríase Verme Vírus
amarela primeiras horas do dia.
Febre c) a intensidade da transmissão do parasita independe das
b) Malária Protozoário bactéria Dengue Vírus
amarela condições sanitárias e dos níveis de poluição ambiental.
c) Malária Protozoário Filaríase Protozoário Dengue Vírus d) a temperatura e a luz são fatores inibidores da liberação
Febre de cercárias.
d) Filaríase bactéria Malária Protozoário Vírus e) a repetição de hábitos cotidianos da população, como
amarela
Febre banhos e lavagem de roupa em águas contaminadas, não
e) Vírus Malária bactéria Dengue bactéria interfere na carga helmíntica.
amarela

04. Observe o esquema, referente ao ciclo da esquistossomose: 08. A esquistossomose é uma parasitose humana causada pelo
Schistosoma mansoni. A respeito desse parasita, é incorreto
I, II e III são, respectivamente: HOMEM afirmar que:
a) cercária, miracídio e ovo. a) além do homem, possui um outro hospedeiro.
b) miracídio, ovo e cercária. I b) tem sexos separados, isto é, há machos e fêmeas.
III
c) ovo, cercária e miracídio. c) pertence ao mesmo filo da Taenia solium.
d) ovo, miracídio e cercária. d) possui mais do que um estágio larval.
e) cercária, ovo e miracídio. CARAMUJO e) é adquirido pelo homem por meio da ingestão de alimentos
II
contaminados com as larvas.

CPV BioGUI10
BIologIa 69

09. O Phylum Platyhelminthes engloba milhares de espécies animais, 14. A figura mostra a
na maioria das vezes com corpo achatado dorsoventralmente, contaminação do homem
em forma de fita. Muito deles são de vida livre, como as por um parasita.
planárias, outros importantes parasitas de vertebrados. Assinale
a alternativa que apresenta espécies de platelmintos que podem
parasitar o homem.
a) Taenia saginata, Wuchereria bancrofti e Echinococcus
granulosus. fezes com ovos
b) Schistosoma mansoni, Taenia saginata e Ascaris
lumbricoides.
c) Schistosoma mansoni, Taenia saginata e Echinococcus
granulosus.
d) Ascaris lumbricoides, Wuchereria bancrofti e Taenia
saginata.
e) Ascaris lumbricoides, Taenia saginata e Echinococcus A moléstia causada por esse parasita é a:
granulosus.
a) elefantíase.
10. Uma pessoa vegetariana estrita e que nunca teve contato com b) ancilostomose.
água onde vivem caramujos foi diagnosticada como portadora c) leishmaniose.
de larvas de tênia encistadas em seu cérebro. Isso é: d) ascaridíase.
e) esquistossomose.
a) possível, pois se pode adquirir esse parasita pela ingestão
de seus ovos e, nesse caso, as larvas originam cisticercos 15. A ingestão frequente de terra por crianças é um comportamento
no cérebro. que pode indicar:
b) possível, pois as larvas infectantes desse parasita
a) anemia, como consequência de necatoríase.
desenvolvem-se no solo e penetram ativamente através da
b) desnutrição, por deficiência de minerais para reposição de
pele.
energia.
c) possível, pois esse parasita é transmitido por insetos
c) fome, pois a terra ingerida produzirá sensação de saciedade.
portadores de larvas infectantes.
d) parasitose por Ascaris, porque a ingestão de terra reduz a
d) pouco provável, pois só se adquire esse parasita pela ingestão
infestação.
de carne contendo larvas encistadas (cisticercos).
e) raquitismo, portanto as crianças buscam, instintivamente,
e) pouco provável, pois as larvas infectantes desse parasita
o cálcio necessário ao seu crescimento.
desenvolvem-se em caramujos aquáticos.

11. Considere a afirmação: 16. Crianças que frequentavam um tanque de areia do condomínio
onde residiam apresentaram, praticamente ao mesmo
“O ciclo de vida se completa em um único hospedeiro”. tempo, uma parasitose conhecida popularmente como bicho
Trata-se de: geográfico ou larva migrans, cujo agente etiológico é o
Ancylostoma braziliense.
a) Plasmodium falciparum.
b) Trypanosoma cruzi. Quais animais a seguir relacionados poderiam ter sido
c) Schistosoma mansoni. responsáveis pela contaminação da areia?
d) Taenia solium. a) Ratos e pássaros.
e) Ascaris lumbricoides. b) Ratos e pombos.
c) Morcegos e pombos.
12. O Ancylostoma é um parasita intestinal que provoca o amarelão, d) Cachorros e gatos.
doença que se pode adquirir: e) Papagaios e pombos.
a) por picada de um hemíptero (barbeiro).
b) comendo carne de porco mal cozida. 17. Das doenças a seguir, as que não apresentam mosquito como
c) comendo carne bovina contaminada. hospedeiro intermediário são:
d) por picada de pernilongo. a) malária, esquistossomose e teníase.
e) andando descalço. b) Mal-de-Chagas, filariose e triquinose.
c) triquinose, esquistossomose e teníase.
13. A parasitose que tem seu agente causador, quando adulto, alojado d) febre amarela, amarelão e malária.
preferencialmente no sistema linfático é a: e) ascaridíase, bicho-geográfico e oxiurose.
a) teníase.
b) elefantíase. 18. Nas alternativas indique a doença na qual o parasita causador
c) cisticercose. não necessita de um hospedeiro intermediário.
d) ascaridíase. a) malária b) ascaridíase
e) esquistossomose. c) dengue d) esquistossomose

BioGUI10 CPV
70 BIologIa

19. Exemplos de moléstias causadas por parasitas, que se manifestam O verme causador da parasitose e o transmissor são,
apenas na espécie humana e cuja transmissão independe de respectivamente:
hospedeiro intermediário, são:
a) a filária e um mosquito do gênero Culex.
b) a filária e um mosquito do gênero Anopheles.
a) ascaridíase e ancilostomose.
c) o ancilóstomo e um mosquito do gênero Culex.
b) esquistossomose e malária.
d) o ancilóstomo e um mosquito do gênero Anopheles.
c) malária e ascaridíase.
e) o esquistossomo e um inseto do gênero Triatoma.
d) ancilostomose e teníase.
e) teníase e esquistossomose.
23. Ao abrir o envelope com o resultado de seu exame parasitológico
de fezes, Jequinha leu:
20. A elefantíase ou filariose é uma parasitose comum na região
amazônica. Sua profilaxia pode ser feita através do combate ao Positivo para ovos de Ascaris lumbricoides.
inseto vetor e do isolamento e tratamento das pessoas doentes. Qual das medidas preventivas de doenças parasitárias
relacionadas a seguir não deve ter sido observada por Jequinha
O agente causador e o hospedeiro intermediário dessa parasitose na sua vida diária?
são, respectivamente:
a) Andar calçado para que a larva não penetre pelos pés.
a) Ascaris lumbricoides e um mosquito do gênero Culex. b) Comer carne de porco ou de boi inspecionada e bem cozida.
b) Wuchereria bancrofti e um mosquito do gênero Culex. c) Lavar bem as mãos e os alimentos antes das refeições.
c) Wuchereria bancrofti e o caramujo. d) Colocar tela nas janelas para impedir a entrada do mosquito
d) Schistosoma mansoni e a filária. Culex.
e) Ancylostoma duodenale e a filária. e) Não nadar em lagoas que tenham o caramujo Biomphalaria.

21. Analise as informações abaixo sobre as características de uma 24. Considere o esquema referente a parasitoses humanas.
verminose.
H ovos
I. O parasita se apresenta no interior dos vasos linfáticos da O
pessoa infestada. inseto
M
II. O hospedeiro intermediário pertence ao filo dos Artrópodos. hematófago
E
III. Geralmente acarreta um derrame de linfa nos tecidos, I II
provocando uma inchação. M larva

Tais características são pertinentes à: I e II podem ser, respectivamente,

a) leishmaniose. a) malária e doença de Chagas.


b) filariose. b) amarelão e amebíase.
c) ancilostomose. c) doença de Chagas e malária.
d) esquistossomose. d) elefantíase e amarelão.
e) ascaridiose. e) amebíase e esquistossomose.

22. A figura a seguir representa o ciclo de vida de um verme parasita 25. No nematoide Ascaris, a pressão interna no repouso é de 70cm
do organismo humano. de água e chega a 400 cm de água quando o animal se locomove.
Essas pressões elevadas são mantidas, com economia de energia,
pela existência ao longo do corpo do animal de um(a):
larva saindo pela a) musculatura circular.
mosquito picando probóscide do b) musculatura longitudinal.
o homem mosquito c) musculatura circular e uma longitudinal.
d) cutícula extremamente inelástica.
e) exoesqueleto.

larva no sangue 26. Representantes da Classe Nematoda são encontrados parasitando


do homem
o tubo digestivo e outros órgãos do homem. Das espécies a
seguir, indique a que não pertence à referida classe:
a) Ascaris lumbricoides.
animal adulto obstrui b) Necator americanus.
a circulação linfática c) Ancylostoma duodenale.
do homem
d) Taenia saginata.
e) Wuchereria bancrofti.

CPV BioGUI10
BIologIa 71

27. Conforme o ciclo evolutivo, os parasitas são classificados em 32. Assinale a alternativa que apresenta parasitoses humanas
monogenéticos e digenéticos. No primeiro caso, quando seu ciclo causadas unicamente por vermes nematelmintos.
se passa num único hospedeiro e no segundo caso, quando se a) ascaridíase, ancilostomose e teníase
desenvolve em dois hospedeiros, o intermediário e o definitivo. b) ascaridíase, filaríase e esquistossomose
Um parasita considerado monogenético é: c) ancilostomose, filaríase e oxiurose
a) Ascaris lumbricoides. d) ancilostomose, teníase e oxiurose
b) Taenia solium. e) filaríase, oxiurose e esquistossomose
c) Trypanosoma cruzi.
33. Se considerarmos que o parasitismo é uma interação
d) Leishmania brasiliensis.
extremamente comum na natureza e que muitas espécies animais
e) Wuchereria bancrofti.
podem possuir parasitos específicos, isto é, espécies de parasitos
adaptados a apenas uma espécie de hospedeiro, podemos supor
28. Um analista clínico, ao fazer um exame de fezes de um paciente,
que o filo deve apresentar uma diversidade de
observou, ao microscópio, ovos de um verme Asquelminto (ou
espécies muito maior do que a atualmente conhecida pela ciência.
Nematelminto).
a) Cnidaria b) Echinodermata c) Nematoda
Seu diagnóstico estaria incorreto se afirmasse ter encontrado
d) Porifera e) Rotifera
ovos de:
a) Enterobius sp (oxiúros) 34. Na história evolutiva aceita pela maioria dos zoólogos, o primeiro
b) Schistosoma sp grupo de animais a apresentar simetria bilateral acompanhada
c) Ancylostoma sp de processo de cafalização é o dos:
d) Ascaris sp a) poríferos. b) cnidários. c) artrópodes.
e) Necator sp d) platelmintos. e) equinodermos.

29. Assinale a alternativa que apresenta parasitoses humanas 35. No ciclo evolutivo da Taenia solium, o homem fará o papel de
causadas por parasitas pertencentes, unicamente, ao filo dos hospedeiro intermediário quando:
Nematelmintos. a) andar descalço em local contaminado.
a) Teníase, Ascaridíase e Dracunculose. b) ingerir ovos da Taenia.
b) Ascaridíase, Amarelão e Elefantíase. c) for picado por Anopheles.
c) Esquistossomose, Amarelão e Teníase. d) comer carne de porco com larvas da Taenia.
d) Triquinose, Oxiurose e Esquistossomose. e) nadar em água com caramujo contaminado.
e) Ascaridíase, Elefantíase e Esquistossomose.
36. Analise o esquema a seguir.
30. O desenho representa o ciclo de vida de transformação em eclosão
um parasita humano. vermes adultos nas eliminação dos ovos
veias intestinais de fezes com com liberação
ovos na água
Trata-se do: humanas dos miracídios

a) Ascaris lumbricoides.
b) Ancylostoma duodenale. penetração
pela pele liberação penetração
c) Necator americanus. humana das cercárias no caramujo
d) Schistosoma mansoni.
e) Strongyloides stercoralis. Nele está representado o ciclo de vida do agente causador da:
a) esquistossomose.
31. Monteiro Lobato criou o Jeca Tatu, um personagem típico da b) leishmaniose.
zona rural, que era magro, pálido, andava descalço e mal vestido, c) ancilostomose.
além de ter o intestino cheio de vermes. d) malária.
Os vermes intestinais responsáveis pelo estado do Jeca e o que as e) doença de Chagas.
pessoas devem fazer para não adquiri-los são, respectivamente,
37. A restrição do tamanho e da forma em planárias está diretamente
a) ancilóstomos e andar calçado. relacionada:
b) ancilóstomos e vestir-se bem.
a) à ausência de um sistema circulatório.
c) lombrigas e andar calçado.
b) ao sistema nervoso difuso.
d) lombrigas e lavar bem as verduras.
c) à presença de protonefrídios.
e) tênias e comer carne bem passada.
d) ao hermafroditismo.
e) à possibilidade de regeneração.

BioGUI10 CPV
72 BIologIa
38. O Schistosoma mansoni provoca, no homem, a 43. Uma criança foi internada em um hospital com convulsões e problemas
esquistossomose, que é uma doença muito comum no neurológicos. Após vários exames, foi diagnosticada cisticercose cerebral. A
Brasil. Sabemos que o homem é o hospedeiro definitivo mãe da criança iniciou, então, um processo contra o açougue no qual comprava
e que a profilaxia dessa doença pode ser feita tratando-se carne todos os dias, alegando que este lhe forneceu carne contaminada com o
os esgotos, evitando-se o contato com águas infestadas verme causador da cisticercose. A acusação contra o açougue:
e tentando-se eliminar os caramujos transmissores. a) não tem fundamento, pois a cisticercose é transmitida pela ingestão de ovos
O filo e a classe do agente causador da esquistossomose de tênia eliminados nas fezes dos hospedeiros.
são, respectivamente, o: b) não tem fundamento, pois a cisticercose não é transmitida pelo consumo de
a) Platyhelminthes e a Trematoda. carne, mas sim pela picada de mosquitos vetores.
b) Platyhelminthes e a Turbellaria. c) não tem fundamento, pois a cisticercose é contraída quando a criança nada
c) Cnidária e a Hidrozoa. em lagoas onde vivem caramujos hospedeiros do verme.
d) Cnidária e a Turbellaria. d) tem fundamento, pois a cisticercose é transmitida pelo consumo de carne
e) Cnidária e a Trematoda. contaminada por larvas encistadas, os cisticercos.
e) tem fundamento, pois a cisticercose é transmitida pelo consumo dos ovos
39. Boca e sistema digestivo ausentes, cabeça com da tênia, os cisticercos, que ficam alojados na carne do animal hospedeiro.
quatro ventosas musculares e um círculo de ganchos,
cutícula permeável à água e nutrientes e que protege 44. No ciclo evolutivo da Taenia solium (tênia), o homem pode atuar tanto como
contra os sucos digestivos do hospedeiro, sistema hospedeiro intermediário como hospedeiro definitivo.
reprodutor completo e ovos com alta tolerância a A forma de infestação nessas duas situações ocorre, respectivamente, ao:
variações de pH. a) ingerir-se ovos da tênia e andar descalço.
O texto descreve adaptações das: b) comer-se carne de porco contendo os cisticercos e andar descalço.
a) lombrigas ao endoparasitismo. c) ser picado pelo mosquito vetor e beber água não tratada.
b) tênias ao endoparasitismo. d) ingerir-se ovos da tênia e comer carne de porco contendo os cisticercos.
c) lombrigas ao ectoparasitismo. e) andar descalço e ser picado pelo mosquito vetor.
d) tênias ao ectoparasitismo.
e) tênias ao comensalismo. 45. Não apresentam tubo digestivo completo:
a) Platelmintos.
40. Nos platelmintos da classe Cestoda (tênias) não existe: b) Nematódeos.
a) autofecundação. c) Moluscos.
b) hermafroditismo. d) Anelídeos.
c) sistema excretor. e) Aracnídeos.
d) sistema digestivo.
e) sistema nervoso. 46. Alguns animais não possuem sistema ou órgão responsável pelas trocas gasosas.
Existem aqueles que absorvem oxigênio e eliminam gás carbônico por difusão,
41. Os platelmintos pertencem ao primeiro grupo de através da superfície epidérmica, como é o caso da:
animais a possuir um sistema excretor. Este é bastante a) mosca.
primitivo, formado por células flama. A principal b) aranha.
função destas células é remover o excesso de água e c) planária.
os resíduos nitrogenados: d) lesma.
a) do sangue e lançá-los para o intestino. e) estrela-do-mar.
b) do sistema circulatório e lançá-los para o exterior.
c) do tecido epitelial e lançá-los para o intestino. 47. Observe a figura a seguir.
d) do ectoderma e lançá-los para os túbulos de
Malpighi.
e) do mesoderma e lançá-los para o exterior. flagelos

42. Em vários córregos existentes na periferia de uma


ducto intracelular
cidade foram encontradas larvas denominadas
miracídios. Essas larvas dariam seguimento ao ciclo
de vida do verme (1) se pudessem se instalar núcleo
no corpo de um (2) . citoplasma

No trecho anterior, as lacunas 1 e 2 devem ser


preenchidas correta e respectivamente por: Nela estão representadas células características do sistema excretor dos:
a) Ancylostoma duodenale e molusco. a) insetos.
b) Taenia saginata e mamífero. b) anelídeos.
c) Schistosoma mansoni e molusco. c) moluscos.
d) Necator americanus e mamífero. d) nematelmintos.
e) Ascaris lumbricoides e molusco. e) platelmintos.

CPV BioGUI10
BIologIa 73

filo annelida
O Filo Annelida é composto por invertebrados de corpo alongado e dividido em anéis semelhantes interna e externamente, chamados
metâmeros. As minhocas e sanguessugas são os anelídeos mais conhecidos. A metameria passa a ser uma característica comum
a anelídeos e artrópodes e uma das evidências de sua origem evolutiva comum; em cordados, a metameria teria surgido novamente,
de forma independente, já que não há evidências de ancestrais comuns com essa característica.

organIzação do Corpo

· a metameria em anelídeos se expressa pela presença de estruturas repetidas em cada um (ou maioria) dos anéis do corpo:
há estruturas musculares, nervosas, excretoras e parcialmente as circulatórias metamerizadas, o que permite maior eficiência
na locomoção e um aumento potencial do tamanho, já que cada anel pode executar as funções independentemente dos outros;

· seus corpos apresentam simetria bilateral;

· há uma grande cavidade celômica septada (separada em compartimentos que são os metâmeros) repleta de líquido;

· basicamente, o corpo está organizado em dois tubos concêntricos, o tubo digestivo e a cavidade celômica, repleta de líquido
celomático ocupando o espaço da cavidade entre o tubo digestivo e a pele. Esse fluído celômico, além de auxiliar a distribuição
de substâncias corporais, funciona como esqueleto, pois a atuação da musculatura (bem desenvolvida com músculos longitudinais
e transversais) produz uma variação da pressão interna no celoma, o que produz contração e distenção dos diferentes metâmeros
e o característico movimento através de ondas que lembram os movimentos peristálticos do tubo digestivo de muitos animais.

dIversIdade: as Classes

O Filo Annelida é dividido em três classes principais:

Oligochaeta – minhoca Polychaeta – minhoca do mar Hirudinea – sanguessuga

Um dos principais critérios para a classificação é a presença e o número de cerdas lateroventrais filamentosas e compostas de quitina.

Classe olIgoCHaeta
Composta pelas minhocas, que ocupam em sua maioria ambientes terrestres úmidos. Algumas espécies são aquáticas, dulcícolas
(de água doce) e marinhas. O nome vem do grego (oligos = poucas e chaite = pelos, cerdas). As cerdas ficam localizadas
lateroventralmente, em tufos de cada lado do corpo, presos a músculos que podem projetá-las e recolhê-lhas, auxiliando a locomoção.
Ocorre um conjunto de segmentos anteriores (mais próximos à cabeça) mais espessos e inchados por glândulas ligadas a cópula
e formação dos casulos dos ovos: o clitelo. A maioria das espécies de minhocas tem poucos centímetros de comprimento, mas
existem algumas espécies gigantes, como a Rhinodrilus fafneri, brasileira, e a Megascolides australis, australiana, com cerca de
3m de comprimento e 2,5 a 3cm de diâmetro.

BioGUI10 CPV
74 BIologIa

Classe polyCHaeta — são essencialmente marinhos, apresentando muitas cerdas (do grego, polys = muitos) localizadas
em expansões lateroventrais musculosas chamada parapódios (do grego, para = semelhantes e podos = pés). Há os que usam
as cerdas para locomoção, sendo conhecidos como poliquetos errantes, e há os que se enterram na areia ou lodo das praias e do
solo subaquático, em túneis, conhecidos como poliquetos fixos. Ambos apresentam uma cabeça diferenciada do resto do corpo,
contrastando com as minhocas, e muitos órgãos sensoriais nessa região. Os errantes usam seus parapódios e cerdas para se
locomoverem à cata de presas; os fixos expõem tentáculos e outras expansões do corpo para filtrar a água e reter larvas e outros
pequenos organismos que lhes servem de alimento.
tentáculos
parapódio
olhos
lobo
respiratório

cerdas
palpos
boca

cabeça
cirros
anais

metâmeros
parapódios
com cerdas

Nereis virens lembra uma centopeia e chega a medir 40 cm de


comprimento; passa o dia escondido entre as rochas à beira-mar,
saindo à noite, quando pode ser encontrado rastejando na areia
ou nadando.

Classe HIrudInea — representada pelas sanguessugas. Também chamadas de Achaeta, pois não possuem cerdas em seu
corpo achatado dorsoventralmente. Apresentam duas ventosas ventrais, uma ao redor da boca e outra posterior, próxima ao ânus,
que usam para se fixar no corpo de vertebrados, dos quais retiram sangue para se alimentar. Ao se fixarem no corpo do hospedeiro,
usam seus dentes para produzir uma lesão em sua pele, sem causar dor. Começam a sugar o sangue, evitando sua coagulação
através de uma substância anticoagulante presente em sua saliva. Quando repletas de sangue, podem passar até alguns anos sem
nova alimentação. Algumas espécies, como a Hirudo medicinalis, eram e ainda hoje são utilizadas para sangrias de pacientes com
diversos males e também para eliminar certos hematomas ou mesmo melhorar processos de cicatrização de cirurgias.
circulação tentáculos
água do de água
mar no tubo boca
metâmeros
areia

tubo

boca

parapódios
ventiladores

parapódios

ânus

A descrição que se segue baseia-se nas características das minhocas terrestres, que adotaremos como referência para conhecermos
detalhes da estrutura e fisiologia.

CPV BioGUI10
BIologIa 75

nutrIção sIstema respIratórIo


As minhocas, como os demais anelídeos, têm boca no primeiro anel e As minhocas em geral não possuem um sistema respiratório. As
ânus no último. O tubo digestivo acompanha toda extensão do corpo trocas gasosas são realizadas por difusão entre os vasos capilares
e é dividido em boca, com glândulas salivares, faringe musculosa, cutâneos e o ar atmosférico. Para permitir a passagem dos gases,
seguida de papo e moela, uma expansão de parede musculosa e é importante a pele das minhocas se conservar úmida.
intestino, que termina no ânus. O alimento consiste de restos de
vegetais dispersos no solo, engolidos juntamente com porções de As minhocas terrestres geralmente são sensíveis a ambientes
terra, conforme as minhocas se deslocam pelo solo. O alimento sofre secos, pois além de desidratarem com facilidade (revestimento
trituração na moela, que apresenta intensos movimentos alternados permeável), o dessecamento da pele pode significar sua morte
de contração, pressionando-o com os grãos de pedra ingeridos com por asfixia. Por isso esses animais são mais ativos durante a noite
a terra. Triturado, o alimento chega ao intestino, onde é misturado ou após as chuvas, quando podem se expor para alimentação e
às enzimas digestivas. Após a digestão e absorção, os resíduos são reprodução.
lançados pelo ânus. Com esse hábito alimentar, as minhocas eliminam A hemoglobina presente no sangue melhora tanto a capacidade de
fezes compostas de terra misturada com resíduos orgânicos triturados transporte de oxigênio como a capacidade de captação, a partir da
(o chamado humus), o que facilita e estimula a ação de bactérias atmosfera. Os poliquetos têm respiração branquial.
decompositoras do solo, aumentando sua fertilidade.
moela quarenta A
faringe capilarização na vaso sanguíneo
metâmeros omitidos
superfície corporal dorsal

boca ânus
papo intestino ceco
cordão intestinal
nervoso central
B
faringe
vaso sanguíneo
prostômio capilarização ventral
boca no intestino
corações
laterais

intestino
gânglios
cerebrais
corações exCreção
papo
moela A excreção se dá através de nefrídeos. Estes são tubos de percurso
enovelado em que uma das extremidades se abre em forma de funil
vaso sanguíneo vaso sanguíneo dorsal
dorsal cutícula ciliado, o nefróstoma, para a cavidade celomática, absorvendo
tiflossole
epiderme líquido celômico para o qual as células eliminam seus produtos
musculatura de excreção. A extremidade oposta se abre na superfície da
cerdas circular
epiderme do metâmero seguinte, em forma de um poro excretor
musculatura
longitudinal ou nefridióporo.
O tubo do nefrídeo geralmente se enovela e é envolvido por vasos
C capilares que tanto descarregam mais excretas presentes no sangue
como também reabsorvem substâncias úteis que são retidas no
cavidade nefrídio corpo em vez de serem eliminadas com a urina. Geralmente há
intestinal um par de nefrídeos em cada segmento do corpo, localizados
poro excretor
lateroventralmente.
vaso sanguíneo
ventral celoma
parede do corpo septo entre metâmeros

sIstema CIrCulatórIo
É tipicamente formado por dois vasos longitudinais principais,
acompanhando a extensão do tubo digestivo. Um desses vasos está
intestino
localizado sobre o tubo digestivo (dorsal) e possui paredes contráteis
para bombeamento de sangue; o outro vaso está localizado abaixo
do tubo digestivo (ventral). Ambos se ramificam, levando sangue
para as diversas regiões e órgãos do corpo. Há vasos transversais
que envolvem o tubo digestivo, unindo os vasos dorsal e ventral com
nefrídio poros excretores
paredes contráteis que também auxiliam o fluxo de sangue. A maioria cavidade funil ciliado
celômica (nefróstoma) (nefridiósporos)
das minhocas tem hemoglobina dissolvida no sangue, um pigmento
de proteína com ferro capaz de transportar oxigênio pelo sangue.

BioGUI10 CPV
76 BIologIa

sIstema nervoso e sensorIal


gânglios
cerebrais
O sistema nervoso é ganglionar, com um par de
gânglios localizado num dos anéis mais próximos nervos
sensitivos
da extremidade anterior, gânglios cerebroides,
localizados sobre o lado dorsal da faringe. Deles
saem dois cordões nervosos que circundam a
faringe e se prolongam ventralmente, conectando
cordão
um par de gânglios por segmento. Nestes,
nervoso
há ramificações, nervos, que controlam os
diversos órgãos do segmento. Em vez de
olhos, as minhocas possuem fotorreceptores,
principalmente na extremidade anterior do corpo,
que permitem diferenciar entre claro e escuro.
Outros grupos de células sensoriais (receptores
químicos, táteis e térmicos) são distribuídos de anel nervoso gânglios gânglios segmentares
perifaringiano subfaringianos
forma mais ou menos homogênea pelo corpo.
Os poliquetos, principalmente os errantes,
apresentam componentes sensoriais mais desenvolvidos e algumas espécies podem apresentar olhos capazes de formar imagens.
Com isso, puderam desenvolver hábitos mais ativos, já que podem explorar melhor o ambiente circundante.

reprodução

As minhocas são monoicas e se reproduzem trocando gametas masculinos entre dois indivíduos. A cópula ocorre normalmente
durante a noite. As aberturas genitais femininas se localizam normalmente no clitelo. As aberturas masculinas estão mais à
frente, próximo à boca. Os indivíduos se juntam ventralmente, com seus corpos em sentidos opostos, para que os órgãos de sexos
opostos entrem em contato. Cada indivíduo elimina espermatozoides em bolsas armazenadoras, os receptáculos seminais. Após a
eliminação de esperma, os indivíduos se separam e secretam um tubo mucoso ao redor do clitelo. Alguns óvulos são eliminados
para esse tubo, se acomodando entre a parede do tubo e a pele. Contrações do corpo empurram esse tubo para frente, levando os
óvulos com ele. Quando o tubo passa pelos receptáculos seminais, estes eliminam esperma, que então fecunda os óvulos. O tubo
mucoso, já livre do corpo da minhoca, tem suas extremidades fechadas e forma casulos com vários ovos em seu interior. Os ovos
eclodem em pequenas minhocas. Não há estágio larval. Os poliquetos são tipicamente dioicos, com desenvolvimento indireto.

a ImportânCIa receptáculo
das mInHoCas seminal inseminado
separação
casulo mucoso
das parceiras
A presença de minhocas no
óvulos
solo tem se revelado benéfica
para as plantas, tanto nos
espermatozoides
campos de cultivo como formação de casulo
em ecossistemas naturais. mucoso e ovulação deslizamento do
Por suas características de em seu interior casulo e liberação
DETALHE DA
nutrição, elas enriquecem INSEMINAçãO
dos espermatozoides
o solo com material em acumulados nas vesículas
CRUzADA
decomposição, que acelera
a liberação de sais minerais,
aumentando sua fertilidade. troca recíproca
de espermatozoides espermatozoides óvulos
Pela forma como se deslocam,
cavando túneis no solo, CÓPULA
adesão FECUNDAçãO
facilitam a respiração das
pelas papilas libertação do
raízes das plantas. Há pessoas copulatórias casulo
casulo com ovos
que criam minhocas nos
chamados “minhocários”, casulo
para produzir e vender o
chamado húmus, porções DESENVOLVIMENTO ovos
de terra enriquecida pela minhocas jovens EMbRIONÁRIO
atividade de minhocas.

CPV BioGUI10
BIologIa 77

exerCíCIos 06. “Um menino de cinco anos foi levado ao cirurgião Joseph Upton, em
Boston. O Dr. Upton reconstituiu a orelha do menino, após esse ter sido
01. (PUCCamp-SP) Não encontramos em anelídeos: mordido por um cão, mas, depois de quatro dias, o fluxo sanguíneo da
orelha foi bloqueado. Se o fluxo não fosse restabelecido rapidamente,
a) célula flama
a cirurgia seria mal sucedida. Para desobstruir os vasos sanguíneos, o
b) circulação fechada
Dr. Upton adotou uma velha técnica: colocou 24 sanguessugas sobre
c) clitelo
o ferimento.” (Texto extraído de: W Purves. et al. Vida, A Ciência da Biologia)
d) sangue vermelho
e) n.d.a. Interpretando o texto dado, assinale a afirmativa incorreta.
a) As sanguessugas, representantes dos anelídeos hirudíneos,
02. Caracterize os anelídeos quanto à simetria, à presença utilizaram-se de ventosas bucais para se fixarem à orelha do menino
ou não de celoma, à segmentação do corpo e à presença e sugar seu sangue.
de órgãos de locomoção. b) As sanguessugas são ectoparasitas de vertebrados.
c) As sanguessugas liberam um poderoso agente anticoagulante que
facilita a desobstrução dos vasos sanguíneos permitindo que a
orelha do menino fosse irrigada.
d) A substância liberada pelas sanguessugas ativa a ação da trombina
no sangue de mamíferos, que é uma enzima importante no processo
03. Cite uma característica que não pode ser atribuída aos de coagulação.
anelídeos.
07. (PUC-SP/Dez-2013)

04. Explique de que maneira os anelídeos realizam as trocas


gasosas.

05. (UF-PI) Ectoderma


Mesoderma
I
Endoderma
Cavidade digestiva

Ectoderma
Mesoderma
II
Cavidade digestiva
Endoderma
Na realidade, as minhocas, embora hermafroditas, apresentam
Ectoderma fecundação cruzada, o que
Mesoderma a) representa uma vantagem em relação à autofecundação, pois
III Cavidade digestiva garante maior variabilidade genética, possibilitando maior chance
Endoderma de adaptação da população ao ambiente.
b) representa uma vantagem em relação à autofecundação, pois, apesar
de não garantir variabilidade genética, possibilita grande chance
Com relação aos desenhos acima, que representam cortes
de adaptação da população ao ambiente.
transversais de três animais, é correto afirmar que:
c) representa uma desvantagem em relação à autofecundação, pois,
a) o número I refere-se à minhoca. apesar de garantir maior variabilidade genética, não aumenta a
b) os números II e III referem-se à solitária e à esponja, chance de adaptação da população ao ambiente.
respectivamente. d) representa uma desvantagem em relação à autofecundação, pois
c) os números I e III referem-se ao ouriço-do-mar e ao não garante variabilidade genética, o que leva a uma menor chance
homem, respectivamente. de adaptação da população ao ambiente.
d) os números I e II referem-se à planária e à lombriga, e) não representa vantagem nem desvantagem em relação à
respectivamente. autofecundação, uma vez que os dois processos garantem o mesmo
grau de variabilidade genética e de adaptação da população ao
ambiente.

BioGUI10 CPV
78 BIologIa

filo MollusCa
O Filo Mollusca (do latim, mollis = mole) reúne animais de corpo mole, como ostras, polvos, lesmas, caracóis, lulas, dentálios
e muitos outros. Com cerca de 100 mil espécies descritas, trata-se do segundo maior grupo em número de espécies, ficando atrás
apenas dos Artrópodes. Ocupam tanto ambiente aquático como terrestre úmido e suas características incluem diversas novidades
evolutivas em relação aos grupos anteriores.

CaraCterístICas externas
Apesar de grande diversidade anatômica, há características comuns que definem esse grupo:
· a simetria do corpo é bilateral;
· não apresentam segmentação;
· a concha calcária é normalmente presente, mas há excessões, como polvos e lesmas;
· costuma-se dividir o corpo desses animais em três regiões, cabeça, pés e saco visceral (região do corpo entre a cabeça e os
pés, na qual aparece a maioria das vísceras);
· a cavidade celomática desenvolve o pericárdio, espaço que circunda o coração e que, muitas vezes, recebe outros órgãos
internos;
· o tegumento, em geral pouco espesso, apresenta uma região diferenciada, que pode envolver a maior parte da superfície corporal
chamada manto;
· uma porção do manto costuma formar uma dobra para dentro do corpo, a cavidade do manto, que costuma conter o órgão
respiratório e, muitas vezes, o final do intestino e do sistema excretor;
· no manto, costuma-se encontrar glândulas encarregadas de secretar a parte mais interna da concha.
Várias características são diversificadas e por isso a apresentação das classes é importante.

dIversIdade: as Classes
São seis classes principais: Monoplacophora, Polyplacophora, Scaphopoda, Pelecypoda, Gastropoda e Cephalopoda.

Classe monoplaCopHora
É composta de moluscos exclusivamente marinhos, normalmente encontrados em grandes profundidades, como Neopilina, com
seus 4 cm de comprimento máximo. Apresentam uma única concha em forma de placa em volta de seu corpo. Do lado oposto à
concha, sobressai um pé rastejante e chato.

Esôfago Fígado Intestino


Coração

boca Manto
Concha
Zoologia Geral, Storer, Usinger, Stebbins, Nybakken, CEN

Nefrídios

Ânus
brânquias
Gônada
neopilina, medindo cerca de 4cm.

CPV BioGUI10
BIologIa 79

Classe polyplaCopHora ou classe AmPhineurA: também é composta de moluscos exclusivamente


marinhos, mas encontrados em águas rasas. O primeiro nome mencionado refere-se ao fato de que a concha (dorsal) é formada
por 8 placas articuladas; já o segundo nome origina-se do fato de suas duas extremidades, anterior e posterior, serem semelhantes
(amphi significa de ambos os lados e neura aqui tem o sentido de cabeça). Como exemplo, temos o quíton, animal de forma
elíptica com até 8cm de comprimento, encontrado normalmente rastejando em rochas subaquáticas.

Placas da Gônada
concha

Anel Coração
nervoso
Nefrídio

Cinturão
carnoso

Ânus
boca Rádula Estômago Fígado Intestino Pé

Quiton, medindo entre 5 e 8 cm, encontrado sobre rochas de onde raspa a cobertura de algas.

Classe sCapHopoda : (do latim, skaphos = quilha de barco e podos = pés) é uma classe composta de animais dotados
de uma concha em forma de presa de elefante, com orifícios nas duas extremidades, pé afilado, utilizado para cavar. São marinhos,
muito encontrados nas praias, onde os pés revelam sua grande eficiência em cavar e se abrigar na areia. Como exemplo, temos o
Dentalium, animal de comprimento variando entre 3 e 6 cm.

Gônada

Músculo
retrator do pé Manto

Fígado
Água Coração
Areia Nefrídio
boca
Ânus

Gânglios nervosos

Concha
Concha

Captáculos

Dentalium, medindo entre 3 e 6 cm, vive enterrado na areia de praias.

BioGUI10 CPV
80 BIologIa

Classe peleCypoda Classe gastropoda

É composta de animais também chamados bivalves, por É representada pelos caracóis, lesmas e outros, que formam o
apresentarem duas conchas articuladas que envolvem todo grupo de maior diversidade entre os moluscos, pois puderam
seu corpo. A cabeça é diminuta e o pé tem forma afilada, ocupar tanto ambientes aquáticos como terrestres. O pé é bem
lembrando a lâmina de um machado (do grego, pelekys = desenvolvido, musculoso e responsável pela locomoção através
de deslizamento provocado pelo movimento ondulatório de suas
machado e podos = pés). Como exemplos, temos as ostras,
bordas. Para facilitar, há glândulas secretoras de um muco viscoso
mexilhões, vôngoles e muitos outros. São encontrados no
que diminui o atrito entre o animal e o substrato. Esse muco é
mar e em águas doces; alguns são de tamanho milimétrico, responsável pelo rastro deixado pelas lesmas quando estas se
outros podem chegar a 1,5m de envergadura. Alguns usam arrastam por aí. A cabeça é bem desenvolvida e a maioria apresenta
o pé para se fixarem em rochas e outros substratos, outros uma única concha espiralada (sendo por isso também chamados
se enterram no lodo ou areia e alguns ainda se locomovem univalvos), embora alguns não apresentem concha, como a lesma.
abrindo e fechando freneticamente suas conchas. Algumas
ostras são de grande valor comercial, não só para alimentação O nome Gastropoda (do grego, gastros = estômago e podos =
como também formadoras de pérolas. pés) indica a posição dos pés, que são diretamente ligados ao saco
visceral.

Alguns univalvos são transmissores de doenças humanas, como


a esquistossomose; outros são boas fontes de proteínas, como o
scargot. Há também várias espécies que podem se tornar pragas
de lavouras e jardins.

Concha, cujo
diâmetro aumenta
à medida que o
caracol cresce.

tentáculos
São necessários vários anos para que as pérolas se formem traseiros
no interior de uma ostra, um bivalve.

ligamento celoma par dianteiro


manto intestino coração de tentáculos
músculo
adutor
glândula
digestiva manto
ânus superfície inferior ou pé boca e rádula
boca

sifão concha
exalante fígado
pulmão
ânus
olho
estômago poro respiratório
rim tentáculo
manto
coração gânglios
canais deferentes ducto salivar
concha boca

fluxo de papo
palpo água glândula mucosa pênis glândula salivar
pé sifão oviduto vagina poro genital
manto inalante saco do dardo
gônada brânquia

CPV BioGUI10
BIologIa 81

Classe CepHalopoda polvo

É representada por polvos, lulas, sépias, náutilus, moluscos cujos


pés têm forma de tentáculos musculosos, com ventosas sugadoras,
A água pode ser expelida através
ligados diretamente à cabeça (do grego, kephalos = cabeça e do sifão para proporcionar
podos = pés). A classe possui desde espécies de tamanho diminuto movimento rápido.
até lulas de mais de 16 m de comprimento, medido da ponta da A boca fica em posição
cabeça à extremidade dos tentáculos maiores. Os polvos, com inferior e possui um bico
seus oito tentáculos, não apresentam conchas. As lulas, com seus para cortar o alimento.
dez tentáculos, possuem uma concha interna à altura da cabeça,
habitualmente chamada pena. Os náutilus são dotados de uma concha
externa e espiralada. Muitos deles apresentam células especiais na
superfície da pele — os cromatóforos — que possibilitam a rápida
alteração de seu padrão de cores, o que lhes dá grande capacidade
de se confundirem com o ambiente (mimetismo), facilitando as Cada tentáculo possui
atividades de predação e defesa. Há também evidências de que a duas carreiras de ventosas.
variação de cores é um código de comunicação entre eles, podendo bolsa coração
significar disposição agressiva, atração ou repulsão de indivíduos de branquial
mandíbula sifão guelra tinta
com intenções de reprodução etc. Lulas, polvos e sépias possuem estômago
ceco
as bolsas de tinta que eliminam uma secreção escura na água,
para confundir predadores enquanto fogem. Essa tinta vem sendo
utilizada desde tempos pré-cristãos para escrita e arte.
rádula concha
massa gônada
CaraCterístICas Internas cérebro coração
bucal cavidade
esôfago do manto
nutrIção – dIgestão
Os moluscos possuem sistema digestório completo e tubo dividido em várias regiões, com glândula anexa ligada ao estômago. Em geral,
a digestão é extra e intracelular. Os hábitos alimentares são diversificados e há estruturas específicas que diferenciam cada um dos grupos.
Os bivalvos são filtradores, usando as dobras de suas brânquias para reter partículas nutritivas da água. O alimento é então encaminhado
para a boca e chega ao estômago, onde se encontra o estilete cristalino, um bastão transparente composto de enzimas digestivas
compactadas. Na base desse bastão, há células ciliadas que produzem um movimento de rotação que, por sua vez, produz desgaste da
outra extremidade, por contato com uma parede áspera do estômago, e consequente liberação de porções de enzimas.
Os moluscos que não são bivalvos possuem uma estrutura bucal característica, a rádula, prolongamento musculoso em forma de fita,
revestido por numerosos dentículos quitinosos usados como instrumentos raspadores de vegetação rasteira ou outros tipos de alimento.
Nos cefalópodes, a boca é reforçada por um par de fortes anexos das mandíbulas, em forma de bico de papagaio, importantes para a
predação. Frequentemente, há glândulas de veneno anexas à boca. A presa é morta com o bico e a rádula puxa para dentro os pedaços
rasgados pelo bico.

CIrCulação
O coração fica localizado em uma cavidade pericárdica onde se encontra o sangue. Este é captado pelo coração através de pequenas
aberturas em sua superfície e é então bombeado para um vaso (artéria) que se ramifica, distribuindo sangue para as diversas regiões do
corpo. As ramificações arteriais terminam em lacunas — os hemocelos — em que o sangue entra em contato direto com os tecidos dos
órgãos. Em seguida, o sangue é sugado por veias, passa pelos órgãos respiratórios e retorna para o coração. Esse tipo de sistema circulatório
é chamado aberto ou lacunar, contrastando com o sistema fechado, em que o sangue circula dentro de um circuito fechado de vasos.

respIração
As trocas gasosas são realizadas através de regiões especializadas do manto, intensamente vascularizadas.
Nos moluscos aquáticos, a superfície do manto forma evaginações, ou seja, projeções do tecido para o ambiente: são as brânquias. Nessa
região, os vasos sanguíneos expõem o sangue à água e as trocas são realizadas por difusão.
Nos moluscos terrestres, o manto se invagina (se dobra para dentro do corpo), formando um saco pulmonar de paredes vascularizadas,
nas quais ocorrem as trocas gasosas também por difusão.
Essas estruturas, pulmões e brânquias, formam o sistema respiratório de quase todos os grupos animais, de acordo com o ambiente que
ocupam. Embora acompanhem a evolução, aumentando sua eficiência funcional, conservam essa forma básica de sacos em que o ar é
inalado para ter contato com paredes internas e vascularizadas e pilhas de prolongamentos de tecidos vascularizados através dos quais a
água passa e troca gases com o sangue.
Nos cefalópodes, as paredes da cavidade do manto são musculosas, o que permite que a água seja inalada e exalada sob pressão, não só
aumentando a eficiência da própria respiração como também funcionando como órgão de locomoção através dos hidrojatos, que podem
ser orientados em diferentes direções através de um funil tubular na saída da água.
Nos bivalvos, geralmente as brânquias têm dupla função, pois, além da respiração, filtram pequenas partículas nutritivas da água e as
encaminham para a boca.
BioGUI10 CPV
82 BIologIa

exCreção
O sistema excretor é formado por um par de unidades excretoras, chamadas metanefrídeos, muitas vezes chamados rins. Cada nefrídeo
é um tubo alongado com uma das extremidades em forma de funil com bordas ciliadas, que retira líquido da cavidade pericárdica e o
elimina pela outra extremidade, um orifício que se abre na superfície do corpo, o poro excretor. Ao longo da extensão do nefrídeo se
enovelam vasos sanguíneos que, além de perderem excretas para a urina, também reabsorvem substâncias úteis que voltam para o sangue.

sIstema nervoso e sensorIal


O sistema nervoso é ganglionar, com um par de gânglios cefálicos bem desenvolvidos ligados a vários outros gânglios espalhados pelo
corpo através de cordões nervosos.
Em cefalópodes, os gânglios cefálicos são grandes e apresentam anatomia bastante complexa para um invertebrado.
Os bivalvos normalmente apresentam ocelos, enquanto muitos univalvos e cefalópodes em geral apresentam olhos complexos, com
cristalino, capazes de formar imagens.

reprodução
As formas de reprodução variam de acordo com as classes.
Vamos descrever as três classes principais:
univalvos: geralmente são monoicos (hermafroditas). Normalmente
a cópula resulta na troca de espermatozoides envolvidos em sacos
(espermatóforos), que são conduzidos até uma câmara onde ocorre a
fecundação (fecundação interna e cruzada). Os ovos são liberados após
receberem uma certa quantidade de reserva nutritiva: vitelo. Nos terrestres
não há estágio larval (desenvolvimento direto); na maioria dos aquáticos,
há dois estágios larvais: trocófora e véliger.
Bivalvos: são dioicos (sexos separados), com fecundação externa e
desenvolvimento indireto, com larva véliger.
Cefalópodes: são dioicos, com fecundação interna. Botam ovos ricos
em vitelo, protegidos por envoltórios especiais. O desenvolvimento é
geralmente direto.
larva trocoforal do gastrópodo Notoacmaea scutum.

CaraCterístICas emBrIonÁrIas
Os moluscos são animais triblásticos (três folhetos
intestino esôfago germinativos, ecto, endo e mesoderme) e celomados.
nefrídio A cavidade celomática é considerada verdadeira, uma
saco do vez que é completamente revestida pela mesoderme (ver
estilete embriologia).
O celoma forma uma pequena cavidade no adulto: a
cavidade pericárdica.

as ConCHas
As conchas dos moluscos são formadas por três camadas
estômago veia sucessivas. A mais interna é chamada camada nacarada lisa
e brilhante, secretada por glândulas do manto. A camada
glândula
digestiva
mediana é a mais espessa, formada por cristais de carbonato
estatocisto gânglio de cálcio dispostos perpendicularmente. A camada mais
podal
opérculo externa é composta principalmente por uma fina camada

de proteínas que impede o desgaste do carbonato de cálcio
por efeito da acidez da água.
larva véliger do caramujo chinelo (Crepidula).

as pérolas
São formadas em certas ostras como forma de defesa contra invasores, como larvas parasitas de outros animais ou até mesmo grãos de
areia que entram no espaço entre o manto e a concha. Como reação à invasão, a ostra secreta camadas sucessivas de nácar ao redor da
partícula estranha, até envolvê-la completamente, resultando a pérola.

CPV BioGUI10
BIologIa 83

exerCíCIos

01. Os moluscos bivalvos (ostras e mexilhões) são organismos 03. (UFU-MG) A produção de pérolas requer a introdução
economicamente importantes como fonte de alimento para artificial de pequenas partículas estranhas no manto. Este
o homem, por possuir alto valor nutritivo. Eles conseguem circunda o corpo estranho e secreta camadas sucessivas de
nácar sobre ele. Os animais são mantidos em cativeiro muitos
filtrar grandes volumes de água em poucas horas, daí serem
anos até que as pérolas sejam formadas.
habitualmente chamados “organismos filtradores”, mas, em
consequência, podem acumular, no seu trato digestivo, altas Os animais utilizados nesse processo pertencem,
concentrações de micro-organismos e compostos químicos respectivamente, ao filo e à classe:
tóxicos, eventualmente presentes na água onde vivem, assim
pondo em risco a saúde pública e exercendo grande impacto a) Mollusca e Gastropoda
social e econômico nas áreas de sua criação. b) Arthropoda e Crustacea
c) Arthropoda e Insecta
Assinale a afirmação correta: d) Mollusca e Cephalopoda
e) Mollusca e Pelecypoda
a) Os moluscos não possuem sistema digestivo.
b) Os moluscos não possuem sistema nervoso ganglionar. 04. (UC-MG) Fabrica a concha dos moluscos:
c) Os mexilhões possuem concha com apenas uma valva.
d) Nos mexilhões, as brânquias têm função respiratória e a) pé
b) rádula
importante papel na nutrição.
c) umbo
e) Os moluscos são sempre hermafroditas.
d) bisso
e) manto
02. (FATEC-SP) As estruturas abaixo numeradas ocorrem em
05. (UFG-GO) Com relação aos moluscos gastrópodes, podemos
certos animais.
afirmar que apresentam:
Qual das alternativas apresenta o conjunto de números que
I. Corpo mole, não metamerizado; a maioria das espécies
corresponde às estruturas que ocorrem, respectivamente,
nos seguintes animais: moluscos, celenterados, esponjas e é provida de concha de carbonato de cálcio e sistema
platelmintes? sanguíneo aberto.
II. Corpo não segmentado, coberto por uma concha e sistema
I. coanócitos sanguíneo fechado.
II. cnidoblastos III. Corpo mole, sustentado por um endoesqueleto ou
III. solenócitos exoesqueleto, e sistema sanguíneo aberto.
IV. rádula
IV. Corpo mole, metamerizado, todas as espécies providas
de concha de carbonato de cálcio e sistema sanguíneo
a) IV, I, II, III
b) III, II, I, IV aberto.
c) IV, II, III, I
d) I, III, IV, II É(são) correta(s) apenas a(s) afirmativa(s):
e) IV, II, I, III
a) III e IV
b) I e II
c) II e IV
d) I e III
e) I

BioGUI10 CPV
84 BIologIa

filo arthroPoda
Esse filo reúne um grupo de organismos que ocupou todos os tipos de ambientes do planeta onde a vida é minimamente possível.
É o filo de maior número de espécies dentro do reino animal, compreendendo mais de ¾ das espécies conhecidas, tendo hoje
mais de um milhão de espécies descritas. Calcula-se, entretanto, que exista um número bem maior de espécies ainda não descritas
circulando tanto em ambientes terrestres como em aquáticos. Isso significa que não há lugar em que você possa estar nesse mundo
sem que alguns artrópodes apareçam para dizer oi. Assim, baratas, besouros, mosquitos, aranhas, caranguejos, centopeias,
escorpiões, ácaros, enfim, qualquer um desses e muitos outros estão prontos a lhe oferecer companhia, onde quer que você esteja.

Qual o segredo? Como esses invertebrados conseguiram tanta versatilidade a ponto de terem a mesma distribuição geográfica
dos vertebrados, com toda sua sofisticação?
Tamanho
Uma de suas grandes vantagens adaptativas é a presença de
apêndices corporais articulados. Essas patas articuladas is
anima
que lhes dão o nome (do grego, arthron = articulação ros
Crescimento
e podos = pés) asseguram-lhes grande capacidade de out rápido
locomoção, tanto em ambiente terrestre como em aquático.
Muda Muda
Um esqueleto rígido é outro de seus atributos: possuem
um exoesqueleto produzido pelas células da epiderme Crescimento estacionado
e composto por um material leve e resistente, a quitina Crescimento rápido
(um polissacarídeo nitrogenado), com participação de Crescimento estacionado
proteínas e lipídios. Além de conferir sustentação e permitir Crescimento rápido
a produção de patas articuladas (entre outros apêndices,
como antenas e asas), esse exoesqueleto funciona também curvas de crescimento dos artrópodes e de outros animais Tempo
como armadura protetora e como revestimento
impermeabilizante. Mas, se esse revestimento
praticamente não tem elasticidade, como esses animais podem crescer? A solução desse problema se dá através de trocas
periódicas de seu exoesqueleto, chamadas mudas ou ecdises, processo pelo qual o animal produz um novo exoesqueleto
por baixo do antigo, se desvencilia deste e, enquanto o novo amadurece e acaba de completar seu enrigecimento, o corpo
cresce rapidamente. A curva de crescimento dos artrópodes é bem característica, alternando períodos com praticamente
nenhuma variação de tamanho com períodos curtos de crescimento. O número de mudas varia de acordo com a espécie.

CaraCterístICas externas

· O corpo é segmentado, ou seja, há metameria, uma das características que os tornam semelhantes aos atuais anelídeos e indica
uma origem evolutiva comum desses dois grupos. Talvez os dois grupos tenham se originado de um mesmo ancestral, talvez
os artrópodes tenham se originado de anelídeos primitivos; não há consenso quanto a essa questão. O fato é que a segmentação
do corpo dos artrópodes é mais heterogênea. Se entre os anelídeos os anéis são muito semelhantes, havendo pouca ou nenhuma
especialização de diferentes regiões do corpo em diferentes funções, o mesmo não se pode dizer dos artrópodes, cujos segmentos
se reúnem em regiões corporais chamadas tagmas, que se especializam em diferentes funções.
Outra evidência do parentesco evolutivo entre anelídeos e artrópodes é o fato de existir um grupo de animais muito antigos,
atualmente contando com cerca de 70 espécies, que apresentam características intermediárias entre os dois filos: os onicóforos.

colo tagma

vista lateral do Pauropus silvaticus

CPV BioGUI10
BIologIa 85

· o sistema digestivo é completo, com o tubo se dividindo em regiões especializadas e uma ou mais glândulas anexas;
· a locomoção dos artrópodes é um dos seus pontos fortes e depende diretamente de sua musculatura; as patas, outros apêndices
corporais, como antenas e asas, são dotadas de grandes complexos e eficientes feixes musculares organizados de forma antagônica
para permitir a maior amplitude e força dos movimentos esqueléticos;
· o sistema nervoso é ganglionar, com um par de gânglios cerebrais do qual saem os cordões nervosos que se prolongam
ventralmente, ligando diversos outros gânglios setoriais.
· o sistema circulatório é sempre lacunar; o coração fica posicionado dorsalmente e o sangue pode ou não conter pigmentos
respiratórios;
· quanto a respiração, há diversidade, com diferentes estruturas respiratórias que serão analisadas durante a descrição dos
subgrupos;
· a reprodução também se diversifica, abrindo um grande leque de opções adaptativas para esses animais.

dIversIdade: as Classes
A divisão do filo em grupos é importante, pois reproduz sua história evolutiva. Mas, para que essa classificação seja realizada com
precisão, dependemos de informações fósseis de formas intermediárias entre os subgrupos do filo, além de uma descrição mais
completa das espécies atuais. Como essas duas fontes de informações ainda estão num estágio bastante incompleto, a história
evolutiva e, consequentemente, sua classificação, são precárias. Não há consenso sobre muitos detalhes da origem evolutiva
e das relações de parentesco entre os artrópodes. Somos, assim, obrigados a nos contentar com uma divisão em grupos que é
necessariamente genérica. A maioria dos especialistas concorda hoje que existem provavelmente quatro linhagens evolutivas e
cada uma delas é tratada como um subfilo. Temos, então, Trilobitas, já extintos, Chelicerata, que contém as aranhas, escorpiões
e ácaros; Crustácea, que agrega os camarões, as lagostas, as cracas, os caranguejos e os copépodes, e Urinamia, composta pelas
centopeias, piolhos-de-cobra e insetos.

trilobita Chelicerata

representada pela aranha

Crustácea Urinamia

representada pela lagosta representada pelos insetos

BioGUI10 CPV
86 BIologIa

suBfIlo trIloBIta

São artrópodes marinhos que deixaram muitos fósseis, indicando que foram abundantes no período entre 600 e 250 milhões de
anos atrás, mas se extinguiram. Nos casos de grupos extintos em que as espécies são descritas exclusivamente através de fósseis,
fala-se em grupo fóssil. Seu tamanho varia entre 0,5mm e quase 1m. O corpo tende a uma forma oval quando visto de cima e é
revestido dorsalmente por uma carapaça reforçada. Ainda numa visão dorsal, há uma nítida divisão em três partes: cabeça, tórax
e pigídio (parte terminal). Os trilobitas não são os únicos artrópodes fósseis: há muitos outros que não se encaixam em nenhum
dos grupos atualmente existentes. Sua relação evolutiva com as origens dos artrópodes atuais não está bem esclarecida.

Habelia

Marrella

trilobitas (fósseis).

suBfIlo urInamIa

O nome vem do fato dos apêndices serem basicamente não ramificados. Este subfilo divide-se em três classes: Insecta, Chilopoda
e Diplopoda, totalizando cerca de 1 milhão de espécies. Entre eles, os insetos são os mais numerosos, com a grande maioria das
espécies (mais de ¾ das espécies conhecidas) de artrópodes figurando nesse grupo.

Classe InseCta

São predominantemente terrestres, embora sua origem evolutiva


seja, provavelmente, marinha. São muito diversificados em suas
características e ocupação geográfica. É representado pelas baratas,
besouros, gafanhotos, mosquitos, abelhas, formigas, traças,
joaninhas, moscas, borboletas, pulgas, piolhos e muitos outros. Sua
importância ecológica é enorme, pois atuam como polinizadores;
dois terços de todas as plantas terrestres dependem dos insetos para
sua reprodução. As relações de alimentação com outras espécies
são muito diversificadas, pois tanto se alimentam de muitos animais
e vegetais, como servem de alimento para vertebrados e muitos
outros invertebrados. Ao mesmo tempo, são grandes destruidores de
plantações. Uma imensa quantidade de recursos é gasta anualmente
para controlar pragas de insetos. São transmissores de inúmeras doenças humanas, como malária, doença do sono, febre amarela,
dengue, tifo, peste bubônica entre outras. Os insetos são os únicos invertebrados dotados de capacidade de voo, o que lhes possibilita
uma grande eficiência em ocupação ambiental, defesa contra predadores e acesso a muitas fontes alimentares diferentes.

CPV BioGUI10
BIologIa 87

CaraCterístICas externas
O corpo é tipicamente dividido em três regiões (tagmas) compostos de segmentos reunidos: cabeça, tórax e abdômen. Essa é
uma das características distintivas dos insetos. Na cabeça, encontra-se a boca com muitos tipos de anexos que possibilitam grande
diversidade de hábitos alimentares. Há aparelhos:

· trituradores em insetos herbívoros e predadores, como


gafanhotos e besouros;
· sugadores em mosquitos e pulgões, adaptados ao parasitismo
de animais e plantas;
· lambedores em moscas que se alimentam de detritos de
vários tipos, e muitas outras variedades de anexos bucais.

Os olhos são habitualmente compostos, ou seja, dotados de


várias unidades funcionais, chamadas omatídeos, cada um dos
quais contendo córnea e cristalino próprios. Acredita-se que os
lambedor-triturador sugador
omatídeos formam imagens de partes do cenário, que são enviadas (mosca) (borboleta)
ao sistema nervoso e ali integradas. Sabe-se que os insetos são picador-sugador
muito sensíveis a movimentos e também percebem uma gama (pernilongo)
maior de cores do que os humanos. Diferentes peças bucais

coração cabeça
abdômen tórax

túbulos de
intestino antena
Malpighi
olho

cérebro

boca

glândula salivar
Os olhos de uma mosca.

· há presença de um par de antenas com variada gama


pernas
de órgãos sensoriais, uma característica marcante
dos insetos em relação aos demais artrópodes; garra articulação
· no tórax há apêndices locomotores;
· os insetos são hexápodes, quer dizer, possuem três pares de patas — o número de patas é outra característica importante para
a diferenciação das classes de artrópodes;
· a maioria apresenta um ou dois pares de asas, embora haja insetos ápteros (sem asas);
· o abdômen contém a maioria das vísceras (órgãos internos) e em sua superfície destacam-se os orifícios respiratórios
(espiráculos), de localização lateroventral, e os órgãos reprodutores.

CaraCterístICas Internas

dIgestão

No tubo digestivo é típica a presença de glândulas salivares e prolongamentos intestinais chamados cecos gástricos, que aumentam
a superfície útil para digestão e absorção de nutrientes.

CIrCulação

Como todos os artrópodes, os insetos possuem sistema circulatório aberto, coração em posição dorsal (sobre o tubo digestivo),
localizado no abdômen. Destaca-se a ausência de pigmentos respiratórios (hemoglobina etc), já que a distribuição de gases
respiratórios é realizada pelo próprio sistema respiratório. O líquido circulante é chamado hemolinfa.

BioGUI10 CPV
88 BIologIa

respIração

Os insetos respiram através de um conjunto de tubos ramificados chamado sistema traqueal. Cada traqueia consiste num tubo de
parede quitinizada que se abre na superfície do corpo, normalmente no tórax e no abdômen, em orifícios chamados espiráculos.
As traqueias se ramificam em tubos mais numerosos e finos até os terminais chamados traquéolas. Estas têm paredes permeáveis
aos gases. As células do corpo trocam gases por difusão diretamente com o ar dentro da traquéola. Como vantagens adicionais,
além da simplicidade e eficiência do sistema, há a redução do peso corporal, importante para animais voadores, e o efeito de
refrigeração do corpo.

músculo
exoesqueleto
células epidérmicas
traqueia
traquéolas
espiráculo

célula traqueolar

fluido traqueolar

Diagrama mostrando a relação do espiráculo e das traquéolas com a traqueia.


exCreção

As excretas são eliminadas para o intestino por um conjunto de canais chamados túbulos de Malpighi, que se originam na porção
mediana do intestino e terminam nas cavidades circulatórias, os hemocelos. Filtram excretas da hemolinfa e as lançam para o
intestino, de onde são eliminadas juntamente com as fezes.

gânglios
cerebroides
sistema
nervoso
olho composto

intestino anterior (papo)


quebra o alimento

sacos aéreos são importantes


para garantir o suprimento
de ar para voar

túbulos de Malpighi

intestino médio

excesso de água é retirado do


alimento no intestino posterior
entrada de ar
ânus depósito de veneno para ferroada
ferrão
Esquema mostrando estrutura interna de uma abelha.

CPV BioGUI10
BIologIa 89

reprodução
A ametábolo B hemimetábolo C holometábolo
Os insetos são geralmente dioicos, como (traça-de-livros) (gafanhoto) (mosca doméstica)
os demais artrópodes. Suas estratégias de
reprodução são tão diversificadas quanto as
demais características do grupo. Faremos um
estudo bastante genérico sobre suas formas
de reprodução.
larva
A fecundação interna é uma das características

DESEnVOlVimEntO
que permite boa adaptação desses animais
ao ambiente terrestre. A postura dos ovos
geralmente ocorre em ambientes protegidos
e os ovos recebem revestimentos protetores.
Em muitas espécies, as fêmeas possuem um ninfa com asas pupa
anexo abdominal que auxilia a postura dos
ovos: o aparelho ovopositor.
O desenvolvimento pode ser direto ou
indireto. Os que têm desenvolvimento direto
(traça-de-livro) são chamados ametábolos (do
grego, metabole = transformar), enquanto que
aqueles que passam por estágios larvais são
ditos metábolos.

Os metábolos dividem-se em dois grupos:

· os hemimetábolos (do grego, hemi = metade) — que eclodem do ovo numa larva, normalmente chamada ninfa, que já apresenta
várias semelhanças com o adulto; com o tempo, sucedem-se mudas e transformações graduais até a fase madura e reprodutiva,
caracterizando um tipo de metamorfose chamada incompleta ou gradual. Observe a metamorfose de um gafanhoto (acima).

1 2

Life

Ciclo da Borboleta

1. ovos
2. larva
3. larva formando
um casulo
4. pupa
5. adulto saindo
do casulo

3 4 5

BioGUI10 CPV
90 BIologIa

· os holometábolos (do grego, holos = total) — que eclodem do ovo na forma de uma larva vermiforme (forma semelhante
à de um verme), com ou sem apêndices e normalmente com hábitos de vida diferentes da fase adulta; após um período de
crescimento normalmente acentuado, a larva se imobiliza no interior de um casulo, às vezes feito de material secretado pelo
animal (muitas vezes seu exoesqueleto larval), outras vezes feito de material coletado no ambiente, ou ainda uma composição
dos dois; esse estágio é chamado pupa ou crisálida; no interior do casulo, a forma adulta se desenvolve e finalmente o abandona
para completar seu ciclo vital, produzindo uma nova geração de indivíduos.

Cerca de 80% das espécies conhecidas de insetos são holometábolos.

cada célula do ovo


os ovos ficam sobre uma folha
divide-se e o embrião
se desenvolve

as joaninhas acasalam
e a fêmea põe ovos

as jovens larvas
saem dos ovos

a joaninha adulta voa para novas


plantas para se alimentar

as larvas
não têm asas

a asa da joaninha
vai endurecendo e se
tornando pintada

a joaninha adulta após algumas semanas,


sai da casca da pupa cada larva se transforma numa pupa

metamorfose da joaninha.

CPV BioGUI10
BIologIa 91

Os insetos vivos são classificados em 26 ordens, que incluem cerca de 1000 famílias e milhares de gêneros.
Não é demais mencionarmos algumas ordens dos insetos mais conhecidos. materIal
paraleItura
Ordem Odonata: a libélula é o exemplo mais conhecido — possuem dois pares de asas longas e estreitas;
são ametábolos com ninfa aquática; normalmente são predadores.
Ordem Orthoptera: gafanhotos, bicho-pau, grilos e baratas são os exemplos mais conhecidos — possuem o fêmur (uma das
partes dos pés) aumentado no último par de patas; a maioria tem dois pares de asas, sendo as mais externas rígidas e protetoras
e ficando as internas dobradas sob as asas externas; alguns autores colocam as baratas em uma ordem separada, a Blattodea; a
metamorfose é gradual.
Ordem Isoptera: composta por insetos sociais, como cupins, com abdômen unido ao tórax; possuem dois pares de asas semelhantes
e são hemimetábolos.
Ordem Thysanura: a traça-de-livros é o exemplo mais conhecido; são ápteros (sem asas) e rápidos na locomoção terrestre;
comem vegetação morta, madeira e, nas casas, comem livros e roupas; são ametábolos.
Ordem Anoplura: o piolho sugador de aves e mamíferos é o exemplo mais conhecido; são ápteros e muitas espécies podem
transmitir doenças para o homem, como febre tifoide.
Ordem Coleoptera: o besouro e a joaninha são os exemplos mais conhecidos; consiste na maior ordem da classe em número
de espécies; possuem as asas anteriores transformadas em éritros, rígidas, formando um estojo que envolve e protege parte do
corpo e as asas posteriores; são herbívoros e predadores; são holometábolos.
Ordem Lepidoptera: a mariposa e a borboleta são os exemplos mais conhecidos; possuem dois pares de asas membranosas,
com aparelho bucal transformado em tromba sugadora de néctar das plantas; são holometábolos; o bicho-da-seda é uma mariposa
que produz uma secreção especial com a qual forma um casulo que, tratado, se transforma em seda.
Ordem Diptera: moscas, mosquitos, borrachudos, mutucas são os exemplos mais conhecidos; possuem asas anteriores
funcionais e asas posteriores reduzidas; são holometábolos; é um dos grupos mais importantes como parasitas e transmissores de
doenças para o homem.
Ordem Hymenoptera: abelhas, formigas, vespas são os exemplos mais conhecidos; possuem asas transparentes, ou não possuem
asas; são holometábolos e há muitas espécies sociais.
Ordem Shiphonaptera: a pulga é o exemplo mais conhecido; são pequenos e sem asas, com corpos achatados lateralmente,
possuem aparelhos bucais perfuradores e sugadores; alimentam-se de sangue de aves e mamíferos; as pernas posteriores são longas
e adaptadas para saltar; são holometábolos.
avIso: a classificação de um grupo tão variado e com a maioria das espécies ainda por descrever é diversificada. Não será surpresa
se, ao se ler diferentes livros, encontrar-se os mesmos insetos aqui mencionados classificados de formas diferentes.

coleópteros: (besouros ) lepidópteros: (borboletas e mariposas) dípteros: (moscas) himenópteros: (vespas, formigas)

ortópteros: (grilos, baratas, gafanhotos) hemípteros: (barbeiros) odonatos: (libélulas) isópteros: (cupins)

BioGUI10 CPV
92 BIologIa

Classes CHIlopoda e dIplopoda

Chilópoda Diplópoda

representada pela lacraia representada pelo piolho-de-cobra

Representadas pelas centopeias, lacraias e piolhos-de-cobra, essas duas classes serão estudadas conjuntamente, de forma
comparativa, devido às suas semelhanças. De fato, durante muito tempo foram incluídos numa única classe, a dos miriápodes,
em menção às suas muitas patas. Ambos têm o corpo vermiforme, com segmentos agrupados em dois tagmas: cabeça e tronco.
Possuem um par de antenas na cabeça (como os insetos) e olhos simples. Internamente, são semelhantes aos insetos, com
circulação aberta, sistema excretor formado por túbulos de Malpighi, respiração através de sistema traqueal; quanto à
reprodução, são dioicos com fecundação interna e desenvolvimento direto ou indireto.

Como se vê, essas semelhanças, assim como o fato das terminações dos apêndices corporais não serem tipicamente ramificadas,
como em crustáceos e quelicerados, são características interpretadas como evidência de que miriápodes e insetos descendem de
um ancestral que lhes é exclusivo.

Por que, então, apesar das semelhanças esses animais são agrupados em classes diferentes? A resposta resulta da observação mais
detalhada das suas características. Apesar das semelhanças entre as três principais classes dos unirremes, existem diferenças que
marcam que em algum momento o possível ancestral comum originou três grandes linhagens, que passaram a evoluir separadamente,
mas carregando marcas de sua origem comum.

Bem, esse é só um exemplo de como resgatar a história evolutiva dos seres vivos é, ao mesmo tempo, instigante e frustrante. Não
há evidências fósseis (animais com características intermediárias entre dois ou mais grupos) suficientes para comprovar essa ou
outra hipótese evolutiva sobre os artrópodes. Mas as ciências avançam e novos métodos de obtenção e análise de informações,
que podem nos levar mais perto da verdade, são continuamente desenvolvidos.

Voltando aos miriápodes, há algumas diferenças marcantes entre esses dois grupos.

Os Quilópodes (centopeias e lacraias) são dotados de um par de patas em cada segmento do corpo; o primeiro par é transformado
em um órgão predatório (forcípulas) que ladeia a boca e possui glândulas de veneno; são predadores e há espécies que podem
atingir mais de 30cm de comprimento.

Os Diplópodes (piolhos-de-cobra) são dotados de dois pares de patas em cada segmento do corpo; possuem antenas, geralmente
são menores em relação aos quilópodes e não possuem forcípulas; são herbívoros ou detrítivoros (alimentam-se de detritos); seu
tamanho varia bastante, havendo desde espécies milimétricas até algumas que chegam a 30 cm.

CPV BioGUI10
BIologIa 93

suBfIlo CHelICerata

Este grupo é representado pelas aranhas, escorpiões e ácaros. Sua principal característica distintiva é a ausência de antenas e a
presença de apêndices exclusivos: as quelíceras e palpos. São divididos em três classes, das quais estudaremos a mais importante:
a classe Arachnida, que contém todos os exemplos citados. A grande maioria das espécies habita ambientes terrestres, embora
existam algumas espécies aquáticas. Suas características são bem adaptadas às difíceis exigências dos ecossistemas mais secos.

Escorpião Aranha Ácaro Opilião

CaraCterístICas externas

· o corpo é dividido em cefalotórax (formado pela união da cabeça e do tórax) e abdômen;


· embora não possua antenas, ocorrem apêndices cefálicos pares característicos, chamados quelíceras e pedipalpos ou palpos;
· as quelíceras são anexos alimentares, situados próximos à boca; nas aranhas, contêm glândulas de veneno;
· os palpos são apêndices adaptados a diferentes funções, de acordo com os diferentes grupos;
· instaladas no cefalotórax posterior, geralmente há quatro pares de patas articuladas.

CaraCterístICas Internas

nutrIção

O hábito alimentar é geralmente carnívoro. Predam principalmente insetos e outros artrópodes. As quelíceras e os palpos agarram
a presa e são derramadas porções de enzimas digestivas sobre os tecidos rasgados. A digestão inicialmente se processa fora do
corpo. Em seguida, o corpo da presa, transformado em um caldo amolecido, é deglutido através de sucção produzida pelo esôfago
e segue para o intestino. Nessa região, encontram-se prolongamentos laterais que secretam enzimas; a digestão é terminada e os
nutrientes são absorvidos. Os detritos são eliminados pelo ânus. A digestão é extra e intracorpórea, ou seja, inicia-se fora do
corpo e termina no tubo digestivo.

CIrCulação

O sistema circulatório é aberto, com o coração localizado sobre o tubo digestivo, ou seja, em posição dorsal, como nos demais
artrópodes. Normalmente o coração é grande e localizado na metade anterior do abdômen. O sangue contém como principal
pigmento respiratório a hemocianina, proteína anexada a íons de cobre, tendo por isso cor azul-esverdeada.

respIração

O órgão respiratório característico dos aracnídeos é um pulmão achatado, cujo assoalho inferior emite dobramentos para o seu
interior. Esses dobramentos, chamados lamelas, são vascularizados e o sangue circulante troca gases com o ar por difusão; os gases
entram e saem por um orifício (espiráculo) normalmente localizado no lado ventral do abdômen; esse tipo de órgão é chamado
de filotraqueia.

Além desses pulmões foliáceos (achatados como folhas) são encontradas traqueias semelhantes às dos insetos.

BioGUI10 CPV
94 BIologIa

exCreção

O sistema excretor característico dos aracnídeos é composto por glândulas localizadas no cefalotórax, na base das patas: as glândulas
coxais, que absorvem as excretas da hemolinfa e as eliminam através de aberturas laterais. Na maioria dos aracnídeos há também
túbulos de Malpighi que, da mesma forma que nos insetos, eliminam excretas absorvidas do corpo no intestino.

O corpo das aranhas tem duas partes:


ovário
o abdômen e o cefalotórax, coração
de onde saem as patas.

estômago

cérebro

glândulas que
pinça fabricam a teia
para
apanhar
comida

garra

fiandeiras:
quelíceras mortais todas as aranhas possuem esses
aparelhos para tecer a teia,
mesmo que elas não as façam.

Aranha
reprodução

Os aracnídeos são predominantemente dioicos, com fecundação interna e desenvolvimento direto ( indireto em ácaros).

dIversIdade: as ordens
Os aracnídeos dividem-se em muitas ordens, das quais mencionaremos as duas mais conhecidas: scorpiones e araneae, além de
um grupo de ordens importante, descrito com o nome genérico de ácaros.
As aranhas são conhecidas tanto pelo veneno como pela teia de seda. Entretanto, há muitas outras características interessantes.
Seus olhos (simples) são normalmente fixados na parte dorsal e frontal da cabeça. As glândulas de veneno localizam-se na face
ventral das quelíceras e a maioria dos venenos não apresenta toxicidade para os humanos, embora haja exceções.
As viúvas-negras (Latrodectus), encontradas em várias regiões do mundo, têm veneno neurotóxico, que pode ser bastante perigoso.
As aranhas-marrons (Laxosceles laeta), assim como as tarântulas (Lycosa), têm um veneno que produz necrose no local da picada.
O macho copula através de pedipalpos, cuja extremidade está modificada em um êmbolo que bombeia o esperma para o interior
da cavidade genital da fêmea, quando da cópula. Na fêmea, os pedipalpos são menores e não apresentam tal modificação; por
isso, de maneira geral é fácil identificar os sexos nas aranhas.
Os órgãos genitais masculinos estão localizados no interior do abdômen e a abertura destes localiza-se ventralmente nesta região.
O macho, portanto, deve encontrar alguma maneira de transferir o esperma produzido nos seus órgãos genitais para o êmbolo
de seus pedipalpos, situados quase que na extremidade oposta da aranha. Para tanto, muitas aranhas desenvolveram um método
de transferência que se dá pela formação de uma teia espermática: o macho tece uma teia bem pequena, suspensa acima do solo
por pequenas pedras ou galhos, e deposita sobre esta teia algumas gotículas de seu esperma; em seguida, com o bulbo de seus
pedipalpos suga o esperma, que depois será inoculado na fêmea, durante o ato sexual.

CPV BioGUI10
BIologIa 95

A teia de aranha é construída em glândulas fiandeiras, localizadas na porção terminal do abdômen. São várias glândulas, que
podem produzir vários tipos de teia. Esse material tem muitas utilidades diferentes, tais como: captura de presas, revestimento e
proteção de tocas, reprodução e, em alguns casos, até dispersão de ovos. O material que compõe a teia tem atraído a atenção de
pesquisadores por agregar grande resistência, elasticidade e leveza. Imagina-se que se possa fazer com esses material um tipo de
revestimento resistente a balas, com a mesma resistência e menos de 10% do peso de um colete de metal. O potencial industrial
desse material, portanto, é imenso.
Dentre as aranhas perigosas, conhecidas também como aranhas de interesse médico, existem quatro gêneros principais:

· Lycosa (tarântula de jardim) · Loxosceles (aranha marrom)

· Phoneutria (aranha armadeira) — é o gênero mais · Latrodectus (viúva-negra) — são as aranhas perigosas
agressivo; quando ameaçada, ergue o primeiro par mais afamadas, estando difundidas por todo o globo.
de pernas e os pedipalpos e abre as quelíceras; este No Brasil, ocorrem duas espécies: L. geometricus e L.
comportamento, somado ao poder de seu veneno, é o curacaviensis. A fêmea da viúva-negra tem mais ou
maior responsável pelo grande número de acidentes menos 2cm de envergadura e é a responsável pelos
com seres humanos; as armadeiras têm mais ou menos acidentes. O macho é bem menor, com cerca de 3 mm de
6 cm de envergadura (pernas mais o corpo); possuem comprimento, e não é perigoso. As viúvas negras possuem
três pares de olhos e o corpo recoberto por pelos curtos
oito olhos dispostos em duas fileiras de quatro; seu corpo é
de cor castanho-escura; estas aranhas habitam quase
totalmente negro, a não ser pela presença de uma mancha
todo o continente sul-americano, ao longo dos rios,
vermelha em forma de ampulheta no ventre ou então
bosques, nos vãos de troncos das árvores, podendo
penetrar em jardins e quintais de casas, quando da época algumas manchas no dorso do abdômen. Tais aranhas
de acasalamento; sua picada pode causar uma dor muito são sedentárias, constroem teias irregulares em buracos,
violenta, seguindo-se uma queda da pressão arterial, no chão e sob raízes. A picada da viúva-negra causa dor
prostração, tonturas, vômitos e sudorese. O veneno da aguda e lancinante, levando a uma angústia, irritabilidade,
armadeira age sobre o sistema nervoso central e o soro tremores, manifestações neuromusculares, espasmos,
deve ser administrado nas primeiras horas após a picada. delírio, sudorese etc. Tais sintomas podem evoluir e levar
à morte.

Aranha-armadeira Aranha viúva-negra

As caranguejeiras, mesmo não tendo veneno tóxico para o


homem e não sendo agressivas, podem apresentar certo perigo. Se
forem manipuladas ou irritadas, as caranguejeiras podem esfregar
o último par de pernas no dorso do abdômen e liberar os pelos
urticantes, que chegam a causar grande irritação nas mucosas da
boca e das narinas.

Aranha-caranguejeira

BioGUI10 CPV
96 BIologIa

Os escorpiões estão entre os artrópodes mais antigos conhecidos,


com registros fósseis de mais de 400 milhões de anos, em sua
forma original aquática. Fazem parte de sua anatomia quelíceras
pedipalpo
pequenas dotadas de pinças, grandes palpos projetados para frente,
com tenazes para captura de presas. Seu abdômen é dividido em quelícera
um pré-abdômen e um pós-abdômen, que se costuma chamar de
cauda, cujo segmento terminal tem um ferrão. Os escorpiões, coxa
encubam seus ovos no interior do corpo da fêmea; quando eclodem,
os filhotes permanecem no dorso da mãe durante algumas semanas esterno
até a primeira muda.
opérculo
genital
Possuem hábitos noturnos e, durante o dia, escondem-se sob cascas
de árvores, pedras e dentro de domicílios, principalmente em
pectina
sapatos. Podem sobreviver vários meses sem alimento e mesmo
sem água, o que torna seu combate muito difícil. Picam com a pré-abdômen
cauda, causando muita dor local, que se irradia, podendo ocorrer
suor, vômitos e até mesmo choque. No Brasil, os escorpiões de espiráculo
importância médica pertencem ao gênero Tityus. do pulmão
laminar

Os acari formam o grupo de maior diversidade dentro da classe pós-abdômen


aracnídea. Antigamente, estavam agrupados em apenas uma ordem
(Acarina). Hoje, esses animais estão divididos em sete ordens.
Muitas espécies são parasitas do homem e de outros animais. A
maioria das espécies tem tamanho variando entre 0,25 e 0,75 mm,
escala que facilita muito os hábitos parasitários. Os carrapatos são
os maiores componentes do grupo, chegando a 3cm de comprimento.

Na maioria das espécies não há divisão corporal: o corpo é formado


por uma única peça.
ânus

empódio órgão sensorial társico


aparelho
do ferrão
pedipalpo
farpa
capítulo

Escorpião – Androctonus australis


olho

escudo Muitas espécies pequenas se associam à poeira doméstica,


alimentando-se de detritos diversos, podendo ser encontrados
nos pelos dos animais domésticos. Embora não sejam parasitas,
podem causar sérias reações alérgicas, tanto na pele como também
no aparelho respiratório.

Os carrapatos atacam todos os grupos de vertebrados terrestres.


Alimentam-se de sangue, dilatando o corpo quando estão repletos
de alimento, quando então se desligam de seus hospedeiros,
caindo no chão, quando normalmente fazem uma muda.
Podem passar muito tempo (às vezes um ano ou mais) sem se
alimentarem novamente.
Carrapato – Dermacentor variabilis

CPV BioGUI10
BIologIa 97

A sarna é uma doença causada pelo ácaro Sarcoptes scabiei, que escava a pele
produzindo uma irritação característica.

O ácaro do gênero Demodex instala-se no bulbo piloso dos mamíferos, incluindo


o homem, causando o conhecido cravo da pele.

Carrapato causador da sarna.

A B

D
C
A. Fêmea adulta do ácaro da sarna, Sarcoptes scabiei.
B. O ácaro escavando na pele e depositando ovos no túnel.
C. Vista ventral de um ácaro do folículo piloso dos ovinos, Demodex ovis (0,23mm).
D. Vista ventral de um ácaro-de-galha, Eriophyes, um parasita de plantas (0,2mm).
E. Uma larva-micuim de Neotrombicula, alimentando-se na pele (0,25mm).

BioGUI10 CPV
98 BIologIa

suBfIlo CrustaCea
É composto por mais de 38.000 espécies que ocupam essencialmente ambientes aquáticos, a maioria delas marinha, embora haja
muitas de água doce. São seus representantes as lagostas e caranguejos. Muitas espécies de pequemos crustáceos infestam as
águas de certas regiões oceânicas e são importantes na manutenção das cadeias alimentares. São poucas as espécies terrestres, como
o tatuzinho-de-jardim. Uma de suas características marcantes, e que lhes dá o nome, é fato de seu exoesqueleto ser enriquecido
com cálcio, o que lhes confere o marcante aspecto cascudo.
CaraCterístICas externas
· a cabeça e o tórax geralmente são reunidos, formando
o cefalotórax;
· o abdômen tem estrutura bastante variável dentro do
grupo, como se pode perceber comparando lagostas e
caranguejos;
· na cabeça destacam-se dois pares de antenas e anexos
bucais diversos para alimentação;
· há ainda um par de olhos, que podem ser encontrados
na extremidade de hastes móveis;
· o número de patas varia bastante;
· os apêndices corporais são birremes (parte terminal
dividida em duas partes), alguns adaptados para
caminhar e outros para nadar. Esquema do corpo de um camarão.

CaraCterístICas Internas
nutrIção: As formas de obtenção de alimento são diversificadas. Muitas espécies desenvolveram apêndices anteriores especiais
para filtrar a água, retendo em cerdas organizadas para isso partículas nutritivas (micro-organismos ou outras partículas). Outras
espécies são predadoras de pequenos animais e há ainda as que comem detritos. Ladeando a boca, ocorrem mandíbulas adaptadas
para trituração e condução do alimento.
CIrCulação: O sistema circulatório é semelhante, em suas características gerais, ao dos demais artrópodes: aberto, coração
dorsal, sangue (hemolinfa) dotado de pigmentos respiratórios, hemoglobina ou hemocianina.
respIração: A respiração é branquial, com as brânquias variando muito em localização, tamanho e detalhes de sua construção.

exCreção: Os órgãos característicos são as glândulas verdes, localizadas na cabeça, com abertura próxima das antenas.
São também conhecidas como glândulas antenais.

antena longa

cérebro
antena curta
coração
dorsal
intestino
pinça na
primeira pata

um dos cinco
pares de patas
do cefalotórax
(pereópodo)
cauda olho
boca
nadadeiras

intestino glândula
cordão nervoso excretora
ventral

pata abdominal
pleópodo

CPV BioGUI10
BIologIa 99

reprodução

São dioicos e normalmente realizam a cópula, mas os ovos são geralmente fecundados em bolsas anexas ao corpo da fêmea, portanto a
fecundação é externa. O desenvolvimento passa por um ou mais estágios larvais, portanto é indireto. A larva presente na maioria dos
crustáceos é chamada náuplio. Quando se sucede um segundo estágio larval, este é designado pelo termo zoé. Há outras larvas mais
específicas e casos de desenvolvimento direto (lagostins).
Os crustáceos são muito apreciados como fontes de proteína animal. São saborosos e suculentos e não é difícil capturá-los.
Os decápodos (possuem cinco pares de patas) são os mais conhecidos e apreciados: camarões, lagostins, lagostas e caranguejos.
Pertencente à espécie Euphausia superba figura o krill, crustáceo semelhante ao camarão, com cerca de 3 a 5cm. Vive em grandes
enxames nas águas superficiais da Antardida, servindo de alimento para muitos animais, inclusive para as enormes baleias azuis, que
chegam a ingerir até 5 toneladas de krill diariamente. São pescados para consumo humano com redes de arrastão.
As cracas são crustáceos bastante atípicos. Somente em 1830 foram classificados como tal, após a análise de seus estágios larvais, pois
antes figuravam entre os moluscos. São sésseis e podem se fixar em rochas, conchas, corais, madeiras flutuantes (cascos de embarcações)
etc. Podem também ocupar a pele de outros animais, como baleias, tubarões, tartarugas etc. Elas se fixam em seu substrato e produzem
uma espécies de concha em seu redor, com uma abertura superior. Em geral, o formato da pequena concha lembra a boca de um vulcão.

resumo das prInCIpaIs CaraCterístICas dIferenCIaIs dos artrópodes

Crustáceos Aracnídeos Insetos Quilópodes Diplópodes


Divisões Cefalotórax Cefalotórax Cabeça Cabeça Cabeça
do corpo e abdômen e abdômen tórax e abdômen e tronco e tronco
Número
Vários pares 4 pares 3 pares 1 par / segmento 2 pares / segmento
de patas
Número
2 pares Ausentes 1 par 1 par 1 par
de antenas
Palpos e
Ausentes 1 par de cada Ausentes Ausentes Ausentes
Quelíceras
Asas Ausentes Ausentes 0, 1 ou 2 pares Ausentes Ausentes
Filotraqueal e
Respiração Branquial Traqueal Traqueal Traqueal
traqueal
Glândulas coxais e
Excreção Glândulas verdes Túbulos de Malpighi Túbulos de Malpighi Túbulos de Malpighi
Túbulos de Malpighi
Fecundação externa Fecundação interna Fecundação interna Fecundação interna Fecundação interna
Reprodução Desenvolvimento Desenvolvimento Desenvolvimento Desenvolvimento Desenvolvimento
indireto direto direto e indireto direto e indireto direto e indireto

exerCíCIos

01. O gráfico abaixo representa o crescimento corporal em relação 02. (PUC-SP) Realizou-se uma coleta de animais que em seguida
à idade de dois animais de espécies diferentes: foram distribuídos em 3 grupos, cada um com 4 representantes,
um artrópode (A) e um mamífero (B). conforme é mostrado no quadro:

Grupo I Grupo II Grupo III


b anêmonas-do-mar planárias caranguejos
A estrelas-do-mar lombrigas centopeias
Tamanho

mexilhões minhocas tatuzinhos-de-jardim


pepinos-do-mar sanguessugas gafanhotos

a) Indique qual ou quais os grupos em que todos os animais


Tempo de vida ou representantes pertencem ao mesmo filo.
b) No grupo ou nos grupos por você indicado(s), cite
Explique, sucintamente, o significado biológico da diferença duas características que sejam comuns aos seus quatro
de formato entre as curvas A e B. representantes.

BioGUI10 CPV
100 BIologIa
03. (UNICAMP-SP) O número de espécies dos grandes grupos de animais está 07. (MACk-SP) Considere o quadro abaixo sobre algumas
proporcionalmente representado no diagrama. características encontradas entre os artrópodos.
a) Um dos filos inclui a classe de invertebrados mais abundante em número
Divisão No de Tipo de
de espécies. Qual é essa classe? Animal No de patas
do corpo antenas respiração
b) Indique duas características morfológicas que contribuíram para o
sucesso dessa classe. Justifique. cabeça,
A tórax, 1 par 3 pares traqueal
Mammalia Protozoa
Porífera
abdômen
Filos menores
Celenterata filotraqueal
cefalotórax,
Platyhelminthes B ausentes 4 pares ou pulmões
abdômen
Nematoda filiáceos
Echinodermata Annelida cefalotórax,
C 2 pares vários pares branquial
abdômen
Chordata cabeça e
Diptera D 1 par vários pares traqueal
tronco
Mollusca
A, B, C e D podem ser, respectivamente:
a) cigarra, aranha, camarão e lagosta
b) sarna, percevejo, lagostim e lacraia
Hymenoptera
c) barata, piolho, cravo e piolho-de-cobra
Outros d) gafanhoto, carrapato, siri e lacraia
Artrópodes e) escorpião, pulga, camarão e piolho-de-cobra

08. (FUVEST-SP) O que é que a minhoca tem, e a mosca


Lepidoptera
também?
Outros a) sistema circulatório fechado
b) metametria
c) respiração cutânea
d) hermafroditismo
e) desenvolvimento direto

09. (FUVEST-SP) Um invertebrado cujo corpo é constituído


por cefalotórax e abdômen, que não possui antenas,
Coleoptera tem 4 pares de patas locomotoras e 1 par de quelíceras é:
espécies
fósseis a) crustáceo b) inseto c) aracnídeo
espécies d) diplópodo e) quilópodo
vivas
10. (UNESP-SP) Um par de antenas, dois pares de antenas, e
04. Animais que apresentam exoesqueleto quitinoso, três pares de patas ausências de antenas são características, respectivamente,
articuladas, um par de antenas, respiração traqueal, excreção por dos seguintes grupos de artrópodes:
túbulos de Malpighi e corpo dividido em cabeça, tórax e abdômen, são
classificados como: a) insetos, aracnídeos e crustáceos
b) crustáceos, insetos e aracnídeos
a) crustáceos b) aracnídeos c) insetos
c) aracnídeos, crustáceos e insetos
d) quilópodos e) diplópodos
d) insetos, crustáceos e aracnídeos
05. (MACk-SP) Anelídeos e artrópodos têm em comum: e) aracnídeos, insetos e crustáceos
a) excreção por túbulos de Malpighi
b) respiração traqueal 11. (FUVEST-SP/2016) Tatuzinhos de jardim, escorpiões,
c) corpo organizado em metâmeros ou segmentos siris, centopeias e borboletas são todos artrópodes.
d) sistema circulatório fechado Compartilham, portanto, as seguintes características:
e) sistema digestivo incompleto
a) simetria bilateral, respiração traqueal e excreção por
06. Um estudante encontrou um pequeno animal e resolveu levá-lo para sua túbulos de malpighi.
aula de ciências. Ao chegar na aula, mostrou-o ao professor, que logo pediu b) simetria bilateral, esqueleto corporal externo e apêndices
que ele fizesse uma descrição deste ser para que pudesse identificá-lo. O articulados.
aluno verificou, com o auxílio de uma lupa de mão, que o pequeno animal c) presença de cefalotórax, sistema digestório incompleto
apresentava o corpo dividido em 3 partes, tinha 6 patas, um par de antenas e circulação aberta.
e só apresentava uma asa. Com esta descrição, o professor pôde concluir d) corpo não segmentado, apêndices articulados e
que o animal era um: respiração traqueal.
a) anelídeo b) crustáceo c) molusco e) corpo não segmentado, esqueleto corporal externo e
d) aracnídeo e) inseto excreção por túbulos de malpighi.

CPV BioGUI10
BIologIa 101

f ilo e quinoderMata
O nome (do grego, echinos = espinhos e dermatos = pele) faz menção à presença de espinhos anexos à epiderme, na maioria desses
populares animais, representados pelas estrelas, ouriços e pepinos-do-mar, bolachas-de-praia, entre outros. Dentre os animais
marinhos, são os mais conhecidos, uma vez que muitos são encontrados nas praias e podem ser manipulados com relativa segurança.

Pepino-do-mar

Estrela-do-mar Ofiúro Ouriço-do-mar

Características externas
· a simetria do corpo é bilateral apenas durante o período larval;
· os adultos apresentam organização corporal exclusiva, pentarradiada (o corpo é dividido em 5 partes aproximadamente iguais);
· não se deve assumir essa simetria radial como evidência de relação de proximidade evolutiva com os cnidários, pois são animais
bastante diferentes e o fato de ambos terem simetria radial é apenas coincidência;
· os adultos apresentam esqueleto calcário logo abaixo da epiderme, ou seja, um endoesqueleto que pode assumir diversas formas,
como os ossículos microscópicos do pepino-do-mar e as placas do ouriço-do-mar;
· em ouriços e estrelas, a boca fica localizada na face do corpo voltada para o solo, enquanto o ânus fica na face oposta;
· o sistema digestivo é, portanto, completo;
· há sistemas internos que são também marcantes dos equinodermos;
· o sistema ambulacrário, por exemplo, é um conjunto de vasos e ramificações especializadas, os pés ambulacrais que,
projetados para o ambiente através do sistema esquelético, produzem a locomoção do animal.

dIversIdade: as 5 Classes

asteroIdea – representada pelas estrelas-do-mar, possuem corpo achatado, com 5 ou múltiplo de 5 braços que se projetam do
disco central. São rastejantes, encontradas no fundo das águas, sobre rochas, areia e lama, em regiões costeiras de todo mundo. Têm
grande capacidade de regeneração, podendo regenerar tentáculos perdidos. Geralmente alimentam-se de invertebrados, como ostras.

opHIuroIdea – representada pelas serpentes-do-mar (ou estrelas-serpente), com os cinco braços mais longos e flexíveis
do que os braços dos asteroides, saindo de um disco central achatado. Locomovem-se bem por meio do movimento dos braços
bastante flexíveis e ativos. Não possuem ânus. São predadores ou filtradores.

eCHInoIdea – representada pelos ouriços e bolachas-do-mar. Não possuem braços. São arredondados (ouriços) ou achatados
(bolachas). O corpo é revestido por espinhos móveis, que auxiliam na locomoção e são rapidamente regenerados quando perdidos.
Possuem aparelho bucal característico (lanterna de Aristóteles), que lhes possibilita raspar o chão à cata de massa vegetal ou animal.

HolotHuroIdea – representada pelos pepinos-do-mar, conhecidos como holotúrias. Possuem corpo cilíndrico e alongado
e apresentam tentáculos com pés ambulacrários, que retêm alimento em suspensão na água.

CrInoIdea – representada pelos lírios-do-mar. Geralmente se fixam no solo subaquático por meio de um disco central do
qual saem ramificações longas e ondulantes. Retiram partículas em suspensão da água para se alimentarem.

BioGUI11 CPV
102 BIologIa
Características externas
A descrição dos detalhes estruturais e funcionais será feita com base no ouriço-do-mar.
· Tem corpo arredondado e a boca está voltada para baixo (para o solo). Do lado oposto, fica o ânus. Costuma-se dividir o corpo
em face oral e aboral (lado do ânus).
· Sob a pele há um esqueleto composto de placas calcárias que se encaixam semelhantemente a peças de um quebra-cabeças.
Esse endoesqueleto mantém o contorno do corpo do animal.
· Sobre o esqueleto se sobrepõe a pele dotada de anexos importantes. Os espinhos, grandes e móveis conferem proteção e auxiliam
a locomoção. Entre os espinhos, encontramos as pedicelárias, estruturas em forma de pinças que atuam como limpadores da
pele e capturam pequenos animais e partículas nutritivas que são conduzidas para a boca.
· A boca é dotada de um complexo aparelho chamado lanterna de Aristóteles onde encontramos cinco dentes calcários guarnecidos
de músculos que estão sustentados por uma armação óssea. Os ouriços usam esse sistema como raspadores do fundo rochoso,
alimentando-se de algas e pequenos animais.
· No lado aboral, encontramos a placa madrepórica, uma placa óssea dotada de orifícios localizada na entrada de um sistema
interno de vasos chamado sistema ambulacrário.
nutrição – O tubo digestivo (completo) pode ser dividido em esôfago, estômago e intestino. Os resíduos alimentares não
aproveitados são eliminados pelo ânus. O percurso do tubo digestivo é tortuoso, o intestino fica enovelado ao redor do eixo central
do corpo, encostado na sua parede interna. Geralmente, o ouriço se alimenta de algas que raspa no substrato marinho juntamente
com pequenos animais, usando a lanterna de Aristóteles. Além disso, captura pequenos organismos e partículas nutritivas por meio
de pedicelárias que conduzem esse alimento até a boca.
Circulação – É realizada principalmente por meio do movimento do líquido celômico. O grande celoma (cavidade interna onde
estão acomodados todos os órgãos internos) é dividido em compartimentos. Células ciliadas impulsionam o líquido que preenche
essa cavidade, promovendo a distribuição de gases respiratórios e nutrientes. Há ainda um sistema circulatório rudimentar chamado
sistema hemal, dotado de vasos sanguíneos, sangue incolor e coração. Ainda não se sabe com certeza quais as funções específicas
desse sistema no funcionamento geral dos equinodermos (também está presente em outros, como as estrelas), mas há evidências
de que ele auxilia no transporte de nutrientes.
placa intestino
espinhos madrepórica ânus
canal radial

placa do pés ambulacrais


esqueleto

gônada ampolas

estômago

nervo radial

vesículas
de Poli

músculo
mastigador

dente nervo boca


circular canal circular
esôfago
Anatomia interna de um ouriço-do-mar.

CPV BioGUI11
BIologIa 103

respiração – Os ouriços apresentam brânquias distribuídas radialmente ao redor da lanterna de Aristóteles, as quais permitem
as trocas gasosas entre o ambiente e o líquido celômico, que é impulsionado para dentro e para fora das brânquias por intermédio
de um sistema muscular específico. Além disso, os pés ambulacrais auxiliam nas trocas gasosas. As holotúrias (pepinos-do-mar)
possuem um conjunto de tubos ramificados, chamados árvores respiratórias, encarregados da respiração. Nas estrelas, podemos
encontrar muitas papilas entre os espinhos. São expansões do tecido externo mais fino, permeáveis aos gases respiratórios.

excreção – Os resíduos celulares são eliminados pelas mesmas estruturas relacionadas à respiração, tanto nos ouriços como
nas estrelas e nos pepinos.

sistema nervoso e sensorial – Composto essencialmente por um anel nervoso que circunda a boca, do qual saem
cinco ramificações radiais que enervam as diversas estruturas corporais. O sistema sensorial é reduzido, composto de estruturas
quimiossensíveis, dispostas ao redor da boca, e táteis, situadas nos pés ambulacrais.

reprodução – Os equinodermos são dioicos e eliminam gametas femininos e masculinos em grande número diretamente para
a água quando detectam a presença de parceiros nas proximidades. A fecundação é, portanto, externa. O ovo se desenvolve em
uma larva natante de simetria bilateral que, após algum tempo, submerge até o solo subaquático e realiza a metamorfose para
o adulto. As estrelas apresentam dois estágios larvais.

Características embrionárias – São animais triblásticos e celomados. Existem semelhanças importantes entre os
equinodermos e os cordados. São deuterostômios, ou seja, o blastóporo (passagem do intestino primitivo do embrião para o
meio externo) origina o ânus, contrastando com os demais invertebrados com tubo digestivo completo, que são protostômios (o
blastóporo origina a boca), da mesma forma que os cordados. Além disso, detalhes na formação do celoma são semelhanças que
apontam para uma ancestralidade comum com o grupo dos cordados.

Pé ambulacral Perfurações para os pés ambulacrais

Espinho

brânquia

Madreporito
Pedicelárias

Pé ambulacral bucal

Placa genital
Dente da
lanterna
ViStA ABORAl

ViStA ORAl

Ouriço-do-mar regular Arbacia punctula

BioGUI11 CPV
104 BIologIa
sistema ambulacrário
Característica exclusiva dos equino-
dermos, é composto essencialmente
intestino
por canais com anexos superficiais
projetáveis. Pode ser chamado de sistema
hidrovascular, por ser um sistema de ânus
vasos por onde circula água do mar.
A abertura inicial está ao lado do ânus,
na placa madrepórica ou madreporito,
por onde a água penetra, caindo num
canal (canal pétreo). Esse segue até a
proximidade da boca, onde forma um
anel chamado canal circular. Dele se órgãos
originam cinco ramificações, os canais sexuais
radiais, que acompanham a simetria
do corpo, superficialmente, logo abaixo
do esqueleto. Ao longo do percurso do
canal radial há expansões que se formam
transversalmente: os pés ambulacrais. canal
Na base de cada pé há uma expansão por onde pé
estômago
musculosa, a ampola, que quando se circula a
água
contrai pressiona a água para o outro
lado, um prolongamento com forma
aproximada de uma “língua-de-sogra”,
que é projetada através de orifícios nas
Sistema ambulacrário da estrela-do-mar
placas esqueléticas para o ambiente
externo. Quando a ampola relaxa, a pressão da água diminui e os pés, com auxílio de sua musculatura, podem ser retraídos.
Na extremidade da cada pé ambulacral, forma-se uma ventosa que facilita não só a locomoção como também a eventual captura de
pequenas partículas alimentares. Esse sistema hidrovascular acaba sendo importante também para as trocas gasosas e a eliminação
de excretas e os pés ambulacrais são as principais expansões táteis desses animais de anatomia e fisiologia tão singulares.

exerCíCIos

01. (UF-RS) Um biólogo, em uma coleta marinha, encontrou um 03. (PUC-PR) O sistema ambulacral aquífero
animal desconhecido, fixo ao substrato, a 20 m de profundidade. ocorre nos representantes do Phylum:
Após observá-lo externamente, constatou a existência de espinhos a) Aschelminthes
na superfície corporal, de simetria radial, e a presença de boca e b) Annelida
ânus em regiões opostas do corpo. A partir disso, ele resolveu c) Mollusca
identificar tal exemplar em um catálogo de animais e, para tanto, d) Arthropoda
escolheu o volume referente aos: e) Echinodermata
a) peixes b) equinodermos
c) crustáceos d) poríferos 04. Considere as duas séries de expressões:
e) celenterados a) celenterados A) simetria pentarradiada
b) equinodermes B) rádula
02. (Cesgranrio-RJ) Associe os tipos de animais invertebrados
c) artrópodes C) espículas
indicados por algarismos romanos com os respectivos grupos
d) moluscos D) nematocistos
taxonômicos indicados por algarismos arábicos.
e) esponjas E) patas articuladas
I. tênia 1. filo Echinodermata
II. holotúria 2. filo Annelida Mantida a sequência da primeira série, as letras
III. poliqueta 3. filo Platyhelminthes correspondentes à segunda devem estar na seguinte ordem:
a) I – 2, II – 1, III – 3 a) D, C, E, B, A
b) I – 3, II – 2, III – 1 b) A, C, D, E, B
c) I – 1, II – 3, III – 2 c) B, A, E, B, C
d) I – 3, II – 1, III – 2 d) D, A, E, B, C
e) I – 1, II – 2, III – 3 e) C, A, E, B, D

CPV BioGUI11
BIologIa 105

f ilo C hordata
Todos os animais deste filo são dotados de notocorda (do grego, chorda = cordão). Agrupa cerca de 5% do total das espécies de
metazoários conhecidos (pouco mais de 52.000 espécies). Apesar do pequeno número de espécies, comparado a outros grupos,
esses animais ocuparam a maior parte da superfície do planeta, alcançando regiões onde as condições são extremas, como os polos,
com seu clima acentuadamente frio. Essa diversificação está diretamente relacionada à grande evolução anatômica e fisiológica
dos cordados, que alcançaram a maior sofisticação biológica encontrada no Reino Animal. Os exemplos são familiares e os
grupos mais expressivos são peixes, anfíbios, répteis, aves e mamíferos. Há ainda cordados mais primitivos, encontrados em
águas marinhas e pouco conhecidos pelas pessoas em geral: são os protocordados (do grego, protos = primeiro, primitivo).

Peixes Anfíbios Répteis Aves mamíferos

Características
· presença de notocorda — trata-se de uma estrutura em forma de bastão, localizada na região dorsal e acompanhando a extensão
longitudinal do corpo; sua consistência, semelhante à cartilagem, dá sustentação ao corpo, ou seja, tem função esquelética;
todos os cordados têm notocorda, pelo menos durante o período embrionário; os vertebrados perdem a notocorda durante a
embrionação e sua função passa a ser exercida principalmente pela coluna vertebral.
· um tubo nervoso oco localizado CORTE
na região dorsal é outra de suas fendas branquiais TRANSVERSAL somito
características distintivas; esse tubo (músculo)
neural se avoluma na região cefálica,
formando o encéfalo; o restante do tubo
continua ao longo do dorso, formando epiderme
a medula espinhal; essas duas regiões
do sistema nervoso recebem o nome
de sistema nervoso central que, tubo nervoso
na maioria dos cordados, recebe
revestimentos ósseos, como o crânio
e a coluna vertebral, caracterizando
o subgrupo dos vertebrados. Os
CORTE notocorda
protocordados são invertebrados. LONGITUDINAL
· há também fendas localizadas de tubo digestivo
cada lado da faringe; na maioria das celoma
espécies, essas fendas amadurecem
em brânquias; mas em répteis, aves
e mamíferos, as fendas se fecham
durante o período embrionário e a
estrutura óssea que sustentaria as
brânquias se transforma em ossos
mandibulares e ossículos dos ouvidos.
cauda
· uma cauda pós-anal com diversas
funções (locomoção, equilíbrio etc.) ânus
é outra das características exclusivas
do grupo.
Corte de um embrião de cordado mostrando as estruturas embrionárias que caracterizam o filo:
tubo nervoso dorsal, notocorda, fendas branquiais e cauda.

BioGUI11 CPV
106 BIologIa

As demais características são compartilhadas com outros animais:


· a simetria é bilateral;
· o corpo é segmentado (metameria);
· quanto às características embrionárias, são triblásticos, celomados e deuterostômios.
A tendência atual é dar ao grupo o status de filo e subdividi-lo em três subfilos:

Protochordata (cordados inferiores) Subfilo Urochordata


Filo Chordata Subfilo Cefalochordata

Vertebrata (cordados superiores) Subfilo Vertebrata

protoCHordata
suBfIlo uroCHordata
sifão bucal
Seus representantes mais expressivos são as ascídias. glândula neural
Apresentam a notocorda localizada na cauda da larva gânglio
(do grego, uros = cauda). Durante a metamorfose
para a fase adulta, perdem a notocorda. Os adultos sifão atrial
são geralmente individuais ou coloniais (maioria).
O corpo é envolvido por um revestimento chamado
túnica, composto por um tipo de celulose (tunicina) átrio
o que lhes dá o apelido de tunicados. Por meio de
uma das extremidades do corpo, as ascídias fixam-se
ao substrato, em rochas, corais, conchas, madeiras
submersas ou até em cascos de embarcações. Chegam vaso deferente
fenda
a ter o tamanho de uma batata grande. faringiana
Em seu lado livre, encontram-se dois sifões, que oviduto
são aberturas para entrada e saída de água, que se
ligam à cavidade atrial, na qual se encontram os túnica
órgãos internos, dentre os quais se destaca a faringe, intestino
envolvida pelas fendas branquiais. A água entra parede
pelo sifão inalante, atravessa as fendas branquiais e, corporal
além de trocar gases, sofre filtragem, com as fendas esôfago
branquiais retendo microrganismos e pequenas
partículas que constituem seu alimento. A água é testículo glândula pilórica
então eliminada pelo sifão exalante.
ovário
O alimento é conduzido para o estômago, passando
estômago
para o intestino. As fezes são eliminadas para a coração
cavidade atrial, de onde são eliminadas para o
ambiente pelo sifão exalante.
Quanto à reprodução, pode ser assexuada, através
de brotamento, ou sexuada. São comumente
monoicos, com fecundação externa e desenvolvimento
indireto, com larva natante dotada de cauda.
Ascídia em corte
suBfIlo CefaloCHordata
Os cefalocordados possuem notocorda ocupando toda extensão da região dorsal, desde a extremidade cefálica até a ponta da cauda.
O anfioxo é seu representante típico. A forma do corpo lembra um peixe, com 4 a 6cm de comprimento e 0,5cm de espessura.
Durante o dia, ficam enterrados na areia do litoral (inclusive nas praias); à noite, nadam para encontrar alimento. A musculatura é
claramente segmentada, sobressaindo através da epiderme fina. A boca anterior e ventral é envolvida por prolongamentos carnosos
e filamentosos chamados cirros bucais. A água penetra pela boca, atravessa as fendas branquiais e sai por uma abertura mediana,
o atrióporo. O alimento é retido nas brânquias (são filtradores como as ascídias) e o fluxo de água garante também a respiração
e a eliminação de excretas. A reprodução é sexuada, com fecundação externa e desenvolvimento direto.
Os anfioxos são capturados em certas regiões da China, para servirem como alimento humano, aliás de muito boa qualidade; em
algumas regiões do Brasil, as galinhas são criadas nas praias, para que possam se alimentar desses animais.

CPV BioGUI11
BIologIa 107

suBfIlo verteBrata
Os vertebrados caracterizam-se pela presença de um esqueleto axial — crânio e coluna vertebral. São divididos em 7 classes:
Cyclostomata (peixes sem mandíbula), Chondrichthyes (peixes cartilaginosos), Osteichthyes (peixes ósseos), Amphibia, Reptilia,
Aves e Mammalia, as quais podem ser agrupadas de várias formas, adotando-se critérios diferentes, como no esquema abaixo.

Agnata
Classe Cyclostomata
Pisces (sem mandíbula)
(Peixes) Classe Chondrichthyes Anamniota
Classe Osteichthyes (sem âmnio)
Subfilo Vertebrata Gnathostomata
Classe Amphibia
(com mandíbula) Amniota
Classe Reptilia
Tetrapoda Classe Aves (com âmnio)
(Tetrápodes) Classe Mammalia

Características
As características desses animais são diversificadas, mas há fatores comuns que devem ser ressaltados.
O endoesqueleto calcário possui, além do esqueleto axial, apêndices ósseos responsáveis por várias funções, como locomoção
(rastejamento, natação, voo, saltos etc.), predação, manipulação de objetos etc.
O sistema muscular é sofisticado, servindo tanto ao esqueleto (musculatura esquelética estriada) como às vísceras
(musculatura lisa visceral).
O sistema nervoso pode ser dividido em central (encéfalo e medula espinhal) e periférico, formado por nervos que se ramificam
por todo o corpo.
O revestimento externo do corpo (tegumento) é formado por duas camadas de células:
· a epiderme, mais externa, dotada de várias camadas de células fortemente unidas que secretam, a partir de anfíbios, uma
proteína protetora e impermeabilizante chamada queratina;
· a derme, mais interna, rica em vasos sanguíneos, estruturas sensoriais, terminações nervosas e glândulas de diversos tipos com
variadas funções, como as glândulas produtoras de muco dos peixes, as glândulas de veneno dos sapos, as glândulas sebáceas
dos mamíferos e muitas outras.
O sistema circulatório é sempre fechado, mas há um aumento da eficiência que acompanha a evolução do grupo, como veremos
nos capítulos sobre fisiologia animal.
A respiração é branquial nos peixes, passando para pulmonar nos anfíbios adultos e é complementada por respiração cutânea, já
que os pulmões não são tão eficientes. Em répteis, aves e mamíferos, a respiração passa a ser exclusivamente pulmonar.
A excreção é sempre realizada por rins de localização toráxica ou abdominal, com algumas variações funcionais também examinadas
no estudo de fisiologia animal.
A reprodução é quase sempre sexuada, sendo a maioria dos vertebrados dioicos. A fecundação pode ser externa ou interna:
ovíparos (botam ovos, o embrião se nutre do vitelo do ovo), vivíparos (o embrião se desenvolve no interior do corpo materno) e
ovovivíparos (ovos com vitelo se desenvolvem dentro do corpo de um dos pais).
A evolução dos vertebrados é, em grande parte, a história da conquista do ambiente terrestre por parte desse grupo. A transformação
evolutiva de sua anatomia e fisiologia corresponde à sequência de adaptações que ocorreram gradativamente possibilitando essa
conquista. Os primeiros vertebrados surgiram provavelmente nos oceanos, dotados de um esqueleto cartilaginoso com crânio
e vértebras rudimentares. Não havia mandíbulas, ou seja, eram agnatos. Desses teriam se originado os peixes de esqueleto
cartilaginoso (condricties) mandibulados e os peixes de esqueleto ósseo (osteícties) que invadiram as águas doces. Os peixes de
esqueleto ósseo invadiram também o ambiente terrestre, originando os anfíbios. Esses, por sua vez, deram origem aos répteis, dos
quais se originaram tanto as aves como os mamíferos. Muitas características fisiológicas importantes de cada um dos grupos serão
mencionadas nos capítulos seguintes de fisiologia animal. A descrição que se segue prende-se mais a características anatômicas e
umas poucas fisiológicas, cuja análise pode ser feita de maneira mais superficial.

BioGUI11 CPV
108 BIologIa
Classe CyClostomata
Representada pelos peixes com esqueleto cartilaginoso, sem mandíbulas verdadeiras. A boca é arredondada, de onde se inspira um
segundo nome para o grupo: ciclostomados (do grego, kyklo = circular e stomatos = boca). São descritas cerca de 50 espécies atuais,
divididas entre o grupo das lampreias e dos peixes-bruxa.
Ambos possuem corpo alongado, sem nadadeiras pares; na fase adulta, alcançam algo entre 20 e 40cm de comprimento. A boca apresenta
dentículos utilizados para predação, em peixes-bruxa, e parasitismo, em lampreias.
As lampreias são encontradas tanto no mar como em rios e lagos de água doce, em locais de clima temperado. Parasitam peixes e baleias,
usando seus dentículos e a forma arredondada da boca para anexar-se à pele de seus hospedeiros e sugar seu sangue, eventualmente
chegando a causar-lhes a morte. Seu desenvolvimento é indireto. A larva é conhecida como amocete. As lampreias podem passar
vários anos no estágio larval, quando ficam enterradas na areia ou lodo subaquático, alimentando-se por meio de filtragem da água. Os
peixes-bruxa (também chamados feiticeira) são exclusivamente marinhos, alimentando-se de vermes e de peixes moribundos. Sua boca
é pequena e rodeada de seis tentáculos. Seu desenvolvimento é direto.

A
A. Peixe-bruxa da Califórnia
Eptatretus stouti, com boca
tentáculos nadadeiras sugadora mole, 4 pares de
fendas branquiais glândulas mucosas medianas tentáculos e 11 pares de
fendas branquiais.

B. Lampreia marinha
Petromyzon marinus, com
funil bucal, olhos e 7 pares
de fendas branquiais.
B

exerCíCIos 05. Podemos afirmar que:


a) todo vertebrado é protocordado
01. Cite três características dos cordados. b) todo protocordado é vertebrado
c) todo cordado é vertebrado
d) todo vertebrado é cordado
e) todo cordado é protocordado
02. (VUNESP) São possuidores de notocorda:
a) artrópodos e peixes 06. Cite as características que permitem enquadrar um animal no grupo
b) anfíbios e anelídeos dos cordados.
c) aves e crustáceos
d) ciclostomados e anfioxos
e) mamíferos e artrópodos 07. (FUVEST-SP) Cite quatro características exclusivas dos vertebrados,
que os distinguem dos invertebrados.
03. (PUC-SP) A figura ao lado representa um corte transversal de
anfioxo, no qual estão indicadas quatro estruturas:
08. (MACk-SP) Uma característica presente nos cordados e que os
tubo nervoso distinguem dos não cordados é:

notocorda a) sistema nervoso dorsal


b) metameria
intestino c) deuterostomia
d) celoma
epiderme e) triploblastia
a) Cite duas estruturas que tenham a mesma origem embrionária.
b) Através da observação do esquema, justifique a inclusão 09. (FUVEST-SP) O filo dos cordados compreende quatro subfilos:
desse animal no grupo dos Cordados. hemicordados, urocordados, cefalocordados e vertebrados.
Os três primeiros agrupam-se sob a designação de protocordados.
04. (FUVEST-SP) No desenvolvimento dos cordados, 3 caracteres A notocorda existe:
gerais distinguem-nos de outros animais.
a) somente na fase embrionária dos vertebrados e durante toda a
Assinale a alternativa que inclui esses três caracteres. vida dos protocordados
a) notocorda, 3 folhetos germinativos, tubo nervoso dorsal b) na fase adulta dos vertebrados e na vida embrionária dos
b) corpo segmentado, tubo digestivo completo, tubo nervoso protocordados
dorsal c) nos embriões de todos os cordados e no estágio adulto de apenas
c) simetria bilateral, corpo segmentado, notocorda alguns protocordados
d) simetria bilateral, três folhetos germinativos, notocorda d) durante toda a vida dos cordados
e) tubo nervoso dorsal, notocorda, fendas branquiais na faringe e) somente na fase embrionária dos cordados

CPV BioGUI11
BIologIa 109

Classe CHondrICHtHyes

O nome menciona uma característica do grupo (do grego, chondros = cartilagem e ichthyos = peixes), que é possuir um
esqueleto totalmente formado por cartilagem.
Seus representantes são os tubarões, cações, raias (grupo Elasmobranchii ou Selachii) e as raras quimeras (grupo Holocephali).
As quimeras são encontradas nas profundezas dos oceanos e são registradas poucas espécies.
Os tubarões e as raias são predominantemente marinhos, embora sejam encontradas espécies de água doce e salobra (na
desembocadura de rios nos oceanos). Os tubarões são de origem antiga e ainda hoje carregam características bem primitivas, como
a persistência de notocorda na fase adulta.

tubarão baleia

Raia
tubarão

Características externas

· A boca fica localizada em posição ventral;


· há dois pares de nadadeiras (chamadas nadadeiras pares) na região ventral, uma anterior (peitorais) e outra posterior (pélvicas); a
nadadeira caudal é bem desenvolvida e constitui o principal membro locomotor; normalmente há mais duas nadadeiras dorsais;
· o corpo é revestido por escamas, chamadas placoides, contrastando com os ciclostomados que não as possuem;
· essas escamas são dotadas de um espinho apontado para trás, sobre uma base em forma de placa implantada na derme; o
espinho possui uma estrutura complexa, sendo revestido por uma camada de esmalte sob a qual há uma camada de dentina, que
se estende à base; no meio, encontra-se uma polpa viva, com vasos sanguíneos e terminações nervosas, estrutura semelhante
à do dente dos vertebrados, sendo, por isso, também chamados dentículos dérmicos.
· de cada um dos lados do corpo, logo atrás da cabeça, encontram-se as fendas branquiais, em número que varia de 5 a 7.

anterior

placa basal
espinho esmalte
dentina
pele c a v i d a d e c e n t r a l e
canalículos da polpa
epiderme
derme
A B placa basal
Storer

Escamas placoides (ampliadas).


A. Pele com escamas em vista superficial.
B. Secção mediana através de uma escama.

BioGUI11 CPV
110 BIologIa

Características Internas
Os órgãos dos sentidos são bem desenvolvidos. As narinas são de fundo cego, ou seja, não se ligam à faringe, como na maioria
dos vertebrados, e, portanto, têm apenas função olfativa, não se prestando à respiração. A água entra pela boca e sai pelas fendas
branquiais. Os olhos permitem que esses animais enxerguem bem em águas escuras e não têm pálpebras. Há orelhas formadas
por canais semicirculares que lhes conferem o sentido do equilíbrio.
As linhas laterais são 2 finos sulcos acompanhando o sentido longitudinal do corpo,
uma de cada lado, onde se encontram células sensíveis a vibrações que se
propagam pela água. Esse órgão, presente também nos osteíctes,
lhes dá uma espécie de expansão tátil, permitindo
perceber variações mecânicas no ambiente (obstáculos e
movimentos) a longas distâncias.
Internamente, podemos destacar um coração ventral dotado
de duas cavidades: o átrio, que recebe sangue do corpo,
que passa para o ventrículo, que é a cavidade que impulsiona
o sangue de volta para o corpo, e as brânquias.
O fígado é enriquecido com grandes depósitos de óleo que,
As brânquias possuem lâminas que
por ser menos denso que a água, facilita a flutuação desses animais. filtram a água, retirando dela o oxigênio.
As formas de nutrição são bastante variadas.
Há espécies predadoras, como os tubarões, com dentes desenvolvidos a partir de escamas modificadas e implantados na carne
e não nas mandíbulas, com dentes de substituição desenvolvendo-se continuamente.
Há espécies filtradoras, como o tubarão-baleia, a maior espécie de peixe, que chega a ter 15m de comprimento, mas trata-se de
um pacífico sugador de água para filtragem de plâncton. Geralmente encontra-se em seu intestino um septo em forma helicoidal,
a válvula espiral, que retarda a passagem do alimento e aumenta a superfície de absorção.

nadadeira medula
dorsal espinhal
fendas
ovário rim branquiais
(fêmea)
cerébro
olho
narina

nadadeira faringe
pélvica
cloaca boca
fígado esôfago
intestino com
prega espiral coração
nadadeira
peitoral

Peixe Cartilaginoso

reprodução

Quanto à reprodução, são dioicos. O macho costuma apresentar um órgão copulatório, o clásper, que na verdade são as nadadeiras
pélvicas especializadas em acoplamento com o corpo da fêmea. A fecundação é interna. Há espécies:

· ovíparas, que depositam seus ovos no ambiente;


· ovovivíparas, que retêm seus ovos até eclodirem os filhotes;
· vivíparas, que possuem uma espécie de placenta que conduz alimento e oxigênio do sangue da mãe para os filhotes.

O desenvolvimento é direto.

CPV BioGUI11
BIologIa 111

Classe osteICHtHyes

O nome vem do grego (osteos = osso e ichthyos = peixes) e designa uma classe composta
pelos peixes dotados de esqueleto predominantemente ósseo , com algumas partes de
cartilagem. São encontrados tanto nos mares como em rios e lagos. Compõem essa classe
a maioria das espécies conhecidas de peixes, com exceção dos tubarões e raias.

Características externas
margem posterior
· Possuem forma diversificada, dos fusiformes (como atuns e livre
trutas) aos de formas mais exóticas (como o cavalo-marinho);
· o corpo apresenta boca geralmente voltada para frente (terminal);
· o corpo é revestido por escamas formadas a partir da derme, com
pelo menos três formas: cicloides, ctenoides e ganoides;
· há também várias espécies sem escamas, os chamados peixes de
couro;
· possuem muitas glândulas produtoras de muco, que reduz o atrito
com a água, facilitando a locomoção, e protegendo contra a entrada
de agentes causadores de doenças;
· há nadadeiras pares e ímpares sustentadas por raios cartilaginosos
ou apêndices ósseos;
A B
· as fendas branquiais são em número de quatro de cada lado do
corpo, mas não são visíveis, como nos tubarões, pois recebem um epiderme
revestimento externo chamado opérculo;
dentículos
· os olhos são normalmente grandes e sem pálpebras;
· há quatro narinas no focinho que dão acesso à bolsa olfativa; a
ganoína
água entra pelo orifício inferior e sai pela superior;
· nas duas bolsas olfativas há células especializadas em olfação.
escama
cavidade branquial entrada
de água
osso
opérculo
derme

C D

Escamas de peixes ósseos, ampliadas:


boca A. Ctenoide (com finos dentes);
opérculo olho
lâminas B. Cicloide;
saída de água branquiais C, D. Ganoide (Lepidosteus) vista superficial e secção vertical.

BioGUI11 CPV
112 BIologIa

Características Internas
Os movimentos respiratórios produzem um fluxo ativo de água nas câmaras branquiais. A água entra pela boca, que se fecha e se
contrai, produzindo um fluxo em direção às brânquias. Com os opérculos fechados e a câmara branquial se contraindo, a pressão
interna aumenta, facilitando as trocas gasosas entre a água e o sangue das brânquias. Em seguida, o opérculo se abre e a água é
expulsa. O trabalho conjunto da boca, das câmaras branquiais e do opérculo nos peixes ósseos compõe um eficiente sistema de
bombeamento de água que torna sua respiração mais eficiente.
Sobre o esôfago, há um grande saco de paredes finas, chamado bexiga natatória, a qual retira e devolve gases do sangue, ajustando
a densidade do corpo à profundidade em que o animal se encontra. Com isso, os peixes ósseos podem flutuar passivamente numa
dada profundidade, contrastando com os tubarões, que afundam quando param de nadar. Em alguns peixes, a bexiga natatória
pode funcionar como anexo respiratório, permitindo a respiração aérea.
As linhas laterais estão presentes, assim como as orelhas internas semelhantes a dos tubarões.
A circulação também é semelhante à dos peixes cartilaginosos.

rim estômago
bexiga
medula natatória
espinhal
esôfago

cérebro

fendas branquiais
bexiga urinária coração
ovário fígado
ânus (fêmea)
intestino

Peixe Ósseo
reprodução
Esses peixes são geralmente dioicos, com fecundação externa e na maioria ovíparos. O desenvolvimento passa por um estágio
jovem, muitas vezes bem diferente do adulto. Alguns teóricos caracterizam essa fase como larval (alevino); outros não concordam,
falando em desenvolvimento direto.
Observe as principais diferenças entre os condrictes e os osteíctes.
Peixe Cartilaginoso ou
Condricte (esqueleto cartilaginoso)

sem opérculo com cloaca


Peixe Ósseo ou Osteícte (esqueleto ósseo)
com bexiga
natatória
com opérculo

boca em
posição
ventral
Com prega espiral no intestino,
que aumenta a área de absorção.
boca em
sem cloaca
posição terminal

CPV BioGUI11
BIologIa 113

dIversIdade e evolução

As espécies viventes de peixes ósseos podem ser divididas em dois grandes grupos:

· sArcoPTerygii – composto de peixes que têm nadadeiras carnosas, sustentadas por apêndices esqueléticos articulados
semelhantes às patas dos tetrápodes; suas narinas se comunicam com a cavidade bucal, características essas encaradas como
evidências de que sarcopterígeos primitivos, os crossopterígeos, teriam originado os primeiros anfíbios.

Celacanto (Latimeria chalumnae, subordem Coelacanthini): comprimento até 1,5m.

O grupo DiPnoi contém os sarcopterígeos pulmonados atuais, apresentam corpo alongado, delgado e bexiga natatória
funcionando como pulmão. As brânquias são reduzidas, o que os torna dependentes de respiração aérea para sobreviver. O
gênero encontrado no Brasil é Lepidosirem, a piramboia encontrada na região amazônica.

Australiano (Neoceratodus), comprimento até 1,8m, mas a maioria menor que 1,2 m.

Sul-americano (Lepidosiren), comprimento até 80 cm.

Africano (Protopterus), comprimento até 1 metro.

Peixes pulmonados (ordem Dipnoi).

· AcTinoPTerygii – composto de peixes cujas nadadeiras são sustentadas por raios; suas narinas não se comunicam com
a boca. Apesar disso, alguns estão adaptados à respiração aérea, como o poraquê, o famoso peixe elétrico que depende de
respiração aérea para sobreviver.

BioGUI11 CPV
114 BIologIa
Classe ampHIBIa
O nome destaca sua posição de transição entre o ambiente aquático e terrestre (do grego, amphi = dois e bios = vida). Inclui os
sapos, rãs, pererecas, salamandras e as chamadas cobras-cegas ou cecílias. Foi o primeiro grupo de vertebrados a invadir o
ambiente terrestre, graças a várias características adaptativas. Porém, essa adaptação não é completa, o que faz com que a maioria
dos anfíbios seja encontrada em locais úmidos, próximos a rios e lagoas de água doce.

ventosa

Cobra-cega
Salamandra Rã

dIversIdade: as ordens
urodela (do grego, uro = cauda) agrupa os anfíbios dotados de cauda, como as salamandras e os
tritões. Algumas salamandras vão para a terra após a metamorfose; outras persistem na vida aquática. As larvas são geralmente
semelhantes aos adultos e algumas espécies prolongam seus estágios larvais até que as condições fiquem favoráveis à metamorfose.
anura agrupa os anfíbios sem cauda, como os sapos e as rãs. São típicas as patas posteriores bem desenvolvidas e a coluna
vertebral curta e compacta, adaptações para o hábito de saltar. São muitas vezes dotados de glândulas subcutâneas que produzem
substâncias tóxicas, que lhes servem de defesa e que são usadas por povos nativos de várias regiões, como fonte de veneno usado
para impregnar as pontas de suas flechas, ou até mesmo em rituais em que sapos são lambidos e as toxinas da pele (alcaloides
psicotrópicos) induzem a estados alterados de consciência. Há pesquisas em torno dessas substâncias para a produção de fármacos.
Ápoda agrupa as cobras-cegas, também conhecidas como cecílias. Não apresentam patas. O corpo é vermiforme e vivem
enterradas ou em ambientes aquáticos, nos trópicos. Seus olhos são pequenos e recobertos por uma membrana, o que inspirou o
nome cobra-cega. Realizam fecundação interna.
Características gerais
Tetrápodes (há exceções), são dotados de 2 pares de patas que permitem locomoção mais eficiente em ambientes terrestres. A pele
fina, úmida e rica em vasos sanguíneos capilares permite realizar trocas gasosas, tanto em ambiente terrestre como aquático. Há
muitas glândulas mucosas cuja secreção acumulada mantém a pele úmida (evita a dessecação) e lisa (dificulta a ação de predadores).
A respiração é pulmonar na maioria dos adultos, complementada por respiração cutânea, necessária pois o pulmão é simples e
pequeno. A vantagem da pele fina e úmida para complementar a respiração tem um custo, já que não permite que eles resistam a
ambientes mais secos, que demandam um tegumento mais espesso e osmoticamente isolante. Na fase larval, a respiração pode ser
branquial e cutânea. Muitas espécies de salamandras não possuem pulmões, respirando por brânquias externas durante toda a vida.
Os anfíbios desenvolveram orelhas adaptadas para o equilíbrio e audição em ambiente aquático e terrestre, substituindo as linhas
laterais dos peixes. Na faringe, são encontradas membranas musculosas que vibram com a passagem do ar, produzindo sons: as
cordas vocais, importantes fatores de comunicação entre os indivíduos, por exemplo na época de reprodução.
São geralmente predadores, comem insetos e minhocas, capturados com sua língua longa e musculosa. Na boca, os dentes
são pequenos e pouco importantes. O coração tem 3 cavidades: 2 átrios e 1 ventrículo. Os peixes apresentam apenas duas
cavidades, 1 átrio e 1 ventrículo. cérebro
medula membrana
Nos anfíbios, a divisão do átrio em timpânica
espinhal
2 câmaras permite que o sangue
seja bombeado duas vezes a cada testículo fígado
ciclo completo. Simplificando, o (macho)
sangue entra venoso no átrio direito,
passa para o ventrículo único a língua
rim
caminho dos pulmões; oxigenado, presa
retorna para o coração pelo átrio mandíbula
na frente
esquerdo e, passando novamente pelo
ventrículo único, segue para a pele e laringe
demais órgãos. No único ventrículo,
coração
sangue arterial e venoso misturam-se,
resultando num sangue de teor médio bexiga estômago
de oxigênio. Essa característica é
parcialmente compensada por dois pulmão
fatores: a existência de estruturas que
retardam a mistura no ventrículo e a
passagem desse sangue misturado pela
pele respiratória. pés com membranas que facilitam a natação

CPV BioGUI11
BIologIa 115

reprodução

A fecundação nos anfíbios é tipicamente externa, são ovíparos, com desenvolvimento indireto, com larva aquática chamada girino.
Suas características de reprodução são marcantemente aquáticas: a fecundação, sendo externa, só pode se realizar em ambiente
líquido; as larvas respiram principalmente por meio de brânquias; não possuem patas e sim nadadeiras; o revestimento dos ovos é
semelhante ao dos peixes, permeáveis, permitindo a desidratação no seco. Essas e outras características deixam os anfíbios muito
dependentes de ambientes aquáticos para a reprodução.

brânquias internas
opérculo (9 dias)
(12 dias) brânquias
eclosão
externas
(6 dias)

aparecem os membros posteriores


(2½ meses)

botão de cauda
(84 horas)
aparecem os membros anteriores
(2½ a 3 meses)

as larvas dobras neurais


metamorfose eclodem (62 horas)
(mais de 3 meses)

gástrula
(34 horas)
1 ano de idade

2 anos

blástula
(18 horas)

os adultos eliminam 3 anos


gametas na água corpúsculos
polares
clivagem inicial
(3½ a 7 horas)

a gelatina expande-se (1 hora)


ovos
espermatozoides

Ciclo vital da rã. As figuras ampliadas mostram girinos recém-eclodidos segurando-se à vegetação por seus “discos” adesivos.

Em algumas espécies de sapos, existe uma estrutura chamada órgão de Bidder, que se localiza na frente de cada testículo.
Este órgão, em certas circunstâncias, pode vir a desenvolver-se num ovário. Da mesma maneira, algumas fêmeas velhas podem,
às vezes, produzir espermatozoides.

BioGUI11 CPV
116 BIologIa

Classe reptIlIa

É composta por um grupo de vertebrados rastejantes (do latim, reptilis = rastejantes) que se originou de anfíbios primitivos.
Há algumas características importantes nesses animais que permitiram maior adaptação ao ambiente terrestre. Seus representantes
são tartarugas, jacarés, cobras e os extintos dinossauros, entre outros.
Sua história evolutiva está razoavelmente esclarecida por meio de muitos registros fósseis. Os primeiros seres teriam surgido há
cerca de 300 milhões de anos: eram animais de pequeno porte, com aspecto que lembra os lagartos atuais. A diversificação foi
grande. Dentre os inúmeros grupos, destacam-se os synapsida, que teriam originado os dinossauros (extintos), as aves e os atuais
crocodilianos, e os sauropsida, que teriam originado os mamíferos.
Os dinossauros e os pterossauros (voadores) dominaram o ambiente terrestre por cerca de 150 milhões de anos. Há 65 milhões
de anos, foram repentinamente extintos, talvez pelo impacto de um grande meteoro sobre o nosso planeta, talvez por causa de
mudanças climáticas repentinas ocorridas naquele tempo. O fato é que o desaparecimento dos dinossauros e pterossauros abriu
espaço para o avanço e diversificação das aves e dos mamíferos.

lagarto

Cobra Jacaré
tartaruga

Características gerais
A pele se torna mais espessa, seca e apresenta escamas e placas córneas (secas) compostas de um material muito útil e versátil: a
queratina, uma proteína que tem propriedades muito importantes. Por ser leve, mecanicamente resistente e impermeável, participa
intensamente da formação de anexos importantíssimos para os répteis e seus descendentes, aves e mamíferos. Tais estruturas
(garras, cornos, penas, pelos etc.) são designadas como anexos córneos.
O desenvolvimento de uma pele impermeável e o consequente abandono da respiração cutânea só foi possível graças ao
desenvolvimento dos pulmões. Assim, a respiração é exclusivamente pulmonar. A circulação ganha eficiência devido a um coração
mais capacitado, com um septo dividindo o ventrículo, ainda que não totalmente. O sangue sai do coração mais oxigenado e
possibilita o aumento do metabolismo. Em crocodilianos, a separação dos ventrículos é completa.

medula
espinhal
ovário
pulmão
cérebro
estômago
esôfago

traqueia

rim

coração

fígado
intestino

cloaca

Anatomia de lagarto fêmea.

CPV BioGUI11
BIologIa 117

reprodução – As características de reprodução foram fundamentais para a conquista do ambiente terrestre. A fecundação é
interna e o desenvolvimento é direto. Os ovos são bem dotados de estruturas que protegem o embrião e permitem que eles se
desenvolvam expostos ao ambiente seco. São os chamados ovos terrestres.
Ovos terrestres – os répteis botam ovos dotados de uma casca que, ao mesmo tempo, é impermeável e finamente porosa.
Os pequenos e numerosos poros permitem as trocas gasosas entre o embrião e a atmosfera, sem prejuízo da impermeabilidade.
O embrião desenvolve um sistema de membranas que se diferencia em três anexos:
· o âmnio, na forma de uma bolsa que envolve o tubo nervoso âmnio tubo digestivo
notocorda mesoderma cório cavidade
embrião e o deixa suspenso em um líquido, evitando cório âmnio amniótica
a dessecação e conferindo proteção contra choques alantoide
saco
mecânicos; de certa forma, o líquido amniótico vitelínico
substitui o ambiente aquático, indispensável para o
desenvolvimento embrionário de peixes e anfíbios;
· o alantoide, uma expansão em forma de bolsa com
vasos sanguíneos embrionários que cresce até a casca,
permitindo as trocas gasosas e armazenando excretas; cavidade
coriônica
· o cório, anexo córneo que, aderido à casca, ajuda a dar-
lhe uma consistência mais resistente e impermeável.
excreção – O resíduo nitrogenado produzido pelas células dos animais é a amônia, resíduo fortemente tóxico e solúvel em água.
Sua eliminação é feita juntamente com boa parte da água do corpo, por meio da urina. Se o animal puder repor fácil e rapidamente
a água perdida pela urina, não haverá problemas. Animais terrestres, entretanto, não contam com a mesma facilidade dos aquáticos
para a reposição da água. A adaptação a ambientes terrestres envolveu o desenvolvimento de um mecanismo químico para transformar
a amônia em resíduos menos tóxicos e menos solúveis e há dois derivados de amônia que preenchem esses requisitos: a ureia e o
ácido úrico. Esse último é o menos tóxico e insolúvel em água; a ureia encontra-se em posição intermediária. Animais como os
peixes ósseos e as larvas dos anfíbios eliminam predominantemente amônia em sua urina. Os répteis e as aves, entre outros grupos,
eliminam grandes quantidades de ácido úrico. O embrião dos répteis, envolvido por uma casca impermeável, precisa armazenar
urina até a eclosão do ovo. Nada mais adequado do que ter uma urina rica em ácido úrico, que pode ser armazenada pelo tempo
necessário, sem que se espalhe pelo ovo e intoxique o embrião.

dIversIdade: as ordens
squamata – agrupa as cobras e os lagartos;
CroCodIlIa – inclui os jacarés e crocodilos;
testunIdae (CHelonIa) – agrupa tartarugas,
cágados e jabutis;
spHenodontIa – grupo com apenas uma espécie
(Sphenodon punctatus), conhecida como tuatara e
restrita às ilhas da Nova Zelândia.
ordem squamata: os lagartos e cobras têm o corpo
revestido por escamas e placas córneas. A língua é bífida
(bifurcada na ponta livre) e importante órgão de olfação.
Os lagartos (lacertílios) possuem quatro patas, corpo
alongado e podem eliminar um pedaço terminal da cauda
(que se regenera após algum tempo) como defesa contra
predadores.
Há espécies ápodas, como as cobras-de-vidro e as cobras-
de-duas-cabeças.
Os monstros-de-Gila (Helodrema), restritos ao sul dos
Estados Unidos e México, são os únicos peçonhentos.
As lagartixas, camaleões e iguanas são exemplos de
lagartos bem espalhados pelo mundo. Geralmente são
predadores de pequenos animais. lacertílio que, quando ameaçado, levanta a pele que possui em volta do pescoço.

BioGUI11 CPV
118 BIologIa

Nas cobras (ofídeos), as patas são ausentes e o corpo apresenta várias modificações anatômicas para
ganhar o formato alongado característico. Ao contrário de outros répteis, as cobras não possuem
tímpano e não percebem sons, mas possuem órgãos sensoriais especiais: as focetas loreais, que,
localizadas entre os olhos e as narinas, presentes em muitas espécies de cobras peçonhentas (nem
todas), produzem uma imagem térmica das presas que têm sangue quente (aves e mamíferos).
Os dentes são geralmente pequenos e numerosos e não servem para mastigar a presa, que é
engolida inteira. As cobras peçonhentas têm glândulas de veneno na boca e dentes especiais para
inoculá-lo em suas vítimas.
As cobras trocam de pele periodicamente, para eliminar possíveis lesões que acumulam com o tempo.
As cascavéis acumulam sobras de peles anteriores na extremidade da cauda, compondo o
característico guiso.

materIal Classificaçcão das cobras peçonhentas,


leItura
para
segundo os dentes inoculadores (presas):

· opistóglifas – as presas são localizadas na região posterior da boca e são dotadas de um sulco
por onde escorre o veneno. São pouco eficientes na inoculação do veneno e normalmente não
são perigosas para as pessoas. São exemplos as muçuaranas, a cobra-cipó e a falsa-coral.

· proteróglifas – as presas são localizadas na região anterior da boca, com sulcos para eliminação
do veneno. As corais verdadeiras.

· solenóglifas – as presas são grandes, localizadas na região anterior e dotadas de um canal


interno para inoculação de veneno. São as mais perigosas para o Homem. As cascavéis são
exemplos típicos.
Esqueleto de
· Áglifas – são as cobras não-peçonhentas, ou seja, não apresentam presas inoculadoras, embora cobra. não há o
tenham glândulas de veneno. Algumas são constritoras, ou seja, envolvem e apertam suas osso esterno, o
presas até matá-las por asfixia e, então, as engolem inteiras, como é o caso das jiboias. que permite grande
elasticidade no
tronco.
glândula de veneno

dente
inoculador
de veneno

Guizo
Detalhe da boca de cobra solenoglifodonte

Detalhe da boca de cobra aglifodonte Cobra trocando sua pele (ecdise).


todas as cobras têm ecdise, mas só a cascavel tem guizo.

CPV BioGUI11
BIologIa 119

ordem CroCodIlIa
É representada pelos jacarés, encontrados em água doce, pelos crocodilos de água
salgada e salobra e os gaviais encontrados nos rios da Índia. Além de escamas
possuem placas córneas revestindo o corpo.

As tartarugas reproduzem-se por meio de ovos terrestres.

As pernas do crocodilo são rejeitadas lateralmente.

ordem testunIdae (CHelonIa)


Representada pelas tartarugas marinhas, os cágados de água doce e os jabutis
terrestres. Seu corpo é envolvido por uma verdadeira concha formada por placas
ósseas reforçadas por placas dérmicas, formando uma carapaça dorsal e um
plastrão ventral. Não há dentes e sim lâminas córneas em forma de bico.
Os ovos são dotados de casca impermeáve e porosa.

carapaça dorsal

plastrão ventral
costela

Os poros permitem trocas gasosas embrião / ambiente

Quelônio

As tartarugas já nascem dotadas de carapaça.

BioGUI11 CPV
120 BIologIa

exerCíCIos 17. Qual é a função da bexiga natatória?

10. (VUNESP) Vertebrados anamniotas, tetrápodes, poiquilotermos,


de respiração branquial durante a vida larvar e pulmonar na fase
adulta, são: 18. O que é opérculo?
a) répteis.
b) mamíferos.
c) anfíbios.
19. Cite duas características dos condricties.
d) aves.
e) peixes.

11. (UF-GO) Um vertebrado que apresenta como características


20. O que são alevinos?
reprodução por fecundação externa, embrião desenvolvido em
ovo sem casca, presença de coluna vertebral, temperatura variável
com o ambiente e coração com três câmaras é classificado como:
a) peixe. 21. Qual a função da linha lateral dos peixes?
b) mamífero.
c) anfíbio.
d) réptil.
e) ave.
22. (FUVEST-SP) Dê quatro caracteres que distinguem os peixes
12. (FUVEST-SP) Qual a importância da respiração cutânea para cartilaginosos dos ósseos.
os anfíbios?

23. (FUVEST-SP) Dos vertebrados abaixo, o único que tem esqueleto


cartilaginoso, sem tecido ósseo, é o:
13. (FUVEST-SP) Assinale a alternativa que contém o vertebrado a) tubarão b) bagre c) sapo
em cujo ciclo de vida ocorre um estágio larvar: d) jacaré e) papagaio
a) tubarão
b) sapo 24. Caracterize, funcionalmente, a bexiga natatória dos peixes ósseos.
c) tartaruga
d) galinha
e) cachorro

14. (UNITAU-SP) Por apresentar um sulco anterior nos dentes 25. (UNISA-SP) Assinale os vertebrados de respiração branquial na vida
inoculadores de veneno, que se localizam na região anterior da adulta:
boca, a coral verdadeira classifica-se como: a) peixes b) anfíbios c) répteis
a) proteróglifa. d) aves e) mamíferos
b) solenóglifa.
c) opistóglifa. 26. (PUC-SP) No coração dos peixes teleósteos adultos:
d) áglifa. a) circulam separadamente sangue arterial e venoso
e) n.d.a. b) circula só sangue arterial
c) circula só sangue venoso
15. (UNICAMP-SP) Indique uma característica importante dos d) misturam-se sangue arterial e venoso
répteis que permite a este grupo de animais ocupar com sucesso e) na aurícula passa sangue arterial
o ambiente terrestre.
27. Observando peixes em seu habitat, verificamos que alguns (A)
nadam continuamente para não afundar, enquanto outros conseguem
se deslocar verticalmente, de baixo para cima, e vice-versa (B). Do
grupo B, alguns soltam bolhas gasosas pela boca (B1), ao se deslocar
na vertical, de cima para baixo, e outros não (B2).
16. (UF-PA) O ovo terrestre foi uma “grande invenção” dos Explique a causa do comportamento diferente dos peixes dos grupos
vertebrados, que assim puderam conquistar o ambiente terrestre. A, B1 e B2.
Essa conquista ocorreu pela primeira vez com:
a) aves. b) répteis. c) anfíbios.
d) peixes. e) mamíferos.

CPV BioGUI11
BIologIa 121

Classes aves e mammalIa


As aves e os mamíferos são evolutivamente
originários de grupos de répteis. Além das
características que distinguem cada um desses
dois grupos, são dotados de uma capacidade
comum extremamente importante e fortemente
responsável por sua distribuição geográfica
quase ilimitada em ambientes terrestres,
aquáticos e aéreos — a homeotermia ou
endotermia.
Os nomes referem-se à capacidade desses
animais regularem a temperatura corporal,
isolando-se termicamente do ambiente, o que
significa que, dentro de certos limites, esses
animais mantêm constante a temperatura do
corpo, apesar das variações da temperatura
ambiente.
Os outros animais não possuem essa capacidade.
São ectotérmicos ou pecilotermos (do grego,
poikilos = variados): a temperatura de seus
corpos tende a acompanhar as variações da
temperatura ambiental. Urso Polar
Os homeotermos são também chamados animais de sangue quente; os pecilotermos são animais de sangue frio.
Lembrando que a vida depende inteiramente de reações químicas, as quais são extremamente sensíveis a variações de temperatura,
fica claro que essa vantagem é preciosa. Animais de sangue quente conseguem manter seu metabolismo maximamente ativado,
em qualquer hora do dia, em qualquer dia do ano. Graças a essa vantagem, puderam ocupar todas as regiões climáticas do planeta,
desde as mais quentes até as mais frias, sendo os únicos animais que conseguem adaptar-se ao clima extremamente frio dos polos.
A endotermia é uma função que consome grande quantidade de energia corporal. Somente animais que atingiram estágios mais
evoluídos de sofisticação fisiológica (aves e mamíferos), conseguem disponibilizar energia suficiente para essa função sem provocar
um “apagão” nas demais funções vitais. Ganhos anatômicos importantes: revestimento térmico composto por camadas de
células adiposas (ricas em gordura) anexadas a revestimentos mais externos de anexos córneos, penas das aves e pelos dos
mamíferos. Os seres ectotérmicos tendem a compensar a falta de capacidade de controle térmico com reações comportamentais.
Como exemplo, podemos citar as cobras do deserto, que saem para se alimentar e acasalar somente nas horas do dia em que a
temperatura é mais amena. Durante boa parte do dia e da noite, tendem a permanecer abrigadas em locais onde a temperatura
é um pouco mais favorável, como tocas cavadas na terra ou buracos e fendas em rochas e barrancos. A própria distribuição
climática dos pecilotermos, com a maioria das espécies concentradas em climas tropicais e subtropicais e raras espécies em
regiões de clima mais extremo, vem provar o quanto são limitados pelo clima.

Gráfico da variação do consumo de oxigênio (índice


da produção de energia) em função da temperatura ambiente.
consumo de O 2

Curva A: animal ectotérmico


Curva B: animal endotérmico

temperatura ambiente

O galo-de-campina (paroaria dominicana)

BioGUI11 CPV
122 BIologIa

Classe aves
tIpos de BICo
As aves são animais comuns e facilmente reconhecíveis, principalmente pelas
penas que revestem externamente seus corpos. O hábito do voo lhes rendeu a
capacidade de se fixarem em habitats pouco frequentados por outros animais.

penas tectrizes
penas
rêmiges genérico pegador de inseto

penas comedor de grãos comedor de sementes


retrizes de coníferas

sugador de nectar comedor de frutas


Falcão Peregrino

Características externas
· os membros anteriores são transformados em asas com uma anatomia
esquelética peculiar;
· o formato geral do corpo, cabeça e tórax, estreitos em relação ao tamanho, em forma de talhadeira mergulha e filtra
facilitam a penetração aerodinâmica;
· as penas são anexos córneos importantes para o voo e a homeotermia; são de
vários tipos e encontram-se estrategicamente distribuídas pelo corpo; de forma
geral, são leves e flexíveis; no tronco há uma plumagem densa, composta por
penas pequenas, capazes de reter uma camada de ar estacionário que dificulta
as trocas de calor com o ambiente; nas asas e na cauda há penas maiores, com pescador de superfície ceifeiro
uma morfologia adaptada para a sustentação aérea e o controle do voo;
· os dentes, típicos da maioria dos vertebrados, são substituídos por um bico
córneo leve, que diminui o peso e aumenta a penetração aerodinâmica; a
ausência de dentes é compensada por características digestivas descritas mais
adiante;
· a pele é seca, desprovida de glândulas, a não ser pela glândula uropigiana,
encontrada em muitas espécies e localizada na extremidade da cauda; o bico é
utilizado para espalhar uma secreção gordurosa pela plumagem, protegendo-a investigador filtrador de alimento
de dessecamento, impermeabilizando o corpo e auxiliando a homeotermia;
as aves aquáticas são particularmente dependentes dessa secreção, para não
afundar devido a uma plumagem encharcada de água.

ráquis barba
pescador aéreo perseguidor de peixe

bárbula

cálamo gancho pescador aéreo de rapina

CPV BioGUI11
BIologIa 123

Características Internas
O esqueleto das aves é formado por
poucos ossos, pois vários componentes são
fundidos. Isso reduz o peso e aumenta sua
resistência a impactos próprios do hábito de
voar. Além disso, os ossos são ocos, muitas
vezes com ar acumulado em seu interior,
saco aéreo
o que reduz significativamente o peso: toráxico
fala-se em esqueleto pneumático. Sobre o quilha
anterior
osso esterno (que une as costelas na região pulmão
brônquio
ventral), há um anexo chamado carena recorrente
ou quilha, que agrupa e dá suporte à forte saco aéreo
musculatura peitoral, principal responsável abdominal Osso pneumático
pelo movimento das asas. em corte

Os pulmões são compactos (não há muito espaço num tórax estreito), anexados às costelas e aos sacos aéreos, verdadeiros
prolongamentos pulmonares que preenchem o espaço entre os órgãos internos do corpo. Além de garantir redução de peso, os sacos
aéreos aumentam a capacidade respiratória e permitem armazenamento de ar. Alguns prolongamentos terminais são encontrados
no interior dos ossos. Na garganta, na base da traqueia, há uma caixa vocal, a siringe, que permite emissão de sons característicos,
importantes para comunicação entre os indivíduos.
Não há bexiga urinária para armazenar a urina, o que
resulta em evidente economia de peso. A urina é pastosa,
esbranquiçada, rica em ácido úrico, permitindo o mesmo
pulmão
padrão de ovo encontrado nos répteis.
esôfago
O tubo digestivo tem uma expansão no esôfago rim
estômago
chamada papo, que armazena e umedece o alimento.
Muitas espécies de aves transportam alimento para
seus filhotes no papo. O estômago é dividido em duas moela
papo
câmaras: o proventrículo, que produz o suco gástrico,
e posteriormente o ventrículo, de paredes musculosas, coração
chamado moela. O alimento sofre trituração por fígado
meio da contração vigorosa das paredes da moela.
pâncreas
O hábito de muitas aves engolirem pequenas pedras e
cloaca intestino
outros objetos duros facilita a função desse estômago
mecânico. Os diversos tipos de bicos permitem muitas
formas de nutrição.
O coração é dividido em quatro cavidades. Os ventrículos direito e esquerdo são completamente separados por um septo ventricular
que não permite a mistura de sangue arterial com venoso no coração. A vantagem é grande, já que o sangue distribuído ao corpo
sai do coração com a máxima carga possível de oxigênio, possibilitando maior disponibilidade de energia.
Os olhos são altamente desenvolvidos, permitindo uma visão extremamente aguçada, importante adaptação para o hábito de voar.
reprodução – Aves são animais dioicos com fecundação interna. Os
ovos têm o mesmo padrão estrutural dos répteis. A postura de ovos facilita
o voo, pois mantém a leveza do corpo das fêmeas durante o período de
desenvolvimento embrionário. As aves têm o hábito de chocar seus ovos,
ou seja, abrigá-los sob seus corpos. Como são animais endotérmicos,
seus ovos se desenvolvem mais rapidamente sob temperatura controlada. As cores dos ovos das aves permitem camuflagem no ambiente.

Desenvolvimento embrionário.

BioGUI11 CPV
124 BIologIa

dIversIdade
Há cerca de 8.700 espécies conhecidas de aves, classificadas em muitas ordens. Para nosso estudo, vamos dividi-las em dois grupos:
· Carenatas – abrange aves com carena e capacidade de voo, incluindo a maioria das espécies; os pinguins são aves
carenatas, embora tenham trocado o hábito de voar pelo de nadar, habilidade que desenvolveram graças a diversas adaptações;
· ratItas – abrange aves sem carena e que não voam, como é o caso do avestruz (encontrado na África), da ema
(típica da América do Sul) e dos quiuis (Nova Zelândia).

Gralha

Kiwi

Coruja

Águia-Pescadora

Arara

Harpia

Pinguim
Pica-pau

Ema

Avestruz

Pardal
tucano

As aves são animais muito “animados”. Basta poucos de minutos de observação para constatarmos quanto seu metabolismo é mais
ativo do que o dos animais já estudados. A riqueza de seus comportamentos (a corte, o acasalamento, a alimentação, a formação
de ninhos, o cuidado com os filhotes, os diversos tipos de voo) demonstram também um progresso intenso do sistema nervoso.
Os ornitólogos, profissionais e amadores, têm a sua disposição uma enorme gama de hábitos alimentares, tamanhos, cores, padrões de
canto e comportamentos natos e apreendidos para o seu estudo. O Brasil é um dos países de maior número e diversidade de espécies.

CPV BioGUI11
BIologIa 125

Classe mammalIa

Os mamíferos surgiram provavelmente há cerca de 200 milhões de anos, a partir de um grupo de répteis: os sauropsídeos. Os
fósseis mais antigos de mamíferos indicam que os primeiros eram pequenos, dotados de vários tipos de dentes, contrastando com
os demais vertebrados. Provavelmente eram insetívoros, de hábitos noturnos, já que os répteis deveriam ser pouco ativos sem o
aquecimento do sol. Com a extinção de grande parte das espécies de répteis, há cerca de 65 milhões de anos, os mamíferos puderam
progredir e expandir sua ocupação geográfica e diversidade de espécies.
Atualmente, ocupam todos os tipos de ambientes: embora sejam predominantemente terrestres, há grupos aquáticos importantes,
como o das baleias, e também estão representados, entre os voadores, pelos morcegos.

Características externas
· o nome mamífero diz respeito à presença de glândulas mamárias, que ocorrem em machos e fêmeas, mas estão desenvolvidas
apenas nas últimas; servem para alimentação dos filhotes, que permanecem dependentes da mãe durante uma média de tempo
bem maior que entre outros animais;
· o corpo é revestido de pelos, anexos córneos importantes para a conservação da temperatura corporal;
· abaixo da derme, há um tecido adiposo que, entre outras funções, também funciona como isolante térmico; as baleias e golfinhos,
por exemplo, não possuem pelagem na superfície corporal (a não ser uns poucos pelos sensitivos), mas são compensados com
uma densa camada de tecido adiposo;
· há vários tipos de glândulas anexas à pele;
· as glândulas sebáceas são encontradas na base do folículo piloso (cavidade que origina e aloja a base dos pelos) e lubrificam
os pelos com sua secreção oleaginosa;
· as glândulas sudoríparas secretam o suor, cuja eliminação tem um importante efeito de refrigeração do corpo;
· as glândulas odoríferas, encontradas em muitas espécies, são produtoras de secreções com odores fortes, úteis para marcar
território ou em situações ligadas à reprodução.

Características Internas
Os mamíferos têm um coração semelhante ao das aves, com quatro cavidades, sendo o lado direito isolado do lado esquerdo,
impedindo completamente a mistura de sangue arterial e venoso. O sangue é dotado de muitas hemácias anucleadas.

Possuem dois pulmões, cada qual contendo conjuntos de microscópicos sacos, chamados alvéolos, de paredes finas e vascularizadas,
onde ocorre a troca de gases entre o ar e o sangue.

Separando o abdômen do tórax, existe uma membrana musculosa importante na renovação do ar pulmonar: o diafragma.

Na boca, há vários tipos de dentes (heterodontes), contrastando com os demais vertebrados, que geralmente são homodontes
(do grego, homo = mesmo, igual). Os hábitos alimentares são muito diversificados, desde os que possuem os dentes bastante
desenvolvidos, como os carnívoros, até os que têm dentes praticamente vestigiais, como o tamanduá.

ESQUEmA DA BOCA DEtAlHE DO DEntE


DO ROEDOR DO ROEDOR

parte
menos
dura,
sem
esmalte

esmalte
(mais duro)
dentes O desgaste
incisivos desigual
mantém
esmalte o dente afiado

BioGUI11 CPV
126 BIologIa

O sistema nervoso desenvolveu-se muito cavidade


em relação a outros vertebrados, fato que, nasal
cérebro
medula intestino
espinhal fígado estômago rim
entre outras coisas, permitiu grande vantagem ureter grosso
diafragma
adaptativa:
cavidade
o aumento da capacidade de aprendizado. oral ânus

Os comportamentos meramente instintivos intestino


narina delgado
presentes em outras classes de animais
são padronizados: diante de determinados
língua
estímulos internos ou externos ao corpo, traqueia
testículo
o animal exibe reações automáticas e esôfago
pâncreas
estereotipadas, com pouca ou nenhuma vesícula uretra
pulmão biliar
possibilidade de variações. bexiga
urinária
Assim, a capacidade de lidar com situações ducto
inusitadas fica bastante limitada. coração deferente baço

Os mamíferos, ao contrário, substituem grande parte dos comportamentos meramente instintivos por comportamentos
apreendidos, o que lhes dá muito mais versatilidade. As novidades não só podem ser superadas como bem acolhidas,
graças a novas formas de comportamento e, consequentemente, adaptações a novas situações e ambientes.

apófises reprodução
espinhosas
ossos do
ossos das das vértebras pescoço Os mamíferos são dioicos, com fecundação interna
costas escápula e desenvolvimento direto.
crânio
sacro A maioria das espécies tem uma bolsa dentro da
qual o embrião se desenvolve: o útero.
pelvis O embrião retira as substâncias necessárias a sua
mandíbula sobrevivência e crescimento diretamente do sangue
fêmur esterno materno, por meio de um novo anexo embrionário:
úmero clavícula a placenta, pela qual passam também os resíduos
fíbula rádio metabólicos do embrião (gás carbônico e excretas),
tíbia costelas ulna que são lançados para o sangue materno.
carpos
Os filhotes são gerados dentro do corpo de um animal
endotermo, melhorando a eficiência reprodutiva e
tarsos rótula reduzindo a necessidade de produzir muitos ovos
metatarsos garras
ossos da para compensar uma mortalidade maior, típica em
metacarpos
falanges cauda grupos com desenvolvimento embrionário externo.

dIversIdade

Os mamíferos possuem diversidade comparável à dos insetos, embora com uma riqueza de espécies bem menor.

Subclasse Prototheria (inclui o ornitorrinco)


Classe Mammalia Subclasse Metatheria (inclui o canguru e o gambá)
Subclasse Eutheria (inclui a maioria dos mamíferos)

CPV BioGUI11
BIologIa 127

suBClasse prototHerIa
Agrupa animais também chamados monotremados, que não possuem placenta e botam ovos. Os únicos representantes conhecidos
são o ornitorrinco e a equidna, que vivem em locais bastante restritos: a Austrália e a Nova Guiné.

Equidna

suBClasse metatHerIa
Inclui os animais dotados de bolsa marsupial, cavidade abdominal
para o interior para a qual o filhote, ainda num estágio imaturo de
embrionação, migra, proveniente do útero materno, cuja placenta
é muito reduzida. Dentro do marsúpio, o embrião completa seu Ornitorrinco
desenvolvimento, nutrindo-se com leite sugado dos mamilos internos.
A maioria das espécies, como os cangurus, encontra-se na Austrália e
na Nova Zelândia, onde originalmente eram os únicos representantes
dos mamíferos. Há espécies americanas, dentre as quais as mais
conhecidas são os gambás e as cuícas, encontrados no Brasil.

PAPUA
nOVA GUinÉ

AUStRÁliA

nOVA
zElÂnDiA
tASmÂniA

Canguru

BioGUI11 CPV
128 BIologIa

suBClasse eutHerIa

Composta por animais dotados de placenta, órgão que permite que o embrião se desenvolva completamente no interior do útero
materno. É o maior grupo em número de espécies e diversidade. Vamos conhecer algumas das ordens mais importantes.

ordem prImata representada pelos lêmures, társios, macacos e pelo homem. Possuem cérebro singularmente desenvolvido.
São dotados de cinco dedos nas mãos e pés, sendo que nas mãos o polegar fica em posição oposta aos demais dedos.

mico-leão-dourado macaco-aranha Gorila

ordem CHIróptera representada pelos morcegos. Possuem os membros anteriores transformados em asas. São dotados de
aparelhos sonoros, que lhes dão capacidade de ecolocação. Geralmente possuem hábitos noturnos, com espécies frugívoras,
insetívoras, carnívoras e hematófagas.

Observe como a onda sonora bate na presa e volta, dando ao


morcego morcego orientação espacial, chamada ecolocação.

CPV BioGUI11
BIologIa 129

ordem CetÁCea: representada por baleias e golfinhos. São aquáticos, quase


sem pelos no corpo, possuem camada adiposa bem desenvolvida. Os membros
anteriores e a cauda foram transformados em nadadeiras; os membros posteriores são
ausentes. As narinas são deslocadas para o alto da cabeça, facilitando a respiração
enquanto nadam. São divididos em 2 grupos:
· odondocetos, dotados de dentes: orcas, golfinhos, botos e cachalote;
· misticetos, não possuem dentes; alimentam-se usando as barbatanas para reter o
alimento, que engolfam com a boca junto com água, expelida para fora da boca
enquanto as barbatanas retêm o alimento em seu interior. Representado pelas
jubartes, baleias brancas e baleia azul, o maior animal vivente, chegando a
medir 30m e pesar mais de 200 toneladas; a baleia azul é uma das espécies
mais ameaçadas de extinção, embora sua população tenha aumentado nas
últimas décadas, graças à moratória de caça às baleias, que ainda impedeque
muitas espécies desapareçam.

ordem sIrenIa: animais aquáticos de água doce ou litorâneos, ordem proBosCIdea: representada pelos elefantes.
como os peixes-boi ou manatis, pacíficos e lentos, alimentam-se de O nariz e o lábio superior formam um prolongamento
vegetação subaquática. A maioria das espécies está seriamente característico: a tromba. Atualmente, são os maiores animais
ameaçada de extinção, devido ao desaparecimento de seu habitat
ou à caça excessiva. Há espécies exclusivamente amazônicas. terrestres, juntamente com as girafas.

manati Elefante

ordem perIssodaCtyla: agrupa animais dotados de casco, com número ímpar de dedos: rinocerontes, antas, cavalos e zebras.

Rinoceronte Anta

ordem artIodaCtIlos: agrupa animais dotados de casco, com número par de ordem rodentIa: agrupa os animais
dedos (terceiro e quarto; os demais são vestigiais ou ausentes); representada por bois, com dentes incisivos bem desenvolvidos,
porcos, hipopótamos, cabras, camelos, lhamas, cervos, girafas. Juntamente com os adaptados para roer, como capivaras,
Perissodactylos, formavam a antiga ordem Ungulata, dos animais dotados de casco. castores, ratos, chinchilas etc.
Capivara

Veado Camelo Antílope africano

BioGUI11 CPV
130 BIologIa
exerCíCIos 41. Faz casaco de jaguar
Sapato de jacaré
28. Cite as adaptações do corpo das aves para o voo. Com a caça proibida
O caçador faz o que quer
29. O que são ossos pneumáticos?
Acima, temos o refrão de uma música, conhecida pelos amantes do samba
30. Quais são as partes do estômago das aves? devido à sua ligação com o carnaval brasileiro. Os nomes destacados
ajustam-se, respectivamente, aos seguintes termos:
31. (UF-RS) As aves em geral apresen tam uma glândula a) carnívoro, ovíparo e primata
que produz uma secreção gordurosa, com a função de b) cordado, vivíparo e carnívoro
lubrificar ou imper-meabilizar as penas. A denominação c) vertebrado, primata e mamífero
específica dessa glândula é: d) protocordado, carnívoro e omnívoro
a) uropigeana b) sebácea e) felino, invertebrado e cordado
c) sudorípara d) endócrina 42. (MACk-SP) Assinale a alternativa que indica apenas mamíferos:
e) de secreção mista
a) baleia, gambá, tubarão b) baleia, morcego, peixe-boi
32. Assinale com (A) aqueles organismos que possuem c) peixe-boi, lagartixa, tubarão d) gambá, lagartixa, morcego
sistema circulatório aberto e com (F) os que possuem e) cavalo-marinho, boi, cão
sistema circulatório fechado.
43. (FUVEST-SP) Um grupo de estudantes visitou o jardim zoológico
a) aves ( ) b) anfíbios ( ) e o professor pediu que classificassem, em suas respectivas ordens,
c) peixes ( ) d) insetos ( ) os seguintes mamíferos: anta, paca, tamanduá, macaco e gambá.
33. Cite 3 estruturas exclusivas dos mamíferos. A classificação correta é, respectivamente:
a) ungulado, marsupial, roedor, edentado e roedor
34. (FUVEST-SP) Faltam nas hemácias dos mamíferos e b) ungulado, roedor, edentado, primata e marsupial
estão presentes nas hemácias dos demais vertebrados. c) marsupial, roedor, edentado, primata e ungulado
De que se trata? d) roedor, primata, ungulado, edentado e marsupial
e) roedor, ungulado, marsupial, primata e edentado
35. Em que classe de animal encontramos homeotermia e
44. (MAUÁ-SP) Quais as duas grandes classes de animais homeotermos?
placenta?
45. (UNICAMP-SP) Em relação ao peixe-boi, o padre Fernão Cardim escreveu,
36. Das frases abaixo, quais são verdadeiras? por volta de 1625:
I. Os mamíferos aquáticos precisam vir à tona para “Este peixe é nestas partes real, o estimado sobre todos os demais peixes (...)
respirar e os peixes não precisam. tem carne toda de fibras, como a de vaca (...) e também tem toucinho (...) sua
II. Na respiração, tanto de peixes quanto de mamíferos cabeça é toda de boi com couro e cabelos, (...) olhos e língua”.
aquáticos, há absorção do oxigênio que se encontra No trecho acima, identifique a única palavra que permite reconhecer, sem
dissolvido na água. dúvida, o peixe-boi como sendo um mamífero.
III. Os órgãos respiratórios da maioria dos peixes são as
brânquias e, dos mamíferos aquáticos, os pulmões. 46. (FUVEST-SP) Cite três características de mamíferos não localizadas no
IV. Tanto em peixes quanto em mamíferos aquáticos, esqueleto.
após a hematose, o sangue arterial vai diretamente
47. (UnB-DF) Sobre os mamíferos, é correto afirmar que:
dos órgãos respiratórios para o restante do corpo sem 00. são homotermos.
passar pelo coração. 01. apresentam fecundação e desenvolvimento interno do embrião.
37. Complete: As glândulas uropigeanas das aves podem 02. apresentam comportamento estereotipado, não havendo o aprendizado
ser comparadas às glândulas dos do filhote com os pais.
mamíferos. 03. são animais essencialmente terrestres.
04. o ornitorrinco é o mamífero mais primitivo.
38. (UF-MG) Os mamíferos são, sem sombra de dúvida, Soma das proposições corretas:
os animais mais evoluídos da Terra, conquistando
todos os ecossistemas e apresentando uma variedade 48. (FUVEST-SP/2016) Nos mamíferos, o óvulo é uma célula que constitui o
impressionante de formas. No entanto, existe um gameta feminino.
mamífero primitivo que, como répteis e aves, possuem Nas fanerógamas (gimnospermas e angiospermas), denomina-se óvulo a
cloaca e botam ovo. Assinale abaixo este mamífero: estrutura multicelular que contém o gameta feminino.
Em mamíferos e fanerógamas, o resultado da fecundação normal quanto ao
a) baleia b) foca c) canguru número de conjuntos cromossômicos é
d) peixe-boi e) ornitorrinco
Mamíferos Fanerógamas
39. (UNICAMP-SP) Explique uma diferença fisiológica a) embrião diploide embrião diploide + tecido de reserva diploide ou triploide
básica entre o sistema circulatório de um inseto e o de b) embrião diploide embrião triploide + tecido de reserva triploide
um vertebrado.
c) embrião diploide embrião triploide + tecido de reserva diploide
40. Dos animais abaixo, o que tem fecundação e d) embrião triploide embrião diploide + tecido de reserva diploide ou triploide
desenvolvimento internos é: e) embrião triploide embrião diploide ou triploide + tecido de reserva triploide
a) carpa b) sapo c) jacaré Obs: a FUVEST anulou essa questão, pois, para que a alternativa A seja verdadeira, seria
d) galinha e) cavalo necessário retirar dela a citação de um endosperma diploide.

CPV BioGUI11
BIologIa 131

n utrição e digestão
Introdução
As diferentes substâncias necessárias à construção e
manutenção dos seres vivos são chamadas de nutrientes.
Os organismos autótrofos podem produzir nutrientes
orgânicos a partir de matéria inorgânica retirada do
ambiente.
Os organismos clorofilados (vegetais e algumas bactérias)
realizam a fotossíntese.
Algumas bactérias produzem moléculas orgânicas por
meio da quimiossíntese.
Os organismos heterótrofos (animais, fungos e a maioria
das espécies de bactérias) conseguem o alimento através
da ingestão de outros seres vivos.
Por isso, precisam resolver um problema bioquímico. As células produzem, cada qual, seu próprio repertório de grandes moléculas
orgânicas, como as proteínas, os polissacarídeos, os lipídios e os ácidos nucleicos.
De modo geral, essas grandes moléculas serão utilizadas na construção dos componentes celulares e armazenadas como reservas
estratégicas.
Para sua produção, as células precisam receber as moléculas orgânicas unitárias usadas como os blocos fundamentais nesse
processo de construção bioquímico.
Por exemplo, para a construção de proteínas, as moléculas unitárias são
os aminoácidos; o glicogênio (polissacarídeo) é composto de muitas
moléculas de glicose; muitos lipídios (como os presentes na membrana
plasmática) são compostos de várias moléculas de ácidos graxos.
Quando um heterótrofo ingere o corpo de outro organismo, encontra
grandes moléculas orgânicas, quando na verdade necessita de
moléculas unitárias para que suas células possam produzir suas
próprias macromoléculas.
Precisa quebrar essas macromoléculas em seus componentes
unitários para garantir o suprimento das células. Essa quebra é o
que chamamos de digestão.

as enzImas dIgestIvas
A digestão é realizada através de reações químicas, que devem ocorrer na água, e são catalisadas por enzimas. Por isso, recebem
o nome genérico de hidrólise (do latim, hidro = água; lise = quebra) enzimática.
Como as enzimas são específicas (propriedade chave-fechadura) e sua eficiência é fortemente influenciada por alguns fatores
(temperatura e pH), a capacidade digestiva de um organismo está ligada tanto à diversidade das enzimas produzidas como também
à sua capacidade de propiciar as melhores condições para a atuação das mesmas.

enzima
 

H 2O

BioGUI12 CPV
132 BIologIa

o tuBo dIgestIvo
Os animais desenvolveram o tubo digestivo, que consiste,
em princípio, num tubo especializado na hidrólise enzimática
dos alimentos ingeridos. Ao longo de sua evolução, a eficiência
da digestão melhorou graças a aquisições anatômicas e fisiológicas
que aumentaram a diversidade enzimática e as condições de controle
do ambiente físico e químico que interferem nas reações de digestão.

as neCessIdades alImentares
Embora todos os organismos necessitem dos mesmos grupos de
alimentos, a saber: água e sais minerais (classificados como nutrientes inorgânicos)
além de carboidratos, lipídios, proteínas, ácidos nucleicos e vitaminas (classificados
como nutrientes orgânicos), há necessidades específicas quanto à qualidade e à
quantidade desses nutrientes para os diferentes organismos. Assim, por exemplo,
animais como os ursos precisam de uma ingestão muito maior de gorduras do
que os sapos, assim como alguns animais utilizam quantidade maior de
metionina (um tipo de aminoácido) do que outros. A dieta (conjunto de
alimentos ingeridos por um organismo) deve, assim, obedecer a essas
necessidades específicas que, por sua vez, são determinadas por fatores
genéticos (próprios da espécie) e ambientais.

nutrIentes naturaIs e essenCIaIs


Os organismos heterótrofos podem, muitas vezes, obter um nutriente
específico a partir da transformação química de outro nutriente. Por
exemplo, muitos animais podem transformar carboidratos em gordura.
Mas essa capacidade é limitada, ou seja, há nutrientes que não podem
ser obtidos de qualquer outra forma a não ser através da dieta.
Os nutrientes que podem ser produzidos pelo próprio organismo são chamados
naturais. Aqueles que não podem ser produzidos pelo organismo e têm como
fonte exclusiva a dieta são chamados essenciais.
A lista de nutrientes essenciais e naturais varia conforme a espécie, ou seja, aquilo que é natural para indivíduos de uma espécie
pode ser essencial para indivíduos de outras.

ClassIfICação funCIonal dos nutrIentes


Os diferentes tipos de alimentos desempenham diferentes funções. De modo geral, podemos resumir as funções dos alimentos em 2 grupos:
· os alimentos energéticos são preferencialmente utilizados como fonte de energia para o funcionamento das células; são
principalmente os carboidratos e os lipídios;
· os alimentos de função plástica ou estrutural são aquelas moléculas utilizadas como matéria prima para a construção dos
componentes da matéria viva; são principalmente as proteínas.
Mas não devemos considerar essa classificação dos alimentos como rígida, pois muitos nutrientes podem desempenhar tanto
função energética como estrutural, sendo aproveitados de acordo com as necessidades mais prementes do organismo num dado
instante. Por exemplo, em momentos de fome aguda, uma pessoa pode aumentar o consumo de proteínas como fonte de energia.
Para que um indivíduo possa sobreviver normalmente, sua dieta deverá conter todos os nutrientes energéticos e estruturais em
quantidade e qualidade adequadas para sua espécie e fase de vida. Se houver deficiência alimentar prolongada, suas funções serão
prejudicadas e sua sobrevivência e reprodução serão comprometidas.
Os animais podem ser classificados de acordo com sua fonte habitual de alimentos:
· os herbívoros são especializados em comer vegetais;
· os carnívoros comem outros animais;
· os onívoros (do latim, omnis = tudo) alimentam-se tanto de vegetais como de outros animais.

CPV BioGUI12
BIologIa 133

Comer Bem não é Comer muIto legumes e verduras

Como deve ser uma dieta saudável? Ela deve conter os


alimentos em quantidade e qualidade adequados para frutas
suprir as necessidade energéticas e estruturais de uma
pessoa. Para entendermos melhor esse assunto, vamos
analisar alguns detalhes.

Do ponto de vista energético, um homem adulto jovem


gasta cerca de 1600 kcal por dia para manter suas
funções mínimas de sobrevivência (taxa metabólica
basal). Essas funções mínimas são respiração, digestão,
circulação etc.. Mas é claro que ele também realiza outras
atividades, inerentes ao dia a dia de cada um. Calcula-se
azeite
que uma pessoa de hábitos sedentários consome cerca
de 2000 kcal diariamente. Para um atleta ou trabalhador
braçal, esse valor poderá chegar a mais de 6000 kcal.
Esta é a taxa metabólica total.
água
carboidratos
Quando a ingestão de alimentos calóricos (normal-
mente utilizados como fonte de energia) ultrapassa o
leite e derivados
consumo, seu excesso deverá ser armazenado sob a
forma de duas categorias de substâncias: cereais
carnes

· glicogênio, um polissacarídeo produzido pelo fígado a partir do excesso de carboidratos ingeridos no período de um dia;

· quando uma pessoa ingere alimentos gordurosos em excesso, costuma aumentar de peso, já que o excesso é armazenado sob a
pele, no chamado tecido adiposo, entre os órgãos e na superfície da musculatura; o aumento exagerado das reservas de gordura
leva à obesidade e pode provocar doenças como hipertensão arterial, problemas ligados à sobrecarga do esqueleto, como dores
na coluna vertebral, desgaste prematuro das juntas como os joelhos, além de outros problemas.

Uma dieta equilibrada deve conter os componentes nutricionais essenciais em proporções adequadas, que são variáveis de
acordo com: a idade, o tipo e a intensidade das atividades diárias, fatores genéticos e fatores ambientais (como o clima).
De forma geral, os especialistas preconizam que uma dieta equilibrada
deve ser composta de:
· 60% de carboidratos;
· 25% de proteínas;
· 15% de gorduras.
Claro que esquimós devem ter uma dieta mais rica em gorduras do que
a de pessoas que vivem em climas mais quentes. Esse é um exemplo
do quanto essas proporções são genéricas.
Outro aspecto nutricional importante diz respeito às vitaminas,
nutrientes essenciais que não possuem função energética ou estrutural.
Geralmente são cofatores enzimáticos cuja carência introduz disfunções
metabólicas específicas, chamadas avitaminoses.
Dependemos de uma grande diversidade de vitaminas para que o
organismo possa ter um funcionamento equilibrado.
Como as fontes de vitaminas são diversificadas, a nossa dieta deve
conter uma diversidade de alimentos que nos propicie uma ingestão
minimamente suficiente de todas elas.
Veja a seguir uma relação das vitaminas, suas principais fontes e os principais problemas causados pela deficiência de cada uma.

BioGUI12 CPV
134 BIologIa

vitamina fonte função deficiência


Lipossolúvel Frutos e vegetais amarelos, Essencial para a manutenção Cegueira noturna; queratinização
A vegetais folhosos verdes, óleo de do epitélio normal; síntese de do epitélio dos tratos respiratório,
fígado de peixe, leite, manteiga, rodopsina para a visão noturna digestivo e geniturinário e nos
ovos olhos (lesão no ducto nasolacrimal
pode levar a infecção ocular
[xeroftalmia] e cegueira)

D Exposição à luz solar, óleo de Facilita a absorção de cálcio e Raquitismo na criança;


fígado de peixe fósforo no intestino; utilização osteomalácia no adulto
do cálcio e fósforo no
desenvolvimento do osso

E Alface, trigo integral, espinafre, Antioxidante; essencial para a Esterilidade nos ratos; nenhum
vegetais e plantas oleosas reprodução nos ratos; nenhuma efeito conhecido na espécie
função definida foi determinada humana
na espécie humana

K Fígado, repolho, espinafre, tomate Síntese de protrombina pelo fígado Mecanismo de coagulação
e outros fatores de coagulação sanguínea deficiente
sanguínea

Hidrossolúvel Cereais integrais granulosos, Coenzima no metabolismo Beribéri (degeneração neural


B1 (tiamina) ovos, bananas, maçãs e carne dos glicídios sob a forma de periférica levando a atrofia
de porco pirofosfato de tiamina muscular e insuficiência
cardíaca)

B2 (riboflavina) Fígado, carne, leite, ovos, frutas Constituinte de duas coenzimas Queilose (rachaduras nas
(FMN, FAD) envolvidas nas comissuras labiais); lesões de
reações de oxirredução córnea

B6 piridoxina Cereais integrais granulosos, Coenzima (sob a forma de fosfato Dermatite; irritabilidade;
cogumelos, leite, ovos, peixe, de piridoxal) no metabolismo dos convulsões nos lactentes
fígado aminoácidos

Niacina Fígado, peixe, tomate, cogumelos, Constituinte de duas coenzimas Pelagra (lesões cutâneas,
amendoim, manteiga (NAD, NADP) envolvidas nas diarreia, demência)
reações de oxirredução

B12 Fígado, rins, leite, ovos, queijo Maturação dos eritrócitos Anemia perniciosa

Ácido pantotênico Gema de ovo, carne-seca, rins, Um constituinte da coenzima A Fadiga; coordenação deficiente
leite desnatado, cogumelos

Ácido fólico Vegetais frescos de folhas verdes, Coenzima na transferência de Anemia macrocítica
fígado grupos de um carbono
Anatomia e Fisiologia Humana, Jacob Francone Lossow

Biotina Fígado, ovos, leite; sintetizada Coenzima servindo como Fadiga; depressão; náusea;
pelas bactérias no trato intestinal transporte de dióxidos de carbono dermatite; dores musculares
para as reações de carboxilação na
síntese dos ácidos graxos

C (ácido ascórbico) Frutas cítricas, tomates, vegetais Hidroxilação da prolina na síntese Escorbuto (extrema fraqueza,
verdes, batata de colágeno e outras reações de edema e hemorragia gengival,
hidroxilação cicatrização demorada de feridas,
hemorragias subcutâneas, ossos
fracos)

CPV BioGUI12
materIal
BIologIa 135
paraleItura

a fome dIgestão nos grupos anImaIs


A espécie humana está entre os animais onívoros, Nas esponjas o alimento é digerido no interior das células (digestão intracelular).
o que nos proporciona grande versatilidade Em todos os demais grupos de metazoários, a digestão é, ao menos parcialmente, realizada
alimentar. Apesar disso, a fome ainda é uma fora das células (digestão extracelular), em uma cavidade do corpo cujo revestimento interno
das principais causa de mortalidade no planeta. possui células que secretam enzimas digestivas. Os nutrientes liberados pela digestão são
Mas a questão da assimilados e utilizados pelas células do corpo.
fome não é mais um Em celenterados e platelmintes, a cavidade digestória tem a forma de uma bolsa, com apenas
simples problema de um orifício de acesso, a boca, que serve tanto para a ingestão dos alimentos como para a
aumentar a produção eliminação dos resíduos não aproveitados. Nesse caso, o sistema digestório é incompleto.
de alimentos. Dados
da ONU revelam que O restante dos metazoários apresenta um tubo digestório provido de boca e ânus, designado
a produção global como sistema digestório completo. Esse tubo é dividido em várias regiões especializadas,
de alimentos no que podem variar conforme o grupo, de acordo com sua posição evolutiva e com seus hábitos
século XX atingiu alimentares específicos. Observe, a seguir, uma descrição geral dessa divisão.
um patamar suficiente Boca — normalmente possui elementos ligados à captura, trituração inicial e digestão do
para garantir a todas alimento. Nos vertebrados, com exceção das aves, ocorrem dentes que facilitam tanto a
as pessoas uma dieta captura como a trituração. As glândulas salivares produzem a saliva que, eliminada na boca,
adequada. pode exercer muitas funções, além de umedecer e facilitar a passagem do alimento para as
O problema é a má distribuição desses alimentos, partes mais internas do tubo. Em mamíferos, algumas aves e alguns anfíbios, a saliva contém
fato que está intimamente ligado à distribuição enzimas digestivas. A língua dos vertebrados pode ser útil na captura (camaleões) e deglutição
de riquezas que, como sabemos, é perversa. dos alimentos, além de ajudar na fonação.
Enquanto alguns chegam a desenvolver doenças faringe — após a boca vem a faringe, que conduz o alimento até a próxima região.
por excesso de ingestão de alimentos, muitos Em alguns animais, a faringe é dotada de músculos que permitem sugar alimento.
outros estão doentes porque, ao contrário, não
esôfago — é uma região tubular que conduz o alimento até o estômago. Em alguns
contam com uma dieta minimamente suficiente.
animais, como minhocas, insetos e aves, ocorre uma dilatação esofágica chamada papo,
Uma boa nutrição não deve levar em conta apenas que pode armazenar o alimento, ao mesmo tempo que o amolece e o umedece. Os animais
o metabolismo energético. O indivíduo deve providos de papo podem ingerir rapidamente grandes quantidades de alimento e processá-los
ingerir uma diversidade de nutrientes estruturais posteriormente ou repassá-los para seus filhotes, como o fazem muitas aves.
e vitaminas adequados à sua fase de vida.
estômago —
Uma criança em fase de crescimento tem maior é uma dilatação
necessidade de nutrientes estruturais do que um que, além de
adulto normal, que já não cresce mais e tem secretar sucos
uma demanda estrutural restrita à regeneração digestivos,
narina cérebro
das células perdidas no dia a dia. As crianças pode também
têm no leite, por exemplo, uma ótima fonte de armazenar
nutrientes essenciais, inclusive de proteínas, alimentos. língua
que são muito importantes para a formação de Em minhocas,
novos tecidos. crocodilianos e glote coluna vertebral
Em muitos países pobres, as crianças apresentam aves, o estômago
tubo nervoso
taxas razoáveis de nutrição e crescimento divide-se em dois
enquanto são amamentadas por suas mães. compartimentos, traqueia esôfago
Quando são desmamadas, muitas vezes não um químico e vértebras
outro mecânico, pulmão
encontram fontes alternativas de proteínas e de
outros nutrientes essenciais e passam a sofrer de chamado moela. proventrículo
distúrbios típicos da desnutrição infantil. Dotada de parede testículos
musculosa, suas rim
Na África e em outras regiões pobres do mundo, fortes contrações duto glândula
reto
as mães prolongam a amamentação além do ajudam a triturar siri
nge deferente uropigial
período habitual para evitar que seus filhos ureter
o alimento.
fiquem desnutridos. Entretanto, quando ficam Muitos animais
grávidas novamente, o irmão mais novo, ao ingerem pedras
nascer, ganha prioridade na amamentação, para aumentar
aumentando o risco do irmão mais velho cloaca
a eficiência da
padecer de doenças ligadas à desnutrição. Esse moela. papo
quadro, conhecido pelo nome de origem africana intestino
coração
kwashiorkor, produz graves consequências para ceco pâncreas
a criança, que se torna presa fácil de diversas fígado vesícula biliar
doenças, como sarampo, disenterias, pneumonia, quilha moela
tuberculose e muitas outras.
Galo doméstico; estrutura interna.

BioGUI12 CPV
136
materIal
BIologIa
para leItura

Os ruminantes são mamíferos cujo estômago é dividido em quatro compartimentos: rúmen ou pança, barrete ou retículo,
folhoso ou omaso e coagulador ou abomaso. Essa especialização garante melhor aproveitamento da massa vegetal que ingerem.
O alimento é rapidamente mastigado e deglutido, chegando ao rúmen, onde há uma grande quantidade de microorganismos que
produzem uma enzima capaz de hidrolizar a celulose: a celulase. O alimento já misturado com os microorganismos e sua enzima
é regurgitado de volta para a boca, onde é lentamente mastigado. Com as fibras mais trituradas e misturadas com a celulase, o
alimento é novamente engolido, passando diretamente para o barrete, onde os microorganismos continuam a se multiplicar e a agir
sobre a celulose. Aos poucos, a massa alimentar vai sendo transferida para o folhoso e coagulador, onde sucos digestivos farão a
digestão de proteínas, atacando inclusive os próprios microorganismos que fornecem aminoácidos e várias vitaminas.
intestino omaso

1 a deglutição

esôfago

regurgitação

2 a deglutição

rúmen abomaso retículo

Esquema do trajeto do alimento nos ruminantes.

Intestino — é a porção final do tubo digestivo, que vai do estômago até o ânus. É a região onde ocorre o final da digestão e a maior
parte da absorção dos nutrientes. Em animais como anfíbios, répteis e aves, o final do intestino encontra as porções terminais dos
canais urinário e genital, que se unem na bolsa chamada cloaca. Em outros animais, como os mamíferos, esses canais apresentam
aberturas independentes.

tubo digestivo

duto reprodutor

ânus
ânus
cloaca duto reprodutor

duto excretor duto excretor


Representação esquemática de ânus e de cloaca.

CPV BioGUI12
BIologIa materIal
137
para leItura

Em peixes, existem especializações para aumentar a superfície de absorção, compensando o pequeno comprimento do intestino.
Nos condricties, são típicas as válvulas espirais; nos osteícties, há ramificações de fundo cego, chamadas cecos pilóricos.

sIstema dIgestórIo nos osteíCtes

crânio medula espinhal

cérebro espinha neural

nervo olfativo coluna


rim vertebral
bulbo olfativo

estômago
brânquia
bexiga de ar
língua

coração segmento muscular


abertura
urogenital
esôfago
bexiga urinária
fígado
ânus
cecos pilóricos baço intestino
ovos

sIstema dIgestórIo nos CondrICtIes


lobo hepático artéria
duto de Wolff aorta direito epibranquial
dorsal
oviduto aorta dorsal
medula
rim ovário lateral
glândula retal esôfago
cérebro artéria
orbital

boca
(ventral)
cloaca válvula faringe
espiral coração
região pilórica fendas
reto intestino do estômago branquiais
aorta na faringe válvula espiral
ventral
estômago

intestino do tubarão, aberto, mostra a válvula espiral.

glândulas anexas — muitos grupos animais são dotados de glândulas que secretam seus produtos para o tubo digestório,
garantindo um aumento no repertório de enzimas digestivas e a regularização das condições de digestão. São as glândulas
salivares, ligadas à boca; o hepatopâncreas, existente em moluscos e artrópodes; o fígado e o pâncreas, que lançam seus sucos
(respectivamente bile e suco pancreático) no intestino dos vertebrados.

BioGUI12 CPV
138 BIologIa

dIgestão Humana

O tubo digestivo humano pode ser dividido nas seguintes regiões:

· boca;
· faringe; glândulas
· esôfago; língua salivares
· estômago;
dentes faringe
· intestino delgado e
epiglote
· intestino grosso.

glândula salivar B
(parótida)

bolo
língua alimentar
glândula salivar
(sublingual) faringe

glândula salivar
(submandibular)

esôfago

fígado

estômago
vesícula camada muscular interna
biliar (fibras circulares)

pâncreas

intestino
delgado

intestino C
grosso
serosa
(revestimento
apêndice externo)
cecal reto mucosa
(revestimento submucosa
camada muscular externa
interno) (fibras longitudinais)
ânus

A. Sistema digestório humano


B. Fases do deslocamento do bolo alimentar ao longo do tubo digestivo, impulsionado pelas ondas peristálticas (setas).
C. Camadas de tecidos da parede do tubo digestivo de um vertebrado.

CPV BioGUI12
BIologIa 139

dIgestão na BoCa
Na boca, o alimento é triturado em pedaços menores, através 3 o molar (17 a 22 anos)
úvula (dente do juízo)
da mastigação, realizada pelos dentes e língua. Enquanto
ocorre a trituração, o alimento é insalivado, ou seja, é 2 o molar (12 a 13 anos)
misturado com a saliva. Após algum tempo, já triturado e 1 o molar (6 a 7 anos)
insalivado, o alimento ganha a consistência adequada para
2 o pré-molar (11 anos)
ser deglutido e é então pressionado pela língua contra o
palato superior (céu da boca) e enviado para a faringe. Nesse 1 o pré-molar (11 anos)
estágio, a massa de alimentos chama-se bolo alimentar. Canino (11 anos)
A saliva é produzida pelas glândulas salivares. Possuímos Incisivo lateral (8 anos)
três pares de glândulas salivares: parótida, submandibular e Incisivo central (7 anos)
sublingual. Juntas, elas produzem de 1 a 1,5 litros de saliva Dentição definitiva.
diariamente. A secreção salivar contém água, muco (para
lubrificar o alimento e proteger os tecidos internos da boca),
sais (que regularizam o pH mantido levemente ácido em amargo
torno de 6,7) e a enzima digestiva ptialina (amilase salivar)
que digere amido (polissacarídeo) em maltose (dissacarídeo).
A língua possui várias papilas gustativas, onde se encontram
azedo
células sensoriais responsáveis pela percepção das quatro
modalidades de sabores: doce, azedo, salgado e amargo. papilas

Cáries — O acúmulo de restos de comida entre os dentes papilas


estimula a proliferação de bactérias na boca. O açúcar é
particularmente eficiente em acelerar a multiplicação dessas sulco mediano
bactérias, que podem acabar formando as placas bacterianas
sobre os dentes. Essas bactérias produzem ácidos que salgado
corroem o esmalte dos dentes, provocando as conhecidas
lesões. Evitar uma dieta muito rica em açúcares e fazer uma
doce
escovação adequada após cada refeição são as melhores
maneiras de se evitar as cáries.

faringe e esôfago — A faringe é uma passagem para o esôfago em que encontramos também a laringe, porção inicial do
trato respiratório. Durante a deglutição, a laringe é bloqueada através de movimentos reflexos (automáticos), que puxam-na para
cima e para frente, até que sua abertura (glote) seja bloqueada por um prolongamento carnoso situado junto à base inferior da
língua: a epiglote. Esse mecanismo evita a entrada de alimentos no trato respiratório. Quando esse mecanismo falha por algum
motivo, havendo entrada de sólidos ou líquidos na laringe, engasgamos, ou seja, desencadeia-se a ação reflexa de espasmos do trato
respiratório (tosse) para expulsar os alimentos da traqueia. Após atravessar a laringe, o bolo alimentar chega ao esôfago, um tubo
musculoso de aproximadamente 25 cm de extensão que fica atrás da traqueia, passando pelo diafragma até chegar ao estômago.

A B palato C
mole

alimento
língua
faringe epiglote esôfago
epiglote fechando
a traqueia
traqueia

(A) Durante a deglutição, músculos do pescoço elevam a laringe (o “pomo-de-adão”), fazendo com que a abertura que conduz ar à traqueia (glote) seja
bloqueada (B) por uma peça cartilaginosa, a epiglote. (C) Após a passagem do alimento para o esôfago, a laringe abaixa, abrindo novamente a glote.

BioGUI12 CPV
140 BIologIa

peristaltismo
A musculatura do esôfago movimenta-se em ondas que produzem o peristaltismo (do grego, peristaltikos = estreitando,
comprimindo), movimento característico que se estende por toda a extensão do tubo digestório, empurrando o alimento desde o
esôfago até o reto (trecho final do intestino) num efeito semelhante ao de seus dedos comprimindo um tubo de pasta de dentes.
dIgestão no estômago
Localizado logo abaixo da caixa torácica, o estômago possui paredes musculosas e elásticas. Quando vazio, tem a forma de um
“J”. Quando cheio, distende-se, assumindo um aspecto arredondado.
Além de armazenar e misturar o alimento, a mucosa interna do estômago também produz um suco digestivo: o suco gástrico,
que tem em sua composição química: água, muco protetor da parede interna, ácido clorídrico (HC, para manutenção do pH em
torno de 2) e as enzimas pepsina e renina.
Na entrada do estômago, há uma passagem estreita (um esfíncter), envolvida por músculos circulares que funcionam como uma
válvula de controle de entrada do alimento: a cárdia.
Na saída do estômago para o intestino, há outro esfíncter: o piloro, que controla a passagem do alimento para o intestino.
O bolo alimentar desce pelo esôfago, pressiona a cárdia, que se abre, permitindo a entrada do alimento para a cavidade estomacal.
A secreção do suco gástrico se inicia e o alimento é atacado pelas enzimas digestivas.
A pepsina produz a hidrólise das proteínas em peptídeos menores (oligopepetídeos) que, somente no intestino, serão finalmente
quebrados em aminoácidos. Esta enzima é lançada na cavidade estomacal ainda na forma inativa chamada pepsinogênio que,
mediante a presença de ácido clorídrico, será finalmente transformada em pepsina (forma ativa).

loCalIzação e anatomIa do estômago

Regiões
Esôfago
cardia

piloro
corpo
músculo liso
circular
antro
músculo liso
oblíquo
músculo liso
lumen
Duodeno longitudinal
rugas

serosa
esfincter
pilórico

fígado glândulas gástricas


estômago mucosa
musculatura da mucosa
intestino grosso

intestino submucosa veias


delgado
músculo liso oblíquo

muscular músculo liso circular


reto

ânus músculo liso longitudinal


serosa tecido conjuntivo
Posição anatômica dos órgãos do sistema digestório.
peritônio visceral

CPV BioGUI12
BIologIa 141

A renina é produzida em grandes quantidades em recém-nascidos e está ligada à coagulação das proteínas do leite, o que aumenta o
tempo de sua permanência no estômago, facilitando sua digestão. À medida que crescemos, a produção dessa enzima se reduz bastante.
Após permanecer até quatro horas no estômago, o alimento em estado semilíquido e acidificado (quimo) é gradativa e lentamente
liberado para o intestino, graças a movimentos alternados de abertura e fechamento do piloro.
Além de ativar as enzimas digestivas, o pH ácido do suco gástrico tem efeito antimicrobiano, eliminando ou inibindo a multiplicação
de microorganismos perigosos ingeridos com o alimento. O muco secretado pelas glândulas da parede estomacal protege o
tecido epitelial contra a ação do suco gástrico, mas não impede que haja uma intensa descamação desse tecido, cujas células são
constantemente regeneradas. A cada três dias, aproximadamente, o epitélio estomacal é completamente renovado.
o vômito
Ocorre em situações em que o estômago recebe fatores irritantes, como por exemplo comida deteriorada ou álcool em excesso, e
visa eliminar esses mesmos fatores. O sistema nervoso provoca fortes contrações da musculatura abdominal e da própria parede
estomacal, obrigando o conteúdo estomacal a subir pelo esôfago e sair pela boca.
IntestIno delgado
Chegando a apresentar até 6,5m de comprimento, o intestino delgado vai desde o piloro até o início do intestino grosso. Acomoda-
se na cavidade peritonial por meio de dobramentos e circunvoluções. É dividido em três porções:
· duodeno, assim chamado por apresentar um comprimento
anatomIa do fígado
de mais ou menos doze dedos;
· jejuno, a porção mais extensa, com cerca de 5 m;
ViStA AntERiOR veia cava
· íleo, a parte final, com cerca de 1,5 m de comprimento. ligamento
inferior
falciforme
No duodeno há grande atividade digestiva, pois, além do
suco entérico, produzido pelas células da parede interna
do próprio intestino, o fígado e o pâncreas lançam suas
secreções digestivas nessa região.
fígado lobo esquerdo
lobo direito
Maior órgão do corpo, localiza-se do lado direito do abdômen,
logo abaixo do diafragma, e produz uma rica secreção
chamada bile.
Na sua face inferior, há um pequeno órgão anexo, a vesícula ligamento
biliar, que recebe e armazena a bile proveniente do fígado teres
e a lança para o duodeno por meio do canal colédoco (veja
vesícula biliar
a ilustração na página seguinte).
ViStA intERnA
Os principais componentes da bile são:
veia hepática aorta
· a bilirrubina, resíduo da destruição de hemácias mortas, sistema de
que são retiradas do sangue e processadas pelo fígado; veias central
· os sais biliares, formados pela fusão de ácidos formados
a partir do colesterol, de aminoácidos como a glicina e
de íons minerais como sódio e potássio; sua principal ramificações da
função digestiva é emulsificar as gorduras, o que facilita artéria hepática
sua posterior digestão química. ramificações do duto biliar

O canal colédoco conduz a bile do fígado e da vesícula biliar até ramificações da veia porta

o duodeno. Na verdade, o fígado é um dos órgãos mais versáteis dutos bilares


do corpo, ligando-se a muitas funções importantes, como: direito e esquerdo
vesícula biliar
arteríolas hepáticas
· armazenamento de diversas vitaminas; direita e esquerda
· desintoxicação do sangue;
veia
· transformação de amônia (resíduo tóxico das células) porta
em ureia (leia o capítulo sobre excreção);
· metabolismo de açúcar e gorduras; tríade de estrutura porta-hepáticas
· armazenamento de glicogênio (açúcar de reserva), além
de várias outras importantes funções.

BioGUI12 CPV
142 BIologIa

pânCreas

O pâncreas está acomodado na curva que o duodeno forma para o lado esquerdo, encostado na parte inferior do estômago.
É uma glândula mista:
· produz hormônios importantes (insulina e glucagon) em seus tecidos mais externos;
· produz suco pancreático em pequenas e numerosas bolsas internas.
Essas bolsas, chamadas ácinos pancreáticos, lançam seu produto num canal interno, o ducto pancreático, que termina no duodeno.
O suco pancreático é uma solução alcalina, rica em bicarbonato de sódio, importante para alcalinizar o alimento que sai do
estômago acidificado e que passa a ter seu pH corrigido para 8 (alcalino), o grau ideal para o funcionamento das enzimas intestinais.
As principais enzimas do suco pancreático são:
· tripsina e quimotripsina, classificadas como proteolíticas pois digerem proteínas, transformando-as em oligopeptídeos;
· lipases, que hidrolisam gorduras em seus componentes ácidos graxos e glicerol;
· amilases, que degradam amido e outros polissacarídeos em maltose;
· nucleases, que digerem ácidos nucléicos (DNA e RNA).
À semelhança do que ocorre no estômago, a tripsina é lançada no intestino em sua forma inativa, denominada tripsinogênio, e
transformada em sua forma ativa pela ação de uma enzima produzida pelo intestino, a enteroquinase. Uma vez pronta, a própria
tripsina catalisa a transformação do quimotripsinogênio (forma inativa da quimotripsina) em sua forma final ativa.

loCalIzação e anatomIa do pânCreas


localização bile

estômago duto biliar


comum
duto de corpo do
Wirsung pâncreas
pâncreas duodeno

duto interlobular
intestino grosso
intestino delgado

cabeça do ampola
pâncreas
de Vater
papila
de Vater

células acinosas

ducto
interlobular capilar condutor

célula célula alfa


células célula beta
células delta
fluxo de enximas
ilhota de langerhans ducto central
digestivas para o duodeno

CPV BioGUI12
BIologIa 143

O suco entérico é produzido pela parede interna do duodeno; é o suco digestivo mais rico em enzimas, dentre as quais se destacam:
· as dissacaridases:
– maltase — quebra a maltose (derivada da quebra do amido) em moléculas de glicose;
– sacarase — hidrolisa a sacarose em seus monossacarídeos unitários glicose e frutose;
– lactase — quebra a lactose em glicose e galactose;
· as lipases — quebram as gorduras em seus componentes ácidos graxos e glicerol;
· as petidases — promovem o desdobramento final dos oligopeptídeos (provenientes da quebra inicial das proteínas) em seus
componentes unitários, os aminoácidos;
· a enteroquinase — realiza a transformação do tripsinogênio pancreático em sua forma ativa, a tripsina;
· as nucleases — separam os componentes unitários dos nucleotídeos: fosfato, bases nitrogenadas e pentoses.
Já com a consistência completamente líquida, o alimento é chamado de quilo e o processo de sua formação no intestino delgado
é chamado de quilificação.

aBsorção dos nutrIentes orgânICos


Neste momento da digestão, os nutrientes já estão em sua forma final, ou seja, foram transformados em moléculas unitárias em
condição de assimilação e utilização celular. Resta, então, fazer a absorção, ou seja, a passagem desses nutrientes para o sangue
que, por sua vez, fará sua distribuição para as células do corpo.
A absorção dos nutrientes orgânicos se dá no intestino delgado, principalmente nas vilosidades intestinais, que são dobramentos
do tecido interno do intestino que apresentam, além de vasos sanguíneos capilares, um vaso linfático central chamado quilífero
central (observe a ilustração).

loCalIzação e anatomIa do IntestIno delgado

essôfago
lumen
Regiões
intestino
grosso estômago duodeno
vilosidades

jejuno

íleo

capilares
estrutura das vilosidades sanguíneos

intestino
delgado

serosa

músculo liso lumen


longitudinal

células células células globulares vilosi


músculo liso dade
circular de Paneth glândula endócrinas
mucosa intestinal microvilosidades
submucosa cripta epitélio

folículos linfáticos
(placas de Peyer)

BioGUI12 CPV
144 BIologIa

Os aminoácidos e os monossacarídeos passam pelas células das vilosidades e acabam nos capilares sanguíneos. O sangue, então,
passa pelo fígado, que controla a distribuição dos nutrientes para o resto do corpo. Por exemplo, o fígado absorve as quantidades
excessivas de glicose que chegam logo após a refeição e sintetizam as moléculas de glicogênio, que ficam reservadas para serem
reconvertidas em glicose, que será liberada quando a taxa de glicose no sangue estiver caindo, no intervalo entre as refeições.
Parte dos aminoácidos é retida e passa por transformações químicas que liberam amônia, resíduo tóxico que é transformado
em ureia, menos tóxica, que volta para o sangue e é finalmente eliminada na urina. Já os derivados da digestão de gorduras, como
o glicerol e os ácidos graxos, são absorvidos pelas células intestinais e reconvertidos em gorduras. Estas formam grãos que são
absorvidos pelos vasos linfáticos. O sistema linfático conduz os grânulos de gordura até o sangue, de onde grande parte vai para
os depósitos do tecido adiposo.
a formação das fezes
Os resíduos alimentares não absorvidos continuam o trajeto até chegarem ao intestino grosso, que é dividido em três regiões:
· ceco — tem a forma de uma bolsa e apresenta um prolongamento em forma de verme: o apêndice vermiforme, região que
parece não desempenhar nenhuma função importante para o organismo; quando nele ocorre uma inflamação séria (apendicite),
opta-se por uma apendicitomia, que é a retirada cirúrgica da região; há evidências de que essa região é um vestígio do que
teria sido, em nossos ancestrais, uma bolsa especializada na digestão de alimento vegetal semelhante à que ocorre em outros
mamíferos atuais, nos quais se encontram microorganismos digestores de celulose;
· colo — dividido em ascendente, transverso, descendente e sigmoide.
· reto — porção final do intestino, termina no ânus.
Ao longo do trajeto no intestino grosso, ocorre absorção de água e íons minerais e proliferam bactérias, que formam a flora intestinal.
Essas bactérias, em sua maioria, são úteis pois fornecem diversas vitaminas e evitam a proliferação de bactérias patogênicas.
Os resíduos alimentares compactados com as bactérias intestinais formam o bolo fecal, que se acumula no reto. Quando este fica
cheio de fezes, estimula o relaxamento do ânus e acelera o peristaltismo na região, resultando na defecação.
loCalIzação e anatomIa do IntestIno grosso
serosa
músculo liso longitudinal
músculo liso circular
submucosa
mucosa
muscular
criptas

mucosa
íleo

reto
válvula
células
íleo
globulares
cecal abertura das criptas
regiões
apêndice

canal anal
ânus cólon transverso
cólon ascendente
cólon descendente
Posição e estrutura do intestino grosso.
As paredes dos intestinos grosso e
ceco delgado foram aumentadas e dissecadas
cólons sigmoide para mostrar as várias camadas.

CPV BioGUI12
BIologIa 145

Controle Hormonal materIal


para leItura
A digestão é controlada pelos sistemas nervoso e endócrino. A visão ou o cheiro de comida ativa a produção de
saliva na boca e prepara o corpo para o trabalho de digestão. Com a ingestão de alimento, entram em ação vários
hormônios, que controlam a ação integrada das glândulas anexas e do próprio tubo digestivo, organizando todo o processo.
Quando o alimento chega ao estômago, a própria parede estomacal secreta a gastrina, que estimula a produção de suco gástrico.
Quando o quimo (ácido) começa a entrar no duodeno, o intestino passa a produzir secretina, que estimula o pâncreas a liberar o
suco pancreático, rico em bicarbonato, que neutraliza a acidez do quimo. A liberação de certas enzimas, a presença de peptídeos
provenientes do estômago e de gorduras no duodeno estimulam o intestino delgado a produzir a colecistoquinona (CCK), que
estimula a vesícula biliar e o pâncreas a liberar bile e suco pancreático, respectivamente. Há ainda, no próprio intestino delgado,
a produção de enterogastrona, que inibe a motilidade gástrica, reduzindo a velocidade da passagem do alimento do estômago
para o intestino.
prInCIpaIs HormônIos relaCIonados à dIgestão

Hormônio produzido no estímulos ação


Gastrina Estômago Alimento no estômago Produz suco gástrico
Secretina Duodeno Entrada do quimo no intestino Estimula a produção pancreática
Colecistoquinona Duodeno Produtos de digestão proteica
e gorduras no duodeno Estimula a vesícula e o pâncreas
Enterogastrona Duodeno Gorduras, carboidratos no duodeno Inibe a motilidade gástrica

diarreia e prisão de ventre: A diarreia consiste na eliminação de fezes líquidas. Ocorre por causa da aceleração dos
movimentos peristálticos, o que pode ser motivado por diferentes fatores, tais como: a ingestão de alimentos deteriorados,
bactérias, vírus e outros parasitas, alergia a certos alimentos, nervosismo etc. A eliminação rápida do conteúdo intestinal reduz
a absorção de água e íons minerais, podendo causar desidratação. O tratamento é baseado na reposição de água e minerais por
via oral ou através de aplicação endovenosa de soro e tratamento das causas. A prisão de ventre ou constipação intestinal, ao
contrário, ocorre devido à redução dos movimentos peristálticos. Normalmente está ligada a uma dieta pobre em fibras que, por
não sofrerem digestão, aumentam o volume do bolo fecal, estimulando o peristaltismo. As fezes ficam mais tempo acumuladas
no intestino e ressecam, dificultando sua eliminação.
apendicite: A inflamação do apêndice vermiforme provoca dores e eventualmente febre alta. Se houver perfuração da região,
haverá inflamação das membranas da cavidade intestinal, chamada peritonite, o que é bastante perigoso. Esse quadro normalmente
é causado por acúmulo de dejetos alimentares na região.
úlceras: O tecido interno do estômago e do intestino (endotélio) é mucoso e fornece proteção contra o ataque dos sucos digestivos.
Apesar disso, um grande número de células dessa mucosa é atacada e morta, principalmente por ação do suco gástrico. Cerca de
500 mil células da mucosa estomacal são renovadas a cada minuto. Quando áreas do muco estomacal ou intestinal são lesadas por
ação dos sucos digestivos, formam-se feridas chamadas úlceras pépticas. Elas ocorrem principalmente no estômago, no duodeno
e, eventualmente, na porção inferior do esôfago. Quando essas feridas se aprofundam, podem atingir vasos sanguíneos, causando
hemorragias. Se a lesão perfurar totalmente a parede digestiva (úlcera perfurada), poderá haver passagem de bactérias para a
cavidade abdominal, causando inflamação da região, quadro que pode levar à morte.
gastroenterites: Vários tipos de bactérias e de vírus podem ocasionar infecções intestinais, que podem causar diarreias,
vômitos e febre, náuseas e dores abdominais. A diarreia é perigosa, podendo causar desidratação e levar rapidamente à morte. A
salmonelose, infeção causada por bactérias do grupo das salmonelas (encontradas frequentemente em ovos e carne de frango mal
cozidos), causa dores de barriga intensas, febre e diarreia, podendo ser muito perigosa para crianças e pessoas idosas. A cólera
é causada pela bactéria Vibrio cholerae e produz uma intensa diarreia, que desidrata rapidamente as pessoas. É doença típica de
países pobres, onde falta saneamento básico e as pessoas carecem de noções básicas de higiene.
gastrite: Caracterizada por inflamação nas paredes internas do estômago. Suas causas são diversas, caracterizando os diferentes
tipos de gastrite, que podem ser agrupadas em dois grandes tipos:
· gastrite aguda: é normalmente acompanhada de dores no estômago, vômitos e às vezes hemorragias e surgimento de
irritações na boca. Sua evolução é rápida e costuma desaparecer espontaneamente. Às vezes, evolui para gastrite crônica.
Suas causas mais frequentes são infecciosas (pela bactéria Helicobacter pylori e por outras bactérias e vírus) ou químicas
(álcool e alguns medicamentos como antiinflamatórios não esteróides, ácido acetilsalicílico, entre outros). O stress elevado,
a má alimentação e o hábito de fumar são fatores importantes no aumento da incidência dessa forma de gastrite.
· gastrite crônica: é a forma persistente da doença. Sua causa mais frequente é a infecção por Helicobacter pylori, uma das
infecções de maior ocorrência na população mundial. Muitas pessoas convivem com essa bactéria (que tem afinidade por
ambientes ácidos) sem apresentar sintomas significativos. Outras apresentam sintomas diversos, como dores estomacais,
hemorragias manifestadas pela boca (vômitos com sangue) ou pelas fezes, azia constante e várias outras manifestações.
Os tratamentos consistem na eliminação da bactéria por meio do uso de antibióticos e antiinflamatórios.
BioGUI12 CPV
146 BIologIa

exerCíCIos

01. (FUVEST-SP) Da secreção de certa região do tubo digestivo de 04. (FCMSC-SP) O tubo digestivo humano é formado, pela ordem,
um cachorro purificou-se uma enzima. Essa enzima foi distribuída das seguintes porções:
igualmente por quatro tubos de ensaio, contendo as substâncias a) boca, faringe, esôfago, estômago, duodeno, jejuno, íleo, ceco,
especificadas na figura. Após duas horas, à temperatura de 38ºC, colo, reto e ânus.
ocorreu digestão apenas no tubo 2. b) boca, faringe, esôfago, estômago, duodeno, íleo, jejuno, ceco,
colo, reto e ânus.
1 2 3 4 c) boca, esôfago, estômago, duodeno, íleo, jejuno, ceco, colo, reto
e ânus.
d) boca, esôfago, estômago, duodeno, jejuno, íleo, ceco, reto, colo
e ânus.
e) boca, faringe, esôfago, estômago, duodeno, íleo, jejuno, ceco,
reto, colo e ânus.

carne carne + amido amido +


HC HC 05. (MACk-SP) Assinale a alternativa incorreta.

a) De qual região do tubo digestivo foi extraída a secreção? fatores químICos na dIgestão
Justifique. Ação do Produtos
Glândulas Secreção
b) Que enzima atuou no processo? Justifique. suco digestivo da digestão
amilase
a) salivar salivar amido cozido dissacarídeos
(ptialina)
gástrica
(glândulas HC proteínas
b) carboidratos
na parede pepsina aminoácidos
do estômago)
gordura
c) fígado sais biliares gordura
emulsificada
amilase dissacarídeos
amidos
pancreática aminoácidos
02. (Cesgranrio-RJ) As proteínas representam componentes d) pâncreas proteínas
tripsinogênio ácidos graxos
gorduras
indispensáveis da dieta normal do homem. Contudo, para serem esteapsina e glicerol
absorvidas, as proteínas devem ser previamente hidrolisadas. intestinal desdobra
erepsina
Assinale o item que indica o processo a que as proteínas são (glândulas produtos aminoácidos
enteroquinase
submetidas durante a digestão. e) nas paredes anteriores tripsina
diversas
do intestino tripsinogênio monossacarídeos
a) São sucessivamente desdobradas pela maltase da saliva, pela delgado)
enzimas
dissacarídeos
pepsina do estômago e pelas peptidases intestinais.
b) São gradativamente hidrolisadas pela ação sucessiva da pepsina
gástrica, da tripsina pancreática e das peptidases intestinais. 06. (FUVEST-SP) No Egito, muitos artefatos de pedra vendidos como
c) São hidrolisadas somente no intestino, quando se convertem provenientes dos tempos dos faraós são falsificados. O processo
em peptídeos, que são absorvidos através da mucosa intestinal, de falsificação consiste em esculpir pequenas pedras e misturá-las
após sofrerem a ação da enteroquinase. com a comida oferecida às galinhas. Atravessando todo o tubo
d) São desdobradas, após a ação da tripsina gástrica, em fragmentos digestivo da galinha, as pedras adquirem o aspecto de objetos
cada vez menores, pela pepsina pancreática e pelas enzimas antigos e desgastados pelo uso.
intestinais, até que possam ser absorvidas sob a forma de ácidos
Esse processo de “envelhecimento mecânico” deve-se à ação:
aminados livres.
e) São submetidas à ação sucessiva da pepsina, da tripsina, das a) do bico.
peptidases e da maltase intestinal. b) do papo.
c) do estômago químico.
d) da moela.
03. (FUVEST-SP) As enzimas digestivas que agem sobre os carboidratos e) do intestino.
atuam:
a) somente na boca.
b) somente no intestino.
c) somente no estômago.
d) na boca e no intestino.
e) no intestino e no estômago.

CPV BioGUI12
BIologIa 147

07. (MACk-SP) Ao comermos o sanduíche bauru, estamos ingerindo: 14. Assinale a enzima que participa da digestão da carne.
amido, proteína, gordura e sais minerais. a) maltase.
A digestão do amido, que existe em maior quantidade no citado b) amilase.
alimento, ocorrerá: c) pepsina.
a) somente no estômago. d) renina.
b) na boca e no estômago. e) ptialina.
c) na boca e no intestino.
d) no estômago e no intestino. 15. Faça a correspondência correta das colunas:
e) na boca, no estômago e no intestino. 1. amilase salivar I. estômago
2. pepsina II. pâncreas
3. tripsina III. duodeno
08. (UF-RS) Das seguintes substâncias, a que normalmente não é 4. lipases IV. pH ácido
absorvida no intestino humano é: 5. ribonucleases V. pH básico
a) a glicose. Assinale a associação errada.
b) o glicerol. a) 1 e V.
c) a proteína. b) 2 e IV.
d) o aminoácido. c) 2 e V.
e) o cloreto de sódio. d) 3 e II.
e) 4 e II.
09. (FUVEST-SP) Qual dos órgãos humanos abaixo não produz
enzimas digestivas? 16. (FUVEST-SP) No homem, as proteínas começam a ser digeridas
a) glândulas salivares por enzimas produzidas pelo(as):
b) estômago a) pâncreas.
c) duodeno b) estômago.
d) fígado c) duodeno.
e) pâncreas d) glândulas salivares.
e) fígado.
10. No corpo humano, a digestão das gorduras é iniciada no(a):
a) boca. 17. (FUVEST-SP) Como varia o pH ao longo do aparelho digestivo,
b) esôfago. durante o processo da digestão do homem?
c) estômago.
d) intestino delgado.
e) intestino grosso.
18. (FUVEST-SP) Qual é o papel da bile no homem?
11. (MACk-SP) O bolo alimentar é misturado às secreções que contêm
mucina, ácido clorídrico e pepsina. Quando isso acontece, significa
que o alimento chegou em uma porção do trato digestivo chamada:
a) esôfago. 19. (FCMSC-SP) Preparando-se um macerado de pâncreas, a insulina
b) intestino delgado. será digerida pela:
c) intestino grosso. a) amiliase.
d) faringe. b) nuclease.
e) estômago. c) lipase.
d) tripsina.
12. (FUVEST-SP) Na digestão, a atividade hepática se relaciona e) invertase.
diretamente com o processo de:
a) hidrólise do amido. 20. (UF-RS) A bile produzida pelo fígado tem como função:
b) hidrólise de proteínas. a) lubrificar a mucosa intestinal.
c) hidrólise de sacarose. b) emulsionar as gorduras.
d) emulsificação de gorduras. c) estimular a secreção gástrica.
e) emulsificação de proteínas. d) provocar a contração da vesícula.
e) digerir proteínas.
13. Cite três enzimas que agem na digestão dos alimentos, bem como
onde são produzidas no corpo humano. 21. (FEI-SP) Qual é o papel do fígado na digestão de um mamífero?

BioGUI12 CPV
148 BIologIa

22. (MACk-SP) Assinale a alternativa correta. 29. (FUVEST-SP) Na digestão intracelular, formam-se, no interior da
As funções da pepsina e da tripsina estão relacionadas, célula, vacúolos digestivos, cuja origem decorre da associação:
respectivamente, com a digestão de: a) do lisossomo com o fagossomo.
a) proteínas e proteínas. b) do fagossomo com a vesícula de pinocitose.
b) lipídios e proteínas. c) do desmossomo com a membrana plasmática.
c) carboidratos e lipídios. d) do ribossomo com a membrana do retículo endoplasmático.
d) açúcares e proteínas. e) de vesículas de Golgi entre si.
e) gorduras e carboidratos.

23. (MACk-SP) As proteínas encontradas nos alimentos que ingerimos 30. (VUNESP) Baseado apenas no caráter sistema digestivo, coloque
são digeridas: em sequência, a partir do mais simples para o mais complexo, os
grupos de animais abaixo:
a) na boca e estômago.
b) somente em meio ácido. a) nematelmintos;
c) no estômago e intestino. b) platelmintos;
d) na boca, estômago e intestino. c) poríferos.
e) na boca e intestino.

24. (PUC-SP) Considerando que um operário almoçou feijão, arroz, 31. (PUC-SP/Jun-2013) Uma pessoa apresenta uma rara doença que
ovo frito, alface e banana, podemos dizer que a digestão química provoca alterações significativas em suas funções hepáticas.
começou: Assinale o mecanismo abaixo que poderia ser diretamente afetado
a) na boca e terminou no intestino delgado. no organismo dessa pessoa.
b) no estômago e terminou no intestino delgado. a) Digestão de proteínas no estômago.
c) no intestino delgado e terminou no grosso. b) Digestão de carboidratos no duodeno.
d) no estômago e terminou no intestino grosso. c) Produção de suco pancreático.
e) na boca e terminou no intestino grosso. d) Produção de bile.
e) Produção de suco gástrico
25. Nos mamíferos, produzem enzimas digestivas o:
a) esôfago, estômago e intestino.
b) estômago, intestino e pâncreas.
c) pâncreas, fígado e intestino.
d) intestino, esôfago e pâncreas.
e) fígado, estômago e esôfago.

26. (PUC-SP) A uma solução contendo proteínas, gorduras, amido e


sais biliares, que foi previamente alcalinizada, adicionou-se extrato
de suco pancreático ativo. Espera-se que, nesse meio, onde as
condições ideais foram mantidas, ocorra digestão:
a) exclusivamente de proteínas.
b) exclusivamente de amido.
c) exclusivamente de gorduras.
d) exclusivamente de proteínas e gorduras.
e) de proteínas, amido e gorduras.

27. (FUVEST-SP) Descreva a sucessão de eventos que ocorrem com


o alimento no estômago de mamíferos ruminantes.

28. A bile, a pepsina e a tripsina são produzidas, respectivamente:


a) pela vesícula biliar, estômago e pâncreas.
b) pelo estômago, pâncreas e fígado.
c) pelo fígado, estômago e pâncreas.
d) pela vesícula biliar, pâncreas e estômago.
e) n.d.a.

CPV BioGUI12
BIologIa 149

s isteMa CardioVasCular e linfátiCo


Uma das características fundamentais das células é a constante troca de substâncias com o ambiente externo, tanto para a entrada
de nutrientes e oxigênio como para a eliminação de excretas como o gás carbônico.
Em animais mais simples, como as esponjas, as células estão próximas do ambiente e realizam suas próprias trocas com ele;
em cnidários, a cavidade digestiva envia os nutrientes parcialmente digeridos para as células, que terminam o trabalho de
digestão e trocam as demais substâncias diretamente com o ambiente.
Nos animais mais complexos, entretanto, muitas células do corpo estão distantes do ambiente externo e da cavidade digestiva.
Nesses animais, há a formação de tecidos especializados em absorver e eliminar substâncias. O sistema circulatório promove
a interligação desses diferentes tecidos, facilitando a distribuição das substâncias para todas as células do organismo.

Componentes do sIstema CardIovasCular


O sistema cardiovascular pode ser dividido em seus componentes básicos, que são:
· o sangue — líquido circulante que troca substâncias com as células do corpo;
· os vasos sanguíneos — que conduzem o sangue pelo corpo;
· o coração — que bombeia o sangue em seu percurso pelo organismo.

tIpos de sIstema CIrCulatórIo


Podemos dividir os sistemas circulatórios dos animais em dois tipos: aberto e fechado.
No sistema circulatório aberto, o sangue (chamado hemolinfa) é bombeado pelo coração por vasos que se ramificam para as
diferentes regiões do corpo. Próximos aos órgãos, o sangue é derramado em lacunas existentes entre as células, os hemocelos,
que facilitam a circulação da hemolinfa. Após as trocas realizadas entre as células e a hemolinfa, esta é aspirada de volta para
vasos, que a reconduzem para o coração.
No sistema circulatório fechado, o sangue bombeado pelo coração segue seu caminho por meio de vasos chamados artérias,
que se ramificam por todo o corpo, conduzindo sangue do coração para os tecidos. As ramificações arteriais vão se tornando
cada vez mais finas e numerosas até que, nos órgãos, os vasos atingem calibre microscópico — são os capilares. Com paredes
permeáveis, os vasos capilares permitem que o sangue troque substâncias com as células do corpo. Após as trocas, os capilares
vão se juntando, formando vasos cada vez mais grossos — as veias — que conduzem o sangue de volta para o coração para ser
bombeado novamente. Portanto, artérias são vasos que saem do coração e veias são aqueles que retornam ao coração. O
sistema circulatório fechado atinge maior grau de eficiência, pois o sangue perde menos pressão durante seu trajeto e pode atingir
maior velocidade, além de cumprir maiores distâncias.
sistema circulatório aberto – gafanhoto
Coração

Coração Tubular

Aorta Ostíolo Espaços


dorsal
nos tecidos
do corpo

Nos animais com sistema circulatório aberto, o


sangue (hemolinfa) abandona os vasos e passa
para lacunas chamadas hemocelos.

sistema circulatório fechado – minhoca Coração

Vaso dorsal

Vasos de Vasos de
maior diâmetro maior diâmetro
(fluxo rápido) (fluxo rápido)
Capilares: vasos de menor
diâmetro (fluxo lento)
Nos animais com sistema circulatório fechado, todo o
Arcos aórticos Vaso ventral percurso do sangue se faz dentro de vasos.
A circulação da minhoca é mais eficiente, pois o sangue flui mais rapidamente.

O professor fará, em classe, apenas os exercícios que considerar necessários e suficientes para o bom entendimento dos conceitos apresentados. BioGUI13 CPV
Todos os demais exercícios deverão ser feitos em casa pelo aluno.
150 BIologIa
CIrCulação nos grupos anImaIs
Poríferos, cnidários, platelmintes e nematelmintes não possuem sistema circulatório.
Moluscos e artrópodes apresentam sistema circulatório aberto.
Anelídeos apresentam sistema circulatório fechado.
Equinodermos têm um pequeno sistema circulatório chamado sistema hemal, que é auxiliado pelo sistema ambulacrário.
Cordados são dotados de sistema circulatório fechado. Em vertebrados há uma variação importante da circulação, que será
estudada após a circulação humana.

CIrCulação Humana
Vamos estudar cada um dos três componentes essenciais do sistema circulatório humano: sangue, vasos e coração.

sIstema CIrCulatórIo Humano

artéria carótida comum

veia jugular interna artéria subclávica


veia subclávica

artéria braquiocefálica
veia braquiocefálica

veia cava superior arco da aorta

artéria pulmonar direita


veia pulmonar direita

átrio esquerdo

átrio direito válvula mitral


ventrículo direito ventrículo
válvula tricúspide esquerdo

veia cava inferior


veia hepática Artéria aorta
hepática tronco celíaco
artéria gástrica esquerda
artéria gástrica direita
artéria esplênica
veia porta
artéria mesentérica superior
artéria e veia renais
veias esplênica e mesentérica inferior
veia mesentérica superior artéria testicular ou ovariana

artéria mesentérica inferior

cólon ascendente

cólon descendente

veia ilíaca externa reto


artéria ilíaca externa

CPV BioGUI13
BIologIa 151

sangue
Se uma porção de sangue for deixada em repouso, com o decorrer do tempo haverá sua separação
em duas frações distintas:
· uma líquida — o plasma — da cor da palha, e
· outra sólida — os elementos figurados — formada por três tipos de células sanguíneas:
· as hemáceas (glóbulos vermelhos);
· os leucócitos (glóbulos brancos);
· as plaquetas.
O volume de plasma atinge até cerca de 55% do total e, portanto, cerca de 45% do volume
corresponde aos elementos figurados. Em laboratório, quando o sangue é deixado em repouso ou
centrifugado, os elementos figurados formam um precipitado no fundo, chamado hematócrito,
enquanto o plasma permanece em cima.
A quantidade de sangue de uma pessoa é proporcional a seu tamanho. A razão é de cerca
de 0,9 litros a cada 10kg de massa, sem contar a gordura. Assim, uma pessoa não obesa de
cerca de 70kg terá cerca de 5,5 L de sangue circulante.

o plasma
O plasma é constituído por água (cerca de 91%) e compostos químicos orgânicos e
inorgânicos.
Entre os compostos inorgânicos, estão os íons minerais absorvidos principalmente durante
a passagem pelo intestino grosso.
Entre os compostos orgânicos, estão os nutrientes, como os carboidratos, aminoácidos
etc., absorvidos também no tubo digestivo, além das proteínas plasmáticas, entre as quais se plasma
destacam a albumina, a globulina, o fibrinogênio e a protrombina.
leucócitos
A albumina não atravessa a parede dos capilares, ficando no interior dos vasos; sua principal e plaquetas
função é manter a pressão osmótica do sangue, permitindo a reabsorção de água dos tecidos
para a corrente sanguínea. Se houver perda de albumina, por exemplo por causa de uma lesão hemáceas
(em queimaduras isso é frequente), a água não pode ser retida e o volume de sangue cai,
podendo provocar choques até letais. O tratamento básico é a administração de soro-albumina. Sangue humano em repouso.

Entre os tipos de globulinas estão os anticorpos,


proteínas de defesa produzidas pelos glóbulos
brancos.

Fibrinogênio e protrombina são ligados à


coagulação do sangue, que consiste num processo
de defesa contra hemorragias.

Soro é a fração do plasma sanguíneo obtida


Nicolle Rager Fuller, National Science Foundation.

através da eliminação dos fatores de coagulação.

os elementos fIgurados

As células sanguíneas são originadas numa pessoa


adulta, pelo tecido da medula óssea, chamado
hematopoiético. Nesse tecido, encontramos
células indiferenciadas (não especializadas) que
se multiplicam rapidamente por meio de mitoses
sucessivas. Algumas das células originadas
Essa imagem mostra a coagulação ocorrendo em uma grande área de lesão vascular. Um continuam indiferenciadas, garantindo a linhagem
modelo químico para a coagulação do sangue desenvolvido pelos cientistas da Universidade de células produtoras; outras se especializam e se
de Chicago reproduz esse fenômeno em laboratório, utilizando seu sistema de microfluídica,
que lhes permite manipular fluidos em uma escala de minutos. Seus experimentos in vitro transformam em células sanguíneas.
(conduzidos em ambiente artificial) também podem ser aplicados in vivo (no corpo vivo).

BioGUI13 CPV
152 BIologIa

HemÁCeas ou erItróCItos — são as células mais numerosas


do sangue, chegando a 5,4 milhões de células por milímetro cúbico
de sangue em homens e 4,7 milhões em mulheres. Sua função é
transportar o oxigênio, além de auxiliar no transporte do gás carbônico.
As células do tecido hemopoiético da medula óssea são estimuladas a
originar eritrócitos através de uma proteína plasmática: a eritropoietina.
Sob o efeito desse fator, os eritroblastos (eritrócitos jovens) são
estimulados a produzir hemoglobina. Quando o citoplasma está repleto
de hemoglobina, o núcleo é eliminado e o eritrócito atinge sua fase
definitiva, com formato discoide, cerca de 7 a 8 µm de diâmetro e cerca
de 2 µm de espessura. Somente os mamíferos têm eritrócitos anucleados,
fato que lhes permite aproveitar o maior espaço citoplasmático restante
com mais hemoglobina.
A vida média dos glóbulos vermelhos é de cerca de 120 dias.
A eliminação das células mortas é feita pelo baço e fígado, a uma Glóbulos vermelhos ou hemácias: sua forma bicôncava permite
velocidade impressionante: cerca de 2 a 10 milhões de eritrócitos maximizar sua capacidade de transportar oxigênio.
inúteis são fagocitados por segundo, por células especiais do retículo endotelial. A hemoglobina liberada pelas células destruídas
é quebrada, o ferro pode ser reaproveitado para a síntese de mais hemoglobina ou armazenado na medula óssea, baço e fígado.
Frações de proteína são transformadas em bilirrubina, que é eliminada para o intestino como parte da bile.
anemia — caracteriza-se pela deficiência de oxigênio transportado pelos eritrócitos aos tecidos do corpo. Pode ser de vários tipos:
· anemia perniciosa — caracterizada pela redução do número de eritrócitos causada pela falta de vitamina B12;
· anemia hipoplásica — caracterizada pela redução do número de eritrócitos resultante da lesão da medula óssea, que pode
ser ocasionada por radiação, infecções, intoxicação química e quimioterápicos utilizados no combate ao câncer;
· anemia falsiforme — forma hereditária e rara, é causada por uma mutação que origina a substituição do sexto aminoácido
de uma das cadeias peptídicas da hemoglobina; as células apresentam forma alterada, incluindo a forma de foice com que a
doença foi inicialmente caracterizada, e rigidez, o que pode formar obstruções em capilares e destruição precoce das hemácias.
A forma grave da doença aparece apenas em indivíduos homozigotos para o gene mutante; os heterozigotos apresentam uma
forma intermediária e benigna da doença, que torna seus portadores mais resistentes à malária; por isso, em regiões em que há
uma grande mortalidade por malária (como na África), a frequência do gene para essa doença é significativamente alta;
· talassemia — é também uma forma hereditária da doença, caracterizada pela destruição prematura das hemácias por causa
de alterações na estrutura da hemoglobina. É mais frequente nas populações da Grécia e do Mediterrâneo;
· anemia ferropriva — caracterizada pela redução do número de eritrócitos, assim como redução de tamanho e coloração
vermelho pálido, causada pela síntese insuficiente de hemoglobina devido à falta de ferro na dieta.
leuCóCItos — são células especializadas principalmente na defesa ou imunidade. São produzidas também na medula
óssea, de onde são transferidas para órgãos especializados (principalmente os gânglios linfáticos), onde passam pelo processo
final de especialização. Podem ser classificados segundo diferentes
critérios, o que torna sua descrição um pouco confusa.
principais tipos de leucócitos:
· granulócitos — apresentam farta granulação em seu citoplasma,
constituída principalmente de lisossomas; são subclassificados de
acordo com a afinidade de seus grânulos por corantes de caráter ácido,
básico ou neutro: os acidófilos têm função ligada a inflamações e
reações alérgicas; os basófilos parecem estar ligados à coagulação;
os neutrófilos são especializados em fagocitose;
· monócitos — são células grandes, com núcleo redondo; quando
saem dos vasos sanguíneos, originam os macrófagos, que fagocitam
agentes invasores em regiões lesionadas;
· linfócitos — formam um grupo heterogêneo de células relacionadas
à produção de anticorpos e outras substâncias promotoras de reações
imunitárias. Glóbulos brancos ou leucócitos:
os linfócitos são as menores células
brancas do sangue e eles formam os
anticorpos contra as doenças.

basófilo Acidófilo Neutrófilo Linfócito Monócito

CPV BioGUI13
BIologIa 153

Em pessoas normais e sadias, o


número de leucócitos varia entre
5 e 6 mil por milímetro cúbico
de sangue.
Em pessoas cujo sistema
imunitário está ativo (durante
infecções), esse número pode
chegar a mais de 30 mil por camada interna da veia
milímetro cúbico de sangue.
Fagocitose:
Há várias doenças relacionadas processo em que certos
aos leucócitos: leucócitos assimilam
partículas invasoras ou camada externa da veia
células alteradas do
leucopenia: próprio organismo
caracterizada pela redução do músculo
número de leucócitos associada
eventualmente a doenças virais,
como a AIDS;

leucemia:
caracterizada pelo aumento
exagerado de leucócitos
circulantes não funcionais leucócitos que produzem
(pode-se chegar a mais de 500 substâncias para combater doenças
mil por milímetro cúbico),
válvula que evita que o sangue flua pela
normalmente causado por direção errada
mutações nas células da medula
plaquetas
óssea; conhecida também como
câncer de medula óssea. leucócito ataca invasor
hemácias

Corte de uma veia mostrando os elementos figurados e a fagocitose.

basófilo
medula óssea eosinófilo
eritrócitos

megacariócito
célula-tronco menócito
hematopoiética

célula-tronco
estromal célula
célula-tronco progenitora neutrólifo
A medula óssea abriga o modelo mais adipócito mielóide
multipotencial
estudado de célula-tronco adulta, a
hematopoiética, que dá origem a todos célula progenitora plaquetas
linfóide
os tipos de células sanguíneas e também
a células adiposas (armazenadoras de
gordura) e osteoblastos (que originam
novas células ósseas). Com exceção dos linfócito T
adipócitos, osteoblastos, eritrócitos e célula
dendrítica
plaquetas, todos os demais tipos de células oOsteoblasto
linfócito b
citadas são ligados à imunidade.

célula NK

BioGUI13 CPV
154 BIologIa

plaquetas
Nos vertebrados em geral, as plaquetas são células globosas e nucleadas.
Nos mamíferos, são fragmentos de grandes células multinucleadas
geradas na medula óssea (megacariócitos), com formato irregular e
em número de 140.000 a 340.000 por milímetro cúbico de sangue.
São ligadas à coagulação sanguínea, ou seja, são uma defesa contra
hemorragias, que consistem na saída de sangue dos vasos.
Uma hemorragia prolongada ou intensa pode levar o corpo ao
choque e à morte, já que as células dependem do sangue para receber
substâncias vitais e de rápido consumo, como o oxigênio.
O processo que leva à coagulação é complexo e não está
completamente descrito. Descreveremos um resumo que mostra
uma visão geral.
A interrupção da hemorragia depende de três reações principais: Plaquetas: são ativadas toda vez que uma coagulação é necessária.
· logo após a lesão, ocorre a aglutinação de plaquetas na região lesada, o que forma uma espécie de tampão temporário;
· simultaneamente, ocorre constrição (estreitamento) dos vasos sanguíneos, reduzindo temporariamente o fluxo de sangue na
região;
· a seguir, inicia-se a formação de um complexo de moléculas proteicas que formará uma rede (como uma gaze mais fina) que
se agregará ao aglutinado plaquetário e causará a retenção de mais células sanguíneas na região, formando o coágulo definitivo.
A formação dessa rede proteica depende de vários fatores químicos que controlam o processo de coagulação. A proteína que se
organiza em um retículo é chamada fibrina. Ela é formada a partir de um predecessor chamado fibrinogênio, uma proteína solúvel
fabricada pelo fígado e lançada no sangue. Sua transformação em fibrina depende da ação de uma enzima chamada trombina,
produzida no local da lesão a partir de um predecessor chamado protrombina, também produzido no fígado e normalmente presente
no sangue. A trombina somente é produzida na presença de um fator químico produzido pelas plaquetas chamado tromboplastina.
Dessa maneira, a aglutinação de plaquetas garante, no local da lesão, a presença de tromboplastina, que provoca a conversão de
protrombina em trombina que, por sua vez, ativa a produção de fibrina a partir do fibrinogênio. Observe o esquema:

Tecidos com Plaquetas


lesões aglomeradas

Tromboplastina

Fígado
Ca++ (plasma)
Vitamina K
Protrombina Trombina
(plasma)

Fibrina Fibrinogênio
(coágulo) (plasma)

Esquema da Coagulação Filamentos de fibrina envolvem as células


sanguíneas, formando o coágulo.

Há dois importantes fatores nutricionais envolvidos no processo: o cálcio e a vitamina K (envolvida na produção de protrombina).
Portanto, a deficiência desses dois fatores na dieta pode levar a distúrbios hemorrágicos, a uma tendência a hemorragias.
Hemofilia — é uma doença hereditária que afeta com muito mais frequência os homens do que as mulheres e é provocada pela
deficiência do chamado fator VIII de coagulação, um dos componentes químicos importantes para a produção da tromboplastina.
trombose — é um coágulo (ou trombo) que se forma e que bloqueia total ou parcialmente os vasos sanguíneos. Esse coágulo
pode ser formado em um vaso, como consequência de uma lesão, e há o risco dele se desprender e bloquear um vaso que irriga
algum órgão vital, como o cérebro ou o coração, podendo, nesses casos, produzir graves consequências, até mesmo a morte.
CPV BioGUI13
BIologIa 155

entenda o que é tromBose


parede do vaso

fluxo 1. Quando a parede de um vaso


sanguíneo sanguíneo é danificada, plaquetas
do sangue aderem ao local. Isso faz
com que comecem a liberar subs-
tâncias que dão início ao processo
de coagulação sanguínea.

parede
danificada
plaquetas 2. As substâncias ajudam a converter
o fibrinogênio, uma proteína
sanguínea solúvel, em filamentos
d e f i b r i n a i n s o l ú v e l . E s s e s
filamentos aprisionam pla q uetas
e células sanguí n eas para formar
um coágulo.

filamentos de
fibrina insolúvel
3. O fluxo sanguíneo diminui conforme
a fibrina aprisiona mais plaquetas.
Alguns fatores podem aumentar
o coágulo, bloqueando o vaso. é
o caso da diabetes, doença que
atinge milhares de pessoas em todo
o mundo, e que favorece a ação
de fatores coagulantes. O uso de
corticoides também alimenta esse
processo.

coágulo bloqueando
o fluxo sanguíneo

fatores antICoagulantes

A heparina é uma substância que inibe o efeito da trombina, reduzindo a coagulabilidade do sangue. Trata-se de uma substância
encontrada naturalmente nos tecidos do corpo, podendo ser empregada clinicamente para prevenir a formação e aumento de
trombos, em pessoas que se encontram em situações de traumas por acidentes ou mesmo em períodos pós-operatórios.

BioGUI13 CPV
156 BIologIa

vasos sanguíneos
veia
São classificados em três tipos fundamentais: artérias, capilares e veias.
artéria
artérIas

São os vasos que conduzem sangue do coração para os demais órgãos do corpo.
Apresentam uma parede espessa, que lhes permite resistir à pressão sanguínea
elevada com que o sangue sai do coração, formada por três camadas de
tecidos:

· a mais interna é o endotélio, formado por uma camada de células


achatadas;
· a intermediária é formada por tecido muscular liso e fibras elásticas;
· a mais externa é formada por tecido conjuntivo com fibras elásticas.

O revestimento elástico e muscular permite que as artérias tenham


diâmetro controlado e, assim, possam dirigir o fluxo de sangue para
diferentes partes do corpo e influenciar a pressão sanguínea.
capilares

Corte de uma artéria principal tecidos dos vasos sanguíneos tecido


conjuntivo
tecido
muscular
colágeno e fibra elástica túnica liso
túnica adventícia
média camada elástica externa endotélio

tecido endotélio veia


conjuntivo
células endoteliais
tecido muscular liso

camada endotélio capilar


elástica interna
túnica células endoteliais
íntima
endotélio
arteríola artéria

CapIlares

À medida que se afastam do coração, as artérias ramificam-se mais e mais: nos tecidos dos órgãos, encontramos as arteríolas,
ramos arteriais finos que se ramificam em capilares, que têm diâmetro microscópico e paredes finas, formadas por uma
única camada de células, equivalente ao endotélio dos vasos mais grossos. Essa parede fina é permeável e o sangue extravasa
líquido rico em oxigênio, nutrientes, hormônios etc. para o espaço tissular (espaço existente entre as células de um tecido).
As células absorvem os nutrientes e oxigênio e eliminam suas excretas (gás carbônico e outras) para o mesmo líquido. Mais adiante
o mesmo capilar reabsorve esse líquido já rico em gás carbônico e demais excretas. Assim, os capilares são especializados em
manter as trocas entre o sangue e os tecidos do corpo.

A passagem de substâncias do sangue para os tecidos, e vice e versa, é fortemente influenciada pela diferença entre a pressão hídrica
e a pressão osmótica. Na extremidade mais arterial de um capilar, a pressão hídrica é maior que a pressão osmótica, provocando
a fuga de líquido sanguíneo e a consequente queda da pressão hídrica que, então, torna-se menor que a pressão osmótica, o que
inverte o fluxo de líquido. A pressão hídrica é controlada principalmente pelo coração e dilatação das artérias; a pressão osmótica
é relativamente constante no sangue, já que é mantida principalmente pela albumina, que não atravessa as paredes capilares.

CPV BioGUI13
BIologIa 157

veIas
Realizadas as trocas nos capilares, estes se
reúnem em veias, que reconduzem o sangue sentido do fluxo
sanguíneo
para o coração. As paredes das veias também
são formadas por três camadas de tecidos,
mas as camadas externa e intermediária são
menos espessas, com menor participação de
tecido muscular. válvula
(aberta)
Seu percurso é normalmente paralelo ao das
artérias e seu diâmetro interno (chamado luz
do vaso) é maior. A pressão sanguínea nas
músculo
veias é bem menor do que a pressão arterial. esquelético
Há mecanismos que estimulam a circulação
venosa, evitando acúmulo e o refluxo de
sangue, principalmente em veias maiores, Válvula aberta Válvula fechada Válvula na variz
de percurso vertical (como as das pernas).
As veias contêm as válvulas bicúspides, as quais se abrem na válvula
Além da ação massageadora dos músculos direção do fluxo sanguíneo, mas evitam o refluxo quando as (fechada)
esqueléticos, certas veias possuem válvulas bolsas se tornam cheias e distendidas.
formadas por pregas que orientam o sangue
no sentido do coração: as válvulas venais.
veia
Corte de uma veIa prInCIpal

túnica colágeno e fibra elástica mecanismos de propulsão do


média túnica sangue no sistema venoso.
camada elástica externa adventícia A musculatura esquelética, ao se
válvula contrair, pressiona o sangue no
tricúspide interior das veias; as válvulas
fazem com que o sangue sempre se
desloque em direção ao coração.

camada
elástica interna túnica
intima
endotélio

varizes — a insuficiência das válvulas pode causar


veias varicosas, isto é, dilatadas devido ao acúmulo
de sangue. As paredes tornam-se flácidas por causa
da distensão contínua, o que é comum em pessoas
que permanecem grandes períodos em pé. O risco é
aumentado em pessoas obesas e em mulheres grávidas.

Isquemia — é a obstrução de artérias, com a


consequente redução da oxigenação das células.
Há diferentes formas de obstrução: a arteriosclerose
é o enrijecimento das paredes elásticas das artérias
devido à formação de ateromas em sua superfície
interna, ateromas esses formados a partir do acúmulo O coágulo de sangue, ou trombo, mostrado nesta microfotografia, formou-se onde
de leucócitos e gorduras, com possível calcificação estava uma placa arteriosclerótica em uma artéria coronária e fechou o vaso.
posterior; a trombose, já comentada, é outro possível Há coágulos que se dissolvem antes de provocar um infarto ou derrame.
causador de isquemia. Porém, mesmo assim, criam problemas, ao estimular a expansão da placa.

BioGUI13 CPV
158 BIologIa

Coração
capilares
um esquema da CIrCulação Humana
sanguíneos
A função do coração é bombear o sangue em seu trajeto por todo o corpo.
Para percebermos a ligação entre a anatomia e o funcionamento do coração,
devemos lembrar que o circuito do sangue entre o coração e o resto do corpo
pode ser dividido em dois trajetos: PEQUEnA
CiRCUlAçãO veias
· a chamada circulação respiratória ou pequena circulação e
OU pulmonares
· a circulação sistêmica ou grande circulação. PUlmOnAR
artéria
pulmonar
átrio
esquerdo

átrio
veia jugular direito
artéria braquial válvula
vávula
tricúspide mitral
aorta
veia cefálica artéria carótida
ventrículo
ventrículo
veias direito
esquerdo
cavas
válvula válvula
pulmonar aórtica
aorta
gRAnDe
CiRCUlAçãO
veia cava superior
artéria pulmonar

capilares
sanguíneos
veia pulmonar
artéria renal Já vimos que o sangue retorna dos órgãos do corpo
para o coração através do sistema de veias.
veia renal
Chega ao coração carregado de gás carbônico e pobre
em oxigênio, recebendo o nome de sangue venoso.
O coração bombeia o sangue venoso para os pulmões,
veia Ilíaca onde ele será arterializado, ou seja, trocará gás
carbônico por oxigênio.
artéria Ilíaca Mas o sangue arterial não segue direto para o corpo.
Pelo contrário, retorna ao coração, onde ganhará mais
pressão para, aí sim, ser bombeado para o resto do
corpo.
artéria femural
veia femural A pequena circulação consiste no trajeto
coração — pulmões — coração,
um circuito relativamente curto, já que o coração e os
veia tibial
pulmões são órgãos próximos.
artéria tibial
A grande circulação corresponde ao trajeto
corpo — coração — corpo,
um circuito bem mais longo.
Como o coração bombeia o sangue duas vezes a cada
circuito completo, dizemos que nossa circulação é
dupla. Como veremos mais à frente, nem todos os
sangue pobre em oxigênio vertebrados possuem essa vantagem.
sangue rico em oxigênio

CPV BioGUI13
BIologIa 159

O coração é um órgão oco, com parede musculosa. Tem o tamanho aproximado de um punho fechado e localiza-se no interior do
tórax, entre os dois pulmões, inclinado com sua parte inferior para o lado esquerdo. Internamente, uma separação longitudinal o
divide em lado esquerdo e direito. De cada um dos dois lados, estão as cavidades superiores — átrios — e inferiores — ventrículos.
O sangue venoso entra pelo átrio direito, passa para o ventrículo direito, é bombeado para os pulmões, retorna para o coração já
como sangue arterial, pelo átrio esquerdo, passa para o ventrículo esquerdo, que o impulsiona para o corpo. Assim, você deve
lembrar que:
1. o lado direito do coração bombeia sangue venoso;
2. o lado esquerdo bombeia sangue arterial;
3. os átrios recebem sangue do corpo, portanto os vasos ligados a eles são veias;
4. os ventrículos expulsam sangue para o corpo, portanto os vasos ligados a eles são artérias.

os quatro estÁgIos da CIrCulação

1o O sangue rico em oxigênio chega dos pulmões e entra no 2o Em seguida, ocorre a sístole atrial: o sangue passa dos átrios
átrio esquerdo pelas veias pulmonares. O sangue pobre em para os ventrículos, através das válvulas atriais (tricúspide
oxigênio chega do corpo e entra no átrio direito pelas veias e mitral). As válvulas semilunares (aórtica e pulmonar), que
cavas superior e inferior. estão na saída dos ventrículos, fecham-se.
sangue
sangue entra
entra válvulas
válvula atrial
atrial (mitral)
veias cavas veias
(tricúspide)
superior e pulmonares
inferior

átrio átrio ventrículo ventrículo


direito esquerdo direito esquerdo

3o As válvulas atriais fecham-se, impedindo o refluxo para os 4o Para receber novamente o sangue, átrios e ventrículos relaxam
átrios. Os ventrículos contraem-se, ocorrendo a sístole num movimento chamado diástole.
ventricular. O sangue força a abertura das válvulas
semilunares e sai do ventrículo esquerdo, pela artéria aorta, artéria pulmonar artéria aorta
em direção às células do corpo. Do ventrículo direito sai o
sangue pela artéria pulmonar, em direção aos pulmões.
sangue sangue
entra entra
artéria
ria aorta
arté onar
l m válvula
pu válvula atrial
válvula semilunar válvula (mitral)
semilunar (aórtica) atrial
(pulmonar) (tricúspide)
ventrículo
esquerdo
ventrículo relaxa
direito
relaxa

ventrículo
ventrículo esquerdo
direito contrai
contrai
nos esquemas, o lado direito corresponde
ao esquerdo do corpo, e vice-versa.

BioGUI13 CPV
160 BIologIa

a parede do Coração
O coração é revestido por uma parede formada por 3 camadas: esquema mostrando Corte do Coração
Com suas Camadas
· o epicárdio, camada mais externa,
· o miocárdio, camada média muscular e
· o endocárdio, camada interna.
O miocárdio é formado por células musculares especiais
e seus movimentos de contração e distensão promovem
a entrada e saída do sangue do coração. A espessura do Pericárdio parietal
miocárdio não é homogênea: é adequada ao esforço próprio
Cavidade do pericárdio
de cada região.
Ventrículo Pericárdio visceral
Os átrios bombeiam sangue para suas cavidades vizinhas, Átrio esquerdo (epicárdio)
os ventrículos, e por isso têm um miocárdio menos espesso. esquerdo
Miocárdio
O ventrículo direito manda sangue para os pulmões (pequena
circulação), possuindo uma capa muscular mais espessa. Endocárdio
O ventrículo esquerdo é o que realiza um esforço maior,
pois abastece todo o resto do corpo (circulação sistêmica),
possuindo, por isso, uma camada muscular cerca de três vezes
mais espessa que a do átrio direito.
esquema mostrando Corte do Coração Com suas Camadas

os vasos CardíaCos artérias levam sangue para a cabeça e braços

O sangue venoso chega ao coração através veia cava superior: traz artéria carótida
sangue da parte de cima artéria comum esquerda artéria
das veias cavas inferior e superior. do corpo braquiocefálica subclávica esquerda
A veia cava inferior conduz sangue venoso
da parte inferior do corpo, pernas e tronco.
A veia cava superior conduz sangue aorta:
proveniente dos braços e cabeça. transporta sangue
para as células do corpo
Do ventrículo direito sai a artéria artérias
pulmonar que bifurca-se logo acima do pulmonares:
coração, levando sangue venoso para os levam sangue
venoso aos artérias
pulmões direito e esquerdo. pulmões pulmonares

No átrio esquerdo, chegam duas veias veias veias


pulmonares trazendo sangue arterial dos pulmonares: pulmonares
pulmões, cada uma proveniente de um trazem sangue
arterial aos
pulmão. pulmões átrio esquerdo

Do ventrículo esquerdo sai a artéria aorta, válvula aórtica


conduzindo sangue arterial para o resto do átrio direito válvula
corpo. Logo acima do coração, ela assume pulmonar
um formato de arco — o arco aórtico — que válvula mitral
válvula tricúspide
se ramifica para todo o corpo. ou bicúspide
ventrículo
ventrículo esquerdo
vÁlvulas do Coração direito

septo
interventricular

Aórtica aorta: transportando sangue


Tricúspide (Pulmonar) Mitral veia cava inferior: para a parte inferior do corpo
transportando sangue da
parte de baixo do corpo

CPV BioGUI13
BIologIa 161

os vasos CoronÁrIos
A parede interna do coração, o endocárdio, é impermeável, e por isso a parede externa e o miocárdio recebem uma vascularização
própria, para garantir seu suprimento de oxigênio e nutrientes. Os vasos dessa região chamam-se coronários.
Bem da base da aorta saem duas artérias coronárias que se ramificam para o lado esquerdo e direito do coração e continuam
se ramificando até a formação dos capilares que irrigam o miocárdio.
As veias unem-se numa região do lado dorsal do ventrículo direito, o seio coronário, que drena o sangue venoso para essa cavidade.

aorta
artéria aorta
coronária
veia cava
esquerda
superior veia cava
gancho
aurícula superior
do átrio aurícula
artéria esquerdo artéria do átrio
coronária esquerdo
direita pulmonar
artéria ramo
pulmonar circunflexo seio
gancho coronário
aurícula
aurícula ramo do átrio veia
do átrio interventricular direito magna do
direito anterior coração
veia anterior
ramo do coração veia
interventricular média do
veia parva coração
posterior do coração

Artérias coronárias que irrigam o coração. Drenagem venosa do coração.

Infarto do miocárdio — a obstrução dos vasos coronários reduz a circulação sanguínea da região afetada (isquemia) e pode
ocasionar a morte das células do miocárdio por falta de oxigênio, provocando o infarto do miocárdio. A extensão da área afetada
determina a probabilidade de sobrevivência da pessoa. Se afetar uma área grande, pode causar a morte instantânea. Os sintomas
mais frequentes são dores intensas no peito — a chamada angina pectoris — que se irradiam para os braços (principalmente para
o esquerdo), sudorese e sensação de opressão e pânico.
ataque
CardíaCo
coágulo
sanguíneo artéria

placa de
colesterol

artérias
coronárias

músculo saudável
músculo morto

Dores irradiando pelo braço esquerdo podem sinalizar um ataque cardíaco. A área escura é a afetada pela obstrução.

BioGUI13 CPV
162 BIologIa

o BatImento CardíaCo
O coração bombeia sangue por meio de movimentos alternados de centro
contração — sístole — e expansão — diástole — promovidos pelo cardiorregulador
miocárdio. Para garantir o fluxo sanguíneo no sentido átrio-ventrículo, bulbo
enquanto os átrios se contraem, os ventrículos se expandem, e vice-
nervos cardíacos
versa. Um ciclo completo é composto por uma sístole e uma diástole, e nervo vago (adrenalina)
é chamado de batimento cardíaco. (acetilcolina)
A frequência cardíaca varia de acordo com o nível de atividade do corpo.
nó sino-atrial
Quando em repouso, a frequência cardíaca de um adulto normal é da (marca-passo)
ordem de 60 a 70 bpm (batimentos por minuto), podendo chegar a cerca A.D. A.E.
de 180-200 bpm sob intensa atividade. Quando dormimos, a frequência
cardíaca pode chegar a menos de 50 bpm.
Bradicardia é o nome que se dá a frequências abaixo do padrão
normal; taquicardia designa frequências maiores que o normal. nó
V.D. V.E.
atrioventricular
o Controle da frequênCIa CardíaCa
O coração se autoestimula, ou seja, os impulsos elétricos que causam fascículo
os movimentos das fibras do miocárdio são gerados no próprio coração. atrioventricular
A geração de impulsos elétricos ocorre no nódulo sinoatrial, uma
região de células especializadas do miocárdio, localizada no átrio direito,
próxima à entrada da veia cava superior, também chamada marcapasso. miócitos condutores cardíacos

O impulso gerado propaga-se para uma segunda região, situada mais Esquema do coração humano e nervos que modificam seu batimento.
abaixo — o nó atrioventricular — localizado ainda no átrio direito,
próximo do ventrículo direito. Deste, os impulsos são conduzidos para um sistema de fibras condutoras localizadas entre os
ventrículos — o fascículo atrioventricular (feixe de His) — que se bifurca nos ramos direito e esquerdo, cada qual ramificando-se
nos dois ventrículos. Essas ramificações ventriculares, chamadas fibras de Purkinje, são responsáveis pelas contrações ventriculares.
Embora o coração gere o próprio batimento, o sistema nervoso modula a frequência através do nervo vago (que provoca diminuição
da frequência) e dos nervos cardíacos (que provocam aceleração). O nervo vago (cardiomoderador) libera acetilcolina como
mediador químico, enquanto os nervos cardíacos (cardioaceleradores) liberam adrenalina.
O mal funcionamento das áreas geradoras e propagadoras dos impulsos elétricos pode causar arritimia ou fibrilação (instabilidade
da frequência cardíaca), que pode ser bastante perigosa.

as vÁlvulas CardíaCas
Disciplinam o fluxo de entrada e saída de sangue das cavidades cardíacas. Entre os átrios e ventrículos, há duas válvulas que se
fecham quando da sístole ventricular, impedindo que o sangue retorne para o átrio:
· a tricúspide, do lado direito;
· a bicúspide ou mitral, do lado esquerdo (é assim chamada pois seu formato lembra uma mitra papal, o chapéu cerimonial do
papa). Nas aberturas das artérias existem as válvulas arteriais, chamadas semilunares que impedem que o sangue retorne das
artérias para os ventrículos quando esses entram em diástole:
· a válvula pulmonar, do lado direito;
· a válvula aórtica, do lado esquerdo.
sopro — o mal funcionamento das válvulas atrioventriculares pode ocasionar alterações no fluxo de sangue entre essas duas
regiões, e é popularmente conhecido como sopro no coração. Se for leve, não há gravidade.

déBIto CardíaCo
É o volume de sangue expulso do coração a cada minuto. Em repouso, uma pessoa normal tem um débito de cerca de 5 litros por
minuto, marca interessante, considerando que as pessoas têm, em média, cerca de 5 a 6 litros de sangue no corpo.

pressão arterIal
Trata-se da pressão que o sangue exerce sobre as paredes das artérias. Normalmente, a pressão arterial é expressa por dois valores:
· pressão máxima — relativa à pressão sanguínea durante uma sístole ventricular (contração dos ventrículos), por isso é também
conhecida como pressão sistólica; num adulto jovem, corresponde a cerca de 120mm de Hg;
· pressão mínima — conhecido como pressão diastólica (relaxamento dos ventrículos); num adulto jovem, corresponde a
cerca de 80mm de Hg.

CPV BioGUI13
BIologIa 163

Esses valores estão sujeitos a variações dentro de um padrão de normalidade. Geralmente, os limites superiores de uma pressão
normal são definidos em 160/95 mm de Hg. Acima disso, temos a chamada hipertensão, que pode reduzir a expectativa de
vida. A elasticidade das grandes artérias tem influência significativa sobre a pressão arterial. A expansão do diâmetro das artérias,
quando ocorre a sístole, limita a pressão máxima. Por outro lado, a redução do diâmetro das artérias, quando ocorre a diástole,
limita a pressão mínima. Normalmente, a sístole ventricular é acompanhada por uma onda de dilatação arterial e a diástole, por
uma onda subsequente de contração. Esse ciclo dilatação — contração das artérias é conhecido como pulso.
A arteriosclerose — consiste no enrijecimento da área da superfície interna das artérias provocada por acúmulo de células musculares
lisas anormais, leucócitos, gorduras e colesterol, com formação de placas características chamadas ateromas. O sintoma inicial é
hipertensão arterial, podendo degenerar em sintomas mais graves, devido à obstrução circulatória (isquemia).

medIda da pressão arterIal


A medida da pressão arterial normalmente é obtida com auxílio de um aparelho
chamado esfigmomanômetro, que é aplicado no braço e mede a pressão da artéria
braqueal. Os passos são os seguintes:
1. uma bolsa de ar, chamada manguito, é colocada de forma a envolver a parte
superior do braço, acima do cotovelo;
2. o ar do ambiente é bombeado para o manguito, de forma que a pressão deste
sobre a artéria bloqueia o fluxo de sangue;
3. coloca-se o estetoscópio sobre a artéria braqueal, abaixo do manguito, e libera-se
gradativamente o ar;
4. logo que o fluxo de sangue retorna para a artéria, o que é audível pelo estetoscópio,
lê-se a pressão na escala do manômetro — essa é a pressão sistólica;
5. com a queda de pressão do manguito, logo o sangue continuará a fluir, mesmo
durante a diástole, o que é detectado pela alteração no padrão sonoro da batida
ouvida pelo estetoscópio; quando a alteração ocorrer, a pressão indicada no
manômetro será a diastólica.

bolsa de estetoscópio
ar inflável

artérias
do braço

manômetro

1. Pressão arterial 2. Pressão na bolsa de ar 3. Pressão na bolsa de ar 4. Pressão na bolsa


sistólica = 120 mmHg maior que 120 mmHg entre 80 e 120 mmHg menor que 80 mmHg
diastólica = 80 mmHg interrompe o fluxo permite fluxo de permite fluxo
sanguíneo para o braço. sangue durante a sístole; de sangue durante
o som da passagem a sístole e a diástole;
do sangue é audível os sons são audíveis
no estetoscópio. no estetoscópio.

BioGUI13 CPV
164 BIologIa

evolução da CIrCulação nos verteBrados

Embora todos os vertebrados possuam sistema circulatório fechado, diferenças importantes permitem observar um padrão evolutivo.
Em peixes, o coração é dotado de duas cavidades: um átrio e um ventrículo Coração
aurícula de peixe
ventrículo.
O sangue venoso vem do