Você está na página 1de 3

Biologia Geral

Membrana Plasmática
1) Composição da Membrana Plasmática
A membrana plasmática é constituída por uma bicamada lipídica associada com proteínas. Diz-
se que ela apresenta a conformação de mosaico fluido, uma vez que é capaz de sofrer mudanças
locais para atender a necessidades da célula ou organela.
Os lipídeos que formam a membrana são os fosfolipídeos, uma classe de lipídeos
caracterizada pela presença de duas cadeias de ácidos graxos apolares e uma cabeça hidrofílica,
normalmente formada por grupos de acetilcolina. A natureza anfipática dessa biomolécula faz com
que a parte mais externa da membrana seja hidrofílica, em contraposição da parte interna, que é
altamente hidrofóbica.
Além da porção lipídica, a membrana é atravessada por proteínas transportadoras, canais
iônicos. A função delas está, especialmente, em fazer o transporte de substâncias para dentro ou
para fora da membrana. Algumas “bombas”, como as de sódio e potássio, são nada mais que
proteínas que fazem transporte desses íons. Outra molécula encontrada formando a membrana
também são carboidratos. Estes aparecerem, principalmente, associados a algumas proteínas e
formando pequenos polímeros chamados de glicocálix. A função deles é o reconhecimento celular
de outros compostos que por ventura venham a colidir com a célula.

2) Função
A membrana plasmática apresenta as seguintes funções:
- Delimitar o espaço intracelular, bem como as organelas e outros componentes;
- Definir o que entra na célula, ou seja, apresenta permeabilidade seletiva;
- Proteger/reconhecer substâncias “estranhas” a célula.

3) Transporte
Já citamos que a membrana apresenta permeabilidade seletiva, o que significa que a membrana
permite apenas a passagem de algumas moléculas para seu interior. Agora, vamos entender
os mecanismos de passagem das substâncias.
Primeiramente, temos que entender que há dois grandes caminhos para a entrada de uma
molécula dentro da célula, como demostrados na tabela abaixo:
Mecanismo de transporte da membrana plasmática
TRANSPORTE PASSIVO TRANSPORTE ATIVO
Este transporte é caracterizado por ser a Ocorre contra o gradiente de concentração,
favor do gradiente de concentração, ou seja, ou seja, movimenta-se do sentido menos
do meio mais concentrado de soluto para o concentrado para o mais concentrado.
menos concentrado. Quando as Normalmente, este tipo de transporte envolve
concentrações se tornarem equivalentes, algum gasto energético.
haverá trocas constantes pois o sistema está
em equilíbrio.

TRANSPORTE PASSIVO
3.1. Osmose
A osmose é o transporte de água pela membrana plasmática. A água passa diretamente pela
membrana, sem necessidade de um transportador.
Para entender a osmose, é preciso imaginar que uma célula está mergulhada em uma solução na
qual a água é o solvente e há um soluto. Quando as concentrações de soluto são iguais dentro e
fora (no meio) da célula, diz-se que são isotônicas, já quando a concentração é maior na solução
que na célula, o meio está hipertônico, e por fim, quando é menor, o meio é hipotônico.
O que isso tem a ver com a osmose? Simples! A diferença das concentrações de sais fazem com
que a água tenha uma pressão osmótica diferente. Em um meio Hipertônico, a água ira sair de
dentro da célula para o outro, fazendo-a murchar. No meio hipotônico, no entanto, a água entra
para o interior da célula, fazendo-a turgida.
Alguns seres vivos unicelulares apresentam mecanismos para resistir a essas mudanças. É o caso
do paramécio, que possuí vacúolos de água doce em seu interior para reter a entrada excessiva
de água em meios hipertônicos. No caso das células vegetais, a parede celular (formada por
celulose, hemicelulose e algumas proteínas) confere rigidez e evita com que a célula seja destruído
pela alta pressão osmótica.
3.2. Difusão Simples
É a entrada lenta e gradual de uma soluto a favor do gradiente de concentração, sem o auxílio
de nenhum outro aparelho proteico para isso.
3.3. Difusão facilitada
Da mesma forma como a difusão simples, a difusão facilitada ocorre a favor do gradiente de
concentração. Contudo, neste processo encontram-se carreadores proteicos, as permeases, que
permitem a entrada dos solutos.
Assim, a velocidade de entrada das substâncias cresce até atingir um nível de saturação, que é o
momento em que todas as permeases estão fazendo transporte. A partir daí, a difusão entra em
equilíbrio dinâmico.
Esse é o caso de algumas vitaminas, a glicose e alguns aminoácidos.
TRANSPORTE ATIVO
Este mecanismo acontece CONTRA o gradiente de concentração. Neste tipo transporte acontece
o consumo de ATP para conseguir bombear a molécula desejada. É muito recorrente nas ATPases,
como a bomba de sódio e potássio que tenta manter a concentração de íons estáveis e o gradiente
eletroquímica necessário dentro das membranas celulares.
Respostas dos exercícios:
16) A 17)C