Você está na página 1de 71

E-Book Guia completo de

solda TIG

1
Sumário
Introdução ...............................................................................05
1- Processo tig .........................................................................08
1.1 Histórico do processo tig ..........................................09
1.2 Vantagens do processo tig ........................................10
1.3 Desvantagens do processo tig ...................................11
1.4 Formas de soldagem tig ...........................................12
1.5 Variáveis do processo tig ..........................................13
1.6 Tensão do arco elétrico .............................................14
1.7 Tipos de corrente ....................................................15
1.8 Material de adição ...................................................17
2- Gases de proteção ................................................................18
2.1 Heliarc ...................................................................19
2.2 Argônio .................................................................20
2.3 Gás lens .................................................................21
2.4 Vazão do gás ..........................................................22
2.5 Regulador de pressão ...............................................24

2
Sumário
3- Materiais soldáveis no processo tig/gases de proteção ................25
3.1 Aços carbono e de baixa liga .....................................26
3.2 Aços inoxidáveis e ligas refratárias .............................27
3.3 Ligas de alumínio ....................................................28
3.4 Ligas de magnésio ...................................................29
3.5 Berílio ....................................................................30
3.6 Ligas de Cobre ........................................................31
3.7 Ligas de Níquel .......................................................32
3.8 Metais refratários e reativos ......................................33
3.9 Ferro fundido ..........................................................34
3.10 Metais não soldados no processo tig .........................35
4- Eletrodo de Tungstênio e suas especificações ............................36
4.1 Utilização do Eletrodo de Tungstênio ..........................37
4.2 Eletrodos de Tungstênio Puro ....................................38
4.3 Eletrodos de Tungstênio Ligados ................................39
4.4 Eletrodo de Tungstênio Universal ...............................41

3
Sumário
5- Técnicas de operação de equipamentos tig ...............................47
5.1 Tipo de soldagem ....................................................48
6- Técnicas de soldagem tig .......................................................52
7- Velocidade da soldagem .........................................................54
8- Tipos de tocha tig .................................................................55
9- Normas de Segurança ...........................................................57
9.1 EPIs recomendados na soldagem tig ..........................58
10- Local de funcionamento do aparelho tig ..................................59
11- Defeitos mais comuns na solda tig e soluções ..........................60
11.1 Consumo excessivo do eletrodo de tungstênio ...........61
11.2 Arco errático .........................................................63
11.3 Porosidade ............................................................65
11.4 Cordão de solda oxidado .........................................67
Sobre a Alusolda .......................................................................69

4
Introdução
Olá soldador!
Seja bem vindo ao nosso e-book: Guia completo de solda Tig.
Através deste livro eletrônico você poderá perceber todos os detalhes do
processo Tig para obter novos conhecimentos e consequentemente
melhor desempenho na sua prática de soldagem.
Aqui apresentaremos algumas técnicas, detalhamentos, tipos diferentes
de aplicação problemas e soluções que te auxiliará durante a execução
do seu trabalho.
Esperamos que tenha uma ótima leitura e um grande aprendizado.

5
1- Processo TIG
A soldagem é utilizada em uma infinidade de produtos diferentes e,
por isso, a grande maioria das indústrias utiliza a técnica em algum
ponto de sua linha de produção ou manutenção.
Diante da gama de tipos de solda, faz-se necessário que o método
correto seja aplicado de acordo com as características do produto ou
serviço.
O que é a Solda TIG
Para entender como funciona esse tipo de solda, primeiramente é
preciso conhecer o significado da sigla TIG: Tungsten Inert Gas (em
português, Tungstênio Gás Inerte). Esse método de soldagem é
realizado a arco elétrico, um curto-circuito controlado.
Os eletrodos utilizados no processo são feitos de Tungstênio, elemento
robusto que possui o mais alto ponto de fusão entre os metais. Por
esse motivo, o eletrodo não é consumido na soldagem.

6
1- Processo TIG
Para garantir que não haja reações
químicas indesejadas (como oxidação, por
exemplo) durante o processo, é
necessário que a solda seja feita com a
presença de um gás inerte. Esse tipo de
gás é justamente aquele que não reage
quimicamente com outros elementos em
condições normais de temperatura e
pressão. No caso da solda TIG, é utilizado
o gás Argônio, que tem características
técnicas ideais e é economicamente
viável.

7
1- Processo TIG
Os equipamentos utilizados na Solda TIG são
definidos conforme o material a ser soldado.
No caso de alumínio e magnésio deve ser uma
máquina de solda com corrente alternada
(AC) e os outros metais uma máquina de
solda com corrente contínua (DC). Pode-se,
então, ser um inversor de solda ou uma
máquina de solda convencional, utilizando
uma tocha de soldagem (com eletrodo de
Tungstênio) e o gás de proteção. Um metal de
adição pode ser utilizado, mas isso é definido
dependendo da necessidade.

8
1.1 - Histórico do Processo TIG
O processo TIG foi introduzido na década
de 30 na indústria aeronáutica direcionada
para a área militar para soldagem do
alumínio e suas ligas.
Na época de seu desenvolvimento já era
bastante conhecida a importância de
um gás de proteção para evitar o
aparecimento de defeitos no cordão de
solda.
Utilizado na soldagem dos principais
metais em todos os setores industriais
o processo TIG apresenta alta qualidade e
alta resistência estrutural.

9
1.2 - Vantagens do processo TIG
•Melhor acabamento entre os processos;
•Ótima qualidade das propriedades mecânicas de soldagem;

•Estanquiedade e acabamento sanitário;


•Não necessita de metal de adição em determinadas espessuras e
preparações;
•Soldável em qualquer posição;
•Permite controlar o aporte de calor na peça a ser soldada:
Energia [ KJ/mm ] = Tensão [ V ] x Corrente [ A ] x 0,06 .
Velocidade de soldagem [ mm/min ]

10
1.3 - Desvantagens do processo TIG

•Baixa produtividade;
•Alto custo de implantação;
•Exige mão-de-obra
qualificada.

11
1.4 - Formas de soldagem TIG

Soldagem Autógena: é aquela onde não se utiliza metal de


adição. Utilizada em juntas sobrepostas, raízes sem abertura,
juntas com ângulo exterior e espessuras finas.
Soldagem com metal de adição: é toda solda efetuada,
independente do tipo de junta ou finalidade, com adição de metal.

Obs.: Alguns aços requerem soldas com metal de adição


devido a sua composição química e assim exclui a
possibilidade da soldagem autógena.

12
1.5 - Variáveis do processo TIG

•Tensão do arco elétrico;


•Tipo de corrente utilizada;
•Intensidade de corrente;
•Velocidade de soldagem;
•Eletrodo de tungstênio;
•Afiação do eletrodo;
•Gás de proteção e bocais;
•Material de adição.

13
1.6 - Tensão do arco elétrico
A tensão do arco está diretamente ligada ao comprimento do
arco. Ela é uma resultante da união de muitas variáveis
inerentes a operação, são elas:
A distância entre o eletrodo e a peça;
A corrente de soldagem;
Tipo de gás de proteção;
Afiação do eletrodo.
A tensão do arco influência também a largura da poça de fusão
e a penetração, ou seja, tem resultado direto na característica
do cordão.

14
1.7 - Tipos de corrente
Corrente alternada (CA):
Para soldagem do alumínio e latão e utilizada a corrente alternada, a
inversão constante da polaridade nesse tipo de corrente, remove os
óxidos formados pelo calor do arco elétrico deixando o metal livre de
impurezas.
A corrente alternada é fornecida por equipamentos que possuem uma
saída em corrente alternada e geram uma alta frequência que pode
chegar a 2 ou 3 khz por segundo, essas características possibilitam
uma ótima abertura do arco elétrico sem o contato do tungstênio com
a peça e a estabilização do arco durante as inversões da polaridade.

15
1.7 - Tipos de corrente
Corrente contínua (CC):
Para a soldagem dos aços carbono, inoxidável, aços ferramenta,
titânio, cobre e ligas especiais, é utilizada a corrente contínua por
direcionar o fluxo dos elétrons em direção ao polo positivo, esse tipo
de corrente gera mais calor.
Nesse processo a conexão da peça a ser soldada no polo positivo
aumenta a concentração de calor garantindo excelentes resultados de
soldagem.

16
1.8 - Material de adição

O material de adição deve estar de acordo


com o material base. Porém nem sempre é
necessária sua utilização, podendo ser
realizado apenas o caldeamento para a
união de duas chapas.

17
2 - Gases de proteção
O gás inerte é um gás de
proteção que tem algumas funções
básicas: provocar uma boa ionização
quando o gás se torna condutor de
corrente elétrica, proteger
o tungstênio e a poça de fusão do
meio ambiente evitando sua
oxidação durante a soldagem,
continuar protegendo o tungstênio e
o final do cordão durante a fase de
resfriamento.

18
2.1 - Heliarc

No início o processo TIG era chamado


de HELIARC, pelo uso do gás Hélio que
também é um gás inerte.

19
2.2 - Argônio

Por ser mais econômico e tecnicamente


ideal no mundo todo e utilizado o gás
argônio. Na soldagem de metais de alta
dissipação térmica como cobre ou
alumínio a utilização de misturas HÉLIO
+ ARGÔNIO possibilitam algum aumento
da voltagem do arco provocando maior
transferência de calor para poça de
fusão. Podemos constatar que
o processo TIG consiste em uma zona
de intenso calor protegida do ar
atmosférica controlada pelo soldador.

20
2.3 - Gás Lens

Para soldagem de aços inoxidáveis, titânio e


aços ferramentas foi desenvolvido um difusor
de gás especial conhecido com sistema gás lens
que melhora a proteção de gás na região de
solda, nesse sistema micro feixes de gás
oferecem melhor proteção com o mesmo fluxo
usado no sistema convencional.

21
2.4 - Vazão do Gás
Para que a proteção oferecida pelo gás seja eficiente, é
preciso considerar a vazão do gás.

• A vazão deve ser forte o suficiente para deslocar o ar


para longe da área da solda e assim proteger a poça de
fusão.
• Vazão elevada pode causar turbulência no fluxo do
gás, resultando em descontinuidade ou defeitos no
cordão e instabilidade do arco, sem falar no custo
maior de soldagem.
• Uma vazão baixa não oferece proteção adequada à
poça de fusão, causando também descontinuidades.

22
2.4 - Vazão do Gás
A vazão ideal leva em consideração fatores como:
• Tipo de gás utilizado;
• Distância entre o bocal e a peça;
• Tipo e posição da tocha; tipo de junta;
• Diâmetro do bocal;
• Velocidade e posição de soldagem;
• Tipo de metal a ser soldado e
• Tamanho da poça de fusão.

Existem no mercado dispositivo adaptável à tocha que permitem um


fluxo de gás mais suave e eficiente. Uma regra para determinar a
vazão ideal é fazer um teste, iniciando com vazão elevada e diminuir
gradativamente até que comece uma oxidação superficial do cordão;
a vazão ideal será a mais próxima e superior a essa.

23
2.5 - Regulador de pressão
Para reduzir a pressão do cilindro e
controlar a vazão de saída do gás de
proteção, utilizam-se reguladores
desenvolvidos para este fim,
normalmente são compostos de um
manômetro de alta pressão que
índica a quantidade de gás no
cilindro e outro de baixa pressão
que informa a vazão de trabalho. A
leitura da vazão dos reguladores é
feita em litros por minuto a
quantidade expelida do gás de
proteção é diretamente proporcional
ao diâmetro do bocal utilizado.

24
3 - Materiais soldáveis pelo processo
tig/gases de proteção

Um dos aspectos importantes para se saber acerca


do processo tig é quais os tipos de materiais que são
soldáveis por esse processo. É definido que a maioria
dos metais podem ser soldados pelo processo TIG,
porém, para obtenção de um bom resultado é
necessário conhecer o material e o tipo de gás de
proteção eficaz para cada um deles. Veja:

25
3.1 - Aços carbono e de baixa liga

•Argônio - Ate 12mm de espessura


•Argônio/Hélio – acima de 12mm de espessura

A qualidade do gás da soldagem por TIG nestes


materiais são mais fortemente dependentes das
contaminações no metal de base que nos processos
eletrodo revestido ou arco submerso devido à
ausência dos fluxos para remoção das impurezas.

26
3.2 - Aços inoxidáveis e ligas
refratárias
•Argônio
•Argônio/Hélio
•Argônio/Hidrogênio
•Hélio puro

Devido ao seu alto grau de proteção, estes materiais


são extensivamente utilizados com soldagem por TIG.
Além disso, o metal de adição, por não atravessar o
arco, pode conservar os elementos de liga, levando-se
essa pureza para a formação final do metal.

27
3.3 - Ligas de alumínio
•Hélio - Para seções espessas - Acima de 1/4
utiliza-se corrente contínua com eletrodo no
polo negativo em processos automáticos sendo
que devido à ausência de limpeza catódica as
peças têm de ser limpas imediatamente antes
do processo.
•Argônio - Em corrente alternada, por prover
melhor limpeza, melhor inicialização do arco e
qualidade superior de solda.
O TIG é um processo perfeito para a soldagem
destes materiais, podendo ser realizadas
operações em todas as espessuras e soldagens.
Na maioria dos casos é utilizada corrente
alternada, devido à limpeza catódica. Na
soldagem de superfícies finas algumas vezes é
utilizado o corrente contínua com eletrodo no
polo positivo

28
3.4 - Ligas de magnésio

•Argônio

As ligas de magnésio têm


operações próximas às das ligas
de alumínio, utilizando-se
também na maioria das vezes
de soldagem com corrente
alternada.

29
3.5 - Berílio

•Hélio- cinco partes de hélio para uma


parte de Ar

As soldagens deste material são


difíceis devido a sua tendência de
fratura a quente e fragilização. Assim
sendo, o processo é conduzida em
câmaras de atmosfera inerte. Deve-se
considerar também que os fumos de
berílio são tóxicos.

30
3.6 - Ligas de cobre

•Hélio- corrente contínua com


eletrodo no polo negativo

O TIG é apropriado para a


soldagem de cobre devido à alta
intensidade de geração de calor
pelo arco, o que permite um
mínimo aquecimento das
vizinhanças da região de solda.

31
3.7 - Ligas de níquel

•Argônio
•Argônio/Hélio
•Hélio

Normalmente são soldadas por corrente


contínua com eletrodo de tungstênio no
polo negativo.

32
3.8 - Metais refratários e reativos

•Gasesde alta pureza - Frequentemente são utilizados


câmaras purgadas

Estes materiais possuem pontos de fusão


extremamente elevados e são altamente reativos,
oxidando-se rapidamente a altas temperaturas. Dessa
forma, TIG provê alta intensidade de calor com
proteção adequada ao processo destes materiais.

33
3.9 - Ferro fundido
•Argônio

É importante: afiar o eletrodo de


Tungstênio (com Tório) no diâmetro de 3,2
mm com a ponta não muito fina, colocar
o eletrodo de Tungstênio na tocha
TIG deixando a ponta do eletrodo para
fora do bocal aproximadamente 5 mm,
ajustar o regulado de Argônio em
aproximadamente 5 litros de gás por
minuto (com vazão dinâmica).

34
3.10 - Metais não soldados no
processo tig
•Cádmio
•Zinco
•Estanho

Devido à baixa pressão de vapor dos líquidos desses


metais o processo TIG não é usado para soldá-los.
Casos específicos como o alumínio utiliza-se
o eletrodo de tungstênio com 2% de tório.

35
4 - Eletrodo de Tungstênio e
suas especificações

No processo TIG o eletrodo de tungstênio funciona como


terminal do arco e não é consumível. É ele que gera o
calor para a abertura do arco de solda e inícia o processo
de solda. Daí a importância de conhecer o tipo de eletrodo
de tungstênio correto e a forma mais eficiente para
utilização no processo de soldagem TIG para maior
proveito e benefício.

36
4.1 - Utilização do Eletrodo de
Tungstênio
Utilização acima do limite da capacidade de corrente dos eletrodos de
tungstênio - causa erosão ou fundição do eletrodo de tungstênio.
Utilização de correntes muito baixas - haverá instabilidade no arco, devido ao
superaquecimento.
Utilização de eletrodo de tungstênio como pólo positivo em corrente contínua
- necessita de diâmetros de eletrodos de tungstênio bastante superiores para
uma mesma corrente, se comparado com eletrodo de tungstênio no pólo
negativo com corrente contínua.
Utilização do eletrodo de tungstênio no pólo positivo em corrente contínua -
permite uma corrente de apenas aproximadamente 10 % da utilizada para
um mesmo eletrodo de tungstênio em corrente contínua com eletrodo de
tungstênio no pólo negativo.
Utilização do eletrodo de tungstênio na corrente alternada é da ordem de 50
% da corrente em corrente contínua com eletrodo de tungstênio no pólo
negativo para um mesmo eletrodo.
Os eletrodos de tungstênio são produzidos através de acabamento químico
ou mecânico para remoção de imperfeições e impurezas na sua superfície.

37
4.2 - Eletrodos de Tungstênio Puro
Os eletrodos de tungstênio puros
possuem, no mínimo, 99,5 % de
tungstênio e tem uma capacidade de
corrente inferior que os eletrodos de
liga de tungstênio. Porém, são muito
utilizados em soldagem com corrente
alternada, pois mantém uma
extremidade limpa e arredondada, que
possibilita boa estabilidade ao arco
neste processo.

38
4.3 - Eletrodos de Tungstênio Ligados
Eletrodo de Tungstênio com
Tório: Os eletrodos de tungstênio com
óxido de tório, são classificados como
EWTh-1com ponta amarela e 1% de
tório e EWTh-2 com ponta vermelha e
2% de tório. Os eletrodos de
tungstênio ligados permitem a
operação em correntes mais elevadas
(aproximadamente 20% de
acréscimo). Esses eletrodos de
tungstênio com tório mantém uma
ponta fina durante a soldagem, o que
facilita a soldagem de aços. Já na
soldagem com corrente alternada
tornam-se ineficazes e não tem o
mesmo benefício, pois não mantém a
ponta arredondada.

39
4.3 - Eletrodos de Tungstênio Ligados
Eletrodo de Tungstênio com Cério: Os eletrodos de tungstênio com
óxido de cério, apesar de possuírem características muito parecidas aos
toriados tem a vantagem de não trabalhar com um elemento de
tungstênio radioativo. Estas mesmas características são mantidas
nos eletrodos de tungstênio com óxido de lantânio.
Eletrodo de Tungstênio com Zircônio: Os eletrodos de tungstênio com
óxido de zircônio são muito utilizados em soldagem com corrente
alternada, pois combinam a estabilidade e ponta arredondada do eletrodo
de tungstênio puro e a capacidade de corrente e partida dos eletrodos de
tungstênio toriados. Mas, possuem resistência de contaminação mais alta
que os eletrodos de tungstênio puros.
Os eletrodos de tungstênio que não se fazem parte das classificações
acima são classificados como EWG, contendo quantidade e combinação
de óxidos não específicos.

40
4.4 - Eletrodo de Tungstênio Universal
A medida que o tempo passa, novidades chegam em nossa volta. Na
busca de mais qualidade em nossa vida tanto no cotidiano quanto no
trabalho, procuramos sempre inovações que possam facilitar as
atividades e até mesmo nos beneficiar de um modo geral.
Se o mundo não para tecnologicamente falando o soldador por sua
vez acaba por obter inúmeras vantagens novas, sejam elas em
máquinas ou até mesmo em acessórios.
Desta forma é importante destacarmos que o soldador ganha mais
uma opção para soldagem no processo TIG com eletrodos de
tungstênio. Temos um conhecimento maior da utilização de eletrodos
de tungstênio puros, com tório, com cério e com zircônio, porém uma
novidade chega para agregar maior força, praticidade e segurança ao
soldador que é o Eletrodo Universal E3.

41
4.4 - Eletrodo de Tungstênio Universal
O Eletrodo Universal é diferenciado,
pois ele elimina os riscos de
contaminação radioativa durante
o processo de soldagem TIG, além de
reduzir o impacto ambiental fazendo
com que os pedaços remanescentes e
as partículas de esmerilhamento não
sejam mais tratadas como perigosas.
Sendo assim o Eletrodo de Tungstênio
Universal se torna a escolha perfeita
não só para você, mas também para o
meio ambiente.

42
4.4 - Eletrodo de Tungstênio Universal

Vamos analisar as principais vantagens que o Eletrodo de


Tungstênio Universal E3apresenta:
Estabilidade do arco aumentada;
A ponta do eletrodo universal se mantém “mais fria” do que as
pontas dos eletrodos do tipo toriado;
Possui maior capacidade de corrente;
Características de ignição superiores e repetíveis;
Maior flexibilidade de aplicação;
Menos degradação para a ponta do eletrodo.

43
4.4 - Eletrodo de Tungstênio Universal
Na mesma densidade de corrente, o Eletrodo Universal
E3 opera a uma temperatura aproximadamente 900°C menor
do que os eletrodos WTh; sendo assim, eles possuem uma
capacidade de transporte de corrente mais alta. Veja na
tabela:

44
4.4 - Eletrodo de Tungstênio Universal
Visualmente, os eletrodos E3 após 150 ignições apresenta
menos erosão do que os eletrodos WTh 20 após o mesmo
número de ignições. Esses eletrodos de
tungstênio apresentam ignições de qualidade mesmo após um
longo período de uso.

45
4.4 - Eletrodo de Tungstênio Universal
O Eletrodo de Tungstênio Universal E3 é adequado para todos os tipos
de soldagem de CA (Corrente Alternada) e de CC (Corrente Contínua,
tanto para aços sem liga quanto para aços de alta liga, além de ligas
de alumínio, titânio, níquel cobre e de magnésio. Esse eletrodo de
tungstênio é codificado com a cor lilás.
Ter mais vantagens, segurança, praticidade é o que todo soldador
busca na aplicação do seu trabalho e é por isso que é sempre bom
estarmos atentos as novidades que aparecem no mercado e obtendo
um pouco mais de conhecimento a respeito do Eletrodo de Tungstênio
Universal, vemos que ele não é somente mais uma opção para o
soldador mas sim uma excelente opção.

46
5 - Técnicas de operação de
equipamento TIG
No processo TIG é possível escolher o tipo
de soldagem mais adequada à necessidade
operacional de cada situação, ele possibilita
a soldagem manual, mecanizada, semi-
automática e automática. Para obter bons
resultados com o processo TIG, é
necessário conhecer os tipos de soldagem,
as técnicas de soldagem e
os equipamentos adequados, que trará
mais benefício para a produtividade.

47
5.1 - Tipo de Soldagem
Soldagem Manual:
Na soldagem manual o próprio operador irá
controlar todas as funções do processo de
soldagem, como a adição e o suprimento de
gás. Na soldagem manual são
utilizados: tocha, cabos e condutores elétricos,
pedal de pé (para controle de nível de corrente
de soldagem) e controles de fluxo de gás. Uma
vez iniciado o arco, o eletrodo é movido
circularmente até o estabelecimento da poça de
soldagem. A tocha é então inclinada em 15
graus e é movida ao longo da junta para fundir
progressivamente as superfícies.
O material de adição é adicionado, se frio, no
início da poça. Deve-se tomar um cuidado
especial para manter sempre a ponta do arame
de adição dentro do fluxo do gás de proteção.

48
5.1 - Tipo de Soldagem

Soldagem Mecanizada:
A soldagem mecanizada é feita através
de equipamento que produz a solda
com a constante supervisão e controle
do operador de solda. Este processo
tem custos elevados, porém esses
custos são compensados pela maior
produtividade e qualidade obtidas. Os
processos ocorrem como um controle
aberto de forma que os níveis pré-
ajustados são mantidos durante o
processo sem realimentação ou ajuste.

49
5.1 - Tipo de Soldagem

Soldagem semi automática:


Na soldagem semi-automática o
único parâmetro
automaticamente controlado é
a alimentação do arame de
adição, sendo o avanço da
tocha realizado manualmente.

50
5.1 - Tipo de Soldagem

Soldagem Automática:
Na soldagem automática os
equipamentos são auto-
ajustáveis, sem a interferência
de um operador. Algumas
máquinas modernas deste tipo
fazem correções nas variáveis
de soldagem baseadas em
informações obtidas durante o
próprio processo.

51
6 - Técnicas de Soldagem TIG
FORMAÇÃO DA POÇA DE FUSÃO
•Afim de pré-aquecer o metal e provocar o aparecimento da
poça de fusão deve ser efetuado um movimento circular
com arco mantido a uma distância media de 2 a 3 mm. +
•Formada a poça de fusão a tocha deve ser posicionada em
um ângulo de 15° a 20° obedecendo à direção da
soldagem.
•O metal de adição deve ser depositado na borda dianteira
da poça de fusão em um ângulo de 15° a 20° em relação à
superfície do metal base.

PROTEÇÃO DA RAIZ (OXIDAÇÃO)


Para obtenção de uma raiz sem oxidação o melhor método
consiste em proteção da raiz com um gás inerte.

52
6 - Técnicas de Soldagem TIG
MICROSOLDA ORBITAL
Sistemas orbitais possibilitam a soldagem com
produtividade e qualidade acima da média de peças como:
•Tubos de pequeno diâmetro para uso em laboratórios
indústrias de bebidas e alimentos.
•Tubulações de maior diâmetro e espelhos de trocadores.

COMPRIMENTO DO ARCO
•O comprimento do arco é a distância entre a ponta do
eletrodo e o metal de base; o aumento do comprimento faz
aumentar também a tensão do arco, sob uma dada corrente
de soldagem e determinado gás de proteção.
•O comprimento do arco influencia o cordão de solda, que
será tanto mais largo quanto maior for o arco.
•Um arco muito curto ou muito longo torna-se instável,
favorecendo a formação de porosidades, mordeduras e falta
de fusão.

53
7 – Velocidade da soldagem
A velocidade de soldagem tem influência sobre a
penetração e a largura do cordão de solda; assim, se a
velocidade aumenta, a penetração e o cordão diminuem,
acontecendo o mesmo também com o reforço, quando se
solda com adição de metal.
Uma velocidade maior melhora a eficiência e a
produtividade da soldagem, reduzindo os custos de
produção.
Velocidades altas demais podem causar
descontinuidades, como falta de penetração e
mordeduras.

54
8 - Tipos de tochas TIG

Tochas refrigeradas a gás:


As tochas refrigeradas a gás
são mantidas na temperatura
adequada pelo efeito de
resfriamento causado pelo
próprio gás de proteção. Estas
tochas estão limitadas a uma
corrente máxima de cerca de
200 A.

55
8 - Tipos de tochas TIG

Tochas refrigeradas a água:


As tochas refrigeradas a água promovem a circulação
de água, normalmente em circuito fechado, para
refrigeração. Desta forma, pode-se dispor de tochas
que suportam correntes de até 1000 A. A tocha
refrigerada a água é a mais empregada em
equipamentos automatizados de GTAW.

56
9 - Normas de Segurança
Os procedimentos de segurança devem ser cuidadosamente seguidos na
aplicação da soldagem TIG:
O equipamento deve ser aterrado, o operador deve certificar de que as
luvas e roupas estejam secas sem umidade, para evitar risco de choque
elétrico.
O operador deve estar protegido com máscara de lentes filtrantes e
roupas de proteção para proteger da radiação ultravioleta que pode
prejudicar os olhos e a pele.
Manter longe do arco e das fagulhas do aparelho materiais inflamáveis
para evitar o risco de incêndio.
O operador deve usar EPIs indicados para o processo.
Cuidados na manipulação de cilindros pressurizados;

57
9.1 - EPIs recomendados na soldagem TIG

Bota com solado isolante


Perneiras
Avental de raspa
Mangote
Luvas de raspas
Mascara de proteção automática
Mascara de proteção
Abafador de ruídos

58
10 - Local de funcionamento do aparelho TIG

• SISTEMA DE EXAUSTÃO - É
importante uma ventilação
adequada no local de trabalho, o
operador deverá evitar uma
exposição excessiva aos vapores
do metal derretido.
• UMIDADE - O local de trabalho
deve estar seco livre de umidade

59
11 - Defeitos mais comuns na
solda tig e soluções
O processo de Soldagem TIG é bastante eficiente,
desde que aplicado corretamente as variáveis do
processo: O material de adição, as técnicas de
soldagem a utilização correta dos gases de proteção e
não menos importante, a técnica de manipulação, que
envolve a experiência do soldador e/ou automatização
do processo. Porém, defeitos de solda podem ocorrer
por práticas inadequadas na soldagem, vejamos a
seguir os defeitos, as causas e as soluções mais
comuns neste processo.

60
11.1 - Consumo excessivo do Eletrodo
de Tungstênio
Causa 1: Gás de proteção insuficiente.
Solução 1: Limpar o bocal da tocha.
Verificar se há vazamentos nas mangueiras.
Diminuir distância entre o bocal e a peça.
Aumentar a vazão do gás argônio. (Veja a tabela).

Causa 2: Soldagem em polaridade inversa.


Solução 2: Corrigir polaridade. (Colocar Tocha Tig no
negativo).

61
11.1 - Consumo excessivo do Eletrodo
de Tungstênio
Causa 3: Diâmetro inadequado do eletrodo de
tungstênio em relação à corrente necessária ao trabalho.
Solução 3: Usar eletrodo de tungstênio com diâmetro
maior. (Veja a tabela)
Causa 4: Eletrodo de Tungstênio contaminado.
Solução 4: Eliminar a contaminação por meio de
esmerilhamento da ponta do eletrodo de tungstênio. (Veja a
tabela).
Causa 5: Oxidação do eletrodo de tungstênio durante o
resfriamento.
Solução 5: Manter o gás argônio fluindo após a extinção do
arco por pelo menos 10 segundos.

62
11.2 - Arco errático
Causa 1: Presença de óxidos ou agentes contaminadores
na superfície do metal de base.
Solução 1: Limpar a superfície do metal de base.

Causa 2: Ângulo do chanfro da junta estreito demais.


Solução 2: Corrigir ângulo.

Causa 3: Eletrodo de tungstênio contaminado.


Solução 3: Limpar eletrodo de tungstênio. (Veja a tabela)

63
11.2 - Arco errático
Causa 4: Diâmetro do eletrodo de tungstênio grande
demais para a intensidade de corrente usada.
Solução 4: Utilizar o eletrodo de tungstênio no tamanho
adequado, ou seja, o menor possível para a corrente
necessária. (Veja a tabela).

Causa 5: Arco muito longo.


Solução 5: Aproxime mais o eletrodo de tungstênio.

64
11.3 - Porosidade
Causa 1: Impurezas na linha
de gás.
Solução 1: Purgar o ar de
todas as linhas antes de abrir o
arco.

Causa 2: Mangueiras de água


e gás trocadas.
Solução 2: Usar somente
mangueiras novas. (Usar
mangueiras somente que
foram utilizadas com argônio).

65
11.3 - Porosidade
Causa 3: Superfície do metal de
base e / ou do metal de adição
contaminada. (Com umidade,
fora da embalagem, etc.)
Solução 3: Fazer limpeza.

Causa 4: Vazão do gás argônio


inadequada.
Solução 4: Corrigir vazão do
gás argônio. (Veja a tabela).

Causa 5: Arco muito longo.


Solução 5: Corrigir
comprimento do arco.

66
11.4 - Cordão de Solda Oxidado
Causa 1: Proteção insuficiente do gás argônio.
Solução 1: Verificar taxa de vazão do gás argônio e o
tamanho do arco. Corrigir a posição da tocha e
centralizar os eletrodos de tungstênio no bocal de gás.

Causa 2: Metal de base ou de adição sujo.


Solução 2: Limpar a superfície do material de base e
dos materiais de adição.

67
11.4 - Cordão de Solda muito largo
Causa 1: Arco muito longo.
Solução 1: Corrigir o tamanho do arco e a posição
da tocha.

Causa 2: Velocidade de soldagem muito baixa para


a corrente usada.
Solução 2: Verificar e alterar corrente e / ou
velocidade de soldagem.

68
Sobre a Alusolda
A Alusolda é uma empresa atuante no
segmento de soldas e cortes, prezando
pela qualidade de seus produtos e
atendimento desde 1987.
É especializada em locação de
equipamentos para soldagem e corte,
disponibilizando máquinas de solda mig,
solda tig, soldagem com eletrodos, corte a
plasma além de uma completa linha de
acessórios que auxiliam no processo como
tochas, fornos para eletrodos, estufas,
alimentadores, cabos especiais e outros
itens, para uma aplicação completa dos
diversos processos de soldagem ou corte,
sempre oferecendo equipamentos de alta
qualidade, revisados e prontos para serem
utilizados nos mais variados projetos. Paulo Cesar – Diretor Comercial

69
Sobre a Alusolda
A Alusolda se divide em três vertentes de atuação:
Alusolda Locadora – Aluguel de Máquinas de Solda e
Corte a Plasma
Alusolda Revenda – Venda de Máquinas novas e
usadas, Consumíveis de Solda e Corte a Plasma
Alusolda Assistência Técnica – Autorizada das
melhores marcas do segmento de Solda e Corte a
Plasma
Sua Missão é proporcionar aos Clientes soluções em
solda e corte com Qualidade Ética e Transparência.
Possui a visão de ser referência em solda e corte na
região Centro-Oeste do Brasil.
Os valores da empresa são o trabalho pautado na
Ética, Integridade, Melhoria Contínua, Qualidade e
Valorização Humana.
Site da empresa:
www.alusolda.com.br / www.alusolda.com.br/loja

Paulo Cesar – Diretor Comercial

70
COMPARTILHE

71