Você está na página 1de 3

DADI JANKI - A MENTE MAIS ESTÁVEL DO MUNDO

decoracaoacoracao.blog.br /2012/10/dadi-janki-mente-mais-estavel-do-mundo.html

DADI JANKI - A MENTE MAIS ESTÁVEL DO MUNDO

Uma ioguina indiana, DADI JANKI, de 86 anos, foi considerada pelo Instituto de Pesquisa Médica e Cientifica da
Universidade do Texas, como a "mente mais estável do mundo" porque, mesmo testada em situações tensas e
perigosas, seu eletroencefalograma marcou a presença constante de ondas delta, as ondas mais positivas e
lentas produzidas pela atividade cerebral.

Ela recebeu da ONU o título, muito raro de ser concedido, de Guardiã do Planeta, por seu trabalho em prol de
mentes mais livres e pacíficas.

Quando lhe perguntaram, em sua visita a São Paulo, a receita de uma mente tão tranquila e sem pesos, ela
respondeu:

"Muito amor no coração por todos e nenhum apego por ninguém, tentar não prejudicar pessoa alguma
minimamente e eliminar da mente qualquer pensamento negativo, fazendo um exercício diário e ter a certeza
de que não estamos aqui à toa, mas para cumprir o destino da evolução. Que somos caminhantes, sem
dependências ou estabilidades. Quem não percebe isso se torna escravo do desnecessário e polui a mente".

Em 1978, Dadi Janki foi submetida a um teste na Universidade do Texas, nos Estados Unidos, quando então se
tornou conhecida como "a mente mais estável do mundo" (suas ondas cerebrais não se alteram mesmo em
situações extremas).

"A maravilha é que, mesmo não entendendo inglês, consegui dar as respostas certas" , diz.

Hoje, aos 86 anos, 60 deles dedicados ao estudo espiritual e à prática da meditação, Dadi é só tranqüilidade e
paz. Co-diretora mundial da Brahma Kumaris - universidade espiritual com sede na Índia e mais de 5 mil centros
pelo mundo -, integrante do grupo Guardiões da Sabedoria e criadora da Fundação Janki de Pesquisas para
Saúde Global, em Londres, ela nos recebeu vestindo branco por dentro e por fora, sem solenidades, sem as
vaidades comuns à maioria das mulheres. Seu discurso encanta pela pureza e ensina que as mudanças
possíveis ao mundo começam no coração de cada pessoa.

- Por que tanta gente está buscando uma vida simples?

- Vivemos com muitas demandas de consumo. Eu quero isto, eu quero aquilo, aquilo outro e assim por diante.
E todo mundo tem muitas demandas e expectativas. Se vivemos ao sabor das demandas externas, tudo o que
conseguimos ver em termos de reconhecimento da personalidade humana é o que aparece na superfície, o que

1/3
é artificial. E vida simples significa vida real.

Algumas pessoas pensam que a necessidade da vida é possuir coisas, quando, na verdade, o que realmente
importa é possuir valores espirituais. Portanto, quando reafirmamos nossa vida em propósitos de paz, felicidade
e amor, caminhamos para a felicidade verdadeira.

A conquista de uma vida simples permite que a espiritualidade se desenvolva facilmente.


E espiritualidade significa eu usar o meu tempo, o meu dinheiro e a minha energia no caminho do bem.

- E de que maneira podemos seguir esse caminho na prática, levando em conta as dificuldades do dia-a-dia?

- Existem três aspectos importantes para o entendimento do que proponho aqui, do que estamos levando
adiante com o conhecimento.

a) O primeiro passo é empreender a busca, porque quando faço isso reconheço os territórios internos, em
termos de qualidade dos pensamentos, e entendo o que pode ser feito para mudar.
b) Segundo, tenho de conhecer a Deus, ser capaz de ter um relacionamento com o divino, de maneira a estar
pronto para receber de Deus o tesouro da paz.
c) Terceiro, eu também preciso entender os movimentos de calma e de ação, assim como o curso e os efeitos
de minhas ações. Se eu puder entender essas três coisas, então certamente terei paz verdadeira.

- A senhora vive com pouco?

- Posso viver muito bem com três conjuntos de roupas: uma para tudo, outra para alternar na lavagem, uma
terceira guardada. Às vezes, quando visito alguém, as pessoas me chamam para mostrar o número de roupas
que elas têm, a quantidade de sapatos, as jóias. Eu sinto compaixão por elas, porque seu intelecto certamente
está disperso. Todos esses apelos externos nos distraem do real propósito da vida.

- Essa desconexão com o real complica também nossos relacionamentos?

- Sim, as demandas externas distanciam as pessoas do que entendemos como qualidade em um


relacionamento. É o que deteriora a família, as amizades e consagra o egoísmo no lugar da verdade. Quando,
enfim, complicamos muito a vida, fica difícil tomarmos conta de nós mesmos e, mais ainda, não há como cuidar
devidamente de nossos relacionamentos.

Bem, eu posso mostrar, com a minha vida, de que maneira é possível alcançar a felicidade e, assim, os outros
têm uma referência de como conseguir isso também. Com uma vida simples, posso dar atenção aos outros,
cooperar com os outros, porque quando meu coração é honesto, ele se torna grande, generoso.

- É possível manter-se centrado mesmo com o turbilhão de informações produzido por jornais, revistas e
televisão?

- Eu prefiro viver longe desse fluxo. Porque, se sabe, isso acaba virando um vício. As pessoas acreditam que,
lendo jornais ou assistindo TV, estejam apenas buscando informações sobre o que acontece no mundo. Mas,
na verdade, tudo isso produz uma grande quantidade de distrações.

O cinema, da mesma forma, difunde muitos e muitos maus hábitos. Assim, fica muito difícil, por exemplo,
manter uma vida mais contemplativa, pautada na prática da meditação. A natureza humana é muito suscetível.

Somos freqüentemente afetados pelo mal. E quase sempre a influência do mal ocorre de maneira muito rápida.
Se eu, de fato, quiser me tornar um ser humano em sua plenitude, se esse é meu propósito, devo procurar
caminhos diferentes, que não me façam perder tempo e energia. Ideias assim são sempre muito inspiradoras.
Mas parece um tanto difícil conseguir isso.

A verdade é que há muitos males no mundo de hoje e creio que é mesmo hora de pararmos com isso. Eu tenho
o alegre objetivo de, primeiro, fazer da minha vida uma boa vida e manter a mim mesma livre de todas as
2/3
influências de negatividade do mundo. E há muitas pessoas criando uma vida boa como esta. Gente do mundo
todo está reconhecendo que é por meio da espiritualidade que se pode alcançar uma vida plena.

- Vivemos tempos um tanto incertos. Podemos acreditar num bom destino para a humanidade?

- Sim, eu acredito que o futuro será bom. Há pessoas buscando uma vida sensata, uma vida simples, e elas
servirão de inspiração para os outros, em favor do mundo. E tudo o que é exigido é uma transformação interna,
de maneira que possamos ter bons sentimentos, sem nos colocarmos negativamente contra quem quer que
seja. Basta que não tenhamos maus sentimentos, que exercitemos a aceitação dos outros, disseminando paz e
felicidade.

- É preciso tornar-se um iogue para incorporar essa atitude?

- Não necessariamente. Todos aqueles que, através da observação contínua de si mesmos, e através da
meditação, experienciam um relacionamento autêntico com Deus, podem se tornar as estrelas brilhantes que
iluminam o mundo.

Eu acredito que se todos seguirmos juntos assim, poderemos criar o céu aqui na Terra.
Mas, primeiro, teremos de criar o céu em nossas mentes.
Porque tudo o que acontece neste mundo começa antes no coração dos homens.

Mensagem enviada por Pedro Gomes Moreira

LUZ!!
STELA

3/3