Você está na página 1de 21

Indicar Órgão de Atuação

EXMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA Nº VARA DA FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA


DE CIDADE, CEARÁ

AÇÃO ORDINÁRIA DE OBRIGAÇÃO DE FAZER CUMULADA COM PEDIDO LIMINAR EM


ANTECIPAÇÃO DE TUTELA

NOME DO REQUERENTE, QUALIFICAÇÃO DO REQUERENTE,,


intermediado pelo Defensor Público in fine assinado, com esteio nos artigos. 282 e
seguintes do Código de Processo Civil, no Código de Defesa do Consumidor, na Lei Federal
nº 9.656/98, além de outros cânones aplicáveis à espécie, vem, com todo respeito e súpero
acatamento, à presença de VOSSA EXCELÊNCIA, propor, como de fato propõe, a presente
AÇÃO ORDINÁRIA DE OBRIGAÇÃO DE FAZER CUMULADA COM PEDIDO LIMINAR EM
ANTECIPAÇÃO DE TUTELA em face de NOME DO PLANO, QUALIFICAÇÃO DO
PLANO, por seu representante legal, pelas razões fáticas e de direito adiante alinhadas.

PRELIMINARMENTE

Requer os benefícios da justiça gratuita, em razão de estar sendo


assistida pela Defensoria Pública, por ser pobre na forma da lei, conforme dispositivos
insertos na Lei Federal 1.060/50, acrescida das alterações estabelecidas na Lei Federal
7.115/83, bem como em atendimento ao preceito constitucional, na esfera federal, da Lei
Complementar Federal nº 80/94, reformada pela Lei Complementar Federal nº 132/2009 e,
estadual, por meio da Lei Complementar Estadual nº. 06/97, tudo por apego á égide
semântica prevista no artigo 5°, LXXIV da Carta da República de 1988.

Av. Pinto Bandeira, nº 1.111, Luciano Cavalcante, Fortaleza-CE


CEP 60.811-170, Fone: (85) 3101-3434
Indicar Órgão de Atuação

DOS FATOS

DESCRIÇÃO DOS FATOS

DOS FUNDAMENTOS JURÍDICOS

A Carta Magna, já no artigo 1º, III, elevou como fundamento do


Estado Brasileiro a dignidade da pessoa humana. Ademais, gravou com especial proteção
de direito fundamental, no artigo 5º, a inviolabilidade do direito à vida. Sob a rubrica da
Ordem Social a Carta de 1998, ressalvou ser a saúde "direito de todos e dever do Estado" a
ser garantido mediante "políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de
doença e de outros agravos ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua
promoção, proteção e recuperação".

De salientar que, diante pujante realidade do consumo de planos de


saúde, as avenças pactuadas entre particulares não podem ser acolhidas de forma
inexorável, principalmente quando a manifestação de vontade das partes, gênese das
obrigações, não é dotada de inabalável plenitude. Observa-se a desproporção quando,
diante de um consumidor em particular soergue-se a magnitude das Seguradoras de Plano
de Saúde, não restando ao individuo qualquer alternativa se não o aceite de todas as
cláusulas presentes na avença em franca mitigação da autonomia da vontade.

A proteção oferecida pela Constituição Federal à dignidade da


pessoa humana e o direito à saúde são a gênese constitucional de princípios que irradiam
suas forças estruturantes por todo o ordenamento jurídico e exsurgem das normas
consumeristas e também da chamada Lei dos Planos de Saúde. Neste sentido:

Art. 4º A Política Nacional das Relações de Consumo tem por objetivo

Av. Pinto Bandeira, nº 1.111, Luciano Cavalcante, Fortaleza-CE


CEP 60.811-170, Fone: (85) 3101-3434
Indicar Órgão de Atuação

o atendimento das necessidades dos consumidores, o respeito à sua


dignidade, saúde e segurança, a proteção de seus interesses
econômicos, a melhoria da sua qualidade de vida, bem como a
transparência e harmonia das relações de consumo, atendidos os
seguintes princípios:

I - reconhecimento da vulnerabilidade do consumidor no mercado de


consumo;

Nesse escopo, quando o contrato, como o no caso em tela é adesão,


mormente aqueles pertinentes a relações de consumo, o princípio do pacta sunt servanda
deve sofrer uma acentuada mitigação diante da plena vigência do Código de Defesa do
Consumidor, que prescreve:

Art. 6º. São direitos básicos do consumidor:

[...]

V - a modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam


prestações desproporcionais ou sua revisão em razão de fatos
supervenientes que as tornem excessivamente onerosas;

VI - a efetiva prevenção e reparação de danos patrimoniais e morais,


individuais, coletivos e difusos;

[...]

Art. 51. São nulas de pleno direito, entre outras, as cláusulas


contratuais relativas ao fornecimento de produtos e

serviços que:

[...]

IV - estabeleçam obrigações consideradas iníquas, abusivas, que


coloquem o consumidor em desvantagem exagerada, ou sejam
incompatíveis com a boa-fé ou a eqüidade;

[...]

§ 1º. Presume-se exagerada, entre outros casos, a vantagem que:

Av. Pinto Bandeira, nº 1.111, Luciano Cavalcante, Fortaleza-CE


CEP 60.811-170, Fone: (85) 3101-3434
Indicar Órgão de Atuação

I - ofende os princípios fundamentais do sistema jurídico a que


pertence;

II - restringe direitos ou obrigações fundamentais inerentes à natureza


do contrato, de tal modo a ameaçar seu objeto ou o equilíbrio
contratual;

Ora, Douto Julgador, o Código de Defesa do Consumidor é


absolutamente claro no sentido de que as clausulas contratuais devem ser interpretadas de
modo mais favorável ao consumidor (artigo 47) e é incompatível o plano obstar o início,
limitar o tempo de internação e o valor ou desautorizar tratamento indicado por médico que,
inclusive, é-lhe credenciado.

Assim sendo, forçoso reconhecer que não pode o(a) promovido(a)


simplesmente esquivar-se de cumprir com sua obrigação, sem qualquer justificativa,
inclusive. Vê-se, portanto, que o comportamento dispensado pela demandada, a toda
evidência, mostra-se divorciado dos preceitos constitucionais pátrios, merecendo, de logo, a
devida reprimenda pelo Poder Judiciário.

É saliente que no CDC há uma proibição legal às restrições de


direitos, quando consagrou o princípio da proteção do consumidor contra as disposições
abusivas, estabelecendo um sistema próprio de nulidades, em razão de ser considerada
questão de ordem pública a aludida proteção. Ainda, garantiu a possibilidade de revisão das
cláusulas contratuais nulas, porquanto abusivas.

Ademais, a melhor doutrina acompanha de forma uníssona decisões


de cortes superiores, quando reconhece que a saúde representa um bem personalíssimo,
uno e indisponível, razão pela qual são colhidas decisões cada vez mais favoráveis aos
direitos fundamentais do homem-cidadão: vida e saúde.

Sobre o direito à saúde, o professor José Afonso da Silva, em sua


obra “Curso de Direito Constitucional Positivo”, discorre com maestria:

“A vida humana, que é o objeto do direito assegurado no art. 5°, caput,


integra-se de elementos materiais (físicos e psíquicos) e imateriais

Av. Pinto Bandeira, nº 1.111, Luciano Cavalcante, Fortaleza-CE


CEP 60.811-170, Fone: (85) 3101-3434
Indicar Órgão de Atuação

(espirituais). A vida é intimidade conosco mesmo, saber-se e dar-se


conta de si mesma, um assistir a si mesma e tomar posição de si
mesma. Por isso é que ela constitui a fonte primária de todos os
outros bens jurídicos”. (destaques nossos)

O fato é que, excelência, não pode a promovente ficar à míngua dos


interesses da requerida, impossibilitada de ter os merecidos cuidados no que tange ao
tratamento domiciliar por completo, que é absolutamente necessário, conforme se pode
verificar pelos documentos trazidos à colação.

Dessarte, Excelência, a negativa de fornecimento integral de


tratamento na busca da amenização do sofrimento da suplicante encontra-se em
descompasso com a legislação do consumidor, além de ofender o princípio da dignidade da
pessoa humana, consagrado a nível constitucional, e observado pela Lei Federal nº
9.656/98, que trata dos Planos de Saúde.

Como se sabe, a judicialização das querelas envolvendo planos de


saúde diz respeito, principalmente, às cláusulas abusivas que colocam o consumidor em
desvantagem excessiva, como por exemplo as previsões de cláusulas limitativas ou
restritivas de procedimentos médicos, em colisão direta com as recomendações médicas.

Embora não tenha recebido uma cópia contratual, mas, ainda que
contenha o malsinado contrato alguma cláusula expressa a excepcionar o tratamento
domiciliar, na hipótese há de ser aplicado o artigo 47 do CDC, que diz: "As cláusulas
contratuais serão interpretadas de maneira mais favorável ao consumidor".

Na espécie, o fornecimento de tratamento domiciliar, inclusive com


todos os produtos e materiais, é essencial à recuperação da saúde do requerente, que
necessita de acompanhamento clínico e multidisciplinar (fisioterapias, nutricionista,
terapeuta ocupacional, entre outros), bem como para evitar infecção hospitalar.

O tratamento domiciliar é, assim, mera continuidade do tratamento


hospitalar, retirando, de um lado, os riscos de infecções para a paciente e, de outro, libera o
leito no nosocômio para outros que dele necessitam.

Av. Pinto Bandeira, nº 1.111, Luciano Cavalcante, Fortaleza-CE


CEP 60.811-170, Fone: (85) 3101-3434
Indicar Órgão de Atuação

Negar o fornecimento do tratamento integral à autora encontra-se em


descompasso com a legislação do consumidor, além de ofender ao princípio da dignidade
humana, consagrado a nível constitucional, e observado pela Lei nº 9.656/98, que trata dos
Planos de Saúde, in verbis:

Art. 12. [...]

II - quando incluir internação hospitalar:

d) cobertura de exames complementares indispensáveis para o


controle da evolução da doença e elucidação diagnóstica,
fornecimento de medicamentos, anestésicos, gases medicinais,
transfusões e sessões de quimioterapia e radioterapia, conforme
prescrição do médico assistente, realizados ou ministrados durante o
período de internação hospitalar;

Art. 35-C. É obrigatória a cobertura do atendimento nos casos:

I - de emergência, como tal definidos os que implicarem risco imediato


de vida ou de lesões irreparáveis para o paciente, caracterizado em
declaração do médico assistente;

"Art. 35-F. A assistência a que alude o art. 1º desta Lei compreende


todas as ações necessárias à prevenção da doença e à recuperação,
manutenção e reabilitação da saúde, observados os termos desta Lei
e do contrato firmado entre as partes."

Da leitura dos enunciados legais, depreende-se que a recusa em


conferir cobertura integral a tratamento indicado pelo médico desvirtua o próprio objeto do
serviço contratado, gerando ganhos sem amparo na prestação do serviço.

A respeito do assunto, julgado do STJ perfeitamente aplicável à


elucidação da matéria:

“Tratando-se de contrato de seguro-saúde sempre haverá a


possibilidade de consequências danosas para o segurado, pois este,
após a contratação, costuma procurar o serviço já em evidente
situação desfavorável de saúde, tanto a física como a psicológica. II.
Conforme precedentes das Turmas que compõem a Segunda Seção,

Av. Pinto Bandeira, nº 1.111, Luciano Cavalcante, Fortaleza-CE


CEP 60.811-170, Fone: (85) 3101-3434
Indicar Órgão de Atuação

a recusa indevida à cobertura pleiteada pelo segurado é causa de


danos morais, pois agrava a sua situação de aflição psicológica e de
angústia no espírito." (AgRg no REsp 1172778 PR, Rel. Ministro
Sidnei Beneti, Terceira Turmas, julgado em 18/05/2010, DJe
31/05/2010).”

Dessa forma, não reluz razoável e justificável que se acolha a


obstrução do impostergável tratamento da promovente, pois é condição sine qua non para
sua própria sobrevivência. Certamente não é desígnio do ordenamento jurídico pátrio que a
requerente fique ao talante dos interesses da empresa-ré, razão pela qual aquela se vale do
presente meio jurisdicional.

A jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça é firme em


reconhecer que o plano de saúde pode estabelecer as doenças que terão cobertura, mas
não o tipo de tratamento a ser utilizado. Veja-se:

SEGURO SAÚDE. COBERTURA. CÂNCER DE PULMÃO.


TRATAMENTO COM QUIMIOTERAPIA. CLÁUSULA ABUSIVA.

1. O plano de saúde pode estabelecer quais doenças estão sendo


cobertas, mas não que tipo de tratamento está alcançado para a
respectiva cura. Se a patologia está coberta, no caso, o câncer, é
inviável vedar a quimioterapia pelo simples fato de ser esta uma das
alternativas possíveis para a cura da doença. A abusividade da
cláusula reside exatamente nesse preciso aspecto, qual seja, não
pode o paciente, em razão de cláusula limitativa, ser impedido de
receber tratamento com o método mais moderno disponível no
momento em que instalada a doença coberta.

2. Recurso especial conhecido e provido. (STJ, REsp 668.216/SP, Rel.


Ministro CARLOS ALBERTO MENEZES DIREITO, 3a T., j. em
15.03.2007, DJ 02.04.2007, p. 265).

Na mesma senda são as decisões recentes do E. Tribunal de Justiça


do Estado do Ceará, in verbis:

AGRAVO REGIMENTAL - AÇÃO DE OBRIGAÇÃO DE FAZER -


TRATAMENTO DOMICILIAR - HOME CARE - FORNECIMENTO DE

Av. Pinto Bandeira, nº 1.111, Luciano Cavalcante, Fortaleza-CE


CEP 60.811-170, Fone: (85) 3101-3434
Indicar Órgão de Atuação

MATERIAIS, MEDICAMENTOS E DISPONIBILIZAÇÃO DE PESSOAL


NA ÁREA DE ENFERMAGEM - POSSIBILIDADE - APLICAÇÃO
DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR - A internação
domiciliar é uma forma de diminuir os custos, substancialmente
menores em relação àqueles com que o agravado arcaria em caso de
internação hospitalar, sendo efetivamente mais vantajosa. No caso
dos autos, depreende-se dos documentos juntados a necessidade da
agravante de tratamento domiciliar. Ora, o tratamento ora postulado é
o mesmo que teria a parte em caso de hospitalização. Logo, entendo
que não acarreta ao agravado nenhum prejuízo a possibilidade de
abranger, no plano de saúde, a cobertura do tratamento domiciliar, a
teor do exposto no Código Consumerista . Agravo regimental
conhecido, mas improvido. (TJCE - AgRg 0009937-
12.2011.8.06.0000/50000 - 7ª C.Cív. - Rel. Francisco Bezerra
Cavalcante - DJe 22.03.2012 - p. 123)

APELAÇÃO - PROCESSO CIVIL - AÇÃO ORDINÁRIA - PLANO DE


SAÚDE - TRATAMENTO MÉDICO DOMICILIAR - "HOME CARE"
- CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR - APLICABILIDADE -
PRELIMINAR DE ILEGITIMIDADE ATIVA NÃO ACOLHIDA - DECISÃO
MANTIDA POR SEUS FUNDAMENTOS - PRECEDENTES -1 (...)- 2-
Também se insurge a recorrente contra capítulo de sentença que
confirmou a antecipação dos efeitos da tutela requestada pela parte
autora, determinando à requerida que promovesse a cobertura
completa das despesas decorrentes de solicitações médicas, incluindo
atendimento domiciliar (home care), com acompanhamento dos
profissionais. 3- (…). 4- A jurisprudência do Tribunal de Justiça do
Estado do Ceará é firme no sentido de que nem todo contrato de
assistência médico-hospitalar vincula as partes, devendo respeitar o
Código de Defesa do Consumidor, bem como a dignidade da pessoa
humana. Desinfluente, pois, a previsão contratual expressa a
excepcionar o tratamento domiciliar, uma vez que tal disposição deve
ser interpretada da maneira mais favorável ao consumidor. RECURSO
CONHECIDO E IMPROVIDO. (TJCE - Ap 44553-49.2007.8.06.0001/1
- 4ª C.Cív. - Relª Desª Vera Lúcia Correia Lima - DJe 07.03.2012 - p.
58)

DIREITO CONSTITUCIONAL - AGRAVO DE INSTRUMENTO - AÇÃO

Av. Pinto Bandeira, nº 1.111, Luciano Cavalcante, Fortaleza-CE


CEP 60.811-170, Fone: (85) 3101-3434
Indicar Órgão de Atuação

DE OBRIGAÇÃO DE FAZER - DIREITO À SAÚDE - TRATAMENTO


POR MEIO DE HOME CARE - POSSIBILIDADE - RECURSO
IMPROVIDO - 1- In casu, agravo de instrumento interposto por
Unimed de Fortaleza Cooperativa de Trabalho Médico Ltda. Em face
de decisão do MM. Juiz Titular da 10ª Vara Cível da Comarca de
Fortaleza/Ce (fls. 25/27) que concedeu antecipação de tutela,
determinando o fornecimento de tratamento médico domiciliar
(sistema home care), através de assistência integral de profissionais
de enfermagem adequados aos procedimentos. 2- O tratamento em
domicílio é mera continuidade do tratamento hospitalar que de um
lado retira os riscos das infecções hospitalares para o paciente e, de
outro, libera espaço no nosocômio para outros necessitados. Não se
está discutindo a necessidade de meros cuidados domiciliares, mas
de internação domiciliar (Agravo de Instrumento
618015200880600000; Relator(a): WASHINGTON LUIS BEZERRA
DE ARAUJO; Comarca: Fortaleza; Órgão julgador: 3ª Câmara Cível;
Data de registro: 03/08/2011). 3- Recurso conhecido e improvido.
(TJCE - AI 0005260-36.2011.8.06.0000 - 5ª C.Cív. - Rel. Carlos Alberto
Mendes Forte - DJe 17.02.2012 - p. 44)

AGRAVO DE INSTRUMENTO - AÇÃO ORDINÁRIA COM PEDIDO DE


ANTECIPAÇÃO DE TUTELA - FORNECIMENTO
DE OXIGENOTERAPIA DOMICILIAR - MOLÉSTIA GRAVE - CÂNCER
DE PULMÃO - RISCO DE MORTE - DEVER DE ORDEM
CONSTITUCIONAL - DIREITOS INDISPONÍVEIS QUE DEVEM SER
RESGUARDADOS - 1- A jurisprudência pátria é assente no sentido
de permitir a concessão de medidas liminares, cautelares ou
antecipatórias da tutela jurisdicional nos casos em que se postulam o
fornecimento de medicamentos aptos ao tratamento de saúde,
objetivando tutelar dois princípios constitucionais fundamentais: o
direito à vida e à saúde. 2- Inteligência dos artigos 5º, caput, 6º, caput,
e 196 da Carta Republicana. 3- AGRAVO CONHECIDO E
DESPROVIDO". (TJCE - AGI 14617-11.2009.8.06.0000/0 - Rel. Des.
Ademar Mendes Bezerra - DJe 16.02.2011 - p. 17)

Dessarte, o deferimento tutelar antecipatório e a procedência


meritória para o pleito presente são imprescindíveis à sobrevivência da autora que, embora

Av. Pinto Bandeira, nº 1.111, Luciano Cavalcante, Fortaleza-CE


CEP 60.811-170, Fone: (85) 3101-3434
Indicar Órgão de Atuação

prostrada em um leito, ainda tem sua dignidade como ser humano a ser preservada, à luz
da Constituição da República.

DANO MORAL

A legislação ordinária preceitua:

“ART. 186, CC: AQUELE QUE, POR AÇÃO OU OMISSÃO


VOLUNTÁRIA, NEGLIGÊNCIA OU IMPRUDÊNCIA, VIOLAR DIREITO
E CAUSAR DANO A OUTREM, AINDA QUE EXCLUSIVAMENTE
MORAL, COMETE ATO ILÍCITO”.

Art. 927, CC: Aquele que, por ato ilícito (arts. 186 e 187), causa dano a
outrem, fica obrigado a repará-lo.

Art. 932. São também responsáveis pela reparação civil:

III - o empregador ou comitente, por seus empregados, serviçais e


prepostos, no exercício do trabalho que lhes competir, ou em razão
dele;

Art. 933. “AS PESSOAS INDICADAS NOS INCISOS I A V DO ARTIGO


ANTECEDENTE, AINDA QUE NÃO HAJA CULPA DE SUA PARTE,
RESPONDERÃO PELOS ATOS PRATICADOS PELOS TERCEIROS
ALI REFERIDOS”.

Carlos Roberto Gonçalves, com a sutileza que lhe é peculiar,


assevera:

“Dano emergente é o efetivo prejuízo, a diminuição patrimonial sofrida


pela vítima. É, por exemplo, o que o dono do veículo danificado por
outrem desembolsa para consertá-lo. Representa, pois, a diferença
entre o patrimônio que a vítima tinha antes do ato ilícito e o que
passou a ter depois. Lucro cessante é a frustração da expectativa de
lucro. É a perda de um ganho esperado. Assim, se um ônibus é
abalroado culposamente, deve o causador do dano pagar todos os

Av. Pinto Bandeira, nº 1.111, Luciano Cavalcante, Fortaleza-CE


CEP 60.811-170, Fone: (85) 3101-3434
Indicar Órgão de Atuação

prejuízos efetivamente sofridos, incluindo-se as despesas com os


reparos do veículo (dano emergente), bem como o que a empresa
deixou de ganhar no período em que o veículo ficou na oficina. Apura-
se, pericialmente, o lucro que a empresa normalmente auferia por dia
e chega-se ao quantum que ela deixou de lucrar. Se se trata, por
exemplo, de vítima que foi atropelada, ou acidentada de alguma outra
forma, a indenização deve abranger as despesas médicas e
hospitalares, bem como os dias de serviço perdidos. Em casos de
inabilidade profissional, de imperícia (cabeleireiros, cirurgiões
plásticos, médicos), a indenização deve cobrir os prejuízos
efetivamente sofridos e as despesas de tratamento com outro
profissional, para reparação do erro cometido” - grifos.
(Responsabilidade Civil. São Paulo: Saraiva, 2003, pp. 629-630)

E adiciona:

“O dano moral não é a dor, a angústia, o desgosto, a aflição espiritual,


a humilhação, o complexo que sofre a vítima do evento danoso, pois
esses estados de espírito constituem o conteúdo, ou melhor, a
consequência do dano. A dor que experimentam os pais pela morte
violenta do filho, o padecimento ou complexo de quem suporta um
dano estético, a humilhação de quem foi publicamente injuriado são
estados de espírito contingentes e variáveis em cada caso, pois cada
pessoa sente a seu modo. O direito não repara qualquer padecimento,
dor ou aflição, mas aqueles que forem decorrentes da privação de um
bem jurídico sobre o qual a vítima teria interesse reconhecido
juridicamente”. (Ob. cit., p. 373)

Ademais, na esteira do enunciado inserto no art. 186 do Código Civil,


a indenização justa, na grande maioria das hipóteses, engloba o dano moral. Saliente-se,
por oportuno, que a hipótese não pode receber a moldura do mero aborrecimento. Muitas
vezes, para se evitar uma construção doutrinária e jurisprudencial batizada de “indústria do
dano moral”, blindam-se empresas em detrimento do cidadão.

É óbvio que abusos devem ser coibidos. Todavia, o benefício da


dúvida deve pairar sobre o cidadão. É que, como disciplinou o próprio Código do

Av. Pinto Bandeira, nº 1.111, Luciano Cavalcante, Fortaleza-CE


CEP 60.811-170, Fone: (85) 3101-3434
Indicar Órgão de Atuação

Consumidor, a relação dele com a vulnerabilidade é estreita, para não dizer íntima; faz parte
da vida, dos negócios, dos dissabores, dos excessos. Uma análise mesmo que perfunctória
detecta que a maioria das situações encartadas nos Juizados Especiais possui berço em
abalo psicológico. Essa distinção, embora capitular, não é trivial ou anódina.

Os princípios socializantes traçados pelo Direito Contratual moderno,


a exemplo da função social, da equivalência material e da boa-fé objetiva, são, com efeito,
inerentes a todo e qualquer contrato, porquanto concebidos por lei como norteadores
axiológicos da liberdade de contratar.

A respeito do princípio da boa-fé, Arnoldo Wald leciona com


percuciência:

“Em matéria contratual, uma das mais importantes alterações trazidas


pelo novo Código Civil foi a menção, em seu art. 422, da
obrigatoriedade de os contratantes atuarem conforme a cláusula geral
de boa-fé, também denominada pela doutrina de boa-fé objetiva, tanto
na conclusão quanto na sua execução. Introduziu-se expressamente
no novo Código Civil um dos princípios norteadores de todas as
relações obrigacionais e relevante para a leitura dos negócios
jurídicos, envolvendo a valoração dos usos do tráfego ao considerar a
ética e a boa conduta das partes desde as tratativas até a execução
completa das obrigações. (…)

A regra de boa-fé objetiva configura-se como cláusula geral e,


portanto, corresponde a uma técnica legislativa que busca garantir a
relação entre o direito e a realidade social, possibilitando a existência
de um sistema jurídico aberto com constantes adaptações das normas
legais às exigências do mundo de relações e da alteração dos seus
valores com o tempo. Assim, a cláusula geral fornece um ponto de
partida para se alcançar resultados justos e adequados.

(…) na boa-fé objetiva busca-se a proteção de confiança, exigindo-se


que as partes atuem de acordo com os padrões usuais. Representa,
por um lado, o dever de lealdade, e, por outro, a correlativa proteção
da expectativa que nasce em uma pessoa. (…)

Av. Pinto Bandeira, nº 1.111, Luciano Cavalcante, Fortaleza-CE


CEP 60.811-170, Fone: (85) 3101-3434
Indicar Órgão de Atuação

A partir da regra de boa-fé nascem deveres acessórios de proteção


(informação e lealdade), que não derivam da vontade das partes
contratantes. Nesse sentido, a boa-fé tem natureza supletiva e função
instrumental, reduz a margem de autonomia privada, uma vez que a
sua observância independe da vontade das partes. Exige-se a
concretização dos escopos visados pelos contratantes, que devem
observar os deveres secundários, para não frustrar o fim do contrato e
agravar a vinculação do devedor.

Dessa forma, valendo-se dos direitos e das obrigações principais


estabelecidos nos contratos, existem deveres secundários
(Nebenpflicht) para ambos os contratantes que decorrem da regra
geral da boa-fé, denominado na doutrina italiana dever de corretezza e
na alemã Treu und Glauben. Exige-se que a atuação de uma parte
não cause danos à esfera jurídica da outra, e a intensidade desses
deveres secundários é verificada de acordo com o fim do negócio
jurídico”. (Obrigações e contratos. São Paulo: Saraiva, 2004, pp. 191-
194)

No tocante aos deveres pré e pós – contratuais, dentro da


perspectiva da valorização do princípio da dignidade da pessoa humana e da
constitucionalização do direito civil, Paulo Luiz Netto Lôbo assevera:

“Questão relevante é o dos limites objetivos do princípio da boa-fé nos


contratos. A melhor doutrina tem ressaltado que a boa-fé não apenas
é aplicável à conduta dos contratantes na execução de suas
obrigações, mas aos comportamentos que devem ser adotados antes
da celebração (in contrahendo) ou após a extinção do contrato (post
pactum finitum). Assim, para fins do princípio da boa-fé objetiva são
alcançados os comportamentos do contratante antes, durante e após
o contrato. O Código de Defesa do Consumidor avançou mais
decisivamente nessa direção, ao incluir na oferta toda informação ou
publicidade suficientemente precisa (art. 30), ao impor o dever ao
fornecedor de assegurar ao consumidor cognoscibilidade e
compreensibilidade prévias do conteúdo do contrato (art. 46), ao
tornar vinculantes os escritos particulares, recibos e pré-contratos (art.
48) e ao exigir a continuidade da oferta de componentes e peças de

Av. Pinto Bandeira, nº 1.111, Luciano Cavalcante, Fortaleza-CE


CEP 60.811-170, Fone: (85) 3101-3434
Indicar Órgão de Atuação

reposição, após o contrato de aquisição do produto (art. 32)”. (Deveres


gerais de conduta nas obrigações civis. Jus Navigandi, Teresina, a. 9,
n.711,16/jun/2005.Disponível:<http://www1.jus.com.br/doutrina/texto.a
sp?id=6903>. Acesso em: 14 out. 2009).

Tem-se como os dois grandes princípios embasadores do CDC os do


equilíbrio entre as partes e o da boa-fé. Para a manutenção do equilíbrio temos dispositivos
que vedam a existência de cláusulas abusivas, por exemplo o art. 51, IV, que veda a criação
de obrigações que coloquem o consumidor em desvantagem exagerada.

A despeito de o Superior Tribunal de Justiça já ter entendido que o


simples inadimplemento contratual não caracteriza Dano Moral, o nosso Tribunal de
Cidadania mudou seu entendimento no que tange a descumprimento contratual que gere
lesão a direito fundamental, sobretudo aos direitos fundamentais sociais protegidos em
nossa Constituição Federal. Nessa situação, Exa., estaremos diante de dano in re ipsa, ou
seja, trata-se de dano moral presumido.

Destaquem-se os entendimentos recentíssimos abaixo esposados


pelo Superior Tribunal de Justiça, o qual em casos semelhantes, ou seja, em relação à
injustificada recusa de cobertura securitária de plano de saúde reconheceu o direito do
autor:

Terceira Turma

DANO MORAL. RECUSA INJUSTA. PLANO. SAÚDE.

Turma, ao prosseguir o julgamento, por maioria, entendeu, entre


outras questões, que dá ensejo à indenização por dano moral a injusta
recusa da cobertura securitária por plano de saúde, uma vez que a
conduta agrava a situação de aflição psicológica e de angústia no
espírito do segurado, o qual, ao pedir a autorização da seguradora, já
se encontra em situação de dor, de abalo psicológico e com a saúde
debilitada. Precedentes citados: REsp 1.067.719-CE, DJe 5/8/2010, e
REsp 918.392-RN, DJe 1º/4/2008. REsp 1.190.880-RS, Rel. Min.
Nancy Andrighi, julgado em 19/5/2011.

Conforme já afirmado, a promovente vem sofrendo dores e encontra-

Av. Pinto Bandeira, nº 1.111, Luciano Cavalcante, Fortaleza-CE


CEP 60.811-170, Fone: (85) 3101-3434
Indicar Órgão de Atuação

se em dificuldades de realizar suas atividades habituais, portanto, afirma que o promovente


se encontrava em situação de vulnerabilidade que foi potencializada pela injustificada
recusa de cobertura total dos procedimentos médicos por parte da promovida.

DA ANTECIPAÇÃO DA TUTELA

A tutela pretendida na presente querela deverá ser concedida de


forma antecipada, posto que a suplicante preenche os requisitos do artigo 273 do CPC, ipsis
verbis:

“O juiz poderá, a requerimento da parte, antecipar, total ou


parcialmente, os efeitos da tutela pretendida no pedido inicial, desde
que, existindo prova inequívoca, se convença da verossimilhança da
alegação e:

I – haja fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação”

Da mesma forma é a prescrição do CDC, ex textus:

Art. 84 - Na ação que tenha por objeto o cumprimento da obrigação de


fazer ou não fazer, o Juiz concederá a tutela específica da obrigação
ou determinará providências que assegurem o resultado prático
equivalente ao do adimplemento.

§ 1º - A conversão da obrigação em perdas e danos somente será


admissível se por elas optar o autor ou se impossível a tutela
específica ou a obtenção do resultado prático correspondente.

§ 2º - A indenização por perdas e danos se fará sem prejuízo da multa


(artigo 287 do Código de Processo Civil).

§ 3º - Sendo relevante o fundamento da demanda e havendo


justificado receio de ineficácia do provimento final, é lícito ao Juiz
conceder a tutela liminarmente ou após justificação prévia, citado o
réu.

Av. Pinto Bandeira, nº 1.111, Luciano Cavalcante, Fortaleza-CE


CEP 60.811-170, Fone: (85) 3101-3434
Indicar Órgão de Atuação

§ 4º - O Juiz poderá, na hipótese do § 3º ou na sentença, impor multa


diária ao réu, independentemente de pedido do autor, se for suficiente
ou compatível com a obrigação, fixando prazo razoável para o
cumprimento do preceito.

Ao comentar os requisitos para a concessão da tutela antecipada, o


Professor Luiz Guilherme Marinoni assim disserta:

“É possível a concessão da tutela antecipatória não só quando o dano


é apenas temido, mas igualmente quando o dano está sendo ou já foi
produzido ("A Antecipação da Tutela na Reforma do Processo Civil",
Ed. Malheiros, p. 57).

No mesmo diapasão:

Uma vez delineada pelo juiz a tutela jurisdicional que pode responder
com efetividade ao direito subjetivo do consumidor, cumpre-lhe
orientar-se pelo princípio da adequação, segundo o qual deverão ser
manejados os mecanismos processuais hábeis a imprimir concretude
a esse direito. Esse ideal de efetividade prescinde da latitude do
pedido imediato constante da petição inicial.”

(JAMES EDUARDO OLIVEIRA, Código de Defesa do Consumidor –


anotado e comentado – 3ª edição – Atlas).

A propósito, sobre a tutela antecipatória jurisdicional, leciona o


emérito Professor e Desembargador Cândido Rangel Dinamarco, em seu livro "Reforma do
Processo Civil":

A lei fala em "antecipar os efeitos da tutela pretendida no pedido


inicial", no pressuposto conceitual de que a tutela seja o próprio
provimento a ser emitido pelo juiz. Antecipar os efeitos da tutela seria
antecipar os efeitos do provimento, ou da sentença que no futuro se
espera. Na realidade, tutela jurisdicional é a proteção em si mesmo e
consiste nos resultados que o processo projeta para fora de si e sobre
a vida dos sujeitos que litigam. Ela coincide com os efeitos dos
provimentos emitidos pelo juiz. Beneficiar-se de efeitos antecipados,
como está na letra do art. 273, é precisamente beneficiar-se da tutela

Av. Pinto Bandeira, nº 1.111, Luciano Cavalcante, Fortaleza-CE


CEP 60.811-170, Fone: (85) 3101-3434
Indicar Órgão de Atuação

antecipada. Por isso é que neste estudo se vai falando em


antecipação da tutela, fórmula dotada de mais simplicidade do que a
antecipação dos efeitos da tutela. (ob. cit. p.140) (IN, A Reforma do
Código de Processo Civil, Cândido Rangel Dinamarco, 2ª ed., revista
e ampliada com a nova disciplina do agravo - Malheiros Editores Ltda
-São Paulo-SP-1995 –pp. 145/146).

Os requisitos essenciais para a concessão da tutela antecipada


estão inequivocamente presentes no processo em curso, ou seja, há prova inequívoca,
robusta, idônea, consistente do direito da autora, constante dos documentos trazidos à
colação, permitindo-se a esse r. juízo chegar a uma verdade provável sobre os fatos, relativa
certeza quanto a esta veracidade (verossimilhança). Tal requisito encontra-se
inequivocamente assente na espécie, ante a robustez dos argumentos sustentados pela
demandante, com amparo em legislação específica.

De salientar, nesta ansa, que, diante do fato de a recorrente ser


bastante idosa e estar com a saúde consideravelmente debilitada, há risco de dano
irreparável à sua vida, acaso deixe de receber os cuidados aconselhados, o que
compromete, inevitavelmente, o próprio objeto da ação.

O direito perseguido pelo autor é especial, pois que transmudado na


assistência à saúde e no seu efetivo atendimento familiar integral de maneira URGENTE,
visto que é condição da própria existência como ser humano. Não resta dúvida, portanto, de
que as ações para a consecução da saúde são tidas como de relevância pública: fumus boni
juris.

Na mesma direção, chega-se à ilação de que o presente pleito


merece apreciação o mais URGENTE possível por parte desse r. juízo, posto que versa
sobre direito à saúde, transmudado na necessidade de tratamento domiciliar intensivo.
Portanto, Douto Judicante, a demora na concessão da liminar em antecipação de tutela
poderá redundar em agravo à saúde da requerente – já que não possui pecúnia suficiente
para arcar com o seu tratamento – ou mesmo culminar-lhe em decesso. Eis o periculum in
mora.

Av. Pinto Bandeira, nº 1.111, Luciano Cavalcante, Fortaleza-CE


CEP 60.811-170, Fone: (85) 3101-3434
Indicar Órgão de Atuação

Infere-se, dessarte, diante do grave risco de lesão irreversível e ante


a plausibilidade dos argumentos expendidos, ser imprescindível a medida antecipatória, de
maneira a determinar à requerida a proceder à cobertura do tratamento domiciliar
integralmente, com a presença diária de profissional de enfermagem, na conformidade com
o estabelecido pelos profissionais médicos especialistas que assistem a requerente, até alta
médica, arcando com todas as despesas necessárias, devendo prestar-se o serviço em
domicílio da promovente, como se hospitalizada estivesse.

Destaque-se, nesta ansa, decisões do nosso Egrégio Tribunal de


Justiça do Estado do Ceará, ex textus:

AGRAVO DE INSTRUMENTO - DECISÃO CONCESSIVA DE TUTELA


ANTECIPADA - PRESENÇA DOS REQUISITOS ENSEJADORES DO
INSTITUTO - RECURSO CONHECIDO E IMPROVIDO.

I - Presentes os requisitos ensejadores da tutela antecipada, impõe-se


o seu deferimento.

(AI 2002000146584 CE- 2ª Câmara Cível – Rel. Des. Gisela Nunes


Costa - j.31.03.2004)

AGRAVO DE INSTRUMENTO. DIREITO PROCESSUAL CIVIL.


ANTECIPAÇÃO DE TUTELA. PRESSUPOSTOS AUTORIZADORES
PRESENTES. INTERNAMENTO HOSPITALAR DE PACIENTE EM
ESTADO GRAVE. POSSIBILIDADE.

1. Para a concessão da tutela antecipada, prevista no art. 273, CPC,


basta que o Magistrado esteja convencido da existência da
verossimilhança da alegação, bem como de fundado receio de dano
irreparável ou de difícil reparação para o autor.

2. No caso, o fumus boni iuris encontra-se consubstanciado na


obrigação contratual da Recorrente de assistir a paciente.

3. O periculum in mora, por sua vez, é evidenciado pelo grave estado


de saúde da Agravada, que corre o risco de morte.

4. Recurso improvido.

Av. Pinto Bandeira, nº 1.111, Luciano Cavalcante, Fortaleza-CE


CEP 60.811-170, Fone: (85) 3101-3434
Indicar Órgão de Atuação

(TJCE - AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 4894-07.2005.8.06.0000/0 –


FORTALEZA – 3ª C Cível – Rel. Rômulo Moreira de Deus – j.
02.09.2010).

Assim sendo, necessária em virtude de todo o exposto a antecipação


dos efeitos da tutela, inaudita altera pars, obrigando-se a requerida, a custear, integral e
imediatamente, o tratamento domiciliar em comento, uma vez que verificados os requisitos
da verossimilhança das alegações e a prova inequívoca, além do perigo da demora.

DOS PEDIDOS

Em razão do exposto, requer, se digne Vossa Excelência:

1) Sejam concedidos os benefícios da JUSTIÇA GRATUITA e


ATENDIMENTO PRIORITÁRIO, nos termos dissertados em preliminar;

2) Seja concedida, inaudita altera parts, a antecipação de tutela, nos


moldes expressos na presente lide, determinando-se que o plano de saúde requerido adote,
imediatamente e em sua inteireza, de todos os meios à realização do tratamento domiciliar
de forma integral, de que tanto necessita a requerente, com a presença diária de
profissional de medicina, enfermagem e cuidador treinado, 24 horas por dia, bem como
arque com todas as despesas decorrentes desse procedimento, inclusive com o
fornecimento de toda a cesta de materiais, como, por exemplo, material de higiene,
seringas, esparadrapo e aspirador de secreção cama hospitalar, colchão de espuma e
articulado (água e ar) e cadeira de rodas, sonda vesical de demora e respectivos coletores
de urina (sistema fechado), fraldas descartáveis, luvas, máscaras, algodão, óleo age e
alimentação enteral, além de todos os fármacos necessários, consoante recomendação
médica, até ulterior deliberação, sob pena de multa diária ou horária e indiciamento em
crime de desobediência;

3) Empós a concessão antecipatória, seja a requerida citada, por seu

Av. Pinto Bandeira, nº 1.111, Luciano Cavalcante, Fortaleza-CE


CEP 60.811-170, Fone: (85) 3101-3434
Indicar Órgão de Atuação

representante legal, para, querendo, responder à presente;

4) A inversão do ônus da prova em benefício da requerente, nos


moldes da lei consumerista, determinando-se que a requerida traga aos autos cópia
reprográfica do contrato que envolve as partes litigantes;

5) A intimação do(a) ilustre representante do Ministério Público, se


necessário, para apresentar seu alvitre;

6) A confirmação, em todos os seus termos, da tutela antecipada,


certamente deferida, e os pedidos autorais confirmados por sentença, com o fim de
reconhecer, definitivamente, a obrigação da requerida em prestar o atendimento domiciliar
em lide de forma integral e arcando com todas as despesas decorrentes desse
procedimento, até que se ultime a alta médica;

7) Que seja DETERMINADO o pagamento de indenização pelos


prejuízos morais sofridos pelo Promovente pela injusta recusam, no valor de R$ 20.000,00
(vinte mil reais) com a necessidade de reparar o prejuízo e de servir de ato pedagógico da
Promovida de modo que outras pessoas não passem pelo constrangimento que o
Requerente está passando.

8) A condenação da acionada no pagamento das verbas de


sucumbência, isto é, custas processuais e honorários advocatícios, estes na base de 20%
(vinte por cento) sobre o valor da condenação, os quais deverão ser revertidos ao fundo de
apoio e aparelhamento da Defensoria Pública – Geral Do Estado do Ceará (Banco do Brasil
– Agência n° 008-6 – Conta n° 21.740-9);

Como a demanda é apenas de direito não necessitando, s.m.j,


dilação probatória, requer, nos termos do artigo 330, I do CPC, o julgamento antecipado da
lide.

Entrementes, se assim não entender Vossa Excelência, protesta e

Av. Pinto Bandeira, nº 1.111, Luciano Cavalcante, Fortaleza-CE


CEP 60.811-170, Fone: (85) 3101-3434
Indicar Órgão de Atuação

requer provar o alegado por todos os meios de provas admitidos em direito, juntada de
novos documentos, perícias, depoimentos pessoais, e, se necessário, oitiva de
testemunhas, que serão oportunamente arroladas.

Protesta provar o alegado por todos os meios de prova em direito


admitidos, especialmente juntada posterior de documentos e oitiva de testemunhas, se
houver necessidade.

Dando à causa o valor de VALOR DA CAUSA, para efeitos.

Nesses termos.
Pede deferimento.
CIDADE, DIA DE MÊS DE ANO.

NOME DO(A) DEFENSOR(A) PÚBLICO(A)


Defensor(a) Público(a)

Av. Pinto Bandeira, nº 1.111, Luciano Cavalcante, Fortaleza-CE


CEP 60.811-170, Fone: (85) 3101-3434

Você também pode gostar