Você está na página 1de 39

Balanço 2017

Prefácio

Quando o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) foi criado pelo Governo Federal, em maio de 2016,
o País estava imerso em um curso econômico de recessão dos mais longos e profundos da sua história
moderna: 13 milhões de brasileiros desempregados; perda do “grau de investimento”; grandes
empreendedores deixaram de acudir aos certames licitatórios e o PIB atingiu a pior retração da série
histórica medida desde 2003.

Tínhamos a convicção de que precisávamos inovar e propor um novo fluxo de decisões para a priorização e
o acompanhamento dos projetos de infraestrutura, a serem executados por meio da parceria com a iniciativa
privada. E foi o que fizemos!

O País está, finalmente, saindo da crise. Em 18 meses, desde a criação do PPI, muita coisa já mudou.
Empreendemos esforços para ampliar e fortalecer a interação entre o Estado e a iniciativa privada a fim de
avançar na modernização da infraestrutura nacional e retomar o crescimento sustentável e competitivo para
o Brasil. E a confiança dos investidores voltou com uma diversificação importantíssima, com grandes
empresas internacionais de diversos setores e países participando ativamente dos nossos leilões. O
mercado e a sociedade têm entendido que as parcerias de investimentos são motores de criação de
empregos e de geração de renda.
Prefácio
O Conselho do PPI, órgão de governança que avalia e recomenda ao Presidente da República os projetos
do Programa, já realizou quatro reuniões, em que foram propostos e aprovados 145 projetos considerados
prioridades nacionais. Por meio deles, estão previstos R$ 275 bilhões de investimentos. Ao todo, 70
empreendimentos foram leiloados, com 50 parcerias já formalizadas com o Poder Público. Somente com
esses contratos, estão garantidos investimentos da ordem de R$ 142 bilhões nas próximas décadas, sem
contar as outorgas de cerca de R$ 28 bilhões para a União.

Todos os resultados que apresentamos agora são fruto da previsibilidade e da segurança regulatória e
jurídica instituídas com o Programa. Primamos pelo dinamismo, integração e comprometimento de todos os
atores envolvidos na identificação de eventuais soluções para fragilidades, riscos e gargalos. Focamos no
resultado, na transparência e na qualidade das nossas ações, que são marcas registradas deste Governo.

O PPI se mostrou, em curtíssimo espaço de tempo, um dos pilares para a retomada do crescimento
econômico. Precisamos agora nos concentrar para o novo ano e avançar no caminho das parcerias. Vamos
reforçar o marco regulatório da infraestrutura, enaltecer o ambiente de negócios com o Poder Público e
ampliar ainda mais o diálogo com a sociedade, o mercado e os órgãos de controle. Faremos o planejamento
integrado da logística nacional e, principalmente, reforçaremos nosso compromisso pela continuidade e pelo
crescimento da nação.

MOREIRA FRANCO
Ministro de Estado Chefe
da Secretaria-Geral da Presidência da República
O foco do Avançar Parcerias é preciso

Qualidade do serviço
Sustentabilidade da concessão
Financiabilidade dos projetos
Previsibilidade das ações do governo
Transparência das informações
Em 18 meses de Programa, foram qualificados 145 projetos

70 CONCLUÍDOS
R$ 142 BILHÕES EM INVESTIMENTOS
R$ 28 BILHÕES EM OUTORGAS
Todos os projetos são selecionados pelo Conselho do PPI

1ª Reunião 2ª Reunião 3ª Reunião


13 de setembro de 2016 07 de março de 2017 23 de agosto de 2017

34 projetos 55 projetos 56 projetos


17 concluídos (50%) 40 concluídos (73%) 13 concluídos (23%)
17 em andamento 15 em andamento 43 em andamento
Hoje, os resultados do Programa estão avançados

70 projetos 75 projetos
concluídos em andamento

48% do Programa executado 55 estudos técnicos


20 leilões realizados 9 consultas públicas em andamento
50 contratos assinados 11 projetos em análise no TCU
Os projetos concluídos estão distribuídos por todo o País
Terminal de combustíveis Terminal de contêineres Vila
Santarém – STM4 do Conde - Convicon

Terminal Químico
Itaqui - Tequimar 14ª Rodada –
Bacia Parnaíba

Aeroporto de
Terminal de combustíveis
Fortaleza
Santarém – STM5
4ª Rodada de
Campos Marginais
14ª Rodada –
Bacia de Potiguar
14ª Rodada – Bacia
de Sergipe-Alagoas
14ª Rodada – Bacia do
Recôncavo Aeroporto
de Salvador
Terminal de contêineres
de Salvador -TECOM
UHE Miranda 4ª Rodada de
Campos Marginais
14ª Rodada – Bacia do
Legenda UHE
São Simão
Espírito Santo
4ª Rodada de
Campos Marginais 3ª RODADA – Licitações de
UHE Partilha de Produção – Pré-
Aeroporto Volta Grande UHE Jaguara Sal
14ª Rodada – Bacia Terminal de trigo
Portos do Paraná Rio de Janeiro
Terminal de fertilizantes NITPORT Serviços
Paranaguá Portuários
Petróleo & PCH Pery 14ª Rodada –
Gás Aeroporto de
Bacia de Santos
NITSHORE Serviços
Florianópolis Portuários
Transmissão Terminal Portuário
de SC - TESC 2ª RODADA – Licitações de
Partilha de Produção – Pré-Sal
Distribuição
Aeroporto de
Porto Alegre
Geração
Entregas importantes foram realizadas

Aeroportos Portos Óleo e Gás Energia

7 concessões Transmissão: 46 leilões


4 concessões (renovação antecipada) 4 novas concessões Geração: 4 concessões
3 novos arrendamentos 1 prorrogação
Distribuição: 1 desestatização
Os resultados por setor são expressivos

Óleo e Gás Investimentos previstos: R$ 101 bi


Bônus de assinatura: R$ 10 bi
Ágio médio (blocos exploratórios e campos marginais): 127%
Ágio médio Pré-Sal: 261% na 2ª Rodada e 202% na 3ª Rodada

Investimentos previstos: R$ 33 bi
Energia Outorga obtida: R$ 14,3 bi
Ágio médio (geração e distribuição): 12%
Receita Anual Permitida* prevista: R$ 4,2 Bi / RAP obtida: R$ 2,6 bi
Deságio médio (transmissão): 38%

Transportes
Investimentos previstos: R$ 8 bi
Outorga obtida: R$ 3,8 bi
Ágio médio: 25%

* RAP - Receita Anual Permitida de Referência é a receita anual que a transmissora terá direito pela prestação do serviço público de transmissão aos usuários, a partir da entrada em operação comercial das instalações.
O Avançar Parcerias resgatou o interesse dos investidores no Brasil

Empresas de
16 países já
participaram dos
leilões realizados
Mais informações sobre

Óleo e Gás
O setor de Óleo e Gás produzirá investimentos maciços no País

Investimentos Bônus de Localização


Data do Ágio Nº de
Projetos concluídos estimados Assinatura
Leilão (%) participantes geográfica
(R$) (R$)

4ª Rodada de Licitações de Áreas 11/05/2017 9,1 Mi 8,0 Mi 1669 8 BA/ ES/ RN


com Acumulações Marginais

14ª Rodada de Licitações de Blocos RJ/ ES/ PR/ PI/MA/


Exploratórios de Petróleo e Gás 27/09/2017 845,6 Mi 3,8 Bi 126 2 RS/ RN/ BA/ SP/
Natural sob o regime de concessão SE/ AL

2ª Rodada de licitações sob o


regime de partilha de produção 3,3 Bi 261 8 SP/ RJ
(Pré-Sal)
27/10/2017 100 Bi
3ª Rodada de licitações sob o
regime de partilha de produção 2,9 Bi 202 8 SP/ RJ
(Pré-Sal)
Mudanças regulatórias garantiram o sucesso dos leilões

Novas regras de conteúdo local para os futuros contratos


Prorrogação do REPETRO
Fim da participação compulsória da Petrobras nos leilões do Pré-Sal
Divulgação prévia dos calendários das rodadas de 2017 a 2019
Criação da oferta permanente de áreas

O ano de 2017 marcou a forte retomada do setor

14ª Rodada de Blocos Exploratórios: 37 áreas arrematadas e maior bônus de assinatura da história

Pré-Sal: após 4 anos sem leilões, 2ª e 3ª Rodadas atraíram principais empresas mundiais e trouxeram
ágio recorde do excedente em óleo para a União
Mais informações sobre

Energia
Investimentos garantirão segurança energética e economia para o consumidor

Investimentos Outorga Localização


Data do Nº de
Subsetor Projetos concluídos estimados efetiva / Ágio (%)
Leilão participantes geográfica
(R$) RAP(R$)

Concessão de 4UHEs: Jaguara, 27/09/2017 8,2 Bi 12,1 Bi 10 3 GO, MG e SP


Miranda, São Simão e Volta Grande
Geração
Prorrogação da concessão da
07/07/2017 128,4 mi - - 1 SC
PCH de Pery

Distribuição Desestatização da CELG-D 30/11/2016 3,4 Bi 2,2 Bi 28 1 GO

AL, BA, CE,


GO, MA, MS,
Leilão ANEEL 5/216: Concessão de 1,67 Bi MG, PA, PR,
11/08/2017 12,73 Bi -36 23
31 Lotes de Linhas de Transmissão (RAP) PB, PE, PI, RJ,
Transmissão RN, RS, RO,
SC, SP e SE.
BA, CE, MG,
Leilão ANEEL 2/217: Concessão de 0,91 Bi
15/12/2017 8,75 Bi -40 47 PA, PB, PE, PI,
11 Lotes de Linhas de Transmissão (RAP)
PR, RN, TO
Maiores leilões de linhas de transmissão da história foram realizados no PPI

Deságio nos leilões representa economia


de R$ 39,8 bi para os consumidores

Previsão de 12 mil km de novas linhas


Mais informações sobre

Transportes
Excelência é a tônica da operação dos aeroportos concedidos

Investimentos Outorga Localização


Data do Ágio Nº de
Projetos concluídos estimados Efetiva
Leilão (%) participantes geográfica
(R$) (R$)

Aeroporto Porto Alegre/RS 16/03/2017 1,9 Bi 382 Mi 211 2 RS

Aeroporto Salvador/BA 16/03/2017 2,4 Bi 1,6 Bi 28 1 BA

14
Aeroporto Florianópolis/SC 16/03/2017 961 Mi 241,Mi 2 SC

5
Aeroporto Fortaleza/CE 16/03/2017 1,4 Bi 1,5 Bi 2 CE
Nova modelagem dos projetos trouxe importantes operadores mundiais

Sustentabilidade dos projetos assegurada pelo novo critério de


pagamento (25% da outorga + ágio à vista)
Fim da obrigatoriedade de associação com a Infraero
Melhoria dos serviços com impacto direto
para 28 milhões de passageiros
Atração de novas empresas para os sítios aeroportuários concedidos
(American Airlines assinou o seu 1º projeto fora dos EUA para
manutenção de aeronaves no aeroporto de Guarulhos)
Investimentos no setor portuário ganharam ritmo com o PPI

Investimentos Localização
Data do Outorga Efetiva
Projetos concluídos estimados
Leilão/Aditivo (R$ Mi) geográfica
(R$ Mi)
Renovação Tecon Salvador 16/11/2016 715 - BA
Renovação Fospar Paranaguá 16/11/2016 134,5 - PR
Renovação Tesc – Santa Catarina 27/07/2017 138 - SC
Renovação Tequimar - Itaqui 23/08/2017 145,7 - MA
Renovação Convicon – Vila do Conde 16/11/2017 129 - PA
Terminal de Trigo RDJXX 20/4/2017 93,1 1,18 RJ
Terminal STM 4 23/03/2017 18,9 18,2 PA
Terminal STM 5 23/03/2017 11 50 PA
Terminal de Granéis Sólidos e Carga
24/11/2017 23,7 - RJ
Geral
Terminal de cargas a apoio offshore 24/11/2017 40,2 - RJ
Retomada dos leilões garantirá expansão de capacidade portuária

PPI realizou leilões após interrupção em 2015


Projetos concluídos geram expansão de capacidade de mais de 10 milhões t/ano
Priorização de terminais de combustíveis e GLP
conforme a política do setor de Óleo e Gás
Conclusão de mais 12 novos estudos para leilões em 2018, com apoio da EPL
Aprimoramento nos estudos e novo modelo contratual rodoviário garantirão
maior atratividade e segurança para os projetos

Estudos maduros com participação da sociedade


BR-101/290/386/448/RS
Melhoria no modelo regulatório
BR-364/365/GO/MG
Mecanismos de acompanhamento contratual
BR-101/SC
Ajustes na Matriz de Risco
BR-364/RO
Projetos financiáveis

BR-153/TO/GO Incorporação do benchmark internacional (IFC/ WB)


BR-116/493/RJ (CRT) Internalização do conhecimento (EPL)
BR-116/RJ/SP (Dutra) Incorporação de base de dados para o Governo
BR-040/MG/RJ (Concer) Uma nova forma de estruturar projetos
Retomada dos investimentos no setor ferroviário
viabilizará a expansão da malha

Novas Concessões
Ferrovia Norte Sul Resposta a demandas do setor privado
Ferrogrão Aderência ao Plano Nacional de Logística
FIOL

Prorrogações Antecipadas
Antecipação de investimentos em cinco importantes concessões
Malha Paulista (ALL/Rumo)
Solução de gargalos na malha ferroviária
MRS, FCA (VLI)
Construção de novos trechos
EF Vitória-Minas (VALE)
Soluções logísticas integradas
EF Carajás (VALE)
Projeções para 2018
Rodovias Ferrovias Agricultura e 2018 será o ano da
5 prorrogações
Abastecimento logística
4 licitações 3 concessões 2 desestatizações
4 estudos
Dos 75 projetos,
Óleo e Gás Energia Elétrica 55 pertencem ao setor de
Aeroportos
transportes
1 acumulação Geração:
marginal 1 prorrogação Portos
13 concessões
1 partilha de Pré-sal Distribuição:
4 alienações 6 desestatizações 14 arrendamentos
1 bloco de exploração
Eletrobras 2 autorizações para Loteria
e produção
investimentos
COMAER 3 cessões onerosas 1 concessão
Casa da Moeda Mineração (Lotex)
1 concessão 2 renovações
administrativa 4 concessões
1 desestatização antecipadas
PPP de exploração

Investimentos previstos de R$ 132,7 bilhões


Os projetos de 2018 já estão em andamento

55 projetos em fase de elaboração de estudos

9 consultas públicas iniciadas

11 estudos em análise prévia do TCU

Conheça as fases dos projetos:

estudos consulta análise publicação realização assinatura


técnicos pública do TCU do edital do leilão do contrato
Como o PPI conseguiu
resultados em tão pouco tempo?
O Programa está apoiado na adoção de boas práticas

Governança

Parceria com Aprimoramento


Ministérios e Agências jurídico-regulatório

Diálogo e Melhoria no ambiente


Transparência de negócios

Visão de Longo Prazo


Governança

O Programa funciona com duas estruturas de governança:


O Conselho do PPI
A Secretaria Especial do PPI
Os projetos do PPI são prioridade nacional

O monitoramento dos projetos é constante

Os problemas e riscos são rapidamente identificados e tratados

A Secretaria Especial do PPI age como facilitadora para construir soluções


Aprimoramento
Jurídico-regulatório

O PPI e suas estruturas estão previstos em lei própria (Lei nº 13.334/2016)

Novas diretrizes para os projetos estão fixadas em resolução do Conselho do PPI (Resolução
PPI nº 01/2016) – prazo de 100 dias entre edital e leilão, publicação em inglês dos editais,
obrigatoriedade de consulta pública prévia para os projetos, entre outras diretrizes

Edição da Lei nº 13.448/2017 permitirá o ingresso de novos investimentos em concessões


existentes por meio da prorrogação antecipada

Para os contratos em dificuldades, foi criado o mecanismo da relicitação (Lei nº 13.448/2017) e


admitiu-se, no caso dos aeroportos, o reperfilamento de valores de outorga (Lei nº 13.499/2017)
Melhoria no
ambiente de
negócios

Política de certificação acreditada cria um selo de qualidade para os projetos

O PPI prima por inovações para a estruturação dos projetos:


Parceria com Banco Mundial trará melhores práticas para a modelagem das rodovias federais
Parceria com o PNUD trará metodologia inédita de cálculo para o ressarcimento de ativos não
amortizados, em caso de relicitação ou caducidade
Um dos focos do Programa é a melhoria da financiabilidade dos projetos, por meio da criação de
mecanismo de hedge cambial e o aprimoramento da legislação sobre debêntures de infraestrutura

A entrada de novos investidores tem ampliado a competitividade dos leilões


Visão de
Longo Prazo

A Empresa de Planejamento e Logística (EPL) assumiu o papel de planejamento de longo prazo


da infraestrutura nacional
A vinculação direta com o PPI traz sinergias para a agenda da infraestrutura
A EPL tem investido continuamente em capacidade de planejamento, estruturação e revisão
dos projetos
O mercado contará com importante ferramenta para o longo prazo: o Plano Nacional de Logística
(PNL)

O calendário prévio das concessões assegura a previsibilidade para as decisões de investimento


dos agentes do mercado
Diálogo e
Transparência

A Secretaria do PPI tem mobilizado diversos atores na tomada de decisão quanto aos projetos

Foi criado um diálogo aberto e permanente com o mercado

O PPI instituiu um banco de dados unificado de informações sobre os projetos

As consultas públicas são usadas efetivamente para melhorar os empreendimentos

O TCU é um importante parceiro nas discussões sobre os projetos

Apex-Brasil e PPI atuam em conjunto para atrair novos investidores internacionais


Parceria com
Ministérios e
Agências

O fortalecimento contínuo das Agências Reguladoras é uma prioridade para o PPI

Esse cenário trará estabilidade para os investimentos em infraestrutura e melhoria na prestação do


serviços à sociedade

Reestabelecimento do poder técnico das Agências Reguladoras e do poder político dos Ministérios
setoriais

O PPI reforça o protagonismo dos Ministérios na formulação das políticas públicas setoriais
Mensagem da Secretaria Especial PPI

Em 12 de maio de 2016, o Presidente Michel Temer editou, como um dos primeiros atos de sua gestão, a
Medida Provisória nº 727 criando o Programa de Parceiras de Investimentos – PPI. Passados 18 meses, em
resposta à confiança depositada pelo Presidente, prestamos contas à sociedade e a todos que acreditaram e
investiram no Brasil.

Os resultados aqui apresentados reforçam que estamos no caminho da retomada do crescimento e que
iremos avançar ainda mais em 2018. Isso porque, dos 145 projetos qualificados nos diversos setores de
infraestrutura, cerca de 50% já foram concluídos. Ainda há 75 empreendimentos para entregar no ano que
vem.

Os números do PPI impressionam, sobretudo quanto aos valores dos projetos concluídos: R$ 142 bilhões.
Estamos certos de que investimentos dessa magnitude trarão, ao longo dos próximos anos, mais empregos
e renda, garantindo a retomada do desenvolvimento do nosso País. Para os projetos ainda em andamento
preveem-se mais R$ 132,7 bilhões em investimentos.
Mensagem da Secretaria Especial PPI

Mas como conseguimos realizar tudo isso em tão pouco tempo? E quais foram as mudanças e os
aprimoramentos realizados para a criação de um ambiente de negócios propício aos investidores nacionais e
estrangeiros?

Primeiramente, o PPI buscou enaltecer o diálogo entre a sociedade, investidores, instituições públicas e
órgãos de controle, de forma a construir soluções concretas para transpor as barreiras aos investimentos
nacionais e estrangeiros.

Durante essa jornada aprimoramos significativamente a forma de construir parcerias entre o Estado e os
atores da iniciativa privada. Para isso alteramos e aperfeiçoamos marcos regulatórios; estabelecemos uma
nova governança no setor de infraestrutura, em que o PPI acompanha, monitora e coordena os
empreendimentos qualificados; e proporcionamos maior segurança jurídica, previsibilidade e transparência,
incluindo o accountability concomitante à sociedade e aos órgãos de controle sobre os principais processos.

Empreendemos esforços destinados a criar um plano integrado de logística; a prover os investidores de


estudos e projetos mais robustos; a primar pela construção de contratos autossustentáveis e pela melhoria
da prestação de serviços aos usuários; e a reavaliar a forma de financiamento dos projetos.
Mensagem da Secretaria Especial PPI

Não menos importante estendemos o prazo entre a publicação do edital de licitação e o leilão, de forma a
promover maior competitividade; publicamos editais em mais de um idioma, permitindo inserir o Brasil no
cenário mundial; alteramos a lei que obrigava uma empresa estrangeira a se associar a uma empresa
nacional sem estabelecer uma porcentagem mínima; e prezamos pelo cumprimento dos prazos.

Os desafios ainda são grandes para assegurar a modernização e a expansão de nossa deficitária
infraestrutura, sendo imprescindível o estabelecimento das parcerias com a iniciativa privada. Nosso
compromisso é promover uma revolução na infraestrutura e logística nacional, a fim de que o Brasil tenha
um crescimento sustentável e competitivo nos anos que virão.

ADALBERTO SANTOS DE VASCONCELOS


Secretário Especial do Programa de Parcerias de Investimentos
Balanço 2017