Você está na página 1de 47

1 Tessalonicenses

ESBOÇO CONTEÚDO
Tema-chave; A vinda de Cristo para buscar 1. Nasce uma igreja 202
sua Igreja 2. O perfil da igreja ideal
Versículo-chave; 1 Tessalonicenses 5:9,10 (1Ts1:1-10) 207
3. Ajudando 0bebê a crescer
I. PAULORECORDA‫ ־‬CAPÍTULOS (1Ts2:1(12‫־‬ 212
1 3 ‫־‬ 4. Dores de crescimento
A. Como a igreja nasceu 1 ‫־‬ (ITs 2:13-20) 217
B. Como a igreja foi nutrida 2 ‫־‬ 5. Agüentem firme!
C. Como a igreja foi estabelecida - 3 (ITs 3:1-13) 222
6. Como agradar ao Pai
IL PAULOEXORTA‫ ־‬CAPÍTULOS (1Ts4:M2) 227
4-5 7. O consolo de sua vinda
(Como a Igreja deve andar) (1Ts4:13-18) 232
A. Em santidade - 4:1-8 8. Não sejam sonâmbulos!
B. Em harmonia -4:9,10 (ITs 5:1-11) 237
C. Em honestidade - 4:11,12 9. Tudo em família
D. Em esperança - 4:13 - 5:11 (ITs 5:12-28) 242
E. Em serviço - 5:12*28
comercial e industrial da Grécia, sua popu-
1 lação é a segunda maior do país depois de
Atenas. Durante a Primeira Guerra Mundial
foi uma importante base aliada. Na Segun-
N a sce U m a Igreja da Guerra, foi dominada pelo exército ale-
mão, e os cerca de 60 mil Habitantes judeus
foram deportados e exterminados.
É uma cidade antiga, que recebeu, ini-
cialmente, o nome de Terma por causa das
várias fontes termais em suas cercanias. Em
315 a.C., seu nome foi mudado para Tes-
salônica em homenagem à meia-irmã de
m pai levou o filho a um museu de uma Alexandre, o Grande. Quando Roma con-
U cidade grande imaginando que o pas-
seio seria divertido. Mas, por duas horas, o
quistou a Macedonia, em 168 a.C., a cida-
de foi transformada em capital da província.
menino não fez outra coisa senão suspirar No tempo de Paulo, havia cerca de 200 mil
e resmungar. Por fim, perguntou um tanto habitantes no local, a maioria gregos, além
desesperado: de alguns romanos e de uma forte minoria
- Pai, por que a gente não vai a algum de judeus. Hoje, com cerca de 300 mil habi-
lugar onde as coisas são de verdade? tantes, é uma das poucas cidades que resta-
É assim que algumas pessoas se sentem ram da era apostólica do Novo Testamento.
quando lêem a Bíblia. Pensam que estão em O doutor Lucas explica como Paulo che-
um museu religioso, olhando artefatos anti- gou a Tessalônica e como a igreja foi funda-
gos sem significado algum no mundo cien- da (At 17:1-15). Paulo foi à Macedônia em
tífico atual. Que engano! Nenhum livro é resposta ao "chamado‫ ״‬de um homem ma-
mais significativo para a vida e mais relevan- cedônio que lhe pediu: "Passa à Macedônia
te para os problemas do que a Bíblia. Não é e ajuda-nos" (At 16:9). Paulo, Silas, Lucas e
de se admirar que William Lyon Phelps, por Timóteo passaram primeiro por Filipos, onde
muitos anos chamado de "professor mais levaram Lídia e sua família a Cristo e funda-
inspirativo de Yale", tenha dito: "Estou con- ram uma igreja. Paulo e Silas foram detidos
victo de que o conhecimento da Bíblia sem pelas autoridades sob acusações falsas, açoi-
um curso universitário é mais valioso do que tados e presos. Mas Deus os libertou, e pu-
um curso universitário sem a Bíblia". deram dar testemunho ao carcereiro e levar
A primeira e a segunda espístolas aos sua família a Cristo.
Tessalonicenses são duas das mais antigas Depois de encorajar os recém-converti-
escritas por Paulo (é possível que a Epístola dos, Paulo e seus amigos partiram de Filipos
aos Gálatas tenha sido escrita primeiro). Essas (é possível que Lucas tenha ficado lá mais
duas cartas eram dirigidas a pessoas reais, algum tempo) e percorreram os cerca de 160
que vivenciavam problemas reais, em um quilômetros até a importante cidade de
meio nada favorável à fé cristã. É possível Tessalônica. O fato de passarem por Anfípolis
identificar-se facilmente com os tessaloni- e Apolônia (At 17:1) sem ministrar nessas
censes, pois hoje se enfrentam vários proble- cidades não significa que não se preocupa-
mas parecidos. Uma vez que se entende o vam com as pessoas desses locais, mas sim
contexto, o motivo e a bênção dessas duas que seguiam a política de Paulo de ministrar
cartas, vemos como são atuais e práticas. nos grandes centros urbanos e, depois, en-
viar cristãos desses locais para as cidades
1.0 CONTEXTO menores ao redor.
A cidade de Tessalônica ainda existe, mas Paulo havia sido comissionado para le-
é chamada hoje de Tessalonique (conhe- var o evangelho aos gentios (At 9:15; Ef 3:1-
cida antigamente como Salônica). Cidade 12), mas sempre começava o ministério no
1 TESSA LO N ICEN SES 203

m eio dos judeus. Na sinagoga local, reuniam- de deixar a cidade. Deslocaram-se cerca de
se pessoas que conheciam e reverenciavam 6 4 quilôm etros até Beréia, onde puderam
a Lei do Antigo Testamento, e os ouvintes ministrar com grande eficácia; mas os judeus
mostravam-se interessados pela pregação de de Tessalônica os seguiram e causaram pro­
Paulo, pelo menos antes de as perseguições blem as. Então, Paulo partiu para Atenas e,
iniciarem . Além disso, havia sem pre muitos de lá, para Corinto.
gentios "tementes a D eus‫ ״‬na sinagoga, e, Q uanto tempo o apóstolo ministrou em
por meio deles, Paulo podia passar a teste­ Tessalônica? A s palavras "por três sábados"
m unhar aos gentios pagãos. A o acrescentar (At 1 7:2) indicam apenas três sem anas ou
a esses fatos a responsabilidade que Paulo significam que ele ministrou esse tempo na
sentia pelos judeus (Rm 9:1-3; 10:1), bem sinagoga e, depois, continuou seu trabalho
com o o princípio histórico de levar o evange­ em algum outro lugar? Sabem os que Paulo
lho "prim eiro [ao] judeu" (Rm 1:16), enten­ ficou na cidade tem po suficiente para re­
demos por que Pauío e seus colaboradores ceber duas "ofertas para missões" da igreja
com eçavam seu trabalho na sinagoga. de Filipos (Fp 4 :1 6 ). Além disso, o apóstolo
É interessante estudar as palavras que trabalhou fazendo tendas para se sustentar
Lucas usa para descrever o ministério públi­ (1 Ts 2 :9 ; 2 Ts 3:6-15).
co de Paulo na sinagoga (At 17:2, 3). "Arra- Se Paulo passou apenas três sem anas em
zo ar" significa "discorrer usando perguntas Tessalônica, com certeza ensinou aos recém-
e respostas". Talvez um sinônim o apropria­ convertidos os fundam entos da doutrina bí­
do seja "dialogar". "Expor" quer dizer, sim­ blica. Ao estudar essas duas cartas, vê-se que
plesm ente, "exp licar". O apóstolo lia uma quase todas as principais doutrinas da fé
passagem das Escrituras do Antigo Testamen­ cristã são m encionadas.
to e explicava seu significado com referência A p e sa r de o m in isté rio de Paulo em
a Jesus Cristo e ao evangelho. "Dem onstrar" Tessalônica não ter sido longo, foi sólido o
significa, literalmente, "colocar ao lado". Pau­ suficiente para deixar uma igreja em franco
lo lhes apresentava as Escrituras de maneira desenvolvimento. A o partir para Atenas, Pau­
ordenada, mostrando-lhes com o se harmo­ lo pediu a Tim óteo e Silas que perm aneces­
nizavam . E o verbo "anunciar" também pode sem na cidade ajudando a nova igreja e que
ser traduzido por "pregar". O apóstolo não se encontrassem com ele depois. Q uando
apenas ensinava as Escrituras, mas também os três voltaram a se reunir, Paulo enviou
proclam ava a Cristo e instava seus ouvintes Tim óteo de volta a Tessalônica para encora­
a aceitarem o Salvador pela fé. ja r os cristãos e para assegurá-los de seu
É possível aprender muita coisa com a am or e interesse por eles (o apóstolo tentou
abordagem de Paulo ao evangelism o. Ele voltar em outras duas ocasiões, mas foi im­
usava a Palavra de D eus e anunciava o Fi­ pedido de fazê-lo; ver 1 Ts 2 :1 7 , 18). Q u an ­
lho de Deus. Partia daquilo que as pessoas do Tim ó teo se encontrou com Paulo em
conheciam e as conduzia à verdade do evan­ Corinto e lhe deu seu relatório sobre a igre­
gelho (quando pregava aos gentios, com e­ ja de Tessalônica, Paulo escreveu a Primeira
çava com o Deus da criação, uma vez que Epístola aos Tessalonicenses. A Segunda Epís­
não tinham conhecim ento algum das Escri­ tola aos Tessalonicenses foi escrita pouco
turas do Antigo Testamento; ver At 14:8*18; tempo depois.
1 7 :1 6ss). Podem os extrair algum as lições im por­
O apóstolo ministrou na sinagoga duran­ tantes desse contexto. Em prim eiro lugar,
te três sábados, e o Senhor operou em po­ fica evidente que D eu s usa pessoas. D eus
der. M uitos creram em Jesus Cristo e foram não enviou anjos para evan g elizar Tessa-
salvos, inclusive algumas m ulheres da alta lônica; antes, enviou um rabino judeu co n ­
so cied ad e. O s ju d eu s in créd u lo s, porém , vertido e seus amigos, inclusive um rapaz
com eçaram a se opor a seu trabalho, de mo­ parte judeu e parte gentio. D eus ainda usa
do que Paulo e seus colaboradores tiveram pessoas - indivíduos dedicados, dispostos
204 1 TESSALONICENSES

a obedecer a suas instruções e a comparti- Também os estimulou a viver em santida-


lhar sua mensagem. de. É importante lembrar que, nessas cidades
Em segundo lugar, o evangelho ainda é antigas, não faltavam tentações à imoralida-
"o poder de Deus para a salvação" (Rm de, e a maioria das pessoas não condenava
1:16). Não foi preciso muito tempo para fun- os pecados sexuais. Esta carta enfatiza a pu-
dar uma igreja em Tessalônica. O poder de reza de vida, conceito que também precisa
Deus mostrou-se eficaz para transformar vi- ser ressaltado nas igrejas de hoje.
das, e a igreja foi fundada em menos de um Os recém-convertidos estavam confusos
mês. Paulo lembra os tessalonicenses de que quanto à volta de Jesus Cristo. Paulo havia
"nosso evangelho não chegou até vós tão- lhes dito que Cristo voltaria nos ares e que
somente em palavra, mas, sobretudo, em os levaria para seu lar, mas alguns dentre
poder, no Espírito Santo1) ‫ ״‬Ts 1:5). eles haviam falecido. Entristecidos, os outros
Por fim, Satanás continua opondo-se ao cristãos imaginavam se seus irmãos falecidos
evangelho e perseguindo o povo de Deus; seriam incluídos no arrebatamento da Igre-
mas sua perseguição é uma forma de promo- ja, pergunta que Paulo responde em 1 Tes-
ver o crescimento. Ao estudar estas duas salonicenses 4:13-18.
cartas, vê-se que o Espírito de Deus dá for- Ocorria, ainda, outra confusão. Tendo
ças e ânimo aos santos sofredores em meio em vista a intensidade das perseguições, al-
às dificuldades da vida cristã. guns dos cristãos acreditavam que o "Dia
do Senhor" havia chegado (é possível que
2 .0 MOTIVO uma carta falsificada tenha contribuído para
Por que Paulo escreveu estas duas cartas? aumentar essa confusão; ver 2 Ts 2:1, 2).
Em primeiro lugar, queria assegurar os tessa- Paulo escreveu 2 Tessalonicenses para es-
lonicenses de seu amor e interesse por eles. clarecer essa doutrina e para assegurá-los
Afinal, havia deixado a cidade às pressas de que o Dia do Senhor ainda não havia
durante a noite e não desejava que imaginas- chegado.
sem que os havia abandonado. Além dis- Por fim, nessa carta o apóstolo procurou
so, os inimigos de Paulo estavam atacando sanar algumas deficiências da igreja. Certos
seu caráter e dizendo aos recém-converti- membros não respeitavam nem honravam
dos que seu líder era, na verdade, um char- devidamente seus líderes espirituais (1 Ts
latão que pregava a religião só para ganhar 5:12, 13). Outros se recusavam a trabalhar,
dinheiro (1 Ts 2). Havia, por toda a Grécia, usando como argumento a vinda iminente
uma porção de impostores itinerantes que do Senhor (2 Ts 3:6ss). Também havia, duran-
faziam exatamente isso, e alguns estavam te os cultos da congregação, certa desordem
espalhando o boato de que Paulo era um que precisava ser corrigida (1 Ts 5:19-21).
deles. Nesta carta, Paulo assevera seu amor Hoje em dia, ainda há confusão quanto
pelos leitores e sua honestidade ao lhes à profecia bíblica; pastores que pregam na
ministrar. televisão e no rádio contradizem uns aos
Ao escrever esta carta, o apóstolo visava outros (e a Bíblia) e deixam os cristãos per-
outro propósito: desejava alicerçá-los na fé plexos. O Dia do Senhor está próximo? Há
cristã, especialmente com respeito à volta certos sinais que devem ocorrer antes da
de Cristo. Ao que parece, a igreja sofria per- volta de Cristo? O povo de Deus terá de
seguições terríveis, e períodos como esse passar pelo Dia do Senhor (a Tribulação)
costumam ser propícios para a tentação de antes de Jesus voltar? Paulo responde a tais
fazer concessões indevidas e de desanimar. perguntas importantes nestas duas cartas
Ao lembrar os cristãos da igreja das verda- inspiradas.
des da fé cristã e daquilo que Deus havia E quanto à questão da santidade práti-
feito por eles em Cristo, Paulo estimulou-os ca? Não é fácil para o cristão evitar a conta-
a manter-se firmes e a dar continuidade a minação do mundo. Os mercadores do sexo
seu forte testemunho. oferecem seus produtos em quase todas as
1 TESSA LO N IC EN SES 205

bancas de jornal. A imoralidade e a infide­ Filipenses é a carta sobre a alegria, enquan­


lidade são temas com uns de programas de to Efésios enfatiza a riqueza que temos em
rádio e de televisão bem com o de canções Cristo Jesus.
populares. O s péssimos exemplos de pessoas Q u a l é a bênção esp ecial contida na
famosas dão espaço para os jovens alegarem m ensagem de 1 e 2 Tessalonicenses? £ a
que, afinal, "é isso o que todo mundo faz". mensagem a respeito da volta d e Jesus Cristo
Além da necessidade de mais cautela na e de co m o essa doutrina fundam ental p o d e
vida diária, também é preciso mais ordem e afetar nossa vida e nossas igrejas, tomando-
respeito dentro das igrejas. D escobri que a nos mais espirituais. Cada capítulo de 1 Tes-
falta de respeito pela liderança espiritual é salonicenses termina com uma referência à
a principal causa dos conflitos e divisões nas vinda de Jesus Cristo, e cada referência rela­
igrejas. Precisam os encarecidam ente aten­ ciona a doutrina a um aspecto prático da
tar para as palavras de Paulo em 1 Tessaloni- vida cristã. Eis um resum o:
censes 5 :1 2 , 13 e 2 Tessalonicenses 3:6-15.
Falando francam ente, há certos pastores 1 :1 0 - salvação e segurança;
que não m erecem ser seguidos. N ão são 2:19, 20 - evangelismo e serviço;
espirituais, não se preocupam com os perdi­ 3:11-13 - estabilidade na vida cristã;
dos e consideram o ministério apenas um 4:13-18 - força em meio à tristeza;
meio de ganhar a vida sem grandes dificul­ 5:23, 24 - santificação de vida.
dades. Um pastor não deve exigir respeito,
mas sim m erecer respeito, com o Paulo fez Em outras palavras, Paulo não considera essa
por m eio de sua vida d edicad a e de seu doutrina uma teoria a ser discutida, mas sim
ministério sacrifical. uma verdade a ser vivida. Estas cartas incen­
A Primeira Epístola aos Tessalonicenses tivam a viver "no tempo futuro", uma ve z
é a carta de um pai espiritual a seus filhos que Jesus pode aparecer a qualquer m om en­
na fé. Paulo descreve a igreja com o uma fa­ to. Deve-se praticar a promessa de sua volta
mília (o termo "irm ão[s]‫ ״‬é usado 18 vezes em nosso modo de vida.
na primeira carta e 9 na segunda) e lembra Ao estudar 2 Tessalonicenses, encontram-
os tessalonicenses do que Deus fez por eles se outras verdades sobre acontecim entos fu­
por meio de seu ministério. turos e a Igreja. Convém ter em mente que a
A segunda carta foi escrita para retifi­ segunda carta foi escrita para corrigir uma
c a r c e rta s id éias e q u iv o ca d a s e práticas confusão a respeito da volta de Cristo. Alguns
incorretas com respeito à doutrina da volta cristãos acreditavam que o Dia do Senhor (o
do Senhor. tempo de Tribulação) havia chegado e se
V im o s o contexto e os m otivos pelos perguntavam quando o Senhor apareceria.
quais Paulo escreveu estas cartas. C o n si­ Talvez a melhor maneira de com preender as
deraremos, a seguir, a bênção destas epísto- principais mensagens destas duas cartas seja
Ias e descobrirem os o que podem significar fazer um contraste entre elas:
para nós.
1 Tessalonicenses 2 Tessalonicenses
3. A BÊNÇÃO Cristo vem nos ares Cristo vem à Terra com
Cada epístola do Novo Testam ento tem a para buscar sua Igreja sua Igreja (1:10).
própria mensagem especial, ou bênção. Ro­ (4:13-18).
m anos, por exem plo, enfatiza a justiça de Um arrebatamento Uma crise que faz
Deus e mostra que Deus é justo ao se rela­ repentino e secreto parte de um plano
cio n ar tanto com pecadores quanto com pode acontecer a determinado,
cristãos. A Primeira Epístola aos Coríntios fala qualquer momento.
da sabedoria de Deus, enquanto a Segunda Pode ocorrer hoje. Pode ocorrer só após
Epístola aos Coríntios trata do consolo de certos acontecimentos.
D eus. G álatas é a carta sobre a liberdade, e O Dia de Cristo. O Dia do Senhor.
206 1 TESSALONICENSES

É verdade que cristãos consagrados di- nossa parte condenar os que interpretam tais
ferem em suas interpretações das profecias, passagens de outro modo".
especialmente em relação ao fato de a Igre- Em outras palavras, podemos discordar
ja escapar ou estar presente no período da civilizadamente. Minha convicção pessoal
Tribulação. Minha posição pessoal é que a é que seremos libertos da "ira vindoura" (1 Ts
Igreja será levada ao céu antes da Tribula- 1:10; 5:9, 10). Creio que o Senhor deseja
ção e, depois, voltará à Terra com o Senhor que vivamos na constante expectativa de sua
para encerrar o período de Tribulação (Ap volta. Estudei com cuidado a argumentação
19:11ss). A meu ver, 1 Tessalonicenses enfa- em favor de outras opiniões e respeito os
tiza o arrebatamento da Igreja, e 2 Tessaloni- indivíduos que as defendem, mas devo dis-
censes, a revelação do Senhor com a Igreja cordar deles em amor.
quando ele vier para julgar o mundo. Paulo não escreveu estas cartas para criar
Devemos ter cuidado, porém, para não controvérsias. Seu desejo era que suas pala-
deixar que as lições espirituais práticas des- vras abençoassem a vida das pessoas e as
sas verdades percam-se no meio dos deba- igrejas. A doutrina da volta de Cristo não é
tes sobre suas interpretações. Para mim, é um brinquedo para nossa diversão nem uma
um estímulo ler o que Leon Morris escreve arma para brigarmos, mas sim um instrumen-
em seu excelente The New International to de edificação. Os cristãos podem dis-
Commentary [Novo Comentário Interna- cordar quanto a alguns detalhes da profecia
cional] (Eerdmans, 1959, p. 152). Em seu bíblica, mas todos nós cremos que Jesus
estudo de 1 Tessalonicenses 5:1-3, Morris Cristo voltará para recompensar os salvos e
discute se os cristãos escaparão da Tribula- julgar os perdidos. E todos devemos viver
ção ou se serão deixados na Terra para en- em função de sua vinda.
frentar esse período terrível. "A linguagem O estudo destas cartas deve servir de
deste capítulo pode ser entendida das duas segurança para o futuro, de encorajamento
formas", diz ele e, em seguida, afirma a pró- para o testemunho e para a vida com o Se-
pria posição de que a Igreja passará pela nhor, de consolo na perda de entes queridos
Tribulação. Por fim, acrescenta: "Mas re- cristãos e de estabilidade em um mundo ex-
conheço plenamente que não é sábio de tremamente incerto.
Enquanto viverm os deste lado do céu,
2 jam ais seremos capazes de entender o con­
ceito da eleição em sua totalidade. M as não
se deve ignorar essa im portante doutrina
O P er fil d a Ig r e ja I d e a l ensinada ao longo de todas as Escrituras.
O bservem os alguns fatos evidentes acerca
1 T e s s a l o n ic e n s e s 1 :1 - 1 0 da eleição divina.
A salvação começa com Deus. "Porque
Deus vos escolheu desde o princípio para a
salvação" (2 Ts 2:13). "N ão fostes vós que
me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos
escolhi a vós outros" (Jo 15:16). "Assim como
ocê certam ente já ouviu algum pastor nos escolheu nele antes da fundação do mun­
V -
dizer: do" (Ef 1:4). Todo o plano da salvação nasceu
Se você encontrar uma igreja perfeita, no coração de Deus muito antes de o homem
não se torne m em bro deía, pois, se o fizer, ser criado ou de o universo ser formado.
ela deixará de ser perfeita! A salvação envolve o am or de Deus. Pau­
Um a vez que as congregações locais são lo afirma que os santos são irmãos amados
constituídas de seres humanos, salvos pela (ver 1 Ts 2 :1 7 ), não só pelo apóstolo, mas
graça de Deus, nenhum a igreja é perfeita. também por Deus. Foi o amor de Deus que
M as algumas se encontram mais próximas tornou possível o C a lv á rio em que Jesus
do ideal do Novo Testam ento do que ou­ Cristo morreu por causa de nossos pecados
tras. A igreja de Tessalônica encaixava-se (Rm 5:8). M as não é o am or de Deus que
nessa categoria. Em pelo m enos três o ca­ salva o pecador, e sim sua graça. Em sua
siões nesta epístola, Paulo dá graças pela igre­ graça, ele nos dá aquilo que não m erecem os
ja e pela maneira com o ela respondeu a seu e, em sua misericórdia, deixa de nos dar o
ministério (1 Ts 1:2; 2 :1 3 ; 3 :9). Nem todo que m erecem os. Isso explica por que Paulo
pastor pode ser tão grato. costum ava co m e ça r suas cartas d ize n d o :
Q u e características tornavam esta igreja "em Deus Pai e no Senhor Jesus Cristo, gra­
próxima do ideal e um motivo de alegria para ça e paz a vós outros1) ‫ ״‬Ts 1:1).
o coração de Paulo? A salvação envolve fé. "Porque pela gra­
ça sois salvos, mediante a fé‫( ״‬Ef 2:8). Paulo,
1. Um p o v o e l e i t o (1 Ts 1:1-4) Silas (cujo nome é escrito aqui na forma ro­
O termo "igreja", em 1 Tessalonicenses 1:1, m ana) e Tim ó teo levaram o evangelho a
significa "um povo cham ado para fora". To­ Tessalônica e pregaram no poder de Deus
dos os chamados sobre os quais lemos na Bí­ (1 Ts 1:5). Alguns dos que ouviram a mensa­
blia indicam eleição divina: Deus cham a um gem creram, deixaram a idolatria e se volta­
povo, separando-o deste mundo e para si ram para o verdadeiro Deus vivo (1 Ts 1:9).
(At 15:13-18). Sete vezes em João 17, Jesus O Espírito de Deus usou a Palavra de Deus
refere-se aos cristãos com o os que o Pai lhe para gerar fé (Rm 10:1 7). Paulo cham a isso
deu (Jo 17:2, 6, 9, 11, 12, 24). Paulo declara de "santificação do Espírito e fé na verda­
sua certeza de que os tessalonicenses ha­ de" (2 Ts 2 :1 3).
viam sido escolhidos por Deus (1 Ts 1:4). A salvação envolve a Trindade. A o ler
A doutrina da eleição divina confunde esta carta, deparamo-nos com a doutrina da
alguns e assusta outros e, no entanto, ne­ Trindade. O s cristãos crêem em um Deus
nhum a dessas re açõ es é ju stifica d a . Um que existe na forma de três Pessoas: Deus o
professor do seminário me disse certa vez: Pai, Deus o Filho e Deus o Espírito Santo. É
"Tente explicar a eleição divina e pode aca­ im portante ter em m ente que essas três
bar perdendo o ju ízo; tente livrar-se dela e Pessoas participam da salvação. Isso nos aju­
perderá a alma!" da a escapar dos extrem os perigosos que
208 1 T E S S A L O N I C E N S E S 1:1-10

negam a responsabilidade humana ou mi- Outra evidência da salvação é o amor.


nimizam a soberania divina, pois a Bíblia en- "porque o amor de Deus é derramado em
sina ambas as coisas. nosso coração pelo Espírito Santo, que nos
No que se refere a Deus Pai, fui salvo foi outorgado" (Rm 5:5). Somos "por Deus
quando ele me escolheu em Cristo antes do instruídos que [devemos amar] uns aos ou-
início do mundo. No que se refere a Deus tros" (1 Ts 4:9). Servimos a Cristo porque
Filho, fui salvo quando ele morreu por mim o amamos, e essa é a "abnegação do vos-
na cruz. E, no que se refere a Deus Espírito so amor" à qual Paulo se refere. "Se me
Santo, fui salvo em uma noite de sábado, amais, guardareis os meus mandamentos"
em maio de 1945, quando ouvi a Palavra e (Jo 14:15).
aceitei a Jesus Cristo. Naquele momento, A terceira evidência da salvação é a es-
todas as peças do plano da salvação se en- perança com a qual se aguarda pela volta
caixaram e me tornei um filho de Deus. Se de Jesus Cristo (1 Ts 1:10). A volta de Jesus
alguém tivesse me perguntado naquela noi- Cristo é o tema central das epístolas aos tes-
te se eu era um dos eleitos, não teria sabido salonicenses. Os não salvos não aguardam
o que responder. Naquela ocasião, não fa- com grande expectativa a volta do Senhor.
zia idéia do que era a eleição, mas o Espírito Quando o Senhor arrebatar sua Igreja nos
Santo testemunhou em meu coração que ares, os incrédulos ficarão surpresos (1 Ts
eu era filho de Deus. 5:1-11).
A salvação transforma a vida. Como A fé, a esperança e o amor são evidên-
Paulo sabia que esses tessalonicenses eram cias da eleição. Essas qualidades espirituais
eleitos de Deus? Por meio da mudança que estão ligadas entre si e só podem vir de Deus.
observou na vida deles. Ao comparar 1 Tes- Para mais exemplos, ver as seguintes pas-
salonicenses 1:3 com 1 Tessalonicenses 1:9, sagens: 1 Coríntios 13:13; Romanos 5:1-5;
10, verifica-se: Gálatas 5:5, 6; Colossenses 1:4, 5; Hebreus
6:10-12; 10:22-24; 1 Pedro 1:21, 22.
A operosidade da vossa fé. / Deixando Uma igreja local deve ser constituída de
os ídolos, vos convertestes a Deus. eleitos salvos pela graça de Deus. Um dos
A abnegação do vosso amor. / Para problemas das igrejas de hoje é a presença
servirdes o Deus vivo e verdadeiro. em seu meio de não salvos, cujos nomes
A firmeza da vossa esperança. / Para encontram-se registrados no rol de membros,
aguardardes do céu o seu Filho. mas não no Livro da Vida do Cordeiro. Todo
membro da igreja deve examinar seu cora-
Quem afirma ser um dos eleitos de Deus, ção e se certificar de que é, verdadeiramen-
mas cuja vida não mudou, está apenas en- te, nascido de novo e faz parte dos eleitos
ganando a si mesmo. Deus transforma seus de Deus.
escolhidos. Isso não significa que somos
perfeitos, mas sim que possuímos uma nova 2. Um p o v o exem plar (1 Ts 1:5-7)
vida que não pode ser escondida. Desde o início desta igreja, Paulo a contem-
A fé, a esperança e o amor são as três plou com alegria e gratidão, como cristãos
virtudes cardeais da vida cristã e as três maio- dignos deste nome. São exemplares em di-
res evidências da salvação. A fé deve sempre versas áreas de sua vida.
levar às obras (Tg 2:14-26). Alguém disse que: Receberam a Palavra (v. 5). O evangelho
"Não somos salvos pela fé em conjunto com chegou até eles pelo ministério de Paulo e
as obras, mas sim por uma fé operante". Se de seus colaboradores. Muitos pregadores
os tessalonicenses tivessem continuado a e filósofos itinerantes daquela época só es-
adorar ídolos mortos e, ao mesmo tempo, tavam interessados em ganhar dinheiro à
a professar sua fé no Deus vivo, teriam de- custa de pessoas ignorantes. Mas o Espírito
monstrado que não faziam parte dos eleitos Santo usou a Palavra com grande poder, e
de Deus. os tessalonicenses responderam recebendo
1 T E S S A L O N I C E N S E S 1:1-10 209

tanto a mensagem quanto os mensageiros. podem ‫[ ״‬estimular] ao am or e às boas obras"


A pesar das perseguições em Filipos, Paulo (Hb 10:24).
e Silas tiveram "ousada confiança em nosso A igreja de Tessalônica mostrou-se exem-
Deus, para [...] anunciar o evangelho" (1 Ts piar em todos os sentidos. Seu segredo era
2 :2 ); e o povo creu e foi salvo. Em momento sua fé, esperança e amor, os três elem entos
algum perderam o anseio pela Palavra de espirituais que motivam a vida cristã.
Deus (1 Ts 2:13).
Seguiram seus líderes espirituais (v. 6a). 3. Um po vo e n t u s ia s m a d o (1 Ts 1:8)
O term o "im itadores" indica que esses re- A "operosidade da [sua] fé, e abnegação do
cém -convertidos não apenas aceitaram a [seu] am or‫ ״‬expressavam-se em seu testemu­
mensagem e os mensageiros, mas também nho do evangelho a outros. Eram tanto "re­
imitaram a vida deles. Em decorrência dis­ ceptores" (a Palavra chegou até eles; 1 Ts
so, foram terrivelm ente perseguidos. É im­ 1:5) quanto "transm issores‫( ״‬a palavra reper-
portante que cristãos novos na fé respeitem cutíu deles; 1 Ts 1:8). Todo cristão em toda
a liderança espiritual e aprendam com cris­ congregação local deve receber e transmitir
tãos mais maduros. Assim com o um bebê a Palavra de Deus.
recém-nascido precisa de uma família, tam­ O verbo "repercutir‫ ״‬significa "soar com o
bém um recém-nascido na fé precisa da igre­ uma trombeta". M as os tessalonicenses não
ja local e de seus líderes. "O b e d e ce i aos estavam se vangloriando, tocando trombe-
vossos guias e sede submissos para com eles; tas diante de si com o faziam os fariseus (M t
pois velam por vossa alma, com o quem deve 6:1-4). Antes, anunciavam as boas-novas da
prestar contas, para que façam isto com ale­ salvação, e sua mensagem tinha um som cia-
gria e não gemendo; porque isto não apro­ ro e certo (1 C o 14:8). Em todo lugar por
veita a vós outros" (Hb 13:17). Não basta onde Paulo passava, ouvia as pessoas com en­
aos cristãos maduros ganhar almas para Cris­ tarem sobre a fé dos cristãos de Tessalônica.
to; tam bém devem cu idar dessas alm as e É responsabilidade e privilégio da igreja
incentivar os recém-convertidos a obedecer local levar a mensagem da salvação ao mun­
à Palavra de Deus. do perdido. No final de cada um dos quatro
Sofreram p o r Cristo (v. 6b). Ao deixar Evangelhos e no com eço do Livro de Atos,
os ídolos para servir a Deus, esses cristãos encontra-se um a co m issão que d eve ser
provocaram a ira de amigos e parentes e obedecida pelas igrejas (M t 28:18-20; M c
sofreram perseguições. Sem dúvida, alguns 16:15, 16; Lc 24:46-49; Jo 2 0 :2 1 ; At 1:8).
perderam o emprego por causa de sua nova Muitas congregações contentam-se em sus­
fé. Assim com o os judeus incrédulos perse­ tentar uma equipe de obreiros para teste­
guiram os cristãos na Judéia, tam bém os munhar e ganhar almas para Cristo. M as nas
gentios incrédulos perseguiram os cristãos igrejas do Novo Testamento, a congregação
tessalonicenses (1 Ts 2:14-16). A fé é sem­ toda estava envolvida na transm issão das
pre provada, e a perseguição é uma das boas-novas (At 2:44-47; 5:42).
formas de testá-la (M t 13:21; 2 Tm 3:12). D e acordo com um estudo recente so­
Encorajaram outras igrejas (v. 7). O s bre o crescim ento da igreja, cerca de 70% a
cristãos podem ser motivo de ânim o ou de 8 0 % desse crescim ento é resultado do tes­
desânim o a outros. Esse princípio também temunho a amigos e parentes. A pesar de a
se aplica às igrejas. Paulo usou as igrejas da visitação evangelística e de outros métodos
M acedônia com o estímulo para a igreja de de expansão serem proveitosos, é o conta­
Corinto contribuir com a oferta missionária to pessoal que gera a colheita.
(2 C o 8:1-8). Apesar de serem novos na fé, M as a eleição e o evangelism o andam
os tessalonicenses deram um bom exem plo junto s. Q uem d iz: ‫ ״‬D eu s não p recisa de
que serviu de encorajam ento para as con­ minha ajuda para salvar os que ele escolheu‫״‬
gregações a seu redor. As igrejas não devem não entende o que é eleição nem o que é
com petir entre si de maneira mundana, mas evangelism o. Na Bíblia, a eleição sem pre
210 1 T E S S A L O N I C E N S E S 1:1-10

envolve responsabilidade. Deus escolheu o 4. Um p o v o espera n ço so (1 Ts 1:9,10)


povo de Israel e fez dele uma nação eleita A operosidade de sua fé tornava-os um povo
para que testemunhasse aos gentios. eleito, pois deixaram seus ídolos, voltaram-
Da mesma forma, Deus escolheu a Igre- se para Deus e creram em Jesus Cristo. A
ja para testemunhar hoje. O fato de sermos o abnegação de seu amor tornava-os um povo
povo eleito de Deus não nos exime da res- exemplar e entusiasmado, que colocava em
ponsabilidade de evangelizar. Pelo contrário, prática a Palavra de Deus e compartilhava o
a doutrina da eleição é um dos maiores estí- evangelho. A firmeza de sua esperança fazia
mulos ao evangelismo. deles um povo esperançoso, que aguardava
A experiência de Paulo em Corinto (At a volta do Senhor.
18:1-11) ilustra perfeitamente essa verdade. Nestes versículos, Paulo relaciona a se-
Corinto era uma cidade perversa e um lugar gunda vinda de Cristo à salvação. Uma vez
difícil para começar uma igreja. Seus habi- que haviam aceitado a Cristo, aguardavam
tantes eram pecadores iníquos (1 Co 6:9- sua volta com alegre expectativa e sabiam
11), mas Paulo pregou a Palavra fielmente. que seriam libertos "da ira vindoura1) ‫ ״‬Ts
Quando os judeus incrédulos começaram a 1:10). Paulo repete esse fato em 1 Tessaloni-
persegui-lo, Paulo saiu da sinagoga e pas- censes 5:9, 10 e dá mais detalhes em 2 Tes-
sou a ensinar na casa de Justo. Então, o Se- salonicenses 1:5-10.
nhor encorajou o apóstolo dizendo: "Não Enquanto adoravam ídolos, os tessalo-
temas; pelo contrário, fala e não te cales; nicenses não tinham esperança alguma. Mas
porquanto eu estou contigo, e ninguém depois que creram no "Deus vivo", passa-
ousará fazer-te mal, pois tenho muito povo ram a ter uma "viva esperança" (ver 1 Pe
nesta cidade" (At 18:9, 10). O fato de Deus 1:2, 3). Os que foram criados dentro da dou-
ter eleito cidadãos de Corinto estimulou trina cristã não conseguem entender a es-
Paulo a permanecer na cidade por um ano cravidão da idolatria pagã. Antes de Paulo
e meio. chegar até eles com o evangelho, eram pes-
Se a salvação fosse uma obra humana, soas sem esperança "e sem Deus no mun-
teríamos todo direito de desanimar e desis- do" (Ef 2:12). No Salmo 115, encontra-se
tir. Mas a salvação é uma obra divina, e Deus uma descrição clara da vida de idolatria.
usa pessoas para chamar seus eleitos. "Para Os cristãos são "filhos do Deus vivo" (Rm
o que também vos chamou mediante o nos- 9:26). Seu corpo é "santuário do Deus vi-
so evangelho" (2 Ts 2:14). O mesmo Deus vente" (2 Co 6:16), habitado pelo "Espírito
que determinou o fim (a salvação dos perdi- do Deus vivente" (2 Co 3:3). A Igreja é "a
dos), também determina o meio (a pregação igreja do Deus vivo" (1 Tm 3:15); e Deus es-
do evangelho). Não há conflito entre a sobe- tá preparando para ela a "cidade do Deus
rania divina e a responsabilidade humana, vivo" (Hb 12:22). O Deus vivo nos deu uma
apesar de não sermos capazes de conciliar esperança viva ao ressuscitar seu Filho Jesus
essas duas realidades. Cristo dentre os mortos.
Hoje, é necessário haver mais igrejas Convém distinguir dois aspectos da vin-
com pessoas cheias de entusiasmo para da do Senhor. Em primeiro lugar, Jesus Cris-
compartilhar a mensagem da salvação. En- to virá nos ares para buscar sua Igreja (1 Ts
quanto escrevo, 2,4 bilhões de pessoas não 4:13-18), dando início, desse modo, a um
têm qualquer testemunho visível do evan- período de Tribulação na Terra (1 Ts 5:1-3).
gelho nem qualquer igreja em seu meio. No final desse período, Cristo voltará à Ter-
Apesar da expansão dos programas de rá- ra com sua Igreja (2 Ts 1:5-10; Ap 19:11-21),
dio e de televisão bem como dos textos im- derrotará os inimigos e estabelecerá seu rei-
pressos, estamos perdendo território no no (Ap 20:1-6).
trabalho de alcançar os perdidos. Você é um A palavra traduzida por "aguardardes",
cristão entusiasmado? Sua igreja testemunha em 1 Tessalonicenses 1:10, significa "aguar-
com entusiasmo? dar alguém com paciência, confiança e
1 T E S S A L O N I C E N S E S 1:1-10 211

expectativa". Aguardar envolve atividade e para desevolver a firmeza na fé (1 Ts 3:11‫־‬


perseverança. Alguns dos cristãos tessalo- 13). Também é um consolo maravilhoso em
nicenses pararam de trabalhar e se tornaram meio ao sofrimento (1 Ts 4:13-18) e um gran­
fofoqueiros desocupados, alegando que 0 de estímulo para uma vida piedosa (1 Ts 5:23,
Senhor estava preste a voltar. Mas, se cre­ 24). É triste quando as igrejas se esquecem
mos, de fato, que 0 Senhor está voltando, dessa doutrina tão importante; e é mais triste
provaremos nossa fé mantendo-nos ocupa­ ainda quando as igrejas crêem nessa doutri­
dos e obedecendo à Palavra de Deus. A pa­ na e pregam sobre ela, mas não a colocam
rábola dos talentos que Jesus contou (Lc em prática.
19:11-27) ensina que devemos nos manter Paulo lembra como esta igreja nasceu
ocupados (nesse caso, ‫״‬negociar‫״‬, investin­ (1 Ts 1:3) e dá graças por suas característi­
do 0 dinheiro) até sua volta. cas espirituais: são eleitos, exemplares, en­
Os cristãos aguardam a volta de Jesus tusiasmados e esperançosos. Mas as igrejas
Cristo, e ele pode voltar a qualquer momen­ são constituídas de indivíduos. Ao falar da
to. Não esperamos ‫״‬sinais‫״‬, mas sim 0 Sal­ igreja, não se deve dizer "eles‫״‬, mas sim
vador. Aguardamos a redenção do corpo "nós‫״‬. Afinal, nós somos a igreja! Isso signifi­
(Rm 8:23-25) e a esperança da justiça (Cl ca que se nós tivermos essas características
5:5). Quando Jesus Cristo voltar, recebere‫־‬ espirituais, nossas igrejas se transformarão
mos um novo corpo (Fp 3:20,21) e sere­ naquilo que Deus deseja que sejam. Como
mos como ele (1 Jo 3:1,2), Ele nos levará ao resultado, ganharemos os perdidos para Cris­
lar que preparou (Jo 14:1-6) e nos recom­ to e glorificaremos ao Senhor.
pensará pelos serviços que prestamos em O perfil da igreja ideal é 0 perfil do cris­
seu nome (Rm 14:10-12). tão ideal: eleito (nascido de novo), exemplar
Uma igreja local que vive, de fato, a ex­ (imitando as pessoas certas), entusiasmado
pectativa de ver Jesus Cristo a qualquer (dando testemunho do evangelho) e espe‫׳‬
momento é um grupo vibrante e vitorioso. rançoso (aguardando diariamente a volta
Esperar a volta de Cristo é uma grande moti­ de jesus Cristo). Talvez seja hora de fazer
vação para ganhar almas (1 Ts 2:19, 20) e um balanço.
despenseiro prestará contas da forma co-
3 mo administrou o que lhe foi confiado (Lc
16:1, 2). Se for considerado infiel, sofrerá as
conseqüências.
A ju d a n d o o B ebê A mensagem do evangelho é um tesouro
que Deus nos confiou. Não se deve enter-
a C rescer
rá-la, mas sim a investir de modo a multipli-
1 T e s s a lo n ic e n s e s 2 :1 -1 2 car-se e gerar "dividendos espirituais" para
a glória de Deus. Alguns cristãos acreditam
que a única responsabilidade da igreja é pro-
teger o evangelho dos que desejam alterá-lo
(Gl 1:6-9). Mas isso não é tudo; também de-
primeiro capítulo de 1 Tessalonicenses vemos compartilhar o evangelho, pois, de ou-
O mostra Paulo, o evangelista. Este capí-
tulo mostra Paulo, o pastor, pois explica de
tro modo, o estaremos protegendo em vão.
A fidelidade é a qualidade mais importan-
que maneira o grande apóstolo cuidava dos te de um despenseiro (1 Co 4:1, 2). Ele po-
recém-convertidos nas igrejas que havia fun- de não ser benquisto aos olhos dos homens,
dado. Paulo considerava "a preocupação mas não deve ousar ser infiel aos olhos de
com todas as igrejas" (2 Co 11:28) uma res- Deus. "Não para que agrademos a homens,
ponsabilidade maior do que todos os sofri- e sim a Deus, que prova o nosso coração"
mentos e dificuldades que enfrentava em seu (1 Ts 2:4). O cristão que procura agradar a
ministério (2 Co 11:23ss). todos perderá a aprovação de Deus. Quem
Assim como Deus usa pessoas para le- observa as características do ministério de
var o evangelho aos perdidos, também usa Paulo como despenseiro entende o signifi-
pessoas para cuidar dos bebês na fé e para cado da fidelidade.
ajudá-los a alcançar a maturidade. A igreja O estilo de seu ministério (w . 1, 2). Pau-
em Tessalônica nasceu da pregação fiel do Io e Silas haviam sido açoitados e humilha-
apóstolo e de seus colaboradores e foi nu- dos em Filipos e, no entanto, foram pregar
trida pelo pastoreio fiel de Paulo e de seus em Tessalônica. A maioria de nós teria tira-
amigos nessa congregação recém-nascida. do férias ou encontrado algum pretexto para
Este cuidado ajudou os tessalonicenses a per- não ministrar. Paulo era corajoso e persis-
manecerem firmes em meio às perseguições. tente. Possuía uma "ousadia santa" resultante
Nestes versículos, Paulo lembra os mem- de sua dedicação a Deus. Como os outros
bros da igreja do tipo de ministério que rea- apóstolos antes dele, Paulo proclamava as
lizou ao ensinar e cuidar da jovem igreja. boas-novas com toda intrepidez (At 4:13,
Vemos aqui três retratos de seu ministério. 29, 31).
Pregava o evangelho "em meio a muita
1 .0 DESPENSEIRO FIEL (1 T s 2 ! 1 6 ‫)־‬ luta". "Luta" é um termo esportivo que sig-
Deus confiou o evangelho a Paulo (ver 1 Ts nifica "competição, esforço". O mundo gre-
2:4). Não era uma mensagem que o apósto- go conhecia bem as competições atléticas,
Io havia inventado, nem tampouco a havia e Paulo usa esse conceito para ilustrar ver-
recebido de homens (Gl 1:11, 12). Paulo dades espirituais (1 Co 9:24-27; Fp 3:13, 14;
considerava-se um despenseiro da mensa- 2 Tm 4:7). Emprega essa mesma palavra em
gem de Deus. Filipenses 1:30, em que retrata a vida cristã
O despenseiro não possui bens próprios, como uma competição atlética que exige
mas usufrui de tudo o que pertence a seu dedicação e energia. Não havia sido fácil
senhor. José foi despenseiro ("mordomo") começar uma igreja em Filipos, e não foi
na casa de Potifar (Gn 39:1-6). Administrava fácil começar outra em Tessalônica.
os negócios e usava as riquezas de seu dono A mensagem de seu ministério (v. 3a).
visando o bem-estar do senhor. Um dia, todo "Pois a nossa exortação não procede de
1 T E S S A L O N I C E N S E S 2:1-12 213

engano." Aqui, Paulo garante a seus leitores O s inimigos de Paulo em Tessalônica ο


que sua mensagem é verdadeira. O apóstolo acusaram de m ascatear essa nova m ensa­
menciona o evangelho em seis ocasiões nes­ gem visando apenas o lucro. Ao descrever a
ta carta. Esta mensagem da morte e ressur­ si mesmo como despenseiro fiel, Paulo res­
reição de Cristo (1 Co 15:1-6) é real e o único ponde a essas críticas, e os leitores d e Paulo
evangelho verdadeiro (Gl 1:6-12). Paulo rece­ sabem que ele está dizendo a verdade (ob­
beu este evangelho de Deus, não de homens. serve o uso do verbo "saber" em 1 Ts 1:5;
É a única boa-nova que salva o pecador. 2:1, 5, 11; 3:3, 4; 4 :2 ; 5:2). Paulo apela para
O m otivo d e seu m in istério (v. 3b). Não o testemunho de Deus (1 Ts 2:5) e para o
era culpado de im pureza, pois seu motivo próprio testemunho. O apóstolo tem "sem ­
era genuíno. É possível pregar a mensagem pre consciência pura diante de Deus e dos
certa por motivos errados (Fp 1:14-19). In­ hom ens" (At 24:16).
felizmente, no tempo de Paulo, alguns usa­ Paulo abominava a bajulação (1 Ts 2:5).
vam o evangelho com "intuitos gananciosos" Davi também odiava esse pecado. "Falam
(1 Ts 2:5). O apóstolo era franco e honesto com falsidade uns aos outros, falam com lá­
em todas as coisas e até trabalhava com as bios bajuladores e coração fingido" (S112:2).
próprias mãos para levantar seu sustento (ver Li, certa vez, que o bajulador não é um
2 Ts 3:8-10). comunicador, mas sim um manipulador. O
Paulo era extrem am ente sensível quan­ bajulador pode usar tanto a verdade quan­
to a questões que envolviam dinheiro. Não to a m entira para alcan çar seu propósito
desejava dar motivo a ninguém para acusá- perverso, que é controlar as decisões das
Io de ser um "m ercador da religião" (1 Co pessoas de modo a beneficiá-lo.
9:1-18). Com o apóstolo, tinha o privilégio Alguns chegam a bajular a si mesmos.
de receber sustento. M as abriu mão desse "Porque a transgressão o lisonjeia a seus
privilégio, a fim de perm anecer livre de qual­ olhos" (SI 36:2). Esse foi o pecado de Ham ã,
quer acusação que pudesse desacreditar seu o homem perverso do Livro de Ester. Estava
m inistério. tão preocupado em lisonjear a si mesmo que
O m éto do d e seu m in istério (Vv. 3c-6). tramou o extermínio de todos os judeus para
Paulo não usava de dolo nem de artifícios alcançar esse objetivo.
para ganhar convertidos. O termo traduzido Alguns tentam bajular a Deus. "Lisonjea-
por dolo tem o sentido de "colocar a isca no vam-no [a Deus], porém de boca, e com a
anzol". Em outras palavras, Paulo não pega­ língua lhe m entiam‫( ״‬SI 78:36). A lisonja é
va as pessoas em armadilhas prometendo a uma forma de mentira. Significa dizer uma
salvação, com o um vendedor astuto faz para coisa a D eus com os lábios, enquanto o
as pessoas comprarem seus produtos. Tes­ coração está afastado dele (M c 7:6).
temunho pessoal e "técnicas de venda" são Alguns cristãos tentam faze r amigos e
duas coisas bem diferentes. A salvação não influenciar pessoas apelando para o ego. O
se dá por uma argum entação astuta nem verdadeiro ministério do evangelho trata do
por uma apresentação refinada. Antes, é re­ pecado e do julgamento com honestidade
sultado da Palavra de Deus e do poder do em am or e não dá espaço para o incrédu-
Espírito Santo (1 Ts 1:5). Io vangloriar-se de coisa alguma a seu pró­
É comum ouvir coisas com o: "O méto­ prio respeito. O método de Paulo era tão
do utilizado não im porta; o im portante é puro quanto seu motivo: apresentava a Pala­
transmitir a mensagem certa". M as alguns vra de Deus no poder do Espírito e confiava
métodos são indignos do evangelho. São mé­ na operação de Deus.
tod os b aratos, en q u an to o evangelho é
precioso, pois exigiu a morte do único Filho 2. A m ã e c a r in h o s a (t Ts 2:7, 8)
de Deus. São mundanos e antropocêntricos, A ênfase do despenseiro é sobre a fidelidade;
enquanto o evangelho é uma mensagem di­ a ênfase da mãe é sobre a ternura. Com o após­
vina que gira em torno da glória de Deus. tolo, Paulo era um homem de autoridade,
214 1 T E S S A L O N I C E N S E S 2 :1 -1 2

mas sempre usava essa autoridade com verdadeira da criança sobrevivente (1 Rs


amor. Os bebês na fé sentiam seu cuidado 3:16-28). Paulo estava disposto não apenas
terno ao lhes ministrar. Era, de fato, como a oferecer o evangelho, mas também a pró-
uma mãe carinhosa que cuidava dos filhos. pria vida. Seu amor pelos tessalonicenses
Cuidar de crianças exige tempo e ener- era tão grande que morreria por eles, se
gia. Paulo não entregava seus convertidos a necessário.
babás; antes, fazia sacrifícios e cuidava de- No entanto, não é fácil "amamentar". Até
les pessoalmente. Não lhes dizia para "ler mesmo Moisés sentiu o peso de cuidar do
um livro" como substituto para seu ministé- povo de Deus. "Concebi eu, porventura,
rio pessoal (apesar de literatura cristã de boa todo este povo? Dei-o eu à luz, para que me
qualidade ser um instrumento útil para o cres- digas: Leva-o ao teu colo, como a ama leva
cimento dos recém-convertidos). a criança que mama, à terra que, sob jura-
Paulo mostrava-se paciente com os cris- mento, prometeste a seus pais?" (Nm 11:12).
tãos novos. Hoje, nossos quatro filhos são Mas se não for dado o leite da Palavra aos
adultos, mas posso garantir que minha es- recém-convertidos, eles jamais amadurece-
posa e eu precisamos de um bocado de rão de modo a serem capazes de desfrutar
paciência antes de eles alcançarem a matu- a carne da Palavra (Hb 5:10-14).
ridade. (Em compensação, nossos pais tam-
bém precisaram ter paciência conosco!) Os 3 .0 PAI p r e o c u p a d o (1 Ts 2:9-12)
filhos não crescem de uma hora para outra. Paulo considerava-se "pai espiritual" dos cris-
Todos passam pelas dores de crescimento e tãos de Tessalônica, o mesmo sentimento
enfrentam problemas ao longo do processo que tinha para com os santos de Corinto.
de amadurecimento. O amor de Paulo pe- "Porque, ainda que tivésseis milhares de
los convertidos tornava-o paciente, pois "o preceptores em Cristo, não teríeis, contudo,
amor é paciente, é benigno" (1 Co 13:4). muitos pais; pois eu, pelo evangelho, vos
Paulo também os nutria. O versículo de gerei em Cristo Jesus" (1 Co 4:15). O Espiri-
1 Tessalonicenses 2:7 pode ser assim tradu- to de Deus usou a Palavra de Deus no mi-
zido: "qual mãe que amamenta e cuida dos nistério de Paulo, e muitos em Tessalônica
próprios filhos". Que lição é tirada dessa afir- nasceram de novo e passaram a fazer parte
mação? A mãe que amamenta oferece parte da família de Deus.
da própria vida ao filho. É exatamente isso o O verdadeiro pai é não apenas o que
que Paulo escreve em 1 Tessalonicenses 2:8. gera filhos, mas também o que cuida deles.
A mãe que amamenta não pode entregar Ao defender seu trabalho das falsas acusa-
seu filho aos cuidados de outra pessoa. O ções, Paulo ressalta três de seus deveres
bebê deve ficar em seus braços, próximo a como pai espiritual dos tessalonicenses.
seu coração. Seu trabalho (v. 9). O pai trabalha para
A mãe que amamenta ingere os alimen- sustentar a família. Apesar de os cristãos em
tos e os transforma em leite para o filho. O Filipos terem lhe enviado ajuda financeira
cristão maduro alimenta-se da Palavra de (Fp 4:15, 16), Paulo continuou fazendo ten-
Deus e compartilha esse alimento com os das para sustentar-se. Ninguém poderia
cristãos mais novos, para que possam cres- acusá-lo de se aproveitar do ministério. Pos-
cer (1 Pe 2:1-3). Uma criança que ainda teriormente, Paulo usou esse fato para en-
mama pode ficar doente por causa de algo vergonhar os cristãos preguiçosos da igreja
que a mãe ingeriu. O cristão que está nu- de Tessalônica (2 Ts 3:6ss).
trindo outros deve ter cuidado para que ele O apóstolo emprega os termos "labor e
próprio não se alimente de coisas erradas. fadiga". J. B. Phillips traduz essas palavras
Além de fazer sacrifícios, de ter paciên- como "nossas lutas e trabalho árduo". Tam-
cia e de alimentar, a mãe também protege bém podem ser traduzidas por "labuta e
o filho. Foi esse fato que permitiu ao rei dificuldade". Não era fácil fazer tendas e mi-
Salomão descobrir qual mulher era a mãe nistrar a Palavra ao mesmo tempo. Não é de
1 T E S S A L O N I C E N S E S 2:1-12 215

se admirar que Paulo labutasse "noite e dia‫״‬ O apóstolo tratava de cada cristão p es-
(At 2 0 :3 1 ). Esforçava-se desse modo porque soalm ente. "C o m o pai a seus filhos" (1 Ts
am ava os cristão s e desejava ajudá-los o 2 :1 1 ). Por mais ocupado que fosse, Paulo
m áxim o possível. "Eis que, pela terceira vez, ainda tinha tempo para o aconselham ento
estou pronto a ir ter co nvo sco e não vos pessoal dos membros da congregação. Não
serei pesado; pois não vou atrás dos vossos há nada de errado em os líderes da igreja se
bens, mas procuro a vós outros. Não devem dirigirem a grupos maiores, mas dedicar tem­
os filhos entesourar para os pais, mas os pais, po a encontros pessoais também é necessá­
para os filhos" (2 Co 12:14). rio. Apesar de pregar a grandes multidões,
Seu viver (v. 10). O s pais devem viver Jesus nunca estava ocupado dem ais para
de m odo a ser bons exem plos para os fi­ conversar com indivíduos. Por certo, se tra­
lhos. O s cristãos tessalonicenses eram teste­ ta de um trabalho difícil e que exige muito
munhas de que o apóstolo vivia de modo do obreiro, mas também é um trabalho gra-
exem plar em todos os sentidos. Nenhum dos tificante que glorifica a Deus.
m em bros da congregação poderia acusar Paulo exortava o s recém -convertidos. É
Paulo de ser mau exem plo. Além disso, Deus o que um pai faz com os filhos, pois as crian­
estava a par da vida do apóstolo, e Paulo ças desanimam com facilidade. O s cristãos
poderia cham ar Deus para testemunhar que novos na fé precisam de alguém para exortá-
ele havia levado uma vida consagrada, en­ los no Senhor. O termo "exortar" significa
quanto cuidava da família da igreja. "cham ar para junto de si, encorajar". Não
Paulo vivia de modo piedoso. No grego, quer dizer que Paulo ralhava com eles, mas
"ser piedoso" significa "cum prir com todo sim que os animava a prosseguir em sua jo r­
zelo as funções que Deus lhe confere". Ao nada com o Senhor.
considerar o termo "piedoso", deve-se pen­ Certa vez, uma ouvinte de meu progra­
sar em piedade no sentido mais puro da pa­ ma de rádio me escreveu agradecendo pelo
lavra, não com o designação para uma falsa encorajam ento que havia recebido por meio
religiosidade. Essa m esm a palavra é usada de uma das mensagens do programa.
para o caráter de Deus em Apocalipse 15:4 - Q uando vam os à igreja - escreveu - ,
e 16:5. o pastor só nos acusa e repreende. Estamos
Sua vida tam bém era justa. O adjetivo cansados disso. É revigorante ouvir algumas
refere-se a sua integridade e a sua retidão palavras de estímulo!
de caráter e com portam ento. Não se trata Paulo também os consolava. Esse termo
da "justiça da lei", mas sim da justiça práti­ tem a mesma conotação de "encorajamen-
ca que Deus efetua em nossa vida, à m e­ to‫ ״‬, mas com ênfase sobre a atividade. Pau-
dida que nos entregamos a ele (Fp 3:4-10). Io não apenas os fazia sentir-se melhor, mas
Por fim, a vida de Paulo era "irrepreen­ também estimulava neles um desejo de apri­
sível". O significado literal dessa palavra é morar-se em termos práticos. O pai não deve
"aquilo em que não se pode encontrar falta mimar o filho; antes, quando a criança fa­
algum a‫ ״‬. Seus inimigos o acusavam , mas ja ­ lha, deve incentivá-la a tentar outra vez. O
mais poderiam apresentar qualquer prova enco rajam ento cristão não deve ser uma
que o incrim inasse. O s cristãos devem ser anestesia que faz a pessoa dormir, mas sim
"irrepreensíveis e sinceros" (Fp 2 :1 5). um estimulante que a desperta para se es­
Suas palavras (vv. 11, 12). Um pai não forçar mais.
deve apenas sustentar a família com seu tra­ Por fim, Paulo os admoestava. Essa pala­
balho e ensinar-lhe com seu exem plo, mas vra significa que Paulo com partilhava com
também deve ter tempo para conversar com eles da própria experiência com o Senhor.
os membros da família. Paulo sabia da im­ Tem a conotação de testem unho pessoal.
po rtân cia de ensinar aos recém -converti- Por vezes, é preciso passar por dificuldades
dos as verdades que os ajudariam a crescer para ter a capacidade de com partilhar com
no Senhor. os recém -convertidos o que o Senhor faz.
216 1 T E S S A L O N I C E N S E S 2:1- 12

Deus "nos conforta em toda a nossa tribula- parte de seu reino e de sua glória. Um dia,
ção, para podermos consolar os que estive- entraremos no reino eterno e participaremos
rem em qualquer angústia, com a consolação de sua glória. Tal segurança deve governar
com que nós mesmos somos contemplados nossa vida e criar em nós o desejo de agra-
por Deus" (2 Co 1:4). dar ao Senhor.
Nós, pais, sabemos que nossos filhos O verbo em 1 Tessalonicenses 2:12 en-
(especialmente os adolescentes) não gostam contra-se no tempo presente: "que vos está
de nos ouvir dizer: "Quando eu era crian- chamando continuamente". Deus nos cha-
ça...". Mas se trata de uma parte importante mou para a salvação (2 Ts 2:13, 14) e está
da educação deles. É maravilhoso quando sempre nos chamando para uma vida de
um "pai espiritual" pode encorajar e ajudar santidade e obediência. "Segundo é santo
os "filhos" com as próprias experiências com aquele que vos chamou, tornai-vos santos
o Senhor. "Vinde, filhos, e escutai-me; eu também vós mesmos em todo o vosso pro-
vos ensinarei o temor do S e n h o r " (S I 34:11). cedimento, porque escrito está: Sede san-
Qual era o propósito desse ministério tos, porque eu sou santo" (1 Pe 1:15, 16).
como pai dos cristãos? O objetivo do após- Esta passagem é um excelente exemplo
tolo era que seus filhos andassem "por modo do acompanhamento aos recém-convertidos
digno de Deus" (1 Ts 2:12). Assim como um no Novo Testamento. Paulo mostrou como
pai deseja se orgulhar dos filhos, também o criar os bebês na fé. É preciso ser despen-
Senhor deseja ser glorificado pela vida de seiro fiel, mãe carinhosa e pai preocupado.
seus filhos. "Fiquei sobremodo alegre em ter Se não formos fiéis a Deus, poderemos nos
encontrado dentre os teus filhos os que an- tornar "mães e pais corujas" que só mimam
dam na verdade" (2 Jo 4). Paulo ministrava os filhos. As crianças precisam tanto de amor
de maneira tão pessoal pois os estava ensi- quanto de disciplina. Na verdade, a discipli-
nando a andar. na é um sinal de amor.
Toda criança precisa aprender a andar e Não é de se admirar que a igreja de Tes-
deve ter bons exemplos a seguir. Paulo os salônica estivesse prosperando apesar das
admoesta a andar "de modo digno do Se- perseguições e, ainda, compartilhando o
nhor" (ver Cl 1:10 e Fp 1:27). Também deve- evangelho com outros em um raio de vários
mos andar de modo "digno da vocação a quilômetros. Haviam nascido da maneira cor-
que [fomos] chamados" (Ef 4:1). Deus nos reta (1 Ts 1) e sido criados da maneira corre-
chamou; somos salvos pela graça. Fazemos ta (1 Ts 2). Eis um bom exemplo a seguir.
1 . A P a la v r a D
4 ( I T s 2:13)
de eu s d en tr o d e n ó s

A igreja havia sido fundada sobre a Palavra


de Deus (1 Ts 1:6), a mensagem do evange­
D o res de C r e s c im e n t o lho de Jesus Cristo. A mesma Palavra que
traz a salvação capacita a viver para Cristo e
1 T e s s a lo n ic e n s e s 2 :1 3 - 2 0 a suportar o sofrimento por am or a ele. Pau-
Io era grato porque os santos de Tessalônica
apresentavam atitudes espirituais corretas
com respeito à Palavra de Deus, que os aju­
dava a suportar o tempo de sofrimento.
Apreciavam a Palavra. Não a receberam
ão era fácil ser cristão em Tessalônica, com o palavra de homens, mas sim com o a
N onde os convertidos enfrentavam per­
seguições e sofrimento. Sua situação explica
Palavra de Deus. Não devemos jam ais tratar
a Bíblia com o um livro qualquer, pois sua
a escolha de palavras de Paulo: "tribulações‫״‬ origem, seu caráter, seu conteúdo e seu pre­
(1 Ts 1:6; 3:3), aqui, um sinônimo de "afli­ ço são inteiram ente distintos. A Bíblia é a
ções" ou de "pressões das circunstâncias"; Palavra de Deus. Foi inspirada pelo Espírito
"padecer" (1 Ts 2:14), o mesmo termo usado de Deus (2 Tm 3 :1 6) e escrita por homens
para os sofrim entos de Cristo; "perseguir" de Deus usados pelo Espírito (2 Pe 1:20, 21).
(1 Ts 2 :1 5 ), ou seja, "expulsar e rejeitar"; A Palavra de Deus é santa, pura e perfeita
"adversários1) ‫ ״‬Ts 2 :1 5 ), uma palavra que (SI 19:7-9). A Bíblia foi escrita a um alto pre­
se refere a vento s co ntrário s que d ificu l­ ço, não só para seus autores, mas também
tam o avanço; e "barrar1) ‫ ״‬Ts 2 :1 8 ), um para Jesus Cristo, que se tornou Hom em para
verbo que retrata uma estrada precária e que recebêssem os a Palavra de Deus.
intransitável. A maneira de um cristão tratar a Bíblia
M as m esm o em meio a esse sofrimento, mostra a consideração que tem por Jesus
os cristãos tessalonicenses experim entaram Cristo. Ele é o Verbo vivo (Jo 1:1, 14), e a Bí­
alegria. Receberam a Palavra ministrada por blia é o verbo escrito; mas, em sua essência,
Paulo "em m eio de muita tribulação, com os dois são a mesma coisa. O s dois são pão
alegria do Espírito Santo1) ‫ ״‬Ts 1:6). Sem (M t 4 :4 ; Jo 6:48), luz (Sl 119 :1 0 5; Jo 8 :1 2 ) e
dúvida, Paulo preocupava-se com os irmãos verdade (Jo 1 4:6; 17:17). O Espírito Santo
que passavam por aflições; mas o apóstolo gerou Jesus Cristo por meio de uma mulher
tam bém se alegrava (1 Ts 2 :1 9 , 2 0), pois santa (Lc 1:35) e gerou a Bíblia por meio de
essas lutas cum priam a promessa de C ris­ homens santos (2 Pe 1:20, 2 1). Jesus Cristo
to: "N o m undo, passais por aflições; mas é o Filho eterno de Deus (Rm 1:25), e a Pa­
tende bom ânim o; eu venci o m undo" (Jo lavra de Deus perm anecerá para sempre (Sl
1 6 :3 3 ). 119:89; 1 Pe 1:23, 25).
Ao procurar ganhar os perdidos e glorifi­ Pode ser preconceito pessoal, mas não
car ao Senhor, as igrejas sentem "dores de gosto de ver uma Bíblia no chão nem debai­
crescim ento". Podem os não experim entar xo de uma pilha de livros. Q uando carrego
perseguições políticas e religiosas com o os vários livros com minha Bíblia, procuro me
prim eiros cristãos (apesar de, em algumas lembrar de colocar a Bíblia por cim a de tudo.
partes do mundo, a perseguição ainda ser Q uem dá o devido valor à Palavra inspirada
tão intensa hoje quanto era no tempo de de Deus revela essa apreciação na forma de
Paulo). M as se estivermos vivendo "piedo­ tratar a Bíblia.
samente em Cristo2) ‫ ״‬Tm 3:12), sofreremos V ocê prefere a Bíblia aos alim entos? A
por am or a ele. Neste parágrafo, Paulo ex­ Palavra de Deus é pão (M t 4 :4 ), leite e carne
plica os recursos divinos a nosso dispor em (H b 5:11-14) e até m el (Sl 119:103). M aria
tempos de sofrimento e de perseguição. escolheu a Palavra, enquanto M arta, sua
218 1 T E S S A L O N I C E N S E S 2:13-20

irmã, ocupou-se preparando uma refeição coração". Os cristãos em Tessalônica não


(Lc 10:38-42). Maria foi abençoada, enquan- apenas ouviram a Palavra, mas também a
to Marta perdeu a vitória. aceitaram em seu ser interior e a assimila-
Você prefere a Palavra de Deus ao di- ram em sua vida.
nheiro? O servo de Deus que escreveu o Jesus advertiu o povo repetidamente so-
Salmo 119 deixa claro que a Palavra de Deus bre a forma errada de ouvir, e suas advertên-
era mais preciosa para ele do que "todas as cias continuam sendo necessárias. "Quem
riquezas" (SI 119:14), do que "milhares de tem ouvidos para ouvir, ouça" (Mt 13:9). Em
ouro ou de prata" (SI 119:72), do que "ouro outras palavras: "certifiquem-se de que estão
refinado" (SI 119:127) e até do que "gran- ouvindo". Devemos usar bem todas as opor-
des despojos" (SI 119:162). tunidades que tivermos de ouvir a Palavra
Lembro-me de um jovem casal que pro- de Deus.
curei ajudar em uma das igrejas onde fui Mas Jesus dá outra advertência em Mar-
pastor. Tinham um filho adorável, mas não cos 4:24: "Atentai no que ouvis" [grifos nos-
eram muito zelosos quanto à freqüência aos sos]. Quantas vezes os cristãos ouvem a
cultos e à escola dominical. Em decorrência Palavra de Deus na escola dominical e na
disso, o garotinho não recebia a educação igreja, entram no carro, ligam o rádio e es-
cristã de que precisava. Ao visitar o casal, cutam programas que só contribuem para
descobri o porquê: o pai desejava ganhar apagar as impressões deixadas pela Palavra.
mais dinheiro, de modo que trabalhava aos Quando minha esposa e eu visitamos
domingos para receber horas extras. Não algumas igrejas na Grã-Bretanha, algo que
precisava trabalhar no Dia do Senhor, mas chamou nossa atenção foi o fato de as pes-
preferia o dinheiro à Palavra de Deus. Ga- soas se manterem assentadas depois da
nhou mais dinheiro, mas não conseguiu bênção final. Meditavam sobre a Palavra e
guardá-lo. O garotinho adoeceu, e o casal deixavam que o Espírito lhes ministrasse. Tra-
teve de gastar todas as suas economias para ta-se de uma prática muito mais adequada
pagar os médicos. do que sair apressadamente da igreja, con-
Você prefere a Bíblia ao sono? "Os meus tando piadas para os amigos.
olhos antecipam-se às vigílias noturnas, para A terceira advertência de Jesus encon-
que eu medite nas tuas palavras" (S1119:148). tra-se em Lucas 8:18: "Vede, pois, como
Os judeus observavam três vigílias: a primei- ouvis" [grifo nosso]. Existem muitos ouvintes
ra, do pôr-do-sol às 22 horas; a segunda, das indiferentes, que não conseguem concen-
22 horas às 2 da madrugada e a terceira, trar-se em ouvir os ensinamentos da Palavra
das 2 da madrugada até o nascer do sol. O de Deus. Essas pessoas têm "coceira nos ou-
salmista abria mão do sono três vezes du- vidos" e querem apenas entretenimento re‫־‬
rante a noite para poder passar tempo com ligioso (2 Tm 4:3). Alguns cristãos também
a Palavra. Mas alguns cristãos sequer conse- são "tardios em ouvir" (Hb 5:11), pregui-
guem se levantar no domingo de manhã para çosos demais para se concentrar e prestar
estudar a Palavra. atenção. Um dia desses, as igrejas se verão
A fim de receber vitória em meio ao sofri- desnutridas por causa da falta "de ouvir as
mento, é preciso dar o devido valor à Pala- palavras do Senhor" (Am 8:11). Muitas con-
vra. Existe, porém, outra atitude necessária gregações colocaram o entretenimento no
para com a Bíblia. lugar da pregação da Palavra de Deus, e mui-
Apropriavam-se da Palavra. Paulo usa tas pessoas não acolhem mais a Palavra.
duas palavras diferentes para "receber": a De que maneira nos apropriamos da
primeira significa, simplesmente, "aceitar de Palavra? Ao compreendê-la e recebê-la no
outrem", enquanto a segunda, "acolher", sig- coração e ao meditar sobre ela, de modo
nifica "receber de bom grado, com alegria". a assimilá-la no ser interior. A meditação es-
Uma se refere a "escutar com os ouvidos", tá para a vida espiritual como a digestão está
enquanto a outra se refere a "escutar com o para a vida física. Sem digerir os alimentos,
1 T E S S A L O N I C E N S E S 2:13-20 219

não é possível sobreviver. A meditação re­ O s santos de Tessalônica não apenas


quer tempo, mas é a única maneira de apro­ eram imitadores de Cristo e de Paulo (1 Ts
priar-se da Palavra e de crescer. 1:6), mas também se tornaram imitadores
A plicavam a Palavra. Obedeciam às Es­ dos cristãos judeus em sua experiência de
crituras pela fé, e a Palavra operava em sua perseguição. O s cristãos da Judéia sofreram
vida. Não basta dar o devido valor às Escri­ nas mãos dos judeus, enquanto os cristãos
turas ou mesmo apropriar-se delas. É preci­ de Tessalônica sofreram nas mãos dos gen­
so aplicá-las à vida tornando-se ouvintes e tios. É preciso lembrar, porém, que mesmo
praticantes da Palavra (Tg 1:19-25). essa perseguição gentia foi estimulada por
A Palavra de Deus tem o poder de reali­ judeus incrédulos (At 17:5, 13). Jesus pro­
zar a vontade de Deus. "Porque para Deus meteu que isso aconteceria (Jo 15:18-27).
não haverá impossíveis" (Lc 1:37). Alguém Paulo demonstrava intolerância religio­
disse bem que "O s mandamentos de Deus sa ao acusar os judeus de matar Jesus Cristo
sempre vêm acom panhados da capacitação e de perseguir os cristãos? Não, estava ape­
para lhes obed ecer". Jesus ordenou a um nas declarando um fato histórico. Em mo­
aleijado que estendesse a mão - justamente mento algum as Escrituras acusam todos os
o que ele não poderia fazer. M as essa ordem judeus de algo que apenas alguns deles fize­
lhe deu o poder de obedecer. Ele creu na ram em Jerusalém e na Judéia, quando Cris­
palavra, obedeceu e foi curado (M c 3:1-5). to foi crucificado e a igreja foi fundada. O s
Q uando crem os na Palavra de Deus e lhe romanos também participaram do julgamen­
obedecem os, o Senhor libera o poder - a to e da morte de Cristo, e, aliás, foram nossos
energia divina - que opera em nossa vida pecados que o enviaram à cruz (Is 53:6). A
de modo a cum prir seus propósitos. fé cristã não tem lugar para o anti-semitismo.
A Palavra de Deus dentro do cristão é O próprio Paulo amava seus com patriotas
uma grande fonte de poder em tempos de judeus e fez todo o possível para ajudá-los
tribulação e de sofrimento. Q uem aprecia (At 2 4 :1 7 ; Rm 9:1-5).
devidamente a Palavra (coração), apropria- Deus chamou Israel para ser uma bên­
se da Palavra (mente) e aplica a Palavra (voli- ção ao mundo inteiro (G n 12:1-3; 2 2 :1 8 ).
ção), seu ser com o um todo será controlado Foi por meio de Israel que ele deu suas pro­
pela Palavra de Deus, e o Senhor lhe dará messas e sua aliança, bem como sua Palavra;
vitória. e foi por meio de Israel que Jesus Cristo, o
Salvador, veio ao mundo. "A salvação vem
2. O p o v o d e Deus a o red o r dos judeus" (Jo 4 :2 2 ). O s primeiros cristãos
( I T s 2:14-16) eram judeus, com o também o era Paulo, o
Em meu trabalho pastoral, observo com fre­ maior missionário cristão.
qüência com o os indivíduos aflitos tornam- Por que, então, os líderes de Israel rejeita­
se mais egocêntricos e pensam que são os ram Jesus Cristo oficialmente e perseguiram
únicos cristãos passando pela fornalha da seus seguidores? A o fazê-lo, apenas repetiram
provação. Todos passam por aflições huma­ os pecados de seus pais. Seus antepassados
nas normais, com o enferm idades, dores e haviam perseguido os profetas muito antes
tristeza, mas me refiro ao que sofremos po r de Jesus Cristo vir ao mundo (M t 5:10-12).
ser cristãos. Não conseguiam entender que sua Lei era
Talvez alguém tenha sido deserdado pela uma preparação temporária para a Nova Ali­
família por causa da fé; ou talvez tenha dei­ ança da graça de Deus. A rejeição da verda­
xado de receber uma promoção no traba­ de de Deus era uma forma de protegerem
lho por ser cristão. Essas experiências nos suas tradições humanas (M c 7:1-8). A pará­
afligem, mas não são exclusividade nossa. bola que Jesus conta em Lucas 20:9-19 expli­
O utros cristãos passam pelas mesmas tribu- ca a atitude pecaminosa desses indivíduos.
lações, e muitos, em outras partes do mundo, O mais triste era que Israel estava "en­
enfrentam dificuldades bem maiores. chendo a medida de seus pecados" (1 Ts 2:16)
220 1 T E S S A L O N IC E N S E S 2:13-20

e acumulando ira para o dia do julgamento. espiritual (1 Ts 2:7, 11). Paulo quis ficar mais
Essa imagem é usada em Gênesis 15:16, e tempo em Tessalônica para ajudar a alicerçá-
Jesus a emprega em seu sermão contra os los na fé, mas o inimigo o expulsou de lá. Sua
fariseus (Mt 23:32). Deus espera paciente- ausência, porém, era apenas física; em seu
mente enquanto os pecadores se rebelam coração, ainda estava com eles (ver Fp 1:7).
contra ele e sua medida de pecados e de Paulo esforçou-se ao máximo para vol-
julgamento vai se enchendo. No devido tem- tar a Tessalônica, mas Satanás estava "des-
po, a paciência de Deus se esgotará e so- truindo a estrada e colocando obstáculos"
brevirá o julgamento. (tradução literal de "nos barrou" em 1 Ts
Em certo sentido, Israel já havia sido jul- 2:18). Paulo sente o mesmo tipo de anseio
gado; era um povo disperso, e sua nação na profundo de estar com eles que Jesus sentiu
Palestina estava sob o domínio romano (ver de estar com seus discípulos antes de sua
Dt 28:15ss). Mas um julgamento ainda maior morte (Lc 22:15).
lhes sobreviria no ano 70 d.C., quando os Mas o apóstolo não olha para trás nem
exércitos romanos sitiariam Jerusalém, des- se entrega à tristeza ou remorso. Antes, olha
truiriam a cidade e o templo e encerrariam para frente e se regozija. Para o cristão, o
o período da paciência de Deus com seu melhor ainda está por vir. Paulo volta-se para
povo durante o ministério dos apóstolos (ver o futuro e, pela fé, vê seus amigos na pre-
Mt 22:1-11). É uma triste verdade que os jus- sença de Jesus Cristo na glória.
tos sofrem por causa dos pecados de ímpios. Em tempos de dificuldades e de tribula-
Paulo encoraja os cristãos aflitos garan- ções, é importante olhar para o que há pela
tindo-lhes que suas experiências não eram no- frente. Paulo vivia no tempo futuro bem co-
vas nem isoladas. Outros cristãos haviam mo no presente. Suas ações eram gover-
sofrido antes deles e também sofriam com nadas por aquilo que Deus ainda faria. Ele
eles. As igrejas da Judéia não foram extermi- sabia que Jesus Cristo voltaria e que o recom-
nadas pelas aflições; antes, haviam sido pensaria por seu ministério fiel; naquele dia,
purificadas e expandidas. Mas os persegui- os santos de Tessalônica glorificariam a Deus
dores estavam enchendo a medida de ira e alegrariam o coração de Paulo. Como diz
acumulada sobre sua cabeça. Os santos fo- uma canção: "Tudo isso valerá a pena quan-
ram totalmente salvos (Hb 7:25), mas a ira do virmos Jesus".
sobrevirá definitivamente sobre os pecado- O fato de que, um dia, compareceremos
res (1 Ts 2:16). ao tribunal de Cristo deve nos motivar a
Vemos aqui um dos grandes méritos da permanecer firmes apesar das dificuldades.
igreja local: é possível permanecer unidos É necessário lembrar que o mais importante
em tempos de dificuldade e encorajar uns é a fidelidade (1 Co 4:2). No tribunal de Cris-
aos outros. Foi quando Elias isolou-se dos to, as obras serão julgadas e as recompen-
outros fiéis de Israel que ele desanimou e sas serão concedidas (Rm 14:10-12; 1 Co
quis desistir. Um dos motivos pelos quais 4:1-5; 2 Co 5:9, 10). Em suas cartas, Paulo
Paulo enviou Timóteo de volta a Tessalônica costumava apresentar essas recompensas
foi para animar os cristãos de lá (1 Ts 3:1-4). como coroas. O termo usado refere-se à "co-
Um santo solitário encontra-se extremamen- roa de um vencedor" das competições es-
te vulnerável aos ataques de Satanás. Preci- portivas, não à coroa de um rei. É a palavra
samos uns dos outros nas batalhas da vida. stephanos, da qual vem o nome Estêvão.
Paulo não diz que ele receberia uma
3. A g l ó r ia d e D eu s d ia n t e d e n ó s coroa, apesar de isso ficar subentendido.
(1 Ts 2:17-20) Antes, diz que os próprios santos serão sua
Paulo não se envergonha de declarar sua coroa, quando ele os encontrar no tribunal
afeição pelos cristãos tessalonicenses. Sen- de Cristo. Por certo, alguns cristãos da igreja
te como se houvesse sido "orfanado" (1 Ts não estavam vivendo como deveriam, e ou-
2:17), uma vez que era sua mãe e seu pai tros eram um fardo para Paulo. Mas quando
1 T E S S A L O N I C E N S E S 2:13-20 221

0 apóstolo olhava adiante e os via na glória, Não se deve jamais considerar as recom­
eles alegravam seu coração. pensas futuras uma forma de se destacar dos
Essa alegria de saudar os cristãos no céu demais santos. Como os anciãos descritos
é acompanhada de uma advertência sole* em Apocalipse 4:4 (uma imagem da Igreja
ne: perderemos parte da alegria se chegar­ glorificada), adoraremos ao Senhor e colo·
mos ao céu de mãos vazias. O cristão que caremos nossas coroas a seus pés (Ap 4:10).
não tentou de coração ganhar outros para Afinal, 0 trabalho foi feito pelo poder de Cris­
Cristo não experimentará essa glória e felici­ to e para sua glória, de modo que ele mere­
dade, quando Jesus Cristo voltar. Não basta ce todo 0 louvor.
"[aguardarmos] dos céus 0 seu Filho1) ‫ ״‬Ts O fato de Deus haver prometido recom­
1:10). Também é preciso dar testemunho pensas é uma demonstração de sua graça.
de Deus e trabalhar para seu Filho, a fim de Deus poderia exigir nossos serviços ape­
que, ao chegar ao céu, tenhamos troféus a nas com base em tudo 0 que ele fez por
apresentar para a glória de Deus. Há alegria nós. Nossa motivação para lhe servir é 0
e recompensa especiais reservadas aos que amor. Em sua graça, ele nos concede re‫־‬
levam outros a Cristo (Dn 12:3). compensas, a fim de que tenhamos algo a
Também há uma coroa para 0 cristão que lhe oferecer.
disciplina 0 corpo e que 0 mantém contro­ Os cristãos de Tessalônica devem ter
lado para a glória de Deus (1 Co 9:24-27). sentido grande ânimo ao ler esta carta. Pas­
O domínio próprio é produzido pelo Espí■ savam por perseguições e sofrimentos in­
rito (Gl 5:23). Uma vez que 0 corpo é tem- tensos, e talvez alguns deles estivessem se
pio de Deus, deve-se ter 0 cuidado de não 0 sentindo tentados a desistir.
profanar. O ato supremo de entrega do cor­ Paulo enviou-lhes uma mensagem de
po a Deus é morrer por amor a ele, ato para estímulo: "Não desistam! Apropriem-se dos
0 qual também há uma coroa reservada (Ap recursos espirituais que vocês possuem em
2:10). Os que amarem a vinda de Cristo tam­ Jesus Cristo. Vocês têm a Palavra de Deus
bém receberão a "coroa da justiça2) ‫ ״‬Tm dentro de vocês, 0 povo de Deus a seu re­
4:8). O pastor fiel, por sua vez, receberá a dor e a glória de Deus diante de vocês. Não
"coroa da glória1) ‫ ״‬Pe 5:4). há motivo para desistir‫״‬.
refere a 1 Tessalonicenses 2:17-20, em que
5 Paulo expressa seu grande amor pelos cris-
tãos. Por causa desse amor ele não poderia
abandoná-los em seu momento de necessi-
A g ü en tem F irm e ! dade espiritual. Paulo não era apenas um
evangelista, mas também um pastor. Sabia
1 T e s s a lo n ic e n s e s 3 :1 -1 3 que ganhar almas era apenas parte da mis-
são que Deus havia lhe confiando. Os re-
cém-convertidos de Tessalônica precisavam
ser ensinados e firmados na fé.
Assim, Paulo escolheu ficar sozinho em
Atenas, a fim de que Timóteo voltasse a
ntes de a criança aprender a andar, pre- Tessalônica e fortalecesse os santos de lá.
A cisa aprender a ficar em pé e, normal-
mente, os pais a ensinam a fazer as duas
Outra forma de traduzir "ficar", em 1 Tessa-
lonicenses 3:1, é "ser deixado", com o senti-
coisas. Paulo era a mãe e o pai espiritual des- do de "deixar entes queridos ao morrer". Em
ses cristãos, mas havia sido obrigado a deixar 1 Tessalonicenses 2:17, Paulo sente-se "orfa-
Tessalônica. Como poderia, então, ajudar nado‫ ״‬da presença de seus amigos de
esses recém-convertidos a aprender a man- Tessalônica, e o termo grego também pode
ter-se firmes em meio às tribulações da vida? significar "destituído" ou "desolado". Paulo
Nos dois primeiros capítulos, Paulo ex- não era um "pastor mercenário" que abando-
plica de que maneira a igreja nasceu e foi nava as ovelhas quando surgia algum perigo
nutrida. Agora, trata do passo seguinte no (Jo 10:12, 13). Foi uma grande tristeza para
processo de amadurecimento: como a igre- ele ter de deixar esses recém-convertidos.
ja deve se manter firme em sua posição. A Trata-se de uma boa lição aos obreiros
palavra-chave deste capítulo é confirmar cristãos de hoje. Paulo amava tanto os cris-
(1 Ts 3:2, 13). A idéia central é expressada tãos de Tessalônica que teria arriscado a vida
em 1 Tessalonicenses 3:8: "Porque, agora, vi- a fim de voltar para junto deles. Amava tan-
vemos, se é que estais firmados no Senhor". to os santos de Filipos que estava disposto a
Paulo explica três ministérios que reali- adiar sua partida para o céu, só para ter mais
zou, a fim de ajudar esses cristãos a se esta- tempo de encorajá-los (Fp 1:22-26). Deseja-
belecerem firmemente. va entregar a si mesmo e a seus recursos
por eles, como os pais que provêem a seus
1 . E n v io u um co la bo ra d o r filhos amados. "Eu de boa vontade me gas-
(1 Ts 3:1-5) tarei e ainda me deixarei gastar em prol da
Quando Paulo e seus amigos deixaram vossa alma" (2 Co 12:15).
Tessalônica, foram ministrar a Palavra em O caráter de Timóteo (v. 2). Nem todo
Beréia, mas os agitadores de Tessalônica os cristão está preparado para fortalecer na fé
seguiram e incitaram oposição. Paulo partiu outros convertidos. O ideal seria que todo
para Atenas, enquanto Silas e Timóteo per- cristão mais maduro ajudasse irmãos e irmãs
maneceram em Beréia (ver At 17:10-15). Ao em Cristo a crescer e a se firmar nas próprias
que parece, Timóteo foi ao encontro de Pau- pernas. Infelizmente, alguns cristãos são co-
Io em Atenas (observar o uso da primeira mo aqueles descritos em Hebreus 5:11-14.
pessoa do plural em 1 Ts 3:1, 2), mas o após- Regrediram em sua caminhada espiritual e
tolo enviou-o de volta a Tessalônica, a fim se esqueceram das verdades básicas das Es-
de ajudar a jovem igreja que passava por crituras. Em vez de ensinarem a outros, eles
tribulações. Vários fatores importantes con- próprios precisam ser ensinados novamente.
tribuíram para essa decisão. Passam por uma segunda infância espiritual.
A preocupação de Paulo (v. 1). A expres- Timóteo era o homem ideal para ser envia-
são "pelo que", no início deste capítulo, se do à igreja, a fim de ajudá-la a permanecer
1 T E S S A L O N I C E N S E S 3:1-13 223

firme. Tim óteo e Tito eram os "agentes espe­ Devemos esperar ‫[ ״‬padecer] por Cristo‫( ״‬Fp
ciais" de Paulo, que os comissionava a igrejas 1:29). A perseguição não é algo estranho para
problemáticas. O apóstolo enviou Timóteo o servo de Deus (1 Pe 4 :1 2ss); antes, é parte
a Corinto, a fim de ajudar a resolver os pro­ normal da vida cristã. Paulo havia lhes dito
blemas naquela congregação (1 C o 16:10, isso repetidam ente enquanto estava com
11). Também planejava enviar Tim óteo para eles. É preciso advertir os recém-convertidos
ajudar os santos em Filipos (Fp 2:19-23). de que as coisas não serão fáceis ao procura­
Q ue tipo de pessoa está apta para aju­ rem viver para Cristo; de outro modo, quan­
dar cristãos mais novos na fé a crescer no do vierem as tribulações, esses bebês na fé
Senhor? Em primeiro lugar, a própria pessoa se sentirão desanimados e derrotados.
deve ser cristã!: "Enviam os nosso irmão Ti­ Por certo, quem está por trás dessas per­
m óteo" (1 Ts 3 :2 ). Não é possível conduzir seguições é Satanás, o inimigo dos cristãos
outros a lugares por onde não passamos nem (1 Ts 3 :5 ). Ele é o Tentador e aquele que
compartilhar o que não temos. Paulo havia procura destruir nossa fé (1 Ts 3:5-7, 10).
levado Tim óteo à fé em Cristo (1 Tm 1:2), Com o um leão que ruge, Satanás ronda os
de modo que ele era, verdadeiramente, um cristãos; devemos " [resistir]-lhe firmes na fé"
irmão. (1 Pe 5:8, 9). Q uando Satanás tentou Eva,
Mas Tim óteo também era um ministro. com eçou enfraquecendo sua fé em Deus:
Trata-se simplesmente do termo grego para "É assim que Deus disse?‫( ״‬G n 3:1). Satanás
servo. Nossa palavra "diácono" vem desse engana com o uma serpente (2 C o 11:3) e
term o. Tim óteo não tinha medo de traba­ devora como um leão (1 Pe 5:8). Usa todos
lhar. Havia se mostrado fiel em seu serviço os meios possíveis para atacar o cristão e
junto com Paulo (Fp 2:22) e sabia ministrar para debilitar sua fé em Deus.
às igrejas. Firm ar recém -convertidos na fé O termo "inquietar", em 1 Tessalonicen-
não é uma tarefa simples. São pessoas com ses 3:3, é interessante. Significa, literalmen­
muitos problemas que, com freqüência, não te, "sacudir a cauda, bajular". A idéia é que
crescem tão rapidamente quanto gostaria- o Inimigo, com freqüência, lisonjeia o cris­
mos. Ensinar esses bebês na fé requer amor tão a fim de fazê-lo desviar-se. Satanás disse
e paciência, duas qualidades que Tim óteo a Eva que, se ela com esse do fruto, seria
possuía. com o D eus, e ela se deixou enganar por
Tim óteo era um bom com panheiro de sua lisonja. Satanás é mais perigoso quando
equipe: era um "cooperador". Não tentava bajula do que quando mostra sua ira.
fazer tudo sozinho nem convencer as pes­ Timóteo recebeu a incum bência de for­
soas a segui-lo. Em prim eiro lugar, era um ta le c e r esses cristã o s e de en co rajá-lo s
cooperador de Deus. Era Deus quem opera­ (exortá-los) em sua fé. É a fé em Deus que
va em sua vida e por meio dela, a fim de nos mantém firmes quando o inimigo ataca.
realizar sua obra (ver 1 C o 3 :9 e Fp 2:13). Sem fé em Deus, somos derrotados. "E esta
Mas Tim óteo também era um bom coo- é a vitória que vence o mundo: a nossa fé"
perador com outros cristãos. O bedeceu ao (1 Jo 5:4).
apóstolo Paulo e deixou Atenas para ir a
Tessalônica, voltando a encontrar-se com ele 2 . E s c r e v e u -l h e s u m a c a r t a
em C o rin to , dando-lhe notícias da igreja (1 Ts 3:6-8)
tessalonicense. Não é de se admirar que o Timóteo encontrou-se com Paulo em Corinto
apóstolo tenha escrito sobre Tim óteo: "Por­ (At 18:5) e lhe deu as boas-novas de que as
que a ninguém tenho de igual sentimento coisas estavam indo bem em Tessalônica. A
que, sinceram ente, cuide dos vossos inte­ o ração "trazendo-nos boas n o tícias" é o
resses" (Fp 2:20). equivalente exato de "pregando as boas-
O c o n flito da ig reja (vv. 3-5). As afli­ novas do evangelho". Para Paulo, receber
ções e tribulações que sofremos por ser cris­ as notícias transmitidas por Timóteo foi como
tãos são fatos previstos, não obra do acaso. ouvir o evangelho.
224 1 T E S S A L O N I C E N SES 3:1-13

Timóteo relatou que os recém-converti- quase cinqüenta anos. Iniciou uma série de
dos estavam se mantendo firmes na fé ape- sermões sobre as doutrinas bíblicas funda-
sar das perseguições. Não acreditaram nas mentais, pois estava ciente de que seus mem-
mentiras que o inimigo havia lhes contado bros não poderiam permanecer firmes na fé
sobre Paulo; antes, continuavam a amá-lo e se não conhecessem as próprias convicções
a tê-io em alta consideração. e o motivo de as possuírem. Nessa ocasião,
Em resposta às boas-novas, Paulo lhes outro pastor disse a Dale:
escreveu esta carta. O apóstolo escreveu - Eles não vão aceitar...
várias epístolas que não fazem parte do Ao que ele respondeu:
Novo Testamento (1 Co 5:9), mas as duas -Terão de aceitar!
cartas à igreja tessalonicense foram incluí- De fato, a congregação aceitou a instru-
das na Palavra inspirada de Deus. ção doutrinária e foi fortalecida.
Isso indica que a Palavra de Deus é um Quando aceitei a Cristo, não era comum
dos melhores instrumentos para firmar os as igrejas terem cursos de acompanhamen-
recém-convertidos na fé. "Assim, pois, ir- to para recém-convertidos como acontece
mãos, permanecei firmes e guardai as tra- hoje. Meu "curso de acompanhamento" foi
dições que vos foram ensinadas, seja por uma série de estudos bíblicos sobre a Epís-
palavra, seja por epístola nossa" (2 Ts 2:15). tola aos Hebreus, ministrada por um leigo
Quando jesus foi tentado por Satanás, usou muito competente na própria sala de estar
a Palavra de Deus para derrotá-lo (Mt 4:1- de sua casa. Mas o que aprendi firmou-me
11). Paulo admoestou os cristãos em Éfeso na Palavra e me fortaleceu na fé.
a empunhar "a espada do Espírito, que é a O conhecimento prático da Bíblia é es-
palavra de Deus" (Ef 6:17) em sua batalha sencial para o crescimento e para a estabilida-
contra Satanás e seus ajudantes demoníacos. de espiritual. A Palavra de Deus é alimento
A Bíblia é capaz de fortalecer, pois é ins- para nos nutrir (Mt 4:4), luz para nos condu-
pirada por Deus (2 Tm 3:16). Não é apenas zir (SI 119:105) e uma arma para nos defen-
um livro que apresenta idéias religiosas ou der (Ef 6:17). "Assim diz o Senhor!‫ ״‬: esse é
bons conselhos morais; é a própria Palavra nosso fundamento firme. Um dos motivos
de Deus. É "útil para o ensino, para a repre- pelos quais Deus instituiu as igrejas locais
ensão, para a correção, para a educação na foi para que os cristãos pudessem crescer na
justiça". Alguém disse bem que: "a doutrina Palavra e, assim, ajudar outros a crescer (2 Tm
mostra o que é certo; a repreensão diz o 2:2; Ef 4:11-16).
que não está certo; a correção mostra como Paulo enviou-lhes um colaborador que
fazer o que é certo; e a instrução diz co- os firmou na Palavra. Também lhes escreveu
mo nos manter no caminho certo". uma carta tratando das doutrinas fundamen-
A Primeira Epístola aos Tessalonicenses tais da fé cristã. Mas o apóstolo ministrou-
é repleta de doutrinas bíblicas. Todas as princi- lhes ainda de outra forma.
pais doutrinas da fé são mencionadas nesses
capítulos curtos. Há dezenas de referências 3. O r o u p o r eles (1 Ts 3:9-13)
a Deus Pai e a Jesus Cristo, e pelo menos A Palavra de Deus e a oração devem andar
quatro referências ao Espírito Santo (1 Ts 1:5, juntas. O profeta Samuel disse ao povo de
6; 4:8; 5:19). Nesta epístola, Paulo trata do Israel: "Quanto a mim, longe de mim que
pecado e da salvação, da doutrina da Igreja, eu peque contra o S e n h o r , deixando de orar
do trabalho do ministério e, especialmente, por vós; antes, vos ensinarei o caminho bom
da doutrina do fim dos tempos. Uma vez e direito" (1 Sm 12:23). Pedro disse: "e, quan-
que Paulo não ficou muito tempo em to a nós [os apóstolos], nos consagraremos
Tessalônica, é admirável que tenha ensina- à oração e ao ministério da palavra‫( ״‬At 6:4).
do tanta coisa a seus convertidos. Paulo dá essa mesma ênfase: "Agora, pois,
R. W. Dale foi pastor da Igreja Congre- encomendo-vos ao Senhor e à palavra da
gacional de Carr's Lane na Inglaterra durante sua graça, que tem poder para vos edificar e
1 T E S S A L O N I C E N S E S 3:1-13 225

dar herança entre todos os que são santifi­ jam ais teria aprendido a co nfiar nele em
cados" (At 2 0 :3 2 ). outras dificuldades. Paulo orou para que os
C o m o Jesus orou por seus discípulos, cristãos aflitos em Tessalônica crescessem na
Paulo orou pelos cristãos tessalonicenses fé, e Deus atendeu seu pedido. Em sua se­
para que sua fé não vacilasse (Lc 2 2 :3 1 , 32). gunda carta, o apóstolo escreve: "irm ãos,
Ministrei durante várias semanas no Q uênia cumpre-nos dar sem pre graças a Deus no
e em Zaire e, ao voltar para casa, estava ple­ tocante a vós outros, com o é justo, pois a
namente convicto de que, mais do que qual­ vossa fé cresce sobrem aneira" (2 Ts 1:3).
quer outra coisa, os m issionários e igrejas O segundo pedido de Paulo é para que
nacionais precisam de oração. Não basta o Sen h or faça crescer o am or d o s tessalo-
ensinar-lhes a verdade bíblica; também pre­ nicenses (1 Ts 3:12). Tem pos de sofrimento
cisam os sustentá-los com nossas orações. podem alimentar o egoísmo. Pessoas perse­
Paulo apresenta três pedidos específicos guidas muitas vezes se tornam egocêntricas
em sua oração. Primeiro, ora para que a fé e exigentes. O que a vida faz conosco de­
do s tessalonicenses amadureça (1 Ts 3:10). pende do que ela encontra em nós; a forna­
Paulo pediu a Deus que lhe permitisse mi­ lha da aflição é o melhor instrumento para
nistrar pessoalm ente em Tessalônica, mas revelar o verdadeiro ser interior. Em tempos
Deus não atendeu esse pedido. O apóstolo de provação, algumas pessoas constroem mu­
ansiava por vê-los novam ente; ansiava por ros ao redor de si. O utras constroem pontes
lhes ministrar e ajudar sua fé a amadurecer. e se achegam ao Senhor e a seu povo. Foi
O termo traduzido por "reparar" tem o sen­ isso o que Paulo pediu ao s cristã o s de
tido de "ajustar, equipar, prover". É usado Tessalônica, e Deus atendeu seu pedido: "O
até para se referir a alguém consertando re­ vosso mútuo amor de uns para com os ou­
des de pesca (M c 1:19). Nossa fé nunca atin­ tros vai aum entando" (2 Ts 1:3).
ge a perfeição; precisa sempre ser ajustada A fé progressiva em D eus deve redun­
e aum entada. Vivem os "de fé em fé" (Rm dar em am or crescente pelos outros. Somos
1 :1 7 ). "por Deus instruídos que [devem os amar-
Abraão é um excelente exem plo desse nos] uns aos outros1) ‫ ״‬Ts 4:9), e algumas
princípio. Deus o cham ou para ir à terra de dessas lições são ensinadas com mais eficá­
Canaã, e, quando o patriarca chegou, des­ cia na escola do sofrimento. José sofreu du­
cobriu uma grande fome. Deus permitiu essa rante treze anos em decorrência da inveja e
fome para que a fé de Abraão fosse testada. da perseguição de seus irmãos. No entanto,
Infelizmente, Abraão foi reprovado e desceu aprendeu a amá-los, apesar do ódio que
ao Egito em busca de ajuda. sentiam por ele. O s legalistas judeus perse­
A cada passo do cam inho, Deus perm i­ guiam Paulo de cidade em cidade, e, no en­
tiu que Abraão passasse por experiências tanto, Paulo amava seus com patriotas de tal
que o obrigaram a confiar no Senhor e a modo que estava disposto a morrer por eles
crescer em sua fé. A fé é com o um mús­ (Rm 9:1-3).
culo: ela se fortalece com o uso. Abraão Q uando aconselho jovens casais que se
teve problem as com Ló, seu sobrinho mun­ preparam para o casamento, costumo pergun­
dano, e também com sua esposa e respec­ tar ao hom em: "Se sua esposa se tornasse
tiva serva, Hagar. A m aior prova à qual sua paraplégica três sem anas depois do casa­
fé foi subm etida se deu quando Deus pe­ mento, seu am or por ela seria suficiente para
diu que A braão sacrificasse seu filho ama­ você ficar com ela e cuidar dela?" O verda­
do, Isaque. deiro amor aprofunda-se em tempos de difi-
A fé que não pode ser provada não é cuídade, enquanto o rom ance su perficial
digna de confiança. Deus não prova nossa desvanece quando surgem as provações.
fé para destruí-la, mas sim para desenvolvê- Mas o verdadeiro amor cristão não é de­
Ia. Se Abraão não tivesse aprendido a con­ monstrado apenas aos convertidos; é um
fiar em D eus durante o período de fome, amor "para com todos" (1 Ts 3:12). Amam os
226 1 T E S S A L O N I C E N S ES 3 : 1 - 1 3

uns aos outros, mas também amamos os Paulo terminou 1 Tessalonicenses 2 com
perdidos e os inimigos. O amor abundante uma referência ao lugar dos santos na volta
não pode ser contido. Deve ter liberdade de Cristo e encerra esse capttulo da mesma
de se expandir e de alcançar a todos. forma. Ora para que os convertidos se apre-
Em terceiro lugar, Paulo ora pedindo san- sentem irrepreensíveis e santos diante de
tidade de vida (1 Ts 3:13). Mais uma vez, é Deus na volta de Cristo. Uma vez que todos
a volta de Jesus Cristo que motiva o cristão os cristãos serão transformados de modo a
a viver em santidade. A volta de nosso Se- se tornarem semelhantes a Cristo quando
nhor também é uma fonte de estabilidade ele voltar (1 Jo 3:2), Paulo não pode estar se
para a vida cristã. Onde há estabilidade po- referindo a nossa condição pessoal no céu.
de haver santidade; e onde há santidade há Antes, está falando da vida dos santos aqui
segurança. As duas coisas andam juntas. na Terra, a qual será examinada no tribunal
Convém observar que as orações de de Cristo. Em momento algum seremos con-
Paulo por seus amigos não são descuidadas frontados com nossos pecados no céu, pois
nem ocasionais. O apóstolo intercede por não são mais lembrados (Rm 8:1; Hb 10:14-
eles "noite e dia"; também ora "com má- 1 8). Mas nossas obras serão provadas, e é
ximo em penho". No original, é usado o impossível separar á conduta do caráter.
mesmo termo traduzido por "infinitamente A oração de Paulo ensina a interceder
mais" em Efésios 3:20. A verdadeira oração não apenas pelos recém-convertidos, mas
é um trabalho árduo. Epafras deve ter apren- também por todos os cristãos. Devemos pe-
dido com Paulo a orar por seu povo: "se dir que sua fé amadureça, que seu amor cres-
esforça sobremaneira, continuamente, por ça e que seu caráter e conduta sejam santos
vós nas orações, para que vos conserveis e irrepreensíveis diante de Deus. "E a si mes-
perfeitos e plenamente convictos em toda a mo se purifica todo o que nele tem esta
vontade de Deus" (Cl 4:12). esperança, assim como ele é puro" (1 Jo 3:3).
Toda a Trindade faz parte dessa oração. Ao recapitular 1 Tessalonicenses 3, ob-
Paulo dirige-se ao Pai e ao Filho em 1 Tes- serva-se como é importante cuidar dos cris-
salonicenses 3:11. No versículo 12, "o Se- tãos novos na fé. Não basta levar alguém a
nhor" pode ser uma referência ao Espírito Cristo. Também se deve conduzir a pessoa
Santo, uma vez que "nosso Senhor Jesus", ao longo da vida cristã e ajudá-la a se firmar.
no final de 1 Tessalonicenses 3:13, sem dúvi- Se o recém-convertido não estiver firme na
da, se refere a Cristo. Se esse é o caso, tanto fé, será derrubado quando soprarem os
quanto sei, essa é a única oração do Novo ventos da perseguição. Se não conseguir per-
Testamento dirigida ao Espírito Santo. O pa- manecer em pé, não será capaz de apren-
drão bíblico da oração é ao Pai, por meio der a andar.
do Filho, no Espírito. Uma vez que o Espírito O que fazer, então? Animá-lo e ficar ao
Santo é o Santificador do cristão, e que essa lado dele até que amadureça. Podemos com-
é uma oração pedindo santidade, é apro- partilhar a Palavra de Deus e orar. Foi isso o
priado que o apóstolo se dirija ao Espírito. que Paulo fez - e funcionou!
se entregar aos prazeres da moda. A mensa­
6 gem cristã falando da vida de santidade era
algo inédito nessa cultura, e não era fácil
aos recém-convertidos lutar contra as tenta­
C om o A gradar ao P ai ções a seu redor. Paulo apresenta quatro
motivos pelos quais deveriam viver em san­
1 T e s s a l o n ic e n s e s 4 :1 - 1 2 tidade e não se entregar à sensualidade.
Para agradar a D eu s (v. 1). Todo mundo
vive para agradar a alguém. Muitas pessoas
vivem para agradar a si mesmas e não têm
sensibilidade alguma para com as necessi­
dades dos outros. Nas palavras de W illiam
oje em dia, a cam inhada está se tor­ Hazlitt: "A essência de uma jornada é a mais
H nando uma forma cada vez mais comum
de exercício e de esporte ao ar livre. Não é
perfeita liberdade de pensar, sentir, fazer o
que for mais aprazível". Esse conselho pode
raro verm os pessoas sozinhas, famílias e gru­ funcionar quando estamos em férias, mas
pos cam inhando em parques, bosques e tri­ não se aplica de maneira alguma à vida diá­
lhas à beira de estradas. ria. Com o cristãos, não dá para viver agra­
A vida cristã pode ser com parada a uma dando somente a nós mesmos (Rm 15:1).
cam inhada. Na verdade, esta é uma das ima­ Também é preciso ter cuidado no que
gens prediletas de Paulo: "Q u e andeis de se refere a agradar aos outros. É possível
modo digno da vocação a que fostes cha­ agradar aos outros e honrar a D eus, mas
m ados" (Ef 4 :1 ); "Q u e não mais andeis com o tam bém é possível desonrar a D eus. "Se
também andam os gentios" (Ef 4:1 7); "Andai agradasse ainda a hom ens, não seria servo
em am or" (Ef 5 :2); "Andai com o filhos da de Cristo" (G l 1 :1 0). Essa foi a atitude de
luz" (Ef 5:8). Paulo ao ministrar em Tessalônica. "Assim
A vida cristã com eça com um passo de falamos, não para que agrademos a homens,
fé. M as esse passo conduz a uma cam inha­ e sim a Deus, que prova o nosso coração"
da de fé, "visto que andamos por fé e não (1 Ts 2:4).
peio que vem os" (2 Co 5:7). O conceito de Agradar a Deus deve ser a principal mo­
cam inhada indica progresso, e devemos pro­ tivação da vida cristã. O s filhos devem viver
gredir na vida cristã (Fp 3:13-16; Hb 6:1). de modo a agradar ao pai. O Espírito Santo
Cam inhar também requer força, e Deus pro­ opera em nossa vida efetuando "tanto o
meteu: "Eu te fortaleço e te ajudo, e te sus­ querer com o o realizar, segundo a sua boa
tento com minha destra fiel" (Is 41:10 ). vontade" (Fp 2:13). Enoque andou com Deus,
M as é preciso certificar-se de estar "an­ e, antes de Deus o levar para o céu, Enoque
dando na luz", pois o inimigo coloca arma­ "obteve testem unho de haver agradado a
dilhas e desvios no caminho para nos pegar Deus" (Hb 11:5). Jesus disse: "Eu faço sem­
(1 Jo 1:5-7). É evidente que, no final da jor­ pre o que lhe agrada" (Jo 8 :2 9).
nada desta vida, entraremos na presença do Agradar a Deus significa muito mais do
Senhor. "Andou Enoque com Deus e já não que simplesmente fazer a vontade de Deus.
era, porque Deus o tomou para si" (G n 5:24). É possível obedecer a Deus e, ainda assim,
Paulo descreve três maneiras segundo as não lhe agradar. Jonas é um exem plo disso.
quais o cristão deve andar: Ele obedeceu às ordens de Deus, mas não
o fez de coração. Deus abençoou sua Pala­
1. A n d a r em s a n t id a d e (1 Ts 4:1-8) vra, mas não pôde abençoar seu servo. As­
O ambiente moral do império romano não sim, Jonas assentou-se do lado de fora de
era nada salutar. A imoralidade era um modo Nínive, zangado com todos, inclusive com o
de vida, e, graças ao trabalho dos escravos, Senhor! Nossa obediência deve ser: "não
as pessoas livres tinham tempo de sobra para servindo à vista, como para agradar a homens,
228 1 T E S S A L O N I C E N S E S 4 :1 -1 2

mas como servos de Cristo, fazendo, de co- Para glorificar a Deus (vv. 4, 5). Trata-se
ração, a vontade de Deus" (Ef 6:6). do lado positivo do mandamento de Deus.
Como saber o que agrada a Deus? Da Os cristãos devem ser diferentes dos incré-
mesma forma que descobrimos o que agrada dulos. Os gentios (não salvos) não conhe-
a nosso pai humano: ouvindo-o e conviven- cem a Deus; logo, vivem na iniqüidade. Mas
do com ele. Ao ler a Palavra e ter comunhão nós conhecemos a Deus e temos o dever
por meio da adoração e do serviço, conhe- de glorificá-lo neste mundo. "Pois esta é a
cemos mais do coração de Deus, o que, por vontade de Deus: a vossa santificação, que
sua vez, nos mostra a vontade de Deus. vos abstenhais da prostituição1) ‫ ״‬Ts 4:3).
Para obedecera Deus (vv. 2, 3). Ao minis- A expressão "Saiba possuir o próprio
trar em Tessalônica, Paulo transmitiu aos cris- corpo", em 1 Tessalonicenses 4:4, é clara,
tãos as instruções de Deus com referência à pois o corpo é um vaso de Deus (ver 2 Co
pureza pessoal. O termo traduzido aqui por 4:7; 2 Tm 2:20, 21). Mas também pode sig-
"instruções" faz parte do vocabulário militar nificar "aprenda a viver com a própria espo-
e se refere a ordens dadas por oficiais supe- sa‫״‬, pois a esposa e o marido são uma só
riores. Somos soldados do exército de Deus carne, e a esposa é "como parte mais frágil"
e devemos obedecer a suas ordens. "Nenhum (1 Pe 3:7). Prefiro a primeira interpretação,
soldado em serviço se envolve em negócios pois Paulo está escrevendo a todos os cris-
desta vida, porque o seu objetivo é satisfa- tãos, não apenas aos casados. O cristão que
zer àquele que o arregimentou" (2 Tm 2:4). comete um pecado sexual peca contra o
Em 1 Tessalonicenses 4:3, Paulo lembra próprio corpo (1 Co 6:19, 20) e priva Deus
esses recém-convertidos de que a imorali- da glória que ele deveria receber por meio da
dade sexual não é agradável a Deus. Foi vida do cristão.
Deus quem criou o sexo e ele tem a autori- Isso explica o rigor das exigências que
dade para determinar seu uso. Desde o prin- Deus impõe aos líderes espirituais (1 Tm 3).
cípio, ele instituiu o casamento como união Se eles não são capazes de governar o pró-
sagrada entre um homem e uma mulher. prio lar, como poderão liderar a igreja? Se
Deus criou o sexo tanto para a continuida- glorificarmos a Deus com nosso corpo, será
de da raça humana quanto para o prazer possível glorificá-lo também com o corpo
dos cônjuges. "Digno de honra entre todos que é a igreja.
seja o matrimônio, bem como o leito sem Para ser poupado do julgamento de
mácula" (Hb 13:4). As instruções de Deus Deus (vv. 6-8). Deus não faz acepção de
com referência ao sexo não têm como ob- pessoas; deve disciplinar seus filhos quando
jetivo privar as pessoas da alegria, mas sim pecam (Cl 3:23-25). Uma senhora da igreja
protegê-las de modo a que não percam a criticou o pastor porque ele pregava contra
alegria. "Não adulterarás" é um mandamen- o pecado na vida dos santos.
to que levanta um muro ao redor do casa- - Afinal - disse a senhora -, o pecado
mento, não para torná-lo uma prisão, mas na vida do cristão é diferente do pecado na
sim um jardim belo e seguro. vida do incrédulo.
Não precisamos buscar a vontade de - Sem dúvida - respondeu o pastor. - E
Deus quanto a essa questão, pois ele já a bem p/or!
expressou claramente. Sua ordem é "que vos Apesar de ser verdade que o cristão não
abstenhais da prostituição", e não há teolo- se encontra mais sob condenação (Jo 5:24;
gia liberal ou filosofia moderna que possa Rm 8:1), também é verdade que não estamos
mudar essa injunção. Ao longo de toda a isentos de colher o que semeamos na carne
Bíblia, Deus adverte sobre o pecado sexual, (Gl 6:7, 8). Quando o rei Davi cometeu adul-
e devemos dar ouvidos a essas advertências. tério, tentou encobrir seu pecado, mas Deus
O propósito de Deus é a nossa santificação, o disciplinou com severidade (nos Salmos
para que possamos levar uma vida separada 32 e 51, vemos o que ele perdeu durante
de pureza mental e física. esses meses). Quando Davi confessou seu
1 T E S S A L O N I C E N S E S 4:1-12 229

pecado, Deus o perdoou; mas D eus não mu­ "igrejas gays", onde hom ossexuais "am am
dou as conseqüências. Davi colheu o que se­ uns aos outros" e afirmam ser cristãos. O
meou e passou por experiências dolorosas. sexo antes do casam ento e a pornografia
Um cristão pode querer argumentar que são práticas aceitas em vários meios religio­
é um eleito de Deus, que pertence ao Se­ sos. E, no entanto, Deus diz que devemos
nhor e que ele não pode rejeitá-lo. A elei­ andar em santidade.
ção não é uma desculpa para pecar, mas
sim um estím ulo para viver em santidade. 2. A n d a r e m h a r m o n ia (1 Ts 4:9, 10)
"Porquanto Deus não nos cham ou para a A transição da san tidad e para o a m or é
im pureza, e sim para a santificação" (1 Ts natural. Paulo faz essa transição na oração
4 :7). "Pelo contrário, segundo é santo aque­ registrada em 1 Tessalonicenses 3:11-13. As­
le que vos cham ou, tornai-vos santos tam­ sim com o o amor de Deus é santo, nosso
bém vós mesmos" (1 Pe 1:15). O privilégio amor por Deus e pelos outros também deve
da eleição também envolve a responsabili­ nos motivar a viver em santidade. Q uanto
dade da obediência (D t 7:6, 11). mais viverm os de maneira semelhante a Cris­
Andar em santidade inclui ter um relacio­ to, mais amaremos uns aos outros. O cristão
nam ento correto com Deus Pai (que nos que verdadeiramente ama o irmão não peca
cham ou), Deus Filho (que morreu por nós) contra ele (1 Ts 4:6).
e Deus Espírito Santo (que habita em nós). É A língua grega tem quatro termos bási­
a presença do Espírito Santo que transforma cos para "am or". Eros refere-se ao am or físico
nosso corpo em templo de Deus (1 C o 6:19, e dá origem à palavra erótico. O am or eros
20). Além disso, ao andar em Espírito, ob­ não é, necessariam ente, pecam inoso, mas
tém-se vitória contra as concupiscências da no tempo de Paulo, a ênfase era sensual.
carne (G l 5 :1 6ss). Desprezar as instruções Esse termo não é usado em parte alguma
de Deus é o mesmo que atrair sobre si o do Novo Testamento. O utra palavra, storge
julgamento de Deus e entristecer o Espírito (pronuncia-se STOR-guei), refere-se ao amor
de Deus. da família, o am or dos pais pelos filhos. Esse
De que maneira o Espírito de Deus nos termo também não aparece no Novo Testa­
ajuda a viver com integridade, livres da im­ mento, apesar de uma palavra relacionada
pureza sexual? Em prim eiro lugar, ele cria a ele ser traduzida por "am or fraternal" em
em nós desejos santos que nos levam a an­ Romanos 12:10.
siar pela Palavra de Deus (1 Pe 2:1-3), não As duas palavras mais usadas para am or
pelos refugos contam inados da carne (Rm são philia e ágape. O amor philia é o amor da
13:12-14). Também nos ensina a Palavra e profunda afeição, manifesto em uma am iza­
nos ajuda a lembrar das promessas de Deus de ou no casamento. Mas o am or ágape é o
em m om entos de tentação (Jo 1 4 :2 6 ; Ef am or que Deus demonstra para cono sco .
6 :1 7 ). A o nos entregarmos ao Espírito, ele Não é um amor baseado apenas em sen­
nos dá poder para que andemos em santi­ timentos, mas sim expresso na volição. O
dade e não nos desviemos pelos caminhos amor ágape trata os outros da maneira com o
das concupiscências do mundo e da carne. Deus os trataria, a despeito dos sentimen­
O fruto do Espírito sobrepuja as obras da tos ou das preferências pessoais.
carne (G l 5:16-26). O termo filadélfia é traduzido por "am or
Paulo dedicou um bocado de espaço a fraternal". Uma vez que nós, cristãos, perten‫״‬
esse tema da pureza sexual, pois era um cem os à mesma família e temos o mesmo
problema crítico na Igreja daquela época. E Pai, devem os am ar uns aos outros. A liás,
continua sendo uma questão crítica na Igreja Paulo diz: "vós mesmos estais por Deus ins­
h o je. M uita gente não considera mais os truídos que deveis amar-vos uns aos outros".
votos m atrim oniais sagrados, e o divórcio Deus Pai nos ensinou a am ar uns aos ou­
(m esm o no meio dos cristãos) não é mais tros quando entregou Cristo para morrer por
governado pela Palavra de D eus. Existem nós na cruz. "N ós amamos porque ele nos
230 1 T E S S A L O N I C E N S E S 4:1-1 2

amou primeiro" (1 Jo 4:19). Deus Filho nos que são de fora da igreja. "Os de fora" é
ensinou a amar uns aos outros quando dis- uma designação comum para os incrédulos.
se: "Novo mandamento vos dou: que vos Os cristãos não têm obrigação apenas
ameis uns aos outros" (Jo 13:34). E o Espiri- de amar uns aos outros, mas também de
to Santo nos ensinou a amar uns aos outros dar bom testemunho às pessoas do mundo.
derramando o amor de Deus em nosso co- A grande preocupação de Paulo era que os
ração (Rm 5:5), quando aceitamos a Cristo. cristãos tessalonicenses trabalhassem hones-
É possível observar que os animais fazem tamente por seu salário e não se tornassem
instintivamente o que precisam para sobrevi- aproveitadores, dependendo do sustento de
ver. Os peixes não fazem curso de natação, incrédulos. A declaração: "E a diligenciardes
apesar de acompanharem o curso dos rios, e, por viver tranqüilamente" (1 Ts 4:11) parece
por natureza, as aves abrem e batem as asas um paradoxo; se formos diligentes, é bem
para voar. É a natureza que determina a ação. provável que não tenhamos uma vida tran-
O peixe nada porque tem a natureza de qüila. Mas a ênfase é sobre a tranqüilidade
peixe; o falcão voa porque tem a natureza da mente e do coração, a paz interior que
de falcão. E o cristão ama porque tem a na- permite ao indivíduo ser adequado por meio
tureza de Deus (2 Pe 1:4), e "Deus é amor" da fé em Cristo. Paulo não desejava que os
(1 Jo 4:8). santos corressem de um lado para o outro
Desde o princípio, os cristãos tessaloni- criando problemas ao ganhar seu pão de
censes se distinguiram por sua fé, esperança cada dia.
e amor (1 Ts 1:3). Timóteo relatou as boas- A maioria dos gregos desprezava o tra-
novas de seu amor (1 Ts 3:6), de modo que balho manual. Quase todo o trabalho desse
Paulo não os está exortando a adquirir algo tipo era feito por escravos. Sabemos que
que já não possuem. Antes, os encoraja a Paulo fazia tendas e, quando estava em
ter mais de algo que já desfrutam. É impossí- Tessalônica, fez questão de dar o exemplo
vel ter amor cristão demais. Paulo orou pedin- de trabalho árduo (ver 1 Ts 2:6; 2 Ts 3:6ss).
do: "O Senhor vos faça crescer e aumentar Infelizmente, alguns recém-convertidos na
no amor" (1 Ts 3:12); e Deus atendeu seu igreja interpretaram incorretamente a dou-
pedido (ver 2 Ts 1:3). trina da volta de Cristo e deixaram de traba-
De que maneira Deus faz nosso amor lhar, a fim de esperar pela vinda do Senhor.
"crescer e aumentar"? Colocando-nos em Por causa disso, eram sustentados por ou-
circunstâncias que nos obrigam a praticar o tros cristãos, que talvez nem possuíssem
amor cristão. O amor é o "sistema circulató- recursos suficientes para a própria família.
rio" do corpo de Cristo, mas se nossos mús- Esses fanáticos também não podiam pagar
culos não são exercitados, a circulação é suas contas e, portanto, perderam o teste-
prejudicada. As dificuldades que nós, cris- munho junto aos comerciantes incrédulos.
tãos, temos uns com os outros são oportuni- - Minha esposa vai fazer uma cirurgia
dades de crescermos em amor. Isso explica plástica - um homem comentou com seu
por que os cristãos que tiveram mais proble- amigo. - Vou suspender todos os cartões
mas entre si muitas vezes são os que, para de crédito dela!
espanto do mundo, têm amor mais profun- Como é fácil comprar coisas de que não
do uns pelos outros. precisamos com dinheiro que não temos e
perder não apenas o crédito, mas também
3. A n d a r em d ig n id a d e (1 Ts 4:11,12) o testemunho como cristãos! "Se, pois, não
A palavra traduzida por "dignidade", em 1 Tes- vos tornastes fiéis na aplicação das riquezas
saionicenses 4:12, se refere a algo "apropria- [dinheiro] de origem injusta, quem vos con-
do, conveniente". Em 1 Coríntios 14:40, é fiará a verdadeira riqueza?" (Lc 16:11). As
traduzida por "com decência": "Tudo, po- igrejas e os cristãos que defendem a orto-
rém, seja feito com decência e ordem". A doxia mas não pagam as contas não têm
ênfase é sobre o testemunho do cristão aos qualquer ortodoxia a defender.
1 TESSALONICENSES 4:1-12 231

"Esforcem-se para.‫ ״‬cuidar dos seus pró­ Se não tivermos tal sabedoria espiritual, fa­
prios negócios e trabalhar com as próprias remos mais mal do que bem.
mãos1) ‫ ״‬Ts 4:11; nvi), foi 0 que 0 apóstolo Há vários excelentes motivos para os
ordenou aos tessalonicenses. Os ociosos pas* cristãos trabalharem, sendo um dos mais
sam 0 tempo interferindo nos assuntos de importantes prover para sua família (1 Tm
outros e metendo a si mesmos e a outros 5:8). Por que os cristãos deveriam ser dis­
em apuros. "Pois, de fato, estamos informa­ pensados de trabalhar, se os incrédulos têm
dos de que, entre vós, há pessoas que an­ empregos para pagar as contas? Também
dam desordenadamente, não trabalhando; trabalhamos a fim de ter algo para dar aos
antes, se intrometem na vida alheia2) ‫ ״‬Ts necessitados (Ef 4:28); mas, ‫״‬se alguém não
3:11). ‫״‬Não sofra, porém, nenhum de vós quer trabalhar, também não coma" (2 Ts
[...] como quem se intromete em negócios 3:10). O trabalho não é maldição, mas sim
de outrem1) ‫ ״‬Pe 4:15). bênção. Deus incumbiu Adão de realizar
Os cristãos ocupados com os negócios certas tarefas no jardim do Éden. A maldi*
do Pai (Lc 2:49) não têm tempo de se meter ção refere-se à fadiga e ao suor, não ao tra­
nos assuntos dos outros. Infelizmente, até balho em si (Gn 2:15 e 3:17ss).
mesmo um grupo de estudo bíblico pode Ao recapítular esta seção, vê-se como a
ser uma oportunidade de fazer fofocas vida cristã é extremamente prática. O cris­
(‫״‬compartilhar para que 0 outro possa orar tão obediente andará em santidade, absten-
mais especificamente pelo assunto"), substi* do-se dos pecados sexuais; também andará
tuindo 0 verdadeiro serviço cristão. em harmonia, amando os irmãos em Cristo;
Como cristãos, devemos atentar para e em dignidade, trabalhando com suas mãos
nosso relacionamento "com os de fora‫״‬. Pre■ e não se intrometendo em assuntos alheios,
cisamos de graça e de sabedoria para man­ Quando os incrédulos virem Cristo ser en■
ter 0 contato sem nos deixar influenciar e grandecido em uma vida assim, expressarão
para ser diferentes sem nos tornar condena- sua oposição invejosa ou seu desejo de ter
tórios e orgulhosos. ‫״‬Portai-vos com sabe­ uma vida semelhante, De qualquer modo,
doria para com os que são de fora‫( ״‬Cl 4:5). Deus é glorificado.
No mundo moderno, os cientistas inves-
7 tigam as experiências de pessoas que afir-
mam ter morrido e voltado a viver. Também
estudam fenômenos inexplicáveis, na espe-
O C o n s o l o de rança de encontrar uma pista para o mistério
S ua V inda da vida depois da morte.
Paulo resolve o problema ao escrever:
1 T e s s a l o n ic e n s e s 4 : 1 3 - 1 8 "O ra, ainda vos declaramos, por palavra
do Senhor" (1 Ts 4:15). Nós, cristãos, não
precisamos ficar imaginando como é a vida
depois da morte, pois temos a revelação de
Deus em sua Palavra. Por que colocar espe-
mundo pagão do tempo de Paulo não culações humanas no lugar da revelação
O tinha esperança alguma de vida depois
da morte. Uma inscrição típica encontrada
divina?
E importante observar que a revelação
em um túmulo demonstra esse fato: com respeito à morte e à vida no além não
foi dada de uma só vez. Muitas seitas usam
Eu não existia. versículos dos livros de Salmos e Eclesiastes
Vim a existir. como "provas" para suas doutrinas falsas. A
Não existo. impressão é que esses versículos ensinam
Não me importo. que o túmulo é o fim, ou que a alma "dor-
me" até o momento da ressurreição. Não
Apesar de alguns filósofos, como Sócrates, podemos esquecer que a revelação de Deus
terem procurado provar a existência de fe- foi gradativa e progressiva e que culminou
licidade depois da morte, o mundo pagão na vinda de Cristo, "o qual não só destruiu a
não tinha coisa alguma que lhe servisse de morte, como trouxe à luz a vida e a imorta-
garantia. lidade, mediante o evangelho" (2 Tm 1:10).
Os cristãos em Tessalônica estavam preo- Ao buscar uma revelação completa sobre
cupados com seus entes queridos que ha- o assunto, é preciso voltar-se para o Novo
viam falecido. E se o Senhor voltasse? O que Testamento.
seria feito dessas pessoas? Estariam, de al- Deus deu a Paulo uma revelação espe-
gum modo, em situação de desvantagem? ciai com respeito à ressurreição e à volta de
Os que estiverem vivos quando Cristo voltar Cristo (ver 1 Co 15:51-54). Os ensinamentos
terão algum privilégio em relação aos cris- de Paulo conferem com os ensinamentos de
tãos que faleceram? Neste parágrafo, Pau- Jesus a esse respeito (Jo 5:24-29; 11:21-27).
lo responde a essas perguntas e baseia seu Além disso, a revelação é baseada no fato
encorajamento e consolo em cinco fatos histórico da ressurreição de Cristo. Uma vez
fundamentais. que nosso Salvador conquistou a morte,
não é preciso temer a morte nem o futuro
1. R e v e l a ç ã o : t e m o s a v e r d a d e de (1 Co 15:12ss). A autoridade da Palavra de
D eu s (1 Ts 4 :1 3 , 1 5 a ) Deus nos dá a segurança e o consolo de que
De que maneira o ser humano mortal pode precisamos.
transcender o túmulo e encontrar seguran-
ça e paz para o próprio coração? Desde os 2 . R e g r e s s o : C r is t o v a i v o l t a r
tempos do Antigo Testamento até hoje, a (1 Ts 4:14, 15)
humanidade tem procurado resolver o eníg- Observamos anteriormente que as epístolas
ma da morte e da vida no além. Os filósofos aos Tessalonicenses enfatizam a volta de
esforçam-se para encontrar uma resposta. Os Cristo. Paulo relaciona a volta de Cristo à
espíritas tentam comunicar-se com os que salvação (1 Ts 1:9, 10), ao serviço (1 Ts 2:19,
se encontram no além. 20) e à estabilidade (1 Ts 3:11-13). Neste
1 T E S S A L O N I C E N S E S 4 :1 3-1 8 233

parágrafo, ele a relaciona à tristeza e mostra que não será preciso ocorrer algo especial
de que m aneira a doutrina da volta de Cris­ antes de Cristo voltar. Esses grandes aconte­
to pode ser um consolo para os aflitos. cimentos se darão "num momento, num abrir
O apóstolo usa o verbo "dorm ir" para se e fechar de olhos1) ‫ ״‬C o 1 5 :5 2 ).
referir aos cristãos que faleceram . Jesus usou Jesus Cristo voltará "nos ares", onde nos
essa mesma expressão (Jo 11:11-13). Paulo encontrarem os com ele (1 Ts 4:1 7). M ilhões
faz questão de afirmar que Jesus "m orreu"; de pessoas desaparecerão repentinamente!
o termo "dorm ir" não se aplica a sua expe­ O s funcionários do acam pam ento de uma
riência. É por causa da morte de Cristo que igreja fizeram uma sim ulação detalhada de
não precisam os tem er a morte. um "arrebatamento", enquanto o diretor do
Paulo, porém, não diz que a alma dor­ local estava fora. Q uando ele voltou, todos
me quando m orrem os. D eixa claro que a haviam desaparecido, havia roupas no chão,
alm a do cristão vai para junto do Senhor: com o se as pessoas tivessem passado por
"assim tam bém Deus, mediante Jesus, trará, elas, um barco m otorizado vazio movia-se
em sua com panhia, os que dorm em " (1 Ts em círculos pelo lago, e tudo funcionando
4 :1 4 ). N ão poderá trazê-los em sua com pa­ na cozinha sem ninguém por perto. Um te­
nhia se não estiverem com ele. Não é a alma lefonema feito da cidade no momento exa­
que dorm e, mas sim o co rp o . A definição to ("O que está acontecendo? Todo mundo
bíblica da morte pode ser encontrada em sumiu daqui!‫ ) ״‬deu ainda mais realidade à
Tiago 2 :2 6 : "Porque, assim com o o corpo sim ulação. "D evo admitir que, por um instan­
sem espírito é morto [...]". Na morte, o espíri­ te, fiquei abalado", disse o diretor. Podemos
to deixa o corpo que, por sua vez, adorme­ imaginar o impacto que esse acontecim en­
ce e deixa de funcionar. Se a pessoa aceitou to terá sobre o mundo perdido!
a Cristo com o Salvador, a alma-espírito vai
para junto do Senhor. "[...] deixar o corpo e 3. R e s s u r r e iç ã o : o s c r is t ã o s m o r t o s
habitar com o Senhor" (2 Co 5:8). v o lta r ã o À v id a (1 Ts 4 :1 5 , 1 6 )
A realidade da volta de Cristo é um con­ Q uando Paulo pregou a doutrina da ressur­
solo em meio à tristeza da perda de um ente reição aos filósofos atenienses, quase todos
querido, pois sabemos que ele trará consigo zom baram dele (At 17:32). A grande espe­
os que morreram "em Cristo". Lembro-me rança dos gregos era justam ente livrar-se do
de dizer a um amigo: co rp o . Por que alguém desejaria que seu
- Soube que você perdeu sua esposa. corpo fosse ressuscitado? Além disso, com o
M inhas condolências. seria possível ressuscitar o corpo, uma vez
- Eu não a perdi - ele respondeu. - Não que seus elementos estariam decom postos
podemos dizer que perdem os algo quando e misturados com a terra? Para eles, a doutri­
sabem os onde está, e eu sei o n d e minha na da ressurreição era absurda e impossível.
esposa está! Q uando Jesus Cristo voltar nos ares, dará
Pela autoridade da Palavra de Deus, sa­ "a sua palavra de ordem [.‫ ] ״‬e os mortos em
bemos o que acontecerá: um dia, Jesus Cris­ Cristo ressuscitarão primeiro" (1 Ts 4 :1 6 ). Isso
to voltará e trará seu povo consigo. não significa que ele reconstituirá os elem en­
Ninguém sabe quando isso acontecerá, tos do corpo, pois a ressurreição não é uma
e é errado determinar datas. O fato de Pau- "reconstrução". Paulo trata da ressurreição
Io conjugar o verbo na primeira pessoa do em 1 Coríntios 15:35ss. Com para a ressur­
plural, em 1 Tessalonicenses 4 :1 5 , 17, indi­ reição do corpo humano à planta que nas­
ca que esperava estar vivo quando o Senhor ce de uma semente. A flor não é idêntica à
voltasse. O s teólogos cham am esse concei­ semente plantada, e, no entanto, há uma rela­
to de doutrina da volta iminente de Cristo. ção de continuidade entre as duas. O s cris­
O adjetivo "im inente" caracteriza algo que tãos receberão um corpo glorificado com o o
pode ocorrer a qualquer momento. Com o corpo glorificado de Cristo (Fp 3:20, 21; 1 Co
cristãos, não procuram os sinais e sabemos 15:47-58). O corpo morto é a "sem ente"
234 1 T E S S A L O N IC E N S E S 4:13-18

plantada no solo, e o corpo da ressurreição participarão do brado de vitória quando Cris-


é a "flor" que nasce dessa semente. to voltar.
Passagens como João 5:28, 29 e Apo- A doutrina cristã da ressurreição garante
calipse 20:1-6 indicam que haverá duas res- que a morte não é o fim. A sepultura não é
surreições. Quando Jesus Cristo voltar nos o ponto final. O corpo adormece, mas a alma
ares, chamará para si somente os salvos pela vai para junto do Senhor (Fp 1:20-24). Quan-
fé nele. Essa é a "primeira ressurreição" ou a do o Senhor voltar, trará a alma consigo, res-
"ressurreição da vida". No fim dos tempos, suscitará o corpo em glória e unirá corpo e
pouco antes de Deus criar os novos céus e alma em um único ser que compartilhará da
a nova terra, haverá outra ressurreição, cha- sua glória para sempre. Isso nos leva ao quar-
mada de "segunda ressurreição" ou "res- to fato que traz consolo e segurança diante
surreição do julgamento". Creio que entre da morte.
esses dois acontecimentos ocorrerá a Tribu-
lação na Terra e o reino milenar. 4. A r r e b a t a m e n t o : o s c r i s t ã o s v i v o s
No tempo de Paulo, os fariseus acredita- SERÃO LEVADOS (1 Ts 4:17)
vam na ressurreição dos mortos, mas os 0 termo arrebatamento vem do latim rapto,
saduceus não (At 23:8). Jesus ensinou a que significa "agarrar, levar embora", do qual
doutrina da ressurreição e calou os saduceus procede o termo "raptar".
(Mt 22:23-33). As Escrituras do Antigo Testa- Certa vez, ouvi Kenneth S. Wuest, estu-
mento também ensinam esse preceito (Jó dioso da língua grega, pregar sobre esta
14:13-15; 19:23-27; SI 16:9-11; Dn 12:2). O passagem e explicar os diversos significados
fato de Jesus haver ressuscitado dentre os do termo traduzido por "arrebatados" em
mortos prova a existência da ressurreição. 1 Tessalonicenses 4:1 7. Cada um desses sig-
Três sons peculiares farão parte desse nificados acrescenta uma verdade particular
acontecimento: o brado de Cristo, o som da à doutrina da volta de Cristo.
trombeta e a voz do arcanjo. Jesus Cristo " Pegar r a p id a m e n te Essa é a tradução
dará uma "palavra de ordem", como fez do adequada para o termo em Atos 8:39, em
lado de fora do túmulo de Lázaro (Jo 11:43). que o Espírito "arrebatou a Filipe" depois de
"Os que se acham nos túmulos ouvirão a ele haver levado o etíope à fé em Cristo.
sua voz e sairão" (Jo 5:28). Quando o Senhor voltar nos ares, os que
Em 1 Coríntios 15:52, sua volta também estiverem vivos serão levados embora rapi-
é relacionada ao som da trombeta. As trom- damente, num piscar de olhos. Isso significa
betas eram um instrumento bastante conhe- que devemos viver cada momento na ex-
cido no meio do povo de Israel; serviam para pectativa da vinda de nosso Senhor, a fim
declarar guerra e anunciar ocasiões e épo- de que, ao voltar, ele não nos encontre fora
cas especiais, e também para reunir o povo de sua vontade (1 Jo 3:1-3).
para viajar (ver Nm 10). No império roma- " Tomar à força . " Ver João 6:15. Isso sig-
no, as trombetas eram usadas para anunciar nifica que Satanás e seus exércitos tentarão
a chegada de uma pessoa importante. Quan- nos impedir de deixar a Terra? Não, mas creio
do Deus entregou a Lei a Israel, esse acon- que dá a entender que alguns dos santos
tecimento foi precedido do toque de uma estarão tão apegados ao mundo que preci-
trombeta (Êx 19:18-20). sarão ser literalmente levados à força. Como
O que vem a ser a "voz do arcanjo"? O Ló sendo livrado de Sodoma, serão salvos
único arcanjo mencionado na Bíblia é Mi- por um triz (Gn 19:16).
guel (Jd 9). Ao que parece, ele ministrava " Tomar para si." Esse é o arrebatamen-
de maneira especial a Israel (Dn 10:21; Ap to do ponto de vista de Cristo, pois ele vol-
12:7). De acordo com Daniel 10:13, há tará para tomar sua noiva para si.
mais de um arcanjo, de modo que não sa- "Levar para outro lugar." Paulo usa essa
bemos ao certo se essa será a voz de Mi- palavra ao descrever sua visita ao céu (2 Co
guel. De qualquer modo, as hostes angelicais 12:1-4). Jesus Cristo foi preparar um lar para
1 T E S S A L O N I C E N S E S 4:1 3-1 8 235

nós (Jo 14:1-6), e quando ele vier, nos levará permitir que tenhamos um relacionam ento
para esse lugar glorioso. Somos peregrinos com Cristo.
e estrangeiros no mundo. Nossa verdadeira Nosso encontro com o Senhor também
cidadania está no céu (Fp 3 :2 0 , 21). será uma ocasião de prestação de contas.
*‫׳‬
Livrar d o p e rig o .* Ver Atos 2 3 :1 0 . Tra­ Esse é o "tribunal de Deus" ou "tribunal de
ta-se de uma indicação de que a Igreja será Cristo" (Rm 14:10; 2 C o 5 :1 0). O termo gre­
levada para seu lar antes da Tribulação que go bem a, traduzido por "tribunal", refere-se
Deus enviará ao mundo. 1 Tessalonicenses ao local onde os ju ize s das co m p etiçõ es
1:10 e 5 :9 parecem afirmar isso claram ente. olím picas entregavam as co ro as aos ven­
O mundo incrédulo terá consciência des­ cedores. Nossas obras serão julgadas e as re­
se acontecim ento? O uvirão o brado, a trom- compensas serão distribuídas (1 C o 3:8-15).
beta e a voz? O texto de 1 Coríntios 15:52 N ão devem os confundir o tribunal de
dá a entender que isso ocorrerá de modo Cristo com o "grande trono branco" de jul­
extrem am ente rápido, num piscar de olhos. gamento descrito em Apocalipse 20:11-15.
U m a vez que o brado, a voz e a trombeta É possível contrastar esses dois acontecim en­
se referem ao povo de Deus, não há motivo tos importantes da seguinte maneira:
para crer que a multidão incrédula ouvirá
tais sons. Se isso ocorrer, ouvirão sons sem O tribunal de Cristo O trono branco de
sentido (ver Jo 12:27-30). Milhões de pessoas julgamento
desaparecerão instantaneamente e, sem dú­ Somente para cristãos Somente para não
vida, haverá grande confusão e preocupa­ salvos
ção. Com exceção dos que conhecerem os Logo depois do Depois do reino
ensinamentos bíblicos, o mundo não enten­ arrebatamento milenar
derá o que aconteceu. Define as Define a medida de
recompensas julgamento
5 . E n c o n t r o : o s c r is t ã o s e s t a r ã o pelos serviços
PARA SEMPRE C O M O S E N H O R
(1 Ts 4:17, 18) No arrebatamento, não apenas nos encon­
Q uando o Senhor vier buscar os cristãos, nos trarem os com nosso Senho r je su s Cristo
encontrarem os com ele pessoalm ente nos com o também seremos reunidos com nos­
ares. O termo grego traduzido por "encontro" sos amigos e entes queridos cristãos que
tem o sentido de "encontrar-se com alguém faleceram . "Juntam ente com eles" é um a
da realeza ou com alguma pessoa importan­ importante declaração de encorajam ento. A
te". Cam inhamos com Cristo pela fé aqui na morte é a grande separadora, mas Jesus Cris­
Terra, mas nos ares, "haverem os de vê-lo to é o grande Reconciliador. A Bíblia não
como ele é" e nos tornaremos semelhantes a revela todos os detalhes desse en co n tro .
ele (1 Jo 3:1, 2). Um encontro e tanto! Q uando Jesus ressuscitou o filho da viúva,
Será g lo rio so, pois terem os um corpo ele "o restituiu a sua m ãe" (Lc 7:15) com
glorificado. Q u an d o estava aqui na Terra, todo carinho. Isso indica que Cristo terá o
Jesus orou para que, um dia, víssem os e m inistério abençoado de reunir fam ílias e
com partilhássem os sua glória (J017:22-24). amigos separados pela morte.
O so frim ento que suportam os hoje será No monte de Transfiguração, os três dis­
transform ado em glória quando Cristo vol­ cípulos reconheceram M oisés e Elias (M t
tar (Rm 8:1 7-19; 2 Co 4:1 7, 18). 17:1-5). Sem dúvida, reconhecerem os uns
Será eterno, pois "estaremos para sempre aos outros na glória, inclusive cristãos com
com o Senhor". Eis o que ele prometeu: "vol­ os quais nunca nos encontram os. "Porque,
tarei e vos receberei para mim mesmo, para agora, vem os com o em espelho, obscura­
que, onde eu estou, estejais vós tam bém " mente; então, verem os face a face. Agora,
(Jo 14:3). O objetivo da redenção não é ape­ conheço em parte; então, conhecerei com o
nas nos salvar do julgamento, mas também também sou conhecido" (1 C o 13:12).
236 1 T E S S A L O N I C E N S E S 4:1 3-1 8

No capítulo seguinte, veremos de que Jesus Cristo voltar. A morte não é um aci-
maneira Paulo relaciona essa doutrina da dente, mas sim um encontro marcado. "E,
volta de Cristo aos incrédulos. Mas convém assim como aos homens está ordenado
fazer uma pausa para examinar nosso cora- morrerem uma só vez, vindo, depois disto,
ção e averiguar se estamos preparados para o juízo" (Hb 9:27). Se você morrer hoje, para
nos encontrar com o Senhor. Uma das carac- onde irá sua alma?
terísticas do verdadeiro cristão é sua grande Certa vez, vi uma inscrição peculiar em
expectativa quanto à vinda de Jesus Cristo uma lápide num antigo cemitério inglês, pró-
(1 Ts 1:10). Ao crescer no Senhor, não ape- ximo ao castelo de Windsor. Ela dizia:
nas aguardaremos sua volta, mas também
amaremos sua volta (2 Tm 4:8). Tendo em Pára e pensa, amigo, quando aqui pas-
vista a esperança que possuímos nele, man- sares:
teremos nossa vida pura, a fim de não nos Como estás hoje, estive eu outrora,
envergonharmos em sua voíta (1 Jo 2:28 - E estarás um dia como estou agora.
3:3). Prepara-te, pois, para o mesmo cami-
Robert Murray McCheyne, pastor pres- nho trilhares!
biteriano e servo temente a Deus, costuma-
va perguntar às pessoas: Ouvi falar de um visitante que leu essa ins-
crição e acrescentou o seguinte:
- Você acha que Jesus vai voltar hoje?
- Acho que não - a maioria respondia. Intenção não tenho de te seguir,
Em seguida, McCheyne dizia: - Então, Enquanto para onde foste não descobrir!
meu amigo, é melhor você estar prepara-
do, "porque, à hora em que não cuidais, Como cristãos, temos certeza e esperança
o Filho do Homem virá" (Lc 12:40). maravilhosas, graças à ressurreição de Je-
sus Cristo e a sua volta prometida. Você
A morte é um fato da vida. Só escaparemos tem essa esperança hoje? Para onde você
dela se estivermos vivos quando o Senhor está indo?
D e u s tem um plano d efinido para as
8 nações do m undo (At 1 7 :2 6 ), e Israel é a
nação-chave. A . T. Pierson costumava dizer:
‫ ״‬N ossa história é a história de D eus" (um
N ã o S ejam contraste gritante com a definição de Napo-
leão: "A história é um conjunto de mentiras
S o n â m bu lo s! sobre as quais se chegou a um consenso").
D eus determ inou os tem pos e as épocas
1 T e s s a l o n íc e n s e s 5 :1 - 1 1
para as nações da Terra, especialm ente para
Israel; e tudo isso culm inará em um período
terrível conhecido com o "o D ia do Senhor".
‫׳‬Ό D ia d o S e n h o r." Na Bíblia, a palavra
esus Cristo une e também divide. O s que dia pode se referir a um período de 24 ho­
J o aceitaram com o Salvador são unidos
em Cristo com o filhos de Deus. Somos mem­
ras ou a um período mais extenso, no qual
Deus cum pre algum propósito especial. Em
bros do corpo e "um em Cristo Jesus" (G l G ê n e sis 2:3, o term o refere-se às vinte e
3 :2 8 ). Q uando Jesus Cristo voltar nos ares, quatro horas, mas em G ênesis 2 :4 descreve
"serem os arrebatados juntam ente com eles a sem ana toda da criação.
[os mortos em Cristo que ressuscitarão pri­ O Dia do Senhor é o período em que
m eiro]" (1 Ts 4:17) e nunca mais ficarem os Deus julgará o mundo e castigará as nações.
separados. Ao mesmo tempo, Deus preparará Israel pa­
M as Cristo tam bém divide: "Assim, hou­ ra a volta de Jesus Cristo à Terra, a fim de
ve uma dissensão entre o povo por causa estabelecer seu reino. Em Am ós 5 :1 8ss, Joel
dele" (Jo 7:43; 9 :1 6 ; 10:19). A fé em Jesus 2:1 ss, Sofonias 1:14-18 e Isaías 2:12-21, en­
Cristo não apenas promove nossa união com co ntram o s um a d e scriçã o desse período
outros cristãos, mas também nos separa es­ im portante.
piritualmente do resto do mundo. Jesus dis­ O u tra exp ressão usada para d esignar
se: "Eles não são do mundo, com o também esse período é "tem p o de angústia para
eu não sou" (Jo 17:16). Há uma diferença Jacó" (Jr 3 0:7). Muitos estudiosos das profe­
entre o cristão que aguarda a volta de Cris­ cias também o cham am de Tribulação e in­
to e as pessoas do mundo; esse é o tema dicam Apocalipse 6 a 19 com o a passagem
que Paulo desenvolve nesta seção. das Escrituras que descreve mais claram en­
Seu propósito é encorajar os cristãos a te esse acontecim ento.
viverem em santidade em meio ao paganis­ * C o m o la d rã o d e n o ite ." Jesus em pre­
mo. Ele o faz destacando o contraste entre gou essa imagem em seus ensinamentos (M t
os cristãos e os não salvos. 24:42-43; Lc 12:35-40). Ela descreve o cará­
ter repentino e surpreendente da vinda do
1. C o n h e c im e n t o e ig n o r â n c ia D ia do Senhor. Em Apocalipse 3 :3 ; 16:15,
(1 Ts 5:1, 2) Jesus usa essa imagem para advertir os cris­
D evem os considerar com atenção três ex­ tãos a não serem pegos cochilando. Um a
pressões destes versículos. ve z que não sabem os quando o Senhor vol­
* O s tem p o s e as é p o c a s ." Trata-se de tará para buscar seu povo, devem os viver
uma oração encontrada em três ocasiões na sem pre em atitude de vig ilância e de ex­
Bíblia e se refere, principalm ente, ao plano pectativa, ao mesmo tempo que trabalhamos
de Deus para Israel. É assim que Daniel se e testemunhamos.
expressa quando D eus lhe revela o sonho Agora, ju n tan d o esses três co n ce ito s,
do rei ("o tempo e as estações"; Dn 2:21). descobre-se o que Paulo desejava ensinar a
Jesus em prega essas palavras em Atos 1:7, seus amigos aflitos em Tessalônica. Já lhes
indicando que os tempos e as épocas refe­ falara que Cristo viria buscar a Igreja, acon­
rem-se principalm ente a Israel. tecim ento descrito em 1 Tessalo n icen ses
238 1 T E S S A L O N I C E N S E S 5:1-11

4:13-18. Dissera a eles que haveria um perío- acabaram envergonhadas por seu fracasso.
do de grande sofrimento e tribulação na Ter- No entanto, é possível aguardar sua vinda
ra depois do arrebatamento da Igreja. Esses sem determinar uma data específica. Não
"tempos e épocas" relacionados a Israel não será preciso haver "sinais" antes de Jesus
se aplicam à Igreja nem afetam a doutrina voltar para buscar sua Igreja.
da volta do Senhor para buscar sua Igreja. Os cristãos são "filhos da iuz", portanto
Jesus pode vir a qualquer momento e, des- não estão no escuro no que se refere aos
se modo, iniciar o Dia do Senhor. acontecimentos futuros. Os incrédulos ridi-
Paulo explica melhor o Dia do Senhor cularizam a idéia da volta de Cristo. "Tendo
na Segunda Epístola aos Tessalonicenses, de em conta, antes de tudo, que, nos últimos
modo que deixaremos os detalhes para um dias, virão escarnecedores com os seus es-
capítulo posterior. Aqui, sua ênfase é sim- cárnios, andando segundo as próprias pai-
plesmente sobre o fato de que os cristãos xões e dizendo: Onde está a promessa da
estavam a par do que sucederia, enquanto sua vinda?" (2 Pe 3:3, 4).
os incrédulos não tinham conhecimento do Quase vinte séculos se passaram desde
plano de Deus. O caráter repentino desses que Jesus prometeu que voltaria, e contl·
acontecimentos revelará ao mundo sua ig- nuamos esperando. Isso não significa que
norância da verdade divina. Deus não cumpre suas promessas. Signi-
fica, apenas, que Deus não segue nosso
2 . E xpectativa e su r p r esa (1 Ts 5 :3 - 5 ) calendário. "Para o Senhor, um dia é como
O mundo incrédulo desfrutará um tempo de mil anos, e mil anos, como um dia" (2 Pe
falsa paz e segurança pouco antes desses 3:8).
acontecimentos cataclísmicos. Devemos Paulo compara o julgamento vindouro
observar com atenção o contraste entre "eles" às "dores de parto [daquela] que está para
(os incrédulos) e "vós" (ou "nós") ao longo dar à luz" (1 Ts 5:3). Mesmo com todo o
de toda essa seção. Eles dirão: "Paz e segu- conhecimento médico moderno, as dores
rança!", mas nós diremos: "Jesus está vol- de parto continuam sendo reais e intensas.
tando e o julgamento está a caminho!" São acompanhadas de contrações muscula-
O mundo será pego de surpresa, por- res que permitem à mãe dar à tuz o bebê. O
que se recusa a ouvir a Palavra de Deus e a profeta Isaías usa a mesma imagem ao des-
atentar para a advertência de Deus. Deus crever a vinda do "Dia do Senhor" (Is 13:6-
avisou que o dilúvio estava a caminho e, no 13). Jesus chama o início do Dia do Senhor
entanto, somente oito pessoas creram e fo- de "princípio das dores" (Mt 24:8); o termo
ram salvas (1 Pe 3:20). Ló avisou sua família grego traduzido por "dores" refere-se, espe-
de que a cidade seria destruída, mas nin- cificamente, a dores de parto.
guém lhe deu ouvidos (Gn 19:12-14). Jesus Isaías, Jesus e Paulo nos ensinam que
avisou sua geração de que Jerusalém seria o reino nascerá do Dia do Senhor. Quando
destruída (Lc 21:19ss), e, graças a sua ad- os julgamentos de Deus tiverem chegado
vertência, houve cristãos que conseguiram ao fim, o Fiiho de Deus voltará "com poder
escapar, mas muitos outros pereceram du- e muita glória" (Mt 24:30). Paulo descreve
rante o cerco. esse acontecimento em sua segunda epís-
Aliás, Jesus apresentou o dilúvio e a des- tola aos cristãos tessalonicenses.
truição de Sodoma e Gomorra como exem- Viver na expectativa não é vestir um len-
pios (Mt 24:37-39; Lc 17:26-30). Naquele çol branco e assentar-se no alto de um mon-
tempo, as pessoas realizavam suas atividades te. É justamente esse tipo de atitude que
diárias normalmente - comendo, bebendo, Deus condena (At 1:10, 11). Antes, é viver à
se casando - sem considerar, em momento luz de sua volta, conscientes de que nossas
algum, que o julgamento estava próximo. obras serão julgadas e de que não teremos
Pessoas bem-intencionadas já tenta- novas oportunidades de servir. É viver de
ram estipular datas para a volta de Cristo e acordo com os valores da eternidade.
1 T E S S A L O N I C E N S E S 5:1-11 239

H á uma diferença entre estar preparado trevas. "Vai alta a noite, e vem chegando o
para ir para o céu e estar preparado para se dia. Deixem os, pois, as obras das trevas e
encontrar com o Senhor. Q ualquer um que revistamo-nos das arm as da luz. Andem os
tenha, sinceram ente, aceitado a Cristo com o dignam ente, com o em pleno dia, não em
seu Salvador está preparado para ir para o orgias e b eb ed ices, não em im p u d icícias
céu. O sacrifício de Cristo na cru z tornou [imoralidade] e dissoluções [indecência], não
isso p o ssív e l. M as estar p rep arad o para em contendas e ciúm es" (Rm 13:12, 13).
encontrar-se com o Senhor no tribunal de Em outras palavras, uma vez que "o dia"
Cristo é outra história. A s Escrituras dão a se aproxima, é hora de despertar, de lavar-
entender que alguns cristãos não se alegra­ se e de vestir-se. A o fazê-lo, devem os nos
rão em ver Jesus Cristo! "Filhinhos, agora, revestir "da couraça da fé e do am or e [to­
pois, perm anecei nele, para que, quando ele mar] com o capacete a esperança da salva­
se m anifestar, tenham os co nfian ça e dele ção" (1 Ts 5:8). Somente as "armas da luz"
não nos afastem os envergonhados na sua (Rm 13:12) poderão nos proteger devida­
vinda" (1 Jo 2:28). m ente nos últimos dias antes da volta de
Ao longo de muitos anos de ministério, nosso Senhor.
tenho visto com tristeza cristãos que de­ O cristão sóbrio tem uma visão de mun­
sobedeceram à Palavra de Deus delibera­ do tranqüila e sensata. Não é com placente,
dam ente. Lembro-me de uma jovem que mas também não é frustrado nem temero­
tomou a decisão irredutível de se casar com so. O uve as notícias trágicas da atualidade
um rapaz incrédulo. Q uan d o tentei ajudá- sem perder o ânimo. Passa pelas dificulda­
Ia, tomando por base os preceitos bíblicos, des da vida, mas não desiste. Sabe que seu
ela me respondeu: futuro está seguro nas mãos de Deus e, por­
- Não me importo com o que você diz tanto, vive cada dia com criatividade, tran­
e nem com o que a Bíblia diz, Eu vou me qüilidade e obediência. A visão determina o
casar! resultado, e, quando nossos olhos estão vol­
C o nsid erando as palavras de H ebreus tados para o alto, o resultado é seguro.
1 3:17, será que ela estará feliz no tribunal O s incrédulos do m undo, porém , não
de Cristo? estão alertas. São com o bêbados vivendo
O s cristãos que vivem na expectativa da em um paraíso falso e desfrutando uma se­
volta de Cristo certam ente desfrutam uma gurança falsa. Q uando o Espírito Santo en­
vida melhor do que os que fazem conces­ cheu os primeiros cristãos em Pentecostes,
sões indevidas com respeito às coisas do os incrédulos os acusaram de estar em bria­
mundo. No final de cada capítulo desta car­ gados (At 2 :1 3 ). Na verdade, os que não têm
ta, Paulo destaca os resultados práticos de Cristo vivem com o bêbados. A espada da
viver nessa expectativa. Convém recapitular ira de Deus está sobre o mundo, no entan­
esses versículos e exam inar nosso coração. to, as pessoas levam uma vida ím pia e vazia
e raramente pensam nas coisas eternas.
3 . S o b r ie d a d e e e m b r ia g u e z Vim os a fé, a esperança e o amor ante­
(1 Ts 5:6-8) riormente (1 Ts 1:3). Aqui, esses elementos
Ser sóbrio significa estar alerta, viver com os são descritos com o uma armadura que nos
olhos abertos, ser sensato e constante. Para protege neste mundo mau. A fé e o am or
tornar o contraste mais vivido, Paulo retrata são com o uma couraça que cobre o cora­
dois grupos de pessoas: um embriagado e ção: a fé em Deus e o am or pelo povo de
adorm ecido e outro desperto e alerta. O pe­ Deus. A esperança é um capacete resisten­
rigo aproxima-se, mas os bêbados sonolen­ te que protege os pensam entos. O s incré­
tos não têm consciência do que se passa. O dulos enchem sua mente das coisas deste
grupo alerta mostra-se pronto e destemido. mundo, enquanto os cristãos consagrados
Um a vez que somos "filhos do dia", não voltam sua atenção para as coisas do alto
devem os viver com o se pertencêssem os às (Cl 3:1-3).
240 1 T E S S A L O N I C E N S E S 5:1-11

A expressão esperança da salvação não Mas para os não salvos que se refeste-
se refere a uma esperança de que seremos lam em sua embriaguez, a vinda de Jesus
salvos. Uma pessoa pode ter certeza hoje Cristo será o fim da luz e o começo da es-
de que é salva e irá para céu. Paulo sabia curidão eterna.
que os cristãos tessalonicenses eram salvos
(1 Ts 1:4) e estava certo de que se encontra- 4. S a lv a ç ã o e ju l g a m e n t o (1 Ts 5:9*11)
riam com Cristo nos ares (1 Ts 4:17). Quem Os cristãos não precisam temer o julgamen-
diz com toda convicção: "sei que sou sal- to futuro, pois ele não faz parte do plano
vo!" não está exibindo orgulho; antes, que Deus traçou para nós. Os que aceitam
demonstra fé na Palavra de Deus. O livro de a Cristo terão de passar pelo Dia do Se-
1 João foi escrito para nos ajudar a ter certe- nhor, o período terrível de julgamento que
za da salvação (1 Jo 5:9-13). Deus enviará sobre a Terra? Creio que não,
Ter esperança da salvação significa ter "a e versículos como 1 Tessalonicenses 1:10;
esperança que a salvação nos dá". Na verda- 5:9 parecem confirmar essa convicção. Os
de, a salvação se dá em três tempos: (1) pas- cristãos sempre passaram por tribulações,
sado - fomos salvos da culpa e do castigo algo que, aliás, faz parte da vida cristã con-
do pecado; (2) presente - estamos sendo sagrada (Jo 15:18-27; 16:33). Mas não
salvos do poder e da contaminação do pe- passarão pela Tribulação preparada para o
cado; (3) futuro - seremos salvos da própria mundo ímpio.
presença do pecado quando Cristo voltar. A Sei que estudiosos sérios e conceitua-
bendita esperança da volta de Cristo é a ‫״‬es- dos da Bíblia não apresentam um consenso
perança da salvação". Os incrédulos não têm quanto a essa questão, e não pretendo fa-
esperança alguma (Ef 2:12). Isso explica, em zer disso uma prova de comunhão nem
parte, por que vivem assim: "comamos e be- espiritualidade. Mas creio que a Igreja será
bamos, que amanhã morreremos!" arrebatada ao céu antes do tempo da Tribu-
Paulo usa o termo "dormir" repetidamen- lação. Eis os motivos para tal convicção.
te nestes versículos para descrever a atitude O caráter da Igreja. A Igreja é o corpo
do mundo perdido. No parágrafo anterior de Cristo, e ele é o cabeça (Cl 2:17-19).
(1 Ts 4:13-18), o apóstolo usou essa mesma Quando morreu por nós na cruz, Cristo
palavra para descrever a morte do cristão. levou sobre si todo o julgamento divino ne-
O corpo adormece, e o espírito vai para junto cessário para que fôssemos salvos. Ele pro-
do Senhor. Mas nesta seção, o sono não se meteu que jamais teríamos de experimentar
refere à morte. Antes, retrata a indiferença a ira de Deus (Jo 5:24). O Dia do Senhor é
moral e o desinteresse pelas coisas espiri- um dia da ira de Deus, e parece desneces-
tuais. Jesus emprega a palavra "dormir" com sário e contrário à justiça de Deus a Igreja
esse sentido em Marcos 13:32-37. ter de passar por essa experiência.
De acordo com os médicos, algumas O caráter da Tribulação. Trata-se de um
pessoas são mais produtivas pela manhã, tempo em que Deus julgará as nações gen-
enquanto outras ficam mais alertas e dis- tias e purificará Israel, preparando-o para a
postas à noite. Ou seja, há quem esteja to- vinda do seu Messias. Quem provará a ira
talmente acordado antes de o despertador de Deus são "os que habitam sobre a terra"
tocar e que encare o dia com pique total (Ap 3:10), não os cidadãos do céu (Fp 3:20).
sem ter de bocejar nem de jogar água fria Deus julgará os que habitam sobre a Terra
no rosto. Outros (como eu) despertam aos por sua iniqüidade (Is 26:20, 21). Os peca-
poucos - primeiro um olho, depois o outro dos dos cristãos já foram julgados na cruz.
- e vão entrando lentamente no ritmo do A promessa da volta iminente de Cristo.
dia. Tratando-se da volta de Cristo, todos nós "Iminente" significa "preste a acontecer". Não
devemos ser como o primeiro grupo: desper- é preciso ocorrer coisa alguma antes de Cris-
tos, alertas e sóbrios, prontos para a aurora to voltar, a não ser o chamado da última pes-
desse dia maravilhoso. soa que será salva e que completará o corpo
1 T E S S A L O N I C E N S E S 5:1-11 241

de Cristo. Se Cristo só viesse nos buscar no Não se deve jam ais deixar que o estudo
final do período de Tribulação, saberíam os das profecias tome-se um exercício puramen­
quando ele viria, pois a seqüência, os sinais e te acadêm ico ou uma fonte de tensão e de
tempos são descritos em Apocalipse 6 a 19. atrito. Paulo encerra essa seção com a aplica­
Convém observar que entre Apocalipse 4:1 ção prática das Escrituras proféticas: en co ­
e 22:13 o termo igreja não é usado nem uma rajamento e edificação. O fato de que iremos
vez. Também é interessante notar que Paulo nos encontrar novam ente com nossos en­
vivia na expectativa de ver Cristo, pois, ao tes queridos e de que viverem os com o Se­
tratar dessa doutrina, conjuga os verbos na nhor para sempre deve ser motivo de ânimo
primeira pessoa do plural (1 Ts 4:13 - 5:11). (1 Ts 4 :1 8 ); e o fato de que não terem os de
O apóstolo João tinha essa mesma visão e sofrer a ira de Deus no Dia do Senhor é outra
encerra seu livro com a oração: "Amém! Vem, fonte de encorajam ento (1 Ts 5 :1 1). O pri­
Senhor Jesus!" (Ap 22:20). meiro fato é afirmativo, o segundo é negati­
A trajetória das sete igrejas em Apocalipse vo, mas ambos são consoladores.
2 e 3. Vários estudiosos da Bíblia acreditam A realidade da volta iminente de Cristo
que o Senhor escolheu essas sete congre­ é um estímulo à pureza (1 Jo 3:1-3) e à fide­
gações para ilustrar a trajetória espiritual da lidad e na obra que nos foi co n fia d a (Lc
história da Igreja. Éfeso seria a Igreja dos 12:41-48). Também é um estímulo à partici­
apóstolos; Esmirna, a Igreja perseguida dos pri­ pação na igreja e ao amor pelos irmãos (Hb
m eiros séculos. Lao d icéia, a últim a igreja, 10:25). A convicção de que estarem os com
representa a Igreja apóstata dos últimos dias. o Senhor nos fortalece em meio às dificulda­
Isso indica que a congregação de Filadél­ des da vida (2 C o 5:1-8) e nos motiva a ga­
fia (Ap 3:7-13) retrata a Igreja frágil, porém nhar os perdidos para Cristo (2 C o 5:9-21).
fiel, no período im ediatam ente anterior à M uitos cristãos encontram-se em um a si­
vinda de Cristo. É uma Igreja voltada para o tuação tão confortável aqui na Terra que ra­
evangelismo, com grandes oportunidades e ramente pensam sobre ir para o céu e se
portas abertas. É a Igreja que proclama a vol­ encontrar com o Senhor. Não se lembram
ta iminente de Cristo ("Porque guardaste a de que, um dia, deverão apresentar-se no
palavra da minha perseverança" Ap 3:10) e, tribunal de Cristo. Lembrar que Cristo está
para ela, é prometido o livramento do dia de voltando contribui para nosso ânimo e para
julgamento: "Também eu te guardarei da hora nossa edificação.
da provação que há de vir sobre o mundo Para quem ainda não aceitou a Cristo, o
inteiro, para experim entar os que habitam futuro reserva julgamento. Não é preciso con­
sobre a terra" (Ap 3:10). Essa promessa é pa­ tinuar na ignorância, pois a Palavra de Deus
ralela àquela em 1 Tessalonicenses 5:9. oferece a verdade. Não é preciso continuar
A seq ü ên cia de a co n tecim en to s em despreparado, pois é possível crer agora mes­
2 Tessalonicenses 2. Podemos observar que mo em Jesus Cristo e nascer de novo. Por que
a seqüência de Paulo concorda com a or­ viver em função das experiências desprezí­
dem indicada em outras Escrituras proféticas. veis e pecaminosas do mundo, quando estão
Paulo relaciona a volta de Cristo à re­ disponíveis as riquezas da salvação em Cristo?
denção que ele obteve para nós na cru z. Q uem ainda não é salvo tem um encon­
Fomos "com prados por um preço". Somos tro marcado com o julgamento. E ele pode
sua noiva, e ele virá nos tom ar para si antes ocorrer muito antes do que se espera, pois
de enviar o julgam ento sobre a Terra. C o n­ "aos homens está ordenado morrerem uma
vém lembrar que Cristo morreu por nós para só vez, vindo, depois disto, o ju ízo " (Hb 9 :27).
que pudéssem os viver p o r m eio dele (1 Jo Por que não m arcar um compromisso com
4 :9 ), para ele (2 C o 5:15) e com ele (1 Ts Cristo, encontrar-se com ele pessoalmente e
5 :1 0). Q u e r vivam os ou morramos ("quer vi­ crer nele para sua salvação? "Porque: Todo
giemos, quer durm am os"), somos do Senhor aquele que invocar o nome do Senhor será
e viverem os com ele. salvo" (Rm 10:13).
vezes dos pais. Muitos alunos precisam de
9 aconselhamento, mas nenhum orientador
profissional pode tomar o lugar de pais cari-
nhosos e dedicados.
T udo em F am ília Quando nosso filho mais velho passou
para o ensino médio, encontrou-se com o
1 T e s s a l o n ic e n s e s 5 : 12-28 orientador que a escola havia designado
para ele.
- Se você tiver algum problema, sinta-se
à vontade para me procurar - disse o
orientador.
- Se eu tiver algum problema, eu con-
aulo gosta de se dirigir aos cristãos como verso com meu pai! - nosso filho respon-
P irmãos. Emprega essa forma de tratamen-
to pelo menos 60 vezes nesta carta e se re-
deu. Ele não estava sendo desrespeitoso nem
desmerecendo o trabalho do orientador, mas
fere a seus leitores desse modo 72 vezes sim expressando um princípio fundamental:
nas duas epístolas aos tessalonicenses. Paulo os filhos precisam da liderança e da orienta-
considera a congregação local uma família. ção que só os pais podem dar.
Cada membro nasceu de novo pelo Espírito Deus instituiu a liderança para a igreja
de Deus e possui a natureza de Deus (1 Pe local. É verdade que "[somos] um em Cristo
1:22-25; 2 Pe 1:3, 4). Todos fazem parte da jesus" (Gl 3:28); mas também é verdade que
família de Deus. o cabeça da Igreja concedeu dons às pes-
É triste quando os cristãos negligenciam soas e as colocou na Igreja para fazer sua
ou ignoram a igreja local. Nenhuma família vontade (Ef 4:7-16). Assim como o rebanho
é perfeita e nenhuma igreja é perfeita, mas precisa de um pastor (1 Pe 5:1-5), também a
sem uma família para protegê-los e suprir suas família precisa de um líder.
necessidades, os filhos sofrem e perecem. Quais são as responsabilidades dos ir-
O filho de Deus precisa da família da igreja mãos para com seus líderes espirituais?
a fim de crescer, desenvolver seus dons e Aceitá-los. Os líderes são dádivas de
servir a Deus. Deus para a igreja. Têm a autoridade espiri-
Quais são os elementos essenciais para tual do Senhor e devem ser aceitos no Se-
a família da igreja prosperar e ser feliz? Como nhor. Não são ditadores, mas sim guias e
tornar uma congregação mais espiritual para exemplos. Devem ser seguidos como se-
a glória de Deus? Nesta seção de encerra- guem ao Senhor.
mento, Paulo discute essas questões. Valorizá-los. Esse é o significado da exor-
tação: "Que acateis com apreço os que tra-
1. A LIDERANÇA FAMILIAR balham entre vós" (1 Ts 5:12). Não há nada
(1 Ts 5:12, 13) de errado em honrar servos fiéis do Senhor,
Se não houver liderança, a família se desin- desde que Deus receba a glória. A lideran-
tegra. O pai é o cabeça do lar; a mãe o apóia ça espiritual é uma grande responsabilidade
em amor e cooperação. Os filhos devem e uma tarefa difícil. Não é fácil servir como
obedecer aos pais. Essa é a ordem estabele- pastor, presbítero, diácono ou em qualquer
cida por Deus, e a alteração dessa ordem outro cargo de liderança espiritual. As bata-
acarreta problemas sérios. lhas e fardos são muitos e, por vezes, os in-
De acordo com Martin L. Gross em seu centivos são poucos. É perigoso quando a
livro The Psychological Society [A Sociedade igreja não dá o devido valor aos seus líderes
Psicológica], existem mais de 60 mil orien- e se esquece de elogiá-los, de trabalhar com
tadores pedagógicos e 7 mil psicólogos no eles e de encorajá-los.
sistema de ensino público dos Estados Uni- Amá-los. Como irmãos, os líderes estão
dos, e vários desses profissionais fazem as "entre nós"; como líderes, estão "sobre nós,
1 T E S S A L O N I C E N S E S 5:1 2-2 8 243

no Senhor". Sem o am or cristão, esse rela­ M as os líderes não são capazes de reali­
cio nam ento pode gerar grande tensão. A zar todo o trabalho ministerial sozinhos, de
fim de estar, ao m esm o tem po, "en tre‫ ״‬e m odo que Paulo acrescenta um segundo
"sobre" os irm ãos da congregação, o pas­ elem ento essencial.
tor precisa da graça e do poder do Espírito
Santo. Se p erd er esse eq u ilíb rio , seu mi­ 2. A C O O P E R A Ç Ã O FAM ILIAR
nistério pode ser abalado e até destruído. (1 Ts 5:14-16)
Alguns m em bros da igreja querem que o Nos últimos anos, as igrejas estão redesco-
pastor seja seu "coleg a‫״‬, mas isso enfraque­ brindo sua identidade com o "corpo". Trata-
ce sua autoridade. Se, no entanto, ele enfa­ se de um conceito bíblico, apesar de não
tizar apenas a autoridade, tornar-se-á um definir todos os aspectos que fazem parte
ditador egoísta. do ministério da congregação local, uma vez
O b e d e ce r-lh e s. "O b e d e ce i aos vossos que a igreja também é retratada de outras
guias e sede submissos para com eles" (Hb maneiras. A vida dentro do corpo refere-se
13:17). Q u an d o servos de D eus, guiados ao ministério de cada cristão aos outros, da
pelo Espírito de Deus, nos cham am a obe­ mesma forma que as diversas partes do cor­
d ecer à Palavra de Deus, devemos atender po hum ano trabalham em co njunto para
a seu cham ado. Isso não significa que to­ manter a saúde e a vida.
do líder espiritual sem pre está certo quanto O s membros da família devem aprender
a todas as coisas. Abraão, M oisés, Davi e a ministrar uns aos outros. O s membros mais
até m esmo Pedro erraram em suas palavras velhos devem ensinar os mais jovens (ver Tt
e atos. O pastor sábio tem consciência de 2:3-5) e encorajá-los quando estiverem pas­
que é feito de barro e reconhece quando sando por dificuldades. Enquanto estávamos
está errado ou quando precisa do conselho ministrando em um congresso bíblico, mi­
de alguém com mais experiência. Em meu nha esposa e eu conhecem os um casal cris­
próprio ministério, tenho sido extrem am en­ tão adorável que tinha nove filhos. Era lindo
te beneficiado pelos leigos experientes, cujo ver com o os filhos mais velhos ajudavam os
co nh ecim en to em diversas áreas é muito mais novos, de modo que os pais não preci­
maior do que o meu. savam se preocupar com pequenas tarefas
M as, apesar de suas lim itações, os lide­ e podiam desfrutar seu tempo de lazer.
res espirituais designados por Deus devem De acordo com Efésios 4 :1 2 , os líderes
ser respeitados e obedecidos, a menos que espirituais da igreja devem preparar os mem­
estejam claram ente fora da vontade de Deus. bros para realizar o trabalho ministerial. Na
Q uan d o os líderes espirituais da igreja se maioria das igrejas, os membros pagam para
reúnem, planejam, oram, buscam a vontade os líderes fazerem tudo. Conseqüentem en­
de Deus e a seguem, podemos estar certos te, a obra com eça a enfraquecer e a morrer,
de que Deus governará e predom inará em e todos jogam a culpa no pastor.
suas decisões. Paulo cita alguns membros especiais da
Q uando a fam ília da igreja segue seus família que precisam de ajuda pessoal.
líderes espirituais, o resultado é paz e har­ O s in su b m isso s (v. 14a). O term o signi­
monia na congregação: "Vivei em paz uns fica "descuidados, rebeldes‫ ״‬. Era usado para
com os outros" (1 Ts 5:13). Q uando encon­ se referir aos soldados que não se m anti­
tramos divisão e dissensão em uma igreja nham na devida formação e que insistiam em
local, norm alm ente isso se deve ao egoís­ marchar a seu modo. O am biente carinho­
mo e ao pecado da parte dos líderes, ou so da fam ília incentiva o desenvolvim ento
dos m em bros, ou de am bos. Tiago 4:1-3 individual, mas há certas coisas que deve­
deixa claro que o egoísmo interior gera con­ mos fazer da mesma forma. Se não estabe­
flitos exteriores. Só quando nos sujeitamos lecerm os regras e padrões dentro da família,
uns aos outros no Senhor é que podemos des­ o resultado será o caos. Paulo volta a tratar
frutar sua bênção e paz na família. desse problema em sua Segunda Epístola aos
244 1 T E S S A L O N I C E N S E S 5 :1 2 - 2 8

Tessalonicenses (2 Ts 3:6, 11), de modo que, Em nossas igrejas de hoje, também há


aparentemente, não gravaram sua primeira fortes e fracos, da mesma forma que as famí-
admoestação. lias têm alguns filhos que amadurecem mais
As regras e as tradições da família jamais rapidamente do que outros. De que maneira
devem receber ênfase exagerada a ponto lidar com eles? Com paciência e amor, de
de reprimir a criatividade. Para os pais, é uma modo a lhes dar segurança. É injusto e insen-
grande alegria ver cada filho desenvolver a sato comparar um filho com outro, pois cada
própria personalidade, talentos e ambições. um amadurece a seu tempo e a seu modo.
Mas é triste ver um filho rebelar-se contra as Devemos "apoiar" esses cristãos fracos, ajudá-
regras, abandonar as tradições e padrões e los a ficar em pé e andar no Senhor.
pensar que esse estilo de vida representa Esse tipo de ministério pessoal não é fá-
liberdade e maturidade. Atitudes como es- cil, de modo que Paulo acrescenta alguns
sas na família da igreja provocam discussões conselhos sábios para nos encorajar.
e divisões. Sejam longânimos (v. 14d). É preciso ter
Os desanimados (v. 14b). A tradução li- paciência para criar uma família. Os mem-
teral do termo grego é "de alma pequena, bros mais fracos e que requerem mais ajuda
tímidos". São os desistentes da família da igre- podem, um dia, se tornar excelentes líderes,
ja. Sempre vêem o lado negativo e, quando de modo que jamais devemos desistir. Con-
as coisas ficam difíceis, jogam tudo para o alto. versava com um pastor amigo meu depois
Nas famílias com três ou mais filhos, nor- do culto na igreja dele, quando um menino
malmente há um com esse tipo de atitude. ruivo de uns dez anos de idade passou cor-
Toda igreja também tem seus desanimados. rendo por nós em direção ao corredor cen-
Essas pessoas precisam ser encorajadas, trai do templo. Meu amigo olhou para o
e é justamente esse o significado do verbo garoto e comentou:
consolar usado neste versículo e que também - Você já notou como os meninos mais
aparece em 1 Tessalonicenses 2:12. O termo travessos da escola dominical normalmen-
grego é constituído de duas palavras: para, te acabam se tornando pastores ou missio-
próximo; e muthos, fala. Em vez de repreen- nários?
der os desanimados de longe, o melhor é Paciência!
aproximar deles e lhes falar com ternura. De- Atentem para sua motivação (v. 15). É
vemos ensinar aos que têm "alma pequena" comum ser rejeitado ao ministrar a outros e
que as provações da vida contribuirão para até mesmo sofrer oposição. Muitas vezes, o
seu crescimento e fortalecimento na fé. ministério não é devidamente valorizado,
Os fracos (v. 14c). A tradução literal é: mas é preciso servir em amor e estar pronto
"segurem os fracos com firmeza e não dei- a perdoar. "Não torneis a ninguém mal por
xem que caiam!" Mas quem são esses cris- mal; esforçai-vos por fazer o bem perante
tãos fracos? Sem dúvida, Paulo não se refere todos os homens; se possível, quanto depen-
àqueles com alguma debilidade física, uma der de vós, tende paz com todos os homens;
vez que trata do ministério espiritual na igre- não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas
ja. Na realidade, está falando dos "fracos na dai lugar à ira [de Deus]; porque está escri-
fé" ainda não fortalecidos no Senhor (Rm to: A mim me pertence a vingança; eu é
14:1 - 15:3). que retribuirei, diz o Senhor. Pelo contrário,
Normalmente, os cristãos fracos têm se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer;
medo de sua liberdade em Cristo. Vivem de se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazen-
acordo com regras e normas. Nas congre- do isto, amontoarás brasas vivas sobre a sua
gações em Roma, os cristãos mais fracos cabeça. Não te deixes vencer do mal, mas
observavam os dias santos judaicos e não vence o mal com o bem" (Rm 12:17-21).
comiam carne. Julgavam com severidade os Se formos motivados pelo desejo de ser
cristãos maduros que desfrutavam todos estimados e elogiados, acabaremos decepcio-
os alimentos e dias. nados. Se nossa motivação for semelhante à
1 T E S S A L O N IC E N S E S 5:1 2-2 8 245

de Paulo: "Porque não nos pregamos a nós alguém "nos dirija em oração" sem sequer
mesmos, mas a Cristo Jesus com o Senhor e fazer idéia se essa pessoa está em com u­
a nós mesmos com o vossos servos, por amor nhão com Deus. Em algumas igrejas, há duas
de Jesus" (2 C o 4 :5 ), jam ais ficarem os desa­ ou três pessoas que m onopolizam as reu­
pontados. niões de oração. Se form os dirigidos pelo
Sejam alegres (v. 16). A alegria alivia o Espírito (Jd 20), faremos nossas orações em
peso do serviço. "Porque a alegria do Senhor união e com liberdade, e Deus responderá.
é a vossa força" (N e 8 :1 0). Deus ama os que "O rai sem cessar" não significa estar sem­
servem e contribuem com alegria. Toda fa­ pre sussurrando o ra çõ e s. O term o tradu­
mília da igreja tem os que sempre duvidam zid o por "sem cessar" não significa fazer
e os que estão sempre carrancudos. Ver e continuamente, mas sim "voltar a fazer cons-
ouvir essas pessoas é com o assistir a uma tantemente‫ ״‬. Devem os manter conexão per­
necrópsia ou mergulhar em um lago gelado m anentem ente ativa com D eus, de modo
em um dia de inverno. Deus deseja que sua que nossa oração faça parte de uma longa
família seja alegre, e isso significa que cada conversa sem interrupções. Deus conhece
m embro deve contribuir para essa alegria. os desejos do coração (SI 37:4) e responde
As quatro características espirituais que mesmo quando estamos em silêncio. Ver os
Paulo m enciona fazem parte do fruto do Salmos 10:17 e 2 1:2.
Espírito m encionado em Gálatas 5 :2 2 : amor O lo u v o r (v. 18). A s ações de graças são
(1 Ts 5 :1 3), alegria (1 T s 5: 16 ), paz (1 T s 5 :1 3 ) uma parte vitaí da adoração. Usam os "sal­
e longanimidade (1 Ts 5:14). Não é possível mos, [...] hinos e cânticos espirituais" (Ef 5:19)
criar essas qualidades espirituais; elas só se para expressar amor e gratidão ao Senhor.
desenvolvem quando nos entregam os ao Ao crescer na aplicação prática da Palavra
Espírito e permitimos que ele nos controle. de Deus, também é preciso crescer nas ex­
A cooperação familiar é essencial à saú­ pressões de adoração, pois as duas coisas
de e ao crescim ento da igreja. V ocê está andam juntas (Cl 3:16). Se a igreja local esti­
levando sua parcela de fardos ou é um es­ ver "crescen d o na graça", seus m em bros
pectador que fica apenas olhando enquan­ terão desejo de aprender hinos novos a fim
to os outros fazem o serviço? de louvar a Deus. Se o coração e a mente
não estiverem sin cro n izad o s, a adoração
3. A A D O R A Ç Ã O FAM ILIAR cristã será imatura ou hipócrita.
(1 Ts 5:17-28) A Palavra d e D e u s ( w . 19-21). Sem a
A adoração é a atividade mais importante Palavra de Deus, não há qualquer revelação
da igreja local. O m inistério deve fluir da inequívoca do Senhor. A adoração que dei­
ad o ração, pois, de outro m odo, se torna xa a Bíblia de fora não é espiritual. Pode haver
apenas uma série de eventos sem poder e muita em oção - e até com oção mas, a
sem sincerid ad e. H á m uitos "resultad o s", menos que haja verdade espiritual, o Espi­
mas esses não glorificam a Deus nem são du­ rito Santo não estará o p erand o . A s três
radouros. Em diversas igrejas, os cultos são adm oestações destes versículos andam jun­
desprovidos de verdadeira adoração e se tas e ajudam a entender de que maneira o
parecem mais com uma forma de entreteni­ Espírito Santo opera no culto cristão.
mento religioso para satisfazer os desejos A Igreja prim itiva não possuía uma Bí­
da congregação. blia com pleta com o a que temos hoje. O
Paulo cita vários elementos que consti­ Espírito Santo concedia o dom da profecia a
tuem o ministério de adoração da igreja. alguns membros da igreja e transmitia a men­
A o ra çã o (v. 17). A oração era uma prá­ sagem por meio deles. Q uando prego em
tica importante na Igreja primitiva (1 Co 11:1­ um culto, transmito a verdade de modo in­
6; At 1:13, 14; 4:23ss). As reuniões de oração direto, por meio da Bíblia. O s profetas da
das cong reg ações eram um a exp eriê n cia Igreja primitiva pregavam a verdade de mo­
sublime e sagrada. Hoje em dia, pede-se que do direto, movidos pelo Espírito Santo. Seu
246 1 T E S S A L O N IC E N S E S 5:12-28

conhecimento espiritual lhes era concedido j encontramos para adorar. É bom "compar-
pelo Espírito, e era comum falarem em lín- tilhar", desde que tenhamos algo relevante
guas. É por isso que os dons da profecia, de a dizer sobre a Palavra. Infelizmente, po-
línguas e do conhecimento são agrupados rém, já participei de algumas reuniões em
em 1 Coríntios 13. que, além de ser desprovido da verdadeira
Sem dúvida, havia certos riscos nesse espiritualidade, esse "compartilhamento"
tipo de ministério, pois Satanás (ou a carne) era contrário a ela. Para ser "aptos para ensi-
poderiam tentar imitar uma mensagem de nar‫ ״‬é preciso ser "aptos para aprender".
Deus e, desse modo, fazer a igreja se des- Devemos ter cuidado com um espírito fal-
viar. Se a igreja refreasse tais pessoas, apaga- so que pode nos conduzir pelo caminho
ria o Espírito. Se cresse em tudo que diziam, errado e fazer a igreja se desviar. Precisa-
talvez acabasse obedecendo a falsos espí- mos seguir a Palavra de Deus e julgar todas
ritos. A resposta era "julgar todas as coisas". as coisas.
É preciso haver discernimento de espíritos A vida piedosa (vv. 22-24). O propósito
(1 Co 12:10; 1 Jo 4:1-4). Paulo apresenta da adoração é nos tornar cada vez mais se-
regras específicas para essa situação em 1 Co- melhantes a Cristo em caráter e em condu-
ríntios 14:29-33. ta. William Temple, falecido arcebispo de
Hoje em dia, temos a revelação comple- Canterbury, deu a melhor definição de ado-
ta na Palavra de Deus e não precisamos mais ração que já ouvi: "Adorar é avivar a cons-
de profetas. Os apóstolo e profetas ajuda- ciência pela santidade de Deus, alimentar a
ram a lançar os fundamentos da Igreja (Ef mente com a verdade de Deus, purificar
2:20) e saíram de cena. O único "ministério a imaginação pela beleza de Deus, abrir o
profético" que temos encontra-se na prega- coração para o amor de Deus e dedicar a
ção e ensino da Palavra de Deus. volição ao propósito de Deus".
Ao usar o termo "apagar", Paulo retrata Paulo enfatiza o equilíbrio na vida cristã
o Espírito como fogo (ver Is 4:4; At 2:3; Ap com seu aspecto negativo: "Abstende-vos de
4:5). O fogo transmite a idéia de pureza, toda forma de mal" (1 Ts 5:22) e com seu
poder, luz, calor e, se necessário, destruição. aspecto positivo: "O mesmo Deus da paz
Quando o Espírito Santo opera em nossa vos santifique em tudo" (1 Ts 5:23). Algu-
vida e em nossa igreja, há o calor do amor mas igrejas pregam apenas o aspecto nega-
no coração, luz para a mente e energia para tivo, o que resulta em vidas e ministérios
a volição. O Espírito nos "funde" para que desequilibrados. Santificar significa "separar
haja harmonia e cooperação e nos purifica para o uso exclusivo de Deus". Existe uma
para que deixemos o pecado. santificação posicionai (Hb 10:10); fomos
Não se pode permitir que o fogo do Es- separados para Deus de uma vez por todas.
pírito se apague no altar de nosso coração; Existe, também, uma santificação prática
deve-se manter a devoção a Cristo, que nos (2 Co 7:1), ao lidarmos diariamente com nos-
motiva e enche-nos a vida de energia. sos pecados e crescermos em santidade.
Paulo pede a Timóteo que "[reavive] o Tudo isso culminará na santificação perfeita
dom de Deus que há em ti" (2 Tm 1:6), sen- (1 Jo 3:2), quando virmos Cristo e nos tor-
do que o verbo "reavivar" refere-se a "atiçar narmos eternamente semelhantes a ele. A
um fogo". Ao que parece, Timóteo havia expectativa de ver Jesus Cristo é a grande
negligenciado esse dom (1 Tm 4:14) e pre- motivação para a vida de santidade.
cisou ser lembrado de reavivá-lo. Tanto o A comunhão cristã (w . 25-28). Depois
cristão quanto a congregação local devem da adoração em conjunto, os santos minis-
evitar extremos: legalistas e formalistas apa- tram uns aos outros. Cumprimentam e pro-
gam o fogo, enquanto fanáticos deixam que curam encorajar uns aos outros. Já estive em
o fogo queime descontroladamente. igrejas onde o povo fugia no final do culto
É importante permitir que o Espírito de feito ratos que abandonam um navio indo a
Deus ensine a Palavra de Deus quando nos pique. A comunhão faz parte da adoração.
1 TESSALONICENSES 5:12-28 w

O "ósculo santo‫ ״‬não tinto Qualquer )aráfrase,),!, PMIips resolve 0 problema


conotacao s tra comum os homens dizendo: "Cumprimentem Iodos os irmãos‫״‬.
!omens com um keijo e 1aulo termina com outra lembrança de
t !res c ra de Deus é 0elemento essen·
tras mulheres dessa forma (ver Rm 16:16; ciai da congregação local Devemos ler a
1 Co 16:20:1 Pe 5:141 Ao ministrar em
campos
I M

see oca
ti É I

e
Quaauerdesc