Você está na página 1de 21

161

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Abell, S.C., Heiberger, A.M. & Johnson, J.E. (1994). Cognitive evaluations of
young adults by means of human figure drawings: an empirical investigation of
two methods. Journal of Clinical Psychology, 50 (6), 900-905.

Abell, S.C., Horkheimer, R. & Nguyen, S.E. (1998). Intellectual Evaluations of


Adolescents via Human Figure Drawings: an empirical comparison of two
methods. Journal of Clinical Psychology, 54 (6), 811-815.

Abell, S.C.; von Briesen, P.D. & Watz, L.S. (1996). Intellectual Evaluations of
Children using Human Figure Drawings: an empirical investigation of two
methods. Journal of Clinical Psychology, 52 ( 1), 67-74.

Aikman, K.G., Belter, R.W. & Finch, A.J. (1992). Human figure drawings: validity
in assessing intellectual level and academic achievement. Journal of Clinical
Psychology, 48 (1), 114-120.

Alves, I.C.B. (1979). O teste Goodenough-Harris em uma população pré-escolar


paulistana. Dissertação de Mestrado. Instituto de Psicologia da Universidade
de São Paulo, São Paulo.

Alves, I.C.B. (1986). O desenho da casa: evolução e possibilidades diagnósticas.


Tese de Doutorado. Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São
Paulo.

Alves, I.C.B. (1998). Variáveis significativas na avaliação da inteligência.


Psicologia Escolar e Educacional. 2 (2), 109-114.

Alves, I.C.B. (2002). R-1: Teste não verbal de inteligência – Manual. São Paulo:
Vetor.
162

Alves, I.C.B.; Colosio, R. & Ruivo, R.J. (1992). O Teste R-1: Um estudo das
variáveis idade, sexo e escolaridade. Anais da 44ª Reunião Anual da
Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, 44, 904.

Alves, I.C.B. & Duarte, J.L.M. (1993). Padronização brasileira da Escala de


Maturidade Mental Colúmbia. In B.B. Burgmeister, L.H. Blum & I. Lorge.
Escala de Maturidade Mental Colúmbia – 3ª edição. Manual para aplicação e
interpretação. (pp. 25 – 35). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Anastasi, A. (1977). Testes psicológicos. São Paulo: EPU.

Anastasi, A. & Urbina, S. (2000). Testagem psicológica. Porto Alegre: Artes


Médicas Sul.

Andrade, M.R.R. (1979). Os Indicadores Maturacionais e Emocionais de Koppitz


para os testes de Bender e do Desenho da Figura Humana de dois níveis
socioeconômicos. Tese de Doutorado. Instituto de Psicologia da Universidade
de São Paulo, São Paulo.

Angelini, A.L.; Alves, I.C.B.; Custódio, E.M.; Duarte, W.F. & Duarte, J.L.M. (1999).
Manual - Matrizes Progressivas Coloridas de Raven: Escala Especial. São
Paulo: CETEPP.

Antipoff, H. (1931). O desenvolvimento mental das crianças de Belo Horizonte,


segundo alguns testes de inteligência geral. Secretaria da Educação e Saúde
Pública, Belo Horizonte, Boletim nº 7.

Azevedo, M.A.S.B. (2003). A criança obesa: um estudo exploratório da


personalidade através do desenho da figura humana e dos Indicadores
Emocionais de Koppitz. Boletim de Psicologia, LIII (118), 49-72.
163

Bandeira, D.R. & Hutz, C.S. (1994). A contribuição dos testes DFH, Bender e
Raven na predição do rendimento escolar na primeira série. Psicologia: Teoria
e Pesquisa, 10 ( 1), 59-72.

Bernstein, J. (1961a). Introdución. El test de Raven. In: J.C. Raven. Test de


Matrices Progressivas. Escala General – Manual. (4ª ed., pp. 13-46). Buenos
Aires: Editorial Paidos.

Bernstein, J. (1961b). La Escala de Goodenough. In: F.L. Goodenough. Test de


inteligencia Infantil por medio del dibujo de la figura humana. (pp. 13-22).
Buenos Aires: Editorial Paidos.

Boccalandro, E.R. (2002). G-38 Teste não verbal de inteligência – Manual. São
Paulo: Vetor.

Boccalandro, E.R. (2002). G-36 Teste não verbal de inteligência – Manual. São
Paulo: Vetor.

Buck, J.N. (1948). The HTP technique: a qualitative and quantitative scoring
manual. Journal of Clinical Psychology, 4, 317-396.

Butcher, H. J. (1972). A inteligência humana. São Paulo: Ed. Perspectiva.

Campagna, V.N. & Faiman, C.J.S. (2002). O desenho da figura humana no início
da adolescência feminina. Boletim de Psicologia, LII ( 116), 87-104.

Cariola, T.C. (1983). Indicadores emocionais no Desenho da Figura Humana e


rendimento escolar. Tese de Doutorado. Instituto de Psicologia da
Universidade de São Paulo, São Paulo.
164

Cariola, T.C. (1985). Indicadores Emocionais no Desenho da Figura Humana


realizados por crianças com fissuras labiopalatais. Tese de Livre Docência.
Departamento de Psicologia do Instituto de Letras, História e Psicologia,
UNESP, Assis.

Cariola, T.C. & Sá, A.E.F. (1985). Avaliação emocional de crianças com fissuras
labiopalatais que apresentaram insuficiente rendimento escolar, através do
Desenho da Figura Humana. Pediatria Moderna, 20 (7), 358-60,363-4.

Cariola, T.C. (1986). Estudo das escalas de Koppitz e de Snyder & Gaston no
Desenho da Figura Humana e do auto-retrato. Pediatria Moderna, 21 (5), 268-
70, 272, 274.

Cariola, T.C. & Sá, A.E.F. (1987). Aspectos comparativos entre crianças normais
e crianças portadoras de fissuras labiopalatais através dos indicadores
emocionais de Koppitz no Desenho da Figura Humana. Pediatria Moderna, 22
(9), 308-10, 321-2.

Cariola, T.C. & Silva, A.S. (1988). Estudo dos indicadores emocionais de Koppitz
no Desenho da Figura Humana, realizado por crianças com problemas
dermatológicos. Pediatria Moderna, 23 (6), 327-8,331-336.

Cariola, T.C. (1988). A análise da escala de Koppitz no Desenho da Figura


Humana de crianças institucionalizadas. Pediatria Moderna, 23 (4), 233-4, 237-
8.

Carneiro, E.G.P. & Ferreira, I.C.N. (1992). Avaliação da inteligência nas


pesquisas brasileiras segundo diferentes modelos: a situação atual. Arquivos
Brasileiros de Psicologia, 49 (44), 3 - 4, 157-194.
165

Carvajal, H.; McVey, S.; Sellers, T.; Weyand, K. & McKnab, P. (1987).
Relationships between scores on the general purpose abbreviated battery of
Stanford-Binet IV, Peabody Picture Vocabulary Test-Revised, Columbia Mental
Maturity Scale and Goodenough-Harris drawing test. The Psychological
Record, 37 (1), 127-130.

Celli, A. (1978). Estudo comparativo dos Indicadores Emocionais de Koppitz em


desenhos da figura humana realizados por escolares atípicos (poliomielíticos,
diabéticos, surdos e cardiopatas). Tese de Doutorado. Instituto de Psicologia
da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Centre de Psychologie Appliquèe. (1996). Teste D.70 – Manual. (2ª ed.) São
Paulo: Casa do Psicólogo.

Conselho Federal de Psicologia. (2003, 24 de março). Define e regulamenta o uso,


a elaboração e a comercialização de testes psicológicos e revoga a Resolução
CFP n° 025/2001. Resolução CFP n. 007/2003. Brasília, D.F.

Costa, F.R.; Oliveira, C.; Santos, F.; Oliveira, M.; Pinto, R.; Jofilsan, T. & Ferrari,
A. (2003) Normatização do teste R-2 para a população infantil em Recife-PE.
III Congresso Norte-Nordeste de Psicologia – Resumos, II, 29. Universidade
Federal da Paraíba, Associação de Pesquisa em Psicologia e Fundação
Espaço Cultural.

Cox, M.C. & Cotgreave, S. (1996). The Human Figure Drawings of Normal
Children and Those with Mild Learning Difficulties. Educational Psychology, 16
(4), 433-437.

Cox, M.V. & Maynard, S. (1998). The Human Figure Drawings of Children with
Down Syndrome. British Journal of Developmental Psychology, 16, 133-137.
166

Donadussi, A.R.; Medina, C.; Lucca, C.; Marin, N.; Da Rosa, R.; Both, T.;
Dalvesco, A.; Tarasconi, C. & Benincá, C. (1999) Desenho da Figura Humana
e rendimento escolar. Resumos do VIII Congresso Nacional de Avaliação
Psicológica: Porto Alegre, 33.

Duarte, W.F. (1986). O uso da escala de Indicadores Emocionais de Koppitz no


prognóstico do desempenho escolar de crianças de 4ª série. Dissertação de
Mestrado. Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Erthal, T.C. (1987). Manual de psicometria. Rio de Janeiro: Zahar.

Fabry, J.J. & Bertinetti, J.F. (1990). A construct validation study of the human
figure drawing test. Perceptual and Motor Skills, 70, 465-466.

Figueiredo, V. (2002) Escala de Inteligência Wechsler para crianças: terceira


edição. Adaptação e padronização de uma amostra brasileira. São Paulo: Casa
do Psicólogo.

Flores-Mendoza,C.; Camargos, A.L.; Farias, L.S.; Paiva, A.I.P.; Carvalho, H.C.W.


& Carvalho, T.M. (2003). O desenho da figura humana: em que extensão o
instrumento mede aquilo que pretende medir?. Resumos de Comunicação
Científica da XXXIII Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Psicologia, Belo
Horizonte, 394.

Gayton, W.F., Tavormina, J., Evans, H.E. & Schuh, J. (1974). Comparative
validity of Harris and Koppitz scoring systems for human-figure drawings.
Perceptual and Motor Skills, 39, 369-370.

Goodenough, F.L. (1961). Test de inteligencia Infantil por medio del dibujo de la
figura humana. Buenos Aires: Editorial Paidós. (original publicado em 1926).
167

Groves, J.R. & Fried, P.A. (1991). Developmental items on children’s human
figure drawings: a replication and extension of Koppitz to younger children.
Journal of Clinical Psychology, 47 (1), 140-148.

Guilford, J.P. (1950). Fundamental statistics in psychology and education. (2ª ed.)
New York: McGraw-Hill.

Hammer, E.F. (1981) Aplicações clínicas dos desenhos projetivos. Rio de


Janeiro: Interamericana. (original publicado em 1980).

Harris, D.B. (1981). El Test de Goodenough – revision, ampliacion e


actualizacion. Barcelona/Buenos Aires: Editorial Paidós. (original publicado em
1963).

Hernandez, J.A.E.; Rochefort, A.V.; Trojan Neto, B.; Sarmiento, C.S.B.L.; Feijó,
L.M.S. & Curra, S.M. (2000). Indicadores emocionais do desenho da figura
humana de crianças abusadas sexualmente. Aletheia, Revista de Psicologia da
ULBRA, 12, 43-52.

Hutz, C.S. & Bandeira, D.R. (1993). Tendências contemporâneas no uso de


testes: uma análise da literatura brasileira e internacional. Psicologia: Reflexão
e Crítica, 6 (1-2), 85-101.

Hutz, C.S. & Antoniazzi, A.S. (1995). O Desenvolvimento do Desenho da Figura


Humana em crianças de 5 a 15 anos de idade: Normas para avaliação.
Psicologia: Reflexão e Crítica, 8, (1), 3-18.

Hutz, C.S. & Bandeira, D.R. (1995). Avaliação psicológica com o desenho da
figura humana: técnica ou intuição? Temas em Psicologia, 3, 35-41.
168

Hutz, C.S. & Bandeira, D.R. (2000). Desenho da Figura Humana. In: J.A. Cunha
(Org.), Psicodiagnóstico V. (pp. 507-512). Porto Alegre: Artes Médicas.

Koppitz, E.L. (1973). El dibujo de la figura humana en los niños. Buenos Aires:
Editorial Guadalupe. (original publicado em 1968).

La Osa, N. & Navarro, Y.B. (1997). El Test de la Figura Humana de Goodenough:


Baremos para preescolares. Barcelona: Oikos-tau.

Laosa, L.M., Swartz, J.D. & Diaz-Guerrero, R. (1974). Perceptual-cognitive and


personality development of Mexican and Anglo-american children as measured
by Human Figure Drawings. Developmental Psychology, 10 (1), 131-139.

Laosa, L.M., Swartz, J.D. & Holtzman, W.H. (1973). Human Figure Drawings by
normal children: A longitudinal study of perceptual-cognitive and personality
development. Developmental Psychology, 8 (3), 350-356.

Machover, K. (1949). Personality projection in the drawing of the human figure.


Springfield: Charles C. Thomas.

Marques, S.L.; Pasian, S.R.; Franco, M.A.P.; Panosso, I.R.; Viana, A.B. & Oliveira,
D.A. (2002a). Fidedignidade do sistema Goodenough de avaliação cognitiva:
uma visão do contexto atual. Estudos de Psicologia. RN, 7 (1), 57-64.

Marques, S.L.; Pasian, S.R.; Franco, M.A.P.; Panosso, I.R.; Viana, A.B. & Oliveira,
D.A. (2002b). Avaliação cognitiva de crianças com dificuldades de
aprendizagem: precisão do teste de Goodenough (1926) e da EMMC (1993).
Paidéia, 12 (23), 105-112.
169

Menezes, A.C.Z.; Souza, J.A.; Abou-Id, E.R.; Figueiredo, F.V.; Oliveira, G.L.S. &
Nascimento, E. (2004). Investigação da estabilidade temporal dos
desempenhos no teste não verbal de inteligência para crianças – R-2. [CD-
ROM] Resumos de Comunicação Científica da XXXIV Reunião Anual da
Sociedade Brasileira de Psicologia, Belo Horizonte.

Menezes, A.C.Z.; Souza, J.A.; Diniz, L.F.; Oliveira, M.C., Veiga, C.R. &
Nascimento, E. (2004). Investigação do parâmetro validade do teste não
verbal de inteligência para crianças – R-2. [CD-ROM] Resumos de
Comunicação Científica da XXXIV Reunião Anual da Sociedade Brasileira de
Psicologia, Belo Horizonte.

Naglieri, J.A. (1988). DAP: Draw-A-Person: A Quantitative Scoring System. San


Diego/New York: The Psychological Corporation, Hartcourt Brace Jovanovich,
Inc.

Naglieri, J.A.; McNeish, T.J. & Bardos, A.N. (1991). DAP: SPED – Draw a
Person: Screening Procedure for Emotional Disturbance. Austin, Texas. USA:
PRO•ED.

Nick, E. & Kellner, S.R.O. (1971). Fundamentos de estatística para as ciências do


comportamento. Rio de Janeiro: Renes.

Nonato, A.C.G. (1994). A criança desenha: o uso do DAP em pré-escolares.


Dissertação de Mestrado. Pontifícia Universidade Católica de Campinas,
Campinas.

Oliva, D.V. & Castro, P.F. (2003). Cinco anos de produção científica do DFH:
Análise das publicações entre 1998 e 2002. Resumos de Comunicação
Científica da XXXIII Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Psicologia, Belo
Horizonte, 396.
170

Oliveira, R. (1973). R-1: Teste não verbal de inteligência. São Paulo: Vetor.

Pereira, A.M.T.B. & Farah, S.A.F. (1995). Teste Goodenough-Harris em crianças


em Maringá. Cadernos de METEP Suplemento Psicologia, DPI/CCH/UEM, 7,
6, 1, 179-188.

Pereira, M.P. & Alves, I.C.B. (2002). O valor preditivo da avaliação psicológica
para alfabetização e o papel da pré-escola. PISC – Revista de Psicologia da
Vetor Editora, 3 (2) 82-94.

Pichot, P. (1961). Dominós (D-48) – Manual. Rio de Janeiro: CEPA.

Raven, J.C. (1979). Teste das Matrizes Progressivas Escala Geral. Séries A, B,
C, D e E. Rio de Janeiro: CEPA. (original publicado em 1938).

Raven, J.; Raven, J.C. & Court, J.H. (1993). Manual for Raven’s Progressive
Matrices and Vocabulary Scales: Section 1. General Overwiew. Oxford: Oxford
Psychologists Press.

Rocha, C.F. & Andrada, B. (1930). Tests. Como medir a inteligência dos
escolares. Rio de Janeiro: Ariel.

Rosa, H.R. (2000). R-2: Teste não-verbal de inteligência para crianças.


Padronização para crianças da cidade de São Paulo. Dissertação de Mestrado.
Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Rosa, H.R. & Alves, I.C.B. (2000). R-2: Teste não verbal de inteligência para
crianças - Manual. São Paulo: Vetor Editora.
171

Rosa, H.R.; Alves, I.C.B. & Nascimento, E. (2001). Análise Fatorial do R-2: Teste
não verbal de inteligência para crianças. Anais do I Congresso de Psicologia
Clínica, São Paulo, Universidade Presbiteriana Mackenzie, 1, 99-101.

Rueda, F.J.M. (2005). DFH – Escala Sisto e Matrizes Progressivas Coloridas de


Raven: Estudos de Validade. Dissertação de Mestrado. Universidade São
Francisco, Itatiba.

Sarti, M.H.C. (1988). A criança hospitalizada: contribuição do desenho da figura


humana para avaliação do seu estado emocional. Dissertação de Mestrado.
Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Sarti, M.H.C. (1999). Estudo normativo dos itens evolutivos e indicadores


emocionais de Koppitz e índices de ansiedade de Handler, em desenhos da
figura humana de escolares de Ribeirão Preto. Tese de Doutorado
Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

Scott, L.H. (1981). Measuring intelligence with the Goodenough-Harris drawing


test. Psychological Bulletin, 89 (3), 483-505.

Secretaria de Educação do Governo do Estado de São Paulo (1997). Estatísticas


Educacionais do Centro de Informações Educacionais.

Sene, J.N. & Pereira, D.A.P. (2005). Validade do teste R-2 de inteligência e
Matrizes Progressivas Coloridas de Raven em crianças da cidade de Taubaté
– SP. [CD-ROM] Resumos – II Congresso Brasileiro de Avaliação Psicológica.
Gramado - RS.

Simner, M.L. (1985). School readiness and the draw-a-man test: an empirically
derived alternative to Harris’ scoring system. Journal of Learning Disabilities,
18 (2), 77-82.
172

Souza, F.V. & Cambraia, S.V. (2002). Teste dos Relógios formas B e C – Manual.
(2ª ed.). São Paulo: Vetor.

Vasquez, R.L.L. & Chang, A.M.C. (2003). Indicadores emocionales del test del
dibujo de la figura humana de Koppitz en niños maltratados y no maltratados.
Psicocentro.com2003. Acesso em 18/11/2003.

Van Kolck, O.L. (1963). Sobre a técnica do Desenho da Figura Humana na


exploração da personalidade: estudo de adolescentes de centros urbanos.
Tese de Doutorado. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade
de São Paulo, São Paulo.

Van Kolck, O.L. (1966). Sobre a técnica do Desenho da Figura Humana na


exploração da personalidade. Boletim 283, Psicologia Educacional, Faculdade
de Filosofia, Ciências e Letras da USP, 7.

Van Kolck, O.L. & Van Kolck, T. (1972). Análise de itens de desenhos da figura
humana de um grupo de crianças de oito anos de idade. Boletim de Psicologia,
XXIV (64), 43-57.

Van Kolck, O.L. (1972). O desenho da figura humana em casos especiais.


Boletim de Psicologia, XXIV (64), 89-121.

Van Kolck, O.L. (1973). Sinais de ansiedade e de distúrbios emocionais no


desenho da figura humana de crianças – tentativa de validação. Boletim de
Psicologia, XXV (65), 11-45.

Van Kolck, O.L. (1984). Testes projetivos gráficos no diagnóstico psicológico. São
Paulo: E.P.U.
173

Weil, P. & Nick, E. (1971). O potencial de inteligência do brasileiro –


Levantamento e resultados no teste INV – Manual. Rio de Janeiro: CEPA.

Wechsler, S.M. (1996). O Desenho da Figura Humana: avaliação do


desenvolvimento cognitivo infantil: manual para crianças brasileiras. Campinas:
Editora Psy.

Wechsler, S.M. (2000). O Desenho da Figura Humana: avaliação do


desenvolvimento cognitivo infantil. (2ª ed.) Campinas: Livro Pleno.

Wechsler, S.M. (2003). O Desenho da Figura Humana: avaliação do


desenvolvimento cognitivo de crianças brasileiras. (3ª ed.) Campinas:
Lamp/PUC-Campinas.

Yehia, G.Y. (1987). A natureza e o conceito de inteligência. In: M. Ancona-Lopez


(Org.). (Vol. 1, pp. 1-23). Avaliação da inteligência. São Paulo: EPU.
174

ANEXOS
175

ANEXO A

Instruções para o desenho do homem:

Deve-se fornecer à criança o lápis (preto nº 2, devidamente apontado), a borracha


e uma folha de papel sulfite que é colocada verticalmente sobre a mesa, à frente
da criança. Em seguida são lidas as seguintes instruções:

“Nesta folha eu quero que você faça o desenho de um homem. Faça o mais
bonito que você puder. Leve o tempo que quiser e trabalhe com muito
cuidado.”

Ø Se a criança fizer um desenho do tipo esquemático, como palitos, aceitar o


desenho e pedir um outro que seja mais completo e que não seja de palitos.

Ø O aplicador deve fazer algumas perguntas informais para esclarecer alguns


aspectos ambíguos dos desenhos, dizendo: “Fale alguma coisa sobre o seu
desenho” – o objetivo dessa pergunta é tentar saber as intenções da criança
no desenho e evitar fazer suposições ou sugestões indiretas. Se a criança não
identificar espontaneamente uma parte ambígua do desenho, o examinador
pode perguntar (apontando): O que é isto? As respostas das crianças
devem ser anotadas (em outra folha) e a identificação das partes deve ser feita
diretamente nos desenhos. Não é necessário fazer perguntas sobre aspectos
claros do desenho.

Ø Se a criança pedir sugestões ou tiver dúvidas sobre como fazer alguma parte
do desenho, deve-se dizer: Faça da maneira como você achar melhor .
Não responder “sim” ou “não”, ou dar instruções específicas à criança. Se a
criança quiser escrever sobre o desenho, deve fazê-lo na parte inferior da
folha.
176

ANEXO B
Instruções para o teste R-2:
“Eu vou mostrar a você vários cartões parecidos com este (mostrar a Prancha 1).
Este cartão tem um desenho grande na parte de cima e alguns desenhos menores
na parte de baixo.
Nesta figura grande, o cavalinho, um pedaço está em branco (mostrar a lacuna). É
como se tivessem tirado um pedaço dele.
O pedaço que falta no cavalinho é um destes desenhos pequenos que estão
embaixo.
Mostre qual destes desenhos pequenos é o que completa o desenho grande.”

Se a resposta for correta:


“Muito bem. Você acertou pois o que está faltando é o rabo do cavalo.
Agora vou mostrar os outros cartões a você, um de cada vez e cada vez mais
difíceis. Você deve prestar atenção no desenho para descobrir qual o desenho
pequeno que completa o grande. Se você prestar atenção na maneira como você
resolveu os fáceis, vai ajudar a resolver os mais difíceis. É como se fosse um jogo.
Você entendeu? Se tiver alguma dúvida, pergunte agora. Entendeu?
Então vamos começar e não precisa ter pressa.”
Se a resposta for incorreta:
“Não, o pedaço que completa o desenho é o rabo do cavalo (apontar). Se você
colocar este pedaço aqui, o cavalo ficará completo.”
(Mostrar a outra Prancha, número 2)
“Então, qual destes desenhos pequenos completa o desenho grande?”
Se a resposta for correta, prosseguir.
Se a resposta for incorreta, repetir as explicações com a Prancha 1.
Introduzir ao apresentar a Prancha 5 e reintroduzir na Prancha 7:
“Preste Atenção. Olhe todas as figuras e veja o que acontece com elas. Mostre a
figura que deverá estar aqui” (apontar a lacuna).
- se a criança mostrar-se muito ansiosa, respondendo depressa e sem
atenção, dizer:
“Não precisa correr. Olhe todas as figuras antes de responder.”
- se a criança mostrar mais de uma resposta, dizer:
“Só há um pedaço que completa o desenho.”

- se a criança corrigir, anotar a segunda resposta ao lado da primeira, apesar


de desconsiderar a primeira.

- Após ser dada a resposta, a prancha deverá ser recolhida com os desenhos
para baixo.
177

ANEXO C

Termo de Consentimento livre e esclarecido

Senhores Pais,

A nossa escola foi escolhida para participar de uma pesquisa de elaboração


de um teste, específico para as crianças brasileiras.

A pesquisa está sendo realizada por uma pesquisadora do Instituto de


Psicologia da Universidade de São Paulo. No teste as crianças farão um desenho
e responderão a algumas questões sobre figuras, o que dura no máximo 20
minutos, no período de aula normal. Os resultados serão usados para construir
tabelas estatísticas e não serão divulgados os resultados individuais das crianças.

Solicitamos sua autorização para que seu (sua) filho(a) participe da


pesquisa durante o horário em que ele(a) está normalmente na escola.

Obrigado.

Autorizo meu(minha) filho(a) ___________________________________________


a participar da pesquisa acima, desenvolvida na escola.

São Paulo,

______________________________________
(assinatura do pai/responsável)
178

ANEXO D

Itens do desenho do Homem, segundo Goodenough-Harris


1. Cabeça presente
2. Pescoço presente
3. Pescoço em duas dimensões
4. Olhos presentes
5. Detalhe do olho: sobrancelhas ou cílios
6. Detalhe do olho: pupila
7. Detalhe do olho: proporção
8. Detalhe do olho: olhar
9. Nariz presente
10. Nariz, duas dimensões
11. Boca presente
12. Lábios, duas dimensões
13. Nariz e lábios em duas dimensões
14. Queixo e testa presentes
15. Projeção do queixo presente: queixo claramente diferenciado do lábio
16. Linha do maxilar indicada
17. Septo nasal
18. Cabelo I
19. Cabelo II
20. Cabelo III
21. Cabelo IV
22. Orelhas presentes
23. Orelhas presentes: proporção e posição
24. Dedos presentes
25. Número correto de dedos indicado
26. Detalhe correto dos dedos
27. Oposição do polegar indicada
28. Mãos presentes
29. Pulso ou tornozelo
30. Braços presentes
31. Ombros I
32. Ombros II
33. Braços abaixados ou empenhados em atividade
34. Articulação do cotovelo indicado
35. Pernas presentes
36. Quadril I (forquilha)
179

37. Quadril II
38. Articulação do joelho
39. Pés I: qualquer indicação
40. Pés II: proporção
41. Pés III: salto
42. Pés IV: perspectiva
43. Pés V: detalhe
44. União de braços e pernas I
45. União de braços e pernas II
46. Presença do tronco
47. Tronco em proporção, duas dimensões
48. Proporção: Cabeça I
49. Proporção: Cabeça II
50. Proporção: face
51. Proporção: braços I
52. Proporção: braços II
53. Proporção: pernas
54. Proporção: membros em duas dimensões
55. Roupas I
56. Roupas II
57. Roupas III
58. Roupas IV
59. Roupas V
60. Perfil I
61. Perfil II
62. Desenho de frente
63. Coordenação motora: linhas
64. Coordenação motora: junções
65. Coordenação motora superior
66. Linhas dirigidas e forma: contorno da cabeça
67. Linhas dirigidas e forma: contorno do tronco
68. Linhas dirigidas e forma: braços e pernas
69. Linhas dirigidas e forma: traços faciais
70. Técnica de “esboço”
71. Técnica de “modelagem”
72. Movimento do braço
73. Movimento das pernas
180

ANEXO E

Itens do desenho do Homem, segundo Koppitz

1. Cabeça
2. Olhos
3. Pupilas
4. Cílios ou sobrancelha
5. Nariz
6. Fossas Nasais/ Narina
7. Boca
8. Dois lábios
9. Orelhas
10. Cabelo
11. Pescoço
12. Tronco
13. Braços
14. Braços em duas dimensões
15. Braços para baixo
16. Braços corretamente unidos ao corpo
17. Cotovelo
18. Mãos
19. Dedos
20. Número correto de dedos
21. Pernas
22. Pernas em duas dimensões
23. Joelho
24. Pés
25. Pés bidimensionais
26. Perfil
27. Roupa – 1 ou nenhuma
28. Roupa – 2 ou 3 itens
29. Roupa – 4 itens ou mais
30. Boas proporções
181

ANEXO F

Correspondência entre os itens de avaliação de Goodenough-


Harris e de Koppitz

Itens evolutivos Item


Koppitz Goodenough-Harris
1. Cabeça 1
2. Olhos 4
3. Pupilas 6
4. Cílios ou sobrancelha 5
5. Nariz 9
6. Fossas Nasais/ Narina
7. Boca 11
8. Dois lábios 12
9. Orelhas 22
10. Cabelo 18
11. Pescoço 2
12. Tronco (corpo) 46
13. Braços 30
14. Braços em duas dimensões
15. Braços para baixo
16. Braços corretamente unidos ao corpo 32
17. Cotovelo 34
18. Mãos 28
19. Dedos 24
20. Número correto de dedos 25
21. Pernas 35
22. Pernas em duas dimensões
23. Joelho 38
24. Pés 39
25. Pés bidimensionais
26. Perfil
27. Roupa – 1 ou nenhuma
28. Roupa – 2 ou 3 itens
29. Roupa – 4 itens ou mais
30. Boas proporções