Você está na página 1de 105

Guia de Segurança do

TrueBeam

TrueBeam™
TrueBeam™ STx
Edge™ Radiosurgery System

13485 P1020095-001-A NOVEMBRO 2016


ID do documento P1020095-001-A

Título do Guia de segurança do TrueBeam


documento

Resumo Este documento fornece procedimentos e informações de referência para o uso do


sistema TrueBeam, versão 2.7, modelos TrueBeam, TrueBeam STx e Edge
Radiosurgery System.
Esta publicação foi originalmente elaborada em inglês (P1011694-003-C).

Fabricante Varian Medical Systems, Inc.


3100 Hansen Way
Palo Alto, CA 94304-1038
EUA

Representante Varian Medical Systems UK Ltd.


autorizado na Oncology House
Europa Gatwick Road, Crawley
West Sussex RH10 9RG
Reino Unido

Aviso As informações contidas neste guia do usuário estão sujeitas a alterações sem aviso
prévio e não representam um compromisso por parte da Varian. A Varian não é
responsável pelos erros contidos neste guia do usuário e tampouco por danos
acidentais ou decorrentes do fornecimento ou uso deste material.
Este documento contém informações exclusivas e protegidas pelas leis de direitos
autorais. Nenhuma parte deste documento pode ser reproduzida, traduzida ou
transmitida sem a autorização expressa e por escrito da Varian Medical Systems,
Inc.

FDA 21 CFR 820 Os produtos Oncology Systems da Varian Medical Systems são projetados e
Regulamentação fabricados de acordo com as exigências especificadas neste regulamento federal.
sobre o sistema de
qualidade
(cGMPs)

ISO 13485 Os produtos Oncology Systems da Varian Medical Systems são projetados e
fabricados de acordo com os requisitos especificados na norma de qualidade ISO
13485.

CE Os produtos Oncology Systems da Varian Medical Systems atendem às exigências


da Diretiva do Conselho MDD 93/42/CEE.

REACH SVHC da O link da atual divulgação do REACH SVHC da União Europeia é


União Europeia http://www.varian.com/us/corporate/legal/reach.html
Divulgação

HIPAA Os produtos e serviços da Varian foram criados especificamente com recursos que
ajudam nossos clientes a cumprir a Lei de portabilidade e responsabilidade de
seguros de saúde de 1996 (HIPAA). O aplicativo de software utiliza um processo
de login seguro, exigindo um nome de usuário e uma senha que suportem o
acesso baseado na função. Os usuários são atribuídos a grupos, cada um com
determinados direitos de acesso, como a capacidade de editar e adicionar dados
ou a possibilidade de limitar o acesso aos dados. Quando um usuário adiciona ou
modifica dados no banco de dados, é feito um registro que inclui os dados que
foram alterados, a identificação do usuário e a data e hora em que as mudanças

2 Guia de Segurança do TrueBeam


foram feitas. Isso estabelece um histórico de auditoria que pode ser examinado
pelos administradores de sistema autorizados.

OMS Códigos e termos da CID-O usados com permissão da OMS, da:


■ Classificação Internacional de Doenças para Oncologia, (CID-O) 3ª edição,
Genebra, Organização Mundial da Saúde, 2000.
Códigos e termos da CID-10 usados com permissão da OMS, da:
■ Classificação Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde,
Décima Revisão (CID-10). Vols. 1 a 3, Genebra, Organização Mundial da
Saúde, 1992.

Documentação eletrônica
Este símbolo na etiqueta indica que as Instruções de uso do produto
correspondente estão disponíveis em www.MyVarian.com. Acesse as Instruções de
uso em formato eletrônico fazendo login com suas credenciais de usuário
MyVarian.
Em conformidade com a Diretiva nº 207/2012 da Comissão Europeia, a Varian
enviará aos clientes da UE uma cópia impressa gratuita das Instruções de uso
dentro de sete dias. Use o formulário "Paper Document Request" disponível na
página da Web da Varian para solicitar a sua cópia.

CUIDADO: As leis federais dos EUA restringem este dispositivo à


venda por um médico ou sob solicitação do mesmo.

Marcas comerciais ARIA® Oncology Information System, RapidArc® Varian® e o logotipo da Varian
Medical Systems são marcas comerciais registradas e TrueBeam™, Eclipse™,
HD120™, LaserGuard™ e VARiS Vision™ são marcas comerciais da Varian Medical
Systems, Inc.

Todas as outras marcas comerciais ou marcas registradas são de propriedade de


seus respectivos proprietários.

Copyright © 2009–2016 Varian Medical Systems, Inc.

Todos os direitos reservados. Produzido nos Estados Unidos da América.

3
Conteúdo

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO .................................................................................................................8


Visão geral do guia de segurança ................................................................................................................. 8
Sinais visuais ...................................................................................................................................................... 9
Conservação da integridade do sistema ................................................................................................... 10
Software não autorizado ou modificado ............................................................................................ 11
Hardware não autorizado ....................................................................................................................... 11
Quem deve ler este guia ................................................................................................................................ 12
Sobre este documento ....................................................................................................................................12
Publicações relacionadas ............................................................................................................................... 13
Pessoal autorizado de manutenção e serviço ...........................................................................................13
Especificações operacionais ..........................................................................................................................14
Especificações elétricas ...........................................................................................................................14
Especificações ambientais ......................................................................................................................15
Especificações do ponteiro de retorno de raio laser ........................................................................ 15
Informações do raio laser do LaserGuard II ...............................................................................................17
Símbolos utilizados nas etiquetas dos equipamentos ...........................................................................17
Contatar o suporte ao cliente da Varian .................................................................................................... 21

CAPÍTULO 2 PROCEDIMENTOS DE EMERGÊNCIA ....................................................................... 23


Visão geral dos procedimentos de emergência .......................................................................................23
Desligamento do feixe em uma emergência ...........................................................................................23
Manuseio das falhas do acelerador linear ................................................................................................ 23
Manuseio de incêndios elétricos .................................................................................................................24
Em caso de superdose acidental de radiação .......................................................................................... 24
Primeiros socorros em caso de exposição .................................................................................................25

CAPÍTULO 3 DIRETRIZES PARA O PROPRIETÁRIO ....................................................................... 27


Responsabilidades do proprietário ............................................................................................................. 27
Planejamento e instalação do equipamento de emergência e segurança ...................................... 27
Luzes de atenção ...................................................................................................................................... 27
Botões Parada de emergência .............................................................................................................. 27
Disjuntor principal do circuito ..............................................................................................................28
Ajuste da ventilação e da temperatura ..............................................................................................28
Convenções de escala ............................................................................................................................. 28
Blindagem da sala de RF e interferência de EMI ..............................................................................28
Iluminação de emergência ....................................................................................................................29
Extintores de incêndio ............................................................................................................................29
Ventiladores e filtros do console ......................................................................................................... 29
Fornecimento de treinamento de segurança e emergência ................................................................29
Desenvolvimento de planos de emergência .................................................................................... 29
Treinamento para emergências ............................................................................................................ 31
Levantamento radiométrico e de calibração .............................................................................................31
Desenvolvimento de um programa de controle de qualidade ............................................................ 32
Desenvolvimento de procedimentos de segurança para operação rotineira .................................. 32

4 Guia de Segurança do TrueBeam


Precauções gerais de segurança mecânica ...............................................................................................33
Impactos na rede ..................................................................................................................................... 34
Calibração .................................................................................................................................................. 34
Perigos relativos ao superaquecimento do bend magnet ............................................................ 34
Dispositivos de terceiros ........................................................................................................................ 35

CAPÍTULO 4 COMUNICAÇÃO DE PERIGOS .................................................................................. 36


Comunicação de perigos obrigatória .........................................................................................................36
Desenvolvimento de um programa de comunicação de perigos ....................................................... 36
Sobre as etiquetas de recipientes ............................................................................................................... 37
Postagem de folhas de dados de segurança (SDSs) ................................................................................37
Diretrizes do treinamento para o manuseio de materiais perigosos ................................................ 38

CAPÍTULO 5 MATERIAIS PERIGOSOS ............................................................................................. 39


Diretrizes para trabalhar com materiais perigosos ................................................................................39
Materiais perigosos do acelerador linear ................................................................................................ 39
Gás de hexafluoreto de enxofre ................................................................................................................. 40
Minimização da exposição ao gás ...................................................................................................... 40
Manuseio e armazenamento de cilindros de gás ............................................................................ 41
Chumbo ..............................................................................................................................................................41
Minimização da exposição ao chumbo .............................................................................................. 41
Berílio ................................................................................................................................................................. 42
Prevenção contra exposição ao berílio ............................................................................................... 42
Óleo de isolamento dielétrico ......................................................................................................................42
Prevenção contra exposição ao óleo dielétrico ................................................................................ 43
Óleo quente ...............................................................................................................................................43
Ozônio e óxidos de nitrogênio .....................................................................................................................43
Prevenção contra a exposição ao ozônio e aos óxidos de nitrogênio ........................................ 43

CAPÍTULO 6 PRECAUÇÕES E PERIGOS RELATIVOS À RADIAÇÃO ............................................44


Proteção contra a superdose de radiação .................................................................................................44
Diretrizes para minimizar a exposição acidental à radiação ........................................................44
Diretrizes para minimizar a exposição à radiofrequência .............................................................45
Indução de radiação de partes do acelerador linear ..............................................................................46
Manuseio de componentes possivelmente radioativos ........................................................................47
Manuseio do alvo de raios X .........................................................................................................................47

CAPÍTULO 7 PRECAUÇÕES E PERIGOS ELÉTRICOS ......................................................................49


Recomendações sobre perigos elétricos ...................................................................................................49
Minimização dos danos por EMI .................................................................................................................49
Minimização de danos por EMI a dispositivos médicos ................................................................ 49
Minimização de danos por EMI em equipamentos de testes eletrônicos e de medição ......49
Minimização de danos por EMI a dispositivos médicos implantados ....................................... 50
Minimização da interferência eletromagnética (EMI) com o sistema do acelerador linear
.............................................................................................................................................................................50
Minimização do risco de choque elétrico .................................................................................................. 51

Conteúdo 5
CAPÍTULO 8 PROTEÇÃO INDIVIDUAL E MEIOS DE PROTEÇÃO ................................................ 52
Visão geral da proteção individual ............................................................................................................. 52
Equipamento de proteção individual .........................................................................................................52
Diretrizes para usar equipamento de proteção individual ...................................................................52
Proteção para os olhos ............................................................................................................................53
Proteção para os pés ................................................................................................................................53
Proteção respiratória ...............................................................................................................................53
Luvas ............................................................................................................................................................53
Agentes patogênicos transmitidos pelo sangue .....................................................................................55
Exposição potencial a agentes patogênicos transmitidos pelo sangue .................................... 55
Precauções universais contra patogênicos transmitidos pelo sangue ...................................... 56
Precauções com raio laser .............................................................................................................................56
Precauções de funcionamento do tubo de micro-ondas ...................................................................... 57
Precauções de alta tensão ..................................................................................................................... 57
Precauções de compostos tóxicos e corrosivos ................................................................................ 57
Precauções de água quente .................................................................................................................. 58
Precauções de vazamento de água ..................................................................................................... 58
Precauções de superfícies quentes ..................................................................................................... 59
Implosão ............................................................................................................................................................59
Elevação de objetos pesados .......................................................................................................................60
Equipamentos em movimento ...................................................................................................................60
Movimentos remotos ............................................................................................................................ 60
Queda de peças ....................................................................................................................................... 60
Pontos de aperto da mesa e perigos de colisão .............................................................................. 60
Cantos pontiagudos ................................................................................................................................ 61

CAPÍTULO 9 LIMPEZA ....................................................................................................................... 62


Limpeza hospitalar segura ........................................................................................................................... 62
Diretrizes de limpeza ..................................................................................................................................... 63
Limpeza do gantry e das coberturas do stand .........................................................................................63
Limpeza da mesa ............................................................................................................................................ 63
Uso das soluções recomendadas ........................................................................................................64
Limpar a mesa .......................................................................................................................................... 65
Limpeza do painel lateral após contaminação de fluidos biológicos .........................................65
Limpeza do intertravamento refletor do sistema de gating respiratório ........................................ 66

CAPÍTULO 10 SERVIÇO E MANUTENÇÃO ..................................................................................... 67


Manutenção periódica .................................................................................................................................. 67
Acionamento automático do modo Standby para On ..........................................................................68
Precauções contra choque elétrico ............................................................................................................ 68
Minimização do risco de choque elétrico ..........................................................................................68
Uso de hastes para descarregar alta tensão .................................................................................... 69
Visão geral dos procedimentos de lockout e tagout ............................................................................. 70
Uso dos procedimentos de lockout e tagout ...........................................................................................70
Liberação de lockout durante reparações .......................................................................................... 72
Lockout de equipamento durante troca de turno ........................................................................... 73
Procedimentos de lockout e tagout para trabalhadores contratados ........................................73
Lockout e tagout à energia elétrica principal ...........................................................................................74

6 Guia de Segurança do TrueBeam


Restaurar a energia elétrica principal ................................................................................................. 75
Lockout e tagout à energia elétrica em um subsistema do acelerador linear ................................75
Lockout e tagout a subsistemas de instalações ......................................................................................76
Lockout ao gantry ............................................................................................................................................77
Liberação do lockout do gantry ............................................................................................................78
Instalação de barras de segurança e lockout à mesa ............................................................................ 79
Mover a mesa com a manivela manual ............................................................................................ 80
Liberação do lockout da mesa ...............................................................................................................81
Lockout ao sistema de gás ............................................................................................................................82
Liberação do lockout do sistema de gás ............................................................................................ 83
Lockout ao sistema de água .........................................................................................................................83
Liberação do lockout do sistema de água ......................................................................................... 84
Elevação e manuseio de objetos pesados ................................................................................................ 84
Diretrizes para a elevação de objetos pesados ................................................................................ 84
Uso de equipamentos de elevação ..................................................................................................... 85

APÊNDICE A DADOS E DIRETRIZES DE EMC ................................................................................86


Compatibilidade eletromagnética (EMC) ................................................................................................86
Distância recomendada entre equipamentos de comunicação e o acelerador .............................. 87
Declarações de teste e orientações da Varian ......................................................................................... 87
Declaração de desempenho essencial ....................................................................................................... 91

APÊNDICE B RISCOS RESIDUAIS .....................................................................................................92


Avaliações de risco ..........................................................................................................................................92
Perigos de colisão ............................................................................................................................................92
Perigos elétricos .............................................................................................................................................. 93
Perigos de temperatura ou incêndio ..........................................................................................................93
Perigos da radiação ionizante ..................................................................................................................... 94

APÊNDICE C INDUÇÃO DA RADIOATIVIDADE .............................................................................95


Radionuclídeos criados em aceleradores lineares de alta energia por ativação nuclear ............. 95
Processos nucleares envolvidos na ativação .................................................................................... 95
Implicações da ativação do acelerador para os usuários .............................................................. 96
Produtos de ativação potencial ............................................................................................................97
Radioisótopos de curta duração .................................................................................................. 99
Radioisótopos de longa duração ................................................................................................100
Referências para informações adicionais ............................................................................................... 100

ÍNDICE ...................................................................................................................................................... 101

Conteúdo 7
Capítulo 1 Introdução

Visão geral do guia de segurança


O sistema TrueBeam tem como finalidade fornecer radioterapia de precisão para
lesões, tumores e condições em qualquer parte do corpo em que o tratamento de
radiação seja indicado.
O sistema TrueBeam tem como finalidade fornecer radiocirurgia estereostática e
radioterapia de precisão para lesões, tumores e condições em qualquer parte do
corpo em que o tratamento de radiação seja indicado.
O tratamento de radiação não é apropriado para todos os cânceres. Podem ocorrer
efeitos colaterais graves, incluindo fadiga e irritação da pele. Todas as considerações
sobre o impacto da radioterapia no paciente são responsabilidade do médico que
prescreve o tratamento.
O tratamento de radiação não é apropriado para todos os cânceres. Podem ocorrer
efeitos colaterais graves, incluindo fadiga e irritação da pele. Todas as considerações
sobre o impacto da radioterapia ou radiocirurgia no paciente são responsabilidade
do médico que prescreve o tratamento.
Somente o pessoal devidamente treinado e qualificado deve operar, executar
reparações ou realizar a manutenção do acelerador linear médico (acelerador linear).
Este guia foi elaborado para auxiliar os funcionários a trabalharem de modo seguro
com o sistema. Um pré-requisito para o uso do guia é o conhecimento abrangente
dos padrões de cuidado necessários para operar o sistema, repará-lo e realizar sua
manutenção.
A Varian não é responsável por lesões ou danos causados por atividades que não
atendam aos padrões geralmente aceitos de cuidado ou que não estejam em
conformidade com disposições específicas deste guia.
O guia apresenta informações de segurança, como mostrado na seguinte tabela.

8 Guia de Segurança do TrueBeam


Tabela 1 Onde encontrar informações de segurança

Tópico Orientações Consulte

Procedimentos de Procedimentos de emergência e de primeiros Visão geral dos proce-


emergência socorros para todos os usuários do sistema ou dimentos de emer-
qualquer pessoa próxima do sistema, quer gência na página 23
seja um técnico em radioterapia, pessoal de
serviço ou outro profissional médico ou fun-
cionários da instalação.

Diretrizes para o Responsabilidades e diretrizes específicas Responsabilidades do


proprietário para o proprietário do sistema. proprietário na pá-
gina 27

Comunicação de Como comunicar os riscos ao pessoal, usando Comunicação de pe-


perigos treinamento, identificação e folhas de dados rigos obrigatória na pá-
de segurança de materiais. gina 36

Materiais perigosos Como comunicar informações sobre materiais Diretrizes para traba-
perigosos; como trabalhar com materiais peri- lhar com materiais pe-
gosos e minimizar os riscos. rigosos na página 39

Precauções e pe- Como se proteger contra a superdose de radi- Proteção contra a su-
rigos relativos à ra- ação e a exposição a radiofrequência. Manu- perdose de radiação na
diação seio de componentes radioativos. página 44

Precauções e pe- Minimização de danos por EMI e choque elé- Recomendações sobre
rigos elétricos trico. perigos elétricos na pá-
gina 49

Proteção individual Usar equipamento de proteção individual, Visão geral da proteção


e meios de proteção evitar patogênicos transmitidos pelo sangue, individual na pá-
tomar precauções em relação a compostos tó- gina 52
xicos e ao redor de raios laser e da energia de
micro-ondas.

Limpeza Diretrizes de limpeza hospitalar, incluindo a Limpeza hospitalar se-


limpeza das coberturas da máquina, da mesa gura na página 62
e do bloco refletor.

Serviço e manu- Manutenção periódica, precauções contra Manutenção periódica


tenção choque elétrico durante a manutenção e pro- na página 67
cedimentos de lockout e tagout.

Sinais visuais
Esta publicação usa os seguintes sinais visuais para o ajudar a localizar informações:

Capítulo 1 Introdução 9
ATENÇÃO: Uma mensagem de atenção descreve ações ou condições que podem resultar
em lesões graves ou morte.

CUIDADO: Uma mensagem de cuidado descreve ações ou condições perigosas que


podem resultar em lesões menores ou moderadas.

AVISO: Um aviso descreve ações ou condições que podem resultar em danos no


equipamento ou perda de dados.

Observação: Uma observação descreve informações que podem dizer respeito a somente
algumas condições, alguns leitores ou locais.

Dica: Uma dica descreve informações úteis, opcionais, tais como atalhos, lembretes ou sugestões,
para que o usuário possa obter um desempenho ideal do equipamento ou software.

Conservação da integridade do sistema


Qualquer forma de modificação ou alteração dos produtos ou do software dos
produtos constitui uma violação voluntária da propriedade intelectual da Varian e
pode colocar em perigo a segurança do paciente. Quaisquer modificações ou
alterações tornarão o sistema adulterado perante o FFDCA dos EUA (ou lei aplicável
no território) e podem sujeitar o cliente ou os usuários autorizados à ação do FDA
dos EUA, resultando em apreensão, proibição, penalidades civis ou processo
criminal.

ATENÇÃO: Modificações ou alterações não autorizadas do sistema podem comprometer


a segurança dos pacientes, operadores ou de equipes de manutenção. Não modifique o
hardware ou o software e não altere a configuração do sistema instalado pelo pessoal
da Varian, incluindo as placas de circuito impresso e os dispositivos de controle. Não
instale nenhum software não validado pela Varian no sistema.

ATENÇÃO: Somente itens que foram especificados como parte de, ou compatíveis com, o
sistema TrueBeam podem ser conectados ao sistema.

10 Guia de Segurança do TrueBeam


Software não autorizado ou modificado
A modificação de qualquer um dos softwares fornecidos com o sistema ou a
instalação e o uso de outros softwares além dos fornecidos ou validados pela Varian
podem comprometer gravemente a integridade dos dados armazenados e o
desempenho de aplicativos operacionais, resultando em incerteza, instabilidade e
possíveis perigos na operação do sistema.
Ao aceitar os Terms and Conditions of Sale (Termos e condições de venda) da Varian,
você autoriza a Varian a remover todos os softwares não autorizados que foram
adicionados ao, ou alteraram o, computador do sistema, seus sistemas operacionais
ou os aplicativos de controle.
Para evitar a corrupção do sistema, o que pode resultar em dano grave ao seu sistema
ou lesão ao paciente:
■ Não modifique o software do sistema, o que inclui também o sistema operacional,
os aplicativos de controle e os arquivos de dados.
■ Não instale softwares no sistema.
■ Não altere a configuração do sistema instalado pelo pessoal da Varian, incluindo
as placas de circuito impresso e os dispositivos de controle.

Hardware não autorizado


Os dispositivos complementares desaprovados incluem o seguinte:
■ Aplicadores de elétrons que não tenham sido usados para ajuste e calibração de
feixes de elétrons.
■ Qualquer dispositivo integrado à interface do sistema utilizando uma interface
não autorizada.
■ Qualquer dispositivo desaprovado integrado à interface do sistema utilizando
interfaces autorizadas.
■ Travas mecânicas na mesa de tratamento para radiocirurgia estereostática.
■ Quadros estereostáticos e pedestais que se destinam a serem fixados no chão.
É expressamente proibido utilizar esses dispositivos de imobilização do paciente,
denominados stands verticais, com o sistema.

ATENÇÃO: O sistema não deve ser usado com um stand vertical. A sua utilização pode
expor o paciente a lesões por colisão ou movimento acidental.

Capítulo 1 Introdução 11
A instalação de um dispositivo complementar não aprovado pode ter as seguintes
consequências:
■ Poderá modificar ou danificar a calibração, o desempenho, o tratamento ou as
medidas de segurança instaladas no acelerador linear.
■ Invalidará a garantia da Varian.
■ Pode resultar na rescisão das licenças de software aplicáveis.
■ Poderá resultar em graves lesões no paciente ou mesmo em morte.

Quem deve ler este guia


Este documento aplica-se ao seguinte pessoal:
■ Proprietário do sistema
■ Pessoal treinado e qualificado para operar e aplicar planos utilizando o sistema
TrueBeam. Somente pessoal devidamente treinado deve operar, executar reparos
em ou realizar a manutenção de qualquer acelerador linear médico.
■ Pessoal do serviço técnico
■ Contratados
■ Pessoal de limpeza
Os aceleradores lineares médicos da Varian são equipamentos complexos e que
podem ser perigosos. A operação ou manutenção não autorizada ou negligente do
equipamento pode resultar em mau desempenho, danos ao equipamento, lesões
graves e até mesmo fatais.
O proprietário deve pedir a todas as pessoas que operem, façam manutenção ou
estejam de outra forma associadas ao acelerador linear que:
■ Estejam familiarizadas com todo o conteúdo deste guia e com as instruções de
operação detalhadas em sua documentação de usuário.
■ Sigam os procedimentos de emergência, precauções de segurança, avisos e
precauções contidos neste guia e em todas as outras publicações correlatas.
■ Sigam os procedimentos de emergência e segurança estabelecidos para uso local
pelo proprietário da instalação.

Sobre este documento


Este documento descreve as características e funcionalidades do sistema TrueBeam.
Algumas características e funcionalidades descritas neste documento podem não
estar disponíveis para você e alguns dos gráficos podem parecer ligeiramente
diferentes.

12 Guia de Segurança do TrueBeam


Publicações relacionadas
As seguintes publicações da Varian Medical Systems fornecem informações sobre os
aceleradores lineares médicos TrueBeam e equipamento relacionado:
■ Instruções de uso do TrueBeam
■ Guia de administradores do TrueBeam
■ Guia de segurança do TrueBeam
■ Guia de referência rápida do TrueBeam
■ TrueBeam Technical Reference Guide—Volume 1
■ TrueBeam Technical Reference Guide—Volume 2: Imaging
■ Machine Performance Check Reference Guide
■ Instruções de uso do TrueBeam
■ Guia de administradores do TrueBeam
■ Guia de segurança do TrueBeam
■ Guia de referência rápida do TrueBeam
■ TrueBeam Technical Reference Guide—Volume 1
■ TrueBeam Technical Reference Guide—Volume 2: Imaging
■ Machine Performance Check Reference Guide

Pessoal autorizado de manutenção e serviço


Somente o pessoal de reparação que recebeu o treinamento de manutenção adequado
está autorizado pelo proprietário para realizar os procedimentos de manutenção e
serviço.

ATENÇÃO: O pessoal de serviço deve conhecer e seguir os procedimentos de segurança de


lockout e tagout estabelecidos pelo proprietário. Durante todo o processo de serviço e
manutenção eles devem utilizar esses procedimentos de lockout e tagout para proteger
os pacientes, o pessoal e a si mesmos de lesões e prevenir danos ao acelerador linear.

Capítulo 1 Introdução 13
ATENÇÃO: Os clientes que não usam o serviço técnico da Varian somente poderão
substituir as peças para as quais receberam treinamento da Varian Medical Systems.
Nesses casos, esses clientes deverão fazer o seguinte:
■ Substituir todas as peças que forem removidas.
■ Usar o mesmo material e especificações das peças originais para as peças de
reposição.
■ Consultar a versão atual dos desenhos associados e seguir as especificações do
desenho ao substituir as peças. Não seguir estas etapas poderá comprometer a
operação segura da máquina. Para obter mais informações, entre em contato com o
suporte ao cliente da Varian.

Especificações operacionais
Todos os sistemas do acelerador linear seguem as especificações elétricas e
ambientais, como descrito nos seguintes tópicos:

Tabela 2 Especificações operacionais

Tipo de especificação Consulte

Especificações elétricas Especificações elétricas na página 14

Especificações ambientais Especificações ambientais na página 15

Especificações do ponteiro de retorno de raio Especificações do ponteiro de retorno de raio


laser laser na página 15

Informações do raio laser do LaserGuard II Informações do raio laser do LaserGuard II


na página 17

Especificações elétricas
As especificações operacionais elétricas incluem o seguinte:
■ Tipo de proteção contra choques elétricos: Classe I
■ Nível de proteção contra choques elétricos: Tipo B
■ Modo de operação: o sistema do acelerador linear é classificado como apropriado
para conexão contínua à rede de suprimento de energia no modo Power Saver
(Economia de energia) e para cargas específicas admissíveis. Isso significa que
alguns elementos do sistema do acelerador linear (como o pendente, a mesa e o
computador de controle principal) podem permanecer conectados à energia
elétrica principal mesmo quando o acelerador linear estiver desligado.
As classificações elétricas incluem o seguinte:

14 Guia de Segurança do TrueBeam


Modulador: 200, 208, 220, 230, 240 3 fases, 380, 400, 415, 480 V (3 fases); 50/60 Hz; 40
KVA momentâneo, 31 KVA durável.
Sistemas com dois gabinetes de controle:
■ Gabinete de controle do console: 200-240 Vac, 50/60 Hz, 15 A.
■ Gabinete de imagem do console: 200–240 Vac, 50/60 Hz, 10 A.
Sistemas com um único gabinete do console:
■ Gabinete do console (gabinete único): 200-240 Vac, 50/60 Hz, 17 A.

Especificações ambientais
A operação requer as seguintes condições ambientais:
■ Faixa de umidade: 15% a 80% de umidade relativa, sem condensação.
■ Intervalo de temperatura: 60°F a 80°F (16°C a 27°C).
■ Nível de segurança da aplicação na presença de uma mistura anestésica
inflamável: inadequada, para o uso na presença de uma mistura anestésica
inflamável com o ar, oxigênio ou óxido nitroso.
■ Nível de proteção contra ingresso da água: IPXO (classificação de Proteção contra
ingresso) ou não impermeável.

Especificações do ponteiro de retorno de raio laser


Os raios laser backpointer emanam de aberturas no gantry. Próximo a essas aberturas
estão localizadas etiquetas de aviso.

Capítulo 1 Introdução 15
Figura 1 Aberturas de laser backpointer

Figura 2 Etiqueta de aviso do laser backpointer

16 Guia de Segurança do TrueBeam


Tabela 3 Especificações de raio laser

Tipo de especificação Verde Vermelho

Classe de laser 2M 2M

Comprimento de onda 532 nm 635 nm

Largura da linha (até 4 m) < 1 mm < 1 mm

Duração do pulso Contínua Contínua

Consumo de energia máxima 1W 1W

Saída de energia <= 1 mW <= 1 mW

Classe de proteção IP 20 IP 65

Informações do raio laser do LaserGuard II


O LaserGuard II usa um sensor de laser infravermelho para detectar as possíveis
colisões durante o tratamento. O sensor do LaserGuard II é um produto de laser
Class 1 (Classe 1) e é seguro para os olhos. A exposição por qualquer período de
tempo não causa lesão. No entanto, não é seguro usar a ampliação para olhar para o
raio laser.

Não visualize diretamente o raio laser do LaserGuard II com instrumentos ópticos


(lentes de aumento).

Símbolos utilizados nas etiquetas dos equipamentos


Os símbolos encontrados nas etiquetas aplicados ao acelerador têm os seguintes
significados:

Capítulo 1 Introdução 17
Tabela 4 Significado dos símbolos nas etiquetas

Ícone Descrição

Cuidado: indica possibilidade de lesões ou danos ao equi-


pamento. Tomar precauções de segurança. Consultar os
documentos complementares.

Cuidado: radiação laser. Não olhe para o feixe; observe as


precauções de segurança com laser.

Radiação de radiofrequência: a energia de radiofrequência


pode causar lesões ou queimaduras. Não opere o equipa-
mento se as tampas, o cabo de saída ou a tampa do inter-
travamento tiverem sido removidos.

Tensão perigosa: tensão arriscada. O contato pode causar


choque elétrico ou queimaduras. Desconecte a energia
antes de executar a manutenção.

Pontos de aperto: esse símbolo indica locais do dispositivo


que podem comprimir os dedos ou outras partes do corpo.
Para evitar lesões, mantenha suas mãos afastadas dessas
áreas.

Danos ao equipamento: água. Este equipamento requer o


uso de água tratada para evitar o risco de danos. Para
evitar danos ao equipamento, abasteça-o com água desmi-
neralizada.

Parada de emergência: esse símbolo indica o controle para


desligar imediatamente o sistema e o feixe de tratamento e
interromper os movimentos da máquina.

Corrente alternada.

18 Guia de Segurança do TrueBeam


Ícone Descrição

Terra protegido (aterramento).

Peça aplicada Tipo B: essa peça cumpre as exigências espe-


cificadas por EN 60601-1 para a proteção contra choque
elétrico, especialmente no que se refere à corrente de dis-
persão permitida.

Fabricante do equipamento. Este símbolo aparece próximo


ao nome e endereço do fabricante do equipamento.

Este equipamento foi designado como um equipamento


elétrico e eletrônico (EEE) que não deve ser descartado ao
final de sua vida útil como lixo urbano não classificado. O
EEE contém substâncias que podem ser nocivas à saúde
humana e ao meio ambiente. Deve ser recuperado, reutili-
zado, reciclado ou de outra forma tratado e descartado de
forma apropriada.

Número de série: esse símbolo aparece próximo ao nú-


mero de série do fabricante.

Número de referência: esse símbolo aparece próximo ao


número de referência do fabricante (número de catálogo).

Obedece ao diário oficial da Diretiva do European Com-


munities Council 93/42/EEC.

Listado para ETL. Obedece ao UL STD 60601-1, EN STD


60601-2-1. Certificado para CAN/CSA STD C22.2 Nº 601.1-
-M90.

Capítulo 1 Introdução 19
Ícone Descrição

Padrão industrial eletrônico da República Popular da


China SJ/T11364-2006.

Consultar as instruções de uso. Seguir as instruções opera-


cionais.

Etiqueta eletrônica.
Este símbolo na etiqueta indica que as Instruções de uso
do produto correspondente estão disponíveis em
www.MyVarian.com. Acesse as Instruções de uso em for-
mato eletrônico fazendo login com as credenciais de usu-
ário MyVarian atribuídas a você.
Mediante pedido, a Varian enviará uma cópia impressa
gratuita das Instruções de uso dentro de sete dias. Use o
formulário Paper Document Request disponível na página
da Web da Varian para solicitar a sua cópia.

Objeto pesado. Pode causar distensão muscular ou lesão


nas costas. Use técnicas e acessórios adequados de ele-
vação ao remover ou substituir.

Carga máxima.

Não sente.

20 Guia de Segurança do TrueBeam


Ícone Descrição

Faixa de temperatura (limites).

Faixa de umidade (limites).

Faixa de pressão atmosférica (limites).

Contatar o suporte ao cliente da Varian


O suporte ao cliente da Varian está disponível na Internet, por e-mail e telefone.
Existem serviços de suporte disponíveis gratuitamente durante o período inicial de
garantia.
O site MyVarian disponibiliza informações de contato, documentação de produtos e
outros recursos para todos os produtos da Varian.
1. Acesse www.MyVarian.com.
2. Escolha uma opção:
■ Se já tiver uma conta, insira suas informações de login do usuário (e-mail e
senha).
■ Se não tiver uma conta, clique em Create New Account (Criar nova conta) e
siga as instruções. Podem ser necessários até dois dias úteis para a criação de
uma conta.
3. Clique em Contact Us (Fale conosco) na parte superior da janela para exibir as
opções de treinamento e suporte ao cliente, os endereços eletrônicos e os
números de telefone internacionais.

Capítulo 1 Introdução 21
4. Na página Contact Us (Fale conosco), escolha uma opção:
■ Ligue para o suporte da Varian Medical Systems utilizando o número de
telefone do suporte para sua área geográfica.
■ Preencha o formulário correspondente a seu pedido de utilização em uma
chamada com um representante da Varian e, em seguida, siga as instruções
para concluir a conexão remota.
É possível solicitar documentos via telefone, solicitar suporte a produtos ou a
aplicativos e relatar problemas relacionados com o produto. Os links no site
MyVarian redirecionam para outros recursos de suporte a produtos, serviços e
educação.
5. Para encontrar documentos, clique em Product Documentation (Documentação
de produtos).
Os documentos online em formato PDF incluem boletins técnicos do cliente
(CTBs), manuais e notas da versão para clientes (CRNs).

22 Guia de Segurança do TrueBeam


Capítulo 2 Procedimentos de emergência

Visão geral dos procedimentos de emergência


Estes procedimentos destinam-se a todos os que operam o sistema ou que estejam
nas proximidades do sistema, quer sejam técnicos em radioterapia, pessoal de serviço
ou outros profissionais médicos ou funcionários da instalação.

Desligamento do feixe em uma emergência


O sistema foi concebido para terminar o tratamento quando a dose aplicada igualar a
dose total definida pelo plano de tratamento. Se ocorrer uma falha ao terminar,
existem vários intertravamentos de dosimetria que atuam como backup para desligar
o feixe.

ATENÇÃO: Um tratamento seguro e eficaz requer o conhecimento do operador sobre o


progresso do tratamento em todos os momentos. Se o feixe não for desligado
corretamente, o operador deve pressionar o botão Beam Off (Feixe desligado) no
console de controle ou o botão Emergency Stop (Parada de emergência) mais próximo
imediatamente, em vez de aguardar a ativação do backup do sistema.
O desligamento anormal do feixe pode ser sinal de mau funcionamento no acelerador
linear. Suspenda os tratamentos do paciente após qualquer interrupção anormal até que
o pessoal qualificado determine se é seguro continuar usando o sistema do acelerador
linear.

Manuseio das falhas do acelerador linear


Interrompa imediatamente a operação do acelerador linear se detectar ou suspeitar
que seu funcionamento apresenta problemas e chame o pessoal de serviço da Varian
para corrigir o problema. Registre qualquer falha ao incluir detalhes como:
■ Informações do cliente (por exemplo, nome, endereço, número de telefone).
■ Dispositivos da Varian envolvidos na falha.
■ Uma breve descrição do que aconteceu, quem esteve envolvido, quando
aconteceu e onde aconteceu.
■ Inclua todas as fotos ou capturas de tela da falha.
■ Liste todas as lesões e por quem foram incorridas.
■ Qualquer evento de radiação.
■ Status do paciente.

Capítulo 2 Procedimentos de emergência 23


Manuseio de incêndios elétricos
Todos os equipamentos elétricos podem causar incêndios de origem elétrica.
Incêndios de origem elétrica na sala de tratamento ou na área do console podem
provocar queimaduras graves, asfixia, outras lesões e morte.
Em caso de incêndio, faça o seguinte:
■ Se vir fumaça ou sentir um cheiro de queimado, pressione o botão Emergency
Stop (Parada de emergência) ou o botão Emergency Disconnect (Desconexão de
emergência) e siga os procedimentos de emergência locais estabelecidos relativos
a um incêndio. O botão Emergency Stop (Parada de emergência) para qualquer
movimento da máquina, mas a energia continua ligada. O botão Emergency
Disconnect (Desconexão de emergência) também desliga a energia.

Observação: Você poderá perder dados quando o botão Emergency Disconnect (Desconexão
de emergência) for pressionado.

Para obter detalhes sobre os procedimentos de emergência locais, consulte a


seguinte publicação: Guia de administradores do TrueBeam.
■ Nunca use água para apagar incêndios de origem elétrica.
■ Use extintores tipo C ou de Halon para apagar um incêndio elétrico.
■ Somente o pessoal treinado em procedimentos de combate a incêndios deve ter
permissão para tentar apagar incêndios de origem elétrica.

Em caso de superdose acidental de radiação


O proprietário deve estabelecer os procedimentos a serem seguidos em caso de
exposição excessiva e acidental de um paciente ou pessoal à radiação. Esses
procedimentos devem ser exibidos em avisos de fácil visualização na área do console.
No caso de uma pessoa ter sido exposta a radiação excessiva, as leis da maioria dos
municípios dos Estados Unidos e internacionais exigem que sejam tomadas as
seguintes medidas:
1. Procurar imediatamente assistência médica de emergência para a pessoa afetada.
2. Notificar as autoridades locais, estaduais e federais apropriadas o mais rápido
possível.
3. Solicitar uma investigação por um profissional qualificado em detecção de
radiação.
4. Consultar médicos especializados em exposição a radiação.

24 Guia de Segurança do TrueBeam


Para obter mais informações sobre como proteger-se contra os efeitos da radiação,
consulte as seguintes referências:
■ Relatório número 38 do NCRP (Conselho Nacional de Proteção de Radiação e
Medições), Protection Against Neutron Radiation (1971).
■ Relatório número 102 do NCRP (Conselho Nacional de Proteção de Radiação e
Medições), Medical X-Ray, Electron Beam and Gamma-Ray Protection for Energies Up
to 50 MeV (Equipment Design, Performance and Use).
■ Regulamentos estaduais pertinentes.

Primeiros socorros em caso de exposição


O sistema contém os seguintes materiais que podem ser perigosos para a sua saúde
em caso de exposição aos mesmos:
■ Hexafluoreto de enxofre (SF6): presente nos sistemas de guia de onda.
■ Chumbo: presente na proteção, nas baterias de chumbo-ácido e nos contrapesos.
■ Berílio (99% puro): presente na janela da câmara de vácuo do bend magnet.
■ Óleo de isolamento dielétrico: usado no transformador de pulsos.
■ Ozônio e óxidos de nitrogênio.

CUIDADO: O acelerador linear contém substâncias que podem ser perigosas para a sua
saúde. As informações nas etiquetas dos recipientes e nas folhas de dados de segurança
(SDSs) são fornecidas para sua proteção e segurança. Leia sempre as informações
contidas nas etiquetas e nas SDSs fornecidas pelo fabricante de substâncias perigosas.

Use as seguintes diretrizes para recuperar da exposição.

Tabela 5 Primeiros socorros em caso de exposição

Tipo de exposição Primeiros socorros

Gás ■ Em caso de inalação, leve a pessoa para um local com ar fresco e


busque assistência médica imediatamente.
■ Se houver contato com a pele, lave-a com bastante água por pelo
menos 15 minutos. Se necessário, trate os tecidos congelados.
■ Se houver contato com os olhos, lave-os com bastante água por
pelo menos 15 minutos. Busque cuidados médicos.

Chumbo ■ Se a pele for contaminada por resíduos de chumbo, lave bem com
água e sabão.
■ Em caso de inalação ou ingestão de chumbo, busque assistência
médica imediatamente.

Capítulo 2 Procedimentos de emergência 25


Tipo de exposição Primeiros socorros

Exposição ao óleo de ■ Em caso de contato com a pele, enxágue a área afetada com bas-
isolamento dielétrico tante água e, em seguida, lave com água e sabão.
■ Em caso de contato com os olhos, enxágue com água por 15 mi-
nutos.
■ Em caso de ingestão, busque assistência médica imediatamente.
Não induza o vômito.

Berílio ■ Se o pó entrar em contato com seus olhos, lave-os com bastante


água por pelo menos 15 minutos.
■ Em caso de corte, lave com bastante água.
■ Busque assistência médica imediatamente.

Ozônio e óxidos de ■ Em caso de inalação, leve a pessoa para um local com ar fresco e
nitrogênio busque assistência médica imediatamente.
■ Se houver contato com a pele, lave-a com bastante água por pelo
menos 15 minutos. Se necessário, trate os tecidos congelados.
■ Se houver contato com os olhos, lave-os com bastante água por
pelo menos 15 minutos. Busque cuidados médicos.

26 Guia de Segurança do TrueBeam


Capítulo 3 Diretrizes para o proprietário

Responsabilidades do proprietário
O proprietário do sistema do acelerador linear assume determinadas
responsabilidades relativamente à operação segura do sistema. Siga as diretrizes aqui
fornecidas, as quais estabelecem procedimentos de emergência e segurança
relativamente à operação e manutenção dos aceleradores lineares médicos da Varian,
para ajudar os proprietários a estabelecer políticas que estejam em conformidade
com os regulamentos governamentais locais e institucionais.

Planejamento e instalação do equipamento de


emergência e segurança
Para estar preparado para oferecer segurança aos pacientes e ao pessoal na sala de
tratamento e nas áreas adjacentes, o proprietário é responsável por planejar a
instalação e incluir equipamentos de emergência e segurança, disjuntores elétricos e
circulação adequada.

Luzes de atenção
Para indicar o status "ligado" do feixe, deverão ser instaladas na sala luzes de aviso
que indiquem seu acionamento; essas luzes devem também ser instaladas acima da
porta da sala de tratamento ou perto da porta, fora da sala de tratamento e na altura
dos olhos. As luzes poderão também piscar, indicando que o feixe está ligado. Luzes
coloridas (recomenda-se a cor vermelha) devem ser posicionadas de forma que sejam
visíveis de qualquer ponto em uma sala de tratamento, normalmente localizadas
perto das chaves de parada de emergência.

Botões Parada de emergência


Botões para a parada de emergência devem ser posicionados na sala de tratamento e
na área de console em quantidade suficiente. Esses botões complementam os botões
de parada de emergência fornecidos pela Varian no console de controle, na mesa de
tratamento, no gabinete modulador e no stand. Para obter informações adicionais
sobre a localização dos botões de parada de emergência, consulte a seguinte
publicação: Instruções de uso do TrueBeam.

Capítulo 3 Diretrizes para o proprietário 27


Para obter mais informações sobre a localização dos botões Emergency Stop (Parada
de emergência), consulte também o Relatório número 144 do Conselho Nacional de
Proteção de Radiação e Medições (NCRP), Radiation Protection for Particle Accelerator
Facilities.

Disjuntor principal do circuito


Instale o disjuntor principal das instalações a uma distância de 3 metros (10 pés) do
console de controle. O disjuntor principal do circuito deve ter um circuito de disparo
de subtensão que provoca a queda do disjuntor principal quando um botão de
parada de emergência é pressionado. Um disjuntor de circuito separado deve ser
instalado para o gabinete do console. O botão de parada de emergência ainda deve
ativar a energia para o console e 24 volts para o sistema de controle no modo de
Tratamento. Para obter mais detalhes, consulte o Designer's Desk Reference (DDR-HT).

Ajuste da ventilação e da temperatura


Deve ser mantida a ventilação adequada da sala. O aquecedor e o ar condicionado
devem ser capazes de manter o sistema do acelerador linear à temperatura ambiente
(65 a 70 °F, 18 a 21 °C).

Convenções de escala
A escala usada para medidas é geralmente ajustada durante a instalação e permanece
a mesma desde então. Nunca mude a convenção de escala já que diferentes
convenções apresentarão valores numéricos muito diferentes para as mesmas
posições de eixo. A alteração da escala poderia levar ao posicionamento incorreto ou
a colisões.

Blindagem da sala de RF e interferência de EMI


Salas próximas com equipamentos que emitam rádio frequência (RF) devem ter uma
blindagem de sala adequada para evitar vazamentos e chaves de intertravamento da
porta para evitar que ocorram operações com a porta aberta.
O proprietário deve também adotar procedimentos operacionais que reduzam o risco
de ocorrer vazamentos. Para obter mais informações e diretrizes, consulte Diretrizes
para minimizar a exposição à radiofrequência na página 45.
O proprietário deve tomar precauções para evitar a interferência eletromagnética
(EMI), que pode interromper a operação de equipamentos eletrônicos e dispositivos
médicos e pode interagir com os sistemas do acelerador linear. Para obter mais
informações e diretrizes, consulte Minimização dos danos por EMI na página 49.

28 Guia de Segurança do TrueBeam


Iluminação de emergência
Tanto a sala de tratamento quanto a área de console devem ter iluminação de
emergência automática (com lanternas como medida de segurança).

Extintores de incêndio
Deve haver extintores de incêndio adequados disponíveis na sala de tratamento e
perto do console de controle. Nos Estados Unidos, o extintor deve ser de um tipo
aprovado pelos códigos e regulamentos federais, estaduais e municipais para uso em
caso de incêndio.

Ventiladores e filtros do console


A operação das ventoinhas dos gabinetes dos consoles deve ser verificada no mínimo
a cada seis meses. O filtro de ar do gabinete do console deve ser limpo no mínimo a
cada seis meses.

Fornecimento de treinamento de segurança e


emergência
Situações de emergência podem ocorrer a qualquer momento. O proprietário deve
estabelecer procedimentos para lidar com emergências. O pessoal que realiza
operações ou trabalha próximo ao sistema do acelerador linear deve receber
treinamento sobre esses procedimentos.

Desenvolvimento de planos de emergência


Os procedimentos de emergência são descritos na seguinte publicação: Instruções de
uso do TrueBeam. Os procedimentos podem ser modificados para as condições locais.
O plano de emergência deve incluir os seguintes procedimentos e testes.

Capítulo 3 Diretrizes para o proprietário 29


Tabela 6 Conteúdos de um plano de emergência

Item de plano Descrição

Teste periódico de um equipa- ■ Botões de emergência do painel lateral da mesa, sistema


mento de emergência de iluminação de emergência, extintores de incêndio e
circuitos de parada de emergência.
■ Botões Emergency Stop (Parada de emergência) na mesa,
na sala de tratamento e na área do console; circuitos de
parada de emergência; sistema de iluminação de emer-
gência; extintores de incêndio.

Simulações e treinamento pe- Desenvolver conteúdos e programação.


riódicos

Rotas de evacuação em caso de Rotas de evacuação afixadas próximas do console de con-


uma situação de emergência trole.

Quem contatar em caso de Identificar pessoal qualificado que deve ser contatado em
emergência caso de incêndio, emergências médicas ou outras situações
que requeiram ajuda externa.

Procedimentos ■ Usar um kit à prova de derramamento perigoso.


■ Desligar o feixe.
■ Manusear uma superdose acidental.
■ Manter cópias atualizadas das SDSs (Folhas de dados de
segurança) do acelerador linear em caso de vazamentos
ou derramamentos de substâncias perigosas.
■ Restaurar a operação do acelerador linear após uma
emergência.

Ao desenvolver seus próprios procedimentos de emergência, você poderá achar útil


desenvolver os seguintes planos:
■ Pensar antecipadamente sobre os tipos de emergências mais prováveis de
ocorrerem em sua instalação, como por exemplo parada cardíaca, incêndio e falta
de energia.
■ Listar funções e etapas a serem executadas. Por exemplo, se provavelmente
haverá duas pessoas presentes, uma poderia certificar-se de que o paciente foi
removido e está seguro, enquanto a outra protegeria o equipamento.
Segue um exemplo de um procedimento de emergência básico para uma situação em
que apenas um terapeuta está presente:
1. Identifique a situação de emergência.
2. Pare o feixe.
3. Retire o paciente da sala de tratamento.
4. Avise o pessoal de emergência.
5. Providencie cuidados médicos para o paciente, se necessário.
6. Providencie cuidados médicos para todos que precisarem.

30 Guia de Segurança do TrueBeam


7. Desligue e trave o sistema do acelerador linear.
8. Registre o evento.

Treinamento para emergências


Os funcionários que trabalham com o acelerador linear ou em áreas adjacentes
devem receber treinamento formal sobre os procedimentos de emergência e
segurança adotados pelo proprietário. Além disso, cada um dos funcionários deve
receber treinamento adicional periodicamente. O treinamento deve incluir pelo
menos os itens listados abaixo:
■ Localização e uso dos botões de parada de emergência da instalação e do
acelerador linear
■ Localização e uso do interruptor de desconexão de energia
■ Quando usar os procedimentos de lockout e tagout exigidos pela OSHA 29 CFR
1910.147 e outros regulamentos de segurança ocupacional e de saúde, em nível
estadual e federal (nos EUA) ou outros padrões locais ou internacionais
■ Localização e uso do sistema de iluminação de emergência (inclusive iluminação
de backup, como lanternas)
■ Procedimento para remover o paciente da mesa de tratamento em uma
emergência

Levantamento radiométrico e de calibração


Antes da calibração do feixe e do uso rotineiro do sistema do acelerador linear, o
proprietário deve providenciar um levantamento radiométrico que deve ser feito por
um profissional qualificado e especializado em radiação.
Nos Estados Unidos, o relatório da pesquisa de proteção e radiação indica se a
instalação atende aos padrões recomendados pelo Conselho Nacional sobre Proteção
e Medição de Radiação (NCRP) e pelas leis municipais, estaduais e federais
aplicáveis.
Em outros países, o proprietário é responsável pelo cumprimento dos requisitos
previstos por lei e regulamentos aplicáveis.
Antes do uso de rotina do sistema do acelerador linear, o proprietário deve realizar o
seguinte:
■ Solicitar a um físico especializado em radiologia que calibre a taxa de dose e a
dose integrada medidas pela câmara de ionização de transmissão.
■ Realizar verificações pelo menos diárias para definir se a resposta da câmara de
ionização é constante dentro de limites especificados.
■ Executar verificações regulares para comparar a resposta do monitor entre
diversos momentos, do início ao fim do dia de trabalho.

Capítulo 3 Diretrizes para o proprietário 31


■ Estabelecer o rendimento constante do sistema do acelerador linear.
■ Realizar verificações de calibração diárias ou, no mínimo, uma vez por semana, e
registrar todas as medições de calibração em um registro.
■ Testar e calibrar todos os dispositivos de proteção contra colisões.

Desenvolvimento de um programa de controle de


qualidade
Devido à grande importância da aplicação certa de tratamentos de radioterapia, o
proprietário deve desenvolver um programa abrangente de controle de qualidade
(CQ) em cada instalação de radioterapia.
Um programa de verificações periódicas pode evitar muitas das fontes de erros na
radioterapia. Essas fontes de erro incluem:
■ Localização do tumor
■ Imobilização do paciente
■ Posicionamento de campos
■ Erros humanos na calibração
■ Configuração do paciente
■ Uso do acelerador linear
Para obter diretrizes sobre a configuração de um programa de garantia de qualidade,
consulte as seguintes publicações:
■ Nath, Ravinder, et al. 1994. AAPM code of practice for radiotherapy accelerators:
Report of AAPM Radiation Therapy Task Group No. 45. Medical Physics. 21: 1093.
■ Kutcher, Gerald J., et al. 1994. Comprehensive QA for radiation oncology: Report
of AAPM Radiation Therapy Committee Task Group 40. Medical Physics. 21: 581.
■ Svensson, Goran K., et al. Physical Aspects of Quality Assurance in Radiation
Therapy. 1984. AAPM Report No. 13, American Association of Physicists in
Medicine.

Desenvolvimento de procedimentos de segurança para


operação rotineira
O proprietário deve estabelecer procedimentos de segurança para a operação e
manutenção rotineiras do sistema do acelerador linear. Combine os seguintes
procedimentos rotineiros com as outras precauções de segurança para reduzir a
probabilidade de lesões no pessoal e danos ao sistema do acelerador linear. Siga pelo
menos os seguintes procedimentos rotineiros.

32 Guia de Segurança do TrueBeam


Tabela 7 Procedimentos para uso de rotina

Procedimento Descrição Frequência


de uso

Registrar suas ob- Anote qualquer comportamento estranho do acelerador Diariamente


servações linear ou outras observações em um livro de registros
quando executar os procedimentos de controle de quali-
dade (CQ) diários e ao longo do dia de trabalho.

Manter a chave do Quando o sistema for posicionado no modo Power Saver Determinado
console em segu- (Economia de energia) e permanecer sem supervisão, re- por proto-
rança mova a chave do console de controle e coloque-a em um colos locais
compartimento para armazenamento de chaves. Tranque
o compartimento para evitar que pessoas não autorizadas
acionem o sistema.

Testar os circuitos Pelo menos uma vez a cada três meses, teste os circuitos A cada três
de parada de de parada de emergência do acelerador linear para con- meses
emergência firmar se estão funcionando adequadamente.

Verificar os fixa- Verifique o aperto de todos os fixadores. Semestral-


dores mente

Colocar sinais de Coloque sinais de aviso nas portas da sala de tratamento Atualize os
aviso e na área do console para: sinais de
■ Alertar todos sobre o risco de radiação na área. aviso, con-
forme neces-
■ Lembrar o pessoal de manutenção de que devem usar sário.
instrumentos de monitoramento de radiação ao en-
trarem na sala de tratamento.
■ Alertar os operadores de que devem ter a chave do
console ao entrarem na sala de tratamento e de que
também devem se certificar de que a porta não possa
fechar enquanto estiverem dentro da sala.
■ Alertar todos os portadores de marca-passo para que
permaneçam fora da área; os efeitos da radiação e da
interferência da radiofrequência sobre marca-passos
ainda são desconhecidos.

Precauções gerais de segurança mecânica


Em seguida estão as precauções gerais para garantir a operação mecânica adequada
do sistema.

Capítulo 3 Diretrizes para o proprietário 33


Impactos na rede
O sistema será conectado à sua rede, a qual poderá incluir outros equipamentos. A
Varian não possui controle sobre como a rede é usada. É possível que o tráfego de
dados do sistema possa ter impacto na operação de outros equipamentos e possa
resultar em riscos não identificados anteriormente para os pacientes, operadores ou
terceiros. O proprietário é responsável por identificar, analisar, avaliar e controlar
esses riscos.

Calibração
A calibração dos colimadores, da mesa e do gantry é vital para a realização do
tratamento. Se esses eixos estiverem calibrados incorretamente, pode haver uma
discrepância entre a posição real do paciente e a posição determinada pelo sistema.

ATENÇÃO: Todos os componentes da máquina, incluindo todos os eixos do movimento,


devem manter-se calibrados. A calibração incorreta pode colocar o paciente em perigo,
danificar o equipamento ou ambos.

Certifique-se de que os dados de calibração e da tabela da máquina não estejam


incorretos ou corrompidos.

Perigos relativos ao superaquecimento do bend magnet


Manter a corrente do bend magnet por um longo período de tempo pode gerar uma
falha de resfriamento. As falhas de resfriamento são projetadas para evitar danos na
máquina devido a superaquecimento e não devem ser canceladas.
As bobinas do bend magnet foram desenvolvidas para sustentar 100 A
continuamente, enquanto uma quantidade suficiente de água flui para o bend
magnet para resfriá-lo. Para uma operação mais segura, certifique-se de que a
corrente de bend magnet não ultrapasse 90 amperes por mais de 30 minutos.

ATENÇÃO: Não cancele Cooling faults (Falhas de resfriamento) quando o bend magnet
estiver sendo modificado ou em qualquer outra circunstância.
A não observância desse aviso pode causar o superaquecimento e derretimento das
bobinas.

O pessoal de serviço deve verificar se uma quantidade suficiente de água está fluindo
pelo bend magnet. A faixa do fluxo suficiente é de 0,75 a 3,4 litros de água por
minuto. Se o fluxo estiver fora dessa faixa, ele aciona uma falha.

34 Guia de Segurança do TrueBeam


Dispositivos de terceiros
Suas instalações poderão usar um ou mais dispositivos não pertencentes à Varian na
sala de tratamento. Certifique-se de consultar a documentação que acompanha estes
dispositivos.

ATENÇÃO: Avalie com cuidado o uso de dispositivos que não são da Varian na sala de
tratamento. Para total compreensão dos riscos de operação e segurança desses
dispositivos, consulte a documentação fornecida pelo fabricante do dispositivo. Por
exemplo, um dispositivo não pertencente à Varian pode constituir um perigo de queda
ao posicionar um paciente.

Capítulo 3 Diretrizes para o proprietário 35


Capítulo 4 Comunicação de perigos

Comunicação de perigos obrigatória


O proprietário deve comunicar a presença de materiais perigosos no sistema do
acelerador linear e como evitar a exposição nociva para proteger o pessoal e os
pacientes de lesões graves ou mesmo da morte. Este requisito é determinado pela
Occupational Safety and Health Administration (OSHA). A norma OSHA 29 CFR
1910.1200 exige que os perigos de cada químico do sistema do acelerador linear
sejam avaliados e comunicados ao pessoal que está trabalhando com ou próximo do
sistema do acelerador linear.
A comunicação é feita por meio de um programa que define claramente
responsabilidades para etiquetagem, folhas de dados de segurança (SDSs) e
treinamento de funcionários e clientes e, em seguida, implementa esses requisitos.
Para obter informações sobre os requisitos, consulte a norma OSHA 29 CFR
1910.1200 ou outros padrões locais ou internacionais.

Desenvolvimento de um programa de comunicação de


perigos
A OSHA exige que o proprietário do local desenvolva e mantenha um programa de
comunicação escrito de perigos e que seja adaptado às necessidades de sua instalação
e de seu pessoal. Este programa deve atender aos seguintes critérios:
■ Informar aos funcionários sobre os padrões de comunicação de perigos.
■ Explicar como o programa será implantado no local de trabalho específico do
funcionário.
■ Informar os funcionários e treiná-los para reconhecer, entender e usar as etiquetas
de recipientes e as SDS fornecidas com o sistema do acelerador linear ou por
fornecedores.
■ Informar os funcionários e oferecer treinamento sobre os procedimentos de
segurança para o trabalho com substâncias perigosas.

36 Guia de Segurança do TrueBeam


Sobre as etiquetas de recipientes
As etiquetas originais de recipientes de produtos químicos perigosos não devem ser
removidas, a menos que sejam substituídas imediatamente por outras adequadas. Os
recipientes de produtos químicos perigosos contêm avisos com as seguintes
informações:
■ Nome do produto químico
■ Informações sobre o fabricante ou importador, incluindo nome, endereço e dados
de contato em caso de emergência
■ Riscos físicos
■ Riscos à saúde
■ Roupa, equipamento e procedimentos de proteção individual recomendados
■ Instruções de armazenamento ou outras instruções especiais para manuseio.

Postagem de folhas de dados de segurança (SDSs)


Coloque folhas de dados de segurança (SDSs) e etiquetas de recipientes em todos os
locais em que o pessoal possa entrar em contato com materiais perigosos. A Varian
disponibiliza folhas de dados de segurança (SDSs) e etiquetas de recipientes para
todos os materiais perigosos do sistema do acelerador linear, como o gás SF6 e
aditivos para o sistema de água interno.
Cada SDS identifica as seguintes informações:
■ A substância química, incluindo o nome do fabricante, endereço e número de
telefone de emergência.
■ Componentes perigosos, incluindo a identificação da substância química e seus
nomes comuns.
■ As características físicas e químicas, incluindo o ponto de ebulição, pressão do
vapor, densidade do vapor, ponto de fusão, taxa de evaporação, solubilidade na
água, aparência e odor sob condições normais.
■ Riscos físicos, métodos seguros de manuseio e limites de exposição.
■ Medidas de primeiros socorros.
■ A reatividade, indicando se a substância é estável ou não.
■ Procedimentos de combate a incêndios.
Antes da v2.7, as SDSs eram designadas MSDS (folhas de dados de segurança de
materiais).

Capítulo 4 Comunicação de perigos 37


Diretrizes do treinamento para o manuseio de materiais
perigosos
No início de sua primeira tarefa e sempre que algum componente químico perigoso
estiver envolvido, funcionários e clientes devem receber informações e treinamento
relacionados aos produtos químicos perigosos usados no sistema do acelerador
linear.
O treinamento de comunicação de perigos deve incluir, pelo menos, o seguinte:
■ Uma revisão dos padrões e programas de comunicação de perigos.
■ Um inventário de produtos químicos perigosos, incluindo conteúdos do
inventário, a localização e quantidade dos produtos químicos.
■ Requisitos para colocação de identificações em produtos químicos perigosos.
■ A definição de folhas de dados de segurança (SDSs), onde é possível obter cópias
delas e como ler e interpretar seu conteúdo.
■ Informações sobre todos os produtos químicos perigosos aos quais os
funcionários podem vir a se expor, incluindo os riscos físicos e à saúde dos
produtos químicos e as medidas que os funcionários devem tomar para se
protegerem contra esses perigos. Estas medidas preventivas incluem equipamento
de proteção individual, também conhecido como EPI, práticas de trabalho
seguras, controles de engenharia e procedimentos de emergência.
■ Registro na ficha de treinamento do funcionário de todos os treinamentos de que
participou.
■ Informações sobre o direito do funcionário ao conhecimento, incluindo o direito
de receber pessoalmente informações sobre os produtos químicos perigosos aos
quais possa ter sido exposto, assim como de que essas informações sejam
enviadas ao seu médico clínico.
■ Riscos à saúde, incluindo informações sobre como o produto químico pode
penetrar no corpo, por exemplo, por inalação, contato com a pele ou ingestão; se o
produto químico é considerado carcinogênico; sinais e sintomas de exposição e os
quadros clínicos existentes que podem ser agravados pela exposição.
■ Programa de proteção respiratória por escrito que cubra o risco de exposição a
substâncias suspensas no ar, como a poeira.
■ Plano de controle de exposição a agentes patogênicos transmitidos pelo sangue
escrito que cubra o risco de exposição a agentes patogênicos transmitidos pelo
sangue.
■ Precauções relativas ao manuseio e uso, incluindo informações sobre como
manusear, armazenar e descartar adequadamente as substâncias; o que fazer caso
a substância seja derramada ou vaze; equipamentos e procedimentos para a
limpeza de substâncias derramadas e vazamentos.

38 Guia de Segurança do TrueBeam


Capítulo 5 Materiais perigosos

Diretrizes para trabalhar com materiais perigosos


Os operadores, o pessoal de manutenção e o de serviço que entram em contato com o
sistema do acelerador linear devem seguir as diretrizes básicas para trabalhar com
materiais perigosos.
■ Leia e siga as etiquetas de recipientes e as folhas de dados de segurança (SDSs)
fornecidas pela Varian relativamente a todos os materiais perigosos no sistema.
■ Se houver exposições nocivas, comunique-as imediatamente e procure assistência
médica conforme as diretrizes das SDS.
■ Manipule produtos químicos com segurança, conforme descrito no treinamento
Comunicação de perigos e nas SDSs de produtos químicos.
■ Ao trabalhar com produtos químicos perigosos, use equipamento de proteção
individual adequado, como óculos de proteção, luvas, viseira de proteção e assim
por diante.

Materiais perigosos do acelerador linear


O acelerador linear contém substâncias que podem ser perigosas à sua saúde.

CUIDADO: O acelerador linear contém substâncias que podem ser perigosas para a sua
saúde. As informações nas etiquetas dos recipientes e nas folhas de dados de segurança
(SDSs) são fornecidas para sua proteção e segurança. Leia sempre as informações
contidas nas etiquetas e nas SDSs fornecidas pelo fabricante de substâncias perigosas.

Aplique medidas preventivas, precauções para um manuseio seguro e


procedimentos de primeiros socorros para as seguintes substâncias perigosas:
■ Hexafluoreto de enxofre (SF6): presente nos sistemas de guia de onda.
■ Chumbo: presente na proteção, nas baterias de chumbo-ácido e nos contrapesos.
■ Berílio (99% puro): presente na janela da câmara de vácuo do bend magnet.
■ Óleo de isolamento dielétrico: usado no transformador de pulsos.
■ Ozônio e óxidos de nitrogênio.
Dependendo da configuração do seu sistema do acelerador linear, este pode conter
outras substâncias que apresentam riscos menos graves à saúde em condições
normais de operação. Esses materiais podem incluir o seguinte:
■ Fosfato trissódico (Meras Engineering SR1010CL-VMS, Pellets secos)
■ Benzotriazol (Meras Engineering SR1010CL-VMS, Pellets secos)

Capítulo 5 Materiais perigosos 39


■ Estearato de magnésio (Meras Engineering SR1010CL-VMS, Pellets secos)
■ Lubrificantes
■ Tinta (de retoque e aerossol negro).

Gás de hexafluoreto de enxofre


O hexafluoreto de enxofre (SF6) é um gás incolor, inodoro e não tóxico usado no
sistema como um dielétrico para isolar componentes na guia de onda RF durante a
centelhação elétrica. É armazenado em forma líquida e sob pressão em um recipiente
descartável de metal no stand.
A guia de onda é uma unidade selada; sendo assim, a menos que a integridade da
guia de onda esteja comprometida, a exposição ao gás de SF6 ou aos produtos da sua
degradação não deve acontecer. Apesar de o gás de SF6 por si próprio não ser tóxico,
ele pode causar lesões nas seguintes situações:
■ Na remoção do oxigênio, o gás de SF6 pode atuar como um asfixiante.
■ A centelhação de alta tensão na guia de onda RF pode causar a fragmentação do
SF6 em compostos tóxicos, incluindo ácido hidrofluórico e outros produtos
perigosos de fluoreto. O volume produzido não é suficiente para causar mais do
que pequenos danos.
■ O contato com o gás ou o gás liquefeito pode causar queimaduras ou
enregelamento.
■ O manuseio inadequado de cilindros de gás SF6 pode resultar na rápida liberação
de gás pressurizado, provocando lesões graves e possivelmente fatais. Um
cilindro de gás rompido pode se tornar um projétil.

ATENÇÃO: Não libere a pressão de gás durante a realização de serviços técnicos no


sistema de gás. Pode resultar em lesão. A Varian recomenda o uso de um dispositivo
eletrônico para detecção de vazamentos de gás.

Minimização da exposição ao gás


Para minimizar a exposição ao gás, tome as seguintes precauções:
■ Evite o perigo de inalação ventilando o gás de SF6. A ventilação somente deve ser
realizada pelo pessoal de serviço autorizado. Para obter mais informações, entre
em contato com o serviço Varian.
■ Manuseie as peças usadas da guia de onda como se estivessem contaminadas e
com equipamento de proteção individual. Use sempre máscara de proteção para
os olhos e luvas resistentes a produtos químicos.

40 Guia de Segurança do TrueBeam


Manuseio e armazenamento de cilindros de gás
Para minimizar o risco de lesões com cilindros de gás, tome as seguintes precauções:
■ Coloque tampas de válvula em todos os cilindros armazenados para evitar danos
ao suporte e possível liberação da energia armazenada.
■ Armazene os cilindros em uma área limpa, seca e bem ventilada onde a
temperatura não exceda 52 °C (125 °F).
■ Certifique-se de que todos os cilindros estejam firmes no stand e que todas as
peças sobressalentes estejam presas com correntes.
■ Manuseie os cilindros com cuidado e evite colisões.
■ Não reabasteça nem reutilize cilindros danificados ou que sofreram quedas.

Chumbo
O chumbo está presente na blindagem, nos contrapesos e em algumas bandejas em
cunha do acelerador.

Minimização da exposição ao chumbo


Para minimizar o risco de exposição ao chumbo:
■ Obedeça às normas de higiene apropriadas e use máscara descartável para evitar
a inalação ou ingestão de pó contaminado por chumbo.
■ Ao manusear chumbo, use sempre luvas para proteger a pele do contato. As luvas
usadas para o manuseio de chumbo não devem ser usadas para outros fins.
■ Ao manusear chumbo, use luvas de látex ou vinil por baixo das luvas de couro. O
chumbo pode penetrar nas luvas de couro que foram usadas diversas vezes para
seu manuseio. Ao deixar a área de trabalho, remova sempre as luvas e guarde-as
em uma sacola plástica usada especificamente para essa finalidade.
■ Depois de manusear chumbo ou produtos contaminados por chumbo, lave bem
as mãos e a face com água e sabão. Não toque nos olhos, no nariz ou na boca até
que tenha lavado as mãos.
■ Não use ar comprimido para limpar componentes de chumbo.
■ Não use água ou panos totalmente molhados para limpar componentes de
chumbo. A umidade excessiva causa a oxidação do chumbo. No entanto, você
pode usar um pano levemente umedecido e sem fiapos para impedir que
partículas de óxido de chumbo sejam lançadas ao ar.
■ Siga as práticas corretas de elevação ao elevar ou manusear componentes de
chumbo.

Capítulo 5 Materiais perigosos 41


Berílio
O berílio está presente na janela do bend magnet e no alvo de todos os sistemas do
acelerador linear de alta energia. Os procedimentos normais de serviço e manutenção
não irão expor você a compostos de berílio. No entanto, a remoção ou manipulação
da janela pode causar exposição a partículas de berílio. O berílio, um carcinogênico
conhecido, pode ser perigoso se ocorrer algum dos seguintes eventos:
■ O berílio que entra no corpo, por meio de um corte ou de uma perfuração, produz
lesões graves em áreas incuráveis centrais. Também pode entrar no corpo por
meio da respiração provocando danos nas vias respiratórias e pulmões.
■ Quando o berílio é absorvido pela pele, o envenenamento pode resultar em
graves problemas de saúde, incluindo disfunções neuromusculares e paralisia.

Prevenção contra exposição ao berílio


Para minimizar a exposição ao berílio, tome as seguintes precauções:
■ Use luvas descartáveis para evitar contato com a pele.
■ Use óculos de proteção para evitar contato com os olhos.
■ Use uma máscara para proteger as vias respiratórias e pulmões para evitar a
exposição ao berílio.
■ Cuide de sua higiene pessoal após o contato com o berílio e lave bem as mãos e a
face com água e sabão. Não encoste nos olhos, nariz ou boca até que tenha lavado
as mãos.

Óleo de isolamento dielétrico


Os óleos de isolamento dielétrico estão presentes no transformador de pulsação, no
modulador e em capacitores de todos os sistemas do acelerador linear.
Os óleos de isolamento dielétrico podem provocar lesões se ocorrerem as seguintes
condições:
■ Se entrarem em contato com a pele — os óleos são irritantes — ou se forem
ingeridos.
■ Com o tempo, fragmentam-se, infundem-se com metais pesados e, desse modo,
tornam-se perigosos.
■ Quando em combustão, produzem hidrocarbonetos aromáticos e monóxido de
carbono.
■ Sob exposição excessiva ao vapor, o que irrita os olhos e membranas da mucosa
moderadamente. Essa exposição não apresenta um risco significativo à saúde.

42 Guia de Segurança do TrueBeam


Prevenção contra exposição ao óleo dielétrico
Para minimizar a exposição ao óleo de isolamento dielétrico, tome as seguintes
precauções:
■ Use luvas de borracha de cano médio ao manusear óleos.
■ Em caso de detecção de fumaça resultante de uma falha de componente de óleo,
ventile e evacue a área imediatamente.

Óleo quente
O óleo usado para resfriar a unidade da fonte de kV pode esquentar (~85 °C). As
peças com óleo não são acessíveis, por isso o óleo quente geralmente não é motivo de
preocupação. Porém, em caso de vazamento, esteja ciente de que o óleo pode estar
muito quente e apresentar perigo de queimadura.

Ozônio e óxidos de nitrogênio


A interação do feixe de elétrons ou raios X com o ar produz ozônio e óxidos de
nitrogênio. Normalmente, as quantidades produzidas são desprezíveis, exceto se as
taxas de dosagem forem altas e a exposição, longa. Devido a seu grande produto
radiolítico e reatividade química, o ozônio é o gás mais tóxico entre os formados a
partir dessa interação. Em estado puro, o ozônio é um gás instável, de coloração
levemente azulada, com um odor caracteristicamente fresco e penetrante.
As pessoas normais conseguem detectar a presença do ozônio a uma concentração
quase semelhante à do limite geralmente considerado como aceitável de 0,1 ppm
(partes por milhão). O ozônio afeta o sistema respiratório, irrita os olhos e todas as
membranas mucosas. As altas concentrações de ozônio acentuam a reatividade dos
materiais combustíveis.

Prevenção contra a exposição ao ozônio e aos óxidos de nitrogênio


Para minimizar a exposição ao ozônio e óxidos de nitrogênio, tome as seguintes
precauções:
■ Se for detectado ozônio, desligue o sistema do acelerador linear imediatamente e
evacue a sala de tratamento.
■ Espere o tempo necessário para que a ventilação normal da sala elimine o gás
antes de voltar à sala de tratamento.
■ Não opere o sistema do acelerador linear novamente até que o pessoal de serviço
tenha verificado a ventilação da sala e o funcionamento do acelerador linear.

Capítulo 5 Materiais perigosos 43


Capítulo 6 Precauções e perigos relativos à
radiação

Proteção contra a superdose de radiação


A exposição à radiação pode causar doenças graves ou mesmo a morte, ainda que
não instantaneamente. A exposição à radiação também pode causar o mau
funcionamento em certos tipos de marca-passos cardíacos. Ao trabalhar com o
sistema, o pessoal pode ficar exposto a raios X e a radiação de feixe de elétron
potencialmente letais, assim como a radiação de rádio frequência (RF).

ATENÇÃO: Somente o paciente pode estar na sala de tratamento quando os feixes


estiverem ligados para minimizar o risco de superdose de radiação.

Sua instituição deve elaborar orientações específicas a serem seguidas em caso de


exposição ou superdose de radiação acidental. Para obter mais informações e
requisitos de segurança específicos, consulte as diretrizes federais/estaduais dos EUA
e outros padrões locais e internacionais.

Diretrizes para minimizar a exposição acidental à radiação


O sistema do acelerador linear pode produzir uma dose letal de radiação em
pouquíssimo tempo. Nunca opere o feixe de elétron ou raios X sem a adequada
proteção de raios X.
Para minimizar a exposição acidental à radiação, tome as seguintes precauções:
■ Coloque avisos na área para alertar todas as pessoas contra o perigo de radiação.
■ Não permita que ninguém, exceto o paciente, esteja na sala de tratamento quando
o feixe de MV ou kV estiver ativo.
■ Permita que apenas funcionários treinados e qualificados operem e façam a
manutenção do sistema do acelerador linear.
■ Certifique-se de que o pessoal receba dispositivos apropriados de monitoramento
de radiação e seja instruído para evitar entrar na sala de tratamento sem eles. Se
forem usados dosímetros de leitura instantânea, dosímetros de alarme ou outros
instrumentos de detecção de radiação em tempo real, certifique-se de que o
pessoal tenha recebido instruções apropriadas relacionadas com o uso destes
dispositivos.

44 Guia de Segurança do TrueBeam


Diretrizes para minimizar a exposição à radiofrequência
A radiação de radiofrequência (RF) é emitida por muitos tipos de dispositivos, de
telefones celulares a tubos de micro-ondas. A exposição a níveis baixos de radiação
de RF pode interferir em dispositivos eletrônicos; a exposição a altos níveis de
radiação de RF pode resultar em lesões corporais graves, incluindo a cegueira.
O tubo de potência de micro-ondas do stand ou do gantry produz altos níveis de
energia de micro-ondas e RF fornecida ao sistema por meio de um sistema de guia de
onda. Como essa energia não penetra o metal de maneira significativa, o corpo do
tubo de potência do acelerador linear e todo o sistema de RF são construídos com
metal e projetados de forma a atenuar ou bloquear a radiação de RF.
Para minimizar a exposição e interferência de RF, tome as seguintes precauções:
■ Impeça que pessoas estejam nas proximidades de guias de onda energizadas
abertas.
■ Evite o uso de telefones celulares e outros dispositivos eletrônicos desnecessários
na sala de tratamento ou perto de outros equipamentos médicos.
■ Certifique-se de que todas as conexões de entrada e saída de RF, guias de onda,
flanges e juntas estão bem apertadas para impedir o vazamento de RF.
■ Não opere o tubo de klystron, a menos que ele esteja devidamente conectado a
uma carga de absorção de energia adequada.
■ Antes de tratar um paciente que esteja usando um marca-passo cardíaco ou outro
dispositivo médico eletrônico implantado, entre em contato com o fabricante do
dispositivo para saber sobre os possíveis riscos relativos ao tratamento por um
acelerador linear médico. Se o dispositivo não for compatível com o tratamento,
não submeta o paciente ao tratamento.
■ Se suspeitar de vazamento de energia de RF, pare a operação do sistema do
acelerador linear até que o pessoal de serviço constate o funcionamento adequado
do sistema.
■ Não exponha nenhuma parte de seu corpo a um sistema de guia de onda de RF
energizado ou à janela de um klystron energizado.
■ Enquanto o tubo estiver energizado, não olhe e nem exponha qualquer parte de
seu corpo a uma guia de onda aberta.
■ Permita que apenas o pessoal de serviço devidamente treinado e qualificado faça
a manutenção do tubo klystron, do sistema de guia de onda de RF, ou da carga de
absorção de energia de um acelerador linear.

Capítulo 6 Precauções e perigos relativos à radiação 45


Indução de radiação de partes do acelerador linear
Os componentes de cobre, tungstênio, chumbo e ferro podem se tornar
temporariamente radioativos quando irradiados por raios X com energia excedendo
10 MeV. A indução (produção) de radioatividade é causada pela reação de
fotonêutrons, que produze nêutrons. Esses nêutrons secundários podem interagir
com parte do núcleo dos materiais nos componentes do acelerador tornando esse
núcleo instável (radioativo).

CUIDADO: Para minimizar sua exposição à radiação residual na sala de tratamento,


sempre utilize ou carregue um crachá de dosimetria de radiação ao entrar na sala de
tratamento para que a dose possa ser monitorada.

Os componentes radioativos primários são os que absorvem a maior parte da energia


de raios X:
■ Bend magnet
■ Alvos
■ Conjuntos do colimador (colimadores superior e inferior)
■ Filtros de compensação
■ Outros materiais de proteção e estruturais ao redor do alvo
Com exceção do cobre, os outros materiais (tungstênio, ferro e chumbo) tornam-se
apenas levemente radioativos após a irradiação. A maior concentração de
radioatividade ocorre no alvo (cobre e tungstênio) – que é aproximadamente 20 vezes
mais radioativo do que o próximo componente mais ativo. Imediatamente após a
desativação do feixe, o alvo pode conter até 15% da atividade total produzida no
sistema do acelerador linear.
A maior parte da radiação mensurável emana do colimador primário e das aberturas
dos colimadores. As fendas de energia de cobre no sistema de bend magnet também
podem se tornar altamente radioativas em contato direto com o feixe e podem agir
como alvos secundários. No entanto, a radiação do alvo tem boa proteção e é
colimada como o feixe primário; é fácil evitar a exposição desnecessária.
Também é possível que algum nível de radioatividade seja induzido no colimador de
tungstênio e no filtro aplanador de tungstênio ou ferro. A maior parte dessa energia é
induzida na proteção, a 30° do eixo do feixe.

46 Guia de Segurança do TrueBeam


Manuseio de componentes possivelmente radioativos
Os conjuntos radioativos do alvo podem ser removidos com segurança, com
exposição mínima, se forem adotadas práticas de trabalho bem planejadas e seguras.
A observação de três princípios básicos – tempo, distância e proteção – resulta em
doses tão baixas quanto razoavelmente possível (ALARP). Para evitar a exposição,
siga estas orientações:
■ Sempre espere o máximo de tempo possível para permitir a ocorrência da
degradação da radioatividade. As energias mais altas produzem quantidades
maiores de radioatividade. Por exemplo, um sistema de acelerador linear de 18
MV requer um período de resfriamento mais longo do que um sistema de
acelerador linear de 15 MV.
■ Avalie o perigo para determinar o nível de radiação.
Usando um medidor de taxa de dose, abra os colimadores e investigue a área
acessível mais próxima, abaixo do colimador.
■ Informe o pessoal sobre o perigo de exposição residual de bandejas de plástico,
cunhas e outros acessórios que podem tornar-se radioativos seguindo os planos
de raios X de alta energia. Tome as precauções adequadas.
■ Inspecione todos os componentes possivelmente radioativos descartáveis com um
aparelho de pesquisa GM do tipo "pancake" antes de descartá-los. Os
componentes radioativos requerem técnicas adequadas de manuseio e descarte.

Manuseio do alvo de raios X


Somente o pessoal de serviço autorizado deve manusear o alvo de raios X. O alvo de
raios X é manuseado somente durante um serviço ou reparo de grande escala. O alvo
pode tornar-se radioativo dependendo dos níveis de energia do acelerador linear e
do tempo transcorrido desde a irradiação do alvo.

CUIDADO: Não remova o alvo imediatamente depois de o feixe ter estado ligado durante
longos períodos de tempo, por exemplo, ao realizar testes físicos. Siga os procedimentos
que o seu local utiliza para manusear os componentes do acelerador. Para determinar
quando é seguro manusear o alvo, sempre meça a taxa da dose real nas proximidades do
alvo.

Para obter informações adicionais, consulte Implicações da ativação do acelerador


para os usuários na página 96.
A janela de radiação de feixe de elétron e a superfície frontal do alvo estão 57,4 cm a
montante (no caminho do feixe) da entrada do suporte da cunha.

Capítulo 6 Precauções e perigos relativos à radiação 47


Para obter mais informações sobre o manuseio do alvo de raios X, entre em contato
com o serviço da Varian.

48 Guia de Segurança do TrueBeam


Capítulo 7 Precauções e perigos elétricos

Recomendações sobre perigos elétricos


Para obter mais informações e requisitos de segurança específicos, consulte as
diretrizes federais/estaduais dos EUA e outros padrões locais e internacionais.

Minimização dos danos por EMI


Enquanto o feixe está ligado, os aceleradores lineares médicos normalmente emitem
níveis baixos de interferência eletromagnética (EMI) e radiação dispersa. Esses níveis
baixos podem interferir no desempenho de dispositivos eletrônicos como telefones
celulares, rádios, pagers ou outros dispositivos e equipamentos elétricos, levando-os
ao funcionamento defeituoso.

Minimização de danos por EMI a dispositivos médicos


A EMI e a radiação ionizante podem afetar dispositivos médicos, incluindo:
■ Bombas de infusão, como bombas intravenosas ambulatórias ou fixadas em
hastes.
■ Sistemas de monitoramento médico, como a telemetria.
■ Dispositivos implantados, como implantes cocleares ou marca-passos.
Além disso, o uso de acessórios, transdutores ou cabos que não os especificados pela
Varian pode resultar no aumento das emissões de radiação ou na diminuição da
imunidade do acelerador linear à interferência eletromagnética.
Para obter informações detalhadas sobre a interação da EMI ou da radiação ionizante
com um dispositivo eletrônico ou com componentes de terceiros, consulte a
documentação do dispositivo ou o fabricante deste.

Minimização de danos por EMI em equipamentos de testes eletrônicos


e de medição
■ Evite o uso de dispositivos elétricos desnecessários perto do sistema do acelerador
linear.
■ Use apenas acessórios, transdutores e cabos Varian.
■ Não use o sistema adjacente a outros equipamentos ou empilhado sobre os
mesmos. Se o uso dessa forma for necessário, teste o equipamento na

Capítulo 7 Precauções e perigos elétricos 49


configuração em que será usado para garantir que opere normalmente antes de
aplicar o plano.
■ Observe e relate quaisquer falhas verificadas no funcionamento das bombas de
infusão.
■ Coloque avisos na área para alertar todas as pessoas a respeito da EMI.
■ Permita que apenas funcionários treinados e qualificados operem e façam a
manutenção do sistema do acelerador linear.
■ Não permita que ninguém exceto o paciente permaneça na sala de tratamento
quando o feixe de MV ou kV estiver ativo.
■ Ao trabalhar no sistema ou perto dele, use dispositivos de monitoramento de
radiação aprovados pelo órgão de regulamentação pertinente.

Minimização de danos por EMI a dispositivos médicos implantados


A EMI e a radiação ionizante podem afetar dispositivos médicos implantados, como
marca-passos cardíacos ou implantes cocleares.
■ Alerte os pacientes quanto ao risco antes do tratamento.
■ Antes de tratar um paciente que esteja usando um marca-passo cardíaco ou outro
dispositivo médico eletrônico implantado, entre em contato com o fabricante do
dispositivo para saber sobre os possíveis riscos relativos ao tratamento por um
acelerador linear médico.
■ Faça os preparativos necessários para monitorar o funcionamento do marca-passo
ou de outro dispositivo usado por qualquer pessoa presente na sala de tratamento
ou em salas adjacentes.
■ Se suspeitar que a EMI está afetando o funcionamento do marca-passo ou de
outro dispositivo médico implantado, suspenda a operação do acelerador linear
imediatamente.
■ Coloque mensagens de atenção alertando para o possível perigo a que estão
expostas pessoas que usam um marca-passo ou outros dispositivos médicos
implantados.
■ Instrua os pacientes que usam dispositivos eletrônicos implantados ou de
ambulatório a avisarem os responsáveis por sua assistência médica caso observem
evidências de funcionamento defeituoso do dispositivo depois do tratamento.

Minimização da interferência eletromagnética (EMI) com o sistema do


acelerador linear
A EMI proveniente de outros equipamentos, como equipamentos de hipertermia ou
diatermia por micro-ondas, pode afetar os contadores de dose integrados ao
acelerador linear e, portanto, resultar em leituras de doses incorretas.
■ Mantenha as tampas, as portas e os painéis do acelerador linear fechados durante
a operação.

50 Guia de Segurança do TrueBeam


■ Se a EMI parece interferir na operação do acelerador linear ou de outros
equipamentos próximos, suspenda a operação do acelerador linear
imediatamente.
■ Para reduzir a EMI, o pessoal de serviço autorizado deve reinstalar todos os
fechos para tampas, telas e painéis. Os parafusos de painéis e tampas devem ser
correta e completamente instalados. O pessoal de serviço deve certificar-se de que
os parafusos estejam bem apertados.
O tampo da mesa de tratamento e outras partes da máquina que têm contato com o
paciente podem ser danificados pelos efeitos da desfibrilação. Se um paciente
necessitar de desfibrilação elétrica enquanto está na mesa, avalie cuidadosamente se
o equipamento foi danificado como resultado.

Minimização do risco de choque elétrico


O contato com circuitos de alta tensão pode causar lesões graves ou morte.
Durante a operação, as tensões normais em algumas áreas do acelerador linear
atingem mais de 25.000 VCC. Pressionar um botão Parada de emergência enquanto
está no modo de serviço desliga a energia do gantry, do stand e das partes do
console. Porém, tensões de até 230 VCA (380 VCA a 50 Hz) ainda permanecem ativas
na linha de força do disjuntor principal da instalação, do computador do console, do
monitor de vídeo do console, da impressora do console e na linha de força que
alimenta esses componentes. Pressionar um botão Parada de emergência enquanto
está no modo clínico não desliga a energia do stand, do gantry e do modulador.
Algumas placas poderão ter também fontes de energia de tensão superior. Para obter
mais detalhes, consulte a seguinte publicação: Guia de administradores do TrueBeam.

ATENÇÃO: Apenas o pessoal de serviço treinado seguindo todos os procedimentos de


segurança aplicáveis deve substituir os componentes elétricos. Substituir componentes
elétricos pode envolver o risco de choque elétrico e lesões.

Para minimizar os choques elétricos durante o uso de rotina do sistema, tome as


seguintes precauções:
■ Antes de trabalhar no acelerador linear, retire acessórios como anéis, pulseiras e
relógios.
■ Mantenha as tampas, as portas e os painéis do acelerador linear fechados durante
a operação.
■ Não desative as chaves de intertravamento das portas e painéis.
■ Não toque em nenhum componente interno do acelerador linear a menos que
esteja seguro de que não há risco de choque. O potencial de choque elétrico
continua a existir até que cada circuito que alimenta o acelerador linear seja
desligado no disjuntor da instalação e os capacitores de alta tensão entrem e
permaneçam em curto.

Capítulo 7 Precauções e perigos elétricos 51


Capítulo 8 Proteção individual e meios de
proteção

Visão geral da proteção individual


Ao executar a manutenção do sistema ou ao cuidar dos pacientes, as proteções
individuais e os meios de proteção podem variar entre o uso de equipamento de
proteção individual e o uso de outros meios de proteção.

Equipamento de proteção individual


Siga as diretrizes gerais para reduzir riscos e trabalhar de modo seguro com perigos
para a segurança individual, como agentes patogênicos transmitidos pelo sangue,
durante o cuidado de pacientes ou durante a limpeza hospitalar.
Consulte a norma OSHA 29 CFR 1910.132 e outros regulamentos ocupacionais e de
segurança aplicáveis, em nível estadual e federal (nos EUA), ou outros padrões locais
ou internacionais para obter mais informações e conhecer mais requisitos.

CUIDADO: Luzes e sons na sala de tratamento indicam que um feixe de MV ou kV está


ligado. Se você estiver na sala e vir ou ouvir uma mensagem de atenção Beam On (Feixe
ligado), pressione imediatamente o botão Emergency Stop (Parada de emergência) mais
próximo.

O equipamento de proteção individual, também conhecido como EPI, minimiza o


contato com os olhos, a pele, a boca, as membranas mucosas ou a roupa de material
possivelmente infeccioso ou perigoso. O equipamento de proteção individual inclui
proteção ocular, luvas e máscaras. Use sempre o equipamento de proteção individual
adequado à tarefa que está realizando.
Não há necessidade de usar tampões de ouvido enquanto estiver operando o sistema,
pois o ruído de sua operação está abaixo dos níveis de ruído estabelecidos pela
OSHA.

Diretrizes para usar equipamento de proteção individual


Estas regras gerais de utilização de equipamento de proteção individual aplicam-se a
todos os operadores do acelerador linear e pessoal de manutenção e serviço:
■ Obtenha equipamento que lhe sirva.
■ Inspecione e limpe o equipamento antes e depois de cada uso.

52 Guia de Segurança do TrueBeam


■ Use o equipamento correto para a situação.
■ Dependendo dos perigos da tarefa, talvez seja necessário usar mais de um tipo de
equipamento para sua proteção.
■ Não use um equipamento danificado ou defeituoso.
■ Qualquer pessoa usando equipamento de proteção individual deve receber
treinamento sobre quando o usar, como vesti-lo de forma apropriada e como
cuidar e fazer a manutenção dele.

Proteção para os olhos


Os funcionários devem usar óculos de proteção abertos ou fechados ao realizarem
qualquer tipo de serviço no acelerador linear que implique riscos aos olhos. As lentes
de óculos e de contato não substituem os dispositivos para proteção dos olhos.
Sempre use óculos de proteção fechados lateralmente para obter o máximo de
proteção contra partículas ou poeira que possam propagar-se no ar, e mantenha os
óculos de proteção sempre limpos.

Proteção para os pés


Os operadores devem usar sapatos totalmente fechados. Durante a serviço, a
manutenção e a instalação do acelerador linear, recomenda-se usar sapatos que
ofereçam proteção para o pé inteiro, como sapatos de trabalho. Para manutenção
elétrica no acelerador linear envolvendo potencial acima de 20 kV, use botas com
biqueira de segurança. Para evitar o risco de choque elétrico, não use botas de
segurança com ponta de aço.

Proteção respiratória
Deve-se usar máscara sempre que houver risco de exposição a substâncias suspensas
no ar, como a poeira. A máscara deve cobrir o nariz e a boca. Consulte o documento
escrito do programa de proteção respiratória de seu empregador para obter mais
detalhes.

Luvas
Quando houver riscos para as mãos, use luvas de proteção ao fazer serviços no
acelerador linear e siga estas diretrizes:
■ Manuseie as peças usadas da guia de onda como se estivessem contaminadas com
produtos de degradação e utilize-as com equipamento de proteção individual.
■ Não use luvas de couro usadas para manuseio de chumbo para outros fins. As
luvas de couro estão suscetíveis à absorção do chumbo. Use sempre luvas

Capítulo 8 Proteção individual e meios de proteção 53


descartáveis de látex, vinil ou nitrilo sob luvas de couro que foram usadas para
manusear chumbo.
■ Ao atender pacientes, evite o contato com sangue ou outros materiais
possivelmente infecciosos usando luvas de látex, vinil ou nitrilo.
■ Para evitar a perfuração das luvas, antes de lidar com itens contaminados, confira
se não há fendas, extremidades irregulares ou saliências.
■ Lave sempre suas mãos com água e sabão imediatamente após a remoção das
luvas.
■ Desfaça-se das luvas descartáveis nos recipientes apropriados. Se as luvas
estiverem contaminadas, não jogue as luvas no lixo normal.

Observação: Se for alérgico a borracha ou látex, use luvas de vinil ou de nitrilo.

Tabela 8 Tipos de proteção para as mãos

Tarefa Tipo de luva Proteção para Observações

Manuseio de Luvas de couro com Contaminação cu- Luvas de látex, vinil ou ni-
chumbo luvas de látex, vinil tânea por partículas trilo evitam a contaminação
ou nitrilo por baixo. ou pó cutânea por penetração do
chumbo, que ocorre com
luvas de couro de uso ex-
clusivo

Manuseio do be- Luvas descartáveis Contaminação cu- —


rílio de látex, vinil ou ni- tânea por partículas
trilo ou pó

Tratamento com Látex, vinil ou ni- Poeira contaminada, —


a câmara de io- trilo baixo nível de radi-
nização ação e calor moderado

Manuseio de Couro Calor moderado —


tubos quentes da
válvula Thyra-
tron

Manuseio de ob- Couro Cortes e abrasões Use também proteção para


jetos pérfuro- os olhos
-cortantes ou ás-
peros

Contato com Látex, vinil ou ni- Agentes patogênicos Use também proteção para
sangue ou ou- trilo transmitidos pelo os olhos
tros fluidos bio- sangue
lógicos

54 Guia de Segurança do TrueBeam


Tarefa Tipo de luva Proteção para Observações

Limpeza da Látex, vinil ou ni- Agentes patogênicos Use também proteção para
mesa ou do coli- trilo transmitidos pelo os olhos
mador sangue

Manuseio de Luvas com resis- Perigos químicos Use também proteção para
peças da guia de tência química, tais os olhos
onda como de borracha
ou neoprene

Manuseio de Borracha, neoprene Perigos químicos Use também proteção para


produtos quí- os olhos
micos

Agentes patogênicos transmitidos pelo sangue


Algumas infecções transmitidas pelo sangue são provocadas por vírus levados pela
corrente sanguínea. Esses vírus geralmente são transmitidos quando há contato com
sangue infectado, embora, em alguns casos, eles também possam ser transmitidos
por outros fluidos biológicos. Materiais contaminados podem entrar na corrente
sanguínea pela pele, por meio de cortes e outras fissuras, pelos olhos ou membranas
mucosas do nariz e da boca.
As pessoas infectadas por agentes patogênicos transmitidos pelo sangue, como o
vírus da hepatite B (VHB) ou o vírus da imunodeficiência humana (VIH), podem
desenvolver graves problemas de saúde que podem, em última instância, ser fatais.
Consulte a regulamentação OSHA 29 CFR 1910.1030 "Blood-borne Pathogens" e
outros padrões locais ou internacionais para obter mais informações e requisitos.
Consulte também o Plano de controle escrito do empregador de exposição a agentes
patogênicos transmitidos pelo sangue que está incluído no treinamento de
comunicação de perigos descrito em Diretrizes do treinamento para o manuseio de
materiais perigosos na página 38.

Exposição potencial a agentes patogênicos transmitidos pelo sangue


Várias situações ocupacionais podem apresentar um risco de exposição a agentes
patogênicos transmitidos pelo sangue, incluindo contato com o paciente, limpeza da
mesa de tratamento, manutenção de rotina e inspeções de manutenção periódicas.
Como o acelerador linear e seus acessórios estão localizados em um ambiente
hospitalar, você pode ficar exposto quando ocorrer um dos seguintes incidentes:
■ Tarefas relacionadas ao serviço o colocam em contato com sangue humano ou
outros fluidos biológicos que podem estar contaminados, que incluem desde
seringas hipodérmicas ou outros instrumentos perfurocortantes até materiais
como toalhas, lençóis, roupas e assim por diante.

Capítulo 8 Proteção individual e meios de proteção 55


■ Prestar atendimento de primeiros socorros de emergência a colegas.
■ Trabalho com sangue, tecidos não fixados ou órgãos humanos (vivos ou mortos);
culturas de tecidos; ou soluções que contêm sangue ou outros tecidos humanos.
■ Manuseio de animais de laboratório infectados pelo HIV ou HBV ou manuseio de
sangue, órgãos ou tecidos desses animais.

Precauções universais contra patogênicos transmitidos pelo sangue


Em caso de contato com sangue infectado, outros fluidos biológicos ou material
contaminado (como roupas de cama), siga os procedimentos específicos estabelecidos
por seu departamento ou sua instituição.
As precauções universais são:
■ Evite os atalhos de procedimento que podem poupar tempo, mas ao mesmo
tempo o expõem a possíveis agentes patogênicos transmitidos pelo sangue.
■ Consulte imediatamente seu médico.
■ Parta do princípio de que todos os fluidos biológicos são contagiosos e aja
apropriadamente. Evite contato com sangue ou outros fluidos biológicos.
■ Utilize o equipamento de proteção individual adequado quando a tarefa envolver
contato com sangue ou material possivelmente infectado ou quando prestar
primeiros socorros a alguém.
■ Mantenha sempre todos os cortes e arranhões cobertos.
■ Lave as mãos cuidadosamente com água e sabão após o contato com materiais
que possam ser contagiosos e depois de remover as luvas, as quais também
podem ter sido contaminadas.
■ Se sangue respingar em seus olhos, lave bem com água limpa durante 15 minutos,
o mais rápido possível após a exposição.

Precauções com raio laser


O sistema localizador opcional usa até cinco raios laser de Classe II para identificar
visualmente o isocentro e facilitar o posicionamento do paciente. Todos esses feixes
são visíveis e assemelham-se a uma linha luminosa de cor vermelha ou verde.

CUIDADO: Nunca olhe diretamente para um raio laser ou para o seu reflexo em uma
superfície polida. Pode causar danos na retina. Aconselhe os pacientes a seguirem essa
orientação.

Para saber quais são os outros alertas, consulte a documentação fornecida pelo
fabricante da unidade de laser.

56 Guia de Segurança do TrueBeam


Precauções de funcionamento do tubo de micro-ondas
A operação de tubos de micro-ondas pode apresentar graves riscos devido à alta
tensão, aos componentes corrosivos e tóxicos e à água quente ou superfícies quentes.

CUIDADO: Siga os meios de proteção adequados para proteger outras pessoas e você
mesmo na sala de tratamento ou perto dela de perigos associados à operação de micro-
ondas. Tais perigos incluem alta tensão, compostos corrosivos e tóxicos, superfícies
quentes e fluidos quentes.

Precauções de alta tensão


Tubos de micro-ondas funcionando a temperaturas altas o suficiente para causar
morte por choque elétrico.
Você pode minimizar os danos ou lesões de perigos elétricos ao trabalhar com ou
perto de tubos de micro-ondas.
■ Quando for necessário acessar um tubo de micro-ondas, sempre interrompa os
circuitos primários do suprimento de energia e descarregue os circuitos de alta
tensão antes de começar a trabalhar.
■ Siga os procedimentos adequados de lockout e tagout; consulte Lockout e tagout
à energia elétrica principal na página 74 para obter instruções.
■ Mantenha uma distância segura das tensões encontradas.
■ Use telas de segurança aterradas quando fizer operações no tubo.

Precauções de compostos tóxicos e corrosivos


Ocasionalmente, as guias de onda de saída externa, os catodos e as buchas de alta
tensão dos tubos de micro-ondas funcionam em sistemas que usam gás dielétrico
para impedir a decomposição de micro-ondas ou da alta tensão.
A liberação de gás dielétrico na presença de umidade e centelhação pode criar
compostos tóxicos e corrosivos.
Para minimizar os danos de decomposição de gás dielétrico, tome estas precauções:
■ Quando detectar um vazamento no sistema dielétrico ou quando a guia de onda
for desmontada para manutenção, ventile a área e evite respirar vapores ou tocar
nos líquidos que se formarem.
■ Tome as precauções adequadas à presença de substâncias altamente tóxicas e
corrosivas antes de permitir que funcionários trabalhem no tubo ou em suas
proximidades.

Capítulo 8 Proteção individual e meios de proteção 57


Precauções de água quente
Temperaturas extremas são verificadas na porção coletora de elétrons do tubo de
micro-ondas durante a operação.
Os canais de água usados para o resfriamento podem atingir altas temperaturas,
como a temperatura do ponto de ebulição da água (100 °C – 212 °F ou superior), e a
água quente fica sob pressão (geralmente 100 psi). A ruptura do canal de água ou o
contato com as partes quentes do tubo podem resultar em escaldamento ou
queimadura.
Para evitar o contato com a água quente, desligue o sistema de água e deixe que ele
esfrie antes de enviar o acelerador linear para serviço.

Precauções de vazamento de água


Os vazamentos de água são raros. Um vazamento pode provir do sistema de água
das instalações ou da própria máquina.

ATENÇÃO: No caso de um vazamento de água, desligue o sistema usando um botão


Emergency Stop (Parada de emergência) e notifique o serviço da Varian. Cuide para não
escorregar. Leve em consideração o possível perigo de choque elétrico.

Se o vazamento for no sistema de água da rua, você pode reduzir o fluxo, desligando
as válvulas diretamente na fonte de abastecimento, e retornar a válvula ao lugar
(embaixo do chão ou atrás da parede). Caso contenha glicol (um anticongelante), a
água da rua pode apresentar uma coloração avermelhada.
Se o vazamento estiver no sistema de água interno da máquina, ela emitirá um aviso
de falha de fluxo e se desligará. O fluxo de água poderá ficar mais lento quando a
bomba de água estiver desligada. Se o vazamento estiver na parte inferior do tanque,
ele continuará a fluir até que o tanque se esvazie. A montagem da caixa que hospeda
o filtro do sistema de água dentro da máquina contém um inibidor de corrosão e um
filtro de pellets secos de biocidas. O sistema de água dentro da máquina pode conter
químicos inibidores ou biocidas.
A água interna do equipamento também é misturada com químicos inibidores de
depósitos e corrosão (Meras Engineering SR1010CL-VMS).

58 Guia de Segurança do TrueBeam


Precauções de superfícies quentes
Muitos dos componentes do acelerador linear funcionam a altas temperaturas,
incluindo os tubos da válvula de Thyratron presentes no compartimento do
modulador do stand, as lâmpadas de quartzo-halogênio da cabeça de raios X e seus
acessórios e os dissipadores de calor do transistor nas fontes de alimentação. O
isolador do cátodo e as superfícies do aquecedor de cátodo podem ficar
significativamente quentes. Todas as superfícies aquecidas podem permanecer
quentes por um longo período após o desligamento do tubo.
O contato do corpo com a superfície de um componente que funciona a alta
temperatura pode causar queimaduras graves. Além disso, a oleosidade e umidade
de sua mão podem danificar os tubos ou componentes de porcelana.
Para minimizar o risco de queimaduras, tome as seguintes precauções:
■ Seja cuidadoso e evite o contato com lâmpadas, dissipadores de calor, tubos da
válvula de Thyratron e outros componentes que causam sensação de calor
quando você se aproxima deles.
■ Se for preciso manusear um componente que produz calor, permita a existência
de um período de resfriamento depois de desligar a energia.
■ Se estiver consertando ou efetuando a manutenção do equipamento, siga os
procedimentos de lockout e tagout apropriados.
■ Ao lidar com tubos ou componentes de porcelana, use luvas de couro para evitar
o contato direto com a pele e para evitar que a oleosidade ou umidade da mão
danifiquem os tubos ou componentes de porcelana.

Implosão
Devido ao vácuo interno no klystron e no sistema do acelerador linear, as janelas de
cerâmica e vidro que separam o vácuo da guia de onda podem estilhaçar-se para
dentro (implodir) se forem atingidas por um objeto rígido ou submetidas a um
impacto mecânico. Outros componentes que podem implodir são os tubos da válvula
de Thyratron no modulador.
Estilhaços lançados ao ar devido à implosão podem resultar em lesões, inclusive
cortes e perfurações.
Ao trabalhar com o acelerador linear ou próximo a qualquer parte do acelerador
linear que tenha vácuo, tome todas as precauções necessárias para proteger o corpo
contra estilhaços lançados ao ar, produzidos por possível implosão. Vista
equipamento de proteção individual para proteção contra ferimentos.

Capítulo 8 Proteção individual e meios de proteção 59


Elevação de objetos pesados
O ato de mover equipamentos com o corpo apresenta riscos a quem o mover.
Elevar e manusear equipamentos ou objetos pesados de forma indevida pode causar
lesões, inclusive entorses, contusões, fraturas, ferimentos e hérnias.
Para obter mais orientações sobre elevação de objetos pesados, consulte Elevação e
manuseio de objetos pesados na página 84.

Equipamentos em movimento
Equipamentos deslocados remotamente ou que não estejam devidamente firmes ou
instalados podem mover-se inesperadamente e ferir o paciente, o operador ou outros.
Tome precauções quando um paciente estiver na mesa e esta estiver em movimento.
Para obter mais informações, consulte a publicação a seguir: Instruções de uso do
TrueBeam.

Movimentos remotos
Operadores fora da sala de tratamento podem usar controles remotos para mover a
posição da mesa, do colimador, do gantry e dos braços do detector de imagem.
Para obter diretrizes sobre como minimizar o risco de colisões entre paciente e
máquina, consulte a seguinte publicação: Instruções de uso do TrueBeam.

Queda de peças
Se uma peça ou um acessório estiverem instalados incorretamente, a peça ou o
acessório poderão cair sobre paciente, operador ou outra pessoa e causar lesões
graves.
Para obter diretrizes sobre como minimizar o risco de lesões devido à queda de
peças, consulte a seguinte publicação: Instruções de uso do TrueBeam.

Pontos de aperto da mesa e perigos de colisão


Os transportes da mesa, o tampo da mesa de tratamento e o mecanismo de elevação
contêm inúmeros pontos de aperto, que podem resultar em lesões graves ou morte.
Para obter diretrizes sobre como minimizar o risco de lesões por esmagamento,
consulte a seguinte publicação: Instruções de uso do TrueBeam.

60 Guia de Segurança do TrueBeam


É raro, porém possível, que a mesa entre em contato (colida) com outra parte da
máquina. Se isso ocorrer, o pessoal local deve estar instruído a entrar em contato com
a equipe da Varian para executar o serviço. Não use a mesa para o tratamento até que
o serviço esteja concluído.

Cantos pontiagudos
A maioria dos componentes do sistema possui cantos redondos ou lisos. No entanto,
é possível que os cantos dos componentes fiquem pontiagudos devido a danos ou a
outra causa.

CUIDADO: Os cantos de componentes representam riscos de pequenas lesões quando


estes são pontiagudos ou se tornam pontiagudos devido a danos. Seja cuidadoso ao
manusear componentes da máquina para reduzir o risco de lesão. Inspecione
regularmente a máquina, os acessórios e quaisquer dispositivos não pertencentes à
Varian e que sejam usados com o sistema. Reporte quaisquer danos ao seu
representante de CQ local.

Os gabinetes da estação de trabalho, o logo do sistema, acessórios e equipamento não


pertencente à Varian na sala de tratamento são itens que podem ter cantos
pontiagudos.

Capítulo 8 Proteção individual e meios de proteção 61


Capítulo 9 Limpeza

Limpeza hospitalar segura


Siga as seguintes diretrizes de limpeza hospitalar:
■ Use equipamento de proteção individual apropriado, incluindo proteção para os
olhos e luvas impermeáveis.
■ Limpe e desinfete todos os equipamentos e superfícies de trabalho que foram
contaminados por sangue ou outros materiais possivelmente infecciosos. Use o
desinfetante exigido pelo empregador (ou, se nenhum foi especificado, uma
solução de 5,25% de hipoclorito de sódio [alvejante doméstico] diluído em água
entre 1:10 e 1:100).
■ Remova e substitua todas as coberturas protetoras de plástico e alumínio que
possam ter sido contaminadas.
■ Use sempre instrumentos mecânicos como pinças, fórceps ou uma escova e pá
para coletar os fragmentos de objetos de vidro quebrados e contaminados. Nunca
pegue com as mãos objetos de vidro quebrados, mesmo que esteja usando luvas.
■ Coloque todo o lixo contaminado em recipientes de material impermeável que
possam ser fechados ou em sacos marcados por códigos de cores e identificados
adequadamente. O lixo infeccioso deve ser envolvido por dois sacos se o lado
externo do saco estiver contaminado por sangue ou outros materiais
possivelmente infecciosos.
■ Coloque todos os materiais perfurocortantes em recipientes resistentes a
perfurações para o descarte.
■ Inspecione e desinfete regularmente os cestos de lixo, baldes e latas usadas para o
armazenamento ou descarte de materiais possivelmente infecciosos.
■ Limpe regularmente o console de controle e todos os controles acessíveis ao
operador na área do console com o agente de limpeza e desinfecção especificado
pelas instalações. Se nenhum estiver especificado, use 5,25% de hipoclorito de
sódio (alvejante doméstico) diluído em água entre 1:10 e 1:100.
As partes aplicadas são as partes que têm contato com o paciente ou que podem vir a
ter contato com o paciente. Elas devem ser limpas como descrito neste capítulo. As
partes aplicadas são as seguintes:
■ Mesa
■ Aplicador de elétron
■ Bloco refletor da comutação respiratória
■ Braços do detector de imagem
■ Colimador

62 Guia de Segurança do TrueBeam


■ Gantry

Diretrizes de limpeza
Vista equipamento de proteção individual, tal como proteção para os olhos e luvas
impermeáveis, antes de qualquer limpeza.
Ao limpar a parte externa da máquina, use um pano umedecido com água e sabão
neutro e siga estas orientações gerais:
■ Não permita que se formem poças de água na unidade ou que a água entre nos
compartimentos.
■ Não utilize produtos de limpeza abrasivos ou inflamáveis na mesa ou nos
revestimentos.
■ Não borrife soluções de limpeza na mesa. Em vez disso, molhe um pano com um
pouco da solução de limpeza e esfregue as superfícies da mesa até estarem
limpas. Esse método de limpeza diminui o risco de a solução vazar nos suportes
da mesa e em outros componentes.

Limpeza do gantry e das coberturas do stand


1. Use um pano para remover a poeira ou sujeira acumuladas nos revestimentos.
2. Mergulhe um pano em uma solução de água e sabão ou em um limpador suave
em spray e torça-o de modo que fique apenas úmido. Depois, remova a poeira e
sujeira comuns.
3. Para remover substâncias pegajosas ou oleosas, use álcool isopropílico em um
pano.

Limpeza da mesa
Os procedimentos nesta seção podem ajudar a garantir que todos os componentes da
mesa de tratamento estão prontos para uso quando necessário. De acordo com as
orientações locais, limpe os seguintes componentes:
■ Tampo da mesa de tratamento
■ Superfícies pintadas externas
■ Coberturas externas
■ Extensão do pé
■ Extensão para a cabeça
■ Grades para as mãos
■ Pendente manual

Capítulo 9 Limpeza 63
Somente o pessoal autorizado e qualificado deve limpar grades, trilhos e
cremalheiras.

CUIDADO: Os fluidos biológicos, a água e os agentes de limpeza que penetram nos


mecanismos internos da mesa e equipamentos relacionados podem provocar curtos-
circuitos que podem danificar o equipamento e causar lesões corporais, como um
choque elétrico.
■ Antes de limpar a mesa, desligue toda a alimentação elétrica da mesa.
■ Enxugue substâncias que possam ter sido derramadas e seque bem todas as
superfícies. Se tiver ocorrido um derramamento, não restaure a energia. Chame o
pessoal de serviço da Varian de sua localidade.

Limpe sempre o tampo da mesa de tratamento de acordo com as instruções


fornecidas neste capítulo.
Nos casos em que fluidos biológicos contaminam o interior do painel lateral, limpe o
exterior o mais rapidamente possível com um pano absorvente e um produto de
limpeza recomendado neste documento. Se houver contaminação na parte interna,
agende o serviço o quanto antes para a limpeza, ou, se necessário, substituição do
painel lateral.

Observação: Os principais materiais do tampo da mesa de tratamento de IGRT que entram em


contato com o paciente têm uma fórmula idêntica aos utilizados no tampo da mesa de
tratamento Exact. A Varian tem mais de 10 anos de experiência com o tampo da mesa de
tratamento Exact. Durante este tempo de uso clínico, a Varian não recebeu nenhum relatório de
reações adversas de pacientes relacionadas à biocompatibilidade com os materiais da mesa.

Em caso de colisão entre a mesa e outra parte da máquina, agende o serviço para
uma possível limpeza ou substituição de peças afetadas. Não use a mesa até que esse
serviço tenha sido executado.

Uso das soluções recomendadas


Use apenas os produtos de limpeza listados na tabela seguinte para limpar a mesa.
Entre em contato com um representante autorizado da Varian se tiver dúvidas sobre
a limpeza com soluções de produtos químicos.

Tabela 9 Soluções de limpeza para a mesa

Solução Compatível com o tampo da Compatível com mancais e


mesa de tratamento? componentes metálicos?

Álcool isopropílico Sim Sim

Água e sabão Sim Não

64 Guia de Segurança do TrueBeam


Solução Compatível com o tampo da Compatível com mancais e
mesa de tratamento? componentes metálicos?

Limpador suave em spray Sim Não

Alvejante diluído Sim Não

Álcool mineral Não Sim

Não use alvejantes concentrados à base de cloro (>40%) ou soluções de limpeza à


base de acetona, pois causarão danos aos componentes e seu descoloramento.

Limpar a mesa
Siga o mesmo procedimento para limpar o tampo da mesa de tratamento, a cobertura
externa e as superfícies pintadas.
1. Desligue toda a energia que abastece a mesa.
2. Use um pano para remover a sujeira ou poeira acumulada.
3. Para remover a poeira e sujeira comuns, mergulhe o pano em uma solução de
água e sabão ou em um limpador suave em spray e torça-o de modo que fique
apenas úmido para remover a poeira e sujeira comuns. Depois limpe.

Observação: Remova o excesso de solução para minimizar os danos resultantes da exposição


contínua.

4. Para remover substâncias pegajosas ou oleosas, mergulhe um pano em álcool


isopropílico e, a seguir, limpe.

Limpeza do painel lateral após contaminação de fluidos biológicos


Durante o tratamento é raro, mas possível, que fluidos biológicos possam contaminar
o painel lateral interior. Caso tal aconteça, o pessoal local deve limpar o exterior o
mais rapidamente possível com um pano absorvente e qualquer produto de limpeza
recomendado.
Caso fluidos biológicos tenham contaminado o painel lateral interno, os funcionários
do local estão instruídos a entrar em contato com o pessoal da Varian para que
executem os serviços o mais breve possível. Esses serviços incluem limpeza,
substituição do painel lateral ou ambos.
1. Efetue o tagout da mesa.
2. Desligue toda a energia elétrica que abastece a mesa.
3. Desmonte o painel lateral afetado.
4. Enxágue bem as peças contaminadas com água quente e quaisquer produtos de
limpeza recomendados.

Capítulo 9 Limpeza 65
5. Seque as peças com um pano absorvente ou um secador a uma baixa potência.
6. Em caso de resquícios de contaminação, substitua o painel lateral por um novo.

Limpeza do intertravamento refletor do sistema de


gating respiratório
Se você tem um sistema de gating respiratório, pode limpar o bloco refletor do gating
respiratório usando os produtos de limpeza recomendados para a mesa.
Você também pode usar um filme de barreira de superfície colocado sobre a base do
marcador para fornecer uma barreira estéril entre o paciente e o bloco marcador.

66 Guia de Segurança do TrueBeam


Capítulo 10 Serviço e manutenção

Manutenção periódica
A manutenção periódica inclui as ações seguintes:
■ Inspeção, limpeza e verificação dos elementos eletromecânicos do sistema para
garantir o desgaste e operação otimizados do componente.
■ Verificações periódicas de todos os sistemas de segurança.
■ Verificações de desempenho para o feixe e o movimento.

CUIDADO: A falha de componentes eletrônicos no pendente ou no detector de imagem


pode resultar na perda do uso do braço do detector de imagem. Certifique-se de que
estes componentes são verificados regularmente.

O cliente é responsável pela organização da manutenção periódica (PM). A Varian


recomenda que todos os procedimentos de manutenção preventiva, incluindo todas
as calibrações necessárias para manter o desempenho da máquina dentro das
especificações, sejam realizados pelo menos quatro vezes por ano (trimestralmente).
Os intervalos de manutenção preventiva aplicáveis para os diferentes componentes
do sistema devem ser determinados pela organização de serviços da Varian. A não
realização da manutenção preventiva pode resultar na redução da confiabilidade da
máquina e pode afetar a segurança. A Varian recomenda manter os registros das
verificações realizadas.
A Varian fornece manutenção periódica para clientes cujos sistemas estão sob
garantia ou cobertos por um contrato de serviço. Os clientes que mantêm seus
sistemas com engenheiros internos devem garantir que estes engenheiros são
treinados pela Varian.
A Varian fornece dois níveis de treinamento em manutenção técnica: Manutenção
Técnica 1 e Manutenção Técnica 2. O Manutenção Técnica 1 engloba uma rotina
básica de manutenção e administração. O Manutenção Técnica 2 engloba tópicos
mais extensivos, incluindo ajustes, serviço e manutenção periódica em máquinas. O
Manutenção Técnica 1 é um pré-requisito para o Manutenção Técnica 2.
Para mais informações sobre manutenção técnica e sobre o treinamento em
manutenção técnica, entre em contato com o Distrito de Serviço da Varian ou com o
Gerente de Vendas.

Capítulo 10 Serviço e manutenção 67


Acionamento automático do modo Standby para On
O acelerador linear pode estar configurado pelo administrador do sistema para
mudar automaticamente do modo Standby (Espera) para On (Ligado) em um tempo
prescrito. As pessoas que estiverem trabalhando no acelerador linear ou nas
proximidades devem estar atentas aos sinais de aviso e aos meios de desativação do
recurso.
Se o modo Acionamento automático estiver ativado, um alarme sonoro será emitido
uma vez a cada minuto durante vários minutos antes de a energia ser realmente
ligada para avisar as pessoas na área.
O modo Acionamento automático permanece temporariamente desativado enquanto
a porta da sala de tratamento estiver aberta, o que sempre deve ocorrer durante a
execução da manutenção.

Precauções contra choque elétrico


Somente pessoas autorizadas e qualificadas para serviços em equipamentos de alta
tensão devem realizar reparos e manutenção no acelerador linear.
Durante os procedimentos de reparo e manutenção, os funcionários devem seguir
orientações gerais para evitar o risco de choque elétrico. Todos os sistemas acelerador
linear devem estar sob controle de lockout e tagout para evitar o risco de choque
elétrico. Mesmo com o disjuntor principal da instalação desligado, bloqueado e
etiquetado, muitos capacitores de alta tensão do acelerador linear continuarão
apresentando risco de choque até que sejam descarregados. Alguns capacitores de
alta tensão podem recarregar-se espontaneamente, atingindo níveis de tensão
perigosos mesmo depois de descarregados.
Um modo conveniente e seguro de descarregar os capacitores de alta tensão são as
hastes para descarregar alta tensão, que são fixadas no gantry e no gabinete
modulador.

Minimização do risco de choque elétrico


■ Permita que somente pessoas com treinamento e qualificação adequados e com
conhecimento total de perigos elétricos e práticas de segurança de alta tensão
trabalhem no sistema do acelerador linear, incluindo a remoção do
encapsulamento protetor de unidades de raios laser, acessórios e suprimentos de
energia.
■ Faça o lockout/tagout do sistema ou subsistema em serviço.

68 Guia de Segurança do TrueBeam


Antes de tocar em qualquer componente alimentado por circuito de alta tensão,
corte a energia do circuito e siga os procedimentos de lockout e tagout
apropriados, conforme a OSHA 29 CFR parte 1910.147 ou padrões locais
equivalentes.
■ Não toque em conectores e circuitos na parte traseira dos braços de detecção de
imagem de quilovolt (kV) e megavolt (MV).
■ Desligue todos os equipamentos elétricos antes de movê-los.
Desligue a corrente elétrica ao trabalhar em áreas fechadas do sistema do
acelerador linear, por exemplo, nos compartimentos de serviço do acelerador
linear localizados em ambos os lados do stand. Tome um cuidado especial nessas
áreas fechadas: qualquer componente elétrico nessas áreas que não esteja
desligado pode causar um choque elétrico acidental.
■ Aterre o circuito com a haste mais próxima para descarregar alta tensão.
Mantenha a haste conectada ao circuito enquanto trabalha diretamente nele ou
próximo a ele. Use mais de uma haste para descarregar alta tensão para impedir a
possível perda de aterramento.
■ Certifique-se de que todas as partes de seu corpo que possam ter contato com o
sistema do acelerador linear estejam completamente secas.
■ Se necessário, providencie iluminação adicional. Uma iluminação adequada é
necessária na área em que o trabalho é executado.
■ Ao concluir a manutenção, restaure imediatamente os intertravamentos que
tiveram de ser desativados para fins de manutenção. Nunca deixe o sistema do
acelerador linear sem supervisão quando um intertravamento estiver desativado,
sem primeiro colocar os sinais de atenção apropriados.

Uso de hastes para descarregar alta tensão


Quando trabalhar no modulador, no deck do canhão de elétrons ou em subsistemas
vacion, use hastes para descarregar alta tensão para dissipar por completo a energia
residual armazenada e deixe as hastes no local para impedir que a carga se acumule
novamente. Use mais do que uma haste para descarregar alta tensão.
Antes de iniciar o serviço, sempre verifique se a energia foi totalmente interrompida
medindo a ausência de tensão no subsistema.
Ao usar hastes para descarregar alta tensão verifique o seguinte:
■ Verifique o sistema do acelerador linear para se certificar de que os itens não
essenciais (como ferramentas ou equipamentos) foram removidos da área e de
que o acelerador linear está operando corretamente.
■ Certifique-se de que o pessoal está posicionado de modo seguro.
Quando o trabalho tiver sido concluído, realize o seguinte:
■ Remova as hastes para descarregar alta tensão, os dispositivos de lockout e as
etiquetas.

Capítulo 10 Serviço e manutenção 69


■ Ligue a energia do subsistema.
■ Verifique se o subsistema está funcionando adequadamente.

Visão geral dos procedimentos de lockout e tagout


O serviço e a manutenção devem ser realizados somente por pessoal autorizado e
treinado para trabalhar com o sistema. Os serviços realizados por pessoas sem a
devida qualificação podem resultar em mau desempenho, danos no acelerador linear,
lesões graves e mesmo fatais.
As diretrizes de segurança de serviço e manutenção e os procedimentos de lockout e
tagout do sistema do acelerador linear e seus subsistemas são obrigatórios para
minimizar o risco de lesões em pessoal ou danos ao equipamento. Você deve seguir
as diretrizes para levantar equipamentos pesados durante o serviço e a manutenção
para evitar lesões ou outros perigos ao trabalhar com o sistema.
O procedimento de lockout interrompe o fornecimento de energia para a peça em
questão, enquanto o procedimento de tagout instala um aviso para indicar
claramente o estado bloqueado. Todos os funcionários deverão seguir esses
procedimentos durante o serviço ou a manutenção, para reduzir o risco de lesões ou
danos ao acelerador linear devido a choque elétrico ou a um movimento não
planejado do acelerador linear.
Para obter mais informações sobre os procedimentos e requisitos de lockout e tagout,
consulte as publicações seguintes:
■ Norma OSHA 29 CFR 1910.147, "The Control of Hazardous Energy (Lockout/
Tagout)" (O controle de energias perigosas – lockout/tagout).
■ Norma OSHA 29 CFR 1910.333, "Selection and Use of Work Practices" (Seleção e
uso de práticas de trabalho).
■ Outros regulamentos ocupacionais de saúde e segurança aplicáveis, em nível
estadual e federal (nos EUA) ou outros padrões locais ou internacionais.

Observação: Você é o responsável pelo descarte seguro das baterias que devem ser descartadas,
incluindo baterias UPS, seguindo os procedimentos de controle de materiais perigosos de sua
instalação.

Uso dos procedimentos de lockout e tagout


Os termos lockout e tagout referem-se a práticas e procedimentos específicos para
proteger os funcionários contra a energização ou inicialização inesperada do
equipamento, ou contra a liberação de energia perigosa, durante serviços ou
manutenções, que possam representar perigo pelo aperto, esmagamento, choque
elétrico ou outros meios.

70 Guia de Segurança do TrueBeam


A orientação é de que uma trava e uma etiqueta contendo os dizeres "Do Not
Operate" (Não opere) devem ser colocadas nos equipamentos antes do serviço,
evitando assim o uso inadvertido e possíveis lesões. O lockout e tagout são
necessários quando são realizados serviços ou manutenções no sistema do acelerador
linear ou em um subsistema do acelerador linear, ou se uma inicialização inesperada
ou a liberação de energia armazenada puderem causar lesões nos funcionários.
Devem ser desligadas e protegidas por pessoal autorizado todas as fontes de energia
perigosas, às quais o pessoal possa estar exposto (inclusive fontes de energia elétrica,
mecânica e potencial) devido à gravidade ou à pressão. Dependendo do trabalho
sendo realizado, pode ser necessário usar diversos procedimentos para isolar todas
as fontes de energia.
As regras e os padrões estabelecidos para os procedimentos de lockout e tagout
aplicam-se a todas as pessoas que trabalham na manutenção e operação do sistema
do acelerador linear. O descumprimento dos procedimentos de lockout e tagout
apropriados pode resultar em lesões graves e possivelmente fatais. Consulte o
programa escrito de lockout e tagout de seu empregador.

ATENÇÃO: Não remova, desative ou ignore dispositivos de lockout e tagout. Somente


uma pessoa de serviço é autorizada a removê-los. A remoção não autorizada pode
resultar em danos ao acelerador linear, lesões ou morte de pacientes ou funcionários.

Capítulo 10 Serviço e manutenção 71


1. Dispositivo de lockout de chave de 3. Cadeado
disjuntor 4. Trava multilock
2. Dispositivo de lockout de chave de
disjuntores multipolo

Figura 3 Dispositivos típicos de lockout e tagout

Liberação de lockout durante reparações


Não é necessário seguir os procedimentos de lockout e tagout se o pessoal de serviço
e manutenção não ficar exposto a uma liberação inesperada de energia perigosa.
Para certas funções de serviço e manutenção, o acelerador linear ou partes dele terão
de ser ligados. Para testar ou posicionar o equipamento, pode ser necessário remover
temporariamente os dispositivos de lockout e tagout e ligar o equipamento ou o
sistema do acelerador linear. O trabalho ainda deve ser realizado com os meios de
proteção adequados para evitar o risco de exposição a fontes de energia perigosa.
Assim que possível, depois de concluído o teste, o pessoal de serviço autorizado deve
desligar o sistema do acelerador linear novamente e retomar os procedimentos de
lockout e tagout.

72 Guia de Segurança do TrueBeam


Lockout de equipamento durante troca de turno
Se a manutenção realizada em um sistema do acelerador linear for prolongada para
além de um turno, ou se houver mudança do pessoal em serviço, é necessário que os
outros funcionários acionem seus travamentos no dispositivo de lockout antes de
começarem a trabalhar no sistema acelerador linear.
Se a manutenção do sistema do acelerador linear exigir diversos funcionários, todos
devem colocar seus travamentos no dispositivo de lockout.

Procedimentos de lockout e tagout para trabalhadores contratados


Sempre que pessoal externo (contratados ou outros) estiver trabalhando no
acelerador linear, o empregador ou proprietário local e os contratados externos
devem comunicar entre si os procedimentos de lockout e tagout que estiverem
usando.
O pessoal autorizado responsável pelo lockout deve certificar-se de que todos os
funcionários envolvidos compreendam e cumpram os procedimentos de lockout
adequados de acordo com este manual e a regulamentação aplicável. Coordene as
atividades de lockout com todas as partes envolvidas.

Capítulo 10 Serviço e manutenção 73


Lockout e tagout à energia elétrica principal
Quando forem realizados serviços que requeiram a interrupção da fonte de energia
principal do acelerador linear, ou quando a inicialização ou liberação de energia
armazenada puderem ocorrer e causar lesões nos funcionários, realize o
procedimento de lockout/tagout da energia elétrica principal do sistema do
acelerador linear.

ATENÇÃO: Se a energia elétrica principal do sistema do acelerador linear for ativada


enquanto houver alguém executando o serviço no sistema acelerador linear, isso poderá
resultar em lesões graves e mesmo fatais.

1. Posição ON (LIGADO)
2. Posição OFF (DESLIGADO)

Figura 4 Fazer lockout e tagout à energia elétrica principal

1. Avise os funcionários afetados que trabalham na área que a fonte de energia


elétrica principal do sistema do acelerador linear será submetida a lockout e
tagout.
2. Coloque o sistema do acelerador linear no modo de economia de energia.
3. Desligue o disjuntor principal, a caixa de distribuição ou outros dispositivos de
isolamento de energia que forneçam energia ao sistema do acelerador linear.
4. Conecte um dispositivo de lockout e tagout apropriado e uma etiqueta no
dispositivo de isolamento de energia.
5. Verifique se a energia foi desligada.

74 Guia de Segurança do TrueBeam


Restaurar a energia elétrica principal
1. Verifique o acelerador linear e a área imediatamente adjacente à máquina para
assegurar-se de que os itens não essenciais (como ferramentas ou equipamentos
de serviço) foram removidos e que o acelerador linear está funcionando da
mesma forma que operava antes do serviço.
2. Certifique-se de que o pessoal está posicionado de modo seguro.
3. Remova os dispositivos de lockout e as etiquetas.
4. Ligue a energia principal.
5. Avise aos funcionários afetados que o serviço foi concluído e que o acelerador
linear está pronto para a inicialização.

Lockout e tagout à energia elétrica em um subsistema do


acelerador linear
Quando forem realizados serviços em um subsistema do acelerador linear em que é
possível a ocorrência de uma inicialização ou liberação inesperada de energia
acumulada que poderá provocar ferimentos em pessoal, faça o lockout e tagout da
energia elétrica do subsistema na fonte de energia aplicável.

ATENÇÃO: Se a energia elétrica principal do sistema do acelerador linear for ativada


enquanto houver alguém executando o serviço no sistema acelerador linear, isso poderá
resultar em lesões graves e mesmo fatais.

1. Avise os funcionários afetados que trabalham na área que a fonte de energia


elétrica do subsistema será submetida a lockout e tagout.
2. Identifique e localize a fonte de energia elétrica do subsistema individual onde o
trabalho será realizado.
Para obter informações detalhadas, consulte os diagramas elétricos que se
encontram no livro de dados ou no manual de serviço e dos sistemas do produto.
3. Desative a energia do subsistema desligando o dispositivo de isolamento de
energia apropriado.
4. Conecte os dispositivos de lockout e tagout apropriados aos dispositivos de
isolamento de energia adequados.
5. Use hastes para descarregar alta tensão para dissipar qualquer energia restante.
6. Verifique se a energia foi desligada.

Capítulo 10 Serviço e manutenção 75


Lockout e tagout a subsistemas de instalações
Quando forem realizados serviços em subsistemas da instalação em que é possível a
ocorrência de uma inicialização ou liberação inesperada de energia acumulada que
poderá provocar ferimentos em pessoal, faça o lockout e tagout da energia elétrica do
subsistema na fonte de energia aplicável.
Os subsistemas normais de instalações incluem os seguintes sistemas:
■ Luzes de configuração.
■ Lasers.
■ Circuito fechado de TV (CFTV).
■ Monitores internos da sala de tratamento.

ATENÇÃO: Desative a energia elétrica do subsistema da instalação antes de realizar


serviços técnicos. A ativação da energia elétrica do subsistema da instalação enquanto
alguém está realizando serviços técnicos no acelerador linear ou seu subsistema pode
resultar em lesões graves ou fatais.

76 Guia de Segurança do TrueBeam


Lockout ao gantry
Você pode evitar a rotação inesperada do gantry durante o serviço fazendo o lockout
e tagout do pino de travamento do gantry. Os procedimentos de lockout e tagout são
sempre necessários para a remoção das tampas, por exemplo, durante serviços no
sistema de acionamento do gantry como o motor e a corrente de transmissão.

Figura 5 Pino de travamento do gantry com lockout/tagout

ATENÇÃO: A colisão entre o gantry e o pessoal de serviço ou entre o gantry, a mesa de


tratamento, os braços de aquisição de imagem, outros objetos fixos e qualquer pessoa
entre eles, pode provocar lesões graves ou mesmo fatais. As colisões também podem
danificar seriamente o equipamento. Monitore cuidadosamente o movimento da
máquina e mantenha-se afastado dos braços do detector de imagem, do gantry e da
mesa quando eles estiverem em movimento.

Capítulo 10 Serviço e manutenção 77


Quando o pino de travamento do gantry estiver liberado e os componentes do
sistema de acionamento estiverem intatos, pequenos desequilíbrios no gantry
causados pela remoção de tampas ou outros componentes podem resultar em uma
rotação lenta do gantry. A velocidade de rotação está diretamente relacionada ao
grau de desequilíbrio. Se os componentes do sistema de acionamento não estiverem
intatos (por exemplo, se a corrente de transmissão tiver sido removida),
desequilíbrios no gantry podem resultar em uma rotação mais rápida.
1. Avise os funcionários afetados que o gantry será submetido a lockout e tagout.
2. Certifique-se de que o eixo de rotação do gantry esteja desobstruído.
3. Gire o gantry até que ele atinja uma das quatro posições de travamento (0, 90, 180
ou 270°). Escolha o ângulo que garanta melhor acessibilidade para os serviços
técnicos ou de manutenção a serem realizados.
4. Engate o pino de travamento.
5. Coloque os dispositivos e as etiquetas de lockout adequados no pino de
travamento do gantry.
6. Confirme visualmente se o pino de travamento do gantry está engatado.
7. Enquanto estiver posicionado fora do arco de rotação do gantry, verifique se o
gantry está bem travado, movendo-o ou balançando-o manualmente ou usando o
pendente manual.

Liberação do lockout do gantry


Prepare o gantry para operação executando as ações seguintes:
■ Inspecione o sistema para verificar se todos os componentes do acelerador linear
estão totalmente montados e operacionais.
■ Certifique-se de que todos os painéis de segurança estejam em seus lugares.
■ Recolha todas as ferramentas e os outros itens que não sejam essenciais.
1. Certifique-se de que o pessoal está posicionado de modo seguro.
2. Remova os dispositivos de lockout e as etiquetas.
3. Avise aos funcionários afetados que o gantry foi liberado do lockout.

78 Guia de Segurança do TrueBeam


Instalação de barras de segurança e lockout à mesa
Quando for realizada manutenção na mesa, em que uma energização, inicialização
ou liberação inesperada de energia acumulada pode provocar ferimentos em pessoal,
bloqueie a mesa com barras de segurança e coloque uma etiqueta.

ATENÇÃO: O movimento inesperado da mesa de tratamento pode provocar lesões graves


e até fatais. Use sempre barras de segurança durante a manutenção da mesa.

ATENÇÃO: Tenha cuidado ao mover a mesa quando os braços do detector de imagem


estiverem estendidos. Para evitar que a mesa e os braços do detector de imagem
colidam, certifique-se de que os braços do detector de imagem estejam retraídos.

ATENÇÃO: Durante a retração, os braços do detector de imagem podem aproximar-se do


gantry e da mesa e causar lesões no paciente ou no pessoal devido a aperto. Mantenha-
se sempre afastado dos braços do detector de imagem quando estiverem em
movimento.

1. Barras de segurança em uso

Figura 6 Instalação das barras de segurança da mesa

Capítulo 10 Serviço e manutenção 79


1. Avise o pessoal afetado que a mesa de tratamento será submetida ao lockout/
tagout.
2. Abaixe o fole.
3. Levante a mesa o suficiente para inserir as barras.
4. Insira as barras de segurança da mesa.
5. Abaixe a mesa até que esteja apoiada sobre as barras de segurança.
6. Desligue a energia.
7. Coloque etiquetas de lockout (bloqueio) na parte traseira da mesa.

Mover a mesa com a manivela manual


Quando a energia elétrica está ligada, mas os controles de mesa não estão
funcionando, você pode baixar manualmente a mesa com a manivela manual.
Nunca use um driver alimentado externamente em vez da manivela manual ao usar
o botão Brake Override (Cancelamento de freio). Um driver alimentado
externamente pode provocar danos eletrônicos. A bateria também poderá
descarregar durante o uso e os freios poderão ser ativados automaticamente,
resultando em uma situação perigosa.
1. Pressione um botão Emergency Stop (Parada de emergência).
2. Abra o Stand e localize o painel de controle Emergency Operations (Operações
de emergência).
3. Para liberar os freios de elevação e rotação, pressione o botão Lift-Rotation Brake
Override (Cancelamento da frenagem de elevação-rotação).
O LED de cancelamento acende.

80 Guia de Segurança do TrueBeam


4. Monte a manivela manual com os seguintes elementos: extensão de 6 polegadas,
soquete sextavado de 1/2 polegada e manivela.

Figura 7 Áreas da manivela da mesa (Esquerda) e Manivela manual (Direita)


5. Remova a tampa da porção central traseira inferior da base de elevação.
6. Introduza a extremidade sextavada da extensão pela abertura na parte traseira
inferior da mesa até a extremidade do eixo sem fim de elevação.

Observação: É difícil ver o eixo sem fim de elevação, mas é possível acoplar a ponta sextavada
pelo toque.

7. Para baixar a mesa, gire a catraca no sentido anti-horário.


8. Quando você terminar as tarefas de serviço, pressione o botão Lift-Rotation Brake
Override (Cancelamento da frenagem de elevação-rotação) novamente para
ativar os freios.

Liberação do lockout da mesa


Prepare a mesa para operação executando as ações seguintes:
■ Inspecione o sistema para verificar se todos os componentes do acelerador linear
estão totalmente montados e operacionais.
■ Recolha todas as ferramentas e outros itens que não sejam essenciais.
1. Certifique-se de que o pessoal esteja posicionado de modo seguro.
2. Remova as barras de segurança e etiquetas da mesa.
3. Restaure a energia.
4. Avise os funcionários afetados que o serviço foi concluído e que a mesa de
tratamento está pronta para uso.

Capítulo 10 Serviço e manutenção 81


Lockout ao sistema de gás
Quando forem realizados serviços no sistema de gás, em que uma energização,
inicialização ou liberação inesperada de energia acumulada poderia provocar lesões
em pessoal, faça o lockout e o tagout do sistema de gás.

ATENÇÃO: Não libere a pressão de gás durante a realização de serviços técnicos no


sistema de gás. Pode resultar em lesão. A Varian recomenda o uso de um dispositivo
eletrônico para detecção de vazamentos de gás.

1. Manivela da válvula (removida)


2. Válvula de gás
3. Etiqueta de lockout

Figura 8 Alça removida e etiqueta de lockout afixada

1. Avise os funcionários afetados que o sistema de gás estará sujeito ao tagout.


2. Desligue o fluxo de gás para o acelerador linear.
3. Remova a manivela da válvula.
4. Fixe na válvula uma etiqueta apropriada.
5. Libere a pressão de gás armazenada ou outro tipo de energia na linha.
6. Assegure-se de que nenhum gás esteja fluindo para o sistema do acelerador
linear.

82 Guia de Segurança do TrueBeam


Liberação do lockout do sistema de gás
Prepare o sistema para operação executando as ações seguintes:
■ Inspecione o sistema para verificar se todos os componentes do acelerador linear
estão totalmente montados e operacionais.
■ Recolha todas as ferramentas e os outros itens que não sejam essenciais.
1. Certifique-se de que o pessoal está posicionado de modo seguro.
2. Remova a etiqueta de lockout.
3. Remova a manivela da válvula.
4. Abra a válvula.
5. Verifique se não há vazamento de gás.
6. Avise aos funcionários que o serviço foi concluído e que o sistema está pronto
para uso.

Lockout ao sistema de água


Quando forem realizados serviços no sistema de água, em que uma energização,
inicialização ou liberação inesperada de energia acumulada poderia provocar lesões
em pessoal, faça o lockout e o tagout ao sistema de água.

ATENÇÃO: Liberar água nos componentes eletrônicos expostos enquanto alguém está
realizando serviços técnicos no sistema de água pode provocar lesões graves ou fatais.

1. Avise os funcionários afetados que o sistema de água estará sujeito a lockout e


tagout.
2. Feche o fluxo de água para o sistema do acelerador linear na válvula de entrada
da instalação.
3. Faça o lockout e tagout dos disjuntores da bomba apropriados.
4. Confirme se não há fluxo de água para o acelerador linear.
5. Ao abrir as linhas do sistema de água, tome cuidado para impedir que a água
respingue ou seja pulverizada sobre componentes eletrônicos.

Capítulo 10 Serviço e manutenção 83


Liberação do lockout do sistema de água
Prepare o sistema para operação executando as ações seguintes:
■ Inspecione o sistema para verificar se todos os componentes do acelerador linear
estão totalmente montados e operacionais.
■ Recolha todas as ferramentas e os outros itens que não sejam essenciais.
1. Certifique-se de que o pessoal está posicionado de modo seguro.
2. Remova os dispositivos de lockout e as etiquetas.
3. Abra a válvula ou, caso contrário, restaure o sistema do acelerador linear para
suas condições normais de operação.
4. Se aplicável, restaure a energia do sistema de água.
Por exemplo, ligue o disjuntor da bomba apropriado para reativar a bomba de
água.
5. Verifique se não há vazamentos ou outros riscos inesperados.
6. Avise aos funcionários que o serviço foi concluído e que o sistema está pronto
para uso.

Elevação e manuseio de objetos pesados


Há várias situações que exigem a elevação ou o manuseio de objetos pesados durante
o serviço e a manutenção do acelerador linear.
Elevar e manusear equipamentos ou objetos pesados de forma indevida pode causar
lesões, inclusive entorses, contusões, fraturas, ferimentos e hérnias.

Diretrizes para a elevação de objetos pesados


As diretrizes para elevar e mover equipamentos pesados com segurança incluem:
■ Vista-se de acordo com os padrões de segurança. Use sapatos com ponta
reforçada e solas antiderrapantes, que podem ajudar a reduzir o risco de lesões.
■ Planeje antecipadamente. Planeje uma rota fácil e desobstruída até seu destino.
■ Examine o objeto. Considere o peso e a estabilidade do objeto. Procure por cantos
pontiagudos. Decida qual é a melhor maneira de carregar o objeto.
■ Segure com firmeza. Use as palmas das mãos e os dedos. Use apenas luvas bem
ajustadas.
■ Se necessário, chame alguém para ajudá-lo. Para elevar objetos com mais de 20 kg
(44 lb), use dispositivos de manuseio e técnicas adequados. Se estiver inseguro
sobre sua capacidade para mover o objeto, peça ajuda ou use instrumentos
mecânicos.

84 Guia de Segurança do TrueBeam


Eis algumas técnicas de elevação adequadas que você deve pôr em prática para a
proteção de suas costas e sua coluna:
■ Posicione-se perto da carga com as duas pernas bem afastadas.
■ Agache-se, dobrando os quadris e os joelhos.
■ Ao segurar a carga, curve a parte inferior das costas para dentro, puxando os
ombros para trás e o peito para fora.
■ Mantenha a carga sempre perto do corpo.
■ Ao colocar a carga no chão, agache-se, dobrando os quadris e os joelhos.
Mantenha a parte inferior das costas curvada para dentro.
Se não conseguir dobrar os joelhos com facilidade ou ficar bem perto de um objeto,
use técnicas alternativas de elevação:
■ Posicione-se o mais próximo possível do objeto.
■ Apoie os joelhos contra um objeto sólido.
■ Dobre os quadris, mantendo a cabeça e as costas retas.
■ Eleve o objeto lentamente, usando os músculos das pernas, dos glúteos e do
abdome.

Uso de equipamentos de elevação


Ao elevar ou manusear objetos pesados (com mais de 20 kg ou 44 lb), obtenha ou use
os equipamentos adequados para a tarefa em questão. Consulte também as
informações fornecidas durante o treinamento de segurança do produto específico.
Situações que requerem a elevação e o manuseio de objetos pesados incluem, entre
outras, as descritas abaixo:
■ Plataforma giratória ou colimador: use equipamentos de manuseio adequados
com quadro em A.
■ Montagem da derivação: use equipamentos de manuseio com suportes fixos
adequados
■ Klystron ou solenoide klystron: Use equipamentos de manuseio adequados
■ Cilindros de gás, fontes de alimentação do e-rack, drives de RF ou tampas: Solicite
ajuda quando necessário.

Capítulo 10 Serviço e manutenção 85


Apêndice A Dados e diretrizes de EMC

Compatibilidade eletromagnética (EMC)


Equipamentos elétricos médicos exigem precauções especiais em relação à
compatibilidade eletromagnética (EMC) e devem ser instalados e ativados de acordo
com as informações de EMC fornecidas neste manual.
Equipamentos de comunicação portáteis e móveis de RF podem afetar equipamentos
elétricos médicos.
O uso de acessórios, transdutores ou cabos que não sejam aqueles especificados ou
fabricados pela Varian pode resultar em emissões de radiação elevadas ou em queda
da imunidade do equipamento à EMI (interferência eletromagnética).
Para garantir a conformidade com a EMC, o sistema deve ser usado somente com os
cabos e acessórios listados no Livro de dados da Varian. O uso de acessórios ou cabos
que não sejam os especificados pode resultar em emissões elevadas ou em queda de
imunidade.
Os equipamentos não devem ser usados próximos ou empilhados a outros
equipamentos.
Se o uso adjacente ou empilhado for necessário: antes do uso clínico, coloque o
equipamento na configuração em que será usado e observe-o para verificar o
funcionamento normal.

ATENÇÃO: O acelerador linear não foi testado relativamente à imunidade de RF irradiada


sobre todo o intervalo de frequência de 80 MHz a 2,5 GHz. O acelerador linear foi
testado relativamente à imunidade de RF irradiada somente nas frequências de teste
selecionadas de 27 MHz, 174 MHz, 470 MHz, 915 MHz, 1,8 GHz e 2,4 GHz com
transmissores licenciados.

86 Guia de Segurança do TrueBeam


Distância recomendada entre equipamentos de
comunicação e o acelerador
O acelerador linear deve ser usado em um ambiente eletromagnético em que
interferências de RF irradiada sejam controladas. Para prevenir interferência
eletromagnética, a Varian recomenda manter uma distância mínima entre o
equipamento de comunicação RF (transmissores) e o acelerador. A distância de
separação recomendada entre o equipamento de comunicação RF e o acelerador
depende da potência máxima de saída de energia do equipamento de comunicação e
da frequência do transmissor.

Tabela 10 Distância de segurança a ser mantida entre o equipamento de comunicação e o


acelerador de acordo com a potência e frequência do transmissor

Potência do transmissor Frequência do transmissor Frequência do transmissor


Saída radiada máxima 150 kHz a <80 MHz; 80 MHz a <800 800 MHz a 2,5 GHz
MHz
Distância de segurança
Distância de segurança

0,01 W 0,12 m 0,23 m

0,1 W 0,38 m 0,73 m

1W 1,2 m 2,3 m

10 W 3,8 m 7,3 m

100 W 12 m 23 m

Estas distâncias podem variar devido aos efeitos de absorção e reflexão de estruturas,
objetos e pessoas no ambiente.
Para transmissores com um nível de potência de saída máxima não listado na tabela,
você pode estimar a distância de separação recomendada d em metros (m), usando a
frequência aplicável do transmissor, onde P é a classificação de potência de saída
máxima do transmissor em watts (W) de acordo com o fabricante do transmissor.

Declarações de teste e orientações da Varian


O acelerador linear TrueBeam deve ser usado no ambiente eletromagnético
especificado na tabela a seguir. Certifique-se de que o acelerador seja usado nesse
ambiente.

Apêndice A Dados e diretrizes de EMC 87


Observação: Você deve verificar a eficácia real da proteção e a atenuação do filtro do local
protegido para assegurar que correspondem às especificações mínimas.

Tabela 11 Emissão eletromagnética

Teste de emissão Conformi- Diretrizes sobre ambiente eletromagnético


dade

Emissão de RF Grupo 1 O acelerador linear usa a energia de RF somente para


CSIPR 11 função interna. Dessa forma, suas emissões por RF são
muito baixas e têm baixa probabilidade de causar inter-
ferências em equipamentos eletrônicos das proximi-
dades.

Emissão de RF Classe A O acelerador linear é adequado para uso em todos os es-


CSIPR 11 tabelecimentos, salvo o doméstico e aqueles diretamente
conectados a uma rede de fonte de energia de baixa
Emissões harmô- Não aplicá- tensão que supra um edifício usado para fins domés-
nicas IEC 61000-3-2 veis ticos.
Flutuação de Não aplicá-
tensão/emissões de veis
oscilação IEC
61000-3-3

Tabela 12 Orientações e declarações do fabricante – imunidade eletromagnética

Teste de imuni- Teste de nível IEC Nível de conformi- Diretrizes sobre ambiente eletro-
dade 60601 dade magnético

Descarga eletro- ±6 kV contato ±8 ±6 kV contato ±8 Os pisos devem ser de madeira,


stática (ESD) IEC kV ar kV ar concreto ou de azulejo de cerâ-
61000-4-2 mica. Se os pisos estiverem co-
bertos com material sintético, a
umidade relativa deverá ser de
pelo menos 30%.

Transientes elé- ±2 kV para li- ±2 kV para linhas A qualidade das redes de energia
tricos rápidos/ nhas de fonte de de fonte de ali- deve ser a mesma de um ambiente
rajadas IEC alimentação ±1 mentação ±1 kV comercial ou hospitalar comum.
61000-4-4 kV para linhas para linhas de en-
de entrada/saída trada/saída

Pico IEC ±1 kV linha(s) ±1 kV modo dife- A qualidade das redes de energia


61000-4-5 para linha(s) ±2 rencial ±2 kV deve ser a mesma de um ambiente
kV linha(s) para Modo comum comercial ou hospitalar comum.
terra

88 Guia de Segurança do TrueBeam


Teste de imuni- Teste de nível IEC Nível de conformi- Diretrizes sobre ambiente eletro-
dade 60601 dade magnético

Quedas de <5% Ur (>95% de Não aplicável (> A qualidade das redes de energia
tensão, pequenas queda em Ur) 16 A/fase) deve ser a mesma de um ambiente
interrupções e va- para 0,5 ciclos comercial ou hospitalar comum. Se
riações de tensão <40% Ur (60% de o usuário do acelerador precisar
nas linhas de en- queda em Ur) de operação continuada durante a
trada da fonte de para 5 ciclos interrupção da rede de energia,
alimentação IEC <70% Ur (30% de recomenda-se que o acelerador
61000-4-11 queda em Ur) seja alimentado por uma fonte de
para 25 ciclos alimentação ininterrupta (UPS) ou
uma bateria.

Frequência de 3,0 A/m 3,0 A/m Campos magnéticos de frequência


energia (50/60 de energia devem estar nos níveis
Hz) campo mag- normais de um local comum em
nético IEC um ambiente comercial ou hospi-
61000-4-8 talar comum.

RF conduzida 3 Vrms 150 KHz 3 Vrms Equipamentos de comunicação


IEC 61000-4-6 (RF a 80 MHz Var- portáteis e móveis de RF não
de imunidade de rido com 80% devem ser usados próximos a
modo comum) AM, onda se- peças do acelerador (incluindo os
noidal de 1 kHz cabos) a uma distância de sepa-
ração diferente da recomendada e
calculada com base na equação
aplicável à frequência do trans-
missor.

Apêndice A Dados e diretrizes de EMC 89


Teste de imuni- Teste de nível IEC Nível de conformi- Diretrizes sobre ambiente eletro-
dade 60601 dade magnético

RF irradiada IEC 3 Vrms 80 MHz a 3 V/m Distância de separação recomen-


61000-4-3 (imuni- 2,5 GHz dada d da antena:
dade de campo
d = 3,5/V1 = 3,5/3 = fórmula 1,2 *
eletromagnético
raiz quadrada de P para 150 kHz a
de RF)
80 MHz
d = 3,5/E1 = 3,5/3 = fórmula 1,2 *
raiz quadrada de P 80 MHz a 800
MHz1
d = 7/E1=7/3 = fórmula 2,3 * raiz
quadrada de P 800 MHz a 2,5 GHz
Cálculo para níveis de teste V1=3 e
E1=3 onde:
P = Energia de saída máxima
(ERP) Classificação de watts do
transmissor de acordo com o fabri-
cante do transmissor
d = Distância de separação reco-
mendada em metros (m)
E = Força de campo (valor RMS)
(V/m)
A força de campo de transmissores
de RF fixos, conforme determi-
nado por uma pesquisa eletromag-
nética do local2, deve ser inferior
ao nível de conformidade em cada
faixa de frequência3. Podem
ocorrer interferências nas proximi-
dades de equipamentos marcados
com o seguinte símbolo.

1 A 80 MHz e 800 MHz, aplica-se a faixa com frequência mais alta.

90 Guia de Segurança do TrueBeam


2 Forças de campo de transmissores fixos, como estações de base para telefones a
rádio (celulares ou telefones sem fio) e rádios móveis terrestres, rádio amador,
transmissões radiofônicas de AM e FM e transmissão de TV não podem ser previstas
teoricamente com precisão. Para avaliar o ambiente eletromagnético devido a
transmissores de RF fixos, considere uma pesquisa eletromagnética do local. Se a
força de campo medida no local em que o acelerador linear é usado exceder o nível
de conformidade aplicável de RF citado acima, verifique o acelerador para garantir
uma operação normal. Se for constatada operação anormal, poderá ser necessário
adotar medidas adicionais, como a reorientação ou o reposicionamento do
acelerador.
3 Acima da faixa de frequência de 150 kHz a 80 MHz, as forças de campo devem ser
inferiores a 3 V/m.

Declaração de desempenho essencial


O desempenho essencial do acelerador linear TrueBeam visa aplicar o tratamento de
radiação no nível de energia especificado, com a quantidade especificada, no local
especificado e na hora especificada (de acordo com o plano de tratamento).
A máquina deve assegurar os seguintes resultados essenciais:
■ EP1: a quantidade da dose aplicada deve ser ±2% MU do plano.
■ EP2: as características do feixe de MV (por exemplo, a profundidade/dose do
feixe) não serão afetadas durante o tratamento.
■ EP3: não existirá perda de dados do tratamento nos consoles de tratamento e
teclado dedicado.
■ EP4: o detector de imagem KV/MV não produzirá problemas de qualidade de
imagem que influenciem o diagnóstico e resultem na impossibilidade de realizar
o tratamento.
■ EP5: nenhuma inicialização inesperada da máquina, resultando na ativação do
feixe sem a ação do operador.
■ EP6: nenhum movimento inesperado da mesa, do gantry, detector de imagem kV,
detector de imagem MV, colimador ou colimador de multilâminas da máquina; a
mesa e o gantry da máquina deverão assegurar a exatidão do controle de
movimento.
■ EP7: nenhuma falha de componente ou mau funcionamento significativo,
resultando em erros no tratamento.
■ EP8: o OSMS/gating respiratório deverá monitorar a posição do paciente
corretamente e efetuará o intertravamento do feixe se o OSMS/gating respiratório
determinar que o alvo se deslocou para fora da faixa do feixe.

Apêndice A Dados e diretrizes de EMC 91


Apêndice B Riscos residuais

Avaliações de risco
Os riscos residuais são riscos que permanecem depois de serem feitos todos os
esforços para eliminá-los. Estes riscos são controlados ou monitorados por
subsistemas eletrônicos programáveis no sistema. Se um risco for tão baixo quanto
razoavelmente possível, será etiquetado como ALARP (As Low As Reasonably
Possible – Tão baixo quanto razoavelmente possível). Se os benefícios do dispositivo
superarem o risco residual, ele é classificado como "Acceptable" (Aceitável).

Perigos de colisão
Os perigos de colisão podem ocorrer durante os eventos seguintes:
■ Entrega de máquina
■ Saída (saída de feixe)
■ Tratamento
■ Configuração e posicionamento
■ Configuração do paciente
■ Instalação
■ Serviço
A presença de massa em movimento e riscos de colisões não deve ser totalmente
eliminada para esse tipo de dispositivo. Assim, as medidas de controle principais
foram implementadas para mitigar esse perigo para ALARP. ALARP é o risco
atingível mais baixo destes perigos. As medidas de controle incluem as seguintes
características e atividades:
■ Normas de movimento que definem limites de deslocamento do dispositivo.
■ Um modelo de movimento que oferece monitoramento redundante do
deslocamento e da proximidade de eixos externos (mesa, gantry, sistemas do
detector de imagem).
■ Recomenda-se a execução de um teste antes da realização de qualquer ajuste ou
tratamento automatizados.
■ Detectores de toque nos braços de imagem e no aplicador de elétrons.
■ Conjunto de circuitos que são desativados em situações de emergência.
■ A ativação de movimento requer dois canais (redundância de hardware) para
ativar movimentos manuais ao usar o pendente manual, o console de controle e o
painel lateral.

92 Guia de Segurança do TrueBeam


■ Monitoramento contínuo por circuito fechado de televisão e interfone.
■ Conformidade com IEC em distâncias de paragem, velocidades de movimento,
etc.
■ Temporizadores de vigilância para cada subsistema. Isso serve para verificar se o
subsistema está ativamente em comunicação com o supervisor.

Perigos elétricos
Os perigos elétricos podem ocorrer durante os eventos seguintes:
■ Configuração e posicionamento. Aceitável representa o menor risco atingível para
esse perigo
■ Tratamento
■ Configuração do paciente
■ Instalação
■ Serviço
A conformidade com os padrões IEC para segurança elétrica e monitoramento de
parâmetros de sistemas elétricos reduz o nível dos riscos gerais para ALARP. Exceto
para Machine setup (Configuração da máquina), o ALARP é o risco mais baixo
atingível para esses perigos.

Perigos de temperatura ou incêndio


Perigos de temperatura ou incêndio podem ocorrer durante qualquer um dos
eventos seguintes:
■ Entrega de máquina
■ Saída
■ Tratamento
■ Configuração (posicionamento). Aceitável representa o menor risco atingível para
esse perigo
■ Configuração do paciente
■ Instalação
■ Serviço
Conformidade com os padrões IEC para segurança, monitoramento de parâmetros
chave do sistema. Exceto para configuração do paciente, o ALARP é o risco mais
baixo atingível para este perigo.

Apêndice B Riscos residuais 93


Perigos da radiação ionizante
A subexposição ou exposição excessiva a perigos da radiação ionizante ocorre
durante qualquer um dos eventos seguintes:
■ Entrega de máquina
■ Saída
■ Tratamento
■ Configuração (posicionamento)
■ Configuração do paciente
■ Instalação
■ Serviço
A presença de perigos da radiação ionizante não pode ser completamente eliminada
para esse tipo de dispositivo. Assim, as medidas de controle principais foram
implementadas para mitigar esse perigo para ALARP. ALARP é o risco atingível
mais baixo destes perigos. As medidas de controle incluem as seguintes
características e atividades:
■ Circuitos de desligamento de emergência.
■ Intertravamentos de porta.
■ Conformidade com IEC em relação à segurança de radiação.
■ Sistemas de monitoramento de dosagem independente.
■ Se o subsistema de geração de feixes detectar uma falha, o sistema tem dois
métodos independentes para evitar a saída do feixe (loop habilitador de feixe e
sistema de controle).
■ Avisos de feixes ligados.
■ Verificação de CQ diária.
■ Os temporizadores de vigilância para cada subsistema. Isso serve para verificar se
o subsistema está ativamente em comunicação com o supervisor.

ATENÇÃO: Nunca use o sistema para tratar pessoas ou animais com qualquer software
não clínico como, por exemplo, um aplicativo de pesquisa não clínica.

94 Guia de Segurança do TrueBeam


Apêndice C Indução da radioatividade

Radionuclídeos criados em aceleradores lineares de alta


energia por ativação nuclear
Durante a operação de um acelerador linear de alta energia (Eγ≥ 10 MeV), algumas
peças do acelerador anteriormente não-radioativas ficam radioativas por meio de um
processo chamado de ativação. A presença de materiais radioativos em aceleradores
de alta energia tem implicações significativas para os usuários em termos de
manuseio, transporte, armazenamento e eliminação ou liberação dos aceleradores
lineares e de seus componentes.

Processos nucleares envolvidos na ativação


No caminho do raio primário, a ativação ocorre devido a uma reação chamada de
efeito de foto nuclear (ou efeito fotonuclear). Nessa reação, um fóton criado no
destino do acelerador interage com o núcleo de um material no seu caminho e faz
com que o núcleo emita um nêutron rápido. Após a emissão do nêutron, o núcleo fica
instável ou radioativo.
Os isótopos instáveis criados pelo efeito fotonuclear são deficientes em nêutrons.
Para retornar a estabilidade, um próton geralmente se transforma em um nêutron,
emitindo um pósitron (decaimento e+, β+–) e energia na forma de fótons. O pósitron
emitido rapidamente interage com um elétron, levando à aniquilação de ambas as
partículas e à criação de dois fótons 511 keV.
Em alguns casos em que a emissão de pósitrons pelo isótopo instável criado pelo
efeito fotonuclear não é possível, um próton poderá capturar um elétron orbital (EC)
e formar um nêutron. A captura do elétron é seguida pela emissão de fótons e/ou
elétrons.
Os nêutrons rápidos emitidos no efeito fotonuclear também interagem com os
núcleos dos materiais que encontram. Essas interações ocorrem em materiais que se
encontram perto e longe do caminho do raio primário. Isso significa que ocorre
alguma ativação no ar e nos materiais de construção do interior da sala de
tratamento, assim como nos componentes internos do acelerador.
Os isótopos instáveis criados por estas interações de nêutrons têm uma
superabundância de nêutrons. Para retornar à estabilidade, estes materiais emitem
um elétron (decaimento e−, β−–), convertendo efetivamente um nêutron em um
próton dentro do núcleo. Esta transformação e a emissão do elétron são
acompanhadas pela emissão de um ou mais fótons de uma energia característica.

Apêndice C Indução da radioatividade 95


Implicações da ativação do acelerador para os usuários
A presença de radioatividade tem implicações significativas no manuseio, transporte,
armazenamento e na eliminação dos aceleradores e dos componentes dos
aceleradores.

Observação: A decisão de desmantelar uma máquina instalada é deixada inteiramente ao


critério do proprietário. Normalmente, o sistema se manterá operacional até que decida
substituí-lo.

Esteja atento à radioatividade


Esteja atento à presença de produtos radioativos de curta e longa duração na cabeça
do acelerador linear, bem como nos componentes e acessórios no caminho do feixe
principal.

Revisar as leis locais sobre materiais radioativos


Certifique-se de que o seu local cumpre os requisitos regulamentares locais
relativamente a materiais radioativos criados pelo uso do acelerador linear. Verifique
junto das agências reguladoras.

Observação: Nos EUA, a Nuclear Regulatory Commission (Comissão de Regulamentação


Nuclear) não inclui os materiais radioativos produzidos devido ao uso do acelerador (e não
extraídos para o uso) na categoria dos materiais que necessitam de uma licença de materiais
radioativos. Contudo, regulamentos estaduais (ou outros locais) podem obrigar ao
licenciamento.

■ Verifique para certificar-se de que a sua licença de radiação inclua radionuclídeos


criados pela ativação.
■ Verifique para certificar-se de que a sua licença de radiação inclua o
armazenamento de componentes ativados após uma troca de componentes.
■ Revise e observe requisitos regulamentares aplicáveis antes de permitir a
transferência ou o envio de um acelerador de alta energia ou de componentes de
um acelerador potencialmente ativados.
O envio de materiais radioativos é regulado e aplicado de forma controlada. Além
disso, os regulamentos em vários locais têm requisitos específicos relativamente a
ações que são necessárias antes da transferência de material radioativo ou de um
acelerador de alta energia (por exemplo, para verificar a licença de materiais
radioativos do receptor ou para arquivar um relatório da transferência).
■ Se contratar uma empresa para remover o seu equipamento usado, verifique se
essa empresa está licenciada para manusear, transportar e armazenar material
radioativo conforme exigido pelos requisitos regulamentares locais.

96 Guia de Segurança do TrueBeam


Permitir que os radioisótopos decaiam
Antes de desmontar a cabeça do acelerador linear, deixe passar tempo suficiente
(após a última utilização do feixe de alta energia) para que os isótopos de curta
duração decaiam. Por exemplo, solicite os seguintes tempos de resfriamento após usar
o feixe de alta energia:
■ 12 horas para trabalho de serviço e manutenção envolvendo os componentes da
cabeça do acelerador linear
■ 48 horas antes da remoção do acelerador linear (desmontar a cabeça do acelerador
linear)

Medir a taxa da dose real


Antes de efetuar qualquer trabalho de reparação ou manutenção, meça a taxa da
dose real junto dos componentes onde poderá existir radioatividade induzida.
Configure um limite superior para a taxa da dose que poderá existir se o trabalho
tiver de prosseguir. Por exemplo, o limite poderá ser definido para 100 nSv/h [10
μrem/h] a uma distância de 1 m dos colimadores abertos.

Verificar o cumprimento das estratégias de segurança pelos funcionários


Certifique-se de que os funcionários sigam as estratégias de segurança de radiação
básicas para minimizar a exposição à radiação:
■ Maximize a distância: use ferramentas para manusear o alvo e o filtro aplanador.
■ Minimize o tempo: planeje com antecedência para que o trabalho prossiga tão
rapidamente quanto possível.
■ Use proteção: feche os colimadores do acelerador sempre que possível.

Envolver a sua equipe em questões de segurança e conformidade


Certifique-se de que os seus profissionais dos setores médico ou de saúde estejam
aptos a sanar eventuais problemas de conformidade e questões de segurança que
possam surgir devido a radioatividade induzida em componentes do acelerador
próximos da linha do feixe.

Produtos de ativação potencial


A seguinte tabela lista isótopos instáveis que foram identificados em medições
espectroscópicas (detectores de germânio de alta pureza) executadas em aceleradores
lineares de alta energia da Varian. Estes elementos radioativos decaem em elementos
diferentes — majoritariamente estáveis.

Apêndice C Indução da radioatividade 97


Tabela 13 Produtos de ativação potencial

Isótopo Modo Decay (decai- Meia-vida Energia de fótons


mento) (keV)

Na 24 e− 15 horas 1369

Al 28 e− 2,24 minutos 1779

Cr 51 EC 27,7 dias 320

Mn 54 e+ 312,3 dias 835

Mn 56 e− 2,58 horas 847, 1811

Co 57 e+ 271,8 dias 122

Co 58 e+ 70,0 dias 811

Co 60 e− 5,27 anos 1173, 1333

Ni 57 e+ 35,6 horas 1378

Cu 62 e+ 9,7 minutos (511)

Cu 64 e−, e+ 12,7 horas 1346

Zn 65 e+ 244,3 dias 1116

Br 82 e− 35,3 horas 619, 777

Sb 122 e−, e+ 2,72 dias 1141

Sb 124 e− 60,2 dias 603

W 181 EC 121,2 dias (57)

W 187 e− 23,8 horas 480, 686

Au 196 e−, e+ 6,18 dias 356

Observação: A ativação do material de construção (concreto) pode contribuir


significativamente para o Sódio 24 (Na 24).

O nível de ativação em qualquer caso particular varia significativamente,


dependendo de:
■ Dose aplicada
■ Taxa da dose
■ Tamanho de campo
■ Energia de fótons (rendimento e vazamento de nêutrons aumentam quando a
energia de fótons é aumentada)

98 Guia de Segurança do TrueBeam


■ Materiais presentes

Radioisótopos de curta duração


Os radioisótopos de curta duração são a maior porção de radioatividade induzida
presente imediatamente após o término do feixe de alta energia. Os isótopos
predominantes são o Sódio 24 (dos materiais de construção das salas de tratamento),
Alumínio 28 (principalmente devido à mesa de tratamento), Cobre 62 e Cobre 64
(alvo de raios X), Manganês 56 (peças de ferro e aço – filtro aplanador), Antimônio
122 (proteção de chumbo) e Tungstênio 187 (peças do alvo e do colimador).
Imediatamente após feixe desligado, uma taxa da dose na ordem dos 10 μSv/h
[1 mrem/h] poderá ser medida a cerca de 1 metro [~3 pés] do acelerador. Como as
meias-vidas dos maiores isótopos são inferiores a 3 horas, esta taxa da dose diminui
rapidamente. Após uma hora, a taxa da dose é reduzida aproximadamente em 70% e
após umas 11 horas adicionais somente cerca de 15% ou ~1,5 μSv/h [~150 μrem/h] da
taxa da dose inicial permanece.
Em contato com componentes ativados, altas taxas da dose continuaram sendo
observadas 48 horas após o término do feixe de alta energia:

Tabela 14 Altas taxas da dose após 48 horas

Componente do acelerador Taxa da dose em contato observada

Unidades do SI Unidades do CGS


μSv/h mrem/h

Filtro aplanador 70 7

Alvo 36 3,6

Colimador primário 11 1,1

Colimadores superiores 50 5

Colimadores inferiores 30 3

Observação: A taxa da dose de contato observada depende da quantidade e do tipo de produtos de


ativação presentes. É provável serem observados valores da taxa da dose maiores ou menores.

Apêndice C Indução da radioatividade 99


Radioisótopos de longa duração
O uso de espectrometria gama de alta resolução em alguns componentes de
aceleradores operados com altas energias mostra a presença de alguns isótopos de
relativa longa duração. Estes isótopos instáveis têm meias-vidas entre os 70 dias e os
5,27 anos. A concentração desses radioisótopos aumenta lentamente durante os anos
de operação do acelerador de alta energia. Após vários anos de operação, é atingido
o equilíbrio entre a produção de radioisótopos e o decaimento. O tempo até atingir
este estado equilibrado e as quantidades e os tipos de radionuclídeos dependem do
uso da máquina (dose integral fornecida e níveis de energia usados), assim como os
materiais (massa, composição) presentes nas áreas de alto fluxo de fótons/nêutrons.

Referências para informações adicionais


Rawlinson, J. Alan, et al. "Dose to radiation therapists from activation at high-energy
accelerators used for conventional and intensity-modulated radiation therapy."
Medical Physics. 29(4), (2002): 598-608.
Wang, Yi Zhen, et al. "Characteristics of induced activity from medical linear
accelerators." Medical Physics. 32 (2005): 2899.
Fischer, Helmut W.; Ben Tabot, Björn Poppe. "Activation processes in a medical linear
accelerator and spatial distribution of activation products." Physics in Medicine and
Biology. 51(24), (2006): 461-466.
_______________. "Comparison of Activation Products and Induced Dose Rates in
Different High-Energy Medical Linear Accelerators." Health Physics. 94 (2008): 272–
278.

100 Guia de Segurança do TrueBeam


Índice
componentes radioativos 95, 97
A ativado 96
acelerador linear induzido 96
indução de radiação de partes 46 precauções 96
manuseio de componentes radioativos 47 radioisótopos de curta duração 99
perigos radioisótopos de longa duração 100
agentes patogênicos transmitidos pelo sangue
exposição 55
perigos 55 D
precauções 56 danos por EMI
alvo de raios X 47 visão geral 49
ambiente eletromagnético danos por EMI, minimização
diretriz 87 para dispositivos implantados 50
para dispositivos médicos 49
para equipamento 49
B declaração de desempenho essencial 91
bend magnet disjuntor principal do circuito
refrigeração 34 instalação 28
superaquecimento 34 planejamento 28
berílio 42
minimização da exposição 42
primeiros socorros em caso de exposição E
bloco refletor elevação de objetos pesados
limpeza 66 orientações 84
botão Lift-Rotation Brake Override 80 EMC
botões parada de emergência compatibilidade eletromagnética 86
instalação 27 emergência
planejamento 27 desligar o feixe 23
iluminação 29
planos 29
C procedimentos 29
calibração treinamento
garantir a correta 34 EMI
verificações 31 proteção 28
cantos, pontiagudos 61 endereços eletrônicos do suporte 21
choque elétrico energia elétrica principal
minimização 51 restaurar 75
minimização do risco 68 enviar um e-mail para o suporte ao cliente da
precauções 68 Varian 21
chumbo 41 equipamento
minimização da exposição 41 limpeza 63
primeiros socorros em caso de exposição lockout e tagout 70
compatibilidade eletromagnética manutenção periódica 67
distância do acelerador 87 equipamento de proteção
emissão 87 individual 52
especificações ambientais 87 equipamento de segurança
planejamento e instalação 27

Índice 101
equipamentos de elevação
objetos pesados 85
I
escala ícones
configuração 28 símbolos nas etiquetas 17
nunca altere 28 iluminação
especificações emergência 29
ambientais 15 incêndios elétricos
elétricas 14 minimização 24
laser backpointer 15 integridade do sistema, manutenção 10
laser do LaserGuard II 17 interferência EMI, minimização 50
operacional 14
extintores de incêndio 29
L
ligar
F automático 68
falhas do acelerador linear 23 ligar automático 68
feixe limpeza
encerramento 23 bloco refletor 66
folhas de dados de segurança cobertura da mesa 65
SDS equipamento 63
folhas de dados de segurança de materiais gantry e stand 63
MSDS mesa
consulte SDS painéis laterais da mesa 65
partes aplicadas
soluções
G superfícies pintadas da mesa 65
gabinete do console tampo da mesa de tratamento 65
verificação das ventoinhas 29 limpeza hospitalar
gantry lockout e tagout
limpeza 63 contratados 73
lockout e tagout 77 energia elétrica do subsistema do acelerador
garantia da qualidade 32 linear 75
gás energia elétrica principal 74
hexafluoreto de enxofre (SF6) 40, 41 gantry 77
manuseio de cilindros de gás 41 liberação 72
primeiros socorros em caso de exposição liberação da mesa 81
gás de hexafluoreto de enxofre (SF6) liberação do gantry 78
manuseio de cilindros de gás 41 liberar o sistema de água 84
minimização da exposição ao gás 40 liberar sistema de gás 83
mesa 79
procedimentos 70
H sistema de água 83
sistema de gás 82
hardware
subsistema da instalação 76
não autorizado 11
troca de turno 73
hastes para descarregar alta tensão
visão geral 70
usando 69
luzes de atenção
hexafluoreto de enxofre (SF6) 40
planejamento e instalação 27

102 Guia de Segurança do TrueBeam


siga os procedimentos durante o serviço e a
M manutenção 13
manutenção só o paciente na sala de tratamento 44
diretrizes de elevação de objetos pesados stand vertical 11
84 substituição de peças pelo cliente 14
elevação e manuseio de objetos pesados tratamento com software não clínico 94
84 vazamento de água 58
energia elétrica do subsistema do acelerador mensagens de cuidado
linear 75 cantos pontiagudos 61
energia elétrica principal 74 componentes eletrônicos 67
equipamentos de elevação 85 fluidos e derrames no interior da mesa 64
gantry 77 luzes e sons de aviso de feixe ligado 52
liberação de lockout 72 perigos de micro-ondas 57
lockout de equipamento durante troca de radiação residual 46
turno 73 raio laser 56
lockout e tagout 70 remoção do alvo 47
mesa 79 substâncias perigosas 25, 39
minimização do risco de choque elétrico mesa
68 limpeza
periódica 67 limpeza da cobertura 65
precauções contra choque elétrico 68 limpeza das superfícies pintadas 65
procedimento para contratados 73 limpeza do tampo 65
procedimentos de lockout e tagout 70 limpeza dos painéis laterais 65
restaurar a energia elétrica principal 75 lockout e tagout 79
sistema de água 83 manivela manual 80
sistema de gás 82 movimentação com manivela manual 80
subsistema da instalação 76 parada de emergência 80
uso de hastes para descarregar alta tensão sistema de segurança 80
69 MSDS
mensagens de atenção folhas de dados de segurança de materiais
ativação da energia elétrica 76 consulte SDS
calibração de componentes 34 MyVarian 21
colisão com o gantry 77
componentes elétricos, substituição 51
descarga de água 83 O
desligamento anormal do feixe 23 objetos pesados
dispositivos de lockout e tagout 71 elevação e manuseio 84
dispositivos não pertencentes à Varian na equipamentos de elevação 85
sala de tratamento 35 óleo de isolamento dielétrico 42
energia elétrica principal 74, 75 minimização da exposição 43
falhas de resfriamento 34 primeiros socorros em caso de exposição
imunidade de RF irradiada 86 operador
itens conectados ao sistema 10 requisitos 12
movimento da mesa, inesperado 79 ozônio e óxidos de nitrogênio 43
movimento dos braços do detector minimização da exposição 43
estendido 79 primeiros socorros em caso de exposição
nunca modificar o hardware ou o
software 10
perigo de aperto dos braços do detector de P
imagem 79
parada de emergência
pressão de gás 40, 82
mesa 80

Índice 103
perigos ozônio e óxidos de nitrogênio 43
agentes patogênicos transmitidos pelo primeiros socorros em caso de exposição
sangue 55, 56 berílio
água quente do tubo de micro-ondas 58 chumbo
alta tensão do tubo de micro-ondas 57 gás
berílio 42 óleo de isolamento dielétrico
choque elétrico 51 ozônio e óxidos de nitrogênio
chumbo 41 procedimentos de emergência 23
colisão 92 procedimentos de segurança 32
colisão da mesa 60 proteção
compostos tóxicos e corrosivos do tubo de EMI 28
micro-ondas 57 equipamento de proteção individual 52
comunicação 36 luvas 53
diretrizes do treinamento mãos 53
elétricas 49, 93 máscaras respiratórias 53
elevação de objetos pesados 60 óculos de segurança 53
equipamentos em movimento 60 olhos 53
etiquetas de recipientes 37 pés 53
exposição a radiação 44 respiratória 53
folhas de dados de segurança RF 28
gás de hexafluoreto de enxofre 40 sala 28
implosão 59 sapatos 53
incêndios elétricos 24 publicações
indução de radiação de partes do acelerador relacionadas 13
linear 46
limpeza hospitalar
manuseio de cilindros de gás 41 Q
manuseio de componentes radioativos 47 químicos perigosos
movimentos remotos 60 berílio 42
óleo de isolamento dielétrico 42 chumbo 41
óleo quente 43 gás de hexafluoreto de enxofre 40
orientações óleo de isolamento dielétrico 42
ozônio e óxidos de nitrogênio 43 ozônio e óxidos de nitrogênio 43
pontos de aperto da mesa 60
proteção individual 52
queda de peças 60 R
radiação ionizante 94 radiação 95
radiofrequência 45 efeito foto 95
raios laser 56 exposição das partes do acelerador linear
sistema do acelerador linear 46
superdose de radiação 44 interações de nêutrons 95
superfícies quentes do tubo de micro- isótopos instáveis 95, 97
ondas 59 manuseio de componentes expostos 47
temperatura ou incêndio 93 manuseio do alvo de raios X 47
tubo de micro-ondas 57 minimização da exposição 44
vazamentos de água pesquisa 31
perigos químicos radioisótopos de curta duração 99
berílio 42 radioisótopos de longa duração 100
chumbo 41 referências 100
gás de hexafluoreto de enxofre 40 superdose 24, 44
óleo de isolamento dielétrico 42

104 Guia de Segurança do TrueBeam


radiação induzida restaurar a energia elétrica principal 75
componentes 96 sistema de água 83
radioatividade 95–97 sistema de gás 82
questões de segurança 97 subsistema da instalação 76
radiofrequência uso de hastes para descarregar alta tensão
minimização da exposição 45 69
radioisótopos símbolos nas etiquetas 17
curta duração 99 sinais visuais 9
longa duração 100 sistema de água
raios laser lockout e tagout 83
perigo 56 sistema de gás
requisitos lockout e tagout 82
operador 12 software, não autorizado ou modificado 11
pessoal de serviço 13 solicitação de documentos de produtos via
RF telefone 21
proteção 28 stand
riscos limpeza 63
avaliações 92 suporte ao cliente 21
perigos da radiação ionizante 94 suporte ao cliente da Varian 21
perigos de colisão 92 suporte ao cliente online 21
perigos de temperatura ou incêndio 93 suporte técnico 21
perigos elétricos 93

T
S treinamento para emergências
SDS tubo de micro-ondas
folhas de dados de segurança perigos 57
segurança
dispositivos de terceiros 35
impacto da rede 34 V
serviço ventilação da sala
diretrizes de elevação de objetos pesados planejamento 28
84 ventoinhas
elevação e manuseio de objetos pesados verificar e limpar 29
84
energia elétrica do subsistema do acelerador
linear 75
energia elétrica principal 74
equipamentos de elevação 85
gantry 77
liberação de lockout 72
lockout de equipamento durante troca de
turno 73
lockout e tagout 70
mesa 79
minimização do risco de choque elétrico
68
periódica 67
precauções contra choque elétrico 68
procedimento para contratados 73
procedimentos de lockout e tagout 70

Índice 105