Você está na página 1de 39

COMO TORNAR O ESTUDO E A

APRENDIZAGEM MAIS EFICAZES


1 Eficácia nos estudos
2 Anotação
2.1 Anotações corridas
2.2 Anotações esquemáticas
2.3 Anotações resumidas
3 Sublinha
4 Vocabulário
5 Seminário
1 EFICÁCIA NOS ESTUDOS

 “Que se entende por estudo?”

 “[...] é realizar experiências submetidas à análise


crítica e à reflexão com o objetivo de apreender
informações que sejam úteis à resolução de
problemas”(MEDEIROS, 2011, p. 5).
 O estudo inclui:
 Análise;
exame sistemático;
organização de trabalhos;
busca de informações;
 anotações;
 leitura;
 elaboração de resumos
 memorização (não significa decorar
textos; mas, guardar a essência).
 Rendimento eficiente nos estudos,
depende de:
a) organização;
b) assiduidade;
c) adequação do ambiente;
d) utilização de técnicas de leitura;
e) motivação.
 Motivação
 “ [...] a motivação relaciona-se com interesses
internos ao indivíduo, independendo de estímulos
externos”(2011, p. 6).

 Se a motivação interna existe, a influência externa


positiva pode favorecê-la; por sua vez, um
indivíduo motivado, mesmo que haja influências
externas negativas, essas dificilmente contribuírão
para que o aluno desista de buscar o seu objetivo.
A organização do estudo é
fundamental.

 Estabeleça um cronograma de estudos;


 reserve os horários mais apropriados para
você estudar;
 que horários seriam esses?
 A importância do material de consulta e pesquisa
para atingir um bom rendimento nos estudos:

 Antes de ler, examine o material, verifique se o


assunto interessa à pesquisa que está sendo realizada.

 Se você já realizou um esquema, um plano de ideias do


texto que vai desenvolver, é só verificar em que tópico
do livro há alguma informação nova.
 Técnicas das quais o estudo depende:
a) anotação;
b) esquematização do texto;
c) transformação do texto em roteiro;
d) realização de resumos e de
fichamentos.
2 ANOTAÇÃO

 “[...] processo de seleção de informações para posterior


aproveitamento”(MEDEIROS, 2011. p. 8).

 As notas devem permitir redação a partir delas.

 No caso de uma exposição oral – recomenda-se que


sejam registradas dúvidas e respostas surgidas durante a
aula, palestras, etc.
 Deve-se registrar a fonte de onde as anotações
foram extraídas .
 Ex.:

 MEDEIROS, João Bosco. Como tornar o estudo e


a aprendizagem mais eficazes. In: ______.
Redação científica: a prática de fichamentos,
resumos, resenhas. 11. ed. São Paulo: Atlas, 2011.
cap. 1, p. 5-18.
 Se a anotação for resultado de uma aula ou
palestra, informe o autor das ideias, o local, o
mês e o ano em que ocorreu a exposição.

 Onde registrar as anotações?


 O autor sugere as fichas, devendo utilizar fichas
diferentes para cada anotação.
 Classificação das anotações:
a) Anotações corridas;
b) anotações esquemáticas;
c) anotações resumidas.
2.1 Anotações corridas

 Passos:
1 Realizar a leitura total do texto, sem
interrupção;

2 reler o texto, levando em consideração as


palavras desconhecidas; localizando-as no
dicionário – anotar o mais próximo possível;
3 buscar em enciclopédias e almanaques,
informações relevantes para a compreensão
do texto, sejam elas: históricas, geográficas entre
outras;

4 só destaque os trechos e as palavras-chave após


ter compreendido o texto;
5 realizar a redação da anotação corrida e submetê-
la a uma avaliação própria; havendo a necessidade
de correções, refazer a redação.

Ver ex.: p. 9 e 10
2.2 Anotações esquemáticas

 “Ordenam hierarquicamente as partes principais do


conteúdo de uma comunicação”(MEDEIROS, 2011, p.
8).

 Deve ser realizada após o estudo do texto e as anotações


corridas.

 Pode ser apresentado como: 1) esquema vertical das


ideias do autor; ou 2) por chaves ou diagramas.
2.3 Anotações resumidas

 Apresenta a síntese de informações extraídas de livros,


artigos e exposições orais.

 Cuidado para não transformar o seu resumo em uma


“colcha de retalhos”.

 O resumo consiste na condensação de um texto,


apresentando as ideias principais, respeitando a
estrutura e a inter-relação das ideias.
 “A elaboração de resumos proporciona melhores
resultados para a leitura, bem como para a própria
redação. [...] só consegue fazer um bom resumo quem
realmente assimilou as ideias principais do
texto”(MEDEIROS, 2011, p. 13).

 O autor alerta para o fato de não ser possível fazer um


resumo correto após ler o texto apenas uma vez.
 As anotações são feitas a partir de um esquema
obedecendo os seguintes pontos:

 O grifo criterioso das ideias principais do texto - caso


isso não ocorra a elaboração do resumo ficará
prejudicada.

 O leitor deve manter a fidelidade do texto – deve-se


preocupar com o tema, com o fio condutor da
exposição das ideias.
3 SUBLINHA

 O ato de sublinhar pode ser considerado eficaz e


consistente quando apenas as ideias principais do
texto são destacadas.

 Recomenda-se não sublinhar à primeira vista.

 Não há um código único para sublinhar – cada


pessoa possui sua própria metodologia.
 Recomendações do autor:
 Realizar várias leituras antes de sublinhar;

 Sublinhar apenas as ideias principais, as palavras-


chave – atenção e destaque deve ser dado aos
instrumentos de coesão que criam ideia de
oposição;
 A reconstrução do parágrafo deve ocorrer a partir do
que foi sublinhado;

 Colocar um traço vertical à margem do texto para


indicar passagens mais significativas;

 Dúvidas, discordâncias, falhas na exposição do


argumento, colocar à margem do texto um ponto de
interrogação. (2011, p. 13)
4 VOCABULÁRIO
 A qualidade da leitura depende do conhecimento que
se tem do vocabulário.

 Recomenda-se buscar no dicionário toda palavra


desconhecida que aparece no texto ou tentar
descobrir o sentido da palavra no contexto.

 Medeiros dá algumas dicas de exercícios que podem


ser realizados para o leitor ampliar o seu vocabulário.
 “[...] quem pouco lê tem vocabulário
reduzido”(MEDEIROS, 2011, p. 16).
5 SEMINÁRIO

 Trata-se de uma técnica de trabalho em grupo cujo objetivo é


realizar o exame de um tema em reuniões planejadas.

 “O seminário consiste em buscar informações, por meio de


pesquisa bibliográfica ou de entrevista de especialistas,
discussão em grupo, confronto de pontos de vista,
formulação de conclusões. [...]todos devem participar . Não
é [...] uma assembleia para relatar informações tão-somente”
(MEDEIROS, 2011, p. 18).
O seminário exige dos seus participantes
habilidade para o diálogo, o debate e a reflexão.

 A organização do seminário envolve:


 Distribuição das tarefas;
 planejamento das atividades;
 reuniões para discussão do que já foi
pesquisado;
 Resumo e avaliação dos trabalhos realizados.
 Formas de seminário:

 Clássico
 Um aluno se responsabiliza pelo estudo e exposição do
conteúdo, do resultado do estudo realizado.

 Clássico em grupo
 Um grupo de cinco a doze pessoas se responsabiliza pelo
estudo e exposição do assunto.
 Em grupo:

 Todos os alunos da classe participam de forma


ativa e não são apenas espectadores.

 Os resultados da pesquisa são expostos e as ideias


discutidas, e vários grupos se responsabilizam
pelo aprofundamento delas.
 Roteiro do seminário:

 Um organizador será responsável por determinar


o objeto de estudo a ser realizado;

 Após a formação dos grupos, o coordenador


deverá marcar a primeira reunião para estabelecer
um plano de trabalho;
 Recomenda-se para a realização do plano de trabalho , criar e
registrar as ideias conforme elas forem aparecendo (processo
de brainstorming ou “tempestade cerebral” ).

 Primeiro: Determina-se o objeto de estudo.

 Objeto do seminário o estudo da greve


 Segundo: Realiza-se a delimitação do assunto:

 Greves de bancários; greves de metalúrgicos; greves de


professores.

 “Greves de bancários em São Paulo”.

 “ A mais recente greve de bancários em São Paulo”.

 “A greve dos bancários em São paulo, em março de 1996”.


 Terceiro: Regstra-se as ideias conforme elas forem surgindo
na cabeça.

 Estratégias de atuação
 Comunicação
 Organização
 Motivos da greve
 Reivindicações
 Assembleias
 etc.
 Deve-se em seguida organizar as ideias:

 Organização
 Motivos da greve
 Reivindicações
 Comunicação
 etc.
 Os tópicos também podem ser objeto de subdivisões que
podem auxiliar no aprofundamento do estudo.

2. Comunicação
2.1. Mídia eletrônica
2.1.1. Rádio
2.1.2. Televisão
2.2.Mídia impressa
 Após a elaboração do plano deve-se realizar o
levantamento bibliográfico e a entrevista com
especialistas do tema.

 Após a pesquisa o coordenador reúne o grupo


para o debate e organização das ideias.

 O relator é o responsável pela apresentação do


seminário.
 O grupo/classe deve propor perguntas, buscar
esclarecimentos e outos.

 O seminário deve-se encerrar com conclusões e


indicação da bibliografia consultada.
REFERÊNCIAS
MEDEIROS, João Bosco. Como tornar o estudo e a
aprendizagem mais eficazes. In: ______. Redação
científica: a prática de fichamentos, resumos,
resenhas. 11. ed. São Paulo: Atlas, 2011. cap. 1, p. 5-
27.