Você está na página 1de 4

5 Operadores Lineares

5.5 Operador Ortogonal


Definição
Uma matriz M , n × n, é dita ortogonal quando sua inversa é igual à sua
transposta, isto é, quando
M −1 = M t .
Ou seja, M é ortogonal quando

M t M = I.

Exemplo 1
A matriz  √ √ 
1/ √2 1/√2
M=
−1/ 2 1/ 2
é ortogonal.

Propriedades

1. A inversa de uma matriz ortogonal é uma matriz ortogonal.


2. O determinante de uma matriz ortogonal M é 1 ou -1.
3. Uma matriz é ortogonal se, e só se, suas colunas são vetores ortonormais
(com relação ao produto interno usual de Rn ). O mesmo vale para as
linhas.

4. O produto de duas matrizes ortogonais é uma matriz ortogonal.

Definição
Seja V um espaço vetorial euclidiano, isto é, um espaço vetorial de dimensão
finita, munido de um produto interno. Um operador linear T : V → V é dito
ortogonal quando preserva a norma de cada vetor, isto é,

|T (v)| = |v|

para todo v ∈ V .

Exemplo 2
Sejam V = R2 munido do produto interno usual e θ um número real. Então,
o operador T : R2 → R2 definido por

T (x, y) = (x cos θ − y sen θ, x sen θ + y cos θ)

1
é ortogonal.

Exemplo 3
Seja V = R3 munido do produto interno usual. O operador linear T : R3 →
3
R definido por
 
3 2 6 6 3 2 2 6 3
T (x, y, z) = x + y + z, − x + y + z, x + y − z
7 7 7 7 7 7 7 7 7

é ortogonal.

Propriedades
Seja V um espaço vetorial euclidiano com produto interno h, i. São válidas
as seguintes propriedades:

1. T : V → V é ortogonal se, e somente se, preserva o produto interno, isto


é, se, e somente se,
hT (u), T (v)i = hu, vi
para todos u, v ∈ V .
2. Se T, S : V → V são ortogonais, então T ◦ S : V → V é ortogonal.
3. Seja B = {w1 , w2 , . . . , wn } é uma base ortonormal de V . T : S → V é
ortogonal se, e somente se, B 0 = {T (w1 ), T (w2 ), . . . , T (wn )} é uma base
ortonormal de V .
4. Seja B uma base ortonormal de V . T : V → V é um operador ortogonal
se, e somente se, a matriz [T ] de T com relação à base B é uma matriz
ortogonal.

Propriedade
Se V é um espaço vetorial de dimensão finita com produto interno e B e B 0
são bases ortonormais de V , então a matriz de mudança de base [I]B B 0 é uma
matriz ortogonal.

Exemplo 4
Seja T : R3 → R3 a transformação linear dada por

T (x, y, z) = (x + y + z, x − y + z, 2x + 2y − 3z).

Determine a matriz de T na base V = {v1 , v2 , v3 }, onde v1 = √1 (1, 1, 1),v2 =


3
√1 (1, −1, 0) e v3 = √1 (1, 1, −2).
2 6

2
5.6 Operadores Simétricos
Definição
Seja V um espaço vetorial euclidiano. Dizemos que o operador T : V → V
é simétrico se a matriz que o representa em uma base ortonormal B de V é
simétrica, isto é, se
[T ]tB = [T ]B .

Observações

1. Pode-se demonstrar que a definição acima independe da base ortonormal


escolhida.
2. Um operador simétrico é também denominado operador autoadjunto.

Exemplo 1
O operador linear T : R2 → R2 dado por T (x, y) = (3x + 2y, 2x + 5y) é
simétrico.

Propriedade
Seja V um espaço vetorial euclidiano. O operador linear T : V → V é
simétrico se, e só se, para quaisquer vetores u, v ∈ V tivermos

hT (u), vi = hu, T (v)i .

6 Autovalores e Autovetores
6.5 Diagonalização de Operadores Simétricos
Propriedades
Seja T : V → V um operador simétrico em um espaço vetorial euclidiano de
dimensão n. Valem as seguintes propriedades:
1. A equação caracterı́stica de T possui n raı́zes reais (contadas com multi-
plicidade).

2. Autovetores de T associados a autovalores distintos são ortogonais.

Propriedade
Se T : Rn → Rn é um operados simétrico, então existe uma uma base
ortonormal B tal que:

3
1. a matriz de mudança de base P = [I]C n
B , onde C é a base canônica de R ,
é uma matriz ortogonal;
2. a matriz de T na base B

[T ]B = P t [T ]P

é uma matriz diagonal. Neste caso, dizemos que P diagonaliza [T ] orto-


gonalmente.

Observação
Vejamos o procedimento para a obtenção da base ortonormal descrita acima:
1. Encontre uma base para cada autoespaço de T ;
2. Aplique o processo de ortogonalização de Gram-Scmidt a cada uma destas
bases e depois normalize.
3. A base procurada é a união das bases obtidas no passo anterior.

Exemplo 1
Seja T : R3 → R3 dado por

T (x, y, z) = (4x + 2y + 2z, 2x + 4y + 2z, 2x + 2y + 4z).

Determine uma base ortonormal B de R3 tal que [T ]B seja diagonal.