Você está na página 1de 8

2/25/2018 O que é Funk Proibidão?

# música

O que é Funk Proibidão?


© Krisanne Johnson

Maio · Escrito por Amaya García

Amaya García traça a tumultuada evolução desse som explícito e


socialmente consciente do Rio de Janeiro

https://www.redbull.com/br-pt/o-que-eh-funk-proibidao 1/8
2/25/2018 O que é Funk Proibidão?

# música
MC Carol invade Nova York
© KRISANNE JOHNSON

Assim como o samba no começo do século , a bossa nova e a lambada no final dos anos ou
com o tecnobrega no final dos anos , a cultura onívora do Brasil observa seus músicos
trazerem influências musicais de fora, numa amplitude que embarca desde o funk norte
americano, o hip hop e o tecno europeu e os transforma em sons que são inerentes e
inegavelmente brasileiros. Entre os gêneros mais populares de música que emergem no Brasil
está o funk carioca, um som nascido nas favelas há quase anos.

A música hipertropical, inspirada pelo estilo Miami bass e carregado de batidas do candomblé se
tornou o som, a voz e o grito de guerra das comunidades pobres, com funkeiros servindo como
contadores de histórias modernos, ilustrando a vida dos morros cariocas. “O funk era a afirmação
da identidade afro brasileira, assim como uma luta por direitos culturais. Ele era a única
oportunidade para o oprimido de erguer sua voz e, às vezes, ainda o é”, explica Mano Teko,
presidente da APAFUNK – organização criada para militar pelos direitos dos funkeiros – em
entrevista com portal de música Sounds and Colours. Ao trazer a ira da polícia, do governo, dos
legisladores e cidadãos de bem nesse processo, o funk carioca se tornou uma das mais intensas
e interessantes exportações de toda a rica história musical do país, ramificando se diversamente
em estilos como o funk melody, o funk putaria, o funk socialmente consciente e o subgênero mais
polarizador de todos, o funk proibidão.

O proibidão é sacana numa maneira explícita, mas não é


necessariamente simpático à violência ou à criminalidade

D.J. Battery Brain - 8 Volt Mix (Long Version)(Techno Hop Records 1988)

https://www.redbull.com/br-pt/o-que-eh-funk-proibidao 2/8
2/25/2018 O que é Funk Proibidão?

O funk proibido ou proibidão vem sendo descrito pela grande mídia brasileira como algo sacana
# música
e complacente com o crime, que reverencia facções como o temido Comando Vermelho. O
proibidão é sacana numa maneira explícita, mas não é necessariamente simpático à violência ou
à criminalidade e, infelizmente, conceitos com aqueles estabelecidos pela mídia acabam
perpetuando a criminalização de uma cultura nascida, crescida e exportada a partir das
circunstâncias sociais mais terríveis. Na entrevista para o Sounds and Colours, Mano Teko
argumentou: “As letras não são uma ode à violência, mas simplesmente uma recordação da
realidade diária das favelas. Um leitor de notícias não faz a mesma coisa? E ele é punido por isso?
A verdade é a que a prefeitura proíbe o funk porque eles têm medo do poder desse som. O funk
é uma forma de protesto e, nas favelas, qualquer forma de protesto é proibida”.

O proibidão diz muita coisa para todo mundo, ele é esquivo de uma definição própria. Mas fato é
que a história do proibidão está intrinsicamente ligada às origens do funk carioca e às tomadas
violentas do governo brasileiro nas favelas.

Carlos Palombini, um dos historiadores mais proeminentes do proibidão, aponta que o


nascimento do funk carioca foi por volta de , com o lançamento do primeiro LP do DJ
Marlboro. O “DJ Marlboro apresenta funk Brasil” sinalou o nascimento do primeiro gênero de
música eletrônica nascido no Brasil, derivado diretamente do funk afro americano e do Miami
bass, importados no país por DJs itinerantes. Originalmente, as características básicas do funk
carioca, e por conseguinte do proibidão, eram os vocais improvisados (às vezes em formato de
duelo), executados por um ou dois MCs, sobre o sampleado de “ Volt Mix” do DJ Battery Brain –
indiscutivelmente, uma das batidas mais sampleadas na música popular americana (ver
Parliament Funkadelic, Janet Jackson, Indeep e, oras, até mesmo Fergie). Depois de tanto
samplear e remixar o “ Volt Mix”, o DJ Luciano adicionou, em , um toque de capoeira,
candomblé e batidas de maculelê aos sintetizadores e apelidou o ritmo de “tamborzão”,
criando, definitivamente, o som do funk carioca que viria a dominar as baladas das Américas e
Europa nos anos seguintes.

O funk carioca e o proibidão acontecem nas noites do fim de semana em bailes apinhados e


suados, também conhecidos como fluxos, a muitos e muitos degraus morro acima no coração
das favelas. Os donos da aparelhagem que convidam os famosos MCs como o Furacão ,o
Chatubão Digital, Cash Box e Pitbull, para nomear alguns, geralmente se utilizam do boca a boca
para chamar os festeiros para a balada. O proibidão nasceu dentro deste sistema em com
os MCs Júnior e Leonardo, da favela da Rocinha, lecionando uma verdadeira aula à plateia sobre
metralhadoras, granadas e rifles com o “Rap das Armas”, a primeira batida de funk oficialmente
chamada de “proibida”. O estilo se manteve firme e, com os MCs Cidinho e Doca, da favela
Cidade de Deus, tornou se um hit em com refrão cativante e melódico “parapapapá pa pa
pa papapá”. Até hoje não há consenso se estas músicas buscam criticar ou glorificar a violência
nas favelas. Seja como for, para a maioria dos MCs de proibidão, o que eles estão cantando é a
verdade.

https://www.redbull.com/br-pt/o-que-eh-funk-proibidao 3/8
2/25/2018 O que é Funk Proibidão?

Após a “pacificação” das favelas, os fluxos sumiram e o funk


# música
carioca seguiu para outras direções
“A gente cantava o que a comunidade queria ouvir”, afirma Mr. Catra, ex membro dos MCs
hardcore de proibidão, ao XLR R. “O proibidão não é só sobre os traficantes. Ele também fala
sobre os problemas de corrupção, a insatisfação dos pobres – ele fala da realidade”. O filme
Favela on Blast, produzido em pela Diplo, documentou extensivamente as condições que
geraram os fluxos nas favelas, alguns anos antes das UPP (Unidade de Polícia Pacificadora)
tomarem violentamente o controle da Vila Cruzeiro e do Morro do Alemão, duas das favelas mais
“problemáticas” do Rio. Num dos trechos registrados com a população local, jovens não
identificados comentam sobre o proibidão: “Eles fazem de tudo para não tocar o proibidão nas
rádios locais. Mas foda se, as músicas não são lançadas em disco e se tornam um sucesso. O
proibidão te ensina como viver nas ruas. Ele fala a verdade. Ele fala o que caralhos está
acontecendo aqui”.

A maioria dos artistas de funk como o Menor do Chapa, o MC Orelha, Mr. Catra e MC Tovi faziam
parte do proibidão, mas, após a tomada da polícia no Morro do Alemão e na Vila Cruxeiro em
, os fluxos foram criminalizados e os shows de funk carioca sofreram todo tipo sanção não
oficial, através de diversas leis que impuseram taxas pesadíssimas para a autorização de um
estabelecimento, assim como o uso de segurança, detectores de metais nas saídas e um tempo
de abertura restrito. Um dos casos mais divulgados envolvendo músicos do proibidão foi aquele
em que os MC Frank, Max, Tikão, Dido e Smith foram presos sob vagas acusações de ilegalidade,
envolvendo suas performances de proibidão.

MC Didô - Upp Filha da Puta Sai Sai Sai do Borel ♫

Carlos Palombini escreveu exaustivamente sobre este assunto em sua tese “Proibidão em tempo
de pacificação armada”, documentando a complacência dos conglomerados midiáticos, como a
Rede Globo e a prefeitura municipal carioca com relação aos funkeiros. Após a instalação das
https://www.redbull.com/br-pt/o-que-eh-funk-proibidao 4/8
2/25/2018 O que é Funk Proibidão?

unidades policiais permanentes, o MC Tovi e o DJ Diogo lançaram o hoje famoso “UPP não entra
# música
aqui”, cuja letra denuncia a presença e a violência policial nas favelas. Pouco tempo depois, veio
MC Dido com a ainda mais combativa “UPP filha da puta, sai do Borel”, música pela qual ele foi
indiciado e proibido de cantar.

Após a “pacificação” das favelas, os fluxos sumiram e o funk carioca seguiu para outras direções.
Embora a luta continuasse no Brasil, M.I.A. e Diplo fizeram grande sucesso internacionalmente
com “Bucky Done Gun”, e gravadoras como a Man Recordings, na Alemanha, criaram
compilações introduzindo este estilo aos ouvidos norte americanos e europeus. Deize Tigrona,
MC do funk consciente e da putaria, viajou pelo mundo inteiro e mostrou o lado feminino desse
estilo. O DJ Marlboro começou a emplacar o funk melody, mais agradável ao público e, de acordo
com Palombini, o proibidão saiu do uso predominante do tamborzão para o beatbox como sua
base rítmica.

Ainda sim, definir proibidão permanece uma tarefa difícil. “Acredito que não haja uma única
definição consistente”, explica Wolfram Lange, pesquisador musical, fundador do blog Sound
Goods e atual residente do Rio de Janeiro. “Com certeza, dependendo do departamento policial,
existem definições diferentes para o funk, porque depende do que eles estão investigando no
momento. Em geral, depende das palavras e qual palavrão é usado”. Uma vez que o funk é muito
popular no Rio de Janeiro, e os artistas que eram antes apenas ouvidos nos fluxos ou bailes funk
nas favelas adentraram à consciência popular, MCs como a Valesca Popozuda (da antiga Gaiola
das Popozudas), Ludmilla e MC Catra criaram versões limpas ou, chamadas “liberadão”, do funk
proibido. “Um ponto interessante em relação ao proibidão e às versões mais leves é o grande hit
de verão ‘Deu Onda’ do MC G ”, explica Wolfram. “A versão proibidão possui o refrão ‘meu pau
te ama’ enquanto o MC criou uma versão leve onde se diz ‘o pai te ama’. Em português, é apenas
uma letra que muda todo o sentido do refrão, mas todos sabem como é que deveria soar de
verdade”.

MC G15 - Deu Onda (KondZilla)

https://www.redbull.com/br-pt/o-que-eh-funk-proibidao 5/8
2/25/2018 O que é Funk Proibidão?

Wolfram Lange segue explicando que, em alguns casos, o proibidão foi usado como uma
# música
ferramenta de marketing, uma vez que o termo possui uma credibilidade de rua inegável, algo
que o dinheiro não pode comprar – ele é mais underground, com um toque de perigo. “Talvez
existam pessoas tentando vendê lo ou chamando de proibidão algo que nem mesmo o é, pelo
menos de um ponto de vista policial ou criminoso”, comenta Wolfram Lange. “Eles tentam vende
lo assim porque talvez isso atraia uma grande audiência. Então, talvez o mais pesado do
proibidão você não o encontrará tão facilmente na internet ou websites registrados (como o
proibidão.org de Palombini), onde você sabe quem está por detrás daquela página”.

Ambos o funk e o proibidão – estilos que são praticamente indistinguíveis em termos de som – se
transformaram radicalmente com o passar dos anos, incluindo mudanças sutis na base rítmica, o
sampleado dos top hits americanos (onde é comum serem usados em outros tipos de músicas
eletrônicas brasileiras, como o tecnobrega) e sua evolução em outros estilos, como o neo baile e
o arrastão. Gigantes internacionais, como Leo Justi e sua gravadora “Heavy Baile”, que lançou de
Tropkillaz e MC Carol, vêm ampliando não apenas sua produção, mas o tipo de conteúdo
também.

MC Carol, por exemplo, é uma feminista negra cuja música não apenas se foca em fazer o povo
dançar, mas também educá lo sobre a violência contra as mulheres nas favelas, quebrar com o
estrito padrão de beleza que reina no Brasil e por toda a América. Uma de suas canções mais
famosas, “Não Foi Cabral”, vem sendo analisada por professores universitários. (Ela prioriza a
narrativa indígena e contesta a noção de que o Brasil fora “descoberto” por Pedro Álvares
Cabral). O som “ % Feminista” de Tropkillaz, produzido por Leo Justi, com sua batida pulsante,
traz MC Carol e Karol Conka protestando contra o patriarcado.

MC Carol - Não foi Cabral

Desde o nascimento do funk carioca, a cultura do funkeiro vem sendo constantemente


discriminada, segregada e criminalizada. E assim como o samba, o forró, o hip hop e outras

https://www.redbull.com/br-pt/o-que-eh-funk-proibidao 6/8
2/25/2018 O que é Funk Proibidão?

músicas vindas de minorias ou regiões pobres, o funk acabou sendo também reconhecido pelo
governo: em# setembro
música de , o governo federal adotou o slogan “funk é cultura” – declarando
que o funk faz sim parte do patrimônio cultural brasileiro.

O lento reconhecimento da importância do funk no Brasil é um reflexo da influência e presença


persistente desta música, enquanto sua contínua reinvenção o torna um gênero disposto a
manter o mundo inteiro descendo até o chão a cada nova canção lançada. O funk veio não
apenas para moldar a música eletrônica brasileira, mas as comunidades artísticas do mundo em
questão de som e atitude: melódico, consciente, profano, proibido e – por ora – justamente bem
recebido.

Por Amaya García – de abril de – Red Bull Music Academy

# música

COMPARTILHE ESTE ARTIGO

QUER RECEBER O MELHOR DO NOSSO CONTEÚDO?

RECEBA A NOSSA NEWSLETTER

MAIS
# música
7 perguntas para Linn da Quebrada
# vôlei de praia
Alison e Bruno ficam com o vice campeonato em João Pessoa
# música
A noite em que o funk invadiu NY, por MC Carol

CARREGAR MAIS

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

TERMOS DE USO

PRODUTOS E COMPANHIA

https://www.redbull.com/br-pt/o-que-eh-funk-proibidao 7/8
2/25/2018 O que é Funk Proibidão?

CONTATO
# música
IMPRENSA

JOBS

NEWSLETTER

© 2018 RED BULL

https://www.redbull.com/br-pt/o-que-eh-funk-proibidao 8/8