Você está na página 1de 67

Sociologia

SOCIOLOGIA criação de instrumentos, a formulação de ideias e formas


específicas de elaborá-los – características identificadas
como eminentemente humanas – são fruto da interação
UNIDADE 1 homem-natureza. Por mais sofisticadas que possam
parecer as ideias são produtos que exprimem as relações
que o homem estabelece com a natureza na qual se insere.
A RELAÇÂO HOMEM, NATUREZA, É o processo da produção da existência humana porque
cada interação reflete uma natureza modificada, pois nela
TRABALHO E SOCIEDADE
se inserem criações antes inexistentes, e reflete, também,
um homem já modificado, pois suas necessidades,
O homem é um ser natural, isto é, um ser que faz parte condições e caminhos para satisfazê-las são outros que
integrante da natureza; não se poderia conceber o conjunto foram construídos pelo próprio homem. É nesse processo
da natureza sem ela inserir a espécie humana. Ao mesmo que o homem adquire consciência de que está
tempo em que se constitui em ser natural, o homem transformando a natureza para adaptá-la a suas
diferencia-se da natureza, que é, como diz Marx (1984, p. necessidades, característica que vai diferenciá-lo: a ação
111), “o corpo inorgânico do homem”; para sobreviver, humana, ao contrário da de outros animais, é intencional e
ele precisa com ela se relacionar, já que dela provêm as planejada; em outras palavras, o homem sabe que sabe.
condições que lhe permitem se perpetuar enquanto O processo de produção da existência humana é um
espécie. Não se pode, portanto, conceber o homem sem a processo social. O ser humano não vive isoladamente, ao
natureza e nem a natureza sem o homem. contrário, depende de outros para sobreviver. Há
Na busca das condições para a sua sobrevivência, o ser interdependência dos seres humanos em todas as formas
humano – assim como outros animais – atua sobre a da atividade humana; quaisquer que sejam as suas
natureza e, por meio desta interação, satisfaz suas necessidades – da produção de bens à elaboração de
necessidades. No entanto, diferentemente de outros conhecimentos, costumes, valores –, elas são criadas,
animais, o homem não se limita ao imediatismo das atendidas e transformadas a partir da organização e do
situações com que se depara; ele ultrapassa limites, já que estabelecimento de relações entre os homens.
produz universalmente (para além de sua sobrevivência Na base de todas as relações humanas, determinando e
pessoal e de sua prole), não se restringindo às condicionando a vida, está o trabalho – uma atividade
necessidades que se revelam no aqui e agora. humana intencional, que envolve formas de organização,
A ação humana não é apenas biologicamente objetivando a produção dos bens necessários à vida
determinada, mas se dá principalmente pela incorporação humana. Essa organização implica uma dada maneira de
de experiências e conhecimentos produzidos e dividir o trabalho necessário à sociedade e é determinada
transmitidos de geração a geração. A transmissão dessas pelo nível técnico e pelos meios existentes para o trabalho,
experiências e conhecimentos – por meio da educação e ao mesmo tempo em que os condiciona. A forma de
da cultura – permite que a nova geração não volte ao organizar o trabalho determina também a relação entre os
ponto de partida da que a precedeu. homens, inclusive quanto à propriedade dos instrumentos
A atuação do homem diferencia-se da do animal porque, e matérias utilizados e à apropriação do produto do
ao alterar a natureza por meio da sua ação, ele a torna trabalho.
humanizada. Ao mesmo tempo, o homem altera a si As relações de trabalho – a forma de dividi-lo, organizá-
próprio por intermédio dessa interação; ele vai se lo –, ao lado do nível técnico dos instrumentos de
construindo, vai se diferenciando cada vez mais das outras trabalho, dos meios disponíveis para a produção de bens
espécies animais. A interação homem-natureza é um materiais, compõem a base econômica de uma dada
processo permanente de mútua transformação: esse é o sociedade.
processo de produção da existência humana. É essa base econômica que determina as formas
É o processo de produção da existência humana porque políticas, jurídicas e o conjunto das ideias que existem em
o ser humano vai se modificando, alterando aquilo que é cada sociedade. É a transformação dessa base econômica,
necessário à sua sobrevivência. Velhas necessidades a partir dessas contradições que ela mesma engendra, que
adquirem características diferentes; até mesmo as leva à transformação de toda a sociedade, implicando um
necessidades consideradas básicas – por exemplo, a novo modo de produção e uma nova forma de organização
alimentação – refletem as mudanças ocorridas no homem; política e social. Por exemplo, nas sociedades tribais
os hábitos e necessidades alimentares são hoje muito (comuns), o grupo social organizava-se por sexo e idade
diferentes do que foram em outros momentos. A alteração, para produzir os bens necessários à sua sobrevivência. Às
no entanto, não se limita à transformação de velhas mulheres e crianças cabiam determinadas tarefas, e aos
necessidades: o homem cria novas necessidades, que homens, outras. Essa primeira divisão do trabalho, além
passam a ser tão fundamentais quanto as chamadas de garantir a sobrevivência do grupo, gerou um conjunto
necessidades básicas à sua sobrevivência. de instrumentos, técnicas, valores, costumes, crenças,
É o processo de produção da existência humana porque conhecimentos, organização familiar etc. A propriedade
o homem não só cria artefatos, instrumentos, como dos instrumentos de trabalho, bem como a propriedade do
também desenvolve ideias (conhecimentos, valores, produto do trabalho (a caça, o peixe etc.), era de toda a
crenças) e mecanismos para a sua elaboração comunidade. A transmissão das técnicas, valores,
(desenvolvimento do raciocínio, planejamento...). A

ENEM 1
Ciências Humanas e suas Tecnologias

conhecimentos etc. era feita, basicamente, por meio da reflete a possibilidade de transformação que está presente
comunicação oral e do contato pessoal, diferentemente do na própria sociedade. Portanto, é de se esperar que, num
que ocorre atualmente. Já na Grécia Antiga, por volta de dado momento, existam representações diferentes e
800 a.C., o comércio, fundado na exportação e importação antagônicas do mundo. Por exemplo, hoje, tanto as ideias
agrícola e artesanal, é a base da atividade econômica, e há políticas que pretendem conservar as condições existentes
um nível técnico de produção desenvolvido ao lado de quanto as que pretendem transformá-las correspondem a
uma organização política na forma de cidades-Estado. interesses específicos às várias classes sociais.
Nessa sociedade, além da divisão do trabalho cidade- Dentre as ideias que o homem produz, parte delas
campo, ocorre uma divisão entre os produtores de bens e constitui o conhecimento referente ao mundo. O
os donos da produção: os produtores não detêm a conhecimento humano, em suas diferentes formas (senso
propriedade da terra, nem os instrumentos de trabalho, comum, científico, teológico, filosófico, estético etc.),
nem o próprio produto do seu trabalho; são, em sua exprime as condições materiais de um dado momento
maioria, eles mesmos, propriedade de outros homens. histórico.
Nessa sociedade, as relações estabelecidas entre os (ANDERY, Maria Amalia...et al. Para compreender a ciência: uma
perspectiva histórica.
homens são desiguais: alguns vivem do produto do
Rio de Janeiro: Garamond, 2014. pp. 9-15)
trabalho de outros, e a produção de conhecimento é
desenvolvida por aqueles que não executam o trabalho
manual.
FIQUE LIGADO NO ENEM!
As ideias, como um dos produtos da existência humana,
sofrem as mesmas determinações históricas. As ideias são
a expressão das relações e atividades reais do homem, • Há interdependência dos seres humanos em todas as formas
estabelecidas no processo de produção da sua existência. da atividade humana; quaisquer que sejam as suas
Elas são a representação daquilo que o homem faz, da sua necessidades – da produção de bens à elaboração de
maneira de viver, da forma como se relaciona com outros conhecimentos, costumes, valores -, elas são criadas, atendidas
homens, do mundo que o circunda e das suas próprias e transformadas a partir da organização e do estabelecimento
necessidades. Marx e Engels afirmam: de relações entre os homens.
• As relações de trabalho – a forma de dividi-lo, organizá-lo –,
A produção de ideias, de representações e da consciência ao lado do nível técnico dos instrumentos de trabalho, dos
está em primeiro lugar direta e intimamente ligada à atividade meios disponíveis para a produção de bens materiais, compõem
material e ao comércio material dos homens; é a linguagem a base econômica de uma dada sociedade. É essa base
da vida real (...). Não é a consciência que determina a vida,
econômica que determina as formas políticas, jurídicas e o
mas sim a vida que determina a consciência. (1980, p. 25-26)
conjunto das ideias que existem em cada sociedade.
• As ideias, como um dos produtos da existência humana,
Isso não significa que o homem crie suas representações
sofrem as mesmas determinações históricas. As ideias são a
mecanicamente: aquilo que o homem faz, acredita,
expressão das relações e atividades reais do homem,
conhece e pensa sobre interferência também das ideias
estabelecidas no processo de produção da sua existência. Elas
(representações) anteriormente elaboradas; ao mesmo
são a representação daquilo que o homem faz, da sua maneira
tempo, as novas representações geram transformações na
de viver, da forma como se relaciona com outros homens, do
produção da sua existência.
mundo que o circunda e das suas próprias necessidades.
O desenvolvimento do homem e da sua história não
• O desenvolvimento do homem e da sua história não depende
depende de um único fator. Ele ocorre a partir das
de um único fator. Ele ocorre a partir das necessidades
necessidades materiais; estas, bem como a forma de
materiais; estas, bem como a forma de satisfazê-las, a forma de
satisfazê-las, a forma de se relacionar para tal, as próprias
se relacionar para tal, as próprias ideias, o próprio homem e a
ideias, o próprio homem e a natureza que o circunda, são
natureza que o circunda, são interdependentes, formando uma
interdependentes, formando uma rede de referências
rede de referências recíprocas. Daí decorre ser esse um
recíprocas. Daí decorre ser esse um processo de
processo de transformação infinito, em que o próprio homem se
transformação infinito, em que o próprio homem se
produz.
produz. Nesse processo do desenvolvimento humano
multideterminado, que envolve inter-relações e
interferências recíprocas entre ideias e condições UNIDADE 2
materiais, a base econômica será o determinante
fundamental. Tais condições econômicas, em sociedades
baseadas na propriedade privada, resultam em grupos com O CAPITALISMO E O NASCIMENTO
interesses conflitantes, com possibilidades diferentes no DA SOCIOLOGIA
interior da sociedade, ou seja, resultam num conflito entre
classes. Em qualquer sociedade onde existam relações que A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
envolvam interesses antagônicos, as ideias refletem essas
diferenças. E, embora acabem por predominar aquelas que Entre os séculos XVIII e XIX, teremos a Revolução
representam os interesses do grupo dominante, a Industrial, momento em que a indústria têxtil inova-se
possibilidade mesma de se produzir ideias que com o tear a vapor; este possibilita uma série de outros
representam a realidade do ponto de vista de outro grupo inventos, que facilitam a mecanização das máquinas,
2
Sociologia

influindo decisivamente no surgimento, juntamente com a Tais problemas não existiam no feudalismo, quer dizer,
burguesia, de uma nova classe social: os trabalhadores, os problemas sociais no feudalismo (que existiam em
classe composta pelos camponeses sem terra e artesãos grande quantidade) eram diferentes.
sem suas antigas máquinas manuais. Os problemas enumerados acima são característicos do
Esta nova classe (os trabalhadores) não terá outro capitalismo, isto é, aparecem quando a vida torna-se
recurso para sobreviver senão vender sua capacidade de urbanizada e industrializada.
trabalho à burguesia, em troca de um salário. Assim, a Os trabalhadores, que sofriam as maiores conseqüências
numerosa classe trabalhadora passa a constituir a classe desses problemas, não eram uma massa inerte; ao
dos despossuídos. contrário, sempre reagiram, lutando contra esses
A relação de classes que passa a existir, entre a problemas sociais e contra a exploração a que estavam
burguesia e os trabalhadores, é orientada por um contrato, submetidos.
o que permite, por sua vez, a idéia de que o capitalismo é Aos poucos, grupos de trabalhadores começaram a
uma sociedade com “liberdade econômica” e “democracia organizar-se em sindicatos, passando a exigir a criação de
política”, isto é, com a idéia de contrato podemos afirmar novas leis que os protegessem e, enfim, começaram a lutar
que o trabalhador é “livre” para escolher um emprego com todas as armas de que dispunham.
qualquer e o empresário é “livre” para empregar quem Todos esses conflitos e problemas sociais fizeram com
desejar. que várias pessoas começassem a preocupar-se com a
Esta aparente sociedade democrática torna-se, ao sociedade. Pensadores começaram a estudar o capitalismo,
contrário do Feudalismo, uma organização social tentando entendê-lo ou buscando alternativas para
extremamente dinâmica e movimentada; a própria noção solucionar os problemas e conflitos dessa nova sociedade.
de tempo é alterada: “tempo é dinheiro”. A visão de
mundo torna-se individualizada e competitiva: “cada um NASCIMENTO DA SOCIOLOGIA
por si e Deus por todos”. Nasce a idéia moderna de
progresso; aparecem novos inventos: a locomotiva, a O homem e a sociedade passam a ser preocupação
energia elétrica, o telégrafo, o microscópio, etc. Surgem científica: surgem novos discursos e um novo saber sobre
também novas ciências como a Física e a Química o social. Nascem, assim, a Antropologia, a Economia
modernas, que orientam o aumento da produção industrial. Política, e a Sociologia, fazendo com que as Ciências
Nas cidades, a cada dia, surgem novas escolas, Humanas ganhassem uma nova dimensão.
bibliotecas, teatros, jornais e revistas. Tudo isso faz nascer Agora podemos perceber que a ciência sociológica não
um espírito de otimismo, pelo qual as pessoas começam a foi fundada por uma só pessoa, mas é fruto de
achar que, finalmente, o Homem encontrou o caminho da determinada situação histórica em que vários pensadores
civilização, do progresso permanente, da fartura e da se destacam.
riqueza. Com a sociedade se industrializando e tornando suas
Na realidade, o capitalismo trouxe progresso e riqueza relações mais complexas, o social passa a ser objeto de
apenas para algumas pessoas, pois as indústrias estudo para pessoas como Montesquieu (1689-1755) e
desenvolviam-se de tal modo que seus proprietários Rousseau (1712-1778); o primeiro tenta explicar a origem
(burgueses ou empresários) ficavam riquíssimos e das instituições políticas e escreve sobre a divisão de
poderosos, no entanto, a classe trabalhadora (que poderes no Estado. O segundo, sendo um dos precursores
fabricava todos os bens) recebia um salário miserável. da Enciclopédia (textos que reuniam todo o conhecimento
A cidade e a indústria trouxeram a esperança de uma científico da época), reelabora aspectos da organização
vida melhor; os trabalhadores, contudo, perceberam social que serviriam de bases ideológicas para a
rapidamente que a cidade e a indústria eram, na realidade, Revolução Francesa (1789).
as correntes da mais nova forma de exploração: A Será, porém, com Herbert Spencer (1820-1903),
Sociedade Capitalista. Augusto Comte (1798-1857) e Émile Durkheim (1858-
1917) que a Sociologia encontrará seus principais
PROBLEMAS E CONFLITOS GERADOS PELO teóricos, sendo que os dois últimos são os principais
CAPITALISMO responsáveis pelo desenvolvimento da corrente
sociológica conhecida pelo nome de Positivismo.
Ao entrarmos no século XX, o mundo torna-se, em Os teóricos da Sociologia viveram numa época de
grande parte de sua extensão, uma empresa capitalista. E, grandes conflitos sociais, e isso, de certa forma, influiu
como já vimos, o capitalismo nasceu da decadência do para que a Sociologia tivesse, inicialmente, uma nítida
feudalismo, na Europa, e em apenas cem anos espalhou-se preocupação com o restabelecimento da ordem social.
por outras regiões do globo terrestre. Para Augusto Comte, por exemplo, a tarefa da Sociologia
Será com esse novo modo de viver que irão surgir era muito clara: deveria ensinar as pessoas a aceitarem a
milhares de novos problemas sociais, isto é, nunca vividos ordem social existente. Porém, a Sociologia nem sempre
por alguém antes. E quais eram esses novos problemas seguiu um caminho conservador: com o passar dos anos,
sociais que o capitalismo trouxe? Podemos enumerar sociólogos passam a incorporar em suas análises as
alguns: favelas, poluição, migração desordenada, doenças concepções de um historiador, filósofo e economista
por excesso de trabalho, neuroses, suicídio, cortiços, alemão chamado Karl Marx (1818-1883).
prostituição, violência, criminalidade... Marx, assim como seu colaborador direto, Engels
(1820-1903), não teve a preocupação de declarar-se
ENEM 3
Ciências Humanas e suas Tecnologias

sociólogo ou especialista em qualquer outra área. Ao uma visão filosófica do mundo. Sustentavam que era preciso
desenvolver sua teoria, o materialismo histórico, a partir do método experimental e da observação da realidade
preocupação de Marx e Engels era a de entender a empírica. É a partir deste esforço que surgiu a sociologia.
sociedade capitalista de forma crítica, utilizando-se dos • O que os estudiosos da sociologia desejavam é que esta nova
recursos de outras ciências, como a Filosofia, a Economia ciência abarcasse todos os fenômenos sociais, incluindo a
e a História. ordem econômica, política e cultural em um único conjunto que
pudesse ser estudado com o auxílio do método experimental.
DA FILOSOFIA À SOCIOLOGIA

A Sociologia é uma ciência que surge apenas no século UNIDADE 3


XIX. Seu surgimento recente poderia nos dar a ingênua
impressão de que até aquela época os intelectuais não
estavam preocupados com a reflexão sobre a vida social e AUGUSTO COMTE
coletiva. No entanto, naquele momento histórico, as
questões que diziam respeito ao que hoje chamamos de Com o surgimento do método científico, os intelectuais
“sociedade” eram pensadas sob a ótica da filosofia, do século XIX dispunham de um instrumento
particularmente da filosofia política. Ao aplicar os radicalmente novo para entender a sociedade e enfrentar
princípios da ciência aos estudos dos fenômenos sociais, os dilemas que o mundo trazia. A ciência da sociedade
os intelectuais mudaram a maneira de explicar a própria tinha pela frente três questões essenciais para a
vida social. Na visão dos fundadores da Sociologia, os compreensão das transformações sociais que apontamos
fenômenos que caracterizavam a modernidade, seja no anteriormente: 1) identificar quais as causas destas
aspecto econômico, político ou cultural, não podiam mais transformações; 2) apontar as características da sociedade
ser explicados a partir de uma visão filosófica do mundo. moderna; 3) discutir o que fazer diante dos problemas
Sustentavam que era preciso partir do método sociais.
experimental e da observação da realidade empírica. É a Foi para responder a este conjunto de questões que, em
partir deste esforço que surgiu a sociologia. 1830, Augusto Comte apresentou, em seu livro Curso de
Diante do quadro de transformações da modernidade, a Filosofia Positiva, a ideia de fundar uma “Física Social”
sociologia retoma os temas da filosofia política, mas busca que seria um saber encarregado de aplicar o método
substituir as questões tradicionais desta forma de científico para o estudo da sociedade. Com uma ciência
pensamento por um novo olhar sobre o mundo humano. que nos mostrasse as leis de funcionamento da sociedade,
Com o surgimento da sociologia, as questões da filosofia haveria como enfrentar os problemas do mundo moderno,
política são retomadas e ampliadas, pois ela opera um pois a tarefa da ciência era, justamente, “prever para
deslocamento tanto no objeto quanto no método da prover”.
reflexão política. Não se trata mais de se referir apenas aos
fenômenos do poder político, como se fazia até então. O
pensamento deveria deslocar-se para além da “pólis” ou
mesmo do “Estado”, como fizeram os autores da filosofia
até aquele momento. O que os estudiosos da sociologia
desejavam é que esta nova ciência abarcasse todos os
fenômenos sociais, incluindo a ordem econômica, política
e cultural em um único conjunto que pudesse ser estudado
com o auxílio do método experimental. É desta forma que
Augusto Comte (1798-1857)
nasce a “ciência” do “social”.
Em 1839, Augusto Comte alterou o nome desta ciência
para “sociologia” (do latim “socius” e do grego “logos”
que significa estudo do social), nome que perdura até hoje.
FIQUE LIGADO NO ENEM! Augusto Comte é considerado, comumente, como o
• Os conflitos e problemas sociais resultantes das novas fundador da sociologia, razão pela qual o estudo de seu
relações de produção fizeram com que várias pessoas pensamento é o ponto de partida para o entendimento
começassem a preocupar-se com a sociedade. Pensadores histórico desta disciplina.
começaram a estudar o capitalismo, tentando entendê-lo ou Comte também é conhecido por ter dedicado os anos
buscando alternativas para solucionar os problemas e conflitos finais da sua vida à organização da “religião da
dessa nova sociedade. humanidade” para a qual escreveu até um catecismo: o
• Como os primeiros teóricos da Sociologia viveram numa época “Catecismo Positivista”. Em sua igreja ou religião, a
de grandes conflitos sociais, isso, de certa forma, influiu para deusa razão ocupava o lugar da crença em divindades;
que a Sociologia tivesse, inicialmente, uma nítida preocupação grandes pensadores, o lugar dos santos; bem como havia
com o restabelecimento da ordem social. festas religiosas e determinações sobre a organização dos
• Na visão dos fundadores da Sociologia, os fenômenos que templos. Esta doutrina filosófica exerceu enorme
caracterizavam a modernidade, seja no aspecto econômico, influência no Brasil que adotou o lema deste pensador em
político ou cultural, não podiam mais ser explicados a partir de sua bandeira nacional: “ordem e progresso”.

4
Sociologia

Apesar da característica religiosa da fase final de sua estado científico ou positivo” (COMTE, 1978, p.4). Em
vida, Augusto Comte pode ser considerado um dos mais cada uma destas fases, o homem tem diferentes formas de
destacados representantes do movimento iluminista, ou explicar os fenômenos da realidade. Vejamos como isto
seja, daquela concepção de que a razão (ou a ciência) deve ocorre.
ocupar o lugar da religião na organização da sociedade.
Entre as influências diretas que Comte recebeu do 1) Estado teológico: “No estado teológico, o espírito
Iluminismo é importante lembrar a importância de humano [...] apresenta os fenômenos como produzidos
Condorcet (1743-1794). Em sua principal obra, “Esboço pela ação direta e continua de agentes sobrenaturais mais
de um quadro histórico dos progressos do espírito ou menos numerosos, cuja intervenção arbitrária explica
humano”, este pensador sustenta que assim como Galileu todas as anomalias existentes no universo” (p. 4). Nesta
aplicou o método matemático ao estudo da realidade etapa já se percebe que os fenômenos são explicados
física, a precisão do cálculo deveria também ser estendida através de “causas”, mas elas são atribuídas à divindade.
ao estudo dos fenômenos sociais. Em obra posterior, Comte vai dividir o estágio teológico
A ideia de aplicar os métodos das ciências da natureza nas seguintes subfases.
para o estudo da sociedade receberia um impulso ainda a) Fetichismo: o homem confere vida, ação e poderes
maior com Saint Simon (1760-1825), de quem Augusto sobrenaturais aos seres inanimados e aos animais.
Comte foi colaborador entre os anos 1817 e 1824. Um dos b) Politeísmo: o homem atribui às diversas potências
sobrenaturais, ou deuses, certos traços da natureza humana
primeiros escritores a pensar a realidade da sociedade (motivações, vícios e virtudes, etc.);
industrial, Saint Simon, retomou a ideia básica de c) Monoteísmo: quando se desenvolve a crença em um deus
Condorcet, no sentido de aplicar as descobertas do método único.
científico ao estudo dos fatos morais (sociais), com a
intenção de torná-la uma ciência positiva”: “Não há duas 2) Estado metafísico: Nesta etapa predomina o conhecimento
ordens de coisas, há apenas uma: é a ordem física”, dizia filosófico e, especialmente a metafísica, com a sua busca pelas
este pensador. Para Saint Simon, a sociedade moderna causas primeiras e pela essência dos entes:
modificou o mundo feudal, baseado na aliança entre o
poder espiritual (igreja) e o poder temporal (militar). A No estado metafísico, que no fundo nada mais é do
reorganização da sociedade moderna exigia a união entre que uma simples modificação geral do primeiro, os
a ciência positiva (novo poder espiritual) e os empresários agentes sobrenaturais são substituídos por forças
(novo poder temporal), visando o pleno desenvolvimento abstratas, verdadeiras entidades (abstrações
e equilíbrio do mundo industrial nascente. Desta maneira, personificadas) inerentes aos diversos seres do mundo,
o mundo dos conflitos militares da sociedade medieval e concebidos como capazes de engendrar por elas
seria substituído pela união pacífica de todos na sociedade próprias todos os fenômenos observados, cuja
industrial. explicação consiste, então, em determinar para cada um
Foi retomando e desenvolvendo estas ideias que uma entidade correspondente (p.4).
Augusto Comte é considerado fundador do positivismo.
Em seu sentido amplo (filosófico), o positivismo está 3) Estado positivo ou científico: Nesta fase, o
relacionado a um forte sentimento antimetafísico que conhecimento científico substituiu a filosofia e sua busca
postula que as formas de conhecimento não científicas (ou pela origem e destino do universo. O papel da ciência é
que não são passíveis de demonstração empírica) são determinar as leis que explicam a ocorrência e existência
destituídas de significado. Em um sentido restrito de todos os fenômenos observáveis:
(sociológico), o positivismo significa uma determinada
maneira de entender o uso do método científico na Enfim, no estado positivo, o espírito humano,
sociologia: trata-se da noção de que a sociologia deve reconhecendo a impossibilidade de obter noções
adotar os métodos das ciências da natureza. A dimensão absolutas, renuncia a procurar a origem e o destino do
filosófica diz respeito à ciência em geral, enquanto a universo, a conhecer as causas íntimas dos fenômenos,
dimensão sociológica diz respeito à ciência sociológica para preocupar-se unicamente em descobrir, graças ao
em particular. uso bem combinado do raciocínio e da observação, suas
leis efetivas, a saber, suas relações invariáveis de
FILOSOFIA POSITIVISTA sucessão e de similitude (p.4).

Em sua acepção filosófica, o positivismo traduz-se pela O que este esquema deixa claro é que, do ponto de vista
famosa “Lei dos três estados” (ou estágios), pela qual filosófico, o positivismo sustenta que a ciência é a única
Comte enuncia sua concepção de ciência. No “Curso de explicação razoável e legítima para a realidade. A religião
Filosofia Positiva” é o próprio autor que afirma ter e a filosofia são etapas transitórias na evolução do saber
descoberto uma “lei fundamental” que explica o humano e serão substituídas pelo avanço do conhecimento
desenvolvimento da inteligência humana em suas diversas científico. Para a visão positivista, formas de
esferas de atividades. De acordo com ele: “essa lei conhecimento que não estejam fundamentadas no método
consiste em que cada uma de nossas concepções experimental da ciência são destituídas de significado,
principais, cada ramo de nossos conhecimentos, passa pois não são passíveis de confirmação ou refutação. Daí
sucessivamente por três estados históricos diferentes: advém o caráter cientificista e radicalmente antimetafísico
estado teológico ou fictício, estado metafísico ou abstrato, do positivismo.
ENEM 5
Ciências Humanas e suas Tecnologias

o estudo positivo do conjunto das leis fundamentais


SOCIOLOGIA POSITIVISTA apropriadas aos fenômenos sociais (COMTE, 1989,
p.61).
Positivismo significa muito mais do que a afirmação da
superioridade da ciência sobre os outros saberes. Ele Do ponto de vista metodológico, a sociologia deveria
representa também um modelo de ciência, quer dizer, uma ser dividida em dois campos essenciais: a estática e a
concepção específica de como o saber científico deve dinâmica.
proceder para explicar a realidade. Para entendermos a) Estática social: estudo das condições constantes da
como este modelo influenciou a dimensão sociológica do sociedade ou da ordem;
pensamento de Augusto Comte, vejamos como ele b) Dinâmica social: estudo das leis de desenvolvimento
concebia o histórico da ciência. histórico de qualquer sociedade, ou seja, do progresso.
As ciências não evoluíram todas ao mesmo tempo. Com base nestes dois elementos, Comte fez uma análise
Quando a humanidade chegou ao estado positivo, foi da sociedade de seu tempo e concluiu que o problema
necessário que elas de desenvolvessem de acordo com a central das sociedades modernas era a falta de harmonia
complexidade de seus objetos, começando pelos mais entre a dimensão da ordem e do progresso. Na sociedade
simples até chegar aos mais complexos. A história das medieval, o poder espiritual da igreja garantia a ordem e a
ciências também comporta fases. Segundo Comte (1978, harmonia social, mas faltava o desenvolvimento
p.9): “já que agora o espírito humano fundou a física tecnológico, pois a sociedade era dominada por um
celeste; a física terrestre [...]; a física orgânica, seja espírito guerreiro. Neste tipo de sociedade existia um
vegetal, seja animal; resta-lhe, para terminar o sistema das poder teológico-militar. Com o advento da sociedade
ciências da observação, funda a física social”. Em outros moderna, a partir da Revolução Francesa e da Revolução
termos, o caminhar da ciência envolve os seguintes Industrial, a sociedade impulsionou o progresso, mas a
passos: ordem social foi abalada por intensas transformações. Era
necessário harmonizar estes princípios através de uma
Matemática → Astronomia → Física → Química → Biologia → Sociologia revolução espiritual. Na nascente sociedade industrial, a
organização social deveria ser dirigida por um novo poder
Neste esquema, a sociologia é a última das ciências, espiritual – os cientistas – e um novo poder temporal: os
aquela que completaria o quadro geral do conhecimento empresários industriais. Criar as ideias capazes de fundir a
positivo. A sociologia é entendida por Comte de modo ordem com o progresso era a meta do pensamento
amplo, incluindo-se nela todo o conjunto das chamadas comtiano.
ciências humanas, como a filosofia, a história, a moral, a A filosofia positivista e a sociologia positivista estão
psicologia, a política, a economia, etc. Como a sociologia intimamente ligadas, pois a primeira serve como base
representa uma continuidade quase natural em relação aos epistemológica para a segunda. De acordo com a versão
outros tipos de ciência (física, química, biologia, etc.), filosófica do positivismo, a única explicação coerente da
Comte achava que ela teria que proceder da mesma forma realidade e dada pela ciência que consiste em explicar a
que estas ciências, ou seja, sua função seria estabelecer realidade a partir de relações necessárias entre os
um sistema completo de leis que explicassem o fenômenos (como fazem as ciências da natureza). É desta
comportamento dos homens na sociedade: premissa que deriva a concepção positivista de sociologia
que advoga que cabe à sociologia adotar o método das
Entendo por Física Social a ciência que tem por ciências naturais e verificar quais são as leis que operam
objeto próprio ou estudo dos fenômenos sociais, na realidade social.
considerados com o mesmo espírito que os fenômenos Nos anos 20 e 30, os pressupostos do positivismo
astronômicos, químicos e fisiológicos, isto é, como filosófico foram retomados e ampliados por um grupo de
submetidos a leis naturais invariáveis, cuja descoberta é pensadores aglutinados sob a denominação de “Círculo de
o objetivo especial de suas pesquisas [...]. O espírito Viena”, “positivismo lógico” ou “empirismo lógico”.
dessa ciência consiste, sobretudo, em ver, no estudo Essencialmente antimetafísicos e defensores de uma
aprofundado do passado, a verdadeira explicação do ciência radicalmente empirista faziam parte deste grupo
presente e a manifestação geral do futuro (COMTE, autores como Moritz Schlick (1882-1936), Rudolf Carnap
1989, p.53). (1891-1970), Otto Neurath (1882-1945) e Ernest Nagel
(1901-1985), entre outros. Atualmente os pressupostos do
As ciências possuíam a mesma forma de proceder e,
positivismo, enquanto postura filosófica, são fortemente
cabia à sociologia, ciência ainda em desenvolvimento,
questionados pelos autores do chamado “pós-positivismo”
adotar o método das ciências já maduras e desenvolvidas.
como Karl Popper (1902-1994), Thomas Kuhn (1922-
O que Comte propunha era uma “ciência natural da
1996), Paul Feyerabend (1924-1994) e Imre Lakatos
sociedade”. Mais tarde, ao trocar o nome de “Física
(1922-1974). No campo da sociologia, a ideia de unidade
Social” por “Sociologia”, ele retoma esta ideia:
do método científico (entre ciências naturais e humanas) e
Acredito que devo arriscar, desde agora, este termo
a postura de radical neutralidade política da sociologia
novo, sociologia, exatamente equivalente à minha
foram defendidas no decorrer dos anos 60 e 70 do século
expressão, já introduzida, de física social, a fim de
XX por teóricos como Talcott Parsons (1902-1979) e pelo
poder designar por um nome único esta parte
próprio Karl Popper.
complementar da filosofia natural que se relaciona com
6
Sociologia

Ainda que as ideias de Augusto Comte estejam A CRÍTICA DE MARX AO IDEALISMO HEGELIANO
amplamente superadas, elas lançaram as bases da
sociologia. Reunindo as contribuições dos principais Marx fez uma crítica radical do idealismo hegeliano, na
pensadores do seu tempo, este autor teve o mérito de qual afirma que Hegel inverte a relação entre o que é
propor uma definição e um método para o estudo dos determinante – a realidade material – e o que é
fenômenos sociais que até então ainda não havia sido determinado – as representações e conceitos acerca dessa
formulada. É por essa razão que Augusto Comte é realidade. A filosofia idealista seria, assim, uma grande
considerado como o pai fundador da sociologia. mistificação que pretende entender o mundo real,
(SELL, Carlos Eduardo. Sociologia Clássica. Marx, Durkheim e Weber. concreto, como manifestação de uma Razão absoluta.
Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2013. pp. 21-22; 27-33) Contrapondo sua filosofia ao idealismo de Hegel, Marx
afirma:

Os pressupostos com os quais começamos não são


FIQUE LIGADO NO ENEM! arbitrários, nem dogmas, são pressupostos reais dos
• Em seu sentido amplo (filosófico), o positivismo está quais só é possível abstrair na imaginação. Os nossos
relacionado a um forte sentimento antimetafísico que postula pressupostos são os indivíduos reais, a sua ação e as
que as formas de conhecimento não científicas (ou que não são suas condições materiais de vida.
Marx, Karl. Ideologia Alemã.
passíveis de demonstração empírica) são destituídas de
significado. Em um sentido restrito (sociológico), o positivismo
Marx procurou, portanto, compreender a história real
significa uma determinada maneira de entender o uso do
dos homens em sociedade a partir das condições materiais
método científico na sociologia: trata-se da noção de que a
nas quais eles vivem. Essa visão da história foi chamada
sociologia deve adotar os métodos das ciências da natureza. A
posteriormente, por seu companheiro de estudos Friedrich
dimensão filosófica diz respeito à ciência em geral, enquanto a
Engels, materialismo histórico.
dimensão sociológica diz respeito à ciência sociológica em
particular.
• O que este esquema deixa claro é que, do ponto de vista VISÃO MATERIALISTA DA HISTÓRIA
filosófico, o positivismo sustenta que a ciência é a única
De acordo com o pensamento de Marx, os homens não
explicação razoável e legítima para a realidade. A religião e a
podem ser pensados de forma abstrata, como na filosofia
filosofia são etapas transitórias na evolução do saber humano e
de Hegel, nem de forma isolada, como nas filosofias de
serão substituídas pelo avanço do conhecimento científico.
• Comte fez uma análise da sociedade de seu tempo e concluiu Feuerbach, de Proudhon e de tantos outros que Marx
criticou, como Schopenhauer e Kierkegaard.
que o problema central das sociedades modernas era a falta de
Para Marx, não existe o indivíduo formado fora das
harmonia entre a dimensão da ordem e do progresso. Com o
advento da sociedade moderna, a partir da Revolução Francesa relações sociais. Ele enfatiza esse ponto ao afirmar: “A
e da Revolução Industrial, a sociedade impulsionou o progresso, essência humana (...) é o conjunto das relações sociais”.
mas a ordem social foi abalada por intensas transformações. Isso significa que a forma como os indivíduos se
Era necessário harmonizar estes princípios através de uma comportam, agem, sentem e pensam se vincula com a
revolução espiritual. Na nascente sociedade industrial, a forma como se dão as relações sociais. Essas relações
organização social deveria ser dirigida por um novo poder sociais, por seu lado, são determinadas pela forma de
espiritual – os cientistas – e um novo poder temporal: os produção da vida material, ou seja, pela maneira como os
empresários industriais. Criar as ideias capazes de fundir a homens trabalham e produzem os meios necessários para
ordem com o progresso era a meta do pensamento comtiano. a sustentação material das sociedades. Em seu livro
• De acordo com a versão filosófica do positivismo, a única Ideologia Alemã, Marx desenvolve essa reflexão dizendo:
explicação coerente da realidade e dada pela ciência que
consiste em explicar a realidade a partir de relações O modo pelo qual os homens produzem os seus meios
necessárias entre os fenômenos (como fazem as ciências da de vida depende inicialmente da constituição mesma dos
natureza). É desta premissa que deriva a concepção positivista meios de vida encontrados aí e a ser produzidos. Este
de sociologia que advoga que cabe à sociologia adotar o modo da produção não deve ser considerado só o
método das ciências naturais e verificar quais são as leis que segundo aspecto de ser a reprodução da existência
operam na realidade social. física dos indivíduos. Ele já é uma maneira determinada
de atividade desses indivíduos, uma maneira
determinada de manifestar em sua vida, um modo de
vida determinado. Os indivíduos são assim como
manifestam a sua vida. O que eles são coincide,
portanto, com a sua produção, tanto com o que
produzem quanto também com o como produzem.
UNIDADE 4 Portanto, o que os indivíduos são depende das
condições materiais da sua produção.

KARL MARX Esse é um ponto fundamental da filosofia de Marx. Ao


falar da produção material da vida, ele não se refere

ENEM 7
Ciências Humanas e suas Tecnologias

apenas à produção das inúmeras coisas necessárias á Modo de produção é a maneira como se organiza a
manutenção física dos indivíduos. Ele está considerando produção material em um dado estágio de
também o fato de que, ao produzirem todas essas coisas, desenvolvimento social. Essa maneira depende do
os homens constroem a si mesmos como indivíduos. Isso desenvolvimento das forças produtivas (a força de
ocorre porque, segundo Marx, “o modo de produção da trabalho humano e os meios de produção, tais como
vida material condiciona o processo geral de vida social, máquinas, ferramentas etc.) e da forma das relações de
política e espiritual”. produção.
Embora a definição dos modos e produção seja um
aspecto complexo na obra de Marx e entre os seus
comentadores, temos no livro Ideologia Alemã a
exposição dos seguintes modos de produção dominantes
em cada época: o comunismo primitivo, o escravismo na
Antiguidade, o feudalismo na Idade Média e o capitalismo
na Idade Moderna.
Ele afirma que a passagem de um modo de produção a
outro se dá no momento em que o nível de
desenvolvimento das forças produtivas entra em
contradição com as relações sociais de produção. Quando
Karl Marx (1818-1883)
isso ocorre, há um sufocamento da produção em virtude
Compreende-se aí a importância que Marx deu a análise da inadequação das relações nas quais ela se dá. Nesse
do trabalho. Ele reconhece o trabalho como atividade momento, surgem as possibilidades objetivas de
fundamental do ser humano, e analisa os fatores que o transformação desse modo de produção. Cabe à classe
tornaram uma atividade massacrante e alienada no social que possui um caráter revolucionário naquele
capitalismo. Essa demonstração se desenvolve em vários momento intervir através de ações concretas, práticas,
textos, mas de forma mais rigorosa em O Capital, livro para que essas transformações ocorram.
em que expõe a lógica do modo de produção capitalista, Foi o que aconteceu, por exemplo, na passagem do
no qual a força de trabalho e transformada em uma feudalismo ao capitalismo, através das revoluções burguesas.
mercadoria como outra qualquer, paga pelo salário; por Marx sintetiza essa análise na afirmação de que a luta de
outro lado, é a única mercadoria que produz valor, ou seja classes é o motor da história, isto é, a luta de classes faz a
que reproduz o capital. história se mover. Por isso, no Manifesto Comunista (1848),
Marx também estende o desenvolvimento histórico- escrito em parceria com Engels, Marx afirma:
social como decorrente das transformações ocorridas no
modo de produção. Nessa análise, ele se vale dos A história de todas as sociedades que existiram até
princípios da dialética, mas como afirma o posfácio da nossos dias tem sido a história das lutas de classes.
segunda edição de O Capital, “meu método dialético não Homem livre e escravo, patrício e plebeu, senhor e
só difere do hegeliano, mas é também a sua antítese servo, mestre de corporação e aprendiz; numa palavra,
direta”. Marx reconhece o mérito de Hegel por ter sido o opressores e oprimidos, em constante oposição, tem
primeiro a expor as formas gerais da dialética, mas alega vivido numa guerra ininterrupta, ora franca, ora
que é preciso desmitificá-la, expondo o seu núcleo disfarçada; uma guerra que terminou sempre, ou por
racional. uma transformação revolucionária da sociedade inteira,
Na concepção hegeliana, a dialética se torna ou pela destruição das duas classes em luta.
instrumento de legitimação da realidade existente. Já no
pensamento de Marx a dialética leva ao entendimento da De acordo com Marx, o capitalismo também criou uma
possibilidade de negação dessa realidade “porque classe revolucionária que, em virtude de suas condições de
apreende cada forma existente no fluxo do movimento, existência, deve se organizar para, no momento oportuno,
portanto também com seu lado transitório”. Ou seja, a fazer a revolução social rumo ao socialismo. Essa classe
dialética em Marx permite compreender a história em seu revolucionária é o proletariado.
movimento, em que cada etapa é vista não como algo A filosofia de Marx influenciou o mundo contemporâneo,
estático e definitivo, mas como algo transitório, que pode em termos teóricos e práticos, inspirando correntes
ser transformado pela ação humana. filosóficas, movimentos operários e revoluções. No entanto,
De acordo com Marx, as grandes transformações quase 150 anos após a publicação de suas obras, grande
históricas se deram primeiramente no campo da economia, parte de seu pensamento ainda não foi plenamente
causadas por contradições geradas no interior do próprio compreendida, sendo objeto de muitos estudos e discussões.
(COTRIM, Gilberto: Fundamentos da filosofia: história e grandes temas.
modo de produção. Diferentemente de Hegel, no entanto São Paulo: Editora Saraiva. 2002. pp.200-202)
Marx não concebe uma história que anda sozinha, guiada
por uma Razão ou um Espírito, mas sim uma história feita MARX E OS MODOS DE PRODUÇÃO
pelos homens, que interferem no processo histórico e
podem, dessa forma, transformar a realidade social, O conceito de modo de produção ocupa um lugar
sobretudo se alterarem seu modo de produção. central na teoria da História e nas concepções econômicas

8
Sociologia

de Karl Marx. [...] Marx identifica o modo de produção sua substituição pelo socialismo. Segundo ele, o valor de
com a estrutura (ou infraestrutura) da sociedade, que seria um bem é determinado pela quantidade de trabalho
o conjunto das relações de produção. Em outros escritos, socialmente necessário para a sua produção. Assim o lucro
porém, o modo de produção é definido como as relações não se realiza no momento da troca de mercadorias, mas
de produção mais as forças produtivas. De qualquer modo, sim na produção dessas mercadorias. Isso acontece porque
as primeiras estão intimamente relacionadas com as os trabalhadores não recebem o valor correspondente a
segundas, formando um todo orgânico que está na base da seu trabalho, mas só o necessário para sua sobrevivência.
sociedade. É sobre essa base, diz Marx, que se ergue a O valor da força de trabalho de um assalariado, como de
cultura, a organização política e as ideologias (inclusive as toda mercadoria, é estabelecido pelo tempo de trabalho
religiões) dessa sociedade. Existem, assim, dois níveis na necessário para produzir os bens destinados a garantir a
concepção marxista da sociedade: o da infraestrutura sobrevivência do trabalhador. Isso se expressa em
(relações de produção e forças produtivas) e o da alimentos, moradia, tempo para descansar, etc. O valor de
superestrutura (Estado, Igreja, cultura, etc.) todos esses bens consumidos pelo operário diariamente é
Na produção social da própria vida, os homens o valor de sua força de trabalho.
estabelecem relações determinadas, necessárias e Suponhamos que um operário trabalhe oito horas por
independentes da sua vontade. Essas relações de produção dia na produção de sapatos, Para repor sua força de
correspondem a uma determinada etapa do trabalho, ele precisa alimentar-se e descansar.
desenvolvimento das suas forças produtivas materiais. Suponhamos ainda que o valor dos bens consumidos por
A totalidade dessas relações de produção forma a ele para repor suas energias em um dia seja igual ao valor
estrutura econômica da sociedade. Essa estrutura é a base produzido por ele em seis horas de trabalho na produção
real sobre a qual se levanta uma superestrutura jurídica e de sapatos. Para garantir sua sobrevivência, portanto,
política e à qual correspondem formas sociais bastaria a ele trabalhar seis horas por dia, mas ele trabalha
determinadas de consciência. mais duas horas na fábrica do patrão. Essas duas horas a
O modo de produção da vida material condiciona o mais representam o que Marx chamava de sobretrabalho
processo de vida social, política e espiritual. Ou seja, não é (ou trabalho excedente), e é delas que sai o lucro do patrão
a consciência dos homens que determina o seu ser, mas, ao na forma inicial de mais-valia.
contrário, é o seu ser social que determina sua consciência. Desse modo, na análise de Marx, a mais-valia consiste
Em determinada etapa de seu desenvolvimento, as na diferença entre o valor (expresso em horas de trabalho)
forças produtivas entram em contradição com as relações incorporado a um bem e o pagamento do trabalho
de produção existentes. Essas relações – o regime de necessário para sua reposição (o salário). A essência do
propriedade, por exemplo –, que antes eram formas de capitalismo seria a apropriação privada (isto é, pelo
desenvolvimento das forças produtivas, transformam-se capitalista) dessa mais-valia, que dá origem ao lucro.
em seu maior obstáculo. No escravismo e no feudalismo, a classe dominante se
Sobrevém, então, uma época de revolução social. apropriava do fruto do trabalho, consumindo-o. No
Mas uma formação social nunca desaparece antes que capitalismo, a classe dominante apropria-se de mais-valia
estejam desenvolvidas todas as suas forças produtivas. E (ou lucro), mas não a consome totalmente. Boa parte dela
novas relações de produção mais adiantadas não substituem é investida e reinvestida na produção. A esse investimento
as antigas antes que suas condições materiais de existência permanente se dá o nome de acumulação de capital.
tenham sido geradas no próprio seio da velha sociedade. Por capital, entende-se o dinheiro, a mercadoria ou os
(Adaptado de: Marx, Karl: Para a crítica da economia política. meios de produção – ou uma combinação dos três –
In: Marx. São Paulo: Abril Cultural. 1978. pp.129-130) aplicados de tal forma que levem aos trabalhadores
assalariados a produzir mercadorias e mais-valia. Ou seja,
UM NOVO MODO DE PRODUÇÃO? não é todo tipo de dinheiro que funciona como capital. Só
é capital aquele dinheiro (ou meios de produção)
Marx tinha em alta conta os feitos econômicos e empregado de tal modo que produza mais-valia por meio
culturais da burguesia e acreditava que o capitalismo tinha do trabalho assalariado.
ainda muito fôlego para estimular o desenvolvimento das Ainda segundo Marx, o capitalismo, diferentemente dos
forças produtivas. Mas considerava que, em algum modos de produção anteriores, não funciona para que as
momento, esse avanço da tecnologia e das formas de coisas fiquem sempre do mesmo jeito. Por sua própria
organização do trabalho entraria em choque com as natureza, ele precisa crescer, acumular e reinvestir parte
relações de produção capitalista, tal como ocorrera sob o da mais-valia na produção, aumentando sempre o lucro e a
feudalismo. Nesse momento, pensava ele, ocorreria uma produtividade. Ou seja, as forças produtivas devem estar
revolução nos países capitalistas mais desenvolvidos que em permanente desenvolvimento.
colocaria o proletariado, ou classe operária, no poder. A (OLIVEIRA, Pérsio Santos de. Introdução à Sociologia.
partir de então, o capitalismo seria substituído pelo São Paulo: Editora Ática, 2011. pp. 157-158)
socialismo, um novo modo de produção.

MARX E A CRÍTICA AO CAPITALISMO AS CLASSES SOCIAIS

Em seu livro O Capital, Marx procurou mostrar as


contradições internas do capitalismo e a inevitabilidade de

ENEM 9
Ciências Humanas e suas Tecnologias

Para Marx, o capitalismo organiza-se de modo a dar discriminação racial. Uma adolescente, por outro lado, é
origem a duas classes sociais: os empresários (ou obrigada a obedecer a seu chefe no escritório, a seu pai em
burgueses) e os trabalhadores (ou proletários). casa e, muitas vezes, até o seu namorado.
Uma pessoa é considerada como pertencente à classe Todas essas situações de vida são muito diferentes entre
dos empresários quando possui capital, isto é, quando é si, e, por isso, quando tentamos fazer uma referência à
proprietária dos meios de produção e compradora de força classe trabalhadora em seu comportamento cultural e
de trabalho. Nesse sentido, os empresários seriam os político, temos que levar em consideração algumas dessas
donos das indústrias, das grandes fazendas, dos bancos ou diferenças. Um outro exemplo: enquanto que para os
do grande comércio. Por outro lado, uma pessoa é trabalhadores da cidade é importante lutar por saneamento
considerada como pertencente à classe trabalhadora básico (rede de água, esgoto, limpeza pública), para os
quando não tem nada, a não ser sua capacidade de trabalhadores do campo o mais importante pode ser a
trabalhar (forca de trabalho), que vende ao empresário em reforma agrária (divisão de terras, acesso aos implementos
troca de um salário. Nesse sentido, os trabalhadores agrícolas etc.).
seriam os operários, os camponeses, bancários, Assim, ao afirmarmos que a classe trabalhadora é
balconistas, auxiliares de escritório, empregadas revolucionária, temos que admitir que essa classe só pode
domésticas, professores, secretárias etc. mudar a sociedade na multiplicidade de sua prática social.
Estas duas classes, segundo Marx, relacionam-se de
modo a criar um conflito. Como? A ORIGEM DOS PROBLEMAS SOCIAIS
Estudando a lei da mais-valia, percebemos que os
empresários exploram os trabalhadores, não lhes pagando Para o Materialismo Histórico, no capitalismo, a origem
tudo aquilo que produziram. Assim, ao receberem um dos problemas sociais não é o resultado de uma crise
salário baixo, os trabalhadores são condenados a se moral (caso patológico ou anomia) como afirmava
alimentarem mal, a se vestirem mal, a morar em péssimas Durkheim. Ao contrário, Marx demonstra que se existe
condições e ter uma saúde deficiente. E para tentar mudar desemprego, favelas ou criminalidade, é porque a forma
tal modo de vida é preciso que os trabalhadores pela qual as pessoas trabalham no capitalismo gera formas
organizem-se no bairro, nas escolas e fábricas, exigindo de exploração da classe empresarial sobre a classe
dos empresários, ou do Estado, o direito a uma vida digna. trabalhadora.
No entanto, aumentar o salário ou dar condições de vida A partir daí, percebemos que será analisando as formas
digna ao trabalhador implica diminuir o lucro. Como o distintas de organização do trabalho (economia) que
empresário não quer perder seus privilégios surge daí um descobriremos o real funcionamento de uma sociedade.
conflito social: Empresários lutando por mais lucro contra Assim, se o compromisso do Positivismo é a
trabalhadores lutando por uma vida melhor, é o que Marx manutenção e preservação da sociedade capitalista, o
define por luta de classes. compromisso do Materialismo Histórico será realizar uma
Marx realizou uma pesquisa numa fábrica de cerâmica crítica radical dessa sociedade, ressaltando suas
da Inglaterra, em 1860, e colheu alguns dados que contradições e concluindo que a sociedade é um fenômeno
demonstram que vários operários começaram a trabalhar transitório, isto é, possível de ser transformado.
aos 7 e 8 anos de idade, num horário que se estendia das 6 Para Marx, a mudança social, ou seja, a Revolução
da manhã às 9 horas da noite, isto é, 15 horas de trabalho poderá surgir no momento em que a classe trabalhadora
diário para uma criança. Outra pesquisa realizada em 1862 possa organizar-se e lutar para a criação de uma nova
demonstra que, de 19 operários, 6 contraíram doenças sociedade: o Socialismo. Portanto, segundo o marxismo, a
devido ao excesso de trabalho. superação dos problemas sociais no capitalismo não se dá,
Marx atribuiu aos trabalhadores a condição de classe como pensava Durkheim, através da ciência, mas sim,
revolucionária, quer dizer, aquela classe que pode através da luta política.
contribuir para a construção de uma nova sociedade sem Essa superação dos problemas sociais não é, no entanto,
exploradores nem explorados, por sua capacidade de se uma tarefa fácil. A classe dos empresários utiliza-se de
organizar e de lutar por seus direitos. formas específicas de dominação para impedir a
Entretanto, esta classe revolucionária não é homogênea; organização e luta dos trabalhadores por seus direitos.
sociólogos contemporâneos afirmam que no interior da Essas formas de dominação nós resumiremos em: o papel
classe trabalhadora existem diversas divisões que podem do Estado e da ideologia.
dificultar a união dos trabalhadores em função de uma luta
em comum. Estas diferenças culturais na classe O ESTADO
trabalhadora são originadas por profissões diferentes, pela
cor ou pelo sexo. Por exemplo, os valores e problemas da Marx não desenvolveu aquilo que poderíamos chamar
mulher que é, ao mesmo tempo, mãe, dona de casa e de uma Teoria do Estado. Sobre o que vem a ser Estado
trabalhadora são diferentes dos do homem. Um operário em nossa sociedade, Marx fez apenas algumas referências.
qualificado e possuidor de casa própria pode ter um Dentre essas, entende que o Estado é a instituição que tem
comportamento social e político diferente de um operário mais poder sobre os indivíduos, isto é, a partir do
não qualificado, residente numa favela. monopólio que o Estado tem dos meios de violência ele
Um trabalhador negro, por sua vez, além de ser pode controlar a vida das pessoas. Mas o que significa o
explorado em seu emprego, sofre o problema de monopólio dos meios de violência?

10
Sociologia

Significa ter o controle quase que absoluto dos Estado, obrigando este a levar em consideração os
armamentos e do corpo repressivo (polícia). Esses meios interesses das classes exploradas contra os exploradores.
de violência, segundo os positivistas, visam assegurar o Uma coisa, porém, é certa: se a classe trabalhadora não
bom desenvolvimento social. Ao contrário, para Marx, se organiza e não pressiona os órgãos estatais, estes nunca
isso é apenas um pretexto, pois, na realidade, o Estado estarão a serviço do povo.
seria um instrumento político dos empresários para
controlarem os trabalhadores. A IDEOLOGIA
Em outras palavras, a classe dos empresários, para
subjugar os trabalhadores, precisa, às vezes, utilizar-se da Também é uma forma de dominação e controle sobre os
violência, mas, para que a classe trabalhadora aceite a trabalhadores, só que se apresenta de forma mais eficiente
violência sem se revoltar, é preciso que ela apareça como que a ação do Estado. Para entender o que seja ideologia,
algo natural, isto é, como uma lei da sociedade, dando a é importante, em primeiro lugar, saber que as pessoas,
impressão de que sofre os efeitos da violência somente a quando travam relações entre si através do trabalho,
pessoa que romper com a ordem das leis sociais. pensam e refletem, criando representações simbólicas
Isso legitima uma violência organizada pelo Estado que (pensamentos, idéias).
diz existir para manter a ordem social, sendo, na verdade, Aquilo que as pessoas pensam sobre a forma de como
instrumento de dominação da classe trabalhadora. elas trabalham influi para que entendam sua própria vida
Esta visão sobre o Estado, no entanto, foi alterada nos social.
dias de hoje a partir dos estudos de alguns sociólogos Antonio Gramsci afirmava que a forma mais elaborada
contemporâneos. Dentre estes sociólogos que de pensar recebe o nome de Filosofia. A filosofia
continuariam a obra de Marx, no que diz respeito ao capitalista, no entanto, desenvolve-se através de poucas
estudo do Estado, podemos citar dois: Antonio Gramsci e pessoas (os intelectuais), pois requer conhecimentos
Nicos Poulantzas. adquiridos numa educação especializada a que poucos têm
acesso.
Ao lado da filosofia temos o senso comum, que nada
mais é do que o conjunto de pensamentos e conclusões
sobre a vida feitos pelas pessoas comuns, feitos por nós.
Só que na forma mais simplificada. Tais pensamentos e
conclusões são a forma de pensar presente no povo.
No seu conjunto, a filosofia capitalista (como
elaboração de pensamento) e o senso comum (como a
difusão do pensamento na sua forma mais simples)
formam a estrutura ideológica da nossa sociedade. Em
Antonio Gramsci (1891-1937) resumo: podemos definir a ideologia como sendo a
elaboração do pensamento através da filosofia e sua
difusão através do senso comum, a partir da forma de
como os homens se relacionam no trabalho.
Assim, quando afirmamos que existe uma dominação
através da ideologia, queremos dizer que as pessoas que
elaboram direta ou indiretamente a filosofia capitalista
preocupam-se em transmitir uma visão de mundo acrítica
e passiva, para que seja aceita a exploração como sendo
algo natural, que sempre existiu e sempre existirá.
Em nossa sociedade atual podemos afirmar que as
fontes, isto é, os instrumentos para impor a ideologia são:
Nicos Poulantzas (1936-1979)
a escola, os meios de comunicação de massa, clubes,
Para esses sociólogos, o Estado está a serviço dos entidades assistenciais, seitas e alguns setores da religião.
interesses da classe empresarial; no entanto, estudando Assim, para Marx, os empresários utilizam-se tanto do
vários movimentos sociais, é possível perceber que nem Estado quanto da ideologia para controlar os
sempre o Estado é um órgão de violência organizada trabalhadores, isto é, para explorá-los sem que eles
contra a classe trabalhadora. Existem momentos históricos percebam.
(MEKSENAS, Paulo. Aprendendo Sociologia. A paixão de conhecer a
em que o Estado pode aparecer como o representante da vida.
classe trabalhadora. Como isso é possível? São Paulo: Edições Loyola, 1985. pp. 84-90)
Devemos levar em consideração que o atual aparelho de
Estado da sociedade capitalista é um órgão extremamente
complexo e nem sempre é possível defender os interesses
da classe empresarial, pois, no momento em que a classe
trabalhadora se organiza dentro dos movimentos O ESTADO COMO PRODUTO E INSTRUMENTO DE
populares (na luta política), passa a ser forte e, através da CONTROLE DA CLASSE DOMINANTE
pressão, acaba abrindo espaços de participação dentro do

ENEM 11
Ciências Humanas e suas Tecnologias

Para os filósofos alemães Karl Marx e Friedrich Engels, propriedade privada” dos que possuem, contrariando os
a sociedade humana primitiva era uma sociedade sem interesses daqueles que nada têm. Proteger a propriedade
classes e sem estado. Nessa sociedade pré-civilizada, as privada capitalista implica preservar as relações sociais, as
funções administrativas eram exercidas pelo conjunto dos normas jurídicas, enfim, a segurança dos proprietários
membros da comunidade (clã, tribo etc.). burgueses.
Num determinado estágio do desenvolvimento histórico Essa concepção do Estado como instrumento de
das sociedades humanas, certas funções administrativas, dominação de uma classe sobre a outra estabelece,
antes exercidas pelo conjunto da comunidade, tornaram-se portanto, uma relação entre as condições materiais de
privativas de um grupo separado de pessoas que detinha existência de determinada sociedade e a forma de Estado
força para impor normas e organização à vida coletiva. que ela adota. Ou seja, o Estado é determinado pela
Teria sido através desse núcleo de pessoas que se estrutura social de modo a atender às demandas
desenvolveu o Estado. específicas de uma dada forma de sociabilidade,
garantindo que essa forma se mantenha. Isso significa que
o Estado só é necessário devido ao “caráter anti-social
desta vida civil”. Ou seja, o Estado existe para administrar
os problemas causados pela forma anti-social (desigual,
excludente) da sociedade civil. E ele só poderia deixar de
existir quando a sociedade não fosse mais dividida em
classes antagônicas.
Assim, Marx diferenciou-se de todos os outros autores
anteriores porque sua crítica ao Estado não visava atingir
uma ou outra forma de Estado, mas a essência mesma do
Estado, de qualquer Estado: o Estado se origina
Friedrich Engels (1820-895) exatamente das insuficiências de uma sociedade em
realizar em si mesma, de forma concreta, os ideais
Assim, para Marx e Engels, o Estado nem sempre universalistas, ou seja, em garantir em sua dinâmica a
existiu. Durante milênios, inúmeras sociedades teriam igualdade de condições sociais. Ele nasce da desigualdade
vivido sem ele. O Estado surgiu quando, num certo para manter a desigualdade.
estágio de desenvolvimento econômico, também surgiram (COTRIM, Gilberto: “Fundamentos da filosofia: história e grandes
as desigualdades de classes e os conflitos entre explorados temas”. São Paulo: Editora Saraiva. 2002. pp. 307-308)
e exploradores. O papel do Estado é amortecer o choque
desses conflitos, evitando uma luta direta entre as classes
antagônicas. Mas conforme escreveu Engels:
FIQUE LIGADO NO ENEM!
Como o Estado nasceu da necessidade de conter o • Marx afirma que a passagem de um modo de produção a outro
antagonismo das classes, e como, ao mesmo tempo, se dá no momento em que o nível de desenvolvimento das
nasceu em meio ao conflito delas, é, por regra geral, o forças produtivas entra em contradição com as relações sociais
Estado da classe mais poderosa, da classe dominante, de produção. Essas relações – o regime de propriedade, por
classe que, por intermédio dele, se converte em classe exemplo –, que antes eram formas de desenvolvimento das
politicamente dominante e adquire novos meios para a forças produtivas, transformam-se em seu maior obstáculo.
repressão e exploração da classe oprimida. Assim, o Sobrevém, então, uma época de revolução social.
Estado antigo foi, sobretudo, o Estado dos senhores de • O modo de produção da vida material condiciona o processo
escravos para manter os escravos subjugados; o Estado de vida social, política e espiritual. Ou seja, não é a consciência
feudal foi o órgão de que se valeu a nobreza para dos homens que determina o seu ser, mas, ao contrário, é o seu
manter a sujeição dos servos e camponeses ser social que determina sua consciência.
dependentes; e o moderno Estado representativo é o • O modo de produção é composto pelas relações de produção
instrumento de que se serve o capital para explorar o mais as forças produtivas. É sobre essa base, diz Marx, que se
trabalho assalariado. Entretanto, por exceção, há ergue a cultura, a organização política e as ideologias (inclusive
períodos em que as lutas de classes se equilibram de tal as religiões) dessa sociedade. Existem, assim, dois níveis na
modo que o poder do Estado, como mediador aparente, concepção marxista da sociedade: o da infraestrutura (relações
adquire certa independência momentânea em face das de produção e forças produtivas) e o da superestrutura (Estado,
classes. Igreja, cultura, etc.)
ENGELS, F. A origem da família, da propriedade privada e do Estado,
p. 193-94
• Segundo ele, o valor de um bem é determinado pela
quantidade de trabalho socialmente necessário para a sua
Em resumo, podemos dizer que Marx e Engels rejeitam, produção. Assim o lucro não se realiza no momento da troca de
de modo geral, a teoria do Estado como simples mediador mercadorias, mas sim na produção dessas mercadorias. Isso
da luta de classes. Em vez disso, concebem o Estado acontece porque os trabalhadores não recebem o valor
atuando geralmente como um instrumento do domínio de correspondente a seu trabalho, mas só o necessário para sua
classe. Na sociedade capitalista, por exemplo, o domínio sobrevivência.
de classe identifica-se diretamente com a “proteção da
12
Sociologia

• Na análise de Marx, a mais-valia consiste na diferença entre o Para que possamos compreender melhor, peguemos
valor (expresso em horas de trabalho) incorporado a um bem e como exemplo a língua que falamos. Ela se constitui um
o pagamento do trabalho necessário para sua reposição (o fato social na medida em que nos é externa, existindo
salário). A essência do capitalismo seria a apropriação privada independentemente de nossa vontade; é coercitiva, uma
(isto é, pelo capitalista) dessa mais-valia, que dá origem ao vez que a não utilização de uma língua compreensível em
lucro. um meio social pode acarretar no isolamento social; e é
• Marx e Engels rejeitam, de modo geral, a teoria do Estado generalista, uma vez que todos os que nascem em um
como simples mediador da luta de classes. Em vez disso, determinado local, acabam por aprender a se comunicar
concebem o Estado atuando geralmente como um instrumento com uma mesma língua ou linguagem.
(http://www.mundoeducacao.com/sociologia/emile-durkheim.htm)
do domínio de classe. Na sociedade capitalista, por exemplo, o
domínio de classe identifica-se diretamente com a “proteção da
A OBJETIVIDADE DO FATO SOCIAL
propriedade privada” dos que possuem, contrariando os
interesses daqueles que nada têm.
Após a identificação e caracterização dos fatos sociais,
Durkheim tentou definir o método de conhecimento da
Sociologia. Para o pensador e para os positivistas, o
UNIDADE 5 cientista social precisa manter certa distância e
neutralidade em relação aos fatos sociais, para resguardar
a objetividade da sua análise, ou seja, “a primeira regra e a
ÉMILE DURKHEIM mais fundamental é considerar os fatos sociais como
coisas” (DURKHEIM, p. 15, grifos do autor). O sociólogo
Caberia à sociologia, segundo Durkheim, a apreensão e precisa deixar de lado suas pré-noções, que são valores e
o estudo sistemático das realidades sociais dos indivíduos. sentimentos pessoais em relação aos acontecimentos a ser
Para tanto, o sociólogo deveria utilizar das mesmas estudados, porque podem distorcer a realidade dos fatos.
ferramentas utilizadas pelas ciências anteriores: o método Não pode haver envolvimento afetivo entre o cientista e
científico e a observação empírica. Essa era uma das seu objeto, e a neutralidade exige a não interferência do
principais preocupações de Durkheim: estabelecer as pesquisador no fato observado. Por isso, o trabalho
fundações e as formas de estudo da sociologia. científico exigia a eliminação de quaisquer riscos de
subjetividade e uma atitude de distanciamento. Os fatos
sociais deveriam ser encarados como coisas, como objetos
que, sendo-lhe exteriores, deveriam ser medidos,
observados e comparados, independentemente do que os
indivíduos envolvidos pensassem ou declarassem a seu
respeito. Todo esse rigor com o método era para garantir o
sucesso da Sociologia como ciência, assim como eram as
pesquisas das ciências exatas.
“É preciso, portanto, considerar os fenômenos sociais em si
mesmos, separados dos sujeitos conscientes que os
concebem; é preciso estudá-los de fora, como coisas
Émile Durkheim (1858-1917) exteriores, pois é nessa qualidade que eles se apresentam a
nós. Se essa exterioridade for apenas aparente, a ilusão se
No entanto, Durkheim acreditava que a principal função dissipará à medida que a ciência avançar e veremos, por
da sociologia era o estudo dos fatos sociais. A sociologia assim dizer, o de fora entrar no de dentro. Mas a solução não
deveria se abster de estudar as individualidades dos pode ser preconcebida e, mesmo que eles não tivessem afinal
sujeitos e se debruçar sobre estudos generalistas acerca todos os caracteres intrínsecos da coisa, deve-se primeiro
dos fatos sociais, que são definidos por Durkheim como tratá-los como se os tivessem. Essa regra aplica-se portanto à
os aspectos de nossa sociedade que moldam as nossas realidade social inteira, sem que haja motivos para qualquer
ações em sociedade, tais como nossa língua, o Estado e a exceção. Mesmo os fenômenos que mais parecem consistir
moral. em arranjos artificiais devem ser considerados desse ponto de
Segundo Durkheim, os fatos sociais possuem três vista. O caráter convencional de uma prática ou de uma
características principais: instituição jamais deve ser presumido. Aliás, se nos for
 São externos ao indivíduo, ou seja, os fatos sociais permitido invocar nossa experiência pessoal, acreditamos
existem independentemente de nossas vontades poder assegurar que, procedendo dessa maneira, com
individuais, frequência se terá a satisfação de ver os fatos aparentemente
 São de natureza coercitiva, o que quer dizer que eles mais arbitrários apresentarem após uma observação mais
possuem força para nos “obrigar” a agir de atenta dos caracteres de constância e de regularidade,
determinada maneira sob a ameaça de punições como sintomas de sua objetividade (DURKHEIM, 2007, p. 28-29,
o isolamento social, por exemplo, no caso de um grifos do autor).
comportamento socialmente inaceitável, Para tanto, Durkheim estabelece três regras para o
 São também generalistas, ou seja, atingem a todos sem sociólogo estudar os fatos sociais:
exceções.

ENEM 13
Ciências Humanas e suas Tecnologias

1ª regra: [...] devemos afastar sistematicamente todas as


pré-noções [...]”(DURKHEIM, 2007, p. 54); Como interpretar esta definição de Estado? Partindo do
2ª regra: [...] Nunca tomar como objeto de investigação princípio de que a sociedade capitalista foi concebida por
senão um grupo de fenômenos previamente definidos por Durkheim como um corpo que, às vezes, fica doente, esse
certas características exteriores que lhe sejam comuns, e corpo, para funcionar bem, depende de que todas as suas
incluir na mesma investigação todos os que correspondem partes estejam funcionando harmonicamente. A
a esta definição [...] (DURKHEIM, 2007, p.57); responsabilidade de desenvolver o funcionamento
3ª regra: “Quando o sociólogo empreende a exploração harmônico de todas as partes da sociedade cabe ao Estado.
de uma ordem qualquer de fatos sociais, deve esforçar-se Em outras palavras, se a sociedade é o corpo, o estado é o
por considerá-los sob um ângulo em que eles se seu cérebro e por isso tem a função de organizar essa
apresentem isolados das suas manifestações individuais sociedade, reelaborando aspectos da consciência coletiva.
[...] (DURKHEIM, 2007, p.65). Durkheim admitia que o Estado é uma instituição que
tem o poder de elaborar leis que corrijam os casos
A SOCIEDADE COMO UM ORGANISMO VIVO: patológicos da sociedade. Em resumo: se cabe à
ENTRE A NORMALIDADE E A PATOLOGIA sociologia observar, entender e classificar os casos
patológicos, procurando criar uma nova moral social, cabe
A finalidade dos fatos sociais é estudar e entender a ao Estado colocar em prática os princípios dessa nova
própria sociedade. Como Durkheim tem por base o moral.
positivismo e considera a sociedade um organismo vivo, Neste contexto, a Sociologia e o Estado complementam-
consequentemente, esse “organismo vivo” chamado se na organização da sociedade para, na prática, evitarem
sociedade possui estados “normais” (saudáveis) e/ou os problemas sociais. Isso levou Durkheim a acreditar que
“patológicos” (doentios). “[...] tal como para os os sociólogos devessem ter uma participação direta dentro
indivíduos, a saúde é boa e desejável também às do Estado.
sociedades, ao contrário da doença, que é coisa má e de se
evitar. Se encontrarmos um critério, objetivo, inerente aos CONSCIÊNCIA COLETIVA
próprios fatos, que nos permita distinguir cientificamente
a saúde da doença nas diferentes ordens de fenômenos Por esse termo, Durkheim traduz a idéia do que seja o
sociais, a ciência estará em condições de esclarecer a Psíquico Social. Cada indivíduo tem uma “psiqué”, isto é,
prática permanecendo fiel ao seu próprio método” um jeito de pensar e agir, de entender a vida. Assim, cada
(DURKHEIM, 2007, p.69). um de nós possui uma consciência individual que faz parte
E complementa: “Chamaremos normais aos fatos que de nossa personalidade. Esta, porém, não é a única forma
apresentam as formas mais gerais e daremos aos outros o de consciência: existe também aquela formada pelas idéias
nome de mórbidos ou de patológicos. Se comuns que estão presentes em todas as consciências
convencionarmos chamar tipo médio ao ser esquemático individuais de uma sociedade.
que resultaria da reunião num todo, numa espécie de Essas idéias comuns formam a base para uma
individualidade abstrata, das características mais consciência de sociedade: uma primeira consciência que
frequentes na espécie com as suas formas mais frequentes, determina a nossa conduta e que não é individual, mas
poder-se-á dizer que o tipo normal se confunde com o tipo social e geral, denominada por Durkheim de Consciência
médio, e que qualquer desvio em relação a este padrão da Coletiva.
saúde é um fenômeno mórbido” (DURKHEIM, 2007, A consciência coletiva é objetiva, isto é, ela não vem de
p.74). Durkheim considera patológico aquilo que põe em uma só pessoa ou grupo, mas está difusa (espalhada) em
risco a harmonia de uma sociedade, aquilo que se encontra toda a sociedade, e, por isso ela é exterior ao indivíduo,
fora dos limites permitidos pela ordem social e pela moral quer dizer, a consciência coletiva não é o que um
vigente. Os fatos patológicos, como as doenças, são indivíduo pensa, mas é o que a sociedade pensa. Por isso a
considerados transitórios e excepcionais (COSTA, 1997). consciência coletiva age sobre o indivíduo de forma
(KLEINSCHMITT, Sandra Cristiana. Almanaque de sociologia coercitiva, isto é, exerce uma autoridade sobre o modo de
para vestibular e Enem.Introdução e Conceitos Básicos. como o indivíduo deve agir no seu meio social.
São Paulo: OnLine Editora, 2014. pp. 30-31)
Vemos como isso que a consciência individual não
determina as ações de um pessoa; ao contrário, será a
A SOCIOLOGIA E O ESTADO
consciência coletiva que irá impor as regras sociais de
uma sociedade; isto, porque, ao nascer, o indivíduo já
“(...) O Estado é um órgão especial, encarregado de
encontra a sociedade pronta e constituída em suas leis.
elaborar certas representações que valem para a
Assim, o Direito, os costumes, as crenças religiosas, o
coletividade. Estas representações se distinguem das
sistema financeiro não são criados pelo indivíduo, mas
outras representações coletivas por grau mais alto de
pelas gerações passadas, sendo transmitidas às novas
consciência e de reflexão (...) O Estado é, para falar
através do processo da educação. Por exemplo: na
com rigor, o órgão mesmo do pensamento social. Nas
sociedade em que vivemos, se alguém sair à rua sem
condições presentes, esse pensamento está voltado para
roupas irá provocar imediatamente uma reação da
um fim prático (...) O Estado, ao menos em geral, não
sociedade contra si, pois, a partir desse momento, poderá
pensa por pensar, para construir sistemas de doutrinas,
ser taxado de maníaco e até ser preso; isso, devido à ação
e, sim, para dirigir a conduta coletiva”
14
Sociologia

da consciência coletiva que, presente em nossa sociedade, DA SOLIDARIEDADE MECÂNICA À SOLIDARIE-


proíbe-nos de andar nus. DADE ORGÂNICA
Durkheim nos oferece vários outros exemplos neste
sentido: Durkheim acentuava que nas sociedades anteriores ao
capitalismo, isto é, nas sociedades tribal e feudal, a
“(...) não sou obrigado a falar o mesmo idioma que divisão do trabalho social era pouco desenvolvida, não
meus companheiros de pátria, nem empregar as moedas havia um grande número de especializações das atividades
legais; mas é impossível agir de outra maneira. Minha sociais.
tentativa fracassaria lamentavelmente se procurasse Na sociedade feudal, por exemplo, a produção dos bens
escapar desta sociedade. Se sou industrial, nada me de consumo era realizada pelo trabalho artesanal e isso
proíbe de trabalhar utilizando processos técnicos do implicava o fato de que uma só pessoa fizesse aquilo de
século retrasado; mas, se o fizer, terei a ruína como que necessitava, sem depender de outras pessoas. Ao fazer
resultado inevitável. Mesmo quando posso realmente uma mesa, o servo só dependia de seu trabalho individual
libertar-me destas regras e violá-las com sucesso, vejo- e isolado. Ao contrário, na sociedade capitalista, as
me obrigado a lutar contra elas (...)” atividades são muito divididas, sendo que para fazer uma
mesa o marceneiro depende do trabalho de outras pessoas.
Vimos acima vários exemplos de controle que a Nas sociedades tribal e feudal, as pessoas não se unem
consciência exerce sobre o indivíduo. Tente porque uma depende do trabalho da outra, e, sim, são
individualmente, descobrir outros exemplos de como a unidas por uma religião, tradição ou sentimento comum a
consciência coletiva exerce um controle sobre as nossas todos.
vidas. Pense um pouco e você irá descobrir vários Esta união das pessoas a partir da semelhança na
exemplos do nosso dia-a-dia. religião, tradição, ou sentimento é o que Durkheim chama
de solidariedade mecânica.
DIVISÃO DO TRABALHO SOCIAL A Solidariedade Orgânica, ao contrário, aparece quando
a divisão do trabalho social aumenta, e aí o que torna as
Outro conceito importante para entendermos a teoria de pessoas unidas não é uma crença comum a todos, mas
Durkheim; ele definia este termo como sendo a uma interdependência das funções sociais.
especialização das funções entre os indivíduos de uma A união das pessoas a partir da dependência que uma
sociedade. tem da outra para realizar alguma atividade social é o que
O Positivismo tenta entender o funcionamento da Durkheim chama de solidariedade orgânica.
sociedade capitalista da mesma forma que a Biologia Podemos tornar estes conceitos mais fáceis de serem
entende o funcionamento de um corpo animal, isto é, entendidos a partir de um exemplo: imaginemos um
Durkheim achava que, ao desenvolver-se, a sociedade ia professor que necessite formar grupos para desenvolver o
multiplicando-se em atividades a serem realizadas; a partir tema da aula. O professor pode querer a formação dos
daí, cada indivíduo teria uma função a cumprir, a qual grupos a partir de dois critérios: ele pode pedir aos alunos
seria importante para o funcionamento de todo o corpo que formem grupos, livremente, a partir da amizade
social. Em suas palavras: existente entre eles. Uma segunda opção é pedir aos
alunos para formarem grupos de forma que em cada um
“(...) as funções políticas, administrativas, judiciárias, dos grupos fique uma pessoa que saiba datilografia, uma
especializam-se cada vez mais. O mesmo acontece com outra que saiba desenhar, outra que tenha experiência de
as funções artísticas e científicas”. redação, e, por fim, uma que domine bem o conteúdo das
aulas e que seja o coordenador do grupo.
De acordo com Durkheim, cada membro da sociedade, No primeiro caso, o que uniu os alunos no grupo foi um
desenvolvendo uma atividade útil e especializada passa a sentimento, a amizade, de onde teríamos a solidariedade
depender cada vez mais dos outros indivíduos, isto é, com mecânica. No segundo caso, o que uniu os alunos em
a sociedade progredindo, surgem novas atividades; estas, grupo foi a dependência que cada um tinha da atividade
por sua vez, tornam-se divididas. Por exemplo, o do outro: a união foi dada pela especialização das funções,
marceneiro para fazer uma mesa, depende do lenhador que de onde teríamos a solidariedade orgânica.
corta a árvore, depende do motorista que transporta a Durkheim admite que a solidariedade orgânica é
madeira, depende do operário que prepara o verniz, superior à mecânica, pois ao se especializarem as funções,
depende daqueles que fabricam pregos, martelos e serrotes a individualidade, de certo modo, é ressaltada, permitindo
etc. Assim, também o músico que depende daquele que maior liberdade de ação.
faz seu instrumento, depende daquele que faz o teatro para O que significa afirmar que a solidariedade orgânica dá
o público que assiste a ele, e assim por diante. liberdade ao indivíduo?
Com isso, o feito mais importante da Divisão do Vimos, anteriormente, que nossa conduta na sociedade é
Trabalho Social não é apenas seu aspecto econômico orientada pela consciência coletiva, isto é, não fazemos o
(aumento da produtividade), mas também tornar possível que queremos e, sim, o que as normas sociais permitem.
a união e a solidariedade entre as pessoas de uma mesma Desta forma, a consciência coletiva é coercitiva. No
sociedade. entanto, a partir do momento em que as atividades sociais
são muito divididas, as pessoas passam a depender uma

ENEM 15
Ciências Humanas e suas Tecnologias

das outras e ao mesmo tempo, cada uma, ao especializar- (crise total), através da criação de uma nova moral social
se na atividade que realiza, passa a desenvolver a sua que supere a velha moral deficiente.
individualidade. Por ter essa confiança de que num futuro breve a
Voltemos ao exemplo do professor que forma grupos de sociedade capitalista eliminaria, através da ciência, dentro
pesquisa em sala de aula: no grupo formado por amigos, da ordem e do progresso, todos os seus problemas, sua
pode acontecer que um elemento discorde muito das forma de pensar era conservadora. O que significa uma
opiniões de outro; este fato pode trazer um conflito que pessoa ser conservadora? É acreditar que a sociedade atual
põe em risco a existência do grupo. Nesse caso, os não deve ser mudada, que as coisas devem permanecer
elementos devem agir de acordo com as idéias comuns do como estão. É ter receio de qualquer transformação social.
grupo, e não a partir das suas próprias idéias. Já no grupo Por fim, é admitir que os problemas sociais criados pelo
onde a união dá-se pela atividade especializada, a capitalismo serão resolvidos dentro do próprio
individualidade é ressaltada, pois, dentro da sua atividade, capitalismo.
cada um age como bem entende, a aí a divergência de E pelo fato de Durkheim ser uma pessoa conservadora é
opiniões não põe em causa a existência do grupo. que vamos encontrar na sua teoria um certo apoio à
sociedade capitalista.
A SOCIOLOGIA DIANTE DO CASO PATOLÓGICO E
DA ANOMIA O SUICÍDIO

Durkheim viveu numa época de grandes conflitos Émile Durkheim é o autor da obra O Suicídio (1897) e
sociais entre a classe dos empresários e a classe dos define-o como: “[...] suicídio é todo caso de morte que
trabalhadores. É também uma época em que surgem novos resulte direta ou indiretamente de um ato positivo ou
problemas sociais como favelas, suicídios, poluição, negativo praticado pela própria vítima, ato que a vítima
desemprego etc. No entanto, o crescente desenvolvimento sabia dever produzir este resultado” (DURKHEIM, 1978,
da indústria e tecnologia fez com que Durkheim tivesse p167). A obra foi escrita por Durkheim logo após a defesa
uma visão otimista sobre o futuro do capitalismo. Ele de sua tese de doutorado “A Divisão do Trabalho Social”.
pensava que todo o progresso desencadeado pelo O livro foi construído com todo o rigor metodológico:
capitalismo traria um aumento generalizado da divisão do definição de um problema; diferenciação do suicídio como
trabalho social e, por conseqüência, da solidariedade um fenômeno da sociologia; estabelecimento de
orgânica, a ponto de fazer com que a sociedade chegasse a categorias; desenvolvimento de uma teoria geral. Em sua
um estágio sem conflitos e problemas sociais. tese, preocupo-se com o enfraquecimento da moralidade
Com isso, Durkheim admitia que o capitalismo é a social do mundo moderno, porque os indivíduos poderiam
sociedade perfeita; trata-se apenas de conhecer os seus sentir-se desorientados em relação aos vínculos morais,
problemas e de buscar uma solução científica para eles. podendo desencadear uma situação patológica ou
Em outras palavras, a sociedade é boa, sendo necessário, anômica: “[...] os indivíduos enfrentam-se com a anomia
apenas “curar as suas doenças”. quando a moral não os constrange ou coage suficiente, ou
Tal forma de pensar o progresso de um jeito positivo fez seja, quando não se tem um conceito claro do que é uma
com que Durkheim concluísse que os problemas sociais conduta apropriada, aceitável ou quando uma conduta não
entre empresários e trabalhadores não se resolveriam o é” (RITZER, 1993 apud PLÜMER, 2005, p.71).
dentro de uma luta política, e sim através da ciência, ou A divisão do trabalho, que deveria ser considerada uma
melhor, da sociologia. Esta seria, então, a tarefa da fonte de coesão social, tornara-se uma fonte de anomia
sociologia: compreender o funcionamento da sociedade social e, por consequência, uma patologia central das
capitalista de modo objetivo para observar, compreender e sociedades modernas. Durkheim “[...] ressaltava que
classificar as leis sociais, descobrir as que são falhas e apesar de a divisão estrutural do trabalho na sociedade
corrigi-las por outras mais eficientes. moderna desencadear a solidariedade orgânica, podia
Assim, Durkheim acreditava que a sociedade, ocorrer de os indivíduos sentirem-se isolados,
funcionando através de leis e regras já determinadas, faria abandonados na realização de suas atividades altamente
com que os problemas sociais não tivessem sua origem na especializadas, em estado anômico. Durkheim considerava
Economia (forma pela qual as pessoas trabalham), mas essa situação anormal porque só em circunstâncias não
sim numa crise moral, isto é num estado social em que normais a divisão moderna do trabalho relegava a pessoas
várias regras de conduta não estão funcionando. a tarefas e empregos isolados e carentes de sentido [...]”
Por exemplo: se a criminalidade aumenta a cada dia é (PLÜMER, 2005, p.71-72).
porque as leis que regulamentam o combate ao crime Segundo Durkheim (apud PLÜMER, 2005, p.76), “[...]
estão falhando, por serem mal formuladas. A este estado o principal efeito da divisão do trabalho social é produzir
de crise social, onde as leis não estão funcionando, solidariedade; se isso não acontece, é porque os órgãos
Durkheim denomina caso patológico. (instituições) que compõem a sociedade dividida em
Por outro lado, os problemas sociais podem ter sua funções não se estão autorregulando e, portanto, põem em
origem também na ausência de regras, o que por sua vez risco o equilíbrio e a coesão social. Assim, basicamente, o
se caracteriza como anomia. homem se suicida em decorrência de duas situações: a
Frente ao caso patológico (regras sociais falhas), cabe à perda de coesão da sociedade moderna e a ausência de
Sociologia captar suas causas, procurando evitar a anomia

16
Sociologia

normas apropriadas através das quais pode orientar sua pessoas se converterem em escravas de suas próprias
conduta em sociedade”. paixões e a realizarem atos destrutivos, entre eles, destruir
Embora o suicídio seja um ato individual, trata-se de um suas vidas, em maior número que em condições normais”.
fato social, por ser externo e coercitivo aos indivíduos. 4) Suicídio fatalista: Esse tipo de suicídio é meramente
Entre os fatores do suicídio, os que interessam aos uma nota de rodapé escrita por Durkheim, mas vale a pena
sociólogos são os que se fazem sentir no conjunto da ser citado, porque o pensador caracterizou a sua
sociedade: “Visto que o suicídio é um ato do indivíduo ocorrência quando existe uma regulação excessiva. Os
que apenas afeta o indivíduo, dir-se-ia que depende de indivíduos que praticam esse tipo de suicídio são aqueles
fatores pessoais e que o estudo de tal fenômeno se situa no com futuro determinado e que sofrem com as paixões
campo da psicologia. E, aliás, não é pelo temperamento do comprimidas por uma disciplina opressora. Exemplos
suicida, pelo seu caráter, pelos seus antecedentes, pelos deste tipo de suicídio são os escravos (PLÜMER, 2005).
acontecimentos da sua vida privada que normalmente este Para finalizar, os suicídios egoísta e anômico são típicos
ato se explica?” (DURKHEIM, 1978, p.168) das sociedades modernas. Enquanto o primeiro se
Os tipos de suicídios estão relacionados ao grau de caracteriza pela falta de coesão, o segundo caracteriza-se
integração dos sentimentos coletivos ou da coerção pela falta de significado. Ambos estão relacionados às
externa sobre os indivíduos. Os quatro tipos de suicídios inovações tecnológicas e a atividades industriais nas quais
caracterizados por Durkheim são: há intensa divisão do trabalho.
1) Suicídio egoísta: individualismo excessivo, perda
total do vínculo do indivíduo com o meio social. Por AS FORMAS ELEMENTARES DA VIDA RELIGIOSA
exemplo, a depressão, a melancolia e a sensação de
desamparo moral ocasionados pela desintegração social, Durkheim elaborou a obra Formas Elementares da Vida
pelo egoísmo ou pela baixa coesão ou integração social. Religiosa (1912) com o objetivo de desenvolver uma
“Quanto mais enfraquecidos sejam os grupos a que teoria geral da religião, a partir da análise das instituições
pertence, menos depende deles e mais, por consequência, religiosas consideradas simples e/ou primitivas. Durkheim
depende apenas de si próprio por não reconhecer outras justifica a análise dessas sociedades, porque, para ele, a
regras de conduta que as estabelecidas no seu interesse essência de um fenômeno social deve ser observada nas
privado. Se está de acordo em chamar de egoísmo a este suas formas mais elementares. Para o pensador, o
estado onde o ego individual se afirma demasiadamente fenômeno religioso é formador da consciência coletiva.
face ao ego social e à custa deste último, nós poderemos Em especial nos aspectos morais e materiais, ou seja, o
dar o nome de egoísta para o tipo particular de suicídio fato moral, a solidariedade entre os indivíduos são frutos
que resulta de uma individualização desmesurada” da estrutura da sociedade, estando a consciência social
(DURKHEIM, 1981, p.109). estritamente vinculada a uma série de elementos sociais.
2) Suicídio altruísta: indivíduo extremamente ligado à Nas sociedades primitivas, a religião oferece uma lição
sociedade, sem vida própria. Morre porque acredita que exemplar de coesão social. Durkheim entende que os ritos
sua morte pode ser benéfica para a sociedade. Esse tipo de são tradutores dos aspectos da vida, individuais e sociais.
suicídio é mais frequente nas sociedades tradicionais “Não há, pois, religiões que sejam falsas. Todas são
(solidariedade mecânica). Por exemplo, a morte de verdadeiras à sua maneira: todas respondem, ainda que de
enfermos ou pessoas muito idosas e de viúvas pela morte maneiras diferentes, a determinadas condições da vida
de seu marido. Apesar de Durkheim considerar que sejam humana [...] Portanto, se nos voltamos para as religiões
raras as ocorrências desse tipo de suicídio nas sociedades primitivas não é com a intenção de depreciar a religião em
modernas, eles podem ser encontrados em regimentos geral; porque essas religiões não são menos respeitáveis
militares muito tradicionais, como guardas imperiais ou de que as outras. Elas respondem às mesmas necessidades,
elite. Trazendo para atualidade, são exemplos de suicídio desempenham o mesmo papel, dependem das mesmas
altruísta os kamikazes e os “homens bomba”. Esse tipo de causas; portanto, podem perfeitamente servir para
morte caracteriza-se por ser um dever social; caso não seja manifestar a natureza da vida religiosa e, por conseguinte,
cumprido, ele será punido por castigos religiosos e por para resolver o problema que desejamos tratar [...] Em
perda da estima pública: a sociedade leva o indivíduo ao primeiro lugar, não podemos chegar a compreender as
suicídio (PLÜMER, 2005). religiões mais recentes senão seguindo na história a
3) Suicídio anômico: ocorre em contextos em que as maneira pela qual se construíram progressivamente. A
normas sociais estão ausentes. Provém do fato de a história, com efeito, é o único método de análise
atividade dos homens estar desregrada e de estes sofrerem explicativa que a elas se pode aplicar” (DURKHEIM,
com isso. As normas sociais estão ausentes por conta de 1989, p.31).
transformações ocorridas na sociedade, como grandes Para Durkheim, a religião é eminentemente social,
crises econômicas. Dessa forma, esse tipo de suicídio porque as representações religiosas são representações
aumenta tanto pela perda como pelo ganho econômico, coletivas, sendo um produto do pensamento coletivo,
tornando a coletividade incapaz de regular os indivíduos como as idéias de tempo, de espaço, do sobrenatural, da
naquele momento. Conforme Plümer (2005, p. 78), “a divindade, das crenças e dos ritos, do sagrado e do
sociedade, durante os períodos de desregulamentação da profano: “Uma noção que geralmente é considerada como
vida social, deixa de estar suficientemente presente para característica de tudo aquilo que é religioso é a de
regular as paixões individuais, permitindo, assim, às sobrenatural. Com esse termo entende-se toda ordem de

ENEM 17
Ciências Humanas e suas Tecnologias

coisas que vai além do alcance do nosso entendimento; o • Com isso, Durkheim admitia que o capitalismo é a sociedade
sobrenatural é o mundo do mistério, do incognoscível, do perfeita; trata-se apenas de conhecer os seus problemas e de
incompreensível. A religião seria, assim, uma espécie de buscar uma solução científica para eles. Em outras palavras, a
especulação sobre tudo aquilo que escapa à ciência e, mais sociedade é boa, sendo necessário, apenas “curar as suas
geralmente, ao pensamento distinto [...] é mistério que doenças”. Esta seria, então, a tarefa da sociologia: compreender
pede explicação; portanto ele as faz consistir o funcionamento da sociedade capitalista de modo objetivo para
essencialmente em uma crença na onipotência de alguma observar, compreender e classificar as leis sociais, descobrir as
coisa que supera a inteligência. Da mesma forma, Marx que são falhas e corrigi-las por outras mais eficientes.
Müller via em toda religião um esforço para conceber o • Os problemas sociais podem ter sua origem também na
inconcebível, para exprimir o inexprimível, uma aspiração ausência de regras, o que por sua vez se caracteriza como
ao infinito [...] de qualquer forma, o que é certo é que ela anomia. Frente ao caso patológico (regras sociais falhas), cabe
aparece só muito tardiamente na história das religiões. É à Sociologia captar suas causas, procurando evitar a anomia
totalmente estranha não apenas aos povos que chamamos (crise total), através da criação de uma nova moral social que
de primitivos, mas também a todos aqueles que não supere a velha moral deficiente.
atingiram certo grau de cultura intelectual” (DURKHEIM, • Para Durkheim, a religião é eminentemente social, porque as
1989, p.31). representações religiosas são representações coletivas, sendo
Durkheim reconhece na religião um fato social de um produto do pensamento coletivo, como as idéias de tempo,
primordial importância, porque é nela que se forma a de espaço, do sobrenatural, da divindade, das crenças e dos
consciência coletiva, como as noções de tempo e espaço, ritos, do sagrado e do profano. A religião também é um fato
gênero e funções sociais de homens e mulheres etc. social de primordial importância, porque é nela que se forma a
(KLEINSCHMITT, Sandra Cristiana. Almanaque de sociologia consciência coletiva, como as noções de tempo e espaço,
para vestibular e Enem. Introdução e Conceitos Básicos. gênero e funções sociais de homens e mulheres etc.
São Paulo: OnLine Editora, 2014. pp. 33-35)

FIQUE LIGADO NO ENEM! UNIDADE 8


• Durkheim acreditava que a principal função da sociologia era o
estudo dos fatos sociais. A sociologia deveria se abster de
estudar as individualidades dos sujeitos e se debruçar sobre MAX WEBER
estudos generalistas acerca dos fatos sociais, que são definidos
por Durkheim como os aspectos de nossa sociedade que A SOCIEDADE SOB UMA PERSPECTIVA
moldam as nossas ações em sociedade. Os fatos sociais HISTÓRICA
possuem três características principais são: externos ao
indivíduo, de natureza coercitiva e também generalistas. O contraste entre o positivismo e o idealismo alemão se
• Como Durkheim tem por base o positivismo e considera a expressa nas diferentes maneiras de cada uma das
sociedade um organismo vivo, consequentemente, esse correntes encarar a história.
“organismo vivo” chamado sociedade possui estados “normais” Para o positivismo, o que o cientista tem diante de si,
(saudáveis) e/ou “patológicos” (doentios). Ele considera como história, é o processo universal de evolução da
patológico aquilo que põe em risco a harmonia de uma humanidade, cujos estágios ele pode perceber pelo método
sociedade, aquilo que se encontra fora dos limites permitidos comparativo, capaz de aproximar sociedades humanas de
pela ordem social e pela moral vigente. Os fatos patológicos, todos os tempos e lugares. A história particular de cada
como as doenças, são considerados transitórios e excepcionais. sociedade desaparece frente a essa lei geral que os
• De acordo com Durkheim, cada membro da sociedade, pensadores positivistas tentaram reconstruir. Essa forma
desenvolvendo uma atividade útil e especializada passa a de pensar faz desaparecer as particularidades históricas,
depender cada vez mais dos outros indivíduos, isto é, com a assim como os indivíduos são dissolvidos em meio às
sociedade progredindo, surgem novas atividades; estas, por sua forças impositivas.
vez, tornam-se divididas. O feito mais importante da Divisão do Ao definir o que é uma espécie social, Durkheim, em
Trabalho Social não é apenas seu aspecto econômico (aumento uma nota de pé de página em seu livro “As regras do
da produtividade), mas também tornar possível a união e a método sociológico”, alerta para que não se confunda uma
solidariedade entre as pessoas de uma mesma sociedade. espécie social com as fases históricas pelas quais ela
• Esta união das pessoas a partir da semelhança na religião, passa. Diz ele:
tradição, ou sentimento é o que Durkheim chama de
solidariedade mecânica. A união das pessoas a partir da Desde suas origens, passou a França por formas de
dependência que uma tem da outra para realizar alguma civilização muito diferentes: começou por ser agrícola,
atividade social é o que Durkheim chama de solidariedade passou em seguida pelo artesanato e pelo pequeno
orgânica. A solidariedade orgânica aparece quando a divisão do comércio, depois pela manufatura e, finalmente, chegou
trabalho social aumenta, e aí o que torna as pessoas unidas não à grande indústria. Ora, é impossível admitir que uma
é uma crença comum a todos, mas uma interdependência das mesma individualidade coletiva possa mudar de espécie
funções sociais. três ou quatro vezes. Uma espécie deve definir-se por
caracteres mais constantes. O estado econômico,
tecnológico etc. apresenta fenômenos por demais
18
Sociologia

instáveis e complexos para fornecer a base para uma dá sentido à sua ação social: estabelece a conexão entre o
classificação.” (p. 82) motivo da ação, a ação propriamente dita e seus efeitos.
Segundo Weber, a ordem social não difere nem se opõe
Fica claro que essa posição anula a importância dos aos indivíduos como força exterior a eles, tal como pensava
processos históricos particulares, valorizando apenas a lei Durkheim: ao contrário, as normas sociais só se tornam
de evolução, a generalização e a comparação entre concretas quando se manifestam em cada indivíduo sob a
fenômenos sociais. forma de motivação. Cada sujeito age levado por um motivo
Weber, figura dominante na Sociologia alemã, tendo que se orienta pela tradição, por interesses racionais ou pela
forte formação histórica, se oporá a essa concepção. Para emotividade. O motivo, quando se manifesta na ação
ele, a pesquisa histórica é essencial para a compreensão concreta, dá a ela um caráter – “econômico”, “político” etc.
das sociedades. Essa pesquisa histórica, baseada na coleta O objetivo que transparece na ação social permite desvendar
de documentos e no esforço interpretativo das fontes, o seu sentido, que é social na medida em que cada indivíduo
permite o entendimento das diferenças sociais, que seriam, age levando em conta a resposta ou reação de outros
para Weber, de gênese e formação, e não de estágios de indivíduos.
evolução. A tarefa do cientista é descobrir as conexões possíveis de
Portanto, segundo a perspectiva de Weber, o caráter sentido em relação ao aspecto da realidade social que lhe
particular e específico de cada formação social e histórica interesse estudar. O sentido, por um lado, é aquele que
contemporânea deve ser respeitado. O conhecimento motiva a ação individual, formulado expressamente pelo
histórico, entendido como a busca de evidências, torna-se agente ou implícito em sua conduta. Por outro lado, a ação
um poderoso instrumento para o cientista social. social gera efeitos sobre a realidade em que ocorre, os quais
escapam ao controle e à previsão do agente. Ao cientista
compete captar, pois, o sentido produzido pelos agentes em
todas as suas consequências. As conexões que o cientista
estabelece revelam as implicações da ação social – políticas,
econômicas, religiosas etc. O cientista pode, portanto,
descobrir o nexo entre as várias etapas em que se descompõe
a ação social. Por exemplo, o simples ato de enviar uma carta
se descompõe em uma série de ações sociais com sentido –
escrever, selar, enviar, receber – que terminam por realizar
um objetivo.
É o indivíduo que, através dos valores sociais e de sua
Max Weber (1864-1920) motivação, produz o sentido da ação social. Isso não significa
que cada sujeito possa prever com certeza todas as
Weber consegue combinar duas perspectivas: a consequências de determinada ação. Como dissemos, cabe ao
historiográfica, que respeita a particularidade de cada cientista perceber isso. Não significa também que a análise
sociedade, e a sociológica, que ressalta os elementos mais sociológica se confunda com a análise psicológica. Trata-se,
gerais de cada fase do processo histórico. Em “As causas antes de mais nada, do princípio de que qualquer norma
sociais do declínio da cultura antiga”, ele estabeleceu, social só se manifesta através dos indivíduos, motivando-os
com base em textos e documentos, as transformações da internamente para a ação.
sociedade romana em função da utilização da mão de obra Por outro lado, Weber distingue a ação da relação social.
escrava e do servo de gleba, mostrando a passagem da Para que se estabeleça uma relação social, é preciso que o
Antiguidade para a sociedade medieval. sentido seja compartilhado. Por exemplo, um sujeito que
Weber, entretanto não achava que uma sucessão de pede uma informação a outro estabelece uma ação social; ele
fatos históricos fizesse sentido por si mesma. Para ele, tem um motivo e age em relação a outro indivíduo, mas tal
todo historiador trabalha com dados esparsos e motivo não é compartilhado. Numa sala de aula, onde o
fragmentários. Por isso, propunha para esse trabalho o objetivo da ação dos vários sujeitos é compartilhado, existe
método compreensivo, isto é, um esforço interpretativo do uma relação social.
passado e de sua repercussão nas características peculiares Pela frequência com que determinadas ações sociais se
das sociedades contemporâneas. Essa atitude de manifestam, o cientista pode conceber as tendências gerais
compreensão é que permite ao cientista atribuir aos fatos que levam os indivíduos, em determinada sociedade, a agir
esparsos um sentido social e histórico. de determinado modo.

A AÇÃO SOCIAL: UMA AÇÃO COM SENTIDO A TAREFA DO CIENTISTA

Cada ordem social adquiriu, para Weber, especificidade e Weber recusa a maioria das proposições positivistas: o
importância próprias. Mas o ponto de partida da Sociologia evolucionismo, o estudo que se reduz aos aspectos da
de Weber não estava nas entidades coletivas, grupos ou sociedade que se repetem em formações diferentes e a
instituições. Seu objeto de investigação é a ação social, a exclusão do estudo dos indivíduos particulares. Weber
conduta humana dotada de sentido. Assim o homem ganhou, tem uma concepção de objetividade distinta da de
na teoria weberiana, significado e especificidade. O homem Durkheim. Segundo Weber, o cientista também é guiado

ENEM 19
Ciências Humanas e suas Tecnologias

por suas preocupações com os problemas sociais, sendo-


lhe impossível descartar-se de suas prenoções. Existe certa A ÉTICA PROTESTANTE E O ESPÍRITO DO
parcialidade na análise sociológica, intrínseca à pesquisa, CAPITALISMO
como a toda forma de conhecimento. As preocupações do
cientista orientam a seleção e a relação entre os elementos Um dos trabalhos mais conhecidos e importantes de
da realidade a ser analisada. Os fatos sociais não são Weber é “A ética protestante e o espírito do capitalismo”,
coisas, mas acontecimentos que o cientista percebe e cujas no qual ele relaciona o papel do protestantismo na
causas procura desvendar. formação do comportamento típico do capitalismo
Entretanto, uma vez iniciado o estudo, este deve se ocidental moderno.
conduzir pela busca neutra da verdade possível dos Weber parte de dados estatísticos que lhe mostraram a
acontecimentos. A realização da tarefa científica não proeminência de adeptos da Reforma entre os grandes
deveria ser dificultada pela defesa das crenças e ideias homens de negócios bem-sucedidos e mão de obra
pessoais do cientista. qualificada. A partir daí, procura estabelecer conexões
Portanto, para a Sociologia weberiana, os entre a doutrina e a pregação protestante, seus efeitos no
acontecimentos que integram o social têm origem nos comportamento dos indivíduos e sobre o desenvolvimento
indivíduos. O cientista parte de uma preocupação com capitalista.
significado subjetivo, tanto para ele como para os demais Weber descobre que valores do protestantismo – como a
indivíduos que compõem a sociedade. Seu objetivo é disciplina ascética, a poupança, a austeridade, a vocação,
compreender, buscar os nexos causais que deem o sentido o dever e a propensão ao trabalho – atuavam de maneira
da ação social. decisiva sobre os indivíduos. No seio das famílias
Qualquer que seja a perspectiva adotada pelo cientista, protestantes, os filhos eram criados para o ensino
ela sempre resultará numa explicação parcial. Um mesmo especializado e para o trabalho fabril, optando sempre por
acontecimento pode ter causas econômicas, políticas e atividades mais adequadas à obtenção do lucro, preferindo
religiosas. Nenhuma dessas causas é superior a outra em o cálculo e os estudos técnicos ao estudo humanístico.
significância. Todas elas compõem um conjunto de Weber mostra a formação de uma nova mentalidade, um
aspectos da realidade que se manifesta, necessariamente, ethos propício ao capitalismo, em flagrante oposição ao
nos atos individuais. O que garante a cientificidade de “alheamento” e à atitude contemplativa do catolicismo.
uma explicação é o método de reflexão, não a objetividade A importância desse trabalho, no seu sentido teórico
pura dos fatos. Weber relembra sempre que, embora os está em mostrar as relações entre religião e sociedade e
acontecimentos sociais possam ser quantificáveis, a desvendar particularidades do capitalismo. Além disso,
análise do social envolve sempre uma questão de através dessa obra, podemos ver de que maneira Weber
qualidade, interpretação, subjetividade e compreensão. aplica seus conceitos e posturas metodológicas.
Vejamos alguns dos principais aspectos da análise:
O TIPO IDEAL
1. A relação entre a religião e a sociedade não se dá por
Para atingir a explicação dos fatos sociais, Weber meios institucionais, mas através de valores introjetados
construiu um instrumento de análise que chamou de tipo nos indivíduos e transformados em motivos da ação social.
ideal. Trata-se de uma criação abstrata a partir de casos A motivação do protestante, segundo Weber, é o trabalho,
particulares observados. enquanto dever e vocação, como um fim absoluto em si
Ele dá como exemplo a construção do tipo ideal de uma mesmo, e não o ganho material obtido através dele.
sociedade onde a produção é artesanal. O cientista pode, 2. O motivo que mobiliza internamente os indivíduos é
através de observações sistemáticas dos casos particulares, consciente. Entretanto, os efeitos dos atos individuais
construir um modelo de como seriam as relações políticas, ultrapassam a meta inicialmente visada. Buscando sair-se
econômicas e sociais das sociedades artesanais, bem na profissão, mostrando sua própria virtude e
acentuando os traços que lhe pareçam mais característicos. vocação e renunciando aos prazeres materiais, o
Nenhum exemplo representa realmente este tipo ideal, protestante puritano se adéqua facilmente ao mercado de
uma vez que ele é construído a partir dos casos trabalho, acumula capital e o reinveste produtivamente.
particulares de ordens sociais diferentes no tempo e no 3. Ao cientista cabe, segundo Weber, estabelecer
espaço. Mas esse modelo ajuda as comparações e a conexões entre a motivação dos indivíduos e os efeitos de
percepção de semelhanças e diferenças. sua ação no meio social. Procedendo assim, Weber analisa
Pode-se, através do tipo ideal de sociedade artesanal, os valores do catolicismo e do protestantismo, mostrando
comparar as sociedades antigas e atuais e estudar suas que os últimos revelam a tendência ao racionalismo
diferenças. econômico que predominará no capitalismo.
O tipo ideal não é um modelo a ser alcançado nem um 4. Para constituir o tipo ideal do capitalismo ocidental
acontecimento observável. É uma construção do moderno, Weber estuda as diversas características das
pensamento, uma “lupa” que auxilia o cientista. atividades econômicas em diversas épocas e lugares, antes
É preciso deixar claro que o tipo ideal nada tem a ver é após o surgimento das atividades mercantis e da
com as espécies sociais de Durkheim, que pretendiam ser indústria. E, conforme seus preceitos, constrói um tipo
exemplos de sociedades observadas em diferentes graus gradualmente estruturado a partir de suas manifestações
de complexidade num continuum evolutivo. particulares tomadas à realidade histórica. Assim, diz ser o

20
Sociologia

capitalismo, na sua forma típica, uma organização justificar a dominação estatal. Por causa disso, o Estado
econômica racional assentada no trabalho livre e orientada tem que se apresentar permanentemente aos cidadãos
para um mercado real, não para a mera especulação ou como legítimo, para manter a crença em sua validade.
rapinagem. O capitalismo promove a separação entre No caso do Estado burocrático, sustentado pela
empresa e residência, a utilização técnica de dominação legal, estabeleceu-se uma série de normas e
conhecimentos científicos, o surgimento do direito e da limites para a legitimidade do uso estatal da violência.
administração racionalizados. Dessa forma, a força física só poderá ser usada dentro de
(COSTA, Maria Cristina. Sociologia. Introdução à ciência da determinados preceitos, sob o risco de que o Estado perca
sociedade.
sua legitimidade se desafiá-los. No Estado
São Paulo: Editora Moderna, 1990. pp. 60-67)
contemporâneo, a instituição de leis que prescrevem as
MAX WEBER E O CONCEITO DE ESTADO situações em que a violência poderá ser usada estabelece
uma boa possibilidade de que todas as pessoas sejam
A definição weberiana de Estado é talvez uma das mais tratadas da mesma forma e que tenham algum controle
famosas na Sociologia. No artigo Política como Vocação, sobre as determinações que os rege. Esses elementos
o autor afirma que o Estado é "uma relação de homens foram fundamentais para que o conjunto da sociedade
que dominam seus iguais, mantida pela violência legítima abrisse mão do uso legítimo da violência e se submetesse
(isto é, considerada legítima)". Assim, na conceituação de a dominação estatal na sociedade moderna.
(http://sociologiacienciaevida.uol.com.br/ESSO/Edicoes/34/artigo21369
Weber, o Estado é um aparato administrativo e político 8-2.asp)
que detém o monopólio da violência legítima dentro de
um determinado território, a partir da crença dos CLASSIFICAÇÃO DAS AÇÕES SOCIAIS
indivíduos em sua legitimidade.
Dois pontos são fundamentais na descrição do autor. Na visão de Max Weber, a função do sociólogo é
Primeiramente, o monopólio estatal da violência legítima compreender o sentido das chamadas ações sociais, e fazê-
não significa que apenas o Estado fará uso da força, pois lo é encontrar os nexos causais que as determinam.
indivíduos e organizações civis poderão eventualmente Entende-se que ações imitativas, nas quais não se confere
fazer uso da violência física. Entretanto, apenas o Estado é um sentido para o agir, não são ditas ações sociais. Mas o
autorizado pela sociedade para usá-la com legitimidade. objeto da Sociologia é uma realidade infinita e para
Assim, organizações como a máfia italiana ou o crime analisá-la é preciso construir tipos ideais, que não existem
organizado no Brasil são exemplos de grupos que fazem de fato, mas que norteiam a referida análise.
uso da força sem, todavia, terem o apoio do resto da Os tipos ideais servem como modelos e a partir deles a citada
sociedade para fazê-lo, de forma que a legitimidade do infinidade pode ser resumida em quatro ações fundamentais, a saber:
Estado não é questionada. Já, os grupos separatistas que 1. Ação social racional com relação a fins, na qual a ação é
fazem uso da violência para organizar revoluções de estritamente racional. Toma-se um fim e este é, então,
cunho político podem, eventualmente, colocar a racionalmente buscado. Há a escolha dos melhores meios
legitimidade estatal em questão se obtiverem o apoio da para se realizar um fim;
maior parte da população. 2. Ação social racional com relação a valores, na qual não é
Em segundo lugar, essa autorização social do uso da o fim que orienta a ação, mas o valor, seja este ético,
força ocorre porque os dominados aceitam obedecer a religioso, político ou estético;
seus dominantes. Essa aceitação, por sua vez, tem três 3. Ação social afetiva, em que a conduta é movida por
possíveis justificativas. Pode ocorrer devido a uma sentimentos, tais como orgulho, vingança, loucura, paixão,
"autoridade do passado eterno, ou seja, dos costumes inveja, medo, etc., e
consagrados por meio de validade imemorial", chamada 4. Ação social tradicional, que tem como fonte motivadora
de dominação tradicional. Outra possibilidade é que os costumes ou hábitos arraigados. (Observe que as duas
ocorra devido ao carisma de um líder (dominação últimas são irracionais).
carismática). E, como conhecemos nos Estados modernos, Para Weber, a ação social é aquela que é orientada ao
ocorre através da legalidade, ou seja, é "fundada na crença outro. No entanto, há algumas atitudes coletivas que não
da validade legal e da competência funcional baseada em podem ser consideradas sociais.
normas racionalmente definidas" (dominação legal).
Apesar das particularidades, nos três casos a dominação DIFERENÇAS ENTRE WEBER E DURKHEIM
fundamenta-se exclusivamente na crença da maior parte
das pessoas que fazem parte de um determinado Estado na No que se refere ao método sociológico, Weber difere
legitimidade do poder daqueles que a domina. Essa de Durkheim (que tem como método a observação e a
definição implica que um Estado não mais se manteria se, experimentação, sendo que esta se dá a partir da análise
do dia para a noite, a parcela majoritária das pessoas que comparativa, isto é, faz-se a análise das diversas
sustentam a sua existência deixasse de acreditar na sociedades as quais devem ser comparadas entre si
validade do sistema que a governa, passasse a fazer uso da posteriormente). Ao tratar os fatos sociais como coisas,
força e a acreditar que pode fazê-lo legitimamente. Sendo Durkheim queria mostrar que o cientista precisa romper
assim, a instituição estatal somente se sustenta com a com qualquer pré-noção, ou seja, é necessário, desde o
aceitação e com o apoio dos dominados. Weber, de certa começo da pesquisa sobre a sociedade, o abandono dos
maneira, se amparara em um elemento psicológico para juízos de valores que são próprios ao sociólogo

ENEM 21
Ciências Humanas e suas Tecnologias

(neutralidade), uma total separação entre o sujeito que relação entre a religião e a sociedade não se dá por meios
estuda e o objeto estudado, que também pretendem as institucionais, mas através de valores introjetados nos
ciências naturais. No entanto, para Weber, na medida em indivíduos e transformados em motivos da ação social. Ao
que a realidade é infinita, e quem a estuda faz nela apenas cientista cabe, segundo Weber, estabelecer conexões entre a
um recorte a fim de explicá-la, o recorte feito é prova de motivação dos indivíduos e os efeitos de sua ação no meio
uma escolha de alguém por estudar isto ou aquilo neste ou social.
naquele momento. Nesse sentido, não há, como queria • Na conceituação de Weber, o Estado é um aparato
Durkheim, uma completa objetividade. Os juízos de valor administrativo e político que detém o monopólio da violência
aparecem no momento da definição do tema de estudo. legítima dentro de um determinado território, a partir da crença
Assim foi o seu conviver com a doutrina protestante que dos indivíduos em sua legitimidade. Essa condição afirma-se
influenciou Weber na escrita de “A ética protestante e o em dois fundamentos principais: apenas o Estado é autorizado
espírito do capitalismo”. Para esse teórico, é apenas após a pela sociedade para usá-la com legitimidade e essa autorização
definição do tema, quando se vai partir rumo à pesquisa social do uso da força ocorre porque os dominados aceitam
em si, que se faz possível ser objetivo e imparcial. obedecer a seus dominantes.
Compare-se Durkheim e Weber, agora do ponto de vista • No caso do Estado burocrático, sustentado pela dominação
do objeto de estudo sociológico. O primeiro dirá que a legal, estabeleceu-se uma série de normas e limites para a
Sociologia deve estudar os fatos sociais, que precisam ser: legitimidade do uso estatal da violência. Dessa forma, a força
gerais, exteriores e coercitivos, além de objetivos, para esta física só poderá ser usada dentro de determinados preceitos,
ser chamada corretamente de “ciência”. Enquanto o segundo sob o risco de que o Estado perca sua legitimidade se desafiá-
optará pelo estudo da ação social que, como descrita acima, é los.
dividida em tipologias. Ademais, diferentemente de
Durkheim, Weber não se apoia nas ciências naturais a fim de
construir seus métodos de análises e nem mesmo acredita ser Exercícios
possível encontrar leis gerais que expliquem a totalidade do
mundo social. O seu interesse não é, portanto, descobrir 1. (ENEM 2010/2)
regras universais para fenômenos sociais. Mas quando rejeita
as pesquisas que se resumem a uma mera descrição dos fatos,
ele, por seu turno, caminha em busca de leis causais, as quais
são suscetíveis de entendimento a partir da racionalidade
científica.
(http://www.brasilescola.com/filosofia/a-definicao-acao-social-max-
weber.htm)

FIQUE LIGADO NO ENEM!


• O ponto de partida da Sociologia de Weber não estava nas
entidades coletivas, grupos ou instituições. Seu objeto de
investigação é a ação social, a conduta humana dotada de
sentido. Assim o homem ganhou, na teoria weberiana,
significado e especificidade. O homem dá sentido à sua ação
social: estabelece a conexão entre o motivo da ação, a ação
propriamente dita e seus efeitos. Para a Sociologia weberiana,
os acontecimentos que integram o social têm origem nos
indivíduos.
• O que garante a cientificidade de uma explicação é o método
de reflexão, não a objetividade pura dos fatos. Weber relembra
sempre que, embora os acontecimentos sociais possam ser
quantificáveis, a análise do social envolve sempre uma questão
de qualidade, interpretação, subjetividade e compreensão.
• Para atingir a explicação dos fatos sociais, Weber construiu
um instrumento de análise que chamou de tipo ideal. Trata-se
de uma criação abstrata a partir de casos particulares
observados. O tipo ideal não é um modelo a ser alcançado nem
um acontecimento observável. É uma construção do Nova Escola, nº 226, out. 2009.
pensamento, uma “lupa” que auxilia o cientista.
• Weber descobre que valores do protestantismo – como a A tirinha mostra que o ser humano, na busca de atender
disciplina ascética, a poupança, a austeridade, a vocação, o suas necessidades e de se apropriar dos espaços:
dever e a propensão ao trabalho – atuavam de maneira decisiva
sobre os indivíduos e sobre o desenvolvimento capitalista. A

22
Sociologia

a) adotou a acomodação evolucionária como forma de desenvolvimento de mecanismos de acautelamento ou


sobrevivência ao se dar conta de suas deficiências administração de riscos tem como objetivo
impostas pelo meio ambiente. a) priorizar os interesses econômicos em relação aos
b) utilizou o conhecimento e a técnica para criar seres humanos e à natureza.
equipamentos que lhe permitam compensar as suas b) negar a perspectiva científica e suas conquistas por
limitações físicas. causa de riscos ecológicos.
c) levou vantagens em relação aos seres de menor c) instituir o diálogo público sobre mudanças
estatura, por possuir um físico bastante desenvolvido, tecnológicas e suas consequências.
que lhe permitia muita agilidade. d) combater a introdução de tecnologias para travar o
d) dispensou o uso da tecnologia por ter um organismo curso das mudanças sociais.
adaptável aos diferentes tipos de meio ambiente. e) romper o equilíbrio entre benefícios e riscos do
e) sofreu desvantagens em relação a outras espécies, por avanço tecnológico e científico.
utilizar os recursos naturais como forma de se
apropriar dos diferentes espaços. 4. (ENEM 2015) A questão ambiental, uma das principais
pautas contemporâneas, possibilitou o surgimento de
2. (ENEM 2010/2) Se, por um lado, o ser humano, como concepções políticas diversas, dentre as quais se destaca a
animal, é parte integrante da natureza e necessita dela para preservação ambiental, que sugere uma ideia de
continuar sobrevivendo, por outro, como ser social, cada intocabilidade da natureza e impede o seu aproveitamento
dia mais sofistica os mecanismos de extrair da natureza econômico sob qualquer justificativa.
recursos que, ao serem aproveitados, podem alterar de PORTO-GONÇALVES, C. W. A globalização da natureza e a
natureza da globalização.
modo profundo a funcionalidade harmônica dos ambientes
Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006 (adaptado).
naturais.
ROSS, J. L. S. (Org.). Geografia do Brasil. São Paulo: EDUSP, 2005
(adaptado) Considerando as atuais concepções políticas sobre a
questão ambiental, a dinâmica caracterizada no texto
A relação entre a sociedade e a natureza vem sofrendo quanto à proteção do meio ambiente está baseada na
profundas mudanças em razão do conhecimento técnico. a) prática econômica sustentável.
A partir da leitura do texto, identifique a possível b) contenção de impactos ambientais.
consequência do avanço da técnica sobre o meio natural. c) utilização progressiva dos recursos naturais.
d) proibição permanente da exploração da natureza.
a) A sociedade aumentou o uso de insumos químicos – e) definição de áreas prioritárias para a exploração
agrotóxicos e fertilizantes – e, assim, os riscos de econômica.
contaminação.
b) O homem, a partir da evolução técnica, conseguiu 5. (ENEM 2010/1) A evolução do processo de
explorar a natureza e difundir harmonia na vida transformação de matérias-primas em produtos acabados
social. ocorreu em três estágios: artesanato, manufatura e
c) As degradações produzidas pela exploração dos maquinofatura.
recursos naturais são reversíveis, o que, de certa Um desses estágios foi o artesanato, em que se:
forma, possibilita a recriação da natureza. a) trabalhava conforme o ritmo das máquinas e de
d) O desenvolvimento técnico, dirigido para a maneira padronizada.
recomposição de áreas degradadas, superou os efeitos b) trabalhava geralmente sem o uso de máquinas e de
negativos da degradação. modo diferente do modelo de produção em série.
e) As mudanças provocadas pelas ações humanas sobre c) empregavam fontes de energia abundantes para o
a natureza foram mínimas, uma vez que os recursos funcionamento das máquinas.
utilizados são de caráter renovável. d) realizava parte da produção por cada operário, com
uso de máquinas e trabalho assalariado.
3. (ENEM 2015) Diante de ameaças surgidas com a e) faziam interferências do processo produtivo por
engenharia genética de alimentos, vários grupos da técnicos e gerentes com vistas a determinar o ritmo de
sociedade civil conceberam o chamado “princípio da produção.
precaução”. O fundamento desse princípio é: quando uma
tecnologia ou produto comporta alguma ameaça à saúde 6. (ENEM 2010/1) A Inglaterra pedia lucros e recebia
ou ao ambiente, ainda que não se possa avaliar a natureza lucros. Tudo se transformava em lucro. As cidades tinham
precisa ou a magnitude do dano que venha a ser causado sua sujeira lucrativa, suas favelas lucrativas, sua fumaça
por eles, deve-se evitá-los ou deixá-los de quarentena para lucrativa, seu desespero lucrativo. As novas fábricas e os
maiores estudos e avaliações antes de sua liberação. novos altos-fornos eram como as Pirâmides, mostrando
SEVCENKO, N. A corrida para o século XXI: no loop da mais a escravização do homem que seu poder.
montanha-russa. DEANE, P. A revolução Industrial. Rio de Janeiro: Zahar, 1979
São Paulo: Cia. das Letras, 2001 (adaptado). (adaptado)

O texto expõe uma tendência representativa do Qual relação é estabelecida no texto entre os avanços
pensamento social contemporâneo, na qual o tecnológicos ocorridos no contexto da Revolução

ENEM 23
Ciências Humanas e suas Tecnologias

Industrial Inglesa e as características das cidades O surgimento da categoria mencionada no período em


industriais no início do século XIX? destaque no texto evidencia o(a)
a) A facilidade em se estabelecer relações lucrativas a) apoio dado pela Igreja ao trabalho abstrato.
transformava as cidades em espaços privilegiados b) relação entre desenvolvimento urbano e divisão do
para a livre iniciativa, característica da nova trabalho.
sociedade capitalista. c) importância organizacional das corporações de ofício.
b) O desenvolvimento de métodos de planejamento d) progressiva expansão da educação escolar.
urbano aumentava a eficiência do trabalho industrial. e) acúmulo de trabalho dos professores e eruditos.
c) A construção de núcleos urbanos integrados por
meios de transporte facilitava o deslocamento dos 9. (ENEM 2012)
trabalhadores das periferias até as fábricas.
d) A grandiosidade dos prédios onde se localizavam as
fábricas revelava os avanços da engenharia e da
arquitetura do período, transformando as cidades em
locais de experimentação estética e artística.
e) O alto nível de exploração dos trabalhadores
industriais ocasionava o surgimento de aglomerados
urbanos marcados por péssimas condições de
moradia, saúde e higiene.

7. (ENEM 2013) Na produção social que os homens


realizam, eles entram em determinadas relações
indispensáveis e independentes da sua vontade; tais
Disponível em http://primeira-serie.blogspot.com.br.
relações de produção correspondem a um estágio definido Acesso em: 07 de dez. 2011 (adaptado)
de desenvolvimento das suas forças materiais de produção.
A totalidade dessas relações constitui a estrutura econômica Na imagem do início do século XX, identifica-se um
da sociedade – fundamento real, sobre o qual se erguem as modelo produtivo cuja forma de organização fabril
superestruturas política e jurídica, e ao qual correspondem baseava-se na
determinadas formas de consciência social. a) autonomia do produtor direto.
MARX, K. Prefácio à Crítica da economia política. In. MARX, K.
ENGELS F. Textos 3.
b) adoção da divisão sexual do trabalho.
São Paulo. Edições Sociais, 1977 (adaptado). c) exploração do trabalho repetitivo.
d) utilização de empregados qualificados.
Para o autor, a relação entre economia e política e) incentivo à criatividade dos funcionários.
estabelecida no sistema capitalista faz com que:
a) o proletariado seja contemplado pelo processo de 10. (ENEM 2015) Dominar a luz implica tanto um avanço
mais-valia. tecnológico quanto uma certa liberação dos ritmos cíclicos
b) o trabalho se constitua como o fundamento real da da natureza, com a passagem das estações e as
produção material. alternâncias de dia e noite. Com a iluminação noturna, a
c) a consolidação das forças produtivas seja compatível escuridão vai cedendo lugar à claridade, e a percepção
com o progresso humano. temporal começa a se pautar pela marcação do relógio. Se
d) a autonomia da sociedade civil seja proporcional ao a luz invade a noite, perde sentido a separação tradicional
desenvolvimento econômico. entre trabalho e descanso — todas as partes do dia podem
e) a burguesia revolucione o processo social de ser aproveitadas produtivamente.
formação da consciência de classe SILVA FILHO, A. L. M. Fortaleza: imagens da cidade.
Fortaleza: Museu do Ceará; Secult-CE, 2001 (adaptado).
8. (ENEM 2015) No início foram as cidades. O intelectual
da Idade Média — no Ocidente — nasceu com elas. Foi Em relação ao mundo do trabalho, a transformação
com o desenvolvimento urbano ligado às funções apontada no texto teve como consequência a
comercial e industrial — digamos modestamente artesanal a) melhoria da qualidade da produção industrial.
— que ele apareceu, como um desses homens de ofício b) redução da oferta de emprego nas zonas rurais.
que se instalavam nas cidades nas quais se impôs a divisão c) permissão ao trabalhador para controlar seus próprios
do trabalho. Um homem cujo ofício é escrever ou ensinar, horários.
e de preferência as duas coisas a um só tempo, um homem d) diminuição das exigências de esforço no trabalho com
que, profissionalmente, tem uma atividade de professor e máquinas.
erudito, em resumo, um intelectual — esse homem só e) ampliação do período disponível para a jornada de
aparecerá com as cidades. trabalho.
LE GOFF, J. Os intelectuais na Idade Média. Rio de Janeiro: José
Olympio, 2010.

24
Sociologia

11. (ENEM 2013) Um trabalhador em tempo flexível 13. (ENEM 2011) A introdução de novas tecnologias
controla o local do trabalho, mas não adquire maior desencadeou uma série de efeitos sociais que afetaram os
controle sobre o processo em si. A essa altura, vários trabalhadores e sua organização. O uso de novas
estudos sugerem que a supervisão do trabalho é muitas tecnologias trouxe a diminuição do trabalho necessário
vezes maior para os ausentes do escritório do que para os que se traduz na economia líquida do tempo de trabalho,
presentes. O trabalho é fisicamente descentralizado e o uma vez que, com a presença da automação
poder sobre o trabalhador, mais direto. microeletrônica, começou a ocorrer a diminuição dos
SENETT, R. A corrosão do caráter. Consequências pessoais do novo coletivos operários e uma mudança na organização dos
capitalismo. processos de trabalho.
Rio de Janeiro: Record, 1999 (adaptado)
Revista Eletrônica de Geografia y Ciências Sociales
Universidad de Barcelona. No 170(9), 1 ago. 2004.
Comparada à organização do trabalho característica do
taylorismo e do fordismo, a concepção de tempo analisada A utilização de novas tecnologias tem causado inúmeras
no texto pressupõe que: alterações no mundo do trabalho. Essas mudanças são
a) As tecnologias de informação sejam usadas para observadas em um modelo de produção caracterizado:
democratizar as relações laborais. a) pelo uso intensivo do trabalho manual para
b) As estruturas burocráticas sejam transferidas da desenvolver produtos autênticos e personalizados.
empresa para o espaço doméstico. b) pelo ingresso tardio das mulheres no mercado de
c) Os procedimentos de terceirização sejam aprimorados trabalho no setor industrial.
pela qualificação profissional. c) pela participação ativa das empresas e dos próprios
d) As organizações sindicais sejam fortalecidas com a trabalhadores no processo de qualificação laboral.
valorização da especialização funcional. d) pelo aumento na oferta de vagas para trabalhadores
e) Os mecanismos de controle sejam deslocados dos especializados em funções repetitivas.
processos para os resultados do trabalho. e) pela manutenção de estoques de larga escala em
função da alta produtividade.
12. (ENEM 2011) Estamos testemunhando o reverso da
tendência histórica da assalariação do trabalho e 14. (ENEM 2014)
socialização da produção, que foi característica
predominante na era industrial. A nova organização social
e econômica baseada nas tecnologias da informação visa à
administração descentralizadora, ao trabalho
individualizante e aos mercados personalizados. As novas
tecnologias da informação possibilitam, ao mesmo tempo,
a descentralização das tarefas e sua coordenação em uma
rede interativa de comunicação em tempo real, seja entre
continentes, seja entre os andares de um mesmo edifício.
CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2006
(adaptado)
NEVES, E. Engraxate. Disponível em: www.grafar.blogspot.com.
Acesso em: 15 fev. 2013.
No contexto descrito, as sociedades vivenciam mudanças
constantes nas ferramentas de comunicação que afetam os Considerando-se a dinâmica entre tecnologia e
processos produtivos nas empresas. Na esfera do trabalho, organização de trabalho, a representação contida no
tais mudanças têm provocado: cartum é caracterizada pelo pessimismo em relação à
a) o aprofundamento dos vínculos dos operários com as a) ideia de progresso.
linhas de montagem sob a influência dos modelos b) concentração do capital.
orientais de gestão. c) noção de sustentabilidade.
b) o aumento das formas de teletrabalho como solução d) organização dos sindicatos.
de larga escala para o problema do desemprego e) obsolescência dos equipamentos.
crônico.
c) o avanço do trabalho flexível e da terceirização 15. (ENEM 2015) No final do século XX e em razão dos
respostas às demandas por inovação e com vistas à avanços da ciência, produziu-se um sistema presidido
mobilidade dos investimentos. pelas técnicas da informação, que passaram a exercer um
d) a autonomização crescente das máquinas e papel de elo entre as demais, unindo-as e assegurando ao
computadores em substituição ao trabalho dos novo sistema uma presença planetária. Um mercado que
especialistas técnicos e gestores. utiliza esse sistema de técnicas avançadas resulta nessa
e) o fortalecimento do diálogo entre operários, gerentes, globalização perversa.
executivos e clientes com a garantia de harmonização SANTOS, M. Por uma outra globalização. Rio de Janeiro: Record,
das relações de trabalho. 2008 (adaptado).

ENEM 25
Ciências Humanas e suas Tecnologias

Uma consequência para o setor produtivo e outra para o estruturas econômica, política, social e cultural e a indústria
mundo do trabalho advindas das transformações citadas ganhou força com as novas tecnologias emergentes. Todos
no texto estão presentes, respectivamente, em: esses acontecimentos influenciaram nas transformações
a) Eliminação das vantagens locacionais e ampliação da estruturais, mas também, e sobremaneira, nas produções
legislação laboral. intelectuais.
b) Limitação dos fluxos logísticos e fortalecimento de Nesse século, eclodiram várias escolas e vários pensadores.
associações sindicais. A Sociologia institucionalizou-se e uma pluralidade de
c) Diminuição dos investimentos industriais e discursos ideológicos conquistou espaço. Existem vários
desvalorização dos postos qualificados. outros pensadores da Sociologia contemporânea, mas os que
d) Concentração das áreas manufatureiras e redução da revisaremos a continuação são os que mais se destacaram e
jornada semanal. inspiraram estudos, pesquisas e discussões no Brasil.
e) Automatização dos processos fabris e aumento dos
níveis de desemprego. NORBERT ELIAS

16. (ENEM 2015) Tanto potencial poderia ter ficado pelo Sociólogo nascido na Alemanha. Obrigado a exilar-se
caminho se não fosse o reforço em tecnologia que um pelo regime nazista em 1933, refugiou-se na França antes
gaúcho buscou. Há pouco mais de oito anos, ele usava o de se estabelecer definitivamente na Grã-Bretanha. Depois
bico da botina para cavoucar a terra e descobrir o nível de de uma sólida formação em filosofia e medicina na
umidade do solo, na tentativa de saber o momento ideal Universidade de Breslau (Wroclaw), sua cidade natal, em
para acionar os pivôs de irrigação. Até que conheceu uma 1925 foi morar em Heidelberg, onde abandona a filosofia
estação meteorológica que, instalada na propriedade, para dedicar-se à sociologia. Em 1954 torna-se lecturer em
ajuda a determinar a quantidade de água de que a planta sociologia da Universidade de Leicester. Suas principais
necessita. Assim, quando inicia um plantio, o agricultor já obras são: A Sociedade da Corte (1933), O Processo
entra no site do sistema e cadastra a área, o pivô, a cultura, Civilizador (1939) dois volumes; O que é Sociologia
o sistema de plantio, o espaçamento entre linhas e o (1970), Sobre o Tempo (1984), A Sociedade dos
número de plantas, para então receber recomendações Indivíduos (1970), Os Alemães (1989) e Os Estabelecidos
diretamente dos técnicos da universidade. e os Outsiders (escrito em 1950 e publicado em 1994).
CAETANO, M. O valor de cada gota. Globo Rural, n. 312, out. 2011.

A implementação das tecnologias mencionadas no texto


garante o avanço do processo de
a) monitoramento da produção.
b) valorização do preço da terra.
c) correção dos fatores climáticos.
d) divisão de tarefas na propriedade.
e) estabilização da fertilidade do solo.

GABARITO
Norbert Elias (1897-1990)
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
A sociologia figuracional ou configuracional, mas chamada
B A C D B E B B C E
por Elias de Sociologia processual, ganhou reconhecimento
11 12 13 14 15 16 por meio da teoria dos “processos civilizadores”. Conforme a
E C C A E A sociologia figuracional “[...] os seres humanos nascem em
redes de relações de interdependência entre indivíduos, e as
estruturas sociais que eles formam entre si possuem uma
dinâmica emergente que não pode ser reduzida a ações ou
UNIDADE 7
motivações individuais. Tal dinâmica emergente molda o
crescimento, o desenvolvimento e a trajetória da vida dos
indivíduos. As figurações estão em constante estado de fluxo e
transformação e, ainda, as transformações de longo prazo nas
A SOCIOLOGIA CONTEMPORÂNEA figurações sociais humanas não são passíveis de planejamento
prévio e previsão. Assim, Elias entende que, no âmbito de tais
O Século XX foi marcado por vários acontecimentos e figurações, ocorre o desenvolvimento do conhecimento”
intensas transformações: duas guerras mundiais, a Revolução (Cesarino, 2012, p.357-358). Elias procurava entender as
Russa, a quebra da bolsa de Nova York, a explosão da bomba relações entre indivíduo e sociedade e, para isso, mobilizou três
atômica no Japão, a Guerra do Vietnã, a Revolução Cubana, campos de conhecimento: sociologia, psicologia e história.
o assassinato do presidente Kennedy nos EUA, a Revolução (KLEINSCHMITT, Sandra Cristiana. Almanaque de sociologia para
Cultural na China, o primeiro homem na Lua, a criação da vestibular e Enem. Introdução e Conceitos Básicos.
Internet, a queda do muro de Berlim e o fim da União São Paulo: OnLine Editora, 2014. pp. 91-92)
Soviética. Enfim, ocorreram várias modificações nas
26
Sociologia

A obra O Processo Civilizador divide-se em dois volumes. ocidentais: monopolização cada vez maior da violência pelo
Primeiramente, Elias apresenta a história dos costumes e Estado, diferenciação cada vez maior dos papéis sociais.
analisa o desenvolvimento dos diferentes conceitos de cultura Correlativamente, o controle das pulsões individuais se
e civilização na Alemanha, na Inglaterra e na França. Em um modifica, passando da coerção exterior a um mecanismo
segundo momento, o pensador explora a civilidade como estável de autocontrole ou “disciplina”. A noção filosófica de
transformação dos costumes, das “boas maneiras”. Ou seja, indivíduo, tal como Kant (objeto da sua tese em 1924)
Elias demonstra como os padrões de violência, de admite, parece-lhe fundada no esquecimento desse processo
comportamento sexual, de funções corporais, de boas que fez coincidir o aparecimento da “vida privada” como
maneiras à mesa transformaram-se em função da vergonha e correlato da constituição do Estado monárquico. A ideia de
do nojo, atuando para fora de um núcleo da corte aristocrática “autoconsciência” alimenta um engodo baseado nesse
européia pós-medieval. Essa transformação na educação esquecimento. Esse processo mostra-se passível de regressão,
juvenil era condizente com os desejos da classe burguesa que como demonstra a experiência da Alemanha nazista, sobre a
tomou o poder no final da Idade Média e precisava ser qual Elias não cessa de refletir. O Holocausto parece-lhe
civilizada. O segundo volume aborda as causas desses provar o terrível elo que associa a mais radical das violências
processos e reconhece-os nas cada vez mais centralizadas e estatais ao estrito autocontrole SOS afetos dos executantes da
diferenciadas interconexões na sociedade. Existe uma chamada solução final.
tendência de naturalização dos hábitos e costumes, e o que (HUISMAN, Denis. Dicionário dos Filósofos.
São Paulo: Martins Fontes, 2001. p. 322)
Elias pretende mostrar é que determinados costumes não
podem ser naturalizados, porque as relações sociais para e
pelos homens atendem a seus desejos em uma determinada
FIQUE LIGADO NO ENEM!
época (Oliveira; Oliveira, 2012).
“O principal critério para definir a direção do processo
civilizador é a mudança na balança entre coerção externa • Os seres humanos nascem em redes de relações de
(penalidades, punições, prisões, etc.) e autocoerção interdependência entre indivíduos, e as estruturas sociais que
(educação, civilidade, cortesia), na qual a balança pende para eles formam entre si possuem uma dinâmica emergente que
a autocoerção, para a educação e a civilidade. Quando a não pode ser reduzida a ações ou motivações individuais. Tal
sociedade é civilizada e educada (autocoerção), as punições dinâmica emergente molda o crescimento, o desenvolvimento e
são menos necessárias. Quando as pessoas são disciplinadas a trajetória da vida dos indivíduos.
e educadas sistematicamente, quando se conscientizam de • O principal critério para definir a direção do processo
que determinados hábitos são indesejáveis, sujeitam-se às civilizador é a mudança na balança entre coerção externa e
regras difundidas pela sociedade. Desenvolve-se um padrão autocoerção, na qual a balança pende para a autocoerção, para
social de comportamento/sentimento que produz um a educação e a civilidade. Quando a sociedade é civilizada e
autocontrole mais estável e diferenciado, além de um educada (autocoerção), as punições são menos necessárias.
aumento na identificação mútua entre as pessoas, ou seja, ou Quando as pessoas são disciplinadas e educadas
seja, um aumento da sensibilidade dos homens gerando uma sistematicamente, quando se conscientizam de que
sensação de pertencimento a um grupo, á uma raça” determinados hábitos são indesejáveis, sujeitam-se às regras
(Oliveira; Oliveira, 2012, p.6). difundidas pela sociedade.
A obra de Norbert Elias só tardiamente teve • Elias dirige a atenção para o processo de individualização:
reconhecimento público. Sua reflexão mostra-se centrada esse processo mostra o indivíduo como um campo de forças
numa crítica cada vez mais aprofundada da noção de determinado pelas relações sociais existentes. Portanto, ele
indivíduo tal como tematizado pela filosofia clássica dos nega a oposição conceitual clássica entre indivíduo e
séculos XVII e XVIII e herdado pela sociologia, seja em sociedade, e fala da “sociedade dos indivíduos”. A
forma de adesão ou de recusa peremptória. Elias dirige a autoconsciência não deve constituir o princípio da análise; ao
atenção para o processo de individualização: esse processo contrário é a interdependência dos indivíduos que deve
mostra o indivíduo como um campo de forças determinado predominar.
pelas relações sociais existentes. Portanto, ele nega a
oposição conceitual clássica entre indivíduo e sociedade, e JÜRGEN HABERMAS
fala da “sociedade dos indivíduos”. A autoconsciência não
deve constituir o princípio da análise; ao contrário é a Jurgen Habermas nasceu no dia 18 de junho de 1929,
interdependência dos indivíduos (como a que se pode em Gummersbach, na Alemanha. Esse filósofo e
descobrir, por exemplo, num jogo de xadrez ou na dança de sociólogo formou-se na Universidade Georg August de
Corte do século XVII) que deve predominar. A configuração Göttingen. Em 1954, doutorou-se em filosofia na
social modela o próprio indivíduo captando-o através do jogo Universidade de Bonn. O pensador é associado à segunda
de afetos. geração da escola de Frankfurt e está inserido na tradição
Como sociólogo, Elias recorre com abundância e força à da teoria crítica e do pragmatismo, sendo mais conhecido
história para fundamentar sua tese filosófica. Critica o pela teoria da racionalidade comunicativa. Suas principais
anistoricismo da sociologia contemporânea. Sua obra maior obras são: Entre a Filosofia e a Ciência – O Marxismo
(1939) apresenta-se assim como uma reflexão sobre o como crítica (1960); Reflexões Sobre o Conceito de
“processo da civilização no Ocidente”. Entre a Idade Média e Participação Pública (1961); Evolução Estrutural da
o século XIX, dois processos afetam as sociedades Vida Pública (1962); Teoria e Práxis (1963); Lógica das

ENEM 27
Ciências Humanas e suas Tecnologias

Ciências Sociais (1967); Conhecimento e Interesse “[...] Para Habermas, a ação comunicativa surge como uma
(1968); Técnica e Ciência como Ideologia (1968); intenção de, no mínimo dois sujeitos, capazes de falar e
Consciência Moral e Agir Comunicativo (1983) e Entre agir, que estabelecem relações interpessoais com o objetivo
Faticidade e Validade (1994). de alcançar uma compreensão sobre a situação em que
ocorre a interação e sobre os respectivos planos de ação
com vistas a coordenar suas ações pela via do
entendimento. Neste processo, eles se remetem a pretensões
de validade criticáveis quanto à sua veracidade, correção
normativa e autenticidade, cada uma destas pretensões
referindo-se respectivamente a um mundo objetivo dos
fatos, a um mundo social das normas e a um mundo de
experiências subjetivas (Pinto, 1995, p.80, grifos do autor).
A teoria de Habermas procura entender a modernidade
ocidental por meio da perspectiva da racionalidade cultural
e dos efeitos do processo de racionalização sobre os atores
Jurgen Habermas (1929) sociais. Isso ocorre por meio da lógica estratégica (sistema
que organiza mercado e Estado) e da lógica da
A obra de Habermas desenvolve-se na perspectiva da racionalidade comunicativa (organização da solidariedade e
teoria crítica da sociedade iniciada pela escola de Frankfurt, da identidade).
pretendendo ser uma revisão e uma atualização do (KLEINSCHMITT, Sandra Cristiana. Almanaque de sociologia para
vestibular e Enem. Introdução e Conceitos Básicos.
marxismo capaz de dar conta das características do São Paulo: OnLine Editora, 2014. pp. 90-91)
capitalismo avançado da sociedade industrial
contemporânea. Inspirando-se em Weber, Habermas toma
como ponto central de sua análise a racionalidade dessa FIQUE LIGADO NO ENEM!
sociedade, caracterizando-a em termos e uma razão
instrumental, que visa estabelecer os meios para se alcançar • Para Habermas, o desenvolvimento técnico, e a ciência
um fim determinado. Segundo essa análise, o voltada para a aplicação técnica, que resultam dessa razão
desenvolvimento técnico, e a ciência voltada para a instrumental, acarretam a perda da autonomia do próprio bem,
aplicação técnica, que resultam dessa razão instrumental, submetido igualmente às regras de dominação técnica do
acarretam a perda da autonomia do próprio bem, submetido mundo natural.
igualmente às regras de dominação técnica do mundo • É necessário recuperar a dimensão da interação humana, de
natural. Para Habermas, numa perspectiva crítica, é uma racionalidade não instrumental, baseada no agir
necessário, portanto recuperar a dimensão da interação comunicativo entre sujeitos livres, de caráter emancipador em
humana, de uma racionalidade não instrumental, baseada no relação à dominação técnica. A ideologia corresponde, para
agir comunicativo entre sujeitos livres, de caráter Habermas, à distorção dessa possibilidade de ação
emancipador em relação à dominação técnica. A ideologia comunicativa, produzindo relações assimétricas e impedindo
corresponde, para Habermas, à distorção dessa que a interação se realize plenamente.
possibilidade de ação comunicativa, produzindo relações • A ação comunicativa surge como uma intenção de, no mínimo
assimétricas e impedindo que a interação se realize dois sujeitos, capazes de falar e agir, que estabelecem relações
plenamente. A crítica, ao explicitar as condições da ação interpessoais com o objetivo de alcançar uma compreensão
comunicativa, implícitas em todo uso significativo do sobre a situação em que ocorre a interação e sobre os
discurso, permite o desmascaramento da ideologia e a respectivos planos de ação com vistas a coordenar suas ações
retomada da razão emancipadora. Nesse sentido, a proposta pela via do entendimento.
de Habermas formula-se em termos de uma teoria da ação
comunicativa, recorrendo inclusive à filosofia analítica da MICHEL FOUCAULT
linguagem para tematizar essas condições do uso da
linguagem livre de distorção como fundamento de uma Michel Foucault nasceu no dia 15 de outubro de 1926,
nova racionalidade. Contra os críticos da modernidade, que na cidade de Poitiers, na França. O pensador nasceu em
se caracterizam pela racionalidade técnica, como Lyotard, uma família tradicional de médicos, mas rompeu com a
Habermas, no entanto, defende o racionalismo do projeto tradição, graduando-se em história, filosofia e psicologia.
iniciado pelo Iluminismo, considerando-o como projeto Como Foucault tentou por várias vezes o suicídio,
ainda a ser desenvolvido e ainda significativo para nossa aproximou-se da psicologia e psiquiatria, produzindo
época, desde que a razão seja entendida criticamente, no diversas obras sobre esse tema. Foucault morreu no dia 26
sentido de agir comunicativo. de junho de 1984, aos 57 anos, de Aids. Suas principais
(JAPIASSÚ, Hilton e MARCONDES, Danilo. Dicionário Básico de obras são: O Nascimento da Clínica (1963), As Palavras e
Filosofia. as Coisas (1966), Arqueologia do Saber (1968), História
Rio de Janeiro: Zahar, 2006. p. 126)
da Loucura (1972), Vigiar e Punir (1975), História da
A teoria da ação comunicativa de Habermas pressupõe Sexualidade (1976) e Microfísica do Poder (1979).
que os homens agem como sujeitos dotados de capacidade
de ação e de racionalidade, como na concepção weberiana.
28
Sociologia

Foucault também abordou a figura do panóptico “ver


sem ser visto”, projeto arquitetônico inventado por Jeremy
Bentham que garantia que todos os prisioneiros fossem
vigiados por uma torre central em uma construção circular
periférica. Os indivíduos a serem vigiados eram
presidiários e loucos. No lugar em que estavam, não
conseguiam saber se estavam sendo vigiados. A
possibilidade da vigilância constante incita o sentimento
de autorregulamentação, assegurando o funcionamento
automático do poder.
Michel Foucault (1926-1984)

Em um primeiro momento, Foucault seguiu uma linha


estruturalista, mas em obras como Vigiar e Punir e A História FIQUE LIGADO NO ENEM!
da Sexualidade, ele é concebido como pós-estruturalista. Para • O conceito principal de Foucault é o poder, que não se
muitos autores, entre eles, Veiga-Neto (2003), a obra de encontra única e exclusivamente nas mãos do Estado, inserido
Foucault pode ser dividida em três momentos: arqueológica na esfera estatal ou institucional. Para Foucault, esse conceito
(ser-saber); genealógica (ser-poder-ação de uns com os outros); está presente em todos os momentos da vida das pessoas e
ética (ser-consigo-ação de cada um consigo próprio). Nos ninguém está a salvo dele.
estudos sobre o saber do referido pensador, o poder e o sujeito • Além da repressão, o poder também produz efeitos de saber e
inovaram o campo reflexivo sobre essas questões. O conceito verdade, para um determinado tempo e espaço.
principal do autor é o poder, que não se encontra única e • É pela disciplina que as relações de poder se tornam mais
exclusivamente nas mãos do Estado, inserido na esfera estatal facilmente observáveis, pois é por meio da disciplina que se
ou institucional, como defendia Karl Marx. Para Foucault, esse estabelecem todo tipo de relações que exprimam comando e
conceito está presente em todos os momentos da vida das comandados.
pessoas e ninguém está a salvo dele. Além da repressão, o • A possibilidade da vigilância constante incita o sentimento de
poder também produz efeitos de saber e verdade, para um autorregulamentação, assegurando o funcionamento automático
determinado tempo e espaço (Ferreirinha; Raitz, 2010). do poder.
Foucault discorre que as relações de poder postas, “[...] seja
pelas instituições, escolas, prisões, quartéis, foram marcadas
pela disciplina: ‘mas a disciplina traz consigo uma maneira PIERRE BOURDIEU
específica de punir, que é apenas um modelo reduzido do
O sociólogo francês é um dos mais importantes pensadores
tribunal’ (Foucault, 2008: 149). É pela disciplina que as
da contemporaneidade, em razão de ter exercido e continuar
relações de poder se tornam mais facilmente observáveis, pois
exercendo significativa influência no ramo da Sociologia:
é por meio da disciplina que se estabelecem as relações:
“[...] neto e filho de agricultores de uma província periférica,
opressor-oprimido, mandante-mandatário, persuasivo-
ele chegou ao ápice da pirâmide cultural francesa e tornou-se
persuadido, e tantas quantas forem as relações que exprimam
o mais citado cientista social do mundo [...]” (Wacquant,
comando e comandados [...]” (Ferreirinha; Raitz, 2010, p.371).
2002, p.96). Em seus estudos, destacou as relações sociais e
Nas palavras de Foucault (2201, p.302): “O poder, isto
as diversas formas de dominações existentes.
não existe. Eu quero dizer isto: a ideia que há, um lugar
Dentre suas principais obras traduzidas papa o português,
qualquer, ou emanando de um ponto qualquer, algo que é
destacam-se O Poder Simbólico (1992), Razões Práticas:
um poder, parece-me descansar sobre uma análise
sobre a teoria da ação (1996), A Dominação Masculina
falsificada, e que, em todo caso, não se dar conta de um
(1999), Meditações Pascalianas (2001), As Estruturas
número considerável de fenômenos”. E continua:
Sociais da Economia (2001), Esboço de Uma Teoria da
“Quando fala-se de poder, as pessoas pensam
Prática, Precedido de Três Estudos de Etnologia Cabila
imediatamente em uma estrutura política, um governo,
(2002). A Miséria do Mundo (2003), Ofício de Sociólogo:
uma classe social dominante, o mestre frente ao escravo
metodologia da pesquisa na sociologia (2004) e O senso
etc. Isto não é de nenhum modo aquilo que eu penso
Prático (2009).
quando falo de relações de poder. Eu quero dizer que, nas
relações humanas, quaisquer que sejam – que trate de
comunicar verbalmente, como fazemo-lo agora, ou que
trate-se de relações amorosas, institucionais ou
econômicas –, o poder continua presente: que quero dizer
a relação na qual um quer tentar dirigir a conduta do
outro. Estas são, por conseguinte, relações que pode-se
encontrar em diverso níveis, sob diferentes formas; estas
relações de poder são relações móveis, ou seja elas podem
alterar-se, elas não são dadas de uma vez para sempre”
(Foucault, 2001, p.1538).
Pierre Bourdieu (1930-2002)

ENEM 29
Ciências Humanas e suas Tecnologias

Dentre os conceitos elaborados pelo autor, merece entendendo que a transformação de um determinado
destaque a noção de habitus, que, conforme, Bourdieu fenômeno não ocorre autonomamente e tampouco como
(1996, p. 21-22), “[...] é esse princípio gerador e um reflexo de mudança que ocorrem em determinada
unificador que retraduz as características intrínsecas e estrutura social, mais uma vez Bourdieu pôde mostrar que
relacionais de uma posição em um estilo de vida unívoco, o homem é um partícipe dessas transformações, mas que
isto é, em um conjunto de escolhas de pessoas, de bens, de tal participação é limitada pelo grau das relações objetivas
práticas”. Ainda conforme o autor: “Os habitus são que se estabelecem entre os diversos agentes de um
princípios geradores de práticas distintas e distintivas – o determinado campo do espaço social multidimensional –
que o operário come, e sobretudo sua maneira de comer, o campo da cultura, campo artístico, campo religioso,
esporte que pratica e sua maneira de praticá-lo, suas campo científico, campo político, campo de alta costura,
opiniões políticas e sua maneira de expressá-las diferem campo da habitação, campo da educação etc.”.
sistematicamente do consumo ou das atividades O habitus e o campo são os conceitos mais conhecidos
correspondentes do empresário industrial; mas são de Pierre Bourdieu. O habitus é o elemento que gera
também esquemas classificatórios, princípios de comportamentos, visões de mundo e sistemas de
classificação, princípios de visão e de divisão e gostos classificação de uma determinada realidade que se
diferentes. Eles estabelecem as diferenças entre o que é incorpora nos indivíduos, ou seja, é gerado na sociedade e
bom e mau, entre o bem e o mal, entre o que é distinto e o incorporado nos indivíduos. O conceito de habitus é
que é vulgar etc., mas elas não são as mesmas. Assim, por complementado pelo conceito de campo, que se
exemplo, o mesmo comportamento ou o mesmo bem pode caracteriza por ser um espaço em que as relações entre
parecer distinto para um, pretensioso ou ostentatório para indivíduos, grupos e estruturas sociais ocorrem. Esse
outro e vulgar para um terceiro” (Bourdieu, 1996, p.22). espaço é essencialmente dinâmico e obedece a leis
O habitus traduz-se no pensamento do indivíduo, nas próprias, acendidas pelas disputas por poder dentro do
estruturas cognitivas enraizadas no sujeito que orientam campo (Thiry-Cherques, 2006).
sua ação, pensamento este que é uma estrutura estruturada
(objetiva, exterior ao sujeito) e uma estrutura estruturante
(subjetiva, cognitiva). O pensamento do indivíduo é
construído por meio da trajetória social capaz de FIQUE LIGADO NO ENEM!
condicionar as suas práticas. Existe um meio-termo entre
• Bourdieu concebe o habitus princípio gerador e unificador que
estruturas objetivas e a própria capacidade do indivíduo
em orientar suas ações. Assim “com a noção de habitus, retraduz as características intrínsecas e relacionais de uma
Bourdieu quis evidenciar o lado ativo do ‘sujeito’, a sua posição em um estilo de vida unívoco, isto é, em um conjunto de
escolhas de pessoas, de bens, de práticas.
‘capacidade criadora, ativa e inventiva’, sem perder de
• O habitus traduz-se no pensamento do indivíduo, nas
vista os condicionamentos sociais de sua ação [...] (Silva,
estruturas cognitivas enraizadas no sujeito que orientam sua
2006, p.234).
ação, pensamento este que é uma estrutura estruturada
Nesse sentido, as ações e o pensamento do indivíduo
(objetiva, exterior ao sujeito) e uma estrutura estruturante
dependem da posição do sujeito no espaço social e nos
(subjetiva, cognitiva). O pensamento do indivíduo é construído
campos sociais. A forma como o habitus se constrói forma
por meio da trajetória social capaz de condicionar as suas
a coesão dos grupos e dos campos. Assim, a noção de
práticas.
campo torna-se extremamente relevante na análise de
• As ações e o pensamento do indivíduo dependem da posição
Bourdieu. Para o pensador, o conceito e campo “se
do sujeito no espaço social e nos campos sociais. A forma como
particulariza, pois, como um espaço onde se manifestam
o habitus se constrói forma a coesão dos grupos e dos campos.
relações de poder, o que implica afirmar que ele se
• Campo é um espaço social construído de relações objetivas
estrutura a partir da distribuição desigual de um quantum
que envolvem agentes sociais específicos em cada um desses
social que determina a posição que um agente específico
espaços, e que são essas relações que condicionam a
ocupa em seu seio” (Bourdieu, 1983, p.21). Bourdieu
transformação ou a conservação dos fenômenos culturais,
denomina esse quantum de capital social.
artísticos ou literários.
Os campos são universos sociais como os campos
• O habitus é o elemento que gera comportamentos, visões de
político, jurídico, burocrático, artístico, escolástico, e
mundo e sistemas de classificação de uma determinada
assim por diante. Eles emergem na distinção da sociedade
realidade que se incorpora nos indivíduos, ou seja, é gerado na
e possuem regras e funcionamento próprios. O campo é
sociedade e incorporado nos indivíduos. O conceito de habitus é
eminentemente um campo de poder, cujos valores e cujas
complementado pelo conceito de campo, que se caracteriza por
formas de capital o sustentam. Por isso, sua dinâmica
ser um espaço em que as relações entre indivíduos, grupos e
interna é regida por lutas nas quais os agentes mantêm ou
estruturas sociais ocorrem. Esse espaço é essencialmente
alteram as relações de força e a distribuição de capital
dinâmico e obedece a leis próprias, acendidas pelas disputas
específico. Conforme Silva (2006, p.235), para Bourdieu,
por poder dentro do campo.
campo é: “Um espaço social construído de relações
objetivas que envolvem agentes sociais específicos em
cada um desses espaços, e que são essas relações que
condicionam a transformação ou a conservação dos
fenômenos culturais, artísticos ou literários. Quer dizer,

30
Sociologia

ANTHONY GIDDENS

Anthony Giddens nasceu no dia 18 de janeiro de 1938,


na cidade de Londres, na Inglaterra. É reconhecido pela
teoria da estruturação e é considerado um dos pensadores
ingleses mais importantes da contemporaneidade. Suas
obras abarcam diversas temáticas como: história do
pensamento social, a estrutura de classes, elites e poder,
nações e nacionalismos, identidade pessoal e social, a
família, sexualidade e globalização. Possui mais de vinte
livros publicados ao longo de duas décadas e traduzidos Anthony Giddens (1938)
em mais de vinte línguas. Suas principais obras são:
Sociologia (1982); A Constituição da Sociedade (1984); Para A. Giddens, a modernidade é multidimensional.
As Consequências da Modernidade (1990) e Terceira Via Em As consequências da Modernidade (1990), ele
(1998). distingue quatro lógicas características desse período que
interferem entre si: o capitalismo, o industrialismo, a
ULTRAPASSAR O OBJETIVISMO E O vigilância (tema emprestado de Michel Foucault) e o
INDIVIDUALISMO militarismo (monopolização da potência pelos Estados
Unidos num contexto de industrialização de guerra). Para
Em A Constituição da Sociedade (1984), A. Giddens A. Giddens, a sociologia deve tentar compreender esses
apresenta uma “teoria da estruturação” cujo objeto é processos e as contradições que nascem de seu confronto.
superar a oposição entre uma sociologia determinista, em Ela é “...uma espécie de ‘autoconhecimento’ da
que as imposições e as estruturas são predominantes, e modernidade (...) que deve perceber-lhe as potencialidades
uma sociologia individualista, que leva em conta as e os limites”.
margens de liberdade e a competências do ator. Para o
autor, existe uma “dualidade estrutural” do social. A O CONSELHEIRO DO PRÍNCIPE
sociedade é uma criação permanente ligada ao trabalho
dos atores sociais, mas a ação criadora do social está Enfim. A. Giddens ficou célebre por ter passado da
condicionada por estruturas já estabelecidas e tende teoria à ação tornando-se conselheiro de Tony Blair,
também a se estabilizar numa ação rotineira. Podemos primeiro-ministro britânico. Em 1998, ambos escreveram,
considerar o caso de uma empresa ou de uma família. em parceria o livro A Terceira Via, no qual expõem sua
Nascidas de um projeto, de um ato fundador, conhecem filosofia política. Com o relativo declínio do trabalho
permanente evolução. Tendem, ao mesmo tempo, a assalariado, o crescimento da precariedade, as mutações
estruturar-se em rotinas, em ações cotidianas regradas e da família, o aumento dos custos e riscos sociais, o
ordenadas. A ação e a estruturação são as duas faces de Estado-Providência já não pode funcionar na mesma base.
uma mesma realidade social. Por outro lado, os atores são Então, é preciso reformá-lo. E esse o horizonte da
considerados reflexivos, isto é, “capazes de compreender “terceira via” entre liberalismo e dirigismo. É necessário
o que fazem quando estão fazendo”. Além disso, a introduzir uma parcela de risco e de responsabilidade na
modernidade se caracteriza por uma produção jamais vista gestão do Estado-Providência para evitar os efeitos
de informações e de conhecimentos que reforçam esta perversos do assistencialismo e da total
reflexividade. O conhecimento da sociedade cresce “desresponsabilização”. A proteção do meio ambiente –
(principalmente por meio da sociologia) e se difunde, e um dos papéis do Estado-Providência – supõe certa gestão
esse conhecimento é usado pelos atores em suas decisões. do risco e deve envolver a responsabilidade tanto dos
Assim, a evolução da bolsa depende de fatores objetivos poluidores como a dos cidadãos. A pluralidade das lógicas
relativos ao valor dos bens, e também do conhecimento em ação no seio da sociedade moderna faz que ela se torne
que os agentes da bolsa têm do mercado e do julgamento uma máquina sem piloto e sem direção única: pode-se
que fazem a respeito deste. tentar regulá-la, pilotá-la, quando não se pode dirigir
realmente o seu curso.
(DORTIER, Jean-François. Dicionário de Ciências Humanas.
UMA SOCIOLOGIA DA MODERNIDADE
São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010. p. 65)

A modernidade é outro tema importante da sociologia


clássica para o qual se voltou A. Giddens. Ele critica as
análises unidimensionais dos pais fundadores da
sociologia, para os quais a modernidade se deve a um FIQUE LIGADO NO ENEM!
fator único (o capitalismo em Karl Marx, a racionalização • Para o autor, existe uma “dualidade estrutural” do social. A
em Max Weber ou o industrialismo em Émile Durkheim). sociedade é uma criação permanente ligada ao trabalho dos
atores sociais, mas a ação criadora do social está condicionada
por estruturas já estabelecidas e tende também a se estabilizar
numa ação rotineira.
• A ação e a estruturação são as duas faces de uma mesma
realidade social. Por outro lado, os atores são considerados
ENEM 31
Ciências Humanas e suas Tecnologias

reflexivos, isto é, “capazes de compreender o que fazem e sociais provocam mudanças inevitáveis na cultura, vive-se
quando estão fazendo”. Além disso, a modernidade se a cultura de compressão tempo/espaço. Assim, Castells
caracteriza por uma produção jamais vista de informações e de previu o avanço da ciência genética, a interação por meio
conhecimentos que reforçam esta reflexividade. O das mídias e as mídias móveis, as redes sociais (Twitter,
conhecimento da sociedade cresce (principalmente por meio da Facebook...)
sociologia) e se difunde, e esse conhecimento é usado pelos A nova sociedade resulta de processos independentes: a
atores em suas decisões. revolução informática (economia da informação,
• Com o relativo declínio do trabalho assalariado, o crescimento comunicação em rede), a reorganização do capitalismo
da precariedade, as mutações da família, o aumento dos custos (flexibilidade e inovação técnica), a crise do estatismo
e riscos sociais, o Estado-Providência já não pode funcionar na (declínio do Estado diante da globalização) e as
mesma base. Então, é preciso reformá-lo. E esse o horizonte da transformações e mutações culturais (reivindicação
“terceira via” entre liberalismo e dirigismo. libertária, feminismo, declínio do patriarcado). Esses
processos se combinam para dar origem a uma nova forma
MANUEL CASTELLS social marcada por novos modos de produção, de
comunicação e de relação social. Uma sociedade piramidal
Manuel Castells nasceu no dia 9 de fevereiro de 1942, dá lugar a uma sociedade em rede, mais fluida, mais
na cidade de Hellín, na Espanha. O pensador começou sua maleável, e também mais instável. Tal transformação foi
carreira em 1967, na Universidade de Paris, e é acompanhada por mudanças nas identidades dos grupos
considerado um dos fundadores da nova sociologia humanos.
urbana. Por desenvolver a teoria marxista para essa área Surgem duas formas de identidade coletiva: as
da Sociologia, ficou conhecido internacionalmente. Há “identidades de resistências” (resistência à globalização,
duas décadas, investiga os efeitos da informação sobre a fechamento cultural) e as “identidades de projetos”
economia, a cultura e a sociedade em geral, (voltadas para o futuro, para a criação, para a mestiçagem
desenvolvendo a “Teoria da Sociedade em Rede”. Suas de culturas, para a inovação econômica). Enquanto as
principais obras são: A Questão Urbana (1972), A Galáxia primeiras se apoiam em particularismos culturais, as
Internet (2001) e A Era da Informação (1996-1998). segundas são portadoras de valores novos, suscetíveis de
transformar profundamente a sociedade.
(DORTIER, Jean-François. Dicionário de Ciências Humanas.
São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010. p. 65)

FIQUE LIGADO NO ENEM!


• Castells parte do pressuposto de que, em um primeiro
momento, as redes de informação foram responsáveis pelo
desenvolvimento econômico mundial e, em um segundo
momento, ao se popularizarem no mundo, criaram uma
sociedade em rede.
Manuel Castells (1942)
• A nova sociedade resulta de processos independentes: a
revolução informática, a reorganização do capitalismo, a crise
Castells publicou a trilogia A Era da Informação:
do estatismo e as transformações e mutações culturais. Esses
Economia, Sociedade e Cultura com os seguintes volumes:
processos se combinam para dar origem a uma nova forma
Volume I – Sociedade em Rede, Volume II – O Poder da
social marcada por novos modos de produção, de comunicação
Identidade e Volume III – Fim do Milênio, Tempo de
e de relação social.
Mudança. Nessa trilogia, Castells parte do pressuposto de
• Uma sociedade piramidal dá lugar a uma sociedade em rede,
que, em um primeiro momento, as redes de informação
mais fluida, mais maleável, e também mais instável. Tal
foram responsáveis pelo desenvolvimento econômico
transformação foi acompanhada por mudanças nas identidades
mundial e, em um segundo momento, ao se popularizarem
dos grupos humanos.
no mundo, criaram uma sociedade em rede. As mudanças
• Surgem duas formas de identidade coletiva: as “identidades de
que ocorrem com o advento das tecnologias da informação
resistências” e as “identidades de projetos”.
foram analisadas pelo pensador sobre os aspectos
econômico, social e cultural. Econômico, porque o
capitalismo penetrou em diversos países e em suas culturas.
Por ser informacional, é formado por grande produtividade
e competitividade, e voltado para a globalização. Castells
também identificou a mudança na organização do trabalho,
com produtores informacionais e mão de obra substituível.
Social, porque a globalização e as novas tecnologias UNIDADE 8
influenciaram mudanças na sociedade, como o surgimento
da cybercultura. Cultural, porque as mudanças econômicas

32
Sociologia

GLOBALIZAÇÃO E não esteja desenvolvida de forma regular ao redor do


SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA mundo, um número cada vez maior de países hoje pode
acessar as redes de comunicações internacionais de um
GLOBALIZAÇÃO modo que antes era impossível; há mais ou menos uma
década, o uso da internet tem crescido mais rapidamente
O conceito de globalização passou a ser amplamente nas regiões que antes ficavam para trás – África e Oriente
utilizado em debates em política, negócios e nos meios de Médio, por exemplo.
comunicação nos últimos anos. Há 30 anos, o termo
globalização era relativamente desconhecido, mas, hoje FLUXOS INTERNACIONAIS
em dia, ele parece estar na ponta da língua de todos. A
globalização refere-se ao fato de que estamos cada vez Se como já vimos, a disseminação da tecnologia da
mais vivendo em um mesmo mundo, de modo que os informação expandiu as possibilidades de contato entre
indivíduos, grupos e nações se tornaram cada vez mais pessoas a redor do planeta, ela também facilitou o fluxo de
interdependentes. informações sobre as pessoas e acontecimentos ocorridos
O processo de globalização costuma ser retratado em locais distantes. Todos os dias, a mídia global traz
unicamente como um fenômeno econômico. Considera-se notícias, imagens e informações para os lares das pessoas,
muito o papel de corporações transnacionais cujas conectando-as direta e continuamente com o mundo
operações massivas hoje se espalham através de fronteiras externo. Alguns dos acontecimentos mais interessantes
nacionais, influenciando os processos de produção global das últimas décadas se desdobraram perante uma
e a distribuição internacional do trabalho. Outros apontam audiência verdadeiramente global por meio da mídia e
para a integração eletrônica dos mercados financeiros resultaram em uma reorientação no pensamento das
globais e o enorme volume dos fluxos de capital. Outros, pessoas, do nível de Estado-Nação para o estágio global.
ainda, concentram-se no alcance sem precedentes do Os indivíduos hoje estão mais cientes de sua interconexão
comércio mundial, envolvendo uma variedade muito mais com outras pessoas e são mais prováveis de se identificar
ampla de bens e serviços do que jamais ocorreu. com questões e processos globais do que no passado.
Embora as forças econômicas sejam uma parte integral Essa mudança para uma perspectiva global tem duas
da globalização, seria errado sugerir que elas a produzem dimensões significativas. Primeiramente, como membros
sozinhas. A união de fatores políticos, sociais, culturais e de uma comunidade global, as pessoas cada vez mais
econômicos cria a globalização contemporânea. percebem que a responsabilidade social não termina nas
fronteiras nacionais, mas se estende além delas. Os
A ASCENSÃO DA TECNOLOGIA desastres e injustiças que as pessoas enfrentam no outro
DAS COMUNICAÇÕES E DA INFORMAÇÃO lado do planeta não são apenas infortúnios que devemos
suportar, mas representam motivos legítimos para ação e
A globalização intensificada tem sido motivada, acima intervenção. Existe uma visão crescente de que a
de tudo, pelo desenvolvimento das tecnologias das comunidade internacional tem a obrigação de agir em
comunicações e da informação, que aumentaram a situações de crise para proteger o bem-estar físico ou os
velocidade e o alcance das interações entre as pessoas por direitos humanos de pessoas cujas vidas estejam
todo o mundo. ameaçadas. No caso de desastres naturais, essas
O impacto desses sistemas de comunicação tem sido intervenções tomam a forma de ajuda humanitária e
estarrecedor. Em países com infraestruturas de assistência técnica.
comunicações mais desenvolvidas, os lares e escritórios Nos últimos anos, também houve fortes apelos por
hoje têm várias conexões com o mundo externo, incluindo intervenções em casos de guerras, conflitos étnicos e
telefones (tanto linhas fixas quanto celulares), televisão violações dos direitos humanos, embora essas
digital, por satélite e a cabo, correio eletrônico e internet. mobilizações sejam mais problemáticas do que em
A internet emergiu como o instrumento de comunicação desastres naturais.
de crescimento mais rápido já desenvolvido – por volta de Em segundo lugar, uma perspectiva global significa que
140 milhões de pessoas ao redor do mundo usavam a as pessoas estão cada vez mais buscando fontes além do
internet em 1998, e estima-se que mais de um bilhão de Estado-Nação para formular seu próprio sentido de
pessoas a usava em 2007. identidade. Esse fenômeno e produzido pelos processos de
Estas formas de tecnologia facilitam a compressão do globalização e acelera ainda mais esses processos. As
tempo e do espaço (Harvey, 1989): dois indivíduos identidades culturais locais em várias partes do mundo
localizados em lados opostos do planeta – em Tóquio e estão passando por grandes renovações, em uma época em
Londres, por exemplo, não apenas podem conversar em que o poder tradicional do Estado-Nação está
tempo real, como também enviar documentos e imagens atravessando uma transformação profunda. O Estado-
um ao outro com a ajuda da tecnologia do satélite. O uso Nação, como fonte de identidade, está minguando em
disseminado da internet e dos telefones celulares está muitas áreas, na medida em que as mudanças políticas,
aprofundando e acelerando processos de globalização; nos níveis regional e global, diminuem as orientações das
cada vez mais pessoas estão se interconectando por meio pessoas para os estados onde vivem.
dessas tecnologias, e o estão fazendo em locais que antes
eram isolados ou pouco servidos pelas comunicações FATORES ECONÔMICOS
tradicionais. Embora a infraestrutura de telecomunicações

ENEM 33
Ciências Humanas e suas Tecnologias

China, onde os salários são muito baixos, com peças


A globalização também está sendo promovida pela atual produzidas em outros países.
integração da economia mundial. Ao contrário de eras Os avanços tecnológicos, principalmente em relação aos
anteriores, a economia global não tem mais uma base transportes e às comunicações, são resultado da ação de
agrícola ou industrial. Em vez disso, ela é dominada cada grandes empresas que financiam pesquisas. A
vez mais por atividades que não têm peso e são informatização barateia o custo de produção nas fábricas.
intangíveis (Quah, 1999). Essa economia sem peso é Isso é necessário porque o processo de globalização exige
aquela cujos produtos têm sua base na informação, como altos níveis de competitividade: é preciso produzir a
no caso do software de computador, da mídia e dos preços cada vez mais baixos para competir no mercado
produtos do entretenimento e serviços baseados na globalizado.
internet. A emergência da sociedade do conhecimento foi Entretanto, o objetivo das empresas de baixar seus
relacionada ao desenvolvimento de uma ampla base de custos de produção acaba gerando desequilíbrio nas
consumidores que são tecnologicamente alfabetizados e sociedades. Entre os mais graves deles estão: 1) o
integram avidamente os novos avanços em computação, aumento da distância entre os países ricos e os países
entretenimento e telecomunicações às suas vidas pobres; 2) o crescimento do número de pobres nos países
cotidianas. menos desenvolvidos; 3) o aumento das desigualdades
A própria operação da economia global reflete as sociais nos países ricos; 4) o crescente número de
mudanças que ocorreram na era da informação. Muitos desempregados, que provoca, entre outros problemas, o
aspectos da economia se dão hoje por meio de redes que aumento da exclusão social, da miséria e da violência nas
cruzam as fronteiras nacionais, ao invés de parar nesse grandes cidades.
ponto (Castells, 1966). Para ser competitivo em condições
globalizantes, as empresas e corporações se reestruturaram GLOBALIZAÇÃO E DIFUSÃO CULTURAL
para serem mais flexíveis e menos hierárquicas em sua
natureza. As práticas de produção e os padrões A difusão cultural se dá atualmente de modo muito mais
organizacionais se tornaram mais flexíveis, as parcerias rápido do que até algumas décadas atrás. Isso porque a
com outras firmas se tornaram lugar comum, e a rapidez das mensagens transmitidas pelos meios de
participação em redes de distribuição mundial se tornou comunicação eletrônicos tende a se tornar cada vez maior.
essencial para fazer negócios em um mercado global em Por outro lado, os meios de comunicação não se limitam a
rápida mudança. transmitir anúncios publicitários ou a difundir modismos.
(GIDDENS, Anthony. Introdução à Sociologia. Na verdade, eles atuam num plano mais profundo,
Porto Alegre: Penso, 2012. pp. 102-106)
moldando as próprias expectativas culturais das novas
gerações a partir da difusão de um determinado modelo
A GLOBALIZAÇÃO E SEUS DILEMAS cultural.
Outro fator que influencia a aceitação de valores
A internacionalização do capitalismo atinge hoje quase provenientes de culturas externas é a novidade. Em geral,
todo o planeta: seja pela expansão das empresas todo bem novo tem facilidade de ser aceito, desde que
multinacionais; seja pelo processo de informatização, que responda às expectativas do mercado consumidor. Para
coloca milhões de pessoas em contato por meio de redes que isto ocorra, os meios de comunicação atuam no
de computadores; seja pela abertura das economias sentido de preparar essas expectativas, difundindo a ideia
nacionais ao mercado internacional; seja pela ação do de que determinados bens, valores e costumes são
capital financeiro, que realiza investimentos no mercado “modernos” e, portanto, superiores aos que até então
de capitais de todos os países. Esse novo processo é vigoravam no interior da sociedade receptora. Tais
chamado de globalização. novidades se referem quase sempre a aspectos não
A globalização é marcada pela universalização da essenciais da cultura – um produto novo, um novo corte
produção, da circulação e da distribuição e consumo de de cabelo, a maneira de se vestir, certos gêneros musicais,
bens e serviços. etc.
Para que o capital possa circular livremente, há Como, muitas vezes, a mudança social é consequência
necessidade de se eliminarem as barreiras comerciais entre das invenções, quanto maior for o número de inventos
os países. Assim, bens e serviços podem ser novos, tanto mais rápida será a mudança.
mundialmente distribuídos a um custo relativamente Característica marcante das sociedades contemporâneas,
baixo. as rápidas mudanças ocorrem em parte devido ao grande
O processo de globalização, contudo, não ocorre apenas número de invenções. A utilização de computadores em
na economia, mas se verifica também nas áreas da quase todos os ramos da atividade econômica tem
informação, da cultura e da ciência. A produção industrial, provocado transformações não só na organização do
antes restrita a uns poucos países, alcança hoje uma escala trabalho, mas também nas relações sociais. Assim
sem precedentes na História. Atualmente, empresas também, o telefone celular vem produzindo mudanças nas
transnacionais com sede nos países mais ricos organizam relações humanas e profissionais, já que quem tem um
a produção de tal forma a aproveitar as condições mais desses aparelhos pode se comunicar a qualquer momento
favoráveis para maximizar seus lucros. Assim, os tênis de com outras pessoas, independentemente do lugar em que
uma marca de grife norte-americana são fabricados na

34
Sociologia

esteja, o que facilita enormemente o contato social entre 1. (ENEM 2009) A partir da metade do século XX,
os indivíduos. ocorreu um conjunto de transformações econômicas e
(OLIVEIRA, Pérsio Santos de. Introdução à Sociologia. São Paulo: sociais cuja dimensão é difícil de ser mensurada: a
Editora Ática, 2011. pp. 162-163; 246-247)
chamada explosão da informação. Embora essa expressão
tenha surgido no contexto da informação científica e
tecnológica, seu significado, hoje, em um contexto mais
FIQUE LIGADO NO ENEM!
geral, atinge proporções gigantescas. Por estabelecerem
novas formas de pensamento e mesmo de lógica, a
• A globalização intensificada tem sido motivada, acima de tudo, informática e a Internet vêm gerando impactos sociais e
pelo desenvolvimento das tecnologias das comunicações e da culturais importantes. A disseminação do
informação, que aumentaram a velocidade e o alcance das microcomputador e a expansão da Internet vêm
interações entre as pessoas por todo o mundo, de modo que os acelerando o processo de globalização tanto no sentido do
indivíduos, grupos e nações se tornaram cada vez mais mercado quanto no sentido das trocas simbólicas possíveis
interdependentes. entre sociedades e culturas diferentes, o que tem
• Essa mudança para uma perspectiva global tem duas provocado e acelerado o fenômeno de hibridização
dimensões significativas. Primeiramente, como membros de amplamente caracterizado como próprio da pós-
uma comunidade global, as pessoas cada vez mais percebem modernidade.
que a responsabilidade social não termina nas fronteiras FERNANDES, M. F.; PARÁ, T. A. A contribuição das novas
nacionais, mas se estende além delas. Em segundo lugar, uma tecnologias da informação na geração de conhecimento. Disponível
em HTTP://www.coep.ufrj.br. Acesso em 11 ago 2009 (adaptado)
perspectiva global significa que as pessoas estão cada vez mais
buscando fontes além do Estado-Nação para formular seu Considerando-se o novo contexto social e econômico
próprio sentido de identidade. aludido no texto apresentado, as novas tecnologias de
• A própria operação da economia global reflete as mudanças informação e comunicação
que ocorreram na era da informação. Muitos aspectos da a) desempenham importante papel, porque sem elas não
economia se dão hoje por meio de redes que cruzam as seria possível registrar os acontecimentos históricos.
fronteiras nacionais, ao invés de parar nesse ponto. Para ser b) facilitam os processos educacionais para ensino de
competitivo em condições globalizantes, as empresas e tecnologia, mas não exercem influência nas ciências
corporações se reestruturaram para serem mais flexíveis e humanas.
menos hierárquicas em sua natureza. c) limitam-se a dar suporte aos meios de comunicação,
• A globalização é marcada pela universalização da produção, facilitando sobretudo os trabalhos jornalísticos.
da circulação e da distribuição e consumo de bens e serviços. O d) contribuem para o desenvolvimento social, pois
processo de globalização, contudo, não ocorre apenas na permitem o registro e a disseminação do
economia, mas se verifica também nas áreas da informação, da conhecimento de forma mais democrática e interativa.
cultura e da ciência. e) estão em estágio experimental, particularmente na
• Os avanços tecnológicos, principalmente em relação aos educação, área em que ainda não demonstraram
transportes e às comunicações, são resultado da ação de potencial produtivo.
grandes empresas que financiam pesquisas. Entretanto, o
objetivo das empresas de baixar seus custos de produção 2. (ENEM 2009) Populações inteiras, nas cidades e na
acaba gerando desequilíbrio e várias conseqüências negativas zona rural, dispõem da parafernália digital global como
nas sociedades tais como: 1) o aumento da distância entre os fonte de educação e de formação cultural. Essa
países ricos e os países pobres; 2) o crescimento do número de simultaneidade de cultura e informação eletrônica com as
pobres nos países menos desenvolvidos; 3) o aumento das formas tradicionais e orais é um desafio que necessita ser
desigualdades sociais nos países ricos; 4) o crescente número discutido. A exposição, via mídia eletrônica, com estilos e
de desempregados, que provoca, entre outros problemas, o valores culturais de outras sociedades, pode inspirar
aumento da exclusão social, da miséria e da violência nas apreço, mas também distorções e ressentimentos. Tanto
grandes cidades. quanto há necessidade de uma cultura tradicional de posse
• Os meios de comunicação não se limitam a transmitir anúncios da educação letrada, também é necessário criar estratégias
publicitários ou a difundir modismos. Na verdade, eles atuam de alfabetização eletrônica, que passam a ser o grande
num plano mais profundo, moldando as próprias expectativas canal de informação das culturas segmentadas no interior
culturais das novas gerações a partir da difusão de um dos grandes centros urbanos e das zonas rurais. Um novo
determinado modelo cultural. modelo de educação.
BRIGAG O, C. E.; RODRIGUES, G. A globalização a olho nu: o
mundo conectado. São Paulo: Moderna, 1998 (adaptado).

Com base no texto e considerando os impactos culturais


da difusão das tecnologias de informação no marco da
globalização, depreende-se que
a) a ampla difusão das tecnologias de informação nos
Exercícios centros urbanos e no meio rural suscita o contato
entre diferentes culturas e, ao mesmo tempo, traz a

ENEM 35
Ciências Humanas e suas Tecnologias

necessidade de reformular as concepções tradicionais crime e da violência e a natureza das notícias exibidas na
de educação televisão.
b) a apropriação, por parte de um grupo social, de GIDDENS, A. Sociologia. Porto Alegre: Artmed, 2005.
valores e ideias de outras culturas para benefício
próprio é fonte de conflitos e ressentimentos. O texto indica que existe uma significava produção
c) as mudanças sociais e culturais que acompanham o científica sobre os impactos socioculturais da televisão na
processo de globalização, ao mesmo tempo em que vida do ser humano. E as crianças, em particular, são as
refletem a preponderância da cultura urbana, tornam mais vulneráveis a essas influências, porque:
obsoletas as formas de educação tradicionais próprias a) codificam informações transmitidas nos programas
do meio rural. infantis por meio da observação.
d) as populações nos grandes centros urbanos e no meio b) adquirem conhecimentos variados que incentivam o
rural recorrem aos instrumentos e tecnologias de processo de interação social.
informação basicamente como meio de comunicação c) interiorizam padrões de comportamento e papéis
mútua, e não os veem como fontes de educação e sociais com menor visão crítica.
cultura. d) observam formas de convivência social baseadas na
e) a intensificação do fluxo de comunicação por meios tolerância e no respeito.
eletrônicos, característica do processo de e) apreendem modelos de sociedade pautados na
globalização, está dissociada do desenvolvimento observância das leis.
social e cultural que ocorre no meio rural.
5. (ENEM 2013)
3. (ENEM 2009) O "Portal Domínio Público", lançado em
novembro de 2004, propõe o compartilhamento de
conhecimentos de forma equânime e gratuita, colocando à
disposição de todos os usuários da Internet, uma biblioteca
virtual que deverá constituir referência para professores,
alunos, pesquisadores e para a população em geral.
Esse portal constitui um ambiente virtual que permite a
coleta, a integração, a preservação e o compartilhamento
de conhecimentos, sendo seu principal objetivo o de
promover o amplo acesso às obras literárias, artísticas e
científicas (na forma de textos, sons, imagens e vídeos), já
em domínio público ou que tenham a sua divulgação
devidamente autorizada.
BRASIL. Ministério da Educação. Disponível em:
HTTP://www.dominiopublico.gov.br
Acesso em: 29 jul. 2009 (adaptado)

Considerando a função social das informações geradas nos


sistemas de comunicação e informação, o ambiente virtual Disponível em: http://tv-video-edc.blogspot.com. Acesso em: 30 maio
descrito no texto exemplifica: 2010.
a) a dependência das escolas públicas quanto ao uso de
sistemas de informação. A charge revela uma crítica aos meios de comunicação,
b) a ampliação do grau de interação entre as pessoas, a em especial à internet, porque:
partir de tecnologia convencional. a) questiona a integração das pessoas nas redes virtuais
c) a comercialização do acesso a diversas produções de relacionamento.
culturais nacionais e estrangeiras via tecnologia da b) considera as relações sociais como menos importantes
informação e da comunicação. que as virtuais.
d) a produção de repertório cultural direcionado a c) enaltece a pretensão do homem de estar em todos os
acadêmicos e educadores. lugares ao mesmo tempo.
e) a democratização da informação, por meio da d) descreve com precisão as sociedades humanas no
disponibilização de conteúdo cultural e científico à mundo globalizado.
sociedade. e) concebe a rede de computadores como o espaço mais
eficaz para a construção e relações sociais.
4. (ENEM 2011) Um volume imenso de pesquisas tem
sido produzido para tentar avaliar os efeitos dos 6. (ENEM 2015) Na sociedade contemporânea, onde as
programas de televisão. A maioria desses estudos diz relações sociais tendem a reger-se por imagens midiáticas,
respeito a crianças - o que é bastante compreensível pela a imagem de um indivíduo, principalmente na indústria do
quantidade de tempo que elas passam em frente ao espetáculo, pode agregar valor econômico na medida de
aparelho e pelas possíveis implicações desse seu incremento técnico: amplitude do espelhamento e da
comportamento para a socialização. Dois dos tópicos mais atenção pública. Aparecer é então mais do que ser; o
pesquisados são o impacto da televisão no âmbito do sujeito é famoso porque é falado. Nesse âmbito, a lógica

36
Sociologia

circulatória do mercado, ao mesmo tempo que acena c) repressivos, que perpetuam as relações de dominação
democraticamente para as massas com supostos “ganhos entre os homens por meio da tortura física.
distributivos” (a informação ilimitada, a quebra das d) sutis, que adestram os corpos no espaço-tempo por
supostas hierarquias culturais), afeta a velha cultura meio do olhar como instrumento de controle.
disseminada na esfera pública. A participação nas redes e) consensuais, que pactuam acordos com base na
sociais, a obsessão dos selfies, tanto falar e ser falado compreensão dos benefícios gerais de se ter as
quanto ser visto são índices do desejo de “espelhamento”. próprias ações controladas.
SODRÉ, M. Disponível em: http://alias.estadao.com.br. Acesso em: 9
fev. 2015 (adaptado). 9. (ENEM 2012) Nossa cultura lipofóbica muito contribui
para a distorção da imagem corporal, gerando gordos que
A crítica contida no texto sobre a sociedade se veem magros e magros que se veem gordos, numa
contemporânea enfatiza quase unanimidade de que todos se sentem ou se veem
a) a dinâmica política democratizante. “distorcidos”.
b) a produção instantânea de notícias. Engordamos quando somos gulosos. É pecado da gula que
c) a prática identitária autorreferente. controla a relação do homem com a balança. Todo obeso
d) os processos difusores de informações. declarou, um dia, guerra à balança. Para emagrecer é
e) os mecanismos de convergência tecnológica. preciso fazer as pazes com a dita cuja, visando adequar-se
às necessidades para as quais ela aponta.
7. (ENEM 2015) Quanto ao “choque de civilizações” é FREIRE. D. S. Obesidade não pode ser pré-requisito. Disponível em:
bom lembrar a carta de uma menina americana de sete httpllgnt.globo.com.
anos cujo pai era piloto na Guerra do Afeganistão: ela Acesso em: 3 abr. 2012 (adaptado)
escreveu que — embora amasse muito seu pai — estava
pronta a deixá-lo morrer, a sacrificá-lo por seu país. O texto apresenta um discurso de disciplinarização dos
Quando o presidente Bush citou suas palavras, elas foram corpos, que tem como consequência
entendidas como manifestação “normal” de patriotismo a) a culpabilização individual, associando obesidade à
americano; vamos conduzir uma experiência mental fraqueza de caráter.
simples e imaginar uma menina árabe maometana b) a ampliação dos tratamentos médicos alternativos,
pateticamente lendo para as câmeras as mesmas palavras a reduzindo os gastos com remédios.
respeito do pai que lutava pelo Talibã — não é necessário c) a democratização do padrão de beleza, tornando-o
pensar muito sobre qual teria sido a nossa reação. acessível pelo esforço individual.
ZIZEK, S. Bem-vindo ao deserto do real. São Paulo: Bom Tempo, d) o controle do consumo, impulsionando uma crise
2003. econômica na indústria de alimentos.
e) o aumento da longevidade, resultando no crescimento
A situação imaginária proposta pelo autor explicita o populacional.
desafio cultural do(a)
a) prática da diplomacia. 10. (ENEM 2015) A crescente intelectualização e
b) exercício da alteridade. racionalização não indicam um conhecimento maior e geral
c) expansão da democracia. das condições sob as quais vivemos. Significa a crença em
d) universalização do progresso. que, se quiséssemos, poderíamos ter esse conhecimento a
e) conquista da autodeterminação. qualquer momento. Não há forças misteriosas incalculáveis;
podemos dominar todas as coisas pelo cálculo.
8. (ENEM 2013) O edifício é circular. Os apartamentos WEBER, M. A ciência como vocação. In: GERTH, H.; MILLS, W.
dos prisioneiros ocupam a circunferência. Você pode (Org.). Max Weber: ensaios
de sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1979 (adaptado).
chamá-los, se quiser, de celas. O apartamento do inspetor
ocupa o centro; você pode chamá-lo, se quiser de Tal como apresentada no texto, a proposição de Max
alojamento do inspetor. A moral reformada; a saúde Weber a respeito do processo de desencantamento do
preservada; a indústria revigorada; a instrução difundida; mundo evidencia o(a)
os encargos públicos aliviados; a economia assentada, a) progresso civilizatório como decorrência da expansão
como deve ser, sobre uma rocha; o nó górdio da Lei sobre do industrialismo.
os Pobres não cortado, mas desfeito – tudo por uma b) extinção do pensamento mítico como um
simples idéia de arquitetura! desdobramento do capitalismo.
BENTHAM, J. O panóptico. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.
c) afastamento de crenças tradicionais como uma
Essa é a proposta de um sistema conhecido como característica da modernidade.
panóptico, um modelo que mostra o poder da disciplina d) emancipação como consequência do processo de
nas sociedades contemporâneas, exercido racionalização da vida.
preferencialmente por mecanismos: e) Fim do monoteísmo como condição para a
consolidação da ciência.
a) religiosos, que se constituem como um olho divino 11. (ENEM 2015) Só num sentido muito restrito, o
controlador que tudo vê. indivíduo cria com seus próprios recursos o modo de falar
b) ideológicos, que estabelecem limites pela alienação, e de pensar que lhe são atribuídos. Fala o idioma de seu
impedindo a visão da dominação sofrida. grupo; pensa à maneira de seu grupo. Encontra a sua

ENEM 37
Ciências Humanas e suas Tecnologias

disposição apenas determinadas palavras e significados. 14. (ENEM 2011) As migrações transnacionais,
Estas não só determinam, em grau considerável, as vias de intensificadas e generalizadas nas últimas décadas do
acesso mental ao mundo circundante, mas também século XX, expressam aspectos particularmente
mostram, ao mesmo tempo, sob que ângulo e em que importantes da problemática racial, visto como dilema
contexto de atividade os objetos foram até agora também mundial. Deslocam-se indivíduos, famílias e
perceptíveis ao grupo ou ao indivíduo. coletividades para lugares próximos e distantes,
MANNHEIM, K. Ideologia e utopia. Porto Alegre: Globo, 1950 envolvendo mudanças mais ou menos drásticas nas
(adaptado).
condições de vida e trabalho, em padrões e valores
socioculturais. Deslocam-se para sociedades semelhantes
Ilustrando uma proposição básica da sociologia do
ou radicalmente distintas, algumas vezes compreendendo
conhecimento, o argumento de Karl Mannheim defende
culturas ou mesmo civilizações totalmente diversas.
que o(a) IANNI, O. A era do globalismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira,
a) conhecimento sobre a realidade é condicionado 1996.
socialmente.
b) submissão ao grupo manipula o conhecimento do A mobilidade populacional da segunda metade do século
mundo. XX teve um papel importante na formação social e
c) divergência é um privilégio de indivíduos econômica de diversos estados nacionais. Uma razão para
excepcionais. os movimentos migratórios nas últimas décadas e uma
d) educação formal determina o conhecimento do política migratória atual dos países desenvolvidos são:
idioma. a) a busca de oportunidades de trabalho e o aumento de
e) domínio das línguas universaliza o conhecimento. barreiras contra a migração.
b) a necessidade de qualificação profissional e a abertura
12. (ENEM 2015) Um carro esportivo é financiado pelo das fronteiras para os imigrantes.
Japão, projetado na Itália e montado em Indiana, México e c) o desenvolvimento de projetos de pesquisa e ao
França, usando os mais avançados componentes acautelamento dos bens dos imigrantes.
eletrônicos, que foram inventados em Nova Jérsei e d) a expansão da fronteira agrícola e a expulsão dos
fabricados na Coreia. A campanha publicitária é imigrantes qualificados.
desenvolvida na Inglaterra, filmada no Canadá, a edição e e) a fuga decorrente de conflitos políticos e o
as cópias, feitas em Nova York para serem veiculadas no fortalecimento de políticas sociais.
mundo todo. Teias globais disfarçam-se com o uniforme
nacional que lhes for mais conveniente. 15. (ENEM 2012) Uma mesma empresa pode ter sua sede
REICH, R. O trabalho das nações: preparando-nos para o capitalismo administrativa onde os impostos são menores, as unidades
no século XXI. de produção onde os salários são os mais baixos, os
São Paulo: Educator, 1994 (adaptado).
capitais onde os juros são os mais altos e seus executivos
A viabilidade do processo de produção ilustrado pelo vivendo onde a qualidade de vida é mais elevada.
SEVCENKO, N. A corrida para o século XXI: no loop da montanha
texto pressupõe o uso de russa. São Paulo:
a) linhas de montagem e formação de estoques. Companhia das Letras, 2001 (adaptado).
b) empresas burocráticas e mão de obra barata.
c) controle estatal e infraestrutura consolidada. No texto estão apresentadas estratégias empresariais no
d) organização em rede e tecnologia de informação. contexto da globalização. Uma consequência social
e) gestão centralizada e protecionismo econômico. derivada dessas estratégias tem sido
a) o crescimento da carga tributária.
13. (ENEM 2015) Atualmente, as represálias econômicas b) o aumento da mobilidade ocupacional.
contra as empresas de informática norte-americanas c) a redução da competitividade entre as empresas.
continuam. A Alemanha proibiu um aplicativo dos d) o direcionamento das vendas para os mercados
Estados Unidos de compartilhamento de carros; na China, regionais.
o governo explicou que os equipamentos e serviços de e) a ampliação do poder de planejamento dos Estados
informática norte-americanos representam uma ameaça, nacionais.
pedindo que as empresas estatais não recorram a eles.
SCHILLER, D. Disponível em: www.diplomatique.org.br. Acesso em: 16. (ENEM 2013)
11 nov. 2014 (adaptado). Disneylandia
As ações tomadas pelos países contra a espionagem Multinacionais japonesas instalam empresas em Hong-
revelam preocupação com o(a) Kong
a) subsídio industrial. E produzem com matéria-prima brasileira
b) hegemonia cultural. Para competir no mercado americano
c) protecionismo dos mercados. [...]
d) desemprego tecnológico. Pilhas americanas alimentam eletrodomésticos ingleses na
e) segurança dos dados. Nova Guiné
Gasolina árabe alimenta automóveis americanos na África
do Sul.
38
Sociologia

[...] a) desestatização da economia.


Crianças iraquianas fugidas da guerra b) instauração de um partido único.
Não obtêm visto no consulado americano do Egito c) manutenção da livre concorrência.
Para entrarem na Disneylandia d) formação de sindicatos trabalhistas.
ANTUNES, A. Disponível em: WWW.radio.uol.com.br Acesso em: fev e) extinção gradual das classes sociais.
2013 (fragmento)
19. (ENEM 2015) Até o fim de 2007, quase 2 milhões de
Na canção, ressalta-se a coexistência, no contexto pessoas perderam suas casas e outros 4 milhões corriam o
internacional atual, das seguintes situações: risco de ser despejadas. Os valores das casas despencaram
a) acirramento do controle alfandegário e estímulo ao em quase todos os EUA e muitas famílias acabaram
capital especulativo. devendo mais por suas casas do que o próprio valor do
b) intensificação do controle informacional e adoção de imóvel. Isso desencadeou uma espiral de execuções
barreiras fitossanitárias. hipotecárias que diminuiu ainda mais os valores das casas.
c) aumento da circulação mercantil e desregulamentação Em Cleveland, foi como se um “Katrina financeiro”
do sistema financeiro. atingisse a cidade. Casas abandonadas, com tábuas em
d) expansão do protecionismo comercial e janelas e portas, dominaram a paisagem nos bairros
descaracterização de identidades nacionais. pobres, principalmente negros. Na Califórnia, também se
e) ampliação das trocas econômicas e seletividade dos enfileiraram casas abandonadas.
fluxos populacionais. HARVEY, D. O enigma do capital. São Paulo: Boitempo, 2011.

17. (ENEM 2014) O jovem espanhol Daniel se sente Inicialmente restrita, a crise descrita no texto atingiu
perdido. Seu diploma de desenhista industrial e seu alto proporções globais, devido ao(à)
conhecimento de inglês devem ajudá-lo a tomar um rumo. a) superprodução de bens de consumo.
Mas a taxa de desemprego, que supera 52% entre os que b) colapso industrial de países asiáticos.
têm menos de 25 anos, o desnorteia. Ele está convencido c) interdependência do sistema econômico.
de que seu futuro profissional não está na Espanha, como d) isolamento político dos países desenvolvidos.
o de, pelo menos, 120 mil conterrâneos que emigraram e) austeridade fiscal dos países em desenvolvimento.
nos últimos dois anos. O irmão dele, que é engenheiro-
agrônomo, conseguiu emprego no Chile. Atualmente,
Daniel participa de uma “oficina de procura de emprego” GABARITO
em países como Brasil, Alemanha e China. A oficina é
oferecida por uma universidade espanhola. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
GUILAYN, P. Na Espanha, universidade ensina a emigrar. O Globo, 17 D A E C A C B D A C
fev. 2013 (adaptado)
11 12 13 14 15 16 17 18 19
A situação ilustra uma crise econômica que implica A D E A B E D E C
a) valorização do trabalho fabril
b) expansão dos recursos tecnológicos.
c) diversificação dos mercados produtivos.
d) exportação de mão de obra qualificada.
UNIDADE 9
e) intensificação dos intercâmbios estudantis.
AS INSTITUIÇÕES SOCIAIS
18. (ENEM 2015) O principal articulador do atual modelo
econômico chinês argumenta que o mercado é só um O PROCESSO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO.
instrumento econômico, que se emprega de forma
indistinta tanto no capitalismo como no socialismo. Porém O processo de institucionalização, de acordo com
os próprios chineses já estão sentindo, na sua sociedade, o Berger e Luckmann (autores do livro: “A construção
seu real significado: o mercado não é algo neutro, ou um social da realidade”) começa com o estabelecimento de
instrumental técnico que possibilita à sociedade utilizá-lo regularidades comportamentais. As pessoas vão, aos
para a construção e edificação do socialismo. Ele é, ao poucos, descobrindo a forma mais rápida, simples
contrário do que diz o articulador, um instrumento do econômica de desempenhar as tarefas do cotidiano.
capitalismo e é inerente à sua estrutura como modo de Vamos imaginar o homem primitivo; no momento em que
produção. A sua utilização está levando a uma polarização começou a ter consciência da realidade que o cercava, ele
da sociedade chinesa. passou a estabelecer essas regularidades. Um grupo social
OLIVEIRA, A. A Revolução Chinesa. Caros Amigos, 31 jan. 2011
(adaptado).
que vivesse, fundamentalmente, da pesca, estabeleceria
formas práticas que garantissem a maior eficiência
No texto, as reformas econômicas ocorridas na China são possível na realização da tarefa. Pode-se dizer que um
colocadas como antagônicas à construção de um país hábito se estabelece quando uma dessas formas repete-se
socialista. Nesse contexto, a característica fundamental do muitas vezes. Um hábito estabelecido por razões
socialismo, à qual o modelo econômico chinês atual se concretas, com o passar do tempo e das gerações,
contrapõe é a transforma-se em tradição. E o que acontece? As bases

ENEM 39
Ciências Humanas e suas Tecnologias

concretas, estabelecidas com o decorrer do tempo, não são grande empresa, como a Volkswagen do Brasil; ou pode
mais questionadas. A tradição se impõe porque é uma estar reduzida a um pequeno estabelecimento, como uma
herança dos antepassados. Se eles determinaram que essa creche de uma entidade filantrópica. As instituições
é a melhor forma, é porque tinham alguma razão. Quando sociais serão mantidas e reproduzidas nas organizações.
se passam muitas gerações e a regra estabelecida perde Portanto, a organização é o pólo prático das instituições.
essa referência de origem (o grupo de antepassados), O elemento que completa a dinâmica de construção
dizemos, então, que essa regra social foi social da realidade é o grupo. Se a instituição constitui o
institucionalizada. campo dos valores e das regras (portanto, um campo
A monogamia – o casamento somente entre duas abstrato), e se a organização é a forma de materialização
pessoas – pode ser considerada uma dessas instituições. É destas regras através da produção social, o grupo, por sua
sabido que as sociedades primitivas não a conheciam. Os vez, realiza as regras e promove os valores. O grupo é o
casamentos eram poligâmicos. A monogamia surge, então, sujeito que reproduz e que, em outras oportunidades,
na Grécia antiga e no Oriente Médio com o reformula tais regras. É também o sujeito responsável pela
estabelecimento da propriedade privada e a descoberta da produção dentro das organizações e pela singularidade –
paternidade biológica. Entre os povos primitivos, o papel ora controlado, submetido de forma crítica a essas regras e
de pai era atribuído ao irmão materno mais velho; as valores, ora sujeito da transformação, da rebeldia, da
famílias eram matrilineares (baseadas na linhagem produção do novo.
materna) e, provavelmente, imperava o matriarcado. No (BOCK, Ana Mercês Bahia; FURTADO, Odair e TEIXEIRA Maria de
Lourdes Trassi.
início do modo de produção escravagista da organização
“Psicologias. Uma introdução ao estudo de psicologia”
social antiga (como foi o caso da Grécia), o surgimento São Paulo: Editora Saraiva, 1999 (págs. 214 - 226).
das cidades, da propriedade privada e a descoberta da
paternidade biológica colocavam o homem da época CARACTERÍSTICAS DAS INSTITUIÇÕES SOCIAIS
diante de uma questão: a herança. As pessoas (no caso, os
homens) que acumulavam riquezas durante sua vida não Instituição é toda forma ou estrutura social estabelecida,
tinham para quem deixa-las. A família paterlinear e o constituída, sedimentada na sociedade e com caráter
casamento monogâmico foi a forma de organização normativo – ou seja, ela define regras (normas) e exerce
encontrada que definia, claramente, uma maneira de formas de controle social. São instituições sociais, por
perpetuar a propriedade através da herança. O filho passou exemplo, o Estado, a escola, a família, a religião, o
a ser o herdeiro dos bens paternos. Para isso, estes homens trabalho remunerado, a propriedade privada, etc.
proprietários passaram a estabelecer, como regra, que suas As instituições são formadas para atender a
mulheres deveriam manter relações sexuais somente com necessidades sociais. Servem também de instrumento de
eles próprios (em função da descoberta do funcionamento regulação e controle das relações sociais e as atividades
da paternidade biológica) e, assim teriam certeza de que o dos membros da sociedade em que estão inseridas. Para
filho lhes pertencia. Hoje, qualquer pessoa de nossa isso, dispõem de um poder normativo e coercitivo aceito
sociedade ocidental, se questionada sobre a monogamia, pela maioria da população dessa sociedade.
dirá que o casamento se dá desta forma porque “é Segundo Brigitte e Peter Berger, as principais
natural”. Curiosamente, ainda hoje temos culturas, como a características das instituições sociais são:
muçulmana, que não adotam a monogamia como regra e,  Exterioridade – as instituições sociais são
apesar dessa evidência contrária, alguém de nossa cultura experimentadas como algo dotado de realidade
continuará considerando a monogamia natural. A este externa aos indivíduos;
fenômeno chamamos de instituição.  Objetividade – todas (ou quase todas) as pessoas da
sociedade admitem que elas existem e reconhecem
INSTITUIÇÕES, ORGANIZAÇÕES E GRUPOS. que elas são instituições legítimas;
 Coercitividade – as instituições têm o poder de
A instituição é um valor ou regra social reproduzida no exercer pressões sobre as pessoas, de modo a levá-las
cotidiano com estatuto de verdade, que serve como guia a agir segundo os padrões de comportamento
básico de comportamento e de padrão ético para as considerados corretos pela sociedade;
pessoas, em geral. A instituição é o que mais se reproduz e
 Autoridade moral – as instituições não se mantêm na
o que menos se percebe nas relações sociais. Atravessa, de
sociedade apenas pelo poder de coerção, mas também
forma invisível, todo tipo de organização social e toda a
porque são reconhecidas prelas pessoas dessa
relação de grupos sociais. Só recorremos claramente a
sociedade como tendo o direito legítimo de exercer
estas regras quando, por qualquer motivo, são quebradas
seu poder e obrigar os integrantes da sociedade (seja
ou desobedecidas.
pela força, seja pelo convencimento) a agir segundo
Se a instituição é o corpo de regras e valores, a base
determinados padrões;
concreta da sociedade é a organização. As organizações,
 Historicidade – as instituições já existiam antes do
entendidas aqui de forma substantiva, representam o
nascimento do indivíduo e continuarão a existir
aparato que reproduz o quadro de instituições no cotidiano
depois da sua morte; elas têm sua própria história.
da sociedade. A organização pode ser um complexo
organizacional – um Ministério, como, por exemplo, o
AS INSTITUIÇÕES NORMATIZAM OS GRUPOS
Ministério da Saúde; uma Igreja, como a Católica; uma

40
Sociologia

Apesar de dependerem um do outro, grupo social e cumprem também o de servir de instrumento de regulação
instituição social são duas realidades distintas. e controle das atividades do homem.
Os grupos sociais são conjuntos de indivíduos com As principais instituições sociais são: família, religião,
objetivos comuns, envolvido num processo de interação economia, política, educação e recreação.
mais ou menos contínuo. Já as instituições sociais se
baseiam em regras e procedimento que se aplicam a • Família: primeiro grupo social a que pertencemos. É um
diversos grupos. tipo de agrupamento social cuja estrutura varia no tempo e
Por exemplo: o pai, a mãe e os filhos formam um grupo no espaço. Essa variação pode ser quanto ao número de
primário. Já as regras e procedimento que regulamentam casamentos, quanto à forma, relações de parentesco,
as relações familiares fazem parte da instituição familiar. relação sexual e dos componentes básicos da sociedade.
Isso significa que as mesmas regras e normas de conduta • Educação: constitui uma instituição universal pelo fato de
de uma família valem para todas as famílias de uma que em todas as sociedades é necessário garantir a
determinada sociedade, já que elas assumem um caráter estrutura educacional como processo de transmissão de
institucional. Em outras palavras: a instituição família é conhecimentos e valores presentes na sociedade.
uma estrutura que existe há milhares de anos. • Recreação: em todas as sociedades, existem modos
Diversamente, cada família concreta tem um período culturalmente estabelecidos para o alívio das tensões
relativamente curto de vida. Dura enquanto permanecerem acumuladas nos indivíduos em decorrência das frustrações
vivos marido e mulher, pois os folhos, uma vez casados, geradas pelas restrições da vida social. Todas as
formam suas próprias famílias. sociedades possuem instituições recreativas, como no
Outro exemplo. Os membros de uma empresa Brasil, o carnaval e futebol.
constituem um grupo social formado por acionistas, • Religião: todas as sociedades conhecem alguma forma de
administradores, prestadores de serviço e empregados. As religião. A religião é um fato social universal. Não resta
relações entre essas pessoas são reguladas por leis, regras dúvida de que a religião é uma das instituições mais
e padrões que objetivam fazer a empresa funcionar e dar importantes para a organização social, pelo seu conteúdo
lucro aos proprietários. Essas normas caracterizam a moral. A religião inclui crença ao sobrenatural, ritos e
instituição econômica, pois seus preceitos são igualmente cerimônias. É inegável a tendência moderna de dar mais
aplicados em todas as empresas. ênfase aos valores sociais do que religiosos, prova disso é
o surgimento de doutrinas mais modernas como a
AS INSTITUIÇÕES SÃO INTERDEPENDENTES Teologia da Libertação.
• Política: são instituições políticas fundamentais a
A escravidão foi uma instituição vigente no Brasil entre autoridade, o governo, o Estado (com os três poderes),
1500 e 1888. Com a libertação dos escravos, as partidos políticos e as constituições. Classificamos
instituições econômicas do país sofreram profundas também os sistemas políticos como o anarquismo,
transformações: deixou de haver trabalho escravo e os ditadura, democracia e a pseudodemocracia.
trabalhadores passaram a receber salário. Como resultado, • Economia: as atividades econômicas são
as instituições familiar, religiosa e educacional forma institucionalizadas à medida que são explicadas por
igualmente afetadas por essa mudança institucional e crenças, valores e reguladas por normas. Nas sociedades
tiveram de reorganizar seu sistema de status, seus padrões modernas a instituição econômica apresenta um grau de
de comportamento e suas normas jurídicas em relação aos importância bem mais elevado que nas sociedades tribais,
ex-escravos. resultado do desenvolvimento tecnológico visando uma
O exemplo mostra que uma instituição não existe divisão mais diversificada do trabalho social.
isolada das outras. Há entre elas uma relação de (http://estudossociologicos.blogspot.com.br/2009/08/instituicoes-
sociais.html) (ADAPTADO)
interdependência, de tal forma que qualquer alteração em
determinada instituição pode acarretar mudanças maiores
ou menores nas outras.
(OLIVEIRA, Pérsio Santos de. Introdução à Sociologia.
São Paulo: Editora Ática, 2011. pp. 216-217) FIQUE LIGADO NO ENEM!
• A instituição é um valor ou regra social reproduzida no
INSTITUIÇÕES SOCIAIS cotidiano com estatuto de verdade, que serve como guia básico
de comportamento e de padrão ético para as pessoas,
É um conjunto de regras e procedimentos padronizados, • Se a instituição é o corpo de regras e valores, a base concreta
reconhecidos, aceitos e sancionados pela sociedade e que da sociedade é a organização. As organizações, entendidas
tem grande valor social. A instituição não existe isolada aqui de forma substantiva, representam o aparato que reproduz
das outras. Todas elas possuem uma interdependência o quadro de instituições no cotidiano da sociedade.
mútua, de tal forma que uma modificação numa • Se a instituição constitui o campo abstrato dos valores e das
determinada instituição pode acarretar mudanças maiores regras, e se a organização é a forma de materialização destas
ou menores nas outras. regras através da produção social, o grupo, por sua vez, realiza
As instituições sociais servem como um meio para a as regras e promove os valores. O grupo é o sujeito que
satisfação das necessidades da sociedade. Nenhuma reproduz e que, em outras oportunidades, reformula tais regras.
instituição surge sem que tenha surgido antes uma
necessidade. Mas, além desse papel, as instituições sociais

ENEM 41
Ciências Humanas e suas Tecnologias

• Instituição é toda forma ou estrutura social estabelecida, Devido às poucas opções de escolha, restava à mulher o
constituída, sedimentada na sociedade e com caráter normativo casamento onde a mesma representava a proteção na
– ou seja, ela define regras e exerce formas de controle social. família e tinha a obrigação de ensinar a decência e educar
• As instituições são formadas para atender a necessidades os filhos. Ao marido era de competência zelar pela
sociais. Servem também de instrumento de regulação e controle segurança e conforto material da família, sendo isto válido
das relações sociais e as atividades dos membros da sociedade para todas as classes sociais. O amor, a estima, a
em que estão inseridas. Para isso, dispõem de um poder dedicação e a gratidão era relevantes nos casamentos
normativo e coercitivo aceito pela maioria da população dessa principalmente dos mais pobres, o que ocasionava muitas
sociedade. vezes em maus tratos contra a mulher e os filhos. A única
• As principais características das instituições sociais são: preocupação do pai era em alimentar e quando estes eram
exterioridade, objetividade, coercitividade, autoridade moral e de classes mais abastadas fornecer um bom estudo aos
historicidade. filhos homens, às mulheres apenas lhes eram ensinados as
atividades domésticas, uma língua estrangeira e como uma
dama deveria se comportar e vestir-se, sempre de maneira
austera e honrosa. Todo o século XIX foi marcado pela
UNIDADE 10 repressão do pai ao resto da família que não desfrutava do
direito de opinar em situação alguma sobre o próprio
futuro ou expor sua opinião sobre seus gostos, desejos e
A FAMÍLIA anseios.
Com a Revolução industrial e com a revolução
A INSTITUIÇÃO FAMILIAR NO BRASIL feminista, o posicionamento das mulheres mudou
radicalmente em menos de meio século, e mesmo que com
Para a maioria dos brasileiros a família, o estudo, o passos incertos e vacilantes provocou uma reorganização
trabalho, a religião, o dinheiro e o lazer tem da sociedade e levou aos homens a necessidade de
respectivamente nesta ordem, diferenciados níveis de repensar seu papel. A exemplo das mulheres estrangeiras,
importância, apesar da maioria enfatizar a grande que com a segunda guerra mundial foram obrigadas a
importância da família e quererem ter filhos algum dia, saírem de casa e trabalhar em fábricas, pois com os
não demonstram a mesma simpatia pelo casamento que as homens na guerra em frente de batalha, as mulheres
gerações anteriores datadas do início do século XIX até o tomaram conta da produção industrial de armamentos,
fim do século XX. Afinal, esta instituição representava munições, roupas e alimentos, influenciando assim a
poder, segurança e respeitabilidade. mulher brasileira que sofreu os impactos da guerra
O padrão da família brasileira da primeira metade do também aqui no Brasil. Essa mudança radical afetou o
século XIX até a primeira metade do século XX era comportamento da mulher na família e o homem por sua
constituído por um pai, mãe e filhos. Os integrantes da vez foi presenteado com espaços afetivos mais amplos. A
família brasileira deste período eram comandados por um partir de meados do século XX foi permitido ao homem
pai e esposo contido no choro e na demonstração de desfrutar de uma relação conjugal e de pai harmoniosa e
sentimentos, eram duros e jamais demonstravam permissiva. A vida econômica passou a ser compartilhada
fragilidade, nem receios. Antes o homem era formado e o ambiente organizacional suavizou-se. O homem
para ser mais racional, e menos emocional o que perdeu o domínio absoluto sobre a chefia da família e todo
dificultava o relacionamento afetivo. Este ensinamento o autoritarismo decorrente disso.
sobre a firmeza masculina para dirigir o lar era ensinado Várias foram as mudanças no quadro familiar que antes
de pai para filho, sempre reafirmando os ideais de filhas era nuclear, constituída de um pai, uma mãe e filhos.
casando-se cedo para seguir os passos da mãe, uma Assim, formada por novos casais, com enteados, com
mulher frágil, submissa, contida e respeitável. Os filhos de seus casamentos desfacelados, com os avós, os
casamentos celebrados durante o século XIX eram uma primos e tios surgiu a família denominada mosaico. Esta é
opção da elite branca que tentava manter o prestígio e a uma família numerosa com muitos componentes. No
estabilidade social limitando os casamentos a mitos Brasil do século XXI pelo egoísmo de cada ser que
quanto à cor, honra, riquezas e religião, mas este quadro compõe as famílias, pensando cada dia mais em si próprio,
não era tão rigoroso quando se tratavam da classe baixa da em se promover profissionalmente do que em constituir
população. Muitas vezes os casamentos eram arranjados, uma família ou mantê-la, é cada vez maior o número de
mas a legalização da união para a formação de uma nova divórcios que a menos de três décadas não eram tão
família dependia do consentimento paterno, cuja comuns, afinal o divorcio era desonroso para a mulher e
autoridade era legítima e incontestável, era de sua era tradição que um casamento era para o resto da vida.
competência decidir e até determinar o futuro dos filhos Mas, as lições que as novas gerações estão aprendendo
sem lhes consultar as preferências, sendo que em alguns são outras. Mudaram-se os parâmetros, a cultura e a
casos os noivos jamais haviam se visto, comunicado ou liberdade de expressão decorrente de todo o processo
tocado. Os filhos que se rebelavam e não aceitavam a histórico... O que seria o cabeça da família, o homem
dominação paterna eram sempre castigados, deserdados e moderno, aprendeu a ser gentil, compreender que as
até expulsos de casa. tarefas da casa pertencem a eles também, educar os filhos
junto com as esposas, dividir e compartilhar os trabalhos

42
Sociologia

domésticos, com justiça e solidariedade, unindo a família Pelo Novo Código Civil Brasileiro, instituído em 2003,
do século XXI, sendo bom para as crianças e para o a família deixou de ser aquela constituída unicamente
próprio casal, o importante é o amor. Ambos ainda estão através do casamento formal, ou seja, composta de
perdidos, pois são mudanças muito recentes. A família já marido, mulher e filhos. No Código de 1916, em vigência
percebeu que pode construir um mundo melhor, se abrir às anteriormente, o casamento definia a família legitima e
novas mudanças exigidas pelo mundo moderno, sendo legitimava os filhos comuns.
uma boa influenciadora da moral e das regras de O novo código reconhece que a família abrange as
conduta... que contribua para uma efetiva consolidação da unidades familiares formadas pelo casamento civil ou
dignidade individual e social de cada brasileiro. religioso, união estável ou comunidade formada por
(http://www.webartigos.com/artigos/a-familia-brasileira/44883/) qualquer dos pais ou descendentes, ou mãe solteira. O
conceito de família passou a ser baseado mais no afeto do
FAMÍLIA: SOCIEDADE COLOCA CONCEITO DO que apenas em relações de sangue, parentesco ou
FENÔMENO EM DISPUTA casamento.
Já o IBGE, para realizar o Censo em 2010, definiu como
Qual é a definição correta de família? Existe um família o grupo de pessoas ligadas por laços de parentesco
conceito correto? As definições antigas dão conta da que vivem numa unidade doméstica. Essa unidade
diversidade que a sociedade contemporânea vivencia em doméstica pode ser de três tipos: unipessoal (quando é
suas relações? composta por uma pessoa apenas), de duas pessoas ou
Para muitos essa é uma questão polêmica. No Brasil, o mais com parentesco ou de duas pessoas ou mais sem
tema ganhou destaque após o site da Câmara dos parentesco entre elas.
Deputados colocar no ar uma enquete que questiona se O levantamento fez um retrato da família brasileira: na
você é a favor ou contra o conceito de família como maioria das unidades domésticas (87,2%) as famílias são
núcleo formado “a partir da união entre homem e mulher”, formadas por duas ou mais pessoas com laços de
prevista no projeto de Lei 6583/13, do deputado Anderson parentesco. As pessoas que vivem sozinhas representam
Ferreira (PR-PE), que cria o Estatuto da Família. 12,1% do total e as pessoas sem parentesco são 0,7%. Na
O deputado argumenta que “a família vem sofrendo comparação entre 2000 e 2010, houve um crescimento na
com as rápidas mudanças ocorridas em sociedade” e, no proporção pessoas morando sozinhas (antes de 9,2%) e de
texto do projeto, apresenta diretrizes de políticas públicas famílias tendo a mulher como responsável (de 22,2% para
voltadas para a entidade familiar e obriga o poder público 37,3%), fato que ocorre, principalmente, pela
a garantir as condições mínimas para a “sobrevivência” emancipação e ingresso da mulher no mercado de
desse núcleo. A proposta dele define família como o trabalho.
núcleo formado a partir da união entre homem e mulher, Especialistas e intelectuais afirmam que não há um
por meio de casamento, união estável ou comunidade conceito único de família e que ele permanece aberto, em
formada pelos pais e seus descendentes. construção, e deve acompanhar as mudanças de
A família é um fenômeno social presente em todas as comportamento, religiosas, econômicas e socioculturais da
sociedades e um dos primeiros ambientes de socialização sociedade. Alas mais conservadoras da sociedade e de
do indivíduo, atuando como mediadora principal dos diferentes religiões não compartilham dessa visão e
padrões, modelos e influências culturais; se define em um mantém o entendimento de que o fator gerador da família
conjunto de normas, práticas e valores que têm seu lugar, é o casamento entre homem e mulher, os filhos gerados
seu tempo e uma história. dessa união e seus demais parentes.
Muitos fatores contribuem para dar forma ao que Mas, com o passar do tempo, novas combinações e
reconhecemos como família: as normas e ações impostas formas de interação entre os indivíduos passaram a
pelo Estado (quando ele beneficia determinado tipo de constituir diferentes tipos de famílias contemporâneas: a
família em questões legais, previdenciárias, acaba nuclear tradicional (um casal de homem e mulher com um
legitimando este tipo e desestimulando outros), as relações ou dois filhos, sendo a relação matrimonial ou não);
trabalhistas (quando as oportunidades no mundo do matrimonial; informal (fruto da união estável);
trabalho moldam as escolhas feitas pelos indivíduos na homoafetiva; adotiva; anaparental (sem a presença de um
vida pessoal), o âmbito da sexualidade e afetos, as ascendente); monoparental (quando apenas um dos pais se
representações dos papéis sociais de mulheres e homens, responsabiliza pela criação dos filhos); mosaico ou
da infância e das relações entre adultos e crianças, a pluriparental (o casal ou um dos dois têm filhos
delimitação do que é pessoal e privado por práticas provenientes de um casamento ou relação anterior);
cotidianas, e as leis. Tudo isso interfere na vida doméstica extensa ou ampliada (tem parentes próximos com os quais
e molda os papéis de homens e mulheres dentro e fora de o casal e/ou filhos convivem e mantém vínculo forte);
casa. poliafetiva (na qual três ou mais pessoas relacionam-se de
No Brasil, o conceito de família teve diferentes maneira simultânea); paralela ou simultânea
abordagens. Na Constituição Federal de 1967, anterior ao (concomitância de duas entidades familiares),
regime democrático, o artigo 167 descrevia que “a família eudemonista (aquela que busca a felicidade individual),
é constituída pelo casamento". Com a promulgação da entre outras.
Constituição Federal de 1988 o conceito de família foi O principal desafio é reconhecer a legitimidade desses
ampliado e passou a ser entendido como “a comunidade novos tipos de famílias, que precisam dessa oficialização
formada por qualquer dos pais e seus descendentes”.
ENEM 43
Ciências Humanas e suas Tecnologias

para ter seus direito jurídicos, previdenciários, entre acesso a recursos e ao reconhecimento social, e também
outros, garantidos. Quando o Estado e a sociedade não na sua autonomia para tomar decisões sobre a própria
reconhecem essas famílias como legítimas (por diferentes vida.
motivos), devido ao conflito entre os valores antigos e o (http://vestibular.uol.com.br/resumo-das-disciplinas/atualidades/familia-
sociedade-
estabelecimento de novas relações, acabam estimulando
coloca-conceito-do-fenomeno-em-disputa.htm)
alguns modos de vida e desestimulando outros. No
entanto, isso acaba oferecendo proteção e vantagens para A NOVA FAMÍLIA BRASILEIRA
uns em detrimento de outros.
“A ideia de que a família corresponde ao casamento, Um novo recorte do Censo 2010 mostra um retrato
heterossexualidade e procriação determinou por muito detalhado da família brasileira. O estudo confirma
tempo a fronteira da legitimidade das famílias”, comenta a características observadas nos últimos anos, reflexo da
autora Flávia Biroli no livro Família – Novos Conceitos, mudança estrutural dos grupos familiares, da maior
ao falar da noção moderna de família. participação da mulher no mercado de trabalho, das baixas
Segundo ela, a ruptura, ainda que parcial dessa taxas de fecundidade e do envelhecimento da população.
idealização do conceito de família é resultado da ação de E detalha aspectos ainda não mensurados no país, como a
movimentos sociais, feministas e LGBT, e de juristas e maior disposição dos brasileiros para dar início a um novo
políticos que entenderam que os direitos individuais relacionamento conjugal depois de uma (ou mais)
incluem o direito de casar-se e o serem beneficiados com experiências de vida a dois - resultado também da
as vantagens relacionadas ao casamento nas nossas mudança na legislação no mesmo ano do estudo, o que
sociedades. tornou o divórcio algo possível com uma simples
Além da diversidade de tipos de família na nossa passagem pelo cartório.
sociedade, ainda precisamos compreender a realidade de A novidade que emerge do estudo vem da preocupação
outros países e culturas (principalmente as não do IBGE de, pela primeira vez, analisar as famílias
ocidentais), onde muitas vezes um comportamento que é reconstituídas. Ou seja, "os núcleos constituídos depois da
proibido em nosso território, é permitido. Entre esses separação ou morte de um dos cônjuges". Esses grupos
comportamentos estão a exogamia (união de membros de representam 16,3% do total de casais que vivem com
grupos diferentes, como japonês com alemã, italiano com filhos, sendo eles de apenas um dos companheiros ou de
africana, etc), a endogamia (união entre parentes ou ambos. São mais de 4,4 milhões as famílias com essas
pessoas com a mesma ascendência), a bigamia, o incesto, características atualmente - o restante, quase 84%, é
a poligamia, entre outros. formado por casais com filhos do marido e da mulher
Se voltássemos a Idade Média, veríamos que não eram vivendo juntos no momento da entrevista.
incomuns casos de reis e rainhas europeus que se casando A composição de casais com filhos ainda representa a
com primos e irmãos para manter unidos seus reinos e maioria das famílias brasileiras, apesar da queda
fortunas. No caso da poligamia, um casamento que significativa nessa fatia da população: foi registrada
engloba dois ou mais parceiros, trata-se de uma prática redução de 63,6%, em 2000, para 54,9% em 2010.
que vem de culturas e religiões antigas, em muitos casos, O Censo também mostra que, apesar de os solteiros
iniciada pelo fato de existirem mais mulheres do que ainda responderem por mais de metade da população,
homens. 55,3%, entre as pessoas com 10 anos de idade ou mais, foi
Na África, por exemplo, a poligamia para os homens é entre os divorciados o maior aumento observado de uma
permitida e reconhecida legalmente em muitos países, década para outra: o índice quase dobrou do levantamento
como Líbia, Marrocos, Quênia, entre outros. Na África do feito em 2000 para o atual, passando de 1,7% para 3,1%.
Sul a poligamia é um direito que está na Constituição. Se somados com o número de desquitados e separados
Qualquer homem sul-africano pode ser casado com até judicialmente, esse grupo chega a quase 5% dos
quatro mulheres. Todas recebem o sobrenome do marido e brasileiros.
têm os mesmos direitos perante a lei. Felicidade - A mudança que se mostra acentuada na
No caso da poligamia para mulheres (chamada década entre 2000 e 2010 vem sendo construída ao longo
poliandria), por muitos séculos ela foi praticada no isolado da segunda metade do século XX, e está diretamente
Vale Lahaul, no Himalaia, na Índia. Ali, era muito comum ligada ao conceito que se tem de felicidade. Fundadora do
o casamento de irmãos com a mesma mulher, por atendimento infantil no serviço de psicologia aplicada da
exemplo. Essas famílias eram pequenas, como o trabalho Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), a
não era distante não havia muito contato com outras psicóloga Lulli Milman vê, no crescimento dos divórcios e
aldeias. Hoje, com o desenvolvimento do local, o na consequente elevação das famílias recompostas um
crescimento econômico e os avanços tecnológicos, o vale sinal de que o matrimônio e a vida conjugal passaram a
antes isolado ganhou estradas, telefones, e a população atender mais a objetivos pessoais que a formalidades.
pode se deslocar, trabalhar longe e almejar outra vida. As "Ser feliz é algo relativamente novo. Antes, vivia-se
famílias poliândricas começam a desaparecer. para viver, para honrar o rei, a família. A mudança radical
O mais importante nesta questão é que a diversidade da sobre isso, na história, veio com a Revolução Francesa.
vida afetiva e familiar seja abordada de maneira que seu Nos anos 50, o casamento eterno era o ideal de felicidade.
contexto e papel sejam compreendidos antes de serem Hoje, ser feliz está ligado a satisfazer a si próprio", diz
julgados e que garanta a igualdade dos indivíduos – no Lulli. "A configuração dos relacionamentos faz com que
44
Sociologia

se amplie o conceito de família. Em tese, as crianças quartas, as duas crianças estão na casa deles. O fim de
passam a ter mais gente cuidando delas", afirma Lulli. semana é intercalado. "Há o fim de semana de sucrilhos e
Quando observados apenas os estados conjugais - sem a iogurte, com as crianças, e outro de queijos e vinhos.
formalização civil das uniões - o aumento do número de Temos o nosso tempo e o tempo das crianças", diz Corrêa,
divorciados é ainda maior. Do Censo anterior para este, que foi casado outras duas vezes. Hoje, as duas crianças,
houve um acréscimo de 20% no porcentual de pessoas de relacionamentos passados de Carla e Correia, se tratam
envolvidas em dissoluções conjugais, passando de 11,9% como irmãos. A família planeja uma viagem para a
para 14,6% em 2010. "Nos dias atuais, a união entre as Disney no ano que vem. Os pais programam o casamento
pessoas ocorre de forma mais frequente a partir de no papel.
escolhas afetivas", ressalta o estudo. Daí, a liberdade em Recomeço - O psicólogo Fernando dos Santos Baltazar,
deixar um relacionamento infeliz. de 39 anos, compõe esse novo conjunto de famílias.. Ele
"A legislação facilitou muito o divórcio. Talvez se casou aos 20 anos com a primeira mulher, com quem
houvesse antes muito casamento mantido pelos filhos. teve três filhos. Depois de quase dez anos de
Hoje em dia, com a efetiva participação paterna, ficou relacionamento "e algumas experiências traumáticas",
mais fácil para o casal se separar, porque o pai e a mãe veio a separação. Baltazar se manteve em São Paulo, ela
continuam a ter o contato com o filho", diz o advogado se mudou com os filhos para Minas Gerais. Baltazar
Sérgio Arthur Calmon, especializado em direito de entrou na Justiça - e ainda briga - para ter o direito de
família. visitá-los.
O que a legislação estabelecia como condição para Dois anos depois do primeiro casamento, veio o
dissolução dos casamentos era um misto de satisfação momento de recomeçar. Baltazar se casou de novo, com
perante a sociedade e desvio das condutas aceitáveis para Luíza, que trazia na bagagem também uma união conjugal
um casal - mais do que a vontade de um ou ambos de não desfeita, além de dois filhos, hoje com 20 e 18 anos.
mais conviver como casal. Para se separar, era preciso, até "Sempre fiz questão de exercer meu papel de pai. Ajudei a
antes da mudança na legislação ocorrida em 2010, imputar cuidar dos meus três filhos. Com enteados, a relação
alguma conduta desonrosa ao outro. Algo como ter um precisa ser um pouco diferente. Situações que você
amante, negligenciar o lar ou os filhos. "Há uma mudança poderia resolver com uma chamada de atenção mais forte
grande tanto judicialmente quanto nas relações. Em um têm de ser tratadas de forma diferente", recorda.
mês é possível se divorciar. Se antes era complicado, Baltazar e a atual esposa engrossam o índice de pessoas
agora é esse processo é tão rápido que torna mais divorciadas que estão novamente em uma união conjugal:
descartáveis as uniões formais", afirma Calmon. eles são 6,1% do total dos brasileiros, o único grupo que
O casamento formal - seja no civil ou no religioso - é registrou aumento (de 1,6 ponto porcentual) do Censo de
uma decisão econômica. E o Censo mostra como o índice 2000 para 2010. "Isso reforça o aumento das uniões
de relações formais cresce à medida que se eleva a renda reconstituídas no país e da disposição das pessoas em
do extrato estudado: 48,9% das pessoas que ganham até iniciar novas relações", enfatiza o pesquisador do IBGE
meio salário mínimo vivem em união conjugal Leonardo Queiroz Athias. Nesse mesmo período, o tipo de
consensual, enquanto 64,2% do grupo que ganha mais de união que mais cresceu foi a consensual - oficializada ou
cinco salários prefere se casar no civil e no religioso. não em cartório -, de 28,6% para 34,8%. Na análise do
Rio, capital das separações - O crescimento no índice IBGE, esta é a confirmação de uma mudança de valores
de pessoas que já viveram em união conjugal e não viviam culturais em todo o país, pois torna as uniões não
mais na época da pesquisa é generalizado em todas as formalizadas mais aceitas pela sociedade.
regiões do país. De 2000 para 2010, o índice de pessoas (http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/a-nova-familia-brasileira-ibge/)
que terminaram uma união conjugal subiu de 15,6% para
17,5% - o maior porcentual do país, cuja média geral é de
14,6%. Mas os maiores crescimentos porcentuais foram
observados em Rondônia (33%) e no Mato Grosso (31%), FIQUE LIGADO NO ENEM!
onde ainda se mantêm uma tradição maior no que diz • O padrão da família brasileira da primeira metade do século
respeito ao casamento tradicional. "Uma das explicações XIX até a primeira metade do século XX era constituído por um
possíveis desse crescimento, principalmente na Região pai, mãe e filhos. Com a Revolução industrial e com a revolução
Norte do país é a maior autonomia que as mulheres vêm feminista, o posicionamento das mulheres mudou radicalmente
conquistando, para colocar um fim em um relacionamento e, mesmo que com passos incertos e vacilantes, provocou uma
ruim, por exemplo", explica o pesquisador Leonardo reorganização da sociedade e levou aos homens a necessidade
Queiroz Athias. de repensar seu papel.
Entre os estados, o Rio de Janeiro é o que aparece como • Várias foram as mudanças no quadro familiar que antes era
o campeão das separações. Cosme Corrêa e Carla Lage nuclear, constituída de um pai, uma mãe e filhos. Assim,
moram juntos em Niterói há três anos. Antes disso, cada formada por novos casais, com enteados, com filhos de seus
um foi casado com outra pessoa e tiveram filhos. Hoje, casamentos desfacelados, com os avós, os primos e tios surgiu
engrossam as estatísticas do IBGE sobre famílias a família denominada mosaico. Esta é uma família numerosa
reconstituídas. Carla chegou com um filho de 10 anos. com muitos componentes.
Cosme com uma menina de cinco. Os dois têm guarda • No Brasil do século XXI pelo egoísmo de cada ser que
compartilhada, com alternância de dias. Nas segundas e compõe as famílias, pensando cada dia mais em si próprio, em

ENEM 45
Ciências Humanas e suas Tecnologias

se promover profissionalmente do que em constituir uma família A educação pode ser de dois tipos: formal ou informal.
ou mantê-la, é cada vez maior o número de divórcios que a A educação informal ou difusa é a que ocorre na vida
menos de três décadas não eram tão comuns diária por intermédio dos contatos primários (com a
• A partir do Novo Código Brasileiro de 2003 se reconhece que família, por exemplo) e pela assimilação dos hábitos de
a família abrange as unidades familiares formadas pelo cada grupo social, pela observação do comportamento dos
casamento civil ou religioso, união estável ou comunidade mais velhos, pela convivência com os outros membros da
formada por qualquer dos pais ou descendentes, ou mãe sociedade. É realizada sem nenhum plano, sem local ou
solteira. O conceito de família passou a ser baseado mais no hora determinada. Todas as pessoas, todos os grupos, toda
afeto do que apenas em relações de sangue, parentesco ou a sociedade participa dessa forma de educação. Nas
casamento. comunidades mais isoladas, onde ainda não há escolas, a
• Não há um conceito único de família e ele permanece aberto, educação informal é a única forma de educação existente.
em construção, e deve acompanhar as mudanças de Nessas comunidades, crianças e jovens aprendem ao
comportamento, religiosas, econômicas e socioculturais da participar ativamente da vida familiar e comunitária.
sociedade. Alas mais conservadoras da sociedade e de Assim, adaptam-se pouco a pouco ao estilo de vida do
diferentes religiões não compartilham dessa visão e mantém o grupo. Portanto, existe educação sem escola como no caso
entendimento de que o fator gerador da família é o casamento das sociedades indígenas.
entre homem e mulher, os filhos gerados dessa união e seus Florestan Fernandes (1920-1995), sociólogo brasileiro
demais parentes. que estudou os povos Tupinambás observou as seguintes
• Um novo recorte do Censo 2010 confirma características características na educação indígena desses povos:
observadas nos últimos anos, reflexo da mudança estrutural dos • os conhecimentos são acessíveis a todos os membros
grupos familiares, da maior participação da mulher no mercado da comunidade
de trabalho, das baixas taxas de fecundidade e do • a transmissão da cultura faz-se cotidianamente,
envelhecimento da população. Também detalha aspectos ainda • como se tratam de povos iletrados (específico dos
não mensurados no país, como a maior disposição dos indígenas no Brasil), a comunicação dos saberes
brasileiros para dar início a um novo relacionamento conjugal ocorre oralmente. A palavra oral possuía tanto
depois de uma (ou mais) experiências de vida a dois - resultado prestígio quanto a linguagem escrita em nossa
também da mudança na legislação no mesmo ano do estudo, o sociedade;
que tornou o divórcio algo possível com uma simples passagem • a educação não é privilégio das crianças e jovens uma
pelo cartório. vez que todos estão no papel de aprendizes e de
mestres.
Embora esteja sempre presente na vida do indivíduo, em
sociedades complexas a educação informal não é
UNIDADE 11 suficiente. A divisão do trabalho e a diversidade de papéis
sociais exigem de crianças e jovens a passagem pela
escola, onde recebem educação sistemática ou formal. O
A EDUCAÇÃO objetivo básico dessa forma de educação é a transmissão
de certos legados culturais, isto é, de conhecimentos,
PATRIMÔNIO CULTURAL E EDUCAÇÃO técnicas ou modos de vida, de forma a preparar as pessoas
para os papéis que elas serão chamadas a desempenhar na
O que integra uma pessoa à sociedade e ao grupo social sociedade ao longo da vida (ter uma profissão, ser pai ou
em que vive é o patrimônio cultural que ela recebe. A mãe de família, estar preparado para exercer a cidadania,
transmissão desse patrimônio começa no momento em que etc).
ela nasce (e até mesmo antes, quando ela ainda se
encontra no útero materno e recebe estímulos de diversas A ESCOLA E A SOCIEDADE CAPITALISTA
procedências do meio social). O veículo pelo qual essa
transmissão é realizada no momento inicial da vida é a Na sociedade capitalista no período histórico conhecido
família. Depois, a pessoa passa pouco a pouco a interagir por “modernidade” (século XVI até nossos dias), a cultura
com círculos cada vez mais amplos da sociedade. Em capitalista põe a ciência em destaque, mostrando que a
todos esses momentos, ela assimila valores e regras por vida moderna só pode ser entendida pela ótica dos
meio da educação. métodos científicos e, com isso, a educação deixa de
Assim, são objetivos da educação: a transmissão da refletir apenas os valores religiosos como no tempo da
cultura, a adaptação dos indivíduos à sociedade, o sociedade feudal para ter a ciência como base.
desenvolvimento de suas potencialidades e, como Será nesse contexto ideológico da nascente sociedade
consequência, o desenvolvimento da personalidade e da industrial que nasce uma nova instituição responsável por
própria sociedade. essa educação: a escola. Percebemos que uma das
A educação permite que a criança, ao crescer, também características da revolução ideológica capitalista foi
possa interferir no meio social em que vive, ajudando a transportar uma educação que durante o feudalismo
incorporar inovações e até a modificar padrões culturais ocorria na família e na Igreja para a instituição escola.
estabelecidos – ou seja, contribuindo para transformar a Nasce assim a escola: uma instituição com normas
sua própria realidade. específicas, agentes próprios (diretores, professores,

46
Sociologia

alunos, orientadores pedagógicos, etc) e toda uma empresarial conta com a disponibilidade e recursos para
hierarquia. A escola se propõe o objetivo de preparar os frequentar outras atividades que complementam a
indivíduos para a vida em sociedade ao mesmo tempo que formação escolar; pode-se participar de cursos especiais
desenvolve suas aptidões pessoais. de línguas estrangeiras, música, dança ou ainda
Com isso, nasce também uma nova estrutura de ensino: treinamento e atividades esportivas. Por outro lado, a
muitas salas de aula, muitos alunos numa só sala, provas, classe trabalhadora se vê limitada a frequentar cursos sem
notas, porcentagens de frequência, carteiras em fila, essa diversificação curricular, a frequentar cursos
diplomas. Tudo com o objetivo de educar massa cada vez noturnos, sem a possibilidade de frequentar cursos de
maior de indivíduos, tentando adaptá-los aos valores dessa aperfeiçoamento.
nova sociedade capitalista do século XVIII. A classe empresarial se escolariza para se perpetuar na
A escola que conhecemos hoje é produto dos séculos condição de classe dirigente, dominante. Cria-se um
XVIII e XIX, período em que aparece a ideia da modelo dualista escolas primárias/profissionalizantes e
necessidade de educação pública e obrigatória para todas escolas “superiores”.
as pessoas. Já em 1619 encontramos na Alemanha,
Escócia e Holanda uma educação que se dava através de A LINGUAGEM QUE APARECE NA ESCOLA
escolas garantidas pelo Estado para crianças de 6 a 12
anos. Será, porém, a partir da Revolução Francesa, em A linguagem é a forma ou jeito que transmitimos a
1789, que se expande por toda a Europa e América a outras pessoas os conhecimentos, valores e ideias. A
necessidade de se instaurar o ensino público e científico linguagem é, portanto, a soma de recursos (capitais) que
para todos. nos permitem divulgar informações. A linguagem não é
Entretanto, a nova organização social do capitalismo única, pode dar-se de vários modos. Em relação à escola a
teve um desenvolvimento contraditório, pois enquanto uns linguagem se apresenta, por exemplo, no discurso do
poucos se enriqueciam –proprietários dos meios de professor ou nos seus gestos, nos conteúdos dos livros
produção- a maioria empobrecia. A fábrica que adotados, nos programas de ensino, nas regras de
redimensionava o avanço da ciência e o desenvolvimento convivência ou normas disciplinares. Tudo são meios para
de novas formas políticas pagava salários baixíssimos, expressar ideias, sentimentos e modelos de
forçava a migração rural para as cidades e ainda trazia comportamento: tudo isso se constitui na linguagem da
desemprego. A técnica trazia novas curas para doenças escola.
outrora incuráveis, mas também o desenvolvimento da Aquilo que o professor diz ou fala, aquilo que aparece
indústria bélica. nos livros didáticos e nas regras da escola pode ser
Numa sociedade com o progresso contraditório, o semelhantes, aquilo que um pai/mãe diz ao filho,
capitalismo sempre passou por períodos de crises semelhante aos livros que podem ser encontrados em sua
econômicas, desequilíbrios políticos e inúmeros conflitos. casa e semelhante até as regras de convivência da família.
Essa nova sociedade que surgia trazia problemas para Uma criança que carrega consigo determinados níveis
serem interpretados e, nesse sentido, são muitos os que de “capital cultural” poderá não assimilar determinados
passam a desenvolver estudos com a preocupação única conhecimentos que a escola lhe transmite, pois tais
de tentar entender essa nova ordem social. linguagens podem não ter ligação com seu cotidiano, seu
dia a dia. A escola não cria, mas poderá reproduzir
A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SEGREGAÇÃO? desigualdades. É o que se verifica no fato de tantas
crianças abandonarem a escola ou nas reprovações
Diversos sociólogos realizaram pesquisas interessados consecutivas.
em estudar o papel da escola na sociedade capitalista. Um Mas a escola também cumpre uma função
dos mais conhecidos pesquisadores foi o sociólogo francês disciplinadora. A respeito da função disciplinadora da
Pierre Bourdieu (1930-2002) que fez parte de uma geração escola recorremos aos estudos do filósofo francês Michel
de pesquisadores interessada em estudar esse “papel da Foucault (1926-1984). Este pensador realizou diversos
escola” na sociedade capitalista. A escola passa a ser vista estudos comparativos entre algumas instituições como
por pesquisadores na área de sociologia como a instituição prisões, conventos, quartéis e escolas, buscando desvelar
mais eficiente para segregar pessoas, ao dividir e suas semelhanças no que se refere aos aspectos de
marginalizar parte dos alunos com o objetivo de organização e controle. Para Foucault, mais importante do
reproduzir a sociedade de classes. Na França, por que um poder centralizador e visível, são os “pequenos”
exemplo, Bourdieu interessou-se em pesquisar a poderes que abarcam todo o espaço social e dos quais não
existência de “duas redes de escolarização”: uma conseguimos escapar, porque estão dispersos. É o espaço
destinada aos filhos da classe empresarial e outra físico, o mobiliário, as regras, os olhares vigilantes, as
destinada aos filhos da classe trabalhadora. ameaças e as punições agindo sempre no sentido de
A primeira classe social – por ser classe dominante – controlar nossos corpos e nossas consciências, de nos
teria acesso às melhores escolas, seus filhos teriam tempo fazermos “úteis”, “dóceis”, treinados para a obediência.
e recursos para estudar, enquanto os trabalhadores, sem A escola é um espaço para “aprender”. Mas “aprender” o que?
recursos financeiros e por conta da jornada de trabalho, Aprender a nos tornarmos civilizados? A nos tornarmos
são obrigados a se contentar com as piores escolas e não dóceis e obedientes? A repetir o livro e as palavras do
atingem as notas necessárias para entrar nas melhores. professor? Ou para ter a autonomia intelectual para tomar
Além disso, para valorizar sua educação, a classe
ENEM 47
Ciências Humanas e suas Tecnologias

decisões e que possa contribuir na formação de uma


sociedade mais justa, fraterna e igualitária?
(https://projetoaletheia.wordpress.com/sociologia/ney-
jansen/instituicoes-sociais/)
FIQUE LIGADO NO ENEM!
• São objetivos da educação: a transmissão da cultura, a
SOCIEDADE, ESCOLA E FAMÍLIA adaptação dos indivíduos à sociedade, o desenvolvimento de
suas potencialidades e, como consequência, o desenvolvimento
Uma das tarefas da educação nas sociedades tem sido a da personalidade e da própria sociedade. A educação permite
de mostrar que os interesses individuais só se podem que a criança, ao crescer, também possa interferir no meio
realizar plenamente através dos interesses sociais. Em social em que vive, ajudando a incorporar inovações e até a
outras palavras a educação ao socializar o indivíduo, modificar padrões culturais estabelecidos – ou seja, contribuindo
mostra a este que sozinho, não poderá desenvolver o ser para transformar a sua própria realidade.
humano e sim só desenvolverá potencialidade em contato • A educação informal ou difusa é a que ocorre na vida diária
com outras pessoas, com o meio social. A coexistência no por intermédio dos contatos primários (com a família, por
grupo por sua vez, só é possível se o indivíduo aceitar exemplo) e pela assimilação dos hábitos de cada grupo social,
certas regras comuns a todos. pela observação do comportamento dos mais velhos, pela
A contribuição da comunidade na escola pode gerar convivência com os outros membros da sociedade.
confusão, seja por submetê-la a pressões de grupos em • A divisão do trabalho e a diversidade de papéis sociais exigem
defesa de interesses específicos, ou seja, por torná-la palco de crianças e jovens a passagem pela escola, onde recebem
de disputas de caráter partidário, clientelista ou educação sistemática ou formal. O objetivo básico dessa forma
ideológico. Uma das habilidades importantes para uma de educação é a transmissão de certos legados culturais, isto é,
gestão democrática é de administrar conflitos e de conhecimentos, técnicas ou modos de vida, de forma a
relacionarem-se com reverência as desigualdades, a preparar as pessoas para os papéis que elas serão chamadas a
maioria de ideias e conceitos pedagógicos, direito de desempenhar na sociedade ao longo da vida (ter uma profissão,
decidir e a tolerância, em cada escola a gestão ser pai ou mãe de família, estar preparado para exercer a
democrática declara com certeza a colaboração ativa do cidadania, etc).
controle social da educação e ensino. • Pierre Bourdieu entre vários outros pesquisadores perceben a
Algumas vezes as escolas esquecem que os pais e os escola como a instituição mais eficiente para segregar pessoas,
alunos são sujeitos do processo educativo e que ao dividir e marginalizar parte dos alunos com o objetivo de
certamente, tem muitas sugestões para a melhoria dos reproduzir a sociedade de classes. A classe dominante teria
processos vivenciados na escola. Incluir a sociedade e acesso às melhores escolas, seus filhos teriam tempo e
escola é tarefa complicada, pois atrai sensibilidade e recursos para estudar, enquanto os trabalhadores, sem
valores diferenciados. Compete às equipes gestoras recursos financeiros e por conta da jornada de trabalho, são
analisar e colocar em práticas estratégicas as pessoas a se obrigados a se contentar com as piores escolas e não atingem
envolver e participar na vida do educando/filho na escola. as notas necessárias para entrar nas melhores.
Família e escola têm uma importância em comum: • Segundo Foucault, a escola também cumpre uma função
preparam para a sociedade seus futuros cidadãos. Esse disciplinadora. Mais importante do que um poder centralizador e
fato tece laços profundos entre as duas instituições, visível, são os “pequenos” poderes que abarcam todo o espaço
favorecendo a troca de informações e ajuda mútua. A social e dos quais não conseguimos escapar, porque estão
escola que reconhece isso abre suas portas para a dispersos. É o espaço físico, o mobiliário, as regras, os olhares
comunidade, consegue dar um salto qualitativo em relação vigilantes, as ameaças e as punições agindo sempre no sentido
às outras. Em certos casos esse salto não se traduz apenas de controlar nossos corpos e nossas consciências, de nos
em melhoria das ações pedagógicas, mas às vezes também fazermos “úteis”, “dóceis”, treinados para a obediência.
na própria garantia de sua exigência física. "A educação • Família e escola têm uma importância em comum: preparam
não é um elemento para a mudança social, e sim pelo para a sociedade seus futuros cidadãos. Esse fato tece laços
contrário, é um elemento fundamental para a conservação profundos entre as duas instituições, favorecendo a troca de
e funcionamento do sistema social" (DURKHEIM, informações e ajuda mútua. De modo nenhum adianta o colégio
1973:52). labutar com uma sugestão de ensino se a família, em sua casa,
De modo nenhum adianta o colégio labutar com uma fizer o oposto. Família e escola, trabalhando unidos, podem ter
sugestão de ensino se a família, em sua casa, fizer o efeitos melhores, garantindo resultados surpreendentes na
oposto. Os pais devem informar-se mais da vida escolar educação.
dos filhos, contribuindo com o desenvolvimento e
crescimento dos educandos. Compete às escolas designar
ambientes e preceitos para conter os pais nos
procedimentos educacionais. Família e escola, trabalhando UNIDADE 21
unidos, podem ter efeitos melhores, garantindo resultados
surpreendentes na educação.
(http://br.monografias.com/trabalhos3/sociedade-escola- A RELIGIÃO
familia/sociedade-escola-familia.shtml) (ADAPTADO)
O QUE É RELIGIÃO?

48
Sociologia

A religião é um elemento central da experiência humana Já o sociólogo francês Émile Durkheim (1858-1917)
e existe em todas as sociedades conhecidas. Já foram considera o aspecto coletivo das cerimônias religiosas um
encontradas inúmeras evidências de que havia rituais e fator que não só diferencia a religião da magia, mas
símbolos religiosos nas comunidades antigas, dos quais também mantém acesa a chama da fé religiosa. Segundo
temos conhecimento apenas por meio de vestígios ele afirma no livro As formas elementares da vida
arqueológicos, ou seja, objetos ou pedaços de objetos que religiosa: o sistema totêmico na Austrália, as crenças
indicam uma utilização voltada ao sagrado. permanecem apenas se partilhadas. É assim que elas
A religião influencia de diversas maneiras a forma pela nascem e são adquiridas por meio da convivência em
qual vemos o mundo e reagimos ao meio que nos rodeia. sociedade. Para Durkheim, aqueles que verdadeiramente
Por isso, o antropólogo norte-americano Clifford Geertz têm fé saem do isolamento e se aproximam dos outros
(1926-2006) afirma, na obra Interpretação das culturas, para convencê-los. É essa força de suas convicções que
que a religião é sociologicamente interessante não porque mantém a fé, pois sozinha, ela enfraqueceria.
descreve a ordem social, mas porque a modela. Ou seja, (DIMENSTEIN, Gilberto; RODRIGUES, Marta e GIANSANTI, Álvaro.
Dez Lições de Sociologia para um Brasil cidadão.
ela não apenas é fruto de determinada sociedade, como
São Paulo: FTD, 2012. pp. 76-78)
também interfere no modo de pensar, agir e sentir de seus
indivíduos. A INSTITUIÇÃO RELIGIOSA
A palavra religião vem do latim (religio) e remete ao
verbo religare, que significa ação de ligar. O pesquisador Todas as sociedades conheceram ou conhecem alguma
Junito Brandão, em seu livro Mitologia grega, define forma de religião. A crença em algum tipo de divindade e
religião como o conjunto de atitudes e atos por meio do o sentimento religioso são fenômenos sociais universais,
qual o ser humano se liga ao divino ou manifesta sua comuns a todas as épocas e lugares do planeta desde os
dependência em relação a seres invisíveis tidos como tempos mais remotos.
sobrenaturais. Entretanto, é preciso ter muito cuidado ao Cada povo tem nas crenças religiosas um fator de
identificar a religião apenas com a crença no sobrenatural, estabilidade, de aceitação da hierarquia social e de
pois existem diversas religiões orientais em que não há obediência às normas que a sociedade considera
deuses, mas a valorização de ideais éticos que relacionam necessárias para a manutenção do equilíbrio social. Por
a unidade natural do Universo ao crente. Também é isso, a religião desempenhou quase sempre uma função
preciso cuidado para não identificar a religião com o social estabilizadora.
monoteísmo, pois há muitas religiões que cultuam Exceção a essa regra são os movimentos religiosos
diversas divindades. reformadores, muitos dos quais contribuíram para a
Por constituir um fenômeno socialmente condicionado, formação de novas correntes religiosas. Esse foi o caso da
a religião pode ser considerada historicamente transitória. Reforma Protestante, iniciada entre 1517 e 1520 por
Isso significa que, embora ela esteja presente desde as Martinho Lutero no Sacro Império Romano-Germânico
sociedades antigas, em cada contexto histórico, em cada (atual Alemanha). Depois de romper com a Igreja
localidade e em cada agrupamento humano, ela se Católica, Lutero fundou o protestantismo, lançando a
apresenta de maneira diferente. Por exemplo, um Europa em um período de rupturas e sangrentos conflitos
indivíduo nascido na Europa da Idade Média (dominada entre cristãos, as chamadas guerras religiosas.
pelo Cristianismo) tem crenças religiosas diferentes de
outro nascido em um sistema de castas da Índia, ou A CRENÇA NO SOBRENATURAL
mesmo em uma sociedade indígena antes da colonização
portuguesa. A religião envolve a crença em poderes sobrenaturais e
Nesse sentido, o estudo da religião representa um misteriosos. Essa crença está associada a sentimentos de
desafio importante para a imaginação sociológica: ao respeito, temor e veneração e se expressa em atitudes
analisar as práticas, temos de interpretar crenças e rituais públicas destinadas a lidar com esses poderes.
diferentes em diversas culturas; ao estudar o papel social Geralmente, todas as religiões têm seu lugar de culto:
da religião, temos de ser sensíveis aos ideais que inspiram igrejas, templos, mesquitas, sinagogas, etc.
as convicções dos seguidores e reconhecer a diversidade Para a antropóloga Ruth Benedict, a religião é uma
de crenças religiosas variadas. instituição sem paralelo: enquanto a origem de todas as
Apesar das diferenças, o ponto comum entre todas as outras instituições pode ser encontrada nas necessidades
religiões é que elas implicam um conjunto de símbolos e físicas do homem, a religião não corresponde a nenhuma
rituais que são realizados coletivamente. Aliás, há quem necessidade material específica.
considere o aspecto da coletividade o principal aspecto A forma pela qual se expressa o sentimento religioso
que distingue, no âmbito da Sociologia, a magia da varia muito, seja de pessoa para pessoa, seja de grupo para
religião. O sociólogo britânico Anthony Giddens (1938- ), grupo, seja de época para época. Cada sociedade acentua
por exemplo, em sua obra Sociologia, define magia como aspectos diferentes em suas manifestações religiosas.
a tentativa individual de influenciar os acontecimentos por Algumas atribuem importância maior à crença no
meio de uso de poções, cânticos ou práticas rituais, e sobrenatural; outras, aos ritos e cerimônias; outras, ainda,
religião como um conjunto de crenças e praticas rituais às à contemplação.
quais os membros de uma comunidade aderem, e que
envolve símbolos ligados à reverência e à admiração. A RELIGIÃO EM UM MUNDO MATERIALISTA

ENEM 49
Ciências Humanas e suas Tecnologias

As religiões ocidentais sofreram profundas a mediação de instituições religiosas. Assim, essas


modificações com o desenvolvimento da economia instituições perdem gradativamente a capacidade de atrair
industrial, quando o progresso da ciência e das artes fez e vincular adeptos.
com que o ser humano passasse a ter uma nova visão de si Mas esse processo não é percebido por meio das opções
mesmo e do universo. Nessas circunstâncias, boa parte das usualmente apresentadas nos instrumentos de coleta de
religiões vem procurando conciliar suas doutrinas com o dados de pesquisas demográficas. Além disso, essas
avanço do conhecimento científico. abordagens quantitativas exigem definições precisas e um
Ao lado disso, desenvolveu-se também, entre religiosos determinado momento da trajetória do indivíduo, não
de algumas religiões, uma particular preocupação com as permitindo observar situações presentes na experiência
desigualdades sociais, acentuadas com a Revolução social dos jovens, como o trânsito religioso – a
Industrial e a formação da sociedade capitalista moderna. peregrinação entre diferentes alternativas religiosas
Assim, em 1891, na encíclica Rerum novarum, o papa existentes em busca daquela que preencha as necessidades
Leão XIII expôs o que seria chamado de “doutrina social espirituais, as adesões provisórias, a prática simultânea de
da Igreja católica”. Nesse documento, embora rejeitasse o mais de uma religião, a produção de sínteses pessoais,
socialismo, o chefe do catolicismo afirmava a necessidade sincréticas, a partir de elementos disponíveis em
de o Estado garantir melhores salários e condições de uma diferentes sistemas de crenças. E há também aqueles que
vida digna para os trabalhadores. mesmo optando por uma determinada religião,
Na América Latina, essa preocupação com os problemas estabelecem negociações próprias com o conjunto de
sociais deu origem à Teologia da Libertação (1979), concepções e práticas requeridas dos adeptos, ou seja, não
doutrina seguida por alguns sacerdotes e bispos da Igreja adotam o sistema completo de olhos fechados.
católica que defende o engajamento da instituição Para analisar o tema da religião na juventude, um
religiosa na luta contra as desigualdades e por justiça caminho metodológico proveitoso é abordagem das
social. Hoje, alguns movimentos religiosos defendem uma práticas e das crenças, e não tanto a consideração da
participação maior das religiões na solução de problemas declaração de adesão formal a determinados corpos de
sociais e vêm procurando ressaltar mais as questões éticas doutrinas.
do que os dogmas religiosos.
Em contrapartida, os grupos religiosos mais IDENTIDADE RELIGIOSA
conservadores caminham em direção oposta, defendendo
o apego à tradição e dando ênfase às atividades A busca de repostas para suas dúvidas e angústias
missionárias e à salvação da alma. existenciais, a abertura ao novo, a extrema curiosidade, a
Seja como for, a instituição religiosa – budista, católica, liberdade frente a exigências incompreensíveis, a crítica
evangélica, islâmica, ortodoxa, hebraica, umbandista, etc. aguçada quando percebem nos líderes religiosos atitudes
– continua sendo uma das principais instituições a consideradas inadequadas, tudo isso pode explicar uma
influenciar o comportamento humano em todas as adesão mais fluida, os vínculos tênues que uma parcela da
sociedades do mundo contemporâneo. Entretanto, alguns juventude mantém com as instituições religiosas. É
estudiosos acreditam que cada vez mais vai-se exigir dela freqüente encontrarmos jovens que em um curto período
um novo estilo de liderança para lidar com pessoas mais passaram por diversas experiências religiosas e que se
instruídas, menos acostumadas a obedecer sem fazer definem como “buscadores” do sagrado. Neste sentido
perguntas e que desfrutam de maior liberdade para têm a atenção despertada para religiões de matriz oriental,
escolher seu destino. que aumentaram sua presença no País nas últimas
Assim, muitos dogmas religiosos deverão ser revistos, décadas, ou para espiritualidades exóticas e esotéricas,
entre eles a indissolubilidade do casamento e a proibição muitas vezes associadas à dimensão terapêutica e do
do aborto, que afetam várias correntes religiosas. As autoconhecimento.
religiões e seitas, de modo geral, deverão participar mais Isso não deve ser confundido com uma atitude de
ativamente dos grandes problemas sociais, econômicos e descompromisso dos jovens em relação à religião. Cada
culturais da sociedade, não só para dar amparo moral aos vez mais se pode observar a adesão de jovens a sistemas
crentes, mas também para ajudá-los a resolver esses ou movimentos religiosos que exigem uma rígida
problemas. observância de regras comportamentais; alguns inclusive
(OLIVEIRA, Pérsio Santos de. Introdução à Sociologia. escolhem viver radicalmente os princípios da fé em
São Paulo: Editora Ática, 2011. pp. 223-224) comunidades constituídas em torno de uma identidade
religiosa, como no Santo Daime, no Hare Krishna, na
Toca de Assis.
Simultaneamente, é possível perceber uma tendência a
EXPERIMENTAÇÃO E FILIAÇÃO RELIGIOSA inscrever no corpo sinais de uma identidade religiosa, seja
pela adoção pública de vestes especiais ou de camisetas
Estamos diante de fenômenos que têm sido analisados contendo mensagens religiosas, ou ainda acessórios
pelos estudiosos da religião. Um deles é a chamada simbólicos (cordões, anéis, broches), ou mesmo tatuagens.
desinstitucionalização religiosa. Cada vez mais pessoas Não se trata de uma religião vivida no âmbito privado,
deixam de encontrar nas grandes religiões tradicionais mas deseja-se sim, que tenha visibilidade pública.
narrativas plausíveis que respondam a suas necessidades
de sentido, e passam a ter uma experiência do sagrado sem
50
Sociologia

Uma outra faceta desse anúncio identitário está dedicar a atividades religiosas, seja pelas dificuldades de
relacionada a uma tendência observada nas grandes ingressar no mercado de trabalho, em tempos de
religiões universais, de adoção de atitudes desemprego estrutural, seja porque ainda não possuem
fundamentalistas, de formação de grupos que procuram filhos e as responsabilidades associadas a esta situação.
reforçar as tradições e identidades. Tanto o catolicismo, A participação em um grupo religioso muitas vezes
como as denominações protestantes, o judaísmo, o permite o ingresso em redes de solidariedade que dão
islamismo, entre outras, possuem em seu interior grupos suporte emocional e material em situações de dificuldade.
reacionários que contam com a participação de jovens. Por tudo isso, a religião pode ser um meio de os jovens
Esses processos são vivenciados por pessoas de todas as ampliarem sua rede de sociabilidade e seu universo de
idades, não apenas pelos jovens. Entretanto, estamos conhecimento. No entanto, pode acontecer o inverso,
tratando de uma fase da vida em que se intensifica uma quando os jovens ingressam em grupos religiosos que
experimentação que pode dar origem a escolhas tendem a fechar-se em si mesmos ocupando todo o tempo
existenciais importantes: a vivência da sexualidade, a livre dos adeptos e reduzindo as oportunidades de outros
busca de parceiros, a orientação sexual, a continuidade ou convívios sociais.
não dos estudos, a inserção profissional, os círculos de É preciso reconhecer que os espaços constituídos em
amizade, as adesões ideológicas, políticas, a adoção de torno de uma identidade religiosa também são lugares de
determinados valores. A religião também é um campo de assimetria, de disputa, de lutas de poder e prestígio. E a
experimentação e de escolha para os jovens, mesmo que percepção dessa dinâmica, típica de qualquer organização
em todas estas áreas da vida as decisões não sejam social, algumas vezes conduz a uma decepção do jovem e
definitivas e irreversíveis. ao seu afastamento do grupo religioso.
Assim durante a juventude podem acontecer processos A vivência religiosa tem outras repercussões para os
como a desvinculação da tradição religiosa em que o jovens. Nas escolas e universidades alguns jovens
jovem foi socializado, rompendo com a religião dos pais, chamam a atenção por sua facilidade para falar em
a conversão a um outro sistema religioso, ou mesmo a público, sustentar argumentações nos debates.
readesão à religião de origem, não mais por herança Características comuns em jovens que tiveram uma
familiar, mas por decisão própria, passando pelo crivo do socialização em grupos políticos, em mobilizações sociais.
indivíduo. Isso mostra mudanças no processo de A novidade é perceber que muitas vezes essas capacidades
transmissão da religião de uma geração a outra. Cada vez foram adquiridas numa trajetória religiosa.
mais encontramos indivíduos com identidades religiosas A experiência religiosa tem outros impactos na vida
numa mesma família. E também cresce o número de social dos jovens, na adoção de determinados valores e
relatos de jovens socializados em lares agnósticos que tem práticas como, por exemplo, a valorização da caridade, da
buscado uma vivência religiosa. Aqui é importante política, da ecologia.
assinalar a influência do círculo de amigos, onde os jovens Por outro lado, um fenômeno que tem sido observado
encontram mediadores na aproximação dessas novas nas escolas de ensino fundamental e médio é o aumento
alternativas religiosas. do número de jovens que adotam uma concepção
criacionista, tendo a narrativa bíblica como critério de
PERTENCIMENTO RELIGIOSO E VIDA SOCIAL verdade para explicar a criação do Universo e da
humanidade. Cosmovisão que entra em choque com as
Já me referi anteriormente a pessoas que assinalam explicações científicas e têm causado conflitos e
como as religiões oferecem mais um espaço de embaraços para educadores que respeitam a escolha
sociabilidade para os jovens, além da família, da escola, religiosa de seus alunos e precisam fazer seu trabalho
da vizinhança, dos locais de trabalho. Igrejas, templos, apresentando outras perspectivas.
salões, terreiros, centros espíritas, sinagogas, mesquitas Em geral as instituições religiosas acionam estratégias
são lugares de culto, de contato com o sagrado, de estudo para atrair os jovens, pois dependem da renovação de seus
sobre a cosmologia de uma determinada religião. Mas quadros para continuar existindo. Entre essas estratégias
também oferecem oportunidade para conhecer outras está a atualização de suas mensagens, com a utilização de
pessoas, fazer amigos, descobrir parceiros para uma linguagem contemporânea, a flexibilização de
relacionamentos afetivos. Algumas vezes essas exigências no campo do comportamento, a promoção de
motivações são tão ou mais importantes para que jovens grandes concentrações, shows, música, a incorporação de
se aproximem de uma experiência religiosa. estilos musicais associados às culturas juvenis, como o
A propósito da religião muitos jovens têm acesso a Rock e o Hip Hop, por exemplo. Há inclusive toda uma
oportunidades de lazer: fazem passeios, acampamentos, produção cultural gospel voltada para a juventude ou
viagens, assistem (e também participam) a espetáculos mesmo produzida pelos próprios jovens. Muitas vezes eles
religiosos de música, dança, teatro. Outra dimensão dessa assumem o proselitismo religioso voltado para seus pares.
experiência juvenil é a possibilidade de circular pela Não obstante essa modernização, os especialistas têm
cidade para participar de rituais, espetáculos, estudos, apontado que nem sempre a renovação da forma se
visitar outros grupos. E isso em uma época marcada pela estende a concepções religiosas. Desse modo, algumas
violência e por preocupações com segurança, que tradições religiosas continuam afirmando ideias
restringem o deslocamento nas metrópoles. produzidas em outros contextos histórico-culturais e
Outro elemento a destacar é que uma parcela exigindo dos jovens condutas compatíveis com esses
significativa de jovens possui tempo disponível para
ENEM 51
Ciências Humanas e suas Tecnologias

ensinamentos. Um caso exemplar encontra-se nos


discursos sobre moral sexual e práticas reprodutivas
UNIDADE 23
proferidos pelo líder mundial do catolicismo durante sua
recente visita ao Brasil. O ESTADO
Aqui cabe assinalar que na vida cotidiana pode existir
um hiato entre as doutrinas oficiais e as práticas efetivas Quando uma pessoa tem seu Imposto de Renda retido
dos fiéis, e isso é comum no campo da sexualidade. na fonte – ou quando compra determinado produto
Este conjunto de indicações mostra que os jovens têm (alimento, roupas, calçados) –, está sendo tributada, isto é,
recriado continuamente suas formas de relacionamento está pagando impostos ao Estado. No primeiro caso, o
com a religião, e têm feito uma experiência profunda do imposto é direto, porque incide diretamente sobre o salário
sagrado, dentro ou fora de instituições religiosas. da pessoa. No segundo caso, é indireto, porque quem o
Experiência que permite a construção de identidades recolhe é o comerciante, por meio do ICMS (Imposto
coletivas e tem repercussões significativas em sua vida. sobre a Circulação de Mercadorias e Prestação de
(Revista Sociologia. “Nova Trindade: Busca, Fé e Questionamento”.
Ano 1. Nº 2. Serviços), ou o fabricante, por meio do IPI (Imposto sobre
São Paulo: Editora Escala, 2007. pp. 67-73) Produtos Industrializados).
Os tributos representam o recolhimento de recursos
financeiros provenientes de pessoas físicas (indivíduos) e
pessoas jurídicas (empresas) pelo Estado. Esses recursos
FIQUE LIGADO NO ENEM! servem para que o Estado mantenha sua máquina
administrativa (funcionários, forças armadas, polícia,
• A religião influencia de diversas maneiras a forma pela qual juízes, deputados, senadores, etc.), faça investimentos de
vemos o mundo e reagimos ao meio que nos rodeia. Clifford infraestrutura (saneamento básico, estradas, hidrelétricas)
Geertz afirma que a religião é sociologicamente interessante e preste os serviços sociais básicos à população (escolas e
não porque descreve a ordem social, mas porque a modela. Ou hospitais públicos, previdência social, etc.).
seja, ela não apenas é fruto de determinada sociedade, como O recolhimento de tributos só é possível porque os
também interfere no modo de pensar, agir e sentir de seus integrantes da sociedade reconhecem que o Estado tem
indivíduos. esse direito e porque o Estado detém um forte poder de
• Um desafio importante para a imaginação sociológica: ao coerção. Esse poder permite ao governo (que é uma das
analisar as práticas, temos de interpretar crenças e rituais instâncias do Estado) recorrer a várias formas de pressão
diferentes em diversas culturas; ao estudar o papel social da (multas, processos judiciais, prisão, etc.) para fazer valer
religião, temos de ser sensíveis aos ideais que inspiram as seu direito de cobrar impostos.
convicções dos seguidores e reconhecer a diversidade de
crenças religiosas variadas.
O MONOPÓLIO DA FORÇA LEGÍTIMA
• Apesar das diferenças, o ponto comum entre todas as religiões
é que elas implicam um conjunto de símbolos e rituais que são Segundo o sociólogo Max Weber, o Estado é a
realizados coletivamente. Segundo Durkheim, as crenças instituição social que dispõe do monopólio do emprego
permanecem apenas se partilhadas. É assim que elas nascem e legítimo da força sobre um determinado território. A
são adquiridas por meio da convivência em sociedade. Aqueles expressão “legítimo” pressupõe que o Estado tem o direito
que verdadeiramente têm fé saem do isolamento e se
de recorrer à força sempre que isso seja necessário, e que
aproximam dos outros para convencê-los. É essa força de suas
esse direito é reconhecido pela sociedade sobre a qual esse
convicções que mantém a fé, pois sozinha, ela enfraqueceria. Estado exerce seu poder. É diferente, por exemplo, da
• Cada povo tem nas crenças religiosas um fator de
violência utilizada por malfeitores, considerada ilegítima.
estabilidade, de aceitação da hierarquia social e de obediência
Nas democracias modernas, a lei confere ao Estado o
às normas que a sociedade considera necessárias para a
direito de recorrer a várias formas de pressão, inclusive à
manutenção do equilíbrio social. Por isso, a religião
violência, para que suas decisões sejam obedecidas. Esse
desempenhou quase sempre uma função social estabilizadora.
direito é geralmente executado por oficiais de justiça e
• Em geral as instituições religiosas acionam estratégias para
policiais em cumprimento de ordens judiciais
atrair os jovens, pois dependem da renovação de seus quadros
determinadas pelos detentores do poder Judiciário, um dos
para continuar existindo. Entre essas estratégias está a
poderes do Estado.
atualização de suas mensagens, com a utilização de uma
linguagem contemporânea, a flexibilização de exigências no
campo do comportamento, a promoção de grandes
concentrações, shows, música, a incorporação de estilos
musicais associados às culturas juvenis.
O PODER DO ESTADO
• A experiência religiosa tem outros impactos na vida social dos
jovens, na adoção de determinados valores e práticas como, por
Segundo ainda Max Weber, o termo poder, em sentido
exemplo, a valorização da caridade, da política, da ecologia.
amplo, designa “a probabilidade de impor a própria
vontade dentro de uma relação social, mesmo contra toda
resistência”. Poder significa, assim, a probabilidade de

52
Sociologia

alguém se fazer obedecer por outra pessoa. Ter poder é Embora sejam às vezes utilizados como sinônimos,
conseguir impor a própria vontade de outros indivíduos. existem grandes diferenças entre os conceitos de Estado e
Nas democracias representativas, o poder do Estado tem de nação. A nação é um conjunto de pessoas ligadas entre
por base uma Constituição livremente elaborada e si por laços permanentes de idioma, tradições, costumes e
aprovada por uma assembleia de pessoas eleitas com essa valores; é anterior ao Estado, podendo existir sem ele. Já
finalidade, a Assembleia Constituinte. O Estado assim um Estado pode compreender várias nações, como é o
organizado é chamado de Estado de direito, pois nele caso do Reino Unido (ou Grã-Bretanha, formada pela
ninguém está acima da lei. Segundo a tradição instaurada Escócia, Irlanda do Norte, País de Gales e Inglaterra).
pela independência dos Estados Unidos (1776), o poder Por outro lado, como vimos, podem existir nações sem
nesse tipo de Estado não está centralizado nas mãos de um Estado, como acontecia com os judeus antes da criação do
único governante, nem mesmo de um só conjunto de Estado de Israel e ainda ocorre hoje com os palestinos, os
instituições. Na verdade, ele se distribui entre três curdos e os ciganos.
conjuntos, que integram a instituição maior do Estado.
São eles, os poderes Executivo (governo, administração ESTADO E GOVERNO
pública, forças armadas, prefeituras), Legislativo
(Congresso Nacional, Assembleias Legislativas e Câmaras Para alguns autores, como Alain Birou em seu
de Vereadores) e Judiciário (órgãos da Justiça). Dicionário das Ciências Sociais, “o Estado é a
Em virtude de seu monopólio da força legítima, o estado organização política da comunidade histórica que constitui
detém o poder supremo na sociedade. Ele reserva para si o a nação”. O Estado é, portanto, uma nação com um
direito de impor e de obrigar aqueles que discordam de conjunto de instituições políticas, entre as quais um
suas decisões a cumprirem a lei. Qualquer outro uso da governo. Ou ainda: “é a nação politicamente organizada”.
força ou coerção – por bandos criminosos, soldados Governo e Estado, por sua vez, não são a mesma coisa.
amotinados, grupos rebeldes – é ilegítimo e coibido pelo O Estado é uma instituição social permanente, ou de longa
Estado. duração – o estado monárquico constitucional na
Quando o estado não consegue eliminar tais focos de Inglaterra, por exemplo, subsiste desde 1688, quando
violência e desrespeito à lei, perde sua característica ocorreu a Revolução Gloriosa, que estabeleceu a Carta de
principal, a de fazer cumprir a lei, e, a longo prazo, corre o Direitos, pela qual é o Parlamento, e não o rei (ou a
risco de deixar de existir. Isso ocorre, sobretudo quando rainha), que exerce o poder. O governo, em contrapartida,
ele não consegue debelar uma revolução ou uma é apenas um componente transitório do Estado. Assim,
insurreição, ou quando não pode impedir que certas áreas pode-se dizer que “o governo muda, mas o Estado
do seu território fiquem a mercê de bandidos, como continua”.
acontece hoje em algumas favelas de Rio de Janeiro. Como o Estado é uma entidade abstrata, que não tem
No primeiro caso, um grupo de revolucionários assume “querer” nem “agir” próprios, o governo (grupo de
o poder e funda um novo tipo de Estado, como ocorreu na pessoas) age em seu nome. Por exemplo: a Presidência da
França, entre 1789 e 1793, e na Rússia, em 1917. No República é um órgão fundamental do Estado brasileiro
segundo caso, forma-se um “poder paralelo” ao do Estado desde 1889. O presidente da República, eleito para um
que pode ser mais ou menos forte segundo as mandato de quatro anos, age em nome do Estado, e não
circunstancias. em nome de um partido ou de grupos políticos.
Nas democracias, como vimos, a base de organização
ALGUNS COMPONENTES DO ESTADO do Estado é sua Constituição – conjunto de leis que
ordena o Estado, estabelece as normas referentes aos
O Estado é essencialmente um agente de controle poderes públicos e afirma direitos e deveres dos cidadãos
social. Difere de outras instituições – como a família e a –, à qual se submetem igualmente governantes e
instituição religiosa, que também exercem controle – na governados.
medida em que tem poder para regular as relações entre É a Constituição que atribui legitimidade aos governos
todos os membros da sociedade. das sociedades democráticas. O não cumprimento da
Os três componentes mais importantes do Estado são: Carta constitucional torna os governantes ilegítimos e
• Território – constitui sua base física, sobre a qual ele passíveis de serem destituídos. Isso ocorreu no Brasil em
exerce sua jurisdição; 1992, quando o presidente Fernando Collor de Mello foi
• População – é composta dos habitantes do território, que obrigado a renunciar para não sofrer uma ação de
forma a base física e geográfica do Estado. impeachment (impedimento, ou afastamento do cargo),
• Instituições políticas – entre estas sobressaem os em razão das evidências de que havia cometido atos de
poderes Executivo, Legislativo e Judiciário; o núcleo corrupção, violando assim os princípios constitucionais.
do poder do Estado, contudo, está nas mãos do Uma das exigências da democracia é que haja
governo – grupo de pessoas colocadas à frente dos independência e harmonia entre os poderes Executivo,
órgãos administrativos e que exercem Legislativo e Judiciário. Cada um deles deve fiscalizar o
temporariamente o poder público em nome da outro, de modo a garantir que as leis e regras que regulam
sociedade. a vida dos cidadãos sejam efetivamente aplicadas. Por
exemplo, se uma pessoa for presa indevidamente pela
ESTADO E NAÇÃO
polícia, pode recorrer ao poder Judiciário para obter sua

ENEM 53
Ciências Humanas e suas Tecnologias

liberdade por meio de um habeas corpus (expressão latina religiosa, que também exercem controle – na medida em que
que significa “tenha o seu corpo”). O habeas corpus tem poder para regular as relações entre todos os membros da
estabelece que nenhuma pessoa pode ser presa sem causa sociedade.
formada, ou sem flagrante delito. • Os três componentes mais importantes do Estado são:
Em contrapartida, se as leis de um país não são mais território, população e Instituições políticas.
adequadas ao seu funcionamento, cabe ao poder • Governo e Estado não são a mesma coisa. O Estado é uma
Legislativo criar novas leis ou modificar as existentes. instituição social permanente, ou de longa duração. O governo,
em contrapartida, é apenas um componente transitório do
FORMAS DE GOVERNO Estado.
• Os três poderes do Estado são: executivo, legislativo e
Resumindo, os três poderes do Estado são: judiciário.
• Executivo – incumbido de executar as leis; • Nas repúblicas modernas há dois tipos de regime: o
• Legislativo – encarregado de elaborar as leis; parlamentarista e o presidencialista. Nos países em que foi
• Judiciário – responsável pela distribuição de justiça e instituído o regime presidencialista, a escolha do presidente é
pela interpretação da Constituição. feita direitamente pelos eleitores. Já nos regimes
parlamentaristas os eleitores elegem seus representantes no
O governo, por sua vez, pode adotar as seguintes Parlamento e cabe unicamente a estes a escolha dos membros
formas: do poder Executivo.
• Monarquia – o governo é exercido por uma só pessoa
(o rei ou a rainha), que herda o poder e o mantém até
a morte; UNIDADE 14
• República – o poder é exercido por representantes do
povo eleitos periodicamente pelos cidadãos.
ESTRATIFICAÇÃO E MOBILIDADE SOCIAL
Atualmente, em certos países da Europa, como Grã-
Bretanha, Espanha, Suécia e Noruega, a forma de governo CAMADAS SOCIAIS
é monárquica, mas os reis têm apenas um papel simbólico
e protocolar, cabendo ao Parlamento, cujos representantes A expressão estratificação deriva de estrato, que quer
são democraticamente eleitos, o exercício efetivo do dizer “camada”. Por estratificação social entendemos a
poder. São as chamadas monarquias constitucionais. distribuição de pessoas e grupos em camadas
Por sua vez, nas repúblicas modernas há dois tipos de hierarquicamente superpostas dentro de uma sociedade.
regime: o parlamentarista e o presidencialista. Nos países Essa distribuição se dá pela posição social dos indivíduos,
em que foi instituído o regime presidencialista, a escolha das atividades que eles exercem e dos papéis que
do presidente é feita direitamente pelos eleitores. Esse desempenham na estrutura social.
modelo de democracia funciona em países como o Brasil, Assim, podemos dizer que, em certas sociedades as
a Argentina, os Estados Unidos, o Chile e o México. Já pessoas a elas pertencentes estão distribuídas entre as
nos regimes parlamentaristas os eleitores elegem seus camadas alta (classe A), média (classe B) ou inferior
representantes no Parlamento e cabe unicamente a estes a (classe C), que correspondem a graus diferentes de poder,
escolha dos membros do poder Executivo. O regime riqueza e prestígio.
parlamentarista é aplicado especialmente na Europa, tanto Na sociedade capitalista contemporânea, as posições
em repúblicas como Portugal e Itália quanto em sociais são determinadas basicamente pela situação dos
monarquias como a Grã-Bretanha e a Suécia. indivíduos no desempenho de suas atividades produtivas.
(OLIVEIRA, Pérsio Santos de. Introdução à Sociologia. Dessa forma, os grandes empresários, donos de terras,
São Paulo: Editora Ática, 2011. pp. 224-230) banqueiros e grandes comerciantes estão no topo da
sociedade, por disporem de uma grande quantidade de
capital ou de meios de produção. Eles compõem o grupo
FIQUE LIGADO NO ENEM! popularmente conhecido como “os ricos”, ou “a classe
rica”. Em contrapartida, os trabalhadores estão na base
• Nas democracias representativas, o poder do Estado tem por
inferior da sociedade por disporem unicamente de sua
base uma Constituição livremente elaborada e aprovada por
força de trabalho, e não de capital ou meios de produção.
uma assembleia de pessoas eleitas com essa finalidade, a
Entretanto, dentro dessa mesma sociedade os indivíduos
Assembleia Constituinte. O Estado assim organizado é
podem desempenhar outros papéis e alcançar novas
chamado de Estado de direito, pois nele ninguém está acima da
posições sociais, relacionadas com a religião que
lei.
praticam, o partido político em que militam, as funções
• Nas democracias, a base de organização do Estado é sua
sociais que desempenham, a profissão que exercem e
Constituição – conjunto de leis que ordena o Estado, estabelece
outras atividades.
as normas referentes aos poderes públicos e afirma direitos e
deveres dos cidadãos –, à qual se submetem igualmente Esses diferentes papéis estão interligados. Entretanto,
governantes e governados. para efeitos didáticos, vamos começar por separá-los e
classificá-los.
• O Estado é essencialmente um agente de controle social.
Difere de outras instituições – como a família e a instituição
TIPOS DE ESTRATIFICAÇÃO
54
Sociologia

(OLIVEIRA, Pérsio Santos de. Introdução à Sociologia.


São Paulo: Editora Ática, 2011. pp. 170-171)
Estratificação econômica. Definida pela posse de bens
materiais, cuja distribuição pouco equitativa faz com que
haja pessoas ricas, pobres e em situação intermediária. FAIXAS SALARIAIS X CLASSE SOCIAL - QUAL A
Estratificação política. Estabelecida pela posição de SUA CLASSE SOCIAL?
mando na sociedade (grupos que têm poder e grupos que
não têm). Geralmente o poder econômico é convertido em Há vários critérios para definir classes sociais, sem uma
poder político. predileção específica na literatura. Saiba mais sobre dois
Estratificação profissional. Baseada nos diferentes graus dos critérios mais utilizados: o critério brasil e o critério
de importância atribuídos a cada profissional pela por faixas de salários-mínimo.
sociedade. Atualmente, muitas e muitas pesquisas sobre consumo
Como já sabemos, os aspectos econômico, político, costumam relatar hábitos segundo as classes sociais.
social e cultural de uma sociedade estão interligados, bem Entretanto, a metodologia de cálculo e caracterização de
como os vários tipos de estratificação. No entanto, ao cada uma das classes é bastante difusa e há, atualmente,
longo da história, o aspecto econômico tem sido mais pelo menos duas visões relevantes:
determinante do que os outros no processo de (1) ABEP - Associação Brasileiras de Empresas de Pesquisa,
estratificação social e na caracterização da sociedade. mais conhecida como Critério Brasil.
(2) IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística,
A ESTRATIFICAÇÃO ECONÔMICA utilizado no censo populacional.

Para tornar mais clara a estratificação econômica numa Critério Brasil - ABEP e o Critério de Classificação
sociedade, vamos recorrer a dois critérios de referência. Econômica Brasil (CCEB) usado a partir de 2008
1. Reunimos as pessoas em grupos conforme seu nível de
A visão da ABEP é a utilizada pela maioria dos
renda.
institutos de pesquisa.
2. Dividimos os grupos em camadas hierarquizadas, isto é,
Segundo a ABEP, o Critério de Classificação
uma superior, uma intermediária e uma inferior.
Econômica Brasil (CCEB) é um instrumento de
Obtemos assim o quadro geral de uma estratificação
segmentação econômica que utiliza o levantamento de
econômica baseada em faixas de renda.
características domiciliares (presença e quantidade de
• Grupo ou camada A – pessoas de renda alta.
alguns itens domiciliares de conforto e grau escolaridade
• Grupo ou camada B – pessoas de renda média.
do chefe de família) para diferenciar a população. O
• Grupo ou camada C – pessoas de renda baixa.
critério atribui pontos em função de cada característica
Na figura a seguir, temos uma pirâmide social dividida domiciliar e realiza a soma destes pontos. É feita então
em estratos, segundo o critério de “nível de renda”. Na uma correspondência entre faixas de pontuação do critério
camada de baixo, a mais ampla, estão representados os e estratos de classificação econômica definidos por A1,
indivíduos de baixa renda, o grupo ou camada C. No topo, A2, B1, B2, C1, C2, D, E.
no estrato mais estreito, estão representadas as pessoas de
maior renda, que pertencem ao grupo A. Na camada CORTES DO CRITÉRIO BRASIL
intermediária estão incluídas as de renda média, que
Classe Pontos
pertencem ao grupo B.
A1 42-46
Grupo A A2 35-41
B1 29-34
B2 23-28
Grupo B C1 18-22
C2 14-17
D 8-13
E 0-7
Grupo C

ABEP – Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa – 2011


– www.abep.org – abep@abep.org
Dados com base no Levantamento Sócio Econômico 2009 -
A pirâmide da ilustração mostra graficamente a IBOPE
estratificação social de uma sociedade, ou seja, como ela
está dividida em estratos ou camadas sociais. Critério do IBGE para definição de classes sociais
Dependendo do tipo de sociedade, esses estratos ou
camadas podem ser organizados em: A visão do IBGE, baseada no número de salários
• Castas (como ocorre na Índia) mínimos, é mais simples e divide em apenas cinco faixas
• Estamentos ou estados (Europa durante o feudalismo) de renda ou classes sociais, conforme a tabela abaixo
• Classes sociais (sociedades capitalistas) válida para o ano de 2014 (salário mínimo em R$ 725).
Cada uma destas formas de estratificação tem
características próprias.

ENEM 55
Ciências Humanas e suas Tecnologias

Esta tabela foi obtida a partir de vários artigos sobre Declarações de IR por faixa de renda - ano calendário 2013
classes sociais nas pesquisas do IBGE divulgados na Riqueza em bens
imprensa e é parecida com a visão da FGV. Nº de
Faixa de rendimento e direitos (em R$
declarantes
bilhões)
Salários Mínimos Até 1/2 salário mínimo 1.268.688 91,710 (1,6%)
Classe Renda Familiar (R$)
(SM) 1/2 a 1 salário mínimo 518.341 28,848 (0,5%)
A Acima 20 SM R$14.500 ou mais 1 a 2 salários mínimos 1.075.827 63,828 (1,1%)
B 10 a 20 SM De R$7.250,00 a R$14.499,99 2 a 3 salários mínimos 2.692.915 162,665 (2,8%)
C 4 a 10 SM De R$2.900,00 a R$7.249,99 3 a 5 salários mínimos 7.882.026 489,764 (8,4%)
D 2 a 4 SM De R$1.450,00 a R$2.899,99 5 a 10 salários mínimos 7.300.376 757,644 (13%)
E Até 2 SM Até R$1.449,99 10 a 20 salários mínimos 3.522.174 863,635 (14,8%)
20 a 40 salários mínimos 1.507.344 946.215 (16,2%)
40 a 80 salários mínimos 518.567 703,606 (12,1%)
Pirâmide de Renda no Brasil 80 a 160 salários mínimos 136.718 453,223 (12,1%)
(Segundo semestre de 2013) 1.264,340
> 160 salários mínimos 71.440
(21,7%)
26.494.41 5.825,478
Total
6 (100%)
(http://g1.globo.com/economia/noticia/2015/08/71-mil-brasileiros-
concentram-22-de-toda-riqueza-veja-dados-da-receita.html)

MOBILIDADE SOCIAL

Alguns indivíduos, numa sociedade capitalista aberta,


podem chegar a ocupar diferentes posições sociais (ou
estratos) durante sua existência. Assim, pessoas que
integram o estrato de baixa renda (camada C) podem
eventualmente ascender ao estrato de renda média
(camada B) ou, mais raramente, ao de renda alta (camada
http://blog.thiagorodrigo.com.br/index.php/faixas-salariais-classe-social- A).
abep-ibge?blog=5
Em contrapartida, pessoas da camada A podem ter sua
renda diminuída, passando a integrar as camadas B ou C.
71 MIL BRASILEIROS CONCENTRAM 22% DE
Do ponto de vista sociológico, os dois fenômenos são
TODA RIQUEZA; VEJA DADOS DA RECEITA
caracterizados como manifestações de mobilidades social.
Mobilidade social é a mudança de posição social, ou
Esta elite representa 0,3% dos declarantes do imposto
seja, de status, de uma pessoa (ou grupo de pessoas) num
de renda em 2013. Nº refere-se a pessoas com renda
determinado sistema de estratificação social.
mensal superior a 160 salários mínimos.
Que o Brasil é um país desigual estamos cansados de
ouvir. Dados das declarações de imposto de renda
TIPOS DE MOBILIDADE SOCIAL
divulgados neste mês pela Receita Federal ajudam a
conhecer melhor a distribuição de renda e riqueza no país
Quando as mudanças de posição social ocorrem no
e mostram que menos de 1% dos contribuintes
sentido ascendente ou descendente na hierarquia social,
concentram cerca de 30% de toda a riqueza declarada em
dizemos que a mobilidade social é vertical. Quando a
bens e ativos financeiros.
mudança de uma posição social a outra se opera dentro da
De 2012 para 2013, o número de brasileiros com renda
mesma camada social, diz-se que houve mobilidade social
mensal superior a 160 salários mínimos (maior faixa da
horizontal.
pirâmide social pelos critérios da Receita) caiu de 73.743
A mobilidade social vertical pode ser:
para 71.440.
• Ascendente ou de ascensão social – quando a pessoa
Esta pequena elite - que corresponde a 0,3% dos melhora sua posição no sistema de estratificação social,
declarantes de IR - concentrou, em 2013, 14% da renda passando a integrar um grupo economicamente superior a
total e 21,7% da riqueza, totalizando rendimentos de R$ seu grupo anterior;
298 bilhões e patrimônio de R$ 1,2 trilhão. Isso equivale a • Descendente ou de queda social – quando a pessoa piora de
uma renda média individual anual de R$ 4,17 milhões e posição no sistema de estratificação, passando a integrar um
uma riqueza média de R$ 17 milhões por pessoa. grupo economicamente inferior.
Se adicionarmos a este grupo aqueles com renda mensal O filho de um operário que, por meio do estudo, passa a
acima de 80 salários mínimos, chega-se a 208.158 fazer parte da classe média é um exemplo de ascensão
brasileiros (0,8% dos contribuintes), que respondem social, ou de mobilidade social ascendente. Em
sozinhos por 30% da riqueza total declarada à Receita. contrapartida, a falência e o conseqüente empobrecimento

56
Sociologia

de um comerciante é um exemplo de queda social, ou uma das faces da desigualdade social. Pesquisa
mobilidade descendente. coordenada pelo professor Carlos Antonio Costa Ribeiro,
Assim, tanto a subida quando a descida na hierarquia do Instituto Universitário de Pesquisas do Estado do Rio
social são manifestações de mobilidade social vertical. de Janeiro (Iuperj) e da Universidade do Estado do Rio de
Uma pessoa se muda do interior para a capital. No Janeiro (Uerj), ressalta que a pobreza e a riqueza também
interior, ela defendia idéias políticas conservadoras; agora, são uma consequência da desigualdade de oportunidades,
na capital, sob novas influencias, passa a defender as que variam de acordo com critérios como classe social,
ideias de um partido progressista. Seu nível de renda, gênero e cor, e traça um perfil da mobilidade social da
porém, não se alterou substancialmente. A situação mostra população brasileira.
uma pessoa que experimentou alguma mudança de Com o apoio da Faperj por meio do edital Jovem
posição social, mas que, apesar disso, permaneceu no Cientista do Nosso Estado, o professor está concluindo a
mesmo estrato social. análise estatística de dados que revelam aspectos do
Assim, a mudança de uma posição social dentro da processo de estruturação das desigualdades no país,
mesma camada social caracteriza-se como mobilidade coletados – a pedido do Iuperj – pelo Ibope-Inteligência.
social horizontal. O levantamento foi feito em 8.048 domicílios em todo o
O fenômeno da mobilidade social varia de uma país, de todas as classes sociais, entre setembro e outubro
sociedade para outra. Em algumas sociedades ela ocorre de 2008. “O objetivo do trabalho é analisar a dinâmica da
mais facilmente; em outras, praticamente inexiste no desigualdade no Brasil, que está relacionada à mobilidade
sentido vertical ascendente. É mais fácil ascender social, ou seja, à capacidade de ascensão social do
socialmente nos Estados Unidos, por exemplo, do que no indivíduo, considerando a sua trajetória desde a família de
interior da Índia, ainda dominado pela estratificação social origem até a formação de um novo núcleo familiar com o
em castas. casamento”, diz Costa Ribeiro.
A mobilidade social ascendente é mais freqüente numa De acordo com o sociólogo, existem dois tipos de
sociedade democrática aberta, que estimula e enaltece a desigualdade. “Existe a chamada desigualdade de
escalada rumo ao topo de indivíduos de origem humilde – condições, que diz respeito aos diferentes níveis de renda,
como nos Estados Unidos –, do que numa sociedade de e a chamada desigualdade de oportunidades, que se refere
tradição aristocrática, com ao Inglaterra. Neste caso, às chances que uma pessoa tem de mudar de posição na
temos duas sociedades democráticas, uma com tradições sociedade ao longo das gerações familiares e ao longo do
de sociedade estamental (a Inglaterra), a outra sem essa seu ciclo de vida”, explica. “Alguns têm mais chance de
tradição (os Estados Unidos, país que não conheceu o sobreviver na infância, de entrar e terminar a escola, de ter
feudalismo, pois foi formado entre a Idade Moderna e a boa ocupação no mercado de trabalho. Esse processo de
idade Contemporânea). reprodução ou de superação das desigualdades é o tema do
Entretanto, vale esclarecer que, mesmo na sociedade estudo.”
capitalista mais aberta, a mobilidade social vertical não Para o pesquisador, a desigualdade de condições pode
ocorre de maneira igual para todos os indivíduos. A até ser um mecanismo saudável da sociedade, já que parte
ascensão social depende muito da origem de classe de das desigualdades salariais é associada às diferenças de
cada indivíduo, ou mesmo de sua origem étnica. No remuneração entre as carreiras profissionais. No entanto, a
Brasil, as pessoas brancas pertencentes às camadas sociais desigualdade de oportunidades sempre é injusta, pois
mais elevadas têm mais oportunidades e condições de se contribui para reproduzir a pobreza. “Dizer que o filho de
manter nesse nível, ascender ainda mais e se sair melhor um médico deve ter mais chances de se tornar médico do
do que as originárias das classes inferiores, sobretudo se que o filho de um faxineiro é antidemocrático por si só.
são negras. Todos deveriam ter oportunidades iguais de escolher a
Isso pode ser facilmente verificado no caso dos jovens carreira que quisessem, se tivessem as mesmas
que pretendem fazer algum curso superior. Aqueles que, oportunidades de saúde e educação”, pondera.
desde o início de sua vida escolar, freqüentaram boas
escolas e, além disso, estudaram em cursinhos HERANÇAS DA DESIGUALDADE
preparatórios de boa qualidade, têm mais possibilidades
de aprovação nos vestibulares das universidades públicas Apesar dos altos níveis de desigualdade econômica e de
e privadas do que os jovens provenientes de classes de pobreza no Brasil – os 10% mais ricos desfrutam de um
baixa renda. nível de renda cerca de 25 vezes maior do que o nível de
(OLIVEIRA, Pérsio Santos de. Introdução à Sociologia. renda dos 40% mais pobres –, as chances de mobilidade
São Paulo: Editora Ática, 2011. pp. 179-183)
social estão melhorando. “Na década de 1970, o filho de
um profissional liberal urbano tinha mil vezes mais
ESTUDO TRAÇA DIAGNÓSTICO DA MOBILIDADE chances do que o filho de um trabalhador manual de se
SOCIAL NO PAÍS E SUA INTERFACE COM A tornar um profissional liberal. Já a partir da década de
EDUCAÇÃO 1990, essa probabilidade foi declinando e passou para
250”, diz Ribeiro, justificando a ligeira redução da
O Brasil tem uma das sociedades mais desiguais do
desigualdade de oportunidades devido a fatores como a
mundo. Desde os anos 1960, o país lidera o ranking de
melhoria de acesso ao sistema educacional.
pior distribuição de renda entre todos os países da
América Latina. Mas os indicadores de renda são apenas

ENEM 57
Ciências Humanas e suas Tecnologias

Segundo a pesquisa, os pais da classe média alta têm http://www.revistapontocom.org.br/materias/estudo-traca-diagnostico-


da-mobilidade-social-no-pais-e-sua-interface-com-a-educacao
muito mais recursos para propiciar melhores
oportunidades a seus filhos, o que faz com que eles
A VOLTA DA MOBILIDADE SOCIAL
continuem no topo da pirâmide social. Porém, mudanças
na estrutura da sociedade brasileira permitiram o A mobilidade social representou um dos principais
crescimento dessa elite nos últimos anos, devido à charmes do desenvolvimento capitalista no Brasil. Desde
ascensão social de pessoas originárias de classes sociais a década de 1930, observa-se que a maior expansão
inferiores. “Nos anos 1970, cerca de 5% da população econômica acabou sendo acompanhada por importante
brasileira pertencia à classe média alta. Hoje, já são 14%. movimento de ascensão social. Mas isso não significou,
Essa mudança na estrutura de classes da sociedade é porém, um processo homogêneo para toda a população.
chamada de mobilidade estrutural, que é um fenômeno Ainda que desigual, a mobilidade social inter e
típico de sociedades que se industrializaram muito intrageracional permitiu que, em geral, a maior parte da
rápido”, explica Costa Ribeiro. Ele ressalta, entretanto, população registrasse melhoras relativas no padrão de
que a maioria das pessoas que tem origem familiar nas vida.
classes sociais baixas permanece nelas durante a fase Uma boa imagem da ascensão social desigual do
adulta. passado pode ser a da subida de pessoas em um
O estudo comprovou também que o acesso à boa determinado edifício, com uma parcela pequena tendo
educação formal, um fator que influencia diretamente nas acesso pelo elevador e a maior parte subindo
oportunidades que o jovem terá na vida adulta, está em gradualmente pela escada. Assim, os filhos dos ricos
grande medida associado à origem econômica da família. ficavam mais ricos que seus pais, bem como os filhos dos
“Os jovens que estudaram na escola privada ou pública pobres se tornavam menos pobres que seus pais.
federal, por ser de famílias ricas ou até de famílias um Tudo isso, contudo, sofreu forte impacto a partir da
pouco menos favorecidas, mas que decidiram investir tudo crise da dívida externa (1981-1983), quando o país
na educação dos filhos, têm muito mais chances de abandonou o projeto de industrialização nacional. O
ingressar na universidade pública do que aqueles que resultado foi o ingresso numa nova fase de baixo
estudaram em uma escola pública não federal, seja ela da dinamismo econômico que terminou impondo, por
rede estadual ou municipal”, destaca o professor, consequência, o descenso na antiga trajetória de
lembrando que a educação é um trampolim para a mobilidade social.
ascensão social, mas está associada à posição da família. A década de 1990 estabeleceu, de forma intensa, a
Outro aspecto apresentado pelo levantamento relaciona maior dificuldade da progressão social, tornando
a entrada do jovem no mercado de trabalho às classes complexa a reprodução dos filhos em melhores condições
sociais da família de origem. “Os jovens de famílias de do que seus pais. Nesse sentido, a expressão de um país
classe média costumam demorar mais para entrar no com a estrutura social congelada ganhou maior dimensão.
mercado de trabalho, porque gastam mais tempo se Essa trajetória de relativa imobilidade apresentou
qualificando, ou combinam menos trabalho com estudo”, significativa inflexão a partir de 2005, quando a ascensão
diz o professor. “Além da renda familiar, as redes de social voltou a fazer parte da vida de milhões de
sociabilidade, que incluem as relações familiares e de brasileiros. Com isso, a estrutura social brasileira
amizade no trabalho, por exemplo, podem ter algum recuperou novamente o movimento de passagem de
impacto na conquista de melhores empregos e na melhoria segmentos sociais de baixa renda para estratos de
das condições de vida”, completa. rendimentos intermediários e superiores.
A análise de dados confirmou que ainda existem Entre 2005 e 2008, por exemplo, o segmento de baixa
diferenças de acesso à educação e de progressão no renda, que representava quase 33,7% da população
sistema escolar entre homens e mulheres. “O nacional, passou para apenas 26% dos brasileiros. No
levantamento mostrou uma inversão na desigualdade estrato de rendimento intermediário, registra-se a
educacional de gênero. As meninas hoje têm mais chance passagem de 34,9% para 37,4% da população, enquanto o
de progredir na escola do que os meninos porque, em segmento de renda superior saltou de 31,5% para 36,6%
geral, estudam mais. Mas, na fase adulta, apesar de no mesmo período de tempo.
trabalharem o mesmo número de horas do que os homens Destaca-se também que o desempenho recente da
e ainda se dedicarem à família, à casa e ao marido, mobilidade social ainda se manifesta de forma desigual.
recebem uma renda inferior”, informa. Mais de dois terços dos que ascenderam socialmente são
Para o professor, a desigualdade racial no país está majoritariamente não brancos, residentes na região
diminuindo, embora ainda haja mais chances para os Nordeste e em pequenas cidades, com emprego
brancos de completar os anos de transição dentro do assalariado, não necessariamente formal, e de baixa
sistema educacional. “Brancos e não brancos (pretos e escolaridade. Também tem importância o acesso aos
pardos) que têm origem nas classes sociais mais baixas mecanismos de garantia de renda, que têm permitido
têm chances iguais, porém ruins, de ter mobilidade social. melhorar a condição de vida das faixas etárias precoces e
Já nas posições mais altas da hierarquia social, os brancos mais avançadas.
têm mais chance de permanecer lá ou de subir um pouco Para quase um terço da população com maior avanço
mais”, destaca. “Pretos e pardos, em geral, ganham social, contudo, as características pessoais se
menos”, conclui. apresentaram diferenciadamente. De maneira geral, os
58
Sociologia

segmentos populacionais mais beneficiados são brancos, Foram avaliadas as distribuições de renda dos indivíduos
moradores da região Sudeste, sobretudo em regiões nos dois períodos acima considerados. Embora os
metropolitanas, com emprego assalariado formal, maior levantamentos dos censos e das pnads tenham coberturas
escolaridade e pertencentes à faixa etária de 25 a 44 anos um pouco diferentes, eles podem ser comparados nos casos
de idade. em que se tomam os grandes números, no caso a população
Ademais da distinta caracterização pessoal dos apta ao trabalho, incluídos os sem rendimentos. A
segmentos populacionais incluídos pelo movimento de metodologia não convencional utilizada apresentou
ascensão social, observa-se a importância de quesitos resultados convergentes com as usuais: os índices de
habitacionais presentes entre os indivíduos mais desigualdade calculados sobem de 60 a 80 e descem de
dinâmicos. 2001 a 2011.
Nota-se, por exemplo, que entre os diferentes segmentos Quanto aos componentes da desigualdade os resultados
populacionais com acesso ao saneamento e à habitação mostram que nos dois períodos é maior o peso das
própria estão os mais dinâmicos. estruturas ocupacionais. As diferenças de rendas contam
Outro aspecto que acompanha o movimento recente de menos na evolução da desigualdade no Brasil do que a
ascensão social tem sido a ampliação do consumo de colocação dos indivíduos nas estruturas ocupacionais e de
massa. No caso de bens de consumo duráveis com maior negócios no mercado e posterior mobilidade de uma faixa
valor unitário, como no caso da geladeira, fogão, televisão de renda a outra (quando comparados os resultados de um
e telefone, observa-se o sentido da homogeneização do levantamento a outro). Embora sejam notórias e
padrão de consumo, salvo ainda pela diferenciação na descomunais as diferenças de salários e rendimentos entre
posse de automóvel, máquina de lavar e telefone celular. os grupos mais e menos abastados, na realidade a
Este último, por sinal, registrou mais forte difusão entre a desigualdade é mais marcada pelas oportunidades desiguais
população. abertas pelo mercado aos trabalhadores e empreendedores.
A volta da ascensão social no Brasil aponta para uma As escalas salariais e as estruturas ocupacionais se
sociedade de consumo de massa, ainda que constrangida modificam de um levantamento decenal a outro, assim
pela desigualdade na mobilidade. De todo modo, o Brasil como as características da força de trabalho que entra no
deixa para trás os sinais de uma estrutura social piramidal mercado e daqueles que permanecem – parte se aposenta e
para assumir cada vez mais a figura de uma pera. A outros tantos falecem.
formação de novas elites, como aquelas de raça não Acontece que as estruturas ocupacionais, no caso dos
brancas, indica a força do protagonismo de sociedade trabalhadores, e as estruturas de negócios, no caso dos
plural em movimento. empreendedores, por mais que variem entre os períodos
(http://ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article& mantém um perfil marcadamente piramidal. Poucas
id=521)
ocupações e áreas de negócios perto e no topo da pirâmide
de renda e milhares em torno da base. Assim, ao entrarem
A DESIGUALDADE DE RENDA E A MOBILIDADE no mercado trabalhadores e empreendedores chegam
SOCIAL NO BRASIL pesadamente por baixo e têm inúmeros obstáculos definidos
e oficializados pelo mercado para subirem nas estruturas
Textos anteriores publicados na Carta Maior ilustraram
respectivas. O peso maior da estrutura piramidal aliado ao
uma visão diferenciada, não convencional, sobre a relação
peso da escala salarial e de rendimentos acabam por dar o
entre desigualdade e mobilidade incluindo o papel da
contorno final ao perfil da desigualdade no país.
educação como veículo de ascensão social.
Mesmo no período recente, 2001 a 2011, quando a
A relação mostra que a desigualdade resulta da ação
distribuição da renda melhora, a composição da
conjunta das estruturas salariais e de rendimentos
desigualdade se mantém: reduziram-se mais as diferenças
estabelecidas no mercado bem como da colocação e
de salários e rendimentos e menos as colocações dos
mobilidade dos indivíduos nessas estruturas. Ao que se
indivíduos no mercado. O primeiro filtro, portanto, para
conclui que tanto a desigualdade quanto a mobilidade
começar a trabalhar não é a formação educacional dos
depende menos da formação educacional e do voluntarismo
indivíduos, mas as oportunidades de trabalho que lhes são
dos empregados e candidatos a empregos do que as
abertas! Em seguida vem o filtro das rendas. Os dois filtros
estratégias dos agentes de mercado em fixarem suas
destilam a cara final da desigualdade.
estruturas ocupacionais e as respectivas remunerações. De
Não adianta, portanto, sustentar que o aumento do nível
fato, o mercado dá com uma mão e retira com a outra.
educacional da população vai alterar o perfil da
Texto acadêmico explicitando essa relação encontra-se
desigualdade. É uma prescrição inútil. A cara da
em avaliação para publicação em conhecido periódico do
desigualdade no Brasil está espelhada na estrutura piramidal
país da área econômica. Alguns resultados, no entanto,
das ocupações e dos negócios; se a educação atinge mais
serão adiantados sobre uma análise preliminar da situação
indivíduos neste pano de fundo, nada muda. Pode até piorar
brasileira - preliminar porque pesquisa em andamento no
porque haverá mais educados em ocupações e negócios
Núcleo de Estudos de Políticas Públicas (NEPP)/Unicamp
menos valorizados já que as estruturas respectivas são
vai usar dados mais detalhados fornecidos pelo IBGE. Os
fortemente seletivas. E estarão sobrecarregadas. A
dados disponíveis, agregados, até agora utilizados vieram
universalização da educação vale sim para melhorar o nível
dos Censos de 60, 70 e 80 e das PNADS (Pesquisas
de conhecimentos de todos, mas não vale para reduzir a
Nacionais por Amostras de Domicílios) de 2001 e 2011.
desigualdade.

ENEM 59
Ciências Humanas e suas Tecnologias

É claro que as situações particulares de alguns indivíduos educação, saúde e pensões por aposentadoria,
melhoram com a maior qualificação educacional que considerados então direitos universais.
adquirem por conta de vagas específicas abertas de forma A partir dos anos 1980, com a globalização dos
localizada no mercado. Bem como os estudos sociológicos mercados, as corporações e seus investidores ficaram mais
de mobilidade intergeracional apontam resultados preocupados com os lucros a curto prazo e os empregos
convergentes entre mais elevados níveis salarial e começaram a cruzar rapidamente as fronteiras. E, com os
educacional - esses estudos se valem de amostras da avanços da tecnologia de informação, tornou-se mais
população. Mas na metodologia não convencional utilizada barato investir em máquinas do que pagar a pessoas para
na pesquisa do NEPP é verificada a situação de renda de trabalharem.
toda a população não de grupos selecionados dela; Richard Sennett, da London School of Economics,
comparam-se as situações de renda de todos os grupos em entrevistou naquela época operários da classe média que
conjunto (por entrada no mercado de trabalho, nível se encontravam no epicentro das indústrias de alta
educacional, idade, sexo, etc). É um retrato da distribuição tecnologia, dos serviços financeiros e dos meios de
de renda de um período em comparação com o retrato de comunicação. Grande número deles considerava que sua
outro período. vida estava agora em risco permanente. A tendência era
Dados da renda média real horária dos trabalhadores por aceitar essas mudanças estruturais com resignação, como
anos de estudo para o Brasil mostram que elas se reduzem se tivessem caráter inevitável, no que acertaram em cheio.
diferencialmente e relativamente à renda dos analfabetos O novo capital é impaciente, avalia resultados mais
quanto mais tempo estiveram na escola (fonte: Núcleo de pelos preços das ações que pelos dividendos. A esses
Pesquisas e Estudos do Trabalho/UERJ). Resultados investidores o que interessa é a capacidade das empresas
contrários àqueles que argumentam e defendem ampliar o de serem flexíveis como um MP3, com a seqüência de
acesso à educação para todos para melhorar seus níveis de produção podendo ser alterada à vontade e terceirizando
renda. A mesma tendência ocorre entre as ocupações: as tudo sempre que possível. Sennett vê a tendência para o
caracterizadas como menos qualificadas perdem menos futuro dos empregos como contratos de três ou seis meses,
renda real que as mais qualificadas. São manifestações que freqüentemente renovados. A conseqüência já se faz
indicam estar o próprio mercado reduzindo os diferenciais sentir. O trabalho temporário é o setor de mais rápido
de renda entre os menos e os mais educados e qualificados. crescimento da força de trabalho nos Estados Unidos e na
Essas manifestações se somam aos resultados do Grã-Bretanha. E já representa 25% da mão-de-obra
Programa Bolsa Família que tirou da miséria milhares de empregada nos Estados Unidos.
famílias de trabalhadores trazendo-os para a escala de renda Numa organização flexível como os investidores
do mercado. Resumo da estória: caiu a desigualdade de gostam, o poder ocupa uma posição quase virtual;
renda na última década, mas ficou solidificada a rígida estabelece as tarefas, avalia os resultados e promove a
estrutura ocupacional e de negócios em forma de pirâmide. expansão ou o encolhimento da empresa. O objetivo é
Uma escada com muitos degraus em baixo e poucos em obter os melhores resultados com a maior rapidez
cima. Muitos os chamados e poucos os escolhidos. possível. Das várias equipes encarregadas das tarefas,
(http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Economia/A-desigualdade-de- estabelecem-se prêmios apenas para a de melhor
renda-e-a-mobilidade-social-no-Brasil/7/29885)
desempenho. Sennett lembra que é um jogo de tudo ou
nada que mantém alto nível de ansiedade e baixa lealdade
O FUTURO DO TRABALHO
institucional. A desigualdade no interior das empresas
O trabalho remunerado, atividade essencial ao aumenta; as remunerações são muito altas para os
engajamento econômico e social do ser humano na executivos bem-sucedidos e muito baixas para os
sociedade, está em crise. O capitalismo global trabalhadores.
contemporâneo trocou lealdade por produtividade O melhor exemplo é o Wal-Mart, a maior empresa em
imediata e acabou com a época dos relógios de ouro como faturamento do mundo, que utiliza alta tecnologia e paga
prêmio por logo tempo de dedicação. Ninguém mais tem próximo da linha de pobreza ao grosso de seus
emprego de longo prazo garantido na sua atual empresa. funcionários. Compare-se com os empregos estáveis e
As próprias capacidades individuais, adquiridas por estudo com boa remuneração que a grande indústria norte-
ou experiência, sucateiam a cada oito a dez anos. O americana do pós-guerra (Ford, GM, GE e outras) gerava, o
emprego será cada vez mais voltado para tarefas ou que possibilitou a estruturação da sólida classe média do
projetos de duração definida. país.
É uma mudança radical em relação ao fim dos anos Hoje tudo mudou. O dia de trabalho se prolonga pelos
1960, quando os indivíduos eram enraizados em sólidas períodos de descanso, a pressão torna-se mais depressiva
realidades institucionais nas suas corporações, que, por que estimulante. Em suas pesquisas de
sua vez, navegavam em mercados relativamente firmes. campo, Sennett constatou que nessa situação, em que a
Na época dourada do capitalismo do pós-guerra, quando lealdade à instituição não pode ser construída, se gera
matérias-primas entravam por uma ponta e automóveis maior propensão ao alcoolismo, ao divórcio e aos
saíam prontos por outra, vigorava uma certa “ética social” problemas de saúde. No nível mais baixo dos empregos
que domava a luta de classes e garantia - mais na Europa, flexíveis imperam os chamados Mc-empregos - fritar
mas também nos Estados Unidos - benefícios como hambúrgueres ou atender em lojas - ou os postos de
atendentes de telemarketing. Essas ocupações podem

60
Sociologia

parecer um fator positivo de acesso para jovens sem e adotados de forma voluntária e descentralizada ou por
habilitação. Mas logo se transformam num beco sem determinação legal.
saída. Na verdade, muitos empregos braçais na área de A ação afirmativa se diferencia das políticas puramente
serviços deixaram de ser atraentes para os jovens e essas anti-discriminatórias por atuar preventivamente em favor
tarefas são executadas por absoluta falta de alternativa. de indivíduos que potencialmente são discriminados, o
Nos países desenvolvidos, em geral são entregues a que pode ser entendido tanto como uma prevenção à
imigrantes, que dão maior valor ao dinheiro momentâneo discriminação quanto como uma reparação de seus efeitos.
do que à estabilidade e à qualidade do trabalho. Políticas puramente anti-discriminatórias, por outro lado,
Sennett constatou que a maior aspiração dos atuam apenas por meio de repressão aos discriminadores
trabalhadores temporários é que alguém os queira em ou de conscientização dos indivíduos que podem vir a
caráter permanente. A gratificação postergada em nome praticar atos discriminatórios.
de objetivos pessoais de longo prazo sempre foi a mola No debate público e acadêmico, a ação afirmativa com
propulsora da “ética protestante do capitalismo” freqüência assume um significado mais restrito, sendo
de Weber e o segredo de sua “jaula de ferro”. O novo entendida como uma política cujo objetivo é assegurar o
paradigma zomba da gratificação postergada. A erosão da acesso a posições sociais importantes a membros de
ética protestante não se dá, ao contrário do que pensa grupos que, na ausência dessa medida, permaneceriam
Huntington, pela contaminação de raças latino-americanas excluídos. Nesse sentido, seu principal objetivo seria
“inferiores”, mas pela própria lógica do sistema que combater desigualdades e dessegregar as elites, tornando
destrói lealdades. A geração anterior pensava em termos sua composição mais representativa do perfil demográfico
de ganhos estratégicos de longo prazo, ao passo que para a da sociedade.
atual só sobram pequenas realizações imediatas. As (http://gemaa.iesp.uerj.br/index.php?option=com_k2&view=item&layou
t=item&id=1&Itemid=217)
pessoas pertencentes às classes média e alta ainda podem
dar-se ao luxo de correr esses riscos e viver essas tensões
MOVIMENTOS SOCIAIS
à espera de uma boa oportunidade. Mas os jovens de
classe baixa são muito mais dependentes das relações
Os movimentos sociais podem ser definidos como um
estáveis por terem uma rede de proteção frágil e poucos
ato embativo dos agentes das classes sociais ou como
contatos e conexões importantes.
fruto de práticas sociais incoerentes com a ordem social,
Como se vê, o pujante e vencedor capitalismo global
as quais são capazes de alterar a estrutura do sistema do
tem seu calcanhar-de-aquiles na má qualidade e na pouca
poder estatal, seja por meio de intervenções
quantidade dos empregos que gera.
http://www.ihu.unisinos.br/noticias/noticias-arquivadas/10183-o-futuro- revolucionárias ou pacíficas. Há de notar que, via de
do-trabalho-artigo-de-gilberto-dupas regra, esse tipo de movimento surge da iniciativa pública,
tendo sua motivação e origem nas discrepâncias
O QUE SÃO AÇÕES AFIRMATIVAS? acarretadas pelos processos de mais valia no trabalho e/ou
pelas inúmeras injustiças sociais existentes na sociedade.
Ações afirmativas são políticas focais que alocam Por outro lado, devemos destacar que os movimentos
recursos em benefício de pessoas pertencentes a grupos sociais possuem uma relação conflituosa com o Estado,
discriminados e vitimados pela exclusão sócio-econômica uma vez que aqueles movimentos desejam alterar a
no passado ou no presente. Trata-se de medidas que têm própria composição do mesmo, com vistas a alcançar
como objetivo combater discriminações étnicas, raciais, alguma melhoria social e alterar o "status quo" que
religiosas, de gênero ou de casta, aumentando a favorece as elites estabelecidas.
participação de minorias no processo político, no acesso à Não obstante, aqueles movimentos sociais são o modo
educação, saúde, emprego, bens materiais, redes de como os cidadãos encontram para protestar ou reivindicar
proteção social e/ou no reconhecimento cultural. direitos que lhes são garantidos por Lei. Portanto, são
Entre as medidas que podemos classificar como ações reproduções da sociedade organizada, que lança mão de
afirmativas podemos mencionar: incremento da instrumentos interventivos, distintos de acordo com cada
contratação e promoção de membros de grupos contexto histórico especifico e que se compõe a partir da
discriminados no emprego e na educação por via de demarcação de adversários em torno de uma identidade ou
metas, cotas, bônus ou fundos de estímulo; bolsas de identificação, salientando ainda importância de um projeto
estudo; empréstimos e preferência em contratos públicos; para um contínuo processo de construção identitária que
determinação de metas ou cotas mínimas de participação resultará somente a partir de múltiplas articulações.
na mídia, na política e outros âmbitos; reparações Portanto, este tipo de fenômeno surge quando um
financeiras; distribuição de terras e habitação; medidas de determinado grupo nota, enquanto coletividade, que fazem
proteção a estilos de vida ameaçados; e políticas de parte de um agrupamento comum, levando-os
valorização identitária. a defenderem politicamente as causas que acham
Sob essa rubrica podemos, portanto, incluir medidas que pertinentes e essenciais.
englobam tanto a promoção da igualdade material e de Note que é preciso uma forte relação afetiva para com a
direitos básicos de cidadania como também formas de causa social em questão, posto que, frente a uma
valorização étnica e cultural. Esses procedimentos podem determinada situação, uma mesma reivindicação pode
ser de iniciativa e âmbito de aplicação público ou privado, afastar outros grupos sociais que não se identificam com
aquela causa. Portanto, a ação coletiva de um grupo

ENEM 61
Ciências Humanas e suas Tecnologias

organizado tem como finalidade conseguir transformações • Entretanto, vale esclarecer que, mesmo na sociedade
sociais a partir da luta política, a qual está inserida numa capitalista mais aberta, a mobilidade social vertical não ocorre
determinada sociedade e num contexto específico. de maneira igual para todos os indivíduos. A ascensão social
Outro ponto a ser destacado é o fato de que as marchas, depende muito da origem de classe de cada indivíduo, ou
paradas ou ocupações, podem ser percebidas enquanto mesmo de sua origem étnica.
formas de comunicação simbólica, a qual utiliza metáforas • De acordo com o sociólogo Carlos Antonio Costa Ribeiro,
para quebrarem provisoriamente a rotina e reconstruírem a existem dois tipos de desigualdade. “Existe a chamada
ordem social com suas identidades e papéis sociais. desigualdade de condições, que diz respeito aos diferentes
Em termos de classificação podemos dividir os níveis de renda, e a chamada desigualdade de oportunidades,
movimentos sociais enquanto movimentos que se refere às chances que uma pessoa tem de mudar de
reivindicatórios, os quais focam sua ação em exigências posição na sociedade ao longo das gerações familiares e ao
em questões imediatas, e utilizam-se da pressão pública longo do seu ciclo de vida”.
para pressionar instituições que possam modificar os • A cara da desigualdade no Brasil está espelhada na estrutura
dispositivos legais que possam lhes favorecer. Já piramidal das ocupações e dos negócios; se a educação atinge
nos movimentos políticos, busca-se influenciar a mais indivíduos neste pano de fundo, nada muda. Pode até
população na participação política direta enquanto piorar porque haverá mais educados em ocupações e negócios
garantia para transformações estruturais na sociedade; por menos valorizados já que as estruturas respectivas são
fim, destacamos os movimentos de classe, os quais fortemente seletivas. E estarão sobrecarregadas. A
buscam subverter a ordem social e, consequentemente, universalização da educação vale sim para melhorar o nível de
alterar as relações entre os distintos atores na conjuntura conhecimentos de todos, mas não vale para reduzir a
nacional. desigualdade.
• Numa organização flexível como os investidores gostam, o
COMPOSIÇÃO DE UM MOVIMENTO SOCIAL poder ocupa uma posição quase virtual; estabelece as tarefas,
avalia os resultados e promove a expansão ou o encolhimento
Para que haja um movimento social efetivo, é preciso a da empresa. O objetivo é obter os melhores resultados com a
conjugação de alguns fatores, o primeiro deles é o projeto, maior rapidez possível.
o qual abarca toda proposta e objetivos do movimento em • A desigualdade no interior das empresas aumenta; as
questão. Um outro fator crucial é a ideologia que embasa remunerações são muito altas para os executivos bem-
este movimento, uma vez que ela é a responsável por sucedidos e muito baixas para os trabalhadores. Ninguém mais
articular a união entre os grupos sociais em prol do tem emprego de longo prazo garantido na sua atual empresa. O
movimento. Por fim, os movimentos sociais, ao se emprego será cada vez mais voltado para tarefas ou projetos de
instituírem (e se institucionalizarem), estabelecem uma duração definida.
disposição hierárquica, a qual pode ser descentralizada ou • Ações afirmativas são políticas focais que alocam recursos em
não, numa estrutura deliberada para possuir lideres e benefício de pessoas pertencentes a grupos discriminados e
outros integrantes. vitimados pela exclusão sócio-econômica no passado ou no
presente. Trata-se de medidas que têm como objetivo combater
MOVIMENTOS SOCIAIS NO BRASIL discriminações étnicas, raciais, religiosas, de gênero ou de
casta, aumentando a participação de minorias no processo
No Brasil, os movimentos sociais ganharam destaque a político, no acesso à educação, saúde, emprego, bens
partir da década de 1960, posto que uma parcela muito materiais, redes de proteção social e/ou no reconhecimento
grande da sociedade fora contra o regime militar aqui cultural.
instaurado. Não obstante, merecem destaque no Brasil o • Em termos de classificação podemos dividir os movimentos
Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), o Movimento sociais enquanto movimentos reivindicatórios, os quais focam
dos Trabalhadores Sem Teto (MSTS) e os movimentos em sua ação em exigências em questões imediatas, e utilizam-se
defesa dos índios, negros e das mulheres. Note ainda que da pressão pública para pressionar instituições que possam
fazem parte dos movimentos sociais no Brasil os modificar os dispositivos legais que possam lhes favorecer. Já
movimentos populares, sindicais e a organizações não nos movimentos políticos, busca-se influenciar a população na
governamentais (ONGs). participação política direta enquanto garantia para
(http://www.todamateria.com.br/movimentos-sociais/)
transformações estruturais na sociedade; por fim, destacamos
os movimentos de classe, os quais buscam subverter a ordem
social e, consequentemente, alterar as relações entre os
FIQUE LIGADO NO ENEM! distintos atores na conjuntura nacional.
• Na sociedade capitalista contemporânea, as posições sociais
são determinadas basicamente pela situação dos indivíduos no
desempenho de suas atividades produtivas. Entretanto, dentro
dessa mesma sociedade os indivíduos podem desempenhar Exercícios
outros papéis e alcançar novas posições sociais, relacionadas
com a religião que praticam, o partido político em que militam, 1. (ENEM 2012) Na regulação de matérias culturalmente
as funções sociais que desempenham, a profissão que exercem delicadas, como, por exemplo, a linguagem oficial, os
e outras atividades. currículos da educação pública, o status das Igrejas e das

62
Sociologia

comunidades religiosas, as normas do direito penal (por abandonadas pelo poder público, seja na política ou no
exemplo, quanto ao aborto), mas também em assuntos futebol. O brasileiro não é mais violento do que outros
menos chamativos, como, por exemplo, a posição da povos, mas a fragilidade do exercício e do reconhecimento
família e dos consórcios semelhantes ao matrimônio, a da cidadania e a ausência do Estado em vários territórios
aceitação de normas de segurança ou a delimitação das do país se impõem como um caldo de cultura no qual a
esferas pública e privada – em tudo isso reflete-se amiúde agressividade e a violência fincam suas raízes.
apenas o autoentendimento ético-político de uma cultura Entrevista com Joel Birman. A Corrupção é um crime sem rosto. IstoÉ.
Edição 2099; 3 fev. 2010.
majoritária, dominante por motivos históricos. Por causa
de tais regras, implicitamente repressivas, mesmo dentro
TEXTO II
de uma comunidade republicana que garanta formalmente
Nenhuma sociedade pode sobreviver sem canalizar as
a igualdade de direitos para todos, pode eclodir um
pulsões e emoções do indivíduo, sem um controle muito
conflito cultural movido pelas minorias desprezadas
específico de seu comportamento. Nenhum controle desse
contra a cultura da maioria.
HABERMAS, J. A inclusão do outro: estudos de teoria política. São tipo é possível sem que as pessoas anteponham limitações
Paulo: Loyola, 2002. umas às outras, e todas as limitações são convertidas, na
pessoa a quem são impostas, em medo de um ou outro tipo.
A reivindicação dos direitos culturais das minorias, como ELIAS, N. O Processo Civilizador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993.
exposto por Habermas, encontra amparo nas democracias
contemporâneas, na medida em que: Considerando-se a dinâmica do processo civilizador, tal
a) a secessão, pela qual a minoria discriminada obteria a como descrito no Texto II, o argumento do Texto I acerca
igualdade de direitos na condição da sua concentração da violência e agressividade na sociedade brasileira
espacial, num tipo de independência nacional. expressa a:
b) a reunificação da sociedade que se encontra a) incompatibilidade entre os modos democráticos de
fragmentada em grupos de diferentes comunidades convívio social e a presença de aparatos de controle
étnicas, confissões religiosas e formas de vida, em policial.
torno da coesão de uma cultura política nacional. b) manutenção de práticas repressivas herdadas dos
c) a coexistência das diferenças, considerando a períodos ditatoriais sob a forma de leis e atos
possibilidade de os discursos de auto entendimento se administrativos.
submeterem ao debate público, cientes de que estarão c) inabilidade das forças militares em conter a violência
vinculados à coerção do melhor argumento. decorrente das ondas migratórias nas grandes cidades
d) a autonomia dos indivíduos que, ao chegarem à vida brasileiras.
adulta, tenham condições de se libertar das tradições d) dificuldade histórica da sociedade brasileira em
de suas origens em nome da harmonia da política institucionalizar formas de controle social
nacional. compatíveis com valores democráticos.
e) o desaparecimento de quaisquer limitações, tais como e) incapacidade das instituições político-legislativas em
linguagem política ou distintas convenções de formular mecanismos de controle social específicos à
comportamento, para compor a arena política a ser realidade social brasileira.
compartilhada
4. (ENEM 2009) Para Caio Prado Jr., a formação
2. (ENEM 2014) Uma norma só deve pretender validez brasileira se completaria no momento em que fosse
quando todos os que possam ser concernidos por ela superada a nossa herança de inorganicidade social - o
cheguem (ou possam chegar), enquanto participantes de um oposto da interligação com objetivos internos - trazida da
discurso prático, a um acordo quanto à validade dessa norma. colônia. Este momento alto estaria, ou esteve, no futuro.
HABERMAS, J. Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Se passarmos a Sérgio Buarque de Holanda,
Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989. encontraremos algo análogo. O país será moderno e estará
formado quando superar a sua herança portuguesa, rural e
Segundo Habermas, a validez de uma norma deve ser autoritária, quando então teríamos um país democrático.
estabelecida pelo(a) Também aqui o ponto de chegada está mais adiante, na
a) liberdade humana, que consagra a vontade. dependência das decisões do presente.
b) razão comunicativa, que requer um consenso. Celso Furtado, por seu turno, dirá que a nação não se
c) conhecimento filosófico, que expressa a verdade. completa enquanto as alavancas do comando,
d) técnica científica, que aumenta o poder do homem. principalmente do econômico, não passarem para dentro
e) poder político, que se concentra no sistema partidário. do país. Como para os outros dois, a conclusão do
processo encontra-se no futuro, que agora parece remoto.
SCHWARZ, R. Os sete fôlegos de um livro. Sequências brasileiras.
3. (ENEM 2012) São Paulo: Cia. das Letras,1999 (adaptado)
Acerca das expectativas quanto à formação do Brasil, a
TEXTO I sentença que sintetiza os pontos de vista apresentados no
O que vemos no país é uma espécie de espraiamento e a texto é:
manifestação da agressividade através da violência. Isso a) Brasil, um país que vai pra frente.
se desdobra de maneira evidente na criminalidade, que b) Brasil, a eterna esperança.
está presente em todos os redutos — seja nas áreas c) Brasil, glória no passado, grandeza no presente.

ENEM 63
Ciências Humanas e suas Tecnologias

d) Brasil, terra bela, pátria grande. d) progressiva devastação das matas dos cocais, em função
e) Brasil, gigante pela própria natureza. do avanço da sojicultura nos chapadões do Meio-Norte
brasileiro.
5. (ENEM 2012) Leia. e) dificuldade imposta pelos fazendeiros e posseiros no
acesso aos babaçuais localizados no interior de suas
Minha vida é andar propriedades.
Por esse país
Pra ver se um dia 7. (ENEM 2011) Na década de 1990, os movimentos
Descanso feliz sociais camponeses e as ONGs tiveram destaque, ao lado
Guardando as recordações de outros sujeitos coletivos. Na sociedade brasileira, a
Das terras onde passei ação dos movimentos sociais vem construindo lentamente
Andando pelos sertões um conjunto de práticas democráticas no interior das
E dos amigos que lá deixei escolas, das comunidades, dos grupos organizados e na
GONZAGA, L.; CORDOVIL, H. A vida de viajante, 1953. interface da sociedade civil com o Estado. O diálogo, o
Disponível em: www.recife.pe.gov.br
Acesso em: 20 fev. 2012 (fragmento). confronto e o conflito têm sido os motores no processo de
construção democrática.
SOUZA, M. A. Movimentos sociais no Brasil contemporâneo:
A letra dessa canção reflete elementos identitários que
participação e possibilidades das práticas democráticas. Disponível
representam a: em: http://www.ces.uc.pt.
a) valorização das características naturais do Sertão Acesso em: 30 abr. 2010 (adaptado).
nordestino.
b) denúncia da precariedade social provocada pela seca. Segundo o texto, os movimentos sociais contribuem para
c) experiência de deslocamento vivenciada pelo o processo de construção democrática, porque:
migrante. a) pressionam o Estado para o atendimento das
d) profunda desigualdade social entre as regiões demandas da sociedade.
brasileiras. b) determinam o papel do Estado nas transformações
e) discriminação dos nordestinos nos grandes centros socioeconômicas.
urbanos. c) aumentam o clima de tensão social na sociedade civil.
d) privilegiam determinadas parcelas da sociedade em
6. (ENEM 2012) As mulheres quebradeiras de coco-babaçu detrimento das demais.
dos Estados do Maranhão, Piauí, Pará e Tocantins, na sua e) propiciam a adoção de valores éticos pelos órgãos do
grande maioria, vivem numa situação de exclusão e Estado.
subalternidade. O termo quebradeira de coco assume o
caráter de identidade coletiva na medida em que as mulheres 8. (ENEM 2013)
que sobrevivem dessa atividade e reconhecem sua posição e TEXTO I
condição desvalorizada pela lógica da dominação, se Ela acorda tarde depois de ter ido ao teatro e à dança; ela
organizam em movimentos de resistência e de luta pela lê romances, além de desperdiçar o tempo a olhar para a
conquista da terra, pela libertação dos babaçuais, pela rua da sua janela ou da sua varanda; passa horas no
autonomia do processo produtivo. Passam a atribuir toucador a arrumar o seu complicado penteado; um
significados ao seu trabalho e as suas experiências, tendo número igual de horas praticando piano e mais outras na
como principal referência sua condição preexistente de sua aula de francês ou de dança.
acesso e uso dos recursos naturais. Comentário do Padre Lopes da Gama acerca dos costumes femininos
ROCHA, M. R. T. A luta das mulheres quebradeiras de coco-babaçu, (1839)
pela libertação do coco preso e pela posse da terra. In: Anais do VII apud SILVA, T. Z. Mulheres, cultura e literatura brasileira.
Congresso Latino-Americano de Sociologia Rural, Quito, 2006 Ipotasi – Revista de estudos Literários. Juiz de Fora, v. 2 n. 2, 1998.
(adaptado).
TEXTO II
A organização do movimento das quebradeiras de coco de As janelas e portas gradeadas com treliças gradeadas com
babaçu é resultante da: treliças não eram cadeias confessas, positivas; mas eram,
a) constante violência nos babaçuais na confluência de pelo aspecto e pelo seu destino, grandes gaiolas, onde os
terras maranhenses, piauienses, paraenses e pais e maridos zelavam, sonegadas à sociedade, as filhas e
tocantinenses, região com elevado índice de as esposas.
homicídios. MACEDO, J. M. Memórias da Rua do Ouvidor (1878).
Disponível em: www.domíniopublico.gov.br. Acesso em: 20 maio 2013
b) falta de identidade coletiva das trabalhadoras, migrantes
(adaptado)
das cidades e com pouco vínculo histórico com as áreas
rurais do interior do Tocantins, Pará, Maranhão e A representação social do feminino comum aos dois
Piauí. textos é o(a):
c) escassez de água nas regiões de veredas, ambientes a) acesso aos produtos de beleza, decorrência da
naturais dos babaçus, causada pela construção de açudes abertura dos portos.
particulares, impedindo o amplo acesso público aos b) ampliação do espaço de entretenimento, voltado às
recursos hídricos. distintas classes sociais.

64
Sociologia

c) submissão de gênero, apoiada pela concepção O texto trata de uma política de ação afirmativa voltada ao
patriarcal de família. público LGBT. Com a criação de uma instituição de
d) proteção da honra, mediada pela disputa masculina ensino para atender esse público, pretende-se:
em relação às damas da corte. a) contribuir para a invisibilidade do preconceito ao
e) valorização do casamento cristão, respaldado pelos grupo LGBT.
interesses vinculados à herança. b) promover o respeito à diversidade sexual no sistema
de ensino.
9. (ENEM 2015) Ninguém nasce mulher: torna-se mulher. c) copiar os modelos educacionais dos EUA e da
Nenhum destino biológico, psíquico, econômico define a Europa.
forma que a fêmea humana assume no seio da sociedade; d) permitir o acesso desse segmento ao ensino técnico.
é o conjunto da civilização que elabora esse produto e) criar uma estratégia de proteção e isolamento desse
intermediário entre o macho e o castrado que qualificam o grupo.
feminino.
BEAUVOIR, S. O segundo sexo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980. 12. (ENEM 2015)
Na década de 1960, a proposição de Simone de Beauvoir Voz do sangue
contribuiu para estruturar um movimento social que teve
como marca o(a) Palpitam-me
a) ação do Poder Judiciário para criminalizar a violência os sons do batuque
sexual. e os ritmos melancólicos do blue.
b) pressão do Poder Legislativo para impedir a dupla
jornada de trabalho. Ó negro esfarrapado
c) oposição de grupos religiosos para impedir os do Harlem
casamentos homoafetivos. ó dançarino de Chicago
d) organização de protestos públicos para garantir a ó negro servidor do South.
igualdade de gênero.
e) estabelecimento de políticas governamentais para Ó negro da África
promover ações afirmativas. negros de todo o mundo.
10. (ENEM 2013) Tenho 44 anos e presenciei uma Eu junto
transformação impressionante na condição de homens e Ao vosso magnífico canto
mulheres gays nos Estados Unidos. Quando nasci, a minha pobre voz
relações sexuais eram ilegais em todos os Estados Unidos, os meus humildes ritmos.
menos Illinois. Gays e lésbicas não podiam trabalhar no
governo federal. Não havia nenhum político abertamente Eu vos acompanho
gay. Alguns homossexuais não assumidos ocupavam pelas emaranhadas áfricas
posições de poder, mas a tendência era eles tornarem as do nosso Rumo.
coisas ainda piores para seus semelhantes.
ROSS, A. Na máquina do tempo. Época, Ed. 766, 28 jan. 2013.
Eu vos sinto
A dimensão política da transformação sugerida no texto negros de todo o mundo
teve como condição necessária a: eu vivo a nossa história
a) reformulação de concepções religiosas. meus irmãos.
Disponível em: www.agostinhoneto.org. Acesso em: 30 jun. 2015.
b) manutenção de ideologias conservadoras.
c) implantação de cotas nas listas partidárias. Nesse poema, o líder angolano Agostinho Neto, na década
d) alteração da composição étnica da população. de 1940, evoca o pan-africanismo com o objetivo de
e) ampliação da noção de cidadania. a) incitar a luta por políticas de ações afirmativas na
América e na África.
b) reconhecer as desigualdades sociais entre os negros
de Angola e dos Estados Unidos.
11. (ENEM 2010/2) A primeira instituição de ensino c) conclamar as populações negras de diferentes países a
brasileira que inclui disciplinas voltadas ao público LGBT apoiar as lutas por igualdade e independência.
(lésbicas, gays, bissexuais e transexuais) abriu inscrições d) descrever o quadro de pobreza após os processos de
na semana passada. A grade curricular é inspirada em independência no continente africano.
similares dos Estados Unidos da América e da Europa. Ela e) solicitar o engajamento dos negros estadunidenses na
atenderá jovens com aulas de expressão artística, dança e luta armada pela independência em Angola.
criação de fanzines. É aberta a todo o público estudantil e
tem como principal objetivo impedir a evasão escolar de 13. (ENEM 2011) A Lei 10.639, de 9 de janeiro de 2003,
grupos socialmente discriminados. inclui no currículo dos estabelecimentos de ensino
Época, 11 jan. 2010 (adaptado)
fundamental e médio, oficiais e particulares, a
obrigatoriedade do ensino sobre História e Cultura Afro-

ENEM 65
Ciências Humanas e suas Tecnologias

Brasileira e determina que o conteúdo programático


incluirá: O estudo da História da África e dos africanos, a Um traço formador da vida pública brasileira expressa-se,
luta dos negros no Brasil, a cultura negra brasileira e o segundo a análise do historiador, na
negro na formação da sociedade nacional, resgatando a a) rigidez das normas jurídicas.
contribuição do povo negro nas áreas social, econômica e b) prevalência dos interesses privados.
política, pertinentes à História do Brasil, além de instituir c) solidez da organização institucional.
no calendário escolar o dia 20 de novembro como data d) legitimidade das ações burocráticas.
comemorativa do "Dia da Consciência Negra". e) estabilidade das estruturas políticas.
Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em: 27 jul. 2010
(adaptado). 16. (ENEM 2015) Não nos resta a menor dúvida de que a
principal contribuição dos diferentes tipos de movimentos
A referida lei representa um avanço não só para a sociais brasileiros nos últimos vinte anos foi no plano da
educação nacional, mas também para a sociedade reconstrução do processo de democratização do país. E
brasileira, porque: não se trata apenas da reconstrução do regime político, da
a) legitima o ensino das ciências humanas nas escolas. retomada da democracia e do fim do Regime Militar.
b) divulga conhecimentos para a população afro- Trata-se da reconstrução ou construção de novos rumos
brasileira. para a cultura do país, do preenchimento de vazios na
c) reforça a concepção etnocêntrica sobre a África e sua condução da luta pela redemocratização, constituindo-se
cultura. como agentes interlocutores que dialogam diretamente
d) garante aos afrodescendentes a igualdade no acesso à com a população e com o Estado.
educação. GOHN, M. G. M. Os sem-terras, ONGs e cidadania. São Paulo:
Cortez, 2003 (adaptado).
14. (ENEM 2014) Parecer CNE/CP nº 3/2004, que instituiu
as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das No processo da redemocratização brasileira, os novos
Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e movimentos sociais contribuíram para
Cultura Afro-Brasileira e Africana. a) diminuir a legitimidade dos novos partidos políticos
Procura-se oferecer uma resposta, entre outras, na área da então criados.
educação, à demanda da população afrodescendente, no b) difundir a democracia representativa como objetivo
sentido de políticas de ações afirmativas. Propõe a fundamental da luta política.
divulgação e a produção de conhecimentos, a formação de c) ampliar as disputas pela hegemonia das entidades de
atitudes, posturas que eduquem cidadãos orgulhosos de seu trabalhadores com os sindicatos.
pertencimento étnico-racial – descendentes de africanos, d) tornar a democracia um valor social que ultrapassa os
povos indígenas, descendentes de europeus, de asiáticos – momentos eleitorais.
para interagirem na construção de uma nação democrática, e) fragmentar as lutas políticas dos diversos atores
em que todos igualmente tenham seus direitos garantidos. sociais frente ao Estado.
BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Disponível em:
www.semesp.org.br. 17. (ENEM 2014)
Acesso em: 21 nov. 2013 (adaptado)

A orientação adotada por esse parecer fundamenta uma


política pública e associa o princípio da inclusão social a
a) práticas de valorização identitária.
b) medidas de compensação econômica.
c) dispositivos de liberdade de expressão.
d) estratégias de qualificação profissional.
e) instrumentos de modernização jurídica.

15. (ENEM 2015) Em sociedade de origens tão


nitidamente personalistas como a nossa, é compreensível
que os simples vínculos de pessoa a pessoa, independentes
e até exclusivos de qualquer tendência para a cooperação
autêntica entre os indivíduos, tenham sido quase sempre
PAIVA, M. Disponível em: www.redes.unb.br. Acesso em: 25 maio
os mais decisivos. As agregações e relações pessoais, 2014.
embora por vezes precárias, e, de outro lado, as lutas entre
facções, entre famílias, entre regionalismos, faziam dela A discussão levantada na charge, publicada logo após a
um todo incoerente e amorfo. O peculiar da vida brasileira promulgação da Constituição de 1988, faz referência ao
parece ter sido, por essa época, uma acentuação seguinte conjunto de direitos:
singularmente enérgica do afetivo, do irracional, do a) Civis, como direito à vida, à liberdade de expressão e
passional e uma estagnação ou antes uma atrofia à propriedade.
correspondente das qualidades ordenadoras b) Sociais, como direito à educação, ao trabalho e à
disciplinadoras, racionalizadoras. proteção à maternidade e á infância.
HOLANDA, S. B. Raízes do Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 1995.

66
Sociologia

c) Difusos, como direito à paz, ao desenvolvimento


sustentável e ao meio ambiente saudável.
d) Coletivos, como direito à organização sindical, à
participação partidária e à expressão religiosa.
e) Políticos, como o direito de votar e ser votado, à
soberania popular e à participação democrática.

18. (ENEM 2014)

Mas plantar pra dividir


Não faço mais isso, não
Eu sou um pobre caboclo,
Ganho a vida na enxada.
O que eu colho é dividido
Com quem não planta nada.
Se assim continuar
Vou deixar o me sertão,
Mesmo os olhos cheios d’água
E com dor no coração.
Vou pro Rio carregar massas
Pros pedreiros em construção.
Deus até está ajudando:
Está chovendo no sertão!
Mas plantar pra dividir,
Não faço mais isso, não.
Vale, J.; AQUINO, J. B. Sina de caboclo. São Paulo: Polygram, 1994
(fragmento).

No trecho da canção, composta na década de 1960,


retrata-se a insatisfação do trabalhador rural com
a) a distribuição desigual da produção.
b) os financiamentos feitos ao produtor rural.
c) a ausência de escolas técnicas no campo.
d) os empecilhos advindos das secas prolongadas.
e) a precariedade de insumos no trabalho do campo.

GABARITO

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
C B D B C E A C D E

11 12 13 14 15 16 17 18
B C E A B D B A

ENEM 67