Você está na página 1de 9

´

Algebra linear Engenharia Inform´atica

UJES-ESPB

16 de Agosto de 2017

ii

Sistematizado por Pascoal Canhanga

e-mail: pascoalkanhanga@hotmail.com

Cap´ıtulo 1

´

Algebra matricial

´

Algebra matricial. Generalidades. Opera¸c˜oes com matrizes, propriedades. Determinantes.

Generalidades

Defini¸c˜ao:

Come¸camos pela defini¸c˜ao de matriz. Uma matriz ´e uma lista de elementos, a ij , que pertencem a um dado corpo K. O elemento (ou coefeiciente) a ij ∈ K est´a na linha i e na coluna j da matriz. Neste conjunto de apontamentos, o corpo K ser´a, na maioria das vezes, o corpo dos n´umeros reais, R, ou, mais raramente, o corpo dos n´umeros complexos, C. Uma matriz de m linhas e n colunas tem uma dimens˜ao associada que ´e dada pelo produto do n´umero de linhas pelo n´umero de colunas.

Defini¸c˜ao 1.0.1 Sejam m, n ∈ N , chama-se matriz do tipo m × n, sobre K, a

qualquer aplica¸c˜ao de {1,

,

m} × {1,

, n} em K.

Considerando que K ∈ {R, C} e nos seus elementos (reais ou complexos) chamamos escalares. Como cada uma dessas apliaca¸c˜oes fica perfeitamente determinada se conhecer-

mos o elemento, unico,´

, n, ´e usual indicar tais imagens num quadro com m filas horizontais, a que

chamamos linhas, e n filas verticais, a que chamamos colunas, em que a imagem do par (i, j) ´e o elemento de K que se encontra na linha i e na coluna j. Nestas condi¸c˜oes, surge como habitualmente a seguinte defini¸c˜ao de matriz.

j = 1,

, m e

de K correspondente a cada par (i, j), com i = 1,

Defini¸c˜ao 1.0.2 Sejam m, n ∈ N , chama-se matriz do tipo m × n, sobre K, a qualquer quadro que se obtenha dispondo mn elementos de K segundo m linhas e n colunas, isto ´e, a qualquer quadro da forma.

A =

A 11

A 21

.

.

.

A

A

12

22

.

.

A m1 A m2

···

···

.

···

.

A

1n

2n

.

.

.

mn

A

A

,

com A ij ∈ K, i = 1,

1

,

m, j = 1,

, n.

´

CAP ITULO 1.

´

ALGEBRA MATRICIAL

Os escalares A ij , i = 1, da matriz A.

n, dizemos que A ij ´e o elemento

ou entrada (i, j) de A. Chamamos linha i de A, com i ∈ {1,

, m}, ao elemento de K n , isto ´e, ao n -

uplo (A i1 ,

isto ´e, ao m - uplo (A 1j ,

A matriz A M m×n (K) da defini¸c˜ao pode ser apresentada abreviadamente na

forma A = [A ij ] m×n , ou simplesmente, A = [A ij ] se o tipo da matriz for obvio´ pelo contexto ou n˜ao for importante para a quest˜ao em estudo.

O conjunto das matrizes do tipo m×n, sobre K, ser´a representado por M m×n (K).

Se m = n tamb´em se utiliza a nota¸c˜ao M n (K). Em geral, denotaremos as matrizes por letras do mai´usculas do alfabeto latino e as respectivas entradas pela mesma letra, mai´uscula ou min´uscula, com ´ındices indicando a respectiva posi¸c˜ao na matriz.

Exemplo 1.0.1 Seja

n}, ao elemento de K m ,

n, dizem - se os elementos ou entradas

,

m, j = 1,

,

Para cada i, i = 1,

,

m e para cada j, j = 1,

,

,

A in . Chamamos coluna j de A, com j ∈ {1,

, A mj ).

,

A =

1

i 2+3i

1 0

3

,

Tem - se A M 2×3 (C),

alinha 2 de A ´e (1, 0, 3) e a coluna 3 de A ´e (2 + 3i, 3).

Defini¸c˜ao 1.0.3 Dizemos que as matrizes A, B M m×n (K) s˜ao iguais, e escreve-

mos A = B, se A ij = B ij , para i = 1,

,

m, j = 1,

, n

S´o podem ser iguais as matrizes que sejam do mesmo tipo, ou seja, que tenham o mesmo n´umero de linhas e o mesmo n´umero de colunas. E ser˜ao iguais se, al´em disso os elementos que ocupam a mesma posi¸c˜ao em ambas a matrizes, a que chamamos elementos hom´ologos, forem iguais.

Defini¸c˜ao 1.0.4 Seja A M m×n (K).

A diz -se uma matriz linha se m = 1

A diz - se uma matriz coluna se n = 1

A diz - se uma matriz quadrada se m = n. Neste caso, diz - se que A ´e quadrada

de ordem n ou simplesmente, que A ´e uma matriz de ordem n.

Defini¸c˜ao 1.0.5 Seja A = [A ij ] uma matriz de ordem n, isto ´e, uma matriz da forma

A =

A

A 21 A 22 ··· A

A

11

A

12

···

.

.

.

.

.

A n1 A n2

.

···

.

A

1n

2n

.

.

.

nn .

Aos elementos A 11 , A 22 ,

, A nn chamamos os elementos diagonais de A. Cha-

, A nn e diagonal se-

mamos diagonal principal de A ao n - uplo (A 11 , A 22 ,

cund´aria de A ao n- uplo (A 1n , A 2n1 ,

, A n1 ).

Dizemos que A ´e triangular superior se

A ij = 0 para i > j

2

Sistematizado por Pascoal Canhanga

e-mail: pascoalkanhanga@hotmail.com

´ ´

CAP ITULO 1.

ALGEBRA MATRICIAL

ou seja, se i > j implica A ij = 0, ou o equivalente, se A tem a forma

A

= A 11 A 12

22

0

.

.

.

0

A

.

0

.

···

···

.

···

.

A

A

A

1n

2n

.

nn .

.

.

Dizemos que A ´e triangular inferior se

A ij = 0 para i < j,

Ou quando a matriz A apresenta - se na forma

A =

A A 21 A 22 ···

···

11

0

.

.

.

.

.

A n1 A n2

.

···

.

A

0

0

.

.

nn .

.

Portanto, dizemos que A ´e triangular se A ´e triangular superior ou triangualr ineferior.

Dizemos que A ´e uma matriz diagonal se

A ij = 0 para i

= j,

ou apresentar a forma equivalente a

A 11

0

.

.

.

0

0

A 22

.

.

.

0

.

···

···

.

···

.

A

0

0

.

nn .

.

.

que pode ser representada abreviadamente por diag(A 11 , A 22 ,

, A nn ).

Uma matriz diagonal em que todos os elementos diagonais s˜ao iguais diz - se uma matriz escalar. Uma matriz escalar ´e, pois uma matriz da forma

A = α

0

.

.

.

0

0

α

.

.

.

0

.

···

···

.

···

.

α .

0

0

.

.

.

A matriz escalar de ordem n cujos elementos diagonais s˜ao todos iguais a 1 chamamos de matriz identidade de ordem n e representamos por I n .

Opera¸c˜oes com matrizes

´

Algebra das matrizes

Defini¸c˜ao 1.0.6 Sejam A, B M m×n (K). Define - se como matriz matriz soma que resulta da soma dos elementos hom´ologos das matrizes A e B. Isto ´e

A + B = [a ij + b ij ]

para todos i = 1,

,

m, j = 1,

, n.

3

Sistematizado por Pascoal Canhanga

e-mail: pascoalkanhanga@hotmail.com

´

CAP ITULO 1.

´

ALGEBRA MATRICIAL

Exemplo 1.0.2 Considere as matrizes A, B M 3×4 (R) abaixo e calcule a sua soma.

A = 1 0

3

2

3

7

1

1 15 13 ,

2

1

3

B = 21

3

7

11 17 1

35

2

2

5

0

A matriz soma A + B ´e obtida somando todos os elementos hom´ologos das duas matrizes.

Defini¸c˜ao 1.0.7 Sejam λ ∈ K um escalar e A M m×n (K) uma matriz. o produto λA ´e obtido multiplicando todos os elementos de A pelo escalar λ.

para todos i = 1,

,

m, j = 1,

λA = λ[a ij ]

, n.

Exemplo 1.0.3 Sejam λ = 3 e A M 4×3 (R) dada por

Calcule o produto 3A.

A =

1

0

1

2

2 5

9

1 0

2

6

13

Defini¸c˜ao 1.0.8 Sejam A M m×n (K e B M m×q (K. O produto, AB ´e uma matriz de dimens˜ao m × q onde

para todos i = 1,

,

m, l = 1,

AB = [

, q.

n j=1 a ij b ij ] i,j

O produto de duas matrizes A e B s´o est´a definido quando o n´umero de colunas da

matriz A for igual ao n´umero de linhas da matriz B. A matriz produto tem o mesmo n´umero de linhas da matriz A e o mesmo n´umero de colunas da matriz B.

Defini¸c˜ao 1.0.9 Sejam A M m×n e B M n×m duas matrizes. Se AB = BA ent˜ao A e B dizem - se comut´aveis ( ou permut´aveis).

O teorema que se segue, estabelece algumas rela¸c˜oes que existem entre opera¸c˜oes

definidas em matrizes.

Teorema 1.0.1 Sejam A, A M m×n (K), B, B M n×p (K) e C ∈ M p×q (K) ma- trizes e λ ∈ K um escalar. Ent˜ao s˜ao v´alidas as igualdades seguintes:

a) (A B) C = A (B C);

b)

c) λ(A B) = (λA) B = A (λB);

d) I m A = A = AI n .

A (B + B ) = A B + A B

4

Sistematizado por Pascoal Canhanga

e-mail: pascoalkanhanga@hotmail.com

´

CAP ITULO 1.

´

ALGEBRA MATRICIAL

Transposi¸c˜ao e conjuga¸c˜ao

Defini¸c˜ao 1.0.10 Seja A M m×n (K). Considere a matriz que resulta de A tro- cando as linhas de A pelas suas colunas. A nova matriz assim obtida representa -

se por A T (T de transposta) e tem dimens˜ao n × m.

para todos j = 1,

n,

i = 1,

m.

A T = [aij]

A matriz transposta de A T de uma matriz A M m×n (K) tem dimens˜ao n×m porque foi obtida a partir da matriz A, trocando as linhas desta ultima´ pelas suas colunas. Assim, o n´umero de linhas/colunas de A T passou a ser o n´umero de colunas/linhas de A.

Defini¸c˜ao 1.0.11

uma matriz sim´etrica.

Seja A M n×m (K) tal que a ij = a ji , i, j = 1,

, n.

Ent˜ao A ´e

Exemplo 1.0.4 Seja A M 3×3 (R) dada por:

A =

1

2

3

2 3

1

1

5

5

Como a 12 = a 21 = 2, a 13 = a 31 = 3, a 23 = a 32 = 1, ent˜ao A ´e uma matriz sim´etrica de dimens˜ao 3 × 3. Seja A M n×m (R) uma matriz sim´etrica. Ent˜ao A T = A.

Defini¸c˜ao 1.0.12 Seja A M n×m (K). Se A T = A, ent˜ao A ´e uma matriz anti - sim´etrica.

Exemplo 1.0.5 Seja A M 5×5 (K) dada por:

A =

3

7

0

4 11 3

0

2

3

5

2

0

7

4 5

11

3

0

1

6

13

0

1

6 13

Calcule a matriz transposta da matriz A. Como se designa A?

A =

0

2

2

3

4 11

5

0

7

1

3

4

5

7 11 1

3

0

13

0

3

6

6

13

0

A matriz A designa - se de matriz anti - sim´etrica, porque A T = A.

Defini¸c˜ao 1.0.13 Seja A M m×n (C). definida por:

A matriz conjugada de A ´e a matriz

A ¯ = [¯a ij ]

para todos i = 1,

,

m, j = 1,

, n.

5

Sistematizado por Pascoal Canhanga

e-mail: pascoalkanhanga@hotmail.com

´ ´

CAP ITULO 1.

ALGEBRA MATRICIAL

Matriz invert´ıvel

Defini¸c˜ao 1.0.14 Seja A Mn × m(K) uma matriz. A, diz - se invert´ıvel (n˜ao singular ou regula) se existir A M n×m tal que:

AA = A A = I n

Teorema 1.0.2 Seja A M n×m (K) uma matriz invert´ıvel. Ent˜ao a sua inversa ´e unica.´

De salientar que, nem todas as matrizes quadradas A M n×m (K) tˆem inversa. Por exemplo, a matriz

n˜ao tem inversa.

A = [

1 0 ]

1

0

Defini¸c˜ao 1.0.15 Seja A M n×m (K) uma matriz quadrada n˜ao invert´ıvel. Ent˜ao A ´e uma matriz singular.

Nota: Sejam A M n×n (K) uma matriz invert´ıvel e A 1 M n×n (K) a sua inversa. Ent˜ao AA 1 = A 1 A = I n .

Defini¸c˜ao 1.0.16 Seja A M n×n (K). Ent˜ao A ´e uma matriz ortogonal se AA T = A T A = I n .

Exerc´ıcios

1 Calcule, quando poss´ıvel, o resultado das seguintes opera¸c˜oes com matrizes.

a)

1

2

5

7 +

3

4

1

3

5

7

5 30

.

b) 1

[ 2

5

]

c) 2

[ 2

3

]

12

4

10

1

2 5 8

0 4

2

0

3

d)

e)

10 7 5

13

2

0

10 7 5

3 9

2 0

13

1

1

1 1 2

0

2

5

3

6

1

1

0

2

3

1 2

5

6

f) 0

0

1

g)

6

0

1 0

0

0

1

1

2

1

1 0

7 4

0 1

1

2

1

1 3 1

53

1

2

3

7

0

h) 0 1 1 3

3

7 3 3 6

1 1

2

2

3

10

3

8

4 21 2

1

4

2

9

6

Sistematizado por Pascoal Canhanga

e-mail: pascoalkanhanga@hotmail.com

´

CAP ITULO 1.

´

ALGEBRA MATRICIAL

i)

2 4

1 2

0

1

2 5 1 2

1

3

1

2

3

1

0

2

[ 1 3 1

1

1

0

]

2 Mostre que AB

3

= BA onde A = [

1

2

5

7 ]

Considere a seguinte matriz quadrada:

e B =

Mostre que A 2 = 0 mas A 3 = 0

A = 0 x y

0

0

0 z

0 0

1

4

1

3

4

5

a)

b)

c)

6

i)

ii)

iii)

iv)

v)

vi)

vii)

Considere as matrizes dadas por:

A =

1

7 , B =

2

1 3

1

1

1

1

4

Mostre que C = ABA T ´e sim´etrica.

Sejam A, B M n×m (K). Mostre que:

(A T ) T = A

(A + B) T = A T + B T .

(AB) T = B T A T .

Considere as matrizes

A =

1 1

2

0

3

4

, B = [

2

0

2 ] , C =

1

1

2

0

1

3

1 1

3

4

1 3

, D =

2 3 0

3 2 1

1 1 1

, E = [

1 1 3

1

2

2

Calcule, se poss´ıvel:

A T , B T , H T .

A + 3F I.

E T + 5A. (GI) T + EF. DF C 2 + 2D + G

Determine a matriz X M 2×3 (R) que satisfaz B + 3E = X + F T .

7 Seja matriz

A = [ 1

0 ]

1 1

Calcule a sua matriz inversa.

8 Seja a matriz

B = a b

b

a

] , F =

1 3 , G =

1

1

2

1

1

2

1

com a, b ∈ R e a 2 +b 2 = 1. Mostre que A ´e uma matriz ortogonal. Lembrar que, para mostrar que A ´e uma matriz ortogonal, mostra - se que AA T = A T A = I.

7

Sistematizado por Pascoal Canhanga

e-mail: pascoalkanhanga@hotmail.com