Você está na página 1de 91

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

1. Modelos algébricos. ................................................................................................................ 2


2. Geometria das superfícies planas........................................................................................... 23
3. Padrões numéricos. ................................................................................................................ 39
4. Geometria dos sólidos. ........................................................................................................... 45
5. Modelos exponenciais e logarítmicos. .................................................................................... 59
6. Princípios de Contagem.......................................................................................................... 69
7. Análise de dados. ................................................................................................................... 74

1
1. Modelos Algébricos
EQUAÇÃO DO 1° GRAU
É uma sentença matemática expressa por uma igualdade, e redutível a forma:
ax + b = 0 ⇔ ax = −b

Em R temos as seguintes possibilidades:

Obs.: É muito importante notar as operações inversas da matemática para se resolver equações e sistemas. Veja
o quadro abaixo:

+ = -
- = +
x =
= x
=

EXERCÍCIOS

a)

b)

c)

d)

e)

2
Sistema de equações do 1° grau com duas incógnitas

É todo sistema de equações do tipo:

A solução do sistema de equações do 1° grau com duas incógnitas é um par ordenado (x , y), que é a solução
tanto da primeira equação como da segunda.
Obs.: Para se resolver um sistema de equações do 1º grau com duas variáveis iremos relembrar dois métodos:

1. Método da Adição
2. Método da Substituição

Exemplo:

EQUAÇÃO DO 2° GRAU
Uma equação do 2° grau na variável x é toda equação da forma: ax 2 + bx + c = 0, onde a, b e c são os
coeficientes da equação, representado por números reais, com a . 0. Considere a resolução das seguintes
equações do 2° grau:

Equações Incompletas

1) x2 – 7x = 0

x(x – 7) = 0
x = 0 ou x – 7 = 0
S = {x e R| x = 0 ou x = 7}.

2) x2 – 25 = 0

x2 = 25
x=±5
S = {x e R| x = 5 ou x = -5}.

Equações Completas

Dada a equação ax² + bx + c = 0, temos:

Fórmula de Bháskara

Para , a equação tem duas raízes reais diferentes.


Para , a equação tem duas raízes reais iguais.
Para , a equação não tem raízes reais.

3
Relações entre coeficientes e raízes

SOMA DAS RAÍZES PRODUTO DAS RAÍZES

S= P=

Exemplo:

Resolver a equação x² - 5x + 6 =0

EXERCÍCIOS
01. Considere que, das correspondências que um carteiro deveria entregar em determinado dia, 5/8 foram
entregues pela manhã, 1/5 à tarde e 14 ficaram para ser entregues no dia seguinte. Nessa situação, a
quantidade de correspondências entregue pelo carteiro naquele dia foi igual a:

a) 98.
b) 112.
c) 26.
d) 66.
e) 82.

02. Mariana gastou um total de R$ 125,00 na compra de um cartucho de tinta para sua impressora, um pen
drive e um livro. Sabe-se que o cartucho de tinta custou R$ 12,00 a menos que o pen drive e R$ 19,00 a
mais que o livro. Nesse caso, pode-se afirmar que o item mais caro custou:

a) R$ 56,00.
b) R$ 52,00.
c) R$ 46,00.
d) R$ 44,00.
e) R$ 42,00.

03. Mauro precisava resolver alguns exercícios de Matemática. Ele resolveu 1/5 dos exercícios no primeiro
dia. No segundo dia, resolveu 2/3 dos exercícios restantes e, no terceiro dia, os 12 últimos exercícios. Ao
todo, quantos exercícios Mauro resolveu?

a) 30
b) 40
c) 45
d) 75
e) 90

04. A soma dos valores de x e y que solucionam o sistema de equações:

é igual a:
a) 6
b) 4
c) 3
d) 2
e) 5

4
05. Uma pousada que dispõe de 60 quartos, alguns duplos (para duas pessoas) e outros, triplos (para três
pessoas), Pode acomodar, no máximo, 162 hóspedes. Quantos quartos duplos há nessa pousada?

a) 18
b) 22
c) 28
d) 36
e) 42

06. Resolvendo o sistema abaixo, é CORRETO afirmar que 2xy é igual a:

a) 12
b) 24
c) 16
d) 20
e) 18

07. No conjunto dos números reais a equação admite:

a) apenas uma solução


b) duas soluções
c) três soluções
d) infinitas soluções
e) nenhuma solução

08. Uma das grandes preocupações do governo com a Copa do Mundo de 2014 é a construção e
modernização dos estádios. Sabe-se que numa cidade sede da copa o campo de futebol foi dimensionado
de tal forma que o seu comprimento suplantou a largura em 25 m, sendo que a área do campo ficou em
9.350 m2. O perímetro deste campo é de:

a) 390 m
b) 375 m
c) 345 m
d) 290 m
e) 280 m

5
CONJUNTOS
Assim como em outros assuntos da matemática também na teoria dos conjuntos algumas noções são aceitas
sem definições, afim de servirem como ponto inicial. São elas:
- Conjunto
- Elemento
- Pertinência

CONJUNTO - Uma coleção, listagem, agrupamentos, etc.

Ex.:
Conjunto de todos os números inteiros
Conjunto de todos os alunos desta sala

Nota: Em geral, um conjunto é denotado por uma letra maiúscula do alfabeto: A,B,C,...,Z.

ELEMENTO – Os objetos de uma coleção.

Ex.:
Luiz Inácio é um elemento do conjunto dos brasileiros.
-1 é um elemento do conjunto dos nos naturais.
3 é um elemento do conjunto dos números reais que satisfaz à equação x2 - 9 = 0.

Nota: Em geral, um elemento de um conjunto, é denotado por uma letra minúscula do alfabeto: a,b,c,...,z.

PERTINÊNCIA

Ex.:
Eduardo pertence ao conjunto dos brasileiros.
1 pertence ao conjunto dos números naturais.
-2 pertence ao conjunto de números reais que satisfaz à equação x 2 - 4 = 0.

Quando um elemento pertence a um conjunto utilizamos o símbolo:  , que se lê:"pertence".

Para afirmar que 7 é um número natural, escrevemos:  . Para afirmar que -5 não é um número natural,
escrevemos:  .

REPRESENTAÇÃO DE UM CONJUNTO
Podemos representar um conjunto basicamente de três formas:

Por Extensão
Os elementos são escritos separados por vírgulas e entre chaves.

A = { a, e, i, o u }

Por Diagrama de Venn

a e i

o u
uuuuuuuuu

6
Por compreensão

Os elementos são representados por uma propriedade.

A = { x / x é uma vogal }

Cardinal de um número

É a quantidade de elementos que pertence a um conjunto. Usamos a notação n(A)ou # A

A = { x / x é uma vogal } n(A) = 5


B = { x / x é uma nota musical } n(B) = 7

Tipos de Conjuntos

Conjunto Unitário: Possui um único elemento.


Ex. A = { 2 }

Conjunto Vazio: É um conjunto que não possui elementos. O conjunto vazio é representado por{ } ou .
Conjunto Finito: É um conjunto que contados seus elementos um a um chegamos ao final da contagem.

A = {1, 2, 3, 4, 5, 6}

Conjunto Infinito: É um conjunto que contados seus elementos um a um não chegamos ao final da contagem.

A = {1, 2, 3, 4, 5, 6,....}

Conjunto Universo: É aquele ao qual pertencem todos os elementos em questão.

CONJUNTOS IGUAIS

Dois conjuntos A e B são iguais se, e somente se, A  B e B  A;

A = { 1, 2, 3 } ; B = { 3, 2, 1 } e C = {1, 1, 2, 3, 3 }

A=B=C

SUBCONJUNTO:

Quando todos os elementos de um conjunto A qualquer pertencem a um outro conjunto B, diz-se, então, que A
é um subconjunto de B, ou seja A  B.

Observações:
Todo o conjunto A é subconjunto dele próprio, ou seja A  A;
Conjunto vazio, por convenção, é subconjunto de qualquer conjunto, ou seja   A.
CONJUNTO DAS PARTES

Chama-se conjunto das partes de um conjunto dado A, ao conjunto formado por elementos do subconjunto de A.
Representamos pela notação. P ( A )
Exemplo:
A = {1,2,3} ,

temos: P(A) = {  , {1}, {2}, {3}, {1,2}, {1,3}, {2,3}, {1,2,3}}


Obs: A expressão que permite calcular o número de subconjuntos de um dado conjunto é:

N = 2n, onde n é o número de elementos do conjunto.

7
CONJUNTO COMPLEMENTAR

Dados dois conjuntos A e B, se A for subconjunto de B, dizemos que o complementar de A em relação a B é o


conjunto formado pelos elementos de B que não são elementos de A. Representação: CBA
OPERAÇÕES ENTRE CONJUNTOS

UNIÃO: Dados os conjuntos A e B, define-se como união dos conjuntos A e B ao conjunto representado por
A  B, (lê-se: A união B) formado por todos os elementos pertencentes a A ou B, ou seja:

A  B ={x│x  A ou x  B }.

Propriedades da União:

A A = A (idempotente)
A  = A (elemento neutro)
A  B = B  A (comutativa)
(A  B)  C = A  (B  C) (associativa)

INTERSECÇÃO: Dados os conjuntos A e B, define-se como interseção dos conjuntos A e B ao conjunto


representado por A  B, formado por todos os elementos pertencentes a A e B, simultaneamente, ou seja:

A  B ={x│x  A e x  B }.

Propriedades da Intersecção:
A  A = A (idempotente)
A  U = A (elemento neutro)
A  B = B  A (comutativa)
A  (B  C) = (A  B)  C (associativa)

Obs.: Dizemos que dois conjuntos A e B são disjuntos quando não possuem elemento comum, isto é,
A B =  .

Propriedades da união e da interseção

A  (A  B) = A
A  (A  B) = A
A  (B  C) = (A  B)  (A  C)
A  (B  C) = (A  B)  (A  C)

8
DIFERENÇA: Dados os conjuntos A e B, define-se como diferença entre A e B (nesta ordem) ao conjunto
representado por A-B, formado por todos os elementos pertencentes a A, mas que não pertencem a B, ou seja

A - B ={x│x  A e x  B }.

DIFERENÇA SIMETRICA

Chama-se diferença simétrica entre dois conjuntos A e B, o conjunto ( A - B) U ( B - A) indica-se por. (A  B)

EXERCÍCIOS
01. Considere os seguintes conjuntos:

P = (x, y, w, z, k} , Q = {x, y, m}

Assinale a alternativa que contém o conjunto R, sabendo-se que R = {P∩Q}.

a) R = {x, y, w, z, k}
b) R = {w, z, k}
c) R = {m}
d) R = {x, y}
e) R = {m, w, z, k}

02. Considere os conjuntos A e B da figura.

Assinale a alternativa que contém o conjunto C, sabendo-se que C = {A - B}.


a) C = {2, 11}
b) C = (5, 7}
c) C = {8, 12}
d) C = {2, 5, 7,11}
e) C = {5,7, 8,12}

03. Sejam os conjuntos A = {-1, 0, 1, 2}; B = {1, 2, 3, 4, 5}; C = {6, 7} e D = {4, 6, 8, 10}. O conjunto que
representa a operação (B - A) U (C ∩ D) corresponde a:

a) {3, 4, 5, 6};
b) {2, 3, 4};
c) {4, 5, 6, 7};
d) {4, 5, 6};
e) {3, 4, 5}.

9
04. Num grupo de 250 pessoas, 34 usam óculos e lente de contato, 29 usam apenas lente de contato e 95
não usam nem óculos nem lente de contato. Quantas pessoas desse grupo usam apenas óculos?

a) 84
b) 90
c) 92
d) 88
e) 86

05. Um paciente é diagnosticado com uma determinada doença, se e somente se, apresentar os sintomas
A e B. Entre 324 pessoas examinadas, verificou-se que:

- 157 pessoas apresentaram o sintoma A;


- 201 apresentaram o sintoma B;
- 49 não apresentaram nenhum desses dois sintomas.

O número de pessoas examinadas que efetivamente contraíram a doença foi igual a:


a) 83
b) 85
c) 87
d) 89

06. Uma pesquisa realizada com alunos de uma determinada escola revelou que 30 alunos gostam de
matemática; 60 alunos gostam de história; 50 gostam de português; 20 gostam de português e história; 15
gostam de matemática e história; 10 gostam de matemática e português; 5 gostam dessas três disciplinas;
e 40 alunos não gostam de nenhuma dessas três matérias. Quantos alunos participaram da pesquisa?

a) 140
b) 145
c) 150
d) 160
e) 170

07. Em um grupo de 100 pessoas, sabe-se que:


• 15 nunca foram vacinadas;
• 32 só foram vacinadas contra a doença A;
• 44 já foram vacinadas contra a doença A;
• 20 só foram vacinadas contra a doença C;
• 2 foram vacinadas contra as doenças A, B e C;
• 22 foram vacinadas contra apenas duas doenças.

De acordo com as informações, o número de pessoas do grupo que só foi vacinado contra ambas as
doenças B e C é:
(A) 10.
(B) 11.
(C) 12.
(D) 13.
(E) 14

10
FUNÇÃO
Plano Cartesiano

O Plano Cartesiano foi criado pelo matemático René Descartes. Como ele associava a geometria à álgebra,
esta foi a forma que ele criou para representar graficamente expressões algébricas.
A sua utilização mais simples é a de representarmos graficamente a localização de pontos em um determinado
plano. Através dele também podemos representar um segmento de reta ou um triângulo, por exemplo.
O plano cartesiano é composto de duas retas perpendiculares e orientadas, uma horizontal e outra vertical.
Damos no nome de eixo x ou eixo das abscissas à reta horizontal. À vertical denominamos de eixo y ou eixo
das ordenadas.
A orientação positiva das retas é representa por uma seta como podemos ver na figura mais abaixo.

Representação de Pontos no Plano Cartesiano

A representação de pontos neste plano é feita através de pares ordenados, onde o primeiro número se refere à
abscissa e o segundo a ordenada.
O ponto P1(3, 2) tem abscissa 3 e ordenada 2, no qual o símbolo (3, 2) representa um par ordenado. O ponto
P2(2, 3) tem abscissa 2 e ordenada 3. É importante frisarmos que os pontos P1 e P2 são pontos distintos, pois em
um par ordenado a ordem dos números é relevante.
Dois pares ordenados (a, b) e (c, d) são iguais se e somente se a = c e b = d.
Na figura ao lado vemos a representação do ponto P(-6, 5).
Ao ponto localizado no cruzamento de ambos os eixos damos o nome de origem do sistema de coordenadas
cartesianas, representado por O(0, 0).

Quadrantes do Plano Cartesiano

Vemos nesta figura que o eixo x e o eixo y dividem o plano em quatro regiões. A região do canto superior
direito é o primeiro quadrante, a região à sua esquerda, do outro lado do eixo y é o segundo quadrante. Abaixo
deste temos o terceiro quadrante e à sua direita, ou seja, abaixo do primeiro temos o quarto quadrante.
Os quadrantes são dispostos em sentido anti-horário.

11
1 Função Polinomial do 1º Grau

f : IR  IR
Notação Oficial:
x  y  f  x   ax  b, a  0

 O gráfico é sempre uma reta.


 a  Coeficiente Angular: Mede a declividade (inclinação) da reta com o eixo das abscissas.
 b  Coeficiente Linear: Determina aonde a reta intercepta o eixo y (eixo das ordenadas).

Vamos dividir o estudo gráfico em duas situações:

1ª Situação: Teremos f  x   ax  b , com a  0 e b  0. Chamaremos esta função de AFIM.

1º Caso: a  0  Crescente f  x
y

b
f  x  0  x   b
a

------ +++++++++++
0 x
++

Estudo da Função: f  x   ax  b

a) D  f   R  IM  f   CD  f  ;

b) Monotônica crescente;

c) É uma reta que NÃO passa pela origem.  Chama-se função AFIM;

2º Caso: a  0  Decrescente

y
f  x

b
b f  x  0  x  
a

0
+++++++++++ --- x

--

Estudo da Função: f  x   ax  b

a) D  f   R  IM  f   CD  f 
b) Monotônica decrescente
c) É uma reta que NÃO passa pela origem.  Chama-se função AFIM.

12
2ª situação: Teremos f  ax  , com a  0 e b  0 , chamaremos esta função de Linear.

1º Caso: a  0  Crescente

f  x
y

----------- ++++++
0 x
+

Estudo da Função: f  x   ax

a) D  f   R  IM  f   CD  f 
b) Monotônica crescente
c) É uma reta que passa pela origem.  Chama-se função Linear.

2º Caso: a  0  Decrescente

f  x
y

+++++++ -------
0 x
----

Estudo da Função: f  x   ax
a) D  f   R  IM  f   CD  f 
b) Monotônica decrescente
c) É uma reta que passa pela origem.  Chama-se função Linear

13
EXERCÍCIOS
01. Seja o gráfico de uma função do 1º grau.

Qual dos pontos a seguir pertence ao gráfico dessa função?


a) (–2, 0).
b) (0, 4).
c) (2, 10).
d) (3, 11).

02. A função f (x)=2,5 x representa o consumo de água acumulado f (x) , de uma residência, durante os x
primeiros dias de um mês. Aqui f (x) é medido em metros cúbicos. Assim é correto afirmar que em 12 dias
o consumo acumulado, em metros cúbicos, desta residência é:

a) 5.
b) 12.
c) 24.
d) 25.
e) 30.

03. O gráfico abaixo apresenta a capacidade de processamento de oleaginosas de uma máquina extratora
de óleos vegetais, em função do tempo t.

Em quanto tempo essa máquina processa 800 kg de oleaginosas?


a) 6 horas e 20 minutos
b) 6 horas e 30 minutos
c) 6 horas e 40 minutos
d) 7 horas e 20 minutos
e) 7 horas e 40 minutos

14
04. “O Brasil é o país onde mais caem raios no mundo. Na última década, a cada três dias, em média, uma
pessoa foi fulminada por um raio”
Revista Veja, 10 fev. 2010.

Seja f(x) uma função polinomial que represente o número de pessoas fulminadas por um raio no Brasil ao
longo da última década, onde x representa o número de dias. Considerando as informações apresentadas
na reportagem acima, conclui-se que:
a) f(x) = 3x
b) f(x) = x + 3
c) f(x) = x – 3

d)

e)

05. A função geradora do gráfico abaixo é do tipo y = mx + n

Então, o valor de m3 + n é
a) 2
b) 3
c) 5
d) 8
e) 13

06. O valor de um caminhão do tipo A novo é de R$ 90.000,00 e, com 4 anos de uso, é de R$50.000,00.
Supondo que o preço caia com o tempo, segundo uma função linear, o valor de um caminhão do tipo A,
com 2 anos de uso, em reais, é de:

a) 40.000,00
b) 50.000,00
c) 60.000,00
d) 70.000,00
e) 80.000,00

07. Uma fábrica de panelas opera com um custo fixo mensal de R$ 9 800,00 e um custo variável por panela
de R$ 45,00. Cada panela é vendida por R$ 65,00. Seja x a quantidade que deve ser produzida e vendida
mensalmente para que o lucro mensal seja igual a 20% da receita. A soma dos algarismos de x é:

a) 2
b) 3
c) 4
d) 5
e) 6

15
08. Em uma corrida de táxi, é cobrado um valor inicial fixo, chamado de bandeirada, mais uma quantia
proporcional aos quilômetros percorridos. Se por uma corrida de 8 km paga-se R$ 28,50 e por uma corrida
de 5 km paga-se R$ 19,50, então o valor da bandeirada é:

a) R$ 7,50.
b) R$ 6,50.
c) R$ 5,50.
d) R$ 4,50.

09. A função f(x)= ax + b é estritamente decrescente. Sabe-se que f(a) = 2b e f(b) = 2a. O valor de f(3) é:

a) 2
b) 4
c) -2
d) 0
e) -1

Função Quadrática ou Polinomial do 2º Grau

1) Definição:

É toda real de variação real dada por:

F: IR IR
x f(x) = ax² + bx + c, sendo a ≠ 0

O gráfico da função quadrática é sempre uma curva cônica denominada parábola cujo eixo de simetria
deve ser sempre paralelo ao eixo das ordenadas.

Caso I
Quando a>0 a parábola terá concavidade voltada para cima: (o vértice V é um ponto de máximo).

Caso II
v terá concavidade voltada para baixo: (o vértice V é um ponto de máximo).
Quando a<0 a parábola

16
2) Raízes da Função Quadrática:

Dada a função f(x) = ax² + bx + c, suas raízes são obtidas fazendo-se f(x) = 0:

b 
ax² + bx + c = 0  x 
2a

onde  = b² - 4ac
> 0  existem duas raízes distintas (x1 ≠ x2)
 = 0  existe duas raízes reais iguais (x1 =x2)
< 0  não existem raízes reais.

3) Relação entre os Coeficientes e as Raízes de uma Equação do 2º grau:

Suponhamos que a equação do 2º grau: ax² + bx + c = 0 tenha raízes reais x1e x2. Vamos verificar em seguida
que existem relações notáveis entre as raízes x 1 e x2 e os coeficientes a, b e c.

Soma das Raízes


Sabemos que as raízes da equação do 2º grau:

ax² + bx + c são dadas por

b  b 
x1  e x2 
2a 2a
b
x1  .x 2  
a
Produto das Raízes
Vamos agora calcular o produto

b   b  
x1.x2 =  



 2a   2a 
c
x1.x2 
a
4) Composição de uma equação do 2º grau
Podemos compor uma equação do 2º grau a partir das relações de somo e de produto de suas raízes.
Considere a equação:
ax² + bx + c = 0 : a

x² - Sx + p = 0

17
5) Coordenadas do Vértice:
O vértice da parábola é dado pelas coordenadas xv e yv do ponto V:

b 
V , 
 2a 4a 

Vértice – Máximo, Mínimo e Imagem:

Seja f: IR IR uma função do segundo grau definida pela f(x) = ax² + bx + c (a ≠ 0):

I) Se a < 0 o vértice V da parábola será um ponto de máximo absoluto:


 f(x)
4a

f(x)

decrescente

crescente
x
b

2a

b
Maximante: xv= 
2a

Valor máximo da função: yv =
4a
D (f) = IR
Im(f) = {y  IR / y <   }
4a

variação:

b
f é crescente  x  
2a
b
f é decrescente  x  
2a

18
V

b f(x)
f(x)  crescente
2a



4a

b
Minimante: xv= 
2a

Valor mínimo da função: yv =
4a
D (f) = IR
Im(f) = {y  IR / y <   }
4a

variação:

b
f é crescente  x  
2a
b
f é decrescente  x  
2a
Sinal da Função Quadrática:

Seja f : IR IR uma função do 2º grau definida pela lei f(x) = ax²+ bx + c (a ≠ 0), teremos para sinal da
função os seis casos descritos.

I) a > 0

> 0
++ ++
x1 –– x2

=0

++ ++
x1 = x2

19
II) a < 0

x1 ++ x2
–– ––
> 0

x1 = x 2
=0
---- ----

20
EXERCÍCIOS
01. As coordenadas do vértice da parábola y = 2x 2 - 3x + 5 são:

a)

b)

c)

d)

e)

02. A função f : [ - 2,4 ] → R , definida por f ( x ) = - x2 + 2x + 3, possui seu gráfico apresentado a seguir.

O valor máximo assumido pela função f é:


a) 6
b) 5
c) 4
d) 3
e) 1

03. O Sr. João é um economista aposentado que resolveu melhorar sua qualidade de vida comprando uma
pousada com 40 suítes em uma bela região praiana. Com base em dados do proprietário anterior, ele
deduziu duas funções para gerenciar seu negócio: a função do preço (p) por diária da suíte (x) e a da
receita (R). As funções foram definidas, respectivamente, por: p( x ) = - 5x + 350 e R ( x ) = - 5x2 + 350x.

Considerando essas funções, o preço que o Sr. João deve cobrar para maximizar a receita é:
a) R$ 150,00
b) R$ 175,00
c) R$ 190,00
d) R$ 225,00

04. A raiz da função f(x) = 2x - 8 é também raiz da função quadrática g(x) = ax2 + bx + c. Se o vértice da
parábola, gráfico da função g(x), é o ponto V(-1, -25), a soma a + b + c é igual a:

a) – 25
b) – 24
c) – 23
d) – 22
e) – 21

21
05. Qual é o valor de k no gráfico a seguir, considerando que o mesmo é de uma função do 2º grau?

a) 5
b) 7
c) 10
d) 9
e) 8

06. A imagem / da função y = f(x) = x2 - 4x + 8 é:

a) I = { y y > 4}. b) I = { y y < 4}.


c) I = { y y >= 2}. d) I = { y y <= 4}.
e) I = { y y >= 4}.

07. Uma indústria produz mensalmente x lotes de um produto. O valor mensal resultante da venda deste
produto é V(x)= 3x2 - 12x e o custo mensal da produção é dado por C(x)= 5x 2 - 40x - 40. Sabendo que o
lucro é obtido pela diferença entre o valor resultante das vendas e o custo da produção, então o número
de lotes mensais que essa indústria deve vender para obter lucro máximo é igual a:

a) 4 lotes. b) 5 lotes.
c) 6 lotes. d) 7 lotes.
e) 8 lotes.

08. Uma lanchonete vende, em média, 200 sanduíches por noite ao preço de R$ 6,00 cada um. O
proprietário observa que, para cada R$ 0,10 que diminui no preço, a quantidade vendida aumenta em cerca
de 20 sanduíches. Considerando o custo de R$ 4,50 para produzir cada sanduíche, o preço de venda que
dará o maior lucro ao proprietário é:

a) R$ 5,00 b) R$ 5,25
c) R$ 5,50 d) R$ 5,75
e) R$ 6,00

09. Quando o preço do ingresso para uma peça de teatro é p reais, o número de pessoas que comparecem,
por apresentação, é x. Sabe-se que p relaciona-se com x mediante a equação p = 800 – 4x.

Nessas condições, a receita máxima que se pode obter, por apresentação, é:


A) R$ 32.000,00
B) R$ 36.000,00
C) R$ 40.000,00
D) R$ 44.000,00
E) R$ 48.000,00

10. O lucro de uma loja, pela venda diária de x peças, é dado por L(x) = 100 (10 - x) (x - 4). O lucro máximo,
por dia, é obtido com a venda de:
a) 7 peças b) 10 peças
c) 14 peças d) 50 peças
e) 100 peças

22
2. GEOMETRIA DAS SUPERFÍCIES PLANAS
I. ÂNGULOS

1. Definição

Ângulo é o nome que se dá à abertura formada por duas semirretas que partem de um mesmo ponto.

Em que:
OA e OB são os lados do ângulo.
O é o vértice do ângulo.

ÂNGULOS IMPORTANTES

ÂNGULO RETO

Graus = 90°

Radianos = π/2

ÂNGULO RASO

Graus = 180°

Radianos = π

ÂNGULO DE UMA VOLTA

Graus = 360°

Radianos = 2 π

Observação: 1° = 60’ (1 grau = 60 minutos)

1’ = 60” (1 minuto = 60 segundos)

23
ÂNGULO AGUDO

É aquele cuja medida é menor que a de um ângulo reto.

ÂNGULO OBTUSO

É aquele cuja medida é maior que a de um ângulo reto e menor que a de um raso.

α > 90°

ÂNGULOS COMPLEMENTARES

Dois ângulos são complementares quando a soma de suas medidas é 90°.

ÂNGULOS SUPLEMENTARES

Dois ângulos são suplementares quando a soma de suas medidas é 180°.

ÂNGULOS OPOSTOS PELO VÉRTICE

São aqueles cujos lados de um são semirretas opostas dos lados do outro.

24
BISSETRIZ DE UM ÂNGULO

Bissetriz de um ângulo θ é uma semi-reta de origem no vértice do ângulo que o divide em dois ângulos
congruentes.

ÂNGULOS FORMADOS POR DUAS RETAS PARALELAS INTERCEPTADAS POR UMA TRANSVERSAL

Duas retas paralelas r e s, interceptadas por uma transversal, determinam oito ângulos, assim denominados:

Ângulos correspondentes: a e α, b e β, c e y , d e θ.

Ângulos alternos internos: c e α, d e β.

Ângulos alternos externos: a e y, b e θ.

Ângulos colaterais internos: c e β, d e α.

Ângulos colaterais externos: a e θ, b e y.

Propriedades:

Ângulos alternos internos são congruentes.

Ângulos alternos externos são congruentes.

Ângulos correspondentes são congruentes.

III. POLÍGONOS
1. Nomenclatura

Seja o polígono da figura.

AB, BC, CD e DA são os lados do polígono.

25
Quando todo e qualquer par de pontos R e S, tomados na região poligonal, determinar um segmento RS
completamente interno à região, o polígono é convexo. Caso contrário o polígono é não convexo ou côncavo.

Tipos de polígonos convexos:

2. Número de diagonais de um polígono

O número de diagonais d de um polígono de n lados é dado por:

3. Soma das medidas dos ângulos internos e externos

Considere o polígono de n lados da figura.

S i = i1 + i2 + … + in  2S i = (n - 2) . 180° 2

Se = e1 + e2 + … + e n  2S e = 360°2

26
Observações:

1. Se o polígono for regular, ele tem todos os lados e ângulos congruentes, logo:

2. Todo polígono regular é inscritível e circunscritível.

ÁREAS DAS FIGURAS PLANAS

1. QUADRADO Sq = 2

 

2. RETÂNGULO Sr = a . b

b b

b h
3. TRIÂNGULO QUALQUER S Tr 
2
A

C B
b

27
CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA DE UM TRIÂNGULO

b
c

C
a
B

a<b+c

Quanto aos lados: — Equilátero (a = b = c)

— Isósceles (a = b  c)

— Escaleno (a  b  c)

Quanto aos ângulos: — Retângulo ( Â = 90o)

— Acutângulo ( Â, B̂ e Ĉ < 90o)

— Obtusângulo ( Â > 90o)

Triângulo equilátero

Triângulo escaleno

28
Triângulo qualquer dado um ângulo

4. CÍRCULO

SC =  . R2

Observação:  é a razão entre o comprimento da circunferência e seu diâmetro.

5. COROA CIRCULAR

SCC =  . (R2  r2)

6. PARALELOGRAMO

A=a.h

b h

29
7. TRAPÉZIO

 ISÓSCELES

h h

RETÂNGULO

b (B  b).h
A=
2

8. LOSANGO

D.d
A=
D 2

30
EXERCÍCIOS

1. Um triângulo possui três ângulos internos: A, B e C. Sabendo que A e B são complementares, qual é o
valor do ângulo C?

a) 45°

b) 90°

c) 150°

d) 180°

2. No triângulo ABC da figura, BH é a altura relativa ao lado AC.

O perímetro do triângulo BHC, em cm, é um número real que se encontra entre:

a) 16 e 17

b) 15 e 16

c) 18 e 19

d) 19 e 20

e) 17 e 18

3. Sabe-se que a diagonal de um quadrado mede 6√2cm. A área desse quadrado mede:

a) 36 cm2

b) 24 cm2

c) 18 cm2

d) 12 cm2

4. Tales desenhou um triângulo retângulo com as seguintes medidas, todas dadas em centímetros.

31
Qual é o perímetro deste triângulo?

a) 6 cm

b) 9 cm

c) 12 cm

d) 15 cm

5. Uma pista de corrida foi construída com o formato de um setor circular, conforme apresentado a seguir.

Pode‐se afirmar que o valor do ângulo x é igual a:

(Considere: π = 3,14.)

a) 30°.

b) 36°.

c) 42°.

d) 45°.

6. A figura a seguir mostra um salão poligonal ABCDEF, onde os ângulos internos nos vértices A, B, C, D e
F são retos e as medidas indicadas estão em metros.

O perímetro e a área desse salão são, respectivamente:

a) 105 m e 44 m2;

b) 44 m e 105 m2;

c) 120 m e 36 m2;

d) 36 m e 120 m2;

e) 120 m e 44 m2.

32
7. Um trapézio possui 11m de altura e área igual a 561m². Determine a medida da base maior sabendo que
ela é o quíntuplo da base menor.

a) 56m

b) 70m

c) 85m

d) 94m

8. Determine a medida da diagonal menor de um losango, sabendo que ele tem área de 45.000m² e
diagonal menor medindo a quarta parte da diagonal maior.

a) 290m

b) 90m

c) 150m

d) 185m

9. Um triângulo e um quadrado têm perímetros iguais. Os lados do triângulo medem 7,3 m, 7,2 m e 5,5 m.

A área do quadrado, em m2, é:

a) 20,00;

b) 22,50;

c) 25,00;

d) 25,60;

e) 26,01.

10. Um terreno tem a forma retangular com 15 m de comprimento por 12 m de largura e seu proprietário
reservou uma área no formato de um quadrado para montar uma pequena horta, sendo este espaço
correspondente a 20% da área total do terreno. O perímetro da área reservada para a horta é igual a:

a) 18 m

b) 20 m

c) 22 m

d) 24 m

11. O comprimento de um pátio retangular é 25 m maior que sua largura, conforme mostra a figura.

33
Sabendo que o perímetro desse pátio é 170 m, o valor da sua área, em metros quadrados, é:

a) 1650.

b) 1320.

c) 1150.

d) 900.

e) 750.

12. A região sombreada na figura é conhecida como “barbatana de tubarão" e foi construída a partir de um
quadrante de círculo de raio 4 e de um semicírculo.

A área dessa “barbatana de tubarão" é:

a) 2π;

b) 5π/2

c) 3π;

d) 7π/2

e) 4π;

13. Uma praça circular é cercada por uma calçada. Sabendo que o raio da praça mede 30m , calcule o
comprimento da calçada. (Considere π = 3,14)

a) 188,4m

b) 183.4m

c) 185.4m

d) 187.4m

14. Cada quadradinho do quadriculado abaixo tem 1 cm de lado

34
A área da figura sombreada é:

a) 13,5 cm2.

b) 14,0 cm2.

c) 14,5 cm2.

d) 15,0 cm2.

e) 16,0 cm2.

15. Três triângulos retângulos têm um vértice E em comum, conforme mostra a figura.

Os triângulos EDC e ECB são isósceles. A área do triângulo ACB vale 18 cm 2 e a área do triângulo BDC
vale 16 cm2. A medida do segmento AC, em cm, é igual a:

a) 4.

b) 5.

c) 6.

d) 8.

e) 9.

16. Os lados do retângulo interno medem a metade dos lados do retângulo externo.

Então, calcule a área hachurada?

a) 12m2. b) 36m2. c) 42m2.

d) 48m2. e) 60m2.

35
17. Uma sala retangular de 7m por 4m será forrada com lajotas quadradas de 25cm de lado. Quantas
lajotas serão necessárias?

a) 112

b) 360

c) 448

d) 560

e) 896

18. Determine quantos lados tem um polígono regular cujo ângulo interno mede 108°:

a) 5

b) 6

c) 7

d) 8

e) 9

19. Para proteção das plantas, uma grade foi colocada em todo o perímetro do jardim representado na
figura, que tem a forma de um triângulo retângulo.

Se a área desse jardim é 96 m2, então a medida do seu perímetro é igual, em metros, a:

a) 48

b) 50

c) 52

d) 56

e) 58

36
20. Um terreno tem a forma do pentágono ABCDE, como o da figura a seguir, em que os ângulos em A e B
são retos e a distância AB mede 24 m. Sabe-se que o perímetro do terreno é de 84 m e que os
comprimentos dos lados BC, CD, DE, e EA são todos iguais.

A área desse terreno, em m2, é:

a) 412

b) 440

c) 468

d) 480

e) 496

21. Na figura, ABCDEF é um hexágono regular de lado 1 cm. A área do triângulo BCE, em cm 2, é:

22. De uma chapa quadrada de papelão recortam-se 4 discos, conforme indicado na figura. Se a medida do
diâmetro dos círculos é 10 cm, qual a área (em cm2) não aproveitada da chapa?

a) 40 - 20 π b) 400 - 20 π c) 100 - 100 π

d) 20 - 20 π e) 400 - 100 π

37
23. Na figura abaixo se têm 4 semicírculos, dois a dois tangentes entre si e inscritos em um retângulo:

Se o raio de cada semicírculo é 4cm, a área da região sombreada, em centímetros quadrados, é:

(Use: π=3,1).

a) 24,8
b) 25,4
c) 26,2
d) 28,8
e) 32,4

24. Para decorar a fachada de um edifício, um arquiteto projetou a colocação de vitrais compostos de
quadrados de lado medindo 1 m, conforme a figura a seguir.

Nesta figura, os pontos A, B, C e D são pontos médios dos lados do quadrado e os segmentos AP e QC
medem da medida do lado do quadrado. Para confeccionar um vitral, são usados dois tipos de materiais:
um para a parte sombreada da figura, que custa R$ 30,00 o m 2, e outro para a parte mais clara (regiões
ABPDA e BCDQB), que custa R$ 50,00 o m2.

De acordo com esses dados, qual é o custo dos materiais usados na fabricação de um vitral?

a) R$22,50.
b) R$35,00.
c) R$40,00.
d) R$42,50.
e) R$45,00.

25. Em um polígono convexo de n lados, dois ângulos medem 155° , um mede 140° , um mede 170° e todos
os demais medem 160° . Sabendo-se que a soma dos ângulos de um polígono convexo é dada pela
fórmula S = 180(n – 2), onde n representa o número de lados do polígono, conclui- -se corretamente que
para esse polígono n é igual a:

a) 15.
b) 16.
c) 17.
d) 18.
e) 19.

38
3. Padrões Numéricos
SEQUÊNCIA NUMÉRICA
Sequência numérica é todo conjunto de números reais dispostos numa certa ordem.

Exemplos: (1, 3, 6, 8, 9, 12)


(2, 4, 6, 8, 10, 12)

A representação matemática de uma sequência é: (a1, a2, a3, a4, ..., an – 1, an)

Em que:
a1 é o primeiro termo;
a2 é o segundo termo;
a3 é o terceiro termo;
.
.
.
an é o enésimo termo.

PROGRESSÃO ARITMÉTICA (P.A.)


Progressão aritmética é uma sequência numérica em que cada termo, a partir do segundo, é igual ao
anterior, somado com uma constante chamada razão da progressão aritmética.

Representação:
(a1, a2, a3, ..., an) é uma P.A. de razão r.
a2 a1 = a3 a2 = ... = an + 1an = r
ou
an + 1 = an + r

FÓRMULA DO TERMO GERAL DE UMA P.A.

Qualquer termo de uma P.A. pode ser obtido pela fórmula: an = a1 + (n + 1)r

Em que:

a1 é o primeiro termo;
an é o enésimo termo;
n é o número de termos;
r é a razão da P.A

REPRESENTAÇÃO ESPECIAL

Podemos utilizar a seguinte representação de P.A., que facilita a resolução de exercícios:

P.A. de três termos  ( x  r , x , x + r ) razão: r

FÓRMULA DA SOMA DOS N PRIMEIROS TERMOS DE UMA P.A.

Podemos obter a soma dos n primeiros termos da P.A(a 1,a2,a3, ..., an), finita, através da fórmula:

(a 1  a n ) n
Sn =
2

39
Em que:
a1 é o primeiro termo;
an é o último termo;
n é o número de termos;
Sn é a soma dos n termos.

PROGRESSÃO GEOMÉTRICA (P.G.)

DEFINIÇÃO
Progressão geométrica (P.G.) é uma sequência numérica em que cada termo, a partir do segundo, é igual ao anterior,
multiplicado por uma constante chamada razão da progressão geométrica.
Algebricamente, temos:

(a1, a2, a3,..., an,…) P.G. de razão q.

Para uma P.G. de termos não-nulos


a2 a3 a n +1
= = ... = =q
a1 a 2 an

Fórmula do termo geral de uma P.G.

Qualquer termo de uma P.G. pode ser obtido através da fórmula:

an  a1qn1

Em que n é o número de termos da P.G.


Representações especiais

Podemos utilizar as seguintes representações de P.G., que facilitam a resolução de exercícios:


x 
 , x, x.q 
q 

Fórmulas da soma dos n termos de uma P.G. finita

A soma dos n termos da P.G. (a1, a2, a3, ..., an), finita, de razão q, pode ser obtida pelas fórmulas:

Se q = 1  Sn = n. a1

Se q  1  Sn =

a1 qn  1
q 1

an q  a1
Sn 
q 1

Soma dos termos de uma P.G. infinita

A soma dos termos de uma P.G. infinita, de razão 1  q  1, é dada pela fórmula:
a1
Sn =
1 q

Em que Sn é a soma dos infinitos termos da P.G.

40
EXERCÍCIOS
1. Observe a sequência a seguir:

21; 25; 29; 33; ...

Se for mantido o padrão da sequência, qual será o sétimo termo?

a) 45
b) 43
c) 41
d) 37
e) 35

2. A sequência a seguir representa uma progressão finita G, a qual foi representada por seus 8 elementos:

G = (1, 5, 25,125, Y, 3125,15625, 78125)

Assinale a alternativa que contém o valor do elemento Y da progressão?

a) 250
b) 325
c) 1125
d) 1500
e) 625

3. As figuras a seguir representam os três primeiros passos de um total de 31 de uma sequência que será
composta apenas por palitos de fósforo.

O total de palitos de fósforo do 31° passo será

a) 97.
b) 93.
c) 124.
d) 103.
e) 94.

4. As razões entre a progressão aritmética 3,7,... e a progressão geométrica cujo primeiro termo é 5 são
iguais. Desse modo, o quinto termo da progressão geométrica é igual a:

a) 320
b) 80
c) 1280
d) 2560

5. A sequência (2, x, y, 8) representa uma progressão geométrica. O produto xy vale:

a) 8
b) 10
c) 12
d) 14
e) 16

41
6. A sequência a seguir representa uma progressão, a qual foi representada por seus primeiros 6
elementos:

P = (1, 9, 81, X, 6561, 59049, ...)

Assinale a alternativa que contém o valor do elemento X da progressão.


a) 243
b) 142
c) 324
d) 729
e) 567

7. A soma dos 200 primeiros termos da progressão (4, 7, 10, 13, ...) é igual a

a) 60.200
b) 60.300
c) 60.100
d) 60.500
e) 60.400

8. Considere a progressão geométrica finita (a 1 , a 2 , a 3 ,...,a 11 , a 12 ), na qual o primeiro termo vale


metade da razão e a 7 = 64 .a 4 . O último termo dessa progressão é igual a

a) 212
b) 216
c) 222
d) 223
e) 234

9. A soma dos dois primeiros termos de uma progressão aritmética é 23 e o seu vigésimo termo é 104. A
razão dessa progressão é:

a) 4
b) 5.
c) 6.
d) 7.

10. Os números naturais m, w e p constituem, nessa ordem, uma progressão aritmética de razão 4,
enquanto que os números m, (p + 8) e (w + 60) são, respectivamente, os três termos iniciais de uma
progressão geométrica de razão q. Qual é o valor de q?

a) 2
b) 3
c) 4
d) 6
e) 8

11. As progressões aritméticas (PA) possuem algumas propriedades que são bastante úteis na resolução
de problemas. Qual a soma dos 100 primeiros termos da PA (1, 5, 9,...)?

a) 10.000.
b) 19.900.
c) 39.700.
d) 39.800.
e) 90.000.

42
12. A sequência (a1 , a2 , a3 , ..., a20 ) é uma progressão aritmética de 20 termos, na qual a8 + a9 = a5 + a3
+ 189. A diferença entre o último e o primeiro termo dessa progressão, nessa ordem, é igual a

a) 19
b) 21
c) 91
d) 171
e) 399

13. Progressões aritméticas são sequências numéricas nas quais a diferença entre dois termos
consecutivos é constante. A sequência (5, 8, 11, 14, 17, ..., 68, 71) é uma progressão aritmética finita que
possui

a) 67 termos
b) 33 termos
c) 28 termos
d) 23 termos
e) 21 termos

14. O sexto termo de uma progressão geométrica é igual a 12500. Se a razão é igual a 5, assinale a
alternativa correspondente ao terceiro termo.

a) 100
b) 125
c) 150
d) 340
e) 300

15. Considere as informações para uma PA (progressão aritmética): 1º termo é igual a 2, razão equivale a
5. Determine o valor do 17º termo dessa sequência numérica.

a) 74
b) 53
c) 82
d) 18
e) 35

16. Seja a progressão geométrica:

O quarto termo dessa progressão é:


a) 0

b)

c)
d) 1
e) 5

17. Qual é a soma dos termos da sequência (x - 2, 3x - 10, 10 + x, 5x + 2), para que a mesma seja uma
progressão geométrica crescente?

a) 52
b) 60
c) 40
d) 48
e) 64

43
18. Em uma progressão aritmética, o primeiro termo é -3 e a razão é 1/3. Assinale a alternativa que
apresenta o sexto termo desta progressão.
a) 0.
b) - 4/3.
c) - 2/3.
d) - 1/3.
e) 1.

19. Na sequência (2, 6, 18,...), cada número, com exceção do primeiro, é obtido pela multiplicação do
anterior pelo número 3. Esta sequência de números é denominada progressão geométrica. A quantidade
de números de três algarismos que esta progressão geométrica possui é igual a:
a) 0
b) 1
c) 2
d) 3
e) 4

20. Seja S = 20 + 30 + ... + 310, determine o valor de S.


a) 4950
b) 2980
c) 1250
d) 620

21. Em uma PA, a3 + a6 = 25 e a1 + a7 = 22. Determine a razão dessa PA.


a) 1
b) 2
c) 3
d) 4

22. Se inserirmos vinte meios aritméticos entre os números 15 e 120 obteremos uma progressão crescente
cujo décimo sétimo termo é:
a) 105
b) 95
c) 85
d) 75
e) 65

23. Numa progressão geométrica crescente a3 = x, a5 = 4x e a7 = 192. O primeiro termo desta progressão é:
a) 2
b) 3
c) 4
d) 5

24. Qual o valor de x = 4 + 2 + 1 + 1/2 + 1/4 + 1/8 + ... ?


a) 6
b) 7
c) 8
d) 9

25. O valor da soma é:

a) 0
b) 1
c) 1/3
d) 1/2

44
4. Geometria dos sólidos
PRISMA
1. Definição de prisma
Sejam α e β dois planos paralelos distintos.

Consideremos uma região poligonal com n lados contida em α e uma reta r que intercepta os planos α e β nos
pontos A e B respectivamente. Chama-se prisma, a união de todos os segmentos paralelos ao segmento de reta
AB, com uma extremidade na região poligonal e a outra extremidade em β.

2. Elementos

A1 A2 A3 … An e B1 B2 B3 … Bn são polígonos côngruos e paralelos chamados de bases.

são segmentos côngruos e paralelos chamados arestas laterais.

Os segmentos , , são chamados


arestas das bases.

A1A2B2B1, A2A3B3B2, ... são chamados faces laterais.

3. Classificação

Prisma reto é todo prisma cujas arestas laterais são perpendiculares aos planos que contém as bases.
Prisma oblíquo é todo prisma cujas arestas laterais são oblíquas aos planos que contém as bases.
Prisma regular é todo prisma reto cuja base é um polígono regular.

4. Nomenclatura

45
Os prismas são chamados triangulares, quadrangulares, pentagonais, etc, conforme as bases sejam
triângulos, quadriláteros, pentágonos, etc.

Triangular Quadrangular Pentagonal

5. Áreas

Área de uma face lateral é a área de um dos polígonos que constitui uma face lateral do prisma.
Se o prisma for regular, todas as faces laterais terão mesma área.
Área lateral é a soma das áreas de todas as faces laterais de um prisma.
Área total é a soma das áreas de todas as faces do prisma.
Assim, sendo AL a área lateral de um prisma, AB a área de uma das bases e A T a área total, temos:

AT = 2 . AB + AL

6. Volume

Definição: Volume de um sólido é um número, associado a ele, que exprime a razão existente entre o espaço
por ele ocupado e o espaço ocupado por um cubo de aresta unitária.

Volume dos primas

O volume V de um prisma com área da base AB e altura h, é dado por: V = AB . h

PARALELEPÍPEDO E CUBO
1. Paralelepípedo

Paralelepípedo é todo prisma cujas bases são paralelogramos.

46
2. Paralelepípedo reto-retângulo

Paralelepípedo reto retângulo ou paralelepípedo retângulo é todo paralelepípedo reto cujas bases são
retângulos.

3. Área total

No paralelepípedo reto-retângulo da figura, de dimensões a, b e c, temos:


AABCD = AEFGH = a . b
ABFGC = AAEHD = a . c
AABFE = ADCGH = b . c

Assim, sendo AT a área total do paralelepípedo, temos: AT = 2 . (ab + ac + bc)

4. Volume

Sendo V o volume de um paralelepípedo reto-retângulo de dimensões a, b e c, e considerando um dos


retângulos cujos lados medem a e b, por exemplo, como base, temos:

V = AB . h = (a . b) . c

V=a.b.c

5. Diagonal
Sejam D a medida da diagonal do paralelepípedo reto-retângulo de dimensões a, b e c da figura e d a
medida da diagonal da face EFGH.

No triângulo retângulo EFG temos: (EG)2 = (FG)2 + (EF)2  d2 = a2 + b2

No triângulo retângulo AEG temos: (AG)2 = (EG)2 + (AE)2  D2 = d2 + c2

Assim,
D2 = a2 + b2 + c2

47
6. Cubo

Cubo é todo paralelepípedo reto-retângulo cujas seis faces são quadradas, ou seja, a = b = c.

Num cubo de aresta a, sendo AT a área total, D a medida da diagonal e V o volume do cubo, temos:
At = 6a2 D=a. V = a3

PIRÂMIDES
1. Definição e elementos
Dados um plano α, um ponto V, tais que V α e uma região poligonal S do plano α, chama-se pirâmide à
união de todos os segmentos onde P S.

O ponto V é denominado vértice e a região poligonal S é denominada base da pirâmide.

Na pirâmide da figura temos:

2. Natureza

As pirâmides são triangulares, quadrangulares, pentagonais, hexagonais, ... etc, conforme suas bases
sejam triângulos, quadriláteros, pentágonos, hexágonos, … etc.

3. Pirâmide Reta e Pirâmide Regular

Uma pirâmide é RETA quando a projeção ortogonal do vértice sobre o plano α é o centro do polígono da base.
Uma pirâmide é denominada REGULAR quando é reta e o polígono da base é regular.

48
Na pirâmide regular da figura, temos:

a) OA = R é o raio da circunferência circunscrita à base e é denominado simplesmente raio da base;


b) OM = a é denominado apótema da base;
c) VM = g é denominado apótema da pirâmide (altura de uma face lateral);
d) g2 = a2 + h2
e) (VA)2 = R2 + h2

4. Cálculo de áreas e volumes


Para qualquer pirâmide, tem-se:

Área lateral (AL)

É a soma das áreas das faces laterais da pirâmide.


Assim:
AL = A1 + A2 + A3 … , + An, onde A1, A2, A3, …, A n são as áreas das faces laterais.

Área total (AT)

É a soma da área lateral e a área da base


Assim:

At = AL + Ab

Volume (V)
É a Terça parte do volume de um prisma de mesma base e mesma altura.
Assim:

TETRAEDRO REGULAR E TRONCOS DE PIRÂMIDES


1. Tetraedro regular

É a pirâmide triangular que possui as seis arestas congruentes entre si.

49
A altura, a área total e o volume de um tetraedro regular de aresta a são dados, respectivamente, por:

Altura

Área Total  AT

Volume 

2. Secção Paralela à base de uma pirâmide

Quando interceptamos todas as arestas laterais da pirâmide por um plano paralelo à base, que não contém esta
e nem o vértice, obtemos uma secção poligonal tal que:

1) As arestas laterais e a altura ficam divididas na mesma razão:

2) A secção obtida e a base são polígonos semelhantes.

3) A razão entre as áreas da secção (As) e da base (Ab) é igual ao quadrado da razão entre suas distâncias ao
vértice.

4) A razão entre o volume da pirâmide menor (v), que foi formada pela intersecção do plano β e o volume da
pirâmide maior (V) é igual ao cubo da razão entre suas alturas.

5) A “parte” (região) da pirâmide compreendida entre a base e a citada secção é denominada TRONCO DE
PIRÂMIDE DE BASES PARALELAS.

50
CILINDROS
1. Definição e elementos
Sejam α e β planos paralelos (distintos), r uma reta interceptando os planos α e β e S uma região circular
contida em a, que não tem ponto em comum com r.
Chama-se cilindro de base circular a união de todos os segmentos paralelos a r, com Q α e Q’ β.

h é altura do cilindro (distância entre a e b)


S é base do cilindro

é geratriz g

2. Cilindro circular reto (cilindro de revolução)

Definição e Elementos

Cilindro Circular Reto ou Cilindro de Revolução é o sólido gerado por uma


rotação completa de uma região de retângulo em torno de um de seus
lados.

é o eixo do cilindro

é a geratriz da superfície lateral

AB = DC = R é o raio da base

Secção Meridiana
É a intersecção do cilindro com um plano que contém o seu eixo ( na figura anterior).

O retângulo AEFD é uma secção meridiana do cilindro circular reto da figura.

51
Cálculo de Áreas e Volumes

Área da Base (Ab)


É a área de um círculo de raio R.

Assim:
Ab = π R2

Área Lateral (Al)


A superfície lateral é equivalente a um retângulo de dimensões 2 π R (comprimento da circunferência da base) e h
Assim:

Al = 2 π R h

Área Total (At)


É a soma das áreas das bases com a área lateral.

Assim: At = Al + 2 . Ab

Volume (V)
Todo cilindro é equivalente a um prisma de mesma altura e mesma área da base.
V = Ab . h

3. Cilindro equilátero
É todo cilindro de base circular cuja secção meridiana é um quadrado.

A secção meridiana A’ABB’ é um quadrado. Assim: h = 2R

CONES
1. Definição e elementos
Seja um plano α, um ponto V α e um círculo ƴ contido em α. Chama-se cone circular a reunião de todos os
segmentos de reta com uma extremidade em V e a outra nos pontos do círculo ƴ considerado.

52
No cone circular da figura têm-se os seguintes elementos:

- Vértices:
É o ponto V citado na definição.

- Base
É o círculo ƴ citado na definição.

- Altura
É a distância (h) do vértice ao plano da base.

- Geratrizes:
São os segmentos com uma extremidade em V e a outra nos pontos da circunferência da base.

- Raio da base
É o raio do círculo g citado na definição.

2. Cone reto

Definição e Elementos
Um cone circular é dito reto quando a projeção ortogonal do vértice sobre o plano da base é o centro da base.
O cone circular reto é também chamado cone de revolução, pois pode ser gerado pela rotação de um triângulo
retângulo em torno de um de seus catetos.

Na figura, temos:

VO = h é altura do cone

OB = R é o raio da base.

VB = g é a geratriz

g2 = h2 + R2

Secção Meridiana

É a intersecção do cone reto com um plano que contém a reta (eixo de rotação).

A secção meridiana de um cone circular reto é um triângulo isósceles, cuja área é dada por:
ASM = R . h

O triângulo isósceles VAB é uma secção meridiana do cone circular reto da figura.

Desenvolvimento das Superfícies Lateral e Total de um Cone Reto

A superfície lateral de um cone circular de raio da base R e geratriz g é equivalente a um setor circular de raio
g, cujo arco tem comprimento 2 πR.

53
Assim, sendo Ab a área da base, Al a área lateral e At a área total desse cone circular reto, temos:

Volume do Cone
Todo cone é equivalente a uma pirâmide de base equivalente e de mesma altura.

3. Cone equilátero

Um cone circular reto é dito equilátero quando a sua secção


meridiana é um triângulo equilátero:

No cone equilátero da figura, tem-se AB = AV = BV.

Assim:

g=2R e h=R

TRONCO DO CONE
1. Tronco de cone de bases paralelas
Seccionando-se um cone por um plano paralelo à base do mesmo, obtêm-se dois sólidos: um novo cone e um
tronco de cone de bases paralelas.

54
Sendo R e r os raios das bases e h a altura do tronco de cone de bases paralelas, tem-se que a sua área total
e o seu volume são dados respectivamente por:

ESFERAS E PARTES
1. Superfície esférica
É a superfície gerada pela revolução completa de uma semicircunferência. em torno seu diâmetro (AA’) , como
mostra a figura.

A área de uma superfície esférica de raio R é dada por: ASE = 4 R π2

O volume de uma esfera de raio R é dado por: Vesf = 4/3 πR3

Fuso esférico

Cunha esférica

55
EXERCÍCIOS
1. Um cilindro de 10 cm de altura tem área da base igual a 16 cm². Calcule sua área total.

2. Um cilindro equilátero mede 12 m de altura. Calcule o seu volume em m 3.

3. A tira seguinte mostra o Cebolinha tentando levantar um halter, que é um aparelho feito de ferro,
composto de duas esferas acopladas a um bastão cilíndrico. Suponha que cada esfera tenha 10 cm de
diâmetro e que o bastão tenha 50 cm de comprimento e diâmetro da base medindo 2 cm. Se a densidade
do ferro é 7,8 g/cm3, quantos quilogramas, aproximadamente, o Cebolinha tentava levantar? (Use:  = 3)

a) 9 b) 8
c) 6 d) 5

4. Leia os quadrinhos:

Suponha que o volume de terra acumulada no carrinho-de-mão do personagem seja igual ao do sólido
esquematizado na figura 1, formado por uma pirâmide reta sobreposta a um paralelepípedo retângulo.
Assim, o volume médio de terra que Hagar acumulou em cada ano de trabalho é, em dm 3, igual a:

a) 14
b) 15
c) 16
d) 18

56
5. No desenho a seguir, dois reservatórios de altura H e raio R, um cilíndrico e outro cônico, estão
totalmente vazios e cada um será alimentado por uma torneira, ambas de mesma vazão. Se o reservatório
cilíndrico leva 2 horas e meia para ficar completamente cheio, o tempo necessário para que isto ocorra
com o reservatório cônico será de:

a) 2 h
b) 1 h e 30 min
c) 50 min
d) 30 min

6. Assim como na relação entre o perfil de um corte de um torno e a peça torneada, sólidos de revolução
resultam da rotação de figuras planas em torno de um eixo. Girando-se as figuras a seguir em torno da
haste indicada obtém-se os sólidos de revolução que estão na coluna da direita. A correspondência
correta ente as figuras planas e os sólidos de revolução obtidos é

a) 1D, 2E, 3A, 4B, 5C.


b) 1D, 2E, 3B, 4C, 5A.
c) 1B, 2C, 3D, 4E, 5A.
d) 1B, 2D, 3E, 4A, 5C.

7. O volume do sólido gerado pela figura ao lado é:

a) 8 4
b) 4
c) 5
d) 3 

57
8. Um reservatório de água tem a forma de um hemisfério acoplado a um cilindro circular como mostra a
figura a seguir. A medida do raio do hemisfério é a mesma do raio da base do cilindro e igual a r = 3 m. Se
a altura do reservatório é h = 6 m, calcule a capacidade máxima de água comportada por esse reservatório.

9. Considere uma bola de sorvete de 36π cm3 de volume e uma casquinha cônica de 3 cm de raio. Calcule
a altura da casquinha, para que o sorvete, ao derreter, ocupe todo o seu espaço.

10. O reservatório “tubinho de tinta” de uma caneta esferográfica tem 4 mm de diâmetro e 10 cm de


comprimento. Se você gasta 5 mm3 de tinta por dia, a tinta de sua esferográfica durará:

a) 20 dias
b) 40 dias
c) 50 dias
d) 80 dias

11. Um paciente recebe por via intravenosa um medicamento à taxa constante de 1,5 ml/min. O
frasco do medicamento é formado por uma parte cilíndrica e uma parte cônica, cujas medidas são dadas
na figura, e estava cheio quando se iniciou a medicação. Após 4h de administração contínua, a medicação
foi interrompida. Dado que 1 cm3 = 1 ml, e usando a aproximação π = 3, o volume, em ml, do medicamento
restante no frasco após a interrupção da medicação é, aproximadamente,

a) 120
b) 150
c) 160
d) 240
e) 360

58
12. A área total de um cilindro é 48 m2 e a soma das medidas do raio da base e da altura é igual a 8 m.
Então, em m3, o volume do sólido é:

a) 45
b) 50
c) 70
d) 75

13. Um cilindro reto tem volume igual a 6400 cm3 e a área lateral é igual a 400 cm2. O raio da base mede:

a) 16 cm
b) 24 cm
c) 28 cm
d) 32 cm

14. Se um cilindro equilátero mede 12 m de altura, então o seu volume em m 3 vale:

a) 144
b) 200
c) 432
d) 480

15. Considere os dois cilindros circulares retos abaixo representados. Se V1 é o volume do cilindro de
maior altura e V2 é o volume do outro cilindro, é verdade que:
V1
V2

2a
a

2a
a

a) V1 = 2.V2
b) V1 = V2
V2
c) V1 
2
V2
d) V1 
4

59
16. Para guardar a ração de seus animais, um fazendeiro construiu um recipiente, conforme indica a figura
a seguir. Calcule, em m3, a capacidade total desse recipiente.

a) 40 m3
b) 16 m3
c) 24 m3
d) 20 m3
e) 22 m3

17. A geratriz de um cone mede 13 cm e o diâmetro da sua base 10 cm. O volume do cone, em cm3, é:

a) 100
b) 200
c) 300
d) 400
e) 500

5. MODELOS EXPONENCIAIS E LOGARÍTMICOS


EQUAÇÃO EXPONENCIAL SIMPLES:
Toda equação que possa ser reduzida à forma ax = b, onde a e b são constantes e a incógnita x fique no
expoente, é denominada equação exponencial. Para a resolução destas equações podemos prescindir ou não da
noção de logaritmos. Nestes itens estudaremos só os casos que não dependem de logaritmo:

1º caso: a x  b , colocar a e b numa mesma base, por fatoração, e comparar os expoentes eliminando as bases.
Exemplo: Resolva as equações:

2x = 16

253x 1  6 1254 x 2
3x-1 = 27

60
2º caso: a x  a x 1  a x  2  ...  a x  p  b
Colocar a menor potência de a em evidência recaindo numa equação do 1º caso:

 
a x 1  a  a 2  ...  a p  b  a x k   b 

b
ax 
k
Exemplo: Resolver as equações

3x-1 + 3x+1 = 90

2 x1  2 x1  2 x2  104

a 2 x  ka x  h  0 , fazer uma mudança de variável a  y


x
3º caso: recaindo numa equação do 2º grau, para

encontrar duas raízes para y, que serão reaplicadas em a x  y.

a 2 x  ka x  h  0  y 2  ky  h  0

 y1  a x  y1

 y 2  a x  y 2

Exemplo: Resolver a equação

4 2 x  20  4 x  64  0

FUNÇÃO EXPONENCIAL:
Seja a um número real positivo e diferente de 1, chamamos de função exponencial a função definida por:

f : IR IR

y = f (x) = a x

a IR*+ - {1}

Exemplos Resolvidos:
a) Esboçar o gráfico de f (x) = 2x, com a = 2

61
Gráfico de f (x) = 2 x
y

1
1/2
1/4
1/8

-2 -1 0 1 2 3 x

b) Esboçar o gráfico de f (x) = (1/2) x

y
8

½ 1
¼
1/8

-3 -2 -1 1 2 3 x

Importante
Podemos, então graficamente o complemento da função exponencial f  x   a x :

62
Nesses gráficos, confirmamos que, se a>1, f  x   a x é crescente em IR e, se 0 < a < 1, f  x   a x decrescente

em IR; então:

a> 1: X1< X2 ax1< ax2

0 > a < 1: X1< X2 ax1> ax2

63
EXERCÍCIOS
1. Resolva as equações exponenciais:

a) 2x = 8
b) 2x = 64
c) 25x = 125

d) 7x = 343

e)

f) 3x+1 + 3x+2=12
g) 2x +1 + 2x + 3 =20
h) 7x-1 +7x+1=50
i) 5x-1 +5x-3=26
j) 22x – 9.2x + 8 =0
l) 4x – 3.2x + 2 =0

m) 25x – 30.5x = -125

2. Uma instituição financeira oferece um tipo de aplicação tal que, após t meses, o montante relativo ao
capital aplicado é dado por M(t) = C.20,04t, onde C > 0. O menor tempo possível para quadruplicar certa
quantia aplicada nesse tipo de aplicação é:

a) 5 meses
b) 2 anos e 6 meses
c) 4 anos e 2 meses
d) 6 anos e 4 meses
e) 8 anos e 5 meses.

3. Dado 63x  64 , o valor de 6x é:


a) 6

1
b)
2

1
c)
6

d) 4

1
e)
4

64
4. (PUC-RS) Uma substância que se desintegra ao longo do tempo tem sua quantidade existente, após t
t
anos, dada por M( t )  M 0 1,4 1000 , onde M0 representa a quantidade inicial. A porcentagem da quantidade
existente após 1000 anos em relação à quantidade inicial M0 é, aproximadamente:

a) 14%
b) 28%
c) 40%
d) 56%
e) 71%

1 7  0 ,5 t
5. A posição de um objeto A num eixo numerado é descrita pela lei  .2 onde t é o tempo em
8 8
t
segundos. No mesmo eixo, move-se o objeto B, de acordo com a lei 2 . Os objetos A e B se encontrarão
num certo instante tAB. O valor de tAB, em segundos, é um divisor de:

a) 28
b) 26
c) 24
d) 22

x
6. Uma das maneiras de se resolver a equação exponencial 2  2  3 consiste em multiplicá-la,
x

membro a membro, por 2x. Isto resulta em uma equação quadrática cujo discriminante é:

a) 12
b) 14
c) 11
d) 13
e) 10

7. A função C( t )  200.3 k.t , com k  1 , dá o crescimento do número C, de bactérias, no instante t em


12
horas. O tempo necessário, em horas, para que haja, nessa cultura, 1.800 bactérias, está no intervalo:

a) [0, 4]
b) [4, 12]
c) [12, 36]
d) [36, 72]
e) [72, 108]

8. A expressão P(n)  40  40.20,34n permite calcular o número de artigos que um operário recém-
contratado é capaz de produzir diariamente, após n dias de treinamento. Para que esse operário produza
pelo menos 30 artigos por dia, o menor valor inteiro de n é:

a) 2
b) 3
c) 4
d) 5
e) 6

65
9. Um centro de pesquisa construiu duas represas para estudar duas espécies de peixe: a tilápia e a
corvina. Inicialmente, foram colocadas 2.187 tilápias numa represa e 128 corvinas na outra. Após estudos,
um pesquisador verificou que:

I. A população de tilápias crescia, segundo a relação t

T(t) = T 0 . 2t , onde 0 T é a população inicial de tilápias.

II. A população de corvinas crescia, segundo a relação C(t) = C 0 .3t , onde 0 C é a população inicial de
corvinas.

Sendo t o número de anos a partir da data inicial, em quantos anos o número de tilápias será igual ao
número de corvinas nas represas ?
a) 4
b) 5
c) 6
d) 7
e) 8

10. Seja f : R  R uma função definida por f(X) = 2x. Na figura abaixo está representado, no plano
cartesiano, o gráfico de f e um trapézio ABCD, retângulo nos vértices A e D e cujos vértices B e C estão
sobre o gráfico de f.

A medida da área do trapézio ABCD é igual a:


a) 2
b) 8/3
c) 3
d) 4
e) 6

11. O gráfico a seguir descreve a função f(x) = a2x - 1, em que a é positivo. Nessas condições qual o valor de
a?

a) - 3

b) - 2

c) 2

d) 3

e) 4

66
LOGARITMOS
Definição de logaritmo:

Chama-se logaritmo de x na base a a um número b tal que se elevarmos a ao expoente b obtemos x:. Isto é:

Exemplo: pois

Propriedades e regras operatórias:

Estudo da Função Logarítmica :


Chama-se função logarítmica à função real de variável real :

OBS:
Os números negativos e o zero não têm logaritmo
A função logaritmica de base a é a recíproca da exponencial de base a ou seja: y = ax
As funções logaritmicas mais usuais são as de base 10 (log. decimais) e as de base e =2,718281

Gráfico da função logarítmica:


0 < a <1

67
a>1

Logaritmos decimais:

A base mais utilizada é a base 10 ou seja os logaritmos decimais é por essa razão que muitas vezes, neste caso,
se omite a base.

Logaritmos Neperianos ou de base natural:

Estes logaritmos que tem por base o número e (base de Neeper) e escreve-se muitas vezes .

Mudança de base:

Antilogaritmo

É o número que corresponde a um logaritmo dado. Consiste no problema inverso do cálculo do logaritmo de um
número.

ou o que é o mesmo: consiste em elevar a base ao número obtido no logaritmo :

Cologaritmo

Designa-se por cologaritmo de um número x ao logaritmo do seu recíproco ou inverso:

justifica a segunda parte desta igualdade.

68
Equações logarítmicas

Trata-se de equações que à incógnita foi aplicada a operação logaritmo.


É fácil concluir que a igualdade entre os logaritmos de duas expressões implica a igualdade de ambas. (este é
o principio em que se fundamenta a resolução deste tipo de equações ou o que se poderá dizer de outra maneira:
aplicando o antilogaritmo)

Exemplo:

log x = log (x3+5) x = x3 +5 x = x3+5

Sistemas de Equações logarítmicas:

Como é fácil depreender trata-se de um sistema de equações em que a (as) incógnita(s) estão sujeitas à
operação logaritmo. A sua resolução faz-se como normalmente outros sistemas só que tendo em atenção as
propriedades dos logaritmos para efetuar as transformações necessárias.

EXERCÍCIOS
1. Calcule os logaritmos:

a) log 3 27

b) log 1 125
5

c) log 4 32

8
d) log 2
3
27

e) log x 8  3

1
f) log x 2
16

g) log 2 x  5

h) log 9 27  x

i) log 1 32  x
2

j) log 2 2 3

l) log 7 7

69
m) 5 log 5 7

n) 2log 2 7log 2 3
o) 2 22 log 2 5

2. Assinalar a alternativa que apresenta os resultados possíveis para a equação logarítmica abaixo:

3. Sejam M = log 30 e N = log 300.

Na igualdade x + N = M, qual é o valor de x?

a) – 2
b) – 1
c) 0
d) +1
e) +2

4. A variável y, quando escrita em função de uma variável x, é dada por y = 10 x+3 - 7. A variável x, portanto,
quando escrita em função da variável y, é dada por

a)

b)

c)

d)

e)

5. Se y = log81 (1⁄27) e x ∈ IR+ são tais que xy = 8 , então x é igual a

a) 1⁄16
b) 1⁄2
c) log38
d) 2
e) 16

70
6. Qual é o valor de k, para que a expressão seja igual a 2.

a) 5
b) 4
c) 9
d) 2
e) 3

7. Na figura abaixo, dois vértices do trapézio sombreado estão no eixo x e os outros dois vértices estão
sobre o gráfico da função real f (X) log kx, com k > 0 e k ≠ 1. Sabe-se que o trapézio sombreado tem 30
unidades de área; assim, o valor de k + p - q é:

a) -20

b) -15

c) 10

d) 15

e) 20

6. PRINCÍPIOS DE CONTAGEM
ANÁLISE COMBINATÓRIA

FATORIAL(!)

Sendo n um número inteiro, maior que 1 (um), define-se fatorial de n, e indica-se n!, a expressão:

n! = n(n – 1) (n – 2) ...3 .2 .1

n   e n  1
Onde: 
n! (lê - se : n fatorial ou fatorial de n).

Definições especiais: 0!  1 e 1!  1

71
Vejamos alguns exemplos.

5!
1º exemplo: Calcular
3 ! 2 !

2º exemplo: simplificar a expressão n! (n  1)!


n!

PROBLEMAS DE CONTAGEM

Análise combinatória é a parte da Matemática que estuda o número de possibilidades de ocorrência de um


determinado acontecimento (evento) sem, necessariamente, descrever todas as possibilidades.

PRINCÍPIO FUNDAMENTAL DA CONTAGEM

O princípio fundamental da contagem mostra-nos um método algébrico para determinar o número de


possibilidades de ocorrência de um acontecimento sem precisarmos descrever todas as possibilidades.

Se um acontecimento pode ocorrer por várias etapas sucessivas e independente de tal modo que:

P1é o número de possibilidades da 1ª etapa.

P2é o número de possibilidades da 2ª etapa.

.
.
.
P é o número de possibilidades da k-ésima etapa.
k

Então: p .p ... p é o número total de possibilidades de o acontecimento ocorrer.


1 2 k

Exemplo 1: Os números dos telefones de São Paulo têm 7 algarismo. Determinar o número máximo de
telefones que podem ser instalados, sabendo-se que os números não podem começar do zero.

Exemplo 2: Num hospital existem 3 portas de entrada que dão para um amplo saguão no qual existem 5
elevadores. Um visitante deve se dirigir ao 6º andar utilizando-se de um dos elevadores. De quantas maneiras
diferentes poderá fazê-lo?

Exemplo 3: Um restaurante oferece no cardápio 2 saladas distintas, 4 tipos de pratos de carne, 5 variedades
de bebidas e 3 sobremesas diferentes. Uma pessoa deseja uma salada, um prato de carne, uma bebida e uma
sobremesa. De quantas maneiras a pessoa poderá fazer seu pedido?

72
EXERCÍCIOS

1. De quantas maneiras diferentes um menino que possui 5 bermudas e 6 camisas pode se vestir?

a) 12
b) 24
c) 36
d) 38
e) 30

2. Com os algarismos 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6 e 7, quantos números pares de 4 algarismos poderão ser


formados?

a) 1.344.
b) 1.568.
c) 1.792.
d) 2.048.
e) 4.096.

3. Seis colegas jogam, um após o outro, um dado. Depois de uma rodada, o número de possibilidades
para a sequência dos seis valores obtidos é:

a) 66.6!
b) 66+ 6!
c) 66
d) 65
e) 6!

4. De quantas maneiras é possível escolher dois pares de óculos dispondo-se de 3 armações e 3 pares
de lentes de materiais diferentes?

a) 15
b) 16
c) 18
d) 20
e) 22

5. Um cofre possui um teclado com 10 números. A combinação que abre o cofre tem cinco números.
Quantas tentativas mal sucedidas podem ser efetuadas por uma pessoa que desconheça a senha?

a) 99 999
b) 100 000
c) 30 240
d) 151 200
e) 50 000

6. Pedro se lembra somente dos cinco primeiros dígitos do telefone de seu trabalho. Dos três dígitos
restantes, ele sabe apenas que não se repetem e que o último dígito é 6 ou 8. Em quantas tentativas, no
máximo, Pedro pode necessitar fazer para telefonar para seu trabalho?

a) 360
b) 180
c) 198
d) 200
e) 144

73
7. Ana possui em seu closet 90 pares de sapatos, todos devidamente acondicionados em caixas
numeradas de 1 a 90. Beatriz pede emprestado à Ana quatro pares de sapatos. Atendendo ao pedido da
amiga, Ana retira do closet quatro caixas de sapatos. O número de retiradas possíveis que Ana pode
realizar de modo que a terceira caixa retirada seja a de número 20 é igual a:

a) 681384
b) 382426
c) 43262
d) 7488
e) 2120

8. Quantos números naturais de 5 algarismos apresentam dígitos repetidos?

a) 27.216
b) 59.760
c) 62.784
d) 69.760
e) 72.784

9. Existem quantos números pares, de três algarismos, maiores do que 500?

a) 250
b) 499
c) 249
d) 500
e) 501

10. Determinada agência de publicidade vai fazer fotos de três modelos juntas. A da direita deve ser ruiva, a do
meio morena e a da esquerda loira. Essa agência dispõe de 3 modelos ruivas, 5 morenas e 4 loiras, e todas
participarão das fotos. Com base nisso, ao clicar uma vez em cada conjunto de três modelos assim formado,
quantas fotos diferentes poderão ser feitas?

a) 12!
b) 3! 5! 4!
c) 60
d) 36
e) 24

11. Considere todas as placas de veículos desde NCD-4000 até NCD- 9999. O número de placas que
possuem os dígitos todos diferentes é:

a) 2.520
b) 3.024
c) 3.528
d) 3.786
e) 4.032

12. Quando Gabriel abriu sua primeira conta bancária, ele teve que criar uma senha de 6 algarismos para
poder acessá-la. Ele usou os seguintes critérios: não usou o algarismo 0; o 1º, o 3º e o 5º algarismos
eram números pares; o 2º, o 4º e o último eram ímpares. Além disso, ele não repetiu nenhum algarismo.
Com base nessas informações, assinale a alternativa que apresenta a maior quantidade de senhas que
ele poderia ter criado.

a) 1.440
b) 1.120.
c) 980.
d) 890
e) 760

74
13. Antônio é gerente de um Escritório de Projetos que possui 19 (dezenove) projetos em execução,
sendo 5 (cinco) em telecomunicações, 6 (seis) em informática e 8 (oito) em mecatrônica, cada um deles
sob a responsabilidade de um coordenador diferente. Para fins de acompanhamento da execução dos
projetos, Antônio marca reuniões semanais com os coordenadores desses projetos. De quantas
maneiras diferentes pode ser definida a sequência de reuniões se Antônio deve se reunir com 6 (seis)
coordenadores, sendo 2 (dois) de telecomunicações, 2 (dois) de informática e 2 (dois) de mecatrônica, os
quais são sorteados aleatoriamente?

a) 33.600
b) 30.000
c) 31.300
d) 32.574
e) 34.000

14. Gabriel deve pintar a bandeira abaixo de forma que cada região tenha uma única cor. Regiões
vizinhas não podem ter a mesma cor, mas regiões não vizinhas podem.

Ele tem 5 cores disponíveis.

O número de maneiras diferentes pelas quais essa bandeira pode ser pintada é:
a) 120
b) 240
c) 480
d) 720
e) 900

15. Quantos são os números naturais pares que se escrevem (na base 10) com três algarismos
distintos?

a) 256
b) 288
c) 320
d) 328
e) 360

16. Sete modelos, entre elas Ana, Beatriz, Carla e Denise, vão participar de um desfile de modas. A
promotora do desfile determinou que as modelos não desfilarão sozinhas, mas sempre em filas formadas
por exatamente quatro das modelos. Além disso, a última de cada fila só poderá ser ou Ana, ou Beatriz,
ou Carla ou Denise. Finalmente, Denise não poderá ser a primeira da fila. Assim, o número de diferentes
filas que podem ser formadas é igual a:

a) 420
b) 480
c) 360
d) 240
e) 60

75
7. Análise de Dados
ESTATÍSTICA
Podemos entender a Estatística como sendo o método de estudo de comportamento coletivo, cujas conclusões são
traduzidas em resultados numéricos. Podemos, intuitivamente, dizer que:

Estatística é uma forma de traduzir o comportamento coletivo em números.

Universo Estatístico ou População Estatística: Conjunto formado por todos os elementos que possam oferecer
dados pertinentes ao assunto em questão.

Exemplo 1: Um partido político quer saber a tendência do eleitorado quanto a preferência entre dois candidatos à
Presidência da República. O Universo Estatístico é o conjunto de todos os eleitores brasileiros.

Amostra: É um subconjunto da população estatística.

Quando o Universo Estatístico é muito vasto ou quando não é possível coletar dados de todos os seus elementos,
retira-se desse universo um subconjunto chamado amostra. Os dados são coletados dessa amostra.

Exemplo 2: “numa pesquisa para saber a intenção de votos para presidente da república, foram ouvidas 400 pessoas...”

Esse grupo de 400 pessoas é uma amostra.

Cada pessoa ouvida nessa pesquisa é uma unidade estatística.

Cada informação numérica obtida nessa pesquisa é um dado estatístico.

Rol: É toda sequência de dados numéricos colocados em ordem não decrescente ou não crescente.

Exemplo 3: os 5 alunos de uma amostra apresentam as seguintes notas de matemática:

6; 4; 8; 7; 8

O rol desses resultados é : (4; 6; 7; 8; 8 ) ou (8; 8; 7; 6; 4 ).

Frequência absoluta: (F ) É o número de vezes que um determinado valor é observado na amostra.

Frequência total: É a soma de todas as frequências absolutas. ( Ft )

Frequência relativa: ( Fr )

F F
É o quociente Fr  ou Fr   100% .
Ft Ft

Exemplo 3: Numa turma foram registradas as idades de todos os 25 alunos. Qual a frequência absoluta e a frequência
relativa do número de alunos de 14 anos:

15 16 16 15 14
15 17 16 14 14
14 17 15 16 15
16 14 15 15 15
16 15 15 16 17

76
Solução;

Tabela de frequências:

Idade Frequência absoluta Frequência relativa(%)


14 5 (5/25).100% =20%
15 10 (10/25).100% =40%
16 7 (7/25).100% =28%
17 3 (3/25).100% =12%
Total 25 100%

Resposta: F = 5 e Fr = 20%

Medidas de Centralização:

(Média, Mediana, Moda)

Média Aritmética: Considere a seguinte situação:

A tabela abaixo mostra as notas de matemática de um aluno em um determinado ano:

1° Bimestre 3,5
2° Bimestre 7,5
3° Bimestre 9,0
4° Bimestre 6,0

A média aritmética dessas notas é dada por:

3,5  7,5  9  6 26
x   6,5
4 4
Obs.: Ter média 6,5 significa dizer que, apesar de ele ter obtido notas mais altas ou mais baixas em outros
bimestres, a soma das notas (26) é a mesma que ele alcançaria se tivesse obtido nota 6,5 em todos os
bimestres.

Média Ponderada: Considere a seguinte situação:

Cinco baldes contêm 4 litros de água cada um, três outros 2 litros de água, cada um e, ainda, dois outros
contém 5 litros de água, cada um. Se toda essa água fosse distribuída igualmente em cada um dos baldes, com
quantos litros ficaria cada um?

Solução:

A quantidade de litros que ficaria em cada balde é a média aritmética ponderada:

4l  5  2l  3  5l  .2
xp   3,6l
53 2

Ou seja, a quantidade, em litros, de água em cada balde é chamada de média ponderada dos valores 4 litros, 2
litros e 5 litros, com pesos 5; 3 e 2.

77
Generalizando:

Média Aritmética:

x1  x2  ...  xn
x
n
Média Aritmética Ponderada:

x1  p1  x 2  p 2  ...  x n  p n
xp 
p1  p 2  ...  p n

ou

 x .p i i
xp  i 1
n

p i 1
i

Mediana:
Considere a seguinte situação:

Os salários de 5 pessoas que trabalham em uma empresa são: $700,00 ; $800,00 ; $900,00 ; $1.000,00 e
$5.600,00. O salário médio dessas 5 pessoas é:

700  800  900  1000  5600


x  1.800
5

Parece lógico que, neste caso, a média aritmética não é a melhor medida de centralização para representar
esse conjunto de dados, pois a maioria dos salários é bem menor que $1.800,00. Em algumas situações a
mediana é um número mais representativo. A mediana é o termo central do rol. Logo, escrevendo o rol dos dados
numéricos dessa situação, temos:

(700; 800; 900; 1000; 5600)

Logo, o termo central desse rol é “900”. Então a mediana é igual a 900.

Se acrescentarmos à lista o salário de $1.000,00de outro funcionário, ficaríamos com um número par de dados
numéricos. Nesse caso, a mediana seria a média aritmética dos termos centrais:

(700; 800; 900; 1000; 1000; 5600)

Logo a mediana é dada por:

900  1000
mediana   950,00
2

Podemos interpretar esse resultado da seguinte maneira:

Metade dos funcionários ganha menos de $950,00 e a oura metade mais de $950,00.

Generalizando:
Se n é ímpar, a mediana é o termo central do rol.
Se n é par, a mediana é a média aritmética dos termos centrais do rol.

78
Moda: Voltemos ao exemplo 3, onde foram registradas as idades de 25 alunos de uma turma.

15 16 16 15 14
15 17 16 14 14
14 17 15 16 15
16 14 15 15 15
16 15 15 16 17

A idade de maior frequência é a de 15 anos. Por isso dizemos que a Moda dessa amostra é de 15 anos e
indicamos M o 15

Definição: Em uma amostra cujas frequências dos elementos não são todas iguais, chama-se moda, que se
indica por M o , todo elemento de maior frequência possível.

Exemplo 4

Na amostra (3; 4; 7; 3; 7; 9; 7) a moda é

Mo  7

Na amostra (9; 9; 5; 7; 10; 22; 1; 10)

Aqui temos duas modas M o  9 e

M o  10 (amostra bimodal)

Na amostra (1; 3; 5; 7; 9) não apresenta moda, pois todos os elementos tem a mesma frequência.

Medidas de Dispersão

Considere a seguinte situação:

Dois candidatos disputam uma única vaga em uma empresa. Foram realizados vários testes com esses dois
candidatos: Eduardo e Vicente. A tabela a seguir mostra os desempenhos dos dois candidatos nas provas a que
se submeteram:

Eduardo Vicente
Português 8,5 9,5
Matemática 9,5 9,0
Informática 8,0 8,5
Inglês 7,0 8,0
Economia 7,0 5,0

Note que as médias de Eduardo e Vicente são iguais:

8,5  9,5  8  7  7
Eduardo: xE   8,0
5

9,5  9  8,5  8  5
Vicente: xV   8,0
5

79
Os dois candidatos obtiveram a mesma média. Como proceder cientificamente para determinar qual dos dois
teve o melhor desempenho na avaliação?

A comparação entre os dois desempenhos pode ser feita através das seguintes medidas estatísticas:

I) Desvio absoluto médio (D.AM.) :

Determina o quanto cada nota está afastada da média. Essas diferenças são chamadas de desvio:

Eduardo:

8,5  8  9,5  8  8  8  7  8  7  8
D.AM.= =
5

= 0,8

Vicente:

9,5  8  9  8  8,5  8  8  8  5  8
D.AM.= =
5

= 1,2

Logo, as notas de Eduardo estão, em média, 0,8 acima ou abaixo da média, enquanto as notas de Vicente
estão, em média, 1,2 acima ou abaixo da média aritmética (8,0). Isso mostra que as notas de Eduardo são menos
dispersas que as notas de Vicente. Então: Eduardo merece a vaga.

II) Variância (  )
2

É uma outra medida estatística que indica o afastamento de uma amostra em relação a média aritmética.
Define-se Variância como a média aritmética dos quadrados dos desvios dos elementos da amostra:

Eduardo:

(8,5  8) 2  (9,5  8) 2  (8  8) 2  2(7  8) 2  2  0,9


2 
5

Vicente:

(9,5  8) 2  (9  8) 2  (8,5  8) 2  (8  8) 2  (5  8) 2
2 
5

 2  2,5

Logo, por esse processo, Eduardo também teve um desempenho mais regular.

III) Desvio Padrão (  ):

É a raiz quadrada da Variância.

Eduardo:

  0,9  0,94868

80
Vicente:

  2,5  1,58114

Logo, por esse processo, as notas de Eduardo são menos dispersas que as notas de Vicente.

Conclusão: Eduardo é sempre melhor que Vicente.

EXERCÍCIOS
A tabela abaixo apresenta a magnitude de alguns terremotos registrados no mundo, no século XXI.

ANO LOCAL MAGNITUDE


2008 BRASIL 5,2
2009 COSTA RICA 6,1
2010 HAITI 7,2
2005 PAQUISTÃO 7,6
2008 CHINA 7,9
2007 PERU 8,0
2001 PERU 8,4
2010 CHILE 8,8
OCEANO
2004 8,9
INDICO

1. A magnitude média dos terremotos ocorridos após 2006 foi:


a) 7,2
b) 7,3
c) 7,4
d) 7,5
e) 7,6

2. A mediana dessa distribuição é:

a) 7,2
b) 7,6
c) 7,9
d) 8,0
e) 8,4

3. A tabela mostra o número de acidentes com motos, em determinada cidade, no decorrer de 5 dias.

Nº de acidentes com motos


Segunda feira 6
Terça feira 3
Quarta feira 4
Quinta feira 2
Sexta feira ?

Na média, o número de acidentes por dia foi 4,4. Se tivesse ocorrido mais um acidente na 6.ª feira, a média
diária desses 5 dias teria sido de:

a) 4,5.
b) 4,6.
c) 4,7.
d) 4,8.
e) 4,9.

81
4. Suponha que certa Agência do Banco do Brasil tenha 25 funcionários, cujas idades, em anos, são as
seguintes:

24 - 24 - 24 - 25 - 25 - 30 - 32 - 32 - 32
35 - 36 - 36 - 40 - 40 - 40 - 40 - 46 - 48
48 - 50 - 54 - 54 - 60 - 60 - 65

A média das idades dos funcionários dessa Agência, em anos, é igual a:


a) 36
b) 38
c) 40
d) 42
e) 44

5. O total de filhos dos funcionários de uma empresa é:

0–2–3–4–1–2–3–0–2–3–1–3

A moda, a média e a mediana referente ao total de filhos dos funcionários dessa empresa são,
respectivamente.
a) 3, 2, 2.
b) 2, 3, 2.
c) 2, 2, 3.
d) 3, 2, 3.

6. Nos quatro primeiros dias úteis de uma semana o gerente de uma agência bancária atendeu 19, 15, 17 e
21 clientes. No quinto dia útil dessa semana esse gerente atendeu n clientes. Se a média do número diário
de clientes atendidos por esse gerente nos cinco dias úteis dessa semana foi 19, a mediana foi:

a) 19
b) 18
c) 20
d) 23
e) 21

7. A média semestral de um curso é dada pela média ponderada de três provas com peso igual a 1 na
primeira prova, peso 2 na segunda prova e peso 3 na terceira. Qual a média de um aluno que tirou 8,0 na
primeira, 6,5 na segunda e 9,0 na terceira?

a) 7,0
b) 8,0
c) 7,8
d) 8,4
e) 7,2

8. Mariana fez sete ligações de seu aparelho celular. Os tempos, em minutos, de cada ligação, estão
relacionados a seguir:

30; 15; 7; 20; 35; 25; 15

Sejam a, b e c, respectivamente, os tempos médio, modal e mediano do rol de tempos apresentado. É


correto afirmar que:
a) a < b < c
b) a < c < b
c) b < a < c
d) b < c < a
e) c < a < b

82
9. A tabela abaixo apresenta o resultado de uma pesquisa sobre o preço de venda do etanol em 30 postos
de abastecimento de São Paulo, em abril de 2011.

Preço (R$) Frequência


2,18 9
2,20 6
2,28 3
2,31 7
2,36 5
Total 30

Os valores, em reais, da moda e da mediana dos preços pesquisados são, respectivamente:


a) 2,18 e 2,24
b) 2,18 e 2,28
c) 2,24 e 2,28
d) 2,28 e 2,18
e) 2,36 e 2,26

10. O gráfico apresenta informações sobre o número médio de anos de estudo da população brasileira,
com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 2011, publicado pelo Instituto Brasileiro de
Geografia e Estatística (IBGE).

Com base nas informações do gráfico, é verdade que:

a) o número de homens com estudo é menor que o número de mulheres com estudo, nos anos de 2009 e 2011.
b) de 2009 para 2011 houve um aumento no número de homens com estudo.
c) em 2010, a média de anos de estudo das mulheres era de 7,4 anos.
d) em 2009, a média de anos de estudos das mulheres era de exatos 7 anos e 3 meses.
e) a média de anos de estudo das mulheres não ultrapassou a 5 meses a dos homens, nos anos de 2009 e
2011.

11. Em um vestibular o candidato realiza 3 provas, e o critério de aprovação é dado através da média e do
desvio padrão dessas. Se um candidato obteve nas provas: 58 pontos, 69 pontos e 74 pontos, então a
média e o desvio padrão aproximado das notas desse candidato são, respectivamente:

a) 67 e 44,66
b) 70 e 44,66
c) 67 e 6,68
d) 70 e 6,68

83
12. Um grupo é formado por 10 pessoas, cujas idades são: 17 19 19 20 20 20 21 22 22.

Seja µ a média aritmética das idades e seu desvio padrão. O número de pessoas desse grupo cujas
idades pertencem ao intervalo é:
(Considere = 1,7)

a) 9
b) 8
c) 7
d) 6
e) 5

13. Numa pesquisa de opinião, feita para verificar o nível de aprovação de um governante, foram
entrevistadas 1000 pessoas, que responderam sobre a administração da cidade, escolhendo uma – e
apenas uma – dentre as possíveis respostas: ótima, boa, regular, ruim e indiferente. O gráfico mostra o
resultado da pesquisa.

De acordo com o gráfico, pode-se afirmar que o percentual de pessoas que consideram a administração
ótima, regular ou boa é de:

a) 28%
b) 65%
c) 71%
d) 84%

ARRANJOS SIMPLES
Arranjo simples é o tipo de argumento sem repetição em que um grupo é diferente de outro pela ordem ou
pela natureza dos elementos componentes.

Exemplo: Quantos números de dois algarismos (elementos) distintos podem ser formados usando-se os
algarismos (elementos) 2, 3, 4 e 5?

84
Observe que os grupos (números ou elementos) obtidos diferem entre si:
 Pela ordem dos elementos (23 e 32, por exemplo);
 Pelos elementos componentes (natureza) (25 e 43, por exemplo).

Os grupos assim obtidos são denominados arranjos simples dos 4 elementos tomados 2 a 2,
indicadosA4,2.

Daí define-se:

Arranjos simples de n elementos tomados p e p são todos os agrupamentos sem repetição que é possível
formar com p(np) elementos diferentes escolhidos entre os n elementos de um conjunto dado.

Indica-se A ou APn.
n,p

UMA FÓRMULA IMPORTANTE

Calculando A = temos: A = 7 . 6 .5 .4
7,4 7,4

Multiplicando e dividindo por 3!, obtemos:

7.6.5.4.3! 7! 7!
= =
3! 3! ( 7  4 )!

Generalizando, temos: An. p = n(n  1)(n  2) ... (n  p + 1)

Multiplicando e dividindo por (n – p)!,obtemos:

( n  p )!
An. p = n(n – 1)(n – 2) ... (n – p + 1) .
( n  p )!

n!
An,p=
(n  p)!

Esta fórmula mostra que os arranjos dos n elementos tornados p a p podem ser escritos utilizando-se
fatoriais.

Vejamos alguns exemplos:

Exemplo 1: Calcular A
6,2

Exemplo 2: Quantos números de 3 algarismos podemos formar com os algarismos 1,2,3,4, 5 e 7, sem repeti-
los?

COMBINAÇÕES SIMPLES

Combinações simples é o tipo de agrupamento sem repetição em que um grupo é diferente de outro apenas
pela natureza dos elementos componentes.

Exemplo: Quantas comissões de 2 pessoas podem ser formadas com 2 alunos (A, B, C, D e E) de uma
classe?

85
Observe que os grupos AB e BA representam a mesma comissão. Os alunos A e B, não importa a ordem,
formam apenas uma comissão. Isto significa que uma mesma comissão foi contada duas vezes. Portanto, o total
de comissões é dez.

 20 
   10
 2 

Observemos que os grupos obtidos diferem entre si pelos elementos componentes (natureza), não
importando a ordem (posição) em que aparecem.

Os grupos assim obtidos são denominados combinações simples dos 5 elementos tomados 2 a 2.

Indica-se: Para calcularmos o número de combinações, basta calcular o número de arranjos e dividir o
resultado por 2 (20:2 = 10), que é o fatorial do número de elementos que compões cada comissão (2).

O número de combinações de n elementos de grupos de p elementos é igual ao número de arranjos de n


elementos tomados p a p, dividido por p!, isto é, C5,2.

Daí define-se:

Combinações simples de n elementos distintos tomados p a p (np) são todos os sub-conjuntos de p


elementos que é possível formar a partir de um conjunto com n elementos.

FÓRMULAS DAS COMBINAÇÕES SIMPLES

n!
An , p( n  p )! n!
C = = =
n,p p! p! p! ( n  p )!

n!
C n, p 
p! (n  p)!

86
Cn,p=> lê-se: combinação simples de n elementos tomados p a p.

Vejamos alguns exemplos:

Exemplo:

1: Quantas comissões constituídas de 3 pessoas podem ser formadas com 5 pessoas?

2: Sobre uma reta, marcam-se 8 pontos e sobre outra reta, paralela a primeira, marcam-se 5 pontos. Quantos
triângulos obteremos unindo 3 quaisquer desses pontos?

PERMUTAÇÕES SIMPLES

Permutação simples é o tipo de agrupamento ordenado, sem repetição, em que entram todos os elementos em
cada grupo.

Exemplo:

Quantos números de 3 algarismos distintos podem ser formados usando-se os algarismos (elementos) 2, 4 e 5?

RESP.: 245;254;425;452;524;542 = 6 números possíveis

Observe que os grupos (números) assim obtidos diferem um do outro apenas pela ordem dos elementos (245 e 254,
por exemplo).

Os grupos assim obtidos são denominados permutação simples dos 3 elementos tomados 3 a 3 e são
indicados P
3

Observe que a permutação simples é um caso particular de arranjo simples, isto é, A =P


3,3 3

FÓRMULA DAS PERMUTAÇÕES SIMPLES

Observe que os arranjos dos 3 elementos tomados 3 a 3 são as permutações dos 3 elementos, isto é:

A =P =3.2.1=6
3,3 3

Em geral temos:

A = n (n – 1)(n – 2) ... (n – p + 1)
n,p

P = n (n – 1)(n – 2) ... 1 = n!
n

Exemplo 1: Quantos números de 4 algarismos distintos podem ser formados, usando-se os algarismos 1,3,5 e
7?

Exemplo 2: Quantos anagramas tem a palavra MITO?

PERMUTAÇÃO COM ELEMENTOS REPETIDOS

Até agora estudamos permutação com elementos distintos. Vejamos o que acontece quando em uma
quantidade n de elementos houver uma quantidade de elementos repetidos.

Exemplo 1: consideremos a palavra CAMA.

87
Continuando com esse processo, obteríamos 24 palavras (P = 4!), 12 das quais repetidas (1 e 4 são iguais, 2
4
e 5 são iguais).

Cada palavra foi contada duas vezes, no caso de a palavra ter 2 letras (A e A) repetidas

Exemplo 2: Consideremos a palavra ABACATE:

Neste caso temos 3 letras repetidas. Elas podem ser permutadas 6 vezes (3!), fazendo com que cada palavra
seja repetida 6 vezes. Como o número de permutações possíveis é 120 (6!), o número total de palavras é 6
vezes menor, ou seja, 20 (120:6).

Conclusão: de acordo com o exposto, temos:

“o número de permutações possíveis com n elementos, dentre os quais um certo elemento se repete vezes,
é igual ao fatorial de n dividido pelo fatorial de !”

 n!
Pn 
!
PERMUTAÇÃO CIRCULARES:

O total de permutações distintas que n elementos tomados n a n, dispostos em forma circular será obtido
por: PC n  ( n  1)!

EXEMPLO:

1) De quantos modos um grupo de 5 pessoas podem?


a) Ocupar uma fila de 5 lugares.5.4.3.2.1 = 120 maneiras.
b) Ocupar uma mesa redonda de 5 lugares. (5-1)! = 4! 4.3.2.1 = 24 formas.

EXERCÍCIOS
1. Em uma loja, trabalham 8 funcionárias, dentre as quais Diana e Sandra. O gerente da loja precisa
escolher duas funcionárias para trabalharem no próximo feriado. Sandra e Diana trabalharam no último
feriado e, por isso, não podem ser escolhidas. Sendo assim, de quantos modos distintos esse gerente
poderá fazer a escolha?

a) 15
b) 28
c) 32
d) 45
e) 56

2. Num curso de pós-graduação, Marcos, Nélson, Osmar e Pedro são candidatos a representantes da
turma da qual fazem parte. Serão escolhidas duas dessas quatro pessoas: uma para representante e a
outra para ser o auxiliar desse representante. Quantas duplas diferentes de representante e auxiliar
podem ser formadas?

a) 24.
b) 18.
c) 16.
d) 12.
e) 6.

88
3. Ágata é decoradora e precisa atender o pedido de um excêntrico cliente. Ele – o cliente – exige que
uma das paredes do quarto de sua filha seja dividida em uma sequência de 5 listras horizontais pintadas
de cores diferentes, ou seja, uma de cada cor. Sabendo-se que Ágata possui apenas 8 cores disponíveis,
então o número de diferentes maneiras que a parede pode ser pintada é igual a:

a) 56
b) 5760
c) 6720
d) 3600
e) 4320

4. De quantas formas diferentes pode-se formar uma comissão composta por dois homens e duas
mulheres, num grupo de 10 homens e 23 mulheres?

a) 45540.
b) 11385.
c) 596.
d) 298.
e) 230.

5. Uma turma de 20 formandos é formada por 10 rapazes e 10 moças. A turma reúne-se para formar uma
comissão de formatura composta por 5 formandos. O número de diferentes comissões que podem ser
formadas, de modo que em cada comissão deve haver 3 rapazes e 2 moças, é igual a:

a) 2500
b) 5400
c) 5200
d) 5000
e) 5440

6. Com 7 livros diferentes e 5 revistas variadas, devem ser formados pacotes com 4 livros e 3 revistas.
Quantas são as possibilidades?

a) 12.
b) 35.
c) 350.
d) 420.
e) 50.400.

7. Um hortifrutigranjeiro quer comprar sementes de frutas e de hortaliças. Ele dispõe da opção de


compra de 5 tipos de frutas e 4 tipos de hortaliças. Se ele quiser escolher 3 tipos de frutas e 2 tipos de
hortaliças, o número de possibilidades que ele terá é igual a:

a) 60
b) 90
c) 120
d) 240
e) 350

8. Um grupo é formado por 7 pessoas, dentre as quais estão Lúcio e Pedro. De quantas maneiras
diferentes é possível escolher 4 pessoas desse grupo de forma que Lúcio e Pedro não façam parte,
simultaneamente, dos quatro selecionados?

a) 5
b) 10
c) 15
d) 20
e) 25

89
9. Entre 15 papiloscopistas da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) previamente selecionados, 8
homens e 7 mulheres, serão escolhidos 5, 3 homens e 2 mulheres, para proceder a estudo visando ao
aprimoramento do sistema de identificação de pessoas. Nesse caso, a quantidade de maneiras distintas
de se escolher esses 5 papiloscopistas é:

a) inferior a 800.
b) superior a 800 e inferior a 1.000.
c) superior a 1.000 e inferior a 1.200.
d) superior a 1.200 e inferior a 1.400.
e) superior a 1.400.

10. Em um setor de uma empresa, trabalham 3 geólogos e 4 engenheiros. Quantas comissões diferentes
de 3 pessoas podem ser formadas com, pelo menos, 1 geólogo?

a) 28
b) 31
c) 36
d) 45
e) 60

11. O departamento de vendas de imóveis de uma imobiliária tem 8 corretores, sendo 5 homens e 3
mulheres. Quantas equipes de vendas distintas podem ser formadas com 2 corretores, havendo em cada
equipe pelo menos uma mulher?

a) 15
b) 45
c) 31
d) 18
e) 25

12. Para preparar um sanduíche, uma pessoa dispõe de 3 tipos de carne, 4 tipos de queijo e 5 vegetais.
De quantas maneiras pode-se montar o sanduíche com 1 carne, 2 fatias de queijos iguais ou diferentes e
3 vegetais distintos?

a) 240.
b) 300.
c) 360.
d) 480.

13. Quantos são os anagramas da palavra ANANIAS?

a) 5040
b) 2160
c) 860
d) 540
e) 420

14. Quantos anagramas começando com vogal a palavra "CAIXA" possui?

a) 120
b) 60.
c) 36.
d) 30
e) 6

90
15. Quantos são os anagramas da palavra PETROBRAS que começam com as letras PE, nesta ordem?

a) 720 b) 2.520
c) 5.040 d) 362.880
e) 3.628.800

16. Cinco pessoas devem ficar em fila, sendo que duas delas (João e Maria) precisam ficar sempre
juntas. De quantas formas diferentes essas pessoas podem-se enfileirar?

a) 48 b) 50
c) 52 d) 54
e) 56

17. Quantos são os anagramas da palavra SAÚDE que sempre intercalam vogais e consoantes?

a) 36
b) 30
c) 24
d) 18
e) 12

18. A sigla de Assembleia Legislativa do Estado da Bahia é "ALBA". Embaralhando as letras de ALBA, o
número de sequências diferentes que podem ser formadas com essas mesmas 4 letras é:

a) 4 b) 6
c) 8 d) 10
e) 12

19. Uma reunião no Ministério da Fazenda será composta por seis pessoas, a Presidenta, o Vice-
Presidente e quatro Ministros. De quantas formas distintas essas seis pessoas podem se sentar em
torno de uma mesa redonda, de modo que a Presidenta e o Vice-Presidente fiquem juntos?

a) 96 b) 360
c) 120 d) 48
e) 24

20. De quantas maneiras distintas, 4 pessoas podem se sentar ao redor de uma mesa quadrada?

a) 4 b) 6
c) 10 d) 12
e) 16

21. Um shopping center tem 5 portas sociais de acesso ao público e 4 portas de serviço, de acesso
exclusivo dos funcionários. Dizemos que o shopping está aberto se, pelo menos, uma das portas sociais
estiver aberta. Dessa forma, quantas são as possibilidades de o shopping estar aberto ao público?

a) 25
b) 27
c) 30
d) 31
e) 45

22. Na comemoração de suas bodas de ouro, Sr. Manuel e D. Joaquina resolveram registrar o encontro
com seus familiares através de fotos. Uma delas sugerida pela família foi dos avós com seus 8 netos. Por
sugestão do fotógrafo, na organização para a foto, todos os netos deveriam ficar entre os seus avós. De
quantos modos distintos Sr. Manuel e D. Joaquina podem posar para essa foto com os seus netos?

a) 100 b) 800
c) 40.320 d) 80.640
e) 3.628.800

91