Você está na página 1de 62

Unidade II

PSICOLOGIA APLICADA
À ENFERMAGEM

Profa. Dra. Adriana Regina Marques


de Souza Pelissari
Os dois primeiros anos

 Meninos: maiores que as meninas.


 Ritmo de crescimento rápido.
 2 anos: metade da altura que terá ao
completar o desenvolvimento físico + –
18 anos.
Adolescência: crescimento rápido.
O estirão: primeiro para as meninas.
 A criança que começa a crescer mais
cedo não será maior.
 Os adolescentes têm dificuldade de se
adaptar às mudanças corporais.
Fatores que interferem no
crescimento físico

 Hereditariedade.
 Nutrição: má nutrição prolongada.
 Saúde: doenças.
 Equilíbrio hormonal: funcionamento
inadequado da hipófise e da tireoide.
 Estados emocionais.
Ambiente – cheio de tensão – estresse –
menor produção de hormônios.
 O desenvolvimento é um processo de
maturação dos fatores genéticos.
 O desenvolvimento normal – comparado
à idade – normas gerais.
Desenvolvimento cognitivo

Ao nascer:
 atos sem objetivo transformam-se em
habilidades;
 toma consciência de si mesmo, dos seus
sentimentos e das pessoas que o
cercam.
Dois anos apto:
 a falar;
 a se envolver em diferentes tipos de
atividades grupais;
 desenvolvimento humano: um processo
de vir a ser;
 sujeito x objeto.
Desenvolvimento cognitivo

A tarefa principal dos dois primeiros anos


de vida é a descoberta do mundo físico.
 Estudá-lo desde o início da vida.
 O processo da aprendizagem do
conhecimento inicia-se com a percepção.
Percepção: processo em que os estímulos
são unificados e codificados de acordo com
os esquemas mentais e a experiência
passada de cada pessoa.
Desenvolvimento cognitivo

 Capacidade inata de responder aos


estímulos.
 Reflexos: inato – sucção, audição,
preensão.
 Ação: adquiridas – saber fazer.
 Não possui a noção homogênea.
 Não possui a noção de objeto
permanente.
Desenvolvimento cognitivo

5o mês: interessa-se pelas relações – ação e


resultados – fazer para ver.
4 e 8 meses: intencionalidade – relações
causais – busca de novidades.
8 e 12 meses: atos complexos e inteligentes
– inicia ação e seleciona os meios para
alcançá-los.
Começa a imitar um comportamento.
 Começa a procurar os objetos: quando
eles saem.
Noção de tempo: compreender o antes e o
depois – ligados à atividade.
 12 meses: noção de objeto permanente e
de espaço contínuo.
 Construções mentais.
 18 meses: começa a mostrar
ressentimentos (consciência de sua
habilidade de controlar o que acontece) e
noção de objeto permanente.
 Noção antes e depois: desligada do
ambiente imediato.
Processos de construção das
noções de objeto, espaço, tempo e
causalidade
 Recém-nascimento: reflexos – sucção,
visão, audição e preensão.
Interatividade

Alguns fatores interferem no


desenvolvimento físico das crianças de 0 a
2 anos. A partir dessa afirmativa, assinale a
alternativa que corresponde a esses fatores.
I. Nutrição.
II. Meio ambiente.
III. Experiências.
IV.Hereditariedade.
a) Apenas I e II.
b) Apenas II e III.
c) Apenas I, II e III.
d) Apenas I, II e IV.
e) Somente a alternativa IV.
Resposta

 Alternativa “d”.
Desenvolvimento emocional

Construção da noção do eu.


 Eu: corporal – ser individual.
 Diferencia as sensações: conforto e
desconforto – presença e falta do adulto.
 Confiança básica.
 Apego.
 Confiança básica x desconfiança.
Desenvolvimento social

Interação com adultos:


 0-2 meses: sorri – mãe e pai.
 3 meses: deixa de chorar e faz
movimentos quando alguém se aproxima.
 5-7 meses: distingue pessoas estranhas.
 6-8 meses: aumenta as brincadeiras –
esconde-esconde.
 9 meses: aumenta a complexidade.
 1 ano: presta atenção quando outro bebê
chora.
 2 anos: atividades lúdicas interativas
(crianças reunidas brincando separadas).
Desenvolvimento da criança de dois
a seis anos de idade

 Criança mais ativa: descobrimento do


tipo de pessoa que poderá vir a ser.
 O mundo: mundo da mágica, mundo do
faz de contas – imaginação e fantasia.
Atividades lúdicas

 Atividades lúdicas: reconhecimento das


diferenças corporais das meninas e dos
meninos – força, aptidão e capacidade.
 Faz de conta: ensinará o papel social da
criança.
Na esfera intelectual

 Simbolismo: manipulação das ideias, faz


de conta, vazão dos desejos, temores,
esperanças e impulsos.
 Faz de conta: conviver com o mundo e as
pessoas de maneira divertida e
agradável.
Aquisição da linguagem

 Transmissão: pensamento, sentimento e


emoções.
 Lidar com o meio de novas maneiras.
 Fatores que influenciam o
desenvolvimento da linguagem.
1. Três teorias sobre a aquisição da
linguagem: a teoria estímulo – resposta
da aprendizagem social e do mecanismo
inato.
2. A linguagem é adquirida por um
processo de observação e imitação do
comportamento dos adultos.
3. Os teóricos que defendem a terceira
posição são chamados de inatistas,
Fatores que influenciam o
desenvolvimento da linguagem

 Fatores biológicos: a linguagem se


desenvolve em uma sequência
semelhante para todas as crianças – o
desenvolvimento da linguagem está
relacionado com o marco motor –
maturação.
Os bebês de diferentes culturas começam a
falar emitindo sons semelhantes.
 Fator: ambiente cultural influencia a
qualidade e a quantidade da fala.
Interatividade

Durante o desenvolvimento social das


crianças de 0 a 2 anos, qual das alternativas
abaixo evidencia a vivência delas,
socialmente, no período de 5 a 7 meses?
a) Começa a sorrir para os pais.
b) Transmite, verbalmente, pensamentos e
sentimentos.
c) Vive e compreende um mundo de magia e
faz de conta.
d) Diferencia as sensações de conforto e
desconforto.
e) Distingue pessoas estranhas.
Resposta

 Alternativa correta “e”.


Características iniciais da fala

 1o ano: sons idênticos.


 Mesmo conjunto de palavras para
significados diferentes.
 18 meses: fala limitada, pouco mais de 50
palavras – compreende a fala do adulto.
 20 meses: aparecimento das sentenças,
aumento do número de palavras.
 3 anos: produção verbal da criança é
semelhante à linguagem coloquial do
adulto.
Desenvolvimento cognitivo

 Função simbólica.
Primeiros conceitos:
 Representação: objetos, pessoas e
situações.
 Curiosidade intelectual.
Três características do raciocínio

1. Egocentrismo.
2. Animismo.
3. Irreversibilidade.
Desenvolvimento emocional

 Sensações: sentimentos e características


como suas.
 Consciência de si mesmo.
 Autoidentidade.
 Não separa o real do imaginário.
 Não separa o interior do exterior.
 Descoberta de seus atributos como
pessoa.
Gênese da consciência moral

 Internalização de proibições.
 Bem e mal.
 Medo da punição.
 Respeito à autoridade.
Autonomia x independência

 Tipificação sexual.
 Papel social ligado ao sexo, ao
comportamento do homem e da mulher.
Desenvolvimento social

 Experiência concreta com os papéis


sociais.
 Jogos dramáticos.
 Companheiros imaginários.
Interação com companheiros

 2-4 anos: jogos paralelos.


 Fase intermediária de socialização.
 A criança passa a participar de grupos de
crianças mais velhas.
 Em jogos de regras, ela é sempre
vencedora: regras sagradas e intocáveis.
 5 anos: brincadeira ou jogos interativos –
regras comuns e respeitadas.
6 – 12 anos

Crescimento mais lento.


Nutrição e dentição:
 bom apetite;
 cuidados com os dentes: dentes de leite
começam a cair.
Obesidade, risco cardíaco e imagem
corporal:
 crianças obesas costumam sofrer
emocionalmente por causa da rejeição
dos amigos;
 colesterol: fator de risco.
Abordagem piagentiana: a criança
operatória concreta.
 Realizar as tarefas de níveis mais
elevados: as crianças compreendem
melhor as relações de:
 espaço;
 causalidade;
 categoria ou classificação: inclusão de
classes.
Linguagem e capacidade de ler e escrever.
Vocabulário, gramática e sintaxe:
 Utilização de verbos para descrever uma
ação.
 Faz comparações e metáforas: figura de
linguagem.
 Compreensão das regras de linguagem.
Pragmática: uso da linguagem para se
comunicar.
Capacidade de ler e escrever

 Ler: aperfeiçoamento.
 Metacognição: consciência do que está
ocorrendo na própria mente – ajuda no
desenvolvimento de estratégias de
aprendizagem.
 Escrita: à medida que a criança consegue
traduzir a palavra escrita em fala (leitura),
também aprende que pode inverter o
processo (escrita).
 Desenvolvimento do eu: percepção de si
mesmo.
 Julgamento sobre si mesmo: mais
realistas, equilibrados, abrangentes e
expressando-se de maneira mais
consciente.
 Autoestima: avaliação que faz de si.
 A criança precisa adquirir as habilidades
valorizadas em sua sociedade para
perceber seu valor.
Desenvolvimento emocional: vergonha e
orgulho.
Consciência de seus sentimentos
e dos sentimentos dos outros.
A criança no grupo de amigos

 Os grupos de amigos se revelam: mesma


rua, mesma escola, condições
socioeconômicas etc.
 Idades semelhantes.
 Crianças do mesmo sexo: interesses
comuns.
Efeitos positivos e negativos das
relações com amigos

 Desenvolvimento de habilidades,
motivação e senso de identidade.
 Habilidades de liderança, comunicação,
cooperação, de papéis e regras.
 Põem à prova os valores.
 Efeitos negativos: reforçar o preconceito.
 Popularidade: opinião do grupo de
amigos sobre uma criança.
 Amizade: via de duas mãos. As amizades
mais sólidas envolvem igual
comprometimento e cooperação mútua.
 O conceito que as crianças têm de
amizade e sua forma de agir com os
amigos muda com a idade, refletindo os
desenvolvimentos cognitivo e emocional.
Interatividade

Dos 6-12 anos, muitos são os efeitos


positivos e negativos nas relações com os
amigos. Com isso, assinale a alternativa que
corresponde a um efeito negativo.
a) Põe à prova os valores.
b) Desenvolvimento de habilidades.
c) Reforça os preconceitos.
d) Desenvolve a habilidade de liderança.
e) Desenvolve senso de identidade.
Resposta

 Alternativa correta “c”.


Adolescência

 Adolescência: transição da infância para


a fase adulta.
 “ Sala de espera” do mundo adulto.
 Atualmente, a inserção no mundo do
trabalho e as responsabilidades
financeiras são maiores entre
adolescentes moradores do meio rural e
de níveis socioeconômicos mais baixos.
 Exigências no mercado de trabalho.
 Exigências na capacitação profissional.
 Formação de características da
personalidade.
Puberdade

 A palavra “puberdade” (do latim


pubertate), isto é, “idade viril” e do verbo
pubescere, que significa “cobrir-se de
pelo na região púbica” é usada, em geral,
para assinalar o início da adolescência,
referindo-se especificamente às
mudanças corporais.
 A mudança da adolescência pode ser
lenta ou rápida.
 Período decisivo do ciclo vital.
As teorias e a adolescência

 W. Stanley Hall (1844-1924), um dos


primeiros pesquisadores da
adolescência, chama esse período – que,
para ele, compreende dos 12 ou 13 anos
até os 22 ou 24 anos – de “segundo
nascimento”, pois é nesse período que
se manifestam os traços mais
desenvolvidos e essenciais do ser
humano.
Anna Freud

Adolescente – egoísta.
 Em seus trabalhos, Anna Freud mostra
com clareza a vida flutuante do
adolescente, caracterizada pelos opostos
e oscilando entre tendências que se
contrapõem.
 Exaltação: indiferença.
 Atividade: passividade.
 Egoísmo: generosidade.
 Apego material: espiritualismo e
altruísmo.
 Apego ao material: espiritualismo
desprendido.
 Solidão e isolamento: agrupamento.
 Submissão cega: rebeldia.
 Otimismo: pessimismo.
 Ascetismo: descontrole afetivo,
hedonismo.
O adolescente apresenta três tipos de luto:
 luto pelo corpo infantil;
 luto pela identidade e pelo papel infantil;
 luto pelos pais da infância.
Tese de Knobel

 Síndrome normal da adolescência:


desequilíbrio e instabilidades. Instalação
de uma “patologia” normal.
Alguns sintomas

 Procura de si mesmo.
 Tendência grupal (fuga da uniformização).
 Necessidade de fantasiar e intextualizar.
 Desorientação temporal.
 Tendência à ação.
 Separação progressiva dos pais.
 Flutuação do humor e do estado de ânimo.
 Rebeldia juvenil.
Para Erik H. Ekison

 O sentido da identidade que leva à


adoção de decisões que lhe permitirão
inserir-se no mundo adulto.
 Para Romano Guardini:
Há a crise do amadurecimento ou da
puberdade entre os níveis vitais infantil e
juvenil, causada por dois impulsos básicos:
 a afirmação individual de si mesmo;
 a tendência sexual.
A adolescência é dividida em três
fases

 Adolescência inicial: baixa adolescência.


Outro sexo percebido como perigoso.
 Relacionamento em maior grau em
indivíduos do mesmo sexo (pares).
 Família: centro da vida. Começa a se
desprender.
 Adolescência média: 12-13 aos 16 anos.
 Construção da identidade sexual
definitiva.
A adolescência é dividida em três
fases

 Desenvolvimento da identidade pessoal.


 Preferência pelo sexo oposto.
 Formação de grupos heterossexuais de
amigos.
 Rebeldia.
 Plano afetivo.
 Adolescência final: 16-18 anos.
 Consolidação x relacionamento.
 Limites.
 Decisão vocacional.
Interatividade

O adolescente apresenta tipos de luto.


Assinale a alternativa que corresponde a
esses tipos de luto.
I. Luto pelo corpo infantil.
II. Luto pela alegria da infância.
III. Luto pelos pais da infância.
IV.Luto pelos irmãos da infância.
a) I e II
b) II e III
c) III e IV
d) I e III
e) II e IV
Resposta

 Alternativa correta “d”.


ATÉ A PRÓXIMA!

Você também pode gostar