Você está na página 1de 8

INTERVENÇÃO DE TERCEIROS

(Arts. 119 ao 138)


- Parte I -

CONCEITOS
Intervenção de terceiro
Terceiro

FUNDAMENTO
- Interesse jurídico
- Vínculo direto ou indireto com a relação jurídica
discutida
ESPÉCIES

Modalidade interventiva Palavras-chave / Fundamentos


Assistência Interesse jurídico
Chamamento ao
Solidariedade passiva ou fiança
processo
Denunciação da lide Direito de regresso ou garantia
Relevância da matéria,
Amicus curiae especificidade da matéria ou
repercussão social
Desconsideração da Responsabilidade patrimonial do
personalidade jurídica sócio ou da pessoa jurídica

ASSISTÊNCIA - arts. 119 ao 124


CONCEITO
Intervenção espontânea para auxiliar uma das partes.

CABIMENTO
Possibilidade de imposição de prejuízos a terceiro na
hipótese de sucumbência do assistido

PROCEDIMENTO (arts. 119/120)


- Requerimento do terceiro;
- Intimação das partes para manifestação em 15 dias;
- Havendo impugnação, decisão judicial.
Obs: não suspende o processo.
Em instâncias recursais: recurso de terceiro
prejudicado.
CLASSIFICAÇÃO: simples ou litisconsorcial

Assistência simples (adesiva) - arts. 121/123


- Interesse jurídico indireto;
- Terceiro possui relação somente com o assistido;
- Terceiro não é o titular do direito discutido, mas pode
ser prejudicado;
- Atuação do terceiro auxiliar e subordinada ao do
assistido (art. 122): assistido pode reconhecer
procedência do pedido, desistir da ação, ...
Exemplos: sublocatário em ação de despejo, seguradora
do réu em ação indenizatória

Assistência litisconsorcial - art. 124


- Interesse jurídico imediato;
- Terceiro mantém relação jurídica com parte adversa;
- Hipótese de litisconsórcio ulterior (tratado como
parte)
Exemplos: substituído processual (co-legitimado),
sócio em ação de dissolução da sociedade.

RITOS QUE ADMITEM ASSISTÊNCIA


Todos os procedimentos, inclusive execução.
PODERES DO ASSISTENTE
Poderes e ônus idênticos ao do assistido.
Direito de ser intimado e de se manifestar.
Assistente simples: atuação subordinada ao do
assistido.
- reconhecimento de procedência;
- desistência;
- transação;
- produção de provas.
Sendo revel o assistido, o assistente atuará como
substituto processual.
Assistente litisconsorcial: não há qualquer
subordinação.

EFEITOS DA SENTENÇA

Assistente litisconsorcial
Atingido diretamente, independentemente de outra
demanda.

Assistente simples (art. 123)


Não é atingido diretamente, mas, em processo
posterior, não poderá discutir “justiça da decisão”,
exceto se foi impedido de produzir provas ou
desconhecia alegações e provas que o assistido por
dolo ou culpa não se valeu.
DENUNCIAÇÃO DA LIDE - arts 125/129

Intervenção provocada.
Natureza jurídica de ação (ação incidental).
denunciante X litisdenunciado

HIPÓTESES - art. 125

Rol taxativo.
I - Ao evictor (evicção), em ação de reivindicação
II - Direito de regresso, fundado em lei ou contrato

PROCEDIMENTO

Pelo autor: na inicial (art. 127).


Ação principal: autor X réu
Ação incidental: autor X litisdenunciado

Pelo réu: no prazo da contestação (art. 128).


Ação principal: autor X réu
Ação incidental: réu X litisdenunciado
CARACTERÍSTICAS
Incidental
Regressiva
Eventual: análise depende do resultado da ação
principal
Antecipada
Típica do processo de conhecimento

FACULTATIVA
art. 125 - “admissível”;
art. 125, §1º - ação autônoma quando não
promovida a denunciação.

DENUNCIAÇÃO SUCESSIVA E PER SALTUM

- Sucessiva: admitida apenas uma (125, §2º).

- “Per Saltum
Revogação do artigo 456 do CC.
CPC, art. 125, I
Vedação à denunciação per saltum.
CHAMAMENTO AO PROCESSO - arts. 130/132

Forma de intervenção provocada pelo réu.

HIPÓTESES
Solidariedade
Fiança

PROCEDIMENTO
Na própria contestação.
Litisconsórcio passivo.

DISTINÇÕES COM A DENUNCIAÇÃO

CHAMAMENTO DENUNCIAÇÃO
Feita somente pelo réu Autor ou réu
Somente solidariedade e fiança Direito de regresso
Relação entre autor e chamado Inexistência de relação do
autor com o denunciado
Chamado deve ao autor Denunciado deve ao
denunciante
ADMISSIBILIDADE
Somente processo de conhecimento.
Obs: CDC veda (art. 88), exceto em face de
seguradora (art. 101, II). Pela sistemática do CPC
seria hipótese de denunciação.